Você está na página 1de 45

1

Festa Junina
Saudável
RECEITAS
2

Elaboração
CONTEÚDO REVISÃO CONTEÚDO

Michely Mandelli Dra Ana Paula Pujol


Nutricionista Nutricionista

Gabriela Dors Wilke Rocha


Nutricionista
3

Sumário

Cúrcuma 04
Hibisco 15
Chá Verde 27
Formulação 39
4

1. Cúrcuma
5

Qual seu nome científico?

Cúrcuma longa L.
6

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
 Atividade antioxidante, ações antivirais e antifúngicas;
 Ação anti-inflamatória.

Exerce atividade anti-inflamatória por inibição de uma série de moléculas que desempenham um
papel importante na inflamação. As curcuminas exibem propriedades anti-inflamatórias em
modelos animais através da inibição da atividade das enzimas ciclo-oxigenase e lipo-oxigenase. A
ação anti-inflamatória da cúrcuma é provável devido a uma combinação de três propriedades
diferentes. Primeiro, o açafrão diminui a produção de histamina que induz inflamação. Em
segundo lugar, aumenta e prolonga a ação do cortisol, hormônio anti-inflamatório, e, finalmente,
o açafrão melhora a circulação.
7

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
 Inibe o crescimento de Helicobacter pylori, que causa úlceras gástricas e tem sido
associado a prevenção do câncer de estômago;
 Efeito digestivo.

A cúrcuma atua estimulando a produção de bile, assim, aumentando a capacidade para


digerir gorduras, melhorando a digestão e eliminando toxinas do fígado. Estudos
farmacocinéticos em animais demonstraram que 40 a 85% de uma dose oral de curcumina
é absorvido e metabolizado na mucosa intestinal e fígado. Devido à sua baixa taxa de
absorção, a curcumina é frequentemente formulada com bromelina e piperina para maior
absorção e efeito anti-inflamatório potencializado.
8

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
 Ajuda a prevenir aterosclerose, reduzindo a formação de coágulos no sangue;

 Pode ligar-se a metais pesados ​como o cádmio e o chumbo, reduzindo assim a


toxicidade desses metais pesados. Esta propriedade da curcumina explica sua ação
protetora para o cérebro;

 Atua como um inibidor para ciclo-oxigenase, 5-lipoxigenase e glutationa S-transferase;

 Vários estudos publicados também mostram que o açafrão inibe o crescimento de


vários tipos diferentes de células cancerosas;

 Curcumina, seu principal constituinte ativo, é um antioxidante tão poderoso quanto


vitaminas C, E e betacaroteno, tornando o uso de açafrão uma escolha popular para
prevenção do câncer, proteção hepática e envelhecimento prematuro.
9

Quais suas principais propriedades


terapêuticas para a desordem escolhida?

1. Anti-inflamatório;
2. Antioxidante;
3. Hipolipemiante;
4. Estimula a oxidação lipídica e inibe a
lipogênese/adipogênese.
10

Quais os principais fitoquímicos presentes


nessa planta?

 Os constituintes ativos do açafrão são: o flavonoide curcumina


(diferuloylmetano) e vários óleos voláteis, incluindo tumerone,
atlantona e zingiberona;

 Outros constituintes incluem açúcares, proteínas e resinas.


11

Qual o fitoquímico responsável pelo efeito


esperado para a desordem orgânica escolhida?

Curcumina
12

Quais os mecanismos de ação dos fitoquímicos


responsáveis pelo efeito esperado da planta?

 Ação hipolipemiante. Reduz os triglicerídeos e ácidos graxos plasmáticos, por


meio da ativação de PPARg;

 Inibe a síntese de ácido graxo sintetase (FAS) hepáticos através do aumento da


oxidação beta de ácidos graxos;

 Ativa genes relacionados à oxidação lipídica como AMPK, PGC1 alfa, CTP1, ACC
e enzima HSL (Hormônio Lipase Sensível);

 Redução nos níveis de citocinas pró-inflamatórias e proteínas C-reativas


(PCRs);
13

Quais os mecanismos de ação dos fitoquímicos


responsáveis pelo efeito esperado da planta?
 Aumento da Taxa Metabólica Basal;

 Promove o escurecimento do tecido adiposo branco, convertendo


para tecido adiposo bege;

 Reduz leptina e aumenta a adiponectina.


