Você está na página 1de 11

ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PROFICIONAL DOUTOR JOSÉ IRAN

COSTA

ELEMENTOS DE MÁQUINAS

MARKILLY BORGES DUARTE DE OLIVEIRA Nº33

MATHEUS PEREIRA JESUINO Nº34

RAIMUNDO IRISNÁRIO GUEDES DE LIMA Nº37

ELEMENTOS DE TRANSMIÇÃO

VARZEA ALEGRE-CE

2019
MARKILLY BORGES DUARTE DE OLIVEIRA Nº33

MATHEUS PEREIRA JESUINO Nº34

RAIMUNDO IRISNÁRIO GUEDES DE LIMA Nº37

ELEMENTOS DE TRANSMISSÃO

Trabalho de Elementos de Maquina para


obtenção do curso Mecânica industrial da
escola EEEP. Dr. José Iran Costa.

Orientador: Valdemiro Neto

VARZEA ALEGRE-CE

2019
SUMÁRIO
DEFINIÇAO DE TRASMISSÃO

Entendemos por transmissão mecânica aqueles equipamentos


ou mecanismo encarregado de transmitir potência, torque ou rotação entre dois ou
mais elementos dentro de uma máquina.

São de importância para o funcionamento correto e para o rendimento das maquinas


as quais fazem parte e por muitas vezes são mal dimensionados, especificados ou
manuseados

Uma das características dos sistemas de transmissão é ser feitos através de


elementos rotantes uma vez que a transmissão de energia por rotação ocupa um
espaço muito menor que aquela por translação.

Resumindo, transmissão mecânica é a maneira de trocar ou transferir energia


mecânica diferente às transmissões pneumáticas ou hidráulicas, isso se dá pelo fato
de que utiliza o movimento de corpos sólidos como, por exemplo, as engrenagens, os
acoplamentos e as correias de transmissão.

OBJETIVO

Temos como objetivo demonstrar os diversos tipos de transmissões e suas


especificações, mostrar ainda como é dimensionado e a maneira como seu
desempenho acontece.

Estudar cada tipo principal de transmissão, analizando suas características próprias


confrontando com as demais a fim de se obter um maior conhecimento sobre suas
aplicabilidades e rendimento.

TIPOS DE TRANSMISSÕES

Existem diversos tipos de transmissões que são utilizadas na indústria e afins, esses
modelos são as transmissões com correia, como uma correia de distribuição,
com corrente, com balancinhos (balancim), com cascata de engrenagens,
com cardam, embreagem, diferencial (automóvel), caixa de mudanças, sistema de
transmissão de potência, eletromecânica

TRANSMISSÃO POR CORREIAS

Na mecânica as correias são definidas como sendo uma cinta de material flexível que
normalmente são feitas de camadas de lonas e borracha vulcanizada. Servem para
transmitir a força e movimento de uma polia a outra. Sua aplicação é diversa sendo
encontrada em diversos equipamentos e maquinas e possui alta aplicabilidade,
maleabilidade, rendimento e durabilidade. Uma característica das correias é a alta
capacidade de resistência a carga aplicada sobre elas. Trabalha com excelente
rendimento em altas rotações.

Este tipo de transmissão precisa de um alinhamento com extrema precisão, isso se


da ao fato de que existe o risco de todo o sistema se desencaixar ou torcer
comprometendo todos os equipamentos

Correia dentada

A correia dentada, feita de borracha, é responsável por manter a sincronia entre o


virabrequim, que transfere a força do motor às rodas, e o comando de válvulas,
responsável pela entrada e saída de gases no cilindro.

Quando a correia se parte, esta sincronia é quebrada e o pistão que por sua vez é
comandado pelo virabrequim, atinge a válvula, que geralmente está aberta e com sua
cabeça dentro do cilindro. Os danos podem se estender ao próprio comando de
válvulas, aos tuchos - que comandam a abertura e o fechamento das válvulas - e
podem até danificar as bielas do motor.

