Você está na página 1de 31

República de Angola

Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED) de Luanda


Departamento de Ciências da Educação

Workshop sobre Trabalho Científico do Departamento de


Ciências da Educação do ISCED de Luanda

05 a 06 de Junho de 2012

Importância da formação pedagógica contínua dos


docentes do ensino superior

Prof.as Adelina de Kandingi e Arlinda Cabral


5 de Junho de 2012
Estrutura da apresentação
1. A formação pedagógica contínua dos docentes no ensino superior:
 Um campo de acção e de reflexão em torno da construção de um
espaço de transformação de competências pedagógicas
 Uma oportunidade de actualização e aperfeiçoamento do processo de
ensino-aprendizagem

2. As instituições do ensino superior e a formação pedagógica dos docentes no


contexto angolano: Da massificação à qualidade no ensino superior
 Expansão do Ensino Superior

 A qualidade no ensino superior

 A formação pedagógica contínua dos docentes do ensino superior


A formação pedagógica contínua dos docentes no ensino superior:
Um campo de acção e de reflexão em torno da construção de um
espaço de transformação de competências pedagógicas

O que se espera da instituição de ensino superior?


Que tenha docentes capacitados e que reconheçam a importância do domínio
de:
 Factores e processos de aprendizagem
 Utilização dos métodos, técnicas e recursos pedagógicos adequados aos
conteúdos programáticos a leccionar
 Tipos e instrumentos de avaliação da aprendizagem
 Competências pessoais, inter-relacionais e pedagógicas

Máximas pedagógicas
 Só existe ensino quando há aprendizagem.
 Para ensinar, é preciso saber como se ensina e como se aprende.
O que se espera do docente do ensino superior?
 Planificação e desenvolvimento de aulas, tendo em conta a facilitação do
processo de aprendizagem, através da selecção e aplicação dos métodos,
técnicas e recursos pedagógicos mais adequados
 Gestão da progressão da aprendizagem dos estudantes, através da
implementação de métodos e instrumentos de avaliação formativa e
sumativa (final)
 Auto-avaliação do próprio desempenho face ao perfil pedagógico de
competências desejado
 Introdução de melhorias de forma contínua nos processos de ensino-
aprendizagem
 Desenvolvimento de uma análise construtiva que vise a melhoria do sistema
de ensino, ao nível técnico-pedagógico e organizacional
Ensino que se paute pela postura activa, reflexiva, crítica do professor
orientada para o estudante
Actividades principais do docente do ensino superior
1. Planear e preparar as aulas:
1.1. Definir objectivos pedagógicos
1.2. Planificar o desenvolvimento da aula: conteúdos, actividades a serem
desenvolvidas pelos estudantes, métodos pedagógicos, avaliação,
recursos didácticos e documentação de apoio
2. Desenvolver e animar as aulas:
2.1. Conduzir e mediar o processo de aprendizagem: comunicação e
motivação dos estudantes; gestão dos tempos; gestão dos meios
materiais necessários e dos auxiliares didácticos
2.2. Gerir a progressão da aprendizagem realizada pelos estudantes,
utilizando meios de avaliação formativa e implementando os
ajustamentos necessários
3. Avaliar a aprendizagem dos estudantes:
3.1. Proceder à avaliação contínua e final da aprendizagem
3.2. Avaliar o processo pedagógico (reflectir sobre a prática)
3.3. Reestruturar o plano de aulas, sempre que necessário
Principais responsabilidades do professor

1. Organizar e gerir o ambiente dentro da sala de aula


2. Preparar recursos e materiais de ensino
3. Planificar, organizar e gerir aulas
4. Motivar os estudantes
5. Usar métodos de ensino adequados aos objectivos pedagógicos
6. Lidar com as necessidades, interesses, capacidades e problemas individuais
dos estudantes
7. Comunicar com os colegas, incluindo directores, chefes de departamento,
coordenadores de área científica, orientadores e outros professores
8. Adaptar-se ao meio ambiente académico e ao papel do ensino superior

De que forma os professores alcançam estes objectivos?


