Você está na página 1de 7

ANEXO 13

Página 1

NOTA TÉCNICA – Estima o impacto da Lei Estadual no 7.628/2017 – Reforma das


Pensões Previdenciárias

I. Introdução

A Lei Estadual nº 7.628/2017 alterou diversos pontos da legislação


previdenciária do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro -
RPPS-RJ. Todavia, ela não alterou a concessão dos benefícios de pensão por morte, que
continuarão sendo concedidos para os dependentes, definidos por lei, dos servidores
ativos e inativos do Estado do Rio de Janeiro em caso de falecimento do servidor
segurado.

Entre as diversas alterações contempladas nessa Lei, uma será objeto de análise
desse estudo, que é a mudança em relação ao tempo de duração do benefício de Pensão
por Morte para os cônjuges de servidores civis segurados (exceto área da Segurança). O
principal objetivo desse trabalho é mostrar o impacto financeiro da alteração
selecionada como objeto desse estudo.

Para contextualizar a definição da medida que foi escolhida como objeto de


análise desse trabalho, cabe relembrar que a Lei nº 7.628/2017 foi derivada do Projeto
de Lei (PL) nº 2.884/2017. O texto original do PL nº 2.884/2017 previa inicialmente que
todos servidores do RPPS-RJ tivessem o tempo de duração do benefício de Pensão por
Morte de seus cônjuges condicionados à idade desses dependentes. Todavia, o texto
final da Lei nº 7.628/2017 aprovado pela ALERJ retirou os pensionistas das carreiras da
área da Segurança dessa nova regulamentação. Segue abaixo trecho da lei que excetua
os servidores da área da Segurança dessa nova regulamentação:

“§ 8º - Não se aplica a restrição referente ao número de contribuições mínimas


previstos no Inciso II, letra “d”, bem como os períodos estabelecidos pela letra “e” do
mesmo inciso, sendo as pensões sempre vitalícias, às pensionistas de servidores das
seguintes carreiras:

I - Policiais Civis
II - Policiais Militares
III - Bombeiros Militares
IV - Inspetores de Segurança e Administração Penitenciária
V - Agentes Socioeducativos”.
ANEXO 13
Página 2

II. Metodologia

A Lei Estadual nº 7.628/2017 inseriu a seguinte previsão ao art. 18 da Lei


Estadual nº 5.260/2008:

“Art. 18. O dependente perde a qualidade de beneficiário da pensão por morte:


...
II- no caso de cônjuge, companheira ou companheiro e parceiro homoafetivo:
...
e) transcorridos os seguintes períodos, estabelecidos de acordo com a idade do
beneficiário ao término do ano do óbito do segurado, se o óbito ocorrer depois de
vertidas 18 (dezoito) contribuições mensais e pelo menos 2 (dois) anos após o início do
casamento ou da união estável:
1) 3 (três) anos, com menos de 21 (vinte e um) anos de idade;
2) 6 (seis) anos, entre 21 (vinte e um) e 26 (vinte e seis) anos de idade;
3) 10 (dez) anos, entre 27 (vinte e sete) e 29 (vinte e nove) anos de idade;
4) 15 (quinze) anos, entre 30 (trinta) e 40 (quarenta) anos de idade;
5) 20 (vinte) anos, entre 41 (quarenta e um) e 43 (quarenta e três) anos de
idade.”

Para auferir a estimativa de impacto financeiro dessa medida foi considerado que
os futuros pensionistas abrangidos por essa nova legislação, isto é, os cônjuges
dependentes dos servidores civis falecidos, exceto da área de Segurança, não mais
receberiam necessariamente o benefício de pensão de forma vitalícia e sim de forma
condicionada à sua idade quando do óbito do instituidor da pensão. Para o cálculo do
impacto financeiro dessa medida foram utilizadas as projeções de novos pensionistas
constantes no Relatório de Avaliação Atuarial 2017 (Exercício 2016)1 e considerou-se
que a idade do cônjuge quando do óbito do servidor falecido seguirá a distribuição
histórica dos pensionistas do Rioprevidência.

Assim, projetou-se a série futura de economia estimada com essa medida


comparando o novo cenário, já com o tempo de usufruto da pensão por morte,
condicionado à idade do pensionista cônjuge ao cenário base, isto é, o cenário antes da
aprovação da Lei 7.628/2017, com as pensões desses cônjuges ainda com usufruto

1
Disponível em:
https://www.rioprevidencia.rj.gov.br/cs/groups/public/documents/document/cnbf/mde3/~edisp/rp_017246.pdf
ANEXO 13
Página 3

vitalício. Portanto, o valor do impacto financeiro calculado refere-se à diminuição do


tempo de recebimento do benefício de pensão por morte que deixará de ser pago a partir
da vigência dessa nova lei.

