Você está na página 1de 10

Entenda o Movimento Retilíneo Uniforme – MRU

AULA 3 O que é movimento? Na Física, este conceito se refere à variação de posição


espacial de um objeto ou ponto material no decorrer do tempo. O MRU trata do
movimento de um móvel em relação a um referencial, ao longo de uma reta, de
maneira uniforme, isto é, em velocidade constante.

Novo sistema de multas tem como base a velocidade


constante do carro entre portais usados como referencial

Atenção: olho no velocímetro!

São Paulo: multas por excesso de velocidade média começam em 2013

Conhece o Rali de Regularidade? O nome já diz tudo. Você terá que ser regular na estrada,
pois portais eletrônicos começarão a multar quem exceder a velocidade, ou melhor, reduzir o tempo
entre dois pontos de marcação.
É um sistema semelhante ao utilizado na F1 para medir o tempo entre os carros em determi-
nados trechos da pista. Nas principais rodovias de São Paulo é isso o que vai ocorrer.
Se você passar a 120 km/h pelo primeiro marcador e logo depois acelerar para 140 km/h,
mesmo que reduza novamente para 120 km/h, será multado por ter elevado a velocidade entre os
portais, reduzindo assim o tempo de percurso no trecho.
Com o novo sistema, quem não obedecer à velocidade entre os portais será penalizado. Claro
que, se o tempo for maior entre os portais, o motorista não será “multado” como no Rali de Regula-
ridade. Enfim, olho no velocímetro, pois os portais de multas estarão por aí.
Folha de S. Paulo. 22/03/2012. Texto adaptado.

Física 1 - Aula 3 25 Instituto Universal Brasileiro


Estudo do MRU (ou MU) e seus gráficos
O movimento retilíneo e uniforme, que
abreviamos por MRU ou MU, é um modelo, isto S = S0 + V.t
é, a idealização de um movimento o mais sim-
ples possível e, por isso, pouco comum em nos- S = posição final ou local de chegada
so cotidiano. O MRU é o movimento em que as S0 = posição inicial ou local de partida
grandezas da Cinemática já estudadas, que são
o espaço, a velocidade e a aceleração, com-
portam-se da maneira mais simples possível.

Características do MRU
1ª) Os movimentos retilíneos são aque- No caso de usar ∆X no lugar de ∆S,
les que possuem trajetória retilínea, e os mo- essa é a equação horária da velocidade:
vimentos chamados uniformes são aqueles X = X0 + V.t. Sendo:
que possuem velocidade (V) constante.
2ª) Quando a velocidade é constante, X = posição final ou local de chegada
não há variação, isto é, ∆V = 0. X0 = posição inicial ou local de partida
3ª) Aceleração é a = ∆V ÷ ∆t. Se ∆V = 0,
então a = 0, quando a velocidade é constante. Apresentamos a seguir dois exem-
A velocidade instantânea é igual à velocidade plos de exercícios sobre MRU.
média, ou seja: Vm = V, onde V = ∆S ÷ ∆t.
1º) Qual a velocidade de um corpo
em movimento retilíneo uniforme, que
percorre 40 m em 5s?

Resolução.
Alguns livros e materiais utilizam ∆X
no lugar de ∆S: ∆X = (X - X0 ), ou ∆S = (S -
S0). Ou seja: posição final (X ou S) menos
dados {
∆S = 40 m
∆t = 5s
posição inicial (X0 ou S0). pedido: V = ?

∆t = t - t0 Quando no texto dos exercícios estiver


escrito, como neste exemplo, que se trata de
4ª) Consideramos o instante inicial t0 = 0, um movimento retilíneo uniforme, ou estiver
por se tratar do instante inicial o qual não é con- escrito que a velocidade é constante, para
siderado, teremos então: calculá-la, podemos usar a fórmula:
∆S (S - S0) S - S0 ∆S
V = ∆t = t - t0 = V=
­ ­ ­ t ∆t
S - S0 V S - S0
V= = Mas lembre-se: esta fórmula só é válida
t 1 t
­ para MRU (V constante). No exemplo, então,
Multiplicando em cruz teremos a
equação horária do MRU, isolando o S, 40
V= V = 8 m/s
que indica a posição final. 5

