Você está na página 1de 45

FACULDADE REGIONAL DE FILOSOFIA CIÊNCIA E LETRAS DE

CANDEIAS

GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO GRADUANDO (A):


IVANI LIMA FERREIRA

CANDEIAS/BAHIA

2019.
IVANI LIMA FERREIRA

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I

Relatório do Estágio Obrigatório do 5º semestre do Curso


de Licenciatura em Pedagogia apresentado à Faculdade
Regional de Filosofia e Letras de Candeias-FAC, como
requisito parcial para a obtenção da aprovação na
disciplina Estágio Obrigatório I.
Orientador Professor: Antônio Caíque Carvalho Silva

CANDEIAS/BAHIA

2019
Dedico este trabalho de conclusão da graduação
primeiramente a DEUS, aos meus pais, filhos, esposo e
amigos que de muitas formas me incentivaram e ajudaram
para que fosse possível a concretização deste trabalho.
AGRADECIMENTOS

Agradeço a todos aqueles que contribuíram para o termo desse trabalho de conclusão de
curso.

Acima de tudo, agradeço a DEUS que me dá forças para levantar todos os dias e seguir uma
rotina de trabalho, estudo, família, filho, esposo, dificuldades, desafios e passar por cima de
tudo que surge no caminho.

Agradeço aos professores, alunos, parceiros de caminhada, aqueles que sofreram e que
sorriram comigo, aqueles que no meu desespero me disseram algo que me fizeram seguir em
frente, os que me fizeram acreditar e me encorajaram.

Muito obrigado.
RESUMO

Além de consolidar a relação teórica e prática, o estágio supervisionado possibilita novos


olhares acerca da futura profissão do estagiário ao compreender e sentir na prática de
intervenção os desafios e possibilidades de sua atuação. Portanto, é de suma importância a
realização do estágio supervisionado nos cursos de graduação, devendo ser realizado com
respaldo teórico para que haja reflexão acerca deste momento, antes, durante e após sua
realização. O presente estudo refere-se a uma parte da síntese reflexiva desenvolvida por meio
da realização do Estágio Supervisionado nas Séries Iniciais do curso de Pedagogia Diante
disso, adequamos sugeridas proposta que culminaram na intervenção em sala de aula, na qual
nos induziu a reflexibilidade para assim, construir saberes, conhecimentos, aprendizagens a
partir das observações desenvolvidas e dos desafios encontrados. Por conseguinte, buscamos
dimensionar reflexões das experiências vivenciadas no chão da escola e articulá-las com os
conhecimentos acadêmicos, de modo a fundamentar os eixos formativos do estágio
supervisionado, uma parceria entre teoria e prática. O perfil profissional desejado pelo curso
de Pedagogia referencia o graduando qualidades de compreensão do seu valor enquanto
formador, e do entendimento da escola enquanto espaço de vida e relações sociais formativas,
acreditamos estarmos no caminho certo, dentro de um contexto de adaptação às exigências
que não param de surgir, e como todo ator do processo educativo, ser capaz de acompanhar a
dinâmica das forças que evidentemente fazem parte da nossa práxis, pois não somos
independentes das nuances econômicas, políticas, tão pouco sociais. Finalizamos que o
estágio supervisionado é indispensável para a formação dos professores quando é realizado de
maneira organizada, planejada e o licenciando é comprometido com a prática de ensino.

Palavras-chave: Estágio Supervisionado. Formação Docente. Pedagogia.


ABSTRACT

This study aimed to reflect as experienced by a pedagogical education student and had an
observation role during the supervised internship of some professionals in the daily routine of
teaching as practical classes. Methodology This study is presented as a qualitative nature of
the exploratory character. This study on supervised internship was very relevant in the context
of the use of classes taught in schools, by which services provided during the performance of
future professionals to discuss and emphasize the five axes along with cross-cutting themes in
an interdisciplinary manner. Therefore, it offers proposals that culminate in classroom
intervention, which induce reflexivity to build sabers, knowledge, learning from the applied
applications and the challenges encountered. By considering, we seek to dimension reflections
of the experiences lived on the school floor and articulate with the academics, in order to
substantiate the formative axes of the supervised internship, a partnership between theory and
practice. The professional profile desired by the Pedagogy course, reference or graduation of
understanding skills of its value as a trainer, and the understanding of the school, while the
living space and the formative social relations, we believe we are on the right track, within a
context. Of execution for those Who are not parameters, such as executing the whole
educacional process, being able to follow the skills of the forces that are evidently part of our
praxis, because we are not independent of the economic, political, less social nuances. We
conclude that supervised internship is indispensable for teacher training when performed in an
organized, planned and licensed manner is committed to teaching practice.

Keyboards: Supervised Internship. Teacher training. Pedagogy.


Sumário
1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................................... 8
2.0 ESTUDO DE ARTIGOS ................................................................................................. 10
ARTIGO I: LÚDICO NO CONTEXTO DE ENSINAR ........................................................ 10
ARTIGO II: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO
INFANTIL: CRECHE E PRÉ-ESCOLA ............................................................................. 11
3 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA ........................................................................................ 13
4 ANÁLISE DA BNCC .......................................................................................................... 15
5 CARACTERÍSTICA DA INSTITUIÇÃO E DA COMUNIDADE LOCAL ................. 17
5.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA ESCOLA ...................................................................... 18
6 ANÁLISE DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO ....................................................... 19
Visão ................................................................................................................................. 21
6.1 ORGANOGRAMA DA UNIDADE ESCOLAR .......................................................... 23
7.0 ANÁLISE DA ENTREVISTA COM O PROFESSOR REGENTE ................................. 24
08- ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO ................................................................................. 25
09-ANÁLISE DO PLANO DE AULA DO PROFESSOR REGENTE ................................... 26
9.1 SÍNTESE DE OBSERVAÇÃO ................................................................................... 26
9.1 SÍNTESE DO RELATÓRIO COPARTICIPAÇÃO ............................................ 26
14.0 SÍNTESE DO PLANEJAMENTO- AC .......................................................................... 29
15.0 PLANEJAMENTO DAS AULAS PARA REGÊNCIA ................................................ 29
15. APRESENTAÇÃO DO PROJETO AO PROFESSOR REGENTE .................................. 36
16 CONSIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................. 37
17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ........................................................................... 39
18.ANEXO(ANEXO DE TODAS AS FICHAS DEVIDAMENTE ASSINADA) ............. 41
18.1 ANEXO B: FREQUENCIA DOS ALUNOS ........................................................... 43
18.2 ANEXO D: ATIVIDADE PEDAGÓGICA DESENVOLVIDA ............................ 44
18.3 FOTOS DOS TRABALHOS DESENVOLVIDOS JUNTO A TURMA ............... 45
1 INTRODUÇÃO

