Você está na página 1de 14

O período composto por subordinação

AULA 6 Por que estudar período composto por subordinação? Primeiro porque é muito
utilizado na comunicação; depois, para conhecer e saber usar melhor. As ora-
ções subordinadas são um instrumento que permite conectar ideias de maneira
mais elaborada. Isto porque as orações subordinadas exercem uma função em
relação à oração principal.

Observe neste anúncio a relação implícita na imagem (entre mãe


e filha) e nas orações (entre a principal e várias subordinadas).

Ela não sabe...


que o homem chegou à Lua.
que a vida é uma contagem regressiva.
que Berlim já foi duas.
que na Idade Média a Igreja vendia lugar no céu.
que homens e dinossauros nunca conviveram.
que muitos remédios não curam, mas viciam.
que o voto do povo salvou Barrabás e condenou Jesus.
que o computador foi criado para resolver problemas que não tínhamos.
que o Sudeste alaga e o Nordeste seca.
que sexo pode ser feito sem amor.
que o cientista que inventou a bomba atômica recebeu um prêmio por isso.
que somos divididos em 1º e 3º mundo.
que você vai fazer de tudo para não repetir os erros dos seus pais.
que Getúlio saiu da vida para entrar na História.
que a esmola é o imposto informal da injustiça social.
que somos julgados pela aparência e condenados pela cor da pele.
que o homem ainda não decidiu se veio do macaco ou de Adão e Eva.
que todo muçulmano deve ir a Meca pelo menos uma vez na vida.
que quem faz aniversário no Natal não é o Papai Noel.
que o cinema já foi mudo.
que existe Aids.
que não existe cura.
Quem vai explicar: você ou a vida?
Anúncio do canal GNT veiculado no jornal Folha de S. Paulo, 03.12.2000. Texto e imagem adaptados.

Língua Portuguesa 1 - Aula 6 61 Instituto Universal Brasileiro


Período Composto por Subordinação
1 2
Quando Pedro morreu, eu ainda era

menina.

Período composto por subordinação


1ª oração: Quando Pedro morreu – su-
bordinada;
2ª oração: eu ainda era menina – principal.

Neste caso, o conectivo “quando”


informa temporalidade da oração prin-
Um período é composto por subordina- cipal.
ção quando nele encontramos orações su-
bordinadas à principal. Pois bem, subordi-
nada é a oração que, embora seja completa As orações subordinadas são ter-
quanto ao significado, tem uma função sintá- mos da frase desenvolvidos em ora-
tica em relação à oração principal, estabele- ções. Como tal, essas orações exer-
cendo um elo de dependência. cem as mesmas funções sintáticas de
um substantivo, adjetivo ou advér-
Veja alguns exemplos: bio e são introduzidas por conjunções
subordinativas, pronomes relativos,
pronomes indefinidos ou advérbios in-
1 2
Duvido que os alunos sejam reprovados. terrogativos. Há três tipos de orações
subordinadas, de acordo com a função
Período composto por subordinação que exercem: substantivas, adjetivas
1ª oração: Duvido – principal; e adverbiais.
2ª oração: que os alunos sejam repro-
vados – subordinada.
Orações Subordinadas Substantivas
Neste caso, o conectivo “que” com-
pleta o sentido do verbo da oração prin- Uma oração subordinada é denomina-
cipal. da substantiva quando desempenha qual-
quer das funções próprias de substan-
tivo. Em uma oração, o substantivo pode
2 1 ser sujeito, objeto direto, objeto indireto,
O homem que vacila é covarde. predicativo, complemento nominal, apos-
to e agente da passiva.
Período composto por subordinação Disto, concluímos que uma oração su-
1ª oração: O homem é covarde – principal; bordinada pode constituir o sujeito, obje-
2ª oração: que vacila – subordinada. to direto e indireto, complemento nominal,
predicativo, aposto e agente da passiva de
Neste caso, o conectivo “que” é re- outra oração de sentido próprio, sendo in-
lativo à palavra “homem” da oração prin- troduzidas pelas conjunções integrantes
cipal. “que” ou “se”.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 62 Instituto Universal Brasileiro
bém podemos utilizar alguns verbos na
voz passiva (sabe-se, conta-se, diz-se,
é sabido, foi anunciado, ficou provado
etc.) ou ainda verbos de ligação mais o
predicativo (é bom, é conveniente, está
visto, parece certo etc.).