Física 1 - Aula 3 26 Instituto Universal Brasileiro


2º) Um corpo em MRU, passa pela VA = 20 m/s VB = 10 m/s
posição 100 km de uma estrada, com ve-
locidade de 80 km/h. Após 2h de movi- A B +
mento, este móvel estará passando por
qual posição nesta estrada? 200 m
Resolução:

{ S0 = 100 km Observe que o veículo A da figura, por


dados V = 80 km/h possuir velocidade maior, irá alcançar o veí-
t = 2h culo B após alguns instantes. Então, iremos
calcular quanto tempo, a partir desta situação
(posição que é considerada a inicial, em t = 0) inicial, o veículo A levará para alcançar o veí-
(velocidade constante, pois o corpo está em MRU) culo B. Para tanto, seguimos os passos des-
(instante t = 2h, isto é, 2h depois do instante t = 0) critos abaixo:
• Adotamos uma origem (S = 0), que
pedido: S = ? (posição ocupada em t = 2h) pode ser ou na posição inicial do móvel A, ou
na do móvel B. Por exemplo, no móvel A:
No MRU, S = S0 + V . t Substituindo S0 e V,
VB = 20 m/s VB = 10 m/s

A B +
temos: S = 100 + 80 . t que é a equação
horária do corpo deste exemplo. 0 200 m
Para t = 2h S = 100 + 80 . 2 • Construímos as equações horárias do
S = 100 + 160
movimento de cada um dos móveis. Como
eles se movem com velocidade constante,
S = 260 km
eles executam movimento retilíneo unifor-
me, onde

Problemas de encontro de dois móveis S = S0 + V. t

Os problemas de encontro de dois No exemplo, temos:


móveis referem-se à situação na qual dois
móveis trafegam pela mesma trajetória e
de maneira tal que, em determinado mo-
mento, eles ocupam a mesma posição S
móvel A
{ S0 = 0 (consideramos a origem)
VA = 20 m/s

na trajetória. Substituindo na equação horária, obtemos:

Portanto: SA = 0 + 20 . t
• Dois móveis se encontram no instante
em que ocupam a mesma posição na trajetória.
Para exemplificar esta situação, vamos SA = 20 . t

{
considerar dois veículos que trafegam na
mesma trajetória, no mesmo sentido e com
móvel B S0 = 200 m (inicialmente, B
velocidades constantes. Inicialmente, os veí- está a 200 m do ponto que
culos encontram-se separados por uma dis- consideramos a origem)
tância de 200 m, conforme indica a figura a
seguir, em que mostramos as velocidades VB = 10 m/s
destes veículos.
Física 1 - Aula 3 27 Instituto Universal Brasileiro
Substituindo na equação horária, obtemos:

SB = 200 + 10 . t

• Igualamos as equações horárias, pois os


móveis se encontram quando ocupam a mesma Considerando a velocidade (S)
posição na trajetória. Encontro de dois veículos A e B SA = SB

20 m/s 10 m/s

A A B B A B + Gráficos do MRU
0 200 m encontro (movimento retilíneo uniforme)
No exemplo, fazemos: A utilização de gráficos é uma pode-
20 . t = 200 + 10 . t rosa arma para interpretação de dados.
Os gráficos são utilizados, por exemplo,
20 . t - 10 . t = 200 em Geografia para mostrar a evolução da
densidade populacional de uma região, na
10 . t = 200 política, a fim de mostrar a corrida eleitoral,
ou seja, o posicionamento dos candidatos
na disputa de um cargo político, e também
t = 200 = 20s
10 na Matemática mostrando desde funções
simples a funções complexas. Em Físi-
Este é o instante em que A e B se encon- ca, utilizaremos os gráficos para mostrar
tram, que passaremos a indicar por tE (instante a evolução no tempo de grandezas como
de encontro), isto é, neste exemplo, tE = 20s. espaço, velocidade e aceleração.
• Se desejarmos determinar qual é a po-
sição na trajetória em que os móveis se encon-
tram, deveremos substituir tE em qualquer uma
Gráfico da aceleração no MRU
das duas equações horárias, pois neste instante
elas são iguais. Você já sabe que no MRU, a aceleração é
No exemplo: nula. Desta forma, o gráfico A . t será uma reta
que coincide com o eixo dos instantes t (abcis-
SA = 20 . t e substituindo tE = 20s, sa). O gráfico é então,

S = 20 . 20 = 400 m a

Esta posição, que corresponde ao instante


a=0
do encontro tE, indicaremos por SE (posição do
encontro). Então, SE = 400 m.

