Você está na página 1de 376

Perspectivas contemporâneas

de análise em turismo
Universidade Federal do Pará Universidade Federal do

Reitor Rio Grande do Norte

Carlos Edilson de Almeida Maneschy Reitora


Ângela Maria Paiva Cruz
Vice-reitor
Horacio Schneider Vice-reitor
José Daniel Diniz Melo
Pró-reitor de Pesquisa e Pós-graduação
Emmanuel Zagury Tourinho
Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Núcleo de Altos Estudos Amazônicos Diretora


Maria Arlete Duarte de Araújo
Diretor Geral
Durbens Martins Nascimento Vice-diretora
Maria Lussieu da Silva
Diretor Adjunto
Armin Mathis
Programa de Pós-Graduação

Conselho Editorial do NAEA e Pesquisa Em Turismo

Ana Paula Vidal Bastos Coordenador


ArminMathis Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega
Durbens Martins Nascimento Vice-coordenadora
Edna Maria Ramos de Castro Maria Valéria Pereira de Araújo
Fábio Carlos da Silva
Luis Eduardo Aragon
Francisco de Assis Costa
Silvio Lima Figueiredo

Coordenador de Comunicação
e Difusão Científica
Silvio Lima Figueiredo
Perspectivas contemporâneas
de análise em turismo
Silvio Lima Figueiredo
Francisco Fransualdo de Azevedo
Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega
Organizadores

Belém
NAEA
2015
Copyright dos autores

Coordenadoria de Comunicação e Difusão Científica do Naea


Ana Lucia Prado
Roseany Caxias
Wanderson Cursino
Leila Melo Coroa
Vitor Luiz Silva Barros

Diagramação: Fabrício Ribeiro


Capa: Fabrício Ribeiro

Esta obra foi produzida com o apoio do CNPq e da CAPES.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Biblioteca do NAEA/UFPA)

Perspectivas contemporâneas de análise em turismo / Silvio Lima Figueiredo,


Francisco Fransualdo de Azevedo, Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega
(Organizadores) – Belém: NAEA, 2015.

374 p.
ISBN: 978-85-7143-136-2
1. Turismo - Desenvolvimento. 2. Ecoturismo. 3. Comunidades -
Desenvolvimento. 4. Sustentabilidade. I. Figueiredo, Silvio Lima. II. Azevedo,
Francisco Fransualdo de. III. Nóbrega, Wilker Ricardo de Mendonça

CDD 22. ed. 338.4791

Naea
Av. Perimetral, Número 1 - Campus Universitário do Guamá, Belém – PA
Cep: 66075-750
(91) 3201-7231
naea@ufpa.br
editora_naea@ufpa.br
Sumário

Prefácio................................................................................................... 7
Margarita Barretto

Turismo e desenvolvimento regional:


conceitos e políticas em um caso brasileiro........................................... 11
Silvio Lima Figueiredo e Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega

Ecoturismo em comunidades tradicionais na Floresta Nacional do


Tapajós/Belterra-PA: o caso de Maguari e Jamaraquá.......................... 38
Sandra Maria Sousa da Silva

Ecoturismo de Base Comunitária na Amazônia: perspectivas


conceituais e as práticas ecoturísticas da Comunidade de Caruaru,
ilha de Mosqueiro – PA........................................................................ 61
José Maria Reis e Souza Júnior e Maria Goretti Tavares

Ecoturismo indígena e identidade: o desafio do planejamento............. 80


Ivani Ferreira de Faria

Modernização turística: o papel do turismo nos discursos


dominantes de desenvolvimento......................................................... 108
Mozart Fazito

Turismo: sustentabilidade em áreas de proteção ambiental, caso de


Cururupu (MA) e Bonito (MS)......................................................... 127
Saulo Ribeiro dos Santos e Protásio Cézar dos Santos

Vilegiatura: do modelo clássico às características contemporâneas..... 140


Alexandre Queiroz Pereira

Economia solidária em contraponto à clássica: indícios de


mudanças no turismo e na sociedade.................................................. 161
Luzia Neide Coriolano e Jean Max Tavares

Equipamentos públicos de lazer e terceira idade: uma possibilidade


para o desenvolvimento turístico no município de Parelhas/RN?....... 177
Itamara Lúcia da Fonseca e
Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega
Festa e turismo: cenário de imagens e da apropriação......................... 193
Anelino Francisco da Silva

O Sensemaking e o comitê regional das associações e cooperativas do


artesanato seridoense: buscando compreender um complexo
de relações.......................................................................................... 206
André Lacerda Batista de Sousa

Actores en disputa: procesos, relaciones y estructuras en la


expansión del turismo residencial en Pipa.......................................... 226
Antonio Aledo, Tristan Loloum,
Hugo García Andreu e Guadalupe Ortiz

Participação dos trabalhadores informais no planejamento turístico:


a realidade da praia de Ponta Negra, Natal/RN/Brasil....................... 254
Sinthya Pinheiro Costa e Kerlei Eniele Sonaglio

O turismo como fator de contribuição para a proteção e função


social do patrimônio natural da humanidade...................................... 273
Gloria Maria Widmer e Ana Julia de Souza Melo

Turismo e o desenvolvimento local: o capital social e as redes


de políticas públicas em foco.............................................................. 288
Ana Valéria Endres

A percepção dos agentes territoriais sobre o excursionismo de


litoral no contexto do desenvolvimento.............................................. 309
Daniel Ferreira de Lira, Julio César Cabrera Medina e
Maria Dilma Simões Brasileiro

Das cidades industriais às cidades turísticas, tempos diferentes espaços


semelhantes: uma leitura da produção do espaço em Morro de
São Paulo (Bahia/Brasil)..................................................................... 327
Julien Marius Reis Thévenin e Celso Donizete Locatel

O uso do território pelo turismo em Natal


(Rio Grande do Norte – Brasil).......................................................... 351
Francisco Fransualdo de Azevedo e Thiago Belo de Medeiros
PREFÁCIO

O turismo continua sendo, no mundo, um fenômeno social de grandes


dimensões, tanto pela quantidade de pessoas que comprovadamente praticam
esta atividade, quanto pela quantidade de dinheiro que – não tão compro-
vadamente – faz circular na economia mundial; objeto do desejo de pessoas
que querem viajar, e objeto de desejo dos países que pretendem melhorar, –
com o dinheiro trazido por estas pessoas que desejam viajar –, suas balanças
comerciais.
E já não se trata turismo mas de turismoS. Segmentação é a palavra
chave para o século XXI; muitos tipos de turismo para muitos tipos de turistas,
ao contrário do modelo predominante nos anos 1950, o chamado turismo de
massas, que consistia em produtos indiferenciados para todos os públicos. A
ênfase na quantidade de oferta e não na qualidade da experiência turística vai
sendo aos poucos substituída pelo slow tourism e, finalmente, desmistificam-se
os benefícios dos mega eventos que ocasionam enormes gastos públicos em
lugares onde vivem populações que carecem até do essencial.
As pesquisas sobre esta peculiar forma de deslocamento de pessoas come-
çaram no século XX, tardiamente no contexto das ciências, a partir de três discipli-
nas fundamentalmente: a economia, a geografia e as ciências sociais (antropologia
e sociologia). Paradoxalmente, a economia, que foi a primeira a se debruçar sobre
este fenômeno por volta de 1930, é a disciplina que menos tem conseguido com-
provar suas hipóteses, embora seja a que melhor desenvolveu modelos, como o do
efeito multiplicador. De acordo com este, cada dólar que ingressa na economia de
um país se multiplica toda vez que uma transação é feita.
No processo de importação-exportação de um bem tangível seguir o
rastro do dinheiro não é difícil. No entanto seguir o rastro do dinheiro que
chega nos bolsos dos turistas é quase impossível. Os cálculos são teóricos.
Donde a afirmativa do primeiro parágrafo, uma vez que, apesar dos esforços
feitos inclusive pela Organização Mundial do Turismo criando a “conta saté-
lite” (mecanismo que pretende justamente seguir a trilha do dinheiro) é muito
difícil saber exatamente em que, quando e onde, um turista gasta seu dinheiro,
embora possa ser rastreado seu cartão de crédito e possam ser comprovadas
compras de divisas no sistema oficial.

 7
Outro problema que surge ao se pesquisar turismo é que nem todas
as pessoas que viajam são turistas no sentido estrito da palavra. Aí juntam-
-se problemas empíricos e epistemológicos. O problema empírico consiste em
separar turistas de outros viajantes (imigrantes, exilados, refugiados, pessoas
que viajam a trabalho) para estudar seu comportamento; o problema episte-
mológico é a (já velha) discussão de se o chamado “turismo de negócios” pode
ser estritamente considerado turismo.
Para a escola fenomenológica, turismo é aquilo que as pessoas fazem
de livre e espontânea vontade; para a escola estruturalista, turismo é qualquer
deslocamento em que a pessoa utilize equipamentos turísticos (transporte,
hospedagem, agenciamento). A abordagem fenomenológica do turismo inclui
a motivação das pessoas, enquanto que a estruturalista analisa somente a utili-
zação dos equipamentos. Portanto, conforme adotemos uma ou outra perspec-
tiva epistemológica, os números serão diferentes.
Problema nem um pouco pequeno ou negligenciável para quem pes-
quisa ou quer pesquisar com fundamento.
Quem sabe por todas estas dificuldades em saber quem é turista e quem
não é neste mundo dos viajantes, e em acompanhar a circulação do dinheiro,
a maior parte da produção científica sobre turismo (a turismologia) advêm
de outras ciências humanas e sociais. A geografia, nos idos de 1980, começou
a pesquisar os efeitos do turismo no meio ambiente. Na época falava-se em
impactos, palavra substituída na atualidade, visto que algo ocasiona impacto
numa superfície rígida, enquanto que o meio ambiente não é estático, reage,
portanto ele sofre efeitos.
Os primeiros estudos foram realizados na década mencionada, na
Espanha, onde a degradação ambiental provocada pela especulação imobili-
ária que se desenvolveu paralelamente ao processo de turistificação das costas
ibéricas é, até hoje, foco de esforços de reversão.
Quase ao mesmo tempo, a antropologia e a sociologia despertaram para
os problemas que o turismo estaria ocasionando em pequenas comunidades,
também começando por ilhas do Pacífico Sul, do Caribe ou do Mediterrâneo,
assim como em cidades pequenas que viviam da pesca, ou da economia de
subsistência.
Desta vez não se tratava de danos ao meio ambiente, mas de proces-
sos de “aculturação”, pelos quais a cultura dos habitantes locais estaria sendo

8
substituída ou subjugada pela cultura dos forasteiros que visitavam o local
durante seu tempo de férias.
Utiliza-se propositalmente o verbo no futuro do pretérito porque na
atualidade estes efeitos lineares estão sendo questionados em face de outros
fatores intervenientes, tais como a influência dos meios de comunicação de
massa e da imigração. Também na atualidade o conceito de aculturação para
explicar o processo resultante do encontro entre visitantes e visitados está
sendo substituído pelos de hibridação cultural, reflexividade, dialogismo e
cosmopolitismo.
As culturas se misturam, surgem formas novas, cada uma reelabo-
rando as informações que surgem do inevitável contato com as outras, num
mundo de há muito tempo globalizado, onde todos somos, em maior ou menor
medida, cosmopolitas. As populações tampouco são inertes, reagem de forma
reflexiva aos aportes e à presença dos turistas; pensam, reelaboram e respon-
dem. Estabelece-se um processo de dialogismo, uma interpenetração entre a
cultura dos visitantes e a dos visitados, sendo que os primeiros também são
influenciados e voltam para casa modificados.
No Brasil a turismologia vem crescendo desde os anos 1990, com uma
produção considerável no contexto latino-americano, – par i passu com a mexi-
cana, que foi pioneira neste continente –, em universidades e fora destas, com
editoras e livrarias especializadas.
O livro que tenho a honra de apresentar e que os leitores terão opor-
tunidade de apreciar a seguir é uma demonstração da seriedade e qualidade
com que os aspectos relacionados ao patrimônio natural e cultural estão sendo
tratados no meio acadêmico do país.
Margarita Barretto
Doutora em Educação
Docente e Pesquisadora
2014

 9
Turismo e desenvolvimento regional:
conceitos e políticas em um caso brasileiro

Silvio Lima Figueiredo1


| Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega2

Aqueles que colocam a pergunta ritual dos obstáculos culturais ao


desenvolvimento econômico interessam-se de modo exclusivo (isto é,
abstrato) pela ‘racionalização’ das condutas econômicas e descrevem
como resistências, imputáveis somente à herança cultural (ou, pior
ainda, a tal ou tal de seus aspectos, o Islã por exemplo), todas as omis-
sões para com o modelo abstrato da ‘racionalidade’ tal como a define
a teoria econômica. Paradoxalmente, a mesma filosofia do desenvol-
vimento econômico que reduz a antropologia a uma dimensão da
economia produz a ignorância das condições econômicas que determi-
nam a adoção de um comportamento econômico ‘racional’ e pretende
que o homem das sociedades pré-capitalistas acabe se convertendo em
homem ‘desenvolvido’ para poder desfrutar das vantagens econômicas
de uma economia desenvolvida. Pierre Bourdieu, 1960.

INTRODUÇÃO
A configuração do fenômeno turístico desde sua gênese apresenta
principalmente duas ideias nas formas com as quais ele é abordado, a pri-
meira refere-se principalmente às dimensões inter, multi e trans disciplinares
de entender sua manifestação e sua concretude, e isso implica na caracterização
do mesmo como fenômeno social de múltiplos aspectos. A segunda passa pela
ideia da organização da sistematização de um “fenômeno turístico”, que diz
respeito necessariamente a um aspecto que deve ser olhado por uma série de

1 Professor e pesquisador do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do


Pará (NAEA/UFPA), Brasil. Professor Visitante do Programa de Pós-Graduação em Turismo
(UFRN). Doutor em Comunicação (ECA/USP); realizou estágio pós-doutoral em sociologia na
Université René Descartes - Paris V Sorbonne.
2 Professor e pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Doutor em
Ciências do Desenvolvimento Socioambiental (NAEA/UFPA). Coordenador do Programa de
Pós-Graduação em Turismo (UFRN).

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 11


outras sistematizações de ordem conceitual de disciplina específica para cons-
truir o campo também específico do estudo do turismo.
A ideia de compreensão do turismo como fenômeno social se apoia
obviamente em conceitos e categorias que dão forma a essa experiência, assim,
é possível operar ideias oriundas dos conceitos de viagem, deslocamentos,
errâncias, motivações da viagem, mobilidades humanas, romagens, êxodos.
O estudo se comporta na observação de fatos socioantropológicos e mesmo
psicossociais. De igual forma, algumas questões relacionadas com os aspectos
econômicos da mobilidade das viagens turísticas são contemplados, inferindo-
-se portanto efeitos econômicos desses deslocamentos e da permanência dos
viajantes nos os locais visitados.
Apesar da centralidade do fenômeno social, de suas práticas, a for-
mação do campo científico do turismo foi concebida na relação dos aspectos
econômicos e administrativos do turismo como atividade econômica, inclusive
com a criação de conceitos específicos do campo, notadamente oferta turística,
demanda turística, atração turística etc. Os conceitos iniciais explicativos foram
se transformando, incorporando outras categorias como efeito multiplicador
e efeito demonstração, e vêm sofrendo uma série de alterações com a própria
mudança da realidade das viagens turísticas na pós-modernidade, incluindo aí
as novas mudanças conceituais que rompem (ou mesmo reposicionam) com a
interpretação da ligação do “fenômeno” com “atividade gerencial econômica”, e
portanto da ideia de que turismo é viagem-mercadoria. Esse reposicionamento
é dado pela ideia de auto-organização da viagem.
A elaboração do campo científico do turismo provocou outras ques-
tões, por exemplo, como enquadrar aspectos interdimensionais do turismo, e
que se configuram como conceitos socioantropológicos independentes, como
a hospitalidade e o lazer? Essas e outras questões são desafios atuais dos pro-
fissionais que atuam nessas áreas e têm a gestão das mesmas dependente de
organizações teórico-práticas do campo do turismo, que retroalimentam sua
organização com modelos de planejamento e gerenciamento. Também são
questões importantes na formulação de novas teorias e categorias científicas
que ajudam a compreender o fenômeno e, por conseguinte, também influen-
ciam de alguma forma na gestão.
Assim, as ideias de desenvolvimento, desenvolvimento regional e
desenvolvimento do turismo ganham significados não só das correntes teóri-
cas que lhes dão forma, mas também de como esses conceitos se juntam numa

12 Turismo e desenvolvimento regional


compreensão particular do entendimento do turismo, seus efeitos e a possi-
bilidade de suscitar mudanças socioantropológicas e econômicas de grande
vulto. O presente texto tem por objetivo destacar como o desenvolvimento e
o desenvolvimento regional se relacionam na atualidade, na tentativa de pro-
vocar mudanças de várias ordens no contexto de sua implementação em uma
região do país com características específicas, a região Amazônica.

TURISMO, DESENVOLVIMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL


O turismo é processo e ação caracterizado por elemento estável per-
manente: a experiência provocada pelo deslocamento (e não qualquer deslo-
camento), pela viagem. A viagem é o elemento básico que compõe o turismo,
e a experiência produzida pelas dimensões deslocamento, tempo e espaço está
presente em uma série de estudos (MACCANNELL, 2003; URBAIN, 1993
e 2011; BOORSTIN, 1971; FIGUEIREDO, 2010). Dessa forma é possí-
vel pensar na característica do turismo como relacionado com o advento da
sociedade moderna, haja vista que no seio do capitalismo as viagens por lazer
se intensificam, não que não tenham ocorrido antes, no entanto é nessa chave
que tal tipo de experiência se fortifica e tem a seu favor os “ventos” do consumo
nascente.
A sociedade de consumo propulsiona o turismo, e ele é motor dessa
mesma sociedade de consumo. A quantidade de elementos que fazem parte
dessa praxis diz respeito à elaboração de um organum constante, que relaciona
o fenômeno/atividade às possibilidades de mudança social em um campo.
O campo do turismo diz respeito a todos os agentes que o compõem e
seu estudo depende de igual forma de um campo cientifico do fenômeno turís-
tico, em consolidação e em luta pelo monopólio da competência e da expertise
(BOURDIEU, 1976). Para Bourdieu (1984), o campo é o espaço estrutural de
posições e suas relações. Essa rede de interconexões é ativada pelos agentes que
configuram esse espaço e seus limites. Os agentes em campo jogam o jogo das
relações sociais e de poder a partir da competência para estar no campo, pelos
habitus constituídos que dão condição aos mesmos de disputarem os poderes
no campo.
Bourdieu ressalta as posições sociais no campo como objetivas e
determinadas, e que há uma intricada trama de disputas a partir das quais
se utilizam capitais (sociais, culturais, simbólicos) para corroborar essa dis-
puta, no conflito inerente ao campo, na luta e no consenso mesmo que ilusório

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 13


(BOURDIEU, 1984). Os agentes estão em posições que podem representar
dominação, subordinação, homologia etc. sendo possível identificar portanto
uma série de campos, muitos analisados pelo próprio Bourdieu, do campo
científico ao jurídico.
Pensar em um campo do turismo ou um campo turístico quer dizer
identificar a relação de dois campos que se sobrepõem e se interconectam,
o campo turístico propriamente dito e o campo científico do turismo, que
ao estruturar conceitos e categorias interfere indubitavelmente na prática. Os
elementos do campo turístico tangenciam as percepções do fenômeno e da
atividade turística em redes, sistemas, cadeias, mas acima de tudo, percebe seus
agentes em disputa, em campos opostos, em estratégias de acumulo de capitais
para alicerçar suas posições vencedoras e capazes de garantir reprodução. Os
agentes em campo são representados pelos turistas e pelas comunidades recep-
toras, protagonistas do drama social. São dinamizados pelas empresas hote-
leiras, transportadoras e operadores, pelas instâncias governamentais, pelas
associações da sociedade civil e por organizações não governamentais (mais as
novas formas coletivas do turismo e da viagem atual) (FIGUEIREDO, 2015).
Os agentes do campo turístico atuam no sentido de a viagem ser rea-
lizada com dividendos a todos eles, entretanto o campo normalmente é orga-
nizado e estruturado a partir da dominância da instância governamental, que,
dependendo das forças em disputa e da feição da política, definem as posições
dominantes. Esse movimento é alimentado pelo ideário do desenvolvimento.
O debate é enorme e é impossível a densidade necessária em poucas
linhas, mas é preciso ressaltar alguns aspectos, como a ideia de desenvolvi-
mento como um processo de transformação econômica, política e social, por
meio do qual o crescimento do padrão de vida da população tende a tornar-
-se automático e autônomo. Um processo social global, em que as estrutu-
ras econômicas, políticas e sociais de um país sofrem contínuas e profundas
transformações (BRESSER-PEREIRA, 1968). A transformação é do padrão
de vida da população, mesmo que isso seja uma questão complexa e indique
uma análise relativizadora das questões culturais, inclusive bem apontadas por
Celso Furtado (FURTADO, 1974). O processo teria como ponto de partida o
crescimento econômico e como os recursos desse “crescimento” seriam usados
nas melhorias sociais. Em outro sentido, o processo é evidenciado como forma
de reprodução social do grupo dominante, provocando transformações e des-
truição do meio ambiente e as relações sociais, com o objetivo de aumentar a

14 Turismo e desenvolvimento regional


produção de mercadorias, portanto na chave da reprodução do capital (RIST,
2001).
A ideia de Rist (2001) se distancia das ideias de desenvolvimento sus-
tentável e endógeno por exemplo, já que o desenvolvimento estaria relacio-
nado sempre com a exploração. Nesse sentido, o desenvolvimento endógeno
não teria sentido, mesmo discursos corretos de que “atende as necessidades
e demandas da população local através da participação ativa da comunidade
envolvida. Mais do que obter ganhos em termos de posição ocupada pelo sis-
tema produtivo local na divisão internacional ou nacional do trabalho, o obje-
tivo é buscar o bem-estar econômico, social e cultural da comunidade local em
seu conjunto” (BARQUERO, 2001, p. 39).
No caso do turismo, o entendimento mais consensual diz respeito a
possibilidade que ele tem de melhorar os padrões de vida da população. O
padrão de vida da população seria também marcado pela ideia de aumento do
bem estar, para além do aumento simples da renda per capta, então o turismo
produziria uma possiblidade adicional para esse aumento, com investimen-
tos em capital para a produção. A ideia de que o desenvolvimento é motriz
do campo turístico está nos principais estudos acadêmicos sobre turismo no
século passado, e permanece até hoje induzindo políticas e ações.
Sessa (1983) por exemplo, assegura os benefícios do turismo para
“regiões subdesenvolvidas de países industrializados”, e principalmente, para
“países em via de desenvolvimento” ou do “terceiro mundo”. A partir da noção
de polos (PERROUX, 1967) e de estudos neoclássicos, a crença da quebra do
“círculo vicioso” da pobreza, e sua atenuação (SESSA, 1983) até hoje pauta os
documentos mundiais do setor (CNUCED, 1973; WTO, 2004) e é mote dos
programas mundiais, nacionais e regionais de desenvolvimento do turismo.
Os polos turísticos seriam formados por um conjunto de unidades motrizes
indutoras de consumo, em agregados de atividades produtivas, multiplicadores
e aceleradores do crescimento harmonioso.
O campo das relações socio-ambientais-econômicas do turismo
demonstra a complexidade do fenômeno em lidar com dois aspectos impor-
tantes e impactantes pelas suas características primordiais: o deslocamento
(viagem e mobilidade) e a co-presença (estar junto, espaço público, diversi-
dade e mobilidade). Provocar ao mesmo tempo o deslocamento como viagem,
e a inerente estrutura e ambiente situacional desse deslocamento, inclui no
campo a dimensão da mobilidade traduzida em deslocamentos apresentados

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 15


na ruptura da territorialidade. No caso do desenvolvimento regional, o campo
oriundo dessas duas práticas sociais e seus efeitos, provocaria a possibilidade de
reorganização dos efeitos do desenvolvimento, em prol de uma equidade entre
as regiões, por meio do desenvolvimento dos destinos turísticos.
Dentre as preocupações com a relação turismo e desenvolvimento,
algumas questões aparecem como recorrentes em investigações de cunho mais
crítico.
1) Relação rural-urbano: uma grande questão e um grande desafio, a
interpenetração dessas dimensões faz com que o desenvolvimento do
turismo e o turismo como fator de desenvolvimento apareçam como
questões relativas, que precisam ser observados sob aspectos sociocultu-
rais, econômicos e espaciais dessa relação. Nesse caso, é preciso respeitar
e incentivar a manutenção das diversidades, mas também não se pode
impedir mudanças dentro da chave do desenvolvimento ocidental em
prol de “não macular a mercadoria turística”.
2) Participação, organização da arena pública, do campo social que entram
em campo os agentes de disputa, e a quem interessa certos projetos
de turismo e como ele deve estar circunscrito ao controle social e aos
benefícios antes de mais nada, à efetiva diminuição de desigualdades
em sociedades muito desiguais, regionalmente, sempre observando as
particularidades regionais. Os parâmetros devem mudar obviamente
mas isso não pode servir de desculpa para impedir populações locais,
tradicionais etc de acessar bens e serviços que uma parte da população
acessa.
As regiões são classicamente definidas por um substrato cultural
homogêneo, entretanto, definições externas à própria região também podem
ser observadas, como por exemplo regiões que são tratadas como periféricas,
fronteiras, ou ainda não desenvolvidas pelo poder central. Isso resulta em um
ímpeto em provocar o equilíbrio e portanto dar oportunidades iguais a todas,
deixando as diversidades culturais promover as diferencias internas do processo.
A região é comumente abordada como homogeneidade, isso quer
dizer que são características semelhantes que fazem as áreas próximas se aglu-
tinarem isso quer dizer que há uma serie de movimentos de organizadores
e funcionais. Segundo Aydalot (1987) grande parte da ideia de região vem
da interpretação exógena de cunho econômico interessada em mercados, os
mercados estabeleceriam incialmente tais regiões. Entretanto, esse substrato
espacial e econômico se relacionaria também com uma dimensão sociocultural

16 Turismo e desenvolvimento regional


e de identidade e territorialidade influenciadoras do mercado, com irradiações
das aglomerações urbanas.
Seriam então: a zona de cobertura de serviços dada a partir de uma
grande cidade; a zona de polarização em torno dessa cidade (o crescimento das
trocas sendo essas superiores àquelas que se observa entre um ponto qualquer
dessa zona e uma outra grande cidade); uma zona homogênea sob o ponto
de vista linguístico e sociocultural e uma zona homogênea quanto às divisões
administrativas (AYDALOT, 1987, p. 205).
Mas porque entender a ideia de região lançado mão das relações entre
os campos científicos distintos e as disputas sobre uma “autoridade sobre a
divisão”, sobre o monopólio “du dàcoupage”? O conceito região traz uma dupla
informação, ao mesmo tempo indica concretude dos fenômenos sociais identi-
tários que dividem grupos e indica de igual forma a decisão sobre a repartição
arbitraria do contínuo. Segundo Bourdieu, a região é uma categoria produzida
na disputa por esse monopólio, intensificada pelas políticas de regionalização,
pelo ordenamento do território, e por que não dizer pelo planejamento do
desenvolvimento. Na relação entre a lógica da ciência e a lógica da prática,
é preciso buscar critérios objetivos de identidade regional e étnica, que ini-
cialmente sugerem “le dècoupage”. Essa relação é a da “luta pela definição da
identidade ‘regional’ ou ‘etnica’”, das classificações, incluindo no real a repre-
sentação do real, as imagens mentais e as manifestações sociais que manipulam
as imagens mentais (BOURDIEU, 1980)
O nascimento de uma região para além do espaço geográfico é o enten-
dimento de uma divisão sendo construída, em função inicialmente de identi-
dades étnicas ou regionais a respeito de propriedades (estigmas, emblemas),
impondo-se divisões no mundo social. São princípios de di-visão engendrando
visões do mundo social. Características que quando se impõem ao restante do
grupo realizam o sentido e o consenso sobre o sentido, fazem então a realidade
do grupo e finalmente circunscrevem a região.
Para Azevedo (2014) o desenvolvimento regional pressupõe necessa-
riamente expansão das liberdades individuais e grupais de um dado território
e/ou região, fomento à participação social no processo de tomada de decisões
políticas, públicas e coletivas, portanto, empoderamento das populações locais/
regionais, acessibilidade plena a políticas e programas, por conseguinte, aos
serviços que garantem o suprimento pleno das necessidades básicas e vitais dos
indivíduos, logo, pressupõe garantias ao estado de bem-estar social, valorização

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 17


das potencialidades locais e regionais no que se refere às dimensões social, eco-
nômica, política, técnica, cultural e ambiental, de modo que a riqueza aí exis-
tente sirva para garantir as melhorias nas condições do grupo, e o suprimento
das necessidades coletivas e individuais (AZEVEDO, 2014, p. 95).
Na Amazônia, após a criação da Embratur, a Superintendência do
Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM) como incentivadora do desen-
volvimento, com políticas públicas e financiamentos, encampou o tema do
turismo e começou a elaborar planos, programas e projetos e a pensar de forma
mais intensa a promoção da atividade com o argumento forte de associação
entre turismo e desenvolvimento, aporte em debates clássicos de Sessa (1983)
e Kadt (1979).
Na direção do desenvolvimento gerado pelo turismo como distribui-
dor de renda, concebeu-se o PRODETUR, o PROECOTUR, e outros pro-
grama da política pública de turismo. Os planos plurianuais de turismo são
produzidos. Na Amazônia os planos surgem em 1977 e desde então vem sendo
realizados inicialmente pela Sudam e depois pelos governos estaduais, e minis-
térios (meio ambiente, comércio, cultura). As questões relacionadas ao ecotu-
rismo como alternativa para a Amazônia, e as políticas públicas da Embratur,
Sudam e Ministério do Turismo, já estudadas em Figueiredo (1999) e Nóbrega
(2012) são permanentemente reapresentas em novos modelos de planos e de
desenvolvimentos até chegar na regionalização e nos roteiros atuais.

POLÍTICAS PÚBLICAS DE TURISMO NA AMAZÔNIA E


PLANEJAMENTO DO SEU DESENVOLVIMENTO
Amazônia Legal3 abrange 58,9% do território brasileiro contra 41,1%
no montante das demais regiões do território nacional e dentro da divisão
regional brasileira forma com a maior parte desses estados a Região Norte
do Brasil. Essa Região faz parte do “Domínio Morfoclimático Amazônico”.
É uma região com uma grande hidrografia, sendo o Amazonas o maior e
mais importante dos rios, com inúmeros afluentes (ALVES; CARVALHO;
LASMAR, 1990). Mas não se pode pensar na Amazônia como brasileira, pois

3 Compreende o recorte territorial estabelecido no Art. 2o da Lei no 5.173, de 27 de outubro de


1966, modificado pelo Art. 45 da Lei Complementar n.º 31, de 11 de outubro de 1977. Os estados
abrangidos pela Amazônia Legal são Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia,
Roraima e parcialmente Tocantins, Maranhão e Goiás (IBGE, 2011)

18 Turismo e desenvolvimento regional


a chamada Pan-Amazônia inclui áreas do Peru, Equador, Bolívia, Colômbia,
Venezuela, Guiana, Guiana Francesa e Suriname.
A Região ainda abriga a maior floresta tropical do mundo, corres-
pondendo a 1/3 das florestas tropicais úmidas do planeta, e estima-se que ela
detenha a maior biodiversidade e banco genético do planeta e 1/5 da dispo-
nibilidade mundial de água potável. Cerca de quatro milhões de quilômetros
quadrados da Amazônia brasileira eram originalmente recobertos por florestas.
O processo de desmatamento acentuou-se nas últimas quatro décadas,
concentrado nas bordas sul e leste da Amazônia Legal, área denominada por
arco do desmatamento (IBGE, 2011). A vegetação local é bastante diversifi-
cada, representada principalmente pela Floresta Equatorial, possuindo uma
enorme quantidade de espécies de madeira de alto valor econômico. Há inú-
meras atividades de extração vegetal como a de Castanha-do-Pará e a do látex
da seringueira (hevea brasilienses) que origina a borracha.
Nas décadas entre 1950 e 2000, com as políticas de incentivo para a
ocupação humana que permitiram o avanço da fronteira agrícola, e os grandes
projetos de infraestrutura e mineração, 17% da cobertura florestal foi perdida
(IBGE, 2011). A antropização e os índices de desmatamento vêm ocorrendo,
predominantemente, pela substituição da cobertura natural por pastos para
pecuária extensiva e agricultura, com a extração prévia das madeiras de lei.
Os impactos ambientais da derrubada da vegetação e posterior queima
da área permeiam os meios biótico, abiótico e antrópico. Apesar de todos os
esforços no intuito de controlar estes impactos e o avanço do desmatamento,
em tentativas de implementar o uso racional sustentável do solo e dos recursos,
o que se vê ainda é a fragmentação da floresta com todas as suas consequências
sociais e ambientais.
A formação social e econômica da Região Amazônica é marcada ini-
cialmente pelo domínio do ecossistema florestal e do extrativismo, depois por
meio da conversão deste ecossistema em grandes áreas agricultáveis (prin-
cipalmente monocultura) e extensas áreas voltadas à produção da pecuária,
paralelamente à exploração mineral de jazidas de ferro, de gás e de petróleo e,
finalmente, com a domesticação de determinadas espécies vegetais com alto
valor comercial. Nesse quadro, as complicações sociais foram e ainda são mar-
cantes em vários pontos da região.
Vários ciclos econômicos foram gerados, passando pelo período das
“Drogas do Sertão” no qual a mão de obra indígena foi primordial para o

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 19


desenvolvimento da cultura de produtos como a extração da madeira, borracha,
castanha e cacau; até a pecuária e o cultivo da soja mais recentemente, incre-
mentado pela migração de povos do sul e centro sul do território brasileiro.
Nas primeiras décadas do século XIX, um grande fluxo de imigrantes nordes-
tinos começou a chegar à Região, e a economia regional experimentando uma
ligeira movimentação com a exportação do cacau, seguida das culturas do açú-
car, algodão, tabaco, arroz e café, tendo os principais portos consumidores na
Europa. Ao mesmo tempo, desenvolveu-se uma manufatura artesanal com os
curtumes, os engenhos de produção de farinha, sabão, entre outros (SARGES,
2000).
Os elevados índices de extração da borracha possibilitaram grandes
transformações infraestruturais para a população amazônida durante o iní-
cio do século XX. Nesse contexto, algumas cidades da região, como Belém,
Manaus, Santarém e Porto Velho assumiram uma posição de destaque com o
advento do beneficiamento da borracha. Parte de um certo “desenvolvimento”
social e econômico da região se deu nas primeiras décadas do século XX e criou
elementos que depois se transformaram em atrações para o turismo.
As ideias relacionadas ao desenvolvimento regional e a efetiva entrada
da Amazônia nesse circuito, inclusive com a perspectiva de integração nacio-
nal, são condizentes com uma preocupação com a diversificação da base pro-
dutiva local, pautada do debate do nacional desenvolvimentismo brasileiro
desde meados do século passado (D’ARAÚJO, 1992). Esse cenário é coroado
com a criação da Superintendência do Plano de Valorização Econômica da
Amazônia (SPVEA), em 1953.
A partir daí o desenvolvimento, seu planejamento e a integração nacio-
nal tronam-se cada vez mais concretos. O Plano de Metas do Governo Juscelino
Kubitschek traria ações que incidiriam sobre o desenvolvimento regional, a
exemplo a construção da rodovia Belém-Brasília. Os governos ditatoriais mili-
tares incorporaram cada vez mais essa ideia e as políticas de integração e desen-
volvimentismo continuaram, principalmente no sentido de criar uma grande
coesão nacional. A Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia
(SUDAM) e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA)
foram criadas respectivamente em 1966 e 1967 nessa chave.
Os Planos Nacionais de Desenvolvimento, PND I, II e III foram
acompanhados de planos regionais para a Amazônia (PDA I - 1972/1974,
PDA II - 1975/1979 e PDA III - 1980/1985). Após a implantação de algumas

20 Turismo e desenvolvimento regional


políticas públicas, contempladas a partir desses planos de desenvolvimento,
e exemplificadas por programas como o Polamazônia, os setores produtivos
passaram a ser planejados de acordo com processos elaborados pela Sudam
(SUDAM, 1972). Esses modelos reproduziram esquemas de desenvolvimento
ligados ao aumento de desigualdades, exploração desenfreada dos recursos flo-
restais e autoritarismo decisório.
Na década de 1980 ocorreriam mudanças significativas nos municípios
da Amazônia, ocasionando um crescimento acelerado da população na zona
urbana, das atividades comerciais, industriais e de serviços. Os ciclos mencio-
nados anteriormente possibilitaram um incremento infraestrutural que, apesar
de não ser o ideal para o desenvolvimento de diversos setores econômicos,
proporcionou um aumento dos investimentos do Governo Federal, como a
construção das rodovias federais (BR-163/Santarém-Cuiabá e BR-230/
Transamazônica), aeroportos, portos, projetos de assentamentos humanos, que
promoveram o crescimento das atividades econômicas, das comunicações e
do transporte. Os planos continuaram a ser produzidos e o primeiro dessa
fase inaugura a chamada “Nova República”, após anos de ditadura militar
(BRASIL, 1986).
Atividades como mineração e agropecuária se intensificaram, as cida-
des alcançaram uma importância sem precedentes, inclusive as cidades médias,
com o aumento de seus moradores (CASTRO, 2001 e 2009). Os índios e
povos tradicionais sofrem impactos sistemáticos, e a região se transforma
em fronteira para uma espécie de desenvolvimento regional, com tentativas
insistentes em incorporar a sustentabilidade nos planos e na estratégia de
desenvolvimento. Para Costa (2012), as trajetórias tecnológicas campesi-
nas na Amazônia demonstram capacidades desse campesinato se reproduzir
mediante uma noção de desenvolvimento regional, articulada geralmente por
uma noção técnica de planejamento, que não reconhece por exemplo as diver-
sidades dessas trajetórias.
As ações mais recentes, baseadas nos planos plurianuais, demonstram a
mudança em direção à inclusão social e a diminuição de desigualdades, inclusive
regionais, a partir de 2003. Para a Amazônia, o Plano Amazônia Sustentável
(PAS) foi lançado em 2008 sob a ideia do desenvolvimento sustentável. Essa
perspectiva é explicita no plano e representa um avanço pois reconhece as
populações indígenas, quilombolas, tradicionais que produzem a região e dessa
forma indica mudanças, mesmo que ainda com execução comprometida. A

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 21


visão desenvolvimentista regional agora é pautada pela sustentabilidade, pela
diversidade e pela redução da desigualdade.
As políticas e ações em andamento na região sob orientação das diretri-
zes estratégicas do PAS são o Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável
para a Área de Influência da BR 163; Plano de Prevenção e Controle ao
Desmatamento da Amazônia Legal (PPCDAM); Plano de Desenvolvimento
Territorial Sustentável para o Arquipélago do Marajó (PA); Criação do
mosaico de unidades de conservação no entorno da BR-163 e Terra do Meio;
Programa Território da Cidadania. Assinam o Plano além da Presidência da
República, os governos dos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão,
Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins (BRASIL, 2008).
O turismo na Amazônia sempre foi visto com potencialidade e entu-
siasmo pelo planejamento do desenvolvimento regional, ora pensado como
complemento às atividades ditas tradicionais, articulando-se com a vida dos
campesinos e ribeirinhos na agricultura familiar, extrativismo e pesca, ora
como verdadeira alternativa a empreendimentos impactantes, como grandes
projetos mineradores e agropastoris.
A preocupação com o ordenamento, controle e planejamento do
turismo no Brasil tem seu marco como a criação da Empresa Brasileira de
Turismo, Embratur em 1966, após do golpe militar de 64, iniciando-se aí
mesmo que timidamente as políticas públicas para esse campo. Uma política
nacional de turismo é esboçada com o objetivo de fomentá-lo como ativi-
dade econômica (EMBRATUR, 1977). A partir da década de 90, no auge
do liberalismo, são lançados a Estratégia para Desenvolvimento do Turismo
no Brasil (1990) e o Plano Nacional de Turismo – PLANTUR (1992), agora
pela Embratur transformada em Instituto. As estratégias obviamente dizem
respeito a uma ampliação e melhoria dos meios de hospedagem, captação de
recursos e bolsa de negócios (EMBRATUR, 1992).
No discurso dos empresários e políticos, a melhoria da infraestru-
tura, o marketing e a geração de renda e emprego são o mote do apoio a
essas pretensões, inclusive com a tentativa de aumentar a demanda e rever-
ter quadros negativos. Nesse período o Estado cria bases para uma política
de Ecoturismo, cujas principais orientações realçavam o desenvolvimento da
atividade de forma planejada, compatível com um desenvolvimento sustentável
(EMBRATUR/IBAMA, 1991 e 1994).

22 Turismo e desenvolvimento regional


Também e não menos importante, o Programa Nacional de
Municipalização do Turismo é criado, a partir da Política Nacional de Turismo
(1996 – 1999), como a principal e mais arrojada (e talvez volátil) experiência
de política pública nesse campo, articulando de igual forma os preceitos do
desenvolvimento sustentável no que se refere à participação das comunidades
nos processos de planejamento e a descentralização das ações, por meio a cria-
ção de conselhos, planos municipais e fundos de investimento municipal.
A partir de então, vários planos nacionais são produzidos, muitas polí-
ticas são colocadas em prática, e em janeiro de 2003, é criado o Ministério
do Turismo (MTUR). Na ocasião foi lançado o Plano Nacional do Turismo
(PNT), baseado em premissas como: parceria e gestão descentralizada; descon-
centração de renda por meio da regionalização, interiorização e segmen­tação
da atividade turística; diversificação dos mercados, produtos e destinos; inova-
ção na forma e no conteúdo das relações e interações dos arranjos produtivos;
adoção de pensamento estratégi­co, exigindo planejamento, análise, pesquisa e
informações consistentes; incremento do turismo interno; e, por fim, o turismo
como fator de construção da cidadania e de integração social (BRASIL, 2003).
Em 2004, o Governo Federal por meio do MTUR lançou o Pro­grama
de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil (PRT) com a ideia de que
a organização de redes humanas locais operacionalizaria o programa como um
todo. Sua proposição é baseada na interação entre os diferentes agentes no sis-
tema econômico que resultaria em benefícios para a localidade e para a região,
por meio da oferta de produtos e serviços com as características próprias de
cada região (NOBREGA, 2012). O Plano Plurianual (PPA) 2004-2007,
expôs a centralidade da política pública brasileira: a diminuição das desigual-
dades regionais e sociais; a geração de empregos e ocupação; e a geração e
distribuição de renda.
O PRT recupera estratégias de planos anteriores e dos discursos
influenciadores do planejamento estatal a partir da década de 90 como o pla-
nejamento integrado e participativo do turismo, e ainda a promoção e apoio
à comercialização dos produtos e serviços turísticos. O planejamento partici-
pativo se estrutura principalmente no estímulo à criação de instâncias locais
e regionais como, por exemplo, no formato de Conselhos Municipais, Fóruns
Regionais e Grupos Gestores, cuja finalidade de criação é para subsidiar o
processo de gestão no âmbito nacional e estadual.

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 23


Segundo o plano, a regionalização do turismo procura em vários sen-
tidos a descentralização das ações, a revalorização dos lugares e territórios, à
emergência do local com participação dos residentes. As parcerias dos sujeitos
sociais entre regiões, municípios e comunidades surgem a partir da concepção
e gerenciamento de roteiros turísticos, no entanto a prática que deveria envol-
ver os agentes da cadeia produtiva do turismo de forma participativa encontra
entraves comuns às tentativas de incentivar autonomia na sociedade.
O plano apresenta também o sentido da roteirização, compreendida
como processo que propõe aos agentes, orientações para a formatação de rotei-
ros turísticos, na integração e organização dos atrativos, equipamentos, ser-
viços turísticos e infraestrutura, o que resultaria em uma maior consolidação
dos produtos de determinada localidade ou região, e ainda, acabaria confe-
rindo maior uso turístico às atrações dispersas, e que possivelmente, dada a
essa dispersão e a não integração entre serviços e infraestrutura, podem rece-
ber um menor fluxo turístico. Roteiro seria então um itinerário caracterizado
por elementos que formam sua identidade, ele é definido e estruturado para
fins de planejamento, gestão, promoção e comercialização do produto turístico
(MTUR, 2007).
Para a Amazônia, os planos de turismo aparecem ainda no governo
autoritário em 1977, um inventário das atrações e potencialidades (SUDAM,
1977). A partir de então, várias ações e propostas de planejamento seriam
implementadas. Em dezembro de 1997 foi lançado o documento Estratégia
para o Desenvolvimento Integrado do Ecoturismo da Amazônia Legal, e com
ele, o Programa de Desenvolvimento do Ecoturismo na Amazônia Legal –
Proecotur. O Proecotur representaria a possibilidade de implementação de
ações efetivas para o desenvolvimento do turismo, juntamente com a elaboração
dos Planos de Desenvolvimento Integrado do Turismo Sustentável (PDTIS)
sugerindo estratégias para os estados da Amazônia. Nesse movimento são
definidos 15 polos de ecoturismo, entre eles o Polo Vale do Acre (AC), Polo
Amazonas (AM), Polo Sateré (AM), Polo Floresta dos Guarás (MA), Polo
Amazônia Mato-grossense (MT), Polo Tapajós (PA), Polo Marajó (PA),
Polo Rondônia (RO), Polo Cantão (TO), Polo Jalapão (TO), Amapá (AP) e
Roraima (RR), abrangendo 152 municípios da Amazônia Legal (MMA, s/d).
O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae)
torna-se parceiro até hoje dessas estratégias, com o intuito de fortalecer o
empreendedorismo e a perspectiva empresarial. O Plano Amazônia Sustentável

24 Turismo e desenvolvimento regional


trata do turismo percebendo-o como atividade econômica, entendendo-o
como econegócio e serviço ambiental, e apontando o mesmo nas diretrizes
estratégicas do PAS como possibilidade produtiva sustentável, com inovação
e competitividade, mais especificamente o turismo sustentável e ecoturismo,
aliados ao manejo florestal, à produção agropecuária, a utilização econômica
da fauna (pesca, aquicultura, etc), à produção mineral, e à produção industrial.
Atenta como de costume para o “engajamento das comunidades autóctones no
processo de desenvolvimento do setor”, e reforça os chamados “microempreen-
dimentos” (BRASIL, 2008). Os objetivos são baseados no PRT, em planejar e
formatar roteiros e produtos turísticos sustentáveis e promover sua comerciali-
zação nos mercados nacional e internacional.
Foram e são muitos os agentes que forma o campo das práticas turísticas
na Amazônia, desde instituições como Sudam, Ministérios (Meio Ambiente,
Turismo, Integração Nacional), Embratur, Ibama, Governos Estaduais,
Organização dos Estado Americanos, Sebrae, até mesmo ONGs que atuam
como catalizadores de experiências inovadoras de turismo, como o turismo
de base comunitária. Os turistas no campo são pensados geralmente como
consumidores, e outros agentes são definidores dos rumos e da feição que o
turismo ganha na região: os empresários. Essa classe na verdade é responsável
pela dinamização da atividade econômica turismo, na hotelaria, agenciamento,
alimentação, transportes e outras atividades.

TURISMO NA REGIÃO AMAZÔNICA


No âmbito local, Figueiredo (1999a; 1999b; 2008; 2009) e Nóbrega
(2007; 2008; 2012), estudaram as principais características do desenvolvi-
mento do turismo na Amazônia e apontam questões recorrentes em várias
décadas de implementação do turismo. Os impactos do turismo não podem
ser desmerecidos e, sua sobrevivência como atividade econômica organizada
depende principalmente das políticas públicas e das relações com mercados
internacionais. Outros estudos de igual importância desvelam as principais
características e especificidades das práticas turísticas nessa região, como é o
caso de Albreton (2000), Tavares (2009), Faria (2005), Vasconcelos (2009),
Sousa e Tello (2013), São Pedro Filho (2013), Costa Novo (2011) e Doria e
Azevedo-Ramos (2007).
A dependência das práticas turísticas da atividade econômica turismo
a priori é dada pela composição de feição de um campo, das relações das cadeias

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 25


produtivas, impactos, segmentações de mercado e da formação de redes. Tal
qual outras atividades econômicas, e tal qual fenômeno de grandes mobilida-
des humanas, as mudanças sociais advindas são inúmeras, e se chocam com
as formas camponesas, com imaginários caboclos, com a cultura diversa da
Amazônia.
Além disso, a preocupação das políticas públicas em dotar a região
de serviços básicos como saneamento, transportes públicos, saúde, educa-
ção, entretenimento e lazer, se encontram com as políticas específicas para o
turismo, como a disponibilização de serviços aos visitantes face ao expressivo
aumento de turistas provenientes de várias regiões brasileiras e internacionais,
evidenciadas no gráfico 01 com a entrada de mais de 6 milhões de turista no
Brasil em 2014.
Gráfico 01- Chegada de turistas no Brasil 2004 a 2014

Fonte: Mtur, 2014.

As visitas à Amazônia são recorrentes durante toda a ocupação euro-


peia na região. Cronistas, e depois viajantes naturalistas foram com suas viagens
dimensionado o que seria chamado de “Amazônia” e não foram poucos. De La
Condamine a Louis Agassiz, empreenderam viagens de pesquisa e exploração,
compondo um mosaico de livros com informações preciosas (FIGUEIREDO,
2010).
A hotelaria se formou na região com os primeiros hotéis de grande
porte nas capitais e durante o século XX a estrutura do turismo amazônico
começou a se consolidar, com a abertura de agências de turismo e de orga-
nizadoras e eventos, além das operadoras turísticas locais e regionais, braços
das grandes empresas nacionais e internacionais. A implantação do curso de
Bacharelado em Turismo na Universidade Federal do Pará em 1975 reforçou

26 Turismo e desenvolvimento regional


a estrutura e os esforços de desenvolvimento do setor, com mão de obra e
estudos e pesquisas iniciais, capitalizadas pelos órgãos públicos dos estados
amazônicos.
Os municípios de Manaus e Belém são os que apresentam as principais
estruturas e organizações da região, inclusive como vetores de fluxos de visi-
tantes e de fluxos de investimento para as outras cidades e para algumas zonas
rurais e costeiras. Santarém também possui um papel de destaque na engrena-
gem, se consolidado aos poucos como destino receptor. Além disso, as capitais,
mais Santarém, são emissores de turistas regionais para municípios da própria
região, aspecto importante na dinamização da economia regional quase sempre
esquecido nas análises, planejamentos e estudos acadêmicos. Os aeroportos da
região, principalmente Belém e Manaus, recebem voos internacionais regula-
res das empresas Delta, Surinam, Copa, Tam, Tap (Panamá, Atlanta, Miami,
Lisboa, Paramaribo, Georgetown e Caiena). Esses fluxos podem ser percebidos
no Gráfico 02, com a entrada de turistas estrangeiros no Pará e no Amazonas.
Gráfico 02 - Turistas estrangeiros no Amazonas e Pará

Fonte: Mtur, 2014.

Recentemente, alguns municípios da Região Norte foram titulados


pelo MTUR como destinos referência em ecoturismo no território nacional.
O título direcionado à Boa Vista (RR), Barcelos, Manaus e Parintins (AM),
Rio Branco (AC), Porto Velho (RO), Macapá (AM), Palmas e Mateiros (TO)
e Belém e Santarém (PA), na verdade é um estímulo do MTUR para desen-
volver diferentes segmentos no Brasil e, como a Região Amazônica traz em
um apelo voltado principalmente ao segmento ecoturístico, esses municípios
poderiam se transformar de “destino indutor” para uma “referência em ecotu-
rismo” no território brasileiro.

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 27


Figura 01 – Destinos Indutores Região Norte

Fonte: Mtur, 2013

O Estado do Amazonas é consolidado na recepção de turistas interes-


sados no ecoturismo e nas florestas, e acabou concentrando as mais conhecidas
estruturas para tal utilizando as matas do entorno de Manaus, como hotéis de
selva e hotéis ecológicos (lodges), barcos ecológicos, roteiros ecoturísticos etc,
subsidiado por uma propaganda massiva e segmentada nos principais países
emissores (LOBATO NETO, 1999). Outras atrações do Amazonas são o fes-
tival folclórico de Parintins, as cavernas do município de Presidente Figueiredo,
o encontro das águas do rio Negro com o Rio Amazonas, a pesca no município
de Barcelos e as experiências de base comunitária e de ecoturismo em Silves e
Mamirauá (MELO; ARAUJO-MACIEL; FIGUEIREDO, 2015; SOUSA;
TELLO, 2013; COSTA NOVO, 2010; VASCONCELOS, 2009).
No estado do Pará, a vila e praia de Alter-do-Chão, a Festa do Sairé, o
Círio de Nazaré, a Ilha de Marajó, a arte rupestre de Monte Alegre, as experi-
ências ecoturísticas na Floresta Nacional do Tapajós e na Reserva Extrativista
Tapajós-Arapiuns, e os centros de Belterra e Fordlândia consolidam as prin-
cipais atrações no turismo nacional e internacional, além das praias do litoral

28 Turismo e desenvolvimento regional


atlântico para o turismo regional (NÓBREGA, 2012; FIGUEIREDO, 2009;
TAVARES, 2009, SILVA, 2005).
Outras atrações fazem parte das estratégias de turismo regional dos
demais estados, como a cidade de Macapá, a pororoca no Amapá, os rios
Madeira e Guaporé em Rondônia etc.
A pesquisa de Aubreton (2000) já demonstrou entre os passageiros
de cruzeiros pelo Rio Amazonas e nos passeios pelo entrono de Manaus que
a maior parte dos turistas que buscam a região Amazônica não só tentam
aumentar seus conhecimentos sobre a região, mas também ter contato com
as comunidades e a realidade amazônica. Se consideram também importantes
na geração de renda dessas comunidades. Nesse sentido o aumento do públi-
cos nos parques nacionais e a preparação de áreas protegidas para a recepção
de turistas tem sido permanentemente elemento dos planos e programas de
incremento do turismo na Amazônia.

