Você está na página 1de 4

Gestão da Educação a Distância

Unis - MG
♦♦♦Exercício – Ciclo3 – A Formação Docente Para o Século XXI
Prof.ªMa. Nidia Rocha Félix Valor:9 pontos

FICHA Proposta do Ciclo 3 - Prática de Formação: A diversidade na ação educativa

IDENTIFICAÇÃO:
Tema da atividade: A formação docente para o século XXI
Nome: Luciana Costa Oliveira RA: 2018702003
Escola pesquisada: Escola Municipal Anísio Spínola Teixeira
Nível de ensino da Educação Básica: Infantil, Fundamental I e II e EJA
Contato dentro da escola (nome (s)): Valéria Luisa Braga

ATIVIDADE

Reflexão - Que professor a escola necessita para tempos atuais?

Ao perpassar pelos conhecimentos das Unidades 5 e 6 você deve ter compreendido


que a escola é um espaço de construção de espaços interativos, dinâmicos e que,
essencialmente, possuem mobilizações sociais. Enfim, se tudo que discutimos for bem
elaborado, poderemos ter sucesso na formação das novas gerações. É claro que essa
afirmação é utópica, mas precisamos de um pouco de utopia para mudar o que se
vivencia nas áreas educacionais.
Bom, mas o que você (s) irá (ão) realizar na atividade?
Pesquisa: A proposta é que você (s) faça (m) um levantamento de mobilizações que
estejam ocorrendo em uma unidade de ensino relativas a formação docente, a
estrutura de implantação de propostas inovadoras para a educação.
Pesquise em uma ou mais escola, quais propostas de formação a escola tem
desenvolvido para elaborar um projeto pedagógico que dê conta de atender as novas
exigências de formação.

Elementos para a pesquisa:

1. Utilize os conhecimentos relativos ao ideal de formação que propõem Paulo


Freire no Livro – Pedagogia da Autonomia (volte na unidade 5 e observe os tópicos dos
três capítulos apresentados (se possível leia, de forma dinâmica, as indicações no
livro);
2. Identifique que projetos a escola desenvolve para atender a formação integral
dos discentes – Unidade 5;
3. Observe as propostas de formação docente na Unidade 6;
4. Compreenda as organizações para a formação das metodologias ativas -
Unidade 6;
5. Pesquise sobre as propostas que envolvem a formação de multiletramentos na
escola, a oportunidade que os profissionais promovem para ampliar a visão global dos
alunos; e
6. Observe como que a escola lida com as questões que implicam a relação entre
as várias gerações, na relação comunidade e escola, professor/aluno etc.
Registro da pesquisa: Para o registro da pesquisa você (s) deverá (ão) trazer as
informações obtidas sobre a realidade da escola investigada, as ações que estão sendo
desenvolvidas para a construção de espaços mais interativos, mais dinâmicos para a
formação discente.

Saudações acadêmicas, Nidia

Desenvolvimento

Reflexão – Que professor a escola necessita para tempos atuais?

