Você está na página 1de 65

Universidade Estadual Paulista – UNESP

Faculdade de Ciências Agronômicas – FCA /


Departamento de Produção Vegetal
Setor Defesa Fitossanitária

SERINGUEIRA:

MANEJO DE DOENÇAS DO SERINGAL

Edson L. Furtado; Karoline Dória; Juan Fernan Sierra Hayer

elfurtado@fca.unesp.br
Cx. P. 237, CEP 18603-970, Botucatu-SP
DIAGNOSE

PRIMEIRO PASSO DO MANEJO


DE DOENÇAS
Doenças por fase do cultivo

• Semeadura
• Sementeira e repicagem
• Formação dos cavalinhos
• Enxertia
• Plantio
• Explotação
Semeadura
Repicagem
Doenças por fase do cultivo
• Semeadura e repicagem
Colletotrichum
Fusarium
Lassiodiplodia
Phomopsis
Formação dos cavalinhos
Doenças por fase do cultivo
• Formação dos cavalinhos
Colletotrichum
Fusarium (via solo)
Lassiodiplodia
Phomopsis
Microcyclus ulei
Nematóides (via solo)
Enxertia
Doenças por fase do cultivo
• Enxertia
Colletotrichum
Lassiodiplodia
Phomopsis
Condução do enxerto
Seleção das mudas para plantio
Doenças por fase do cultivo
• Condução do enxerto e seleção de mudas
Colletotrichum
Alternaria
Microcyclus
Jardim Clonal
• Plantio adensado 1 x 1 m entre plantas;
• Mesmos problemas de implantação do seringal
definitivo:
1)Abióticas (escaldadura, afogamento do coleto)
2)Bióticas: podridões e seca de toco ramos por
podas;
Doenças foliares diversas, dependendo da região
do país e do período do ano
Pode disseminar patógenos para outras áreas!
Plantio definitivo
Doenças por fase do cultivo
• Plantio
Escaldadura, afogamento da cicatriz do
enxerto, plantas daninhas e microclima
Lassiodiplodia (na base da planta)
Phomopsis (seca do ponteiro)
Colletotrichum (folhas e seca do ponteiro)
Microcyclus (folhas, irrigação ou
proximidade com viveiros e jardim clonal)
Condução
Fechamento da copa
Doenças por fase do cultivo
• Fechamento da copa
Lesões no tronco (chuva de pedra, vento,
maquinário e maldade)
Lassiodiplodia (na base da planta)
Phomopsis (seca do ponteiro)
Colletotrichum (folhas e seca do ponteiro)
Oídio
Microcyclus (folhas, irrigação ou proximidade com
viveiros e jardim clonal)
Chuva de pedra
Vento unidirecional
Preparo para a sangria
Fenologia da seringueira
x
parâmetros climáticos

• Parâmetros climáticos que influenciam a


fenologia:
1. Precipitação
2. Temperatura
3. Fotoperíodo
4. Pragas
5. Doenças
entrecasca
câmbio

células vaso

raio medular
Doenças por fase do cultivo
• sangria
Lesões no tronco (chuva de pedra, vento,
maquinário e faca de sangria)

Anteriores + fungos do painel:


Colletotrichum
Ceratocystis
Fusarium
Lassiodiplodia
Patógenos foliares de seringueira, observados nas principais regiões 
climáticas brasileiras.
────────────────────────────────────────────
Regiões
Patógenos AM2 ‐ AM3 ‐ AM4 –A ‐ A1 – B ‐ B1 
────────────────────────────────────────────
Colletotrichum gloeosporioides +            +        ‐ ++  ++     +    + 
Microcyclus ulei +++          +++    +       +  +     ++  ++
Phytophthora spp. (Requeima)           ‐ ‐ ‐ ‐ ‐ ‐ ++*
Tanatephorus cucumeris +++        +++        ‐ ‐ ‐ ‐ ‐
Phyllachora huberi +++        +++       ‐ + ? +? ‐ ‐
Oidium heveae ‐ ‐ ‐ ++    +      ‐ +
────────────────────────────────────────────
───────
‐ Ausência; + poucos sintomas (endêmico), ++(epidemias pouco frequentes); 
+++ (epidemias frequentes). *Sul da Bahia.
Patógenos do painel e do tronco da seringueira, observados nas principais
regiões climáticas brasileiras.
───────────────────────────────────────────
Regiões
Patógenos AM2 ‐ AM3 ‐ AM4 –A ‐ A1 – B ‐ B1 
───────────────────────────────────────────
Colletotrichum gloeosporioides ‐ ‐ ‐ ++  ++     +    + 
Phytophthora spp. (Cancro)              ‐ ‐ +       ‐ +       ‐ ++*
Ceratocystis fimbriata + +       ‐ ‐ ‐ +   ++
Fusarium spp.                                       +          +       ‐ +      +    ++  ++  
───────────────────────────────────────────
‐ Ausência; + poucos sintomas (endêmico), ++(epidemias pouco 
frequentes); +++ (epidemias frequentes). *litoral da Bahia.
ZONEAMENTO CLIMÁTICO
Atualização taxonômica dos
patógenos foliares
Antracnose em folhas e hastes

