Você está na página 1de 269

o XADREZ

DOSGRANDES
MESTRES

-- -- - - - -
1864x López Manzano, Antonio
o xadrez dos grandes mestres / Antonio López Man-
zano e José Monedero González; trad. Abrão Aspis. - Por-
to Alegre: Artmed, 2002.

1. Espone - Xadrez. I. Monedero González, José. 11.


Título.

CDU 794.1

Catalogação na publicação: Mônica Ballejo Canto - CRB 10/1023


ISBN 85-363-0026-4
XADREZ
DOSGRANDES
MESTRES
400 conselhos
paramelhorarseunívelenxadrístico

ANTONIOLÓPEZMANZANO
Secretário da Federação Catalã de Xadrez.
Árbitro nacional de xadrez.

JOSÉMONEDERO GONZÁLEZ
Ex-campeãoda Catalunha.

Tradução:
Abrão Aspis
Ex-presidente da Federação Gaúcha de Xadrez.
Benemérito do Xadrez Brasileiro.

ARTM:D
E o
~
I T o R A

2002
Obra originalmente publicada sob o título
Ajedrez esencial: 400 consejos para mejorar tu nivel ajedrecístico
@ Editorial Paidotribo, 2000
ISBN 84-8019-479-0

Design de capa:
Flávio Wild

Assistente de design:
Gustavo Demarchi

Preparação do original:
Laura Ávila

Leitura final:
Micheline Moraes

Supervisão editorial:
Cláudia Bittencourt

Editoração eletrônica:
Formato Artes Gráficas

Reservados todos os direitos de publicação, em língua portuguesa, à


ARTMED@EDITORA S.A.
Av. Jerônimo de Omelas, 670 - Santana
90040-340 Porto Alegre RS
Fone (51) 3330-3444 Fax (51) 3330-2378
É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no
todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios
(eletrônico, mecânico, gravação, fotocópia, distribuição na Web
e outros), sem permissão expressa da Editora.
SÃO PAULO
Av. Rebouças, 1073 - Jardins
05401-150 São Paulo SP
Fone (11) 3062-3757 Fax (11) 3062-2487
SAC 0800-703-3444
IMPRESSO NO BRASIL
PRlNTED IN BRAZIL
AGRADECIMENTOS
A Ángel Martín González, Florentino
Rodríguez Celdrán, José Adrián Navarro
Cárdenas, Máximo Borrell Vidal e
Jordi Bover; cuja ajuda foi fundamental para
a elaboração e para as correções deste livro.
APRESENTAÇÃO

Este livro se destaca, em primeiro lugar, por sua originalidade e simplicidade. Em


vez de seguir as diretrizes da maioria dos tratados de xadrez, os autores se dispuseram a
fazer um manual em que os ensinamentos provêm diretamente dos grandes jogadores da
história do xadrez.
Cada capítulo pode ser estudado de modo independente, sendo dedicado a um
dos campeões mundiais ou a grandes jogadores que se destacaram em suas épocas e
cujo legado foi importante para a história do xadrez. Nas fichas dedicadas a esses
jogadores, o leitor encontrará suas principais conquistas, assim como a sua contri-
buição ao conjunto de conhecimentos da atual teoria enxadrística. Para isso, nada
melhor que apresentar partidas cuidadosamente selecionadas e comentadas de cada
jogador. Somando esses conhecimentos ao seu background, o leitor desenvolverá ainda
mais suas habilidades de jogo.
Devido à grande quantidade de dados levantados, este livro se comporta como
uma pequena enciclopédia dedicada aos melhores jogadores da história do xadrez,
revisando as principais escolas do pensamento enxadrístico. Além disso, cada capítulo
contém um conjunto de finais, com posições instrutivas, inclusive para jogadores
experientes, e ainda uma série de exercícios com os quais o leitor, qualquer que seja seu
nível enxadrístico, poderá exercitar suas habilidades táticas enquanto se diverte. Os
jogadores iniciantes encontrarão uma seção de mates típicos, com a apresentação de
uma série de finais que todo jogador deve conhecer.
Além disso, a fim de amenizar a leitura, cada capítulo contém seções dedicadas a
anedotas e curiosidades, muitas das quais são pouco conhecidas, bem como a conselhos
em que as experiências de jogadores são transfonnadas em sentenças que, às vezes,
parecem elementares, mas nem sempre são consideradas pelos enxadristas.
O xadrez dos grandes mestres é precisamente isto: a recopilação de conhecimentos
fundamentais para uso de todo jogador, seja do ponto de vista histórico como do pura-
mente enxadrístico. Este livro é destinado tanto a jogadores de clubes que querem me-
lhorar seu nível como àqueles mais credenciados, que, além de extrair lições proveitosas,
podem empregar este texto para o ensino do xadrez.
Meus elogios aos autores. Infelizmente, os livros de xadrez de escritores espa-
nhóis não abundam no mercado. Assim, cabe felicitar aos autores desta obra por muitos
motivos, mas especialmente por terem realizado um bom trabalho. Antonio López
8 APRESENTAÇÃO

Manzano, que demonstrou qualidades didáticas com seu primeiro livro, lniciación al
ajedrez*, que, com cinco edições em apenas quatro anos, se converteu em um grande
êxito comercial, e José Monedero Gonzaléz, duplo campeão da Catalunha (absoluto e
de veteranos), que trouxe ao livro, dentre outras particularidades, sua enorme expe-
riência de quase cinqüenta anos como enxadrista.

Ángel Martín González


Mestre Internacional,
três vezes campeão espanhol
e cinco vezes campeão catalão.

* Publicado no Brasil sob o título Iniciação ao xadrez (Artmed, 2002).


SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 19

CAPÍTULo 1 - OS PILARES DA ESTRATÉGIA ENXADRÍSTICA 21


François André Philidor
Partida 1 - A importância dos peões. Conde Brühl- Philidor, 1783 22
Final- Estudo de Rinck 23
Mates típicos. Mate de Philidor 23
Exercício 1. Alekhine - Supico, 1945 23
Anedotas e curiosidades 24
O peão envenenado 24
Partida 2. J. López - A. López, 1972 24
Partida 3 - Outro exemplo de peão envenenado. Kunin - Oxengoit, 1958 24
Quantas jogadas você pode calcular? 25
Conselhos 25

CAPÍTULo 2 - O ESPÍRITO ROMÂNTICO 26


Adolf Anderssen
Partida 4 - A Imortal: a partida mais famosa da história do xadrez.
A. Anderssen- L. Kieseritzky,1851 27
Final. Estudo de Prokop, 1930 28
Mates típicos. Mate de Anderssen 29
Exercício2. Maroczy- Vidmar,1922 29
Exercício3. Schmidt- Richter 30
Anedotas e curiosidades 30
Partida 5. J. Quesada - A. López, 1978 30
Anderssen e o hoteleiro 31
Conselhos 31

CAPÍTULo 3 - A FILOSOFIA DO JOGO ABERTO 32


Paul Morphy
Partida 6. L.Paulsen - P.Morphy,1857. 33
Final. Sárichev,1929 34
Mates típicos. Mate de Morphy 34
Exercício4. Morphy - Harrwitz 34
Exercício5. Cochrane - Staunton, 1842 35

--
10 SUMÁRIO

Anedotas e curiosidades 35
A genialidade de Morphy 35
Partida 7 - A vantagem da dupla de bispos. H. Bird - P.Morphy, 1858 35
A psicologia de Lasker 36
Conselhos ... 36

CAPÍTULo 4 - A FANTASIA A SERVIÇO DO XADREZ 38


Johannes Zukertort
Partida 8 - A imortal de Zukertort. Zukertort - Blackbume, 1883 39
Final- Torre contra peão 40
Mates típicos. Mate de Zukertort 41
Exercício 6. J. Monedero - A. Hemández, 1998 41
Anedotas e curiosidades ... 41
Partida 9. Ed. Lasker - G. Thomas, 1912 41
O xadrez proibido 42
Conselhos 42

CAPÍTULo 5 - O PRIMEIRO CAMPEÃo DO MUNDO 43


Wilhelm Steinitz
Partida 10. Steinitz - Golmayo, 1888 44
Final- O percurso exato do rei 44
Mates típicos. Mate com cavalos 45
Exercício 7. H. Cordes, 1895 45
Anedotas e curiosidades 46
Partida 11. Steinitz - Bardeleben, 1895 46
Glória ou dinheiro ... 46
Conselhos ... 47

CAPÍTULo 6 - O PRECURSOR DA ESCOLA RUSSA 48


Mikhail Chigorin
Partida 12. Chigorin - Davidov, 1883 49
Final. Pomar - Cuadras, 1974 50
Mates típicos. Mate de Chigorin 50
Exercício 8 50
Anedotas e curiosidades 51
A fortaleza 51
O talento de Alekhine 52
Conselhos 52

-
CAPÍTULo 7 UM GÊNIO EFÊMERO 53
Harry Nelson Pillsbury
Partida 13. H. Pillsbury - G. Marco, 1900 54
Final- Final de Peões 54
Mates típicos. Pillsbury - Judd, 1899 55
Exercício9. Andruet - Spassky, 1988 55
Anedotas e curiosidades 56
Partida 14 - Quando três peças valem mais que uma dama.
Monedero - Sanabria, 1972 56
A miniatura mais famosa 57
Partida 15. Morphy - Duque de Brunswick e Conde Isouard, 1858 57
O xadrez e a vida 57
Conselhos . 57

-
SUMÁRIO 11

CAPÍTULo 8 - O PRECEPTOR GERMÂNICO 58


Siegbert Tarrasch
Partida 16. Breyer - Tarrasch, 1920 59
Final- Final de peões: quando as aparências enganam. Lasker - Tarrasch, 1914 61
Mates típicos. Mate do Calabrês 61
Exercício 10. Dama e bispo contra dama 61
Anedotas e curiosidades 62
Os dois gêmeos 62
Gêmeo 1 62
Gêmeo 2 62
As superstições de Alekhine 62
Conselhos 63

CAPÍTULo 9 - O JOGO PSICOLÓGICO 64


Enunanuel Lasker
Partida 17. E. Lasker- J. Capablanca, 1914 65
Final. Henneberger - Nimzowitsch, 1931 66
Mates típicos. Mate de Epaulet 67
Exercício 11. Torre contra dois peões 67
Anedotas e curiosidades 68
Partida 18. Abertura irregular 68
As simultâneas às cegas de Alekhine 69
Conselhos 69

CAPÍTULo 10 - A MELHOR DEFESA É UM BOM ATAQUE 70


Frank Marshall
Partida 19. Lewistzky - Marshall, 1912 71
Final. Ljubojevic - Browne, 1972 71
Mates típicos. Mate de Marshall 72
Exercício 12. Composição de Timman, 1976 72
Exercício 13. Spielmann - Denker, 1934 73
Exercício 14. Luchovsky - Gridnev, 1976 73
Anedotas e curiosidades 73
Batuyev - Simagin, 1954 73
Os perigos de jogar "sem pensar" 73
Conselhos 73

CAPÍTULo 11 - A FILOSOFIA DA ARTE DO XADREZ 75


Ricardo Réti
Partida 20. R. Réti - E. BogoljuboV'l,1924 76
Final. Estudo de Réti, 1928 77
Mates típicos. Mate de Réti 77
Exercício 15 77
Anedotas e curiosidades 78
Mestre - desafiante: simultânea 78
Por que você não abandona se eu tenho uma dama de vantagem? 78
O xadrez e seus recordes 78
Conselhos 78

CAPÍTULo 12 - A ESCOLA HIPERMODERNA 80


Aaron Nimzowitsch
Partida 21. Bogoljubow- Nimzowitsch,1929 81
Partida 22. Nimzowitsch - Salwe, 1911 82
Final. Estudo de Wotawa, 1952 83
12 SUMÁRIO

Mates típicos. Mate do rei encurralado ........................................................................ 84


Exercício 16. Estudo de K. Tattersoll, 1910 .................................................................. 84
Anedotas e curiosidades ... ...... ... ... ........................................ 84
Uma dupla de bispos inúteis ........................................................................................ 84
O ginasta Nimzowitsch ................................................................................................ 85
Conselhos . ... ... .............. 85

CAPÍTULo13 - O XADREZCOMOARTE.................................................................. 86
Akiba Rubinstein
Partida 23. Rotlewi- Rubinstein, 1907........................................................................ 87
Partida 24. Rubinstein- Marshall, 1912 ...................................................................... 88
Final. Estudo de Averbak,1962 ................................................................................... 89
Mates típicos. Mate de Meek........................................................................................ 89
Exercício17. Cavaloe peão contra cavalo ................................................................... 89
Anedotas e curiosidades .............. 90
A importância dos tempos de vantagem ...................................................................... 90
A memória de Alekhine................................................................................................ 91
Conselhos .............. 91

CAPÍTULO14 - O TALENTONATURAL..................................................................... 92
José Raul Capablanca Graupera
Partida 25. J. Capablanca- J. Mieses, 1928................................................................. 93
Partida 26. Capablanca- Tartakower,1924................................................................. 94
Partida 27. Capablanca- Spielmann, 1927.................................................................. 95
Partida 28. O.Bernstein - Capablanca, 1914 ............................................................... 96
Final. Bronstein- Botvinnik,1951............................................................................... 97
Mates típicos. Mate de Boden ...................................................................................... 97
Exercício18. Ahues- Hans Müller,1920..................................................................... 98
Anedotas e curiosidades ... ... ... ... ... .... 98
A composiçãode Capablanca....................................................................................... 98
Ojovem Capablanca ... ... ............. 98
Conselhos ... ........... 99

CAPÍTULO15 - UM GÊNIOLUTADORE BRILHANTE............................................ 100


Alexandre Alekhine
Partida 29. A. Alekhine- E. Bõõk, 1938 ...................................................................... 101
Partida 30. Alekhine- Tartakower,1922 ..................................................................... 102
Partida 31. Alekhine- Nimzowitsch,1930 .................................................................. 103
Final. Estudo de Grigoriev,1932.................................................................................. 105
Mates típicos. ............................................................................................................... 106
Mate dos dois bispos de Alekhine ................................................................................ 106
Mate do recuo.............................................................................................................. 106
Exercício19. Hort - Byrne, 1962 ................................................................................. 106
Anedotas e curiosidades ... ... ..... 107
Alekhinetoma seu próprio remédio ............................................................................. 107
O xadrez como língua materna .................................................................................... 107
Conselhos . ... ... .................. 107

CAPÍTULO16 - A CONFIANÇAE O OTIMISMO....................................................... 109


Efim Bogoljubow
Partida 32. E. Bogoljubow- A. Rubinstein, 1920......................................................... 110
Final- A oposição em um final de peões ..................................................................... 111
Mates típicos. Mate de Ponziani................................................................................... 111
Exercício20. Lasker- Moll, 1904 ................................................................................ 111
SUMÁRIO 13

Anedotas e curiosidades ... .... 112


Vocêquer trocar de cores? ........................................................................................... 112
Tanakower e os campeões do mundo .......................................................................... 112
Conselhos ................................................................................................................. 112

CAPÍTULo17 - A REVISÃODE ANTIGOSDOGMAS............................................... 114


Savie11yTartakower
Partida 33. S. Tanakower - S. Tarrasch, 1920.............................................................. 115
Final. Estudo de Horwitz e Kling.................................................................................. 115
Mates típicos. Mate de Bird.......................................................................................... 116
Exercício21. Estudo de Platov,1927 ........................................................................... 116
Exercício22. Short - Arnason, 1987 ............................................................................ 116
Anedotas e curiosidades ....................................................................................... 117
Partida 34. Tolstoi- Goldenveiser,1910 ...................................................................... 117
A criação da Abertura Catalã ....................................................................................... 117
Partida 35. Tartakower- Torres, 1929 ......................................................................... 117
Uma Abertura Catalã espetacular ................................................................................ 118
_
Partida 36. A.Alekhine K.Junge, 1942..................................................................... 118
Fischere suas 60 memoráveis partidas ........................................................................ 120
Conselhos ........... 120

CAPÍTULo18 - O JOGOCIENTÍFIco ........................................................................ 121


Max Euwe
Partida 37. M. Euwe- B.Fischer,1957........................................................................ 122
Final- Antigeometriaenxadrística............................................................................... 123
Estudo de Réti, 1921.................................................................................................... 123
Mates típicos. Mate de Anastásia ................................................................................. 123
Exercício23. Estudo de Przepiorka .............................................................................. 124
Anedotas e curiosidades ....................................................................................... 124
Não aceito empate! ...................................................................................................... 124
Viverpara e pelo xadrez .............................................................................................. 125
Conselhos ...... 125

CAPÍTULo19 - O PRÍNCIPECOROADO................................................................... 126


Paul Keres
Partida 38. Thomas- Keres,1937................................................................................ 127
Final. Estudo de Batuyev,1940 .................................................................................... 128
Mates típicos. Mate de Keres........................................................................................ 128
Exercício24. Capablanca- Spielmann, 1911............................................................... 128
Anedotas e curiosidades .................................................... 129
Partida 39. A. López- J. Hemández, 1980 .................................................................. 129
Capablanca: mais que uma pessoa, uma máquina ....................................................... 130
Conselhos ................................................................................................................. 130

CAPÍTULo20 - O MENINO-PRODÍGIODA POLÔNIA............................................ 132


Samue1 Reshevsky
Partida 40. Uma miniatura de Reshevsky..................................................................... 133
Final. Ed. Lasker- Capablanca, 1915 .......................................................................... 133
Mates típicos. Mate de dama e cavalo.......................................................................... 134
Exercício25. Alekhine- M. Prat, 1913 ........................................................................ 134
Exercício26. Fine - Dake, 1933................................................................................... 135
Anedotas e curiosidades ....................................................................................... 135
Partida 41 - As linhas teóricas podem ser refutadas. Averbakh- Estrin, 1964............. l~S
Partida 42. Krogius - N. Aratovsky, 1945 136
.....................................................................
14 SUMÁRIO

Partida 43. Botvinnik - Spielmann,1935.....................................................................


136
As qualidades do xadrez .............................................................................................. 136
Conselhos ..................................................................................... 137

CAPÍTULo21 - A NOVAESCOLASOVIÉTICADE XADREZ.................................... 138


Mijail Botvinnik
Partida 44. Botvinnik- Capablanca, 1938 ................................................................... 139
Partida 45. M. Botvinnik- M. Vidmar,1936 ................................................................ 140
Final. Mugnos, 1941 .................................................................................................... 141
Mates típicos. Mate de peão......................................................................................... 142
Exercício27. Asbrancas jogam e ganham ................................................................... 142
Anedotas e curiosidades ................................................ 142
A beleza do xadrez....................................................................................................... 142
Partida 46. Leepin- Mross, 1941................................................................................. 142
Fischerna escola.......................................................................................................... 143
Conselhos ........... 143

CAPÍTULo 22 - UM AMOR INCONDICIONAL AO XADREZ ................................... 144


Miguel Najdorf
Partida 47. Glücksberg - Najdorf, 1935 ....................................................................... 145
Final. Estudo de Réti, 1922 .......................................................................................... 146
Mates típicos. Mate das dragonas ................................................................................ 146
Exercício 28. Criação de um peão passado................................................................... 146
Anedotas e curiosidades ....................................................................... 147
Partida 48. J. Monedero - A.Martín,1973.................................................................. 147
O problema imortal. Dr. Conrad Bayer - Mate em 9 .................................................... 148
O mau humor dos campeões mundiais ........................................................................ 148
Conselhos ......... 148

CAPÍTULo23 - A LÓGICAA SERVIÇODO XADREZ............................................... 150


Efim Geller
Partida 49. Geller- Portisch, 1967............................................................................... 151
Final. Dama contra dama, um caso excepcional........................................................... 152
Mates típicos. Mate de Lolli ......................................................................................... 152
Exercício29. Estudo de Troitzky,1896 ........................................................................ 152
Anedotas e curiosidades ....................................................................................... 152
A influência dos espectadores ...................................................................................... 152
Conselhos ................................................. 153

CAPÍTULo24 - UM TURBILHÃOTÁTICO................................................................. 154


Mikhail Tal
Partida 50. Teschner- Tal, 1957.................................................................................. 155
Final. Averbakh- Final de torre contra cavalo ............................................................. 156
Mates típicos. Mate da andorinha ................................................................................ 156
Exercício30. Tal- Timman, 1972................................................................................ 157
Exercício31. Tal- Devski,1961 .................................................................................. 157
Exercício32. Tal- Rantanen, 1979.............................................................................. 157
Exercício33. Tal- Unzicker,1966 ............................................................................... 157
Anedotas e curiosidades ... .................................158
Um efeito psicológicochamado Fischer ....................................................................... 158
O que é bom para o estômago não é bom para' o xadrez ............................................. 158
Conselhos 158
.......................................................................................
SUMÁRIO 15

CAPÍTULo 25 - MELODIA ENXADRÍSTICA .............................................................. 159


Mark Taimanov
Partida 51. Taimanov- Usitsin, 1949 .......................................................................... 160
Final. Doispeões contra um ......................................................................................... 161
Mates típicos. Mate suicida .......................................................................................... 161
Exercício34. Spassky- Marszalek,1960 ..................................................................... 161
Anedotas e curiosidades ... ................................................................ 161
A partida eterna ..... 161
Partida 52. A. Anderssen - J. Dufresne, 1852 .............................................................. 162
A relação entre Tarrasch e Lasker ................................................................................ 163
Conselhos ........................... 163

CAPÍTULo26 - O JOGOCRIATIVO............................................................................ 164


David Bronstein
Partida 53. S. Reshevsky- Bronstein, 1953 ................................................................. 165
Final. Karstedt, 1909.................................................................................................... 166
Mates típicos. Mate de Malon ...................................................................................... 167
Exercício35. Bolton, 1873 ........................................................................................... 167
Anedotas e curiosidades .......... 167
Tal- Botvinnik,1961. O engano de Botvinnik............................................................. 167
Fischere as mulheres ................................................................................................... 168
Conselhos ................................................................................................................. 168

CAPÍTULo27 - EM BUSCADA HARMONIAENXADRÍSTICA................................ 169


Vasili Smyslov
Partida 54. V.Smyslov- J. Pelikan, 1966 ..................................................................... 170
Final. Salvio,1634 ....................................................................................................... 171
Mates típicos. Mate de fantasia em três jogadas .......................................................... 171
Exercício36. Capablanca- Lasker,1914...................................................................... 171
Anedotas e 'curiosidades ....................................................................................... 172
Partida 55. Botvinnik- Ragosin, 1936......................................................................... 172
Conselhos ................................................................................................................. 173

CAPÍTULo28 - O MESTREDA PREVENÇÃO........................................................... 174


Tigran Petrosian
Partida 56. A.Tolush- T.Petrosian, 1957.................................................................... 175
Final. Stoltz - Nirnzowitsch,1928................................................................................ 176
Mates típicos. Mate de raio X....................................................................................... 176
Exercício37. Capablanca- Raubitschek,1906 ............................................................ 177
Anedotas e curiosidades ................................. 177
O carteiro sempre chama duas vezes ........................................................................... 177
Alekhinefuturólogo ..................................................................................................... 178
Conselhos ... 178

CAPÍTULo29 - O MENINO-PRODíGIOESPANHOL................................................ 179


Arturo Pomar
Partida 57. Pomar - Ljubojevic,1974........................................................................... 180
Partida 58. J. P.Hernández - E J. Pérez, 1967 ............................................................. 182
Final. Prokes, 1946 ...................................................................................................... 182
Mates típicos. Mate de Bristol...................................................................................... 183
Exercício38. Bonner - Medina, 1976 .......................................................................... 183
Exercício39. Ángel Martín González- José García Padrón, 1977................................ 183
Anedotas e curiosidades ....................................................................................... lS4
Paolo Boi 1 ................................................................................................................... 184
16 SUMÁRIO

Paolo Boi 2 ................................................................................................................... 184


Paolo Boi 3 ................................................................................................................... 184
Alekhine e os jogadores espanhóis de sua época .......................................................... 185
Conselhos ...... 185
CAPÍTULo30 - UMA LUTATERRÍVEL...................................................................... 186
Víctor Kortchnoi
Partida 59. Kortchnoi - Timman, 1997 ........................................................................ 187
Final. Sahovic- Kortchnoi,1979 ................................................................................. 188
Mates típicos. Mate de Teed......................................................................................... 189
Exercício40. Asbrancas jogam e ganham ................................................................... 189
Anedotas e curiosidades ... ..... 189
Sanz - Ortueta, 1934. Um final espetacular................................................................. 189
Alekhinereplica a Najdorf ........................................................................................... 189
Conselhos ... ... ...... 190

CAPÍTULO31 - O ESTILOUNIVERSAL..................................................................... 191


Boris Spassky
Partida 60. Os riscos do rei sem rocar .......................................................................... 192
Final. Grigoriev,1933 ........ 193
Mates típicos. Mate árabe ............................................................................................ 193
Exercício41. Asbrancas jogam e ganham ................................................................... 194
Anedotas e curiosidades ...... 194
A fuga de Napoleão, 1824............................................................................................ 194
Não era suficientementebom para jogar ..................................................................... 194
Conselhos ..... 194
CAPÍTULO32 - JOGARPARAGANHAR.................................................................... 196
Bent Larsen
Partida 61. Larsen- Petrosian, 1966 ............................................................................ 197
Final. Final de três peões contra dois ........................................................................... 198
Mates típicos. Mate dos guardas-marinhas .................................................................. 198
Exercício42. Botvinnik- Yudovich,1933 .................................................................... 198
Anedotas e curiosidades ..................... 199
Partida 62 - Descontente apesar de tudo. Réti - Euwe, 1920 ...................................... 199
O xadrez na Rússia ...................................................................................................... 199
Conselhos ... ..... 199
CAPÍTULO33 - A OBSESSÃOPELOXADREZ........................................................... 201
Robert James Fischer
Partida 63 - Empates magistrais. Gligoric- Fischer,1959 ........................................... 202
Final. Estudo de Neustadtl ........................................................................................... 203
Mates típicos. Mate com sacrifícioem h7 ..................................................................... 203
Exercício43. Morphy- Mongredien, 1859 .................................................................. 204
Anedotas e curiosidades. ................. 204
Fischer e os irmãos Byme ............................................................................................ 204
Partida 64 - A partida do século. D. Byme - R. Fischer,1957...................................... 204
Partida 65. R. Byme - R. Fischer,1963........................................................................ 206
A sorte e o xadrez ........................................................................................................ 207
Conselhos . ... ......... 207

CAPÍTULo34 - O HOMEM-MÁQUINA...................................................................... 208


AnatoU Karpov
Partida 66. Karpov - Spassky, 1973 209
..............................................................................

---
SUMÁRIO 17

Panida 67. Taimanov - Karpov,1973........................................................................... 210


Final- Final de bispos da mesma cor........................................................................... 211
Mates típicos. Mate de Damiano .................................................................................. 212
Exercício44. Peresipkin- Romanishin, 1972 ............................................................... 212
Anedotas e curiosidades ... ...............212
Panida 68. A. López- J. Manínez, 1968 ..................................................................... 212
O senso de humor em Bogoljubow............................................................................... 213
Conselhos ... ........... 213

CAPÍTULO35 - O ATUALMELHORJOGADORDO MUNDO................................. 214


Gari Kasparov
Duas abenuras espanholas antológicas ........................................................................ 215
Panida 69. G. Kasparov- A. Karpov,1986................................................................... 215
Panida 70. G. Kasparov- A. Karpov,1990................................................................... 217
Panida 71- Felizaniversário. G. Kasparov- V.Salov,1989........................................ 219
Final. Final de dama e bispo contra dama.................................................................... 221
Mates típicos. Entrega de torre em h7 ......................................................................... 221
Exercício45. Asbrancas jogam e ganham ................................................................... 221
Anedotas e curiosidades. .................. 222
Partida 72. E. Z.Adams- C. Torre, 1920 ..................................................................... 222
Kasparove a internet ................................................................................................... 223
Conselhos ... ... 223

CAPÍTULo36 - O MELHORJOGADORESPANHOL................................................ 224


Miguel mescas
Panida 73. Illescas - Karpov,1999............................................................................... 225
Panida 74. Illescas- Nunn, 1986................................................................................. 227
Final. H. Rimnck.......................................................................................................... 228
Mates típicos. Mate do .corredor.................................................................................. 228
Exercício46. Jogam as brancas .................................................................................... 228
Anedotas e curiosidades ... ... .... 229
Partida 75. Karpov- Miles, 1980 ................................................................................. 229
O xadrez e as relações do casal.................................................................................... 229
Conselhos ... ... .... 229

CAPÍTULo37 - UMAMENTEDE PRODIGIOSARAPIDEZ..................................... 231


Wiswanathan Anand
Panida 76. Kasparov- Anand, 1992 ;..... 232
Final. Petrosian - Chetskoski,1976.............................................................................. 233
Mates típicos. Mate de Blackbume .............................................................................. 234
Exercício47. Os três gêmeos........................................................................................ 234
Anedotas e curiosidades ....................... 235
Panida 77. Averbach- Kotov,1953 ............................................................................. 235
A partida mais cuna ..................................................................................................... 236
Conselhos .... ............ 236

CAPÍTULO38 - O SUCESSORDE TAL....................................................................... 237


Alexei Shirov
Panida 78. Kamsky- Shirov,1988............................................................................... 238
Final. Halberstadt, 1938 .............................................................................................. 239
Mates típicos. Mate de Greco ....................................................................................... 239
Exercício48. Regio- Mieses........................................................................................ 240
18 SUMÁRIO

Anedotas e curiosidades .............. 240


O estranho fenômeno Polgar........................................................................................ 240
Exercício49 - As pretas jogam e ganham. A. Kolev- Judit Polgar,1993 ..................... 240
Exercício50 - As pretas jogam e ganham. J. Timman- Judit Polgar,1992 ................. 241
Exercício51 - As brancas jogam e ganham. Judit Polgar- J. L.Femández, 1993 ....... 241
Exercício52 - As pretas jogam e ganham. S. Stefanova- SofiaPolgar,1984 .............. 241
Exercício53 - As brancas jogam e ganham. SofiaPolgar- L.Felegyhazi,1986........... 241
Exercício54 - As brancas jogam e ganham. Susan polgar - A. Pollac,1982 ............... 242
A abertura de Hersigni................................................................................................. 242
Conselhos ........................ 242

CONSELHOSGERAIS.................................................................................................... 243
Conselhos sobre aberturas .................................................... 248
Conselhos sobre aspectos psicológicos ............................................................ 249
Conselhos sobre finais ........... 250
Conselhos sobre as peças ... .............................251
Os peões ,'................................ 251
Os cavalos................................................................................................................. 252
Os bispos .................................................................................................................. 252
As torres ................................................................................................................... 253
A dama ...................... 253
As relações entre as peças ................................................................................... 253
Conselhos sobre o tempo de reflexão e o relógio .......................................... 254
Citações ... ............ 255
Último conselho ... ... 257

RESPOSTAS DOS EXERCíCIOS ................................................................................... 258

ÍNDICE
De partidas ............... 264
De aberturas ................................. 265

ANEXO: DOIS POEMAS DE XADREZ ......................................................................... 266

REFERÊNCIAS BmUOGRÁFICAS 268


INTRODUÇÃO

Este livro foi escrito objetivando preencher o vazio existente na literatura en-
xadrística atual, em língua espanhola, para jogadores de nível intermediário e avançado.
Editam-se muitos livros de iniciação ao xadrez, mas, superados os primeiros passos, exis-
tem poucos livros escritos recentemente que ofereçam um guia adequado para melhorar
nosso nível de jogo e nossa cultura enxadrística.
O xadrez dos grandes mestres pretende preencher esse vácuo e difundir todas as
questões básicas que o enxadrista deve conhecer. O caráter pedagógico do livro é
evidente, mas também tratamos de mostrar esse milenar esporte da mente em sua faceta
mais lúdica. Por isso, apresentamos muitas das melhores partidas da história do xadrez e
as mais divertidas anedotas ainda não publicadas em livros.
Consideramos ainda que qualquer disciplina que se queira conhecer tem de ser
analisada do ponto de vista histórico. O caráter cronológico do livro mostra a evolução do
pensamento enxadrístico através de seus protagonistas mais destacados, uma vez que
levantamos a história das principais correntes do xadrez desde a aparição dos primeiros
teóricos até hoje. Essa visão de conjunto deve nos ajudar a conhecer os fatos mais
importantes da evolução do xadrez moderno.

A ESTRUTURADO LIVRO

Este livro está estruturado em capítulos que podem ser estudados independentemente
uns dos outros. Apesar de seguir uma ordem cronológica,desenvolvemosuma série de seções
que se repetem a cada capítulo e que permitem estudar qualquer parte do livroseparadamente.

OS CONSELHOS

Copiamos, cremos que pela primeira vez, ao menos em língua espanhola, mais de
quatrocentos conselhos essenciais em relação a temas tão importantes como aberturas,
meio-jogo, finais, tática, estratégia, peças, psicologia, preparação de torneios, problemas
de tempo e muitos outros de caráter geral. Esses conselhos surgem paulatinamente em
cada capítulo e são, no final, agrupados por tema, visando facilitar o estudo.
20 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONzAlEZ

CRITÉRIOS DE SELEÇÃODO CONTEÚDO DO LIVRO

A maioria dos atuais jogadores busca ansiosamente as últimas novidades em aberturas


e as partidas jogadas nos torneios mais recentes e se esquece de que ninguém pode tomar-se
um bom enxadrista se não estudar osjogadores clássicos.Aspartidas foram selecionadas pelo
seu caráter pedagógico, pela sua qualidade e por sua importância dentro da história do
xadrez. Cremos ter reproduzido as melhores partidas de todos os tempos. Os comentários
apóiam-se no que realizaram os próprios protagonistas, todos eles campeões do mundo ou
grandes mestres. Tratamos de enriquecer esses comentários com nossa própria análise e
contamos, para isso, com a ajuda dos mais poderosos programas de informática.

EXERcíCIOS E MATES TíPICOS

Os exercícios propostos envolvem uma ampla gama de aspectos do jogo, desde


finais até os temas táticos e estratégicos mais importantes da teoria enxadrística. Os
monitores, treinadores e estudiosos de xadrez encontrarão neste livro um fiel aliado
de consulta e aprendizado.
Os mates típicos constituem outra seção, dentro de cada capítulo, especialmente
dedicada a jogadores iniciantes, a qual deverá ajudá-Ios a memorizar todas aquelas
posições que numa partida serão de grande utilidade para a elaboração de planos
táticos e sacrifícios brilhantes.

FINAIS,ANEDOTASE CONSELHOS
O final da partida é um dos elementos mais importantes do conhecimento enxadrístico;
por isso lhe destinamos um destacado espaço em cada capítulo. Se os grandes jogadores de
xadrez tiveram algo em comum, foi o domínio dessa faceta do jogo.
As melhores anedotas, os mais úteis conselhos, todo saber que ficou gravado na
memória dos jogadores veteranos foi transcrito nesta obra que o leitor agora tem em mãos
e que foi concebida para deleite e diversão de todos os aficionados do xadrez.

FICHAS BIOGRÁFICAS

Incluímos, na maioria dos capítulos, informações dos mais destacados jogadores de


todos os tempos em forma de fichas, com a intenção de resumir extensas biografias a uma
breve leitura com os dados principais da vida de cada enxadrista. Assim, as fichas estão
organizadas de modo a facilitar a localização das informações essenciais de cada jogador,
o que também auxilia na leitura.

OBJETIVOS BÁSICOS

Esperamos que nosso objetivo básico, elaborar um manual do interesse de todos


aficionados, tenha sido cumprido. O xadrez toma-se mais divertido quanto mais o
conhecemos e mais nos aprofundamos no seu conhecimento; por isso, a melhora do
nosso nível técnico e intelectual sobre esse maravilhoso jogo é um investimento que nos
garantirá prazer e diversão para o resto de nossas vidas.

--
CAPíTULO 1 Os pilares da
estratégia enxadrística
nos peões são a alma do xadrez."
(Philidor)

Pode-se afirmar que a era moderna do xadrez começa com Philidor. Seus antecessores foram,
dentre outros, o espanhol Ruy López e os italianos Paolo Boi (1528-1598) e Leonardo da Cutri, que
possuíam uma concepção rudimentar do jogo. Philidor foi o primeiro a introduzir, em seu livro
AnáZisisdeZjuego del ajedrez, uma visão científica da estratégia enxadrística e mais particularmente
a importância da estrutura de peões na evolução da partida.

FRANÇOIS ANDRÉ PHILIDOR


Nacionalidade: Francês
Nascimento: Dreux, 7 de setembro de 1726.
Morte: Londres, 31 de agosto de 1795.
Títulos: Melhor jogador do mundo do século XVIII.
Melhores torneios: Venceu todos os melhores jogadores da época.
Façanhas: Foi um grande especialista em partidas às cegas, que realizava com fre-
qüência no Café de Ia Regence. Esse local foi um dos mais famosos centros enxadrísticos da
história, onde, posteriormente, outro enxadrista, La Bourdonnais (1795-1840), se tornaria
o mais destacado jogador da primeira metade do século XIX.
Vida privada: Compartilhava sua paixão pelo xadrez com a profissão de músico, carreira na
qual também se destacou, em especial como compositor de óperas.
Legado: Sua obra AnáZisis deZjuego deZajedrez causou uma revolução a respeito das
idéias enxadrísticas da época. Destacou a importância dos peões como elemento essencial de
estratégia; assentou as bases das futuras escolas posicionais; antecipou-se a Nimzowitsch nos
conceitos de bloqueios, prevenção, sacrifício posicional e importância da estrutura de peões.
Também foi o primeiro a analisar em profundidade o final de torre e bispo contra torre. Legou
para a posteridade a importante Defesa Philidor, muito utilizada por enxadristas de todo o
mundo.
Consideração final: Foi considerado campeão (oficioso) do mundo por cinqüenta
anos.
22 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

Partida 1 - A importância Para impedir uma possível entrada da dama


dos peões por bS após a troca de peões centrais.

-
Conde Brüh1 Philidor
b5
15. cxd5 cxd5 16. 'iVf2 o-o 17. ll:\e2
Londres, 1783
Para se apoderar do espaço das brancas no
Abertura do Bispo do Rei flanco da dama.
Esta partida foi realizada em uma simultâ-
nea que Philidor disputou, às cegas, contra 18. O-Oll:\b6 19.1l:\g3 g6 20. :tac1ll:\c4
três enxadristas em 1783. 21. ll:\xf5 gxf5 22. 'iVg3+ 1i'g7
As pretas têm interesse na troca de damas
1. e4 e5 2. ~c4 c6 para entrar com vantagem no final.
Lance um tanto estranho, mas deve-se con-
vir que na época não existia a teoria das aber- 23. 1i'xg7+ 'it>xg7 24. ~xc4 bxc4 25.
turas. g3 :tab8 26. b3 ~a3 27. :tc2 cxb3 28.
axb3 :tbc8 29. :Xc8 :Xc8 30. :tal .i.b4
3. 'iVe2 d6 4. c3 f5 5. d3? 31.:txa6
Sem dúvida, uma perda de tempo, já que a Aparentemente, as pretas perderam um
idéia das brancas, como veremos depois, era peão, mas Philidor preparou uma maneira
fazer d4. de recuperá-Io e melhorar sua posição.

5. ... ll:\f66. exf5 ~xf5 7. d4 e4 31. ... :tc3 32. 'it>f2:td3 33. :ta2 .i.xd2
Philidor prepara a formação de uma forte 34. hd2 1Ixb3 35. :tc2 h4
cadeia de peões. O sacrifício posicional do peão foi feito
para debilitar a estrutura dos peões brancos no
8. ~g5 d5 9. ~b3 ~d6 10. ll:\d2 ll:\bd7 flanco do rei.
11. h3 h6 12. ~e3 'iVe7 13. f4
As pretas têm um peão passado, mas no 36. 1Ic7+ 'it>g637. gxh4ll:\h5
momento este está bloqueado pelo bispo bran- O cavalo preto é muito superior ao bispo
co situado em e3. branco, que atua como simples pivô.
13 h5 38. :td7 ll:\xf4!
Essa jogada impede a expansão das bran- Um belo recurso tático.
cas no flanco do rei mediante gS e g4.
14. c4 a6 39. ~xf4 :tf3+ 40. 'it>g2:txf4

811
n i
.
.ir A
I
As pretas dispõem de dois peões passados e
unidos.

41. ':xd5 11f3 42. :d8 ':d3

6i iA . As brancas têm um peão de vantagem, mas


sua estrutura está debilitada. Por outro lado,
a torre preta apóia o avanço dos peões.
5 i A ti
43. d5 f4 44. d6 ':d2+ 45. ~f1 ~f7 46.
4 88 i/3 h5 e3 47. h6 f3
3 i. i. E as brancas abandonam.

2188 ~. 8
Philidor demonstrou nessa partida a im-
portância dos peões como elemento básico de
estratégia. Por exemplo: 48. ~gl f2+ 49. 'it>g2
.:1 .C;P, llJ. :1 :td1, e as brancas não podem impedir a coroa-
a b c d e 9 h ção do peão preto.
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES23

3. :th6+ 'ãtfeS4. :'e6+


8

6
. Nova entrega da torre para desviar o rei e
permitir a dupla ameaça de cavalo.
4. ... 'ãtff4
Se 4. ... ~d5 5. c4+!, e tanto faz se a captura
5 for realizada com o rei ou a dama, pois o cavalo
aplica um duplo, capturando a dama.
4
5. :te4+ ~xe4
3 8 Agora já não há mais escolha. Se 5. ... ..t>f3
6. ttJd4+, também se ganharia a dama.
2 .1
6. ttJd6+
E finalmentese ganha a dama e a partida.
abcdefgh

Final- Estudo de Rinck Mates típicos


Mate de Phi1idor
ofinal abaixo corresponde a um belo
final no qual um cavalo e uma torre vencem
uma dama. A ação de um cavalo num canto do 8
tabuleiro não impede que esta exerça sua força 7
demolidora com os múltiplos xeques duplos
que realiza ao longo de uma combinação. 6

8 5

7 4 i
6 3
"
2 Ii i !
!
5 ~j ];1
I' = .L

4 8 liJ' I _«,."';,"w

a b c d e
3

218 81 1. ttJf7+ ~g8


Se 1. ... 1:txf72. 'i1Vxc8+:'f8 3. 'i1Vxf8
mate.
... ,
a b c d e 9 h 2. ttJh6+ 'ãtfh8 3. 'i1Vg8+!!:'xg8 4. ttJf7
mate.
1. :th8!
Começa o cerco à dama.
Exercício 1
1. ... 'iVbS!
A única das 17 casas de que dispõem as Alekhine - Supico,
1945
pretas para não perderem a dama.
Naturalmente que, se 1. ... 'i1Vxh82. ttJg6+
e tomaria a dama. As brancas jogam e ganham
Na partida entre Alekhine e Supico, em
2. ttJfS+ 'ãtff6 1945, aconteceu a posição retratada no dia-
Novamente é a única casa. O duplo de ca- grama a seguir. Você consegue encontrar a es-
valo é um tormento para as pretas. petacular jogada vencedora?
24 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉMONEDERO GONZÁlEZ

811 a 81 .1
"Se Fischer pode tomar, por que eu não pos-
so?", pensei.
ni , .tiJ..
, i. , 8. ... 'iVxb2??

61..t ,&
. Minhaignorânciafoi duramente castigada.
5 9. lDa4
4
E perdi a dama e a partida.

3 8 8 I .t ..í" i
2 888 7 , alil'
:~ 6 i I a
a b c d e 9 h 5

ANEDOTAS E CURIOSIDADES 4tiJ


31'8
O peão envenenado
2111 8 88
Deve-se ter cuidado ao tomar um peão
aparentemente presenteado, já que 11 'ir.~...t :1
pode se tratar de uma cilada mortal. a b c d e 9 h
A partida a seguir, que surge de uma va-
riante Najdorf da Defesa Siciliana, é um claro
exemplo do perigo de se tomar um peão em Partida 3 - Outro exemplo
plena abertura. A dama é uma peça especial- de peão envenenado
mente delicada e fácil de atacar nos primeiros
movimentos da partida, por isso é mais prudente Kunin -
Oxengoit
desenvolver o resto das peças antes de colocá-Ia Moscou, 1958
em jogo. No entanto, toda regra tem exceção, e o
genial Bobby Fischer demonstrou em algumas Defesa francesa
partidas que, em certas situações, é recomen- 1. e4 e6 2. d4 d5 3. lDc3 it.b44. it.d2
dável e até proveitoso capturar esse tipo de peão
(evidentemente que não na situação a seguir). Entregandoum peão central à custa do de-
senvolvimentoe de ameaças imediatas.

Partida 2 4. ... dxe4 5. 'iVg4 'iVxd4


As pretas podem fartar-se com tantos
-
J. López A. López peões. Mais seguro seria 5. ...lDf6 6. 'iVxg7:'g8
Barcelona, 1972 7. 'irt'h6lDc6, devolvendo o peão e ativando o
jogo.
6. 0-0-0 f5
Defesa Siciliana
As pretas tentam conservar a vantagem
A seguinte partida foi disputada por um dos material em detrimento de sua posição.
autores deste livro num encontro escolar. In-
fluenciado por Fischer, o grande mito de toda 7. ~g5!? 'iVe5?
uma geração de enxadristas, dentre os quais me Na partida Marshall contra Tchigorin,jogada
encontro, joguei inocentemente a Defesa Sici- em Montecarlo, em 1901, as pretas venceram
liana. Vejamos como transcorreu a partida: com: 7. ... 'iVxf28. 'iVh3~e7 9. 'ót'b1~d7 10. g4
lDc6 11. gxf5 'ii'xf5 12. be7 'ii'xh3 13. it.xh3
1. e4 c5 2. lDf3d6 3. d4 cxd44. l2Jxd4 <Jo>xe7
14. l2Jxe4 lDf6, e as pretas ficam com dois .
l2Jf65.lDc3 a6 6. ~g5lDbd7 7. f4 'iVb68. a3 peões de vantagem.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 25

8. l::td8+ <3;f79. lbf3! Quantos lances à frente o senhor pode pre-


Acrescentando outra peça ao ataque das ver? - perguntou um aficionado seu.
brancas. - Pelo menos dez - respondeu o campeão
do mundo.
9. ... 'fiaS? - E quantas jogadas você pode pensar ante-
Um grave erro. Seria melhor ter jogado: 9. cipadamente? - perguntou ao ganhador da par-
.., exf3! 10.'fixb4 cs 11. 'fih4lbc612. .i.f4 'fif6 tida.
13. .i.gs 'fig6 14. 'fig3! lbxd8 15. 'fic7 + <3;f8 Ele respondeu:
16. 'fid6+ que resultaria empate. - Só uma.
- Aqui há uma paradoxo: como pode um
10. .i.bS! jogador que só prevê uma jogada ganhar de
Ameaçando mate. outro que pode antever dez?
Então, o vencedor explicou:
811 . Ali Ijl -
melhor!
Eu penso um só lance, mas é sempre o

71111 e1i
6 i CONSELHOS
5 rirj. .i j..' 1. No meio-jogo, estude a possibilidade de che-
41 A i 11 gar a um final favorável: nem sempre se ga-
nha com uma brilhante combinação de mate.
31 tD tD 2. Compreender adequadamente a transição
do meio-jogo para o final é um dos ele-
21888 888 mentos essenciais do jogo de xadrez.
c;t.> .' '~: 3. As posições, aparentemente simples em
algumas ocasiões, podem esconder temas
a b c d e 9 h combinatórios ou estratégicos ocultos. Re-
corde o que disse Anderssen: "Nunca confie
demasiadamente; muitas vezes não é fácil
10. ...lbc6 jogar em posições simples".
Não seria válido 10. ... lbf6 11. 'ilVhs+ g6 4. Quando estiver em vantagem, atue sempre
12. lbes+ çj;e7 13. l::t~8 gxhs 14. l::te8+ <3;d6 com energia e não perca a iniciativa.
15. lbf7+ <3;cs16. .i.e3 mate. s. Surpreenda o adversário com jogadas ines-
Ou também 10. ... g6 11. lbes+ <3;g712. peradas que possam lhe trazer vantagem
'ilVh4.i.xc3 13. .i.h6+ lbxh6 14. 'iVe7+ lbf71s. psicológica.
'fixf7 + çj;h6 16. l::txh8e mate em poucas joga- 6. Tente conhecer a si próprio o melhor que
das. puder para melhorar seus pontos fracos e
evitar um tipo de jogo que não se adapte ao
11. lbeS+ lbxeS 12. .i.e8+ çj;f8 13. seu estilo.
.i.g6 mate. 7. Estude seu adversário tanto quanto pos-
sível a fim de saber que tipo de jogo lhe
Quantas jogadas cria maiores problemas.
8. A paciência é a virtude básica do enxa-
você pode calcular? drista: qualquer tipo de precipitação duran-
te a partida pode trazer conseqüências
Conta a lenda que, há muitos anos, o todo- negativas.
poderoso Capablanca jogou contra um esperto 9. A prepotência é uma má conselheira; tente
enxadrista de Nova York. Esquecendo-se mo- ser objetivo sobre seu nível de jogo e o de
mentaneamente que era invencível, Capablanca seus adversários.
perdeu a partida. Ante esse imprevisto, os espec- 10. "O peão passado é um criminoso que deve
tadores ficaram assombrados. Como pode um estar na prisão, não o trate com medidas
campeão do mundo perder para um jogador suaves." (Nimzowitsch)
muito inferior a ele?
CAPíTULO 2 o espírito
romântico
NAtaque, sempre ataque."
(Anderssen)

Na metade do século XIX,surgiu a concepção romântica do jogo de xadrez caracterizada por


ataques diretos ao rei. Os seguidores dessa escola buscavam dar mate de uma forma rápida e
brilhante, mediante espetaculares sacrifícios de material. O representante mais legítimo desse
movimento foi o alemão Adolf Anderssen.

ADOLF ANDERSSEN
Nacionalidade: Alemão
Nascimento: Breslau, 6 de agosto de 1818.
Morte: 1879.
Características de jogo: Jogo de ataque com belas combinações. Era também
dotado de boas aptidões para o jogo posicional.
Melhores torneios: Londres, 1851; Manchester, 1862; Baden-Baden, 1870.
Façanhas: Ganhou as mais famosas partidas da história do xadrez: A Imortal e a
Sempre-viva.
Principal derrota: Seu encontro com Morphy, quando perdeu sete partidas e
ganhou apenas duas.
Principal debilidade: Era melhor jogador em torneios que em encontros indivi-
duais.
Vida privada: Levava uma vida burguesa e era professor de matemática.
Legado: Foi um excelente criador de problemas de xadrez, dos quais nos ficaram
belos exemplos.
Consideração final: Considerado o último romântico e, também, o melhor joga-
dor do mundo entre 1860 e 1866.

-- ---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 27

-
Partida 4 A imortal: tLle5 g6 15. tLlc4 'ifc7 16. e5 complicando
a partida mais famosa o jogo.
da história do xadrez
8. ... 'ifg5
Ou 8. ... g6 9. g4 tLlf61O.tLlg2'ifh311. ~xf4
A. Anderssen -
L. Kieseritzky ttJxg4 com vantagem para as pretas.
Londres, 1851
9. tLlf5 c6
Gambito de Rei A alternativa era 9. ... g6 10. h4
Esta obra-primado xadrez é, sem dúvida,a a) 10 tLlg3+
partida mais conhecidae admirada pelos enxa- aI) 11. ~e1 'iff6 12. tLlxg3 fxg3 13.
dristasde todoo mundo.Foianalisadainúmeras 'ife2. Ou (13. 'iff3 lance sugerido
vezes e, apesar de apresentar lanceserrados de por Steinitz e que dá vantagem às
ambos os lados, a partida não perdeu nem um brancas).
poucode sua extraordináriabeleza. a2) 11. tLlxg311. ... 'ifxb5 (11. ... 'ifxg3
12. ':h3 com vantagem para as
1. e4 e5 2. f4 brancas) 12. tLlc3 'ife5 13. tLlge2
O Gambito de Rei é a abertura mais ca- ~h6 14. g3 f3 15. tLlf4,e as brancas
racterística da época romântica do xadrez. O prin- ficariam melhor.
cipal objetivo é atacar diretamente ao rei me- b) 10 'iff6 11. tLlc3c6 12. .i.a4 (12. ~c4
diante sacrifíciose combinações brilhantes. d5) 12. ... tLla6com vantagem para as
pretas.
2. ... exf4 3. ~c4
As brancas permitem o xeque da dama 10.g4?
preta em troca de um maior desenvolvimento Posteriormente se considerou que a melhor
de suas peças. continuação seria 10. ~a4 g6 11. tLlg3tLlxg3+
12. hxg3 'ifxg3 13. tLlc3~c5 14. 'ife1 'ifxe1 +
3. ... 'iWb4+4. ~f1 b5 15. ~xe1 g5 16. Ah5 ~e7 17. g3 com vanta-
Com a intenção de desviar o bispo branco gem para as brancas.
de sua melhor diagonal (a2-f7).
10. ... tLlf6
5. ~xb5 tLlf6 6. tLlf3 'iWb6 Ou 10. ... g6 11. tLld4~g7 12. c3 ~xd4 13.
Atualmente se considera melhor 6. ... 'ifh5 cxd4 'ifxb5 14. tLlc3'i'b6 15. gxh5 'ifxd4 16.
7. tLlc3~b7 8. ~c4 tLlxe4 (8. ~b4 9. d3 'iff3 ~a6 17. ~e2 g5 18. ':d1 d6, com melhor
~xc3 10. bxc3 g5 11. h4) 9. tLlxe4! d5 10. jogo para as pretas.
~b5 + c6.
11. ':gl cxb5?
7.d3 O melhor seria 11. ... h5 12. h4 'ifg6 13. g5
Melhor seria 7. tLlc3~b7 (ou 7. ... g5 8. d4 tLlg414. tLlc3(14. ~a4 d5 15. tLld4~c5 16.c3
~g7 9. e5 ttJh5 (partida Raphael- Morphy,Nova hd4 17. cxd4 dxe4 com vantagem para as
York,1857) 8. 'ife2 ~b4 9. e5 ttJh5 10. ':gl O-O pretas) 14. ... cxb5 15. tLld5lba6 (15. ... d6?! 16.
11. d4 'i'b6 com vantagem para as brancas. tLld4; 15. ... .i.d6?! 16. tLlxf4~xf4 17. ~xf4)
16. ~xf4 ~b717. c4 ~xd5 18. cxd5 'i'b6 com
7. ... tLlh5 melhor jogo para as pretas.
Outrapossibilidadeseria7. .., ~c5 8. d4 ~b6
9. tLlc3 ~b7 (partida Anderssen - Pollmâcher, 12. h4 'ifg6 13. h5 'ifg5 14. 'iff3 tLlg8
1852) 10. ~d3 g5 11. h4 ':g8, commelhorjogo Euwe propôs continuar com 14. ... tLlxg4,
para as pretas. mas, depois de 15. ':xg4 'ifxh5 16. ~xf4, as
brancas ficariam com clara vantagem.
8. tLlh4
Segundo análises mais recentes, seria me- 15. ~xf4 'iff6 16. tLlca~c5 17. tLld5
lhor: 8. :g1 'i'b6 9. ltJc3 c6 10. .tc4 'i'c5 Parece melhor 17. d4! seguido de 1S.
11. 'ife2 ~a6 12. .i.xa6 tLlxa6 13. d4 'ifa5 14. tLld5.
28 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

17. ... 'ii'xb2

811i A . Ij
811 _A . Ijl
711 i IA I
nA AAA 6 i..
6
51j i
tD8tD ~
51 AAtD tD 4 ~
41 i... 3 ~
3l 1W 21~ ~
21.
,~..&.,
11 iD abcdefgh
a b c d e f 9 h
20. ~e2 lDa6
Se 20. ... f6 21.lDxg7+ ~f7 22.lDxf6 iLb7
18. iLd6!! (22. ... ~xg7 23. lDeS+ ~h6 24. 'iVf4mate) 23.
Apesar de a análise posterior, que deta- lDd5+ ~xg7 24. 'ii'fS mate.
lharemos a seguir, tentar demonstrar que se
trata de um lance incorreto, na realidade é 21. lDxg7+ ~d8 22. 'ii'f6+ lDxf6 23.
um movimento de extraordinária beleza em iLe7 mate.
que Anderssen sacrificou nada menos do que
duas torres. 811

18. ... iLxgl 71.1 '


Outra possibilidade seria IS. ... 'ii'xal + 19. 611j
~e2 'ii'b2! 20. ~d2 e agora: ,,;
a) 20 g6 5( ,I
.i(; ~
aI) 21. l::tel iLb7 22. iLxc5 iLxd5 23. r= ;;:

exd5+ ~dS 24. iLd4 'ii'b4+ 25. 4 ~


iLc3 'ii'c5 26. lDe3 com melhor jogo 3
das brancas.
a2) 21. l::tbl 21. ... gxf5 22. l::txb2iLxd6
23. e5 iLxe5 24. 'ii'e3 d6 25. d4 com
21 ~
as seguintes subvariantes: A-------
a2a) 25. ... iLb7 26.lDc7+ ~dS 27. a b c d e 9 h
lDxaS com vantagem para as
brancas.
a2b) 25. ... ~dS 26. dxe5 favo- Final
recendo as brancas.
b) 20 iLxgl 21. e5 iLa6! 22. lDc7+ ~dS Estudo de Prokop, 1930
23. 'ii'xaS iLb6 24. 't\VxbS+iLcs 25.lDd5
~a5 + 26. ~e3 'ii'xc2 com ligeira vanta- Cavalo e peão contra bispo
gem para as pretas. A seguir, um exemplo de final de cavalo e
peão contra bispo quando o jogador com o peão
19. e5! 'ii'xal+ de vantagem ganha a partida ao bloquear, usando
Ou 19. ... ~a6 20. lDc7+ ~dS 21. lDxa6 seu cavalo, a diagonal dominada pelo bispo.
'ii'xal+ (21. iLb6 22. 'ii'xaS 'iVxc2 23. Vejamos os possíveis movimentos:
'ii'xbS+ bom para as brancas) 22. ~e2, e as 1. ~e5!!
brancas ficariam melhor. Ganhando um tempo precioso.

--- -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 29

81

718
. 5. ... i.g2 6. tDc8! i.a8 7. ~b8 ~d8
Único lance, já que há a ameaça de tDd6+ e
tDb7 obsttuindo a diagonal do bispo.
8. tDd6!
<1>
61 Agorajá não se pode evitar tDb7.
5
8. ... ~d7 9. tDb7 ~c6 10. ~xa8 ~c7
4lD J. 11. tDd6
3 E as brancas ganham, já que as pretas não
evitam a manobra ~b8 e a8.
2
Mates típicos
a b c d e 9 h Mate de Anderssen

Com qualquer outta jogada, as pretas pode- Anderssen -


Zukertort
riam infilttar-se nas casas críticas c7 ou c8. Por Barmen, 1869
exemplo:
1. tDb6 ~b7 2. tDd5 ~d8 3. ~d6 ~c8 4.
tDe7+ ~d8 5. tDd5 ~c8, e as pretas conseguem
o empate.
1. ... i.a8
1. 'iVxh7+ ~xh7 2. f6+! ~g8
81
..
I .
Não seria melhor 1. ... i.b7 2. ~d6 ~d8 (2.
~g2 3. tDb6 i.b7 4. ~c7 i.g2 5. tDc8!
chegando à variante da linha principal) 3. tDb6e
por ttansposição se segue novamente a linha prin-
711
61
51.
J. ..
I. I. 8
181
"
cipal. Ou 1. ... ~f3 2. tDb6para tentar bloquear a
ação do bispo mediante tDd5. 2. ... i.b7 3. ~e6!
41 1
ganhando conforme detalharemos adiante. 31 .t lD .
2. tDb6 i.b7 218 8 8
Se forem até f3, g2 ou hl, seguiria tDd5
bloqueando o bispo. :1<1>
a b c d e f 9 h
3. ~e6!
Perdendo um tempo importante.
Não seria interessante 3. ~d6? ~d8, pois Se 2. ... 'ii'xd3 3. J:lh3+ ~g8 4. J:lh8 mate.
as brancas não poderiam impedir que o rei Ou então 2. ... ~h6 3. J:lh3mate.
preto se infiltrasse em c8 ou c7.
3. ~h7+ ~xh7 4. J:lh3+ ~g8 5. J:lh8
3. ... ~d8 4. ~d6 mate.
Agora cabe às pretas jogar e estão em
zugzwang*; no entanto, se a vez fosse das
brancas, ocorreria o empate. Exercício 2
4. ... ~e8 5. ~c7
O rei branco consegue o primeiro dos seus Maroczy - Vidmar,
objetivos: colocar-se em c7.
Ljubljana, 1922
Geza Maroczy foi um Grande Mestte hún-
* N. do T.Zugzwang - Situação na qual perde o jogador garo (1870-1951) e um dos melhores jogadores
que tem o lance por fazer. do começo do século XX. Apesar de receber
30 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E Jost MONEDERO GONZÁlEZ

muitos prêmios pela beleza do seu estilo, des- A posição do diagrama pode ser ganha
tacou-se especialmente pelo jogo estratégico e com uma série de sacrifícios brilhantes. Você
pelos seus finais. Foi grande sua contribuição à sabe dizer quais são as entregas de peças ne-
teoria das aberturas, especialmente referentes à cessárias para obter-se a vitória?
Defesa Siciliana, Francesa e ao Gambito de Rei.
Seu melhor torneio aconteceu em Carlsbad, no
ano de 1923, onde compartilhou o primeiro ANEDOTAS E CURIOSIDADES
lugar com Alekhine e Bogoljubow.
Milan Vidmar (1885-1962), Grande Mes- Partida 5
tre iugoslavo, também foi um dos jogadores mais
destacados da primeira metade do século xx.
Brilhou no jogo combinatório e foi um grande
J. Quesada -
A. López
Barcelona, 1978
especialista em partidas rápidas.
Gambito Budapest
As brancas jogam e ganham
Minha ciladafavorita
811
O melhor de uma cilada é que nós jogamos
71:& iA.. certo mesmo que o adversário nem sempre caia
na armadilha. Isso aconteceu com uma variante
61 ~ teórica da Defesa Budapest que eu jogo segui-
51 :i i das vezes. A presente partida foi disputada num
campeonato social do meu clube contra um
adversário muito mais forte. Meus colegas de
clube não acreditavam que eu pudesse pontuar
contra um rival tão qualificado. A partida trans-
correu da seguinte maneira:
1. d4lbf6 2. c4 eS 3. dxeSlbg4 4. .i.f4
lbc6 s. lbf3 .i.b4+ 6. lbbd2 'iVe7 7. a3
a b c d e 9 h
lbgxeS

Exercício 3

Schmidt
Alemanha
- Richter,
As brancas jogam e ganham

811
7

6
5
4
Até aqui se obedeceu a linha teórica. Agora,
3tJf o importante é disfarçar, fazendo o adversário
2 pensar que você se equivocou gravemente ao
deixar tomarem seu bispo. Meu rival pensou uns
segundos, olhou-me no rosto e jogou sem va-
a b c d e 9 h cilar:

---- ---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 31

8. axb4??
Sua surpresa foi imensa, e hoje, 25 anos mais CONSELHOS
tarde, ele ainda recorda seu desastrado lance.
1. Não permita que a sua preocupação em
8. ... lbd3 mate. atacar faça-o esquecer do adversário. Lem-
bre-se de que uma ameaça de mate, às ve-
zes, é defendida com outro mate, mais
fulminante, do seu oponente.
2. Quando realizamos uma incursão no cam-
po do inimigo, devemos assegurar a retira-
da de nossas peças.
3. Desconfie sempre dos presentes inespera-
dos do adversário.
4. Devemos controlar as manobras do cavalo
visualizando os caminhos que ele pode per-
correr.
5. As peças mais potentes, no centro do tabu-
leiro, são a dama e os cavalos.
6. Os lances simétricos na abertura não po-
a b c d e 9 h dem seguir indefinidamente, já que, se o
tentarmos, as brancas sempre levarão van-
tagem.
Anderssen e o hoteleiro 7. Se lhe apresentam uma abertura desco-
nhecida, você deve seguir os princípios ge-
Contam que Adolf Anderssen, protagonista rais do xadrez, que envolvem o desenvol-
da mais famosa partida de xadrez, A Imortal, vimento das peças, o domínio do centro do
chegou um dia.a um hotel. O dono do estabele- tabuleiro e o jogo lógico.
cimento, que se gabava de ser um grande enxa- 8. Nas aberturas, é mais importante conhecer
drista, desafiou Anderssen para uma partida os planos que se tem em mente que as joga-
oferecendo uma dama de vantagem. Anderssen das reais.
aceitou encantado e resolveu perder para pre- 9. Se seu oponente não ocupa o centro, você
gar uma peça no adversário. Então, propôs que deve ocupar.
voltassem a jogar, mas desta vez quem teria 10. Se entregarem a você um peão em um
uma dama a menos seria ele, pois considerava gambito, não se apaixone por ele; devolva-
que perdera a partida por ficar preocupado com o na situação que considerar mais vanta-
a segurança dessa peça. O hoteleiro, com um josa.
sorriso irônico, aceitou. Qual não foi sua sur-
presa ao ser derrotado com toda a facilidade.
CAPíTULO 3 A filosofia do
jogo aberto
"Apoderar-se de linhas abertas é
vantajoso para quem ataca."
(Morphy)

A entrada em cena do americano Paul Morphy significou uma nova e importante revolução
no jogo de xadrez, caracterizada pelo jogo posicional com rápido desenvolvimento das peças,
controle do centro do tabuleiro e utilização de linhas abertas.

PAUL MORPHY
Nacionalidade: Norte-americano.
Nascimento: New Orleans, 22 de junho de 1837.
Morte: New Orleans, 10 de julho de 1884.
Títulos: Foi considerado o melhor jogador do mundo em sua época.
Características de jogo: Extraordinária habilidade tática, jogo inigualável em posi-
ções abertas e capacidade inata para jogar xadrez.
Principais debilidades: Seus problemas psíquicos.
Legado: Estão registradas cerca de 400 partidas jogadas por ele, sendo que 7S em jogos
de campeonatos. Estabeleceu as bases do jogo moderno, desenvolvidas posteriormente por
Steinitz.
Consideração final: Foi um dos jogadores mais geniais de todos os tempos. Antecipou-
se à sua época com uma concepção moderna de jogo. Era dotado de um extraordinário talento
natural para o jogo de xadrez.

