Você está na página 1de 44

Edição Nova

MANUAL DE OPERAÇÕES
LUCRATIVAS

MOL

Uma abordagem prática e avançada de operações


para Day Trade e Swing Trade

Bruno Rafael
Sobre o autor

Bruno Rafael é trader em tempo integral, com perfil analítico e admirador da Análise Técnica Clássica
desenvolveu um estilo de negociação discricionário procurando compreender o comportamento dos preços e
consequentemente extrair informações lógicas para suas tomada de decisões. Nascido na cidade de Ubiratã
PR em 1991 veio morar em Curitiba PR ainda muito novo, no qual reside até os dias de hoje.

Formado em Economia pela Universidade Positivo acredita que disciplinas como macroeconomia,
microeconomia e econometria podem ser de grande valia dentro do mercado financeiro. Apesar de
acompanhar o mercado e ficar encantado com tantos gráficos e números, somente em 2014 iniciou sua
trajetória pra valer, caminhada está que não foi fácil com tantas dificuldades encontradas e que ainda
continuam trazendo desafios e novidades todos os dias como forma de aprendizado. Acredita que as pessoas
são capazes de vencer no mercado com uma psicologia aplicada e um bom gerenciamento de risco, e acima
de tudo com respeito ao próximo.
Conteúdo

❖ Capítulo 1 Estruturando os preços 9

A lógica dos movimentos 10


Ponto de Balanço 14
Absorção 15
Área de valor justo 17
A fase de expansão dos preços 19
Áreas de negociação 21
Excesso de preço 23
Linha de controle de preço 24
Canais com excesso de preços 26
Volume em área de valor 28
Região de Pressão 30
Identificando área de oportunidade 33
Proximidade 35
Confirmação 37
❖ Capítulo 2 Dissecando os tempos gráficos 38

Conceito 39
Campo de batalha para day trade 41
Campo de batalha para swing trade 48
Falha na quebra de topos e fundos 50

❖ Capítulo 3 Setups utilizando a ação dos preços 54

Pullback Breakout (PB) 58


Pullback Confluência (PC) 61
Complexo Pullback (CP) 64
Rompimento Frustrado (RF) 67
Ponto de Parada (PDP) 70
Teste Suporte e Resistência 73
Princípios de mercado 76
Juntando tudo 79

❖ Capítulo 4 Combinação das velas como sinal de gatilhos 82

Gatilho tradicional 83
Utilizando gatilho nas bandeiras 86
Quebra do bloco 90
Volume nos gatilhos 94
Jack hammer 96

MOL - Manual de Operações Lucrativas


❖ Capítulo 5 Técnicas médias móveis e VWAP 99
Identificando os estágios do mercado 101
Divergência e Convergência 105
Correlação médias móveis 109
M20 neutra 111
O pullback 115
Pullback Cross 121
Reversão escondida 125
Regressão em gap 128
M20 + abertura 131
MM50 dias 133
Parede no gap 137
Zona de armadilha 140
Zona de recuperação 143
Passagem dupla 147
Desagregação 150
A taça como gatilho de fuga 152
Múltiplas médias móveis 154
VWAP 156

❖ Capítulo 6 Setups para Day Trade 161

A fuga dos 30 minutos 162


Máximas e mínimas 167
Capítulo 1 Capítulo
Picos1e fundos de preços Estruturando os preços 171
Duas barras 178
Estruturando os preços Avanço forte 181
Setup Doji advance 184
Fakey 187
Barra ignorada 190
3-4 bar 193
Power boxe 198
Galhardete 201
Corte nas bandas 204
Canal de tendência 210
Setup reação de rompimento 214
Ondas de Wolfe 217
Outside-bar 221
Outside-bar plus 224
Reversão chave 227

MOL - Manual de Operações Lucrativas


❖ Capítulo 7 Estratégias para Swing Trade 231

ORB (Opening range bar) 233


Turtle soup adaptado 236
Gann pullback 239
Sky Breakout 245
Double flag 249
Setups utilizando o tridente 253
Troca do dia 261

❖ Capítulo 8 O stop obrigatório 266

O erro que todos cometem 268


A regra da barra de força 269
Além do ponto de equilíbrio 271
Trailing stop 273
Condução MM9 277

❖ Capítulo 9 Ação do preço sobre as retas tendências 282

Características 283
Retas interna e externa 284
Inclinação das retas 286
Rompimento direto 288

Capítulo 1 Capítulo
Reta1 vácuo Estruturando os preços
Reta pullback 291
295
Estruturando os preços Reta dupla 298

❖ Capítulo 10 Estratégias utilizando Fibonacci 301

Monitorando a contagem de ondas 302


Canal de regressão 303
Avanço 306
Bandas de regressão 310
50-EMA e as ondas 313
50% na fronteira do gap 318
Vela de força 321

❖ Capítulo 11 Os segredos para o dinheiro esperto 324

MOL - Manual de Operações Lucrativas


Capítulo
9

MOL- Manual de Operações Lucrativas


Estruturando os
preços

Comprar e vender significa aproveitar as flutuações dos preços e realizar um negócio bem-sucedido, porém
obter sucesso nas operações não é algo simples e fácil, após a crise financeira de 2008 que afetou o mundo
todo criando medo e pânico entre os investidores, o mercado ganhou expectativas de uma nova era de
volatilidade, ou seja, um novo pensamento de analisar os gráficos com novas abordagens durante as
negociações. Um exemplo claro a ser mencionado é o próprio mercado brasileiro aonde se comprava um ativo
em uma tendência definida e pouco se compreendia a ação e estrutura dos preços, portanto se os novos
investidores não estiverem aptos a exercer tal função o recomendado é retoma os estudos o tempo que for
necessário.

Os preços se movimentam dado a uma multidão de investidores e instituições que em conjunto dado a suas
emoções, ganância, euforia, medo e desespero, ditam as flutuações dos preços formando movimentos
direcionais. O estado psicológico de um trader pode de forma direta afetar sua tomada de decisão influenciando
em seus resultados durante as operações, para obter resultados positivos o trader precisa deixar de lado as
emoções e controlar a adrenalina para não tomar decisões equivocadas. Os preços sempre provocará ruídos
e se a pessoa não compreender a lógica dos movimentos com o tempo será expulsa do mercado, costumo
dizer que ser trader é um privilégio, porém exige muitas responsabilidades quanto aos desafios que a profissão
exigirá das pessoas todos os dias.

O capítulo possui como proposta elaborar uma abordagem analisando o ângulo da oferta e demanda
trabalhando sobre as estruturas dos preços, determinas regiões de memória para o mercado, realizando
marcações que possam auxiliar em informações lógicas sobre o comportamento futuro dos preços, pontos
forte e fracas de cada dimensão. O capítulo é extenso com muitas informações e por isso é necessário uma
leitura paciente com atenção redrobrada para não deixar passar nenhum detalhe importante.
→ Com o decorrer do tempo os comerciantes notará que em uma tendência futura o mercado irá
fornecer oportunidades de operações, algumas dessas oportunidades permitindo surfar em uma
importante tendência ou até mesmo movimentos de curto prazo, que de modo em geral pode
também fornecer lucros aos comerciantes.

Negociações inteligentes é identificar as fraquezas nos movimentos e em seguida com os parâmetros


preenchidos ter confiança para entrar em uma operação. Esta abordagem trata-se de gerenciar uma
oportunidade quando oc onetxto de mercado permitir um comércio, maximizando as probabilidades de
acerto.

Pullback com oportunidade de Fraqueza do movimento em


operação teste de resistência

Movimento de contração próximo Movimentos de contração e


a potencial região de resistência expansão

11
Área de Valor Justo

Quando a oferta dos touros e ursos atende á demanda e são basicamente iguais, os preços dificilmente
irão se mover para alguma direção em vez disso eles começam a acumular ou até mesmo consolidar
gerando uma faixa de negociação aonde compradores e vendedores concordam que o instrumento ou a
segurança é corretamente precificado considerando os fundamentos subjacentes, ou seja, ambos
concordam que está área de preços corresponde suas expectativas atuais.

Área de valor justo


Área de valor justo

A área dos preços confinadas entre essas duas linhas horizontais no exemplo gráfico acima é a área de
valor justo, não é importante a forma que você chame está faixa de negociação desde que você se
acostume em identificar essas áreas de acordo com o contexto de mercado. Você pode notar no exemplo
que os preços passaram algumas vezes do limite superior da linha, com tudo percebe-se que os preços
apenas testaram esses níveis encontrando demanda no lado negativo e volta novamente onde a maior
parte do comércio está ocorrendo. Estás áreas aonde os preços se afastam por um curto período e depois
voltam para dentro da área de valor justo é chamada de excesso de preços, no qual iremos abordar mais a
frente.

O mercado cumpriu seu objetivo facilitando a negociação entre compradores e vendedores, nesta
determinada faixa de negociação as duas pontas concordaram que está área de preço é justa, touros e
ursos se sentem satisfeitos mantendo o preço confinado nesta área, os compradores apenas irão intervir
quando necessário para evitar que os preços caiam abaixo do limite inferior desta área, já os vendedores
entram no lime superior da faixa de negociação empurrando os preços para baixo. Ao identificar e marcar
os limites da área de valor, procure deixar o máximo de espaço em branco possível acima e abaixo para
evitar tomada de decisões erradas. Por exemplo se tivéssemos que excluir o tempo fora da equação e
traçar apenas em nosso gráfico não teríamos espaço em branco, ao contrário acrescentando toda a área
dentro do retângulo teríamos uma grande turbulência com muitos ruídos dado o nível de atividade dentro
dessa faixa. Pense nisso como eliminar todo o espaço em branco entre os preços que estão dentro da área
de

O consenso de longo prazo entre compradores e vendedores é o que dá valor a uma determinada área
de preço, é assim que eles operam, querem comprar abaixo e vender acima do que consideram um preço
justo. Os preços indo mais alto, acima do valor percebido é considerado uma oportunidade de venda, já os
preços indo abaixo do que é geralmente aceito como valor justo é considerado como uma oportunidade de
compra.

