Você está na página 1de 5

NONONONO ALTERAÇÃO CONTRATUAL DA SOCIEDADE:

NONONONO LTDA - ME
CNPJ/MF N.º NONONONO NIRE NONONONO

Os abaixo identificados e qualificados:

NONONONO, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial,


natural de NONONONO /PR, nascido em NONONONO, empresário,
inscrito no CPF/MF sob nº NONONONO, portador da carteira de
identidade RG nº NONONONO, residente e domiciliado na
NONONONO.

NONONONO, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial,


natural de NONONONO /PR, nascido em NONONONO, empresário,
inscrito no CPF/MF sob nº NONONONO, portador da carteira de
identidade RG nº NONONONO, residente e domiciliado na
NONONONO.

Únicos sócios componentes da sociedade empresária limitada que gira


nesta praça sob o nome de NONONONO, com sede na NONONONO, e inscrita
no CNPJ/MF sob no NONONONO, registrada na Junta Comercial do Paraná
sob nº NONONONO NONONONO resolvem alterar o contrato social mediante as
condições estabelecidas nas cláusulas seguintes:

CLÁUSULA PRIMEIRA - DA ALTERAÇÃO DO NOME EMPRESARIAL, SEDE E


DOMICÍLIO:

CLÁUSULA SEGUNDA – DA ALTERAÇÃO DO OBJETO SOCIAL: A sociedade que


tem por objeto social a exploração no ramo de: Importação e exportação
de produtos alimentícios, máquinas industriais e representação comercial,
passa a partir desta data a ter o seguinte objeto: Holding de instituições não
financeiras, Administração de imóveis próprios (6462-0/00 6810-2/02)

CLÁUSULA TERCEIRA - DA CONSOLIDAÇÃO DO CONTRATO: À vista da


modificação ora ajustada, consolida-se o contrato social, que passa a ter a
seguinte redação:

CONTRATO SOCIAL CONSOLIDADO


NONONONO
CNPJ/MF N. NONONONO
NIRE NONONONO

NONONONO, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial,


natural de NONONONO /PR, nascido em NONONONO, empresário,
inscrito no CPF/MF sob nº NONONONO, portador da carteira de
identidade RG nº NONONONO, residente e domiciliado na
NONONONO.

NONONONO, brasileiro, casado em regime de comunhão parcial,


natural de NONONONO /PR, nascido em NONONONO, empresário,
inscrito no CPF/MF sob nº NONONONO, portador da carteira de
identidade RG nº NONONONO, residente e domiciliado na
NONONONO.

Únicos sócios componentes da sociedade empresária limitada


que gira nesta praça sob o nome de NONONONO, com sede na Rua
João Negrão, 45, conj. 829 Centro, Curitiba-PR, CEP 80010-200,
NONONONO e inscrita no CNPJ/MF sob no NONONONO NONONONO ,
registrada na Junta Comercial do Paraná sob nº NONONONO em
NONONONO resolvem por este instrumento particular, consolidar seu
contrato de acordo com as cláusulas seguintes:

CLÁUSULA PRIMEIRA - NOME EMPRESARIAL, SEDE E DOMICÍLIO: A sociedade


gira sob o nome empresarial de NONONONO PARTICIPAÇÃO E
ADMINISTRAÇÃO DE BENS LTDA ME, e tem sede e domicílio à NONONONO

CLÁUSULA SEGUNDA - INÍCIO DAS ATIVIDADES E PRAZO DE DURAÇÃO DA


SOCIEDADE: A sociedade iniciou suas atividades em 01/04/1991 e seu prazo
de duração é por tempo indeterminado.

CLÁUSULA TERCEIRA - OBJETO SOCIAL: A sociedade que tem por objeto


social a exploração no ramo de: Holding de instituições não financeiras,
Administração de imóveis próprios (6462-0/00 6810-2/02)

CLÁUSULA QUARTA - CAPITAL SOCIAL: O capital social é de R$ NONONONO


(NONONONO mil reais), divididos em NONONONO (NONONONO mil) quotas de
capital no valor nominal de R$ 1,00 (um real) cada uma, subscrita e já
integralizadas, em moeda corrente do País, pelos sócios e distribuídas da
seguinte forma:

SOCIO (%) QUOTAS VALOR


NONONONO 50.00 NONONO NONONO
NICOLE CHRISTINA CHECCHIA KLOSS 50.00 NONONO NONONO
TOTAL 100.00 NONONO NONONO

CÁUSULA QUINTA - RESPONSABILIDADE DOS SÓCIOS: A responsabilidade de


cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos respondem
solidariamente pela integralização do capital social, conforme dispõe o art.
1.052 da Lei 10.406/2002.