Oração Subordinada Substantiva


Ela não sabe que o homem chegou à Lua. Objetiva Direta e Objetiva Indireta
oração subordinada substantiva
Quando uma oração subordinada subs-
Há uma oração principal e a subordina- tantiva funciona como complemento do verbo
da que se refere ao conhecimento ou à infor- da oração principal, denominamos objetiva di-
mação a respeito do mundo que a criança ain- reta ou indireta, conforme constitua o objeto
da não sabe. Há uma forte conexão de sentido direto ou indireto desse verbo.
entre a forma e o conteúdo da imagem e do
tipo de período composto usado para compor
o anúncio. Aqui, a oração completa o sentido
do verbo “saber” e funciona como objeto dire- 1 2
to, função típica do substantivo, portanto, uma Verei se vocês são verdadeiros amigos.
oração subordinada substantiva. Período composto por subordinação
1ª oração: Verei – principal;
2ª oração: se vocês são verdadeiros
Oração Subordinada Substantiva Subjetiva
amigos – subordinada substantiva objetiva
Primeiramente, vamos estudar as ora- direta.
ções subordinadas subjetivas, ou seja,
aquelas que desempenham a função de su-
jeito oracional. A oração principal tem por sujeito
o pronome “eu” (oculto) e, por predica-
do, a forma verbal “verei. O verbo “ver”,
1 2 contudo, é transitivo direto, sendo seu
É necessário que venham os meninos. objeto direto, nesse caso, uma oração
subordinada substantiva objetiva di-
Período composto por subordinação reta: se vocês são verdadeiros amigos.
1ª oração: É necessário – principal;
2ª oração: que venham os meninos –
subordinada substantiva subjetiva.
1
A condenação do réu depende / de que os
É importante que conheçamos al- 2
guns verbos que habitualmente tenham, jurados entrem em acordo.
por sujeito, uma oração subordinada
substantiva, os quais devem ser utiliza- Período composto por subordinação
dos na terceira pessoa do singular ou 1ª oração: A condenação do réu depen-
no infinitivo: convir, cumprir, importar, de – principal;
urgir, ocorrer, acontecer, suceder, pare- 2ª oração: de que os jurados entrem em
cer, constar, admirar, espantar etc. Tam- acordo – subordinada substantiva objetiva
indireta.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 63 Instituto Universal Brasileiro
Nesse período, o predicado da ora-
ção principal é constituído pelo verbo
transitivo indireto “depender”. Para
determinar o objeto indireto desse ver-
bo, fazemos a seguinte pergunta: “De Para determinar o predicativo, deve-
que depende a condenação do réu?”. A mos fazer a seguinte pergunta: “Qual é a
resposta (de que os jurados entrem em verdade?”; assim, teremos como resposta:
acordo) nos fornece o objeto indireto do “A verdade é que os dois hóspedes não
verbo “depender”, que se liga a este por chegaram a tal ponto”. A oração assinala-
meio da preposição “de”. Trata-se de da é o predicativo da oração principal,
uma oração que funciona como objeto sendo, portanto, uma oração subordinada
indireto, ou seja, é uma oração subor- substantiva predicativa.
dinada substantiva objetiva indireta.

Oração Subordinada Substantiva


Completiva Nominal
Quando a oração subordinada subs-
A presença da preposição faz toda a di-
tantiva completa o sentido de um subs-
ferença tanto para identificar o objeto indireto tantivo ou de um adjetivo que tenha for-
como a oração subordinada substantiva objetiva ça de verbo, ligando-se a ele através de
direta. Portanto, a presença de preposição (de, uma preposição, ela é chamada de ora-
com, para, em, ao, a) para complementação do ção subordinada substantiva completi-
sentido de verbo é indicativa de objeto indireto. va nominal.

1 2
Oração Subordinada Substantiva Predicativa Tenho esperança / de que o castiguem.
Quando a oração subordinada substan-
tiva exerce a função de predicativo, recebe Período composto por subordinação
o nome de oração subordinada substantiva 1ª oração: Tenho esperança – principal;
predicativa. 2ª oração: de que o castiguem – subor-
dinada substantiva completiva nominal.
1
“A verdade é / que os dois hóspedes não Nesse período, a primeira oração
2 tem por objeto direto do verbo “ter” o
chegaram a tal ponto.” substantivo “esperança”. Esse substan-
(Machado de Assis)
tivo se relaciona com o verbo “esperar”:
“Espero que o castiguem”.
Período composto por subordinação Portanto, tem força de verbo e exi-
1ª oração: A verdade é – principal; ge um complemento que lhe complete
2ª oração: que os dois hóspedes não o sentido e a ele venha ligado por uma
chegaram a tal ponto – subordinada subs- preposição.
tantiva predicativa. Mas o complemento nominal de “es-
perança” não é constituído por um subs-
Nesse exemplo, a oração principal tantivo, mas por uma oração equivalente
apresenta o verbo de ligação “ser”; logo, a um substantivo: de que o castiguem.
o predicado desta oração é nominal e, por Esta oração é, pois, uma subordinada
isso, deve ter um predicativo. substantiva completiva nominal.