17
O gráfico ao lado ilustra como a oferta e demanda se
traduz em preços e movimentos, observe cada detalhe:
Nos pontos 1 e 2 os compradores entram no mercado e
3 4
empurram os preços de volta para aonde a maior parte
da negociação está ocorrendo dentro do retângulo. Já
nos pontos 3 e 4 os vendedores entram no mercado
para empurrar os preços para baixo no valor
reconhecido. O mercado cumpre seu papel para facilitar
Área de valor
a negociação entre compradores e vendedores, quando
1 2 dominante
a oferta excede a demanda o preço cai para encontrar
equilíbrio entre compradores e vendedores criando
valor de preço.

B
A
Área de valor
dominante Território

Território Área de valor


dominante

A área de valor pode se desenvolver em cima de outra área de valor, vamos analisar os exemplos A e B.

Exemplo A: Observe a área de valor dominante com duas setas para o lado direito representando o território
dessa área de valor dominante, note que os preços começam ir acima da área de valor formando o excesso de
preço que consequentemente ganha forças preenchendo novos espaços no gráfico e iniciando um movimento
de alta. O limite superior da área de valor dominante atuará como suporte. Uma nova área de valor com
pequenas dimensões é formada acima da que foi reconhecida, ou seja, temos agora uma mudança de valor na
faixa de negociação com um importante espaço gráfico sinalizado no território.

Exemplo B: A mudança de valor agora ocorre abaixo da área de valor dominante, dado que o limite inferir da
área de grande valor servirá agora como potencial resistência para a nova faixa de negociação. Perceba como
não há demanda suficiente no limite inferior dá área de valor para empurrar os preços para cima, ao contrário
disso os preços permanecem abaixo da área de valor fazendo movimentos testando os níveis de suportes e
resistências dando valor a está nova faixa de negociação.

O mercado em geral se move em equilíbrio e desiquilíbrio entre oferta e demanda, quando está em valores
equilibrado os compradores e vendedores estão contentes em realizar transações nesta área. Quando ocorre o
desequilíbrio de valor, o mercado está em busca de novos valores entrando na fase no qual a demanda excede
a oferta ocasionando a aceleração do movimento, está conjuntura faz parte da estrutura de mercado.

18
Capítulo
54

MOL- Manual de Operações Lucrativas


v

Setups utilizando a ação dos


preços

O Preço de negociação incorpora movimentos passados, é neste conceito que buscamos extrair
informações lógicas e futuras para o comportamento dos preços, negociações de preços se refere a todo
v
movimento que o mercado faz e dado a isso as análises são feitas de forma objetiva dependendo do tipo
de análise que é executada. Nos exemplos que iremos abordar no capítulo, o leitor irá notar a presença de
algumas médias móveis nos gráficos perguntando-se o porque combinar médias com ação do preço, a
v
real proposta desta combinação é treinar a mente do comerciante em uma determinada configuração com
o auxílio das médias. A prática na leitura dos preços proporcionara a longo prazo uma leitura do contexto
de mercado sem o auxílio de indicadores.

A ação do preço não tenta prever um preço específico, mas pode ser útil na identificação de áreas de
suportes e resistências, reversões e continuações que tradicionalmente tem sido usada para identificar
oportunidades. No capítulo mostro abordagens com configurações determinantes sobre a movimentação
dos preços trabalhando sempre com probabilidades e nunca com certeza de ganhos, a proposta é mostrar
um caminho para o comerciante entender como trabalhar sobre a ação do preço com regras específicas
Total vendedores Volume comprador
de engajamento e simples ao mesmo tempo, identificar pontos potenciais bem como zonas com fluxo de
pedidos, nas abordagens uso médias móveis que na minha concepção são fundamentais, o porque vou
v
operar com um gráfico totalmente cru se tenho a possibilidade de usar todos esses aparatos da análise
técnica clássica a meu favor.

O preço se move como um resultado coletivo do sentimento otimista e pessimista de todas as decisões
dos comerciantes em comprar e vender, ou seja, podemos definir que a ação do preço é determinada pela
tomada de decisão humana, as decisões individuais dos comerciantes são muitas vezes imprevisíveis
dado que não podemos conhecer os fatores e limitações de momento. Quando os preços entra nas áreas
de configurações não é simplesmente uma garantia que iremos negociar, porém é a hora do comerciante
se colocar em alerta para não perder as oportunidades, remova qualquer distração e mantenha o foco para
identificar as áreas adequadas para alvos e pontos de stops nas operações.
A seguir vamos analisar algumas configurações trabalhando em cima da movimentação dos preços, são
movimentos clássicos que todo comerciante deve compreender as características e contexto antes de
qualquer tomada de decisão. Lembro que após a formação de um movimento com contexto, o comerciante
deve ter plena consciência do seu gerenciamento de risco para uma operação realizada de modo seguro.

• Os comerciantes que entram em uma operação na direção da fraqueza contra tendência ao teste
em uma faixa de suportes e resistências estão negociando com baixa probabilidade de acerto, a
continuação do movimento é provável falhar.
• Os comerciantes que entram em um rompimento sem os parâmetros necessários estão
negociando com baixa probabilidade.
• Comerciantes que entram em movimento de pullback sem contexto estão negociando com baixa
probabilidade acerto, ou seja, o recuo pode falhar levando o mercado para a continuação do
movimento vigente.

Vamos trabalhar com exemplos detalhados procurando executar cada movimento que se encaixe em
um contexto favorável de mercado. O objetivo é encontrar pontos no gráfico aonde os comerciantes estão
lutando contra tendência e desesperados para sair da operação quando percebem que estão com as
análises equivocadas do movimento. A compreensão de operar a favor da tendência irá proporcionar áreas
com oportunidade de operação.

Processo da análise de mercado para os setups

1. Definir a estrutura de mercado

2. Definir a tendência

3. Identificar a direção futura da


tendência

4. Identificar a direção futura dos


preços

5. Identificar áreas de oportunidades

→ Confie na tendência e sua continuação até que os preços demonstre alguma evidência de
enfraquecimento, analisando os potenciais níveis de suportes e resistências com a expectativa de
rompimento quando o contexto de mercado favorece algum sinal importante. Em um possível rompimento
aguarde a contração dos preços, ou seja, o descanso do mercado para continuar o movimento, porém
tenha em mente que em algumas oportunidades os preços podem não proporcionar correções
acelerando-se em direção do rompimento. Novamente lembrando ao comerciante para evitar abrir
posições de contra-tendência até que o mercado demonstre um contexto muito forte de enfraquecimento
da tendência vigente.

56
Rompimento Frustrado (RF)

Teste suporte e resistência (TSR)

Resistência

Suporte

→ As operações realizadas conforme as configurações acima devem ser respeitadas rigorosamente,


operações somente com contexto de mercado favorável bem como sendo disciplinado com o seu
gerenciamento de risco. São informações básicas, porém essenciais e necessárias antes de prosseguir
com as configurações abordadas.

57
Pullback Breakout (PB)

A configuração do Pullback Breakout (PB) ocorre com a quebra de um potencial nível de suporte e
resistência mostrando a aceitação do preço em uma nova faixa de negociação.Quando nossos princípios
para uma direção futura dos preços nos leva a esperar a quebra de uma faixa de negociação importante,
logo analisamos a ação do preço procurando sinais de fraqueza no movimento de retrocesso, está fraqueza
no recuo nos alerta para uma possível oportunidade do Pullback Breakout (PB) em um contexto de mercado
favorável, é uma configuração simples, porém muitos comerciantes cometem equívocos na abertura de
posições de compra e venda.

Esteja em alerta aos sinais de fraqueza para determinar a provável direção futura dos preços de acordo
com as probabilidades e expectativas do mercado.

Definição do Pullback Breakout:

• Operamos o pullback breakout (PB) no rompimento de potenciais níveis de suportes e resistências,


regiões de memória para o mercado que eleva o nível de confiança.
• Alguns rompimentos ocorrem sem a realização do pullback e dentro desse aspecto entra a
importância das médias móveis dando apoio ao movimento.
• Pullback realizado com volume acima da média fortalece o sinal.
• Pullback realizado sobre as figuras de reversão quando encaixado em um contexto torna-se de
grande valia para abertura de posição.
• Os exemplos serão todos realizados apenas com o apoio do volume e uma média móvel de 20
períodos aritmética, trabalhando exclusivamente sobre a ação do preço procurando treinar os olhos
para visualizar os movimentos de forma clara e simples ao mesmo tempo.

PB

PB

PB

PB

58
Ao lado temos o ativo INDFUT trabalhando de forma
lateral com os preços cortando a média móvel de 20
períodos deixando o sentimento de dúvida na atual
cenário, porém após violar o nível de resistência um
C
movimento de correção é elaborado testando o antigo
S nível de resistência que agora passa a ser suporte, neste
PB contexto o pullback breakout é formado como um alerta
para uma possível tomada de decisão. Após o evento
técnico uma entrada de compra é acionada na superação
da pequena vela de dúvida sobre o nível de suporte.

Um nível de resistência é formado durante o pregão


dificultando o deslocamento dos preços para um novo
andar de negociação, após o rompimento da região de
resistência a configuração do pullback breakout é formada
C com o apoio da média móvel de 20 períodos servindo como
suporte dinâmico para os preços, o contexto nos
S
proporciona uma oportunidade de comércio na ponta
PB compradora. A entrada ocorre na barra positiva que
demonstra uma maior clareza na continuação do
movimento de alta com o stop de proteção um tick abaixo
do conjunto das barras anteriores.

O exemplo ao lado contém características interessantes


para serem observadas e analisadas, note um pivot de alta
armado no gráfico testando a média de 20 períodos que vem
C
inclinada para baixo, percebe-se que a cabeça do pivot de
S alta servirá agora como um importante nível de suporte
PB prévio. É justo neste nível que ocorre a formação do
pullback breakout em um contexto favorável para uma
operação de compra, observe o exato ponto de entrada bem
como a colocação do stop de proteção.

