Você está na página 1de 2

fls.

534
1

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 2268059-61.2019.8.26.0000 e código F352CBB.
SEÇÃO DE DIREITO CRIMINAL
DÉCIMA QUINTA CÂMARA

Habeas Corpus Criminal Nº 2268059-61.2019.8.26.0000


COMARCA: SÃO JOSÉ DOS CAMPOS
IMPETRANTES: GISELA SILVA TELLES, ROBERTO PODVAL, PAULA
MOREIRA INDALECIO E VIVIANE SANTANA JACOB RAFFAINI

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por WILLIAN ROBERTO DE CAMPOS, liberado nos autos em 02/12/2019 às 11:39 .
PACIENTE: LUIZ EDUARDO DE OLIVEIRA E SILVA

Vistos...

Os advogados Gisela Silva Telles, Roberto


Podval, Paula Moreira Indalécio e Viviane Santana Jacob Raffaini
impetram a presente ordem de habeas corpus com pedido de liminar,
em favor de Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, alegando
constrangimento ilegal por ato do M. Juiz de Direito da Vara das
Execuções Criminais da comarca de São José do Rio Preto, que
indeferiu o pedido de suspensão executória da sentença condenatória.

Relatam os impetrantes que o paciente


respondeu aos processos em liberdade, tendo o M. Juízo sentenciante
determinado a expedição de mandado de prisão em razão da
confirmação da condenação em 2ª instância. Ressaltam que tal
entendimento resta superado em razão do julgamento das ADCs 43,44 e
54 pelo Excelso Supremo Tribunal Federal, que firmou entendimento no
sentido de que a execução provisória, antes do trânsito em julgado da
sentença condenatória, só é cabível quando houver sido decretada a
prisão preventiva do réu nos termos do artigo 312 do Código de
Processo Penal. Requerem a concessão da ordem, para que seja
suspensa a execução provisória das penas, com consequente
expedição de alvará de soltura e o arquivamento dos autos da execução
estadual.

Concede-se, em parte, a liminar, apenas


para determinar que o paciente permaneça em liberdade até o
julgamento do presente writ.

Desembargador WILLIAN CAMPOS, Relator


HABEAS CORPUS Nº 2268059-61.2019.8.26.0000
fls. 535
2

PODER JUDICIÁRIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

Para conferir o original, acesse o site https://esaj.tjsp.jus.br/pastadigital/sg/abrirConferenciaDocumento.do, informe o processo 2268059-61.2019.8.26.0000 e código F352CBB.
SEÇÃO DE DIREITO CRIMINAL
DÉCIMA QUINTA CÂMARA

Isso porque, o paciente respondeu aos


processos em liberdade, tendo o M. Juízo impetrado determinado a
expedição de mandado de prisão em razão da confirmação da
condenação em segunda instância.

Este documento é cópia do original, assinado digitalmente por WILLIAN ROBERTO DE CAMPOS, liberado nos autos em 02/12/2019 às 11:39 .
Ocorre que, o Excelso Supremo Tribunal
Federal, em recente julgado dos autos das ADCs 43, 44 e 54, ainda
pendentes de publicação, firmou entendimento quanto à
constitucionalidade do art. 283 do Código de Processo Penal, segundo o
qual "Ninguém poderá ser preso senão em flagrante delito ou por ordem
escrita e fundamentada da autoridade judiciária competente, em
decorrência de sentença condenatória transitada em julgado ou, no
curso da investigação ou do processo, em virtude de prisão temporária
ou prisão preventiva", estando a citada regra em consonância com o
princípio da presunção de inocência.

Expeça-se alvará de soltura clausulado.

Comunique-se ao insigne Juízo impetrado,


requisitando informações, instruindo-se o ofício com as cópias
necessárias.

Após a prestação de informações pela


autoridade coatora, remetam-se os autos à douta Procuradoria Geral de
Justiça, na forma do § 2º do artigo 1º do Decreto-lei nº 552, de 25 de
abril de 1969.

Intime-se e Cumpra-se.
São Paulo, 2 de dezembro de 2019.

WILLIAN CAMPOS
Desembargador Relator

Desembargador WILLIAN CAMPOS, Relator


HABEAS CORPUS Nº 2268059-61.2019.8.26.0000