Você está na página 1de 20

Introdução: Confissões de um Ejaculador Precoce

A premissa deste livro é simples: quando se trata de dar prazer às mulheres e conversar na
linguagem do amor, o cunilíngua deveria ser a língua nativa de todo homem. Como o autor de
best-seller, Lou Paget escreveu: "Pergunte à maioria das mulheres, e se elas forem honestas,
elas admitirão que o que as torna mais quentes e mais difíceis é quando um homem pode usar
bem a língua".

Mas, como em qualquer outra língua, a fim de expressar-se fluentemente, a fim de fazer seu
sujeito cantar e voar, você deve estar completamente familiarizado com as regras da gramática
e do estilo. Um dos meus livros favoritos sobre o assunto é o indispensável clássico Elements of
Style. Eu não acho que eu teria conseguido passar pelo currículo de calouros, ou sobrevivido a
faculdade como um estudante de Inglês, sem aquela brochura esbelta e orelhuda enfiada no
bolso de trás. Nas poderosas mãos dos autores Strunk e White, a gramática não era
simplesmente compreensível e significativa - era bela.

Elements of Style exortou os leitores a “escrever com ousadia e fazer afirmações definitivas”.
E no espírito desse clássico atemporal, As Senhoras Primeiro condensará uma riqueza de
experiência e especialização em um livro de regras simples e essenciais. Ele elaborará os
princípios e a filosofia subjacentes a essas regras e, ao fazê-lo, oferecerá nada menos que o guia
definitivo para a gramática do sexo oral. Se você quer aprender a dar uma mulher explosões
mentais, com orgasmos que ondulam o corpo, este é o livro para você.

Embora eu tenha um Ph.D. em sexologia clínica, este livro é escrito principalmente da


perspectiva de um praticante, por alguém que conhece e ama a cunilíngua, aprecia seu papel
em estimular a resposta sexual feminina e desenvolveu uma metodologia para conduzir
consistentemente mulheres ao orgasmo: uma que parte da convicção de que o cunilíngua é
muito mais do que uma atividade sexual, mas a peça central, de uma filosofia de satisfação
sexual. Chame isso de “Caminho da Língua”.

Mas não me entenda mal: eu não sou nenhum Casanova ou Don Juan em vão colocando
palavras no papel para me gabar e me exibir - longe disso. Durante grande parte da minha vida,
sofri terrivelmente com a disfunção sexual e conheço muito bem a humilhação, a ansiedade e o
desespero de não conseguir satisfazer uma mulher. De qualquer forma, este livro foi escrito com
a esperança sincera de que outros homens possam desenvolver “hábitos sexuais” eficazes -
aqueles que permitirão que eles, juntamente com seus parceiros, sofram menos do que eu, ou
talvez nem sofram. Como Tennessee Williams escreveu sobre o leito matrimonial em sua peça
Cat on a Hot Tin Roof, “Quando um casamento vai às rochas, as pedras estão ali, bem ali!” Bem,
aqui está para se livrar das pedras e alisar as folhas.

Minhas incursões iniciais no sexo oral foram uma muleta, uma maneira de compensar
minhas inadequações sexuais, e elas foram abordadas com a suposição de que o cunilíngua era
o segundo homem pobre para as alegrias e esplendores do “sexo real” - como muitos, eu aceitei
que era garantido que o intercurso era o “caminho certo” para os casais experimentarem
orgasmos. Mas, para minha surpresa, descobri que o “Caminho da Língua” não era de maneira
alguma inferior ao coito, mas sim superior, e em muitos casos, a única maneira pela qual as
mulheres eram capazes de receber a estimulação rítmica e persistente, fora da masturbação,
necessária para atingir um orgasmo. Eu aprendi rapidamente que sexo oral é sexo real, e mais
tarde na vida, quando por acaso me deparei com uma cópia do Relatório Hite sobre Sexualidade
Feminina, fiquei tranqüilo ao descobrir que as mulheres consideram o sexo oral como “um dos
seus favoritos e atividades emocionantes; as mulheres mencionaram repetidas vezes o quanto
o amavam ”. Quando se trata de prazer, não há maneira certa ou errada de ter um orgasmo - a
única coisa que está errada é presumir que as mulheres precisam ou valorizam-nos menos do
que os homens.

Em seu artigo “Apenas seja um homem: Seis Sugestões Simples”, o primeiro conselho da
colunista de sexo Amy Sohn é: “Um homem desce. Sem desculpas. Sem hesitação."

Mas uma vez lá embaixo, o que um homem deve fazer? A grande maioria das mulheres
reclama de caras que não gostam de fazer isso, não sabem como fazê-lo, ou simplesmente não
fazem o suficiente. Flannery O'Connor estava certo: um homem bom é difícil de encontrar,
especialmente um que é bom em dar um passeio no centro da cidade. Mas uma vez encontrado,
um hábil cunilinguista raramente é desvalorizado. Em seu ensaio Lip Service: On Being a Cunning
Linguist, a autora e colunista de sexo Anka Radakovich canta louvores a um namorado
especializado em sexo oral: “Eu me tornei língua-chicoteado (o equivalente feminino a
chicotada) e até ofereci fazer a roupa dele se ele vir e me satisfazer. Depois de dois meses,
coloquei uma foto emoldurada de sua língua na minha mesa.

É hora de “pensar fora de sua caixa”. Quando se trata da carícia oral, todo homem deveria
fazer um mantra da linha infame de Rhett Butler para Scarlett O'Hara em E o Vento Levou: “Você
deveria ser beijada, e frequentemente, e por alguém que sabe como.

Aqueles que me conhecem sabem que sou uma pessoa privada. Eu não sonharia em
confessar minhas batalhas com disfunção sexual para o mundo se não acreditasse de todo
coração que havia uma necessidade irresistível para este livro. Eu sei disso com base no que li,
no que me disseram e, mais importante, no que experimentei em primeira mão como sexólogo
clínica: as mulheres não apenas anseiam e gostam de cunilíngua, elas exigem isso. Qualquer
terapeuta sexual lhe dirá que a queixa número um que ouvem repetidamente das mulheres é a
incapacidade de sentir orgasmo durante a relação peniana-vagina. A solução não é
simplesmente "mais preliminares", como as revistas muitas vezes nos indicam, mas a extensão
habilidosa das atividades que associamos às preliminares, ou seja, a estimulação oral, em atos
completos e plenamente realizados de fazer amor - a transformação das preliminares em nada
menos que core-play.

