Você está na página 1de 14

Estrutura e relevo do planeta Terra

AULA 4 Você sabe o que encontramos no interior da Terra? O que existe lá será que
afeta a nossa vida direta ou indiretamente? Você irá descobrir a resposta
para essas perguntas ao estudar o interior da Terra; a formação das rochas;
fenômenos como vulcões, terremotos; e a formação do relevo da Terra.

Viagem ao centro da Terra

No filme “Viagem ao centro da Terra”, produzido em 2008, três pessoas se aventuram numa ex-
pedição rumo ao centro do nosso planeta. Você acha que seria possível também realizar uma viagem
dessas? O que poderíamos encontrar a quilômetros de profundidade abaixo de nossos pés?
Para chegar ao centro da Terra teríamos que atravessar diversas camadas. A nossa viagem
partiria da camada onde estamos, ou seja, da crosta terrestre ou litosfera (o prefixo “lito”, do grego
lhítos, significa “pedra”). À medida que avançaríamos para o interior da Terra, a temperatura aumen-
taria em média 1 ºC para cada trinta metros.
A sessenta quilômetros de profundidade, que é aproximadamente a espessura da crosta ter-
restre, a temperatura já seria tão alta que o material que existe no interior da Terra não poderia mais
estar no estado sólido. Assim, debaixo da crosta sólida da Terra, existe outra camada mais densa
chamada manto terrestre, formada por um material pastoso, o magma. A crosta flutua sobre o
manto, assim como uma boia flutua numa piscina.
Depois de muito tempo de viagem e mais de seis mil quilômetros percorridos, chegaríamos
enfim ao centro da Terra, o núcleo, também chamado de nife, por ele ser formado, principalmente,
pelos minerais níquel e ferro.
Bem, parece que seria impossível uma viagem ao centro do nosso planeta. Mas, então, como
que os cientistas souberam de todas essas características se ninguém conseguiu viajar até lá? Até
hoje a profundidade máxima atingida foi de apenas 13 quilômetros, em solo russo, em 1987. E, mesmo
assim, quem viajou foi uma sonda, já que a essa altura qualquer ser humano estaria morto.

Geografia 1 - Aula 4 37 Instituto Universal Brasileiro


Estrutura e relevo do espaço natural
Os conhecimentos sobre a natureza bilhões de anos, originou as primeiras rochas
física do interior da Terra foram obtidos por do planeta que vivemos, e ele ainda existe
meio de estudos indiretos. Nesse caso, mais no interior da Terra, o que é confirmado pelas
precisamente por meio da análise da propa- erupções vulcânicas. Quando os vulcões ex-
gação de ondas sísmicas na massa terrestre, pelem lavas, estão expelindo magma.
decorrentes de tremores de terra ou de even- A solidificação do magma pode ocorrer
tos vulcânicos. Esses estudos constataram, de duas formas: na superfície (ou quase à su-
pela análise da propagação de ondas, que perfície) e no interior da Terra. Como a tem-
existem diferenças físicas no interior da Ter- peratura da superfície terrestre é muito menor
ra, o que permitiu a descoberta da existên- do que a do magma, ele sofre um rápido res-
cia das três camadas na massa terrestre que friamento quando chega à superfície terrestre.
abordamos acima. Isso não permite que se desenvolvam grandes
cristais no processo de formação da rocha.
Crosta terrestre
• Rochas magmáticas vulcânicas ou
O material que forma a crosta terres- extrusivas
tre é chamado de rocha.
As rochas magmáticas assim formadas
recebem o nome de rochas magmáticas vul-
cânicas ou extrusivas (a palavra extrusiva vem
de “exterior”, “fora de”). É o caso, por exemplo,
da lava vulcânica, que se solidifica na superfície
terrestre ao ser expelida por um vulcão.
O exemplo mais comum desse tipo de
rocha é o basalto, que em muitos lugares ocor-
re em abundância. Ele é utilizado como para-
lelepípedo para revestimento de ruas, como
pode ser observado em muitas cidades. Além
disso, quando quebrado ou partido em peque-
nos pedaços, o basalto é utilizado como pedra
Existem rochas muito duras, como o britada pela construção civil. Quando mistura-
granito e outras que você pode riscar com a do com cimento e água, pode ser obtido o con-
unha, como o calcário. A explicação para es- creto para construir vigas, colunas, lajes, etc.
sas diferenças está no processo de formação Veja um exemplo de uma viela revestida com
das rochas. De modo geral, podem-se agru- paralelepípedo de basalto.
par as rochas em três categorias básicas:

Rochas magmáticas

São rochas que resultaram na solidifica-


ção ou consolidação do magma e, por isso,
também são chamadas de rochas ígneas,
porque tiveram origem em ambiente de gran-
de temperatura (a palavra ígnea vem do latim
ignis, que significa “fogo”).
Paralelepípedo de basalto
O magma é um material pastoso que, há
Geografia 1 - Aula 4 38 Instituto Universal Brasileiro
• Rochas magmáticas plutônicas ou gos. Ali os detritos são depositados. O peso
intrusivas das camadas superiores dos detritos possi-
bilita que os das camadas inferiores endure-
Quando o magma em seu movimento de çam e se juntem, formando outro tipo de ro-
ascensão à superfície da Terra se resfria e se cha – as rochas sedimentares, que ocupam
solidifica ainda no interior do planeta, forma cerca de 75% da superfície terrestre.
as rochas magmáticas plutônicas ou in-
trusivas (intrusiva significa “interior”, “dentro As rochas sedimentares também são
de”). Nesse caso, o resfriamento do magma é chamadas de rochas estratificadas (de
lento, permitindo a formação de grandes cris- estrato, que quer dizer “camada”), pois se
tais. É por isso que, nesses tipos de rochas, apresentam em camadas de sedimentos.
os cristais são visíveis a olho nu. São também
chamadas de rochas cristalinas. Como exemplo de rochas sedimentares,
O exemplo mais comum de rochas mag- podemos citar o arenito, a argila e o carvão
mática plutônica ou intrusiva, ou cristalina, é o mineral, esse último, muito explorado, pois é
granito. Você deve conhecê-lo, pois também é uma fonte de energia importante, já que aque-
muito utilizado como paralelepípedo para cal- ce os fornos das indústrias siderúrgicas para
çamento de várias ruas de municípios brasi- a produção de aço.
leiros. Quando polido, o granito é muito usado
como tampo de pia de cozinha e de banheiro,
como piso ou revestimento interno e externo
de paredes de prédios, além de ter muitas ou-
tras aplicações na construção civil.

Arenito

Rochas metamórficas
Granito
A palavra metamórfica pode ser des-
conhecida para você, mas ela vem de outra
Rochas sedimentares palavra bastante usual: metamorfose, que
significa “transformação”. Então uma rocha
Tais rochas são resultantes da acumu- metamórfica quer dizer uma rocha transfor-
lação de detritos de outras rochas ou de ma- mada? Sim!
téria orgânica em depressões do relevo. As rochas metamórficas se originam
Como já vimos, as primeiras rochas da transformação de outras rochas que
que se constituíram foram as magmáticas, podem ser magmáticas ou sedimentares,
e estas, por sua vez, formaram o relevo ter- quando submetidas a certas condições de
restre. pressão e calor. São exemplos de rochas
A ação dos ventos, chuvas, água dos metamórficas o gnaisse, o mármore e a ar-
mares, rios e geleiras sobre as rochas mag- dósia.
máticas ou sobre o relevo desgasta as ro- O gnaisse origina-se da transforma-
chas da superfície terrestre, formando detri- ção do granito, que, como já vimos, é uma
tos. As águas correntes (enxurradas e rios) rocha magmática plutônica. O mármore é
transportam esses detritos até as partes uma rocha metamórfica que, quando po-
mais baixas do relevo ou até os mares e la- lido é muito utilizado na construção civil
Geografia 1 - Aula 4 39 Instituto Universal Brasileiro
como piso de residências ou prédios, como
revestimento de paredes ou até mesmo O mapa-múndi nem sempre foi assim
como tampo de pia de cozinha e banhei-
Analise o mapa abaixo e compare a for-
ro, além de outras aplicações, inclusive em
ma dos continentes.
esculturas. Um exemplo é o mármore das
imediações da cidade de Carrara, na Itália.
Apresenta cor branca e é famoso por sua
utilização em esculturas. Quando polido,
adquire grande beleza.

Permiano Triássico
250 milhões de anos atrás 200 milhões de anos atrás

Mármore bruto Jurássico Cretáceo


135 milhões de anos atrás 65 milhões de anos atrás

Ciclo das rochas

O ciclo das rochas representa as diver-


sas possibilidades de transformação de um
tipo de rocha em outro. As setas que interli-
gam as rochas ígneas, sedimentares e me-
tamórficas indicam processos relacionados à Atualmente
dinâmica geológica da crosta terrestre.
Você pode observar, por exemplo, a coin-
cidência entre os contornos da costa leste sul-a-
O ciclo da rocha (ou petrológico)
mericana e da costa oeste africana. Isso sugere
que os continentes um dia já estiveram unidos.
Magma A ideia mais aceita para a origem dos
ão Fu
continentes, hoje, é a seguinte: originalmente
aç sã
ta
liz o havia uma única grande massa continental, a
ris
C Pangeia (“todas as terras”), cercada por um
me

único oceano, o Pantalassa (“todos os mares”).


Ro órfic
tam
s

ch
igneas

Há cerca de 200 milhões de anos, o “supercon-


Rocha

as as

tinente” teria começado a se fragmentar su-


cessivamente, formando placas. Essas placas
mo

começaram a se movimentar, por causa das


Metamo
intemperis
Erosão

forças que atuam no interior da Terra. Essas


rfismo

forças são muito parecidas com as que provo-


cam as erupções dos vulcões.
Tr

A primeira divisão ocasionada pela movi-


an
sp

as res
or

ch nta mentação dessas placas formou dois continen-


te

o
R e
di
m tes: Laurásia, ao norte, e Gondwana, ao sul. A
Sedim
ção se
ento
s Litifica partir daí, as divisões foram se sucedendo até
os continentes atingirem a configuração atual.

