Você está na página 1de 59

Comunicações Ópticas

Plano do módulo
„ Características das fibras ópticas
‰ Abertura Numérica
‰ Atenuação
‰ Dispersão
„ Projecto de um link
„ Tipos de cabos
„ Junções e uniões
„ Equipamentos
‰ Fontes de luz
‰ Detectores de luz
„ Orçamento do tempo de subida
„ Sistemas de transmissão
„ Medidas em fibras ópticas

©Fernando Ramos 2
Características das fibras ópticas
Abertura numérica

NA = sin θ c = n − n
2
1
2
2

©Fernando Ramos 4
Reflexão de luz numa fibra

©Fernando Ramos 5
Tipos de fibras

©Fernando Ramos 6
Atenuação

©Fernando Ramos 7
Atenuação em fibras monomodo

©Fernando Ramos 8
Dispersão

t22 − t12
Dispersão ≈ [ ns km ]
L
©Fernando Ramos 9
Dispersão intramodal

©Fernando Ramos 10
Dispersão modal (I)

Modo de ordem
mais alta

Modo de ordem
mais baixa

©Fernando Ramos 11
Dispersão modal (II)

©Fernando Ramos 12
Polarização e curvatura

©Fernando Ramos 13
Projecto de um link
Balanço de potência

( Pt + Gt ) − (α c + α s + Fm + α f × LT ) ≥ Pr

LT ≤
( Pt + Gt − Pr ) − (α c + α s + Fm )
αf

©Fernando Ramos 15
Exercício
Um cabo de fibras ópticas multimodo, com uma atenuação de 2 dB/km em
cada fibra, vai ser utilizado para a transmissão de um sinal de 34 Mbit/s numa
extensão de 16 km. O cabo é fornecido em troços de 2 kms. Sabendo que a
potência de transmissão do emissor óptico é de –1 dBm e que o receptor óptico
tem uma sensibilidade de –42 dBm, determine se a ligação é viável e, em
caso afirmativo, calcule a margem do sistema, admitindo que tem de
providenciar para que haja uma tolerância de 6 dB para o envelhecimento da
fibra e eventual degradação do equipamento, que tem 0.5 dB de perdas por
conector e que cada junta (“splice”) possa ser executada por forma a não
ultrapassar os 0.15 dB de atenuação.

É viável
Margem = 6, 65dB

©Fernando Ramos 16
Tipos de cabos
Protecção das fibras

Tight buffer Loose buffer Filled buffer

©Fernando Ramos 18
Vários tipos de cabos (I)

Fibra única

8 fibras, instalação interior

©Fernando Ramos 19
Vários tipos de cabos (II)

64 fibras, conduta

12 fibras, para enterrar

©Fernando Ramos 20
Vários tipos de cabos (III)

600 fibras, com fitas

2000 fibras, conduta

©Fernando Ramos 21
Vários tipos de cabos (IV)

Cabo submarino

©Fernando Ramos 22
Junções e uniões
Preparação para fusão

©Fernando Ramos 24
Fusão de 2 fibras

©Fernando Ramos 25
Alinhamento das fibras

©Fernando Ramos 26
Controlo de perdas
Junções

T R

Perdas de
Potência
(dBm)

PT αTF
P αC
e
r
d
a αS1
s
αS2
t
o αRF+C
αS3
t
PR
a
i Margem
PRmin s

Distância (Km)

©Fernando Ramos 27
Junções mecânicas

©Fernando Ramos 28
Conectores

©Fernando Ramos 29
Problemas das junções (I)

Desadaptação da NA Diferencial de diâmetros

©Fernando Ramos 30
Problemas das junções (II)

Desalinhamento lateral

Desalinhamento angular

©Fernando Ramos 31
Problemas das junções (III)

Folga na união

©Fernando Ramos 32
Equipamentos
LED

ELED

SLED

©Fernando Ramos 34
Laser

©Fernando Ramos 35
Efeito da temperatura

©Fernando Ramos 36
APD
LUZ
Ânodo

Tipo P

Região de deplecção

Tipo N
Cátodo

Ponto de
Operação

©Fernando Ramos 37
PIN

Entrada de luz
V- Dióxido de
sílicio

Metalização P

(Alumínio I
ou Ouro)
N

Intrínseco
(semicondutor
V+ puro)