Este livro não é anticoncorrencial, mas sim pró-curso - uma concepção de sexo que vai além
da penetração, abraça o prazer mútuo e é mais adequada para estimular a anatomia sexual
feminina ao orgasmo. Este modelo não exclui o intercurso sexual, mas promove o adiamento da
gratificação masculina até que a mulher tenha atingido seu primeiro orgasmo durante uma
sessão de atividade sexual - um adiamento que tem o duplo benefício de garantir a satisfação
feminina enquanto também aumentando significativamente a qualidade do clímax masculino.
Este livro defende o adiamento da gratificação, não o adiamento do prazer.

As Senhoras Primeiro oferece aos homens e mulheres uma abordagem infalível de "pássaro
na mão" para o bom sexo, em oposição à proposta de intercurso "tudo ou nada" de alto risco. É
hora de fechar a lacuna de sexo e criar um campo de jogo nivelado na troca de prazer, e a
cunilíngua é muito mais do que apenas um meio para alcançar esse fim nobre, é a pedra angular
de um novo paradigma sexual, que exuberantemente exalta uma experiência compartilhada de
prazer, intimidade, respeito e contentamento. É também um dos maiores presentes de amor
que um homem pode conceder a uma mulher.

Como Ler Este Livro


Na Parte I, Os Elementos do Estilo Sexual, você será apresentado a uma filosofia poderosa
que informará, se não alterar dramaticamente, a maneira como você aborda o sexo e os
relacionamentos. Você aprenderá a:

• Dispensar a “desinformação” e cultivar uma verdadeira compreensão da sexualidade


feminina

• Pensar clitoricamente, ao invés de vaginal; para se concentrar na estimulação em oposição à


penetração

• Adiar a gratificação sem sacrificar o prazer

• Transforme as preliminares em coreplay

• Navegue habilmente o processo de resposta sexual feminina e aprecie o papel do clitóris


como a força motriz do prazer

• Desenvolver um senso de conscientização que tornará o orgasmo feminino muitas vezes


ilusório em cognoscível e tangível além da sombra de uma dúvida.

Também discutiremos tópicos importantes, muitas vezes mal entendidos, como a anatomia
“real” da genitália feminina, higiene, sexo seguro, bem como o contexto social e cultural que
informa a maneira como pensamos e agimos em relação ao cunilíngua.

Se a Parte I é o “porquê” de cunilíngua, então a Parte II, Regras de Uso, é o “como”. Aqui
você será apresentado a técnicas orais comprovadas que lhe permitirão levar uma mulher ao
longo de todo o processo de resposta sexual, ou o que chamei de "Processo de Reprodução" –
Foreplay, Coreplay e Moreplay.

Enquanto muitos livros sobre sexo se contentam em simplesmente dizer ao leitor “o que”
fazer, é a convicção desse autor de que o “quando” é tão importante quanto. Está tudo no
momento certo e, para esse fim, a Parte III, Reunindo, delineia rotinas claras para integrar
perfeitamente as técnicas em uma experiência unificada que permitirá que você e seu parceiro
alcancem novas alturas eróticas.

Espalhada ao longo do livro, você também encontrará ilustrações, dicas, exercícios, fatos
interessantes, perguntas frequentes, bem como respostas sinceras de alguns dos muitos
homens e mulheres que entrevistei sobre sexo, relacionamentos, cunilíngua, bem como seus
próprios “faça” e “não faça”.

Finalmente, no final do livro, você encontrará uma série de apêndices que abordam muitos
tópicos relevantes e situações específicas.
Como um todo, As Senhoras Primeiro representa o tratamento mais completo da arte da
cunilíngua atualmente disponível, e não apenas ensinará tudo o que você precisa saber para
dominar a gramática do sexo oral, mas também responderá a todas as perguntas que você possa
tem ao longo do caminho.

Quando você terminar este livro, você não estará apenas pensando em sexo de uma nova
perspectiva, mas também não haverá nada que você não saiba sobre como levar uma mulher
ao orgasmo com sua língua várias e várias vezes.

Questionário Pop
Sinta-se à vontade para ler As Senhoras Primeiro de qualquer maneira que você achar
confortável, mas se você estiver inclinado a pular a Parte I e ir direto para as técnicas na Parte
II, então eu perguntaria a você

Primeiro a considerar algumas questões simples:

• Você sabia que o clitóris tem dezoito partes, todas desempenhando um papel no produção
de prazer? Você pode identificá-los?

• Você sabia que a grande maioria das terminações nervosas que contribuem para o
orgasmo feminino está concentrada na superfície da vulva e não requer qualquer penetração
para ser estimulada ao orgasmo?

• Quantos tipos diferentes de orgasmos é uma mulher capaz de experimentar?

• Você pode dizer com total confiança que você sabe como localizar o ponto G? Você pode
nomear outras zonas ocultas de prazer?

• Você sabe por que o cunilíngua é o melhor meio de estimular uma mulher a múltiplos
orgasmos?

• Você sabe por que um homem é parcialmente responsável pelo aroma genital de seu
parceiro?

• Você tem certeza absoluta de que seu parceiro nunca fingiu um orgasmo, e você pode
reconhecer inequivocamente a diferença entre a coisa real e um grito falso?

Se você respondeu não a qualquer uma dessas perguntas importantes, então eu o


encorajaria a ler o livro do começo ao fim. Mas não importa como você escolher ler primeiro;
Espero que, como o Elements of Style, se mostre um livro que você pode voltar e outra vez,
independentemente do seu nível de conhecimento.

Um gosto do que está por vir


No espírito do Elements of Style, aqui estão algumas regras básicas para você começar:

1. Aprenda a apreciar a ironia: porque quando se trata da sexualidade humana, a vida é


abundante. Apenas para iniciantes, considere o fato de que os genitais masculinos e femininos
são formados a partir do mesmo tecido embrionário, ainda que nossos respectivos processos de
excitação não possam ser mais diferentes. Como os editores fundadores da revista Men's
Health, Stefan Bechtel e Laurence Roy Stains, de forma tão sucinta colocaram em seu livro Sex:
A Man's Guide, “Estudos mostram que três quartos dos homens terminam o sexo poucos
minutos depois de começarem. Mas as mulheres geralmente precisam de 15 minutos ou mais
para se tornarem suficientemente excitadas para o orgasmo. E aí está um mundo de raiva,
tristeza e panelas e panelas no ar”.