Geografia 1 - Aula 4 40 Instituto Universal Brasileiro


Placas tectônicas Os movimentos das placas tectônicas

Placas fragmentadas foram formando os Atualmente, considera-se que a crosta


continentes e os oceanos. Os gigantescos blo- terrestre é formada por cerca de seis gran-
cos rochosos que sustentam os continentes que des placas tectônicas (americana, do Pacífi-
conhecemos hoje são chamados de placas co, Antártica, indo-australiana, euro-asiática
tectônicas. Essas placas deslocam-se sobre o e africana) e outras menores que se deslo-
manto, num movimento conhecido como deriva cam sobre o manto e provocam a deriva dos
continental. Esses movimentos não pararam. continentes.
As placas continuam se deslocando. Ao se mo-
verem, as placas tectônicas podem se chocar
(placas convergentes), afastar-se (placas diver-
gentes) ou simplesmente deslizar lateralmente
entre si (placas conservativas).
Mas que forças são essas que tem o poder
de fazer um continente inteiro se movimentar?
O material pastoso do interior da Terra ten-
de a se resfriar, pois troca energia quando em
contato com a crosta terrestre.
Para entender como o magma do interior
da Terra influencia a crosta terrestre, imagine
uma panela com água, tampada, colocada para área de choque de placas
ferver. Quando a água ferve, gera pressões que
fazem tremer a tampa da panela. área de separação de placas
Com a Terra ocorre um processo seme-
lhante. O magma mais profundo, com tempe-
raturas mais altas, movimenta-se para a super-
fície; o magma mais próximo da crosta, com Como vimos, continentes e oceanos
temperaturas mais baixas, movimenta-se para movem-se sobre as placas tectônicas. Os
o interior da Terra. continentes movimentam-se mais ou menos
Essa troca de energia entre as camadas um centímetro por ano e, no fundo dos ocea-
superficiais e as mais profundas do magma cria nos, novas “crostas” se formam.
pressões que forçam a crosta terrestre. São es- É justamente na região de encontro
sas forças que empurram os continentes, dando entre uma placa e outra que ocorrem esses
origem à deriva continental. fenômenos e as consequentes modificações
na crosta terrestre. Por isso, é que as regiões
mais sujeitas a vulcanismos e terremotos,
como o Japão, a Califórnia, o México entre
outras estão situadas nos limites das placas
tectônicas. As áreas mais estáveis, como,
por exemplo, o território brasileiro localizam-
se no interior das placas.
Os limites das placas tectônicas, ou
seja, os pontos de encontro entre as placas
direção dos movimentos das placas continentais estão em movimento. Esses movimentos,
Direção dos movimentos do magma: entretanto, não acontecem da mesma forma.
magma resfriado Por isso, podemos considerar três tipos prin-
cipais de limites entre as placas tectônicas.
magma mais aquecido Cada um deles dá origem a um tipo de ativi-
dade geológica.
Geografia 1 - Aula 4 41 Instituto Universal Brasileiro
Tipos de limites entre Você pode perceber nas figuras que é
as placas tectônicas justamente nas áreas de contato ou nos limi-
tes entre as placas que ocorrem as atividades
geológicas de maior intensidade, como os
Placas transformantes
As placas deslocam-se lateralmente. O abalos sísmicos e o vulcanismo. Também
atrito entre elas causa, periodicamente, gran- é nos limites das placas que formam os do-
des terremotos. Um bom exemplo é a Falha de bramentos modernos, as grandes cadeias
San Andreas, na Califórnia. montanhosas do planeta, que são deforma-
ções nas bordas das placas devido ao choque
entre elas. Portanto, podemos concluir que a
movimentação das placas tectônicas originam
e atuam na transformação do relevo. Mas,
deve-se ressaltar que também outras forças
Placa atuam no relevo, conforme veremos a seguir.
Manto
Relevo da Terra
Ao caminhar pelo seu município ou bair-
ro, você já deve ter observado num trajeto
Placas convergentes qualquer a diferença que há entre as ruas e
Quando as placas convergem, uma delas avenidas. Algumas é preciso subir. Outras é
mergulha sob a outra. A convergência pode trans- preciso descer e outras simplesmente segui-
formar significativamente o relevo. Isso ocorre, mos por minutos sem haver alteração no nível
por exemplo, na cordilheira dos Andes, onde a do terreno. Esse exemplo simples, retirado do
placa sul-americana sobrepõe-se à de Nazca.
nosso cotidiano, ilustra o que é o relevo, con-
siderado o conjunto das diferenças de nível
da superfície terrestre ou das formas que há
na superfície terrestre, como as montanhas,
planaltos, planícies e depressões.
O relevo é resultado da ação das forças
Placa do interior da Terra chamadas de agentes in-
Manto ternos ou endógenos, e das forças externas
da Terra chamadas de agentes externos ou
exógenos. Cada agente possui uma dinâmica
diferente, sendo os exógenos considerados, de
Placas divergentes forma geral, de estruturadores do relevo e os
Quando as placas afastam-se uma da exógenos, de modeladores do relevo.
outra, são chamadas de divergentes. É o que
ocorre, por exemplo, entre as placas sul-ame- As principais unidades de relevo
ricana e africana no Oceano Atlântico.

