Você está na página 1de 15

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA


CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL
DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO
PROFESSOR: VALNER BRUSAMARELLO

“SENSOR DE TEMPERATURA LM35”

Roger Crespi
Tágore Argenta Ceron
Índice

1 - Introdução PÁG 3

2 - Sensor de precisão de temperatura em graus Celsius LM35 PÁG 4

3 – Aplicações usuais do sensor LM35 PÁG 5

4 – Disposições Gerais do sensor LM35

4.1 - Resistência Térmica Junção-Ar PÁG 6

4.2 – Constante Térmica do Tempo PÁG 6

4.3 – Diagrama de Conexões PÁG 7

4.4 - Diagrama de Blocos LM35 PÁG 7

4.5 – Ascensão de Temperatura devido ao Auto-aquecimento (Resistência

Térmica) PÁG 8

4.6 – Operação de Cargas Capacitivas PÁG 8

5 – Sobre o Projeto Experimental PÁG 9

5.1 – Sobre o funcionamento do projeto PÁG 9

5.2 – Materiais utilizados no Projeto PÁG 10

5.3 – Esquema de ligação dos componentes PÁG 11

5.4 – Placa com circuito montado PÁG 11

5.5 – Gráficos de medidas de temperatura X tensão saída do LM35 PÁG 12

5.6 Acendimento dos LEDS de acordo com a temperatura PÁG 13

6 – Conclusão PÁG 14

7 - Bibliografia PÁG 15

2
1 - INTRODUÇÃO

Existem no mercado hoje em dia, diversos tipos de sensores de temperatura, que vão

desde os NTC´s, PTC´s e diodos até os mais variados tipos de termopares, dentre outros.

Porém, estima-se que talvez nenhum dos citados anteriormente seja de tão simples

manuseio e exija tão poucos aparatos eletrônicos para que funcione, quanto o modelo

LM35, pois o circuito usual é bastante simples, necessitando apenas do sensor propriamente

dito, um sistema amplificador de sinal e de uma interface que realize a leitura do sinal

amplificado, quem sabe até mostrando um valor de temperatura diretamente em um visor

ou display ou até mesmo disparando algum elemento eletrônico como, por exemplo, um

transistor quando a situação for apropriada.

Nosso projeto basicamente será baseado na utilização do sensor LM35 como sensor

de temperatura atuando de modo simples e objetivo, enviando um sinal que será

amplificado e logo depois comparado por um CI específico, que irá disparar suas saídas

quando a temperatura desejada for atingida. A interface é muito simples, e não apresentará

um valor de temperatura diretamente visível, mas sim apresentará LED´s que irão apontar

quando a temperatura chegar ao ponto almejado.

3
2 - SENSOR DE PRECISÃO DE TEMPERATURA EM GRAUS CELSIUS LM35

O sensor LM35 é um sensor de precisão, fabricado pela National Semiconductor

(www.national.com), que apresenta uma saída de tensão linear relativa à temperatura em

que ele se encontrar no momento em que for alimentado por uma tensão de 4-20Vdc e

GND, tendo em sua saída um sinal de 10mV para cada Grau Celsius de temperatura, sendo

assim, apresenta uma boa vantagem com relação aos demais sensores de temperatura

calibrados em “KELVIN”, não necessitando nenhuma subtração de variáveis para que se

obtenha uma escala de temperatura em Graus Celsius.

O LM35 não necessita de qualquer calibração externa ou “trimming” para fornecer

com exatidão, valores temperatura com variações de ¼ºC ou até mesmo ¾ºC dentro da

faixa de temperatura de –55ºC à 150ºC. Este sensor tem saída com baixa impedância,

tensão linear e calibração inerente precisa, fazendo com que o interfaceamento de leitura

seja especificamente simples, barateando todo o sistema em função disto.

Este sensor poderá ser alimentado com alimentação simples ou simétrica, dependendo

do que se desejar como sinal de saída, mas independentemente disso, a saída continuará

sendo de 10mV/ºC. Ele drena apenas 60µA para estas alimentações, sendo assim seu auto-

aquecimento é de aproximadamente 0.1ºC ao ar livre.