Observe o gráfico diário do papel VALE3 trabalhando sobre


Compra frustrada
nível de suporte em uma tentativa de reversão do
movimento, percebe-se que após a superação do eixo
C principal que serve como resistência, temos a formação de
S dois processos corretivos enquadrados no modelo pullback
PB
breakout (PB). A primeira tentativa de entrada na operação
de compra é frustrada dado as circunstâncias de mercado e
não especificamente pelo fator da análise, conforme uma
faixa de briga é formada o ideal para uma nova operação de
compra seria na superação deste patamar de preço.

59
Princípios de mercado

Cada modelo de operação apresentado necessitam ser validados em cenários e contextos favoráveis de
mercado, a seguir vamos discutir alguns princípios mostrando ambientes específicos para negociação das
configurações apresentadas no capítulo. Lembro que não estou falando de movimentos passados, mas sim
de nossas expectativas em relação ao comportamento futuro dos preços.

Primeiro Princípio: Quando o mercado trabalha em um movimento direcional de tendência esperamos que
está tendência continue por um longo período, outro contexto se dá pelos níveis de suportes e resistências
sendo superados conforme a tendência se desenvolve, quando temos este cenário aguardamos as
oportunidades com a formação das seguintes configurações: Pullback confluência (PC), Pullbackbreakout
(PB) dentro da tendência predominante. Lembre-se de estar atento a média móvel de 20 períodos aritmética
para validar o movimento.

Pullback Breakout

Pullback Confluência

Pullback Confluência
Pullback Breakout

Segundo Princípio: Quando a formação de uma tendência seja de alta ou baixa no curto ou longo
prazocomeça a demonstrar sinais de fraqueza, espera-se uma maior probabilidade que ocorra uma correção
complexa em vez de uma reversão de movimento de forma instantânea até que o próprio mercado mostre
aceitação de preço para confirmar a reversão de movimento. A configuração de maior probabilidades principal
trata-se do Complexo pullback (CP), os preços precisam iniciar um processo corretivo aonde as médias
móveis utilizadas sejam superadas, durante a correção o complexo movimento será formado com várias
pernas nos proporcionando uma vantagem com o fluxo de pedidos dos comerciantes que ficaram presos
neste movimento.

As configurações do pullback confluência e pullback breakout não devem ser consideradas neste príncipio
dado as oscilações e balanços proporcionados em uma correção complexa. Quando ocorre uma complexa
correção em gráficos diários lembramos dos conceitos estudados no capítulo anterior sobre tempos gráficos,
dado que em timeframes menores como 5 minutos por exemplo essas oscilações nos gráficos maiores podem
gerar oportunidades de operações.

Complexo Pullback
Complexo Pullback

Não considerar um
pullback confluência
Não considerar um
pullback confluência

76
Teste
PB
resistência PC

PC
PDP
PB
PB PB
Rompimento frustrado

Rompimento Teste Teste


frustrado resistência resistência
PDP
CP
Complexo pullback
PC

PB PC

Rompimento frustrado Teste


Rompimento frustrado suporte

Teste Teste
PDP resistência resistência
PC PDP

PB
PB
PB
Teste suporte
Rompimento frustrado
Teste suporte

Teste
resistência PDP Teste
resistência
PC

PB

Teste suporte
Rompimento frustrado Rompimento frustrado

81
Capítulo
99

MOL- Manual de Operações Lucrativas


Técnicas Médias Móveis e
VWAP

Durante minha experiência com leitura de mercado identifiquei diversos fatores que tornassem minhas
análises simples e o mais objetivas possíveis para as tomadas de decisões, junto com a leitura das velas as
médias móveis é um dos meus pontos fortes para realizar operações assertivas e consequentemente diminuir
o máximo o risco nas operações. O deslocamento das médias móveis mostra sinais importantes, e nesses
sinais procuro extrair informações lógicas para maximizar a produtividade nas análises em geral. Todo gestor
de dinheiro no mundo usa esses indicadores para ajudá-los a tomar decisões ao negociar seus portfólios.

Compreender o comportamento das médias móveis é interessante pelo auxílio que temos na leitura de
mercado, durante o capítulo procurei passar minha abordagem sobre as médias, como eu realmente enxergo
cada movimento e detalhe sobre este potencial indicador. Algumas técnicas foram desenvolvidas por mim
durante minha fase de aperfeiçoamento, e outros métodos de realizar a leitura das médias busquei informações
em livros estrangeiros de extraordinários Traders e investidores. Está união de informações resultou em um
capítulo rico sobre as médias móveis que se bem utilizados pelos comerciantes pode trazer excelentes
resultados futuros.

Costumo chamar o conjunto de médias que utilizo de ¨Família¨, o nome é baseado em cada média, por
exemplo considero a média de 9 períodos exponencial como o filho pequeno que não para quieto sempre se
deslocando pra lá e para cá, a média de 20 períodos aritmética é a mãe que fica fiscalizando o que o filho
pequeno está fazendo, já a média de 50 períodos aritmética é o pai que mesmo de longe está observando o
que está acontecendo, e por fim a média de 200 períodos aritmética que é a avó aonde a família visita de
tempos em tempos. E não podemos esquecer da VWAP que considero o cunhado chato que aparece de vez
em quando só para atrapalhar.
Com o conjunto das médias explicado toda esta abordagem é usada a favor do comerciante de mercado
principalmente para evitar entradas erradas nas operações, de modo algum em alguns contextos de
mercado eu opero contra uma média de 20 e 200 períodos por exemplo, dado o grau de importância dessas
médias que mostram a tendência micro e macro de um determinado ativo, essas médias são usadas
universalmente por grandes traders e instituições. Conceitos simples como não comprar ou vender quando
a média de 20 estiver afastada dos preços ou até mesmo quando estiver flat sem uma tendência definida.

A média institucional VWAP também será abordada principalmente por ser muito visada e importante
em gráficos intradiários, acrescento algumas leituras e cenários que possam servir de grande benefício
para os comerciantes, levando sempre em consideração que as médias não são mágicas e toda a leitura
deve ser feito em conjunto, entender os potenciais pontos do mercado, e assim conciliando com as médias
para possíveis tomada de decisão durante os movimentos.

Observações: Uma média mede o consenso do preço de fechamento de uma ação sobre determinado
período, a média de 20 períodos por exemplo nos mostra a configuração dos últimos 20 dias e assim por
diante, quando os preços se afastam da M20 existe o consenso de retorno como uma espécie de imã.

• As médias tendem a servir como potenciais pontos de suportes e resistências dinâmicos para os
preços.
• Determinam a direção e força de uma eventual tendência de alta ou baixa.
• Diversas estratégias e setup sã usadas com as médias móveis, como pullbacks, testes de suportes e
resistências, retorno a média e outras combinadas com indicadores técnicos.
• As médias móveis possuem funções variadas como médias rápidas de gatilhos, ou uma média mais
longa para identificar a tendência macro.
• Outro aspecto importante sobre as médias é a possibilidade de condução nas operações mais longas,
bem como pontos estratégicos para a colocação dos stops de proteção.
• A atividade dos preços nunca progride em linha reta, por isso é importante o uso das médias móveis
para trabalharem em sintonia com os preços.

MM200 Exponencial
MM20 Exponencial
MM200 Aritmética
MM20 Aritmética

→ Os dois exemplos acima representam a diferença entre o deslocamento das médias móveis aritmética
e exponencial, o intervalo de confiança entre as duas periodicidades muitas vezes será mínimo.

100
O Pullback

Está configuração de recuo ocorre muitas vezes em um movimento de forte tendência e volatilidade,
algumas características e técnicas serão apresentadas para validar a análise do modelo. Muitos conhecem
o movimento como regressão a média ou até mesmo ponto contínuo, porém vou fazer adaptações com
outas médias móveis para fortalecer o sinal durante o pullback. È um dos modelos favoritos que gosto de
realizar operações, dado o nível de assertividade quando realizado de modo correto. Basicamente
comerciantes que perderam a primeira onda de impulsão usará este mergulho dos preços para tentar surfar
na tendência predominante, e haverá ocasiões no curso natural do mercado e seus ciclos, que a
configuração de recuo sobre a média não ocorrerá com frequência.

O movimento corretivo é uma fraqueza que pode ser apenas uma onda de tomada de lucro em um
movimento temporário, este período de menor fraqueza pode gerar uma oportunidade de comércio sempre
a favor da tendência. Não é recomendado stop muito curto para o modelo, dado que a grande maioria dos
players estão ciente aonde estará alocado o stop dos comerciantes e podem te tirar das operações de
maneira precoce.

Configurações-Chave no pullback sobre as médias móveis:

• Identifique a tendência do mercado, observe o posicionamento das médias móveis de 20, 50 e 200
períodos por exemplo, ambas alinhadas a uma tendência tende a ser um importante sinal.
• O movimento de pullback que procuramos se dá em cima das médias móveis de 20 e 50 períodos
aritmética.
• Após o recuo sobre a média, um padrão de reversão é o recomendado para fortalecer o sinal da
operação, por exemplo, martelos e engolfos, lembre-se também dos gatilhos que estudamos no capítulo
anterior.
• Pullback sem volume dificulta a continuação do movimento, principalmente em uma tendência de alta.
• Um oscilador pode ser usado conforme os preços se aproximem das médias móveis, recomendo o uso
do estocástico lento com a calibragem 7,3,3.
• Evitar o movimento de pullback quando o mercado estiver lateralizado gerando sinais falsos.
• Estar atento ao risco retorno de cada operação baseado no modelo apresentado.