Cadeias de montanhas

São as maiores elevações da su-


perfície terrestre. Essa unidade de relevo
Placa tem origem no encontro ou na separação
Manto de placas tectônicas. Também chamadas
cordilheiras, as cadeias montanhosas ge-
ralmente apresentam formas íngremes e
grandes altitudes. São formações geoló-

Geografia 1 - Aula 4 42 Instituto Universal Brasileiro


gicas recentes, que sofreram, portanto, mais sedimentos do que perde. A maior
pouco desgaste erosivo ao longo do tem- parte das planícies forma-se pelo depó-
po. Existem várias cordilheiras no mundo. sito de sedimentos trazidos pelos rios ao
Entre as mais famosas estão a cordilheira longo de milhões de anos. Por sua forma
dos Andes, na América do Sul, as mon- plana e pela fertilidade de seus solos,
tanhas rochosas no oeste da América do desde a Antiguidade as áreas de planície
Norte e a cadeia do Himalaia, na Ásia. têm sido densamente ocupadas.

Trecho da cordilheira dos Andes, no Peru Planície do Pantanal (MT - Brasil)

Depressões Planaltos

São áreas mais baixas que o nível do São regiões onduladas, mais ele-
mar ou que as demais unidades do relevo vadas que as áreas ao seu redor. Ao
que as circundam. Quando estão em um contrário das planícies, os planaltos ca-
nível inferior ao do mar, chamam-se de- racterizam-se pelo fato de os processos
pressões absolutas. Quando estão em ní- erosivos serem mais importantes que os
veis inferiores a outras regiões próximas, de sedimentação, ou seja, nas áreas de
chamam-se de depressões relativas. Es- planalto o processo de erosão supera o
tas possuem ondulações suaves e altitu- de acumulação de sedimentos. Um pla-
des que, em geral, variam de 100 a 500 nalto pode ter centenas ou até mesmo
metros acima do nível do mar. milhares de quilômetros de extensão.
Por esse motivo, sua superfície pode
conter outras formas de relevo, como
serras, morros, vales, colinas e chapa-
das. Cidades como São Paulo e Belo
Horizonte estão localizadas em áreas
de planalto.

Depressão sertaneja – Carnaúba


dos Dantas (RN - Brasil)

Planícies

São formadas pelo depósito de se-


dimentos vindos de terrenos mais ele-
vados. Embora os processos de erosão Paisagem de planalto, na chapada Diamantina
atuem sobre a planície, essa área recebe (BA - Brasil)

Geografia 1 - Aula 4 43 Instituto Universal Brasileiro


Agentes internos de relevo O vulcanismo é um fenômeno natural
responsável pelo afloramento da lava na su-
Os agentes internos compreendem as perfície terrestre. Pode ocorrer em função do
forças tectônicas ou tectonismo que, conforme derretimento do material rochoso, quando há
já vimos, fazem com que as placas tectônicas choque entre placas tectônicas ou da subida do
se movimentem gerando algumas consequên- magma que vem do manto, por meio de fissuras
cias, tais como os movimentos epirogênicos e na litosfera, que ocorre principalmente onde há
orogênicos, o vulcanismo e os abalos sísmicos. separação de placas. O vulcão corresponde à
abertura por onde a lava chega à superfície.
Movimentos epirogênicos e orogênicos A maior parte dos vulcões ativos locali-
za-se no oceano Pacífico. Essa região abran-
A epirogênese (do grego épeiros = con- ge ilhas e áreas continentais da América, Ásia
tinente e gênesis = formação) é um movimento e Oceania e é conhecida como Círculo de
vertical da crosta terrestre, promovido pelas forças Fogo do Pacífico.
internas da Terra. Esse movimento pode ser tan-
to de rebaixamento da crosta quanto de soergui- Abalos sísmicos
mento da crosta. Já a orogênese (do grego ôro =
montanha e gênesis = formação) é um movimen- Já os terremotos provocam tremores que
to horizontal da crosta terrestre que está vincula- podem ser sentidos na superfície terrestre, às
da ao fenômeno geológico da deriva das placas vezes causando catástrofes. Todos os dias
tectônicas. Essas placas, ao se deslocarem hori- acontecem milhares de tremores de terra de
zontalmente, muitas vezes colidem frontalmente pequena intensidade. A baixa magnitude des-
com outras placas, provocando o dobramento de ses abalos sísmicos não permite que perce-
extensas áreas da crosta, dando origem a cadeias bamos as vibrações originadas no interior da
montanhosas na superfície do planeta. Esse pro- litosfera que chegam à superfície.
cesso é normalmente acompanhado de uma série Os terremotos são vibrações rápidas e
de fenômenos geológicos, dentre os quais se po- inesperadas, de intensidade variável, na crosta
dem destacar a intensa atividade vulcânica e os terrestre. Eles ocorrem quando grandes pres-
frequentes abalos sísmicos. sões provocam acomodação ou fratura nos
blocos rochosos. Esse fenômeno é bastante
Vulcanismo comum nas bordas das placas tectônicas.
O lugar onde se origina o terremoto é
As grandes erupções vulcânicas impressio- chamado hipocentro. A partir dele, as vibra-
nam pela grandiosidade ao expelirem lava, cin- ções ou ondas sísmicas se irradiam em to-
zas e gases na atmosfera. As erupções podem das as direções até chegar à superfície. O pri-
ocasionar catástrofes, como a que ocorreu numa meiro ponto da superfície atingido pelo abalo
tarde de 24 de agosto de 79 d.C., quando a erup- sísmico é chamado de epicentro.
ção do Vesúvio soterrou cidades ao seu redor,
como Pompeia e Herculano, na atual Itália. Esquema de um terremoto ou sismo