Em termos gramaticais, a maioria das mulheres fica frustrada com “sentenças incompletas”
diante dos particípios “pendentes” de seus parceiros. Por isso, a ênfase deste livro no adiamento
da gratificação masculina e na primeira parte de seu título: She Comes Primeiro. Como a
jornalista Paula Kamen documenta em seu caminho, uma pesquisa sobre mulheres jovens
contemporâneas, “Os orgasmos femininos não são mais considerados um bônus de sorte ou
uma reflexão tardia, que marca uma mudança da culpa sexual e a busca de seus próprios
desejos, como homens sempre .

Quando se trata de dar prazer às mulheres, tenha em mente as antigas palavras do mestre
taoísta Wu Hsien: “O homem deve manter a situação sob controle e se beneficiar da comunhão
sem pressa indevida”.

2. Não confunda seu assunto com um objeto: a saber, o clitóris. Com suas oito mil
terminações nervosas (duas vezes mais que o pênis), capacidade invejável de produzir orgasmos
múltiplos durante uma única sessão de sexo, e nenhum propósito conhecido além do prazer, é
de se admirar que Masters e Johnson tenham proclamado o clitóris como “um único órgão no
total da humanidade ”? O clitóris tem mais de dezoito partes, visíveis e ocultas, que participam
da produção de prazer. (Continue lendo, e você aprenderá como dominar todos e cada um
deles.) Ao contrário da sabedoria convencional - pelo menos do tipo que é tão comum quanto
Ben-Gay e bolor no vestiário dos homens - o clitóris é muito mais do que apenas um "botão de
amor", é uma sofisticada rede de excitação que tem mais pontos quentes do que um vulcão
latente.

3. A língua é mais poderosa que a espada: especialmente quando se trata de estimulação do


clitóris. Até a estrela pornô Ron Jeremy, de posse do famoso membro de dez polegadas,
observou: “Mais mulheres saíram com a minha língua do que com o meu pênis.” Shere Hite,
autora do Hite Report on Sexuality, chegou a sugerir “O intercurso nunca foi feito para estimular
as mulheres ao orgasmo.” Uma das razões para isso é que o clitóris está cerca de 2 a 3 cm mais
próximo da frente do corpo da mulher do que a abertura vaginal. Durante a relação sexual, o
pênis muitas vezes perde o clitóris completamente.

Em Sex: A Man's Guide, os autores citam um estudo no qual noventa e oito esposas em
casamentos felizes e estáveis mantêm um diário sexual que observa a frequência da atividade
sexual e o nível de satisfação. De todas as atividades mencionadas, o cunnilingus foi considerado
o mais satisfatório.

Oitenta e dois por cento disseram que ter os maridos lhes dando prazer oralmente era muito
satisfatório; a próxima atividade mais alta, a relação sexual, foi considerada muito satisfatória
por apenas 68%. As mulheres relataram que durante a relação sexual atingiram o orgasmo cerca
de 25% do tempo. Mas eles atingiram o orgasmo 81% do tempo durante o sexo oral. Como o
Dr. Alex Comfort escreveu sobre cunnilingus em The New Joy of Sex, “pode-se dar à mulher
dezenas de orgasmos dessa maneira e ela ainda pode querer continuar a partir daí”.
4. Aprenda com os seus erros: Ao contrário dos rapazes adolescentes da Ilha Cook de
Mangaia, que, segundo o autor Shane Mooney, são treinados nos pontos mais apurados da
estimulação da mama, cunilíngua e ejaculação retardada para garantir o prazer do seu futuro
parceiros, nossa educação ocidental é, infelizmente, incompleta. Quando pesquisado pela Shere
Hite sobre as técnicas orais de seus parceiros, a grande maioria das mulheres se queixava de
que os caras eram muito duros, muito impacientes; muito rápido, muito devagar; fora do alvo,
ou eles mudaram de ritmo na hora errada. Uma mulher até exclamou: "Parece que ele está
tentando apagar meu clitóris".

Caramba!

Mas o que muitas mulheres não sabem é que os homens anseiam por comida e orientação.
Eles anseiam por instrução, mas a comunicação sobre sexo está longe de ser fácil, e as palavras
muitas vezes nos falham no calor do momento. Como a autora Sally Tisdale colocou em seu livro
Talk Dirty To Me: Uma Filosofia Íntima do Sexo, “Nós não podemos realmente explicar como a
excitação é sentida, o que é um orgasmo, e quanto mais nos aproximamos de um, menos
palavras de valor, quanto menos pudermos usar a linguagem. ”

Então nos voltamos para livros e revistas sobre sexo ou, pior ainda, filmes pornôs bregas e
brincadeiras no vestiário. A maioria dos livros adota uma abordagem enciclopédica da
sexualidade - um pouco de tudo, nada de mais. Eles enfatizam a amplitude em vez da
profundidade e, na melhor das hipóteses, cunilíngua recebe igual atenção com outros assuntos.
Quando se trata de técnicas de detalhamento, a maioria oferece poucas páginas escassas, e
quase todas escrevem sobre o cunilíngua como um aspecto das preliminares, e não como um
processo completo por si só. Eles são como grandes livros de receitas gordos que são limitados
a algumas receitas em cada categoria. Mas o cunnilingus é um repasto por si só, e existem
centenas, se não milhares, de maneiras únicas de participar.

Atenção homens
Enquanto As Senhoras Primeiro irá beneficiar qualquer pessoa - heterossexual ou gay,
homem ou mulher - que tenha interesse em aprender sobre orgasmos femininos e produzi-los
consistentemente através de técnicas orais inspiradas, o livro foi escrito principalmente para
aqueles caras do mundo que anseiam por conhecimento. tornar-se amantes melhores e mais
sensíveis, e para as mulheres em suas vidas que estão ansiosas para se beneficiar de sua
educação.