M50
M20
M20

115
Continuação do
movimento

Pullback

No primeiro exemplo do pullback com o mercado Após o teste sobre as medias móveis o mercado
trabalhando em alta temos uma onda de impulso que segue em um movimento de alta como mostra o
acelera os preços para cima, perceba como a média exemplo acima, a ordem de compra é acionada com
móvel de 20 períodos (Preta) começa a ficar o comerciante extraindo bons lucros do mercado.
ascendente paralela com a média de 50 períodos, No mesmo movimento uma segunda oportunidade
observe o movimento corretivo sendo formado com de regressão a média é formada, o comerciante
os preços indo de encontro as médias. Com o deve ter em mente que abrir posições neste modelo
contexto favorável o comerciante pode deixar uma é obrigatório que as médias estejam ascendente
ordem de gatilho na superação da vela que testa a fortalecendo o movimento de tendência e o contexto
M20. para uma possível operação.

B
A

Gap

Pullback

Exemplo A: No primeiro exemplo temos o papel da MGLU3 em um movimento de alta com as médias
móveis ascendente, o pullback ocorre com a formação de três velas de dúvida sobre a M20, é normal ao
teste sobre a média velas com essas características.

Exemplo B: Observe o gráfico diário do papel PETR4 trabalhando em tendência de alta, o movimento de
correção sobre as médias móveis demora dias para ocorrer, perceba que após o teste sobre a M20 temos
a formação de um gap que continua o movimento de alta por mais alguns dias. Este modelo é clássico
usado no mundo todo, por isso é muito importante aprimorar os conceitos para aproveitar as oportunidades
quando formadas em contexto.

116
Com o mercado em tendência no gráfico de 5 minutos
por exemplo, as múltiplas médias móveis podem servir
como um ansiolítico para evitar operações de contra
tendência em curto prazo. Basicamente o comerciante
somente irá realizar operações usando este modelo
quando todas as médias móveis estiverem alinhadas
em uma determinada direção. O realinhamento das
médias nos alerta sobre uma possível oportunidade de
operação.

→ Abaixo os exemplos das múltiplas médias móveis são em gráficos diários e semanal.

Em gráficos diários e semanais as múltiplas médias


móveis podem ser úteis na identificação das tendências
de determinado ativo em um ambiente macro. Para
comerciantes de Swing Trade a cada correção que os
preços fizerem sobre as múltiplas médias móveis e
demonstre rejeição, tende e gerar uma oportunidade de
operação quando bem encaixada em um contexto
favorável.

155
Capítulo
161

MOL- Manual de Operações Lucrativas


Setups Para Day
Trade
Para um movimento ou até mesmo um padrão importante é necessário que o mercado esteja encaixado em
um contexto favorável, dado que existem vários padrões que ocorrem diariamente durante a ação dos preços,
cabe os comerciantes conseguirem interpretar de maneira correta para minimizar os riscos antes de qualquer
tomada de decisão. Tenho uma percepção negativa sobre pessoas que operam somente um setup, acredito que
a pessoa acaba se tornando um robô sem leitura de mercado ficando dependente do setup como único e
exclusivo meio para realizar uma operação. Este é o fator subjetivo da análise técnica que permite ao
comerciante sistematicamente aplicar suas ideias ao mercado e medir objetivamente seus ganhos e perdas.

Cada padrão possui suas características, porém em ambos os casos operar estes padrões em regiões
caóticas, ou seja, em áreas de valor justo do mercado tornam as operações com muitos erros e sinais falsos. O
que eu tento passar é um conceito sólido e simples de operar estes tipos de configurações, sempre trabalhando
com as probabilidades do mercado e não certeza de ganhos. Se o movimento não está ocorrendo de acordo
com sua avaliação não hesite em encerrar a operação e preservar seu capital. O gerenciamento de risco
necessita ser respeitado rigorosamente em qualquer operação, não é simplesmente a formação de um setup
que o comerciante na euforia irá abrir posições de maneira indisciplinada, calcular o risco retorno é de extrema
importância para preservar seu capital e manter o psicológico alinhado.

Tenham sempre em mente que não existe setups milagrosos de Santo Graal como meio de riquezas
incalculáveis, o que realmente existe é uma boa leitura do contexto de mercado, a maioria dos métodos para
Day Trade requer atenção considerável pois ocorrem falhas. A proposta principal do capítulo é usar as
configurações contidas como sinal de alerta para as operações e não simplesmente uma abertura de posição
conforme a configuração estiver sendo formada, ou seja, o comerciante precisa avaliar todo o cenário que o
mercado se encontra e entender se a configuração tem fundamentos em determinado movimento.

Apesar do capítulo ser dedicado a operações de Day Trade, acrescentei alguns exemplos com tempo gráfico
diário para que modo a pessoa continue absorvendo a proposta dos tempos gráficos que abordamos no segundo
capítulo do livro. Apresento estes setups simplesmente no espírito de compartilhamento, o comerciante pode
experimentar e modificar qualquer uma dessas configurações deixando no modo de seu gosto e preferência,
lembre-se de permanecer fiel a lógica do contexto e a leitura dos preços usando os setups como auxílio.
Máximas e Mínimas

A popularidade do dia de negociação em ações e mercados futuros tem sido uma benção para muitos
iniciantes e por isso surge a necessidade de aprender várias estratégias como forma de enxergar o mercado
em diversos ângulos diferentes. Começamos abordando uma leitura de máximas e mínimas em um tempo
gráfico de 60 minutos, dado que em um tempo gráfico maior temos a possibilidade de diminuir a quantidade
de ruídos e minimizar o máximo os riscos.

A proposta do modelo é mostrar para os comerciantes que operam em um gráfico de 5 minutos por
exemplo sobre o contexto de mercado, se um gráfico de 60 minutos não está dando condições para uma
eventual operação, então logo combinamos os tempos gráficos para identificar o mercado fora de contexto
para operações, duas velas de rejeição no gráfico de 60 minutos tende a deixar uma quantidade enorme
de ruídos nos 5 minutos. Usamos está leitura para encontrar possíveis pontos satisfatórios para uma
abertura de posição segura. Vamos analisar todos os detalhes do modelo.

Características e observações do modelo operacional.

• Recomendado para mercados futuros, índice e Dólar.


• Será utilizado tempos gráficos de 60 minutos para identificar o contexto principal e o gráfico de 5 minutos
como tomada de decisão na abertura de posições.
• Em determinado movimento uma vela pode superar o corpo das duas velas anteriores no gráfico de 60
minutos, este contexto pode estar gerando uma operação no gráfico de 5 minutos.
• Em um movimento de alta com a formação de novas máximas, as médias móveis devem estar inclinadas
para cima em um movimento ascendente.
• Em um movimento de queda com a formação de novas mínimas, as médias móveis devem estar
inclinadas para baixo em um movimento descendente.
• Analisar as potenciais regiões de suporte e resistências, bem como a tendência do mercado no pregão
anterior.
• Está configuração pode servir como um ansiolítico para os comerciantes.
• Se o comerciante tem múltiplos contratos na operação, então tire proveito de parte de sua posição na
primeira meta de lucro e fazer uma parada no ponto de equilíbrio.
• O modelo exigirá muita atenção dos comerciantes, dado que necessitamos estar com os dois tempos
gráficos alinhados antes de qualquer tomada de decisão.

Máximas: Conforme o mercado se desenvolve ficamos atentos a ação dos preços, quando duas velas fazem
novas máximas no gráfico de 60 minutos mudamos para o gráfico de 5 minutos identificando um ponto de
entrada com contexto aonde o stop de proteção esteja bem alocado na operação

→ A seguir iremos analisar os exemplos na ponta compradora procurando extrair informações lógicas
de cada movimento. Lembrando sempre a importância no contexto formado em um gráfico de 60
minutos.

167
60 Minutos 5 Minutos

Gráfico de 60 minutos: Vamos ao primeiro exemplo abordando a leitura pelo lado da ponta
compradora, observe no gráfico de 60 minutos a formação de duas velas de rejeição com as médias
móveis ascendentes dando contexto para a tendência de alta. Identificamos duas velas de rejeição
fazendo novas máximas, passamos agora a observar o contexto em um gráfico de 5 minutos.

Gráfico de 5 minutos: Após a formação das máximas sobre as velas de rejeição no gráfico de 60
minutos, note no gráfico de 5 minutos que a entrada na operação de compra foi antecipada, perceba
que as médias móveis ainda estão em flat, porém veja como pequenas velas possui seu fechamento
acima das médias confirmando contexto.

60 Minutos 5 Minutos

Gráfico de 60 minutos: Analisando outro exemplo novamente no lado dos compradores nota-se que
o mercado trabalha em um movimento de alta com as médias móveis ascendentes, durante este
movimento temos a formação de duas velas de rejeição formando novas máximas e dentro desta
conjuntura observamos o gráfico de 5 minutos verificando se existe contexto para uma possível tomada
de decisão.

Gráfico de 5 minutos: Quando passamos a analisar o gráfico de 5 minutos logo notamos que uma
barra de força supera uma faixa de negociação caótica para os preços elaborada pelas duas velas de
rejeição no gráfico de 60 minutos. Note o exato ponto de entrada na operação de compra com o stop
loss posicionado abaixo da faixa de negociação anterior.

Está leitura necessita ser cirúrgica que no diz respeito a uma abertura de posição, conforme já foi
mencionado anteriormente a leitura serve como alerta para evitar operações em regiões demasiadas
do mercado. Durante a formação das velas de rejeição nos 60 minutos, o mercado trabalhou por cerca
de duas horas com baixo volume e diversas velas de indecisão no gráfico de 5 minutos, ou seja, é uma
abordagem simples de analisar os preços, porém ao mesmo tempo que é simples torna-se de extrema
objetividade para grafistas mais cautelosos.

168
Fakey

A estratégia de negociação do Fakey é eficiente dentro das probabilidades do mercado em uma tendência
dominante, indica um nível de rejeição dentro desta área de negociação e consequentemente pode
desencadear movimentos importantes. O padrão consiste essencialmente quando temos um inside bar
seguido de uma vela de rejeição, o padrão de reversão pode ocorrer sobre a média móvel de 9 períodos
exponencial e a entrada na operação é na superação do candle ligado a média, a formação nunca será
perfeita.

Em qualquer tempo gráfico o Fakey pode ser identificado, porém deve ser operado com o mercado em
tendência para um maior nível de assertividade.

