Você está na página 1de 32

Observatório da Economia Global – no.

1 – Abril, 2010

Observatório
da economia global
Textos Avulsos – no. 1 – Abril, 2010

O DÓLAR E SEUS RIVAIS*

Ricardo Carneiro**

Introdução

A severidade da crise de 2008, com epicentro na economia americana, e sua


propagação global constituem o pano de fundo para uma reflexão sobre o sistema
monetário-financeiro internacional (SMI) constituído ao final dos anos 1970 com a
derrocada de Bretton Woods. Analisar e projetar como ficará a ordem econômica
internacional fundada no dólar como moeda reserva e na ampla mobilidade de
capitais é uma tarefa crucial para refletir quais serão os constrangimentos ou
impulsos que advirão dessa ordem para os países periféricos.

Este texto procura discutir este assunto partindo da hipótese mais geral de
que os já recorrentes desequilíbrios desse sistema, associados a outros desencadeados
pela crise, conduzirão necessariamente a mudanças no SMI, cujo sentido maior será o
de ampliar a sua instabilidade. Para realizar essa tarefa examinam-se inicialmente de
um ponto de vista mais abstrato os requisitos da existência de uma moeda reserva.
Em seguida, discute-se o papel das várias moedas importantes no âmbito
internacional, quantificando o seu peso nas transações cambiais, comércio, reservas e

*Trabalho desenvolvido no âmbito da bolsa de pesquisa concedida pelo IPEA/PNPD. Seu título
presta homenagem ao livro “The Dollar and Its Rivals” do brilhante economista Riccardo Parboni,
morto prematuramente e que trata da crise do regime de Bretton Woods.
Professor Titular do Instituto de Economia e Diretor do Centro de Estudos de Conjuntura e Política
**

Econômica da UNICAMP.

UNICAMP / INSTITUTO DE EC ONO MIA


CENTRO DE E STUDOS DE CON JUNTURA E POLÍTICA ECO NÔMICA (CECON)
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

fluxos financeiros. O passo seguinte consiste em avaliar como os fluxos de capitais


internacionais e os mercados financeiros domésticos dão suporte à preeminência do
dólar. Por fim, à guisa de conclusões, avalia-se de modo exploratório como se
poderia organizar o novo SMI.

1. O Sistema Monetário Internacional: características

Um dos aspectos cruciais para a definição da ordem econômica internacional


e mais propriamente para o Sistema Monetário e Financeiro Internacional se refere às
condições de existência de uma moeda reserva e, associada a ela, a hierarquia
monetária correspondente. Há um conjunto de requisitos para uma moeda particular
se tornar, isolada ou conjuntamente com outras, uma moeda reserva. O primeiro
deles e mais relevante, num contexto de livre mobilidade de capitais, é a
conversibilidade, entendida como a capacidade de ancorar a riqueza em ativos com
liquidez e reconvertê-los na moeda de origem sem perdas de capital Isso pressupõe,
no país emissor dessa moeda, mercados financeiros e de câmbio profundos,
associados à abertura da conta de capital. De outro lado, exige a estabilidade
macroeconômica, entendida como a efetiva existência de inflação baixa e estável,
condição sine qua non para a preservação do valor da riqueza financeira. Por fim, no
plano internacional, como se detalhará adiante, é necessário também o seu uso
disseminado nas transações privadas e públicas capazes de construir externalidades
na sua utilização. Essa disseminação decorreria tanto do comércio quanto das
finanças.

Do ponto de vista formal, o esquema desenvolvido por Cohen (1971) destaca


os principais aspectos envolvidos na escolha da moeda reserva e os atributos a ela
associados. Como unidade de conta, na função pública, a moeda reserva constitui a
referência ou âncora na qual um conjunto de moedas fixa o seu valor, e na dimensão
privada denomina conjunto expressivo de preços e contratos, inclusive de dívida.
Como meio de troca, pode ser utilizada como instrumento de intervenção pelas

2
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

autoridades monetárias para estabilizar o valor de uma moeda qualquer com a


âncora. Já no âmbito privado constitui um veículo para a simplificação das trocas em
razão de sua aceitação disseminada.

Quadro 1
Funções da Moeda Dimensão Pública Dimensão privada
Unidade de conta Referencial (âncora) Denominação
Meio de troca Intervenção Veículo
Reserva de valor Reservas dos BCs Ativos Privados
Fonte: Cohen (1971).

Enquanto reserva de valor, na sua dimensão pública, serve como lastro da


riqueza financeira mantida pelos bancos centrais, por meio de títulos nela
denominados. O mesmo ocorre no âmbito privado, pois denomina haveres
financeiros de diversas classes. Note-se que há nesse aspecto uma dupla questão
envolvida: os haveres financeiros usados como reserva de valor têm origem num
país e são denominados na sua moeda. É possível também que essa moeda denomine
títulos financeiros emitidos em outros países, mas o crucial é a profundidade dos
mercados e a liquidez desses títulos, portanto eles estão necessariamente associados a
origens e mercados nacionais definidos.

A relevância desse aspecto foi apontada pioneiramente por Tavares (1985) e


Tavares e Melin (1997) e é sublinhada contemporâneamente por vários autores
dentre os quais Eichengreen (2009), para quem, as razões que sustentam a
centralidade do dólar vão muito além das funções de unidade de conta e meio de
troca, ganhando relevos as dimensões associadas propriamente ao poderio financeiro
que transcende a denominação dos títulos subjacentes e tem a ver com a liquidez
desses títulos e a profundidade dos mercados nos quais são negociados Ou seja, não
é apenas por que o dólar denomina preços e contratos e dá acesso ao mundo das
mercadorias que ele é a moeda reserva. No mundo contemporâneo, marcado pela

3
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

liberalização financeira no plano doméstico e internacional, é porque ele permite


acumular riqueza em títulos que possuem liquidez, que seu caráter de moeda reserva
é reforçado

2. Dimensões principais da moeda reserva

Seguindo o esquema proposto no Quadro 1, examinam-se a seguir os


principais aspectos relativos ao desempenho das várias funções da moeda reserva no
plano internacional enquanto unidade de conta, meio de troca e reserva de valor. A
hipótese que se procurará demonstrar é que a função exclusiva de moeda reserva
desempenhada pelo dólar é marcada por importantes assimetrias nas suas funções,
mormente no caráter público e privado enquanto reserva de valor.

No cômputo de todas as transações realizadas nos mercados cambiais do


mundo, ou seja, na utilização de moedas conversíveis como meio de intervenção ou
moeda veículo o dólar ocupa uma posição largamente predominante, como se pode
notar na Tabela 1. Apesar desse domínio inconteste, não é desprezível a
diversificação observada nos anos 2000, que envolveu uma perda de posição do
dólar e do iene e a ampliação da participação de moedas que têm menos relevância
nos mercados de câmbio internacionais. A maior presença dessas moedas por sua
vez ocorreu de maneira muito desconcentrada sem maior importância relativa de
nenhuma delas.

Tabela 1
Moedas utilizadas nas transações cambiais registradas (%)
Moedas 2001 2004 2007
Dólar 90,3 88,7 86,3
Euro 37,6 37,2 37,0
Yen 22,7 20,3 16,5
Libra 13,2 16,9 15,0
Franco Suíço 6,1 6,1 6,8
Outras Moedas 29,9 30,8 38,7
Total* 200,0 200,0 200,0
*Envolvimento de duas moedas em cada transação faz soma igualar 200%
Fonte: BIS

4
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Outra dimensão forte do dólar refere-se ao seu peso na denominação das


transações comerciais (trade invoicing, Tabela 2). Uma comparação entre o uso do
dólar e do euro mostra o caráter bem mais disseminado do primeiro, enquanto o
segundo tem peso significativo na própria União Europeia e na sua zona contígua.
No caso do dólar, a percentagem do comércio de países selecionados cotados nesta
moeda supera largamente a porcentagem das exportações desses países para os EUA
e para países do bloco do dólar, ocorrendo o oposto com o euro. Os dados mostram
claramente que o peso do dólar na denominação de preços e contratos comerciais vai
muito além da importância do comércio dos países com os EUA, demonstrando seu
caráter essencial como moeda veículo.