DESENVOLVIMENTO E PARTICIPAÇÃO
A Região Amazônica pode ser vista como um resultado do desenvolvi-
mento desigual e combinado, caracterizada pela inserção na divisão nacional e
internacional do trabalho e pela associação das relações de produção distintas.
Para Corrêa (1986), esse processo é resultado da efetivação dos mecanismos de
regionalização sobre um quadro territorial já previamente ocupado, caracteri-
zado por uma natureza já transformada, heranças culturais e materiais e deter-
minada estrutura social e seus conflitos. Os trabalhos de Castro (2001 e 2009)
e Costa (2005 e 2012) também evidenciam essa condição, e apontam para uma
relação complexa entre uma situação de dependência do capitalismo mundial e
de autonomia a esse mesmo capitalismo, produzindo formas diferenciadas do
campesinato e de urbanidades.
No campo da gestão pública do turismo, o setor vem se mostrando
mais estruturado se comparado às últimas 3 décadas, com a contratação de
profissionais com formação específica em turismo e com a criação de secreta-
rias municipais e instâncias de governança regionais e estaduais, porém, ainda
com uma baixa autonomia e um grande déficit orçamentário para garantir
o planejamento e gestão capazes de impulsionar o desenvolvimento regional
do turismo. Os cursos superiores de turismo tiveram e têm papel fundamen-
tal não só na formação de mão-de-obra, mas também na estruturação de um

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 29


pensamento mais crítico sobre os modelos desenvolvimentistas escolhidos
pelas instâncias estaduais e municipais da Região.
As lógicas do desenvolvimento regional e da regionalização têm sido
importantes no planejamento e políticas para a Amazônia e desde a criação
do MTUR em 2003 as ações públicas que impulsionaram a atividade turística
no âmbito federal estiveram dentro dessa chave, por meio do PRT. O pro-
grama evidencia dessa forma a descentralização das ações, a revalorização das
regiões e territórios, e a emergência da dimensão local com participação dos
residentes. As parcerias estratégicas entre os agentes e entre regiões, municí-
pios e comunidades são esperadas a partir da concepção e gerenciamento de
roteiros turísticos, no entanto, essa prática não é considerada para a efetiva
implementação dos projetos, pois ainda vivenciamos na sociedade brasileira
decisões públicas enraizadas em uma história de práticas extremamente cen-
tralizadoras. Mas não é só isso.
Há um direcionamento de ruptura com a concepção tradicional do
estado, como núcleo praticamente exclusivo de representação, planejamento
e condução da ação pública, mas ao mesmo tempo, uma incapacidade téc-
nica de incorporar modelos híbridos de planejamento nesse desenvolvimento
(NÓBREGA, 2012). As redes de políticas representariam uma nova moda-
lidade de coordenação e gestão de políticas voltadas ao desenvolvimento. São
as instituições híbridas que representariam a negociação de vários interesses,
envolvendo associações reivindicativas, movimentos sociais e indivíduos que
fortaleceriam a cidadania, e rompendo com os paradigmas clássicos da admi-
nistração pública e interferindo no controle absoluto do capital nas proposi-
ções do desenvolvimento regional.
Arenas públicas com esse viés contemplariam muitos setores da socie-
dade, inclusive o turístico, de uma forma menos excludente e mais propícia
a quebrar com as desigualdades sociais e regionais. Em função do uso da
racionalidade política instalada em arenas que discutem democraticamente as
melhores decisões no campo do planejamento e gestão do turismo, é possível
perceber que as arenas que negociam o desenvolvimento turístico na Amazônia
estão atreladas a um processo de agregação de preferências individuais incuti-
das pelos representantes legais, e não incorporaram ainda uma dimensão deli-
berativa stricto sensu, que envolve também a formação e a transformação das
preferências na construção do consenso e na discussão do dissenso.

30 Turismo e desenvolvimento regional


Além disso, acredita-se que as instâncias de governança são demasia-
damente desestimuladas ao exercício da participação no processo de planeja-
mento e gestão devido à sobreposição de ações desencadeadas pelo resultado
de inúmeras tentativas fracassadas de políticas voltadas ao turismo na região
desde a década de 1970, evidenciadas em Figueiredo (1999), Nobrega (2007,
2008, 2012), e Nóbrega e Figueiredo (2014).
O desenvolvimento do turismo na Amazônia é dependente do estado,
e de sua articulação com o empresariado, mesmo que tenham crescido expe-
riências de turismos alternativos (de base comunitária), e que a participação
de outros agentes no campo do turismo (comunidades, Ongs) tenha sido
ampliada e incentivada por programas como o PRT.
Há um indiscutível viés comercial na política, que incentiva a visão do
turismo somente como atividade econômica e que atrapalha a promoção do
tal desenvolvimento em uma perspectiva local/regional defendido pelo pró-
prio programa, pois as ações não contemplam os preceitos do desenvolvimento
endógeno, com equilíbrios econômico, social e cultural da comunidade local
em seu conjunto por meio de uma participação ativa da sociedade, mas sim,
atende aos interesses da reprodução do capital financeiro internacional.
Apesar dos pontos positivos levantados por Azevedo e Anastasia
(2002) e Fleury (2002) e a partir da constituição de arenas públicas no pro-
cesso de desenvolvimento do turismo na Amazônia, é evidente o papel e atu-
ação do setor privado na reprodução do capital financeiro, em detrimento dos
ganhos coletivos que deveriam atender todos os setores da sociedade.
As possibilidades de desenvolvimento regional ancorado no turismo e
o próprio desenvolvimento do turismo não são efetivas, salvo algumas experi-
ências. Portanto o turismo na Amazônia é marcado ainda pelo protagonismo
de agentes como os poderes estaduais e municipais e o empresariado, confi-
gurando efetivamente posições de classe e de papeis econômicos bem deli-
mitados pelo capital regional, nacional e internacional. Não há sequer luta
em um campo dominado por objetivos claros referentes somente a aspectos
econômicos.
Um número significativo de ações foi desenvolvido nos últimos anos.
Programas como o PNMT, PROECOTUR e PRT mobilizaram empresários,
população local e sociedade civil organizada, no intuito de conciliar interes-
ses e estratégias para o desenvolvimento de localidades a partir do planeja-
mento turístico. No entanto, o setor ainda precisa de ações efetivas de grande

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 31


expressão regional, capazes de gerar alterações positivas nas localidades atin-
gidas pelos programas, além disso, é extremamente importante a realização de
estudos mais aprofundados no sentido de compreender os impactos gerados
por estas ações na dinâmica na Região Amazônica em especial, para com-
preensão da nova configuração dos sistemas produtivos nos quais os agentes
sociais são protagonistas de ação desenvolvida tanto pelo Estado, por Ong’s,
como também pela iniciativa privada.
As ideias convergentes do desenvolvimento local, endógeno e susten-
tável e sua relação com o desenvolvimento do turismo necessitam alcançar
uma dimensão para além da reprodução da desigualdade social e regional. É no
jogo de disputas de um campo específico, o campo do turismo, que é possível
perceber o reordenamento das estratégias de reprodução do modus operandi do
sistema turístico, sem ainda ter sido possível a ruptura com os modelos que
continuam a interferir nas políticas públicas e no desenvolvimento regional.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
O conceito de turismo se reencontra com o conceito de viagem de duas
maneiras, primeiro porque com a democratização das formas de viajar e com
o avanço das rendas das classes trabalhadoras na renda dos países em desen-
volvimento o acesso à viagem vem aumentando, e segundo, porque a chamada
autogestão da viagem começa a ser uma realidade cada vez mais frequente.
Mesmo que existam pessoas que precisem de profissionais para definir gostos,
práticas e destinos, e incorporá-las a um não-habitus, a necessidade dos con-
sultores de viagem vem aumentando e a participação dos sites da internet nas
informações compartilhadas vem diminuindo a presença do clássico agente de
viagens. Esses aspectos vêm modificando fortemente como o turismo deve ser
visto pelos arranjos de planejamento público e pelas arenas estimuladas.
As ideias de desenvolvimento, desenvolvimento regional, e de desen-
volvimento do setor turismo, com as atuais políticas de controle social e ges-
tão compartilhada, ainda que com boas intenções, esbarram na perspectiva
mercantil de encarar um fenômeno social de tal porte, nas dificuldades de
construção da arena pública e da participação, fragilizando obviamente a
governabilidade, e na difícil possibilidade de protagonismo das populações da
Amazônia por exemplo.
Um campo que é dominado pela iniciativa privada, que é indutora dos
processos de produção e consumo, se choca continuamente com a perspectiva

32 Turismo e desenvolvimento regional


de entender o turismo como prática humana no campo do lazer, mesmo que
o Plano de 2007-2010 seja “Uma viagem de inclusão” e que em 2013-2016 o
reconhecimento da força do turismo interno esteja presente como item dife-
rencial no novo Plano.
As experiências participativas por exemplo ganharam terreno na maio-
ria das políticas públicas e nos projetos governamentais a partir da Constituição
de 1988, além de alguns avanços na consulta popular sobre grandes empreen-
dimentos de grandes impactos, como obras hidrelétricas, empresas de extração
mineral e agropecuárias, que conflitam com padrões Amazônicos e modos de
vida relacionados às populações tradicionais rurais, mesmo com a crescente
urbanização da Região. Essas experiências se difundiram por instâncias muni-
cipais e estaduais, notadamente em gestões públicas de esquerda, e alternam
implementações exitosas (FIGUEIREDO, 1998; BELÉM, 1998; PORTO
ALEGRE, 2000) ou controversas, como a própria experiência do PNMT
(ENDRES, 1999, NOBREGA, 2007). Na busca da autonomia da sociedade
civil, chegam ao momento atual sempre incentivadas pelos estudos acadêmicos
de políticas públicas e gestão democrática e de práticas de parte de gestores
municipais, estaduais e até mesmo do Governo Federal. Mesmo a noção de
decrescimento de Latouche (2011) está ancorada entre outras coisas numa
democracia ecológica e econômica local, e na noção de autonomia.
Ainda que o as políticas públicas que promovem o desenvolvimento
regional e do turismo estejam em constante aprimoramento e tragam avan-
ços consideráveis no que tange às tentativas de diminuições de disparidades
regionais e desigualdades sociais, o processo de planejamento e gestão do PRT
não contempla uma transformação baseada nos preceitos do desenvolvimento
regional, pois atende basicamente aos interesses da reprodução do capital
financeiro internacional através da formação de produtos materializados em
roteiros turísticos. Por fim, esses pretensos padrões de reprodução do capital se
chocam cotidianamente com diversidades e com culturas.

REFERÊNCIAS
ALVES, L. I. O., LASMAR, I. E., CARVALHO, R. M. Espaço em Construção – Vol 2. Belo
Horizonte: Lê, 1990.
AUBRETON, T. Ecotourists in the brazilian amazon. Miami, 2000 (mimeo.)
AYDALOT, P. Le concept de région dans la définition de la planification régionale. Revue
Canadienne des Sciences Régionales. X : 2, p. 203-214. 1987.

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 33


AZEVEDO, F. F. Desenvolvimento regional e potencial turístico no Seridó Potiguar. Natal, RN:
EDUFRN, 2014.
AZEVEDO, S.; ANASTASIA, F. Governança, “Accountability” e Responsividade: reflexões
sobre a institucionalização da participação popular em experiências desenvolvidas em Minas
Gerais. Revista de Economia Política, v. 22, n. 1, 85, 2002.
BARQUERO, A. V. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: Fundação
de economia e estatística, 2001.
BELÉM. Plano de turismo de Belém. Belém, 1998.
BOURDIEU, P. Le champ scientifique. Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 2, n°2-3,
junho 1976. p. 88-104.
BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Lisboa: Fim de século, 1984.
BOURDIEU. P. L’identité et la représentation [Éléments pour une réflexion critique sur l’idée
de région]. Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 35, novembro 1980. p. 63-72.
BOORSTIN, D. J. Du voyageur au turiste: l’art oublié du voyage. In: Boorstin, D. J. L’Image.
Paris: UGE, 1971.
BRASIL. Plano Amazônia Sustentável: diretrizes para o desenvolvimento sustentável da
Amazônia Brasileira. Brasília: MMA, 2008.
BRASIL. I Plano de Desenvolvimento da Amazônia Nova República – 1986-1989. Belem,
1986.
BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio – MICT. Ministério do Meio Ambiente - MMA.
Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. Brasília, DF,1994.
BRASIL. Ministério da Indústria, Comércio – MICT..Ministério do Meio Ambiente – MMA
Ecoturismo: visitar para conservar e desenvolver a Amazônia. Brasília, DF, 2002.
BRASIL. Ministério do Turismo – MTUR. Plano nacional do turismo: diretrizes, metas e
programas – 2003-2007. Brasília, DF, 2003.
BRASIL. Ministério do Turismo – MTUR. Plano nacional do turismo – 2007-2010: uma viagem
de inclusão. Brasília, DF, 2007.
BRASIL. Ministério do Turismo – MTUR. Anuário Estatístico de Turismo 2015 –Ano base
2014. Brasília, 2015.
BRASIL. Ministério do Turismo – MTUR. Programa de regionalização do turismo – Roteiros do
Brasil: módulo operacional 7 – Roteirização Turística. Brasília, DF, 2010.
BRESSER-PEREIRA, L. C. Desenvolvimento e Crise no Brasil 1930-1967. Rio de Janeiro:
Zahar Editores, 1968
CASTRO, E. M. R. Estado e Políticas Públicas na Amazônia em face da Globalização e
da Integração de Mercados. In: COELHO, M.C. et al. (Org.). Estado e políticas públicas na
Amazônia: gestão do desenvolvimento regional. Belém: UFPA; NAEA, 2001, p.7-32.
CASTRO, E. M. R. Urbanização, pluralidade e singularidades das cidades amazônicas. In:
CASTRO, E. M. R. (Org.). Cidades na Floresta. 1ed.São Paulo: Annablume, 2009. p. 13-39.
CNUCED. Conferência das Nações Unidas sobre o Comércio e do Desenvolvimento. Les
éléments de la politique du turisme das les pays em voie de développement. Nova York, 1973.
CORREA, R. L. Região e organização espacial. São Paulo: Ática, 1986.

34 Turismo e desenvolvimento regional


COSTA, F. A. O Planejamento do desenvolvimento regional na Amazônia: pressupostos
conceituais para uma nova institucionalidade. Revista Amazônia, Belém, v. 1, n. 1, p. 181-196,
2005.
COSTA, F. A. Formação agropecuária na Amazônia: os desafios do desenvolvimento sustentável. 2.
ed. Belém: NAEA, 2012.
COSTA NOVO, C. B. M. O território do turismo de base comunitária na Amazônia: a
experiência da pousada Aldeia dos Lagos em Silves - AM. In: ENCONTRO NACIONAL
DE TURISMO COM BASE LOCAL, 11., 2010, Niterói, RJ. Anais..., Niterói, RJ, 2010, p.
1154-1172.
COSTA NOVO, C. B. M.  Turismo de base comunitária na região metropolitana de Manaus
(RMM): caracterização e análise crítica. Dissertação. Mestrado em Geografia. Universidade de
São Paulo. 2011.
D’ARAUJO, M. C. Amazônia e desenvolvimento à luz das políticas governamentais: a
experiência dos anos 50. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Rio de Janeiro, vol. 7, n. 19, jun.
1992. p. 40-55.
DORIA, C.; AZEVEDO-RAMOS, C. Ecoturismo na Amazônia, alternativa de renda para
comunidades locais? Porto Velho: EDUFRO, 2007
EMBRATUR. Ecoturismo na Amazônia, Região Circunvizinha de Manaus. Brasilia, 1977.
EMBRATUR. Política Nacional de Turismo, documento preliminar. Brasilia, 1977.
EMBRATUR. Diretrizes do programa nacional de municipalização do turismo. Brasília, 1999
EMBRATUR/IBAMA. Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo. Brasília, 1994.
EMBRATUR/IBAMA. Programa Ecoturismo, versão preliminar. Brasília, 1991.
ENDRES, A. V. As mudanças da condução política do Estado e seus reflexos nas políticas públicas
de turismo: uma análise do Programa Nacional de Municipalização do Turismo. 1999. 133 f.
Dissertação (Mestrado em Planejamento do Desenvolvimento) - Núcleo de Altos Estudos
Amazônicos, Universidade Federal do Pará, 1999.
FARIA, I. F. Ecoturismo: etnodesenvolvimento e inlcusão social no Amazonas. Pasos. Revista de
Turismo y Patrimonio Cultural (Online), v. 3, p. 63-77, 2005.
FIGUEIREDO, S. L. Mecanismos de participação popular em turismo: a experiência da Belém
do Pará. In: CORIOLANO, L. (Org.). Turismo como Ética. 1ed.Fortaleza: Ed. UECE, 1998. p.
374-389.
FIGUEIREDO, S. L. Viagens e viajantes. São Paulo: AnnaBlume, 2010.
FIGUEIREDO, S. L. Ecoturismo, festas e rituais na Amazônia. Belém: NAEA, 1999.
FIGUEIREDO, S. L. Floresta Nacional do Tapajós: turismo de base comunitária e
sustentabilidade. In: BRASIL. Ministério do Turismo. Formação de gestores das políticas públicas
do turismo. Florianópolis: SEAD; FAPEU; UFSC, 2009. p.169-170.
IBGE. Geoestatísticas de recursos naturais da Amazônia Legal. Rio de Janeiro, 2011.
KADT, E. Tourisme, passeport pour le développement? Econômica; Paris, 1979.
LATOUCHE, S. Pequeno tratado do decrescimento sereno. Lisboa: Edições 70, 2011.
LOBATO NETO, O. Ecoturismo, o exemplo do Amazonas. In: FIGUEIREDO. S. L. (Org.).
O Ecoturismo e a Questão ambiental na Amazônia. Belem: Ed. NAEA, 1999. p. 127-126.

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 35


MACCANNELL, Dean. El Turista, uma neuva teoria de la clase ociosa. Barcelona: Ed.
Melusina, 2003.
MELO, J. J. M.; ARAUJO-MACIEL, A. P.; FIGUEIREDO, S. L. Eventos Culturais como
estratégia de fomento do turismo: análise do Festival Folclórico de Parintins (AM). Revista
Brasileira de Ecoturismo, v. 8, p. 251-272, 2015.
NÓBREGA, W. R. M. Turismo e Políticas Públicas na Amazônia Brasileira: instâncias de
governança e desenvolvimento nos municípios de Santarém e Belterra, Oeste do Estado do
Pará. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido). Universidade
Federal do Pará, 2012.
NÓBREGA, W. R. M. Perspectivas e entraves para o desenvolvimento de políticas setoriais de
turismo na Amazônia: discussões acerca do Proecotur no estado do Pará. In: FIGUEIREDO,
S. J. L. (Org.) Turismo, lazer e planejamento urbano e regional. Belém: UFPA/NAEA, 2008. p.
147-173.
NÓBREGA, W. R. M. Turismo: planejamento e políticas públicas de turismo na Amazônia.
Rio de Janeiro: E-papers, 2007.
NOBREGA, W. R. M.;  FIGUEIREDO, S. J. L.  . Turismo e gestão pública: uma avaliação
das instâncias de governança no Oeste do Estado do Pará. In: PIMENTEL, T. D.;
EMMENDOERFER, M. L.; TOMAZZONI, E. L. (Org.). Gestão Pública do Turismo no Brasil
Teorias, Metodologias e Aplicações. Caxias do Sul: EDUCS, 2014. p. 425-449.
PERROUX, F. A economia do século XX. Lisboa: Morais, 1967.
RIST, G. Le Développement, histoire d’une croyance occidentale. Paris: Presses de Sciences Po, 2001
SÃO PEDRO FILHO, F. Paradigmas e perspectivas estratégicas para o ecoturismo indígena
em Rondônia, Brasil. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p.227-252, ago. 2013.
SARGES, M. N. Belém: riquezas produzindo a Belle-Époque. Belém: Paka-Tatu, 2000.
SESSA, A. Turismo e política de desenvolvimento. Porto Alegre: Uniontur, 1983.
SILVA, S. M. Ecoturismo em Comunidades Tradicionais na Floresta Nacional do Tapajós: o
caso de Maguari e Jamaraquá. Dissertação. Mestrado em Ciências Florestais e Ambientais.
Universidade Federal do Amazonas. 2005.
SOUSA, R. M. M.; TELLO, J. C. R. Turismo e meio ambiente: o caso de Silves, Amazonas. In:
AZEVEDO, F. F.; FIGUEIREDO, S. L... [et al.] (Org.). Turismo em Foco. Belém, PA: NAEA,
2013. p. 75-91.
SUDAM. Linhas Básicas para um Programa de Desenvolvimento do Turismo na Região Amazônica
(versão regional). Belém, 1995a.
SUDAM. Projeto de Investimento e Desenvolvimento do Setor Turismo na Amazônia - Versão
Preliminar. Belém, 1997.
SUDAM. Plano de Turismo da Amazônia:1992/1995. Belém, 1992d.
SUDAM. Plano de Turismo da Amazônia. Belém, 1977.
SUDAM/OEA/MMA. Estratégia para o Desenvolvimento do Integrado do Ecoturismo na
Amazônia Legal. s.l., 1997a.
SUDAM/OEA/MMA. Workshop de Polos Turísticos - Relatório. Belém, 1997b.

36 Turismo e desenvolvimento regional


TAVARES, M. G. C. Turismo e desenvolvimento na Amazônia brasileira: algumas considerações
sobre o arquipélago do Marajó (PA). In: BARTHOLO, R; SANSOLO, D. G; BURSZTYN.
(Org.). Turismo de Base Comunitária. São Paulo: Letra e Imagem, 2009. p. 249-260.
URBAIN, Jean Didier. L’idiot du Voyage: histoires de Touristes. Paris: Payot,1993.
URBAIN, Jean Didier. L’envie du monde. Paris: Brèal, 2011.
VASCONCELOS, P. N.M . Turismo e valorização do patrimônio histórico-cultural na Reserva
de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Caderno Virtual de Turismo (UFRJ), v. 9, p. 35-47,
2009.
WTO. Turismo y atenuación de la pobreza. Recomendaciones para la acción. Madri, 2014.

Silvio Lima Figueiredo | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 37


Ecoturismo em comunidades tradicionais
na Floresta Nacional do Tapajós, Belterra-
PA: o caso de Maguari e Jamaraquá

Sandra Maria Sousa da Silva1

INTRODUÇÃO
As discussões sobre questões relacionadas à conservação e preserva-
ção ambiental, equidade social, patrimônio cultural e aspectos econômicos são
cada vez mais pertinentes em uma época de preocupações com o processo de
desenvolvimento e sustentabilidade. Para que haja êxito na manutenção da
biodiversidade e sociodiversidade do planeta, é indispensável que encontremos
práticas que incentivem a sustentabilidade de ações relacionadas às populações
tradicionais e ao meio ambiente. Nesse contexto, o ecoturismo surge como
uma ferramenta de promoção do desenvolvimento sustentável de comuni-
dades tradicionais que habitam no entorno de unidades de conservação ou
nessas unidades, ou seja, a atividade ecoturística contribui decisivamente para
a melhoria econômica, preservação ambiental e valorização sociocultural e
étnica dessas comunidades.
Na perspectiva do desenvolvimento sustentável, o ecoturismo efetiva-
mente se apresenta como uma proposta que, a partir da visão diferenciada de
outro segmento do turismo, possibilita de maneira mais efetiva a inserção das
comunidades tradicionais presentes nas destinações como verdadeiros atores,
construindo uma base sólida de desenvolvimento comunitário, valorização dos
ecossistemas e da cultura local.
Para diversas regiões do Brasil, que dispõem de atrações naturais e
enorme diversidade cultural, o ecoturismo oportuniza um desenvolvimento
socioeconômico considerável e satisfatório, principalmente para populações

1 Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Pará (1994) e Mestre em Ciências Florestais
e Ambientais pela Universidade Federal do Amazonas (2005). Atualmente é professora assis-
tente da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA e doutoranda do Programa de Pós-
graduação em Sociedade, Natureza e Desenvolvimento – (UFOPA).
tradicionais em unidades de conservação. No entanto, é necessário planeja-
mento e ordenamento da atividade, além de políticas públicas e pesquisas, com
o intuito de melhor desenvolver e aumentar o fluxo ecoturístico nessas regiões.
Entre as diversas regiões com evidente potencial ecoturístico há
que se destacar a Amazônia. Na Amazônia brasileira, as regiões do Tapajós
e do Baixo Amazonas são consideradas áreas promissoras. Neste contexto, a
Floresta Nacional do Tapajós, conhecida como Flona do Tapajós, é vista como
de extrema importância, pois contém a maior parcela de floresta natural e a de
melhor acessibilidade na região. Possui, ainda, outras características favoráveis
ao ecoturismo como rios, igarapés e praias de alto valor cênico, além da riqueza
cultural das populações tradicionais que vivem nessa unidade.
A Floresta Nacional do Tapajós, na qual estão localizadas as comuni-
dades de Maguari e Jamaraquá, é uma Unidade de Conservação de uso sus-
tentável que abrange os municípios de Aveiro, Belterra, Placas e Rurópolis,
com uma área de aproximadamente 545.000 ha e inclui não apenas florestas,
como também praias, igarapés, sítios arqueológicos, campos, lagos naturais.
Em termos econômicos, as comunidades vivem da agricultura de subsistência,
do extrativismo vegetal e do manejo madeireiro comunitário. A pesquisa que
originou o presente trabalho basea-se em Silva (2005) e observações assiste-
maticas em 2007, 2011 e 2013.

ECOTURISMO, UNIDADES DE CONSERVAÇÃO


E COMUNIDADES TRADICIONAIS
O ecoturismo é uma atividade que causa um mínimo de impacto
ambiental possível, desenvolvido em áreas de expressivo valor natural e cultural
e que por meio de atividades recreativas e educativas promove a conservação da
biodiversidade e da sociodiversidade, beneficiando dessa maneira as comuni-
dades locais (RODRIGUES, 2003). O ecoturismo, nesta concepção, pode ser
analisado como uma proposta de desenvolvimento econômico que concilia a
conservação do patrimônio natural e cultural, destacando dois aspectos essen-
ciais para países como o Brasil: a biodiversidade e a sociodiversidade.
Com o objetivo de desenvolver o ecoturismo de forma organizada e
articulada, o Governo Brasileiro reuniu em 1994, por meio da EMBRATUR,
um Grupo de Trabalho Interministerial do Ministério do Meio Ambiente
(MMA) e do Ministério da Indústria, Comércio e Turismo (MICT) e delegou
a ele a função de elaborar diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo,

Sandra Maria Sousa da Silva 39


cujo fim seria implementar uma política em concordância com um tipo claro
de conceito de ecoturismo, a saber:
Um segmento da atividade turística que utiliza, de forma susten-
tável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação
e busca a formação de uma consciência ambientalista através da
interpretação do ambiente, promovendo o bem-estar das popu-
lações envolvidas (EMBRATUR, 1994, p. 19).
Na definição brasileira, é ressaltado um fator fundamental e impres-
cindível para a formação da consciência e mudanças de atitudes em relação ao
ambiente natural e cultural visitado: a interpretação do ambiente, que surge
nesse contexto de maneira a enfatizar a valorização e a conservação dos desti-
nos ecoturísticos e, consequentemente, a promoção de uma melhor qualidade
de vida para as populações locais.
Diante de inúmeras definições sobre ecoturismo, Fennell (2002, p.52)
procurando ressaltar aspectos que considera mais importantes do fenômeno e
apontado a necessidade de ser sucinto, definiu ecoturismo como: “Uma forma
sustentável de turismo baseado nos recursos naturais, que focaliza principal-
mente a experiência e o aprendizado sobre a natureza; é gerido eticamente para
manter um baixo impacto, é não predatório e localmente orientado”.
A relação entre unidades de conservação e ecoturismo é bastante dis-
cutida por diversos autores. Embora esse debate enfoque mais experiências
em Unidades de Proteção Integral, especificamente na categoria Parques
Nacionais, a tendência é a expansão da atividade em diversas categorias de
Unidades de Conservação, como por exemplo, em Reservas Extrativistas,
Florestas Nacionais, Reservas de Desenvolvimento Sustentável e Reservas
Particulares do Patrimônio Natural, pertencentes ao grupo de uso sustentá-
vel. Neste caso, podemos apontar a Reserva de Desenvolvimento Sustentável
Mamirauá, no Estado do Amazonas, como exemplo de resultados positivos
de desenvolvimento do ecoturismo em Unidades de Conservação de Uso
Sustentável (UC). Outro exemplo importante a destacar é a Floresta Nacional
do Tapajós, no Estado do Pará, que vem desenvolvendo a atividade, principal-
mente, junto às comunidades tradicionais localizadas nessa UC.
Para a EMBRATUR (1994) o conjunto de unidades de conserva-
ção sob a jurisdição federal, à exceção das Reservas Biológicas e Estações
Ecológicas, somado às áreas protegidas estaduais e municipais e às proprie-
dades particulares adaptadas para fins turísticos, oferecem, juntamente com a

40 Ecoturismo em comunidades tradicionais


rica diversidade cultural, condições excepcionais para o desenvolvimento do
ecoturismo no Brasil, pois essas unidades são o primeiro destino ecoturístico
procurado pelas demandas nacionais e internacionais.
É importante destacar algumas razões para a utilização do ecoturismo
em unidades de conservação tanto sob o ponto de vista ambiental quanto
socioeconômico. Uma dessas razões é que a atividade deve levar em conta
as características das comunidades locais, colaborando com a mentalidade
comercial do núcleo a fim de permitir e promover melhores meios e qualidade
de vida para sua população (COSTA & COSTA, 2000). Todavia, a partici-
pação da comunidade local precisa estar articulada de forma que ela própria
assuma a responsabilidade sobre o desenvolvimento do ecoturismo em sua área
de inserção (IRVING et al., 2000).
Portanto, para desenvolver o ecoturismo em comunidades tradicionais
que estão em unidades de conservação ou em seu entorno e cujas categorias
de manejo contemplem em seus objetivos esta atividade, torna-se fundamental
conhecer diversos aspectos importantes para o desenvolvimento da atividade,
tais como: entender o processo de formação cultural local e socioeconômico,
bem como a dinâmica das populações envolvidas e o potencial natural, enfim,
todas as informações necessárias para a compreensão dos fenômenos relacio-
nados direta e indiretamente com a atividade ecoturística.
Por comunidades tradicionais ou sociedades tradicionais, Arruda
(2000) entende serem grupos humanos culturalmente diferenciados que his-
toricamente reproduzem seu modo de vida de forma relativamente isolada,
com base em modos de cooperação social, formas específicas de relações com
a natureza e caracterizados tradicionalmente pelo manejo sustentado do meio
ambiente.
Diegues (2002) considera que um dos critérios mais importantes para
a definição de culturas ou populações tradicionais, além do modo de vida, é,
sem dúvida, o reconhecer-se como pertencente àquele grupo social particular.
Esse critério remete à questão fundamental da identidade.
No que se refere ao turismo, os moradores tradicionais como conhe-
cedores do meio em que vivem, podem desempenhar o papel de guias locais,
ensinando aos visitantes o que sabem sobre o mundo natural e introduzindo-
-os numa cultura distinta, baseada no convívio íntimo com a natureza e seus
ciclos (DIEGUES, 2003). Porém, se o fator cultural, assim como o econô-
mico, o social e o ambiental não forem analisados com igual importância e

Sandra Maria Sousa da Silva 41


magnitude e se o processo de gestão da Unidade não levar em consideração
as consequências do desenvolvimento que está sendo implementado em seu
entorno, como a cultura do agronegócio, especificamente, o plantio da soja, a
sustentabilidade do ecoturismo estará comprometida.

O ECOTURISMO NAS COMUNIDADES DE MAGUARI E JAMARAQUÁ


Percepção ambiental, ecoturística e cultural da
população tradicional de Maguari e Jamaraquá
Os principais recursos naturais utilizados pela comunidade de Maguari
são a andiroba, copaíba, sucuba, piquiá, uixi, castanha, semente de copaíba,
cumaru, taperebá, cupuaçu, palha, cipó, breu jutaicica, breu sucuba, cipó titica,
entre outros. Também ocorrem a pesca e a caça de subsistência na comunidade.
Existem vários projetos desenvolvidos para o manejo desses recursos
como os SAFs (Sistemas Agroflorestais), a avicultura e o artesanato de couro
vegetal. Neste sentido, os comunitários têm feito suas atividades, sabendo uti-
lizar os recursos de forma sustentável e sem degradar a natureza, como por
exemplo, a produção do artesanato de couro ecológico, ecoturismo e o aprovei-
tamento dos produtos não madeireiros para outros tipos de artesanatos e óleos
medicinais. As pessoas também estão mais preocupadas em manter limpo o
espaço físico comunitário, orientando os demais para não jogarem lixo no chão,
ou contribuindo para o esclarecimento sobre a importância dos recursos natu-
rais para a sobrevivência da comunidade.
Em Jamaraquá, há uma reserva de mata primária usada somente para
coletar sementes e outros produtos da floresta. De uso coletivo, ela é mantida
para não faltar recursos naturais para a comunidade. Os moradores retiram da
floresta piquiá, castanha, tucumã, mel de abelha, breu, cipó, uixi, bacaba, copa-
íba e jutaí. Esses produtos são usados mais para consumo do que para venda,
devido ao baixo preço. A madeira é retirada somente para recuperar as casas
da comunidade, e a palha é de uso coletivo. Outros produtos como andiroba,
seringa, leite de sucuba, também são utilizados pela população local. A pesca e
a caça de subsistência são praticadas. Os lagos são utilizados para a pesca, lazer
e passeios de canoas para os ecoturistas que visitam o local. Com relação ao
uso desses recursos, os moradores estão satisfeitos com a forma como a comu-
nidade vem os utilizando, pois estão sabendo usar sem degradar a natureza,
principalmente, por não estarem jogando lixo na comunidade, um termômetro

42 Ecoturismo em comunidades tradicionais


da consciência ambiental. Neste caso, a participação em campanhas e ações
de conscientização para a preservação ambiental da comunidade é importante
tanto para a comunidade de Jamaraquá como para a comunidade de Maguari.
Quanto à percepção da população local sobre o ecoturismo, Borges
(2003) argumenta que ela é fundamental para subsidiar o trabalho de partici-
pação comunitária em projetos ou programas desse porte. Neste ponto, o ideal
seria realizar pesquisas periódicas para ser feito o monitoramento da percepção
da comunidade em paralelo ao crescimento da visitação na localidade.
Com o desenvolvimento do ecoturismo em Maguari e Jamaraquá, algu-
mas mudanças foram percebidas, positivamente, tais como o fato desse pro-
cesso gerar recursos financeiros para as comunidades; os moradores envolvidos
no desenvolvimento da atividade adquiriram mais conhecimento; as comuni-
dades ficaram mais movimentadas; os condutores de ecoturistas melhoraram
na maneira de lidar com os visitantes, buscando uma formação adequada e de
qualidade. Em Jamaraquá, merece destaque um aspecto sobre a preservação
da natureza, a de que o termômetro da consciência, a limpeza da comunidade
passou a ser algo rotineiro e coletivo.
Quanto aos benefícios e maléficos do desenvolvimento do ecoturismo,
Grahn (2004) comenta que os turistas, ao visitarem uma localidade, podem
causar impactos positivos e negativos no meio ambiente, na economia e no
aspecto sociocultural. Portanto, os impactos positivos estão relacionados aos
benefícios gerados pelo ecoturismo e os impactos negativos estão associados
aos problemas ocasionados pela atividade.
Em relação aos benefícios percebidos pelos entrevistados nas comuni-
dades, o turismo proporciona novos conhecimentos para os moradores locais.
Com relação a esse aspecto, Nelson (2004) afirma que é um benefício pes-
soal adquirido por quem está envolvido no processo do desenvolvimento do
turismo.
Outro fator observado é a preservação da natureza, ou seja, com a
implantação do turismo no local as pessoas passaram a preservar mais a natu-
reza. Para Kinker (2002), os moradores irão valorizar mais a natureza quando
perceberem que o ecoturismo depende diretamente da conservação dos recur-
sos naturais que compõem seu principal atrativo.
Outros benefícios observados foram: o ecoturismo contribui para
movimentar a economia local, mais infraestrutura para as comunidades. De
acordo com Nelson (2004), o turismo também pode incentivar a construção

Sandra Maria Sousa da Silva 43


de uma nova infraestrutura que serve tanto para o turista quanto para os mora-
dores, classificando-o como um benefício material. Exemplo disso é o que
ocorreu em Maguari, quando houve um investimento na melhoria de infraes-
trutura (barracão, igreja) com o dinheiro da taxa de entrada dos turistas, assim
como a implantação de uma base de apoio para os visitantes. Todos esses bene-
fícios são ampliados com a geração de emprego aos moradores de Maguari e
Jamaraquá.
Sobre os problemas gerados nas comunidades pela visita de turistas,
percebe-se que há mais ocorrências observadas pelos moradores de Maguari,
embora ocorra em menor proporção em Jamaraquá. O principal fator desa-
gradável apontado por eles é a questão do uso de drogas pelos turistas e até
por alguns guias de turismo. Outro problema destacado em Maguari é que
o custo de vida aumentou, pois alguns produtos vendidos aos turistas, como
óleo de andiroba, copaíba, etc. sofreram um aumento de preço considerável,
prejudicando assim alguns moradores que precisam de tais produtos para uso
medicinal.
Em Jamaraquá a população local relatou que o turismo não preju-
dica a comunidade, pois observa mais benefícios gerados pela atividade do
que problemas. Situações como turistas muito exigentes; uma pequena parcela
de turistas não paga o preço que a comunidade pede por algumas ativida-
des; além da perda da privacidade local são alguns pontos evidenciados pelos
comunitários.
Para a OMT (2003), uma maneira de reforçar os impactos positivos
e atenuar os negativos consiste em estimular o envolvimento da comunidade
no turismo, ou seja, os residentes devem entender essa atividade, participar da
tomada de decisões no planejamento, desenvolvimento e gerenciamento turís-
ticos, e ter a oportunidade de receber os benefícios provenientes do turismo.
No quesito cultura, Soares (2004) comenta que as comunidades ribei-
rinhas da Flona do Tapajós comemoram diversas festas. Em Maguari uma das
festas mais aclamadas é em homenagem a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro,
padroeira da comunidade, pois a maioria das famílias professa a religião cató-
lica. Na comunidade de Jamaraquá não há festividade religiosa, pois não há
igreja no local. Os moradores prestigiam as festividades de Nossa Senhora do
Perpétuo Socorro, em Maguari.
Nessas comunidades encontram-se também contadores de histórias,
lendas e crenças tradicionais, além de cantadores e compositores de músicas

44 Ecoturismo em comunidades tradicionais


que refletem o modo de vida das populações tradicionais e dos recursos da
floresta. As lendas narradas nas comunidades de Maguari e Jamaraquá têm
significados importantes para a população local, pois expressam o seu relacio-
namento com a natureza e o seu modo de viver. Segundo Wawzyniak (2004),
o autoconhecimento da população das comunidades tradicionais da Flona do
Tapajós sobre mitos, estórias, contos e lendas potencializa o envolvimento
dessa população com as atividades voltadas para o despertar de uma consciên-
cia ecológica, pois permite que os moradores percebam a valorização de seus
símbolos culturais.

Perfil dos ecoturistas que visitam as


comunidades de Maguari e Jamaraquá
Borges (2003) relata a importância do conhecimento sobre o perfil
dos visitantes, a motivação e a percepção do turista sobre determinado local.
Para este autor, o perfil dos visitantes mostra quem é o turista que a localidade
recebe e, ao mesmo tempo, favorece a adequação de estabelecimentos e servi-
ços e a realização de publicidade direcionada, atraindo o tipo de turista que o
local deseja. A análise sobre a motivação do turista revela por que essa pessoa
resolveu viajar, dando indicativos do que se pode oferecer para melhor atender
suas expectativas. Quanto ao estudo da percepção, é a opinião, compreensão e
entendimento do turista sobre o local visitado e, portanto, fundamental para
que seja mais bem atendido e, consequentemente, retorne, fique no local por
mais tempo ou gaste mais.
Os ecoturistas que visitam as duas comunidades são na maioria de
nacionalidade estrangeira, França, Espanha, Alemanha, Itália, Eslovênia,
Austrália, Escócia, Estados Unidos, Canadá, Rússia, Israel, África, Argentina,
México, Venezuela e Uruguai. Os brasileiros são das regiões de São Paulo,
Rio de Janeiro, Minas Gerais, Ceará, e da cidade de Belém. No que se refere
à distribuição de visitantes por sexo, há uma diferença significativa, principal-
mente na comunidade de Maguari, onde a participação masculina tem maior
ocorrência. Em Jamaraquá, ocorre o mesmo fenômeno.
A idade dos ecoturistas concentra-se entre 26 e 40 anos, portanto são
relativamente jovens, sendo um indicador fundamental para o desenvolvi-
mento de atividades voltadas para este público. Por serem jovens, a grande
maioria é solteira. O número de casados é bem mais expressivo em Jamaraquá,
isto pode ser explicado por conta de que nessa comunidade há mais pessoas

Sandra Maria Sousa da Silva 45


acompanhadas com a família do que em Maguari. Acredita-se também, que
neste destino os visitantes são oriundos de pacotes turísticos realizados pelas
agências do município de Santarém e vila de Alter do Chão.
Quanto à escolaridade, o número de ecoturistas com ensino superior
completo é significativamente mais elevado em Maguari do que em Jamaraquá.
Também visitantes com mestrado e doutorado se fazem presente nas comu-
nidades. A escolaridade dos ecoturistas dos dois destinos é um fator indutor
importante a ser trabalhado no desenvolvimento de atividades turísticas, o que
demanda qualificação acadêmica e profissional dos acolhedores no sentido de
haver uma correta interpretação ambiental e cultural durante a condução dos
visitantes.
Com relação à escolaridade do ecoturista, Wearing e Neil (2001) escla-
recem que geralmente o mesmo possui ensino superior. Os autores apresentam
alguns resultados da pesquisa de Wight (1996), onde o mesmo aperfeiçoou o
perfil do mercado das características do ecoturista, fazendo uma diferenciação
entre os consumidores interessados em ecoturismo e os ecoturistas experientes.
O autor constatou que os ecoturistas experientes tinham grau de educação
mais elevado do que os turistas interessados no ecoturismo.
A companhia de amigos é a forma mais expressiva de viajar tanto para
os ecoturistas de Maguari quanto de Jamaraquá. O número de pessoas via-
jando sozinhas e com família é bem mais significativo em Jamaraquá, bem
como o número de pessoas em excursão.
Outro dado importante é que para os visitantes das duas comunidades,
a experiência de manter contato com uma natureza preservada é de fundamen-
tal importância, refletindo a necessidade dos destinos manterem seus atributos
naturais conservados, pois estes se constituem em fator relevante na escolha do
local a ser visitado pelo ecoturista.
Quanto à forma de divulgação sobre as duas comunidades, os eco-
turistas afirmam ser por intermédio de parentes e/ou amigos a tomada de
conhecimento sobre a Floresta Nacional do Tapajós e, consequentemente, da
comunidade visitada. Outras pessoas também influenciaram a escolha do des-
tino visitado. Observa-se que a propaganda boca a boca ainda é um meio eficaz
na promoção de um destino turístico. Em Jamaraquá, a agência de viagem e
turismo foi o principal meio através do qual os visitantes tomaram conhe-
cimento do local, enquanto que em Maguari esse meio não teve influência
significativa.

46 Ecoturismo em comunidades tradicionais


A Internet foi mais citada entre os visitantes da comunidade de
Maguari, talvez isso seja atribuído ao sistema de Internet existente na loca-
lidade, facilitando a comunicação de visitantes com amigos e parentes e de
comunitários com pessoas fora do âmbito local, ou por sites de agências locali-
zadas em Santarém que disponibilizam informações sobre a Floresta Nacional
do Tapajós e, consequentemente, das duas comunidades pesquisadas.
Realizar caminhada nas trilhas, manter contato com a comunidade,
fotografar e observar a fauna são as atividades mais realizadas pelos visitantes
em Maguari e Jamaraquá. Há também passeios de barco, mas essa atividade é
mais bem desenvolvida pelos ecoturistas em Jamaraquá.
A caminhada nas trilhas é outra atividade muito praticada em ambos
os destinos. Manter contato com a comunidade autóctone também é bastante
preferido pelos visitantes. Esse dado é importante para a gestão do ecoturismo
nas comunidades, pois o modo de vida e a cultura local também se constituem
em um atrativo significativo no desenvolvimento dessa atividade. Por ser a
caminhada na floresta a atividade mais praticada, também é a atividade que
os visitantes mais gostam de realizar, pois é a oportunidade de manter contato
com boa parte de floresta primária, conhecendo diferentes espécies de árvores
e plantas medicinais. Conhecer o modo de vida e a cultura da população local,
diferente da população urbana, também é fator relevante na visita dos ecotu-
ristas. Outro destaque significativo apontado pelos visitantes é a possibilidade
de observar a fauna, devido sua diversidade (cobras, jacarés, insetos, macacos,
botos, borboletas, pássaros).
Os ecoturistas que visitam Jamaraquá gostam de conversar com os
condutores de visitantes. A figura do guia ou condutor no ecoturismo é impor-
tante para proporcionar uma melhor experiência para o turista em relação ao
meio visitado, não somente na prática de repassar informações, mas também
de oportunizar a interpretação ambiental. No caso das comunidades, acredita-
-se que o papel de realizar essa interpretação deve ser também dos condutores,
pois podem incorporar na sua conversa aspectos socioculturais da região como,
por exemplo, o modo de vida da população e a cultural local, nível educacional
e hábitos alimentícios, etc.
Outras atividades contempladas pelos visitantes de Maguari constam
de a comunidade saber fazer a interação da tecnologia com o uso da floresta,
mostrando que é possível desenvolver e conservar os recursos naturais; a hos-
pitalidade do povo local; o ouvir as histórias e lendas; apreciar a paisagem;

Sandra Maria Sousa da Silva 47


visitar o projeto de artesanato de couro ecológico. Em Jamaraquá, as outras
atividades são: observar a natureza em geral, assistir e conhecer o processo de
coleta da borracha, ver uma jiboia e observar o condutor confeccionar uma
mochila de palha, chamada na região de panacu. No que diz respeito a essas
atividades corriqueiras da comunidade, Nelson (2004) comenta que muitas
vezes o morador pode não acreditar que um turista possa se interessar, como
por exemplo, em aprender a fazer um colar de sementes, escutar uma história
ou ver torrar farinha, práticas tão comuns quanto típicas na Amazônia brasi-
leira. Nas comunidades estudadas, já se nota algumas práticas nesse sentido,
porém, é preciso incentivar mais a população residente, pois isto diversifica os
atrativos do destino receptor, além de fortalecer a cultura local.
Como a atividade mais praticada pelos visitantes em ambos os destinos
é a caminhada na floresta, o atrativo mais destacado por eles é a flora, devido à
variedade de árvores centenárias, nativas e de grande porte como a sumaúma.
Maguari tem também outros atrativos, tais como artesanatos em couro
ecológico; terra preta de índio (área onde se encontram fragmentos de artefatos
indígenas, como vasos de cerâmicas, cachimbo, machadinhas, etc); fabricação
da farinha de mandioca; praias; lagos; plantio da agricultura. Já em Jamaraquá,
há a fabricação da farinha de mandioca; praias; terra preta de índio; serin-
gueiras; artesanato de palha (panacu); o uso e a preservação da floresta pela
comunidade; igarapés e igapós; o conhecimento e a intimidade do condutor de
visitantes com a floresta; e as frutas regionais.
De acordo com os visitantes, não é perceptível, em Maguari e Jamaraquá,
impactos ecológicos e socioculturais negativos no decorrer de sua visita às
comunidades. Este dado é importante para a imagem do destino visitado, pois
segundo Wearing & Neil (2001), os ecoturistas são sensíveis à diminuição da
qualidade da água e do ar, perda de vegetação, de vida selvagem e erosão do
solo. Os mesmos autores afirmam que a degradação ambiental natural reduzirá
a demanda de visitantes em longo prazo, pois os atributos naturais procurados
por esses ecoturistas se tornarão menos atrativos.
São poucos os visitantes de Maguari que percebem impactos ecológi-
cos e socioculturais negativos na comunidade, tais como a presença de resíduos
sólidos (principalmente garrafas plásticas às margens do rio Tapajós). O cul-
tivo da soja no limite norte da Flona do Tapajós também pode ser observado
como fator impactante à área visitada. Apesar desse fato não acontecer no
interior da Unidade de Conservação e consequentemente nas comunidades, é

48 Ecoturismo em comunidades tradicionais


um aspecto preocupante, pois as consequências da degradação ambiental não
têm limites geográficos e este acontecimento ocorre no entorno da UC. Além
disso, o alcoolismo, a presença de madeireiras na área da Flona e a morte de
tartarugas foram impactos ressaltados pelos visitantes.
Em Jamaraquá, os visitantes observaram possíveis impactos negativos
na área. Os resíduos sólidos, como sacos e garrafas plásticas e latas, têm sido
encontrados nas trilhas, no rio e no igarapé da comunidade. O solo arenoso
em torno da comunidade pode ser destacado, pois segundo os visitantes, o que
deve ter ocasionado esse fator foi o corte da vegetação para a construção de
casas. Para não haver leviandade neste aspecto, é preciso haver maiores estu-
dos, visto que a comunidade localiza-se às margens do rio Tapajós, região com
característica arenosa. Árvores queimadas e cortadas e matança de papagaios
e tucanos pela comunidade para se alimentar também são apontados como
impactantes.
As expectativas quanto ao conhecimento da flora, fauna e vida comu-
nitária, são apontados como positivas pelos visitantes de Maguari. Pode-se
apresentar ainda possíveis motivos para que as expectativas dos visitantes não
sejam totalmente superadas, como a questão da língua portuguesa, visto que os
guias e condutores não têm domínio de língua estrangeira. Observa-se que o
não conhecimento do idioma do visitante e do visitado torna-se um obstáculo
para um melhor conhecimento das características locais, fazendo com que a
visita se torne superficial, não proporcionando ao turista uma melhor inte-
ração com a cultura e o ambiente natural do destino estudado. Portanto, é de
fundamental importância que, no mínimo os guias de turismo das agências de
viagens e turismo, que conduzem os turistas, falem o idioma do visitante, pois
assim a necessidade constatada nos condutores da comunidade será suprida.
Há também o pouco tempo na visitação aos locais; o dificultoso e limi-
tado encontro com animais; pouca informação sobre plantas e insetos. No que
se refere aos visitantes que chegam à comunidade sem intermédio do guia ou
agência, deve-se descobrir uma maneira para que as informações sejam repas-
sadas de tal forma que o visitante deixe o local satisfeito e a interpretação possa
ser uma possibilidade nessa direção, pois segundo Hall & Mcarthur (1996
apud GRAHN, 2004) a interpretação é usualmente dividida em mídias verbais
e não verbais. A primeira inclui o dever de informação, conversas organizadas
e discussões, entretenimento organizado, etc. E a segunda pode ser através de
publicações, sinais, centros de visitantes, etc. Os autores ainda argumentam

Sandra Maria Sousa da Silva 49


que promovendo experiências de alta qualidade que satisfaçam expectativas,
motivações e necessidades dos visitantes, o comportamento dos mesmos pode
mudar de maneira que assegure a manutenção dos valores dos recursos.
Em Jamaraquá, os visitantes suprem suas expectativas quanto ao
conhecimento da flora, fauna e vida comunitária. Contudo, nesta comunidade
também podem ser apontadas algumas possíveis frustrações tais como o pouco
tempo para conhecer a localidade visitada, pouca visibilidade na observação de
animais; pouca informação a respeito das trilhas; pouca partilha sobre a vida
comunitária; falta de informação mais adequada sobre animais (alguns visitan-
tes costumam ter a expectativa de que vão encontrar a todo momento animais
ditos “perigosos”, tais como cobras, aranhas, e outros.
O fator tempo é também outro ponto a se considerar com relação aos
visitantes de Jamaraquá. Isto pode ser explicado porque a maioria dos visitan-
tes desta comunidade fica, em média, de seis horas a um dia. Em Maguari a
média é de um a três dias.

ANÁLISE DA SUSTENTABILIDADE DO ECOTURISMO DESENVOLVIDO


NAS COMUNIDADES DE MAGUARI E JAMARAQUÁ
O ecoturismo é analisado e considerado por alguns autores como uma
ferramenta de contribuição para o desenvolvimento sustentável, surgindo
como proposta mais viável e coerente com o conceito de turismo sustentável.
Para Wearing & Neil (2001), o objetivo do ecoturismo é a sustentabilidade,
pois visa proporcionar uma base de recursos para o futuro, bem como garantir
a produtividade dessa base, mantendo a biodiversidade e evitando mudanças
ambientais irreversíveis para o local visitado, além de promover a equidade
para as gerações presentes e futuras.
Neste estudo, o ecoturismo é proposto como uma alternativa para o
turismo de massa, desde que seja promovido de maneira planejada e geren-
ciado de acordo com os princípios de sustentabilidade. A OMT (2001) relata
que, no processo de desenvolvimento do turismo sustentável, é fundamental a
inter-relação de forma dinâmica dos fatores econômico, ambiental/ecológico e
sociocultural, objetivando conseguir um equilíbrio final, ou seja, a sustentabi-
lidade do sistema turístico.
Para a análise da sustentabilidade do ecoturismo nas comunidades de
Maguari e Jamaraquá são abordadas as dimensões ambiental, cultural, social e
econômica.

