Você está na página 1de 8

VOLUNTARIADO E MINISTÉRIO

Se cada um de nós já nos apercebermos de onde estamos, então estamos no


lugar mais importante do mundo; se nós estamos certos do que acreditamos a
respeito de Deus, de Jesus, do universo criado, da historia da humanidade, da vida em
sociedade, do sentido da nossa existência humana; se nós estamos certos, e eu
acredito que estamos; nós estamos no lugar mais importante do mundo; que é a igreja
de Jesus Cristo. E isso é razão suficiente para revestir essa nossa manhã e esse nosso
encontro, esse nosso momento e o conteúdo da nossa fala de profundo significado, de
santidade diante de Deus; esse é um momento onde o tempo se torna santificado, o
lugar, as palavras enfim.
O ambiente da Assembléia de Deus Ministério de Ribeirão Pires; é a Igreja de
Jesus Cristo, e porque isso é importante? É importante porque, é aqui que o meu
tempo é dedicado a esta comunidade ou a Deus, nesta comunidade, ou a Deus através
desta comunidade.
Se a igreja de Jesus Cristo é o que existe de mais importante no mundo, no meu
caso a ADMRP é o que existe de mais importante no mundo; porque é a ADMRP este
espaço histórico, em que a igreja de Jesus Cristo ganha concreção para a nossa vida.
Nós, não nos relacionamos com a igreja universal, o corpo místico de Cristo, nós nos
relacionamos com a ADMRP, é essa comunidade aqui. Então essa manhã para nós é de
extremo significado e não é possível exagerar a importância desse dia para nós.
Você tem o Deus Criador, ele cria, vamos imaginar o mundo; e Ele tem que
exercer autoridade sobre o mundo criado; como é que Ele faz isso? Ele faz isso
delegando autoridade, sobre esse mundo criado a um casal. É através de um casal, é a
través da raça humana, que Deus exerce sua autoridade sobre o mundo criado, essa
autoridade é delegada; então Deus é Senhor de todas as coisas e nós os seres
humanos somos os responsáveis por exercemos a autoridade de Deus sobre todas as
coisas.
O que a Bíblia diz para nós é que: nós rompemos o relacionamento com o Deus
criador e pretendemos exercer autoridade sobre o mundo a revelia desta relação, nós
usurpamos uma autoridade, nós que tínhamos uma autoridade delegada nós
usurpamos, deixamos Deus de fora; e se instalou o que? O caos.

QUAL É O PROJETO REDENTOR DE DEUS PARA O CAOS NO MUNDO CRIADO


POR ELE?

Todas as coisas Deus colocou debaixo da autoridade de Cristo e para Cristo


exercer essa autoridade sobre todas as coisas, Deus o fez cabeça da igreja (Ef 1.22,23).

Então o que é a igreja? Dizemos que a igreja é o corpo de Cristo, e Cristo o


cabeça, mas Cristo não é apenas o cabeças da igreja, Ele é o cabeça de todas as coisas,
para exercer autoridade sobre todas as coisas é que Ele é o cabeça da igreja; a igreja é
responsável por exercer a autoridade de Cristo sobre todas as coisas (Mt 28.18,19).

Por quê? Porque Cristo é Senhor de Direito sobre todas as coisas, mas ele não é
Senhor de fato sobre todas as coisas, porque ainda existe caos.
A quem pertencem todas as riquezas, todos os recursos? De direito pertence a
Cristo de fato não pertence; a quem pertence todo conhecimento, ciência toda
tecnologia? De direito pertence a Cristo, de fato não pertence. Então isso significa que
a igreja é o instrumento de Jesus Cristo, para que Ele seja Senhor de direito e de fato
sobre todas as coisas; aquilo que é caos, nós temos que colocar em ordem, esse é o
nosso trabalho.
Isso explica porque a igreja é a organização humana mais importante do
mundo, é a igreja que é responsável diante de Deus por colocar ordem neste caos que
é o mundo de Deus; a igreja existe para chegar a sociedade, a cultura, a economia, ao
mercado, ao mundo do trabalho, ao mundo da ciência, e dizer o seguinte: ‘olhe, há um
Senhor sobre todas as coisas, e as coisas estão funcionando aqui no mundo dos
homens a revelia da autoridade de Cristo, e nós chegamos aqui para dizer que Jesus
Cristo é o Senhor; sobre tudo e sobre todos; sobre todas as dimensões da vida
humana.’ E isso é o que nós iremos chamar da missão integral da igreja. Missão
integral da igreja não é ação social, fazer creche, fazer obra social, não é isso; missão
integral da igreja é representar a autoridade de Jesus sobre todas as coisas.
A igreja não existe para si mesma, existe para o mundo; “assim como o pai me
enviou ao mundo, eu também vos envio ao mundo”, essa é a visão. É isso que Deus
esta fazendo, e para nós esta igreja é a ADMRP; isto é, nós ADMRP temos alguma coisa
a dizer a esta cidade; nós ADMRP temos alguma coisa a dizer sobre o caos que é a
cidade de Ribeirão Pires, o caos que estão as famílias de Ribeirão Pires; mas nós nunca
pensamos nisso, a igreja dificilmente pensa isso.
A igreja deveria ter o que dizer a respeito da saúde na nossa cidade, da
educação enfim... Porque a igreja não existe para si mesma existe para o mundo; isso
aqui é a nossa visão: ser um sinal histórico no reino de Deus; levando o evangelho
todo para o homem todo; envolvendo, mobilizando todos os seus freqüentadores;
prioritariamente através de uma rede de relacionamentos; além dos limites culto-
clero-domingo-templo.