A verdade é que homens e mulheres diferem acentuadamente em como aprendem sobre


sexo. O Relatório Kinsey, uma pesquisa bem conhecida sobre a sexualidade humana, observou
em 1953: "É óbvio que nem meninas mais jovens nem mulheres mais velhas discutem suas
experiências sexuais ao ar livre da maneira que os homens fazem." Muita coisa mudou desde
então. Em um 1990 Relatório Kinsey atualizado sobre Alfabetização sexual, os autores observam
que mulheres com idade entre 18-29 saído melhor do que seus pares masculinos em termos de
seu conhecimento da sexualidade e atribuiu as diferenças a “crença crescente de mulheres que
eles têm o direito de sexo informação e publicações acessíveis sobre a saúde das mulheres.
”Assim, parece que tanto o movimento de mulheres quanto o movimento de sexo seguro, com
sua ênfase na clareza e sinceridade, têm feito muito para educar as mulheres sobre seus corpos
e sexualidade no último meio século.
Mas e os caras?

Em minhas pesquisas e entrevistas, observei que as mulheres, em geral, tinham mais


conhecimentos sobre sexo e tendiam a estar muito mais dispostas a discutir livremente e
abertamente as questões sexuais. Ao descrever atividades sexuais, principalmente cunilíngua,
as mulheres estavam significativamente mais conscientes dos aspectos qualitativos, assim como
os detalhes técnicos, relacionados à sua resposta sexual. Embora enfatizem a importância da
experiência pessoal na aquisição de conhecimento, as mulheres também confirmaram que
grande parte de suas informações sobre sexualidade veio de amigos e pais, bem como livros,
revistas e Internet.

Os homens, por outro lado, não eram tão bem informados sobre sexualidade e tendiam a
descrever atividades como a cunilíngua em detalhes mais gráficos e objetivantes. Os homens
também reconheceram que confiavam mais na pornografia e na experiência em primeira mão
quando buscavam informações sobre sexualidade feminina e se sentiam substancialmente
menos à vontade em procurar conselhos “sensíveis” de pais e amigos.

Então, onde um cara deve ir quando procura informações específicas e precisas sobre como
estimular o processo de resposta sexual feminina? A mídia nos bombardeia com sexo 24 horas
por dia, 7 dias por semana, mas há muito pouca discussão sobre a sexualidade humana, e menos
ainda é direcionada especificamente para os homens. Ironicamente, alguns dos caras com quem
falei disseram que o programa de televisão Sex and the City - com suas sinceras discussões sobre
sexo oral, orgasmos e outros assuntos - era uma fonte principal de informação sobre as atitudes
e desejos sexuais das mulheres. Outros ainda confidenciavam que ler revistas como Cosmo e
Jane em particular era esclarecedor, e que havia uma qualidade de informação que não podia
ser encontrada em revistas masculinas.

Um cara resumiu: “Cosmo e Glamour são muito mais específicos sobre sexo e
relacionamentos do que revistas masculinas como Playboy e Maxim, que constantemente falam
sobre sexo, mas não sobre sexualidade. Elas são mais orientadas para a conquista do que
orientadas por conselhos, e também se concentram muito em gadgets, levantamento de peso
e progredir em seu trabalho. A Men's Health definitivamente eleva o padrão, mas isso é apenas
uma revista, e até mesmo ela tende a se concentrar mais em alcançar o abdômen perfeito do
que em conselhos detalhados sobre sexo. ”

Infelizmente, tanto homens quanto mulheres acabam sofrendo com essa escassez de
informações precisas - com homens mexendo suas línguas como estrelas pornôs, empregando
posições sexuais que têm pouco a ver com a estimulação clitoridiana, e geralmente ignorando a
anatomia feminina e o processo sexual. resposta.

Quando se trata de dominar a gramática do sexo oral, precisamos de mais do que apenas
um punhado de dicas aleatórias tiradas da última cópia de Maxim ou Cosmo. Precisamos desse
verdadeiro "pequeno livro de regras", como o Elements of Style tem sido tão apropriadamente
apelidado: focado, conciso, com técnicas que fazem sentido, explicações que iluminam e rotinas
que realmente funcionam - um livro que nos inspira a desenvolver nosso próprio voz e senso de
estilo. Ela vem primeiro é esse livro.

Então, se você está apenas começando no caminho de uma vida cliterária, ou já é um


membro genuíno dos cliterati, prepare-se para aprender as regras da gramática e implantá-las
com estilo.
Por que eu escrevi este livro
Minha própria educação como “cunilíngua” começou com a disfunção sexual - uma longa
batalha contra a ejaculação precoce (EP). Eu estava sem esperança, patética. Apenas a visão do
corpo nu de uma mulher poderia me fazer perder o controle, e as preliminares levaram
rapidamente ao fim do jogo. Na linguagem do amor, não consegui passar da primeira sílaba. Eu
tinha certeza de que na minha lápide meu epitáfio dizia: “Ele veio. Ele viu. E então ele veio de
novo.

Mais tarde na vida, aprendi com meu estudo do pesquisador sexual pioneiro Alfred Kinsey
que o homem típico sustenta o impulso penetrativo, em média, por cerca de dois minutos e
meio. Isso proporcionou algum pequeno conforto, mas na época eu me senti terrivelmente
sozinho. Muitas vezes me perguntei por que eu estava "biologicamente amaldiçoada" para
atingir o orgasmo tão rapidamente. Seria um remanescente vestigial das batalhas evolucionárias
da seleção natural, quando um homem teria que espalhar sua semente rapidamente para
garantir a propagação de seu material genético? Charles Darwin teria me dito que o que eu
considerava uma fraqueza grave era, de fato, uma vantagem competitiva na luta pela
sobrevivência do mais apto? Talvez, mas para mim parecia mais o “mal pendurado no mais
azarado”.

Hoje, estou convencido de que uma das principais fontes de EP é o mau hábito da
masturbação - como os meninos são ensinados, ou melhor, não ensinados, a fazê-lo
rapidamente, furtivamente e envoltos em tabu e sigilo. Não leva muito tempo para um rapaz se
programar para buscar seu prazer rapidamente e, como todos sabemos, os maus hábitos são
difíceis de quebrar. Talvez se alguém tivesse me dito cedo para se masturbar com o orgasmo de
uma mulher em mente, em vez da minha, eu teria sido poupado de anos de turbulência.

