Você está na página 1de 5

História do povo cigano: os intocáveis

Compilação de Constantino K. Riemma

Cigano quer dizer "intocável". Vem do grego athinganoi, que se transformou em atsigan e tsigane. E
reflete a relativa incomunicabilidade que existiu entre esse povo e os demais. Na Espanha, seu nome é
gitano, resquício da crença em sua origem egípcia (gitano vem de egiptano), o que também acontece
com a denominação húngara de Faraonemtség, que quer dizer raça do faraó. A crença foi disseminada
pelos próprios ciganos, que, ao chegarem à Europa, se apresentavam como nobres egípcios. Mas, na
verdade, os ciganos têm ascendência hindu.

Semelhanças indicam a origem:

Ruppa, em prakiti (dialeto hindu da casta Domba), significa


prata. Rup, em romany (língua cigana), quer dizer a mesma coisa.
A coincidência ocorre entre muitas outras palavras das
línguas prakiti e romany. Inclusive Roma, que os ciganos usam para nomear-
se, é muito parecido com Domba, nome da casta hindu.
Não haveria parentesco entre os dois povos?
Die Zigeunerin
O costume das danças e do canto, a estatura média, a cor morena, os
cabelos e olhos negros são comuns aos dois povos. Frans Hals (1626)

Todos esses indícios respondem de modo afirmativo à interrogação.

Migração

O ramo Domba (que se transformaria nos ciganos) deslocou-se do centro da Índia para o noroeste,
no séc. I a.C. Quatro séculos depois, migrava novamente, dessa vez para o oeste
em direção a Pérsia. Lá permaneceu até a invasão mongol, verificada no
século XIII.
Então, dividiu-se em dois grupos, dos quais um rumou para a Grécia,
através da Armênia, e o outro para a Síria, a Palestina e o Egito. Os
primeiros acabaram por atravessar o Danúbio, quando os turcos
invadiram a Europa Oriental (século XIV). A partir de então, até por
volta de 1460, difundiram-se pela Hungria, Áustria, Boêmia (parte da
atual Checoslováquia), Hamburgo (atual Alemanha), França e Suíça.
Apesar de se declararem nobres, eram escravizados logo que
chegavam a esses países. Só a partir de 1496 puderam usufruir de alguma liberdade. O primeiro a
favorecê-los foi Vladislau II, rei da Hungria, que lhes concedeu livre trânsito em território húngaro.

Grupo cigano na Transilvânia

www.depts.washington.edu - (c) University of Washington

Reações e perseguições

Da segunda metade do século XVI em diante, as coisas ficaram piores: começou a perseguição aos
ciganos, primeiro movida pelos camponeses, depois pelos prefeitos das cidades e até pelos reis. No
Ducado de Milão, em 1663, foi publicado um édito que proibia a entrada dos ciganos nos domínios
milaneses, sob pena de sete anos de cárcere para os homens e de uma orelha cortada para as
mulheres. Maria Teresa, da Áustria, em 1768 tornou ilegal a permanência de ciganos em seu país a
menos que eles morassem em casas, trajassem à maneira dos camponeses e trabalhassem em ofícios
definidos. Mas nem em Milão, nem na Áustria, nem no resto da Europa eles mudaram seu modo de
vida.
A América e a Austrália só os receberam na segunda metade do século XX.

Usos e costumes

Tradicionalmente, os ciganos levam vida nômade, deslocando-se em grupos de tamanhos diversos,


