Você está na página 1de 151

1 of 151

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO


CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E SISTEMAS DE POTÊNCIA

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

MARCELO CABRAL CAVALCANTI

AGOSTO DE 2009
2 of 151

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

Objetivo
Processar e controlar o fluxo de energia elétrica, suprindo tensões e
correntes adequadas às necessidades das cargas.

Sistemas à eletrônica de potência

• Entrada
Geralmente é a tensão da rede (1 ou 3 fases - 50 ou 60Hz).
Corrente e ângulo de fase dependem da topologia e do controle do
processador
• Saída
Tensão, corrente, freqüência e número de fases conforme requerido pela
carga
Geralmente o ângulo de fase depende da característica da carga.
• Processador de energia
Avanços na tecnologia de fabricação de semicondutores melhoraram as
capacidades de tensão e corrente e as velocidades de chaveamento dos
dispositivos semicondutores de potência.
• Controlador
Avanços revolucionários em microeletrônica levaram ao desenvolvimento
de circuitos integrados lineares e processadores de sinal digital.
3 of 151

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA x ELETRÔNICA


LINEAR

Em qualquer processo de conversão de energia, tem-se como objetivos:


• Baixas perdas (alta eficiência)
Custo da energia perdida e dificuldades na dissipação do calor das perdas.
• Redução em tamanho, peso e custo

Eletrônica linear

• Transformador de entrada
Reduz a tensão e isola ( Vd , min > Vo ).

• Retificador
Converte a corrente alternada (CA) em contínua (CC).
• Capacitor
Reduz a ondulação da tensão CC.
4 of 151

• Transistor
Opera na região ativa como um resistor variável: baixa eficiência.

Eletrônica de potência

Omitindo o transformador, obtém-se o circuito equivalente mostrado


acima.
5 of 151

• Transistor
Opera como chave: baixas perdas.
- Ligado ( v oi = v d ).

- Desligado ( v oi = 0 ).

v oi (t ) = Voi + v ripple (t )

Voi é o valor médio de v oi e vripple (t ) é a tensão de ondulação instantânea.

• Filtro LC
Reduz a ondulação na tensão de saída.
Média da tensão de entrada: Vo = Voi , onde Vo é a tensão de saída média.

1 Ts t on
Vo =
Ts ∫0
v oi dt =
Ts
vd
6 of 151

• Carga
Controle da tensão de saída ajustando t on / Ts (usualmente, Ts é constante).

APLICAÇÕES
• Fontes CC chaveadas e sistemas de energia ininterrupta
Fontes para computadores e equipamentos de telecomunicações.
• Conservação da energia
Operação de lâmpadas fluorescentes em alta freqüência.
Acionamento de bombas e compressores com velocidade controlada.
• Controle de processos e automação industrial
Acionamento com velocidade controlada em controle de processos.
• Transporte
Carros elétricos.
• Aplicações em eletrotécnica
Equipamentos para soldagem, eletrólise e aquecimento indutivo.
• Aplicações relacionadas ao suprimento
Transmissão de potência em alta tensão CC.
Sistemas de geração solares e eólicos.

CLASSIFICAÇÃO

Processadores
Saída para a carga:
• CC
Amplitude constante.
Amplitude variável.
• CA
Freqüência constante e amplitude variável.
Freqüência e amplitude variáveis.
7 of 151

Conversores

De acordo com a forma dos dois lados:

• CA-CC
• CC-CA
• CC-CC
• CA-CA

De acordo com o modo de chaveamento:

• Conversores com comutação natural


Tensões de suprimento presentes em um lado do conversor facilitam o
bloqueio dos dispositivos semicondutores de potência.
• Conversores com comutação forçada
Chaves controladas no conversor são ligadas e desligadas em freqüências
elevadas quando comparadas à freqüência da rede.
• Conversores ressonantes
Chaves controladas ligam e/ou desligam com tensão nula e/ou corrente
nula.
8 of 151

CHAVES SEMICONDUTORAS
Classificação
• Diodos
Disparo e bloqueio controlados pelo circuito.
• Tiristores
Disparo por sinal de controle e bloqueio controlado pelo circuito.
• Chaves controladas
Disparo e bloqueio por sinais de controle.

DIODOS

• Disparo
O diodo pode ser considerado ideal porque ele liga rapidamente.
• Bloqueio
A corrente no diodo reverte por um tempo de recuperação reversa t rr .
Em muitos circuitos, a corrente de recuperação reversa não afeta a
característica do conversor e o diodo pode ser considerado ideal.
9 of 151

Tipos de diodos
• Schottky
Baixa queda de tensão (0,3V) e baixa tensão reversa de bloqueio (100V).
• De rápida recuperação
Pequeno t rr (poucos μs na faixa de centenas de volts e centenas de
ampères).
• De freqüência da rede
Baixa queda de tensão e grande t rr .
Tensão reversa de bloqueio de vários kV e corrente nominal de vários kA.

TIRISTORES

• Disparo
O tiristor é ligado por aplicação de corrente de gatilho positiva.
10 of 151

• Condução
Queda de tensão de 1 a 3V (depende da tensão de bloqueio).
Uma vez conduzindo, a corrente de gatilho pode ser removida.
• Bloqueio
O tiristor não pode ser desligado pelo gatilho (conduz como um diodo).
Em polarização reversa, apenas uma corrente desprezível flui no tiristor.

Exemplo

• Tiristor ideal
Quando a corrente no tiristor tenta reverter, ela se torna zero
imediatamente.
• Tiristor real
A corrente no tiristor reverte antes de se tornar zero.
Tempo t q : passagem por zero da corrente até a passagem por zero da

tensão.
Se uma tensão direta é aplicada ao tiristor durante t q , ele pode ligar.
11 of 151

Tipos de tiristores
• Tiristores para controle de fase.
Correntes de até 4kA, tensões de bloqueio de até 7kV.
Queda de tensão de 1,5V (dispositivo de 1kV) a 3V (dispositivo de 7kV).
• Tiristores para inversor
Correntes de até 1,5kA, tensões de bloqueio de até 2,5kV.
Tempo t q de até 100μs (depende da tensão de bloqueio e da queda de

tensão).
• Tiristores ativados por luz
Ligados por um pulso de luz guiado por fibra óptica.
Correntes de até 3kA, tensões de bloqueio de até 4kV.
Queda de tensão de 2V e potência do circuito de gatilho de 5mW.

CHAVES CONTROLADAS

Chave controlada ideal

• Bloquear qualquer tensão direta ou reversa com corrente nula


(desligada)
• Conduzir qualquer corrente com queda de tensão nula (ligada)
• Chavear instantaneamente quando comandada
• Consumo de potência nulo no circuito para comandar a chave

Chave controlada real

PROBLEMA (Mohan 2-1)


A planilha de dados de um dispositivo de chaveamento especifica os
seguintes tempos de chaveamento, correspondendo às características
linearizadas para chaveamentos indutivos: tempos de subida da corrente e
descida da tensão no disparo e tempos de subida da tensão e descida da
12 of 151

corrente no bloqueio. Calcule as perdas de potência no chaveamento em


função da freqüência no circuito da figura abaixo.

Resposta

• Disparo
t c (on) = t ri + t fv

1
Wc (on) = V d I o t c (on)
2
• Condução
Won = Von I o t on

• Bloqueio
t c (off) = t rv + t fi
13 of 151

1
Wc (off) = V d I o t c (off)
2

• Perdas de chaveamento
1
Ps = Vd I o f s (t c (on) + t c (off) )
2

• Perdas de condução
t on
Pon = Von I o
Ts

Características desejadas

• Pequena corrente quando desligada


• Pequena queda de tensão
• Curtos tempos de disparo e bloqueio
• Grande capacidade de bloqueio de tensões direta e reversa
• Alta corrente nominal
• Coeficiente de temperatura da resistência de condução positivo
• Pequeno consumo de potência para comandar a chave
• Capacidade de suportar tensão e corrente nominais simultaneamente
• Grandes dv / dt e di / dt nominais

BIPOLAR JUNCTION TRANSISTOR (BJT)


14 of 151

• Corrente de base necessária para condução plena


IC
IB >
h FE

onde hFE é o ganho de corrente CC do dispositivo


O ganho de corrente CC é usualmente de 5 a 10 em transistores de potência
Configuração Darlington

Características
• Tempo de chaveamento típico na faixa de poucas centenas de ns
• Correntes de centenas de ampères, tensões de bloqueio de até 1,4kV
• Coeficiente de temperatura da resistência de condução negativo

METAL-OXIDE-SEMICONDUCTOR FIELD EFFECT


TRANSISTOR (MOSFET)
15 of 151

• Dispositivo controlado por tensão


• Aplicação contínua de sinal de gatilho para se manter conduzindo
• Corrente de gatilho nula, exceto durante bloqueio ou disparo
• Tempos de chaveamento típico na faixa de dezenas de ns: baixas perdas

• A resistência de condução cresce com a tensão de bloqueio BVDSS


2.5 − 2.7
rDS (on ) = kBVDSS

onde k é uma constante que depende da geometria do dispositivo.


• MOSFETs de 300-400V competem com BJTs se a freqüência de
chaveamento for superior a 30kHz
• Disponíveis para 1000V (baixa corrente) ou até 100A (baixa tensão)
• Coeficiente de temperatura da resistência de condução positivo

GATE-TURN-OFF THYRISTOR (GTO)

• Gatilho por pulso de corrente de curta duração

• Uma vez conduzindo, o sinal de disparo pode ser retirado

• Pode ser desligado pela aplicação de tensão gatilho-catodo negativa

• Corrente negativa necessária dura poucos μs, mas deve ter alto valor

• Capacidade de bloqueio de tensão reversa


• Devido à baixa suportabilidade a dv/dt, não podem desligar correntes
indutivas sem um circuito snubber
16 of 151

• Queda de tensão típica sob condução 2 a 3V


• Tempo de chaveamento típico 25μs
• Correntes nominais de poucos kA, tensões nominais de até 4,5kV
• Altas tensões e grandes correntes em freqüências de até 10kHz

INSULATED GATE BIPOLAR TRANSISTOR (IGBT)


17 of 151

• Disparo por sinal de tensão


• Devido à alta impedância, requer pouca energia no circuito de disparo
• Baixa queda de tensão sob condução: 2V em um dispositivo de 1000V
• Pode bloquear tensões negativas
• t on e t off da ordem de 1μs

• Correntes de 1200A, tensões de bloqueio de até 3kV

MOS-CONTROLLED THYRISTORS (MCT)

• P-MCT e N-MCT diferem pela localização dos terminais de controle


• Disparo por sinal de tensão
• Requer pouca energia no circuito de disparo (mais simples que em
GTO)
• Uma vez conduzindo, o sinal de disparo pode ser retirado
• Baixa queda de tensão sob condução (tipicamente menor do que em
IGBT)
• t on e t off da ordem de poucos μs (tipicamente menor do que em GTO)

• Correntes de centenas de ampères, tensões de bloqueio de até 3kV


18 of 151

COMPARAÇÃO ENTRE CHAVES CONTROLADAS


Dispositivo Potência Velocidade de chaveamento
BJT Média Média
MOSFET Baixa Rápida
GTO Alta Lenta
IGBT Média Média
MCT Média Média

CARACTERÍSTICAS DOS DISPOSITIVOS

• Tensão e resistência de condução definem as perdas de condução


• Tempos de chaveamento definem as perdas de chaveamento e a máxima
freqüência de operação possível
• Tensões e correntes nominais determinam a máxima potência da chave
• Potência do circuito de disparo/bloqueio determina a facilidade de
controle
• Coeficiente de temperatura da resistência de condução determina a
facilidade de conectar as chaves em paralelo
• Custo do dispositivo é um fator em sua seleção

CONCEITOS BÁSICOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

Potência média e corrente eficaz


• Potência instantânea
p(t ) = vi
• Potência média
T T
1 1
Pav = ∫ p (t )dt = ∫ vi dt
T0 T0
Se a carga é puramente resistiva,
19 of 151

T
1
Pav = R ∫ i 2 dt = RI 2
T 0

• Corrente eficaz

T
1 2
T ∫0
I= i dt

FORMAS DE ONDA SENOIDAIS


v = 2V cos ωt i = 2 I cos(ωt − φ )
Representação fasorial

V = Ve j 0 I = Ie − jφ
V Ve j 0 V − jφ
I= = = e = Ie − jφ
Z Ze jφ Z
Potência, potência reativa e fator de potência
• Potência complexa
*
S = V I = Ve j 0 ⋅ Ie jφ = VIe jφ = Se jφ
• Potência aparente
S = VI
• Potência ativa
P = Re[ S ] = VI cos φ
• Potência reativa

Q = VI sen φ = S 2 − P 2 ( )
1/ 2

• Fator de potência
P P
PF = = = cos φ
S VI
O fator de potência deve ser 1 para fornecer potência com corrente mínima.
20 of 151

PROBLEMA (Mohan 1-1)


No processador de energia da figura abaixo, a eficiência é η %. A saída
para a carga trifásica é: tensões de linha senoidais com Vo (eficaz) em f o
Hz e corrente de linha I o em um fator de potência cosφ (atrasado). A
entrada para o processador de energia é uma tensão da rede monofásica
com Vi (eficaz) em f i Hz. A potência de entrada é solicitada em um fator
de potência unitário. Calcule a corrente de entrada e a potência de entrada.

Resposta
• Potência trifásica
Vo = 3V fase
S fase = V fase I o Pfase = V fase I o cos φ
S trif = 3S fase = 3V fase I o = 3Vo I o
Ptrif = 3Pfase = 3V fase I o cos φ = 3Vo I o cos φ

• Potência de entrada
Psaída η
=
Pentr 100
100 ⋅ Psaída 100 ⋅ 3Vo I o cos φ
Pentr = =
η η
• Corrente de entrada
Pentr = Vi I i
100 ⋅ 3Vo I o cos φ
Ii =
η ⋅ Vi
21 of 151

PROBLEMA (Mohan 1-2)


Considere a fonte cc regulada linear (figura (a)). A tensão de entrada
instantânea corresponde à forma de onda na figura (b), onde Vd ,min e

Vd , max são dadas. Aproxime esta forma de onda por uma onda triangular

consistindo de dois segmentos lineares entre os dois valores acima. Assuma


que Vo é dada e que a carga é constante. Calcule a eficiência de energia
nesta parte da fonte devido às perdas no transistor.

