Você está na página 1de 3

                                                                                                               

 
Xô  CPMF  

 
por  Luiz  Otavio  da  Silva  Nascimento  

É   estranha,   muito   estranha,   estranhíssima,   a   possível   volta   da   CPMF   sob   alegação  


que  a  Saúde  necessita  de  recursos.  

O  primeiro  grande  fato  que  depõe  contra  tal  aspiração  ignóbil  é  que  durante  toda  a  
sua  existência  que,  em  tese,  deveria  ser  provisória,  ela  jamais  foi  aplicada  na  Saúde  na  sua  
totalidade.  Em  verdade,  somente  a  menor  parte  dela  foi  destinada  ao  MS.  

O   segundo   grande   fato   contrário   é   que   nos   últimos   8   anos,   houve   sucessivas  
quebras   do   recorde   de   arrecadação,   ou   seja,   nunca   antes   na   história   desse   país   se  
arrecadou   tanto   em   tão   pouco   tempo.   Em   outras   palavras,   houve   dinheiro   de   montão!!  
Dava  para  melhorar  a  Saúde,  mas  -­‐  novamente  -­‐  a  menor  parte  foi  direcionada  para  isto.  Os  
gastos  da  máquina  pública  aumentaram  numa  proporção  maior  que  a  da  arrecadação.  E  a  
Saúde,  coitadinha,  foi  esquecida.  

O  terceiro  grande  fato  que  contraria  esse  pleito  é  que  -­‐  por  ocasião  da  definição  da  
escolha  do  Brasil  para  sediar  a  Copa  do  Mundo  de  2014  e  do  Rio  de  Janeiro  para  sede  das  
Olimpíadas  em  2016,  nenhum  desses  políticos  que  hoje  se  transvestem  de  defensores  da  
Saúde   ousou   levantar   sua   voz   para   dizer   que   esses   recursos   seriam   melhor   aplicados   na  
Saúde.  Naquela  época  ou  haviam  recursos  para  tudo  ou  eles  estavam  omitindo  a  verdade  
para   o   povo.   Hoje,   vemos   -­‐   por   exemplo   -­‐   que   o   governo   irá   construir   um   estádio   de  
futebol  em  Manaus  que  custará  aos  cofres  públicos  mais  de  R$  500  milhões  para  depois  da  
Copa   ter   uma   média   de   público   pagante   de   apenas   1.250   pessoas.   Não   seria   melhor  
suspender  isso  e  construir  5  hospitais  de  referência  na  Região  Amazônica  e  resolver  de  vez  
o   problema   de   Saúde   nessa   parte   do   país.   Afinal,   que   modelo   é   esse   de   definição   de  
prioridades  públicas?  Que  critérios  têm  sido  adotados?  

 
 

O   quarto   grande   fato   que   se   defronta   contra   a   volta   desse   imposto   é   que   temos  
uma  das  maiores  cargas  tributárias  do  mundo.  Isso  prejudica  as  empresas  brasileiras  que  
são   oneradas   e   perdem   dia   após   dia   sua   capacidade   de   competir   num   ambiente  
empresarial   mundial   cada   vez   mais   competitivo.   A   desindustrialização   está   começando   e,  
se   não   contida   com   uma   profunda   reforma   tributária,   retornaremos   rapidamente   ao  
tempo  do  Brasil  Colônia  e  de  simples  país  exportador  de  commodities,  sem  nenhum  valor  
agregado.   Há   um   tempo   atrás   houve   um   governante   petista   no   Rio   Grande   do   Sul   que  
ganhou   a   alcunha   de   "eliminador   do   futuro".   Será   que   teremos   uma   presidente  
"destruidora"??  Desejamos  sinceramente  que  não!  