Ser um sinal histórico no reino de Deus, como seria o mundo se Cristo fosse
Senhor de direito e de fato? Como seria? Nós devíamos dizer: venham conhecer a
ADMRP, que o mundo e a sociedade humana seriam assim, se Cristo fosse Senhor de
direito e de fato. Além dos limites culto-clero-domingo-templo, esta claro que nós não
existimos para nós mesmo; nós existimos para a missão. Então a igreja é o lugar mais
importante.

A grande questão que diferencia a igreja é: o trabalho voluntário. A igreja é o


espaço do serviço a Cristo e um serviço prestado de todo coração; e a igreja é o lugar
do trabalho voluntário; digamos que no coração da igreja esta o trabalho voluntario
animado pelo Espírito Santo de Deus, porque esta igreja para cumprir e sua missão,
esta revestida, esta coberta, esta ungida, esta capacitada, pelo Espírito Santo de Deus.

É isso que quer dizer uma igreja carismática, a igreja do carisma, a igreja dos
dons, o Espírito Santo age aqui na igreja pra que? Para que a igreja exerça a autoridade
de Cristo sobre todas as coisas, é pra isso que ele dá dons e ministérios. No coração
desta igreja está o trabalho voluntário.
E o que é trabalho voluntário?

Primeiro: atividade não remunerada é de coração, a igreja é um lugar pra


amadores, nesse sentido de pessoas que fazem porque amam, e se fazem porque
amam, fazem sem peso, fazem com prazer, fazem com um sentido de realização,
fazem com um sentido de privilégio.

Segundo: em beneficio da edificação do corpo, nós estamos trabalhando para


edificar o corpo, onde edificar o corpo não é fazer com que o corpo seja maduro
apenas, mas é fazer com que o corpo cresça; se imaginarmos edificação como um
processo de construção; imaginamos que iremos pegar tijolos de pedras e com esses
tijolos, organizados juntos vão se tornando habitação de Deus; esses tijolos precisam
ser consistentes, maduros, fortes, se não esse templo desaba; edificar a igreja é isso, e
não apenas fazer que a igreja fique madura.

Esse tijolo vem bebezinho, e se ele permanecer bebezinho a parede toda cai,
então ele tem que ir crescendo, crescendo... Então, trabalho voluntário é: uma
atividade não remunerada, que visa à edificação do corpo de Cristo, sob supervisão de
uma liderança; não é você faz o que você quer, do jeito que você quer, quando você
quer. O trabalho voluntário tem subordinação, tem hierarquia, e, portanto, é feito em
um contexto de equipe, com critérios definidos, com uma estrutura de apoio que
possibilita a excelência do serviço prestado. Por isso não pode ser: do jeito que eu
quero, na hora que eu quero, e não pode ser a idéia do “vou da uma força”, se tem
uma coisa que temos que acabar é: “vou da uma força”; aqui ninguém precisa dá uma
força pra ninguém; aliás, quem chega a uma equipe pra dá uma força atrapalha. Por
que, no dia que está legal vem, no outro não vem; a pergunta é a seguinte: “amigão,
Deus chamou você pra fazer isso? Isso está no seu coração? E você tem um
compromisso?”. Tem que ter excelência.