Proposta: Através da actualização e aperfeiçoamento de competências no domínio
pedagógico adequadas ao exercício da docência numa instituição do ensino superior
A formação pedagógica contínua dos docentes no ensino superior:
Uma oportunidade de actualização e aperfeiçoamento do
processo de ensino-aprendizagem
 A reflexão sobre a prática pedagógica é um instrumento ao serviço da
qualidade do ensino superior
 A melhoria da prática pedagógica é um processo contínuo e inacabado – o
professor pode sempre aperfeiçoar o seu desempenho
 A actualização dos conhecimentos e o acompanhamento dos avanços teóricos
e metodológicos é uma mais-valia que deve ser apropriada pelos docentes
A formação pedagógica dos docentes do ensino superior constitui:
 Um elemento essencial para assegurar a qualidade do ensino

 Uma parte integrante do processo de desenvolvimento profissional


docente
«Melhorar a aprendizagem dos alunos e uma contínua e responsável
renovação para os professores» (Cruz, 2006, citado por Leitinho, 2010:31).
Relação Pedagógica
Professor Conhecimento Estudante

Objectivo: estabelecimento de uma relação positiva do professor com os


estudantes que permite levar os estudantes a aprender com gosto e de forma
mais eficiente e eficaz
Atitude do Docente na Relação Pedagógica
 Evitar atitudes negativas: defender-se atrás do estatuto de professor; usar
palavras difíceis
 Ter atitudes positivas:
 Adaptar o conteúdo e o programa, os exercícios e as actividades às
características específicas de cada grupo de estudantes
 Trabalhar a relação pedagógica, mostrando-se disponível e eficaz
 Assegurar que a sua comunicação foi efectiva e compreendida pelos
estudantes
 Considerar as necessidades dos estudantes: respeitar e conquistar a confiança e
o respeito dos estudantes
Teorias da Aprendizagem
Variáveis que influenciam a aprendizagem
 Planificação das aulas (Como desencadear o Processo de Aprendizagem)
 O que vai ensinar (Objectivos de Aprendizagem)
 Como ensinar (Estratégias)
 A quem ensinar (Características dos Estudantes)

Factores internos e externos que podem facilitar o processo de


aprendizagem:
 A motivação
 A actividade que pedem ao estudante
 Dar a conhecer os objectivos pedagógicos
 Dar a conhecer os resultados alcançados pelos estudantes
 O reforço positivo
 A estruturação da apresentação do conteúdo programático
 A progressão da aprendizagem
O que eu ouço: O que eu vejo: O que eu faço:
ESQUEÇO RECORDO APRENDO
Recursos didácticos
Todos meios ao alcance do docente que permitem facilitar o processo de
aprendizagem do estudante:

Quadro Filmes Televisão Vídeo/DVD Computador


Giz, branco Documentos Retroprojector Projector de Textos e
gráficos slides documentos

Potencialidades:
 Chamar a atenção dos estudantes
 Facilitar a dinamização da aula
 Facilitar a aprendizagem e a compreensão
 Aumentar o interesse e motivação dos estudantes
 Aumentar a capacidade de retenção de informação
 Facilitar a troca de ideias e de experiências
 Rentabilizar o tempo da aula
 Facilitar a actividade do docente
 Fornecer estímulos de aprendizagem
Principais métodos e técnicas pedagógicas

Método Técnicas Competências


Saber Fazer Ser
Expositivo Colóquio X
Conferência
Lição
Demonstrativo Demonstração X
Interrogativo Técnica das perguntas X X
Activo Brainstorming X X X
Role Play
Simulação
Estudo de caso
Dramatização
Planificação semestral e/ou anual de aulas

1.º Assegurar os diferentes aspectos administrativos e pedagógicos


2.º Olhar de forma articulada para as tarefas de concepção, preparação,
realização e avaliação da aula
Requisitos para a boa planificação da aula:
 Clarificar os objectivos de aprendizagem da aula
 Identificar os conteúdos programáticos
 Escolher os métodos e técnicas pedagógicas a aplicar
 Determinar os instrumentos e momentos de avaliação
 Definir os recursos materiais e o espaço necessários
 Outros pormenores importantes:
 Duração das aulas
 Calendário académico
 Participação de outros professores em algumas aulas
Definição de Objectivos Pedagógicos

Objectivos do  Decorrem da agregação dos vários domínios de intervenção


Curso  A sua definição é normalmente da responsabilidade da unidade
de desenvolvimento curricular
Objectivos da  Especificamente focado nos conteúdos de determinada Disciplina
Disciplina  Resulta da agregação de objectivos específicos de aprendizagem

Objectivos da  Trabalhar competências específicas, associadas entre si, que têm


Aula por referência unidades de tempo muito curtas (45 minutos)
 Comportamentos observáveis