Superfície
terrestre

Epicentro
(efeitos mais
graves do sismo)
Hipocentro
(foco do sismo) Propagação das
Monte Vesúvio. Nápoles, Itália. ondas sísmicas

Geografia 1 - Aula 4 44 Instituto Universal Brasileiro


Os terremotos são medidos por sismógra- Para medir a força e a magnitude dos terre-
fos, aparelhos que registram ondas sísmicas que motos, costuma-se utilizar a escala Richter, que
chegam à superfície terrestre durante um tremor. possui uma gradação que varia de 0 a 9 graus.

Entenda a escala Richter

Adotada em 1935, foi batizada em homenagem ao físico americano Charles F. Rich-


ter. Não mede os efeitos do terremoto, mas indica sua força em termos de energia liberada,
conforme medida por simógrofos. A escala começa em 1 e não tem um limite superior.
Como tem base logarítmica, cada aumento da magnitude em um número inteiro representa
um aumento de 10 vezes na aplitude do terremoto.
Tremor Tremor mais
ocorrido forte do país,
no litoral em 1955, em MT
paulista

1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 5,2 6,0 6,2 7,0 8,0 9,0

De 3,5 a 5,4 De 5,5 a 6,0 De 6,1 a 6,9 De 7,0 a 7,9 Acima de 8,0
É percebido, Danifica Muito perigoso para Pode causar Tem potencial
mas causa edifícios áreas populosas grande destruição para dizimar
poucos danos cidades inteiras

ves, menos intensos e dificilmente atingem


4,5 graus de magnitude.
Os tremores que ocorrem em nosso
país decorrem da existência de falhas (pe-
Terremotos no Brasil quenas rachaduras) causadas pelo desgaste
da placa tectônica ou são reflexos de terre-
Por muito tempo, acreditou-se que o motos com epicentro em outros países da
Brasil estivesse a salvo dos terremotos por América Latina.
não estar sobre as bordas das placas tectôni- Ou seja, no Brasil os abalos sísmicos
cas - o movimento dessas placas está entre têm características diferentes dos terremotos
as principais causas dos terremotos. que ocorrem, por exemplo, no Japão e nos
No entanto, sabe-se que os tremores Estados Unidos. Nesses locais, existe o en-
podem ocorrer inclusive nas regiões denomi- contro de duas ou mais placas tectônicas - e
nadas “intraplacas”, como é o caso brasileiro, as falhas existentes entre elas são, normal-
situado no interior da placa sul-americana. mente, os locais onde acontecem os terre-
Nessas regiões, os tremores são mais sua- motos mais intensos.

Geografia 1 - Aula 4 45 Instituto Universal Brasileiro


truções e a falta de tecnologia, materiais e re-
Embora a sismicidade ou atividade sís-
cursos para resgatar os atingidos, atender à
mica brasileira seja menos frequente e bem
população e reconstruir as áreas destruídas
menos intensa, não deixa de ser significativa
pelos tremores.
e nem deve ser desprezada, pois em nosso
país já ocorreram vários tremores com mag-
nitude acima de 5,0 na escala Richter, indi-
cando que o risco sísmico não pode ser sim-
plesmente ignorado.
No Brasil, os tremores de terra só co-
A pobreza amplia a tragédia
meçaram a ser detectados com precisão a
partir de 1968, quando houve a instalação de
Terremotos de magnitude similar cau-
uma rede mundial de sismologia. Brasília foi
sam mais mortes em países pobres que em
escolhida para sediar o arranjo sismográfico
nações desenvolvidas.
da América do Sul. Há, atualmente, quarenta
estações sismográficas em todo o país, e o
aparelho mais potente é o mantido pela Uni- Mais
Países pobres
vulneráveis
versidade de Brasília.
Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/geografia/
terremoto-2.jhtm>. Acesso em: 22.10.2012. Texto adaptado. País Indonésia Paquistão Irã Índia