Língua Portuguesa 1 - Aula 6 64 Instituto Universal Brasileiro


Oração Subordinada Substantiva Apositiva

A oração é subordinada substantiva apo-


sitiva quando desempenha a função de apos-
to da oração principal.
Conjunção integrante

1 2 Observe que nos exemplos apresenta-


Desejo isto: / que você compre o material. dos, as orações subordinadas substantivas
se ligam à principal, ou a uma oração coor-
denada, geralmente, por meio de uma con-
Período composto por subordinação
junção subordinativa chamada conjunção
1ª oração: Desejo isto – principal;
integrante, com função de elemento conec-
2ª oração: que você compre o material –
tivo. A principal é “que”; “se” também é usa-
subordinada substantiva apositiva.
da, com menor frequência, para ligar subordi-
nadas substantivas objetivas diretas.
Nesse período, a segunda oração ex-
plica o termo que o antecede na oração
principal: “isto”. Por isso, exerce a função
Orações Subordinadas Adjetiva
de aposto e recebe o nome de oração su-
bordinada substantiva apositiva. Oração subordinada adjetiva é aquela
que equivale a um adjetivo, que é a palavra
que modifica um substantivo. Na análise
sintática, recebe o nome de adjunto adno-
minal. Portanto, a oração subordinada adje-
tiva pode ter, como antecedente, um subs-
tantivo do qual exerce a função de adjunto
E a oração que exerce a função adnominal.
sintática de agente da passiva?

Apesar de a NGB (Nomenclatura


Gramatical Brasileira) não apresentar ne-
nhuma referência, as orações que exer-
cem a função de agente da passiva po-
dem ser incluídas entre as subordinadas
substantivas.
Exemplo:

1 2
O presente será dado por quem o comprou.

Período composto por subordinação


1ª oração: O presente será dado –
principal;
2ª oração: por quem o comprou – su-
bordinada substantiva agente da passiva.

Nesse caso, a oração, geralmente, é


iniciada pela preposição “por” + “pronome in- (A rádio) que vai ao shopping.
definido” e a locução verbal está sempre na oração subordinada adjetiva
voz passiva.

Língua Portuguesa 1 - Aula 6 65 Instituto Universal Brasileiro


Exemplo:
Aqui, não se trata de qualquer rádio,
mas a “que vai ao shopping”. Neste caso,
o adjetivo que qualifica a rádio é uma fra- O aluno / que estuda / progride.
se. A imagem explora a identificação entre
o nome da rádio e do shopping. Aqui, a Todos os alunos progridem? Não, apenas
oração que qualifica o substantivo “rádio” o aluno que estuda.
tem a função de um adjetivo, portanto,
oração subordinada adjetiva.
A oração “que estuda” restringe ou es-
pecifica o sentido da palavra a que se refere:
“aluno”. Por isso, é uma oração subordinada
adjetiva restritiva.

Nem sempre há um adjetivo que pos- Orações Subordinadas Adjetivas Explicativas


sa substituir exatamente uma oração su- A oração adjetiva explicativa, como o
bordinada adjetiva. Entretanto, podemos próprio nome diz, explica o termo antece-
facilmente notar seu valor adjetivo por dente, conferindo-lhe uma qualidade que lhe
causa da presença de um substantivo é peculiar, isto é, está contida no sentido do
ou de um pronome como antecedente, e substantivo ou à palavra a que se refere, es-
também pela sua forma de apresentação, clarecendo um pouco mais seu sentido, mas
como veremos mais adiante. sem restringir ou especificá-lo.

Essa oração tem o valor de aposto


explicativo. Desta forma, se a omitirmos,
não se alterará o sentido do período.

Exemplo:
Podemos sempre substituir a oração
subordinada adjetiva por um adjetivo qual-
quer. No exemplo “Conheço aquele rapaz O homem, / que é mortal, / não é infalível.
que acabou de cumprimentar”, podemos
substituir a oração subordinada adjetiva Todos os homens são mortais. Portan-
“que acabou de cumprimentar” por um ad- to, a oração adjetiva está contida no próprio
jetivo qualquer: alto, baixo, simpático etc. substantivo “homem”. Deste modo, podemos
excluir essa oração subordinada do período e
As orações subordinadas adjetivas são o seu sentido continuará o mesmo: “O homem
sempre introduzidas por um pronome relativo não é infalível”. Isso porque o adjetivo “mortal”
(que, qual, cujo, quem etc.) e podem ser classi- está implícito no substantivo “homem”.
ficadas como restritivas ou explicativas.