Objectivos de  Mais específicos que os anteriores, focalizam-se em pequenos


uma momentos pedagógicos (análise de um texto)
actividade  Traduzem os saberes necessários ao desempenho de uma
pedagógica actividade concreta
Conceber e aplicar Instrumentos de Avaliação
1. Testes:
• Verdadeiro ou falso;
• Múltipla escolha;
• Preenchimento de lacunas
2. Frequência / Prova descritiva: reflexão, organização de informações,
opiniões, pontos de vista, conceitos e conhecimentos
3. Prova oral: capacidade reflexiva e crítica dos alunos
4. Prova criativa: com consulta de fontes
5. Trabalho individual ou de grupo
6. Ficha de leitura (artigos; capítulos de livros; livros)
7. Exame sistemático de documentos
8. Exposição oral
9. Observação em situação (demonstração – p. e., Prática Docente)
10. Portefólios
A formação pedagógica contínua dos docentes no ensino superior:
Uma oportunidade de actualização e aperfeiçoamento do
processo de ensino-aprendizagem
 «A formação pode ser um elemento facilitador e mesmo indispensável para

a construção de um profissionalismo docente» (Amante, 1999:220)

 A qualidade do ensino passa pela qualidade da docência

 Questões a pensar de forma colaborativa na instituição:

 Questões da liderança, do envolvimento e implicação dos docentes na

actualização e aperfeiçoamento da sua própria formação

 Criação de programas de desenvolvimento profissional

 Implementação de estruturas vocacionadas para a formação pedagógica

dos docentes do ensino superior


A formação pedagógica contínua dos docentes no ensino superior:
Uma oportunidade de actualização e aperfeiçoamento do processo
de ensino-aprendizagem (cont.)

Contexto:
A mudança social, económica, política e cultural da sociedade
contemporânea desafia o ensino superior a repensar os processos de ensino e
de aprendizagem na medida em que as estratégias de intervenção pedagógica
devem responder às necessidades de um público cada vez mais massificado,
heterogéneo e exigente (Pedrosa, 2001).

Função da universidade:
Ensino, Investigação e Extensão (prestação de serviços à
comunidade)
Características do docente do ensino superior:
Domínio de competências pedagógicas, científicas, técnicas e de nível
relacional, comunicacional e de intervenção no processo de ensino-
aprendizagem dos estudantes…
As instituições do ensino superior e a formação pedagógica
dos docentes no contexto angolano
Da massificação à qualidade no ensino superior
O desenvolvimento do Ensino Superior em Angola nos últimos anos
tem acompanhado as diferentes fases da evolução sociopolítica e económica da
sociedade:

•Aumento crescente e contínuo da procura


A
• Maior pressão:
• Jovens
B • Adultos

• Expansão das IES:


• Formação de uma nova rede de estabelecimentos de IES
C • Criação das sete regiões académicas em todo o País
O Ensino Superior em Angola: três dimensões centrais

Expansão das IES em Angola

Qualidade

Formação
Expansão das IES em Angola

A expansão da rede do Ensino Superior público e privado é um fenómeno


recente em Angola:

 Resultado do crescimento económico e das transformações sociais operadas com

o fim da guerra civil

 Aumento crescente da procura da educação em todos os níveis de ensino

 Alargamento da rede escolar

 Acréscimo das expectativas de mobilidade social ascendente da população

 Frequência da educação terciária


Qualidade do Ensino Superior

 O Decreto-Lei n.º 90/09, de 15 de Dezembro, estabelece as normas gerais

reguladoras do subsistema do Ensino Superior:

«A liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o


pensamento e a arte, a ciência e a tecnologia; a gestão democrática das
instituições de ensino; garantia do padrão de qualidade do ensino
ministrado (…)»

 A qualidade do ensino:

 Tem sido referida como uma das preocupações do Governo e das

instituições de ensino superior

 Constitui uma das formas de apreciar o prestígio dos sistemas educativos


 Documento designado por «Linhas Mestras para a Melhoria da Gestão do
Subsistema do Ensino Superior»

 O Governo recomendou a elaboração de um Plano de Acção, tendo


identificado os vários domínios de acção:

 No plano académico e pedagógico (iv) - pretende-se contribuir para a


promoção da qualidade dos serviços de interesse geral prestados nestas
instituições

 Necessidade de cumprir as orientações superiores do Estado, que apontam


como imperativo a melhoria significativa da qualidade do ensino e a
integração do ensino na estratégia global da reconstrução e desenvolvimento
do País
 A «Estratégia Integrada para a Melhoria do Sistema de Educação (EIMSE)»

até 2015:

 Instrumento de orientação estratégica do Governo para o sector da

educação

 Tem como um dos seus principais objectivos direccionar, integrar e

conjugar esforços a nível nacional na perspectiva de uma educação de

qualidade para os próximos 15 anos (EIMSE, 2001:11).