Tabela 2
Papel do dólar e do euro no comércio de países selecionados (%)
Exportações Participação das exportações do país Exportações Participação das exportações do país
Cotadas Para os Cotadas Para a área
Para os países
em dólar EUA em Euro do Euro Para os países do
do Dollar Bloc*
bloco do Euro

(1) (2) (3) (1)-(2+3) (1) (2) (3) (1)-(2+3)


Ásia
Coréia 84,9 20,8 28,2 35,9 1,3 10,4 1,8 -10,9
Tailândia 83,9 17,8 17,5 48,6 0,5 10,5 1,6 -11,6
União Européia
França 34,2 15,4 11,8 7 55,8 n/a n/a 42,6
Alemanha 31,6 17,9 10,8 2,9 49 n/a n/a 27,4
UE - extendida
Hungria 12,2 3,5 2,7 6 83,1 65,5 13,1 4,5
Polônia 29,9 2,7 4,9 22,3 60,2 57,6 16,5 -13,9
* Australia, Nova Zelândia, Canadá
Fonte; Goldberg (2008)

Os dados das reservas internacionais das autoridades monetárias dos


diversos países, que traduzem a dimensão pública de reserva de valor (Tabela 3)
atestam a enorme supremacia do dólar. Apesar disto, é visível a ampliação do euro
como moeda reserva a partir de sua introdução em 1999. Isto pode não significar que
se esteja gestando de fato um substituto, mas apenas compartilhando o caráter de
moeda reserva, o que a rigor não constituiria uma novidade, pois a permanência do

5
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

dólar como moeda reserva exclusiva – desde o imediato pós-guerra até os anos 1990 -
tem caráter de excepcionalidade histórica. Em outros períodos a prerrogativa de
moeda reserva foi compartilhada, em graus variados, com outras moedas em
sistemas bi ou multi-monetários.1

Outro aspecto de grande relevância é o crescimento substancial do valor das


reservas, que se ampliou substancialmente no período da globalização, mormente na
última década. Para muitos, como, por exemplo, Mateos y Lago, Duttagupta e Goyal
(2009) e Ocampo (2009) esses crescimento se explicaria pelas deficiências ou
desequilíbrios intrínsecos do SMI baseado no dólar, que obrigaria os bancos centrais
a acumularem um montante ampliado de reservas. Assim, várias características do
sistema o transformariam num não sistema, tais como: o uso de uma moeda nacional
como moeda reserva internacional; a ausência de um mecanismo simétrico de ajuste
(deficitários e superavitários) por conta da primeira característica. No SMI da era da
globalização ocorreu a exacerbação dessas características por conta da demanda
precaucional exercida pelas autoridades monetárias de países emergentes,
decorrentes da defesa contra a volatilidade inerente a esse sistema.

Para entender esse não sistema é necessário explicitar as suas características


mais essenciais por meio da denominação “dólar-flexível” utilizada por Serrano
(2002). Nele, o valor do dólar é arbitrário, vale dizer ele não tem correspondente
equivalente em ouro e, portanto nenhuma paridade precisa ser respeitada. Quando
havia uma paridade com o ouro, a utilização do dólar como moeda reserva estava
constrangida a respeitá-la. Se os detentores julgassem que havia excesso de dólares
substituíam-no no seu portfólio pelo ouro. Isso no mais das vezes obrigava o país
emissor a elevar a sua taxa de juros para evitar trocas substantivas. No padrão

1 Os dados da Tabela 3 estão em dólares correntes. Como houve no período uma significativa

desvalorização do dólar ante o euro os valores nessa última moeda estão em alguma medida inflados.
Isto é verdadeiro, mas não muda as conclusões. Assim os dados em dólares constantes mostram para
o período 1999/2008 uma participação estável das reservas em dólar, em torno de 2/3 do total e uma
ampliação das reservas em euro para ¼ do total e que ocorre em detrimento das reservas em libra e
yen.

6
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

flexível essa paridade a respeitar inexiste e a expansão da quantidade de dólares no


sentido amplo (na forma de moeda e títulos) não guarda mais esta restrição. Isto
confere uma ampla liberdade para a moeda reserva na criação de liquidez
internacional e no financiamento de déficits e ampliação de dívidas.

Há consenso entre diversos analistas de que a posição particular do dólar


enquanto moeda reserva única lhe confere privilégios, para muitos, um privilégio
exorbitante. Para além do financiamento automático de recorrentes e elevados
déficits em transações correntes, Ocampo (2009) e Serrano (2002) chamam a atenção
para a manifestação desse privilégio na operação da política monetária, ou seja, a
unilateralidade com a qual é fixada a taxa de juros nos EUA. Isto significa dizer que
há uma demanda por dólares a qualquer nível de taxas de juros e de taxa de câmbio
o que faz também com que não se verifique um dos supostos da trindade impossível
ou seja, uma variação correspondente das taxa de câmbio como resposta à variação
das primeiras. A completa independência da política monetária dos EUA faz com
que ela seja manejada em função de interesses puramente domésticos – mas com
conseqüências importantes sobre o resto do mundo. Há outras dimensões do
privilégio da moeda reserva, como por exemplo, a emissão de dívida na própria
moeda. Assim, toda vez que essa moeda se desvaloriza há um ganho de capital para
o país emissor pela desvalorização da dívida denominada em moeda reserva e
valorização dos ativos denominados nas demais moedas.

Nesse arranjo do sistema monetário internacional, como os EUA são o


principal país deficitário, e detentor da moeda reserva, isso elimina o ajuste
deflacionário, mas converte-o em um ajuste que se dá prioritariamente pela política
macroeconômica dos EUA. Ademais, o sistema também carece de instrumentos e
instituições que provejam a segurança coletiva e protejam os países, sobretudo os
emergentes, dos choques adversos – de termos de troca ou de sudden stops –
obrigando-os a fazer políticas pró-cíclicas de ajuste. Esse é o fator responsável pela
exacerbação da demanda precaucional de reservas e que, conjuntamente com os
desequilíbrios recorrentes de conta corrente, explicam a grande expansão das
mesmas durante a globalização, particularmente nos anos 2000 como apontado na
Tabela 3.

7
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Tabela 3
Reservas oficiais*: Moedas de denominação
1999 2001 2003 2005 2007 2008 2009** Variação

(US$ bilhões) (%) (US$ bilhões) (%) (US$ bilhões) (%) (US$ bilhões) (%) (US$ bilhões) (%) (US$ bilhões) (%) (US$ bilhões) (%) (% ao ano)

Total de reservas 1.782 2.050 3.025 4.175 6.411 6.909 7.516 15,5

Declaradas 1.380 100 1.569 100 2.223 100 2.844 100 4.119 100 4.211 100 4.435 100 12,4

Dólar 980 71 1.122 72 1.466 66 1.903 67 2.642 64 2.703 64 2.734 62 10,8


8

Libra 40 3 42 3 62 3 102 4 193 5 171 4 192 4 17,1

Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010


Yen 88 6 79 5 88 4 102 4 120 3 132 3 143 3 5,0

Franco Suiço 3 0 4 0 5 0 4 0 6 0 5 0 5 0 4,3

Euro 247 18 301 19 559 25 684 24 1.082 26 1.112 26 1.231 28 17,4

Outras 22 2 20 1 44 2 49 2 76 2 87 2 130 3 19,4

Não declaradas 402 480 1 1.331 2.292 2.699 3.081 22,6

* Os ativos que compõem as reservas oficiais são os haveres das autoridades monetárias sobre não residentes na forma de: certificados de depósitos bancários;

depósitos bancários; treasury bills, títulos de governos de curto e longo prazo; outros haveres financeiros negociáveis.

** dados relativos ao terceiro trimestre

Fonte: FMI - COFER


Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

A distribuição das reservas entre países revela os desequilíbrios do SMI


fundado no dólar como moeda reserva na medida em que as primeiras concentram-
se num grupo muito peculiar de países. Por exemplo, os países em desenvolvimento
detêm cerca de 50% das reservas totais com destaque para a China e os demais do
sudeste da Ásia, exportadores de manufaturas. Se incluirmos nesse grupo os países
exportadores de petróleo mais importantes esses número vai a 2/3. Do ponto de
vista geográfico, o agrupamento mais importante é a Ásia, que também concentra em
torno de 2/3 das reservas. Dos países desenvolvidos, são destaque o Japão e a
Alemanha. Quase todos esses países produzem anualmente superávits em conta
corrente tendo como contrapartida os déficits dos EUA, ou seja, recebem
crescentemente promessas de pagamento, sob várias formas, denominadas em dólar,
que mantêm acumuladas, em parte precaucionalmente.