50 Ecoturismo em comunidades tradicionais


Quanto à Dimensão Ambiental
Pereira & Neilson (2004) comentam que a sustentabilidade ambiental
ou ecológica tem se tornado uma das áreas mais reconhecidas pelo público
devido à sua sensibilidade a impactos visíveis, os quais muitas vezes são cau-
sados pelo turismo. Considerando opiniões e ideias dos comunitários, turistas,
agentes de viagens, guias de turismo e condutores, os parâmetros avaliados
na dimensão ambiental nas comunidades de Maguari e Jaramaraquá são o
gerenciamento dos resíduos, com ênfase nos resíduos sólidos; o sistema de
esgoto e fornecimento de água; a valorização do patrimônio natural; e educa-
ção ambiental.
No que se refere ao Gerenciamento dos Resíduos, a qualidade de vida
da população local é um dos fatores preconizados pelo ecoturismo e esta qua-
lidade também se refere às condições sanitárias satisfatórias a essa população
e ao visitante. A qualidade ambiental, quando se trata de uma área visitada
por turistas, é fundamental, pois este público deseja conhecer áreas que sejam
atrativas, funcionais, limpas e livres de poluição (OMT, 2003). Neste con-
texto, a presença de resíduos sólidos nas comunidades pesquisadas deve ser
analisada, pois foi um fator destacado tanto pelos comunitários entrevistados
quanto por alguns turistas. Claro que a grande responsabilidade é da popu-
lação local, principalmente, dos estudantes, pois no entorno da escola, centro
comunitário e igreja tem se observado que o acúmulo de lixo é bem visível,
principalmente embalagens de bombons. De acordo com alguns depoimentos,
são realizadas campanhas de limpeza promovidas pela escola local, onde os
alunos são envolvidos, tanto de Maguari quanto de Jamaraquá, São Domingos
e Acaratinga. Neste caso, os professores receberam treinamento para discutir
sobre resíduos sólidos nas aulas, treinamento esse realizado na comunidade de
Aramanaí, por meio de um seminário promovido pela Secretaria de Educação
de Belterra, ProManejo, Projeto Saúde e Alegria (PSA) e Instituto de Pesquisa
da Amazônia (IPAM).
Quanto ao Sistema de esgoto e fornecimento de água, ele precisa ser
avaliado no sentido de melhor atendimento aos turistas, servindo também às
comunidades locais, de modo que elas se beneficiem com suas melhorias. A
realidade é que o fornecimento de água é feito por um micro sistema de abas-
tecimento localizado em Maguari, que contempla todas as casas dessa comu-
nidade e Jamaraquá. Segundo Almiro Almeida, morador de Maguari, o poço
artesiano foi construído longe do centro da comunidade, como medida de

Sandra Maria Sousa da Silva 51


prevenção, devido às fossas negras encontradas no local. Por meio da implanta-
ção desse sistema, a população local foi beneficiada no sentido de uma melhor
qualidade da água, pois o consumo anterior era feito pelas águas dos igarapés,
que muitas vezes, também eram utilizadas para lavagem de roupa e banho dos
residentes. Do ponto de vista turístico, esta melhoria vem contribuir para a
prestação de serviços com qualidade, principalmente, quando se trata de pro-
dutos alimentícios.
Sobre a Valorização do Patrimônio Natural, dimensão que é obser-
vada a partir da importância que a Flona tem nas vidas dos comunitários
de Maguari e Jamaraquá, pois por estarem localizadas em uma Unidade de
Conservação a proteção e conservação do meio ambiente são fundamentais,
pois é desse espaço protegido que as populações retiram recursos para sobre-
viver. Essa valorização é imprescindível para que os comunitários continuem a
utilizar recursos no futuro e garantir negócios de forma sustentável das ativi-
dades desenvolvidas na natureza, como é o caso do ecoturismo. Outra análise
é o uso dos recursos naturais pelos comunitários que, segundo os entrevista-
dos, estão sendo utilizados sem provocar degradação da natureza. O aprovei-
tamento do látex para artesanato, de produtos não madeireiros para venda e
consumo local e o desenvolvimento do ecoturismo são exemplos de manejo
adequado dos recursos naturais.
Sobre a Educação Ambiental, cabe afirmar que a participação dos
entrevistados em campanhas e ações de conscientização para a preservação
ambiental é bem significativa, mostrando que as pessoas procuram estar com-
prometidas com as questões ambientais locais. Essas campanhas são desenvol-
vidas, na grande maioria, pela escola em Maguari e também pelas Associações
Comunitárias.
Acredita-se que a escola pode ter papel importante nesse processo, em
busca de uma educação e conscientização ambiental que promovam mudança
de comportamento tão propagada pelo desenvolvimento sustentável. Por meio
das atividades ecoturísticas podem ser promovidas ações educativas que pro-
porcionem experiências construtivas para os visitantes e população local.
Nesse contexto, a educação ambiental e a interpretação ambiental
caracterizam-se como ferramentas importantes entre o local visitado e o visi-
tante, proporcionando maiores informações, revelações e interações com os
recursos naturais e o modo de vida da população local, possibilitando assim ao
turista, experiências que despertem a sensibilização ambiental e cultural e um

52 Ecoturismo em comunidades tradicionais


melhor entendimento do destino visitado. Esta possibilidade é bastante per-
tinente para Maguari e Jamaraquá, pois os visitantes de ambas as comunida-
des desejariam obter mais conhecimento e informações sobre os seus aspectos
naturais e culturais. Através desse conhecimento e ampliação dos horizontes
de percepção e da interação do homem com a natureza, não só por parte dos
turistas, mas também pelos comunitários e agentes de viagens e guias, a par-
ticipação e o comprometimento com a sustentabilidade ambiental, cultural,
econômica e social do ecoturismo será bem mais possível.

Quanto à Dimensão Cultural


O Brasil é um país que apresenta uma diversidade de culturas e valores
que se reflete na identidade do seu povo. Manter essa diversidade e suas pró-
prias características é uma habilidade que o povo deve ter para distingui-la de
outras culturas e, portanto, garantir a sua sustentabilidade (MOWFORTH &
MUNT, 1998 apud PEREIRA & NELSON, 2004).
Na área turística, a sustentabilidade cultural garante, segundo a OMT
(2001), que o desenvolvimento turístico é compatível com a cultura e os
valores das populações locais, promovendo a preservação da identidade da
comunidade. Os aspectos analisados foram o conhecimento e valorização
do patrimônio cultural e promoção cultural.
Quanto ao conhecimento e valorização do patrimônio cultural, para
algo ser valorizado, é necessário primeiramente seu conhecimento. Quanto a
alguns aspectos culturais de Maguari e Jamaraquá, percebe-se que a população
local precisa buscar maior conhecimento, principalmente, com relação a sua
história e seus antepassados. Os mitos, histórias, contos e lendas constituem
narrativas significativas para a população local, pois expressam uma espécie
de simbiose com a natureza e seu modo de perceber e valorizar esses seres
mágicos. Essas representações simbólicas devem ser mais bem aproveitadas
para o ecoturismo, pois alguns turistas gostariam de ter maior conhecimento
e informações sobre o modo de vida e cultura local, as histórias e a cultura
dos povos indígenas que habitavam esses locais. Quanto a este dado, é inte-
ressante o desenvolvimento de pesquisas sobre a arqueologia e história das
primeiras populações que habitavam a região, para que tanto as comunidades,
agentes de viagens, guias, quanto os turistas possam conhecer e valorizar a
cultura local e manter e promover a diversidade cultural, fator essencial para o
turismo sustentável.

Sandra Maria Sousa da Silva 53


Sobre a Promoção Cultural, os eventos realizados na comunidade de
Maguari procuram valorizar e promover as tradições locais e o artesanato, o
que não acontece em Jamaraquá. Para que em Jamaraquá os eventos sejam
mais promovidos, uma alternativa viável é a parceria com Maguari, no sentido
de realizar os eventos alternadamente. Para o artesanato, a implantação de um
centro de visitantes com espaço adequado é uma estratégia que, dentre outras
ações, pode viabilizar a comercialização artesanal para ambas as comunidades,
além de outras comunidades da Flona do Tapajós.
O importante, no que se refere à promoção cultural, é que a mesma
seja realizada de forma coerente e de acordo com as características locais, de
maneira que relate a história e a cultura da região, e não uma proposta artificial,
ou seja, um meio para atrair mais visitantes.

Quanto à Dimensão Social


Segundo o IVT-RJ (2001), esta dimensão preconiza a equidade social
na distribuição de renda e de bens e a solidariedade social, dentre outros prin-
cípios. Nessa dimensão, os aspectos analisados foram: geração de emprego e
renda e dinamização da economia e solidariedade social.
Quanto à geração de emprego e renda e dinamização da economia,
a comunidade, após a dinamização do ecoturismo, passou a ter mais recursos
financeiros, significando que a atividade de ecoturismo está injetando dinheiro
na economia local. Isto está relacionado à condução dos turistas nas trilhas pela
comunidade; fabricação de artesanato; hospedagem e alimentação (esporadi-
camente em casas de comunitários) e taxa de entrada na comunidade. Não há
empreendimentos turísticos que absorvam as pessoas com carteira assinada,
portanto, os empregos atuais são de profissionais autônomos ligados a um
grupo para prestação de serviços, como, por exemplo, o grupo dos condutores,
dos produtores de couro ecológico. Essa geração de emprego é observada tanto
pelos moradores de Maguari quanto de Jamaraquá como benefício causado
pelo desenvolvimento do ecoturismo.
Nota-se que, apesar de ocorrer geração de emprego e renda, há uma
baixa absorção de mão-de-obra na atividade de ecoturismo, sobretudo em
Jamaraquá, onde mais da metade dos entrevistados afirmou que não houve
melhora em sua vida com o desenvolvimento dessa atividade, devido a não se
beneficiar diretamente, ou seja, não prestam nenhum tipo de serviço ao visi-
tante e não fazem parte da cadeia produtiva do ecoturismo.

54 Ecoturismo em comunidades tradicionais


Para amenizar e solucionar a situação e para que o ecoturismo cumpra
seu papel de gerador de renda e emprego para as comunidades locais, visando
a sustentabilidade social das mesmas, é imprescindível diversificar mais o pro-
duto, inclusive aproveitando melhor as tradições culturais, bem como usar mais
os recursos naturais não madeireiros para a fabricação de artesanato, especial-
mente em Jamaraquá, onde esta atividade é incipiente. Disponibilizar pro-
dutos alimentícios como doces e iguarias regionais também seria uma opção
viável. Uma alternativa seria o melhor aproveitamento dos recursos hídricos
da região, como os igarapés e rios, por meio de passeios de canoa, caiaque e
pesca artesanal, assim como aumentar a capacidade de atendimento através da
implantação de equipamentos e infraestrutura. A partir da viabilização dessas
ações, a economia local poderá ser mais dinamizada, suprindo as necessidades
do destino visitado e promovendo melhor equidade na distribuição de renda o
que, consequentemente, possibilitará melhoria na qualidade de vida da popu-
lação local e satisfação dos turistas.
Acerca da Solidariedade Social, ela pode proporcionar um vín-
culo maior do indivíduo com o seu meio e com o local visitado. Os turistas
mostraram-se interessados em conhecer mais o modo de vida local, os dados
sócio-demográficos, a educação escolar, o alcoolismo, assuntos relacionados ao
desenvolvimento da comunidade e ao ecoturismo, ações para preservação e
proteção da área. Isto se torna um ponto positivo, pois por meio de um maior
conhecimento, o mesmo pode interagir e integrar-se ao meio visitado.
Com relação à intenção/predisposição em contribuir com os proje-
tos conservacionistas e/ou sociais das comunidades, percebe-se que os turistas
que visitaram Maguari estão mais comprometidos com essas questões e, por-
tanto, mais receptivos em realizar e fortalecer positivamente ações ambientais
e sociais sustentáveis, de maneira a proporcionar o bem-estar da população,
por meio da solidariedade social e valorização do patrimônio natural. Torna-se
necessário uma maior aproximação e integração das comunidades locais, dos
agentes, guias de turismo e administração pública no sentido de promoverem
ações que visem minimizar os problemas sociais decorrentes, muitas vezes, da
ação do visitante, como, por exemplo, o uso de drogas, o qual foi detectado
pelos comunitários como um fator existente nas duas comunidades.
Fator preocupante é o uso de bebidas alcoólicas pelos comunitários
em contato direto com os visitantes, o que em determinada situação pode pre-
judicar os serviços prestados, repercutindo negativamente na satisfação dos

Sandra Maria Sousa da Silva 55


turistas. Neste sentido, os condutores têm papel fundamental na busca de
soluções urgentes, pois os mesmos não se mostram alheios aos problemas das
comunidades e procuram soluções para eles.
A efetividade de projetos que visem um melhor aproveitamento da
renda do turismo para ser revertida em atividades educacionais e na área de
saúde também é ponto chave a ser planejado e implementado em Maguari e
Jamaraquá, assim o retorno social do ecoturismo poderá ser melhor percebido
e valorizado por todos os envolvidos.

Quanto à Dimensão Econômica


A sustentabilidade econômica assegura, de acordo com McIntyre
(1993) citado pela a OMT (2001), um crescimento turístico eficaz, com
emprego e níveis satisfatórios de renda, juntamente com um controle sobre
os custos e benefícios dos recursos, que garante a continuidade para as futuras
gerações. De acordo com o MMA/PNUD (2000), a sustentabilidade econô-
mica pode e precisa ser avaliada por processos macrossociais. Os aspectos ana-
lisados nessa dimensão foram: dependência econômica, retorno financeiro e
lucratividade e capacidade de planejamento.
Acerca da Dependência Econômica, há dependência dos recursos
gerados pela atividade de ecoturismo para metade dos condutores de Maguari,
ou seja, caso a atividade decline no local, sua renda será afetada substancial-
mente, porém, para a outra metade, existe uma independência financeira, pois
o ecoturismo é uma renda alternativa para a família, assim como, para três
de quatro condutores em Jamaraquá. As expectativas quanto ao crescimento
da demanda para as duas comunidades é perceptível tanto pelos condutores
quanto pelos agentes e guias de turismo.
No que se refere ao Retorno Financeiro e Lucratividade, para os agen-
tes, guias e condutores, o retorno financeiro da atividade ecoturística nas duas
comunidades está razoável. No entanto, para que haja um melhor retorno
financeiro, é necessário investimento em seus próprios negócios, como por
exemplo, a compra de equipamentos pelos e para os condutores para uma
prestação de serviço com qualidade. Equipamentos do tipo caixa de primeiros
socorros, botas, bússola, são demonstrações de qualificação do serviço prestado.
Entretanto, não se percebe um reinvestimento, com a finalidade de contribuir
para a melhoria dos seus serviços de condução, possibilitando assim maior
segurança e confiança ao visitante.

56 Ecoturismo em comunidades tradicionais


Há a necessidade dos agentes investirem mais na qualificação dos guias
que acompanham os turistas às comunidades, no que diz respeito ao conheci-
mento de outro idioma, principalmente, o inglês.
A comunidade também, por meio da associação, deve investir mais
em educação e saúde por meio da taxa de entrada paga pelos turistas. Assim, a
população, direta e indiretamente, seria beneficiada com o desenvolvimento do
ecoturismo, além de ofertar uma localidade com qualidade de vida, cumprindo
assim um dos princípios do turismo sustentável.
O coordenador do grupo de produtores de couro ecológico, Arimar
Feitosa Rodrigues, afirmou que a lucratividade dos produtos seria afetada em
pelo menos vinte por cento, caso o fluxo de visitantes diminuísse, pois essa
porcentagem se refere à venda que é efetuada diretamente aos turistas visitan-
tes da comunidade de Maguari. Isto seria refletido na vida de vinte famílias
atualmente envolvidas no projeto, desde a coleta do látex até o produto final.
Sobre a Capacidade de Planejamento, nota-se, nos resultados, que tanto
os agentes e guias quanto os condutores têm um conhecimento da demanda
que visita as duas comunidades, talvez de maneira pouco profunda, devido
a corresponder a algumas anotações e observações in loco, decorrentes das
funções desempenhadas no dia-a-dia, ou seja, trata-se de um conhecimento
empírico. Contudo, representa um fator importante para a determinação de
estratégias eficientes na condução sustentável do ecoturismo e satisfação do
visitante.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Acredita-se que o ecoturismo pode ser desenvolvido adotando os prin-
cípios da sustentabilidade ambiental, econômica, social e cultural nas comu-
nidades de Maguari e Jamaraquá, mas, para tanto se faz necessário um maior
apoio, integração e comprometimento de todos os atores envolvidos (auto-
ridades locais, agentes de viagens, guias de turismo, empreendedores turís-
ticos, organizações não governamentais, comunidades, gerência da Flona,
instituições de ensino superior), com a finalidade de cogestão e participação,
no sentido de assegurar um planejamento, administração e monitoramento
adequados e efetivos.
A disseminação de informações sobre os fundamentos norteadores
do ecoturismo, como por exemplo, os princípios, os impactos econômicos,
ambientais, sociais, culturais, na qual está inserida a questão da sustentabilidade,

Sandra Maria Sousa da Silva 57


torna-se uma necessidade premente junto aos atores que estão envolvidos com
a atividade nas duas comunidades. Assim, o desenvolvimento do ecoturismo
será realizado nos princípios da sustentabilidade, ou seja, com enfoque na
conservação e uso sustentável dos recursos naturais e histórico-culturais, pro-
movendo a integridade e equidade dos processos sociais e suprindo as neces-
sidades econômicas do núcleo receptor, além de proporcionar experiências
construtivas e satisfatórias aos visitantes.
No sentido de contribuir para o desenvolvimento sustentável do eco-
turismo, algumas ações cooperativas devem ser empreendidas para intensificar
e coordenar as atividades nas comunidades de Maguari e Jamaraquá, a saber:
- Deve haver uma participação mais efetiva de toda a comunidade no
desenvolvimento do ecoturismo, de maneira a torná-la autossuficiente
e conhecedora de seus aspectos positivos e negativos, despertando-a
para um trabalho de base comunitária;
- Os cursos de capacitação em várias atividades relacionadas ao ecotu-
rismo devem ser permanentes, especialmente, cursos específicos, como
observação de primatas, pássaros, flora, plantas medicinais, etc., para
que as comunidades sintam-se qualificadas para receber adequada-
mente os visitantes;
- O modo de vida, cultura local e aspectos naturais são itens apontados
pelos turistas, como sendo de interesse em suas visitas. A viabilidade de
cursos voltados à interpretação ambiental e cultural vem ao encontro
desses desejos. Os condutores de visitantes já participaram de alguns
cursos dessa natureza, porém percebe-se que ainda há necessidade de
intensificação na qualificação desses profissionais.
- Um valor que pode ser agregado à educação e a interpretação ambiental
é a construção de um centro de visitantes, de maneira a possibilitar um
espaço de comunicação e sensibilização sobre as questões ambientais e
culturais locais;
- Com relação à visitação dos turistas, é fundamental o estabelecimento
de estudos da capacidade de suporte turística e outros estudos de pla-
nejamento e administração dos visitantes, como por exemplo, limites
de mudança aceitável, gerenciamento de impacto de visitantes, processo
de gerenciamento das atividades de visitantes, pois está ocorrendo um
aumento constante de turistas nas duas localidades, principalmente, em
Jamaraquá;

58 Ecoturismo em comunidades tradicionais


- A implementação de sistemas de saneamento, principalmente, esgoto
sanitário, adequado às necessidades dos turistas, é um fator a ser ava-
liado, pois é um aspecto sugerido por alguns visitantes;
- O ecoturismo precisa ser entendido pelas comunidades e parcerias
como uma alternativa viável de uso múltiplo sustentável da floresta e
como um processo que possibilita a valorização cultural, ao contrário
de outras alternativas econômicas, como a cultura da soja, que beneficia
mais pessoas vindas de outros estados do que a população local;
- Com relação à plantação da soja e outros grãos no entorno da Flona do
Tapajós, observados por alguns turistas, cabe a todos, principalmente,
à gerência dessa UC, a preocupação em estimular discussões a respeito
desse acontecimento, pois sua sustentabilidade, bem como de todos os
projetos nela implementada, também depende de como as ações antró-
picas estão sendo desenvolvidas em seu entorno;
- Para que os turistas contribuam para a sustentabilidade das comuni-
dades de Maguari e Jamaraquá, é preciso que eles permaneçam mais
tempo nos locais visitados, a fim de que possam interagir com o modo
de vida local, conhecendo suas estórias, mitos, contos e lendas, além de
uma maior integração com a natureza, pois através desse conhecimento,
mudanças de atitudes ocorrerão e a valorização, conservação e preserva-
ção dos destinos visitados estarão assegurados. Atualmente os turistas
permanecem em média dois dias.

REFERÊNCIAS
ARRUDA, R. S. V. ‘Populações tradicionais” e a proteção dos recursos naturais em unidades
de conservação. In: DIEGUES, A. C. (Org). Etnoconservação: novos rumos para a proteção da
natureza nos trópicos. 2a Ed. São Paulo: Annablume: Hucitec: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre
Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileira,USP, 2000.
BORGES, M. M. Levantamento do potencial ecoturístico (inventário). In: MITRAUD, Sylvia
(Org). Manual de ecoturismo de base comunitária: ferramentas para um planejamento responsável.
Brasília: WWF-Brasil, 2003.
COSTA, V. C.; COSTA, N. M. C. O desafio do ecoturismo em unidades de conservação. In: IV
ENCONTRO NACIONAL DE TURISMO COM BASE LOCAL. Redescobrindo a
Ecologia no Turismo. Joinville, SC: IELUSC, 2000.
DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. 4a Ed. São Paulo: Annablume: Hucitec:
Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileira,USP, 2002.
__________. As áreas naturais protegidas, o turismo e as populações tradicionais. In: SERRANO,
C. M. T.; BRUHNS, H. T. (Orgs). Viagens à natureza: turismo, cultura e ambiente. 6ª Ed.
Campinas, SP: Papirus, 2003.

Sandra Maria Sousa da Silva 59


EMBRATUR. Diretrizes para uma Política Nacional de Ecoturismo. Grupo de Trabalho
Interministerial MICT/MMA. Brasília, DF: EMBRATUR/IBAMA, 1994.
FENNELL, D. A. Ecoturismo: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2002.
GRAHN, A. Administração de visitantes em unidades de conservação. In: PEREIRA, E.M.;
NELSON, S. P. (orgs). Ecoturismo: práticas para turismo sustentável. Manaus: Vale/UniNorte,
2004.
INSTITUTO VIRTUAL DE TURISMO – IVT-RJ. Turismo nas fazendas históricas do vale
do Paraíba fluminense: um estudo sobre sustentabilidade. Disponível em: <http://www.ivt-rj/
caderno/anteriores/6/preservale/preservale/preservale.pdf>. Acesso em: 03 de julho de 2002.
IRVING, M. A.; RODRIGUES, C. G. O.; FILHO, N. C. N. Construindo um modelo de
planejamento turístico de base comunitária: um estudo de caso. In: IV ENCONTRO NACIONAL
DE TURISMO COM BASE LOCAL. Joinville, SC, 2000.
KINKER, S. Ecoturismo e conservação da natureza em parques nacionais. Campinas, SP: Papirus,
2002.
NELSON, S. P. Envolvimento comunitário em turismo: benefícios e desafios. In: PEREIRA,
E.M.; NELSON, S. P. (orgs). Ecoturismo: práticas para turismo sustentável. Manaus: Vale/
UniNorte, 2004.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO. Introdução ao turismo. São Paulo: Roca,
2001.
__________. Guia de desenvolvimento do turismo sustentável. Porto Alegre: Bookman, 2003.
PEREIRA, E.M.; NELSON, S. P. Turismo sustentável, uma introdução. In: PEREIRA, E.M.;
NELSON, S. P. (orgs). Ecoturismo: práticas para turismo sustentável. Manaus: Vale/UniNorte,
2004.
RODRIGUES. A. B. Ecoturismo – limites do eco e da ética. In: RODRIGUES. A. B. (Org).
Ecoturismo no Brasil; possibilidades e limites. São Paulo: Contexto, 2003.
SILVA, S. M. S. Ecoturismo em Comunidades Tradicionais na Floresta Nacional do Tapajós: o caso de
Maguari e Jamaraquá. Universidade Federal do Amazonas. 2005. 150 f. Dissertação (Mestrado
em Ciências Florestais. Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2005.
SOARES, E. S. (Org). Desafios, resultados, ameaças e oportunidades em uma unidade de conservação
na Amazônia: “a Floresta Nacional do Tapajós”. Manaus: IBAMA/ProManejo, 2004.
WEARING, S.; NEIL, J. Ecoturismo: impactos, potencialidades e possibilidades. 1ª ed. Brasileira.
Barueri-SP: Manole, 2001.

60 Ecoturismo em comunidades tradicionais


Ecoturismo de Base Comunitária na
Amazônia: perspectivas conceituais e
as práticas ecoturísticas da Comunidade
de Caruaru, ilha de Mosqueiro – PA

José Maria Reis e Souza Júnior1


| Maria Goretti Tavares2

INTRODUÇÃO
A crise do modelo utilitarista de desenvolvimento econômico, repre-
sentada pela crise do regime de acumulação fordista do capital, em nível global,
está na prática turística representada pela crise do turismo massivo, ou como
exprime Zaoual (2009), a crise do turismo fordista.
As criticas ao utilitarismo, base do paradigma econômico hegemônico,
tem possibilitado outras perspectivas paradigmáticas da ciência e do desenvol-
vimento, tais como a ideia dos Sítios Simbólicos de Pertencimento.
Nesse contexto, de superação do turismo pós-industrial, surgem novas
possibilidades de práticas turísticas que encontram lugar na teoria dos Sítios,
tais como o Ecoturismo de Base Comunitária. Mais do que possa parecer à
longa distância do senso comum, fundamenta-se que o Ecoturismo de Base
Comunitária tem características mais diversas e complexas, do que a automá-
tica associação à preservação da natureza. Contudo, como esta é uma atividade
muito recente, e ainda carente de perspectivas conceituais e metodológicas,
defendemos nesta pesquisa que esta prática tem a raiz de seus princípios no
Ecoturismo, sua prática e estratégias de atividades seguem o padrão deste, e
a nosso ver, caracterizam-se muito bem pelo conceito de Turismo Situado de
Zaoual (2009 e 2010).
Dessa forma, buscamos apresentar e discutir alguns fundamentos teó-
ricos-conceituais, com o intuito de contribuir para construção de um arcabouço

1 Bacharel em Turismo e Mestre em Geografia (UFPA)


2 Prof. Dra do Programa de Pós-Graduação em Geografia (UFPA)
teórico para o Ecoturismo de Base Comunitária (EBC), para em seguida
caracterizar a ilha de Mosqueiro (Pará, Brasil) e a comunidade de Caruaru,
levantando o seu potencial ecoturístico, e propondo formas de planejamento e
gestão dessas praticas por meio de roteiros ecoturísticos de base Comunitária.

FUNDAMENTOS TEÓRICOS-CONCEITUAIS DO
ECOTURISMO DE BASE COMUNITÁRIA
A crítica a moral utilitarista da economia, fundamento das relações
de troca e da teoria de exploração, vigente na sociedade contemporânea, tem
permitido outras formas de pensar e fazer socioeconomia. O economicismo
que faz o elogio ao utilitarismo intrínseco a ciência econômica tradicional, que
a aproxima das ciências físico-matemáticas, a distância da compreensão total
do individuo, e de sua complexidade humana e social. Nesse sentido Zaoual
(2010) alerta que essa economia é
incapaz de propôr conceitos universalmente indiscutíveis, tais
como utilidade e bem-estar, sem considerar o contexto do agente
econômico. Deste ponto de vista, os enunciados admitidos são
desestabilizados no plano teórico pela relatividade dos contex-
tos de ação. A naturalidade do raciocínio econômico encontra-se
profundamente afetada (ZAOUAL, 2010, p. 15).
O problema do utilitarismo, como uma “visão deformadora da reali-
dade”, é abordado com muita clareza por Sen quando constata “A informação
contida em um número de utilidades – seja qual for sua tradução – é evidente-
mente muito limitada” (SEN, 1993 apud ZAOUAL, 2010, pg. 15).
A desconsideração de que a pluralidade e a complexidade humana,
são de fato, muito mais amplas que os pressupostos do modelo utilitarista,
que essa cosmovisão individualista que tende a levar as pessoas a “satisfação” e
“bem-estar”, pressupostos da economia política hegemônica, são incapazes de
conter a “incomensurabilidade” das relações individuais e coletivas, tem pos-
sibilitado razões teóricas e concretas no cotidiano para críticas à este modelo.
Criticas que levam Zaoual (2010) a afirmar
O utilitarismo tende a conduzir o mundo das ações dos indiví-
duos a um só denominador comum, o da utilidade (homogênea
e mensurável). Ele ostenta assim, arbitrariamente, um mundo
cujos elementos são supostamente divisíveis e, portanto, quanti-
ficáveis (ZAOUAL, 2010, p. 16).

62 Ecoturismo de Base Comunitária


Dessa forma, fica explícito que a “vida concreta” (ZAOUAL, 2009)
que vivemos é alicerçada no utilitarismo, ou como já apontava Marx, K. e
Engels, F. (1978) nas “relações de utilidade ou utilização”. Relações essas que
os autores, em a “Ideologia Alemã”, já percebiam no cotidiano da bourgeoisie
francesa antes mesmo da Revolução. Sobre a relação social de utilidade os
autores percebem que
Esta transposição absurda e arbitrária, só deixa de o ser no
momento em que as primeiras relações deixem de ter importân-
cia por sí mesmas para os indivíduos, em que já não representam
uma actividade espontânea passando a constituir uma máscara
que esconde, não a categoria abstracta de utilização, mas sim um
objectivo real, uma relação real, precisamente aquela que é desig-
nada por relação de utilidade.
Este disfarce no plano da linguagem só tem sentido quando
constitui a expressão consciente ou inconsciente de um disfarce
real. No caso presente, a relação de utilidade tem um sentido
bastante rigoroso, significa que eu tiro um proveito do mal que
faço a um outro (exploitation de l’homme par l’homme); neste
caso preciso, por outro lado, o proveito que eu tiro de uma relação
é um elemento completamente estranho a esta relação, é aquilo
que já encontramos mais atrás no capítulo “bens”: espera-se de
toda a aptidão um produto que lhe é alheio, trata-se de uma rela-
ção determinada pelas condições sociais – e esta relação é preci-
samente uma relação de utilidade (MARX; ENGELS, 1978, p.
259 - 260)
Com isso, o conceito de homo situs proposto por Hassan Zaoual
(ZAOUAL, 2010) vem em contraposição ao homo oeconomicus, este indivíduo
utilitarista e racionalizado da sociedade capitalista que vivemos, e que, não
obstante, também fundamenta as relações socais e territoriais que produzem o
turismo massivo.
Assim, o homo situs, é este “homem vivo e concreto”, cujo comporta-
mento enraíza-se em um território em que a harmonia pressupõe a considera-
ção da multiplicidade do comportamento humano.
O território aproximado pela noção de sítio simbólico de per-
tencimento é admitido, ante de tudo, como uma realidade viva,
retirando todo o seu sentido do imaginário compartilhado pelos

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 63


indivíduos socializados. O sítio é uma entidade invisível [...]
(ZAOUAL, 2010, p. 24).
Essa noção de “invisibilidade” que caracteriza os Sítios, e que também
caracteriza os “llames sociais que nos une” ( J-P DUPUY, 1993 apud ZAOUAL,
2010) fica bem clara quando Zaoual (2010) explica que
o sítio é perceptível somente através dos rastros, frequentemente
fugidios, que ele deixa no mundo visível, aquele dos comporta-
mentos dos seus partidários e em tudo o que os cerca e faz sua
vida cotidiana, da cultura à arquitetura, passando pela economia
de sua organização social. Em outros termos, os comportamen-
tos dos indivíduos estão permanentemente em interação com o
campo invisível que é o sítio. É ele quem os estabiliza no caos da
ordem social (ZAOUAL, 2010, p. 24).
A associação dos conceitos de Território e de Sítio Simbólico de
Pertencimento torna-se mais real, enquanto teoria e prática, e a nosso ver pos-
sível de interpretar e conceber a realidade, propondo um “turismo situado de
base comunitária”, quando Zaoual (2010) afirma
Como cosmovisão de mundo, o sítio marca profundamente
os comportamentos individuais e coletivos que se observam
no mundo real. A teoria do sítio confere singularidades a cada
espaço vivido e cada situação. Em outros termos, o compor-
tamento econômico, de acordo com o modelo do homo situs, é
decifrável em toda a sua profundidade apenas se a pluralidade
das motivações do agente e da dinâmica de seu sítio são conside-
radas (ZAOUAL, 2010, p. 25).
Contudo, o autor alerta que estas duas dimensões não são as mesmas,
são distintas e não podem ser confundidas em uma dada realidade. Um terri-
tório pode conter uma gama de sítios, e assim uma diversidade de formas de
ver e produzir o território, a partir das relações sociais, políticas, econômicas e
culturais de cada pessoa ou grupos sociais.
Essa variedade de sítios, em um mesmo sítio, pode qualificar os atra-
tivos, e assim, diversificar a oferta turística de um território, dependendo das
motivações daqueles que produzem o turismo, sejam eles “visitantes” ou “visi-
tados”. Assim, imbuídos desses pressupostos, torna-se possível nos aproximar
de uma proposta de Turismo Situado de Base Comunitária (BARTHOLO,
2009, ZAOUAL, 2009).

64 Ecoturismo de Base Comunitária


O Turismo de Base Comunitária tem como componentes a oferta e a
demanda turística (assim como qualquer tipo de turismo), contudo sua singu-
laridade, esta na forma como estes elementos se configuram. O sentido de pro-
ximidade, o intercâmbio intercultural e a gestão compartilhada estão no bojo
desta prática turística. A prestação de serviços turísticos são eminentemente
relacionais, entretanto, não necessariamente promovem o “encontro” entre as
pessoas (“visitantes” e “visitados”), tal como temos visto nas críticas ao turismo
massivo.
Posto desta forma fica nítido que se colocam novos paradigmas a
prática turística. Ora, como o turismo convencional e massivo, que prioriza
a agregação de valores aos roteiros turísticos pela maior quantidade (e não
pela qualidade) de atividades de lazer e serviços complementares, pode pro-
porcionar ao turismo esse sentido de proximidade, de encontro? Para melhor
explicar essa negação ao sentido de proximidade, o autor recorre ao filósofo
Martin Buber, dizendo que esta recusa se assemelha a uma recusa da relação
Eu-Tu, onde tal negação assume dupla significação: não se nega somente a
alteridade do outro, mas também se nega a possibilidade de se afirmar perante
o Tu a identidade própria do Eu. E ainda complementa “Para Buber, a pessoa
da relação Eu-Tu é o suporte relacional que permite fazer da alteridade uma
presença, numa possibilidade relacional que se estende para além do campo
inter-humano” (BARTHOLO, 2009, p. 47).
Outro aspecto importante que diferencia as práticas de Turismo de
Base Comunitária é o intercâmbio intercultural. Tem-se percebido nas experi-
ências, sejam elas no Brasil ou no exterior, a possibilidade real de trocas justas,
convivências e interculturalidade, sendo estas, melhor apresentadas a seguir,
quando abordarmos a Comunidade de Caruaru, Ilha de Mosqueiro.
O tema da interculturalidade e das dinâmicas de intercâmbio inter-
cultural perpassam por várias áreas sociais e de pesquisa, desde a comunica-
ção, os direito humanos, as migrações, questões fundiárias e de uso e posse da
terra, questões étnicas, dentre outras, contudo, pouco tem sido incorporado ao
âmbito prático das políticas públicas. E a nosso ver, o turismo, como uma prá-
tica social que promove o “encontro” não pode estar fora desse debate.
De acordo com Fournet-Betancourt (2008) apud Silveira (2008) “a
interculturalidade aponta para a comunicação e a interação entre culturas,
buscando uma qualidade interativa das relações das culturas entre si e não

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 65


uma mera coexistência fática entre distintas culturas em um mesmo espaço”
(SILVEIRA, 2008, p. 77).
Nas palavras aqui expressas fica claro que um dos aspectos fundamen-
tais para a promoção da interculturalidade (e, por conseguinte, para o turismo
de base comunitária) é o diálogo intercultural. Contudo, torna-se necessário
fazer a diferenciação entre diálogo multicultural e diálogo intercultural.
O primeiro exige a aceitação de certos princípios ocidentais
que devem ser acatados por todos os membros da comunidade,
permitindo ao mesmo tempo a diversidade valorativa cultural
(ou religiosa). Politicamente isto significa aceitar o Estado libe-
ral multicultural, sem questionar que sua estrutura, tal como se
institucionaliza no presente, é a expressão da cultura ocidental
e restringe a possibilidade de sobrevivência de todas as demais
culturas. O diálogo intercultural, diferentemente, deve ser trans-
versal, isto é, deve partir de outro lugar, além do mero diálogo
entre os eruditos do mundo acadêmico ou institucionalmente
dominante (SILVEIRA, 2008, p. 79-80).
O intercâmbio preconizado é de natureza simbólica e relacional, menos
monetária e material, chegando a ser algo (quase) incalculável no âmbito das
relações econômicas, um verdadeiro diferencial na prestação de serviços turís-
ticos. A promoção do diálogo intercultural torna-se um desafio no âmbito do
turismo, que nega a alteridade e busca o lucro a qualquer custo.
Assim, a relação Eu-Tu de Buber (1991) apud Bartholo (2009), ou o
sentido de proximidade preconizados por Bartholo (2009) e Zaoual (2009 e
2010), assim como o intercâmbio intercultural (SILVEIRA, 2008 e ZAOUAL,
2009, 2010) podem suplantar a fugacidade utilitarista do turismo massivo, e
imprimir ao Turismo de Base Comunitária (e ao ecoturismo de base comuni-
tária) novos paradigmas capazes de promover a inversão na lógica do desen-
volvimento tão almejada pelas comunidades locais.
Esses são fundamentos teóricos-conceituais que a nosso ver compre-
endem perfeitamente o precoce conceito de Ecoturismo de Base Comunitária,
e que podem contribuir em seu entendimento e prática.
Dessa forma, imbuídos dessas perspectivas conceituais, apresentamos a
ilha do Mosqueiro e sua Comunidade de Caruaru, a partir de um levantamento
de suas potencialidades e limitações socioambientais, e assim, projetando-os

66 Ecoturismo de Base Comunitária


para uso sustentável por meio da formatação de roteiros de Ecoturismo de
Base Comunitária.

A ILHA DE MOSQUEIRO, A COMUNIDADE DE CARUARU


E SUAS POSSIBILIDADES DE USO ECOTURÍSTICO
A ilha compõe o Distrito Administrativo de Mosqueiro – DAMOS,
unidades administrativas do município de Belém, sendo uma das 43 ilhas do
território insular da capital do Estado do Pará. Possui 212 km² de área terri-
torial e 27.896 habitantes, aproximadamente; e 17 km de praias de água doce,
conhecidas por suas ondulações semelhantes às de marés oceânicas (PMB,
2000).

Figura 1: Imagem cartográfica da região Metropolitana de Belém, destacando a Ilha de Mosqueiro.


Fonte Adaptado de PMB/SEGEP (2010).

A cobertura vegetal apresenta resquícios de vegetação primária do


tipo Floresta Tropical Perenifólia que foi derrubada para cultivo e deu lugar
a uma vegetação secundária denominada de capoeira. Grande contribuição
à preservação dessa cobertura vegetal é dada pelo Parque Municipal da ilha

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 67


do Mosqueiro – PMIM. O parque foi criado pelo decreto nº 26.138/93 da
Prefeitura Municipal de Belém, tendo como principais objetivos a conservação
de áreas compostas por ecossistemas terrestres e aquáticos representativos do
bioma Amazônia; a preservação dos mananciais do rio Murubira e dos igara-
pés do Cajueiro e Carananduba, que servem à população da ilha; e normatizar
a relação e o uso sustentável de seus recursos pelas comunidades ribeirinhas
que vivem em seu entorno (PMB, 1998).
O PMIM tem uma área de 190 ha sendo limitado pelo igarapé
Tamanduá e pelo rio Murubira, e por uma linha seca demarcatória. Infelizmente
o parque ainda hoje não tem Plano de Manejo e também não tem uma admi-
nistração e /ou gerência regular com equipe técnica e recursos necessários a
gestão ambiental.
No entorno do parque existem 6 comunidades ribeirinhas (Castanhal
do Mari-Mari, Caruaru, Itapiapanema, Espírito Santo, Tabatinga e
Tucumandeua). Essas populações ribeirinhas guardam fortes e consolidadas
relações de vivência e interdependência com o lugar, visto que segundo relatos
de moradores da região, o histórico de ocupação da região é de mais de 100
anos, existindo famílias que vivem na região a no mínimo 3 gerações.
As pessoas já vivem aqui faz tempo. Minha família vive aqui
desde minha vó. Ela veio novinha pra cá com a mãe dela, minha
bisa. Nasci e me criei aqui. Sai pra trabalhar umas vezes, mas
sempre volto pra cá. Aqui é minha casa (Entrevistado R. S. M.).
O acesso a essas comunidades se dá por via fluvial, a partir principal-
mente do Porto do Pelé localizado ainda na área urbana da ilha. Não existe
linha regular de transporte. A economia local é basicamente da agricultura de
subsistência (mandioca e outros como banana, cacau, cupuaçu), extrativismo
vegetal (de madeira e de açaí, por exemplo) e animal (pescados e camarão), do
comércio local e do funcionalismo público. Uma problemática ambiental já
observada é a extração indiscriminada de recursos madeireiros de áreas adja-
centes as comunidades (e por conseguinte do PMIM) para produção de carvão
vegetal.
Vivem nessa área de entorno do PMIM cerca de 369 pessoas, sendo
54,47 % do sexo masculino e 45,53 % do sexo feminino; distribuídos, quanto
a faixa etária de população da seguinte forma: população infantil (0 a 6 anos)
corresponde a 14,63 %; população em idade escolar do ensino fundamental (7
a 14 anos) corresponde a 23,31 %; população considerada economicamente

68 Ecoturismo de Base Comunitária


ativa (15 a 59 anos) corresponde a 51,22 % (visivelmente a grande maioria
da população); e a população considerada “melhor idade” (acima de 60 anos)
corresponde a 10,84 %. A área mais populosa é a que engloba as comunida-
des de Caruaru, Tucumandeua e Itapiapanema, correspondendo a 43,08 % da
população (BRANDÃO et al, 2004).
Assim, por a Comunidade de Caruaru ter tido (junto com a
Comunidade de Castanhal de Mari-Mari e o Porto do Pelé) uma experiên-
cia com o projeto Trilha Olhos D’água (trilha operada pelos comunitários e
incentivada pelo poder público municipal) e por conter em sua área a maior
parte da população dessa região, é que a priorizamos neste estudo.
Uma problemática ambiental diagnosticada é o desflorestamento
indisciplinado para a plantação de lavouras de subsistência com baixíssimo
uso de tecnologias sustentáveis, assim como para a produção de carvão vege-
tal. Isso tem trazido problemas para comunidade, à medida em que a cober-
tura vegetal se reduz, os moradores começam a reclamar do aumento do calor
(sensação térmica), como também, começam a sentir falta de certas espécies
de animais como pássaros, borboletas e pequenos primatas, além de reduzir a
qualidade estética das trilhas ecológicas, e com isso, seu aproveitamento para
o Ecoturismo.
Nas proximidades da comunidade, os cursos d’água não apresentam,
a vista, muitos resíduos sólidos inorgânicos, nem contaminação por óleos e
outros derivados de petróleo, contudo seria necessário uma análise físico-quí-
mica mais específica e criteriosa para tal diagnóstico. De toda forma, a comu-
nidade não usa estas águas para consumo doméstico (mas usa para o banho e
lazer).
Não existe rede de esgotos na comunidade. Os sanitários domésticos
são do tipo “fossa negra”. Também não há nenhum tratamento com os resíduos
sólidos inorgânicos, onde é uma prática comum queimar ou enterrar o lixo no
“terreiro” (áreas adjacentes às casas; quintais).
As principais fontes de renda e ocupações de trabalho percebidas e
levantadas em Caruaru são oriundas da agricultura de subsistência (de man-
dioca principalmente, e outras hortaliças e/ou espécies frutíferas), do extrati-
vismo vegetal (de madeira para produção de carvão vegetal e de frutos como
açaí) e animal (pescados e camarão), do comércio local, do funcionalismo
público e da prestação de serviços (como nas áreas de construção civil e car-
pintaria, por exemplos). As práticas agrícolas são de pouco valor agregado e de

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 69


baixa tecnologia, o que empobrece cada vez mais o solo, o que os obriga a cada
vez mais fazer a rotatividade das áreas de plantio (e com isso, desmatar cada
vez mais áreas), assim como tem reduzida remuneração na comercialização
do excedente. A produção de derivados da mandioca como farinha e tucupi é
pequena e quase toda para consumo próprio, havendo pouco excedente para
comercialização, contudo a problemática maior esta no escoamento desses, e de
outros produtos, uma vez que não há linhas regulares de transportes (fluviais)
para a comunidade. Percebeu-se também a criação de pequenos animais para
consumo próprio como galinhas, patos e suínos SOUZA JUNIOR, 2012).
Há também alguns moradores locais que atuam na prestação de servi-
ços de alimentos e bebidas para atenderem aos visitantes/turistas que chegam
à comunidade em períodos festivos ou mesmo nas férias, assim como na “baixa
estação”.
É possível deduzir então que a produção de subsistência e a extração
vegetal são as principais ocupações e fontes de geração de renda da comuni-
dade, e que muito ainda estar por ser feito para qualificar e diversificar essas (e
outras) cadeias produtivas, com a capacitação profissional dos moradores com
adoção de técnicas mais sustentáveis de produção e gestão.
A família é o maior núcleo social e organizador da vida civil na
comunidade de Caruaru. É na família, por meio de laços de parentesco, que
a cooperação e solidariedade comunitária ficam mais evidente. “Ajudo meus
familiares porque sei que no dia que eu precisar, eles vão me ajudar também”
(Entrevistado P.S.A., 2011).
Contudo, por meio das entrevistas e da observação sistemática, per-
cebemos fortes criticas sobre algumas situações relacionadas a este aspecto.
Uma delas é que a comunidade de Caruaru tem sua vida social em função
da Festividade de Santa Rosa de Lima, padroeira da comunidade. Os críti-
cos dizem que na Associação de Moradores há uma rotatividade de pessoas
nos cargos de diretoria que pertencem sempre às mesmas famílias, e que estes
não se preocupam em fazer nada além de organizar a festividade que é anual.
Outros assuntos relevantes à comunidade, tais como saúde, educação, segu-
rança, e etc. não são discutidos e encaminhados pela Associação de Moradores.
Inexiste uma organização de caráter comunitário que possa promover
discussões na comunidade com o intuito de demandar suas necessidades junto
aos poderes públicos, sejam eles do executivo, do legislativo ou do judiciário; ou
seja, a participação politica coletiva é baixa; os poucos benefícios ou politicas

70 Ecoturismo de Base Comunitária


sociais que chegam a comunidade, geralmente, são pela iniciativa individual de
alguns moradores que conseguem junto a parlamentares e/ou gestores públicos
que tem algum interesse politico na comunidade.
Sobre os serviços públicos, a comunidade conta com energia elétrica,
água do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém – SAEEB, e sinal de
telefonia celular (com maior qualidade da operadora OI).
O nível de ensino disponível é o Fundamental, por meio do anexo
da Escola Municipal Renígio Fernadez. Há um serviço de barco-escola da
Prefeitura Municipal de Belém – PMB que leva os jovens das comunidades
para cursarem o ensino médio na sede desta mesma escola que se localiza na
área urbana da ilha de Mosqueiro, no bairro de Maracajá. A comunidade tam-
bém é atendida pelo Programa Família Saudável, e algumas famílias recebem
o beneficio social Bolsa Família.
Uma benfeitoria pública, que também foi citada nas entrevistas e
observada, foi a reforma do trapiche da comunidade, realizada há cerca de
4 anos, por meio de uma parceria entre a PMB e a comunidade. Devido a
cobertura do trapiche ser em estilo semelhante ao pórtico de entrada da ilha
de Mosqueiro, alguns o chamam de “Portal do Caruaru”.
Instituições e órgãos da administração pública como Universidade
Federal do Pará – UFPA, Universidade Rural da Amazônia – UFRA, Museu
Paraense Emilio Goeldi – MPEG, Agência Administrativa de Mosqueiro –
ADMO, Secretaria Municipal de Meio Ambiente – SEMMA, Coordenadoria
Municipal de Turismo – BELEMTUR, Secretaria Municipal de Educação –
SEMEC, e Banco do Povo, dentre outras foram citadas por moradores locais
como já terem tido realizado ações de pesquisa, gestão e infraestrutura, capaci-
tação e/ou extensão na comunidade de Caruaru.
Outros espaços da vida social identificados foram o campo de futebol
no centro da comunidade, o Barracão da comunidade, e a igreja católica onde
se encontra a imagem de Santa Rosa de Lima, padroeira do Caruaru.
A criticada autodeterminação de “comunidade” dessa população ribei-
rinha que não se utiliza dessa estratégia social para se organizar e reivindicar
melhorias em sua comunidade tem, a nosso ver, nos aspectos culturais, sua
justificativa; ou seja, não é na dimensão social que o sentido de “comunitário”
se expressa nesse agrupamento humano (como se pensou em Brandão et al,
2004), e sim, é na dimensão cultural que isso acontece.

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 71


Como já abordamos anteriormente, as comunidades do entorno do
PMIM guardam forte e perenes relações culturais com o meio em que vivem;
isso se confirma quando percebemos que, mesmo as práticas tidas como de
caráter econômico, em sua maioria, também são praticas culturais de conheci-
mentos associados à natureza, por exemplo.
Assim, nesse campo dos aspectos culturais, percebemos e registra-
mos 4 práticas (de interesse turístico): a Festividade de Santa Rosa Lima, o
Artesanato, o Grupo Folclórico de Caruaru; e uma que chamaremos aqui de
“cultura das águas” .
A Festividade de Santa Rosa de Lima é a festa de santo (FIGUEIREDO,
1999) da padroeira da comunidade de Caruaru. Segundo relatos, Santa Rosa
de Lima nasceu em 1586, em Lima, Peru; por isso é considerada a padro-
eira dessa capital, e da América Latina também. Foi levada para a comuni-
dade de Caruaru por um padre alemão chamado Eurico Frank em 1945. Em
1961, a pedido de uma família muito influente na comunidade e na ilha de
Mosqueiro (a família Fróes), o padre Samuel Amorim Sá visitou a comunidade
de Caruaru e propôs que ali se construísse uma capela para a Santa, o que foi
de pronto atendido. Desde então, tem sido reverenciada e festejada não só pela
comunidade de Caruaru, mas sim por todas as comunidades do entorno do
PMIM, como também por outras pessoas que vêm de Belém para participar
da festividade.
Acontece sempre no ultimo final de semana de agosto, por isso, a
data não é fixa. Começa com a saída em procissão da casa de “Dona Clarice”
(moradora), em direção ao trapiche do Porto do Pelé. De lá, sai uma procissão
fluvial (talvez o momento mais emblemático e emocionante da Festividade)
rumo a comunidade de Caruaru. A imagem é acompanhada por dezenas de
embarcações de variados tamanhos e estilos, alguns ornamentados outros não;
alguns soltam fogos de artifício, outros simplesmente rezam e acompanham
o momento consternados de emoção e adoração a imagem de Santa Rosa de
Lima. Com a chegada da imagem a Caruaru, ocorre a “subida do mastro”,
assim como toda uma programação de caráter litúrgico.
E no sábado é o componente profano da festa que se manifesta.
Acontece a chamada “festa da comunidade”, que nada mais é que uma festa
de aparelharem tipicamente paraense, na qual são cobrados ingressos, são ven-
didas bebidas (alcoólicas e não alcoólicas) e comidas típicas, e muita dança ao
som do tecnobrega, mas também do pagode, forró, funk, rock e do carimbó,

72 Ecoturismo de Base Comunitária


entre outros ritmos. É um momento de alegria e confraternização da comuni-
dade aguardado durante todo o ano. A festa começa no fim da tarde do sábado,
se estende por toda a noite, até o amanhecer do domingo. No domingo, as
14:00 h, os “trabalhos” são retomados, e a festa se estende novamente até a
madrugada da segunda-feira.
Acompanhamos a Festividade em 2011, e pudemos perceber o grande
potencial que o evento tem para o desenvolvimento do chamado Turismo
Cultural, e mesmo também, como um componente diferenciado para o
Ecoturismo de Base Comunitária, obviamente se for preparada e adequada
para isso.
O artesanato de Caruaru tem algumas particularidades. Os artesanatos
tipo souvenirs são basicamente os produzidos com palhas e talas (como panei-
ros, cestos, e outros utensílios), de sementes e outros produtos naturais coleta-
dos, como as biojóias, e as típicas e singulares “varinhas do amor”. A história
das varinhas do amor é curiosa e tem muito a ver com a história da própria ilha
de Mosqueiro, e por isso, podemos dizer, tem muito potencial para ser valo-
rizado por meio do Ecoturismo de Base Comunitária. As varinhas do amor
surgiram quando, segundo contam os artesãos, por volta do inicio do século
XX, chegavam as embarcações de passageiros (os mais conhecidos foram os
navios “Alexandrino”, e depois os “Mosqueiro” e “Soure”), única forma de se
chegar à ilha; algumas moças faziam as varinhas e levavam para serem vendi-
das perto ao trapiche da Vila, mas como sempre eram “moças artesãs”, quem
se interessava pelo artesanato, eram os rapazes, disso surgiu a denominação
“varinha do amor”.

Figura 02: Artesanato do tipo biojoias da comunidade de Caruaru


Fonte: Pesquisa de campo, 2011.