Associação entre a qualidade do ensino e a formação pedagógica contínua

dos docentes do ensino superior


Formação Pedagógica Contínua nas IES
 A formação do professor do ensino superior deve orientá-lo para uma «prática

reflexiva e crítica»

 É por meio da prática de investigação que o conhecimento científico é ampliado,

tornando a docência mais actualizada e socialmente construída (Zabalza, 2004,


citado por Leitinho, 2010:22)

 O resultado do trabalho do professor promove a formação dos recursos

humanos necessários ao desenvolvimento do país

A educação tem gerado sinergias importantes no processo do progresso endógeno


e da formação do capital humano de que o país, na fase de crescimento e
desenvolvimento em que se encontra, tem vindo a beneficiar.
 É chegado o momento de abordarmos a problemática do aperfeiçoamento

pedagógico dos nossos docentes de uma maneira inovadora…

• A actividade docente no ensino superior é


uma tarefa complexa e exigente que
envolve competências específicas que
podem ser adquiridas e melhoradas

• Maior exigência da qualidade das


formações que as universidades devem
facultar

• Maior competitividade entre as


instituições do ensino superior
 A universidade tem de se adaptar a novas formas tecnológicas e culturais

marcadas por mudanças próprias da actual sociedade da informação e do


conhecimento

 Temos que estar preparados e pensar em «reinventar uma nova relação com o

conhecimento pedagógico» (Reimão, 2001:56)

 No fundo, o que está em causa é a progressiva tomada de consciência dos

docentes de que leccionar no ensino universitário não é aquela actividade trivial


que muitos julgam ser
O que vai sendo feito na Formação Pedagógica Contínua dos
docentes do ensino superior em Angola?

 Alguns professores mais atentos vão fazendo a sua auto-formação:

 Um exercício/percurso individual com preocupações em


participarem em congressos, jornadas científicas, publicações de
artigos em revistas nacionais e internacionais

 Esta auto-formação remete para o auto-reconhecimento da importância

da formação pedagógica e a reflexão crítica sobre os saberes


considerados essenciais da formação pedagógica
O que se pode vir a ser feito na Formação Pedagógica
Contínua dos docentes do ensino superior em Angola?

O que se pretende:

 Com uma adequada formação, o docente ganhe consciência da diferença

que pode resultar, em termos das aprendizagens dos seus alunos

 Com a formação pedagógica, o docente é capaz de mobilizar os

conhecimentos pedagógicos para o benefício da aprendizagem dos seus

estudantes, motivando-os para novas aprendizagens


 Temos que entre nós pensar em fomentar o debate sobre a importância do

aperfeiçoamento pedagógico dos docentes

 Envolver os docentes na identificação de situações-problema relativos ao

processo de ensino-aprendizagem

 Criar estruturas simples e flexíveis de debate de tais questões

 Dar a conhecer e analisar casos de outras instituições do ensino superior

 Criar um ambiente próprio a processos de inovação pedagógica


Bibliografia
 Arends, R. (1995). Aprender a ensinar. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal.
 Castro, R. (2005). A formação inicial de professores de línguas: tensões e desafios contemporâneos. In Serralheiro, J. Paulo (Org.). O processo
de Bolonha e a formação dos educadores e professores portugueses. Textos e artigos. Porto: Profedições.
 Correia, J. (1999). Os Lugares-Comuns na Formação de Professores. Porto: Asa Ed.
 Delors, J. (1996). Os quatro pilares da educação. In Educação – Um tesouro a descobrir. Lisboa: UNESCO.
 Hadji, C. (1994). A avaliação, regras do jogo – Das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora.
 Leitinho, M. (2010). A construção do processo de formação pedagógica do professor universitário. In Veiga, A. P. Alencastro & Viana, C. M.
Quevedo (Orgs.). Docentes para a educação superior: Processos formativos. Campinas, São Paulo: Papirus Editora.
 Loureiro, C. (2001). A docência como profissão. Porto: Edições ASA.
 Nóvoa, A. (2002). O espaço público da educação: Imagem, Narrativas e Dilemas. In Prost. A. et all (2001). Espaços de educação, tempos de formação.
Textos da Conferência Internacional Espaços de Educação,Tempos de Formação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
 Pacheco, J. (1998). «Conhecer, aprender, avaliar». In Leandro Almeida e José Tavares (Org.), A Avaliação da aprendizagem, Colecção CiDINE.
Porto: Porto Editora, pp. 111-132.
 Philippe, P. (1999). 10 Novas competências para ensinar. Porto Alegre: Editora Artmed
 Ramos, M. (2002). A pedagogia das competências: autonomia ou adaptação? São Paulo: Cortez Editora.
 Reimão, C. (Coord.) (2001). A formação pedagógica dos professores do ensino superior. Lisboa: Edições Colibri.
 Ribeiro, L. M. (1994). Avaliação de Aprendizagem. Lisboa: Texto Editora.
 Simão, J. & Costa, A. (2000). Formação inicial no ensino superior. Apresentação de propostas de realização de cursos: Aspectos Metodológicos. Cadernos do
Ensino Superior, 1. Leria: IPL.
 Sousa, Ó. (2003). «Aprender e ensinar». In A. Teodoro e M. Vasconcelos (Org.), Ensinar e aprender no ensino superior. São Paulo: Cortez
Editora.
 Sprinthall, N., & Sprinthall, R. (1990). Psicologia educacional. Uma abordagem desenvolvimentista. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal.
 UNESCO (1998). Declaração mundial sobre educação superior no século XXI:Visão e acção. Preambulo. Paris: Unesco.
 Werthein, J., & Cunha, C. (2005). Fundamentos da nova educação. In cadernos UNESCO – Série Educação, Vol. 5. Brasília: UNESCO.
 Zabalza, M. (2004). O ensino universitário. Seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Editora Artmed.
Webgrafia
«Orientações Pedagógicas para Docentes do Ensino Superior», Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra:
https://www1.esec.pt/pagina/opdes
«A formação pedagógica dos docentes do ensino superior», Asociación Universitaria de Formación del Profesorado:
http://www3.uva.es/aufop/publica/actas/ix/18-amante.pdf
«Formação pedagógica no ensino superior. O caso dos docentes médicos», Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa:
http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/sisifo7D10PT.pdf
«Metodologias colaborativas, educação na e para a responsabilidade na formação em Enfermagem», Escola Universitária de Enfermagem da
Universidade de Córdoba: http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/sisifo7D6PT.pdf
«Para a excelência pedagógica do ensino superior», Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa:
http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/sisifo7D9PT.pdf
«Programa de Formação Avançada de Docentes do Ensino Superior da Universidade de Aveiro: avaliação de um percurso», Universidade de
Aveiro: https://ria.ua.pt/bitstream/10773/5552/1/ramos-huet-costa-sousa-vigo-final.pdf
«Grupo de Investigação e Intervenção Pedagógica da Universidade do Porto», Universidade do Porto:
http://www.fpce.up.pt/ciie/GIIPUP/apresentacoes.htm
«Pedagogia do Ensino Superior», Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade Lisboa:
http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/Revista%207%20PT%20final.pdf
«Alguns factores que influenciam a aprendizagem do estudante de Enfermagem», Escola Superior de Saúde do Instituto Superior Politécnico de
Viseu: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium31/11.pdf
«Pedagogical Training of Medicine Professors», Revista Latino-Americana de Enfermagem: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n1/16.pdf
«Professores de Ensino Superior da área da Saúde e sua prática pedagógica». Rev. Interface Comunicação, Saúde, Educação:
http://www.scielo.br/pdf/icse/v6n10/05.pdf
«Professor-investigador: Que sentido? Que formação?», Universidade de Aveiro:
http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/sd/textos/alarcao01.pdf
«Para um ensino superior com qualidade», Universidade do Porto: http://www.fade.up.pt/rpcd/_arquivo/artigos_soltos/vol.1_nr.1/05.pdf
«Universidade e formação docente», Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade de Lisboa:
http://www.scielo.br/pdf/icse/v4n7/13.pdf
Obrigada!