Você está na página 1de 9

Sociologia

• Sociologia contemporânea (28,6%)


• Cidadania (14,3%)
• Cultura e educação (14,3%)
• Política, poder e Estado (14,3%)
• Capitalismo (7,1%)
• Economia e sociedade (7,1%)
• Indústria cultural (7,1%)
• Max Weber (3,6%)
• O mundo globalizado (3,6%)

Natureza e a Relação do Ser Humano


com o Ambiente
1. O CONHECIMENTO E A CIÊNCIA

O Conhecimento Humano

Algumas características dos animais:


• Defesa;
• Agrupamento;
• Convívio;
• Reprodução;
• Instinto;
• Animais se adaptam ao meio.

Características humanas:
É preciso aprender e conhecer:
• Instintos;
• Não adaptados ao meio.

Como o ser humano aprende e conhece?


• Com a linguagem – transmitida de geração em geração;
• Com o trabalho;
• Com politica
Esse triângulo constitui a cultura >> A sociologia estuda as diversas formas de cultura.
A Sociologia como Ciência
Ciência é um modo de conhecimento abstrato e teórico.

Antiguidade:
• Filosofia coincide com ciência;
• Surgem áreas como: geometria, biologia, astronomia, medicina, ética, etc.

Idade Média:
• A razão está a serviço da fé;
• A religião é subordina a ciência.

Renascimento:
• Retomada da cultura clássica;
• A ciência retoma a autonomia;
• Inicia-se a busca pelo método.

Modernidade:
• O conhecimento se divide em áreas;
• Surge a física, química, psicologia e sociologia;
• Nasce a sociologia como um estudo científico.

A emergência e consolidação institucional da Sociologia ocorreram em um cenário intelectual


caracterizado pelo otimismo quanto à capacidade da “Razão” de proporcionar explicações objetivas
para os novos padrões de convivência e comportamento social, que floresciam nas sociedades
europeias modernas.

2. O QUE É O HOMEM?

Concepções de Homem
O que é o ser humano? O que o caracteriza? Vejamos as respostas de alguns pensadores:
• Platão: o homem é alma (razão);>> descarta o nosso corpo, e leva somente em consideração a
razão.
• Aristóteles: o homem é um “animal racional político”;>> utilizamos a razão para viver em
sociedade.
• Descartes: o homem dualista: divide-se em corpo e alma;
• Hobbes: “o homem é lobo do próprio homem”;>> o lobo seria um animal predador, apesar de
viver em comunidade. Assim, neste estado de selvageria, o correto seria abdicar do poder
individual e entregá-lo ao soberano para que assim governe.
• Rousseau: O homem é bom por natureza, a sociedade o corrompe;>> Ele não acha que seja a
natureza que corrompa o homem, mas a sociedade.
• Marx: O homem depende de suas condições históricas e matérias;
• Sartre: O homem está fadado à liberdade.

Fazeres Humanos>> o que nos diferencia dos demais seres

Linguagem Simbólica:
• Nomear;
• Abstração;
• Relação;
• Comunicar experiências;
• Uso social.

Política:
• Viver na civilização;
• Vida social;
• Relações de força>> qualquer meio para convencer o outro
• Redes de poder.>>os grupos sociais tem poderes específicos..

Trabalho:
• Gasto energético;
• Modificação do meio;
• Produção.

3. NATUREZA E CULTURA

Definição de Natureza

Seres vivos:
• Plantas;
• Animais;
• Homem.

Conjunto de tudo o que existe:


• Mar;
• Estrelas;
• Tempo;
• Espaço.
Essência:
• Qualidade das coisas;
• Propriedade dos objetos;
• Atributos que definem algo;
• Finalidade dos seres.
Physis:
• Princípio de todas as coisas;
• Força que guia o universo.
Leis:
• Necessárias;
• Universais;
• Objeto de estudo das ciências.

O que não sofre influência humana:


• O que não é artificial;
• O que não é cultural.

Definição de Cultura
Do latim, colere:
• Cultivar
• Criar
• Cuidar
• Tomar conta de

Exemplo:
• Agricultura
• Floricultura
• Piscicultura

Cultura = transformar a natureza (humana).


Vide texto de Gordon Childe:

“O ser humano pode ajustar-se a um número maior de ambientes do que qualquer outra criatura,
multiplicar-se infinitamente mais depressa do que qualquer mamífero superior, e derrotar o urso
polar, a lebre, o gavião e o tigre, em seus recursos especiais. Pelo controle do fogo e pela
habilidade de fazer roupas e casas, o homem pode viver, e vive e viceja, desde os polos da Terra
até o equador. Nos trens e automóveis que constrói, pode superar a mais rápida lebre ou
avestruz. Nos aviões e foguetes pode subir mais alto do que a águia, e, com os telescópios, ver
mais longe do que o gavião. Com armas de fogo pode derrubar animais que nenhum tigre
ousaria atacar. Mas fogo, roupas, casas, trens, automóveis, aviões, telescópios e armas de fogo
não são parte do corpo do homem. Eles não são herdados no sentido biológico. O conhecimento
necessário para sua produção e uso é parte do nosso legado social. Resulta de uma tradição
acumulada por muitas gerações e transmitida, não pelo sangue, mas através da linguagem (fala e
escrita). A compensação que o homem tem pelos seus dotes corporais relativamente pobres é o
cérebro grande e complexo, centro de um extenso e delicado sistema nervoso, que lhe permite
desenvolver sua própria cultura.”
(G. CHILDE. A evolução cultural do homem. P. 40 – 41).
A cultura compreende artefatos, bens, processos técnicos, ideias, hábitos e valores que são herdados
socialmente. A aquisição e perpetuação da cultura são um processo social.

