Você está na página 1de 10

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Escola de Medicina e Cirurgia

Pré-Projeto Trabalho de Conclusão do Curso

Avaliação Sobre Conhecimento do HTLV na Sociedade e Dentre


Profissionais de Saúde

André Bertola Vanzan Filho


20141130057
Orientadora: Profª. Drª. Marzia Puccioni Sohler

Rio de Janeiro, 25 de Agosto de 2017


INTRODUÇÃO
O vírus linfotrópico de células T humanas (HTLV) representa uma classe de retrovírus de RNA da
família Retroviridae. Nesta, encontram-se o HTLV-1 e HTLV-2, os quais apresentam predomínio
pela célula T CD4+ e T CD8+, respectivamente. Tais vírus apresentam uma extrema importância
médica, principalmente o HTLV-1, podendo ser associado a diversas doenças, em especial à
leucemia/linfoma de células T do adulto, à mielopatia associada ao HTLV/paraparesia espástica
tropical (HAM/TSP) e à uveíte associada ao HTLV-1.

Isolado pela primeira vez em 1980, o HTLV-1 apresenta uma distribuição mundial, poupando
algumas áreas do globo. A maior prevalência ocorre no Japão, com 37% de infectados, não
afetando países asiáticos próximos. Podem ser encontradas prevalências elevadas na América
central, principalmente Jamaica, com 5% de infectados e na África, aumentando a prevalência
mais para o sul, com a Tanzânia apresentando 17% de infectados. No Brasil, há uma prevalência
maior nos estados do Sudeste e na Bahia.

Sua transmissão ocorre de maneira silenciosa, através do aleitamento materno, transfusão de


sangue, compartilhamento de agulhas e relações sexuais. Não há uma vacina disponível capaz
de realizar a prevenção desta transmissão. No Brasil, a principal medida preventiva é a triagem
em doadores de sangue, contribuindo para a redução desta forma de transmissão. Contudo, não
havendo medidas preventivas para a transmissão vertical deste vírus implementadas de
maneira difundida no pré-natal, o que seria vital para uma redução significante na incidência no
HTLV.

A maior parte dos pacientes infectados irão permanecer assintomáticos, podendo apresentar o
diagnóstico de infecção pelo HTLV de maneira incidental, ou até mesmo viver toda a vida sem
esta informação. Os pacientes sintomáticos podem apresentar um espectro grande de doenças,
os quais permeiam por diversas áreas médicas.

Manifestações Neurológicas

A HAM/TSP (mielopatia associada ao HTLV/paraparesia espástica tropical) apresenta um


acometimento insidioso geralmente, com uma paraparesia espástica, lombalgia com irradiação
para os membros inferiores, Hiperreflexia dos membros inferiores, frequentemente com clonus
e Sinal de Babinski, e dos membros superiores, com sinais de Hoffmann e Tromner positivos. Em
geral, a primeira manifestação clínica nestes pacientes é lombalgia. No exame do LCR (líquido
cefalorraquidiano), estes pacientes possuem a presença de antígenos ou anticorpos contra o
HTLV-1 (bem como no sangue), pleocitose linfocítica leve, aumento leve a moderado de
proteína. No sangue pode haver linfócitos lobulados, conhecidos como células em flor (flower
cells). É importante o diagnóstico diferencial com outras doenças, esclerose múltipla, a
mielopatia vacuolar do HIV, a esclerose lateral primária, as compressões medulares, a
deficiência de vitamina B12 e a sífilis.

Não há um tratamento específico para a doença, devendo ser tratados os acometimentos


específicos de forma sintomática, sendo uma parte fundamental o acompanhamento
multidisciplinar incluindo equipe de fisioterapia.

Manifestações Hematológicas

A leucemia/linfoma de células T do adulto é uma doença agressiva, com lesões de pele


persistentes, linfadenopatia e alargamento de mediastino, hepatoesplenomegalia, artropatia
persistente (excluindo processo autoimune prévio). O exame laboratorial de sangue demonstra
linfocitose persistente, eosinofilia com leucocitose e hipercalcemia sem uma etiologia evidente.
Na bioquímica, há aumento de alfa-2 microglobulina, desidrogenase lática (LDH) e alteração de
perfil de linfócitos T circulantes (aumento de células CD4+/CD25+ e diminuição de CD8+/CD56+).
O tratamento das formas agudas é com uma poliquimioterapia, apresentando uma baixa
sobrevida aos primeiros 12 meses de evolução.

