Você está na página 1de 41
The Cent er for Resear c h Libraries s cans to provi d e digital

The Cent er for Resear c h Libraries s cans to provi d e digital del i very of its h o ldings. In so me cases problems with the qu a lity of the or iginal docum ent or micro f ilm reproduc tion may res ult in a lowe r quality sc an, but it will be legible. In some cases pages may b e damaged o r missing. Fil es include OC R (machine searchable t e xt) when th e quality of t h e scan and t he language o r format of the text allo w s.

If preferr e d, you may r equest a loa n by contacti n g Center fo r Research Li b raries throu g h your Interlibra r y Loan Offic e .

Rights an d usage

Materials digitized by the Center f o r Research Li braries are i n tended for t h e personal e ducational a nd research u se of stude n ts, scholars, and other re s earchers of t he CRL mem ber commun ity. Copyrigh ted images a n d texts may not to be rep roduced, dis p layed, distri buted, broad cast, or dow n loaded for o ther purposes without the expressed, w ritten permis sion of the c o pyright ow n er.

Center fo r Research Li braries

Identifier :

Range: S c ans

Downloa d ed on:

e02750f3-f290-49e5-8b83-5c0d70204563

000001 - 000040

2019-11-29 02:36:09

ALAGOAS (POVÍROIA)

PRES ILEHTE

(SILVA

i-1--íhLi.j)

EX:)0S10

16 AL,R. 188

DOS .NEGOCIOS DA PIOVINCIA DAS ALAGOAS

£0M QUE PÂSSOU À DMINISTRAÇÃO

A9Ezm Sr. 1.# Vice-Presidente

Manoel Gomes Ribeiro

:Macio da Presideneia da Provinda das Alagoas.

,Maceió, 16 de Abril de1888.

'fim. e Exm. Sr.

Ao 'deixar a administração da provincia, cumpro a Circular de ti

.-de Março de 1848, fazendo a exposição que se segue.

Nomeado por Carta Imperial de 6 de Agosto de 1887, .prestei ju-

ramento e tomei posse em 5 do mez de Setembro do mesmo anno.

Gozando da plena e inteira oonfiança do Governo Imperial quanto

.á direcção politicaadministrativa desta nobre e generosa provincia,

coube-me a inestimavel felicidade de permanecer respeitado e estimado

pelas diversas.fracções partidarias, e de retirar-me acompanhado das

mesmas provas de apreço, as quaes me alentaram na obra do estudo e

peculio para a direcção da

minha vida publica.

trabalho, e que .hão de constituir opulento

-

Fm tão curto penedo de administração certo que não me -foi dado

attender com efficacia, e na medida das minhas aspirações, Na todos os

nerfocios.

Diz-me, porém, a consóiencia, que evitei com todas as minhas for-

ças fomentar, paixões no espirito publico, . favorecer odios parlidarios,

envenenar aslontes da tranquillidade dos meus concidadãos.

Os effeitos naturaes _da inquebrantavel norma de proceder que me

tracei a mim mesmo estão no dominio publico.

E' íiussivel que a um

conjádto de circumstancias deva eu a serenidade com que :foram to-

dos os meus,actos, sempre praticados á. luz da mais clara publicidade,

analysadós pela 'imprensa, pelos circulos peliticos, emfim, por Ioda a

provincia.

Não importa : a dificuldade para o administrador, consiste em ser

beneficamente

influenclido

pelas relações com as circomstancias que de-

terminam os seus actos, podendo o mesmo vento que, traz ao porto e a

saliamenlo

um navio, atirar com outro aos escolhos e á perdição.

politica de ;paz, de clemencia, da razão e da sciencia, unica

compativel com a orientação do meu espirito,

parece Lambem ser a

,:unica compativel com as condições desta bella provincia.

Assim,possa

.

,

inspirar.todaz as administrações, e dentro

4

bre não remoto ver-se-á este torrão do patrio solo, abençoado pela na-

tureza, attingir o gráo de prosperidade

Ideal dos espiritos bem formados

material e de dignidade politica,.

mais dilectos filhos e de

dos seus

quem, a meu exemplo,

e melhores e mais

ella é de todo o ponto merecedora.

conhece os fecundos recursos de que ella disp5e

sinceros votos fôrma para o engrandecimento de que

ESTADO. SERVIL

Idéa vencedôra no espirito publico, a necessidade de apagar da face-

moral e á civilisago do.

do paiz a feia macula do captiveiro, avêssa á

tempo actual, por constituir insuperavel

adiantamento, não me consentia o patriotismo

mentoso assumpto da inadiavel abolição

e tão profundamente

obstaculo a nosso progresso e

ser indiferente ao mo-

do elemento servil, que tanto

e, pois, ti-

ha preoccupado a opinião nacional ;

nha resolvido convocar agricultores da provincia para

de, discutida francamente a maioria, fosse

tido de extinguir com pressa o

uma reunião, on-

tomado um accórdo no sen-

elemento escravo, apontadas e aceitas as.

pelo trabalhador

medidas mais uteis e proveitosas a sua substituição

cabo tão proficuo e intereFsaute proposito, que

mente entrego ao patriotismo e esclarecido

habitantes da província.

livre, hoje comprovadamente mais benefico e

prosperidade da agricultura do paz, fonte preciosa da riqueza

vantajoso á fortuna e á.

publica.

levasse a

Minha retirada da provinda, porém, obstou-me a que

espirito

tranquilla e confiada-

dos dignos filhos e

Cumpre-me, entretanto, consignar aqui medidas que, presentes á,

assem blèa provincial, afiguram-se-me garantidoras dos mais fecundos. resultados1. si executadas com zólo e criterio.

O prompto desapparecimento da escravidão nesta provincia

póde

obter-se nem só pelo concurso espentaneo e livre dos senhores de es-

cravos, senão ainda por medidas

tal propriedade, mais valha abrir mão della, Ilue possuil-a.

iinpositivas, que elevando os onus de-

suppressão do braço escravo acentúa de modo claro e logico

necessidade de substitui! -o, de feitio que não venha a soffrer a indus-

tria agricola, sobre que descanga o futuro e a prosperidade desta pro-

vincia.

Dentre estas medidas adianta-se por mais indispensavel e impor-

tante a que vier regularisar a locarão de serviços, principalmente dos

Libertos ; medida que tem seguro fiadorno crilerio dos senhores depa, Lados provinciaes, enlie os quaes muitos agricultorese como taes per-

feitos conhecedores de tão palpitante necessidade.

Como fócos de trabalho e principio á corrente immigratoria., vem

muito para aqui lembrar que, em varies pontos da provincia, podem.

ser fundadas algumas colonias, cuja utilidade temos altamente

demons-

trada na pratica, francamente seguida em diversas provincias, que já,

se mostram adiantadas no trabalho da emancipação dus escravos, e per- feitamente regnlarisadas em seu serviço.

Como bons elementos de trabalho, já adaptados ao meio e conhe-

cedores do systema, devem ser cuidadosamente aproveitados os braços.

tornados livres, acautellando-os da ociosidade, mal peior que a escra-

vidão de que foram tirados.

E' na lei de locação de serviços pio deve ser sabia e avisadamente

3

Ir.:dado este assumptn, do maneira quedireitos e deveres entre libertos

e ex-senhores solam equilibradameide estalelecidos de modo a firme

asproveitavelmente a intlina cohesão de que necessita o bora desempe-

lilm do trabalho.

Olhando para a sorie dos ingenuos, inquestionavelmente 'credores

mencionar com especialida-

devo

fundada

Sociedade Liber-

de todos os cuidados do governo.

de o estabelecimento

da Escota Central

de

Ingentios,

nesta capital aos 22 de Abril do anno passado pela

tadora Alagoana,

d tolho de ISSO.

Do relataria que ac&ca inc f ,i presente evidencia-se de modo sa-

tisfactorio o desenvolvimento de tão futurosa instituição, unica neste

o aproveitamento de

genero em todo o imperio., mostrando-se nó lavei

seus aluirmos.

Os auspicias da lei provincial' a. 982, de 23 de

sib

Foi base á sua fundação e estabilidade o beneficio de loterias con-

cedidas na lei citada, frua e precaria fonte de receita, alteradas como

oram alias em seus planos.

Imperiloavel desacerto sei ia abandonar boje tão otil

e berafazeio

estabelecimento, pelo que deve o governo fazer valer sua biet vontade

diante da assembléa provincial, para conseguir uma subvenção que o

caduque ao abrigo de qualquer desastre, credor que é elle do todo am-

paro e auxilio, de preferencia a qualquer que não tenha por fim a ins-

trucção.

Incontestavelmente é heje uma aspiraçãe real, credora do melhor apoio, todo tentamen cujo objectivo diga com a educação e instrucção

nesta parle a Escola Central de tuge-

das classes humildes da sociedade ;

>mos acódeperfeitamente a seus fins, mo4rando a frequencia de216

alumnos em seu internato e em seu externat.i.

Por expressa disposição de

lei acha-se a Libertadora Magoam

obrigada á fundação de coladas agi icol as, como complemento á, Lihilan-

tropica empreza da Escola Central de Ingenuos.

Para auxilio de obra

tão ublitaria lembro a cuncessão das terras do engenho Santa

auxiliado o commettimento com uma subvenção da provincia.

Luzia,

Insisto neste ponto porque estas calunias, por igual da Escola de

Ingenuos'e desvalidos, véu' remediar e satisfazer uma importantissi--

ela necessidade, respeitante á, educação agricola de futuros trabalhado-

les livies, de que estão dependentes u desenvolvimento e a prosperida-

de da agricultura do paiz.

Para com segurança apreciar a situação, sopesar-lhe' os embara-

ços e auxiliar efficaz e fecundamente o vingamento da grande causa da

libelação da provineia, convém saber que a ult.ma matricula etTectua-

da por força da lei n. 3.270 de 28 de Selemhro de 1885, cujos 'taba-.

lhos fecharam-se aos 30 de Março. do atino

pasado, accusa a exis-

.tencia de 15,269 OSIT3VOS. sen,la 7,449 homens. e 7,820 mulheres, no

valor Labellar de 10 039.:004500 réis. 418 homens e 84 mulheres, ao todo 202.

Sexagenarias, foram arrolados

Foram sobremaneira mediocres e minguados as resultados d

pro-

paganda abolicionista que ae:zta capital, principalmente, trabalha COM

allinco e sinceridade a soldo da grandiosa idéa da liberlaçã,o completa

do paiz. Nos dados officiaes t mão da presidencia se encontra que atè 31 da.

bezenduo do armo passado a estatistica da escravidão foi apenas demi-

laulda nesta pruvbicia eritk00 individaws, dos qua.es alforriados pot.

- 6 -

qualquer modo--343, passados ao livro de arrolamento por '113YereM

altingido 00 annos--25, e 32 mortos.