Trabalho voluntário não é algo que você faz quando dá, quando quer, quando
pode; se você acha que não pode não se comprometa; agora se Deus deu alguma coisa
pra você fazer, faça com todas as suas forças. Trabalho voluntário não é um trabalho
opcional, ocasional, não é um hobby é compromisso; tem hierarquia você presta
contas, tem critério de qualidade, tem padrão. Por quê? Por que você esta trabalhando
na organização mais importante do mundo. Nós perdemos essa percepção, essa
dimensão de que nós trabalhamos na organização mais importante do mundo.

A partir de hoje, você vai ser chamado atenção, você vai ser convidado para
capacitação e se você não vem; você é do tipo que da força; e graças a Deus, o curso
preparatório, visa fazer essa coisa mudar, as coisas terão de mudar. O voluntário da
ADMRP, o nosso desejo é que ele tenha orgulho de pertencer e ser voluntário e nesse
sentido o trabalho voluntário não é para amadores é para profissionais, porque exigi-
sê do voluntário a mesma competência, a mesma excelência do trabalho profissional
qualificado, o sujeito que faz tem que ser capaz de fazer, porque nós temos um padrão
de excelência, para o trabalho que prestamos.
Terceiro: Se você tem a igreja, você tem o trabalho voluntário na dimensão
interna da igreja, vamos chamar isso aqui de ministério; existe o trabalho que você faz
na igreja pra dentro da igreja, é um trabalho na dimensão interna, é a diaconia interna,
e tem a diaconia externa a partir da ADMRP. Eu tenho um ministério da ADMRP que
presta um serviço para fora da ADMRP, eu tenho um ministério da ADMRP que presta
um serviço para dentro da ADMRP.

Teremos um ministério de diaconia externa em parceria com a ADMRP, a


diaconia externa irá além da ADMRP; e a diaconia pessoal, que você faz e a igreja nem
sabe que você faz; é a sua dimensão como cristão no mundo.

Então os níveis de atuação voluntária são:

Primeiro: interna;
Segundo: externa;
Terceiro: em parceria;
Quarto: além
Quinto: pessoal

Exemplos:

Interno: Ministério de Louvor, Mulheres, Jovens; são ministérios interno que


atende ao publico interno.
Externo: alfabetização, cursos, sopão, etc.
Em parceria: Caju, São Lucas, Hospital Ribeirão Pires, casa do idoso, etc.
Além: capelania, palestras cultos em escolas, culto doméstico, GC, etc.
Pessoal: O que você faz individualmente como cristão na sua vida.

MISSÃO DA DIACONIA

“Servir a Cristo, servindo pessoas para a gloria de Deus.”

É o que vai fazer que a ADMRP seja diferente de uma ONG, do centro espírita; é
que nós temos certeza absoluta que no nosso trabalho voluntário nós estamos dentro
de Colossenses 3.24; nós estamos dentro de Mateus 25.45; e como é que nós servimos
a Cristo? Servindo pessoas, isso tem que esta muito claro para todos nós.
Por isso que não se admite um trabalho que não seja excelente, por isso que
não se admite um trabalho que seja feito de maneira displicente e irresponsável,
relaxado; é um trabalho qualificado, por que estamos servindo a Cristo servindo
pessoas para a gloria de Deus.

Em Mateus 5.13-16 tem uma boa passagem:


As boas obras não são a luz, as boas obras são a diaconia, sem luz a diaconia
não resulta em gloria para Deus.
Você tem aqui uma pessoa, servindo outra pessoa, e vamos dizer que esse
serviço aqui é boas obras, qualquer relação humana de perspectiva de serviço é uma
boa obra; mas, a nossa perspectiva, o desejo, é que essa pessoa glorifique a Deus.
Mas porque um serviço de uma ONG, do centro espírita, não tem resultado de
gloria para Deus? Porque falta luz, luz que permita que esse serviço seja vista por essa
pessoa como relacionada a Deus. E o que é que permite que essa pessoa veja esse
serviço como algo relacionado a Deus? E glorifique a Deus e não o cara que fez o
serviço? É a postura dessa pessoa que faz esse serviço, não só para esse, mas com a
profunda convicção que esta fazendo para Esse; e nessa relação de fazer para esse,
servido a Esse, existe a ministração do Espírito Santo de Deus, isso é trabalho
voluntário.

