Você está na página 1de 15

FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU (FMN)

CURSO GESTÃO DA QUALIDADE

Edmar Bezerra
Elizângela Marinho
Elton Patrick
Priscila Isabelle
Severino Maximino
Sidnaldo Alexandrino
Virgínia Ferreira

LOGÍSTICA EMPRESARIAL
RECEBIMENTO
2

Recife
Novembro de 2010

2
3

ÍNDICE

1 – CONCEITO DE RECEBIMENTO (Virgínia) 3


2 – PRINCÍPIOS DO RECEBIMENTO (Sidnaldo) 4
3 – FLUXO DO RECEBIMENTO (Virgínia) 6
4 – 1ª FASE: RECEPÇÃO (Elizângela/Priscila) 7
5 – 2ª FASE: CONFERÊNCIA QUANTITATIVA (Patrick) 9
6 – 3ª FASE: CONFERÊNCIA QUALITATIVA (Max) 11
7 – 4ª FASE: REGULARIZAÇÃO (Edmar) 12
8 – REFERÊNCIAS 13

3
4

1 – CONCEITO DE RECEBIMENTO

Recebimento é a atividade intermediária entre as tarefas de compra e pagamento ao


fornecedor, sendo o seu principal objetivo assegurar que o vendedor entregou o produto certo,
em boas condições, nas quantidades certas e no momento certo. O departamento de
recebimento tem como atividades principais a marcação do momento de entrega dos materiais
na doca, descarregar os materiais do veículo transportador, contar o produto, verificar
a qualidade do produto, identificar o SKU, entrar com o produto no inventário e transferi-lo
para a zona de armazenagem.

4
5

2 – PRINCÍPIOS DO RECEBIMENTO

Os seguintes princípios servem como guia da atividade de recepção de forma a dar-lhe


uma maior dinâmica. Estes princípios pretendem simplificar o fluxo de material através do
recebimento e garantir que através do menor esforço os requisitos serão atendidos. Os
princípios da recepção são (Tompkins et al., 1996, p. 397-400):

• Não receber

Para alguns materiais, a melhor recepção acontece quando a mercadoria não chega a
ser recebida. Fazer com que o vendedor faça o envio direto dos materiais para
o cliente, poupa tempo e trabalho laboral associados à recepção.Um exemplo disso são
encomendas grandes e volumosas que ocupem muito espaço no armazém.

• Pré-receber

Quando se está na doca de recepção, a atividade que ocupa mais tempo e mais espaço
dá-se quando do recebimento, pois existe a necessidade de manter o material para
identificação do produto, designação do local de armazenagem, entre outros. Em
alguns casos a informação sobre os materiais que estão a chegar pode ser enviada
diretamente do vendedor na altura da expedição, pode estar guardada num smart
card que vem com a encomenda ou então através de mecanismos de rádio frequência
colocados ao longo do percurso.

• Cross-docking

O objetivo da recepção é preparar o material mais rapidamente para ser expedido.A


maneira mais rápida e produtiva é o cross-docking, pois a expedição é feita a partir da
doca de recepção.Material paletizado com um SKU por palete, caixas soltas
empilhadas no chão e mercadoria reservada por clientes são excelentes candidatos
ao cross-docking.

• Arrumar diretamente para locais de maior movimento ou de reserva

Quando o material não pode ser cross-docked pode-se poupar alguma movimentação
de material, eliminando a paragem para recepção e pondo o material diretamente em
locais de picking ou de reserva.

• Ordenar em locais de armazenamento

5
6

Se o material tiver de ser ordenado para armazenamento pode-se proporcionar locais


de armazenamento para receber o material, minimizando assim o espaço necessário
para a ordenação.

• Desfazer e movimentar as cargas eficientemente

O maior tempo disponível para preparar um produto para ser expedido acontece durante a
recepção, pois assim que a encomenda do produto seja recebida não resta muito mais tempo
para essa preparação. O processamento dos materiais deve ser sempre feito com antecedência
possível. Estas atividades incluem:

 Re-embalagem nas quantidades mais vendidas.