Tabela 4
Total de Reservas Internacionais
2008
País ou Grupo US$ bilhões (%) do Total
Argentina 46,4 0,8
Australia 32,9 0,6
Brasil 193,8 3,5
Canadá 43,9 0,8
China 1.953,3 35,2
Euro Area 520,8 9,4
India 256,0 4,6
Indonesia 51,6 0,9
Japão 1.030,6 18,6
Coréia 201,2 3,6
Mexico 95,3 1,7
Rússia 427,1 7,7
Arabia Saudita 442,8 8,0
Africa do Sul 34,1 0,6
Turquia 74,3 1,3
Reino Unido 65,5 1,2
Estados Unidos 78,3 1,4
Total 5.547,9 100,0
* Valor correspondente a 80% das reservas internacionais
Fonte: IMF.Stat

9
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Há dois elos importantes no sistema que merecem mais destaque, tanto pela
sua importância absoluta (dimensão dos desequilíbrios) quanto pela trajetória. O
primeiro refere-se aos déficits americanos e aos superávits de Japão e Alemanha, e o
segundo aos superávits chineses e, em menor escala, aos do Sudeste da Ásia. A
evolução dessas relações pode ser vista pelos dados da Tabela 5. Em primeiro lugar,
o déficit da economia americana dobra em dez anos, mas já partindo de um patamar
elevado. No extremo oposto, o superávit da China se multiplica por vinte vezes no
mesmo período. Ilustra a importância desses números o fato de que, em 2008, o
superávit chinês já supera a soma dos saldos de Alemanha e Japão. Fica também
explícito o peso dos países exportadores de petróleo na formação dos superávits e o
caráter marginal dos países periféricos da América Latina, alguns deles como o
México, e Brasil, deficitários (este último após 2008).
O financiamento de recorrentes e elevados déficits em transações correntes
sem maiores constrangimentos para a política macroeconômica doméstica só pode
ser compreendido à luz de uma convergência de interesses de países asiáticos com os
EUA. Aos primeiros, cujo mecanismo central de crescimento é o export led growth,
interessam os sucessivos déficits comerciais americanos, pois esses constituem seus
mercados adicionais por excelência, permitindo como decorrência o crescimento
doméstico a partir do investimento induzido pelas exportações. De outro lado, as
vendas oriundas das empresas sediadas na Ásia, para a economia americana, em
troca de pagamento ou promessa de pagamento em dólar constituem, assim, um
financiamento automático do déficit comercial americano.
Esse financiamento automático do déficit em transações correntes constitui
uma prerrogativa da moeda reserva, mas também de outras moeda conversíveis.
Assim, temos a seqüência: exportação da China para os EUA, denominada em dólar
e financiada por um banco americano que antecipa os recursos em dólar para o
exportador chinês. No vencimento do empréstimo o importador liquida-o em dólar.
Por sua vez, o exportador chinês que detem os dólares – depositados num banco
americano – é obrigado a vendê-los ao banco central da China. A compra dos dólares
por parte do BC chinês se faz a uma taxa fixa de câmbio evitando assim que a
ampliação da oferta de dólares valorize o yuan. Na seqüência o BC chinês pode ou
não esterilizar o impacto monetário da operação. Note-se que o financiamento
automático de um déficit em transações correntes poderia ocorrer qualquer moeda
conversível, o euro, por exemplo bem como a manutenção da taxa de câmbio desse
moeda ante o yuan.

10
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Tabela 5
Saldos em Transações Correntes (US$ bilhões)
Saldos em Transações Correntes (US$ bilhões)
1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008
País ou Grupo

Argentina -11,9 -9,0 -3,8 8,8 8,1 3,2 5,3 7,8 7,4 7,1

Australia -21,3 -14,8 -7,4 -15,8 -28,7 -38,9 -41,0 -41,5 -58,0 -47,8

Brazil -25,4 -24,2 -23,2 -7,6 4,2 11,7 14,0 13,6 1,6 -28,2

China 21,1 20,5 17,4 35,4 45,9 68,7 160,8 253,3 371,8 426,1

Euro Area -25,9 -83,8 -24,2 44,5 24,9 81,2 19,2 -0,3 25,1 -201,2

Alemanha -27,0 -32,3 0,4 41,1 47,0 128,0 142,8 190,2 263,1 243,9

India -3,2 -4,6 1,4 7,1 8,8 0,8 -10,3 -9,3 -11,3 -36,1

Japão 114,6 119,7 87,8 112,4 136,2 172,1 165,8 170,5 210,5 156,6

Coréia 24,5 12,3 8,0 5,4 11,9 28,2 15,0 5,4 5,9 -6,4

México -14,0 -18,7 -17,7 -14,1 -7,2 -5,2 -4,5 -4,4 -8,4 -15,9

Rússia 24,6 46,8 33,9 29,3 35,4 59,5 84,6 94,7 77,0 102,4

Arábia Saudita 0,4 14,3 9,4 11,9 28,0 51,9 90,1 99,1 93,4 132,3

Turquia -0,9 -9,9 3,8 -0,6 -7,5 -14,4 -22,1 -31,9 -37,7 -41,3

Reino Unido -35,4 -38,8 -30,3 -27,9 -30,0 -45,4 -59,4 -80,9 -74,7 -39,9

Estados Unidos -301,7 -417,4 -398,3 -459,2 -521,5 -631,1 -748,7 -803,5 -726,6 -706,1
Nota: os dados relativos ao Déficit em transações correntes para a àrea do Euro apresentam divergências
significativas segundo as várias bases de dados do FMI. Nos dados apresentados acima, o DTC resulta do
somatório dos DTCs de cada país considerado isoladamente nas suas relações com o resto do mundo.
Em outras fontes apresenta-se o dado consolidado da área contra o resto do mundo
Fonte: IMF.Stat

Como ressaltado por Aglietta e Landry (2007), na etapa seguinte da operação


o ponto focal é o destino que o BC chinês dará aos dólares dos quais é titular e que
está depositado num banco americano. A prática que tem marcado o assim
denominado arranjo de Bretton Woods II é a de estes recursos serem utilizados para
comprar títulos no mercado de capitais americano. Decorrem dessa operação três
conseqüências: a) evita-se a contração da liquidez nos EUA, porque o BC chinês ao
comprar os títulos mantém a liquidez circulando no sistema bancário americano; b)

11
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

mantêm-se as taxas de câmbio do dólar contra as demais moedas conversíveis; c)


exerce-se um efeito deflacionário sobre a taxa de juros longa nos EUA em razão da
transformação dos depósitos de curto prazo em títulos longos.

O resultado da seqüência de operações e eventos descritos acima são os já


assinalados recorrentes e elevados déficits em transações correntes dos EUA. Autores
como Pettis (2009) apresentam uma interpretação extremada desses desequilíbrios
pois o essencial, para ele, não seriam as políticas expansionistas dos EUA mas as
políticas asiáticas de contenção do consumo e de estímulo ao investimento
manufatureiro. Na verdade, vai além e propõe que o superconsumo das famílias
americanas foi induzido pela política de acúmulo de reservas da Ásia. Mais
precisamente a tese é a de que as políticas asiáticas – leia-se chinesas – de geração de
superávits e acumulação de reservas levaram necessariamente aos déficits
americanos ao não permitir a apreciação do yuan ante o dólar.

A tese parte da idéia correta de que é a apreciação permanente do dólar, vale


dizer a desvalorização das moedas asiáticas – fundada nas políticas de esterilização –
que produz a situação de desequilíbrio. Todavia, esquece de dizer que o fato do dólar
ser moeda reserva é crucial para que este mecanismo se engendre, caso contrário os
déficits não seriam financiáveis. Não analisa o papel crucial que tem a abertura do
mercado financeiro americano e, portanto, a absorção dos superávits de outros países
no reforço do dólar como moeda reserva e na manutenção desse privilégio. Por sua
vez, não explica por que os EUA não realizam um ajuste unilateral, ou seja, por que
não reduzem a demanda doméstica, ou pelo menos, o seu ritmo de crescimento e a
magnitude do seu déficit em transações correntes.

É necessário salientar que a solução para os desequilíbrios oriundos do


arranjo acima não comporta medidas convencionais, como aquelas da redistribuição
dinâmica da demanda nominal dos EUA, para o Japão e a União Europeia , e das
mudanças nas taxas de câmbio. Isto suporia a realização de políticas expansivas
nessas duas últimas regiões, com ampliação dos déficits fiscais, redução das taxas de

12
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

juros e valorização das taxas de câmbio para substituir a demanda externa pela
doméstica como principal motor do crescimento. Tal tarefa demandaria um grau de
coordenação internacional hoje inexistente, o que torna a opção de difícil execução.

