Você está na página 1de 7

c 

c
  




c




Neste experimento foi utilizada uma plataforma rotatória afim de simular um movimento
circular uniforme de uma massa M e determinar as equações deste movimento. Foram
utilizadas duas metodologias e os resultados obtidos estão de acordo com as equações
de movimento circular uniforme descobetas por Newton.

 !

 Caracteristicas do MCU:

* Trajetória circular;
* Velocidade vetorial constante em módulo e variável na direção e no sentido;
* Velocidade escalar constante;
* Aceleração tangencial nula;
* Aceleração centrípeta diferente de zero, isto é, existe aceleração
centrípeta.

Isaac Newton realizou estudos sobre o movimento cirular uniforme, baseado nas
suas três leis do movimento, em 1666, ele deduziu as fórmulas das forças centrípeta e
centrífuga, forças que atuariam num objeto em movimento circular, uma
mantendo-o na curva, e outra ³puxando-o´ para fora da curva, na direção do raio.
Essas forças descobertas por ele, acrescidas de mais estudo e da utilização da
terceira lei de Kepler e do movimento planetário, levaram-no à Teoria da
Gravitação Universal, que foi um dos seus grandes legados para a ciência.

"

Em uma plataforma rotatória como a representada pela figura 1, foi colocado um


objeto de massa M= 158 g preso por fios, sendo um deles ligado a uma mola, este fio
por sua vez exerce a força centripeta necessária para que o objeto permaneça em
movimento circular. A distância entre o objeto e o centro da tragetória foi de 18 cm.
Figura 1 ± Ilustra o aparelho utilizado. Obs: Este aparelho possui um motor elétrico que lhe fornece uma
rotaçao constante, no caso do experimento, a rotação foi manual.

Na realização do experimento, foram feitas 4 medições de diferentes velocidades,


seguindo os seguintes passos:

1º Foi pendurada uma massa m em um fio preso ao lado oposto do fio que liga o
objeto ao centro da circunferência, o aparelho foi regulado e, em seguida, retirou-se a
massa m. O objetivo dessa etapa foi determinar a força centripeta necessária para que
o objeto se mantivesse em uma mesma posição.

2º O aparelho foi girado até o ponto em q a força resultante era conhecida e a


velocidade foi mantida.

3º Foram contadas 20 voltas, e o tempo necessário para completá-las.

4º Foram anotados os resultados.


V=ǻS [01]
ǻt

ǻS=2.m.R [02]

Substituindo [02] em [01] e tomando ǻt=T, temos que:

V=2.m.R [03]
T

Tabela 1- Dados das forças e seus respectivos período e velocidade de rotação.

Medida Força Período Velocidade


médio
Nº F (N) Tm (s) V (m/s)
1 0,49 1,52 0.744
2 0,98 1,06 1,058
3 1,47 0,88 1,27
4 1,96 0,76 1,48

 #
$%&

Para analizarmos o experimento, foi feita uma tabela normalizada da força e da


velocidade de cada medida, com o objetivo de obter a relação entre essas duas
grandezas. Abaixo, a tabela 2 representa os valores normalizados:

Tabela 2 ± tabela normalizada de força e velocidade com os dados da tabela 1


Medida F (N) V (m/s)
1 1 1
2 2 1,42
3 3 1,72
4 4 1,99

Apartir desta tabela obtemos que a relação entre F e V é uma relação


quadratica, ou seja, F Į v². Para obtermos uma igualdade, multiplicamos v² por uma
constante, logo temos:
F = Cv² [04]

O gráfico utilizado na determinação do valor de C foi o gráfico F x v², que é uma


reta.

Figura 2- Gráfico de F por v²


Como foi observado na figura 2, o gráfico tem forma linear o que permite o cálculo
da constante C, onde:

C = ǻF = [05]
ǻv²

Substituindo [05] em [04]:

F=

Nota-se que a unidade de C (kg/m) é compatível à razão entre a massa M e o raio R do


sistema pois possuem as mesmas unidades, ou seja:

CĮM [06]
R

Para igualar essa equação, multiplicamos um de seus lados por uma outra constante
C¶, que é adimensional e substituímos na equação [04]:

F = C¶Mv² [07]
R

Com relação às equações [06] e [08], pode-se calcular o valor de C¶:

[08]

Reescrevendo [07] com o valor encontrado na equação [08]:

'() *+%,-

*Essa é a equação válida para o nosso experimento.

$.&

Também trabalhou-se com a hipótese de que, mesmo com a tabela normalizada, não
fosse encontrada a equação F Į v².

Portanto um polinômio deve satisfazer essa curva.

$   aplicando log a essa função:  $      


O coeficiente angular dessa reta é: n ! expoente de v

O coeficiente linear dessa reta é: log C

Foi feito o grafico F x v, no papel di-Log:

8  
n=
além disso, quando log v = 0 v = 1, olhando no gráfico, temos que
8  
C=0,9

então,

',/01 *






!

O objetivo deste experimento foi obter a equação do movimento de uma massa M


para o movimento circular e uniforme.

Com o auxílio de gráficos e tabelas, conseguiu-se determinar a equação e o valor


das constantes envolvidas, com um erro mínimo, pois os equipamentos utilizados, as
medidas feitas e falhas cometidas contribuem para possíveis desvios.

234#5

http://mar.cusao.aulas.vilabol.uol.com.br/mcu.html

HALLIDAY, RESNICK, Fundamentos de Física. Editora LTC, 4ª Edição.