Você está na página 1de 31

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

A história de uma vez: um olhar sobre o contador de histórias indígena.


DANIEL MUNDURUKU.

Texto publicado no livro Das coisas que aprendi. Lorena: Uka Editorial, 2014.

O contador de histórias tradicionais: velhas e novas formas de narrar.


EDIR SILVA COSTA.

Paul Zumthor, Introdução à poesia oral, São Paulo: Hucitec, 1997,p. 55.
Idem, Performance, recepção e leitura, São Paul: Educ, 2000.
Jerusa Pires Ferreira, “Quero que vá tudo para o inferno’: cultura popular
e indústria cultural”, Comunicação e Sociedade – Revista Semestral de
Estudos de Comunicação, São Paulo: Imes, 1985, ano VI, n. 13, pp. 5-
13.
Paul Zumthor, Introdução à poesia oral, op. Cit.
Stuart Hall, A identidade cultural na pós-modernidade, Rio de Janeiro:
DAPGA, 1999.
Ibidem, p.9.
Paul Zumthor, Introdução à poesia oral, op. Cit., p.52.
Paul Zumthor, A letra e a voz: a “literatura” medieval, São Paulo:
Companhia das Letras, 1993.

Câmara Cascudo e os contadores de “estórias”: entre a tradição e a


transmissão. HUMBERTO HERMENEGILDO DE ARAÚJO.

Jerusa Pires Ferreira, “Posfácio”, in: Paul Zumpthor, A letra e a voz: a


“literatura” medieval, São Paulo: Companhia das Letras, 1993, p. 293.
Paul Zumthor, Histoire littéraire de la France médiévale (VI – XIV siècles)
Paris: PUF, 1954.
Jerusa Pires Ferreira, “Posfácio”, in: Paul Zumpthor, op. cit., pp. 288,
290 e 295.
Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, Belo Horizonte/São
Paulo: Itatiaia/Edusp, 1984.
Idem, Seleta, Rio de Janeiro: José Olympio, 1976.
Américo de Oliveira Costa, “Perfil de Luís da Câmara Cascudo”, in: Luís
da Câmara Cascudo, Seleta, op. cit. Pp. VI – X.
Luís da Câmara Cascudo, Trinta “estórias” brasileiras, Lisboa:
Portucalense, 1955.
Paul Sébillot, Littérature orale de la Haute-Bretagne, Paris: Librairie
Orientale et Américaine, 1913.
Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, op. cit., p.24.
Idelette Muzart F. dos Santos, Em demanda da poética popular: Ariano
Suassuna e o movimento armorial, Campinas: Unicamp, 1999, p.16.
Paul Zumthor, Introdução à poesia oral, São Paulo:Hucitec, 1997.
Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, op. cit.
Cf. Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, op. cit., pp. 243-4.
Luís da Câmara Cascudo, Contos tradicionais do Brasil, São Paulo:
Global, 2000.
Idem, Os melhores contos populares de Portugal, Rio de Janeiro:
Ediouro, 1969.
Cf. Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, op. cit., p. 257.
Ibiem, p. 255.
Ibiem, p. 242.
Luís da Câmara Cascudo, Seleta, op. cit, p. 43.
Ibiem, p. 44.
“O debate sobre a prosa em notas: fragmentos de um teoria da
observação”, in: Seplic – Seminário Permanente da Literatura
Comparada, Rio de Janeiro: UFRJ, 1998, n. 8.
Ibiem, p. 13.
Luís da Câmara Cascudo, Seleta, op. cit, p. 44.
Ibiem, pp. 45-6.
Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, op. cit., p. 239.
Ibiem, p. 242.
Idem, p. 248.
Paul Zumpthor, A letra e a voz: a “literatura” medieval, op. cit., p. 23.

A Compadecida e o romanceiro nordestino. ARIANO SUASSUNA.

(Almanaque Armonial, de Ariano Suassuna (Rio de Janeiro: José


Olympio, 2008, pp. 173-88, by herdeiros de Ariano Suassuna)).

Folguedos, brincantes e a contação de histórias. VALDECK DE


GARANHUNS.

Valdeck de Garanhuns, Mitos e lendas brasileiras em prosa e verso, São


Paulo: Moderna, 2011.
O texto de Ariano Suassuna encontra-se neste livro, nas páginas 48-56.
Ariano Suassuna, op. cit., p. 188.

Causos e cuentos da fronteira sul do Brasil. LUCIANA HARTMANN.

Richard Bauman, Verbal Arts as Performance, Rowley: Newbury House


Publishers, 1997; Story Performance and Event: Contextual Studies of Oral
Narrative, Cambridge: Cambridge University, 1986.
Dante de Laytano, O linguajar do gaúcho brasileiro, Porto Alegre: Escola
Superior de Teologia São Lourenço de Brindes, 1981, p. 22.
Ondina Fachel Leal, “The Gauchos: Male Culture and Identify in the Pampas”,
tese (doutorado em antropologia), 345f., Universidade da Califórnia, Berkeley,
1989.
Cf. José Augusto Ferrari, Rodeio de causos, Alegrete: Edição do Autor, 1998,
p. 96.

Richard Bauman (org.), Folklore, Cultural Performances and Popular


Entertainments, New York/Oxford: Oxford University, 1992.
Mikhail Bakhtin, Estética da criação verbal, São Paulo: Martins Fontes, 1997.
“Common Ground: Keywords for the Study of Expressive Culture – Genre”,
Journal of American Folklore, Illinions: 1995, v. 108, n. 430, pp. 509-27).
Cf. Elizabeth Tonkin, Narrating our Pasts: the social Construction of Oral
History, Cambridge: Cambridge University, 1992.
Ondina Leal, “O mito de Salamandra do Jarau: a constituição do sujeito
masculino na cultura gaúcha”, Cadernos de Antropologia n. 7: cultura e
identidade masculina, Porto Alegre: PPGAS/UFGRS/Ceue, 1992, fascículo de
circulação restrita (p.8 – grifos da autora).
“Não sendo mentira, são sempre verdade” – aprendizagem e transmissão da
mentira entre os contadores de causos”, ilha – Revista de Atropologia,
Florianópolis: 2011, v. 13, n. 1-2, pp. 139-61.
A metamorfose do Humano: estudo antropológico sobre o lobisomen. s.f –
Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.
Sônia Maluf, em Encontros noturnos: bruxas e bruxarias na lagoa da
Conceição (Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1993).
Bruxas, Lobisomens, anjos e assombrações na costa sul da lagoa dos Patos –
Colônia Z3, Pelotas: etnografia, mitologia, gênero e politicas públicas. 121f. –
Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2012.
“Histórias do tempo delas: performances de contadoras de causos de
Campanha do Rio Grande do sol”, in: Carmen Sílvia e Maria Juracy F. Tonely
(orgs.), Genealogias do silêncio: feminismo e gênero, Florianópolis: Mulheres,
2004, pp. 95-103.
Richard Bauman, Story, Performance and Event, op. cit., p. 2.
Inês Alcaraz Marocco, Le geste spetaculaire dans l aculture ‘gaucha’ du Rio
Grande do Sul, Brésil, 598f., Université Paris VIII, Saint-Denis, Vincennes,
1996.
Adolfo Colombres (“Oralidad y literatura oral”, n. 9: Lenguas, identidade y
memoria de América, Havana: Ocaic/Unesco, 1998, pp. 15-21).