Eu era um aleijado sexual e o sexo oral tornou-se minha muleta. Se eu não conseguisse
satisfazer uma mulher com meu pênis, então eu certamente satisfaria com a minha boca! Ainda
me lembro de todos os medos, preconceitos e erros de minhas primeiras experiências na
faculdade. Minhas primeiras incursões em cunnilingus não foram diferentes das de muitos
homens - hesitantes, hesitantes; descendo aqui e ali por alguns licks. Aprendi por tentativa e
erro, mas acabei percebendo que o cunilíngua era muito mais do que apenas um aspecto
arbitrário ou opcional das preliminares; foi coreplay. Foi um processo essencial - com início,
meio e fim - para levar uma mulher aos muitos estágios de excitação que culminaram no clímax.
Cunnilingus não só me permitiu prazerizar uma mulher completa e completamente, como
também permitiu que eu parasse de me preocupar com sexo e começasse a gostar disso. Ao
fazê-lo, consegui diminuir a ansiedade, desenvolver maior autocontrole e me tornar um amante
melhor em geral. Cunnilingus certamente salvou minha vida sexual, e quando penso em toda a
depressão e sofrimento que eu sofri como resultado de minhas batalhas com PE, não é tão longe
dizer que isso salvou minha vida inteira.

Nunca esquecerei a primeira vez que levei uma mulher ao orgasmo com a minha língua. Foi
um momento decisivo. Eu me senti como EB White quando, relembrando seus anos como jovem
escritor em Nova York, descreveu como se sentava para jantar no restaurante Child's, na
Fourteenth Street, e, passando pelo correio, descobriu seu primeiro cheque para uma revista.
peça que ele escreveu: “Ainda me lembro da sensação de que era isso, eu era um profissional
finalmente. Foi uma sensação boa e gostei da refeição. ”

Eu não poderia concordar mais.


Hoje, sou casado e capaz de fazer amor com sucesso, mas ainda acredito sinceramente no
"jeito da língua". É simplesmente a ferramenta mais adequada para o trabalho. Mais do que
isso, acredito que o cunilíngua é o ato sexual mais íntimo, respeitoso e recompensador que um
homem pode praticar. Como Sally Tisdale escreveu: “Submeter-se à barriga do outro ou à boca
de outra pessoa. O sexo oral pode ser o mais potente dos atos sexuais. É um ato de poder
derivado do tipo mais vulnerável de intimidade ”.

Algumas pessoas se referem ao sexo oral como música de boca, e como músico eu acho que
você pode dizer que estou bem no caminho da realização. Mas foi só quando conheci minha
esposa que encontrei meu Stradivarius - único, belo e inestimável. Se ela é meu violino, então
eu sou seu arco. Encorajo-vos a encontrar o seu Stradivarius. E quando o fizer, proteja, acalente
e permaneça constante, pois então você poderá jogar como mestre.

Por mais que eu discuta técnicas gerais para o sucesso, toda mulher é diferente, e o
cunilíngua é, em última instância, sobre atos individuais de conhecer e dar. Isso não quer dizer
que você não pode se divertir muito casualmente, mas essas façanhas são, em última análise, a
busca da técnica sem um senso maior de propósito - pirotecnia, em vez de fogos de artifício
reais. Dar uma boa cabeça requer confiar no ritmo do que acontece e relaxar em uma zona mais
profunda e instintiva do eu. Envolve um processo mútuo de deixar ir e conectar uns aos outros
em todos os níveis. Não há como fingir. Você precisa ser mais do que apenas um técnico. Você
precisa imbuir a técnica com todos os seus sentidos e imaginação. Você precisa estar presente,
você precisa ser real; você precisa estar lá no corpo, mente e espírito.

Como E. B. White escreveu, “Estilo resulta mais do que uma pessoa é do que do que ele
sabe. Mas há algumas dicas que podem ser aproveitadas.

Com isso em mente, vamos indo.


PARTE 1: Os Elementos do Estilo Sexual
1 - As Senhoras Primeiro: A cortesia que conta

Senhoras em primeiro lugar, senhores. Quando se trata de satisfazer uma mulher, um pouco
de cavalheirismo antiquado vai longe. Para que você não pense que a importância de tal cortesia
é exagerada, direcione sua atenção para Lorena Bobbitt, que, quando questionada pela polícia
sobre o motivo pelo qual cortou o pênis do marido, respondeu: “Ele sempre tem um orgasmo e
não espera por mim... É injusto."

Precisa de um dizer mais?

Os homens são projetados para eficiência. Não é preciso muito para nos excitar, é um
processo bastante descomplicado, e tendemos a ejacular apenas uma vez antes de exigir um
“período refratário” (também conhecido como a parte em que nós viramos e começamos a
roncar). E, dependendo da idade, esse período pode durar de alguns minutos a dois dias.

O simples fato é que os orgasmos masculinos são fáceis. Masters e Johnson apelidaram de
“inevitabilidade ejaculatória” e o falecido Dr. Alfred C. Kinsey, famoso por entrevistar milhares
de pessoas sobre suas vidas sexuais, declarou que 75% dos homens ejaculam em dois minutos.

Mas quando se trata do orgasmo feminino, nada é inevitável. Como Sally Tisdale escreveu:

“A sexualidade masculina parece diferente da minha, fundamentalmente, porque nada


precisa ser envolvido, mas a cabeça e o membro do pênis, nenhuma outra parte do corpo precisa
ser perturbada, tocada, despida ou suja. . . o orgasmo masculino sempre me pareceu explodir
quase do nada, estar infinitamente mais pronto e disposto do que o meu.”

O orgasmo feminino é um assunto mais complicado e muitas vezes leva muito mais tempo
para alcançar durante uma sessão de atividade sexual. Em particular, seu primeiro orgasmo é o
mais difícil de ser realizado, exigindo estimulação, concentração e relaxamento persistentes.
Não é surpresa, portanto, que pesquisadores da Universidade de Chicago declararam, na
Pesquisa Sex in America de 1994, que os homens alcançam o orgasmo durante a relação sexual
de forma muito mais consistente do que as mulheres, três quartos dos homens atingem
orgasmos constantemente, mas somente um terço das mulheres. Menos de um terço! Isso
significa que mais de duas em cada três mulheres, em média, são constantemente negadas ao
clímax - uma boa razão para começar a esconder os talheres.

“O homem pertence a Yang

A peculiaridade de Yang é que ele é facilmente despertado.

Mas também ele recua facilmente.

A fêmea pertence a Yin.

A peculiaridade de Yin é que ela é lenta para ser despertada

Mas também demora a ser saciado.”