Uma questão ainda mais complexa diz respeito à mudança da paridade da


moeda americana com as asiáticas, em particular com o yuan, ao qual as demais
estão referenciadas mantendo paridades relativamente estáveis com ele. Essa parece
ser uma questão controversa, pelo menos para os grandes interesses americanos e os
países asiáticos em desenvolvimento. Tome-se, por exemplo, os bancos centrais
asiáticos, com amplas posições líquidas em dólares, contrapartida do processo de
intervenção,e esterilização destinados a manter estável a taxa de câmbio. Uma
revalorização do yuan e das demais moedas a ele articuladas traria sérios
desequilíbrios patrimoniais para esses bancos centrais. Por outro lado, é duvidoso
que a valorização do yuan tivesse a capacidade de reduzir, expressivamente, o déficit
comercial americano, melhorando a situação do emprego nos EUA. Isto em razão do
outsourcing das atividades produtivas e do diferencial de salários muito elevado entre
os dois países.

Uma das questões mais importantes decorrentes da posição do dólar como


moeda reserva e dos recorrentes déficits em transações correntes da economia
americana diz respeito ao caráter de crescente devedor líquido assumido pelos EUA
no plano internacional. Há, portanto uma distinção histórica importante a fazer com
a posição dos EUA até os anos 1970, quando a economia americana alternava déficits
e superávits em transações correntes - os Estados Unidos tiveram déficit corrente em
71, 72, 77 a 79 e a partir de 1982, com a exceção de 1991 -, mas era deficitária no
cômputo global do balanço de pagamentos por conta do déficit da conta de capital
decorrente de seus investimentos externos. Nesse período, o papel do dólar no
cenário internacional era discutido a partir do denominado dilema de Triffin, que
procurava caracterizar os problemas criados por uma moeda nacional que servia
simultaneamente de moeda internacional. Ou seja, a liquidez necessária só era criada
por déficits de balanço de pagamentos do país emissor, o que acarretava um
enfraquecimento dessa moeda. A proposição é discutível na medida em que o fato do
déficit se dever à ampliação de investimentos com superávit em transações correntes
expandia a liquidez mas criava também uma situação credora líquida para os EUA.

13
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

No período recente o fato do déficit ser de transações correntes implica um aumento


da posição devedora americana. Note-se também que o papel do dólar é distinto: no
primeiro período ele servia prioritariamente de moeda veículo – dado o menor grau
de liberalização financeira – e atualmente de reserva de valor, levando a concluir que
desse ponto de vista a ampliação da posição devedora americana é funcional ao SMI.

Tabela 6
Posição Internacional de Investimento (% do PIB)
P a ís /G r u p o 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008

A r g e n t in a -2 1 ,9 -2 ,2 -0 ,6 2 ,0 1 1 ,6 1 0 ,3 1 3 ,3 1 7 ,8

A u s t r a lia -4 6 ,3 - 5 3 ,0 -6 0 ,3 -5 7 ,2 -5 2 ,8 -6 0 ,9 -6 0 ,6 -4 8 ,0

B r a s il -4 7 ,8 - 4 5 ,6 -4 9 ,3 -4 4 ,9 -3 5 ,9 -3 3 ,9 -4 0 ,3 -1 7 ,0

C h in a .. .. .. 1 5 ,4 1 9 ,2 2 4 ,6 3 4 ,4 3 5 ,1

E u ro A rea -5 ,4 -9 ,5 -1 0 ,1 -1 0 ,7 -8 ,6 -1 1 ,4 -1 3 ,7 -1 7 ,7

I n d ia -1 4 ,5 - 1 1 ,9 -7 ,8 -6 ,2 -5 ,8 -6 ,5 -6 ,4 -6 ,6

Japão 3 3 ,2 3 7 ,2 3 8 ,1 3 8 ,7 3 3 ,6 4 1 ,4 5 0 ,1 5 0 ,8

C o r é ia -1 2 ,6 - 1 2 ,2 -1 2 ,7 -1 2 ,3 -2 1 ,2 -2 1 ,1 -2 1 ,9 -1 2 ,2

M é x ic o -3 9 ,9 - 4 0 ,1 -4 0 ,1 -4 0 ,9 -4 0 ,4 -4 0 ,6 -3 9 ,0 -3 3 ,6

R ú s s ia 0 ,5 0 ,3 0 ,0 -0 ,1 -0 ,1 -0 ,1 -0 ,4 0 ,6

T u r q u ia -4 3 ,2 - 3 6 ,7 -3 4 ,9 -3 2 ,6 -3 6 ,2 -3 8 ,9 -4 8 ,6 -2 7 ,1

E s t a d o s U n id o s -1 8 ,2 - 1 9 ,1 -1 8 ,7 -1 8 ,9 -1 5 ,2 -1 6 ,3 -1 5 ,2 -2 4 ,0
F o n te: F M I . S ta t

A posição líquida americana torna-se negativa em meados dos anos 1980 e


vem crescendo desde então, atingindo o patamar entre 15 e 20% do PIB nos anos
2000. Como contrapartida, países como China e Japão – e demais asiáticos – bem
como os exportadores de petróleo ampliam cada vez mais sua posição líquida
superavitária. Até que ponto essa situação é sustentável? Como a crise atingiu essa
posição dos EUA e do dólar? Até que ponto ela compromete a função de moeda
reserva do dólar na sua dimensão pública? Ou seja, até onde os Bancos Centrais
reconhecerão no dólar uma reserva de valor de qualidades inquestionáveis, diante da
expansão do endividamento dos EUA? A reorientação do crescimento nesses países,
países com maior ênfase nos mercados internos e a perda de dinamismo da economia

14
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

americana como principal centro cíclico não propiciará um enfraquecimento do


dólar?

Uma importante assimetria do atual SMI refere-se ao fato de que não há


correspondência entre o peso do dólar como moeda de denominação das reservas
oficiais e seu papel como denominador de títulos de dívidas nos mercados
internacionais, ou seja do dólar como reserva de valor na sua dimensão privada. A
sua participação na denominação das emissões totais de securities em 2008 (Tabela 7),
além de muito menor do que nas reservas, por volta de 1/3 do total, é muito inferior
à do euro, que é, nesse aspecto, a moeda dominante. O seu crescimento como moeda
de denominação das securities encontra-se muito abaixo da média, indicando
claramente, nesse caso, uma diversificação.

A razão para esta inversão de papéis não está muito clara, exceto pelo fato de
a valorização do euro nos últimos anos poder tê-lo tornado uma moeda preferencial
de emissão de títulos do ponto de vista dos credores. O fato dos dados estarem
denominados em dólar corrente também influencia o resultado mas não modifica as
tendências observadas. Assim, no período 1999/2008 enquanto as emissões em
dólares cresceram a um taxa anual de 14,9% as emissões em euros se expandiram a
um ritmo de 20,7% ao ano. Desde 2001 essas últimas superam as primeiras e mantém
uma liderança de 10 pontos percentuais abarcando quase 50% das emissões totais.

Tabela 7
Emissão bruta de títulos de dívida no mercado internacional, por moeda de denominação
1999 2001 2003 2005 2008 Variação
US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) (%) ao ano
Dólar 2.357,3 47,2 3.610,4 50,8 4.494,9 40,5 5.378,9 38,6 8.225,5 36,2 14,9
Libra 391,1 7,8 506,0 7,1 778,6 7,0 1.061,3 7,6 1.701,9 7,5 17,7
Yen 497,5 10,0 411,5 5,8 488,4 4,4 471,4 3,4 750,2 3,3 4,7
Franco Suiço 135,5 2,7 123,6 1,7 195,6 1,8 208,4 1,5 331,6 1,5 10,5
Euro 1.451,1 29,1 2.288,5 32,2 4.834,3 43,5 6.308,8 45,2 10.875,1 47,8 25,1
Outras 162,1 3,2 166,0 2,3 312,3 2,8 521,8 3,7 847,5 3,7 20,2
Total 4.994,6 100,0 7.106,0 100,0 11.104,1 100,0 13.950,6 100,0 22.731,9 100,0 18,3
Fonte: FMI, Global financial stability report

15
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

A análise da evolução dos ativos bancários internacionais – emitidos fora do


âmbito doméstico dessas instituições (cross-border) revela um quadro semelhante
embora atenuado. Embora de fato o crescimento desses ativos em euro tenha
suplantado o daqueles denominados em dólar, aumentando o peso dos primeiros, a
predominância desses últimos ainda é muito significativa. As explicações nesse caso
são a maior internacionalização dos bancos americanos bem como uma rede de
comércio mais diversificada e denominada nessa moeda como se viu acima. Parte da
explicação advém também do fato dos dados já estarem ajustados às variações das
taxas de câmbio o que amplia o peso do dólar cuja desvalorização ante o euro no
período é fato conhecido.