O relatório descreverá experiências desenvolvidas no estágio na série inicial,


realizado no turno matutino entre os dias 08/072019 a 01/ 08/2019, para alunos da educação
infantil, na escola IEACA (instituto educacional Agerico Carlos Aragão) situado no bairro 13
de junho centro de Ourolândia. É uma etapa de experiência enriquecedora que irá
complementar a formação acadêmica, constitui como um elemento indispensável para a
formação profissional.
A observação e intervenção permitiram que houvesse uma análise, na procura de
contribuições para desenvolver os diversos aspectos observados durante o estágio. O Estágio
Curricular Supervisionado desempenha um papel fundamental na formação de professores. É
através dele que se constituem as oportunidades das vivências específicas da docência,
tornando-se um momento de excelência na articulação entre as experiências profissionais e
reflexões teóricas sobre a atuação docente.
Dessa forma, este relatório tem como objetivo mostrar atividades realizadas e
vivenciada durante o estágio, proporcionando também reflexões e conclusões sobre a mesma.
De tal modo, pretende-se dar a conhecer e analisar todo o trabalho realizado ao longo desta
formação inicial, ao nível da prática letiva, das atividades de integração do meio, das
atividades de intervenção da comunidade escolar e das atividades de natureza científico-
pedagógica, passar a existir ainda às competências adquiridas, as estratégias de planeamento e
gestão adotadas no processo.
Todas as atividades realizadas durante o estágio foram desenvolvidas sempre com o
intuito de promover o processo de ensino-aprendizagem dos alunos, desde logo a prática
letiva, atividade que teve impacto em termos das aulas lecionadas e também das aulas
observadas aos docentes experientes e à colega de estágio. Nessa perspectiva, o processo de
refletir sobre a prática docente proporciona que o licenciando articule os saberes específicos
com os saberes inerentes à docência, compreendendo os desafios que irá encontrar na
profissão.
Para tanto, o estágio desenvolveu-se em dois momentos: o primeiro correspondeu na
observação do contexto escolar, os sujeitos envolvidos, os procedimentos metodológicos em
sala de aula, as ações pedagógicas no ambiente escolar, entre outros elementos. Elementos
esses, necessários para o desenvolvimento do segundo momento: a elaboração e
implementação da proposta de intervenção, fundamentado nas experiências vivenciadas e nos
aspectos sinalizados pelas crianças. O objetivo geral deste trabalho é preparar o aluno
estagiário para enfrentar a realidade de sala de aula iniciando no exercício da futura profissão
como educador.

Desta forma o estágio supervisionado contribui para que o estagiário junto com os
professores desenvolva um trabalho de orientar o aluno no processo de ensino aprendizagem
no cotidiano escolar de forma a articular a teoria prática. Além do mais os mesmo podem
partilhar os conhecimentos teóricos com os alunos, buscando compreender a real situação no
local de trabalho onde futuramente poderá o acadêmico atuar.
2.0 ESTUDO DE ARTIGOS

ARTIGO I: LÚDICO NO CONTEXTO DE ENSINAR

Este estudo de artigos é caracterizado uma pesquisa exploratória tem a finalidade


básica de desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e ideias para a formulação de
abordagens posteriores. Dessa forma, este tipo de estudo visa proporcionar um maior
conhecimento para o pesquisador acerca do assunto, a fim de que esse possa formular
problemas ou criar hipóteses.

Diante disso, este estudo fundamentará em artigos sobre o Lúdico no contexto de


Ensinar. É de extrema valia para a base teórica que se firma a definição dada por Rogers
(1986), indicando aprendizagem como sendo uma "insaciável curiosidade" ao ser humano e
que a sua essência é o significado. De tal modo os meios pelos quais se desenvolve a
aprendizagem são ainda mais importantes que o próprio conteúdo previsto como base para o
ensinamento, onde tudo depende amplamente da operação de modos e meios para se oferecer
o ensinamento.

Em conformidade com Andrade (2011) a criança precisa usufruir gradativamente de


uma independência do agir, experimentar situações de escolhas e tomadas de decisões e
participar, segundo suas possibilidades do estabelecimento de regras e sanções. Está evidente
que o ensinar como um processo, um rito de acontecimentos, deve ser perpassado em uma
dinâmica que lhe de âmbito e notoriedade para com o aluno, o educando.

Podemos conceituar o lúdico como ferramentas e condições param se embasar e


estabelecer resultados dentro de um contexto de aprendizagem, em um âmbito geral e
expresso, com um fim certo. Entre meio a diversas competências a atividade lúdica tem a
capacidade de uni-las, concentrando este desenvolvimento certo, a uma linha de
aprendizagem bem elaborada, dentro de critérios próprios, os quais podem ser ajustados,
mesmo diante de públicos variados.

A educação é uma trama de conceitos que misturam o fictício com o real, onde tudo
o que pensamos e elaboramos, pode parecer muito claro e agradável aos olhos de quem
elabora conceito, definições e expressões. O que observamos nesta revisão bibliográfica deixa
muito evidente que a elaboração do conhecimento, e bem como a sua absorção está
diretamente ligada ao processo que leva o conceito, isto é, que transmite as concepções do
educador para o aluno, independentemente do tema contemplado.

ARTIGO II: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO


INFANTIL: CRECHE E PRÉ-ESCOLA

A criança está sempre descobrindo e aprendendo coisas novas, por causa do contato
com o meio em que vive, obtendo também o domínio sobre o mundo com o passar dos anos.
O ser humano nasceu para aprender novos conhecimentos, descobrir e garantir sua
sobrevivência e a interação na sociedade como um ser crítico, dotado de identidade, com
desejos que são descobertos durante o processo de desenvolvimento.

Em detrimento à educação infantil, nos deparamos com uma criança que começa a
conceber valores de aprendizagem que quando ensinados e da maneira como forem ensinados,
iram estabelecer conceitos que a acompanhará por toda a sua vida, ou não, dependendo
exclusivamente da metodologia a serem adotados na busca por forma estes conceitos.

De tal modo, o método de ensino lúdico, método este que se auxilia nos conceitos de
ensinar e aprender e demonstra-se uma ferramenta de imensa utilidade, posto que é algo que
acompanha a criança, sem a necessidade de grandes esforços para despertar nela a vontade em
querer se comprometer com a causa final de conhecer, conceituar, aprender e porque não
dizer ensinar.

A criança é um sujeito histórico e sua infância está baseada no contexto histórico em


que vive e dessa forma a concepção de infância nasce do tempo, espaço social e a cultura que
a criança está inserida. Na infância ocorrem vários processos de se associar o mundo e o meio
em que a criança vive, quando isso ocorre, acontece uma aprendizagem significativa. Segundo
Kishimoto (2001), a infância é também a idade do possível.

Na busca em compreender a evolução da infância, pode-se observar juntamente a


evolução da educação, destacando-se no próximo item a importância desse segmento de
ensino e aprendizagem no contexto da educação brasileira.
A educação infantil é importante, pois cria condições para que as crianças possam
conhecer e descobrir novos valores, costumes e sentimentos, através das interações sociais, e
nos processos de socialização, o desenvolvimento da identidade e da autonomia.