Além da escrita: processos narrativos, cordel e transmissão oral no


Nordeste. JULIE CAVIGNAC

Ver o texto completo em:


<www.dominiopublico.gov.br/download/texto/jnOOOOO8.pdf>.Acesso em:
jan.2015.

Jerusa Pires Ferreira, Armadilhas da memória: contos e poesia popular,


Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado, 1991. A música “O romance do
pavão mysteriozo”, da autoria de Ednardo.

Ruth Brito Lêmos da Terra, Memórias de lutas: primórdios da literatura de


folhetos do Nordeste - 1893-1930, São Paulo: Global/Secretaria do Estado da
Cultura, 1983, pp. 68-9.

Ibiem, p. 77.

Jerusa Pires Ferreira, Cavalaria em cordel: o passo das águas mortas, São
Paulo: Hucitec, 1979.

Idelette Muzart Fonseca dos Santos, La Littérature de cordel au Brésil.


Mémoire des voix, grenier d’histories, Paris: L’Harmattan, 1997, pp. 13-4. Para
uma crítica do conceito popular, aplicado às expressões culturais, ver
discussão na minha tese de doutorado (op. Cit., pp 66-70).

Luís da Câmara Cascudo, Cinco livros do povo, Rio de Janeiro: José Olympio,
1953.

Idelette Muzart Fonseca dos Santos, op. Cit., p. 13.

Luís da Câmara Cascudo, op. Cit.; Jerusa Pires Ferreira, 1979, op. Cit.
Cf. A penúltima versão do Seridó, Natal: Edufrn, 2012.

Cf. Estudos de Jack Goody: “Mémoire et apprentissage dans les sociétés avec
ou sans écriture: la transmission du Bagre”, L’ Homme, Paris: 1977, v. XVII,
n.1, pp. 29-52; La Raison graphique. La domestication de la pensée sauvage,
Paris: Éditions de Minuit, 1978; Pouvoirs et saviors de l’écrit, Paris: La dispute,
2007.

Dennis Tedlock, “On the translation of style oral narrative”, Journal of America
folklore, Iollinois : 1971, v. 84, n. 331, pp. 114-33; e The Spoken Word and the
Work of Interpretation, Philadelphia: University of Pennsylvania, 1983.

Jack Goody, La raison graphique.., op. cit., p. 254; Paul Zumthor, Introduction à
la poésie orale, op. cit.

Leandro Gomes de Barros, História da princesa da Pedra Fina, Joazeiro: J.B.


da Silva (org.), 1909, pp. 17-21.

C.f. Jaques Galinier, La Moitié du monde. Le corps et le cosmos dans le rituel


des indies otomi, Paris: PUF, 1997; Serge Gruzinski, La Colonisation de
l’imaginaire. Sociétés indigènes et occidentalisation dans le Mexique espagnol
XX-XVI siècles, Paris: Gallmard, 1988; Natan Wachtel, Le Retour des ancêtres:
les indiens Urus de Bolivie, XX-XVI siècles. Essai d’histoire regressive, Paris:
Gallmard, 1990.

Manoel Dantas. Homens de outrora, Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti, 1941,


p.97.

Pierre Nora, Les Lieux de mémoire, Paris: Gallmard, 1984.

Michael Pollak, “Memoria, esquecimento, silêncio”, Estudos Históricos, Rio de


Janeiro: 1989, v.2, n. 3, pp. 3-15.

Jacques Le Goff, História e memoria, Campinas: Unicamp, 1996.

Candace Slater, A vida no barbante. A literatura de cordel no Brasil, Rio de


Janeiro: Civilização brasileira, 1984, p. 15.
Iaperi Araujo, A medicina popular, Natal: Nossa, 1985, p. 24.

Julie Cavignac, A literatura de cordel no Nordeste do Brasil, op. Cit.

Franscisco (Chico) Nogueira, Sitio Caiana, Campo Grande, abril de 1991.

A literatura oral na Amazonia Paraense: Estrutura, forma e modelos


culturais. JOSÉ GUILHERME FERNANDES.

Lembramos Benedito Nunes, que nos diz: “A rigor não há um tempo mítico,
porque o mito, história sagrada do cosmo, do homem, das coisas e da cultura,
abole a sucessão temporal”. Cf. Por tempo na narrativa, São Paulo: Ática,
1988, p. 66.

Luís da Câmara Cascudo, Literatura oral no Brasil, Belo Horizonte/São Paulo:


Itatiaia/Edusp, 1984, p. 24.

Antonio Carlos Diegues, O mito moderno da natureza intocada, São Paulo:


Annablume/Hucitec/Edusp, 202.

Willian Thomas apud Luigi Lombardi Santriani, Antropologia cultural e analise


da cultura subalterna, São Paulo: Hucitec, 1986 p. 76.

Marcos Ayala e Maria Ignez Novaes Ayala, Cultura popular no Brasil, São
Paulo: Ática, 1995, p. 58.

Ernesto Cruz, A história do Pará, Belém: Governo do Estado do Pará, 1955, p.


62.

Roland Barthes et al., Análise estrutural da narrativa, Petrópolis: Vozes, 1973,


p. 20.
Maria Rita Kehl, “O desejo da realidade”, in: Adauto Novaes (org.), O desejo,
São Paulo: Companhia das Letras, 1990, p. 365.

Alan Dundes, Morfologia e estrutura no conto folclórico, São Paulo:


Perspectiva, 1986.

Alan Dundes, Morfologia e estrutura no conto folclórico, op. Cit., p. 95.

Ibidem, p. 103.

Ibidem, p. 127.

Carlos Reis e Ana Cristina Lopes, Dicionário da narrativa, São Paulo: Ática,
1988, p. 187.

A.J. Greimas apud Joseph Courtés, Introdução à semiótica narrativa e


discursiva, Coimbra: Almedina, 1979.

Carlos Reis e Ana Cristina Lopes, op. cit.

Carlos Reis e Ana Cristina Lopes, op. cit., p. 210.

Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Novo dicionário da língua portuguesa,


Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

Alan Dundes, op. Cit., p. 104.

Histórias da história da narração: o Centro-Oeste em perspectiva.


FREDERICO FERNANDES

Roland Barthes, “Introdução à análise estrutural da narrativa”, in: Roland


Barthes et al. (org.), análise estrutural da narrativa, Petropolis: Vozes, 1976, p.
19.

Warter Benjamin, “O narrador”, in: Magia e técnica, arte politica: ensaio sobre
literatura e historia da cultura, São Paulo: Brasiliense, 1996, pp. 197-221.
Jean- Nöel Pelen, “Memoria da literatura oral. A dinâmica discursiva da
literatura oral: reflexões sobre a noção de etinotexto”, Projeto História (PUC-
SP), 2001: v. 22, p. 73.