Outras Manifestações

Outras manifestações relacionadas ao HTLV incluem polimiosite, miosite por corpúsculos de


inclusão, fibromialgia; acometimento oftalmológico das glândulas lacrimais e salivares;
manifestações dermatológicas, com dermatite infecciosa associada ao HTLV, relacionada a um
eczema crônico; artrite e sinovite, e predisposição a doenças infecciosas, relacionadas a
imunossupressão, como a hiperinfecção relacionada ao Strongyloides stercoralis podendo
apresentar uma estrongiloidíase refratária a tratamento habitual.

Na atualidade, alastra-se pelo território brasileiro um desconhecimento da população,


portadores e dos profissionais de saúde acerca do HTLV, muitas vezes confundido com o vírus
da imunodeficiência humana (HIV), causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS)
devido à semântica. Tal fato favorece o erro no diagnóstico e, desta maneira, do tratamento,
bem como o atraso do diagnóstico, com sintomas agravando-se, terminando a investigação com
limitações físicas já estão instaladas.

Mesmo sendo endêmica no Brasil, a triagem sorológica é disponível somente para os doadores
de sangue. Apesar de um exame laboratorial ser suficiente para fazer a triagem sorológica desse
vírus, este não é habitualmente solicitado, não sendo ofertada pelo Sistema Único de Saúde
(SUS). Ainda que consiga o diagnóstico, os pacientes ainda apresentam dificuldades para acessar
os serviços de saúde adequados, com poucos serviços estruturados para receber o paciente.
Visto que a infecção não tem cura, o diagnóstico precoce é vital, permitindo intervenções nas
fases iniciais da doença, minimizando ou retardando os efeitos incapacitantes.

OBJETIVOS
Demonstrar numa população do município do Rio de Janeiro o desconhecimento acerca da
infecção do HTLV, decorrente da falta de campanhas educacionais tanto para a população geral,
quanto para portadores e profissionais da saúde, aos quais falta um conhecimento teórico e
experiência prática acerca da assistência aos indivíduos com este vírus, prejudicando o
diagnóstico e tratamento dos pacientes.

MÉTODOS
Será conduzido um estudo transversal quantitativo com a aplicação de um questionário para
profissionais da saúde (ANEXO 1) e para a população geral (ANEXO 2) construído
especificamente para mensurar o conhecimento acerca do HTLV, seu diagnóstico e condutas.
Anexado a este incluirá um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, visando esclarecimento
e concordância com a participação no estudo pelo indivíduo.

O questionário será validado por uma equipe de cinco profissionais especialistas na áreas. Então,
este será aplicado em pontos dentro dos limites do município do Rio de Janeiro, sendo
conduzido em pontos que favoreçam a entrega próxima a passagem de pedestres e em
hospitais, visando englobar todas as classes de profissionais da saúde e comunidade.
Nome: André Bertola Vanzan Filho

Estudante de medicina da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro com


projeto de Trabalho de Conclusão de Curso, orientado pela Profª. Drª. Marzia
Puccioni Sohler, com o objetivo de avaliar o conhecimento acerca do HTLV na
população em geral e dentre profissionais de saúde.
MODELO QUESTIONÁRIO (Profissional de Saúde)
Identificação:_________________________________________________________
Escolaridade: ____________________ Idade: _______ Cor da pele: ________________
Profissão: _____________________________________________________________
MARQUE TODAS AS RESPOSTAS QUE SE APLICAREM
1. Você já ouviu falar no HTLV? Sim Não
Objetivo: Verificar se há um conhecimento prévio básico do profissional de saúde
somente acerca do nome HTLV.
2. Se sim, ouviu em alguma campanha educacional? Sim Não
Objetivo: Avaliar se o profissional tem o conhecimento sobre a existência
campanhas educacionais acerca do tema, verificando dentre as respostas se estas
são suficientes ou não.

3. O que é o HTLV?
o Uma bactéria
o Um vírus
o Um fungo
o Um protozoário
o Um helminto
o Não Sei
Objetivo: Verificar se o profissional da saúde apresenta o conhecimento mais
detalhado sobre o HTLV, além do nome, se pode ou não classificá-lo quanto a
etiologia viral nas categorias acima
4. Qual o(s) principal(is) HTLV de importância médica?
o HTLV-1
o HTLV-2
o HTLV-3
o HTLV-1 e HTLV-2
o HTLV-2 e HTLV-3
o HTLV-1 e HTLV-3
o Não Sei
Objetivo: Avaliar se tais profissionais conseguem elencar os principais, englobando
todos (HTLV-1 e 2) e excluindo aqueles que são incorretos (HTLV-3, nome antigo do
HIV-1)

5. Quais são maneiras de transmissão do HTLV?


o Transfusão de sangue
o Aleitamento materno
o Atividade sexual sem preservativos
o Gotículas de saliva
o Não Sei
Objetivo: Avaliar se os profissionais de saúde conseguem delinear os meios de
transmissão do HTLV, podendo ser agentes da prevenção desta e desta forma,
orientar adequadamente seus pacientes e a sociedade como um todo.