Resposta
• Potência de saída
T T
1 Vo 1 Vo2
Po =
T 0 ∫
Vo ⋅ I o dt = Vo
R T 0
dt =
R∫
• Perdas no transistor

1
T
⎛1T ⎞ V (V − Vo )
Ptr = ∫ (vd − Vo ) ⋅ I o dt = Vo ⎜
⎜T
vd dt − Vo ⎟ = o d
∫ ⎟
T 0
R ⎝ 0 ⎠ R
22 of 151

• Potência de entrada
Vo Vo2 Vd Vo
Pd = Ptr + Po = (Vd − Vo ) + =
R R R
• Tensão média

1
T
1 ⎡ 2π (Vd ,max − Vd ,min )⎤ Vd ,max + Vd ,min
Vd = ∫ vd dt = ⎢ 2πVd ,min + ⎥=
T 0 2π ⎣ 2 ⎦ 2
• Eficiência
Po Vo2 / R V Vo
η = 100 ⋅ = 100 ⋅ = 100 ⋅ o = 100 ⋅
Pd Vd Vo / R Vd (Vd ,max + Vd ,min ) / 2
Vo
η = 200 ⋅
Vd ,max + Vd ,min

FORMAS DE ONDA NÃO SENOIDAIS


23 of 151

Análise de Fourier

∞ ∞
1
f (t ) = F0 + ∑ f h (t ) = a0 + ∑ {ah cos(hωt ) + bh sen(hωt )}
h =1 2 h =1

onde

1
ah =
π ∫ f (t ) cos(hωt )dωt h = 0, ⋅ ⋅ ⋅, ∞
0

1
bh =
π ∫ f (t ) sen(hωt )dωt h = 1, ⋅ ⋅ ⋅, ∞
0
• Forma fasorial

F h = Fhe jφ h
onde

ah2 + bh2
Fh =
2
(−bh )
tan(φh ) =
ah

• Valor eficaz

∞ 1/ 2
⎛ ⎞
F = ⎜⎜ F02 + ∑ Fh2 ⎟⎟
⎝ h =1 ⎠

• Simetria

Simetria Condição ah e bh

π
2
Par f (−t ) = f (t )
bh = 0 ah =
π ∫ f (t ) cos(hωt )dωt
0
24 of 151

π
2
Ímpar f (−t ) = − f (t )
ah = 0 bh =
π ∫ f (t ) sen(hωt )dωt
0

a h = bh = 0 para h par
π
2
Meia-onda 1
f (t ) = − f (t + T )
ah =
π ∫ f (t ) cos(hωt )dωt para h ímpar
0
2
π
2
bh =
π ∫ f (t ) sen(hωt )dωt para h ímpar
0

Distorção da corrente da rede

• Tensão puramente senoidal


vs = 2Vs sen ω1t

• Corrente em regime permanente


is (t ) = is1 (t ) + ∑i
h ≠1
sh (t ) = 2 I s1 sen(ω1t − φ1 ) + ∑
h ≠1
2 I sh sen(ω ht − φh )

onde is1 é a componente fundamental e ish é a componente em f h (= hf1 ) .

• Corrente eficaz
1/ 2 1/ 2
⎛ 1 T1 ⎞ ⎛ ⎞
I s = ⎜⎜ ∫is2 (t )dt ⎟⎟ = ⎜ I s21 + ∑ 2 ⎟
I sh
⎜ T1 ⎟ ⎜ ⎟
⎝ 0 ⎠ ⎝ h ≠1 ⎠

• Componente de distorção da corrente


idis (t ) = is (t ) − is1 (t ) = ∑i h ≠1
sh (t )

Em termos dos valores eficazes,


25 of 151

1/ 2

I dis = [
I s2 − ]
I s21
1/ 2 ⎛
=⎜
⎜ ∑ 2 ⎟
I sh


⎝ h ≠1 ⎠

• Distorção harmônica total


2
I 2 − I s21 ⎛ I sh ⎞

I
%THDi = 100 × dis = 100 × s = 100 × ⎜ ⎟
⎜I ⎟
I s1 I s1 h ≠1 ⎝ s1 ⎠

Potência e fator de potência

• Potência média
T1 T1
1 1
P=
T1 ∫
0
p(t )dt =
T1 ∫
vs (t )is (t )dt
0

Usando vs e is ,
T1
1
P=
T1 ∫
0
2vs sen ω1t ⋅ 2 I s1 sen(ω1t − φ1 )dt = Vs I s1 cos φ1

• Potência aparente
S = Vs I s

• Fator de potência
P Vs I s1 cos φ1 I s1
PF = = = cos φ1
S Vs I s Is

• Fator de deslocamento
DPF = cos φ1

O fator de potência com uma corrente não senoidal é


I s1 1
PF = DPF = DPF
Is 1 + THDi2
26 of 151

PROBLEMA (Mohan 1-3)


Considere uma fonte cc chaveada representada pelo circuito da figura (a).
A tensão cc de entrada é V d e a razão de trabalho da chave é D = 0,75 .
Calcule as componentes de Fourier de v oi .

Resposta
• Análise de Fourier
∞ ∞
1
f (t ) = F0 + ∑ ∑
f h (t ) = a 0 + {a h cos(hωt ) + bh sen(hωt )}
2
h =1 h =1
onde

1
ah =
π ∫ f (t ) cos(hωt )dωt h = 0, ⋅⋅⋅, ∞
0

1
bh =
π ∫ f (t ) sen(hωt )dωt h = 1, ⋅⋅⋅, ∞
0
• Simetria
Simetria Condição ah e bh
π
2
Par f (−t ) = f (t ) bh = 0 ah =
π ∫ f (t ) cos(hωt )dωt
0
27 of 151

π 3π / 4
2 2 2Vd 3π 3Vd
a0 =
π ∫ voi cos(0ωt )d (ωt ) =
π ∫ Vd d (ωt ) =
π 4
=
2
0 0
π 3π / 4 π
2 2⎡ ⎤
ah =
π ∫ π⎢ ∫
voi cos(hωt )d (ωt ) = ⎢ Vd cos(hωt )d (ωt ) + ∫
0 cos(hωt )d (ωt )⎥

0 ⎣ 0 3π / 4 ⎦
2V 2V ⎡ ⎛ 3hπ ⎞ ⎤ 2V ⎛ 3hπ ⎞
ah = d ⎡sen(hωt ) 3π / 40 ⎤ = d ⎢sen⎜ ⎟ − sen(0)⎥ = d sen⎜ ⎟
hπ ⎢⎣ ⎥⎦ hπ ⎣ ⎝ 4 ⎠ ⎦ hπ ⎝ 4 ⎠
2Vd ⎛ 3π ⎞ 2Vd 2Vd ⎛ 3π ⎞ V
a1 = sen⎜ ⎟ = a2 = sen⎜ ⎟ = − d
π ⎝ 4 ⎠ π 2π ⎝ 2 ⎠ π
2Vd ⎛ 9π ⎞ 2Vd 2Vd
a3 = sen⎜ ⎟ = a4 = sen (3π ) = 0
3π ⎝ 4 ⎠ 3π 4π
2Vd ⎛ 15π ⎞ 2Vd 2Vd ⎛ 9π ⎞ V
a5 = sen⎜ ⎟=− a6 = sen⎜ ⎟ = d
5π ⎝ 4 ⎠ 5π 6π ⎝ 2 ⎠ 3π
2Vd ⎛ 21π ⎞ 2Vd 2V
a7 = sen⎜ ⎟=− a8 = d sen (6π ) = 0
7π ⎝ 4 ⎠ 7π 8π
3V
v oi (t ) = d + Vˆoi1 cos(ωt ) − Vˆoi 2 cos(2ωt ) + Vˆoi 3 cos(3ωt ) − Vˆoi 5 cos(5ωt ) +
4
+Vˆoi 6 cos(6ωt ) − Vˆoi 7 cos(7ωt ) + ...
onde os harmônicos múltiplos de 4 não estão presentes.
Os valores de pico das componentes fundamental e harmônicas são

2Vd
Vˆoi1 =
π

Vˆoih = oi1 para h par e não múltiplo de 4
2h
ˆ Vˆoi1
Voih = para h ímpar
h

PROBLEMA (Mohan 3-3a)

Para a forma de onda na figura abaixo, calcule o valor médio e os valores


eficazes da fundamental e das componentes harmônicas.
28 of 151

0 π ωt

Resposta
• Análise de Fourier
∞ ∞
1
f (t ) = F0 + ∑ ∑
f h (t ) = a 0 + {a h cos(hωt ) + bh sen(hωt )}
2
h =1 h =1

• Simetria
Simetria Condição ah e bh
a h = 0 para todo h
Ímpar, quarto- Ímpar e π /2

meia-onda ⎪ b = 4
de-onda
⎪ h
⎨ π
0

f (t ) sen(hωt )dωt para h ímpar

⎪⎩bh = 0 para h par

π /2
4
bh =
π ∫ A sen(hωt )d (ωt )
0

bh = −
4A ⎡ ⎤ = − 4 A ⎡cos⎛⎜ hπ ⎞⎟ − cos(0)⎤ = 4 A
cos(hωt ) π / 20

hπ ⎣ ⎥⎦ hπ ⎢⎣ ⎝ 2 ⎠ ⎥ hπ

f (t ) = b1 sen(ωt ) + b3 sen(3ωt ) + b5 sen(5ωt ) + b7 sen(7ωt ) + ...

onde os harmônicos pares não estão presentes.


O valor médio é
1
F0 = a 0 = 0
2
Os valores eficazes das componentes fundamental e harmônicas são
4A
F1 =

F
Fh = 1 para h ímpar
h
29 of 151

PROBLEMA (Mohan 3-4a)


Na forma de onda da figura do problema 6, tem-se A . Calcule seu valor
eficaz total:
(a) Usando os resultados da análise de Fourier.
(b) Usando a definição do valor eficaz.

Resposta

(a) Análise de Fourier


F0 = 0
4A
Fh = 0 para h par , Fh = para h ímpar
2πh
1/ 2
⎛ 2 ∞ 2⎞
F = ⎜⎜ F0 + ∑Fh ⎟⎟

⎝ h =1
1/ 2
⎡ ∞ ⎛ 4A ⎞2 ⎤ 4A ⎛ ∞ 1 ⎞
1/ 2

F = ⎢ ⎜⎜∑ ⎟⎟ ⎥
⎢⎣ h =1 ⎝ 2πh ⎠ ⎥⎦
= ⎜
⎜ ∑ ⎟
2 ⎟
2π ⎝ h =1 h ⎠

onde os harmônicos pares não estão presentes.


(b) Definição
1/ 2
⎛ 2 π /2 2 ⎞
F =⎜ A dωt ⎟

⎜π ⎟
⎝ 0 ⎠
1/ 2
⎛2 π⎞
F = ⎜ A2 ⎟
⎝π 2⎠
F=A

PROBLEMA (Mohan 3-5a)


Na forma de onda da figura do problema 6, tem-se A. Calcule a razão de (a)
a componente na freqüência fundamental pelo valor eficaz total e (b) a
componente de distorção pelo valor eficaz total.

Resposta
(a) Razão1
30 of 151

4A
Fh = para h ímpar
2πh
4A
F1 =

1/ 2
⎛ 2 π /2 2 ⎞ ⎛ 2 π ⎞
1/ 2
F =⎜ A dωt ⎟ = ⎜ A

2

⎜π ⎟ ⎝π 2⎠
⎝ 0 ⎠
F=A
4A 4
Razão1 = =
2πA 2π
(b) Razãodis

(
Fdis = F 2 − F12 )
1/ 2

1/ 2
⎡ ⎛ 4A ⎞ ⎤
2

F1dis = ⎢ A − ⎜⎜
2
⎟⎟ ⎥
⎢⎣ ⎝ 2π ⎠ ⎥⎦

Fdis =
A
(
2π 2 − 16 )

Razão dis =
A
(
2π 2 − 16 =
1
)
2π 2 − 16 ( )
2πA 2π
PROBLEMA (Mohan 3-6a)
Uma tensão senoidal v = 2V sen(ωt+ φ ) é aplicada a uma carga monofásica.
A corrente solicitada pela carga corresponde à forma de onda da figura do
problema 6. O cruzamento da corrente pelo zero é atrasado em relação ao
cruzamento da tensão por ωt =φ o . Calcule a potência média solicitada pela
carga, o fator de deslocamento, a distorção harmônica total e o fator de
potência.

Resposta

• Potência média
31 of 151

T T
1 1
Pav =
T ∫
0
p (t )dt =
T 0∫vi dt

1 ⎛π 2π

⎜ 2V sen(ωt + φ ) I d (ωt ) − 2V sen(ωt + φ ) I d (ωt ) ⎟
Pav =
2π ⎜
⎝0
∫ π
∫ ⎟

Pav =
1

( [
2VI cos(ωt + φ ) π0 + cos(ωt + φ ) 2ππ ])
Pav =
1

( )
2VI {[cos φ − cos(π + φ )] + [cos φ − cos(π + φ )]}

Pav =
1

( 2VI [cos φ + cos φ + cos φ + cos φ ] )
2 2VI cos φ
Pav =
π

• Fator de deslocamento

π /2
4
b1 =
π ∫ I sen(ωt )d (ωt )
0
4
b1 = I cos(ωt ) π / 02
π
4I
b1 =
π
4I
i1 (t ) = sen(ωt )
π
v1 (t ) = 2V sen(ωt + φ )
DPF = cos φ

• Distorção harmônica total


32 of 151

4I
I1 =

T
1 2
IT =
T
i dt ∫
0

1 ⎛π 2π ⎞
⎜ 2 ( ) ⎟
∫ ∫
2
IT =
2π ⎜⎜ I d ωt + (− I ) d (ωt ) ⎟⎟
⎝0 π ⎠

IT =
1 2

(
I π + I 2 (2π − π ) )
IT = I

IT2 − I12
DHT = 100 ⋅
I1

DHT = 100 ⋅
[
I 2 − 4 I /( 2π ) ]2
4 I /( 2π )

2π 2 − 16
DHT = 100 ⋅
4

• Fator de potência

I1
PF = DPF
IT
4 I / 2π
PF = cos φ
I
4 cos φ
PF =

33 of 151

RETIFICADORES NÃO CONTROLADOS


• Maioria das aplicações
- A entrada é uma tensão CA senoidal suprida pela rede elétrica.
- A tensão CA é convertida para uma tensão CC.
• Retificadores a diodos
- O fluxo de potência só pode ser do lado CA para o lado CC.

CONCEITOS BÁSICOS
Carga resistiva

• Tensão e corrente na carga têm uma componente média (CC)


• Por causa da grande ondulação, este circuito é de pouco sentido prático

Carga indutiva
PROBLEMA (Mohan 5-1)
No circuito básico da figura (a), têm-se o valor eficaz Vs a uma freqüência
f, L e R. Calcule e desenhe a corrente i no mesmo gráfico de vs.