--
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES33

Partida 6 13.b4
Ou então 13. J::te1:Xe1+ 14. 'iVxe1iLf5 15.
L. Paulsen -
P. Morphy 'iVe2lId8 16. 'iVxd3iLxd3, e a posição das bran-
cas não ficaria nada confortável.
Nova York, 1857

Abertura dos Quatro Cavalos 13. ... iLb6 14. a4 bxa4 15. 'iVxa4
iLd7
Uma entrega de dama espetacular Parece melhor 15. ... iLb7 16. J::ta2J::tae817.
1. e4 e5 2.lDf3lDc6 3. lDc3lDf6 4. iLb5 'iVd1iLa6!
iLc5
Outras possibilidadesseriam 4. ... iLb4,ou 16.J::ta2?
4. ... lDd4. Melhor seria 16. 'iVa6'iVf517. d4 J::tae818.
iLe3 c5 19. bxc5 iLxc5 20. \i'b7 (20. 'ii'e2 iLb6
5. O-O 21. iLg4 J::txe322. iLxf5 J::txe223. iLxd7 com
Se 5. lDxe5 lDxe5 6. d4 iLb4 7. dxe5lDxe4 jogo igual. Não é bom, no entanto, 20. 'iVa5?
8. 'iVd4 lDxc3 (8. ... iLxc3+ 9. bxc3 lDg5 10. J::tg621. ~h1 'iVxf322. gxf3 iLc6 com vantagem
iLa3 lDe6 11. 'iVe4 'iVg5 12. g3) 9. bxc3 iLe7 para as pretas) 20. ... iLd6 21. c4 com ligeira
10. iLf4! E as brancas obteriam pequena van- vantagem das brancas.
tagem.
16. ... J::tae8 17. 'iVa6
5. ... O-O6. lDxe5 lIe8 Apesar da igualdade de material, a posição
Também seria possível jogar 6. ... lDxe5 7. das pretas é superior.
d4, com melhores possibilidades para as bran-
cas. 17. ... 'iVxf3U

7. lDxc6
A teoria atual oferece como melhor conti-
81
71... . J.
]I .
...
nuação 7. lDf3! lDxe4 8. d4lDxc3 9. bxc3 iLf8
10. d5 lDe5 11. lDxe5 lixeS 12. iLf4, com
61.* . I
ligeira vantagem posicional.
7. ... dxc6 8. iLc4 b5
5
Não se poderia jogar 8. ... lDxe4? 9. lDxe4 4 8
J:xe4 10. iLxf7+ ~xf7 11. 'iVf3+, pois as bran- 3
cas ganhariam uma peça. 8 11
9. iLe2 21: 8 888
Não seria bom 9. iLb3? devido a iLg4 10.
'iVe1b4.
~ :~
a bcdefgh
9. ... lDxe4 10. lDxe4
Se 10. iLf3 lDxf2 11. J::txf2'iVd4 12. lDe4
(12. 'iVf1 'iVxf2+ 13. 'iVxf2 J::te1 mate) 12. Excelente entrega de dama, que desmante-
... J::txe413. iLxe4 'iVxf2+ 14. ~h1 iLg4 15. la o roque das brancas.
iLf3 J:e8 com vantagem decisiva das pretas.
18. gxf3 J::tg6+ 19. ~hl.i.h3 20. J::tdl
10. ... J::txe4 11. iLf3 J::te612. c3? As outras jogadas possíveis tampouco evita-
Seria melhor 12. d3 b4 13. iLe3 iLxe3 14. riam a vitória das pretas. Por exemplo: 20. 'iVd3
fxe3 J::txe315. 'iVd2 com jogo mais ou menos f5! 21. 'iVc4+ ~f8 22. J:d1, ou 20. J::tg1lIxg1 +
equilibrado. 21. ~xg1 J::te1+.
20. ... iLg2+ 21. ~gl iLxf3+ 22. ~f1
12. ... 'iVd3! iLg2+
Bloqueando o avanço do peão branco em Todavia seria melhor 22. ... IIg2! 23. 'i'd3
d4. J::txf2+24. ~gl J::tg2+25. ~h1 J::tg1mate.
34 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

'iti>gl ~h3+
23. ma fila, o bispo pode controlar a casa da coroa-
Ou 23. ... ~e4+ 24. ~f1 ~f5! 25. \i'e2 ção. Entretanto, existe a seguinte manobra para
~h3+ 26. ~e1 :tg1 mate. empatar a partida:
24. 'iti>hl~xf2 25. \i'fl ixf1 26. :txf1 1. ~cS! b5 2. ~d7! b4 3. 'iti>d6iES
:te2 27. :tal :th6 2S. d4 ~e3 Jogada obrigatóriapara deter o peão pres-
E as brancas abandonam, já que o mate é tes a se coroar.
inevitável: 29. ~xe3 :thxh2+ 30. ~gl :teg2

.4"
mate. 4. ~e5!
Para ameaçar o bispo que bloquearia o
8 peão preto e para entrar no quadrado.
71, , 4. ... ics 5. ~d4
6
5
, I E agora as pretas não podem defender seu
peão e a coroação das brancas ao mesmo tempo.
5. ... b3 6. ~c3 ie6 7. cS\i' ixcs S.
4 8 8 ~b3. Empate.

3! 8 J. Mates típicos
2 I
Mate de Morphy

a b c d e 9 h 8

Final 6

5
Sárichev, 1929
4
Rei e peão contra rei. peão e bispo
3
8
21 J..
7/
48ctJ ]:[
6
a b c d e 9 h
5

4 1. \i'xf6 gxf6 2. :tgl + ~hS 3. ~xf6


mate.

.
3
2r Exercício 4

Morphy - Harrwitz
a b c d e 9 h
As brancas jogam e ganham
Esta posição, composta em 1929 pelos ir- A seguinte posição reproduz a situação
mãos Sárichev, é uma variante do estudo de final de uma partida do genial Morphy, que sou-
triangulação de Réti. be surpreender seu oponente com uma sutil
A posição das brancas parece desespe- manobra. Você é capaz de descobrir a conti-
radora, pois, apesar de terem um peão na séti- nuação vencedora?

- - --- --
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 35

ANEDOTAS E CURIOSIDADES
8 '.'

6
5
, &1
&
8 &,lD
I
& A genial idade de Morphy
Paul Morphy é considerado por alguns es-
tudiosos como o jogador mais genial de todos
os tempos. Nasceu em Nova Orleans em 1837 e
4 morreu com desequilíbrios psíquicos em 1884.
Aos vinte anos de idade, surpreendeu o mundo
3 com sua brilhante vitória no Primeiro Congres-
so de Xadrez dos Estados Unidos. No ano se-
11~: 8 guinte, viajou para a Europa, onde venceu mui-
, ~ tos dos melhores enxadristas da época, entre
eles Anderssen, num encontro onde venceu se-
abcdetg h te, empatou duas e perdeu cinco partidas. Suas
exibições simultâneas às cegas causaram furor
na época, e seus dotes naturais para entender
Exercício 5 com profundidade o jogo de xadrez converte-
ram-no num mito. Foi também precursor de
Cochrane -
Staunton conceitos estratégicos, tais como a importância
Londres, 1842 da iniciativa e do desenvolvimento das peças.

Howard Staunton (1810-1874) foi o me-


lhor jogador inglês do século XIXe um dos me- Partida 7 - A vantagem
lhores do mundo em sua época. Alegou certas da dupla de bispos
desculpas para não enfrentar Morphy quando
este fez um giro pela Europa. Dominava o jogo H. Bird- P.Morphy
posicional e foi um extraordinário analista. Es- Londres, 1858
creveu, entre outros, TheChessPlayerHandbook,
baseado no Handbuch de Bilguer. Deu seu nome Defesa Philidor
ao Gambito Staunton da Defesa Holandesa e ao
modelo de peças mais utilizadas na atualidade 1. e4 e5 2. liJf3 d6 3. d4 f5 4. liJc3
pela maioria dos enxadristas, desenhadas por Outras possibilidades seriam:
seu amigo Nathaniel Cook. 4. exíS 4. ... e4 5. liJgS .hf5 6. liJc3
liJf6 7. f3 com ligeira vantagem para as brancas.
As pretas jogam e ganham 4. dxeS fxe4 5. liJgS dS 6. liJc3 com jogo

8
7
.
&&
melhor para as brancas.
4. ~c4, dando lugar a incontáveis variantes
complicadas.
4. ... fxe4
6 & Ou então 4. ... liJf6 5. dxeS liJxe4 6. liJxe4
fxe4 7. liJgS dS 8. e6 ~cS 9. liJxe4 ~e7 10.
5
'ii'hS+ g611. 'iieS :'g8 12.liJgS com vantagem
4 para as brancas.

3 5.lbxe4 d5
Se 5. ... liJf6 6. liJxf6+ 'ii'xf6 7. ~gS com
2 jogo igual.

6. liJg3?!
a b c d e 9 h Depois de 6. lDxeSdxe4 7. 'i'hS+ g6 S.
liJxg6liJf69. 'ii'eS+ ~f710. ~c4+ ~g7 (10. ...
36 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

~xg6 11. 'iVg5 mate) 11. ih6+ ~xh6 12. 20. ... 'ifal+ 21. ~c2 'ifa4+ 22. 'ittb2
liJxh8 ib4+ 13. c3 'ifxh8 14. cxb4 com van- ixb4 23. cxb4 .1:txb4+ 24. 'ifxb4
tagem branca. Lance obrigatório. Se 24. 'ittc3 há mate na
seguinte jogada mediante 'ifb3. E se 24. c,t>c1
6. ... e4 7. liJeSliJf68. igS?! 'ifa1 + ~c2 25. 'ifb2 mate.
Com o lance 8. f3!, as brancas teriam van-
tagem. 24. ... 'ifxb4+ 2S. 'ôt;>c2??
Um grave erro que permite ao bispo entrar
8. ... id6 no jogo com resultados catastróficos para Bird.
Maistranqüilo seria ie7. O lance correto seria 25. 'ôt;>a2,e as pretas te-
riam dificuldades para conseguir um resultado
9. liJhS positivo.
Seriamelhorseguiro desenvolvimentome- 2S. ... e3! 26. ixe3 if5+ 27. :d3
diante 9. ie2, ou então 'ifd2.
Se 27. id3 'ifc4+, e as pretas ganhariam
9. ... o-o 10. 'ifd2? uma peça.
Jogada fraca, embora aparentemente seja 27. ... 'ifc4+ 28. 'ittd2 'iVa2+ 29. ~dl
lógica. Seria melhor 10. ..te2 para sustentar o Ou então 29. ~c3 'ifxe2.
cavalo de h5 e facilitar a retirada do cavalo de
e5 por g4. 29. ... 'ifbl+
10. ... 'ife8! Eas brancasabandonam ante a inevitávele
Excelente jogada. As brancas não podem decisivaperda de material.
agora jogar 11.liJxf6+ gxf6 perdendo material.
Também não seria proveitoso jogar ixf6 gxf6
12. 'ifh6 'ife7, com vantagem decisiva para as A psicologia de Lasker
pretas. A melhor jogada parece ser 11. liJg3,
mas as pretas ganhariam um peão, e sua po- Esta anedota mostra que Lasker se preocu-
sição ficaria satisfatória. pava mais com o jogador (jogo psicológico) que
com as peças do tabuleiro. Uma vez, terminada
11. g4? liJxg4 12. liJxg4 'ifxhS 13. liJeS uma partida no torneio de Nottingham, um
liJc6! espectador lhe perguntou o que teria ocorrido
se ele houvesse tomado um cavalo que apa-
Morphy ficou com um peão a mais, con- rentemente seu adversário lhe presenteava.
servou o par de bispos, e o desenvolvimento de Lasker respondeu:
suas peças foi adequado. - Estava jogando contra um mestre forte, e
14. ..te2 'iVh3 IS. liJxc6 bxc6 16. ..te3 se o mestre forte pensa durante meia hora e
:b8 17. 0-0-0 joga uma peça que pode ser capturada, creio
que não seria bom tomá-Ia e por isso a deixei
Agora Morphy encontrou uma bela combi- tranqüila.
nação graças ao poder de sua dupla de bis-
pos.
17. ... .1:txf2!! CONSELHOS
Sacrifício inesperado da torre na ala con-
trária àquela onde se encontra o rei. 1. As torres necessitam de colunas abertas
para otimizar sua eficácia.
18. ixf2 'ifa3!! 2. Conseguir colocar uma torre na sétima fi-
Agora não adiantaria 19. bxa3, pois 20. la representa uma boa vantagem. É muito
..txa3 mate. conhecido entre os enxadristas o dito: "Tor-
re na sétima colocarás, e a partida ganha-
19. c3 'ifxa2 20. b4 rás".
Obrigado ante a ameaça 20. ... 'ti'a1 + 3. As torres são mais úteis atrás de uma cadeia
seguido de 'ifxb2 mate. de peões próprios.

-- ---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 37

4. Duas torres solidárias na sétima ou oitava 8. Os cavalos não são muito úteis para deter
fila podem proporcionar um efeito devas- peões passados avançados, especialmente se
tador no campo contrário. estes estão na coluna da torre.
5. Coloque suas torres atrás de seus peões 9. "Um cavalo mal situado é sempre um
passados. desastre posicional." (Nimzowitsch)
6. A torre é uma peça que pode ser facilmente 10. Os bispos podem ser bloqueados por peões,
bloqueada quando há muitas peças no tabu- por isso devemos ter muito cuidado antes
leiro. Fique atento a essa possibilidade. de tomar um peão, pois pode estar "en-
7. As torres são peças de movimentos lentos; venenado". Antes de realizar a captura de
por esse motivo, sua maior eficácia ocorre um peão, devemos saber com segurança
no final da partida, quando há espaços por onde poderá se retirar nossa peça.
abertos.
CAPíTULO 4 A fantasia a serviço
do xadrez
"Zukertort foi o jogador mais forte que
encontrei em meu caminho enxadrístico."
(Steinitz)

Zukertort foi o sucessor de Anderssen. Aplicou as teorias românticas dotando-as de uma


destreza combinatória excepcional, graças a sua fantasia, memória prodigiosa e capacidade
matemática.

JOHANNES ZUKERTORT
Nacionalidade: Polonês.
Nascimento: Lublin (Polônia), 7 de setembro de 1842.
Morte: Londres, 20 de junho de 1888.
Características de jogo: Herdeiro da escola romântica. Possuía prodigiosa memória e
grande capacidade de cálculo.
Melhores torneios: Londres, 1872; Leipzig, 1877; Colônia, 1878; Paris, 1881; Berlim,
1883.
Façanhas: Ganhou o torneio de Londres em 1883 com 3,5 pontos de vantagem sobre
Steinitz.
Principal derrota: Contra Steinitz, em disputa pelo campeonato do mundo.
Principal debilidade: Sua saúde precária.
Legado: Escreveu uma recopilação de problemas e um resumo das principais aberturas.
Foieditor e redator da revista ChessMonthlyentre 1879 e 1888.
Vida privada: Possuidor de uma memória prodigiosa e de uma grande versatilidade,
dominava vários idiomas, foi crítico musical, editor de jornal e um grande espadachim.
Consideração final: Um dos melhores jogadores de sua época, talvez o melhor depois
de Steinitz.

---
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES39

Partida 8 - A imortal de Zukertort Uma profunda visão da posição demons-


tra a Zukertort que não há nenhum perigo no
Zukertort - Blackburne flanco da dama, e ele continua com seu plano
de dominar o centro.
Londres, 1883
17.000 1Ic7 18. e411ac8 19. e5ltJe8
Defesa Índia de Dama
Segundo Steinitz, seria melhor jogar 19. ...
A seguinte partida foi jogada por Zukertort ltJd7, seguido de ltJf8, protegendo o ponto fraco
contra o Grande Mestre britânico Joseph Henry h7.
Blackbume (1841-1924), um dos maiores joga-
dores do século XIX. 20. f4 g6
Melhor para as pretas seria jogar f5 em vez
1. c4 e6 2. e3 ltJf6 3. ltJf3 b6 4. ~e2 de g6.
~b7 5. O-Od5 6. d4 ~d6 7. ltJc3 O-O8. b3
ltJbd7 9. ~b2 'iVe7 21. :e3 rs 22. exf6 ltJxf6
Seria melhor jogar c5 para pressionar os A outra possibilidade 22. ... 'iVxf623. 'iVe1
peões centraisbrancos. ltJg7 24. g4 proporcionaria às brancas um
fortíssimo ataque.
10. ltJb5 ltJe4 11. ltJxd6 cxd6
As brancas conservam a dupla de bispos, 23. rs!
mas as pretas podem ocupar a coluna "c" com Posição típica de ataque na qual se tenta
suas torres. abrir linhas de penetração.
12. ltJd2 ltJdf6? 23. oooltJe4 24. he4 dxe4
A jogada f5 poderia evitar problemas pos- Aparentemente as pretas atingiram o obje-
teriores às pretas. tivo de eliminar o bispo que protegia a entra-
da das torres pela casa c2, mas as brancas che-
13. f3 ltJxd2 14. 'iVxd2 dxc4 15. ~xc4 garam antes em seu ataque pelo flanco do rei.
d5 16. ~d3 1:tfc8
Segundo comentários do próprio Zukertort, 25. fxg6!
Blackbume subestimou as possibilidades de
ataque das brancas. Mais prudente seria ocupar 81 I
a coluna com a torre da dama e deixar a torre
do rei no seu lugar. 711.t]l .,
17.1Iael! 61 .I .I
5
I fi
811
7Ii .t .111
4 8 .I
8 11
61
I 1- 31

218 J. 88
5 I
4 8 :~
abcd efg h
31' 8 ~88
218 .. 88 Menos vistoso mas mais efetivo seria 25. d5!
a. :..~ 1Ic2 (se 25. ... e5 26. d6 'iVd727. fxg6 com bom
ataque) 26. 'iVd4e5 27. 'iVxe4com ataque vence-
abcdefgh dor.
40 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

2S ~c2
Se 25. ... hxg6 26. ~g3 1/i'g7 27. d5 e5
28. 1/i'g5 :e8 29. :f6 com vitória das bran-
cas.
81

711. ..t
.
1f .t
61 1
26. gxh7+ <t>h8
No caso de 26. ... <t>xh727. ~h3+ ~g8 51 ]I 8
28. 1/i'h6 sem defesa possível das pretas. E 41
se 26. ... 'ii'h7 27. ~g3+ <t>h8 28.d5+ga- 11
nhando. 31 8 a
27. dS+ eS 28. ft4!! 218 I 88
Jogada surpreendente e magistral.
,
28 :8cS a b c d e f 9 h
Não adiantariatomar a dama brancajá que
se entra numa seqüência de mates. Por exemplo:
28. ... 1/i'xb429. .ixe5+ <t>xh730. ~h3+ 'õt>g6 32. ... <t>g8
31. :g3+ ~h6 32. ~f6+ <t>h533. ~f5+ 'õt>h6 Se 32. ... 1/i'xg733. 'iVe8mate. Eno casode
34. .if4+ <t>h735. :h5 mate. 32. ... <t>xg733.1/i'xe7+ <t>g634. ~g3+ <t>f535.

711 ..t " . 8


:g5+ 'õt>f436. 'ii'e5 mate.

33. 1/i'xe7
E as pretas se entregam.

61 1 Final- Torre contra peão


5 181.
4 11 1 81 ']:f'
3 8 a 7I ciit

218 i. 1 88 6

5
.~
a

29. ~f8+!
b c d e 9 h 4

2
.
I.

Segundo comentário posterior de Steinitz,


trata-se de uma das mais belas jogadas já conce-
bidas sobre o tabuleiro. a b c d e 9 h

29. ... 'õt>xh7


Não seria válido 29. ... 1/i'xf8 30. .ixe5+ A posição do diagrama mostra uma situa-
<t>xh731. 1/i'xe4+ <t>h632. ~h3+ 'õt>g533. ção na qual o jogador forte, apesar de ter o
~g3+ 'õt>h534. 1/i'g6+ <t>h435. ~h3 mate. lance, não pode obter a vitória.
Vejamos como prosseguir:
30. ... 1/i'xe4+ <t>g7 31. .ixeS+ 'õt>xf8 1.~c6
32. .ig7+! No caso de 1. <t>d6<t>d4!!Esta posição
Um brilhante arremate em consonância é fundamental neste tipo de finais. Se se jo-
com o resto da partida. ga por exemplo: (1. ... <t>b2?2. ~b8+ <t>a23.

- --
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES41

Ac8 <bb3 4. <bdS c3 S. ~d4 c2 6. <bd3, ganha-


81:
se um peão) 2. 'it>e6+ ~e3 3. c,t(eSc3 4. Ac8
~d2 S. J:d8+ ~e2 6. J:c8 c,t(d2e há um em-
pate.
71 ,
1. ou c,t(b2 2. 'iti>dSc3 3. Ab8+ ~a2 4.
:'c8 <bb2 e empate.
61 i
Porém, na mesma posição, sendo o peão de 51 iti)ê
torre ou de cavalo, o jogador que possuísse a
torre obteria facilmente a vitória. 41i
31
Mates típicos 21
Mate de Zukertort I
a b c d e f 9 h
1. e4 eS 2. liJf3lDc63. ~bS lDge7 4. c3
d6 s. d4 ~d7 6. ()..()lDg67.lDgS h6

...t
ANEDOTAS E CURIOSIDADES

811 I Partida 9
71'i , .t i' Ed. Lasker- G. Thomas
61 i i Nova York, 1912
51 .t i ti) Defesa Holandesa - Pode-se
41 melhorar o que já é perfeito?
A partida a que se refere esta anedota é
3r uma das mais famosas da história do xadrez
e foi jogada em Nova York, em 1912, entre
21 Edward Lasker (não confundir com Emmanuel
kLti)i..1f : Lasker, campeão do mundo) e o forte jogador
britânico George Thomas.
abcdefgh
1. d4 f5
A Defesa Holandesa é uma das mais anti-
8. lDxf7! ~ 9. .i.c4+ ~e7 10. 'i!Vhs gas, mas continua sendo muito utilizada contra
'iVe811. 'iVgS+hxgS 12. ~S mate. o lance inicial d4.
2. lDc3
Exercício 6 O mais corriqueiroé g3 ou lDf3,mas as
brancastentamjogar rapidamentee4.
J. Monedero - A. Hernández
Open Internacional deI Foment 2. oulDf6 3. ~gS e6
Barcelona, 1998 Esteúltimo lancepennite a ruptura central me-
diante a jogada e4, que dá vantagem às brancas.
As brancas jogam e ganham
4. e4 fxe4 s. lDxe4 ~e7 6. ~xf6 ~xf6
A posição do diagrama corresponde a uma 7. lDf3 O-O8. ~d3 b6 9. lDeS ~b7 10.
partida jogada por José Monedero, um dos au- 1i'hS!'fiIe7?
tores deste livro. O exercício consiste em en- Após esta jogada, Lasker anunciou a seu
contrar as duas jogadas-chave que levam a um adversário mate em 8 jogadas!
engenhoso mate. Você é capaz de encontrar a
solução ganhadora? 11. fixh7+U
42 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

o xadrez proibido
O xadrez foi proibido no Irã por seu líder
político e religioso Aiatolá Komeini, que o qua-
lificou como "um jogo diabólico que perturba
a mente de quem o pratica".

CONSELHOS

88 1. Não execute variantes fantasiosas que po-


2188 8 dem provocar problemas de tempo. Em caso
1:[ ~ ~: de dúvida, descarte essas continuações com-
plicadas e procure outras mais simples.
a b c d e 9 h 2. Quando estamos com problemas de tempo,
devemos confiar em nossos instintos. Não
11. ... ~xh7 12.lDxf6+ ~h6 tente jogar variantes complexas se não puder
calculá-Iascom exatidão.
Se 12. ... ~h8 13. lDg6 mate. 3. Um excesso de concentração pode ser tão
13. lDeg4+ ~g5 14. h4+ ~f4 15. g3+ perigoso quanto sua falta. Não tenha obses-
~ f3 16. .i.e2+ ~g2 17. 1:h2+ ~gI18. 0- são pela vitória, jogue tranqüilamente. Mes-
O-Omate. mo se você perder, o mundo não vai acabar.
Após a partida, o vencedor exultava de feli- 4. Os finais nunca devem ser jogados de for-
cidade, mas então aconteceu um fato curioso. ma apressada; paciência e cálculo preciso
são os dois melhores conselhos frente a um
O campeão do mundo, Emmanuel Lasker, foi
felicitar seu homônimo, Edward Lasker (não final de partida.
eram parentes apesar de ambos serem alemães, 5. No final, como em qualquer parte da partida,
contemporâneos e grandes jogadores), e lhe deve-se seguir um plano lógicoque nos leve a
disse: obter sucessivas vantagens.
- A partida não foi de todo correta. 6. Os conhecimentos técnicos são imprescin-
díveis nos finais. Deve-se estudar os méto-
- Por quê?, perguntou o vencedor da dis-
puta, um tanto aborrecido. - Todas as jogadas dos teóricos para ganhar certas posições de
uma forma matemática.
das pretas foram forçadas. Nem você, como
campeão mundial, poderia superá-Ias. 7. Aprenda com os jogadores clássicos que
- Sim, eu a ganharia duas jogadas an- marcaram época, não se limite a contemplar
tes - contestou Emmanuel e, em seguida, apenas partidas dos torneios mais recentes.
mostrou como fazê-Io. - Quando você jo- 8. Ataque sempre que puder a estrutura de peões
gou 14. h4+, a melhor jogada era 14. f4! do adversário pela base dessa estrutura.
~xf4 (se 14. ... ~h4 15. g3+ ~h3 16. .i.f1 9. Se numa partida você tiver uma peça não-de-
mate) 15. g3+ ~f3 (se 15. ... ~gs 16. h4 ma- senvolvida ou bloqueada, é como se estivesse
te) 16. o-o mate. jogando com uma peça a menos.
Realmente foi uma aula de humildade pa- 10. Conserve seus cavalos nas posições cerradas;
ra o vencedor desta famosa e brilhante par- nessa situação são peças mais úteis.
tida.
CAPíTULO 5 o primeiro campeão
do mundo
"No começo da minha carreira, atacava sem parar,
fazendo partidas magníficas que perdia com freqüência.
Depois modifiquei meu estilo por um mais defensivo.
Então, minhas partidas se tornaram mais difíceis e menos
agradáveis de conduzir, mas em troca ganhava cada vez
mais, e cheguei a ser campeão do mundo."
(Steinitz)

Steinitz passou para a história do xadrez, entre outras coisas, por ser considerado o primeiro
campeão oficial do mundo. Foi um pensador profundo que desenvolveu novas concepções da
estratégia do xadrez. Sistematizou, ampliou e aperfeiçoou as idéias de Philidor a respeito das
estruturas de peões, do jogo defensivo e do acúmulo de pequenas vantagens.

WILHELMSTEINITZ ("O PENSADOR")


Nacionalidade: De origem austríaca, naturalizou-se americano.
Nascimento: Praga, 18 de maio de 1836.
Morte: Nova York, 12 de agosto de 1900.
Títulos: Primeiro campeão oficial do mundo entre 1886 (após vencer Zukertort) e 1894.
Características de jogo: Grande analista, virtuoso na defesa e na capacidade de
acumular pequenas vantagens.
Melhores torneios: Dublin, 1865; Londres, 1872; Viena, 1873 e 1882; NovaYork,1894;
São Petersburgo, 1895.
Façanhas: Vencer Anderssen em 1866 e autoproclamar-se campeão do mundo quando
não existia oficialmente esse título.
Principal derrota: Diante de Lasker, que o destronou em 1894.
Principal debilidade: Sua instabilidade psíquica (em 1897, teve de ser internado em
um sanatório psiquiátrico).
Vida privada: Nasceu no seio de uma numerosa família judia que desejava que fosse
rabino. Apesar de se destacar em matemática, dedicou sua vida ao xadrez. Possuía caráter
difícil, agressivo, polêmico e dado à crítica. Foi protagonista de violentos confrontos com
outros jogadores da época.
Legado: Mudou a concepção romântica do jogo, dominante em sua época, por uma mais
pragmática. Enquanto Morphy foi o mestre das posições abertas, Steinitz o foi do jogo fechado
e posicional. Escreveu, além de numerosos artigos em revistas e jornais, o livro Modem Chess
Instructor, no qual idealizou uma classificação das aberturas.
Consideração final: Foi um grande inovador, pai do xadrez moderno. Seu critério era
claro: o ataque pode e deve ser realizado quando se possui vantagem posicional.
44 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 10
811 .t.. 'I.
Quando estamos
rocados, sempre devemos
711 1 Ij i
considerar um possível
6 I) 1
sacríficio na casa h7. 5
.t.18
Steinitz - Golmayo 4 8
Havana, 1888
3U ~
Defesa Francesa 218 8. 8
Em muitas ocasiões, após o avanço do
peão branco da casa eS, as pretas se vêem a b
~c d e
obrigadas a retirar seu cavalo de f6 e deixar 9 h
desprotegida a casa h70 O problema é ain-
da maior se levarmos em conta que o peão 13. ... lDdxe5 14. fxe5 :f5
branco adiantado em eS domina também a A idéia das pretas é responder 1:teScontra
possível saída do rei por d6 Vejamosum be-
o g4, mas...
lo exemplo de sacrifício de bispo na casa h7
efetuado por Steinitz no torneio de Havana 15. g4!
de 18880 Planejando que a torre vá a eS e uma vez
deslocada essa peça, realizar o mortal movi-
1. e4 e6 2. d4 d5 3. lDc3 lDf6 4. e5 lD mento de peão a g6.
d7 5. f4 c5 6. dxc5 ~xc5 7. lDf3 lDc6 8.
~d3 O-O 15. ... 1:txe5+ 16. 'itó>dl~e3
Nesta posição não seria possível nenhum As brancas ameaçam ~f4!
sacrifício do bispo branco contra o roque das
pretas, devido ao insuficiente desenvolvimento 17. ~xe3 1:txe3
das brancas. E agora o lance decisivo do ataque branco.

9.h4 18. lDb5!


No caso de 9. ~xh7+ 'itó>xh7 10.lDgs+ 'itó>g6 Cobrindo a casa de escape do rei em d6, as
11. "ii'd3+ f5 12. exf6+ 'itó>xf6130lDh7+'itó>f714. brancas ganham definitivamente o domínio
dessa casa vital.
lDxf8lDxf8, as pretas ficam melhor.
Depois do lance 9. h4, as brancas estão
18. ... 1:tf3 19. g6
ameaçando o mencionado sacrifício, pois de- As pretas abandonam, já que o mate é ine-
pois de 'itó>g6,
o lance hS+ decidiria. vitável.
9. ... f6? Por exemplo: 19. o.. 'itó>f8 20. 'i!Vh8+'itó>e7
21. 'i!Vxg7+1:tf722. 'i!Vxf7mate.
Seria muito melhor 9. ... fS 10. lDgS (10.
exf6lDxf6 com igualdade) 10. ... "iVe8.

10. lDg5!
Final - O percurso exato do rei
Apesar de tudo. É necessário estudar as manobras típicas
do rei nos finais, pois pode ser a diferença
10. ... fxg5 11. ~xh7 + 'itó>xh7 12. entre ganhar ou perder a partida.
hxg5+ 'itó>g813. "iflt5 Na posição do diagrama, as brancas não têm
As brancas ameaçam g6 com um mate nenhum obstáculo para ganhar o peão em a7: o
inevitável. As pretas têm tempo de tirar a tor- problema é que se deixarem o rei preto chegar a
re para dar saída ao rei, mas isso não bas- c7, o resultado será empate. Por isso, é neces-
ta, porque a casa d6 está dominada pelas bran- sário fazer um percurso exato com o rei para
cas. capturar o peão no momento preciso.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 45

ft4 8. lDc7+ ~d8 9. i.d2 1:tb8 10. 1:tbl


8 \i'd4 11. i.d3 lDb4? 12. lD3b5 lDxd3+ 13.
cxd3 \i'xd3
711

6.8
81 I J._ J."Ijl
5 711 I J~ 11 11
4 61 I
3 51 tD
2r . 41 8
3 'ir
a b c d e 9 h
218 A 8. 88
1. e6! c3 2. d5n 11 ~, :
abcdefgh
8
71:1 14. lDe6+ ~e8 (se o cavalo for tomado
com qualquer um dos peões, perde-se a dama
618 com xeque a descoberto do bispo em aS) 15.
5 lDbc7 mate.

4
Exercício 7
3 "
2 H. Cordes, 1895

As brancas jogam e ganham


abcdefgh Nesta posição, as brancas têm uma gran-
de desvantagem material, mas em xadrez a
Única manobra ganhadora. posição das peças importa mais que o material.
No caso de 2. ~d6?? ~d4 3. ~c6 ~eS 4. Você é capaz de encontrar a continuação ga-
nhadora?
~b7 ~d6 5. ~xa7 ~c7, as brancas teriam de se
conformar com o empate.
2. ... ~b4 3. ~c6 ~a5 4. ~b7 ~b5 5. 8
~xa7 ~c6 6. ~b8 7
E as pretas não podem evitar a coroaçãodo
peão. 6

5 IA I. li
Mates típicos 4 fi
Mate com cavalos 3 8 'ir 8
Steinits - Walsh, 2 tD.8
1870 1
«
1. e4 c5 2. lDc3 lDc6 3. lDf3 h6 4. d4 a b c d e t 9 h
cxd4 5.lDxd4 ft6 6. i.e3! 'i\Vxb27.lDdb5
46 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

ANEDOTAS E CURIOSIDADES Um sacrifício de peão que dá vantagem às


brancas.
Partida 11 17. ... cxdS
Steinitz - Bardelebem Não seria melhor 17. ... ~f7 18. dxc6 bxc6
19. 'ii'c4+ 'ii'dS 20. 'ii'xdS+ cxdS 21. %k7 com
Hastings, 189S predomínio das brancas.
Abertura Italiana
18. ttJd4 ~f7 19. ttJe6 :hc8 20. 'ii'g4
Aprendamos a jogar com g6 21. ttJgS+ ~e8
os campeões do mundo. Neste momento se produziu uma das mais
belas combinações da história do xadrez:
A partida seguinte foi jogada por Steinitz
quando, então com cinqüenta anos, já não era 22.:xe7+!
campeão do mundo e, apesar disso, jogou uma
miniatura brilhante.

1. e4 eS 2. ttJf3 ttJc6 3. ii.c4 ii.cs 4. c3


811 I .
ttJf6 S. d4 exd4 6. cxd4 ~b4+ 7. ttJc3 dS 7ÊI.. I 'if ..s: I
Seria melhor ttJxe4,obtendo um bomjogo. 6 Ii
8. exdS ttJxdS 9. o-o ~e6 5 I tb
Não seria válido 9. ... ttJxc3 10. bxc3 ii.xc3
4 'if
11. 'ii'b3 ii.xaI12. .ixf7+, e as brancas ganham.
Não seria bom também 9. ... ~xc3 10. bxc3 3k
ttJxc3 11. 'ii'el+, ganhando o cavalo.
Assim, as pretas não poderiam ganhar o 218 /8 888
peão em c3.
~
10. ~gS ii.e7 11. ~xdS ii.xdS 12. a b c d e 9 h
ttJxdS 'ii'xdS 13. ~xe7 ttJxe7 14. :el f6
A fim de buscar um refúgio para o rei.
22. ... ~f8
IS. 1i'e2 'ii'd7 16. :ac1
Não serviria jogar 22. ... <t;xe7 23. :el +
Parece melhor 16. dS ~f7 17. :adl ttJxdS ~d6 24. 'ii'b4+ J:cS (24. ... ~c7 2S. ttJe6+ ~b8
18. ttJgS+ fxgS 19. 'ii'f3+ ~g8 20. :xdS com 26. 'ii'f4+ %:tc727. ttJxc7 'ii'xc7 28. J:e8 mate)
clara vantagem das brancas. 2S. :e6+.

.
16. ... c6? 17. dS!
23. 1::tf7+! ~g8 24. J:g7+! <t;h8 2S.
:xb7+
811 I:
..t) i ,
E as pretas abandonam.
Com efeito, se 2S. ... ~g8 26. :g7 + <t;h8
711
6

5
I
, I
27. 'ii'h4+ <t;xg728. 'ii'h7+ <t;f829. 'ii'h8+ ~e7
30. 'ii'g7+ ~e8 31. 'ii'g8+ ~e7 32. 'ii'f7+ ~d8
33. 'ii'f8+ 'ii'e8 34. ttJf7+ ~d7 3S. 'ii'd6 mate.

4
Glória ou dinheiro
3 "tb
Um admirador de Steinitz, no final de sua
218 8 .888 carreira, perguntou-lhe por que não se retirava
da vida enxadrística com a glória que tinha
;, ~... acumulado durante todos seus anos de inúme-
a b c d e f 9 h ras conquistas. Steinitz retrucou:

--- --
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 47

- Posso prescindir da glória, mas necessito 5. Os tempos de vantagem no desenvolvi-


do dinheiro dos prêmios dos torneios para mento das peças podem ser mais impor-
comer. tantes, em algumas circunstâncias, que a
Em 1899, regressando a Nova York, depois vantagem material.
de seu fracasso no torneio de Londres, Steinitz 6. Apesar de as regras de abertura aconse-
sofreu uma crise mental (chegou a dizer que lharem a rocar tão cedo quanto possível,
jogava com Deus pelo telégrafo) e foi internado em algumas aberturas esperar um certo
em um manicômio de Ward's Island, onde tempo pode ser uma boa estratégia.
morreu em 12 de agosto de 1900. 7. Jogue sempre de acordo com um plano e
responda a esta pergunta: onde estarão
melhor colocadas minhas peças daqui a
CONSELHOS umas tantas jogadas?
8. Não dê pistas ao adversário com gestos ou
1. Pense bem antes de trocar peças pelos seus expressões faciais sobre a situação da par-
peões de roque. tida: é uma informação extra que pode aju-
2. Quando pretender realizar uma entrega dá-lo.
de peça para dar mate, examine sempre as 9. Não supervalorize, nem tampouco menos-
possíveis casas de escape do rei. preze, seu oponente. Ou seja, não jogue com
3. Calcule, com exatidão, o percurso do seu medo, nem tampouco com auto-suficiência.
rei nos finais de peão, já que, às vezes, a Considere sempre que o adversário fará a
jogada mais natural e evidente não é neces- melhor jogada possível.
sariamente a melhor. 10. Aprenda a jogar xadrez estudando as par-
4. As peças têm um valor relativo no xadrez tidas dos grandes jogadores de todos os
em função de sua posição no tabuleiro e tempos.
mobilidade presente e futura.
CAPíTULO 6 o precursor da
escola russa
"Chigorin era uma pilha de nervos, capaz de
ver as combinações mais complicadas e passar por
alto outras muito mais simples."
(Marshall)

A União Soviética foi o berço dos melhores jogadores da história do xadrez. O primeiro dos
grandes enxadristas russos foi Mikhail Chigorin. Sua contribuição ao desenvolvimento do xadrez na
Rússia foi determinada por sua faceta de organizador de torneios, editor de revistas e fundador de
clubes de xadrez.

MIKHAILCHIGORlN
Nacionalidade: Russo.
Nascimento: 12 de novembro de 1850.
Morte: 25 de janeiro de 1908.
Característica de jogo: Combinatório, adepto das posições abertas e representante da
escola romântica.
Melhores torneios: São Petersburgo, 1879; campeão da Rússia, 1899, 1901 e 1903;
Nova York, 1889; Hastings, 1895; Budapest, 1896.
Principal derrota: Contra Steinitz em 1889 e 1892 pelo campeonato do mundo.
Principal debilidade: Sua propensão à bebida.
Legado: É considerado o pai da moderna escola de jogadores soviéticos.
Consideração final: Suas observações como analista e teórico, especialmente em
aberturas, são muito apreciadas.

- --
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 49

Partida 12
811 .t61
o desenvolvimento pode 71!&&& 6 I. &
ser mais importante que
a vantagem material. 61 I. tL)
- Davidov 51 ~
Chigorin
Londres,
Gambito
1883
de Rei
41
31
i.iI'
8
8.
1. e4 e5 2. f4 exf4 3.lbf3 g5 4. ~c4 g4
5. O-O 2188 8
Segunda entrega de material em apenas .; :...~
cinco lances, um recorde.
abcdefgh
5. ... gxf3 6. 'i!Vxf3'i!Vf67. e5 'i!Vxe58.
d3 ~h6 9. lbc3 lbe7 10. ~d2 lbbc6 11.
l:tael 'i!Vf5 As pretas decidem entregar sua torre de eS,
mas não é a intenção de Chigorin tomá-Ia.
As pretas têm peças de vantagem, mas seu
desenvolvimento está muito atrasado. 20. l:txe51 dxe5 21. 'i!Vxe5~xg4?
Davidov cometeu um grave erro. Melhor
12. lbd5 ~d8 seria 21. ... ~e6!! 22. 'i!Vd4+lbd5 23. ~xd5
Perde-se o roque, mas não havia jogada 'i!Vg3+24. ~g2+ 'i!Vd625. 'i!Vxd6+cxd6 26.
melhor. lbxeS ~xeS com jogo igual.
22. 'i!Vd4+~c8 23. ~e6+!
811.te 11
n& I. .. & ~ & I. 811 e I
61 ~ .t 71& .i .i ~.i
5 6 i.tL)
41 i. 5

31 j. 8 4

218 8.8 88. 3

::~
a b c d e 9 h

abcdefgh
13. ~c3?!
Seria melhor 13. 'i!Ve2! lbxd5 14. ~xd5
'i!Vxd5 15. ~c3 ~g5 16. ~xhS 'i!Ve6 17. 'i!Vh5 o bispo branco está cravado e, se tomar o
'i!Vg6 IS. 'i!Vxg6fxg6 19. :'xf4 d5 20. l:tf7 com peão, haverá mate.
compensação pelo material perdido. 23. ... ~b8
Se 23. ... fxe6 24. 'i!Vd7+~bS 25. 'i!VxeS+
13. ... :'e8 14. ~f6 ~g5 15. g4 'i!Vg6 lbcs 26. lbd7 mate.
Evidentemente não seria proveitoso 15. ...
fxg3?? devido a 16. 'i!Vxf5. 24.lbd7+
16. ~xg5 'i!Vxg517. h4 'i!Vxh418. 'i!Vxf4 Outra possível continuação seria 24. ~xg4
d6 19. lbf6 lbe5! 'i!Vg3+25. ~hllbc6 (se 25. ... 'i!Vh4+26. ~g2
50 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

com vantagem decisiva). 26. lbd7+ 'it'c8 27. A posição, que é muito instrutiva, foi jo-
lbe5+ 'it'b8 28.lbxc6+ bxc6 29. 'iVb4 mate. gada da seguinte maneira:
1. ... f4!!
24. ... 'it'c8 2s.lbcs+ 'it'b8 26. lba6+ Magnífica jogada que conduz a urna vitória
bxa6 27. ft4 mate. segura.
2. 'it'dS
8 lê I No caso de 2. gxf4 h4 3. 'it'd5 h3, as brancas
7& 1 .& não poderiam impedir a coroação do peão.
Não adiantaria 2. exf4, pois 2. ... h4! 3.
61& J.. gxh4 g3! 4. fxg3 e3, e o peão seria coroado.
5 2 h4!3.<õt>xe4
4 Se 3. gxh4 g3 4. fxg3 f3 5. gxf3 exf3, o peão
seria igualmente promovido.
31 8 3. ... f3 4. gxf3 h3
21888 E as brancas abandonam.

abcdefgh Mates típicos


Mate de Chigorin
Final 1. e4 eS 2.lbf3 d6 3. ~c4 f5 4. d4lbf6
s. lbc3 exd4 6. \\Vxd4J.d7
Pomar -
Cuadras
Olot, 1974
811.. ...1.
Surpresa de em umfinal de dois 7
JI i~.@. ~ ~
li
A seguinte posição pertence a urna parti-
~

da disputada pelo Grande Mestre Arturo Po- 61


[
..~ I
,yi 00<

mar e o jogador catalão, Mestre da FIDE,Jordi


Cuadras. Após um surpreendente avanço de
51 i
peões, as brancas ficaram à mercê da ruptura
das pretas, que conseguem em todas as va-
41 J.... 8
riantes coroar seu peão e, portanto, ganhar a 31 ~ ti)
partida.
2188 8 8 8"8
8 J.. ~ ,]:!
7

6r
51
.
& & <õt>xf6
abcdefgh

7. lbgS lbc6 8. ~f7+ 'ôt>e79. \\Vxf6+


10. lbdS+ ~eS 11. lbf3+ ~xe4 12.
lbc3 mate.
41 & &
31 8 8 Exercício 8
21 88 As brancas jogam e ganham
Na posição do diagrama, as brancas têm
a b c d e f 9 h urna forte desvantagem material, mas, ape-
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 51

sar disso, conseguem a vitória de uma forma Vejamos alguns lances possíveis:
sutil. 1. 'ii'd4+
Você consegue descobrir o lance vencedor Outras formas de romper a defesa preta
das brancas? também fracassariam. 1. 'ii'd3 :h6 2. 'ii'b3 J:le6
3. 'ilig3 'õt>h74. ~f5 :h6.
8 1. no ~h7 2. 'ii'c3
Com 2. 'ii'f2 ~g7 3. 'ii'f5 :116 4. 'ii'h3 ~h7, a
7 posiçãotambém não prospera.

6 8 8 A (1;/ 2. no :h6 3. 'ilic5 'õt>g7f


Para evitar 'ii'f8.
5 A Não seria válido 3. :e6? 4. 'ii'f8!:f6 5. h6
4 .t 1:tg6+6. ~h5 :g8 7. 'ii'xf7+ ~h8 8. h7? (8. 'ii'f5
:gl 9. 'ii'e5+ 'õt>h710. 'ii'e4+ ~g8 11. 'ii'a8+
3 I 'õt>h712.'ii'a7+, e a torre ganharia) 8. ... :gS+ 9.
~h4 :g4+ e haveria empate.
2
4. 'ii'c8 1:.e6, e a situação não evolui.
O exemplo anterior pertence, como já dis-
abcdetg h semos, a um estudo realizado por Grigoriev em
1927. Setenta anos depois, no campeonato por
equipes da Catalunha, foi jogada a seguinte
partida, que reproduz uma posição quase idên-
ANEDOTAS E CURIOSIDADES tica a do estudo.

A fortaleza Collado - Jerez


Campeonato da Catalunha
Grigoriev, 1927 por equipes, 1997
Em algumas posições, especialmente em fi- 7T
nais de dama contra torre e peões, apesar da gran- 8
de desvantagem material, o jogador que estiver
perdendo pode construir "fortalezas", posições 7
inexpugnáveis contra as quais nada pode fazer o 6
jogador que está em vantagem. É o caso do exem-
plo seguinte, no qual para as pretas basta impedir 5
o avanço do peão da coluna "h", ou a possível I '.
incursão da dama por f8, para conseguiro empate. 4

3
8
2
7
6 I a b c d e 9 h
5
4 É certamente surpreendente a similaridade
3 com a posição do estudo.
78. no :h6 79. 'iVb7 J:le6 80. 'iVb2+
2 ~h7f
fJ'x1:}i Não seria bom 80. ... 'it>g8?81. h6! 1:tg6+
..,'VW. 82. 'it>hS'it>h783. 'i'c2 'it>h884. 'i'c8+ 'it>h785.
a b c d e f 9 h 'ii'f5'õt>g8
86. 'ii'c8+ ~h7 87. 'ii'f8:g188. 'ii'xf7+
52 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÃLEZ

<t>h889. \i'f5 :g8 90. \i'e4! Onde as negras irregulares devem ser consideradas co-
fossem, perderiam a torre e levariam mate. Por mo realmente são: más aberturas.
exemplo: 90. ... :f8 (90. ... :gl 91. \i'd4+ <t>h7 2. Para iniciar um ataque, deve-se seguir uma
92. \i'xgl) 91. \i'eS+ <t>h792. \i'g7 mate. ou várias das seguintes condições:
a) Que o jogador atacado não domine o
81. \i'c3 1:h6 82. \i'd3+ <t>g783. \i'd4+ centro.
<t>h784. \i'e4+ <t>g785. 'iVe5+?? Com pro- b) Que a dama defensora esteja deslocada do
blema de tempo, as brancas fazem a pior jogada cenário da luta e não possa defender o rei.
possível. c) Que haja superioridade das peças ata-
cantes.
85. ... f6+ 86. \i'xf6+ 1hf6 d) Que existam debilidades no roque do
E as brancas abandonam. adversário.
e) Que as colunas abertas sejam dominadas
pelas torres atacantes.
o talento de Alekhine 3. É necessário conhecer a si mesmo e saber
que tipo de aberturas permite um jogo de
Quando estourou a Primeira Guerra Mun- acordo com seu gosto e estilo.
dial, Alekhine encontrava-se jogando um tor- 4. É importante, caso seja possível, conhecer o
neio na Alemanha e foi preso junto com o resto estilo do nosso oponente para conduzir a
dos participantes. Porém, fingindo uma pertur- partida por caminhos desagradáveis para ele.
bação mental, conseguiu que o encaminhassem 5. O xadrez é apaixonante, mas é mais diver-
para a Suíça. tido quando se ganha; por isso, embora se
trate de um entretenimento, se você quer
desenvolver todo seu jogo, deve esforçar-se
para melhorar.
CONSELHOS 6. A posição dos peões determina o valor re-
lativo das peças, o espaço de que dispõe cada
1. É necessário dominar o centro do tabuleiro jogador e os planos estratégicos a seguir.
pelos seguintes motivos: 7. Os peões permitem realizar rupturas para
a) Permite uma mobilidade superior das abrir linhas de penetração das peças.
peças. 8. Um peão atrasado é uma fraqueza em um
b) Restringe a mobilidade das peças do final, em especial se seu avanço está blo-
adversário. queado por uma peça inimiga.
c) O centro é a base de operações para 9. Utilize o tempo do adversário para analisar a
qualquer ataque ou contra-ataque. partida do seu ponto de vista. Levante-se, se
d) Qualquer peça, excetuando a torre, tem achar conveniente, e observe a partida do
mais poder junto ao centro. outro lado do tabuleiro.
e) Proporciona vantagem de espaço. 10. Os livros com pouco texto, que só analisam
f) As aberturas irregulares têm em comum variantes sem explicar as idéias, são pouco
o fato de entregarem o centro ao adver- recomendáveis.
sário. Segundo Reinfeld, as aberturas
CAPíTULO 7
Um gênio
efêmero
"Pillsbury abriu novos caminhos teóricos, foi uma fonte constante
de prazer e alegria e um mestre para milhões de enxadristas."
(Lasker)

Harry Nelson Pillsbury foi um dos gênios do xadrez que mais se sobressaíram no final do
século XIX.Dotado de uma impressionante memória e capacidade de cálculo, foi um extraordinário
jogador tático e um especialista em partidas às cegas. Sua morte prematura impediu que disputasse
o campeonato mundial.

HARRYNELSON PILLSBURY

Nacionalidade: Norte-americano.
Nascimento: Somerville (EUA), 5 de dezembro de 1872.
Morte: 17 de junho de 1906.
Características de jogo: Arriscado e combinatório.
Melhores torneios: Hastings, 1895; Viena, 1898; Munique, 1900; Buffalo,
1901. Campeão dos Estados Unidos de 1897 e 1898.
Façanhas: Estabeleceu o recorde da época em simultâneas às cegas na cidade de Moscou
(1902), com o resultado de dezessete vitórias, quatro empates e uma só derrota. Venceu o
torneio de Hastings de 1895 diante de Steinitz, Lasker, Schlechter, Chigorin e Tarrasch.
Vida privada: Dotado de uma extraordinária memória, tinha um caráter alegre e
extrovertido. Morreu tragicamente aos 34 anos, vítima de sífilis.
Consideração final: Sua carreira enxadrística só durou dezesseis anos, mesmo assim é
considerado um dos maiores gênios da história do xadrez.
54 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 13 17. ... bxc3 18. liJxd7 'iVxd7 19. :xf6! a5


Evidentemente não se deveria jogar 19. ...
H. Pillsbury - G. Marco i.xf6??, pois 20. i.xf6 seguido de mate.
Paris, 1900
20. J:afl 1:ta6 21. i.xg6!
Gambito de Dama
Se um jogador sai com o peão
da dama, não significa que
8
7 A .Ai
.'.
"
seja um jogador posicional.
611 a. .t
1. d4 d5 2. c4 e6 3. liJc3 liJf6 4. .i.g5
.i.e7 5. e3 O-O6. liJf3 b6 7. i.d3 .i.b7 8. 511
i ~
cxd5 exd5 9.liJe5 4 i8 8'
Pillsburyidealizou um ataque mediante o
avançodo peão f4, seguidode f5, para debilitar 3 ti
o roque preto.
2[88 8
9. ... liJbd7 10. f4 c5 11. O-Oc4
As pretas fecharam o centro sem nenhuma :~
contrapartida clara no flanco da dama, enquanto a b c d e f 9 h
as brancas têm boas perspectivas no flanco do rei.
Outra espetacular entrega de peça que deixa
12. i.c2 a6 13. 'iVf3 b5 14. 'iVh3 g6
Se 14. ... h6 15. liJxd7 liJxd7 16. i.xh6 as pretas numa posição desesperadora.
gxh6 17. 'iVxh6f5 18. 'iVg6+ 'it>h819. J:U3i.h4 21. ... fxg6 22. 1hf8+ i.xf8 23.1hf8+!
20. 1:th3 'iVf6 21. 'iVg3 1:tf7 22. J:xh4+ com
vantagem decisiva para as brancas. 8, .~.~ 'a fi
15. f5 b4 16. fxg6 hxg6
Depoisde 16. ... bxc3 17.ll::Jxd7'iVxd7(Se 17.
71 'A
, ..
fxg6 18. liJxf8 'iVxf8 com clara vantagem 611 i
branca.) 18. gxh7+ ~h8 19. .bf6+ i.xf6 20.
'iVxd7,ganhando a dama e a partida. 511 i A
41 i8 8'
17. 'iVh4!
31 1 8
811 .. j:. 2188 88
7 ~.l.i ~
61i a. i abcdefgh
5 itU a 23. ... ~xf8 24. 'iVh8+ 'it>f725. 'iVh7+
4
ii8 8'. As pretas se entregam, já que, se:
3 tiJ. ,
25. ... 'it>e826. 'iVg8mate.
~
25. ... 'it>f826. 'iVxd7,seguido de 27. i.h6+
2188~ 8 e 28. 'iVg7mate.
25. ... 'it>e626. 'iVxg6mate.
;, 1:[ ~,
abcdefgh
Final - Finalde peões
Pillsbury não leva em consideração o ata-
que das pretas no flanco da dama, já que che- O diagrama a seguir representa uma posição
gará antes à ala do rei. na qual se mostra que a superioridade material
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 55

não é suficiente para ganhar um final de peões. Mates típicos


Vejamos como devem jogar as brancas para ga-
nhar. Pillsbury
1899
- Judd,
8
1. d4 d5 2. c4 e6 3. lbca b6 4.lbf3 i.b7
7 5. i.f4 i.d6 6. bd6 fixd6 7. cxd5 bd5 8.
>~
, e4 i.b7 9. 1:.c1a6 10. i.d3 lbe7 11. 0-0 0-0
6 I 12. e5 fid8 13. i.xh7+ c;t>xh7 14. lbg5+
5 'õt>h615. 'ild2 'õt>g616.lbe2lbd5 17. fid3+
'* JA., ~g5 18. f4+ 'it.i>h619. 'iih3+ 'it.i>g6
20. fS+
4 A '1 exfS 21. 1:txfSlbf6 22.lbf4 mate.
d'\,
3

abcdefgh

1. g5!
Única jogada para não perder, ao contrário,
com ela se vence.
3
'. I.
21 ~ .13 ! '~
1. ... 'õt>e5 t'=~.~
w~=
Se 1. ... hxg5 2. h6, o peão branco se pro- a b c d e f 9 h
move.

2. gxh6 'õt>f6 Exercício 9


Também é a única jogada que impede que o
peão seja coroado de imediato. Se 2. ... c4 3. h7, o
peão se converteria em dama inevitavelmente.
Andruet
Bundersliga,
-
Spassky
1988
3. 'õt>c2!
As pretas jogam e ganham
Esta jogada deixa as pretas em posição de
zugzwang. A posição seguinte foi brilhantemente
jogada pelo ex-campeão mundial Boris Spassky.
3. ... c4 4. 'it.i>cl!! Qual é a continuação vencedora?
Aqui a regra é a seguinte: quando três
peões ligados estão na mesma fila, o rei deve 8
manter duas casas de distância dos peões. No
momento em que um deles avança, o rei deve 7
se colocar diante dele.
6
Um erro seria 4. 'it.i>bl?d3 5. 'it.i>clc3 6.
'it.i>dlb3 7. 'õt>clb2+ 8. 'õt>bld2 9. 'it.i>c2
10. 'it.i>xbldlfi+, as pretas ganhariam.
blfi+ 5 ,
4 c3
4 -*
Se 4. ... b3 5. 'it.i>b2
d3 6. 'it.i>c3,
o rei bloqueia 3~1 ~ ~.
os peões. 2 ':
~
13 ~ 13'
»>O< ' >x; >«.:

~
",

5. 'iti'c2d3 + 6. 'itixd3 c2 7. 'itixc2 b3 + L~=


8. ~b3 'it.i>g5 9. h7 c;t>xh510. h8fi+, as abcdefgh
brancas ganham.
56 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

ANEDOTAS E CURIOSIDADES 9. exf6!!


Entregandoa dama por três peças.
-
Partida 14 Quando três
peças valem mais que uma dama 811 ..til" fi
-
Monedero Sanabria 71i i 'i..ti
Campeonato da Espanha 6 ~i 8i
Salamanca, 1972
5
Defesa Grünfeld 4 if8
1. d4 lDf6 2. c4 d5 3. lDc3
Não aceitei o convite das pretas para entrar
3 ttJ tD
na linha recomendada por Alekhine: 3. cxdS 218 8 888
lDxdS 4. g3!
;: ~A :
3. ... g6 4. 'i1t'b3 a b c d e 9 h
Uma idéia popular nos anos 30.
4. ... dxc4 5. \\i'xc4 c6 9. ... lDxc4 10. fxg7 J::tg8 11. .Jixc4
As pretas jogam defensivamente sem que- 1:xg7 12. .Jih6 J::tg8 13. lDg5 e6 14. 1:tdl
rer aproveitar a colocação da dama no centro \\i'e7 15. O-Ob5 16. ii.b3 .Jib7?
do tabuleiro.

6.e4
811 . I
Eu decido por um forte centro de peões em 7li ..t iri i
atitude agressiva. 6 " iA
6. ... ii.g7 7. lDf3 lDbd 7?!
Uma jogada de valor duvidoso que impede
51 " tD
o desenvolvimento rápido do bispo da dama 4
preta.
31 i. tD
8. e5!? 2188
Preparando uma ação-surpresa ante o lan-
888
ce lógico 8. ... lDb6. ]: ]:~
8. ... lDb6 abcdefgh
Seria melhor 8. ... lDg4com as seguintes
alternativas: .
A atividade das peças brancas e a falta
a) 9. e6 fxe6 10. lDgS (10. 'i\Vxe6lDdeS de desenvolvimento das pretas conferem às
11. \\i'b3 lDxf3+ 12. gxf3 lDf6 13. brancas uma situação estupenda. Também na-
ii.e3 seguido de 0-0-0 com vanta- da traz de positivo para as pretas: 16. ... b4
gem para as brancas) 10. ... lDb6! 17. lDce4 ii.a6 18. J::tfe10-0-0 19. lDcs ii.bS
11. \\i'b3 ii.xd4! com vantagem das 20.lDxf7 com vantagem decisiva para as bran-
pretas. cas.
b) 9. h3 lDb6 10. \\i'cs lDh6 11. ii.gS f6!
com bom jogo das pretas. 17.lDge4?!
c) 9. lDgS o-o 10. e6lDb6 11. exf7+ 'it>h8 Seria muito boa a continuação 17. dS! cxdS
seguido de ii.xd4, com vantagem tam- 18. ii.xdS 1:d8 19. ii.xb7 'tixb7 20. lDge4 com
bém para as pretas. vantagem para as brancas.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 57

811
?Fa
61
A
i
..
!iJai~
I
i
81
71.&
6
~ §<ilA

. ia
I
i
51 i 5 .& J.
41 8 4 8
3 [ ..t 1tJ 3

2188 88 21888
a b c d e
~ <i>
9 h a b c d e 9 h

17. ... f6 18. lbc5 SLc8 19. 1:tfel Wf7 o xadrez e a vida
20. lbxe6!
Se, para Boris Spassky, "O xadrez é como a
20. ... SLxe6 21. d5 g5 vida" e, para Victor Korchnoi, "O xadrez é mi-
Não se recomenda 21. ... cxd5 22. ttJxd5! nha vida", para Bobby Fischer, o mais rebelde,
'ifd6 23. lbc7 'ifxc7 24. SLxe6+ WeS25. J.xgS+ mítico e genial, "O xadrez é a vida".
com vitória branca. Nem tampouco 21. ... SLd7
22. dxc6+ SLe623. 1he6 com imensa vantagem.
CONSELHOS
22.1he6 'ifd7 23. dxc6 'ifxe6 24. 1::td7+
E as brancas ganham a rainha e a partida. 1. "Partidas rápidas não constituem um xa-
drez sério." (Botvinnik)
2. "O final é a parte do jogo na qual as vanta-
A miniatura mais famosa gens conseguidas durante a abertura e o
meio-jogo se convertem em vitórias." (Keres)
Talvez a miniatura mais famosa da his- 3. As torres devem ser mantidas o mais ativas
tória do xadrez tenha sido a que Paul Morphy possíveis no final, já que são boas atacando
e más defendendo.
jogou contra o Duque de Brunswick ajudado
pelo Conde Isouard. A partida se realizou na 4. Nos finais em geral, e em especial no de ca-
Ópera de Paris durante a representação do valos, é muito importante ter iniciativa.
Barbeiro de Sevilha. 5. Um fundamento muito importante nos finais
são as jogadas de espera para deixar o adver-
sário em situação de zugzwang.
6. Nos finais, os peões de torre são fortes
Partida 15 quando lutam contra os cavalos, mas não
contra as demais peças.
Morphy - Duque de Brunswick 7. Quando um peão seu e um do seu adver-
e Conde Isouard, sário estão a ponto de coroar, comprove
1858 sempre se o fazem com xeque.
S. Quanto mais você gostar e se interessar por
Defesa Philidor finais, maior número de partidas ganhará.
9. Estando os reis um frente ao outro e se o
1. e4 e5 2. lbf3 d6 3. d4 SLg4 4. dxe5
SLxf3 5. 'ifxf3 dxe5 6. SLc4 lbf6 7. ~3 número de casas entre eles é par, quem
jogar primeiro ganhará a oposição.
'ife7 8. lbc3 c6 9. SLg5 b5 10. lbxb5 cxb5
11. .1txb5+ lbbd7 12.0-0-0 J:td8 13. J:txd7 10. Quando a maior parte dos peões se encon-
1hd7 14. 1::tdl 'ife6 15. SLxd7+ lbxd7 16. tra nas casas da mesma cor que o bispo, o
'ifb8+! tbxb8 17. 1::td8mate. cavalo é, quase sempre, preferível.
CAPíTULO 8 o preceptor
. A

germanlco
"O xadrez, como o amor ou a música,
tem o poder de nos fazer feliz.'
(Tarrasch)

Tarrasch foi um dos mais importantes pensadores da história do xadrez. Dogmatizou as teorias
de Steinitz e as registrou em seus escritos, que tiveram grande influência entre os enxadristas de todo
o mundo. Seu dogmatismo rígido não teria sentido hoje em dia, mas foi pedagogicamente útil em sua
época. Foi considerado como o campeão do mundo em torneios, modalidade na qual se destacou
como ninguém havia feito até então.

SIEGBERTTARRASCH ("PRECEPTORGERMÂNICO")
Nacionalidade: Alemão.
Nascimento: Breslau (Alemanha), 5 de março de 1862.
Morte: 17 de fevereiro de 1934.
Títulos: Candidato ao título mundial em 1908. Foi um dos cinco jogadores Qunto com
Capablanca, Alekhine, MarshaU e Lasker) proclamados pela primeira vez "Grandes Mestres" no
torneio de São Petersburgo de 1914.
Características de jogo: Teórico e meticuloso, herdeiro das teorias de Steinitz.
Melltores torneios: Nuremberg, 1888; Breslau, 1889; Manchester, 1890; Dresden, 1892;
Leipzig, 1894; Viena, 1898; Montecarlo, 1903; Ostende, 1907; Manheim, 1922.
Façanhas: Ganhou mais torneios que qualquer outro jogador da sua época. Chegou a ser
chamado de campeão do mundo em torneios.
Principal derrota: Contra Lasker, pelo título mundial, em 1908.
Principal debilidade: Foi demasiadamente dogmático.
Vida privada: Dedicou grande parte de sua vida ao exercício da medicina.
Legado: Foium prolíficoautor de artigos e livrosde xadrez. O mais instrutivo é Thegume01chess
(1935). Foium dos melhores teóricos de sua época e colaborou na confecçãodo fiÚticoHandbuchde
Bilguer.Tarraschdesenvolveue ampliouas teorias de Steinitzdando-lhes forma científica.Deixoupara
a posteridade a inconfundívelDefesaTarrasch.
Consideração final: Um dos melhores jogadores de torneios de todos os tempos, influen-
ciou fortemente com seus dogmas o xadrez no princípio do século XX.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 59

Partida 16 14. 1:tct ~f8 15. 'iib2 lDg4!

Uma debilidade na 811


estrutura de peões pode nos
7
levar a perder a partida.
6
Breyer -
Tarrasch
Goteborg, 1920

Abertura do peão da dama


1. d4 d5 2. e3 lDf6 3. lDf3 e6
A alternativa de tirar o bispo por g4 ou f5 é
possível, mas as pretas devem enfrentar, então, 2
o plano das brancas (c4, 'iVb3), ameaçando o
ponto fraco das pretas em b7.
a b c d e 9 h
4. lDbd2 ~d6 5. c4 b6
Para permitir a saída do bispo da casa
branca e prevenir o possível avanço c5 das Continuando com a ameaça do avanço do
brancas. peão até e5 e com a futura idéia de levar o
cavalo à casa e6 via h6-f7-d8.
6. 'itc2 ~b7 7. c5
Um erro estratégico que permite às pretas 16. h3 lDh6 17. lDb3
uma futura ocupação do centro. Reforçando a defesa do peão em c5.