Terremotos, Maremotos e Tsunamis Região Java Caxemira Bam Gujarat

Quando o epicentro de um abalo sísmico 28 de 8 de 26 de 26 de


Data maio de outubro dezembro janeiro de
ocorre no fundo do oceano, recebe o nome de 2006 de 2005 de 2003 2001
maremoto. Fortes maremotos causam ondas
gigantes que se deslocam em grande veloci- Magnitude* 6,3 7,6 6,7 7,9
dade, as tsunamis. Ao atingirem o litoral, elas
podem provocar grande destruição e mortes.
Mortes 6.200 87.000 40.000 20.000
Os terremotos de terra são muito mais
frequentes do que erupções vulcânicas de
grandes proporções. Fortes abalos sísmicos
são relativamente comuns e ocorrem em di- Países ricos
ferentes lugares do mundo, causando danos
e mortes. Porém, os prejuízos materiais e hu-
manos decorrentes dos terremotos serão dife- Estados
País Japão Japão Japão
Unidos
rentes em relação ao desenvolvimento econô-
mico de cada país. Os países ricos sofrerão San
Região Kyushu Hokkaido Hokkaido
menos que os países pobres, conforme pode- Simeon
mos observar na tabela ao lado. 20 de 28 de 20 de 25 de
Os países ricos, de modo geral, pos- Data março de novembro dezembro setembro
suem tecnologias sofisticadas para resistir 2005 de 2004 de 2003 de 2003
aos tremores, como a construção de altos pré-
dios que aguentam tremores de até 9 graus na Magnitude* 6,6 7 6,5 8,3

escala Richter. Além disso, contam com mais


recursos financeiros para reparar os danos e Mortes 1 0 2 0
socorrer a população das áreas atingidas.
Já em países pobres, os fortes e médios *Graus na escala Richter.
abalos sísmicos causam maior destruição e (Adaptado de Veja­­, 07/06/2006.)
mais mortes devido à precariedade das cons-
Geografia 1 - Aula 4 46 Instituto Universal Brasileiro
Agentes externos de relevo
um desgaste nas rochas através da dis-
Os agentes externos são forças natu- solução de seus componentes, embora
rais que agem na superfície terrestre mode- muito mais lento do que nos solos.
lando e esculpindo o relevo. Os ventos, os
mares, as geleiras, as chuvas, os rios, a luz - Erosão fluvial. É o desgaste pro-
solar e os seres vivos – principalmente o ser vocado pelas águas dos rios. As fortes
humano – são exemplos de agentes externos correntezas dos rios vão arrancando
ou exógenos. fragmentos das margens, alterando as-
sim os seus contornos. Este material é
Intemperismo e erosão carregado pelas águas e depositado em
outros locais. Com o passar dos tem-
O relevo presente na superfície terres- pos, os rios podem mudar o seu percur-
tre sofre o impacto conjunto, simultâneo e so por causa da erosão.
contínuo dos agentes exógenos que causam
o intemperismo e a erosão, decompondo e - Erosão marinha. É causada
desagregando a rocha em sedimentos que pelo mar, que age sobre as rochas e as
se depositam em outros pontos da superfície praias através das ondas.
terrestre.
- Erosão eólica. É o desgaste pro-
O intemperismo é a decomposição vocado pelo vento, que transporta areia
das rochas em sedimentos e é causado para lugares distantes. No seu trajeto,
principalmente pela ação da umidade e os grãos de areia desgastam e alteram
temperatura do ambiente. A erosão atua re- as formas das rochas que encontram
movendo e transportando sedimentos das pelo caminho.
partes mais altas para as partes mais bai-
xas do terreno, ou para o fundo de lagos, - Erosão glacial. É o desgaste das
lagoas, rios e oceanos. rochas provocado pelo movimento do gelo.

A velocidade e intensidade da ação ero-


siva dos agentes exógenos dependem, entre
outras coisas, do clima, do tipo de rocha e do
relevo de determinada área.

Também não podemos deixar de men-


cionar a ação erosiva causada pelos seres
Principais agentes erosivos
vivos, principalmente pelo homem, que atra-
vés do tempo, vem modificando o aspecto
- Erosão pluvial. É causada pela
da paisagem terrestre, ora arrasando mor-
água da chuva nos solos e nas rochas.
ros, ora drenando pântanos, abrindo túneis,
Quando o terreno está sem vegetação,
construindo pontes e viadutos, retificando
ele fica desprotegido e as chuvas carre-
rios, entre outros. Um bom exemplo são as
gam a camada superficial do solo, onde
áreas litorâneas aterradas, que criam um
existem substâncias necessárias às
novo espaço onde antes era mar. Atual-
plantas. Desta forma, um solo fértil pode
mente, a tecnologia permite que os aterros
transformarse em árido causando preju-
avancem para o mar, criando ilhas artificiais,
ízos à lavoura e desmoronamentos. As
como a Palm Jumeirah, em Dubai (Emira-
águas das chuvas também provocam
dos Árabes Unidos).

