Você está na página 1de 23

C6pianão autorizada

Cópia impressa pelo Sistema CENWIN

03.026
DESEMPENHO DOS CONTATOS DOS RELES EL6TRICOS
NBR 7098

Especificago DE211981
-

SUMARIO

1 Objetivo
2 Norma e documentos complementares
3 Definiqdes
4 Condi+ier.gerais
5 Condi@es especificas
ANEXO A - Tab&
ANEXO B - Circuitos de enraio recomendador
ANEXO C - Tabela
ANEXO D - Determinaqk dos resultados de ensaio
ANEXO E - M&do simplificado para a determinaq% das caracteristicas dos contaos

1 OBJETIVO

1 .l Esta Norma estabelece OS valor-es naninais, as condi@es de ensaio, 05 trite


rios basicos de falha, a determinafao e apresenta$ao das caracteristiras de de-
seimpenho dos con La tos

1.2 Aplica-se somerite a reles em estado de nova e abrange as prescriC&s funda-


mentais comuns aos reles normal izados.

1.3 Podem-se ,faier necessarias especifica@es adicionais no case de rel&s espe -


ciais ou para aplica~~es particulares.

2 NDRMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Na aplicagao desk Norma e~necessario consultar:

NBR 5426 - Pianos de amostragem e Drocedimentos na inspeG% par atributos -


Proced imento

NBR 5427 - Guia para utiliza$ao da norma NBR 5426 - Pianos de amostragem e
procedimento na inspeg% par atributos - Procedimento

Origem: ABNT EB-1018/81


CB-3 -- Cornit Brasileiro de Eletricidade
CE-3:41.7 - Cornis& de Estudo de Desempenhos de Contatos dos R&s Ektriaos

SISTEMA NACIONAL DE ABNT - ASSOCIACAO BRASlLilRA


METROLOGIA, NORMALIZACAO
DE NORMAS TECNICAS
E QUALIDADE INDUSTRIAL
@

Palavra-chave: rele I NBR 3 NORMA BRASILEIRA REGISTRADA

CDU: 621.318.5 Todor OS direitos rerervadot 23 P5ginas


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

2 NBR 7098/1981

NBR 5428 - Procedimento esLaL;stico para determinagao da validade de inspe~ao


par atributos feitas pelo fornecedor - Procedimento

NBR 5456 - Eletrotknica e eietronica - eletricidade geral - Terminologia

NBR 5453 - Eletrotknica e eletro^nica - manobra, prote$& c regulagem de cir-


cuito - Terminologia

NBR 5465 - Eletrotknica e eirtrcnica - rcles eletricos - Terminologia

IEC-85 - Recomendations for the classification of materials for insulation


of electrical machinery and apparatus in relation to their thermal
stability in service.

3 DEFlNlCdES

Para 05 efeitos desta Norma 5% adotadas as definitoes das NBR 5456, NBR 5453 e
NBR 5465.

4 CONDlC6ES GERAIS

4 1 Ya/aiorvs rK>rnilLcZ.? rPc[,.~ie~~i:'n;:'o.:~

0s valor-es nominais recomendados dos circuitos de con&to indicados de 4.1.1 a


4.1.4 Go 05 constantes das normas brasileiras de reles.

a) corrente continua: 12, 24, 48, 125, 220 e 250;

b) corrente alternada: 24, 48, 115/vq, 115, 127, 220 e 380 ("alores efica
-
zes)

4 1 .2 CorYwzteis nomi~lais

Para correntes nominais, em regime permanente, CA ou CC; 1; 1,25; 1,6; 2; 2,5;


3,15; 4; 5; 6,3 e 8 ou miltiplos e submfiltiplos decimais desses n;meros, em amp&-
re5.

11~0ta: Go preferidos OS valores sublinhados.

Nenhum valor 6 fixado para as capacidades nominais de estabelecimento, de inter-


rup~ao e de manobra.

OS valores preferidos 5% os sublinhados: 6; 30; 120; 600; 1200; 1800; 3600; -


6000; 7200; 12000; 18000; 36000; 45000; 72000; goooo; 108000; 144000; ~0000;
216000; 360000; 720000.

4.1 .4 Fator de carga fxn'a ri?@x? intmvitmti?

Salvo indica2.k em contrario do fabricante, o fator de carga para regime intermi


-
tente relative aos circuitos de alimentasao deve ser de 50%.