Tabela 8
Ativos bancários internacionais (cross border) por moeda de denominação* (%)
1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008
Dólar 62,0 62,9 64,9 62,6 59,6 58,7 60,8 59,7 54,6 58,4
Euro 16,6 16,5 17,7 20,6 22,5 22,4 20,9 21,3 23,1 23,1
Yen 7,8 7,9 5,2 4,8 5,1 5,5 4,5 3,2 3,9 3,1
Libra 4,3 4,0 4,2 4,1 4,8 5,0 5,0 6,1 7,6 6,0
Franco Suíço 2,9 2,6 2,4 2,3 2,3 2,1 2,1 2,2 2,1 2,2
Outras 6,3 6,1 5,6 5,6 5,8 6,3 6,7 7,5 8,6 7,2
Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0
* Ajustado para as variações cambiais do período
Fonte: BIS

3. Fluxos de capitais e mercados financeiros domésticos

Um dos fundamentos da preeminência de uma moeda reserva, mormente


num contexto internacional marcado pela mobilidade de capitais, que acentua a
importância da sua dimensão de reserva de valor, diz respeito ao tamanho e
natureza dos fluxos de capitais com origem e destino nos países e também ao
tamanho e formato dos mercados financeiros domésticos. Mercados financeiros
profundos e inserção significativa nas transações financeiras internacionais
constituem requisitos de uma moeda reserva capazes de ancorar a riqueza global.

16
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Na análise dos fluxos de capitais internacionais durante o período recente,


um dado que impressiona é a velocidade de crescimento dos fluxos brutos, dando
suporte à tese de que a globalização financeira é, na sua essência, um processo de
diversificação de portfólios e, em escala mais reduzida, um mecanismo de
transferência de capital em termos líquidos e, nesses termos, menos ainda um
processo de transferência de capital de países ricos para os pobres.

Nos dados dos fluxos brutos (ver Tabela 9) cabe destaque para o fato dos
EUA terem a menor taxa de crescimento do período comparativamente a outros
países e regiões relevantes. Isto faz com que a sua participação nesses fluxos caia
para mais da metade, de 48% para 20% do total, entre 1999 e 2007, perdendo posição
para a área do euro, para o Reino Unido (que é uma praça financeira internacional e,
portanto, um intermediário) e, sobretudo, para o conjunto dos países emergentes.
Parte da perda americana pode ser atribuída ao deslocamentos dos fluxos de capitais
dos EUA para o Reino Unido, ou seja, à utilização de uma praça financeira
internacional em detrimento dos bancos e agentes financeiros locais. De qualquer
modo a redução do peso dos EUA nos fluxos brutos não deixa de ser expressiva
principalmente por que por se tratar de um país deficitário que recebe uma grande
parcela das entradas de capital.

O detalhamento dos fluxos de entrada e saída (Tabelas 10 e 11) esclarece


ainda mais a posição dos países. Os movimentos de saída mostram que os EUA
perdem posição no movimento de capital global, caindo da segunda posição de
principal investidor em 1999 – na verdade a primeira, em se considerando que a área
do euro abrange vários países – para a quarta posição em 2007, atrás do Reino Unido
e do conjunto dos emergentes. Nas entradas de capitais, os EUA também perdem
importância como principal destino dos investimentos externos, ocupando posição
análoga à das entradas. O destaque desse ponto de vista é a região do euro que se
torna tanto a principal exportadora quanto receptora de capitais.

17
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

A perda da preeminência como exportador de capitais por parte dos EUA


ocorre, assim, com uma mudança de status de exportador para absorvedor líquido de
capitais, movimento que vem se intensificando desde os anos 1980 e que adquire
uma magnitude crescente ao longo dos anos 2000. Essa é também a posição da área
do euro (que contudo comporta muitas diferenciações internas). Os dois grandes
exportadores líquidos de capitais são o Japão e o conjunto de países emergentes, com
destaque para a China. Esse é o perfil que contraria a teoria tradicional da relevância
da poupança externa para o financiamento do desenvolvimento pois o capital flui
uphill, vale dizer, dos pobres para os ricos.

Uma parte expressiva desses fluxos líquidos de capitais está determinada


pelos novos fluxos anuais resultantes dos desequilíbrios em transações correntes
entre os países. Assim, como indicado na Tabela 3, as unidades geradoras de déficits
são os EUA, Reino Unido e Austrália, ocorrendo uma posição equilibrada da área do
euro (nesta, a Alemanha é a grande exceção, constituindo a grande unidade
superavitária na região). Na outra ponta as duas grandes economias superavitárias
são as exportadoras de manufaturas, China e Japão, seguidas de perto das
exportadoras de petróleo (Rússia e Arábia Saudita) e por alguns exportadores de
commodities como Argentina e Brasil.

18
Tabela 9
Fluxos Brutos de Capitais
1999 2001 2003 2005 2007 2007/1999 2008
US$ bilhões % US$ bilhões % US$ bilhões % US$ bilhões % US$ bilhões % var. % US$ bilhões %
Estados Unidos 1.246,3 48,3 1.165,5 27,2 1.183,7 23,6 1.793,9 17,8 3.601,6 20,3 14,2 534,20 7,9
Canadá 45,1 1,7 133,1 3,1 82,0 1,6 157,7 1,6 300,0 1,7 26,7 190,50 2,8
Japâo 34,0 1,3 188,3 4,4 363,8 7,3 603,1 6,0 761,9 4,3 47,5 228,30 3,4
Reino Unido 329,1 12,7 892,4 20,8 1.130,7 22,6 2.598,6 25,7 3.985,5 22,5 36,6 2.007,90 29,8
Euro área 738,0 28,6 1.537,0 35,9 1.465,2 29,2 3.322,7 32,9 5.111,3 28,9 27,4 1.687,10 25,0
Em desenvolvimento 190,1 7,4 364,0 8,5 788,4 15,7 1.628,6 16,1 3.950,9 22,3 46,1 2.094,60 31,1
Total 2.582,6 100,0 4.280,3 100,0 5.013,8 100,0 10.104,6 100,0 17.711,2 100,0 27,2 6.742,60 100,0
Fonte: FMI (IFS e WEO Databases)
19

Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010


Tabela 10
Fluxos Internacionais de Capitais: Saídas*
1999 2001 2003 2005 2007 2007/2001 2008
US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) (% a.a.) US$ bilhões (%)
Estados Unidos 504,1 29,8 382,6 19,2 325,4 13,7 546,6 11,1 1.472,1 16,6 14,3 0,1 0,0
Canadá 28,5 1,7 73,4 3,7 48,4 2,0 91,0 1,8 160,8 1,8 24,1 101,8 8,0
Japão -13,4 -0,8 139,2 7,0 242,3 10,2 370,8 7,5 494,2 5,6 ... 211,9 16,7
Reino Unido 304,5 18,0 432,9 21,8 542,4 22,9 1.282,1 26,0 1.941,9 22,0 26,1 -1.007,4 -79,6
Euro área 709,4 42,0 780,5 39,2 732,2 30,9 1.645,1 33,4 2.490,4 28,2 17,0 589,1 46,5
Em desenvolvimento 157,5 9,3 181,2 9,1 482,5 20,3 991,1 20,1 2.284,7 25,8 39,7 1.370,3 108,3
Total 1.690,6 100,0 1.989,8 100,0 2.373,2 100,0 4.926,7 100,0 8.844,1 100,0 23,0 1.265,8 100,0
Dados originais de Saídas possuem sinal negativo pois têm impacto negativo nas contas externa
Fonte: FMI (IFS e WEO Databases)
Tabela 11
Fluxos de capitais Internacionais: Entradas
1999 2001 2003 2005 2007 2007/2001 2008
US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) US$ bilhões (%) (% a.a.) US$ bilhões (%)
Estados Unidos 742,2 39,0 782,9 34,2 858,3 32,5 1.247,3 24,1 2.129,5 24,0 14,1 534,1 37,4
Canadá 16,6 0,9 59,7 2,6 33,6 1,3 66,7 1,3 139,2 1,6 30,4 88,7 6,2
Japão -125,9 -6,6 49,1 2,1 121,5 4,6 232,3 4,5 267,7 3,0 .... -16,4 -1,1
Reino Unido 347,8 18,3 459,5 20,1 588,3 22,3 1.316,5 25,4 2.043,6 23,0 24,8 -1.000,5 -70,1
Euro área 720,7 37,9 756,5 33,0 733,0 27,8 1.677,6 32,4 2.620,9 29,6 17,5 1.098,0 76,9
Em desenvolvimento 201,8 10,6 182,8 8,0 305,9 11,6 637,5 12,3 1.666,2 18,8 30,2 724,3 50,7
Total 1.903,2 100,0 2.290,5 100,0 2.640,6 100,0 5.177,9 100,0 8.867,1 100,0 21,2 1.428,2 100,0
Fonte: FMI (IFS e WEO Databases)