Ter lio a satisfação de declarar, que foram prompla e exactamente

cumpridas tolas as requisições do Governo Geral, referentes a aponta-

mentos estatisticos sobre o elemento servil nesta provincia. .0,ianto a libertos temos as seguintes notas officiaes : foram malri- cnlados afé o fim do anno passado 4,1A0 do sexo masculino e 4,507 do

.sexo.feminino, ao lodo:9,153.

escravos existentes, te-

mos a certeza de que pouco se ha feito cilhe nós no sentido de abolir

o elemento servil ; a provincia não tem caminhado de par com a maio-

ria de suas irmãs onde a.-ioiciativa particular cora o mais patriolico e

.lutivavel Zélo tem ido adiante da mais lisongeira expectativa da opinião.

!Diante destes dados, os,que dium

comsos

Convêm, pois, que o governo desperte os bons sentimentos alago.a-

nos que tenho por tão nobres e elevados quanto os dos mais dignos e

beneineritos filhos deste paiz.

Certo do civismo da alta administração,

confio

que, relativ,a-

mente ao assumido, não será sentida minha falta, embora os melhores

desejos, os mais decididosintuilos, que me animavam a propulsionar

de modo e.fficaz e fecundo o movimento abolicionista, .como preito de-

.

.

.vido á honra.e.renome deste paiz.

TRA:NUILLtDADE E SEGURANÇA PUBLICA

Posso dizer que a tranquillidade publica conservou-se sem perigar

durante a minha administração,

porquanto, salvo pequenos casos de

perturbação da ordem e que foram promplamenle reprimidos, não teu o poder publico motivo para considerar desmentido o conceito de que

goz4 a população (resta provinda de muito ordeira e amante das ins-

IllUIÇÕ.t!S e das

leis.

toarei 'nota succinia dos .acontecimentos de que, fallei.

Um telegramma do delegado de Anadia, transmittido .ao dr. chefe

de policia, nccusava grave perturhação da ordem n'aquella villa, onde, em dias proximos, haviam sido viotimas le tentativas de morte o agen-

além d'isto, um gru-

po de individuos, tendo a .freote o capitão Antonio Correia Lima, inva-

dira a villa, assustando a população.

te de rendas' e o presidente da camara municipal ;

Fiz seguir para alli, no dia 13 de ezembro passado,

o dr. chefe

de policia, acompanhado de urna, .força

de infantaria com*Mandadas per.) tepente l'heodosio Mauricio Wanderley.

de vinte praças da companhia

Alli chegando, o 'Ir. chefe de policia iniciou

api)

o inquerilo policial,

A Omncia do dr. péornotor publico elormação da culpa,

iinprocedente a denuncia. visto não ter podido colher provas contra os

tlenuncitolos, nem haver testemunhas que descohrissom (*is autores do ,crime perpetradO em lugar ermo 'e sem poder o °frendido susPeitar de

qua's fossem os seus aggressores.

julgou

Embora não pudesse descobrir qnaes os criminosos, o dr. chefe de

policia vol kin a esis capital no dia 19 de Janeiro do corrente armo, dei-

autoridades policiae.s

a ordem restabelecida, tendo

mudádo. as

por Dão no! tcrein merecido confiança.

Até hoje nada mais «correu.

Por uccasião do segundo escrutinio da eleição de deputado

geral

pelo terceiro districto das provincia, chegaram-me ncticias sérias de re,-.

oeio de perturbação da ordem no dia da eleição, na villa da Imperatriz.

Fiz seguir para alli o dr. chefe de policia e tive a satisfação de vai' que

a eleição correu placidamente, sem o menor facto desagradavel.

foi assassinado

n'esta capital, o delegado de policia, bacharel Antonio de Omena, em

No dia 43 de Fevereiro, ás 8 .1/2 horas da noute,

casa de uma familia onde se achava de visita ;- o assassino foi já está pronunciado.

preso e

No dia 27 de Fevereiro, de viagem do engenho Novo para o Esco-

riai, foi aggredido o deputado provincial dr. Jacintho de Mendonça Fi-

lho, soffrendo um ferimento a faca, que foi julgado grave, á juizo dos

medicos que procederam ao auto de corpo oe delicio.

O processo segue os seus termos para descobrimento

(los criminosos.

e punição-

No dia 21 de Março passado evadiram-se da cadeia d'esta capital

cinco presos, para cuja captura se procedeu actualmente a sérias dili-

geridas cujo resultado se aguarda.

A- evasão deu-se pela abertura de duas prisões com chave. falsa.-

subindo os presos para o telhado onde fizeram uru arrombamento e

desceram para o exterior por cordas feitas com trança commummente

alli usada para o fabrico de ch-apéos.

ALtribue-se geralmente a evasão não só á pouca segurança do edi (leio.

e-pessima org.misação do serviço da cadeia, como á.grande falia de for-

ça para a guarda e vigiláncia.

No intuito de evitar a repetição d'este facto, que.é commum na ca-

deia da capital, o dr. chefe de policia interino confeccionou um regula-

mento onde se dá melhor organisação ao serviço das-prisões, estabele-

cendo, como obrigação, o trabalho para os presos elomando outras

medidas necessarias á disciplina que allideve -reinar ; approvei esse re-

gulamento no dia 2 de Abril,corranie.

Logo que estiverem promptas as obras mandadas por mim fazer

no edificio para serem accommodadas officinas criadas pelo mesmo regu-

lamento, será iniciado c serviço ohrigatorio, e acredito que muito virá a

lucrar com esta medida o serviço publico, melhorando-se o pessimo,

inqualificavel syslema de encarceramento que alli se executa.

Trará igualmente o serviço-obrigatorio, como vantagem, auxiliar a

provincia na grande despeza improductiva que faz actualmente com as

constantes obras feitas para tornar seguro o edificio, pois que, no re-

gulamento »provado, uma parte da ,renda obtida pelas officinas- desti-

na-se a-melhorar esse e fazer os-reparos que elle precisar.

despeza ordenada por mim para montagem das officinas foi au-

torisada pelo art. 49

presumo, a ser pago pela renda das oficinas.

vantagens a auferir do serviço dos presos, mandei que a pintura, e ou-

Como ensaio para as

2.° da leido orçamento vigenle, a titulo de em--

tros concertos urgentes e que não haviam sido .ineluidos nos contractos

feitos em hasta publica pelo thesouro provincial; fossem executados

pelos presos, fornecendo a provincia apenas a materia.prima, o que deu

em resultado "economia, para. o cofre provincial,

alliviado da despeza-

com a mão d'obra.

ADMINISTRAÇÃO POLICIAL'

'rendo- o chefe de policia da frovincia.

bacharel Clemente de OlL

8

4veira Mendes, solicitado e obtido uma licença, nomeei para exclui'

'interinamente esse cargo ao bacharel Francisco de Paula Leite e Oiticica,

que ainda actualmente o occupa.

Dos actos existentes na secretaria do governo constam as altera-

ções que fiz no pessoal das autoridades policiaes, no sentido de melho-

rar o serviço. Do 1.0 de Abril do anno passado até o presente, foram exonera-

rias 73 autoridades policiaes, sendo nomeadas 138.

!evo a mais valiosa cooperação em todos

os negocios relativos a administração policial, c, cumprindo um dever

do meu cargo,

officio :

A.o dr. Leite e Oiticica

dirigi-lhe, em data de

14 do corrente,

o

seguinte

« Presidencia da provincia das Alagóas.

Falado.

La Secção.

N. 53.Maceió, 14 de Abril de 1888.-111m. snr.Ao deixar a admi-

rustração desta provincia, é justo que manifeste a v. á.' o meu reconhe-

cimento, pela intelligente, dedicada e leal cooperação que prestou-me

como chefe de policia interino ».

Acha-se nomeado chefe de policia effectivo o bacharel Jose da Cu-

nha Teixeira.

INSTRUCÇÃO PUBLICA.

Com a mais esclarecida orientação e com o mais louvavel devota-

mento, está sendo esta repartição dirigida pelo bacharel Dano Caval-

cante do Rego e Albuquerque, nomeado por meu Mostrado antecessor,

em 4 de Fevereiro de 1887. D'entre os variados assumptos que me preoccuparam durante o curto periodo de minha administração, mereceu-me especial cuidado,

por sua inconlestavel importancia, este ramo do serviço publico. Não sei si por effeito de vicies de organisação,. ou, antes, por in- guencia de outras cansas, que só vigilante e demorada observação

der-me-ia fazer conhecer, o uivei do ensino publico não altinge a altu- ra, que seria para desejar em assumpto de tanta magnitude, sobretu- do na parte conceruente ao ensino primario.

Salvo raras e lionNsas excepções, o professorado primario da

po-

pro-

Anela não sé rehommenda por suas habilitações, faltando-lhe ainda o

necessario zêlo e interesse pelo desempenho regular de Suas funcções e

deveres.

Assim é que, no intuito de imprimir direcção mais efficaz e remo- ver inconvenientes, que me pareciam resultantes de um reginaen defi-

ciente e pouco cauteloso, nzei da aulorisação conferida pela

resolução

de 20 de Junho de 1887 e expedi o regulamento do 28 de Março do

corrente anno. .Nelle consignei o concurso para o provimento de cadeiras do ensi-

por esse unico

meio, poder-se-à aferir

candidatos ao magisterio.

no primario de ambos os sexos, visto me parecer que,

com mais segurança o gráo de habilitação dos

Na impossibilidade manifesta de serem leccionadas

em 2 annos,

com aproveitamento dos respectivos alumnos, materias

extensão e complexidade, reclamam que fosse de 3 annos o curso normal.

*Com a expedição do mencionado regulamento julgo ter concorrido para -melhorar o estado do ensino publico da provincia, sem que, toda-

maior espaço de tempo, estabeleci

que, por sua

.via, 'mitra a pretençrto de ser um trabalho'compleLo, que sérnente poderia

conseguir mediante dados- fornecidos pela experiencia'e em largo tempo.

Conta a provincia 184 cadeiras de instrucção

primaria, sendo 87

,de

entrancia, 52 de 2." e 45 de 3.4. Destas cadeiras existem provi-

das vitalicia e effectivamente 153, e interinamente 31, sendo 4 do sexo

masculino, 6 do feminino e .21 mimas,

.CORSO NORMALPor convaniencia da instrucção

publica ordenei

que.fosse adiada a abertura do curso normal no lyceu até o dia I.° de

Março, e em data de 2.9 de Fevereiro ultimo dirigi á directoria da ins-

trucção publica o seguinte oficio:

« Haja vmc. de abrir matricula para o curso normal, do 1.0 a 15

.de Março vindouro.