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 73


Hoje a prática de produzir as “varinhas do amor”, foi resgatada pela
comunidade do Caruaru, a partir do incentivo dado por meio do projeto Trilha
Olhos D’água, de 2000 a 2002. Por este projeto da BELEMTUR, moradores
participaram de oficinas de artesanato, e dentre elas as de “varinha do amor”
e biojóias. Os produtos eram vendidos na Feirinha de Artesanato na comuni-
dade, que era montada sempre nos dias de trilha, e constantemente na Feirinha
do Espaço Cultural Praia-Bar que fica próximo ao Trapiche da Vila, que é
bastante visitado.
Entre 2006 e 2007, uma moradora de Caruaru resolveu criar um grupo
de dança e música parafolclórico na comunidade, que o chamou de Grupo
Folclórico do Caruaru. Ela, que diz ser dona de casa, também realiza um ser-
viço de alimentos e bebidas para atenderem os visitantes e turistas que chegam
ao Caruaru. Percebeu que precisava ter algo que recepcionasse e que animasse
a hora no almoço dos visitantes, assim, surgiu a ideia do grupo. A época,
alguns jovens da comunidade que também eram alunos do Programa Primeiro
Emprego em 2007, no curso de Ecoturismo, foram grande entusiastas na cria-
ção do grupo, que já se renovou com outros participantes, mesmo que hoje em
dia, não mais se apresente com tanta frequência, apresentando-se somente em
“momentos especiais”.
Por fim, identificamos uma relação muito íntima da comunidade com
as águas dos rios e igarapés, seja para o transporte, seja como forma de viabili-
zar o sustento (pela pesca, por exemplo), ou seja para o lazer. Percebemos todo
um conjunto de práticas, conhecimentos e saberes relacionadas às águas. Há
comunitários que tem conhecimento de carpintaria de embarcações, há outros
que contam lendas e estórias relacionadas a mitos amazônicos (há quem diga
que já viu a cobra-grande), muitos tem conhecimento de técnicas e saberes
relacionados a pesca (espécies de peixes, camarões e siris encontrados na região,
sabem fazer o matapi, que é uma espécie de armadilha artesanal para capturar
camarões e siris, e etc) e há aqueles que costumam usar as águas dos rios para
o lazer e descanso semanal (a comunidade é bem movimentada aos finais de
semana, com visitantes, eventuais turistas e pessoas de outras comunidades
próximas que a visitam para tomar banho de rio, beber e comer, e irem, quando
há, a alguma festa).
Próximo à comunidade há alguns olhos d’água (nascentes), disso
advém o nome do projeto Trilha Olhos D’água. Na trilha era possível visuali-
zar algumas dessas nascentes, quando o projeto era executado pelos monitores

74 Ecoturismo de Base Comunitária


do roteiro, um trabalho de sensibilização ambiental com o grupo, abordando
temas sobre as problemáticas da gestão dos recursos hídricos na Amazônia, e
preservação das florestas, dentre outros.
Convencionamos chamar de Aspectos Turísticos neste trabalho tudo
que é relativo à Oferta Turística, ou seja, todo forma de recursos e serviços rela-
cionados ao atendimento turístico (CHIAS, 2007). Esclarecemos, obviamente
por tratar-se apenas de uma “opção metodológica” de “separar” este compo-
nente para melhor analisa-lo, pois sabemos que todos os aspectos já aborda-
mos (a saber: ambientais, econômicos, sociais e culturais) compõem esta oferta.
Assim, identificamos os seguintes aspectos:
Recursos naturais: corresponde aos atributos da comunidade com rela-
ção à natureza e/ou meio ambiente que os cerca. São os rios e igarapés, as
trilhas e as florestas próximas à comunidade; a fauna e flora regional, os olhos
d’água, a paisagem ribeirinha, o clima quente úmido, e o Parque Municipal
da Ilha do Mosqueiro (mesmo que hoje não esteja efetivamente disponível a
comunidade como um recurso, mas é um potencial).
Recursos Culturais: a Festividade de Santa Rosa de Lima, o artesa-
nato, o grupo folclórico, a “cultura das águas”, a memória e a história de vida
dos moradores, a hospitalidade, a gastronomia e a própria formação histórico-
-territorial da ilha da Mosqueiro.
Serviços turísticos: na comunidade existe um bar com funcionamento
mais regular, próximo à margem do rio, ao lado do Trapiche da comunidade;
mais próximo ao Trapiche existe uma “barraca” construída por um casal de
moradores que também atendem aos visitantes e turistas com um serviço de
alimentos e bebidas familiar e mais organizado. Contudo, só funciona aos
finais de semana (ou sob agendamento) e com grupos fechados. A comida é
simples, mas saborosa, e o atendimento é mais diferenciado. Informaram que
se o turista quiser fazer um passeio de canoa ou uma caminhada ecológica, eles
têm com viabilizar o serviço;
Os Hotéis Hilton Hotel (em Belém) e o Hotel Fazenda Paraíso (na
ilha de Mosqueiro) também realizam excursões de um dia à comunidade.
Geralmente contatam com este casal que organiza o almoço e a caminhada
ecológica para o grupo, contudo informaram que eles não têm feito isso
ultimamente;
Este casal também tem recebido grupos participantes de eventos
(sejam de âmbito regional ou nacional) que são realizados em Belém. Organiza

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 75


o receptivo de grupos, desde visitas técnicas com pesquisadores e profissionais
a grupos de participantes em encontros acadêmicos e culturais.
Bem próximo ao Caruaru, na comunidade de Espirito Santo, existe o
Sitio Pratiquara. É um restaurante de comidas regionais, com uma arquitetura
tipicamente ribeirinha (palhoças montadas em palafitas), localizado a margem
do rio Pratiquara. Este empreendimento familiar começou por incentivo do
Projeto Trilha Olhos D’água, pois era nele que ocorria o almoço dos grupos.
Com o fim do projeto, a família continuou o negócio, e com muito sacrifício,
sem financiamentos e com recursos próprios e empreendedorismo, o man-
teve e fizeram mais investimentos. Hoje tem várias estruturas de atendimento
(malocas e trilhas de palafitas, espaços para descanso com redes, caminhadas
ecológicas na floresta em sua propriedade, flutuantes que ficam ancorados no
rio, e o serviço muito bom de cozinha regional e bebidas). Atualmente fun-
ciona aos sábados e domingos, seus clientes são grupos fechados e um público
de maior poder aquisitivo que costuma passear de lanças pelos rios da região,
uma vez que seu acesso só é possível por via fluvial.
O “seu Pedro” (como é conhecido), morador da comunidade do Porto
Pelé tem um barco que adaptou para transportar passageiros. Ele presta um
serviço de transporte fluvial para grupos que queiram visitar a comunidade de
Caruaru. Segundo o “seu Pedro”, ele pode somente transportar o grupo para
a comunidade, mas também, se houver interesse, pode fazer um trabalho de
monitoria, pois o mesmo detém todo um repertório de informações ecológicas
e culturais que são utilizados na interpretação ambiental ao longo da viagem.
Isso também é uma “herança” da Trilha Olhos D’água, pois a época do projeto,
“seu Pedro”, passou por um processo de capacitação e era ele quem fazia trans-
porte dos grupos.
“Seu Pedro” também possui todo um conhecimento de caráter tácito e
cultural sobre a região. Conhece bastante sobre a natureza e a história dessas
comunidades. É carpinteiro de embarcações e sua família tem no Porto do
Pelé, um estaleiro de embarcações regionais com décadas de funcionamento
(segundo seu relato, são quase 100 anos de existência). Isso também poderia
ser utilizado na formatação de um roteiro da “Cultura Ribeirinha” em Caruaru.
Mas recentemente (entre 2003 e 2005) o Programa de Desenvolvimento
do Ecoturismo na Amazônia Legal – PROECOTUR teve uma “passagem”
pela ilha de Mosqueiro. A ilha recebeu benefícios do programa com a reforma e
ampliação do trapiche do Porto do Pelé. O investimento tinha como destinação

76 Ecoturismo de Base Comunitária


apoio à infraestrutura de visitação e uso publico em Unidades de Conservação.
Assim, foram “selecionados”, no município de Belém, para serem contempla-
dos com recursos, o Parque Ecológico do Município de Belém (localizado no
bairro da Marambaia) e o Parque Municipal da Ilha de Mosqueiro (com a
reforma do Porto do Pelé). Esse foi o único investimento direto que houve do
PROECOTUR na região, onde as comunidades do entorno do PMIM (den-
tre elas, o Caruaru) passaram ao largo dos processos de participação e gestão
do programa, tal como analisado em Nóbrega (2007).
Dessa forma, entendemos que o processo de turistificação da comuni-
dade de Caruaru se deu de forma aleatória e difusa, pouco planejada, contudo,
em um momento inicial fomentado por ações de caráteres público e privado
(como o projeto Trilha Olhos D’água da BELEMTUR, e de excursões espo-
rádicas organizadas por hoteleiros e agentes de viagens e turismo do centro de
Belém e de Mosqueiro), e que teve, consoante a isso, um certo reconhecimento
de seu potencial de desenvolvimento e de sua relevância socioambiental, por
parte do governo federal com o PROECOTUR, mas que não teve resultados
que poderíamos chamar de perenes no desenvolvimento local, e a partir des-
sas “passagens” por essas políticas públicas, houve ações de caráter “privado-
-comunitário” por iniciativa de alguns moradores locais que souberam ver no
turismo uma oportunidade (mesmo que ainda incipiente) de geração de renda.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Entendemos que os limites e possibilidades do Ecoturismo de Base
Comunitária na comunidade de Caruaru já foram abordados consideravel-
mente, contudo, a título de sistematização, vamos neste momento elencá-los
para melhor identificação, e assim podermos contribuir, subsidiando um futuro
processo de planejamento. Para uma análise inicial e potencia para o EBC, é
preciso ressaltar a necessidade de criação de instrumentos de gestão que pos-
sam dar concretude a esse tipo de turismo. Para isso, propomos a formatação
de 2 (dois) produtos de Ecoturismo de Base Comunitária em Caruaru; um
com uma ênfase mais ecológica, outro com a ênfase cultural. Seriam os rotei-
ros: Natureza e Preservação do Parque Municipal da Ilha de Mosqueiro, nos quais
os turistas além de conhecerem o cotidiano da comunidade, teriam acesso ao
Parque, por meio de trilhas ecológicas monitoradas, onde teriam acesso a um
leque de informações com intuito de promover a sensibilização e educação
ambiental, contudo, para que isso fosse possível, seria necessário desenvolver o

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 77


Plano de Manejo do Parque e implantar seu processo de administração pública
e gestão ambiental, com todos os recursos humanos, financeiros e materiais
necessários; e o roteiro Caruaru e a Cultura das Águas, onde a ênfase seria dada
a intima relação que a comunidade tem com os rios, furos, baia e igarapés da
região. Demostrar seus hábitos, costumes e conhecimentos que têm associados
às águas. Sua forma de se transportar pelos rios, a pesca e os conhecimentos
associados a isso, as lendas e estórias ribeirinhas, os ofícios relacionados e seus
“mestres de cultura”, visita aos olhos d’água com um trabalho de educação
ambiental, alertando os visitantes para a problemática da gestão dos recursos
hídricos na Amazônia. A hospitalidade, o artesanato e uma relativa convivên-
cia em harmonia com o meio ambiente também são potencialidades que a
comunidade de Caruaru possui. A Festividade de Santa de Rosa de Lima, que
já possui um apelo forte de caráter religioso, precisaria ser mais bem organi-
zada, planejada e adequada ao EBC, mas já conta com um forte potencial para
o Turismo Cultural Religioso.
As limitações mais contundentes, com certeza, são as dificuldades
de transporte (o único modo de transporte para comunidade é o fluvial, mas
o problema maior é falta de institucionalidade e regularidade do transporte
público), deficiências em comunicação (a única forma de telefonia, ainda com
má qualidade de sinal, é a celular), e a latente falta de entendimento, pre-
paro e capacitação da comunidade para trabalhar com Ecoturismo de Base
Comunitária.
A falta de uma cultura associativista e comunitária também é uma
forte limitação. Se a comunidade não consegue se organizar socialmente fica
mais difícil demandar por melhorias em infraestrutura, gestão e políticas pro-
dutivas e sociais.
A questão fundiária é outra problemática. Essas comunidades ainda não
foram regularizadas, o que sabemos ser um grande empecilho para qualquer
tipo de financiamento público e/ou privado de empreendimentos turísticos.
E de uma forma mais ampla, apontamos duas limitações para o desen-
volvimento do Ecoturismo de Base Comunitária em Caruaru: A falta de uma
politica nacional de fomento ao Turismo de Base Comunitária (BURSZTYN,
2005), e a falta de regras e processos (um sistema) claros de acesso, pro-
moção e comercialização de produtos de Turismo Comunitário no Brasil
(BURSZTYN; BARTHOLO, 2012).

78 Ecoturismo de Base Comunitária


Assim, com este ensaio pretendemos tão somente contribuir para que
todo este potencial geosocioambiental que compõem o ambiente da comuni-
dade de Caruaru, ilha de Mosqueiro (PA) esteja a serviço da mesma, para seu
sustento e bem estar, e não para a “utilidade” do sistema capitalista.

REFERÊNCIAS
BARTHOLO, R. Sobre o sentido da proximidade: implicações para um turismo situado de
base comunitária. In: BARTHOLO, R, SANSOLO, D. G. e BURSZTYN. M. (Org.). Turismo
de Base Comunitária. São Paulo: Letra e Imagem, 2009, p. 45-54.
BRANDÃO, E.J; CONCEIÇÃO, M.F.C; LÍRIO. A; MANESCHY, M. C. A. Perspectivas
para o desenvolvimento sustentável no arquipélago de Belém: o caso das comunidades rurais
do entrono do parque municipal da ilha do Mosqueiro. In: ARAGÓN, L. (Org.) Conservação e
desenvolvimento no estuário e litoral amazônico. Belém: UFPA/NAEA, 2004. p. 215 – 248.
BURSZTYN, I. Políticas Públicas de Turismo visando a Inclusão Social. Rio de Janeiro:
COPPE/UFRJ, 2005. (Dissertação de Mestrado).
BURSZTYN, I; BARTHOLO, R. O processo de comercialização do turismo de base
comunitária: desafios, potencialidade e perspectivas. Sustentabilidade em Debate. Brasília, v. 3, n.
1, p. 97 – 116, 2012.
CHIAS, J. Turismo: O Negócio da Felicidade. São Paulo: Editora SENAC, 2007
FIGUEIREDO, S. Ecoturismo, festas e rituais na Amazônia. Belém: NAEA/UFPa, 1999.
MARX, K; ENGELS, F. A Ideologia Alemã (Vol. 2). Tradução: Conceição Jardim/ Eduardo
Lucio Nogueira. 2ª Ed. Lisboa: Presença/ Martins Fontes, 1978.
PREFEITURA MUNICIPAL DE BELÉM – PMB. Relatório Preliminar de Inventário
Florístico e Fausnístico do Parque Municipal da Ilha do Mosqueiro – PMIM. Fundação Centro
de Referência em Educação Ambiental Escola-Bosque Eidorfe Moreira, 1998.
NÓBREGA, W. R. M. Turismo, Planejamento e Políticas Públicas na Amazônia. Rio de Janeiro,
E-Papers, 2007.
SILVEIRA, E. da. Multiculturalismo versus interculturalismo: por uma proposta intercultural
do Direito. Desenvolvimento em Questão [On-line] 2008, 6.
SOUZA JÚNIOR, J. M. R. A natureza do turismo e o turismo de natureza na Amazônia:
políticas públicas, ecoturismo de base comunitária e territorialidades da comunidade de Caruaru,
ilha de Mosqueiro – PA Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal
do Pará (UFPA). 2012. 186 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do
Pará, Belém, 2012.
ZAOUAL, H. Do turismo de massa ao turismo situado: quais as transições? In: BARTHOLO,
R; SANSOLO, D.G; BURSZTYN, I. (orgs). Turismo de base Comunitária: diversidade de olhares
e experiências brasileiras. Rio de Janeiro: Ed. Letra e Imagem, 2009.
ZAOUAL, H. O homo situs e suas perspectivas paradigmáticas. Rio de Janeiro: OIKOS, 2010.

José Maria Reis e Souza Júnior | Maria Goretti Tavares 79


Ecoturismo indígena e identidade:
o desafio do planejamento

Ivani Ferreira de Faria1

INTRODUÇÃO
No contexto brasileiro, por sua riqueza natural e cultural, a Amazônia,
e em particular o Alto Rio Negro, emerge como uma das regiões prioritárias
para a conservação de recursos naturais e a construção de propostas de desen-
volvimento capazes de valorizar e proteger a base natural, resgatar e preservar
o patrimônio cultural e assegurar benefícios às comunidades locais.
O município de São Gabriel da Cachoeira localizado no noroeste
amazônico, foi criado em 1891, pela Lei Estadual Nº 10, como território des-
membrado de Barcelos. É extinto e reintegrado a Barcelos em 1930. Com o
Decreto Lei Estadual Nº 226, em 1935, estabelece-se definitivamente como
município. Em 1968, pela Lei Federal Nº 5.449, o município é enquadrado
como Área de Segurança Nacional.
Ocupa uma área de 112.255 Km2, representando 6,95% do Estado
do Amazonas. Faz limites com os municípios de Santa Isabel do Rio Negro,
Japurá e com a Colômbia e Venezuela.
Sua população total é de 29.951 habitantes (IBGE, 2010), no entanto,
a prefeitura fez uma estimativa de 46.000 habitantes (2010). 95% da população
são representados por 23 povos indígenas pertencentes às famílias lingüísticas
Tukano Oriental, Maku ( Japurá-Uuapés)2, Aruak e Yanomami, com 20 lín-
guas indígenas faladas, distribuídas em aproximadamente 427 aldeias.
É o município do Polo Ecoturístico mais distante de Manaus (figura
01).

1 Dabukuri-Planejamento e Gestão do Território na Amazônia. Departamento de Geografia/


Universidade Federal do Amazonas.
2 Existe uma discussão entre os Hupdha, Yu Hupdha e Dâw e a Saúde Sem Limites sobre a mudan-
ça do nome da família linguística denominada anteriormente como Maku para Japurá-Uaupés,
devido à forte conotação pejorativa atribuída ao termo.
Assim, devemos pensar em estratégias diferenciadas quando tratamos
do ecoturismo em São Gabriel da Cachoeira e Região do Alto Rio Negro. São
Gabriel é um município indígena onde 95% da sua extensão territorial são
terras indígenas já homologadas. Este fato nos faz tratá-lo como um município
diferente porque terras indígenas não podem ser vistas como meio rural e a
sede como meio urbano. Terras indígenas têm legislação específica em que, às
vezes, as demais legislações não são aplicadas e válidas dentro dos seus limites,
como leis ambientais, educacionais e de saúde, por exemplo. Mesmo a educa-
ção, sendo diferenciada, não pode ser da mesma forma para as comunidades e
para a sede do município.
Não vemos a terra indígena como meio rural, pois as demandas e
alguns problemas podem ser semelhantes às dos camponeses, trabalhadores
rurais etc, mas tem questões culturais e de identidade muito específicas quanto
à língua, às formas de educação, dos conhecimentos e das práticas tradicionais,
do patrimônio cultural e genético em suas terras, sem contar a visão de mundo
destes povos. Desta forma, denominar as escolas indígenas como escolas rurais
é um equivoco, corrigido pela LDB em 1996 e pelo Decreto nº 6.861, de 27
de maio de 2009 que dispõe sobre a Educação Escolar Indígena e suas regras
de funcionamento.

Figura 1 - Polo de Ecoturismo do Estado do Amazonas

Ivani Ferreira de Faria 81


Assim, o município é dividido entre terras indígenas e a sede do muni-
cípio que contemplará o meio urbano e o rural (figura 02).

Figura 2 – Município de São Gabriel da Cachoeira, AM.


Fonte: Prefeitura Municipal de São Gabriel da Cachoeira, 2007.

Diante disso, não podemos pensar políticas e ações, sejam para o


desenvolvimento de qualquer segmento do turismo ou de qualquer outra ati-
vidade no município de forma única. Estratégias e planejamentos devem ser
diferenciados para a sede e para as terras indígenas, mas de forma comple-
mentar e integrada para atender esta especificidade e garantir a autonomia no
processo de gestão.
No caso específico de São Gabriel da Cachoeira, a sede é a extensão do
interior. O interior ganhou a sede e não o contrário, como regra do processo
de urbanização.
Durante os anos 2004, 2005 e 2006, vários seminários, reuniões, ofici-
nas foram organizados por iniciativa do movimento popular e organizações de
base para discutirem sobre o segmento do turismo adequado ao município e à
região, bem como diretrizes e princípios para o seu planejamento, uma vez que
o Plano de Desenvolvimento do Polo de Ecoturismo no município não o fez.
Nos próximos itens, desenvolveremos as concepções de planejamento
do ecoturismo para a sede do município, meio urbano e para as terras indígenas

82 Ecoturismo indígena
propostas pelas comunidades indígenas do interior e indígenas e não-indíge-
nas da cidade.
Os segmentos do turismo definidos nas discussões foram o ecoturismo
indígena a ser desenvolvido no interior (terras indígenas) e o ecoturismo indí-
gena e turismo indígena na sede.

TURISMO E IDENTIDADE: DESAFIOS CONCEITUAIS


O Ministério do Turismo, com a definição da segmentação do turismo,
confirma a tese de Boullón (2002, 17-18) de que este esclarecimento con-
ceitual deve ser feito pelas instituições governamentais e não governamentais
para melhor planejá-lo e direcioná-lo.
Entretanto, todas as definições e, principalmente, a de turismo, pro-
postas pelo Ministério do Turismo (2005) apontam para um único caminho, o
do mercado. Tudo é definido a partir da oferta, consumo, mercado e demanda.
O Turismo é conceituado como atividade econômica e não mais como uma
atividade social, como definiram Boullón, De La Torre e Yázigi, o que pode
ocasionar ainda mais a mercantilizacão da cultura e impactos indesejáveis
quando desenvolvidos em comunidades tradicionais e indígenas onde a preo-
cupação com a cultura e a tradição é fundamental.
A ausência de clareza na concepção de terminologias, como turismo
de natureza e turismo cultural, turismo indígena, etnoturismo, turismo étnico
e ecoturismo indígena, têm dificultado o planejamento da atividade turística
pelos povos indígenas e em terras indígenas.
Faz-se necessário esclarecer que nos fundamentamos no conceito de
turismo de Boullón, Yázigi e De la Torre. Yazigi (1996) define turismo “como
um fenômeno social pelo qual as pessoas ou grupos se deslocam com várias
finalidades, necessitando de um meio geográfico motivador, equipamentos
técnicos e culturais”. De acordo com De la Torre (1992, p. 19).
turismo é um fenômeno social que consiste no deslocamento
temporário de indivíduos ou grupos de pessoas fundamental-
mente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde,
saem de seu local de residência habitual para outro, no qual não
exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada, gerando
múltiplas inter-relações de importância social, econômica e
cultural.

Ivani Ferreira de Faria 83


Didaticamente, distinguimos três segmentos de turismo a luz dos con-
ceitos de patrimônio natural e cultural e de paisagem natural e cultural, cujo
sentido, após uma análise associativa, se aproximam um do outro, orientam
as definições de turismo de natureza, cultural e ecoturismo. O fator utilizado
além das categorias é o tipo de atrativo motivador e de interesse que leva uma
pessoa ou um grupo de pessoas a viajarem.
Patrimônio natural + paisagem natural = turismo de ou na natureza
Patrimônio cultural + paisagem cultural = turismo cultural
Patrimônio natural + paisagem natural + Patrimônio cultural + paisagem cultural

Ecoturismo

Entendemos, como Turismo de ou na Natureza, o tipo de turismo que


utiliza o patrimônio natural como rios, fauna, flora, montanhas, vales etc, como
atrativo principal e nem sempre de forma sustentável. O principal interesse ou
atrativo do turista é a paisagem natural ou o patrimônio natural. Pode ser eco-
lógico, quando utiliza o patrimônio natural e/ou a paisagem natural de forma
racional, para ser admirado com vistas à educação ambiental, sem priorizar o
envolvimento da comunidade local.
Até os anos 1970, a palavra ecoturismo não existia e muito menos os
princípios que hoje ela representa, apesar da existência de vários viajantes
naturalistas como Humboldt e Darwin, cujas experiências foram esporádicas
e não produziram benefícios socioeconômicos e sim científicos. Desta forma,
podemos dizer que o ecoturismo sempre existiu como contemplação da natu-
reza. Somente com o advento da viagem aérea a jato e dos documentários
televisivos sobre a natureza e questões ligadas à conservação do ambiente e a
re-valorização da natureza diante das tragédias ambientais promovidas pela
industrialização predatória é que passou a ser um fenômeno característico do
final do século XX.
Após estudos, leituras da literatura nacional e internacional e princi-
palmente por meio de observações e análises de experiências, sempre sob a luz
do olhar geográfico, numa perspectiva cultural, entendemos que o ecoturismo
não poderia ser classificado como de natureza ou na natureza, pois o interesse
do ecoturista, ou melhor, o principal atrativo que o motiva à viagem não é
somente o natural.
O ecoturista quer conhecer a cultura dos povos do lugar, quer saber
mais sobre a interação destes com a natureza e não se contenta apenas em

84 Ecoturismo indígena
admirar a bela paisagem. Quer também certificar que este patrimônio, seja
natural ou cultural, como costuma dividi-lo a ciência ocidental, está sendo
utilizado de maneira sustentável, quer conservá-lo para gerações futuras ao
mesmo tempo em que se preocupa com os impactos desejáveis e indesejáveis
que esta atividade pode exercer sobre as comunidades locais, principalmente as
tradicionais. Podemos dizer que o ecoturista tem um perfil diferente do turista
comum. É responsável e respeita o ambiente e a cultura. Para ele, o ecoturismo
representa, antes de tudo, um intercâmbio de conhecimentos, uma vez que
acredita viver na era da sociedade do conhecimento.
Sobretudo, o ecoturismo tem que utilizar como atrativo para ser eco-
turismo tanto o patrimônio natural quanto o cultural. Não há como dissociá-
-los, mas sim uni-los, integrá-los, conforme a visão dos povos indígenas do
Alto Rio Negro que consideram o natural e o cultural patrimônio único, sem
divisões. Patrimônio, para eles, “é tudo que é nosso, que temos de valor, a nossa
riqueza. Tudo que está na terra e na cultura”. Mar ye, na língua tukano.
Assim, o ecoturismo não pode ser denominado como turismo de
natureza e tampouco cultural porque é a convergência dos dois e com caráter
comunitário pautado no planejamento participante. Apresenta-se como uma
terceira vertente (segmento) do turismo. Diante disso, definimos ecoturismo
como o turismo planejado que promove a interação entre natureza e comuni-
dade com vistas a uma utilização sustentável e conservacionista do patrimônio
natural e cultural, proporcionando melhoria das condições de vida da popula-
ção envolvida sem causar impactos indesejáveis à mesma (FARIA, 2000).
Entendemos como envolvimento das comunidades a participação efe-
tiva em todo o processo de planejamento, gestão e execução do ecoturismo por
meio da capacitação e formação, permitindo, assim, a melhoria em suas condi-
ções de vida e exercício de sua autonomia sobre sua realidade natural e cultural.
Geralmente, o ecoturismo é confundido com turismo ecológico ou
qualquer atividade turística que utiliza o patrimônio natural como atrativo,
como, por exemplo, atividades desenvolvidas por hotéis de selva ou na selva.
Mas para ser ecoturismo, alguns princípios básicos devem ser
considerados:
• O Atrativo ecoturístico deve ser o patrimônio natural e cultural utili-
zado de forma integrada;
• Utilização sustentável e conservacionista dos atrativos;

Ivani Ferreira de Faria 85


• Envolvimento da comunidade (planejamento e gestão participativa e
comunitária das atividades ecoturísticas);
• Forma ideal de funcionamento em pequenos grupos, respeitando a
capacidade de carga e de suporte;
• Valorização (formação e capacitação) dos recursos humanos locais;
• Conservação e valorização das atividades tradicionais do lugar;
• Respeito à identidade cultural e territorial do lugar.
Definir o turismo cultural e suas modalidades etnoturismo e étnico
é necessário para compreendermos melhor o turismo indígena e, posterior-
mente, ecoturismo indígena.
Tudo o que é feito pelo homem constitui o patrimônio cultural e/ou a
paisagem cultural, portanto o Turismo Cultural é aquele que tem como obje-
tivo conhecer os bens materiais e imateriais produzidos pelo homem. Pode
ser dividido em histórico, gastronômico, folclórico, etnoturismo (indígena e
étnico) religioso, esportivo etc.
Etnoturismo é um tipo de turismo cultural que utiliza como atrativo
a identidade, a cultura de um determinado grupo étnico (japoneses, alemães,
ciganos, indígenas etc,). O turismo indígena e o étnico podem ser um dos tipos
do etnoturismo.
O turismo cultural se definiria “em termos de situações em que o papel
da cultura é contextual, [...] está para moldar a experiência do turista de uma
situação em geral, sem um foco particular sobre a singularidade de uma iden-
tidade cultural especifica” (WOOD, 1984, p.361).
O Ministério do Turismo, após discussões do Grupo Técnico Temático
– GTT de Turismo Cultural, no âmbito da Câmara Temática de Segmentação
do Conselho Nacional do Turismo, entendendo que a interação turismo e cul-
tura é condição primordial para o direcionamento das políticas públicas inte-
gradas entre esses dois setores, definiu que turismo cultural
compreende as atividades turísticas relacionadas à vivência do
conjunto de elementos significativos do patrimônio histórico
e cultural e dos eventos culturais, valorizando e promovendo
os bens materiais e imateriais da cultura (MINISTÉRIO DO
TURISMO, 2005).
O Turismo étnico é definido por Swain (1989) como o “tipo de turismo
que se refere ao marketing das atrações turísticas inspiradas no modo de vida
indígena”, enquanto, para Wood (op.cit.p. 361), “Turismo étnico poderia ser

86 Ecoturismo indígena
definido pelo seu foco direto sobre pessoas vivendo uma identidade cultural
cuja singularidade está sendo comprada por turistas”.
Nas definições de Swain e Wood, o ponto comum reside na mercanti-
lização da cultura e da identidade, sendo que a primeira sugere que só ocorreria
com sociedades indígenas, e a segunda, em diversas manifestações de identi-
dades étnicas.
O turismo étnico citado acima acaba por banalizar a cultura, trans-
formando-a em produto de massa e mercantilizando os indivíduos em sua
coletividade. No turismo étnico, o nativo não está simplesmente lá para servir
as necessidades do turista; está ele mesmo “em exposição”, um espetáculo vivo
a ser recrutado, fotografado (VAN DEN BERGHE, 1984, p.345).
Ainda na opinião de Van Den Berghe,
o turismo étnico representa a última onda de expansão do capi-
talismo explorador para a mais remota periferia do sistema mun-
dial [...]. Povos do Quarto Mundo que foram primeiro repelidos
para regiões de refúgio – as ‘reservas nativas’ dos colonizados –
estão agora sendo ‘redescobertos’ como um recurso – e é justa-
mente dessa forma que indígenas sob “extrema marginalização”
se tornaram “uma atração turística primordial para afluentes via-
jantes do Primeiro Mundo em busca do outro primitivo, autên-
tico” (VAN DEN BERGHE, 1995, p.571).
Embora este tipo de turismo étnico, criticado por Van Den Berghe,
ainda seja majoritário no mundo, o Ministério do Turismo definiu que o
“Turismo Étnico constitui-se das atividades turísticas decorrentes da busca de
experiências autênticas em contatos diretos com os modos de vida e a identi-
dade de grupos étnicos”, opondo-se à ideia da mercantilização da cultura e dos
grupos étnicos.
Nesse tipo de turismo, o turista busca estabelecer um contato
próximo com a comunidade anfitriã, participar de suas ativida-
des tradicionais, observar e aprender sobre suas expressões cul-
turais, estilos de vida e costumes singulares. Muitas vezes, essas
atividades articulam-se com uma busca pelas próprias origens
do turista, em um retorno às tradições de seus antepassados
(MINISTÉRIO DO TURISMO, 2005, p.11).
Na nossa concepção, o turismo étnico é inspirado na diversidade
étnica dos povos com suas identidades específicas, sendo desenvolvido não

Ivani Ferreira de Faria 87


exclusivamente por eles, ou seja, ainda ocorre a representação destas identida-
des étnicas por outros grupos da sociedade nacional, fato que justificaria, em
parte, o caráter comercial da atividade. Também não é desenvolvido priorita-
riamente pelos povos indígenas, pois, de forma equivocada, a sociedade nacio-
nal ainda relaciona o prefixo “etno” apenas aos povos indígenas, esquecendo
que, no Brasil, existem outras nações e identidades étnicas reconstruídas, como
os quilombolas, italianos, alemães, pomeranos etc...
No turismo étnico realizado, sob a inspiração da cultura indígena, por
alguns grupos da sociedade nacional, o povo indígena representado deveria ter
participação no processo de gestão e no recebimento de royalties (ao respectivo
povo), e/ou compensação, pois se trata de um patrimônio cultural de proprie-
dade coletiva que estará sendo usado.
O turismo indígena, como o nome sugere, é o turismo desenvolvido
nos limites das terras indígenas ou fora deles com base na identidade cultural e
no controle da gestão pelo povo/comunidade indígena envolvida. Dessa forma,
não concordamos com Swain (1989) que define turismo indígena como “tipo
de turismo que teria suas bases na terra e na identidade cultural do grupo,
controlado por ele”, especificamente no que se refere à parte “teria suas bases
na terra” pelo fato de que muitos povos indígenas não querem essa atividade
dentro de suas terras, mas querem divulgar suas culturas como valorização da
identidade e algum ganho econômico, sem mercantilizá-la, fora dos limites da
terra indígena.
O fato de povos e comunidades indígenas desenvolverem atividades
turísticas fora dos limites de suas terras não desqualifica o tipo de turismo e
nem os valores culturais ou sua identidade, pois a cultura e a identidade per-
manecem com eles. Pode ser realizado nos núcleos populacionais, meio urbano
ou rural, de modo que não afete negativamente a cultura dos povos e comu-
nidades envolvidas por meio de várias estratégias que deverão ser pensadas e
planejadas junto com a comunidade, técnicos, entidades indígenas, indigenis-
tas e ambientalistas.
Denominamos ecoturismo indígena o ecoturismo promovido dentro
dos limites das terras indígenas através do planejamento/gestão participante e
comunitária, respeitando os valores sociais, culturais e ambientais dos diferen-
tes povos envolvidos em que a comunidade é a principal beneficiada.
Diante disso, o ecoturismo é a modalidade turística mais adequada a
ser desenvolvida nas terras indígenas, tendo em vista o planejamento e gestão

88 Ecoturismo indígena
participante e comunitária dos povos/comunidade indígena envolvida, pois
respeita e valoriza a organização sociopolítica e cultural milenar dos povos,
ao mesmo tempo em que promove a interação entre natureza e comunidade
em bases sustentável e conservacionista do patrimônio natural e cultural indí-
gena, proporcionando o bem viver minimizando os impactos indesejáveis à sua
territorialidade, pois passam a controlar os instrumentos de transformação da
sociedade vigente.
No nosso entendimento, planejamento participante consiste em pes-
quisa-ação, uma metodologia de construção conjunta e contínua que reúne
vários sujeitos sociais envolvidos diretamente nos projetos que se quer desen-
volver. Significa construir junto, permitindo a formação e capacitação dos
sujeitos considerados como protagonistas do processo histórico. Nesta pro-
posta, não nos referimos à ideia de comunitarismo de Sennett (2004), enfa-
tizando que a unidade (união, coletivismo) é uma falsa fonte de força de uma
comunidade gerada pelo capitalismo atual e nem a falsa ideia de participação
forjada pelo Estado como processo de manipulação social.
O planejamento e a gestão participante e comunitária significam,
antes de tudo, respeito à organização sociopolítica comunitária milenar dos
povos indígenas, à identidade cultural e territorial, uma vez que são os maiores
conhecedores do seu patrimônio natural e cultural que está em seus territórios.
Da forma como os projetos e o Plano de Desenvolvimento do
Ecoturismo do Amazonas estão sendo implementados não há nenhuma
possibilidade de inserção das comunidades tradicionais na gestão e no pla-
nejamento do ecoturismo. E a ausência de políticas públicas para o turismo
indígena agrava o risco, com impactos indesejáveis ao ambiente e à cultura
na medida em que dificulta o controle desta atividade pelos povos indígenas
dentro e fora dos limites de suas terras.
De acordo com Ferreti (1995), a premissa básica para o desafio de
desenvolver a região é a questão do patrimônio natural e cultural. O relacio-
namento do caboclo, do indígena com a natureza que o rodeia não pode ser
somente de contemplação, mas de gerenciamento correto de seus potenciais,
possibilitando-lhe a conquista de uma vida digna, principalmente nas comu-
nidades do entorno dos hotéis de selva, já que estes se referem a tais comuni-
dades em seus pacotes turísticos como atrativos para os turistas, sem a menor
preocupação e respeito com elas.

Ivani Ferreira de Faria 89


O ecoturismo e o ecoturismo indígena poderiam ser desenvolvidos no
Amazonas via efetivação de uma estrutura sólida e permanente como uma
Política Específica para este segmento, privilegiando diretrizes coerentes com
cada ecossistema e cultura das microrregiões que compõem o estado, além de
estabelecer critérios para a implantação dos lodges nas regiões.
A Política para o ecoturismo, como gestor do desenvolvimento regional,
deve assumir a responsabilidade e estabelecer prioridades e visão estratégica do
ponto de vista econômico, social e ambiental que o setor exige. Concretizar essa
gestão pública é fator prioritário para a preservação/conservação do ambiente
amazonense. A extensão territorial do Estado, sua baixa densidade demográ-
fica e seus potenciais de recursos renováveis e não-renováveis fazem da região
um locus natural de expansão econômica.
Não descartamos que o turismo indígena ou ainda na modalidade do
ecoturismo indígena tenha seu lado comercial. A diferença está na essência, na
finalidade e contexto em que é planejado e desenvolvido. Isto nos leva a refletir
como uma atividade da sociedade ocidental, com esta dimensão comercial e
capitalista, poderá ser inserida e apropriada pelos povos indígenas sem que
percam o respeito como seres étnicos, enquanto povo afirmando seus valores
culturais na era do capitalismo pós-moderno, com a sociedade em rede e de
economia flexível que afeta todos os aspectos da vida cotidiana.

IDENTIDADE ÉTNICA E POTENCIAL


ECOTURÍSTICO NA CIDADE INDÍGENA
Há necessidade de esclarecer para evitar confusões que trabalhamos
aqui com três categorias espaciais: o município de São Gabriel da Cachoeira, a
região do Alto Rio Negro e a Terra Indígena Alto Rio Negro. As duas primei-
ras apresentam características semelhantes com 95% da população indígena,
23 povos pertencentes a 04 famílias Aruak, Tukano Oriental, Japurá-Uaupés
e Yanomami que falam 20 línguas indígenas de cinco famílias linguísticas
Tukano Oriental, Aruak, Japura-Uaupés, Yanomami e Tupi (Nheengatu falado
pelos povos Baré, Werekena e parte dos Baniwa do Baixo rio Içana) e a Terra
Indígena do Alto Rio Negro, com 100% da população indígena, 22 povos das
famílias Tukano Oriental, Aruak e Jauprá-Uaupés falantes de 19 línguas indí-
genas. No município, além das línguas indígenas e do português, também se
fala em pequena escala o espanhol devido à faixa de fronteira.

90 Ecoturismo indígena
No município de São Gabriel da Cachoeira, integrante do Polo de
ecoturismo do Amazonas, existe de forma imprópria (clandestina) um tipo
de turismo que por vez inclui em seu roteiro algumas comunidades indígenas
ou atrativos em terras indígenas, como a Serra Ba’se Boo (Bela Adormecida -
Curicuriari), Serra de Cabari, Pico da Neblina e, na cidade Morro da Fortaleza,
Serra de Boa Esperança, praias e balneários, sem nenhum estudo/planejamento
o que pode promover vários problemas de ordem ambiental e cultural devido
ao desconhecimento e despreparo da população sobre esta prática social que é
o turismo.
Não consideramos estas práticas turísticas como sendo ecoturismo e
nem mesmo turismo ecológico. No máximo, poderiam ser entendidas como
turismo de natureza, uma vez que o atrativo é a natureza.
De acordo com Aquino (2004), as discussões sobre turismo no muni-
cípio iniciaram em 03 de Setembro de 1991, como parte das comemorações
dos cem anos da cidade de São Gabriel da Cachoeira, com a presença de um
Secretário de Estado do Turismo pela primeira vez.
No decorrer de 13 anos, foram muitos os estudos, pesquisas, levanta-
mentos e cursos realizados, com propósito de conscientizar e preparar a comu-
nidade para viabilizar a atividade turística no município por se tratar de um
dos maiores, se não o de maior, potencial turístico do estado, segundo as auto-
ridades e estudiosos do assunto (AQUINO, op.cit.).
Estas discussões produziram opiniões e documentos que hoje servem
de base para a abordagem do assunto na atualidade, os quais são:
• Estudos/Sugestões para o desenvolvimento do Turismo em São
Gabriel/Governo do Estado/ICOTI, julho de 1991;
• Estudos Básicos para o Estabelecimento do Perfil Turístico de São
Gabriel/Governo do Estado/EMAMTUR, fevereiro de 1993 (este
estudo elege o turismo como principal vocação do município, desta-
cando a necessidade de planejamento, de infraestrutura e da imprescin-
dível participação do governo estadual nesse processo);
• Diretrizes para Política Nacional de Ecoturismo/Governo Federal/
MICT/MMA, material literário para a preparação do município em
relação ao assunto;
• RINTUR – Relatório de Informações Turísticas/Governo Federal -
EMBRATUR, 1995 e 1996, processo que selecionou em todo o país
os 1500 (...) municípios com potencial turístico para participarem do
PNMT;

Ivani Ferreira de Faria 91


• Política Nacional de Turismo – Governo Federal/Vários Ministérios,
1996, conjunto de objetivos e estratégias a serem executadas pelo
estado e iniciativa privada, com a finalidade de promover e incrementar
o turismo em todo o país. Entre os muitos programas: CRH, PNFT,
PRODETUR/Amazônia, Amazônia Integrada/BNDES/FAT e
PNMT;
• Curso de Marketing Turístico, Realização de Eventos para a Captação
Turística, Governo do Estado/Prefeitura/SENAC, 1996;
• Criação da SEMATUR – Secretaria Municipal de Meio Ambiente e
Turismo, Prefeitura Municipal de SGC/1997. Durante todo esse tempo
e todos os acontecimentos acima mencionados, o assunto turismo flu-
tuava por vários setores da municipalidade;
• PDLIS/DLIS – Plano de Desenvolvimento Local Integrado e
Sustentável/Governo Federal, Programa Comunidade Solidária/
Governo do Estado/Parceiros/Prefeitura Municipal de SGC, 1999,
apontam o turismo como uma tendência natural economicamente e
como possível instrumento de desenvolvimento para a região;
• PNMT – Programa Nacional de Municipalização do Turismo/Governo
Federal/Governo do Estado, SEC, Comitê Estadual do PNMT/2000 e
2001, objetivava preparar o município para desenvolver políticas públi-
cas para o turismo. Infelizmente, em São Gabriel, foi encerrado antes
de sua conclusão;
• Pesquisa encomendada pelo Governo do Estado, realizada pela empresa
Amazônia Ambiental, para elaborar o diagnóstico do município para o
PROECOTUR/2001;
• COMTUR – Conselho Municipal de Turismo/marco de 2002, con-
cretização de um dos princípios básicos para a Municipalização do
Turismo/Monitores Municipais do PNMT, SEMATUR.
Realizações:
• Nomeação da Diretoria Executiva;
• Elaboração do Projeto de Lei de Criação do FUMDETUR – Fundo
Municipal para o Desenvolvimento do Turismo, ainda no Executivo
(parado no executivo até esta data);
• Contribuição e Assessoramento à SEMATUR,
• Discussão sobre os principais entraves para o turismo local;
• Interferência respaldada na legalidade às posturas negativas envolvendo
a questão turística e ambiental;

92 Ecoturismo indígena
• Discussão quanto ao exercício da atividade turística na sede municipal,
em áreas de conservação e em terras indígena, envolvendo estrutura
legal, infraestrutura, formação e capacitação profissional e organização
social;
• Discussão e estudos quanto ao segmento turístico ideal para SGC
(comunitário e participativo);
• Participação na I Oficina de Ecoturismo Indígena Yaneretama, do Rio
Negro/FOIRN, 16 a 18 de junho de 2004;
• Realização do I Seminário de Ecoturismo do Município, destacando o
núcleo urbano e o entorno/COMTUR, na Câmara Municipal 19 a 21
de junho de 2004;
• Sistematização do Material produzido no seminário, elaboração do
relatório final e encaminhamento da proposta/COMTUR/UFAM/
IBAMA, julho de 2004.
Na opinião de Aquino (2004)
a sociedade gabrielense tem, durante todo esse tempo, cami-
nhado sozinha em direção de seus objetivos turísticos. Tem sido
preterida pelas esferas governamentais e, assim, na esperança de
acertar, tem errado muito, porém, o pouco que se conseguiu até
agora foi por seus próprios méritos.[...]
De outra forma, a afirmação acima, visa na verdade dizer que nenhuma
das indicações constantes do diagnóstico local, tidas como prioritárias para o
município, foram implementadas. E que, até que se prove o contrário, as pro-
postas para o ecoturismo discutidas em São Gabriel da Cachoeira/Amazonas
pela FOIRN, UFAM, FUNAI e IBAMA em conjunto com o COMTUR são
as melhores para a região e o povo.
Não existem no município atrativos turísticos organizados que envol-
vam os povos e a cultura do lugar. Os turistas quando chegam se deparam com
um município totalmente indígena, mas sem os traços desta identidade, da
cultura no seu planejamento urbano e o que vem lembrar a presença dos povos
indígenas é uma loja de artesanato e a maloca da FOIRN. Podemos dizer que
apesar de ser um município indígena, não vemos na sua estrutura e/ou forma
de organização urbana ou nas esporádicas práticas do turismo a identidade
destes povos.
Mesmo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo
(SEMATUR) parece desconsiderar esse potencial para o turismo indígena
ou qualquer tipo de turismo, pois todos os planejamentos, poucos existentes,

Ivani Ferreira de Faria 93


estão voltados exclusivamente para o Festribal, festa anual que apresenta de
forma folclórica os povos indígenas da região, representados por agremiações.
A cidade e as políticas públicas existentes negam por completo a identidade
indígena do lugar.
Iniciativas particulares de algumas agências, intituladas por eles como
turismo de aventura com escalada para o Pico da Neblina, o Morro dos Seis
Lagos e roteiros com trilhas fluviais ao longo dos rios de água preta, como o
Negro e o Uaupés, eram realizadas com certa frequência até o fechamento pelo
Ministério Público Federal do Parque Nacional do Pico da Neblina no final de
2002, após denúncia da entrada de turistas na Terra Yanomami.
Ressaltamos que o Parque Nacional do Pico da Neblina é área de
sobreposição com a Terra Indígena Yanomami e encontra-se fechado até o
momento.
Apesar de fazer parte do Polo de Ecoturismo, a população ou a comu-
nidade em geral em nenhum momento foi convidada a participar de discussões
ou preparada para participar do Programa de Ecoturismo do Ministério do
Meio Ambiente (PROECOTUR) e não tinha conhecimento, no momento
da elaboração do plano de Desenvolvimento do Ecoturismo em São Gabriel
da Cachoeira, sobre os problemas e consequências que um turismo mal pla-
nejado pode acarretar ou ainda a importância que essa atividade pode ter na
conservação do patrimônio ambiental e cultural e como o ecoturismo pode ser
uma atividade de desenvolvimento sustentável, podendo melhorar sua condi-
ção de vida desde que seja organizado por meio do planejamento participativo
e comunitário com base nos princípios do etnodesenvolvimento.
No início dos anos 2000, tornou-se frequente por parte de agências de
turismo a solicitação de entrada de turistas na terra indígena junto a FOIRN e
FUNAI em São Gabriel da Cachoeira. Tal solicitação vem sendo negada pelas
comunidades por não terem nenhuma discussão acumulada sobre a temática.
Diante disso, a FOIRN (Federação das Organizações indígenas do
Rio Negro) com nossa colaboração, organizou em junho de 2004 a oficina
Yaneretama: sustentabilidade e ecoturismo indígena, com participação das
lideranças do Conselho diretor da FOIRN bem como de suas associações
filiadas, resultando na proposta da realização de oficinas nas comunidades para
elaboração de diagnóstico/levantamento do potencial e das diretrizes e prin-
cípios para o ecoturismo na região. Posteriormente, o Conselho Municipal
de Turismo (COMTUR), realizou o seminário Ecoturismo: Perspectivas e

94 Ecoturismo indígena
desafios em São Gabriel da Cachoeira que resultou em um relatório, apon-
tando os principais problemas ambientais, sociais, culturais e de infraestrutura
urbana bem como diretrizes que deveriam ser seguidos para o planejamento
do ecoturismo no meio urbano e uma proposta de emenda à Lei Orgânica que
trataria do planejamento do turismo no município.
As discussões do seminário foram subsidiadas por uma análise de ambi-
ência do município, elaborada de forma participante pelos alunos do curso de
Especialização Turismo e Gestão Territorial, promovido pelo Departamento
de Geografia da Universidade Federal do Amazonas, entre eles indígenas da
região, durante a disciplina Turismo em Terras Indígenas, ministrada pela
autora em 2003.
Diante destas iniciativas e das sugestões do seminário, também foi dis-
cutido um projeto que promovesse a educação patrimonial, ambiental e para o
ecoturismo nas escolas e nas comunidades dos bairros de São Gabriel intitu-
lado “Yassú Yaconhecere Yané Tawa”, nome em Nheengatu que em português
significa “Vamos Conhecer a nossa Cidade”.

a) Curso de Pós-graduação Lato Sensu: Especialização


em Turismo e Gestão do Território
O curso foi promovido pelo Departamento de Geografia, da
Universidade Federal do Amazonas, no período de agosto 2002 agosto
2003 com carga horária de 446 horas. Foi solicitado ao Reitor da UFAM por
meio de um documento assinado por alunos recém formados dos cursos de
Geografia e Ciências Sociais bem como por demais pessoas do município que
verificaram que precisavam ter mais conhecimentos sobre o tema devido à
inclusão do município no Plano de Desenvolvimento do Polo de Ecoturismo
do Estado para poderem planejar e gerenciar o turismo e/ou ecoturismo do
lugar e não por agentes exógenos aos conhecimentos locais, como ocorre nor-
malmente quando da instalação de políticas ou de projetos deste segmento.
Teve como objetivo formar e capacitar a comunidade para o plane-
jamento do turismo, utilizando os princípios do etnodesenvolvimento e do
planejamento participante e comunitário.
Princípios:
• Planejamento e gestão participante comunitária do turismo;
• Autonomia dos povos indígenas;
• Valorização e conservação do patrimônio cultural ambiental ;

Ivani Ferreira de Faria 95


• Valorização da língua indígena.
Houve a formação de 41 especialistas em Turismo e Gestão do
Território que apresentaram os seguintes trabalhos de conclusão de curso:
Seen Retana: sabor da Terra; Madzerukai: conhecimento mítico; Yane retama
– trilha interpretativa para a Serra de Cucui; Yanerimbiu Kuemete; Rumo ao
Massarabi; Ecoturismo: cultura no esporte e lazer em Sta. Izabel do rio Negro;
Dabucuri – apresentação de ritual de confraternização; Ilha do Sol – trilha;
Madre Niatohore Ma’iria (costurando o futuro); Yepá Díroa Masã Ukusehé
Nisetishé; Revitalizando a nossa arte: casa dos artesãos (Sta Izabel do rio
Negro); Wy Ruka Dabaru; Bahuro: paisagem e mito; Trilha Ecológica: Ilha de
Bela Vista; Trilhas fluviais no Arquipélago de Mariuá (Barcelos); Ecoturismo
na Comunidade das Mercês; Yanerimbiu: nossa comida.

b) Seminário Ecoturismo: Perspectivas e


desafios em São Gabriel da Cachoeira
O Seminário teve como objetivo definir o segmento do turismo bem
como princípios e diretrizes para São Gabriel da Cachoeira e elaborar propos-
tas para regulamentar esta atividade no município por meio do planejamento
participativo comunitário.
Participaram deste evento comunidades de bairros, alunos do ensino
médio, fundamental e superior, professores, instituições não governamentais,
como FOIRN, ISA, IBDS, Conselho dos Professores Indígenas do Rio Negro
(COPIARN), Associação de professores Indígenas do Rio Negro (APIARN)
e governamentais, como FUNAI, IBAMA, Secretaria do Meio Ambiente e
Turismo, Escola Agrotécnica Federal e Universidade Federal do Amazonas.
Princípios para o planejamento do turismo no município:
• O Ecoturismo e o turismo indígena são os mais adequados à organi-
zação social, cultural e ambiental do município e deve ser desenvolvido
por meio do planejamento, gestão comunitária e participativa, envol-
vendo as comunidades do lugar;
• Valorização e respeito à diversidade cultural do município;
• Valorização e conservação do patrimônio cultural material e imaterial;
• Ecoturismo não deve ser atividade principal e sim complementar às
demais do município;
• Valorização e formação dos recursos humanos locais;
• Valorização das atividades tradicionais;

96 Ecoturismo indígena
• Construção de equipamentos turísticos e de apoio de acordo com a
identidade territorial e cultural do lugar;

Encaminhamentos:
• Introdução de um capitulo com os princípios e diretrizes para o turismo
em São Gabriel da Cachoeira na Lei Orgânica do município;
• O projeto de emenda à Lei Orgânica deverá ser discutido pela comuni-
dade por meio de reuniões que serão realizadas nos bairros;
• Encaminhar à prefeitura solicitação de retirada da caixa d’água da
Cosama do Morro da Fortaleza, por este se tratar de um patrimônio
histórico do município e constituir-se em crime contra o patrimônio e
a saúde pública;
• Encaminhar ao Exército solicitação para devolução dos 5 canhões que
fazem parte do conjunto arquitetônico do Morro da Fortaleza;
• Encaminhar ao IBAMA e Ministério Público Federal solicitação para
que se cumpra a deliberação do MP na audiência pública quanto à
realização do Plano de Uso Público do Parque Nacional do Pico da
Neblina, liberando-o para visitação em caráter de urgência;
• Encaminhar à FUNAI solicitação para averiguação sobre a localização
da Ilha dos Reis em Terras Indígenas e pedir reintegração de posse
como Terra Indígena do Médio Rio Negro.
Todas as propostas acima foram encaminhadas e estão aguardando
respostas dos órgãos competentes.
A minuta de emenda à Lei Orgânica do município que trata das
Políticas de Turismo foi encaminhada à Câmara Municipal cuja votação seria
em 2004, mas até o momento não foi discutida
Com base na análise e interpretação da Ambiência externa e interna e
do Diagnóstico do Município de São Gabriel da Cachoeira realizado durante
o curso de especialização Turismo e Gestão Territorial em 2003, e de acordo
com os resultados do seminário, identificou-se a necessidade de implementa-
ção das diretrizes, estratégias e ações para o desenvolvimento do ecoturismo
neste município.
Problemas que dificultam o desenvolvimento do ecoturismo em São
Gabriel da Cachoeira:
• Insuficiência da rede hoteleira e da sua infraestrutura turística;
• Carência de profissionais qualificados nos meios de hospedagem e nos
serviços de alimentação;

Ivani Ferreira de Faria 97


• A falta de infraestrutura, junto aos atrativos ecoturísticos locais, consti-
tui uma séria ameaça à sustentabilidade dos mesmos. Atrativos naturais
e culturais ficam, frente ao problema, expostos às ações de intempéries
e dos turistas;
• A água poluída (poços) ou imprópria (águas do rio Negro naquele tre-
cho) para o consumo humano. O tratamento ainda insuficiente das
águas do rio Negro, feito pela COSAMA, deve se constituir uma real
preocupação em todo o município.;
• Com relação ao saneamento ambiental e à saúde pública do municí-
pio, deve-se ressaltar o grande percentual de incidência da malária e de
doenças transmissíveis por via hídrica. O desenvolvimento da atividade
deve estar atrelado, inevitavelmente, ao combate das referidas doen-
ças, com objetivos de controle e de erradicação das mesmas em todo o
município;
• Acesso a importantes atrativos ecoturísticos do município apresenta,
também, limitações para o incremento da atividade em São Gabriel da
Cachoeira. A BR 307, que dá acesso ao Parque Nacional do Pico da
Neblina – um dos atrativos mais visitados em todo município, necessita
de pavimentação e recuperação das 13 pontes existentes;
• Em relação ao transporte dos ecoturistas para os principais atrativos
ecoturísticos do município, é de se ressaltar que, atualmente, é insufi-
ciente em quantidade e na qualidade dos serviços prestados, merecendo
atenção por parte das empresas privadas, ligadas ao turismo e por parte
do governo local;
• Preços elevados das passagens aéreas que, na grande maioria das vezes,
inviabilizam o município dentro dos roteiros ecoturísticos.
• Deve-se ressaltar o sério problema de pressão sobre os recursos natu-
rais, exercidas por atividades ilegais e danosas ao meio ambiente, como,
por exemplo, o garimpo clandestino e a extração de areia e seixos. A
sobreposição das áreas indígenas às áreas correspondentes às unida-
des de conservação gera conflitos de uso e, consequentemente, para o
futuro, degradação daquilo que se deseja conservar. A questão das terras
indígenas constitui, assim, um dos temas centrais a serem considerados
em São Gabriel da Cachoeira;
• Riscos de descaracterização da cultura indígena, frente a um turismo
despreocupado em conservar o patrimônio cultural das diferentes etnias,
existentes no município, devem, também, ser alvo de preocupação. Para

98 Ecoturismo indígena
tanto, estratégias e ações de resgate e valorização da cultura local apare-
cem como relevantes para o desenvolvimento da atividade;
• Falta de políticas públicas voltadas para este setor, seja para atender a
demanda local, seja para atender a demanda dos ecoturistas que, atual-
mente, chegam em São Gabriel da Cachoeira.
Reiteramos que o fenômeno turístico e suas consequências, para as
comunidades e áreas receptoras, precisam ser plenamente, entendidos pela
comunidade local. A clareza, em relação aos impactos potenciais advindos
da atividade, possibilita que a comunidade decida em relação ao turismo que
deseja, traçando cenários futuros, condizentes com seus anseios e necessida-
des. A forte organização comunitária do município aponta, inevitavelmente,
para o planejamento e para a gestão participativa da comunidade na atividade
ecoturística.
As principais recomendações para viabilizar o desenvolvimento do
ecoturismo no município são:
• A cultura indígena é uma das potencialidades do município em rela-
ção à atividade ecoturística. O planejamento e a gestão participativa da
atividade são reivindicações dos povos indígenas e necessárias para o
desenvolvimento sustentável da atividade. Entretanto, algumas ques-
tões devem ser observadas em prol de um ecoturismo que possa bene-
ficiar os diferentes povos e conservar o patrimônio existente;
• Organização comunitária - apoio e fortalecimento das organizações
comunitárias - oficinas de ecoturismo com base comunitária, criação de
cooperativas de artesãos, doceiras;
• Capacitação de recursos humanos locais para ingresso na atividade eco-
turística com cursos de capacitação de guias especializados em ecotu-
rismo, de culinária regional e local, relações humanas e atendimento ao
público e de idiomas;
• Conservação de recursos naturais - elaboração de Plano de manejo par-
ticipativo e fiscalização para unidades de conservação com potencial
ecoturístico (Parque Nacional do pico da Neblina e Morro dos Seis
Lagos, Ba'se Bo);
• Implementação de modelos participativos de gestão das unidades de
conservação (formação e capacitação de agentes e monitores ambien-
tais comunitários);
• Criação de programa de educação ambiental, patrimonial e para o eco-
turismo nas escolas e comunidade;

Ivani Ferreira de Faria 99


• Conservação do patrimônio cultural - restauração do Teatro São
Gabriel e do Morro da Fortaleza; resgate e valorização da cultura indí-
gena. Entretanto, poderão ser desenvolvidos cursos de multiplicadores
de artesanatos e culinária específicos de cada nação, construção de tri-
lhas interpretativas de acordo com mitos, fomento à comercialização
dos produtos indígenas;
• Criação de um centro cultural (Museu Maloca)
• Planejamento e gestão participante comunitária no desenvolvimento
das atividades ecoturísticas;
• Elaboração de projetos de desenvolvimento socioeconômico sustentá-
vel com tecnologias de baixo impacto ambiental para o município -
açudes para piscicultura, comercialização de artesanatos, entre outros;
• Elaboração do Plano Diretor – estabelecer as normas de uso e ocupação
do solo urbano e formas de apropriação do espaço pelo ecoturismo com
legislação específica.