Tabela 12
20

Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010


Fluxos Líquidos de Capitais
1999 2001 2003 2005 2007 2008
US$ bilhões (%) do total US$ bilhões (%) do total US$ bilhões (%) do total US$ bilhões (%) do total US$ bilhões (%) do total US$ bilhões (%) do total
Estados Unidos 238,1 51,6 400,3 72,0 532,9 59,8 700,7 54,6 657,4 37,4 534,0 27,6
Canadá -11,9 -2,6 -13,7 -2,5 -14,8 -1,7 -24,3 -1,9 -21,6 -1,2 -13,1 -0,7
Japão -112,5 -24,4 -90,1 -16,2 -120,8 -13,5 -138,5 -10,8 -226,5 -12,9 -228,3 -11,8
Reino Unido 43,3 9,4 26,6 4,8 45,9 5,1 34,4 2,7 101,7 5,8 6,9 0,4
Euro área 11,3 2,4 -24,0 -4,3 0,8 0,1 32,5 2,5 130,5 7,4 508,9 26,3
Em desenvolvimento 44,3 9,6 1,6 0,3 -176,6 -19,8 -353,6 -27,5 -618,5 -35,2 -646,0 -33,3
Total * 461,4 100,0 556,3 100 891,8 100 1.284,0 100 1.756,2 100 1.937,2 100,0
* Soma em módulo
Fonte: FMI (IFS e WEO Databases)

Observação: o cômputo dos dados considera Entradas e Saídas de capitais da perspectiva de residentes e não residentes. Dessa forma é possível
a ocorrência de valores negativos nas Entradas, significando o retorno de capitais de não residentes. Também podem ocorrer valores positivos
nas Saídas, significando a repatriação de recursos de residentes.
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Um argumento muito comum para explicar o estabelecimento de uma


moeda reserva, sobretudo num contexto marcado pela ampla mobilidade de capitais,
tem sido o do tamanho e profundidade dos mercados financeiros domésticos, que
permite, por meio de haveres financeiros com liquidez, dar conteúdo e estabilidade
de valor à riqueza financeira, seja ela privada ou pública.

Os dados sobre o tamanho dos mercados financeiros (Tabela 13) mostram


que em 2007 os mercados financeiros da região do euro eram maiores em alguns
segmentos do que os do EUA e isto tanto em termos absolutos (valores em dólares),
quanto em termos relativos, ou seja, expresso pelo grau de aprofundamento medido
pelo valor dos ativos como razão do PIB. Desse último ponto de vista cabe destacar
também o Japão que, apesar de seu mercado financeiro menor em termos absolutos,
possui maior profundidade do que os EUA. Destaque-se ainda que a soma dos
mercados financeiros do Japão com aqueles da Ásia emergente perfaz um sistema
financeiro com valores aproximados dos outros dois grandes mercados, vale dizer da
zona do euro e dos EUA.

Quando se consideram as variações, as discrepâncias são ainda mais


significativas: exceto pelo medíocre crescimento do Japão, ainda um rescaldo da crise
financeira dos anos 1990, o menor crescimento dos ativos financeiros é observado nos
EUA e o maior nos mercados emergentes com incremento significativo na zona do
euro e no Reino Unido. O menor tamanho do mercado financeiro nos EUA mas,
principalmente, a sua taxa de crescimento inferior à dos demais países e regiões
constitui uma outra assimetria do dólar enquanto moeda reserva.Em termos
concretos significa que há outras moedas ampliando as suas capacidades de
desempenhar o papel de moeda reserva.

Do ponto de vista dos segmentos que compõem o mercado financeiro, ainda


há a clara predominância dos EUA no que se refere aos mercados de capitais, que são
maiores do que o das outras áreas e países, o que talvez explique a preferência pela

21
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

alocação das reservas em dólar, dada a negociabilidade e portanto liquidez dos


títulos. A preeminência dos EUA se mantém no mercado de ações embora ela seja
menos significativa em 2007 do que em 2001 indicando seu ritmo menor de
crescimento. Outro dado de grande relevância é o crescimento do mercado de ações
na Ásia Emergente cujo valor se multiplica por dez em apenas seis anos.

Um padrão semelhante mas atenuado pode ser observado no segmento de


títulos de dívida. Nesse caso a liderança americana também se faz presente, mas com
menos intensidade. Isto porque este mercado cresce bem mais rápido na zona do
euro, no Reino Unido e em várias regiões emergentes como a Ásia e América Latina.
O aspecto mais importante quanto a esse mercado e que configura outra assimetria
envolvendo o papel do dólar expressa-se na maior importância, em termos
quantitativos, do mercado de títulos públicos na zona do euro e no Japão vis as vis ao
dos EUA. Esses títulos, por sua melhor classificação de risco são, em geral, os
preferidos para ancorar a riqueza financeira global, mormente aquela das
autoridades monetárias dos distintos países.

No que se refere aos ativos bancários a situação se inverte e os EUA não só


são menores do que a zona do euro, alcançando apenas 1/3 do valor desses ativos
nessa última região, como também são inferiores ao Reino Unido e ao conjunto dos
países emergentes.Pode-se concluir desse conjunto de dados que eles expressam uma
assimetria importante no papel do dólar como moeda reserva na medida em que este
último não está amparado, como seria de esperar por mercados financeiros maiores,
mais líquidos e mais profundos. Essa característica dos mercados americanos está
presente nos mercados de ações e de títulos privados. No segmento de títulos
públicos e nos ativos bancários essa preponderância não existe.

22
Tabela 13
Indicadores selecionados do tamanho dos Mercados Financeiros (US$ bilhões)
Indicadores selecionados do tamanho dos Mercados Financeiros (US$ bilhões)

Mercado de Ações Títulos de Dívida Ativos Títulos, Ações Variação Total (1+2+3)

Capitalização (1) Público Privado Total (2) Bancários (3) e Ativos bancários (1+2+3) em (%) (Em % do PIB)

2007 2001 2007 2001 2007 2001 2007 2001 2007 2001 2007 2001 2007/2001 2007

Mundo 65.106 28.875 28.632 22.157 51.190 19.635 79.822 41.792 84.785 79.402 229.712 150.069 53 421

Euro área 10.040 4.277 7.613 4.181 15.411 5.311 23.024 9.492 30.137 24.464 63.461 38.233 66 520

Estados Unidos 19.922 13.827 6.594 9.698 23.285 8.806 29.879 18.504 11.194 22.157 60.996 54.488 12 442

Japão 4.664 2.294 7.148 5.317 2.070 1.608 9.218 6.925 7.839 12.409 21.721 21.628 0 496
23

Reino Unido 3.852 2.165 914 448 2.931 1.300 3.845 1.748 11.053 7.069 18.749 10.982 71 678

Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010


Emergentes: 20.950 1.947 4.908 1.519 2.912 826 7.820 2.345 15.004 10.065 43.774 14.357 205 253

dos quais

Asia 13.783 1.310 2.556 674 1.949 596 4.505 1.270 9.382 6.722 27.670 9.303 197 370

América Latina 2.292 412 1.457 513 628 181 2.085 694 1.989 1.593 6.366 2.699 136 176

Oriente Média 1.276 64 40 8 84 10 124 18 1.166 718 2.566 800 221 164

África 1.182 84 89 49 77 12 166 60 646 530 1.994 674 196 181

Europa 2.418 77 767 275 174 27 940 303 1.820 501 5.178 881 488 147

Fonte: FMI (Globa Financial Stability Report)


Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

4. Os impactos da crise

Uma das questões mais relevantes suscitadas pela crise diz respeito ao futuro
do dólar enquanto moeda reserva única do sistema global. O destino do dólar, após a
crise de 2007-2008, olhado de uma perspectiva mais duradoura, certamente terá
impactos significativos sobre a globalização financeira e sobre os países emergentes.
Vários autores como Ocampo (2009), Stiglitz. (2009), Reisen (2009), Cohen (2009) e
Eichengreen (2009) estão de acordo quanto à hipótese de que no médio e longo prazo
haverá uma fragmentação do sistema monetário internacional com o dólar passando
a compartilhar de maneira mais decisiva, com outras moedas, o papel de moeda-
reserva.