5 CONDlC6ES ESPECCFICAS

5.1 Condi&s de cnsaio


Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 7098/1981 3

5.1.1 General idades :


a) no in;cio de cada ensaio, o rel6, incluindo 05 contatos, deve EStaT “a-

condiC:o de efetivamente nova e limpo no que diz reswito ao ensaio em

quest%, salvo indicagao em contrario do fabricante;

b) o relb deve ser rmontado iomo previsto para o “so nor~wal, em sua caixa e
cm, a tampa colocada, se houver;

c) a temperarura ambientr para OS ensaios de rstabeIeciiilento,dP intrrrupCao


e de manobra deve ser esprcificada pelo fabricante e naz devr ser i nfe-
rior ao valor de referencia ;

d) a tempcratura ambiente para 05 ensaios de regime continua devc estar no Ii -


mite superior da faixa nolninal de temperatura;

e) “midade relaliva: 45% a 75%;

f) todos OS o”tros fatores e granderas de influsncia devem estar nos seu5 va


lores de refer?Zncia,de acordo corn a norma brasileira de relis,pertinenteT

g) a amosfera deve estar praticamente isenta de poeira e outros poiuentes;

h) quando “ma l”brifica$ao o” qualquer outra preparasao e’ recomendada pelo


fabricante, estas devem str realiradas antes de corne~ar o ensaio;

i) durante qualquer seq;‘cncia de ensaios, OS cantatas 6” devem ser I impos


nem tocados;

j) OS niveis dos ensaios nao develn ser superiores aos indicados pelo fabri-
cante. Devem ser tais q”e nao hajam efeitos prejudiciais par aquecimento
cumulative dos contafos o” par ioniza$ao cumulativa no interior da caixa
do rele;

k) ao ensaiar o rele coin cargas em CR, 5”~ opera& deve demonscrar que o fe
chamento o” a abertura mecanica dos conLaLos 550 aleatorios em rela~zo ati
ponro da onda (de tens:” para o estabelecimenro o” de c~orrente para a in-
terr”p+) ;

I) todos os dispositivos de prote$o especificados ou circuitos de sopro de


arco, que sao parte integrante do rel6, ou 520 indicados pelo fabricante
coma necessaries para certas caracteristicas de contato, deem estar mon-
tados durante os ensaios;

m) se o rele possui urn dispositivo ou circuit” para suprimir radio interfe-


rencia, tal dispositivo deve estar incorporado aos circuitos de contato
durante 05 ensaios;

n) par ocasiao dos ensaios de vida, o equipamento de ensaio deve prover o


grau de monitorira$ao e/au conlrole requeridos pelas condi$&s de ensaio;

o) o comprimento e a disposisao de todos os condutores do circuit” de ensaio


podem’afetar o desempenho dos contatos e devem ser montados mcdiantc acor
do entre o fabricante e o comprador. Cargas resist~ivas podern exigir con
dutores de ensaios curtos a fim de reduzir os efeitos capacitivos parasi-
tas.

0s condutores devem ter “ma sesao tal que nenhur aquecimento significat~ivo seja
transmitido ao conlato pelos condutores de ensaio o” vice-versa (ver tambern Ane-
xo B).

5.1.2 Circui%o de ennsaio

Salvo especifica+s em contrario, em norma brasileira especrfica do rel; 0 cir


cuito de ensaio dew ser 0 indicado na Fiqura 2 do Anexo B. As condignes de en
saio, v~Io~~s recomendados, etc., devem ser escolhidos, de prefercncia dentre
OS indicados no Capit” 4 e “a Tabela I do Anexo A. Podem, entretanto, ser “ti-
lirados outros valores, Par exeWl0 tens&s mais baixas para as categorias de n;
veis de servi$o I e II, -
dadas “a Tabela 2 do Anexo C.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

4 NBR 7098/1981

0 valor declarado para a corrente deve ser expresso em termos de regime permanen
-
te (valor cficaz em CA) no circuit0 de contato.

5.1.3.1 Rele de tudo ou nada:

a) granderas de alimenta@:
- para 05 ensaios de estabelecirwnto, de interrup& e de manobra, o rel;
dew ser al imentado corn 05 valore~ ncminais das granderas de al imenta-
$50 de entrada e auxi I iares (+- 2%);

- o valor de relaxamento especif icado da grandeza de al imentaG:o deve ser


indicado pelo fabricante;

b) polaridade: _
- onde nenhuma polaridade for indicada nos terminais dos circuitos de en
trada e/au no5 circuiros de contato, OS ensaios devem ser fei tos naS
condisoes de polaridade mais sevcras.

5.1.3.2 Rel&s de mediGac>:

a) grandera de al imentasao de entrada e granderas caracteristicas:

- mesmas condi+s que aquelas aplicjveis para os ensaios de durabilidade


mecsn i ca , nos reles de medi$ao;

b) grandezas de al imentagao auxi I iares:

- para o ensaio de capacidade de estabelecimento, de interrupcao e de ma-


nobra, o rele deve ser alimentado con, 05 valores nominais (+2x);
-
- para regime continua de urn contato normalmente aberto, o rel& de,ve 5er
alimentado no limite superior da faixa de operafao (+ 2%);
-
- a temperatura ambiente deve ser o limi~e superior da faixa nominal;

c) polaridade:

- onde nenhuma polaridade for indicada nos terminais dos circ,UitoS de


entrada e/au nos circuitos de contato, OS ensaios devem ser feitos nas
condi@es de polaridade mais xveras.