Isso é, que quando eu deixo o meu filho no ministério infantil, o resultado é que
essa criança vai se tornando aos pouco um tijolinho, vivo, maduro, e que sabe
exatamente qual é o seu lugar nessa parede do templo de pedras vivas, e que se
compreende e vive como habitação de Deus em espírito; e isso vai acontecer quando?
Quando esse professor ou professora do ministério infantil, tratar essa criança e servir
essa criança servindo a Cristo para a gloria de Deus. É nessa relação de trabalho
voluntário que o Espírito Santo atua e concorre para a edificação como corpo de
Cristo.
Está claro o que é trabalho voluntário? Está claro o nome do jogo que nós
estamos metidos? A seriedade, a profundidade, a grandeza dessa relação de servir?

Nós não queremos que as pessoas na nossa casa, da nossa família, do nosso
bairro sejam gratas a nós, queremos que elas sejam gratas a Deus, queremos que elas
compreendam experimente que elas são amadas de Deus; que elas que são tijolos de
pedra, que nesse mundo caótico, são jogadas de um lado para o outro como coisas.
Alguém vai pegá-las com cuidado para que nesse processo sob a ação do Espírito Santo
queira Deus, esses tijolos de pedras se tornem pedras vivas. Se vão se tornar pedras
vivas, não é nosso problema; não temos a capacidade de torná-las em pedras vivas, só
o Espírito de Deus tem; o que nós temos responsabilidade é: quando eu vou lá ao meu
trabalho voluntário, eu vou para servir pessoas servido a Cristo para a gloria de Deus,
e nesta relação tudo pode acontecer e o melhor que pode acontecer é Deus ser
glorificado.

O VOLUNTARIO E A ECLÉSIA

Quando a igreja esta reunida ela é chamada de Eclésia, quando a igreja esta
espalhada ela é chamada de diáspora. Então existe o ministério na Eclésia e o
ministério na diáspora e estou enfatizando o ministério na Eclésia, na igreja
congregada, o ministério na sua dimensão interna. A igreja quanto é uma cidade
edificada sobre o monte ela é Eclésia ela é congregada e a sua luz brilha, mas quando
ela é sal da terra ela é diáspora.

Então o que é esse ministério?


Ministério tem quatro características: coordenação, critérios, regularidade e
missão.
“Há! eu ajudei a arruma os bancos”, qual é o meu ministério? Não tem, a
menos que tenha essas quatros características.

Nos nossos cultos coletivos, tem que ter coordenação, tem de ser um trabalho
inteligente; tem critério, tem hora pra chegar, jeito de fazer; tem regularidade, você
entra na escala, escala de porta, recepção, púlpito, secretaria, acompanhamento; aqui
na coordenação tem subordinação você presta contas; e tem missão, o mínimo do
conceito de missão é: eu tenho alguém que tem uma necessidade e eu sou alguém que
tenho um ‘produto’, no nosso caso principalmente um serviço que eu ofereço a esse
outro alguém que tem uma necessidade.

Eu tenho que saber a quem eu sirvo, qual a necessidade que esse público tem,
e qual é o serviço que eu ofereço pra suprir essa necessidade; por isso que eu preciso
ter critérios, para mim saber se eu estou servindo a necessidade do publico que eu
tenho que servir, se eu não tenho critério eu não sei. Se eu não tenho regularidades, é
a mesma coisa que você der comida no almoço para o seu filho na terça-feira e só
lembra que ele tem que almoça novamente na sexta-feira da semana seguinte. E se
cada um quiser suprir essa necessidade de acordo com o que dá na sua teia, não vai
funcionar.

Então, eu sei o que eu faço, para quem eu faço, como eu faço, porque eu faço,
com quem eu faço, respondendo a quem, com que critério eu faço, isso é um
ministério, isso é um ministério dentro da ADMRP.

Qual é o resultado esperado de um ministério dentro da ADRP?

A edificação do corpo de Cristo; lembre-se que estamos no trabalho de pegar


tijolinhos... Nosso trabalho é parte essencial e fundamental desse processo, é esse
processo que o Espírito de Deus esta animando, é sobre esse processo que Ele esta
derramando recurso, manifestando dons, ministrando, soprando, é nesse processo.
Então o ministério, ele não é cumprir tarefas; eu não cuido de carros eu cuido
de pessoas, eu não recebo carros eu recebo pessoas, eu não frito coxinhas eu viabilizo
comunhão.
Qual é o critério de qualidade de um ministério? As pessoas que são servidas
por esse ministério. Por que o círculo de oração pode ficar maravilhoso e ser aplaudido
de pé? Mas o coro é um antro de fofocas, nós não estamos aqui pra fazer musical,
estamos aqui pra edificar o corpo de Cristo. Os carros podem estar organizadíssimos,
mas todo mundo irritado aqui dentro na hora da celebração, por causa dos caras
intransigentes que não tem nem educação pra falar. Você não tem uma segunda
chance para causar uma primeira boa impressão, então qual é o resultado de um
ministério? Não é um projeto executado, não é uma tarefa realizada, é o corpo
edificado.