Note que, se substituirmos tE na 0


equação horária do móvel B, obteremos
o mesmo resultado, pois no encontro as
posições dos móveis na trajetória são Gráficos do espaço em
iguais. Então, verificamos que, como: função do tempo (S . t)

SB = 200 + 10t, quando tE = 20s, No MRU, temos a seguinte função ho-


SE = 200 + 10 . 20 rária (S = f (t)): S = S0 + v . t.
SE = 200 + 200 = 400 m. Como esta função é do 1º grau, podemos
ter os seguintes gráficos S . t para o MRU:
Física 1 - Aula 3 28 Instituto Universal Brasileiro
Movimento progressivo Movimento retrógrado

S V>0 V

V<0

t
0
t
0

S0

Movimento retrógrado Gráfico da aceleração em


S função do tempo (a . t)
V<0 No MRU a aceleração é igual a zero e por-
S0
tanto teremos:

t
0

t
0

Gráficos da velocidade em
função do tempo (v . t)
Propriedades nos
Para o MRU, a velocidade é constante gráficos do MRU
e diferente de zero. Nesse caso a função será
uma reta paralela ao eixo dos tempos. No gráfico S . t, no MRU, temos:

Movimento progressivo
S
V
V>0

∆S

θ
t t
0 0 ∆t

Física 1 - Aula 3 29 Instituto Universal Brasileiro


Demonstração
S (m)

A definição cateto oposto


tg θ = 25
de tangente cateto adjacente

Aplicando a
definição de ∆s
tangente no nosso tg θ = ∆t
caso, temos: 10
Sabendo que t (s)
0 1 2 3 4
∆s , V = tg θ
V=
∆t
temos então: Resolução:
Através do gráfico, podemos obser-
var que:
No gráfico v . t, no MRU, temos:
para t = 0 S0 = 10 m
V para t = 3s S = 25 m

∆S 25 - 10 15
Como V =
∆t
V= = = 5 m/s
3-0 3
V
Observações
∆S
A
• S0, a posição inicial, é o valor onde
o gráfico "corta" o eixo das ordenadas,
t que é o eixo da posição S.
0 ∆t

S
Demonstração

A área de
A=B.h
um retângulo

Aplicando em nos- S0
A = ∆t . V
so caso, temos:
t
0

Sabendo que
v . ∆t = ∆S, ∆S = A
• A velocidade V é calculada, no
teremos então:
MRU, pela fórmula e, conhecidas
V = ∆S
∆t
as coordenadas de dois pontos diferen-
Exemplo: tes no gráfico S . t, podemos determinar
Dado o gráfico do espaço para um corpo ∆S e ∆t e, assim, calcular V.
em MRU, calcule sua velocidade.
Física 1 - Aula 3 30 Instituto Universal Brasileiro
Acompanhe a resolução Resolução. Neste exercício temos:
de alguns exercícios

1. Um móvel inicia seu movimento a


partir da posição S0 = 10 m, percorrendo uma
dados
{ X = 10 + 5t
t = 2s
pedido: X = ?
trajetória retilínea, com velocidade constante
e igual a 5 m/s. Assinale com um (x) a única Substituindo o valor de t na equação.
alternativa que indica corretamente a equação
horária do movimento deste móvel. X = 10 + 5 . 2 X = 10 + 10
X = 20

3. Dois móveis, A e B, percorrem uma


trajetória retilínea, conforme as equações ho-
rárias:

5 m/s
SA = 2 + 3t (SI) e SB = 7 - 2t (SI)

A posição do encontro destes dois mó-


S0 = 10 m veis é igual a:

a) ( x ) S = 10 + 5t a) ( ) 4 m
b) ( ) S = 5 + 10t b) ( x ) 5 m
c) ( ) S = 15t c) ( ) 8 m
d) ( ) S = 5t d) ( )10 m

Resolução. Como a velocidade é cons- Resolução.


tante, trata-se de MRU, que sabemos ter por

{
equação horária do movimento S = S0 + V . t.
Como os dados são: S0 = 10 m e V = 5 m/s, dados SA = 2 + 3t (SI)
substituindo estes valores na equação, temos: SB = 7 - 2t (SI)

S0 V pedido: SE = ?