Na educação infantil é importante que as crianças convivam em ambientes que


possam manipular objetos, brinquedos e interagir com outras crianças e principalmente que
possam aprender, pois o brincar é uma importante forma de comunicação. O lúdico auxilia na
aprendizagem, pois ajuda na construção da reflexão, autonomia e da criatividade.
3 FUNDAMENTAÇÃO TEORICA

De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil


(BRASIL‚ 2010) a educação infantil, primeira etapa da Educação Básica, tem como
finalidade o desenvolvimento integral da criança até seis anos de idade, em seus aspectos
físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade.
Desse modo, a educação infantil não tem a função de preparar a criança para a entrada no
ensino fundamental, mas precisa-se entender que as crianças são sujeitos de direitos, que
necessitam envolver-se com diferentes linguagens e valorizar o lúdico, as brincadeiras, as
culturas infantis para enriquecer suas experiências.

Segundo Silva et al. (2012) os fazeres pedagógicos devem direcionar o caminho para
uma prática educativa capaz de responder às necessidades e singularidades das crianças e
promover competências políticos pedagógicas para a autonomia e cidadania crianças
respeitando seus direitos educativos, políticos, culturais e sociais.

Para Aroeira (2014, p. 136) “o estágio é o primeiro momento em que podemos ser
professores, assumir as primeiras experiências com a docência, de modo a promover um
diálogo entre universidade e a escola de Educação Básica”. Assim sendo, essa experiência de
estágio deve promover reflexões coletivas que auxiliem em nossa prática educativa, enquanto
futuros docentes.

O curso de pedagogia a formação de um pedagogo como profissional crítico e


reflexivo, que saiba mediar as diversas relações inerentes à prática educativa79 e as relações
sociais mais amplas, bem como articular as práticas educativas com a formalização de teorias
críticas sobre essas práticas, sabendo detectar as lógicas que estão subjacentes às teorias aí
implícitas. ( FRANCO 2008, p. 110)

Conforme lembra Saviani, na história recente da educação “Com base no pressuposto


da neutralidade científica e inspirado nos princípios de racionalidade, a pedagogia tecnicista
advoga a reordenação do processo educativo de maneira que o torne objetivo e operacional”
(2008b, p. 381).

Sendo assim, a pedagogia tecnicista deveria responder aos anseios do Estado


autoritário, cujo objetivo era formar, de maneira rápida, mão de obra para o mercado de
trabalho, além de fortalecer a alienação, resultado da ideologia dominante. Resultado disso, a
deterioração da qualidade dos cursos de magistério em função da desarticulação da sua matriz
curricular que enfatizava a parte profissionalizante.

Nas comunidades tribais as crianças aprendem imitando os gestos dos adultos nas
atividades diárias e nas cerimônias dos rituais. Nas tribos nômades, ou que já se
sedentarizaram, ocupando-se com a caça, a pesca, o pastoreio ou a agricultura, as crianças
aprendem ‘para a vida e por meio da vida’, sem que alguém esteja especialmente destinado
para a tarefa de ensinar (ARANHA 1996, p. 27).

Nessa perspectiva, a atividade de estágio fica reduzida à hora da prática, ao “como


fazer”, às técnicas a ser empregadas em sala de aula, ao desenvolvimento de habilidades
específicas do manejo de classe, ao preenchimento de fichas de observação, diagramas,
fluxogramas (PIMENTA e LIMA, 2004, p. 37).

Temos que reconhecer a importância do domínio técnico para o exercício da


profissão, mas não podemos encará-lo como suficiente apenas como parte integrante do
processo de formação acadêmica. O que ocorre, geralmente, nesta perspectiva, é totalmente o
contrário, há uma ênfase desmedida em relação à aprendizagem das habilidades e
competências técnicas da profissão em detrimento da reflexão, da crítica, da compreensão e
da análise do contexto histórico e social da prática educativa.

O mito das técnicas e das metodologias. Esse mito está presente não apenas nos
anseios dos alunos, mas também entre professores e, sobretudo em políticas governamentais
de formação, que acabam investindo verbas em intermináveis programas de formação (dês)
contínua de professores, partindo do pressuposto de que a falta de conhecimento de técnicas e
métodos destes é a responsável exclusiva pelos resultados do ensino. Está assim em
movimento o ciclo de uma pedagogia compensatória, realimentada pela ideologia do mito
metodológico. (PIMENTA E LIMA 2004, p. 39)
4 ANÁLISE DA BNCC

Segundo a terceira versão da BNCC, seis direitos de aprendizagem e desenvolvimento


devem ser assegurados para que as crianças tenham condições de aprender e se desenvolver,
de acordo com os eixos estruturantes da Educação Infantil (interações e brincadeiras):

 Conviver
 Brincar
 Participar
 Explorar
 Expressar
 Conhecer-se

A BNCC também estabelece cinco campos de experiências, considerando os direitos


de aprendizagem e desenvolvimento, onde as crianças podem aprender e se desenvolver: Os
objetivos de aprendizagem e desenvolvimento são organizados em três grupos de faixas
etárias, em cada campo de experiências: O que se observa é que a nomenclatura bebê aparece
apenas uma vez nesta proposta, mas não na divisão das etapas, sendo substituída
por crianças de 0 a 1 ano e 6 meses.

A educação infantil é a primeira etapa da educação básica, onde se inicia o processo


educacional, segundo a bncc “a entrada na creche ou na pré escola, significa na maioria das vezes,
a primeira separação das crianças dos seus vínculos afetivos e familiares para se incorporarem a
uma situação de socialização estruturada”. A bncc traz orientações de como trabalhar os eixos
estruturais, direitos de aprendizagem da criança e Campos de experiência, esses campos já
existiam, mas agora com a base há um enfoque maior na prática e na rotina escolar.

Também é importante destacar o reconhecimento da Educação Infantil


como complemento da educação familiar, articulando vivências e conhecimentos construídos
pelas crianças já no ambiente que convive com a família. Sabemos que a prática enfrenta uma
diversidade enorme, com realidades distintas. Entretanto, já na Educação Infantil é preciso
que haja consciência de que a família é o primeiro lugar onde as crianças devem ser educadas,
e a função da escola é aprimorar essa educação.
É importante, portanto, que não só os professores tomem conhecimento da BNCC,
também pais e a população em geral, para que cada papel seja exercido em sua totalidade: o
de pais, de professores, e de cada um que faz parte da vida das crianças. Há muito mais nesta
versão da BNCC para a Educação Infantil, e o documento merece ser estudado. Ele pode ser o
alicerce para que os profissionais da Educação possam realmente conseguir uma união como
categoria, e receber o valor merecido, mas até o momento, não reconhecido.
5 CARACTERÍSTICA DA INSTITUIÇÃO E DA COMUNIDADE LOCAL

