Você está na página 1de 10

Análise e controle de qualidade de plantas medicinais:

Erva- Cidreira (Lippia alba).


Analysis and quality control of medical herbs: Lippia Alba
(lemon balm).

Gabrielle Fernanda Rabaçala Godinho¹; Gabriela Aparecida Nascimento²;


Rayane Stefany de Carvalho Lima³; Airton Oliveira dos Santos.𝟒 ; Leonardo
Brenner Leite da Silva.𝟓 ; Tábata Cristina Santos Vitori.𝟔 ; Ana Gabriela
Vieira Alves Januzzi.𝟕

1- Técnica em Biotecnologia. Uni-BH 2015. Belo Horizonte, MG.


gaby_cidao@hotmail.com
2- Técnica em Biotecnologia. Uni-BH 2015. Belo Horizonte, MG.
gabi_bdgv@hotmail.com
3- Técnica em Biotecnologia. Uni-BH 2015. Belo Horizonte, MG.
hisclima@gmail.com
4- Técnico em Biotecnologia. Uni-BH 2015. Belo Horizonte, MG.
lionbrenner@hotmail.com
5- Técnico em Biotecnologia. Uni-BH 2015. Belo Horizonte, MG.
airtonsantoliveira@gmail.com
6- Técnica em Biotecnologia. Uni-BH 2015. Belo Horizonte, MG.
tabataclm@yahoo.com.br

7- Mestre em Ciência de Alimentos pela Universidade Federal de Minas Gerais

(UFMG), 2007. Belo Horizonte - MG. anagabriela.vaj@hotmail.com

Resumo: A Lippa alba (popularmente conhecida como erva-cidreira) é uma planta que desperta
muito interesse econômico e científico, pois estudos comprovaram suas propriedades
analgésica, antiespasmódica, calmante, sedativa e citostática, tendo efeitos terapêuticos já
comprovados cientificamente. Foram analisadas amostras in natura fresca e seca nos aspectos
físico-químicos: teor de Umidade (secagem em dissecador), determinação de Proteínas
(Método de Biureto), determinação de Lipídeos (BLIGH-DYER), determinação de Carboidratos
(Lane- Eynon), material estranho, e microbiológico (contagem do número de bactérias e de
fungos) com vistas a estabelecer uma comparação na sua forma como normalmente é
consumida (fresca) e também na forma seca. Os resultados indicaram que a erva fresca
apresentou um teor de óleo superior à seca, já a concentração de carboidratos na amostra
fresca foi bem superior à amostra fresca. A análise de proteína não detectou um teor proteico
suficiente para a sensibilidade do método escolhido. A umidade da amostra fresca foi superior
à amostra seca. O material estranho encontrado na amostra seca foi maior que na amostra
fresca revelando valores acima da legislação vigente. Os testes microbiológicos indicaram que
as amostras apresentaram a contagem, tanto de fungos quanto de bactérias, acima do
máximo. Apesar de a maioria dos parâmetros microbiológicos terem ficado fora dos limites
estabelecidos pela legislação vigente, com exceção da quantificação de bactérias na amostra
seca, inserindo a etapa de higienização durante o pré-preparo somado à etapa de infusão sob
temperatura de fervura o chá pode ser ingerido sem risco para o consumidor, tornando seu
consumo uma opção saudável e recomendável.

Palavras-chave: Lippia alba, erva-cidreira, análises físico-químicas, análise microbiológica.

