Você está na página 1de 12

Irmãos Amados,

O dia e a hora ninguém sabe. No entanto, para se entender a revelação das Escrituras sobre o Arrebatamento é
importante que se saiba o significado profético das festas judaicas do Senhor, bem como se tenha conhecimento das
expressões idiomáticas judaicas utilizadas pelo Senhor e pelos judeus crentes do primeiro século. Que tremenda
revelação nos apresenta as Santas Escrituras. Com a ajuda do Espírito Santo e este conhecimento, tudo fica muito
claro. As revelações que serão abordadas neste estudo nos colocarão bem diante do inevitável momento da
separação entre a Igreja e o mundo, momento este que, como veremos, se aproxima a galope. Sem dúvida, o Senhor
deu-nos a entender com total clareza algo que a igreja precisa saber para se aprontar para o grande dia do
Arrebatamento. Boa leitura, amados.

A REVELAÇÃO QUE FALTAVA:

O ARREBATAMENTO DA IGREJA OCORRERÁ EM TODO O MUNDO, EM UM ÚNICO MOMENTO, AO TOQUE DA


ÚLTIMA TROMBETA DADO POR UM RABINO DURANTE A FESTA DAS TROMBETAS CELEBRADA
ANUALMENTE EM JERUSALÉM

I – BREVE RELATO

Em 22 de abril de 2014, postamos neste blog o estudo intitulado “UM FENÔMENO ÚNICO A REVELAR UM
ACONTECIMENTO ÚNICO: AS DOZE LUAS DE SANGUE”. Naquele estudo, abordamos cada uma das sete Festas
Bíblicas do Senhor e seu significado profético, festas estas ordenadas ao povo de Israel, previstas em Levítico cap.
23. As quatro primeiras festas, também chamadas “festas da primavera”, apontam para a primeira vinda do Messias:
A Pessah ou Páscoa Judaica (aponta para a Morte de Jesus), Pães Ázimos ou Matzot (aponta para o Sepultamento
do Senhor), Primícias ou Habikurim (aponta para a Ressurreição de Jesus Cristo) e Pentecostes ou Shavuot (aponta
para Jesus (Yeshua) enviando o Espírito Santo (Ruach Hakodesh) para capacitar a Igreja e dar início ao tempo da
graça). As últimas três festas, também chamadas “festas do outono” apontam para a segunda vinda do Messias:
Festa das Trombetas ou Yom Teru’ah ou Rosh Hashaná (aponta para o Arrebatamento da Igreja do Senhor,
encerrando o tempo da graça), Dia da Expiação ou Dia do Perdão ou Yom Kippur (os sete dias que antecedem ao Dia
da Expiação apontam para o período de sete anos da Grande Tribulação, sendo que o Dia da Expiação é dia de
arrependimento e aponta para o dia em que o Messias retorna para perdoar o seu povo Israel) e a Festa dos
Tabernáculos ou Festa das Cabanas ou Sukkot (a grande festa que aponta para o estabelecimento do Reino Milenar
do Messias Jesus Cristo na Terra a partir de Jerusalém, junto com a sua Esposa, a Igreja, e com seu povo Israel).
Tendo o ciclo das primeiras quatro festas sido plenamente cumprido pelo Messias em sua primeira vinda, o ciclo das
três últimas festas será também totalmente cumprido pelo Messias em sua segunda vinda. Vale mencionar que a
temporada de festas bíblicas é aberta com a celebração do Rosh Chodesh Nissan, o Ano Novo Judaico, de acordo
com o calendário previsto nas Escrituras.

II – A REVELAÇÃO DA PALAVRA PROFÉTICA DAS ESCRITURAS PARA O ARREBATAMENTO DA IGREJA


PODE SER ENTENDIDA ATRAVÉS DA COMPREENSÃO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS JUDAICAS DO
PRIMEIRO SÉCULO

Para se compreender plenamente as profecias contidas na Bíblia, é importante que se atenda a dois pontos: primeiro
é importante que se tenha compreensão do significado profético das festas judaicas do Senhor; e segundo é
importante que se conheçam as expressões idiomáticas judaicas do primeiro século, utilizadas pelo Senhor e pelos
seus apóstolos. Vale destacar que tanto o Senhor Jesus, em sua primeira vinda, quanto os apóstolos, eram todos
judeus no primeiro século, seguidores da Torá (Pentateuco) e do Tanach (Antigo Testamento).
Considerando que a compreensão do significado profético da Festa das Trombetas aponta para o Arrebatamento da
Igreja, como já examinamos no estudo postado em 22 de abril de 2014, vamos, agora, tratar desta importante festa e
do seu cerimonial.

III - A FESTA DAS TROMBETAS VEM ANTES DE UM PERÍODO DE TRIBULAÇÃO QUE PRECEDE O DIA DA
EXPIAÇÃO

Considerando que a Festa das Trombetas (Yom Teru’ah) aponta para o Arrebatamento da Igreja e ocorre três meses
após a última festa da primavera (Pentecostes ou Shavuot), o intervalo entre Shavuot e Yom Teru'ah representa o
tempo dos gentios ou também chamado de tempo da graça.

A Festa das Trombetas ocorre no 1º dia da Lua Nova, considerada a noite mais escura do mês, razão pela qual não
era fácil identificá-la, tendo em vista que sua face escura está voltada para a Terra e sem acesso do sol.