O Instituto Educacional Agérico Carlos Aragão está localizado na Quadra A, lote 04,
s/loteamento Pedro Teodoro, Ourolândia-Bahia. Está localizado em um bairro novo que está
em processo de loteamento. Sendo assim, não há calçamento, mas temos acesso à rede elétrica
e ligação de água. Possuem várias moradias ao lado, como também várias construções. Não
há comércio em suas proximidades. O Instituto valorizou o bairro, deixando-o conhecido na
cidade. Esta escola foi fundada na gestão 16 de fevereiro de 2016. É uma instituição
particular. Seu horário de funcionamento é de 07h30min á 12h00min/ das 1300 ás 17h30min.
É composto de 03 turmas da educação infantil com 86 alunos, 05 turmas do
fundamental I com 104 alunos e 04 turmas do fundamental II com 46 alunos. Funcionam 08
salas pela manhã e 04 salas à tarde. A nossa Escola é uma escola própria composta de 10
salas, 1 biblioteca conjugada com sala de professores, o, 1 secretária, 1 cantina, 3 banheiros,1
almoxarifado, , 1 diretoria e 2 quadras sendo cobertas. Suas salas são amplas com excelente
iluminação. Muito bem cuidada e sempre está limpa.
O Colégio tem:
 1 Diretor;
 1 Secretária;
 Coordenador Pedagógicas;
 12 Professores (Nível de Ensino: Médio, graduandos, graduados, e pós-graduados e
mestrado)
 01 psicopedagogo
 02 merendeiras
 02 serviços gerais
 05 auxiliares
5.1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA ESCOLA

Com relação a participação da família, as equipes diretiva, pedagógica e docente têm


realizado reuniões específicas com as turmas com o objetivo de conscientizar alunos e
responsáveis acerca da importância da participação de cada um para o sucesso do desempenho
escolar. Nessas reuniões, além de se discutir questões específicas da turma relacionadas à
participação, disciplina, realização de atividades propostas, são apresentados gráficos
contendo os resultados trimestrais para oportunizar aos pais e aos alunos a comparação do
desempenho obtido.

Tem-se procurado mudar os horários das reuniões para melhor comparecimento dos
pais/responsáveis. Além disso, a escola se comunica regularmente com as famílias através de
telefonemas. A equipe pedagógica resgatou e estimulou a aprendizagem dos alunos através do
acompanhamento sistemático e da implementação de jogos pedagógicos na rotina da sala de
aula. Organizou-se horário para realização de planejamento semanal individual. Estes
acontecem em horários de educação física (para os professores de 6º ao 9º). Realizasse,
também, encontro coletivo, mensal, inclusive com a participação da direção.

Destaca-se que a atual equipe pedagógica da escola tem feito a diferença no que se
refere a planejamento e acompanhamento das atividades desenvolvidas, tanto no horário
regular de aulas, como no Projeto de Intervenção Pedagógica. Além disso, esta equipe auxilia
efetivamente o serviço de inspeção de alunos no que se refere à indisciplina, tendo em vista
que esta é o principal comprometedor do desempenho e, consequentemente, da obtenção de
resultados satisfatórios na aprendizagem.

A atual equipe gestora tem se preocupado e empenhado com a aprendizagem dos


alunos, por isso está sempre buscando se envolver com a comunidade escolar, realizando uma
gestão voltada para favorecer a autoestima de funcionários e de alunos. Acredita que a escola
ideal está sempre organizada, equipada física e pedagogicamente, possui profissionais
capacitados e comprometidos e uma comunidade atuante e participativa.

Para nós, uma aprendizagem significativa não se relaciona apenas a aspectos


cognitivos dos sujeitos envolvidos no processo, mas está, também, intimamente relacionada
com suas referências pessoais, sociais e afetivas. Entendemos que para melhorar os resultados
é imprescindível que se evite a rotatividade de profissionais, oportunizando a manutenção
daqueles que têm realizado um trabalho de excelência.
6 ANÁLISE DO PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO

O Instituto Educacional Agérico Carlos Aragão, com sede na Rua Q A Lote 04, S/N-
Loteamento Pedro Teodoro, Ourolândia – Bahia, tem como entidade Mantenedora
INSTITUTO AGERICO ARAGAO LTDA-ME com CNPJ no 22.840.769/0001-50. A partir
do ano 2019 as mudanças começaram a acontecer nas escolas em todo o país, a base nacional
comum curricular (bncc) traz Diretrizes que devem ser implementadas até 2020.

O instituto fundamenta nos pressuposto acima anunciada define como suporte teórico
o sócio interacionismo. O projeto Pedagógico, ora apresentado é um instrumento ou ação de
base para construção da aprendizagem dos alunos e melhoria do O Instituto Educacional
Agérico Carlos traz novas orientações para todo segmento de ensino. Sendo assim, uma
preocupação de fomentar na escola a construção de sua autonomia e identidade. Observando a
estrutura deste, evidencia-se a importância da integração escola, comunidade, família e poder
público na realização do mesmo.

O instituto educacional Agerico Carlos Aragão (IEACA) tem seu próprio PPP
(projeto político pedagógico) que foi preparado em 2016 e de acordo com a direção não
haverá mudanças no projeto a menos que seja necessário e haja mudanças na LDB (lei de
diretrizes e bases) sua aprendizagem é voltada para o contexto históricos, socias e culturais,
todos baseados na teoria sócio interacionista, que segundo Lev Vygotsky o aluno aprende
através da interação.

A educação é democrática, crítica, participativa e comunitária, e seu objetivo é


preparar o educando para a execução de cidadania através de seus direitos e deveres. O
projeto político pedagógico da instituição é paltado conforme as diretrizes das LDB, onde sua
referência é da necessidade de planejar os objetivos e metas a serem alcançados. Na
composição da instituição tem se os órgãos essenciais para que haja um bom funcionamento
da unidade escolar, e abrange os seguintes serviços: direção geral, assistente técnico
administrativo, corpo docente, coordenador pedagógico, serventes e merendeiras,
bibliotecário e corpo discente.

Este Projeto Pedagógico norteia um período de três anos onde servirá de orientação
para todas as atividades pedagógicas que serão desenvolvidas nesse período. O Projeto
Político Pedagógico Instituto Educacional Agérico Carlos, nasceu das necessidades
encontradas no mesmo, com valores culturais, necessitando de um trabalho coletivo que
envolva, escola, família e comunidade para que juntos possam fazer florescer esses valores e
assim conseguir uma melhor aprendizagem para os alunos e consequentemente uma
transformação na vida de todos.

Para que essas mudanças ocorram faz se necessário que haja investimentos a
começar pela estrutura física do prédio escolar, como por exemplo, na construção de mais seis
salas de aula, banheiros para alunos e professores, quatro salas, sendo elas para: biblioteca,
professores, diretoria, assistentes pedagógicas, como também um almoxarifado e uma quadra
poliesportiva. Um pavilhão com uma cobertura, fazendo se necessário reformar geral.Diante
da oportunidade oferecida pela Lei 9394/96, cada escola pode organizar seus sistemas de
ensino de modo que atenda as necessidades dos alunos.

A proposta Pedagógica do Instituto Educacional Agérico Carlos tem como seu maior
objetivo a formação do “homem” exercendo em seu pleno direito a cidadania e explorando as
suas potencialidades. A necessidade de alguns profissionais tais como: psicopedagogo ou até
mesmo um psicólogo que venha ajudar no desenvolvimento do aprendizado. Proporcionar a
escola profissional um para coordenar o uso da tecnologia no laboratório de informática.
Necessidade de rondas policiais a cada 2 horas nas proximidades da escola sempre que for
necessário.