Correias em 'V'

São muito utilizadas por motores que necessitavam girar mais de duas polias (as
vezes quatro), são construídas com matéria mais resistente devido ao maior esforço.
Foram desenvolvidas em 1917 por John Gates da Gates Rubber Company. A
potência transmite-se através do contacto da parede lateral da correia com a parede
da ranhura da polia. Existe o hábito de dizer que a parte inferior da correia em V
também deve estar em contacto com a parte inferior da ranhura da polia o que
realmente não acontece. Se a correia entra em contacto com a parte inferior da
ranhura da polia, o poder de transmissão será reduzido e os lados da correia alisar-
se-ão devido à patinagem e ao calor.

Correias lisas

Também conhecidas como correias planas, chatas ou de seção retangular, são


utilizada geralmente para transmitir força em máquinas grandes, sendo o modelo mais
simples de correias. Trabalham com grandes unidades de força e rotações (até
500 hp com 10.000 rpm). Necessitam de alinhamento preciso das polias para que o
sistema não se desencaixe, pois não possui bordas que a mantenha em seu local em
casos de desalinhamento, além de polias especiais com centralizadores.

TRANSMISSÃO POR CORRENTES

Este tipo de transmissão altamente eficiente e versátil para transmitir potência


mecânica em aplicações industriais. A Transmissão por correntes é composta
basicamente por uma engrenagem motriz, uma ou mais engrenagens movidas e por
um lance de corrente. Este sistema assegura um rendimento de até 98 % em
condições corretas de trabalho, obtendo-se uma relação de velocidade constante
entre a engrenagem motriz e a movida.

Esse sistema é muito utilizado onde há dificuldade de acesso, longas distancias e


péssimas condições de atuação de transmissões e devido a sua robustez e
apresenta resultados extremamente satisfatórios. Alguns exemplos de correntes:

Corrente de passo longo:

Empregada em transmissões com cargas de velocidades mais baixas e se diferencia


apenas por possuir passo duplo. Possui rolos normais ou grandes e aceita vários
tipos de adicionais.

Corrente BL

Composta por placas intercaladas e unidas por pinos altamente resistentes, é usada
principalmente em empilhadeiras. Apresenta-se em várias medidas conforme
especificações do equipamento a ser utilizada.

CARACTERÍSTICAS

Transmitem grande quantidade de energia.

Muito utilizado em sistemas “pesados”.

Possuem bom sincronismo, devido as engrenagens e pinhões.

Possuem bom rendimento: 0,95 a 0,99 (quando bem dimensionados).

Não há a ocorrência de deslizamento.


TRANSMISSÃO POR ENGRENAGENS

Engrenagens são elementos rígidos utilizados na transmissão de movimentos


rotativos entre eixos. Consistem basicamente de dois cilindros nos quais são
fabricados dentes. A transmissão se dá através do contato entre os dentes. Como são
elementos rígidos, a transmissão deve atender a algumas características especiais,
sendo que a principal é que não haja qualquer diferença de velocidades entre pontos
em contato quando da transmissão do movimento. Eventuais diferenças fariam com
que houvesse perda do contato ou o travamento, quando um dente da engrenagem
motora tenta transmitir velocidade além da que outro dente da mesma engrenagem
em contato transmite.

Geralmente as engrenagens operam aos pares, e, para que haja transferência


de movimento uniforme e contínuo, as superfícies de contato da engrenagem devem
ser cuidadosamente moldadas, de acordo com um perfil específico. Para isso se
desenvolvem cálculos para a concepção correta desses tipos de transmissões.

As engrenagens são desenvolvidas de acordo com a necessidade de transmissão que


se possui e não só apresentam tamanhos variados, mas também se diferenciam em
formato e tipo de transmissão de movimento.

Tipos de engrenagens

Helicoidais

Os dentes são dispostos transversalmente em forma de hélice em relação ao eixo. É


usada em transmissão fixa de rotações elevadas por ser silenciosa devido a seus
dentes estarem em componente axial de força que deve ser compensada por mancal
ou rolamento. Serve para transmissão de eixos paralelos entre si e também para eixos
que formam um ângulo qualquer entre si (normalmente 60 ou 90°).