Berkey Peabody apud Eric Havelock, A revolução da escrita na Grécia e suas


consequências culturais, São Paulo/ Rio de Janeiro: Unesp/Paz e Terra, 1996,
p. 138 (grifo do autor).

Paul Zumthor, A letra e a voz: a “literatura” medieval, São Paulo: Companhia


das Letras, 1993.

Joaquim Ferreira Moutinho, Noticia sobre a província de Mato Grosso, seguida


de um roteiro de viagem da sua capital a S. Paulo; e Itinerario da viagem de
Cuiabá a São Paulo. São Paulo: Typographia de Henrique Schroeder, 1869.

Karl von den Steinen, “ Entre os aborígenes do Brasil central”, Revista do


Arquivo Municipal, São Paulo: Departamento de Cultura, n. XXXIV-LVIII, 1937-
9.

Idem, Noticia sobre a província de Mato Grosso, op. Cit., p. 16.

Ibidem, pp. 176-7.

Karl von den Steinen, op. cit., 1937, n. XXXV, p. 149.

Ibidem, op. cit., 1939, n. LVIII, p. 105.

Cf. Hercule Florence, Viagem fluvial do Tietê ao Amazonas: 1825 a 1829, São
Paulo: Melhoramentos, 1948 p. 315.

Egon Schaden apud Vera Penteado Coelho (org.), Karl von den Steinen: um
século de antropologia no Xingu, São Paulo: Edusp/Fapesp, 1993.

Karl von den Steinen, op. cit., 1938, n. XLII, pp. 99-100.

Idem, op. cit., 1938, n. LI, p. 137.

Ibidem, p. 156.

Fernando Altenfelder Silva apud Vera Penteado Coelho, op. Cit.


Karl von den Steinen, op. cit., 1938, n. LV, p. 157.

Histórias do povo das Minas e dos Gerais. OLAVO ROMANO

Noel Rosa e Vadico, “Feiteio de oração”, Evocação III – Vadico (LP), São
Paulo, Eldorado, 1979.

Paulinho da Viola, “Coisas do mundo” minha nega”, Paulinho da Viola (LP), Rio
de Janeiro, EMI, 1968.

Zeca Pagodinho (Serginho Meriti e Eri do Cais), “Deixa a vida me levar”, Deixa
a vida me levar (CD), São Paulo, Universal Musica, 2002.

Casos de Minas, São Paulo: Paz e Terra, 1982; Minas e seus casos, São
Paulo: Ática, 1984; Dedo de prosa e Prosa de mineiro, Belo Horizonte: Lê,
1986.

José Israel Abrantes e Olavo Romano, São Francisco: rio abaixo, Belo
Horizonte: Conceito, 2005.

Emilio Salgari, Sandokan, o Tigre da Malásia, Lisboa: Verbo, 2000; e


Sandokan, o pirata da Malásia, Lisboa: Pi, 2011.

Henry Tessier, O rei dos estranguladores, Paris/Lisboa: Guillard, Aillaud & Cia.,
1819.

Olavo Romano, Minas e seus casos, São Paulo: Àtica, 1984, pp. 120-2.

José Israel Abrantes e Olavo Romano, São Francisco: Rio abaixo, op. Cit.

As negras vozes dos quintais: acordes da canção Moçambique no Brasil.


ROSE AVIZ

Khilá: (des)encontros da voz na travessia do Brasil-Moçambique (457f., UFSC,


2012).
Cf. Bento Sitoe, Dicionário changana-português, Maluto: Inde, 1996.

Amadou Hampâté Bâ, “A tradição viva”, in: Josef Ki-Zerbo (ed.), História geral
da África: metodologia e pré-história da África, São Paulo: Unesco, 1982,,
pp.167-212.

Henri Meschonnic, Linguagem, ritmo e vida, Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2006,


p. 51

Cf. Roland Barthes, O grão da voz, entrevistas, 1961-1980, São Paulo: Martins
Fontes, 2009, p. 247.

Idem, O neutro, São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. 248.

Ibidem, p. 243.

Ibidem.

Ibidem, p. 245.

Roland Barthes e Roland Havas, “Escuta”, in: Oral/escrito: argumentação,


Porto: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1987, p. 138.

Ibidem.

Susanne Langer, Sentimento e forma, São Paulo: Perspectiva, 2003, p. 102.

Ibidem.

Roland Barthes, O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III, Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1990, p. 217.

Paul Zumthor, “A permanência da voz”, Correio da Unesco, s.l.: n. 10, out.


1993, p. 8.

Homi Bhabha, O local da cultura, Belo Horizonte: UFMG, 1998.

26.................................

Henri Meschonnic, op. Cit.

Ibidem.
Ibidem, p. 6.

Ibidem, p. 4.

Ibidem.

Félix Guattari, O inconsciente maquínico de psicanálise. Campinas: Papirus,


1988, p. 103.

Ibidem, p. 104.

Ibidem.

O conceito de invisibilidade da população negra no Sul do Brasil, em especial


em Santa Catarina, é trabalhado por Ilka Boaventura Leite em Negros no Sul
do Brasil: invisibilidade (Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1996).

Cf. Jucélia M. Alves, Rose M. Lima e Cleidi Albuquerque (orgs.), Cacumbi: um


aspecto da cultura negra em Santa Catarina, Florianópolis: UFSC/Secretaria da
Cultura e do Esporte, 1990, pp. 33-4.

Caderno de Viagem 3. Depoimento de Francisco Agostinho de Aviz, o “tio


Chilco”, 13 de jan. 2011.

Ibidem.

Ibidem.

Roland Barthes, Aula, São Paulo: Cultrix, 20017. P. 66.

Fragmento retirado da minha tese de doutorado, op. Cit.

Walter Benjamin, Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e


história da cultura, São Paulo: Brasiliense, 1994.

Evidencio alguns desses aspectos em minha tese de doutorado.

A tradição viva. AMADOU HAMPÂTÊ BÂ

Bâ, Amadou Hampâté. "A tradição viva”. In: Josef Ki-Zerbo (ed.), História geral
da África: metodologia e pré-história da África, Brasília: Unesco; MEC; UfsCar,
2010, capítulo 8.
Cf. Bâ Amadou Hampâté; Marcel Cardaire, Tierno Boka: le Sage de Bandiaga,
Paris: Présence Africaine, 1957.

Bâ, Amadou Hampatê, Aspects de la civilisation africaine, Paris: Présence


Africaine, 1072, pp. 23 e ss.

A respeito da lei de correspondência analógica, ver Amadou Hampâté Bâ,


Aspects de la civilisation afracaine, op. Cit., pp. 120 e ss.

Cf. Bâ, Amadou Hampâté e Jacques Daget, L’Empire peul du Macina, Paris:
Mounton, 1962.

Contação de histórias: oralidade, escrita e pensamento. ELIANA YUNES

Aristóteles, Política, São Paulo: Ícone, 2007.

Claude Lévi-Strauss, O pensamento Selvagem, São Paulo: Papirus, 2005.

Mikhail Bakhtin, Marxismo e filosofia da linguagem, São Paulo: Hucitec, 1979.