Urn contato sob ensaio apresenta falha quando ocorrem uma ou mais da5 seguintes
condi@s:

a) nilo 6 mais capaz de desempenhar o serviso requerido, nem satisfarer 50s


ensaios correspondentes;

b) surge qualquer uma das falhas enumeradas em 5.1.4.2;

c) provoca falha em outra parte do rel&.

5.1.4.1 Tipos de falha:

a) falha temporaria: falha que desaparece por si;

b) falha permanente: falha que nao desaparece por si.

5.1.4.2 Caracteristicas da falha:


a) rel& de tudo ou nada: faixa de opera~ao reduzida;
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 7098/1981 5

b) reles de mediGs (relativamente 5 grandera caracteristica) e o relF de


Kemp” especiricado (relativamente a” tempo especificado): “5 limites de
err” ultrapassam duas vezes o indice de: classe;

c) OS tempos de operas:“, de rearmc, de opera& o” de relaxamento, ultrapas -


sam “5 valores indjcados c”m was t”ler;ncfas;

d) circuit0 aberto “u au~r~ento da resistfnc,ia de contat” al& de U\I determina -


do I imi te;

rota: Enquanto nao houver valores normal irados da maxima resistencia de c”ntat”
” fabricante deve indicar ” maxim” valor de resistencia de c”ntato utili-
rad” na determinaG:o da falha de urn contato e as condi@es de ensaio (par
exemplo: tens50 e COrrente).

e) soldagem “u “utra forma de ader:ncia;

f-1 arc” mantid”;

g) falha do dieletrico, se ” circuito de c”ntat” na posisao aberto 60 z.u-


portar 75% da tensso de ensaio diel6trico especificada para ” rel6 e111 es-
tad” de n”v” (contra a terra, contra 0utr”s circuitos “u entre contatos
abertos) ;

h) falha da resistencia de isolamento, quando “5 valores das resistencias COT


respondentes descem a valores inferiores a IO% dos valores especif icador
para urn rele nov” nap normas brasileiras sobre reles;

i) s”breajuecimento,se qualquer isola$ao assoclada alcan~a temperaturas mais


altas que a classe a que pertence (ver n”rma IEC-85);

j) sinais de danificaG&s e/au de deformas& permanentes “u de al terqoes


nas partes componentes dos circuitos de contat” (par exemplo, c”nex6es)ou
de outras partes do ~16, causadas pelos ensaios dos contatos.

0 fabricanle deve indicar ” desempenho nominal dos contatos em term”5 de c”rren


te, tensao, tximero de opera@es, maxima freq%ncia de opera&s, taxa de falhas,
etc., nas condi$es de ensaio declaradas.

Para contatos operand” n”s circuitos de categoria de nyveis I e II iTabela 2 do


Anexo C) , podem ser dadas outras indica@%s suplementando “5 dados normais, P”r
exempl”: limitrs infe,riores de tensa” e de corrente, nljmer” de umanobras e taxas
de falhas para valores de tens& e de corrente fixados de c”mum acordo entre ”
fabricante e o comprador. As prescri+s para as capacidades de estabelecimento,
de interrupsa” e de manobra 5:” apl icaveis a cada contato separadanlentr e, para
regime continua, a pelo l11Wl”5 50% (ou 0 valor superior mais pr&imo se 0 n&wr”
de contat” for Ympar) de cada tip” de todos OS contatos normalmente abertos (ou
504 de Lodes “5 contatos normalmente fechados se este cas” for ” mais severe!.

Se um decrescimo ““5 valores nominais 6 necessari” quando varies contat” sao


carregados simultaneamente no seu valor nominal, isto deve ser declarado pelo fa
-
bricante.

Notas a)Para reles pequenos, corn caixa comportando muitos contatos, urn decresci-
m” nos valores nominais pode ser aplicado, se necessario, Segundo urn “u
mais dos seguintes metodos:

- uma freq;&cia de Opera$aO mais baixa para serviso periodic”, a fim


de evitar “ma ioniza+ cumulativa no interior da caixa;
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

6 NSF4 7098/1981

- e/au uma capacidade de corrente permanente mais baixa para limitar J eje
-
va+So de temperatura;

- e/au uma tensao nominal tmais baixa para evi tar ce”telhame”ta e”tre co”ta
tos de circuitos diferentes e carregados “as condisoes mais sever35 d<
polaridade;

b) pode ser necessario levar em considerasao a posigao fisica do (5) con La


-
to is) dcntro do rele.

5.2.1.1 Capacidade de estabelccimcnto

0 r-cl; deve fechar e suportar a corrente apropriada durante:

a) 200 “1s para categoria de nivel I I I;

b) 25 ms ou urn tempo igual ao fator de carga para regime intermitente (ver


4.1.4) dividido pela freqU&cia de opera@ks, tomando o menor dos dais
tempos para as categorias de nivel I ou II.