 Marcar e colocar etiquetas.
 Medir o volume e pesar para planejamento de armazenagem e transporte.

• Separar os materiais recebidos para serem armazenados eficientemente

Tal com o picking por zona e em sequência são estratégias eficazes para melhorar a
produtividade do picking, os materiais recebidos podem ser separados de maneira a
serem retirados do armazém, ou por zona, ou por sequenciação.

• Combinar arrumações com retiradas do armazém sempre que possível

Ao combinar estas duas atividades, estamos a reduzir o número de viagens que os


veículos industriais fazem vazios. Esta técnica é especialmente usada para paletes.

• Nivelar a utilização de recursos na recepção

Esta nivelação pode acontecer, recebendo a horas diferentes e fazendo as conferências


de material em períodos de menor movimento. Comunicando com os fornecedores as
empresas melhoraram o acesso a informações sobre o momento em que são enviados
os materiais. Podem, assim, usar esses dados para coordenar o momento de recepção e
para informar os seus próprios clientes sobre a expedição.

• Minimizar ou eliminar os percursos a pé, fazendo mover os materiais e não as pessoas.

Uma estratégia eficaz para aumentar a produtividade do picking, especialmente quando


tem de ser efetuada uma grande variedade de tarefas nos materiais (embalar, contar e

6
7

etiquetar), é colocar os stocks no local do picking. A mesma estratégia deve ser aplicada na
recepção, por ser uma atividade que também envolve movimentação de cargas.

7
8

3 – FLUXO DO RECEBIMENTO

Analisando-se as atribuições básicas do recebimento, temos o seguinte:


- coordenar e controlar as atividades de recebimento e devolução de materiais;
- analisar a documentação recebida, verificando se a compra está autorizada;
- controlar os volumes declarados na Nota Fiscal e no Manifesto de Transporte com os
volumes a serem efetivamente recebidos;
- proceder à conferência visual, verificando as condições de embalagem quanto a possíveis
avarias na carga transportada e, se for o caso, apontando as ressalvas de praxe nos
respectivos documentos;
- proceder à conferência quantitativa e qualitativa dos materiais recebidos;
- decidir pela recusa, aceitação ou devolução, conforme o caso;
- providenciar a regularização da recusa, devolução ou da liberação de pagamento ao
fornecedor;
- liberar o material desembaraçado para estoque no almoxarifado;

Esta análise permite dividir o fluxo do recebimento em quatro fases:


1ª fase – recepção;
2ª fase – conferência quantitativa;
3ª fase – conferência qualitativa;
4ª fase – regularização;

8
9

4 – 1ª FASE: RECEPÇÃO

A recepção dos veículos transportadores efetuada na portaria da empresa representa o


início do processo de Recebimento e tem os seguintes objetivos :
a recepção dos veículos transportadores;
a triagem da documentação suporte do recebimento;
constatação se a compra, objeto da Nota Fiscal em análise, está autorizada pela empresa;
constatação se a compra autorizada está no prazo de entrega contratual;
constatação se o número do documento de compra consta na Nota Fiscal;
cadastramento no sistema das informações referentes a compras autorizadas, para as quais se
inicia o processo de recebimento;
o encaminhamento desses veículos para a descarga;

As compras não autorizadas ou em desacordo com a programação de entrega devem ser


recusadas, transcrevendo-se os motivos no verso da Nota Fiscal. Outro documento que serve
para as operações de análise de avarias e conferência de volumes é o "Conhecimento de
Transporte Rodoviário de Carga", que é emitido quando do recebimento da mercadoria a ser
transportada.