(Mestre taoísta Wu Hsien)

A ironia, amarga e cruel, parece estar embutida em nossos respectivos processos de


excitação: que uma mulher, tão única em sua sexualidade, possui tanto um clitóris - um órgão
projetado exclusivamente para a produção de prazer - quanto a capacidade de experimentar
múltiplos orgasmos durante uma única sessão de atividade sexual, deveriam frequentemente
encontrar esse vasto potencial de ardente êxtase - uma magnífica conflagração deixada
apagada - tudo por falta de uma combinação que possa manter sua chama.

Não é um problema com a partida, dizem muitos homens, mas sim que o estopim de uma
mulher é muito longo. Talvez, mas isso levanta a questão de quanto tempo é muito longo?
Estudos, como os de Kinsey, Masters e Johnson, concluíram que entre as mulheres cujos
parceiros passaram vinte e um minutos ou mais em preliminares, apenas 7,7% não
conseguiram atingir o orgasmo de forma consistente. Essa é uma mudança de proporções
tectônicas - de duas em cada três mulheres não sendo capazes de atingir o clímax para nove
em dez atingindo satisfação - tudo por causa de uma questão de minutos.

Poucos, se é que há algum, dos problemas do mundo podem ser resolvidos com meros
vinte minutos de atenção e, ainda assim, aqui, na complexa paisagem sociopolítica do quarto
de dormir, temos a oportunidade de criar uma satisfação bilateral. Quando colocado dessa
maneira, no contexto de paz e igualdade sexual, são vinte minutos de atenção concentrada,
aplicada apropriadamente, realmente demais para perguntar, especialmente se ela pode
salvar sua vida sexual?

Pegue o caminho do verdadeiro cavalheiro: adie seu prazer. Como

Sir Thomas Wyatt, pai do soneto inglês, escreveu: "A paciência será minha canção".

Introduzir uma mulher ao orgasmo é estimulante e libertador. Quando ela vem primeiro,
ansiedade e pressão são dispensadas; você é encorajado, empoderado para perseguir com
prazer a satisfação que lhe aguarda - um clímax que será intensificado ainda mais por ter sido
adiado.

“Adoro fazer minha namorada gozar, adoro experimentar a coisa toda - o acúmulo e a
liberação de ondas de prazer, a entrega ao êxtase, o espasmo da satisfação, a perda
momentânea de si mesmo. Me excita ainda mais saber que fiz acontecer.” (David, 27)

Que recompensa maior poderia um homem pedir?


2 - O CLITÓRIS

ILUSÃO: O clitóris é “um minúsculo botão de amor”, “uma pequena pérola rosa”,
“pequeno como uma ervilha”, “um broto”, “um nó”, “um bico”, “um botão”, “um pequenino”.

ALUSÃO: Há mais no clitóris do que os olhos. Muito mais. Não confunda a coroa
encapuzada (a “glande” ou “cabeça”) por todo o clitóris. Como discutiremos, a cabeça é
apenas a ponta do iceberg, uma alusão tentadora a poços invisíveis de prazer.

Como uma coluna grega, o clitóris tem três componentes - uma cabeça, um eixo e uma
base - que se estendem por toda a área pélvica, com estruturas visíveis abrangendo toda a
área da vulva, do topo do osso púbico até o ânus, bem como partes invisíveis dentro da área
vaginal. Em seu trabalho marcante, Uma Nova Visão do Corpo de uma Mulher: Um Guia
Totalmente Ilustrado, a Federação de Centros Feministas de Saúde da Mulher identificou
dezoito estruturas na rede clitoridiana, algumas visíveis, algumas ocultas.

Com mais de oito mil fibras nervosas, o clitóris tem mais do que qualquer outra parte do
corpo humano e interage com as quinze mil fibras nervosas que atendem toda a área pélvica.
Esta vasta paisagem erógena literalmente pulsa com prazer potencial. Como a escritora de
ciências Natalie Angier escreve sobre a rede clitoridiana, “Nervos são como lobos ou pássaros:
se alguém começa a chorar, lá vai a vizinhança.” Então pare de pensar no clitóris como um
pequeno solavanco e comece a pensar nele como uma rede complexa, uma cúpula de prazer,
o Xanadu no coração da sexualidade feminina.

Porque é tudo isso e mais. Quando ingurgitado com sangue durante a excitação sexual, o
clitóris aumenta de tamanho, assim como o pênis. De fato, o clitóris foi criado a partir do
mesmo tecido embrionário do pênis e pode ser comparado ponto a ponto com a genitália
masculina. E ao contrário do pênis - sobrecarregado com as responsabilidades da reprodução e
da remoção de resíduos - o clitóris é dedicado exclusivamente ao prazer e confere à fêmea
“uma capacidade infinitamente maior de resposta sexual do que um homem jamais sonhou”
(Masters e Johnson). De acordo com a mitologia grega, quando Zeus e Hera procuraram o
hermafrodita Tiresias para determinar quem experimentava mais prazer com sexo, homens ou
mulheres, Tirésias respondeu: “Se a soma do prazer do amor soma dez - nove partes vão para
as mulheres, apenas um para os homens.”

Como Cristóvão Colombo se manifestando no desconhecido, sua exploração da rede


clitoridiana levará à descoberta de um mundo totalmente novo. Mas conhecer um pouco de
geografia é um longo caminho. A terra não é plana; nem o clitóris é um botão de amor.
Conheça seus mapas e saiba que cada viagem é única.
3 - PENSANDO FORA DA CAIXA

Quando homens falam sobre sexo, tendem a empregar a linguagem da penetração -


adjetivos como “duro” e “profundo”. Entramos, nos livramos: “Eu fodi ela toda” - como se o
prazer fosse algo enterrada profundamente dentro de seu útero, uma pepita a ser abalada,
empurrada e liberada com a poderosa ferramenta masculina.

Raro é o homem que diz: "Eu fiz amor com ela tão sutil e levemente como uma pluma";
“Eu toquei sua vulva com as delicadas asas de uma borboleta”; “Eu mal a toquei, ela veio com
tanta força!” E, no entanto, essa linguagem seria mais apropriada, já que os dois terços
internos da vagina são substancialmente menos sensíveis do que o terço externo. Em uma
série de experimentos, Kinsey pediu a cinco ginecologistas que examinassem os genitais de
quase novecentas mulheres para descobrir quais áreas eram as mais sensíveis. "As paredes
internas profundas da vagina realmente têm poucas terminações nervosas e são bastante
insensíveis quando tocadas ou levemente pressionadas." Mas quando tocadas gentilmente em
seus clitóris, 98% das mulheres sabiam disso. A superioridade do clitóris para a vagina em
estimular o processo de resposta sexual feminina é suficiente para jogar muitos sujeitos em
parafuso e fazê-lo questionar o próprio sentido da vida, ou pelo menos o significado de seu
pênis. Mas, por mais difícil que seja, é importante separar o conceito de procriação do prazer:
o pênis, por sua conveniente adaptação à vagina, pode desempenhar um papel instrumental
no primeiro, mas isso não significa que seja ideal para o último.