Os candidatos á matricula do 1.0 anno apresentarão documentos

authentices com que provem

1.0 Idade maior de 16 annos os matriculandos, de 11. as matrica-

laudas.

2.° Moralidade, bons costumes e isençoi de .crime.

3.° N5,o terem enfermilade ou defeito incompatível com o exerci-

:cio do magisterio.

4.° Terem sido vaccinados.

5.° Estarem devidamente autorisados, sendo menores, por seus

,pais .e tutores.

6.° Exame preparatorio nas seguintes materias : leDura, escripta, operações fundamentaes da arithmetica em numeres inteiros, gramma-

tica e analyse em exercidos clictados.

Esta uttima prova será dada perante vmc. e dous examinadores

por 'mc. nomeados.

corso normal, segundo o novo regulamento brevemente publi-

cado, passará a ser feito cru 3 annos.; podendo portanto

no 2.° anuo os aclimes alumnos já approvados.no 1.0»

ma tricotar-se

REMOÇ5ES DE PROFESSORES.Durante a minha administração

re-

movi, sob

proposta da directoria

guintes professores

geral da instrucção publica, os se-

João de Oliveira Nunes da cadeira de Arapiraca para a de igual en trancia de Piranhas ; Antonio Alexandrino da Costa Santos de Piranhas

para a cadeira de 2.a entrancia da villa do Limoeiro ;

Francisca

Herminia de Barros, a pedido, da cadeira da Varzea de Atalaia para a

do Arrasto ; D. Escolastica Maria da Silva Pontes,

yeação de S. Antonio da Béa Vista ;

a pedido, da povoa-

ção de Ipioca para a cadeira inixta das Pedreiras das Alagijas

Torquato de Araujo, a pedido, da Barra Grande para a cadeira da po-

D. Angelica Rosa da Silva Pita, a

;

João

pedido, da 2.

reira de Souza, de Entre Montes para a povoação de S. Braz :

Ionio do Bom-fim, a pedido, da Birra de S. Miguel

cadeira de Pão de Assucar para Pajussára ; Gençalo Fer-

José An-

para Olhos d'Agua

para a da Var-

para Entre-Mon-

do Accioly; D. Lina úrancisca d'Albuquerque, da Branca

zea de Atalaia ; João de Oliveira Nunes, de Piranhas

tes; Aprigio Gonçalves d'Andrade, de Entre-Montes

para a cadeira de

,Piranhas; D. Anua Leitão de Jesus, por accesso, da cadeira da villa Assembléa para a 2." cadeira de 3.' .entrancia da cidade de Pão de As-

socar ; João Francisco da Rocha Rijo, da cadeira de Paulo-Affonso para

a de Quebrangulo ; Jacintho Ernesto Peixoto, de Quebrangulo para a

cadeira de S. Luiz do Quitunde ; Cuilhermino Martins Monteiro., de S. Luiz do Quitunde para Paulo-AtIoriso ; D. Carolina Olympia da Costa. Moraes, a pedido, da cadeira do Limoeiro de Anadia para a da villa

d'Assembléa ;. NIatheus de Araujo Caldas Xexéo, da 4.' cadeira da ca-

de Leila-

pital para a

da cidade do Passo de Camaragibe ;

Camillo

Pereira da Costa, da

cadeira do Passo de Camaragibe para a 1. do

cadeira de Jara-

Jaraguá ; NicoJemos de Souza Moreira Jobim, da I.

guá para a !ha de Maceió.; Jovitio Possidonio dos Santos

Gloria Possidonia dos Santos, das cadeiras da. villa do Bello-Monte para.

as de igual entrancia do Limoeiro de Anadia ; Antonio Alexandrino da

Costa Santos, da 'ilia do Limoeiro de Anadia

ilhas; Aprigio Gonçalves de Andrade, da villa de Piranhas

e D. Maria da

para a cadeira de Pira,

para a do

para.a

Bello-Monte ; João Correia de Mello, da cadeira de Tatuamunlia

de Santo Antonio da Bóa-Vista.; João Torquato de Araujo, da cadeira.

de Santo Antonio da Dôo-Vista para a de Taitiamunha. Por acto de 19 de 3Iarço ultimo considerei sem effeito o acto da re-

moção do professor da cadeira de S. Luiz do Quitunde,

Guilhermino.

Martins Monteiro, para a cadeira de

Paulo-Afonso, e designei a de I' en-

exercido o professor Ja-

trancia do Trapiche da Barra para nella ter

cintilo Ernesto PeiKolo, removido para a alludida cadeira de S. Luiz do Quituntle, sem prejuízo de seus direitos e vencimentos, até que se lhe

designe cadeira de 2' entrancia, e a professora da Branquinha, D. Jovi,

na Possidonia da Gloria para a povoação do Piquète.

PROFESSORES 1NTERIN0S.-Em diversas datas, a.vistade

propostas e

informações da directoria geral da instrucção. publica, nomeei professo-.

res interinos :-0 alumno-mestre Martins dos Santos Junior

para a ca-

deira de Arapiraca ; a alumna-mestra D. Julia Christina Maria Serpa

para a cadeira mixta de Mangabeiras ; o alunmo-mestre Joaquim Theo-

dozio de Cerqueira para a cadeira da povoação

mestre Francisco das Chagas Oliveira para a cadeira da Barra Grande ;.

a alumna-mestra D. Eduviges de Figueirêdo Martins

Leopoldina ; o alumno-

para a cadeira mix-

ta do Poço das Trincheiras ;. a alumna-mestra D. Amelia Balbina da

Soledade para a cadeira mixta do Sertãozioho ;. o alumno-mestre Ra-

para a cadeira do povoado de Gamo!-

Leopoldina de Almeida para a eadei-

a alumna-mestra D. Alipia Othilia

miro Gomes de Araujo Medeiros

leira; a alutnna-mestra D. Josefa

ra.mixta da povoação da Branca, Ramos Freire para a cadeira do

sexo feminino de Ipioca ;

a alumna,

para a cadeira mixta da Bar-

Rosa 'Monteiro para a

mestra D. Vicencia Baptista Teixeira.Lima

ra de S. Miguel; a alumna-mestra D. Candida

cadeira do sexo feminino da

minata Thereza de Jesus Alleluia

Boião'

Barra Grande ; a alumna-mestra D. Illu-

para. a cadeira mixta de S. José da.

a alumna-mestra D. Francisca Wanderley Leal para a cadeira

;. a alumna-mestra D. Santina da Silva

mixta do Pontal de Coruripe

Pontes para a cadeira do sexo feminino alumna-mestra D. Candida Jacintbá Paes

de S. Miguel. dos Milagres ; a.

Reis para a cadeira do sexo

; a alumna-.-

feminino dos Olhos d'Agua do Aceioly; a alumna-mesira D. Senhorinha

de Brito 'Maia para a cadeira mixta

mestra D. Maria da Gloria D. Maria Áurea Torres Dias

para a cadeira mixta de Tanque d'Arca ; a alumna-mestra D. Maria Alcina da Silva

sára ; a alumna-mestra D. Joventina Barbosa de Oliveira

de Palmeira de Fóra

de Oliveira para a cadeira mixta do Tibiry

;

para a cadeira mixta da Jus-

para a cadei,-

Maria de F.i--

ra tampem, mixta .da Ponte de Jequiá ; a alumna-m.estra,D

'11

: neir.êdo Martins para a cadeira do sexo feminino do Limoeiro de Pão

.dtAssucar ; a alumna-mestra D. Maria Paulina do Albuquerque Rios

,para a cadeira mixta da povoação do Giráo ;

'Francisca de Lima Caldas para a cadeira do sexo feminino da povoação

do Junqueiro ; a alumna-mestra D. Julia Duarte de Araujo para a ca-

deira miada da Varzea do Pico ;

a alumna-mestra I). Rosa Francisca de

'Lima Caldas para a cadeira mixta da Pindoba, ficando sem effeito sua

anterior nomeação para a cadeira do Junqueiro ; o alumno-mestre Ma- noel Teixeira de Lima para a 2:3 cadeira da cidade do Pilar durante o

a alumna-mestra D. Rosa

impedimento do professor effectivo ;

D. Maria Calheiros do Albuquer-

que Mello, alumna-mestra, para a cadeira do sexo feminino da povoa-

ção do Junqueiro, e a alumna-mestra D. Julia Duarte de Araujo

cadeira mixta da povoação da Branquinha, ficando sem °Efeito

para a

sua ao-

tenor nomeação para a cadeira Lambem mixta da Varzea do Pico.

CADEIRAS TRANSFERIDAS.Sabre proposta do director geral da ins-

trucção publica transferi :A cadeira mixta do povoado « Agua de Me- ninos» para o de Pedreiras de Alagóas ; a cadeira mixta da Lagôa

Canóa para o povoado « Varzea do Pico » ; a cadeira mixta da Raiz

para o povoado « Fernão-Velho », visto não haver ali numero sutil-

ciente de aluamos matriculados ;

a cadeira mixta da povoação de Cal-

deires, no naunicipio da Palmeira dos Indios,

para o povoado « Man-

gabeiras », arrabalde desta capital, e a.cadeira mixta da povoação do

Mosquito paia Pajussára.

CADEIRA DE PAJUSSÁRA.Tendo Sido por acto de 28 de Dezembro do

anno proximo findo transferida, por conveniencia do serviço, a cadeira

mixta da povoação do Mosquito para a Pajussára, visto haver passado a cadeira dessa localidade a funccionar, de conformidade com o art. 14 da

resolução n. 4.004 de 20 de Junho de 1887, na rua do Commendador

Sobral, desta cidade, declarei, era virtude de consulta da directoria ge- ral da instrucção publica, de La entrancia a actual cadeira de Pajussá-

ra, por quanto é esta a eathegoria que lhe compete pela transferencia da cadeira do povoado Mosquito para alli. Considerando que a ex-professora da cidade de Pão de Assucar, D. Angelica Rosa da Silva Pita, após haver obtido access() por antiguidade á 33 entrancia, foi removida para a referida cadeira de 1.3 entrancia de Pajussára ; e, sendo de conveniencia do serviço ser ella mantida nessa cz.cleira, resolvi, atiendendo a direitos adquiridos, que a sobredita pro- fessora perceba os vencimentos de 3.' entrane,ia que lhe competem por lei, sendo-lhe garantidos todos os demais direitos e regalias inherentes

á entrancia a que pertence.

LYCEILConta hoje este importante estabelecimento de instrucção

mandaria 13 cadeiras -frequentadas por 228 estudantes.

Dotado de

um corpo docente.illustrado e zelóso, continúa a produzir os mais li-

songeiros resultados.