Desta forma, usamos como base as nossas experiências ao longo dos anos para
construir um documento que tente atender as reais necessidades desta Unidade Escolar, sem
idealismos ou comparações, todavia embasado no concreto que respalde e comunguem com
os desafios que os próximos anos surgirão. Diante disso, pontapé inicial era, por meio e um
levantamento de opiniões do coletivo, pressupor as linhas que orientam toda a ação educativa
em busca de uma escola pública de qualidade. Onde fizemos os seguintes questionamentos:

 O que você espera da escola?


 Que atividades você gostaria que fossem desenvolvidas?
 Quais suas responsabilidades para com a escola?

O PPP foi desenvolvido tendo como princípios a liberdade, autonomia, flexibilidade e


democracia, adotando como referencial teórico a Lei de Diretrizes e Base LDB nº9394/96, a
Constituição brasileira e o Estatuto da Criança e do Adolescente-ECA. Encontra-se descrito
ainda neste documento a consciência, por parte dos educadores, de que este é apenas um
pequeno passo, ao longo desta longa caminhada. Devendo sempre que possível ser revisto,
permeado de novas ideias e propostas, já que nenhum Projeto Político Pedagógico pode ser
dado como pronto e estável, sem deixar de acompanhar as mudanças ocorridas na sociedade

Missão

Ser uma escola reconhecida como uma Instituição Escolar dinâmica. integrada e
comprometida com a comunidade na qual esta inserida e com a formação de cidadãos plenos,
éticos, criativos, conscientes de sua responsabilidades social e de respeito e valorização ds
diferenças ensino que oferece atendendo às peculiaridades da comunidade e da necessidade
para o desenvolvimento de suas potencialidades. Fomentar e multiplicar conhecimentos que
contribuam para a dignidade da vida dos nossos educandos.

Visão

Apresentar um ensino de qualidade, garantindo o acesso escolar prazeroso, a permanência e


integração dos alunos na comunidade escolar em um ambiente criativo, ético e, portanto
inserir na sociedade pessoas capazes de agirem de forma consciente que adquiram
comportamentos criativos, inovadores que sejam cidadãos comprometidos em gerar mudanças
na sociedade em que vivem. Consequentemente ser uma escola pública de Ensino Médio
reconhecida, buscando a otimização dos valores sociais, civis, ambientais e
a transformação da cultura educacional.

METAS

 Aperfeiçoar o processo do Conselho Deliberativo, por unidade;

 Definir critérios, instrumentos de avaliação pedagógica;

 Avaliação Institucional;

 Trabalho coletivo

 Fortalecer as relações entre os profissionais da escola, discutindo ética e


responsabilidade de todos os envolvidos na comunidade escolar;

 Solidariedade
 Autonomia

 Respeito

 A proposta é estudar a própria prática por meio de ação–reflexão-ação (espaço para


trocar ideias e teorias, registrar práticas, dúvidas, descobertas, hipóteses). Estes
espaços devem ser quinzenais (dentro das reuniões de AC) e que os dias de estudos
sejam organizados no sentido de poder dar continuidade ao primeiro momento.
 O cumprimento dos 200 dias letivos; necessidade de um calendário que não
comprometa o sábado, pois apresenta como uma alternativa inviável diante das
dificuldades e contratempos encontrados no decorrer do ano letivo.
6.1 ORGANOGRAMA DA UNIDADE ESCOLAR
7.0 ANÁLISE DA ENTREVISTA COM O PROFESSOR REGENTE

Liliane Almeida de carvalho é professora atuante no instituto Agerico Carlos


Aragão, trabalha com as séries iniciais e tem experiência na área há 9 anos. Uma
profissional dedicada que busca o melhor pro seu aluno, está sempre em constante
atenção e com o olhar sensível às dificuldades do seu aluno, busca inovação e está
aberta a novos desafios.
Através desta entrevista pude notar que é excelente profissional tem interesse
pela escola e o bom desenvolvimento do alunado, procurando uma boa amizade com os
colegas de trabalho para se tiver uma relação saudável, se dedica bastante aos
pequenos, sendo de grande importância essa primeira fase que é a base e deve ser
privilegiada.
08- ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO

O livro didático é composto por várias matérias, sendo elas: português, matemática,
sociedade e natureza. Facilita o aprendizado dos alunos e auxilia o professor em seus
planejamentos sendo assim uma ferramenta a mais na elaboração das aulas, facilita na leitura
pois contém textos ilustrados para atrair a atenção dos pequenos. O livro foca no cotidiano do
aluno, as aulas ficam mais prazerosas e ajuda no desenvolvimento do alunado.
Integrado foi reformulada, mas manteve seu conteúdo, sua qualidade e sua
metodologia com uma abordagem tradicional. O livro integrado apresenta as disciplinas
Língua Portuguesa, Matemática, História/Geografia e Ciências. “O objetivo das modificações
foi o de propor conteúdos atualizados e relacionados ao cotidiano das crianças, fazendo com
que elas desenvolvam um aprendizado significativo e de qualidade.”
Analisando essas orientações para o desenvolvimento das lições, bem como a
descrição de cada seção do livro, apresentadas é possível perceber que, apesar de haver
alguma preocupação em propor um material adequado às novas visões de ensino-
aprendizagem, que trabalhe com diferentes gêneros textuais – como as histórias infantis e que
proponha atividades adequadas ao seu público alvo (atividades de desenho, pintura, colagem,
entre outras), mesmo as atividades consideradas lúdicas pela autora visam unicamente à
fixação do vocabulário que se pretende ensinar.
09-ANÁLISE DO PLANO DE AULA DO PROFESSOR REGENTE

O plano de aula tem clareza e objetivo, foca no aprendizado, pois é preciso que o
planejamento seja claro para ser compreendido quando for preciso compartilhá-lo.
As atividades estão alinhadas com o currículo da escola e também a base e habilidades
propostas pela BNCC. A proposta do planejamento é adequada as expectativas de
aprendizagem em relação aos alunos estão bem organizado. As atividades propostas são
adequadas a faixa etária para que os alunos apresentem progressão e consigam avançar, a
linguagem é clara e objetiva.

9.1 SÍNTESE DE OBSERVAÇÃO


O estagio de observação foi realizado dia 08/07/2019. Primeiramente, é
indispensável discutir sobre o planejamento, os planos de aulas e as atividades desenvolvidas
durante o estágio. Sendo assim, pude perceber que de modo geral há um acompanhamento
efetivo por parte do professor regente em relação aos estagiários. A observação foi realizada
em uma turma com 31 alunos de educação InfantilI (prontidão) no Instituto Educacional
Agerico Carlos Aragão.

De acordo com o depoimento da docente, trata-se de uma turma bem integrada.


Sendo a maioria colegas do ano anterior. São alunos muito participativos e interessados em
relação às aulas propostas. A docente trabalhou com muitas atividades lúdicas e bem
interessantes. A mesma demonstrou muita afinidade com os alunos. Estabelece um diálogo
harmonioso. Enfim, foi muito proveitoso a observação analisada nesta turma.