Cultivo da Natureza
Natureza e cultura são complementares.
Cultura = cultivar o ser humano

A natureza humana é:
• Formada
• Estruturada
• Moldada
• Guiada

Vide texto de Aristóteles:

“A sociedade que se formou da reunião de várias aldeias constitui a Cidade, que tem a faculdade de se
bastar a si mesma, sendo organizada não apenas para conservar a existência, mas também para buscar o
bem-estar. Esta sociedade, portanto, também está nos desígnios da natureza, como todas as outras que
são seus elementos. Ora, a natureza de cada coisa é propriamente seu fim. Assim, quando um ser é
perfeito, de qualquer espécie que seja – homem, cavalo, família –, dizemos que ele está na natureza.
[...] É, portanto, evidente que toda Cidade está na natureza e que o homem é naturalmente feito para a
sociedade política.”
(ARISTÓTELES. Política. Martins Fontes, 1991, p. 3).

Natureza vs. Cultura


Natureza e cultura são distintas, mas são complementares..

Cultura após séc. XVII apresenta resultados:


• Artes
• Ciências
• Filosofia
• Estados nacionais
• Industrialização
• Civilização

A vida na civilização está distinta da vida na natureza.

Natureza Cultura
Causalidade Liberdade
Necessidade Autonomia
Universalidade Escolha

A cultura muda as concepções de tempo e espaço>> cultura se identifica com história.

Vide texto de M. Chauí:


“A distinção entre natureza e cultura passa, então, a levar em conta a maneira como o tempo se realiza:
na natureza, o tempo é repetição (o dia sempre sucede a noite, as estações do ano se sucedem sempre
da mesma maneira, as espécies vegetais e animais se reproduzem sempre da mesma maneira, os astros
realizam sempre os mesmos movimentos, etc.); o tempo da cultura é o da transformação (isto é, das
mudanças nos costumes, nas leis, nas emoções, nos pensamentos, nas técnicas, no vestuário, na
alimentação, na linguagem, nas instituições sociais e políticas, etc.). Para vários filósofos e
historiadores, a cultura surge quando os homens produzem as primeiras transformações na natureza
pela ação do trabalho. Com o trabalho, os seres humanos produzem objetos inexistentes na natureza
(casa, utensílios, instrumentos), organizam-se socialmente para realizá-lo, dividindo as tarefas [...]. ”
(CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ática, 2010, p. 309).

4.CONHECENDO O BRASIL
É fácil conhecer o Brasil? Não!

Olhar de fora
• Índios na Amazônia;
• Jagunços no nordeste;
• Migração para o sudeste;
• Colônias ao sul;
• O Brasil é de todas as raças, cores e culturas.
Estética

Séc. XIX: imigrantes vêm ao Brasil e ajudam a divulgar uma nova natureza, nova cultura, nova
sociedade.

Muitos artistas representaram o Brasil. Ex: José Ferraz Almeida Jr, Angiolo Tommasi, Johan Moritz
Rugendas, Tarsila do Amaral.

Gigante Adormecido ou País em Convulsão?

Gigante adormecido País em convulsão


Recursos naturais Exploração
Território imenso Integração
Diversidade no clima Investimento
Cordialidade popular Injustiça social
Sensualidade do povo Abusos
Paixão Espanto
Encantamento Perplexidade
Alegria Sofrimento
Moderno Primitivo
Rico Pobre

O Brasil não é para principiantes


• Pluralidade Cultural, Diversidade Natural, Riqueza;
X
• Injustiça social, problemas de investimento, má distribuição.

Tom Jobim (e Roberto da Mata): “O Brasil não é para principiantes”. Ou seja, as contradições
brasileiras são muito fortes.

5. AS DESIGUALDADES – PARTE 1

O problema da fome
História brasileira
• A fome era considerada como algo natural >>a fome adviria da de problemas da natureza: seca,
incapacidade biológica dos seres envolvidos.
• Resultado: não é possível combater a fome; devemos aceitar a miséria;
• No Nordeste: o clima não permite o cultivo. Isso geraria incapacidade biológica dos habitantes.
Josué de Castro
• Visitou as regiões brasileiras. Escreveu a Geografia da Fome;
• Analisou a colonização dessas regiões;
• Estudou a produção alimentícia dessas regiões conforme a colonização.

Vários tipos de fome


• Endêmicas (permanentes);
• Epidêmicas (temporárias);
• Totais (inanição);
• Ocultas: é mais problemática no Brasil. As pessoas comem todos os dias, mas a alimentação não
é adequada. Gera desnutrição, fraqueza e doenças. A produtividade cai e populações acabam
sendo dizimadas.

Solução para a fome


Má alimentação
• É um problema social, político e econômico.
• Algumas soluções:

Reforma Agrária:
• A concentração dos meios de produção limita o acesso ao alimento.

Redistribuição:
• Mais do que distribuir terras, mudar o sistema produtivo.

Constituição de 1988:
• Acesso à alimentação é um direito. É preciso cumprir esse direito.

Desperdício:
• 39 mil toneladas de comida são desperdiçadas por dia. Alimentaria 19 milhões de
pessoas.

Desnutrição no século XXI


1996 – 2006
• Redução da desnutrição brasileira:
• Brasil: 46%;
• Nordeste: 74%;
• 14 milhões em insegurança alimentar. Sem garantia de comer no dia seguinte.

Obesidade
• É a marca da desnutrição atual;
• Excesso de carboidratos: acima do peso, ausência de nutrientes, fome oculta.

Você também pode gostar