Michel Foucalut, As palavras e as coisas, São Paulo: Martins Fontes, 2007.

Ludwing Wittgenstein, Investigações filosóficas, Petrópolis: Vozes, 2005.

João 1,1-10. Cf. Bíblia, Evangelho de São João, São Paulo: Loyola, 1986.

Martin Heidegger, Ser e tempo, Petrópolis: Vozes, 2006.

Platão, A República, São Paulo: Edipro, 2006; Idem, Íon, Cambridge: Harvard
University, 1992.

Cf. Eric Havelock, A revolução da escrita na Grécia e suas consequências


culturais, São Paulo/ Rio de Janeiro: Unesp/ Paz e Terra, 1996.

Carl Gustav Jung, Psicologia do inconsciente, Petrópolis: Vozes, 1995.

A viagem do Capitão Tornado. Direção: Ettore Scola. França/Itália, 1990.


Miguel Cervantes Saadreva, El ingenioso Hidalgo Don quijote de la Mancha,
Madrid: Juan de la Cuestra, 1965; Idem, Segunda parte del igenioso caballero
Don Quijote de la Mancha, Madrid: Juan de la Cuesta, 1615.

FREIRE, Paulo, A importância do aro de ler em três artigos que se completam,


São Paulo: Cortez, 1981.

Platão, Fedro, Lisboa: Edições 70, 1998.

Cf. entre outras obras do autor, Roland Barthes, O prazer do texto, São Paulo:
Perspectiva, 2002.

Ray Bradbury, Fahrenheit 451, New York: Ballantine Books, 1953; Fahrenheit
451. Direção: François Truffaut. França/Reino Unido, 1966.

Richard, Palmer, Hermenêutica, Lisboa: Edições 70, 1989.

Umberto Eco, Interpretação e superinterpretação, São Paulo: Martins Fontes,


2005.

Aristóteles, Ética e Nicômaco, Rio de Janeiro: Atlas, 2009.

Paulo Ricoeur, Tempo e Narrativa, São Paulo: Papirus, 1994.

Nas asas da poesia: contação de histórias como linguagem artística.


GISLAYNE AVELAR MATOS. (p. 202)

Yi Mun-yol, Le Poètte, Arles: Actes Sud, 1992.

Idem, L’Oiseau aux ailes d’or, Arles: Actes Sud, 1990.

Idem, Le Poète, op. cit., p. 69.

Rainer Maria Rilke, Cartas a um jovem poeta: a canção de amor e de morte do


poeta estandarte Cristóvão Rilke, Rio de Janeiro: Globo, 1985.

Paul Valéry apud Marly Meira, Filosofia da criação: eeflexões sobre o sentido
do sensível, Porto Alegre: Mediação, 2003.

René Passeron, “Da estética à poética”, Porto Arte – Revista do Mestrado em


Artes Visuais, Porto Alegre, 1997, n. 7, v. 8, pp. 103-14.
Marcel Jousse apud Willy Bakeroot, “Réflexions sur la musicothérapie active ou
‘le chant à oebser’’’, in: Jean-Pierre Klein, L’Art em thérapie, Revigny: Martin
Media, 1993, pp. 165-90.

Geneviève Calame-Griaule e Muriel Bloch apud Gislayne Avelar Matos, A


palavra do contador de histórias, São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. 54.

Paul Zumthor, Introduction à la poèsie orale, Paris: Seuil, 1983, p. 80.

Ibidem, p. 81.

Paul Zumthor, op. cit., p. 32.

T.P. Coffin e J. Dournes apud Paul Zumthor, op. cit., 81.

V. Zotov, “La Tradition n’est pas une question de forme, mais de contenu”, in:
Liounmila Pirogova; Ivone de Sike; Simon Diner, Miniatures russes sur laque:
mythes et legendes, Paris: L’Oiseau de Feu, 1993, pp. 102-7.

V.M. Khodov, “Pensées sur l’art, in: Lioudmila Pirogova; Ivone de Sike; Simon
Diner, op. cit. Paris: LOiseuau de Feu, 1993, pp. 98-101.

Iberê Camargo, entrevista concedida a Daniel Piza, 5 abr. 1993, apud


Frederico Morais, Arte é o que eu e você chamamos arte: 801 definições sobre
arte e o sistema da arte, Rio de Janeiro/São Paulo; Record, 1998, p. 209.

Paul Zumthor, entrevista a Gérald Le Vot, Dire, Montréal: 1991, n. 16, p. 22.

Gaston Bachelard, A poética do devaneio, São Paulo: Martins Fontes, 2001,


pp. 1-5.

HAMPATÉ BÂ, Hamadou – A tradição viva, em História Geral da África I.


Metodologia e pré-história da África. Organizado por Joseph Ki-Zerbo. São Paulo, Ed.
Ática/UNESCO, 1980

PLATÃO. Diálogos I: Mênon, Banquete, Fedro. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade. In: _____. Magia e
Técnica, arte e política - ensaios sobre literatura e história da cultura. Obras escolhidas,
volume I, 2ª edição, São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.
PAVIS, patrice. Dicionário de teatro. Ed. Perspectiva, são paulo, 1999.

CARRIÈRE, Jean Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro: Nova


Fronteira, 1995.

HELD, Jacqueline. O imaginário no poder: as crianças e a literatura fantástica. Trad. de


Carlos Rizzi. São Paulo: Summus, 1980.

MEDEIROS, Fábio Henrique Nunes. Algumas impressões, 2012. Disponível em:


http://vagaludens.blogspot.com/p/nossos-textos.html. Acesso em: 12 jul 2019.

GIROUX, Sakae M.; SUZUKI, Tae. Bunraku: Um Teatro de Bonecos. São Paulo: Perspectiva,
1991.

LISPECTOR, Clarice (1998). A Hora da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco.

BELTRAME, Valmor. Princípios Técnicos do Trabalho do Ator-animador. In: Teatro de Bonecos:


Distintos Olhares Sobre Teoria e Prática. Florianópolis: UDESC, 2008. COSTA, Felisberto Sabino
da. O Sopro Divino: Animação, Boneco e Dramaturgia. In: Revista Sala Preta. Nº 3, 2003.
Disponível em: http://www.eca.usp.br/salapreta/PDF03/SP03_06.pdf Acessado em
12/07/2019.

Francisco Gregório Filho,Oralidade, afeto e cidadania, in Pensar a leitura: complexidade, org.


Eliana Yunes, Loyola, 2002, p.62.

MACHADO, Regina. Acordais: fundamentos teóricos-poéticos da arte de contar histórias. São


Paulo: DCL, 2004.

GALEANO, Eduardo. O Livro dos Abraços. Porto Alegre: L&PM, 1995.

A contação de histórias que parte do texto: escritura e oralidade. (p. 226)

MARLENE, Fortuna. A performance da oralidade teatral. São Paulo: Annablume, 2000.

Literatura ouvida: a contação de histórias como prática de difusoras no


literário (p. 233)

FOUCAMBERT, J. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

ECO, Umberto. Interpretação e superinterpretação. São Paulo: Martins Fontes, 2001a.

