Você está na página 1de 5

NOME

FUND. II
Nº TURMA ENSINO DATA

COMPONETE Língua Portuguesa


CURRICULAR BIM PROFESSOR NOTA

CONTEÚDO:- Interpretação de texto e Tempos e Modos Verbais

Atenção:- Deverá ser escrita à caneta azul ou preta. Permitido uso de corretivo (branquinho) EM POUCA
QUANTIDADE. PROIBIDO USO DE CELULAR OU QUALQUER APARELHO ELETRÔNICO.

Leia atentamente o fragmento a seguir e responda às questões propostas.

Clarice Lispector nasceu na Ucrânia, em 10 de dezembro de 1920, e morreu


em 9 de dezembro de 1977, no Rio de Janeiro.
Seu pais imigraram para o Brasil pouco depois de seu nascimento. Clarice
chegou a Maceió com dois meses de idade, com seus pais e duas irmãs. Em
1924, a família mudou-se para o Recife, e Clarice passou a frequentar o grupo
escolar João Barbalho. Aos oito anos, perdeu a mãe. Três anos depois,
transferiu-se com seu pai e suas irmãs para o Rio de Janeiro.
Em 1939, Clarice Lispector ingressou na Faculdade de Direito, formando-se
em 1943. Trabalhou como redatora para a Agência Nacional e como jornalista
no jornal A Noite.
Casou-se, em 1943, com o diplomata Maury Gurgel Valente, com quem viveria muitos anos fora do Brasil.
Seu primeiro romance, Perto do Coração Selvagem, foi publicado em 1944. No ano seguinte, a escritora ganhou
o Prêmio Graça Aranha, da Academia Brasileira de Letras. Dois anos depois, publicou O Lustre.

1. Com base no texto, é possível afirmar que Clarice Lispector.

a. ainda jovem teve seu talento como escritora reconhecido nacionalmente.


b. com a publicação do livro O Lustre ganhou o Prêmio Graça Aranha.
c. embora fosse ucraniana, tinha grande paixão pelo povo brasileiro.
d. por decisão do marido, diplomata, viveu muitos anos fora do Brasil.

2. Em quais frases a seguir, o verbo NÂO indica uma ação feita por Clarice Lispector de modo intencional.

a. Aos oito anos, perdeu a mãe.


b. Dois anos depois, publicou O Lustre.
c. Em 1939, Clarice Lispector ingressou na Faculdade de Direito.
d. Três anos depois, transferiu-se com seu pai e suas irmãs para o Rio de Janeiro.

3. O uso de pretéritos no modo indicativo é predominante no fragmento lido. Isso ocorre:


a. porque a narrativa na terceira pessoa requer o uso do pretérito.
b. porque são fatos que indicam possibilidade.
c. porque os fatos ocorreram antes do momento do texto escrito.
d. porque expressa uma dúvida de que as ações ocorreram de verdade.

4. A forma verbal “viveria”, na última linha do penúltimo parágrafo,

a. expressa desejo de que algo aconteça.


b. expressa dúvida em relação a um fato.
c. indica um fato futuro em relação a outro no passado.
d. indica um fato que, provavelmente, não se realizará.

Leia o fragmento a seguir de um Relato Pessoal da jornalista Mônica Waldvogel:

Mas a lembrança que me veio hoje foi a de uma tarde em que eu decidi fazer
algo para me alegrar. Algo que subvertesse a lógica do sofrimento, que alterasse
a rotina implacável daquelas vidas opacas. Havia sido meu aniversário naquela
semana – não sei se de oito, nove, dez anos – e eu tinha ganhado um vestido,
uma bolsa e um par de sandálias. Não conseguia parar de olhar para os
presentes. Voltava da escola e ia correndo para o quarto. Colocava tudo sobre a
cama e ficava contemplando as formas, as cores, a harmonia perfeita que parecia
reinventar o espaço onde eu estava.

5. Os verbos seguintes, extraídos do trecho que mencionamos, fazem referência a fatos ocorridos no passado,
mas há diferenças entre eles.

Veio – foi – decidi – conseguia – voltava – colocava – estava

a) Quais indicam fatos totalmente acabados no passado (pretérito perfeito)?

___________________________________________________________________________________________

b) Quais indicam fatos que são habituais no passado ou indicam passado remoto (pretérito imperfeito)?

___________________________________________________________________________________________

c) Retire do texto uma forma verbal que indique um passado anterior a qualquer outro tempo passado. (pretérito
mais que perfeito)?

___________________________________________________________________________________________

6. Observe, nas frases a seguir, os verbos em destaque. Coloque, dentro dos parênteses que precedem as frases,
uma letra de acordo com o seguinte:

(a) Para verbos no futuro do presente.


(b) Para verbos no futuro do pretérito.

( ) A menina cresceria feliz naquele ambiente de amor,


( ) Daqui a alguns dias, ela viajará para a Europa.
( ) Se eu puder, falarei com ela sobre o seu caso.
( ) Se houvesse uma foto, eu me lembraria dela.
( ) Só você e eu iremos ao cinema amanhã, à tarde.

