Você está na página 1de 264

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS

LUÍS AMÉRICO SILVA BONFIM

O SIGNO VOTIVO CATÓLICO NO


NORDESTE ORIENTAL DO BRASIL:
MAPEAMENTO E ATUALIDADE

(VOLUME II)

Salvador
2007
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS01)

IGREJA E HOSPÍCIO DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora da Boa Viagem

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Igreja
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

04 de agosto de 2006, 6ª feira; Amilton Leal de Vasconcelos


28 de janeiro de 2007, Domingo (responsável pela igreja)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Salvador-BA, Praça Adriano Gordilho, s/n

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja na Península de Itapagipe, à frente do mar da Baía-de-Todos-os-
Santos e em sítio tombado pelo IPHAN, de Monte-Serrat / Boa Viagem (IPAC). Templo
religioso e sede da Congregação Passionista (IPAC).

Azimute e referente

235-240º SO, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Igreja construída em 1712. Os azulejos votivos foram doados diretamente de Lisboa,
entre 1743/46, relatando situações ocorridas em 1720, 1726 e 1731.

FIS01. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS01)

IGREJA E HOSPÍCIO DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja, especialmente o altar-mor, onde ficam os azulejos votivos.

Aspecto geral do sítio

Igreja bem conservada, com os ex-votos de azulejo ainda em boas condições.

Condições de apresentação dos artefatos

Os ex-votos são em forma de azulejaria, nas laterais do altar-mor. Registram cenas


de batalhas navais e relatam por escrito as graças concedidas. Não constatei outras
formas de oblação.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários
Apesar dos azulejos datarem da 1ª metade do século XVIII, conservam-se ainda em
boas condições, já que ficam abrigados dentro da igreja.

Registros obtidos
X Fotografias(10) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações
Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-032

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Unicamente azulejos

Observações

Não parece haver no sítio outras expressões de manifestação votiva

FIS01. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS01)

IGREJA E HOSPÍCIO DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM


Salvador-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscrito a tinta, bidimensional, relato manuscrito sobre azulejo;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre azulejo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatada

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;

b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, participação em


ritos coletivos: procissão marítima, com queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas

Ocorrências predominantes

Texto da pintura 1 (lado direito do altar-mor):


“ Milagre que fez Nossa Senhora da Boa Viagem a Antonio Dias, vindo do Maranhão,
topou com duas naus de mouros com quem pelejou cinco horas e por intercessão da
Senhora não perigou ninguém. No ano de 1726”.

Texto da pintura 2:
“Milagre que fez Nossa Senhora da Boa Viagem a Antonio Dias, vindo na frota do
Brasil para Lisboa sucedeu cair no mar e botando-se-lhe uma tábua foi a mesma
Senhora servida livrá-lo de todo perigo e lhe deu muitas graças. No ano de 1731”.

Texto da pintura 3:
“Milagre que fez Nossa Senhora da Boa Viagem a Bernardo da Costa, vindo das Ilhas
para Lisboa lhe saíram quatro naus de mouros e pegando-se com muita fé com a dita
Santa sucedeu levantar-se um grande temporal que logo desapareceu. No ano de 1720”.

FIS01. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS01)

IGREJA E HOSPÍCIO DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM


Salvador-BA

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
Tríduo dias 28, 29 e 30 de dezembro. Dia 31, às 17h, há a missa de embarque da imagem
para a Igreja de Nossa Senhora da Conceição da Praia, que retorna no dia 1º de
janeiro pela manhã, em procissão marítima na festa de Bom Jesus dos Navegantes.

Onomástica

A evocação a Nossa Senhora da Boa Viagem e a Bom Jesus dos Navegantes, ambos à
beira-mar, remetem à proteção na travessia do Atlântico.

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

- Pierre Verger cita a festa em “Notícias da Bahia de 1850” (1999: 76-77);


- Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-032;
- Catálogo de exposição no Museu de Arte da Bahia: “Estórias de dor, esperança
e festa: ex-votos baianos (séculos XVIII-XX)”;

Interfaces

Outros cultos marianos.

Outras informações

Há uma imagem e culto a Bom Jesus dos Navegantes. Falei inicialmente com o Sr.
Expedito Sacramento, Presidente da Irmandade de Bom Jesus dos Navegantes e Nossa
Senhora da Boa Viagem.
Imóvel de propriedade da Mitra Arquidiocesana de São Salvador da Bahia.
Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 137 do livro de Belas Artes, folha
24, em 17 de junho de 1938.
Inventário IPAC produzido entre agosto de 1973 e outubro de 1974.

Referências

Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-032

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

Trata-se de um caso inusitado e exclusivo de expressão votiva.

FIS01. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS01)

IGREJA E HOSPÍCIO DE NOSSA SENHORA DA BOA VIAGEM


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F11/Foto 12:frontispício da igreja 2)VS4_F26/Foto 21:cruzeiro na Boa Viagem

4)VS2_F11/Foto 15:painel de azulejos 3

3)VS2_F11/Foto 16:altar-mor

5)VS2_F11/Foto 19:close da mensagem 3

FIS01.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção
Senhor do Bonfim

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional Santo Cristo,
Transcanônico Igreja
Eclesiástico sincretizado com basílica
Oxalá no
Candomblé

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

28 de janeiro de 2007, domingo Não houve


04 de agosto de 2006, 6ª feira
23 de setembro de 2004, 5ª feira
15 de janeiro de 2004, 5ª feira
13 de janeiro de 2000, 5ª feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Salvador-BA, Ladeira do Bonfim

Situação geográfica
Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a Igreja do Bonfim sobre a única colina existente na península de
Itapagipe, dominando toda a parte baixa da cidade do Salvador. Tem a sua fachada
voltada para a entrada da barra da Baía-de-Todos-os-Santos. A praça em sua frente é
delimitada em dois lados por conjuntos de casas de romeiros, construídos pela
irmandade no século XIX. A colina é sítio tombado pelo IPHAN (GP-1) (IPAC)

Azimute e referente
240º SO, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção

A devoção ao Senhor do Bonfim teve início em 1745, introduzida pelo Capitão-de-


Mar-e-Guerra Theodozio Rodrigues de Faria, que trouxe de Setúbal (Portugal) uma
imagem do Senhor crucificado (VERGER, 1999). Em 1754 a igreja foi concluída, com
as torres adicionadas em 1772

FIS02. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Toda a igreja, especialmente a Sala dos Milagres e o Museu dos Ex-votos (2004), que
atualmente encontra-se fechado

Aspecto geral do sítio

É uma igreja bem conservada, com uma organizada Sala dos Milagres ocupando parte da
nave direita da igreja. No pavimento superior, funcionava um notável Museu de Ex-
votos (inaugurado em 1975), com peças de diversas naturezas expressivas, muitas
delas com décadas de existência. Em volta da igreja há muitos vendedores ambulantes
e muitas lojas especializadas em artigos religiosos, não exclusivamente católicos
(também dos cultos afro-brasileiros e orientais). Encontra-se com facilidade a
venda de peças em cera, em geral representando partes do corpo humano. Figas e
fitinhas são abundantes

Condições de apresentação dos artefatos

Na Sala dos Milagres as peças são depositadas num canto, ao chão. Posteriormente
são organizadas, sendo afixadas nas paredes e no teto, ou vão para uma reserva
técnica, que alimenta o Museu

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários

As peças ficam completamente protegidas das intempéries. Mesmo as de oferta mais


antiga se mantêm em bom estado de conservação

Registros obtidos
X Fotografias(140)  Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria  Catálogo
 Outros (livreto de cordel)  Artefatos

Observações

Folheto do Museu dos Ex-votos (MEB)

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Fotografias, peças tridimensionais em cera e em madeira

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS02. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em alto relevo sobre
placa de madeira;

c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, datilografia sobre papel;


c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em processo
informatizado (jato de tinta) sobre papel, avulso ou aplicado sobre objeto
votivo tridimensional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, documentos pessoais (xerox de


documento de identidade – RG, crachá funcional, cartão profissional);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquista na vida
pessoal (convite de formatura);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas
profissionais (diplomação como vereador, certificado de ingresso na OAB);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na vida
acadêmica (diploma de conclusão de curso superior: Ciências Econômicas,
Direito);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santinho
de morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, laudos de exames de saúde
(anatomia patológica);

Tipologia das formas verbais /faladas

a)Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


a)Expressão do indivíduo, publicamente declarada, atribuição particular de
onomásticos (sobrenomes de família);

b)Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em


silêncio;
b)Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel, tela


e placa de madeira;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, gravura sobre placa de
madeira;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção da própria
igreja, que é um ex-voto;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de construções
habitacionais (casas em madeira);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, esculturas em madeira
(cabeças, braços, mãos, coração, pernas, pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(cabeças, braços, mãos, coração, pernas, pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (cruzes em madeira, coroa de louros);

FIS02. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (3x4 e


ampliadas, em cor e em P&B, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor e em P&B, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia (emoldurados);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora Aparecida, Santa Terezinha, São Cosme e São Damião);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades públi-
cas (fotografia do Senador Antônio Carlos Magalhães);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas pessoais
(troféus e medalhas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas profis-
sionais (uniformes de times de futebol, raquete de tênis);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(aparelhos ortopédicos, muletas, óculos de grau);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal ou profissional (chaves, instrumentos musicais – berimbau, trompetes,
cornetas – volantes de automóveis, relógios, moedas, bomba utilizada na 2ª
Guerra Mundial);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, coroa de flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a)Expressão de cunho individual, oblatos, velas e fitas;


a)Expressão de cunho individual, performance ritual, penitências envolvendo
interdições e/ou obrigações;

b)Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, participação em ritos


coletivos: Lavagem do Bonfim, romaria;
b)Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Observei agradecimentos pela sobrevivência em acidentes automobilísticos, atrope-
los, naufrágios, quedas de altura (10m), cura de doenças cardiovasculares, de
dores nas pernas, sucesso em cirurgia de descolamento da retina, da retirada de
quisto, recuperação de uma infecção nasal e de ulceração na perna. Pela aquisição
de bens (automóveis e imóveis residenciais), pela realização de casamentos, forma-
turas (Medicina, Direito, Ciências Econômicas, Administração Hospitalar), pela
aprovação em concurso na Escola de Formação de Sargentos da Marinha, pelo ingresso
na carreira política (prefeito e vereador), pela conquista de uma bolsa de estudos
e da Carteira Nacional de Habilitação.

No geral, não foi possível uma identificação mais confiável das motivações a
partir das expressões observadas

FIS02. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
No terceiro domingo de janeiro realiza-se uma tradicional festa religiosa
precedida de novena e lavagem da igreja (quinta-feira anterior), que atrai grande
número de fiéis (IPAC)

Onomástica
A evocação ao Senhor do Bonfim remete à boa-morte

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Folheto do Museu dos Ex-votos (MEB);


- A tradicional “fitinha do Bonfim” (medida) e escapulário com “Oração a Nosso
Senhor do Bonfim”

Menções prévias

- Os ex-votos do Bonfim foram estudados satisfatoriamente por Clarival do


Prado Valladares (1967) entre 1939-1940 e 1960-1961;
- Há menções feitas por Pierre Verger (1997, 1999), Odorico Tavares (s/d),
Moema Parente Augel (1980) e Dom Pedro II (1959);
o
- Inventário do IPAC, n : BR:32007-1.0-027;
- Catálogo de exposição no Museu de Arte da Bahia: “Estórias de dor, esperança
e festa: ex-votos baianos (séculos XVIII-XX)”

Interfaces

Outras informações

- Imóvel de propriedade da Mitra Arquidiocesana de São Salvador da Bahia;


- Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 131 do livro de Belas Artes,
folha 23, em 17 de junho de 1938;
- Inventário IPAC produzido entre agosto de 1973 e novembro de 1974.

Referências
VALLADARES, Clarival do Prado. Riscadores de milagres: um estudo sobre arte
genuína. Rio de Janeiro: 1967.

VERGER, Pierre. Notícias da Bahia de 1850. Tradução: Maria Aparecida da


Nóbrega. 2ª ed. Salvador: Corrupio, 1999. 240p.
o
Inventário do IPAC, n : BR:32007-1.0-027

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto  Médio  Baixo

Observações
Tem especial importância por conta das referências de Clarival do Prado Valladares

FIS02.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)25/Foto 17A: fachada da igreja, à noite 2) VS4_F25/Foto 14: interior da igreja

3)VS2_F11/Foto 09: sala dos milagres 1 4)VS2_F11/Foto 07: sala dos milagres 2

5)VS4_F25/Foto 08: fitinhas esvoaçantes na 6)VS4_F25/Foto 06: tabuleiro sincrético


grade da igreja

FIS02.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS02)

IGREJA BASÍLICA DO NOSSO SENHOR DO BONFIM


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

7)D05/Foto35: baiana na Lavagem do


Bonfim/janeiro de 2000

8)D05/Foto 32: baianinha na


Lavagem do Bonfim/janeiro
de 2000

9)D05/Foto 07: baianas e fachada da 10)D06/Foto 29A: baiana e público na


igreja/janeiro de 2000 Lavagem do Bonfim/janeiro de 2000

11)VS1_F01/Foto 30: banho com água de 12)VS1_F02/Foto 14: orantes


cheiro/janeiro de 2004 profanos/janeiro de 2004

FIS02.7
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS03)

IGREJA E MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DO MONTE SERRAT


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora do Monte Serrat e também


São Pedro (cultuado especialmente pelos sacerdotes e pelas viúvas)

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Igreja
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

28 de janeiro de 2007, domingo Jeanderson Mota (caseiro)


04 de janeiro de 2007, 5ª feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Salvador-BA, Rua da Boa Viagem (Ponta do Humaitá)

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja numa penha, a Ponta de Humaitá, na Baía-de-Todos-os-Santos,
com vista panorâmica da cidade de Salvador. A duzentos metros do local onde se ergue
o forte está a pequena ermida, edificada sobre a rocha e protegida do mar por um
parapeito (IPAC).

Azimute e referente

325º NO, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção a Nossa Senhora do Monte Serrat (Montserrat) é de origem espanhola, mas
foi trazida para o Brasil pelos portugueses, sobretudo os religiosos da Ordem de
Bento. Segundo Agostinho de Santa Maria, ainda no século XVI já havia sido constru-
ída a ermida de Humaitá (1580, um santuário primitivo fundado pelos senhores da
Torre de Garcia d'Ávila, posteriormente doado aos beneditinos, que a reconstruí-
ram). O IPAC data a construção no século XVII (1650-1679).

FIS03. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS03)

IGREJA E MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DO MONTE SERRAT


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Interior da igreja, altar da réplica da escultura de “São Pedro Arrependido” e praia


defronte à igreja. O IPAC relaciona originalmente na imaginária da igreja a escul-
tura de “São Pedro Arrependido”, de autoria do frei Agostinho da Piedade, feita em
barro cozido (século XVII).

Aspecto geral do sítio

É uma igreja bem cuidada, faz parte dos mosteiros de São Bento

Condições de apresentação dos artefatos

As chaves e fitas estavam depositadas aos pés da imagem de São Pedro. Vi apenas
velas perto do mar, mas segundo Jeanderson lá se ofertam também outras oblações.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(25) ? Vídeo ? Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações
Observação livre

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Chaves, fitas e oração impressa

Observações

Presentes apenas no altar da réplica da escultura de São Pedro Arrependido.


Segundo Jeanderson, são ofertadas chaves e fitas, poucas peças tridimensionais e
alimentos, no que se confunde no mesmo lugar das ofertas dos cultos afro-
brasileiros (pedras à frente da igreja: neste caso ofertam apenas alimentos). É
curiosa a relação entre São Pedro e a deposição de chaves.

FIS03. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS03)

IGREJA E MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DO MONTE SERRAT


Salvador-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (São


Roque);

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso


pessoal (chaves);
Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatada

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas e fitas;

Aspectos sígnicos predominantes

Designações indiciais da graça/milagre e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
08 de setembro (Nossa Senhora do Monte Serrat)
29 de junho (São Pedro)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

- Luiz Mott se refere à sua devoção em “A influência da Espanha na formação


religiosa do Brasil”;
- Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-043;
- Enciclopédia “Arte no Brasil”

FIS03. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS03)

IGREJA E MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DO MONTE SERRAT


Salvador-BA

Interfaces

Outros cultos marianos.

Outras informações

- Na Espanha é também chamada de “la Virgen Negra”;

- Ofertam-se alimentos, não em ritos comensais coletivos. Talvez seja a


vertente afro-brasileira, sem culto direto a São Pedro ou mesmo a Nossa
Senhora (sincretizada com Yemanjá). Segundo Jeanderson os devotos rezam dentro
da igreja e depois ofertam do lado de fora;

- Imóvel de propriedade do Mosteiro de São Bento;

- Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 150 do livro de Belas Artes,
folha 26, em 26 de junho de 1938;

- Inventário IPAC produzido entre agosto de 1973 e outubro de 1974

Referências

MOTT, Luiz. A influência da Espanha na formação religiosa do Brasil. Salvador:


Centro Editorial e Didático da UFBA, 1993. 41p.

Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-043

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

FIS03. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS03)

IGREJA E MOSTEIRO DE NOSSA SENHORA DO MONTE SERRAT


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F26/Foto 09: fachada da igreja 2)VS4_F26/Foto 11: pedras e Baía

3)VS4_F25/Foto 32: canto “votivo” 4)VS4_F25/Foto 33: pedras no mar/cais

5) VS4_F26/Foto 16: praia “votiva”

FIS03.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS04)

CAPELA DE SANTA QUITÉRIA DAS FREIXEIRAS


São João-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santa Quitéria das Freixeiras

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santa católica Capela
Popular particular

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

26 de julho de 2006, 4ª feira Fábio Júnior Araújo da Silva (zelador)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

São João-PE, povoado de Freixeiras

Situação geográfica

Agreste

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a capela no povoado de Freixeiras, distrito do município de São João.
Outrora pertenceram ao município de Garanhuns. O povoado fica no meio de uma mata. É
uma casa ampla, de esquina, bem de frente para a praça principal. Nos fundos da
capela há uma “fonte milagrosa”, com duas torneiras.

Azimute e referente

170º SE, a partir da imagem de Santa Quitéria das Freixeiras, no altar principal

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Conta-se que o culto particular a Santa Quitéria das Freixeiras já dura mais de 300
anos. Atualmente a devoção é mantida por José Edson, herdeiro da propriedade. Soube
que a Igreja Católica estava em entendimentos para assumir eclesiasticamente o
culto.

FIS04. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS04)

CAPELA DE SANTA QUITÉRIA DAS FREIXEIRAS


São João-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Toda a capela, inclusive a área onde ficam as peças retiradas da exposição.

Aspecto geral do sítio

É um grande sobrado em taipa, castigado pela umidade e com iluminação interna


deficiente.

Condições de apresentação dos artefatos

Afixados nas paredes, ficam os quadros com fotografias, peças tridimensionais,


especialmente em madeira. Impressiona a quantidade de peças votivas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular X Ruim
Comentários

Apesar das peças ficarem abrigadas das intempéries da natureza, a umidade compro-
mete severamente seu estado de conservação.

Registros obtidos
X Fotografias(21) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Muitas fotografias emolduradas, cartazes e santinhos de candidatos a cargos


políticos e peças tridimensionais em madeira.

Observações

Não se observa neste sítio votivo, ao mesmo na mesma medida em que na maioria dos
outros, a presença de lembranças ou imagens de santos católicos.

FIS04. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS04)

CAPELA DE SANTA QUITÉRIA DAS FREIXEIRAS


São João-PE

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional (tijolo);

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em alto relevo


sobra placa metálica;
b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo
sobre placa de acrílico;

c) Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em


processo serigráfico sobre tecido (faixa banner);

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na


vida acadêmica: certificados e diplomas de conclusão de cursos;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na
vida profissional: certificados de qualificação profissional;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinhos e cartazes de
campanha política;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho de grafite sobre


papel, emoldurado;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de
madeira (coração, mãos);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de construções
habitacionais (casas) e religiosas (igrejas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(corpo inteiro, busto, cabeças, braços, mãos, seios, ventre em gravidez, per-
nas, pés), também representando animais (miniatura de um boi, patas de eqüinos,
bovinos e caprinos);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em bronze;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (cruzes em madeira);

b)Não-manufatura especialmente construída, bidimensional,fotografias (amplia-


das, em cor, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor e em P&B, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia (em cor e em P&B);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas pessoais
(troféus, disco-LP);

FIS04. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS04)

CAPELA DE SANTA QUITÉRIA DAS FREIXEIRAS


São João-PE

c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-


zados (bonecas de plástico: cabeças);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de animais de criação
(bois);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de embarcações;
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas em barro de represen-
tações profissionais (médico);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico (apa-
relhos ortopédicos, muletas);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso em apresentações
folclóricas (trajes);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Frei Damião de Bozzano);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a)Expressão de cunho individual, oblatos, fitas coloridas e velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
07 de setembro. Dia 22 de setembro sai uma romaria de Freixeirinhas-AL, com destino
à capela.

Onomástica
Freixeiras é o nome do povoado onde instalou-se a capela

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

FIS04. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS04)

CAPELA DE SANTA QUITÉRIA DAS FREIXEIRAS


São João-PE

Menções prévias

A capela foi fonte de coleta votiva pela Missão de Pesquisas Folclóricas (1938). Em
verdade, a localidade então referida como “Santa Quitéria”, não esteve na rota da
Missão, mas compôs o inventário de expressões votivas nordestinas a partir da
doação de “milagres” pelo artista plástico pernambucano Lula (Luiz Gonzaga)
Cardoso Ayres, estando hoje estas peças relacionadas na base de dados do Centro
Cultural São Paulo (CCSP).

Interfaces

Outros cultos particulares, como a São Severino dos Ramos, em Paudalho-PE

Outras informações

- A imagem de Santa Quitéria das Freixeiras fica envolta de medalhas douradas;

- Há uma sala com uma imagem do Padre Cícero num nicho embutido na parede (junto com
ele uma imagem menor de Santa Quitéria das freixeiras), no chão, uma imagem menor
do Frei Damião de Bozzano e um veleiro;

- Há outro veleiro na parte externa da capela

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo


Observações

É inusitado pelo volume considerável de expressões votivas, além da referência da


passagem da Missão de Pesquisas Folclóricas (1938).

FIS04. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS04)

CAPELA DE SANTA QUITÉRIA DAS FREIXEIRAS


São João-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F02/Foto 34: vista externa da capela 2)VS2_F02/Foto 27: altar de Santa Quitéria
das Freixeiras

3)VS2_F02/Foto 23: Altar e peças nas paredes 4)VS2_F02/Foto 32: esculturas e retratos
pintados

5)VS2_F02/Foto 19: muletas 6)VS2_F02/Foto 17: ex-votos amontoados

FIS04.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS05)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE


Tacaratu-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora da Saúde (Padroeira da cidade)

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Santuário
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

02 de agosto de 2006, 4ª feira Padre Eridian Gonçalves e Irene

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Tacaratu-PE

Situação geográfica

Sertão (do Moxotó)

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário no centro da cidade de Tacaratu, na base da Serra da
Gameleira.
Azimute e referente

270º O, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A imagem de Nossa Senhora sai da cidade de Água Branca (AL) ainda no mês de
dezembro, chegando a Tacaratu no mês de janeiro, quando se inicia a festa. Há um
elemento de destaque que é a participação dos índios Pankararu, que tomam a
primeira noite das festividades, numa apresentação dita pelo padre Eridian como
“folclórica e de sincretismo desordenado”. Apresentam de três a quatro danças e
ocupam o Santuário. Nos dias seguintes, duas ou três noites de festa são
organizadas pelos municípios vizinhos, havendo também uma noite dedicada aos
motoristas. Na última noite chega uma romaria oriunda da cidade de Floresta, após
dois dias de caminhada.

FIS05. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS05)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE


Tacaratu-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja, especialmente a “sala do sino” (coro), onde estavam as caixas com peças
votivas

Aspecto geral do sítio

É uma igreja de notável mérito arquitetônico e muito bem conservada. Em estilo neo-
gótico, apresenta vitrais raramente observáveis em outras localidades.

Condições de apresentação dos artefatos

As chaves e fitas estavam depositadas aos pés da imagem de São Pedro. Vi apenas
velas perto do mar, mas segundo Jeanderson lá se ofertam também outras oblações.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular ? Ruim
Comentários

Peças empoeiradas e com risco de proliferação de cupim e outros insetos.

Registros obtidos
X Fotografias(13) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
X Outros (folheto da Diocese) ? Artefatos

Observações
Folheto da Diocese de Floresta (“Voz da Diocese”, A3, N15), que foi pouco elucida-
tivo do culto.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Peças tridimensionais em madeira e roupas

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos, ex-votos penitenciais e ex-votos propriamente ditos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscrito a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);
a) Manuscrito a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridimen-
sional;

FIS05. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS05)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE


Tacaratu-PE

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em


madeira (pernas e mãos);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em cera
(pernas)e em material argiloso;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (vestes);
b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografia colorida
(3x4);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso pessoal (roupas,
calçados, chapéu, cordão-cinto);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso litúrgico (escapu-
lário);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas e fitas;


b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, participação em ritos
coletivos: festas e romarias, com queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e designações indiciais da graça/milagre

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
23 de janeiro a 02 de fevereiro (na primeira noite da festa os índios
Pankararu dançam o Toré);
20 de abril (dia da Santa)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

FIS05. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS05)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE


Tacaratu-PE

Menções prévias

A Missão de Pesquisas Folclóricas passou pela cidade em 1938, mas coletou “ex-
votos” apenas na Serra do Cruzeiro (Cruzeiro da Serra da Gameleira) e na Capela de
Nossa Senhora dos Navegantes (atrás do cemitério). Na época este Santuário ainda
estava em construção.

Interfaces

Outros cultos marianos.

Outras informações

Além de Nossa Senhora da Saúde, há na cidade também devoções a Nossa Senhora da Boa
Morte, Nossa Senhora das Dores e ao Senhor Morto.

No povoado de Brejo dos Padres (reserva indígena Pankararu) há uma capela/igreja de


Santo Antônio, mas não se tem certeza da ocorrência de expressões votivas similares
por lá.

Nesta minha visita ainda eram desconhecidos os focos da Missão de Pesquisas


Folclóricas, e perdi a oportunidade, por questão de uma semana, de visitá-los com
exatidão: Cruzeiro da Serra da Gameleira e Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes.
Abortei a visita ao Brejo dos Padres, pela exigüidade do tempo.

Apesar da boa vontade dos informantes, era desconhecida, especialmente pela


comunidade eclesial local, a presença da Missão na região e a importância histórica
das manifestações votivas locais.

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

Exclusivamente pela referência da Missão de Pesquisas Folclóricas

FIS05. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS05)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE


Tacaratu-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F9/Foto 30: 2)VS2_F9/Foto 26:


fachada da igreja interior da igreja

3)VS2_F9/Foto 19: 4)VS2_F9/Foto 20:


caixas com ex-votos amontoados caixa com ex-votos de madeira

FIS05.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS06)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PENHA


João Pessoa-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora da Penha

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Santuário
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

29 de julho de 2006, Sábado Messias Cândido

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

João Pessoa-PB, Penha, Praça Oswaldo Pessôa

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


O Santuário localiza-se de frente pro mar, na Praia da Penha, em meio a uma vila
praiana e próximo do extremo oriental brasileiro (Ponta do Seixas). Ao lado da
capela original está a “Casa dos Milagres” (um anexo) e à sua frente uma construção
maior e mais moderna, a nova capela. Atrás dessa nova capela há um veleiro.
Atualmente a capela antiga é utilizada apenas para orações dos devotos. Há seis anos
as missas são rezadas na capela nova, sempre aos domingos. Há também uma escadaria
atrás do templo que leva à parte mais baixa do povoado.

Azimute e referente

20º NE, a partir da frente da capela mais antiga

Informação sumária sobre o histórico da devoção


O Santuário foi fundado em 1763 e sua “Casa dos Milagres” foi inaugurada em 22
de novembro de 1953.

FIS06. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS06)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PENHA


João Pessoa-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Todo o sítio, especialmente a “Casa dos Milagres”

Aspecto geral do sítio

A “Casa dos Milagres” é um espaço organizado e bem iluminado, por luz natural. É uma
sala quadrada, com balcão central em dois níveis de altura, entre as duas portas de
acesso, proporcionando um ambiente em “U”, com bancadas também em dois níveis de
altura nas laterais.

Condições de apresentação dos artefatos

Organizados por tipos: fotografias, peças tridimensionais em cera, imagens bi e


tridimensionais de santos, miniaturas de casas, roupas, miniaturas de embarcações
e livros, além de miniaturas de animais.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Por ser uma sala fechada, as peças estão em muito bom estado de conservação, abriga-
das do salitre e de outras intempéries da natureza.

Registros obtidos
X Fotografias(13) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Fotografias, miniaturas de casas, imagens de santos (bi e tridimensionais) e


roupas

Observações

Todos em quantidades semelhantes

FIS06. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS06)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PENHA


João Pessoa-PB

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre placa de metal;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre placa de espuma (e.v-
.a.);
a)Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-
mensional;

b)Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo sobre
placa de acrílico;

c)Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, datilografia


sobre papel;

d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotocópia de documento pessoal:


carteira de trabalho, carteira nacional de habilitação (CNH), carteira de
estudante, cartão profissional;
d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santi-
nhos de morte);
d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinhos e cartazes de campanha
política;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho sobre papel;


a)Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel, emol-
durada;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, gravura sobre placa de
madeira (casa);
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peças recortadas de placa
de isopor (perna, pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de construções
habitacionais (casas em madeira, isopor, plástico, papel, papelão, tijolo,
e.v.a. e vidro, às vezes acompanhadas de chave);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de embarcações
(em madeira);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, esculturas em madeira
(cabeças, pernas)e em isopor (miniatura de automóvel);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(corpo inteiro, cabeças, pernas, pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em gesso
(cabeças);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos modelados em
material argiloso (cabeças);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos costurados em
tecido;

FIS06. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS06)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PENHA


João Pessoa-PB

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitencial


(cruz em palha);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (amplia-


das, em cor, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografia (3x4 e ampliadas, em


cor e em P&B, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Santa Luzia);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, lápide em mármore;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (bonecas em plástico, corpo inteiro, com roupas, cabeças, braços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de animais domésticos
(cães) e de criação (bois);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso pesso-
al (roupas, camisa de time de futebol, bonés, calçados);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários (tesoura,
garrafa de cachaça, tomada elétrica, mamadeira, filme fotográfico exposto);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico (apa-
relhos ortopédicos, óculos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas pessoais
(troféus);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas profissi-
onais (uniforme militar);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Menino Jesus de Praga, Jesus Cristo, Senhor Morto, Nossa Senhora da
Conceição, N. S. de Fátima, N. S. Aparecida, N. S. das Graças, N. S. do Sagrado
Coração, Santa Bárbara, São Pedro Arrependido, São Cosme e São Damião, São
Sebastião), (anel com imagens de santos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero, Frei Damião de Bozzano);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, antropomórfica, dentes;
a) Apresentação in natura, antropomórfica, biópsias;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas;


a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas;
a) Expressão de cunho individual, oblatos, pedras;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

FIS06. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS06)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PENHA


João Pessoa-PB

Ocorrências predominantes

Observei agradecimentos a: sobrevivência de um bebê de nascimento prematuro (5


meses e meio), sobrevivência em naufrágios, título de equipe de futebol, conquista
de emprego, recuperação ou cura de animais de estimação ou de criação, aquisição de
imóvel residencial, aprovação em vestibular e formatura em curso de nível superior.
No geral, não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das
expressões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
Último domingo de novembro (sai uma procissão da Igreja de Nossa Senhora de
Lourdes, em Trincheiras).