Características do padrão:

• O padrão foi desenvolvido para ser operado com o mercado em tendência.


• O teste será realizado com maior clareza em cima da média móvel de 9 períodos
exponencial.
• Fakey pode ser desenvolvido com várias velas, o comerciante tem a opção de ir mudando
o gatilho de entrada conforme o movimento se desenvolve.
• Pode ser operado em qualquer tempo gráfico, entretanto gráficos com periodicidade maior
é o recomendado.
• Vamos aplicar a abordagem das velas gatilhos em cima do padrão.
• Analisar o volume de negociação.
• O padrão nunca será perfeito, fique atento a pequenos ruídos deixado pelas velas. Nos
exemplos iremos abordar as possíveis formações do padrão.
• A proposta de apresentar o modelo pelo lado da ponta compradora é pelo fato que em um
movimento de alta o mercado sobe de escada deixando padrões pelo caminho.
• Regra principal: Inside bar + Vela de rejeição = Padrão Fakey.

187
Características do Inside Bar:

Observe alguns exemplos detalhado sobre as características possíveis para a formação do inside bar,
note que o padrão sofre variações em sua formação, ou seja, nunca será perfeito como é apresentado,
por isso a necessidade de entender a leitura de candle e saber interpretar um inside bar para extrair
informações em uma eventual tomada de decisão.

Vamos ao primeiro exemplo do padrão Fakey a favor


da tendência de alta, percebe-se a primeira onda de
impulsão de alta superando todas as médias móveis,
C
um movimento de respiro do mercado é esperado,
S veja como o retrocesso segura na média de 50
períodos com a M9 e M20 ascendente insinuando a
possível continuação de alta. O padrão é formado
com um detalhe importante, somente foi válido dado
o apoio da M50, observe detalhadamente como o
Fakey não chega a toca na M9.

Observe ao lado outro exemplo do modelo, o mercado


Pivot macro está formando um interessante pivot de alta com o
conjunto de médias móveis ascendentes, perceba que
após a perna de correção os preços fazem um micro
Micro pivot pivot de alta formando o padrão Fakey que é apoio
C
pelas médias. O gatilho de compra é acionado na
S
superação da vela de rejeição com o stop loss abaixo
desta mesma vela.

Em mais um exemplo percebe-se que o padrão é


formado após uma barra de força com volume acima da
média, perceba que as três médias móveis estão
ascendentes e a dificuldade para os preços superar as
médias é grande. Note que estamos trabalhando
C interpretando os micros pivôs, não é uma leitura fácil,
S entretanto a prática e o tempo podem ajudar o
comerciante a ler o mercado de forma abrangente.

188
Galhardete

Galhardete é um padrão de fuga bem-sucedido que na maioria das vezes não é notado pelos comerciantes,
é um padrão que reuni um conjunto de velas em curto espaço podendo ser operado em qualquer tempo
gráfico, em segundo lugar o conceito do galhardete deve ser reduzido aos seus componentes mais simples.
A formação das velas indicará a possibilidade de desenhar linhas trabalhando sobre o pequeno espaço
elaborado pelas velas de rejeição, é necessário analisar a elevação das velas que devem obrigatoriamente
serem formadas em um potencial nível de suporte e resistência.

Cada um desses turnos devem ser sinalizados por uma mudança na cor da vela para a direção da
tendência oposta, com o mercado enfrentando essas falhas na tentativa de superação desta faixa de
negociação para fazer um novo preço extremo. Está pequena compressão das velas tende a levar uma
reação de cadeia, ou seja, um forte rompimento que pode levar o dia inteiro a uma tendência dominante.

Características do modelo:

• O padrão deve ser formado com velas de rejeição em potenciais níveis de suportes e resistências.
• Observe o volume de negociação conforme as velas são formadas.
• O padrão deve ser marcado como um pequeno alargamento, as pequenas velas irão trabalhar entre
as extremidades da vela maior.
• As velas formadas dentro do padrão podem possuir diversas características, velas com pavio ou até
mesmo com o corpo real completo, o importante é que demonstrem rejeição no determinado patamar
de preço.
• Após a formação do padrão recomenda-se o uso do oscilador estocástico lento para identificar
possíveis regiões de sobrecompra e sobrevenda conciliando com o modelo de operação.
• O padrão difere-se da flâmula por ser formado em potenciais níveis de suportes e resistências, ao
contrário da flâmula que encontramos em meio de movimento.

→ Operação de Compra: Com o contexto favorável opera-se a superação do padrão ou até


mesmo a última vela formada se demonstrar rejeição, stop de proteção posicionado um tick
abaixo da mínima do padrão.
→ Operação de venda: Com os parâmetros preenchidos opera-se a superação do padrão ou
até mesmo a última vela formada, stop de proteção posicionado um tick acima da máxima do
padrão.

201
Outside-Bar

Assim como analisamos anteriormente o inside bar passamos agora a abordar o outside bar que é o oposto
da barra interna, porém trabalhamos especificamente com as sombras das velas, este intervalo deve
exceder o da barra anterior com uma maior alta e uma baixa mais baixa. Ocorre uma expansão de curto
prazo na faixa de preço e volatilidade, na maioria dos casos mostra indecisão entre touros e ursos, ou seja,
pode ser um padrão de reversão ou até mesmo continuação dependendo da faixa de negociação que está
sendo formado.

É uma poderosa combinação de velas quando abordada de maneira coerente e objetiva, a minha
proposta é trabalhar sobre a leitura das velas combinado ao contexto de mercado e contando com o auxílio
das médias móveis para tomada de decisão, como venho falando muito em vários modelos explicados até
o momento.

Características do padrão:

• Ideal é operar o outside-bar a favor da tendência, porém sua formação em potenciais regiões de
suportes e resistências tende a ser um importante sinal.
• O modelo pode ser usado em operações de Day Trade como também em Swing Trade.
• Analisar o comportamento das médias móveis antes de qualquer tomada de decisão precipitada.
• Entrada na operação ocorre após a superação da vela maior com o stop loss na mínima/máxima
desta mesma vela.
• Perceba que o padrão se assemelha com o engolfo, entretanto é necessário velas de rejeição com
suas sombras engolfando a também vela de rejeição anterior.
• Seguir rigorosamente seu gerenciamento de risco antes de qualquer abertura de posição baseado
exclusivamente no modelo.

221
Começamos analisando o padrão pelo lado da ponta
compradora, note no exemplo ao lado que após a
formação do outside bar uma vela abre acima do padrão
superando as médias de 9 e 20 períodos que iniciam um
movimento ascendente. O ponto de entrada na operação
C
de compra ocorre na superação do padrão com o stop
S loss posicionado na mínima da primeira vela do outside
bar.

O exemplo mostra que após um movimento de baixa


ocorre uma rejeição na região de suporte formando o
outside bar, note eu as duas velas de rejeição possuem
volume acima da média demonstrando que o ciclo dos
C
ursos estava chegando ao final. Outro ponto importante é
o afastamento dos preços da M20, percebe-se que após
a entrada na operação os preços andam a nosso favor
S até formar um pivot de alta e acelerar o movimento.

Após a tentativa de iniciar um movimento de alta o


mercado anda de lado com velas de pequenas
Oportunidade de proporções, note que neste pequeno movimento temos
comércio duas formações do padrão, o comerciante tinha como
possibilidade deixar uma ordem de gatilho na superação
da primeira formação, porém perceba que no segundo
outside bar as médias se realinham em um movimento
altista. Caso o comerciante tenha permanecido com o
gatilho de compra teria sido acionado na quarta barra, que
por sinal é de força e com um excelente volume acima da
média.

No exemplo ao lado temos o gráfico de 60 minutos do


papel PETR4, note que o padrão é formado após uma
intensa briga em uma potencial região de suporte, perceba
que se uma entrada de compra fosse realizada o alvo seria
na média de 20 períodos que vem em um movimento
C descendente. Em gráficos de 60 minutos o stop loss deve
ser muito bem trabalhado de acordo com o gerenciamento
S de risco.

222
Double Flag

Está configuração é simples, porém é um indicativo de alerta muito importante sobre o cansaço de um
movimento, ou seja, vamos trabalhar com a formação de duas bandeiras seguidas em um único movimento.
Entretanto devemos analisar todas as caracterísiticas do modelo de operação, não é simplesmente a
formação de duas banderias que já teremos a informação do contexto como um todo, alguns parâmetros
foram impatandos para que o comerciante trabalhe com a configuração de maneira objetiva.

Para formalizar o modelo é necessário que a formação das bandeiras sejam complexas e quanto maior a
perna de impulsão, maior será o resultado na interpretação sobre as características do movimento. O
comerciante com o tempo irá perceber que a fórmula do modelo Double Flag se resume na contagem das
ondas de Elliot, e por isso usei o contexto das bandeiras para aprimorar a percepção no embasamento das
ondas.

Double Flag

M9

M20

Características do modelo:

• A proposta do modelo Double Flag é indenticar um possível cansaço da tendência vigente, e quiça uma
reversão de movimento com o fim do ciclo da tendência principal. O modelo também pode ser aplicado a
movimentos de expansão mesmo que o mercado não esteja trabalhando em tendência.
• Vamos procurar por formação de duas bandeiras durante um movimento de tendência de alta ou baixa.
• O movimento de expansão após a formação da segunda bandeira por por um fim na tendência de um
determinado ativo ou apenas provocar uma correção complexa para continuar a tendência. É necessário
analisar todo o contexto, observar o volume de negócios.
• Após a formação da segunda bandeira contamos com o apoio do oscilador estocástico lento com a
calibragem que estamos usando durante todo o livro 7,3,3 (Exponencial), para identificar pontos de
sobrecompra e sobrevenda.
• O modelo necessita que a formação da bandeira contenha um certo nível de complexidade, ou seja, não
pode ser curta com poucas velas, ideal que seja intensa provocando sinais de rejeição do movimento.
• Uma formação de banderia assim como outros padrões dificilmente será perfeita como nos livros, dado
que existem oscilações dos preços modificando o ruído sobre as velas.
• Em alguns movimentos de tendência pode ser formado mais de duas bandeiras, e outro aspecto
importante se dá pelo fato de que as bandeiras podem não ser formadas em sequência, por exemplo:
podemos ter a primeira bandeira formada e na sequência do movimento uma pequena área de briga que
logo se expande, e por fim uma nova bandeira pode ser formada.
• As características que abordamos sobre as médias móveis trabalhando nas etapas do mercado pode ser
de grande valia no modelo. Após o movimento de expansão da segunda banderia, os preços podem
trabalhar de forma lateral sentindo a faixa de resistência e neste contexto as médias podem auxiliar na
identificação de um evento técnico distributivo.
• Muitas vezes uma bandeira complexa pode ser interpreta como um Gann Pullback, no qual estudamos
anteriormente.

