Você está na página 1de 20

Na reprodução sexuada os novos indivíduos são originados através da união de duas

células especializadas – os gâmetas, formados através de um tipo de divisão celular


denominado meiose.

Reprodução sexuada

A reprodução sexuada é o tipo de reprodução mais comum no mundo vivo; é o processo


reprodutivo quase exclusivo dos animais superiores e é usual nas plantas superiores. A
maioria dos seres com reprodução assexuada, em certas condições, também se reproduz
sexuadamente.

Na reprodução sexuada:

 intervêm dois progenitores, que produzem células reprodutoras especializadas – os


gâmetas;

 ocorre fusão dos dois gâmetas – um masculino e um feminino –, ou seja, ocorre


fecundação. A reprodução sexuada depende da fecundação;

 durante a fecundação ocorre cariogamia (fusão dos núcleos dos gâmetas) que leva à
formação do ovo ou zigoto;

 o ovo é a primeira célula do futuro ser vivo. Por mitoses sucessivas, vai originar um
indivíduo com características resultantes da combinação genética dos gâmetas dos
progenitores;

 os indivíduos das sucessivas gerações que vão sendo originados, apesar de terem
algumas características comuns, apresentam diferenças mais ou menos acentuadas
entre eles e em relação aos progenitores – verifica-se, assim, variabilidade genética
nas populações;

 a descendência é, normalmente, reduzida e o processo é lento;


 como se verifica variabilidade genética, os indivíduos suportam as alterações
do meio com alguma facilidade, estando aptos a sobreviver em ambientes em
mudança. A seleção natural elimina os menos aptos e os mais aptos vão ser
selecionados;

 para a formação dos gâmetas ocorre um processo de divisão celular – a meiose –


que permite a redução do número de cromossomas de uma célula. A reprodução
sexuada depende da meiose.

O ovo resulta da união dos gâmetas que ocorre durante a fecundação. Assim, os
cromossomas presentes no núcleo do ovo são pares de cromossomas do mesmo tipo que
provieram metade de cada gâmeta. Designam-se cromossomas homólogos e possuem
forma e estrutura idênticas, sendo portadores de genes correspondentes.

Quanto ao número de cromossomas que possuem, as células podem classificar-se em


haploides e diploides:

 Haploides – são células que possuem um só cromossoma para cada par de


homólogos, representam-se simbolicamente por n. Exemplos destas células são os
gâmetas que se formaram por meiose;

 Diploides – são células que possuem dois pares de cromossomas homólogos e


representam-se simbolicamente por 2n. Exemplos destas células são o ovo que
resultou da fecundação e todas as células somáticas.

A fecundação implica uma duplicação cromossómica mas o número de cromossomas


característico de cada espécie mantém-se constante. A meiose, por sua vez, garante a
passagem da diploidia para a haploidia.

Assim, pela existência alternada destes dois fenómenos indispensáveis para que ocorra
reprodução sexual, está garantida a constância do número de cromossomas de geração
em geração.
Meiose – redução cromossómica

A meiose é um processo de divisão celular que leva à formação de quatro células


haploides semelhantes entre si e com metade do número de cromossomas da célula que
lhes deu origem. Como este fenómeno implica a passagem de um estado Diplóide para
um estado haploide, pode ser designado por redução cromossómica.

A meiose inclui duas divisões sequenciais e inseparáveis, a divisão I e a divisão II.

Divisão I e II da meiose

 Divisão I:

– é precedida pela interfase onde, no período S ocorre a replicação do DNA,


constituinte dos cromossomas;

– no início da meiose cada cromossoma é constituído por dois cromatídios;

– a separação dos cromossomas homólogos de cada par reduz para metade o


número de cromossomas da célula diploide;

– são originados dois núcleos haploides, ou seja, com metade do número de


cromossomas do núcleo da célula que lhes deu origem;
– porque reduz o número de cromossomas, é uma divisão reducional.

 Divisão II:

– os dois núcleos haploides dividem-se e formam-se quatro núcleos, também


haploides;

– porque os cromossomas são igualmente distribuídos pelos novos núcleos, é


uma divisão equacional;

– no final, formam-se quatro células haploides, contendo, cada uma, um


cromossoma de cada par de homólogos;

– é uma divisão idêntica à mitose.

As divisões I e II da meiose, embora tenham fenómenos exclusivos, incluem sequências


de estádios com características idênticas às que ocorrem na mitose. Por este facto, os
estádios têm o mesmo nome – prófase, metáfase, anáfase e telófase:
Mitose e meiose – aspetos comparativos

Nos processos de reprodução assexuada, a divisão celular é feita por mitose.

Na reprodução sexuada, para além da mitose ser fundamental para que se verifique o
crescimento dos novos indivíduos, a meiose é também necessária, como processo de
divisão que compensa a duplicação de cromossomas que se verifica na fecundação.

Assim, existem algumas diferenças bem significativas entre estes dois processos:
Esquema da mitose
Mutações

Durante a meiose podem ocorrer anomalias que alteram o número e a estrutura dos
cromossomas. Estas anomalias designam-se mutações.