Melhoria da Infraestrutura Ecoturística:


• Infraestrutura de acesso - pavimentação e recuperação de 13 pontes na
BR 307, reforma do porto de Camanaus, políticas de barateamento dos
transportes, principalmente o aéreo e melhoria do transporte fluvial;
• Infraestrutura básica urbana - ampliação do potencial de geração de
energia elétrica, políticas públicas para o saneamento, aterro sanitário
e compostagem de lixo, construção de sarjetas, embelezamento e ajar-
dinamento das vias públicas com espécies locais, sinalização turística,
iluminação pública e urbanização da praia, levando em consideração a
identidade territorial e cultural e a Lei de co-oficialização das línguas
indígenas;
• Equipamentos turísticos – melhoria na infraestrutura hoteleira (cons-
trução, ampliação e reforma dos hotéis com aumento do número de
leitos, adequação da arquitetura à região) e de serviços gastronômicos
(restaurantes com comidas indígenas e regional, lanchonetes com café
regional, cujas instalações deverão ser adequadas às normas da vigi-
lância sanitária), construção de Centros de Atendimento ao Turista e
roteiros ecoturísticos;
• equipamentos de apoio - aumento e melhoria no sistema de saúde
(aumentar o número de postos de saúde e dos equipamentos hospi-
talares), criação da rede de entretenimento que atenda à população
local e também aos turistas, com referência na cultura local (atividades

100 Ecoturismo indígena


desportivas, espetáculos com danças e músicas indígenas que possam
ser mostrados).

Atrativos Ecoturísticos
Ressalta-se que o maior atrativo ecoturístico da região é a geografia
mítica, onde há a fusão do patrimônio natural com o cultural permitido pela
presença dos povos indígenas. Todas as formações físico-geográficas tomam
vida e significado por meio das histórias de origem, das estórias específicas.
Uma mesma formação pode ter vários significados dependendo da história de
cada povo cujo patrimônio natural e cultural é indissociável.
A geografia mítica é a expressão e representação do patrimônio indí-
gena materializado no território onde os aspectos culturais imateriais fundem-
-se. O patrimônio é compreendido não somente como sistema de produção
de valores, mas também como um instrumento de produção e transmissão de
conhecimentos ligados à cultura de determinado povo. Para os povos indígenas
do Rio Negro, não há como separar o material do imaterial, cada rio, serra,
cachoeira tem seu significado conforme a origem destes povos, resultando na
geografia mítica e no conceito de patrimônio.
Para os povos indígenas, o patrimônio é um só
tudo que nós temos. As árvores, pedras, nossas casas, as serras,
nossa língua, nossos cantos, danças, os animais, os rios, a comida,
os nossos conhecimentos sobre ervas e plantas, artesanatos. Tudo
que precisamos para viver que têm muito valor para nós. É a
nossa riqueza (DUARTE, 2007).
Como atrativos, destacamos o Festribal (figura 03), os artesanatos
(figura 04) e as comunidades indígenas com suas danças, músicas, línguas indí-
genas (figuras 05 e 06). Comunidades indígenas (modo de vida, atividades
tradicionais), comidas típicas (quinhampira, mujeca, peixe moqueado, peixe
assado, beiju, sucos e doces e frutas locais) e a Geografia Mítica – trilhas inter-
pretativas (lha de Adana, Ba’se Boo, Casa do Musum etc.).

Ivani Ferreira de Faria 101


Figura 03 – Festribal. Paulo Lira, 2004. Figura 04 – Artesanatos Yanomami.
Ivani Faria, Maturacá, 2006.

Figura 05 – Dança do Karissu. Paulo Lira, Figura 06 – Dança do Japurutu.


Taracuá, 2006. Ivani Faria, São Gabriel, 2006.

A Ilha de Adana (figura 07) e as cachoeiras de Cucuri e Buburi não são


somente ilha e cachoeira e, muito menos, um fenômeno hidrológico e geomor-
fológico. São, ao mesmo tempo, partes das estórias do povo Baré que relata o
casamento de uma moça Baré com um determinado indígena, mas fugiu com
outro de quem gostava na noite após a cerimônia, porém, os três morreram
afogados. Ela se transformou na ilha e os dois, nas cachoeiras que a circunda
que levam seus nomes, localizados na orla de São Gabriel da Cachoeira.
A Serra denominada pelo brancos como “Bela Adormecida” é cha-
mada na língua Tukano de Ba’se Bo e Wariró (figura 08), que contam também
o história da casa da comida, lugar de muita fartura, mas devido a um desgosto
sofrido, castigou a aldeia com a fome. A imagem que vemos é uma ilusão de
ótica, pois, na verdade, são três serras próximas uma da outra.

102 Ecoturismo indígena


E assim todas as formações, rios, cachoeiras, meandros, pedras, árvores
e mesmo os lugares que estão ao longo das calhas dos rios têm significado de
acordo com as histórias de origem de cada povo do Rio Negro.

Figura 07 – Ilha de Adana. São Gabriel da Cachoeira. Figura 08 – Basé Boo (Bela Adormecida).
Paulo Lira, 2004. Paulo Lira, 2004.

A grande maioria desses atrativos não está associada a qualquer tipo de


infraestrutura, seja ela básica, de serviço ou ecoturística.
Com fisiografia única no Estado resultante da sua formação geoló-
gica, geomorfológica e hidrográfica particulares, a região proporciona atrativos
naturais diferenciados, como inúmeras serras, picos, praias e ilhas, cachoeiras e
corredeiras que dão singularidade ao município e potencializam o ecoturismo.
São exemplos disso: Serra do Curicuriari - Ba’se Bo, Serra de Cucuí,
Serra de Cabari; rios de água preta, como o Uaupés, o Içana e o Negro;
Cachoeiras de Tunuí, de Uacara, Uapuí e de Aracu; praias urbanas do Mussum,
Cagara e do Jaú, utilizadas frequentemente como áreas de lazer pelos morado-
res; Ilha das Flores, dos Reis, do sol e de Adana.

c) Yasú Yaconhecere Yané Tawa: educação ambiental, patrimonial


e para o ecoturismo em São Gabriel da Cachoeira.
O município tem aproximadamente 46.000 habitantes e cerca de
15.000 habitam a sede do município atualmente (Prefeitura Municipal, 2010).
Com o êxodo das Terras Indígenas à procura de oportunidades de escolariza-
ção e de trabalho, a cidade está inchando e os problemas ambientais urbanos
estão se tornando visíveis. Problemas, como poluição por esgoto sanitário e
lixo nos igarapés e rios, nas praias e nas vias públicas, elevada concentração

Ivani Ferreira de Faria 103


de cachorros soltos nas ruas e praias e a falta de saneamento básico vêm pro-
movendo a incidência de doenças como dengue, malária, verminoses etc na
população.
O objetivo geral do projeto é promover a educação ambiental, patri-
monial e conhecimentos sobre ecoturismo com base nos princípios do etnode-
senvolvimento nas escolas da sede do município de São Gabriel da Cachoeira.
Objetivos específicos:
• Discutir com a comunidade escolar sobre a importância da conservação
e valorização do patrimônio natural e cultural;
• Conscientizar o aluno sobre os impactos desejáveis e indesejáveis do
ecoturismo na sua comunidade, no Brasil e no mundo;
• Preparar o jovem para atuar como agente de conscientização e divulga-
ção da conservação ambiental e do ecoturismo junto à população;
• Formar professores e lideranças comunitárias para atuarem como agen-
tes de educação ambiental e patrimonial junto à comunidade local por
meio da pesquisa participante.
O programa visa discutir e promover a educação ambiental e conhe-
cimentos sobre o ecoturismo, através da pesquisa teórica e prática de campo,
possibilitando a conservação e valorização do patrimônio ambiental e cultural
por meio de oficinas, visitas monitoradas ao patrimônio ambiental e cultural,
elaboração de trilhas interpretativas, construção de mapas e croquis dos atra-
tivos e roteiros ecoturísticos. Será desenvolvido em duas etapas, a primeira,
nas escolas com professores e alunos e a segunda, na comunidade (inicial-
mente com as lideranças comunitárias e de associações e posteriormente com
a comunidade em geral), onde se trabalhará com dois eixos temáticos básicos
compreendendo teoria e prática; valorização cultural e ecoturismo e conservação
ambiental e ecoturismo.
A segunda etapa do projeto será desenvolvida a partir dos resultados
obtidos com a pesquisa participante dos professores e alunos junto com as
comunidades dos bairros do município.
O programa também prevê a elaboração de material literário (livro)
construído coletivamente para auxiliar na segunda etapa com a comunidade,
valorizando e usando as línguas indígenas (as três co-oficiais) e a cultura local e
ações de políticas públicas que deverão contribuir para seu êxito, como limpeza
de vias públicas, arborização e ajardinamento, disposição de lixeiras, destino de
animais abandonados, aterro sanitário etc.

104 Ecoturismo indígena


O programa contava com a parceria da FOIRN, IBAMA, Secretaria
municipal de Saúde, Distrito Sanitário Indígena e assessoria técnica do Grupo
de pesquisa e Estudos: planejamento e gestão do território na Amazônia da
UFAM/CNPq.
Participantes: alunos do ensino fundamental (5ª a 8ª série) e ensino
médio; professores de Geografia, Ciências, Biologia, língua portuguesa e artes
do ensino médio e fundamental; comunidades, associações de bairros e de pais.
Vale ressaltar que grande parte dos professores é especialista em Turismo e
Gestão Territorial.
O sucesso da implementação das ações voltadas para o ecoturismo
depende do fortalecimento institucional, interinstitucional, com parcerias
entre organizações comunitárias, poder público, iniciativa privada e institui-
ções de pesquisa. Foi necessário discutir junto com as comunidades a iden-
tidade do turismo que pretendem para suas terras e para o município, fator
que ficou claro durante as reuniões ocorridas durante os anos de 2004 e 2005.
Infelizmente o projeto não saiu do papel.
Até 2013, nenhuma atividade de ecoturismo foi realizada pelo governo
municipal, estadual e federal no município. Acredita-se que o fato do muni-
cípio ter sido preterido em relação a outros como Barcelos, Manacapuru e até
mesmo Rio Preto da Eva pelo PROECOTUR, fez com que o ecoturismo
não tenha sido implantado o que foi positivo porque poderíamos nos deparar
com atividades descontextualizadas da identidade territorial e cultural como
casa em árvores, caminhada na trilhas, focagem de jacaré etc, ou quem sabe
pesca esportiva em uma região em que a piscosidade é muito baixa em relação
a outros rios. Desta forma, a ausência do Estado, favoreceu a conservação e
preservação do patrimônio indígena.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Desta forma, o ecoturismo indígena pode ser entendido como uma
alternativa para valorização cultural, ambiental e patrimonial, desde de que
seja uma atividade pensada como meio e não como fim em um processo de
gestão territorial juntamente com outras atividades tradicionais que devem ser
continuar sendo realizadas.
Devido à ausência de sensibilidade, de conhecimento por parte dos
promotores e planejadores desta atividade, considerada capitalista, da cosmo-
logia dos povos indígenas e principalmente por mercantilizar e transformar a

Ivani Ferreira de Faria 105


cultura, a natureza e até mesmo o ser indígena em capital, bem como o despre-
paro dos povos indígenas ainda em relação a sua gestão que o turismo deve ser
a última atividade a ser desenvolvida em terras indígenas enquanto existirem
outras possibilidades.
Qualquer tipo de gestão e planejamento do turismo em terra indígena
e com outras comunidades e povos tradicionais deve partir da participação,
discutindo com as comunidades, esclarecendo sobre as dúvidas, receios, formas
de organização, valorizando o conhecimento pré-existente, tradicional ou não,
a identidade cultural e territorial do lugar, as territorialidades, permitindo que
os sujeitos sociais envolvidos possam decidir e serem donos do próprio destino.
Neste contexto, eliminam-se as formas de participação forjadas e arti-
culadas pelo Estado e outras instituições que se aproveitam das metodologias
participativas para controlar a vontade e o projeto de futuro das comunidades,
dos povos tradicionais ou não, minoritários ou não.
Deve-se ressaltar que São Gabriel é um município com uma caracte-
rística ímpar por sua identidade indígena. Um município indígena, fator que
o torna diferente da maioria dos municípios e que merece um planejamento
territorial do turismo diferenciado que respeite esta identidade e que seja cons-
truído de maneira participante e comunitária, o que vem reforçar a formação e
organização sociocultural e política dos povos que o habitam.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AQUINO, S. Diagnóstico sobre o turismo em São Gabriel da Cachoeira. São Gabriel da Cachoeira,
2004 (mimeo).
BOULLÓN, R. C. Planejamento do Espaço Turístico. São Paulo: EDUSC, 2002.
FARIA, I. F. de. Território e Territorialidades Indígenas do Alto Rio Negro. Manaus: EDUA,
2003.
________. Ecoturismo Indígena. Território, Sustentabilidade, Multiculturalismo: princípios para a
autonomia. 2007. 223f. Tese (doutorado em Geografia) Universidade de São Paulo, São Paulo,
2007.
FREIRE, P. Criando Métodos de Pesquisa Alternativa: aprendendo a fazê-la melhor através da
ação. In: BRANDÃO, C.R. Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, 1981.
MINISTÉRIO DO TURISMO. Segmentação do Turismo. Conceitos. Documento preliminar,
não revisado. Brasília: Ministério do Turismo, 2005.
OMT – Organização Mundial do Turismo. Guia de Desenvolvimento do Turismo Sustentável.
Porto Alegre: Bookman, 2003.
SAHLINS, M. “O Pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é
um “objeto” em via de extinção”. Mana. V.3 n.1. Rio de Janeiro/Museu Nacional, abril de 1997.

106 Ecoturismo indígena


RAHNEMA, M. Participation. In: SACHS, Wolfgang. The Development Dictionary. Londres:
Zed Books Ltda,1992.
SANTOS, M. Espaço do cidadão. São Paulo: Nobel, 1987.
SWAIN, M. B. Gender roles in indigenous tourism: Kuna Mola, Kuna Yala: an cultural survival.
In: SMITH, V. (Org.). Hosts and guests: the anthropology of tourism. University of Pennsylvania
Press, 1989, 187 p.
VAN DEN BERGHE, P. L. Marketing Mayas: ethnic tourism promotion in Mexico. Annals of
Tourism Research, vol 22, n.3, p.568-88, 1995.
VAN DEN BERGHE, P. L & KEYES, C. F. Introductions: tourism and re-created ethnicity.
Annals of Tourism Research, vol.11, p.343-52, 1984.
WOOD, R. E. Ethnic tourism, the state and cultural change in southeast Asia. Annals of
Touirsm Research. Vol. 11, p.353-74, 1984.
YÁZIGI, E. A alma do Lugar. São Paulo: Contexto, 2001.

Ivani Ferreira de Faria 107


Modernização Turística: o papel do turismo nos
discursos dominantes de desenvolvimento

Mozart Fazito1

INTRODUÇÃO
A maioria dos livros e artigos acadêmicos da área de turismo mostram,
em algum momento, o tamanho da indústria global do turismo, em termos de
geração de empregos e renda, fluxo turístico e gastos dos turistas, como uma
forma de ressaltar a importância do setor na economia atual. Esses números
são muito altos e chamam atenção para a importância do turismo num mundo
em que somente esses números são importantes. A Organização Mundial de
Turismo registra que o turismo internacional gerou 1,2 trilhão de dólares em
2011, o que representou 30% das exportações de serviços, e 6% das exportações
de todos os bens e serviços no mundo naquele ano. A mesma organização tam-
bém prevê que o fluxo mundial de turistas em 2012 ultrapassará a barreira dos
um bilhão, e antevê um aumento para 1,8 bilhão até o ano de 2030 (UNWTO,
2012).
Apesar de números como os acima parecerem uma justificativa per-
feita para a importância do turismo como objeto de estudo e como elemento
do processo de desenvolvimento, eles seguem de forma acrítica um discurso
de desenvolvimento que domina o espectro político global desde o período
pós-guerra, e que tem causado graves impactos sociais e ambientais: o discurso
da modernização. É exatamente por ser um discurso hegemônico que essas
justificativas soam tão acertadas a partir de uma leitura superficial. O conceito
de modernização propõe que o principal objetivo do exercício de desenvol-
vimento é gerar uma sociedade de altos níveis de consumo. Ele propõe um
entendimento de desenvolvimento como um processo linear que opõe aquilo
que é tradicional (atrasado, subdesenvolvido) daquilo que é moderno (avan-
çado, desenvolvido). O papel do turismo nesse conceito de desenvolvimento é

1 Doutor pelo Programa em Desenvolvimento Sustentável da Escola de Geografia, Planejamento e


Políticas Ambientais da University College Dublin. mozart.fazito@gmail.com

108
exatamente o de transformar em bens de consumo aquilo que não é desejável.
Lugares que não foram completamente ‘modernizados’ são vistos como ‘atrasa-
dos’, ‘exóticos’, ‘distantes’, ‘desconhecidos’; lugares para ‘aventura’ e ‘descoberta’.
Lugares com essas características são explorados como destinos turísticos. A
modernização turística vê o turismo como a indústria mais adequada para ocu-
par lugares não modernizados.
O presente artigo tem como objetivo descrever e discutir as bases teó-
ricas e os resultados práticos da modernização, assim como recomendar para
a comunidade acadêmica a análise de discursos alternativos que mantenham
uma postura crítica aos discursos dominantes de desenvolvimento turísticos e
que foquem na emancipação das pessoas e de suas comunidades.

A TEORIA DA MODERNIZAÇÃO
Apesar de haver estudos de desenvolvimento anteriores ao período
pós-guerra, baseados na dicotomia entre as abordagens focadas no mercado,
de Adam Smith, e nas teorias voltadas para o papel do Estado, de Karl Marx,
o ponto de partida deste artigo é o momento após o fim da Segunda Grande
Guerra, quando o sistema de colonização estava sendo substituído por um
novo modo de relações geopolíticas globais. Mais precisamente, esta análise
começa com o discurso de posse do presidente americano Harry Truman, em
1949. Parte desse discurso é citada abaixo:
Mais da metade das pessoas do mundo vive em condições mise-
ráveis. (...) Sua vida econômica é primitiva e estagnada. (…) Pela
primeira vez na história, a humanidade possui o conhecimento e
a capacidade necessária para aliviar o sofrimento dessas pessoas.
(...) Eu acredito que nós deveríamos possibilitar aos povos pací-
ficos os benefícios do nosso conhecimento técnico para ajudá-
-los a concretizar suas aspirações para uma vida melhor. (...) Nós
pensamos num projeto de desenvolvimento baseado no comér-
cio justo e democrático. (...) Uma maior produção é a chave para
a prosperidade e a paz. E a chave para uma maior produção é
a aplicação do conhecimento moderno científico e técnico de
forma mais ampla e vigorosa (apud ESCOBAR, 1995, p. 4).
O discurso de Truman fomentou entre as sociedades do norte global
a ideia otimista de salvar os povos do mundo todo da pobreza e do subdesen-
volvimento. Esse programa de desenvolvimento ficou conhecido como o Point

Mozart Fazito 109


Four Program (Programa Ponto Quatro) por ser o quarto tópico do seu dis-
curso, e que pôs o desenvolvimento no centro das preocupações políticas pela
primeira vez na história (TUCKER, 1999).
Mas uma análise mais pormenorizada das palavras do presidente
Truman proporciona algumas pistas sobre seu conceito de desenvolvimento,
o qual viria a se tornar o conceito hegemônico em quase todo o globo nas
décadas seguintes. Primeiramente, subdesenvolvimento é caracterizado pelas
palavras ‘primitivo’ e ‘estagnado’. A chave para o desenvolvimento, por sua
vez, é ‘uma maior produção’. Para se mover da condição de subdesenvolvido
para desenvolvido, a receita está na última frase: ‘a aplicação do conhecimento
moderno científico e técnico de forma mais ampla e vigorosa’. Em suma, esse
conceito de desenvolvimento foca no aumento da produção e do consumo
como os principais objetivos a serem atingidos por uma sociedade, e opõe o
que é tradicional (atrasado, ruim, subdesenvolvido) do que é moderno (avan-
çado, bom, desenvolvido), daí seu nome ‘Teoria da Modernização’.
A ideia de desenvolvimento que Truman expressou em seu discurso
foi teorizada por Rostow (1960). Ele basicamente descreve cinco estágios de
desenvolvimento, desde uma sociedade tradicional e primitiva até uma socie-
dade de alto consumo. O quadro 1 mostra esses estágios.

Quadro 1: Os Estágios do Desenvolvimento Econômico, de Rostow (1960)


Fonte: Adaptado de Rostow (1960)

A decolagem (takeoff) é o conceito central na teoria de Rostow, e se


refere basicamente ao ‘gatilho’ do processo para se ‘modernizar’ e atingir uma
sociedade de alto consumo. Essa teoria reduziu o conceito de desenvolvimento
simplesmente a crescimento econômico, negligenciando os aspectos sociais,
ambientais e culturais também inerentes ao processo de desenvolvimento. Ela

110 Modernização turística


é baseada na ideia de que todas as sociedades seguem um inevitável processo
linear, do atrasado para o moderno – da agricultura para a indústria, do rural
para o urbano, enfim (TELFER; SHARPLEY, 2007). Nas palavras de Rostow:
É possível se identificar todas as sociedades, em suas dimensões
econômicas, em uma das cinco categorias de desenvolvimento
de uma sociedade: a sociedade tradicional, precondições para a
decolagem, a decolagem, o caminho da maturidade e uma socie-
dade de consumo de massa (ROSTOW, 1960, p. 4).
No período pós-guerra, as nações ricas e as recém-criadas instituições
de Bretton-Woods – O Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional
(FMI) – estavam se esforçando para difundir o discurso da modernização para
o resto do mundo. No entanto, naquele período a Comissão Econômica para
a América Latina e o Caribe (CEPAL) já contestava as intervenções dos paí-
ses ricos sobre os pobres para difundir a modernização. Seu presidente, Raúl
Prebisch, já era um crítico da dependência dos países periféricos aos países
centrais (ver PREBISCH, 1986). Essa crítica baseia a ‘teoria da dependência’,
que defende que o subdesenvolvimento não é uma condição original a ser
suplantada através da integração da economia mundial, mas é uma condição
criada por essa integração (FRANK, 2004). Os teóricos da dependência criti-
caram a modernização por ser uma ideologia utilizada para justificar o envol-
vimento e a dominação ocidental sobre os países do sul global (TELFER,
2002). De fato, como observado por Tucker (1999), os teóricos de dependên-
cia formaram o primeiro grupo a propor um desafio acadêmico ao discurso
eurocêntrico de desenvolvimento. Porém, a perspectiva anti-imperialista pro-
posta pela ‘teoria da dependência’ resultou no fracasso de sua implementação,
pelo menos na América Latina, já que desde o golpe de estado de 1954 na
Guatemala, os governos que propunham qualquer coisa diferente dos dese-
jos da política externa dos Estados Unidos, foram interrompidos através de
intervenções norte-americanas diretas ou indiretas (PORTER; SHEPPARD,
1998). Como resultado, o discurso da modernização encampado pelos países
do norte global acabou por se tornar o discurso dominante de desenvolvimento
em quase todo o mundo. Entretanto, o discurso da modernização bem como
seus desdobramentos mais recentes – neoliberalismo e globalização – vêm cau-
sando altíssimos níveis de desigualdade (ESCOBAR, 1995; SEN, 1999), o que
é discutido abaixo.

Mozart Fazito 111


DESIGUALDADE, NEOLIBERALISMO E GLOBALIZAÇÃO
De 1981 a 1989, a desigualdade de renda no Brasil, medida pelo índice
Gini, aumentou de 0,574 para 0,625, quando o país chegou a ocupar a segunda
posição no ranking mundial de desigualdade, atrás apenas de Serra Leoa, um
país em guerra, com 0,629. Em 2004, o índice GINI brasileiro caiu para 0,564,
o que levou o país à décima posição (FERREIRA; LEITE; LITCHFIELD,
2006). Essa pequena melhoria no nível de desigualdade de renda pode ser jus-
tificada pelo processo de redemocratização e pela implantação do Plano Real,
que acabou com a hiperinflação e introduziu uma moeda estável no Brasil,
em 1994. Desde 2004, o índice GINI caiu consideravelmente (ver gráfico
1). É bem possível que essa queda se deva ao aumento do salário mínimo e
às políticas sociais implementadas desde 2003, pelo governo do Partido dos
Trabalhadores (PT).

Gráfico 1: Variação do Índice GINI no Brasil

Apesar da melhora significativa que o país tem vivenciado na luta con-


tra a desigualdade de renda, o Brasil ainda se mantém uma nação extrema-
mente desigual, com um índice GINI de 0,519, ocupando a décima sétima
posição2.
As desigualdades causadas pela modernização se agravaram com a
adoção, por muitos países, de políticas influenciadas pela ideologia neoliberal
e, particularmente pelos países da América Latina, em meados da década de

2 Esses dados foram extraídos do United States CIA Fact Book - https://www.cia.gov/library/publi-
cations/the-world-factbook/rankorder/2172rank.html, acessado em 24 de setembro de 2012.

112 Modernização turística


oitenta. O neoliberalismo é uma teoria econômica centrada na diminuição da
burocracia e de processos políticos na gestão da economia. No final dos anos
setenta e início dos anos oitenta, alguns líderes políticos, como a Margaret
Thatcher, no Reino Unido, e Ronald Reagan, nos Estados Unidos, adotaram
o neoliberalismo e iniciaram um processo de privatização de companhias esta-
tais, de serviços públicos e de desregulação do mercado. De fato, as administra-
ções de Thatcher e Reagan são consideradas casos paradigmáticos do projeto
neoliberal (PECK, 2004). O neoliberalismo é também uma ideologia baseada
na crença de que os mercados se autorregulam e, agindo desta forma, geram
melhores resultados econômicos. Harvey (2005) define neoliberalismo como:
uma teoria que parte da prática da economia política e que
defende que o bem-estar humano pode ser atingido através da
liberação das habilidades e liberdades individuais de empreende-
dorismo dentro de uma estrutura institucional caracterizada por
uma forte defesa dos direitos de propriedade, mercados livres e
comércio livre (2005, p. 2).
Estados neoliberais têm o papel de encorajar e assegurar que essas prá-
ticas aconteçam. Assim, onde não há mercado – serviço público de saúde, edu-
cação pública, fornecimento público de água, etc. –, o papel do estado é criar
o mercado. A receita neoliberal para o desenvolvimento tornou-se conhecida
como o ‘Consenso de Washington’ (WESTRA, 2010). Seguindo essa receita,
programas de desregulação, privatização e retirada da participação do estado
no fornecimento de serviços públicos foram implementados mundo afora, dos
Estados Unidos à Europa, da China à América Latina, da África à Oceania.
Derivado da modernização, o neoliberalismo tornou-se o discurso hegemô-
nico de boas práticas de desenvolvimento (HARVEY, 2005; LEITNER et al.,
2007).
Após uma primeira experiência no Chile de Pinochet nos anos setenta,
uma onda neoliberal tomou os países da América Latina após a crise da dívida
externa latino-americana de 1982. O Fundo Monetário Internacional (FMI)
impôs condições de ajustes estruturais aos países como pré-requisito para o
recebimento de empréstimos (PECK, 2004). O México, a Argentina e, um
pouco mais tarde, o Brasil começaram a empregar medidas neoliberais nos
anos oitenta e noventa, incluindo a liberalização do comércio e das finanças,
privatizações e a flexibilização das leis trabalhistas (SEISDEDOS, 2010).
Mas após vinte anos de dominação das políticas neoliberais, está claro que a

Mozart Fazito 113


situação dos países latino-americanos está bem diferente do que os proponen-
tes do neoliberalismo anteviram:
Os resultados gerais para a América Latina são índices baixos
de crescimento do produto nacional bruto, baixos salários, um
aumento da taxa de desemprego e da pobreza na maioria das
populações latino-americanas, para não dizer as crises financei-
ras e até mesmo recessões (SEISDEDOS, 2010, p. 39).
As privatizações e fusões de empresas no mundo todo encorajadas pelas
políticas neoliberais, juntamente com as novas tecnologias que emergiram nas
décadas passadas, promoveram a concentração de poder em um número muito
reduzido de corporações transnacionais incrivelmente grandes. Pochmann
(2009) observa que cerca de quinhentas corporações estão se aproximando do
domínio de todos os setores da atividade econômica mundial. Essas compa-
nhias são mais ricas do que muitos países. Por exemplo, em 2006, as três maio-
res corporações transnacionais do mundo registraram um faturamento maior
do que o produto interno bruto (PIB) brasileiro (POCHMANN, 2009). Para
Castells (2003a), a economia global foi constituída politicamente, sob os ideais
de desregulação e privatização da ideologia neoliberal. É muito importante se
entender que a globalização não afeta todas as pessoas de forma igual. Essa
transformação geopolítica causou não somente a globalização da produção,
das finanças, da distribuição e das redes sociais, mas também a globalização
da pobreza, da marginalização e da insegurança (PECK, 2004). Para Castells
(2003b), a globalização é a causa da polarização econômica e da exclusão social
crescentes. Em suma, a globalização expandiu a capacidade do neoliberalismo
de produzir desigualdades.
O neoliberalismo e a globalização são baseados nos discursos da
modernização, já que também assumem como meta primordial do desenvolvi-
mento, uma sociedade de alto consumo. Modernização, neoliberalismo e glo-
balização formam o tripé dos discursos hegemônicos de desenvolvimento. Do
ponto de vista de um artista sensível às causas sociais, para José Saramago –
no filme “Janela da Alma” ( JARDIM; CARVALHO, 2001) –, esses discursos
dominantes de desenvolvimento podem ser comparados a uma ditadura, com
o agravante que hoje em dia é mais difícil se identificar o inimigo, o ditador.
Ele deu o nome de ‘capitalismo autoritário’ a esse discurso dominante: “uma
máquina que nos obriga a consumir”.

114 Modernização turística


Para o presente trabalho, é importante se compreender o papel do
turismo nesse contexto de desenvolvimento dominado pela modernização,
neoliberalismo e globalização. A modernização turística é o assunto do pró-
ximo tópico.

MODERNIZAÇÃO TURÍSTICA
Milne and Ateljevic (2001) argumentam que nos anos setenta e
oitenta, quando os teóricos do turismo focaram pela primeira vez seu estudo
no desenvolvimento, havia duas abordagens de desenvolvimento turístico
dominantes: o modelo do ciclo de vida e rejuvenescimento das áreas turísticas,
de Butler (1980) (ver figura 1), e a perspectiva da dependência, de Britton
(1982). Enquanto o modelo de Butler tinha a teoria da modernização como
sua base, a abordagem de Britton é fundada na teoria de dependência.

Figura 01: O modelo de ciclo de vida de Butler (1980)

O ciclo de vida de áreas turísticas de Butler sugere um caminho linear


para o desenvolvimento turístico de uma área. Quando o seu consumo estag-
nar, ações inovadoras se fazem necessárias para evitar seu declínio e promover
o rejuvenescimento do produto turístico. Já a abordagem de Britton sugere
que os países subdesenvolvidos promovem o turismo com o objetivo de gerar

Mozart Fazito 115


divisas, impulsionando sua economia: gerando empregos, atraindo investimen-
tos e, principalmente, aumentando a independência econômica desses países.
Porém, a estrutura das economias dos países do sul global e a organização da
indústria turística internacional formam um ambiente que retira desses países
a sua capacidade de atingir esses objetivos. Britton (1982) e Butler (1980) foca-
ram seus estudos na indústria do turismo de massa. Ambos negligenciaram os
aspectos do fenômeno turístico que não fossem os econômicos. Enquanto na
abordagem de Butler falta uma crítica político-econômica do fenômeno turís-
tico, a perspectiva da dependência de Britton mostrou que as desigualdades
econômicas resultam de relação turística entre países ricos e pobres, e assim,
ele recomenda formas alternativas de turismo, diferentes do turismo de massa.
Mais recentemente, Mowforth e Munt (2009) argumentam que o
estudo do desenvolvimento turístico tem que suplantar a teoria da dependên-
cia e quebrar com as análises de dominação e subordinação que caracterizam o
turismo de massa. Eles lidaram com as relações entre o sul e o norte, focando
em novas formas de turismo. O quadro 2 mostra as diferenças entre o turismo
de massa, como um resultado do Fordismo/Modernismo, e o ‘novo turismo’, já
um produto do Pós-fordismo/Pós-modernismo.

Quadro 2: Mudanças no Turismo Contemporâneo

O novo turismo é focado no consumidor, e não no produto. Nesse


novo conceito, quase todos os aspectos da vida social são mercantilizados, os
produtos turísticos são muito diversificados, há uma politização do consumo

116 Modernização turística


e o turista acaba por reagir contra a ‘massa’. Por fim, há muito mais produtos
no mercado, mas eles têm uma vida bem mais curta (MOWFORTH; MUNT,
2009).
Harvey (1989) faz referência a uma ‘compressão tempo-espaço’, que
ocorre na passagem do modernismo (fordismo) para o pós-modernismo
(regime de acumulação flexível). Ele argumenta que a produção se acelerou
por conta das mudanças organizacionais em direção a uma desintegração das
estruturas verticais, através de subcontratações e terceirizações, em contraste
com a hierarquia vertical, característica do fordismo. Os avanços nos fluxos de
informação, a racionalização das técnicas de distribuição, acesso eletrônico a
transações bancárias, e cartões bancários (plastic money) fizeram, em suas pala-
vras, “vinte e quatro horas, um longo período de tempo” (HARVEY, 1989, p. 285).
Quanto mais se produz, mais se necessita de consumo. Harvey observa que
duas mudanças no ambiente de consumo são particularmente importantes: a
mobilização da moda em mercados de massa, que fez com que produtos que
antes eram consumidos apenas pelas elites econômicas se tornassem acessí-
veis a toda a sociedade; e a mudança do consumo de bens para o consumo de
serviços. Por exemplo, ele ressalta os produtos de entretenimento, espetáculos,
distrações. Harvey diz: “o ‘ciclo de vida’ desses serviços (...) é muito menor do que
um automóvel ou uma máquina de lavar” (HARVEY, 1989, p. 285). A ‘com-
pressão espaço-tempo’ de Harvey é frequentemente mencionada em debates
acerca da globalização. Em termos gerais, a globalização se refere à expansão
da escala, da magnitude, da velocidade e da profundidade do impacto de fluxos
e padrões inter-regionais de interações sociais (HELD; MCGREW, 2003).
Para Thornley e Rydin (2002), uma das mais óbvias manifestações da globali-
zação é a crescente facilidade em se locomover por todo o mundo. As pessoas
– turistas, trabalhadores, refugiados, etc. – se movem pelo mundo com mais
velocidade e maior frequência.
O turismo emerge nesse contexto como um típico produto da ide-
ologia da globalização neoliberal. Para Beni (2006), o turismo é a segunda
atividade mais globalizada no mundo, após a financeira. O turismo acentua
as desigualdades globais, não apenas através da concentração dos recursos nas
mãos de poucas corporações transnacionais de turismo, mas também através
do fluxo rápido e fácil de informações, que leva à destruição das diferenças
locais e à padronização dos lugares. Held e Mcgrew (2003) argumentam que
as populações, em todo o mundo, estão expostas aos valores de outras culturas

Mozart Fazito 117


como nunca estiveram na história. As cidades, para eles, se tornaram arenas
onde diferentes culturas competem. Para Mowforth e Munt (2009), entender
as relações de poder e dominação que resultam dos discursos hegemônicos de
desenvolvimento é fundamental para se compreender o turismo pós-moderno.
Eles argumentam que o crescimento do fluxo turístico como fruto da rápida
expansão das relações capitalistas para o sul global, transformou lugares e cul-
turas em bens e serviços a serem consumidos por turistas.
A modernização, conforme discutido anteriormente, considera o que
é tradicional como subdesenvolvido e o que é moderno, desenvolvido, e tem
como meta a geração de uma sociedade de alto consumo. O papel do turismo
nesse conceito de desenvolvimento é precisamente o de transformar aquilo que
não é desejável pelos discursos dominantes de desenvolvimento (o ‘atrasado’,
o ‘tradicional’) em produtos a serem consumidos. A globalização expandiu
as possibilidades de se consumir lugares. Lugares que ainda não foram com-
pletamente tomados pela modernização são vistos como ‘exóticos’, ‘distantes’,
‘desconhecidos’, lugares onde se pode viver ‘aventuras’ e ‘descobertas’. Os luga-
res com essas características são explorados como destinos turísticos, e estão
localizados primordialmente em países do sul global. Turismo se transformou
simplesmente em um agente da modernização, uma indústria, que possibilita
a expansão de riqueza e renda onde a indústria convencional não conseguiu
chegar.
Entretanto, os altos índices de desigualdade social e degradação
ambiental observados atualmente, e que são frutos desses discursos dominan-
tes de desenvolvimento (ver ESCOBAR, 1995; SEN, 1999), alertam para a
necessidade de discursos alternativos de desenvolvimento, que promovam uma
solidez teórica consistente o bastante para desafiar as pressuposições propostas
pela teoria da modernização. Alguns discursos de desenvolvimento alterna-
tivos emergiram na literatura. Entre os mais bem sucedidos, estão a ‘aborda-
gem das capacidades’, desenvolvida pelo economista e filósofo Amartya Sen
(ver NUSSBAUM, 2000; ROBEYNS, 2005, 2006; SEN, 1999) e o ‘desen-
volvimento sustentável’, originado nos movimentos ecológicos dos anos 1970
e teorizado pela Comissão Brundtland, em 1987 (ver MEBRATU, 1998;
MOFFATT, 1996; WCED, 1987). Entretanto, ambos discursos de desenvol-
vimento, apesar de serem fundados em ricas bases teóricas e filosóficas (em
especial a ‘abordagem das capacidades’), ao serem implementados, não conse-
guem fugir dos discursos dominantes, e acabam servindo a esses discursos, seja

118 Modernização turística


pelo foco simplista na criação de indicadores de desenvolvimento promovi-
dos pela ‘abordagem das capacidades’ (FUKUDA-PARR, 2003; ROBEYNS,
2006), seja pela confusão conceitual e o mimetismo do discurso do ‘desen-
volvimento sustentável’ (HUNTER, 1997; PURVIS; GRAINGER, 2004;
REID, 1995). Nesse contexto, alguns autores sugerem que a raiz dos discursos
críticos mais bem sucedidos está na análise de práticas de movimentos sociais
(ESCOBAR, 1995, 1996, 2005; GIBSON-GRAHAM, 2005; SANTOS,
2004, 2006), principalmente os que emergem em lugares distantes do norte
global. Esse é o assunto da próxima parte deste artigo.

CRITICIDADE E RESISTÊNCIA NO DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO


Há que se criticar os discursos dominantes de desenvolvimento, com
vistas a assegurar a emancipação das pessoas e de suas comunidades, cujas
liberdades podem ser suprimidas por ações de grupos poderosos e seus interes-
ses econômicos, num mundo caracterizado pela concentração de poder sobre
os recursos econômicos nas mãos de poucos e gigantescos grupos empresariais.
Os autores do turismo crítico propõem que os pesquisadores da área voltem
sua análise para as relações de poder em contextos de desenvolvimento turís-
tico, e foquem no processo emancipatório (TRIBE, 2007), sem negligenciar os
aspectos político-econômicos do turismo (BIANCHI, 2009)3.
Escobar (1995) observa que as desigualdades e os outros problemas
causados pelos discursos dominantes de desenvolvimento não podem ser vis-
tos como uma chamada para a intervenção internacional para ajudar os países
pobres, mas eles devem ser analisados em termos de suas consequências políti-
cas, da forma como as sociedades interagem e modificam a cultura, e da cons-
trução do poder social. Ele imagina uma era de ‘pós-desenvolvimento’, na qual
o ‘moderno’ não se opõe ao ‘tradicional’. Não é contra a modernização, mas
também não acredita que todos deveriam ser tão focados nela. Para ele, essa
hibridização cultural resulta em realidades negociadas em contextos moldados
por tradições, capitalismo e modernidade. Gibson-Graham (2005) definem o
discurso e pós-desenvolvimento como:
Um modo de pensamento e prática que é gerador, experi-
mental, incerto, esperançoso e ainda solidamente fundado no

3 Para mais sobre turismo crítico, ver Ateljevic et al. (2007), Morgan et al. (2012) e, para um resumo
em português, Fazito (2012).

Mozart Fazito 119


entendimento das violências e promessas materiais e discursivas
que advêm de um longo histórico de intervenções de desenvolvi-
mento (GIBSON-GRAHAM, 2005, p. 6).
Partindo da citação acima, a modernização é o discurso dominante que
legitimou uma ‘longa história de intervenções de desenvolvimento’, enquanto
a opressão toma a forma de ‘violências e promessas materiais e discursivas’.
Entretanto, como observado por Escobar (1995, 2005), o discurso hegemônico
de desenvolvimento é também autodestrutivo, já que ele destrói as pessoas e
a natureza, e é ‘desfeito’ pela resistência social. Tomlinson (2003), focando na
globalização, concorda com essa afirmação. Para ele, em vez de destruir a iden-
tidade cultural, a globalização a reforça, através do surgimento de movimentos
sociais baseados em questões de identidade (eg. gênero, etnia, religião, sexua-
lidade, etc.). Para Milton Santos (2011), há três ‘globalizações’: a globalização
como fábula (o mundo tal como nos fazem crer), a globalização como perver-
sidade (o mundo como ele é de fato), e a globalização como possibilidade (o
mundo como poderia ser). Ele possui uma visão otimista de que, apesar da per-
versidade do sistema atual, caminharemos para um mundo melhor quando o
avanço tecnológico se unir a uma mudança filosófica existencial, que nos levará
a uma globalização humanizada. O mesmo sistema dominante que oprime as
pessoas e a natureza também fornece os recursos para resistir à opressão. A
resistência, por sua vez, acontece através das práticas de movimentos sociais.
Boaventura de Souza Santos (2004, 2006) estudou movimentos sociais
em seis países periféricos: África do Sul, Brasil, Colômbia, Índia, Portugal e
Moçambique. Seu objetivo foi o de investigar a relação entre o discurso hege-
mônico da globalização neoliberal e os discursos contra-hegemônicos de glo-
balização. Ele chegou a três conclusões. Em primeiro lugar, a experiência social
no mundo todo é bem mais ampla e variada do que a tradição científica e
filosófica ocidental considera importante. Em segundo lugar, essa experiência
social rica tem sido jogada fora pelas ciências sociais dominantes, e a perda do
conhecimento crítico produzido nas experiências sociais gera uma percepção
de falta de alternativa, de ‘fim da história’4, etc. E, finalmente, para se melhorar

4 Fukuyama (1993) argumenta que o sistema dominante atual – ele chamou de democracia liberal
– representa o ponto final da evolução ideológica humana e a forma final de governo dos homens,
a que ele se refere como o fim da história. Esse termo é empregado aqui não como uma referência
à discussão acadêmica acerca do trabalho de Fukuyama, que foi aprofundada desde sua primeira
formulação, mas como referência ao modo como esse termo tem sido adotado, de forma acrítica,

120 Modernização turística


essa situação, é preciso que se dê voz a essas experiências, mas isso só é pos-
sível a partir de uma postura crítica às tradições positivistas de produção do
conhecimento. Santos (2002, 2004) argumenta que a tradição positivista, com
suas origens no iluminismo e sua necessidade de mensuração e quantificação,
negligenciou fontes de conhecimento que são ‘locais’, ‘marginalizadas’, ‘impro-
dutivas’, ‘inferiores’, ‘atrasadas’, que ele chamou de ‘ausências’. Para o autor,
Para identificar o que falta e por que razão falta, temos de recor-
rer a uma forma de conhecimento que não reduza a realidade
àquilo que existe. Quero eu dizer, uma forma de conhecimento
que aspire uma concepção alargada de realismo, que inclua rea-
lidades suprimidas, silenciadas ou marginalizadas, bem como
realidades emergentes ou imaginadas (SANTOS, 2002, p. 247).
É importante ressaltar que reconhecer a importância de práticas sociais
contextualizadas na produção do conhecimento não significa dizer que o pen-
samento racional proposto pela tradição positivista está errado. Entretanto, é
importante manter uma postura crítica a esse pensamento, já que ele deprecia
a importância das experiências sociais contextualizadas como fonte de conhe-
cimento. Para Flyvbjerg (2001), o conhecimento produzido através da aná-
lise de situações contextualizadas é o que dá sentido às ciências sociais, e o
que faz com que as suas áreas de estudo atinjam níveis altos de domínio do
conhecimento.
Assim, as formas de ausências produzidas pela tradição positivista
dominante – o ignorante, o atrasado, o inferior, o local e o improdutivo – são
realidades que existem apenas como obstáculos às realidades que são conside-
radas importantes. Para Gibson-Graham (2005), o que Boaventura de Souza
Santos fez com sua ‘sociologia das ausências’ foi desconstruir o discurso de
desenvolvimento, propondo desafios interessantes acerca da construção de
discursos contra-hegemônicos. Assim, para as autoras, o grande desafio não
é o de produzir novas teorias e estratégias para o desenvolvimento, mas o de
analisar os elementos que são constituídos pelas práticas de desenvolvimento.
Reconhecer a importância das experiências sociais que são suprimidas pelas
formas dominantes de produção do conhecimento é dar voz a discursos alter-
nativos, críticos aos discursos hegemônicos de desenvolvimento, entendendo

pelos defensores do neoliberalismo, como se os discursos dominantes de desenvolvimento fossem


perfeitos, e assim teríamos atingido o ‘fim da história’.

Mozart Fazito 121


que esses discursos alternativos emergem da prática social em situações
contextualizadas.
A criticidade que emerge das práticas sociais leva à resistência à opres-
são causada pelos discursos hegemônicos de desenvolvimento. As experiências
sociais, por sua vez, são permeadas por tradições e modernidade. A critici-
dade, portanto, emerge do mesmo sistema que promove a degradação social e
ambiental. Em suma, a criticidade também emerge da opressão. A criticidade
se manifesta através das práticas locais de desenvolvimento, dos movimentos
sociais. Este artigo visa atrair os pesquisadores de turismo a dar voz a pessoas
e comunidades, a populações de cidades, regiões e países oprimidas pelos pro-
cessos derivados dos programas de desenvolvimento turístico que seguem os
discursos dominantes de desenvolvimento. Em outras palavras, é fundamental,
do ponto de vista da produção do conhecimento, que se dê voz às vítimas das
‘orgias do capital’ no processo de desenvolvimento turístico, como denominou
Yázigi (2003).