Geografia 1 - Aula 4 47 Instituto Universal Brasileiro


passo que se ocorrer no interior, tere-
mos as rochas magmáticas intrusi-
vas;
As rochas sedimentares são re-
sultantes da acumulação de detritos de
outras rochas ou de matéria orgânica
em depressão do relevo. Elas também
A “Palm Jumeirah”, em Dubai: ilha artificial são chamadas de rochas estratifica-
em forma de palmeira, com prédios de
das, pois se apresentam em camadas
apartamento e áreas de lazer
de sedimentos.
A crosta terrestre é dividida em
Os animais também contribuem para gigantescos blocos rochosos chama-
a modificação do relevo, cavando túneis que dos de placas tectônicas. Essas pla-
permitem a infiltração das águas, as quais cas deslocam-se sobre o manto, num
ocasionam os desabamentos. O tatu e a formi- movimento conhecido como deriva
ga são exemplos desses obreiros da natureza. continental. Ao se moverem, as pla-
Os vegetais, com suas raízes aprofun- cas tectônicas podem se chocar (pla-
dando no interior da terra, quebram as rochas cas convergentes), afastar-se (placas
mais duras, como é fácil de verificar nas cal- divergentes) ou simplesmente deslizar
çadas das ruas arborizadas, onde rompem os lateralmente entre si (placas conser-
calçamentos. vativas). Esses movimentos causam
diversos fenômenos, como terremotos,
tsnumais e vulcanismo.
O relevo é considerado o conjun-
to das diferenças de nível da superfí-
cie terrestre ou das formas que há na
superfície terrestre, como as monta-
A crosta terrestre ou litosfera é nhas, planaltos, planícies e depres-
a camada mais externa da Terra. Abai- sões. Essas formas são resultantes da
xo dela, há outra camada, mais densa, ação de dois agentes, denominados in-
chamada manto terrestre, formada ternos ou endógenos e externos ou
por um material pastoso, o magma. exógenos.
No centro do planeta está o núcleo, Os agentes internos compreen-
também chamado de nife, por ele ser dem as forças tectônicas ou tecto-
formado, principalmente, por níquel e nismo que fazem com que as placas
ferro. tectônicas se movimentem gerando
O material que forma a crosta ter- algumas consequências, tais como os
restre é chamado de rocha. Segundo movimentos epirogênicos e orogêni-
a sua origem, ela pode ser classificada cos, o vulcanismo e os abalos sísmi-
em magmática ou ígnea, sedimentar cos.
e metamórfica; Os agentes externos são forças
As rochas magmáticas ou ígne- naturais que agem na superfície terres-
as são rochas que resultaram na soli- tre modelando e esculpindo o relevo.
dificação ou consolidação do magma Os ventos, os mares, as geleiras, as
ocorrida na superfície terrestre ou no chuvas, os rios, a luz solar e os seres
interior do planeta. Se a solidificação vivos – principalmente o ser humano –
ocorrer na superfície terrestre, teremos são exemplos de agentes externos ou
as rochas magmáticas extrusivas, ao exógenos.

Geografia 1 - Aula 4 48 Instituto Universal Brasileiro


e litificação formadores das rochas sedimentar e
metamórfica.
d) ( ) As rochas ígneas sofrem processos de
metamorfismo quando expostas às forças exógenas.

1. (UEM) Sobre as rochas que compõem a 3. A crosta terrestre é formada por:


crosta terrestre, assinale a alternativa correta. a) ( ) uma única placa, que recobre todo o
a) ( ) As rochas sedimentares formaram-se planeta.
pelo resfriamento e pela solidificação de minerais b) ( ) duas placas, que dividem o planeta
da crosta terrestre, isto é, o magma. nos hemisférios norte e Sul.
b) ( ) As rochas metamórficas formaram-se c) ( ) cinco placas, uma abaixo de cada
a partir das transformações sofridas pelas rochas continente.
magmáticas e sedimentares quando submetidas d) ( ) várias placas, que se movimentam so-
ao calor e à pressão do interior da Terra. bre o manto.
c) ( ) As rochas magmáticas formaram-se
a partir da compactação de sedimentos de outras 4. Assinale a alternativa que preenche corre-
rochas. tamente as lacunas no fim do parágrafo.
d) ( ) O gnaisse e o mármore são exemplos
A configuração dos continentes nem sem-
de rochas sedimentares.
pre foi como a atual. A Terra é uma estrutura dinâ-
mica e, portanto sujeita a transformações. Essas
2. Observe o esquema abaixo representativo
mudanças, por exemplo, são as responsáveis
do ciclo das rochas e assinale a afirmativa correta: pela existência dos terremotos, das montanhas e
também das ilhas. Podemos dizer que a origem
O ciclo da rocha (ou petrológico) das ilhas do arquipélago de Fernando de Noro-
nha, os abalos sísmicos sentidos em algumas
Magma cidades nordestinas e as montanhas da costa
ão
Oeste do continente americano estão associa-
Fu

liz sã
o dos à instabilidade __________ e ao processo de
ta
ris ____________.
C
me
Ro órfic
tam

a) ( ) interna - intemperismo.
s

ch
igneas
Rocha

as as

b) ( ) externa - isostasia.
c) ( ) externa - fragmentação da Pangeia.
mo

d) ( ) interna - tectonismo de placas.