Para Eichengreen (2009), o enfraquecimento do dólar, embora sem perda de


seu status como principal moeda reserva, no contexto de outras moedas-reserva, é
uma hipótese bastante provável. Isto ocorrerá porque, de um lado, haverá menos
demanda corrente por ativos em dólar por conta da redução do déficit em transações
correntes e de outro, porque a ampliação do déficit público aumentaria a oferta de
títulos. A implicação será perda de valor dos títulos e enfraquecimento do dólar. De
fato, a oferta de títulos vai se ampliar, o que pode ocasionar, diante de uma demanda
mais fraca, uma elevação das taxas de juros para atrair novos recursos para além
daqueles que já se dirigiam ao financiamento da economia americana por conta do
déficit em transações correntes. Se a queda da demanda atingir os estoques de ativos
financeiros americanos de posse de não residentes, isto implicará elevação das taxas
de juros e depreciação da taxa de câmbio o que terminará por atrair novos capitais.
Ou seja, o enfraquecimento se expressaria na submissão do dólar às regras do trilema
com a perda da autonomia absoluta da política monetária ante o constrangimento
externo.

Autores como Stiglitz (2009), vêem o questionamento ao dólar de outra


perspectiva. Esta viria do crescimento dos déficits fiscais – já significativo na

24
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

administração Bush e aumentado pela política anticíclica - e da ampliação do balanço


do FED cujo efeito provável seria a inflação, destruindo aquele que seria um dos
requisitos da moeda reserva: a imunidade do valor dessa riqueza a desvalorizações
decorrentes do aumento continuado de preços. Para ele, o crescimento do déficit e da
dívida, e a prática recente do FED de emitir dinheiro para salvar os bancos, deve
levar os investidores a temer uma ampliação da inflação no futuro, o que reduziria
sua demanda presente de ativos denominados em dólar.

Autores como Dooley, Folkerts-Landau & Garber (2009) têm uma visão
distinta da robustez e perenidade do sistema centrado no dólar que denominam de
sistema Bretton Woods II. Indagando como o sistema poderia se ajustar ao choque
negativo de demanda oriundo da economia americana, e da sua propagação,
concluem que o desmonte de BWII suporia uma mudança profunda e permanente de
preços relativos via ajustes de taxas de câmbio. Do ponto de vista macroeconômico
há o risco da concorrência em torno das taxas de câmbio (empurrar a conta para o
vizinho) como vem fazendo a China. Do ponto de vista ex-post também teriam que se
ajustar os níveis de poupança domésticos, por intermédio do aumento do consumo
na China e redução nos EUA o que pareceria pouco viável. Na verdade mudar
permanentemente a posição da taxa de câmbio de várias moedas, em particular do
yuan em relação ao dólar mudaria o perfil de crescimento e mexeria em vários
interesses na China e nos EUA. A alternativa de menor custo seria, na visão dos
autores manter o arranjo e aguardar a recuperação americana.

Acrescentam que para o sistema de BWII se inviabilizar teria que ocorrer


uma seqüência de eventos que se iniciaria com a parada da compra de ativos
americanos levando à queda dos seus preços com elevação dos juros e
desvalorização da moeda. Como primeiro efeito ter-se-ia um aprofundamento da
crise com maior contração da demanda e como segundo uma correção dos
desequilíbrios de conta corrente. A rigor, a implausibilidade desse ajuste repousaria
nos seus custos generalizados o que tenderia a ser evitado por todos.

25
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Excetuando a posição ultra-otimista desses autores, a maioria dos


economistas acredita que o papel do dólar será afetado com a crise recente. E isto por
várias razões. Em primeiro lugar porque a exclusiva preeminência do dólar nos
últimos sessenta anos e, particularmente após 1980, constituiu uma exceção histórica
do ponto de vista da organização do SMI. De outro lado porque, como vimos, há de
fato várias assimetrias e fragilidades que marcam essa supremacia no período
recente. A questão de fundo é contudo, qual seria o substituto imediato do dólar?
Qual moeda nacional reuniria os requisitos de moeda reserva?

O uso do yen como moeda reserva estaria limitado não tanto pelo tamanho
da economia japonesa, nem do seu mercado financeiro, mas pelo formato
institucional desse último, muito baseado em bancos e no crédito, com mercados de
capitais menos expressivos incapazes de lastrear o yen como moeda reserva. Como
se viu na Tabela 13, o mercado de ações americano é cinco vezes maior do que o
japonês e o da zona do euro mais de duas vezes maior. No mercado de títulos de
dívida especialmente a privada a discrepância é menor, mas ainda significativa – 3,3
vezes para o mercado americano e 2,5 para o do euro. Isto não é verdadeiro porém
para o mercado de títulos públicos no Japão cujo tamanho é maior do que os dos
EUA e similar ao da zona do euro. A baixa internacionalização do yen configura
assim, uma das assimetrias relevantes do SMI pois o seu uso nas várias dimensões
da moeda reserva é muito desproporcional ao peso da economia japonesa, seu papel
nos fluxos de capitais globais, sua sólida posição externa e por fim, mas não por
último, o tamanho do seu mercado de títulos públicos.

No caso do euro haveria várias vantagens para o desempenho do papel de


moeda reserva como o tamanho do PIB e da dívida em títulos, mormente a soberana,
mas algumas desvantagens como a heterogeneidade do emissor, que seriam os
tesouros nacionais de cada país e ausência de liquidez do título de maior qualidade,
o do Tesouro alemão que tem pouca negociabilidade, pois boa parcela do mesmo
está nas carteiras dos fundos de pensão alemães. A crise, num primeiro momento, foi

26
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

um importante teste para a qualidade do euro, pois a fuga para a qualidade não
afetou a possibilidade de fazer a política expansionista com redução substancial da
taxa de juros mantendo-se a demanda por moeda. Num segundo momento, porém,
os déficits e dívidas elevados de um conjunto de países (Portugal, Espanha, Irlanda
Grécia e Itália) e as suas dificuldades de ajuste têm gerado manifestações de
desconfiança sobre a qualidade do euro.

A utilização do euro como moeda de referência no comércio regional, na


zona de influência da União Europeia sugere que o seu papel como moeda reserva
secundária estaria consolidado, pois quanto maior o uso como meio de troca e
unidade conta maior sua possibilidade de virar moeda reserva. Uma forma de
reforçar o seu papel global poderia ser a federalização das dívidas, que envolve
questões bastantes complexas relativas à construção de uma autoridade fiscal supra-
nacional.

A posição do yuan é bem particular e envolve várias dimensões. A primeira


diz respeito ao fato da China ser a principal detentora de ativos de reserva oficiais
em dólar e a sua revelada insatisfação com a possibilidade de desvalorização
permanente dessa moeda. Esse problema não tem solução rápida, pois a liquidação
de parte significativa dos haveres em dólar das reservas chinesas terminaria por
desvalorizar o estoque que é muito alto. Isso sugere que a saída será feita, mas
progressivamente.

A ampliação da posição do yuan como moeda reserva, por sua vez, é


dificultada em razão da sua inconversibilidade. Ou seja, a sua aceitação nas
transações com terceiros, está limitada ao comércio da China com alguns parceiros
comerciais, sobretudo os regionais embora o grau de integração regional e o volume
de comércio sejam muito expressivos. Uma forma de ampliar a conversibilidade seria
a abertura da conta de capital promovendo o acesso por parte de não-residentes a

27
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

mercados de capitais relativamente líquidos. Isso permitiria ter acesso a ativos em


yuan e convertê-los em outras moedas (no limite ampliando a demanda por yuan).

A despeito desses obstáculos, há evidências de que o governo chinês tem


tomado importantes medidas na direção de obter uma maior internacionalização do
yuan. No plano comercial, várias grandes empresas foram autorizadas a estabelecer
contratos de importações e exportações em yuan ao mesmo tempo em que seus
bancos foram também autorizados a oferecer financiamento do comércio exterior
denominado nessa moeda em seis países asiáticos. Durante a crise o Banco Central
chinês realizou importantes operações de swaps de yuan contra as várias moedas de
parceiros comerciais chineses dentro e fora da Ásia.

Na ampliação da conversibilidade da conta de capitais, além de aumentar o


acesso ao mercado de títulos locais, seria necessário atingir seu último estágio,
permitindo a emissão de bônus de não residentes no mercado local. De outro lado,
seria necessário modificar o regime cambial, admitindo a flutuação da cotação do
yuan. Todas essas mudanças contrariam a institucionalidade e papel do sistema
financeiro chinês, indicando uma contradição com a busca de um peso internacional
mais decisivo para o yuan. De qualquer modo, o peso regional do comércio chinês e
a intenção de ampliar progressivamente a abertura dos mercados de capitais em
Shangai reforça o caráter regional de moeda reserva do yuan. Dessa perspectiva, a
autorização para os bancos baseados em Hong-Kong, uma praça financeira
internacional, emitirem títulos denominados em yuan é também um passo para
internacionaliza a moeda.