249
5
Vamos ao primeiro exemplo abordando o gráfico diário do
3 papel TIMP3, note uma forte tendência de alta com
duração de vários meses, neste movimento temos duas
formação de banderia com parâmetros de complexidade
1 3 que buscamos. Após o movimento de expansão da
4
segunda bandeira a tendência entra em estado de cansaço
2 com o oscilador estocástico lento em nível de sobrecompra
sinalizando uma possível reversão do movimento.

3 5
Ao lado temos o gráfico do papel PSSA3 trabalhando em
forte tendência de alta, perceba que durante a tendência
1
são formados dois eventos técnicos que nos capacita de
visualizar e marcar as bandeiras. Perceba que as cincos
4
ondas são formadas durante o movimento e neste cenário
o comerciante tem parâmetros para identificar um provável
2 fim do clico da tendência.

5 No papel SANB11 novamente temos uma clata tendência de


3 alta com o conjunto de médias móveis conduzindo todo o
movimento, após o movimento formado na superação da
segunda bandeira o ciclo se conclui na onda 5, porém veja
1 4 como ocorre mais uma tentativa dos touros em segurar o
mercado neste patamar de preços. Observe as variáveis da
reversão do movimento de maneira detalhada, para que de
2 modo direto se torne um hábito de fácil compreensão com o
decorrer do tempo.

5 Observe ao lado a forte tendência de alta com as médias


móveis ascendentes no papel TUPY3, com o movimento
3
formado temos os seguintes critérios:

1 • Formação das cinco ondas.


4
• Estocástico lento em nível de sobrecompra.
• Conjunto de médias móveis iniciando sua etapa de
2 reversão.

250
Capítulo
266

MOL- Manual de Operações Lucrativas


O Stop obrigatório

Depois de apresentar tantas técnicas e leitura de mercado eu não poderia deixar passar um tema tão importante,
diria ser obrigatório para todos os investidores de curto e longo prazo. Um fuzileiro jamis vai para um campo de
batalha sem sua arma e principalmente sem o seu colete a prova de balas, pois bem vamos imaginar que o
colete é nosso stop de proteção durante as operações, ou seja, o colete irá preservar a vida do fuzileiro durante
suas missões, já o stop é um meio de proteger o capital do investidor contra perdas que estejam fora do seu
gerenciamento de risco. Eu sei que parece uma comparação agressiva, porém é uma maneira de tentar passar
para as pessoas a importância do stop em suas operações.

Assim que um mometum de operação é identificado procuramos um ponto seguro para o posicionamento
do stop de proteção, isto deve ser feito antes da abertura de posição para uma eventual operação. O que muito
se questiona é o stop financeiro ou técnico, todavia o recomendado sempre será o stop técnico pelo fato dos
preços poderem oscilar evitando assim que a operação seja encerrada de forma precoce. É necessário ter em
em mente que o stop técnico necessita que o investidor tenha um capital maior, diferentemente do stop
financeiro que devido o pouco capital não permite ao investidor trabalhar sua proteção de forma correta. Em
determinados cenários o próprio mercado irá mostrar pontos estratégicos, muitas vezes proporcionando stops
baratos e de fácil visualização.

Quando uma ordem de stop é inserida no gráfico o investidor concorda com o mercado sobre os riscos e
probabilidades durante sua operação, este limite de perca garante que você obtenha uma segurança durante
as operações tornando-se um parceiro do mercado e não um adversário. Os níveis de stop loss precisam ser
adaptados a cada situação individual do mercado com base na ação do preço e histórico de um determinado
ativo. Não importa o setup ou qualquer que seja sua estratégia operacional, em todas o uso do stop de proteção
é obrigatório para iniciantes como também para investidores de maior experiência, não sabemos se uma
determinada configuração irá funcionar 100% de forma consistente e as falhas sempre podem aparecer quando
menos esperarmos, caso uma falha seja concretizada a ordem de parada irá nos proteger com uma perda
dentro do nosso gerenciamento de risco. O risco é inevitável não podendo ser evitado durante as negociações,
entretanto pode ser gerenciado e reduzido conforme os métodos explicados no livro forem seguidos
rigorosamente dentro do operacional do investidor, seja no curto ou longo prazo.
Vamos supor que o investidor tenha realizado uma operação de compra ou venda, porém o mercado não
se movimenta como o esperado segundo nossas expectativas acionando nossa parada de proteção. Isto
indica para as seguintes variáveis:

▪ Sua premissa comercial estava equivocada quanto o comportamento futuro dos


preços, o que consequentemente levou ao acionamento do stop de proteção.
▪ Sua premissa sobre o comportamento futuro estava correta, porém dado as
flutuações o momentum do mercado muda drasticamente eliminando o investidor
de uma determinada operação.

Processo de negociação

1. Quanto estou disposto a perder por


completo

2. Ponto estratégico para o stop de


proteção

3. Não deslocar o stop sem qualquer


sinal técnico

4. Gerenciamento da operação e
saída

Durante o capítulo acrescentei alguns métodos de gerenciar seu stop de proteção, meios capazes de abrir a
mente dos investidores sobre a importância de um stop bem planejado tecnicamente. Vamos examinar cinco
tipos diferentes de ordens de parada e cenários de mercado, ambos com a proposta de auxiliar na tomada de
decisão dos investidores.

1. O erro que todos cometem.


2. A regra da barra de força.
3. Além do ponto de equilíbrio.
4. Trailing stop.
5. Condução MM9.

Acredito não haver métodos de abordar o stop de proteção mais eficazes do que este, não é simplesmente
abir uma posição e colocar o stop de forma demasiada sem compreender o porque do stop estar posicionado
neste patamar de preço. Uma das lições mais difíceis que aprendi durante os anos foi a paciência, isto é
dificilmente ficava em uma operação por muito tempo quando o mercado andava a meu favor mostrando um
lucro atraente, é neste aspecto que optei por incrementar esses modelos no qual as pessoas sintam-se seguras
para trabalharem seus stops de proteção.

Outro ponto muito importante é ter timing de mercado e identificar quando os preços demonstram fraqueza
na continuação do movimento, ou seja, encerre a negociação quando uma barreira de memória começar a
travar o deslocamento dos preços, não fique torcendo para que o movimento siga adiante, haja com consciência
de acordo com os sinais técnicos gerado pelos gráficos.

267
O erro que todos cometem

Acredito eu que muitos iniciantes ou até mesmo traders experientes com anos de mercado já cometeu erros
com os stops em suas operações, o sentimento de cobiça e a ganância muitas vezes influenciam o modo
de pensar e agir das pessoas, o fato é enquanto o imediatismo estiver na frente da razão as tomadas de
decisões serão sempre equivocadas. Na maioria das operações o único objetivo dos traders é extrair lucros
do mercado deixando de lado a premissa de que antes de pensar no retorno, é necessário operar com
profissionalismo e dedicação.

Quando realizamos uma operação de compra ou venda temos que ter em primeiro lugar o ponto
estratégico para colocar o stop de proteção, e somente depois dos pontos identificados iniciamos uma
operação. O problema se dá quando o trader não aceita a perda durante o desenrolar da operação, por
exemplo: Vamos supor que uma operação de compra foi realizada com o stop de proteção devidamente
posicionado no gráfico, porém o mercado não anda a favor e logo começa a voltar contra ameaçando as
proximidades do stop de proteção, neste cenário o trader preocudado com a possibilidade da operação se
tornar perdedora começa a manipular o stop mudando de lugar, ou seja, aumentando o risco da operação
saíndo totalmente do seu gerenciamento de risco. Este tipo de situação jamais deve ser feito ou até mesmo
pensado, coloque na operação apenas o capital que você aceite a perder por completo.

Entrada de
compra

Stop indisciplinado 2 operação


Stop inicial 1 dentro do C perdora fora do gerenciamento.
gerenciamento de risco

S1

S2

Entrada de compra B C

C
A C
C
Stop indisciplinado 2
Stop inicial 1 dentro do operação perdora fora do
S1 gerenciamento.
gerenciamento de risco S2 Operação perdedora S3

Exemplo A: No exemplo acima temos um gráfico de 5 minutos testando nível de suporte, conforme os preços
deixam uma vela de retomada demonstrando rejeição na faixa de suporte, uma operação de compra é iniciada
com o stop de proteção um tick abaixo da sombra inferior da vela martelo.

Exemplo B: O mercado anda a favor por um pequeno período, mas logo começa a mostrar sinais de rejeição
revertendo seu movimento, neste víes negativo dos preços o trader começa a se sentir ameaçado e o
sentimento de medo toma conta na operação. Conforme o mercado se desenvolve negativamente o trader
indicisplinado altera o stop de lugar desespeitando seu gerenciamento de risco.

Exemplo C: A cada movimento de queda dos preços o stop de proteção era alterado aumentando cada vez
mais o valor da perda na operação, o trader não quer aceitar que errou em sua análise e insiste em lutar contra
as forças do mercado. A operação é encerrada em S3 o que de fato se tornou um trade com um prejuízo muito
maior do que manter o stop de proteção em seu lugar recomendado de acordo com o gerenciamento de risco.