Metamo
intemperis
Erosão

5. (UECE) Tectonismo e vulcanismo são:


rfismo

a) ( ) movimentos endógenos que defor-


mam a crosta terrestre.
Tr
an
sp

as res b) ( ) movimentos exodinâmicos que rebai-


or

ch nta
te

o
R e
di
m xam a superfície da Terra.
Sedim
ção se c) ( ) processos externos que causam alte-
ento
s Litifica
rações físicas e químicas das rochas.
d) ( ) processos internos responsáveis pela
a) ( ) O metamorfismo é o processo de formação das rochas e dos solos.
transformação de rochas sedimentares e ígneas
em rochas metamórficas e é originado por forças 6. (PUC-RJ) As rochas, antes de serem tra-
exógenas. balhadas pela erosão, são “preparadas” por um
b) ( ) Rochas ígneas, sedimentares e meta- conjunto de reações químicas ou fenômenos físi-
mórficas podem sofrer os efeitos das forças exó- cos, para a ação de desgaste. A essa fase que
genas através do intemperismo, erosão, transpor- precede a erosão denominamos:
te e sedimentação. a) ( ) abrasão.
c) ( ) O metamorfismo é um processo oriun- b) ( ) intemperismo.
do de forças endógenas e por isso dá origem ao c) ( ) orogênese.
intemperismo, erosão, transporte, sedimentação d) ( ) evapotranspiração.

Geografia 1 - Aula 4 49 Instituto Universal Brasileiro


3. d) ( x ) várias placas, que se movi-
mentam sobre o manto.
Comentário. A crosta terrestre ou litos-
fera é toda fragmentada, como se fosse um
imenso quebra-cabeça rochoso. Num que-
1. b) ( x ) As rochas metamórficas bra-cabeça as peças se encaixam perfeita-
formaram-se a partir das transformações mente e conseguimos visualizar o limite entre
sofridas pelas rochas magmáticas e sedi- uma peça e outra. Na crosta terrestre ocorre
mentares quando submetidas ao calor e à a mesma coisa. Vale lembrar que é no limite
pressão do interior da Terra. entre as placas que ocorrem diversos fenôme-
Comentário. A palavra metamórfica vem nos, como o vulcanismo e terremotos.
de outra palavra: metamorfose, que significa
“transformação”. As rochas metamórficas se 4. d) ( x ) internas - tectonismo de
originam da transformação de outras rochas placas.
que podem ser magmáticas ou sedimenta- Comentário. Desde o início do enuncia-
res, quando submetidas a certas condições de do a questão faz referência à movimentação
pressão e calor. São exemplos de rochas me- das placas tectônicas quando afirma que a
tamórficas o gnaisse, o mármore e a ardósia. configuração dos continentes nem sempre foi
da forma que a conhecemos hoje. Depois o
2. b) ( x ) Rochas ígneas, sedimenta- texto traz algumas consequências do tectonis-
res e metamórficas podem sofrer os efeitos mo, como a formação de ilhas, abalos sísmi-
das forças exógenas através do intempe- cos e a orogenia (formação de montanhas).
rismo, erosão, transporte e sedimentação. Vale lembrar que o tectonismo se deve a ins-
tabilidade interna do planeta Terra, que devido
aos movimentos convectivos do magma, faz
Magma com que as placas se movimentem trazendo

ão Fu

diversas consequências.
iz o
al
ri st
C
5. a) ( x ) movimentos endógenos que
me
Ro órfic

deformam a crosta terrestre.


tam
s

ch
igneas
Rocha

Comentário. Os agentes internos com-


as as

preendem as forças tectônicas ou tectonismo,


mo

que conforme já vimos, fazem com que as pla-


Metamo
intemperis
Erosão

cas tectônicas se movimentem gerando algu-


mas consequências, tais como os movimen-
rfismo

tos epirogênicos e orogênicos, o vulcanismo e


Tr

os abalos sísmicos. Todos esses fenômenos


an
sp

as res
or

ch nta deformam a crosta terrestre, gerando novas


te

o
R e
m
di formas de relevo na superfície terrestre.
Sedim
ção se
ento
s Litifica

6. b) ( x ) intemperismo.
Comentário. O intemperismo mais co-
Comentário. Os três tipos de rochas: mum é o físico e o químico que provocam a de-
ígneas, sedimentares e metamórficas, uma sagregação das rochas. Já a erosão acaba por
vez afloradas na superfície terrestre, sofrem remover e transportar os sedimentos para as
os efeitos dos agentes exógenos através do partes mais baixas do terreno ou para o fundo
intemperismo, que irá desagregar, fragmentar de lagos, rios e oceanos. Essa ação de trans-
as rochas. Em seguida, há a ação da erosão, porte e sedimentação é realizada por vários
que irá fazer o transporte e a sedimentação agentes erosivos, principalmente pela água
desses fragmentos de rochas. das chuvas, dos rios, a neve e o vento.
Geografia 1 - Aula 4 50 Instituto Universal Brasileiro