O pastor sobe no púlpito, prega maravilhosamente bem, com o coração


consumido de vaidade de orgulho, mandando tiro para tudo que é lado, recado para
liderança da igreja e tal, quem não sabe de nada fala nossa, mas quem sabe, fala
“carne pura, churrasco, só lingüiça”.
O resultado é o corpo de Cristo edificado e o critério é pessoas e
relacionamentos; razão porque eu sou totalmente contra a ação ministerial de pessoas
não convertidas; a igreja não é uma ONG, não é um clube, a igreja não é uma
instituição de caridade, a igreja é o corpo de Jesus Cristo. O que ela faz é o corpo de
Jesus Cristo fazendo, e isso ajuda a entendermos as nossas relações nesse ministério
interno. É uma ação de servir a Cristo mediante um chamamento para um serviço, isso
é trabalho voluntário.

ONDE?

Essa é umas das questões mais serias que a gente tem. No corpo de Cristo, na
comunidade e na instituição religiosa, nós temos que entender isso aqui.

Quem faz parte desse copo? Só Deus sabe; desse corpo de Cristo tem a ADMRP,
a comunidade, temos membros, freqüentadores, visitantes, e outros; mas o que
chamamos de comunidade é a soma de membros mais freqüentadores, porque temos
muitos freqüentadores, isto é, que não são formalmente vinculados a instituição
religiosa ADMRP; a comunidade é maior que a ADMRP, a ADMRP é uma pessoa
jurídica que tem CNPJ, estatuto, tem diretoria, tem responsabilidade civil; a
comunidade não, ela pode se reunir embaixo de qualquer arvore, a comunidade não
precisa pagar aluguel, não precisa ter registro em cartório; a comunidade não, mas a
instituição religiosa sim, o corpo místico nem se fala.

Mas ele ganha concreção em comunidades, e as comunidades se organizam em


instituições; o grande problema é que nós não podemos confundir uma coisa com a
outra, o corpo místico de Cristo é maior que a comunidade, e a comunidade é maior
que a instituição; quem é convertido e não convertido, só Deus sabe. Isso significa que
dentro da comunidade, isto é, entre os membros e os freqüentadores, nós temos
pessoas não convertidas, quem são elas? Não sei. Já no corpo místico de Cristo que só
Deus sabe, todos são convertidos, porque senão não seria corpo de Cristo, é um
organismo espiritual que transcende a historia e localização geográfica.

Então nós temos que desenvolver diaconias, ministérios, mobilizando esse


universo de pessoas, a partir de coordenação, critérios, regularidades, missão; e
quem é que da isso? É a instituição; quem é que da um apoio para o trabalho
voluntário? É a instituição. Quando você ouve historias da nossa comunidade, da nossa
igreja, da nossa instituição; você diz: graças a Deus ou, Deus tenha misericórdia.

Em síntese: a ADMRP é essa ambigüidade, essa complexidade de pessoas não


cristãs, de cristãos mal resolvidos, enfim a igreja é isso e nós temos que apreender a
conviver com isso. Corpo de Cristo, comunidade, instituição onde o nosso trabalho
voluntário acontece. A igreja é a organização mais importante do mundo por causa
desta relação; ela existe para fazer com que a autoridade de Cristo, que Ele recebeu do
Pai, seja exercida sob todas as coisas de fato e de direito, animada pelo Espírito Santo.

No coração desta ação da ADMRP esta o trabalho voluntário; que é um


trabalho feito de coração, não é remunerado, no contexto de equipe, sob liderança,
com apoio institucional, com critérios definidos, para a edificação do corpo de Cristo, e
com um anseio de excelência.
Os níveis de atuação voluntária: interno, externo a partir da ADMRP, além da
ADMRP, e individual pessoal. A missão do voluntariado: servir a Cristo servindo
pessoas para a gloria de Deus. Ministério: é todo serviço diaconia prestado, sob uma
coordenação a luz de critérios definidos com regularidades, com senso de missão.
Onde? No contexto do corpo de Cristo, da comunidade e da instituição.

C. Santos Anderson Th.D.


Institute Theological Reformed of Brazil