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

O Santuário foi fonte de coleta votiva quando da visita da Missão de Pesquisas


Folclóricas (1938, então referido como “Cruzeiro da Penha”), tendo peças
relacionadas na base de dados do Centro Cultural São Paulo (CCSP).

Interfaces

Outros cultos marianos

Outras informações

- Inscrição na “Casa dos Milagres”:


“Saúde dos enfermos
Rogai por nós”
- Inscrição na portada da capela antiga:
“Ave Maria Stela – 1763”

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo


Observações

É um sítio com uma notável diversidade de formas expressivas e de ocorrências


motivacionais. Encontra-se quase tudo e de tudo. Além disso, foi um dos locais
relacionados pela Missão de Pesquisas Folclóricas (1938).

FIS06. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS06)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DA PENHA


João Pessoa-PB

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F04/Foto 34: vista externa do


Santuário

2)VS2_F04/Foto 35:vista interna


da capela antiga

3)VS2_F04/Foto 32: mesa central da 4)VS2_F04/Foto 25: fotografias


“Casa dos Milagres”

5)VS2_F04/Foto 24: caminho para o Santuário

FIS06.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)

PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA


Patos-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Menina Francisca / Santa Francisca / Francisca Mártir


* ignorado
† 10/10/1923

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Mártir Vítima inocente Parque
Popular religioso

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

19 de janeiro de 2004, 2ª feira e Não houve


01 de agosto de 2006, 3ª feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Patos-PB, no antigo Sítio Trapiá

Situação geográfica

Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Parque a uma distância de quatro quilômetros do centro da cidade
de Patos. Foi fundado em torno da cruz erigida em 1923, em frente ao “serrote”
onde o corpo da menina foi encontrado, no antigo Sítio Trapiá

Azimute e referente

Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Provavelmente o culto se iniciou quando da morte da Menina Francisca, na década de
1920 (segundo Antônio Américo de Medeiros, a primeira promessa foi paga em
26/01/1924, por um homem curado de um problema cardíaco). A pequena capela foi
fundada em 25/04/1929, por obra do vigário Manoel Otaviano e de José Justino do
Nascimento, após este obter água no solo das proximidades da cruz. A partir de
então se iniciou uma romaria. O Parque conforme se encontra hoje foi inaugurado em
24/10/1993, sob a iniciativa do governador Ronaldo da Cunha Lima, falecido ainda
antes da inauguração. Inicialmente a Diocese de Patos não quis assumir a adminis-
tração do Parque, por conta de se tratar de um culto não-canônico, mas atualmente
mantém uma relação próxima com o empreendimento que tem hoje um forte apelo turís-
tico.

FIS07. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)
PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA
Patos-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Todo o santuário, especialmente as duas “Salas dos Milagres”, a imagem de Nossa


Senhora, os dois cruzeiros, a “Sala de Velas” e os sete boxes com lojinhas de souve-
nirs.

Aspecto geral do sítio

Pela segunda vez o Parque mostrava-se vazio, apesar de ser bem freqüentado nas
épocas de romaria. Trata-se de um complexo religioso de proporções médias, protegi-
do em grande parte por uma cobertura em forma de pirâmide, tão completo (bem servi-
do) quanto os outros santuários visitados. Bem arborizado, dispõe também de um
anfi-teatro, restaurante, sanitários, administração e um posto policial. Há uma
igreja evangélica instalada bem ao lado do parque, com a frente voltada para o
cruzeiro

Condições de apresentação dos artefatos

Em duas salas fechadas, sobre prateleiras ou depositados dentro de canteiros. Não


havia uma preocupação “museológica”, apesar do agrupamento e cada conjunto de
objetos levarem em conta a sua natureza tipológica.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam abrigadas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(1-35 + 2-12 = 47) X Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria (revista e livreto) ? Catálogo
X Outros (fitinha e cartão-postal/fotografia) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Imagens de santos, peças em madeira, aparelhos ortopédicos e fotografias

Observações

Pode-se constatar que ainda é muito forte a presença do objeto manufaturado neste
sítio.

FIS07. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)
PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA
Patos-PB

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos propriamente ditos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscrito a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);
a) Manuscrito a tinta, bidimensional, manuscritura em parede (no interior da
capela);
a) Manuscrito a tinta, bidimensional, manuscritura em móvel (bancadas no interior
da capela);
a) Manuscrito a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a) Manuscrito a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridimen-
sional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, documentos pessoais (cópia do


RG);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquistas profissio-
nais (cartão profissional);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquistas acadêmicas
(diploma universitário, certificado de conclusão de curso de auxiliar de enfer-
magem, de ensino fundamental, resultado de avaliação escolar);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento
(santinho morte, santinho de missa de 7º dia), santinho de campanha
política;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura (Menina Fran-


cisca);
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho em grafite sobre
papel, desenho com lápis de cor sobre papel;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em
madeira (corpo inteiro ou partes do corpo; articulado ou não; desenha-
dos/pintados ou não; garrafa);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado e recor-
tado em papel, riscado com esferográfica (pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em mate-
rial argiloso (seio) e em gesso (cabeça, seio);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (bonecas inteiras e partes do corpo);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de construções
habitacionais (em vidro, madeira, papelão e areia, papelão e isopor, acrílico,
argila e azulejo);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (vestes, cruzes em madeira);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (P&B e em


cor, 3x4 e ampliadas, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de


fotografia;

FIS07. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)
PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA
Patos-PB

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos


católicos (Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora de Fátima, São Francisco das
Chagas de Canindé, Santa Luzia, Pomba do Espírito Santo);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagem de personalidades afins ao
catolicismo ou de personalidades públicas (Papa João Paulo II, Frei Damião de
Bozzano, Irmã Dulce, Menina Francisca,);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagem de clube de futebol (pôs-
ter da equipe do Flamengo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Menino Jesus de Praga, Cristo Crucificado, Nossa Senhora das Graças,
Nossa Senhora Aparecida, São Roque, São Sebastião, e Santos Cosme e Damião,
Santo Expedito, Pomba do Espírito Santo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagem de personalidades afins
ao catolicismo ou de personalidades públicas (Padre Cícero, Frei Damião de
Bozzano);
c) Adaptação ou ressignificação, sem distinção dimensional, imagens religiosas
(Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora: de
Lourdes, do Bom Parto e de Fátima, Santo Antônio, Sagrada Família, São
Cristóvão, São Jorge, São Lázaro, Santa Terezinha);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de boneca em plástico
(corpo inteiro e partes do corpo - cabeça);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso pessoal (roupas,
calçados);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(muletas e bengalas, aparelhos ortopédicos, aparelhos dentários, moldes de
gesso, rolo de gaze);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura / antropomórfica, dente e mechas de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas, pedras e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes

- Gravidez, dispensa de cirurgia, convalescença;


- 1ª Comunhão, formatura (Engenharia Florestal, Auxiliar de enfermagem), casamen-
to, aquisição ou recuperação de veículo (carro, caminhão, motocicleta), aquisição
de imóvel (residencial);
- Recuperação de animais (boi, cavalo), conquista de título em campeonato de fute-
bol;
- Campanha eleitoral;

Além destas, não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir
das expressões observadas.

FIS07. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)
PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA
Patos-PB

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
Informação não confirmada

Onomástica
A “Cruz da Menina” foi construída no lugar onde foram encontrados os restos mortais
da Menina Francisca.

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Revista Patos – Cidade Centenária (pp. 45-47) (1ª visita);


- Livreto tipo “cordel” História Completa da Cruz da Menina, de autoria de
Antônio Américo de Medeiros (1ª visita);
- Fitinha e cartão-postal (fotografia da Menina)(2ª visita)

Menções prévias

- A Missão de Pesquisas Folclóricas (MPF), que citou como “Cruzeiro da Menina”;


- Luís da Câmara Cascudo citou este culto em “Religião no Povo” [1974].

Interfaces

Outros cultos a vítimas inocentes

Outras informações

- As narrativas dão conta de que a menina foi assassinada pela madrinha, Domila
Emerenciano de Araújo, com a cumplicidade de seu marido, Absalão Emerenciano.

- Apesar de Câmara Cascudo se referir à Menina Francisca como uma “negrinha”,


as representações visuais apontam para uma menina morena, de cabelos lisos e
compridos, a partir de retrato falado constituído na época. Fala-se também que
tinha um dos pés aleijado.

- Inscrição da fitinha: FRANCISCA MARTA CRUZ DA MENINA PATOS-PB.

- Textos de placas afixadas na parte externa das salas dos milagres:

ESTADO DA PARAÍBA

PARQUE CRUZ DA MENINA

1) QUE ESTE PARQUE CONSAGRE


TODA A PURA DEVOÇÃO
DE QUEM VEM BUSCAR MILAGRE
COM A FÉ NO CORAÇÃO

2) VENHA VER NOVO CENÁRIO


DA DEVOÇÃO NORDESTINA
CONHECENDO O SANTUÁRIO
DO PARQUE CRUZ DA MENINA

RONALDO CUNHA LIMA

FIS07. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)
PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA
Patos-PB

Referências
LUCENA, Damião. Patos – cidade centenária. Patos (PB): [s.n.], 2003. 100p.
MEDEIROS, Antônio Américo. História completa da Cruz da Menina. Patos (PB),
s/d. 48p.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações

Pela estrutura montada em torno de uma devoção não-canônica

FIS07. 6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS07)
PARQUE RELIGIOSO CRUZ DA MENINA
Patos-PB

Indicativos Etnofotográficos

1) VS2_F7/Foto 30: 2) VS2_F7/Foto 20:


vista geral da entrada do Parque plano médio da cruz e capela

3)VS1_F4/Foto 14: altar da capela 4)VS1_F3/Foto 19:


interior da sala dos milagres

5)VS1_F3/Foto 30:
ex-votos amontoados

FIS07.7
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS08)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Sousa-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora de Lourdes

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título Santuário
Popular histórico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

20 de janeiro de 2004, 3ª feira Waldemar Quirino de Souza


(responsável)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Sousa-PB, distrito de São Gonçalo

Situação geográfica

Brejo paraibano

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário no topo de um morro que costeia o Açude Público São Gonçalo.

Azimute e referente

Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Santuário fundado quando da construção da barragem (década de 1920), inaugurado em
06 de fevereiro de 1936. Obra parada e iniciada em 22 de junho de 1932.

FIS08. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS08)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Sousa-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Santuário e gruta de pedra, com uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes protegida por
um portão de metal

Aspecto geral do sítio

A céu aberto. O dia chuvoso mostrou como ficam expostos os ex-votos

Condições de apresentação dos artefatos

São depositados em prateleiras de cimento, a céu aberto. Não há uma preocupação


“expositiva”, apenas uma deposição amontoada.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa ? Regular X Ruim
Comentários

A maioria das peças fica completamente exposta às intempéries.

Registros obtidos
X Fotografias(12) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros X Artefatos Citar/descrever: uma cabeça em
madeira e uma perna com pé, em madeira

Observações

Observação direta informal

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Peças tridimensionais em madeira, com algumas poucas amostras em argila e tecido

Observações

Pouquíssimas fotografias

FIS08. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS08)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Sousa-PB

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre placas de madeira e de


metal;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, esculturas em madeira


(cabeças, seios, braços com mãos, pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em
material argiloso (cabeças, seios);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos costurados em
tecido (corpo inteiro);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (ampliadas, emoldura-


das);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens ou lembranças de santos
católicos (Senhor do Bonfim, Nossa Senhora de Lourdes);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

Não constatadas

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas

FIS08. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS08)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Sousa-PB

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
Informação não confirmada

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

Cheguei à cidade de Sousa atraído por uma menção relativa à Missão de Pesquisas
Folclóricas, no livro da FUNARTE/Congonhas, mas não tenho certeza de que o foco
daquela visita tenha sido este Santuár.

Interfaces

Outros cultos marianos, especialmente a Nossa Senhora de Lourdes

Outras informações

Pertence ao distrito de São Gonçalo o “Parque dos Dinossauros”, atração turística


da cidade de Sousa, que apresenta pegadas de animais extintos há milhões de anos.

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

FIS08. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS08)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Sousa-PB

Indicativos Etnofotográficos

1)VS1_F04/Foto 25: vista geral da gruta e 2)VS1_F04/Foto 27: plano geral das
das prateleiras prateleiras

3)VS1_F04/Foto 29: close-up de um jogo


4)VS1_F04/Foto 31: close do interior da
de prateleiras votivas
gruta com Imagem de Nossa Senhora de
Lourdes

5)VS1_F04/Foto 36: Açude

FIS08. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS09)

ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


Sousa-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Frei Damião de Bozzano


[Pio Gianotti]
* 05/11/1898
† 31/05/1997

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Protocanônico Servo de Deus Estátua
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

20 de janeiro de 2004, 3ª feira Waldemar Ribeiro da Silva e esposa,


Josina Alves Ribeiro.

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Sousa-PB

Situação geográfica

Brejo paraibano

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a estátua (com cerca de 7m de altura) no alto de uma colina, com vista
ampla do horizonte (360º, sem interrupções), donde se avista a cidade de Sousa e o
Vale dos Dinossauros. A estátua (pedra fundamental em 10/07/1975, inaugurada em 13
de novembro de 1976, na presença de 15 mil fiéis e com o Frei ainda vivo) mira para a
cidade, em postura de bênção. A estátua está assentada sobre 13 degraus, com mais ou
menos 40 m2. Nada se avistava nos arredores, num raio de quase 1km, além de quatro
casinhas.

Azimute e referente

Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Ainda em vida se lhe atribuíam milagres. Desde 1949 a Paróquia de Alagoa
Grande já tratava o religioso como “Incansável Missionário da Paraíba”,
conforme se lê numa “Lembrança das Missões de Frei Damião”. A cidade luta para
“recuperar” os restos mortais do frei, que segundo o apelo popular, declarara
o desejo de ser enterrado ali

FIS09. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS09)

ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


Sousa-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Estátua e arredores

Aspecto geral do sítio

Pouco cuidado. O dia chuvoso tornou aumentou a sensação de abandono no ambiente.


Havia um cofre para ofertas (em dinheiro). Estava prevista a construção de um
Memorial, capitaneada pelo ex-prefeito Gilberto de Sá Sarmento.

Condições de apresentação dos artefatos

Jogados ao chão, junto à estátua. Não havia critério de organização do espaço,


apenas um depósito das peças.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa ? Regular X Ruim
Comentários

As peças estavam sob o pé da estátua, expostas às intempéries

Registros obtidos
? Fotografias ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
X Outros Outros (livreto de cordel)
? Artefatos Citar/descrever: um pé articulado

Observações

Com a autorização de seo Waldemar, retirei um pé articulado em madeira. Fiz uma


observação livre, com poucas notas e sem registros visuais. Chovia bastante naque-
la manhã.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Peças tridimensionais em madeira

Observações

FIS09. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS09)

ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


Sousa-PB

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscrito a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado ou não);

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em madei-


ra (joelho, perna com pé);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto de uso penitencial
(cruz em madeira);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas e pedras;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
31 de maio (morte)

Onomástica

FIS09. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS09)

ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


Sousa-PB

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livreto “Frei Damião e Milagres”, de autoria de Robson Araújo Marques,


adquirido no Vale dos Dinossauros, em Sousa-PB;
- Livro Frei Damião – O Santo das Missões (de autoria de Gildson Oliveira),
adquirido na lojinha do Convento;
- Dois livretos de Cordel, de autoria do Frade /Frei Jociel Silva, OFMCap. (A
Vida de Frei Damião e O Encontro de Frei Damião Com Padre Cícero no Céu),
adquirido nesta mesma lojinha

Menções prévias

Cheguei à cidade de Sousa atraído pela sua menção na rota da Missão de Pesquisas
Folclóricas, a partir do livro da FUNARTE/Congonhas, mas certamente não era Frei
Damião o foco daquela época. Nada vi de expressão votiva além desta estátua e do
Santuário de Nossa Senhora de Lourdes, no distrito de São Gonçalo.

Interfaces

Outros locais de culto a Frei Damião, como o Memorial de Guarabira, o Convento de


São Félix, em Recife e o Santuário e estátua na cidade de São Joaquim do Monte-PE.
Vi também uma estátua de Frei Damião na entrada da cidade de Solânea-PB, mas sem
manifestações votivas associadas.

Outras informações

- O perfil de frei Damião consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira,
pp. 165 e 166;
- Protocolo nihil obstat: 2475;
- Nihil obstat: 06 de julho de 2002;
- Autor da causa: Frades Capuchinhos, Rua José Rodrigues, 160, Bairro do Pina, CEP
51011-400, Recife-PE;
- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no livro Candidatos ao
Altar.

Referências

MARQUES, Robson Araújo. Frei Damião e milagres. Sousa (PB): [s.n.], 2003.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Indicativos Etnofotográficos
Não disponíveis neste sítio

FIS09. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS10)

SANTUÁRIO DA SANTA FÉ DO PADRE IBIAPINA


Arara/Solânea-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Padre Ibiapina
[José Antônio Pereira Ibiapina, depois José Antônio de Maria Ibiapina]
* 05/08/1806
† 19/02/1883

Caráter Tipo devocional Perfil Subcategoria Tipo de Sítio


institucional devocional
Protocanônico Santuário
Eclesiástico Servo de Deus

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

18 de janeiro de 2004, domingo 1) Manoel Pompeu


30 de julho de 2006, Domingo 2) Padre Gaspar Rafael e Monsenhor
Nicodemus (bispo da Diocese /
Guarabira)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Solânea-PB. Atribui-se, de fato, ao município de Arara-PB, cuja sede é mais


próxima do Santuário

Situação geográfica

Brejo paraibano

Descrição topográfica e caracterização do ambiente

Localiza-se a Santa Fé entre os municípios de Arara e Solânea

Azimute e referente

145º SE, a partir da frente do Santuário. 250º SO, a partir do ponto para onde
olha a estátua do Padre Ibiapina, na parte externa do Santuário

Informação sumária sobre o histórico da devoção

A Missão de Santa Fé foi fundada em 1866

FIS10. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS10)

SANTUÁRIO DA SANTA FÉ DO PADRE IBIAPINA


Arara/Solânea-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

1) Especialmente a “Casa dos Milagres” e a “Casa do Padre Ibiapina” (pequeno museu).


Observei todo o Santuário;
2) Especialmente a “Casa dos Milagres” e a “Casa do Padre Ibiapina” (pequeno museu).
Observei todo o Santuário. Havia um Centro de Informação, Casa da Criança de
Padre Ibiapina, Museu Casa de Farinha e Loja do Santuário

Aspecto geral do sítio

A “Casa dos Milagres” estava instalada numa casa de taipa, aparentemente bem con-
servada. Havia um ofertório logo na primeira sala (2ª visita). Nesta segunda visita
mostrou-se mais organizada e bem cuidada, como todo o Santuário. Havia uma estátua
do Padre na parte externa, à frente de uma cruz, coberta por fitas coloridas, ima-
gens religiosas (bi e tridimensionais) e flores.

Condições de apresentação dos artefatos

Os ex-votos são criteriosamente categorizados e organizados por tema (base expres-


siva), sendo expostos em prateleiras ou fixados nas paredes das salas (5 cômodos)
da “Casa dos Milagres”.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários
Por estarem abrigados numa sala fechada, conservam-se bem. São recentes.

Registros obtidos
X Fotografias (17 + 13) X Vídeo (1)
X Papelaria (folheto Diocese) ? Catálogo X Ficha etnográfica (2)
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Fotografias, mas havia muitas peças em madeira, roupas e alguns cajados. Havia
muitas miniaturas (de animais, de casas e bonecas de pano).

Observações
Nas duas visitas o aspecto e a variedade dos ex-votos foram correspondentes

FIS10. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS10)

SANTUÁRIO DA SANTA FÉ DO PADRE IBIAPINA


Arara/Solânea-PB

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos, ex-votos penitenciais, ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);
a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a)Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-
mensional (objetos em madeira e sobre pedras);
d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquistas acadêmicas
declaração de conclusão de curso, diploma de escola de cabeleireiro);
d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquistas profissio-
nais (cartão profissional);
d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinho de campanha política;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em madei-


ra (pintados ou não) e em isopor;
a)Manufatura especialmente fabricada, tridimensional, objeto modelado em material
argiloso;
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional,objeto costurado em tecido
(bonecas inteiras e partes do corpo);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de construções
habitacionais (casas em papelão e madeira);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto de uso penitencial:
vestes (mantos);
c)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas);
c)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos(Nossa Senhora Aparecida, Santa Luzia, Santo Antônio, Santo Expedito);
c)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins ao
catolicismo (Padre Ibiapina);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Menino Jesus, Cristo Crucificado, Nossa Senhora);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero, Frei Damião de Bozzano);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de boneca (em plásti-
co, partes do corpo);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de animais (em cerâmi-
ca);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso pesso-
al (roupas e vestidos, inclusive de noiva);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico (ben-
galas e cajados);

FIS10. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS10)

SANTUÁRIO DA SANTA FÉ DO PADRE IBIAPINA


Arara/Solânea-PB

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, coroa de flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, pedras, velas e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes

- Conquistas pessoais (casamento, casa própria) profissionais (obtenção de


emprego) e acadêmicas (conclusão de cursos);

No geral não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir
das expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
Informação não confirmada

Onomástica

O termo Ibiapina deriva de uma povoação localizada na Serra Ibiapaba, da qual é um


diminutivo. Foi para onde foi mandado Francisco Miguel Pereira, pai do religioso,
que incorporou o nome da localidade ao de sua família.

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro Crônica das Casas de Caridade: fundadas pelo Padre Ibiapina,


organizado por Eduardo Hoornaert;

- Folheto O Servo de Deus, Padre José Antônio de Maria Ibiapina

Menções prévias

- Eduardo Hoornaert organiza o livro “Crônica das Casas de Caridade: fundadas


pelo Padre Ibiapina” (2006);

- Luís da Câmara Cascudo cita este culto em “Religião no Povo” [1974];

- Consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira, pp. 63 e 64

FIS10. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS10)

SANTUÁRIO DA SANTA FÉ DO PADRE IBIAPINA


Arara/Solânea-PB

Interfaces

Outros casos protocanônicos, em especial os do Frei Damião de Bozzano e Padre


Cícero Romão Batista.

Outras informações

- Protocolo nihil obstat: 1847;

- Nihil obstat: 18 de fevereiro de 1992;

- Autor da causa: Bispado, Caixa Postal 17, Praça Monsenhor Walfredo Leal, 20, CEP
58200-000, Guarabira-PB;

- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no folheto da Diocese


e no livro Candidatos ao Altar;

- Sua atuação missionária foi de 1855 a 1883;

- O Padre Ibiapina fundou dezenas de Casas de Caridade (22), igrejas,


recolhimentos e escolas nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e
Pernambuco, entre 1860 e 1875;

- Destacam-se suas importantes missões em Triunfo-PE

Referências

HOORNAERT, Eduardo (org.). Crônicas das casas de caridade: fundadas pelo Padre
Ibiapina. Fortaleza: Museu do Ceará, Secretaria da Cultura do Estado do Ceará,
2006. 252p.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações

Trata-se de um culto muito bem fundamentado, baseado num promissor centro


turístico religioso que se especializa e se estrutura cada vez mais
profissionalmente.

FIS10. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS10)

SANTUÁRIO DA SANTA FÉ DO PADRE IBIAPINA


Arara/Solânea-PB

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F6/Foto 13: capelinhas 2)VS2_F6/Foto 12: nova Sala dos Milagres

4)VS2_F6/Foto 04:vista geral da Sala dos


Milagres

3)VS2_F6/Foto 14: estátua do


Padre Ibiapina

5) VS2_F6/Foto 06: vista da Sala dos 6) VS2_F6/Foto 05: prateleira com fotos
Milagres – retratos e roupas e bonecas tecidas

FIS10. 6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS11)

BUSTO DO PADRE JOÃO MARIA


Natal-RN

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Padre João Maria


[João Maria Cavalcanti de Brito]
* 23/06/1848
† 16/10/1905

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Protocanônico Servo de Deus Busto
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

31 de julho de 2006, 2ª feira Maria José Soares da Silva


(vendedora ambulante)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Natal-RN, Praça Padre João Maria

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a Praça João Maria no centro da cidade de Natal. O busto foi construído
em frente a uma igreja.

Azimute e referente

315º NO, a partir da frente do busto

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Luís da Câmara Cascudo relata que ainda em vida o padre já operava milagres
terapêuticos,

FIS11. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS11)

BUSTO DO PADRE JOÃO MARIA


Natal-RN

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Praça onde se localiza o busto (em bronze) do Padre João Maria

Aspecto geral do sítio

Com piso em granito e base do busto em pedra calcária, estava bem conservado. Havia
um veleiro e colunas para apoio das mãos (em oração), além de um ofertório. Nos
arredores do busto havia umas barraquinhas que vendiam artesanato, pequenos manu-
faturados e artigos religiosos.

Condições de apresentação dos artefatos

Os ex-votos são depositados diretamente na base do monumento, colados ou amarrados


à coluna do busto.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular ? Ruim
Comentários

Apesar de expostos diretamente às intempéries, se mantêm relativamente nítidos.

Registros obtidos
X Fotografias(4) ? Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria (livro e folheto) ? Catálogo
X Outros (fotocópia do livro de registro das graças alcançadas)
X Artefatos. Citar/descrever: Ex-voto costurado em tecido

Observações

Livro de registro de graças alcançadas aberto em março de 2005. Boneca de pano


costurada em tecido, comprada com dona Maria José

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Fitas, flores e fotografias

Observações

Os ex-votos eram pouco numerosos e em pequena diversidade.

FIS11. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS11)

BUSTO DO PADRE JOÃO MARIA


Natal-RN

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos

Tipologia das formas verbais / escritas

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (san-


tinho de Santo Expedito);

- Livro de testemunhos, com relatos manuscritos a tinta sobre papel pautado,


numerado e encadernado em capa dura

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


b) Expressão do grupo, publicamente declarada, atribuição coletiva de
onomásticos (Praça Padre João Maria);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (em cor,


3x4 e ampliadas);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

- Cura de graves enfermidades (tumores, nódulos e cistos); deficiência de órgãos


internos; Inflamações, infecções e ulcerações; doenças infecto-contagiosas;
febres; paralisia física; problemas de parto; reumatismos; traumatismos; dores;
- Recuperação de cirurgias;
- Realizações pessoais e profissionais(benefícios financeiros);

Além destes, não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir
das expressões observadas

FIS11. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS11)

BUSTO DO PADRE JOÃO MARIA


Natal-RN
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
Informação não confirmada

Onomástica
A Praça onde se encontra o busto foi batizada em homenagem ao Padre

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro Vida do Padre João Maria (de autoria do Pe. Eymard L´E. Monteiro);
- Folheto de divulgação da Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes

Menções prévias

- Luís da Câmara Cascudo cita este culto em “Religião no Povo” [1974].


- Menção no folheto “Galante”, da Fundação Hélio Galvão, obtido com Ricardo
Veriano

Interfaces

Outros cultos a vítimas inocentes

Outras informações

- Consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira, pp. 71 e 72;


- Processo de beatificação aberto em 2002, pelo Arcebispo de Natal, Dom Heitor de
Araújo Sales;
- Protocolo nihil obstat: 2650;
- Nihil obstat: 13 de maio de 2005;
- Autor da causa: Paróquia de Nossa Senhora de Lourdes, Tv. Aprígio Alves, 738,
Areia Preta, CEP 59014-050, Natal-RN;
- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no folheto da
Arquidiocese e no livro Candidatos ao Altar;
- Texto de placa, na parte de trás do monumento:

AO
PADRE JOÃO MARIA
O POVO DO
RIO GRANDE DO NORTE
1848 – 1905
---
PAUPER ET INFIRMUS PATRIS
TE NOMINE DICUNT NATORUM
SEMPER TE MEMINISSE DECET

- É cultuado também na igreja de Nossa Senhora de Lourdes, no Alto do Juruá (Juá),


bairro de Petrópolis (Casa de Saúde Petrópolis), onde se encontra o seu mausoléu e
também se faz depósito de ex-votos;
- Segundo D. Maria José hoje caracteriza-se um baixo movimento em torno da figura do
Padre, por ela atribuído ap crescimento das igrejas evangélicas;
- D. Maria fabrica e vende bonequinhas de pano (não necessariamente como ex-voto) e
ex-votos em gesso.

FIS11. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS11)

BUSTO DO PADRE JOÃO MARIA


Natal-RN

Referências

MONTEIRO, Eymard L'E. Vida do Padre João Maria. Natal: [s.n.], 1997. 64p.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

É interessante pela manifestação, mas pouco expressivo do ponto de vista das


ofertas votivas.

FIS11. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS11)

BUSTO DO PADRE JOÃO MARIA


Natal-RN

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F7/Foto 05:Busto do Padre João Maria 2)VS2_F7/Foto 06:


Plano médio do busto

3)VS2_F7/Foto 07:Fitas aos pés do busto 4)VS2_F7/Foto 08: Placa

FIS11.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS12)

IGREJA BASÍLICA DA PENHA – TÚMULO DE DOM VITAL


Recife-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Dom Vital
[Vital Maria Gonçalves de Oliveira]
* 27/11/1844
† 04/07/1878

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Proto-canônico Servo de Deus Igreja basílica/
Eclesiástico túmulo

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

27 de julho de 2006, 5ª feira Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Recife-PE, Recife Antigo

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a Igreja da Penha no centro do Recife (Recife Antigo), em meio a
uma área de comércio popular.

Azimute e referente

Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Foi sepultado na cripta do Convento dos Capuchinhos de Versailles (1878). Em 1881
seus restos mortais foram trasladados para a Igreja da Penha, no Recife (LIRA)

FIS12. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS12)

IGREJA BASÍLICA DA PENHA – TÚMULO DE DOM VITAL


Recife-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Túmulo de Dom Vital (em mármore, com lápide em latim e estátua no ex-bispo de Olinda
na parte superior) e outros nichos/altares.

Aspecto geral do sítio

Muito bem conservado, o túmulo localiza-se na nave direita da igreja, ladeado por
muitas imagens de santos.

Condições de apresentação dos artefatos

Foram vistas apenas três peças (placas em mármore) no túmulo. Foram mais expressi-
vas as observações em outros nichos. Em todos os casos, os objetos votivos eram
depositados livremente pelos devotos. Destacava-se, pelo volume de objetos, o
nicho de São Clemente, fechado e com muitos artigos votivos amontoados.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficavam reservadas da ação do tempo

Registros obtidos
X Fotografias(02) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

No túmulo de Dom Vital, placas de mármore

Observações

No nicho de Santo Antônio havia muitas assinaturas e pedidos escritos na parede. No


nicho de São Clemente, predominavam as fotografias em 3x4, placas em mármore,
flores e velas.