Abstract: Lippia alba (popularly known as lemon balm) is a plant that arouses a very economical
and scientific interest because studies have scietifically proved its analgesic, antispasmodic,
calming, sedative and cytostatic properties having therapeutic effects. Samples were analyzed
in natura in fresh and dry form in the physicochemical aspects: moisture content (drying
dissector), determination of protein (Biuret method), determination of lipids (BLIGH-DYER),
determination of carbohydrates (Lane- Eynon), foreign material and microbiological (counting
the number of bacteria and fungi) in order to establish a comparison between the usually
consumed form (fresh) and also in dry form. The results indicated that the fresh grass had a
higher drought oil content, as the concentration of carbohydrates in the fresh sample way above
the fresh sample. Protein analysis haven’t detected a sufficient protein content to the sensitivity
of the chosen method. The moisture of the fresh sample was higher than the dried one. The
foreign material found in the dried sample was higher than the fresh sample, showing values
above the law. Microbiological test indicated that the samples had a counting of both - fungi and
bacteria - above the maximum. Although the majority of microbiological parameters have been
outside the limits set by law, except for the quantification of bacteria in the dried sample,
inserting the step of cleaning during the pre-preparation step and infusion added to the boiling
temperature under tea, can be ingested without risk to the consumer, making its use a healthy
and recommended option.

Key words: Lippia alba, lemon balm, physicochemical analysis, microbiological analysis.

Introdução

A erva-cidreira da espécie Lippia sedativa, antiespasmódica,


alba, é originaria da América do Sul, analgésica, antitérmica, anti-
sendo encontrada em todo território inflamatória e emenagoga (AGUIAR
brasileiro. Seu uso é antigo, sendo et al., 2008. KANZLER; 2013).
citada na Odisseia de Homero. É
Foi descrita primeiramente por
também muito usada popularmente
LINNAEU em 1753, como Lippia
devido ao seu efeito calmante, para
Houst. É um gênero nativo da
alívio de dores estomacais e
família Verbenaceae, que inclui
cólicas, por possuir propriedades
ervas, arbustos e pequenas árvores.
Em grande parte da literatura a compostos fenólicos (SHAHIDI et
erva-cidreira-brasileira ou erva- al., 1992).
cidreira-de-arbusto (Lippia alba) é
descrita como possuindo folhas O chá é uma das bebidas mais
verde escuras, folhas inteiras, consumidas e mais antigas do
membranosas ou rugosas, opostas- mundo, sendo considerado como
cruzadas, quebradiças, pecioladas e uma das melhores fontes de
flores azul-arroxeadas ou róseo- compostos fenólicos (LIMA et al.,
violáceas (ANVISA, 2011). 2004).
Já seu efeito calmante deve-se ao
A melhor forma de uso de suas
citral, principal componente de seu
folhas é na forma de chá, após uma
óleo essencial (DIAS, 2012). Os
infusão, (utilizar de 1 a 4 gramas de
constituintes mais importantes das
folha para 1 litro de água) por
folhas do chá de Lippia alba, são
promover diversas alterações
compostos fenólicos, em especial
benéficas ao consumidor graças às
taninos e flavonoides, o óleo
propriedades encontradas em suas
essencial citral e ácido rosmarínico.
folhas. Possui propriedades
(LIMA et al., 2004; MATSUBARA &
analgésicas, antiespasmódica,
RODRIGUEZ- AMAYA, 2006;
calmante, sedativa e citostática,
BETTELHEIM et al., 1995;
tendo efeitos terapêuticos já
FERRARA et al., 2001).
comprovados cientificamente.
Atualmente a L. alba é uma planta
(MING, 1992)
promissora para as indústrias
Seu efeito antioxidante deve- farmacêuticas, de aromáticos,
se a alguns componentes como perfumes e também pode ser
ácido rosmarínico, ácido cafeico indicada para indústrias de químicos
citral, acetato de eugenol, presentes agrícolas, devido às suas
em sua composição, que inibem a comprovadas propriedades
formação de radicais livres no antifúngica, inseticida e repelente
organismo (PEREIRA, 2008). Atribui- (YAMAMOTO et al., 2008).
se o efeito antioxidante das plantas Por possuir tantos efeitos
aromáticas à presença de popularmente conhecidos, alguns
grupamentos hidroxilas em seus cientificamente comprovados e
outros não, foi realizada uma
revisão bibliográfica da erva- Método de BLIGH-DYER: Amostra
cidreira, através de estudos da erva seca e fresca, clorofórmio
baseados na literatura sobre ervas PA, metanol PA, sulfato de sódio
medicinais com possível uso 1,5 p/v, sulfato de sódio anidro
fitoterápico e doméstico. (LUTTZ, 2008).