MANGUEL, Alberto. Uma história de leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

KOUROUMA, Ahmadou. Homens da África. São Paulo: SM, 2009.

HAMPATÉ BÂ, A. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J (Org): História da África, Metodologia e pré-
história da África. São Paulo, Editora Ática/Paris: UNESCO, 1982
CLAVERT, Manisa Salambote. Da densa floresta onde menino entrei, homem saí. Rito Iromb na
formação do indivíduo Wong. Dissertação (Mestrado em Psicologia) –, Programa de
PósGraduação em Psicologia, São Paulo, Universidade de São Paulo, 2009.

MORAES, T. M. R.; CAGNETI, S. S.; DEBUS, E.. A magia das narrativas africanas - o
professor como o griô contemporâneo. 2011. Dissertação (Mestrado em Mestrado em
Patrimônio Cultural e Sociedade) - Universidade da Região de Joinville.

VASSALLO, Lígia. O grande teatro do mundo.In: Cadernos de Literatura Brasileira. São Paulo:
Instituto Moreira Salles, 2000.

BARBERO, J. M. Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro,


Editora UFRJ, 1997.

BENJAMIN, Walter. “O Narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: Magia e
técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. Ed. São Paulo: Brasiliense,
1994.

SUASSUNA, Ariano. Romance d’a Pedra do Reino e príncipe do sangue do vai e volta. Rio de
Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1972.

MORIN, Edgar. Os setes saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina


Eleonora F. Silva e Jeanne Sawaya. São Paulo: Cortez, 2000.

RODRIGUES, Maria Lúcia Costa. A narrativa visual na literatura infantil brasileira: histórico e
leituras analíticas. Joinville, SC: Univille, 2012.

NECYK, B. J. Texto e imagem: um olhar sobre o livro infantil contemporâneo. 2007. Tese (Pós -
graduação em Design) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.
Disponível em:
<http://www.maxwell.lambda.ele.pucrio.br/acessoConteudo.php?nrseqoco=32110>. Acesso
em: 13 maio 2009.

BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.

OLIVEIRA, Rui. Breve histórico da ilustração no livro infantil e juvenil. In: OLIVEIRA, I. (Org.). O
que é qualidade em ilustração no livro infantil e juvenil: Com a palavra o ilustrador. São Paulo:
DCL, 2008.

LAGO, Ângela. Outra vez. Belo Horizonte: Editora RHJ, 2005.

LAGO, Ângela. João Felizardo: o rei dos negócios. São Paulo: CosacNaif, 2007.

LINS, Guto. Livro Infantil? Projeto gráfico, metodologia, subjetividade. São Paulo: Edições
Rodari, 2002.

Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (org.) Ilustradores brasileiros de literatura infantil
e juvenil. Rio de Janeiro, Edições Consultor, 1989.

D’ ANGELO SERRA, Elizabeth (Coord.) (1995): Brasil, a bright blend of colours. Catalogo Mostra de
Ilustradores Brasileiros. Feira do Livro Infantil Bologna 1995. Rio de Janeiro: Fundaçã Nacional do Livro
Infantil e Juvenil.
ZIRALDO. Flicts. Rio de Janeiro: Ediouro, 1969.

CAMARGO, Luís. Ilustração do livro infantil. Belo Horizonte: Lê, 1995.

_________. Bruxas, longe daqui! São Paulo: Melhoramentos, 1988.

LAGO, A. Chiquita Bacana e as outras pequetitas. Belo Horizonte: Lê, 1986.

MACHADO, Juarez. Ida e Volta. São Paulo: Agir, 1986.

GANCHO, Cândida Vilares. Como Analisar Narrativas. São Paulo: Ática, 1991.

FITTIPALDI, C. O que é uma imagem narrativa? In: OLIVEIRA, I. de. O que é qualidade em
ilustração no livro infantil e juvenil: com a palavra o ilustrador. São Paulo: DCL, 2008. p. 93-121.

MANGUEL, A. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. São Paulo: Companhia das Letras,
São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 360p.

OLIVEIRA, R de. Pelos jardins Boboli. Reflexões sobre a arte de ilustrar livros para crianças e
jovens. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

CAGNETI, Sueli de Souza. A literatura infantil e a nova concepção de leitor. Revista de Divulgação
Cultural, Blumenau, ano 23, n. 73 e 74, p. 11, ago. 2009.

JOUVE, Vincent. A leitura. Traduzido por Brigitte Hervor. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

HUNT, Peter. Crítica, Teoria e Literatura Infantil. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Cosacnaify,
2010.

Por onde anda Chapeuzinho Vermelho? Os contos de fadas do clássico ao


contemporâneo (p. 254)

COELHO, N. N. O conto de fadas: símbolos mitos arquétipos. São Paulo: DCL, 2003.

PERRAULT, C. Contos de Perrault. Belo Horizonte: Itatiaia, 1997.

BRÜDER GRIMM. Kinder-und Hausmärchen. Göttingen : Vandenhoeck & Ruprecht, 1996.

GRIMM, J.; GRIMM, W. Contos Maravilhosos Infantis e Domésticos. 5ª ed. São


Paulo: Cosac Naify, 2014.

LOBATO, Monteiro. Conferências, artigos e crônicas. São Paulo: Brasiliense, 1959a.

___. Reinações de Narizinho. 48.ed. Ilustr. Manoel V. Filho. São Paulo: Brasiliense, 1993.

___. O picapau amarelo. 34.ed. Ilustr. Manoel V. Filho. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ROUSSEAU, J. J. Emílio, ou Da Educação (Livro Primeiro). São Paulo: Martins Fontes,


1995.

CORSO,D.L; CORSO,M. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto


Alegre: Artmed, 2006.
Claude Lévi-Strauss. 1962. La Pensée Sauvage. Paris: Plon.

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de. Janeiro: LTC,
1981.

TATAR, Maria. Contos de fadas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

CALVINO, Italo. Se um viajante numa noite de inverno. São Paulo: Companhia das
letras, 1999.

Referência bibliográfica: BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. São Paulo:
Paz e Terra, 2007.

BARUZZI, Agnese; NATALINI, Sandro. A verdadeira história de Chapeuzinho Vermelho. São


Paulo: Brinque-Book, 2013.

Referência: BUARQUE, Chico. Chapeuzinho Amarelo. 36p. Ilustrações de Ziraldo. José Olympio
Editora, RJ, 2011. Mine coins - make money: http://bit.ly/money_crypto

ROSA. João Guimarães. Fita Verde no Cabelo: Nova Velha Estória. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 2013.

PRATA, Mário Alberto C. de Morais. Chapeuzinho Vermelho de Raiva. Rio de Janeiro: Editora
Globo, 1970.

SOUZA, Flávio de. Eram quatro vezes: Comédia para crianças de todas as idades. São Paulo: FTD,
2009.

Deu a louca na Chapeuzinho (Hoodwinked, 2005). Diretores Cory Edwards, Todd Edwards e Tony
Leech.

A GAROTA da capa vermelha (original Red Riding Hood). Direção: Catherine Hardwicke. Roteiro:
David Johnson. Produção: Jennifer Davisson Killoran, Julie Yorn, Leonardo DiCaprio. EUA:
Warner Bross, 2011. 1 DVD (100 min.), son., color.