Esse tipo de conversa não é muito popular, principalmente porque desafia os próprios
alicerces sobre os quais a concepção de sexo de nossa sociedade foi forjada e põe em dúvida o
valor do intercurso como o principal paradigma para construir um modelo de prazer mútuo. Da
perda da virgindade à consumação de uma relação com o querido orgasmo simultâneo, nossa
cultura consagrou o papel da penetração genital como sendo o fim de todas as relações
heterossexuais. Onde estaria o “terceiro encontro” sem isso?

A ideia de que a penetração genital pode ser seriamente mais exagerada é uma amarga
pílula para engolir, especialmente para os homens do mundo que baseiam grande parte de sua
auto-estima sexual no valor de seu pênis ao estimular o prazer feminino. Como veremos em
breve, há uma longa história de “negação clitoridiana” em nossa cultura que remonta a Freud -
uma maneira de pensar tão profundamente enraizada em nossa consciência coletiva que até
uma mulher tem mais probabilidade de questionar ou reprimir seus instintos naturais,
respostas e sensações de seu próprio corpo - ou apenas falsificar seu caminho através dele - do
que desafiar a sabedoria convencional ou correr o risco de ferir o ego masculino. É de admirar,
então, que, de acordo com o autor Lou Paget, a pergunta número um enviada por leitores do
sexo feminino aos editores da revista Cosmopolitan é: O que posso fazer para ter um orgasmo
durante a relação sexual? Aqui está uma resposta simples: não tenha relações sexuais. Ou,
pelo menos, torná-lo parte de um evento maior e não o evento em si.

A pílula não precisa ser amarga e, uma vez engolida, pode ser incrivelmente libertadora.
Quando sabemos como reconhecer e navegar no processo de resposta sexual feminina,
quando entendemos o papel do clitóris em estimular esse processo, então o sexo se torna
mais fácil, mais simples e mais recompensador, e somos impelidos a criar prazer não apenas
com nossos pênis, mas com nossas mãos e bocas, corpos e mentes. Ao deixarmos o intercurso,
nos abrimos para novas formas criativas de sentir prazer, maneiras que podem não nos
parecer inerentemente masculinas, mas, em última análise, nos permitem ser mais homem. O
sexo não é mais dependente do pênis, e podemos deixar de lado as ansiedades usuais sobre
tamanho, resistência e desempenho. Somos livres para amar com mais de nós mesmos, com
todo o nosso eu.
4 - O Orgasmo Feminino – Permaneça Simples

No folclore da sexualidade feminina, muito barulho é feito sobre as diferenças entre


clitóris, Ponto-G e orgasmos mistos e vaginais. O orgasmo clitoriano é frequentemente
criticado como sendo rápido e despreocupado, enquanto os outros são, de alguma forma,
considerados mais sérios e substanciais. Mas um rápido estudo da anatomia revela que todos
os orgasmos são clitorianos. O clitóris é o epicentro sexual, uma potência orgásmica na qual
nenhuma sensação passa despercebida. Como Natalie Angier escreve sobre o infame ponto G,
a área de tecido mole dentro da área vaginal, “Afinal, as raízes do clitóris são profundas e,
muito provavelmente, podem ser estimuladas por agitação posterior. Em outras palavras, o
ponto G pode não ser nada além do fim do clitóris.

Quanto aos orgasmos vaginais e aos gemidos de prazer que muitas vezes acompanham a
penetração, desculpe estourar sua bolha, senhores: enquanto nós gostaríamos de acreditar
que essas sensações de êxtase excruciante estão sendo liberadas das profundezas de sua
vagina pelo poder absoluto e alcance de nossos impulsos formidáveis, eles são na verdade
“causados pela pressão sobre as partes do clitóris que cercam a abertura vaginal”, a quem
Rebecca Chalker se refere como o “manguito clitoriano”. Quando esta área altamente
sensibilizada é despertada e ingurgitada com sangue, ferradura como formas de arco na
abertura vaginal e aplica atrito e pressão contra o pênis masculino, desempenhando um papel
fundamental na estimulação do orgasmo masculino. Então, em um sentido, tanto o orgasmo
feminino quanto o masculino dependem do clitóris para estimulação.

Para aqueles que duvidam de Thomas, que ainda não conseguem abandonar seu vínculo
vaginal, considere que um em cada doze mil mulheres sofre de uma desordem congênita
incomum chamada de agenesia vaginal, na qual nascem literalmente sem vagina, apesar do
desenvolvimento normal da genitais, incluindo grandes e pequenos lábios. Embora essas
mulheres muitas vezes não consigam engravidar sem cirurgia ou terapia médica intensa, elas
são, de fato, capazes de sentir prazer sexual e orgasmo - porque mesmo que não tenham uma
vagina, elas ainda têm um clitóris totalmente funcional. Infelizmente, o mesmo não pode ser
dito de mulheres que foram submetidas às brutalidades de uma clitoridectomia. Essa dolorosa
mutilação, muitas vezes referida como circuncisão feminina, ainda é praticada hoje em
algumas culturas e quase sempre deixa a mulher permanentemente desfigurada, traumatizada
e privada de clitóris e qualquer chance de prazer sexual.

O que esses dois exemplos demonstram é que, mesmo que alguém acredite
inflexivelmente na ideia de orgasmos vaginais e do ponto G como experiências orgásmicas
discretas em si mesmos, o clitóris é claramente o “iniciador” ou catalisador da resposta sexual.
Embora seja possível experimentar um orgasmo clitoriano sem a presença de uma vagina, é
virtualmente impossível sentir um orgasmo vaginal ou de ponto G sem a presença de um
clitóris.

Assim, quando consideramos todos os vários termos e tipos de orgasmos femininos que
são freqüentemente usados, podemos simplificar as coisas adotando a “navalha de Occam”, o
princípio cunhado pelo filósofo medieval Guilherme de Occam que está na raiz de toda
modelagem científica e construção de teoria: Entia non sunt multiplicanda necessitatem.
Tradução: “Não se deve fazer mais suposições do que o absolutamente necessário”.