Ao visitar a Escola Municipal Anísio Spínola Teixeira (EMAST) a fim de


realizar as atividades do ciclo 2 e 3 buscou-se compreender a realidade do dia-a-dia de
docentes e discentes, e para cumprir a atividade do ciclo 3, particularmente, analisou-
se como o corpo decente procede no desempenho de suas atividades comparando com
o aprendido nas unidades 5 e 6 do Guia de Estudos da disciplina.
Desejou-se compreender a atuação do corpo docente da EMAST na perspectiva
dos multiletramentos e de que maneira o ato de ler articula diferentes modalidades de
liguagem, bem como reparar de que modo as mudanças sociais e tecnológicas atuais
refletem na prática docente e no como os professores disponibilizam e provocam a
busca de informações e conhecimentos nos discentes.
Não se pode deixar de registrar que a EMAST está situada em um bairro
considerado em situação de risco social, na cidade de São Gonçalo/RJ, no Bairro Santa
Luzia, e que a grande maioria do corpo discente provem de famílias socialmente
carentes, com baixos recursos financeiros enfrentam problemas de segurança
diariamente, vivendo um cotidano visitado pela violência, pelo perigo e pelo risco à
vida de modo constante.
Posto isto, deseja-se registrar o esforço da diretoria, coordeanção, orientação e
corpo docente da escola para mobilizar familiares, e sociade do bairro, a fim de
estruturar o plano político pedagógico de acordo com o proposto pelo município de
modo a fazer com que a sociedade de pais ou familiares e responsaveis pelos discentes
façam parte da tomada de decisões na instituição de ensino bem como na busca de se
praticar uma busca pelo conhecimento, ou seja, um ensino de qualidade a despeito da
realidade social do bairro.
Percebeu-se, durante a visita realizada, que a prática do multiletramento se dá
pela mobilização dos docentes e coordenação na busca de praticar o ensino de modo a
atender às necessidades, e exigências, de formação, que são naturais à atual geração
que compõe o corpo docente da EMAST por meio de projetos que além do
multiletramento, também promova a interdisciplinalidade, onde a linguagem escrita é
alinhada ao uso de imagens, essa linguagem estática, de vídeos, uma liguagem de
movimento, a verbalização oral, por meio de bate papos entre professores e alunos, e
por meio de música que retratem e colaborem para que o conteudo a ser aprendido seja
abordado, e apreendido pelos alunos, de maneira interessante.
Percebeu-se que embora a escola não conte com tecnologia de ultima geração
para que as propostas sejam cumpridas, os professores se desdobram e levam alguns
recursos de suas proprias casa a fim de possibilitar que os alunos tenham o canal de
informação na tentativa de instiga-los na construção do conhecimento e no despertar
da curiosidade para os temas das aulas de modo que não pareça complicado ou
desinteressante o aprender. Viu-se como desafiante para o corpo docente cumprir o
multiletramento frente a falta de envio de recursos por parte do governo municipal que
é o sustentador da escola pesquisada.
No que tange a formação dos discentes é um grande desafio para o corpo
docente o trabalho de ampliar a visão global dos alunos no sentido de fazê-los olhar
para outras realidades diferentes da que estão inseridos no Bairro e no Estado do Rio
de Janeiro. Considerando que a sociedade funciona a prtir de diversidade de
linguagens e de mídias diversas, e que o multiletramento consiste no uso dos recursos
para a descoberta de outras culturas, ou multiculturas, é um desafio gigantesco
apresentar outras realidades a estes alunos que tendem, em sua maioria, a rejeitar
conhecer outro tipo de música, se interessar em estudar outra língua, assistir outros
programas de TV, assistir vídeos sobre temas diferentes de seus interesses pessoais
incentivados pelo convivio local.
A escola não possui um projeto específico no sentido de atendenr a formação
integral dos discentes, todavia no Estado existem bolsas de estudos e programas
direcionados aos professores de rede pública que são um incentivo aos professores na
busca de ampliar seus conhecimentos, saberes, curriculos, diplomação e experiências e
modo que a formação integral do discente é possível no cenário atual no Estado do Rio
de Janeiro.
Percebeu-se que na prática o ambiente escolar, no que tange o comportamento
docente, a prática do respeito, da compreensão, da empatia e do entendimento do
mundo do outro é uma constante partindo dos professores para os alunos. Todavia,
ressalta-se que por parte dos alunos há uma dificuldade nestes sentimentos em
comportamentos em virtude do ambiente em que estão inseridos, e que no dia-a-dia é
desafiante para os educadores da EMAST o equilibrio das emoções, embora busquem
tratar os alunos com ética, respeito e dar dignidade para formar a autonomia dos
indíviduos educandos nesta realidade.
Compreende-se que esta dificuldade, dá-se, também, em virtude de a maioria
dos pais não conseguiresm se fazer presentes na vida escolar dos dicentes pelos quais
são responsáveis, embora, como dito inicialmente, o Plano Pedagógico disponha,
convide e solicite a presença dos pais nas decisões e nas práticas escolares. Com isto a
democratização da gestão desta escola não é uma realidade na prática, pois os
responsáveis não se fazem presentes, e não porque não desejem, a verdade é que
muitos trabalham em tempo integral e não possuem disponibilidade para participar
ativament da vida da escola.
Conclui-se, por fim, que o desafio do multiletramento, na EMAST, consiste
mais em recursos para fazer acontecer do que em qualquer outro aspecto. Os
professores são bem formados, são experientes, são profissionais de excelencia que
amam o que fazem, possuem um bom curricúlo, todavia a escola não possui os
recursos necessários para que a efetivação de um plano de aula de multiletramento seja
efetivado da forma que o professor almeja, ou sonha, e muitas vezes é necessário
improvisar com os recursos que são possivel de serem transportados de suas casas até a
sala de aula.
Registra-se que a experiencia de ir a escola, entrevistar uma docente, conhecer
o espaço físico da EMAST, assistir um pouco das aulas interativas, tendo sido tão bem
recebida neste espaço foi muito rica. Foi possível ver alunos e professores envolvidos
no multiletramento onde realidades diferentes se encontraram, novos mundos foram
descobertos e as próprias realidades dos alunos puderam ser dialogadas entre eles, e
constatar que o corpo docente desta escola está no caminho certo para ser, na
completude, o professor que a escola dos tempos atuais necessita: multiletrado.