14

Qual a parte da planta utilizada para o efeito


esperado?

Rizoma
15

2. Hibisco
16

Qual seu nome científico?

Hibiscus (Hibiscus sabdariffa L.)


17

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?

Antioxidante, com propriedades anti-hipertensivas, hipocolesterolêmicas,


hepatoprotetora, antibacteriana e nefroprotetora, além de ação antipirética e anti-
inflamatória. Também age como um diurético e é muito utilizado no tratamento de
distúrbios gastrointestinais.
18

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?

Os extratos de H. sabdariffa estudados in vivo apresentaram efeitos antipiréticos


diminuindo significativamente a febre induzida por suspensão de Saccharomyces
cerevisiae (fermento) em ratos. O mecanismo é diferente da aspirina, um inibidor de
prostaglandina. No entanto, a febre implica uma formação reforçada de citoquinas,
como interleucinas (IL), interferões e fator de necrose tumoral-α (TNF-α). O extrato de
H. sabdariffa pode estar envolvido na inibição de algumas dessas substâncias,
resultando também em um efeito anti-inflamatório.
19

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?

Seu efeito hepatoprotetor ocorre devido a sua atividade antioxidante que reduz o
dano celular causado pelo estresse oxidativo. O extrato também aumentou a atividade
das enzimas superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT), glutationa peroxidase (GPx) e
delta-aminolevulinato desidratase (d-ALA-D) enquanto diminui a peroxidação lipídica
em modelos induzidos ao dano hepático. Além de levar a diminuição das enzimas
marcadoras hepáticas, como aspartato transaminase (AST), alanina transaminasa (ALT)
e fosfatase alcalina (ALP) em hiperamonemia (excesso de amônia) experimental.
20

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
 Dois estudos foram relatados sobre a atividade nefroprotetora de extratos de H.sabdariffa
sobre nefropatia diabética em ratos diabéticos tipo 1 induzidos por estreptozotocina.

 A atividade antioxidante do extrato de H. sabdariffa é devido ao seu efeito de eliminação de


espécies reativas de oxigênio (ROS) e radicais livres.

 Os polifenois de H. sabdariffa podem impedir a hiperglicemia e hiperlipidemia, inibir a


lipogênese hepática, enquanto promover a depuração lipídica hepática.

 O extrato de H. sabdariffa apresenta efeito antibacteriano contra o Streptococcus mutans,


bactéria cariogênica da cavidade oral, com uma concentração inibitória mínima de 2,5 mg/ml.
21

Quais suas principais propriedades


terapêuticas para a desordem escolhida?
Em ensaios clínicos, também foi relatado um efeito anti-obesidade de H.
sabadriffa. O consumo por 12 semanas de extração de H. sabdariffa reduziu
o peso corporal, Índice de Massa Corporal (IMC), gordura corporal e a
relação cintura-quadril em indivíduos com IMC ≧ 27 e com idade entre 18-
65.
22

Quais suas principais propriedades


terapêuticas para a desordem escolhida?

Vários mecanismos de atuação do efeito anti-


obesidade foram relatados ao H. sabdariffa, incluindo
a regulação negativa de genes envolvidos no
metabolismo lipídico, como a síntese de ácidos graxos
livres. Além disso, autores relataram que o consumo
de H. sabdariffa atenua a hipertrofia de adipócitos
através da inibição da acumulação de gotículas
lipídicas; Isso é associado à inibição da diferenciação
de adipócitos. Além disso, uma regulação negativa de
lipases pancreáticas e sínteses de ácidos graxos foi
relatada.
23

Quais os principais fitoquímicos presentes


nessa planta?

O H. sabdariffa é rico em
polifenois, incluindo as
antocianinas, flavonoides e os
ácidos fenólicos.
24

Quais os fitoquímicos responsáveis pelo efeito


esperado para a desordem orgânica escolhida?

Os polifenois como o derivado de ácido gálico, ácido clorogênico, ácido


cafeico, quercetina e tilirose, demonstraram ser efetivos na redução da
obesidade e dos distúrbios relacionados.
25

Quais os mecanismos de ação dos fitoquímicos


responsáveis pelo efeito esperado da planta?

 Ácido clorogênico e Ácido cafeico – diminuíram o peso corporal,


melhoraram o metabolismo lipídico e os níveis hormonais relacionados
à obesidade em ratos com excesso de gordura.