Esta festa é considerada, de acordo com tradição judaica, como uma preparação para o 'Dia da Ira do Senhor', sendo
também chamada pelos judeus como “Yom Hadin”, que quer dizer “Dia de alerta para o dia do juízo”, indicando que o
Arrebatamento da Noiva do Senhor (representado pela Festa das Trombetas) ocorrerá ANTES do período das mais
densas trevas sobre a humanidade, denominado de "A Grande Tribulação" (representado pelos sete dias que
antecedem ao Dia da Expiação). O texto sagrado de Sofonias 1:14-16 é um claro exemplo deste sentido dado pelos
judeus às Festa das Trombetas e ao Dia da Expiação. Confira:

"O grande dia do SENHOR está perto, sim, está perto, e se apressa muito; amarga é a voz do dia do SENHOR;
clamará ali o poderoso. Aquele dia será um dia de indignação, dia de tribulação e de angústia, dia de alvoroço e de
assolação, dia de trevas e de escuridão, dia de nuvens e de densas trevas, Dia de trombeta e de alarido contra as
cidades fortificadas e contra as torres altas." (Sofonias 1:14-16)

Sim, o soar das trombetas da Festa das Trombetas anunciará a iminente chegada da noite mais escura para a
humanidade, ou seja, o início do Dia da Ira do SENHOR, logo após o Arrebatamento da Igreja.

IV – A FESTA DAS TROMBETAS (YOM TERU’AH OU ROSH HASHANÁ)

“Fala aos filhos de Israel, dizendo: No mês sétimo, ao primeiro do mês, tereis descanso, memorial com sonido
(Teru'ah) de trombetas (shophar), santa convocação.” (Levítico 23:24) -

A Festa das Trombetas ou Yom Teru'ah é celebrada no 1º dia do mês Tishrei, o sétimo mês do calendário bíblico e o
primeiro do calendário civil judaico (setembro/outubro no nosso calendário).

Também pode ser considerada uma celebração da Lua Nova. Como o povo de Israel segue o calendário lunar,
baseado nos movimentos da Lua, o dia da festa não poderia ser conhecido antes do tempo, uma vez que dependia do
aparecimento da Lua Nova em Jerusalém. Assim que aparecia a Lua Nova, o Shofar era tocado anunciando o início
da festa:

“Tocai a trombeta na lua nova, no tempo apontado da nossa solenidade.” (Salmos 81:3)

A Festa das Trombetas é a ÚNICA das sete Festas do Senhor celebrada em uma Lua Nova.
V – A BÍBLIA DESCREVE TRÊS TIPOS ESPECIAIS DE TROMBETAS: A “PRIMEIRA TROMBETA” TOCADA NA
FESTA DE PENTECOSTES; A “GRANDE TROMBETA” TOCADA NO DIA DA EXPIAÇÃO; E A “ÚLTIMA
TROMBETA” TOCADA NA FESTA DAS TROMBETAS

As Escrituras Sagradas fazem referência a três tipos específicos de trombetas, cada uma delas relacionada a uma
determinada festa do Senhor.

V.1 - A “PRIMEIRA TROMBETA”

A “Primeira Trombeta” é tocada durante a festa do Pentecostes (Shavuot), celebrando a entrega da lei. Esta trombeta
é descrita em Êxodo 19:16-19:

“E aconteceu ao terceiro dia, ao amanhecer, que houve trovões e relâmpagos sobre o monte, e uma espessa nuvem,
e um sonido de trombeta mui forte, de maneira que estremeceu todo o povo que estava no arraial.
E Moisés levou o povo fora do arraial ao encontro de Deus; e puseram-se ao pé do monte.
E todo o monte Sinai fumegava, porque o SENHOR descera sobre ele em fogo; e a sua fumaça subia como fumaça
de um forno, e todo o monte tremia grandemente.
E o sonido da trombeta ia crescendo em grande maneira; Moisés falava, e Deus lhe respondia em voz alta.” (Êxodo
19: 16-19)

V.2 - A “GRANDE TROMBETA”

A “Grande Trombeta” é tocada no Dia da Expiação (Yom Kippur), celebrando o arrependimento e a adoração do povo de
Israel perante o seu aguardado Messias. Esta trombeta é muito bem descrita no livro do profeta Isaías 27:12-13:

“E será, naquele dia, que o SENHOR padejará o seu fruto desde as correntes do rio até o rio do Egito; e vós, ó filhos
de Israel, sereis colhidos um a um.
E será, naquele dia, que se tocará uma grande trombeta, e os que andavam perdidos pela terra da Assíria e os que
foram desterrados para a terra do Egito tornarão a vir e adorarão ao SENHOR no monte santo, em Jerusalém.” (Isaías
27:12-13)

V.3 - A “ÚLTIMA TROMBETA”

A “Última Trombeta”, por sua vez, é a última trombeta tocada ao final da Festa das Trombetas, festa esta também
chamada de “festival de trombetas”. Este festival é descrito em diversas passagens das Escrituras das quais
destacamos as seguintes:

“Fala aos filhos de Israel, dizendo: No mês sétimo, ao primeiro do mês, tereis descanso, memorial com sonido de
trombetas, santa convocação.” (Levítico 23:24)

“Semelhantemente, tereis santa convocação no sétimo mês, no primeiro dia do mês; nenhum trabalho servil fareis;
será para vós dia de sonido de trombetas.” (Número 29:1)

Considerando que há duas espécies de trombetas nas Escrituras: de metal e de chifre de carneiro (Shofar), a “Última
Trombeta” tocada na Festa das Trombetas é um Shofar de chifre de carneiro, diferente da trombeta de metal de
Números 10:1-3.
Como vimos acima, as Escrituras se referem ao “sonido de trombetas”, ou seja, a existência de vários toques (sons)
de Shofar.