Orações Subordinadas Adjetivas Restritivas


A oração é adjetiva restritiva quan-
do limita o sentido de seu antecedente. Observe que as orações subordina-
Forma com ele um todo inseparável, de tal das adjetivas explicativas apresentam um
modo que, suprimida do período, ficará al- recurso visual que facilita sua identifica-
terado ou pouco claro o sentido da oração ção: elas vêm separadas por vírgulas.
principal.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 66 Instituto Universal Brasileiro
Orações Subordinadas Adverbiais Exemplos:

As orações subordinadas adverbiais têm 1 2


este nome porque podem desempenhar, em Hoje não sairei / porque está chovendo.
um período, uma função equivalente a do ad-
vérbio ou do adjunto adverbial da oração Período composto por subordinação
principal. Exemplo: 1ª oração: Hoje não sairei - principal;
2ª oração: porque está chovendo – su-
bordinada adverbial causal.
Podemos perceber que a segunda ora-
ção exprime a razão de “não sair hoje”. Por
isso, chamamos de subordinada adverbial
causal.

1
Como as dificuldades aumentaram, /
2 3
resolveu / que iria trabalhar.

Período composto por subordinação


(Quem vai ficar feliz) 1ª oração: Como as dificuldades aumen-
quando você comprar o seu carro? taram – subordinada adverbial causal;
oração subordinada adverbial 2ª oração: resolveu – principal;
3ª oração: que iria trabalhar – subordi-
São destacados vários grupos que nada substantiva objetiva direta (conjunção
representam os filhos, os amigos, o casal integrante “que”).
e o próprio dono do carro para responder
a pergunta “Quem vai ficar feliz?” A oração
que se inicia com “quando” acrescenta a
circunstância de tempo, portanto, tem fun-
ção de advérbio e constitui uma oração
adverbial. A conjunção subordinativa “como” é
causal quando a oração subordinada vem
antes da principal.
A oração adverbial é classificada
de acordo com a conjunção subordinati-
va que a introduz: causal, comparativa, Oração Subordinada
concessiva, condicional, conformati- Adverbial Comparativa
va, consecutiva, final, proporcional e
Equivale a um adjunto adverbial de
temporal.
comparação e, portanto, esclarece um con-
ceito, estabelecendo um confronto com o
conceito expresso em outra oração. Nas
Oração Subordinada orações subordinadas adverbiais comparati-
Adverbial Causal vas, utilizamos as conjunções como, qual e
Equivale a um adjunto adverbial de as locuções tal como, assim como, como se.
causa e exprime uma causa ou motivo. Podemos empregar também as conjunções
São orações introduzidas por conjunções ou que, do que, como, quanto em correlação
locuções conjuntivas causais: porque, por- com outra palavra expressa na oração prin-
quanto, pois, que, uma vez que, visto que, cipal: tão, tanto, mais, menos, melhor, pior,
como etc. maior, menor.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 67 Instituto Universal Brasileiro
Exemplo: Oração Subordinada
1
Adverbial Conformativa
O sol despontou no horizonte, / como se
Equivale a um adjunto adverbial de
2 conformidade, exprimindo um acordo
fosse uma bola de fogo.
ou conformidade com outro fato expres-
Período composto por subordinação so na oração principal. São orações sem-
1ª oração: O sol despontou no horizonte pre introduzidas pelas conjunções confor-
- principal; mativas: conforme, consoante, segundo,
2ª oração: como se fosse uma bola de como etc.
fogo – subordinada adverbial comparativa. Exemplo:

Muitas vezes, as orações subordinadas 1 2


adverbiais comparativas apresentam o predi- Ele age / conforme pensa.
cado e seus complementos de maneira elípti-
ca (oculta). Veja alguns exemplos: Período composto por subordinação
1ª oração: Ele age – principal;
1
2ª oração: conforme pensa – subordi-
Eu tenho mais energia / do que 2você nada adverbial conformativa.

(tem energia).

Período composto por subordinação


1ª oração: Eu tenho mais energia - prin-
cipal; O conectivo como deve ser analisa-
2ª oração: do que você (tem energia) – do de acordo com o sentido que apresenta:
subordinada adverbial comparativa. • Como = porque → causa (causal);
• Como = conforme → conformida-
de (conformativa);
• Como = comparação → (compa-
rativa).
A oração subordinada se inicia pela
locução comparativa “do que”, que tem por
antecedente “mais”, um adjunto adverbial de Oração Subordinada Adverbial Concessiva
quantidade da oração principal. O predicado São orações que têm valor de um ad-
da segunda oração está elíptico porque é o junto adverbial de concessão, que expres-
mesmo da oração anterior: “tem energia”. sam um obstáculo que existe realmente
ou supomos que existia, mas que não pode
modificar o pensamento exposto na oração
1 2 principal. As concessivas são introduzidas
Pedro é mais alto / do que Mário (é alto). por uma conjunção ou locução concessiva:
embora, ainda que, mesmo que, sem que (=
Período composto por subordinação embora não), conquanto, nem que, apesar
1ª oração: Pedro é mais alto - principal; de que etc.
2ª oração: do que Mário (é alto) – su- Exemplo:
bordinada adverbial comparativa.
Nesse período, o predicado da segun- 1 2
Ainda que chova, / irei ao teatro.
da oração também está elíptico porque é o
mesmo da oração principal: “é alto”.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 68 Instituto Universal Brasileiro
Período composto por subordinação
1ª oração: Ainda que chova – subordi- 1
Não conseguirá ser aprovado / sem que
nada adverbial concessiva;
2ª oração: irei ao teatro – principal. 2
estude muito.