CONCLUSÃO
O presente texto tem o objetivo de chamar a atenção dos pesquisado-
res interessados em turismo e que são sensíveis às injustiças sociais e à causa
ambiental, para a importância de se dar voz aos oprimidos e suas tentativas
de resistir à opressão causada pelas ações de desenvolvimento advindas da
modernização turística. Nesse sentido, se faz necessário o desafio aos discur-
sos dominantes de desenvolvimento (aqueles advindos da modernização) e os
discursos dominantes de produção do conhecimento (aqueles advindos da tra-
dição positivista).
Com relação ao desafio aos discursos hegemônicos de desenvolvimento,
este trabalho explorou as bases da teoria da modernização, seus desdobramen-
tos mais recentes – neoliberalismo e globalização – e seus resultados práticos
negativos, que podem ser resumidos em desigualdades sociais e degradação
ambiental. Aqui também foi explicado um possível caminho para se propor
um desafio a esses discursos, através da investigação rigorosa e detalhada de
casos de práticas de resistência social a programas e projetos de desenvolvi-
mento inspirados pela modernização turística.
Com relação a desafiar as formas dominantes de produção do conheci-
mento, este artigo demonstrou que dar voz a práticas sociais contextualizadas
é, por si só, um desafio à tradição positivista de se fazer pesquisa, fortemente

122 Modernização turística


dependente de mensurações e quantificações para se legitimar o conhecimento
produzido. Dredge et al. (2011) tem precisamente esse objetivo ao editar um
livro com treze histórias de práticas de planejamento e políticas públicas de
turismo. Ela faz referência à importância de que o pesquisador seja capaz de
refletir acerca de sua situação e de seu contexto nesse tipo de pesquisa, uma
posição partilhada com vários autores do turismo crítico (ATELJEVIC et al.,
2005; BOTTERILL, 2007; HARRIS et al., 2007).
Um ponto a se ressaltar acerca do assunto tratado neste artigo é a
importância do turismo no tipo de produção de conhecimento proposto aqui.
Como foi mostrado, a modernização turística foca no ‘atrasado’, no ‘distante’,
no ‘diferente’, no ‘exótico’, no ‘tradicional’, e em sua transformação em um pro-
duto a ser consumido. Em escala global, a modernização turística refere-se à
relação turística entre o norte e o sul. No Brasil, esse processo é replicado do sul
para o norte. A modernização atingida pelos grandes centros urbanos brasilei-
ros, como Rio de Janeiro e São Paulo, é assumida como meta em lugares con-
siderados ‘atrasados’, ‘tradicionais’ e ‘exóticos’, e o turismo é empregado como
a salvação desses lugares do subdesenvolvimento. Eles são transformados em
produtos a serem consumidos pelos habitantes dos centros urbanos, gerando
as mazelas características da modernização turística, já discutidas neste texto.
O importante aqui é que há uma sobreposição geográfica entre os lugares con-
siderados atrasados – os alvos dos programas de modernização turística – e
as cinco ausências de Santos (2004, 2006) – o ‘inferior’, o ‘atrasado’, o ‘igno-
rante’, o ‘local’ e o ‘improdutivo’. Dar voz a essas comunidades marginalizadas e
oprimidas pela modernização turística, identificando, nas fontes de resistência
social, os discursos alternativos de desenvolvimento turístico, tão caros a uma
produção de conhecimento crítico e consciente.

BIBLIOGRAFIA
ATELJEVIC, I. et al. Getting “Entangled”: reflexivity and the “critical turn” in tourism studies.
Tourism Recreation Research, v. 30, n. 2, p. 5-18, 2005.
ATELJEVIC, I.; PRITCHARD, A.; MORGAN, N. (Eds.). The Critical Turn in Tourism
Studies: Innovative Research Methodologies. Amsterdã: Elsevier Science, 2007.
BENI, M. Política e Planejamento do Turismo no Brasil. São Paulo: Aleph, 2006.
BIANCHI, R. The “Critical Turn” in Tourism Studies: a radical critique. Tourism Geographies,
v. 11, n. 4, p. 484-504, 2009.

Mozart Fazito 123


BOTTERILL, D. A Realist Critique of the Situated Voice in Tourism Studies. In: ATELJEVIC,
I.; PRICHARD, A.; MORGAN, N. (Eds.). The critical turn in tourism studies : innovative
research methods. Amsterdã: Elsevier, 2007. p. 121-129.
BRITTON, S. The Political Economy of Tourism in the Third World. Annals of Tourism
Research, v. 9, n. 3, p. 331-358, 1982.
BUTLER, R. The Concept of a Tourist Area Cycle of Evolution and Implications for
Management of Resources. The Canadian Geographer, v. 24, n. 1, p. 5-12, 1980.
CASTELLS, M. Global Information Capitalism. In: MCGREW, A. G.; HELD, D. (Eds.).
The Global Transformations Reader: An Introduction to the Globalization Debate. Cambridge:
Polity Press, 2003a. p. 311-334.
CASTELLS, M. The Rise of the Fourth World. In: MCGREW, A. G.; HELD, D. (Eds.). The
Global Transformations Reader: An Introduction to the Globalization Debate. Cambridge: Polity
Press, 2003b. p. 430-439.
DREDGE, D.; JENKINS, J.; WHITFORD, M. Stories of Practice. In: DREDGE, D.;
JENKINS, J. (Eds.). Stories of Practice: tourism policy and planning. Surrey: Ashgate Publishing,
Ltd., 2011. p. 37-55.
ESCOBAR, A. Encountering Development: the making and unmaking of the third world.
Princeton: Princeton University Press, 1995.
ESCOBAR, A. Constructing Nature: elements for a poststructural political ecology. In: PEET,
R.; WATTS, M. (Eds.). Liberation Ecologies. Londres: Routledge, 1996.
ESCOBAR, A. Imagining a Post-development Era. In: EDELMAN, M.; HAUGERUD,
A. (Eds.). The Anthropology of Development and Globalization: from classical political economy to
contemporary neoliberalism. Malden: Blackwell, 2005. p. 341-351.
FAZITO, M. Turismo Crítico. In: IX SEMINÁRIO ANPTUR. São Paulo: 2012. Disponível
em: http://anptur.org.br/anais/seminario2012/admin/arquivo/69.pdf. Acesso em: 01 out. 2012.
FERREIRA, F.; LEITE, P.; LITCHFIELD, J. The Rise and Fall of Brazilian Inequality: 1980
- 2004. World Bank Policy Research Working Paper, v. 3867, 2006.
FLYVBJERG, B. Making social science matter : why social inquiry fails and how it can succeed again.
Cambridge: Cambridge University Press, 2001.
FRANK, A. The Development of the Underdevelopment: from capitalist and underdevelopment
in Latin America. In: The Sustainable Urban Development Reader. Londres: Routledge, 2004. p.
38-41.
FUKUDA-PARR, S. The Human Development Paradigm: operationalizing Sen’s ideas on
capabilities. Feminist Economics, v. 9, n. 2-3, p. 301-317, 2003.
FUKUYAMA, F. The End of History and the Last Man. Londres: Penguin, 1993.
GIBSON-GRAHAM, J. Surplus Communities: postdevelopment and community economies.
Singapore Journal of Tropical Geography, v. 26, n. 1, p. 4-26, 2005.
HARRIS, C.; WILSON, E.; ATELJEVIC, I. Structural Entanglements and the Strategy of
Audiencing as a Reflexive Technique. In: ATELJEVIC, I.; PRICHARD, A.; MORGAN, N.
(Eds.). The critical turn in tourism studies : innovative research methods. Amsterdam: Elsevier,
2007. p. 41-56.

124 Modernização turística


HARVEY, D. The Condition of Postmodernity. Cambridge: Blackwell, 1989.
HARVEY, D. A Brief History of Neoliberalism. New Ed ed. [S.l.] OUP Oxford, 2005.
HELD, D.; MCGREW, A. G. The Great Globalization Debate: an introduction. In: HELD, D.;
MCGREW, A. (Eds.). The Global Transformations Reader: An Introduction to the Globalization
Debate. Cambridge: Polity Press, 2003. p. 1-50.
HUNTER, C. Sustainable Tourism as an Adaptative Paradigm. Annals of Tourism Research, v.
24, n. 4, p. 850-867, 1997.
JARDIM, J.; CARVALHO, W. Janela da Alma, 2001.
LEITNER, H. et al. Contesting Urban Futures: decentering neolibralism. In: LEITNER,
H.; PECK, J.; SHEPPARD, E. (Eds.). Contesting Neoliberalism: urban frontiers. Nova Iorque:
Guilford Press, 2007. p. 1-25.
MEBRATU, D. Sustainability and Sustainable Development: historical and conceptual review.
Environment Impact Assessment Review, v. 18, n. 6, p. 493-520, 1998.
MILNE, S.; ATELJEVIC, I. Tourism, Economic Development and the Global-Local Nexus:
theory embracing complexity. Tourism Geographies, v. 3, n. 4, p. 369-393, 2001.
MOFFATT, I. Sustainable Development: Principles, Analysis, and Policies. Nova Iorque: Parthenon
Pub. Group, 1996.
MORGAN, N.; PRITCHARD, A.; ATELJEVIC, I. The Critical Turn in Tourism Studies:
Creating an Academy of Hope. 1. ed. Nova Iorque: Routledge, 2012.
MOWFORTH, M.; MUNT, I. Tourism and sustainability development and new tourism in the
third world. Londres: Routledge, 2009.
NUSSBAUM, M. Women and Human Development: the capabilities approach. Cambridge:
Cambridge University Press, 2000.
PECK, J. Geography and public policy: constructions of neoliberalism. Progress in Human
Geography, v. 28, n. 3, p. 392-405, jun. 2004.
POCHMANN, M. Qual Desenvolvimento?  oportunidades e dificuldades do Brasil
contemporâneo. São Paulo: Publisher Brasil, 2009.
PORTER, P.; SHEPPARD, E. A World of Difference: society, nature and development. Nova
Iorque: The Guilford Press, 1998.
PREBISCH, R. El Desarollo Economico de la America Latina y Algunos de sus Principales
Problemas. Desarollo Economico, v. 26, n. 103, 1986.
PURVIS, M.; GRAINGER, A. Exploring Sustainable Development: Geographical Perspectives.
Londres: Earthscan, 2004.
REID, D. Sustainable development: an introductory guide. Londres: Earthscan, 1995.
ROBEYNS, I. The Capability Approach: a theoretical survey. Journal of Human Development,
v. 6, n. 1, 2005.
ROBEYNS, I. The Capability Approach in Practice. The Journal of Political Philosophy, v. 14, n.
3, 2006.
ROSTOW, W. The Stages of Economic Growth: a non-comunist manifesto. Cambridge: Cambridge
University Press, 1960.

Mozart Fazito 125


SANTOS, B. A Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez,
2002.
SANTOS, B. The WSF: toward a counter-hegemonic globalization. In: SEN, J. et al. (Eds.).
New Delhi: The Viveka Foundation, 2004. p. 235-245.
SANTOS, B. Por uma Sociologia das Ausências e uma sociologia das emergências. In:
BARREIRA, C. (Ed.). Sociologia e Conhecimento além das Fronteiras. Porto Alegre: Tomo
Editorial, 2006.
SANTOS, M. Por Uma Outra Globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de
Janeiro: Record, 2011.
SEISDEDOS, P. “Late Neoliberalism” in Brazil: social and economic impacts of trade and
financial liberalization. In: WESTRA, R. (Ed.). Confronting Global Neoliberalism: Third World
Resistance and Development Strategies. Atlanta: Clarity Press, 2010.
SEN, A. Development as Freedom. Oxford: Oxford University Press, 1999.
TELFER, D. The Evolution of Tourism and Development Theory. In: SHARPLEY, R.;
TELFER, D. (Eds.). Tourism and Development: concepts and issues. Londres: Channel View,
2002. p. 35-78.
TELFER, D.; SHARPLEY, R. Tourism and Development in the Developing World. 1. ed. Nova
Iorque: Routledge, 2007.
THORNLEY, A.; RYDIN, Y. Planning in a Global Era. Hampshire: Ashgate Publishing, Ltd.,
2002.
TOMLINSON, J. Globalization and Cultural Identity. In: MCGREW, A. G.; HELD,
D. (Eds.). The Global Transformations Reader: An Introduction to the Globalization Debate.
Cambridge: Polity Press, 2003. p. 269-277.
TRIBE, J. Critical Tourism: rules and resistance. In: ATELJEVIC, I.; PRICHARD, A.;
MORGAN, N. (Eds.). The critical turn in tourism studies : innovative research methods.
Amsterdam: Elsevier, 2007. p. 29-39.
TUCKER, V. The Myth of Development: a critique of a Eurocentric discourse. In: MUNCK,
R.; O’HEARN, D. (Eds.). Critical Development Theory: contributions to a new paradigm. Nova
Iorque: Zed Books, 1999.
UNWTO. UNWTO Tourism Highlights UNWTO, 2012. Disponível em: http://
dtxtq4w60xqpw.cloudfront.net/sites/all/files/docpdf/unwtohighlights12enhr_1.pdf. Acesso
em: 14 set. 2012.
WCED. Our common future. Oxford: Oxford University Press, 1987.
WESTRA, R. Confronting Global Neoliberalism: Third World Resistance and Development
Strategies. Atlante: Clarity Press, 2010.

126 Modernização turística


Turismo: sustentabilidade em áreas
de proteção ambiental, caso de
Cururupu (MA) e Bonito (MS)

Saulo Ribeiro dos Santos1


| Protásio Cézar dos Santos2

INTRODUÇÃO
A preocupação com a capacidade de carga que o meio ambiente pode
receber com o fluxo de visitantes, ou com seu uso para atividades industriais,
tem criado responsabilidades pela busca de soluções para o crescimento
econômico-social, com mínimos impactos à natureza (CARABELLI, 2001;
GARCIA; SERVERA, 2003). Aumenta a responsabilidade do Estado, como
organização governamental, em gerenciar os interesses da sociedade num sen-
tido coletivo, ao coordenar a ocupação de áreas para o desenvolvimento do
turismo.
A melhoria da qualidade de vida da população, a preservação e conser-
vação do meio ambiente, o crescimento econômico, a distribuição de renda e
a diminuição da desigualdade social, política e econômica constituem cenários
de planejamento com interferência pública (SHARPLEY; TELFER, 2002;
FONT; BENDELL, 2002; MARTENS; SPAARGAREN, 2005). A inten-
sificação da atividade turística como integrante da economia capitalista apre-
senta características predatórias quando trabalhada de forma massificada, por
outro lado, pode ser também indutora de desenvolvimento sustentável, desde
que operada de modo ecologicamente correto. Neste sentido, o planejamento
a médio e longo prazo é importante e necessário, se utilizado como ferramenta

1 Professor do Curso de Turismo da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Bacharel


em Turismo (FAMA). Mestre em Administração e Desenvolvimento Empresarial (UNESA).
Doutorando em Gestão Urbana (PUCPR). E-mail: saulosantosma@uol.com.br
2 Professor do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
e Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA). Mestre em
Comunicação Social (UFRJ). Doutor em Ciências Ambientais (NAEA/UFPA). Email: prota-
sio_cezar@hotmail.com

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 127


da administração pública para obter um desenvolvimento socialmente equi-
librado e sustentável (POLONSKY; OTTMAN, 1998; BRASIL, 2010). A
indústria do turismo contribui para melhoria da qualidade de vida em diver-
sos aspectos, devendo orientar tais contribuições em direção do incentivo ao
desenvolvimento sustentável, mantendo um equilíbrio ambiental, cultural,
social e econômico. O município de Cururupu-MA integra o Pólo Turístico
Floresta dos Guarás, Área de Proteção Ambiental - APA onde a capacidade de
carga deve ser mantida de acordo com a fragilidade dos ecossistemas naturais e
originalidade cultural da população receptora (RUSCHMANN, 2004). Neste
sentido, percebe-se que o plano de ocupação da indústria turística para a região
apresenta um conjunto de ações cujo objetivo pretendido destaca o desenvol-
vimento sustentável em todas suas dimensões. A partir do exposto, delimita-se
a questão que o trabalho se propõe a responder em: como ocorrem, na ótica dos
indicadores do turismo sustentável, as ações do planejamento para o desenvolvimento
da indústria do turismo na área de proteção ambiental, em específico, comparando os
municípios de Bonito-MT e Cururupu-MA?

ASPECTOS TEÓRICOS
Impactos econômicos do turismo
Cooper et al. (2001, p. 159) afirmam que “o significado econômico do
turismo é determinado não apenas pelo nível de atividade turística que está
acontecendo, mas também pelo tipo e pela natureza da economia em questão”.
Segundo a Organização Mundial do Turismo (OMT), a influência do turismo
para os países em desenvolvimento, como o Brasil, é vista como uma rápida
injeção de divisas, que contribui para o desenvolvimento econômico (OMT,
2001).
Para entender as suas vantagens, existem estudos sobre os impactos
econômicos do turismo, em que são medidas as diferentes formas, pois cada
um adapta-se a uma finalidade desejada. A OMT investiga o impacto econô-
mico originado pelo gasto turístico e causado pelo desenvolvimento da ativi-
dade turística, além dos benefícios e dos custos. Já Cooper et al. (2001) alegam
que a medição do impacto econômico do turismo está além da utilização de
cálculos das despesas turísticas. Resumindo, essas formas de calcular o impacto
econômico não vão de encontro ao estudo, portanto, utilizam-se os principais
ensinamentos deles, juntamente com os de Ignarra (1999), concluindo que os

128 Turismo: sustentabilidade em áreas


impactos positivos são: geração de impostos; geração de empregos; aumento de
investimentos (infra estrutura); redistribuição de renda; aumento das receitas;
aumento do recebimento de divisas; aumento do PIB; equilíbrio na balança
nacional de pagamentos e propulsor de atividade empresarial.
Por outro lado, entre os impactos negativos estão a possível inflação de
produtos e serviços oferecidos; a perda de benefícios econômicos potenciais
(ex.: lucro obtido em Cururupu, vai para o país de origem dos investidores); a
migração de mão-de-obra de áreas rurais para áreas urbanas e a importação de
mão-de-obra de outro país, pois a renda ganha com este tipo de trabalho pode
ser repatriada. Os impactos econômicos que o turismo representa para uma
determinada localidade podem trazer inúmeros significados positivos, desde
que seja trabalhado corretamente e visto como “uma força propulsora” para
o desenvolvimento e não somente “a força propulsora”. Pois a “dependência”
da atividade turística pode “banir” o incentivo de outros setores da economia
(COOPER et al., 2001).
Dias (2003, p.11) afirma que “um destino turístico pode ter um boom
de procura de um momento para o outro, mas também pode entrar em deca-
dência com a mesma velocidade com que cresceu”. Ruschmann (2004, p. 110)
adiciona, dizendo que “muitas destinações turísticas que atingiram o ponto
de dependência total do turismo e, que para viabilizarem-se economicamente
necessitam de grande número de turistas (turismo de massa)”. Essa vinculação
é um fator discutido no sentido de preservação do meio ambiente e da cultural
local, pois com um fluxo alto, a capacidade de carga da localidade ultrapassa
o seu limite, ocasionando diversos problemas para os residentes (ex.: falta de
água e comida, congestionamento no trânsito entre outros).

Impactos ambientais do turismo


Com o boom do turismo e o incentivo a realização de eventos, a loca-
lidade gera divisas e investe em infra-estrutura adequada para atender as
necessidades do turista. Por isso, é importante verificar que tipo de impacto a
localidade deseja com o advento do turismo.
Atualmente uma das grandes preocupações está relacionada com o
meio ambiente. Para Cooper et al. (2001, p.184), é inevitável que o ambiente
seja modificado e que as ações de preservação atuais são fundamentais e muito
mais respeitadas que meio século atrás. O turismo por mais que seja mínimo,
gera impactos ambientais, mas por outro lado, vê-se que o turismo pode forçar

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 129


governos a preservarem áreas naturais, através da criação de Parques Nacionais,
Áreas de Proteção Ambiental, Reservas Florestais, dentre outros, com o intuito
de conservar e aliar o conforto da comunidade e turista.
Por outro lado, Magalhães (2002) diz que a forma predatória do
turismo ao se apropriar de lugares, leva a uma discussão importante, com rela-
ção a sustentabilidade e a necessidade de tornar-se menos impactante tanto
para o ambiente natural quanto para o social. Devido inúmeros estudos e
conscientizações com relação ao meio ambiente, há uma tendência para a prá-
tica de um turismo mais individualizado e preservacionista.
Ruschmann (2004, p.9) denomina turismo contemporâneo, dizendo
que é a “busca do verde e da fuga dos tumultos dos grandes conglomerados
urbanos pelas pessoas que tentam recuperar o equilíbrio psicofísico em con-
tato com os ambientes naturais durante seu tempo de lazer”. Esse conceito
está relacionado à preocupação do bem-estar do indivíduo na natureza, pois
as metrópoles urbanas estão carentes deste ambiente natural e o lazer acaba
sendo levado para as atividades da cidade. Por isso a busca pela tranquilidade
e pelo verde, vem provocando o aparecimento de um turismo ecológico ou
ecoturismo.
Além disso, “a busca de alternativas ao turismo tradicional tem levado
à exploração de lugares novos, em muitos casos, com ecossistemas frágeis que
correm o risco de uma rápida e irreversível degradação” (OMT, 2001, p. 228).
O turismo é um consumidor de recursos naturais, pois o ambiente (natural
ou artificial) é o ingrediente para sua realização (BRASIL, 2010). Portanto,
não é possível desenvolver turismo sem impactos ambientais, pois a partir do
deslocamento do turista para consumir o produto, ele está impactando o meio
ambiente, por meio das ferramentas utilizadas para locomover-se, hospedar-se,
dentre outros. Mas é possível, mediante o planejamento, gerenciar o desenvol-
vimento do turismo com o intuito de garantir a preservação e conservação do
ambiente natural.

Impactos socioculturais do turismo


O contato entre pessoas, devido ao deslocamento ocasionado pelo
turismo, envolve o ser humano em grupos ou sociedades existentes levando-os
à troca de cultura, idéias e pensamentos. O encontro se dá pela compra de bens
e serviços e ocupação do mesmo ambiente físico.

130 Turismo: sustentabilidade em áreas


Cooper et al. (2001) acrescenta que o turismo é pessoal, ou seja, deve
ser consumido pelo turista na destinação de visita. Portanto, o morador do
local de visitação entrará em contato com o visitante durante o período de
estadia. Nesta fase implicará em impactos positivos ou negativos. Não é neces-
sário que o morador esteja em contato com o turista, para que tenha algum
tipo de impacto. Duas formas de impactos são definidas, indiretas e induzi-
das. A primeira está relacionada com as mudanças sociais que acompanham o
ambiente com o advento do turismo, por meio de comunicação, transporte e
infraestrutura. A segunda com o aumento do nível local, devido o fluxo intenso
do turismo, ocasionando um aumento do consumo e multiplicando e acele-
rando as necessidades e mudanças sociais.
Deve-se entender que o nível de impacto varia de acordo com o tipo
de turismo praticado na região, ou seja, o de massa pode causar mais impacto
negativo e o ecoturismo mais impacto positivo. Alguns autores dizem ainda,
que o nível de impacto depende do tipo de turista que visita a localidade, pois
a magnitude dos impactos se relacionará às diferenças socioculturais existentes.
É difícil tomar decisões com relação ao fluxo de visitantes, pois empre-
sários e o poder público, na maioria das vezes, buscam um desenvolvimento
turístico com intensidade. Deve-se enfatizar a importância da limitação do
fluxo turístico, por meio da capacidade de carga do ambiente em suportar um
número adequado de visitantes por período. Por isso, frisa-se que é possível
dotar a localidade com uma estrutura turística de qualidade e compatível com
o meio ambiente, direcionado para o público desejado. Por fim, destacam-se os
impactos positivos e negativos. Sendo os positivos: melhoria da infra-estrutura
(coleta de lixo, comunicação, instalações sanitárias, entre outros); residentes
estimulam-se pela cultura local, tradições e costumes, além do patrimônio his-
tórico e cultural; intercâmbio cultural entre os locais e os visitantes; melhoria
na qualidade de vida.
Os negativos estão relacionados com: colonialismo, por parte dos paí-
ses em desenvolvimento, com relação à dependência de divisas estrangeiras,
ocasionando o aumento do crime, prostituição e outros; descaracterização da
cultura local; congestionamento, multidão, aumento da criminalidade; perda
da linguagem; mudanças nas atividades tradicionais (OMT, 2001).

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 131


Desenvolvimento do turismo regional
No entendimento de Mamberti & Braga (2004), o conceito de desen-
volvimento é recente (pós-guerra), uma vez que não apresenta uma definição
universalmente aceita. Até épocas recentes, acreditava-se ser o desenvolvi-
mento um fenômeno com fortes vínculos de natureza econômica. Os auto-
res possuem uma ideia de desenvolvimento cujas raízes buscam eficiência na
produção com uso racional de recursos naturais, igualdade na distribuição da
renda e melhoria na qualidade de vida.
O turismo, por ser uma atividade econômica, utiliza o conceito de
desenvolvimento. Assim, consideramos o turismo como um produto, a ser
consumido in loco, que impulsiona o desenvolvimento de outras atividades
econômicas e infraestrutura. Quem ganha com o deslocamento são: a popu-
lação da área de origem do turista; os turistas; a população da área de destino,
considerando-se que em cada caso há diversos grupos de interesse, manifestos
e objetivos (SOUZA, 2002).
Embora ocorra o desafio da globalização, o Estado e o Município
têm no turismo uma de suas atividades, devendo dirigir atenção para traçar
políticas de desenvolvimento por meio de planejamento (SANTOS, 2006).
O município tem sua importância destacada no processo de desenvolvimento
local, através de sua organização política, mas ele deve exercer o papel de orien-
tador da atividade turística local, articulando com todos os setores envolvidos
com a atividade. A participação e o envolvimento dos setores são fundamentais
para fortalecer e redefinir a identidade local e criar um comprometimento da
comunidade (DIAS, 2003).
Evidenciando a afirmação, Mamberti & Braga (2004, p. 9) dizem que
“a promoção do desenvolvimento necessita do efetivo envolvimento do setor
público, isto é, o desenvolvimento local precisa ser uma vontade política dos
governos locais que, apesar das suas limitações, exercem papéis fundamentais
nesse processo”. Como se observa, o desenvolvimento local deve ser uma von-
tade do setor público, e no turismo (CUNHA; CUNHA, 2005), ele é regido
por três elementos: a sociedade, o ambiente e a economia, que juntos são recur-
sos potenciais para o desenvolvimento. Aplicar um turismo diferenciado, que
envolva a participação da comunidade é benéfico para a localidade, pois tam-
bém é um fator de minimização dos impactos negativos. Quando governos
tornam-se socialmente responsáveis, eles arriscam-se no momento em que as

132 Turismo: sustentabilidade em áreas


ações em prol do desenvolvimento local e sustentável de hoje sejam favoráveis
para o futuro (POLONSKY, 1994; SANTOS, 2006).
Um dos pressupostos do turismo sustentável como fator de desen-
volvimento local, está no planejamento, pois ele é uma ferramenta que bem
aplicada (juntamente com a participação ativa de todos os agentes e mais a
retro-alimentação), objetiva a garantia de benefícios. Portanto, baseando-se na
OMT (2001), Benevides (2002), Blamey (2001), Bramwell e Lane (1993),
Wight (2002) e nas visitas in loco foi possível destacar algumas ações de como
o turismo sustentável pode ser indício de um desenvolvimento local da região.
Baseado nos princípios e nos indicadores do turismo sustentável, e em
modelos de planejamento encontrados em Petrocchi (2001), foi possível ela-
borar um modelo simples de planejamento turístico, conforme se observa na
Figura 1 (mais adiante), que contém alguma das exigências de implantação do
turismo sustentável em uma localidade.
As áreas grifadas de azul são as que se encaixam nos paradigmas da
sustentabilidade. Portanto, a verificação e execução desses projetos são funda-
mentais para que a localidade obtenha um satisfatório para todos os envolvidos
com o turismo.
Nesta figura tem-se as etapas decorrentes da implantação do turismo
sustentável através do planejamento, que ocasiona o desenvolvimento local em
APAs de forma holística e multidisciplinar, integrando os mais diversos seto-
res, nos âmbito social, político, econômico, cultural e ambiental.
Para que o processo seja concretizado e alcance os objetivos, é neces-
sário que o município, queira participar e impulsionar a realização da ativi-
dade turística de forma sustentável. Assim, a APA torna-se o agente inicial
da cadeia, pois sem esta percepção, o turismo pode ser desenvolvido de forma
predatória, impactando negativamente, o que pode levar Cururupu a degradar
seus atrativos e chegar num limite insuportável de capacidade carga, gerando
sérios problemas para toda a região e participantes do processo.
Em seguida, têm-se os autóctones e os agentes como participantes do
desenvolvimento turístico, pois é preciso buscar o apoio destes, desde o início,
para alcançar resultados satisfatórios do desenvolvimento turístico sustentável
a nível local.
Mais adiante, verificam-se as ações responsáveis para a operacionaliza-
ção do turismo sustentável, que após executadas, geram ações que contribuirão

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 133


para o desenvolvimento local. E o resultado, é a satisfação dos envolvidos,
assim como outros resultados positivos.
As implicações para o município, com o desenvolvimento local, são
variadas, conforme figura 1.

Figura 1: Planejamento de turismo sustentável no desenvolvimento local das APAs


Fonte: elaborado pelos autores

Mas há também outras características, que contribuem para o desen-


volvimento local das APAs: desenvolvimento difuso; inovação e qualidade;
empreendedorismo; mobilização do potencial endógeno; potencialização dos
recursos locais; gestão local do desenvolvimento; fluxo de visitantes controlado

134 Turismo: sustentabilidade em áreas


e organizado; benefícios econômicos e ambientais; envolvimento da comuni-
dade e valorização da região.
O diagnóstico atual, conforme inserido na mesma figura 1, demonstra
reunir todos os fatores e agentes e ações que o turismo e setores ligados a ele
podem contribuir para a endogenização. Por fim, a estratégia de desenvolvi-
mento local tem no turismo sua mediação mitigadora, onde o local cumpre seu
papel, para que ela se beneficie do turismo.

METODOLOGIA E RESULTADOS
A pesquisa possui uma abordagem descritiva, desenvolvida a partir
da análise de dados secundários obtidos a partir dos planos de desenvolvi-
mento da indústria de turismo para duas regiões pesquisadas – Cururupu-MA
e Bonito-MS, sendo esta última utilizada como benchmark na avaliação dos
critérios de sustentabilidade adotados pela primeira.
Atualmente um plano de turismo tem como requisito as exigências
de um desenvolvimento sustentável, e a característica e singularidade regio-
nal, pois a adoção de metodologias e técnicas deve ser adequada a cada caso.
Ruschmann (2004) elabora um plano turístico que atende as etapas exigidas
para o planejamento do turismo, encontrados em diversos modelos de turismo
no mundo. Com base nos itens acima, a pesquisa estabeleceu alguns atributos
que servem para identificar o desenvolvimento turístico sustentável em Bonito
comparado a Cururupu a partir da Tabela 1 (mais adiante).
Dentre as diversas opções adotadas para estabelecer e aplicar indica-
dores ambientais, Cooper et al. (2001) listaram os indicadores gerais, subdi-
vididos nas categorias: alteração do clima e redução da camada de ozônio;
eutroficação; acidificação; contaminação tóxica; qualidade do meio urbano;
lixo; biodiversidade e paisagens; recursos naturais; indicadores gerais, incluindo
os referentes à economia, população, energia e transporte. No Brasil, alguns
destinos turísticos (Bonito e Fernando de Noronha) utilizam a capacidade de
carga para controle e manutenção das áreas naturais, a fim de preservarem para
as gerações futuras.
Na comparação entre os municípios percebe-se que muitas das ações
que Bonito recebe se referem à participação ativa da comunidade, setor público
e privado e entidades não-governamentais. Bonito possui um plano diretor, o
que facilita aos governantes o diagnóstico científico da realidade física, social,
econômica, administrativa e política que orientam o governante com relação

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 135


ao planejamento a ser realizado. Por outro lado, em Cururupu este se encontra
em fase de elaboração, prejudicando a obtenção das informações necessárias
para a criação de políticas municipais de turismo, por decorrência, trata-se de
um fator negativo no município.
O Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE) é o único atributo de que
Bonito não dispõe na íntegra, mas em compensação, outros fatores a exemplo
do voucher, plano de manejo, ação do setor privado e comunidade contribuem
para o monitoramento e delimitação do fluxo, preservando assim o ambiente
natural. A participação de ONG’s em locais de turismo favorece também na
luta por um desenvolvimento mais equilibrado e que envolva a comunidade a
participar de todo o sistema que abarca o turismo.
Municípios
Atributos Bonito-MS Cururupu-MA
Plano de Desenvolvimento PDSB e Plano Estratégico do
Plano Maior
Sustentável ou Plano de Turismo COMTUR
Plano Diretor Sim Sim
Políticas municipais de turismo Sim Sim
Participação em feiras de turismo Sim Não
Atrativos turísticos diferenciados Sim Sim
Comunidade envolvida com a
Sim Não
atividade turística
Secretaria de Turismo Sim Sim
Voucher Único Sim Não
Controle do fluxo de visitantes Sim Não
Profissionais qualificados para
Sim Não
atuar com turismo
Infra-estrutura básica
Sim Sim (precário)
(saneamento, etc.)
ZEE Sim (estado do MS) Sim
Educação ambiental Sim Sim
Sim (Grutas do Lago Azul e Nossa Sim (Parcel de Manoel
Plano de Manejo
Senhora Aparecida) Luis)
Sim (Parque Nacional da Serra da
Bodoquena ; Monumento Natural Sim (APA das
do Rio Formoso; Monumento Reentrâncias Maranhenses
Unidade de conservação
Natural Gruta do Lago Azul; RPPN e Reserva Extrativista de
Fazenda São Geraldo; RPPN Cururupu)
Fazenda São Pedro da Barra)
Ecossistema preservado Sim Sim
ONG’s atuantes Sim Sim
Coleta de lixo Sim (precário) Sim (precário)
Associação de guias de turismo Sim Não
Associação de entidades diversas
ligadas ao turismo (hotel, Sim Não
agência, comércio, etc.)
Atuação do IBAMA Sim Sim
Tabela 1: Comparação dos atributos dos municípios de Bonito e Cururupu
Fonte: elaborado pelos autores

136 Turismo: sustentabilidade em áreas


Percebe-se que há atuação de ONG’s em Cururupu, que junto com
órgãos públicos atraem recursos e criam projetos voltados para o turismo e
para o meio ambiente. Cururupu pertence a uma APA sendo uma Reserva
Extrativista, ponto crucial para proteger, instalar infra-estrutura e colocar
recursos humanos para possibilitar oportunidades de turismo e lazer. Mas,
essas atribuições dependem de órgãos públicos. Por isso Bonito destaca-se,
ao ter o envolvimento da comunidade e setor privado, que não esperam ações
públicas para concretizar as necessidades urgentes que o setor turístico carece.

CONCLUSÃO
Mediante a industrialização e a falta de espaços verdes, vê-se a necessi-
dade de um novo tipo de turismo que equilibre o fluxo de viajantes com o ecos-
sistema. Surgindo então o turismo sustentável e o ecoturismo como fatores
positivos que condicionam ao desenvolvimento racional da região. Nesse con-
texto, surge o planejamento de ocupação regional como ferramenta de desen-
volvimento turístico sustentável para pólos turísticos, incluindo Cururupu, que
será beneficiado com os objetivos, metas e ações do macroprograma de desen-
volvimento no momento de sua implantação.
As políticas públicas de turismo, a criação e implantação de planos
de turismo, a participação da comunidade e setor privado, a criação de leis
ambientais e o controle do fluxo por meio da capacidade de carga se inte-
grados, contribuem para o desenvolvimento turístico sustentável. Todos esses
fatores são importantes para a implantação de um turismo sustentável numa
localidade. Pois a partir do momento que o sistema está interligado, todos os
setores discutem e colaboram para equilibrar e encontrar soluções para um
desenvolvimento qualitativo.
Após ter-se definido e examinado os conceitos fundamentais que
envolvem o desenvolvimento sustentável do turismo a nível estadual, confron-
tando com os indicadores do turismo sustentável, responde-se então a ques-
tão deste estudo: quando comparamos os indicadores do turismo sustentável
com os objetivos e metas do Plano, percebe-se que os mesmos estão alinha-
dos, ou seja, o Plano está relacionado aos indicadores. Mas também se iden-
tifica que este somente viabilizará a implantação de um turismo sustentável
em Cururupu no momento em que o mesmo concretizar todas as ações do
macroprograma de desenvolvimento. Observa-se que a elaboração do plane-
jamento estratégico do turismo local tipo top-down excluiu a comunidade na

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 137


participação da integração com o turismo. Ocorre assim a preocupação com o
risco de desencontro entre as premissas do desenvolvimento sustentável e os
rumos que a indústria turística em Cururupu vem seguindo.

REFERÊNCIAS
BENEVIDES, I.P. Para uma agenda de discussão do turismo como fator de desenvolvimento
local. In: RODRIGUES, A.B. (Org.) Turismo e desenvolvimento local. 3. ed., p.23-41 São Paulo:
Hucitec, 2002. cap.2.
BLAMEY, R.K. Principles of Ecotourism. In: WEAVER, D.B. (Org.) The Encyclopedia of
Ecotourism. CAB International, 2001.
BRAMWELL, B.; LANE, B. Sustainable Tourism: an evolving global approach. Journal of
Sustainable Tourism, v.1, n. 1, p.1-5, 1993.
BRASIL. Ministério do Turismo. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento
de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Segmentação.
Segmentação do turismo e o mercado. Brasília, DF, 2010.
CARABELLI, F.A. A Proposal for the Development of Tourism in the Forested Landscape of
Tierra Del Fuego, Patagonia, Argentina. Tourism Analysis, v.6, n.3-4, p. 185-202, 2001.
COOPER, C. et al. Turismo: princípios e prática. Porto Alegre: Bookman, 2001.
CUNHA, S.K.; CUNHA, J.C. Modelo Sistêmico para Avaliação do Impacto do Turismo no
Desenvolvimento Local. Anais do encontro da ANPAD, Brasília, 2005.
DIAS, R. Turismo Sustentável e Meio Ambiente. São Paulo: Atlas, 2003.
FONT, X.; BENDELL, J. Standards for Sustainable Tourism for the Purpose of Multilateral
Trade Negotiations. In: Jerome L. McElroy. Studies on Trade in Tourism Service, Leeds: World
Tourism Organization, 2002.
GARCIA, C.; SERVERA, J. Impacts of Tourism Development on Water Demand and
Beach Degradation on the Island of Mallorca (Spain). Geografiska Analler: Series A, Physical
Geography, v. 85, n. 3-4, p. 287-300, 2003.
IGNARRA, L. R. Fundamentos do turismo. São Paulo: Pioneira, 1999.
MAGALHÃES, C.F. Diretrizes para o Turismo Sustentável em Municípios.São Paulo: Roca,
2002.
MAMBERTI, M.M.S.; BRAGA, R. Arranjos produtivos turísticos e desenvolvimento local.
Anais, SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO LOCAL
NA INTEGRAÇÃO: ESTRATÉGIAS, INSTITUIÇÕES E POLÍTICAS, v.1., UNESP,
2004.
MARANHÃO. Gerência de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. Plano de
desenvolvimento integral do turismo do Maranhão: plano maior. São Luís, 1999.
MARTENS, S.; SPAARGAREN, G. The Politics of Sustainable Consumption: the case of the
Neetherlands Sustainability: science, practice and policy, v.1, n.1, p.29-42, Spring, 2005.
MATO GROSSO DO SUL. Zoneamento ecológico econômico do Mato Grosso do Sul: contribuições
técnicas, teóricas, jurídicas e metodológicas. v. 3, 2007.

138 Turismo: sustentabilidade em áreas


OMT. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO TURISMO. Introdução ao Turismo. São Paulo:
Roca, 2001.
PETROCCHI, M. Gestão de polos turísticos. São Paulo: Futura, 2001.
POLONSKY, M.J. An Introduction to Green Marketing. Electronic Green Journal. v. 1, n. 2,
nov. 1994.
POLONSKY, M.J.; OTTMAN, J. Stakeholders’ Contribution to the Green New Product
Development Process. Journal of Marketing Management, n. 14, 1998.
RUSCHMANN, D. Gestão da Capacidade de Carga Turístico-Recreativa como Fator de
Sustentabilidade Ambiental – o caso da ilha João da Cunha. In: LAGE, B.H., MILONE, P.C.
(Org.) Turismo: teoria e prática., São Paulo: Atlas, 2004.
SANTOS, S. R. dos. Turismo sustentável a partir da implantação do plano de desenvolvimento
integral do turismo do Maranhão: o caso do município de Cururupu. 2006. 178f. Dissertação
(Mestrado em Administração e Desenvolvimento Empresarial) – Universidade Estácio de Sá,
Rio de Janeiro, RJ, 2006.
SHARPLEY, R.; TELFER, D.J. Tourism and Development: concepts and issues. Channel View,
2002.
SOUZA, M.J.L. Como pode o turismo contribuir para o desenvolvimento local? In:
RODRIGUES, A.B. (Org). Turismo e Desenvolvimento Local. 3.ed. São Paulo:Hucitc, 2002.
WIGHT, P.A. Supporting the principles of sustainable development in tourism and ecotourism:
government’s potential role. In: LÜCK, M.; KIRSTGES, T. (Org.) Global Ecotourism Policies
and Case Studies: perspectives and constrains, p. 50-71, Channel View, 2002.

Saulo Ribeiro dos Santos | Protásio Cézar dos Santos 139


Vilegiatura: do modelo clássico às
características contemporâneas

Alexandre Queiroz Pereira1

INTRODUÇÃO
Os textos basilares desta temática descrevem o contexto europeu,
classificando-o como território “embrião” da vilegiatura. Em primeiro plano,
Boyer (2008), em um trabalho dedicado exclusivamente à vilegiatura, segue o
caminho teórico da história cultural para defini-la como fenômeno de socie-
dade com características próprias e capazes de distingui-la de outras práticas.
Para tanto, o autor justifica sua espessura histórica em relação a outras práticas
de lazer. Contudo, defende que uma definição coerente com a história da vile-
giatura deve associar-se a outros fenômenos e condicionantes sociais, sem os
quais a análise não alcançaria a complexidade necessária.
A vilegiatura reflete o desejo milenar de grupos sociais que, em deter-
minados períodos (temporada, estação climática), sentem a necessidade de
deslocar-se de sua habitação em direção a outro lugar onde temporariamente
permanecerão para aproveitamento das amenidades locais. Pode-se mencionar
um padrão clássico de vilegiatura, caracterizado por longas estadas em villas2.
A propriedade imobiliária marcou a denominação da prática. Assim, a ori-
gem etimológica do termo vilegiatura origina-se, segundo Ambrósio (2005), a

1 Doutor e Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente, exerce a fun-
ção de professor Adjunto-A no Departamento de Geografia da UFC. É, também, pesquisador
do Observatório das Metrópoles - Nucleo Fortaleza, compondo o Laboratório de Planejamento
Urbano e Regional da Universidade Federal do Ceará.
2 As villas foram os espaços construídos (compostos por um imóvel residencial e seus arredores) e
destinados pelos patrícios romanos à prática do otium. “...o otium [por sua vez] indica um lazer
escolhido, reservado aos optimates, que se afastam por algum tempo da demanda das magistraturas,
um fragmento de vida privada que o indivíduo organiza à sua maneira, evitando o duplo perigo da
preguiça e do tédio; espaço de distensão que possibilita o exercício da inteligência e, se for o caso,
prepara a ação futura; tempo de retorno às fontes que, paradoxalmente, se associa à ética triunfante
na Inglaterra dos Whigs e à Revolução Gloriosa de 1688” (CORBIN, 1989, p. 267).

140
forma italiana villeggiatura, denominação esta vinculada ao termo villa, que se
refere à casa de lazer, de descanso, do ócio (otium).
Conforme relatos organizados por Corbin (1989), a propriedade de
inúmeras villas era comum aos imperadores, senadores e demais cidadãos
romanos ricos. As práticas durante a estada também remetiam a um modelo
clássico, entre elas destacavam-se a “leitura, prazeres da coleção e da corres-
pondência, (...) contemplação, (...) conversação filosófica e (...) passeio (...)”
(CORBIN, p. 267). Aos fundamentos desse modelo associava-se rígida hie-
rarquia social atrelada a processos de elitização e urbanidade. Ainda segundo
Boyer (2008), em seu nascedouro, indiferentes à diversidade de lugares e modos
de vilegiaturar (de inverno, de verão, das águas, oceânicas), quatro característi-
cas emergem como essenciais ao desenvolvimento e à definição dessa prática
social: são sazonais (temporárias) e mundanas, apresentam funções curativas,
com valores regenerativos, e organizam-se na conformação da segregação
elitista. Ainda conforme o autor, ela resume um conjunto de ideologias que
representariam a arte de viver, a autenticidade, a riqueza em valores e a proxi-
midade em relação à natureza.
Neste capítulo, propõe-se o aprofundamento dessas questões. Para
tanto, são elaborados três raciocínios: As estações planejadas, os Novos sujeitos-
-praticantes e a Vilegiatura e turismo. Os dois primeiros descrevem as transfor-
mações histórico-geográficas que produzem as características contemporâneas
da vilegiatura enquanto prática socioespacial; ao passo que o terceiro constrói
argumentos que relacionam e diferenciam vilegiatura e turismo.

AS ESTAÇÕES PLANEJADAS
Retomando uma tradição dos patrícios romanos, as cidades-Estado
italianas (século XVI), através dos riches oisifs, ostentavam mansões (muitas
hoje tomadas como patrimônio mundial pela UNESCO) utilizadas em fun-
ção da vilegiatura. Esse é o modelo da vilegiatura clássica no qual “le trajet
est psychologiquement secondaire” (BOYER, 2008, p. 17). Assim, constata-se a
relação viagem-estada, em que a segunda aparece como essencial, ou melhor,
como componente genético da vilegiatura.
Contextualizados por um arquétipo de cidade, anterior à revolução
urbana promovida pela industrialização, e, logicamente, limitados por técni-
cas lentas, os vilegiaturistas deslocavam-se bem menos do que atualmente é
possível. Tal conjuntura foi essencial para que, em meio a condições de crise

Alexandre Queiroz Pereira 141


(guerras), o desejo pela vilegiatura continuasse produzindo novos espaços.
Contudo, a marca fundamental é a possibilidade de estender o tempo de
estada, daí a justificativa para a construção e o uso das casas de temporada,
que foram produzidas como obras de arte, únicas e exclusivas, posto que na
Renascença Italiana os vilegiaturistas repetiam um modelo individual/fami-
liar. Ao longo da história, os privilegiados pela vilegiatura foram aqueles que
despendiam de rendas provenientes da propriedade das terras, das atividades
comerciais, financeiras e industriais. Estes, de acordo com os lugares da moda,
podiam vilegiaturar durantes meses.
A partir do século XVI, com padrões arquitetônicos ecléticos e cidades
comerciais em expansão, as casas para a vilegiatura mais e mais se desenrai-
zavam das práticas do otium, sendo utilizadas como símbolo de ostentação. A
nobreza aristocrática europeia, ao longo de mais de três séculos, monopolizou,
entre outras práticas, a vilegiatura, utilizando-a como espaço-tempo de ree-
laboração de modas, de costumes e de lugares. Os reis espanhóis, franceses,
portugueses, ingleses e russos, se não pelo planejamento, mas, muitas vezes,
pelo prestígio de sua estada, promoviam os lugares, marcando-os com insígnias
de superioridade social.
No século XVII, juntamente com os continentais (referência aos euro-
peus que não vivem nas ilhas da Grã-Bretanha), a vilegiatura difunde-se pela
pequena nobreza inglesa. Certo abandono de estilos arquitetônicos normativos
é considerado por Boyer (2008) como um dos facilitadores do processo de difu-
são de novas construções. Há de se constatar que a abertura de determinadas
práticas a espectros mais abrangentes da sociedade confirmam um processo de
redefinição, sendo que a ascensão das cidades anunciava e condicionava essas
mudanças, daí preceituam-se tais relações como condições iniciais e propícias
à modernização3 da vilegiatura.
No interstício demarcado pelos séculos XVIII e XIX, a produção dos
lugares para vilegiatura modelou-se segundo o paradigma das estações. O
modelo individual não desaparece, associa-se às novas formas, sendo inclusive
meio para divulgar os novos espaços, principalmente quando os proprietários
encontram-se no topo da estratificação social. Luxo e suntuosidade marcavam

3 Essa noção de modernização está vinculada ao movimento continuo e divergente entre o novo e o
antigo, o que promove um processo de negação “daquilo que existia, pela prova de sua inadequação,
pelo desvelamento do tradicional, que o novo deve se afirmar” (GOMES, 2005, p. 49).

142 Vilegiatura
os lugares: das roupas à arquitetura dos prédios. Essa condição merece um
registro. Por mais que, nesses lugares, diferentes condições naturais servissem
de atrativos, a possibilidade de sociabilidade com pessoas baluartes da moda
detinham maior peso no processo de ascensão e firmação das estações. Tais
condições também não desmentiam a possibilidade de isolamento, demons-
trando que o modelo familiar bem próximo ao clássico não desaparece.
Se os italianos foram os reinventores das villas, os britânicos foram
os primeiros a inventar as estações modernas de vilegiatura. Neste sentido, o
padrão espacial de constituição muda. Da ocupação molecular fundamentada
em nomes/famílias (casa dos Médici, do Rei, do Duque), surgem os promo-
tores (the gate-keepers), aqueles responsáveis por planejar e divulgar um espaço
para o lazer: a estação. No período em que a burguesia assimilava e reinventava
os gostos aristocráticos, as estações compreendiam um espaço amplo que arti-
culava lugares para a vilegiatura (os prédios construídos em estilo grandioso
sediavam recintos para banhos, saunas, jogos e concertos).
O planejamento para as estações também inclui uma duplicidade de
representações referentes às peculiaridades naturais e à forma social de sua
apropriação. Entre as amenidades naturais socialmente divulgadas, um grande
álibi para a vilegiatura foi o banho termal e todo um discurso médico (cientí-
fico) sobre suas propriedades curativas, modelo retomado dos banhos romanos.
Desse cenário resultou a mais suntuosa e comentada Bath (Inglaterra). Ela
tornou-se exemplo para as que viriam.
Pouco a pouco, as estâncias disseminaram-se pelo continente europeu.
Os regentes dos principados e ducados incentivam os gate-keepers a promover
novas termas. Spa4, atualmente situada no território belga, posterior a Bath,
superou a matriz e ganhou tamanho sucesso, tornando-se sinônimo de estabe-
lecimento voltado para uma estada em função do bem-viver. Ir às águas, como
diz Boyer (2008), tornou-se conotação de estadas movimentadas pelas festas,
prazeres, jogos e espetáculos. Assim, as estações eram planejadas com alto grau
de sofisticação, fundamentadas em modelos de satisfação de prazeres, media-
das pelo gosto da nobreza e pelas recomendações da ciência. Mesmo base-
ado em condições naturais específicas (no caso das águas minerais, termas), o

4 Tanto na Europa como aqui no Brasil, sabe-se da diversidade e da importância das estações de vi-
legiatura termal (das termas), contudo, não compõe o corpo de objetivos deste trabalho a descrição
e o detalhamento desses casos.

Alexandre Queiroz Pereira 143


caso assinalado indica a sociabilidade como grande atrativo; em outros casos
(espaço-tempo diferente), a centralização associa-se às amenidades naturais.
De fato, a produção de espaços (na interação entre concebido e vivido) de lazer
relativos à estada temporária é o outro indicativo do processo de moderniza-
ção da vilegiatura, posto caracterizar-se tanto pela modelização/normatização,
como pela pulverização de outras estações.
Bath est un modele de villégiature en station. Il y a un urba-
nisme voulu, un programme architectural. La vie et l’espace sont
organisés autour de lieux de rencontre majestueux que sont les
thermes, la buvette, le Cercle (on ne dit pas encore casino) el
les cheminements sont doubles: dans la nature construire – c’est
le parc thermal – et en cas de pluie ou le soir sous les arcades
qui entourent les places. Maisons particulières et hôtels – encore
rares – sont et même style et constituent un écrin harmonieux
pour cette vie toute de sociabilité (BOYER, 2008, p. 49).
A submersão nas águas oceânicas frias e os ares das altitudes também
foram atrativos contribuintes para a formação de estações, respectivamente,
nas costas e nas montanhas europeias. As amenidades costeiras e marítimas
são elevadas a atrativos e justificam a criação de estações (resorts). Nessa tarefa
os ingleses destacam-se e criam Brington. Assim como Bath e Spa, no início o
balneário inglês atrai os estratos superiores da sociedade em função das carac-
terísticas terapêuticas e curativas da sufocação nas gélidas águas marinhas das
médias latitudes.