O Shofar, na Festa das Trombetas, é tocado por 100 vezes durante os dois dias da festa.

Vale lembrar que existem 4 toques diferentes de Shofar. Os 3 primeiros toques recebem os nomes de TEKIAH
(TOQUE DE DESPERTAR), SHAVARIM e TERUAH, os quais são tocados 3 vezes repetidos por 11 vezes, perfazendo
um total de 99 toques com esses primeiros 3 tipos de toques.

O centésimo e último toque é dado pela Última Trombeta, a qual apresenta um soar todo especial, diferente
dos 99 anteriores. A ÚLTIMA TROMBETA é tocada no último dia de festa e seu toque todo especial se chama
TEKIAH HA’GADOLAH, o qual é um toque bem longo e forte, o mais prolongado possível.

Por ser a Última Trombeta da Festa das Trombetas com um toque todo especial, os judeus sempre a
conheceram como a “Última Trombeta”.

VI – A ÚLTIMA TROMBETA É TOCADA NO FINAL DA FESTA DAS TROMBETAS, NO PERÍODO DO DIA


CONHECIDO, TRADICIONALMENTE, PELOS JUDEUS COMO “ABRIR E FECHAR DE OLHOS”, OU SEJA, O
PÔR DO SOL

O toque TEKIAH HA’GADOLAH da Última Trombeta acontece no último dia, no final da Festa das Trombetas, no
período do dia que é tradicionalmente conhecido como “abrir e fechar dos olhos”. Esta expressão idiomática judaica
do primeiro século significa “o pôr do sol”.

Assim sendo, o Toque do Shofar Final (ÚLTIMA TROMBETA) é tocado somente na festa de Yom Teru'ah (Festa das
Trombetas), no final desse dia de festa, em uma cerimônia de 100 toques, onde a última trombeta é a última tocada
encerrando essa festa no pôr do sol (no “abrir e fechar de olhos”).

VII – AS ESCRITURAS SAGRADAS REVELAM QUE O TÃO ESPERADO ARREBATAMENTO DA NOIVA DO


SENHOR JESUS CRISTO OCORRERÁ QUANDO FOR TOCADA A ÚLTIMA TROMBETA (NO FINAL DA FESTA
DAS TROMBETAS) EM UM “ABRIR E FECHAR DE OLHOS” (NO PÔR DO SOL) EM JERUSALÉM

Eis o texto sagrado, escrito pelo Apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, sobre o Arrebatamento da Igreja:

"Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos (morreremos), mas todos seremos
transformados;
Num momento, num abrir e fechar de olhos (num pôr do sol) , ante a última trombeta (tocada ao final de uma
Festa das Trombetas); porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos
transformados (ocorrerá o Arrebatamento da Noiva do Senhor)" (1 Coríntios 15:51-52).

De acordo com o que examinamos, a revelação sobre em que época do ano ocorrerá o Arrebatamento da Igreja,
contida em 1 Coríntios 15:51-52, fica bem clara diante de nossos olhos. E isto é maravilhoso! De acordo com a
tradição judaica (lembremo-nos que o Apóstolo Paulo era judeu e profundo conhecedor das tradições judaicas), “abrir
e fechar de olhos” significa “pôr do sol” e a “Última Trombeta” se refere à última trombeta tocada na Festa das
Trombetas, festa esta celebrada por dois dias, a partir do aparecimento da Lua Nova em Jerusalém. Logo, não há
dúvida que o Arrebatamento da Igreja ocorrerá ao Toque da ÚLTIMA TROMBETA que ocorrerá no pôr do sol do último
dia da Festa das Trombetas celebrada em Jerusalém, “porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão
incorruptíveis, e nós seremos transformados”, ou seja, "a trombeta soará e ocorrerá o Arrebatamento da
Noiva do Senhor".
Segundo a tradição judaica e as Escrituras do Tanach (Antigo Testamento), SÓ EXISTE UMA "ÚLTIMA TROMBETA",
ou seja, a última trombeta tocada na Festa das Trombetas. Assim, a “ÚLTIMA TROMBETA” de 1 Coríntios 15:51-52
será a última trombeta que será tocada por um rabino ao final da Festa das Trombetas em Jerusalém, a qual moverá
as mãos do Santo dos santos para arrebatar sua Noiva ao seu encontro nos ares.

O estudo poderia terminar aqui. Mas há outros textos da Bíblia que aprofundam esta revelação. Vejamos como
a Palavra de Deus é Perfeita.

VIII – A FESTA DAS TROMBETAS É CELEBRADA DURANTE DOIS DIAS

Como o aparecimento da Lua Nova não podia ser calculado com precisão, adotou-se, então, o costume de se
comemorar a Festa das Trombetas em dois dias em vez de um. Assim, a Festa das Trombetas é celebrada no
primeiro e segundo dia de Tishrei para que se tenha certeza de que a lua nova apareceria em Jerusalém.