As orações concessivas ainda podem Período composto por subordinação


se apresentar com as expressões por mais... 1ª oração: Não conseguirá ser aprovado
que, por muito... que, por.... que ou que. – principal;
Exemplos: 2ª oração: sem que estude muito – su-
bordinada adverbial condicional.
1
Por mais feio que fosse, / a mãe
2 Oração Subordinada Adverbial Consecutiva
o adoraria.
Apresenta a consequência do fato ex-
Período composto por subordinação presso na oração principal. São iniciadas
1ª oração: Por mais feio que fosse – pelas conjunções ou locuções consecutivas:
subordinada adverbial concessiva; que, de forma que, de modo que, de sorte
2ª oração: a mãe o adoraria – principal. que, tanto que, sem que (= que não) etc.
Exemplos:
2 1
Os louvores, / pequenos que sejam, / são re- 1 2
Ela veio de carro, / de modo que chegou an-
cebidos com prazer.
tes de mim.
Período composto por subordinação
1ª oração: Os louvores são recebidos Período composto por subordinação
com prazer – principal; 1ª oração: Ela veio de carro – principal;
2ª oração: pequenos que sejam – su- 2ª oração: de modo que chegou antes de
bordinada adverbial concessiva. mim – subordinada adverbial consecutiva.

As conjunções e locuções “que” e “a qual”


Oração Subordinada
fazem correlação com um termo na oração
Adverbial Condicional
principal: tão, tanto, cada, tamanho etc. Veja:
Exprime uma condição sob a qual
se realizará, ou não, o pensamento ex- 1 2
presso na oração principal. São orações Ele discursou com tanta ênfase que convenceu
introduzidas por uma conjunção ou locução
a todos.
conjuntiva condicional: se, caso, sem que
(= se não), contanto que, desde que, a me- Período composto por subordinação
nos que etc. 1ª oração: Ele discursou com tanta ên-
Exemplos: fase – principal;
2ª oração: que convenceu a todos – su-
1 2 bordinada adverbial consecutiva.
Se você vier, / nós iremos ao cinema.

Período composto por subordinação Oração Subordinada Adverbial Final


1ª oração: Se você vier – subordina- Expressa a finalidade do pensamento
da adverbial condicional; da oração principal. São introduzidas por uma
2ª oração: nós iremos ao cinema – conjunção ou locução conjuntiva final: para
principal. que, a fim de que, que, porque etc.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 69 Instituto Universal Brasileiro
Exemplos:
1 2
1 2 Quanto mais se estuda, / mais se aprende.
Ele se dedica ao estudo / para que absorva

um pouco da sabedoria dos grandes mestres. Período composto por subordinação


1ª oração: Quanto mais se estuda –
Período composto por subordinação subordinada adverbial proporcional;
1ª oração: Ele se dedica ao estudo – 2ª oração: mais se aprende – principal.
principal;
2ª oração: para que absorva um pouco Veja que a subordinada apresenta uma
da sabedoria dos grandes mestres – subordi- passagem gradual no tempo em concordância
nada adverbial final. com o pensamento expresso na oração principal.

1 2
Oração Subordinada Adverbial Temporal
Estou aqui / a fim de que lhe esclareça
Equivale a um adjunto adverbial de
minha opinião. tempo e exprimem circunstância de tempo,
ou seja, o momento ou o período de ocor-
Período composto por subordinação rência de um fato. Ela é introduzida pelas
1ª oração: Estou aqui – principal; conjunções ou locuções conjuntivas tempo-
2ª oração: a fim de que lhe esclare- rais: quando, enquanto, depois que, des-
ça minha opinião. – subordinada adverbial de que, mal, assim que, apenas, logo que,
final. sempre que, primeiro que, sem que (= antes
que) etc.
Exemplos:
Oração Subordinada Adverbial Proporcional
Equivale a um adjunto adverbial de 1 2
proporcionalidade, expressando um au- Quando eu cheguei, / você saiu.
mento ou diminuição que se processam
no mesmo sentido ou em sentido contrário Período composto por subordinação
a outro aumento ou diminuição expresso na 1ª oração: Quando eu cheguei – subor-
oração principal. dinada adverbial temporal;
Pode apresentar também uma passa- 2ª oração: você saiu – principal.
gem do tempo. São orações introduzidas
pelas locuções proporcionais à proporção
que, à medida que, ao passo que, quanto Orações Reduzidas
mais, quanto menos, quanto maior, quan- As orações reduzidas são orações subor-
to melhor, quanto pior em correlação com dinadas simplificadas que não se iniciam com
um termo que introduza a oração princi- pronomes relativos, nem por uma conjunção
pal: mais, menos, tanto mais, tanto me- subordinativa. Elas apresentam o verbo numa
nos etc. das formas nominais: infinitivo, gerúndio e
Exemplos: particípio. Em geral, podem ser desenvolvidas
em orações subordinadas com o conectivo cla-
1 2 ro e o verbo conjugado.
À medida que se vive, / mais se aprende. As orações reduzidas são classifica-
das de acordo com os mesmos critérios
Período composto por subordinação usados para as correspondentes desenvol-
1ª oração: À medida que se vive – su- vidas, com o acréscimo das seguintes ex-
bordinada adverbial proporcional; pressões, de acordo com a forma nominal
2ª oração: mais se aprende – principal. em que se encontra o verbo: reduzida de
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 70 Instituto Universal Brasileiro
infinitivo, reduzida de gerúndio ou redu-
zida de particípio.