7. ... bxc5 8. dxc5 ~e7 9. b4 o-o 17. ... f6 18. 'ita3 e5


O plano das pretas deve ser o avanço do peão Por fim, pode-se realizar o avanço pla-
da coluna "e" para compensar o domínio de nejado.
espaço das brancas no flanco da dama. 19. ~c3 'itc7 20. ~b2
10. ~b2 a5 11. b5? Não seria válido jogar 20. b6? 'itxb6 21.
cxb6 ~xa3.
O peão de c5 ficou fraco, e, mesmo assim,
as brancas não completaram seu desenvolvi- 20. ... 1:tec8!
mento.
Planejando jogar cxb5. Neste momento não
11. ... c6 seria conveniente jogar 20. ... cxb5? 21. bb5
~c6 com bom jogo para as brancas.
Previne o avanço do peão branco da coluna
"c" e mantém a debilidade de c5. 21. 'ita2 'itd8
Com a idéia de levar a dama à casa f8
12. a4 lDbd7 depois de tirar o bispo por e7. Se 21. ... cxb5?
Está claro que as pretas não podem tomar o 22. c6 ~xc6 23. axb5, uma peça seria per-
peão da coluna "b", pois ficaria um perigoso peão dida.
passado na coluna "c". Por outro lado, a ameaça
do ponto c5 já é uma realidade. 22. b6 ~e7 23. ft1 \i'f8 24. \i'c2 lDn
O lento plano de levar o cavalo para e6
13. ~d4 parece agora uma realidade.
Seria melhor proteger o peão mediante
~a3, mas então não seria possível impedir o 25.h4
avanço e5. Com a intenção de tirar o bispo do rei por
h3, onde dominava uma importante diago-
13. ... 1:te8! naI.
Deixando espaço para o bispo em f8 e
apoiando o peão da coluna "e". 25. ... lDd8 26. g3 lDe6 27. ~h3 lDexc5!
60 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

811
I .-fI 81 . fi
7 A IjA 11 ?li 11
6 ~1 j 61A .I. A
511 Ijll 511

4!
~ 41..t 1
A ~
3 tjJ ~tjJ~j., 3 ~ ~
2 .i..1I ~ 2111 ttJ.~ .~
1% : -1%
a b c d e f 9 h a b c d e 9 h

Apesar do bispo em h3, Tarrasch toma o 39. ~d1 J:txb7 40. f3


peão de c5 convencido de que ficará em melhor Uma jogada desesperada. A mobilidade das
situação, mesmo com a perda de sua torre em peças brancas está muito reduzida, e já não se
c8. trata de fazer jogadas boas ou más, mas, sim,
de tentar salvar-se a qualquer preço.
28. liJxc5 liJxc5 29. ~a3
Teria sido melhor tomar a torre preta de 40. ... ~h8
c8 sem jogar previamente 29. ~a3, mas as Para tirar o rei da diagonal a2-g8, domi-
brancas parecem que subestimaram o plano das nada pela dama preta, e poder efetuar o avanço
pretas. do peão da coluna "c".

29. ...liJd3+ 30. 'iVxd3 ~xa3 31. ~xc8 41. fxe4 dxe4 42. ~c1 \i'xg3 43.liJf1
:Xc8 Não seria válido 43. liJxc4? i.xc4 seguido
de .:tc7 com um ataque demolidor.
- É hora de fazer o balanço: as brancas ga-
nharam qualidade, mas as pretas contam com 43. ... 'iVe1+ 44. ~c2 'iVc3+ 45. ~d1
um peão de vantagem (que está passado e pro- 'iVd3+ 46. ~c1 .:td7
tegido), o domínio do centro, a dupla de bispos,
uma melhor estrutura de peões e o rei branco
no centro do tabuleiro.
8 .
32. .:tal ~b4+ 33. liJd2 e4 34. ft3
7 I lA
Se 34. 'iVe2, a resposta poderia ser 34. ... 61J.
.:ta8 seguida de i.a6. 511
34 c5 41~ A A I. ~
Agora se deve impor o peão passado e pro-
tegido da coluna "c", já que as peças brancas
3 1f~
estão completamente inativas. 2111
35. ~d1 c4 36. 'iVa2 'iVd6 37. ~e2 ~a6 1%
38. b7 J:b8
Segundo Tarrasch, é o melhor lance, embo- abcdefgh
ra a situação das brancas seja muito má, e qual-
quer outra jogada também daria vantagem às Asbrancas abandonam. Se 47. 'iVc2~a3+ 48.
pretas. %W3'i'xa3+ 49. 'i'b2 ':dI + 50. ~c2 'i'd3 mate.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 61

Segundo palavras do próprio Tarrasch, essa 4. ~eS ~f2 s. ~dS ~e3 6. ~cS ~d3 7.
foi uma das melhores e mais difíceispartidas que ~bS ~c2 8. ~aS ~b3 e ocorreempate.
jogou em sua vida.
Mates típicos
Final - Final de peões: quando
as aparências enganam Mate do Calabrês
1. e4 e6 2. d4 tUf6 3. .i.d3 tUc6 4. tUf3
-
Lasker Tarrasch ~e7 s. h4 o-o 6. eS tUdS
São Petersburgo, 1914
Na posição do diagrama, Tarrasch pensou
811 J.ifí'.
que Lasker abandonaria, já que sua vitória pa- 7 11.. i .a i .J. ia .&
recia assegurada. Mas Lasker se superou, como
era seu costume, e conseguiu o empate.
6 ~ .&
8
5 Ai8
7
4 8 8
6
3 i. tD
21~~ ~ ~~
4 =, tD ...~. 'if ~ 11
abcdefgh
31
21
~I 7. .i.xh7+ ~xh7 8. tUgS+ ~xgS 9.
hxgS+ ~g6 10. 'ifhS+ ~f5 11. 'ifh3+ ~g6
12. 'ifh7 mate.
a b c d e 9 h

Exercício 10
Vejamos como prosseguiu a partida:
1. h4 ~g4! Dama e bispo contra dama
Caso contrário, perderia rapidamente com
qualquer avanço de peão. 8
Se 1. ... a4 2. bxa4 bxa4 3. h5 c4 4. h6 a3 5.
bxa3 c3 6. h7 c2 7. h8'iIVc1'i1V,no mínimo, 7
haveria empate.
6
2. c,t>g6! 5
Ganha um tempo precioso, já que as pretas
não têm outro remédio senão capturar o peão 4 ~j
branco da torre, porque ameaça h5. Tarrasch só
havia considerado a seguinte variante: 2. ~f6 3
c4 3. bxc4 bxc4 4. ~e5 c3! 5. bxc3 a4, e o peão 2
preto não poderia ser detido.

2. ... c;t;xh43. ~f5 ~g3


Agoranão seriaválidaa manobra3. ... c44. abcdefgh
bxc4 bxc4 5. ~e4 c3 6. bxc3 a4? (podia,entre-
tanto, haver empate com 6. ... c;tJgS7. WdS) 7. Wd3 Na posição do diagrama, as brancas jogam
a3 8. ~c2 a2 9. ~b2, e o rei detém o peão preto. e ganham.
62 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Você é capaz de encontrar a solução vence- Gêmeo 2


dora?
A seguinte posição é gêmea da anterior,
porém todas as peças estão desloca das um
ANEDOTAS E CURIOSIDADES quadro à direita. Curiosamente, nesta situação,
as brancas não podem alcançar a vitória, apesar
Os dois gêmeos do peão de vantagem.

Gêmeo 1 8

'7
8

7
6

5 .
6

5
4
. 4

2
3
2
a b c d e 9 h

a b c d e 9 h
Vejamos como se pode continuar:
l.e4
Neste diagrama, as brancas ganham a par- Não é melhor 1. 'it>e2<õt>e4 2. <Jtd2'iii;>f5
3.
tida graças a um xeque salvador que as conduz
à vitória. <õt>d3
'it>e54. <õt>e2
~e4, a situação não evoluiria.

1. d4 <õt>c4 1. ... ~d4 2. 'it>f4'it>xc43. e5


Não adiantaria jogar 1. ... cj(d6 2. <õt>e4
'it>e6
À primeira vista, tudo se encaminha como
3. d5+ <õt>d74. ~e5 <õt>e75. d6+ <Jtd7 6. <õt>d5 no exemplo anterior, mas agora aparece uma
<õt>d87. <Jtc6 <õt>c88. ~xb5 'it>d7 9. ~c5, as surpresa.
brancas ganhariam facilmente. 3. ... <õt>b3!!
Não adiantaria jogar 3. ... ~d5? 4. ~f5 c4
2. ~e4 'it>xb4 3. d5 <õt>c5 5. e6 c3 6. e7 c2 7. e8\\f el \\f 8. \\fd8+ ~c4 9.
Única alternativa para que o peão branco 'iVc8+, as brancas ganhariam da mesma
não coroe em três jogadas. maneira que no exemplo anterior. Tampouco
Se 3. ... 'it>c34. d6 b4 5. d7 b3 6. d8\\f b2 serviria 3. ... <Jtd34. e6 c4 5. e7 c3 6. e8\\f c2 7.
7. \\fd3+ ~b4 8. \\Vbl,as brancas ganhariam. \\fe3+ <õt>c4 8. \\fel, as brancas ganhariam.
4. ~e5 b4 5. d6 b3 4. e6 c4 5. e7 c3 6. eS'ii' c2 e se entra
Depois de 5. ... <Jtc66. <Jte6com vitória das em uma situação típicade empate.
brancas.

6. d7 b2 7. dS\\f bl\\f As superstições de Alekhine


Os dois peões coroam,mas cabe o lance às
brancas, que têm um xeque ganhador. Alekhine era supersticioso. Por exemplo,
durante seu segundo encontro com Euwe pelo
s. \\fcS+ 'iii;>b49. \\Vb8+ campeonato do mundo, levava um blusão com
E as brancas ganham a dama e a partida. um gato negro bordado no peito.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 63

5. Os pontos mais importantes de uma coluna


CONSELHOS dominada são habitualmente a sétima e a
oitava filas.
1. Ganhar um peão na abertura ao contrário 6. Se colocarmos nossas duas torres e a da-
de um maior desenvolvimento do adver- ma numa coluna aberta, devemos manter
sário não é uma boa troca. as torres diante da dama, a não ser que a
2. As colunas abertas devem ser ocupadas tão dama se beneficie colocando-se adiante.
cedo quanto possível por nossa torre e de- 7. Nunca se deve trocar uma peça ativa por
vemos dobrar ou triplicar nossas forças uma passiva.
usando a outra torre e a dama. 8. Na abertura, a segurança do rei deve ser
3. Não há muitos lances perfeitos, ou seja, um dos primeiros objetivos.
toda jogada tem prós e contras. Muitas 9. Os cavalos e os bispos devem ser colocados
vezes devemos ceder uma vantagem para em jogo antes que as torres e a dama.
obter outra que nós consideramos superior. 10. Não devemos nos desvalorizar por termos
4. Não é conveniente que uma peça defenda feito más jogadas; todos os grandes mes-
mais de um ponto, já que pode produzir uma tres, incluindo os campeões mundiais, co-
sobrecarga que dê origem a problemas tá- metem erros.
ticos.
CAPíTULO 9 o jogo
psicológico
"O bom observador pode resistir a quase tudo."
(Tarrasch)

Emmanuel Lasker foi Oprimeiro jogador da história do xadrez que utilizou o método psico-
lógico para lutar contra seus adversários. Além de ser um mestre em todas as fases do jogo, soube
como ninguém encontrar o ponto fraco de seus adversários e jogar em função desse fator. Lasker foi
um dos maiores campeões mundiais e conservou seu título durante quase três décadas.

EMMANUELLASKER ("O LUTADOR")


Nacionalidade: Alemão.
Nascimento: Berlim, 24 de dezembro de 1868.
Morte: Nova York, 11 de janeiro de 1941.
Títulos: Campeão mundial de 1894 a 1921. Ganhou seu título vencendo Steinitz e o
defendeu com êxito ante o mesmo Steinitz em 1896-1897; Marshall, em 1907; Tarrasch, em
1908; Janowsky, em 1909, e Shlechter em 1910.
Características de jogo: Herdeiro das teorias de Steinitz, as adaptou ao seu particular
estilo de jogo. Lutador incansável, tinha excelente técnica defensiva e usava o jogo psicológico
considerando as características de cada adversário.
Melhores torneios: Londres, 1892; Paris, 1900; São Petersburgo, 1909 e 1914; Berlim,
1918; Ostrava, 1923; Nova York, 1924.
Façanhas: Manter-se campeão mundial durante 27 anos; vencer o torneio de Nova York
de 1924, já com 50 anos, ficando à frente de Capablanca e Alekhine.
Principal derrota: Para Capablanca, pelo campeonato do mundo de Havana, em 1921.
Principal debilidade: Pouco interesse pelo xadrez por longos períodos de sua vida.
Vida privada: Seu irmão Bertoldo, um bom jogador, o iniciou no jogo. Muito jovem
decidiu dedicar-se profissionalmente ao xadrez para ganhar dinheiro. Foi um grande mate-
mático e filósofo, assuntos que preferia ao xadrez.
Legado: Sua melhor obra escrita foi El manual de ajedrez.Também escreveu outros livros e
artigos de filosofiae de xadrez, dentre eles Elsentidocomún en ajedrez,traduzido para o espanhol.
Consideração final: Marcou a história do xadrez por um longo período. Foi pioneiro na
defesa dos direitos dos jogadores profissionais. Apesar de seu enorme talento e contribuição
ao mundo do xadrez, não é considerado pelos especialistas como um dos melhores jogadores
de todos os tempos. Talvez tenha lhe faltado a paixão que tiveram pelo xadrez, mais tarde,
Alekhine, Fischer e Kasparov.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 65

Partida 17 11. lDb3 f6?!


Uma perda de tempo que mostra o pobre
E. Lasker - J. Capablanca espírito de luta de Capablanca, que joga na
São Petersburgo, 1914 defensiva. O possível avanço do peão para es
só beneficiaria as pretas que obteriam o
Abertura Espanhola domínio das casas ds e fs.
O aspecto psicológico também 12. f5!?
conta nas partidas de xadrez. Um jogada inesperada que outorga mais
espaço de manobra ao bispo branco e restringe
Capablanca liderava a classificação a três o movimento do cavalo e o do bispo da dama
partidas do final e lhe bastava um empate para preta. Além disso, o domínio da casa e6 por
ganhar o torneio São Petersburgo de 1914.
parte das brancas é crucial.
Surpreendentemente, Lasker jogou a variante
de trocas da Abertura Espanhola, uma linha
aparentemente fácil para as pretas que ficam
com o par de bispos em troca de um peão
dobrado. Lasker, bom conhecedor da psico-
logia de Capablanca, tentou com êxito entrar
em uma abertura que seu adversário espe-
811
71 ,
61' ,
, a I.,
,
A

.A
I <8

rava. 51; 8
1. e4 e5 2. lDf3 lDc6 3. i.b5 a6 4.
i.xc6 dxc6 5. d4 exd4 6. 'iWxd4 'it'xd4 7.
41 8
lDxd4
A estrutura de peões outorga vanta-
gem posicional às brancas, que, em um hi-
8 8
potético final de peões, teriam melhores
perspectivas de vitória. Portanto, seria um
:~
a b c d e 9 h
erro por parte das pretas jogar para empatar.
As pretas deveriam tentar jogar com agres-
sividade, mas, desafortunadamente, para Ca- 12. ... b6
pablanca bastava o empate para ganhar o tor- Não parece uma boa idéia tirar o bis-
neio. po do controle do ponto crítico e6. Teria si-
do muito melhor 12. ... i.d7!, seguido de
7. ... i.d6 1:.ad8. Por exemplo: 13. i.f4 i.xf4 14. 1:.xf4
Segundo Réti, esse bispo está bem situado lDc8.
em sua casa, já que, se as brancas tentassem Também seria uma opção aceitável 12. ...
eliminar essa peça, a debilidade na estrutura de gs!? para impedir i.f4 e no caso de 13. fxg6
peões desapareceria. lDxg6 14. 1:.xf6i.es! 15. 1:.f1 i.xc3 16. bxc3
1:.xe4com jogo igual.
8. lDc3 lDe7 9. o-o o-o
Muito melhor parece ser 9. ... i.d7!, 13. i.f4 i.b7?I
seguido de 0-0-0. As pretas deveriam jogar 13. ... i.xf4! 14.
1:.xf4com as seguintes opções:
10. f4 1:.e8 a) 14 cs! 15. 1:.d1i.b7 16. 1:.f21:.ad817.
Seria mais enérgico, segundo Réti, 10. ... 1:.xd8 1:.xd8 18. 1:.d2 1:.xd2 19. lDxd2
i.cs! 11. i.e3 com ligeira vantagem para as lDc6! com ligeira vantagem para as pre-
pretas. tas.
Também seria possível jogar 10. ... fS!? b) Ou 14. ... i.d7, seguido de 1:.ad8.
11. es i.cs 12. i.e3 i.xd4 13. i.xd4 lDds
com jogo igual. 14. .ixd6 cxd6 15. ~d4!
66 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

45. 1:.b8,mas as pretas continuariam irremedia-


811 .. I '" velmente perdidas.
.t -
7l

611
51
, 1 i i
8
ii
Final

Henneberger - Nimzowitsch,
1931
41 t{:j8
31 Evite entrar em um final
t{:j de partida com um bispo fraco.
21888 88
8
:1 :
a b

15. ... :ad8?!


c d e

Seria interessante 15. ... ~c8 16. :adl


f 9 h

cS
7
61
51
. i_ i
17. ttJe6 ~e6 com jogo equilibrado. 411 18 8i
16. ttJe6 J:d7 17. 1:adl ttJc8?I 31 8 8
A melhor jogada nesta posição seria 17. ...
cS! 18. ttJdS (18. :f2 dS 19. exdS ~xdS 20. 218
ttJxdS :xdS 21. 1:xdS ttJxdS com jogo igual)
18. ... ~xdS 19. exdS bS com igualdade.
a b c d e 9 h
18. 1:f2 b5 19. :fd2 :de7 20. b4 q;f7
21. a3 ~a8?
Seria melhor 21. ... :xe6! 22. fxe6+ :xe6 Às vezes, não é fácil ganhar um final, em-
com jogo complicado. bora o inimigo tenha um bispo fraco. Na
partida seguinte, veremos como, graças à
22. c;t>f2:a7 23. g4 h6 24. :d3 aS 25. maestria de Nimzowitsch, se consegue ganhar
h4 axb4 26. axb4 :ae7? a partida. Conceitos como triangulação e
Outro erro de Capablanca. Aqui seria me- oposição desde muito tempo são básicos pa-
lhor 26. ... :a3! ra ganhar este precioso e preciso final de par-
tida.
27. ~f3 :g8 28. c;t>f4g6
Parece melhor 28. ... gS+ diretamente. 1. ... ttJe4 2. ~e2
O bispo não pode mover-sesem perder um
29. 1:g3 g5+ 30. ~f3 ttJb6 31. hxg5 dos peões ameaçadosem g3 e c3.
hxg5 32. 1:h3 1:d7 33. ~g3!
Uma sutil jogada que prepara a combinação 2. ... ~d5 3. ~e3 c;t>d6!
final e resguarda o rei de possíveis xeques. Buscandoa triangulação.
33. ... q;e8 34. :dhl ~b7 35. e5! dxe5 4. ~e2 'ottc65. q;e3 'it>d56. q;e2 ttJd6
36. ttJe4 ttJd5 37. ttJ6c5 ~c8 O cavalo libera a casa e4 para seu rei e vai
As pretas perdem, no mínimo, qualidade. ameaçar o peão c3 desde a casa bS.
Se 37. ... 1:.e738. ttJxb7 J:xb7 39. ttJd6+.
7. 'otte3 ttJb5 8. ~d2 ttJa3! 9. ~c1
38. ttJxd7 ~xd7 39. :h7 :f8 40. :al Não há opção melhor. Se 9. ~el ttJc2+ 10.
~d8 41. 1:a8+ ~c8 42.ttJc5. c.t>d2ttJxel 11. c;t>xelc;t>e412. 'otte2a3! Com
E as pretas abandonam. Por exemplo, fácil vitória para as pretas, que se infiltrariam
poderia seguir: 43. ttJb7+ :e8 44. ttJd6+ ~e8 por d3 ou f3.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 67

9. ... llJbl! 10. .tb2 a3 11. .tal Mates típicos


No caso de 11. .tc111Jxc3 12. ~xa3 llJxa2,
as pretas ganhariam facilmente. Mate de Epaulet
11. ... c;.t>d6!12. c;.t>e2
Por exemplo: 12. c;.t>f2perde por 12. ...
8 I
llJd2 13. c;.t>g211Jb3! 14. axb3 cxb3. 7 fll
6 1
12. ... c;.t>c613. c;.t>dl
No caso de 13. c;.t>e3 c;.t>dS 14. c;.t>e2 'õii>e4,
voltando a ganhar a oposição.
5

4
:.
13. ... 'õii>dS14. c;.t>c2c;.t>e4IS. c;.t>xbl
'õii>f3 318 8

8
21ct> 8
7
11
~

a b c d e 9 h
6

5 1 1. 'ii'f6+ cJth6
Se 1. ... c;.t>g82. 'ilVe6+ c;.t>g73. 'ilVeS+ 'õii>g84.
4 18 8.1
311 8 *8 'ilVxb8+ 'õii>g7S. 'ilVf8mate.

2. ft4+ c;.t>g73. 'ii'd4+ 'õii>h64. 'ilVf4+


218 c;.t>g7S. 'iVeS+ 'õii>h66. J::[hS+ gxhS 7. 'iVf6
mate.
~ct>
a b c d e 9 h 8 I
Magnífica entrega de peça que dá a vitória
às pretas.
16. .tb2!
7
6

5
. j
"
j
Única alternativa para não perder rapida- 4
mente.
318 8
16. ... axb2
Não adiantaria 16. ... ~xg3 17. .txa3 'õii>f3 21ct> 8
18. ~cS g3 19. dS, o bispo detém o peão. ..
17. a4 c;.t>xg3IS. aS c;.t>h2!19. a6 g3 a b c d e f 9 h
20. a7 g2 21. aS'iIVgl'i1V+22. ~b2 'ilVg2+!
Agora se vê claramente o motivo da exis-
tência do ponto de exclamação no lance 18. ... Exercício 11
'õii>h2!.
Torre contra dois peões
23. 'ilVxg2+ 'iPxg2 24. 'it>a3 c;.t>f32S.
'õii>b4~xf4 26. c;.t>xc4~e3 27. dS exdS+
2S.c;.t>xdS f4 29. c4 f3 30. cS n 31. c6 As pretas jogam
fI 'i'. O lance cabe às pretas: ganham, perdem ou
E as brancas abandonam. empatam? Justifique sua resposta.
68 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

8
7
I . 3. ... ttJc6 4. d5 ttJce7 5. e4 f5 6. .i.g5
- Isto é um erro, não está vendo que esse bispo
terá de bater em retirada?, perguntou o barão.

6 8 8 6. ... h6 7. .i.h4 g5
- Não observouo que eu disse? Agora seu
5 sil bispo está perdido!,exclamouo barão.
4 8. ttJxe5
3 - Vocêjoga com muita precipitação, jovem.
Agoraperderá também o cavalo, disse o barão.
2
8. ... dxe5
- Bem, agora vou lhe dar um pequeno
a b c d e 9 h xeque, disseo aldeão.
9. ft5+
9. ... ~d7 10. .i.xg5
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
811 A1I' &.~I
Partida 18 71L& i I .~
Abertura Irregular 6 &
o barão e o aldeão 5 8111V
Conta-se a história de um vaidoso barão 4 8 ~
alemão que incomodava os aldeãos de sua
localidade obrigando-os a jogar com ele e 31 liJ
gabando-se de ser o melhor jogador do país. 2188 8 8 8 .8
Um dia chegou à aldeia um jovem estudante
que tivera ocasião de praticar xadrez com
fortes jogadores em Viena. Ao inteirar-se das
]:[ sil.t ]:
a b c d e 9 h
humilhantes derrotas que o barão infringia aos
seus antigos camaradas da aldeia, acertou com
ele uma partida a fim de vingá-Ios. - Bravo, jovem, olhando bem, você não jo-
Chegado o dia da partida, toda a popu- ga tão mal, só perdeu uma peça.
lação se concentrou para assistir o jogo. Antes
de começar, o orgulhoso barão ofereceu uma 10. ... .i.g7 11. .i.b5+ ~d6 12. .i.e3 f4
peça de vantagem ao seu oponente, o que foi - Longe, muito longe com seu bispo, ob-
rejeitado. servou o barão.
O aldeão, com as peças brancas, iniciou o
jogo: 13. .i.xf4
1. ttJc3 - Ah! Se você me presenteia com outra pe-
O barão sorriu ligeiramente e replicou: ça, eu a tomo.
1. ... e5 2. ttJf3
- Mas, filho, não sabe que primeiro se deve 13. ... exf4 14. e5+
abrir o jogo com os peões centrais? perguntou O semblante do barão começou a mudar, e
o barão. ele replicou:
- Você tem muita sorte.
2. ... d6 3. d4
- Tenho tempo para mover meus peões 14. ... ~c5 15. ttJa4+ Wxb5
centrais, não se preocupe por mim e siga jogan- - Obrigado. Outra peça para mim, disse o
do, replicou o aldeão. barão.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 69

16. 'i'e2+ ~xa4


- Mas você está louco? Não vê que não lhe CONSELHOS
sobram peças para matar meu rei?
1. A dama não deve ser movimentada prematu-
17. 'i'c4+ ramente, já que é uma peça que pode se ver
- Darei mate com a ajuda de meus pobres em perigo durante a abertura quando invade
peões, respondeu o aldeão. o terreno do adversário.
2. Não analise unicamente suas partidas per-
17. ... ~a5 18. b4+ ~a4 19. 'i'b3+ didas; também é importante saber exata-
~b5 20. a4+ mente por que se ganhou ou empatou uma
- Que calor horrível faz hoje, disse o barão partida.
com uma expressão sombria. 3. O xadrez é uma atividade que ensina a ser
humilde, uma vez que um jogador teori-
20. ... ~b6 21. a5+ ~b5 22. c4+ ~a6 camente inferior pode vencer.
23. b5 mate. 4. A torre é uma peça que exerce todo o seu
Depois dessa humilhante derrota, o barão potencial mesmo distante, especialmente
não voltou a jogar uma só partida pelo resto de nos finais.
sua vida. 5. Sempre se deve analisar as partidas depois de
tê-Iasjogado. É melhor fazer uma análise pré-
811 J.if 61 via sozinho e depois pedir aos companheiros
de clube e amigos que o ajudem a analisar.
711 1 1 6 J. 6. Tente pensar sempre uma jogada a mais do
que você acredita ser necessária: às vezes,
61* aí se encontra a diferença entre a vitória e a
derrota.
518 8 88 7. O jogador fraco, quando tem uma posição
4 8 1 vencedora, diz: "a partida está ganha"; o
jogador com uma certa experiência diz:
3 16' "tenho uma clara vantagem"; o mestre diz:
"agora é necessário começar ajogar com mais
2 888 precisão". Nada é tão difícil quanto ganhar
]:t < "X
<l> ]:[ uma partida já ganha.
8. O relaxamento não é um bom companheiro
a b c d e f 9 h do xadrez. Depois de algumas jogadas con-
troladas em que você se vê com pouco tempo,
surge a ocasião na qual se cometem os pio-
As simultâneas às cegas res erros.
de Alekhine 9. Enquanto corre o tempo do adversário,
aproveite para pensar na estratégia geral
Em 1925, Alekhine jogou 32 partidas em da partida.
uma sessão de simultâneas às cegas, na qual só 10. Não divague em variantes fantasiosas;
perdeu três partidas e empatou três. A sessão pense sempre de acordo com a lógica de
durou treze horas, durante as quais não comeu sua posição.
nada sólido, apenas bebeu café e fumou cigarros.
CAPíTULO 1O A melhor defesa
é um bom ataque
'Sempre gostei das partidas abertas e procuro deixar fora de
combate meus adversários o mais rápido possível.'
(Marshall)

Frank Marshall foi Omelhor jogador norte-americano e um dos maiores jogadores do mundo
no início do século XX.Por seu estilo de jogo repleto de brilhantes combinações, pertenceu à escola
romântica de xadrez.

FRANK MARSHALL
Nacionalidade: Norte-americano.
Nascimento: Nova York, 10 de agosto de 1877.
Morte: Nova York, 9 de novembro de 1944.
Títulos: Melhor jogador americano do princípio do século XX. Candidato a campeão
mundial em 1907, quando foi derrotado por Lasker.
Características de jogo: Jogo de ataque com brilhantes combinações. Junto com
Spielmann ("O cavalheiro do Gambito de Rei"), foi considerado um dos últimos românti-
cos.
Melhores torneios: Campeão dos EUA,em 1909 e 1935; Cambridge Springs, 1904
(enfrentando Lasker); Nuremberg, 1906; Dusseldorf, 1908; Budapeste, 1912; Havana, 1913
(enfrentando Capablanca).
Façanhas: Ganhou as Olimpíadas com a equipe do seu país em 1931, 1933, 1935 e
1937.
Principais derrotas: Contra Capablanca, por 8 a 1, em 1909, e contra Lasker, em
1907, sem ganhar uma só partida.
Principal debilidade: Perder para os grandes da época devido a seu pequeno
conhecimento de estratégia.
Vida privada: Aprendeu a jogar com 11 anos. Toda a sua vida foi dedicada ao xadrez.
Dirigiu, em seus últimos anos, o clube de Nova York que leva seu nome.
Legado: Além de suas belas partidas, deu seu nome a uma famosa variante da Abertura
Espanhola.
Consideração final: Apesar de nunca ter sido um aspirante real ao título de campeão
do mundo, será sempre recordado como um dos representantes mais qualificados da escola
romântica do xadrez.

- -- - -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 71

Partida 19

Lewistzky
1912
- Marshall,
8

71i ti
I.Ai
6
Defesa Francesa
5
Cuidado com as
jogadas surpreendentes. 4

Na partida a seguir, protagonizada por 31 8.


Lewistzky e Marshall, aconteceu uma das
jogadas mais belas da história do xadrez. A
21~ ~ 8~.~
dama vai parar em uma casa onde pode :1<1>
ser capturada por nada menos que três pe- abcdefgh
ças.
1. d4 e6 2. e4 d5 3.lbc3 c5 4. lbf3lbc6 As brancas abandonam. No melhor dos
5. exd5 exd5 6. ii.e2 lbf6 7. O-Oii.e7 8. casos, perderiam uma peça.
ii.g5 De fato, se:
Poderiajogar 8. ii.e3 ii.e6 9. dxc5 o-o 10. 24. fxg3 lbe2+ 25. ~h1 %:txf1mate.
lbd4lbxd4 11. ii.xd4'it'c7 12. ii.f3 1:tfd813. b4 24. hxg3 lbe2 mate.
a5 14. a3 axb4 15. axb4 1:txa116. 'it'xa1 'it'f4 24. 'it'xg3 lbe2+ 25. ~h1lbxg3+ 26. ~gl
(partida Leonhart- Tarrasch, 1905). lbe2+ com vantagem decisiva.

8. ... O-O9. dxc5 ii.e6 10.lbd4 ii.xc5


11. lbxe6 fxe6 12. ii.g4 'it'd6 13. ii.h3? Final
Esse foi um erro posicional. Para conservar
o par de bispos, as brancas colocaram o bispo Ljubojevic - Browne,
das casas brancas em um lugar afastado do 1972
campo de luta. Contudo, não havia muitas
opções melhores. Ljubomir Ljubojevic nasceu na Iugos-
lávia no ano de 1950 e mais tarde fixou resi-
13. ... 1:tae8 14. 'it'd2 ii.b4 15. ii.xf6 dência na Espanha. Esteve dentre os cinco
1:txf6 16. 1:tadl 'it'c5 melhores jogadores do mundo na década de
Se 17. a3 ii.xc3 18. 'it'xc3 'it'xc3 19. bxc3 80. Seu estilo se caracteriza por um jogo de ata-
lba5 20. 1:tfe1 ~f7 21. a4 lbc4 22. 1:td4 lbd6 que rico em criatividade e sempre imprevisí-
com final ligeiramente vantajoso para as pre- vel. Em Barcelona, é lembrado por sua magní-
tas. fica atuação na Copa do Mundo, celebrada
em 1989.
17. 'it'e2 ii.xc3 18. bxc3 'iVxc3 19.
1Ixd5 lbd4 20. 'it'h5 Em um final cada lance é
Parece melhor 20. 'iVe4 1:tf421. 'iVe5 'iVc4
importantíssimo. Pense
22. %:te1'it'xc2 23. f3 'iVa4 24. 1:td6 com jogo sempre antes de jogar.
melhor das brancas.
Na posição do diagrama, temos um belo
20. ... %:tef821. 1:te5 exemplo de final de peões no qual a diferença
As peças brancas estão totalmente des- entre uma jogada e outra significa vencer ou
coordenadas, enquanto as pretas apontam para não. Browne se equivocou fazendo um movi-
uma mesma direção. mento de peão aparentemente lógico, e uma
p05ição ganhadora 5e conveneu em empate. A
21. ... 1:th6 22. 'iVg5 1:txh3 23. 1:tc5 seguir mostramos a continuação que poderia
'iVg3!! dar a vitória às pretas.
72 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

8 811.a.i.! ,.
71
61 . i ni i ..
61 .i.
51 ir i
ii

51 sf;>
4 41 8 8
31 .i. ti)
3 8
2 218 8 1V 88
: <1> ,.t :1
a b c d e f 9 h
abcdefgh

14. 'ti'e7 'ti'd7? 15. it.c4+ ~h8 16.


1. no ~d5!! iLxg7 mate.
Se 1. ... f5? 2. ~b4 f4 (2. ... ~d5 3. ~c3
~e4 4. ~d2 e as pretas só conseguem o em-
pate) 3. ~c3 com empate. Exercício 12
2.~b4 Composição de Timman, 1976
No caso de 2. b4 f5 3. b5 f4 4. b6 ~c6!
Jan Timman nasceu na Holanda, no ano de
2. ... ~d4! 3. ~a5 1951. Na década de 80, foi considerado o me-
Ou melhor, 3. <;i;>a3
f5 4. <;i;>b2f4 5. ~c2 lhor jogador do mundo ocidental. Timman é um
~e3! 6. ~d1 ~f2 7. b4 f3 8. b5 <;i;>g2
9. b6 f2 10. perspicaz analista, editor da prestigiosa revista
New in Chesse autor de diversos livros, dentre os
b7 fI 'ti'+ e ganha.
quais se destaca EZarte deZanáZisis.Foicandidato
3. no f5 4. b4 f4 5. b5 ~c5! 6. b6 ~c6 ao título mundial da FIDEem 1993.
7.~a6
As brancas coroam antes, porém per- As brancas jogam
dem.
As brancas podem obter o
7. ... f3 8. b7 f2 9. b8"iVfi "iV+10. ~a5 empate nesta posição?
'ti'a1+ 11. ~b4 ft1+, ganhando a dama e a
partida. 81 <1> fi
71:8
Mates típicos
61 8
Mate de Marshall
51.i ..
Marshall
1905
-
Alapin, 41 8 i
31 8
1. e4 e5 2. f4 d5 3. exd5 e4 4. d3
lDf6 5. dxe4 lDxe4 6. lDf3 it.c5 7. 'ti'e2 f5 21 8
8.lDc3 it.f2+ 9. ~d1 O-O 10. it.d2lDxc3+
11. iLxc3 "ifxd5+ 12. 'ittc1 .1:td8 13. b4
it.b6 a b c d e f h
9

----
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 73

Exercício 13 ANEDOTAS E CURIOSIDADES

As brancas jogam e ganham Batuyev - Simagin


Riga, 1954
Spielmann Denker -
Busum, 1934 Os perigos de jogar "sem pensar"

Rudolf Spie1mann (1883-1942), jogador 8


profissional ausniaco, foi um dos melhores enxa-
dristas da primeira metade do século XX.Em seu 7
livro EZarte deZsacrifícioen eZajedrez, expôs seus
6
pontos de vista românticos sobre o jogo.
5
811 .t I
71i i ~.i. 4

61 .~ i8 i 3

4I
3
.t 8
tD
2

a b c d
.e 9 h

218 A tjJ888 A posição do diagrama pertence a uma


kt $o si;> kt partida entre Batuyev e Simagin do torneio de
a b c d e t 9 h
Riga de 1954. As pretas, em sua ânsia de ga-
nhar, realizam uma "excelente" jogada de
autômato.
Exercício 14
1. ... e2??2. 'ti'gl+ ~d2 3. 'ti'c1+ ~d3
4. 'ti'c3 mate.
Luchovsky -
Gridnev
As pretas infringiram, em seu primeiro
Correspondência, 1976
lance, 1... e2??, alguns dos mais elementares
o lance cabe às brancas, e sua situação princípios do xadrez, como: não considerar as
parece desesperadora; no entanto, existe uma conseqüências de um xeque do adversário, jo-
simples, porém assombrosa, forma de ganhar a gar rápido e sem pensar, encerrar seu rei numa
rede de mate, etc. São os perigos de jogar o
partida. Vocêsaberia dizer qual é?
8
7 iii
. primeiro lance que vem à mente.

CONSELHOS
6 i.i 1. As jogadas surpreendentes são uma das
5 .tI causas pelas quais se pode perder uma par-
tida. O segredo está em considerar todas as
4 8i jogadas, começando pelos xeques, as trocas
3 118. de peças e as entregas.
2. Uma característica do jogador de alto nível
2 8. 8 8 é não se deixar envolver pelo encanto das

- :! ~. jogadas naturais ou evidentes.


3. Deve-se tentar sempre ser o mais objetivo
a b c d e f 9 h possíveldiante de uma posição.Às vezes,
74 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

deve-se limitar a defender em vez de "for- 9. Às vezes, sem se dar conta, inverte-se a or-
çar" a partida. dem das jogadas em uma determinada po-
4. Todas as peças de seu adversário são im- sição e, por desgraça, no xadrez, a ordem
portantes; para evitar surpresas, não se dos fatores altera o produto. Um conselho
concentre somente em uma única parte do que pode evitar esse tipo de erro é o se-
tabuleiro. guinte: uma vez convencido da jogada a
5. Antes de começar a partida, assegure-se de realizar, deixe de olhar o tabuleiro, respire
que as condições do material de jogo e do fundo, anote a jogada em sua planilha e
mobiliário sejam adequadas. Informe-se on- volte a olhar com uma nova perspectiva,
de ficam os lavabos em caso de necessidade. para verificar se não se esqueceu de um de-
6. "Não coloque os peões nas casas da cor do talhe importante.
seu bispo." (Fine) 10. Um rei ativo nos finais é básico. "Aboa mo-
7. "Cada peão potencialmente é uma dama." bilidade do rei é uma das principais carac-
(Mason) terísticas de toda a estratégia dos finais."
8. Na abertura, trate de mobilizar suas peças e (Nimzowitsch)
peões.
CAPíTULO 11 A filosofia da arte
do xadrez
"Quando um ataque é repelido, °
contra-ataque deve ser decisivo.'
(Réti)

Ricardo Réti foi um investigador do xadrez na faceta mais artística do jogo. Compositor de
belos estudos, é considerado, junto com Nimzowitsch, o maior representante da escola hiper-
moderna. Seu livro Los grandes maestros deI tabIero é tido como um dos mais importantes da
história do xadrez.

RICARDO RÉTI
Nacionalidade: Tchecoslovaco. (Nasceu em terras húngaras que posteriormente pas-
saram a pertencer à Tchecoslováquia.)
Nascimento: Pezzinok, 28 de maio de 1889.
Morte: 6 de junho de 1929.
Títulos: Grande Mestre.
Melhores torneios: Kaschau, 1918; Rotterdam, 1919; Amsterdã, 1920: Viena; 1920;
Teplitz-Schõnau, 1922; Viena, 1928.
Características de jogo: Um grande estrategista representante da escola hiper-
moderna.
Façanhas: No torneio de Nova York de 1924, foi o único que venceu Capablanca e
obteve o prêmio de beleza por sua partida com Bogoljubow. Em 1925 bateu o recorde de
simultâneas às cegas em São Paulo ao jogar 29 partidas. Ganhou 20, empatou 7 e perdeu
apenas 2.
Principal debilidade: Morreu jovem, com apenas 40 anos, e não pôde dar de si tudo o
que era capaz.
Vida privada: Era um homem culto e educado. Considerava o xadrez, sobretudo, uma
arte.
Legado: Deu seu nome à Abertura Réti. Seu livro Los grandes maestros deI tabIero é
considerado como uma das melhores obras do xadrez. Devido a suas idéias hipermodemistas,
seu outro livro, Nuevas ideas en ajedrez, é um clássico da literatura enxadrística.
Consideração final: Um dos grandes jogadores de sua época; grande perito nas teorias
da escola hipermoderna; excelente compositor de estudos e finais.
76 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

Partida 20 no centro, o propósito das brancas é tro-


car o jogo cerrado por uma partida mais
R. Réti -
E. BogoJjubow aberta.
Nova York, 1924
12. ... exf3 13. .i.xf3
Abertura Réti Não é bom tomar com e2, já que esse
Se tiver melhor desenvolvimento, peão servirá para participar de outra ruptura
central.
procure abrir o jogo com
rupturas centrais. 13. ... 'ii'c7
Os comentários desta partida estão basea- Depois de 13. ... liJxeS 14. dxeS .i.cS+ 15.
dos nas observações de Alekhine registradas ~g2 .i.d 7, o bispo preto que está na casa branca
em seu livro sobre o torneio de Nova York de não tem nenhum tipo de jogo.
1924.
14. liJxd7 .i.xd7 15. e4 e5
1. liJf3 liJf6 2. c4 e6 3. g3 d5 4. .i.g2 De outra forma seguiria eS combinado
.i.d6 5. O-OO-O6. b3 J:te8 7. .i.b2 liJbd7 8. com a ruptura central mediante dS ou cS.
d4 c6 9. liJbd2liJe4 Embora aparentemente as pretas tenham se
O movimento libertador eS, recomen- libertado de seus principais problemas, Réti
encontrou uma maneira de materializar sua
dado por Rubinstein, é melhor que o feito
por Bogoljubow; mas, ainda assim, depois vantagem.
da seguinte variante, as brancas ficam com 16. c5 .i.f817. 'ii'c2
vantagem. Por exemplo 9. ... eS 10. cxdS
cxdS 11. dxeS liJxeS 12. liJxeS .i.xeS 13. Com esta jogada, são ameaçados simul-
.i.xeS :txeS 14. liJc4 J:te8 15. liJe3 .i.e6 16. taneamente os dois peões centrais das pre-
'ii'd4. tas.

10. ltJxe4 17 exd4


Com esta troca de cavalos, não são solucio- Não serviria 17. ... fxe4 18. .i.xe4 com
nados os problemas do mau desenvolvimento dupla ameaça em h7 e em eS.
das pretas.
18. exfS :tad8
10. ... dxe4 11. liJe5 fS 12. f3!
No caso de 18. ... :teS, seria muito forte 19.
'it'c4+ ~h8 20. f6.
8 I A". . 19. .i.h5
7 ii . ii A jogada inicial da manobra decisiva que
premiará o excelente jogo de Réti.
6 iA i
5 liJi 19 1:te5 20. hd4:xfS
Não seria válido 20. ... :tdS 21. 'ii'c4 ~h8
4 88.& 22. .i.g4 com um peão a mais e em melhor
posição.
3 8 8 8
2 8J.. 8 i.8 21. ]hfS .i.xfS 22. 'ii'xfS ltxd4 23. :tf1
1:td8
I:[ 11 : Tampouco serviria 23. ... 'ii'e7 24. .i.f7 +
a b c d e 9 h ~h8 25. .i.dS 'ii'f6 26. 'ii'c8, as pretas ficariam
sem defesa.

Este é um plano mais adequado. De- 24. .i.f7 + Wh8 25. i.e8!
pois das pretas enfraquecerem sua posição E as pretas abandonam.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 77

1. n. ~e4 2. ~xe2 ~d4 3. ::tgl ~e4


81i .iA <8- Se 3. ... ~c3 4. ~e3 ~b2 5. 'it;d2~b3 6. 1:txg2
~b2 7. ~d3 ~bl 8. hc2, as brancas ganhariam.
7111. li
4. ::tel! ~e5 5. ~e3! ~e6 6. %:tgl~d5
61 i 7.~d2
51 8 11 E agora se pode tomar os dois peões e ganhar.
4
Mates típicos
3
Mate de Réti
218
Réti -
Tartakower
:~
~ Viena, 1911
abcdefgh
811 aA .. I
Final 711 i i I..i
6
Estudo de Réti, 1928
5
As jogadas naturais nem
sempre são boas. 4

8
31 11
7 2188 8 .i 888
~: i. t1J..1:[
.
6
abcdefgh
5
4 1. ~d8+ ~xd8 2. ~g5+ ~c7
3
Se 2. ... ~e8 3. ::td8mate.

2 t i i i 3. ~d8 mate.

]:[ Exercício15
a b c d e f

Na posição seguinte, que corresponde a um


9 h
a.I. i
i
estudo de Réti, o lance é das brancas, e elas
podem ganhar a partida, desde que façam as
:fi
6 i : ia
jogadas precisas.
A maneira de continuar é a seguinte: 51.i
tb
1. ~f2! 4 8 8
1. ~xg2? Esta seria uma jogada infeliz das
brancas, pois, sem uma reflexão cuidadosa, 3 1f8tb
parece que se ganha facilmente, mas não é 218 .8 88
assim, uma vez que, depois de:
1. ... ~e4 2. ~f2 e1'iY+ 3. ~xe1 ~d3 4. %:tal
(4. ~f2 '.t>d2e empate) 4. ... ~c3 5. J:cl ~d3 6. - ; ~
::tal, as brancas só conseguiriam o empate. a b c d e f 9 h
78 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Na posição do diagrama, as brancas joga- Efetivamente, a dama estava bloqueada, e


ram liJe7+. Foi um bom lance? Explique. nada poderia ser feito para salvar seu rei.

3. ... b5 4. axb6 a5 5. b7 a4 6. b8'it' a3


ANEDOTAS E CURIOSIDADES 7. 'it'f8 mate.

Mestre - desafiante
simultânea O xadrez e seus recordes

Por que você não O recorde de partidas simultâneas às ce-


abandona, se eu tenho uma gas foi estabelecido por George Koltanowsky
dama de vantagem? em 1951, com 50 partidas. Grandes jogado-
res na história do xadrez foram especialistas
8 em partidas às cegas. Por exemplo, Miguel

i , Najdorf chegou a jogar contra 45 tabuleiros

.
71 i em 1946, durante mais de 23 horas, com
jogadores mais fortes que lutaram contra
61i 8 Koltanowsky, por isso seu recorde tem mais

518
4
8.' '8
mérito. Alexandre Alekhine enfrentou 32
tabuleiros em 1932, e Ricardo Réti, 29 tabu-
leiros em 1925.

3 8 CONSElHOS
2 8 i. 1f:
1 I
ó ó"
~ 1. Não confie nas linhas teóricas, pois elas
podem ser refutadas. Faça sua própria
a b c d e 9 h
análise em casa e durante a partida pense
com lógica cada movimento que fizer.
Na posição do diagrama, as pretas jogam. Não aceite, portanto, a teoria como in-
Esta partida pertence a uma simultânea jogada falível: podem existir sempre novas pos-
sibilidades não analisadas até o momen-
entre um mestre e seu desafiante. A partida
to.
continuou da seguinte maneira:
2. Normalmente, nos finais, cada movimento
I. ... liJh3? tem uma importância transcendental e
O adversário se apressou, em sua ânsia de pode significara diferença entre a vitória e
a derrota.
ganhar do mestre, e não jogou o lance correto,
que era 1. liJf3. 3. No xadrez, a ordem dasjogadas é impor-
tante. Quandoestudar uma variante, pen-
2. ii.xh3 'it'xh3+?? se sempre na possibilidade de alterar a
O segundo e definitivo erro. Com a joga-
ordem dos lances e comprove qual é o
mais conveniente.
da 2. ... 'it'h1 + ou a gxh3 se ganhava facilmen- 4. Apesar do grande poder de movimen-
te.
to que a dama tem, ela pode ficar blo-
queada até mesmo pelas nossas demais
3.~gll peças.
Após este lance o adversário pergun- 5. Quando tiver um peão isolado, busque
tou:
jogar agressivamente no meio-jogo, pois,
- Por que você não abandona, se tenho se a partida chegar ao final, você ficará em
uma dama de vantagem? desvantagem.
Ao que o mestre respondeu: 6. Para que um ataque prospere, o número
- Você é que deve abandonar, porque rece- de peças atacantes deve ser superior ao de
berá um mate inevitável em seis lances. defesa.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 79

7. Na abertura, como regra geral, é melhor 9. Uma estratégia comum nos finais de torre
movimentar peças que peões, já que o é perseguir o rei contrário com xeques;
mais importante é o nosso desenvolvi- por isso, é bom levar as torres o mais longe
mento. possível do rei adversário.
8. Tente sempre ser objetivo ao avaliar seu 10. Quando seu oponente estiver com proble-
jogo; não considere que suas partidas se- mas de tempo, não jogue rápido; ao con-
rão sempre vitoriosas, como fazem certos trário, trate de fazer as melhores jogadas,
jogadores. que levam mais tempo.
CAPíTULO 12 A escola
hipermoderna
"Uma ameaça é mais forte que sua execução."
(Nimzowitsch)

Aaron Nimzowitsch foi Omais destacado representante da escola hipermoderna. Sistematizou


conceitos estratégicos como a prevenção, o bloqueio, a superproteção e a ocupação do centro pelo
controle de peças, não de peões. Nimzowitsch passou para a história do xadrez como um excelente
jogador e também como pedagogo.

AARON NIMZOWITSCH
("O PRÍNCIPE DA DINAMARCA")
Nacionalidade: Dinamarquês, letão de origem.
Nascimento: Riga, 7 de novembro de 1886.
Morte: Copenhague, 16 de março de 1935.
Títulos: Grande Mestre e um dos melhores jogadores da época, embora nunca tenha
chegado a ser campeão mundial.
Características de jogo: Renovador. Apresentou conceitos hipermodernos, como o
bloqueio e a prevenção.
Melhores torneios: Copenhague, 1923; Marienbad, 1925; Dresden, 1926; Hannover,
1926; Londres, 1927; Carlsbad, 1929; Copenhague, 1933 e 1934.
Façanhas: Primeiro lugar no torneio de Carlsbad de 1929, no qual participaram os
jogadores mais fortes da época.
Principal derrota: Não conseguir vencer Capablanca em toda a sua carreira.
Principal debilidade: Sua saúde precária e seu caráter arrogante, irritadiço e desconfiado.
Vida privada: Nasceu em uma família judia. Deixou os estudos de matemática pelo
xadrez.
Legado: Escreveu duas obras fundamentais sobre a teoria moderna de jogo: Mi sistema e
La práctica de mi sistema (que curiosamente foram redigidas em alemão, uma vez que não
dominava o idioma dinamarquês). Renovou a teoria das aberturas, dentre outras a famosa
Defesa NimzoÍndia.
Consideração final: Tinha grande capacidade, pedagógica e foi um revolucionário do
xadrez. Trouxe novas e excelentes idéias estratégicas. E considerado por muitos como o terceiro
melhor jogador do mundo em sua época, superado apenas por Capablanca e Alekhine.
o XADREZDOS GRANDESMESTRES81

Partida 21
811 81 .
Bogoljubow -
Nimzowitsch 71& & & .&,
Carlsbad, 1929
61 j & a
Defesa Ninusoíndia
Evite que dobrem os peões,
51 a
especialmente se estiverem isolados. 41 J.
A seguinte partida é um claro exemplo de
31 fii8 !i:J
como se deve gerar e depois explorar os peões 21
dobrados.
Este tipo de posição é facilmente atacável, 1:1 .i J..
em especial, no final da partida. a b c d e f 9 h
1. d4 tiJf6 2. c4 e6 3. tiJc3 ~b4
Nimzowitsch foi o primeiro a adotar esta 15. ~f4 1:te8 16. f3 ~b7 17. 1:tadl tiJd7
linha de jogo, e, por isso, ela recebeu o nome de Para controlar as casas eS e cS.
Defesa Nimzowitsch. Anos depois, foi rebatizada
de Nimzoíndia, como é conhecida atualmente. 18. e4 'ti'f6
Ameaçando expulsar o bispo de f4 e tomar
4. tiJf3 ~xc3 + o peão em f3.
Esta jogada pode efetuar-se depois da
ameaça do bispo mediante a3; contudo, Nim- 19. ~g2 tiJe5
zowitsch realizou essa troca como se tivesse Voltando a pressionar sobre o ponto f3.
previsto que era possível demonstrar a debili-
dade dos peões dobrados. 20. 1:td2 1:te7 21. 1:tedl ~c6!
Uma boa jogada, já que libera o bispo e per-
5. bxc3 b6 6. g3 mite tomar com o peão do cavalo ante um
Com a intenção de opor seu próprio bispo eventual cS. No caso de tomar com o peão da
ao das pretas emfianchetto. dama, após um possível cS, a coluna da dama
seria dominada pelas brancas.
6. ... ~b7 7. ~g2 O-O8. O-O:e8 9. 1:tel
Preparando e4 para obter o domínio abso- 22. 1:tf2
luto do centro. As brancas renunciam ao ataque e se con-
formam em defender seu ponto fraco em f3.
9. ... d6 10. 'ti'c2 ~e4
Impedea jogada e4 e ameaça a dama. 22. ... 1:tae8 23. ~f1 h6 24. ~e2 <;t>h8
Outra jogada sutil das pretas. Seu plano é
11. ft3 tiJc6 12. ~f1 efetuar a jogada fS e, para isso, necessitam se-
As brancas querem expulsar com seu cavalo parar o rei da diagonal b3-g8, que está indi-
a indesejada peça colocada em e4, mas, antes, retamente dominada pela dama branca.
pretendem evitar a troca de bispos.
25. 'ti'a3 'ti'e6
12. ... e5 13. dxe5 tiJxe5 Seguindo com seu plano de efetuar fS.
Objetivo alcançado: as brancas ficaram
com dois peões brancos isolados. 26. 'ti'c1
Evidentemente, não se pode tomar o peão
14. tiJxe5 :xe5 de a7, visto que a dama seria perdida após 1:ta8.
Nimzowitsch toma com a torre para evitar
o sacrifício do peão branco em c5, o qual ofere- 26. ... ts 27. exts 'i'xts 28. 'i'd2 'i'f'7
cia um jogo mais conveniente para as brancas. Começa a pressão sobre os peões passados.
82 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONzALEZ

29. 'iVd4 tLlg6! 42. a4 'it>g743. aS exf3 44. 'it>xf3 'it>f6


Obrigando as pretas a criar uma nova ilha 45. 'it>e3'it>e5
de peões dobrados, uma vez que se ameaça o O rei está ativo no centro, de acordo com os
bispo de e2. cânones.

30. ~d3 tLlxf4 31. 'iVxf4 'iVxf4 32. gxf4 46. ~c4 ~g4 47. ~a6

81

71. .
I
I .
. As brancas necessitam de planos ou joga-
das aceitáveis.

47. ... h5 48. ~c4 h4 49. ~a6 ~dI50.

61
..4.. . ~b7 g4
E as brancas abandonam.
5
Partida 22
41 8 8
31 8 i.. 8 Nimzowitsch - Salwe
Karlsbad,1911
218 ]: 8
Defesa Francesa
]:( rJt
a b c d e f h Aprenda a bloquear com Nimzowitsch
9
O conceito de bloqueio foi introduzi-do
por Nimzowitsch no princípio do século XX.O
A estrutura dos peões brancos não pode ser que agora é uma ferramenta habitual em
pior. Aliás, a única coluna aberta está dominada jogadores de qualquer categoria, foi uma ver-
por torres pretas. dadeira revolução no seu tempo. O cavalo é a
peça mais adequada para bloquear, pois, en-
32. ... :f8 33. f5 ~d7 34. l:dd2 quanto impede o avanço dos peões, não perde
Para tentar contrabalançar o domínio da sua efetividade.
coluna "e". Vejamos um exemplo de bloqueio e con-
trole central do tabuleiro com as peças a cargo
34. ... 1Lxf5 35. l:fe2 he2 36. he2 do mestre Nimzowitsch.
l:e8
Além de tudo, a coluna do rei está domi- 1. e4 e6 2. d4 d5 3. e5
nada pelas pretas. Esta variante clássica da Defesa Francesa foi
aplicada por Nimzowitsch com idéias renovadas.
37. 'it>f2l:e5 38. :d5 Seu sistema de bloqueio, que consiste em neutra-
Para não permitir a intromissão da torre lizar a cadeia de peões mediante diversas peças,
preta no debilitado flanco da dama. causou uma revolução na sua época.
3. ... c5 4. c3 tLlc65. tLlf3ft6
38. ... g5
Impede a jogada f4 das brancas.
Desenvolvimentotípico da dama nesta va-
riante para exercer pressãosobre d4 e b2.
39. l:xe5 dxe5 40. c5 bxc5 6. ~d3 ~d7 7. dxc5
As brancas conseguiram se desfazer de Nimzowitsch começa sua estratégia de
um dos peões dobrados, mas à custa de sua substituir o bloqueio de peões com peões pelo
perda. A partida será ganha facilmente pelas bloqueio de peões com peças.
pretas.
7 ~xc5 8. O-Of6 9. b4 ~e7 10. ~f4
41. ~a6 e4 As brancas permitem o desenvolvimento de
Para eliminar o peão do bispo e criar uma seu peão em e5 à custa de colocar uma peça
superioridade no flanco do rei. menor no centro.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 83

10. ... fxe511.liJxe5liJxe512. be5lDf6 31. ... <M8 32. ü4 ~e8 33. ~f5 'iVd4
13. lDd2 0-0 14.lDfJ ~d6 15. 'iVe2 34. 'iVxd4 exd4 35. he7 <Ji>xe736. ~d3
A casa e5 permanece bloqueada por peças Outra vez o bloqueio do peão por uma peça
brancas. Sempre há uma peça nova para apoiar menor.
as companheiras.
36. ... <Ji>d637. ~xf6 gxf6 38. <Ji>f1
~c6
15. ... ':ac8 16. ~d4 'iVc7 17.lDe5 39.h4
Nimzowitschjá colocouonde quis o cavalo, a E as pretas abandonam.
peça bloqueadora por excelência.
8
17. ... ~e8 18. :tabet ~xe5 19. ~xe5
'iVc6 20. ~d4 ~d7 21. 'iVc2':f7 71i
Ameaça ~f6 seguido de ~h7 +. 6 i.tê i
22. :te3! 5
Os peões pretos seguem imóveis, e as
brancas ameaçam ':fel, pressionando a fra- 4 i
queza de e6. 31 i.
22. ... b6 23. ':g3 21
Voltaa ameaçar ~f6.
23. ... 'it>h8? 24. ~xh7!
Apesar de tudo!
a b c d e f 9 h

24. ... e5 Por exemplo: 39. ... ~e8 40. g4 'it>e541. h5


<Ji>e6,
e os peões são incontíveis.
81 I <6
71i
61
51
i. "i i
.t lii.
a
Final
Estudo de Wotawa, 1952
Duas torres contra
dois peões na sétima
41
O seguinte estudo é um interessante exem-
31 1:1 plo de como duas torres podem vencer dois
peões na sétima fila.
21 1V ~~~
, :~
a b c d e 9 h 7

fi
61
Por fim, os peões pretos são liberados, mas 5
já é muito tarde.
Não adiantaria 24. ... lDxh7 25. 'iVg6'it>g8 4
26. ~xg7 lDf8 27. 'ti'h6 com vitória branca.
3
25. ~g6 ]:te7 26. J:tel 'iVd6 27. ~e3 d4
28. ~g5 bc3 29. hc3 dxc3 30. 'ti'xc3 2r'l
<Ji>g831. a3
A dupla de bispos e o peão de vantagem são
suficientes para ganhar. a b c d e 9 h
84 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÃlEZ

1.:thaS 8
Ameaça mate mediante o movimento 1:tSa6+.

1. ... '.t>c6 2. '.t>cS '.t>d6 3. '.t>dS '.t>e6


Se 3. ... '.t>c64. 1:tcS+ '.t>b7ou (40 o..'.t>b6 S.
7
6 .
,
.:xa2 bI'iV 60 1:tbS+ '.t>cS7. J:hbI; 40 ... '.t>d6 50
5
1:tacS '.t>e6 6. '.t>eS<M6 70 J:tSc6+ '.t>g78. J:tgS+
'.t>h79. '.t>f7bI'iV 10. :hS mate) S. 1:tbS+ '.t>a7(50
4
... '.t>a66. 1hb2 aI'iV 7. 1:taSmate) 6. '.t>c7aI 'i' 7.
1:tb7+ '.t>a6S. J:taSmate. 3

4. 1:tSa6+ rt;f7 s. J:tf5+ '.t>g76. 1:tgS+ 21 8


'.t>f77. 1:tgg6bl'i' s. 1:taf6mate.
a b c d e 9 h
Mates típicos
Mate do rei encurralado ANEDOTAS E CURIOSIDADES

1mbusch
1899
- Hering, Uma dupla de bispos inúteis

1. e4 eS 2. lDc3 tbf6 3. it.c4 lDxe4 4.


8 A
i..xf7+ ~ s.lDxe4lDc6? (Aquiera necessá- 7 A fi
& ,
,
rio jogar S. o..dSo)6. 'iVf.J+'.t>g8? 6
A.
8

61
II
71&& & ,
Ij
,,
A. .1 51&
418
3 8j.
'&DI
8 8
8
8
<i>
5 2
4

3 1i' abcdefgh

218 8 8 8 888
11.1:1
o.. " j. <i> t'i):
A posição do diagrama reflete um caso
extremo onde se comprova a inutilidade que po-
abcdefgh dem apresentar os bispos em posições fechadas.
Uma historinha explica que esta posição foi
apresentada pelo jogador Neumann a Nimzo-
7. lDgS!'i'xgS s. 'i'dS mate. witsch, que era um fanático admirador da força
do par de bispos o

O mestre lhe disse:


Exercício 16 - Você acredita que o par de bispos é sem-
pre decisivo?
Estudo de K. Tattersoll, - Sim, respondeu Nimzowitsch.
1910 - Pois, na posição do tabuleiro, posso te
entregar minhas peças e você não poderá me
As brancas jogam e ganham ganhar com seus dois bispos, disse Neumann.
Vocêé capaz de encontrara soluçãoganha- - Como?, retrucou Nimzowitsch.
dora para este final, aparentemente simples? - Assim, respondeu Neumann.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 85

1. iLxe5! dxe5 2. tDxb6!! iLxb6. Nimzowitsch e seus livros Mi sistema e La


- Agoratente me vencer,desafiou. práctica de mi sistema.
3. Contra-atacar no centro pode ser uma boa
estratégia em um ataque no flanco.
o ginasta Nimzowitsch 4. Se tiver vantagem material, procure trocar
peças, mas não peões.
Durante os torneios em que tomava parte, 5. Quando estiver em desvantagem material,
Nimzowitsch fazia ginástica e se punha de ca- busque trocar peões, em vez de peças.
beça para baixo, o que deixava surpresos todos 6. Quando jogar contra jogadores mais
os espectadores. Nimzowitsch se justificava fortes, tente complicar, não simplificar
dizendo que realizava esses exercícios sob a posição; eles também podem se equivo-
car.
prescrição médica e que lhe melhoravam o 7. Se trabalharem coordenadas e estiverem
rendimento enxadrístico.
ativas, duas torres podem ser superiores a
uma dama.
8. Fazer o roque o mais cedo possível é um
CONSELHOS bom critério, mas em algumas posições é
melhor esperar um certo tempo para saber
1. Não deprecie nunca a importância dos de onde vêm os "tiros".
peões, como disse Philidor, eles são a alma 9. Procure não praticar aberturas ou tipos de
do xadrez. jogos que não o agradam.
2. O bloqueio é um dos princípios funda- 10. A criação de peões passados é a chave para
mentais da estratégica enxadrística. Apren- ganhar a maioria dos finais.
da a bloquear estudando as partidas de
CAPíTULO 13 o xadrez
como arte
"Ganhar um peão na abertura, à custa do
próprio desenvolvimento, não compensa."
(Rubinstein)

Akiba Rubinstein é um daqueles jogadores com os quais podemos nos deleitar, uma vez que
suas partidas contêm grande riqueza de recursos táticos e estratégicos. Suas observações sobre a
teoria das aberturas e dos finais são muito significativas. A sua busca da perfeição e da arte
enxadrística em estado puro o caracterizou como um dos maiores gênios da primeira metade do
século XX.

AKIBA RUBINSTEIN
Nacionalidade: Polonês.
Nascimento: Stawiski, 12 de outubro de 1882.
Morte: Bruxelas, 14 de março de 1961.
Títulos: Um dos melhores jogadores da primeira metade do século XX.
Características de jogo: Grande técnica em finais, grande estrategista e mestre do
jogo posicional e tático. Foi também um excelente teórico que colaborou no Liirobok de
Collijn.
Melhores torneios: Bremen, 1905; Ostende, 1907; Carlsbad, 1907; Lodz, 1908; São
Sebastião, 1912; Breslau, 1912; Campeonato da URSS de 1908 e 1912; Viena, 1922;
Hastings, 1922-1923; Southport, 1924; Marienbad, 1925; Hamburgo, 1930.
Vida privada: Por sua condição de judeu, foi prejudicado pelas duas guerras mundiais.
Principal derrota: São Petersburgo, em 1914.
Principal fraqueza: Sua frágil saúde psíquica.
Legado: Deu nome a três variantes das Defesas Nimzoíndia, Francesa e Tarrasch,
respectivamente.
Consideração final: Foi aspirante ao título mundial, mas seu encontro com Lasker e
Capablanca nunca aconteceu.

---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 87

Partida 23 Outras possibilidades seriam 21. i.xh 7 +


'it>xh722. 'i'xg4 Ad2 com vantagem para as
o pardebispos posto em diagonais pretas. Ou 21. lLIe4:txd3! 22. 'ilVxd3i.xe4 23.
abertas tem uma força arrasadora. 1IVxe4'i'M 24. h3 'i'g3 25. hxg4 'i'h4 mate.