©Fernando Ramos 38
Sensibilidades de recepção
-10
"bit rate" (Gbit/s)
1.5 µ m APD

1.3 µ m PIN-FET

1.5 µ m PIN-HBT

1.5 µ m PIN-HEMT

-20
Sensibilidade do receptor (dBm)

-30

*
Receptor com
pré-amplificador óptico
-40

-50
0.1 1 10 100

©Fernando Ramos 39
Orçamento do tempo de
subida
Alargamento do impulso
T T
e e
n n
s s
ã ã
o o

Tempo Tempo
Impulso original Impulso alargado

τ = DL TRT = T 2
RTX +T 2
RRX +T2
RF
T T
e e
n n
s s
ã ã
o o
1 0 1 0 1 1 1 1 1 1
Impulso original
Impulso alargado devido à dispersão

©Fernando Ramos 41
Largura de banda óptica

1
f3dB( óptica ) =
2∆t

500
Bl =
D

©Fernando Ramos 42
Sistemas de transmissão
8 Gerações

©Fernando Ramos 44
Configurações

©Fernando Ramos 45
Regenerador óptico

©Fernando Ramos 46
WDM

©Fernando Ramos 47
PHASAR

©Fernando Ramos 48
FDM

©Fernando Ramos 49
EDFA (I)

Entrada do Acoplador ISOLADOR


Fibra dopada com érbio Saída do sinal
sinal amplificado
( λ = 1.55 µm) ( λ = 1.55 µm)

Bomba λ = 1.48 μm
Laser
( ou λ = 0.98 µm)

©Fernando Ramos 50
EDFA (II)
Ião de érbio
Estado excitado 1

Acção da Sinal
bomba de amplificado
1480 nm Sinal de 1550 nm

Estado base

Estado excitado 2

Estado excitado 1

Acção da Sinal
bomba de 980
nm
amplificado
de 1550
nm

©Fernando Ramos 51
Medidas em fibras ópticas
Detecção de fibra partida
Reflexão
frontal Par de
conectores
Par de
conectores
Junção
Curva mecânica

Fibra Final da
partida fibra

Junção por
fusão

Ruído

Eixo da
Backscatter
potência

Eixo da
distância

©Fernando Ramos 53
OTDR
Circuito LASER LD
controlador de
tempo Driver
Conector

Contador Acoplador
de tempo Óptico

Fibra
Ave- PIN
CRT D/A Receptor
rager
(*)

(3)

( n1 − n2 )
2

r=
( n1 + n2 )
2

©Fernando Ramos 54
Medida do BER

©Fernando Ramos 55
Diagrama de Olho

©Fernando Ramos 56
Exercícios de Exame
Janeiro 2005
Numa ligação de fibra óptica a 155 Mbps com código RZ é utilizada uma
fonte com um tempo de subida de 1.5ns e um receptor óptico com tempo de
subida de 2ns. O comprimento da fibra utilizada é de 20km.
Qual deverá ser o mínimo produto de largura de banda-distância da fibra
utilizada?

Bl ≈ 4807 [ MHz − km]

©Fernando Ramos 58
Março 2002
Pretende-se transmitir um sinal de 30 MHz de largura de banda sobre uma
fibra óptica com uma larga de banda-distância de 750MHz-km e uma
atenuação de 0.5dB/km.
O cabo é fornecido em bobinas de 2km e com a máquina de fusão utilizada
conseguem-se perdas de 0.15dB. É necessário considerar uma margem de
sistema de 4dB. Utiliza-se na transmissão um LD de 2mW de potência e na
recepção um díodo PI com sensibilidade de -23dBm. As perdas totais
somadas dos conectores de transmissão e recepção são 1.5dB.
Qual é a máxima distância que é possível cobrir naquela ligação?

L = 25 [ km]
©Fernando Ramos 59