FIS12. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS12)

IGREJA BASÍLICA DA PENHA – TÚMULO DE DOM VITAL


Recife-PE

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos. Vi muitos apelos protetivos e ex-votos dedicados a outros santos,


especialmente Santo Antônio e São Clemente.

Tipologia das formas verbais / escritas

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo


sobre placa em pedra (mármore);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

Não constatadas

Aspectos sígnicos predominantes

Designações indiciais do milagre

Ocorrências predominantes

No caso específico de Dom Vital, não foi possível uma identificação confiável das
motivações a partir das expressões observadas. No nicho de Santo Antônio observei
muitos relatos escritos nas paredes, sempre pedindo união ou conquista amorosa.

FIS12. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS12)

IGREJA BASÍLICA DA PENHA – TÚMULO DE DOM VITAL


Recife-PE

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
Informação não confirmada

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

Luís da Câmara Cascudo cita este culto em “Religião no Povo” [1974]

Interfaces

Outros casos protocanônicos

Outras informações

- Consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira, pp. 61 e 62;


- Protocolo nihil obstat: 1981;
- Autor da causa: Av. Afonso Olindense, 1764, Várzea, CEP 50810-000, Recife-PE;
- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no livro Candidatos ao
Altar

- Há diversos nichos/altares com deposições votivas às imagens de: São Clemente


(peça moldada em cera, fotografias 3x4 e ampliadas, manuscrituras em papel, manus-
crituras nas paredes, placas em mármore, flores, fitas, pedras e velas), Santo
Antônio (manuscrituras nas paredes), Sagrado Coração de Jesus (manuscrituras em
papel, dobradas e depositadas sob a bancada, mechas de cabelo), Imaculada dos
Franciscanos (uma placa), Santa Terezinha (duas placas), Santa Luzia (olhos em
cera), São Félix (duas placas);

- Há também imagens de: Jesus Atado, Cristo Ressuscitado, Nossa Senhora de Lourdes,
N. S. do Líbano, N. S. do Sagrado Coração, N. S. das Dores, Sant'Ana e São Joaquim,
Santo Urbano, São Francisco de Assis, São Paulo, São Pedro, São Roque, São José, São
João Batista, São Serafim, São Miguel, São Bernardo, São José de Leonissa;

Referências
LIRA, José Luís. Candidatos ao altar. Fortaleza: ABRHAGI, 2006. 216p. il.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo


Observações

As deposições votivas a Dom Vital, especialmente foram pouco expressivas. O


interessante foi a presença de muitos outros objetos votivos atribuídos a outras
devoções, como a Santo Antônio e a São Clemente.

FIS12. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS12)

IGREJA BASÍLICA DA PENHA – TÚMULO DE DOM VITAL


Recife-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F03/Foto 18:
Túmulo de Dom Vital

FIS12. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS13)

TÚMULO DO MENINO PETRÚCIO


Maceió-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Menino Petrúcio / Anjo Petrúcio


[Petrúcio Correia]
* (?)
† 24/04/1938

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Mártir Vítima inocente Cemitério
Popular

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

25 de julho de 2006, 3ª feira Não houve na primeira vez. Na


07 de janeiro de 2007, Domingo segunda, Damião (Gago) (responsável
pelo Cemitério)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Maceió-AL, Cemitério de São José (ou Cemitério do Caju), Bairro do Prado

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Situa-se o Cemitério no bairro do Prado, nas proximidades do centro da cidade, numa
planície dentro da área urbana de Maceió.

Azimute e referente

190º S, a partir da frente do túmulo

Informação sumária sobre o histórico da devoção


É provável que seja cultuado desde a sua morte, em 1938 (por tuberculose ou tifo
[segundo Luís da Câmara Cascudo]).

FIS13. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS13)

TÚMULO DO MENINO PETRÚCIO


Maceió-AL

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Túmulo do Menino Petrúcio

Aspecto geral do sítio

É um cemitério modesto, aparentemente mal cuidado e utilizado por populações mais


pobres. Possui uma infra-estrutura precária, apesar de alguns jazigos serem mais
sofisticados. O túmulo, renovado pelo governo municipal em dezembro de 2005, é em
pedra, suntuoso e com muitos compartimentos, aparentemente para deposição de
velas.

Condições de apresentação dos artefatos

Os ex-votos ficam depositados sobre o túmulo, expostos diretamente às intempéries.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa ? Regular X Ruim
Comentários

Ficam expostos às intempéries, se deteriorando com facilidade.

Registros obtidos
X Fotografias(09 + 09) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria (livro e folheto) ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Imagens de santos (destruídas); peças em madeira pintada e gesso, representando
partes do corpo.

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS13. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS13)

TÚMULO DO MENINO PETRÚCIO


Maceió-AL

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-


mensional (em madeira);
b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo
sobre placa em pedra (mármore), letras pintadas;
b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em alto relevo sobre
placa metálica;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção do jazigo;


a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos esculpidos sobre
madeira pintada ou não (perna, seio, corpo inteiro em miniatura) e sobre gesso;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(cabeça) e em gesso (pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos modelados em
material argiloso (seios);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos


católicos (Sagrado Coração de Jesus, Cristo Crucificado, Nossa Senhora de
Fátima, São Sebastião, Santa Bárbara);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo ou de personalidades públicas (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso pessoal (roupas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso litúrgico (terço,
cruz de metal);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico
(coroa);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, ramos de vegetais;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Quase sempre os relatos escritos agradecem por “graças alcançadas”, não permitindo
uma identificação clara das razões dos pedidos. As peças tridimensionais também
não definem claramente o seu objeto transacional.

FIS13. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS13)

TÚMULO DO MENINO PETRÚCIO


Maceió-AL
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
24 de abril (morte)
02 de novembro (finados)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não havia no cemitério nem na cidade. Falou-se no Cemitério que a rede de TV SBT
realizou reportagem no local.

Menções prévias

- Luís da Câmara Cascudo cita este culto em “Religião no Povo” [1974].


- Menção no folheto “Galante”, da Fundação Hélio Galvão, obtido com Ricardo
Veriano

Interfaces

Outros cultos cemiteriais

Outras informações

- Telefones de contato da família: Clementina Correia (82) 9361-3486 e 3343-5018

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

Apesar de renovar a vitalidade do culto cemiterial, o volume de peças é baixo e fica


comprometido pela má conservação do cemitério, não obstante o bom estado deste
jazigo.

FIS13. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS13)

TÚMULO DO MENINO PETRÚCIO


Maceió-AL

Indicativos Etnofotográficos

1) VS2_F1/Foto 33: vista de rua no Cemitério 2) VS2_F1/Foto 26: vista do túmulo

3) VS2_F1/Foto 28: Lápide 4)VS4_F21/Foto 04: peças no túmulo do Menino


Petrúcio

5) VS2_F1/Foto 32: vista c/ flores

FIS13.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS14)
TÚMULO DA MENINA MARIA DE LOURDES
João Pessoa-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Maria de Lourdes
[Maria de Lourdes Silva]
Datas de nascimento e morte ignoradas

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Mártir Vítima inocente Cemitério
Popular

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

29 de julho de 2006, Sábado Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

João Pessoa-PB, Cemitério da Boa Sentença, bairro de Varadouro

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Cemitério localizado na “Cidade Alta”, com túmulos luxuosos juntos a outros muito
modestos. Localiza-se o túmulo de Maria de Lourdes na 1ª quadra à direita da entrada
principal do cemitério, sendo o primeiro, logo ao lado da administração.

Azimute e referente

Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


É provável que a menina seja cultuada desde a sua morte, aos 12 anos de idade,
“sucumbindo às sevícias policiais” (Luís da Câmara Cascudo).

FIS14. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS14)
TÚMULO DA MENINA MARIA DE LOURDES
João Pessoa-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Túmulos de Maria de Lourdes e do padre Zé Coutinho

Aspecto geral do sítio

É um cemitério regularmente conservado e bastante espaçoso. O túmulo é aparentemen-


te descuidado e possui canteiro e veleiro com cobertura. Há uma estátua de uma
menina de uns 8 ou nove anos.

Condições de apresentação dos artefatos

As peças votivas ficam depositadas sobre o túmulo, expostas diretamente às intempé-


ries.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa ? Regular X Ruim
Comentários

Bastante desgastados pelos efeitos da chuva e do sol

Registros obtidos
X Fotografias(06 + 03) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Miniaturas de casas, fitas, calçados e terços

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

FIS14. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS14)
TÚMULO DA MENINA MARIA DE LOURDES
João Pessoa-PB

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, folhetos de missais;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção do jazigo;


a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em
madeira e em gesso;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em cera;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções
habitacionais (casas em madeira e isopor);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografia (3x4);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos


católicos (Santo Antônio);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso litúrgico (terço);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto utilitário de uso pessoal
(calçados);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico
(coroa);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas coloridas e velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Pela incidência expressiva de miniaturas de casas, tudo indica que os pedidos de
casa própria, ou ao menos de um lar, são freqüentemente dirigidos à menina Maria de
Lourdes. No geral, não foi possível uma identificação confiável das motivações a
partir das expressões observadas.

FIS14. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS14)
TÚMULO DA MENINA MARIA DE LOURDES
João Pessoa-PB
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
02 de novembro (finados)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não havia no cemitério nem na cidade.

Menções prévias

Luís da Câmara Cascudo cita este culto em “Religião no Povo” [1974], informado
por Celso Mariz.

Interfaces

Outros cultos cemiteriais

Outras informações

- Texto da lápide de Maria de Lourdes: “Maria de Lourdes Silva, um exemplo de amor e


perdão a ser seguido”;

- Há também um culto ao padre Zé Coutinho, um pouco mais adentro no cemitério.


Nascido em 18/11/1897, morreu em 05/11/1973. Sobre o túmulo, uma estátua do padre,
sentado numa cadeira de rodas;

- Texto da lápide do Padre Zé Coutinho: “Lembrando-se de mim não esqueçam os meus


pobres. Padre Zé”. Havia uma placa votiva de mármore, agradecendo uma graça
alcançada, mas nenhum outro tipo de ex-voto.

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

É curioso apenas pela ocorrência cemiterial.

FIS14. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS14)
TÚMULO DA MENINA MARIA DE LOURDES
João Pessoa-PB

Indicativos Etnofotográficos

1) VS2_F5/Foto 09: túmulo 2 2)VS2_F5/Foto 12: detalhe de peças sobre o


túmulo

3)VS2_F5/Foto 07:
túmulo da menina Maria de Lourdes

4) VS2_F5/Foto 11: detalhe da estátua

5)VS2_F5/Foto 10:túmulo visto do fundo 6)VS2_F5/Foto 13: túmulo do Padre Zé

FIS14.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS15)

IGREJA DO SENHOR BOM JESUS DOS MARTÍRIOS


Maceió-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Senhor Bom Jesus dos Martírios;


Nossa Senhora da Cabeça

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santo Cristo; Título popular Igreja
Eclesiástico Culto mariano (Nossa Senhora)

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

07 de janeiro de 2007, domingo Luiz Pereira de Almeida (sacristão)


25 de julho de 2006, 3ª feira e Jadilson

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Maceió-AL, Centro

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja no Morro da Jacutinga, centro de Maceió

Azimute e referente

Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção ao Bom Jesus é de origem portuguesa. Em 03 de maio de 1833, negros cativos
e libertos, criaram a irmandade do Bom Jesus dos Martírios com o fim de libertar
irmãos cativos. A igreja foi inaugurada em 30 de outubro de 1881.

FIS15. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS15)

IGREJA DO SENHOR BOM JESUS DOS MARTÍRIOS


Maceió-AL

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Toda a igreja, especialmente o “aquário” dedicado a Nossa Senhora da Cabeça e ao


mais recente, de Bom Jesus dos Martírios, na entrada da igreja.

Aspecto geral do sítio

É uma igreja tradicional. Algumas áreas estavam em reforma

Condições de apresentação dos artefatos

Dentro de “aquários” (caixotes de vidro). O de Nossa Senhora da Cabeça tem mais ou


menos 1,40m de altura. As peças (cabeças, manuscrituras e fotografias) são livre-
mente depositadas, resultando em objetos amontoados.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa X Regular ? Ruim
Comentários

As peças ofertadas a Nossa Senhora da Cabeça são recentes e estão em bom estado. Já
as peças ofertadas ao Bom Jesus dos Martírios foram encontradas recentemente
(estima-se que tenham estado esquecidas por muitas décadas), embaixo de uma escada
que leva à torre dos sinos. Muitas se encontravam apodrecidas, mas as mais íntegras
foram colocadas “em exposição”, igualmente amontoadas no “aquário”.

Registros obtidos
? Fotografias ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
X Outros (folheto da devoção ao Bom Jesus) ? Artefatos

Observações

Observação direta

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Nossa Senhora da Cabeça: cabeças, em tamanhos e qualidades variados, mas também


manuscrituras e fotografias.

FIS15. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS15)

IGREJA DO SENHOR BOM JESUS DOS MARTÍRIOS


Maceió-AL

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não


(dedicada a Nossa Senhora da Cabeça);
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia
(dedicada a Nossa Senhora da Cabeça);
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional (diretamente escrito ou colado sobre papel) (dedicada a Nossa
Senhora da Cabeça);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira (em


ambas as devoções: cabeças, policromadas ou não) (exclusivamente dedicadas ao
Senhor Bom Jesus dos Martírios: mãos e braços, pés e pernas (com e sem pé),
seios, coração (nas duas representações – simbólica e anatômica);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
e em gesso (policromados ou não) (cabeças, exclusivamente dedicadas a Nossa
Senhora da Cabeça);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos costurados em
tecido (cabeças, exclusivamente dedicadas a Nossa Senhora da Cabeça);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (2x2, 3x4 e amplia-


das, em cor e P&B, sem moldura. Também álbuns de fotografias);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados: bonecas em plástico (corpo inteiro, vestida e cabeças, exclusivamente
dedicadas a Nossa Senhora da Cabeça);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

Não constatadas

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figurativas

Ocorrências predominantes

Tudo leva a crer que pelas representações ofertadas a Nossa Senhora da Cabeça as
motivações giram em torno de problemas psiquiátricos e dores físicas. No geral, não
foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas

FIS15. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS15)

IGREJA DO SENHOR BOM JESUS DOS MARTÍRIOS


Maceió-AL

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
Último domingo de novembro (Bom Jesus dos Martírios);
26 de julho (Nossa Senhora da Cabeça)

Onomástica
A designação “dos Martírios” advém da irmandade, que foi criada com a intenção
de libertar os negros escravizados da região

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Folheto da devoção ao Senhor Bom Jesus dos Martírios

Menções prévias

Théo Brandão recolheu peças votivas nesta igreja, integrando a obra “Ex-votos de
Alagoas”

Interfaces

Outras informações

- Além destas duas devoções, na igreja há imagens do Senhor dos Passos, de Nossa
Senhora de Lourdes, Santo Antônio, São José, Santa Terezinha;

- Telefone da igreja: (82) 3326-2282;

- Telefone do Museu Théo Brandão: (82) 3221-2651;

- Web site: http://www.museutheobrandao.ufal.br

Referências
- EX-VOTOS DE ALAGOAS: Museu Théo Brandão. Maceió: Universidade Federal de
Alagoas, 1976. (Catálogo). 27p. il.

- Folheto da devoção ao Senhor Bom Jesus dos Martírios

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo


Observações

Pela precedência da menção feita por Théo Brandão

Indicativos Etnofotográficos
Não houve neste caso

FIS15. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS16)

CAPELA DE SANTA AMÉLIA


Maceió-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santa Amélia (e sua filha, Santa Luísa)

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico, a Santa católica, Capela
Popular partir da assimilada de
assimilação mártir
de caso não-
canônico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

07 de janeiro de 2007, Domingo José Olímpio da Silva (Zezinho rezador)


(responsável pela capela).

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Maceió-AL, bairro de Santa Amélia

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a capela no alto do bairro de Santa Amélia, numa chã, à beira da
pista principal.

Azimute e referente

255º O, a partir da frente do cruzeiro

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Conta-se, entre várias versões diferentes, que uma moça (Amélia) e sua filha foram
assassinadas no local, ermo na época, enquanto se dirigiam à casa de um parente.
Passados alguns dias do desaparecimento, os corpos foram encontrados, exalando
cheiro de flores em lugar de um estado de decomposição. Esta narrativa existe há
108 anos.

FIS16. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS16)

CAPELA DE SANTA AMÉLIA


Maceió-AL

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Capela e Sala dos Milagres

Aspecto geral do sítio

Simples, mas cuidado com muita dedicação por Zezinho rezador

Condições de apresentação dos artefatos

Numa salinha, atrás do altar da capela, sobre uma base de grandes cubos de madeira
(imagens de santos tridimensionais), quadros afixados nas paredes e objetos amon-
toados sobre uma mesinha, num canto da sala.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(02+15) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo ? Artefatos
X Outros (CD de Zezinho rezador) (gravação em áudio de depoimento de
Zezinho rezador)

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Imagens de santos (bi e tridimensionais) e peças tridimensionais em madeira

Observações

FIS16. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS16)

CAPELA DE SANTA AMÉLIA


Maceió-AL

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santi-


nhos de morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos
(Menino Jesus de Praga – industrializado, em madeira pintada);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


a) Expressão do indivíduo, publicamente declarada, gravação de CD de cânticos
(por Zezinho rezador);
a) Expressão do indivíduo, publicamente declarada, atribuição particular de
onomásticos (o cognome “Zezinho rezador” proveio da conversão de José
Olímpio, que declara ter encontrado na devoção a Santa Amélia o caminho da
paz e da felicidade, depois de uma vida marcada por “sangue e excessos”);

b) Expressão do grupo, publicamente declarada, atribuição coletiva de


onomásticos (o topônimo do bairro – Santa Amélia);
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção da capela;


a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construção
religiosa (a capela);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeça, braço, perna, pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em cera
(cabeça, seio), gesso (seio, pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em mate-
rial argiloso (seio, pés, mãos);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (boneca de corpo inteiro, cabeça, mão, pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (cruzes em madeira);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, P&B


e em cor, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora do Desterro, N. S. Aparecida,
N. S. da Saúde, N. S. da Imaculada Conceição, N. S. dos Navegantes, Aleitamento
de Jesus, Santa Luzia, Santa Terezinha, Santa Bárbara, Santa Rita de Cássia,
Santa Quitéria das Freixeiras, São João, São Jerônimo, São Bento, São José, São
Paulo, Santo Expedito);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Papa João Paulo II, Frei Damião de Bozzano);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos anatômicos humanos
miniaturalizados, em plástico (cabeça, braço, pernas);

FIS16. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS16)

CAPELA DE SANTA AMÉLIA


Maceió-AL

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-


ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso pesso-
al (roupas, chapéus de palha);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos decorativos (castiçal,
candelabros e jarros);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Senhor do Bonfim, Sagrado Coração de Jesus, Virgem dos Pobres, Nossa
Senhora da Imaculada Conceição, N. S. Aparecida, Santo Antônio);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero, Frei Damião de Bozzano, anjo da guarda);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, fitas;


a) Expressão de cunho individual, performance ritual, devoções particulares
(Zezinho);
a) Expressão de cunho individual, performance ritual, penitências envolvendo
interdições e/ou obrigações (entrar de joelhos na Capela, vir trajando
vestes e depositar na sala dos milagres);

b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre, expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
Dia das mães (2º domingo de maio). Nas 31 noites do mês de maio há uma
procissão com reza pela Chã de Bebedouro.

Onomástica
A partir do nome da mártir – Amélia – ouve uma assimilação com a santa católica, que
passou a incorporar a devoção, posteriormente batizando o bairro (Santa Amélia),
que antes fazia parte da Chã de Bebedouro

Produtos disponíveis sobre a devoção

- CD de Zezinho rezador (ZEZINHO REZADOR Canta o Ofício de Nossa Senhora)

FIS16. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS16)

CAPELA DE SANTA AMÉLIA


Maceió-AL

Menções prévias

Théo Brandão recolheu peças votivas no que chamava de “Alto da Santa Cruz,
Bebedouro”, integrando a obra “Ex-votos de Alagoas”. A identificação mais precisa
do lugar (Capela de Santa Amélia) me foi dada por José Carlos da Silva (Zé Carlos),
curador do Museu Théo Brandão, ainda por ocasião da primeira visita, em julho de
2006.

Interfaces

O caso de Santa Quitéria das Freixeiras (São João-PE) e de São Severino dos Ramos
(Paudalho-PE)

Outras informações

- Telefone de contato de Zezinho rezador: (82) 8842-3757;

- Museu Théo Brandão (82) 3221-2651;

- Web site: http://www.museutheobrandao.ufal.br

Referências
EX-VOTOS DE ALAGOAS: Museu Théo Brandão. Maceió: Universidade Federal de Alagoas,
1976. (Catálogo). 27p. il.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo


Observações

É um caso típico de devoção “irregular” a um perfil canônico

FIS16. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS16)

CAPELA DE SANTA AMÉLIA


Maceió-AL

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F21/Foto 16: Capela e cruzeiro 2)VS4_F21/Foto 14: interior da capela

3)VS4_F21/Foto 05: Sala dos milagres 4)VS4_F21/Foto 07: close dos santos
da Capela de Santa Amélia

5)VS4_F21/Foto 10: peças 6)VS2_F01/Foto 17: Capela de Padre Cícero


votivas amontoadas

FIS16.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS17)

IGREJA DE SANTO AMARO DE PARIPUEIRA


Paripueira-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santo Amaro de Paripueira (Padroeiro da cidade)

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santo católico Título popular Igreja
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

26 de julho de 2006, 4ª feira Juraci Pessoa Silva Santos (zeladora da


igreja)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Paripueira-AL, à beira-mar, 36 km ao norte de Maceió-AL

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja de Santo Amaro a pouco mais de cem metros da orla marítima, na
região que inspirou José Lins do Rego a escrever o romance Riacho Doce (pequena vila
litorânea cerca de vinte quilômetros ao sul de Paripueira). Região de intensa
movimentação turística.

Azimute e referente

240º SO, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Não disponível

FIS17. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS17)

IGREJA DE SANTO AMARO DE PARIPUEIRA


Paripueira-AL

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja, especialmente a “sala das promessas” e o Santuário Virgem dos Pobres, à


direita do templo.

Aspecto geral do sítio

Bem conservado. Pequena igreja com linhas barrocas, nas cores cinza e branca. A
“sala das promessas localiza-se na nave lateral direita da igreja. Nela há um altar
com imagens de Nossa Senhora de Fátima e de Nossa Senhora Aparecida.

Condições de apresentação dos artefatos

As peças são depositadas em prateleiras de cimento, num total de 32 espaços de


acomodação. Não havia uma preocupação “museológica”, portanto as peças, livremente
ofertadas, tendem a ficar sempre amontoadas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Houve recentemente problemas com a proliferação de cupins, mas na época da visita


isto já estava sanado. A “sala das promessas” passara por uma reforma recente,
quando foram instaladas as prateleiras de cimento, em lugar das de madeira.

Registros obtidos
X Fotografias(14) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo X Artefatos 5 objetos
X Outros

Observações

Com a autorização de dona Juraci, retirei 4 cabeças (uma em tecido costurado, duas
em madeira, uma em material argiloso) e uma pequena imagem de Padre Cícero, vestido
de branco.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Peças tridimensionais em madeira (partes do corpo), cera, material argiloso e


gesso. Flores ornamentais em plástico.

Observações

FIS17. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS17)

IGREJA DE SANTO AMARO DE PARIPUEIRA


Paripueira-AL

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre placa em madeira;


a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho sobre papel;


a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placas
de papel e de papelão (corações);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção do Santuário
Virgem dos Pobres (um ex-voto dado pelo reencontro de um filho que havia se
perdido, do lado de fora da igreja);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeças, braços, mãos, pernas e pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em cera
(cabeças) e em gesso (cabeças, pernas e pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em mate-
rial argiloso (cabeças, seios, pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (cabeças, corações);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto de uso penitencial
(cruz em madeira);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de cisterna;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (ampliadas, emoldura-


das ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (bonecas em plástico: corpo inteiro e cabeças);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal (roupas, vestidos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(muletas, moldes de gesso);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de Santos
católicos (Santo Amaro, São Jorge, São Francisco);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;

FIS17. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS17)

IGREJA DE SANTO AMARO DE PARIPUEIRA


Paripueira-AL

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Observei um pedido de emprego para um filho e o agradecimento pelo reencontro de um


ente que havia desaparecido. No geral, não foi possível uma identificação confiável
das motivações a partir das expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
06 a 15 de janeiro, que inclui novenário e missa todas as noites

Onomástica
Paripueira é o nome da localidade onde foi fundada a igreja, que em língua indígena
significa “praia de águas mansas”

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

Théo Brandão recolheu peças votivas nesta igreja, integrando a obra “Ex-votos de
Alagoas”.

Interfaces

Pelo santuário, o culto à Virgem dos Pobres em Maceió-AL e em Lagoa Seca-PB

Outras informações

- Museu Théo Brandão (82) 3221-2651;


- Web site: http://www.museutheobrandao.ufal.br;
- A imagem do Padroeiro, que fica no altar-mor da igreja, tem aproximadamente 20 cm.
Segundo dona Juraci Pessoa, a comunidade não aceita outra maior, nem no altar, nem
na procissão.

FIS17. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS17)

IGREJA DE SANTO AMARO DE PARIPUEIRA


Paripueira-AL

Referências
EX-VOTOS DE ALAGOAS: Museu Théo Brandão. Maceió: Universidade Federal de Alagoas,
1976. (Catálogo). 27p. il.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo


Observações

FIS17. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS17)

IGREJA DE SANTO AMARO DE PARIPUEIRA


Paripueira-AL

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F02/Foto 15: vista da igreja

2)VS2_F02/Foto 07: Altar-mor

3)VS2_F02/Foto 06: vista das prateleiras 4)VS2_F02/Foto 03: prateleira com cabeças

5)VS2_F02/Foto 10: Santuário


Virgem dos Pobres

FIS17.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS18)
CAPELA DA SANTA CRUZ DO CIGANO
Piaçabuçu-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santa Cruz do Cigano

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Mártir Capela
Popular

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

06 de janeiro de 2007, Sábado Noêmia Eloi Santana (viúva de Emanuel


Santana Neto), José Adelmo Eloi
Santana (filho e atual proprietário
do sítio).

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Piaçabuçu-AL, em sítio próximo à zona urbana da cidade

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a capela dentro de um sítio particular, pertencente a José Adelmo Eloi
Santana. À frente da capela passa uma estrada de areia, que já foi a antiga via de
acesso à cidade. Após a instalação da Petrobrás a via principal passou a ser a
estrada asfaltada que hoje liga a cidade a Feliz Deserto.

Azimute e referente

20º N, a partir da frente da capela

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Cruz construída para devoção de um cigano morto por outro companheiro supostamente
numa briga durante um almoço, há mais de 70 anos. A parada da romaria na festa de
Nossa Senhora Mãe dos Homens está fadada a se encerrar no local, já que com a morte
do patrono (Emanuel Santana Neto), a viúva (Noêmia Eloi Santana) não pretende
assumir sua continuidade.

FIS18. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS18)
CAPELA DA SANTA CRUZ DO CIGANO
Piaçabuçu-AL

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Capela e arredores

Aspecto geral do sítio

Bem conservado, ainda aos cuidados de dona Noêmia.

Condições de apresentação dos artefatos

Colocados sobre e sob o altar com a cruz.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries.

Registros obtidos
X Fotografias(15) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Imagens de santos e peças tridimensionais em madeira

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

FIS18. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS18)
CAPELA DA SANTA CRUZ DO CIGANO
Piaçabuçu-AL

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura combinada com fotografia


(emolduradas);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em


madeira (cabeça, perna);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em
material argiloso (braço);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (coração);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografia, em cor, ampliada


e emoldurada;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagem de santo católico
(Santa Quitéria das Freixeiras);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico
(terços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de
santos católicos (Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora da Conceição, São
Lázaro, São Pedro, São Benedito, São Jerônimo, Lembrança de Nova Jerusalém
– Fazenda Nova-PE);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades
afins ao catolicismo (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de divindades de
cânones não-católicos (caboclo do culto afro-brasileiro);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto utilitário
(castiçal);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Manutenção do convívio com ente querido, a cura de um ferimento causado por um
espinho no pé e dificuldade em caminhar de uma criança (ambos relatados por dona
Noêmia). No geral não foi possível uma identificação confiável das motivações a
partir das expressões observadas.

FIS18. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS18)
CAPELA DA SANTA CRUZ DO CIGANO
Piaçabuçu-AL
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
Sua maior festividade coincide com as comemorações a Nossa Senhora Mãe dos Homens,
de Feliz Deserto, cuja festa se dá em 31 de dezembro. Anteriormente havia grande
movimento em outubro e dezembro, mas após a morte do patrono, em 2006, a inclusão da
capela no caminho da romaria está ameaçada, já que, pela ausência do líder, a
família não pretende manter a tradicional parada no sítio.

Onomástica
No lugar da Santa Cruz um cigano fôra assassinado por outro companheiro,
supostamente por causa de uma briga durante um almoço. Da cruz se construiu uma
capela, que consolidou um culto doméstico.

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados.

Menções prévias

Alceu Maynard de Araújo cita a capela e a igreja matriz da cidade (esta sem culto
votivo) em “Folclore Nacional” (1967).

Interfaces

Culto a Nossa Senhora Mãe dos Homens, em Feliz Deserto-AL.

Outras informações

Referências
ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional. Vol. III. Cap. I – Ritos. 2ª ed. São
Paulo: Edições Melhoramentos, 1967.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

FIS18. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS18)
CAPELA DA SANTA CRUZ DO CIGANO
Piaçabuçu-AL

Indicativos Etnofotográficos

1) VS4_F20/Foto 14: capela e rua de areia 2) VS4_F20/Foto 15: fachada da capela

3)VS4_F20/Foto 07: altar e 4)VS4_F20/Foto 08: close do altar


cruz do cigano

5)VS4_F20/Foto 10: 6)VS4_F20/Foto 05:


ex-votos de madeira Igreja Matriz de Piaçabuçu-AL

FIS18.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS19)

IGREJA DE NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS


Feliz Deserto-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora Mãe dos Homens

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Igreja
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

06 de janeiro de 2007, Sábado Maria José Dias Barbosa (fiel), Ana Lúcia
Carlos de Oliveira (fiel) e Maria Otília
Lessa Sabino (servente).

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Feliz Deserto-AL

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja no centro da cidade de Feliz Deserto

Azimute e referente

270º O, a partir da fachada da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Segundo Alceu Maynard Araújo, “após o naufrágio, um embarcadiço que se salvou,
prometeu erigir uma capela à padroeira da cidade onde nasceu em Portugal, Feliz
Deserto, a Nossa Senhora Mãe dos Homens, santa que até então não pertencia ao rol
dos protetores domésticos da região alagoana”. Ou seja, o aparecimento da devoção e
o nome da cidade, são frutos de relações votivas.