Quando especulamos sobre a natureza de um determinado fenômeno (como o orgasmo


feminino), esse princípio nos suga para eliminar aqueles conceitos, variáveis ou construtos que
não são necessários para explicar o fenômeno. Ao fazer isso, reduzimos inconsistências,
ambigüidades e redundâncias, bem como a probabilidade de erro.

Portanto, não há necessidade de discutir sobre semântica quando se trata de identificar


orgasmos. O clitóris engloba todos eles. A língua é muito melhor usada para produzir orgasmos
do que perder tempo nomeando-os.
5 – A Língua é Mais Poderosa Que a Espada

ESTUDOS INÚSTEROS demonstraram que as mulheres cujos amantes lhes dão estímulo
clitoriano direto durante a atividade sexual são mais propensas ao clímax consistentemente.
Mas devido à sua localização, a maioria das posições sexuais (especialmente de estilo
missionário) não estimulam adequadamente o clitóris. Como Shere Hite concluiu, “o sexo
provê eficientemente o orgasmo masculino e ineficientemente para o orgasmo feminino”.

Se você fosse pintar uma paisagem em aquarelas sutis e sutis, você usaria uma escova
macia e flexível ou um rolo desajeitado e desajeitado? O orgasmo de uma mulher é complexo
e, muitas vezes, ilusório, e muitos homens são incapazes de controlar seus pênis com precisão
suficiente para guiar adequadamente a mulher pelos estágios de excitação. Fazer amor com o
pênis é como tentar escrever caligrafia com um marcador mágico espesso.

A língua, por outro lado, está sob nosso controle direto, não tem restrições de tempo e
pode ser manipulada com precisão especializada.

Em Sex: A Man's Guide, os autores concluem: “Uma das maiores revelações da pesquisa da
revista Men's Health foi o número de homens que disseram que o sexo oral é a melhor
maneira de tocar seus sinos. Repetidas vezes, ouvimos coisas como "o sexo oral é o único
método que permite consistentemente que minha esposa atinja o orgasmo" ou "se um
homem sabe dar um excelente sexo oral, então a mulher alcançará o orgasmo todas as vezes".

Ao contrário do pênis, é eficaz quando dura ou mole e nunca fica superaquecido. Ao usar a
língua, o homem não precisa se preocupar em ficar cansado, nem precisa se preocupar com a
ejaculação precoce ou a impotência. Ele pode relaxar e aproveitar o ato de dar.

A língua, uma matriz de músculos e nervos unidos por uma membrana coberta por
milhares de papilas gustativas, é o órgão sexual mais versátil que possuímos. É o único
músculo do corpo que não está preso nas duas extremidades. Podemos tocar, saborear e
lamber com isso. A língua é o instrumento que nos permite falar muitas línguas,
principalmente entre elas a linguagem do amor.

Mas ter a ferramenta certa é apenas um começo; você precisa saber como usá-lo. Muitas
mulheres se queixam lamentavelmente das técnicas orais dos homens: a falta de pressão
consistente e rítmica; sua aspereza; a debandada louca pelo clitóris. Como Strunk e White
escreveram em Elements of Style, “Não exagere. . . uma única exageração, onde ou como
ocorre, diminui o todo. ”

Infelizmente, muitas mulheres também se queixam das atitudes dos homens em relação à
cunilíngua: escrupulosas e hesitantes; overeager, impaciente, mesmo com raiva. E muitos
homens não conseguem terminar o que começaram. No Relatório Hite sobre Sexualidade
Masculina, o autor observa que embora a maioria dos homens desfrute de cunilíngua, apenas
uma pequena minoria de homens continuou a realizá-lo até que a mulher atingisse o orgasmo.

A maioria dos homens considera o cunilíngua um aspecto das preliminares, um aperitivo a


ser servido antes da refeição principal da relação sexual. Mas de acordo com a autora Paula
Kamen, “em um estudo de mulheres sexualmente conhecedoras e experientes que usam um
vibrador, o tipo mais comum de estimulação que geralmente ou sempre desencadeia um
orgasmo é o sexo oral”.

Portanto, talvez precisemos encontrar uma palavra diferente de “preliminares” para


classificar e apreciar adequadamente a importância do cunilíngua. Precisamos de uma
categoria mais abrangente e inclusiva. Kamen cita um artigo de 1996 de Mademoiselle no qual
a autora Valerie Frankel usa o termo “curso externo” para descrever as atividades não genitais
importantes que freqüentemente se enquadram na rubrica das preliminares: “Mulheres da
década de 90 não são pequenas virgens melindres. Nós tivemos relações - muitas delas - e
achamos que o Outcourse chuta sua bunda. ”

Independentemente de como os categorizamos, precisamos entender que o cunilíngua é


um processo completo que leva a mulher ao longo da gama de respostas sexuais. Mais tarde,
na Parte H, cunnilingus será referido como coreplay - a peça central do "processo de jogo" -
com as preliminares abrangendo as atividades antes do primeiro "beijo genital".

Dar cunilíngua especializada requer o aprendizado de técnicas apropriadas (através da


leitura de um livro como este e também através de experimentação individual) e depois aplicá-
las consistentemente ao longo do tempo de maneira focada, paciente e amorosa; o mais
importante é exigir que se respeite, compartilhe e participe totalmente da intimidade erótica
do momento.

“O pênis está muito mal colocado, anatomicamente falando, quando se trata de fazer as
mulheres virem. Melhor se os homens simplesmente deixassem seu pênis sozinhos, parassem
de cuidar daquelas fibras nervosas imaturas e se concentrassem em aprender como atingir o
orgasmo através de suas línguas. ”(Tisdale)

Parece engraçado, mas em certo sentido podemos orgasmo através de nossas línguas. Não
é que a língua seja um substituto para o pênis; se alguma coisa, é uma adição, um
aprimoramento - uma extensão. Os homens costumam brincar de ter duas cabeças, as grandes
e as pequenas, e de suas batalhas frequentes umas com as outras. No entanto, durante o
cunilíngua, se você confia no momento e se solta, entra numa zona onde ambas as cabeças
estão unidas em um processo de excitação sincronizado com o dela. Torne-se um você e ela.