Você está na página 1de 6

AS IMPLICAÇÕES DO MINISTÉRIO DE JESUS

EM NOSSAS VDAS NOS DIAS DE HOJE

Texto: Mat 4.23-25; 9.35

Introdução:

JESUS PREGAVA, ENSINAVA E CURAVA!

TESE:
Por que não vemos essas coisas acontecendo hoje como
aconteceram no tempo de Jesus?

 Se Jesus veio para restaurar o mundo quebrado, ferido,


machucado, adoecido, por que ainda vemos tanta gente
enferma, tanta gente machucada, e tanta gente ferida e
quebrada?

 Por que que nem sempre vemos as mudanças que gostaríamos


de ver?

 Bem, não existe uma resposta simples e fácil para essas


perguntas. Eu gostaria de propor algumas coisas para nossa
consideração.

 Algumas coisas que para mim são muito importantes


para entendermos quais são as implicações do
ministério de Jesus nos dias de hoje.

I-A primeira consideração que eu gostaria de fazer é a


nossa resistência.

1.Não apenas a nossa, mas certamente a resistência que Jesus


também enfrentou no seu tempo. Nós resistimos à chegada do
Reino de Deus.
2.Jesus pregava que é chegado o Reino de Deus.(Mat.4.17).Nos dias
de hoje nós resistimos a chegada do Reino de Deus em nossas
vidas e também à proposta de vida desse Reino.

Por quê? Nem todas as pessoas desejam viver dentro de um


padrão, dentro de um modelo, dentro de uma estrutura de vida
que Jesus propôs. Muitos de nós queremos a cura de Jesus, mas
nem sempre queremos a sua pregação e o seu ensino. Nós não
queremos arrepender e crer, no entanto tudo precisa estar junto.
Nós resistimos, porque não queremos assumir as consequências de
um jeito novo de viver.

 Entenda meu irmão: Qualquer experiência, encontro com


Jesus, muda nossa perspectiva de vida!

3.A pregação do “arrependimento” é a palavra que Jesus usa para


nos confrontar a mudarmos de vida. E isso significa que nós
precisamos mudar nossos conceitos. Precisamos mudar nossas
percepções. E as nossas perspectivas. Precisamos morrer para o
nosso jeito de conduzir a vida, a nossa vida.

4. Porque o Reino chega onde Jesus estabelece o seu governo,


estabelece o seu reinado. E para ele ser Rei, eu preciso deixar de
brincar de ser Rei. Ser curado significa que isso vai mudar o meu
jeito de viver.

ILUSTRAÇÃO:

 Por exemplo, um paralítico que levanta, pega a sua cama e


começa a andar, ele vai ter que trabalhar. Talvez ele tenha
vivido muitos e muitos anos com algumas pessoas cuidando
dele, carregando para lá e para cá. E talvez até usando-o
para ganhar algum dinheiro. Mas agora ele vai ter que
trabalhar.

 E muitas vezes nós não queremos essa mudança, não só do


ponto de vista físico, mas do ponto de vista sobretudo
espiritual.

É muito difícil, para muitos cristãos, em algum momento, resolver


aceitar ser curado, deixar de ser vítima, e se tornar um
protagonista de sua própria história. Muitos preferem viver como
vítimas. Eles preferem caminhar com suas muletas, na expectativa
que as pessoas tenham pena deles.

 É por isso que Jesus muitas vezes pergunta essa pergunta


aparentemente estranha, quando Jesus diz: “Queres ser
curado?”.

 Por que que Jesus pergunta? A resposta poderia ser um claro


“Sim”.

Mas será? Será que eu quero ser curado de minha cegueira? Será
que eu quero ser curado da minha surdez? Será que eu quero ser
curado das minhas inúmeras dependências emocionais, dos vícios
emocionais que eu construí ao longo de minha vida?

Nós temos uma grande resistência em querer ser livres.


Porque ser livre representa assumir uma responsabilidade que
nós muitas vezes não temos e não queremos.

A liberdade não é um evento que nós abraçamos simplesmente


porque o idealizamos.

Nós resistimos ao Reino de Deus! O Reino de Deus nos assusta. Por


quê?

1. Amar o inimigo não é uma proposta que qualquer um de nós


deseja.
Não desejamos.

2.Abençoar uma pessoa que me amaldiçoa não é o que eu mais


quero.

3.Muitas vezes o que acontece é que nós preferimos permanecer


prisioneiros, enfermos, adoecidos do que sermos curados.

II-Segundo, nós precisamos entender e reconhecer é


claro a complexidade humana.

1.As nossas enfermidades são complexas. Uma forma de


enfermidade pode ter raízes em outras dimensões da vida, e hoje
nós temos nos estudos da Ciência, hoje nós conseguimos entender
melhor essas coisas que Jesus entendia tão perfeitamente.
2. Hoje nós sabemos que muitas enfermidades têm a sua origem em
disfunções emocionais, afetivas, que carregamos desde a infância.