A carga deve ser resistiva tanto para corrente cont:nua coma pat-a correntr alter
nada e a corrente 60 deve ser interrompida pelo proprio contato, mas par mei~,s
independentes.

~~:oia: Outros valores podem ser estabelecidos mediante acordo entre fabricante e
comprador, quando se util izam circuitos de ensaios diferentes dos bprevis-
tos na Figura Zdo Anexo B e Tabela I do Anexo A.

EIII corrente continua, al&m da carga resistiva, deve-se considerat- a carga induti
va quando o tempo de vibragao for imaior que L/R. Neste ca~o, a corrente deve
ser interrompida depois de cinco vezes o valor L/R da carga.

5.2.1.2 cgpncidade de intcmup&

0 circuit0 deve ser fechsdo por meios independentes e OS contatos devem interron,
per a corrente apropriada, sendo a carga, salvo especificasao em contrario, indu -
t iva para corrente continua ou al ternada.

5.2.1.3 Cqacidade de nanobra


OS contatos devem estabelecer e interromper a mesma corrente, salvo esoecifica-
&3 em contrario, cwr uma carga indutiva em corrente continua e em corrente al-
ternada (as condi@es sao normalmente as mesmas que aquelas utiliradas para a
capacidade de interrup$ao).

ktu: Mediante acordo entre fabricante E comprador, pode-se especificar para o


estabelecimento uma corrente mais elevada qut para a interrupsao.

5.2.1.4 cqucidade continuu

0 circuit0 dew SET fechado e aberto por nieios independentes, salvo especificaGSo
e171 contrario, e OS contatos devem SuDortar a corrent~e apropriada, sendo a carga
resistiva em corrente continua e em corrente alternada. 0 ensaio deve pFosseg”ir
urn tempo suficiente que assegure o equilibria dos contatos.

5.2.1.5 Capacidade de curia du.ra&

0 circuit0 deve ser fechado e aberto por meios independentes e os contatoj devem
suportar a corrente apropriada por Is, salvo especificaqS0 em contr;rio, ccm ulna
carga resistiva em corrente continua e em corrente alternada.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

0 &todo rigoroso de determinack do desempenho dos contatos(ver 5.2.2.1)~~0l~e


inevi tavelmente urn ni~~nero consideravel de ensaios, 13~15 que podem fornecer re!?ul
tados que representam corn exatidao valores limite de desempenho de um dado contz
to, devendo o fabricante normalmente declarar as caracteristicas de acordo corn
este metodo. Em certos cases, os custoi implicitos no rnetodo rigoroso poden, nao
ser justificados; mas quando as circunstancias o
permitem, 6 poss;vcl user m&to-
dos mais sinples mediante acordo entre o fabricantc e o conprador. 0 Anexo E for
nece urn e,xemplo de urn metodo simplificado. Se urn metodo simplificado de determi-
na~ao for usado para a obtenjao do desempenho declarado, o fabricante deve des ~-
Cr?VE-IO.

5.2 .2. 1 ~&do de de%emimj& rigorosa

D metodo rigoroso de determina& do desempenho dos contatos se refere essential


mente aos ensaios de avaliagao da vida dos contatos prevista pelo projeto. A dz
termina$Zo, late por late, do desempenho dos contatos para a garantia de qualid;
de (ou ensaios de conformidade) esta em estudo. Atualmente esta determina$Zo <
feita Segundo acordo entre fabricante e comprador. Podem ser tomadas coma base
as norfnas NBR 5426, NBR 5427 e NBR 5428.Normalmente sao feitos dois tipos de de-
terminasso, uma basica e outra completa, como segue:

a) a determinaG:o bkica 6 exigida para todos OS ensaios de acordo car ’


5.2.2.1. 0 significado desta determinaG$o est; descrito no Anexo D:

- salvo acordo em contrario, em norma brasi leira especifica do re


I$ devem SET ensaiados 20 circuitos de contato. 0 numero de opera@es r
declarado deve ser inferior ao nkero de opera@ks que corresponde 2
primeira falha. Urn nfimero de operas6es declarado igual ao corresponden-
te a primeira falha (ver 5.1.4) imp1 ica nwa confiabil idade de aproxima
damente 89% (isto significa que meno~ que 11% dos circuitos de contato-
similares apresentarao falha). Este numero de operas&s declarado tern
urn nivel de confiansa associado de 90% (ver Tabela 3 do Anexo D).Se uma
Gnica falha aparece antes do nimero de manobras declarado, devem ser ‘en
saiados 20 contatos adicionais. Estes contatos devem entao funcionar T
sem falha, ao menos at6 se atingir o nfimero de operas&s declarado. Nes
te case para urn nivel de confian$a de 902, a conf iabi 1 idade 6 de aprox7 -
madamen te 88%;