Veja alguns exemplos:


A forma nominal do verbo indica se a
• Reduzidas de Infinitivo (verbos termi- oração é reduzida. Havendo locução verbal, o
nados em –ar) verbo auxiliar é o que indica se estamos ou não
diante de uma oração reduzida e qual o seu
1 2 tipo. As orações “Estamos viajando”, “Somos
Gosto / de ficar sozinho. (ficar = que fique) amados” não constituem orações reduzidas
porque os verbos auxiliares estão conjugados.
1. Oração principal
2. Oração subordinada substantiva objetiva in-
direta reduzida de infinitivo
Leia o texto a seguir sobre qualidade
de vida e observe os destaques (grifo nos-
so): conectivos (orações subordinadas de-
• Reduzidas de Gerúndio (verbos ter- senvolvidas) ou formas nominais do verbo
minados em –ndo) (orações reduzidas).
Mundo em colapso
1 2
Hoje, infelizmente,
Vi um menino / gritando desesperada-
vemos pobres buscando
mente pelas ruas. (gritando = que gritava)
as grandes cidades. Tam-
1. Oração principal bém os vemos entrando
2. Oração subordinada adjetiva restritiva redu- clandestinamente em pa-
zida de gerúndio íses ricos. Poucos milio-
nários dos países ricos
possuem mais dinheiro
que metade dos países do mundo.
Os povos da África morrem de fome e de
Aids. O coração de Nova York é posto abaixo
por suicidas. A polícia inglesa mata um jovem
brasileiro confundido com terrorista.
A oração reduzida de gerúndio pode No Nordeste, um bispo faz greve de fome
aparecer também no período composto em defesa do rio São Francisco. As florestas da
por coordenação. Por exemplo, no período Amazônia são, diariamente, arrasadas. O clima
“Levantou-se da cadeira, fechando o jor- está mudando visivelmente. Enquanto o gelo
nal com decisão”, a oração desenvolvida se derrete nos polos, a seca acaba com flores-
seria “Levantou-se da cadeira e fechou o tas; e enchentes destroem o sertão.
jornal com decisão”. Cada vez mais, jovens pobres aderem ao
crime organizado na esperança de conseguir
status e dinheiro fácil. Já os jovens ricos se en-
• Reduzidas de Particípio (verbos ter- tregam às drogas, aos antidepressivos e aos
minados em –do, –dos, –da, –das) tranquilizantes.
Será esta a qualidade de vida que quere-
2 1 mos? Um mundo de luxo para poucos, junto a
um mundo de miséria para muitos? Um proces-
Terminada a leitura, / foram passear. (Ter-
so produtivo que concentra capital às custas da
minada = Quando terminaram) devastação natural? Uma sociedade cada vez
mais materialista e menos espiritualizada? São
2. Oração subordinada adverbial temporal re- perguntas que temos que fazer.
duzida de particípio Não podemos deixar de afirmar: a quali-
1. Oração principal dade de vida que queremos é diferente. Ela está

Língua Portuguesa 1 - Aula 6 71 Instituto Universal Brasileiro


ao alcance de todos dentro de uma lógica que • Completiva nominal. Completa
respeita nossas relações com o nosso processo o sentido de um nome de significação
pessoal, os nossos semelhantes e todas as de- incompleta (substantivo, adjetivo ou ad-
mais formas de vida do planeta. vérbio), ao qual se liga por meio de uma
KAISER, Arno. Mundo Jovem, um jornal de ideias. preposição.
Texto adaptado.