FIS19. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS19)

IGREJA DE NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS


Feliz Deserto-AL

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Altar da igreja, onde estavam as poucas peças votivas

Aspecto geral do sítio

Estava em arrumação na oportunidade da visita. Aparentemente é uma igreja simples,


sem luxos, mas bem organizada

Condições de apresentação dos artefatos

As peças de roupa encontravam-se embaixo de uma mesa, sem nenhuma intenção


expositiva, bem como no caso das peças tridimensionais. Organizei os poucos objetos
sobre um altar, apenas na intenção de observação e documentação.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Novos, recentes e abrigados das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(11) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Roupas e peças tridimensionais em madeira

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos penitenciais e ex-votos

FIS19. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS19)

IGREJA DE NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS


Feliz Deserto-AL

Tipologia das formas verbais / escritas

a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a)Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional (nome do devoto em seio de madeira);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


a) Expressão do indivíduo, publicamente declarada, atribuição de onomástico
(topônimo da cidade);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção da igreja


matriz;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em
madeira (3 cabeças, braço, 2 seios);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em mate-
rial argiloso (cabeça pintada e perna/pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (cabeça);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al: vestes (mantos);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografia em cor,


ampliada, não emoldurada (mulher com criança de colo);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso


pessoal (roupas - vestido);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;

b) Expressão de vivência compartilhada, oblato, doação de dinheiro em espécie


para fim de caridade ou do bem da coletividade;
b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas.

FIS19. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS19)

IGREJA DE NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS


Feliz Deserto-AL

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
31 de dezembro
Antigamente a imagem de Nossa Senhora ia para a cidade vizinha de Piaçabuçu no
segundo domingo de outubro e retornava dia 30 de dezembro, em romaria a pé.

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados.

Menções prévias

Alceu Maynard de Araújo cita o culto votivo em “Folclore Nacional” (1967)

Interfaces

Culto na Capela da Santa Cruz do Cigano em Piaçabuçu-AL

Outras informações

Na romaria anual, a imagem de Nossa Senhora faz uma parada na Capela da Santa Cruz
do Cigano, em Piaçabuçu-AL.

Referências
ARAÚJO, Alceu Maynard. Folclore Nacional. Vol. III. Cap. I – Ritos. 2ª ed. São
Paulo: Edições Melhoramentos, 1967.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

FIS19. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS19)

IGREJA DE NOSSA SENHORA MÃE DOS HOMENS


Feliz Deserto-AL

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F20/Foto 26:
fachada da igreja 2)VS4_F20/Foto 25:
interior da igreja

3)VS4_F20/Foto 21: ex-votos sobre um 4)VS4_F20/Foto 20: roupas votivas


altar improvisado

FIS19.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS20)

TÚMULO DO PADRE ZUZINHA


Santa Cruz do Capibaribe-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Padre Zuzinha
[José Pereira de Assunção]
* 09/04/1905
† 05/10/1983

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Personalidade Cemitério
Popular carismática e capela

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

08 de janeiro de 2007, 2ª feira Maria Auxiliadora Bezerra Gazetti,


Cleide Bezerra, Antônio Romildo Bezerra

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Santa Cruz do Capibaribe-PE, Cemitério São Judas Tadeu e Praça Padre Zuzinha

Situação geográfica

Agreste

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Cemitério São Judas Tadeu na área urbana de Santa Cruz do Capibaribe-
PE. A capela com o túmulo de Padre Zuzinha fica bem de frente para a entrada do
cemitério, tornando ainda mais fácil a sua localização.

Azimute e referente

160º S, a partir da frente do túmulo (entrada da capela)

Informação sumária sobre o histórico da devoção


O culto se iniciou desde a sua morte, em 1983

FIS20. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS20)

TÚMULO DO PADRE ZUZINHA


Santa Cruz do Capibaribe-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Capela e túmulo no Cemitério São Judas Tadeu (o que inclui a Sala dos Milagres) e
Praça Padre Zuzinha (onde se encontra a estátua, de poucas deposições votivas), no
centro da cidade.

Aspecto geral do sítio

A capela é uma réplica da Igreja Matriz de Santa Cruz do Capibaribe (Bom Jesus dos
Aflitos e São Miguel, de 1874), onde Padre Zuzinha serviu por várias décadas. Em
dois ambientes, na área principal localiza-se o túmulo, em mármore, e à esquerda da
entrada está a Sala dos Milagres. É um ambiente cuidado com muito zelo.

Condições de apresentação dos artefatos

Geralmente são depositadas no túmulo, sendo depois encaminhadas para a Sala dos
Milagres. As fotografias são afixadas nas paredes, há uma estante com miniaturas de
casas e imagens de santos tridimensionais.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries.

Registros obtidos
X Fotografias(27) ? Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria (Santinho da Missa de 30 dias) ? Catálogo
X Outros (livro “Padre Zuzinha – Biografia”)

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Fotografias emolduradas

Observações

FIS20. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS20)

TÚMULO DO PADRE ZUZINHA


Santa Cruz do Capibaribe-PE

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura compondo fotografia emoldu-
rada;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultado de exame de saúde (ana-
tomia patológica);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de passamento (santinho
de morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinho de campanha política;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

b) Expressão do grupo, publicamente declarada, atribuição de onomástico


(topônimos: Praça e Escola Padre Zuzinha);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre madeira


(Frei Damião);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção da capela no
Cemitério (que abriga o túmulo);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de construções
habitacionais (casas em argila e metal);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeça);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em cera
(corpo inteiro, cabeça, perna);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (perna);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (vestes – mantas);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em
P&B e em cor, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Menino Jesus de Praga, Nossa Senhora do Desterro, N. S. do Bom Parto,
N. S. do Carmo, Santa Luzia, Santa Terezinha, São José, Santo Antônio);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (terços
e escapulários);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal (roupas, roupas de bebê, calçados);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de construções habi-
tacionais (casas em madeira, adaptadas de cofrinho de feira);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos decorativos (espelho);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Menino Jesus de Praga, Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora da
Imaculada Conceição, N. S. Aparecida, Santa Terezinha);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero, Frei Damião de Bozzano);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;

FIS20. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS20)

TÚMULO DO PADRE ZUZINHA


Santa Cruz do Capibaribe-PE

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas e fitas;


b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
05 de outubro (missa e romaria, da Igreja Matriz até o Cemitério São Judas Tadeu)
02 de novembro (dia de Finados)
29 de setembro (festa da Paróquia)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro Padre Zuzinha (Biografia), de Lindolfo Pereira de Lisboa;


- Santinho da Missa de 30 dias

Menções prévias

Marcílio Lins Reinaux (1988) cita a devoção, então incipiente

Interfaces

Outras informações

- Ainda não há um movimento em prol da canonização do Padre Zuzinha;


- Todos os depoimentos que ouvi sobre Padre Zuzinha fortaleceram a tônica de que ele
era “diferente” dos outros padres cultuados na região (Padre Cícero e Frei Damião):
reforça-se a sua benevolência e espiritualidade. Ouvi narrativas repetidas (Padre
José Maria, em Natal-RN) sobre isso.

FIS20. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS20)

TÚMULO DO PADRE ZUZINHA


Santa Cruz do Capibaribe-PE

Referências

LISBOA, Lindolfo Pereira de. Padre Zuzinha (Biografia). Santa Cruz do


Capibaribe (PE): Edições Mirian Regina, 2003. 170p. il.

REINAUX, Marcílio Lins. Aspectos artísticos e históricos da estatuária e dos


ex-votos do Nordeste. Dissertação de Mestrado. Recife: Universidade Federal de
Pernambuco (UFPE)/Centro de Filosofia e Ciências Humanas/Departamento de
História/Mestrado em História, 1988. 242p. il.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo


Observações

Pelo caráter espontâneo, popular, da origem do culto

FIS20. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS20)

TÚMULO DO PADRE ZUZINHA


Santa Cruz do Capibaribe-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F23/Foto 16: capela em perspectiva

2)VS4_F23/Foto 18: túmulo e


interior da capela

3)VS4_F23/Foto 02: vista geral


da sala dos milagres

4)VS4_F23/Foto 08: prateleira


de ex-votos

5)VS4_F23/Foto 01: fotografias na parede 6)VS4_F23/Foto 20: Praça Padre Zuzinha

FIS20.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS21)

SERRA DO HORTO – PADRE CÍCERO


Juazeiro do Norte-CE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção
Padre Cícero
[Cícero Romão Batista]
* 24/03/1844
† 20/07/1934

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Eclesiástico Não-canônico Personalidade Santuário
e popular carismática

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

20 e 21 de janeiro de 2004, 3ª e 4ª Não houve


feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Juazeiro do Norte-CE, Serra do Catolé (Serra do Horto)

Situação geográfica
Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o monumento no alto da Serra do Catolé, batizada pelo padre de “Horto”,
um dos seus locais de repouso. Dali se avista toda a cidade e de qualquer ponto dela
se é visto. Na época da visita estavam adiantadas as obras da Igreja do Bom Jesus do
Horto, um sonho não realizado do Padre Cícero

Azimute e referente
Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Padre Cícero chegou em Juazeiro em 11 de abril de 1872. Tornou-se capelão da Capela
de Nossa Senhora das Dores, no Crato. Ainda em vida se lhe atribuíam milagres,
notadamente a partir do episódio da hóstia que sangrou perante a beata Maria de
Araújo (em 06 de março de 1889, uma sexta-feira da quaresma), fato que transformou o
cenário religioso local e culminou na sua suspensão da ordem religiosa, acusado que
foi de promover embustes e gerar fanatismo

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Santo sepulcro, estátua, Museu Vivo do Padre Cícero, Memorial e casa dos milagres.
Feira nos entornos do monumento

FIS21. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS21)

SERRA DO HORTO – PADRE CÍCERO


Juazeiro do Norte-CE

Aspecto geral do sítio

Bem cuidado. Preparado para o Turismo Religioso, se não na infra-estrutura da


cidade, ao menos na Serra do Horto

Condições de apresentação dos artefatos

Num organizado museu, em prateleiras e pendurados nas paredes

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(64 + 07 cromos) X Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria  Catálogo
X Outros (livreto, “Jornalzinho dos Afilhados do Padre Cícero”)
X Artefatos (olho de madeira, comprado na feira)

Observações

Observação direta informal, com ficha posterior

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Peças tridimensionais em madeira e fotografias

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos, votos de renovação, ex-votos penitenciais e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

Observação não sistematizada neste caso

Tipologia das formas verbais /faladas

Observação não sistematizada neste caso

FIS21. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS21)

SERRA DO HORTO – PADRE CÍCERO


Juazeiro do Norte-CE

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

Observação não sistematizada neste caso

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Observação não sistematizada neste caso

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

Observação não sistematizada neste caso

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
02 de fevereiro (Nossa Senhora das Candeias, com romaria)
24 de março (nascimento do Padre Cícero)
20 de julho (dia de sua morte)
15 de setembro (Festa da Padroeira Nossa Senhora das Dores, com romaria)
01 de novembro (dia do romeiro)
02 de novembro (romaria do Padre Cícero)
Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livreto “Padre Cícero”, de autoria do Pe. Francisco Murilo de Sá Barreto,


adquirido em Salvador-BA;
- Revista “A vida de Padre Cícero em quadrinhos – o conselheiro do Sertão”

Menções prévias
Luís da Câmara Cascudo referiu Padre Cícero no rol dos “santos populares”
brasileiros [1974]. Seu culto também foi citado por Marcílio Lins Reinaux
(1988)
Interfaces

Outros religiosos (alguns em perfil protocanônico) como Padre Ibiapina, Frei


Damião de Bozzano, Padre Zuzinha e Irmã Dulce

FIS21. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS21)

SERRA DO HORTO – PADRE CÍCERO


Juazeiro do Norte-CE

Outras informações

- Construiu a Igreja Matriz de Nossa Senhora das Dores (1875-1884);

- Foi o primeiro prefeito de Juazeiro do Norte, fazendo alianças entre


latifundiários e políticos;

- Atualmente tenta-se a reabilitação do Padre Cícero perante o Vaticano, medida


que possibilitaria a abertura do seu processo de beatificação;

- Em testamento, o Padre Cícero determinou que os Salesianos fossem os seus


herdeiros. Hoje sua obra continua sendo administrada por este grupo religioso, que
empreende a construção da Igreja do Senhor Bom Jesus do Horto e se empenha na
reabilitação do religioso perante a Santa Sé

Referências
BARRETO, Pe. Francisco Murilo de Sá. Padre Cícero. São Paulo: Edições Loyola,
2002. 86p.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto  Médio  Baixo

Observações

FIS21. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS21)

SERRA DO HORTO – PADRE CÍCERO


Juazeiro do Norte-CE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS1_F05/Foto 06: prédio do Museu Vivo 2)VS1_F05/Foto 02: expositor com imagens
do Padre Cícero no Museu

4)VS1_F05/Foto 13: estátua do


3)VS1_F05/Foto 01: expositor Padre Cícero
de fotografias no Museu

5)VS1_F06/Foto 22: ex-votos à venda no 6)VS1_F06/Foto 16: banca de venda de


comércio em torno da Serra peças votivas

FIS21.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS21)

SERRA DO HORTO – PADRE CÍCERO


Juazeiro do Norte-CE

Indicativos Etnofotográficos

7)VS1_F06/Foto 11: imagens de santos à 8)VS1_F06/Foto 23: venda de lembranças e


venda objetos litúrgicos

9)VS1_F06/Foto 17: santos e ídolos 10)VS1_F06/Foto 08:banca de “curas”

11)VS1_F06/Foto 19: banca de “curas” 2 12)VS1_F06/Foto 25: pintura no Hotel


Panorama

FIS21.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Bom Jesus da Lapa

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Eclesiástico Canônico Santo Cristo Santuário
em gruta

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

01 e 02 de janeiro de 2007, 2ª e 3ª Não houve


feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Bom Jesus da Lapa-BA, Praça da Esplanada

Situação geográfica

Sertão, Médio São Francisco

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário do Bom Jesus da Lapa num conjunto de grutas (lapas) no leito
direito do Médio Rio São Francisco. São muitas galerias, com diferentes
referências religiosas. “A boca da Gruta do Senhor Bom Jesus, onde está localizado
o Santuário, está situada a 20 metros sobre o nível do rio e voltada para o poente.
Em sua frente foi criada, entre 1915/20, uma esplanada para celebrações, ampliada
em 1946, onde estão estátuas, em bronze dos apóstolos. À esquerda do altar campal,
se eleva a torre (40m) e à direita da boca da gruta se inicia a Via-Sacra, que
termina no cume do morro” (IPAC)

Azimute e referente

325º NO, a partir da frente da boca principal entrada do Santuário

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção ao Bom Jesus e à Senhora Mãe da Soledade se iniciou em fins do século XVII
(1691), fundada pelo eremita Francisco Mendonça Mar, depois tornado padre
Francisco da Soledade

FIS22. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Todo o Santuário, principalmente as Salas dos Milagres: 1) Esplanada e área comer-


cial; 2) Cova da Serpente, com pia batismal; 3) Gruta (Santuário) do Santíssimo
Sacramento; 4) Santuário do Bom Jesus; 5) Cova da Onça; 6) Cova do Monge (Sepulcro do
Padre Francisco); 7) Gruta (Santuário) de Nossa Senhora da Soledade; 8) Sala dos
Milagres; 9) Gruta de São Geraldo; 10) Gruta de Santa Luzia; 11) Alto do Cruzeiro;
12) Rio São Francisco

Aspecto geral do sítio

Trata-se de uma gruta transformada em igreja. É um santuário amplo e muito bem


organizado, administrado pelos Missionários Redentoristas. Ao contrário de outros
cultos em grutas, este caso tem luz abundante e apresenta galerias com relativamen-
te boa condição de ventilação. “A gruta do Bom Jesus, transformada em igreja, mede
aproximadamente 11x50m, com pé direito de 7m, em seu trecho mais dilatado” (IPAC)

Condições de apresentação dos artefatos

A Sala dos Milagres situa-se logo após a Gruta de Nossa Senhora da Soledade, e
apresenta os artefatos pendurados ou encostados nas paredes e nas prateleiras
naturais. Apesar da setorização temática, parece não haver nenhum caráter
expositivo especial, além do senso de organização estética de quem deposita as
ofertas votivas

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários
As peças ficam protegidas das intempéries, mas sofrem com a umidade local

Registros obtidos
X Fotografias(103)  Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria  Catálogo
X Outros (livretos)  Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Peças tridimensionais em cera e em madeira, fotografias, e relatos manuscritos

Observações

Há também muitos objetos de uso terapêutico (ortopédicos em especial) e roupas.


Muitas miniaturas de casas

FIS22. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos, votos de renovação, ex-votos penitenciais, ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em fita de tecido, placa de
metal e de plástico;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre vinil;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-
mensional (miniaturas de casas, cruzes de madeira, cinta ortopédica);

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, relato gravado em alto relevo
sobre placa de metal (placa de automóvel, placa votiva);
b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, relato gravado em baixo
relevo sobre pedra (mármore);

c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, datilografia sobre papel


(compondo quadro fotográfico emoldurado);
c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em processo
informatizado (matricial, jato de tinta ou laser) sobre papel, integrando
fotografia;
c) Colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, colagem em processo de
plotagem eletrônica (sign) sobre vinil;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, documentos pessoais, em fotocó-


pia: Carteira de Identidade/Registro Geral (RG), cartão profissional;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, cheques (Bradesco, Banco
Econômico);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados e laudos de exames de
saúde;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na vida
pessoal: convites de aniversário;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na vida
acadêmica: certificados e diplomas de conclusão de cursos (UFG, formação de
técnico em enfermagem, diploma do “Pré”, avaliações acadêmicas – provas e
trabalhos);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento: santi-
nhos de morte;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinhos de campanha política;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (Bom
Jesus da Lapa, Santa Luzia, Santo Expedito, São Jorge);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, outros registros: placa ornamen-
tal em madeira, pirografada “Pegadas na Areia”; Folhinha de divulgação de
estabelecimento comercial;

FIS22. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em silên-


cio;
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, atribuição coletiva de onomásticos
(topônimo do município);
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pinturas sobre papel,


placa de madeira, tecido, emolduradas ou não;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho sobre papel, em
grafite;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de
papel (coração);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção do santuário;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções
habitacionais (em papel, isopor, madeira, vidro, cerâmica) ou religiosas (em
papel);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, esculturas em madeira
(corpo inteiro ou partes do corpo: cabeças, dorsos femininos, seios, coração,
rins, dedos, pernas, joelhos, pés), em alguns casos pintadas ou com acréscimo de
roupas em tecido;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(corpo inteiro ou partes do corpo: cabeças, orelhas, braços, seios, coração,
traquéias, pulmões, costelas, pênis, pernas, joelhos, pés, mãos) e em gesso
(braços, pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos modelados em
material argiloso (corpo inteiro ou partes do corpo: cabeças, mãos, pés, mãos em
baixo relevo) ou massa de modelar (cabeças);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos costurados em
tecido;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (cruzes em madeira);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (em cor e


em preto-e-branco, em 2x2, 3x4 ou ampliadas, emolduradas ou não);
b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias montadas e
tratadas digitalmente, impressa em processo informatizado, emolduradas ou não;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (em cor e em preto-e-


branco, em 2x2, 3x4 ou ampliadas, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados de exames de saúde
(radiografias);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Sagrado Coração de Jesus, Bom Jesus da Lapa, Santa Bárbara, Santo
Antônio, São Sebastião, São Cristóvão, São Jorge, Santa Ceia);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Yemanjá);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (João Paulo II);
FIS22. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas pessoais


(caixa de alianças de casamento);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados: bonecas em plástico (corpo inteiro);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de animais domésticos
ou de criação (bovinos em argila);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico:
cadeira de rodas, aparelhos ortopédicos (cintas e botas, andador), bengalas,
muletas, cajados, moldes de gesso, aparelhos de traqueotomia, óculos;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços, escapulários, crucifixos, medalhinhas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso acadêmico (cader-
nos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal: roupas, roupas de bebê, gravatas, sandálias, calçados, óculos de sol,
bonés, chapéus (de couro, de palha e de pano), carteira em couro;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso profissional
(instrumentos musicais);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, material de construção (telhas e
blocos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, outros objetos (caixas de remé-
dios, quadro com escudo do C. R. Flamengo, malas, cálice em inox, lata e garrafa
de cerveja, miniaturas de igrejas, bicicletas, volantes de caminhão, cela de
cavalo pequena);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Menino Jesus, Nossa Senhora Aparecida, Santa Bárbara, Santo Antônio,
São José, São Cristóvão, São Sebastião);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, zoomórfica, chifres (de boi);

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas;


a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas;
a) Expressão de cunho individual, performance ritual, penitências envolvendo
interdições e/ou obrigações (seguir de joelhos até o Santuário de Bom Jesus);

b) Expressão de vivência compartilhada, oblato, doação de dinheiro em espécie para


fim de caridade ou do bem da coletividade;
b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, participação em ritos
coletivos: romarias e peregrinações ao Santuário;
b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
É comum se observar menções a casamentos, aprovação em atividades acadêmicas e
aquisição de bens de consumo. De forma geral, não foi possível uma identificação
mais confiável das motivações a partir das expressões observadas

FIS22. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
02 a 06 de agosto, dia mais importante. A festa é precedida de novena. Celebra-se
ainda a festa de Nossa Senhora da Soledade, em 15 de setembro

Onomástica
A cidade ganhou o nome em virtude da devoção que se estabelecera nela

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro “O Sertão das romarias – um estudo antropológico sobre o Santuário de Bom


Jesus da Lapa”, de Carlos Alberto Steil (1996);
- Livro “Romaria do Bom Jesus da Lapa na Bahia”, da FUNARTE/Fundação Cultural
do Estado da Bahia;
- Livretos: “Guia dos Peregrinos e Turistas do Santuário Bom Jesus da Lapa”,
“Bom Jesus da Lapa” (do Pe. Francisco Micek, CSsR), “Bom Jesus da Lapa” (dos
Missionários Redentoristas da Bahia) e “Missionários Redentoristas em Bom
Jesus da Lapa” (do Pe. Francisco Micek);
- Vídeo documentário produzido pelo Instituto de Rádio e Difusão do Estádio da
Bahia (IRDEB);
- Folheto dos “Cantos da Igreja da Lapa”;
- Fitinha da devoção

Menções prévias

Menções de Carlos Alberto Steil, Marcílio Lins Reinaux e o vídeo do IRDEB, além do
o
Inventário do IPAC, n : BR:03904-1.0-I001

Interfaces

Outros cultos em grutas (Ibiqüera-BA e Ituaçu-BA) ou dedicados ao Bom Jesus da Lapa


(Ibiqüera-BA)

Outras informações

- A impressão de efervescência religiosa é muito mais forte em Bom Jesus da Lapa do


que em qualquer dos outros locais visitados;
- Na área comercial ainda se pode encontrar os tradicionais estúdios
fotográficos (Foto Garcia e Foto jiquitaia), que oferecem cenários coloridos
e com temática religiosa. Também se pode fotografar montado em bovinos
especialmente preparados;
- Imóvel de propriedade da Diocese de Bom Jesus da Lapa;
- Inventário IPAC produzido entre novembro de 1981 e setembro de 1992

Referências
o
Inventário do IPAC, n : BR:03904-1.0-I001

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa


X Alto  Médio  Baixo
Observações
Trata-se de um sítio de efervescente apelo religioso, com um volume incomum de
ofertas votivas e uma tradição de mais de três séculos

FIS22. 6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F17/Foto 20:vista geral do 2)VS4_F17/Foto 14:entrada da gruta


Santuário

3)VS4_F17/Foto 11: torre e estátua 4)VS4_F17/Foto 10: placa na


do Padre Francisco da Soledade estátua do Padre Francisco da
Soledade

5)VS4_F15/Foto 22: vista interna 6)VS4_F17/Foto 08: altar do Bom


do 1º salão Jesus da Lapa

FIS22.7
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS22)

SANTUÁRIO DE BOM JESUS DA LAPA


Bom Jesus da Lapa-BA

Indicativos Etnofotográficos

7)VS4_F16/Foto 11: vista geral 8)VS4_F16/Foto 03: parede de


da parede de retratos retratos

9)VS4_F15/Foto 12: comércio 10)VS4_F17/Foto 17: vista do Alto


defronte ao Santuário do Cruzeiro

11)VS4_F17/Foto 06: espelho 1: 12)VS4_F17/Foto 22: espelho 2:


vista do interior do 1º salão vista da margem oposta do Rio
São Francisco

FIS22.8
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS23)

CONVENTO DE SÃO FÉLIX DE CANTALICE – TÚMULO DO FREI DAMIÃO


Recife-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Frei Damião de Bozzano


[Pio Gianotti]
* 05/11/1898
† 31/05/1997

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Protocanônico Servo de Deus Convento/
Eclesiástico Túmulo

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

28 de julho de 2006, 6ª feira Mafalda Souza (guia do Museu)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Recife-PE, Bairro do Pina


Situação geográfica

Litoral
Descrição topográfica e caracterização do ambiente
Localiza-se o Convento de São Félix dentro do bairro do Pina, próximo ao Aeroclube.
Na parte interna, há duas imagens de Frei Damião, uma em um veleiro (em pedra) e
outra com ex-votos, à frente da Capela de Nossa Senhora das Graças, onde descansa
seu túmulo. Numa capela lateral há ainda outra imagem. O pequeno museu (inaugurado
em 29 de maio de 1999) recria ambientes e apresenta objetos de uso litúrgico e
pessoal, usados por Frei Damião. Há um escritório que trabalha pela sua beatifica-
ção (desde 2003).

Azimute e referente
180º S, é a direção para que olha a estátua de Frei Damião (votiva). A frente
da Capela aponta para 210º SO.

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Foi neste Convento que viveu Frei Damião. Ainda em vida se lhe atribuíam milagres.
Desde 1949 a Paróquia de Alagoa Grande já tratava o religioso como “Incansável
Missionário da Paraíba”, conforme se lê numa “Lembrança das Missões de Frei Damião”

FIS23. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS23)

CONVENTO DE SÃO FÉLIX DE CANTALICE – TÚMULO DO FREI DAMIÃO


Recife-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Convento, estátua (em tamanho natural) e Capela de Nossa Senhora das Graças, com o
túmulo de Frei Damião. Museu e lojinha de artigos religiosos.

Aspecto geral do sítio

O Convento tem um ambiente agradável. A Capela octogonal, que abriga o túmulo (gran-
de, em mármore), é de construção recente e requintada, com piso em granito. Bem
iluminada e ventilada, ouve-se música sacra em volume moderado. Há três urnas de
ofertas, uma imagem tridimensional de Nossa Senhora das Graças e um ícone de Jesus
Cristo.

Condições de apresentação dos artefatos

Objetos são depositados livremente aos pés da estátua, defronte à Capela, ficando
expostos às intempéries. São pregados, amarrados ou apenas deixados ao lado da
imagem.

Condição de conservação dos artefatos expostos


 Boa X Regular  Ruim
Comentários

Na estátua as peças ficam expostas às intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(12)  Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria  Catálogo
X Outros (livro e dois livretos de cordel)  Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Fotografias, relatos escritos (estátua)

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos

FIS23. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS23)

CONVENTO DE SÃO FÉLIX DE CANTALICE – TÚMULO DO FREI DAMIÃO


Recife-PE
Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado ou não);


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre objeto votivo
bidimensional (verso de fotografias);
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre fita de tecido;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, boletim religioso;


d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquista
profissional (cartão de visita profissional);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em


madeira;

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (em


cor, 3x4 e ampliadas, sem moldura);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso pessoal


(roupas, caneta);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico
(terços, escapulário);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, material de construção
(bloco);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores, ramos e folhas de vegetais;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas, fitas, pedras;e ritual, queima de


fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Observei pedidos relativos a: abstinência do uso de drogas, solicitação de empre-
go, reatamento de relacionamento amoroso. Agradecimento à realização do casamen-
to. De modo geral não foi possível uma identificação confiável das motivações a
partir das expressões observadas.

FIS23. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS23)

CONVENTO DE SÃO FÉLIX DE CANTALICE – TÚMULO DO FREI DAMIÃO


Recife-PE
INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas

31 de maio (morte)
05 de novembro (nascimento)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro Frei Damião – O Santo das Missões (de autoria de Gildson Oliveira),
adquirido na lojinha do Convento.
- Dois livretos de Cordel, de autoria do Frade /Frei Jociel Silva, OFMCap. (A
Vida de Frei Damião e O Encontro de Frei Damião Com Padre Cícero no Céu),
adquirido nesta mesma lojinha.
- Livreto “Frei Damião e Milagres”, de autoria de Robson Araújo Marques,
adquirido em Sousa-PB

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Parece, junto com o Memorial de Guarabira, ser o centro mais expressivo do culto a
Frei Damião, aos quais se juntam as estátuas nas cidades de Sousa-PB e o Santuário e
estátua em São Joaquim do Monte-PE. Vi também uma estátua de Frei Damião na entrada
da cidade de Solânea-PB, mas sem manifestações votivas associadas.

Outras informações

- O perfil de frei Damião consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira,
pp. 165 e 166;
- Protocolo nihil obstat: 2475;
- Nihil obstat: 06 de julho de 2002;
- Autor da causa: Frades Capuchinhos, Rua José Rodrigues, 160, Bairro do Pina,
CEP 51011-400, Recife-PE;
- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no livro
Candidatos ao Altar

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

 Alto X Médio  Baixo

Observações

FIS23. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS23)

CONVENTO DE SÃO FÉLIX DE CANTALICE – TÚMULO DO FREI DAMIÃO


Recife-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F3/Foto 29:
vista da estátua e da capela

2)VS2_F3/Foto 28: Estátua de


Frei Damião com fitas

3)VS2_F3/Foto 31: 4)VS2_F3/Foto 34:


vista de trás da estátua Túmulo de Frei Damião

5) VS2_F4/Foto 02: barraca de venda

FIS23.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS24)

MEMORIAL FREI DAMIÃO


Guarabira-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Frei Damião de Bozzano


[Pio Gianotti]
* 05/11/1898
† 31/05/1997

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Protocanônico Servo de Deus Memorial
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

30 de julho de 2006, Domingo Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Guarabira-PB
Situação geográfica

Brejo paraibano

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Memorial no alto de uma elevação, com vista panorâmica em 360o,
especialmente para a cidade de Guarabira. A construção do Memorial teve início em
25 de março de 2000 e foi inaugurado em 19 de dezembro de 2004. A estátua, de 22m de
altura, é de autoria de Alexandre Azedo de Lacerda.

Azimute e referente
170º SE, é a direção para que olha a enorme imagem de Frei Damião.

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Ainda em vida se lhe atribuíam milagres. Desde 1949 a Paróquia de Alagoa Grande já
tratava o religioso como “Incansável Missionário da Paraíba”, conforme se lê numa
“Lembrança das Missões de Frei Damião”

FIS24. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS24)

MEMORIAL FREI DAMIÃO


Guarabira-PB

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Estátua, Memorial, Sala de Ex-votos/de Promessas.

