Você está na página 1de 3

ESTUDO DE CASO

OBJETIVOS:

Consolidar a aprendizagem acerca da classificação nosológica do Transtorno


Obsessivo Compulsivo.

Articular a teoria com a prática, analisando situações clínicas por meio de


estudos de casos.

Identificar os sinais e sintomas presentes na vinheta clínica.

Identificar fatores patogenéticos, patoplásticos e psicoplásticos.

Classificar se o tipo de transtorno, corresponde a uma patologia crônica ou


aguda, justificando a classificação nosográfica com trechos extraídos do caso
clínico e sustentados no CID-10 e/ou DSM-V.

TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO

CASE: “Lady Marjorie”

1. Identificar os sinais e sintomas presentes na vinheta clínica.

SINAIS:

SINTOMAS: Diz que as coisas que fazia eram estúpidas e não faziam qualquer
sentido; mas ainda assim precisava fazê-las; tinha medo do que poderia
acontecer se não fizesse; sentia um medo terrível de ter germes em todas as
suas roupas e coisas; Ficava sacudindo tudo por meia hora; Lavava-se antes
de fazer qualquer coisa; Lavava primeiro as mãos; Lavar as mãos já não era
suficiente e começou a usar álcool; Ritual de lavagem durava em torno de seis
horas por dia; era tudo tão complexo que não tinha mais tempo pra nada; fazia
planos em sua mente; se ouvisse uma palavra que remetesse a germes ou
doenças, isso era considerado algo mal; tinha pensamentos intrusivos do tipo:
“risque isso e tudo ficará bem”; estava petrificada com a possibilidade de algo
realmente acontecer; fazia planos de novos rituais e novas ideias; ficava cada
vez mais preocupada com pessoas que gostava e que pudessem sofrer algum
acidente e coisas que realmente poderiam dar errado se não fizesse;

2. Identificar fatores patogenéticos, patoplásticos e psicoplásticos.


PATOGÊNICOS
Presença de pensamentos e comportamentos repetitivos e persistentes.

PATOPLÁSTICOS

FATORES PREDISPONENTES: Minha mãe, minha família sempre caprichosa


e extremamente limpa. Sempre gostei de ser limpa e arrumada, e jamais pude
caminhar pela casa com sapatos sujos ou qualquer coisa assim. Acredita em
superestições.

FATORES PRECIPITANTES:

PSICOPLÁSTICOS: Lavava as mãos excessivamente; causando danos


físicos, “Era inverno e estava frio, e isso fazia minhas mãos sangrarem...”; Não
se alimentava pela manhã pela falta de tempo. Tipo assim: eu precisava ir a
algum lugar com uma amiga, e devíamos sair às 11 h da manhã e eu queria
tomar um banho antes. Assim, tinha de acordar mais ou menos às 6 h da
manhã e, às vezes, eu não consegui ficar pronta nem em 5 horas. (Prejuízo
social)

3. Classificar se o tipo de transtorno, corresponde a uma patologia


crônica ou aguda, justificando a classificação nosográfica com
trechos extraídos do caso clínico e sustentados no CID-10 e/ou
DSM-V.

3.1. TIPO DE TRANSTORNO:

Transtorno Obsessivo Compulsivo com Insigth Pobre. (DSM-V 300.3) CID-


10 (F42.2)

3.2. PATOLOGIA CRÔNICA OU AGUDA


Patologia Crônica em Desenvolvimento – “Bem, o que eu posso dizer é
que todas as coisas que eu fazia eram realmente estúpidas e não faziam
qualquer sentido; mas ainda assim precisava fazê-las.” . A evolução é
psicologicamente compreensível da personalidade, há uma conexão de sentido
com a vida do sujeito (Fator Patoplástico). Sendo notável os sintomas tendo
aumentos e diminuições de intensidade. Bem como, o DSM V sustenta que o
curso em geral é crônico.

3.3. CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS

Paciente atende aos Critérios:

 A: Presença de obsessões, compulsões ou ambas. AMBAS.


OBSESSÕES 1. Pensamentos, impulsos ou imagens recorrentes
e persistentes que, em algum momento durante a perturbação,
são experimentados como intrusivos ou indesejados e que, na
maioria dos indivíduos, causam acentuada ansiedade.
“Paciente: De manhã quando eu me vestia, sentia um medo
terrível de ter germes em todas as minhas roupas e coisas”.
COMPULSÕES 1. Comportamentos repetitivos (p. ex., lavar as
mãos, organizar, verificar) ou atos mentais (p. ex., orar, contar ou
repetir palavras em silêncio) que o indivíduo se sente compelido
a executar em resposta a uma obsessão ou de acordo com
regras que devem ser rigidamente aplicadas. “...Então eu ficava
sacudindo tudo por meia hora”.
 B: As obsessões ou compulsões tomam tempo (p.ex., tomam
mais de uma hora por dia) “Paciente: Mais ou menos umas
seis horas por dia.” ou causam sofrimento clinicamente
significativo ou prejuízo no funcionamento social, profissional ou
em outras áreas importantes da vida do indivíduo.

Você também pode gostar