- coma alternativa,o fabricante pode declarar,outros niveis de confiabili


dade corn outros niveis de confianca,mas ao menos dez circuitos de conta
to devem ser ensaiados. A rela~ao entre o tamanho da amostra, a conf iZ
bilidade e OS niveis de confianGa deveaestar de acordo corn o Anexo II; -

b) a determina@ completa (par metodos graficos) permite obter maiores in


forma+ (ver os do Anexo D). A fim de que seja possivel tirar CO”Cli
s&s por via estatistica corn um n?vel de confiansa suficientemente elevJ
do e imantendo os custos de ensaio Go baixos quanta possivel, 05 .cnsaios
devem, de preferencia, continuar at6 falhar a maioria dos contatos da a
mostra ou, se n.30 occ~rrerem falhas, at6 pelo menos trk veze~ o ntimero de
opera+s declarado.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

8 NBR 709811981

Quando se requerem infornra$oes detalhadas~ do deseurpenho dos contatos podr 5er


apresentada uma famil i3 de curves, de preferencia em esizala logaritrlica (ver Fi-
gura 2, a seguir) ou em tabelas apropriadas.

onde:

V,' V2' V3 = tens6es de ensaio iver 4.1);

N = nCm~ero exigido de opera@es dos contatos;

I = corrente de contato.

FIGURA 1 - Familian de curves (tens&s de ensai0)

tutus: a)[)eve-se ter o cuidado de tomar urn nfimero suficiente de pontos para o tra
gado das curva~ da Figura 1.

b) Informa@es adicionais devem ser acrescentadas a estas curvas ou tabelas


corrente continua ou alternada, carga resistiva ou reativa,
~~:;G:nl:':; opera+s, nivel de confian<a parrauna confiabilidade decla-
rada).
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 7098/1981 9

ANEXO A - TABELA

TABELA 1 - Caracteristicas dos circuifos de ensaio

Detalhes \/alores recoiwndados I


Niveis de
do -
serviGo
c i rcu i to Izonte de al imenta5.k
Taleranc ias Notas
de :ver Anexo (
I:orrente Corrente
ensa io C) :
c:ontinua al ternada

\Jalores preferidos e I Tens& entre


I e II 2 2%
terminais de
<,utros valores espe-
carga incluin
<zificados I I I -+ 5% do contato f;
-
chado

I._
Freqtiencia + 2%
I -
I

I e IIA L< R x IO-7o~ R g a resis-


I tencia de car
pelo menos
ga em ohms. -
-4
Carga iL$ 10 L 6 a indutan
cia de carga-
em Henrys
iL,< R x lO-6ou
resistiva
IIB e III 1 pel0 menOS
-4
L< IO

~ cos I$ = I ~ +o -0,Ol

j
!
+=0,0055 I e IIA -+ 152

carga
(A)
L
- =0,0405 IlBeIlI

I
R
indut iva

T
4 -+ 0,l

Car-g.3 60 I -i Somente a pe-


dido.Para ca-
near ou capa -
505 especiais;
citiva ver tallbe& 5.1

(A) Mediante acordo entre fabricante e comprador, podem ser admitidos valores
diferentes de 0,040 5.

/Anexo B
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

10 NBR 7098/1981
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 7098/1981 II

ANEXO B -- CIRCUITOS DE ENSAIO RECOMENDADOS

clrculto de contato
sob ensaio
chove de
controle r------

FIGURA 2 - Circuito de ensaio recomendado

Para valores recomendados e tolerancias para L/R ou cos $I, ver Tabela I, do Ane
-
x0 A.

B-l RESISTORES DE CARGA

A Go linesridade dos resistor-es devido ao coeficiente de temperatura ou par ou


-
tras raz&s nao deve ultrapassar 2%.

B-2 INDUTORES DE CARGA

A Go linearidade d3 curva de magnetiza& AB/B 60 deve ultrapassar 2%. incluin


do a i~nflue^ncia maxima da histtrese. Ntrcleos em “C”, COnl urn entreferro minim;
especificado e resistgncias em serie podem ser utilirados para reduzir a n& Ii-
nearidade.

Nota: A 60 linearidade AB/B deve ser determinada sobrc o lace do ciclo de histe
rese no ponto de trabalho B, traqando-se “ma paralela (b) 2 reta ideal (aT
tangente 5 curva de desmagnetizaqk do indutnr, obtendo-se AB conforme Fi-
gut-a 3.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 7098/1981
12

(b)

FIGURA 3 - Curva de magnetizqrio

B-3 CONDUTORES E ESQUEMA DE ENSAIO

!jr a fonte de ensaio 6 posta a terra par urn de seus poles, o contato sob cnsaio
deve ser Iigado ao polo que d; as condi@es imais severas (maior tempo de arco).
Ver tamb& 5.1.3.1 b) e 5.1.3.2 c). 0 comprimento dos condutores do circuit0 de
ensaio pode afetar as caracteristicas de desempenho dos contatos e deve ser fixa -
do mediante acordo entre o fabricante, e o colnprador.

/Anexo C
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 7098/1981 13

ANEXO C - TABELA

FABELA 2 - Niveir de servir@ para corrente continua e para.corrente alternada

NiKl T ensao C'orrente Campo de aplicask ou tipo do rele 1rensoes e cclrrentes


.