Leia o trecho a seguir:

Inventor do tempo

A criação de um novo tempo verbal para narrar O Menino da Lua, o mais recenre livro
infantil de Ziraldo.

Está história que você vai ler aqui, quem me contou foi um menino que vive no futuro.

Num futuro muito distante mesmo, o mais distante que se possa imaginar. Para gravá-la,

viajei na minha máquina do tempo particular.

Quando a ouvi, o menino que vivia nesse distante futuro me contava uma história que

tinha acontecido no seu passado. Conclusão: o passado desta história está também no

futuro. Como nossa história já está contada mas ainda vai acontecer, me ocorreu que,

para reconta-la, eu deveria usar um tempo de verbo que os gramáticos esqueceram de

criar.

Os gramáticos não sabem que a gente pode viajar no tempo.

Pra contar histórias assim já deviam ter criado o tempo de verbo que inventei: o

pretérito imperfeito do futuro do indicativo.

Não posso começar uma história que se passa no futuro dizendo, por exemplo, " era

uma vez um herói" porque a vez ainda será. Também não posso dizer " nosso herói se

chamava" porque ele ainda se chamará.

O jeito que achei foi usar o meu novo tempo de verbo e começar a história assim: "

Serera uma vez um herói que se chamarava".

Os autores de ficção científica não pensaram nisso. Mas sabe de uma coisa? Foi

bom eles não terem pensado; as histórias iam ficar muito esquisitas né não?
7. O título do texto – “Inventor do tempo” – está relacionado a uma questão climática? Justifique sua resposta.
___________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________

8. Há o texto aspectos que o aproximam de um texto da oralidade. Cite dois desses aspectos e explique por que
eles ocorrem no texto.
___________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________________

9. Além dos tempos verbais inventados por Ziraldo para narrar a história de um menino que vivia no futuro, esse
texto apresenta verbos em diferentes tempos. Identifique o tempo e modo dos verbos e locuções verbais
retirados do trecho.

a) Contou, viajei, ouvi.


__________________________________________________________________________________________

b) Vivia, contava, chamava


___________________________________________________________________________________________

c) Vive, está, sabem


___________________________________________________________________________________________

d) Deveria dar
___________________________________________________________________________________________

10. Sabemos que a combinação de Modos Verbais garante qualidade de escrita ao texto. Mesmo sendo um
escritor famoso, Ziraldo não faz utilização de combinação dos modos verbais no trecho abaixo. Observe:

Foi bom eles não terem pensado; a história iam ficar muito esquisitas, né não?

a) Reescreva adequando por meio de combinações de Modos verbais.

___________________________________________________________________________________________

b) Qual tempo e modo verbal foi utilizado para substituir a segunda forma verbal “iam ficar”

11. As frases da segunda coluna apresentam verbos no tempo presente do modo indicativo, além de descrever
uma ação habitual, esse tempo é utilizado também de outras maneiras. Numere-a de acordo com a primeira,
identificando adequadamente o sentido expresso pelo verbo destacado.

(1) indica uma ação habitual, frequente. ( ) Você embrulha aquele livro para mim, por favor?

(2) Indica uma ação que não se refere a ( ) Em 1988, a Princesa Isabel proclama a abolição da escravidão.
um tempo específico.
( ) Mais tarde passo na sua casa para conversar.
(3) Presentifica um fato passado para
valorizar a ação que foi marcante. ( ) Quem dá aos pobres recebe de Deus.

(4) Torna mais cortês (gentil) uma ordem ( ) Ele sai de casa todo dia às 8h da manhã.

(5) Dá uma ideia de futuro próximo, ( ) No jogo da Taça Libertadores, Atlético vence o campeonato.
Leia o texto ao lado e resolva as questões 12, 13, 14.

12. Releia o enunciado do segundo quadrinho. Nesse contexto,


entende-se que a vida não é matemática porque ela:

a. é imprevisível e inexata.
b. inexiste no conteúdo das escolas.
c. traz em si a ideia de morte.
d. vai além dos seres humanos.

13. Releia este enunciado:

E se a vida fosse Matemática, eu erraria ainda mais.

O verbo em destaque encontra-se no:

a. presente do indicativo
b. presente do subjuntivo
c. pretérito imperfeito do indicativo
d. pretérito imperfeito do subjuntivo

14. O sentido desse enunciado, considerando os verbos nele


utilizados, é de:

a. desejo
b. dúvida
c. hipótese
d. ordem

15. Assinale a alternativa que apresenta a sequência correta de verbos que completam as frases seguintes
conforme combinação de modos verbais.

a. Se ele _____, iremos ao cinema.


b. Quando você ______, resolveremos isso.
c. O ideal seria que eles ___________ tudo como foi combinado.
d. Assim que vocês ________ o livro, começarei a pesquisa.

a. quer – fosse – fizesse – trouxessem


b. querer – vir – fizerem – trazerem
c. quiser – vier – fizessem – trouxerem
d. quisesse – viesse – faça - tragam