Existem mais duas cadeiras de instrucção secundaria

na ci-

dade do Penedo, sendo uma de francez e outra de latim, am-

bas regularmente

frequentadas, e

mais diversos estabelecineentos,

como sego': o Lyceu de Artes e Officios, que sob a direcção do digno

professor Antonio José Duarte, vai prestando os mais relevantes servi- ços á causa da instrucção popular ; a Escola Central fundada ultima-

mente nesta capital cujos resultados obtidos até agora deixão.transpre-

cor o muito que ha de esperar do tão util e philantropica

outros estabelecimentos particulares do instrucção primaria

ria nesta capital e cru outros pontos da província.

instituiç9.0,

o secunda,

ELEIÇÃO GERAL

Tendo á vista o Aviso do Ministerio do Imperio de. 15 de

Agosto.

do anuo proximo passado, marquei por acto .de 15 de Outubro o dia.

Q11. de Dezembro para proceder-se no 3.° e 5.°

districtos

á .eleição para

preenchimento das vagas abertas na cainara dos

fallecimento dos (lis. Francisco Ildefonso Ribeiro de Menezes e Filinto

snrs. deputados pelo

Elp:io Lemos Gonzaga.

Foi eleito pelo 3.° districto, em 2.° escrutinio, o dr. Mariano Joa-

quim da Silva e em

nandes dos Santos.

escrutinio pelo 5.° districlo o dr. Theophilo Fer-

Quanto a esta eleição geral occorreu

Tive conhecimento, por participação da

o seguinte

meza eleitoral da Impera-

Mendonça Sarmento,.

a da elei-

da votação, documento

triz, que o delegado d'alli, Presciliano Tavares de

se apoderara do livro das actas, por occasião de ser assignada

ção que acabava de ter lugar, e o

eleição, dando-se, porém, esto facto

rasgara, com o intuito de inutilizar a,

quando já se achava affixado

porta do edifício o edital contendo o resultado

que a meza pôz immediatamento a salvo.

Dimitti logo o mesmo

Sarmento do cargo de dekgado, como me

que praticára, e officiei ao pr.,)mo-

elle o procedimento cri,

aguardava o 2.° escrutinio

respectiva acta, tomei.

acontecimento, que effecti,

cumpria, á vista do acto criminoso

ter publico da comarca para intentar contra_

nainal.

Constando-me que o referido individuo

para proceder do mesmo modo em relação á

providencias tendentes a evitar semelhante

vamente não se deu.

Tambem me coube

providenciar no sentido de garantir a ordem e

Jussára, onde o espirito partidario

assustadores_ nesta capital,

prevenir conflictos no districto de.

se achava muito exaltado, correndo boatos

acêrca de actos delictuosos que alli se projectavam.

Em consequencia das

ral tambem pacfficamente

medidas tomadas, correu o processo eleito-.

naquelle.districto.

todas

as providencias por mim.

por telegramma

O Governo Imperial, approvando

tomadas, teve-as .por acertadas, conforme declarou-me

o exm. Presidente do Conselho e Ministro interino do Impeli°.

ELEIÇÃO PROVINCIAL

O meu digno antecessor

por acto de.23 de Julho do

convocou para o dia I.° de Junho vindouro

armo passado

pro-

a assembléa legislativa

vincial que tem de funccionar no biennio de 1885 a 1889

5, de Agosto

e por acto de -

eleição .

designei o .dia.21 de Dezembro para se proceder á

de seus membros.

Teve lugar

effectivamente a eleição no dia marcado,

legislativo

n.

de acc,órdo com o decreto

a qual foi feita

3.3i0 de I+ de 0,itubro de

.S87 e instrucçUes que baixaram ferido mez de Outubro.

com o decreto n. 9.790 de 17.do re-

O, processo eleitoral, correu regularmente

13'

ELEIt;71.0 SIUNICIPAL.

Tendo designado o dia 10 de Janeiro

do corrente anno afim de ef;:

vagas de vereadores da Ca-

fallecirnento

fecluar-se a eleição para preenchimento das

mara municipal da villa de Porto de Pedras, abertas pelo

'de Juvencio da Graça Bello e por Antonio

dou-se, foram eleitos os cidadãos

Manuel Joaquim de Verçosa Lins Junior.

Alves da Silva Main que mu-

Manoel Angelo da Silva Beranhen e

Havendo fallecide o vereador da

camara municipal da capital,

Melchiades Silvino aluniz, designei o dia 10 de Janeiro deste armo afim

de proceder-se á eleição para preenchimento da vaga, major Manoel Martins de Miranda.

sendo eleito o

Trazendo ao meu

conhecimento o presidente da camara municipal

o vereador João Baptista. da Silva

para preencher-se a vaga ; o que

o cidadão Felix Barreto

da villa de Piranhas que fallecera

de Araujo.

Queixinho, mandei proceder á eleição

teve legar no dia 8 de Fevereiro, sendo eleito

No dia 27 de Fevereiro fez-se

nova eleição, afim de ser preenchida

por haver o cidadão .10r)

de fabriqueiro ;

foi eleito

uma vaga de vereador da camara do Traipú,

Einigdio de Albuquerque optado pelo lugar

o cidadão Ulysses Rodrigues de Albuquerque.

Ordenei que no dia 23 de Março ultimo

se effectuasse a eleição de

Coruripe, visto

ter falle-

um vereador da camara mnnicipal da villa de

cido o capitão Francisco das

Chagas da Trindade Lessa,

Não consta o resultado.

Designei o dia 15 de Maio vindouro

para a eleição de um vereador

ser preenchida a va-

visto ter aceitado o lu- gar de thesoureiro da estrada de Ferro de Paulo Affonso

ga deixada pelo vereador Antonio Alves Feitosa,

camara municipal da villa de Piranhas, afim de

ADMINISTRAIÃO DA JUSTIÇA.

JUIZES DE DIREITO

Por decretos de

13 de Outubro de 1887 foram removidos,

comarca de Porto Calvo, bacharel

do, o juiz de direito da

a Pedi-

João Baptista

Guimarães Cerne para a.do Rio Pardo

o dessa para aquella o bacharel Adalberto

que a 27 de Janeiro

gueiredo,

exercido.

na prozincia de Minas-Geraes, e

Elpidio de Albuquerque Fi-

o respectivo

proximo findo assumiu

Tendo fallecido os juizes de

direito das comarcas da Imperatriz

Rosa.Silva e Miguel Felicio

de

Traipú, bachareis Salvador Dias

e

da Silva, foi nomeado por decreto de 31 de Dezembro ultimo

I.' dessas comarcas o

Bastos

para a

bacharel Manoel de Araujo Góes, e removidos por

corrente anno para a 2.a

o da de Paulo Af-

Mendonça e para essa o da de Vigia no

decretos de 9 de Janeiro do

fonso, bacharel Simião de Faro

Pará, bacharel José Fiel de Jestis-Leile.

Acho-se provida s

todas as 14 comarcas da provincia

e em exerci-

com excepção do da Palmeira dos Indios, ba-

do os respectivos juizes,

cliarel Frederico

Ferreira França, e do da Imperatriz,

de Araujo Góes, que estão

bacharel Manoel

que lhes con-

cedi para tratamento de saúde ; e bem assim .o da comarca de Paulo

em goso de licença de 3 mezes

Affonso, ultimamente removido, bacharelJosé Fiel de Jesus Leite, que ainda não se apresentou.

,Por acto de 29 de Novembro proximo passado designei, na .fórma das disposições em vigor, a substituição dos juizes de direito nesta,pro-

vinda, durante o corrente anno.

Julgo opportuno e mesmo de convenieneia inteirar

a v. exc. da

occurrencia que em principios de Janeiro ultimo se dera com o juiz de

direito da comarca de Pão de Assuar, bacharel Francisco José da Silva

Porto ; =arrenda esta que detalhadamente verá v. exc. do officio que

a 21 de >Fevereiro dirigi ao exm

District°, e é o seguinte

Çonselheiro

Presidente da Relação de

Tendo o juiz de direito da comarca ',de Pão de Assucar, bacharel

Francisco José da Silva Porto, se ausentado de sua comarca sem licen-

ça, em contravenção ao disposto no art. 85 s 1.0 do decreto

ii. 4.824

de 22 de Novembro de 1871, corre-me o dever delevar o facto ao ce-

rrhecimento de v. exc.

Apodou a esta capital no dia 15 de Janeiro ultimo, procedente

do Penedo, o vapor « illarquez de Caxias » da companhia bahiana, e

nelle veio como passageiro o mencionado bacharel, conforme verá v.

exc. das copias juntas sob n." 1 e 2.

Julguei então conveniente dirigir-lhe o oficio por copia annexo

sob n. 3, afim de que me informasse a respeito, desde que não constava

tivesse elle obtido licença desta presidencia ou de qualquer outra aut.°.

ridade competente, e inc cabia a observando do disposto na ultima par-

te do mesmo 3 1.°

O referido magistrado recebeu o meu officio (copia n.

4.) e ne.-

nhurna, reseosta,lhe deu, deixando por tal modo de cumprir o seu de-

ver, pois é incontestavel a faculdade que têm os presidentes de provia-

cia de exigir dos juizes de direito informações a respLito de seus acto.,

até mesmo junliciarios (Aviso de 9.5 de Novembro de 1SGS) incumbidos

como são pela lei os mesmos presidentes, na qualidade de delegados do

.poder executivo, de Velar pelo exacto cumprimento dos deveres de todo

o empregado da provincia a seu cargo, para prommer a sua responsa-

bilidade quando fór caso deita. (Aviso citado de 25 de Novembro de

1868, de 28 do mesmo mez e de 18 de Julho de 1882 sob n. 43).

Quatro dias depois de lhe haver expedido o indicado officio, re-

cebi o que vai por copia sob n. 5, datado de Pão de issuear a 12 de Ja-

neiro, em que dito juiz communicava ter nesse dia passado o exercicio

do cargo ao seu substituto legal, por motivo de molestia.

Este oficio, porém, não podia para esta presidencia ler o valor

que lhe attribuiu o seu signatario, pelas seguintes razões

1. Não conter o respectivo sobrescripto, conforme verifiquei, os

carimbos das repartições do correio de Pão de Assucar, Penedo e desta

capital, pelas quaes devia normalmente Ler transitado antes de chegar

a esta presidencia, o ,que ,fez nascer a conjectura de haver sido elle es-

eripto nesta capital depois da exigencia de informações feita por esta

presidencia,

2.' Porque os juizes podem permanecer fóra do exercicio, por mo-

tivo justificado, até 30 dias, (Decreto n. 7.086 de 16 de Novembro de 1$78, Aviso n. 42 de 3 de Agosto de 1883) mas dentro dos limites de

sua comarca, por quanto, si deita se ausentarem sem licença, incorrem

u- E nem des,la esta presidencia aceitar semelhante communicação,.

quando tinha plena certeza de se achar o officiante

lista de passageiros e entrega do officio em mão propria,

na capital, já pela,

j

pelos jov-.

naes da terra, um dos quaes

até o comprimentou pela sua chegada,

(exemplares juntos sob n " 6 a 8).