Baixo nivel
Corren~e baixa
< 0,ozv < 0,lA

I
I (A)
Fechamento e abertura interna em
equiparmento eleLr&ico

A) Telecomunica@es
6 a 60~; < 0,ZA
processamento de dados

0,oz B) Reles de rmedi$ao


Equipanentos domesticos
I I a < IA 24 a 25OV; < IA
Equipamentos de controlr
250v Sistemas de sinalizasao

A) Reles de tudo ou nada, par exem


24 a 600 V; O,I a
plo relgs de USI geral, reies -
0,oz de desligamento IOA
I II a < IOOA
600V B) Industrial
24 a 6~0 V; I a
Tr+3
ServiCo pesado IOOA
1

(A) A z~na inferior a 0,02 V e na faixa de 0,l a 1OOA nao 6 considerada na tabe -
la, uma vez que OS campos de aplicaG& 60 foram definidos.

r?o tn : Urn contato pode ser previsto para urn ou mais niveis de serviso DU pode a
branger somente uma parte de uma faixa de urn nivel de serviso.

/Anexo D
Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

14 NBR 7098/1981
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 7098/1981 15

.aNEXO 0 - DETERMINACAO DOS RESULTAOOS DE ENSAIO

‘D-l INTRODUCAO
As caracteristicas de desempenho de contatos declarados 520, em geral, baseadas
noi resultados de ensaios de rmontagens de contato simi Iares.

Tais ensaios sao necessariamente feitos sobre um nfimero limi tado de montagens de
contato e desses resultados deduzem-se as caracteristicas de desempenho de urn nG
rmero potencialmente grande de montagens, as quais nso podem ser todas ensaiadas:
wna vez que OS ensaios sSo destrutivos.

0 resultado final dos ensaios iniciais sera ~rna declarasao de caracteristicas de


desempenho, no5 segu i rites term05 gera i 5: “As caracteristicas declaradas (ou me-
Ihores) serao obtidas em x%, de todos 05 caso~, o que siqnifica uma confiabilida-
de de x%. Esta afirma$ao < feita car? urn nivel de confianta y%”

Contudo outran dedu@es valiosas podem ser tiradas dos resultados dos ensaios.

Quando urn fabricante deseja declarar o maior nknero possTvel de caracteristicas


de desempenho, a~ provase sobre as quais ira se basear, deverao evidentemente ser
[mais completas do que quando sao declaradas menos caracteristicas. Por esta ra
r:o,em 5.2.2,~s.k descritas duas tknicas complementares para determinar as ca
racteristicas de desempenho; designadas adiante por determinask basica e deter -
minaGS0 completa.

D-2 DETERMINACAO BASICA

A determina@o bjsica, adotada nesta recomenda$Zo, G baseada na primeira falha


da seqilsncia de ensaios que ocorre depois de atingido o nklero de opera@es de
clarado e nk assume nenhuma distribui$.k particular de falhas.

Em termos estatisticos, G urn mitodo de distribuigao I ivre, baseado na estatisti -


ca de primeira ordem.

A Tabela 3 dS a percentagem maxima estimada e da populagao que deve falhar sob


identicas condi@es de ensaio e projeto e urn dado nivel de confiansa y.(l)

TABELA 3 - Niveis de confianw

Tamanho da Valor maxima de p (em x) para urn


amostra ” nivel de confi;nGa y de:

50% 70% 80% 90%

IO 6,7 11 ,3 14,9 20,6

20 3,4 5,8 7,7 IO,9

!~&a: OS dados da Tabela 3 podem ser ampliados pelo use da seguinte formula:

y=l- l- p
100
( )
(1) Exemplo: Pode-se dizer, corn urn nivel de confian5.a de 90% que a popula+ da
qua1 uma amostra de 20 contatos 6 representativa, Go apresentara
rmais que IO,9% de falhas a urn numero de opera@es inferior aquela
para a qua1 a primeira falha apareceria na amostra.
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

16 NBR 7098/1981

D-3 UETERMlNACiiO COMPLETA (POR MCTODOS GRAFICOS)

Um V~L que o m(!delo de distribuigao das falhas podc ser desconhecido antes do5
ensaios, deve scr usado um sistwa gen;rico de analise tal que possa levar em
conta diferentes modelos de distribui$o e, SC poss~vcl, identifica-los.

No processo preferido, as falhas sao arrumadas em ordem crescents de n&rero de


operacoes de falha, o que permite plotar cada ulna e111 fun& de sua ordem. E pas
-
sivel piotar em ter~nos de ordens medianas coma mostr-ado na Tabela 4.

Quando estas informaC6es sao plotadas nun? papel mi 1 imetrado apropriado, a cur-
va resultante pode servir para analise. Uma das aprox ima@%s ana I it icas ma i s
eficares 6 o use da distribuisk de Weibull que, gra~as a unia correta escolha de
parsmetros pode englobar urna grande familia de curvas.