A docente inicia a sua aula no dia 09/07/2019 as 08h00min horas com uma oração.
Em seguida, revisou a letra S e citou algumas palavras escrita com esta letra. Logo após,
entregou uma atividade sobre a explicação proposta para a turma responde. Dessa forma,
percebemos uma atividade lúdica bastantes informações e bem elaborada. As 09h30min as
crianças foram liberadas para o lanche e para as atividades recreativas. Que são conduzidas
pelas professoras. Nenhum momento as crianças ficam sozinhas. Elas brincam no parquinho,
mas sempre com auxílio da professora. Logo após, voltam para sala para conclusão das
atividades elaboradas do seu planejamento.

9.1 SÍNTESE DO RELATÓRIO COPARTICIPAÇÃO


Dia 10/07/209

A aula iniciou dia 10/07/2019 com a turma de discente, onde foi liberada a turma para uma
aula prática de Educação Física com o professor Rómulo no horário das 08h30min. Logo
após, os alunos retornam para sala de aula. A professora regente iniciou a aula com oração e
alguns acolhimentos. Inicia-se a aula com a explicação de alguns problemas matemáticos.

A professora regente optou-se por um caderno pedagógico com foco nos jogos, por
compreender que ele traria uma diversidade dos mesmos para o estudo com problemas
matemáticos, entre outros assuntos que poderiam ser articulados nesse estudo, bem como na
sequência de estudo. Assumiu-se, assim, a importância de trazer o tema, cientes da
impossibilidade de esgotá-los ou a pretensão de findar o ensino desse assunto nessas
atividades.

Ao contrário, os jogos selecionados e organizados no referido caderno tiveram a intuito de


deflagrar o ensino, avaliar as condições de trabalho, os avanços dos estudantes, as
necessidades de reelaborá-los contando com a participação dos alunos, de modo a recuperar o
seu interesse. Como já mencionamos, a intenção era construir um caminho em que o aluno se
envolvesse com o conteúdo perante a perspectiva de reconhecimento de um raciocínio lógico
,compondo novas unidades ou reconhecendo partes de um todo.

Cada jogo seguiu regras próprias, acordadas e discutidas com os alunos e, mesmo com os
itinerários distintos, lançou-se a proposta de manter o registro dos passos seguidos, dos
resultados alçados e das necessidades de mudanças de rumo para lograr êxito no propósito de
jogar, tendo por plano de fundo, perguntas ou questionamentos sobre frações. Solicitou-se
assim, que os alunos se dispusessem na elaboração de um inventário de possibilidades
vislumbradas pelos membros de cada equipe em cada jogo.

Ao propor cada jogo, mantiveram-se as recomendações para que os alunos seguissem as


regras, registrando todas as etapas do jogo, resultados parciais, resultado final, inventariassem
as dificuldades em tomar decisão nos passos dos jogos, mantendo o registro das ações
efetuadas em função de um estilo de trabalho que busca trazer para a sala de aula a discussão
de um assunto, o reconhecimento do professor, bem como do aluno, dos conteúdos
compreendidos, bem como daqueles que solicitam serem articulados em função do solicitado
nos jogos.

10 DIA 11/07/2019
A docente Liliane iniciou a aula ás 08h00min h/s com uma oração. Em seguida, revisou na
lousa a família silábica da letra. Logo após, pediu a auxiliar Débora para entregar as
atividades para cada educando para realização da atividade proposta pela docente. As
09h30min liberaram os alunos para o lanche. Ao retornarem do intervalo pede para o mesmo
retornarem para sala para conclusão das atividades planejadas com a ajuda da auxiliar. Em
seguida os alunos irão para vossas casas.

11 DIA 12/07/2019

A docente Liliane iniciou a aula ás 08h00min h/s com uma oração. Em seguida,
revisou na lousa a família silábica da letra. Logo após, pediu a auxiliar Débora para entregar
as atividades para cada educando para realização da atividade proposta pela docente. As
09h30min liberaram os alunos para o lanche.

A professora regente é graduada em Pedagogia, percebemos que a mesma é bastante


dedicada e calma, em suas as aulas ela procura sempre trazer atividades que façam os alunos
interagirem entre si. Todos mantêm um ótimo relacionamento durante o período escolar, a
maioria demonstraram motivações excelentes.

Em outras palavras, os pequenos leem os textos, e depois apresentam para a turma o


que eles entenderam da leitura. A sala é bastante ampla e iluminada, mas devido ser virada
para o sol é bastante quente, as carteiras são organizada por fileiras, possui alguns enfeites nas
paredes como as palavras mágicas, o alfabeto, o cantinho da leitura, os aniversariantes do dia,
a rotina da sala e alguns trabalhos realizados pelos alunos.

A professora convida os alunos para fazer uma oração, em seguida roda da conversa,
esse é o momento privilegiado de dialogo e intercambio de ideias. Por meio desse exercício
cotidiano as crianças podem ampliar suas capacidades comunicativas, como a fluência para
falar, perguntar, expor suas ideias, dúvidas e descobertas, ampliar seu vocabulário e aprender
a valorizar o grupo como instancia de troca e aprendizagem.
14.0 SÍNTESE DO PLANEJAMENTO- AC

Os planejamentos acontecem individualmente, pois a coordenação pedagógica


acredita ser mais proveitosa para o professor ter seu momento de reflexão Pedagógica. A
coordenação analisa os planos na sexta feira de cada mês e individualmente conversa com o
professor e faz as observações necessárias.

15.0 PLANEJAMENTO DAS AULAS PARA REGÊNCIA


Planejamento Semanal

Disciplina: Português e Matemática.

Conteúdo: Consoante T e família silábica, número 22 e a família e subtração.

Objetivos: Identificar a consoante T e sua família silábica.

 Desenvolver as habilidades cognitivas e motoras.


 Apresentar o som grafia da letra T.
 Apresentar o número 22.
 Explora o número 22.

Metodologia:

Quarta – Feira 17/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Fazer pergunta sobre a letrinha T.
 Se os mesmos conhece palavras com a letra T.

Quinta – Feira 18/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Música.
 Revisar consoante T.
 Atividade impressas, escrever os nomes das figuras.
 Hora do lanche.
 Continuidade da consoante T revisando a família.
 Para casa, atividade na folha.

Sexta – Feira 19/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Atividade no livro.
 Atividade na lousa.
 Expor na lousa conta de subtração, indagar-los os alunos sobre resultados.
 Atividade na folha.
 Recreação.
 Seguimento das atividades.
 Atividade com o número 22.

Terça – Feira 23/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Correção para casa.
 Atividade com o número 22 na folha.
 Recreação.
 Atividade na folha número 22 por extenso.
 Para casa no livro, pagina 22.

Quarta – Feira 24/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Correção no do para casa.
 Expor revisão na lousa (brincadeiras lúdicas).
 Recreação.
 Atividade na folha.
 Atividade globalizada para casa.
Planejamento Semanal

Disciplina: Português, Matemática e Sociedade.