Desta forma, segue abaixo a estimativa do impacto financeiro (economia) dessa


previsão, levando em conta que apenas os servidores civis, exceto os da área da
Segurança, serão afetados por essa medida:

Exercício Economia Exercício Economia


2018 R$ 0,00 2030 R$ 8.930.938,50
2019 R$ 0,00 2031 R$ 11.879.761,04
2020 R$ 0,00 2032 R$ 15.380.016,37
2021 R$ 52.579,25 2033 R$ 20.989.004,60
2022 R$ 160.590,38 2034 R$ 28.822.719,95
2023 R$ 329.544,18 2035 R$ 39.071.371,96
2024 R$ 694.725,57 2036 R$ 51.871.115,81
2025 R$ 1.267.170,81 2037 R$ 67.370.188,92
2026 R$ 2.064.769,70 2038 R$ 86.666.784,25
2027 R$ 3.100.798,87 2039 R$ 109.968.120,88
2028 R$ 4.572.431,70 2040 R$ 137.523.793,67
2029 R$ 6.504.313,92

Pela análise dos resultados estimados acima, essa medida terá impacto nulo para
os cofres do Estado nos três primeiros anos de vigência, a partir de quando então
começará a surtir efeitos financeiros positivos para o RPPS-RJ. Esse efeito financeiro
será paulatinamente maior conforme o passar dos anos e conforme as novas faixas de
tempo de recebimento da Pensão por Morte forem atingidas (6, 10, 15 e 20 anos).

Além dos impactos financeiros e atuariais positivos dessa medida, essa alteração
da legislação previdenciária visa principalmente corrigir disfunções do RPPS-RJ no
tocante à concessão de pensão por morte vitalícia para cônjuges de segurados que
possuem total capacidade laboral de (re)inserção no mercado de trabalho devido a pouca
idade, não justificando portanto a oneração dos cofres públicos estaduais com esse
grupo de indivíduos. Cabe ressaltar que o benefício de Pensão por Morte continuará
sendo vitalício para os cônjuges de segurados que tenham 44 anos ou mais e para todos
os cônjuges de segurados ligados à área da Segurança.

III. Memória de Cálculo e tabelas do Relatório de Avaliação Atuarial utilizadas


ANEXO 13
Página 4

Foi utilizada a base de dados dos pensionistas – Abril/2017 – SIGRH/RJ e


selecionados os pensionistas do tipo cônjuge ou equiparado, exceto os pensionistas
oriundos de instituidores de pensão da área da Segurança (PCERJ, PMERJ, CBMERJ,
SEAP e DEGASE). Após essa seleção, os pensionistas foram estratificados de acordo
com as faixas etárias dos pensionistas cônjuges quando do óbito do instituidor,
conforme item “e” do inciso II do Art. 18 da Lei Estadual nº 5.260/2008.
As projeções das novas pensões de cada Plano (Previdenciário e Financeiro)
foram transformadas em projeções de novos pensionistas, multiplicando-se pela as
novas pensões pela taxa atual auferida da proporção pensionista/pensão, a saber, 1,28
pensionista/pensão, conforme Anexo Único.
Foram utilizadas nos cálculos as seguintes Tabelas do Relatório de Avaliação
Atuarial 2017 (Exercício 2016):
- Anexo 3 - Projeções de Quantitativo de Participantes, Remuneração e
Benefícios e Fluxo de Caixa do Plano;
- Anexo 3a - Quantitativo de Participantes (Plano Previdenciário) – pág. 31 – 34;
- Anexo 7 - Projeções de Quantitativo de Participantes, Remunerações e
Benefícios e Fluxo de Caixa; e
- Anexo 7a - Quantitativo de Participantes (Plano Financeiro) – pág. 72 – 75.

IV. Riscos associados a não performance da medida

Uma contrarreforma na legislação previdenciária é o principal fator de risco


associado à possibilidade de não performance dessa medida, isto é, uma mudança nessa
legislação excetuando determinados grupos de segurados de serem afetados por essa
medida.

V. Conclusão

Pela análise das estimativas e projeções deste estudo, é possível afirmar que a
Lei nº 7.628/2017, no que tange à medida analisada, gerou um impacto financeiro
positivo para o RPPS-RJ no curto e no médio prazo, isto é, diminuiu as despesas
previdenciárias em relação à situação anterior a promulgação dessa Lei.
ANEXO 13
Página 5

Considerando o descrito anteriormente, a medida descrita irá impactar o Fluxo


de Caixa do ERJ mensalmente durante o período do Regime de Recuperação Fiscal da
seguinte forma a partir de janeiro de 2021:

Efeito no Fluxo de Caixa

Em R$ mil

2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023

Pensões Previdenciárias - - - - 52,6 160,6 329,5


ANEXO 13
Página 6

ANEXO ÚNICO – Memória de Cálculo

Do total das pensões, 33,11% são pensionistas cônjuges, objeto da Lei, ou seja,
do total de 89.452 pensionistas 29.620 são pensionistas cônjuges.

Total Pensionista 89.452


Beneficio Médio Pensionista R$ 3.588,57
Pensionistas cônjuges 29.620
Tx Pensionista/Pensão 1,281584

Proporção de pensionistas cônjuges por faixa etária.