Método de Lane-Eynon: Amostra da


Com base na revisão bibliográfica e erva seca e fresca, solução A de
nos testes físico químicos, análises Fehling (sulfato de cobre
macroscópicas e microbiológicas, pentahidratado, ácido sulfúrico e
este estudo tem por objetivo água destilada), solução B de
comparar duas amostras de Lippia Fehling (tartarato de sódio e
alba em diferentes estados de potássio, hidróxido de sódio e água
conservação (amostra seca e destilada). (TAVARES, 2010).
fresca).
Medição de BRIX: Amostra da erva
seca e fresca e refratômetro.

Materiais e Métodos Teor de Umidade: Amostra da erva


seca e fresca. Método de secagem
Para a realização de comparações
em dissecador.
entre as ervas secas e frescas
foram usados os seguintes métodos Contagem do número de bactérias e
e materiais: fungos: Amostra da erva seca e
fresca, solução salina peptonada e
Amostragem: Amostra da erva seca
tamponada, Ágar Nutriente e Ágar
e fresca.
Sabouraud.
Quarteamento: Amostra da erva
seca e fresca.
Resultados e Discussão
Material Estranho: Amostra da erva
seca e fresca. Após análise dos resultados, os
mesmos mostraram que a erva-
Método de Biureto: Amostra da erva
cidreira possui diferenças
seca e fresca, Ovoalbumina 10% e
dependendo da forma que é
Reativo de Biureto. (DIMAS, 1998)
utilizada. Na determinação de
material estranho obteve-se: amostra 1; 5,8% na amostra 2 e
3,333% de material estranho na 4,2% na amostra 3, com média
amostra 1 (dentro do padrão); 4,457%, e na amostra seca têm-se:
10,652% na amostra 2 (fora do 25% na amostra 1; 29,6% na
padrão) e 6,058% na amostra 3 amostra 2 e 21,2% na amostra 3,
(dentro do padrão), com média com média 25,267%. Pode-se
6,681%, já a amostra seca obteve observar que devido ao processo de
percentuais muito elevados: secagem da amostra seca a
77,825% de material estranho na concentração de carboidratos da
amostra 1; 67,722% na amostra 2 e amostra seca é bem superior ao da
65,090% na amostra 3, com média amostra fresca.
70,212% mostrando que todas
No teor de umidade obteve-se na
estavam fora do padrão.
amostra fresca: 66,53% na amostra
Para a caracterização de lipídios 1; 69,66% na amostra 2 e 66,73%
totais obteve-se na amostra fresca: na amostra 3, com média 67,64%, e
40% de lipídeos na amostra 1; na amostra seca: 3,57% na amostra
53,35% na amostra 2 e 39,95% na 1; 3,33% na amostra 2 e 4,17% na
amostra 3, com média 44,433% e amostra 3, com média 3,69%. Como
na amostra seca: 13,30% de esperado, a amostra fresca possui
lipídeos na amostra 1; 6,65% na um teor de umidade muito superior
amostra 2 e 13,30% na amostra 3, ao da amostra seca, também devido
com média 11,083%. Pode-se ao processo de secagem que a
observar que os resultados da amostra seca sofreu anteriormente.
amostra seca deram um percentual Estes dados estão demonstrados na
muito menor que a amostra fresca, Tabela 1 e Gráfico 1.
acreditando-se que o processo se
secagem pode influenciar na
obtenção de óleos na amostra seca,
já que estes óleos são geralmente
voláteis.