Silveira et al. 1989
Mirassolandia

Furtado, 2009
ANTRACNOSE

• SINTOMAS
ANTRACNOSE

• DANOS
Espécies

Figura 2: Dendrograma filogenético dos 9 isolados de seringueira ilustrando a distância 
derivada das seqüências das regiões ITS‐5.8S rDNA. O número nas ramificações 
representa o valor de 1000 “bootstrap”. 
Oídio Agente causal:
Oidium heveae

Fase sexuada:
Erysiphe alphitoides
Quercus

Furtado et al. 1992


Molecular phylogenetic and
morphological analyses of Oidium
heveae, a powdery
mildew of rubber tree
FULL PAPER
Saranya Limkaisang · Sawanee Kom-un · Edson Luiz Furtado · Kon Wui Liew ·
Baharuddin Salleh · Yukio Sato · Susumu Takamatsu
Received: Accepted:
_________________________________________
S. Limkaisang · S. Kom-un · S. Takamatsu (Corresponding author)
Faculty of Bioresources, Mie University, 1515 Kamihama, Tsu, Mie 514-8507, Japan
Tel. +81-59-2319497; Fax. +81-59-2319540
E-mail: takamatu@bio.mie-u.ac.jp
E.L. Furtado
Dept. of Producão Vegetal/FCA-UNESP, PO box 237, 18603-970, Botucatu/SP, Brazil
K.W. Liew · B. Salleh
School of Biological Sciences, Universiti Sains Malaysia, Penang 11800, Malaysia
Y. Sato
Toyama Prefectural University, Kosugi-Cho, Toyama 939-0398, Japan

LIMKAISANG, Saranya ; KOM-UN, Sawanee ; FURTADO, E. L. ; LIEW, Kon Wui ; SALLEH, Baharuddin ; SATO,
Yukio ; TAKAMATSU, Susumu . Molecular phylogenetic and morphological analyses of Oidium heveae, a powdery
mildew of rubber tree. Mycoscience, v. 46, p. 220-226, 2005.
NEMATÓIDES
Meloidoginose em Seringueira

„ SINTOMAS

- Morte descendente das plantas (secamento dos ramos


mais altos, redução da copa, morte, da planta.

- Associação com o fungo


Lasiodiplodia theobromae
Sintomas primários
Ciclo de vida
Reação de alguns porta-enxertos a Meloidogyne spp.
Clone M.exigua M. javanica M. incógnita raça 2 M. incógnita raça 3
RRIM 600 S R MS S
RRIM 511 R S

RRIM 527 R

RRIM 701 R R S

IAN 873 S R MS S
IAN 3087 R

PB 217 R

PB 235 S R

PB 5/63 R R S

FX 25 R

GT 1 R

S = Suscetível; R = Resistente; MS = Moderadamente suscetível.


Fonte: Lordello ET al. (1994); Lordello ET al. (1997); Fonseca ET al. (1998); Fonseca & Jaehn (1998)
Patógenos: Lassiodiplodia theobromae;
Phomopsis, Erytricium salmonicolor
Seca fisiológica ou patológica?
Agentes causais
• Fusarium sp.
• Fusarium moniliforme
• Fusarium solani

Solo? Faca de
sangria? Stress?

Controle?
Sintomas finais da fusariose:

Deformações no tronco
Agradecimentos

• Dr. Paulo Brito e organizadores do evento


• Aos participantes do II Encontro Técnico
de Heveicultura de Barretos

Você também pode gostar