 Quercitina – induz a apoptose dos adipócitos.

 Tilirose – regula os hormônios relacionados à obesidade.


26

Quais as partes da planta utilizadas para o


efeito esperado?

Cálice da flor
27

3. Chá Verde
28

Qual seu nome científico?

Camellia sinensis
29

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
 Atividades antibacterianas, anti-inflamatórias e anticarcinogênicas;

 Função antioxidante;

 O extrato aquoso de C. sinensis pode fornecer proteção contra a oxidação


do DNA;

 Atua na inibição da lipase pancreática;

 Auxilia na perda de peso (obesidade) e no tratamento da esteatose


hepática.
30

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
Proteção contra a doença de Alzheimer através de múltiplos mecanismos,
incluindo as ações em eventos a montante, como a formação de amiloides e
eventos a jusante tais como estresse oxidativo e inflamação.

Controle do diabetes mellitus. Alguns pesquisadores também descobriram que


os polissacarídeos contidos no chá verde tiveram um bom efeito
hipoglicêmico.
31

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?

 Proteção da densidade mineral óssea;

 Pode aumentar significativamente os níveis plasmáticos de adiponectina e o


tamanho das partículas de lipoproteínas de baixa densidade (LDL), bem como
diminuir significativamente os níveis plasmáticos de colesterol total e
triglicerídeos;

 Prevenção do Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCi), o estudo de Liang et


al., (2009) indicou que o risco de AVCi foi significativamente menor entre os
indivíduos que bebiam regularmente uma ou duas xícaras de chá verde
diariamente.
32

Quais suas principais propriedades


terapêuticas gerais?
Possui efeitos anti-estresse e ansiolítico. GABA significa ácido gamma-
aminobutírico, um aminoácido ocorre naturalmente na C. sinensis. Acredita-se
que o aumento do GABA pode diminuir o estresse e a ansiedade.

Prevenção do câncer pancreático e outros cânceres. Al-Wadei et al., (2013)


identificaram que o GABA pode atuar como um agente promissor para a
prevenção do carcinoma ductal do pâncreas. Além disso, os pesquisadores
também sugeriram que o GABA poderia ter efeitos preventivos sobre outros
cânceres.
33

Quais suas principais propriedades


terapêuticas para a desordem escolhida?
Numerosos estudos realizados em seres humanos revelaram que o extrato de chá
verde diminui o peso e o ganho de gordura corporal.

Nagao et al., (2005) realizaram um experimento


duplo-cego com 270 homens e mulheres de 50 anos
e Índice de Massa Corporal (IMC) entre 24 e 30
kg/m². Durante 12 semanas os participantes
ingeriram 340 ml de chá verde por dia, contendo 690
mg de catequinas do chá verde (grupo GTC) ou 22
mg (grupo controle). Os resultados indicaram que o
peso corporal, o IMC, a circunferência da cintura, a
massa gorda corporal e a área de gordura
subcutânea foram significativamente menores no
grupo GTC do que aqueles no grupo controle,
sugerindo o efeito benéfico de GTC na obesidade.
34

Quais suas principais propriedades


terapêuticas para a desordem escolhida?
Além disso, a termogênese através da expressão da proteína de
desacoplamento 1 em adipócitos marrons é um dos mecanismos que
ativa o metabolismo catabólico para reduzir o conteúdo lipídico, e
estudos sugerem que a termogênese in vivo pode ser estimulada pelo
tratamento com extrato de chá verde.
35

Quais os principais fitoquímicos presentes


nessa planta?

 Alcaloides – teobrina e cafeína;

 Flavonoides – catequinas, taninos, flavonois e glicosídeos de flavonol;

 O chá verde contém uma ampla gama de catequinas: epicatequina (EC),


epigalocatequina (EGC), galato de epicatequina (ECG) e epigalatocatequina
galato (EGCG). O EGCG é o mais abundante (50% da quantidade total de
catequinas no chá verde) e possui a catequina de atividade antioxidante mais
potente.
36

Quais os fitoquímicos responsáveis pelo efeito


esperado para a desordem orgânica escolhida?

 Catequinas, em especial a epigalatocatequina galato.