Marcos 2.1-12 - V.5

“Filho, os teus pecados estão perdoados”. E volta, e continua


falando o que tinha para falar. Deve ter sido uma sensação horrível
para os amigos do paralitico: Não era isso o que eles estavam
esperando. Era isso o que Jesus pretendia fazer.

Era o que traria a liberdade e a cura para aquele homem. Mas


Jesus, de repente, percebendo a inquietação dos líderes religiosos,
volta e diz:” Tá bom, levanta e anda!” E volta e continua, mas o
que Jesus está mostrando ali, que a cura do paralítico tem a
autoridade que tem para perdoar os pecados, que era o problema
real daquele homem.

Eles não estavam procurando essa cura em Jesus, eles estavam


procurando outro tipo de cura.

É claro que levaram as duas, mas o que Jesus está fazendo é atuar
num nível mais profundo que nós nem sempre discernimos.

Jesus sempre cura, não do jeito que nós esperamos ser curados. Ele
sempre atua nos libertando, mas não para a liberdade que nós
imaginamos que seria bom pra nós. Isso é verdadeiro não só para nós
como pessoas, mas também para as famílias para as nossas igrejas,
para nossas cidades, para nossa nação.
Ele está fazendo. Talvez não da forma que nós gostaríamos que
estaria acontecendo.

III-Em terceiro lugar, nós temos essa grande tensão, uma


tensão inerente ao Reino de Jesus.

1.O Reino já chegou, mas ele não foi plenamente realizado, e é


essa a tensão, e nós vivemos nesse quadro de tensão o tempo todo.
Por isso Jesus fala várias vezes, por parábolas:¨

 Que o Reino de Deus é como fermento, semente de mostarda,


ele entra e devagar leveda a massa, devagar ele cresce, não
vem como uma coisa assim que vira de perna pro ar, vem de
uma vez e vira tudo de uma vez só. Não, não é isso.

2.Ele está presente, mas ainda não consumou ainda aquilo que já
realizou.

No Reino de Deus Nós não somos mais o que éramos, mas não nos
tornamos ainda o que haveremos de ser. E entre uma coisa e outra,
nós ainda experimentaremos a dor, experimentamos as lutas, as
contradições, os conflitos. Nenhum de nós experimentará a
plenitude até o dia em que o mortal for absorvido pela Vida. I
Corintios 15.50-54

Então nós precisamos entender que vivemos entre o Reino já


realizado e afirmado, presente de Jesus e o Reino ainda não
consumado que um dia será plenamente consumado com a vinda de
Jesus.

O que nós vemos nos evangelhos é que o fim de tudo é o Reino de


Jesus, não a nós, não a mim, nem a você.

IV-as parábolas de Jesus, na forma como jesus ensina, são


escandalosas. Provocam escândalo.

1.Quando ele fala daquele homem que abandona as 99 ovelhas no


deserto para buscar uma que se perdeu, quem faz isso? Qual louco
abandona 99 pra ir atrás de uma? Não faz sentido!

2. Na parábola do filho pródigo, quem é o louco que recebe o filho


que deu o maior cano no pai e recebe com festa e abraço? Isso não
existe!

3.Na parábola do credor incompassivo, Jesus fala de um homem que


perdoa uma dívida impagável. Quem perdoa uma dívida assim?

4.As parábolas de Jesus provocavam escândalo porque elas


apontavam para uma realidade tão distinta da realidade que o
mundo estava acostumado, que as pessoas se assustavam com o que
ele ensinava, se assustavam com o que ele estava propondo.
 Por isso muita gente resiste, muita gente se opõe àquilo que
Jesus estava fazendo.

 Por isso que o nosso mundo ainda continua com muita gente
enferma, muita gente ferida, muita gente quebrada.

Porque nós resistimos ao Reino que chegou.

Conclusão:

A grande pergunta é o seguinte: Queremos isso? Queres ser curado?


Você quer? Quer ser perfeito? Você aceita se submeter ao
tratamento completo? É isso que ele veio fazer. Nada menos que
isso. E isso nunca é indolor. E nunca é simples.

Nós resistimos. A nossa existência é complexa. Nossos problemas


e dramas são complexos, nós não conseguimos entender muito
bem. E vão se tornando cada vez mais complexos.

Vivemos entre a realidade do Reino já presente e o Reino que ainda


virá e se manifestará plenamente. Mas entre essas coisas precisamos
entender que as pregações, o ensino e os milagres e curas de Jesus
têm por finalidade revelar aquele que tem autoridade sobre o
pecado e sobre a dor e sobre o mal, e ele vem para nos restaurar
completamente.

Você também pode gostar