GRIMM. Criação: David Greenwalt e Jim Kouf. EUA: NBC, 2011. Número de temporadas: 6.
Duração dos episódios: 42 min. Status: produção finalizada.

ONCE Upon a time. Criação: Adam Horowitz e Edward Kitsis. Roteiro: Frank Darabont. EUA: ABC,
2011. Número de temporadas: 6. Duração dos episódios: 45 min. Status: produção em
andamento.

Fadas: três séculos ou três milênios (p. 266)


ANÔNIMO. Livro das mil e uma noites: ramo sírio. 3. ed. São Paulo: Globo, 2006.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O Pequeno Príncipe. São Paulo SP, Círculo do Livro, 1989.

DARNTON, Robert. Histórias que os camponeses contam: O Significado de Mamãe Ganso. In:
______. O grande massacre de gatos e outros episódios da história cultural francesa. Trad. Sonia
Coutinho. Rio de Janeiro: Graal, 1986. p. 21-101.
DIECKMANN, H. Contos de fadas vividos. São Paulo: Paulinas, 1986

MOTTA, Fausto. Contos e lendas interpretados pela psicanálise. Petrópolis: Vozes, 1984.

PROPP, V. I. Morfologia do Conto Maravilhoso. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária: 2010.

KLOSS, Willy. O Gigante Jaraguá. São Paulo: Melhoramentos, s. d.

MACHADO, Ana Maria. História meio ao contrário. São Paulo: Ática, 1979.

ROCHA, Ruth. O rei que não sabia de nada. São Paulo: Cultura, 1980.

______. O reizinho mandão. São Paulo: Quintento, 1985.

ALMEIDA, Fernanda Lopes. A fada que tinha ideias. 19. ed. São Paulo: Ática, 1991.

RÓNAI, Cora. Sapomorfose: o príncipe que coaxava. 11. ed. Rio de Janeiro: Salamandra, 1983.

ALBERGARIA, Lino de. Alice no metrô. Belo Horizonte: Ed. Lê, 1993.

_____. Pio e Pinóquio. Belo Horizonte: Ed. Lê, 1997.

COLASANTI, M. “Um palácio noite adentro”, In: Longe como o meu querer. 2 ed. São Paulo: Ática,
1997.

Palavra Muda (P. 274)


CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos. RJ: José Olympio, 1998.

PARDO, José Luis. La intimidad. México: Pre-Textos, ([1996]2004), p. 53.

ZAMBRANO, Maria. Los bienaventurados. Madrid: Siruela, 1990 (reimpresión 2004), p. 112.

Larrosa, Jorge, La experiência de la lectura – Estudios sobre literatura y formación, México:


Fondo de Cultura Económica, 2003.

Agamben, G. Enfance et histoire, Éditions Payot, ([1989]2002), p. 25.

VIOLA, Paulinho da e CARVALHO, Hermínio Bello de. Timoneiro. Álbum Bebadosamba, 1996.

FARRA, Zebba Dal. Palavras Invisíveis. Revista Sala Preta. São Paulo, v.9, p. 185-7.

BUARQUE, Chico. Paratodos (CD). Rio de Janeiro: Marola Edições Musicais, 1993.

VIOLA, Paulinho da. Para ver as meninas (LP). Rio de Janeiro: Sony/BMG, 1971.

____. Nada de novo. Rio de Janeiro: Sony/BMG, 1971.

____. “Dança da solidão” In: A dança da solidão. Rio de Janeiro: Sony/BMG, 1971.
____. “Coisas do mundo, minha nega” In: Paulinho da Viola (LP). Rio de Janeiro: Sony/BMG,
1968.

BENJAMIN, Walter. Iluminaciones III: Tentativas sobre Brecht. Trad. Jesus Aguirre. Madrid:
Taurus, 1975.

Lyotard, Jean-François. O pós-moderno. Rio de Janeiro, José Olympio, 1986. 123 p. Trad.
Ricardo Corrêa Barbosa.

VIOLA, Paulinho da; CARVALHO, Hermínio B. Timoneiro. Bebadosamba (LP). Rio de Janeiro:
Sony/BMG, 1996.

A palavra: letra e voz (p. 290)


MARCUSCHI, Luiz Antônio. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo:
Cortez, 2001.

PERROTTI, Edmir. O texto sedutor na literatura infantil. São Paulo: Ícone, 1986.

REYZÁBAL, M. V. A comunicação oral e sua didática. São Paulo: EDUSC, 1999.

MATOS, Gislayne A; SORSY, Inn. O ofício do contador de histórias: perguntas e respostas,


exercícios práticos e um repertório para encantar. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Campinas:


Papirus, 1998.

Contadores de Histórias: Oralidade, Narração Oral e Narração oral cênica. Francisco Garzón
Céspedes. In: O teatro dito infantil. Maria Helena Kühner (Org.). Cultura em Movimento, 2003.

SAUSSURE, F. Curso de Lingüística Geral. São Paulo: Cultrix, 1990.

Poesia em (voz) alta: a visão de um autor (p. 296)


CUNHA, Leo. Contos de Grin Golados. Ilus. Eliardo França. Belo Horizonte : Dimensão, 2005. n.
p. il. color.

ROSCOE, Alessandra. Guia de leitura para bebês e pré-leitores. Rio Grande do Sul. Editora
Corag. 2012.

CUNHA, Léo. O sabiá e a girafa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

____. Em boca fechada não entra estrela. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

CYRULNIK, Boris – Os alimentos afetivos: o amor que nos cura – Tradução: Claudia Berliner,
São Paulo, 2ª edição: WMF Martins Fontes, 2007.
Convenção sobre os Direitos da Criança. Organização das Nações Unidas, 1989. Disponível em:
<https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca>. Acesso em: 30 jul.
2019.

POSTERNAK, L. O Direito à Verdade – Cartas para uma Criança. São Paulo: Primavera Editorial,
2014.

BRIGHT, Raquel. Monstro Amor. São Paulo: Girassol, 2012.

LISBOA, Fábio. Por que contar histórias para bebês e crianças. Disponível em:
<http://www.contarhistorias.com.br/2010/09/por-que-contar-historias-para-bebes-e.html>.
Acesso em: 30 jul. 2019.

TORO, Bernardo. “O cuidado: paradigma ético da nova civilização – sobre a coragem de pedir
ajuda”. Disponível em: <http://www.pedagogiadavida.com.br/bernardo-toro-2/>. Acesso em:
30 jul. 2019.

BOFF, Leonardo. “O ethos que cuida”. Disponível em:


<https://www.alainet.org/pt/active/4151>. Acesso em: 30 jul. 2019.

MATOS, Gislayne Avelar. A palavra do contador de histórias: sua dimensão educativa na


contemporaneidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MACHADO, Regina. Acordais: fundamentos teórico-poéticos da arte de contar histórias. São


Paulo: DCL, 2004.