Não assenta ainda em base legal o procedimento do referido ma-

gistrado, quando queira soccorrer-se, para justificar sua ausencia, da.

faculdade que os juizes Qin pelo Decreto do 30 de Novembro do 1853,

de sahir da comarca durante as frias do fOro, uma vez qiie a cidade do-

Pão de Assucar, sede daquella comarca, demora a 376 kilornetros da.

capital, e não era dado ao mesmo juiz, por qualquer meio de transpor-

te, vencer essa distancia em 24 horas para os fins da lei,

explicados no Aviso n. 115 de 8 de Março de 1860.

claramente

A' vista de todo. este occorrido,. dirigi. á thesouraria. de fazenda

o oficio publicado no exemplar junto sob n. 9, afim ele que aquella re-

partição procedesse na ferina da lei em relação aos vencimentos do dito

magistrado.

lletirou-se 'este da capital com destino á sua comarca a 24 de Ja-

neiro. no mesmo vapor « Marquez de Caxias », (exemplar annexo sob

n. 10) e, ainda em Penedo a 25 de Janeiro, participou haver reassuini-

do o exercício do cargo, (copia junta sob n. II) quando semente a 30

de Janeiro seguiu para sua comarca no vapor fluvial, como tudo se ve-

rifiCa da copias que acompanham sob n.°512 a 16.

Fazendo a v. exc. esta communicação, tenho cumprido o meu

dever ».

De todo esse occorrido dei igualmente conhecimento ao Ministerio.

da Justiça, ao Supremo Tribunal de Justiça e á thesouraria de fazenda

JUIZES 31UNICIPAES E DE ORPHÃOS

Tendo deixado de ser reconduzido o juiz municipal e de orpliã'os

do termo de Santa Luzia do Norte, bacharel

José

Paulino de Bi.ito

A-raujo, que terminou o quatriennio a 2 de Abril de 1887, foi nomeado

para esse cargo por decreto de 14 de Julho daquelle anno o bacharel

Luiz Emigdio Paes Lima, que a 10 de Setembro assumiu o respectivo.

exercício.

Conta a província 27 termos providos de fero civil e sob a juris-.

dicção de 21 juizes leltrados, cujos lugares achão-se todos preenchidos. A'. excepção do juiz municipal e de orphãos do termo da Palmeira dos Indios, bacharel Affonso Viriato de Medeiros, que acha-se licencia-

tio pelo Governo Geral, e os dos de Paulo Affonso,

meira que actualmente substituem aos respectivos juizes de direito, to- dos os mais estão no exercido de seus cargos

Imperatriz e Pala

SUPLENTES DOS JUIZES MUNICIPAES E DE ORPHÃOS

Devendo terminar a 7 do corrente o quatriennio dos supplentes dos.

juizes municipaes e de orphãos da provincia, resolvi por acto de 24 de Fevereiro ultimo, e de conformidade com as disposições vigentes, no-

mear novos supplentespara o seguinte, marcando aos nomeados o prazo

de 40 dias, que findou-se a 4 lambem deste corrente mez, afim de soli-. cilaremsens titules e prestarem juramento.

16

Dos SI nomeados, relativos aos 27 termos existentes, apenas Pf$

ileixarain do acceitaresses cargos, como se depreliende da não solicita-

ção tio seus titulos.

PROMOTORES PUBL1COS

Não existe vaga promotoria alguma.

'Em data de 13 de Setembro do anno passado exonerei o bacharel

Luiz da França Castro Barroca do cargo de promotor publico da co-

marca de Porto Calvo ,por ter sido nomeado juiz municipal e de orphãos

do termo de Porto de Pedras.

Removi, attendendo aos interesses da justiça :

A' 30 daquelle mez o da comarca da Imperatriz, bacharel A.Ifrdo

Alves de Carvalho para a de Atalaia, e o dessa, bacharel Manoel Anto-

nio Supardo para a da Imperatriz.

A' 'ti de Outubro o da do Penedo, bacharel Francisco de Assis

Araujo, para a do Pilar, e o dessa, bacharel Francisco Antonio Duarte,

para aquella.

A' 23 de Novembro o da de Paulo Afronso, bacharel Fiorentino de

Barros e Abreu de Arauje Jorge, para a de Traipfi, e o dessa, bacharel

Thomaz Suriano de Souza para a de Paulo Affonso.

2 de Janeiro ultimo o da do Pilar, bacharel Francisco de Assis

Araujo, para a de Anadia.

A' 21 de Fevereiro o mesmo dr. Assis Araujo de Anadia para o

Pilar. Concedi em data de 2 do dito mez de Janeiro e 29 de Março a exo-

neração que solicitaram os promotores publicos das comarcas de Ata-

laia, Anadia e Alageas, hachareis Alfrêdo Alves de Carvalho, Luiz Eu-.

genio da Silveira Leite e Rodrigo Correia de Araujo.

Nomeei, finalmente, promotores puhlicos

Da comarca de Porto Calvo,

a 26 de Setembro, o bacharel Luiz

Mesquita.

Ba de Atalaia, em 2 de janeiro, o bacharel Enclides Vieira Malta.

Da de Anadia, a 21 de Fevereiro, o bacharel Oclaviano Rodrigues

de Carvalho.

Dl de Porto Cairo, a 29 de Marco, o bacharel Marianao Augusto

de Medeiros, passando o daquella, bacharel Luiz iNlesquila,

Al agóas.

para a de

Estão em goso de licença: o da comarca do Pilar, bacharel Fran-

cisco de Assis Araujo e o da Palmeira, bacharel Joaquim Ayres da Silva

Costa ; os demais occupam effectivamente seus cargos.

ADJUNTOS DE PROMOTOR PUBLICO

Por actos de 19 e 22 de Setembro e 11 de Fevereiro ultirnos, exo-

nerei dos cargos de adjunto de promotor publico, no termo de Traipú o

cidadão Hermillo de Freitas Melro, no de Penedo o bacharel Matheus

de Souza Machado e no da Palmeira o cidadão Clementino Alves de.Sou-

za Mororú ; os dous primeiros, a pedido,

o o terceiro por mudança de

domicilio ;

e bem assim nomeei, em vista de proposta dos respectivos

para o termo de Traipif

o cidadão servdiano cavai-

juizes de direito :

cante MangaLeira, para o do Penedo o bacharel Josó Maria Gonçalves

-

-

Pereira .e .para o de Porto Calvo, que achava-Se vago, o cidadão José

iChysostomo de Almeida Costa.

OFFICIOS DE JUSTIÇA.

Antorisado pelo art. 309 do decreto n. 9.420 do 28 de Abril de

,1885 aceitei a desistencia que fizeram : José Joaquim Tavares da

_serventia vitalicia do officio de escrivão de orphãos

do termo de Porto

Calvo ; José Chr.ysostomo de Almeida Costa da de 1.0 tabellião do pu-

blico judicial e notas e escrivão da provedoria

de capellas e residuos do

e Aureliano de Lemos Lessa de suc-

cessor do escrivão de orphãos

Os dous primeiros cartorios estão em,concurso, o para exercer in-

,terinainente o 3.0 nomeei o cidadão Francisco Joaquim da Natividade

;termo de Santa Luzia do Norte ;

do termo do Penedo.

Reis.

De conformidade com o art. 1.0 da lei geral n. 3.322 de 14 de Ju- lho de 1887 fiz mercê a Manoel Correia da Annunciação Gama da ser-

ventia vitalicia dos ()Meios de 2.° tabellião do publico judicial e notas o

.escrivão do jury e das menções criminaes do termo do

e em execução do art. 1.0 da lei provincial n.

anuo pt oxinno passado declarei annexo ao

Piassabussit

1.009 de 23 de Junho do

2.° tabellionato do ttrino de

-Cainaragine a escrivania de orphãos, que até então estava reunida ao

1.0 tabellionato.

O serventuario desse ultimo cartorio, considerando caso de opção,

declarou fazêl-a pelo,tabellionato a que

Geara annexa aquella escrivania

28 de Abril de

porém, em vista do art. 298 do decreto n. 9.420 de

1885 e aviso do Ministerio da justiça de 27 de Maio daquelle anuo dei- :Nel de attendel-o por despachos de 23 de Dezembro e 21 de Março ul-

timos.

ESTADO FINANCEIRO Dl PROVINCIA.

.Em 5 de Setembro do anno proximo passado, quando assumi a

administração desta provincia, em vista dos dados officiaes ministrados

pelo thesouro provincial, verificou-se existir nos cofres respectivos o

saldo da quantia de 118:G63570, além da divida

fundada de réis

.329:261042.

Appliquei, tanto quanto me foi possivel, toda a attenção para o

estado economico e financeiro da provincia, era comparação com as de-

mais provincias do Imperio, guardadas as porporções relativas, reco-

nhecendo que não se pode considerar de desagradavel aspecto o fatoro .e mesmo o presente desta provincia em relação a suas rendas, e por .conseguinte a applicação delias ás suas despezas mais necessarias, era

e progressos naturaes, garantirá

Jeliz exito.

conformidade a seu desenvolvimento

E' na verdade notavel o decrescimento da receita, mas observa-se

que a causa originaria desse facto, assenta em urna circumstancia occa-

Desta consideração resulta

sional da baixa dos

generos de exportação.

que removidas as difficuldades que teem influido mais ou menos na5

itransacç5es commerciaes, tornando-se frequentes as operaçõ'es de com-

ra e venda dos productcs da provincia, 3uas rendas necessariamente

,,terão aumento consideravel.

Expedindo a3, ordens que julguei mais convenientes o acertadas nat ifidispensavel applicação dos dinheiros publicas com as medidas econ9-

micas que foram adoptadas, tendo em vista os compromissos existentes.

e as dilliculdades financeiras que, em geral, no paiz toem affectc.do a to-

das as classes e instituições, pude manter em dia todos os pagamentos

que poderem ser legalmente realisados e deixar no cofre do [besouro a

quantia (em dinheiro) de 19.8:97860 até o ultimo balanço a que- se

procedeu em 31 de Março proximo findo.

DIVIDA. INTERNA

A divida interna da provincia até o presente é a seguinte

1515 apoliees de sua emissão

a juros

de G c/c, ao anuo, réis Ao Monte Pio (los Empl'egados

A diversas instituições pias,

provenientes do

'31:500n00.

136.A 00.1000

imposto de 150/0 sobre loterias que fiz em-

pregar, por emprestimo, para pagamento

integral da quantia já referida de sessenta

contos de réis ((5O:000-7;000) aos herdeiros

do Conde Pereira Marinho, no dia do ven-

cimento da obrigação contrai-lida pela pro-

vinda e para firmeza do credito desta, réis prefazendo toda a divida interna mencionada o total de reis.