Rodewi - Rubinstein 21. ... ft4 22. g3?


Lodz, 1907 Jogada fraca que não prevê o massacre que
virá a seguir.
Defesa Tarrasch A outra alternativa seria 22. h3 :txc3! 23.
i.xc3 (23. i.xb7 Axh3+ 24. gxh3 'iVxh3+ 25.
1. d4 d5 2.lLIf3 e6 3. e3 c5 4. c4lL1c6 'iVh2 'i'xh2 mate; e se 23. 'i'xg4 :txh3+ 24.
5. lLIc3 'ilVxh3'i'xh3+ 25. gxh3 i.xe4+ 26. 'it>h2Ad2+
Chegamosà DefesaTarrasch por inversão 27. 'it>g3:tg2+ 28. 'it>Mi.d8+ 29. 'it>h5~g6
de lances. mate) 23. ... ~xe4 24. 'ilVxg4'ilVxg425. hxg4 :td3
26. 'it>h2 Axc3 com clara vantagem para as
5. no lLIf6 6. dxc5?! pretas.
Permite o desenvolvimento do bispo preto
sem perder tempo.
6. ... i.xc5 7. a3 a6 8. b4 i.d6 9. i.b2
o-o 10. 'i'd2?!
Seria melhor desenvolver o bispo por d3
22. ... :txc3!!

81
71 J.
I
iii
.
antes de mover a dama.
61i J. i
10. no 'i'e7! 51 i 8.
Um bom lance que implicitamente indica o
sacrifício de um peão em troca de uma maior 41 8 .t8.AaIf
atividade das peças pretas.
318 I 8.
11. ~d3
Não seria melhor 11. cxd5 exd5 12. lL\xd5
21 i. 11 8
lL\xd513. 'i'xd5 lL\xb4!14. axb4 bb4+ 15. 'it>e2
,.. . , :[ <ift
i.e6 16. 'i'd4 f5 com forte ataque preto. a b c d h
e f 9
11. no dxc4 12. ~xc4 b5 13. i.d3 :td8
14. 'i'e2
Reconhecendo seu erro no décimo lance O começo de uma das combinações mais
das brancas. belas já executadas.

14. ... i.b7 15. o-o lLIe5 16. lLIxe5 23.gxh4


i.xe5 17. f4? Ou 23. i.xc3 i.xe4+ 24. 'ilVxe4'ilVxh2mate.
Esta jogada é ruim, já que debilita o roque. E se 23. ~xb7 hg3 24. :f3 :xf3 25. ~xf3lL1f2+
Seria melhor 17. Afd1 'i'c7 18. Aac1 i.xh2+ 26. 'it>gllL1e4+27. 'it>f1lL1d2+28. 'it>g2lL1xf3
29.
19. 'it>h1i.e5 2o.lLIxb5 ~xg2+ com jogo com- 'i'xf3 Ad2+ com vitória das pretas.
plicado.
23. no Ad2!! 24. 'ilVxd2
17. no ~c7 18. e4 Aac8 19. e5 ~b6+ As demais possibilidades tampouco salvam
20. 'it>h1 as brancas da derrota. Por exemplo:
Com um domínio absoluto das diagonais 24. i.xb7 J:txe225. ~g2 J:th3!,as pretas ga-
abertas por parte dos bispos pretos. nham.
24. 'ilVxg4~xe4+ 25. Af3 Axf3 com van-
20. nolLlg4! 21. ~e4 tagem decisiva das pretas.
Não seria bom 21. 'i'xg4? :txd3 ameaçando 24. bc3 Axe2 25. :t2 be4+ 26. 'it>gl
o cavalo em c3. .txf2+ 27. ~f1 i.f3 28. Ad1lL\xh2mate.
88 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

24. ... i.xe4+ 25. ~g2 ~h3!! 26. ~f3 15. c4!
Se 26. ~f2 i.xf2 27. ~xe41hh2 mate. Não só elimina o peão isolado, como cria
um para o adversário. Agora o bispo do fian-
26. ... i.xf3 27. ~xf3 ~xh2 mate. chetto terá grande importância.
Esta é considerada a melhor partida jogada
por Rubinstein. 15. ... dxc4 16. i.xc6! bxc6
Deixando as pretas com uma desastrosa
estrutura de peões.
Partida 24
17. ~d4 ~d8 18. i.xf6 ~ 19. "ikxc4
Rubinstein - Marshall
Breslau, 1912
Defesa Tarrasch
811
71&
.. .11
Não permita que o adversário
A AI
61
enfraqueça sua posição 5
criando peões isolados.
41 11
Os peões isolados representam uma grande 31
debilidade no transcurso da partida, mas espe- 8
cialmente no final. A não ser que faça uma troca
vantajosa, não permita que isolem seus peões,
218 88 8
pois poderá pagar caro pelas conseqüências.
Na partida seguinte,jogada entre dois magní-
:<1>
abcdefg h
ficos jogadores, Rubinstein dá uma grande lição
estratégica em Marshall com um Gambito de Da-
ma. Os comentários estão baseados nas notas de As brancas não só recuperam o peão, como
Réti em seu livro Cursocientíficode ajedrez. deixam o adversário com dois peões fracos, ruja
exploração Rubinstein levará de forma impecável.
1. d4 d5 2. tLlf3 c5 3. c4 e6 4. cxd5
exd5 5. tLlc3 tLlc6 6. g3 tLlf6 7. i.g2 19. ... 'iYd5 20. ~ac1 ~af8 21. e4 'i\i'h5
Segundo Réti, nesta variante, as brancas 22. f4
não têm intenção de mobilizar seu peão do rei. Neste momento não seria bom 22. ~xc6 IIh6
O fianchetto neste flanco está perfeitamente 23. h4 gS com posição ganhadora para as pretas.
enquadrado dentro das mais exigentes normas
estratégicas. 22. ... ~a5 23. e5 ~h6
7 cxd4 A torre em h6 fica fora de jogo. Agora é só
uma questão de técnica para as brancas ga-
Com a intenção de jogar o bispo do rei sem nharem a partida.
perder tempo. Também poderia jogar 7. ... i.e7
8. O-O i.e6 9. dxcS i.xcs 10. tLla4 (para 24. ~c2 ~6+ 25. ~g2 ~d8 26. ~ff2
controlar a importante casa d4) 10. ... i.e7 11. ~c8 27. ~fd2 <;t>h828. ~d6
i.e3 com a intenção de seguir com i.cs debi- As brancas conseguiram seu objetivo: a posi-
litando as casas centrais do inimigo. ção perfeita de suas peças para aniquilar as pretas.
8. tLlxd4 i.c5 9. tLlb3 i.b4 10. O-O 28. ... ~1 29. ~xc6 ~g8
i.xc3 11. bxc3 O-O 12. i.g5 i.e6 13. tLlc5 Depois de 29. ... ~xc6 30. ~xc6, as pretas
~e7 14. tLlxe6 fxe6? sucumbiriam em poucas jogadas.
Embora aparentemente a troca efetuada
reforce o centro das pretas, na realidade, res- 30. ~c8 ~7+ 31. ~gl!
ponde plenamente a idéia da variante Ru- Melhor que 31. ifc6 :Xc8 32. ifxb7 Axc2+
binstein, favorecendo as brancas. Seria me- 33. ~f3, que igualmente daria vantagem as bran-
lhor: 14. ... ~xe6. cas, embora não facilitassea vitória.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 89

31. ... 'i!ib6+ 32. 'it'cs 'it'xcS+ descoberto. Vejamoscomo devem jogar as bran-
Agora já não serve 32. ... :txc8 por 33. cas para conseguir a coroação de seu peão:
'it'xb6.
1. "iVg8+ ~b7 2. "iVf7+~c6
33. :t2xcS gS 34. :txg8+ ~xg8 3S. Se 2. ... ~a6 3. ~g8 'it'g3+ 4. ~f8 'ii'b8+ 5.
fxgS :thS? ~g7 'it'e5+ (5. ... "iVg3+6. 'it'g6+ ganhando)
Pode-se aceitar melhor a posição com 35. ... 6. 'it'f6+ ganhando.
:tg6. No caso de 2. ... ~c8 3. 'it'e8+! ~b7 4.
~g8 'it'g3+ 5. ~f8 e agora já não há bons
36. h4 h6 37. gxh6 :txh6 38. :tc8+ xeques. 5. ... 'it'c3 (5. ... 'it'h3 6. 'it'f7+ ~a8 7.
E as pretas abandonam. "iVg8'it'f5+ 8. <;i(g7+e entra a dama.) 6. 'it'f7+
Por exemplo: 38. ... <;i(h739. :tc7 + ~g6 40. ~a6 (6. ... ~a8 7. 'it'g8 "iVf6+8. <;i(e8'it'c6+ 9.
:txa7 ~f5, etc. ~f7+ e ganha.) 7. 'it'g6+ ~a5 8. "iVh5+, se-
guido da coroação do peão.

Final 3. 'it'e8+ ~b7 4. ~g8 'li'g3+ s. <;i(f8


'li'c3 6. "iVf7+~a6 7. "iVg6+~aS 8. 'ii'hS+
Estudo de Averbak, ~b4 9. h8"iVganhando.
1962
Iouri Averbak nasceu na Rússia em Mates típicos
1922. Foi um conceituado Grande Mestre, can- Mate de Meek
didato ao título mundial em 1953. Destacou-
se como analista de finais e foi autor de livros 1. e4 eS 2. f4 exf4 3. lDf3 dS 4. exdS
sobre o tema. Viaje al reino del ajedrez é um de
"iVxdS?s. lDc3 "iVd86. lDe4 ~g4?
seus textos mais famosos.

Dama e peão contra dama


Os finais de dama e peão contra dama são
811'~'
71. ti .
. . .!.'IjIj j" j'
dificeis de ganhar devido à grande quantida- 6
de de xeques que se podem produzir. Contudo,
em certas posições, como na do diagrama, exis- 5
tem métodos ganhadores. O plano das brancas
consiste em conseguir uma posição na qual 4 !DI.!.
se pode trocar damas para, então, ao receber um
xeque, poderem retirar seu rei dando um xeque a 3 !D
2188 8 8 88
81.. .= j 'li' ..~...j. li
7
6
5
. a b c d e

7. "1ie2~xf3?? 8.lDf6 mate.


9 h

4 Exercício 17
3
Cavalo e peão contra cavalo
2
As brancas jogam
Na posição do diagrama jogam as brancas.
a b c d e Você é capaz de ganhar graças à vantagem ma-
9 h terial?
90 ANTONIO
LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

8
7
. A seqüência de lances de Münchhausen foi
a seguinte:1. e4, 2. g4, 3. e5, 4. g5, 5. g6,
6. e6, 7. exf7 mate.
Os mestres disseram então:
6 ti) - Parece que demos tempos de vantagem
excessivos. Experimentaremos com todas as pe-
Ij ças, menos o bispo do rei.
51 A resposta do barão foi a seguinte: 1. e3, 2.
4 ~c4, 3. g4, 4. g5, 5. g6, 6. ~xf7 mate.
3
811 1j,A...,A.1j I
2
71', , 4 , i i ,
6
a b c d e 9 h
5
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
4
3
A importância dos
tempos de vantagem
Conta a lenda que o Barão de Münchhausen
a b c d e 9 h
(personagem fictício), em um torneio de Mos-
cou, em 1935, propôs aos mestres participarem
de um divertido jogo. Oferecia tantas peças de - Bem, desta vez lhe deixaremos o cava-
vantagem quantos movimentos de jogo lhe des- lo do rei, responderam rapidamente os mes-
sem em troca. Os mestres aceitaram o desafio tres.
de Münchhausen, e se expressaram em tom jo- A continuação agora foi: 1. lZ)f3, 2. lZ)g5,
coso. 3. e4, 4. e5, 5. e6, 6. exf7 mate.
- Bem, vamos experimentar, primeiro, com
todas as peças, disseram rindo. 811~,A...,A.1j1
- Se me tiram sete peças eu lhes dou mate
em sete jogadas, que são meus tempos de van-
tagem - observou Münchhausen.
71'
6
i , i , , , ,
811,A...,A."1 5
4
71'
6 , , i , , , i 3

5
4
3 a b c d e 9 h

21
Então disseram:
ci>
- Agora iremos deixar o bispo e o cavalo em
a b c d e fI e gl.
9 h
- Neste caso, os previno de que me serão
de grande utilidade essas duas peças, disse

----
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 91

Münchhausen, e anunciou mate em cinco jo-


gadas. CONSELHOS
Efetivamente:1. e4, 2. ~c4, 3. tiJf3,4.
tiJg5,5. ~xf7 mate. 1. Os peões isolados constituem, normalmen-
te, em uma séria fraqueza, especialmente
811 Ij'..t 1I...t Ij I nos finais de partida.
2. Jogue com adversários mais fortes para
71AA A .i A .i A .i aprender mais e melhor, mas procure aque-
6 les cuja superioridade não seja muito gran-
de, para que não seja uma perda de tempo
5 para ambos.
3. Tenha sempre um comportamento ético na
4 sala de jogos e durante as partidas.
4. Para melhorar seu xadrez, o principal con-
3 selho é praticar, procure jogar tantas parti-
das quanto puder. A maneira ideal de fazer
218 8 8 8 8 888 isso é tomar-se sócio de um clube de xadrez
~i.lb e participar dos torneios organizados pela
federação local.
a b c d e 9 h 5. O estudo das partidas dosjogadores clássicos
é uma das melhores formas de aprender os
princípios fundamentais do xadrez.
A anedota evidentemente não é verda- 6. Numa situação de falta de tempo, é melhor
deira, mas é útil para mostrar, aos que se sacrificar material e ter a iniciativa que se de-
iniciam no jogo, a importância dos tempos de fender. Asjogadas defensivas são muitas ve-
vantagem no xadrez. zes as mais difíceis de encontrar e as mais
perigosas na hora de cometer erros.
7. É uma boa idéia anotar o tempo dedicado a
A memória de Alekhine cada jogada para posteriormente analisar
quando o utilizou de forma inadequada.
Dez anos após Alekhine ter jogado uma si- 8. Quando a jogada é obrigada, não perca
multânea às cegas, Najdorf, que era um dos que tempo pensando; jogue e que corra o reló-
o haviam derrotado, lembrou esse fato ao cam- gio do adversário.
peão do mundo. Najdorf estava convencido de 9. "Os finais de torres e os finais de peões são a
que Alekhine não se recordaria, e qual não foi essência dos finais de partida." (Z. Borovsky)
sua surpresa quando Alekhine respondeu: 10. "O roque é o primeiro passo de uma vida
- Sim, você foi quem sacrificou a torre em ordenada." (Tartakower)
h7 ... (e em continuação reproduziu a partida).
CAPíTULO 14 o talento
natural
"Tira-se mais proveito de uma partida
perdida que de cem ganhas."
(Capablanca)

José Raul Capablanca é, sem dúvida, o jogador dotado de maior talento natural da história do
xadrez. Foi invencível durante grande parte de sua carreira graças à perfeição de sua técnica.
Analisando suas partidas, parece que o xadrez é simples e que a lógica, em seu estado mais puro,
resolve qualquer problema. Só outro verdadeiro gênio como Alekhine soube encontrar suas
debilidades e demonstrar que ninguém é infalível no xadrez.

JOSÉ RAUL CAPABLANCAGRAUPERA


Nacionalidade: Cubano.
Nascimento: Havana, 19 de novembro de 1888.
Morte: Nova York, 8 de março de 1942.
Títulos: Campeão do mundo desde 1921 (após vencer Lasker em Havana) até 1927.
Características de jogo: Jogava com simplicidade, lógica e muita rapidez de cálculo.
Possuía uma visão de jogo perfeita. Evitava as complicações, embora possuísse grande
domínio tático.
Melhores torneios: São Sebastião, 1911; Hastings, 1919; Londres, 1922; Nova York,
1927; Barcelona, 1929; Nottingham, 1936; Moscou, 1936.
Façanhas: Aprendeu a jogar vendo seus pais, com quatro anos. Venceu Corzo sendo
apenas um menino de doze anos. Durante oito anos não perdeu uma só partida (em toda a sua
carreira só perdeu 36 jogos de campeonato). Diz-se que Capablanca era para o xadrez o que
Mozart era para a música.
Principal fracasso: Sua derrota pelo campeonato do mundo frente a Alekhine em
Buenos Aires (Argentina), em 1927.
Principal debilidade: Excessode confiança em si mesmo. Era pouco lutador.
Legado: Trêslivrosmuito importantes para a história do xadrez: A primer of chess,My
chesscareer e Fundamentos deZajedrez.
Vida privada: Era diplomata de profissão. Casou-se duas vezes. Atraente e dotado de
todos os dons da natureza, foi amante da boa vida.
Consideração final: É considerado como o maior talento natural da história do xadrez
e um dos maiores campeões mundiais. Sem dúvida, o melhor enxadrista hispânico de todos os
tempos. Um verdadeiro gênio.

- ----
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 93

Partida 25 13. ... lbe4?!


Jogada de valor duvidoso, uma vez que a
J. Capablanca - J. Mieses troca de peças só favorece as brancas. Parece
Bad Kissingen, 1925 melhor a opção 13. ... :'e8 seguido da lbf8.

Gambito de Dama 14. .i.xe4


Com a troca de cavalo e anteriormente com a
o ataque no jlanco de dama dos bispos, a casa cS fica indefesa.
A partida seguinte, jogada por José Raul 14. ... fixe4
Capablanca com as brancas, é um belo exemplo No caso de 14. ... dxe4 15. lbd2 lbf6 16.
de ataque no flanco da dama. lbcs, as brancas ficam melhor.
1. d4 lbf6 2. c4 e6 3. lbc3 dS 4. .i.gS IS. 'iVb4!
.i.e7 s. e3 lbbd7 6. lbf3 O-O7. 1:tct a6 s. Com a intenção de dominar as casas pretas
cxdS! pela dama.
Com esta jogada as brancas destroem o
plano das pretas de fazer-Ihes perder tempo IS. ... fig6 16. 'iVe7 f6 17. :'c3 fieS
com 8. .i.d3 dxc4 9. .i.xc4bS seguidode cS. IS. fid6:'f7 19. 1:tfct 'iVíS20. fixf8+ 'it>xf8
Se 20. ... lbxf8 21. lbb6 :'b8 22. lbxdS
s. ... exdS ganhando um peão.

811 Â. I. 21.lbell
O primeiro salto do cavalo numa das ma-
71 iiÂiii nobras que tanta fama deram a Capablanca.

61i 21 'it>eS22.lbd3 1:tbS23. f3 1:te7 24.


'itf2 lbíS 2S. :'b3 lbd7 26. g4
51 i i. Tentando estabelecer o domínio em ambos
os flancos.
41
26. ... bS 27.lbacSlbb6
3 liJ 8liJ Não foi bom. Avariante 27. ...lbxcs 28. :XcS
~ ~ 8 .i.b7 29.lbb4 daria vantagem para as brancas.

:1W~.t : 2s.lbb4 .i.b7 29.lbxb7 1:tbxb7 30. hc6


aS 31. :.xb6! axb4 32. :.xb7 :.xb7 33.:.xb4
a b c d e f 9 h
E as pretas abandonam, visto que as brancas
ganharamdoispeõese também têm melhorposição.
Aqui temos uma típica estrutura de peões
no flanco da dama para iniciar um ataque das 81 fi
minorias por parte das brancas, mas Capa-
blanca idealiza uma maneira mais original de 71 I ii
criar debilidade nos peões do adversário. 61 i
9. ft3 c6 10. .i.d3 lbhS? 51 ,
Com a idéia de simplificarmaterial, mas com
i
o inconveniente de que as pretas perdem dois pre- 41 :1
ciosos tempos. Seria melhor 10. ... lbe8!? 11.
.i.f4! com ligeira vantagem para as brancas. 31
11. .i.xe7 'iVxe7 12. O-Olbhf6 13. lba4! 21 8
Uma manobra utilizada por Capablanca
várias vezes no campeonato do mundo contra
Alekhine. a b c d e 9 h
--------------
-- - ----

94 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 26 15. ft3


Para deixar livre o caminho do peão da
Capablanca Tartakower - coluna "r'.
Nova York, 1924
15. ... :f6 16. f4tOa5 17. "'f3 d6
Defesa Holandesa Se as negras tivessem jogado cS, as bran-
Utilize seu rei como uma cas teriam respondido com um ataque no flan-
co do rei mediante g4. Sem dúvida, depois da
poderosa arma nos finais. jogada anterior, as melhores perspectivas para
as brancas se encontram no centro.
A seguinte partida é um claro exemplo da
força do rei atacando o campo adversário durante IS. :e1 'fid7
um final de partida. Capablanca, como é costume Contra eS teria seguido com e4 com me-
seu, desenvolve um jogo aparentemente simples 1l10resperspectivas para as brancas.
e cheio de lógica.
19. e4 fxe4 20. 1i'xe4 g6 21. g3
1. d4 f5 2.tOf3 e6 3. c4tOf6 4. .i.g5 .i.e7 As brancas tentarão, no momento preciso,
Com este movimento não se soluciona o
um ataque mediante seu peão da coluna "h".
problema das pretas, que consiste basicamente
no desenvolvimento adequado das peças do 21. ou ~f8 22. ~g2 :f7 .
flanco da dama e na conveniente construção de Também poderia jogar 22. 'ii'c6 23. 'ifxc6
sua cadeia de peões. lOxc624. cS com a ameaça de .i.bS.
Outra possibilidade seria 4. ... .i.b4+ 5.
tObd2 tOc6 6. e3 o-o seguido de d6 e e~. 23. h4 d5
Tentando simplificar a posição ante o
5. tOc3 O-O6. e3 b6 7. .i.d3 .i.b7 S. O-O ataque branco. Entretanto, as debilidades das
'ifeS pretas aparecerão no final da partida. Seria
Mell10rque tOe4. Agora as negras ameaçam melhor para as pretas 23. ...tOxc4 24. .i.xc4 dS
um ataque por meio de 'it'hs e tOg4. 25. .i.xdS1i'xdS 26. aS!

9. 'ii'e2 24. cxd5 exd5 25. 'ifxeS+ 'ifxeS 26.


Com a intenção de contestar e4 contra
'ifhs, o que proporcionaria melhor jogo para as
brancas. Por esse motivo, as pretas tentam levar
a cabo uma manobra de simplificação da
posição.
heS+ ~eS 27. h5
8

71'
. I
6 i
9. ou tOe4 10. .i.xe7 lOxc3 11. bxc3
'fixe7 12. a4 511) 8
Para responder a 12. ... lOc6 com 13. :fuI
(ameaçando aS) tOas 14. c5, seguido de J:tbS. 418
8
3 8
12. ou .i.xf3
Esta troca se efetua para evitar a variante 2 ct>
que acabamos de comentar. Todavia, como a I.
fonnação de peões é móvel, o bispo é superior :1
ao cavalo. O resto da partida será uma de- a b c d e 9 h
monstração desse axioma.
13. 'fixf3tOc6 14. :fbl :aeS 27. ... :f6 2S. hxg6 hxg6 29. :hl ~f8
Esta jogada, todavia, não é necessária. 30. :h7 :c6 31. g4tOc4 32. g5
Poderia ter-se jogado gS ou 14. ... tOaS 15. cS Ameaça :h6 seguido de íS, contra o qual
bxcS 16. :bS c4, etc. não haveria defesa.

--- -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 95

32. ... lDe3+ 33. 'it>f3lDiS 8. bxc3 O-O 9. e3 c5 10. ~d3 c4 11.
Outra possibilidade seria 33. ...lDdl 34. 1:th6 ~c2 'i!fe7 12. O-O a6 13. :fel 'i!fe6 14.
'it>f735. f5 :Xc3 36. fxg6+ 'it>g837. 'it>e21Db238. lDd2 b5 15. 'i!fa5 lDe4?
~f5, as brancas ganhariam com facilidade. Era necessário jogar 15. ~b7.

34. ~xiS 16.lDxe4 dxe4 17. a4 'i!fd5 18. axb5!!


O mais simples.

34. ... gxiS 35. 'it>g3!


811 J. .ê
71 Ai III
81 " 61 I
711. I :1 5f1r 8 'ir i..
61 1.1 41 181
51 I i .8 31 8 8
418 8 8 21 i.. 888
31
8 J: 1:[ <it>
2 a b c d e f 9 h

Capablanca fica impassível ante a amea-


a b c d e 9 h ça ao seu bispo e não hesita em sacrificá-Io por
dois peões, um deles passado na sexta fila.
As brancas sacrificam um peão, mas conse-
guem infiltrar o rei no campo inimigo. 18. ... 'i!fxg5 19. ~xe4 1:tb8
Era interessante 19. ... J:ta7 20. b6 'i!fxa5
35. ... 1:txc3+ 36. 'it>h4 1:tf3 37. g6 21. bxa7 'i!fxal 22. 1:txal lDb6 23. a8'i!f lDxa8
J:txf4+ 38. 'it>g5 1:te4 39. 'it>f6 'it>g8 40. 24. ~xa8, etc.
J:tg7+ 'it>h841. 1:txc7 1:te8 42. 'it>xiS 20. bxa6 1:tb5 21. 'i!fc71Db6 22. a7
Melhor que 42. 'it>f71:td8.
Com a ameaça latente de coroar o peão.
42. ... 1:te4 43. 'it>f61:tf4+ 44. 'it>e5J:g4
22. ... ~h3 23. 1:tebl!
45. g7+ 'it>g846. 1:txa7 1:tgI47. 'it>xd51:tct
48. 'it>d61:tc2 49. d51:tct 50. 1:tc7 1:tal 51.
'it>c61:txa4 52. d6
8 lê
E as pretas abandonam. 718 'ir ii. I
61 Ai
Partida 27
51 I ...
Capablanca - Spielmann 4 I 8 i..
Nova York, 1927
Gambito de Dama
3 8 8 J.
Valorize a importância dos
2 8 88
peões passados no meio-jogo. <it>
abcdefg h
1. d4 d5 2.lDf3 e6 3. c41Dd7 4.lDc3 tDgf6
5. i.g5 i.b4 6. cxd5exd5 7.'iVa4hc3+
Perdendo inutilmente a dupla de bispos. A melhor jogada nesse momento.
96 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

23. ... :txbl+ 24. :txbl f5 25. ~f3 f4 14. o-o 1Wb615. "'e2
26. exf4, as pretas abandonam. As brancas recusam a troca de damas, já que
Não havia nenhuma boa defesa. Por exemplo: supõem um reforço na cadeia de peões pretos.
26. ...J:[c827.'iVxc8+ltJxc828.fxgSltJxa729. gxh3.
Ou 26. ... ttJdS27. \\fxc41Wxf4
28. "'xdS+, etc. 15. ... c4!
A intençãodestajogada é deixar a diagonal
aberta ao seu bispo de e7. O fato de deixar um
Partida 28 agulheiro em d4 não preocupava Capablanca
nesta posição.
o. Bernstein - Capablanca
Moscou, 1914 16. :tfdl1::tfd8 17. tiJd4 ~b4
Gambito de Dama Esta jogada ameaça trocar o bispo em c3 e
depois pressionar com o cavalo mediante a
Não subestime o poder jogada tiJe4.
dinâmico dos peões unidos.
18.b3
A seguinte e instrutiva partida, como é
habitual em Capablanca, é ganha mediante o Com a intenção de deixar um peão de Ca-
avanço de seus peões unidos e uma posterior pablanca isolado.
jogada surpresa. 18. ... :tac8 19. bxc4 dxc4 20. :tc2
1. d4 d5 2. c4 e6 3.ltJc3lbf6 4.lbm iLe7 iLxc3 :txc3 tiJd5!
5. ~g5 ()..()6. e3 tiJbd7 7. :c1 b6 8. cxd5 exd5 O plano das pretas é desbloquear o peão e
9. 1i'a4 iLb7 10. h6 il..xa611. 1i'xa6 c5 iniciar seu avanço.
Se 11. ... c6 12. O-O'l'ic8 (12. tiJe4? 13. ~e7
'iVe7 14. 'iYb7 :fc8 15. tiJdS! 1i'd6 16. :c6 22.:tc2
Marshall - Kline, Nova York, 1913) (1-0) 13. Não valeria 22. :'xc4 tiJc3, com ganho de
'l'ia4 com ligeira vantagem das brancas. qualidade por peão.
12. ~xf6?! 22. ... c3 23. :tdc1 :tc5 24. tiJb3 :tc6
Esta troca não é necessária, uma vez que 25. tiJd4 :tc7 26. tiJb5 :tc5
ajuda o desenvolvimento das pretas. Aparentemente se perde o peão, visto que
é atacado por três peças e defendido só por duas.
12. ... lbxf6 13. dxc5 bxc5
27. ttJxc3 ttJxc3 28. hc3 hc3 29. 1hc3
811 Contudo,Capablancavê umajogada a maisque
71i Bemsteine realizaum surpreendente movimento.

6111 29. ... 1Wb2!!


5

4
81 I fi
31 71i iii
tD 6
218 8 5
]:[ 4
a b c d e f 9 h
31 ]:1 8
As pretas ficamcom dois peões unidos que
podem constituir uma debilidade no final da
218 'ir 11888
partida. Porém, no meio-jogo, essa estrutura de ~
peões tem um potencial dinâmico que pode ser a b c d
aproveitado mediante o avanço de um dos peões. e f 9 h

---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 97

30.~xb2 . 'õt>b4b6 7. 'õt>b3'õt>d2,a posição seria de em-


As brancas perdem a torre ou recebem ma- pate.
te.
Vejamos todas as variantes possíveis: 1. ... 'õt>g3!
30. J:lc2~1+ 31. ~fl ~xc2 Bronstein esperava 'õt>f3,mas Botvinnik
30. J:ld3 'iVc1+ 31. J:ld1 J:lxd1+ jogou 'õt>g3,evitando a manobra do cavalo
30. J:lc8 ~1 + 31. ~fl ~xfl + 32. 'õt>xf1 branco via f7 e eS, com o qual se consegue
J:lxc8 um precioso tempo para a defesa.
30. ~e1 ~xc3 31. ~xc3 J:ld1+ No caso de 1. ... 'õt>f3??2. tiJf7'õt>f23. tiJeS,já
30. 'ilic2'ilixc2 31. J:lxc2J:ld1 mate. não se pode evitar que o cavalo ocupe a casa d3,
30. ~d3 ~a1+! 31. 'ti'fl 'ti'xc3 destruindo a coroação do peão.
30. ... :dl mate. 2. 'õt>d3
Tampouco se pode evitar a coroação do
peão com 2. tiJf7 e2 3. 'õt>d2'õt>f2.
Final
2. ... 'õt>f23. tiJxb7 e2 4. tiJxa5 e1~, as
Bronstein - Botvinnik brancas devemabandonar.
Campeonato do Mundo
de Moscou, 1951
Mates típicos
Não jogue mecanicamente.
Mate de Boden
8

71 i
Schulten -
Boden
Londres, 1844
6 O nome do mate de Boden nasceu devido
à seguinte partida, na qual o jogador Samuel
51 i
41 8 . Boden (1826-1882) realizou um espetacular
mate:
1. e4 e5 2. tiJf3 d6 3. c3 f5 4. Jtc4 tiJf6
3I <i>B 5. d4 fxe4 6. dxe5 exf3 7. exf6 ~xf6 8.
gxf3 tiJc6 9. f4 Jtd7 10. Jte3 0-0-0 11.
2 tiJd2 J:le8 12. 'ti'f3 Jtf5 13. 0-0-0 d5 14.
Jtxd5??

a b c d e 9 h 81 fi I ...t -I
Nesta posição, o Grande Mestre Bronstein
realizou mecanicamente a jogada 'õt>c2??e
perdeu. Todavia, conseguiria empatar facil-
mente com o movimento tiJe6+.
7

61
5
li ii
4â .
.t
ii

Realizar uma determinada jogada sem


prestar a devida atenção é um dos erros mais
4 8
comuns entre os enxadristas de todas as cate- 8
gorias. No xadrez, o evidente, às vezes, não es-
31 ~V
tá tão claro. Nunca nos cansaremos de acon- 2188 ttJ 8 8
selhar que se reflita constantemente sobre ca-
da jogada. <i>: :1
Vejamos o que ocorreu: abcdefgh
1. ~c2??
Se jogasse 1. tiJe6+ <ot>f32. tiJd4+ <ot>f2
3. 'õt>a4 e2 4. tiJxe2 <ot>xe2S. <ot>xaS<ot>d36. 14. ... ~xc3+n 15. bxc3 Jta3 mate.
98 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONzAlEZ

Exercício 18
8
Ahues - Hans Mü1ler 7 I
Berlim, 1920

As pretas jogaram
6 i ii
corretamente ao abandonar? 5 ,I i
Depois da jogada 1. 'ilt'xf6,as pretas aban-
donam sem efetuar movimento algum. Vo- 4[_
i
cê acha que houve um equívoco nessa drás- 3 <1>tlJ &
tica decisão? Explique o porquê de sua res- 2
posta. L
811 IfI -r!
a b c d e 9 h
71AJ. A AAA
6l
5
A . 6. 1:b7+ ~a6 7. 1:b6+ ~a5 S. 1:b5+
~a6 9. 1:b4 ~a7 10.lbb5+ ~bS 1l.lbd6+
~aS 12. lbc4 :a2 13. ~c7 1:a7 + 14. ~cS
4
1:a6 15. 1:bS+ ~a7 16. J:b7+ 'it'aS 17.
3 lbb6+ 1:xb6 IS. 1:xb6 ~a7 19. 1:b2 f4 20.
~c7 ~a6 21. ~c6 ~a5 22. ~c5 ~a4 23.
218 8 ir .13. 8 ~c4 ~a3 24. :g2 f3 25. 1:xg3 ~b2 26.
1:xg4 ~c1 27. J:g3 g4 2S. 'it>d3 ~b2 29.
<1>. hg4 f2 30. 1:g2, e a torre acaba por capturar
a b c d e 9 h todos os peões.
Em 1965, o Grande Mestre e compositor de
xadrez G. Kasparjan descobriu que a posição de
Capablanca 13. ... g2, em lugar de 13. ... 1:a7 +,
ANEDOTAS E CURIOSIDADES levava ao empate. E, em 1977, o Grande Mestre
e teórico N. Novotelnov indicou que as pretas
A composição de Capablanca jogam melhor por meio de 6. ... ~a8, e as
brancas não ganham. Realmente era difícil
Em uma ocasião, perguntaram a Capa- resolver o problema se não havia solução.
blanca por que não realizava algumas com-
posições sendo tão bom finalista. O campeão do
mundo contestou: O jovem Capablanca
- Quando jovem, compus um problema tão
difícil que ninguém pôde resolvê-lo. Desde en- Capablanca tinha só 4 anos quando cor-
tão, não me interessei na composição de estu- rigiu seu pai em uma das habituais partidas que
dos, pois considero inútil compô-Ios se nin- jogava em sua casa. Sem que ninguém lhe hou-
guém consegue solucioná-Ios. vesse ensinado o movimento das peças, apren-
Aqui está o estudo a que se referia Capa- deu apenas olhando os outros jogarem. O mais
blanca: incrível é que, na primeira partida que disputou
1. ~c4 ~a5 2. ~xc5 ~a6 3. ~xc6 ~a7 com o pai, o derrotou para surpresa de todos os
4. lbd5 :h2 presentes.
Se 4. ... g2? 5. lbc7 ameaçando mate em Além disso, Capablanca, sendo apenas um
b7. menino, venceu Corzo e foi considerado o cam-
peão de Cuba. Ojovem Capablanca visitou uma
5. lbc3 f5 pequena cidade cubana onde seu pai tinha ne-
Nocasode 5 g2? 6.lbb5+ ~a8 7.lbc7+ gócios. Pela tarde entrou em um cassino onde
~a7 8. J:b7 mate. se jogava xadrez. O campeão daquela locali-

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 99

dade perguntou se sabia jogar xadrez, e Capa- 3. Nunca jogue mecanicamente. Um tempo
blanca respondeu que sim e que gostaria de mínimo de reflexão é imprescindível antes
jogar com ele. O veterano jogador local lhe de cada movimento.
ofereceu um cavalo de vantagem (prática habi- 4. Nunca se renda em uma partida, a não ser
tual naquele tempo), que Capablanca aceitou que não veja nenhum tipo de salvação. Pen-
humildemente. A partida foi ganha por Capa- se sempre que o xadrez é muito rico em re-
blanca com grande facilidade. Então, voltaram cursos, e uma posição aparentemente per-
a jogar com forças iguais, e o jovem Capablanca dida pode ter salvação. Lembre que nunca
ganhou novamente com autoridade. José Raul se ganhou uma partida que se abandonou.
lhe ofereceu então a vantagem de um cavalo, e 5. O xadrez é uma arte. Tente que suas
o resultado da partida voltou a ser o mesmo. O partidas sejam as mais criativas possíveis;
veterano jogador local ficou estupefato e lhe desfrute jogando e criando beleza.
perguntou o nome. Ao reconhecê-Io como cam- 6. Para jogar bem os finais, há dois conselhos
peão cubano, disse: básicos a seguir: tenha paciência e nunca se
- Nunca imaginaria que um menino pudes- precipite por mais clara que pareça ajogada.
se jogar tão bem. 7. Os conhecimentos técnicos são imprescindí-
Anos após, quando Capablanca se tomou veis para ser um bom finalista. É necessário
campeão mundial, o veterano entrou no cas- conhecer e estudar os princípios básicos,
sino gritando entusiasmado: como a triangulação e a oposição.
- Capablanca foi proclamado o melhor 8. Quando cometer uma imprecisão ou erro,
jogador do mundo, e eu joguei com ele e até lhe não se abale: seu adversário também pode
dei um cavalo de vantagem! se equivocar. Busque jogar as melhores
jogadas possíveis a partir do momento em
que se equivocou.
9. Após cada movimento, deve-se considerar
CONSELHOS
a posição por meio de uma nova pers-
pectiva. Às vezes cremos que uma peça
1. As peças devem se localizar nas melhores exerce uma determinada função, e não é o
casas sempre de acordo com um plano que ocorre.
preestabelecido, mas de uma maneira 10. Estude as aberturas observando muitas
harmônica, a fim de que colaborem entre si partidas com a variante que pretende
e não se atrapalhem. praticar. Aprenda os planos que deve seguir
2. No xadrez, as minorias podem vencer as e, quando tiver uma idéia geral sobre essa
maiorias. Um peão pode avançar certas abertura, passe a estudar a teoria, não faça
posições para criar debilidades frente a o contrário.
uma maioria frontal de peões.
CAPíTULO 15 Um gênio lutador
e brilhante
"A habilidade para controlar o tempo do relógio de
xadrez é tão importante como a técnica de jogar finais."
(Alekhine)

Alekhine foi talvez o jogador mais completo da história do xadrez. Dotado de uma extra-
ordinária facilidade para dominar todo tipo de jogo, ampliou e melhorou os conceitos enxadrísticos de
iniciativa, ataque e combinação. Além disso, foi um excelente comentarista de suas partidas,
registrando suas colaborações para a teoria das aberturas e seus profundos conhecimentos de finais e
de meio-jogo. Sua avassaladora força de vontade e seu amor ao xadrez fizeram que este jogo se
elevasse à categoria de arte.

ALEXANDREALEKHINE (ALIOnN)
Nacionalidade: Russo, naturalizado francês.
Nascimento: Moscou, 1Qde novembro de 1892.
Morte: Estoril (Portugal), 23 de março de 1946.
Títulos: Campeão mundial entre 1927-1935 e 1937-1946.
Características de jogo: Adotou uma visão dinâmica das teorias estabelecidas até en-
tão. Sua profundíssima concepção lógica do jogo e sua absoluta falta de dogmatismo o levaram
a um nível de jogo praticamente insuperável. Foi extraordinário no jogo tático e estratégico. Era
original, profundo, imaginativo, lutador, excelente teórico e amante da iniciativa e do jogo
complicado.
Melhores torneios: Moscou, 1908; São petersburgo, 1912; Hastings, 1922; Carlsbad,
1923; Baden-Baden, 1925; São Remo, 1930; Bled, 1931; Londres, 1932; Dresden, 1936; Mon-
tevidéu, 1938; Salzburgo, 1942; Madrid, 1945.
Façanhas: Vencer Capablanca no seu encontro pelo Campeonato do Mundo em Buenos
Aires no ano de 1927; suas partidas simultâneas às cegas; único campeão do mundo que mor-
reu na posse do título.
Principal derrota: Sua derrota ante Euwe pelo campeonato do mundo em 1935.
Principal debilidade: Sua propensão à bebida.
Vida privada: Filho de uma abastada família russa. Foi ensinado pela mãe a jogar, e logo
desenvolveu grande destreza no jogo. Casou-se cinco vezes. Suas últimas mulheres eram muito
mais velhas que ele. Levou uma vida azarada, própria de um filme de suspense e aventura.
Dizem que suas duas maiores paixões eram o xadrez e ele mesmo.

- --
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES101

Legado: Foi um excelente comentarista das partidas próprias e de outros jogadores.


Escreveu, dentre outras, três obras mestras da literatura enxadrística: El torneo de Nueva York
de 1924, Mis mejorespartidas 1908-1923 e Mis mejorespartidas 1924-1937.
Consideração final: Um dos mais brilhantes e imaginativos gênios da história do
xadrez. Revolucionou a teoria das aberturas e nos deixou a original Defesa Alekhine. Foi
considerado por muitos como o melhor jogador de todos os tempos. Dotado de uma grande
capacidade de trabalho, batalhador incansável, arrebatou o título de um dos mitos mais
famosos do xadrez: Capablanca.

Partida 29 13.:tdlU
Alekhine entrega o cavalo segundo uma
A. Alekhine - E. Bõõk concepção muito profunda do jogo combi-
Margate, 1938 natório.
Gambito de Dama Aceito 13. ... bxc3
O rei não rocado pode ser No caso de não aceitar a entrega do cava-
o motivo decisivo de um lo 13. ... 'ti'c7 14. i..xd7 + liJxd7 15. liJes, as
ataque adversário. brancas obtêm grande superioridade posicio-
naI.
1. d4 dS 2. c4 dxc4
Entrando na variante do Gambito de Da- 14. :txd7!
ma Aceito. As outras opções básicas são e6 ou Uma nova entrega, desta vez de qualidade,
c6. deixa as pretas sem possibilidade de respirar.

3. liJf3 liJf6 4. e3 e6 5. i..xc4 cS 6. O-O 14. ... liJxd7 15. liJeS :ta7
liJc6 7. 'ti'e2 a6
A resposta das pretas no Gambitode Dama
8 I
Aceito deve basear-se na expansão de seus
peões no flanco da dama.
Ai
8. liJc3 bS 9. i..b3 b4?r
Esta jogada não é boa, pois cria algumas
debilidades.
10. dS! 8
Com a intenção de abrir linhas de ata-
que, aproveitando que o rei ainda não ro-
218 8 1188
cou.
': ,J.. ,<;>
10. ... liJaS a b c d e 9 h
Se 10. ... bxc3 11. i..a4! 'ti'xds 12. e4, recu-
peraria a peça e obteria melhor posição. E se 16. bxc3!
10. ... exds 11. liJxds liJxds 12. :td1 i..e6 13. Não adiantaria 16. 'iVhs+? g6 17. liJxg6
e4 liJce7 14. exds i..g4 15. d6, ganharia uma hxg6 18. 'ti'xh8 ~f7 sem obter nada positivo
peça. para as brancas.
11. i..a4+ i..d7 12. dxe6 fxe6 16. ... ~e7
No caso de 12. ... .Jlxa413. exf7+ ~xf714. Outras possibilidades não são melhores:
lDxa4, ganharia um peão, e o rei preto ficaria 16. ... .td6 17. 'i'hS+ g6 18. lDxg6 com
numa posição perigosa. vantagem para as brancas.

-- --
102 ANTONIO LÓPEZMANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

16. ... g6 17. 'ilVd3'ilVe718. e4, e o bispo das Partida 30


casas pretas já pode começar a jogar.
16 'i\Vh417.e4! JLd618. g3 'ilVe719.lDxd7 Alekhine -
Tartakower
:Xd7 20. 'ilVxa6com vantagem para as brancas. Viena, 1922
17. e4! lDf6 18. JLg5 'ilVc719. JLf4 'iib6 Defesa Francesa
Se 19. ... 'i\Vb720. 'ilVe3!t2Jxe421. JLgS+tiJxgs
22. 'ilVxgS+~d6 23. ':d1 + ~c7 24. 'ilVd8mate. Quando se encontrar em um
final de bispos e torres de cores
20. J:dl g6 21. JLg5 JLg7 22. lDd7! distintas, e tiver algum tipo de
Com ameaça à dama, e o lance eS recupera vantagem, não troque as torres.
material.
A seguinte partida, comentada segundo as
8 anotações do próprio Alekhine em seu livro Mis
mejores partidas 1908-1923, é um magnífico
71. exemplo de como se deve conduzir um final de
torres e bispos de cores distintas.
61i.
1. e4 e6 2. d4 d5 3. lDc3 lDf6 4. JLg5
51'. i dxe4 5. JLxf6
A continuaçãoS. lDxe4JLe76. JLxf6JLxf6
41,.t 7. lDf3 não oferece nenhuma vantagem às
31' (j brancas.
21 (j fIf(j8 5. ... gxf6 6. lDxe4 f5 7. lDc3
Ajogada 7. lDg3não seria boa devido a 7.
11 .<1> ... cS!
a b c d e t 9 h
7. ... JLg7 8. lDf3 O-O9. 'ifd2
No caso de 9. JLc4 cS! 10. dS bS 11. JLxbS
22. ... ':xd7 23. J:xd7 + ~f8 24. JLxf6 'ilVaS12. JLe2 JLxc3+ 13. bxc3 ~xc3+ seguido
JLxf6 25. e5! de exdS com vantagem para as pretas.
E as pretas desistem. Com efeito, se 2S. ...
JLg7 [2S. JLe726. 'ilVf3+~g8 (26. ... ~g7 27. 9. ... c5!
.:xe7+ <t>h628. 'ilVf4+gS 29. 'ilVf6+~hS 30. Com a intenção de fortalecer a ação do
JLd1+ g4 31. :g7, e o mate é inevitável.) 27. bispo do rei preto.
.:xe7 'i\Vb1
+ 28. JLd1'ilVf529. 'ilVa8+'ilVf830. ':e8
ganhando.] 26. 'ilVf3+~e8 27. 'ilVf7mate. 10. dxc5 'ifa5 11. lDb5 'ilVxd2+ 12.
t2Jxd2
fi I A troca de damas favoreceu as pretas, visto
que eliminou as possibilidades do ataque
i branco no flanco do rei.

i.ii 12. ... lDa6


Melhor que 12. ... JLxb2 13. J:b1 JLeS 14.
8 lDc4 com jogo melhor para as brancas.
13. c3 t2Jxc5 14. lDb3 lDxb3 15. axb3
a6 16. lDd6 J:b8 17. b4
Com a intenção de eliminar um dos peões
flf888 dobrados.
~
<, ;.:.-,;,-,:,-,:.:.:.,
1'7. ... 1:d8 18. 0-0-0 i.e5 19. fuc8
e f 9 h ':xdl+ 20. <t>xdlhc8
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 103

81
71 1
I
i
. 1
Parece que as pretas têm boas perspectivas,
mas...

36.:d5!1
611
51
i
.ai
81
71
.
.a
41 tj
31 tj
611 1
5
21 tj tjtj1J 41 tj tj
<t> J.. 11
a b c d e 9 h
31\ <t>1J 1
21 tj
o presente final oferece melhores pers-
pectivas às brancas, já que têm o rei mais a b c d e f 9 h
ativo, a maioria de peões no flanco da dama,
todos os peões pretos estão em casas da mes-
ma cor do bispo branco, e, ainda, um deles
está isolado. 36. ... e4
Depois de 36. ... f2 37. :dl e4 38. 'it'c2
21. ~e2 'it'f8 22. 'it'c2 :c7 23. :al 'it'e7 ~f4 39. :f1 e3 40. 'it'dl, e o rei detém os
24. h3 f4? peões ao estar nas casas de mesma cor que
Um plano equivocado. Seria melhor 24. ... seu bispo.
~d4 seguido de ~b6.
37. :f5 ~g3 38. g5 'it'd7 39. g6 ~e6
25. ~b3 40. g7 'it'xf5 41. g8'ti' ~f4 42. 'ti'f7+ 'it'g4
Impedindo definitivamente o lance ~d4 43. 'ti'g6+ ~g5 44. 'ti'xe4+ 'it'g3 45. 'ti'g6
das pretas. 'it'g4 46. 'ti'xb6
E as pretas abandonam.
25. ... :d7 26. :a5!
Com a intenção de passar a torre para o
flanco do rei. Partida 31
26. ... ~c7 Alekhine -
Nimzowitsch
Não valeria jogar 26. ... f6 27. ~f3 ~d8 28. San Remo, 1930
b5 axb5 29. ':xb5 'it'c8 30. J:.b6 :te7 31. 'it'c4
seguido de ~d3, e o avanço dos peões no flanco Defesa Francesa
da dama.
Ocupe as colunas abertas
com suas peças maiores.
27. :h5 :d2 28. ~f3
b6 29. :xh7
1hf2 30. ~h5! 1hg2 31. :xf7+ 'it'd8! A seguinte partida, disputada entre dois
Muito melhor que 31. ... 'it'd6 32. :xf4 com excelentes jogadores (Alekhine e Nimzowitsch)
clara vantagem das brancas. é uma amostra perfeita da estratégia a se-
guir para aproveitar o potencial das colunas
32. ~g4 e5 33. :d7+ 'it'c8 34. :d2+ abertas. O jogador que consegue apropriar-se
:xg4 35. hxg4 131 de uma coluna exerce uma pressão sobre o
Se 35. ... e4 36. ':d4! f3 37. ':xe4 f2 38. campo contrário que muitas vezes o conduz
:te8+ seguido de :f8 ganhando a partida. à vitória.

---
104 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

1. e4 e6 2. d4 dS 3. 12Jc3~b4 A vantagem branca é clara: possui o bispo


Com esta jogada, entra-se na conhecida bom, grande vantagem de espaço, sua estrutura
variante Winaverda DefesaFrancesa. de peões é sólida, e suas peças têm maior mo-
bilidade. Agora só falta abrir linhas de penetra-
4.eS ção no campo inimigo.
Com a intenção de se adonar da casa f6. A ótima jogada das brancas obriga a aber-
4 cS tura da coluna do bispo da dama.
Característico ataque sobre a base da ca-
deia de peões, típica nestas posições. 12 cxb4
Depois de 12. ... c4 13. 12Ja312Jd814. 12Jc2
s. ~d2 12Je76. 12JbS com melhor jogo para as brancas. Segundo
Ameaça 12Jd6+ impedindo o roque do rei Euwe, 13.l2Jd6 também daria vantagem para as
preto. brancas.

6. ... ~xd2+ 7. 'iVxd2o-o s. c3 13. cxb4 ~b7 14. 12Jd6f5?!


Para reforçar a cadeia de peões. Com a intenção de bloquear o flanco do
rei.
s. ... b6? Se 14. ... aS 15. b5 12Jb4 16. ~d3 f5
Outras possibilidades melhores seriam as com ligeira vantagem das brancas (15. ~b5
seguintes: axb4 16. o-o com vantagem branca), ou
8. ... 12Jbc6. 15. bxa5 12Jxa5 16. 'iVb4 ~a6! com jogo
8. ...l2Jf59. .i.d3 (9. g4!? 12Jh4!)9. ... ~d71O. igual.
l2Jf3.i.xb5 11. .i.xb5 'iVb612. ~d3l2Jc6 com jogo
igual(partidaStolz- Nimzowitsch, 1934). IS. aS! 12Jcs
8. ... f6!? 9. exf6 gxf6 10. dxc5l2Jd7! 11. b4 É necessário expulsar o incômodo cavalo
aS (11. ... b6) 12. 12Jf3b6 com igualdade situado em d6.
(partida Martínez - Arencibia, Cuba, 1988). Se 15. ... bxa5 16. b5 12Jd8 17. :'xa5, e
vantagem branca.
9. f4
Outro peão para reforçar a estrutura dos 16. 12Jxb7
peões brancos. Troca de bispo para debilitar as casas de cor
branca.
9. ... .i.a6 10. 12Jf3'iVd7 11. a4l2Jbc6
Se 11... c4 12. 12Jd6(12. 12Ja3'iVxa4) 12. ... 16. ... 'i\Vxb7 17. a6 fif7
12Jc8. Depoisde 17. ... 'iVe718. .i.b5l2Jxb4 19. .:!.bl
com claravantagem para as brancas.
12. b4!
IS. .i.bSl2JSe7 19. O-Oh6
Outra interessante continuação, segundo
Alekhine, seria 19. ... .:tfc8?!
20. :'fc1
O começo da luta pela coluna aberta.
20. ... :'fcS 21. :'c2 'iVeS
Segundo análise de Alekhine, 21. ...l2Jd8
22. 1:tael :'xc2 23. :'xc2 :'c8 24. ~d7 .:txc2
8 25. 'iVxc2. Ou 24. :'xc8 12Jxc825. 'iVc3 12Je7
26. 'iVc7com vantagem para as brancas.
2 11 88
22. :'ac1
:1 ~...t ~ Seria melhor 22. :a3! :c7 23. :ac3 :ac8
a b c d e f 9 h 24. fiel com vantagem das brancas.

-
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 105

22. ... :tab8 23. 'ti'e3 :tc7 24. :tc3! Final


Com a intenção de colocar toda a artilharia
pesada na única coluna aberta. Estudo de Grigoriev,
1932
24. ... 'ti'd7 25. :tlc2 'it>f8
Busque com cuidado as vias
8 I fi adequadas para que seu cavalo

71&.. a i
detenha o peão passado.
8
618&~ , &
7
51 .i '8 &
41 8 8 8
6 &
31 : ti)
5
4
21 1:1 8 8
'ir st>
31 fi
a b c d e 9 h 2I ti)

a b c d e 9 h
o rei acode para ajudar suas peças no ce-
nário da luta.
A posição do diagrama é um bom exemplo da
26. 'ti'c1!
luta do cavalo contra o peão passado. O cavalo é
O plano prossegue como estava previsto, sem uma peça pouco ágil para deter peões, mas, em
que as pretas possam fazer algo para impedir. certas circunstâncias, pode encontrar uma via de
26. ... 1:tbc827. ~a4! acesso que tome impossívela coroação.
Começamas ameaças. No momento, a in- 1. lLIb4hS 2. lLIc6
tenção é jogar bS para ganhar peças. E não 2. lLIdS+? 'it>f3!(oposição do rei em
27. ... b5 28. ~xb5 'it>e829. ~a4 diagonal), desde este quadro, o rei preto controla
A entrega do peão do cavalo não serviu para toda intenção do cavalo de deter o peão.
nada, as brancas voltam com suas ameaças. 2. ... 'it>e4
29. ... 'it>d8 Se 2. ... h4 3. lLIeSh3 (ou 3. ...'it>f4 4.
O rei chega a tempo de defender suas tor- lLIg6+ e empate) 4.lLIg4+, e as brancas detêm
res. O problema é que se produziu uma posição o peão com o cavalo.
na qual as pretas não têm boas jogadas. 3. lLIa5!!
30. h4! Paradoxalmente, o cavalo se afasta do peão
Movimento de espera, já que as pretas es- preto, mas de fato é a única casa aonde pode ir
tão em zugzwang. para empatar.
Depois de 3. lLId8?h4 4. lLIe6'it>fSS. lLId4+
30. ... h5 31. 'it>h2g6 32. g3 'iVe8? 'it>g46. lLIc2'it>f47. lLIel h3 8. lLId3+ 'it>g3,as
Uma má jogada porque perde, mas não pretas ganham.
havia nenhuma manobra salvadora.
3. ... h4 4. lLIc4!
33.bS Não seria melhor 4. lLIb3?'it>e3,dado que o
E as pretas abandonam ante a perda ine- rei cortaria o passo do cavalo conseguindo com
vitável de material. ele a coroação do peão.

-- ---
106 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

4 h3 5.lbd2+ ~e3 6.ltJfl+ ~ 7.lbh2 1. he6 Vi'xe6? (Vi'xh5!) 2. tLJg5Vi'g6 3.


~ 8. tLJg4~g3 9. tLJe3~ 10.ltJfl ~g2 11. hh7+ Vi'xh7 4. tLJf7mate.
tLJe3+ e empate, pois o peão não pode corom:

811 lê
Mates típicos 71 i& .!iJ&ir
Mate dos dois bispos de Alekhine 61&
Alekhine Vasic - 51 &
1. e4 e6 2. d4 d5 3. tLJc3iLb4 4. iLd3 4
~xc3+ 5. bxc3 h6 6. iLa3 tLJd7 7. 'i1ke2
dxe4 8. ~xe4 tLJgf69. iLd3 b6? 31 ir.i.
811 .4... I 8~8
71' ,. ii ~18 ~ <.t>
6 , ili i a b c d e t 9 h
5
Exercício 19
4 ~
31-t 8J.. Rort - Byrne
21 Olimpíada de Varna,
~ flJ8~8 1962
: .~ e;,J']: As brancas jogam e ganham
a b c d e f 9 h

811 .a. ir :4..


10. Vi'xe6+ fxe6 11. ~g6 mate. 7 , i
Mate do recuo
61' .iir
Atkinson - NC
5 i ~
Manchester, 1929 4 ~(iJ~ ~
811 3 ~.. J.. ~
IfI,
. ii
71
61i
5
ii
.i .a.
i
V
]:[
21~ 8
:
a b c d
<.t>
e f 9
]:
h

3[ fIJ J.. !iJ As brancas têm uma típica posição de ata-


que sobre a coluna aberta "h". Mas não é sim-
21~J.. ~~~ ples encontrar um arremate, já que o cavalo
em f6 defende o ponto crítico h7.
,.~ Você é capaz de encontrar o procedimento
a b c d e 9 h ganhador das brancas?

-- ----
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES107

ANEDOTAS E CURIOSIDADES Após dezoito anos, Alekhine, em uma par-


tida contra Euwe, encontrou-se na situação do
Alekhine toma seu próprio remédio diagrama anterior.

-
Alekhine Feldt As brancas jogam:
1. e4!
Tarnopol,1916 Uma boa jogada, que requer um minucioso
Em uma sessão de simultâneas às cegas, cálculo. Alekhine respondeu:
Alekhine foi capaz de realizar uma verdadeira
obra de arte mediante a seguinte combinação:
1. ... tl)xe4 2. tl)xe4 dxe4 3. :xe4 f6?
Sem dúvida, Alekhine não recordava a
1. tl)f7!! ~ 2. iVxe6+! ~g6 maravilha que havia criado dezoito anos an-
Se 2. ... ~xe6 3. tl)gSmate. tes e permitiu que Euwe realizasse o seguinte
lance:
Ou então 2. ... ~f8 3. tl)gS tl)eS 4. dxeS
com vantagem decisiva.
8

7
I
,.1
..1j.1 e
"
4. tl)f7!! 'ii'e8
Se 4. ... ~xf7 s. 'ii'hS+ q;e7 6. 1he6+
~e6 7. ]:tel+ ~d7 (7. ... ~d6 8. 'ilcS+ ~d7 9.
iVfS+ ~d6 10. 'ii'e6 mate) 8. iVfS+ ~d6 9.
6 , ill
iVe6 mate.
5. he6 iVxe6 6. tl)d8
5 tüii Apósesta jogada, Euwe ganhou o peão de
4 88 J. c6 e, poucomais tarde, a partida.
3 J. tü
8 8 O xadrez como língua materna
2 fl888
:( : Réti disse uma vez de Capablanca: "O que
mais me surpreende em Capablanca é a sua
abcdefgh grande segurança e a quase ausência de erros
no seu jogo. Sem dúvida, é conseqüência de ter
3. g4! ~e4 4. tl)h4 mate. aprendido a jogar com quatro anos. Em certo
sentido, o xadrez era como se fosse sua se-
gunda língua materna".
Euwe - Alekhine
Zurich, 1934
81
71
Ij'.
.i .
,..
CONSELHOS

1. Não tema que seus adversários tenham

61i IIj
muito ELO na hora de enfrentá-Io. Vo-
cê deve jogar o melhor que puder. Con-
sidere que nenhum enxadrista, por mais
518i.itü forte que seja (incluindo os campeões
41 8 8 mundiais), pode calcular tudo, e, por-
tanto, todos podem se equivocar.
31 8 tü 2. Não abra nem permita que seu oponente
abra as colunas centrais se seu rei ainda
21 888 não estiver rocado.
3. No xadrez também é válido, na maioria das
; ; vezes, o velho ditado: a melhor defesa ê um
a b c d e f 9 h bom ataque.
108 ANTONIO LÓPEZMANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

4. O peão que avança deixa atrás de si alguma 8. Siga como modelo um bom jogador (se
casa desprotegida que não poderá voltar a possível, um Grande Mestre). Escolha
defender. aquele que tenha a ver com a sua prefe-
5. A estrutura formada pelos peões é um dos rência nas aberturas e na maneira de jo-
elementos básicos para elaborar nossos gar.
planos estratégicos. 9. O xadrez é um jogo de paciência e de lógica:
6. Os peões passados devem ser bloqueados procure cultivar essas virtudes.
com nossas peças de tal forma que não 10. Psicologicamente, a ameaça é mais forte
possam avançar. que sua execução: se a levarmos a cabo,
7. Evite mover uma mesma peça várias vezes nosso adversário se libera da tensão que lhe
na abertura, embora possa haver exceções, produz essa ameaça.
como é o caso da Defesa Alekhine.

--
CAPíTULO 16 A confiança e
o otimismo
"Quando jogo com as brancas ganho porque tenho a iniciativa,
e quando fico com as pretas ganho porque sou Bogoljubow."
(Bogoljubow)

Efim Bogoljubow foi um dos mais destacados jogadores da sua época. Não chegou a se tornar
um campeão do mundo porque teve de se confrontar com o genial Alekhine, que o derrotou em seus
encontros pelo título mundial. Sua afirmada qualidade como jogador e sua infinita confiança em si
mesmo foram os fatores essenciais de seus êxitos.

EFIM BOGOLJUBOW
Nacionalidade: Alemão de origem ucraniana.
Nascimento: Stanislawsik, 14 de abril de 1889.
Morte: 18 de junho de 1952.
Títulos: Grande Mestre Internacional, candidato ao título mundial em duas ocasiões.
Características de jogo: Engenhoso e com vigoroso estilo posicional, mas não-isento
de grande talento tático.
Melhores torneios: Pistyan, 1922; Carlsbad, 1923; Moscou, 1925 (diante de Capa-
blanca e Euwe); Berlim, 1926; Bad Kissinguen, 1928; Stuttgart, 1939.
Principal derrota: Frente a Alekhine em duas ocasiões pelo título mundial, em 1929 e
1934.
Principal debilidade: Sua irregularidade, excessivo otimismo e falta de objetividade.
Legado: Foi um bom teórico e nos deixou a Defesa Bogo-Índia. Dentre suas obras escritas
se destacam: Moscú 1925 e d4!, Ia apertura moderna.
Vida privada: Foi considerado inimigo da URSS ao se naturalizar alemão. Dotado de
um grande senso de humor, tinha um caráter afável e simpático.
Consideração final: Um dos melhores jogadores da primeira metade do século XX.
Segundo Réti, "uma corrente selvagem que rompe todos os diques".
110 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

Partida 32 13. 'ti'd2 ~g7 14. :tel+ lDe6 15. h5!


gxh5 16. .1:txh5.lixh8
E. Bogoljubow A. Rubinstein- As pretas têm vantagem material, mas seu p0-
Estocolmo, 1920 bre desenvolvimentoe a descoordenaçãode suas pe-
ças faz com que se encontremem uma má situação.
Abertura Espanhola

.
17. ft4!
Surpreenda seu adversário
com jogadas audazes.
811 J. J..
1. e4 e5 2. lDf3lDc6 3. lDc3lDf6 4. .lib5
lDd4 5. lDxe5
n& 1& i
A opção mais utilizada é S. .lia4. 6 A Ai
5. n. lDxe4
5 .~1%
A única jogada correta nesta posição seria
S. ... 'ti'e7! 6. f4 lDxbS 7. lDxbS d6 8. lDf3
41 "
'ti'xe4+ 9. 'it>f2lDg4+ 10. 'it>g3'ti'g6 11. lDh4 31 8
'ii'hs com jogo melhor para as pretas.
21888 8 8
6. lDxe4 lDxb5 7. l2Jxf7!
:t<i>
Surpreendente jogada de Bogoljubow, com
a b c d e f 9 h
a qual consegue vantagem.
7. ... 'ti'e7
Depoisde 7. ... 'it>xf78. 'ii'hS+ 'ii'bs recupe- Lance que permite a decisiva entrada da
rando a peça. dama em jogo.
17. n. c5
8. lDxh8 'ti'xe4+ 9. 'it>fl! lDd4 10. d3
'ti'f5 11. h4!! Se 17. ... d6 18. g4! 'iVg6 19. 'iVbS+ ~d7
20. 'ii'fS! com grande vantagem das brancas.
Excelente jogada, que permite a entrada da Ou 17. ... <t>f718. 'ti'e7+ <t>g819. :txe6
torre do rei via h3. Ameaça também .ligS. dxe6 20. .lih6! com vantagem das brancas.

811 J. *;1 tL1


18. 'ii'h4 'it>f719. ~d8!
Esta jogada conduz as pretas a uma si-
7~A i Ai Ai tuação desesperadora.
6 19. n. 'ti'g6 20. :th6

. -=,
5
811 J ~. :i.!
4
7r. i
3 6
2188 8 88 5 A
:t ~$..if <i!t 1% 4
abcdefgh
31 8
11. ... b6 2 8 .8 8: 8 8
Se 11. ... bS 12. ~gS seguido de 'iihS.
1: ~, ~~<: ~·
12. ~g5 g6 abcdefgh

--
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES111

20. ... 'iVxh6 2. 'ii?b5!