A Festa das Trombetas é tempo de descanso solene, no qual as trombetas são tocadas a fim de reunir o povo de
Israel para o alertar a respeito da proximidade do Dia da Expiação (Yom Kipur), que representa um dia de juízo onde
se exige preparação e solenidade.

Yom Teru'ah significa ‘Dia do Shofar’ ou ‘Dia do Despertar do som da trombeta’.

Foi neste dia que, de acordo com Esdras 3:1-6, o altar foi reconstruído por ocasião do retorno do povo de Israel do
cativeiro babilônico. Também foi neste dia que houve um grande avivamento no meio do povo de Israel ao ouvir
Esdras ler o livro da lei, de acordo com Neemias 8:13.

Assim sendo, atualmente, a Festa das Trombetas é celebrada no primeiro e segundo dias de Tishrei para que se
tenha a certeza de que a lua nova aparecerá.

IX – O SIGNIFICADO DA EXPRESSÃO IDIOMÁTICA “DAQUELE DIA E A HORA NINGUÉM SABE, SÓ O PAI"


UTILIZADA PELO SENHOR JESUS (YESHUA) EM MATEUS 24:36

A Festa das Trombetas é celebrada por 2 dias, porque era necessário que se esperasse por até 2 dias para que todos
os judeus espalhados pelo mundo soubessem da confirmação do aparecimento da Lua Nova em Jerusalém. Com a
confirmação, eles poderiam guardar a festa.

A Festa das Trombetas é o único feriado comemorado por dois dias em Israel, diferente do que ocorre com todas as
outras festas. A incerteza se dá por causa do calendário que depende de quando a lua nova é vista em Jerusalém,
designando assim, o início de cada novo mês pelo Tribunal Rabínico em Jerusalém.

De acordo com a tradição judaica, é um dia para ser escondido de Satanás. Assim como Satanás não entendeu o
plano da redenção na cruz (vide 1 Cor 2:7-8), simbolicamente, o Dia de preparação para o Juízo era também para ser
escondido de Satanás. Este foi o entendimento dos apóstolos que ficaram em Jerusalém e dos judeus cristãos do
primeiro século, pois nunca diziam quando o dia da Festa das Trombetas (Rosh Ha’Shanah) aconteceria, pois eles só
diziam: “Daquele dia e hora ninguém sabe, só o Pai“. É o único dia em todo o ano, que foi referido pelos judeus do
primeiro século, como um dia escondido ou o dia em que ninguém conhecia de antemão a hora exata que ocorreria,
por causa da Lua Nova.

Assim, devido à incerteza do dia e a hora em que apareceria a Lua Nova em Jerusalém, a Festa das Trombetas, de
acordo com a tradição judaica, foi chamada de a “Festa Daquele Dia e Hora Ninguém Sabe”. O próprio Senhor Jesus
se utilizou da expressão idiomática “Daquele dia e hora ninguém sabe, só o Pai“, em Mateus 24:36 para se referir ao
“Yom Teru’ah”, quando tratava de sua segunda vinda.
Assim sendo, o próprio Senhor Jesus Cristo se referiu à Festa das Trombetas ao nos revelar sobre a sua vinda oculta
para arrebatar sua Igreja:

“Mas DAQUELE DIA E HORA NINGUÉM SABE (DAQUELA FESTA DAS TROMBETAS), nem os anjos do céu, mas
unicamente meu Pai (sabe).” (Mateus 24:36).

Assim sendo, tendo em vista que a expressão “Dia e Hora Ninguém Sabe” se refere à Festa das Trombetas, Jesus
estará nos revelando, nesta profecia, que a Volta do Senhor se dará por ocasião de uma Festa das Trombetas,
celebrada em um ano que somente o Pai sabe.

Ou seja, quanto a saber o ano em que se dará a Festa das Trombetas em que ocorrerá o Arrebatamento da Igreja,
somente o Pai Celestial sabe.

X – DE ACORDO COM AS ESCRITURAS E A TRADIÇÃO JUDAICA, NA FESTA DAS TROMBETAS (YOM


TERU’AH) OS PORTÕES DOS CÉUS SÃO ABERTOS

"Abri-me as portas da justiça; entrarei por elas, e louvarei ao SENHOR. Esta é a porta do SENHOR, pela qual os
justos entrarão." (Salmos 118:19-20)

De acordo com a tradição rabínica, Yom Teru'ah é o dia em que os portões dos Céus são abertos, confirmando as
revelações das Escrituras de que o Arrebatamento ocorrerá por ocasião desta Festa.

XI – SEGUNDO A TRADIÇÃO, O CASAMENTO JUDAICO DEVE SER CELEBRADO POR OCASIÃO DA LUA
NOVA DURANTE SETE DIAS

Como vimos neste estudo, a Festa das Trombetas é a ÚNICA das sete Festas do Senhor celebrada na LUA NOVA.

Segundo o costume judaico, o casamento deve ser celebrado na Lua Nova, por um período de tempo conhecido
como “semana do casamento ou semana nupcial da noiva”. Assim, no casamento judaico, o noivo vem para sua
noiva, sem aviso, para a recolher. Em seguida, ambos vão para a câmara nupcial na casa do pai do noivo. Nesta
câmara, coabitam e se regozijam por sete dias com as portas fechadas. Ao final desta semana, ocorre uma ceia de
casamento, também chamada de celebração das Bodas.