Na obtenção de dados da
determinação de carboidratos na
amostra fresca têm-se: 3,37% na
Tipo de Análise
Tipo de Amostra Número da Amostra
Máximo permitido Determinação de Caracterização de Lipídeos Totais - Determinação de Teor de Umidade
Material estranho Material Estranho (%) Método de BLIGH-DYER (%) Carboidratos (%) (%)
1 3,333 40,000 3,370 66,530

até 10%
Fresca 2 10,652 53,350 5,800 69,660

39,950
3 6,058 4,200 66,730

MÉDIA 6,681 44,433 4,457 67,640

Desvio Padrão 3,699 7,722 1,235 1,752

1 77,825 13,300 25,000 3,570

Seca 2 67,722 6,650 29,600 3,330


até 10%
3 65,090 13,300 21,200 4,170

MÉDIA 70,212 11,083 25,267 3,690

Desvio Padrão 6,723 3,839 4,206 0,433

Tabela 1- Análises totais.

Amostra fresca x Amostra seca


85
80 DP: 6,722
75
DP: 1,752
70
65
60 DP: 7,722
55
Percentual (%)

50
45
40 DP: 4,206
35
30
25
20 DP: 3,839
15
DP: 3,699
DP: 1,235 DP: 0,432
10
5
0
Material Material Lipídeos Lipídeos CHO fresca CHO seca Umidade Umidade
estranho estranho fresca seca fresca seca
fresca seca
Amostra 1 Amostra 2 Amostra 3

Gráfico 1: Análises comparadas.


Na análise microbiológica, foi 2. O teste usado foi apenas
realizada a contagem de unidades quantitativo. Os microrganismos
formadoras de colônias (UFC) encontrados não foram
presentes na última diluição. A identificados. Porem apesar dos
amostra seca encontra-se dentro da valores ter excedido o limite
conformidade do padrão padronizado, esse produto não é
estabelecido para os valores de consumido na sua forma natural e
UFC, porém encontra-se acima do sim por infusão com água fervente,
limite esperado para UFC fúngicas. após higienização prévia, reduzindo
A amostra fresca mostrou-se fora da o número de contaminantes.
conformidade por apresentar Enfatizando que as duas amostras
valores de UFC maiores do que o foram usadas sem nenhum
aceitável, tanto para o crescimento processo de higienização.
de colônias bacterianas como
fúngicas. Estes dados estão
demonstrados na Tabela 2 e Gráfico

Análise Microbiológica- Contagem do número de Bactérias e de Fungos.

Padrão Resultados
Placa de Ágar Nutriente

3x 105 UFC/g
Fresca
Até 𝟏𝟎𝟕 UFC/g
1x 106 UFC/g
Seca

Placa de Ágar Sabouraud

2x 106 UFC/g
Fresca
1,0 x 𝟏𝟎𝟓 UFC/g
1x 106 UFC/g
Seca

Tabela 2- Análise Microbiológica


Análise Microbiológica- Contagem do número
de bactérias e de fungos
5.00E+00
4.50E+00
4.00E+00
3.50E+00
3.00E+00
105
2.50E+00 Placa de Ágar Nutriente

2.00E+00 Placa de Ágar Sabouraud


106
1.50E+00
1.00E+00
106 106
5.00E-01
0.00E+00
UFC Fresca UFC Seca

Gráfico 2- Análise Microbiológica

Conclusão

Observou-se que há diferenças pela erva-cidreira seca, que a


consideráveis entre a Lippia alba atenção seja redobrada. Vale
fresca e seca, embora alguns testes ressaltar que o processo de
necessitem de métodos mais secagem provoca algumas
sensíveis. Acredita-se que o alterações na composição da
processo de secagem provoque mesma, fazendo que ela não seja a
alterações significativas na erva- melhor opção de consumo da Lippia
cidreira, não sabendo ao certo se alba.
afeta ou não as suas propriedades.
As propriedades calmantes e
Novos testes devem ser realizados
antioxidantes do chá estão
para comprovar essa hipótese.
presentes apenas em suas folhas,
A amostra seca apresentou um teor descartando qualquer outro tipo de
de material estranho muito elevado, material que esteja presente no
apresentando tocos, partes de pacote de folhas secas obtidas pelo
folhas de outras espécies e insetos consumidor.
vivos. Recomenda-se que ao optar
O uso da erva- cidreira após percebe-se que a amostra fresca
higienização e infusão de suas após higienização correta, é a
folhas, é indicada por possuir melhor opção de consumo da Lippia
características calmantes e alba, por aparentemente manter
antioxidantes. Para o uso industrial todas as suas propriedades sem
na obtenção de óleo essencial, é interferência de processos como o
indicado o uso da erva fresca. de secagem.
Avaliando as duas amostras,