Pude conseguir que até-. hoje fossem

41:36.1n42.

39.9:2610-19;

em dia os paga-

realisados

mentos do funccionalismo publico da provincia.

e foi satisfeito integral-

mente a ultima prestação de 60:000000 aos herdeiros do

Pereira Marinho, restante do

['Ora feito a esta. mesma provinda.

Conde de

imprestimo de 150:000,15000 que por este

Nenhuma parte constitutiva da referida divida tem preso fatal.

-ultima pode ir sendo satisfeita

A

por conta da « quota-». de 33 000000

art. 18 §

provincial depende especial-

consignada na lei do orçamento vigente

O melhoramento do estado financeiro

mente da decretação de leis

importantes e acertadas, e aguardava a piei-

propos-

xima reunião da assemblèa legislativa

-tas mais urgentes e

respectiva para fazer as

indispensaeeis com o fim de ter no futuro orçamen-

a despeza, como se faz preciso.

to o equilibrio da receita com

Entre as medidas mais proveitosas

ao engrandecimento das rendas.

convergem mais directamente- para a fiel exe-

parte dos que Icem a seu. cargo evitando que as beas disposições

publicas, lembro as que

cução das leis e fiscalisação rigorosa da

a arrecadação dos dinheiros publicas,

legislativas fiquem

agentes executores.

na pratica prejudicadas pelo enfraquecimento

dos.

Lembro tambem.que sem os-meios

necessarios para essa rigorosa

e para evi-

pelos que criminosa-

fiscalisação não podem

ser proficuas as.dieposições .legaes,

de direitos

tar-se a reproducção de subtracção

mente se furtam aos pagamentos

doimposios devidos nas repartições ar--

a qaantia precisa para o esta-

recadadoras,provinciaes, deve ser votada

belecimentd de armazens.nos

conter em deposito' todos os volumes de

consulados, com a precisa capacidade de-

mercadorias sujeitas a.direites.

provinciaes, tripulando-se regularmente escaleres ou barcos destioado'S

ás rondas á noite e ao recebimento dos generos que, livres do direitos geraes, não o s5.'o dos provinciaes, como acontece com a importação por cabotagem, qao se faz em grande escala nos portos desta capital e

nos do Penedo.

Convém, portanto, que o poder legislativo,- corno competente, to-

me na maior consideração o ponto que diz respeito á fiscalisação devida

na arrecadação da receita provincial, para que os calcules regulares dos

orçamentos não tiquem

nullificados

na pratica, o que acarreta o gravis-

sirno inconveniente

dos « deficits » que afinal

são verificados, desde

que as bases da receita ficam pelosabusos, negligencia, e- recalcitrancia

dos contribuintes, consideravelmente prejudicados.

Entendo neste momento tambern trazer ao conhecimento de v.

exc., ainda que resumidamenfe, « o quantum » das rendas geraes nos

dois ultimes exercicios, 1885 a 1886 e 1886 a 1887, em vista dos dados

que inc foram ministrados pela thesouraria de fazenda e constam de 3

quadros.

di-

ve-

Pelo quadro demonstrativo da receita

ar recadada

pelas

versas estações da provinda,

rifica-se

nos referidos dois

exercicios,

a quantiade 99a:9a7787 (para o exercido de 1885 a 86)

e a de 2:120:742860 paraaa de 1886 a 1887, estando computados

os 6 mezes addicionaes. Este resultado, por si mesmo, é a expressão

mais positiva do progresso agrícola, comniercial e industrial da provia- cia, e o attestado mais honroso que poda ser invocado em prol do func-

cionalismo publico da fazenda

geral nesta provincia,

cuja repartição

central, que é a respectiva thesouraria, conta empregados

tinctos e zelosos no desempenho de seus cargos,

muito dis-

CAIXA ECONOMICA.

Este estabelecimento, que funcciona no edificio da thesouraria de

fazenda, a ella annexado pelo decreto n. 9.738 de 2 de Abril do anno

proximo passado, tem tido algum desenvolvimento

.tendem a augmentar.

As agencias filiaes creadas pela presidencia era G de Abril daquelle

e suas operações

armo, em conformidade do § 2.° do art.

fandega do Penedo e nas mezas de rendas das cidades do Passo de Ca-

rnaragibe, Pilar e S. Miguel, não foram ainda installadas pela falta do

credito necessario para as despezas com a acquisição de livros,

netas e mais objectos indispensaveis.

cader-

O saldo existente em deposito até o 1.0 de Janeiro fiado é de réis

1.0 do citado

decreto, na

140;756823.

CAIXA. COMMERCIAL

Pelas informações que me foram. prestadas pela respectiva directo-

ria vê-se que funcciona regularmente, fazendo suas operações de ac-

Gérdo com os estatutos que a regem.

O movimento deste estabelecimento bancario no semestre .de Ju-

lho a Dezembro do armo de 1887

foi de réis 1.819:52(0637,

,0-,se com o saldo de i8:91590 rei.s.

f.echan-

9.0!

Existiam em carteira até 6 de Janeiro do corrente anno 702 letras,

representando o capital de reis 651.582706.

Os lucros resultantes das transacções desse estabe,ecimento no se-

mestre alludido foram de 21:9.70018 réis a dividir pelos seus accio-

nistas, na razão de 3546,01, equivalente a 7,09 °/ao anuo,

Subirom a 8:0S336 réis os descontos que passaram para o cor-

rente semestre.

Foram transferidas acçiíes no valor de 12:000-7;000 réis.

O seu capital continha a ser de 600:000000 reis e o fundo de re-

serva é da quantia de réis 45:873084.

E' a ur ica instituição do credito em toda a provincia.

Dizer isto é assignalar sob urna das suas lebres faces a

situação das populações agricolas contaminadas pela escravidão.deplorayel

A cornmandita do credito individual não pode satisfazer ás mais urgentes necessidades dos diversos ramos de industria, porque Lodos

os pi oblernas economicos resumem-se no presente na viciosa e vergo-

nhosa organisação do trabalho.

E' uma chitnera pensar-se na creação

de bancos na provincia, destinados a proteger, com especialidade a la-

voura, porque a questão dos bancos é uma questão de credito e este é

inseparavel do regime o da mão de obra.

Os bancos não podem emprestar sem garantias, e estas não podem.

ser offerecidas pela exploração servil das propriedades. A verdade em

these acha-se

cabalmente comprovada na pratica,

nesta provincia.

Assim, ao envez de clamarem os agricultores pelo estabelecimento de

bancos, elles deveriam, mais previdentes e convictos por tantos ensina-

mentos, curar direrja, e immediatamente da reconstituição do traba-

lho. O credito é apprehensivo, á semelhança do capital,

e sé poderá.

installar-se na previnem, de modo proveitoso, em frente da sciencia eco-

nomica e dos principies moraes, quando extinguirse

LOTERIAS

a escravidão.

Por acto de 30 de Janeiro do corrente anno approvei o novo plano . para extracção das loterias da provincia, que me foi apresentado pelo

respectivo thesoureiro.

AO exm. snr. Ministro da Fazenda dei conhecimento desse plano expondo o modo por que tèm sido executadas as recommen.dações do

Governo Imperial no tocante a este serviço.

Passo a transcrever o ofcio que sobre o assumpto dirigi áquelle

rninisterio :

N.°. 2.--La SECÇÃO. Palacio da.presidencia das Alagas em Ma- ceió, 15' de Fevereiro de 1888.

Illm. e exm. snr.« Dando conhecimento

a v. exc. do novo pia-.

sobre o modo

no que, para extracção das loterias desta provincia, approvei

por acto

d,;30 de Janeiro ultimo, passo a fazer breve exposição

por que têm sido executadas as recommendações do Governo Imperial com relação a este serviço.

« Antes de expedido o aviso circular desse ministerto, de

7-de Fc,

vereiro de 188-7; o jogo de

tomára espantoso desenvolvimento,

mente, na capital, .uma extracção por semana,. ei.muilas vezes,

loterias, nesta,como em outras provincias,

ao ponto de effectuar-se ordinaria-

duas.

<21'

extneçÔes de loterias, da importancia

total

de 40:000, 60:000;

80:000W00 réis.

«. Poderosamente contribuiram para.

isso, não só os artifícios e

por cóbro, mas tadbem as gran,

abusos a que o mencionado aviso vem u

des vantagens cencedidas ao thesourvi: o das loterias na organisação dos

respectivos planos, vantagens que o collocavam ao abrigo do azar e da-

vam-lhe segurança de lucro certo, ainda mesmo quando houvesse gran-

de sobra de bilhetes que por sulpropria

e risco

sorteios.

No plano approvado por meu antecessor em lc.).

1887, e pelo qual se regulou a e.d.racção de loterias até reiro seguinte, quando começou a ler execução o citado

buição do capital era feito na seguinte proporção

conta

entravam nos-

de

de Janeiro

ao fim de Fere-

aviso, a distr1-

Premies « Benefícios ás instituiçõeg pus

Imposto provincial e sello

Commissão do thesoureiro e despeza

73,75 'IQ

 

1,75

.

19,50

100,

Regulava dito plano a extracção (por séries) de loterias em que

figurava tuwcapital de 1,9,00:000-000 reis.

Mas os estabelecimentos beneficiados percebiam apenas o min-

guado auxilio do O:000-7)000, ao passo que dispunha

o thesoureiro

crescida importando de 9.3i.:000:7000 para sua cormnissão e despeza.

Ás acertadissimas providencias tomadas por v. exc., no alinlinio

de par cora a

defraudação no imposto do sello, explorara-se a ;anula do povo, pra-

aviso circular, golpearam eflicazmente o abuso com que,

mettendo-se-lhe grandes e imaginarias premios. E' certo que instituições pias e outros estabelecimentosoIe Cari-

dade existentes na provinda foram dotados, então,

rios com que realisaram-se obras e melhoramentos de urgencia e im-

de meios pecunia,

portando, pois que excedeu a 200:000O00 -a somma de capital em be-

que essas

neficias auferidos de toes loterias, mas não é menos certo

vantagens, obtidas á custa do sacrificio de innumeros proveito do menor numero, de modo algum justificam

individuos em

os abusos que

v. exc, tratou de cohibir, nem os graves

que o desenvolvimento a que attingira

regimen economico da sociedade e da familia.

damnos publicas e particta:res

o pernicioso jógo produzia no

Começando a ler execução, nesta provincia, a 1 de Março de 1887,

o citado aviso de 7 de Fevereiro,

as extracções

de lutarias com a seeleridade e pontualidade com que se succediam se-

cessaram

de repetir-se

manalmente.