Comentários. Observe os conectivos ou • Apositiva. Explica um termo an-


formas nominais do verbo (grifo nosso) em desta- terior, funcionando exatamente como um
que e acompanhe a análise de algumas orações aposto.
do texto.
1º parágrafo: “buscando” = (“que bus- Apesar de a NGB (Nomenclatura
cam”) é relativo a “pobres” e introduz a oração su- Gramatical Brasileira) não apresentar
bordinada adjetiva restritiva reduzida de gerúndio. nenhuma referência, as orações que
3º parágrafo: “Enquanto” remete à ideia
exercem a função de agente da passiva
de tempo e introduz a oração subordinada adver-
podem ser incluídas entre as subordi-
bial temporal.
4º parágrafo: “conseguir” = (“que con- nadas substantivas.
sigam”) vem precedido de preposição “de” e
completa o sentido de um nome (“esperança”); Oração subordinada adjetiva.
trata-se de uma oração subordinada substantiva Tem valor de adjetivo, introduzida por
completiva nominal reduzida de infinitivo. pronomes relativos.
5º e 6º parágrafos: todos os conectivos
“que” são relativos aos substantivos que os pre- • Restritivas. Restringem a signifi-
cedem, introduzindo orações adjetivas restritivas. cação do substantivo ou do pronome an-
tecedente. Indispensáveis ao sentido da
frase.

• Explicativas. Acrescentam uma


qualidade acessória ao antecedente.
Sempre entre vírgulas, se retiradas do
Orações subordinadas. Podem ser
período, não fazem falta ao sentido.
de três tipos, de acordo com a função que
exercem: substantivas, adjetivas e ad-
Oração subordinada adverbial.
verbiais.
Funciona como adjunto adverbial da ora-
ção principal e vem introduzida por con-
Oração subordinada substantiva.
junções subordinativas que correspon-
Tem valor de substantivo, introduzida pe-
dem à sua classificação, de acordo com
las conjunções integrantes “que” ou “se”.
a circunstância que indicam: causal,
comparativa, conformativa, conces-
• Subjetiva. Funciona como sujeito
siva, condicional, consecutiva, final,
de um verbo de outra oração.
proporcional e temporal.
• Objetiva direta. Completa o senti-
Orações subordinadas reduzi-
do de um verbo transitivo direto.
das. São orações que não se iniciam
com um conectivo e têm o verbo em uma
• Objetiva indireta. Completa o sen-
das formas nominais:
tido de um verbo transitivo indireto.
• infinitivo (-ar);
• Predicativa. Completa o sentido • gerúndio (-ndo);
de um verbo de ligação. • particípio (-do (s), -da(s).

Língua Portuguesa 1 - Aula 6 72 Instituto Universal Brasileiro


( ) Colocou os óculos para que pudesse
ver melhor. (final)
( ) Sua alegria aumentava à medida que
as notícias chegavam. (temporal)