Resposta
34 of 151

• Diodo diretamente polarizado

di
v s = Ri + L
dt

A solução da equação homogênea é

i h = Ke − Rt / L

A solução particular da equação completa deve ter a forma


i p = A cos ωt + B sen ωt

Substituindo-se a equação particular na equação diferencial completa


L(− Aω sen ωt + Bω cos ωt ) + R( A cos ωt + B sen ωt ) = 2V s sen ωt

Agrupando-se os termos em sen ωt e cos ωt , resultam duas equações


35 of 151

− AωL sen ωt + RB sen ωt = 2V s sen ωt


BωL cos ωt + RA cos ωt = 0
RA
B=−
ωL
⎛ RA ⎞
− AωL + R⎜ − ⎟ = 2V s
⎝ ωL ⎠
2V s ωL
A=−
R 2 + (ωL )2
R ⎛⎜ 2Vs ωL ⎞ 2V s R
B=− − ⎟=
ωL ⎜⎝ R 2 + (ωL )2 ⎟ R 2 + (ωL )2

A solução completa
2V s ωL 2V s R
i (t ) = Ke − Rt / L − cos ωt + sen ωt
R 2 + (ωL )2 R 2 + (ωL )2
2V s ωL 2V s ωL 2V s R
i (t ) = e − Rt / L − cos ωt + sen ωt
R 2 + (ωL )2 R 2 + (ωL )2 R 2 + (ωL )2

- Instante que o diodo pára de conduzir


1
vL dt = di
L
t3 i ( 3)
1
L ∫
vL dt =
0
∫ di = i(3) − i(0) = 0
i (0)

t3 t1 t3

∫v
0
L ∫0

dt = v L dt + v L dt = 0
t1

Em termos das áreas volt-segundo A e B


Area A − Area B = 0

PROBLEMA (Mohan 5-2)


No circuito básico da figura (a), têm-se o valor eficaz Vs a uma freqüência
f, L e Vd. Calcule e desenhe a corrente i no mesmo gráfico de vs.
36 of 151

Resposta

• Diodo diretamente polarizado


di
vs = L + Ed
dt
di v s − E d
=
dt L

A solução da equação é

ωt
vs − Ed
i (ωt ) =
ω

t1
ωL
dωt + i (ωt1 )

ωt
2V s sen ωt − E d
i (ωt ) =
ω

t1
ωL
dωt

− 2V s (cos ωt − cos ωt1 ) − E d (ωt − ωt1 )


i (ωt ) =
ωL
37 of 151

• Cálculo de ωt1
2V s sen ωt1 = E d
Ed
ωt1 = arcsen
2V s

• Cálculo de i
Como o valor médio da tensão no indutor é zero, Vd=Ed e a solução com o
diodo diretamente polarizado é

i (ωt ) =
[ ( )] [ (
− 2V s cos ωt − cos arcsen V d / 2V s − V d ωt − arcsen V d / 2V s )]
2πfL

RETIFICADORES MONOFÁSICOS EM PONTE

Circuito idealizado com LS = 0

• Lado CC do retificador: resistência ou fonte de corrente CC constante


38 of 151

• Diodos D1 e D3

- O diodo com o ânodo no maior potencial irá conduzir i d .

- vs irá aparecer como uma tensão reversa no outro diodo.

• Diodos D 2 e D 4

- O diodo com seu cátodo no menor potencial irá conduzir id .

- vs irá aparecer como uma tensão reversa no outro diodo.

• Resistência ou fonte de corrente no lado CC


39 of 151

• Tensão no lado CC e corrente no lado CA


- Quando vs é positivo diodos D1 e D 2 conduzem, vd = vS e is = id

- Quando vs é negativo diodos D3 e D 4 conduzem vd = −vS e is = −id


• Tensão média
T /2
Vdo =
1
(T / 2) ∫ 2Vs sen ωtdt =
1
ωT / 2
( 2Vs cos ωt ) T0 / 2
0
2
Vdo = 2Vs = 0,9Vs
π
Com id (t ) = I d

Is = Id
2
I s1 = 2 I d = 0,9 I d
π
⎧0 para valores pares de h e
I sh = ⎨
⎩ I s1 / h para valores ímpares de h

PROBLEMA (Mohan 5-4)


No circuito retificador a diodos monofásico mostrado na figura 1 com Ls
zero e uma corrente cc constante Id, calcule a potência média fornecida à
carga:
(a) Se v s é uma tensão senoidal com Vs eficaz em f Hz.
(b) Se v s tem a forma de onda mostrada na figura 2.

0 0 0 0 ωt
60 120 60 120
V

Figura 1 Figura 2
40 of 151

Resposta

(a) Onda senoidal

π π
1 1
Pd =
π ∫
0
2V s I d sen ωtd (ωt ) = I d
π ∫
0
2V s sen ωtd (ωt )

2V s I d 2 2V s I d
Pd = (cos 0 − cos π ) =
π π

(b) Onda da figura 2

2π / 3 2π / 3
1 1
Pd =
π ∫ VI
0
ωt ) = VI d
d d(
π ∫ d (ωt )
0

VI d ⎛ 2π ⎞ 2VI d
Pd = ⎜ − 0⎟ =
π ⎝ 3 ⎠ 3

PROBLEMA (Mohan 5-5)

Considere o circuito de comutação da Figura (a) com I d .

(a) Com Vs em f Hz e Ls = 0 , calcule Vd e a potência média Pd .


(b) Com Vs em f Hz e Ls , calcule u , Vd e Pd .
(c) Com v s sendo uma onda quadrada em f Hz com uma amplitude de V ,
e Ls . Desenhe a forma de onda is e calcule u , Vd e Pd .
(d) Repita a parte (c) se v s tem a forma de onda mostrada na figura 2 do
problema 12.
41 of 151

Resposta

(a) e (b) Onda senoidal

• Intervalo de comutação
di s
v L = 2V s sen ωt = L s 0 < ωt < u
dt
u Id


0

2V s sen ωtd (ωt ) = ωL s di s = ωL s I d
0

2πfL s I d
cos u = 1 −
Vs

Se Ls = 0 , u = 0

• Tensão média
π
1
Vd =
2π ∫
u
2Vs sen ωtd (ωt )

π u
1 1
Vd =
2π ∫
0
2Vs sen ωtd (ωt ) −
2π ∫
0
2V s sen ωtd (ωt )

2V s areaAu 2Vs
Vd = − = − fL s I d
π 2π π
42 of 151

2Vs
Se Ls = 0 , Vd =
π
• Potência média
π π
1 1
Pd =
2π ∫
u
2V s I d sen ωtd (ωt ) = I d
2π ∫
u
2V s sen ωtd (ωt ) = I d Vd

2V s I d
Pd = − fL s I d2
π
2Vs I d
Se Ls = 0 , Pd =
π

(c) Onda quadrada

vs
is
V
vd
u
V

• Intervalo de comutação
dis
v L = V = Ls 0 < ωt < u
dt
u Id

∫ V d (ωt ) = ωL ∫ di
0
s
0
s = ωLs I d

2πfLs I d
u=
V
• Tensão média
π
1
Vd =
2π u ∫
Vd (ωt )

π u
1 1
Vd =
2π 0 ∫
V d (ωt ) −
2π 0
Vd (ωt ) ∫
V areaAu V
Vd = − = − fLs I d
2 2π 2
43 of 151

• Potência média
π π
1 1
Pd =
2π u ∫
VI d d (ωt ) = I d
2π u ∫
Vd (ωt ) = I d Vd

VI d
Pd = − fL s I d2
2
(d) Onda da figura 2

vs
V
is
vd
60
0 u 120
0 0
60 120
0

• Intervalo de comutação
dis
v L = V = Ls 0 < ωt < u
dt
2πfLs I d
u=
V
• Tensão média
2π / 3
1
Vd =
2π ∫ Vd (ωt )
u
2π / 3 u
1 1
Vd =
2π ∫ V d (ωt ) − 2π ∫ Vd (ωt )
0 0
V areaAu V
Vd = − = − fLs I d
3 2π 3

• Potência média
2π / 3 2π / 3
1 1
Pd =
2π ∫ VI d d (ωt ) = I d 2π ∫ Vd (ωt ) = I d Vd
u u
VI d
Pd = − fLs I d2
3
44 of 151

PROBLEMA (Mohan 5-6)

No circuito retificador monofásico simplificado mostrado na figura abaixo


com Ls=0 e uma corrente cc constante Id, obtenha os valores médio e eficaz
da corrente através de cada diodo em função de Id.

Resposta

Id iD1
iD3
0 0 ωt
180 180

• Corrente média

T π
1 1
I média =
T 0
idt = ∫
2π ∫I
0
dd ωt

Id
I média =
2
• Corrente eficaz

T π
1 2 1
∫ ∫I ωt
2
I eficaz = i dt = dd
T 0 2π 0

Id
I eficaz =
2
45 of 151

Efeito de L S na comutação

• Antes de ωt = 0 , diodos 3 e 4 estão conduzindo I d e iS = − I d .


• 0 < ωt < u
46 of 151

- v S torna-se positiva e diodos 1 e 2 tornam-se diretamente polarizados.

iD1 = iD 2 = iu
iD 3 = iD 4 = I d − iu
is = − I d + 2iu

- Em ωt = u , iD1 = iD 2 = I d e is = I d .
• Intervalo de comutação
u Id

Au = ∫
0
2Vs sen ωtd (ωt ) = ωLs ∫ di
−Id
s =2ωLs I d

Au = 2Vs (1 − cos u ) = 2ωLs I d


2ωLs
cos u = 1 − Id
2Vs

• Tensão média
areaAu 2ωLs I d
Vd = Vdo − = 0,9Vs −
π π

Tensão do lado CC constante


PROBLEMA (Mohan 5-7)
No circuito retificador monofásico da figura abaixo, assuma que a
impedância no lado ca é desprezível. Uma indutância Ld é colocada entre a
saída do retificador e o capacitor do filtro. Derive o valor mínimo de Ld em

termos de Vs , ω e I d que irá resultar em um i d contínuo assumindo que a


ondulação em v d é desprezível.
47 of 151

Resposta

id
Vd
vret
ωt
θb

• Tensão CC média
vs = 2Vs sen ωt
2Vs [cos 0 − cos π ]
π
1 2 2Vs
Vret =
π ∫
0
2Vs sen ωtdωt =
π
=
π
• Cálculo de Vd
vret = v Ld + Vd
T T T
1 1 1
T ∫0 T ∫0 T ∫0
v ret dt = v Ld dt + Vd dt

2 2Vs
Vret = Vd =
π
• Cálculo de θb
Vd = vs
2 2Vs
= 2Vs sen θ b
π
2
θ b = arcsen
π
• Corrente instantânea
di
vret = Ld d + Vd
dt
v − Vd
did = ret dt
Ld
i (ωt )

∫θ ( )
ωt
1
∫ d ωLd
di
i (θ b )
= 2Vs sen ωt − Vd dωt
b

2Vs cos θ b − 2Vs cos ωt + Vdθ b − Vd ωt


id (ωt ) =
ωLd
48 of 151

• Corrente média
π +θ b π +θ b

∫θ ( )
1 1
π θ∫b
Id = i d ωt = 2Vs cos θ b − 2Vs cos ωt + Vdθ b − Vd ωt dωt
πωLd
d
b

Vd (ωt ) π +θ b ⎤
1 ⎡
( )
2

Id = ⎢ 2Vs cos θ b + Vdθ b ωt − 2Vs sen ωt − θb ⎥


πωLd ⎣ 2 ⎦
1 ⎡
( ) Vd π 2 + 2πθb ⎤ ( )
Id = ⎢ 2Vs cos θ b + Vdθ b π + 2 2Vs sen θ b − ⎥
πωLd ⎣ 2 ⎦
• Ld mínimo

Ld =
1 ⎡
( )
⎢ 2Vs cosθ b Vd θ b π 2 2Vs sen θ b
+ + −
(
Vd π 2 + 2πθ b ⎤

)
πωI d ⎣ 2 ⎦

Ld =
1 ⎡⎛⎜
⎢ 2Vs cosθ b +
2 2Vsθ b ⎞⎟
π + 2 2Vs sen θ b −
(
2 2Vs π 2 + 2πθ b )⎤⎥
πωI d ⎢⎣⎜⎝ π ⎟
⎠ 2π ⎥⎦
2Vs
Ld = [π cosθ b + 2θ b + 2 senθ b − π − 2θ b ]
πωI d
2Vs ⎡ 2 4 ⎤
Ld = ⎢π cos arcsen + − π ⎥
πωI d ⎣ π π ⎦

Retificadores em ponte práticos


• Cálculos analíticos sob uma corrente altamente descontínua
49 of 151

(a) t b < t < t f

⎡ di d ⎤ ⎡− Rs −
1 ⎤
⎢ dt ⎥ ⎢ Ls ⎥⎡ i ⎤ ⎡ 1 ⎤
⎥ ⎢ d ⎥ + ⎢ Ls ⎥ v s
Ls
⎢ dv ⎥=⎢ 1
⎢ d ⎥ ⎢ −
1 ⎥ ⎣v d ⎦ ⎢ 0 ⎥
⎣ ⎦
⎣⎢ dt ⎦⎥ ⎢⎣ C d C d Rload ⎥⎦

1
(b) t f < t < t b + T
2
id = 0
dv d 1
=− vd
dt C d Rload

• Distorção da corrente da rede

• Distorção da tensão da rede


50 of 151

RETIFICADOR DOBRADOR DE TENSÃO

• Tensão de entrada é insuficiente para fornecer a tensão de saída


necessária
• O equipamento pode ter que operar com tensão da rede de 115V e 230V

• Circuito

- Chave em 230V, o circuito opera como um retificador em ponte


completa

- Chave em 115V, o circuito opera como um retificador dobrador de


tensão
51 of 151

EFEITO SOBRE A CORRENTE DE NEUTRO


ia = 2 I s1 sen(ω1t − φ1 ) + ∑ 2 I sh sen(ω ht − φ h )
h = 2 k +1

ib = 2 I s1 sen(ω1t − φ1 − 120 ) + o
∑ 2 I sh sen(ω ht − φ h − 120o h)
h = 2 k +1

ic = 2 I s1 sen(ω1t − φ1 − 240o ) + ∑ 2 I sh sen(ω ht − φ h − 240o h)
h = 2 k +1

in = ia + ib + ic = 3 ∑ 2 I sh sin(ω ht − φ h )
h = 3( 2 k −1)
1/ 2
⎛ ∞ ⎞
⎜ 2 ⎟
In = 3 ∑ I sh
⎜ h = 3( 2 k −1) ⎟
≅ 3I s 3
⎝ ⎠
52 of 151

RETIFICADORES TRIFÁSICOS EM PONTE


• Tensões trifásicas CA disponíveis: preferível usar retificadores trifásicos
- Menor ondulação nas formas de onda
- Maior capacidade de potência

Circuito idealizado com LS = 0

• Tensão média
- É suficiente considerar um dos seis segmentos e obter a média em 600
- A origem do tempo é escolhida quando a tensão vab está no máximo
53 of 151

1 1
vd = vab = 2VLL cos ωt − π < ωt < π
6 6
π /6
A= ∫ 2VLL cos ωtd (ωt ) = 2VLL
−π / 6
π /6
1 3
Vdo = ∫
π / 3 −π / 6
2VLL cos ωtd (ωt ) =
π
2VLL = 1,35VLL

• Corrente eficaz

2
Is = I d = 0,816 I d
3

- Componente na freqüência fundamental e componentes harmônicas


1
I s1 = 6 I d = 0,78 I d
π
I s1
I sh = h = 5, 7,11,13, ...
h
DPF = 1
3
PF = = 0,955
π

PROBLEMA (Mohan 5-23)


No circuito retificador trifásico simplificado da figura abaixo, obtenha os
valores médio e eficaz da corrente através de cada diodo em função da
corrente no lado cc I d .
54 of 151

Resposta

ia
Id
120
0 D4
60
0
120
0 ωt
D1
Id

• Corrente média

T 2π / 3
1 1
I média =
T 0 ∫
idt =
2π ∫I
0
ddωt

Id
I média =
3

• Corrente eficaz

T 2π / 3
1 2 1
∫ ∫I ωt
2
I eficaz = i dt = dd
T 0 2π 0

Id
I eficaz =
3
55 of 151

Efeito de L S na comutação

• Processo de comutação
ia = iu
ic = I d − iu
dia di
vLa = Ls = Ls u
dt dt
di di
vLc = Ls c = − Ls u
dt dt
diu
vcomm = van − vcn = vLa − vLc = 2 Ls
dt
56 of 151

diu van − vcn


Ls =
dt 2
Id u
van − vcn
ωLs ∫ diu = ∫ d (ωt )
0 0
2
van − vcn = 2VLL sen ωt
Id
2VLL (1 − cos u )
ωLs ∫ diu = ωLs I d =
0
2
2ωLs I d
cos u = 1 −
2VLL

• Tensão média
Au = ωL s I d
ωL s I d 3
ΔV d = = ωL s I d
π /3 π
3
V d = V do − ΔV d = 1,35V LL − ωL s I d
π

Tensão do lado CC constante


57 of 151

Retificadores trifásicos práticos


• A análise por meio de equações diferenciais é muito complicada
- O circuito prático é geralmente simulado.