6. Qual a relação entre HTLV e HIV?


o São os mesmos agentes
o Podem aparecer em co-infecção
o São diferentes causadores da AIDS
o Não há qualquer relação
o Não sei
Objetivo: Avaliar a capacidade do profissional de saúde em diferenciar o HTLV do
HIV, dois retrovírus os quais podem ser frequentemente confundidos devido a
semântica, estabelecendo sua diferença, notando que podem estar presentes em
um mesmo paciente co-infectado.

7. Quando é realizado o teste de triagem do HTLV no Brasil?


o No exame pré-natal.
o No momento do nascimento.
o Na doação de sangue
o Em diversas campanhas do SUS.
o Não sei
Objetivo: Verificar se estes profissionais conhecem o teste de triagem para o HTLV,
quando é feito, mostrando a estes as limitações do mesmo no Brasil.
8. Como é realizado o diagnóstico da infecção pelo HTLV?
o Apenas Teste de ELISA
o Apenas teste Western blot.
o Apenas teste rapido.
o Teste de ELISA e Western blot ou PCR
o Não sei
Objetivo: Avaliar se este profissional teria condições de estabelecer um diagnóstico da
infecção pelo HTLV, solicitando adequadamente os exames para tal fim, trazendo melhores
condições para o paciente.

9.Quais são doenças relacionadas ao HTLV?


o Paraparesia Espástica Tropical (HAM/TSP)
o AIDS
o Leucemia/Linfoma de células T do Adulto
o Uveíte
o Pneumonia
o Não sei
Objetivo: Verificar se tais profissionais conseguem reconhecer as doenças
relacionadas ao HTLV, pensando em tais diagnósticos para seu paciente, provendo a
este um cuidado mais preciso.

10.Qual geralmente é o primeiro sintoma da doença neurológica associada ao HTLV-


1?
o Dor de cabeça (cefaleia)
o Vômitos
o Artrite poliarticular simétrica
o Dor Lombar
o Não sei
Objetivo: Verificar se estes profissionais conseguem identificar corretamente o
primeiro sintoma que um paciente pode referir ao início de uma doença neurológica,
permitindo um diagnóstico mais precoce.

11.Qual o tratamento para o HTLV?


o Vacina
o Terapia Antirretroviral igual ao HIV
o Terapia Antirretroviral específica
o Não há tratamento específico
o Não sei
Objetivo: Avaliar se estes profissionais conhecem a limitação de tratamento para
estes pacientes, diferenciando também o HTLV do HIV novamente.
MODELO QUESTIONÁRIO – População geral
Identificação:________________________________________________
Escolaridade: ____________________ Idade: ____ Cor da pele: _______
Profissão: ____________________ Sexo: Fem Masc

MARQUE TODAS AS RESPOSTAS QUE SE APLICAREM

1- Você tem vida sexual ativa? Não Sim


Se sim, com qual frequência você usa preservativo?
Sempre Às vezes Nunca

Objetivo: Avaliar se o indivíduo apresenta em uma vida sexual, caso ativa, um


comportamento seguro, através da utilização de preservativos para a prevenção da
transmissão do HTLV e outras ISTs.

2- Você tem filhos? Não Sim. Quantos?__________

Caso tenha filhos e seja mulher, você amamentou seus filhos? Não Sim.
Por quanto tempo? Menos de 6 meses Mais de 6 meses.

Objetivo: Verificar se as mulheres as quais preenchem o critério de apresentar filhos


amamentaram seus filhos, sendo este um dos principais meios de transmissão do
HTLV, informando sobre o teste do HTLV.

3- Você já ouviu falar no HTLV? Sim Não


Se sim, ouviu em alguma campanha educacional? Sim Não
Objetivo: Verificar se há um conhecimento prévio básico do indivíduo somente
acerca do nome HTLV, e se o mesmo tem o conhecimento sobre a existência
campanhas educacionais acerca do tema, verificando dentre as respostas se estas
são suficientes ou não.