A dama não tem saída. Por exemplo: 20. ... A oposição em diagonal.
'iVf521. g4 'iVdS22. 'iVe7+ ~g8 23. 'iVxh7+ ~f8 Não seria válido 2. q;cS? por 2. ... 'ii?c7!,e
24. 'iVxh8+ ~f7 2S.:t6 mate. as pretas ganhariam a oposição.
21. 'iVxh6 tbxd8 22. 'int5+ 2. ... ~c7 3. 'ii?c5~d7 4. ~b6 ~d8 5.
E as pretas abandonam. ~c6 'it>e76. 'it>c7'it>e87. <;!;>d6
rM7 8. ~d7, e
Com efeito, se 22. ... ~f6 23. 'iVeS+ ~g6 as brancastomamo peãoe ganhama partida.
24. 'iVe4+ ganhando a torre.
E se 22. ... ~g7 23. ':e7+ ~f6 24. 'iVh4+
~fS 2S. g4+ ~g6 26. 'iVhS+ ~f6 27. 'iVeS+ Mates típicos
'it>g628. 'iVfS+ 'it>h629. 'iVhs mate.
Mate de Ponziani

Final - A oposição em Lorenzo Domenico Ponziani (1719-


um final de peões 1796) foi um dos mais destacados jogadores da
escola enxadrística de Módena (Itália); em
A seguinte posição é muito instrutiva, pois 1769, publicou o livro El incomparablejuego del
acontece com assiduidade na prática. As bran- ajedrez.
cas ganham, mas devem ter o cuidado de fazer
as jogadas precisas porque, caso contrário, 1. e4 e5 2. i.c4 lbf6 3. d4 exd4 4. e5

.
podem inclusive chegar a perder. 'iVe7?5. 'iVe2lDg86.lDf.Jc5 7. o.olDc6 8. i.g5
f6
8

7
811 J. êJ.1j1
ni i i1l Ai
6 i 61 Ij i
5 8 51
4
i 8
41 .ti
3 <i>
31 tD
2
21888 fli888
abcdefgh
:tD : <i>
a b c d e f 9 h

o modo de ganhar é o seguinte:


9. exf6 'iVxe2 10. f7 mate.
1. ~c4!
A única jogada vencedora.
Se 1. ~d4 <;!;>d8!,
as pretas ganhariam a Exercício 20
oposição.
Lasker - Moll,
1. ... ~d7 1904
Outra possibilidade é 1. ... q;f7 para
tentar capturar o peão branco. Mas fracassa Na posição que mostra o diagrama, o cam-
por 2. 'ii?cS'ii?g63. 'ii?c6!Um erro grave seria peão mundial, E. Lasker, jogou f4. Você acha
3. ~d6? por 3. ... ~f51, e as brancas ficariam que com esta jogada se ganha, se perde ou se
em zugzwang. E se 3. ... 'ii?gS4. ~d7! ~fS S. empata? Em qualquer caso, indique o melhor
~d6. método para conduzir a partida.
112 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

8
- Creio que estou perdida, porque se movi-
mento meu rei para e8 ou f8 perco a dama e se
movo para g8, depois de lbxe6 seguido de lbxc7,
71 i .i perco a torre.
61 i Bogoljubow respondeu amavelmente:
- O que podemos fazer, se lhe parecer
51 8 8 adequado, é trocar de cores.
41 A senhora aceitou, encantada. Após isso, a
fi 8 partida continuou.
31 ,&
8. ... ~g8 9. lbxe6 'ike8 10. lbxc7??
2 8 i.b4! mate.
1
- Tartakower e os
a b c d e f 9 h
campeões do mundo
Tartakower disse:
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
- Philidor foi o primeiro a se dar conta
da importância dos peões; Morphy levou suas
Você quer trocar de cores? peças ao ataque contra o rei; Steinitz ten-
dia para o metódico; Lasker se caracterizava
Efim Bogoljubow foi um dos maiores joga- pela elasticidade; Capablanca pela lógica
dores de sua época, inclusive chegou a jogar as de luta; Alekhine, diferente de todos os de-
finais pelo campeonato mundial com Alekhine. mais campeões, perseguia o combate por si
Era ucraniano de nascimento, mas viveu a maior mesmo.
parte de sua vida na Alemanha. Em uma partida Por outto lado, quando lhe perguntaram
amistosa, jogada contta uma senhora (supos- quem era o melhor jogador de todos os tempos,
tamente a campeã feminina da Alemanha em respondeu:
1935), se produziu a seguinte situação: - Se consideramos o xadrez como ciência:
1. e4 e6 2. d4 d5 3. lbc3 dxe4 4. ttJxe4
Capablanca. Se consideramos o xadrez como
lbd7 5. lbf3 lbgf6 6. lbeg5 i.e7 7. lbxf7 arte: Alekhine. Se consideramos o xadrez como
~ 8.lbg5+ luta: Lasker.
Naturalmente, Tartakower não conhecia
811.1. I Fischer nem Kasparov, gênios posteriores a sua
71!'&
ii 1j..1. í i" época que, sem dúvida, deveriam ser incluídos
dentre os melhores.
61 ,a
5
CONSELHOS
4
3 1. Se um jogador tem muitos planos para es-
colher, sua posição é boa; mas, quando se
21888 888 está em inferioridade, as jogadas podem ser
obrigatórias.
1:f ~'if~~ : 2. Uma das habilidades mais importantes do
a b c d e 9 h enxadrista deve ser encontrar as fraquezas
do seu adversário para, com base nelas,
gerar um plano ganhador.
Bogoljubow, vendo o semblante preocu- 3. Não ataque se o adversário não tiver ne-
pado de sua oponente, perguntou-lhe o que nhum ponto fraco. Temos que criar debili-
ocorria, ao que a senhora respondeu: dades para logo após atacar.
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES113

4. Sempre existe uma casa de nosso adver- 7. Se você conduz as peças brancas, deve tentar
sário mais fraca que as demais. Sobre es- ganhar; não deve jogar pelo empate, a vitória
te objetivo devemos dirigir nosso exérci- é mais difícilde se obter com as peças pretas.
to. 8. Cavalos em posições fechadas e estáticas
5. Uma peça indefesa deve ser sempre um são mais potentes que bispos.
objetivo a explorar. 9. Os cavalos são peças de curto alcance: evite
6. No xadrez, devemos tentar ter o objetivo colocá-Ios nos extremos do tabuleiro.
mais claro possível; se trocarmos continua- 10. Os cavalos se coordenam, em termos gerais,
mente de plano, não obteremos bons re- melhor com a dama que com os bispos.
sultados.
CAPíTULO17 A revisão de
antigos dogmas
"Os erros estão sempre esperando que alguém os cometa."
(Tartakower)

Tartakower foi um personagem genial, tanto em seu jogo como em seus escritos. Criou
novas aberturas como a Catalã e a Orangotango. Suas revisões teóricas contemplam não só as
aberturas como também conceitos estratégicos e finais. Suas novas idéias participaram na for-
mação da escola hipermoderna, cujos representantes maiores foram Nimzowitsch e Réti.

SAVIELLYTARTAKOWER
Nacionalidade: Francesa, de origem russa.
Nascimento: Rostov (Rússia), 9 de fevereiro de 1887.
Morte: Paris, 5 de fevereiro de 1956.
Título: Grande Mestre.
Características de jogo: Inovador e imaginativo, representante da corrente hiper-
moderna. Foi um dos melhores jogadores do final de sua época.
Melhores torneios: Nuremberg, 1906; Munique, 1909; Viena, 1920; Bartfeld, 1926; Lon-
dres, 1927; Hastings, 1928; Barcelona, 1929 e 1934; Nice, 1930; Liege, 1930; Lodz, 1935;
Hastings, 1945; Veneza, 1947; Budapest, 1948; Beverwijk,1949.
Façanhas: Foi o criador de famosas aberturas, como a Catalã e a Orangotango. Revi-
talizou a Defesa Holandesa e criou linhas essenciais no Gambito de Dama.
Principal debilidade: Seus resultados irregulares.
Vida privada: Nasceu na Rússia e era de origem judaica. Viveu a maior parte de sua vida
na França. Em 1909, se doutorou em leis. Grande poliglota, dominava mais de cinco idiomas.
Lutou ativamente na Primeira Guerra Mundial. Foi um perfeito cavalheiro diante do tabuleiro
ou sem ele. Dotado de fino humor, foi um escritor brilhante e genial.
Legado: Sua obra escrita mais famosa é La partida del ajedrez hipermoderna, mas tem
outros livros magníficos como: Estrategia moderna, Breviario del ajedrez e Oshabla Tartakower.
Foi um incansável escritor e um dos periodistas mais famosos dedicados ao xadrez.
Consideração final: Um dos jogadores mais fortes dos anos 1926 a 1935.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 115

Partida 33 igualdade) 23. ... 'iVe224. 'iVf4~es 25. ~el 'iVxel


26. ~xel lhel 27. 'iVd2:te2 28. 'iVxd3lhb2 29.
Utilize seus peões para 'iVxh7com vantagem para as brancas.
debilitar o roque inimigo.
20. ... tiJf6 21. ~dl ~b7 22. a4 'iVe2 23.
s. Tartakower - S. Tarrasch 'iVxd4 'ikxc2 24. aS ~e4 25. 'ikal 'iVe2 26.
Goteborg, 1920 ~c1 ~c4 27. axb6 axb6 28. b5 ~b8 29. ~el
'iVc230. 'itVa6~e4 31. ~al.
Abertura dos dois cavalos E as pretas abandonam.

1. e4 e5 2. tiJf3 tiJc6 3. ~c4 tiJf6 4. d4


exd4 5. O-O tiJxe4 6. :te1 d5 7. ~xd5
'iVxd5 8. tiJc3'iVa59. tiJxe4
Final
Se 9.lhe4+?! ~e610. tiJxd40-0-0 11.~e3
id5 com vantagem das pretas; ou então 9. tiJxd4
Estudo de Horwitz e Kling,
1851
tiJxd410. 'iVxd4 ts, e as pretas ficariam melhor.

Torre contra bispo


9. ... ~e6 0-0-0 11. tiJxe6
10. tiJeg5
fxe6 12. ~xe6 ~e7 13. tiJe5 tiJxe5 A seguinte posição é muito instrutiva, já que
Depois de 13. ... 'iVds 14. 'iVg4!tiJxes 15. demonstra a possibilidade real de a torre vencer o
:Xes+ 'iVd7 16. 'iVxg7,e as brancas estariam bispo. Apesar de ser um estudo, reflete alguns dos
melhor. planos básicos que deve seguir o lado que tem a
torre para atingir a vitória.
14. ~xe7 :td7
Outras possibilidades seriam 14. ... :the8 81 fi
15. ~d2! (Não 15. ~xg7? tiJf3+ com vantagem
das pretas. 15. ... 'iVds 16. ~xe8 ~xe817. 'ikhs H 1:
com vantagem das brancas. Ou 14. ... ~hf8 15.
~d2; ou ainda 14. ... d3 15. ~f4. 6l
5
15. hd7 tiJxd7 16. M4:re8 17. h3 'iVf5
Se 17. ... 'iVb4 18. 'iVhs! :te 1+ 19. ~h2! 4 .a
com jogo melhor para as brancas. 3
18. .i.g3 'iVe4 19. 'iVd2 b6 20. b4 2
Ou então 20. ~dl cs 21. ~h2! aS 22.
c3 d3 23. f3! (23. 'ii'xd3 'iVxd324. lhd3 :te2 com

71
. I I.,
a b

1. ... ~gl!
c d e 9 h

Única alternativa, dado que de outra ma-


61_1 neira o bispo seria ameaçado e haveria o mate.
51 ~ Se 1. ... ~h8? 2. ~c7 ~f8 3. ~c8+ ganhando
o bispo.
4 I Ou 1. ... ~cs 2. ~c7 ~f8 3. ':c8 ganhando.
3
2

1:t,
.
w
2. ~f1!
Outras possibilidades não seriam boas.
Por exemplo: [2. ~d7? ~f8 3. ~f6 ~b6!! (3.
... ~e8? 4. ~e6 ~f8 S. %:tf7+~g8 6. cJtf6
.id4+ 7. Wg6 voltando à posição ganhadora
a b c d do início)].

-- - -----
116 ANTONIO LÓPEZMANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÃLEZ

2. ... it.h2 1. e4 e5 2.ltJfJ ltJc6 3. d4 exd4 4.ltJxd4


Nãovaleria 2. ... it.d4?3. 1:d1~b6 4. 1:b1, ft4 5. ltJb5 it.c5 6. 'iVfJ ltJf6 7. ltJxc7 + 'it>d8
já que ganharia o bispo. 8. ltJxa8 1:te8 9. it.d3ltJxe4 10. O-OltJxf2 11.
hf2 1:el+ 12. ~f1
3. 1:f2 it.g3
Se 3. ... it.g1 4. 1:tg2it.d4, entrando na va- 12. ... ltJd4 13. 'iVxf7 ltJe2+ 14. 'it>hl
riante principal. 1:txfl + 15. 1:txf1ltJg3 mate.

4. 1:g2f it.e5
Mas não 4. ... it.h4? 5. 'it>h5+, e ganharia o Exercício 21
bispo.
'Ou 4. ... ~d6 5. 1:td2 it.e7 6. 1:tc2'it>f87.
Estudo de Platov,
1:tc8+ ganhando. 1927
Tampouco valeria 4. ... it.c7? S. J:c2, ga-
nhando o bispo.
Na seguinte posição, cabe às brancas jo-
5.J:e2 gar. Você acha que podem empatar, ganhar ou
Melhor que s. 'it>fS+it.g7, e as brancas não têm de se conformar com a derrota? Explique
progridem na sua intenção de ganhar. sua resposta indicando as melhores jogadas
para os dois lados.
5. ... it.d6 6. 1:e8+ it.f8 7. 1:a8 'it>h88. -
J:xf8 mate. 8

Mates típicos 6

Mate de Bird 5

Henry Bird foi um jogador amador inglês, 4 6:


contador de profissão, que jogava um xadrez de
alto nível. A abertura 1. f4 leva seu nome, uma
3 ,1t'
vez que foi utilizada por este jogador com 21:
muita freqüência.
Asther - Bird, .........

a b c d e
1858 9 h

J.6 Exercício 22
i Short -
Arnason
6
ReyIgavik, 1987

J. Nigel Short nasceu em Leigh (Inglaterra)


5'
4 .. em 1965. Foi subcampeão mundial da PCA em
1993, após perder para Kasparov. Tem um esti-
3 'if lo agressivo e combinativo. Faz parte da atual
elite mundial do xadrez.
2188 8 :I: 8 8 Você é capaz de descobrir o elegante ar-
D. l'iJi. .i.~ remate que permitiu a Short ganhar a parti-
da?
abcdefgh

- - --- - - -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 117

8
7
Â
'ir i i
. 811
7 'i
 ..
i i~ Ij a. i
6 8 6
5 I 51 "
4 4
3 8 3
218 i 21888
-cit>
1:1 a
a b c d e f 9 h abcdefgh

ANEDOTAS E CURIOSIDADES A criação da Abertura Catalã

Partida 34 Tartakower introduziu pela primeira vez,


no torneio de Barcelona de 1929 (evento que
Tolstoi - M. Goldenveiser, se celebrou como um dos atos especiais da
Exposição Universal), o movimento 20 g3, que
1910
posteriormente recebeu o nome de Abertura
Gambito de Rei Catalã.
Leão Tolstoi, patriarca da literatura russa,
tinha o xadrez como uma grande paixão. Nor- Partida 35
malmente jogava com um dos seus melhores
amigos, M. Goldenveiser, professor do conser- Tartakower - Torres
vatório de Moscouo Jogou sua última partida Barcelona, 1929
em 4 de agosto de 1910, quando tinha 83
anos, e só lhe restavam três meses de vida. Abertura Catalã
Antes de jogar, disse ao amigo:
- Não é agradável jogar com você porque, 1. d4 lbf6 2. g3 g6
quase sempre, você ganha, mas hoje jogo a Torres optou pela variante simétrica. Outras
última partida da minha vida e vou ganhar. opções seriam 20... e6 ou 2. o..d50
Quero me despedir do xadrez com uma vi-
tória. 3. c4 c5
A partida transcorreu da seguinte ma- Na partida Tartakower - Monticelli, deste
neira. mesmo torneio, se jogou 3. ... ..tg7 40 ..tg2 O-O
1. e4 e5 2. f4 exf4 3.lbf3 g5 4. ..tc4 g4 5. e4 com melhores perspectivas para as bran-
5. lbe5 ft4+ 6. Wíl d5 7. ..txd5 f3 S. gxf3 cas.
ft3+ 9. ~e1 g3 10. d4 g2 11. 1:lg1ft4+
12. ~e2 lbh6 13. 1:lxg2 c6 14. ..txh6 cxd5 4. d5 d6
15. i.xf8 'ito>xf816. 'iVe1'iVe7 17.lbc3 f6 IS. Curiosamenteeste tipo de estrutura corres-
lbxd5 'iVd6 19. 'iVg3 fxe5 20. 'iVg7+ WeS ponderia atualmente à DefesaBenoni.
21. 'iVxhS+ 'iVíS 22. 'iVxe5+ ~dS 23. %:tg7
lbd7 24. 'iVg5+ ~eS 25.lbc7 mate. 5. lbc3 ..tt'S 6. i.g2 i.g7 7. e4 i.g4 S. f3
Tolstoi ganhou tal como havia anunciado, ..tc8 9. lbge2lbbd7 10. 0-0 h5 11. h3 aS
com uma formosa partida de estilo romântico Não serviria 11. o..lbe5? 12. f4lbxc4? 130
das que hoje já não se jogam mais. 'i'a4+ ganhando uma peça.

---
118 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

12. ~e3 llJb6 13. b3 ~d7 14. a4 'iicS 81 "


15. <t>h2llJh7 16. 'iid2 g5 17. f4
Não seria conveniente 17. ~xg5? llJxg5 18.
'iVxg5~e5, e as pretas teriam um forte ataque
pelo peão perdido.
71
61
,.
Ai ,
.&
81
17. ... h4 IS. gxh4 5111 8 .& 8 8 tD
Seria mais sólido 18. g4, mas as brancas 41 8
querem entrar em um jogo mais agressivo.
3 8 ci>
IS. ... g4 19. fS gxh3 20. ~xh3 ~f6
21. ~g5 llJxg5 22. hxg5 ~e5+ 23. ~g2 2
'iic7 24. llJgl
Com a idéia de ocupar a casa f3 e expul- . . .< :
sar o indigesto bispo situado em e5. a b c d e f 9 h

24. ... 0-0-0 25. llJt3 ~g7 26. llJb5!


Um sacrifício posicional para manter a 3S. ... Ith6+?
iniciativa. Uma boa opção para as pretas seriam 38. ...
AgI 39. Axgl 'iixf5+ 40. Ag4 'lif3+ 41. c;t>h4
26. ... ~xb5 27. axb5 ~xal 2S. Axal com grandes possibilidades de empate pelos
ItdgS 29. 'iixa5 ~d7 incômodos xeques da dama preta.

81
n
.1
.&".1.&.&.1
I 39. ~g2 Ag6+ 40.llJg3 'lidS 41. b4 'iL'bS
42. bxc5 dxc5 43. :t'3 Ag4 44. e6! 'i!ld6
Outras alternativas não serviriam. Por exem-
61 .& plo: 44. ... fxe6? 45. f7!; 44. ... Axc445. e7. 1tc2+
46. 'it>f1!
51' tD .& 8 88 45. e7 ItgS 46. 'iie1 lteS 47.llJfS!
418 8 8 As pretas abandonam, visto que todas as
projeções levam à vitória das brancas. Por
3F 8 tD i. exemplo:
47. ... 'iixf6 48. 'iig3+ c;t>c849. llJd6+ com
21 11 ci> clara vantagem.
47. ... 'iid7 48. 'iie5+ 'iic7 49. 'lixc7 + 'iL'xc7
11 ]:[ 50. llJg7 com vantagem decisiva.
abcdefgh 47. Itg8+ 48.llJg7 com vitória das brancas.

81 fi I
Se 29. ... f6 30. g6 'iL'd731. ~g4 lta8 32.
'iVc3Itxal 33. 'iixal Itd8 34. 'iib2, e as brancas 71 .& 8.&
estariam melhor graças ao seu perigoso peão
passado em g6.
61 li .. 8
51 8.& 8 tD
30. f6+ Itxh3 31. 'iL'xh3 exf6 32. gxf6
'iidS 33. 'iic3 1ic7 34.llJh4 'licS+ 35.llJfS 41 8
Itg6 36. ltf1llJd7 37. 'iia5+ llJb6 31
Em caso de 37. ... 1ib8 38. b6! 'i!lh8+ ];L
39. llJh4 Axf6 40. Aal 'it>c841. 'iia8+ llJb8 21 ci>
42. lta7 com clara vantagem para as bran-
cas.

3S. e5! a b c d e 9 h

-- -- - - - - -
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES119

,a ., ,
Uma Abertura Catalã espetacular 81 '1 "Tê )I
Partida 36 7

A. Alekhine - K. Junge 61:..


Praga, 1942 51 ,.&
Abertura Cata lã 4
1. d4 d5 2. c4 e6 3. tLlf3tLlf64. g3 dxc4 3 J..8
5. 'ifa4+ tLlbd7
Na partida Junge - Alekhine (Munique,
2 8'if 88 8
1942), Alekhine jogou 5. ... ~d7, com
um plano completamente diferente ao des- abcdefgh
~: ~
ta partida. A pretensão de Junge é o rápio
avanço dos peões do flanco da dama com-
binado com o desenvolvimento do bispo por Um magnífico e inesperado sacrifício de
b7. Alekhine, que é perfeitamente correto.
18. ... 'ifxa6 19. 'ifxc5
6. ~g2 a6 7. 'ifxc4 b5 8. 'ifc6
Impedindo o roque das pretas, tal como
O habitual é a retirada da dama para c2,
havia previsto Alekhine.
mas a intenção de Alekhine era tirar a torre pre-
ta da coluna "a". 19. ... 'iVe6
No caso de 19 tLld720. ~c6 f6 21. 'ifd6
8. ... :b8 com múltiplas ameaças por parte das brancas.
Uma jogada correta, mas talvez fosse mais
flexível a 8. ... :a7, com a possibilidade de 20. ~c6+ tLld7
deslocar a torre no futuro para c7 ou d7. Não seria bom 20. ... ~d8? 21. ~d2 b4 22.
:al! 1:c8 23. 'ifb6+ ~e7 24. iLxb4+, as
9. o-o iLb7 10. 'ifc2 c5 11. a41 brancas ganhariam.
Um magnífico sacrifício posicional: a 21. ~xd7+ ~xd7
aceitação do peão cedido ocasionará graves Muito mal seria 21. ... 'ifxd7?? 22. 'iVxe5+,
problemas às pretas. e se ganha a torre de b8.
11. ... ~xf3 12. iLxf3 cxd4 13. axb5 22. 'ifa7+ ~c6
axb5 14. :dl ft6 Nãovale22. ...~c8? 23. ~d2 seguidode 1:c1+.
Não seria bom 14. ... ~c5? 15. iLf4 e5 16.
~xe5 tLlxe517. 'ifxc5 tLlxf3+ 18. exf3 'iVe719. 23. ~d2 1:hc8 24. e4 ft3
'ifxd4 com vantagem das brancas.
81 "11
.
15. tLld2 e5 16. tLlb3 tLlc5?
Teria sido melhor 16. ... ~e7 17. e3 dxe3 71'if
18. ~xe3 'ife6, e as brancas ganhariam van-
tagem posicional em troca do peão cedi-
do.
61
5
4
, '8,
17. tLlxc5 ~xc5
Se 17. ... 'ifxc5 18. iLc6+ tLld7 19. 'ilVxc5 3 8
~xc5 20. :a5 recuperando o peão e ficando em 2
melhor posição.
J.. 8 811
~J:[t, .,~~
18.1:a611 a b c d e 9 h

--- ---
120 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

As brancas ameaçam 25. :c1 + 'it>d626.


i..b4+. CONSELHOS
As pretas deveriam ter jogado 24. ... b4! 25.
:al ct>b5!para escapar via c4-d3. 26. 'iVa4+ 'it>c4 1. Um contra-ataque no centro é a melhor
27. 'iVc2+ 'it>b5, e as brancas deveriam se estratégia ante um ataque do nosso adver-
conformar com o empate. sário em um dos flancos.
2. A ordem das jogadas é muito importante no
25. :al b4 xadrez; tenha cuidado em não alterar a
Não 25. ... :b7 por 26. :c1 +. seqüência de lances.
3. "Em um ataque, o material tem impor-
26. lla6+ 'it>b527. :a5+ 'it>c6 tância secundária." (Fine)
Não se pode jogar 27. ... 'it>c428. 'iVa6+ 4. "Roque quando sentir necessidade, não sim-
:b5 29. 'iVxb5mate. plesmente porque pode fazê-Io." (Napier)
5. Cálculos de variantes não se devem mis-
28. 'iVc5+ 'it>d729. lla7+ turar. Primeiro deve-se analisar uma linha
E as pretas abandonam. de jogo e, quando esgotar, analisar uma
outra.
6. Não se trata de fazer sempre a melhor joga-
Fischer e suas 60 da, mas uma que nos proporcione algum
memoráveis partidas tipo de vantagem segundo um determinado
plano lógico.
Quando Bobby Fischer escreveu o livro Mis 7. O valor das peças é sempre relativo e de-
memorables 60 partidas, primeiro comentou pende da posição no tabuleiro a cada mo-
50, mas logo teve um ataque de paranóia e mento, por isso, no xadrez, se podem reali-
rasgou seus comentários. O editor do livro lhe zar sacrifícios e entregas de material.
disse que sem seus comentários aquelas par- 8. O xeque a descoberto é uma das jogadas
tidas não teriam nenhum valor. Muito tempo mais efetivas no xadrez.
depois, refez os comentários, porém, como 9. Normalmente a dama combina melhor com
havia jogado muitas outras partidas, teve de o cavalo que com o bispo.
acrescentar mais dez, originando finalmente 10. "O rei é uma peça poderosa; utilize-a." (Fine)
o livro.
CAPíTULO 18 o jogo científico
"Da mesma forma que um médico deve ter uma imagem clara do
estado patológico para planejar um tratamento, o jogador de xadrez
deve traçar um plano de acordo com as características da posição.'
(Euwe)

Max Euwe conseguiu chegar a campeão mundial sem deixar de exercer suas tarefas de profes-
sor universitário. O xadrez foi para ele objeto de investigação científica, estudou a teoria das
aberturas e sistematizou todos os seus descobrimentos. Foi um jogador amante do jogo sólido,
embora também dominasse o jogo tático. Se converteu no mais prolífico escritor dentre todos os
campeões mundiais.

MAX EUWE
Nacionalidade: Holandês.
Nascimento: Watergrafsmeer, 20 de maio de 1901.
Morte: 1981.
Títulos: Campeão do mundo entre 1935 e 1937.
Características de jogo: Grande preparação técnica. Primeiro teórico das aberturas
modernas.
Melhores torneios: Treze vezes campeão da Holanda; Amsterdã, 1924; Haia, 1928;
Hastings, 1930 e 1934; Londres, 1946; Berlim, 1950; Gijón, 1951.
Façanhas: Vencer Alekhine na Holanda, em seu encontro pelo campeonato do mundo em
1935, quando Alekhine era o claro favorito.
Principal derrota: Ante Alekhine em 1937, pelo campeonato do mundo.
Principal debilidade: Não se dedicar por inteiro ao xadrez. Compartilhou sua paixão
pelo xadrez com sua carreira de professor de matemática.
Vida privada: Foi professor universitário e presidente da FIDE entre 1970 e 1978. É
considerado por quem o conheceu como um grande cavalheiro em todos os aspectos.
Legado: Foi o mais prolífico escritor dentre todos os campeões do mundo. Seu mais famoso
trabalho são suas monografias sobre aberturas. Escreveu,dentre outros, Estrategiaytáctica,Criterioy
táctica,The developmentsof ChessStyle, ElMediojuego (em colaboração com Kramer) e TheRDadto
ChessMastery (escrito em parceria com Meiden).
Consideração final: Jogador de grande preparação teórica, muito hábil em todas as
fases do jogo.
122 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 37 Voltando à posição, é digna de conside-


ração a simples 7. c6, pois, para poder retirar
Cuidado com o "trem". o bispo a e7, as pretas se vêem obrigadas a
trocar peões, com o que perdem um tempo
M. Euwe - B. Fischer muito valioso.
Nova York, 1957
8. .td3 lDc6
Gambito de Dama Inferior seria 8. c4 9. .tc2, porque as
brancas terminariam seu desenvolvimento
Esta partida ocorreu em um encontro com os lances lDe2 e O-O, e logo obteriam
jogado em Nova York, quando o jovem uma clara superioridade mediante f3 segui-
Bobby Fischer enfrentou o ex-campeão mun- do de e4!
dial Dr. Euwe. É uma partida de jogo posi-
cional, na qual Euwe demonstrou a efeti- 9. lDge2 cxd4
vidade do ataque conhecido como "o trem", Não se pode demorar mais nesta troca. Se
que consiste em ameaçar mate com a da- 9. ... o-o 10. o-o cxd4 11. .txf6 'ifxf6 12.lDxd4
ma protegida por um bispo. Por isso, não e ganharia um peão.
desanime! Se a Fischer, que seria mais tar-
de campeão mundial, puderam aplicar a 10. exd4 O-O 11. O-O.te6
"máquina do trem", também poderão ten- Uma vez mais, observamos o típico proble-
tar sobre você, mas nem por isso desista ma das pretas no Gambito de Dama: o desen-
do empenho de seguir melhorando cada vez volvimento do bispo da dama. Má seria a alter-
mais. nativa: 11. ... .tg4 12. f3 .th5 13. g4 .tg6 14.
.txg6 fxg6 15. lDf4.
1. d4 lDf6 2. c4 e6 3. lDc3 d5 4. cxd5
12. .tc2!
Por inversão de jogadas voltamos ao Gam-
bito da Dama, Defesa Ortodoxa, em que as ABbrancas aproveitam o frágil avanço pre-
brancas elegem a variante da troca. to h6 para preparar um ataque sobre a diagonal
bl-h7, dado que g6 das pretas debilitaria ainda
mais o roque e ofereceria possibilidades de
4. ... exd5 5. .tg5 .tb4 sacrifícios.
Embora não se possa qualificar como uma
má jogada, este movimento é menos natural 12. ... .te7 13. lDf4
que a simples e teórica 5. .te7. Não serviria 13. 'ifd3 por causa de lDb4.
Agora as brancas especulam com a má coloca-
6.e3 ção do bispo da dama preta e preparam seu
Este é melhor que 6. lDf3,já que reserva a cavalo para o sacrifício em g6, no caso das pre-
possibilidade de desenvolver o cavalo por e2. tas adiantarem seu peão "g" contra a amea-
Devemos tentar, sempre que possível, jogar ça 'ifd3.
da forma mais "flexível" que pudermos, para
não dar pistas ao adversário sobre nossos 13. ... 'iVb6?
planos. A situação das pretas já é muito difícil, mas
este lance precipita o desenlace. Melhor teria sido
6. ... h6 7. .th4 c5 13. ... g5 14. lL\xe6fxe6 15. .tg3 'ife8 16. .te5
Ojovem Bobby Fischer jogou com a mesma 'iVh5com certo contrajogo.
agressividade que Botvinnik, na sua idade (14
anos), mostrou quando lutou contra Capa- 14. .txf6 .txf6 15. 'ifd3 1Ud8
blanca numa sessão de simultâneas que o ge- Evidentemente, se 15. ... g6 16. lDxg6 fxg6
nial cubano realizou em Leningrado no ano de 17. 'ifxg6+ .tg7 18. 'ifxe6+, etc.
1925. Nessa ocasião, e onde Capablanca, após
ver-se superado, afirmou que seu jovem rival 16. J:tfellDb4
chegaria a campeão mundial, vaticínio que se Ante a ameaça 'ilkh7+. Tampouco seria
cumpriu em 1972. solução: 16. ... g6 17. ':xe6.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 123

17. 'iVh7 + 'iitf8 o presente estudo de Ricardo Réti im-


pressiona à primeira vista. Como o rei bran-
811 '. co, longe duas casas do peão em h5, pode

711i i 'i. impedir sua coroação? Não vale o caminho


reto 1. 'ít>h7,h4; 2. 'ít>h6, h3, etc. Como se
61 'li .t .t i; fosse pouco, o rei preto controla a coroação
do peão em c6, do qual se encontra a uma
casa de distância.
5 .. O lance das brancas para deter o peão da
4 8 coluna "h" é o seguinte:
3 ti), .. 1. 'ít>g7!
Genial!As brancas seguem o caminho em
218 8..t 818 formatriangular via f6, e5, f4, g3, h2.
]:1 ~:~. 1. ... h4 2. ~f6! 'ít>b6
a b c d e f 9 h Depois de 2. ... h3 3. 'ít>e7h2 4. c7 ~b7 5.
~d7, ambos os peões coroariam e ocorreria no
empate.
18. a3!
3. 'ít>eS!'ít>xc6
Magnífica jogada que distingue um grande Novamente falhava 3. ... h3 4. ~d6 h2 5. c7
jogador como Euwe e que termina a partida ~b7 6. 'ít>d7.
com um formoso remate.

18. ... tbxc2 19. tbcxdS 1hdS 20. 4. 'ít>f4h3 S. 'iitg3 h2 6. 'iitxh2 e em-pate.
tbxdS Demonstra-se com esse estudo que no xa-
drez a linha reta não é o caminho mais curto
E as pretas abandonam ante a inevitável
perda da dama ou mate com 'ii'h8. entre dois pontos.

Final - Antigeometria enxadrística Mates típicos


Mate de Anastasia
Estudo de Réti,
1921
Nome tomado da novela de Wilhelm Hein-
o xadrez contra as se Anastasia und das Schachspiel (Frankfurt,
regras da geometria 1803).

8 81 ]I . !
7 n;.-.t . "," i:
6* 8 6 i
5 5
4 4 .t.
3
318 8
2 218
1
.í..
a b c a b c d e 9 h

- --
124 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

1. ... ~e7n 2. f3 ':xh2+ 3. ~xh2 ':h8+ o jogador das brancas:


4. ~h6 .:xb6 mate. - Ofereço empate.
o"
O jogador das pretas:
8 - Sinto muito, mas a partida está ganha
para mim.
7 IIi. .4.j .ii 1. ... h5 2. ~f3
6 il
5 8

318
218
.,tI
8
8i1J'
7

5
.
4
1~ 11,
a b c d e f 9 h 3 i
2 i1J.4.
Exercício 23
1 '.:. . .. '8

Estudo de Przepiorka a b c d e 9 h

As brancas jogam e ganham 4 jogadas


O jogador das brancas:
8
- Mas você não sabe que os finais com bispos
7 de diferente cor não se podem ganhar?
6 ii i* 2. ... ~g5
O jogador das pretas:
5 1.1 - Se é empate, logo veremos no final da
partida.
4 ili
3 3.~e2
As brancas:
2
- Renovo minha oferta de empate, você não
vê que é impossível ganhar?
a b c d e 9 h 3. ... ~h4
As pretas:
- Por favor, não me moleste mais com sua
Nesta estranha posição, as brancas devem dar oferta de empate.
mate o mais rapidamente possível. Você é capaz de
encontrar uma fonna de dar mate em 4 jogadas? 4.~f3
-Empate?
ANEDOTAS E CURIOSIDADES 4. ... ~h3
- Mas você não percebe que só tem um
Não aceito empate! bispo e eu não posso perder?

A seguinte posição ocorreu em Nova York, 5. 'it>e2 h4??


em 1888. A partida e o diálogo entre os adver- O jogador das pretas percebe, de repente, seu
sários continuou da seguinte forma: erro e oferece a mão ao adversário, dizendo:
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 125

- Bem, agora sim, creio que é empate. 2. No xadrez, a linha reta não é o caminho
mais curto entre dois pontos.
6. ~f3 3. Nunca conte o material fora do tabuleiro,
- Vamos jogar mais um par de jogadas. mas apenas as peças que estão dentro dele;
Agora eu não quero empate. suas peças podem estar misturadas com as
dos outros jogadores.
6. ... iLgl 7. .i.g2; mate! 4. Considere que, toda vez que você avança
um peão, domina novas casas, mas deixa
de dominar outras.
Viver para e pelo xadrez 5. É necessário compreender a "filosofia" das
aberturas, suas idéias fundamentais.
Ruben Fine opina sobre Alekhine: ')\J.ekhi- Aprender jogadas de memória sem enten-
ne amava o xadrez, para ele era a sua própria dê-Ias não serve para nada.
vida. Em suas viagens em trem ou barco, de- 6. Estude em profundidade umas poucas
aberturas. É interessante conhecer um
dicava longas horas a analisar novas linhas.
Qualquer partida jogada por ele ou por qual- pouco de todas e se aprofundar apenas em
duas ou três com as brancas e com as
quer outro era interessante para originar no-
vas idéias. Em seus dias livres, divertia-se jo- pretas.
7. Cuidado ao mover os peões, pois são as
gando partidas rápidas. Vivia para o xadrez e
únicas peças que não podem retroceder.
só para o xadrez". 8. "No xadrez, quando se joga com um ad-
versário mais forte, as duas armas dispo-
níveis para vencê-Io são a lógica e a ima-
CONSELHOS ginação." (J. R. Capablanca)
9. Os finais não são entediantes; podem ser
1. Denomina-se "trem", em termos enxa- ricos em possibilidades táticas e estra-
drísticos, a combinação de dama e bispo tégicas.
apontados contra o roque adversário. Trata- 10. Nunca jogue para empatar ou para ganhar,
se de uma arma de alto risco para o bando mas simplesmente se limite a fazer sempre
defensor, já que pode produzir perigosas a melhor jogada que a posição requer.
combinações sobre o rei.
CAPíTULO 19 o princípe
coroado
"O final é a parte do jogo em que as vantagens conseguidas
na abertura e ~o meio-jogo se convertem em vitórias."
(Keres)

Paul Keres talvez seja o mais forte jogador da história do xadrez que não chegou a ser campeão
mundial. Seu jogo se caracterizava, a princípio, por audazes combinações para passar depois a um
estilo mais repousado, mas não isento de brilhantismo. De caráter organizado e metódico, foi um
dos jogadores mais talentosos de sua época.

PAUL KERES
Nacionalidade: Estoniano.
Nascimento: Narva (Estônia), 7 de janeiro de 1916.
Morte: Junho de 1975.
Títulos: Grande Mestre Internacional.
Características de jogo: Evoluiu de um jogo agressivo e audaz para um mais pausado,
posicional e teórico.
Melhores torneios: Sete vezes candidato ao Campeonato Mundial; AVRO,1938; Campeão
da URSS de 1947, 1950 e 1951; Talin, 1936; Margate, 1937; Buenos Aires, 1939; Salzburgo,
1943; Madri, 1943; Riga, 1945; Budapeste, 1952; Hastings, 1954; MardelPlata, 1957; Hastings,
1958; Zurique, 1961; Los Angeles, 1963; Estocolmo, 1966; Bamberg, 1968; Budapeste, 1971;
Tallin, 1975; Vancouver,1975.
Façanhas: Vencer o torneio de AVRO,que lhe deu o direito de disputar o campeonato do
mundo contra Alekhine.
Principal derrota: Seu encontro com Alekhine pelo Campeonato Mundial não pôde ser
disputado devido à Segunda Guerra Mundial.
Principal debilidade: Sua má sorte.
Legado: Junto com Euwe, foi o melhor autor de textos relacionados com a teoria das
aberturas. Escreveu excelentes livros sobre suas melhores partidas.
Vida privada: Pessoa de modos esquisitos, espírito ordenado e caráter autocrítico. Toda
a vida teve infortúnios que marcaram sua carreira enxadrística. Suas idéias democráticas lhe
ocasionaram grandes problemas.
Consideração final: Um dos Mestres mais fortes, consistentes e populares de sua
época. Ganhou o título de "Príncipe coroado".
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 127

Partida 38
-
Thomas Keres
8
7
ê.
.A.i ii
I
Margate, 1937
6 , .A. i
Abertura Espanhola
Procure não colocar
5 i ..
seus cavalos nos extremos
4 8 tiJtiJ
do tabuleiro, já que é o lugar 3 8 8
onde são menos efetivos
e mais vulneráveis. 2 8 fJJ888
:1 J. :<1>
A seguinte partida, jogada por Keres no
torneio de Margate, nos mostra que, ape- abcdefgh
sar deste genial enxadrista nunca ter chega-
do a ser campeão mundial, foi um dos gran- 20. cJth1 'ii'h5!
des jogadores da história do xadrez. Ke-
O cavalo de h4 não tem como se retirar
res tinha grandes conhecimentos teóricos e bem.
se distinguiu por seu magistral jogo combi-
nativo.
21. c5 J:he8 22. 'ii'c2
1. e4 e5 2. lbf3lbc6 3. ~b5 a6 4. ~a4 No caso de 22. ~e3 'ii'xh4 23. cxd6 ~xg2+
lbf6 5. lbc3 24. '1txg2 lbf4+ ganhando a dama.
Uma continuaçãopoucousual. 22. ou 'ilxh4

5. ou b5 6. ~b3 d6!? Também seria bom o simples ~xc5.


Convidando as brancas a jogar lbg5. 23. cxd6?
Tampouco adiantaria 23. c6 ~xc6 24.
7. lbg5 d5 8. lbxd5 'ii'xc6lbxf2+! 25. 'it>gllbxg4 26. 'ifxa6+ ~d7.
No caso de 8. exd5 lbd4 9. d6 lbxb3 10. Melhor seria 23. f3! ~xc5 24. 'ii'xc5 Ae2 25.
dxc7 'ii'xc7 11. axb3 ~b7, a vantagem seria das 'ii'f5+ ~b8 26.lbe3 ante a ameaça h5. Se 26. ...
pretas, apesar do peão cedido. lbf2+ 27. ~gl lbxd3 28. 'ii'xf7 'ii'd4 29. 'ii'e7
lbxcl 30. Aaxc1 'ii'xe3+ com clara vantagem
8. ou lbd4 9. lbe3 das pretas.
Outra possibilidade seria 9. lbc3 lbxb3 10.
axb3 b4 11. lba4 h6 12. lbf3 lbxe4 13. 'ii'e2 23. ou hg2+!
~b7 14. d3lbg5 com jogo complicado.
8 êll
9. ou lbxb3 10. axb3 h6 11. lbf3 lbxe4
12. lbxe5 'ii'f6 13. lbf3 ~b7 14. 'ii'e2 0-0-0
7 , i'
15. O-O~d6 16.lbg4 'ii'ES 17. d3
A lbe3 seguiria 'ilh5 com diferentes amea-
6 i 8 i
ças, como lbc3 seguido de ~xf3.
5 i
17. oulbg5 18.lbh4 'ii'd5 19. c4?
4 tiJir
Parece melhor 19. f4, pois, após este lance, 3 8 8 Ij
as pretas jogariam 19. ... lbe6 com boas
perspectivas de ataque.
2 8fIJ 8.A.8
19. ...llJh3+!
:1 J. : <1>
a b c d e 9 h
128 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

24. ~xg2 'iVxg4+ 25. ~hl 'iVf3 mate. peão da torre ficaria solitário e não poderia
ganhar a partida.
Final 3. ... ~d5 4. i.f8 ~e5 5. ~c4! ~e4
6. ~b4 d3 7. i.h6 ~d4 8. <t>xa4~c4 9.
Estudo de Batuyev, i.d2
1940 E as pretas se encontram em zugzwang e
não podem evitar perder os peões e a par-
Final de bispo contra peões tida.
O seguinte diagrama mostra um instrutivo
final de bispo e peão contra três peões que de-
monstra a utilidade de ter conhecimentos so- Mates típicos
bre esta fase da partida. A estratégia branca
consistirá, comoé evidente, em não permitir a Mate de Keres
troca de seu único peão. Os tempos de espera
com o bispo, sem se precipitar em tomar o Keres
1956
- Friedrich,
peão da coluna "d", são vitais para conseguir a
vitória. 1. e4 e5 2. lbf3 lbc6 3. d4 exd4 4.
lbxd4 lbge7 5. lbc3 g6? 6. i.g5 i.g7
8

7 811 .4... I
61
5
. 71.*
61
il
1\
i 1\ " .1.."
"
41i" ,, 51 ~
3 4 tiJ..8
2r 8 31 tiJ
2188 8 888
-
a b c d e f 9 h 1:! 'ti'st>.i. ]:[
a b c d e 9 h
O final se ganha como segue:
1. i.f6!
Não serviria: 1. i.xb4? <t>b52. i.f8 a3!!,
uma surpresa inesperada. Se 3. bxa3 empa- 7. lbd5! i.xd4 8. 'iVxd4!! lbxd4 9.
te, dado que o peão da torre coroa em casa lbf6+ ~f8 10. i.h6 mate.
branca, de cor diferente das casas onde circula
o bispo branco. E se 3. i.xa3 ~c4 4. i.e7 ~b3
5. i.a3 ~c4 6. ~f3 ~b3 7. <t>e2~c2 com em- Exercício 24
pate.
1. ... ~c5! 2. ~d3!
Capablanca - Spielmann
San Sebastián, 1911
Nãoseriabom2. i.xd4+? ~c4 3. i.e5 ~b3
4. ~d3 a3 com empate. As brancas jogam e ganham
2. ... b3 3. i.g7! Na partida de Capablanca contra Spiel-
Um tempo de espera necessário. Não seria mann no torneio de San Sebastián, em 1911,
bom 3. i.xd4+ ~b5! 4. ~c3 a3! 5. bxa3, e o se produziu a seguinte posição:
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 129

8 3. ... exf6 4. e3 iLg7 5. ~d3 d5


Também seria possíveIS. ... d6 6. ttJe2 f5 7.
J. ttJf4 ttJd7 8. c3 c6 9. ttJd2 ttJf6 10. 'i1Vb3
ligeira vantagem para as brancas.
O-Ocom
6 Ou então 5. ... f5 6. 'ilt'f3ttJc6 7. c3 b6 8.
ttJe2 iLb7 9. 'ilt'g3o-o 10. h4 h5 11. ttJd2 ttJe7
51 8 12. ttJf4 ttJd5 13. ttJxd5 iLxd5 14. 0-0-0 aS 15.
41 8 Wb1 com jogo igual.
31 8 6. ttJe2 o-o 7. h4 f5 8. ttJf4 b6 9. ttJd2
iLb7 10. h5 1:te8
218.i I 884 Se 10. ... g5 11. h6 iLf6 12. ttJh5, e as
brancas ficariam melhor.
~
a b c d e 9 h 11. hxg6 hxg6?
Seria melhor: 11. ... fxg6.
a) 12. g4 'ii'g5 (12. ... 'ii'd6 13. 'ilt'f3iLxd4 14.
Capablanca encontrou um plano ganha- 0-0-0 fxg4 15. 'ii'xg4 iLe5 16. ttJc4 'ilt'd7
dor. Você saberia indicar como ele continuou 17. ttJxe5) 13. 'ilt'e2ttJc6 14. c3 fxg4 15.
a partida? 1:tg1iLc8 16. iLb5 iLd7 17. iLxc6.
b) 12. g4.

ANEDOTAS E CURIOSIDADES 12. 'ilt'f3!?


Uma jogada arriscada para preparar rapida-
Partida 39 mente o roque grande. Maistranqüilo seria 12. c3
c5 13.dxc5 bxc5 14. 'ilt'f3ttJd7 15. iLb5
Com vantagem posicional das brancas.
A. López - J. Hernández
Barcelona, 1980 12. ... 'ilt'd6?
Um erro claro. Aqui se deveria jogar 12. ...
Abertura do peão da dama iLxd4 13. 0-0-0 iLe5 14. Wb1 com jogo mais ou
Quando o adversário o obriga a ganhar menos igual.
No xadrez, não é suficiente desenvolver as 13. 0-0-0 ttJd7
peças; estas devem se colocar nas casas mais
As pretas conseguiram acabar seu desen-
adequadas de acordo com um plano predeter- volvimento, mas suas peças estão descoorde-
minado. A partida seguinte, disputada por
um dos autores deste livro, é um interessante nadas, enquanto as brancas apontam para um
claro objetivo: o rei preto.
exemplo de como castigar a falta de um plano
adequado por parte do adversário.
14. g4!
1. d4 ttJf6 2. iLg5 g6 Com a intenção de abrir uma nova coluna.
Esta última jogada das pretas permite às
brancas dobrar um peão preto e, em certas varian- 14. ... fxg4 15. 'ii'xg4 c5
tes, atacar perigosamente o flanco do rei preto. Se 15. ... ttJf6 16. 'ilt'g5c5 17. ttJf3 com
melhorjogo para as brancas.
3. iLxf6
Outra possibilidade seria 3. ttJd2 iLg7 4. c3 16. 1:tdg1 c4?
d5 (4. ... c5 5. R-xf6~xf6 6. ttJe4 'i1Vb6 7. ttJxf6+ Sem considerar a entrega do bispo em g6. Se
exf6 8.1:tb1d6 9. e3 o-o 10. ttJf3ttJc611. R-d3;4. 16. ... cxd4 17. exd4 ~xd4? 18. ttJxg6 fxg6 19.
... d6 5. e4 O-O6. iLc4 ttJbd7 7. ttJe2 c5 8. f3 'ilt'a5 iLxg6 iLxb2+ 20. Wb1, as pretas perderiam.
com igualdade) S. e3 O-O6. .tf4 b6 7. .td3 .tb7
8. ttJgf3 ttJe4 com jogo mais ou menos igualado. 17. iLxg6!

----
130 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

811
7IA A Ij
I
AA
. 8

711 A
I
'iV
I

61 A 11 .t 61 I ir 4&
51 A 5 i llJ fi ..:1
41 i tt).. 'iV
4 At:5
31 3
t:5
21 tt) 2I ~lJ. ~tt) lJ
1:t1:t ~
a b c d h a b c d e 9 h
e f 9

17. ... fxg6 18. tlJxg6! Precisamente a entrega decisiva, que levou
a um belo final.
Ameaçando :h8+.

18. ... tlJf6 24. ... ~xg5 25. ~g6+ ~h4 26. tlJdf3+
No caso de 18. ... ~e6 19. 'iVh4 ~f6 20. ~h3 27. ~g3 mate.
~h7+ ~f7 21. :h6!, a ameaça tlJeS+ seria Graças a meu adversário, realizei uma das
decisiva. melhores partidas de toda a minha vida.

19. ~g5
Ameaçando tlJh4. Capablanca: mais que
uma pessoa, uma máquina
19. ... :ac8?
A posição estava ruim para as pretas, mas Alekhine comentou em uma ocasião: "No
este erro acelera o seu final. Se 19. ... tlJh7 20. torneio de São Petersburgo de 1914, Capa-
~h4 tlJf8 21. tlJeS :xeS 22. ~h8+ ~f7 23. blanca jogava partidas rápidas a um minuto
~xg7 + com clara vitória das brancas. contra cinco de qualquer mestre da localidade
20.:th8+! e sempre vencia. Era incrível sua velocidade
de pensamento".
Fazendo as pretas entrarem em uma espe-
tacular rede de mate.

20. ... ~f7 CONSELHOS


Não seria bom 20. ... iLxh8? 21. tlJxh8+
~xh8 22. ~g7 mate. 1. Não esqueça que o roque é uma das jogadas
imprescindíveis em quase todas as partidas.
21. tlJe5+ ~e6 22. 'iVxg7 :txh8 23. 2. Procure centralizar seus cavalos. Nos extre-
~f7+~f5 mos do tabuleiro, eles apresentam pouca
Neste momento, muito apurado no tempo, efetividade.
rocei a torre com uma mão e instintivamente dis- 3. Muitas vezes é pior uma peça desenvolvida
se: J'adoube! Meu adversário, muito nervoso, em uma casa ruim que uma peça não-de-
disse que eu era obrigado a mover a torre porque senvolvida.
a havia tocado e a palavra J'adoube havia sido 4. A vantagem material pode ser determinante
pronunciada depois de tocar a peça. Refleti du- para obter a vitória numa partida, mas a po-
rante alguns segundos e joguei: sição é sempre mais importante.
5. Quando se inicia um ataque no tlanco, deve-
24. :g5 +!! se ter o centro bastante protegido ou fecha-

--
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES131

do para que nosso inimigo não consiga um 8. Num final de torre contra peão, o cava-
contra-ataque nessa parte do tabuleiro. lo e o rei débil devem manter-se unidos
6. Se o centro está dominado por nossos peões, e nunca ir a uma das esquinas do tabu-
devemos colocar as peças de tal forma que leiro.
apóiem um possível avanço para invadir o 9. Para defender-se em um final de torre contra
terreno do adversário. bispo, o rei deve tentar ir à esquina de cor
7. No jogo posicional, não se deve perder distinta do seu bispo.
muito tempo calculando grandes variantes, 10. A maior ou menor quantidade de erros
e sim buscar as melhores casas para nossas graves é o que determina a categoria dos
peças e conseguir uma estrutura ótima de jogadores de xadrez.
peões.

- ---- ---
CAPíTULO 20 o menino-prodígio
da Polônia
"Reshevsky foi um dos dez melhores
jogadores da h istória do xadrez."
(Fischer)

Muitos dos melhores jogadores da história do xadrez se destacaram como grandes jogadores
desde sua mais jovem infância. Morphy, Capablanca, Alekhine, Spassky, Fischer, Pomar, Karpov e
Kasparov, dentre outros, deixaram antever desde sua infância que seriam excelentes enxadristas.
Um caso atípico foi o do jogador Samuel Reshevsky, que foi acolhido na América do Norte com a
condição de se dedicar aos estudos e deixar de realizar simultâneas. Graças à sua longevidade, pôde
pôr em prática seu jogo intuitivo e imaginativo durante quase um século.

SAMUELRESHEVSKY
Nacionalidade: Norte-americano de origem polonesa.
Nascimento: Ozerkov (Polônia), 26 de novembro de 1911.
Morte: 1992.
Títulos: Grande Mestre. Esteve entre os aspirantes ao título mundial.
Características de jogo: Intuitivo e posicional.
Melhores torneios: Seis vezes campeão dos Estados Unidos; Margate, 1935; Nottin-
gham, 1936; Hastings, 1938; Dallas, 1957; Buenos Aires, 1960.
Façanhas: Graças à sua longevidade, jogou contra todos os campeões mundiais menos
Steinitz e Kasparov.
Principal debilidade: A teoria de aberturas, na qual não era um especialista.
Legado: Entre os livros que escreveu destacam-se Reshevsky on Chess (1948) e How Chess
Games are Won (1962).
Vida privada: Foi um dos mais destacados meninos-prodígios do xadrez. Reshevsky
começou sua carreira enxadrística com 6 anos. Percorreu meio mundo exibindo-se em sessões
de simultâneas. Em 1920, sua família emigrou para os EUA,e Samuel passou a se dedicar aos
estudos. A partir de 1934, voltou a participar de torneios.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 133

Partida 40
8 J. ~ '... fi
Uma miniatura de Reshevsky
7 j ~ .&.&
s. Reshevsky
Thl Aviv, 1958
- R. Persit21 6 I 'ir I 8.&.
Abertura Inglesa
5 .. .. {J,
4 {J, {J,
1. 1Df3lDf6 2. c4 e6 3. g3 b6 4. i.g2
i.b7 5. 0-Oc5 6. d3 i.e7 7. e4 o-o 8.lDc3 3 {J, ...tD.. ]:[
lDc6 9. lDe1
Coma intenção de começaruma avalanche 2 I {J, {J, tD i..{J,
de peões: f4, g4, etc. ]:[ ct>
9. ... 'it'c7 10. f4 1:tad8 abcdefgh
A reação central das pretas é uma missão
impossível. Parece melhor d6 na previsão de e5
por parte das brancas. 24. ... gxf5
Não adiantaria tampouco 24. ... i.xf5 25.
11. g4 lDd4 12. g5 lDe8 13. f5! exf5, as pretas não teriam defesa.
As peças brancas já estão dispostas para o
assalto ao roque preto. 25. 1:th3 lDxf6 26. gxf6
O mate é inevitável.
13. ... g6?
Uma defesa perigosa que oferece vantagem Final
às brancas. Tampouco seria melhor, no entanto,
frear o ataque mediante 13. ... f6 14. g6 h6 (14.
... hxg6 15. fxg6 f5 16. e5 'it'xe5 17. i.f4 com Ed. Lasker - Capablanca
vantagem decisiva das brancas) 15. 'ifh5 lDd6 Nova York, 1915
16. i.xh6 gxh6 17. 'it'xh6. Como ganhar um final
14. i.f4 'it'c8? com ligeira vantagem
Um grave erro. Aqui se deveria jogar 14. ... 1. d4 d5 2.lDfj lDf6 3. c4 e6 4.lDc3lDbd7
e5! 15. i.e3 f616. fxg6 hxg617.lDd5 'it'd6 com 5. i.gS i.b4 6. e3 c5 7. i.d3 'it'a5 8. 'ifb31De4
boas possibilidades de defesa. 9. ()..()lbxg5 10. lbxg5 cxd4 11. lDb5 1Dc5
12. 'it'c2 1Dxd3 13. 'it'xd3 a6 14. lDxd4 dxc4
15. f6 i.d6 16. i.xd6 lDxd6 17. 'iYg4
lDe8 18. 'ifh4 e5 19. 'ifh6 lDe6 20. lDe2
'it'c6 21. 1:tf3!
A torre branca se dirige à casa h3. As pre-
811
71 .&
. .&
I
..&. .&
tas, por sua vez, não dispõem de jogadas ati-
vas e devem se limitar a esperar os aconteci-
mentos.
61 J.
5 .&
21. ... i.c8 22.lDc2 4
As brancas podem manobrar à vontade e
colocar as peças nas melhores casas.
22. ... d6 23. lDe3 1D6c7

24. lDf5!
3

2 I {J, {J,
tD
" {J,{J,{J,

~~ ~
Um golpe definitivo. a b c d e f 9 h

----
134 ANTONIO LÓPEZMANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

IS. 'ili'xc4J..d7 16.liJb3 'ili'xg5 17. 'ili'xb4J..c6 3S. ... ~d6 36. f4
IS. e4 aS 19. 'ili'd2'ili'xd2 No caso de fazer a jogada 36. h5 'it>e6,se-
Capablanca possui a iniciativa, e seu bispo é guido da f5, haveria vantagem para as pretas.
superior ao cavalo de Lasker. Contudo, a ma-
neira como se pode ganhar é uma questão que só 36. ... exf4 37. 'it>xf4'it>cs3S. hS 'it>xc4
um mestre como o genial cubano poderia prever. 39. 'it>e4bS 40. a3 ~cS
E as brancas abandonam.
20. liJxd2 0-0-0
Ganha mn tempo, dado que ataca o cavalo
e leva seu rei ao flancoda dama. Mates típicos
21.liJc4 Mate de dama e cavalo
Se 21. :'fdl :'d4 22. liJb3 :'xdl + 23. :'xdl 1. ... liJa3!!
J..xe4 24. liJxa5 J..d5 com um final similar ao da
partida. 81.

21. ... J..xe4 22. J:lfc1~bS 23. f3


71.& ," .&
J.<i'
Se 23. liJxa5J..d5 24. liJc4J..xc425. ':xc4 6
J:ld2,e as pretas conservariama iniciativa. .&
8
,
5 .&.
23. ... J..dS 24. liJxaS J:lcS!
Um excelente movimento que oferece às 4 Ij
pretas boas perspectivas de ganhar em todas as
variantes.
3 8ctl 8
2S.b3
218
, .t 11
No caso de 25. :Xc8+ :Xc8, as pretas amea- ~
çariam :'c2, além de b6,já que, se liJb3, a troca de a b c d e 9 h
peças ofereceria um final de torres vantajoso para
as pretas. Ou 25. liJb3 J..xb3 26. axb3 :XcI + 27.
:XcI :'d8 28. :'c2 :'d3, ganhando um peão. Nesta partida, disputada por Padjaiev e Mu-
ratov, as pretas jogaram 1. ... liJe5+ 2. 'it>d2J..f5
2S. ... J:txc1+ 26. :'xc1 :'cS 27. :'xcS+ 3. 'ili'xb7+ 'it>f64. 'ili'a6e acabaram perdendo.
Capablanca pretende entrar em um final
de peões, questão que Ed. Lasker não havia 2. :'0
considerado como boa para as pretas. Ante a ameaça 'ili'f2e 'ili'e3mate.
2. ... 'ili'g6+ 3. ~d2 'ili'c2+ 4. <t>el
27. ... 'it>xcs 2S. 'it>f2'it>c7!! 'ili'xc3+ s. 'ittf2'ili'd4+ 6. 'ittg2'ili'g7+ 7. 'itthl
Um movimento simples, mas estrategica- 'ili'h6+ S. 'it>g2'ilVgS+9. 'it>h2'ilVh4+ 10.
mente perfeito. Com o movimento mais natu- 'it>g2liJc2 11. liJh3 liJe3+ 12. 'it>gl 'ilVg3+
ral 28. ... b6 29. liJc4 J..xc4 30. bxc4 'it>c731. 13. 'it>hl'ili'g2mate.
~e3 ~c6 32. 'it>d4,e as pretas não poderiam
alcançar a casa crítica c5.
Exercício 25
29. ~e3 ~b6 30. liJc4+ J..xc4 31. bxc4
~cS Alekhine - M. Prat
Esta é a posição que Capablanca queria ob- Paris, 1913 (sessão de simultâneas)
ter após a troca de damas. Sua visão da posição
é insuperável. As brancas jogam e ganham
Aproveitando a eficácia do xeque duplo a
32. 'it>d3eS 33. g4 f6 34. h4 g6 3S. 'it>e4 descoberto, as brancas encontram uma bri-
Se 35. ~c3 f5 36. ~d3 'it>b4com posição lhante continuação de mate. Você saberia en-
ganhadora para as pretas. contrar essa solução?
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 135

Você seria capaz de encontrar a solução


SI 'ir I. 1 AI ganhadora dessa interessante posição?
71 A ê'
61 ANEDOTAS E CURIOSIDADES
'i.,a ,
51 , 88 Partida 41

41i 8 As linhas teóricas podem ser refutadas.


31 J.8 Averbakh -
Estrin
218 fi 8 8 Campeonato da URSS, 1964

:t :1 Gambito de Dama
a b c d e f 9 h As análises superficiais podem ser perigo-
sas; por isso, devemos sempre questionar nossas
jogadas e não confiar cegamente no que diz a
Exercício 26 teoria. Bobby Fischer foi um especialista em
refutar linhas que o restante dos Grandes Mes-
Fine - Dake tres da época consideravam boas. A seguinte
Detroit, 1933 partida é um dos exemplos desse tema.

Reuben Fine, Grande Mestre norte- 1. d4 d5 2. c4 e6 3. l2Jc3l2Jf64. l2Jf3


americano (1914-1993), foi um dos melhores ~b4 5. ~g5 dxc4 6. e4 c5 7. ~xc4
jogadores dos anos 30. Seu êxito mais reve- Se 7. eS cxd4 8. 'iVa4+l2Jc69. 0-0-0 i.d7,
renciado foi a vitória, empatado com Keres, comjogo complicado.
no mítico torneio de AVROde 1938, no qual
passou à frente de Capablanca, Euwe, Alekhi- 7. ... cxd4 8. l2Jxd4'iVc79. 'iVb3!
ne e Botvinnik. Durante alguns anos, abando- Em 1946, Ragozinjogou8. ... 'iVc7,que sempre
nou o xadrez para se dedicar à sua profissão se havia considerado uma jogada correta. A conti-
de psicanalista. Foi um extraordinário joga- nuação normal seria 9. 'iVa4+ l2Jc6 10. l2Jxc6
dor tático e se destacou, sobretudo, pelo jogo bc3+ 11.bxc3~d7! comum bomjogodas pretas.
de contra-ataque. Fine editou a sexta e me- Mas Averbakh, que já em 1946 havia encon-
lhor edição de Modern Chess Openings (1939) trado uma refutação à jogada 'iVc7,a guardou
e escreveu, dentre outros, Basic Chess Ending durante 18 anos e a aplicou na presente partida.
(1941), um dos livros clássicos da época.
9. ... i.xc3+ 10. 'iVxc3 l2Jxe4 11. l2Jb5
As brancas jogam e ganham 'iVc5 12. 'ili'xg7!
SI I A si AIA ê I
7Ii Aêi 7i i ifli
61 , 8 i 6 ,
511 i j 5 lD'if
41 1f lD 4 -t
31 lD 8 3
21 8 1:1 88 288 888
'li: 11:[ ct> 1:[
a b c d e f 9 h a b c d e f 9 h

- - - --
136 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Uma surpresa que Estrin não havia cal- Partida 43


culado. Agora de nada serve a ameaça em
f2. Desenvolva as demais peças antes da
dama: se desenvolvê-Ia prematuramente,
12. ... 1U8 13. .th6 'ii'xf2+ 14. <t>dl ela poderá ser capturada.
liJd7 15. 1:!.el liJef6 16. .txe6 'ii'xb2 17.
J:l.cl! E as pretas se rendem. Botvinnik -
Spielmann
Se 17. ... 'ii'xbS 18. .tc4+; e se 17. ... <t>d8 Moscou, 1935
18. .txd7 !tg8 19. 'ii'xf7 'ii'xcl + 20. .txcl, as
Defesa Caro-Kann
pretas perderiam igualmente.
1. c4 c6 2. e4 d5 3. exd5 cxd5 4. d4
Incrementando o controle central nas ca-
Partida 42 sas d4 e eS.
4. ... liJf6
Cuidado com os movimentos
da dama na abertura. Aspretas optam por desenvolversuas peças
e não moveros peões.
Krogius
1945
- N. Aratovsky, 5. liJc3 liJc6
Pressionandoem d4, enquanto as brancaso
fazem em dS.
Defesa Philidor
O seguinte exemplo de partida demons- 6. .tg5 'iVb6?
tra a facilidade de perder a dama quando se Jogada fraca, já que primeiro se deve de-
move, na abertura, de uma forma defeituo- senvolveras peças menores e depoisa dama.
sa. 7. cxd5 'ii'xb2 8. !tcl!
O plano das pretas era 8.liJa4 'ii'b4+ 9. .td2
1. e4 e5 2. liJf3 d6 3. d4liJd7 4. .tc4 'ii'xd4 10. dxc6liJe4 11. .te3 'ii'b4+ 12. <t>e2bxc6
c6 5. liJg5 liJh6 6. a4 .te7 com a idéia de .ta6. Mas tudo isso é uma análise
Seria possível jogar 6. ... dS 7. exdS cxdS 8. errônea, posto que depois da jogada !tcl!, o
.txdS 'ii'aS+ 9. liJc3 .tb4 10. 'ii'f3 O-O11. O-O cavalo de c6 deve deslocar-se. Se o faz a b8, então
exd4 12. liJbS liJf6; 9. liJa4, 'ii'b4 10. .td2, e as brancas ganhariam
Ou 6. ... liJb6 7. .tb3 'ii'f6 (7. ... .te7 8.liJf3 uma peça. Se 8. ...liJd8 9. .tf6, e6 10. .tbS com
liJd7) . vantagem branca. Por isso, o lance liJb4 é único.
7. .txf7+ liJxf7 8.liJe6 'iVb69. a5 'ii'b4+ 8. ... liJb4 9. liJa4 'ii'xa2 10. .tc4 .tg4
10. c3 'ii'c4 1l.liJc7+ <t>d812. b3, e não há 11. liJf3 .txf3 12. gxf3
solução para a dama. E abandonam, uma vez que se 12. ... 'ii'a3
13. !tc3 ganhando a dama e a partida.
811 J.. I 811 .J. I
71i i ti).AiJ.Ai i i
71', 'j'i
61 , , 6 Ai
518 , 51 8
41 118 8 41tlJ'i ..t 8
31 8 8 31& 1:1
2 2

a b c d e 9 h a b c d e 9 h
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 137

As qualidade do xadrez 2. Propagar suas virtudes.