268
Capítulo
282

MOL- Manual de Operações Lucrativas


Ação do preço sobre as retas
tendências

Uma das ferramentas mais simples e eficaz que um grafista pode usar para trabalhar sobre a ação e estrutura dos
preços se trata das linhas de tendências, durante toda a abordagem dos exemplos vou me referir as linhas de
tendências como reta tendência, ou seja, reta suporte para movimentos de alta e reta resistência para movimentos
de baixa, não há nada em especial por trás disso, trata-se apenas de uma preferência minha em chamar as linha
de tendência.Essas retas podem ser muito úteis para identificar a direção e o comprimento de uma determinada
tendência.

O rompimento de uma reta com características de memóra para o mercado pode sinalizar uma possível reversão
de tendência, em suma essas retas plotadas nos gráficos nos dão uma referência visual simples e objetiva dos
estoques em questão e se estendermos essas retas além da borda direita dos gráficos teremos um mapa visual
de onde o estoque é provável que troque em um futuro próximo, bem como é através é através delas que
conseguimos identifcar triângulos e demais figuras conhecidas da análise técnica clássica. Assim as retas suportes
e retas resistências desenhadas de modo correto nos gráficos é uma ferramenta inestimável para ajudar a realizar
negócios lucrativos no mercado.

A proposta do capítulo é aplicar métodos e uma leitura objetiva trabalhando sobre a ação dos preços conforme
o mercado supere as retas com o apoio alternativo das médias móveis, trabalhando sobre cada detalhe possível
afim de evitar tomada de decisões equivocadas por parte dos comerciantes. Cada detalhe foi minunciosamente
selecionado para uma análise de maior assertividade em cada movimento. Nenhuma tendência de negociação
existe até que uma reta possa ser colocada no gráfico que intercepta pelo menos três pontos de preço. Podemos
ter diversas retas plotadas nos gráficos servindo como pontos extremos de suportes e resistências, todos sabem
que desenhar uma retaé simples, porém é necessário trabalhar a ação dos preço durante a fase de rompimento.
Reta interna
Rompimento

Reta externa

Reta interna

Reta interna
Rompimento com
pullback testando a reta
Rompimento suporte externa

Reta externa

Reta externa Reta externa

Rompimento Rompimento

Reta interna
Reta interna

→ Cada exemplo selecionado acima mostra as características das retas interna e externa, note que para os
preços confirmarem um rompimento válido é necessário superar as duas retas, por exemplo, os preços podem
superar as duas retas e realizar o processo de pullback somente na reta externa o que modo direto torna o
sinal ainda mais forte. A distância entre as duas retas é outro aspecto a ser observado pelos comerciantes,
dado que este afastamento pode sugerir um grau de maior dificuldades para o mercado superar este patamar,
lembro que está abordagem pode ser realizada em qualquer timeframe, porém é necessário estar atento aos
ruídos na quantidade de velas formadas em tempos gráficos menores.

285
Reta Pullback

Nesta configuração quando as retas são superadas os preços ameaçam seguir no movimento do
rompimento, porém logo começa a hesitar voltando a realizar o teste sobre a reta que foi rompida , após o
teste o mercado acelera seu movimento em uma nova tendência tendo como apoio o conjunto de médias
móveis. O pullback é uma espécie de recuo como descanso do mercado para impulsionar o movimento, é
justo neste intervalo que todo comerciante se preparam para uma possível tomada de decisão buscando
uma operação com nível de assertividade.

Quando o mercado atinge um potencial nível de suporte e resistência após o rompimento e começa a
iniciar um movimento de reversão, logo pensamos na possibilidade de um pivot que possa se formar seja
de alta ou baixa, com uma reta bem desenhada pegando todos os pontos de maior relevância no gráfico, a
formação do pivot ocorre sobre está linha formando um pullback com várias características. Essas retas
são auxílio técnico indicando potenciais pontos sobre a ação do preço, uma abordagem simples que pode
servir de grande valia quando combinada em um contexto favorável de mercado.

Reta suporte pullback Reta resistência pullback

Características do modelo:

• A formação dos pullbacks tendem a gerar boas oportunidades de comércio quando bem
encaixado em um contexto favorável de mercado.
• Analisar o posicionamento das médias móveis que em determinado movimento tendem a servir
como suporte e resistência dinâmicos para os preços durante o processo de pullback. Conforme
os preços avançam durante a superação das retas logo ficamos atentos ao processo corretivo
que pode ser gerado em cima das médias.
• Analisar o volume de negócios durante o processo de rompimento.
• Movimentos de pullbacks sobre as retas ganha maior relevância em gráficos com
periodicidades maiores, dado que podemos diminuir a quantidade de ruídos durante a ação dos
preços. Porém em qualquer tempo gráfico o movimento pode ser formado e operado, o
recomendado é acompanhar a força da reta para que de modo objetivo o rompimento seja
validado.
• Somente abra uma operação baseada no modelo quando o seu gerenciamento de risco
permitir, procure identificar um ponto estratégico para a colocação do stop de proteção.

Reta resistência Reta pullback

Reta pullback

Reta suporte

291
Monitorando a contagem de ondas

O mercado é dinâmico semelhante a uma lagoa, os principais eventos que ocorrem durante o dia são como
grandes pedras arremessadas na lagoa, ou seja, essas pedras vão enviar ondas e os pontos mais
significativos são encontrados onde as ondas se cruzam, porém ao mesmo tempo diversas pedras menores
serão arremessadas na lagoa criando novos eventos, por exemplo, notícias, um corretor preenchendo uma
grande ordem institucional ou até mesmo uma reação do investidor a eventos dado a um seguimento
específico do mercado.

Cada uma das pedras desenvolve ondas de sua própria magnitude, quando arremessadas na lagoa
aumentam as ondulações até que outra onda se choque contra ela, lembre-se a lagoa não começa o dia
em uma superfície lisa ou indeformada, existem coisas maiores puxando e empurrando essas ondas.
Quando falamos em monitorar a contagem das ondas, é compreender como ocorre o comportamento
comparando determinado tempo gráfico, por exemplo, se um gráfico de 15 minutos estiver com cinco ondas
provavelmente em um gráfico de 30 minutos teremos a formação de uma onda. As oportunidades surgem
conforme usamos essas informações a nosso favor.

Regras básicas de aplicação da ferramenta Fibonacci:

• Desenhar sempre da esquerda para direita.


• Sempre desenhar em direção da tendência.
• O•ponto final será a alta de uma tendência ascendente ou baixa de uma tendência descente.
• O ponto inicial é aonde começa a quebra de uma nova tendência de baixa ou alta.

Monitorando as ondas:
• Usamos dois ou mais timeframes para realizar a contagem das ondas, identificando a relação entre todos
eles
• Importante e eficaz meio para identificar a tendência de um determinado ativo.
• Identificar uma onda de retrocesso menor em cima de uma onda de impulsão maior.
• Aprendendo a monitorar as ondas o comerciante praticamente terá em mente aonde determinado nível
de Fibonacci possa estar posicionado servindo como potencial nível de suporte e resistência para os
preços.

3
Para a primeira análise foram selecionados dois gráficos
com periodicidade diferente para a comparação na
formação das ondas, perceba no exemplo o mercado em
1
uma clara tendência de alta com as médias móveis de 9 e
20 períodos em movimento ascendente, observe que
neste tempo gráfico temos a formação de 3 ondas que vai
2 do dia 10 de abril até aproximadamente 24 de abril, tenha
em mente que a proposta do exercício é monitoras a
formação das ondas em tempos gráficos alternados.

5
3 Continuando no mesmo ativo, porém mudamos o tempo
gráfico para 60 minutos. Perceba as ondulações dos preços
formando várias ondas, combinação de avanços,
1
retrocessos e novamente avanços, são cinco ondas
4 formadas trabalhando sobre o conjunto de médias móveis
ascendentes. Este meio de analisar a contagem das ondas
2 Gráfico 240 minutos pode proporcionar ao comerciante oportunidades de
comércios na formação das ondas menores geradas em
movimentos gráficos maiores.

302
Avanço

Primeiro vamos relembrar o básico sobre o processo de retração dos preços sobre os níveis de Fibonacci,
essas retrações que a maioria dos comerciantes estão familiarizados são chamadas de processo interno,
ou seja uma pequena correção inferior a 100% buscando preços alvos que impulsione o mercado para a
sequência do movimento. A análise tradicional dos ciclos de mercado também assume que a duração do
ciclo é estática e por tanto o ciclo continuará indefinidamente no futuro.

Preços e ciclo de volatilidade mudam com o tempo, o que pode ter sido um ciclo bastante regular no
passado pode não ser mais evidente na atividade recente do mercado. A maioria dos altos e baixos
corretivos são formados em proporções muito próximas das seções recentes da tendência, por exemplo
uma correção de tendência para touros ou ursos é geralmente completa em 38,2%, uma zona ampla de
grandes probabilidades para os preços. A maioria dos comerciantes não compreendem a maneira correta
de aproveitar uma correção dos preços, identificar se realmente aquele nível dado as probabilidades do
mercado irá segurar os preços servindo como suporte e resistência, por isso incluímos na análise algumas
variáveis que possam auxiliar na tomada de decisão.

Os níveis utilizados para a correção dos preços são:

• 38.2%, 50% e 61.8%

Na análise aplicamos o conjunto das médias móveis como tem sido nos capítulos anteriores, precisamos
identificar a tendência do mercado e aumentar as probabilidades quanto ao teste dos preços sobre
determinado nível de Fibonacci, evitando assim operações arriscadas baseadas exclusivamente na
ferramenta sem contexto de mercado.

306
Ponto para abertura
de comércio

Continuação do movimento

Vamos começar analisando a formação do avanço pelo lado da ponta compradora, no exemplo o mercado está
em um forte movimento de alta com as médias móveis ascendente. Observe que a média móvel de 50 períodos
está posicionada exatamente em cima do nível 38.2 de Fibonacci, ou seja, temos nesta faixa de negociação um
importante sinal para a continuação do movimento dado a memória compradora, mesmo com os preços
ensaiando uma correção a M20 continua bem acima sem acompanhar a correção.