NOVOS SUJEITOS-PRATICANTES: DA RECREAÇÃO AO LAZER


As estações balneárias, posteriormente denominadas turísticas, dife-
rentes das demais estações (termais e montanhosas), tornaram-se espaços
convidativos a estratos sociais anteriormente preteridos. É por isso que Urry
(1996) confirma que, nas primeiras décadas do século XX, Brington mantinha
má reputação por “seus excessos sexuais e, sobretudo, pelos finais de semana
‘sujos’” (p. 52). Essa percepção parte de uma classe que se sente superior e vê
os lugares de lazer alcançados por outras que não necessariamente seguem os
mesmos requisitos de cultura e sofisticação então comuns a esses espaços.
É necessário frisar que processos concomitantes se sucedem. A vida
social na Europa muda: os Estados-Nação se unificam; o comércio mun-
dial amplia suas rotas e o volume de trocas aumenta, principalmente entre

144 Vilegiatura
Metrópoles e Colônias; a base produtiva desloca-se da renda da terra e da
produção agropecuária para a indústria; os burgueses acumulam riquezas,
aproximam-se do poder, tornando-se controladores dos meios de produção;
a linha férrea atravessa o território europeu; a cidade comercial é explodida-
-implodida pela indústria e a população citadina cresce em detrimento da ocu-
pação dos campos. Nesse ínterim, o gosto pela vilegiatura permanece, sendo
que o modelo Bath entra em declínio e as novas estâncias de vilegiatura cons-
tituem-se segundo a administração e os interesses de uma sociedade moderna
e burguesa.
Martin-Fugier (2009) relata o contexto francês e narra as transfor-
mações sociais (tempo e espaço) provocados pelo uso do trem em função da
migração estival.
O trem reduziu em dois terços o tempo de viagem entre a capital
e as praias. Em 1840, levava-se doze horas de coche para ir de
Paris a Dieppe; no Segundo Império, por estrada de ferro, não se
levava mais do que quatro horas. Em agosto de 1848, o primeiro
“trem de recreio” vem a ligar Paris a Dieppe. Esses trens, que per-
mitem chegar às cidades do litoral normando nos fins de semana,
viriam a conhecer na segunda metade do século um sucesso cres-
cente, tanto mais que a Companhia, a partir de 1850, passou a
oferecer passagens a preços mais baixos (cinco francos na terceira
classe e oito francos na segunda). A clientela abastada usa o ‘trem
amarelo’ ou ‘trem dos maridos’. Em 1871, ele sai de Paris no final
da tarde de sábado e traz os passageiros de volta na segunda-feira
antes do meio-dia – o tempo exato, para os homens ocupados
com seus negócios, de passar o domingo com a mulher e os filhos
na praia (MARTIN-FUGIER, 2009, p. 211-212).
Ainda no século XIX, as recomendações médicas e funções terapêuti-
cas das estâncias foram parcialmente substituídas pelo prazer em si mesmo, ou
melhor, pelo gozo mundano. Os novos sujeitos também praticantes da vilegia-
tura promovem adaptações. Martin-Fugier (2009) descreve a inserção da vile-
giatura na vida privada burguesa. Se o ano dos aristocratas é divido entre duas
estações – a mundana (o inverno e a primavera) e a vilegiatura (o verão e uma
parte do outono) –, os burgueses da capital também locam por temporada,
e muitas vezes escolhem lugares diferentes para a estada. Ainda segundo a
autora, os citadinos parisienses se acostumam a estadas mais curtas no campo,

Alexandre Queiroz Pereira 145


indo ao sábado e retornando segunda-feira pela manhã, sempre acompanha-
dos por seus empregados.
O espalhamento mundial (novos lugares, novas paisagens, novos cos-
tumes e outros usuários) condiciona mudanças qualitativas e quantitativas.
Ainda há de se considerar que, durante o século XIX, resultante de centúrias
de expansão colonial, as práticas de vilegiatura são levadas a outros continen-
tes, em especial ao americano.
Nesse período, além do sucesso alcançado pela estada temporária, as
viagens também são redefinidas. A viagem em si deixa de ser um sinônimo de
desconforto, aventura e perigo. Dar voltas para fins de educação, experiência
cultural e recreação torna-se um hábito. Dessa condição nasce o neologismo
tourist5 para designar os amantes dessas práticas. A viagem, cada vez mais
organizada, com roteiro, guia e hospedagem, inclui visitações tanto a novos
lugares como àqueles já produzidos pelo gosto pela vilegiatura. A partir de
então, tanto estada como viagem congregam um conteúdo relacionado a uma
noção moderna: o lazer. Identifica-se a proximidade entre as práticas, contudo,
são evidentes os distintos contornos e datações.
Em outro de seus trabalhos dedicado ao turismo de massa, Boyer
(2003) constrói duas pirâmides socioculturais referentes às que engrenam o
desejo pela viagem. O autor hierarquiza os sujeitos ativos, tanto nos séculos
XVIII-XIX como no século XX, e explica o processo de imitação do gosto
pelo turismo. Tomando como fundamento o texto de Boyer (2008), percebe-
-se, sem maiores surpresas, que as camadas sociais promotoras e desejosas do
turismo são bem próximas às capazes de praticar a vilegiatura (Figura 1). Fato
que não surpreende, posto admitir que ambas se definam pela relação entre
estada e viagem. Assim, em relação às camadas da pirâmide, quanto mais pró-
ximo do topo, maior a probabilidade dos sujeitos sociais usufruírem de ambas
as práticas.

5 Não é objetivo desta seção alongar a análise do processo de surgimento do que hoje denomina-se
turismo. Para este trabalho, importante é reconhecer seus contornos iniciais e suas relações com
a prática da vilegiatura. Contudo, para complementação, segue trecho que descreve as origens
etimológicas e históricas do termo: “... para designar a los jóvenes aristócratas que ‘daban vueltas’
por distintos lugares de Francia, tomaron el término de origem latino Tour (...). Según este mis-
mo autor, etimológicamente el término Tour se remonta al substantivo latino torn-us (do que da
vueltas) y al verbo torn-are (tornar, girar – en latín vulgar-) (COLÁS, 2003, p. 22). Segundo Boyer
(2008) a palavra tourist foi utilizada pela primeira vez por Stendhal em 1844, no livro Memória de
um Turista.

146 Vilegiatura
Figura 1 - Pirâmides socioculturais de Boyer
Fonte: Boyer (2003), adaptado pelo autor.

Alexandre Queiroz Pereira 147


Ao analisar a segunda pirâmide, adentra-se no século XX, que é demar-
cado por mudanças em direção à popularização das práticas. Veja-se, a título
de exemplo, a presença de uma camada intermediária6 responsável também
pelo consumo massificado dos lugares de vilegiatura. Os segmentos sociais
exibidos são próprios desse contexto histórico-espacial, produtos de um século
de bruscas mudanças tecnológicas, econômicas e culturais. Afinal, nesse século
foram produzidos meios de transportes mais rápidos (aeronaves, trens de
alta velocidade) e individuais (automóveis) em larga escala, isso sem falar das
outras inúmeras mercadorias popularizadas pela indústria fordista; no mundo
do trabalho, novas relações, novas profissões (operárias e burocráticas); surgem
nessa centúria a regulamentação trabalhista e com ela direitos a remunerações
em períodos de tempo-livre (férias); é também o século dos meios de comu-
nicação e informação em massa (rádio, telefone, televisão, internet); emergem
inúmeros movimentos culturais, contraculturais, modas e personalidades tam-
bém promotoras de modismos; em relação ao território, novas configurações
são produzidas, com a artificialização da paisagem e a inserção de sistemas téc-
nicos e infraestruturais, principalmente na expansão do tecido urbano; a esse
respeito vale destacar o crescimento contínuo da população urbana mundial,
em especial nos países anteriormente colonizados, ao passo que são elabora-
das ideologias ambientais e ecológicas que põem em discussão a relação entre
sociedade e natureza7. Ainda em termos espaciais, os fluxos socioeconômicos
internacionalizam-se, promovendo uma duplicidade de condições: os lugares
são regidos a partir de uma ordem global e, concomitantemente, suas particula-
ridades socioespaciais são reconhecidas mundialmente. É o século de um novo
modo de organização social, a sociedade do consumo dirigido, caracterizada,
entre outras questões, pela produção de um cotidiano (LEFEVBRE, 1991).

6 “As classes médias – técnicos, intelectuais – são literalmente os suportes da manutenção das rela-
ções essenciais, crendo que lhes escapam. Os indivíduos como tais vivem, ou tentam viver, uma
vida ‘elítica’; evadem-se pela ‘cultura’, quando o seu saber serve o capitalismo e quando o conjunto,
enquanto ‘classes’, veiculada as relações de produção. As classes médias vivem portanto em dois
planos, numa dualidade-duplicidade permanente. Num plano, os indivíduos julgam, criticam e, às
vezes, contestam e recusam, até. Noutro plano, eles servem e recebem uma contra-partida: uma
ilusória delegação de poder, o que lhes dá a ilusão de fazer coisa diferente do que o que fazem”
(LEFEBVRE, 1973, p. 26).
7 Para discussão mais aprofundada, consultar: 1) HARVEY, D. Condição Pós-moderna. 12ª ed. São
Paulo: Loyola, 2003; 2) TRIVINHO, E. A democracia cibercultural: lógica da vida humana na
civilização mediática avançada. São Paulo: Paulus, 2007; 3) SANTOS, M. A Natureza do Espaço.
Técnica e tempo. Razão e emoção. 2ª. Ed., São Paulo: HUCITEC, 1997.

148 Vilegiatura
As mudanças na compreensão e na apropriação do tempo enquanto
categoria social traz significativas respostas. A recodificação da vilegiatura para
as condições de uma Modernidade em constituição relaciona-se com a conso-
lidação, lenta e gradual, da noção de tempo social medido e não mais segmen-
tado somente pelos ciclos naturais (cósmico ou biológico). Urge o tempo das
ações sociais, do trabalho e da cidade (HARVEY, 2003). O tempo não é mais
do otium, mas da ociosidade e da busca pela distinção, posto que apoderar-
-se do tempo e controlá-lo são sinais de poder. Lefebvre (1991), analisando a
sociedade pós-guerra, faz severas críticas às relações sociais cotidianas organi-
zadoras do que se chama lazer.
No momento, o lazer é antes de tudo e para todos, ou quase
todos, a ruptura (momentânea) com o cotidiano. E vive-se uma
mutação difícil no transcorrer do qual os antigos “valores” foram
inconsiderada e prematuramente obscurecidos. O lazer não é
mais a Festa ou a recompensa do labor, também não é ainda a
atividade livre que se exerce para si mesma (LEFEBVRE, 1991,
p. 62).
Na Modernidade, ócio seria uma fração do cotidiano destinada a afa-
zeres definidos pelo interesse do indivíduo (lazer, meditação, estudo, traba-
lho). Diferentes das recreações aristocráticas, a noção de lazer tem origem na
sociedade burguesa (CAMARGO, 2007). De modo geral, para os indivíduos
não há independência, pois os limites espaço-temporais são restringidos pelas
instituições sociais (escola, empresa, Estado, igreja, ritos culturais). Nesse sen-
tido, o conceito de lazer é moderno e está associado “a separação entre casa e o
trabalho” (BARRETO, 2009, p. 60).
Contudo, é no século XX que se propaga um novo modelo de vilegia-
tura marítima, baseado no sol (nas temperaturas elevadas), generalizado através
de uma dinâmica “anônima” (BOYER, 2008) e que alcança uma multiplici-
dade de países e seus litorais, articulado por sujeitos capazes de movimentar-se
por longas distâncias em períodos curtos.

VILEGIATURA E TURISMO
As transformações mundiais iniciadas ao longo do século XX, com
destaque para seu último quartel, evidenciam que a prática da vilegiatura não
é suficientemente explicada pelas ilações, dedutivamente retiradas, das cons-
truções “teóricas” acerca do turismo. Diferenciar o vilegiaturista do turista é

Alexandre Queiroz Pereira 149


tarefa nada fácil, principalmente quando restringem as definições a variáveis
como tempo de permanência e distância percorrida. Além do mais, ambos
os termos caracterizam práticas voláteis/mutáveis. Além dessas dificuldades
implícitas, iniciou-se uma tendência a classificar todos os fenômenos que
envolvem viagem e lazer como turísticos. Os estudos estruturam-se em esta-
tísticas governamentais fundamentadas em critérios dúbios e, na maioria das
vezes, abrangentes. Por outro lado, as estatísticas oficiais não contabilizam os
moradores das cidades que se deslocam e permanecem temporariamente, para
fins de lazer, em seus imóveis em municípios limítrofes a origem das suas habi-
tações. Este último grupo se desloca em função do lazer, mas não é contabi-
lizado. Todavia, é classificado como turista um estrangeiro que embarque em
um avião, cruze o Atlântico (por exemplo), desembarque em uma capital nor-
destina e se dirija a um imóvel de sua propriedade por três, quatro, seis meses
de forma contínua ou intermitente, somente porque fez uma viagem.
Mesmo podendo ser acusado de linear, Boyer cronologicamente afirma
ser a vilegiatura uma prática mais antiga que as viagens turísticas. No século
XX, a vilegiatura não deixa de existir, ao contrário, massifica-se e expande-
-se por novos espaços, sendo capaz de explicar os fenômenos anteriormente
enunciados.
A tradição científica do século passado descartou a história densa da
vilegiatura, e com o fenômeno das viagens em massa, todas as práticas que de
algum modo vinculavam-se ao deslocamento não forçoso foram reunidas pelas
análises em torno da atividade turística. A análise prosseguiu por preceitos
generalizantes e equivocados, como se um fenômeno sobrepusesse o outro,
sabendo inclusive que ambos têm origens e motivações diferentes.
Com a ascensão do turismo a tema científico, os pesquisadores passa-
ram a nomear os processos por derivação, utilizando-se de adjetivações para
caracterizar fenômenos já existentes8. Ao pensar a abrangência dos termos tou-
risme e vacances, Urbain (1996) traça uma conexão entre eles, delimitando uma
hierarquia.
Vacances est um terme générique. [...] Inversement, tourisme est
un terme spécifique. Depuis le début du XIXe siècle, il désigne

8 Manuais técnicos e científicos que divulgam as características administrativas e essenciais da ati-


vidade turística na contemporaneidade não mencionam a vilegiatura, dedicam-se principalmente
às viagens e suas tipologias (BARRETO, 2009; ANDRADE, 2002; DIAS, 2008).

150 Vilegiatura
une activité vacancière remplissant d’une manière spéciale cet
intervalle de temps. Si un touriste est un vacancier, la récipro-
que n’est donc pas toujours vraie – contrairement à ce qu’admet
la typologie actuelle des loisirs en faisant du tourisme un con-
cept générique et des vacances une notion spécifique (URBAIN,
1996, p. 14). 
No sentido de entender a relação entre o turismo moderno e a vile-
giatura, há uma relação dialética que ainda não foi completamente explici-
tada: viagem e estada. Os turistas e os vilegiaturistas são amantes das vacances.
Essas práticas estão em íntima ligação, não adiantando, assim, discutir a pre-
dominância de uma sobre a outra, ou mesmo quem veio primeiro. No entanto,
percebe-se, pelos escritos sintéticos de Corbin e Boyer, que na Modernidade
criam-se condições tanto sociais (ressignificação) quanto técnicas para possi-
bilitar a difusão e a variação da quantidade de viagens9. A partir desse período,
mais e mais vezes pode-se viajar para inúmeros lugares. Daí a figura do turista
estar associada a sua capacidade de se deslocar e “colecionar” lugares visitados.
Isso, contudo, não suprime aqueles que vislumbram prioritariamente a estada.
Boyer (2008) fomenta a discussão enunciando distinções (e complementarida-
des) entre turismo e vilegiatura.
Le tourisme est habituellement presente comme une entité,
englobant des voyages diverses formes de séjour, l’étude des
infrastructures utilisées, mais aussi les représentations. Les
discours tenus orientent vers le voyage et ses contenus, sur les
découvertes, tandis que la réalité, ce sont des juxtapositions de
sédentarités, de résidences temporaires. C’est cela qui, ici, est
qualifié de villégiature avec des lieux, des modes de résidence
choisis pour séjourner (BOYER, 2008, p. 229).
A fragmentação do tempo social associada à Modernidade impôs
teórica e praticamente a distinção entre a viagem e a estada. Se na Villa de
otium romana a estada alcança seu ápice e no Renascimento ela é retomada,
na Modernidade os conceitos de turista e turismo são forjados de maneira a
explicar toda a diversidade socioespacial implicada na relação viagem/estada.

9 “O imaginário antecede a viagem. É o domínio do sonho [...]. O real é a vivência da viagem


em si; e aqui os aspectos de surpresa e aventura que cercam a ruptura com o cotidiano são mui-
to importantes [...]. A recordação é prolongamento da viagem, que não termina na volta [...]”
(MARCELLINO, 1996, p. 74).

Alexandre Queiroz Pereira 151


A diversificação tecnológica dos meios de circulação e de transporte, além de
possibilitar o aumento do número de viagens através da aceleração da veloci-
dade, colaborou para ampliar o número de lugares à disposição para a antítese
da viagem: a fixação, a estada. Numa análise relacional, a mobilidade espacial
(deslocamento) é o start de ambas as práticas. Mediante esse raciocínio, há um
germe de vilegiatura no turismo, sendo a recíproca também verdadeira, já que
na primeira prática a mobilidade espacial está em função da estada temporária,
enquanto na segunda a mobilidade espacial é meio e fim, pois a estada tem-
porária no(s) lugar(es) de destino é condição para dar continuidade à mobi-
lidade. Mesmo no lugar de destino da viagem, o turista reproduz o modelo
de circulação, sendo a permanência igual à monotonia, por isso organizam-se
passeios, percursos, city tours etc. Nos seus escritos sobre o planejamento das
atividades turísticas, Boullón (2004) enfatiza que “o turista, ao longo das férias,
muda de local mesmo permanecendo no mesmo lugar. Distribui seu interesse
entre várias coisas que o convidam a desempenhar diferentes atividades” (p.
156). Essa percepção está registrada no que os especialistas da área evidenciam
como características predominantes do turista. Isso fica também evidente na
descrição feita por Barbosa (2002).
O turista é um consumidor que busca sempre o conforto, é aco-
modado; quanto menos sacrifício numa viagem melhor. Adepto
da lei do ‘menor esforço’, não quer correr riscos. Normalmente é
o grande consumidor de pacotes de viagem que incluem: trans-
fers (hotel-aeroporto-hotel), passeios e, às vezes, refeições. Além
de tudo isso, o mais importante para o turista é um persona-
gem muito especial, o guia, que desempenha o papel de uma
verdadeira ‘mãe’, uma superprotetora, que cria um total elo de
dependência. É responsável pela condução do grupo (‘seus filhos
órfãos’), afinal, eles são como crianças, não conseguem andar
sozinhos; podem se perder, muitas vezes não falam o idioma
local, portanto, sendo criaturas totalmente desamparadas, a ‘mãe-
-guia’ faz o embarque, o desembarque, leva para o ônibus, diz
onde estão todos os atrativos turísticos, indica as melhores lojas
para as compras (...) (BARBOSA, 2002, p. 74-75).
Em busca das características do turista contemporâneo, Urry (1996)
define-os como “colecionadores de olhares e parecem estar menos interessa-
dos em repetir visitas ao mesmo lugar, revestido de uma certa aura” (p. 19).

152 Vilegiatura
Krippendorf (2001)10 explica “o ciclo de reconstituição”, processo esse que parte
das necessidades humanas insatisfeitas pela vida cotidiana e resulta na trans-
formação do “homem comum” em turista e, em uma etapa seguinte, ocorre o
fenômeno inverso. Para o referido autor, este não é um processo individual, é
resultado das influências do meio social.
O turista é a personificação temporária de um estado social, a partir
do qual o sujeito desenvolve momentos de lazer em função de uma viagem
mediada por uma estrutura pré-disposta, que inclusive é responsável pela defi-
nição dos limites das atividades a serem realizadas. Para isso, ele tem uma
agência de viagem, assim como companhias de transporte com destinos já
organizados, uma rede hoteleira pronta para receber os mais diferentes tipos de
turistas, os bares, as atrações e atrativos. Tudo isso prontamente definido antes
da partida. A atividade turística, na sua conotação atual, é efetuada, assim, por
meio de uma organização/sistematização prévia. Circunstância essa observada
no cerne das políticas públicas relativas à estruturação do território e que pro-
duzem o espaço a partir de sistemas infraestruturais básicos para a recepção de
visitantes. No turismo, o importante é “vencer” a fricção, posto que “os turistas
procurarão envolver-se no maior número possível de atividades e observar o
máximo no curto espaço de tempo que têm (...)” (DIAS, 2008, p. 82).
A vilegiatura acontece quando indivíduos ou grupos sociais reservam
em seu cotidiano um recorte espaço-temporal a parti do qual as necessidades
dos praticantes (lazer) serão atendidas, ou seja, o gozo está na condição de se
sedentarizar temporariamente em outro lugar que não seja sua residência, seu
habitar, sua morada.
Pela definição de modelos ideais de turista (aquele que se desloca con-
tinuamente durante sua vacance) e de vilegiaturista (aquele que se fixa tempo-
rariamente), os critérios convencionais de classificação inviabilizam-se. Não
basta só definir a distância percorrida, o meio de transporte utilizado, ou a
forma de alojamento. Não é também suficiente dimensionar a duração da
estada. O que vai determinar a prática é o usufruto do espaço-tempo da estada
temporária pelos vancaciers. Outra questão fundamental escora-se na condição
fugidia desses estados. Por exemplo, ao longo do ano, uma mesma família pode
vilegiaturar durante os finais de semana ou feriados e, durante as férias, resolver

10 Krippendorf (2001) faz discurso apologético à viagem, considerando-a como atividade reconsti-
tuidora da condição humana capaz de suportar o tédio e o desequilíbrio psicológico.

Alexandre Queiroz Pereira 153


conhecer as igrejas góticas em diversas cidades europeias. Durante essas duas
situações hipotéticas, as mesmas pessoas estarão imbuídas de diferentes objeti-
vos e farão uso de mecanismos também diferenciados. Outra situação também
é possível: um colecionador de lugares (aquele que viaja anualmente destinado
a diferentes paragens) pode escolher um deles para frequentar continuamente,
haja vista aproveitar com mais densidade uma condição que aquele espaço
disponibiliza (o sol, a neve, as praias, os ventos, as pessoas, os modos de vida,
o vinho, o isolamento, um determinado empreendimento etc.). Ao descrever
novas características dos lugares turísticos, esses “intercâmbios” entre as prá-
ticas são percebidas por Fratucci (2000). O autor não menciona a vilegiatura,
mas destaca a possibilidade de transfiguração do turismo convencional.
Esse novo perfil da demanda turística está exigindo dos opera-
dores turísticos e dos gestores das áreas receptoras a criação de
produtos especializados que permitam ao turista uma vivência
no lugar visitado mais ativa, onde sejam possíveis contatos dire-
tos, sem barreiras, com os habitantes locais e o estabelecimento
de relações pessoais entre eles. O turista deixa de ser o invasor,
o intruso, o estranho (...) e passa a ser o outro para o habitante
do lugar, enquanto esse passa a ser o outro para o turista, ambos
com formações e informações culturais distintas e interessados
na troca mútua de experiências (FRATUCCI, 2000, p. 130).
Como visto, a prática turística não inviabiliza o desenvolvimento da
vilegiatura; ao contrário, permite que as características dos lugares tornem-se
mais conhecidas, expondo-os cada vez mais à possibilidade de tornarem-se
espaços de vilegiatura. Ora, pelas novas necessidades registradas pelo autor, tais
desejos não seriam objetivos históricos do que aqui se descreveu como carac-
terísticas intrínsecas a determinados tipos de vilegiaturista? Isso, contudo, não
quer dizer que todos os indivíduos que tenham experiências turísticas transfi-
gurem-se em vilegiaturistas.
Além dos polos – vilegiatura e turismo – num campo de transição,
existem práticas aproximadas que contribuem para a popularização e reprodu-
ção das atividades mencionadas. São desenvolvidas por estratos sociais situa-
dos na base da pirâmide de Boyer11, ou seja, àqueles incapazes de disponibilizar

11 As três categorias socioculturais definidas pelo autor são: pequenos comerciantes e artesãos, gran-
de maioria dos operários e os camponeses.

154 Vilegiatura
recursos financeiros para adquirir um imóvel para a vilegiatura ou contratar
pacotes turísticos.
Os grupos sociais mencionados estabelecem estratégias informais e/
ou de baixo custo no intuito de usufruírem de condições semelhantes às prá-
ticas propriamente ditas. Nesse quadro, inserem-se as excursões diárias e as
estadas em imóveis locados durante finais de semana ou feriados. No primeiro
caso, também conhecidos como pique-niques, um grupo de pessoas organiza
uma viagem de curta duração em direção a um lugar com uma determinada
amenidade (no Nordeste, predomina a praia como lugar preferencial e o ôni-
bus como meio de transporte), chegam pela manhã, permanecem até o fim
da tarde e, em seguida, retornam às suas residências. Durante a curta estada
(entre seis e oito horas) dão preferência ao uso dos serviços gratuitos e espaços
públicos, e, na maioria dos casos, providenciam pessoal e antecipadamente as
refeições e as bebidas. No segundo padrão, o grande diferencial aparece na
extensão da estada (dois a cinco dias) e, para tanto, se alugam imóveis (de uso
ocasional ou mesmo de residentes), onde são organizados os serviços de aloja-
mento, alimentação e lazer (a piscina, o playground etc.). Com isso, é possível
desfrutar de momentos que as estadas curtas não permitem (o por e o raiar do
sol, os divertimentos noturnos etc.). Em relação à escolha dos lugares, ambas
as práticas estão abertas a repetição (frequência contínua) e ao descobrimento
(busca das novidades).
O desenvolvimento de práticas aproximadas à vilegiatura e ao turismo
por esses estratos sociais tem o papel de reproduzir na totalidade social o desejo
de desfrutar de práticas em condições mais próximas dos modelos ideais: no
caso da vilegiatura, objetiva-se a compra de um imóvel destinado ao lazer; e no
turismo, a capacidade de contratar viagens com o máximo de conforto, asso-
ciada à possibilidade de escolher quaisquer lugares com reputação de requinte,
luxo e restrição.
O reconhecimento e a interpretação do transcurso histórico-espacial
da vilegiatura permite identificar o universo complexo de relações entre a via-
gem (mobilidade espacial) e a estada temporária. Em função do lazer, estes
dois pré-requisitos do fenômeno podem ser atendidos sob diferentes formatos,
temporalidades e lugares. A multiplicidade a que se refere não é contemplada
totalmente nem pelo conceito de vilegiatura (a estada temporária em si) nem
pelo de turismo (viagem). Assim, ao invés de propor conceitos mutuamente
excludentes, é preferível utilizá-los segundo suas relações. Equívoco recorrente

Alexandre Queiroz Pereira 155


emerge quando se entende que apenas um desses conceitos abrange a diversi-
dade. Acompanhando este argumento, ilude-se quem conclui, apressadamente,
que a vilegiatura é um “termo arqueológico” designador de uma atividade clás-
sica e extinta. Seu uso conceitual se justifica tanto pela sua espessa história
como por sua validade na definição de práticas socioespaciais contemporâneas,
afinal, a estada temporária em função do lazer é um fenômeno presente nas
diversas sociedades12.
É preciso tornar explícito que a vilegiatura designa a vivência de uma
condição não existencial, sazonal e descontínua. O indivíduo ou grupo nessa
condição objetiva alcançar o gozo pela estada, pelo tempo lento, pelas ativida-
des comuns ao seu gosto. A partir da perspectiva sócio-antropológica, Urbain
define o significado da estada e da viagem para o vilegiaturista.
L’esthétique du parcours ou de l’itinéraire n’est pas fondamentale
aux yeux du villégiateur – du bord de mer, en l’occurrence. Sur
le chemin qui le mène au rivage, son projet n’est pas d’accomplir
un « circuit » ou un « tour », mais d’arriver. La destination qu’il
vise au bout de son voyage n’est pas une étape, un haut lieu ou un
espace ouvert d’exploration. C’est un refuge, vécu comme défini-
tif. Son plaisir est là, tout entier (URBAIN, 1996, p. 15).
Em síntese, as características da vilegiatura são constituídas pelas for-
mas distintas que os grupos sociais organizam a prática da estada temporá-
ria em função do lazer. Neste contexto, a produção das segundas residências
é ápice do que Boyer denomina de sédéntarité (aproveitamento desta estada,
aproximando-se ao fato de residir).
Uma abordagem criativa deriva da Sociología de la vivienda, utilizada
por Pino (2003). Mesmo denominada como sociológica, essa abordagem per-
cebe, sem usar a terminologia vilegiatura, uma tessitura espacial e relacional
constituída pela produção de espaços para a residência e os espaços de vile-
giatura. Espaços da residência e espaços da vilegiatura, antes de oporem-se,
são para os grupos sociais (na sociedade ocidental, principalmente, familiares)
um arranjo integrado à vida cotidiana. Com o uso das residências secundá-
rias, os vilegiaturistas alargam seus espaços de vida. Essa atividade envolve

12 Prova disso são os vários estudos que, empregando ou não a denominação vilegiatura, descrevem
casos e analisam fenômenos com características próximas ao que ai se discute. Ver bibliografia,
principalmente Boyer (2008), Urbain (1996) e Dantas et al (2008).

156 Vilegiatura
amplamente as possibilidades de realização de inúmeras práticas de lazer e
gozo. A prática da vilegiatura também engloba o sentido do habitar, e, neste
sentido, o uso do termo residência ganha sentido.
As práticas sociais relacionadas ao viver e ao habitar podem ser defi-
nidas como aquelas que produzem significado e ligação do homem como o
espaço. Nesses termos, a casa agrega papéis sociológicos, espaciais e simbó-
licos, e lembrando Bollnow (2008), pode-se afirmar que a casa é um territó-
rio central de todas as relações espaciais. Todavia, na moderna arquitetura do
século XX a casa é transformada em máquina de morar. Desta forma, a casa,
a (primeira) residência, ganha ares de cotidianidade13, repetição e monotonia
(LEFEBVRE, 1991). A residência é conduzida como espaço da satisfação das
primeiras necessidades (comer e dormir), ou melhor, um ponto de apoio para o
local de trabalho. Para o lazer, para uma pretensa fuga do cotidiano, para reali-
zação humana associada ao ócio diz-se ser necessário estar em outro lugar, ou
seja, é necessário fragmentar o espaço e o tempo. Apesar de a casa representar
um santuário da vida familiar, em nossa sociedade o estar todos os dias em uma
única casa torna-se insuportável. O sucesso das viagens turísticas é também
uma denotação do quadro mencionado.
Bollnow (2008) enfatiza a função antropológica da casa e do habitar e
afirma ser a casa espaço importante para a constituição dos sentidos de enrai-
zamento e segurança. Com a posse de uma residência secundária, uma gama
de vilegiaturistas procura estender essas sensações que abrangem as dimensões
econômicas e também jurídicas.
A casa é, ao mesmo tempo, uma unidade econômica, e caracte-
riza no sentido não amplo tudo o que faz parte da ‘econômica
doméstica’. A casa é, além disso, importante também no seu sig-
nificado jurídico, pois denota uma esfera do poder que trans-
cende os muros e vai até a calha do telhado (BOLLNOW, 2008,
p. 311).
A construção da condição residencial do domicílio de uso ocasional,
transfigura-se numa faceta da vilegiaturista cuja significação se exprime atra-
vés de uma trama de relações sociais. Esta trama é tecida a partir de um ponto,
um espaço microssocial, um complexo onde não se pode definir simplesmente

13 Lefebvre (1991) indica a separação ‘homem-natureza’ e a ascensão da nostalgia em função de uma


natureza perdida como resultados da constituição da cotidianidade. Consultar p. 46.

Alexandre Queiroz Pereira 157


pelo uso em favor do lazer, à medida que se torna cada vez mais difícil estabe-
lecer os limites entre os tempos da vida cotidiana (livre e trabalho). Todavia,
permanece a impressão de que a casa, seja segunda ou primeira, representa
a fartura, o aconchego, o encontro e a proteção. São condições “sagradas” da
existência do núcleo familiar transpostas para o contexto do domicílio de uso
ocasional. Apresenta-se uma hipótese: para a vilegiatura plena, o domicílio
de uso ocasional, longe de representar uma fuga do cotidiano, configura-se
como extensão das relações estabelecidas na “casa habitual”. Extensão que não
representa uma mera repetição, à medida que, a vilegiatura se constitui a partir
de relações de negação, complementaridade e interpenetração. Esse quadro
apresenta-se como virtualidade, não se manifestando em totalidade para todos
os indivíduos em vilegiatura.

CONCLUSÃO
Através de uma revisão bibliográfica nacional e internacional, identi-
ficaram-se as características primordiais da prática ao longo do tempo-espaço.
Percebeu-se um processo marcado por continuidades e descontinuidades, no
entanto foram os pontos de inflexão: 1) a passagem do otium à ostentação; 2) a
maior capilaridade social da prática (novos praticantes in potencial); 3) a ins-
tituição do modelo estacional (planejamento dos espaços); 4) a declinação da
influência do discurso médico-terapêutico ao gozo mundano; 5) as novas for-
mas de atender a demanda por estada, descolando-se unicamente do modelo
de propriedade exclusiva de uma villa; 6) a redução do tempo de estada; 7) o
espalhamento da prática por novos continentes; 8) a consolidação, o sucesso e
a organização das viagens no formato turístico; 9) a urbanização da sociedade
(tanto pela dimensão demográfica quanto pelo tamanho e morfologia urbana);
e 10) a aceitação do mar, do marítimo e do sol tropical como amenidades.
Ora, esta constatação não seria uma visão linear e evolucionista da
“história” da prática? Não! Cada um destes momentos negou certas condições
anteriores, inventando novas modas, desenvolvendo práticas complementares,
inserindo novos sujeitos, elegendo novos lugares, aproximando também a vile-
giatura de outras práticas de lazer (como o turismo). A vilegiatura remete a
todos os processos e fenômenos relativos à estada temporária e sua potência
em contribuir na produção dos lugares selecionados. O conceito de vilegiatura
é, antes de tudo, um conceito geográfico. Sua realização não se faz sem o uso,

158 Vilegiatura
consumo e produção do espaço. Essa verificação é embrionária e está presente
desde o modelo clássico ao desenvolvido nos litorais tropicais na atualidade.
Em verdade, é na compreensão da produção do espaço litorâneo, no
tempo presente, que é possível perceber as interações e as manifestações destes
conteúdos sociais segundo suas datações e localizações diferenciadas. O estudo
deste processo permite fragmentar o real descrevendo sua multiplicidade e,
posteriormente, reorganizá-lo, de forma tal que se compreenda que as práticas
socioespaciais têm um conteúdo histórico denso.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AMBRÓZIO, J. Viagem, turismo, vilegiatura. GEOUSP – Espaço e tempo. São Paulo, nº 18,
2005. PP. 105-113.
ANDRADE. J. V. Turismo: fundamentos e dimensões. 8ª ed. 5ª reimp. São Paulo: Ática, 2002.
BARBOSA, Y. M. História das viagens e do turismo. São Paulo: Aleph, 2002.
BARRETO, M. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 13ª ed. Campinas: Papirus, 2003.
BOLLNOW, O. F. O homem e o espaço. Tradução de Aloísio Leoni Schmid. Curitiba: Editora
UFPR, 2008.
BOULLÓN, R.C. Planejamento do espaço turístico. Tradução de Josely Vianna Baptista. Bauru/
SP: EDUSC, 2002.
BOYER, M. História do turismo de massa. Tradução de Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2003.
_____. Les villegiatures du XVIe au XXIe siécle: panorame du tourisme sédentaire. Paris: éditions
sem, 2008.
CAMARGO, H. L. Uma pré-história do turismo no Brasil. Recreações aristocráticas e lazeres
burgueses (1908-1850). São Paulo: Aleph, 2007.
COLÁS, J. L. La residencia secundaria en España: estúdio territorial de su uso y tendência. Tesis
doctoral. Departament de Geografia. Faculdat de Filosofia i Lletres. Universitat Autônoma de
Barcelona. 440 f. Barcelona, 2003.
CORBIN, A. O território do vazio. A praia e o imaginário ocidental. Tradução de Paulo Neves.
São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
DANTAS, E.W.C. et al. C. Urbanização litorânea das metrópoles nordestinas brasileiras:
vilegiatura marítima na Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará. Cidades (Presidente
Prudente), v. 5, p. 14-34, 2008.
DIAS, R. Introdução ao Turismo. 1ª ed. 2ª reimp. São Paulo: Atlas, 2008.
FRATUCCI, A. C. Os lugares turísticos: territórios do fenômeno turístico. GEOgraphia. Ano.
II. Nº 4. 2000, pp. 121-133
GOMES, P. C.C. Geografia e modernidade. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
HARVEY, D. Condição pós-moderna. Tradução Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves.
12ª Ed. São Paulo: Loyola, 2003.
KRIPPENDORF, J. Sociologia do turismo. Para uma nova compreensão do lazer e das viagens.
Tradução Contexto Traduções. São Paulo: Aleph, 2001.

Alexandre Queiroz Pereira 159


LEFEVBRE, H. A re-produção das relações de Produção. Tradução de Antonio Ribeiro e M.
Amaral. Porto: Publicações Escorpião, 1973.
_____. A vida cotidiana no mundo moderno. Tradução de Alcides João de Barros. São Paulo:
Ática, 1991.
MARCELLINO, N. C. Estudos de lazer: uma introdução. Campinas: Autores Associados, 1996.
MARTIN-FUGIER, A. Os ritos da vida privada burguesa. In: PERROT, M. (org). História
da vida privada: da Revolução Francesa à Primeira Guerra (4). 1ª reimp. Tradução de Denise
Bottmann e Bernardo Joffily. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 176-245.
PINO, J. Aproximación sociológica a la vivienda secundaria litoral. Scripta Nova. Universidad de
Barcelona. Vol. VII. 146(026). 1 ago 2003.
SANTOS, M. A Natureza do Espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 2ª. Ed., São Paulo:
HUCITEC, 1997.
TRIVINHO, E. A democracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática
avançada. São Paulo: Paulus, 2007.
URBAIN, J-D. Sur la plage. Paris: Éditions Payot, 1996.
URRY, J. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. Tradução Carlos
Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Studio Nobel/SESC, 1996.

160 Vilegiatura
Economia solidária em contraponto à clássica:
indícios de mudanças no turismo e na sociedade

Luzia Neide Coriolano1


| Jean Max Tavares2

INTRODUÇÃO
A sociedade contemporânea, enquanto amplia a capacidade de domí-
nio da ciência e tecnologia, acelera o tempo que configura ritmos sociais, destrói
direitos humanos, afasta pessoas do próprio semelhante em complexa arritmia
social promovida pela cultura do excesso, consumismo e individualismo.
O desenvolvimento de muitos países tem sido voltado a resultados
financeiros para governos e empresas, concentrado em elites, guiado pela
lucratividade que se sustenta na lógica da exploração e acumulação, servindo
mais ao mercado externo e produzindo espaços degradados e sociedades segre-
gadas. A realidade leva ao questionamento da promoção do desenvolvimento
que tenha foco central na emancipação dos sujeitos, não apenas como forma
de luta, mas de realização pessoal, que possibilite ações para condução da vida
coletiva digna, suprindo as reais necessidades da condição humana.
Promover o desenvolvimento na escala humana significa encontrar
caminhos que viabilizem a transformação da sociedade individualista, consu-
mista e segregada colocando o homem no centro das ações e a promoção da
satisfação humana como cerne. A vida social cada vez mais complexa, meca-
nizada e dividida em classes e grupos de interesses incomoda e faz emergir
movimentos em contraponto a essa cultura. O individualismo, diferente de

1 Profª Dra do Programa de Pós-Graduação em Geografia, Coordenadora do Laboratório de


Estudos do Turismo e Território - NETTUR, Coordenadora Adjunta do Mestrado Profissional
em Gestão de Negócios Turísticos da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Pesquisadora
CNPq E-mail: luzianeidecoriolano@gmail.com.
2 Pós-doutorado em Economia no E-GEO (Centro de Estudos de Geografia e Planejamento
Regional) da Universidade Nova de Lisboa (Portugal), Doutorado em Economia pela Universidade
Federal do Rio Grande do Sul,  Mestre em Economia pela Universidade Federal do Ceará e
Graduado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1994-1999).
Professor Adjunto IV da PUC Minas.

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 161


individualidade, torna cada um independente da vida dos outros, faz esquecer
o que completa e une os seres humanos: o espírito coletivo.
Uma alternativa para promover o desenvolvimento humano e aten-
der pelo menos parte dos anseios da sociedade é a economia solidária, que se
propõe tornar a economia um meio de desenvolvimento integral das pessoas,
e não fim em si mesmo, sem a necessidade de intervenção direta do poder
público (NUÑEZ, 1998). Pela economia solidária, as relações de competição
e de dominação podem ceder lugar às relações de associativismo, cooperação
e de solidariedade.
Em princípio, praticamente todas as atividades econômicas estão inse-
ridas no contexto da competição intensa, onde grandes grupos determinam
as tendências e dificultam o surgimento de novos negócios de pequeno ou
de médio porte. Dentre essas atividades está o turismo, que em escala mun-
dial, representa 9% do Produto Interno Bruto, é responsável por 1 em cada 11
empregos e por U$$ 1,3 trilhão em exportações (UNWTO, 2013).
De acordo com Higgins-Desbiolles (2006), o turismo tem sucumbido
aos efeitos do marketing e tem sido dominado por valores neoliberais nos
principais destinos, o que diminui o poder do turismo enquanto força social,
promotora da paz e do entendimento entre as pessoas. Mesmo que a maioria
da literatura que aborda o turismo evoque o papel de criador de emprego e
renda, parece ser ainda inconclusivo em relação a capacidade de promover
desenvolvimento social por meio de ações inclusivas que vão muito além de
aspectos econômicos, os quais, entretanto, são também importantes.
O modelo econômico que se configura nas regiões turísticas, princi-
palmente nos países em desenvolvimento, onde os grandes empreendimentos
fazem uso das economias de escala para aumentar a rentabilidade, a comuni-
dade local tende a ficar à margem dos benefícios da atividade. É uma espécie
de “inclusão disfarçada”, onde o indivíduo faz parte da cadeia produtiva do
turismo, mas apenas como um elemento constitutivo, distante da tomada de
decisões e das externalidades positivas geradas pela atividade. Por exemplo, em
Zanzibar, na Tanzania, Steck, Wood e Bishop (2010) estimaram que somente
10.2% da renda total do turismo é direcionada às pessoas mais pobres do lugar.
Os impactos do modelo de desenvolvimento do turismo instigam
reflexões sobre a necessidade de mudar a lógica e de aperfeiçoar o desenvol-
vimento e a sociedade. Na busca da identificação dos problemas e eventuais
soluções, esse trabalho analisa o desenvolvimento voltado às pessoas que se

162 Economia solidária


caminha na contramão do desenvolvimento econômico e da valorização do
capital, tendo como referência os direitos humanos, a economia solidária e o
desenvolvimento à escala humana.
Portanto, o problema da pesquisa nessa investigação é verificar como
conciliar as demandas substantivas da sociedade, tais como dignidade, igual-
dade, oportunidades de trabalho, salários justos e proteção ao meio ambiente
com os interesses do capitalismo tão inerente à atividade turística. Além disso,
outro problema merecedor de investigação é como a economia solidária, dis-
tributiva pode contribuir na promoção da conciliação dos interesses supracita-
dos. Dessa forma, o objetivo do trabalho é discutir a necessidade de promover
mudanças no turismo e na sociedade em busca de um desenvolvimento mais
humano, as quais podem ser baseadas nas diretrizes da Economia Solidária.
Metodologicamente, adota-se abordagem de caráter multidisciplinar, abran-
gendo as áreas de Turismo, Economia e Geografia.
O trabalho apresenta contribuições no campo teórico. A primeira con-
tribuição é apontar novos caminhos para o desenvolvimento do turismo e da
sociedade na qual está inserido, a partir de parâmetros que privilegiam o ser
humano em todas as suas dimensões, evitando a promoção de uma “inclusão
disfarçada” na cadeia produtiva do turismo. A segunda é ampliar a discussão e
sobre economia solidária no turismo – atividade cada vez mais composta por
grandes corporações de atuação internacional, com cobranças sociais. Por fim,
a terceira contribuição teórica advém do fato de o trabalho capitalista não estar
comprometido com o ser humano, mas com o capital, permitindo assim que
a concepção teórica aqui apresentada seja instigante, visto ser encontrada em
diversos contextos onde a atividade turística comunitária se desenvolve.

UMA PREOCUPAÇÃO TEÓRICA E PRÁTICA


O distanciamento da atividade turística de qualquer elemento de cará-
ter social tem sido amplamente discutido nos últimos anos por Turner e Ash,
1975; Leiper, 1995; Cohen e Kennedy, 2000; Higgins-Desbiolles, 2006; Hall,
2007; Deery et al., 2012; Wu et al., 2013. Segundo Turner e Ash (1975), o
turismo convencional tem provado ser ineficaz na promoção da igualdade e no
posicionamento como aliado dos oprimidos. Para Wearing (2001), o turismo
em economia de mercado explora os recursos naturais como meio de acu-
mulação do lucro (...) a noção de ganhos ilimitados tem levado à exploração
de comunidades, das culturas e do meio ambiente. Para Llewellyn Watson

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 163


e Kopachevsky (1994, p.643), “o turismo como dimensão sociocultural com-
plexo da modernidade está sujeito aos mesmos princípios gerais da cultura de
consumo capitalista”. Se todas as atividades econômicas são concentradoras de
riqueza, por que o turismo deveria ser diferente? E como propor um turismo
diferente?
O efeito do capitalismo sobre o modelo de desenvolvimento do turismo
é que, como este é “inseparável dos espaços e lugares onde o mesmo é criado,
imaginado, percebido e experimentado” (ATELJEVIC, 2000), ocorre desca-
racterizações em prol dos lucros imediatos dificultando as condições para a
sustentabilidade (SWARBROOKE, 2000). Quanto a isso, Llewellyn Watson
e Kopachevsky (1994), afirmam que os promotores do turismo devem ter o cui-
dado de não torná-lo uma “extensão da mercantilização da vida social moderna
sob o capitalismo”. Portanto, a relação entre as características do capitalismo e
o desenvolvimento do turismo com ênfase no ser humano e nas diversidades
culturais é uma temática instigante, a qual será discutida neste trabalho.

DIREITOS HUMANOS E DIVERSIDADE CULTURAL


NA BASE DO DESENVOLVIMENTO
A educação e o conhecimento são pilares do desenvolvimento que
conformam a transformação produtiva com equidade e respeito aos direitos
humanos na sociedade. Além disso, valorizam as diversidades culturais para
outra concepção de desenvolvimento quando populações organizadas se des-
cobrem e passam a ser protagonistas do processo de mudança, que pode ocor-
rer por meio de organização comunitária ou pela formação de capital social.
O capital social, em Bourdieu (1979), significa atributo individual e
coletivo de distinção e de domínio dos membros de categorias privilegiadas e
está apoiado no capital econômico de segurança material, no capital cultural,
desde o manejo de idiomas e capacidade de constituição de relações sociais.
Para explicação do desenvolvimento em escala humana, despreza-se o conceito
de capital social, assim como o de empoderamento. São conceitos de teorias
econômicas elitistas e modernizantes. Quando se sabe que o poder pode cor-
romper e que ter poder é exercer autoridade e dominar a natureza e as pes-
soas, entende-se que empoderamento não pode ser diretriz, nem estratégia de
desenvolvimento socioeconômico.
Desenvolvimento voltado para a escala humana que privilegie o ser
humano e possibilite o desabrochar de potencialidades do sujeito, que assegure

164 Economia solidária


subsistência, trabalho, educação e condições de vida digna aos cidadãos. Ao
contrário da economia do ter, tenha como centro a economia do ser, traduzida
em modelo de desenvolvimento centrado na pessoa, na cultura de cooperação,
solidariedade e parceria.
Á luz do pensamento de Foucault (1979) e Bourdieu (1979) verifica-
-se que em sociedade há jogo de forças, assim como entre poderes político,
econômico, militar e social, quando governos, empresários, militares, e grupos
sociais organizados formulam concepções diferenciadas de desenvolvimento, o
que exige que se deem novos significados às expressões. A cultura passa a ser
matriz dinâmica das formas de ser, estar, relacionar-se e perceber no mundo.
Portanto, desenvolvimento não significa unicamente geração de riqueza ou
aumento do Produto Interno Bruto (PIB) dos países, embora o crescimento e
a distribuição menos desigual da riqueza material sejam decisivos para a qua-
lidade de vida dos indivíduos.
Com relação às políticas culturais existentes, muitas delas não possuem
agenda e definição próprias e sim associação com as agendas econômicas e
sociais na aplicação de políticas públicas. As associações são prejudiciais às
políticas culturais, pois roubam o que há de maior contribuição da cultura:
formação de indivíduos com consciência crítica capazes de propor mudanças.
A redução da dimensão política da cultura acontece via substituição do essen-
cial pelo acessório: o caráter político por mecanismos de financiamento; com
privilegiados em detrimento do amplo acesso universal da população à cultura.
Assim, cada vez mais, as políticas culturais instituem ações pautadas
em público-alvo, sem preocupação com a formação humana. Quando os novos
agentes da política cultural são departamentos de marketing e publicidade e
grandes fundações culturais privadas, isso pode representar visão distante da
ideia de cultura como via de desenvolvimento ou instrumento de democracia.
Nesse caso, pode ocorrer ausência de espírito público e falta de visão crítica
dos burocratas do governo, com visão restrita de apenas ampliar o acesso às
políticas. Há que ser promovido o diálogo entre os sujeitos sociais e valorizado
a diversidade e multiculturalidade.
Para compreensão da complexa teia dos processos sociais, especial-
mente os de larga escala, consideram-se interesses, instituições, agências e
sujeitos de diversos campos sociais (ARIZPE, 2004). As redes, sobre as quais
se constroem relações entre cultura e desenvolvimento, possuem especial com-
plexidade no Brasil, país onde ocorre fusão do arcaico e moderno. Ao se tratar

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 165


historicamente o desenvolvimento pela matriz econômica, subestimam-se os
papéis da cultura, enquanto espaço da produção de mitos, símbolos e metá-
foras, capazes de produzir categorias que, por sua vez, desempenham papel
estratégico, na ressignificação do desenvolvimento. Assim, há que se “unir a
memória de cultura com as teorias das ciências mais avançadas. Precisa-se
juntar a ciência da modernidade com o saber tradicional” (ROCHA PITTA,
2005, p. 62).
Nesse panorama, o respeito e a proteção aos direitos humanos são
bases essenciais para promoção do desenvolvimento social para que se possa
construir uma sociedade humanizada, que assegura o necessário à vida digna
dos cidadãos, tranquilidade no relacionamento social, com possibilidades de
intercâmbios dos povos e na construção de bases confiáveis para a vida social e
de uma sociedade sustentável.
As condições são imprescindíveis para a preservação da dignidade
humana e oferecem bases sólidas para o desenvolvimento aceitável que res-
peita o direito de ser, direito ao trabalho, ao lazer, ao padrão de vida digno, à
instrução, à liberdade e à participação. São normas jurídicas internacionais,
exigências elementares de respeito à pessoa humana, e os estados são respon-
sáveis pela garantia das condições da efetivação histórica. O sentido do Estado,
na comunidade humana, é estar a serviço da garantia dos direitos humanos.
A possibilidade para o desenvolvimento de política econômica para o
homem remete à necessidade do respeito os direitos individuais e sociais da
pessoa humana. Direcionar o desenvolvimento para a escala humana é neces-
sidade substancial. Sabe-se que só há desenvolvimento quando as ações atin-
gem a sociedade com resolução de problemas básicos. Dowbor (1998, p.44),
nessa mesma lógica, admite que “a humanização do desenvolvimento, ou a
sua re-humanização, passa pela reconstituição dos espaços comunitários (...)
e reconstrução da dimensão ética do desenvolvimento exigindo que para o ser
humano o outro volte a ser um ser humano”.
Os direitos humanos têm composição histórica e isso significa que,
dependendo do momento histórico, as disposições são diferenciadas. Assim,
uma vez que as mudanças históricas, no que se refere às novas tecnologias,
geram forte impacto na compreensão dos direitos humanos, também ampliam
o seu conceito, seja nas formas de inclusão social via meios digitais, liberdades
de expressão e de possibilidades de comunicação entre culturas.

166 Economia solidária


O DESENVOLVIMENTO NA ESCALA HUMANA
Redirecionar o desenvolvimento para a escala humana significa ado-
tar políticas que ocasionem trabalho, proteção social e ocupação para todos,
bem como realizar atividades de revalorização do lugar e das pessoas, quando
as atividades voltam-se ao desenvolvimento social e cultural do grupo e as
atividades econômicas contribuem para que isso aconteça. E o turismo pode
ser forma viável de conciliar os dois polos – crescimento do trabalho e bem-
-estar-social – pois precisa ser essencialmente um processo de valorização de
pessoas, residentes e turistas.
Antes da análise do desenvolvimento na escala humana propriamente
dita, Max Neef (1994, p.10), afirma que o ponto de partida para essa questão
é não confundir o conceito de trabalho com o de emprego assalariado, igno-
rando os camponeses, as cooperativas informais e os trabalhadores voluntários,
cuja difícil mensuração estatística poderia torná-los “invisíveis”. Os dados
invisíveis aos olhos da economia clássica são importantes para o desenvolvi-
mento humano, porque atendem à satisfação das necessidades populares. No
entanto, o que na maioria das vezes ocorre é o desvirtuamento das cooperativas
e o deboche do trabalho comunitário voluntário. Menospreza-se a tradição de
solidariedade (BOFF, 1999).
Para a racionalidade técnica científica, o homem é um ser racional;
para o desenvolvimento econômico, consumidor; para o desenvolvimento na
escala humana, ele é sujeito histórico dotado de direitos e deveres inalienáveis,
sujeito social que pode mudar o cotidiano e a história. Assim, cada proposta de
desenvolvimento possui introjetada visão de homem e de sociedade desejada.
Há que haver mudança da mentalidade na qual a economia deve estar a ser-
viço do homem e não o contrário, para que esta retorne a uma de suas dimen-
sões, a saber, a de estreitamento da realidade social com a política, cultura e
educação. O desenvolvimento social sustenta-se na satisfação das necessidades
humanas fundamentais, na geração de níveis crescentes da independência dos
indivíduos, na articulação orgânica dos seres humanos com a natureza, com a
tecnologia, a fim de que se integrem em processos globais, respeitando valores
e comportamentos locais.
O desenvolvimento, para ser dito social precisa estar voltado para as
necessidades humanas, tornar as pessoas independentes e habilitadas ao tra-
balho e para a vida comunitária. Implica o desenvolvimento dos indivíduos

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 167


como pessoa e como grupo, organizados como sociedade civil para se tornarem
protagonista de seu desenvolvimento e de seu lugar.
Especificamente em relação ao desenvolvimento em escala humana,
esse significa o crescimento das atividades econômicas por decisão e trabalho
de todos, garantindo o atendimento das necessidades e a promoção do bem-
-estar social. Isso deve ser dito em virtude de que, na economia hegemônica,
o trabalho e o desenvolvimento das atividades econômicas não dependem de
decisão pessoal ou coletiva: pressupõem a relação entre componentes básicos
das relações sociais de produção, a saber, capital, trabalho e Estado. Assim,
o desenvolvimento na escala humana mostra que as relações sociais são mais
importantes que as relações de produção, não interessando a acumulação e sim
a distribuição e o bem-estar de todos.
Mesmo considerando a necessidade de indicadores de crescimento
qualitativo e não apenas de indicadores econômicos, há que se diferenciar o
“desenvolvimento em escala humana como crescimento de atividades econô-
micas por decisão e trabalho de todos”, da livre iniciativa baseada no consumo,
ao qual se refere Gramsci (2012, p.21). A escala humana não seria volta ao
primitivismo posto superado, mas a ruptura com a parte mais perversa do capi-
talismo, aquela voltada às necessidades humanas e não apenas aos excedentes e
ao lucro. Portanto, necessita-se da criação de índices de realização dos desejos,
de educação, de solidariedade, de realização humana, como sujeito da história
de forma, pois, ainda que o mundo tenha sido levado a pensar que as neces-
sidades humanas são infinitas, que variam de uma cultura para outra e a cada
período histórico (MAX NEEF, 1994), as necessidades básicas são comuns a
todos e finitas.
O que muda no tempo e nas culturas são as formas e os meios de satis-
fação dessas necessidades. O que está culturalmente determinado são as formas
de satisfazer as necessidades, porque se é levado a abandonar as tradicionais
pelas modernas. As necessidades humanas são existenciais – ser, ter, fazer e
estar – e axiológicas, tais como a necessidade de subsistência, de proteção, de
afeto, de entendimento, de participação, de ócio, de criação, de identidade, e de
liberdade, e de espiritualidade (MAX NEEF, 1994).
As culturas são definidas pelo modo como satisfazem as necessidades.
O que está culturalmente determinado não são as necessidades, mas suas for-
mas de satisfação. Qualquer necessidade humana fundamental não satisfeita

168 Economia solidária


revela pobreza humana, em sua variedade: de afeto, entendimento, participa-
ção, de bens materiais.
A pobreza produz e alimenta patologias individuais e coletivas como:
angústia, depressão, violência, marginalidade, medo e isolamento. Satisfação
de necessidade corresponde à perspectiva biológico/psicológica que procura
encontrar pontos universais de justificação de comportamentos humanos.
A teoria e o discurso das satisfações das necessidades são lineares e
simplistas, pois construídos fora da concepção de sujeitos sociais, sem os levar
em conta; sem considerar interesses, sonhos, utopias, estratégias de realização.
É certo que há populações que não atingem o mínimo de satisfação de neces-
sidades básicas, ou se encontram “alienadas” e contra tais situações os cientistas
sociais devem se mobilizar. Mas é certo também que não compete aos cientis-
tas sociais definir o mínimo e o máximo do razoável na satisfação específica de
cada povo e realidade.