4- O que é o HTLV?
o Uma bactéria
o Um vírus
o Um fungo
o Um protozoário
o Não Sei
Objetivo: Avaliar se o indivíduo consegue estabelecer a etiologia viral do HTLV
dentre as categorias acima, demonstrando um conhecimento básico, porém mais
aprofundado que somente o nome HTLV.
5- Quais são as formas de transmissão do HTLV?
o Beijo na boca
o Aleitamento materno
o Atividade sexual sem preservativos
o Gotículas de saliva
o Aperto de mãos
o Transfusão de sangue
o Não Sei
Objetivo: Verificar se o indivíduo consegue listar meios de transmissão adequados
do HTLV, a fim da prevenção de contagio e transmissão do mesmo de forma correta
e eficiente.
6- Qual a relação entre HTLV e HIV?
o São o mesmo agente
o Podem aparecer juntos (co-infecção)
o São diferentes causadores da AIDS
o Não há qualquer relação
o Não sei
Objetivo: Avaliar se o indivíduo fora da área de saúde consegue diferenciar o HIV do
HTLV, semanticamente semelhantes, estabelecendo que podem estar em um
mesmo indivíduo co-infectado.

7- Quando é realizado o teste de triagem do HTLV no Brasil?


o No exame pré-natal.
o No momento do nascimento.
o Só na doação de sangue
o Em diversas campanhas do SUS.
o Não sei
Objetivo: Avaliar se o indivíduo já ouviu falar no teste de triagem sobre HTLV e se o
mesmo apresenta o conhecimento sobre quando é realizado no país.

8- Quais são doenças relacionadas ao HTLV?


o Paraparesia Espástica Tropical (HAM/TSP)
o AIDS
o Leucemia/Linfoma de células T do Adulto
o Uveíte
o Pneumonia
o Não sei
Objetivo: Verificar se o indivíduo, fora da área de saúde já ouviu falar em alguma das
doenças relacionadas ao HTLV, conhecendo algum destes possíveis diagnósticos e
sua relação com o vírus.

9- Qual o tratamento para o HTLV?


o Vacina
o Terapia Antirretroviral igual ao HIV
o Terapia Antirretroviral específica
o Não há tratamento específico
o Não sei
Objetivo: Avaliar se o indivíduo conhece limitações do tratamento do HTLV e
diferenciando-o do HIV novamente.
10- Você já fez o teste para HTLV? Sim Não
Objetivo: Verificar se o indivíduo tem o conhecimento do teste do HTLV e seu estado
quanto ao HTLV.
11- Você já recebeu transfusão de sangue? Sim Não Quando? _________
Objetivo: Verificar se o indivíduo que já recebeu transfusão de sangue, um dos meios
de transmissão para o HTLV, informando-o sobre o teste do HTLV.

REFERÊNCIAS:
1. ___________. HTLV – Guia de Manejo Clínico da Infecção Pelo HTLV. Ministério da Saúde
(Brasil). Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.
Brasília. 2013.

2. BANGHAM, Charles R. M., ARAUJO, Abelardo, YAMANO, Yoshihisa, TAYLOR, Graham P.


HTLV-1-associated myelopathy/tropical spastic paraparesis. Nat Rev Dis Primers. 2015 Jun
18;1:15012.
3. GESSAIN A, MAHIEUX R. Tropical spastic paraparesis and HTLV-1 associated myelopathy:
clinical, epidemiological, virological and therapeutic aspects. Rev Neurol (Paris) 168(3):257–
269. 2012

4. HATANPAA KJ, KIM JH: Neuropathology of viral infections. Handb Clin Neurol, 123:193-
214. 2014

5. SANTOS, Ana Clarissa Cerqueira dos; SOARES, Danielle de Jesus; RIVEMALES, Maria da
Conceição Costa. (Des)conhecimento, adoecimento e limitações impostas pelo HTLV:
experiências de mulheres soropositivas. Cad. saúde colet., Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 45-
50, Mar. 2017.

6. ROMANELLI, Luiz Cláudio Ferreira; CARAMELLI, Paulo; PROIETTI, Anna Barbara de Freitas
Carneiro. O vírus linfotrópico de células T humanos tipo 1 (HTLV-1): Quando suspeitar da
infecção?. Rev. Assoc. Med. Bras., São Paulo , v. 56, n. 3, p. 340-347, 2010.

Você também pode gostar