Aspecto geral do sítio

O Memorial estrutura-se para ser grande, apresentando uma eficaz interpretação da


vida de Frei Damião. Os objetos são bem expostos, num ambiente muito bem iluminado.
A Sala de Ex-votos/de Promessas é limpa, clara e simples. Não é muito espaçosa, mas
é muito bem organizada.

Condições de apresentação dos artefatos

Na Sala de Ex-votos/de Promessas, havia algumas peças coladas na parede


(fotografias, radiografias e relatos escritos), outras presas com prego (peças
tridimensionais). Havia um expositor vertical e circular, com manuscrituras;
outros dois em forma de tabuleiro, com peças tridimensionais diversas. Fitas e
cordões em cabides; terços pendurados no teto; roupas em prateleiras. Sobre estas,
imagens de santos e miniaturas (animais, casas). Havia uma prateleira com peças
tridimensionais. Observei também uma pasta-arquivo com muitos manuscritos sobre
papel.
No Museu, havia painéis impressos, com fotografias e textos de registros de
milagres e algumas peças tridimensionais expostas sobre prateleiras na parede e em
uma vitrine-estante.
No colo da estátua que integra o museu, no 1º pavimento, havia alguns ex-votos: duas
mãos e uma perna de madeira, uma cópia de documento com manuscritos e alguns pacotes
de velas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam reservadas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(12) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

FIS24. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS24)

MEMORIAL FREI DAMIÃO


Guarabira-PB

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Fotografias, peças em madeira, roupas (Sala de Ex-votos/de Promessas). No Museu


predominam peças tridimensionais em madeira.

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos, ex-votos penitenciais e ex-votos propriamente ditos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado ou não);


a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

c) Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em


processo serigráfico (letra set);

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento


(santinhos de morte, de missa de 7º dia, de missa de dois meses de morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, cartaz de campanha política;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, nota de dinheiro antiga;

Tipologia das formas verbais /faladas

a)Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel;


a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho sobre papel;
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional,objeto esculpido em madei-
ra (corpo inteiro e partes do corpo – cabeças, mãos, pernas, pés), pinta-
da/envernizada ou não;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em cera,
gesso (cabeças), material argiloso (bebê em cerâmica) e isopor;
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional,objeto costurado em tecido
(bonecas inteiras e partes do corpo – cabeça);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções
habitacionais (casas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional,objetos de uso penitenci-
al (cruzes em madeira);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (em cor,


3x4 e ampliadas, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo ou de personalidades públicas

FIS24. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS24)

MEMORIAL FREI DAMIÃO


Guarabira-PB

(Frei Damião, Padre Cícero);


c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados de exames
(radiografia);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo ou de personalidades públicas (Padre Cícero, Pomba do Espírito
Santo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de boneca em plástico
(corpo inteiro e partes do corpo – cabeça, perna);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso pessoal (roupas,
vestidos, cordão-cinto, boné, calçados);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(lentes de contato);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico
(terços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, garrafa de aguardente de cana;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, asas de anjinho, máscara;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso acadêmico
(cadernos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, material de construção (tijolo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários (garrafa de
água, panela) (no Museu);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas, fitas, pedras;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Na Sala dos Milagres/Promessas pude observar alguns PEDIDOS (união dos filhos) e
AGRADECIMENTOS (saúde, aprovação em vestibular, carteira de motorista). De modo
geral, não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das
expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas

31 de maio (morte)
05 de novembro (nascimento)

Onomástica

FIS24. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS24)

MEMORIAL FREI DAMIÃO


Guarabira-PB

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro Frei Damião – O Santo das Missões (de autoria de Gildson Oliveira),
adquirido em Recife-PE.
- Dois livretos de Cordel, de autoria do Frade /Frei Jociel Silva, OFMCap. (A Vida
de Frei Damião e O Encontro de Frei Damião Com Padre Cícero no Céu).
- Livreto “Frei Damião e Milagres”, de autoria de Robson Araújo Marques, adquirido
em Sousa-PB.

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Parece, junto com o Convento de São Félix de Cantalice, ser o centro mais expressivo
do culto a Frei Damião, aos quais se juntam as estátuas nas cidades de Sousa-PB e
São Joaquim do Monte-PE. Vi também uma estátua de Frei Damião na entrada da cidade
de Solânea-PB, mas sem manifestações votivas.

Outras informações

- Consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira, pp. 165 e 166;
- Protocolo nihil obstat: 2475;
- Nihil obstat: 06 de julho de 2002;
- Autor da causa: Frades Capuchinhos, Rua José Rodrigues, 160, Bairro do Pina, CEP
51011-400, Recife-PE;
- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no livro Candidatos ao
Altar.

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações

Por marcar um tempo e um espaço nesta devoção, que certamente ainda irá se
desenvolver notadamente.

FIS24. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS24)

MEMORIAL FREI DAMIÃO


Guarabira-PB

Indicativos Etnofotográficos

2) VS2_F6/Foto 18: Peças do museu

1)VS2_F6/Foto 34: estátua do


Frei Damião

4)VS2_F6/Foto 24: vista geral da SM

3)VS2_F6/Foto 23: entrada da


Sala de ex-votos/de promessas

5) VS2_F6/Foto 26: Peças votivas e Padre Cícero

FIS24.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS25)

SANTUÁRIO E ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


São Joaquim do Monte-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Frei Damião de Bozzano


[Pio Gianotti]
* 05/11/1898
† 31/05/1997

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Protocanônico Servo de Deus Santuário e
Eclesiástico estátua

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

07 de janeiro de 2007, Domingo Janaílson (Jê)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

São Joaquim do Monte-PE. A estátua fica na Praça da Igreja Matriz

Situação geográfica

Agreste

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário no alto de uma colina que contorna a cidade de São Joaquim
do Monte, o que proporciona uma vista panorâmica para a cidade e seus entornos.

Azimute e referente
300º NO, é para onde se dirige o olhar da estátua do Frei, de frente para a
cidade. 340º N, se dirige o olhar do Frei na estátua atrás da Igreja Matriz

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Ainda em vida se lhe atribuíam milagres. Desde 1949 a Paróquia de Alagoa Grande já
tratava o religioso como “Incansável Missionário da Paraíba”, conforme se lê numa
“Lembrança das Missões de Frei Damião”.

FIS25. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS25)

SANTUÁRIO E ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


São Joaquim do Monte-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Na cidade: estátua (atrás da Igreja Matriz) e arredores. No Santuário: estátua,


cruzeiro e, ao lado, imagem de Nossa Senhora, altar de Santo Antônio, altar do Padre
Cícero, capela, veleiro e sala dos milagres.

Aspecto geral do sítio

Amplo e bem ventilado. Utiliza bem os recursos naturais, com pedras pintadas e a
representação de muitos animais.

Condições de apresentação dos artefatos

São afixados diretamente pelos devotos ou zeladores do espaço, dentro e fora da


sala dos milagres. Há uma certa ordem quanto aos agrupamentos (por tipo).

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa X Regular  Ruim
Comentários

Na estátua do Santuário ficam expostos às intempéries. Na sala dos milagres a


condição de conservação é boa, em virtude do abrigo.

Registros obtidos
X Fotografias(34)  Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria (Santinho da Missa de 30 dias)  Catálogo
 Outros

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Na estátua do Santuário predominam fitas, escritos e fotografias. Na Sala dos


Milagres, fotografias, peças tridimensionais em madeira e imagens de santos
(tridimensionais).

Observações

FIS25. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS25)

SANTUÁRIO E ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


São Joaquim do Monte-PE

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em fita de tecido (nomes e
assinaturas);
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em parede;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na vida


pessoal (lembrança de 1ª Comunhão);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na vida
acadêmica (avaliações escolares);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (Santo
Expedito);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel;


a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho sobre papel;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de
madeira (mão, pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(corpo inteiro, cabeças, pernas, braços e mãos);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(corpo inteiro, cabeças, braços, seios, pênis);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (mantos, cruzes em madeira);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografia (ampliada e


em cor);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor e em P&B, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, quadro em tecelagem de um cavalo
(cara);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Jesus Cristo, Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora do Sagrado
Coração, N. S. do Bom Parto, Santa Luzia, Santo Antônio de Pádua, São Lázaro, São
Severino Mártir, São Jorge);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Frei Damião de Bozzano, Irmã Dulce, Padre Cícero, Papa João
Paulo II);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (bonecas em plástico, de corpo inteiro, braço. Em alguns casos com rou-
pas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços, escapulários, o tau);

FIS25. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS25)

SANTUÁRIO E ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


São Joaquim do Monte-PE

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso


pessoal (roupa de bebê, cordão franciscano de fita trançada);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso decorativo (másca-
ra de motivo oriental);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora da Imaculada Conceição, N.
S. Aparecida);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Yemanjá);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Anjos, Frei Damião de Bozzano, Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas e velas;


b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
30 de agosto ou 1º de setembro há uma romaria que sai da estátua atrás da Igreja
Matriz de São Joaquim do Monte e vai até o Santuário.

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livreto “Frei Damião e Milagres”, de autoria de Robson Araújo Marques, adquirido


no Vale dos Dinossauros, em Sousa-PB;

- Livro Frei Damião – O Santo das Missões (de autoria de Gildson Oliveira), adqui-
rido na lojinha do Convento de São Félix de Cantalice;

- Dois livretos de Cordel, de autoria do Frade /Frei Jociel Silva, OFMCap. (A Vida
de Frei Damião e O Encontro de Frei Damião Com Padre Cícero no Céu), adquirido
nesta mesma lojinha.

FIS25. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS25)

SANTUÁRIO E ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


São Joaquim do Monte-PE

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Outros locais de culto a Frei Damião, como o Memorial de Guarabira, o Convento de


São Félix, em Recife e a estátua na cidade de Sousa-PB. Vi também uma estátua de
Frei Damião na entrada da cidade de Solânea-PB, mas sem manifestações votivas.

Outras informações

- O perfil de frei Damião consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira, pp.
165 e 166;

- Protocolo nihil obstat: 2475;

- Nihil obstat: 06 de julho de 2002;

- Autor da causa: Frades Capuchinhos, Rua José Rodrigues, 160, Bairro do Pina, CEP
51011-400, Recife-PE;

- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no livro Candidatos ao


Altar

- No Cruzeiro (Santuário) há duas marcas dos pés do Frei Damião. Não são exatamente
pegadas

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto X Médio  Baixo

Observações

Pelo caráter comparativo com outros centros de culto ao Frei Damião na região.

FIS25. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS25)

SANTUÁRIO E ESTÁTUA DO FREI DAMIÃO DE BOZZANO


São Joaquim do Monte-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F22/Foto 04: estátua do Frei Damião


no Santuário, com a cidade em 2º plano

2)VS4_F21/Foto 35: estátua do


Santuário vista de frente

3)VS4_F22/Foto 26: construção da sala dos 4)VS4_F22/Foto 11: vista geral da sala
milagres com Cristo Redentor dos milagres

5)VS4_F21/Foto 31: vista geral da Igreja


Matriz com escultura do Frei Damião

FIS25.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS26)

CAPELA DE SANTA CRUZ


Monte Santo-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção
Santa Cruz

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional

Eclesiástico Canônico Santa Cruz Capela com


via-crucis

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

22 de janeiro de 2004, 5ª feira Erivaldo (guia)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Monte Santo-BA, Serra de Piquaraçá

Situação geográfica

Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente

Localiza-se a capela “no cume da Serra de Piquaraçá e constitui o fecho da Via


Crucis que iniciando-se na Rua dos Santos Passos, no sopé da Serra, percorre quase
dois quilômetros até atingir a igreja. Topograficamente a Via Crucis pode ser
dividida em três etapas: a primeira em forma de escadaria, que avança perpendicu-
larmente às curvas de nível até o 6º passo; neste ponto, o caminho volta à esquerda
transformando-se em rampa abrupta até atingir a 9ª capela. Finalmente a estrada
inflete à direita em busca do espigão da serra seguindo seu espinhaço selado até
atingir o cume, onde se localiza uma 'sólida capelinha, elegantemente decorada, de
onde se avistam vastas extensões de mais de 20 léguas'” (IPAC). A antiga serra do
Pico Araçá é também conhecida como Serra do Monte Santo (IPAC)

Azimute e referente
Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Desde 1785, com o frei Apolônio de Todi. A subida da Santa Cruz de Monte Santo é
citada por Euclides da Cunha em Os Sertões [1902] e em Canudos – diário de uma
expedição [1939]. Capela iniciada no final do século XVIII e concluída em 1948.
Segundo o IPAC, “foi em terras de Monte Santo que o Conselheiro [Antônio
Conselheiro] fundou, em 1893, Canudos, por ele batizado de Belo Monte. As grandes
procissões ao Monte Santo são realizadas no dia de Todos os Santos e na 5ª feira
Santa”

FIS26. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS26)

CAPELA DE SANTA CRUZ


Monte Santo-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

O “Caminho da Santa Cruz” (com largura variável entre 2,20m e 4,50m) e suas 25 cape-
las, a igreja (Capela de Santa Cruz) e sua “sala dos milagres”

Aspecto geral do sítio

Também chamada de “Capela do Calvário”, fica isolada e seu interior mostra-se


comprometido pelas chuvas e pela decorrente umidade excessiva. A “sala dos mila-
gres” apresentava-se úmida e escura

Condições de apresentação dos artefatos

As peças votivas ficam depositadas, sem muita ordem, na “sala dos milagres”.
Pareciam envelhecidos, em meio ao ambiente excessivamente úmido. Do lado de fora,
vi alguns amontoados de peças em madeira (sobretudo) apodrecendo sob as intempéries
naturais.

Condição de conservação dos artefatos expostos


 Boa X Regular  Ruim
Comentários

As peças pareciam antigas e estavam em estado sofrível de conservação

Registros obtidos
X Fotografias(44 P&B + 03 cromos) X Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria  Catálogo
X Outros (áudio de entrevista com guia local) X Artefatos escultura em
madeira (cabeça) e
boneco em argila

Observações

Observação direta informal, com ficha posterior

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Peças tridimensionais em madeira

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS26. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS26)

CAPELA DE SANTA CRUZ


Monte Santo-BA

Tipologia das formas verbais / escritas

a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre ripa de madeira;

d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos


(Santo Expedito);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em
silêncio;

b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em


grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de


madeira (mão);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções
habitacionais;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira, de
corpo inteiro (inclusive articulado) ou partes do corpo (cabeças, seios, bra-
ços, pernas), às vezes articulados, pintados ou não;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em mate-
rial argiloso (corpo inteiro);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (corpo inteiro);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al: vestes (mantas), cruzes em madeira;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Jesus Cristo, Nossa Senhora do Amparo, Santa Bárbara, Santos Cosme e
Damião, Santo Expedito, São Jorge);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico:
aparelhos ortopédicos, muletas;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal (roupas, vestido de noiva);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Cristo Crucificado, Santo Antônio, São Jorge);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

FIS26. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS26)

CAPELA DE SANTA CRUZ


Monte Santo-BA

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;


a) Expressão de cunho individual, oblato, fitas;

b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
Quinta-feira Santa
15 de setembro (Nossa Senhora das Dores)
01 de novembro (dia de Todos os Santos, dia do romeiro)

Onomástica
Os sacri-monti têm sua origem na Itália, no século XVI, mas tiveram seu maior
desenvolvimento na Península Ibérica, no período Barroco. Este é o primeiro sacro-
monte construído no país, inspirado nesta tradição, a partir da iniciativa do frei
italiano Apolônio de Todi (IPAC).

Produtos disponíveis sobre a devoção


os
- Inventários do IPAC, n : BR:21500-1.0-F001 e BR:21500-1.0-F002;
- Vídeo produzido pelo Instituto de Radiodifusão do Estado da Bahia (IRDEB)

Menções prévias

“Os Sertões”, de Euclides da Cunha, além de menções esparsas pela grande mídia

Interfaces

Outras informações

- Segundo o IPAC, em cerca de 1892 “em uma das suas últimas missões em Monte Santo, o
Conselheiro teria sido protagonista de um milagre, quando ao penetrar, à frente de
a
uma procissão, na capela de St Cruz rolam da face da Virgem duas lágrimas sangren-
tas”. Data também deste ano as intervenções de Antônio Conselheiro em melhoras na
Via Crucis e em obras de conservação e melhoria (reboco) de algumas capelas (IPAC);

- Imóvel de propriedade de “Instituição religiosa” (IPAC);

FIS26. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS26)

CAPELA DE SANTA CRUZ


Monte Santo-BA

- Proteção existente: A igreja integra o santuário de Monte Santo, tombado


o
pelo IPHAN sob o n 85 do livro de Tombo Arqueológico, Etnográfico e
Paisagístico, folha 28, em 27 de junho de 1983;

- Inventário IPAC produzido entre junho de 1981 e julho de 1990

Referências

CUNHA, Euclides da. Os Sertões – campanha de Canudos. São Paulo: Martin


Claret, 2003.

__________________. Canudos – diário de uma expedição. São Paulo: Martin


Claret, 2003.
os
Inventários do IPAC, n : BR:21500-1.0-F001 e BR:21500-1.0-F002

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto  Médio  Baixo

Observações

FIS26. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS26)

CAPELA DE SANTA CRUZ


Monte Santo-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS1_F07/Foto 08: capela na Subida da 2)VS1_F06/Foto 35: deposições numa das


Santa Cruz capelas

3)VS1_F07/Foto 32: Altar da 4)VS1_F07/Foto 23: ex-votos pendurados na


Santa Cruz sala dos milagres

5)C35/Foto 16: peças votivas amontoadas no 6)C35/Foto 27: peças votivas queimadas
lado de fora da Capela da Santa Cruz no lado de fora da Capela da Santa
Cruz

FIS26.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS27)

TÚMULO DA MENINA SEM NOME


Recife-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Menina Sem Nome


[?]
* 1962
† 22/06/1970

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Mártir Vítima inocente Cemitério
Popular

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

27 de julho de 2006, 5ª feira Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Recife-PE, Cemitério de Santo Amaro (Senhor Bom Jesus da Redenção), Bairro de
Santo Amaro.

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Situa-se o Cemitério no bairro de Santo Amaro, numa planície próxima da região
portuária do Recife.

Azimute e referente
60º NE, a partir da frente da lápide

Informação sumária sobre o histórico da devoção


É provável que a menina seja cultuada desde a sua morte, em 1970

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Túmulos da Menina Sem Nome e de Alfredinho

FIS27. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS27)

TÚMULO DA MENINA SEM NOME


Recife-PE

Aspecto geral do sítio

É um cemitério regularmente conservado e bastante espaçoso, apresentando-se muito


menos modesto do que o de São José, em Maceió ou mesmo o da Boa Sentença, em João
Pessoa-PB. O túmulo consiste de uma bancada de mármore sobre um canteiro ajardina-
do, com um veleiro e um banco ao lado.

Condições de apresentação dos artefatos

As peças votivas ficam depositadas sobre a bancada, expostas diretamente às


intempéries.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Apesar dos efeitos da chuva e do sol, os relatos escritos estavam intactos, assim
como as fotografias e outros objetos.

Registros obtidos
X Fotografias(06 + 05) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Manuscritos sobre papel; miniaturas de casas e flores. Também havia algumas


fotografias.

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo


sobre placa em pedra (mármore);

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos;

FIS27. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS27)

TÚMULO DA MENINA SEM NOME


Recife-PE

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, construção do jazigo;


a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções
habitacionais (casas em madeira, vidro, lajota e gesso);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografia;


c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora, anjos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniatura de boneca;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto utilitário de uso pessoal
(par de meias para bebê);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, material de construção (tijolo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, cestas;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, pedras, velas, e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Pela incidência expressiva de miniaturas de casas, tudo indica que os pedidos de
casa própria, ou ao menos de um lar, são freqüentemente dirigidos à Menina Sem
Nome. Quase sempre os manuscritos pedem ou expõem “graças alcançadas”, não permi-
tindo uma identificação mais clara das motivações dos pedidos. As peças tridimen-
sionais também não definem claramente o seu objeto transacional. Por isso, não foi
possível uma identificação muito confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
02 de novembro (finados)

Onomástica
A menina foi assim batizada por ter permanecido por longo tempo sem reclame e sem
identificação no IML, vítima de abuso sexual seguido de assassinato, na Praia do
Pina, no Recife-PE.

FIS27. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS27)

TÚMULO DA MENINA SEM NOME


Recife-PE

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não havia no cemitério nem na cidade.

Menções prévias

Artigo de José Xavier dos Santos: “A Menina Sem Nome: um espaço de comunicação folk”
(2002).

Interfaces

Outros cultos cemiteriais

Outras informações

- Texto da lápide da Menina Sem Nome:


Ela que se foi sem nem
ao menos saber os moti-
vos que a tiraram do
mundo tão Brutalmente.
22-06-70
P.N. – 3. A. M.

- Há também um culto a Alfredinho, no jazigo perpétuo número 812. Nascido em


10/11/1947, morreu em 30/01/1959, vítima de leucemia. Trata-se de um jazigo que
ocupa dois carneiros, muito bem cuidado, com tampo de mármore e lápide em baixo
relevo, com fotografia do menino, uma porta externa de vidro e um cercado em grade
de metal, destacando-se entre os vizinhos. Estavam depositadas algumas imagens de
anjos (tridimensionais), uma miniatura de casa, uma placa votiva em mármore,
flores e velas.

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações
É curioso pela ocorrência e apresenta-se um pouco mais interessante do que os casos
do Menino Petrúcio, em Maceió-AL e da menina Maria de Lourdes, em João Pessoa-PB.

FIS27. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS27)

TÚMULO DA MENINA SEM NOME


Recife-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F3/Foto 10: vista do túmulo 2)VS2_F3/Foto 07: túmulo da Menina Sem Nome

4)VS2_F3/Foto 09: placa

3)VS2_F3/Foto 08: “epitáfio”

5)VS2_F3/Foto 16: vista do 6)VS2_F3/Foto 14: placa de 7)VS2_F3/Foto 17: peças votivas a
jazigo de Alfredinho Alfredinho Alfredinho

FIS27.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL

Devoção
Nossa Senhora das Candeias

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional

Eclesiástico Canônico Santa católica Culto mariano Santuário

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

04 de agosto de 2006, 6ª feira Brasília (2004)


21 de fevereiro de 2006, 3ª feira
02 de fevereiro de 2004, 2ª feira
02 de fevereiro de 2002, sábado
27 de julho de 2001, 6ª feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Candeias-BA, Rua Nossa Senhora das Candeias (Fonte Milagrosa) e Praça Pio XI
(igreja), em local também chamado de Santuário de Nossa Senhora da Purificação
Situação geográfica
Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário na cidade de Candeias, região metropolitana de Salvador. A
igreja situa-se no bordo de um espigão, de costas para a cidade, mas com vista
voltada para a Baía-de-Todos-os-Santos. Do seu adro se domina as terras de
Mataripe, Pitanga, Socorro e Monte. O templo é envolvido por uma balaustrada e
completa o Santuário com um sítio que abriga a Fonte Milagrosa, a Sala dos Milagres
e um veleiro, num declive situado nas fraldas da colina. A cidade, que mantinha seu
caráter até 1950, se transformou rapidamente com a exploração petrolífera (IPAC)
Azimute e referente
315º NO, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Anualmente, no dia 02 de fevereiro, realiza-se a festa de Nossa Senhora da
Purificação, ou popularmente Nossa Senhora das Candeias, com uma famosa
romaria. Acredita-se que nesta data teve lugar a aparição da Virgem na Fonte
dos Milagres (IPAC). A tradição conta que em 1640 uma criança cega lavou os
olhos com a água que brotava da pedra e em seguida voltou a enxergar, tendo
como primeira visão, uma senhora com um menino nos braços, exatamente como
Nossa Senhora das Candeias (SINCOMTUR). O atual edifício da Igreja Matriz foi
reconstruído nos últimos anos do século XIX, tendo sua obra original iniciada
no final do século XVIII

FIS28. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Todo o Santuário, especialmente a Igreja, a Sala dos Milagres, Fonte Milagrosa e


veleiro

Aspecto geral do sítio

Desde a primeira a te a última visita o sítio passou por muitos reparos. A Sala dos
Milagres, que até 2004 era bastante desorganizada, tornou-se um local claro, limpo
e ordenado. Há alguns tabuleiros de venda em torno do Santuário, bem como umas
poucas lojinhas feitas a partir das residências locais. Vendem, principalmente,
artigos religiosos (nas casas, imagens de santos). Este movimento comercial se
intensifica na época da festa (mês de fevereiro). A igreja é uma construção muito
simples, se comparada com as tradicionais igrejas da capital baiana. Não apresentas
requintes decorativos. No seu lado direito, está o cemitério Recanto da Saudade, e
antes deste um “Salão dos Romeiros” (Centro de Acolhida para os Romeiros, que se diz
iniciado em 15/02/1960 e concluído em 31/08/1980) com sanitários

Condições de apresentação dos artefatos

Agrupados em prateleiras, afixados nas paredes e no teto, também amontoados no


chão. Está longe de uma exposição de caráter museológico. Todo o ordenamento é
fruto da iniciativa dos zeladores da Sala

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários
As peças ficam protegidas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(53 + 11 + 01 cromo + digitais) Vídeo (em 2001)
X Ficha etnográfica X Papelaria (folheto turístico da SINCOMTUR)
 Catálogo  Outros (livreto de cordel)
X Artefatos: fotografias e relatos manuscritos

Observações

Com a autorização de dona Brasília, retirei algumas fotografias e manuscrituras a


tinta sobre papel

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Imagens de santos, peças tridimensionais em cera, fotografias e aparelhos
ortopédicos

Observações

FIS28. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos, ex-votos penitenciais e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-
mensional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, documentos pessoais, em fotocópia


(Carteira de Identidade/Registro Geral/RG);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinhos de campanha política;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, recortes de notícias veiculadas
em jornais;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em silên-


cio;
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções


religiosas e de construções habitacionais (casas em madeira);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeças, braços, pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(corpo inteiro, cabeças, pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al (cruzes em madeira);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (em cor ou


em preto-e-branco, em 2x2, 3x4 ou ampliadas, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (em cor e em preto-e-


branco, em 2x2, 3x4 ou ampliadas, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Sagrado Coração de Jesus, Senhor do Bonfim, Santa Ceia, Nossa Senhora
das Candeias, N. S. de Fátima, Santa Luzia, Santa Bárbara, Santo Antônio, Santos
Cosme e Damião, São José, São Lázaro, São Francisco das Chagas de Canindé, São
Jorge, São Sebastião);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo ou de personalidades públicas (Papa João Paulo II);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas pessoais


(vestido de noiva);

FIS28. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas acadêmi-


cas (cadernos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (bonecas em plástico);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico:
aparelhos ortopédicos, moldes de gesso;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal (roupas, vestidos de noiva, roupas de crianças, gravatas, lenços, fral-
das, calçados, óculos de sol);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, outros objetos (mamadeira);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora da Conceição, N. S. de
Fátima, N. S. Aparecida, N. S. das Candeias, Santa Luzia, Santa Bárbara, Santo
Antônio, Santos Cosme e Damião, São José);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfico, mechas de cabelo;

a) Apresentação in natura, fitomórfico, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a)Expressão de cunho individual, oblato, velas;


a)Expressão de cunho individual, oblato, fitas;

b)Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
02 de fevereiro (a romaria se intensifica entre 24 de janeiro e 03 de fevereiro)

Onomástica
Chamada também de “cidade das luzes” e de “cidade da fé”

FIS28. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro “História da Paróquia/História do Santuário Nossa Senhora das Candeias”, do


Frei Stanislaw Ocetek, OFM Conv.;

- Livro “Candeias – Milagres, Romarias”, de Mabel Velloso;

- Manual dos Romeiros de Nossa Senhora das Candeias;

- Folheto turístico da Secretaria Municipal de Indústria Comércio e Turismo


(SINCOMTUR)

Menções prévias

- Há menções feitas por Mabel Velloso (2000) e Odorico Tavares (s/d);


o
- Inventário do IPAC, n : BR:32002-1.0-I003;

Interfaces

Outros cultos marianos

Outras informações

- Segundo a tradição, o devoto deve dar três voltas ao redor da igreja


cantando o hino de Nossa Senhora das Candeias, se encaminhando depois para a
Fonte, onde devem lavar o rosto e beber da sua água milagrosa

- Nossa Senhora das Candeias é sincretizada com Yemanjá (VERGER) e com Oxum;

- Imóvel de propriedade “de instituição religiosa (Arquidiocese Salvador);

- Inventário IPAC produzido entre fevereiro e setembro de 1978

Referências
o
- Inventário do IPAC, n : BR:32002-1.0-I003

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto  Médio  Baixo

Observações

Especialmente pelas pistas do tripé que forma com a conversão evangélica e os


cultos afro-brasileiros

FIS28. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

Indicativos Etnofotográficos

1) VS2_F10/Foto 34: vista dos fundos da 2) VS1_F09/Foto 08: portal de entrada da


Igreja de Nossa Senhora das Candeias Fonte Milagrosa

3) VS2_F10/Foto 31: Santuário: veleiro,


sala dos milagres e Fonte Milagrosa 4) VS1_F09/Foto 27: interior da Fonte
Milagrosa/fevereiro de 2004

5) VS1_F09/Foto 19: aspecto da sala dos 6) VS1_F09/Foto 18: ex-votos amontoados


milagres/fevereiro de 2004 na sala dos milagres/fevereiro de 2004

FIS28.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS28)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DAS CANDEIAS


Candeias-BA

Indicativos Etnofotográficos

7)VS2_F10/Foto 27: vista à esquerda da 8)VS2_F10/Foto 28: vista à direita da


sala dos milagres/fevereiro de 2006 sala dos milagres/fevereiro de 2006

9)VS1_F09/Foto 02: comércio à frente do 10)VS1_F09/Foto 36: banca vendendo fogos


Santuário/fevereiro de 2004 e ex-votos em cera/fevereiro de 2004

11)VS1_F09/Foto 33: carrinho de mão 12)VS1_F10/Foto 02: banca vendendo imagens


vendendo ex-votos em cera/fevereiro de de santos/fevereiro de 2004.
2004.

FIS28.7
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS29)

GRUTA DA LAPINHA
Ibiqüera-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Bom Jesus da Lapa

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santo Cristo Gruta
Popular

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

30 de dezembro de 2006, Sábado Róbson Matos (responsável)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Ibiqüera-BA, Fazenda Lapinha, BR-242, km 170

Situação geográfica

Chapada Diamantina

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a gruta à margem da BR-242. Interna e externamente, a gruta apresenta
muitas paredes com pinturas rupestres.

Azimute e referente
15º N, a partir da “boca” principal da gruta

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Há 46 anos se faz o culto a Bom Jesus da Lapa, quando se construiu o piso da “igreja”
(assim se chama o espaço religioso no interior da gruta). Apenas na época da festa
há celebrações com presença de um padre na gruta.