compostos por um conjunto de núcleos familiares mais ou menos extensos, sob a liderança de um
chefe vitalício escolhido.
A maioria dos ciganos, até poucas décadas atrás, ainda formavam
caravanas puxadas por cavalos; abrigavam-se em tendas, pedreiras e minas.
Em fogueira, ao ar livre, cozinhavam seus frangos, ovos e vegetais. Seus
alimentos, afirmam os comentaristas mais críticos, eram "quase sempre
roubados, já que eles não plantam, nem criam animais para o abate". "Sua
profissão é a mentira", diz Cervantes. "Mas há uma lei cigana que proíbe
roubar... alguém mais pobre."
Viviam principalmente da criação e comércio de cavalos, do artesanato em
Artesanato
metal, vime e madeira, e das artes divinatórias, como cartomancia e
CiganoPrimeira metade
quiromancia.
do
A música dos ciganos, executada em público apenas pelos homens,
sec. XX - França
permanece muito popular e é uma atividade rendosa na Europa Central.
www.casadei.fr
Não abandonam a quiromancia, embora professem a religião dominante
no país em que se instalam.
As adivinhações têm terminologia própria e algumas vezes utilizam
as cartas como acessório. Através dos ciganos, o baralho (tarot) foi
difundido pela Europa. Assimilam facilmente as artes do lugar onde
habitam, em especial a música e as danças folclóricas. Interpretam-
nas com um estilo próprio, que inclui o uso do violino, seu
instrumento por excelência.
Cada grupo tem um chefe natural, escolhido, não-hereditário.
Violinista cigano Na família, o membro central é a mãe, que exerce autoridade
República Tcheca sobre os filhos e é dona do patrimônio.
www.slunceveskle.com O mesmo sistema se aplica à tribo, que tem uma mãe tribal, a puri
dai, guardiã do código moral. Os infratores são
julgados por um júri de "condes". E, nos casos mais graves, a pena é o banimento da tribo.
Alguns estudos dão nuances diferentes da organização social dos ciganos, possivelmente em razão da
diversidade dos grupos estudados. Quanto à posição das mulheres dizem que "segundo os costumes
ciganos, as mulheres devem subserviência aos homens, e as mulheres casadas sempre usam um lenço
para cobrir a cabeça".

A questão política

Várias foram as tentativas de agrupar os ciganos sob o poder de um só governante. Uma delas foi o
aparecimento da dinastia Kwick, inaugurada por Gregory Kwick, cigano polonês que, por volta de 1883,
se declarou "rei dos ciganos". Durante seu reinado, realizou-se, em 1909, o único recenseamento
cigano de que se tem notícia; o censo informou que havia então na Europa 600 mil ciganos. Gregory
abdicou em 1930 em favor de seu filho Michael II, que, após sete anos de governo, foi sucedido por
Janusz I. Este proclamou-se administrador dos ciganos da Hungria, Espanha, Alemanha, Bulgária,
Iugoslávia e Polônia. Planejou ir a Genebra reivindicar um país para seu povo, mas o projeto foi vetado
por uma assembléia cigana. Seu "reinado" durou apenas um ano. Sucedeu-o Mathew Kwick, do qual
não se tem maiores notícias.

Wagon - carro que muitos ciganos adotam a partir de meados do séc. XIX

Do acervo da Universidades de Liverpool


http://sca.lib.liv.ac.uk/collections/gypsy/wagons.htm

Em 1933, foi cogitada, sem êxito, a possibilidade de agrupar todos os ciganos do mundo
(aproximadamente 2 milhões) nas ilhas da Polinésia, com subvenção da Liga das Nações. A idéia não se
concretizou. Pouco depois, eclodiu a II Guerra Mundial (1939) e cerca de 20 mil ciganos foram
exterminados nos campos de concentração.
Os regimes comunistas da Europa Oriental do pós-guerra forçaram os ciganos a se fixarem em
cidades industriais e residirem em grandes edifícios de apartamentos, desmembrando os grupos
familiares extensos e obrigando-os a trabalhar em fábricas, fazendo-os abandonar o modo de vida
tradicional.
A tendência dos governos pós-comunistas mais recentes foi
permitir aos ciganos que se organizassem politicamente para
encontrar os meios de reivindicar seus direitos como minoria
étnica.
Formaram-se associações e grupos de pressão, como é o
caso dos phralip (em romani, "irmandade") da Hungria, para
lutar por escolas especiais e adoção de livros pedagógicos na
língua romani. A grande maioria do povo cigano, ainda
enfrenta discriminação social, está sujeita a más condições
habitacionais, desemprego e expectativa de vida mais baixa
que a de seus compatriotas.
Cigana de Babadag - Romênia
Hoje, eles estão espalhados em quase todo o mundo. E
alguns relatos dão conta da inevitável mudança de Foto de R. V. Bulck -
www.pbase.com

costumes. "Cigano dos Estados Unidos não viaja mais de carroça: usa trailer motorizado; nem prepara
mais sua refeição: come enlatados."
Na União Soviética e na Iugoslávia, são publicados jornais em língua cigana. A Sociedade Cigana Lore,
na Inglaterra, preocupa-se em recolher todas as informações possíveis sobre esse povo. A biblioteca da
Universidade de Liverpool, também na Inglaterra, tem em seu acervo um conjunto de livros sobre os
ciganos. Assim, esse povo se torna cada vez menos estranho aos demais.

Compilado de Conhecer, vol. IX, pág. 2064. Abril Cultural, SP e Folha Enciclopédia, na web

Atualizado: março.09