Referências

AGUIAR, J.S. e Costa, M.C.C.D. (2005) plant (Camellia sinensis). Farmaco


Lippia alba (Mill.) N. E. Brown 56: 397-401.
(Verbenaceae): levantamento de
publicações nas áreas química, Lima VLAG, Melo EA, Lima DESL
agronômica e farmacológica, no 2004. Nota prévia: Teor de
período de 1979 a 2004. Revista compostos fenólicos totais em chás
Brasileira de Plantas Medicinais. 8, 79- brasileiros. Braz J Food Technol 7:
84. 187-190.
LUTTZ, ADOLFO. INTITUTO ADOLFO
ANVISA- Formulário de Fitoterápicos LUTTZ. Métodos físico-químicos
Farmacopeia Brasileira 1ª e 2ª para análise de alimentos. 1 Ed
edições 2011. digital. Versão eletrônica.
/coordenadores Odair Zenebon, Neus
Bettelheim FA, Landesberg J, Lee J Sadocco Pascuet e Paulo Tiglea -- São
1995. Laboratory Experiments for Paulo: IMESP, 2008. Cap IV, pg 117.
General, Organic and
Biochemistry.Saunders College Matsubara S, Rodriguez-Amaya DB
Publishing, 552p. 2006. Conteúdo de mircetina,
DIAS, Maria Inês; Barros, Lillian; quercetina e kaempferol em chás
Sousa, Maria João; Ferreira, Isabel comercializados no Brasil. Cienc
C.F.R. (2012) - Nutracêuticos e Teconol Aliment 26: 380-385.
potencial antioxidante de erva- MING, L.C. Influência de diferentes
cidreira: amostras cultivadas, níveis de adubação orgânica na
obtidas por cultura in vitro e produção de biomassa e ÓLEO
comerciais. In 11º Encontro Nacional ESSENCIAL de Óleos essênciaiss
de Química dos Alimentos. Bragança. essenciais de Lippia alba (Mill.)
ISBN 978-972-745-141-8 N.E.Br. -Verbenaceae. Curitiba: UFPr,
DIMAS, A. M. Zaia et al, Determinação 1992, 206 p. (Tese mestrado).
De Proteínas Totais Via PEREIRA, IVANE G.R.- Prevalência
Espectrofometria: Vantagens E Do Uso De Fitoterápicos Em
Desvantagens Dos Métodos Pacientes Do Programa De Geriatria
Existentes. 1998. Disponível em: Do Hospital Universitário De
http://www.scielo.br/pdf/qn/v21n6/2914 Brasília- HUB.2008.
Acessado em 21/08/15
Schahidi F, Janitha PK, Wanasundra
Ferrara L, Montesano D, Senatore A PD 1992. Phenolic antioxidants. Crit
2001. The distribution of minerals Rev Food Sci Nutr 32: 67-103.
and flavonoids in the tea
TAVARES, José T. Q.; CARDOSO, YAMAMOTO, P.Y. Interação Genótipo
Ricardo L.; COSTA, João A.; et al. X Ambiente na Produção e
Interferência do ácido ascórbico na Composição de Óleos Essenciais de
determinação de açúcares redutores Lippia alba (Mill.) N. E.Br. Dissertação
pelo método de Lane e Eynon. Quím. (de Mestrado) - Instituto Agronômico
Nova vol.33 no. 4 São Paulo, 2010. (IAC), Campinas, 2006.