RETIFICADORES MONOFÁSICOS E TRIFÁSICOS

• Retificador monofásico
- Corrente da rede contém mais distorção: fator de potência mais pobre.
- A ondulação na corrente CC é maior: capacitância do filtro deve ser
maior.
- A regulação na tensão CC de sem carga à plena carga é muito maior.

CORRENTE DE ENERGIZAÇÃO E SOBRETENSÕES

• Podem ocorrer se a tensão CA é subitamente aplicada ao circuito


Solução: resistor em série entre a saída do retificador e o capacitor do filtro
58 of 151

RETIFICADORES E INVERSORES CONTROLADOS


NA FREQÜÊNCIA DA REDE

• Aplicações em que é necessário que a tensão CC seja controlada


- Carregadores de baterias
- Acionamentos de motores CC e CA
• Aplicações em que se controla o fluxo de potência entre lados CA e CC
- Transmissão de potência CC em alta tensão
- Acionamentos de motores CC e CA com capacidades regenerativas
• Instante em que o tiristor começa ou encerra a condução
- Depende das formas de onda de tensão CA da rede
- Depende das entradas de controle
• A comutação de corrente ocorre naturalmente por causa das tensões CA
• A tensão CC média pode ser controlada de positivo a negativo
• A corrente CC do conversor não pode mudar o sentido

• Um conversor deste tipo pode operar em apenas dois quadrantes


- Os valores positivos de Vd e I d implicam em retificação
59 of 151

- Os valores negativo de Vd e positivo de I d implicam em inversão

• Em algumas aplicações o conversor opera em quatro quadrantes


- Conexão de dois conversores em anti-paralelo

CIRCUITOS A TIRISTOR
60 of 151

Controle de gatilho do tiristor

vcontrol
α o = 180o
Vˆst

PROBLEMA (Mohan 6-1)


No circuito da figura abaixo, v s1 e v s 2 têm um valor eficaz V a uma

freqüência f e as duas estão defasadas de 180 o . Assuma L s e I d


conhecidos. Para um ângulo de atraso α , obtenha as formas de onda de
v s1 , i s1 e v d . Calcule o valor médio V d e o intervalo de comutação u .

i s1 T1
Ls
i s2 T2
Ls +
vs1 vs2 vd Id
-
61 of 151

Resposta

• Valor médio da tensão CC sem efeito de L s


π +α
1 2 2
V dα =
π ∫ 2V sen ωtd (ωt ) =
π
V cos α
α

• Efeito de L s
di
v s1 = v Ls = Ls s1
dt
α +u Id
Au = ∫ ∫
2V sen ωtd (ωt ) = ωLs (di s1 ) = ωLs I d
α 0
• Valor médio da tensão CC
A ωLs I d 2πfLs I d
ΔVdu = u = = = 2 fLs I d
π π π
2 2
Vd = V cos α − 2 fLs I d
π
• Intervalo de comutação
α +u
Au = ∫ 2V sen ωtd (ωt ) = 2V [cos α − cos(α + u )] = 2πfLs I d
α
2πfL s I d
cos(α + u ) = cos α −
2V
⎛ 2πfLs I d ⎞
α + u = arccos⎜⎜ cos α − ⎟⎟
⎝ 2V ⎠
⎛ 2πfL s I d ⎞
u = arccos⎜⎜ cos α − ⎟⎟ − α
⎝ 2V ⎠
62 of 151

PROBLEMA (Mohan 6-2)


No circuito da figura abaixo, as tensões trifásicas balanceadas va, vb e vc
têm um valor eficaz V a uma freqüência f. Assuma que Ls e Id são
conhecidos. Para um ângulo de atraso α obtenha as formas de onda de va, ia
e vd. Calcule o valor médio Vd e o intervalo de comutação u.

ia T1
Ls
T2
+
T3
vd Id
va vb vc
-

Resposta

va
ia
vd
ωt

αu

• Valor médio da tensão CC sem efeito de L s

5π / 6+α
1 3 2
Vdα = ∫ 2V sen ωtd (ωt ) = V [cos(π / 6 + α ) − cos(5π / 6 + α )]
2π / 3 π / 6+α 2π
3 2
Vdα = V [cos(π / 6 )cosα − sen (π / 6 )sen α − cos(5π / 6 )cosα + sen (5π / 6)sen α ]

Vdα =
3 2

V ( )
3 cosα =
3 6

V cosα
63 of 151

• Efeito de L s

dia
v Ls = Ls
dt
α +u
Au = ∫α v ωt )
Ls d (

Id


Au = ωLs dia = ωLs I d
0

• Valor médio da tensão CC

Au 3ωLs I d 6πfLs I d
ΔVdu = = = = 3 fLs I d
2π / 3 2π 2π
3 6
Vd = V cosα − 3 fLs I d

• Intervalo de comutação

dia
vd = van − Ls
dt
di
vd = vcn − Ls c
dt
van + vcn Ls ⎛ dia dic ⎞
vd = − ⎜ + ⎟
2 2 ⎝ dt dt ⎠
dia di
=− c
dt dt
1
vd = (van + vcn )
2
dia van vcn vac
Ls = − =
dt 2 2 2
- Com a origem de tempo escolhida
vac = 2VLL sen ωt = 6V sen ωt
dia V sen ωt
= 6
d (ωt ) 2ωLs
64 of 151

Id α +u
V

0
dia = 6
2ωLs ∫α sen ωtd (ωt )
2ωLs 2 ⋅ 2πfLs
cos(α + u ) = cosα − I d = cosα − Id
6V 6V
2 6πfLs
cos(α + u ) = cosα − Id
3V
⎡ 2 6πfLs ⎤
α + u = arccos⎢cosα − Id ⎥
⎢⎣ 3V ⎥⎦
⎡ 2 6πfLs ⎤
u = arccos⎢cosα − Id ⎥ −α
⎣⎢ 3V ⎦⎥

Conversores práticos a tiristor


65 of 151

CONVERSORES MONOFÁSICOS
Circuito idealizado com Ls = 0 e i d (t ) = I d

+
S1 D1

+ is
vs vd
- Id

S2 D2
-

Figura 1 Figura 2

PROBLEMA (Mohan 6-5)


Considere o conversor monofásico mostrado da Figura 1, onde v s é
senoidal.
(a) Desenhe v s , is e vd e identifique os dispositivos conduzindo para

vários intervalos para os seguintes valores de α : 45 o , 90 o e 135o .


(b) Calcule FD, FP e DHT% para Vd = Vdo / 2 , onde Vdo é a saída cc em
α = 0.
(c) Repita a parte (b) para um conversor em ponte completa.
(d) Compare os resultados das partes (b) e (c).
Resposta
(a) Formas de onda
α = 45 o
vs
is
vd
D1 D2 D1 D2 D1 S2 ωt
S1 D2
66 of 151

α = 90 o

vs
is
vd
D1 D2 D1 S2 ωt
D1 D2 S1 D2

α = 135o

vs
is
vd
D1 D2 D1 S2 ωt
D1 D2 S1 D2

(b) FD, FP, DHT%


Cálculo de α
π
1 2 2
Vdo =
π ∫0
2V s sen ωtdωt =
π
Vs

V do A
Vd = = V do − α
2 π
V π 2 2 π
Aα = do = V s = 2V s
2 π 2
α
Aα = ∫0
2V s sen ωtdωt = 2V s (1 − cos α ) = 2V s

cos α = 0
α =π /2

Análise de Fourier
∞ ∞
1
f (t ) = F0 + ∑ ∑
f h (t ) = a 0 + {a h cos(hωt ) + bh sen(hωt )}
2
h =1 h =1

Simetria
Simetria Condição ah e bh
π /2
4
Ímpar, quarto- Ímpar e bh =
de-onda meia-onda π ∫ f (t ) sen(hωt )dωt para h ímpar
0
67 of 151

• FD
π /2
4I d
b1 =
4
∫ I d sen(ωt )dωt = [cos(π / 4) − cos(π / 2)] = 2 2I d
π π π
π /4
2 2I d
i s1 = sen(ωt − α / 2)
π
2
FD = cos φ1 = cos(α / 2) = cos(π / 4) =
2
• FP
2 2I d 2I d
I s1 = =
2π π
π
1 1 I d2π I
Is =
π ∫ I d2 dωt =
π 2
= d
2
π /2
I s1 2I / π 2 2
FP = FD = d =
Is Id / 2 2 π
• DHT%

DHT % = 100 ⋅
I s2 − I s21
= 100 ⋅
(I d / 2 )2 − (2I d / π )2 = 100 ⋅
π2
−1
I s1 2I d / π 8
(c) FD, FP, DHT%
68 of 151

Cálculo de α
α


Aα = 2 2Vs sen ωtdωt = 2 2Vs (1 − cos α ) = 2Vs
0
cos α = 1 / 2
α =π /3
• FD
π /2
4I d
b1 =
4
∫ I d sen(ωt )dωt = [cos(0) − cos(π / 2)] = 4 I d
π π π
0
4I d
i s1 = sen(ωt − α )
π
1
FD = cos φ1 = cos(α ) = cos(π / 3) =
2
• FP
4I d 2 2I d
I s1 = =
2π π
π
Is =
1
π∫
2
I d dω t =
π
(I π ) = I
1 2
d d
0

I s1 2 2I d / π 1 2
FP = FD = =
Is Id 2 π
• DHT%
I s2 − I s21 (I d )2 − (2 2I d / π )2 π2
DHT % = 100 ⋅ = 100 ⋅ = 100 ⋅ −1
I s1 2 2I d / π 8
(d) Comparação dos resultados
Para obter o mesmo valor de tensão média na saída do retificador em ponte
completa, foi necessário um ângulo de disparo menor devido à tensão
negativa que surge na saída durante um certo intervalo. Isto faz com que
ocorra uma maior ondulação de tensão na saída do retificador em ponte
completa. No retificador ponte completa, o FD e o FP são menores,
indicando que o mesmo tem menor capacidade de transmitir potência ativa
para um mesmo valor de potência aparente. A DHT nos dois casos é a
mesma. Portanto, o retificador da Figura 1 deveria ser usado porque além
das vantagens citadas, apresenta um menor custo.
69 of 151

Efeito de Ls

• Intervalo de comutação
di
v s = v Ls = Ls s
dt
α +u Id


α
2V s sen ωtd (ωt ) = ωL s ∫ (di
−Id
s ) = 2ωL s I d

α +u
Au = ∫
α
2V s sen ωtd (ωt )

Au = 2V s [cos α − cos(α + u )] = 2ωL s I d


2ωL s I d
cos(α + u ) = cos α −
2V s
70 of 151

• Queda de tensão
A 2ωLs I d
ΔVdu = u =
π π
2
Vd = 0,9Vs cosα − ωLs I d
π

• Corrente de linha
- Forma de onda essencialmente trapezoidal
⎛ 1 ⎞
DPF ≅ cos⎜α + u ⎟
⎝ 2 ⎠
- Valor eficaz
Vs I s1DPF = Vd I d
0,9Vs I d cosα − (2 / π )ωLs I d2
I s1 ≅
Vs cos(α + u / 2)

Conversores práticos a tiristor


• Aplica-se a carregadores de baterias e acionamentos de motores CC

• Valor médio da tensão CC


2
Vd ≅ 0,9V s cos α − ωLs I d ,min
π
onde I d ,min é o valor mínimo de I d que ocorre em ωt ≅ α
71 of 151

• Valor médio da corrente CC


di
v d = rd i d + Ld d + E d
dt
T T I d (T )
1 rd Ld
T ∫0 ∫ ∫ did
v d dt = i d dt + + Ed
T 0
T I d ( 0)
Vd = rd I d + E d

• Condução de corrente descontínua

Operação no modo inversor


72 of 151

- O valor médio de v d é negativo: potência média Pd = Vd I d é negativa


- φ1 > 90 : a potência média Pac = V s I s1 cos φ1 é negativa
o

• Fonte de tensão no lado CC

- Suposição de um valor de Ld grande permite assumir i d constante


2
E d = Vd = Vdo cos α − ωLs I d
π
• Ângulo de extinção é o intervalo que a tensão sobre o tiristor é negativa
γ = 180 o − (α + u )
- O tempo de extinção deve ser maior que o tempo de bloqueio do tiristor
• Inicialização do inversor
- Ângulo de atraso α inicialmente grande de modo que i d é descontínuo
73 of 151

CONVERSORES TRIFÁSICOS
PROBLEMA (Mohan 6-11)
No conversor trifásico da figura abaixo, igualando as potências dos lados
ca e cc, mostre que a expressão para o fator de deslocamento é dada por
1
FD ≅ [cosα + cos(α + u )]
2
Para calcular a corrente fundamental, considere o efeito da indutância
desprezível.
74 of 151

Resposta
Pca = Pcc
3VLL I1 FD = Vd I d

(a) Corrente fundamental (I1)

• Simetria
∞ ∞
1
f (t ) = F0 + ∑
h =1
f h (t ) = a0 +
2
∑ {a
h =1
h cos(hωt ) + bh sen( hωt )}

Simetria Condição ah e bh
a h = 0 para todo h
Ímpar, quarto- Ímpar e π /2

meia-onda ⎪ b = 4
de-onda
⎪ h
⎨ π
0

f (t ) sen(hωt )dωt para h ímpar

⎪⎩bh = 0 para h par

• Cálculo de I1
4 I d cos(π / 6 )
π /2
4 4 I d cos(ωt ) π / 2
π π∫
b1 = I sen(ωt )dωt = − π /6 =
/6
d
π π
2 3I d 6I d
i1 (t ) = sen(ωt ) I1 =
π π

(b) Tensão Média (Vd)


• Tensão CC média com α = 0
3 2
Vdo = VLL
π
• Tensão CC média com um ângulo de atraso α

Vdα = Vdo −
π /3
vac = 2VLL sen ωt
α
Aα = ∫
0
2VLL sen ωtdωt = 2VLL (1 − cosα )

3 2
Vdα = VLL cosα
π
75 of 151

• Tensão CC média com um ângulo de atraso α e intervalo de comutação

v Pn = v an − v Ls
dia
v Ls = Ls
dt
α +u
Au = ∫α v ωt )
Ls d (

di a v an v cn v ac
Ls = − =
dt 2 2 2
v ac = 2VLL sen ωt
α +u
2VLL 2VLL
Au = ∫ sen ωtd (ωt ) = [cosα − cos(α + u )]
2 α
2
3 2VLL 3 2VLL
Vd = cosα − [cosα − cos(α + u )]
π 2π
(c) Fator de Deslocamento (FD)

3 2VLL I d / π
FD =
Vd I d
= {cosα − [cosα − cos(α + u )]/ 2}
3VLL I1 3VLL 6 I d / π
1
FD = [cosα + cos(α + u )]
2
76 of 151

PROBLEMA (Mohan 6-12)


No conversor trifásico do problema 20, tem-se tensão eficaz de linha V LL

na freqüência f e Ls . Calcule o ângulo de comutação u se Vd e Pd são


os valores médios.