Na meiose, as mutações podem ocorrer:

 durante a divisão I – pela não separação dos cromossomas homólogos;

 durante a divisão II – pela não separação dos cromatídios de cada cromossoma;

 quando ocorre crossing-over – pela troca anormal de segmentos entre cromatídios


de cromossomas homólogos, que podem alterar a estrutura dos cromossomas.
As mutações cromossómicas podem ser:

 por perda do material genético;

 por duplicação do material genético.


Efeitos das mutações cromossómicas:

 a maior parte é prejudicial para o indivíduo portador ou para os seus


descendentes;

 algumas podem ser benéficas e melhorar a capacidade de sobrevivência dos


indivíduos das novas gerações;

 são as fontes primárias da variabilidade genética que permitem a diversidade de


organismos e a evolução das espécies.

As mutações podem ser provocadas por vários fatores físicos e químicos, mas também
podem ser propositadamente causadas pelo homem, como, por exemplo, a duplicação
do número de cromossomas – poliploidia – para a obtenção de alguns alimentos.

Reprodução sexuada e variabilidade genética

Na reprodução sexuada, a meiose e a fecundação, que são dois mecanismos


compensatórios, asseguram a manutenção do número de cromossomas característico de
cada espécie, de geração em geração. Estes dois fenómenos são igualmente
responsáveis pela variabilidade genética que se verifica entre indivíduos da mesma
espécie.
Diversidade de estratégias na reprodução sexuada

Tal como na reprodução assexuada, em que se verificam estratégias reprodutivas


variadas, na reprodução sexuada as soluções reprodutivas são também diversas.

As estratégias mais representativas estão relacionadas com a reprodução sexuada nas


plantas e nos animais.

Em ambos os casos, os gâmetas – células reprodutoras cuja união leva à formação de


um novo indivíduo – são formados em estruturas especializadas.
Para que ocorra fecundação, os gâmetas masculinos e femininos têm que se encontrar
no mesmo local, ao mesmo tempo.

Fecundação nos animais

Nos animais há duas estratégias de reprodução, o hermafroditismo e o


unissexualismo:

 Hermafroditismo:

– ocorre principalmente em espécies que têm dificuldades de dispersão


geográfica, ou vivem mesmo isolados;

– é comum nos seres invertebrados;

– um indivíduo possui simultaneamente o sexo masculino e o sexo feminino;

– podem verificar-se dois tipos de comportamento distinto – o hermafroditismo


suficiente e o hermafroditismo insuficiente.
1. Hermafroditismo suficiente – ocorre por autofecundação, um só indivíduo
pode originar descendentes. Verifica-se, por exemplo, na ténia.

Hermafroditismo na ténia.

2. Hermafroditismo insuficiente – não se verifica a autofecundação, como nos


unissexuais tem que haver fecundação cruzada. Ocorre na minhoca e no caracol,
por exemplo.
Hermafroditismo na minhoca

 Unissexualismo:

– ocorre na maioria das espécies;

– há um indivíduo do sexo masculino – macho – e um do sexo feminino –


fêmea;

– a reprodução, neste caso, exige a contribuição de dois indivíduos, um de cada


sexo, sendo estas espécies dioicas;

– a união dos gâmetas efetua-se de diversos modos que dependem da mobilidade


dos animais e do habitat.

De acordo com o local onde ocorre, a fecundação pode ser externa ou interna:
Fecundação nas plantas
Nas plantas, as estratégias reprodutivas são bastante diversas. Também os gametângios
são muito variados e característicos dos diferentes tipos de plantas e, como tal, também
os processos de fecundação são diferentes:

 nos musgos e nos fetos a fecundação é dependente da água, só assim é que os


anterozoides podem alcançar as oosferas que se encontram dentro dos arquegónios;

 nas Gimnospérmicas, como os pinheiros, os gametângios são estruturas


especializadas – os cones masculinos, onde se produzem os grãos de pólen, e os
cones femininos (as pinhas), onde se produzem os óvulos. A fecundação não
depende da água, revelando melhor adaptação ao ambiente terrestre;

 as Angiospérmicas caracterizam-se por possuírem flor, que é o órgão reprodutor


nestas plantas e, portanto, onde se formam os gâmetas. A fecundação é independente
da água.

Flores:

 existe uma grande variedade que se distingue pela:

– posição na planta;

– forma;

– coloração do perianto.
é constituída por:

Constituição da flor
 produzem os gâmetas que são:

 podem ser:

– hermafroditas – os estames e os carpelos estão na mesma flor;

– unissexuais – há flores só com estames – flores unissexuais


masculinas; e há flores só com carpelos – flores unissexuais femininas.

 para que haja fecundação tem que ocorrer a polinização:

– é o transporte de grãos de pólen para os órgãos femininos da flor;


– pode ser direta ou cruzada:

direta – quando há polinização na mesma flor. Nesta


situação a variabilidade genética é reduzida;

cruzada – quando a polinização se efetua entre flores de


plantas distintas, mas da mesma espécie. Esta estratégia
propicia grande variabilidade genética;

– faz-se por agentes polinizadores como o vento, os insetos e as aves. As


características das flores estão intimamente relacionadas com o agente
específico que as poliniza.

 quando desabrocham estão na época favorável à reprodução.

 depois de ocorrer a fecundação no interior dos óvulos, a flor vai desaparecer e


originar o fruto:

Você também pode gostar