Paragrafo único: As cotas são indivisíveis e não poderão ser cedidas,


transferidas, dadas em garantia, ou alienadas a qualquer titulo a terceiros
sem o consentimento do sócio remanescente, ao qual fica assegurado o
direito de preferência em igualdade de condições.

CLÁUSULA SEXTA - CESSÃO E TRANSFERÊNCIA DE QUOTAS: O sócio que


desejar transferir suas quotas deverá notificar ao sócio remanescente,
discriminando o preço, forma e prazo de pagamento, para que este exerça
ou renuncie ao direito de preferência, o que deverá fazer no prazo de
sessenta dias contados do recebimento da notificação ou em maior prazo
a critério do sócio alienante. Decorrido esse prazo sem que seja exercido o
direito de preferência, as quotas poderão ser livremente transferidas.

CLÁUSULA SÉTIMA - ADMINISTRAÇÃO DA SOCIEDADE E USO DO NOME


EMPRESARIAL: A administração da sociedade caberá NONONO, na qualidade
de administradores, os quais competem individualmente o uso da firma e a
representação ativa e passiva, judicial e extrajudicial da sociedade, sendo–
lhes, entretanto vedado o seu emprego, sob qualquer pretexto ou
modalidade, em operações ou negócios estranhos ao objeto social,
especialmente a prestação de avais, endosso, fianças ou cauções de favor,
ficando os mesmo dispensados da prestação de caução.

CLÁUSULA OITAVA - RETIRADA PRO-LABORE: Os sócios poderão de comum


acordo, fixar uma retirada mensal, a título de “pró-labore”, observadas as
disposições regulamentares pertinentes.

CLÁUSULA NONA EXERCÍCIO SOCIAL – Ao término de cada exercício social,


em 31 de dezembro, o administrador prestará contas justificadas de sua
administração, procedendo à elaboração do inventário, do balanço
patrimonial e do balanço do resultado econômico, cabendo aos sócios, na
proporção de suas cotas, os lucros ou perdas apuradas.
CLÁUSULA DÉCIMA DAS REUNIÕES – As deliberações societárias serão
tomadas em reunião dos sócios, as quais serão convocadas por carta
convite através do correio ou entregue pessoalmente devidamente
protocolada pelo destinatário com antecedência mínima de oito dias da
data determinada para a reunião dos sócios.

§ 1º. Os sócios reunirão ao menos uma vez por ano, nos quatro meses
seguintes ao término do exercicio social com objetivo de tomar as contas
dos administradores e deliberar sobre o balanço patrimonial e o resultado
econômico, designar administradores quando for o caso e tratar de
qualquer outro assunto constante da ordem do dia.
§ 2º. Os documentos a que se refere o item “a” do parágrafo primeiro
deverão ser colocados à disposição dos sócios 30 (trinta) dias antes da data
marcada para a reunião.
§ 3º. Os sócios se reunirão extraordinariamente sempre que for necessário
deliberar sobre outros assuntos não constantes do parágrafo anterior.
§ 4º. Será dispensada da instalação da reunião dos sócios quando todos os
sócios decidirem, por escrito, sobre a matéria que seria o objeto da reunião.
§ 5º. Toda e qualquer deliberação depende do consentimento de todos os
sócios.
§ 6º. Será considerada regular, independente de convocação, a reunião
que comparecerem todos os sócios.

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA DO FALECIMENTO – O falecimento de quaisquer


sócios dissolverá necessariamente a sociedade. Nessa hipótese entrará a
mesma em liquidação, podendo ser seu liquidante, o sócio sobrevivente ou
outra pessoa escolhida de comum acordo, entre este e o(s) herdeiros(s) do
“de cujus”, na conformidade do formal de partilha, devidamente
homologado pelo judiciário. Fica também o liquidante com o encargo de
liquidar totalmente a sociedade, inclusive arquivando o distrato social no
registro do comércio.

Parágrafo único – em caso de falecimento de quaisquer sócios, a sociedade


poderá continuar sua atividades com os sobreviventes e os herdeiros, caso
seja esse o interesse manifestado pelos mesmos.

CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - DECLARAÇÃO DE DESIMPEDIMENTO: Os


Administradores declaram, sob as penas da lei, que não estão impedidos
de exercer a administração da sociedade, por lei especial, ou em virtude
de condenação criminal, ou por se encontrarem sob os efeitos dela, a pena
que vede, ainda que temporariamente, o acesso a cargos públicos; ou por
crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno, concussão, peculato,
ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro nacional, contra
normas de defesa da concorrência, contra as relações de consumo, fé
pública ou a propriedade.

CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - FORO: Fica eleito o foro da comarca de


Curitiba-PR para o exercício e o cumprimento dos direitos e obrigações
resultantes deste contrato.

E por estarem assim, justos e contratados, lavram e assina, a presente


alteração, em 01 (um) só via.

Curitiba NONONO.

NONONO
NONONO

Você também pode gostar