Resposta
• Tensão CC média
v Pn = v an − v Ls

di a
v Ls = L s
dt
α +u
Au = ∫α v Ls d (ωt )

Id

Au = ωL s ∫ di a = ωLs I d
0

3 2 3ωLs
Vd = V LL cos α − Id
π π
Vd + (3 ⋅ 2πfL s / π )(Pd / Vd ) π (Vd2 + 6 fL s Pd )
cos α = =
3 2V LL / π 3 2V LLVd
• Durante a comutação
di a
v Pn = v an − Ls
dt
di
v Pn = v cn − Ls c
dt
v + v cn L s ⎛ di a dic ⎞
v Pn = an − ⎜ + ⎟
2 2 ⎝ dt dt ⎠
di a di
=− c
dt dt
1
v Pn = (v an + v cn )
2
77 of 151

• Intervalo de comutação
di a v an v cn v ac
Ls = − =
dt 2 2 2
- Com a origem de tempo escolhida

v ac = 2V LL sen ωt
dia V sen ωt
= 2 LL
d (ωt ) 2ωLs
Id α +u
V
∫ di a = 2 LL
2ωLs ∫ sen ωtd (ωt )
0 α

cos(α + u ) = cos α −
2ωLs
Id =
(
π Vd2 + 6 fLs Pd ) − 2 ⋅ 2πfLs Pd
2V LL 3 2V LLVd 2V LL Vd

cos(α + u ) =
(
π Vd2 + 6 fLs Pd − 12 fLs Pd ) = π (Vd2 − 6 fLs Pd )
3 2V LLVd 3 2V LLVd
(
⎡ π V 2 − 6 fLs Pd
α + u = arccos⎢ d
)⎤⎥
⎢ 3 2V LLVd ⎥
⎣ ⎦
(
⎡ π V 2 − 6 fLs Pd
u = arccos⎢ d )⎤⎥ − arccos⎡⎢π (Vd2 + 6 fLs Pd )⎤⎥
⎢ 3 2V LLVd ⎥ ⎢ 3 2V LLVd ⎥
⎣ ⎦ ⎣ ⎦

PROBLEMA (Mohan 6-13)


Em termos de V LL e I d no conversor trifásico do problema 20 com Ls=0,
calcule a tensão reversa de pico e os valores médio e eficaz da corrente em
cada tiristor.
Resposta
• Tensão reversa de pico
- Tensão reversa em T1 é Vba ou Vca dependendo se T3 ou T5 conduz.
- Para 00≤α≤300, os picos de Vba e Vca aparecem em T1.
- Para 300<α≤900, o pico de Vba aparece em T1, enquanto que o pico de
Vca já não aparece em T1
78 of 151

- Para 900<α≤1800, os picos de Vba e Vca não aparecem em T1 e a medida


que α aumenta, os valores de tensão em T1 diminuem senoidalmente.
- Para α>1800, não há como disparar T1 já que não existe tensão direta
aplicada sobre o tiristor.
0 0 ≤ α ≤ 90 0 ⇒ V reversa = 2V LL
90 0 < α ≤ 180 0 ⇒ V reversa = 2V LL sen α
α > 180 0 ⇒ impossível

va
vb
vc
ωt

vba
vca

ωt

• Corrente média

ia
Id
120
0 T4
60
0
120
0 ωt
T1
Id

T 2π / 3
1 1
I média =
T 0 ∫
idt =
2π ∫I
0
ωt
dd

Id
I média =
3
79 of 151

• Corrente eficaz

T 2π / 3
1 2 1
∫ ∫I ωt
2
I eficaz = i dt = dd
T 0 2π 0

Id
I eficaz =
3

PROBLEMA (Mohan 6-14)


No conversor trifásico da figura abaixo, derive a expressão para a corrente
cc mínima I d que resulta em uma condução de corrente contínua para V LL ,

ω , Ld e α = 30 o dados. Assuma que Ls e rd são desprezíveis e E d é uma

tensão cc.

Resposta

id
Ed
vd
ωt
80 of 151

• Tensão CC média com um ângulo de atraso α


v LL = 2VLL cos ωt
π /3
1 3 2V LL sen (π / 3) 3 6V LL
Vd =
π /3 ∫ 2V LL cos ωtdωt =
π
=

0

• Cálculo de Ed

v d = v Ld + E d
T T T
1 1 1
T ∫
v d dt =
T ∫
v Ld dt +
T
E d dt ∫
0 0 0
3 6V LL
E d = Vd =

• Corrente instantânea
did
v d = Ld + Ed
dt
v − Ed
did = d dt
Ld
i (ωt ) ωt

∫( )
1
∫ did =
ωLd
2V LL cos ωt − E d dωt
i ( 0) 0

2V LL sen ωt − E d ωt
id (ωt ) =
ωLd
• Corrente média
π /3 π /3

∫( )
1 3 3 ⎡ 2V LL π2⎤
Id =
π /3 ∫ id dωt =
πωLd
2V LL sen ωt − E d ωt dωt =
πωLd

⎢⎣ 2
− Ed ⎥
18 ⎥⎦
0 0

Id =
3 ⎡ 2V LL 3 6V LL π 2 ⎤

πωLd ⎣⎢ 2


⎥=
V LL
18 ⎥⎦ 4πωLd
6 2 −π 6 [ ]
81 of 151

CONVERSORES CC-CC

• São usados em fontes cc chaveadas e acionamentos de motores cc

• Conversores
- Abaixador (buck)
- Elevador (boost)
- Abaixador/elevador (buck-boost)
- Cúk
- Em ponte completa
• Os conversores são analisados em regime permanente
• As chaves são ideais e as perdas no indutor e capacitor são desprezadas
• A tensão na entrada cc é assumida como tendo impedância interna zero

CONTROLE DE CONVERSORES CC-CC

• Circuito básico

• Modulação por largura de pulso (PWM)


- Chaveamento a freqüência constante e ajuste da duração da chave ligada
82 of 151

- Razão de trabalho
t on v controle
D= =
Ts Vˆst

CONVERSOR ABAIXADOR (BUCK)

• O circuito básico é um conversor abaixador para uma carga resistiva

1
Ts
1 ⎛ ton Ts ⎞
⎜ v dt + 0dt ⎟ = t on V = DV
Vo =
Ts ∫ v o (t ) dt =
Ts ⎜⎜ ∫ d ∫ ⎟⎟ Ts d d
0 ⎝ 0 ton ⎠
Vd
Vo = v controle = kvcontrole
Vˆ st
Vd
k= = cons tan te

st

• Variando a razão de trabalho t on / Ts da chave, Vo pode ser controlada

• A tensão de saída média Vo varia linearmente com a tensão de controle


83 of 151

• Em aplicações reais, o circuito tem dois problemas


- Com carga indutiva, a chave teria que absorver energia indutiva
- A tensão de saída flutua entre zero e Vd , o que não é aceitável

• Durante o intervalo em que a chave está ligada


- Entrada fornece energia para a carga e para o indutor
• Durante o intervalo em que a chave está desligada
- Transfere parte da energia armazenada à carga
• O capacitor do filtro na saída é muito grande
- Tensão de saída instantânea aproximadamente constante v o (t ) = Vo
84 of 151

• A corrente média no capacitor em regime permanente é zero


- A corrente média no indutor é igual a corrente média na saída I o

Modo de condução contínua

Ts ton Ts

∫ v L dt = ∫ v L dt + ∫ v L dt = 0
0 0 ton
(Vd − Vo )t on = Vo (Ts − t on )
Vo t on
= =D
V d Ts
A tensão de saída pode também ser derivada pela média da tensão v oi
Vd t on + 0 ⋅ t off
= Vo
Ts
Vo t on
= =D
V d Ts

Desprezando as perdas associadas a todos os elementos do circuito


85 of 151

Pd = Po
V d I d = Vo I o
I o Vd 1
= =
I d Vo D

Limite entre condução contínua e descontínua

PROBLEMA (Mohan 7-1)


Em um conversor abaixador (Figura 1), considere todos os componentes
ideais. Faça vo ≅ Vo ser constante pelo controle da razão de trabalho D da
chave. Calcule a indutância mínima L requerida para manter a operação do
conversor em um modo de condução contínua sob todas as condições se
Vd varia de 2Vo a 8Vo , dados Po e f s .

Figura 1
Resposta
• Modo de condução contínua
Ts ton Ts

∫ v L dt = ∫ v L dt + ∫ v L dt = 0
0 0 ton
(Vd − Vo )t on = Vo (Ts − t on )
Vo t on
= =D
V d Ts

• Limite entre condução contínua e descontínua


86 of 151

1
i L , peak = on (Vd − Vo ) = (Vd − Vo ) = I oB
t DTs
I LB =
2 2L 2L
L=
DTs
(Vd − Vo ) = (Vo / Vd )(1 / f s ) (Vd − Vo )
2 I oB 2 Po / Vo
Vo2 2 3
L= (Vd − Vo ) = Vo − Vo
2 PoVd f s 2 Po f s 2 PoVd f s

Vo2 Vo3 7Vo2


L= − =
2 Po f s 2 Po 8Vo f s 16 Po f s

Modo de condução descontínua


• Modo de condução descontínua com Vd constante
- Corrente média no indutor no limite do modo de condução contínua
TV
I LB = s o (1 − D )
2L
I LB = s d D(1 − D )
TV
2L
TV
I LB ,max = s d
8L
I LB = 4 I LB ,max D(1 − D )
87 of 151

(Vd − Vo )DTs + (−Vo )Δ 1Ts = 0


Vo D
=
Vd D + Δ 1
Vo
I L , peak = Δ 1Ts
L
D + Δ 1 V o Ts V T
I o = i L , peak = ( D + Δ 1 )Δ 1 = d s DΔ 1 = 4 I LB , max DΔ 1
2 2L 2L
Io
Δ1 =
4 I LB , max D
Vo D2
=
Vd
D2 +
1
(I o / I LB,max )
4

• Modo de condução descontínua com Vo constante

- Vd pode flutuar, mas Vo é mantida constante pelo ajuste de D


- Corrente média no indutor no limite do modo de condução contínua
Ts V o
I LB = (1 − D )
2L
- Valor máximo de I LB
Ts Vo
I LB ,max =
2L
88 of 151

A operação correspondendo a D = 0 e Vo finito requer Vd infinito

I LB = (1 − D )I LB ,max

- Razão de trabalho D em função de I o / I LB ,max


1/ 2
V ⎛ I o / I LB ,max ⎞
D= o ⎜ ⎟
⎜ 1 −V /V ⎟
Vd ⎝ o d ⎠

Ondulação da tensão de saída


89 of 151

• Ondulação de tensão pico a pico


Assumindo que toda a corrente de ondulação de i L flui no capacitor
ΔQ 1 1 ΔI L Ts
ΔVo = =
C C 2 2 2
V
ΔI L = o (1 − D)Ts
L
T V
ΔVo = s o (1 − D)Ts
8C L
2
ΔVo 1 Ts2 (1 − D) π 2 ⎛f ⎞
= = (1 − D)⎜⎜ c ⎟⎟
Vo 8 LC 2 ⎝ fs ⎠
onde
f s = 1 / Ts
1
fc =
2π LC
PROBLEMA (Mohan 7-2)
Em um conversor abaixador operando no limite da condução contínua,
considere todos os componentes ideais. Assuma que Vo, fs, L, C, Vd e Io são
conhecidos. Calcule ΔVo (pico a pico).

Resposta
• Limite entre condução contínua e descontínua
90 of 151

1
I L = iL , pico = I o
2
• Ondulação da tensão de saída
I L,pico - I o

x ΔQ
2
ΔQ y ΔQ
1 3

-I o
t on t off

ΔQ1 + ΔQ2 + ΔQ3 = 0

− +
( −
)
xI o y i L , pico − I o [Ts − (x + y )]I o
=0
2 2 2
xI yI TI xI yI
− o + o − s o + o + o =0
2 2 2 2 2
T 1
y= s =
2 2 fs

• Cálculo de ΔVo

ΔQ2
ΔVo =
C

ΔVo =
(
y iL , pico − I o ) = y(2I o − Io )
= o
I
2C 2C 4 f sC

CONVERSOR ELEVADOR (BOOST)


91 of 151

• Quando a chave está ligada


- O diodo está reversamente polarizado, isolando o estágio de saída
- A entrada fornece energia ao indutor
• Quando a chave está desligada
- O estágio de saída recebe energia do indutor e da entrada
• O capacitor do filtro de saída é assumido como sendo grande v o (t ) ≅ Vo

Modo de condução contínua

Em regime permanente a integral da tensão no indutor no período é zero


Vd t on + (Vd − Vo )t off = 0
Vo T 1
= s =
Vd t off 1 − D

Assumindo um circuito sem perdas


Pd = Po
Vd I d = Vo I o
Io
= 1− D
Id
92 of 151

Limite entre condução contínua e descontínua

1 1 Vd TV
I LB = i L , peak = t on = s o D(1 − D )
2 2 L 2L
= s o D(1 − D )
TV 2
I oB
2L
Ts V o
I LB ,max =
8L
2 Ts V o TV
I oB ,max = = 0,074 s o
27 L L
I LB = 4 D(1 − D )I LB ,max
27
D(1 − D ) I oB ,max
2
I oB =
4

Modo de condução descontínua


93 of 151

Igualando a integral da tensão no indutor sobre um período de tempo a zero

Vd DTs + (Vd − Vo )Δ 1Ts = 0


Vo Δ 1 + D
=
Vd Δ1
Io Δ1
= (desde que Pd = Po )
I d Δ1 + D

• Corrente média

Vd
Id = DTs (D + Δ 1 )
2L
⎛T V ⎞
I o = ⎜ s d ⎟ DΔ 1
⎝ 2L ⎠

• Razão de trabalho D em função da corrente de carga

1/ 2
⎡ 4 Vo ⎛ Vo ⎞ Io ⎤
D=⎢ ⎜⎜ − 1⎟⎟ ⎥
⎢⎣ 27 Vd ⎝ Vd ⎠ I oB ,max ⎥⎦
94 of 151

Ondulação da tensão de saída

ΔQ I o DTs
ΔVo = = (assumindo uma corrente constante na saída)
C C
Vo DTs
ΔVo =
R C
ΔVo DTs T
= = D s (onde τ = RC é a constante de tempo)
Vo RC τ

PROBLEMA (Mohan 7-8)


Em um conversor elevador operando no limite da condução contínua,
Vd , Vo , L, C e f s são conhecidos. Calcule ΔVo (pico a pico).