Manifesto 2000 por uma Cultura de Paz e Não-violência. Paris: 1999. Disponível em
<www.comitepaz.org.br/dec_prog_4.html>. Acesso em: 30 jul. 2019.

FLECK, Felícia de Oliveira. A profissionalização do contador de histórias contemporâneo.


Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis, 2009.

BAUMAN, Z. Vida líquida. (2009). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

MASI, Domenico de. O futuro do trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós-industrial. 3.ed.
Brasília: DF. UNB, 2000.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

CARNEIRO LEÃO, E. A sociedade do conhecimento: passes e impasses. Tempo Brasileiro, Rio de


Janeiro, n. 152, p. 11-20, jan./mar. 2003.

MIRANDA, Antonio. Sociedade da informação: globalização, identidade cultural e conteúdos.


Ci. Inf. [online]. 2000, vol.29, n.2, pp.78-88. ISSN 0100-1965.

MAFFESOLI, Michel. A Comunicação sem fim (teoria Pós-Moderna da comunicação). Revista


FAMECOS. Porto Alegre: nº 20, p. 13-19, abr. 2003.
Pastoriza de Etchebarne, D., El arte de narrar, un oficio olvidado, Editorial
Guadalupe, Buenos Aires, 1981.

SISTO, C. Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias. Chapecó: Argos, 2001.

BUSATTO, Cleomari. Narrando histórias no século XXI – Tradição e Ciberespaço.


Dissertação de mestrado submetida à aprovação em 2005 na Universidade Federal de
Santa Catarina. 129p. Disponível em: Acesso em: 15 ago 2016.

MATOS, Gislayne.A., A Palavra do Contador de Histórias: sua Dimensão Educativa na


Contemporaneidade. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2005.

CATENACCI, Vivian Silva. “O vôo dos pássaros: uma reflexão sobre o lugar do contador de
histórias na contemporaneidade”. Dissertação de Mestrado defendida no Programa de
Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
(PUC-SP), maio de 2008.

FARIA, Hamilton e GARCIA, Pedro (Orgs.). O Reencantamento do mundo: arte e identidade


cultural na construção de um mundo solidário. São Paulo: Pólis, 2002.

Eliot FREIDSON. Renascimento do profissionalismo: teoria, profecia e política.


Tradução de Celso Mauro Paciornik. São Paulo, Edusp, Coleção Clássicos, n. 12,
1988. 280 páginas.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais.


Tradução. Anette Pierrette R. Botelho e Estela Pinto R. Lamas. Portugal: Porto
editora, 1997.

Segnini, Liliana R. P. “Relações de gênero nas profissões artísticas: comparação


Brasil- -França”. In: Costa, Albertina de Oliveira; Sorj, Bila; Bruschini, Cristina &
Hirata, Helena (orgs.). Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais.
São Paulo, Editora fgv, 2008.

SISTO, Celso. O misterioso momento: a história do ponto de vista de quem ouve (e


também vê). In: GIRARDELO, Gilka (org.). Baús e chaves da narração de histórias.
Florianópolis: SESC-SC, 2004. p. 82-93.

PATRINI, M, de L. A renovação do conto: emergência de uma prática oral. São


Paulo: Cortez, 2005.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

INTERFACES
TEATRO E CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS (p. 328)
CASTRO, Ilíada de. O processo de transcrição teatral de um conto de fadas. Rio de Janeiro: O
Percevejo, 2000, ano 8, n. 9, p. 147.

CASTRO, Ilíada Silva Alves de; BERRETTINI, Celia. Contos de fadas na dramaturgia para crianças:
o caso de Cinderela. 1995.Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

MILLEN, Mànya. Cinderela com talento brasileiro. Rio de Janeiro: O Globo, 14 jul. 2002, p. 18.

SAMPAIO, Marília Coelho. Bela encenação de um conto popular. Rio de Janeiro: O Globo, 16
ago. 2003, p. 3.

DESGRANGES, Flávio. Pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. 2.ed. São Paulo: Crucite,
2011.

TEATRO PLAYBACK: A HISTÓRIA QUE AS HISTÓRIAS CONTAM (p. 336)

SIEWERT, Clarice Steil. Nossas histórias em cena: um encontro com o teatro


playback. Jundiaí : Paco, 2014.

SALAS, Jo. Playback Theatre: uma nova forma de expressar ação e emoção. São
Paulo : Agora, 2000.

FOX, Jonathan; DAUBER, Heinrich (Ed.). Gathering voices: essays on playback theatre.
Tusitala, 1999.

DENNIS, Rea. Public performance, personal story: a study of playback theatre. Griffith
University, 2004.

ROWE, Nick. Playing the other: Dramatizing personal narratives in playback theatre.
Jessica Kingsley Publishers, 2007.

HOESCH, Folma. The red thread: Storytelling as a healing process. Gathering voices: Essays
on playback theatre, p. 46-66, 1999.

FOX, Jonathan. A ritual for our time. Gathering voices: essays on playback theatre, 1999.

FOX, Jonathan. Acts of service: Spontaneity, commitment, tradition in the nonscripted


theatre. Tusitala Pub., 1994.

SALAS, Jo. What is “good” playback theatre. Gathering Voices: Essays on Playback
Theatre. New Paltz: Tusitala, 1999b.(17-35), 1999.

P. 346

PEIXOTO, Fernando. Descobrindo o que já estava descoberto. SPERBER, George Bernard.


Introdução à Peça Radiofônica. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 1980.

RODRÍGUEZ GAGO, Antonia. Arte y experimentación en el teatro radiofónico de Samuel


Beckett. El Público, v. 37, p. 29-37, 1988.

DUARTE JUNIOR, João Francisco et al. O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível.
2000.
RAMÍREZ LEYVA, Elsa Margarita. La experiencia de la lectura: Estudios sobre literatura y
formación. Investigación bibliotecológica, v. 27, n. 59, p. 207-211, 2013.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo, Martins Fontes, 1988.

PESSOA, Fernando. Livro do desassossego. Ed. Jerónimo Pizarro. Lisboa, Imprensa Nacional-
Casa da Moeda, 2010.

STANISLAVSKI, Constantin. A construção da personagem. Editora José Olympio, 2016.

LARROSA, Jorge. Entre las lenguas: lenguaje y educación después de Babel. Laertes,
2003.

BAJARD, Élie. Ler e dizer: compreensão e comunicação do texto escrito. Cortez Editora,
1994.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios críticos III. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, p.
27-43, 1990.

MATURANA, Humberto. Transdisciplinaridade e cognição. BASARAB, Nicolescu et al


Educação e Transdisciplinaridade. Brasília: Edições UNESCO, 2000.

PERDIGÃO, Andréa Bomfim. Sobre o silêncio. Pulso, 2005.

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. Königshausen & Neumann, 2005.

GROTOWSKI, Jerzy; FLASZEN, Ludwik; BARBA, Eugenio. O teatro laboratório de Jerzy


Grotowski: 1959-1969. SESC-SP, 2010.

ARNHEIM, Rudolf. Estética radiofônica, Madrid, Gustavo Gilli, 1980.

P. 354

RUSHDIE, S. Haroun e o mar de histórias. São Paulo: Paulicéia, 1991.