1. Observe a classificação das orações a) ( ) C – I – C – I


subordinadas substantivas entre parênteses e b) ( ) I – C – C – C
assinale a alternativa incorreta. c) ( ) C – C – I – I
d) ( ) C – C – C – I
a) ( ) É bom que chegue logo. (subjetiva)
b) ( ) O importante é que todos enten- 5. Assinale a alternativa que classifica
deram a mensagem. (predicativa) corretamente a oração subordinada adverbial
c) ( ) Não quero que você chegue atra- destacada no período abaixo:
sado. (predicativa)
d) ( ) Só lhe peço uma coisa: que não Nos anúncios publicitários, os apelos
sobre qualidade de vida são tão fortes que as
se esqueça de mim. (apositiva)
pessoas fazem qualquer coisa por dinheiro.
2. “Nossa própria vida e a das futuras gera-
ções dependem de que tratemos a Terra com a) ( ) Consecutiva
cuidado e respeito.” Nesse período, a oração b) ( ) Causal
destacada é uma subordinada substantiva: c) ( ) Condicional
d) ( ) Comparativa
a) ( ) objetiva indireta.
b) ( ) objetiva direta. 6. Observe a oração destacada do pe-
c) ( ) predicativa. ríodo abaixo e assinale a alternativa correta.
d) ( ) subjetiva.
Hoje, infelizmente, vemos pobres bus-
cando as grandes cidades.
3. Coloque (1) para oração subordinada adje-
tiva explicativa e (2) para oração subordinada adje-
tiva restritiva. Depois, assinale a alternativa correta. a) ( ) Oração principal
( ) Os benefícios que lhe foram ofereci- b) ( ) Oração subordinada reduzida de
dos não eram suficientes. gerúndio
( ) O homem, que é mortal, sonha com c) ( ) Oração subordinada adverbial
a imortalidade. d) ( ) Oração subordinada reduzida de
( ) Convidados que costumam brigar particípio
serão vigiados discretamente.
( ) A cidade cujas flores são famosas 7. (Adaptada de EPCAR) “Como ontem
faz parte da viagem. estava chovendo, tive a infeliz ideia, ao sair à
rua, de calçar um velho par de galochas.”
a) ( ) 1 – 2 – 2 – 2 No período acima, as orações destaca-
b) ( ) 2 – 1 – 1 – 2 das indicam, respectivamente:
c) ( ) 2 – 1 – 2 – 2
d) ( ) 1 – 2 – 1 – 1 a) ( ) causa, tempo e complemento de
um nome.
4. De acordo com a classificação das orações b) ( ) comparação, tempo e comple-
subordinadas adverbiais, indique (C) para correto e mento verbal não preposicionado.
(I) para incorreto e assinale a alternativa correta. c) ( ) causa, condição e complemento
verbal preposicionado.
( ) Nada fez porque nada pedira. (causal) d) ( ) consequência, tempo e comple-
( ) Ela é bonita como a mãe. (comparativa) mento de um nome.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 73 Instituto Universal Brasileiro
4. d) ( x ) C – C – C – I
Comentário. Nas orações 1, 2 e 3, a clas-
sificação corresponde exatamente à oração, por-
tanto estão corretas. A dica são os conectivos: 1
– porque = causal; 2 – como = comparativa; 3
1. c) ( x ) Não quero que você chegue – para que = final. A quarta oração foi classificada
atrasado. (predicativa) de maneira errada, pois é uma subordinada ad-
Comentário. Somente na alternativa c, a verbial proporcional que pode apresentar as con-
classificação do parênteses (predicativa) não junções: à medida que, à proporção que, quanto
corresponde à oração subordinada substan- menos, quanto mais etc. A oração subordinada
tiva. O verbo “querer” é transitivo direto, cujo adverbial temporal apresenta as seguintes con-
objeto direto seria, nesse caso, uma oração junções: quando, depois de, assim que etc.
subordinada substantiva objetiva direta: “que
você chegue atrasado.”. Veja: Não quero (o 5. a) ( x ) Consecutiva
quê?) que você chegue atrasado. Um período Comentário. Na oração “que as pessoas
com oração subordinada substantiva predicati- fazem qualquer coisa por dinheiro”, a conjunção
va apresenta, na oração principal, o verbo de li- “que” faz correlação com o termo “tão”, presente
gação “ser”, pedindo, portanto, um predicativo. na oração principal. Essa conjunção indica uma
Confira a classificação correta da predicativa consequência do fato expresso na oração princi-
na alternativa b. pal; por isso, a oração é uma subordinada adver-
bial consecutiva.
2. a) ( x ) objetiva indireta.
Comentário. A oração subordinada subs- 6. b) ( x ) Oração subordinada reduzida
tantiva objetiva indireta exerce a função de de gerúndio
objeto indireto, completando o sentido de um Comentário. A oração “buscando as gran-
verbo transitivo indireto, ao que se ligam indire- des cidades” é uma subordinada adjetiva res-
tamente com auxílio de preposição. Veja: Nossa tritiva (“que buscam as grandes cidades”), mas
própria vida e das futuras gerações dependem ela foi reduzida, deixando o verbo no gerúndio.
(de quê?) de que tratemos a Terra com cuida- Nesse caso, é uma oração subordinada adjetiva
do e respeito. Dois indicativos são fundamen- restritiva reduzida de gerúndio.
tais neste exemplo: a presença da preposição
“de” acompanhando o conectivo que introduz 7. a) ( x ) causa, tempo e complemento
a oração subordinada; e o fato de a oração ter de um nome
a função de complementar um verbo (no caso, Comentário. Na oração “Como ontem
dependem). Complemento verbal com prepo- estava chovendo”, o conectivo como é igual a
sição = objeto indireto; oração que funciona porque, portanto a oração indica causa, e seria
como complemento verbal, com a presença da classificada como oração subordinada adverbial
preposição = oração subordinada substanti- causal. A oração “ao sair à rua” indica tempo,
va objetiva indireta. trata-se de uma oração subordinada adverbial
de tempo reduzida de infinitivo. A oração princi-
3. c) ( x ) 2 – 1 – 2 – 2 pal “tive a infeliz ideia” traz um nome que exige
Comentário. Orações subordinadas ad- complemento (ideia de que?) “de calçar um ve-
jetivas explicativas acrescentam uma qualida- lho par de galochas”, portanto, a função desta
de acessória ao antecedente e vêm entre vírgu- oração é de complemento de um nome ou com-
las; se retiradas do período, não fazem falta ao plemento nominal; trata-se de uma oração subor-
sentido. Orações subordinadas adjetivas res- dinada substantiva completiva nominal reduzida
tritivas restringem a significação do anteceden- de infinitivo. Observe que o complemento nomi-
te, sendo indispensável ao sentido da oração. nal também vem com preposição (“de”), como o
Uma dica é o recurso visual: as restritivas não objeto indireto; a diferença é que o objeto indireto
vêm separadas por vírgulas. completa o sentido de um verbo.
Língua Portuguesa 1 - Aula 6 74 Instituto Universal Brasileiro

Você também pode gostar