Resposta

Em regime permanente a integral da tensão no indutor no período é zero


95 of 151

Vd t on + (Vd − Vo )t off = 0
V o Ts 1
= =
Vd t off 1 − D

Assumindo um circuito sem perdas


Pd = Po
Vd I d = Vo I o
Io
= 1− D
Id

• Limite entre condução contínua e descontínua


1 1 Vd TV
IL = I L , pico = t on = s o D(1 − D )
2 2 L 2L
TV
I o = s o D(1 − D )
2

2L

• Ondulação da tensão de saída

I L,pico - I o

ΔQ
2
Δ ΔQ
ΔQ 1 3
1
-I o
t on t off
96 of 151

Vd
1− D =
Vo
Vd
D =1−
Vo

ΔQ
ΔVo =
C

ΔQ1 + ΔQ 2 + ΔQ3 = 0
(
I o (Ts − t on − Δ 1 ) I L , pico − I o Δ 1 )
− I o t on − + =0
2 2
− 2 I o t on − I o Ts + I o t on + I o Δ 1 + I L , pico Δ 1 − I o Δ 1 = 0
I L , pico Δ 1 = I o t on + I o Ts
I o (t on + Ts )
Δ1 =
I L , pico

• Cálculo de ΔVo
(
Δ 1 I L , pico − I o ) Δ 1 I L , pico Δ 1 I o I o t on + I o T s I L , pico I o t on + I o Ts I o
ΔV o = = − = −
2C 2C 2C I L , pico 2C I L , pico 2C
I o t on I o Ts I o2 t on I o2 Ts I ⎛ I D I ⎞
ΔV o = + − − = o ⎜ D +1− o − o ⎟
2C 2C 2 I L , pico C 2 I L , pico C 2 f s C ⎜⎝ I L , pico I L , pico ⎟

I o f s L I o f s L ⎞ V o D(1 − D ) ⎜ D + 1 − V o (1 − D ) (D + 1) ⎟
⎛ ⎞
2 2
Io ⎛
ΔV o = ⎜ D +1− − ⎟ =
2 f s C ⎜⎝ Vd V d D ⎟⎠ 4 f s2 LC ⎜
⎝ 2V d ⎟

(1 − V d / Vo )V d2 ⎛ V
⎜⎜ 2 − d −
(1 − V d / Vo )V d − V d ⎞

ΔV o = 2 ⎟
4Vo f s LC ⎝ Vo 2V o ⎠
(Vo − V d )V d2
ΔV o = (4V o
2
− 2VoV d − V d2 )
8Vo4 f s2 LC

CONVERSOR BUCK-BOOST
• Principal aplicação do conversor buck-boost é em fontes CC reguladas
• Pode ser obtido pela conexão em cascata dos conversores buck e boost
- A razão da tensão saída-entrada é o produto das razões dos conversores
97 of 151

Vo 1
=D (assumindo que as chaves têm a mesma razão de trabalho)
Vd 1− D

• Pode ser obtido pela combinação do buck e boost em conversor único

- Capacitor de saída grande resulta em tensão de saída constante


v o (t ) ≅ Vo

Modo de condução contínua


98 of 151

Vd DTs + (−Vo )(1 − D)Ts = 0


Vo D
=
Vd 1 − D

I o 1− D
= (assumindo Pd = Po )
Id D

Limite entre condução contínua e descontínua


PROBLEMA (Mohan 7-12)
Em um conversor buck-boost, considere todos os componentes ideais. Faça
Vd variar de 8Vo / 15 a 8Vo / 3 com Vo regulada. Calcule Lmin que manterá o

conversor operando no modo de condução contínua se f s , C e Po são


dados.

Resposta
99 of 151

V d DTs + (−Vo )(1 − D)Ts = 0


Vo D
=
Vd 1 − D

I o 1− D
= (assumindo Pd = Po )
Id D
1 TV
I L = I L , pico = s d D
2 2L

I o = I L − I d (desde que a corrente média no capacitor é zero)

Ts Vo
IL = (1 − D )
2L
TV
I o = s o (1 − D) 2
2L

• Cálculo de D
Vo D
=
Vd 1 − D
Vo
D=
V d + Vo

• Cálculo de Lmin
Ts Vo Vo Vo2
L= 2
(1 − D) = 2
(1 − D) = (1 − D) 2
2I o 2 f s Po / Vo 2 f s Po
2 2
Vo2 ⎛ Vo ⎞ Vo2 ⎛ Vd ⎞
L= ⎜⎜1 − ⎟⎟ = ⎜⎜ ⎟⎟
2 f s Po ⎝ V d + Vo ⎠ 2 f s Po ⎝ V d + Vo ⎠
2
Vo2 ⎛ 8Vo / 3 ⎞ 32Vo2
Lmin = ⎜⎜ ⎟⎟ =
2 f s Po ⎝ 8Vo / 3 + Vo ⎠ 121 f s Po

Limite entre condução contínua e descontínua


T s Vo
I LB , max =
2L
TV
I oB ,max = s o
2L
I LB = I LB ,max (1 − D )
I oB = I oB ,max (1 − D ) 2
100 of 151

Modo de condução descontínua

Vd DTs + (−Vo )Δ1Ts = 0


Vo D
=
Vd Δ1

I o Δ1
= (assumindo Pd = Po )
Id D

Vd
IL = DTs ( D + Δ1 )
2L

• D como função da corrente na carga I o para vários valores de Vo / Vd

Vo Io
D=
Vd I oB , max
101 of 151

Ondulação da tensão de saída

• Assumindo que toda a corrente de ondulação de i D flui no capacitor

ΔQ I o DTs
ΔVo = = (assumindo uma corrente de saída constante)
C C

Vo DTs
ΔVo =
R C

ΔVo DTs T
= =D s
Vo RC τ

CONVERSOR CÚK

Em regime permanente, as tensões médias no indutores são zero


VC1 = Vd + Vo
102 of 151

Assumindo C1 suficientemente grande, em regime permanente


vC1 ≅ VC1

• Tensões e correntes em regime permanente


- Tensões em L1 e L2
L1 : V d DTs + (V d − VC1 )(1 − D)Ts = 0
1
VC1 = Vd
1− D
L 2 : (VC1 − Vo ) DTs + (−Vo )(1 − D)Ts = 0
1
VC1 = Vo
D
Vo D
=
Vd 1 − D
103 of 151

I o 1− D
= (assumindo Pd = Po )
Id D

onde I L1 = I d e I L 2 = I o

- Carga associada a C1
I L1 (1 − D)Ts = I L 2 DTs
I L2 Io 1 − D
= =
I L1 I d D

Vo D
= (assumindo Pd = Po )
Vd 1 − D

• Vantagem
- Correntes de entrada e do estágio de saída têm pequena ondulação
• Desvantagem
- Capacitor com capacidade de conduzir correntes com grande ondulação

CONVERSOR EM PONTE COMPLETA


• Aplicações
- Acionamentos de motor CC
- Conversão CC-AC em fontes CA ininterruptas monofásicas
- Conversão CC-CA em fontes CC chaveadas isoladas por transformador
104 of 151

• Este conversor pode operar nos quatro quadrantes do plano io − vo

• O conversor em ponte completa consiste de duas pernas, A e B


- Cada perna consiste de duas chaves e seus diodos em anti-paralelo
- Em cada perna quando uma chave está desligada, a outra está ligada
- Na prática, as chaves são desligadas por um curto intervalo de tempo
• Tensão de saída
v AN = V d (se T A+ está ligada e T A− está desligada)
v AN = 0 (se T A− está ligada e T A+ está desligada)
V d t on + 0 ⋅ t off
V AN = = V d ⋅ DTA+
Ts
onde t on e t off são os intervalos de T A+ ligada e desligada
V BN = V d ⋅ DTB +
• Saída do conversor ( Vo = VAN − VBN )
- Pode ser controlada pela razão de trabalho da chave
- É independente da magnitude e sentido de io
PROBLEMA (Mohan 7-18)
Em um conversor cc-cc em ponte completa usando PWM com
chaveamento bipolar da tensão, vcontrole = 0,5Vˆtri . Obtenha Vo e I d em
termos de Vd e I o dados. Assuma que io (t ) ≅ I o . Pela análise de Fourier,
calcule as amplitudes dos harmônicos na freqüência de chaveamento em
vo e i d .
105 of 151

Resposta
• Tensão de saída
v AN = V d (se T A+ está ligada e T A− está desligada)

v AN = 0 (se T A− está ligada e T A+ está desligada)

V d t on + 0 ⋅ t off
V AN = = V d ⋅ DTA+
Ts

onde t on e t off são os intervalos de T A+ ligada e desligada

V BN = V d ⋅ DTB +

PWM com chaveamento bipolar da tensão

• Chaves ( TA+ , TB − ) e TB + , TA− são tratadas como pares de chaves


• Um dos dois pares de chaves está sempre ligado
• Razões de trabalho das chaves

t 1
vtri = Vˆtri 0<t < Ts
Ts / 4 4
106 of 151

Em t = t1 , vtri = v control
vcontrol Ts
t1 =
Vˆtri 4

- Razão de trabalho D1 do par de chaves 1 ( T A+ , TB − )


1
ton = 2t1 + Ts
2
t 1⎛ v ⎞
D1 = on = ⎜⎜1 + control ⎟⎟
Ts 2 ⎝ Vˆtri ⎠

- Razão de trabalho D2 do par de chaves 2 ( TB + , T A− )


D2 = 1 − D1

• Tensão de saída
Vo = V AN − V BN = D1V d − D 2V d = (2 D1 − 1)V d
V V
Vo = d v control = d 0,5Vˆtri = 0,5V d
Vˆ tri Vˆ tri

• Corrente de entrada

I d = D1I o − D2 I o = (2 D1 − 1)I o
I I
I d = o vcontrol = o 0,5Vˆtri = 0,5I o
Vˆtri Vˆtri

• Amplitude dos harmônicos na freqüência de chaveamento

Simetria Condição a h e bh
bh = 0 para todo h
f (−t ) = f (t )
Par 2
π
ah =
π ∫ f (t ) cos(hωt )dωt
0
107 of 151

π π /4 π
2 2 ⎛⎜ ⎞
a1 = ∫
v o cos(ωt )d (ωt ) = ∫− Vd cos(ωt )d (ωt ) + Vd cos(ωt )d (ωt ) ⎟

π π ⎜ ⎟
0 ⎝ 0 π /4 ⎠
2⎛ 2⎛ 2 2 ⎞⎟
a1 = ⎜ − Vd sen(ωt ) π / 40 + Vd sen(ωt ) π /π4 ⎞⎟ = ⎜⎜ − Vd − Vd
π⎝ ⎠ π⎝ 2 2 ⎟⎠
2 2Vd
Vo1 =
π
2 2I o
I d1 =
π
PWM com chaveamento unipolar da tensão
• Independentemente do sentido de io , vo = 0 se TA+ e TB + estão ligadas
• Similarmente, vo = 0 se TA− e TB − estão ligadas
• Pode ser explorado para melhorar a forma de onda da tensão de saída

TA+ ligada : se vcontrol > vtri


TB + ligada : se − vcontrol > vtri

- Razões de trabalho D1 da chave T A+ e D2 da chave TB +


1 ⎛ vcontrol ⎞
D1 = ⎜ + 1⎟
2 ⎜⎝ Vˆtri ⎟

D2 = 1 − D1
108 of 151

• Tensão de saída
Vo = (2 D1 − 1)Vd =
Vd
vcontrol
Vˆtri

INVERSORES CHAVEADOS
• Uso dos inversores chaveados
- Acionamentos de motores ca e sistemas de energia ca ininterruptas
• Objetivo
- Produzir saída ca senoidal cuja magnitude e freqüência são controladas

• O inversor chaveado é um conversor com fluxo de potência reversível


• Durante frenagem do motor, a potência flui do lado ca para o lado cc
- A energia recuperada durante a frenagem pode ser dissipada em resistor
• Aplicações onde a frenagem acontece freqüentemente
- Frenagem regenerativa onde a energia recuperada é realimentada à linha
- Conversor de dois quadrantes com uma corrente cc reversível
109 of 151

• Inversores fonte de corrente


- A entrada para os inversores chaveados é uma fonte de corrente cc
• Inversores fonte de tensão
- A entrada para os inversores chaveados é uma fonte de tensão cc
1. Modulado por largura de pulsos
- A tensão cc é essencialmente constante em magnitude
- Controla magnitude e freqüência das tensões ca por PWM das chaves
2. Onda quadrada
- A tensão cc é controlada de modo a controlar a magnitude da tensão ca
- Controla apenas a freqüência da tensão ca
3. Monofásico com cancelamento de tensão
- A tensão cc é constante
- Controla a magnitude e a freqüência da tensão ca sem PWM das chaves

CONCEITOS BÁSICOS
110 of 151

Esquema de chaveamento com PWM

• A forma de onda triangular tem uma freqüência de chaveamento f s

• O sinal de controle tem uma freqüência fundamental desejada f1


111 of 151

• Razão de modulação de amplitude


Vˆcontrol
ma =
Vˆ tri

• Razão de modulação de freqüência


fs
mf =
f1

• Controle das chaves T A+ e TA−


1
v control > v tri , TA + está ligada, v Ao = Vd
2
1
vcontrol < vtri , TA − está ligada, v Ao = − Vd
2
1
1. Amplitude da componente na freqüência fundamental é m a vezes Vd
2

v control Vd
V Ao = v control ≤ Vˆtri
Vˆtri 2
v control = Vˆcontrol sen ω1t Vˆcontrol ≤ Vˆtri
Vˆ V V
(v Ao )1 = control sen ω1t d = m a sen ω1t d ma ≤ 1
Vˆtri 2 2

(VˆAo )1 = ma V2d ma ≤ 1
112 of 151

2. Harmônicos na tensão de saída centrados em torno de m f ,2m f ,3m f

- Freqüências dos harmônicos de tensão


(
f h = jm f ± k f1)
h = j (m f ) ± k
- Componentes harmônicas de tensão em v AN e v Ao

1
v AN = v Ao + Vd
2
( ) ( )
Vˆ AN h = Vˆ Ao h
• Seleção da freqüência de chaveamento
- Facilidade em filtrar harmônicos de tensão em altas freqüências
- Perdas de chaveamento no inversor aumentam proporcionalmente a f s
- Na maioria das aplicações, f s é menor que 6kHz ou maior que 20kHz
• m f baixa ( m f ≤ 21 )

- Sinal triangular e sinal de controle são sincronizados (PWM síncrono)


- PWM assíncrono resulta em sub-harmônicos que são muito indesejáveis
• m f alta ( m f > 21 )

- Amplitudes dos sub-harmônicos devido ao PWM assíncrono são baixas


- Freqüência da triangular constante enquanto freqüência de vcontrol varia
• Sobremodulação ( m a > 1 )
- Tensão de saída contém mais harmônicos comparado com a faixa linear
113 of 151

- Amplitude da componente fundamental não varia linearmente com m a

Esquema de chaveamento com onda quadrada

(VˆAo )1 = π4 V2d = 1,273⎛⎜ V2d ⎞⎟


⎝ ⎠

(V ) =
ˆ
(
VˆAo )1
Ao h
h
• Cada chave do inversor muda seu estado apenas duas vezes por ciclo
• O inversor não é capaz de regular a magnitude da tensão de saída
114 of 151

INVERSORES MONOFÁSICOS

Inversores em meia-ponte

• Tensão e corrente de pico das chaves


VT = Vd
I T = io, pico

Inversores em ponte completa

• Com a mesma tensão cc


- A tensão de saída máxima é o dobro da do inversor em meia-ponte
- Mesma potência, corrente de saída é metade da do inversor meia-ponte
115 of 151

• PWM com chaveamento bipolar da tensão

- (T A+ , TB − ) e (T A− , TB + ) são chaveadas como pares de chaves 1 e 2

- A saída da perna B do inversor é o negativo da saída da perna A

v Bo (t ) = −v Ao (t )
v o (t ) = v Ao (t ) − v Bo (t ) = 2v Ao (t )