9
10

As divergências e irregularidades insanáveis constatadas em relação às condições de


contrato devem motivar a recusa do recebimento, anotando-se no verso da 1ª via da Nota
Fiscal as circunstâncias que motivaram a recusa, bem como nos documentos do transportador.
O exame para constatação das avarias é feito através da análise da disposição das cargas, da
observação das embalagens, quanto a evidências de quebras, umidade e amassados.
O cadastramento dos dados necessários ao registro do recebimento do material
compreende a atualização dos seguintes sistemas:
Sistema de Administração de Materiais e gestão de estoques: dados necessários à entrada dos
materiais em estoque, visando ao seu controle;
Sistema de Contas a pagar: dados referentes à liberação de pendências com fornecedores,
dados necessários à atualização da posição de fornecedores;
Sistema de Compras: dados necessários à atualização de saldos e baixa dos processos de
compras;

As atividades necessárias para a recepção são:


Identificar o veículo de transporte;
Bloquear as rodas do veículo;
Verificação do selo do veículo;
Posicionar e fixar a dockboard;
Paletizar ou encaixotar conforme for apropriado;
Descarregar o veículo;
Preparar a contagem do material recebido;
Comparar a contagem com guia de remessa;
Separar artigos na categoria vendável ou não vendável:
Liberar o veículo;
Preparar o relatório dos produtos recebidos;
Despachar os artigos.

Os requisitos do armazém para a recepção são:

10
11

Área suficiente para estacionamento e manobras dos veículos;


Existência de dockboards;
Área suficiente para paletizar ou contentorizar;
Área suficiente para colocar artigos antes de os despachar;
Escritório para guardar documentos e elaborar relatórios.

Algumas características importantes do armazém para a recepção:


Fluxo de materiais linear entre os veículos, zona de ordenação de mercadoria e áreas de
armazenagem;
Fluxo contínuo sem paradas (congestionamentos) excessivas;
Uma área concentrada de operações, que minimize a movimentação de materiais e aumente a
eficiência da supervisão;
Movimentação eficiente de materiais;
Operações seguras;
Minimização de estragos;
Fácil de limpar.

5 – 2ª FASE: CONFERÊNCIA QUANTITATIVA

A conferência quantitativa é a atividade que verifica se a quantidade declarada pelo


fornecedor na Nota Fiscal corresponde à efetivamente recebida, portanto, típica de contagem,
devendo-se optar por um modelo de conferência por acusação, no qual o Conferente aponta a
quantidade recebida, desconhecendo a quantidade faturada pelo Fornecedor, conhecido como
princípio da “contagem cega”. A confrontação do recebido versus faturado é efetuada a
posteriori, por meio do Regularizador que analisa as distorções detectadas e providencia
recontagem, a fim de se dirimir as dúvidas constatadas.
Para os procedimentos de Recebimento, é importante a metodologia do
desconhecimento da quantidade faturada pelo funcionário que vai efetuar a contagem. Nesse
procedimento, o Conferente aponta a quantidade contada no formulário Conferência de
Quantidade, documento este preparado pelo regularizador, conforme figura a seguir:

CONFERÊNCIA DE QUANTIDADE
Fornecedor Nota Fiscal Data

11
12

Código Material Quantidade contada

Observações

Nome do Conferente Assinatura Data

Dependendo da natureza dos materiais envolvidos, estes podem ser contados


utilizando-se um dos seguintes métodos:
Manual: para casos de pequenas quantidades.
Por meio de cálculos: para os casos que envolvem embalagens padronizadas com grandes
quantidades.
Por meio de balanças contadoras pesadoras: para casos que envolvem grande quantidade de
pequenas peças, como parafusos, porcas ou arruelas.
Pesagem: para materiais de maior peso ou volume, a pesagem pode ser feita com o veículo
transportador sobre balanças rodoviárias ou ferroviárias, casos em que o peso líquido será
obtido por meio da diferença entre o peso bruto e a tara do veículo. Materiais de menor
peso podem ser conferidos por meio de pesagem direta sobre balanças.
Medição: em geral, as medições são efetuadas por meio de trenas.