Uma alternativa relevante diante da formação de um sistema monetário


fragmentado com moedas globais fortes seria a utilização de uma moeda pública, no
caso os Direitos Especiais de Saque emitidos pelo FMI. A rigor o DES não é uma
moeda, mas uma unidade de conta que funciona como moeda pública de maneira bi-

28
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

lateral entre países-membro do FMI, sendo usado como instrumento de


compensação. A sua emissão por sua vez obedece a critérios administrativos.

A ampliação do papel dos DES como moeda reserva suporia seu


lastreamento em algum título cuja liquidez fosse significativa. A pergunta crucial é,
quem emitiria este título e como seria operacionalizada a sua liquidez. O FMI
poderia emitir esses títulos em troca das moedas conversíveis dos países membros,
correndo um risco de descasamento de taxas de juros e taxas de câmbio. Na prática,
poderia operar uma “conta de substituição” na qual receberia moedas contra emissão
de títulos denominados em uma cesta de moedas. Para anular o risco da variação das
taxas de câmbio poderia aplicar os recursos nos vários mercados nacionais na
proporção da ponderação da cesta de moedas. Dependendo da ponderação a ser
utilizada isto poderia levar a uma diversificação das reservas reduzindo o papel do
dólar.

Essa última proposição pode ajudar a diversificar as reservas apaziguando as


inquietações dos detentores de altos volumes de títulos em dólar. Mas não resolve de
maneira profunda a questão da instabilidade do SMI. Isto porque ao
enfraquecimento do dólar não correspondeu o surgimento de uma moeda alternativa
no plano global, mas apenas no plano regional, como o euro e o yuan. A
fragmentação do sistema e a provável continuidade do enfraquecimento do dólar e o
reforço das moedas regionais certamente ampliará a instabilidade do SMI com maior
volatilidade dos fluxos de capitais, taxas de câmbio e de juros.

Conclusões

Ao longo desse trabalho, no qual se discutiu as tendências recentes do


sistema monetário-financeiro internacional, e sua resposta à crise, partiu-se da
constatação de que a exclusividade do dólar como moeda reserva, sobretudo no
período pós 1980, constitui uma excepcionalidade do ponto de vista da existência do

29
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

SMI. Em simultâneo, adotou-se a hipótese, secundada pela maioria dos analistas que
discute o tema, de que esse papel do dólar será diminuído com o passar do tempo. E
isto a despeito de seu reforço no curto-prazo, como evidenciado nos episódios de
fuga para a qualidade, após a crise.

Para formular cenários de evolução do SMI a partir da crise é necessário


trabalhar com algumas hipóteses secundárias, a respeito de algumas características
essenciais definidoras desse sistema como, por exemplo, a mobilidade de capitais.
Isto porque, o poderio do dólar como moeda reserva exclusiva se funda, sobretudo
na livre mobilidade, e no tamanho, características e profundidade dos mercados
financeiros dos EUA. Ou seja, o dólar e mais do que isto, os títulos emitidos no
mercado financeiro americano, constituem a âncora da riqueza financeira global. Há
assim uma simetria entre a importância do dólar e a globalização financeira. Se de
algum modo esta for revertida também será atenuada a sua preeminência.

Há outros fatores que contribuirão cada vez mais, com o passar do tempo,
para reduzir a dominância do dólar, e que dizem respeito a algumas peculiaridades
da economia americana e assimetrias do SMI. Nessa última dimensão, cabe assinalar
o peso crescente dos sistemas financeiros domésticos e dos fluxos de capitais de
regiões como a União Europeia e mais recentemente da Ásia e particularmente da
China sem se traduzirem no peso mais decisivo das suas moedas no âmbito global.
Da mesma maneira, pode-se apontar o deslocamento significativo dos fluxos de
produção, investimento e comércio para a Ásia sem a correspondente ampliação das
suas moedas no comércio regional. Essa modificação da geografia econômica e
financeira mundial e a assimetria monetária daí decorrente é uma situação nova na
economia internacional e inexistia nos anos 1970 quando da crise do regime de
Bretton Woods.

No que tange à economia americana, a peculiaridade a ressaltar são seus


expressivos e recorrentes déficits em transações correntes dando origem a um

30
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

passivo externo líquido crescente, cujo valor tem sido objeto de manifestações de
inquietação por seus principais detentores. Diante desse quadro, é muito provável
que ocorra uma progressiva diversificação dos haveres de reserva dos bancos
centrais e dos agentes privados, implicando na sujeição dessa economia às regras do
trilema e portanto a um menor espaço para o financiamento de déficits e acumulação
de dívidas.

A passagem de uma situação de dominância absoluta do dólar para outra, de


compartilhamento de várias prerrogativas da moeda reserva, com a consolidação de
moedas regionais de peso como o euro, o yuan e o yen, poderá ocorrer com a
acentuação da instabilidade dos fluxos de capitais, taxas de câmbio e taxas de juros,
caso a livre mobilidade de capitais não seja de algum modo restringida. Na hipótese
de uma transição negociada, além de uma diminuição dessa instabilidade poderá
ocorrer uma ampliação do papel das “moedas públicas” como o DES emitido e
gerido pelo FMI ou por alguma instituição monetária multilateral.

Referências bibliográficas

Aglietta, M e Landry, Y (2007) La Chine vers la superpuissance. Paris, Economica.


Cohen, B.J (2009) The Future of Reserve Currencies FINANCE & DEVELOPMENT,
IMF Sept 2009 – Volume 46 – Number 3.
Cohen, B.J (1971) The Future of Sterling as an International Currency. London:
Macmillan.
Dooley, M.P; Folkerts-Landau, D & Garber, P.M. (2009) Bretton Woods II still defines
the international monetary system. NBER Working Papers Series. Working Paper
1473.
Eichengreen, B (2009) Commercialize the SDR Project Syndicate, 2009. Disponível
em: www.project-syndicate.org.
Eichengreen, B (2009) Lessons of the Crisis for emerging Markets. ADBI Working
Papers Series, nº 179, December.
Eichengreen, B (2009) The dollar dilemma. Foreign affairs. September/October.

31
Observatório da Economia Global – no. 1 – Abril, 2010

Goldberg, L (2008) The International Roles of the Dollar and Euro in Trade. Peterson
Institute. for International economics. Disponível em:
www.piie.com/publications/papers/goldberg1008ppt.pdf - 2009-04-18.
Hu, Xiaolian. (2009) On the roots of the current Financial Crisis. Paper fo G20
Workshop on the Global Economy.
IMF – Special Drawing Rights – FactSheet.
Mateos y Lago, I. Duttagupta R e Goyal, R (2009) The debate on the international
Monetary System” IMF Staff Position Note, November.
Ocampo, J.A (2009) Reforming The Global Reserve System, in: Stephany Griffith-
Jones, José Antonio Ocampo and Joseph E. Stiglitz (eds.), Time for a Visible Hand:
Lessons from the 2008 World Financial Crisis, New York: Oxford University Press. 2009.
Parboni, Riccardo (1981) The Dollar and Its Rivals. Recession, Inflation and
International Finance. London: Verso.
Pettis, M. (2009) Is Governor Zhou a closet Bernake-ite? Asia Economic Monitor, Apr
9, 2009.
Reisen, H (2009) Shifting wealth: Is the US dollar Empire falling? VOX, 20 June 2009.
Roxburgg, C et al (2009) Global Capital markets: Entering a new Era. McKinsey
Global Institute, Sepetember 2009.
Serrano, F (2002) Do ouro imóvel ao dólar flexível. Economia e Sociedade, Campinas,
v. 11, n. 2 (19), p. 237-253, jul./dez. 2002.
Stiglitz, J. (2009) Death cometh for the Greenback. The National Interest online
10.27.2009.
Tavares, M. C (1985) A retomada da hegemonia norte-americana. Revista de
Economia Política, vol 5 nº 2 1985.
Tavares, M. C., Melin, L. C. (1997) Pós-escrito 1997: a reafirmação da hegemonia
americana. In: TAVARES, M. C., FIORI, J. L. (Org.). Poder e dinheiro: uma economia
política da globalização. 2. ed. Petrópolis: Vozes.

32