Alguns textos bíblicos comprobatórios são Juízes 14:12; Gênesis 29:27.

XII – O CASAMENTO DE JESUS CRISTO (YESHUA) E A SUA NOIVA (IGREJA) SERÁ CELEBRADO SEGUINDO
EXATAMENTE OS MOLDES DO CASAMENTO JUDAICO

O GLORIOSO NOIVO JUDEU VEM BUSCAR SUA NOIVA GENTIA NA LUA NOVA (A FESTA DAS TROMBETAS É
A ÚNICA FESTA DO SENHOR CELEBRADA NA LUA NOVA), A LEVARÁ À CASA DE SEU PAI (O ETERNO
CRIADOR) ONDE SE REGOZIJARÃO DURANTE UMA SEMANA DE ANOS (A SEMANA NUPCIAL DA NOIVA),
AO FINAL DA QUAL SERÁ CELEBRADA A CEIA DAS BODAS DO CORDEIRO PREVISTA EM AP 19:7-9. TUDO
MINUCIOSAMENTE DE ACORDO COM O RITO DO CASAMENTO JUDAICO. É MARAVILHOSAMENTE
IMPRESSIONANTE!!!

É impressionante se notar que a Palavra Profética se encontra revelada nas profecias e costumes judaicos
fundamentados nos textos sagrados do Pentateuco e do Antigo Testamento.
O casamento entre o Rei dos judeus, Jesus Cristo (Yeshua), e a Igreja se dará EXATAMENTE como previsto entre um
noivo judeu e sua noiva. Segundo o costume judaico, o noivo vem buscar sua noiva por ocasião da Lua Nova. Ora,
sendo a Festa das Trombetas a ÚNICA FESTA DO SENHOR celebrada em uma Lua Nova, ao seguir a tradição judaica,
o Noivo deverá buscar sua Noiva por ocasião da única de suas festas celebrada na Lua Nova: a Festa das Trombetas.

Primeiramente, seguindo a tradição judaica, o Noivo vem ao encontro de sua Noiva para arrebatá-la ao seu encontro:

“Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que
morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor
nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.” (1 Tessalonicenses 4:16-17)

Seguindo a tradição judaica, o Noivo Jesus, em seguida, levará sua Noiva (a Igreja) até a casa de seu Pai, conforme o
próprio Senhor nos revelou:

“Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.
E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver
estejais vós também.” (João 14:2-3)

Também seguindo a tradição judaica, o Noivo e a Noiva permanecerão juntos por uma semana (de anos) na câmara
celestial a portas fechadas (Mateus 25:10), enquanto, na Terra, estarão acontecendo os sete anos de Grande
Tribulação (Daniel 9:27).

“E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas,
e fechou-se a porta.” (Mateus 25:10)

Sempre seguindo a tradição judaica, ao final desta semana (de anos), será celebrada a ceia de casamento, a
chamada Ceia das Bodas do Cordeiro, perfeitamente tratada no do Livro do Apocalipse, capítulo 19, que, ao revelar a
queda da Babilônia, ao final dos sete anos de Grande Tribulação, revela também que ocorrerá, ao final destes sete
anos, a celebração da Ceia das Bodas do Cordeiro. Tudo minuciosamente perfeito:

“Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa
se aprontou.
E foi-lhe dado que se vestisse de linho fino, puro e resplandecente; porque o linho fino são as justiças dos santos.
E disse-me: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me:
Estas são as verdadeiras palavras de Deus.” (Apocalipse 19:7-9)

Recorrendo aos textos originais: a sequência do casamento se dá quando o noivo (Jesus), liberado pelo pai (Deus
Pai), ao toque do shofar, na lua nova, vai buscar a noiva (Igreja) em casa dos pais dela, erguendo-a (em hebraico
"nissuin") no ar e arrebatando-a (em hebraico "laqach") para si, a fim de levá-la à casa que, ele, o noivo preparou para
eles, junto à casa do pai dele: "Na casa de Meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, Eu vo-lo teria dito. Vou
preparar-vos lugar. E quando Eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para Mim mesmo, para que
onde Eu estiver estejais vós também” (João 14.2,3).

‫ נשואה‬n ̂esuw’ah, ou ‫ נשׁאה‬n ̂esu’ah = o que é erguido, levado ou carregado

‫ לקח‬laqach = arrebatar, tomar, segurar, pegar, tomar por esposa


XIII – ALGUMAS CONSIDERAÇÕES MUITO IMPORTANTES

DE ACORDO COM GÊNESIS 1:14, O SOL E LUA FORAM CRIADOS PARA SERVIREM DE SINAL. POR
EXEMPLO, NA MORTE DE CRISTO, HOUVE TREVAS NA TERRA, OU SEJA, O SOL ECLIPSOU (MATEUS 27:45).

DE ACORDO COM JOEL 2:30-31, O SENHOR REVELA QUE ESTARÁ REALIZANDO PRODÍGIOS NO CÉU
QUANDO OCORRER UM ECLIPSE DO SOL SEGUIDO DE UM ECLIPSE DE LUA DE SANGUE.