3. Refletir sobre as jogadas sempre antes de
o xadrez pode desenvolver mais de vinte executá-Ias.
qualidades básicas muito úteis para a vida do ser 4. Não molestar de nenhuma forma o nosso
humano: imaginação, concentração, planificação, adversário.
previsão, memória, espírito de luta, controle ner- S. Não intervir numa partida na qual não está
voso, capacidade de decisão, criatividade, orga- jogando.
nização, autocrítica, objetividade, intuição, capa- 6. Utilizar com cuidado o material de jogo:
cidade de cálculo, visão espacial, sociabilidade, não golpear as peças, o tabuleiro ou o re-
lógica, superação do fracasso e vontade, dentre lógio.
outras. Além disso, o xadrez é especialmente 7. Não se retirar de uma competição sem um
recomendado não só para os mais jovens, mas motivo justificado.
também para adultos, porque mantém suas men- 8. Acatar o regulamento do jogo e as decisões
tes despertas e previne um dos males mais terrí- dos árbitros.
veis de nossa época, o Mal de Alzeimer. 9. Saber perder com humildade e dar a mão a
nosso adversário após a derrota.
10. Estreitar laços de amizade entre todos os
CONSELHOS enxadristas do mundo, tal como reza o le-
ma da FIDE: Gens una sumus (Os enxadris-
Decálogo do enxadrista tas formam uma só família).
1. Preferir o xadrez a todos os demais jogos.

--- --- ---


CAPíTULO 21 A nova escola
soviética de xadrez
"O xadrez é a arte da análise."
(Botvinnik)

Botvinnik foi wn campeão do mundo excepcional em diversos sentidos. Por wn lado, pôde compartilhar
sua carreira de cientista com sua dedicação ao xadrez; por outro, foi o único campeão mundial a recuperar o
título em duas ocasiões e, por último, criou wna escola para jovens talentos por onde passaram, dentre outros,
Kasparov e Karpov. Foi wn profundo analista de todas as fases do jogo e outorgou à teoria das aberturas a
imponância que merece na atualidade. Dotado de wn grande rigor científico e de wna enorme força de
vontade, foi wn dos jogadores que marcaram a época gloriosa do xadrez na Rússia.

MIJAILBOTVINNIK
Nacionalidade: Russo.
Nascimento: Kuokkala (perto de São Petersburgo), 14 de abril de 1911.
Morte: Moscou, 5 de maio de 1995.
Títulos: Campeão mundial entre 1948 e 1963. Ganhou seu título no torneio de candi-
datos celebrado em Haia e Moscou em 1948, após a morte de Alekhine. Perdeu o título contra
Smyslov, em 1957, e o recuperou no ano seguinte. Perdeu novamente contra Tal, em 1960, e
voltou a recuperá-Io em 1961; finalmente, perdeu o título para Petrosian, em 1963.
Características de jogo: Jogava com maestria em todas as fases da partida, tanto no meio-
jogo como no final e nas aberturas. Utilizava poucas aberturas, mas as jogava de wna maneira
excelente. Seus conhecimentos teóricos foram extraordinários e era também wn grande analista.
Dominou tanto o jogo tático como o posicional. A contínua evolução de seu jogo se deve a seu
empenho autocrítico,a sua grande capacidade de trabalho e a análise científicade suas partidas.
Melhores torneios: Campeão da URSSem 7 ocasiões; primeiro lugar em Leningrado, em
1930, 1932, 1933, 1934 e 1938; Moscou, 1935, 1947 e 1956; Nottingham, 1936; Sverdlovsk,
1943; Groningen, 1946; Hastings, 1961 e 1966; Noordwijk, 1965; Wijk aan Zee, 1969.
Façanhas: Na história do xadrez, é o jogador com a melhor pontuação a seu favor frente
aos 9 campeões do mundo contra os quais jogou: Lasker, Capablanca, Alekhine, Euwe,
Smyslov, Petrosian, Tal, Fischer e Spassky.
Principal derrota: A perda definitiva do título para Petrosian.
Principal debilidade: Não teve uma marcada superioridade sobre os melhores joga-
dores de sua época.
Vida privada: Compartilhou sua tarefa enxadrística com sua profissão de engenheiro
elétrico, na qual também teve grande sucesso. Foi casado e teve um filho. Contou com o apoio
incondicional do governo do seu país, o que facilitou sua carreira no xadrez.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 139

Legado: É considerado o pai da escola de enxadristas soviéticos. Dentre seus alunos,


destacam-se os campeões do mundo Karpov e Kasparov. Foi pioneiro do xadrez aplicado à
informática.
Consideração final: Um dos mais brilhantes e imaginativos gênios da história do xadrez.
Batalhador incansável, derrotou todos os melhores jogadores da sua época.

Partida 44 9. ... b6 10. O-Oi.a6 11. i.xa6


Talvez fosse melhor conservar o bispo levan-
Botvinnik - Capablanca do-o a c2, mas as pretas obteriam um bom jogo.
AVRO, 1938 11. ... lbxa6 12. i.b2
Defesa Ninusoíndia Jogada passiva, seria muito melhor 'iVd3,
obrigando as pretas a jogar 'iVc8para defender
Quando atacar o rei, tente o cavalo.
levar as peças defensoras do seu
adversário para longe dele. 12. ... 'iVd7! 13. a4
As brancas estão com dificuldades para
Segundo o próprio Botvinnik,esta partida foi corrigir a imprecisão da jogada anterior. Agora,
a melhor que jogou em sua vida. A importância se 'iVd3,então 'iVa4!
do campeonato (classificava para o mundial), a
beleza das combinações finais e a grandeza do 13. ... :fe8?
adversário confirmam sua afirmação. O presente Um erro inconcebível de Capablanca. Era
comentário se baseia nos do próprio Botvinnik. fácil encontrar a continuação 13. ... cxd4 14.
1. d4lbf6 2. c4 e6 3.lbc3 i.b4 4. e3 cxd4 ':fc8 com o domínio da coluna "c" por
parte das pretas
Com este lance, as brancas aspiram a
fortalecero centro durante toda a partida. 14. 'iVd3 c4?
4. ... d5 ali" I .
Depois de 4. ... o-o 5. a3 i.xc3+ 6. bxc3, as
711 .. III
brancas poderiam sentir-se incômodas pela
debilidade de c4.

5. a3 i.xc3+
61~.
5 I:
.
Se 5. ... i.e7 6. lbf3.
Chegando a uma posição típica de gambito 418 I lJ
de dama, mas com a jogada a3. 3 81&'8
6. bxc3 c5
Esta é a melhor jogada possível, posto que o 21 .i tD8. 8 .8
plano principal das brancas é jogar f3 e e4 para
liberar seu bispo da dama e que o lance das
:]:t :~
a b c d e 9 h
pretas não toma fácil seguir esse plano, pois as
pretas pressionam em d4.
Este é um erro posicional sério. Capa-
7. cxd5 exd5 blanca tinha previsto a manobra lba6-b8-c6-
Tomando de peão para evitar e4 das brancas. a5-b3, depois da qual seria difícil defender o
peão de a4. Mas a vantagem das pretas no
8. i.d3 o-o 9. lt:\e2 flanco da dama não era relevante na posição.
A peça mais fone das brancas é o bispo em d3; Seria melhor contentar-se com o lance defen-
por esse motivo, as pretas devem tentar eliminá-lo. sivo 14. ... 'iVb7.

- --
140 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

15. 'itc2 tiJb8


Iniciando uma manobra que custa muito
tempo. Seria mais lógico tiJc7 via e6.
8

71'
,
.8.'.,
,.
16. 1:ael tiJc6 6
As pretas consideram, equivocadamente,
que a luta pelo peão a4 será decisiva. Contudo, 5
seria melhor 16. ... tiJh5 17. h3 f5 18. .Jtc1 tiJc6
19. f3 tiJa5 20. g4 fxg4 21. hxg4 com jogo com- 4 48
plicado.

17. tiJg3 tiJa5 18. f3 tiJb3 19. e4 'ii'xa4


3t~.8 ~
20. e5 tiJd7 88
Não seria válido 20. ... tiJc5? 21. J:e2, e
seria perdido um dos dois cavalos.
~
abcdefgh
21. 'itf2f
Ante a ameaça tiJc5, mas também o deslo- No caso de 30. ... 'ite8 31. 'ilic7+ <3;g832.
camento da dama ao flanco do rei dificulta os
.Jte7 tiJg4 33. 'itd7 ganhando.
planos dos brancos.
31. tiJh5 + gxh5
21. ... g6 22. f4 f5 23. exf6 tiJxf6 24.
f5 J:xel Não valeria tampouco 31. ... ..th6 32. tiJxf6
'ii'c1+ 33. <3;f2'itd2+ 34. ~g3 'ilixc3+ 35. <3;h4
Se 24. ... tiJg4 25. 'itf3.
'itxd4+ 36. tiJg4+.
25. J:xel 1:e8
32. 'itg5+ <3;f833. 'itxf6+ <t>g834. e7
Capablanca considerou, erroneamente, que 'itc1+ 35. <3;f2'itc2+ 36. <3;g3'itd3+ 37.
a troca de peças o beneficiaria. Tampouco seria ~h4 'ilie4+ 38. <3;xh5'ilie2+
melhor 25. ... 1:f8 26. 'ii'f4! 'ita2 (26. ... 'ilid7
Se 38. ... 'itg6+ 39. 'ilixg6+ hxg6+ 40.
27. 1:e6 tiJe4 28. 'ilie5tiJxg3 29. 1:e7) 27. fxg6 <3;xg6,o peão seria coroado.
'tIVxb2(27. ... hxg6 28. 'itg5 <3;g7 29. tiJf5+)
28. g7 <3;xg729. tiJf5+ <t>h830. 'ilid6 com
vitória das brancas em todos os casos. 39. <3;h4'tIVe4+ 40. g4 'iliel+ 41. <3;h5
E as pretas abandonam. Poucas vezes Capa-
26. 1:e6f1:xe6 blanca se viu derrotado de uma maneira tão
magistral.
Se 26. ... tiJe4 27. tiJxe4 dxe4 28. fxg6!! ga-
nhando.
26. ... tiJg4 27. 'ite2! com vantagem das Partida 45
brancas.
26. ... <t>g727. 1:xf6! <3;xf6 28. fxg6+ M. Botvinnik - M. Vidmar
<3;xg6 29. 'itf5+ <3;g730. tiJh5+ <3;h631. g4
'itc6 32. .Jta3, e acabaria a defesa das pre- Nottingham, 1936
tas.
Gambito de Dama
27. fxe6 <3;g728. 'tIVf4f'ite8 29. 'ite5 'ite7 Quando tiver possibilidade
Se 29 tiJa5 30. .Jtcl ameaçaria .Jth6+ de ataque, abra as colunas
ou 'tIVc7
+ 30 tiJc6 31. .Jth6+ <3;xh632. 'ii'xf6 para incorporar suas
seguido de tiJf5+. torres à luta.
30. .Jta3U 1. c4 e6 2. tiJf3 d5 3. d4 tiJf6 4. .Jtg5
A jogada-chave da partida, a qual Capa- .Jte7 5. tiJc3 O-O6. e3 tiJbd7 7. .Jtd3 c5 8.
blanca não previu. O-Ocxd4 9. exd4 dxc4 10. .Jtxc4
Posiçãocaracterísticada variante Tarrasch
30. ... 'itxa3 do Gambitode Dama,na qual as brancas ficam

--- -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 141

com o peão da dama isolado em troca do jogo 19. i.xe7 'ii'xe7 20. 1::tdel ttJef6 21. ttJd3 e o
mais livre de suas peças. peão de e6 estaria sentenciado à morte.

10. ... ttJb6 11.. i.b3 i.d7 12. 'ii'd3 19. 1::txíS'ii'd6?
ttJbd5 13. ttJe5 i.c6 14. :adl ttJb4 15. Uma jogada ruim, mas não há outra que
ft3 ~d5 16. ttJxd5 ttJbxd5 17. f4! seja muito melhor.

.. I.e 20. ttJxf7 1::txf721. i.xf6 i.xf6


811

71'
6
, ,
,.
1. , , Se 21. ... ttJxf6 22. 1::txf6i.xf6 23. 'ii'xcS+.

22. 1::txd5'ii'c6 23. 1::td6'ii'e8 24. 1::td7,e


as pretas abandonam.
5 .. .tlJ...t
4 8 ~ Final
31 .t 'if Mugnos,1941
21 .8 ~~ Torre e peão contra
bispo e peão
]:[ rtsft A luta de torre e peão contra bispo e peão
abcdefgh
não é simples. O'exemplo seguinte demonstra a
complexidade do tema.

A posição das pretas aparentemente é


muito segura; suas peças defendem o roque 8
e não apresentam debilidades. Por outro la- 7
do, as brancas têm no centro um peão isola-
do que, no caso de o jogo ser simplifica- 6 1
do, representaria uma debilidade. O único
plano correto parece ser iniciar um ataque 5
no fIanco do rei tentando abrir a coluna "f"
e permitir que as torres brancas entrem em 41, :
jogo. 3e
17 :c8 2
Não seria interessante a jogada defensiva
17. ... g6 IS. ~h6 1::teS19. i.a4, pois as brancas 1I
ganhariam qualidade. a b c d e 9 h
No caso de 17. ... ttJe4 IS. i.c2 i.xg5 (1S.
... ttJxg5 19. fxg5 g6 20. ttJxf7 1::txf721. 1::txf7
~xf7 22. 'ii'xh7+ ~eS 23. i.a4+ 'iiõ>fS 24. 1::tf1+ 1. 1::td4i.h2 2. 1::td2i.b8
ttJf6 25. gxf6 'ii'xd4+ 26. 'iiõ>hli.xf6 27. 'ii'hS+ Outras possibilidades seriam as seguin-
~f7 2S. 'ii'xaS 'ii'xa4 29. 'ii'xb7+) 19. i.xe4 tes:
~h6 20. ttJg4 f5, em todos os casos com melhor 2. ... ~g3 3. 1::td3+tomando o bispo.
jogo para as brancas. 2. ... ~f4 3. 1::td3+~b2 4. 1::td4ganhando o
peão pela dupla ameaça.
18. íS exíS 2. ... i.e5 3. 1::td5seguido de 1::tb5.
A defesa do peão ocasiona grandes proble- 2. ... i.c7 3. 1::td7seguido de J:tb7.
mas às pretas. Se IS. ... 'ii'd6 19. fxe6 'ii'xe6
20. 'i'f3 J:tfd8 21. .txf6 .txf6 22. tDg4 .ig5 3. J::td71.th2
23. 1::tfel'ii'd6 24. 1::te5.Ou então IS. ... ttJe4 No caso de 3. ... 'iiõ>a24. J:tb7.
142 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÃLEZ

4. 1:tb7 'it>a2 5. 'it>g6a3 6. 'it>f5'it>a1 7. ANEDOTAS E CURIOSIDADES


'it>e4 a2 8. 'it>d3.Jid6 9. 'it>c2~c7 10. :b5
.Jie5 11. ':d5 .Jid4 12. c7 A beleza do xadrez
E o mate em dois lances é inevitável.
As pessoas que não vivem no mundo do xa-
drez custam a entender o conceito de beleza do
Mates típicos nosso jogo. Há, entretanto, características bem-
definidas sobre as condições que uma partida
Mate de peão deve ter para receber um prêmio de beleza:
A correção: As jogadas devem ser as mais
81 ~.A. corretas possíveis por parte do jogador que re-
cebe o prêmio. Ojogo tático predomina sobre o
71: &..4 planejamento estratégico.
61 8 A dificuldade: A partida é tanto mais
bela quanto mais difícil for descobrir as jogadas
5 ganhadoras.
4
A originalidade: O esbanjamento imagi-
nativo deve ser um elemento essencial em um
3 prêmio de beleza.
O primeiro prêmio de beleza outorgado em
2 um encontro oficial foi recebido por Steinitz pela
sua partida número oito do campeonato do
mundo contra Chigorin em 1889.
abcdefgh Vejamos a seguir uma partida típica desse
tipo de prêmio.

1. :h6 gxh6 2. g7 mate.


Partida 46

Exercício 27 Leepin - Mross


Munique, 1941
As brancas jogam e ganham Abertura Inglesa
Na seguinte posição as brancas têm uma Não permita que seu rei seja
jogada com a qual conseguem uma vantagem levado ao centro do tabuleiro.
decisiva. Você é capaz de encontrar a continua-
ção ganhadora? A seguinte partida recebeu um prêmio de
beleza no torneio de Munique de 1941. O tema
81 II tático da extração do rei até o centro do tabuleiro,
à base de sacrifícios de peças, foi executado de
714 i A 8 4 uma forma magistral por parte das pretas.
..
61
51 4
<i>
. 1. c4 lbf6 2. lbc3 b6 3. d4 e6 4. f3
As brancas não necessitavam preparar o
avanço do peão do rei. Seria melhor jogar
diretamente 4. e4 d5 5. cxd5 exd5 6. e5 com
41 vantagem para as brancas.
3
4. ... d5! 5. ~g5
21 8 8 A partir de agora, o avanço do peão do rei
tem seus inconvenientes pela vulnerabilidade
do centro branco. Por exemplo, se 5. e4 dxe4 6.
a b c d e 9 h fxe4 ~b7, etc.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 143

s. ... iLe7 6. e3 20. ... 'iVcS+ 21. ~f4 'i'd6+ 22. <;toJe3
Neste momento, era possível 6. e4lbxe4! 7. 'i'd2 mate.
iLxe7 lbxc3 8. iLxd8 lbxdl 9. iLxc7 lbxb2 10.
cS! recuperando o peão.
Fischer na escola
6. ... h6 7. iLh4 O-O8. 'ifb3?
Uma jogada inútil e nociva. Deveria ter Graças à professora do colégio de Bobby
jogado 8. iLd3 seguido de lble2. Fischer,ele adquiriu uma habilidade especial para
8. ... iLb7 9. iLd3 lbc6! 10. cxdS lbaS jogar mentalmente o xadrez, uma vez que a mes-
tra o proibia, como é lógico,de colocar o tabuleiro
Aproveitando a má colocação da dama no meio da classe, o qual ele procurava trazer
branca.
sempre que podia. Seu coeficiente intelectual,
11. 'i'dl ttJxdS 12. .i.xe7 superior ao de gênios como Albert Einstein, não
estava destinado a aprender coisas tão "triviais"
Seria melhor conservar o par de bispos com para ele, como essas que se ensinam nas escolas;
iLf2.
seu pensamento estava voltado para o xadrez -
12. ... 'i'xe7 13. <Ji>f2:ad8 14. lbge2 sua grande paixão e obsessão.
cS IS. :ct
Um erro de graves conseqüências. As bran-
cas descuidaram-se das possibilidades táticas CONSELHOS
das pretas.
1. Nunca responda às jogadas do adversário
81 I lê sem ponderá-Ias; espere sempre até enten-
der por que ele fez cada movimento.
71i à .ii 2. '~arte de jogar bem o xadrez é a arte de utilizar
61 o tempo do relógioeficientemente."(Gligoric)
i .& i 3. Para ganhar tempo, você pode anotar suas
511j iAA jogadas enquanto corre o relógio do seu
adversário.
41 8 4. "Não utilize menos de um minuto para
cada movimento, a não ser que seja absolu-
31 tb...t 8. 8 tamente necessário." (Short)
s. Jogue em um ritmo uniforme, isto é, não
218 8 tb88 faça jogadas muito rápidas e outras de
:V ]:[ pensamento longo. Somente em certas
situações críticas se justifica uma reflexão
a b c d e 9 h muito demorada.
6. Ser objetivo ante uma posição é a melhor
maneira de economizar tempo.
IS. ... ttJxe3!! 16. c.ttxe3 cxd4+ 17. 7. Esqueça-se,durante a partida, dos erros come-
ttJxd4 hd4! 18. iLh7+ tidos até o momento. Cada novajogada é uma
As brancas confiavam neste golpe tático, oportunidadepara melhorar sua posição.
mas foram despertadas cruelmente deste so- 8. Não relaxe nunca; enquanto seu adversário
nho. Evidentemente não seria válido 18. ~xd4 tiver peças, ele as poderá utilizar para ven-
'i'cs mate. cer ou empatar.
9. Se estiver com pouco tempo, utilize o tem-
18. ... ~7 19. 'i'xd4 J:d8! po de reflexão do adversário para pensar
Esta jogada é decisiva. As brancas perdem, em seus planos e jogadas.
no mínimo, a dama. 10. Ninguém ganhou uma partida depois de
perder por tempo; complete sempre suas
20. 'i'g4 jogadas antes do limite, mesmo que à custa
Tampouco valeria 20. 'i'a4 'ifcS+ 21. ~e2 de algum erro.
iLa6+ 22. cot.>el
'i'e3+ 23.lbe2 'i'xe2 mate.
CAPíTULO 22 Um amor
incondicional ao xadrez
"Não sei quem é o melhor jogador do mundo,
mas sei quem mais ama o xadrez: Miguel Najdorf."
(Najdort)

Miguel Najdorf foi um dos melhores jogadores do pós-guerra na Europa. Dotado de um


grande talento e de uma memória prodigiosa, destacou-se por sua participação em numerosos
torneios que disputou ao largo de sua extensa vida enxadrística. É especialmente dotado para o
jogo tático, mas será lembrado pela posteridade devido à variante Najdorf da Defesa Siciliana: sem
dúvida, a linha mais popular dessa defesa.

MIGUEL NAJDORF
Nacionalidade: Argentino (de origem polonesa).
Nascimento: Varsóvia, 15 de abril de 1910.
Morte: Marbella(Espanha), 5 de julho de 1997.
Títulos: Grande Mestre Internacional.
Características de jogo: Agressivo e tático.
Melhores torneios: Ganhou,ao longo de sua extensacarreira enxadrística,mais de 50
torneios de primeira linha, dentre os quais se destacam: Praga, 1946; Barcelona, 1946;
Veneza,1948; Bled,1950;Amsterdã,1950; Havana,1962; e o torneio de MardeIPlata, em 9
ocasiões.
Façanhas: Bateu o recorde de simultâneasàs cegasem 1947 com 39 partidasganhas,2
perdidas e 4 empates.
Principal derrota: Não conseguiu se classificar para disputar o título mundial.
Principal debilidade: Seu caráter excessivamente temperamental.
Vida privada: Levou uma vida muito ativa até a sua morte, repleta de aventuras e
viagensconstantes.Foiuma lenda viva,personagemque originariaum filmeinteressantísimo.
Legado: A variante mais famosa da Defesa Siciliana leva seu nome.
Consideração final: Um dos jogadores mais fortes da história do xadrez.

---- ---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 145

Partida 47 10. ~hl


No caso de 10. ~xh2 lLIg4+ 11. ~gl
Glüeksberg -
Najdorf "iVxgsrecuperaria a peça e levaria a dama ao
ataque.
Varsóvia, 1935

Defesa Holandesa 10. ... lLIg4 11. f4


Não seria válido jogar 11. lLIxe6?,porque
A imortal polaca 11. ... 'iYh4, e as brancas perderiam a parti-
A partida seguinte, conhecida como a Imor- da ante o ataque incontrolável das pretas.
tal Polaca, foi protagonizada por Miguel Naj-
dorf, um dos melhores jogadores da história do 11. ... "iVe812. g3 "iVhs 13. ~g2
Para tentar o lance salvador :h1. Mas...
xadrez. Trata-se de uma' miniatura de 22 joga-
das na qual as pretas oferecem diversas peças e 13. ... ~gl!!
peões ao adversário. O nome de Imortal Polaca Primeira entrega de uma brilhante com-
foi dado por Tartakower. Najdorf é conhecido
binação.
universalmente por ser o pai da variante que
leva seu nome na Defesa Siciliana, que é uma
811 A 1*
,, ,
das mais praticadas por muitos dos melhores
jogadores do mundo.
1. d4 f5 2. e4lL1f6 3.lLIe3 e6 4.lLIf3 dS
71'. Ai "
Entrando na Defesa Holandesa, variante do
"muro de pedra". A estrutura é muito sólida para
as pretas, mas tem o inconveniente de dificultar
a entrada em jogo do bispo da dama preta.
61
51
41
, 8
'tLJiV
BAi
S. e3 e6 6. ~d3 ~d6 7. 0-0 o-o 8.lLIe2!?
Uma jogada de valor duvidoso. Seria me-
31 .tB
lhor, por exemplo, b3, para tentar o desenvol- 21 th si;>
vimento do bispo da dama e apoiar o peão c4.
Ou então lLIes seguido de f4. ht li.'if :tA
a b c d e 9 h
8. ... lLIbd7 9. lLIgS?
Uma jogada absurda, além de um grave
erro que conduz as pretas a ter o dominio da 14. lLIxgl 'iht2+ IS. ~f3 eS!! 16. dxeS
partida. lLIdxeS+ 17. fxeS lLIxeS+ 18. ~f4 lLIg6+
19. ~f3 f4!!
9. ... ~xh2+! Aqui se escondia o sentido do magnífico

A. i* 15. ... es!!, já que agora o bispo da dama se-


811
711
61
,, Ai
,a
"
rá uma arma mortífera, ameaçando lLIes+
e fxg3+.
20. exf4
Outra possível continuação seria 20. ~xg6
5 , itLJ ~g4+! 21. ~xg4 "iVxg3+22. ~hs hxg6+ 23.
~g6 1:tf6+24. ~hs :h6 mate.
4 ~~ 20. ... ~g4+!
3 .t ..~
21. ~xg4lL1eS+!
21~A thB~A Nova entrega para abrir a coluna "f", que
~
:&
a b
j.
c
.',
d
; ~
e 9 h
conduz a um mate inevitável.

22. fxeS hS mate.


146 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

811
711,
I.11 1. ... d4 2. 1:dlU
Agora são as brancas que obtêm a oposição.

2. ... <;t>d53. <;t>d7U<;t>c5


61 I Ij Se 3. ... <;t>e54. <;t>c6<;t>e45. <;t>c5d3 6. ~c4,
51 , ti) e as brancas ganhariam.

41 8.t 4. <;t>e6<;t>c45. <;t>e5d3 6. <;t>e4,e as


brancas tomam o peão.
31 i. 8
21 li Mates típicos
J: ..t1V : ti) Mate das dragonas (charreteras)
abcdefg h
1.1:18+ 'i!Vxt82. :xt8+ :xm 3. 'i!Vxg6mate.
Final

Estudo de Réti,
811
7Ii li
li *.
1922
6 I
Final de torre contra peão 5
Na posição seguinte, que corresponde a um
estudo de Réti, as brancas jogam e ganham. 4
3
.t
8
7
2 ~
6
5
4
,.J: a

Exercício 28
b c d e
:,~
9 h

3
2 Criação de um peão passado
As brancas jogam
abcdefgh 8
7 I .,
Vejamos o caminho
por Réti em 1922:
ganhador idealizado
61' ,
1. 1:d2f 51.
41 8,
.
A jogada 1:d3 também ganharia, posto que
se trata de perder um tempo para ganhar a
oposição. Não seria bom, porém, 1. 1:d1?; com 3
esta jogada, aparentemente lógica, as brancas só
2
conseguiriam o empate.
1. ... d4! 2. <;t>d7
~d5!! 3. ~c7 <;t>c5
4. <;t>b7
'ii;>c4e empate, já que o rei branco não teria °C
<i>
tempo de se acercar do peão. a b c d e f 9 h

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 147

No diagrama anterior jogam as brancas. Elas 12. d4 lbge7 13. e4


ganham, perdem ou empatam? Explique sua res- Se 13. 1/fd3 1Ifb614. 1::tdlO-O15. d5 exd5
posta indicando as jogadas corretas. 16. lbxd5 lbxd5 17. 1/fxd5 ~e6 18. 1/fd2 com
possibilidades mais ou menos equivalentes.

ANEDOTAS E CURIOSIDADES 13. ... O-O 14. ~e3 1/fc7 IS. 1/fd2 i.d7
16. 1::tfct1lfb7 17. ~f1
As brancas obtêm uma ligeira vantagem
Partida 48 posicional.
J. Monedero - A. Martin 17. ...lba7
Campeonato absoluto da Catalunha, A colocação do cavalo nessa casa é muito
1973 infeliz, mas 17. ... lbd8 tampouco resolveria o
problema de defender o ponto b5. O mais
Abertura Inglesa adequado teria sido o contra-ataque mediante
17 f5.
A partida que valeu um título
Esta partida, jogada em 1973, significou 18. ~h6 íS 19. ~xg7 'Otxg7 20. ~g2
meu maior êxito desportivo ao ganhar o sempre fxe4 21. lbxe4!
difícel Campeonato absoluto da Catalunha.
81 i I
l.c4
Sabendo que meu adversário era bom 71'a1V .t. fli
teórico, tentei distanciar-me das aberturas
que jogava normalmente, pois ele devia ter
6 ii i
alguma linha de resposta preparada. 5 i
1. ... cS 2. lbc3 lbc6 3. g3 g6 4. ~g2
4 8
~g7 s. :bl 1::tb86. a3 a6 3 tD8
As pretas optam pela variante simétricada
Abertura Inglesa. 2 8J..8
7. b4 cxb4 8. axb4 bS 9. cxbS axbS <3.?
10. lbf3 d6 abcdefgh
Por fim, as pretas abandonam a simetria.
Também se poderia jogar 10. ... d5 11. d4 e6 Uma interessante entrega de peça.
12. ~f4 1::tb613. e4 lbf6 14. e5 lbe4 15. lbxe4
dxe4 16. lbd2 O-O17. ~e3 f5 18. exf6 ~xf6
21. ... 1/fxe4 22. lbgS1/fíS
19. lbxe4 ~xd4 20. O-O e5 21. ~g5 lbe7 22. Se 22. ... 1/fg423. ~h3 1/fh5 24. 1::tc7com
J:[cl i.b7 23. 1/fc2 1::tf724. 1/fd2 1/fa8 25. \\Yd3
vantagem das brancas.
lbd5 26. 1/fb3 lbc3! 27. 1::txc3~xc3 28. lbf6+
1::tbxf629. ~xb7 'iVxb730. ~xf6 1/ff331. 'iVe6 23. ~h31/fdS 24. 1::tc71::tfd8
1/fxf6 e empate (partida Kasparov - Kramnik, Embora a posição das pretas seja muito
Nova York, 1995). ruim, ficaria um pouco melhor se 24. ... 1::tb725.
1::txd7J:txd7 26. lbxe6 com vantagem para as
11. o-o e6 brancas.
Esta jogada não foi boa, visto que no futuro
o bispo das casas brancas ficará muito passivo. 2S.1ha7
Teria sido melhor o desenvolvimento 11. ... Seria bom 25. i.xe6 ~xe6 26. :xe7+ cJtf8
~g4 ou então a manobra 11. ... lbh6 seguida de 27. 1::txa71::td728. 1/ff4+ 'Otg729. lbxe6+ 1/fxe6
lbf5. Outra opção seria 11. ... e5 12. 1/fc2lbge7 30. d5 'iVe731. :bal J:txa7 (31. ... 1::tc832. 'iVe3
13. e4 O-O14. 1:Iel i.e615. d3 f5 com bom jogo 1::te833. 1:Ixd7'i'xd7 34. :a7 ganhando) 32.
das pretas. 1/fd4+ 1/fe5 33. 1/fxa7+ ganhando.
148 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

25. ... Ab7 26. he6! 1. Ab7 'ifxb7 2. i.xg6+ 'it>xg63.'it'g8+


'it>xfS4. 'ifg4+ 'it>e55. 'iht5+ Af5 6. f4+
81 1 i.xf4 7. 'it'xe2+ i.xe2 8. Ae4+ dxe4 9. d4
7 1]:1, I .t6 .ii mate.

61
51
41
i
8
ir
ii.

8
t'iJ
8
7
61
" II
31
21

:
. . '''.
8
8
8
51

4l
3
61
8. i .t
a b c d e f 9 h 21 .t
E as pretas abandonam.
Com efeito, se 26. ... i.xe6 27. Axb7 Ad7 a b c d e f 9 h
28. l2Jxe6+ 'it'xe6 29. d5 com vantagem deci-
siva das brancas.
o mau humor dos
campeões mundiais
o problema imortal
Alguns campeões do mundo não se distin-
Dr. Conrad Bayer - Mate em 9 guiram por seu bom humor. Uma curiosa ane-
dota protagonizada por Steinitz explica que
Da mesmamaneiraqueexistea partidaimor- uma vez um de seus admiradores pediu ao
tal, jogada em Londres em 1851 por Anderssen campeão do mundo para explicar uma das
contra Kieseritzky,também existe o problema que jogadas que havia feito. A resposta de Steinitz
foi batizado como "imortal". Trata-se de um estu- foi cortante:
do criado pelo Dr.Conrad Bayer em 1856. - Não é possível que você entenda esta
O fato de poder-se sacrificar todas as peças jogada. Conhece algum macaco que entende
brancas e dar mate com um solitário peão, em como funciona um relógio? Da mesma ma-
nove jogadas, realça a beleza deste problema. neira, esta jogada não está ao alcance de sua
A seqüência para o mate em nove jogadas inteligência.
com um só peão é a seguinte: Alekhine e Nimzowitsch, dois dos melhores
jogadores da história do xadrez, não se carac-
81 .' terizavam tampouco pela simpatia. Alekhine,
numa ocasião, abandonou sua partida pegando
n ir fi o próprio rei com força e jogando-o tão longe
61 quanto possível. Nimzowitsch, por sua vez, não
ili pôde suportar uma derrota e exclamou: "- Por
5" i t'iJ i. que tenho de perder para este idiota?".

411:[ 1:[
31 8 I CONSELHOS
21 8 .t 1. O lugar onde o rei é mais vulnerável é o
. 9" . .t centro do tabuleiro, portanto evite sempre
que seu adversário leve-o a essa situação na
a b c d e f 9 h abertura ou no meio-jogo.

--
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 149

2. A superioridade dos peões no flanco afas- 6. Quanto menos peças ficam sobre o tabu-
tado do rei supõe uma vantagem inques- leiro mais importante se tornam os peões e
tionável no final da partida. os reis.
3. Não tenha ganância por material até o fi- 7. "Os erros estão sempre esperando que al-
nal da partida: muitas vezes a posição deve guém os cometa." (S. Tartakower)
ser ganha devolvendo a superioridade de 8. Torre e bispo coordenam-se melhor, em ter-
material em troca de outro tipo de vanta- mos gerais, que torre e cavalo.
gem. 9. Não jogue pensando em ciladas. Elas só ser-
4. A meta do enxadrista deve ser cometer o vem para situações desesperadas ou par-
mínimo de erros possíveisdurante a partida. tidas amistosas.
5. No xadrez, há jogadas boas e más; as jo- 10. Buscar o domínio das casas centrais do
gadas "lógicas" ou "naturais" têm tantas ex- tabuleiro é um objetivo básico não só na
ceções que nunca devemos jogá-Ias meca- abertura, mas também no meio-jogo.
nicamente.
CAPíTULO 23 A lógica a
serviço do xadrez
.0 jogológico e metódico de
Geller é o principal fator de seu êxito."
(Kotov)

Efim Geller é um dos jogadores com melhor história enxadrística de todos os tempos. Durante
mais de vinte anos, manteve-se entre os dez melhores jogadores do mundo. Suas contribuições à
teoria das aberturas, com a revisão de novas linhas de jogo, são muito apreciadas. Apesar de não ter
conseguido o título de campeão mundial, foi um dos poucos jogadores que conseguiu derrotar a
maioria dos melhores jogadores de sua época.

EFIM GELLER
Nacionalidade: Ucraniano.
Nascimento: 8 de março de 1925.
Títulos: Grande Mestre e aspirante ao título mundial em 1953, 1956, 1962, 1965, 1968
e 1971.
Características de jogo: Extraordinária preparação teórica, jogo lógico e metódico.
Melhores torneios: Campeonato da URSSde 1955; Dresden, 1959; Gotenburgo 1967;
Budapeste, 1973; Moscou, 1975; Las Palmas, 1976.
Façanhas: Obter resultados positivos, mais de 30 vitórias no total, contra os campeões do
mundo Botvinnik, Smyslov, Petrosian, Fischer, Euwe, Tal, Spassky e Karpov.
Principal debilidade: Não era muito forte no jogo posicional.
Legado: Criador de novos sistemas de aberturas, como a Espanhola, o Gambito de Dama
e a Siciliana.
Consideração final: Um forte e muito perigoso jogador de ataque.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 151

Partida 49 8 I IJ..
Geller -
Portisch 7 J.i .'i
Moscou, 1967
6 i i
Abertura Espanhola 5 i i i.'if
Tenha especial cuidado
com os ataques contra o roque
4 8 tD
pequeno quando seu peão do 3 J..8 8
bispo do rei está cravado.
2 8 8 88
Na seguinte partida, um erro grave no mo-
vimento 17 das pretas (lba4 em lugar de lbd8) :1 :1
criou uma reação em cadeia das peças brancas, abcdefgh
capaz de fazê-Ias conseguir uma vitória espeta-
cular.
18. ~gS!!
1. e4 eS 2. lbf3 lbc6 3. ~bS a6 4. ~a4 Extraordinária jogada que outorga uma
lbf6 5. O-O~e76. 1:el bS 7. ~b3 d6 8. c3 vantagem decisiva às brancas.
o-o 9. h3 h6 10. d4 l:te8 11. lbbd2 ~f8 12.
lbn ~b7 18. ... 'tIVd7
No caso de 12. ... ~d7 13. lbg3 lba5 14. Se 18. ... hxg5 19.1bg6 ganhando.
~c2 lbc4 15. a4 c5 16. dxc5 dxc5 17. lbh2 E se 18. ... 'tIVxg519. 'tIVxf7+seguido de
lbd6, as brancas levariam ligeira vanta- 'ii'g8 mate.
gem.
19. I:tadl ~d6 20. ~xh6 gxh6
13. lbg3 'tIVd7!? No caso de 20. ... lbxb3 21. ~xg7! <t>xg7
Teria sido melhor com 13. ... lba5 ou en- 22. lbíS+ ~g8 23. 'tIVg5+~h8 24. 'tIVg7mate.
tão g6 com pequena vantagem para as bran-
cas. 21. 'ti'g6+ ~f8 22. 'ti'f6! ~g8
8 I I .
14. dxeS! dxeS?
Um erro grave. Seria um pouco melhor 14. 7 J.i. ,
... lbxe5 15. lbxe5 dxe5 16. 'tIVf3,as brancas
ficariam melhor. 6 i J. 11 i
15. lbhS! 'tIVe7
5 , ,
Depois de 15. ... 'tIVxdl16. lbxf6+ gxf6 17. 4 8 tD
~xdl ~c8 18.lbh4 ~e6, as brancas ficam com
vantagem graças às debilidades das pretas, sua 3 i.8 8
boa estrutura de peões e o melhor jogo das suas
peças.
2 88 88
16.lbh4!
]: 1:[
a b c d e 9 h
Outro golpe muito forte que abre caminho
para o jogo da dama.
23. Ae3 com vitória.
16. ... lbxhs 17. 'tIVxhSlbaS? As pretas estão perdidas, uma vez que se:
Aqui seria melhor 17. ...lbd8, ou então 17. 23. ... <t>h724. Axd6 (24. ~xf7 Ag8 25.
... 'tIVf618. ~g5 hxg5 19. lbg6, mas as brancas lbíS com vantagem decisiva) 'ii'xd6 25. 'tIVxf7+
mantiveram a vantagem. <iõ>h826. %:tg3 e mate.
152 ANTONIO
LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Em caso de 23. ... .txe4 24. ':g3+ 'it'f8


25. lbg6+ .txg6 26. ':xg6 ':e6 27. 'iVg7+
<li1e7
28. :xe6+ 'it'd8 29. 'iVg8+ .tf8 30. 'iVxf8
81
71, . , ..
, I
mate.
61' '8 "
Final - Dama contra dama,
um caso excepcional
51
4
, "
Dama contra dama é empate, evidentemen- 3
te, a não ser que se produza uma posição de rede
de mate ou de ambição incontida da dama contrá- 2188 8
ria. É importante conhecer esse tipo de posição
devido à dificuldade de saber, antecipadamente,
. :
-
a b c d e t 9 h
em um final de peões que coroam, se ganharemos

"
ou não a partida.
Exercício 29
81
7 Estudo de Troitzky,
1896
6
5 As brancas jogam

4 fi
81
31' 7

21 . 6

a b c d e f 9
.
..
h
5
4
8

3 <i> .i
1. 'iVb2+
Também se ganharia com 1. 'iVg8+ 'it'h32. 2
'ii'h7+ 'it'g2 3. 11Ig6+ 'it'h3 4. 'iVh5+ 'it'g2 5.
'iVg4+ 'it'f1 6. 'iVe2+ <li1g17. 'iVf2mate.
abcdefgh
1. ... 'it'g3 2. 'iVg7+ 'it'h3 3. 'iVh6+ 'it'g2
4. 'iVg5+ 'it'f1 5. 11If4+ <li1g26. 'iVg4+ 'it'h2
7. 'it'f2, e qualquer jogada da dama acaba em As brancas podem conseguir a coroação do
mate das brancas. peão? Explique quais as melhores jogadas de
ambos os lados.

Mates típicos
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
Mate de Lolli
A influência dos espectadores
o jogador Giambattista Lolli (1698-
1769) publicou uma série de mates, dentre os A seguinte posição se produziu entre dois afi-
quais o que a seguir detalhamos. cionados jogadores de um clube de Viena. O joga-
1. 'iih6 J::tg8 2. 'iVxh7+ 'it>xh7 3. J::thl dor das brancas estava convencido de que conse-
mate. guiria o mate com a seguinte sucessão de jogadas:
o XADREZ
DOSGRANDES MESTRES 153

81 I !fi CONSELHOS
71 'ir' iii 1. Recorde sempre a citação de Tartakower:
61 i ''A ameaça é mais forte que a sua exe-
cução".
51 tD 2. Contrariamente ao que muitos crêem, o
41 i 8" aprendizado dos finais de partida é um
passo primordial para ter-se um domínio
31i 11 geral do jogo de xadrez. Estudar finais é
mais efetivo que memorizar variantes de
21 8 abertura.
3. Ante um ataque, é uma boa estratégia
1: <i> tentar trocar peças.
a b c d e f 9 h 4. "Mantenha o rei longe do campo de luta no
meio-jogo e na abertura." (Philidor)
5. "Quem toma a iniciativa tem vantagem."
1. tiJe7+ ~h8 2. 'ti'xh7+ ~xh7 (La Bourdonnais)
Neste momento percebeu que sua tom estava 6. "Tente apoderar-se o quanto for possível
cravada e que havia fracassado sua intenção de dar das colunas abertas." (Morphy)
mate em h3. Um instante antes de abandonm; ouviu- 7. ''A rejeição de um sacrifício é normalmente
se a voz, dentre o público, do Grande Mestre Ma- a sua aceitação." (Steinitz)
roczy, que assistia a partida e exclamou: "Magní- 8. Na abertura, é de capital importância bus-
fico!". Só então o jogador das brancas percebeu que, car o domínio das casas centrais do tabu-
se jogasse 3. d5!!, o mate seria inevitável. leiro e o ganho de um tempo de desenvol-
Vejamos que possibilidades existiam: vimento das suas peças.
3. d5!! g6 9. No xadrez, deve-se sempre estar descon-
Uma defesa que fracassadevidoa i.f6. fiado: nosso adversário pode querer nos
Tampoucoserviria3. ... 'ti'c84. :d4 tiJe45. armar uma "cilada" a qualquer momento
:Xe4 'ti'g46. :Xg4 g67. :h4+ ~g7 8. i.f6 mate. da partida.
10. Quando seu oponente faz uma jogada, a
4. i.f6 'it'c8 5. :d4 g5 6. 1:tdd3 g4 7. primeira coisa que você deve entender é o
:f4 'ti'lS 8. 1:th3+ gxh3 9. :h4+ 'iih5 10. porquê deste movimento.
:xh5 mate.
CAPíTULO 24 Um turbilhão
tático
"Há dois tipos de sacrifícios: os corretos e os meus."
(M. Tal)

Seria muito difícil encontrar um jogador na história do xadrez melhor dotado para o jogo
combinativo que Mikhail Tal. Seus espetaculares sacrifícios são a delícia de milhões de aficionados
do jogo de xadrez, que vêem em Mikhail Talo arquétipo do jogador audaz e imaginativo. Possuidor
de um grande senso de humor e de uma enorme qualidade humana, foi um dos jogadores mais
queridos pelos enxadristas de todo o mundo.

MIKHAILTAL
Nacionalidade: Letão.
Nascimento: Riga, 9 de novembro de 1936.
Morte: Moscou, 28 de junho de 1992.
Títulos: Campeão mundial em 1960 após derrotar Botvinnik em Moscou.-
Características de jogo: Tático, imaginativo, agressivo e intuitivo.
Melhores torneios: Campeão da URSSem seis ocasiões. Campeão da Letônia em 1953
e 1965. Interzonal de Portoroz, 1958; Zurique, 1959; Estocolmo, 1961; Bled, 1961; Hastings,
1964 e 1973; Reykjavik, 1964; Interzonal de Amsterdã, 1964; Sarajevo, 1965; Palma de
Mallorca, 1966; Tiblisi, 1968 e 1986; Wijk aan Zee, 1972; Novi Sad, 1974; Leningrado, 1977;
Montreal, 1979; Interzonal de Riga, 1979; Yurmala, 1985; Berlim, 1985; Rio Hondo, 1987.
Façanhas: Permaneceu invicto durante 86 partidas em campeonatos de elite.
Principal derrota: A perda do título de campeão mundial ante Botvinnik, um ano após
tê-Io conquistado.
Principal debilidade: Sua frágil saúde, prejudicada por sua propensão ao tabaco e à
bebida. Tinha o mau costume de perder muitas de suas primeiras partidas nos torneios quejogava.
Vida privada: Foi um dos jogadores mais queridos de sua época, graças ao seu fino
sentido de humor. Dedicou-se com grande êxito ao periodismo enxadrístico.
Legado: Nos deixou um arsenal de mais de 4.000 partidas de campeonato, recorde só
igualado por Karpov.Seu jogo imaginativo, audaz e surpreendente dificilmente é imitado.Todos
podemos usufruir de suas belas combinações e sacrifícios.Seus livrosAZataque e o do Campeonato
deZMundo de 1960 TaZ- Botvinik dão boa mostra de seu talento como jogador e escritor.
Consideração final: Talvez seja o gênio mais imaginativo da combinação e do ataque
em todos os tempos.

- ---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 155

Partida 50 19. ... 'ti'e2!

Teschner Tal - 81 I I'''e


Campeonato dos EUApor equipes,
1957 711 li.'" i
Defesa Siciliana 61 i i
Conserve seu bispo 5! 8'" ..i.
bom para obter
vantagem no final. 41 i.8
3 88
1. e4 e5 2. lDf3 lDe6 3. d4 cxd4 4.
lDxd4lDf6 5.lDe3 d6 6. g3 g6 7. i.g2
Seria melhor 7. lD3e2para não ter de to-
2188... 8i.
mar a dama no casode lDxd4. a J1, ,~,
a b c d e f 9 h
7. ... ltJxd4 8. 'ti'xd4 i.g7 9. o-o o-o 10.
'ti'd3 i.e6 11. lDd5 :e8 12. e3
Fechando a diagonal al-h8 ao bispo em 20. 'ti'xe2 i.xe2
fianchetto. Agora se verá a importância do bispo bom
das pretas.
12. ... :e8
Para poder mover a dama que está defen- 21. :ac1 i.d3 22. :e3
dendo o peão de e7. Contra 22. b3 se jogaria 22. ... i.b2 23.
':cdl i.c2 24. :d2 i.c3 com vantagem das
13. i.e3 pretas.
Teria sido mais ativo i.g5.
22. ... i.xb2! 23. 1hd3 i.xc1 24. i.xc1
13. ... 'ti'a5 14. h3 :Xe4 25. i.d2 ':b8!
Para evitar o salto do cavalo preto a g4.
Segundo Tal, o melhor para as brancas seria 14. 26. i.e3 aS
a4, após o que ele teria jogado 14. a4 i.xd5 15. Os bispos seguem sem ter um jogo satis-
exd5 a6. fatório, enquanto as pretas ameaçam criar um
perigoso peão passado.
14. ... 'ii'a4!
Aumentando a pressão sobre e4.

15. ':fe1 b5 16. i.g5?


É uma perda de tempo. As brancas pode-
8

ni ii
. i
riam ter jogado 16.lDxf6+ i.xf6 17. i.d4, for- 61 I i
çando a troca de bispos, mas as brancas não
deram a importância devida ao bispo das casas 5 I, 8
pretas de Tal.
41 i I
16. ... lDxd5 17. exd5 i.f5 18. 'ti'd2
b4!
3 88
Pressionando em c3, o ponto mais fraco das 218 8i.
pretas.
~
19.e4 abcdefgh
Não valeria 19. cxb4 por Itc2.
156 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

27. 1:td2 a4 2S. i.f1 J:tc1 29. J:tb2 J:tal 3. ... 'áttf54. 'áttb41i>eSs. J:td2, e se ganha
30. 'áttg2 a3 31. ':c2 b3! 32. axb3 a2 33. o cavalo e a partida.
i.e2 J:tgl + 34. 'áttxgl al'iIV+ 3S. 'áttg2 J:txb3
36. J:tcS+ 'áttg7 37. J:tc4 'ilVaS, e as brancas
abandonam.
Mates típicos

Final Mate da andorinha

Averbakh - Final de Von Hob:hausen Tarrasch -


torre contra cavalo Simultânea, Hamburgo, 1910
A peça aprisionada 1. e4 eS 2. ttJf3 ttJc6 3. i.c4 ttJf6 4. d4
exd4 s. o-o d6 6. ttJxd4 i.e7 7. ttJc3 o-o S.
O diagrama seguinte mostra a posição em h3 J:teS9. J:tel ttJd7?
que um cavalo é capturado pelo jogador forte. O
tema da peça aprisionada (no caso, o cavalo) se
produz com certa freqüência nos finais, e é bom
conhecer sua existência e funcionamento.
811 J.III .
71;1'" ~J. .. ti ,
8

7
6
. 61
5
41 .t~..8
~I

5
31 ~
4
218 lJ 8 8 8
3
.~ ~16'~ ~
2 a b c d e 9 h

a b c d e 9 h 10. i.xf7 + 'áttxf7 11. ttJe6 'áttxe6 12.


'ilVdS+'áttf6 13. 'ilVf5mate.
Vejamos o procedimento ganhador a partir
da posiçãodo diagrama. '
811 J..'I
1. 'áttdS 'áttf62. 'áttc6!! 7!,I '.1 Ai A
É necessário jogar com precisão. Por
exemplo, não seria bom 2. 'áttc5?por 2. ... 'átte5!, 61 ~I.
e o cavalo escaparia; uma sutileza digna de ser
aprendida. 3. ':d2 ttJa4+ 4. 1i>b4ttJb6 5. 'áttc5 51' 16'
ttJa4+ e empate. 4

2. ... 'átteS, e as pretas não têm mais o que 31 ~ 8


jogar.
21888 88
2. 'áttcS
A mesma posição na qual o cavalo escapa, mas ~;;I:
~ ,~ 3 ~~
agora jogam as pretas, e elas estão em zugzwang. a b c d e f g h

-- - - -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 157

Exercício 30 Exercício 32

Tal - Timman Tal - Rantanen


Skopje, 1972
As brancas jogam e ganham

8111 .
Tallin, 1979

7
I. I
:..1.,
<li

n' I. " , A I. 6 I. I.' 1 ,.i:


61
51
, A' ,
1)1)
.i.. 51
41
1
8
1
8 1i'
4 1i' 31 8
31 .t tDtD8 218 88
2188 8 88 A
- <ãt>
a b c d e f 9 h
J:t k[~
a b c d e fg h

Exercício 33
Exercício 31
Tal - Unzicker
Tal - Devski 1966
Moscou, 1961

81.
71il A I. I I)
AI
8

611. ]:[
1.]1
IjAI.
Ij
<li
I. ,
61 I. I.
.t .1
51 tD fj, 'ir 51.
41 1 8
41 I. ~ 3 tD 8
3I i81r .t 2188 ..t 88
21 8 8 8
:,1i' .~
~]:l ]: a b c d e f 9 h
abcdefgh
158 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

ANEDOTAS E CURIOSIDADES empate. Novamente o rei não pode tomar o


cavalo, porque o rei chegaria a casa de coroa-
Um efeito psicológico ção h8, e as brancas não poderiam ganhar por
chamado Fischer ser seu bispo de cor diferente da casa em que
coroa o peão.
Fischer é um dos mitos mais evidentes da 82. ... 'it>f483. h4! liJf3
história do xadrez mundial. Suas legendárias Se 83. ... liJg4+ 84. ~g7.
vitórias contra Larsen e Taimanov, nas quais
não cedeu nem um só empate aos adversários, 84. h5! liJg5 85. .i.f5 liJf3 86. h6 liJg5
deram a volta ao mundo. Entretanto, é difícil 87. wg6liJf3 88. h7liJe5+ 89. ~f6.
entender como pôde conseguir tão grandiosas
vitórias. Talvez o segredo deva ser buscado nos
intrincados aspectos psicológicos da mente O que é bom para o estômago
humana. Vejamos uma posição de seu encontro
com Taimanov, no qual este grande jogador não é bom para o xadrez
comete um erro incompreensível.
Jeremy Silman afirma que, sempre que po-
Fischer - Taimanov de, convida o adversário para comer antes da
Vancouver, 1971 partida.
- Não há nada pior que uma boa bisteca
Na posição do diagrama, Taimanov cometeu condimentada para jogar uma boa partida -
afirma Silman.
um erro incompreensível para um Grande Mestre,
o que o conduziu à derrota. Sem dúvida, uma digestão pesada não é a
melhor forma de se enfrentar uma partida.
8

7 CONSELHOS

6r
5[
41
.- i.
1. Procure ter a iniciativa da partida; o jo-
gador que ataca sempre tem mais opções
de vitória que o jogador defensor.
2. Quando a situação é vantajosa, não deve-
mos nos precipitar para ganhar rapida-
8 mente a partida.
31 3. Quando se tem vantagem, é mais fácil en-
2
contrar planos estratégicos que quando se
está em inferioridade.
4. Quando nosso oponente está no ataque,
a b c d e 9 h devemos tentar trocar peças, em especial,
as damas.
5. Se temos clara vantagem material, não de-
81. ... ~e4?? vemos nos arriscar complicando o jogo, ao
Entretanto, com 81. ... liJd3 seria empate, contrário, devemos simplificá-lo.
pois 82. h4 liJf4 83. ~f5 'it>d6,e o rei branco 6. ''Atroca é a alma do xadrez." (Kieninger)
não poderia tomar o cavalo, pois o rei preto 7. Coloque seus bispos fora das cadeias de
chegaria à casa de coroação do peão e haveria o seus próprios peões.
empate. 8. Tente trocar seu bispo "mau" para não ter
de enfrentar um final em desvantagem.
82. it.c8! 9. O par de bispos em posições abertas é uma
Fischer aproveitou o presente do rival rea- bela vantagem.
lizando as melhores jogadas de que dispunha. 10. Um bispo pode dominar as casas por onde
Se 82. i.e6? liJf3! 83. i.g4 ~h4 84. ~g5 passa o cavalo e, portanto, aprisioná-Io.
~e5 85. .i.h5 liJg2 86. .i.f3 liJh4 acabaria em

-- - -
CAPíTULO 25 Me/odia
enxadrística
"Taimanov fez grandes contribuições para a teoria
das aberturas, em especial a Defesa Nimzofndia."
(Hooper)

Taimanov,junto com Philidor, foi o músico mais famoso da história do xadrez. Suas contribui-
ções para a teoria das aberturas são valiosas. Durante os anos 50 foi um dos melhores jogadores do
mundo. Contudo, após sua derrota gritante ante Fischer,foi desprezado pelo seu país. Mas, sendo um
otimista incorrigível, declarou: ''Aomenos sempre me fica a minha música para desfrutar da vida".

MARK TAIMANOV
Nacionalidade: Russo.
Nascimento: Jarkov, 7 de fevereiro de 1926.
Títulos: Grande Mestre Internacional.
Características de jogo: Grande perito em aberturas.
Melhores torneios: Campeão da URSS em 1956; Dresden, 1959; Leningrado, 1960;
Rostov, 1961; Reykjavik, 1968; Wijk-aan-Zee, 1970; Bucareste, 1973; Albena, 1974; duas
vezes campeão do mundo de veteranos em 1993 e 1994.
Principal derrota: Contra Fischer por 6 a O no enfrentamento de candidatos ao título
mundial de 1970.
Principal debilidade: Excessivo otimismo.
Vida privada: É um excelente pianista. Foi desprezado pelo seu país após sua derrota
para Fischer.
Consideração final: Um dos melhores jogadores russos da sua época.
160 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 51 15. a4! lba8


Novamente as pretas deveriam ter tentado
Taimanov - Usitsin lbbd7.
Leningrado, 1949
16. aS
Gambito de Dama Apontando para o peão em b7 e conse-
guindo que o cavalo situado em c5 seja um
Ocupe as colunas abertas pesadelo para as pretas.
com suas torres dobradas.
16. ... i.d7 17. J:tfc1
A seguinte partida, jogada por Taimanov,um Para reforçar a decisiva coluna "c".
dos jogadores mais fortes de sua época, é um
exemplo da estratégia que se deve seguir para 17. ... i.b5 18. e3 :tfc8 19. :ta3! :tc7
aproveitar as colunas abertas. A última parte da 20.J:tc3
partida nos mostra também como utilizar as Todas as peças pesadas das brancas já estão
torres na oitava fila com o fim de perseguir o rei e na coluna aberta.
as demais peças do inimigo.
20. ... 'iVe7 21. i.fl!
1. d4 d5 2. c4 e6 3. liJf3c6 4. 'ii'c2 lbd7 As brancas põem em jogo a úillca peça que
Considera-semelhor 4. ... lbf6 seguido de não exercia pressão sobre o flanco da dama.
i.e7 e o-o.
21. ... i.xfl 22. c;t>x{1:tbc8 23. 'iib3!
5. g3 i.d6 6. i.g2 f5?! lbe8
Uma jogada de duvidoso valor. Seria me- Aparentemente tudo está defendido, mas
lhor continuar com o desenvolvimento habitual
Taimanov encontra o ponto fraco das pretas na
mediante lbf6. Com a última jogada das pretas casa b7.
se produz uma debilidade na casa e5 que devia
ser ponto de ruptura por parte das pretas. 24. lbxb7 :txb7 25. 'iVxb7!!
25. ... 'iVxb7 26. ':xc8 'iÍtíS 27. ':b8!!
7. o-o lbgf6 8. cxd5! cxd5
As brancas conseguiram, em apenas oito
jogadas, uma vantagem posicional considerável
8 I .
ao obter o domínio da coluna "c". 7 1&' " Ai
9. lbc3 a6 10. i.f4! 6 A i
Com a intenção de eliminar a peça defen-
sora das casaspretas.
5 8 ilDi
10. ... i.xf4
4 8 8
Não seria bom 10. ... i.e7 por 11. lbb5! que 3 11 8
ameaçaria ganhar a dama com i.c7.
2 8 8 8
11. gxf4 O-O 12. lba4!
Muito boa jogada: abre a coluna "c"e busca a 1:[ <t>
excelente casa c5 para seu cavalo. a b c d e 9 h

12. ... lbb6


Única jogada para tentar completar o de- Dando espaço na oitava fila à segunda torre
senvolvimento das peças pretas. branca.
13. lbc5 'ii'd6 14. lbe5 :tb8? 27. ... 'ife7
Teria sido melhor tentar 14. ... lbbd7 para Não seria bom 27. ... 1i'xb8 28. lbd7+,
eliminar um dos dois cavalos que restringem a tampouco 27. ... 'i'a7 28. ':xe8+ <t>xe829.
liberdade de movimentos das pretas. ':c8+ ~e7 30. lbc6+ ganhando.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 161

2S. JhaS g6 29. :'ccS ~g7 30. :'xeS


\i'c7 31. :'ecS ft7 32. :'abS \i'a7 33. :'hS!
\i'e7 34. J:bgS+ ~h6 35. J:txg6+ ~h5 36.
811..t
n&4'i
fi ..
i4&
:'g3 ~h4 37.lbf3+ ~h5 3S. J:thgS
E as pretas abandonam ante a ameaça 6
mortal J:th3+ .
.t
.
5
4
Final - Dois peões contra um
3
Nesta curiosa posição, se couber às brancas
jogar, o resultado é empate; se jogam as pretas, 21 ~8 ~8 <i> ~~

.
as brancas ganham.

81
=lD~. :
J.. ..ttJ..
abcdefgh
71 4 4. ... 'iVxe4 mate.
61

51 Exercício 34
4
Spassky - Marszalek
3 Leningrado, 1960
2 As brancas jogam e ganham
Na seguinte posição, o ex-campeão mun-
a b c d e dial Boris Spassky encontrou uma brilhante jo-
9 h gada que forçou o mate. Você conseguiria
descobrir essa jogada?

Se o lance for das pretas, a continuação é a


seguinte:
811
.t.

1. ... ~dS
O mesmo resultado se obtém com 1. ... ~b8
2. ~d7 ~b7 3. ~d8 ~b6 4. ~c8 ~xb5 5. ~xc7,
e as brancas ganham.
n
61
5
, ~

I
.tili
lDft'
.
2. ~b7!
41 ~
Não se poderia jogar 2. d6? por 2. ... ~c8! 31 'lD
3. d7+ ~d8 4. b6 cxb6 5. ~d6 b5 6. ~c5 e
empate. 21 ~ ~ ~~
2. ... ~d7 3. ~bS ~dS 4. d6! cxd6 5.
b6 ~d7 6. ~a7 ]:t, :~
a b c d e f 9 h
E as pretas não podem evitar que o peão
das brancas se converta em dama.
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
Mates típicos
A partida eterna
Mate suicida
A partida batizada por Steinitz como Ever-
1. e4 e5 2. f4 ~c5 3. fxe5? 'iVh4+ 4. ~e2?? green (Sempre-viva é uma tradução suis generis

- --
162 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

do inglês que seria melhor lembrada como Par- levou a cabo uma das mais belas combinações
tida Eterna ou Sempre Jovem) é a segunda ma- da história do xadrez, que começa com este
ravilha criada por Anderssen, um ano depois de lance. Mas, objetivamente, a busca da beleza
jogar a Imortal. Trata-se também de uma das criou uma série de complicações desneces-
partidas mais famosas e analisadas de todos os sárias. A jogada tradicional 17. tlJg3 'iVh6 lS.
tempos, jogada por Anderssen em um encontro .Jtc1 'iVe6 19. .Jtc4 tlJdS (19. ... 'iVg620. tlJh4
amistoso contra seu amigo Dufresne. 'iVg4 21. .Jtxf7+) 20. tlJgS 'iVg4 21. 1:te4 ga-
nharia a partida sem nenhum problema, po-
rém o xadrez teria perdido uma das suas jóias
Partida 52 mais preciosas".
- J.
.
A. Anderssen Dufresne 17. ... gxf6 18. exf6 1:tg8!
Berlim, 1852
I
J. I... . .
811'
Gambito Evans
1. e4 e5 2. tlJf3 tlJc6 3. .Jtc4 .Jtc5 4. b4 nl.
O Gambito Evans foi uma das aberturas
mais utilizadas na época romântica do xadrez.
61 J... 8
Dá lugar a um jogo complicado e é recomen- 5 ir
dável para os amantes das combinações. Ape-
sar de não ser muito utilizada na atualidade 411f
pelos Grandes Mestres, tanto Bobby Fischer
como Kasparov a jogaram em algumas oca-
31 8~ !iJ
siões com muito êxito. 218 8. 88
4. ... .Jtxb4 J:t I1 <1>
Osgambitosdevemser,normalmente,acei- a b c d e 9 h
tos para que se consigarefutá-Ios.
5. c3 .Jta5
A outra possibilidadeseriajogar s. .Jte7. Aparentemente a coluna "g" aberta ofe-
rece boas perspectivas de ataque às pretas,
6. d4 exd4 7. o-o d3 mas Anderssen tinha um "ás embaixo da man-
Outra opção seria 7. dxc3 S. ~3, seguido ga".
de .Jta3 e tlJxc3.
19. 1:tadl! 'iVxf3?
8. 'ilVb3'iVf6 9. e5 'iVg6 Considera-se que a melhor opção para as
Não seria boa jogada 9. tlJxeS?, devido a pretas era 19. ... 1:tg4!,mas mesmo assim An-
10. 1:te1d6 11. tlJxeS dxeS 12. 'iVa4+. derssen teria conservado sua vantagem. Lasker
indicou que a jogada 19 das brancas é uma das
10. J:el tlJge7 11. .Jta3 mais nobres da história do xadrez.
O material está amplamente compensado
pelo desenvolvimento das peças brancas. 20. 1:txe7+! tlJxe7?!
A melhor defesa seria 20. ... ~dS 21.
11 b5 12. 'iVxb5 1:tb8 13. 'iVa4 .Jtb6 1:txd7+! ~cS, ou (21. ... ~xd7 22. 1t.fS+ ~eS
14. tlJbd2 .Jtb7 15. tlJe4 'iViS 16. .Jtxd3 23. 1t.d7+ ~dS 24. .Jtxc6+ com mate) 22.
'iib5 1:tdS+! ~xdS (22. ... 1:txdS)23. gxf3 ou 22. ...
As brancas têm uma enorme vantagem e tlJxdS 23. 'iVd7+!! ou 23. .Jte2+. Menos claro
muitas possibilidades para iniciar um ataque seria (23. .JtfS+ 'i\Vxd1+24. 'i/kxd1+ tlJd42S.
decisivo.Ajogada seguinte é típica de Anderssen. g3 1:tgS!26. .Jth3 .Jtf3!) 23. ... tlJd4 24. .Jtxf3
.Jtxf3 2S. g3 .Jtxd1 26. 'iVxd1 entrando num
17. tlJf6+!! final vencedor.
Kasparov comentou: "Há dois motivos de
admiração pela jogada anterior. Anderssen 21. 'i\Vxd7+!!
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 163

81."