Na continuidade do movimento percebe-se que os preços após testarem o nível de 38.2 junto á média móvel
de 50 períodos seguem em alta respeitando o avanço, veja que o novo movimento de alta começa a ser formado
acima das médias de 9 e 20 períodos. A flecha em vermelho no gráfico sinaliza para uma possível abertura de
comércio sempre apoiado pelas médias móveis em um contexto favorável.

Abertura em gap

Continuação do movimento

Vamos a mais um exemplo com o mercado em tendência de alta, porém agora percebe-se que aplicamos o
avanço em dois dias com o mercado abrindo em gap de alta, veja que os preços ensaiam um declínio após a
abertura em gap segurando exatamente no nível de 38.2 apoiado novamente pela média de 50 períodos, isso
significa que os preços obrigatoriamente vai parar nesta região ? é claro que não, mas temos alguns fatores a
favor. Podemos começar abordando os fatores que nos faz acreditar na continuação do movimento de alta,
sempre trabalhando com as probabilidades do mercado.

• Mercado em tendência de alta.


• Conjunto de médias móveis ascendente.
• Declínio sobre nível de 38.2 apoiado pela média de 50 períodos.

Ponto chave

A retração de Fibonacci é útil para prever um certo movimento de preço para


uma possível continuação de tendência de longo e curto prazo. Sua utilidade
também é limitada quando os preços sofrem muitas oscilações.

307
Conclusão

7
Após um longo período de minha vida dedicado a este livro, o sentimento de satisfação e realização é
enorme, principalmente pelo fato de ser um trabalho complexo e repleto de detalhes técnicos. Já fizeram
um exame de consciência e chegaram a conclusão que não importa a ferramenta que usamos ou qualquer
que seja o método de operar, buscamos sempre o mesmo resultado procurando entender o comportamento
dos preços. O leitor do livro deve entender que tudo o que é professado, declarado e até as vezes
apresentado como fundamental fato, representa apenas a visão do autor sobre as coisas, e cada leitura é
bastante pessoal, ou seja, não importa quão boa seja sua abordagem particular ou até mesmo o
maravilhoso registro estatístico, em um esquema maior das coisas nada mais é do que um instantâneo da
observação pessoal, você pode aprender as minhas abordagens, porém o timing de mercado é algo muito
pessoal que a pessoa desenvolve com o tempo.

Posso dizer com toda certeza do mundo que este projeto mudou minha percepção de enxergar o
mercado, me fez correr atrás de novos conhecimentos todos os dias e entender que não é simplesmente
sentar na frente dos gráficos e operar, é necessário ter a consciência que o aprendizado torna-se um dos
aspectos fundamentais e principalmente o fator psicológico, descansar a mente ter uma vida social, praticar
exercícios matinais bem como uma alimentação saudável são fatores para o trader maximizar sua
produtividade dentro das suas operações. Estar em paz consigo mesmo com a consciência tranquila, os
seus resultados tendem a estar além de suas expectativas.

O livro não tem como objetivo induzir o trader a realizar operações somente baseada no conteúdo
apresentado no material, mas sim mostrar leituras abrangente do mercado capaz de abrir uma porta para
a pessoa que absorve o que tento passar no livro, é necessário sempre buscar informações e entender que
o mercado é uma escola aonde todos os dias aprendemos conteúdos novos e obviamente aprendendo a
lidar com o próprio emocional. O maior legado que um uma pessoa pode levar com um projeto bem
realizado é a auto realização profissional e pessoal, entender que a caminhada é longa e cansativa, mas
no final todo o esforço é recompensado quando há merecimento. Bom eu vou continuar tomando minha
xícara de café todos os dias, buscando evoluir como Trader e também como pessoa, estudando e me
dedicando para que futuramente novos conteúdos sirvam de auxílio para outros profissionais que trilham o
mesmo caminho que o meu, tenha em mente que ser trader não é uma profissão e sim um privilégio para
aqueles que se auto respeitam, e o principal de tudo respeitem o mercado que é soberano.

329
Bibliografia

Estratégias Operacionais de Análise Técnica de Ações. (Alexandre Fernandes)

Fundamentos de Análise Técnica de Ações (Alexandre Fernandes)

Anna Coulling (A complete Guide To Volume Price Analysis)

Alan S. Farley (The Master Swing Trader)

Alexander Elder (Trading Divergences)

Alexander Elder (Como SeTransformar Em Um Operador de Sucesso)

Alexander Elder (Aprenda a operar no mercado de ações)

Alexander Elder (The New Trading For a Living)

Larry Williams (Long-term Secrets to short-term Trading)

Thomas N Bulkowski (Encyclopedia of Chart Patterns Second Edition)

Thomas N. Bulkowski (Getting Sttarted in Chart Patterns)

Thomas N. Bullkowski (Encyclopedia of Candlestick Charts)

Thomas N. Bullkowski (Swing And Day Trading)

Márcio Noronha (Análise Técnica, Teoria, Ferramentas e Estratégias)

Andrew Abraham (The Bible Of Trend Following )

Perry J. Kaufman (A short Course in Technical Trading)

Perry J. Kaufman (Trading Systems and Methods)

Perry J. Kaufman (New Trading Systems and Methods)

Gregory L. Morris (Candlestick Charting Explained)

George Lindsay (And The Art Of Technical Analysis)

Oliver L. Velez (Power Trading)

trade Oliver Velez (Strategies for Profiting on every)

Oliver Velez & Greg Capra (Tools And Tactics Master Day Trader)

Fari Hamzei (Master Traders )

George A. Maclean (Fibonacci and Gann Applications in Financial Markets)

Jake Bernstein (Strategic Futures Trading)

John J. Murphy (Trend Forecasting With Technical Analysis)

John J. Murphy (Technical Analysis Financial Markets)

John J. Murphy ( Trading With Intermarket Analysis)

Joe Dinapoli (Trading With Dinapoli Levels)

Joh L. Person (Candlestick And Pivot Point Trading Triggers)

Martin Pring (Market Momentum)

Marting Pring on Price Patterns

Bob Volman Understanding Price Action)

330
Steve Nison (Japanese Candlestick Charting Techniques)

Adam Grimes (The Art And Science Of Technical Analysis)

Tina Logan (Getting Started in Candlestick Charting )

Adventures of a Currency Trader (Rob Booker)

How To Make a Living Trading Foreign Exchange (Courtney D. Smith)

Ed Ponsi (Patterns Probabilities)

Ed Ponsi ( Technical Analysis and Chart Interpretations)

John F. Carter (Mastering The Trade)

Lewis Borsellino (Day Trader`s Course)

Mike Bellafiore (One Good Trade)

Forex Trading Strategies (Michael Duane Archer)

Technical Trading Mastery (Chris Vermeulen)

The Daily Trading Coach (Brett N. Steenbarger)

Trade The Trader (Quint Tatro)

O Operador Disciplinado (Mark Douglas)

Dynamic Technical Analysis (Philippe Cahen)

A Trader’s Money Management System (Bennett A MCDowell)

Explosive Stock Trading Strategies (Dr Samir Elias)

The Universal Principles Of Successful Trading (Brent Penfold)

How to Beat the Market Makers (Fausto Pugliese)

Beat The Forex Dealer ( Agustin Silvani)

Breakthrough Strategies for Predcting Any Market ( Jeff Greenblatt)

A complete guide to the Futures Market ( Jack D. Schwager)

Commitments Of Traders (Floyd Upperman)

De Mark Indicators (Jason Perl)

Day Trading With Short Term Price Patterns And Opning Range Breakout ( Toby Crabel)

Contrarian Ripple Trading ( Aidan J. MCNamara, Martha A. Brozyna)

Evidence-Based Technical Analysis ( David R. Aronson)

Full-View Integrated Technical Analysis (Xin Xie)

Following The Trend ( Andreas F. Clenow)

L’art du Trading (Thami Kabbaj)

Essential Technical Analysis (Leigh Stevens)

331
Proftable Day and Swing Trading (Harry Boxer)

Profitability and Systematic Trading (Michael Harris)

Trade Like a Pro (Noble Drakoln)

Technical Analysis Power Tools For Active Investors (Gerald Appel)

Technical Analysis Trading Professional (Constance M. Brown)

Technical Analysis for Direct Access Trading (Rafael Romeu & Umar Serajuddin)

Technical Analysis for Algorithmica Pattern Recognition (Prodromos E. Tsinaslanidis)

Strategies for the Online Day Trader ( Gonzales, Fernando, Rhee, Willian)

Sniper Trading Workbook (George Angell)

Secrets Of the Trading Pros (H. Jack Bouroudjian)

The Mental Strategies of Top Traders (Ari Kiev)

The Forex Chartist Companion ( Michael Duane Archer and James Lauren Bickfor)

Technical Analysis Of Stock Trends (Robert D. Edwards and John Magee)

Getting Started in Candlestick Charting (Tina Logan)

Timing the Market (Curtis M. Arnold)

Timing The Market (Deborah Weir)

Timing Solutions For Swing Traders (Robert T.H. Lee, Peter A. Tryde)

The Secret Science Of Price and Volume (Timothy Ord)

Trading Beyound The Matrix ( Van K. Tharp, PHD)

Trade Your Way To Financial Freedom (Van K. Tharp)

Trade Like Jesse Livermore (Richard Smitten)

Trade Like an O’Neil Disciple (Gil Morales e Dr. Chris Kacher)

Trading Triads (Felipe Tudela)

High Probability Trading Strategies ( Robert C. Miner)

A Technical Approah To Trend Analysis ( Michael C. Thomsett)

Winnning the Day Trading Game (Thomas L. Busby)

Winning Edge Trading (Ned Gandevani)

Trading the Measured Move ( David Halsey)

Day Trading Stocks the Wall Street Way ( Josh Dipietro)

Day Trading For Dummies ( Ann C. Logue)

Technical Analysis ( Julie R. Dahlquist, Charles D. Kirkpatrick)

How To Trade The New Single Stock Futures (Jake Bernstein)

332