UMA SEQUÊNCIA COM UM ECLIPSE DO SOL SEGUIDO DE UM ECLIPSE DE LUA DE SANGUE É DIFÍCIL DE
OCORRER, MAS NÃO IMPOSSÍVEL. TODAVIA, QUANDO ESTES ECLIPSES OCORREM EXATAMENTE NAS
PRINCIPAIS FESTAS JUDAICAS DO SENHOR, CERTAMENTE É O SENHOR REALIZANDO PRODÍGIOS NO
CÉU.

NO FIM DO ANO SHEMITÁ DE 2015 E INÍCIO DA FESTA DAS TROMBETAS DE 2015, OCORRERÁ UM ECLIPSE
DO SOL, O QUAL SERÁ SEGUIDO POR UM ECLIPSE DE LUA DE SANGUE NO EXATO DIA DA FESTA DOS
TABERNÁCULOS. ESTE FENÔMENO NÃO MAIS OCORRERÁ NESTE MILÊNIO.

A seguir apresentamos o quadro extraído do site http://christianity.about.com/ com os dias das festas bíblicas do
Senhor de 2013 a 2017, entre elas a Festa das Trombetas (Feast of Trumpets ou Rosh Hashanah).

Leia no quadro acima a importante observação: “Holidays begin at sundown on the evening of the previous day.”, que
quer dizer “As festas (bíblicas) começam ao pôr do sol, na noite do dia anterior.” Assim, é importante lembrar que o
dia, no Calendário Judaico, começa no pôr do sol do dia anterior e termina ao anoitecer do próprio dia a que se refere
a data. Por exemplo, o dia 03 de outubro de 2016 - no qual está previsto o início dos dois dias de celebração da Festa
das Trombetas de 2016 - começa a ser contado a partir do pôr do sol de 02 de outubro de 2016 até o anoitecer de
03 de outubro de 2016. Logo, cada dia no calendário judaico, na verdade, se refere a dois dias: ao anterior e ao
próprio dia, pois envolve cerca de 5 horas e meia do dia anterior e, aproximadamente, 18 horas e meia do próprio dia
em si. Assim sendo, a Festa das Trombetas de 2016 começará no pôr do sol de 02 de outubro de 2016 e irá até o
anoitecer de 04 de outubro de 2016.
No livro de Gênesis, é dito que Deus criou, primeiramente, os luminares para servirem como sinais, depois para
tempos determinados e, por fim, para dias e anos. Leia o texto sagrado:

“E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; E SEJAM ELES
PARA SINAIS e para tempos determinados e para dias e anos.” Gênesis 1:14

Como diz a Palavra de Deus, o sol e a lua (os luminares) têm como principal função servir como sinais relacionados
ao cumprimento do Plano de Deus expresso nas Escrituras Sagradas.

No estudo que postamos em 22 de abril de 2014, vimos que é fundamental sabermos a relação dos sinais do sol e da
lua com as festas reveladas pelo Senhor, para que possamos realmente entender que vivemos justamente os
momentos decisivos dos tempos finais.

Ora, nos exatos dias da Pessah (Páscoa Judaica, a Primeira Festa do Senhor de 2015) e da Sukkot (Festa dos
Tabernáculos, a Última Festa do Senhor de 2015) ocorrerão os únicos Eclipses da Lua previstos para 2015 no mundo
e ambos os eclipses gerarão Luas de Sangue: exatamente em 04 de abril de 2015 (Pessah) e em 28 de setembro de
2015 (Tabernáculos) ocorrerão estes fenômenos sobrenaturais e divinos.

Eis o quadro da NASA mostrando que, em cada um destes dias, haverá um Eclipse Total da Lua gerando uma Lua de
Sangue (pois são dias de Eclipses Totais da Lua com Magnitude geométrica entre 0,82 e 1,52).

Observe, no quadro anterior a este, o qual tratava do calendário das Festas Bíblicas, que a Pessah ou Pesach (a
Páscoa Judaica) ocorrerá no próprio dia 04 de abril de 2015, quando, no céu, estará sendo apresentada para todo o
mundo uma Lua de Sangue de acordo o quadro da NASA acima. Também observe que, naquele quadro sobre o
calendário das Festas Bíblicas, a Sukkot ou Festa dos Tabernáculos cairá no próprio dia 28 de setembro de 2015,
quando, no céu, estará sendo apresentado um fenômeno ainda mais tremendo, uma Superlua de Sangue, por estar
no ponto de sua órbita mais próximo da Terra, apresentando-se maior e mais brilhante que o normal.

Por outro lado, no fim do ano Shemitá de 2015 e início da Festa das Trombetas de 2015, festa esta prevista para o
período compreendido entre o pôr do sol de 13 de setembro de 2015 e o anoitecer de 15 de setembro de 2015,
ocorrerá um dos dois Eclipses do Sol previstos para 2015. Observe no quadro abaixo extraído do site da NASA:
Sim, amados, é interessante como todos os Eclipses lunares e solares de 2015 ocorrerão exatamente em datas de
Festas Judaicas e também na abertura do Ano Novo Judaico, segundo o calendário bíblico.