Cônicas

É empregada quando as árvores se cruzam; o ângulo de interseção e geralmente 90°,


podendo ser menor ou maior. Os dentes das rodas cônicas têm um formato também
cônico, o que dificulta a sua fabricação, diminui a precisão e requer uma montagem
precisa para o funcionamento adequado. A engrenagem cônica e usada para mudar
a rotação e a direção da força, em baixas velocidades.

Retas

Os dentes são dispostos paralelamente entre si em relação ao eixo. É o tipo mais


comum de engrenagem e o de mais baixo custo. É usada em transmissão que requer
mudança de posição das engrenagens em serviço, pois é fácil de engatar. É mais
empregada na transmissão de baixa rotação do que na de alta rotação, por causa do
ruído que produz.

Engrenagens de parafuso sem fim

Esse tipo de engrenagem costuma ter reduções de 20:1, e isso pode chegar do até a
números maiores do que 300:1. Muitas engrenagens sem-fim têm uma propriedade
interessante que nenhuma outra engrenagem tem: o eixo gira a engrenagem
facilmente, mas a engrenagem não consegue girar o eixo. Isso se deve ao fato de que
o ângulo do eixo é tão pequeno que quando a engrenagem tenta girá-lo, o atrito entre
a engrenagem e o eixo não deixa que ele saia do lugar. Essa característica é útil para
máquinas como transportadores, nos quais a função de travamento pode agir como
um freio para a esteira quando o motor não estiver funcionando.

Definição de polia
Polias são elementos mecânicos circulares simples, constituídas de uma roda de
material rígido, o qual pode ser metal, este elemento pode ou não ter canais
periféricos, acoplados a eixos motores e movidos por máquinas e equipamentos. As
polias, para funcionar, necessitam da presença de vínculos chamados correias,
cordas ou correntes. Elas giram em torno de um eixo central e quando em
funcionamento, as polias e correias podem transferir e/ou transformar movimentos de
um ponto para outro da máquina. Sempre haverá transferência de força.

Uma polia é constituída de uma coroa ou face, na qual se enrola a correia, a face é
ligada a um cubo de roda mediante disco ou braços. As polias são dispositivos que
têm a função de mudar a direção, porém mantendo a intensidade da força de tração
de uma correia, corda, corrente ou fio, são comumente usadas para aumentar ou
diminuir a intensidade de uma força.

Tipos de polia

Existem diversos tipos diferentes de polias, sendo a polia fixa e a polia móvel os
modelos mais comuns deste sistema.

Ambos os tipos de polia, no entanto, costumam ser úteis principalmente para


suspender objetos pesados do solo.

Polia fixa

A qual tem seu eixo preso a um suporte, desta forma permitindo apenas a rotação,
fazendo com que as forças possam agir apenas nos extremos. Conforme Paulo F.
Barbieri, se usadas desta forma as polias não são de grande utilidade:

Polia móvel

Tem seu eixo móvel, o que lhe permite movimentos de rotação e translação, este tipo
de polia é mantida sobre o próprio fio, a força resistente é aplicada no eixo da polia e
a força motora em sua extremidade. Quando adicionada uma nova polia móvel ao
sistema a força é reduzida pela metade, porém para cada adição o tempo para erguer
ou puxar um objeto aumenta.
BIBLIOGRAFIA

https://www.abecom.com.br/transmissao-de-potencia/

https://pt.wikipedia.org/wiki/Correia_(mec%C3%A2nica)

https://www.ebah.com.br/content/ABAAABcI8AF/correias

http://www.correiasuniversal.com.br/correias-transmissao

http://www.madeira.ufpr.br/disciplinasalan/AT102-Aula06.pdf

https://www.mecanicaindustrial.com.br/60-tipos-de-engrenagens/

http://www.essel.com.br/cursos/material/01/Manutencao/23manu2.pdf

https://www.significados.com.br/polia/

Biblioteca virtual do estudante brasileiro Telecurso 2000