MEIRELES, Cecília. Problemas da literatura infantil. Editora Nova Fronteira, 1984.

AZEVEDO, Ricardo; GIRARDELLO, Gilka. Uma entrevista com Ricardo Azevedo ou de como
um escritor embrenha-se no discurso popular e colhe mudas de" pés de maravilha". Signo, v.
39, n. 66, p. 43-57, 2014.

GRIMM, Jacob; GRIMM, Wilhelm. Contos maravilhosos infantis e domésticos 1812-1815.


Tradução por Christine Röhrig. 1. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Livraria Martins Fontes, 1992.

PERRONI, Maria Cecília et al. Desenvolvimento do discurso narrativo. 1983.

ROJO, Roxane. Falando ao pé da letra: a constituição da narrativa e do letramento. São


Paulo: Parábola, 2010.

CALVINO, Ítalo. Fábulas Italianas: coletadas na tradição popular durante os últimos cem anos
e transcrita a partir de diferentes dialetos. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das
Letras, 1992.

RUSHDIE, Salman. The wizard of Oz. Macmillan, 1992.


CORSO, Diana Lichtenstein; CORSO, Mário. Fadas no divã: psicanálise nas histórias
infantis. Artmed Editora, 2013.

GIRARDELLO, Gilka. A televisão e a imaginação infantil: referências para o debate. Trabalho


apresentado na Intercom, 2001.

LETELIER, Hernán Rivera. A contadora de filmes. Editora Cosac Naify, 2014.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. In:


Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 2008.

P. 361

JAPIASSU, Hilton. Dicionário básico de filosofia. Zahar, 1990.

BARTHES, Roland. Aula. Editora Cultrix, 2004.

RICOEUR, Paul; RICOEUR, Paul. Temps et récit. Paris: Seuil, 1983.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens Ils 86. Routledge, 2014.

MACHADO, Arlindo. Formas expressivas da contemporaneidade. Pré-cinemas & Pós-


cinemas. Campinas: Papirus, 1997.

PLAZA, Julio. Arte e interatividade: autor-obra-recepção. ARS (São Paulo), v. 1, n. 2, p. 09-29,


2003.

SODRÉ, Muniz. Best-seller a literatura de mercado. Ed. Atica, 1988.

BARTHES, Roland. A atividade estruturalista. O método estruturalista, p. 57-63, 1967.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Editora UFMG,


2003.

MURRAY, Janet. Hamlet on the Holodeck. 1997. Murray presents views to computer-based
and interactive narratives and discusses notions of procedural authoring, immersion and
agency, 2000.

YUNES, Eliana. Pensar a leitura: complexidade. Edicoes Loyola, 2002.

BETTOCCHI, Eliane; KLIMICK, Carlos. Fantasia e Êxtase: um exercício de resistência através


da forma1. Anais do IV Simpósio do.

BARTHES, Roland; BARAHONA, Maria Margarida; COELHO, Eduardo Prado. O prazer do


texto. Ed. 70, 1983.

BARTHES, Roland. Mitologias. Siglo xxi, 1999.

PERRONE-MOISÉS, Leila. Barthes: o saber com sabor. Brasiliense. São Paulo, 1983.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. 1999.

DE CAMPOS, Haroldo. A arte no horizonte do provável, e outros ensaios. Editora


Perspectiva, 1969.

LAWS, Robin D. Robin's laws of good game mastering. Steve Jackson Games, 2002.
TOLKIEN, John Ronald Reuel. The Tolkien Reader. Vancouver, BC: Crane Library, 1978.

TOLKIEN, J.R.R. O Senhor dos Anéis. [Volume único]. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CARDOSO, João Batista. Teoria e prática de leitura, apreensão e produção de texto. Brasília:
Universidade de Brasília, São Paulo: Imprensa Oficial, 2001.

KLIMICK, Carlos; BETTOCCHI, E. O lugar do virtual no RPG, o lugar do RPG no Design. II


Simpósio do LARS: Atopia, 2003.

BETTOCCHI, Eliane. Incorporais RPG: Design poético para um jogo de representação. In:
Anais do 8o Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São
Paulo: AEND-Brasil. 2008. p. 482-494.

BETTOCCHI, Eliane. Role-playing Game: um jogo de representação visual de gênero. Site


resumo da Dissertação de Mestado (Departamento de Artes e Design da PUC). Rio de
Janeiro, 2002.

MOTA, Sônia Mara Rodrigues. RolePlaying Game: a ficção enquanto jogo. 2008. 99 f. Tese
(Doutorado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,
2008.

Freire, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa / Paulo


Freire. – São Paulo: Paz e Terra, 1996.

BEUYS, Joseph. Falando sobre o próprio país: Alemanha III. Tradução Lia do Rio. Discurso
proferido no Münchner Daucmerspiele. Munique, 1985.

MORIN, EDGAR. São Paulo: Atta Mídia e Educação,[200-]. 1 DVD. Coleção Grandes
Educadores.

DE CASTRO NEVES, Carmem Moreira. Pedagogia da autoria. Boletim técnico do Senac, v.


31, n. 3, p. 16-23, 2016.

PEREIRA, Carlos Eduardo Klimick. RPG & educação: metodologia para o uso paradidático dos
role playing games. Design Método, p. 143-161, 2006.

KLIMICK, Carlos; BETTOCCHI, Eliane; REZENDE, Rian. Projeto Incorporais: método e


material lúdico-didático para professores e estudantes do ensino médio. Revista Triades, v. 2,
n. 1, 2013.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho.


Artmed Editora, 2007.

P. 374

FERREIRA, Jerusa Pires. Quero que vá tudo pro inferno”: cultura popular e indústria cultural.
MARQUES DE MELO, José; BRANCO, Samantha Castelo. Pensamento Comunicacional
Brasileiro: O Grupo de São Bernardo. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista
de São Paulo, p. 177-186, 1998.

SANTOS, VANUSA MASCARENHAS. A INSCRIÇÃO DA RELIGIOSIDADE POPULAR EM


NARRATIVAS DO CICLO DE SÃO PEDRO E JESUS, dissertação de mestrado, UFB, 2007.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992, p. 15.
LEMAIRE, Ria. Passado-presente e passado-perdido: Transitar entre oralidade e escrita.
Revista Litterature D’america. Roma: Bulzoni Editore, Trimestral, v. 22, n. 92, 2002.

ONG, Walter J. Oralidade e cultura escrita: a tecnologização da palavra. Papirus, 1998.

GOTO, Roberto. Malandragem revisitada: uma leitura ideológica de" Dialética da


malandragem". Pontes Editores, 1988.

ALCOFORADO, Doralice F. Xavier. A escritura e a voz. Salvador: EGBA/Fundação das Artes,


1990, pp. 39-40.

BALANDIER, Georges; MARTINS, Suzana. A desordem: elogio do movimento. Bertrand


Brasil, 1997.

P. 392

PEREIRA, Eugênio Tadeu. Práticas lúdicas na formação vocal em teatro. 2015. Tese de
Doutorado. Universidade de São Paulo.