A distribuigao de Weibull 6 dada por:

F (N) = I - exp
[-( NN;a ;“I
-

N = n;nero de opera+ at6 que occ~rra a falha de contato;


NC = parimetro de escala: nhmero caracteristico de opera~oes (correspondente
a uma propoi+o de falha de 63,~);
a = parsmetro de posi$o: nhmero de opera@es at6 onde 60 pode ocorrer fa-
Iha, em geral a = 0; e
fi = parzmetro de forma que representa a inclin@o da curva de distribuisao
de Weibul I.

A taxa de falha correspondente a distribui$ao de Weibull 6 definida pela funC:o:

B-l
q=-!L(N) (para a = 0 )

N
c Nc

Disto resulta que a Laxa de falhas decresce quando 6 for menor do que I ( fathas
precoces), permanece constante quando B 6 igual a I (falhas aleatorias) c q”e
cresce quando 3 6 maior do que I (falhas de desgaste). Conseqkntemente, a i n-
clina@o da curva de distribui$% de Weibull, permite distinguir:

a) falhas precoces;

b) f;ll has aleatorias;

c) falhas de desgaste.

A Figura 4, mostra uma curva de probabilidade de Weibull.

A curva de probabilidade de Weibull 6 derivada da fungao de distribuigao de Wei


-
bull, da seguinte maneira:

I - F(N) = exp
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 7098/1981 17

Existe pois uma relasao linear entre:

par-3 rel~resentar uma curva Weibull sob forma de reta, a curva de distribui$zc de
Weibull deve ter uma escala IogarTtmica dupla no eixo vertical e uma escala loya -
r7tmica simple5 no eixo horizontal.

A direita figurar os valores correspondentes de LM PI: ,-:(N) e acima 05 valo-

re5 correspondentes de PnN, Segundo escalas linear-es.

Se N = NC, se obtem:

e o valor correspondente de:

F(N) = I - ; = 0,632

Conseqiientelnente o zero na esc~la linear vertica’l de B corresponde a uma propor -


$ao de falha de 63.2% como mostrado pela linha tracejada.

Desta forma pode-se estimar o nlimero caracteristico de operas&s NC.

0 ponto (I;0 ) na escala linear corresponde a:

donde resul ta que toda a reta que passa pelo ponto (1;O) corta o eixo vertical
(on& YnN = 0) nun, ponto da ordenada B a partir da origenl (ver Figura 5).

Pn Pi1 & = Bf!nN-!Z = -13 (corn !i?N = 0)

0 valor de fi pode ser lido na escala vertical da direita

A media u e o desvio padrao a da distribuisao das falhas podem ser estimados pe


lo use dos nomogramas representados na exlrema di rei ta e acima da curva de proby -
bil idade. lsto 6 possivel porque :l/Nc e n/NC s% somente fu,,+s de 6. (2)

(2) ~~~~~10: Num ensaio de vida 05 contatos falharam conforlne a Tabela 4 (tam2
nho da amostra n = 20 contatos).
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

18 NBR 7098/1981

TABELA 4 - Ensaio de vida dos contatos

N(X IO6 operq&s) Ordem mediana X loo"/

+
I 2,7 3,4%
2 3,4 8,3z
3 4,4 13,1%
4 532 18,1%
5 5,3 23,OZ
6 536 27,yz
7 5,7 32,8?

8 6,5 37,7%
9 795 42,6%
IO 8,J 47,5X
II Y,? 52,3%
Nentux fal ha
6
ate 9,7 x IO
0p‘2r.3$ki
20

i adotado o seguinte procedimento:

a) determinar a ordem mediana (0.m) da Tabela 5; se o tamanho da amostra (n)

n:o for dado na tabela, calcular 0.m. con70 segue:

i - 0,3
0.m. =
” + 0,4

OS valores referentes ao exemplo s.k dados na terceira coluna da Tabela 4;

b) plotar na curva de probabilidade de Weibull (Figura 5) as ordens medianas

referentes ao nkzro correspondente de opera+s;

c) ajustar, se possivel, ma reta ao conjunto de pontos;

Nota: Se n& for poss;vel trasar uma reta, 6 provavel que exista‘mais de
uma causa de falha.

d) estimar a vida caracter?stica (NC) na interse& da linha trasada corn a '


linha 63,Z:

N = 9,3 x lo6 opera@.ks


c
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 7098/1981 19

e) tragar uma r-eta paralela par (1;O).

A intersesao corn a reta vertical traqada pela origem d;i:

ParSmetro de forma: I? = 2,6

A cause das falhas & o desgaste, pois I? > I;

f) no "orrlograllla se Iera:

1-l
-=0,89e + = 0,365
Nc c
do que resulta :

- media: (u) = O,8Y x 9,3 x lDG opera@es = 8,2 x 10" opera@es;

- desvio padrk: (a) = 0,365 x 9,3 x lo6 = 3,2 x 10E opera@%.