Aqui  se  poderia  enumerar  vários  outros  fatos  para  combater  o  ressurgimento  desse  
imposto,   mas   existe   um   relevante   para   este   final   de   ano.   Os   deputados   e   senadores  
brasileiros   estão   pleiteando   aumento   de   seus   salários   e   benefícios,   acarretando   uma  
elevação  direta  das  despesas  da  ordem  de  R$  2.5  bilhões,  sem  mencionar  que  o  Executivo  
e   o   Judiciário   irão   seguir   o   mesmo   caminho.   Não   seria   o   caso   deles,   compreendendo   as  
necessidades   da   Saúde,   darem   o   exemplo   e   abrirem   mão   desse   aumento?   Até   mesmo  
oferecerem  uma  redução  adicional  de  outros  30%  de  seus  soldos,  para  que  esses  recursos  
fossem   aplicados   na   Saúde.   Afinal,   antes   de   sacrificar   a   "galinha   dos   ovos   de   ouro",   a  
indústria  e  o  comércio  brasileiros,  eles  deviam  ter  uma  visão  de  futuro  e  entregar  os  seus  
anéis.  

Em   suma,   começamos   a   segunda   década   do   século   XXI   e   não   há   mais   espaço   no  


Novo  Brasil  para  saídas  simplórias  de  transferir  para  empresários  e  trabalhadores  os  erros  
e  as  ineficiências  do  Legislativo  e  do  Executivo.  Está  na  hora  desses  poderes  começarem  a  
gerir  com  responsabilidade  e  ética  os  vultosos  recursos  que  o  povo  da  9a.  maior  economia  
mundial   lhes   entrega.   É   hora   da   contrapartida   e   de   devolver   com   serviços   de   custo   e  
qualidade  correspondentes  à  nona  maior  economia  mundial.  

Xô  CPMF.  

 
2  
 

Luiz   Otavio   da   Silva   Nascimento.   Engenheiro,   especializado   em   Marketing   pela   Fundação   Getúlio   Vargas.  
Mestre  em  Administração  de  Empresas  pela  Universidade  Federal  do  Rio  Grande  do  Sul  (UFRGS),  com  cursos  
nos  Estados  Unidos  (Darden  Business  School  da  University  of  Virginia)  e  na  França  (L’École  des  Hautes  Etudes  
Commerciales  –  HEC  –  Paris).  Tem  mais  de  25  anos  de  experiência  na  geração  de  resultados  e  na  gestão  de  
empresas   varejistas   e   industriais,   dentre   as   quais   Perrier,   Cisper-­‐Owens   Illinois,   Smuggler,   Carrier   e   Lojas  
Renner.    

Atualmente  é  Sócio-­‐Diretor  Geral  da  Merita  Consultoria  Empresarial,  Sócio-­‐Diretor  e  Membro  do  Conselho  de  
Administração   da   PBS   –   People   &   Business   Solutions,   Diretor   Comercial   do   Grupo   Simus,   especializado   em  
soluções  em  Processos  e  em  Tecnologia  da  Informação  para  o  varejo.  É  membro  do  IBGC  –  Instituto  Brasileiro  
de  Governança  Corporativa  e  do  Retail  Council  do  GLG  –  Gerson  Lehrman  Group.  É  professor  da  cadeira  de  
Inteligência  Competitiva  e  Conhecimento  do  Consumidor  do  Mestrado  em  Gestão  de  Marketing  em  Serviços  
e  Varejo  da  Universidade  Anhembi-­‐Morumbi  (Laureate  International  Universities).    

Foi   um   dos   fundadores   do   IPDV   –   Instituto   de   Pesquisa   e   Desenvolvimento   do   Varejo   e   Sócio-­‐Diretor   da  


Gouvêa  de  Souza  &  MD.  Palestrante  nacional  e  internacional,  tem  diversos  artigos  publicados  e  é  autor  do  
livro  “Êxodo  –  da  visão  à  ação  –  uma  proposta  para  o  varejo  brasileiro”.  Também  é  co-­‐autor  do  livro  “Varejo:  
Administração   de   Empresas   Comerciais”,   ambos   publicados   pela   Editora   Senac   São   Paulo.   Seu   último   livro  
“Gestor  Eficaz  –  práticas  para  se  destacar  num  ambiente  empresarial  competitivo”  foi  lançado  em  novembro  
deste  ano  pela  Editora  Novo  Conceito.  

 
3