O sensor LM35 é apresentado com vários tipos de encapsulamentos, sendo o mais

comum o TO-92, que mais se parece com um transistor, e oferece ótima relação custo

benefício, por ser o mais barato dos modelos e propiciar a mesma precisão dos demais. A

grande diversidade de encapsulamentos se dá devido à alta gama de aplicações deste

integrado.

4
3 - APLICAÇÕES USUAIS DO SENSOR LM35

O sensor LM35 pode ser facilmente utilizado, da mesma maneira que qualquer outro

sensor de temperatura, colando-o sobre a superfície que se deseja medir a temperatura e sua

temperatura estará em torno de 0.01ºC abaixo da temperatura da superfície que se encontra

colado, pressupondo que a temperatura da superfície seja a mesma que a temperatura do ar

que se encontra ao redor desde ambiente. Se a temperatura do ar fosse muito mais elevada

ou mais baixa do que a temperatura da superfície, a temperatura real do LM35 estaria em

uma temperatura intermediária entre a temperatura de superfície e a temperatura do ar.

Esta regra se aplica especialmente para o encapsulamento do tipo TO-92 de

encapsulamento plástico, onde as ligações de cobre são o trajeto térmico principal para

carregar o calor através do dispositivo, fazendo com que a temperatura fique mais próxima

da temperatura do ar do que da superfície em que se encontra colado. Para amenizar este

problema, tenha certeza de que a fiação que ligará o LM35 esteja presa juntamente a

superfície de interesse, para que ambas as partes estejam praticamente sempre na mesma

temperatura. A maneira mais fácil de fazer isto é fixar os fios e o próprio LM35 com um

leve revestimento de cola epóxi à superfície de interesse, assim, o LM35 e seus condutores

não estarão em contato com o ar, logo, a temperatura do ar não afetará na medição do

integrado.

Algumas aplicações para o LM35:

• Termômetros para câmeras frias, chocadeiras etc;

• Controles de temperatura de máquinas;

• Aquisição de dados para pesquisas;

• Proteção para dispositivos industriais (motores, inversores, fontes);

5
4 – DISPOSIÇÕES GERAIS DO SENSOR LM35

4.1 - Resistência Térmica Junção-Ar

Resistência térmica junção-ar é a

medida da habilidade que um dispositivo

tem em dissipar calor da superfície de

interesse ao meio externo por todos os

trajetos possíveis para tal. Isto é

relevante para encapsulamentos que não

utilizem dissipadores acoplados

externamente.

4.2 – Constante Térmica do Tempo

É o tempo necessário para que o

integrado equilibre a temperatura em

todo seu “corpo” e assim possa gerar

uma resposta mais precisa de medida. No

caso do encapsulamento TO-92, esse

tempo é de aproximadamente 16

segundos.

6
4.3 – Diagrama de Conexões

4.4 - Diagrama de Blocos LM35

7
4.5 – Ascensão de Temperatura devido ao Auto-aquecimento (Resistência
Térmica)

TO-92 sem dissipador TO-92 c/ pequeno dissipador

Ar livre 180 °C/W 140 °C/W

Ar em movimento 90 °C/W 70 °C/W

Oléo parado 90°C/W 70 °C/W

Óleo em movimento 45 °C/W 40 °C/W

4.6 – Operação de Cargas Capacitivas

Como a maioria dos circuitos de pequena força, o LM 35 possui uma limitada

habilidade em chavear cargas capacitivas pesadas. O LM35 é habilitado a chavear

capacitâncias de até 50pF sem precauções especiais. Se anteciparmos os uso de cargas

maiores, é fácil de isolar ou desacoplá-las com o uso de um resistor (figura 1), ou podemos

melhorar a tolerância com o uso de um circuito amortecedor RC (figura 2)

8
5 – Sobre o Projeto Experimental

Com o intuito de testar o funcionamento do sensor LM35, nossa dupla desenvolveu

um projeto bastante simples, que opera utilizando um integrado driver de tensão que recebe

o sinal do LM35 já amplificado pelo amplificador operacional 741 e controla em suas

saídas a ligação ordenada de Led´s, à medida que a tensão no pino de entrada do integrado

for aumentando, este habilita suas saídas uma de cada vez, e linearmente.