Conteúdos: Consoante V e família silábica.

 Número 23
 Sociedade

Objetivos: Identificar a consoante V e sua família silábica.

 Explorar e reconhecer o número 23.


 Fazer contas matemáticas para indagar aos alunos.
 Reconhecer os diversos tipos de moradias.
 Indagar em que tipo de moradia os alunos vive.

Metodologia:

Quarta – Feira 25/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Apresentar a letrinha V.
 Fazer a leitura do texto “A vaca”.
 Pedir para os educandos identificar a letrinha V dentro do texto.
 Atividade impressa para completar as palavras com a família do V.
 Atividade para casa no livro pagina 35, 36 e 37.

Quinta – Feira 26/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Correção das atividades para casa.
 Rever a família do V atividade impressa.
 Atividade impressa com o numero 23.
 Recreação.
 Atividade para casa na folha.

Sexta – Feira 27/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Correção da atividade para casa.
 Listagem na lousa das palavrinhas que iniciam com a letra V.
 Revisar os números de 0 ao 23 da sequencia impresso.
 Recreação.
 Continuação das atividades do primeiro horário.
 Atividade para casa.

Terça – Feira 30/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Revisar o para casa.
 Atividade impressa.
 Recreação.
 Atividade impressa.
 Para casa revisar os números na sequencia.

Quarta – Feira 31/07/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Revisão da consoante V e sua família silábica VA, VE, VI, VO e VU.
 Revisar o número 23.
 Atividade de pinturas.
 Atividade globalizada para casa.

Quinta – Feira 01/08/2019

 Acolhida.
 Oração.
 Correção das atividades para casa.
 Rever a família do V atividade impressa.
 Atividade impressa com o numero 23.
 Recreação.
 Atividade para casa na folha.

TEMA: Identidade, Autoconhecimento.

NOME DO PROJETO: Identidade, Autoconhecimento.


PERÍODO DE EXECUÇÃO: Ano Letivo/ 2019

1 APRESENTAÇÃO

O projeto II unidade “Projeto Identidade”, Autoconhecimento contempla diretamente


docentes e discentes do Instituto Educacional Agerico Carlos, bem como familiares e demais
comunidades que fazem parte do contexto social do educando, peça chave deste projeto.
Mediante ao convívio com grupos sociais das mais diferentes personalidades no decorrer de
nossas vidas, vivemos situações que nos punem ou exaltam, sofremos frustrações e muitas
vezes aprendemos com nossos erros e acertos.

Deste modo, o presente projeto discutirá conceitos, experiências e reflexão, tendo em vista à
promoção da Identidade, Autoestima e Projeto de vida no redirecionamento de novos
caminhos, instrumentando aos educadores princípios, metodologias e técnicas para
desenvolver aos discentes uma série de habilidades pessoais e sociais, organizando para uma
melhor compreensão no enfrentamento das próprias emoções contornadas ao convívio social.

2 JUSTIFICATIVA

Este projeto ora aqui apresentado significa o ressoar das ideias e anseios de alunos e
professores. Durante seu processo de elaboração os discentes foram ouvidos após
apresentação do tema. E, na ouvidoria criada para essa finalidade, eles se manifestaram em
relação ao tema, sugeriram formas de se trabalhar os conteúdos bem como opinaram sobre
alguns recursos que eles primam nas aulas. Permeado de comparações e reflexões sobre
experiências vividas, vamos firmando nossa personalidade, nossas emoções e edificando
nossa influência mútua por meio de inclusão, mesmo que difíceis, são indispensáveis na
realização de mudanças em nível profissional e comportamental.
Serão realizadas atividades que resgatam a autoestima, melhoram a capacidade de
comunicação e de convívio, de respeito às diferenças individuais e culturais, de amar e de
se envolver na ação para o bem comum. Trabalhando como um fator de prevenção às dez
competências básicas da BNCC (Conhecimento, Pensamento Científico Crítico e Criativo,
Repertório Cultural, Comunicação, cultura digital, Trabalho e Projeto de Vida,
Argumentação, Autoconhecimento, Autocuidado, Empatia e Cooperação, Responsabilidade
e Cidadania) adequando o desenvolvimento integral.
Assim, este projeto envolve várias atividades e outras disciplinas a saber para que o
objetivo final seja alcançado, contribuindo para que o aluno avance em seu conhecimento e
consiga ser bem-sucedido no aprendizado.
3- OBJETIVO GERAL DO PROJETO

O objetivo geral deste projeto foi a percepção no que se refere ao desenvolvimento da


promoção ao desenvolvimento da Identidade, bem como a necessidade de inclusão na
sociedade construída a partir do conhecimento e compreensão da realidade voltada a
possibilidade prática de ações entre alunos, professores e comunidade. presentes e futuros.

3.1 OBJETIVO-ESPECÍFICO

 Desenvolver a autoestima, autoconhecimento e o respeito.


 Formar consciência dos valores éticos e morais.
 Reconhecer que a paz é uma conquista diária por meio de nossas ações.
 Formar consciência dos valores éticos e morais.
 Proporcionar momentos com atividades lúdicas que reflitam sobre a importância do
autoconhecimento e autoestima;
 Conhecer fatos e personalidades importantes de nossa vida social na construção
do projeto de vida.
 Possibilitar uma maior comunicação entre a escola, a família e a comunidade escolar
como um todo.
 Leitura e criação de texto imagético sobre os temas abordados.
 Proporcionar aos discentes, momentos de interação e socialização com dinâmicas e
brincadeiras motivação e elevação da autoestima dos alunos;
 Conscientizar sobre a evasão escolar e suas consequências na vida educacional;
 Identificar o grau de socialização e cooperação dos alunos.
 Proporcionar momentos de diálogos, reflexões e socialização entre os grupos.
 Valorizar a literatura e outras manifestações culturais como formas de compreensão do
mundo e de si mesmo.

4.0 ETAPAS

 Conectar a história de cada pessoa (plano colocados no papel de forma que facilita a
visualização do caminho a ser percorrido)
 Indivíduo se conhecem melhor;

 Exibição de filmes que reforcem o tema em questão;


 Discussão acerca do sentido da palavra gentileza;
 Reflexão da frase “Fazer o bem sem olhar a quem”.
 Elaboração de ações de gentileza:
 Produção de cartas para familiares;
 Atividade escrita auto avaliativa. “Quem sou eu? ”
 Avaliação do projeto;
 Leitura de textos com o tema gentileza para sensibilização/Discussão sobre o tema;
 Apresentação do projeto com vídeos motivacionais; vídeo sobre a importância da
gentileza;

5. METODOLOGIA:

Este projeto será desenvolvido através de leituras, filmes, brincadeiras, trabalhos em grupos,
contação de histórias, proporcionando à reflexão sobre o desenvolvimento da Identidade, bem
como a necessidade de inclusão na sociedade. O dialogo será a mola mestre das atividades
programada para este plano de ação. O projeto terá duração de 8 dias.