71.1J.I...
.i Tarrasch se negou a jogar contra o jovem Las-
ker, que considerava não ter suficiente nível en-
xadrístico. Em um dos seus famosos encontros,
Tarrasch recusou-se a apertar a mão de Lasker,
e com uma ligeira inclinação, exclamou: "Para
61
5
J. ~ ~ você, senhor Lasker, só tenho uma palavra:
xeque-mate!".
4

31,J.. CONSELHOS
21 ~' 1. Se tiver medo de perder uma partida, seu
jogo nunca evoluirá. Se lhe oferecem
empate, e sua posição é melhor, não acei-
a b c d e 9 h te.
2. Se cometer um erro, não se preocupe: seu
21. ... ~d7 22. i.fS+ 'iti>e823. i.d7+ adversário também pode se equivocar.
'it>f824. i.xe7 mate. 3. Quando estiver com pouco tempo, evite o
jogo complicado.
4. Se estiver perdido, venda caro sua derrota.
Siga realizando as jogadas que podem
ocasionar mais problemas ao seu adver-
sário.
5. Se não puder evitar que o jogo se compli-
que, não se apure no tempo.
5 6. Se seu adversário tem problemas de tempo,
não se apresse: ele deve se apressar, não
4 você.
3" 7. Se você se distrair, pelo motivo que for, não
faça sua jogada até recuperar a concen-
21 ~ tração.
8. Seja pontual na hora do começo da partida-
o tempo desperdiçado ao chegar tarde po-
a b c d e 9 h derá fazer falta depois.
9. Não fique nervoso se o adversário não se
apresentar na hora prevista: o tempo des-
Um final impressionante, digno de um gê- perdiçado é dele.
nio do xadrez. 10. Tente jogar as partidas na melhor forma
física possível: não coma em excesso antes
de jogar, tampouco jogue de estômago
A relação entre Tarrasch e Lasker vazio. Muitos jogadores costumam comer
ou beber algo que lhes dê forças depois de
Tarrasch e Lasker estavam inimizados des- umas tantas horas de jogo.
de a vez em que se conheceram, ocasião em que
CAPíTULO 26 o jogo criativo
"Se um jogador tem medo de perder uma
competição, nunca poderá ter um jogo criativo."
(Bronstein)

David Bronstein foi um dos jogadores que nunca chegou a ser campeão mundial, mas esteve
perto de o conseguir ao empatar com Botvinnik em seu enfrentamento no ano de 1951. Foi um
jogador dotado de uma extraordinária imaginação e chegou a criar verdadeiras obras de arte graças
ao seu jogo arriscado e combinativo.

DAVID BRONSTEIN
Nacionalidade: Ucraniano.
Nascimento: Bielaia (Ucrânia), 19 de fevereiro de 1924.
Títulos: Grande Mestre Internacional.
Características de jogo: Agressivo e combinativo.
Melhores torneios: Campeão do Interzonal de Saltsjobaden, 1948; campeão da URSS,
1949; Moscou, 1959; Berlim, 1968; San José, 1974; Budapeste, 1977; Yurmala, 1978; Tallin,
1983.
Principal derrota: Não poder conquistar o título mundial contra Botvinnik em 1951.
Legado: Contribuiu notavelmente para a teoria das aberturas. Três de seus melhores
livros são: EZaprendiz de brujo, escrito em colaboração com T.Furstenberg, Ajedrez de torneo
(Zurique, 1953) e EZarte deZcombate del ajedrez.
Vida privada: Seu avô o ensinou ajogar quando tinha só seis anos. Tem sido um jogador
admirado e querido pela maioria de seus adversários, graças ao seu caráter íntegro, amigável
e sociável.
Consideração final: Um dos melhores jogadores de sua época, que não chegou a campeão
mundial por muito pouco, uma vez que empatou no seu desafio a Botvinnikem 1951.

--
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES165

Partida 53 Parece melhor 15. 1:le2!? 'ii'a5 16. 1:led2


com jogo complicado.
s. Reshevsky - D. Bronstein 15. ... 'ii'a5!
Torneio de Candidatos, 1953
Uma jogada um tanto surpreendente, mas
muito forte.
Defesa Índia do Rei
O 2I~ang é um elemento 16. ifl
essencial em finais de partida. Se 16. 1:lxd6?!l2Je5.
a) 17. b3 axb3 IS. axb3 ~xh3! 19. ixh3
1. d4l2Jf6 2. c4 g6 3. g3 ~g7 4. ~g2 o-o l2Jf3+ 20. ~f1l2Jxel 21. ~ell2Jxe4 22.
5.l2Jc3 d6 6.l2Jf3l2Jbd7 7. 0-0 e5 8. e4 1:le8 :d3 'ii'al + 23. l2Jbl (23. l2Jdl :ta2 24.
Um movimentopouco habitual, mas total- 'ii'c1l2Jxf2!+ 25. ~2 1he2+ com vanta-
mente correto; o normal nesta posiçãoé jogar gem das pretas) 23. ... 1:la2com melhor
S. ... c6. jogo para as pretas.
b) 17. 1:lddl 17. ... l2Jxc4 IS. ~d4 'ii'b4
9.h3 (partida Smyslov - Cioceltea).
Outro plano seria jogar 9. d5 1:lfSseguido
de l2JeSe f5. 16. ... l2Je5 17. l2Jd4 a3!
Agora as pretas dispõem de duas boas casas
9. ... exd4 10. l2Jxd4 l2Jc5 11. 1:let aS para seus cavalos: b4 e c5.
12. 'ii'c2 c6
Não seria bom tentar ganhar um peão me- 18. f4 l2Jed7 19. b3 l2Ja6! 20. ~f2
diante 12. ... l2Jfxe4 13. l2Jxe4 ~xd4 14. ~g5 l2Jdc5 21. :te3 l2Jb4 22. 'ii'e2
'ii'd7 15. l2Jf6+ (15. 'ii'd2 l2Jxe4 16. ~xe4 ~g7 As pretas têm uma melhor posição do
17. ~d5 c6 IS. 1:lxeS+'ii'xeS 19. 1:lel ~e6 20. ponto de vista estratégico.
~xe6 fxe6 21. 'ii'xd6 com vantagem das bran-
cas) 15. ... ~xf6 16. ~xf6 com melhor jogo das 22. ... ~d7 23. e5?! dxe5 24. fxe5
brancas. 1:lad8 25. g4 l2Je6 26. ih4
Com este movimento entra-se em um com-
13. ~e3 plicado jogo tático.
Seria interessante 13. ~f4!? l2Jfd7 14.
26. ... l2Jxd4 27. 1:lxd4 'ii'c5 28. 1:lde4
l2Jb3!com vantagem das brancas. Se 2S. 1:ldl 1:lxe5!
13. ... l2Jfd7
Ou 13. ... a4!? 14. :tabl ~d715. b4 axb3 16. 28. ... ih6!
axb3 'ii'e7 (partida Smejkal- Planinc). 8 II .
. J.
14. 1:ladl a4 15. l2Jde2?!
n i i i
811 J.". 61 i i..I.'
7 Ij iJ.i 51 " ~
i .~
6
5

41i
.
il

~ ~
41
3
21~
I" ~tD
li
11
'ti'
~ ir.,
~

3 tD ir. ~.. ~ ir.~


abcdefgh
2I ~~ 'ti' tD8ir.
:: ~, 29. 'iÍi>hl~e6 30. g5
abcdefgh Depois de 30. ~xdS 1:lxdS31. 1:lg3Ad2 32.
'ilVell2Jxa2,e as pretas têm vantagem.

--- --
166 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

Ou 30. ~f6 ~xe3 31. 1:txe3 'ii'd4! com 62. 'ii'g2 ~c5+ 63. 'it>h1 'ii'h6+ 64.
superioridade das pretas. 'ii'h2 'ii'e3 65. b4 .i.d4

30. ... ~g7 31. 1:tf4~tS 32.lDe4 ~xe4+


Não seria válido 32. ... 'ii'xe5? 33.1hf5! gxfS
(33. ... 'ii'xf534.lDf6+ ~xf6 35. J:xe8+ 1:txe836.
'ii'xe8+ 'i;g7 37. gxf6+ com vantagem das
8

7"
6
,ê'
brancas) 34. lDf6+ ~6 35. gxf6! 'ii'xe3 36.
'ii'g2+ com vantagem branca.
33. ... ':fxe4 lDa6f 34. e6 fxe6 35.
1:txe6.1::tfS36. 1:te7 ~d4 37. ':3e6 'ii'tSf 3S.
':eSf
5
4

311'
88J. ,
. fi,
Se 38. ~g2 lDc5com vantagem das pretas. 218 -
3S. ... lDc5 39. hdS lDxe6 40. hf8+
'ihf8f
i. <i>
a b c d e 9 h
Nesta posição a partida se prorrogou,
mas as brancas não têm possibilidade de vi-
tória. As brancas abandonam, dado que estão em
zugzwang. Se 66. c5+ 'it>a767. 'ii'g2 g3 68. ~e2
41. ~g3 'ii'xg5f (68. 'ii'c2 'ii'gl mate.) 68. ... 'ii'h6+ 69. 'ii'h3
Muito melhor que 41. ... lDxg5 42. ~d6+ 'ii'xh3 mate.
~g7 43. 'ii'e7+ lDf7 44. 'ii'f8+ 'i;f6 45. 'ii'e7+
com xeque perpétuo.
Final
42. 'ii'xe6 'ii'xg3 43. 'ii'cS+ ~e7 44. 'ii'g4
Não 44. 'ii'xb7+? 'ittd8 45. 'iVa8+ 'i;c746. Karstedt, 1909
'ii'a5+ ~b6+ 47. 'ii'd2 'ii'gl mate.
Torre e peão contra torre
44. ... 'ii'c3 45. 'ittg2 ft2+ 46. 'ii'e2+ Na seguinte posição existem as condições
~d6 47. 'it>f3 oportunas para que o jogador que tem o peão
As brancas não podem tomar o peão de b2, possa progredir e ganhar a partida.
pois se 47. 'ii'xb2 axb2 48. .i.d3 'i;e5 49. ~f3 ~c5
50. ~b1 'i;f6 51. ~e4 h5 52. ~c2 g5 53. .i.b1 ~d6 8 <i> ,
54. ~c2 g4 55. hxg4 hxg4 56. ~b1 g3 57. 'i;f3
M4 com vantagem das pretas. 7 '8
6
47. ... ~c5 4S. ~e4 'ii'd4+ 49. 'it>f3
'ii'f6+ 50. ~g2 'ittc7 51. 'ii'f3 ft2+ 5
As pretas evitam a todo o custo a troca de
damas, já que a disposição de suas peças é 4
muito mais ativa.
3
52. 'iVe2 'li'd4 53. 'ittf3 h5 54. 'ittg2 g5 2
Com a intenção de avançar os peões do rei li
para restringir a posição branca. I'
55. 'it>g3'ii'f4+ 56. ~g2 g4 57. hxg4 abcdefgh
hxg4 5S. 'it>h1c,t(b659. 'itg2 'i;c7 60. 'i;h1
~d6 61. 'it>gl ..t>b6 Vejamos como acontece:
As pretas vão realizando tempos de espera 1. ':cS 'itd6f
com seu rei para encurralar as brancas, que Se 1. ... ~d7 2. J:tb8J:th1 3. ~b7 ':b1+ 4.
quase não dispõem de jogadas. 'it>a6':a1 + 5. 'ittb61:tb1+ 6. ~c5 e ganhariam.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 167

2. :b8 :aI3. 'it>b7:bl+ 4. 'it>c8:c1+


5. 'itiJd8:hl! 6. :b6+ ~c5 7. J:tc6+ 11 81ft I
Jogada-chave da posição. 714 i
7. ... <i.'d5 618 8 4
Se 7. ... 'itiJxc6?8. a81iV+.Tampouco serviria 5
7. ... <i.'bS8. :tc8 :dl + 9. ~c7 :c1 + 10. ~b8 e <i>
já não haveria mais xeques. 4
8. :a6 :th8+ 9. ~c7 J:th7+ 10. ct>b6 3 J.
:h6+ 11. ~b5, e as pretas não podem evitar 2
a coroação do peão.
O peão da torre não pode avançar no caso de
o rei do bando débil se acercar do peão.
abcdefgh

Mates típicos
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
Mate de MaIon
Tal- Botvinnik
1. e4 e5 2. ttJf3ttJc6 3. ~c4 ~c5 4. d3 Campeonato do Mundo, 1961
ttJge7 5. ttJg5 O-O6. 'iih5 h6 O engano de Botvinnik

811 .t. .ê No encontro de revanche pelo campeonato


do mundo entre Botvinnik e Tal, Botvinnik expli-
ni 4 i i 4i 4 ti cou em seu livro autobiográfico,Alcanzar la meta,
a seguinte anedota. A partida número 20 foi adia-
61 i da numa posição em que Tal era superior. Após
51 longa análise, Botvinnik encontrou uma conti-
.t i tLJ1f nuação com a qual poderia obter o empate caso
41 8 Tal se equivocasse. Sua estratégia foi a seguinte:
J. primeiro, fez correr entre os periodistas especia-
3 lizados que sua posição era perdedora e, depois,
decidiu fazer um pouco de teatro no reinício da
partida, de maneira que Tal imaginasse que a po-
sição não tivesse solução. Além disso, não vestiu
seu habitual temo de café, para dar a entender
a b c d e f 9 h que o encontro terminaria em poucos lances. A
partida continuou da seguinte maneira:

7. ttJxf7 1iVe88. ttJxh6+ 'itiJh89. ttJf7+ 81:


<;t>g810. 'iih8 mate. n .
Exercício 35
618 ti
51 84 i
Bolton, 1873 41 8 8
As brancas jogam 3 <i>
Na posição do diagrama, as brancas po- 2
dem alcançar a vitória ou devem se conformar I
com o empate ou a derrota? Explique sua res- I
posta indicando as melhores jogadas para os
dois lados. a b c d e f 9 h
168 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

1. ~a2 :b5 2. a7 :a5+ 3. ~b3 ~b7 4.


:f8 CONSELHOS
Nesta posição, Botvinnik esteve meditando
para dar a entender que não havia encontrado l.As partidas dos maiores jogadores de todos
nenhuma solução em sua análise. Lançando um os tempos são a maior escola para se apren-
suspiro, jogou: der a jogar bem xadrez.
2.Não se deve esquecer que uma peça, mes-
4 1:b5+
mo que esteja cravada, pode seguir exer-
Mijail Tal respondeu de imediato e com cendo uma função útil na partida.
segurança. 3.Quando realizar uma troca de peças,
observe se foi criada alguma debilidade na
5. ~a4? sua estrutura de peões ou na do seu adver-
Agora já não era necessário dissimular: Tal sário.
havia caído na cilada,e a posição era de empate. 4. Uma boa forma física é uma maneira ótima
para suportar as pressões a que se é sub-
5. ... ~xa7 6.:XíS :b1 7. :f6 metido durante uma partida de xadrez.
Neste momento, Tal compreendeu que não 5. Busque um Grande Mestre com quem se
adiantaria 7. :f7+ 'ii?a68. 1:c7 devido a 8. ... identifique na sua forma de jogar e o utilize
:b4+ 9. 'ii?xb4afogado!!A partida continuou: como modelo a seguir.
6. Os peões centrais são normalmente mais
7. ... ~b7 8. íS :a1+ 9. 'it>b4:a1 10. importantes que os laterais.
~c3 1:ct + 11. ~d2 1:0 12. 'it>e3~c7 13. 7.0s peões dobrados, além de serem débeis,
:f7+ 'ii?d8 14. ~e2 1:f4 15. ~d3 1:13+ e às vezes impedem o movimento de nossas
acertaram o empate. peças, em especial, dos bispos.
O final do encontro foi ganho por Botvin- 8.Estude detalhadamente o regulamento do
nik, que recuperou seu título de campeão mun- jogo dos torneios que for disputar e conheça
dial. em profundidade o regulamento geral do
jogo.
9. "Estudar as variantes de abertura sem vin-
Fischer e as mulheres culá-Ias à estratégia do jogo, no meio-jogo,
é como separar a cabeça do corpo." (Pe-
Fischer afirmou certa vez que uma mulher trosian)
jamais conseguiria obter dele um empate, in- 10. ''Afunção primordial da abertura é conduzir
clusive se se tratasse de uma simultânea. Até a um bom meio-jogo." (Portisch)
agora, ao que se sabe, cumpriu sua palavra.

--
CAPíTULO 27 Em busca da
harmonia enxadrística
"Meu estilo no xadrez e minhas preferências
musicais se inclinam para um ideal de perfeita
beleza, de harmonia essencial, que para mim
.
é a expressão da mais alta espiritual idade.
(Smyslov)

Vasili Smyslov declarou-se como um dos herdeiros das teorias enxadrísticas de Tarrasch. Seu
estilo posicional, lógico e metódico o levou a conquistar o título mundial. Destacou-se também pela
sua grande sensibilidade para os finais, nos quais alcançou grande maestria. Simpático e de modos
refinados, ganhou o afeto dos companheiros enxadristas de todo o mundo.

VASILI SMYSLOV
Nacionalidade: Russo.
Nascimento: Moscou, 24 de março de 1921.
Títulos: Campeão mundial em 1957, após vencer Botvinnik.
Características de jogo: Técnico, profundo, imaginativo e lógico. Destacou-se por sua
destreza para jogar finais de partida.
Melhores torneios: Foi campeão da URSS, empatado com Bronstein, em 1949; obteve o
primeiro lugar, dentre outros, nos torneios de Zagreb, 1955; Candidatos de Zurique, 1953;
Candidatos de Amsterdã, 1956; segundo lugar no torneio dos Candidatos de La Haya-Moscou,
1948; campeão do mundo de veteranos, 1991.
Façanhas: Venceu Botvinnik no campeonato do mundo de 1957.
Principal derrota: Perder seu trono contra o mesmo Botvinnik em 1958.
Principal debilidade: Falta de agressividade.
Vida privada: Compartilhou sua paixão pelo xadrez com sua profissão de músico. É
religioso e crê em experiências místicas. Seu pai foi um grande aficionado do xadrez e um
forte jogador, que chegou a derrotar Alekhine. Por toda a vida, foi uma pessoa simpática,
agradável, culta e de bom gosto.
Legado: Trouxe novas idéias para a teoria das aberturas, em especial a Abertura Ruy
Lopez, a Defesa Francesa, Grünfeld, Nimzoíndia. Seu livro mais importante é Mybest games of
chess 1935-57.
Consideração final: Apesar de ser um extraordinário estrategista e finalista, nunca foi
considerado como um dos melhores campeões do mundo.
170 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 54
81 Ãif lê
V. Smyslov - J. Pelikan 71 ii i .ti
Mar deI Plata, 1966
61 i
Defesa Holandesa
51 81jii.
A coroação de peões
também é um elemento 41 8tb8
tático do meio-jogo. 31 I 8
1. d4 f5 2. c4 tiJf6 3. tiJc3 d6 4. tiJf3 21
g6 'f/8 i.8
Entrando na variante Leningrado, uma das ]:[ ]:[
linhas mais jogadas na Defesa Holandesa. O a b c d e f 9 h
bispo se coloca na casa g7 ocupando uma
diagonal com grandes perspectivas.
19. c5 :a6 20. exf5 :a4
5. g3 ~g7 6. ~g2 o-o 7. o-o aS Se 20. ... gxf5 21. "fic2seria muito forte.
Com este avanço, Pelikan procura obter
algum contrajogo no flanco da dama, espe- 21. tiJe6 ~xe6 22. fxe6 :xfl+ 23.
cialmente se as brancas jogassem b3. 1hfl b6 24. d6!
8. ~g5 tiJc6 8 .. .
Nesta mesma posição, Pelikan, em sua
partida contra Guimard no mesmo torneio de 7 i ti Ãi
Mar deI Plata de 1966, jogou 8. ... tiJbd7. 6 ti 88 ti
9. d5 tiJe5 10. tiJxe5 dxe5 11. 'iYd2 e4
12.:adl
5 8 Ij i.
Rossetto jogou contra o mesmo adver-
sário, em outra partida, 12. ~h6 ~xh6 13.
4 I
"fixh6 e6 14. :adl "fie7, etc. Em troca, o 3 8
movimento realizado nesta partida 8. ... tiJc6
tem o inconveniente de dificultar o avanço
2 'f/8 i.8
e6. :
12. ... tiJg4 13. f3 tiJe5 14. b3 a4 abcdefgh
O correto seria 14. ... exf3 com jogo difícil.
Pelikan, lutando para ficar com a iniciativa, Enérgico avanço de peões centrais, que
sacrifica um peão, mas suas tendências agressi- destrói todas as esperanças das pretas.
vas encontram um eficaz antídoto.
24. ... cxd6 25. cxd6 :d4 26. ~xe7
15. fxe4 axb3 16. axb3 :a3 17. tiJb5 Evidentemente não seria válido 26. "fixd4?
:xb3 18. tiJd4! tiJf3+ perdendo a dama.
Este excelente movimento resulta em uma
surpresa pouco agradável para as pretas. 26. ... fie8
Se 26. ... J:xd2 27. ~xd8 J:xd6 28. e7 :e6
18. ... :b6 29. ~dS ganhando de imediato.
Jogada única, como demonstra a seguinte
análise: 27. "fixd4!
Se 18. ... tiJxc4 19. 'iYa2 :c3 (19. ... :b4 Com esta entrega de dama, as brancas ob-
20. tiJc2! com vantagem das brancas) têm a máxima cooperação de suas peças com
20. tiJbS com vantagem das brancas. seus dois peões passados.

--
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES171

27. ... liJf3+ 28. hf3 .ixd4+ 29. e3 2. liJf6 <õt>hl


.ig7 30. Af7 No caso de 2. ... g4 3. liJxg4+ ~hl 4. ~f1
E as pretas abandonam, pois não há defesa h2 5. liJf2 mate.
possível contra a forte ameaça d 7 .
3. liJg4 h2 4. liJe3 g4 5. liJf1 g3+ 6.
8 liJxg3 mate.
No caso do lance pertencer às brancas, a
7 vitória seria mais simples:
6 j 1. liJf6 'it>hl
5 Se 1. ... g5 2. liJg4+ ~hl 3. 'it'f1 h2 4. liJf2
mate.
4
2. liJg4 g5 3. ~f1 h2 4. liJf2 mate.
3 8 8
2 i-8 Mates típicos
~
a b c d e 9 h Mate de fantasia em três jogadas

Final
8 c.
7. 8
Salvio, 1634 6
Final de cavalo contra dois peões 5
41
8

,
31 j
7
21
6

5 i-
a b c d e 9 h
4

2
j
..&.. li
o compositor espanhol José Tolosa compôs
este original mate em três jogadas no ano de
'llrf . 1887.

1. liJb2! c:xb2 2. liJau bxal'it' 3. 'it'xal


a b c d e 9 h mate.

Só em casos excepcionais, como o que apre- Exercício 36


senta o diagrama, o jogador que tem o cavalo
solitário pode vencer.
Vejamosa soluçãono casoem que o primei- Capablanca - Lasker,
ro lance cabe às pretas: 1914 (partida rápida de 5 minutos)
1. ... g5
Se 1. ... ~hl 2. liJf6 ~h2 (2. ... h2 3. liJg4 As brancas jogam e ganham
g5 4. lbe3 g4 5. lLIfl 83+ 6. lLIxg3mate) 3.
liJg4+ ~hl 4. ~f1 g5 5. 'õt>f2h2 6. liJe3 g4 7. A posição do diagrama pertence a uma
liJf1 g3+ 8. liJxg3 mate. partida entre Capablanca e Lasker. O Mestre
172 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

cubano demorou cinco segundos para encon- 16. i.g2 i.d5 17. J:fcI J:ac8!
trar a solução. Você seria capaz de encontrar o Muito melhor que 17. ... aS 18. i.f2 lbcs
método ganhador em um tempo razoável, por 19. lbbS 'ifb7 20. lbc3 i.c6 21. J:e1.
exemplo, dois minutos?
18. i.f2
Não teria sido bom 18. 'fixa6 i.cs 19.1bbS
81 kt <it 'ii'c6 20. lbd4 i.xd4 21. i.xd4 i.c4 22. 'iVa7
7 I <fi . J:a8.

61lDi 18. ... lbc5 19. b4?


Coerente com o plano branco, mas não é
5/ Ij uma boa jogada.
4 No caso de 19. :te 1 'iVd720. b3 f6 a posição
das brancas ficaria difícil.
3
19. ... lbd3!!
2
8 I lê
a b c d e 9 h
7 . Aiii
i
6 ii
ANEDOTAS E CURIOSIDADES 5 A
Partida 55
4 lDi
3 Ij
Botvinnik - Ragosin 2 'iVJ.J.
Sacherenne, 1936

Defesa SicUiana
kt I:[ <it
a b c d e 9 h
Contra-ataque no centro ante
um ataque no flanco.

Ragosin, um Grande Mestre nascido em Le- Ragosin troca a dama e um cavalo por duas
ningrado, conseguiu excelentes resultados em torres. Segundo o valor nominal das peças,
sua carreira enxadrística. Na presente partida, perde dois pontos; contudo, o valor posicional
demonstra como derrotar um campeão do dos bispos brancos e das torres compensa com
mundo com um jogo aparentemente simples, vantagem o sacrifício.
mas cheio de engenho e vitalidade. As brancas, por sua parte, não têm escolha.
1. e4 c5 2. lbf3 e6 3. d4 cxd4 4. lLJxd4 20. cxd3'iVxcI+ 21. :XcI 1bcI+ 22.
lbf6 5.lbc3 d6 6. i.e2 a6 7. i.e3 'fic7 8. a4 i.f11Uc8!
b6 9. f4 i.b7 10. i.f3 lbbd7 11. 'fie2 i.e7 As pretas não precisam se precipitar, pois
12. O-OO-O 13. g4 d5! têm suas peças perfeitamente colocadas.
Contra um ataque no flanco, o contra-
ataque no centro. Além disso, dS é uma jogada 23. 'ii'b2 exd3 24. b5
temática de liberação das pretas nos esquemas Continuação desesperada, mas já não há
da Defesa Siciliana. mais boas jogadas.
14. e5 lbe4 15. lbxe4 dxe4 24. ... axb5 25. axb5 J:dl!
Em troca do peão dobrado, as pretas Nessa posição, embora as brancas tenham
deixaram um bastião que controla casas muito todas suas peças próximas da torre, ela está
importantes do tabuleiro. segura.

--
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES173

26.lbc6 iLíS 27. bb6


O ataque das brancas é uma ilusão. CONSELHOS

27. ... d2! 1. Lembre que o xadrez é um jogo em que


." , .9, você deve entender os conceitos, não ape-
ai I .tê nas os memorizar.
71 " , 2. Busque ser crítico com o que aprender,
comprove por si mesmo, raciocine sempre e
61 .tlb , procure suas próprias verdades.
3. Não deixe suas peças desprotegidas, elas
51 8 .t8 podem ser objetos de ataque.
4. Os pequenos detalhes da posição podem
4 88 ser importantes; não concentre sua atenção
em uma só área do tabuleiro.
3
5. Jogue sempre com coerência, guiado por um
2 'IV ti 8 plano geral sem trocá-Io a todo o momento.
6. Na abertura, sempre há uma máxima que
I J. se deve cumprir: o desenvolvimento rápido
das peças.
a b c d e f 9 h
7. Não se deve apenas atacar os pontos fracos
do adversário; é necessário criar outras
Como evitar que este peão se converta em novas fraquezas.
dama? 8. Seja prático e não desperdice seu tempo em
intermináveis variantes que depois não
28. 'ifc2 iLf3 serão levadas a cabo.
E as brancas abandonam. 9. Não realize sua jogada antes de ter com-
Por exemplo: 29. lbe7+ iLxe7 30. "it'xc8+ preendido o objetivo do seu adversário.
iLf8 31. 'ii'c2 [31. 'ii'd8 iLds 32. iLcs J:xfl+ 33. 10. Não inicie ataques nos flancos sem possuir
~xfl dl'ii'+ 34. ~f2 'ii'd2+ 35. 'itn iLc4+] 31. o domínio das casas centrais.
... :xfl + 32. <bxfl dl'ii' + 33. 'ifxdl iLxd1.
CAPíTULO 28 o mestre da
-
prevençao
MPetrosian jogava como nenhum outro mestre do
passado ou do presente; seu estilo é único e pessoal."
(Chernev)

Tigran Petrosian foi o jogador de xadrez melhor dotado para prevenir os ataques dos adversá-
rios. Pragmático, precavido, de técnica apurada e extremamente cuidadoso, levou às últimas con-
seqüências as teorias da escola hipermoderna de prevenção. Com um tipo de jogo oposto ao de Mijail
Tal, Petrosian foi um jogador diferente de todos os seus antecessores e conseguiu, com todo o mere-
cimento, o título de campeão do mundo.

TIGRAN PETROSIAN
Nacionalidade: Georgiano.
Nascimento: Tbilisi (Georgia), 17 de julho de 1929.
Morte: Moscou, 13 de agosto de 1984.
Títulos: Campeão mundial entre 1963 (quando derrotou Botvinnik) e 1969 (ano em que
foi vencido por Spassky).
Características de jogo: Preventivo, tentava destruir o jogo do adversário e vencê-Io
acumulando pequenas vantagens. Era pouco amante de complicações, embora tivesse um
grande domínio de tática. Foi um grande especialista em partidas relâmpagos (5 minutos por
jogador).
Melhores torneios: Campeão da URSS em 1959, 1961, 1969 e 1975; candidato ao Cam-
peonato do Mundo em 1953, 1956, 1959, 1971, 1974, 1977 e 1980. Venceu, dentre outros, os
torneios de Copenhague, 1960; LosAngeles, 1963; Buenos Aires, 1964; Moscou, 1966; LasPalmas,
1973; Lone Pine, 1976; Tallin, 1979; Las Palmas; 1980, e Yereván, 1980.
Façanhas: Despojar Botvinnik do título de campeão do mundo.
Principal derrota: Ante Fischer no torneio de candidatos de 1971.
Principal debilidade: Jogo excessivamente precavido.
Vida privada: Seus pais morreram durante a Segunda Guerra Mundial, e Petronian teve
de manter os irmãos com seu trabalho. Seu grande consolo foi o xadrez, ao qual dedicou
grande parte de sua vida. Cuidava da forma física e dormia sempre que podia antes de seus
jogos. A surdez contribuiu, segundo suas próprias palavras, a concentrar-se melhor nas
partidas.
Legado: Foi diretor da revista semanal de xadrez 64. Vale destacar que sua obra Algunos
problemas de lógicaen el análisisajedrecísticofoi originalmentea tese que lhe proporcionouo
doutorado em filosofia da ciência.

-
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 175

Consideração final: É considerado um dos campeões do mundo menos populares, sem


dúvida por causa de seu jogo pouco brilhante e arriscado. Seu estilo peculiar, baseado nos
princípios de prevenção enunciados por Nimzowitsch, não tem sido bem aceito pelos
aficionados, apesar de ter-lhe proporcionado grandes êxitos.

PARTIDA 56
8 I .i.1V lê
A. Tolush - T.Petrosian i i.i.i
Moscou, 19S7
7 Ai
Abertura Ponciani
6 i .. i
1. e4 eS 2. ttJf3 ttJc6 3. c3 ttJf6 4. d4
5 i 8 i
d6 s. dS 4 8 8Ai 8
Aparentemente as brancas ganham espaço e
fazem o cavalo retroceder ao seu redil, mas, uma
3 i. i. !i) 8
vez fechado o centro, as pretas não têm proble-
mas de desenvolvimento, e as brancas também
2 8 8 ti)'iV8
terão de realizar manobras lentas e perdas de : :1
tempo. Seria interessante a continuação 5. a b c d e 9 h
..tb5!?, e também 5. dxe5 ttJxe5 6. ttJxe5 dxe5 7.
'iVxd8+ ~d8 8. ..tc4 ttJxe4! 9. ..txf7 ..tc5! 10. 0-
O :'f8 com melhor desenvolvimento e perspec- IS. gxf4 exf4 16. ..txf4 'iVf6
tivas para as pretas. Agora se recupera a peça devido à ameaça
em b2 e h4.
s. ... ttJbS 6. ..td3 g6 7. h3 ttJbd7 S.
..te3 ..tg7 9. ttJbd2 17. :dgl 'it'xf4 IS. hS bS 19. hxg6
Tambémseria possível9. c4 seguidode 10. Ou então, 19. :h4 'iVf620. ttJg5 h6! Com
ttJc3. vantagem das pretas.
9. ... ttJhS 19. ... hxg6 20. ~dl
Com a intenção de fazer f5 e um eventual Jogada preventiva com ameaças perigosas.
ttJf5. Depois de 20. ttJg5 bxc4 21. ..txc4 ttJe5, as
pretas estariam muito melhor.
10. g3 O-O 11. 'iVe2
Parece melhor 11. 'iVc2seguido de c3-c4. 20. ... 'iVf6 21. ttJgS :'eS 22. :'h4 ttJb6
23. ..tc2 ttJxc4 24. eS!?
11. ... c6 12. c4 cS! Jogada arriscada para complicar a posição
Se 12. ... cxd5? 13. cxd5 seguido de ttJc4 que parece má para as brancas.
com bom jogo para as brancas.
24. ... J:txeS 2S. ttJde4 'iVe7
13.0-0-0? Não seria válido 25. ... :Xd5+? 26. ~e1
Melhor seria 13. ttJf1. 'iVxb2 27. ttJf6+ 'it'xf6 28. 'iVe8+ ..tf8 29.
:'h8+! 'ii'xh8 30. 'iVxf7mate.
13. ... a6 14. h4.
Seria muito melhor 13. ... ttJf4! 14. gxf4 exf4 26. f4 JhdS+ 27. ~e1 ..trs
15. ..txf4'iVf616. e5'iVxf417. exd6 ttJf618. 'iVe5 Também seria bom 27. ... f6 com vantagem
ttJh5 com vantagem das pretas. das pretas.
14. ... ttJf41 2S.:ghl
Sacrifício que pennite a abertura da grande Ameaça 29. :'h8 +! ..txh8 30. :'xh8 + ~8
diagonal a1-h8. 31. 'iVh2+.
176 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

28. ... J:d2r Final


Outra possibilidade seria 28. ... f6 29. l2Jd2
'it'xe2+ 30. ~xe2 :'e8+! com vantagem para Stoltz - Nimzowitsch
Petrosian. Berlim, 1928
8 I fi Final de peões
7 .'J.
6
5
,
ii
, J.!iJ
i
No diagrama a seguir, as pretas parecem ter
problemas por causa dos dois peões passados e
unidos das brancas. Entretanto, Nimzowitsch,
com as peças pretas, encontra uma elegante
maneira de ganhar a partida.
4 Ij !iJ8 %1
8
3
7
2 88..t11W

abcdefgh
c1> 1:1
6
51

418
8
i
., ,
29. 'ilf3
Não valeria 29. l2Jxd2 'ifxe2+ 30. <,Í?xe2
31 8
:'e8+ 31. ~dl (31. l2Jde4 f6 recuperando a 21 c1>
peça) 31. ...l2Je3+.
29. ... f6 abcdefgh
Um grave erro seria 29. ... J:xc2?? 30.
J:h8+ .i.xh8 31. J:xh8+ 'it>xh832. 'ifhl+ 'Ot>g8
com vantagem das brancas.
1. ... f4! 2. gxf4+ 'iií>d6U
30. <,Í?f1 fxg5 31. l2Jf6+ 'it'xf6 32. Jogada, à primeira vista, desconcertante,
'ifxa8+ fj;f7 33. J:h8 .i.d3+r mas excelente. Desta posição, o rei preto pode
E as brancas abandonam. controlar os peões passados das brancas, e, em
troca, seus dois peões passados se mostram
811W %1 incontíveis.
71

61,
51 'i
, .,,
.J. 3.a5
Se 3. f5 g3 4. f6 g2 5. f7 'iií>e7,o rei preto
alcança o peão branco, e o peão preto toma-se
incontível.
41 Ij 8 3. ... g3 4. a6 <,Í?c75. f5 g2
As pretas coroam o peão e ganham a
31 J. partida.
218 8 J. I
Mates típicos
a b c d e 9 h
Mate de raio X
Mate de bispo e cavalo
Não haveria solução se 34. it.xd3 34.
'i'xf4+ 35. ~gl i.d4 mate. E se 34. c;t>el'ife6+ 1. 'ifg7 + <,Í?xg72. l2Jf5+ <,Í?g83. l2Jh6
seguido de mate. mate.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 177

81
71
I. ,
i
exemplo que comentamos a seguir corresponde
a duas partidas de Petrosian, curiosamente jo-
gadas no mesmo lugar (Moscou). Arnbas as
posições repetem quase que em idênticas con-
Wi dições, com dez anos de diferença, um mesmo
61 tema tático, o do xeque duplo de cavalo.
5 Vejamos o primeiro exemplo:
41 tLJ Petrosian -
Simagin

.I
31 11 Moscou, 1956
J..
21 I 8

a b c d e f 9 h
7 i .
6
5
Exercício 37
4

1906
-
Capablanca Raubitschek, 3
2
As brancas jogam e ganham
Na partida Capablanca contra Raubitschek
em 1906, produziu-se a seguinte situação. Você a b c d e 9 h
é capaz de encontrar a jogada ganhadora?

81e I I 1. 'iVa8+ ~g7 2. ~xe5+ 'iVxe5 3.


71' 11.
6111
.. 'iVh8+1 ~xh8 4.lDxf7+ ~g7 5.lDxe5, e as
pretas abandonam.
Dez anos depois, produziu-se a seguinte
posição, muito similar à anterior, na qual Petro-
51 II sian ganha de outro ex-campeão mundial, Boris
Spassky.
41 .
31
21
'ir
,. .
Petrosian - Spassky
Moscou,

81
1966

.
711 I i
a b c d e 9 h
61' liJ.. i..
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
51.
41
.. 'ir

31
O carteiro sempre chama duas vezes
218 IV 8
As possibilidades no xadrez são pratica-
mente infinitas; no entanto, é de muita utili-
dade conhecer os temas táticos e estratégicos a b c d e f h
porque podem nos ajudar a ganhar partidas. O 9
178 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

1. ixf7+ l:!xf'7 2. 'ih18+! 'iii>xh8 3. 3. Em algumas posições, onde existe maioria


tãxf7 + 'it>g74.lDxgS, e as pretas abandonam. de peões em um flanco, o jogador com
Esse dois exemplos, além de divertidos, são minoria pode realizar um ataque avançando
muito instrutivos para os principiantes, porque seus peões para atacar a base de peões
o tema do xeque duplo de cavalo é um dos mais contrários e aproveitar a coluna ou colunas
freqüentes na prática enxadrística. abertas adjacentes. Este tipo de jogada se
denomina "ataque das minorias".
4. As linhas de jogo devem ser revistas men-
Alekhine futurólogo talmente até que você se sinta seguro de que
não existe nenhum erro de cálculo - uma
Alekhine disse em 1914 que estava prepa- falha em uma jogada pode significar a perda
rado para seu encontro contra Capablanca pelo da partida.
campeonato do mundo: quando lhe disseram 5. Na medida do possível, busque averiguar
que o campeão era Lasker e não Capablanca, todas as informações disponíveis sobre seu
ele replicou: "Capablanca não é o campeão, adversário (idade, estilo de jogo, aberturas
mas logo o será". preferidas, etc.), isso pode lhe proporcionar
uma vantagem psicológica.
6. A força das peças não se mede apenas pelas
CONSELHOS casas que dominam, mas pelas que poderão
dominar.
1. A valorização de uma posição deve susten- 7. A dama e o rei ganham normalmente de
tar-se nos seguintes conceitos básicos: torre e rei, mas deve-se evitar as posições de
a) Superioridade material. afogamento e os xeques de torre se o rei
b) Estrutura de peões. tiver a sua dama na mesma fila ou coluna.
c) Debilidades de ambos os lados. 8. Um bispo pode lutar normalmente com êxi-
d) Atividade das peças. to contra três peões se estes não se encon-
e) Segurança dos reis. tram muito avançados.
f) Vantagem de espaço e iniciativa. 9. Uma dama contra um peão na sétima, si-
g) Possíveis rupturas. tuado nas colunas a, c, f ou h, só pode
h) Tempos de desenvolvimento. ganhar se seu rei está próximo do peão.
i) Possibilidades táticas, começando pelas 10. Uma dama ganha praticamente sempre
variantes obrigadas de trocas, sacrifícios, contra torre, enquanto torre e peão têm boas
etc. possibilidades de defesa contra dama se o
2. Quanto menor é o valor da peça que blo- peão se encontrar protegido pelo rei e pela
queia um peão passado, mais efetivo é seu torre.
resultado.

--
CAPíTULO 29 o menino-
prodígio espanhol
"Pomar tem excepcionais dotes de intuição para
levá-Io a ser um grande jogador de xadrez."
(Alekhine)

Segundo comentou numa ocasião o Grande Mestre soviético Kotov, se Arturo Pomar tivesse
nascido na URSS, seria um sério aspirante a campeão mundial. Por desgraça, a Espanha pós-guerra
não era o melhor momento nem lugar para a preparação de um jogador genial como Arturo Pomar.
Dotado de qualidades inatas para o jogo do xadrez, contribuiu para a popularização desse esporte
no país como nenhum outro jogador espanhol o havia feito até então.

ARTURO POMAR
Nacionalidade: Espanhol.
Nascimento: Mallorca, 1° de setembro de 1931.
Títulos: Grande Mestre.
Características de jogo: Bom jogador tático e estratégico, especialista em finais. Re-
cebeu aulas particulares de Alekhine, tal como se pode ver no livro do campeão mundial:
Legado.
Melhores torneios: Campeão da Espanha em 1946, 1950, 1957, 1958, 1962 e 1966;
Gijón, 1955; Madri, 1960; Torremolinos, 1961; Málaga, 1964; Pa1m~de Mallorca, 1966; Mála-
ga, 1971.
Façanhas: Foi um menino-prodígio que se tomou campeão de Baleares com apenas 10
anos.
Principal debilidade: Sua saúde e seu pouco espírito de luta.
Legado: Popularizou o xadrez nos anos que se seguiram à Guerra Espanhola.
Consideração final: Junto com Illescas, é o melhor jogador espanhol de todos os tem-
pos.
180 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

Partida 57 12. ... dxe5 13. ~xe5 tt:'Jg4


É evidente que se 13. ... :xeS?? 14. J.h7+
Pomar -
Ljubojevic ganhando a dama.
Las Palmas, 1974
14. J.g3 f5
Abertura Escocesa As pretas se vêem forçadas a jogar com
1. e4 tt:'Jf6 energia para não cair na rede do adversá-
rio.
lJubojevic planeja uma Defesa Alekhine
que Fischer colocou em moda dois anos antes
15.h3
de seu duelo contra Spassky.
Uma possibilidade interessante segundo o
2. tt:'Jc3 próprio Pomar seria 15. f4.
Pomar recusa o oferecimento do adver-
sário para entrar na Defesa Alekhine, por 15. ... tt:'Jf616. 'it'f3!
exemplo, com os lances 2. eS tt:'JdS3. d4 d6 4. Pomar não recusa as. complicações e entra
c4, etc. na linha do complexo joga combinativo.
2 e5 16. ... f4 17. 'iYxc6!
Por inversão de jogadas, chega-se a uma
Abertura Vienense.
811 .1.1 fi
3. tt:'Jf3tt:'Jc64. d4 711 I
Depois de produzir a posição típica da 61
Abertura dos Quatro Cavalos, Pomar decide 'iV I
convertê-Ia em uma variante da Escocesa. 51 .&
4. ... exd4 5. tt:'Jxd4~b4 6. tt:'Jxc6bxc6 41 .1 I
7. J.d3 o-o 8. o-o :e8
Ljubojevic se afasta do caminho mais co- 31 tO...t .t8
nhecido, que é 8. ... dS 9. exdS cxdS 10. ~gS
com jogo mais ou menos equilibrado. 21888 88
9. ~g5 h6 10. J.h4
D :
a b c d e f 9 h
Pomar joga de uma fonna agressiva, sem
se importar com a possível perda do peão em
e4. 17 :b8
Se 17. ... ~xc3 18. 'iVxa8 ~xb2 19. ':'abl
10. ... g5
~d4 20. J.h2, e as brancas ficariam com van-
Jogada arriscada que debilita o roque
das pretas, mas, se não jogasse assim, esta- tagem.
ria sujeito à variante 10. ... d6 11. f4! com 18. tt:'Jd5!
o que as brancas obteriam vantagem posi-
cional. A jogada-chave da partida. Pomar entrega
uma peça especulando com o tema das peças
11. ~g3 d6 sobrecarregadas.
Se 11. ... ~xc3 12. bxc3 tt:'Jxe4com a po- 18. J.h2 seria um lance muito passivo.
tente ameaça 'iVhS.
18 :e6
12. e5! Se 18. ... tt:'JxdS19. 'it'g6+ ~f8 20. 'iVxh6+.
Uma forte ruptura central que abre o jogo a) 20. ... ~g8 21. ~h7 +! ~f7 (21. ...
em benefício das brancas. Não seria bom 12. f4 ~h8? 22. J.g6+ ~g8 23. 'it'h7+ ~f8
.txc3 13. bxc3 .tg4, e a dama branca não teria 24. 'iif7 mate) 22. .tg6+ ~e7! 23.
boas casas para onde ir. 'it'xgS+ ~d6 24. J.xf4+ ~c6 (24. ...

------
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 181

ttJxf4 25. 1:tad1+!) 25. il.xe8+ 'ii'xe8 24. ... .i.h5?


26. il.g3 com clara vantagem branca. Protege a casa e8, mas deixa livres as casas
b) 20 'it>f721. .i.g6+ com vantagem das pelas quais pode escapar o cavalo branco. Teria
brancas. sido melhor 24. ... 'i!Yb6.

19. ttJxb4!1 25. il.c4+ 'it>h826. 1:te6


Pomar entrega sua dama em troca das duas As peças brancas atuam harmonicamente, e
torres, com a intenção de fazê-Ias entrar rapi- o rei branco segue protegido.
damente em jogo.
26. ... 'iVdl+ 27. 1:tn 'iVd4+ 28. 'it>hl
19 1:txc6 'iVxc4

81
7Ii
I A
i
" <8
Se 28. ... ttJg4? 29. 1:tf8+ 'it>g730. 1:tg8+!
ganhando. 30. ... ~xg8 31. 1:te4+ 'iVxc4 32.
1:txc4com vantagem decisiva das brancas.

29. 1:tfxf6 'ii'd5


61 1V I" i Tomando medidas contra a ameaça 1:te7.
5 i 30. ttJc6!
4r
8
31 J.. ~~
21 ~. ~ 7 i i
]:t
, : .~.
6 ~ :: i
a b c d e 9 h
5 ir iA
4

Outra possibilidade seria 19. ... 1:txb420. 31


~c4 1:txc421. 'iVxc4fxg3 22. fxg3, mas as bran- 21 .
cas continuariam melhor.

20. ttJxc6 'iVd6 21. ttJxb8 fxg3 -<i>


A esperança das pretas é capturar o cavalo a b c d e f 9 h
mediante 'iVb6+ .

22. fxg3 Recusa comer o peão de h6, preferindo


As pretas tomaram o bispo, mas está aberta fazer seu cavalo entrar em jogo.
uma perigosa coluna.
30. ... 'iVdl+ 31. 'it>h2'it>g7
22. ... il.xh3! 23. 1:tael! Se 31. ... il.f7 32. IIe7 'iVh5+ 33. ~gl
Não seria válido 23. gxh3? 'ii'xg3+ 24. 'it>h1 'ii'd1+ 34. 1:tf1!ganhando uma peça.
'iVxh3+ 25. 'it>gl 'iVg3+ 26. 'it>h1 ttJg4 com
vitória das pretas. 32. 1:tf2 il.g6 33. 1:te7+ 'it>g8 34. :Xc7
ft5+ 35. ~gl 'iVdl+ 36. 1:tO 'iVd6 37.
23. ... il.g4 ttJe7 + 'it>h7
Não 23. ... 'ii'xg3 devido a 24. 1:te2! Se 37. ... 'it>h838. ttJxg6+ ganhando.
24.1:tf2! 38. ttJd5+! ~g8
Ameaça dobrar as torres e se protege ante Se 38. ... 'it>h839. J:tf6'iVxdS40. 1tf8+ 'iVg8
um possível xeque da dama. 41. :xgS+ ~xgS ganhando.

-----
182 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

39. tlJf6+ ~h8 40. ':c8+ 'iii>g741. ':g8+ 6. ... 'iVd7 7. b4 ().()..()8. ~b2 tlJge7 9.
'iVa4?!
8 Seria melhor 9. b5 i.xf3 10. tlJxf3 tlJa5 11.

.
':c1.
7 ti
6 9. ... tlJg6 10. b5 tlJcxe5 11. 'iVxa7
O ataque branco é só uma ilusão. Se 11.
5 tlJxd4 ~c5, seguido de Ae8, seria bom para as
pretas.
4
... J 11. ... 'iVe6 12. e3?
3 ~ Um. erro grave. Seria muito melhor 12.
2 ~ tlJxe5 tlJxe5 com jogo complicado. Por exem-
plo: 13. ~xd4 tlJd3+ 14. 'iii>dl'iVd6 15. tlJf3
::~ tlJxf2+ 16. ~el ~xf3 17. gxf3 'iVxd418. 'iVxd4
abcdefgh ':xd419. ~xf2, etc.

12. ... dxe3 13. 'iVxe3 ~c5! 14. i.d4


E as pretas abandonam, já que se 41. ... Tampouco haveria salvação com 14. 'iVe4
'iii>f742. tlJe4+, e as brancas ganhariam a ~f5 15. 'iVe2tlJd3+ ganhando.
dama.
14. ... .:txd4! 15. tlJxd4 ~xd4 16. 'iVxd4
tlJd3 mate.
Partida 58
J. R Hernández -
R J. Pérez 8 I
Copa de Cuba, 1967 7 ili
Contragambito Albin 6 .. ~
Nunca ataque prematuramente sem 51 ~
ter desenvolvido suas peças. '"

A presente partida foi protagonizada por


41 8 11 J..
Francisco José Pérez, um dos melhores joga- 318 'r
Ij
dores espanhóis da época, que, depois de se
tornar campeão da Espanha em mais de uma 21 .tlJ 8 8 8
ocasião, se auto-exilou em Cuba, onde ainda
permanece. Um exemplo de sua grande cate- D li!
<1>.t:1
". ,. W'"

goria enxadrística nos é oferecido nesta par- a b c d e 9 h


tida, na qual, com uma "miniatura", castiga a
ousadia branca de um ataque prematuro sem o
desenvolvimento prévio das peças.
1. d4 d5 2. c4 e5 3. dxe5 d4 4. tlJf3 Final
tlJc6 5. a3 ~g4
Melhorque 5. ... tlJge76. tlJbd2i.e6 7. b4 Prokes, 1946
tlJg68. ~b2 tlJgxe59. b5 ttJxf3+ 10. exf3tlJa5
11. ~d3, e o jogodas brancasseriamelhor. Bispo e peão
contra cavalo
6. tlJbd2 Na seguinte posição, as brancas parecem
Parecemais interessante para as brancas6. sentenciadas à derrota, mas existe uma genial
g3 'i'd7 7. .ig2 0-0-0 8. h3. maneira de conseguir o empate.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 183

1. e4 eS 2. f4 dS 3. exdS e4 4. .i.bS+
8 c6 S. dxc6 bxc6 6. i.a4? 'ild4 7. c3 'ild6 8.
7 ttJe2 .i.g4 9. O-O?
6 9. ... 'ild31 10. :el i.cS+ 11. ~f1
51
4
" 'iVf3+ 12. gxf3 i.h3 mate.

Exercício 38
Ã
3 Bonner -
Medina
Baifa, 1976
2 i
Antonio Medina Garcia nasceu em Bar-
celona no dia 2 de outubro de 1919. É um dos
a b c d e f 9 h jogadores espanhóis mais destacados de todos os
tempos. Sua história inclui três campeonatos da
Catalunha, sete da Espanha e três da Venezuela,
A solução é a seguinte:
1. ttJb3 + .i.xb3 + país onde viveu longa parte de sua vida. Medina
é um cavalheiro do xadrez mundial, tranqüilo,
Uma continuação muito interessante seria l.
... ~d5 2. ttJd2 ~d4 3. ttJb1! única para empatar agradável no trato e um grande conversador.
Também se destacou como árbitro internacional.
(não seria bom 3. ~a3? ~c3 4. ttJb1+ ~c2 5.
ttJd2 i.g8, e as brancas ficariam em zugzwang:
quem tem a vez de jogar perde), 3. ... ~d3 4. As pretas jogam e ganham
ttJa3 .i.a2 5. ttJb1!! ~c2 6. ttJa3+ ~c3 7. ttJb5+ A seguinte posição corresponde à partida
~c4 8. ttJa3+ ~c5 9. ttJbl. Bonner - Medina, da Olimpíada de Haifa, 1976.
Apesar da igualdade de material, as pretas têm
2. ~a3n uma jogada com a qual decidem a partida. Você
E não se pode evitar o empate, uma vez que: conseguiria descobrir de que jogada se trata?
2. ... bl'i1
Afogado. Se o peão se coroasse como cavalo
ou como torre, também seria empate. Se qualquer
8

7
.
i
outra jogada fosse feita, o rei capturaria o peão.
6 8i
Mates típicos
Mate de Bristol 4 8
8
811.~ .Ã~~ 3~
2 88
71i i .i i
6
a b c d e 9 h
5
41i. Exercício 39
31 8 Ángel Martín González -
José García Padrón
218 8 8 tD Montilla, 1977
DlDi.\W Ángel Martín, Mestre IntelJlacional, é um dos
a b c d e melhores jogadores espanhóis de todos os tem-
184 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

poso Campeão da Espanha em três ocasiões e cin- Paolo Boi 2


co vezes campeão da Catalunha, destacou-se tam-
bém como escritor de livros e colaborador habi- o diabo, com sua poderosa magia, conver-
tual de revistas especializadas de xadrez. teu a dama branca em preta de forma que a
posição ficou assim:
As brancas jogam e ganham
8
81 111.1. 7 ti) 8
?li I i 6
iV
61i Ai .A ]:
5 .Ii
51
41
i A
8
A
li
4
li..
3! 8 A
31 8 .ti. if 21 8 8
218 8 8 <t>
li . <t> a b c d e f 9 h
a b c d e f 9 h

Mas Paolo Boi, depois de um tempo de refle-


ANEDOTAS E CURIOSIDADES xão, teve uma inspiração divina e disse:
- Apesar de tudo, darei mate em dois lan-
Paolo Boi 1 ces da seguinte maneira:
1. liJbS 'ili'xe7
Conta a lenda que, no final do século XVI, Se1. ... liJxc42. liJc3mate.
Paolo Boi, que era considerado o melhor jogador
da época, enfrentou o diabo. Disfarçado de mu- 2. ':xd4 mate.
lhe!;este desafiou o campeão. Depoisde uma luta
intensa, a posição no tabuleiro era a seguinte: Paolo Boi 3
8 o diabo não ficou satisfeito com esta partida
e se apresentou a Paolo Boi na forma de peregri-
7 ti) 8 no, voltando a desafiá-Iopara uma partida. O dia-
6 iif bo desta vez jogou com as brancas e, graças a seu
poder maligno, chegou à seguinte posição ganha-
]: .IA dora:
5
4
31 8
:.. 81ti::}
7 A ..
21

a b
8

c d e
if 9 h
j
4

3
6

i.
if I
I A
8
A
ti::}

Paolo Boi anunciou ao diabo mate em duas


jogadas: 2 <t>
1.liJxe6 :txf6
Se 1. ... liJec6 2. 'ili'xf5 mate. 1
2. ':xeS mate. a b c d e f 9 h
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 185

E o diabo anunciou mate em seis jogadas. Quanto a Arturo Pomar, tem uns dotes excep-
1. :xg7+ ~f6 2. 'iVxc6+ :txc6 3. cionais de serenidade e intuição. Sua partida
:Xc6+ 'iVd6 4. :'xd6+ cxd6 5. 0,c7 d5 6. comigo foi a de um verdadeiro mestre e co-
0,xd5+ ~e6 nheço vários profissionais estrangeiros, mui-
to experientes nessas lutas, que não teriam
8 feito melhor. Creio que, se não for prejudi-
cado por esforços prematuros e conseguir

..i
D
711
passar pela idade de desenvolvimento sem
61 problemas de saúde, fará sucesso no xadrez
internacional.
51 !iJ !iJ
41 8 CONSELHOS
31 i 1. ''Avitória é do jogador que vê uma jogada a
21 <i> mais que seu adversário." (Lasker)
2. Se seu oponente chegar tarde à sala de jo-
gos, não valorize o valor do tempo que tiver
a b c d e f 9 h a mais: às vezes se trata de uma manobra
de alguns jogadores para deixar nervosos
seus adversários.
3. Quando o rei contrário perde o roque, de-
Mas Deus, que havia estado ao lado de ve-se tentar atrai-Io para o centro, mesmo
Paolo Boi, fez com que o mate não ocorresse, que à custa de sacrifícios.
já que, no momento em que o diabo ia realizar 4. O grande roque apresenta mais fragilidades
a jogada decisiva, percebeu que com ela que o roque curto.
formava uma cruz e abandonou, irado, a par- 5. Quando existe roque em ambos os lados, a
tida. luta vai até a morte.
6. "Quando nosso cavalo não pode se posicionar
7. :te7 mate. em f3 ou em f6 defendendo h2 ou h7, temos o
recurso de defender esses pontos com o cavalo
situado em fI ou f8 respectivamente."(Lasker)
7. Ante um final de damas e torres, é con-
Alekhine e os jogadores veniente deixar uma saída de escape ao
espanhóis de sua época nosso rei para evitar que receba um mate
na primeira ou oitava fila.
o comentário de Alekhine, no ano de 1944, 8. Deixar nosso rei no centro do tabuleiro é pior
sobre os jogadores espanhóis da época foi o que deixá-Iorocar estando o roque debilitado.
seguinte: 9. Não inicie ataques prematuros na abertura.
- Creio que Medina e o doutor Rey Ardid 10. Coloque seus peões onde sejam úteis para
são os melhores jogadores espanhóis. Medina apoiar suas peças.
tem grande capacidade, afeição e juventude.
CAPíTULO 30 Uma luta
terrível
"O xadrez é minha vida."
(Kortchnoi)

VÍctor Kortchnoi destacou-se como um dos mais combativos lutadores do mundo do xadrez.
Seu estilo caracterizava-se pelo jogo de contra-ataque e uma depurada defesa. Nos jogos
complexos, age como um peixe dentro da água e sabe evitar como ninguém os mais perigosos
ataques de seus adversários. Sua grande qualidade enxadrística permite que se defronte com
qualquer jogador da elite mundial.

VÍCTOR KORTCHNOI
Nacionalidade: Russo, naturalizado suíço.
Nascimento: Leningrado, 23 de julho de 1931.
Títulos: Grande Mestre Internacional.
Características de jogo: Lutador, depurada técnica defensiva, amante do jogo com-
plexo.
Melhores torneios: Campeão da URSS em 1960, 1962, 1964 e 1970; Bucareste,
1954; Cracóvia, 1959; Budapeste, 1961; Havana, 1963; Yerevan, 1965; Palma de Mallorca,
1968; Biel, 1979; Tilburg, 1985; Las Palmas, 1991; Madri, 1995; Copenhague, 1996.
Façanhas: Sua grande longevidade esportiva.
Principal derrota: Suas derrotas contra Karpov pelos campeonatos do mundo.
Principal debilidade: Uma certa irregularidade.
Vida privada: Foi repudiado no seu país por se tornar dissidente.

-
o XADREZ DOS GRANDESMESTRES187

Partida 59 15. ... eS 16. dS


Depois de 16. dxeS?! dxeS 17. 1:tgS?!
Roquesartificiais O-O-O!E as pretas obteriam vantagem.
Kortchnoi -
Timman 16. ... h6 17. a41 g6 IS. 'fidl i.cs
No caso de 18. ... liJb8 19. aS liJd7 20.
Úbeda, 1997
i.c2!? com jogo complexo.
DefesaNimzoíndia
1. d4liJf6 2. c4 e6 3.liJc3 ~b4 4. e3 b6 19. aS 'fidS
S.liJge2 cS 6. a3 i.aS 7. 1:tblliJa6 S.liJg3 A opção 19. ... 1:tb8!?ofereceria boas pos-
Uma jogada da moda, mas parece que a sibilidades às pretas.
clássica8. i.d2 seria melhor. 20. ~f1
s. ... ~b7 O rei inicia um roque artificial levando seu
Seria possível também 8. ... o-o 9. ~d3 cxd4 rei a hl, com a intenção de mobilizar suas tor-
10. exd4 ~xc3+ 11. bxc3 dS 12. cxdS 'fixdS 13. res na coluna "g".
'fie2liJc7 14. liJe4liJfe8 15. ~b2 5 16. c4. 20. ... liJbS?1
9. i.d3
Um sacrifício de peão com conseqüên-cias
pouco claras. Merece atenção 9. f3!?
9. ... i.xc3+ 6
Na partida Vaisser - Serper (Novosibirisk,
1993) jogou 9. ... hS!? (com a idéia de expulsar o 51A
cavalo de g3) 10. dS!? exdS 11. liJ5 'ikb8 12.
cxdS g6 13. liJg3 liJxdS 14. ~d2 liJxc3 15. bxc3 4
'fieS 16. f4 'fie7 com possibilidades equivalentes. 3
10. bxc3~xg2 2
Também seria muito interessante 10. ... hS!?

11. ':gl i.b7 12. e4 d6 13. liJhSI


Se 13. ~gS h6 14. ~xf6 'fixf6 IS.liJhS 'fiM
16. liJxg7+ We7, as pretas jogariam como-
damente. Kortchnoi decidiu, com bom critério,
conservar sua dupla de bispos. Também poderia ter jogado 20. ... bxaS?!
13. ... liJxhS
21. 'fia4+ 'fid7 22. 'fia2 bxaS 23.
Teria sido ruim a jogada 13. ... ltJxe4?? 14. 'fixaS 'fidS 24. 'it'a4+ wf8
ltJxg7+ Wd7 (14. ... We7 15. 'fif3 5 16. ~gS+!
ltJxgS 17. 'fixb7+ com vantagem decisiva das Timman também renuncia ao roque. O pla-
brancas) 15. i.xe4! (15. 'fif3) 15. ... ~xe4 16. no é levar seu rei a g7, abrindo passo até o
'it'a4+ Wc7 (16. ... We7 17. 'fixa6 ~xbl 18. centro para a torre de h8.
i.gS+ f6 19. 'ikb7+ 'fid7 20. ~xf6+ com vitória
das brancas) 17. 'it'xa6 ~xbI18.liJxe6+ fxe619. 25. ~gl ~g7 26. f41 aS
:g7+ 'fid7 20. 1hd7+ ~xd7 21. 'iVb7+, e as Merece ser considerada a continuação 26.
brancas ganhariam. ... 'fif6 27. 5!? (27. fxeS 'it'xeS 28. i.d2 aS 29.
1:tf1) 27. ... aS 28. i.d2 i.d7 29. 'it'b3 a4 30.
14. 'fixhS 'fif6 15. ':g3?1 'fib7 J:ta6 31. 1:tf1.
Este lento movimento oferece a Timman
a possibilidade de fechar a posição. É interessan- 27. fxeS dxeS 2S. i.e3 liJd7 29. ':f1
te a ruptura central 15. eS!? dxeS 16. dxeS g6 'fie7 30. :gf3 1:tf8
(16. ... 'it'e717. I:[xg7;16 'fif3 17. 'it'xf3 ixf3 Melhor teria 5ido 30. ... f6!? 31. Ab1 'iid6
18. 1:txg71:td819. ~c2) 17. exf6 gxhS 18. i.h6 32.1:tbS 'fic7 33. :f2 i.a6! 34. 'it'xaS 'it'c8! com
com boa compensação pelo peão. melhor jogo das pretas.

--- ---
166 ANIUNIU LOI'EZ MANZANO E JOSE MONEDERO GONZALEZ

31. J:an J::ta632. i.c2 'fid6 33. 'fia1 a4!? Por exemplo,se 36. i.xh6+ ~g8 (36. ...
Se 33. ... f6 34. i.a4 'fic7 35. i.b5 J::td636. J::ta2. ~xh6 37. 'fiel + ganhando a dama) 37. 'ikbl +
'i1i'xf6 38. J::txf6 tLld7 39. 'i1i'dl J::txc4 40. 'fif3
34. i.xa4 tLlb6??
J::txe4 41. 'i1i'xe4tLlxf6 42. 'fixeS com vantagem
decisiva das brancas.
8 J. "I
7 ie Final
6 Ia " ii
Sahovic - Kortchnoi
5 i.8 i Biel, 1979
4 .t 8 8 Possibilidades táticas
3 8 ~..: nos finais
2 11 Para os que não crêem que nos finais exis-
I
tam possibilidades de aplicar os conhecimentos
-
,.
a b c d e f 9 h
táticos, a seguir analisaremos um final em que
Kortchnoi venceu em uma posição favorável
com um belo ataque de mate.