12
13

6 – 3ª FASE: CONFERÊNCIA QUALITATIVA

Visa garantir a adequação do material ao fim que se destina. A análise de qualidade


efetuada pela inspeção técnica, por meio da confrontação das condições contratadas na
Autorização de Fornecimento com as consignadas na Nota Fiscal pelo Fornecedor, visa
garantir o recebimento adequado do material contratado pelo exame dos seguintes itens:
1. Características dimensionais;

2. Características específicas;

3. Restrições de especificação;

MODALIDADES DE INSPEÇÃO DE MATERIAIS


São selecionadas a depender do tipo de material que se está adquirindo, quais sejam :

1. Acompanhamento durante a fabricação : torna-se conveniente acompanhar in


loco todas as fases de produção, por questão de segurança operacional;
2. Inspeção do produto acabado no fornecedor : por interesse do comprador, a inspeção
do P. A. será feita em cada fornecedor;
3. Inspeção por ocasião do fornecimento : a inspeção será feita pôr ocasião dos
respectivos recebimentos.

DOCUMENTOS UTILIZADOS NO PROCESSO DE INSPEÇÃO :

1. especificação de compra do material e alternativas aprovadas;

2. desenhos e catálogos técnicos;

3. padrão de inspeção, instrumento que norteia os parâmetros que o inspetor deve seguir
para auxiliá-lo a decidir pela recusa ou aceitação do material.

SELEÇÃO DO TIPO DE INSPEÇÃO

A depender da quantidade, a inspeção pode ser total ou por amostragem, utilizando-se de


conceitos estatísticos.
A análise visual tem por finalidade verificar o acabamento do material, possíveis defeitos,
danos à pintura, amassamentos.
A análise dimensional tem por objetivo verificar as dimensões dos materiais, tais como
largura, comprimento, altura, espessura, diâmetros.
Os ensaios específicos para materiais mecânicos e elétricos comprovam a qualidade, a
resistência mecânica, o balanceamento e o desempenho de materiais e/ou equipamentos.
Testes não destrutivos de ultra-som, radiografia, líquido penetrante, dureza, rugosidade,
hidráulicos, pneumáticos também podem ser realizados a depender do tipo de material.

13
14

7 – 4ª FASE: REGULARIZAÇÃO

Caracteriza-se pelo controle do processo de recebimento, pela confirmação da conferência


qualitativa e quantitativa, respectivamente por meio do laudo de inspeção técnica e pela
confrontação das quantidades conferidas versus faturadas.
O processo de Regularização poderá dar origem a uma das seguintes situações:
1. liberação de pagamento ao fornecedor ( material recebido sem ressalvas);

2. liberação parcial de pagamento ao fornecedor;

3. devolução de material ao fornecedor;

4. reclamação de falta ao fornecedor;

5. entrada do material no estoque;

Documentos envolvidos na Regularização :

Os procedimentos de Regularização, visando à confrontação dos dados, objetivando


recontagem e aceite ou não de quantidades remetidas em excesso pelo fornecedor, envolvem
os seguintes documentos :
1. nota Fiscal;

2. conhecimento de transporte rodoviário de carga;

3. documento de contagem efetuada;

4. relatório técnico da inspeção;

5. especificação de compra;

6. catálogos técnicos;

7. desenhos;

14
15

8 – REFERÊNCIAS

ROSA, Cláudio Afrânio. Como elaborar um plano de negócio. Organizado por Flávio
Lúcio Brito; Colaboradores Haroldo Mota de Almeida, Luiz Antônio Nolasco dos Santos,
Mauro de Souza Henriques. - Belo Horizonte: SEBRAE/MG, 2004.

GOMES, Isabela Motta. Manual Como Elaborar uma Pesquisa de Mercado.


Belo Horizonte: SEBRAE/MG, 2005.

DOLABELLA, Fernando. O segredo de Luísa. São Paulo: Cultura, 1999. 312 p., il.

MAXIMIANO, Antonio César Amaru. Introdução à Administração / Antonio César


Maximiano. – 5.ed. ver. E ampl. – São Paulo : Atlas, 2000.

15