FIS29. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS29)

GRUTA DA LAPINHA
Ibiqüera-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Área externa das grutas (das sete “bocas”, apenas duas têm acesso à gruta),
Lapinha/igreja (gruta tomada com fim religioso).

Aspecto geral do sítio

Situa-se dentro de uma gruta, com as habituais características deste espaço


natural: muitas pedras, poeira, umidade e escuridão (a rede elétrica ia apenas até o
portão de acesso à gruta.

Condições de apresentação dos artefatos

São depositados sobre as pedras (batentes naturais ou construídos) ou sobre traves


de madeira (roupas).

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular X Ruim
Comentários

As peças ficam totalmente expostas à umidade e à poeira local

Registros obtidos
X Fotografias(37) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo ? Outros

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Imagens de santos (bi e tridimensionais) e flores em plástico

Observações

FIS29. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS29)

GRUTA DA LAPINHA
Ibiqüera-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado ou não);


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em livro de assinaturas;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em parede (nomes);

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (Santa


Edwiges, São Judas Tadeu, Santo expedito);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a personalida-
des afins ao catolicismo (Maria Milza);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, cartaz da Festa de São José;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de


madeira (braço);
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça esculpida sobre placa
de madeira;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeça, perna, pé, com e sem pintura);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em mate-
rial argiloso (sem pintura);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido (de corpo inteiro, braços e pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto de uso penitencial
(cruz de madeira);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


P&B e em cor);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Bom Jesus da Lapa, Senhor do Bonfim, Sagrado Coração de Jesus, Nossa
Senhora do Livramento, N. S. do Bom Parto, N. S. Aparecida, N. S. da Guia, N. S.
do Desterro, N. S. das Candeias, Santa Luzia, Santa Bárbara, Santa Terezinha,
São Paulo Apóstolo, São Pedro, São Sebastião, São João, São José, São Cosme e São
Damião, São Roque, São Jorge, Santo Antônio, Santo Expedito);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Yemanjá);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Marcelo Rossi);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniatura de construção religio-
sa (igrejinhas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (bonecas em plástico);

FIS29. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS29)

GRUTA DA LAPINHA
Ibiqüera-BA

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários (espelho,


perfume – frasco de Seiva de Alfazema, copos de cachaça, pratos, faca);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(muletas, moldes de gesso);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços, candelabros);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso pessoal (roupas,
vestidos, calçados, chapéus de palha, toalha);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Cristo Crucificado, Nossa Senhora Aparecida, Santa Bárbara, Santa
Terezinha, São Jorge, São Sebastião, São Cosme e São Damião, São Roque, Santo
Antônio, miniatura de TV com imagem de Nossa Senhora Aparecida);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Yemanjá, Preto Velho);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico e
em papel;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas, fitas, cortes de tecidos,


garrafa com água benta;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Observei menções a casamentos e à cura de doenças nas pernas. No mais, não foi
possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
02 a 06 de agosto (dia 06 é o mais forte)

Onomástica
O termo lapa/lapinha geralmente designa um abrigo natural de pedra ou laje

FIS29. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS29)

GRUTA DA LAPINHA
Ibiqüera-BA

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

Só em Lençóis tomei conhecimento do lugar, a partir do relato de moradores

Interfaces

O culto a Bom Jesus da Lapa, em cidade homônima no leito do médio São Francisco.
Outros cultos em grutas.

Outras informações

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações

FIS29. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS29)

GRUTA DA LAPINHA
Ibiqüera-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F14/Foto 33: gruta vista da estrada 2)VS4_F14/Foto 28: portão de acesso à gruta

3)VS4_F14/Foto 24: escadaria de acesso ao 4)VS4_F14/Foto 23: altar votivo na entrada


salão

5) VS4_F13/Foto 34: trave com peças


6) VS4_F14/Foto 13: escritos em parede e
votivas penduradas
imagens bidimensionais

FIS29.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS30)

GRUTA DA MANGABEIRA – SANTUÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


Ituaçu-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Sagrado Coração de Jesus

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santo Cristo Gruta
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

03 de janeiro de 2007, 4ª feira Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Ituaçu-BA, Povoado de Mangabeira

Situação geográfica

Chapada Diamantina (Serra Geral)

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o santuário dentro de uma gruta, a três quilômetros da sede do
município.

Azimute e referente
125º SE, a partir do portão de entrada (boca) da gruta

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Segundo a notícia da AGECOM, a gruta foi descoberta no século XVIII e explorada por
Joseph Mawson, engenheiro inglês da Central do Brasil. Sua área interna de 3,5
quilômetros foi tombada pelo patrimônio histórico nacional, em 1962. As romarias
ao santuário começaram no século XVIII. Conta a lenda que deu origem à devoção que
um vaqueiro estava pastoreando seu gado na região acima da caverna quando parte do
rebanho desapareceu e, logo em seguida, ele próprio caiu em uma clarabóia da gruta.
Foi quando clamou o auxílio do Sagrado Coração de Jesus. Nem ele nem seu rebanho
sofreram ferimentos com a queda. Além disso, o vaqueiro encontrou facialmente a
saída da gruta (AGECOM).

FIS30. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS30)

GRUTA DA MANGABEIRA – SANTUÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


Ituaçu-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

“Sala das Promessas”, grutas com capelas e altares com imagens dos santos (nichos de
Nossa Senhora, Sagrado Coração de Maria, Santo Expedito, Santo Antônio do
Santíssimo, São Gaspar).

Aspecto geral do sítio

Menos ordenado que Bom Jesus da Lapa. Está mais próximo do ambiente da Gruta da
Lapinha, em Ibiqüera-BA. É um sítio escuro e úmido.

Condições de apresentação dos artefatos

Amontoados sobre e sob pedras, em várias galerias e nos batentes formados pelas
rochas. Não é um espaço “museológico”, não se constituem numa exposição,
propriamente, mas numa deposição.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular X Ruim
Comentários

As peças se deterioram por conta da umidade e do abandono

Registros obtidos
X Fotografias(51) ? Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria (livreto “A Festa da Gruta) ? Catálogo ? Outros

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Imagens de santos, sobretudo Cosme e Damião e Santa Bárbara, bi e tridimensionais

Observações

FIS30. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS30)

GRUTA DA MANGABEIRA – SANTUÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


Ituaçu-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em verso de fotografia;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre objeto votivo bidimen-
sional (coração);

c) Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em


processo serigráfico sobre tecido;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultado de exames de saúde


(laudo sobre radiografia);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinhos de campanha política;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (Bom
Jesus da Lapa, Nossa Senhora da Saúde, N. S. Desatadora dos Nós, N. S. do Alívio,
Santa Edwiges, Santo Expedito, Espírito Santo);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, calendário de Santo Antônio;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de


madeira (coração);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeça, mão);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(cabeça, nariz, coração);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (2x2, 3x4 e amplia-


das, em cor);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados de exames de saúde
(radiografias);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Bom Jesus da Lapa, Sagrado coração de Jesus, Nossa Senhora das
Graças, N. S. do Bom Parto, Santa Bárbara, Santa Luzia, Santa Paulina, Santo
Antônio, São Bento, São Cosme e São Damião, São Lázaro, São Jorge);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Yemanjá, Preto Velho);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Papa João Paulo II);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(aparelhos ortopédicos, muletas, moldes de gesso);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso acadêmico (cader-
nos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal: roupas (vestidos, peças íntimas), lenços, calçados (tênis e chine-
los), chapéus, prendedor de cabelo;

FIS30. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS30)

GRUTA DA MANGABEIRA – SANTUÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


Ituaçu-BA

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, material de construção (bloco);


c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Cristo Crucificado, Sagrado Coração de Jesus; Nossa Senhora
Aparecida, Santa Bárbara, São Roque, São Cosme e São Damião, São Sebastião);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (um orixá);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais em plástico;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, outros objetos (lâmpada, moedas,
defumador, copo de madeira, miniatura de machado, aliança, recipientes de
oferendas do culto afro-brasileiro);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores e ramos de palmeira

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas, fitas e bombons (balas e chicle-


tes);

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais do milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
01 a 03 de setembro

Onomástica
A gruta tem o nome do povoado onde se localiza

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livreto “A Festa da Gruta”, de Japy Gondim Ávila

- DVD da festa

FIS30. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS30)

GRUTA DA MANGABEIRA – SANTUÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


Ituaçu-BA

Menções prévias

Notícias do Jornal A Tarde e da AGECOM

Interfaces

Outros cultos em grutas

Outras informações

Há também um culto ao Sagrado Coração de Maria, que tem um santuário próprio e cujas
festividades acontecem no mês de maio.

Referências
Notícia vinculada pela AGECOM (Assessoria Geral de Comunicação Social do Governo
do Estado da Bahia) em 05 de setembro de 2005.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

FIS30. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS30)

GRUTA DA MANGABEIRA – SANTUÁRIO DO SAGRADO CORAÇÃO DE JESUS


Ituaçu-BA

Indicativos Etnofotográficos

1) VS4_F19/Foto 16: acesso à gruta 2) VS4_F19/Foto 12: estalactites

3)VS4_F18/Foto 34: Altar do Sagrado 4)VS4_F18/Foto 09: close da imagem do


coração de Jesus Sagrado Coração de Jesus

6)VS4_F18/Foto 23: close em “prateleira”


5)VS4_F18/Foto 14: santos bi e
tridimensionais

FIS30.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS31)

IGREJA DO CARMO MENOR – SENHOR DOS PASSOS


São Cristóvão-SE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Bom Jesus dos Passos

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional

Eclesiástico Canônico Santo Cristo Igreja

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

24 de julho de 2006, 2ª feira José Almeida Lima


16 de janeiro de 2004, 6ª feira
30 de dezembro de 2001, Domingo

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

São Cristóvão-SE

Situação geográfica

Zona da Mata

Descrição topográfica e caracterização do ambiente

Localiza-se a igreja na parte alta (Centro Histórico) da cidade de São Cristóvão

Azimute e referente
10º NE, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Meados do século XIX, com procissão. O Museu dos Ex-votos de Sergipe foi fundado em
01/01/1990

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Igreja e o “Museu dos Ex-votos de Sergipe”

FIS31. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS31)

IGREJA DO CARMO MENOR – SENHOR DOS PASSOS


São Cristóvão-SE

Aspecto geral do sítio

O Museu localiza-se num claustro, com dois pavimentos, onde as ofertas votivas
ficam em exposição

Condições de apresentação dos artefatos

As peças tridimensionais normalmente ficam penduradas no teto ou nas paredes, além


da exposição em suportes de madeira e metal dentro de armários de vidro. As pinturas
e fotografias ficam afixadas nas paredes. Outros objetos são amontoados.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(18 P&B + 12 em cor + 12 cromos X Vídeo
X Ficha etnográfica ? Papelaria ? Catálogo
X Outros (áudio de depoimento) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Peças tridimensionais em madeira (muitas contaminadas por cupim), objetos em gesso
e em cera, miniaturas de casas, fotografias

Observações

É grande a diversidade das formas expressivas

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não,


muitas vezes agregados a objetos bidimensionais. Manuscritura sobre azulejo;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotogra-
fia;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

FIS31. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS31)

IGREJA DO CARMO MENOR – SENHOR DOS PASSOS


São Cristóvão-SE

c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, datilografia sobre papel;


c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em processo
tipográfico sobre papel (relato pessoal, emoldurado), também por letraset;
c) Gravação indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em processo
serigráfico sobre tecido (faixa banner);

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotocópias de documentos pessoais


(Carteira de Identidade/Registro Geral (RG), Carteira Nacional de Habilitação
(CNH), Carteira Profissional, contracheque);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santi-
nhos de morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados e laudos de exames de
saúde;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica


a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho sobre papel e
sobre placa de madeira;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pinturas sobre papel,
tecido e tela, emolduradas;
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa
de madeira (braços, mãos, pés) e papel;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de constru-
ções habitacionais (casas em madeira, material argiloso);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(corpo inteiro ou partes do corpo: cabeças, dorso, braços, pernas), às vezes
articulada. Réplica de um livro, com relato textual datilografado. Escultura
em isopor;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em gesso
(cabeças, seios, coração, pernas, pés), em cera (cabeças, pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em
material argiloso (corpo inteiro ou partes do corpo: cabeças, seios, coração,
mãos, pernas, pés, aparelho reprodutor feminino);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso peniten-
cial (coroa de espinhos, cruzes em madeira e em cimento);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografia (em cor ou


em preto-e-branco, 3x4 ou ampliadas, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (em cor e em preto-


e-branco, em 3x4 ou ampliada, emoldurada ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Senhor dos Passos, Santo Expedito, São Francisco, São Cosme e São
Damião, São Jorge);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero, Frei Damião);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas acadê-
micas (cadernos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de animais domésti-
cos (cães) ou de criação (bovinos, aves) em cerâmica ou em plástico;

FIS31. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS31)

IGREJA DO CARMO MENOR – SENHOR DOS PASSOS


São Cristóvão-SE

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-


zados: bonecas em plástico (Barbie);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora Aparecida);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(aparelhos ortopédicos, moldes de gesso);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários e de uso
pessoal (roupas, vestidos, farda escolar, calçados, chapéu de couro);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, outros objetos (máquina de
costura, volante de madeira, instrumento musical);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


b) Apresentação in natura, fitomórfica, coroa de flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas;


a) Expressão de cunho individual, oblatos, pedras;
b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
2º domingo da quaresma, com procissão

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Menções prévias

FIS31. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS31)

IGREJA DO CARMO MENOR – SENHOR DOS PASSOS


São Cristóvão-SE

Interfaces

Outras informações

- Por ocasião da visita em julho de 2006 já estava aberto o processo para certificar
a cidade como Patrimônio Cultural da Humanidade, perante a UNESCO;

- Irmã Dulce foi noviça neste convento

Referências
SANTOS, Magno Francisco de Jesus; NUNES, Verônica Maria Meneses. Na trilha dos
Passos do Senhor: a devoção ao Senhor dos Passos de São Cristóvão-SE. Revista da
FAPESE de Pesquisa e Extensão, v.2, p. 97-110, jul./dez. 2005

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações
Pelo volume de objetos votivos, pela antigüidade do culto e pela disposição
ordenada das peças, já que se trata de um museu. É um bom referencial quanto ao
impacto da produção industrializada.

FIS31. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS31)

IGREJA DO CARMO MENOR – SENHOR DOS PASSOS


São Cristóvão-SE

Indicativos Etnofotográficos

1)SE1/Foto 17: fachada do conjunto do 2)SE1/Foto 26: expositor em vidro


Carmo

3)VS2_F01/Foto 07: parede com deposições 4)SE1_/Foto 20: peças em madeira


votivas penduradas no teto

5)VS2_F01/Foto 14: 2º pavimento 6)VS2_F01/Foto 13: claustro

FIS31.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS32)
SANTUÁRIO DO SENHOR SANTO CRISTO DE IPOJUCA
Ipojuca-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Senhor Santo Cristo de Ipojuca

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santo Cristo Santuário
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

28 de julho de 2006, 6ª feira Cláudio Gerson do Nascimento e Ângela


Maria Dias Gonçalves

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Ipojuca-PE. Convento de Santo Antônio

Situação geográfica

Agreste

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja no alto da pequena e pobre cidade de Ipojuca. Além do santuário
religioso, há um santuário ecológico, ainda em fase embrionária, onde se planta
mandioca.

Azimute e referente
80º NE, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


O Convento de Santo Antônio foi fundado em 1606, tendo, portanto, 400 anos. É
Santuário desde 1663. Lá está enterrado o primeiro franciscano brasileiro. O culto
à atual imagem do Santo Cristo iniciou-se na Matriz de São Miguel, sendo esta
posteriormente transferida para o Santuário (em 14 de setembro de 1665).

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Igreja/Convento e “sala dos ex-votos” (com uma imagem do Senhor Morto), que se
localizava na nave direita da igreja. Santuário Ecológico.

FIS32. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS32)
SANTUÁRIO DO SENHOR SANTO CRISTO DE IPOJUCA
Ipojuca-PE

Aspecto geral do sítio

Muito bem conservado.

Condições de apresentação dos artefatos

Fotografias coladas em painéis de madeira (4), afixados nas paredes. Há um veleiro


(2 suportes) e um ofertório, dois armários de madeira com peças tridimensionais
representando partes do corpo e miniaturas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Peças tridimensionais acondicionadas em armários e fotografias coladas em placas


de madeira.

Registros obtidos
X Fotografias(12) ? Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

Papelaria: Devocionário do Senhor Santo Cristo de Ipojuca, com 90 páginas.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Fotografias e peças em cera

Observações
Os objetos votivos eram pouco numerosos e de baixa diversidade

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de
fotografia;

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo


sobre placa de pedra (mármore);

FIS32. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS32)
SANTUÁRIO DO SENHOR SANTO CRISTO DE IPOJUCA
Ipojuca-PE

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, documentos pessoais (carteira de


estudante, cartão profissional);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquistas
profissionais (diploma de investidura em cargo de fé pública - vereador);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de passamento (santinho
de morte);

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em


madeira;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em cera e
em gesso;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construções
habitacionais (casas);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (emolduradas ou não,


3x4 e ampliadas);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora);
c) Adaptação ou ressignificação,tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (boneca);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniatura de animais;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
- Ingresso na carreira política (vereador)
- Formatura
- Boa morte
- Abstinência de bebida e drogas
- Conversão e libertação de um filho

De forma geral, não foi possível uma identificação confiável das motivações a
partir das expressões observadas

FIS32. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS32)
SANTUÁRIO DO SENHOR SANTO CRISTO DE IPOJUCA
Ipojuca-PE

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
1º a 19 de janeiro (com novena de 23 a 31 de dezembro)
2º domingo de outubro (festa dos romeiros)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Devocionário do Senhor Santo Cristo de Ipojuca, com 90 páginas.

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Outras informações

- Telefone: (81) 3551-1154;

- Falou-se de um culto a São Sebastião na Cidade do Cabo-PE, próxima dali;

- Oração de quem cumpre uma promessa (do Devocionário):


“Aceitai Glorioso Senhor Santo Cristo que cheio de gratidão venho cumprir no Vosso
Santuário, a minha promessa. Com alegria, satisfaço um dever sagrado que em hora de
aflição, desespero e de muito sofrimento assumi perante Vós.
Seja agradável Senhor aos Vossos olhos esta humilde oferta e que ela atraia sobre
mim as Vossas copiosas bênçãos. Assim seja. Amém”

Referências
Devocionário do Senhor Santo Cristo de Ipojuca

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

FIS32. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS32)
SANTUÁRIO DO SENHOR SANTO CRISTO DE IPOJUCA
Ipojuca-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F4/Foto 12: vista do Santuário 2)VS2_F4/Foto 09: altar do Santo Cristo

3) VS2_F4/Foto 03: SM do Santo Cristo 4) VS2_F4/Foto 06: parede de fotografias

5)VS2_F4/Foto 04: cristaleira com ex-votos

FIS32.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS33)

CENTRO DE INSTRUÇÃO BÍBLICO VISUAL CRUZEIRO DE POÇÃO


Poção-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Cruzeiro de Poção

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santa Cruz Centro de
Eclesiástico instrução

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

02 de agosto de 2006, 4ª feira Vera Lúcia da Silva Cavalcanti Bezerra


(serviços gerais) e Francisco de Assis

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Poção-PE

Situação geográfica

Agreste central

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Centro no alto da cidade de Poção, a aproximadamente 1.200m de
altitude. Cerca de 500 esculturas em tamanho natural recontam a passagem de Cristo
pela Terra em um ambiente de três hectares de construção

Azimute e referente
300º NO, a partir da cruz próxima às prateleiras votivas

Informação sumária sobre o histórico da devoção


O Centro é obra do frei franciscano alemão Henrique Bröker, iniciada em 13/06/1961
e inspirada numa obra semelhante existente na França. Diz o panfleto de divulgação
do Centro: “Nesta obra está personificada a ESCRITURA SAGRADA que, representada
por imagens, nos convida a meditar e a fazer penitência a partir do Mistério da
Vida, Paixão e Morte de Nosso Senhor Jesus Cristo”

FIS33. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS33)

CENTRO DE INSTRUÇÃO BÍBLICO VISUAL CRUZEIRO DE POÇÃO


Poção-PE

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Todo o Centro, especialmente o cruzeiro com as prateleiras votivas

Aspecto geral do sítio

Trata-se de um sítio votivo amplo, de contato direto com a natureza, mas carente de
melhor manutenção. Há um veleiro no Cruzeiro votivo

Condições de apresentação dos artefatos

As peças ficam amontoadas em prateleiras superdimensionadas, depositadas


espontaneamente pelos devotos

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças estavam conservadas, ainda que parcialmente expostas às intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(22) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
X Outros (panfleto do Centro) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Roupas, imagens tridimensionais de santos e peças tridimensionais em madeira

Observações

Vi poucas fotografias ofertadas

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS33. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS33)

CENTRO DE INSTRUÇÃO BÍBLICO VISUAL CRUZEIRO DE POÇÃO


Poção-PE

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não,


também integrando objetos votivos tridimensionais;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre parede;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento


(santinhos de morte);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em
silêncio;
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de


madeira (pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniaturas de constru-
ções habitacionais em madeira, papelão e conchas, papelão e pedras;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(cabeças, pernas com pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos modelados em
material argiloso (pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos costurados em
tecido (corpo inteiro, pernas);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso penitenci-
al: vestes (mantos), cruzes em plástico e cimento moldado;

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (colori-


das, 3x4 e ampliadas, emolduradas ou não);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (coloridas, 3x4 e


ampliadas, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Sagrado Coração de Jesus, Santa Bárbara, São Sebastião);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, registros de conquistas acadêmi-
cas (cadernos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados: bonecas em plástico (corpo inteiro, cabeças, braços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniaturas de animais domésticos
ou de criação (bovinos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico:
aparelhos ortopédicos, bengalas (feitas de tubo de pvc), moldes de gesso;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal ou profissional (roupas, lenços, calçados, chapéus, anel);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Cristo Crucificado, Nossa Senhora da Conceição, N. S. das Graças, N.

FIS33. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS33)

CENTRO DE INSTRUÇÃO BÍBLICO VISUAL CRUZEIRO DE POÇÃO


Poção-PE

S. de Fátima, N. S. Aparecida, Santa Bárbara, Santo Antônio, São Cosme e São


Damião);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica


a) Apresentação in natura, antropomórfico, mechas de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, pedras, fitas e velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas

Especialmente o período da Quaresma, com procissão no Domingo de Ramos

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Apenas um panfleto de divulgação do Centro

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Outras informações

- A construção faz parte da Paróquia de Nossa Senhora das Dores, Poção-PE;

- Há imagens da Virgem dos Pobres (com veleiro) e de Santo Antônio

FIS33. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS33)

CENTRO DE INSTRUÇÃO BÍBLICO VISUAL CRUZEIRO DE POÇÃO


Poção-PE

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações
É um caso de sítio votivo sem similares

FIS33. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS33)

CENTRO DE INSTRUÇÃO BÍBLICO VISUAL CRUZEIRO DE POÇÃO


Poção-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F08/Foto 33: entrada do Centro 2)VS2_F09/Foto 14: Cruzeiro

4)VS2_F09/Foto 13: vista geral das


prateleiras votivas

3)VS2_F09/Foto 16: placas


próximas ao Cruzeiro

5)VS2_F09/Foto 01: vista das prateleiras 6)VS2_F09/Foto 02: prateleira


votivas dos santos

FIS33.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS34)

IGREJA BASÍLICA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DA PRAIA


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora da Imaculada Conceição da Praia (Padroeira do estado da Bahia)


e outros santos

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título Igreja basílica
Eclesiástico Litúrgico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

3) 28 de janeiro de 2007, domingo; Padre Valson e José (administrador do


2) 24 de outubro de 2006, 3ª feira e templo) (na 2ª visita)
1)08 de dezembro de 2003, 2ª feira
(festa)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Salvador-BA, Rua da Conceição da Praia

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Situa-se a igreja ao sopé da Ladeira da Montanha, em frente à Capitania dos Portos,
Baía-de-Todos-os-Santos. Construída no século XVIII (1739-1773), mas pré-
fabricada em Portugal. É a terceira construção no local. A igreja integra o sítio da
Conceição tombado pelo IPHAN (GP-1), e a encosta é protegida pelo art. 113 da Lei
Municipal no 2.403 de 23 de agosto de 1972, como zona de preservação rigorosa.

Azimute e referente
320º NO, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Era a padroeira do reino de Portugal, e sua devoção foi trazida ao Brasil ainda no
Século XVI, com o objetivo de que os marinheiros e comerciantes pudessem ali fazer
suas preces. O dogma da Imaculada Conceição é de 08 de dezembro de 1854. Segundo o
IPAC, a antiga capelinha era mantida pela família Aragão, senhores da Torre de
Garcia D'Ávila.

FIS34. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS34)

IGREJA BASÍLICA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DA PRAIA


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja e capelinha (que foi a primeira igreja construída no local, por Tomé de
Souza), onde se destacam os nichos de Nossa Senhora da Conceição, Santa Bárbara, São
Cristóvão, São Lázaro e São Jorge.

Aspecto geral do sítio

Trata-se de uma igreja bem conservada, mas a capelinha onde ficam os ex-votos é
pouco segura e mal cuidada.

Condições de apresentação dos artefatos

São colocados nos nichos, sem um critério especial de arrumação. São poucos
numerosos, mas mantêm-se conservados. Não é operação simples identificar para que
santo se faz a promessa, mas pode-se acreditar que é invocado aquele onde mais
proximamente se deposita a oferta votiva.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries. Contudo, são pouco numerosas.

Registros obtidos
X Fotografias(81+72) ? Vídeo ? Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (folheto da Arquidiocese de São Salvador da Bahia, 2003)

Observações

- Procedi à observação direta informal em todas as visitas


- Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-022

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Nenhum tipo em especial

Observações

FIS34. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS34)

IGREJA BASÍLICA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DA PRAIA


Salvador-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre fita em tecido (dedica-


da a Santa Bárbara);

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, novena de Santo Antônio (dedicada


a São Cristóvão);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em


silêncio;
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera


(cabeça e mão, dedicados a São Cristóvão);

c)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (duas fotografias


iguais, de tamanho 10xc15cm, em cor, dedicadas a São Cristóvão e a Santa
Bárbara);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (contas
coloridas – vermelha, azul, branca e verde clara – e pulseira em fibra natural,
dedicadas a Santa Bárbara);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores (dedicadas a São Cristóvão e a


São Lázaro);

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, fitas (dedicadas a Santa Bárbara e a São


Lázaro);
a) Expressão de cunho individual, oblato, velas (dedicadas a São Lázaro e a Santa
Bárbara – vela votiva com rótulo);

b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e expressões essencialmente simbólicas

FIS34. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS34)

IGREJA BASÍLICA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DA PRAIA


Salvador-BA

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expressões
observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
08 de dezembro, precedido de novena

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

Menções prévias

- Pierre Verger cita a festa em “Notícias da Bahia de 1850” (1999: 73-74);


- Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-022

Interfaces

Outros cultos marianos

Outras informações

- Imóvel de propriedade da Mitra Arquidiocesana de São Salvador da Bahia;


- Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 126 do livro de Belas Artes, folha
22, em 17 de junho de 1938;
- Inventário IPAC produzido entre junho de 1973 e outubro de 1974;
- Irmã Dulce foi sepultada nesta igreja, em 1992, sendo seus restos mortais trasla-
dados anos depois para as Obras Sociais, no Largo de Roma
- Pierre Verger afirma em muitas oportunidades que, na Bahia, Nossa Senhora da
Conceição é a representação católica de Yemanjá

Referências
Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-022
TAVARES, Odorico. Bahia: imagens da terra e do povo. Rio de Janeiro: Ediouro.
130p.
VERGER, Pierre. Notícias da Bahia de 1850. 2ª ed. tradução: Maria Aparecida
da Nóbrega. Salvador: Corrupio, 1999. 240p.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

FIS34. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS34)

IGREJA BASÍLICA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DA PRAIA


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F24/Foto 32: vista da igreja de Nossa 2)veleiro improvisado na nave esquerda da


Senhora da Conceição da Praia com Elevador igreja
Lacerda

3) saída da imagem para a procissão 4) movimentação em frente à igreja

5)andor com imagem de Nossa Senhora da 6) mesa de jogos nas proximidades da igreja
Conceição da Praia

FIS34.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS35)

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE BROTAS


Milagres-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora de Brotas

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título Igreja
Eclesiástico Litúrgico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

08 de outubro de 2006, Domingo Teresinha dos Santos Freire (lojista)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Milagres-BA, Praça da Matriz

Situação geográfica

Agreste

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja no alto de um morro, batizando a Praça da Matriz, no centro da
cidade de Milagres-BA. Da “sala de promessas” avista-se um cruzeiro no alto de um
morro próximo, que não tive a oportunidade de visitar.

Azimute e referente
95º E, a partir da frente da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção

A igreja foi construída no Século XIX (1869). Comumente a população se refere a


esta devoção como “Nossa Senhora dos Milagres”. São aceitáveis as duas designações

FIS35. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS35)

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE BROTAS


Milagres-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja e “sala de promessas”. Há ainda a Gruta Milagrosa e a Gruta de Nossa Senhora


de Brotas, na subida da Praça da Matriz.

Aspecto geral do sítio

Organizado e limpo. Houve uma reforma recente na igreja

Condições de apresentação dos artefatos


2
São ofertados numa sala anexa à igreja, de aproximadamente 9m . Todos os artigos ou
são pendurados nas paredes ou são acomodados em duas prateleiras. A ordem
expositiva não é formal, mas respeita uma distribuição em categorias, segundo as
diversas tipologias ocorrentes. Periodicamente parte dos objetos votivos é
transferida para grutas/lapas na parte de trás da igreja, ou seja, o ciclo de
deposição é primeiro na igreja, depois nas grutas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários

As peças ficam protegidas das intempéries naturais

Registros obtidos
X Fotografias(17)  Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria  Catálogo
 Outros (oração a “Nossa Senhora dos Milagres” e livreto de cordel)
 Artefatos

Observações

Título do cordel: “Os poderes de Nossa Senhora dos Milagres: fez voltar sua imagem
roubada em 13 de janeiro de 1971”, de autoria de Antônio de Obed Freire.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Fotografias (muitas em 3x4). Peças tridimensionais em madeira e manuscrituras

Observações

Ao contrário do que se poderia esperar, esta “sala de promessas” não chega a


apresentar um caráter tipicamente “sertanejo”

FIS35. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS35)

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE BROTAS


Milagres-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-
mensional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotocópia de documentos pessoais


(RG);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinho de campanha política;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, gravura sobre placa


metálica (ornamento de bijoux);
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada de placa de
madeira (máscaras, pés, mão);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, escultura em madeira
(corpo inteiro, cabeças, pernas, pintados ou não) e em pedra (perna);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos moldados em cera
(cabeças, pés);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos modelados em
material argiloso, em gesso (seios) e em metal (bonequinhas em miniatura);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos costurados em
tecido;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objetos de uso peniten-
cial (mantos);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor e em P&B, emolduradas ou não, algumas em fotocópias);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, retrato pintado à mão a partir de
fotografia;
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados de exames de saúde
(radiografias);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Senhor do Bonfim, Nossa Senhora dos Milagres, N. S. da Saúde, Santa
Bárbara, São Cosme e São Damião, São José, São Benedito);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Papa João Paulo II, Irmã Dulce, Padre Gaspar Bertoni);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados (bonecas em plástico, de corpo inteiro);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(aparelhos ortopédicos, muletas, caixas de remédio vazias);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal (roupas e vestidos, calçados, chapéus, touca de crochê, lenços, anel,
pulseiras, pente, carteira de cigarro em couro, chaveiro com fotografia -
retrato);

FIS35. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS35)

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE BROTAS


Milagres-BA

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso


profissional (proteção em couro para as pernas, usadas por vaqueiros; uma
cabaça);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico
(terços, exemplar da Bíblia Sagrada);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (São Cosme e São Damião, São Roque);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, materiais de construção (bloco);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores em crochê, coroa de
flores em tecido, monóculos em plástico, fitinha desgastada;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatados

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, fitas e pedras;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figurativas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das
expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
02 de fevereiro, com romaria
Comemora-se também o domingo de ramos e o último domingo de abril (Festa dos
Vaqueiros, vindos da cidade de Senhor do Bonfim).