Faixa de Idade do Tempo de recebimento


Pensionista Cônjuge benefício Pensões %
Menor que 21 3 97 0,33%
Entre 21 e 26 6 243 0,82%
Entre 27 e 29 10 338 1,14%
Entre 30 e 40 15 2.817 9,51%
Entre 41 e 44 20 1.753 5,92%
Maior que 44 Vitalício 24.372 82,28%
Total Geral 29.620 100,00%

Novos Pensionistas - número estimado de novas pensões acrescido da taxa de


número de pensionistas por pensão.
2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023
Novas Pensões 0 811 1.666 2.606 3.601 4.656 5.774
Novos Pensionistas 0 1.039 2.135 3.340 4.615 5.967 7.400

Despesa anual com as pensões por faixa etária.


Despesa
2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023
% por Faixa Etária Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto
0,33% R$ 0,00 R$ 52.579,25 R$ 108.011,13 R$ 168.953,79 R$ 233.462,24 R$ 301.860,65 R$ 374.343,51
0,82% R$ 0,00 R$ 131.719,15 R$ 270.584,59 R$ 423.255,37 R$ 584.859,02 R$ 756.207,61 R$ 937.788,38
1,14% R$ 0,00 R$ 183.214,29 R$ 376.368,70 R$ 588.725,58 R$ 813.507,61 R$ 1.051.844,32 R$ 1.304.413,47
9,51% R$ 0,00 R$ 1.526.966,46 R$ 3.136.776,96 R$ 4.906.627,11 R$ 6.780.032,32 R$ 8.766.406,69 R$ 10.871.398,68
5,92% R$ 0,00 R$ 950.220,87 R$ 1.951.995,04 R$ 3.053.360,78 R$ 4.219.168,14 R$ 5.455.275,45 R$ 6.765.197,69
82,28% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00
100,00% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00
Total R$ 0,00 R$ 2.844.700,02 R$ 5.843.736,43 R$ 9.140.922,64 R$ 12.631.029,33 R$ 16.331.594,72 R$ 20.253.141,73
ANEXO 13
Página 7

Despesa anual acumulada com as pensões por faixa etária.


Despesa Acumulada
2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023
% por Faixa Etária Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto
0,33% R$ 0,00 R$ 52.579,25 R$ 160.590,38 R$ 329.544,18 R$ 563.006,42 R$ 864.867,07 R$ 1.239.210,58
0,82% R$ 0,00 R$ 131.719,15 R$ 402.303,75 R$ 825.559,12 R$ 1.410.418,14 R$ 2.166.625,74 R$ 3.104.414,13
1,14% R$ 0,00 R$ 183.214,29 R$ 559.582,99 R$ 1.148.308,57 R$ 1.961.816,18 R$ 3.013.660,50 R$ 4.318.073,97
9,51% R$ 0,00 R$ 1.526.966,46 R$ 4.663.743,42 R$ 9.570.370,54 R$ 16.350.402,86 R$ 25.116.809,55 R$ 35.988.208,23
5,92% R$ 0,00 R$ 950.220,87 R$ 2.902.215,91 R$ 5.955.576,69 R$ 10.174.744,84 R$ 15.630.020,29 R$ 22.395.217,97
82,28% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00
100,00% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00
Total R$ 0,00 R$ 2.844.700,02 R$ 8.688.436,45 R$ 17.829.359,10 R$ 30.460.388,43 R$ 46.791.983,15 R$ 67.045.124,88

Despesa anual acumulada com as pensões objeto da Lei, por faixa etária
Despesa efetiva Lei nº 7628/2017:
2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023
% por Faixa Etária Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto Valor Bruto
0,33% R$ 0,00 R$ 52.579,25 R$ 160.590,38 R$ 329.544,18 R$ 510.427,17 R$ 704.276,68 R$ 909.666,40
0,82% R$ 0,00 R$ 131.719,15 R$ 402.303,75 R$ 825.559,12 R$ 1.410.418,14 R$ 2.166.625,74 R$ 3.104.414,13
1,14% R$ 0,00 R$ 183.214,29 R$ 559.582,99 R$ 1.148.308,57 R$ 1.961.816,18 R$ 3.013.660,50 R$ 4.318.073,97
9,51% R$ 0,00 R$ 1.526.966,46 R$ 4.663.743,42 R$ 9.570.370,54 R$ 16.350.402,86 R$ 25.116.809,55 R$ 35.988.208,23
5,92% R$ 0,00 R$ 950.220,87 R$ 2.902.215,91 R$ 5.955.576,69 R$ 10.174.744,84 R$ 15.630.020,29 R$ 22.395.217,97
82,28% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00
100,00% R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00
Total R$ 0,00 R$ 2.844.700,02 R$ 8.688.436,45 R$ 17.829.359,10 R$ 30.407.809,18 R$ 46.631.392,76 R$ 66.715.580,70

Economia com a aplicação da Lei – diferença entre a despesa anual da Lei e a


despesa acumulada.
Resultado
2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023
R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 0,00 R$ 52.579,25 R$ 160.590,38 R$ 329.544,18