/Tabela 5
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

20 NBR 7098/1981

TABELA 5 - Ordens medianas correspondentes ao tamanho da amostra indicada

NGmero Tamanho da amostra (n)

acumulado
de falhas i 10 15 20 30 40 50

677
1
16,2
4,5
10 ,Y
3.4
833
13,l
2,3

2::
1,:
616
1.4
3,3
25,9 17,4
35,5 23,Y 18,l 9,l ;::
45,2 3O,5 23,0 :,1 11,6 9,3
5498 37,0 27,9 817 14,l 11,3
7 64,5 43.5 32,8 2,o 16,5 l3,3
8 ?4,1 50,O 37,7 25,3 lY,O 15,2
9 83,8 56,5 42.6 28.6 21,5 17,2
10 93,3 63,0 47;5 3119 24,0 19,2
11 69,s 52,5 35,2 26,4 21,2
12 76,l 57,4 38,5 28,Y 23,2
13 82,6 62,3 41,8 31 ,4 25,2
I4 89,l 67,2 45,l 33,Y 27,2
15 95,5 72,l 48.4 36,4 29,l
16 77,0 5116 38,8 31 ,I
17 81 ,9 54,9 41,3 33,1
18 86,9 58,2 43,8 35,1
19 91,7 61,5 46,3 37,1
20 96,6 64,8 48,8 39,l
21 68,l 5l,2 41,l
22 71,4 53,7 43,0
23 74,7 56,~ 45,o
24 78,o 5897 47.0
25 81 ,3 61,2 49,0
26 84,6 63,6 51,o
27 87,Y 66,l 53,0
28 91.2 68,6 55,O
29 9415 71,1 57,o
97,7 73,6 58,~
76,0 60,9
78,5 62,Y
81,0 64,~
83,5 66,9
85,9 68,9
36 88,4 71,o
90,Y 72,0
;i 9?,4 74,8
39 95,8 76,8
98,3 78,a
i: 80,8
42 82,8
43 84,8
44 86,8
45 88,7
46 90,7
9277
2 94,7
49 96.7
50 98,6

i - 0,3
Itiotn: A ordem mediana pode ser obtida pela formula: 0.m =
n + 0,4
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

NBR 7098/1981 21

ANEXO E - METODO SIMPLIFICAOO PARA A DETERMlNACfiO DAS CARACTERiSTlCAS DOS CONTATOS

E-l GENERALIDADES

U,T exemplo de urn metado simpl ificado de detrrminac& llleciDnadoem5.2.2.2e descri


to abaixo. Este metodo & aproximadamente valido para contatos de rel&s de us;
geral e de concep~so conventional, nao sendo valido, entretanto, para todos OS
tipos de contato.

Este mstodo simpl ificado da valores nominais menore~ do que 05 obtidos pelo imeto
do rigoroso, mas o nljmero de ensaios e menor. As formulas Go aproximadament~
“Slidas at6 o limite indicado de I05 opera@es.

E-2 M’iTODO SIMPLIFICADO DE DETERMINACAO

E-2.1 A capacidade limit< de estabelecimento nominal ILM e a capacidade limite

de interrupC$o ou de manobra nominal ILB, S&I baseadas em dez opera+s sem fa-

Iha para cada WI dos circuitos de contato.

E-2.2 A corrente de crntato nominal para a capacidade de esrabelecimento dada


IM correspondente a 10 opera@es drve = 0,5 ILM e para a capacidade de
5er ‘;1
interrupgao ou de manobra correspondente a IO operacoes ( a corrente de contato
nominal deve ser IB = @,7 I
LB’

E-2.3 AS caracter;sticas de desempenho correspondentes a correntes mais baixas


e a urn maior niimero de opera@% N do que o especificado em E-Z.2 poden? ser de-
terminadas pelas seguintes f6rmulaS:

I,5
4 -
pa a capacidade de estabelecimento na faixa de IO a
5
IO opera+5

e de manobra na faixa

N, = n;mero de opera+ corn uma corrente I, para a capacidade de estabeleci


men to ;

N2 = nGmero de opera~&s corn uma torrente I2 para a capacidade de interrupsao


e de manobra.

I, < IN, Iz < IB e normalmente IB < 1”.

Nota: As formulas acima podem 56r utiliradas al&m do limite de 10’ operas&s
e/o” utilizar urn outro expoente na faixa de 1,s a 3, conforme acordo ’
entre o fabricante e o comprador.
Cópia não autorizada

C6pia impressa pelo Sistema CENWIN

22 NER 7098/1981

pematagemacumulada de falhas
(para 1~50 utilizar a t&da 4)
0RlJEr-fplEDINn (O.m.xlOO)
Cópia não autorizada
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN
NBR 7098/1981 23

Perrentagmacmulack de falhs
QElmm50utilizaratabela4)

ORDETI fEEMA (O.m.xlOO)

Você também pode gostar