● Apresentação de vídeos;

● Leitura de mensagens motivadoras;

● Momentos de dinâmicas;
● Depoimentos e debates momentos de socialização;

5.1 HUMANOS:

Professores – Sugestões de brincadeiras, confecção de materiais.

Alunos – Colaboradores. Gestores –

Coordenação.

Possíveis amigos da escola. (Comunidade);

6-RECURSOS

 Recursos visuais;
 Recursos auditivos;
 Recursos audiovisuais e
 Recursos múltiplos.
 Quadro Negro, ou branco / Giz, ou canetão / Apagador;
 Jornais, cartazes, revistas e livros;
 Textos manuais;
 Televisão
 Aparelho de Som
 Filmes e
 Filmadora (caso necessite realizar algumas gravações)
 Máquina Fotográfica Digital e/ou câmara do celular
 Notebook com data show
 Internet e seus dispositivos, rádio, gravador
 Biblioteca pública

15. Apresentação do projeto ao professor regente

O projeto avaliado pela professora regente, para trabalhar na escola não somente nas
séries iniciais, mas podia abranger todas as séries, os valores estão se perdendo e é necessário
enfatizar esses valores na infância. As atividades propostas contribuiria para fortalecer os
vínculos em sala de aula, resgatar certos valores, propiciar o bom comportamento, a amizade,
a solidariedade e boas normas de convivência.

A importância do projeto de ensino no contexto da pedagogia concretizar o trabalho


pedagógico por meio de uma atividade mediadora entre os indivíduos e o social, entre os/as
alunos/as e a cultura social historicamente acumulada, cuja função é facilitar, por meio de
complexos temáticos de conteúdos, os conceitos, as atividades, os métodos e as estratégias de
ensino, a socialização do conhecimento associado à luta pela democratização da escola e da
sociedade.

Ou seja, o professor efetua seu planejamento, conforme o projeto que vai trabalhar
organizar e dirigir as situações de aprendizagem domina os saberes de uma lição à frente dos
alunos e é capaz de encontrar o essencial em contextos variados. Dessa forma, o projeto
contemplou a prática cotidiana e a percepção no que se refere ao desenvolvimento da
promoção ao desenvolvimento da Identidade, em como a necessidade de inclusão na
sociedade construída a partir do conhecimento e compreensão da realidade voltada a
possibilidade prática de ações entre alunos, professores e comunidade.

16 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Um grande desafio é formar professores competentes para enfrentar salas de aulas


cada vez mais numerosas, com problemas na infraestrutura, alunos de diferentes
potencialidades para o aprendizado, diferentes estilos de vida, faixas etárias, personalidades e
problemas sociais. Mais do que uma dedicação a profissão de professor é uma entrega, pois o
indivíduo está se comprometendo a facilitar a construção do conhecimento, formando o
caráter, personalidade e delineando princípios na estruturação da história de vida do indivíduo
e muitas vezes podem está formando aqueles que irão ocupar lugares importantes nas decisões
do futuro da nação.

É necessário que o graduando em licenciatura compreenda a essência da importância


do estágio de docência na sala de aula, de forma que não esteja lá com o único objetivo, que
muitos professores e gestores de algumas escolas acreditam ser: apenas observar e criticar os
erros e as deficiências. Diante da necessidade de mudança é preciso levar ao conhecimento de
quem pode modificar e melhorar. O que não pode é ficar de braços cruzados vendo as
deficiências e apenas procurar alguém para culpar. Entre os relatos apresentados, é necessário
que cada estagiário tenha a consciência de enfatizar a importância resolvê-los, pois se o
problema persistir e nada for modificado, o maior prejudicado será o aluno na sala de aula.
Todo docente deve ter a consciência de buscar o que há de melhor para promover uma
educação de qualidade.

O estagiário tenha conhecimento do que dispõe a escola que escolheu para estagiar,
que conheça os recursos disponíveis para facilitar o desenvolvimento de suas atividades, e
procure aproveitar ao máximo tudo, para que ele possa proporcionar uma aula que desperte a
motivação de seus alunos, além disso, deve estar sempre atento às novas aquisições no
decorrer de sua permanência, para assim poder experimentar e aprender a utilizar os mais
variados recursos disponíveis.
17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC, 2002.

_______. Lei 11.274. Altera a redação dos Artigos 29, 30, 32 e 87 da Lei 9.394, de 20 de
dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre
a duração de nove anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos seis
anos de idade. Brasília, DF, 2006.

_______. Lei N. 11.114. Altera os artigos. 6º, 30, 32 e 87 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro
de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de
idade. Brasília, DF: Casa Civil, 2005.

_______. Lei N. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Disponível
em: . Acesso em: 14 nov. 2011.

ANDRADE, M. M. Introdução à Metodologia do Trabalho Científico. 6. ed. São Paulo:


Atlas, 2003.

BOJIKIAN, João Crisóstomo Marcondes; BOJIKIAN, Luciana Perez. Ensinando


Voleibol. São Paulo: Phorte, 2008.

BORGES, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Cad. Brás. Ens. Fís.,
v. 19, n.3: p.291-313, dez. 2002.

BRASIL, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais:


introdução. Brasília: MEC, vol. 1, 1997.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de


dezembro de 1996.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/Secretaria de Educação


Fundamental, 1988.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino de Educação Física. 1º ed. São Paulo:


Cortez, 1992.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de Educação Física. São Paulo: Cortez,


1993.
CUNHA, Maria Isabel da. O bom professor e sua prática. Campinas, SP: Papirus, 1989.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia e Ensino de Ciências. 2. Ed. São Paulo:


Cortez. 1994.

DEWEY, J. Experiência e Educação. 15. ed. São Paulo: Companhia editora nacional, 1971.
FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 16. ed. São Paulo:
Papirus, 2009.143p.

FERREIRA, W. B. De Docente para docente: práticas de ensino e diversidade para educação


básica. São Paulo: Summus, 2007.

FREITAS, Helena Costa Lopes de. O trabalho como princípio articular na prática de ensino
e nos estágios. Campinas, SP: Papirus, 1996.

GARCIA, W. E. Educação: visão teórica e prática pedagógica. Rio de Janeiro: Editora


MCGRAW-HILL, 1977. 173p.

HURTADO, Johan G. MELCHERTS, G. O ensino da educação física: uma abordagem


didático-metodológica. 3ª ed. Porto Alegre, 1988.

IVO, A.A.; KRUG, H.N.. O Estágio Curricular Supervisionado e a formação do futuro


professor de Educação Física. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Nº 127,
2008. http://www.efdeportes.com/efd127/a-formacao-do-futuro-professor-de-educacao-
fisica.htm

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora. São Paulo: Cortez, 2001.
18.ANEXO
18.1 ANEXO A:PLANEJAMENTO DE ESTÁGIO
18.2 ANEXO B: FREQUENCIA DOS ALUNOS
18.3 ANEXO D: ATIVIDADE PEDAGÓGICA DESENVOLVIDA
18.4 FOTOS DOS TRABALHOS DESENVOLVIDOS JUNTO A TURMA

Você também pode gostar