S = 10 + 5.t No encontro SA = SB temos:

Obs.: Lembre-se de que tanto faz usar 2 + 3tE = 7 - 2tE


S, S0 ou X, X0 para as medidas de distância.
5tE = 5 tE = 1s.
2. Com base na equação horária da
questão anterior, assinale com um (x) a alter-
nativa que indica a posição que o móvel ocu- Substituindo tE em SA ou SB, calculamos
pa no instante 2s. A medida de distância será SE. Vamos substituir em SA,
indicada por X.
SE = 2 + 3 . 1
a) ( ) X = 10 m
b) ( x ) X = 20 m
c) ( ) X = 25 m SE = 5 m
d) ( ) X = 30 m
Física 1 - Aula 3 31 Instituto Universal Brasileiro
4. Baseie-se no gráfico abaixo para assi- Resolução.
nalar a lápis, com um (x), a única alternativa que
indica corretamente a velocidade do móvel. Sabemos que S = S0 + V . t, onde S0 é
a posição inicial, isto é, a posição no instan-
S te t = 0. Pelo gráfico, podemos saber que
(metros)
14 para t = 0 S = 10 m;
12 para t = 1s S = 12 m;
para t = 2s S = 14 m;
10
t (segundos) Então, S0 = 10 m (posição em t = 0).
0 1 2
Substituindo S0 e V na equação horá-
ria do movimento, obtemos S = 10 + 2t.
a) ( x ) 2 m/s
b) ( ) 6 m/s
c) ( ) 7 m/s
d) ( ) 12 m/s

Resolução.

Pelo gráfico deste exercício, temos: Estudo do MRU (ou MU) e seus gráficos

em ti = 1s Si = 12 m MRU = movimento retilíneo unifor-


em tf = 2s Sf = 14 m me – quando a velocidade é constante
e a trajetória é uma reta. O móvel per-
V = ∆S corre distâncias iguais em intervalos de
∆t tempo iguais.
14 - 12
V=
2-1 • Equacão Horária de Velocidade
2
V= S = S0+ V . t ou X = X0 + V . t
1
V = 2 m/s
S ou X = posição final ou local de chegada
S0 ou X0 = posição inicial ou local de partida
5. Baseie-se no gráfico do exercício an-
terior para assinalar a alternativa que mostra a • Encontro de dois veículos
equação horária deste movimento.
AeB SA = SB
S
Gráficos do MRU
14

12 Mostram a evolução no tempo de


grandezas como espaço, velocidade e
10 aceleração.
t
0 1 2 O gráfico do MRU pode ser repre-
sentado por uma reta:
a) ( ) S = 10 + 12 . t
b) ( ) S = 10 + 7 . t • V > 0 Reta Subindo
c) ( ) S = 10 + 6 . t • V < 0 Reta Descendo
d ( x ) S = 10 + 2 . t
Física 1 - Aula 3 32 Instituto Universal Brasileiro
4. A velocidade de um corpo salta brusca-
mente de 2 m/s para 5 m/s no instante t = 3s. A va-
riação de espaço deste corpo, entre os instantes 0
e 5s, é igual a:

1. Um veículo inicia o seu movimento a partir V (m/s)


do km 80 de uma estrada retilínea, deslocando-se
com velocidade constante e igual a 80 km/h, no 5
sentido crescente da quilometragem da estrada. A
equação horária deste movimento é igual a: 2

a) ( )S=1+t t (s)
0 1 2 3 4 5
b) ( ) S = 80 + t
c) ( ) S = 1 + 80t
d) ( ) S = 80 + 80t a) ( )6m
b) ( ) 10 m
2. Dois motoristas A e B percorrem uma mes- c) ( ) 16 m
ma pista retilínea, conforme a figura. Inicialmente, d) ( ) 25 m
o ciclista A ocupa a posição 10 m e B a posição 80
m. As velocidades são constantes e valem VA = 30 5. Um móvel possui função horária do espa-
m/s e VB = 20 m/s. ço S = 10 + 3 t (SI). O gráfico S . t deste móvel é
Assinale, com um (x), a alternativa que mos- igual a:
tra o instante em que A alcança B.
a) ( ) S (m)
A B 10

t (s)
0 3
O
0 10 80 X (m)
b) ( ) S (m)
a) ( ) 7s
b) ( ) 5s
c) ( ) 3s 3
d) ( ) 1s
t (s)
0 10
3. A equação horária do espaço de um mó-
vel, cujo gráfico do espaço em função do tempo é
mostrado abaixo, é igual a: c) ( ) S (m)
13
S (m)

6
3 t (s)
0 2

t (s) d) ( ) S (m)
0 1 2 3
13

a) ( ) S = 6 + 3t (SI) 10
b) ( ) S = 6 - 3t (SI)
c) ( ) S = - 6 + 3t (SI) t (s)
d) ( ) S = 3 - 6t (SI) 0 1

Física 1 - Aula 3 33 Instituto Universal Brasileiro


4. c) ( x ) 16 m
Comentário. O deslocamento entre 0 e
5s é:
V (m/s)

1. d) ( x ) x = 80 + 80t
5
Comentário. Posição onde inicia o movi-
mento é posição inicial: S0. Então. 2 área 2
área 1
S0 = 80 km t (s)
0 1 2 3 4 5
V = 80 km/h

}
}
base 1 base 2

Se V é constante, o movimento é uniforme ∆S = área (entre 0 e 5s)


e a equação horária teórica é S = S0 + Vt. Substi- ∆S = área 1 + área 2 (uma área total pode
tuindo S0 e V, S = 80 + 80t (km; h). ser dividida em partes e depois somadas).

2. a) ( x ) 7 s
Comentário. No desenho, a posição vem
área 1 = 3 . 2 = 6
área 2 = 2 . 5 = 10 { ∆S = 6 + 10
∆S = 16 m

indicada por X.
5. d) ( x )

{
Dados: S (m)
X0 = 10 m
ciclista A XA = 10 + 30 t (SI) 13
VA = 30 m/s

{
10
X0 = 80 m
ciclista B XB = 80 + 20 t (SI) t (s)
VB = 20 m/s 0 1

Quando A alcança B, eles se encontram. Então:


Comentário. Como no MRU; S = S0 + V . t,
XA = XB 10 + 30t = 80 + 20t
comparando com a equação dada, S = 10 + 3 . t (SI),
30t - 20t = 80 - 10 10t - 70 t = 7s. temos: S0 = 10 m e V = 3 m/s.
Observe que nos gráficos das alternati-
3. b) ( x ) x = 6 - 3t (SI) vas a e b são retas decrescentes, indicando
Comentário. velocidades negativas.
S (m) No gráfico da alternativa c, temos S0 = 3 m.
6 Então, somente o gráfico da alternativa d é que
apresenta valores idênticos aos da equação ho-
rária dada neste exercício, pois temos os seguin-
tes pontos:
t (s)
0 1 2 3

Através do gráfico S . t, podemos obter t0 = 0 S0 = 10 m


as coordenadas de dois pontos diferentes: t = 1s S = 13 m
t=0 S0 = 6 m
S - S0 13 - 10
t = 2s S=0 V= V=
O cálculo da velocidade, neste caso, é: t - t0 1-0
S - S0 0-6 -6 3
V= V= = = -3 m/s. = = 3 m/s
t - t0 2-0 2 1
Como no MRU, a equação horária é:
Portanto, para o gráfico da alternativa d,
S = S 0 + V . t, substituindo os valores de S 0
e V, obtemos, S = 6 - 3 . t (SI)
S0 = 10 m e V = 3 m/s.

Física 1 - Aula 3 34 Instituto Universal Brasileiro

Você também pode gostar