37

Quais os mecanismos de ação dos fitoquímicos


responsáveis pelo efeito esperado da planta?
Lee et al., (2009) mostraram que a epigalatocatequina galato (EGCG) inibe a
acumulação de lipídios em adipócitos, por meio da estimulação da lipólise.
Acredita-se que o chá verde aumenta o gasto de energia e, por isso, pode ter
aplicação em um tratamento de suporte da obesidade.
38

Qual a parte da planta utilizada para o efeito


esperado?

Folhas
39

Formulação para Obesidade


Camellia sinensis, Chá verde, extrato seco padronizado a 95% de polifenóis, folhas – 300 mg
Hibiscus sabdariffa L., Hibisco, extrato seco padronizado a 7% de antocianinas, flor – 400 mg
Curcuma longa, extrato seco padronizado a 95% de curcuminoides, rizomas - 200 mg

Aviar X doses em cápsulas qsp.

Posologia:
Consumir 1 dose ao dia, pela manhã.
40

Referências - Cúrcuma
AKRAM, M. et al. Curcuma longa and curcumin: a review article. Rom J Biol Plant Biol, v. 55, n. 2, p. 65-70,
2010.

ALAPPAT, L.; AWAD, A.B. Curcumin and obesity: evidence and mechanisms. Nutrition reviews, v. 68, n. 12,
p. 729-738, 2010.

CHAINANI-WU, Nita. Safety and anti-inflammatory activity of curcumin: a component of tumeric


(Curcuma longa). The Journal of Alternative & Complementary Medicine, v. 9, n. 1, p. 161-168, 2003.

WANG, S.et al. Curcumin promotes browning of white adipose tissue in a norepinephrine-dependent
way. Biochemical and biophysical research communications. v. 66, n. 2, p. 247-253, 2015.
41

Referências - Hibisco
ABDALLAH, E.M. et al. Antibacterial efficiency of the Sudanese Roselle (Hibiscus sabdariffa L.), a famous beverage from Sudanese folk
medicine. J Intercult Ethnopharmacol. v. 5, n. 2, p. 186-190, 2016.

ADARAMOTE, O. et al. Protective effects of extracts of Vernonia amygdalina, Hibiscus sabdariffa and vitamin C against radiation-
induced liver damage in rats. Journal of Radiation Research. v. 49, n. 2, p. 123-131, 2008.

AFOLABI, O.C.; OGUNSOLA, F.T.; COKER, A.O. Susceptibility of cariogenic Streptococcus mutans to extracts of Garcinia kola, Hibiscus
sabdariffa, and Solanum americanum. The West African Journal of Medicine. v. 27, n. 4, p. 230-233, 2008.

AGUWA, C.N. Verification of the folkloric diuretic claim of Hibiscus sabdariffa L. petal extract. Nigerian Journal of Pharmaceutical
Research. v. 3, n. 1, p. 1-8, 2004.

AHN, J. The anti-obesity effect of quercetin is mediated by the AMPK and MAPK signaling pathways. Biochem Biophus Res Commun. v.
373, n. 4, p. 545-549, 2008.

AJIBOYE, T.O. Antioxidant and drug detoxification potentials of Hibiscus sabdariffa anthocyanin extract. Drug and Chemical Toxicology.
v. 34, n. 2, p. 109-115, 2011.

CHANG, H.C. et al. Hibiscus sabdariffa extract inhibits obesity and fat accumulation, and improves liver steatosis in humans. Food
Funct. v. 5, p. 734-739, 2014.

CHO, A.S. et al. Chlorogenic acid exhibits anti-obesity property and improves lipid metabolism in high-fat diet-induced-obese
mice. Food Chem Toxicol. v. 48, p. 937-943, 2010.

ESSA, M.M. et al. Influence of Hibiscus sabdariffa (Gongura) on the levels of circulatory lipid peroxidation products and liver marker
enzymes in experimental hyperammonemia. Journal of Applied Biomedicine. v. 4, n. 1, p. 1271 53-58, 2006
42

Referências - Hibisco
EZZAT, S.M. et al. Metabolic profile and hepatoprotective activity of the anthocyanin-rich extract of Hibiscus sabdariffa calyces. Pharm
Biol. v. 54, n. 12, p. 3172-3181, 2016.

FAROMBI, E.O.; FAKOYA, A. Free radical scavenging and antigenotoxic activities of natural phenolic compounds in dried flowers of
Hibiscus sabdariffa L. Molecular Nutrition & Food Research. v. 49, n. 12,p. 1120-1128, 2005.