- Pico da componente fundamental na tensão de saída

Vˆo1 = m aVd (m a ≤ 1)
4
Vd < Vˆo1 < Vd (m a > 1)
π
116 of 151

• PWM com chaveamento unipolar da tensão

v control > vtri : T A+ ligada e v AN = Vd

v control < vtri : T A− ligada e v AN = 0

− v control > vtri : TB + ligada e v BN = Vd

− v control < vtri : TB − ligada e v BN = 0


- Existem quatro combinações de estados ligados das chaves
1. T A+ , TB − ligadas: v AN = Vd , v BN = 0; v o = Vd
117 of 151

2. T A− , TB + ligadas: v AN = 0, v BN = Vd ; v o = −Vd

3. T A+ , TB + ligadas: v AN = Vd , v BN = Vd ; v o = 0

4. T A− , TB − ligadas: v AN = 0, v BN = 0; vo = 0
- Espectro harmônico da forma de onda da tensão de saída

Vˆo1 = m aVd (m a ≤ 1)
4
Vd < Vˆo1 < Vd (m a > 1)
π
INVERSORES MONOFÁSICOS
• Operação com onda quadrada
- (T A+ , TB − ) e (T A− , TB + ) são operadas como dois pares com razão 0,5
- A magnitude da tensão de saída é regulada pelo controle da tensão cc
4
Vˆo1 = Vd
π
• Controle da saída pelo cancelamento de tensão
118 of 151

- Este controle é aplicável apenas em inversor ponte completa monofásico


- O ângulo α de superposição da forma de onda pode ser controlado
- Componentes harmônicas da tensão de saída
π /2 β
( )h = π ∫ vo cos(hθ )dθ = π ∫ Vd cos(hθ )dθ
Vˆo
2 2
−π / 2 −β

(Vˆo )h = π4h Vd sen(hβ )


1
onde β = 90 − α e h é um inteiro ímpar
o
2
• Utilização da chave em inversores em ponte completa
- Tensão e corrente de pico nas chaves
VT = Vd
I T = io, pico
• Ondulação na saída de inversores monofásicos

- Pelo princípio da superposição, toda a ondulação em vo aparece em L

v ripple (t ) = vo − vo1

- Ondulação da corrente de saída


119 of 151

t
1
iripple (t ) = ∫ v ripple (ζ )dζ + k
L0

onde k é uma constante e ζ é uma variável de integração


- Ondulação na saída do inversor
Operação com onda quadrada PWM com chaveamento bipolar da tensão

• Inversores push-pull

- A corrente de saída io flui continuamente

- T1 conduz um valor positivo de io , D1 conduz um valor negativo de io


120 of 151

- Tensão de saída
V
Vˆo1 = ma d (ma ≤ 1)
n
Vd 4 Vd
< Vˆo1 < (ma > 1)
n π n
- Tensão e corrente de pico nas chaves
VT = 2Vd
I T = io, pico / n

Utilização da chave em inversores monofásicos


• Razão de utilização da chave
Vo1 I o,max
RUS =
qVT I T
onde q é o número de chaves em um inversor
- Inversor push-pull
I o,max 4 Vd ,max
VT = 2Vd ,max I T = 2 Vo1,max = q=2
n π 2 n
1
RUS max = ≅ 0,16

- Inversor em meia-ponte

4 Vd ,max
VT = Vd ,max I T = 2 I o,max Vo1,max = q=2
π 2 2
1
RUS max = ≅ 0,16

- Inversor em ponte completa
4
VT = Vd ,max I T = 2 I o,max Vo1,max = Vd ,max q=4
π 2
1
RUS max = ≅ 0,16

• Na prática, a razão de utilização da chave seria muito menor que 0,16
1. Nominais das chaves são escolhidos para garantir margens de segurança
121 of 151

2. No inversor PWM, teria que se levar em conta as variações na tensão cc


3. Ondulação na corrente de saída influencia o valor de corrente na chave
• Razão de utilização da chave usando PWM com ma ≤ 1

1 π 1
RUS max = ma = ma
2π 4 8

PROBLEMA (Mohan 8-1)


Em um inversor PWM ponte-completa monofásico da figura abaixo, a
tensão cc de entrada varia em uma faixa de V d ,min − V d ,max . Por causa da

baixa distorção requerida na saída v o , m a ≤ 1 . Qual é o maior Vo1 que pode


ser obtido e escrito na placa de dados como sua tensão nominal? O volt-
ampere nominal na placa de dados é especificado como Vo1,max I o1,max ,

onde i o é assumida como senoidal. Calcule a razão de utilização das


chaves combinadas quando o inversor está suprindo seu volt-ampere
nominal.
122 of 151

Resposta

• PWM com chaveamento bipolar da tensão


t 1
vtri = Vˆtri 0<t < Ts
Ts / 4 4

Em t = t1 , v tri = v control
vcontrol Ts
t1 =
Vˆtri 4

- Razão de trabalho D1 do par de chaves 1 ( T A+ , TB − )


1
ton = 2t1 + Ts
2
t 1⎛ v ⎞
D1 = on = ⎜⎜1 + control ⎟⎟
Ts 2 ⎝ Vˆtri ⎠

- Razão de trabalho D2 do par de chaves 2 ( TB + , T A− )


D2 = 1 − D1
123 of 151

• Tensão de saída

Vo = VAN − VBN = D1Vd − D2Vd = (2 D1 − 1)Vd


Vd
Vo = vcontrol = kvcontrol
Vˆtri

• Amplitude da componente na freqüência fundamental

v V
V Ao = control d vcontrol ≤ Vˆtri
ˆ
Vtri 2
vcontrol = Vˆcontrol sen ω1t Vˆcontrol ≤ Vˆtri
Vˆ V V
v Ao1 = control sen ω1t d = ma sen ω1t d ma ≤ 1
Vˆtri 2 2
V
VˆAo1 = m a d ma ≤ 1
2

- A saída da perna B do inversor é o negativo da saída da perna A

v Bo (t ) = −v Ao (t )
v o (t ) = v Ao (t ) − v Bo (t ) = 2v Ao (t )

- Pico da componente fundamental na tensão de saída


Vˆo1 = m aVd (m a ≤ 1)
124 of 151

• Tensão nominal
m aV d
Vo1 = (m a ≤ 1)
2
Vd ,min
Vo1,max =
2

• Razão de utilização da chave


Vo1 I o
RUC =
qVT I T
onde q é o número de chaves em um inversor
Vo1,max I o,max Vd ,min 1
RUC = =
4Vd ,max 2 I o,max 2 4Vd ,max 2
Vd ,min
RUC =
8Vd ,max

INVERSORES TRIFÁSICOS

• Cada perna do inversor é similar a do inversor de uma perna básico


• A saída de cada perna depende apenas de Vd e do estado das chaves
• A tensão de saída é independente da corrente de saída
125 of 151

PWM em inversores fonte de tensão trifásicos

• Componentes cc médias idênticas estão presentes nas tensões de saída


- Estas componentes cc são canceladas nas tensões de linha
126 of 151

• Os harmônicos na saída v AN são idênticos aos harmônicos em v Ao

- Existem apenas harmônicos ímpares, se m f é ímpar

(
- A diferença de fase entre a harmônica m f em v AN e v BN é 120m f )o
- A diferença de fase é equivalente a zero se m f é ímpar e múltiplo de 3

- O harmônico em m f é suprimido na tensão de linha

• Considerações sobre PWM

1. Para pequenos valores de m f

- Para eliminar os harmônicos pares


PWM sincronizado deve ser usado e m f deve ser um inteiro ímpar

- Para cancelar os harmônicos mais dominantes na tensão de linha


m f deve ser um múltiplo de 3

2. Para grandes valores de m f

- Amplitudes dos sub-harmônicos devido ao PWM assíncrono são baixas


3. Durante sobremodulação ( ma > 1 )

- Independente de m f , as condições para um m f pequeno são aplicadas

• Modulação linear ( ma ≤ 1 )
- Valor de pico da componente fundamental em uma perna do inversor

(V)AN )1 = ma V2d
- Valor eficaz da componente fundamental da tensão de linha

V LL1 = ( )1 =
3 ˆ
V AN
3
maVd ≅ 0,612maVd (ma ≤ 1)
2 2 2
127 of 151

• Sobremodulação ( ma > 1 )

Operação com onda quadrada em inversores trifásicos


128 of 151

• Valor eficaz da componente fundamental da tensão de linha

3 4 Vd 6
V LL1 = = Vd ≅ 0,78Vd
2π 2 π

• Harmônicos da tensão de linha


0,78
V LLh = Vd
h
onde h = 6n ± 1 (n = 1, 2, 3, ...)

Utilização da chave em inversores trifásicos

• Valores de pico de cada chave


VT = Vd ,max
I T = 2 I o,max

• Volt-amperes eficaz trifásico na freqüência fundamental

(VA)trif = 3V LL1 I o,max

• Razão de utilização da chave


(VA)trif 3V LL1 I o , max 1 V LL1
RUC = = =
6VT I T 6Vd , max 2 I o , max 2 6 Vd , max

Ondulação na saída do inversor


PROBLEMA (Mohan 8-7)
Considere o problema da ondulação na corrente de saída de um inversor
onda quadrada trifásico. Assuma V LL1 a uma freqüência f e que o tipo de
carga é como mostrado na figura abaixo com L conhecido. Calcule o pico
da corrente de ondulação.
129 of 151

Resposta
• Tensão de fase na saída do inversor
v kn = v kN − v nN ( k = A, B, C )
di
v kn = L k + ekn ( k = A, B, C )
dt
- Em uma carga trifásica a três fios
i A + i B + iC = 0
d
(i A + i B + iC ) = 0
dt
- Sob condições de operação balanceadas
e A + e B + eC = 0
v An + v Bn + vCn = 0
1
v nN = (v AN + v BN + vCN )
3
2 1
v An = v AN − (v BN + vCN )
3 3
130 of 151

• Variáveis de fase de um inversor trifásico

- Pelo princípio da superposição, toda a ondulação em v An aparece em L


v ripple (t ) = v An − v An1
• v An na freqüência fundamental
- Simetria: ímpar e meia-onda
π /2 π /3 π /2 ⎞
4 4 ⎛⎜ 2Vd
sen(ωt )d (ωt ) ⎟
Vd
b1 =
π ∫
v An sen(ωt )d (ωt ) =
π ⎜ ∫ 3
sen(ωt )d (ωt ) + ∫ 3 ⎟
0 ⎝ 0 π /3 ⎠
4V 4V ⎛ 1 ⎞ 2V
b1 = − d ⎛⎜ cos(ωt ) π / 03 + 2 cos(ωt ) ππ // 23 ⎞⎟ = − d ⎜ − 1 − 1⎟ = d
3π ⎝ ⎠ 3π ⎝ 2 ⎠ π
2Vd
v An1 = sen(ωt )
π
- Ondulação da corrente de saída
t
1
i ripple (t ) =
L ∫
v ripple (ζ )dζ + k
0
onde k é uma constante e ζ é uma variável de integração
π
1
i pico =
ωL ∫
(v An − v An1 )dωt − i pico
0
π /3 2π / 3 π π
1 ⎛⎜ 2Vd 2Vd ⎞
sen(ωt )dωt ⎟
Vd Vd
2i pico =
ωL ⎜ 3 ∫
dωt + ∫ 3
dωt + ∫ 3
dω t − ∫
π ⎟
⎝ 0 π /3 2π / 3 0 ⎠
1 ⎡ π ⎛ Vd 2Vd Vd ⎞ 2Vd ⎤ 2V
i pico = ⎢ ⎜ + + ⎟+ (cos π − cos 0)⎥ = d ⎛⎜ π − 1 ⎞⎟
2ωL ⎣ 3 ⎝ 3 3 3 ⎠ π ⎦ ωL ⎝ 9 π ⎠
131 of 151

• v AB na freqüência fundamental
π /2 π /2
4 4 ⎛⎜ ⎞
b1 = ∫
v AB sen(ωt )d (ωt ) = − Vd sen(ωt )d (ωt ) ⎟

π π⎜ ⎟
0 ⎝π / 6 ⎠
4V 4V ⎛ 3 ⎞⎟ 2 3Vd
b1 = d ⎛⎜ cos(ωt ) ππ // 26 ⎞⎟ = d ⎜ − =−
π ⎝ ⎠ π ⎜⎝ 2 ⎟⎠ π
2 3Vd
V LL1 =

- Pico da corrente de ondulação
2Vd ⎛ π 1 ⎞ 2 2πV LL1 ⎛ π 1 ⎞ 2πV LL1 ⎛ π 1 ⎞
i pico = ⎜ − ⎟= ⎜ − ⎟= ⎜ − ⎟
ωL ⎝ 9 π ⎠ 2 3ωL ⎝ 9 π ⎠ 2 3πfL ⎝ 9 π ⎠
2V LL1 ⎛ π 1 ⎞
i pico = ⎜ − ⎟
2 3 fL ⎝ 9 π ⎠

Corrente no lado cc

• Igualando as potências instantâneas na entrada e na saída

Vd id* = v An1 (t )i A (t ) + v Bn1 (t )i B (t ) + vCn1 (t )iC (t )

• Em uma operação em regime permanente balanceada

id* =
2Vo I o
Vd
[ ( ) (
cos ω1t cos(ω1t − φ ) + cos ω1t − 120 o cos ω1t − 120 o − φ )
( ) (
+ cos ω1t + 120 o cos ω1t + 120 o − φ )]
3V I
id* = o o cos φ = I d
Vd

Condução das chaves em inversores trifásicos

• Operação com onda quadrada

- Cada chave está ligada por 180 o


132 of 151

• Operação com PWM

- Formas de onda de tensão e corrente

- Existem intervalos em que apenas os dispositivos superiores conduzem


- Existem intervalos em que apenas os dispositivos inferiores conduzem
- Não existe entrada de potência do barramento cc
133 of 151

EFEITO DO TEMPO MORTO SOBRE A TENSÃO


• Com tempos finitos de chaveamento, o disparo da chave é atrasado
• O tempo morto t Δ é escolhido para evitar curto-circuito
• Este tempo morto é escolhido como poucos μ s para chaves rápidas
134 of 151

• Diferença entre a tensão de saída ideal e real para a perna A do inversor

vε = v AN (ideal ) − v AN (real )
⎧ tΔ
⎪+ T V d iA > 0
⎪ s
ΔV AN = ⎨
⎪− t Δ V iA < 0
⎪⎩ Ts d

• Diferença entre a tensão de saída ideal e real para a perna B do inversor

i A = −i B
⎧ tΔ
⎪− T V d iA > 0
⎪ s
ΔV BN = ⎨
⎪+ t Δ V iA < 0
⎪⎩ Ts d

• Valor médio instantâneo da diferença de tensão


vo = v AN − v BN io = i A
⎧ 2t Δ
⎪ ΔV AN − ΔV BN = + Vd io > 0
⎪ T s
ΔVo = ⎨
⎪− 2t Δ V io < 0
⎪⎩ Ts d
135 of 151

OUTROS ESQUEMAS DE CHAVEAMENTO


Chaveamento com eliminação de harmônicos programada
• Combina o chaveamento com onda quadrada e PWM
- Controlar a tensão fundamental de saída e eliminar harmônicos
• Componente da tensão fundamental em operação com onda quadrada
VˆAo1 4
= = 1,273
Vd / 2 π

• Por causa dos entalhes para eliminar o quinto e o sétimo harmônicos


VˆAo1,max
= 1,188
Vd / 2

CONVERSORES RESSONANTES
• Conversores cc-cc e cc-ca com modulação por largura de pulso
- Chaves controladas ligam e desligam toda a corrente de carga
- Chaves são sujeitas a altos estresses e altas perdas de chaveamento
- EMI produzida devido a grandes di / dt e dv / dt do modo chaveado
136 of 151