Dois planos foram successivamente approv,ados. por men ante-

que o thesuu-

cessor, em 24, de Março e 3 de Maio daquelle anuo, sem

reiro das loterias pudesse levar a effeito nem -uma só 'extracção, por não

achar procura e sabida para os bilhetes; os quaes n.o primeiro desses.

planos correspondiam ao capital de 80:00000, e, no segundo, ao de 50:000000 réis.

Terceiro plano foi então organisado e submellido á, approvação

de meu dito antecessor, que o approvon a 23 de Maio do mesmo anno sendo observadas integralmenteas recommendações do Governo Impe::

rial no tocante ao deposito do imposto de 15

ta de beneficio, 10 0/.,. não sucedendo outro tanto com. referencia á coro.

seno de bilhetes e quo

missão e d'espezas do thesoureiro, desde que destinou-se para isso

vei ba de 10,58 ')/, sobre o capital, que, em dito plano, havia baixado

40;000000 reis.

Não obstante realisaram-se apenas Ires extracções por esse pia-

no, em 9.5 de Maio, 16 de Junho e 7 de Julho, e delias, sagundo alie-

gou o thesoureiro, sobrevein-lhe grande prejuizo em razão de avultada sobra de bilhetes que não acharam compradores, o que aliás era de es. perar, visto que, para se lhe deixar a porcentagem acima indicada para indemnisação de despezas, preciso fóra reduzir a 60 Vo a impor landa

dos preinios. Isto naturalmente devia produzir arrefecimento na

cura de bilhetes, pois que os compradores estavam já atreitos a planos

de loterias que davam-lhes probabilidades na razão do 70 a 75

crhpital.

pro-

do

Tendo a assernbléa legislativa provincial, por disposição consig-

nada no art. 56 § 6.° da lei n. 1.005 de 20 de Junho de 1887 limitado

o beneficio das loterias cru favor de instituições pias, de caridade e de

instrucção publica aos 15 o/o do imposto geral,

ainda organisado e adoptado por meu antecessor, em 4 de Agosto da-

quelle armo.

a ira-

portancia distribuiria em preinios elevou-se a U,33 °J., subindo, lam-

una quarto plano

1'J'

«, O-capital dé cada extracção baixou a 39:000000 réis ;

bem, a.commissão do thesoureiro

e despezas de 10,58 `70

a 10,63 D.1

ao passo que a quota destinada para beneficio descêra a I °1.

de Agosto a ri- de

venda de bi-

a qual sem-

pre fóra o mercado de maior consumiam, nenhuma outra extracção pó- de mais ter lugar, dando-se por isso a interrupção do serviço.

lhetes de loterias provinciaes,. na praça do Rio de Janeiro,

Por esse plano houve dez extracções, de 11

Outubro de 1887, mas, sobrevindo a prohibição legal da

Tratou então o thesoureiro de ol;ler a substituição

daquelle pla-

á li-

no por outro em que o capital de cada extracção fosse restringido

mitada procura e sabida que os bilhetes de

suas loterias podessem achar

fosse tem-

no pequeno mercado desta enes dormiras provincias,onde não

bem prohibida a entrada delles por lei

provincial, a exemplo da Bailia.

pareceram rasoaveis e pro-

approvando por acto de 6 do

de capital

limitado a

Atteedendo ás ponderações que inc

cedentes concedi a substituição solicitada,

Dezembro ullimo outro plano para extracções,

10:000.000 réis em bilhetes de 1000

réis cada um, mas procurando

recommendações do Governo

Fevereiro, de modo q.ue fiz

em lug.u. de

aproximar-me quanto possivel fosse das Ireperial, contidas no citado aviso de 7 de

consignar para beneficio das instituições a verba de 1.

1 °). estabelecido

no ultimo plano approvado por meu antecessor.

Entretanto, a importa.ncia correspondente á

distribuição de pre-

mios teve de descer a 5!1,83 °j

pro-

.visto que, por ser fixo este imposto,

das loterias quanto menor é o valor nominal

lugar a que as grandes loterias sejam, nesta parte, mais favorecidas do que as pequenas.

dos bilhetes, dando isso

pesa tanto mais sobre os encargos

cm consequencia do accrescimo de

porção na quota para o sello dos bilketes,

que elevou-se a 15,75 °J,

« Por semelhante motivo não houve

mais do que urna mica ex-

Dezembro ultimo, após

nal

das allegações do thesou-

tracção realisada por esse plano, em 27 de

adiamento e outras difficuldades

reiro, ás quaes attendi concedendo-lhe

constantes

a substituição do dito plano pelo

de que acima fanei, approvado cm :30 de Janeiro proximo p4sado

.

.

publicado no .« Diario

exemplar

23

das Alagas », de .que

remetto

incluso

Neste ultimo plano fui estabeleci.do o capital de 12:000000

.para cada uma extracão,1 sendo tli:trib.uido na seguinte proporção

Em premios

.

02,18 °!

Imposto geral, provincial e beneficio ,

.

Sello addicional e emolumentos ao fiscal.

.

8,23 °,/,,

Commissão e despezas

O 59

100,00

Sendo as loterias desta pro;incia actualmente de capital muito

'reduzido e sujeitas a impostos ppovinciaes e emolumerdos

pela fiscati-

sação, além da contribuição de 1:000Z!000 réis por trimestre a que está.

sujeito o thesoureiro, por disposição do art. 50 § 3.^ da citada lei n.

4.005 de 20 de Junho de 1887, quer hajam ou não extracções, é abso-

lutamente impraticavel, sem completa paralysação das mesmas loterias, organisação de planos modelados pelo que v. exc. adoptou com rela- ção ás loteriasgeraes,.ao qual se refere o mencionado aviso.

de

Deduzidos do capital das loterias desta provincia os 15

imposto geral, a imporlancia do sello dos bilhetes, cuja proporrilo ang-

menta na razão inversa do valor dado aos mesmos, tirados

e outras despezas creadas por lei provincial, si houver ainda a deducção

os impostos

de 10 `7,, para o beneficio, como preceitua o aviso, muito desfalcada fi-

cará a imporlancia dos premios, o, portanto, inteiramente féra da com-

: petencia com as demais loterias de outras provindas, que mais

de lucros offerecem aos compradores de bilhetes.

probabilidades

Além disso, a verba para commissão e despezas do thesourei-

.ro, limitada a 2 0/ em dito plano modéla, não pode deixar de ser exce-

dida nas loterias desta província, pois, sobre certas despezas inaltera-

. veis e sempre as mesmas, qualquer que seja a importancia das extrac

sbmente a dita contribuição fixa e permanente a que está sujeito

o lhesoureiro, em virtude de lei provincial, representa importancia sh-

. perior áquella porceniagem.

«. São estes os moti%tos a rpm lixe de. prestar -consideração nos deus

planos.que lenho approvado, figurando nelles o beneficio

pre foi muito mais elevada. Tenho empregado, pois, o mais de,cedido empenho

liquide de

0/0, o (piai, nos anteriores, era apenas de 1 0/, e a quota de 9,59 "0

para =Imissão e despezas de extracção, quota que anteriormente sem-

em cingir-

me ás regras traçadas pelo Governo Imperial no tocante ao serviço das

loterias desta provincia, harmonisando-as com

provinciaes, a que me cumpre igualmente aitender

as disposições de leis

».

OBRAS PUBLICAS PRO.VINCIAES,

Não ha ramo-da publica administração _que mais descurado tenha

.sido, nesta provinda, desde alguns annos, do que este.

Nenhum outro,. entretanto, mais devera

preoccupar os.espiritos em

e das mais productors

região justamente reputada de grande uberdade

Imperio. septentrional.

relacSjes

eia semelhantes.

.circurnstancias, pode influir, na riqueza publica e privada, o systema de.

Ninguem ignora quanto,

-.vias de communicação. Contribuindo,

,as

por um lado, para multiplicar

por outro.,. os,

des prodzclores das di7ersa.s zonas, facilita,

Il

IP

1,ransportes das materiasprimas e generos

procura interior, e bem assim

ção. Na actualidade, quando

explorações da industnia humana,

.portes devem ,constituir

deiwortação aos pontos de

dos produclos aos mercados de extrac- a concurrencia se manifesta em todas as

a facilidade e .celeridade dos 4rans-

do legislador e

o mais desvelado empenho

administrador.

.Quer se trate de simples caminhos vicinaes, quer

sobre o preço dos productos.

de mais impqr-

Jantes arterias de.ccimmunicação;

das deiferro., quer do serviço de

directamente

taes tomo estradas publicas e estra- navegação interior, os fretes influem

Assim, ,por

emplo,

o

aperfeiçoamento do systema de transportes

da provincia, compativel

della, poderá ser de muito maior alcance

com as forças orçamentarias

eceriomico para o productor do que o abaixamento irreflectido de certos

,impostos dançados sobre os produtos.

A diminuição apparente do cus-

compensará, o mais das vezes, sérios e morosidade dos

1u de producção., certo que não

prejuizos causados pela imperfeição, insufficiencia

.transportes. Apesar da escassez de tempo em que devo expôr o estado geral dos

negocios da provincia, occorre-me impertérrito

lastimavel situação em que cila se acha quanto

dever de consignar a

ás vias de communica-

ção, sotTetudo as terrestes.

assembléa legislativa provincial votando, nas ultimas legislaturas,

adminis-

insignificantissima verba para esse serviço, tem collocado a

tração

na .mais difficil

posição.

Si a presidencia

quizer attender

alguns embora em diminuto numero, dos mais urgentes reclamosdas po-

pulações, desprovidas de caminhos e fontes, terá de abrir credites sup-

'dementares, subindo a somma oito e dez vezes mais do que a votada,

perturbando de tal forma toda a organisação do orçamento. Si quizer,

ao contrario, restringir-se áquillo que a assembléa tem

julgado sura-

ciente, terã o supremo desgosto de ver a adminstração victima de

recriminações tanto mais acerbas quanto erram o verdadeiro alvo.

Todas as localidades da provincia solicitam, por meios otliciaes e

.pela imprensa, já não dizemos obras novas, pois destas Parecem haver

Perdido as esperanças, mas melhoramentos e conservação das que pos-

suem. Os caminhos mal podem ser percorridos, as pontes abatem, os

edificios publicos esboroam-se, os rios e canaes ficam cada vez- mais

obstruidos.

E' mister que se ponha termo á situação tão compromettedora dos

bons credites da civilisação da provincia, e, por conseguinte, da sua pros-

peridade.

Compulsando-se os.relatorios annualmente dirigidos

nheiro ila provincia á presidencia,

reconhece:se Tm não

pelo

enge-

5. falia de

esclarecidos estudos, a bem confeccionados orçamentos, a conceitos ver-

dadeiros daquelle funecionario, de cujas habilitações e jamais desmen-

tido zelo prezo-me em ora dar publico testemunho, nem tão pouco á bõa

vontade e actividade da administração, mas antes 5. incrivel parcimonia

(4 Verba do orçamento, é que se devem attribuir as queixas geralmente

levantadas.