GAMBOA-GÓMEZ, C. et al. Consumption of Ocimum sanctum L. and Citrus paradisi infusions modulates lipid metabolism and insulin
resistance in obese rats. Food Funct. v. 5, p. 927-935, 2014.

GOTO, A. et al. Tiliroside, a Glycosidic Flavonoid, Ameliorates Obesity-Induced Metabolic Disorders via Activation of Adiponectin
Signaling Followed by Enhancement of Fatty Acid Oxidation in Liver And Skeletal Muscle in Obese-Diabetic Mice. The Journal of
Nutritional Biochemistry. v. 23, n. 7, p. 768-776, 2012.

KIM, N.H.; PARK, S.H. Evaluation of green pepper (Capsicum annuum L.) juice on the weight gain and changes in lipid profile in C57BL/6
mice fed a high‐fat diet. J Sci Food Agric. v. 95, p. 75-87, 2014.

LAIKANGBARN, R.; DARMAYANTI, D.M. Inhibition of calcium oxalate crystal deposition on kidneys of urolithiatic rats by Hibiscus
sabdariffa L. extract. Urological Research. v. 40, n. 3, p. 211-218, 2012.

LEE, C.H. et al. A polyphenol extract of Hibiscus sabdariffa L. ameliorates acetaminophen-induced hepatic steatosis by attenuating the
mitochondrial dysfunction in vivo and in vitro. Bioscience, Biotechnology and Biochemistry. v. 76, n. 4, p. 646-651, 2012.

LEE, W.C. et al. Polyphenol extracts from Hibiscus sabdariffa Linnaeus attenuate nephropathy in experimental type 1 diabetes. Journal
of Agricultural and Food Chemistry. v. 57, n. 6, p. 1455 2206-2210, 2009.

LIN, H.H.; CHEN, J.H.; WANG, C.J. Chemopreventive properties and molecular mechanisms of the bioactive compounds in Hibiscus
sabdariffa Linne. Curr. Med. Chem. v. 18, p. 1245-1254, 2011.
43

Referências - Hibisco
MICKAY, D.L. et al. Hibiscus Sabdariffa L. Tea (Tisane) Lowers Blood Pressure in Prehypertensive and Mildly Hypertensive Adults. J. Nutr. v. 140, n. 2, p. 298-
303, 2010.

MOHD-ESA, N. et al. Antioxidant activity in different parts of roselle (Hibiscus sabdariffa L.) extracts and potential exploitation of the seeds. Food Chemistry.
v. 122, n. 4, p. 1055-1060, 2010.

OLALEYE, M.T.; ROCHA, B.T. Acetaminophen-induced liver damage in mice: effects of some medicinal plants on the oxidative defense system. Experimental
and Toxicologic Pathology. v. 59, n. 5, p. 319-327, 2008.

PENG, C.H. et al. Hibiscus sabdariffa polyphenolic extract inhibits hyperglycemia, hyperlipidemia, and glycation-oxidative stress while improving insulin
resistance. J Agric Food Chem. v. 59, n. 18, p. 9901-9909, 2011.

ROCHA, D.C. et al. Hibiscus sabdariffa L. - a phytochemical and pharmacological review. Food Chem. v. 15, p. 424-443, 2014.

REANMONGKOL, W.; ITHARAT, A. Antipyretic activity of the extracts of Hibiscus sabdariffa calyces L. in experimental animals. The Songklanakarin Journal of
Science and Technology. v. 29, n. 1, 2007.

WANG, S.C. et al. Aqueous Extract from Hibiscus sabdariffa Linnaeus Ameliorate Diabetic Nephropathy via Regulating Oxidative Status and Akt/Bad/14-3-
3gamma in an Experimental Animal Model. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine. p. 1-9, 2011.

WOOTTISIN, S. Effects of Orthosiphon grandiflorus, Hibiscus sabdariffa and Phyllanthus amarus extracts on risk factors for urinary calcium oxalate stones in
rats. Journal of Urology. v. 185, n. 1, p. 323-328, 2011.

YANG, M.Y. The hypolipidemic effect of Hibiscus sabdariffa polyphenols via inhibiting lipogenesis and promoting hepatic lipid clearance. J Agric Food Chem. v.
58, n. 2, p. 850-859, 2010.
44

Referências – Chá Verde


AL-WADEI, M.D. et al. Gamma-amino butyric Acid (GABA) Prevents the induction of nicotinic receptor-regulated signaling by chronic ethanol in pancreatic
cancer cells and normal duct epithelia. Cancer Prevention Research. v. 6, n. 2, p. 139-148, 2013.

