Você está na página 1de 27

AULA 3 – AGREGADOS

Propriedades Físicas

Disciplina: Materiais de Construção I


Professora: Dra. Carmeane Effting

1o semestre
2014

Centro de Ciências Tecnológicas ♦ Departamento de Engenharia Civil


FINALIDADE DOS AGREGADOS:
• Técnica: aumentar a resistência das
argamassas e concreto diminuindo a
retração (diminuição do volume).

• Econômica: reduzir o consumo de


aglomerantes de custos mais elevados.

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


Granulometria
• Distribuição em porcentagem dos diversos tamanhos de
grãos.

Peneiras:
Denominadas pelas dimensões
nominais das aberturas formadas
pela malha quadrada, cujos
valores são expressas em
milímetros (mm).
Série normal de peneiras
agregado miúdo (mm):
9,5; 4,8; 2,4; 1,2; 0,6; 0,30; 0,15.

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


ANÁLISE GRANULOMÉTRICA
- Porcentagem retida: é a porcentagem de material retido
em uma determinada peneira.

- Porcentagem acumulada: é a soma das porcentagens


retidas em uma determinada peneira e nas outras que lhe
ficam acima da numeração.

- Diâmetro máximo: é a abertura da peneira em que fica


retida acumulada uma percentagem igual ou
imediatamente inferior a 5%.

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


ANÁLISE GRANULOMÉTRICA
• Módulo de finura: é a soma das porcentagens
acumuladas em todas as peneiras da série normal,
dividida por 100. Quanto maior o módulo de finura
mais grosso será o agregado.
Agregado Módulo de Finura

Muito Grosso MF  3,90

Grosso 3,30  MF < 3,90

Médio 2,40  MF < 3,30

Fino MF < 2,40

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


AGREGADO - CARACTERIZAÇÃO
GRANULOMETRIA
• Curva granulométrica
• Eixo y = porcentagens acumuladas
passantes
• Eixo x = abertura das peneiras
• Escala logarítmica

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


AGREGADO - CARACTERIZAÇÃO
GRANULOMETRIA

• Contínua = S suave e alongado na


horizontal
• Descontínua = Patamar horizontal
• Uniforme = S alongado na vertical

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


Prof.a Dr.a Carmeane Effting
Granulometria

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


GRANULOMETRIA
• Série normal – 76mm, 38mm, 19mm,
9,5mm, 4,8mm, 2,4mm, 1,2mm, 0,6mm,
0,3 mm e 0,15mm

• Série intermediária – 64mm, 50mm,


32mm, 25mm, 12,5mm e 6,2mm

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


GRANULOMETRIA

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


GRANULOMETRIA
C U R VAS GR AN U L OM ÉTI C AS

Abertura das peneiras (mm)


0,1 1 10
0,15 0,3 0,6 1,18 2,36 4,75 6,3 9,5
0
10

Porcentagens retidas acumuladas (%)


20
30
40
50
Zona Utilizável 60
70
Zona Ótima
80
Pó de pedra 90
100

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


GRANULOMETRIA
C U R VA S G R A N U L O M É T I C A S

Abertura das peneiras (mm)


0,1 1 10
0,15 0,3 0,6 1,18 2,36 4,75 6,3 9,5
0

Porcentagens retidas acumuladas (%)


10
20
30
40
50
Zona Utilizável 60
Zona Ótima 70
Areia de rio 80
90
100

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


GRANULOMETRIA

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


GRANULOMETRIA

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


PROPRIEDADES FÍSICAS
1) MASSA ESPECÍFICA REAL OU ABSOLUTA:
• É a relação entre a massa e o volume de cheios, isto é,
o volume de grãos do agregado excluindo-se os poros
permeáveis e os vazios entre os grãos.

• Sua determinação é feita através do frasco de Chapman


(coloca no frasco 200 cm³ de água e em seguida 500 g
de agregado seco, faz a leitura e calcula a massa
específica).

• A massa específica absoluta é calculada pela fórmula:


 = 500 (g/cm3) ou (kg/dm3)
L - 200
Prof.a Dr.a Carmeane Effting
PROPRIEDADES FÍSICAS

Figura 1 – Frasco de Chapman


Prof.a Dr.a Carmeane Effting
Prof.a Dr.a Carmeane Effting
2) MASSA ESPECÍFICA APARENTE:
• É a relação entre a massa e o volume, incluindo os
vazios.
• É a partir dela que se faz a transformação dos traços em
peso para volume e vice-versa. Em termos médios, os
agregados apresentam massa específica aparente da
seguinte ordem:
• areia fina: 1520 kg/m³
Massa unitária
• areia média: 1500 kg/m³
• areia grossa: 1480 kg/m³
• brita 1: 1450 kg/m³
• brita 2: 1420 kg/m³
• brita 3: 1400 kg/m³
• seixo rolado: 1500 kg/m³
Prof.a Dr.a Carmeane Effting
• Determinação da massa específica aparente:
o agregado solto é colocado em recipiente
metálico em forma de paralelepípedo, de volume
(V) conhecido. A amostra seca é nele colocada
sem qualquer adensamento, procurando desse
modo reproduzir a situação da obra, quando o
operário transporta o agregado em baldes, sem
adensamento.

γa = Massa/Volume

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


3) TEOR DE UMIDADE:

• É a relação entre a massa de água


absorvida pelo agregado, preenchendo
total ou parcialmente os vazios, e a massa
desse mesmo agregado seco.

• Sua determinação é feita por meio de


secagem em estufa.

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


Umidade (h):

h = Pu – Ps x 100 Ps = peso da areia seca


Ps Pu = peso da areia úmida

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


4) INCHAMENTO
• Aumento do volume aparente do agregado
miúdo quando úmido.
• Assim, na realidade, em um mesmo volume
tem-se menos material.

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


• O inchamento é fundamental para a determinação do
traço do concreto em volume.

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


• Se fizermos variar a quantidade de água
contida em um agregado miúdo, seu
volume também variará segundo a
expressão

Prof.a Dr.a Carmeane Effting


Prof.a Dr.a Carmeane Effting
5) ÍNDICES DE VAZIOS – Relação entre o volume
total de vazios e o volume total de grãos.
e= V – Vs
Vs

V – volume total da amostra


Vs – volume dos sólidos

Prof.a Dr.a Carmeane Effting