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livreto “Os poderes de Nossa Senhora dos Milagres: fez voltar sua imagem roubada
em 13 de janeiro de 1971”, de autoria de Antônio de Obed Freire, adquirido numa
lojinha nos arredores da igreja;

- Oração a Nossa Senhora dos Milagres

Menções prévias

Citação na internet

FIS35. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS35)

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE BROTAS


Milagres-BA

Interfaces

Outros cultos marianos

Outras informações

Telefone de contato da igreja: (75) 3545-2153

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

 Alto X Médio  Baixo

Observações

FIS35. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS35)

IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DE BROTAS


Milagres-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS3_F13/Foto 17: fachada da igreja 2)VS3_F13/Foto 05: vista geral da “sala


de promessas”

3)VS3_F13/Foto 04: peças em madeira, 4)VS3_F13/Foto 08: objetos votivos


quadros amarrados

5)VS3_F13/Foto 13: roupas e


remédios

FIS35.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS36)
SANTUÁRIO DA VIRGEM DOS POBRES
Maceió-AL

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Virgem dos Pobres de Banneux

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Santuário
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

25 de julho de 2006, 3ª feira Não houve em ambas as visitas


07 de janeiro de 2007, Domingo

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Maceió-AL, Sítio Betânia, Bairro de Mangabeiras

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Situa-se o Santuário no alto de uma colina, no bairro de Mangabeiras (Sítio
Betânia), dentro da área urbana de Maceió, com vista privilegiada para a cidade e o
litoral.

Azimute e referente
155º SE, a partir da frente da antiga capela onde se localizava o nicho da Virgem

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção à Virgem dos Pobres iniciou-se na Bélgica, na aldeia de Banneux, região
de Ardennas, em 1933 (em 15 de janeiro houve a primeira aparição à menina Marieta
Beco, sendo a última aparição em 02 de março). A veracidade das aparições foi
aprovada pelo Vaticano em 22 de agosto de 1949. O Santuário de Maceió deve ter sido
construído depois de 1971, já que não consta no livreto oficial da Virgem dos
Pobres (referente a Lagoa Seca-PB), lançado nesse mesmo ano.

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Todo o Santuário

FIS36. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS36)
SANTUÁRIO DA VIRGEM DOS POBRES
Maceió-AL

Aspecto geral do sítio

Sítio amplo e com desenho arquitetônico funcional. Na primeira visita estava bas-
tante desarrumado, já que estava sendo feita uma reforma numa área na entrada,
próximo à nova capela. Na segunda visita as mudanças já foram sentidas: um novo
altar, cercado de vidro, na área coberta. Havia uma pequena loja de venda de artigos
religiosos. Observei a capela antiga e um “acendedor de velas”.

Condições de apresentação dos artefatos

Praticamente só havia placas (em diversos materiais) e faixas, afixadas com cimento
ou prego nos muros de contenção da encosta. Os objetos votivos tridimensionais são
recolhidos e depois jogados fora.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa X Regular ? Ruim
Comentários

Ficam expostos às intempéries, mas não sucumbem pela natureza do material constru-
tivo utilizado.

Registros obtidos
X Fotografias(06 + 13) ? Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

Livreto de história e novena à Santíssima Virgem dos Pobres de Banneux, publicado


em 1971, que só refere o Monumento de Lagoa Seca-PB.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Há uma absoluta predominância de placas e faixas (banners)

Observações
Eram poucos os objetos votivos tridimensionais (normalmente representando partes
do corpo), fotografados e manuscritos, estes dois últimos tipos depositados apenas
aos pés da santa, num nicho que ficava na antiga capela (conforme observado na 1ª
visita).
Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS36. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS36)
SANTUÁRIO DA VIRGEM DOS POBRES
Maceió-AL

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado), sobre azulejo, sobre tecido, sobre placa metálica, de acrílico e de
plástico;
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre objeto votivo
bidimensional;

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em alto relevo


sobre placa em metal (placas automobilísticas);
b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em baixo relevo
sobre placa em pedra (mármore), em acrílico e em madeira;

c) Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, impressão em


processo serigráfico sobre tecido (banner), sobre placa de plástico e sobre
placa metálica;
c) Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, colagem em
processo de plotagem (sign) sobre placa de plástico;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, placa com numeração de


domicílio;

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, objeto esculpido sobre


chapa de madeira em baixo relevo (coração) com texto pintado;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido sobre
madeira (perna) e sobre gesso;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias ampliadas, não-


emolduradas;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Designações indiciais da graça/milagre e expressões essencialmente simbólicas

FIS36. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS36)
SANTUÁRIO DA VIRGEM DOS POBRES
Maceió-AL

Ocorrências predominantes
- Ascensão de clube de futebol em competição esportiva (Fortaleza ascendendo à
Série “A”, em 2004);
- “Recuperação de uma operação”;
- Aprovação no vestibular (Direito, Medicina, Letras, Administração), aprovação
“de ano”;

Quase sempre os relatos escritos agradecem por graças e êxitos “alcançados”,


“milagre”, “recuperação da saúde de”, “cura milagrosa” ou “cura de”, “pela vida
de”, não permitindo uma identificação clara das razões dos pedidos. As peças tridi-
mensionais também não definem claramente o seu objeto transacional. Dessa forma,
de maneira geral não foi possível uma identificação confiável das motivações a
partir das expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
3º domingo de outubro

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Um pequeno livreto. Há uma lojinha com venda de livreto e imagens da Virgem em gesso

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Culto à Virgem dos Pobres em Lagoa Seca-PB (monumento) e em Paripueira-AL (oratório


à frente da Igreja de Santo Amaro).

Outras informações

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações
É curioso pelo inusitado da localização topográfica e pela predominância absoluta
das placas como peças votivas.

FIS36. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS36)
SANTUÁRIO DA VIRGEM DOS POBRES
Maceió-AL

Indicativos Etnofotográficos

1) VS4_F21/Foto 27: novo altar 2) VS4_F21/Foto 23: ladeira com faixas

3) VS2_F1/Foto 22: vista de placas em muro 4) VS2_F1/Foto 23: close em placas

5) VS2_F1/Foto 24: close em placas2

FIS36.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS37)

MONUMENTO À VIRGEM DOS POBRES


Lagoa Seca-PB

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Virgem dos Pobres de Banneux

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Monumento
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

30 de julho de 2006, Domingo Maria Fernanda da Silva (zeladora)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Lagoa Seca-PB

Situação geográfica

Brejo paraibano

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o monumento à beira da pista, em frente ao Centro Marista de Eventos

Azimute e referente
0º N, a partir da frente da imagem da Virgem

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção à Virgem dos Pobres iniciou-se na Bélgica, na aldeia de Banneux, região
de Ardennas, em 1933 (em 15 de janeiro houve a primeira aparição à menina Marieta
Beco, sendo a última aparição em 02 de março). A veracidade das aparições foi
aprovada pelo Vaticano em 22 de agosto de 1949. O monumento de Lagoa Seca foi
inaugurado no dia 19 de outubro de 1958, pelo Frei Pascoal Becker – O.F.M. e faz
parte do Convento de Santo Antônio, em Ipurana, Campina Grande-PB.

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Monumento da Virgem. Poucos objetos votivos, mas um movimento expressivo de fiéis

FIS37. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS37)

MONUMENTO À VIRGEM DOS POBRES


Lagoa Seca-PB

Aspecto geral do sítio

Piso calçado com pedra e bancos em blocos de pedra, num cercado triangular. A imagem
mede mais ou menos 1,5m. Há um ofertório em pedra e também quatro veleiros e dois
pontos de venda de alimentos e artigos religiosos.

Condições de apresentação dos artefatos

Havia poucas peças votivas, quase todas guardadas num reservado ao lado do
oratório, fechado com cadeado e grade de metal. Havia muitas flores dentro do nicho
e uma placa votiva estava fixada na base do monumento. Vi alguns ex-votos jogados
atrás do muro.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa X Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam dentro de um espaço reservado, ao lado da imagem da Virgem, protegi-


das parcialmente das intempéries.

Registros obtidos
X Fotografias(08) ? Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

Livreto de história e novena à Santíssima Virgem dos Pobres de Banneux, publicado


em 1971 e adquirido em Maceió-AL.

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes
Flores

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

FIS37. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS37)

MONUMENTO À VIRGEM DOS POBRES


Lagoa Seca-PB

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);

b) Gravação direta por meio mecânico, bidimensional, gravação em alto relevo


sobre placa metálica (fixado na base do monumento);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, objeto recortado em placa


de madeira (pé);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em
madeira;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto costurado em
tecido;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (emolduradas ou


não, em cor, 3x4 e ampliadas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, boneca de plástico (perna);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de
santos católicos (Jesus Cristo, Virgem dos Pobres, em gesso);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso acadêmico
(caderno, módulo de concurso público);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a)Apresentação in natura, fitomórfica, flores e coroa de flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas e fitas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas.

FIS37. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS37)

MONUMENTO À VIRGEM DOS POBRES


Lagoa Seca-PB

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
3º domingo de outubro

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Livreto de história e novena à Santíssima Virgem dos Pobres de Banneux.

Menções prévias

Livreto de história e novena à Santíssima Virgem dos Pobres de Banneux, adquirido em


Maceió-AL

Interfaces

Culto à Virgem dos Pobres em Maceió-AL (Santuário) e em Paripueira-AL (oratório à


frente da Igreja de Santo Amaro).

Outras informações

Referências
Livreto de história e novena à Santíssima Virgem dos Pobres de Banneux

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

FIS37. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS37)

MONUMENTO À VIRGEM DOS POBRES


Lagoa Seca-PB

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F5/Foto 25: vista geral 2)VS2_F5/Foto 27: monumento


do Monumento da Virgem dos Pobres aproximado

3) VS2_F5/Foto 31: ex-votos reservados 4)VS2_F5/Foto 28: veleiro

5) VS2_F5/Foto 30: placa

FIS37.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS38)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Solidão-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora de Lourdes

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Santuário
Popular natural
(gruta)

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

01 de agosto de 2006, 3ª feira Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Solidão-PE

Situação geográfica

Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário numa gruta, no alto da cidade de Solidão

Azimute e referente
25º NE, a partir da direção do olhar da imagem de Nossa Senhora

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção começou em 1945, por iniciativa do padre francês Carlos Luis Cottard, que
atribuiu poderes curativos à água do lugar.

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Gruta, Santuário e fonte de água com poderes curativos.

FIS38. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS38)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Solidão-PE

Aspecto geral do sítio

Localiza-se dentro de uma gruta, com parede rebocada com cimento chapiscado. Há uma
escadaria de acesso com corrimão e postes de iluminação, ladeada por 14 nichos
contendo dizeres de protesto social, riscados sobre placa cerâmica (barro). Há dois
veleiros em tabuleiros e outros dois do tipo tea-table. Na bica de água milagrosa,
do lado esquerdo de quem sobe a escadaria, há uma pedra na qual se diz ter a marca de
uma “pegada da santa” e um minadouro de água.

Condições de apresentação dos artefatos

Os ex-votos encontravam-se amontoados num canto da gruta. Havia uma pequena


construção ao lado esquerdo da gruta, fora da área principal e fechada com grade de
madeira, reservando peças igualmente amontoadas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Apesar de não haver proteção especial, as peças ficam no interior da gruta, ao


abrigo das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(18) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Peças em madeira (tridimensionais, representando partes do corpo)

Observações

Não vi fotografias. Tudo indica que numa cidade pequena o anonimato garantido pela
oferta de peças tridimensionais garante também a preservação da identidade e da
intimidade dos fiéis.

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS38. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS38)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Solidão-PE

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado e não-


pautado);
a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura em parede (no altar,
dentro da gruta);
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em


madeira (e riscado com esferográfica);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto moldado em
gesso;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografia (em cor, 3x4);


c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens afins ao catolicismo
(Pomba do Espírito Santo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso terapêutico
(muleta);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, boneca de plástico (perna e
cabeça);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, antropomórfica, mecha de cabelo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas.

FIS38. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS38)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Solidão-PE

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
11 de fevereiro (dia da Santa)
3ª semana de outubro (romaria)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Culto a Nossa Senhora de Lourdes em Sousa-PB

Outras informações

Uma imagem de Santa Bernadete (a criança que teve a visão da Santa, em 1858 – Maria
Bernarda Soubirous) olha para a imagem de Nossa Senhora

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações

FIS38. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS38)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE LOURDES


Solidão-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F8/Foto 08: escadaria da gruta 2)VS2_F8/Foto 09: escadaria, capelinhas


e capela votiva

3)VS2_F7/Foto 33: veleiro e imagem de 4)VS2_F8/Foto 03: bancada natural com


Nossa Senhora na Gruta ex-votos

5)VS2_F8/Foto 01: ex-votos depositados 6)VS2_F8/Foto 05: “promessas aqui”


na gruta

FIS38.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS39)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE GRAÇAS


Pesqueira-PE

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Nossa Senhora das Graças

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título popular Santuário
Eclesiástico natural
(gruta)

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

02 de agosto de 2006, 4ª feira Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Pesqueira-PE, Serra Santa, Sítio da Guarda, Distrito de Cimbres

Situação geográfica

Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário no alto da Serra Santa, com vista panorâmica para a cidade
de Pesqueira. Há um mirante no Santuário, que torna a vista ainda mais
deslumbrante. Lá do alto, avista-se 6 igrejas e um cemitério. Há um cruzeiro do lado
esquerdo da gruta e uma capela em forma de cruz. No caminho para o Santuário há 14
estações da Via Crucis, esculpidas sobre pedra em alto relevo.

Azimute e referente
165º SE, a partir da direção do olhar da imagem de Nossa Senhora

Informação sumária sobre o histórico da devoção

1936, quando da suposta aparição da Santa

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Santuário, especialmente a gruta com a imagem da Santa e a capela

FIS39. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS39)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE GRAÇAS


Pesqueira-PE

Aspecto geral do sítio

É um espaço novo e bem conservado, tendo inclusive acesso para deficientes físicos.
Aparentemente adota um versátil esquema de gestão, com o apoio de empresas da
região, que recebem como contrapartida a menção em peças dispersas pelo Santuário.

Condições de apresentação dos artefatos

Foram encontrados apenas dentro da gruta, simplesmente depositados aos pés da


imagem da Santa.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Relativamente protegidos das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(18) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Peças em madeira (tridimensionais, representando partes do corpo)

Observações

Apresentavam-se em pequeníssima quantidade.

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

Não constatadas

FIS39. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS39)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE GRAÇAS


Pesqueira-PE

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em


madeira (corpo inteiro, pernas);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (ampliadas, em cor,


emolduradas e não-emolduradas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora das Graças e telha com imagem pintada de Nossa Senhora
do Sagrado Coração, Santa Luzia, Santo Antônio);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários de uso
pessoal (roupas, caneta);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso terapêutico (mule-
ta);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, copo de vidro (dois, um dos quais
com grãos crus de arroz dentro);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, boneca de plástico (cabeça);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas, pedras e fitas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre e expressões


essencialmente simbólicas.

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas.

FIS39. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS39)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE GRAÇAS


Pesqueira-PE

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
06 de agosto
27 de novembro (dia da Santa)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Menções prévias

Citação na internet

Interfaces

Culto a Nossa Senhora das Graças em Florânia-RN

Outras informações

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações

FIS39. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS39)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DE GRAÇAS


Pesqueira-PE

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F8/Foto 32: entrada do santuário 2)VS2_F8/Foto 16: cruzeiro, capela e cidade

3)VS2_F8/Foto 20: gruta com imagem de 4)VS2_F8/Foto 21: ex-votos aos pés da Santa
Nossa Senhora e cruzeiro

FIS39.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS40)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DOS IMPOSSÍVEIS


Patu-RN

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção
Nossa Senhora dos Impossíveis

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Culto mariano Título Santuário
Eclesiástico litúrgico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

19 de janeiro de 2004, 2ª feira Ricardo Veriano (Secretário Municipal de


Cultura) e Josué (guia mirim)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Patu-RN, Serra do Lima

Situação geográfica
Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário no alto da Serra do Lima, apresentando uma igreja de
influência arquitetônica alemã, em forma de cone

Azimute e referente
Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


Em 29 de Janeiro de 1758, o coronel Antônio de Lima Abreu Pereira e sua esposa Paula
Moreira Braga Pessoa, moradores de Apodi e proprietários da serra construíram uma
capela e trouxeram a estátua de Nossa Senhora dos Impossíveis, de Portugal. Cerca
de 30 anos depois, o mesmo Coronel doou a capela ao Bispado, passando-se a
desenvolver as romarias celebrando-se a festa no dia 21 de novembro e 1º de
janeiro. Desde o ano de 1920 que o santuário é administrado pelos Missionários da
Sagrada Família, cujo fundador foi o Padre João Batista Berthier. Faz parte da
Diocese de Mossoró

FIS40. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS40)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DOS IMPOSSÍVEIS


Patu-RN

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Santuário, Museu e Sala dos Milagres

Aspecto geral do sítio

Mostrou-se um espaço extremamente bem cuidado e com desenvolvida vocação para o


turismo religioso, dispondo de um museu focado nas manifestações populares locais

Condições de apresentação dos artefatos

As peças votivas são ofertadas numa sala anexa ao Santuário, com fotografias
penduradas em varais, inovando nos procedimentos expositivos

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários

As peças ficam reservadas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(15)  Vídeo X Ficha etnográfica
 Papelaria  Catálogo
 Outros (livreto de cordel)  Artefatos

Observações

Observação direta, não sistemática. O artefato foi um presente dado por Ricardo
Veriano

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Fotografias e peças tridimensionais em madeira

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel;


a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;
a)Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo
tridimensional;
d)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinhos e cartazes de
campanha política;

FIS40. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS40)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DOS IMPOSSÍVEIS


Patu-RN

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a)Manufatura especialmente construída, bidimensional, peça recortada em placa de


madeira (rosto em perfil, mãos);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, esculturas em madeira
(cabeças, braços, mãos, seios, pernas e pés);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em
material argiloso (seios);
a)Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto de uso penitencial:
vestes (túnica), cruzes em madeira;

b)Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (3x4 e


ampliadas, em cor ou em preto-e-branco, emolduradas ou não);

c)Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor ou em preto-e-branco, emolduradas ou não);
c)Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(aparelhos ortopédicos);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

Não constatadas

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas e designações indiciais da graça/milagre

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
01 de janeiro (romaria)
21 de novembro (Festa do Lima, dia de Nossa Senhora dos Impossíveis)

Onomástica
O título de Nossa Senhora dos Impossíveis vem do fato de ter acontecido com
Nossa Senhora três coisas humanamente impossíveis, a saber:
1. Maria concebida sem pecado original;
2. Maria Virgem e Mãe;
3. Maria Mãe de Deus
FIS40. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS40)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DOS IMPOSSÍVEIS


Patu-RN

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Folder de divulgação da Secretaria Municipal de Turismo e Meio Ambiente

Menções prévias

Lélia Coelho Frota referiu a cidade dentro da obra de Veríssimo de Mello, que não
tive a oportunidade de conhecer

Interfaces

Outros cultos marianos

Outras informações

Referências

Web site - http://nsimpossiveis.tripod.com/index.html

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto  Médio  Baixo

Observações
Mesmo sem o conhecimento da obra de Veríssimo de Mello, o local tem característica
própria e uma tradição considerável

FIS40. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS40)

SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DOS IMPOSSÍVEIS


Patu-RN

Indicativos Etnofotográficos

1)VS1_F04/Foto 17: vista do


portal de entrada

FIS40.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS41)

SANTA LUZIA, NA IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santa Luzia (padroeira das doenças nos olhos)

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santa católica Igreja
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

24 de setembro de 2006, Domingo Marlene Marques (juíza) e Joselita Santos


(membro da irmandade).

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Salvador-BA, Igreja de Nossa Senhora do Pilar, Rua do Pilar, bairro do Comércio

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja no sopé da montanha que divide a cidade em dois níveis, próximo
da região portuária. A igreja integra zona de preservação rigorosa (IPAC).

Azimute e referente
250º SO, aponta a fachada da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A devoção a Nossa Senhora do Pilar é de origem espanhola. A devoção a Santa Luzia,
de origem portuguesa, surgiu, inicialmente, na capela do Solar do Unhão (IPAC). A
construção é da primeira metade do século XVIII (IPAC).

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Missa na “sacristia” da igreja, já que esta se encontrava com a nave principal em


ruínas. Estava prevista a reocupação da igreja para o dia 08 de outubro. Fonte de
Santa Luzia, com nicho, veleiro e bica de água milagrosa. Dona Marlene não foi muito
receptiva e refutou uma observação a uma suposta reserva de peças votivas, numa
“sala dos milagres”, para onde são levadas as peças depositadas na bancada da
sacristia.

FIS41. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS41)

SANTA LUZIA, NA IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR


Salvador-BA

Aspecto geral do sítio

Bastante comprometido, um sítio quase em ruínas. O cemitério anexo (da irmandade)


encontrava-se destruído e tomado pelo mato.

Condições de apresentação dos artefatos

Observei objetos votivos na “sacristia” e na parte de fora do templo. Não tive


acesso a uma suposta sala dos milagres. Na “sacristia” vi algumas peças em cera,
flores, velas e garrafas pet com água sobre uma bancada.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Relativamente protegidos das intempéries.

Registros obtidos
X Fotografias(12) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

Medalha, oração e fitinha

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes

Objetos em cera, que quase sempre remetem aos olhos

Observações

Destacava-se um par de bolas de gude numa tigela, como apresenta na imagem de Santa
Luzia.

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado ou não);

FIS41. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS41)

SANTA LUZIA, NA IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR


Salvador-BA

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;


b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em silên-
cio;
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em cera


(partes do corpo – olhos, cabeça, seios);

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos


católicos (Nossa Senhora Aparecida, São Roque, São Cosme e São Damião, Santa
Bárbara, todas fora do templo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (caboclo, fora do templo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, bolas de gude (como referência a
olhos);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(lentes de contato, em caixa própria);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (esca-
pulário);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a)Apresentação in natura, antropomórfica, mechas de cabelo;


a)Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figurativas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Tradicionalmente a cura de problemas nos olhos. Além disso, não foi possível uma
identificação confiável das motivações a partir das expressões observadas.

FIS41. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS41)

SANTA LUZIA, NA IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR


Salvador-BA

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
13 de dezembro

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Medalha, oração e fitinha de Santa Luzia

Menções prévias

- Pierre Verger cita a festa em “Notícias da Bahia de 1850” (1999: 84);


- Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-024.

Interfaces

Outras informações

- Fonte de água tida como milagrosa;

- Não constatei práticas votivas dirigidas diretamente a Nossa Senhora do Pilar;

- Cores associadas a Santa Luzia: verde e vermelho;

- Imóvel de propriedade da Mitra Arquidiocesana de São Salvador da Bahia;

- Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 128 do livro de Belas Artes, folha
23, em 17 de junho de 1938;

- Inventário IPAC produzido entre agosto de 1973 e outubro de 1974

Referências
VERGER, Pierre Verger. Notícias da Bahia de 1850. 1999.
- Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-024.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações
Trata-se de um culto tradicional

FIS41. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS41)

SANTA LUZIA, NA IGREJA MATRIZ DE NOSSA SENHORA DO PILAR


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

2)VS2_F12/Foto 28:veleiro e fonte milagrosa

1)VS3_F13/Foto 02:fachada da
igreja

3)VS2_F12/Foto 29: close da fonte


4)VS2_F12/Foto 32: altar
improvisado

5)VS2_F12/Foto 33: close de peças votivas

FIS41.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS42)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santo Antônio

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Canônico Santa católica Igreja
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

18 de outubro de 2006, 4ª feira Lídia Pereira (secretária)


28 de janeiro de 2007, Domingo

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Salvador-BA, Ladeira da Barra

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja no alto de uma colina, na Ladeira da Barra, de frente para a
avenida principal (Av. Sete de Setembro). A colina é tombada pelo IPHAN, como sítio
paisagístico (IPAC). Há um cruzeiro na frente do adro da igreja, ainda fora da grade
de metal.

Azimute e referente
85º E, aponta a fachada da igreja

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Segundo o IPAC a construção é do século XVII

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja, Sala dos Milagres (com uma grande imagem de Santo Antônio)

FIS42. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS42)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA


Salvador-BA

Aspecto geral do sítio

É uma sala pequena e precariamente iluminada. Mede 2,55m x 2,55m (aproximadamente


6,25 m2), com entrada central, por duas portas de metal. Igreja muito bem conservada
por fora, em estilo jesuítico. Adro com escadaria. É de decoração simples por dentro

Condições de apresentação dos artefatos

São colocados em sete prateleiras nas paredes da sala, ou no chão. Não se trata de
uma exposição “museológica”. Podem ser vistos mesmo com a sala fechada, uma vez que
esta se reserva com portões de metal.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Reservados das intempéries. As flores se deterioram naturalmente, e normalmente


são depositadas após os casamentos e outras cerimônias.

Registros obtidos
X Fotografias(23) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Flores, imagens de santos, peças em cera, miniaturas de casas

Observações

Só havia fotografias em dois álbuns de casamento. Isto pode indicar uma preocupação
com a conservação do anonimato, uma vez que trata-se de um bairro de classe média.
Muitas flores, normalmente doadas depois das cerimônias. Também são ofertadas em
unidades. Santo Antônio é um santo casamenteiro: isto pode explicar o porquê de
muitas miniaturas de casas. Há a impressão de que há poucos apelos protetivos. A
solicitação por celebração de missas talvez seja uma forma expressiva de troca
votiva neste sítio, motivada quase sempre por realizações profissionais e pessoais

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos

FIS42. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS42)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA


Salvador-BA

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel (pautado ou não),


agendas comerciais com telefones de contato;
a)Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre objeto votivo bidimen-
sional;
a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-
mensional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santinho


de morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, orações dedicadas a santos (san-
tinho de Santo Expedito, devocionário do Menino Jesus de Praga);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de conquistas na vida
pessoal (convite – santinho – de formatura);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados de exames (sorologia
anti-HTLV I/II);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel (dois


retratos, emoldurados);
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, objeto entalhado em placa
de madeira;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em cera
(corpo inteiro ou partes do corpo – cabeça, pés, mãos com braço);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, miniatura de construção
habitacional (casas em madeira, cera, isopor, papelão, EVA, papel, às vezes com
chave anexada);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (em cor, 3x4 e amplia-


das, avulsas e em dois álbuns de casamento);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora, Sagrada Família, São Jorge, Santo Antônio, São
Lázaro, Santos Cosme e Damião, Santa Bárbara);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Jesus Cristo, Nossa Senhora Aparecida, Nossa Senhora das Candeias,
Sagrada Família, Santo Antônio, Santo Expedito, São Lázaro, São Roque, São
Jorge, Santos Cosme e Damião, Santa Bárbara);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo ou de personalidades públicas (Padre Anchieta);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Sereia, Yemanjá, “cigano”);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, boneca Barbie;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso decorativo (casti-
çal de porcelana, 1 nicho vazio);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços, vasinhos coloridos dos Santos Cosme e Damião, medalhinhas, saquinho de São
José);

FIS42. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS42)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA


Salvador-BA

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores (buquês e coroas);

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas (de 60 anos, do Bob Esponja) e


fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figurativas e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
- Formatura, comemoração de aniversário, casamento, aquisição de bem imóvel (resi-
dencial), aposentadoria, diagnóstico favorável em exame de saúde;

De modo geral não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir
das expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
13 de dezembro

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Menções prévias

Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-034

Interfaces

Outras informações

- Lídia me informou que são rezadas muitas missas em ações de graças, sendo a
aposentadoria um dos motivos mais freqüentes. Trata-se de um bairro com numerosa
população mais idosa;
- Segundo o IPAC: “1884 – Foi restaurada nesse ano pelo professor F. J. R. Sales, em
cumprimento da promessa do devoto Leovídio Carlos Bacelar”;
- Imóvel de propriedade da Mitra Arquidiocesana de São Salvador da Bahia, cedido
temporariamente à Companhia de Jesus;
- Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 139 do livro de Belas Artes, folha
25, em 17 de junho de 1938;
- Inventário IPAC produzido entre dezembro de 1973 e outubro de 1974

FIS42. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS42)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA


Salvador-BA

Referências
Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-034

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto X Médio ? Baixo

Observações
Trata-se de um culto tradicional

FIS42. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS42)

IGREJA DE SANTO ANTÔNIO DA BARRA


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS4_F24/Foto 17: Sto. Antônio da Barra


– fachada com escadaria

2)VS3_F13/Foto 29: SM da igreja

3)VS3_F13/Foto 22: prateleiras à esquerda

4)VS3_F13/Foto 23: prateleiras


de santos

5)VS4_F24/Foto 24: restos de santos

FIS42.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS43)

SANTUÁRIO DE SÃO LÁZARO E SÃO ROQUE


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL

Devoção
São Lázaro e São Roque

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional Santos católicos,
sincretizados com
Eclesiástico Transcanônico Obaluaê e Omolu Santuário
(respectivamente) no
Candomblé

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

08 de agosto de 2006, 3ª feira Não houve


21 de fevereiro de 2006, 3ª feira

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Salvador-BA, Alto de São Lázaro, bairro da Federação

Situação geográfica
Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o santuário “na parte sul da cidade de Salvador, no cume de um espigão
próximo ao oceano. Em sua proximidade está situado o 'Lazareto', inventariado
dentre os monumentos civis, e numerosas construções populares de pequeno porte”
(IPAC)

Azimute e referente
o
0 N, a partir da frente do templo

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Segundo o IPAC, a Ordem Régia de 1755 afirma: “fundou há tempo a caridade de alguns
devotos, uma ermida a São Lázaro”. Afirma também que em “1762 o Governador D.
Rodrigo José de Menezes, no dia 27 de março, concedeu provisão para construir um
pequeno hospital de isolamento junto à capela de São Lázaro, para recolher os
doentes contagiosos que viam da Costa d'África”, que a 27 de agosto de 1787
transferiu-se (o Lazareto) para a Quinta do Tanque. Segundo Pierre Verger, o dia
da semana dedicado aos orixás é a segunda-feira, quando o chão do adro da igreja é
coberto de pipocas que as pessoas passam em seus próprios corpos para se
preservarem de possíveis doenças contagiosas, associando, assim, numa mesma
manifestação, a sua fé à força do deus africano e do santo católico (VERGER, 1997,
p. 216)

FIS43. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS43)

SANTUÁRIO DE SÃO LÁZARO E SÃO ROQUE


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Todo o santuário, especialmente a Sala dos Milagres e o veleiro

Aspecto geral do sítio

A construção é do começo do Século XVIII. Trata-se de uma igreja bem conservada,


cuja Sala dos Milagres é relativamente ampla, mas pouco iluminada, contando com
apenas uma lâmpada, além da iluminação indireta projetada na imagem de São Roque. Há
uma pintura no teto da sala, mostrando um jesuíta tratando de um negro e de um índio

Condições de apresentação dos artefatos

A Sala dos Milagres localiza-se num anexo à esquerda da nave da igreja. Predominam
peças tridimensionais em cera, penduradas nas paredes, amarradas com fitinhas
coloridas de São Lázaro

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa  Regular  Ruim
Comentários
O ambiente fechado mantém as peças protegidas das intempéries

Registros obtidos
X Fotografias(17+ digitais)  Vídeo X Ficha etnográfica
X Papelaria  Catálogo
 Outros X Artefatos

Observações

Cartaz da Festa de São Roque e informativo da Paróquia Ressurreição do Senhor (SSA,


jul-2006, no 36)

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Peças tridimensionais em cera, muletas e aparelhos ortopédicos

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Ex-votos e poucos apelos protetivos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não,


também integrando objetos votivos bi e tridimensionais;

FIS43. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS43)

SANTUÁRIO DE SÃO LÁZARO E SÃO ROQUE


Salvador-BA

a) Manuscritura a tinta, tridimensional, manuscritura sobre objeto votivo tridi-


mensional;

c) Gravação ou colagem indireta por meio mecânico, bidimensional, datilografia


sobre papel, também integrando objetos votivos bi e tridimensionais;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, documentos pessoais, em original


ou cópia (CPF, Certidão de Nascimento, crachá funcional);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, resultados de exames de saúde;
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de conquista profissio-
nal (panfleto de restaurante);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registro de passamento (santinho
de morte);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto modelado em cera


(corpo inteiro e partes do corpo);

b) Não-manufatura especialmente construída, bidimensional, fotografias (em cor ou


em preto-e-branco, 3x4 ou ampliada, não-emolduradas);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (em cor ou em preto-e-


branco, 3x4 ou ampliada, não-emolduradas);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (São Cosme e São Damião);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Escrava Anastácia);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, analógicos humanos miniaturali-
zados: bonecas em plástico (corpo inteiro e partes do corpo);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(aparelhos ortopédicos, muletas, bengalas, moldes de gesso);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico (ter-
ços, escapulários);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos utilitários e de uso
pessoal (roupas, toalha);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, miniatura de aparelho telefônico
celular;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, livreto (“Novo Testamento &
Salmos”);
Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatadas
Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, velas;


a) Expressão de cunho individual, oblato, fitinhas de São Lázaro;

b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, participação em ritos


coletivos;
b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

FIS43. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS43)

SANTUÁRIO DE SÃO LÁZARO E SÃO ROQUE


Salvador-BA

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figuradas, designações indiciais da graça/milagre, expressões


essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Relatos de cura relacionados a: problemas cardíacos, doenças infecto-contagiosas
(dermatites), fraturas (no braço), problemas circulatórios (varizes), abscesso no
rosto. Também ao nascimento de um filho e à aquisição de bens de consumo (telefone
celular).