ANJU, P. et al. Gamma amino butyric acid accumulation in medicinal plants without stress. Ancient science of life. v. 34, n. 2, p. 68, 2014.

BIESCHKE, J. et al. EGCG remodels mature α-synuclein and amyloid-β fibrils and reduces cellular toxicity. Proceedings of the National Academy of Sciences. v.
107, n. 17, p. 7710-7715, 2010.

BOSE, M.; LAMBERT, J.D. The major green tea polyphenol, (-)-Epigallocatechin-3-Gallate, inhibits obesity, metabolic syndrome and fatty liver disease in high
fat fed mice. J Nutr. v. 138, p. 1677-1683, 2008.

CHEN, Y.L. et al. To evaluate the efficacy of method of drinking oolong tea treatment for erectile dysfunction combine dhyperlipidemia. The Chinese Journal
of Human Sexuality. v. 20, n. 3, p. 17-18, 2011.

EHRNHOEFER, D.E. et al. EGCG redirects amyloidogenic polypeptides into unstructured, off-pathway oligomers. Nature Structural and Molecular Biology. v.
15, p. 558-566, 2008.

GOSSELIN, C.; HAMAN, F. Effects of green tea extracts on non-shivering thermogenesis during mild cold exposure in young men. Br. J. Nutr. v. 110, p. 282-
288, 2013.

HE, R.R. et al. Beneficial effects of oolong tea consumption on diet-induced overweight and obese subjects. Chinese Journal of Integrative Medicine. v. 15, p.
34-41, 2009.

LEE, M.S.; KIM, C.T.; KIM, Y. Green tea (-)-epigallocatechin-3-gallate reduces body weight with regulation of multiple genes expression in adipose tissue of
diet-induced obese mice. Ann Nutr Metab. v. 54, p. 151-157, 2009.

LIANG, W.B. et al. Tea consumption and ischemic stroke risk (A case - control study in southern China). Stroke. v. 40, p. 2480-2485, 2009.
45

Referências – Chá Verde


MOCHIZUKI, M.; HASEGAWA, N. Effects of green tea catechin-induced lipolysis on cytosol glycerol content in differentiated 3T3-L1 cells. Phytother Res. v. 18,
p. 945–946, 2004.

MOON, H.S.; LEE, H.G. Proposed mechanisms of (-)-epigallocatechin-3-gallate for anti-obesity. Chem Biol Interact. v. 167, p. 85-98, 2007.

NAGAO, T. et al. Ingestion of a tea rich in catechins leads to a reduction in body fat and malondialdehyde-modified LDL in men. Am. J. Clin. Nutr. v. 81, p. 122-
129, 2005.

NG, K.W. et al. Oolong Tea: A Critical Review of Processing Methods, Chemical Composition, Health Effects and Risk. Crit Rev Food Sci Nutr, 2017.

NAKAI, M. et al. Inhibitory effects of oolong tea polyphenols on pancreatic lipase in vitro. Journal of Agricultural and Food Chemistry. n. 53, p. 4593-4598,
2005.

SONG, J. et al. Tea and cognitive health in late life: current evidence and future directions. The Journal of Nutrition, Health and Aging. v. 16, n. 1, p. 31-34,
2012.

WALKOMIAK, J. Single dose of green tea extract decreases lipid digestion and absorption from a test meal in humans. Acta Biochim Pol. v. 60, n. 3, p. 481-
483, 2013.

WANG, G. et al. Oolong tea drinking could help prevent bone loss in postmenopausal Han Chinese women. Cell Biochemistry and Biophysics. v. 70, n. 2, p.
1289-1293, 2014.

YI, D.Q. et al. Reduced risk of dyslipidaemia with oolong tea consumption: a population-based study in southern China. British Journal of Nutrition. v. 111, p.
1421-1429, 2014.

ZHANG, Y. et al. Study on preparation of tea polysaccharides from oolong and their hypoglycemic activity. China Journal of Medicinally Active Plants. v. 25,
n. 4, p. 286-288, 2008.

ZHU, Q.Y. et al. Antioxidative activities of oolong tea. Journal of Agricultural and Food Chemistry. v. 50, p. 6929-6934, 2002.