- Freqüência de chaveamento elevada para reduzir tamanho do conversor


• Conversores ressonantes
- Cada chave muda de posição quando a tensão e/ou a corrente é zero
- A maioria dessas topologias requer alguma forma de ressonância LC

Chaveamento com corrente indutiva

• Bloqueio de T−
- vT − aumenta a Vd mais a tensão devido a indutâncias parasitas

• Disparo de T−
- iT − aumenta a I o mais a corrente de recuperação reversa do diodo D+

• PT − limita quão alto a freqüência de chaveamento pode ser aumentada

Chaveamento com tensão nula e corrente nula


• Freqüências de chaveamento na faixa de megahertz
- Reduzir o tamanho e o peso de transformadores e componentes do filtro
- Estresse da chave, perda de chaveamento e EMI precisam ser resolvidos
• Circuitos snubber
- Os estresses nas chaves podem ser reduzidos por circuitos snubber
- Deslocam a perda de potência da chave para o circuito snubber
137 of 151

• Topologias de conversores e estratégias de chaveamento


- Podem resolver estresse de chaveamento, perda de chaveamento e EMI
- Tensão ou corrente na chave deve ser zero na transição de chaveamento

CLASSIFICAÇÃO DOS CONVERSORES

1. Conversores com carga ressonante


2. Conversores com chave ressonante
Conversores com carga ressonante
• Esses conversores consistem de um circuito tanque ressonante LC
• Tensão e corrente oscilam devido à ressonância são aplicadas à carga
138 of 151

• Esses conversores podem ser subclassificados como:


a) Conversores ressonantes carregados em série
b) Conversores ressonantes carregados em paralelo
Conversores com chave ressonante
• Uma ressonância LC é utilizada para moldar tensão e corrente na chave
• Existem intervalos de operação ressonante e não ressonante
• Esses conversores podem ser subclassificados como:
a) Conversores com chaveamento a corrente nula
b) Conversores com chaveamento a tensão nula

CONCEITOS BÁSICOS
Circuitos ressonantes série
• Circuito ressonante série sem amortecimento

- A tensão de entrada é Vd no tempo t o


- As condições iniciais são I Lo e Vco
di
Lr L + v c = V d
dt
dv
Cr c = iL
dt
- Solução para equações com t ≥ t o
V − Vco
i L (t ) = I Lo cos ω o (t − t o ) + d sen ω o (t − t o )
Zo
vc (t ) = Vd − (Vd − Vco ) cos ω o (t − t o ) + Z o I Lo sen ω o (t − t o )
139 of 151

onde
1
ω o = 2πf o =
Lr C r
Lr
Zo =
Cr

- Quantidades bases
Vbase = Vd
V
I base = d
Zo

• Circuito ressonante série com uma carga em paralelo

di L
v c = V d − Lr
dt
i L − ic = I o
dvc d 2iL
ic = C r = − Lr C r
dt dt 2
d 2iL
+ ω o2 i L = ω o2 I o
dt 2
- Solução para equações com t ≥ t o
V − Vco
i L (t ) = I o + (I Lo − I o ) cos ω o (t − t o ) + d sen ω o (t − t o )
Zo
vc (t ) = Vd − (Vd − Vco ) cos ω o (t − t o ) + Z o (I Lo − I o ) sen ω o (t − t o )

Com Vco = 0 e I Lo = I o
V
i L (t ) = I o + d sen ω o (t − t o )
Zo
vc (t ) = Vd [1 − cos ω o (t − t o )]
140 of 151

• Características de freqüência de um circuito ressonante série

- Fator de qualidade
ω o Lr 1 Z
Q= = = o
R ω oCr R R

Circuitos ressonantes paralelo

• Circuito ressonante paralelo sem amortecimento

dvc
iL + Cr = Id
dt
di
v c = Lr L
dt
V
i L (t ) = I d + (I Lo − I d ) cos ω o (t − t o ) + co sen ω o (t − t o )
Zo
vc (t ) = Z o (I d − I Lo ) sen ω o (t − t o ) + Vco cos ω o (t − t o )
1
ωo =
Lr C r
Lr
Zo =
Cr
141 of 151

• Características de freqüência de um circuito ressonante paralelo

- Fator de qualidade
R R
Q = ω o RC r = =
ω o Lr Z o

CONVERSORES CARGA RESSONANTE


• Um tanque LC resulta em tensão e corrente oscilatórias na carga
• Circuito é analisado com uma carga prática para a topologia considerada
• Apenas a operação em regime permanente é considerada

Conversores cc-cc ressonantes carregados em série


PROBLEMA (Mohan 9-1)
O conversor cc-cc SLR está operando em um modo de condução
descontínua com ω s < 0,5ω o . As condições iniciais em termos de
quantidades normalizadas são sempre: Vc0 = −2Vo e I L0 = 0 . Mostre em
termos de quantidades normalizadas, Vc, pico e I L, pico .

Io
+ + +
Vd
T+ D + iL vc
2 + - B´
- A
Vd Lr Vo R
+ B Cf
Vd
- 2- T- D - -
142 of 151

Resposta
• Para i L > 0
1 1
- T+ conduzindo: v AB = + Vd v AB ' = + Vd − Vo
2 2
1 1
- D− conduzindo: v AB = − Vd v AB ' = − Vd − Vo
2 2
• Para i L < 0
1 1
- T− conduzindo: v AB = − Vd v AB ' = − Vd + Vo
2 2
1 1
- D + conduzindo: v AB = + Vd v AB ' = + Vd + Vo
2 2
1
• Modo de condução descontínua com ω s < ω o
2
iL vc iL vc iL vc iL vc
A + - B´ A + - B´ A + - B´ A + - B´
Lr Lr Lr Lr
Vd Vd Vd Vd
Vo Vo Vo Vo
2 2 2 2
B B B B

di L
Lr + v c = V AB '
dt
dv
Cr c = iL
dt
143 of 151

- Solução para equações com t ≥ t o


V − Vco
i L (t ) = I Lo cos ω o (t − t o ) + AB ' sen ω o (t − t o )
Zo
vc (t ) = V AB ' − (V AB ' − Vco ) cos ω o (t − t o ) + Z o I Lo sen ω o (t − t o )

onde
1
ω o = 2πf o =
Lr C r
Lr
Zo =
Cr

- Tensões e correntes são normalizadas por quantidades base


1
Vbase = Vd
2
1
Vd
I base = 2
Zo

Solução para equações com 0 ≤ t ≤ t o ( T+ conduzindo)


Vd / 2
− Vo − (−2Vo )
Vd / 2
i L (t ) = sen ω o t = (1 + Vo ) sen ω o t
Zo / Zo
V /2 ⎛V / 2 ⎞
vc (t ) = d − Vo − ⎜⎜ d − Vo − (−2Vo ) ⎟⎟ cos ω o t = 1 − Vo − (1 + Vo ) cos ω o t
Vd / 2 ⎝ Vd / 2 ⎠

Solução para equações com t o < t ≤ t1 ( D+ conduzindo)


Vd / 2 V
+ Vo − d
V /2 Vd / 2
i L (t ) = d sen ω o t = (−1 + Vo ) sen ω o (t − t o )
Zo / Zo
V /2 ⎛V / 2 V ⎞
vc (t ) = d + Vo − ⎜⎜ d + Vo − d ⎟⎟ cos ω o t = 1 + Vo − (− 1 + Vo ) cos ω o (t − t o )
Vd / 2 ⎝ Vd / 2 Vd / 2 ⎠

I L, pico = 1 + Vo
Vc, pico = 2
( T+ conduzindo)
144 of 151

I L, pico = −1 + Vo
Vc, pico = 2
( D+ conduzindo)

PROBLEMA (Mohan 9-2)


Projete o conversor cc-cc com um transformador de relação de espiras n :1,
onde Vd e a freqüência de operação fs são dadas. A saída é Vo e Io. O
conversor deve operar no modo de condução descontínua com ωs<0,5ωo. A
tensão de saída normalizada é escolhida como Von, a freqüência
normalizada como ωsn e a corrente de saída normalizada como Ion. Obtenha
a relação de espiras n, Lr e Cr.
Io
+ + +
Vd
T+ D + iL vc
2 + - B´
- A
Vd Lr Vo R
+ B Cf
Vd
- 2- T- D - -

Resposta

Cálculo de n, Lr e Cr

- Tensões e correntes são normalizadas por quantidades base


1
Vbase = Vd
2
1
Vd
I base = 2
Zo
145 of 151

Vd / 2
n = V on
Vo
Lr 1
Zo = ωo =
Cr Lr C r
Zo 1
Lr = Cr =
ωo Z oω o
Io V /2
= I on d
n Zo
nI onV d / 2 Von I onV d2
Zo = =
Io 4Vo I o
ωs
ω sn =
ωo
2πf s
ωo =
ω sn
Von I onV d2 ω sn Von I onV d2 ω sn
Lr = =
4Vo I o 2πf s 8πVo I o f s
4Vo I o ω sn 2Vo I o ω sn
Cr = =
Von I onV d2 2πf s πVon I onV d2 f s

Conversores cc-cc ressonantes carregados em paralelo


io Io
+ + Lf
Vd
2 T+ D + iL
- B´ +
A
Vd Lr Cf Vo
+ B R -
Vd
- 2- T- D -

iL
A B´
Lr
+- Vd +-I o
2
B B

• Tensão no tanque ressonante


1
- T+ ou D + conduzindo: v AB = + V d
2
146 of 151

1
- T− ou D− conduzindo: v AB = − V d
2
• Modo de condução descontínua

iL iL i L=0 i L =0
Lr + Lr Lr Lr
Vd Vd + Vd + Vd +
vc Io vc Io vc Io vc Io
2 2 2 2
- - - -

CONVERSORES CHAVE RESSONANTE

1. Topologia com chaveamento a corrente nula (ZCS)


• A chave liga e desliga com corrente nula
• A corrente de pico flui pela chave, mas a tensão de pico é a mesma

Cr
Lr Lf +
Vd R Vo
Cf -

2. Topologia com chaveamento a tensão nula (ZVS)


• A chave liga e desliga com tensão nula
• A tensão de pico aparece na chave, mas a corrente de pico é a mesma
147 of 151

Lr Lf +
Vd R Vo
Cr Cf
-

Conversores chave ressonante ZCS


• Chaveamento a corrente nula conectando C r em paralelo com T − Lr

Cr
Lf + Lr Lf +
Vd
Cf R Vo Vd R Vo
- Cf -

Cr Cr Cr Cr
Lr Lr Lr Lr
Vd Io Vd Io Vd I o Vd Io

1. Intervalo de tempo 1
- A chave é ligada a corrente nula
- Enquanto iT < I o , D mantém-se conduzindo e v c = V d
- iT aumenta linearmente e quando iT = I o , D pára de conduzir
148 of 151

2. Intervalo de tempo 2
- O pico de iT é V d / Z o + I o e ocorre quando v c = 0
- O pico negativo de v c ocorre quando iT = I o
- iT alcança zero e não pode inverter seu sentido

3. Intervalo de tempo 3
- A chave é desligada
- I o flui por C r e v c aumenta linearmente para V d

- D conduz e v c = V d
4. Intervalo de tempo 4
- Neste intervalo iT = 0 e v c = V d
- O chave T é ligada novamente no final deste intervalo

• Chaveamento a corrente nula conectando C r em paralelo com D

PROBLEMA (Mohan 9-11)


No circuito chave ressonante ZCS, tem-se f 0 , Z 0 , Po , Vd e Vo . Assuma
L f grande e todos os componentes ideais. Calcule i L e vc em função do

tempo. Esboce as formas de onda de i L e vc , indicando os valores de pico


de i L e vc , mostrando os instantes de tempo que eles ocorrem.

Lr + Lf +
Vd vc R Vo
- Cr Vo -

Resposta

• Chaveamento a corrente nula conectando C r em paralelo com D

Lr Lr
Vd Io Vd I o Vd I o Vd Io
149 of 151

1. Intervalo de tempo 1 ( 0 < t ≤ t o )


- A chave é ligada a corrente nula
- Enquanto i L < I o , D mantém-se conduzindo e vc (t ) = 0
- iT aumenta linearmente e quando i L = I o , D pára de conduzir

V t ω V t 2πf 0Vd t
i L (t ) = d = 0 d =
Lr Z0 Z0
Z0Io Z 0 Po
to = =
2πf 0Vd 2πf 0Vd Vo

2. Intervalo de tempo 2 ( t o < t ≤ t1 )


- O pico de i L é V d / Z o + I o e ocorre quando v c = V d
- O pico de v c ocorre quando i L = I o
- i L alcança zero e não pode inverter seu sentido

di L
v c = V d − Lr
dt
i L − ic = I o
dvc d 2iL
ic = C r = − Lr C r
dt dt 2
d 2iL
+ ω o2 i L = ω o2 I o
2
dt
150 of 151

- Solução para equações com t ≥ t o


V − Vco
i L (t ) = I o + (I Lo − I o ) cos ω o (t − t o ) + d sen ω o (t − t o )
Zo
vc (t ) = Vd − (Vd − Vco ) cos ω o (t − t o ) + Z o (I Lo − I o ) sen ω o (t − t o )

Com Vco = 0 e I Lo = I o
V P V
i L (t ) = I o + d sen ω o (t − t o ) = o + d sen 2πf 0 (t − t o )
Zo Vo Z o
vc (t ) = Vd [1 − cos 2πf 0 (t − t o )]

- I L, pico , Vc, pico

P V
I L, pico = o + d
Vo Z o
2πf 0 (t i − t o ) = π / 2
1 Z 0 Po
ti = +
4 f 0 2πf 0Vd Vo
Vc, pico = 2Vd
2πf 0 (t v − t o ) = π
1 Z 0 Po
tv = +
2 f 0 2πf 0Vd Vo

3. Intervalo de tempo 3 ( t1 < t ≤ t 2 )


- A chave é desligada
- I o flui por C r e v c diminui linearmente para 0

i L (t ) = 0
I 2πf 0 Z 0 Po
vc (t ) = o (t − t1 ) + v c (t1 ) = (t − t1 ) + vc (t1 )
Cr Vo

4. Intervalo de tempo 4 ( t 2 < t ≤ t 3 )


- D conduz e vc = 0

- Neste intervalo i L (t ) = 0 e vc (t ) = 0
- A chave T é ligada novamente no final deste intervalo
151 of 151

Conversores chave ressonante ZVS

Dr Lr Lf
+
Vd Cr D R Vo
Cf -
+ vc -

Lr Lr Dr Lr Lr
Vd Cr I o Vd Cr I o Vd Cr Io Vd Io
+ vc - + vc - + vc -

1. Intervalo de tempo 1
- A chave é desligada a tensão nula
- A tensão sobre a chave aumenta linearmente de 0 a V d
2. Intervalo de tempo 2
- O pico de v c é V d + Z o I o e ocorre quando i L = 0
- O pico negativo de i L ocorre quando v c = V d
- v c alcança zero e não pode inverter sua polaridade
3. Intervalo de tempo 3
- A chave é ligada,
- i L aumenta linearmente para I o
- D r conduz e v c = 0
4. Intervalo de tempo 4
- Neste intervalo iT = I o e v c = 0
- A chave T é desligada no final deste intervalo

Você também pode gostar