De modo geral, não foi possível uma identificação mais confiável das motivações a
partir das expressões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
16 de agosto (São Roque), com tríduo preparatório dias 13, 14 e 15;
17 de dezembro (São Lázaro)

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não encontrados

Menções prévias
o
Inventário do IPAC, n : BR:32007-1.0-V

Interfaces

Outros cultos transcanônicos (em especial ao Senhor do Bonfim, em Salvador-BA)

Outras informações

- Imóvel de propriedade da Mitra Arquidiocesana de São Salvador da Bahia;

- Inventário IPAC produzido entre maio de 1973 e dezembro de 1974;

- Realiza-se a Missa Afro na primeira segunda-feira de cada mês, sempre às 18h;

- Além de São Lázaro e São Roque, há muitas outras imagens tridimensionais de santos
no interior do templo, em todas, há pedidos e agradecimentos: a Sagrada Família,
Nossa Senhora Aparecida, N. S. do Perpétuo Socorro, N. S. da Cabeça, Santa Rita,
Santa Edwiges. Pintadas, há imagens de São Clemente, São Geraldo, São João Neumann
e Santo Afonso;

- Do lado de fora do templo, no veleiro, observei uma cesta com pipoca, oferenda a
Omolu (São Roque) e Obaluaê (São Lázaro);

FIS43. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS43)

SANTUÁRIO DE SÃO LÁZARO E SÃO ROQUE


Salvador-BA

- Contatos com a paróquia: tel. (71)3247-4972. E-mail: lazaroeroque@yahoo.com.br;

- Web site: http://www.ressurreicaodosenhor.com.br;

- É mais um santuário administrado pelos Missionários Redentoristas da Bahia (como


o é o de Bom Jesus da Lapa)

Referências
o
Inventário do IPAC, n : BR:32007-1.0-V

VERGER, Pierre. Orixás – deuses iorubás na África e no Novo Mundo. Salvador:


Corrupio, 1997

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto  Médio  Baixo

Observações
Trata-se de um importante centro de culto transcanônico, cujo efeito sincrético é
pouco visível nas expressões votivas

FIS43. 5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS43)

SANTUÁRIO DE SÃO LÁZARO E SÃO ROQUE


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F12/Foto 17: vista externa 2)VS2_F12/Foto 12: vista interna


do Santuário da igreja (altar)

3)VS2_F12/Foto 02: sala dos milagres: 4)VS2_F12/Foto 06: peças em cera penduradas
altar e peças na parede

5)VS2_F12/Foto 13: veleiro (close) 6)VS2_F12/Foto 15: pipoca: oferenda a


Omolu/Obaluaê

FIS43.6
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS44)

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Santa Bárbara (1)


Escrava Anastácia (2)

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Santa católica, Igreja (1) e
Eclesiástico (1) Canônico (1) e sincretizada com oratório na mesma
e Popular (2) Não-canônico (2) Iansã, no igreja (2)
Candomblé (1) e
Mártir (2)

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

08 de agosto de 2006, 3ª feira Cosma Miranda (secretária) e Josete


04 de dezembro de 2004, Sábado Batista Santos (visitadora)

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Salvador-BA, Ladeira do Pelourinho, Praça José de Alencar, Centro Histórico

Situação geográfica
Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja na Ladeira do Pelourinho. O oratório da Escrava Anastácia
localiza-se nos fundos da igreja, no antigo “cemitério dos escravos”.

Azimute e referente
Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção


A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos do Pelourinho foi uma
das primeiras confrarias de negros criada no Brasil e funcionou inicialmente,
na antiga Sé. Em 1685 a Irmandade foi erigida e foi aprovado seu compromisso
pela Sé Catedral da Bahia. A igreja foi construída pelos irmãos (1704), em suas
oras vagas, ao longo de quase um século (IPAC)

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Toda a igreja, principalmente o oratório dedicado à Escrava Anastácia

FIS44. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS44)

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS


Salvador-BA

Aspecto geral do sítio

É uma igreja bastante movimentada e bem cuidada. O nicho da Escrava Anastácia é


gradeado, com um veleiro próximo

Condições de apresentação dos artefatos

Segundo Josete Batista, as ofertas votivas locais normalmente são feitas através de
ritos comensais. No caso da Escrava Anastácia, quase não há ofertas votivas
depositadas. Quando aparecem, ficam sobre as prateleiras (duas, uma delas presa à
parede). Na Festa de Santa Bárbara, é oferecido um caruru no Mercado dos Arcos de
Santa Bárbara, na Baixa dos Sapateiros

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Foram pouco expressivos nos dois casos

Registros obtidos
X Fotografias(06 + 15 cromos) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Pela escassez, nenhum tipo em especial

Observações
Mesmo com poucas ofertas votivas, muitas pessoas se aproximam do oratório,
persignam-se e fazem orações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e votos de renovação

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscrituras sobre papel, pautado ou não;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento


(santinho de morte);

FIS44. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS44)

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS


Salvador-BA

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

b) Expressão do grupo, silenciosamente declarada, preces compartilhadas em silên-


cio;
b) Expressão do grupo, publicamente declarada, preces e cânticos entoados em
grupo;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos


católicos (São Cosme e São Damião);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de divindades de cânones
não-católicos (Escrava Anastácia);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Santa Bárbara, Santo Antônio);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso litúrgico (ter-
ços);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objeto de uso penitencial: cruz
em plástico;
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfico, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblato, vela;


a) Expressão de cunho individual, oblato, copo com água;

b) Expressão de vivência compartilhada, oblato, oferta de alimentos em ritos


comensais;
b) Expressão de vivência compartilhada, performance ritual, queima de fogos;

Aspectos sígnicos predominantes

Expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
04 de dezembro (Santa Bárbara)

FIS44. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS44)

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS


Salvador-BA

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-025

Menções prévias

Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-025. O dramaturgo baiano Alfredo Dias Gomes


abordou questões relativas ao culto a Santa Bárbara na obra “O pagador de
promessas”, que nas adaptações para cinema e televisão usaram como locação a Igreja
do Santíssimo Sacramento, na Rua do Paço, também no Centro Histórico de Salvador

Interfaces

Outras informações

- Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos ou de Nossa Senhora do


Rosário das Portas do Carmo;

- Dentre a imaginária, destacam-se Nossa Senhora do Rosário (séc. XVII), São


Benedito, Santo Antônio de Catigerona e Crucificado de marfim (IPAC). Há também uma
imagem de Santa Bárbara;

- Imóvel de propriedade da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário da Baixa dos


Sapateiros;

- Proteção existente: Tombado pelo IPHAN sob o no 129 do livro de Belas Artes, folha
23, em 17 de junho de 1938;

- Inventário IPAC produzido entre janeiro e dezembro de 1974

Referências
Inventário do IPAC, no: BR:32007-1.0-025

GOMES, Dias. O pagador de promessas. 39ª ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004. 96p.

VERGER, Pierre. Notícias da Bahia de 1850. Tradução: Maria Aparecida da Nóbrega.


2ª ed. Salvador: Corrupio, 1999. 240p.

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações
Poucas expressões votivas, apesar de ser uma devoção pouco comum

FIS44. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS44)

IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS PRETOS


Salvador-BA

Indicativos Etnofotográficos

2)sn/Foto 25A: interior da igreja/dezembro


de 2004

1)Opus2/Foto 34A: fachada


da igreja

3)sn/Foto 32: Ladeira do


Pelourinho/dezembro de 2004
4)sn/Foto 42: imagem de Santa
Bárbara no Corpo de
Bombeiros da
Barroquinha/dezembro de 2004

5)VS2_F12/Foto 20: vista geral do oratório 6)VS2_F12/Foto 22: close da imagem da


da Escrava Anastácia Escrava Anastácia

FIS44.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS45)

IGREJA MATRIZ DOS SANTOS COSME E DAMIÃO


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

São Cosme e São Damião

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Transcanônico Santos Igreja
Eclesiástico católicos,
sincretizados
com orixás

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

29 de setembro de 2006, 6ª feira Padre André Alexandre dos Passos Filho

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Salvador-BA, bairro da Liberdade (de onde os santos são padroeiros)

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se a igreja na avenida principal do bairro da Liberdade (Rua Lima e Silva)

Azimute e referente
Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção

O culto aos santos Cosme e Damião é de origem árabe (Acta e Passio). Em 1530 chegou
ao Brasil, trazido pelos portugueses.

FIS45. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS45)

IGREJA MATRIZ DOS SANTOS COSME E DAMIÃO


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Igreja e sacristia

Aspecto geral do sítio

Bem conservado. É uma construção moderna, com um altar simples e com as imagens dos
santos no alto. O aspecto excessivamente funcional do templo desagradada:
reivindica uma reforma para deixar a fachada condizente com a tradição dos santos.

Condições de apresentação dos artefatos

Não foram encontrados objetos votivos. Segundo o pároco as promessas são pagas
através de missas, sem se revelar o objeto do pedido. Quem deseja, oferece carurus,
mas a postura pastoral adotada pela paróquia não aproxima o rito gastronômico das
práticas cristãs. Tolera, tentando “evangelizar”, “chamar o outro para esta
realidade”. Uma espécie de tolerância inter-religiosa.

Condição de conservação dos artefatos expostos


? Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Não se aplica neste caso

Registros obtidos
? Fotografias ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros ? Artefatos

Observações

Observação direta

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Não foram observadas oblações

FIS45. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS45)

IGREJA MATRIZ DOS SANTOS COSME E DAMIÃO


Salvador-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Não se aplica neste caso

Tipologia das formas verbais / escritas

Não constatadas

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

a) Expressão do indivíduo, publicamente declarada, atribuição particular de


onomásticos (nomes de batismo: Cosme ou Damião) e celebração de missas;

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

Não constatados

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

Não constatados

Aspectos sígnicos predominantes

Não se aplica neste caso

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação das motivações

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas
26 (cristã) e 27 (afro-brasileira) de setembro. Há um novenário na Igreja Matriz
dos santos, com ponto alto no dia 27, quando acontecem oito missas e uma procissão
pelas ruas do bairro.

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Não constatados

FIS45. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS45)

IGREJA MATRIZ DOS SANTOS COSME E DAMIÃO


Salvador-BA

Menções prévias

Interfaces

Manifestações no culto afro-brasileiro e a Igreja dos Santos Cosme e Damião em


Igaraçu-PE.

Outras informações

- São sincretizados com Ibejis, no Candomblé;

- Telefone da Paróquia dos Santos Cosme e Damião (71) 3242-2292;

- E-mail: dscsp@uol.com.br

- Nos ritos comensais são ofertados em louvor aos Santos Cosme e Damião o
tradicional caruru e doces e guloseimas

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações

É um caso especial dentro das relações transcanônicas na capital baiana

Indicativos Etnofotográficos
Não houve neste caso

FIS45. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS46)

MEMORIAL DE IRMÃ DULCE


Salvador-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Irmã Dulce
[Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes]
* 26/05/1914
† 13/03/1992

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Proto-canônico Serva de Deus Memorial
Eclesiástico

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO

Data da visita Informantes

08 de agosto de 2006, 3ª feira Osvaldo Gouveia (Assessor de Memória e


Cultura) e George reis (guia).

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito

Salvador-BA, Av. Bonfim, 161, Largo de Roma

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Memorial na Capela do Convento Santo Antônio, onde Irmã Dulce fixou
residência ao voltar de Sergipe (1934). Todo o conjunto faz parte da Associação
Obras Sociais Irmã Dulce (OSID).

Azimute e referente
Não medido

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Datam de 1992 (ano de sua morte) os primeiros relatos de graças atribuídas a Irmã
Dulce.

FIS46. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS46)

MEMORIAL DE IRMÃ DULCE


Salvador-BA

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Capela do Convento Santo Antônio e túmulo, onde predominam as deposições votivas.


Museu e sala da Assessoria de Memória e Cultura

Aspecto geral do sítio

Apesar de ser uma organização particular de caridade, as Obras contam com o apoio de
fontes colaboradoras que possibilitam ao Memorial um ambiente de organização,
contando com uma razoável interpretação museológica da personalidade de Irmã Dulce

Condições de apresentação dos artefatos

Normalmente ficam na sala de entrada do Memorial, mas quando há exposições, como no


caso da minha visita, são recolhidos. São depositados também no túmulo. Segundo me
informou o assessor Osvaldo Gouveia, há uma reserva técnica, a ser exposta sob
técnicas museológicas.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças ficam reservadas das intempéries do tempo

Registros obtidos
? Fotografias ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
X Outros (livro “Irmã Dulce dos Pobres”) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Não havia um predomínio específico nas ofertas observadas

Observações

FIS46. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS46)

MEMORIAL DE IRMÃ DULCE


Salvador-BA

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre papel, pautado ou não;


a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre verso de fotografia;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santi-


nhos de morte);

Tipologia das formas verbais /faladas

a) Expressão do indivíduo, silenciosamente declarada, preces;

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho feito a partir de


impressão de marcas de carimbo;

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (3x4 e ampliadas, em


cor e sem molduras);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico
(terços);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas;

b) Expressão de vivência compartilhada, oblato, doação de dinheiro em espécie


para fim de caridade ou do bem da coletividade;

Aspectos sígnicos predominantes

Expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das
expressões observadas. Contudo, futuramente planejo conhecer os arquivos das
correspondências com relatos de “graças alcançadas”.

FIS46. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS46)

MEMORIAL DE IRMÃ DULCE


Salvador-BA

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES
Datas festivas

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

- Livro Irmã Dulce dos pobres (de autoria de Maria Rita Pontes), adquirido na loji-
nha do Memorial.

Menções prévias

Conhecimento próprio da causa

Interfaces

Outras informações

- O perfil de Irmã Dulce consta no livro Candidatos ao Altar, de José Luís Lira, pp.
159 e 160;
- Protocolo nihil obstat: 2319;
- Nihil obstat: 19 de outubro de 1999;
- Autor da causa: Associação Obras Sociais Irmã Dulce, Av. Bonfim, 161, Roma,
CEP 40420-000, Salvador-BA;
- Há uma oração pela sua beatificação e canonização, contida no livro
Candidatos ao Altar;
- Irmã Dulce foi indicada em 1988 para o Prêmio Nobel da Paz;
- Telefones de contato: (71) 3310-1105 (OSID), 9121-8039/3261-1469 (Osvaldo);
- Web site: http://www.irmadulce.org.br/anjobom/memorial.htm

Referências

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações

Pela atualidade e acessibilidade às graças alcançadas e documentadas pela


Assessoria de Memória e Cultura.

Indicativos Etnofotográficos
Não houve neste caso

FIS46. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS47)

PRAÇA E MEMORIAL PEDRO BATISTA


Santa Brígida-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Beato Pedro Batista


[Pedro Batista da Silva]
† 11/11/1967

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Personalidade Taumaturgo Memorial
Popular carismática

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

03 de agosto de 2006, 5ª feira Val (Erivaldo Pereira de Araújo, guia do


Memorial).

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Santa Brígida-BA

Situação geográfica

Sertão

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Memorial no centro da cidade de Santa Brígida, defronte à Praça Pedro
Batista.

Azimute e referente
60º NE, a partir da frente da grande imagem de Pedro Batista, que encima uma
fonte ornamental, próximo da Praça Pedro Batista

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Desde 14/06/1945, quando Pedro Batista chega a Santa Brígida

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO

Espaços/eventos observados

Memorial, Museu-casa (do Beato Pedro Batista, 28/06/2000) e Praça Pedro Batista.
Fui ao Cemitério de São Pedro, mas este se encontrava fechado.

FIS47. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS47)

PRAÇA E MEMORIAL PEDRO BATISTA


Santa Brígida-BA

Aspecto geral do sítio

O Museu (no Pavilhão Dr. Paulo Gaudenzi) era simples, mas bem cuidado. Havia um
espaço reservado para ex-votos, que não eram numerosos, mas eram diversificados. A
cidade de Santa Brígida parece ser ainda muito tradicional do ponto de vista dos
valores religiosos: vê-se beatas por toda parte. É uma cidade muito pobre. Na Praça
Pedro Batista há uma igreja (São Francisco), um cruzeiro e imagens em oratório de
Padre Cícero e Madrinha/Mãe Dodô.

Condições de apresentação dos artefatos

Havia ex-votos no Museu, que funciona meio como depositário, meio como expositor:
fotos em 3x4 num painel de tecido, fotos emolduradas fixadas numa parede móvel
(divisória) em madeira e quadros nas paredes (imagens de santos). Os ex-votos da
Praça ficam expostos às intempéries, jogados no chão ou apoiados sobre a base das
imagens do oratório. Na parte de trás do cruzeiro havia um veleiro. Além do Memorial
e da Praça, são depositados também na estátua e no Cemitério, sendo depois
recolhidos para o Museu.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

As peças do Museu-casa ficam abrigadas das intempéries. As peças da Praça estão em


condição de regular a ruim, por conta das ações erosivas da natureza.

Registros obtidos
X Fotografias(24) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO

Artefatos/expressões predominantes

Fotografias

Observações

No Memorial não há peças em madeira. Estas ficam num cruzeiro da Praça, e são
predominantes

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

FIS47. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS47)

PRAÇA E MEMORIAL PEDRO BATISTA


Santa Brígida-BA

Tipologia das formas verbais / escritas

a) Manuscritura a tinta, bidimensional, manuscritura sobre objeto votivo bidimen-


sional;

d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, registros de passamento (santinho


morte);
d) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, santinho de campanha política;

Tipologia das formas verbais /faladas

Não constatadas

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, pintura sobre papel (aeró-


grafo);
a) Manufatura especialmente construída, bidimensional, desenho em grafite sobre
papel;
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, objeto esculpido em
madeira (corpo inteiro ou partes do corpo, humano e de animais, sem pintura);
a) Manufatura especialmente construída, tridimensional, cruzes (em madeira);

c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, fotografias (P&B e em cor, 3x4 e


ampliadas, emolduradas ou não);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora do Desterro, Nossa Senhora das Graças, Nossa Senhora
das Dores, São Francisco das Chagas de Canindé, São Jorge, Santo Antônio, Santa
Bárbara, Santa Terezinha, Santa Luzia, Anjo da Guarda);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens (fotografias) de
personalidades públicas, afins ou não ao catolicismo (Papa João Paulo II,
Getúlio Vargas, Juscelino Kubitschek de Oliveira, Emílio Garrastazu Médici,
Antônio Carlos Magalhães, Nilo Coelho);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos
católicos (Nossa Senhora do Sagrado Coração);
c) Adaptação ou ressignificação, bidimensional, imagens de personalidades afins
ao catolicismo (Padre Cícero, Frei Damião de Bozzano, Madrinha/Mãe Dodô);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso litúrgico
(terços, fita com medalhinhas);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico;

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, flores e ramos de vegetais;

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, pedras e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Representações figurativas e expressões essencialmente simbólicas

FIS47. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS47)

PRAÇA E MEMORIAL PEDRO BATISTA


Santa Brígida-BA

Ocorrências predominantes
- Recuperação de animais (boi) e Campanha eleitoral;

Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das
expressões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
11 de novembro (morte) (penitência e caminhada de romeiros rumo a Santa Brígida,
desde o dia 08);
No Sábado de Aleluia há uma caminhada silenciosa ao Cemitério de São Pedro

Onomástica

Produtos disponíveis sobre a devoção

Menções prévias

Coleção Memórias da Bahia II, Vol. 6, a partir de reportagem do jornal Correio


da Bahia, publicada em 18/11/2001.

Interfaces

Irmão Venceslau, em Itaparica-BA

Outras informações

- Inicia-se um culto à Madrinha Dodô (Maria das Dores, que no Ceará é Mãe Dodô),
copeira do Padre Cícero Romão Batista e herdeira espiritual do Pedro Batista,
falecida em agosto de 1998, com festa no dia 28 de novembro, com uma pracinha e
grande imagem em frente ao Memorial. Havia alguns ex-votos depositados sob sua
imagem, na Praça: peças em madeira, fitas e coroa de flores;

- Não visitei o Cemitério de São Pedro, a Serra do Galeão, com o caminho da


penitência, a Gruta do Mané Véio e a Casa de Zé Vigário;

- Web site: http://www.santabrigida.org.br/

Referências
- CORREIO DA BAHIA. Coleção Memórias da Bahia II, vol. 6

- Vídeo do IRDEB: “Pedro Batista, o Conselheiro que deu certo”

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

X Alto ? Médio ? Baixo

Observações
É uma devoção relativamente nova e crescente.

FIS47. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS47)

PRAÇA E MEMORIAL PEDRO BATISTA


Santa Brígida-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F10/Foto 21: Memorial de 2)VS2_F10/Foto 03: Museu (ex-votos)


Pedro Batista

3)VS2_F10/Foto 17: Praça vista de cima 4)VS2_F10/Foto 16: estátua de


Pedro Batista

5)VS2_F10/Foto 13: ex-votos


no chão 6)VS2_F10/Foto 12: oratórios de
Padre Cícero/Madrinha Dodô

FIS47.5
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS48)

SANTUÁRIO E FONTE DOS MILAGRES DO IRMÃO VENCESLAU


Itaparica-BA

CLASSIFICAÇÃO DEVOCIONAL
Devoção

Irmão Venceslau
[Venceslau Monteiro]
* 28/09/1901
† 28/09/1961

Caráter Tipo devocional Perfil devocional Subcategoria Tipo de Sítio


institucional
Não-canônico Personalidade Taumaturgo Santuário
Popular carismática

CIRCUNSTÂNCIAS DA VISITA/OBSERVAÇÃO
Data da visita Informantes

05 de agosto de 2006, Sábado Não houve

SITUAÇÃO E AMBIÊNCIA DO SÍTIO


Localização-cidade/estado/bairro ou distrito
Itaparica-BA, localidade de Porto dos Santos, Ilha de Itaparica

Situação geográfica

Litoral

Descrição topográfica e caracterização do ambiente


Localiza-se o Santuário na Ilha de Itaparica, na “Reserva Ecológica do Venceslau”,
fundada em 05 de junho de 2005, através de decreto municipal.

Azimute e referente
140º SE, a partir da frente da capela

Informação sumária sobre o histórico da devoção

Provavelmente o culto se iniciou quando da morte do Irmão Venceslau, em 1961

ASPECTOS RELATIVOS À OBSERVAÇÃO


Espaços/eventos observados

Capela, cruzeiro (revestido em azulejo) e santuário natural. Fonte de água com


poderes curativos.

FIS48. 1
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS48)

SANTUÁRIO E FONTE DOS MILAGRES DO IRMÃO VENCESLAU


Itaparica-BA

Aspecto geral do sítio

Reserva natural. Na capela (construída em pedra e fechada com grade) havia um altar
com as imagens, pintadas em azulejo, do Irmão Venceslau e de Nossa Senhora. Dentro
do oratório, um ou outro objeto votivo e flores, em vasos. Havia velas e duas bacias
(uma com água e outra vazia). Havia um veleiro em cima de uma pequena pedra, ao lado
da fonte, e outro ao lado do oratório. Na parte de trás da capela, havia uma constru-
ção de uns 2m2 arruinada. Havia duas placas metálicas na entrada do Santuário, em
comemoração aos 100 anos de nascimento de Venceslau e à transformação da área em
Reserva Ecológica.

Condições de apresentação dos artefatos

Eram poucos e estavam dentro da capela. Espalhadas pelo terreno pude encontrar
imagens religiosas (tridimensionais) católicas e afro-brasileiras.

Condição de conservação dos artefatos expostos


X Boa ? Regular ? Ruim
Comentários

Registros obtidos
X Fotografias(15) ? Vídeo X Ficha etnográfica
? Papelaria ? Catálogo
? Outros (livreto de cordel) ? Artefatos

Observações

SÍNTESE TIPOLÓGICA DAS FORMAS EXPRESSIVAS LOCAIS


CONSTATADAS EM TRABALHO DE CAMPO
Artefatos/expressões predominantes
Nenhum tipo em especial. São pouquíssimos os objetos votivos no local

Observações

Predominância crônica dos artefatos/expressões

Apelos protetivos e ex-votos

Tipologia das formas verbais / escritas

Não constatadas

Tipologia das formas verbais /faladas

b) Expressão do grupo, publicamente declarada, atribuição coletiva de onomásticos


(topônimo local);

FIS48. 2
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS48)

SANTUÁRIO E FONTE DOS MILAGRES DO IRMÃO VENCESLAU


Itaparica-BA

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa inorgânica

c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagens e lembranças de santos


católicos (Nossa Senhora, Santo Antônio, São Cosme e São Damião);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, imagem relacionada a cânone não-
católico (velha negra);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, objetos de uso terapêutico
(muleta e cajado);
c) Adaptação ou ressignificação, tridimensional, flores ornamentais de plástico
(em vasos);

Tipologia das formas não-verbais/ representação figurativa orgânica

a) Apresentação in natura, fitomórfica, fruta (abacaxi, dentro de um cesto);

Tipologia das formas não-verbais/ representação não-figurativa

a) Expressão de cunho individual, oblatos, velas e fitas coloridas;

Aspectos sígnicos predominantes

Designações indiciais da graça/milagre e expressões essencialmente simbólicas

Ocorrências predominantes
Não foi possível uma identificação confiável das motivações a partir das expres-
sões observadas.

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

Datas festivas
28 de setembro

Onomástica
Recebeu o nome de batismo (Venceslau) por ter nascido no dia 28 de setembro, data
consagrada a São Venceslau.

Produtos disponíveis sobre a devoção

Menções prévias

- Pesquisa de Fernanda Germano;


- Coleção Memórias da Bahia II, vol. 8, a partir de reportagem do jornal
Correio da Bahia, publicada em 13/01/2002.

Interfaces

Beato Pedro Batista, em Santa Brígida-BA

FIS48. 3
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS48)

SANTUÁRIO E FONTE DOS MILAGRES DO IRMÃO VENCESLAU


Itaparica-BA

Outras informações

Observei nos arredores da capela a presença de alguns objetos provavelmente voti-


vos: um cesto com um abacaxi e uma garrafa de vinho e uma vela, protegidos por palha
de coqueiro. Também uma imagem destruída de São Cosme e São Damião, aos pés de um
arbusto, ambos à direita do oratório. Naquela área ainda avistei uma imagem de uma
velha negra, aos pés de um arbusto, e uma vela;

Venceslau ficou cego aos 43 anos, mas curou a cegueira na “Fonte dos Milagres”;

Como São Venceslau, o Irmão Venceslau nasceu e morreu no mesmo dia

Referências
CORREIO DA BAHIA. Coleção Memórias da Bahia II, vol. 8

Nível de aplicabilidade do sítio/devoção à pesquisa

? Alto ? Médio X Baixo

Observações
Não chega a se configurar como um caso típico e expressivo de culto votivo não-
canônico.

FIS48. 4
FICHA DE INVENTÁRIO DE SÍTIO (FIS48)

SANTUÁRIO E FONTE DOS MILAGRES DO IRMÃO VENCESLAU


Itaparica-BA

Indicativos Etnofotográficos

1)VS2_F11/Foto 35: acesso à Fonte 2)VS2_F11/Foto 22: fachada da “Fonte”


(capela)

3)VS2_F11/Foto 25: vista do interior


da capela 4)VS2_F11/Foto 30: riacho

5)VS2_F11/Foto 27: imagem da velha negra

FIS48.5