Basicamente, podemos dizer que funciona como um termômetro sem escala

numérica, com uma barra de Leds indicando que a temperatura está subindo.

Montou-se o projeto a partir de esquemas disponíveis nos próprios datasheets dos

componentes utilizados, adaptando o circuito à nossa necessidade, obviamente com

limitações, em função de tolerância de resistores, sinal de tensão com muito ruído, ganho

do operacional não ser exato e interferências de campo de atuação em geral.

5.1 – Sobre o funcionamento do projeto.

O projeto opera de maneira simples e compacta, basicamente constituído de um

sensor emissor de sinal, neste caso o LM35, um amplificador operacional que eleva o sinal

do sensor, neste caso o AOP741 com ganho de 3X, e um circuito decodificador deste sinal,

neste caso um CI LM3914, que recebe o sinal amplificado e atua ligando leds a medida que

a temperatura aumenta.

O sensor é alimentado com tensão +12Vcc e GND, tendo em sua saída 10mv/°C. A

saída do sensor é ligada na entrada não inversora do operacional 741, que é alimentado por

9
um sinal simétrico de +12Vcc e –12Vcc. O ganho do operacional foi projetado para ser de

3X o sinal de entrada. O sinal de saída do amplificador é ligado à entrada do driver

LM3914, que está alimentado com +12Vcc e GND que chaveia suas saídas de acordo com

o sinal de tensão recebido em sua entrada.

5.2 – Materiais utilizados no Projeto

1 LM35

3 Pinos torneados para acoplar LM35

1 µA741

1 LM3914

3 Resistores 10KΩ

3 Resistores 1KΩ

1 Resistor 680Ω

1 Potenciômetro 10KΩ

8 Led´s vermelhos

1 Led Verde

Placa de circuito impresso padrão

Fios diveros

10
5.3 – Esquema de ligação dos componentes

5.4 – Placa com circuito montado

11
5.5 – Gráficos de medidas de temperatura X tensão saída do LM35

1ªMedição Termômetro Mercúrio

85
80 808
75 747
70 691
65
60 613
55
Temp(°C)

50 522
45
40 432
35 363
30 289
25 233
20
15
10
5
0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 850
tensão(mv)

2ªMedição Termômetro Mercurio

85
80 806
75 743
70 694
65
60 615
Temp (°C)

55
50 524
45
40 436
35 366
30 288
25 238
20
15
10
5
0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 850
Tensão(mV)

3ª Medição Termômetro Mercúrio

85
80 812
75 736
70 706
65
60 628
Temp (°C)

55 532
50
45
40 422
35 351
30 293
25 242
20
15
10
5
0
0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 850 900
Tensão (mV)

12
5.6 Acendimento dos LEDS de acordo com a temperatura

13
6 – Conclusão

Podemos constatar através das medições que o sensor é realmente linear,

proporcionando uma boa precisão de suas medidas, quando medimos diretamente em seu

pino de saída.

Porém, nosso projeto perde um pouco de fidelidade ao medirmos a tensão de saída do

amplificador, pois seu ganho não é exato, tornando as medidas não muito confiáveis,

podendo estas interferirem nos valores finais de temperatura, o que não seria nada bom

caso quiséssemos realizar uma medida muito precisa.

Mas tendo em vista que a realização de nosso projeto visa primordialmente a

utilização do Sensor LM35 e não o circuito de controle, podemos dizer que obtivemos

resultados satisfatórios e comprobatórios do funcionamento do mesmo, fazendo valer todo

o trabalho desenvolvido para obtenção de tais resultados.

Resta dizer que, se utilizado em um circuito de controle mais elaborado, o LM35 terá

ótimo desempenho, não deixando nada a desejar com relação a outros sensores de

temperatura existente no mercado, ressaltando que sua faixa de funcionamento se dá entre –

55ºC à 150ºC e que sua melhor aplicação se dá em equipamentos industriais secos, podendo

até mesmo atuar como um “fusível”, desarmando o circuito em caso de alta temperatura.

14
7 – Bibliografia

http://www.actel.com/documents/Pack_Therm_AN.pdf

http://www.thermometrics.com/htmldocs/glossary.htm

www.national.com

Datasheet LM35

Datasheet LM3914

Datasheet µA 741

15