Devemos confiar no patriotismo e luzes da assembléa legislativa

infelizmente, terá

provincial para que tal facto não se produzi,

corno

scedido, e para que se realise tão almejada reforma do serviço.

No .curto periodo em que estive a frente dos neg,'Jcios,

e apesar de

25'

todos os melhores intentos de imprimir nova direcção a essa servip,

muito pouco consegui, comparativamente ao que desejava,

Eis a demonstração do estado das obras :

OBRAS EXECUTADAS

Duas bandeiras de ferro para o lyceu provincial por

300000

Reparos dos cubiculos da cadeia onde estiveram

os doudos

780000-

_

Construcção do novo asylo de alienados em frente

 

ao cemiterio publico, feita por contracto por .

.

.

1:2920200

Concerto do gradil da ponte de embarque.

.

50000Q

Retelbamento da cadeia desta cidade inclusive os

algeroses e bicam°

Reparos de algumas prisões da mesma cadeia, factura de portas e das janellas

Reconstrucção da escada da entrada do mesmo

Reparos da estrada do General Hermes.

.

.

2860000

2800000

1190800

1070600

Nova canalisação de ferro para as latrinas do

Lyceu Provincial.

.

.

.

.

.

1800000

' Concerto da escada da: ponte de embarque em

Jarapuá

Idem do corremão da ponte do Bebedouro.

.

.

360000

200000

Reconstrucção do fogão e. chaminé da cadeia

desta cidade

Reparos de algumas prisões do mesmo.

Idem idem da dita

Idem do mercado publico

Idem de algumas prisões da cadeia da capital

Reparos do patamar e camarim do mar da

ponte de Jaraguá

Encaixotamento de pesos e medidas metricos.

Reparos da calçada e limpeza do jardim do the-

souro provincial

EM EXECUCiO

1150000

160680

500040

1480370

470000

640460

400800

830600

Galpão para oficinas e tarimbas da cadeia desta

cidade, contractado com Domingos Nunes Leite por

.

Caia mento geral interno da mesma, contraclado

com Frederico Morei por.

Este serviço está a terminar. Pintura a verniz de alcatrão das barras da cadeia

desta cidade. Esse trabalho tem sido feito pelo menos

e até agora se ha despendido

.

.

Reparos, raspagens e pintura da ponte dos Fon-

secas sobre o rioMaceió.---Está incumbido desses

serviços Antonio Maria da Roza ; acham-se bastante adiantados, seu custo é de

2:8840000

3400000

1600900

2430100

Reparos da Secretaria do Governo e de seu alibi-

vo ; vai em grande andamento, está encarregado deites

Frederico Morei sob minha immodiata direcção e as- PaliaçÃo

Reconstrucção da.ponte de embarque em Jara-.

guá, substituindo-se parle do madeiramento, contrac-

tado com o capitão Manoel da Costa Pereira Cutrim por.

Está em principio.

11:8000000

DEPENDENTES DE ASSIGN'ATURA DO CONTRACTO

Ponte do Poço, reparos

do Thesouro Provincial e do Consulado

de Jaraguá,

por mim approvada.

proposta de José Joaquim Dias Braga da 4180000, já'

Reconstrucção da ponte da cidade do Passo, proposta de 5:3000000; offerta de Petronillo Mendes Ferreira., Lambera já approvada.

ENCOMNIENDAS

A Jacintho José Nunes Leite postigos e bandeiras de ferro para os.

dois portões lateraes da cadeia, obra de-ferro de primeira qualidade e.

grande solidez por 5760000, inclusive a montagem. Falta serem assentados.

A José Rippol, fechaduras, ferrolhos e dois portões de ferro para,

duas prisões, em substituição dos de madeira, fechaduras e ferro-

lhos para todas as prisões.

Achão-se em via de execução.

A Souer, fechadura e concerto do portão da escola pratica á .praça,

das Princezas,. ajustados por 190000.

ORÇADAS

Planta e orçamento de uma ponte para o- rio Jacaracica. por.

2.:6400600 réis. E' de grande necessidade esta ponte.

Reparos da cadeia da villa de Santa Luzia do Norte por 1880472:.

Construcção da cadeia, casa da camara e jury para a villa da Im-

peratriz, era 32:2690310 réis.

Factura de um portão de ferro para a prisão n. 62 da cadeia desta.

cidade por 23000u0. Reparos da cadeia da vill a de Anadia, em 2:8940210.

Ditos da cadeia de 'Maceió. em 1280770.

Idem idem de diversas prisões 7610130.

Planta e secções transversaes para deseccamento do pantano Sobral:.

Reparos e reformas da cadeia da cidade do Penedo, avaliados em

10:2630166 réis.

Melhoramentos e empedramento da ladeira a estrada do Bebedou-

ro até o principio da Chã; estimados em 16:2440480.

Reconstrucção total da ponte de embarque em Jaraguá avaliada>

em 19:7130750. Desta quantia se deduzem 11:8000000 dos serviços.

contractados pelo capitão Manoel da. Costa Pereira

7:9130750 para substituir todo o madeiramento. Reparos da cadeia do Passo, orçados em 6590305.

Concerto da bomba de incendio e acquisição de material para re-

Cutrim, ficam

gularisar

1:1900000 réis.

esse serviço tão necessario quão urgente,

orçados

em,

Reparos do quartel de polkia, acquisição e. concerto de

estimados em 2060000

'Obras do asylo de alienados, aproveitandose a outra 'Casa emrfrerr-

:te ao cemiterio e murando-se o terreno,

orçados em 5:70570670 reis.

Reconstrucção da ponte do Trapiche da Barra, orçada em 40M000. Idem da ponte sobre o rio S. Miguel em frente á cidade do mesmo

*nome avaliada em 21:40705232.

Idem da ponte do rio Niquim, avaliada a despeza em 1:930*000.

Idem do pontilho antes ta ponte de S. Miguel, estimado era

CANAL DA ILHA DO PORTO

lia conveniencia em se ccmcluir este canal de grandes vantagens para a navegação da lagóa, pelo encurtamento do caminho para as el.-

dades das Alagóas e Pilar.

Dez contos de réis, segundo o engenheiro da provinda, é quantia

sufficiente ,para se .completar aqueile trabalho.

Esta quantia, sob a forma de adiantamento feito pela provincia,

poderá ser indemnisada mediante um imposto sobre vapores e barca-

cidade, na agen-

ças, cobravel no acto de despacho no consulado desta

cia das Alagóas ou meza de rendas do Pilar, conforme a procedencia das

embarcações. Este imposto pode ser modico e por viagem, de ida ora

de volta.

.CARTA COROGRAPRECA DA PROVINCIA.

De ha muito que era necessidade palpitante que se organisasse uma

carta da provincia,

desse serviço ao

e compenetrando-me de sua utilidade, encarreguei

engenheiro da provincia, o qual me fez della entrega

em 26 de Março ultimo.

0 trabalho não é completo, pois que não ponde passar de um es- bóço, e de faturo Me e deve ser melhorado.

Colleccionaram-sa varios trabalhos esparsos de outros, revira-se o mappa do senador Candido Mendes de Almeida, a carta levantada pelas

obras publicas da de ferro do

de Pernambuco, as coordenadas astronomicas da estra-

Recife ao S. Francisco, do engeftheiro krauss, varias tra-

balhos das estradas de ferro desta provincia, nos quaes

'-aquelle engenheiro, e muitos.trabalhos que hão sido

tomou parte

feitos por elle na

provincia durante urna residencia de 29 annos.

Tl qual está organisada, veia supprir uma lacuna que de longa

data existia o a sua utilidade não tardará a ser geralmente reconhecida.

Mandei lithographar 2:000 exemplares na Ude,

donde breve de.

.vem ser remettidos e pagas as despezas pelos cofres provinciaes.

QUADRO DAS DISTANCIAS ENTRE OS TERMOS

DA PROVINCIA

E COMARCAS

Foi incumbido pela presidencia o engenheiro

fiscal da provincia de

,ever esse trabalho, attendendo ás alterações

que ultimamente se teni

dado na divisão judiciaria da mesma provinda.

Àquilo ftmccionario já apresentou o seu trabalho, que preencho

;Inrfeitatnente os fins a que é destinado.

.fiá se acha impressopara ser distribuído convenientemeute.

28

ILLUMINAÇÃO PUBLICA

Este ramo de serviço está a exigir algumas modificaç6es que não

realisei, por não ter para isso expressa autorisação da Assembléa Le-

g;slativa Provincial, cuja reunião aguardava para propôr as medidas que me parecem adequadas a esse serviço, cujo systema convém seja subsli-

tuido, de accórdo cornos melhoramentos adoptados em algumas .pro-

vincias do Impede).

Tendo os contractantes da iluminação desta capital, a gaz carbo-

Bico, Pedro Remardes Ribeiro, cessionario do Visconde de S. Christo-

vão, Alfredo Quenl e Jacintho José Nunes Leite reclamado contra a de- cisão de um de meus dignos antecessores, considerando *caduco o con-

tracto com elles celebrado, por despacho de 6 de Dezembro do anuo

proximo passado, confirmei em todos os seus termos o acto presiden-

os fundamen-

cial a que mo refiro por não me parecerem attendiveis

tos de semelhante reclamação. Todos estes papeis se acham na se-

cretaria desta presidencia.

O serviço da iluminação, que

é actualmente a kerosene, con-

tinúa a ser feito pelo contractante Manoel da Costa Pereira Cutrim. O systema actual da illuminação é pessimo e longe está de corresponder

á despeza que faz a provineia com semelhante serviço.

Estou certo que a Assemblèa Provincial, de accÔrdo com

a admi-

nistração, tomara as providencias energicas exigidas pela situação actual,

que carece de ser radicalmente modificada.

Este dever será tanto mais grato

quando è certo que um inteligente

de cumprir a essa corporação,

filho da provincia, snr. Arrremiro

Augusto da Silva, teve a felicidade de desc&brir um systema de Iam-

padas electricas, que veio introduzir completa revclução

da iluminação publica, não devendo este invento

dignamente recompensado peia mesma corporação.

no 'problema

deixar de ser con-

ENCANAMENTO D'ÁGUA POTAVEL

Este serviço é um dos que mais prenderam minha allenção.

Muitas e complicadas são as causas que

concorrem para as irregu-

capital, contra o qual se levantarn

laridades do abastecimento d'agua á

constantes reclamações da população.

Não foi de bom aviso a alienação do encanamento aos actuaes em-

presarios, Jacintlio José Nunes Leite e Manoel José de

as condições estabelecidas no art

de 1883.