Um erro decisivo. Aqui se deveria jogar 34. 8


... f5!? 35. exf5 J::txf536. J::txf5(36. 'fidl tLlf6
37. i.c2 J::txf338. 'fixf3 i.g4 39. 'i1i'g3J::tal+ 40. 71 i
'it>g2i.h5) 36. ... gxf5 37. 'fidl tLlf6.
35. J:U6!Jha4
61i . &
Se 35. ... 'fie7 36. 'fiel! tLlxa437. i.xh6+ 51 I ,
~g8 38. i.xf8 'it'xf8 (38. ... ~8 39. 'ikh6+ ~g8
40. J::txf7'fixf7 41. J::txf7~ 42. 'ikh7+ ~e8 43.
41 88 i ct;{j
1i'h8+ ~d7 44. 'fixeS com vantagem das bran-
cas) 39. J:xa6 i.xa6 40. 'fia3 'fie8 41. J::ta2com
31'
81
21 fj 11
vantagem decisiva das brancas.
Outra opção seria 35. ... 'i1i'xf636. J::txf6
~xf6 37. 'fifl + ~g7 38. i.b5 com vantagem .C "
para as brancas. (38. i.b5 J::ta239. i.xc5 com a b c d e f 9 h
vantagem das brancas).
36. i.xh6+! 1. ... h5+!
E as pretas abandonam. Uma bonita entrega de peão para levar o
rei branco a uma rede de mate.
81 J. i'O

7 iê 2. ~xh5 J::td8!3. hxg5+


Não serviria 3. ~g4 gxh4! 4. J::tc2.(Ou 4.
61 .. .. l1iJ.. J::th2J::tg8+5. ~h5 J::tf5+6. ~xh4 J::th8+7. ~g3
:tg5+ ganhando a torre) 4. ... J::tg8+ 5. ~h5
5r i 8i J::tg5+6. ~xh4 (6. ~h6 J::tff5!7. ~h7 :th5+ 8.
411 8 8 ~g8 J:Ug5+ 9. ~f8 J::th8mate) 6. ... ~f5 7. J::th2
J::tg8!,e o mate seria inevitável.
3~ fj 3. ... ~f5
2 ]: fj Lanceobrigado,já que se ameaça mate.

a b c d e
~ 4. ~h6 J:lli3+ 5. ~g7 %ld7+6. ~g8 ~g6
9 h Umanova posiçãode mate.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 189

7. :'f2 :'g7 + 8. 'it>f8J:h8 mate. ANEDOTAS E CURIOSIDADES

-
Sanz Ortueta
Mates típicos Madri, 1934
Mate de Teed Um final espetacular
1. d4 f5 2. i.g5 h6 3. i.h4 g5 4. i.g3
f4 5. e3 h5 6. i.d3 :'h6 o seguinte final é um dos mais espetacula-
res já jogados em partida real. A posição acon-
teceu no torneio de Madri de 1934.
aI16J I.~
nl. il. 1.1. ai I
6 I nl. :1
5 1.1. 61 .I.
4 8. 51 I.
3 J..8. J.. 41 i
2 I 8.8. 8. ts 8.811 'I
31 tD
rltD tD..: 218. 8 8. .81
a b c d e 9 h
~.
a b c d e 9 h
7. 'iVxh5 + :xh5 8. i.g6 mate.
A partida continuou:
Exercício 40 1. ... :'d2! 2. lba4 :'xb2!! 3.lbxb2 c3
Ameaça o cavalo e coroa o peão.

.
I
a
4.1:txb6!c4!!
71 Uma jogada excelente, já que evita lbd3.
No caso de 4. ... axb6? 5. lbd3 c4 6. lbc1, as
6 fi I brancas controlariam a coroação dos peões pretos.
5
5.J:b4!a5!!
4 E não 5. ... cxb2??, porque 6. :'xb2 e
ganharia facilmente.
3
6.a4
21 :1 6.lbd3? cxd3, e a torre não poderia parar os
'if dois peões passados e unidos na sexta.
6. no axb4 7.lbdl c2
a b c d e f 9 h
E as pretas promovemo peão e ganham a
partida.
O engraçado deste bonito final é que muita
As brancas jogam e ganham gente põe em dúvidaa veracidadedestapartida.
Crê-se que foi preparada previamente pelos
No diagrama anterior, o lance cabe às bran- próprios jogadores. Nós não podemos apontar
cas, que dispõem de uma surpreendente jogada novos dados para esclarecer o assunto, mas afir-
que as conduz à vitória. Vocêé capaz de encon- mamos que, mesmo sendo um final composto,
trar esta jogada vencedora? não perderia nem um pouco de sua beleza.

- ---
190 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁlEZ

Alekhine replica a Najdorf 5. Diz-se que "quando se esgotam as jogadas


boas, devemos fazer uso das más". Há
Najdorf conta que Alekhine lhe disse numa posições em que só nos resta fazer jogadas
ocasião: ''Você pode falar mal de Capablanca, únicas, embora não sejam boas como gos-
mas não de seu jogo. É um gênio". taríamos. Este é o momento de tentar com-
plicar a vida do nosso adversário com ci-
ladas ou jogadas inesperadas.
CONSELHOS 6. "Minha peça favorita é aquela com a qual
ganho." (Fischer)
1. "O xadrez é a expressão humana do desejo 7. Uma torre e um peão são superiores a um
de vencer." (A. Nimzowitsch) bispo e um cavalo num final de partida,
2. O ponto mais fraco ao iniciar uma partida é mas não no meio-jogo.
f2 para as brancas e f7 para as pretas, já 8. Três peças podem ser superiores à dama se
que só são defendidos pelo rei. estão coordenadas, ativas e em lugares
seguro~.
3. Quando temos vantagem e nos lançamos
ao ataque, devemos nos lembrar de manter 9. Uma peça pode ser melhor que três peões
nosso rei seguro. no meio-jogo.
4. Às vezes, a desvantagem material é com- 10. Em um final, três peões podem ser supe-
pensada pela vantagem da iniciativa, do riores a uma peça menor, inclusive a uma
ataque e do tempo. torre, dependendo de sua posição.

---
CAPíTULO 31 o estilo
universal
"É sempre melhor sacrificar as peças do seu adversário."
(Kortchnoi)

Boris Spassky tem sabido unificar as melhores qualidades dos enxadristas da sua época. O
jogo lógico e científico de Botvinnik, os turbilhões táticos de Tal, as sutilezas de Smyslov e
Petrosian, todas se encontram no jogo de Spassky. Seu estilo completo e de muitas facetas o alçou
ao topo do xadrez, sendo proclamado campeão do mundo.

BORIS SPASSKY
Nacionalidade: Russo.
Nascimento: Leningrado, 30 de janeiro de 1937.
Títulos: Campeão mundial desde 1969, após vencer Petrosian, até 1972.
Características de jogo: Estilo universal. Domina todas as facetas do jogo. É, além de
tudo, um jogador tático extraordinário.
Melhores torneios: Campeão juvenil do mundo em 1955; Leningrado, 1956 e 1957 e
1963; Rostov, 1958; Moscou, 1959; Mar deI PIata, 1960; Belgrado, 1964; Hastings, 1965;
Santa Mônica, 1966; Amsterdã, 1970; Montilla, 1978; Linares, 1983; Londres, 1984;
Wellington, 1988.
Façanhas: Nunca ter perdido para Fischer antes de seu encontro pelo campeonato mun-
dial.
Principal derrota: Ante Fischer, em Reykjavik, no ano de 1972.
Principal debilidade: É pouco voluntarioso.
Vida privada: Aprendeu a jogar com 5 anos e foi considerado um menino-prodígio. É
educado, simpático e amante da boa vida.
Legado: Por infelicidade é o único dos campeões do mundo que não escreveu um só livro.
Não temos, pois, suas brilhantes e originais partidas.
Consideração final: Sua grande qualidade de jogador tem sido ocultada desde 1972
pelo turbilhão chamado Bobby Fi..scher.
192 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁlEZ

Partida 60 12.h3
Não seria bom 12.ltJc3 devido a J:txd2! 13.
Os riscos do rei sem rocar 'it'xd2 i.xe3 14. 'iVc2 i.f2+, e a dama seria
ganha.
B. Larsen - B. Spassky
Belgrado, 1970 12. ... h4!

Abertura Larsen 81 êl i
1.b3
Larsen é um jogador atípico, que se atreve a
71i i i 1fi
jogar esquemas raros para tirar seu rival das 61 i
linhas mais teóricas. Nesta ocasião, utilizou a
abertura que leva seu nome.
51 J. J.
41 8 i8,i
1. ... e5 2. i.b2 ltJc63. c4 0f6 4. ltJf3
Aqui também seria possível 4. g3 d5 com 31 8 8 88
iniciativa das pretas.
218.i1f8.i
,
4. ... e4 5. ltJd4 i.c5 6. ltJxc6
Não valeria 6. e3? i.xd4 7. exd4 d5 com :tiJ ]:
vantagem das pretas. a b c d e 9 h

6. ... dxc6 7. e3 i.f5 8. \i'c2 'it'e7 9.

81
71,i,i ti
..
i.e2 0-0-0 10. f4??

.iii
I
13.hxg4
Depois de 13. i.xg4 i.xg4 14. hxg4 hxg3
15. :gl haveria as seguintes possibilidades:
a) 15 ':hl! 16. ':xhl g217. 1:tgl 'it'h4+
18. 'it>e2(18. ~dl \i'f2 19. \i'xe4) 18. ...
61 ,i \i'xg4+ 19. <;t>el'it'g3+ 20. ~e2 (20.
~dl 'iff2 21. 'ilxe4 'ilxgl + 22. ~c2 'iff2
51 J. J. com jogo favorável para as pretas) 20. ...
\i'f3+ 21. ~el i.e7 com vantagem para
41 8 i8 as pretas.
31 b) 15. ... J:th2 melhor para as pretas.
8 8
218 i.'iV8 i. 88 13. ... hxg3 14. AgI 1:th1!

:tiJ ]: 81 .1
abcdefgh 71,i i ,i .ii
61 .&
Um erro grave, aqui se deveria jogar 10. a3
ou 10. i.xf6 \i'xf6 l1.ltJc3. 51 J. .t
10. ... ltJg4! 41 8 i88
11.g3
31 8 8 ,i
Se 11. O-O'it'h4 12. h3 h5, ou 11. bg4
1ih4+. 218.i'iV8i.
11. ... h5
1:1tiJ 1:1I
a b c d e f 9 h
Seria possfel também 11. ... 1:lxd212.ltJxd2
ltJxe3 13. 'it'c3 J:td8.

- - -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 193

Se 14. ... 'ií'M 15. .1:tg2'ií'hl + 16. .i.f1 Se 1. ~bl? ~c3 2. ~c1 d4 3. cot>bl,ou (3.
i.xg4 17. 'ií'xe4 .1:the818. i.e5 f6 19. lDc3, e as ~dl d3 4. cxd3 ~xd3 e empate.) 3. ... d3 4.
pretas obteriam vantagem. cxd3 ~xb3! e empate.
E se 1. cot>b2?d4 2. ~bl (2. ~cl cot>c3e
15. .1:txhl g2 16. .1:tf1 empate) 2. ... d3! 3. c4 ~xb3 4. c5?? d2, e as
Depois de 16. .1:tgl'ií'M+ 17. ~dl 'ií'hI18. pretas ganhariam.
'Ci'c3'ií'xgl+ 19. ~c2 'ií'f2 20. gxf5 'ií'xe2 21.
lDa3 e haveria as seguintes opções: 1. ... ~c3
a) 21. ... 'ií'd3+ 22. 'ií'xd3 exd3+ 23. ~c3 Se 1. ... d4 2. cot>b2~c5 3. ~c1 cot>b44.
.i.xe3 (23. ... a5 24. lDc2!) 24. dxe3 d2 ~d2, e as brancas conseguiriam ativar seu rei e
25. .1:tdl .1:th8com vantagem para as ganhar a partida.
pretas.
b) 21. ... i.b4 com vantagem para as pretas. 2. ~bl ~b4
No caso de 2. ... d4 3. ~c1, as pretas
16. ... 'ikh4+ 17. ~dl gxfl'ií'+, e as estariam em zugzwang. Por exemplo: 3. ... d3
brancas abandonam. 4. cxd3 'it>xb35. cot>d2,
e as brancas coroam. 5.
Depois de 18. i.xfl i.xg4+ 19. ~c1 'ií'el+ ... cot>b46. cot>e3~c5 7. ~e4 ~d6 8. ~d4 ga-
20. 'ií'dl 'ií'xdl mate. nhando um final elementar de rei e peão con-
tra rei.

Final 3. ~c1 ~c3 4. ~dl d4 5. ~c1, e as


brancas obtêm a oposição.
Grigoriev, 1933
5. ... d3 6. cxd3 cot>xd37. ~b2 ~d4 8.
Aprenda o conceito da triangulação, ~a3 ~c5 9. 'it>a4 cot>c610. ~a5 ~b7 11.
pois é uma ferramenta básica ~b5 ~c7 12. ~a6 ~c8 13. b4 cot>c714. b5
nos finais de reis e peões. ~b8 15. cot>b6~c8 16. ~a7 ~c7 17. b6+
cot>c818. b7 + ~c7 19. b8'ií' + com vitória das
Na posição do diagrama, as brancas podem brancas.
ganhar a partida" mas, necessariamente, devem
ativar seu rei. E necessário ter muito claro o
conceito de triangulação, para não cair numa Mates típicos
posição de zugzwang.
O procedimento ganhador é o seguinte: Mate árabe

8 É o que acontece com a combinação de um


cavalo e uma torre.
7
6 81 .
51
41
31
.
8
i 71

6liV
5
1I
i
Ai

21 8 4
3
abcdefgh 21 88
1. <;t>al!!
, u, u ,
:
a b c d e f 9 h
Únicajogada para ganhar.
194 ANTONIO LÓPEZMANZANO EJOSÉMONEDEROGONZÁlEZ

1. 1:tfS+ ~xf8 2. lbf6+ 'i!thS 3. :xh7 8


mate.
7 i i
Exercício 41 5 i li..
As brancas jogam e ganham
5 8
Na posição seguinte, as brancas jogam. Ga-
4 i i8 li
nham as brancas, ganham as pretas ou há 3 J.
empate? Justifique sua resposta. 2 i8 !Di <i>
8
7 a
.
b c d e
!D 'ii'
9 h

51
iiii
6. ... 'i!ta77.lbbS+ 'i!tbSS.lba6+ ~c8 9.
5 lba7 + ~d7 lo.lbb8+ 'i!te711.lbc8+ ~ 12.
41 8888 lbd7+ ~g813.lbe7+ 'i!thS 14. ~ mate.
O último a falar foi o rei branco, que, escol-
tado por sua dama, deu um mate antológico.
31.
2
I
<i>
Não era suficientemente bom para jogar
a b c d e f 9 h No Torneio Internacional de San Sebastián
de 1911, Capablanca foi convidado a jogar entre
alguns dos melhores jogadores da época. Berns-
ANEDOTAS E tein e Nimzowitsch protestaram, alegando que
Capablanca não estava no nível do resto dos
CURIOSIDADES participantes do torneio. A surpresa dos dois
jogadores foi imensa quando Capablanca foi pro-
clamado campeão. Bernstein e Nimzowitsch não
A fuga de Napoleão, puderam derrotar o campeão cubano em toda
1824 sua longa carreira.
O mesmocaso ocorreu a Kasparovquando
o seguinte estudo foi realizado pelo emi- participou de seu primeiro torneio de adultos em
nente jogador russo Alexandre Petrof, que vi- Banja Luka (Iugoslávia, 1979). Os jogadores e
veu entre 1794 e 1867. A solução do problema periodistas disseram que Kasparov não estava à
representa a fuga de Napoleão desde Moscou altura do torneio e que, além disso, era muito
(casa b1) até Paris (casa h8) perseguido pela jovem. O futuro campeão mundial ganhou da
cavalaria do czar russo (os dois cavalos bran- maioria dos participantes e ficou com dois pontos
cos), que o venceu e humilhou. Vejamos esta de vantagem sobre o segundo colocado.
formosa obra de arte:
l.lbd2+ 'i!ta2 2.lbc3+ 'i!ta3 3.lbdbl+
'i!tb4 4.lba2+ 'i!tbS S.lba3+ ~a6 6.lbb4+. CONSELHOS
Seria possível dar mate mediante 'iVa8++,
mas a intenção era a de ''humilhar o Napoleão" e 1. Antes de tudo, desenvolva bem suas peças:
persegui-Io até "Paris" (o outro extremo do tabu- essa é a condição necessária, embora não
leiro). suficiente, para jogar bem o xadrez.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 195

2. Nunca jogue passivamente se quiser evitar 7. "Os finais são a parte do jogo em que as van-
a vitória do seu adversário. tagens conseguidas na abertura e no meio-
3. Tenha bem protegida a fila onde está rocado jogo se convertem em vitórias." (Keres)
seu rei, já que nela podem ser produzidos 8. "O estilo de um jogador origina-se a partir
possibilidades táticas e mates. de muitos fatores: caráter, atitude, educa-
4. Se não souber que plano seguir, tente sim- ção, talento e herança genética." (P.Benko)
plesmente melhorar e coordenar a posição 9. Apesar de termos um determinado estilo de
de suas peças. jogo, devemos saber nos adaptar às circuns-
S. Uma debilidade somente é considerada co- tâncias de cada posição e jogar com tran-
mo tal quando pode ser explorada pelo seu qüilidade ou agressividade, segundo as con-
adversário. veniências.
6. Saber o momento exato em que as regras 10. Se você gosta de jogar no contra-ataque,
têm suas exceções é uma das caracte- coloque a Defesa Siciliana no seu repertório.
rísticas dos grandes jogadores.

-- --
CAPíTULO 32 Jogar para
ganhar
"O elemento-surpresa é um dos
elementos básicos do meu jogo."
(Larsen)

Bent Larsen é um dos poucos jogadores dos anos 60 que desafiou a absoluta supremacia
soviética no mundo do xadrez. Seu desenvolvido espírito de luta o impedia de aceitar empates e
sempre jogava para ganhar. Larsen não utilizava aberturas muito analisadas pela teoria e preferia
abandonar os esquemas clássicos para surpreender os adversários. Sem dúvida, foi um dos
maiores jogadores de sua época e um dos melhores da história do xadrez, devido a seus ex-
celentes resultados nos torneios que disputou.

BENT LARSEN
Nacionalidade: Dinamarquês.
Nascimento: Tilsted, 4 de março de 1935.
Títulos: Grande Mestre Internacional.
Características de jogo: Originalidade e agressividade. Domínio do jogo tanto tático
como estratégico. É também um bom finalista.
Melhores torneios: Hastings, 1956; Havana, 1967; Palma de Mallorca, 1967; Toronto,
1968; Lugano, 1970; Hastings, 1972; Londres, 1973; Reykjavik, 1985; Hastings, 1986;
Londres, 1989; Nova York, 1990.
Principal derrota: Contra Fischer, no torneio de Candidatos, por 6 a O.
Legado: Seus dois livros mais importantes são Yojuego para ganar e Partidas selectas
1971.
Consideração final: Um dos melhores jogadores dos anos 60.

--- -
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 197

Partida 61 jogo igualado) 21. ... ~xf6 22. ':xd8 ':axd8,


e as pretas têm ampla compensação pela
-
Larsen Petrosian dama.
Santa Mônica, 1966
20. ... ~xe5 21. 'i!Vh4~xd5 22. ':xd5
Defesa Siciliana ttJe6 ?
Uma entrega de dama Sem prever a forte continuação das bran-
cas.
deve ter sempre uma
clara compensação. 23. ':f31 ~f6?
Na seguinte partida, jogada por Bent Lar- A única oportunidade das pretas era 23. ...
sen e aquele que foi campeão mundial, Tigran f5 24. ':h3 ttJg7.
Pretrosian, aconteceu uma das entregas de
dama mais belas da história do xadrez. O 24. 'i!Vh6~g7 25. 'it'xg6!!
sacrifício da peça mais valiosa do nosso exér- Uma jogada muito bonita.
cito deve ser sempre minuciosamente calcu-
lado, já que, no caso de nos equivocarmos, a 811 '. 'lê
derrota é praticamente certa.
71t1 i iiA
1. e4 c5 2. ttJf3 ttJc6 3. d4 cxd4 4.
ttJxd4 g6 5. ~e3 ~g7 6. c4 ttJf6 7. ttJc3
6 41j 'ii'
ttJg4 8. 'it'xg4 ttJxd4 9. 'it'dl ttJe6 10. 'it'd2 5 ]%
d6 11. ~e2 ~d7 12. O-OO-O 13. ':adll
4
Numa partida de Keres contra Petrosian, "

disputada no torneio de Candidatos de 1959, 3


as brancas jogaram sua torre da dama em cl
e a torre do rei em dI, mas Larsen esco- 21~ 8
lheu uma disposição mais agressiva de suas
peças.
a b c d e 9 h
13. ... ~c6 14. ttJd5 ':e8?!
Teriasido melhor 14. ... ttJc515. f3 aS.
25. ... ttJf4
15. f4 ttJc7 Se 25. ... fxg6 26. ~xe6+ 'iti>h727. ':h3+
No caso de 15. ... ttJc5 16. e5 ttJd7 17. ttJb4! ~h6 28. ~xh6 ':f5 29. ':xf5 gxf5 30. ~f7
com melhor jogo para as brancas. 'iVb6+ 31. 'iti>f1,e as brancas ganhariam facil-
mente. E no caso de 25. ... ttJc7 26. 'it'xg7+!
16. f5 ttJa6 'iti>xg727. ':'g5+ 'iti>h628. ':h3 mate.
Não seria bom 16. ... ttJxd5 17. exd5 com
possibilidade de ataque das brancas no flanco 26. ':xf4 fxg6 27. ~e6+ ':f7
do rei e falta de contrajogo das pretas. Depois de 27. ... 'iti>h728. :'h4+ ~h6 29.
~xh6 ':'f5 30. :'xf5 gxf5 31. ~f7 e5 32. :'h3
17. ~g4?1 ttJc5 18. fxg6 hxg6 "i1fb6+33. 'iti>hlseguido de mate mediante ~f8.
Se 18. ... fxg6 19. ~xc5 dxc5 20. ~e6+
'iti>h821. ':f7 com boas perspectivas de ata- 28. ':'xf7 'iti>h829. :'g5 b5
que. Ou então 29. ... ~e5 30. ':xg6 'it'a5 31.
:'h6+ 'iti>g832. ':'ff6+ 'iti>g733. ':fg6+ 'iti>f834.
19. 'it'f2 ':f8 20. e5!! ':'g8 mate.
Segundo as próprias palavras de Larsen,
ele encontrou esta jogada por eliminação. 30.':'g3
Se 20. .txc5 dxc5 21. lbf6+ (21. ~xc5 .txd5 E as pretas abandonam ante a terrível
22. ':xd5 'it'b6 23. b4 'ii'xc5+ 24. bxc5 com ameaça :'h3, que é mortal.
198 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Final - Final de três Mates típicos


peões contra dois
Mate dos guardas-marinhas
No final seguinte, há o paradoxo de que Mate que aconteceu na opereta real Guar-
dois peões valem mais que três. As brancas, das-marinhas, da qual recebeu o nome.
com o lance, ganham a partida, mas a primeira
jogada deve ser correta, visto que, caso con- 1. e4 e5 2. ttJc3 ttJc6 3. f4 d6 4. ttJf3 a6
trário, a derrota é certa. 5. ~c4 ~g4 6. fxe5 ttJxe5?
Vejamos a continuação ganhadora:
1.~g1! 7. ttJxe5hd18..i.xf7+ <j;e79. ttJd5mate.

8 '" 811 ..J.ljl


7 71 ii iii

4
6
5
8 8

i i.i
61i
51

41 ..t
i
. 8 J.
3 31 tJJ
2 218 8 8 8
kt ~'if~
a b c d e a b c d e 9 h
9 h

Exercício 42
Com este lance aparentemente estranho, as
brancas ganham a partida, apesar da desvan-
tagem material. Com qualquer outra continua-
Botvinnik -
Yudovich
Moscou, 1933
ção, ganhariam as pretas.
Um grave erro seria 1. 'it>g2?g3! 2. cJo>h3f3 As brancas jogam e ganham
3. cJo>xh4g2, e o peão preto seria convertido em
dama e ganharia a partida. Na seguinte posição, joga Botvinnik, que
Igualmente errônea seria a jogada 1. conduz as brancas. Vocêé capaz de encontrar o
'it>h1?f3 2. 'it>gl g3 3. cJo>f1
h3 4. 'it>gl f2+ 5. lance que proporciona uma rápida vitória?
'it>f1h2 6. ~g2 h1 'i\i'+, e as pretas coroariam
primeiro. 811 J. I
71 i IV J.
1. ... f3
O mesmo resultado seria obtido com 1. ...
h3 2. ~h2 g3+ 3. ~xh3, e as brancas tomariam
61 .i i fli
todos os peões pretos. 5!i
Evidentemente, se 1. ... 'it>a72. c7, as pre- 4 8tiJ
tas não poderiam evitar a coroação do peão
branco. 3 ~..t
2. 'it>f2h3 3. 'it>g3h2 4. 'it>xh2 <j;c7 5.
2 888
a7
As brancas coroam e ganham a parti-
~.
da. a b c d e 9 h
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 199

ANEDOTAS E CURIOSIDADES A iniciativa das pretas as leva a ganhar material,


porém se esquecem de sua estrutura debilitada.
Partida 62
11. ltJxd5! '6'xbl+ 12. ~f2 'ii'xhl 13.
i.xe7d6
Descontente, apesar de tudo
Não seria bom 13. ...lbc6 14. iLd6 ~d8; ou
Réti -Euwe (14 ~f71S. '6'f4+ ~g816.lbe7+ ltJxe717.
Amsterdã, 1920 i.c4+ lbdS 18. i.xdS mate, e também 14. ...
i.d4+ 15. lbxd4 cxd4 16. 'ilfgS ~f7 17. 'ii'f6+
Defesa Holandesa ~e8 18. lbc7 mate) 15. 'iigS+ ~e8 16. i.xg6+
A seguinte partida, jogada entre Réti e Euwe, hxg6 17. '6'xg6+ ~d8 18. iLc7 mate.
é um exemplo que o mesmo Réti propõe para ex-
plicar a diferença entre desenvolvimento e inicia- 14. i.xd6
tiva. O jogador que está com as pretas aceita um Apesar do material de vantagem, as pretas
peão do Gambito Staunton na Defesa Holandesa estão perdidas devido ao seu pobre desenvol-
e, apesar disso, tenta levar a iniciativa com jo- vimento.
gadas agressivas. O resultado é uma miniatura na
qual um Réti combinativo acaba com seu adver- 14. ... lbc6 15. i.b5!
sário de uma maneira contundente. Para trocar uma peça defensora (o cavalo)
por um bispoque não exercianenhuma função.
1. d4 fS 2. e4 fxe4 3. tbc3ltJf6 4. i.g5 g6?!
Esta é uma jogada de valor duvidoso. Tal 15. ... iLd7 16. i.xc6 bxc6
como indica Réti, teria sido melhor desenvolver as Depois de 16. ... i.xc6 17. '6'e3+ ~f7 (17.
peças do flanco da dama para tentar o roque ~d7 18. '6'e7+~c8 19. '6'c7 mate) 18.
grande, mantendo o rei longe das colunas abertas. lbgs+ ~g8 19. '6'e6 mate.
5. f3 exf3 17. '6'e2+ ~f7 18. lbg5+ ~g8 19.
Teriasido melhor dS. lbe7+ ~f8 20.ltJxg6+ ~g8 21. '6'c4+ iLe6
22. 'ii'xe6 mate.
6. ~ i.g7 7. i.d3? A anedota aconteceu quando Réti, apesar
Umerro, segundoo proprio Réti.O correto de sua bela vitória, manifestou não se sentir
seria '6'd2 seguidodo grande roque. orgulhoso da partida, uma vez que considerava
que seu plano estratégico, na abertura, havia
7. ... c5 8. d5 '6'b6 falhado ao não aproveitar posicionalmente as
As pretas tentam conseguir a iniciativa a debilidades das pretas.
todo custo.

9. 1M2 'ii'xb2 10. :tbllbxd5 O xadrez na Rússia


8 IJ. fi I A partir da Revolução Russa, o xadrez foi
impulsionado na União Soviética de uma ma-
7 ii ii J.i neira espetacular. Sua supremacia no mundo
6 i do xadrez é hoje evidente. Os jogadores ofi-
cialmente registrados .passaram de cerca de
5 i J. 1.000, em 1923, para 150.000, em 1929, e pa-
ra mais de meio milhão, em 1934.
4
3 tiJi. tiJ
2 8.8. 88 CONSELHOS

1. O excesso de relaxamento não é bom no


J:[ ]:t xadrez, que é um jogo de luta e de esforço
a b c d e 9 h contínuo.
200 ANTONIOLÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

2. Trate de concentrar-se tanto quanto puder mo que puder e tente controlá-Ias da me-
durante a partida; qualquer distração pode lhor forma possível, de acordo com o tempo
ser fatal. disponível e sua capacidade enxadrística.
3. Seja respeitoso com seu adversário, mas 7. Seja realista. Não ataque quando deve de-
não permita que nenhum tipo de incor- fender e vice-versa.
reção lhe moleste, seja regulamentar ou 8. Jogue aberturas e defesas que causem difi-
de atitude inapropriada. culdades ao adversário, quanto mais cedo
4. Não jogue fazendo irregularidades. Uma melhor.
jogada má para você é boa para seu opo- 9. Nunca ofereça empate, a não ser que real-
nente e vice-versa. mente deseje fazê-Io. Às vezes, queremos
5. Não relaxe quando conseguir algum tipo de pôr à prova nosso adversário, e ele pode
vantagem. Aquele que está em desvantagem aceitar o empate em uma posição vantajosa
joga sempre com mais atenção. para nós.
6. Nunca tente adivinhar o que ocorrerá em 10. "Eu não creio na psicologia do xadrez,
uma variante de jogo sem uma análise somente nas boas jogadas." (B. Fischer)
prévia. Ou seja, calcule as jogadas o máxi-
CAPíTULO 33 A obsessão
pelo xadrez
"Existemjogadores duros e os bons
moços; eu sou um jogador duro."
(Fischer)

Bobby Fischer é um dos grandes mitos da história do xadrez. Viveu desde menino pelo e para o
xadrez, que foi sua grande paixão. É um dosjogadores mais completos de todos os tempos, dotado com
um espírito de luta invejável. Seu amor se converteu em obsessão, e, após conquistar o campeonato
mundial, deixou de participar de competições. Seujogo, de uma inigualável precisão, o tomou um dos
jogadores mais efetivos de todos os tempos.

ROBERTJAMES FISCHER
Nacionalidade: Norte-americano.
Nascimento: Chicago, 9 de março de 1943.
Títulos: Campeão mundial de 1972 a 1975.
Características de jogo: Audaz, inovador, técnico, agressivo e genial.
Melhores torneios: Foi campeão absoluto dos Estados Unidos pela primeira vez com 14
anos. Ganhou o Interzonal de Palma de Mallorca em 1970 com 3,5 pontos de vantagem sobre
seus seguidores imediatos.
Façanhas: Ganhou o torneio de candidatos de 1971 vencendo Taimanov por 6 a O,Larsen
por 6 a Oe Petrosian por 6,5 a 2,5.
Principal debilidade: Seu caráter excêntrico e obsessivo.
Vida privada: Sua vida privada é inteiramente dedicada ao xadrez, seu único amor.
Retirou-se das competições após conquistar a coroa mundial e só retomou 20 anos depois
para participar de um desvalorizado encontro contra Spassky. Seu caráter maníaco o levou a
fazer declarações polêmicas. Teve problemas também com a justiça e o fisco americano.
Legado: Foi o jogador que mais contribuiu para a popularização do xadrez e a defesa dos
interesses dos jogadores profissionais. Seu livro Mis mejores 60 partidas é um dos mais
apreciados textos da literatura enxadrística.
Consideração final: Considerado por muitos especialistas como o melhor jogador de
todos os tempos, tornou-se um mito ao não querer defender seu título após sua brilhante
vitória contra Spassky no Campeonato do Mundo realizado em Reykjavik (Islândia) em 1972.
202 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

Partida 63 14. lZ'Ice2!


Com a idéia de ir a f4 e pressionar sobre
Empates magistrais e6.

Gligoric - Fischer 14. ... 'it>h8


Também seria possível 'i!i'b7.Em contrapar-
Belgrado, 1959
tida, seria um erro 14. ... i.d7? 15. lZ'If4'ili'c8
Defesa Siciliana 16. 'i!i'h6'it>h817. lZ'Ih5J::tg818. lZ'Ixf6J::tg719.
1. e4 cS 2.lZ'If3 d6 3. d4 cxd4 4. lZ'Ixd4 i.e2 'ili'd8 20. g5, e as pretas ficariam em
lZ'If6S. lZ'Ic3a6 6. i.gS e6 7. f4 i.e7 8. 'ili'f3 péssima situação.
'ili'c7 9. 0-0-0 lZ'Ibd7 10. g4 bS
IS. lZ'If4J::tg816. J::tgl dS! 17. fxe6
A esta posição já haviam chegado Gligoric e Não seria bom 17. exd5? exf5! deixando a
Fischer em três ocasiões, com duas vitórias para
torre cravada em g1.
o primeiro e um empate.
17. n. dxe4 18. lZ'IdS'ili'cS 19. lZ'Ixe7
11. i.xf6 'ifxe7 20. lZ'If5
Seria interessante a continuação 11. i.g2 Seria um erro 20. 'iie3 i.b7 21. exf7 'ili'xf7,
i.b7 12. J::thelb4 13.lZ'Id5!?exd5 14. exd5 'it>f8
e as pretas ganhariam um peão.
15. lZ'If5J::te8,tal como continuou a partida
Bemstein - Fischerdo campeonatodos EUAde 20. n. 'iVxe6 21. 'ifh6 i.d7!
1957, quando as pretas venceram. Evitando a ameaça: :d8.
11. ... gxf6!? 22. :td6 lZ'Ixg4!23. :txg4
Também seria possível, evidentemente, 11. Forçado, dado que se 23. J::txe6lZ'Ixh6ga-
... lZ'Ixf6. nhando uma peça.
12. f5 23. n. 'ili'xf5 24. Axg8+?
Para pressionar em e6 no lugar de e5. É O correto seria 24. J::tf4 'ili'g5 25. 'ili'xf6+
interessante a variante 12. i.d3 i.b7 13. 'it>bl 'ili'xf6 26. :dxf6 e3 27. :xf7 AgI 28. J::txd7 e2
lZ'Ic514. f5 b4 15. lZ'Ice2d5 16. fxe6 dxe4 17. 29. J::tdl! exdl'i1i'+ 30. 'it>xdl 'it>g731. 'it>el :f8
exf7+ 'it>f818. i.xe4 i.xe419. 'ili'xe4lZ'1xe420. 32. :xf8 'it>xf8 33. 'it>f2 com boas perspectivas
lZ'Ie6+'it>xf721. lZ'Ixc7J::ta7com jogo igual. de empate.

12. ... lZ'IeS13. ft3 O-O! 24. ... :txg8?


As pretas respondem com um novo erro à
811 .*. lê falha das brancas. O correto seria 24. ... 'it>xg8!
25. :xf6 'iVe5com melhor posição e um peão a
71 .. .*.i i mais. Não seria bom 26. :txa6? :txa6 27. 'ili'xa6
61i iii 'ili'f4+, e as pretas ganhariam uma peça.
51 i .8 2S. :xf6 'ili'dS 26. :d6 'ili'f5
Não seria válido 26. ... 'i!i'b727. 'ili'f6+ :tg7
41 tl}.8 8 28. 'ili'd8+ :'g8 29. 'ili'xd7ganhando.
31 tiJ 1V 27. 1:U'6'ili'gS+ 28. 'ili'xgS1hgS 29. hf7
21888 8 i.g4 30. 'it>d2i.f3 31. 'it>e3:tgl 32. i.h3
Não seria bom 32. 'it>f2devido a Ah1.
: .i 1I
abcdefg h 32. n. :el+ 33. 'it>f4i.dl 34. <t>eS!e3
3S. i.f5 :gl
Seria um erro 35. ... :tf1? 36. ~f6! <t>g837.
Se 13. ... i.d714. g5! fxg5 15. fxe6 fxe616. :d7 :xf5+ 38. 'it>xf5e2 39. <t>f6h5 40. :te7
12Jxe6com vantagem das brancas. com final ganho.

---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 203

36. 1:Ixh7+ ~g8 37. 1:Ic7~g4? Final


Tentando ganhar, mas seria melhor con-
formar-se com o empate. Por exemplo: 37. ... Estudo de Neustadd
e2 38. ~f6 ~h8 39. 1:Ih7+ ~g8 40. 1:Ic7'it>h8,
etc. Final de peões
As brancasjogam e há empate
38. ~xg4 :xg4 39. :c3 e2 40. 1:Ie3
1:Ig241. ~d4 el'il'! O seguinte exemplo nos mostra a impor-
Depois de 41. ... 1:Ixh242. ct>d3,as pretas tância de dominar o conceitode oposiçãoa dis-
seriam perdidas. tância. Ao jogador novo podem parecer estra-
nhas as jogadas realizadas por ambos os reis,
42. heI hc2 43. 1:Ibl ~f7! mas, de fato, são as melhores jogadas possíveis
Novamente seria válido 43. ... 1:Ixh2? 44. nesta posição.
~c5 com a entrada do rei no flanco da dama
8
preta.
7
44. a3 c;t>e645. b3:xb2 46. ~c5 ct>d7
47. 'iÍi'b6 1:Ia2 48. 'it>xa6 1:Ixa3+ 49. ct>b7 6
~d6 50. 'it>b6 ~d7 51. b4 1:Ih3 52. 1:Ict
1:Ih8? 5 i i
4
8 I 3 8
71
61
51 i
8
fi 21

a b c
..
d e f 9 h

41
3 1. ct>hl!!
2
Não 1. ct>f1? ct>d22. ~f2 c;t>d33. 'iÍi'gl 'iti>e3
I 4. ~g2 ~e2 5. 'iÍi'g3~f1 6. <t>h3<t>f27. ct>g4
~g2 8. ~xg5 ~xf3 com vitória das pretas.
:1
a b c d e 9 h 1. ... ~d2
Se 1. ... g4 2. ~g2 ~d2 3. fxg4 e4 4. g5 e3 5.
g6 e2 6. g7 e1'ii' 7. g8'ii' e haveria empate.
A melhor jogada seria 52. ... :115 53. 1:Ic5
1:txcS54. ~c5 1;c7 55. ~b5 ~b7 com empate 2. 'it.Jh21;d3 3. 'it>h3'iti>e34. ~g3 ~e2 5.
teórico. <t>g2
E é empate, já que as pretas não podem
53. ~b5? fazer valer sua superioridade material.
Um novo erro. As brancas poderiam ga-
nhar com 53. 1:Ic7+ ~d6 54. 1:Ic6+ ~d7
55. ct>xb5:tb8+ 56. 1:Ib61:Ih857. 1:Ib7+ ~c8 Mates típicos
58. 'iti>a6
:th6+ 59. 'it>a7,e as brancas ganha- Mate com sacrifício em h7
riam.

53. ... 1:Ib8+ 54. ~a4 1:Ia8+ 55. ~b3 Yates


1930
- Mari.n,
1:Ic8 56. hc8 'iti>xc857.1;c4 'it>b8!
E a partida acaba, finalmente,comum em- 1. e4 e6 2. d4 dS 3. lDc3lDf64. .tgS
pate. i.e7 5. e5 tiJe4 6. i.xe7 'ii'xe7 7. ~d3
204 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOSÉ MONEDERO GONzAlEZ

liJxc3 8. bxc3 c5 9. 'i'g4 o-o 10. liJf3 ANEDOTAS E CURIOSIDADES


c4??

81 i
71i. i
. L I.
.i1. i
Fischer e os irmãos Byrne
Em um período de seis anos, Bobby Fischer
jogou duas de suas melhores partidas contra os
irmãos Byrne, ambos excelentes jogadores norte-
6 i americanos da época. Donald Byrne foi Mestre
Internacional e, apesar de seu irmão Robert Byrne
5 i8 ter alcançado o título de Grande Mestre, muitos
4 i8 . consideram o primeiro melhor jogador que o se-
gundo. A má saúde de Donald impediu o que po-
3 8J.. tD deria ter sido uma grande carreira enxadrística.
Os dois foram professores universitários, mas
218 8 888 Robert Byrne deixou sua cadeira docente depois
k!
a b c d e
: de 15 anos de exercíciopara dedicar-se profissio-
nalmente ao xadrez. Em 1972, obteve o primeiro
lugar no campeonato dos Estados Unidos.
9 h

11. iLxh7+ Wxh7 12. 'i'h5+ Wg8 13. Partida 64


liJg5 f6 14. 'i'h7 mate.
A partida do século
Exercício 43 -
D. Byrne R. Fischer
Nova York, 1957
Morphy - Mongredien Defesa Grünfeld
Paris, 1859
Nesta partida, Fischer, com apenas 13 anos,
As brancas jogam e ganham jogou uma das partidas mais belas da história
A seguinte posição pertence ao torneio de do xadrez, considerada por muitos como a
partida do século.
Paris de 1859. Morphy, um gênio da com-
binação, conseguiu uma continuação ganha- l.liJf3liJf6 2. c4 g6 3.liJc3 iLg7 4. d4

.
dora graças à sobrecarga da dama preta. o-o 5. iLf4 d5 6. 'i'b3
.. Seria possíveltambém 6. e3, 6. cxd5 ou 6.
81i. i :c1!?
71

61i
Li .. ii 6. ... dxc4 7. 'i'xc4 c6 8. e4liJbd7
Se 8. ... iLg4 9. iLe2 liJfd7 10. :dl iLxf3
11. iLxf3 e5 12. dxe5 iLxe5 13. iLxe5liJxe5 14.
5I 8 :xd8liJxc4 15. :xf8+ o;t>xf8 16. iLe2! liJb6, ou
então (16. ...liJxb2 17. o;t>d2 b5 18. :blliJc4+
41 . 8 tD 19. iLxc4 bxc4 20. :b4 com vantagem das
brancas) 17. 'it>d2 com ligeira vantagem das
3I llJ. J.. brancas (partida V.Dorfrnan - J. Minsk).
A melhor continuação parece ser 8. ... b5!
218 8 9. 'i'b3 'i'a5 10. ~d3 iLe6 11. 'i'dl c5!? com

a b c d
:
e
jogo melhor das pretas.
9. J:dlliJb6 10. 'i'c5?
9 h
Seria melhor jogar 10. 'i'b3 ou 10. 'i'd3
J.e6 11. J.e2 J.c4 12. 'i'c2 J.xe2 13. 'i'xe2,
Como você continuaria a jogar? com ligeira vantagem das brancas.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 205

10. ... ii.g4 11. ii.g5? 16. ... :feS+ 17. ~f1 ii.e6!
Um novo erro. Seria melhor 11. ii.e2 12Jfd7
12. 'Ci'a3ii.xf3 13. ii.xf3 eS 14. dxeS 'Ci'e815.
ii.e2 12JxeS16. o-o com ligeira vantagem das
811 'I .
711 i iAi
brancas (partida Flear - Morris).
11 12Ja4!!
61
51
ir' J. ,
811 ir lê 41 i.. 8
71i i I. i A i 31. tD
61 i ~i 21
51 . ~ 1%
88
:1
41 .~. ~ J. a b c d e f 9 h
31 tb tD
21 ~. ~ ~ O começo de urna extraordinária combina-
ção. Não seria válido 17. ... 12JbS?18. ii.xf7+!
:..~..~ 1: ~xf7 19. 'ii'b3+ ii.e6 20.l2JgS+ com vantagem
a b c d e f 9 h decisiva das brancas.
IS. ii.xb6
Urna magnífica jogada de desvio. As outras alternativas não são melhores:
18. ii.xe6 'ii'bS+ 19. ~gl 12Je2+ 20. ~f1
12. 'Ci'a3 12Jg3+21. ~gl 'Ci'f1+!22. J::txfll2Je2mate.
Se 12. 12Jxa412Jxe413. 'Ci'c1,ou (13. 'Ci'xe7 18. 'ilVxc3'Ci'xcS!19. dxcS ii.xc3 20. ii.xe6
'Ci'aS+ 14. b4 'Ci'xa4 15. 'Ci'xe4J::tfe816. ii.e7 J::txe6com vantagem para as pretas.
ii.xf3 17. gxf3 ii.f8 com vantagem das pretas) 18. ii.d3 12JbScom vantagem das pretas.
13. ... 'Ci'aS+ 14. 12Jc3ii.xf3 15. gxf3 12JxgS,as 18. dS ii.xdS 19. J::txdS'ii'bl + 20. 12Jel
pretas teriam vantagem. Parece melhor 13. J::txelmate.
'ii'b4 12JxgS14. 12JxgSii.xdl 15. ~xdl ii.xd4
igualmente com vantagem preta. IS. ... ii.xc4+ 19. ~gll2Je2+ 20. ~f1
12Jxd4+ 21. ~gl
12. ... 12Jxc3 13. bxc3 12Jxe4 14. ii.xe7 Ou então, 21. J::td3axb6 22. 'Ci'c3l2Jxf3com
'iVb6! vantagem para as pretas.
Melhor que 14. 'Ci'e8J::td3.
21. ...l2Je2+ 22. 'iWll2Jc3+ 23. ~1 axb6
15. ii.c4 Apesar da desvantagem material, Fischer
Depois de 15. ii.xf8 ii.xf8 16. 'ii'b3 12Jxc3!, tem urna posição arrasadora.
as pretas teriam vantagem.
24. 'iVb4 J::ta4 25. 'Ci'xb6 12Jxdl 26. h3
15. ... 12Jxc3! J::txa2 27. ~h2 12Jxf2 2S. J::tel J::txel 29.
Outra bela jogada. Fischer leva impecavel- 'iVdS + ii.f8
mente a cabo seu plano de impedir o roque das A vantagem posicional se une agora à vanta-
brancas. gem material, e o mate não tardará a chegar.
16. ii.c5 30. 12Jxel ii.d5 31. 12Jf312Je4 32. 'iVbS
Se 16. 'Ci'xc3J::tfe817. ii.xf7+ ou (17. 'Ci'e3 b5 33. h4 h5 34.l2Je5 ~g7 35. ~gl ~c5+
'ii'c7 com vantagem das pretas) 17. ... ~xf718. 36. ~f1 12Jg3+ 37. ~el ~b4+ 3S. ~dl
tDgS+ ~xe7 19. O-Oi.xdl 20. %lxdl YWb5,as i.b3+ 39. ~c1 tDe2+ 40. c,t;blliJ~3+ 41.
pretas estariam muito melhor. ~cl J::tc2mate.

- - --
206 ANTONIOLÓPEZ MANZANO E JOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

14. ... lLJd3! 15. 'ilVc2


81 .. Retira a dama, uma vez que se ameaça
lLJe4.Outras continuações possíveis seriam 15.
71 ie lLJd4lLJe4 16. lLJxe4dxe4 17. ~b2 ':cS com
61 i i muito melhor posição das pretas. Se 15. lLJf4
lLJe416. lLJxe4dxe4 (16. ... ~xal? 17. lLJd6)
51 i ti) i 17. 1:abl 1:cS IS.lLJxd3 ~c3 19. 'ilVe2~xd3 20.
'ilVg4f5 21. 'ilVh3~xbl! 22. 1:xdS 1:exdS 23.
41 J. 8 ~f1 1:dl 24. <ot>g2 ~d3 25. ~xd3 exd3, e as
pretas ganhariam.
31 J.. E se 15. f3 ~h6 16. f4 sem poder evitar a
21 I 8 incômoda jogada das pretas lLJe4.Ou 16. lLJf4
d4! com vantagem das pretas.
<t>

.
15. ... lLJxt'2!
a b c d e f 9 h
811 111
Partida 65 71& iJ.i
R. Byrne - R. Fischer 61J.& i
Nova York, 1963 5 i
Defesa Índia do Rei 4
Não subestime a potência dos 3j,. 8 lD 8 8
bispos em posições abertas.
218 .. lD.i.8
Apresentamos uma das mais belas e conhe-
cidas partidas de Fischer. Nela, com uma con- J:[ %:[ <t>
cepção profunda de jogo combinativo, ele de- abcdefgh
monstrou por que, anos mais tarde, seria cam-
peão mundial.
16. 'iitxf2 lLJg4+ 17. <ot>glltJxe3 IS.
1. d4 lLJf62. c4 g6 3. g3 c6 4. ~g2 'ilVd2 lLJxg2!
Noutra partida jogada entre Byrne e Fis- Uma entrega magistral muito difícil de pre-
cher um ano antes, jogou-se 4. d5 b5! 5. dxc6 ver.
bxc4 6. cxd7+ lLJbxd77. ~g2 1:bS S.lLJf3 ~g7
9. o-o O-Ocom igualdade. 19. <ot>xg2
d4!
4. ... d5 5. cxd5 cxd5 6. lLJc3 ~g7 7. Abrindoa grande diagonalpara o bispo da
e3 o-o S.lLJge2lLJc6 9. o-o b6 10. b3 ~a6 dama negra.
11. ~a3 1:eS 12. 'ilfd2 e5!
A debilidade do peão em d5 é compensada 20.lLJxd4 ~b7+ 21. <ot>f1
pela maior atividade das peças pretas. Tampouco serviria 21. <ot>gl~xd4+ 22.
'ilVxd4 ':el+! 23. <ot>f2'ilfxd4+ 24. 1:xd4 1:txal
13. dxe5ltJxe5 14.1:fdl? 25. 1:d7 ':cS 26. ':xb7 :Xc3 27. 1:.bS+ <ot>g72S.
Às vezes, a decisãoentre mover uma torre ~b2 1:xa2 ganhando o bispo. Outra possível
ou outra é complicada; neste caso, Byrne errou continuação seria 21. <ot>f2 'ilfd7! 22. 1:ac1 'ilVh3
e movimentou a torre errada. O movimento 23. lLJf3 ~h6 24. 'ili'd3 ~e3+ 25. 'ilVxe31:xe3
correto seria 14. 1:adl 'ilVcS!15. lLJxd5lLJxd5 26. <ot>xe31:eS+ 27. <ot>f2 'ilVf5!ganhando.
16. ~xd5 1:dS 17. f4 1:xd5! IS. 'ili'xd5~b7! 19.
'ilVdS+'ilVxdS20. 1:xdS+ 1:xdS 21. fxe5 ~xe5 21. ... 'iVd7!E as brancas abandonam.
com um final vantajoso para as pretas, segundo Com efeito, não havia solução, visto que se
a análise do próprio Fischer. 22. 'ilVf2'i!Vh3+ 23. ~gl 1:el +!! 24. 1:xel ~xd4

- ---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 207

ameaçando a dama e mate, e as brancas tam- alcance com brilhantes combinações. Deve-
bém estariam perdidas. se buscar jogadas simples e poderosas,
esquecer os xeques ou uma possível perda
811 I fi ou ganho de material." (Reinfeld)
2. O meio-jogo é a fase da partida em que
nA J. 'ir iJ.i você pode expressar melhor a criatividade;
aproveite para ser imaginativo.
i i 3. Jogue de acordo com seu estilo natural e
61 conduza a partida para o tipo de jogo que o
5
interessa. Não queira, por exemplo, jogar
41 !iJ posicionalmente se você é um jogador com-
binativo e vice-versa.
3ti. !iJ 4. Jogue sempre sem medo, mas nunca com
soberba nem precipitação.
21 ir 5. Para ganhar uma partida, você deve apren-
der a desequilibrar o jogo a seu favor. Se
k[ I:[ conseguir pequenas vantagens posicio-
a b c d e f 9 h nais, elas se irão acumulando até criar de-
bilidades irremediáveis para o seu adver-
sário.
A sorte e o xadrez 6. Cuidado com os peões que podem capturar
a dama na abertura; podem estar "enve-
Fred Reinfeld disse: ''Acasualidade, a sorte nenados" .
e a personalidade do jogador desempenham 7. Recorde o axioma de Tarrasch: "Todo o ga-
no xadrez um papel muito mais importante do nho de um peão com a dama, na abertura, é
que se acredita". Claro que também há quem um erro".
diga que, quanto mais xadrez se sabe, mais 8. ''A principal característica da dama é sua
sorte se tem. grande mobilidade e poder tático." (Pach-
man)
9. "O sacrifício da dama não é um sacrifício
total, é um sacrifício parcial, mas com
CONSELHOS rentabilidade imediata." (Spielmann)
10. A dama é a peça mais qualificada para rea-
1. "Não há nada mais irritante que deixar lizar ameaças duplas a pontos distantes do
passar o que se tem à frente do nariz para tabuleiro.
ficar pensando em um plano de grande
CAPíTULO 34 o homem-
, .
maquIna
.Para ser campeão do mundo, não basta ser um
jogador forte; deve-se ser também um forte ser humano..
(Karpov)

Durante mais de uma década, considerou-seque AnatoliKarpovera mais uma máquina de


jogar xadrez que um ser humano. Aprecisão de seu jogo e a ausência de erros recordavam o jogo do
mítico Capablanca. Karpov é um grande jogador, intuitivo, muito difícil de bater por sua grande
maestria no jogo defensivo. Foi considerado um herói nacional ao devolver à União Soviética o
prestígio perdido após a derrota de Spassky contra Fischer.

ANATOLIKARPOV
Nacionalidade: Russo
Nascimento: Zlatoust (Rússia), 23 de maio de 1951.
Títulos: Campeão mundial em 1975 ao ganhar o torneio de candidatos de 1974 após a
renúncia de Fischer. É, na atualidade (1999), o campeão do mundo oficial da FIDE.Defendeu
seu título com êxito em duas ocasiões contra Víctor Korchnoi em 1978 e 1981. Perdeu sua
coroa em 1985 contra Kasparov, com quem disputou cinco duelos entre 1984 e 1990.
Recuperou o título ao vencer o holandês Jan Timman em 1993.
Características de jogo: Posicional, lógico e sólido. Lutador nato e isento de grandes
erros. Possui uma perfeita técnica e um excelente domínio do jogo defensivo.
Melhores torneios: Em 1994, venceu o torneio de Linares, um dos mais fortes na
história do xadrez, com 2,5 pontos de vantagem sobre Kasparov.Manteve sua coroa ante Gata
Kamsky em 1996. Foi proclamado campeão da FIDE pela sexta vez em 1998, ao derrotar o
hindu Wiswanathan Anand.
Façanhas: Acumula uma centena de primeiros lugares em torneios de elite, mais que
qualquer outro enxadrista em todos os tempos. Foi campeão mundial em seis ocasiões.
Principal derrota: Contra Kasparov em encontros pelo título mundial.
Principal debilidade: Hiperatividade enxadrística. Falta de brilho em muitas das suas
partidas. Evita as complicações táticas.
Vida privada: Aprendeu a jogar aos 4 anos e, apesar de sua delicada saúde durante a
infância, logo se destacou como um forte jogador. Em 1969, teve seu primeiro grande êxito
como campeão do mundo juvenil. Casou-se em duas ocasiões. É considerado um héroi
nacional, após devolver a glória enxadrística ao seu país, perdida por Spassky na sua derrota
contra Fischer.

---
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 209

Legado: Seu legado ainda está por ser concluído. Ficaram para a história suas inúmeras
partidas e os muitos livros, artigos e colaborações em revistas que escreveu ao longo de sua
carreira enxadrística.
Consideração final: Lutador infatigável. Foi indiscutivelmente o melhor jogador do
decênio 1975-1985, quando ganhou praticamente todos os torneios.

Partida 66 zer g6 para evitar o salto do cavalo branco em


f5.
Karpov - Spassky
Moscou, 1973 17. ... lDb6
A fim de evitar o temático avanço do peão
Abertura Espanhola até a4.
Ante um ataque do seu adversário,
procure eliminar suas peças mais ativas. 18. .td3 g6 19. 'ikc2
Com a idéia de deixar espaço à torre da
Nesta partida, Spasskycometeu o equívo- dama, que se colocará em dI.
co, na jogada 23, de não eliminar o bispo das
casas brancas que era essencialpara o ataque 19. ... lDfd7 20. 1:tadl
de Karpov.Por causa desse erro estratégico,as Exercendouma forte pressão central.
pretas ficaramcom clara desvantagem.
20. ... i.g7 21. dxe5!
1. e4 e5 2. lDf3lDc6 3. i.b5 a6 4. i.a4 Com a intenção de abrir a coluna da dama para
Karpov jogava com assiduidade a variante suas torres e bloquear a diagonal do bispo do rei.
da troca i.xc6, que deixa as pretas com uma má
estrutura de peões. 21 dxe5
Teria sido interessante 21. ... lDxe5 22.
4. ...lDf6 5. O-Oi.e7 6. 1:tel b5 7. i.b3 lDxe5 dxe5 23. i.e3, e as brancas estariam um
d6 8. c3 o-o 9. h3 lDb8 pouco melhor.
Entrando na variante Breyer,cujo plano é 22. c4 bxc4
defender o centro com lDbd7, desenvolver o
Outra alternativa seria 22. ... c5 23. cxb5 c4
bispo por b7 e colocara torre em e8.
24. i.xc4 1:tc825. i.xf7+'it>xf7 26. 'ikb3+, e as
10.d3 brancas trocam três peões pelo bispo e têm
Atrasandoo avançodo peão em d4, enquanto o melhores possibilidades de ataque.
cavalopreto se instala em c5. Não seria melhor 10.
d4lDbd7 11. lDbd2i.b7 12. i.c2 1:te813. b4 M8. 23. .txc4 'ife7?
Seria muito melhor 23. ... lDxc4 24. 'ii'xc4
10. ... lDbd7 11. lDbd2 .tb7 12. lDf1 1:tc8que ameaça c5, com boas possibilidades de
lDc5 13. i.c2 1:te8 defesa para as pretas.
Com a idéia de fazer ~f8 seguido de d5.
24. .tb3!
14. lDg3 i.f8 15. b4lDcd7 16. d4 Evitando a troca de seu bispo mais ativo.
Para evitar a jogada d5 das pretas.
24. ... c5 25. a4 c4
16. ... h6 Não seria válido 25. ... cxb4 26. aS :ac8 27.
Se 16. ... aS 17. a3lDb6 18. i.d3 axb4 19. 'ii'a2l2Ja8 28. i.xb4! 'ii'xb4 29. i.xf7+ ganhando.
cxb4 exd4 20. lDxd4 d5 21. i.g5, as brancas
ficariam melhor. 26. i.a2 i.c6 27. aS ~a4 28. 'ifc1lDc8
Não seria melhor 28. ... i.xd1 29. 1:txd1
17. i.d2 lDa4 30. i.xh6 i.xh6 31. 'it'xh6 lDc3 32. ~xc4
Com a intenção de jogar 'ii'c1 e pressio- lDf8 33. ]:tc1 'i'xb4 34. lDh5! gxh5 35. 'i'g5+
nar sobre h6, dado que as pretas devem fa- com ataque incontível.
210 ANTONIO LÓPEZ MANZANO E JOSÉ MONEDERO GONZÁLEZ

29. ~6 i.xdl 30. .1hdllbd6? lbbd7 12. i.d2 :'cS 13. i.a6 i.xa6 14. 'ii'xa6
Teria sido melhor jogar 30. ... .1:.a731. i.xc3 15. bxc3 .1:.c716. :'ac1 'ti'c8 17. 'ti'a4
.i.xg7 'it>xg732. 'ti'xc4. Até este momento, a partida se desenvol-
via normalmente dentro da teoria. As brancas
31. .i.xg7 ~xg7 32. 'ti'g5! estão tratando de jogar c4 e, com isso, con-
seguir um bom jogo, uma vez que contro-
811 I lariam as casas c5, d5 e e5 e teriam uma
71 grande vantagem de espaço. As pretas, para
Ij... tentar contornar, realizam uma surpreendente
61.& Ij .& jogada:
51 .& 11 17. ... .1:.c4!
41 .& 81 . .1 fi
31 tDtD n& ~.& i .&

21.,t 61 & .& Ai


]: 5
a b c d e f 9 h
4111 18
Ameaçando :'xd6 seguido de lbf5 +. 31 tD
32. ... f6 21 .t 8
Não seria válido 32. ... 'ti'xg5 33.lbxg5, e as
pretas perderiam um dos cavalos. 11 1%
a b c d e f 9 h
33. 'ti'g4 ~h7
Para evitar a ameaça .1:.xd6. 18.'ti'xa7
34. lbh4! Taimanov toma o peão sacrificado por Kar-
E as pretas abandonam, já que se 34. ... .1:.g8 pov, mas as pretas obtêm em troca uma consi-
35. bc4 .1:.g736. .1hd6! 'ti'xd6 37.lbhf5 gxfS38. derável vantagem posicional.
'ii'h5 mate. Ou 34. ... lbf8 35. lbxg6! lbxg6 36. 18. ... 'ilic6 19. 'ti'a3
'ii'h5+ 'it>g737. .1hd6 'ti'xd6 38.lbf5+ ganhando.
Aspretas ameaçam ganhar a dama com .1:a8.

Partida 67 19. ... :'c8


Emtroca do peão entregue, as brancas têm
um bispo mau e as debilidadesde c3 e a2.
Taimanov - Karpov
Moscou, 1973 20.h3
Defesa NilJUloíndia Taimanov não encontra bons planos para
atacar a sólida posição das pretas e decide es-
Considere sempre a possibilidade perar os acontecimentos.
de entregar material em troca de
vantagem posicional. 20 h6
Sem pressa. O plano de Karpov consiste em
A partida seguinte é um bom exemplo de ir colocando suas peças nas melhores casas.
como se pode entregar um peão em troca de
uma vantagemposicional. 21. :'bl :'a4 22. 'ii'b3 lbd5 23. .1:.dc1
1. d4 lbf6 2. c4 e6 3. lbca .tb4 4. e3 c5 ':c4 24. Ab2
5. .i.d3 0-0 6. lbf3 d5 7. 0-0 dxc4 8. i.xc4 No caso de 24. 'ii'b5 'ti'xb5 25. .1:.xb5:'a8
cxd4 9. exd4 b6 10. 'ti'e2 i.b7 11. :'dl haveria uma ligeira vantagem das pretas.
o XADREZ DOS GRANDES MESTRES 211
24. ... f6 39. gxf3 liJh4!
Evitandoo possívelsaltodo cavalode f3 até e5. Neste momento, a situação de Taimanov
Não seria proveitoso 24. ... liJxc3 25. :txc3 era difícil, como demonstram as análises se-
1:lxc326. .i.xc3 'ii'xc3 27. 'ii'xc3 :xc3 28. liJe5, guintes.
que conduziria ao empate.
40.:b3
25. :el <j;f7 26. 'ii'dl Tampouco valeria 40. .1:txb6'ii'c7+, ou 40.
Taimanov declarou, após a partida, que ~g3 'ii'g5+.
nesta posição ele já se sentia perdido.
40. ... 'ii'g5! 41. 'iff1 'i'f4+ 42. ~hl
26. ... liJf8 ltJxf3 43. :xt'3
Para proteger os vulneráveis pontos h7, g6 Não serviria 43. 'ifg2? 'iVeI+ 44. 'iigl
e e6. 'iixgl mate.

27. :b3liJg6 28. .1 :a8 29.:e4 :ca4 43. ... 'i'xf3+


30. .:tb2liJf8 31. 'ii'd3 :c4 32. .:tel:a3 Com um final muito superior.
Se 32. ... liJg6 33. :Xe6 ~xe6 34. 'ii'xg6
com bomjogo das brancas.
Final - Finalde bispos
33. 'iiblliJg6 34.:c1 da mesma cor
No caso de 34. 'ii'd3, haveria uma armadilha
para as pretas: 34. ... liJxc3? 35. :b3!, amea- 8
çando o sacrifício da torre em e6.
7
34. ... liJxc3
Por fim, Karpov toma o peão vendo que, 6
apesar das trocas, conserva sua vantagem posi- 5
ciona!.
4
35. 'ifd3
Não seria melhor 35. .i.xc3 1:laxc336. 1:lxc3
:Xc3 com a ameaça :eI +. 31
.t
2
35. ... liJe2+ 36. 'ii'xe2 J:txc1+ 37.
.i.xc1 'ii'xc1 + 38. ~h2?
Um erro decisivo. Deveria ter jogado liJel. a b c d e 9 h

38. ... :xf3!!

8
71
6 , .,
",
A vitória das brancas ocorreria neste mo-
mento se fosse sua vez de jogar; em caso con-
trário, as pretas ocupariam com seu rei a ca-
sa g8, e a posição branca não poderia pro-
gredir.
5 Vejamos a continuação de como deve ma-
nobrar o jogador forte para alcançar a vitó-
4 8 ria.
31 I 8 1. ~h7!
Para impedir que o rei contrário ocupe a
218 ]: 'f/J88clJ vital casa g8 e para apoiar o avanço do peão.
O seguinte plano das brancas será desalo-
'ir jar tudo o que se interponha no caminho do
a b c d e 9 h peão.
212 ANTONIO LÓPEZ MANZANO EJOS~ MONEDERO GONZÁLEZ

1. ... ~b2 Exercício 44


As pretas não podem deixar de controlar a
diagonal al-h8. Peresipkin - Romanishin
2. ii.f4 Odessa, 1972
Que ameaça ~h6+ para desalojar o rei As brancas jogam
preto. e ganham
2. ... ~d4 3. ii.h6+ <t>e84. ~g7
Agorase trata de expulsaro bispoda grande
diagonal.
8

71 .& 1
. .t
4. ... ~c5 5. ii.e5 ~f8
Únicajogada para evitar o avançodo peão 61 .& 8.
branco.
511 8. :
6. ii.d6! 41.11
O mais elegante; também se ganhava com
~f4 seguido de ~h6. 31 tl)
6. ... ii.xd6 7. g7 21 8 8
E as pretas não podem impedir a promoção
do peão branco. ~..:
a b c d e t 9 h

Mates típicos
As brancas contam com uma brilhante
Mate de Damiano continuação que lhes outorga uma rápida
vitória. Você é capaz de encontrar a jogada
Pedro Damiano (1544) foi autor do ganhadora?
primeiro livro de xadrez publicado na Itália.
Nesta obra inclui-se o mate que veremos a
seguir.

" .ê
ANEDOTAS E CURIOSIDADES
81 I Partida 68
71 1 A. López - J. Martínez
18 Escolar de Barcelona, 1968
61
5 Abertura Italiana
4 Minha primeira partida de campeonato
3 A primeira partida que joguei em um cam-
peonato escolar, poucos dias após aprender a
2r 8 mover as peças, causou-me uma impressão tão
profunda que, desde então, nunca mais deixei
<;f;> 1