Só existe um Deus que tem PODER para realizar estes prodígios no céu, manejando o Sol, a Lua e a Terra para fazer
com que os únicos eclipses solares e lunares de 2015 ocorram exatamente em datas relacionadas às Festas Judaicas
do Senhor e à abertura do Ano Novo Judaico, o que revela, sem dúvida, que o Noivo Judeu Jesus Cristo (Yeshua)
está para celebrar algo grandioso.

Amados, o Glorioso Noivo Judeu está demonstrando Seu Poder e Sua Majestade para sua ansiosa Noiva Gentia,
para que ela persevere em Santidade e Obediência, pois o tempo é chegado.

A Noiva Gentia do Senhor, ainda que dispensada de seguir parte da lei (Atos 15:17-20), entende que as Festas de
seu Noivo e Senhor são proféticas e, em todos os dias que precedem o Grande Arrebatamento, principalmente nos
dias das Festas do Senhor, estará a orar no modelo de Apocalipse 22:17, 20b: “E o Espírito e a Esposa dizem: Vem. E
quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida. Ora, vem Senhor
Jesus” (Apocalipse 22:17, 20b).

Sim, a Noiva Gentia, diante dos prodígios que seu Glorioso Noivo e Senhor realiza nos céus, certamente estará
orando, louvando e O adorando, inclusive nos dias de suas Festas, pois, ao mover o Sol, Lua e a Terra, nestas datas
específicas, certamente, o Glorioso Noivo dá uma resposta para ela: “Eis que venho sem demora; guarda o que tens,
para que ninguém tome a tua coroa.” (Apocalipse 3:11).

Não há dúvidas que o Senhor Jesus (Yeshua) está realizando prodígios no céu, exatamente, como previu o profeta
Joel:

“E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça.” (Joel 2:30)

Mais impressionante ainda é a sequência do texto bíblico de Joel, revelando quais são estes prodígios:

“O sol se converterá em trevas (Eclipse do Sol), e a lua em sangue (Eclipse da Lua, gerando Lua de Sangue),
antes que venha o grande e terrível dia do Senhor (a Grande Tribulação).” (Joel 2:31)

Conforme a previsão da NASA apresentada acima, em 2015, em todo o mundo, teremos somente dois Eclipses
solares e dois Eclipses lunares. Todos eles ocorrerão em datas específicas de Festas do Senhor. Repare que a
sequência de prodígios prevista em Joel 2:30-31, ou seja, um Eclipse do Sol seguido, logo depois, de um
Eclipse de Lua de Sangue, ocorrerá em duas ocasiões em 2015:

1ª ocasião:

Eclipse do Sol em 20 de março de 2015: Celebração do primeiro dia do Nissan, o primeiro mês do calendário
bíblico (Êxodo 12:1-2), abrindo oficialmente a temporada de Festas do Senhor de 2015; e

Eclipse da Lua (Lua de Sangue) em 04 de abril de 2015: Celebração da Pessah ou Páscoa Judaica (Levítico
23:4-5), a Primeira Festa do Senhor de 2015.

2ª ocasião:

Eclipse do Sol em 13 de setembro de 2015: Celebração do Yom Teru’ah ou Festa das Trombetas (Levítico
23:24), a Festa do Senhor que aponta para o Arrebatamento da Igreja; e
Eclipse da Lua (Superlua de Sangue) em 28 de setembro de 2015: Celebração da Sukkot ou Festa dos
Tabernáculos (Levítico 23:40-43), a Última Festa do Senhor de 2015.

Este fenômeno com os quatro eclipses (dois solares e dois lunares), em um mesmo ano, em perfeita harmonia com
quatro das principais celebrações judaicas não se repetirá mais neste milênio.

XIV – CONSIDERAÇÕES FINAIS

Tudo minuciosamente perfeito.

O casamento do Glorioso Noivo Judeu, Jesus Cristo (Yeshua), e sua Noiva Gentia (a Igreja do Senhor) se dará nos
moldes do casamento judaico.

Sua Noiva será erguida no ar (nissuin) e arrebatada (laqach) em um dia de Grande Festa que ocorrerá em uma Lua
Nova: a Festa das Trombetas, a única das sete Festas Judaicas do Senhor a ser celebrada em dia de Lua Nova.

O Apóstolo Paulo, inspirado pelo Espírito Santo, confirma a revelação em 1 Coríntios 15:51-52, ao profetizar que o
Arrebatamento ocorrerá ao toque da Última Trombeta (como é conhecida a última trombeta tocada ao final da Festa
das Trombetas), ao pôr do sol em Jerusalém (a expressão idiomática judaica “num abrir e fechar de olhos”, utilizada
no primeiro século, significa “pôr do sol”).

Todavia, a Escritura Sagrada não revela o ano em que ocorrerá a Festa das Trombetas do Arrebatamento da Noiva do
Senhor. Jesus Cristo confirmou que esta informação somente o Pai sabe. A expressão idiomática “Daquele Dia e Hora
Ninguém Sabe” utilizada por Jesus e pelos judeus do primeiro século se referia à Festa das Trombetas, pois, por ser a
única festa celebrada na Lua Nova, lhe eram reservados dois dias, tendo em vista que ficava muito difícil se identificar
em qual dia efetivamente aparecia a Lua Nova em Jerusalém. Por esta razão, era comum os judeus crentes do
primeiro século se referirem à Festa das Trombetas como a Festa “Daquele Dia e Hora Ninguém Sabe, só o Pai”.
Assim, uma melhor exegese do texto sagrado de Mateus 24:36 pode ser assim entendida: “Daquela Festa das
Trombetas, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai sabe.”

Dando sequência ao casamento do Eterno Messias, sempre e perfeitamente de acordo com o costume judaico, o
Glorioso Noivo Judeu, após arrebatar sua Noiva Gentia - por ocasião da Lua Nova na Festa das Trombetas, ao som
da última trombeta - a levará à morada do Pai (João 14:2-3), onde Noivo e Noiva, a portas fechadas (Mateus 25:10),
se alegrarão e regozijarão por uma semana de anos (também chamada, segundo a tradição judaica, de “a semana
nupcial da noiva”), no mesmo período em que na Terra ocorrerá uma semana de anos de Grande Tribulação (Daniel
9:27). Ao final dos sete anos, a Babilônia Global será destruída, e a Esposa do Cordeiro, será apresentada, em
grande glória, na ceia das Bodas do Cordeiro (Ap 19:7-9).

Todos, que pertencemos à Noiva Gentia do Senhor, certamente, desejamos que Arrebatamento seja o mais breve
possível, ou seja, na próxima Festa das Trombetas. É bem provável que o Glorioso Noivo e Senhor também assim o
deseje, daí estar Ele realizando prodígios no céu (tal como previu em Joel 2:30-31), Eclipsando o sol e em seguida
Eclipsando a Lua gerando Lua de Sangue nos exatos dias de celebração de suas festas proféticas previstas no texto
sagrado.

É importante frisar que a Escritura revela que o Arrebatamento da igreja será acionado pela última trombeta tocada
por um rabino na Festa das Trombetas em Jerusalém, “porque a última trombeta soará, e os mortos ressuscitarão
incorruptíveis, e nós seremos transformados”, ou seja, “a última trombeta soará e ocorrerá o Arrebatamento
da Noiva do Senhor”. Sim, o Arrebatamento da Igreja ocorrerá ao final da Festa das Trombetas, a única das sete
Festas do Senhor celebrada em uma Lua Nova, nos perfeitos moldes de um casamento judaico.
Eis a grande verdade: Escritura Sagrada revela que o Arrebatamento da Igreja ocorrerá em todo o mundo, em
um único momento, ao toque da última trombeta dado por um rabino durante a Festa das Trombetas
celebrada anualmente em Jerusalém.

Há fortes indícios de que isto ocorra o mais rápido possível, pois o fato de que todos os Eclipses solares e lunares
deste ano ocorram EXATAMENTE durante quatro das principais celebrações judaicas do Senhor, certamente,
está a nos dizer que é Ele, Jesus (Yeshua), quem está realizando os prodígios no céu com sequências de
Eclipse solar seguido de Eclipse Lunar com Lua de Sangue, conforme previsto em Joel 2:30-31.

No entanto, vale frisar que a sequência Eclipse do Sol seguido de Eclipse com Lua de Sangue prevista em Joel 2:30-
31, segundo a Escritura, ocorrerá ANTES do Grande e Terrível Dia do Senhor. Isto quer dizer que o Arrebatamento da
Igreja poderia realmente ter ocorrido na Festa das Trombetas de 2015, pois já teria ocorrido a sequência de Eclipse do
Sol (20 de março de 2015) seguido de Eclipse com Lua de Sangue (04 de abril de 2015), ou seja, ANTES da Festa
das Trombetas de 2015 (de 13 a 15 de setembro de 2015) e, portanto, antes do Grande e Terrível Dia do Senhor.
Mas, considerando a ocorrência da sequência de Eclipse do Sol (13 de setembro de 2015) seguido de Eclipse com
Lua de Sangue (28 de setembro de 2015), ou seja, ANTES da Festa das Trombetas de 2016 (02 a 04 de outubro de
2016) ou da Festa das Trombetas de 2017 (20 a 22 de setembro de 2017), há forte expectativa de que o
Arrebatamento da Noiva venha a ocorrer em algumas destas Festas das Trombetas.

A Escritura descreve a Noiva Gentia como ansiosa com a vinda de seu Glorioso Noivo Judeu (Apocalipse 22:17,20b),
mas prudente e preparada (Mateus 25:10), vigiando cada vez mais, atenta ao sentido profético das Festas do
Senhor, se santificando ainda mais para o Seu Noivo (Apocalipse 22:11b) e se afastando totalmente de toda e
qualquer festa pagã, ainda que disfarçada de festa cristã pela Babilônia Romana. A Noiva Gentia estará sempre
atenta à séria advertência dada pelo Seu Santo Noivo em relação à Babilônia Romana, em Apocalipse 18:4:

“E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e
para que não incorras nas suas pragas.” (Apocalipse 18:4)

O Glorioso Noivo requer exclusividade. O Apóstolo Paulo sabia muito bem disto:

“Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma
virgem pura a um marido, a saber, a Cristo.” 2 Coríntios 11:2

Irmãos, sem dúvida alguma, o tempo de celebração das bodas do Senhor é chegado. E isto quer dizer, com toda a
clareza, que o nosso tempo também é chegado. Nós que fazemos parte da Noiva do Senhor, cremos e sentimos a
iminência do Arrebatamento.

Que Deus os abençoe!

Você também pode gostar