O TURISMO E ECONOMIA SOLIDÁRIA


Contemporaneamente, muitas regiões turísticas – principalmente nos
países em desenvolvimento – modelam-se no modo de vida urbano, indus-
trial e realinhado celeremente à mundialização do capital, o que geralmente
provoca consequências nefastas às camadas sociais mais pobres, como desem-
prego, aumento da pobreza e da violência.
Esse cenário certamente contribuiu para que a economia solidária pos-
sibilidade encontrar caminhos que possam mitigar a exclusão social, sendo a
economia para tal, não simplesmente se contrapondo ao modelo econômico
dominante e sim alcançando seu próprio espaço. A economia solidária tem
atraído a atenção de vários pesquisadores desde a última década (LAVILLE e
FRANÇA FILHO, 2004; GUTBERLET, 2009; BUZEK e SURDE, 2012;
DACHEUX e GOUJON, 2012; LEMAÎTREL e HELMSING, 2012).
Segundo Dacheux e Goujon (2012, p. 207), “a economia solidária é,
inicialmente, uma forma de unir as pessoas em um lugar específico, uma vez
que a natureza do tecido social varia de acordo com a localização (...) a econo-
mia solidária incentiva a desenvolvimento do indivíduo através do desenvolvi-
mento da coletividade da qual ele faz parte”.
A economia solidária, para Vainer (2000, p. 6), é uma tentativa de jun-
tar coisas que se repelem e se opõem – economia e solidariedade. A socie-
dade em que domina a economia hegemônica é o mundo da competição, da

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 169


concorrência, da guerra de todos contra todos. Pensar solidariedade na socie-
dade capitalista parece contradição, mas também pode ser um emblema do
mundo pós-moderno. Significa conceber projeto revolucionário que consiga
subversão ao modelo econômico vigente. O que se diz economia solidária não
consiste em modo definido e único de organização de unidades econômicas,
mas processo multifacetado no qual se pode incorporar solidariedade, e busca
de modelo econômico mais justo. A filosofia que anima e dirige a visão eco-
nômica solidaria é a do desenvolvimento na escala humana, por tirar o foco do
capital, embora não o ignorando, e centrar nas pessoas.
Trata-se de revolução social de caráter local ou municipal onde gru-
pos e comunidades organizados compreendem que a grande revolução é criar
mentalidade de colaboração, do associativismo. Habitantes de pequenas cida-
des, povoados, bairros e comunidades, ao assumirem a lógica consideram-se
sujeitos capazes de interferir na realidade socioeconômica, adquirem cada vez
mais forte protagonismo tanto na vida política, como na econômica, social e
cultural. Assim se organizam em associações, em grupos atuantes formando
movimentos sociopolíticos em busca de solução dos problemas locais referen-
tes à falta de trabalho, de residências, de escolas, defesa ao meio ambiente, à
cultura local, melhoria de subsistência das famílias locais.
A economia solidária organiza-se pelas relações de amizade, sustenta-
-se no companheirismo, favorecendo as relações sociais de reciprocidade e
adota formas comunitárias de produzir e distribuir. As experiências comuni-
tárias, na opinião de Gaiger (1998), mostram-se semelhantes às da economia
camponesa, ou com o trabalho das antigas comunidades. Muito embora tam-
bém os formatos jurídicos e graus de inovação no conteúdo das relações sejam
variáveis e sujeitos à reversão, as práticas de autogestão e cooperação dão aos
empreendimentos natureza singular, pois modificam o princípio e a finalidade
da extração do trabalho excedente.
Portanto, o principal diferencial da Economia Solidária é a busca
de soluções de forma coletiva ou solidária. Segundo Gadotti (2009, p.35) a
“economia solidária é uma forma cooperativa e não competitiva de produzir e
reproduzir nossa existência tem um componente educativo extraordinário”. A
educação para a cooperação e para a autogestão é necessária para formar pes-
soas envolvidas com empreendimentos solidários, com cooperativas em que o
benefício coletivo está entre as prioridades. Os espaços de solidariedade são
regidos por outros fins, valores e práticas, daí por que a economia solidária é

170 Economia solidária


estranha ao pensamento e à prática política neoliberal, inspira na crítica da eco-
nomia política clássica e na busca de uma alternativa ao capitalismo. Torna-se
difícil construir projeto de solidariedade social nos marcos da economia global,
sendo possível na escala local, municipal, e em pequenos empreendimentos.
Os empreendimentos solidários são conduzidos pelas comunidades
em beneficio do coletivo. Zaoual (2008) adota a concepção de “sitio de per-
tencimento”, mostrando que toda pessoa é territorializada, pois se aloca em
lugares que são sítios urbanos, litorâneos e rurais. O homo situs vive em lugares
e em organizações, e é nelas que interage, cria raízes, fazendo seu cotidiano. As
comunidades são lugares onde mais facilmente o homem se situa por ser pos-
sível ao conhecimento do espaço e à convivência com todas as pessoas, contudo
há cidadãos que se situam em espaços globais sem grandes problemas.
O cooperativismo para Vainer (2000) pode, em certas circunstâncias,
oferecer a vivência, mesmo que limitada no espaço, do que pode ser outro
modo de produzir e viver. É por isso que o analista fala de utopia experimental.
A expressão é ambígua e contraditória: de um lado, porque utopia é uma coisa
que não existe, é apenas sonho; de outro lado, porque sendo experimental é
algo que existe e que se experimenta.
Nos projetos comunitários, a participação consciente dos envolvidos é
responsável pelo sucesso de muitos empreendimentos. As pessoas participam
efetivamente do grupo, se engajam e fazem acontecer o que vai sendo pensado
coletivamente. As comunidades crescem à medida que encontram formas de
desenvolvimento de ações que efetivem o crescimento do grupo, maior poder
aquisitivo e do nível bem estar local. Com o amadurecimento do processo de
entendimento e concepção da economia solidária, têm-se ampliado iniciativas
solidárias – ainda que o modelo econômico e o sistema político vigente tente
cooptar os líderes dessas iniciativas – com vários grupos espalhados em peri-
ferias das cidades, no espaço rural, litorais, e núcleos receptores de turismo de
países ricos e pobres.
A relação entre turismo e economia solidária tem sido estudada por
vários autores (ATELJEVIC, 2000; BLACKMAN, 2004; DANTAS et al.,
2010; GARD MCGEHEE et al., 2012; DEERY, 2012; WU et al., 2013).
Daí dizer Dantas et al., (2010, p.67), que “a inserção da economia solidária no
turismo pode constituir uma valiosa ferramenta de combate à pobreza, mor-
mente por meio do artesanato, na medida em que é capaz de servir de elo
entre os benefícios advindos da atividade turística e a comunidade local”. A

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 171


Economia Solidária no turismo, em particular, trata-se de forma diferenciada
de produzir enfrentando contradições da economia hegemônica, ou seja, ao
invés de buscarem o lucro máximo dos investimentos, procuram distribuir o
que é produzido, alcançando as condições para a subsistência de grupos, pre-
ocupando-se, em especial, com os valores humanos, culturais e ambientais. A
compreensão é coletiva mobiliza grupos sociais capazes de mudar a realidade.
É o que se presencia em diversas experiências de economia solidária e comu-
nitária espalhadas pelo mundo (Tabela 1).
Author(s) Experiences Country
Projects qualifying and preparation for Solidarity
Barbosa e Gontijo (2012) Brazil
Tourism
Marques, J (2009) Project of community-based solidarity tourism Cabo Verde
Tourism, economic solidarity and social inclusion in
Silva et al., (2011) Brazil
Porto de Galinhas
Wang et al., (2010) Local tourism participation China
Hung Lee, T. (2013) Project for sustainable tourism development Taiwan
Fortunato (2013) Project for solidary tourism in Vale do Jequitinhonha Brasil
Iorio e Wall (2012) Project locals’ participation in tourism development. Itália
Coriolano, Luzia Neide et Projeto de economia Solidária do Conjunto Palmeira
Brasil
al (2009) em Fortaleza.
Sampaio, Carlos Cioce.
Complexo Cooperativo de Mondragón Espanha
(2004)
Singer, Paul (2002) Grameen Bank  Bangladesh
Tabela 1- Experiências de turismo comunitário e solidário
Fonte: CORIOLANO, L. N. e TAVARES, J. M.

Observa-se, portanto, práticas bem sucedidas de atividades turísti-


cas, com características mais populares, voltadas ao desenvolvimento social e
a maior distribuição da riqueza. Elas podem aparecer com nomes variados:
“turismo comunitário”, “turismo de base local”, experiência de “economia soli-
dária”, “turismo alternativo”, “turismo solidário” entre outras denominações.
Mas o importante dos experimentos é vislumbrar possibilidades de aprendiza-
gem, de comunicação e inclusão de pessoas e comunidades em ações positivas
que o turismo pode dinamizar.
Há, contudo, discussão permanente sobre as contradições inerentes
às atividades capitalistas que se estendem às atividades turísticas, ou seja, na
geração de renda e oportunidades de trabalho, fazendo emergir problemas
socioambientais (degradação das praias, especulação imobiliária, desmonte
de dunas, poluição de recursos hídricos, aterros de lagoas e mangues, desca-
racterização cultural e exploração sexual de menores, desmantelamento das
atividades tradicionais e de subsistência da população local), revelando a face
predadora enquanto atividade capitalista.

172 Economia solidária


A concentração espacial dos equipamentos turísticos e, por conse-
quência de investimentos públicos, acentua desigualdades socioespaciais de
processo histórico, constituindo problemas mais visíveis nas áreas urbanas,
especialmente nas metrópoles nordestinas. São fatos vistos por muitos como
fatores de exclusão social que não são negagados, mas também não se genera-
lizam, pois há outros modos de exploração do turismo não tão agressivos e, de
certo modo, inclusivos positivamente.

CONCLUSÕES
A discussão apresentada nesse artigo contribui para mostrar que a eco-
nomia solidária pode proporcionar novo modo de estabelecer relações, as mais
diversas, na produção, no consumo, na autoestima das pessoas e no espaço
urbano. Tais relações são visíveis por meio da organização da malha urbana, a
formação de novas redes, construção de fixos e estabelecimento de fluxos com
potencial de autogestão, no lugar.
A prática do desenvolvimento humano (MAX NEEF, 1994) se sus-
tenta na satisfação das necessidades humana, na autoindependência das pes-
soas, na articulação orgânica dos seres humanos com a natureza e tecnologia
e interação da sociedade civil com o estado. E o desenvolvimento do turismo
é potencialmente portador de benefícios para os municípios brasileiros de
atração turística, resultado da criação de empregos diretos e indiretos e da
ampliação dos circuitos de renda. Pode-se ver crescer as receitas tributárias e
maior volume de recursos transferidos para municipalidade ou mesmo pelos
investimentos realizados pela iniciativa provida. O turismo pode estimular ini-
ciativas de reconhecimento de preservação e divulgação de patrimônios histó-
ricos, artísticos, culturais e ambientais com evidentes impactos positivos sobre
a qualidade de vida dos residentes.
Além disso, permite também argumentar que a economia solidária se
sustenta na satisfação das necessidades humanas fundamentais, na geração de
níveis crescentes da independência dos indivíduos, na articulação orgânica dos
seres humanos com a natureza, com a tecnologia, para se integrar nos proces-
sos globais respeitando valores e comportamentos locais.
A limitação do artigo em não remeter a exemplos empíricos foi pro-
posital, por desejar apresentar apenas a referência teórica, mas os autores têm
variados exemplos de empresários ligados ao trade turístico que tem desenvol-
vido ações de responsabilidade social e tomado medidas para a promoção do

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 173


turismo e de negócios que tem contribuído para o desenvolvimento humano da
população onde as empresas turísticas se alocam, com indicação de empresas
que tem realizado parcerias inteligentes com grupos periféricos e comunidades.
O artigo abre novas possibilidades de pesquisa não apenas para suprir a
limitação supracitada como também identificar, por meio da análise de diver-
sas experiências de economia solidária no turismo, quais são os fatores comuns
ao sucesso e ao fracasso presentes nessas experiências – questão importante
para o entendimento da temática.

REFERÊNCIAS
ARIZPE, L. As dimensões culturais da transformação global: uma abordagem antropológica.
Brasília: UNESCO, 2004.
ATELJEVIc, I. Circuits of tourism: stepping beyond the ‘production/consumption’ dichotomy.
Tourism Geographies, 2(4), 369-388, 2000.
BARBOSA, M. F. P., GONTIJO, B. M. Perspectiva Libertária do Desenvolvimento e sua
Relação com o Turismo em Capivari/Serro (MG). Revista Paranaense de Desenvolvimento, 123,
279-302. 2012.
BLACKMAN, A., FOSTER, F., HYVONEN, T., JEWELL, B., KUILBOER, A.,
MOSCARDO, G. Contributing to Successful Tourism Development in Peripheral Regions.
Journal of Tourism Studies, 15(1), 59-70. 2004.
BOFF, L. Saber Cuidar. Ética do Homem – Compaixão da Terra. Petrópolis: Vozes, 1999.
BOURDIEU, P. La distinction: critique sociale du jugement. Paris, Les éditions de minuit, 1979.
BROHMAN, J. New directions in tourism for Third World development. Annals of Tourism
Research, 23(1), 48-70. 1996.
BUZEK, J., SURDEJ, A. Paradigm lost, paradigm rediscovered?: Prospects for the development
of solidarity-oriented economy in post-communist Poland”, International Journal of Sociology
and Social Policy, 32(1/2), 56-69. 2012.
COHEN, R., KENNEDY, P. M. Global de Sociologia. Robin edotora New York, 2000.
CORIOLANO, Luzia Neide et al . Arranjos produtivos Locais do Turismo Comunitário. Atores
e Cenários em Mudança. Fortaleza, EdUECE, 2009.
DANTAS, A. V. S., MACEDO, R. F., MEDEIROS, V. C. F. A., COSTA, F. C. Economia
solidária e turismo: um estudo comparativo nos municípios de Natal/RN e Recife/PE. Caderno
Virtual de Turismo, 10(2), 65-78. 2010.
DACHEUX, E., GOUJON, D. The solidarity economy: an alternative development strategy?
International Social Science Journal, 62, 203-204. 2012.
DEERY, M., Jago, L., Fredline, L. Rethinking social impacts of tourism research: A new
research agenda. Tourism Management, 33(1), 64-73. 2012.
DOWBOR, L. A Reprodução Social. Proposta para uma gestão descentralizada. Petrópolis:
Vozes, 1998.

174 Economia solidária


DANTAS, A. V. S., MACEDO, R. F., MEDEIROS, V. C. F. A., COSTA, F. C. Economia
solidária e turismo: um estudo comparativo nos municípios de Natal/RN e Recife/PE. Caderno
Virtual de Turismo, 10(2), 65-78. 2010.
DEERY, M., JAGO, L., FREDLINE, L. Rethinking social impacts of tourism research: A new
research agenda. Tourism Management, 33(1), 64-73. 2012.
FORTUNATO, R. A. Meetings in the field of solidarity tourism of Vale do Jequitinhonha
(Minas Gerais, Brazil) Turismo & Sociedade, 6(1), 104-123. 2013.
FOUCAULT, M. Soberania e disciplina. In: Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
GADOTTI, M. Economia solidária como práxis pedagógica. São Paulo: Ed e Livraria Instituto
Paulo Freire, 2009.
GAIGER, L.I. et al. A Solidariedade como alternativa econômica para os pobres. Contexto e
Educação, n. 50. 1998.
GARD MCGEHEE, N., SEUNGWOO, L., O´BANNON, T., PERDUE, R. Tourism-
related Social Capital and Its Relationship with Other Forms of Capital: An Exploratory Study
. Journal of Travel Research, 49(4), 486-500. 2012.
GRAMSCI, A. Poder, política e partido. SADER, Emir (org.). São Paulo: Expressão Popular.
2012.
GUTBERLET, J. Solidarity economy and recycling co-ops in São Paulo: micro-credit to
alleviate poverty. Development in Practice, 19(6), 737-751. 2009.
HIGGINS-DESBIOLLES, F. More than an “industry” The forgotten power of tourism as a
social force. Tourism Management, 27, 1192–1208. 2006.
HIGGINS-DESBIOLLES, F. Resisting the hegemony of the market: Reclaiming the social
capacities of tourism. In S. McCabe, L. Minnaert and A. Diekmann (Eds). Social tourism in
Europe: theory and practice. Bristol, UK: Channel View, UK. 2011.
HUNG LEE, T. Influence analysis of community resident support for sustainable tourism
development. Tourism Management, 34, 37-46. 2013.
IORIO, M., WALL, G. Behind the masks: Tourism and community in Sardinia. Tourism
Management, 33(6), 1440-1449. 2012.
LAVILLE, J-L., FRANÇA FILHO, G. C. Economia solidária: uma abordagem internacional.
Porto Alegre: UFGM, 2004.
LEIPER, N. Tourism Management. Collingwood, VIC: TAFE Publications, 1995.
LEMAÎTRE1, A., BERT HELMSING, A. H. J. Solidarity economy in Brazil: movement,
discourse, and practice analysis through a polanyian understanding of the economy. Journal of
International Development, 24(6), 745–762. 2012.
LLEWELLYN WATSON, G., KOPACHEVSKY, J.P. Interpretations of tourism as
commodity. Annals of Tourism Research, 21(3), 643-660. 1994.
MARQUES, J. Para além da filantropia: contributos do Turismo Solidário para o
Desenvolvimento Comunitário. Dissertação (Mestre em Economia Social e Solidária).
Departamento de Economia, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2009.
MAX NEEF, M.A. Desarrollo a escala humana. Barcelona: Icaria Editorial, 1994.

Luzia Neide Coriolano | Jean Max Tavares 175


MCCABE, S., JOHNSON, S. The happiness factor in tourism: subjective well-being and social
tourism. Annals of Tourism Research, 41, 42-65. 2013.
NUÑEZ, O. Os Caminhos da Revolução e a Economia Solidária. Revista Proposta. n. 75. Dez/
fev. de 1997/1998. Disponível em: <www.alternex.com.br>: 23 junho 2013.
ROCHA PITTA, D. P. Ritmos do Imaginário. Recife: Editora da UFPE, 2005
SAMPAIO, C. A. C. Desenvolvimento Sustentável e Turismo. Blumenau: EdiFURB, 2004.
SCHEYVENS, R., MOMSEN, J. Tourism and poverty reduction: issues for Small Island
States”. Tourism Geographies, 10(1), 22-41. 2008.
SILVA, J. P., JESUS, P., FONSECA, J. M. Turismo, economia solidária e inclusão social em
Porto de Galinhas, PE. Caderno Virtual de Turismo, 11(3), 325-340. 2011.
SINGER, P. Introdução à economia solidária. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, 2002.
STECK, B., Wood, K., Bishop, J. Tourism More Value for Zanzibar: Value Chain Analysis:
Final Report, February. Zanzibar: VSO, SNV and ZATI, 2010.
SWARBROOKE, J. Turismo Sustentável, Meio Ambiente e Economia. São Paulo: Aleph, 2000.
TURNER, M. A. The Best of Wishbone Ash: 1975. www. Wishboneash.co.uk
UNWTO. Tourism Highlights 2013 Edition, 2013.
VAINER, C. Controle político dos miseráveis ou utopia experimental? In: Unitrabalho. N.10
Ano 3. Janeiro, 2000.
WANG, H., YANG, Z., CHEN, L., YANG, J., LI, R. Minority community participation. In:
Tourism: A case of Kanas Tuva villages in Xinjiang, China. Tourism Management, 31(6), 759-
764. 2010.
WEARING, S.L. Volunteer Tourism: Challenging Consumerism in Tourism’, Environmental
Awareness, 24(3), 99-106. 2001.
WOOD, STECK B, K., BISHOP, J. Tourism More Value for Zanzibar: Value Chain Analysis:
Final Report, February. Zanzibar: VSO, SNV and ZATI, 2010.
WU, L., ZHANG, J., CHIKARAISHI, M. Representing the influence of multiple social
interactions on monthly tourism participation behavior. Tourism Management, 36, June, 480-
489. 2013.
ZAOAL, H. Globalização e diversidade cultural. São Paulo, Cortez, 2008.

176 Economia solidária


Equipamentos públicos de lazer e
terceira idade: uma possibilidade
para o desenvolvimento turístico
no município de Parelhas/RN?

Itamara Lúcia da Fonseca1


| Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega2

INTRODUÇÃO
O ritmo acelerado de vida imposto pela sociedade tem levado a popu-
lação do Brasil a buscar novas experiências e atividades que não lhes imponham
obrigações ou deveres. Esta busca, marcada pela necessidade do lazer, não se
expressa apenas pelas condições de vida dos indivíduos jovens e adultos, mas
também pela sociedade denominada por terceira idade. Nesse sentido, o lazer
com um fenômeno dinâmico, se revela também como uma alternativa valiosa
para o desenvolvimento pessoal e social dos idosos através de atividades dife-
renciadas que compõem esta prática, uma vez que nesta fase da vida os indi-
víduos estão mais propensos a apresentarem limitações físicas e psicológicas.
Ao longo dos últimos anos, os espaços e equipamentos públicos de
lazer das cidades vêm se caracterizando gradativamente como locais constan-
tes de escolha dos indivíduos para a realização das mais diversas atividades
tais como: caminhadas, ginástica ao ar livre, corridas, entre outros, contudo,
a existência desses espaços vem sendo comprometida devido ao processo de
urbanização crescente, dificultando assim a qualidade de vida das pessoas
que utilizam tais locais. O pesquisador Muller (2008, p. 25) considera que “o
espaço de lazer tem uma importância social, por ser um espaço de encontro
e de convívio”, no qual às pessoas da terceira idade que não possuem acesso a

1 Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). itamaralf@
hotmail.com
2 Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Pará (UFPA), Mestre em Cultura e Turismo
(UESC/UFBA), Doutor em Ciências Socioambientais (NAEA/UFPA). Professor e coordenador
do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte
(UFRN).wilkernobrega@yahoo.com.br

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 177


opções variadas de lazer, têm a oportunidade através desses espaços de viven-
ciar novas e prazerosas experiências recreativas. Assim, o papel desempenhado
pelos espaços públicos de lazer nas cidades não deve se restringir apenas a
promover momentos de descontração, mas também servirem como incentivo
para a uma maior participação social de todas as faixas etárias da população,
principalmente dos idosos que são alvos constantes de ações excludentes por
parte da sociedade.
Face ao exposto, vale destacar que o município de Parelhas, especifi-
camente na sede municipal (sede), aparece no último censo demográfico de
2010, como o terceiro município do Estado do Rio Grande do Norte com
maior índice de envelhecimento com o percentual de 104,8%, atrás apenas
dos municípios de Mossoró/RN (sede) com o índice de 116,15%, e Natal/RN
(Bairro de Petrópolis) com 114% (IBGE, 2010).
Com base nesses dados apresentados, o objetivo principal deste tra-
balho foi analisar as contribuições do lazer dentro do processo de inserção
social da terceira idade nos espaços e equipamentos públicos de Parelhas. Para
isso, também foram realizados estudos como: 1) a identificação dos principais
equipamentos de lazer existentes na localidade; 2) o grau de adaptabilidade
dos espaços e equipamentos públicos de lazer utilizados pelos idosos da cidade
através da Norma Brasileira (NBR 9050) da Associação Brasileira de Normas
Técnicas (ABNT) e; 3) a realização de um diagnóstico preliminar do quadro
atual de gestão dos espaços públicos existentes destinados ao lazer no municí-
pio de Parelhas/RN.
A metodologia foi construída a partir das produções teóricas pertinen-
tes à discussão do fenômeno do lazer e a dinâmica dos espaços públicos vol-
tados a esta atividade, buscando atrelá-los ao processo de desenvolvimento do
público da terceira idade. Paralelo a isso, foram realizadas entrevistas semies-
truturadas junto aos idosos do município a fim de se obter dados no que con-
cerne a satisfação deste público para com os equipamentos e espaços de lazer
disponibilizados no município.
No tocante as discussões da terceira idade, buscou-se apresentar dados
relevantes à evolução demográfica deste segmento etário no Brasil, a par-
tir dos indicadores sociais apontados pelo Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística (IBGE, 2010), além da utilização de registros fotográficos dos
principais espaços e equipamentos públicos para uma melhor compreensão da
temática discutida.

178 Equipamentos públicos de lazer


A pesquisa foi realizada no período de setembro a novembro de 2011.
Na ocasião, foram aplicados formulários para coleta de dados em campo, tendo
como universo de pesquisa três secretarias municipais, a saber: de Turismo;
de Obras e Serviços Urbanos; e Assistência Social. Com relação às técnicas
utilizadas, foi utilizada uma amostragem não probabilística por julgamento
junto aos órgãos públicos. Já se tratando do público da terceira idade, foi utili-
zada uma amostragem não probabilística por conveniência em um total de 29
idosos. A intenção em relação ao público da terceira idade foi de identificar a
percepção e satisfação desta faixa etária para com os espaços públicos de lazer
oferecidos na cidade.
A pesquisa permitiu afirmar que o lazer, como uma prática dinâmica
composta por várias atividades, contribui significativamente para o desenvol-
vimento da terceira idade, a partir das diversas opções lúdicas que dispõe seu
universo podendo assim, influir diretamente na melhoria da qualidade de vida
dos idosos.

LAZER E TERCEIRA IDADE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS


A busca da sociedade pelo lazer está relacionada diretamente as rela-
ções de trabalho e hábitos cotidianos dos indivíduos, o que o leva a ser con-
siderado como uma necessidade fundamental a um bom desempenho físico e
psicológico. Contudo, a origem do lazer é objeto constante de discussões por
parte de diversos autores, que apontam variadas definições e concepções acerca
da temática na tentativa de apresentar registros consistentes de seu surgimento
e desenvolvimento ao longo dos anos, apesar de não existir um consenso sobre
seu significado, o lazer apóia-se teoricamente principalmente no arcabouço
dos estudos da sociologia para fundamentar-se.
Na perspectiva da sociologia, vale destacar as concepções do escri-
tor brasileiro Nelson Carvalho Marcellino e do sociólogo francês Joffre
Dumazedier que consideram que o desenvolvimento do lazer se deu a partir
da criação da sociedade industrial e do progresso técnico existente a partir da
relação complementar entre os campos histórico e cultural (DUMAZEDIER,
2004). Nesse contexto, o lazer como um resultado do processo industrial, o
autor defende que para que o lazer se tornasse acessível para todos os traba-
lhadores, duas condições essenciais se estabeleceram na época: o tempo livre e
as atividades da sociedade desmembradas das regras e obrigações imposta pela
comunidade; e o destaque do trabalho profissional separado do tempo livre

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 179


nas sociedades industriais e pós-industriais (DUMAZEDIER, 1999). Com
relação a estas ponderações, Marcellino (2001) citado por Bertini (2005) tam-
bém compartilha da ideia de que o surgimento do fenômeno do lazer partiu
dos avanços tecnológicos provenientes da Revolução Industrial. Sendo assim,
Dumazedier (2004, p. 34) afirma que:
O lazer é um conjunto de ocupações as quais o indivíduo pode
entregar-se de livre vontade, seja para repousar, seja para diver-
tir-se, recrear-se, entreter-se ou ainda para desenvolver sua
informação ou formação desinteressada, sua participação social
voluntária ou sua livre capacidade criadora após livrar-se ou
desembaraçar-se das obrigações profissionais, familiares e sociais.
Desse modo, é perceptível que o lazer está voltado para a liberdade de
escolha do indivíduo em vivenciar algum tipo de atividade que não inclua a
responsabilidade ou a ocupação obrigatória, podendo assim ser o ato de con-
versar com os amigos, jogar, viajar, descansar ou realizar qualquer ação que seja
conveniente para ele. Por outro lado, Marcellino (1987, p. 31) entende o lazer
como sendo:
A cultura – compreendida no seu sentido mais amplo – viven-
ciada (praticada ou fruída) no “tempo disponível”. O importante
como traço definidor, é o caráter “desinteressado” dessa vivência.
Não se busca, pelo menos fundamentalmente, outra recompensa
além da satisfação provocada pela situação. “A disponibilidade
de tempo” significa possibilidade de opção pela atividade prática
ou contemplativa.
Esta definição em comparação com a do sociólogo francês Joffre
Dumazedier, apresenta outro ponto importante do lazer que é o aspecto cultu-
ral, um dos fatores mais determinantes dessa prática, pois responde pela forma
particular de efetivar o fenômeno variando de país para país, conforme o nível
econômico, o sexo, a idade entre outras variantes, no qual afirma ainda que
“não é possível se entender o lazer isoladamente, sem relação com outras esfe-
ras da vida social. Ele influencia e é influenciado por outras áreas de atuação,
numa relação dinâmica” (MARCELLINO, 2006, p. 15).
Assim, analisando-se tais considerações, e sintetizando alguns pontos
chave, identificou-se alguns aspectos em comum compartilhados por estes dois
estudiosos como a concepção que aponta o surgimento do lazer, e a convicção
da importância desta prática no desenvolvimento social de todas as parcelas da

180 Equipamentos públicos de lazer


população. Desse modo, o lazer se torna uma alternativa valiosa para o preen-
chimento do tempo e das necessidades dos indivíduos, o que é fundamental
observar, pois na medida em que a maturidade e a independência marcada pela
desobrigação profissional se tornam consequências advindas do processo de
envelhecimento, o surgimento de um novo perfil dos idosos se constrói grada-
tivamente, assumindo novas posturas e valores diante da sociedade.
No Brasil, as conceituações acerca da chamada terceira idade, podem
ser encontradas sob uma série de visões e estudos que estipulam definições e
demais concepções mediante a atual realidade deste grupo no país. A Política
Nacional do Idoso, por exemplo, na lei nº 8.842 elaborada no ano de 2004,
define em seu artigo 4º como pessoa idosa, aquela que apresenta idade igual ou
superior a 60 anos. Já os autores Sena e Guzman (2008, p.43) consideram que:
A terceira idade foi associada à idade do lazer, sendo o início
dela muito relativo, dependendo da subjetividade de quem o
define em função de diversos fatores: sociais, culturais, políticos
e econômicos. A velhice passou a ser representada como uma
fase a ser aproveitada e, em sua esteira, concebeu-se a ideia de
aposentadoria ativa a partir da imagem de que a vida começa aos
sessenta anos.
Desse modo, a expressão “terceira idade” constitui-se em uma das abor-
dagens mais apropriadas de se retratar a este grupo social, ainda que outras for-
mas de expressão estejam sendo utilizadas constantemente como, por exemplo,
“melhor idade”. Outro conceito é apresentado pelos autores Silva, Kushano e
Ávila (2008), eles definem terceira idade como um determinado período da
vida, no qual os indivíduos são privilegiados em relação a um maior tempo
livre em consequência da redução de suas obrigações profissionais.
Assim, mediante a estas importantes considerações, a Pesquisa
Nacional por Amostras de Domicílios - PNDA 2009 aponta que o número
de idosos no país era de 21 milhões de pessoas com 60 anos ou mais de idade,
este índice, apoiado nas baixas taxas de fecundidade, e em outros fatores como
o avanço da tecnologia, fizeram com que essa faixa etária se apresentasse como
um dos grupos sociais mais significativos no país. Nesse sentido, a fim de se
compreender melhor este crescimento, apresenta-se a evolução desta faixa etá-
ria expressa nos números do IBGE no gráfico a seguir:

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 181


Gráfico 01: Proporção de idosos de 60 anos ou mais e de 65 anos de idade – Brasil – 1999/2009
Fonte: IBGE, (2010)

Analisando o quadro acima, pode-se perceber que no ano de 1999,


a população idosa (60 anos) até então com um percentual relativo de 9,1%,
obteve um significativo aumento no ano de 2009, passando deste percentual
para 11,3%. Já em relação aos indivíduos com 65 anos ou mais, nota-se tam-
bém um crescimento relativo considerável nestes mesmos anos passando de
6,2% para 7,8% o que demonstra uma evolução desta faixa etária no território
brasileiro. Contudo, as pessoas deste grupo apesar de estarem em crescimento,
como demonstrado anteriormente, e estarem geralmente amparados financei-
ramente pelos diversos programas federais, estão sujeitos a retornarem ao mer-
cado de trabalho em empregos não tão compensatórios, como os chamados
“bicos”, enquanto que paralelamente, a remuneração após a aposentadoria fica
bastante comprometida com gastos característicos da velhice, tais como medi-
camentos, cuidados especiais, auxílio a filhos, netos, entre outros.
Frente a isso, e considerando o crescimento demográfico deste seg-
mento, percebe-se que a oferta de espaços públicos que comtemplem o exer-
cício do lazer nas cidades é uma importante iniciativa do ponto de vista da
infraestrutura local, como afirma Figueiredo (2008) quando destaca a relevân-
cia dos espaços públicos como áreas de sociabilidade e de lazer nas cidades, pois,
defende que estes agregam valores diferenciais da natureza contrapondo-se aos
demais espaços artificiais possibilitando à prática de atividades diferenciadas

182 Equipamentos públicos de lazer


do cotidiano da população. É importante destacar a gravidade das consequên-
cias advindas do processo de urbanização dos grandes centros, pois as cidades
estão se tornando cada vez mais saturadas e o crescimento desordenado vem
provocando uma série de problemas urbanos como a redução de áreas verdes e
até mesmo de espaços de lazer.

APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS


O município de Parelhas/RN está situado na mesorregião central poti-
guar e na microrregião seridó oriental, composto de acordo com os dados do
censo demográfico do IBGE 2010, por aproximadamente 20.354 habitantes,
sendo 17.084 moradores da zona urbana e 3.270 da zona rural, tendo como
economia de base a produção ceramista, a agricultura, o comércio e a extração
e comercialização de minérios.
Desse modo, dada à relevância de se conhecer a percepção do público
da terceira idade quanto à importância do lazer nos espaços e equipamentos
públicos da referida cidade, buscou-se de antemão apresentar alguns dados
extraídos dos formulários respondidos pelos idosos do município baseado em
uma pesquisa descritiva com amostragem por conveniência compreendida
no universo de 29 idosos distribuídos da seguinte forma: 09 integrantes da
Associação do Clube da Terceira Idade, e 20 frequentadores dos espaços de
lazer, que serão apresentados mais adiante. A pesquisa em questão buscou
também verificar se os espaços e equipamentos públicos de lazer da localidade
atendem as necessidades sociais dos idosos do município, a partir da análise da
satisfação quanto à oferta dos locais.
Nesse contexto, após a coleta de dados verificou-se uma diferença con-
siderável de gêneros entre os idosos frequentadores dos espaços, o que eviden-
ciou uma maior presença do público feminino mediante o percentual de 76%
em comparação a 24% do público masculino, o que aponta um maior inte-
resse deste primeiro gênero pelo exercício do lazer. Desse modo, percebeu-se
também que o índice de escolaridade dos idosos entrevistados revela o baixo
grau de conhecimento e informação dos mesmos, pois 86% afirmaram possuir
apenas o ensino fundamental incompleto, sendo o restante da porcentagem
distribuída entre analfabeto (4%), analfabeto funcional (4%), ensino médio
incompleto (3%) e superior (3%).
Em relação ao nível de renda dos idosos, identificou-se que a maioria se
encontra aposentada, de maneira que 93% enquadraram-se no nível de renda

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 183


com apenas 01salário mínimo, 4% assinalaram dois salários e 3% responderam
receber mais de dois salários mínimos. Frente a isso, pode-se dizer que o fator
monetário é um dos elementos mais decisivos na escolha por determinado tipo
de lazer, uma vez que uma maior renda possibilita melhores condições de se
praticar atividades que contemplam o lazer em locais privados que geralmente
oferecem serviços diferenciados aos clientes. No caso dos idosos do município
de Parelhas, o que se pôde perceber é a dependência dos indivíduos para com
os espaços e equipamentos construídos na localidade, fato este reforçado pelas
respostas referentes aos tipos de espaços frequentados pelos idosos para fins
de lazer na cidade, onde 97% dos entrevistados afirmaram utilizar os espaços e
equipamentos públicos locais, sendo os mais usuais para a prática o Calçadão,
a Academia da Terceira Idade e a Praça José Arnaldo Medeiros (Praça da
Rodoviária).
A pesquisa também identificou a quantidade de idosos que possuem
dificuldades no uso destes espaços sendo assim, 66% afirmaram não possuir
nenhum tipo de dificuldade, no entanto, 34% responderam que existem alguns
entraves que interferem no uso dos espaços e equipamentos como: o acesso, à
distância, a ambientação dos espaços, a falta de incentivo para prática de ativi-
dades físicas e de lazer, a dificuldade de manejo dos equipamentos da academia
ao ar livre, e a grande quantidade de pessoas (inclusive jovens) que também
praticam atividades nos locais. Desse modo, tais fatores impeditivos interfe-
rem também no processo de inclusão social dos idosos, pois comprometem
o envolvimento e participação dos indivíduos nas atividades exercidas pelas
demais faixas etárias, influenciando muitas vezes para o enclausuramento des-
tas pessoas em suas residências.
Com relação ao questionamento referente ao grau de satisfação dos
idosos quanto à oferta de espaços e equipamentos voltados a terceira idade no
município, no qual dispunha de quatros opções fechadas de resposta corres-
pondente a ruim, regular, bom e excelente seguidas de justificativa, constatou-
-se que 83% dos entrevistados estão parcialmente satisfeitos com os espaços e
equipamentos de lazer, em virtude de vários aspectos como: o ambiente agra-
dável dos espaços, a oferta existente que antes não fazia parte da configuração
do local, o amplo espaço do calçadão e das praças, o sentimento de valoriza-
ção, o conforto dos idosos em praticar atividades nos locais, a possibilidade
de inserção social através dos espaços, a diversão, o lazer e a prática de exercí-
cios físicos. Já 17% classificaram a satisfação como regular, por acreditar que

184 Equipamentos públicos de lazer


deveriam ser construídos mais espaços específicos para atender as necessidades
sociais da terceira idade.
Assim, como última questão solicitou-se sugestões de possíveis ações
de infraestrutura a serem desenvolvidas pelo poder público local da cidade para
melhorar a qualidade de vida da terceira idade. Em resposta, apenas 17 idosos
sugeriram alguma ação e 12 não souberam opinar sobre o assunto. O quadro a
seguir apresenta uma síntese das sugestões dadas pelos idosos:
1. A contratação de pessoas capacitadas para incentivar e ajudar aos idosos na prática de exercícios
físicos;
2. A ampliação dos espaços de lazer;
3. Maior assistência do poder público local no desenvolvimento de atividades de lazer;
4. Realização de ações assistenciais que contribuam para o processo inclusão social dos idosos na
sociedade; e
5. Maior controle da demanda nos espaços e equipamentos públicos da cidade.
Quadro 1. Sugestões do público idoso acerca das ações para melhoria da qualidade de vida em Parelhas.
Fonte: Dados da pesquisa (2011).

A síntese dos resultados acima apresentados aponta que as atividades


físicas são encaradas como as principais formas de lazer da população desta
faixa etária no município, pois intermediam a diversão, o entretenimento e o
contato diário com outros idosos e pessoas nos espaços públicos da cidade que
são palco deste processo de desenvolvimento social.
Os espaços estudados foram o Calçadão, a Academia Pública e a
Praça José Arnaldo de Medeiros. No primeiro espaço, denominado como
“Calçadão”, inaugurado no dia 25/12/2010, observou-se a partir do que é apre-
goado pela NBR 9050 de 2004, que este possui rampas adequadas para pessoas
com mobilidade reduzida e deficientes físicos, o que mostra que sua reforma
e revitalização foram concebidas em conformidade com a referida norma no
que concerne a circulação e acesso de pessoas com algum tipo de incapacidade
(ver figura n.º 02).

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 185


Figura 01: Rampa de Acesso do Calçadão.
Fonte: FONSECA, I. (2011).

Na passagem para algumas rampas do Calçadão, existem também as


faixas de pedestre que contribuem para o deslocamento mais seguro dos idosos
até chegar ao espaço propriamente dito. A NBR 9050 sugere que os rebaixa-
mentos das calçadas devem seguir o exemplo apresentado na figura n.º 03.

Figura 02: Rebaixamento de Calçada do calçadão. Fonte: ABNT, NBR 9050 (2004).

Figura 03: Rampa de Acesso e faixa de pedestre. Fonte:FONSECA, I. (2011).

186 Equipamentos públicos de lazer


Nesse sentido, tal dimensionamento pode ser identificado na figura 04,
portanto, é necessário ressaltar que não existe nenhum tipo de sinalização no
qual o pedestre idoso possa se basear para realizar a travessia de um lado para o
outro da avenida apenas a sinalização tátil presente nos pisos laterais do local.
Ainda com base na figura 04, é possível observar que o piso apresentado não
obedece às descrições normativas estabelecidas na NBR 9050 da ABNT, pois é
totalmente constituído por um tipo de cerâmica com formato ondulatório, no
qual a associação recomenda o uso de superfícies que não causem a sensação
de insegurança, como é o caso deste tipo de piso estampado, que por ter cores
contrastantes pode causar impressão de tridimensionalidade e movimento
para os idosos que caminham ou que praticam outras atividades. Contudo, há
o piso tátil que reveste toda a lateral do calçadão, facilitando a circulação dos
deficientes visuais, assim como dos próprios idosos por demarcar os limites do
referido espaço.
Tratando-se do segundo espaço analisado, isto é, a “Academia da
Terceira Idade”, que se localiza no mesmo espaço do calçadão, mas que ao
contrário deste não se encontra identificada na NBR 9050 com determinações
ou critérios de uso, acredita-se que apesar de se tratar de um equipamento no
qual em sua própria designação se apresenta como direcionado a terceira idade,
não se encaixe como específico para esta faixa etária frente à ausência norma-
tiva deste equipamento na ABNT (Ver Figura nº 05 e 06).

Figura 04: Academia da Terceira Idade. Fonte: FONSECA, I. (2011).

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 187


Figura 05: Academia da Terceira Idade. Fonte: FONSECA, I. (2011).

Para o uso adequado destes equipamentos por parte dos idosos, há


um instrutor com formação superior em educação física que orienta e auxilia
durante a realização das atividades físicas, porém, foi evidenciada em meio à
pesquisa de campo a necessidade de contratação de mais profissionais atuando
neste espaço.
O último espaço analisado foi a “Praça José Arnaldo de Medeiros”
situada no Bairro Maria Terceira, que conta com um amplo espaço para a rea-
lização de shows, caminhadas e esportes como o vôlei e futebol.
Em relação ao acesso, verificou-se que o local, assim como o calçadão,
possui várias rampas que possibilitam a passagem de deficientes e pessoas com
mobilidade reduzida revestidas de piso tátil (ver Figura nº 07).

Figura 06: Rampa da Praça José Arnaldo de Medeiros. Fonte: Fonseca, I. 2011.

188 Equipamentos públicos de lazer


Figura 07:Praça José Arnaldo de Medeiros. Fonte: Fonseca, I. 2011.

Observando a figura 08, identificou-se que a praça tem seu espaço


construído com superfícies antiderrapantes, que contribuem para uma cami-
nhada tranqüila e segura dos idosos, no entanto não possui nenhum tipo de
sinalização ou travessia para pedestres, o que é mais que necessário tendo em
vista a grande movimentação de veículos no local, contudo não só esta questão
interfira no uso do espaço como também a grande quantidade de pessoas tran-
sitando no local, fato este mencionado pelos idosos entrevistados. Em relação
ao piso tátil, o piso antiderrapante e as rampas, verificou-se que a Praça José
Arnaldo de Medeiros está condizente com as normas estabelecidas pela NBR
9050, no que se refere ao acesso de pessoas com mobilidade reduzida, contudo
para os deficientes acredita-se que seja necessária uma melhoria na infraestru-
tura a partir de maiores adaptações para este tipo de público.
Nesse sentido, pode-se dizer que as atividades exercidas pelos idosos
do município de Parelhas vinculam-se diretamente as funções do lazer anali-
sadas pelo sociólogo francês Joffre Dumazedier, que são: o descanso, a diversão,
a recreação, o entretenimento e o desenvolvimento. Pois se pôde identificar
que o lazer para este segmento possibilita a junção de todas essas variáveis,
sendo assim uma das grandes vertentes responsáveis pela melhor disposição e
qualidade de vida da faixa etária, no qual suas práticas possuem também liga-
ção estreita com os conteúdos de interesse sociais e físicos apresentados pelo
estudioso Nelson Carvalho Marcellino.
Portanto, apesar de se notar que os espaços públicos apresentados neste
trabalho possuem aspectos relativamente adequados ao acesso e uso desta faixa
etária, estando aprovados na opinião dos idosos entrevistados, acredita-se que
as variáveis escolaridade e renda influenciam diretamente no resultado desta

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 189


visão, pois a falta de informação muitas vezes impossibilita que o indivíduo da
terceira idade aponte falhas, sugira novas ideias e critique quando for neces-
sário determinado aspecto. Além disso, as condições financeiras também não
contribuem para que os idosos possam procurar atividades de lazer mais dife-
renciadas, o que os levam a utilizarem os espaços públicos.
Frente a isso, considera-se em virtude do número considerável deste
público na localidade, que os espaços e equipamento públicos existentes des-
tinados ao lazer da cidade de Parelhas/RN são insuficientes para atender as
necessidades sociais do público da terceira idade, pois apesar de serem alter-
nativas válidas, são limitadas e limitantes das opções de lugares e atividades
que os idosos podem praticar em seu dia-a-dia. Assim, faz-se necessário que
o poder público local atue de maneira mais ativa no município para atender as
necessidades sociais deste grupo, seja a partir da construção de novas infraes-
truturas ou pela criação de uma política pública que assegure o direito ao lazer
da terceira idade. O importante, é que essa atuação não se resuma apenas na
oferta de espaços para o consumo de massa, mas também que busque a partir
dessa oferta criar condições para que o lazer se constitua como uma ferramenta
ainda mais forte de inclusão social.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
O objetivo geral desta pesquisa compreendeu na análise das contribui-
ções do lazer no processo de inclusão social dos idosos nos espaços e equipa-
mentos públicos da cidade de Parelhas/RN. A partir da pesquisa foi possível
identificar que a oferta de espaços do município não supre as necessidades
sociais e recreativas deste grupo.
Acerca das sugestões apontadas pelos entrevistados no que concerne
aos aspectos lúdicos e estruturais foi constatado que o número de espaços
públicos voltados ao lazer da cidade ainda é insuficiente, sendo necessário um
maior investimento na infraestrutura do município, assim como no desen-
volvimento de ações mais efetivas de valorização da terceira idade através da
articulação do poder público local junto a associações e agentes da sociedade
civil para que os idosos da cidade tenham a oportunidade de participar de
maneira ativa nas atividades de cunho recreativo e social. Diante dessa situa-
ção, acredita-se que em se tratando de turismo, a cidade ainda precise promo-
ver com mais efetividade em seus espaços e equipamentos públicos a questão
da acessibilidade, pois assim como outras localidades, o município está sujeito

190 Equipamentos públicos de lazer


a receber turistas de diversos tipos, como cadeirantes ou deficientes visuais que
certamente necessitarão de maiores facilidades para conhecer ou até mesmo
utilizar os espaços de lazer existentes. Nesse sentido, compete ao poder público
incentivar e proporcionar condições para que este processo possa continuar a
se desenvolver e beneficiar a população idosa do município, como forma de
promover a qualidade de vida e o lazer diário deste público.
Portanto, sugere-se o desenvolvimento de projetos, ações pontuais e
até mesmo a criação de políticas públicas de âmbito municipal, voltadas ao
lazer que incentivem o exercício desta prática objetivando integrar os idosos
junto às demais faixas etárias na intenção de promover a inclusão social deste
grupo.

REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: acessibilidade a
edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro: ABNT. 2ª Edição, 2004.
BRASIL. Lei nº 8.842 de janeiro de 1994. Política Nacional do Idoso. Ministério do
Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Brasília, DF. Disponível em: <http://www.mds.
gov.br/gestaodainformacao/biblioteca/secretaria-nacional-de-assistencia-social-snas/cadernos/
politica-nacional-do-idoso/politica-nacional-do-idoso> Acesso em: 12/08/2010.
BERTINI, V. M. R. O pensamento de Joffre Dumazedier e de Nelson Carvalho Marcellino: algumas
convergências e diferenças no campo do lazer. Revista Licere, Belo Horizonte, v. 8, n. 1 UFMG,
1998.
DUMAZEDIER, J. Lazer e Cultura Popular. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.
DUMAZEDIER, J. Sociologia Empírica do Lazer. São Paulo: Editora Perspectiva, 1999.
FIGUEIREDO, S. L. Espaços de cultura nas cidades: notas sobre o ordenamento, acessibilidade e
turistificação. In: FIGUEIREDO, Silvio Lima (org.). Turismo, Lazer, e Planejamento Urbano e
Regional. Belém: NAEA, 2008. pp. 79-92.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Censo
demográfico de 2010. Brasília, 2011.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Perfil dos Idosos
Responsáveis pelos Domicílios, 2000. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/
noticias/25072002pidoso.shtm>
MARCELLINO, N. C. Lazer e Educação. Campinas, SP: 1987.
MARCELLINO, Nelson Carvalho. Estudos do Lazer: uma introdução. Campinas, SP: Autores
Associados, 2006.
MULLER, A. Lazer, desenvolvimento regional: como pode nascer e se desenvolver uma ideia. In:
MULLER, A; DACOSTA, L.P. (org.). Lazer e Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul:
EDUNISC, 2002.

Itamara Lúcia da Fonseca | Wilker Ricardo de Mendonça Nóbrega 191


SENA, M. F. A.; GUZMAN, S. J. Perspectiva do Turismo de lazer para a terceira idade no lugar
Ponta da Tulha – Ilhéus – Bahia. Revista Caderno Virtual de Turismo, v. 8, n. 1, 2008. Disponível
em:<http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/233/174> Acesso
em: 14/08/2010.
SILVA, T. A.; KUSHANO, E. S.; ÁVILA, M. A.Segmentação de Mercado: uma abordagem sobre o
turismo em diferentes faixas etárias. Revista Caderno Virtual de Turismo, v. 8, n. 2, 2008. Disponível
em: <http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/353/226> Acesso
em: 13/08/2010.

192 Equipamentos públicos de lazer


Festa e turismo: cenário de
imagens e da apropriação

Anelino Francisco da Silva1

INTRODUÇÃO
Este artigo defende a tese de que as festas populares e o turismo de
massa são práticas socioespaciais que se sustentam pela adesão das pessoas
consumidoras e dos agentes do setor público e do privado ligados às atividades
do turismo. Em suas representações, as festas populares tradicionais e/ou res-
significadas ou ainda, aquelas espetacularizadas, quando cooptadas, são maté-
rias-primas que promovem a o processo de exploração desses bens imateriais.
O sentido que a festa, popular ou não, proporciona é o da diversão, a
princípio aquele espontâneo. Pessoas e organizações põem nela suas expectati-
vas, referendadas pela participação da sociedade local e das adjacências, que se
associa consolidando os elos identitários.
Vigora entre a festa e o turismo uma dissimulação moderna que tende
a ser atrativa e perigosa. Ao segundo apraz a perspectiva da exploração, den-
tro de suas conveniências. É preciso efetivar produtos e constituir imagens e
representações que sejam atrativas e codificadas para o consumo dos homens.
Assim delineia-se o/um novo cenário – o consumo das festas e de seus
equipamentos –, porque as reservas do diferente, do espetacular regional e do
irreverente harmonioso têm o que é apreciado no espaço da festa. O espaço
pode transformar-se em lugar em que interagem objetos e imaginário dos
turistas.
A Festa e o Turismo, além das práticas de diversão, de lazer e da cadeia
de integração social, trazem consigo a possibilidade de serem compreendidos
em sua espacialidade como atividades localizadas, engendram intencionalida-
des e interesses.Dependendo da forma como se dá a cadeia, as vantagens só

1 Docente do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação. aikosnelus@ufrnet.br

Anelino Francisco da Silva 193


poderão ser analisadas em referência a um tempo, segundo a demanda e a
receptividade das pessoas dos lugares e a resposta dada pelos turistas.
Foi nesse contexto das festas populares e das práticas do turismo de
massa que o cenário foi articulado, teoricamente, objetivando uma compre-
ensão da cadeia construída pelas partes, como atividades socioespaciais que
engendram uma interface.
É preciso lembrar que as diversas práticas culturais populares podem
ser ocasião de afirmação ou de crítica de valores e normas sociais. O espaço da
diversão coletiva e as ações integradoras do turismo determinam a dimensão
e a dinâmica da festa e do turismo. Podem mesmo levar ao enfraquecimento,
ou até à uma perda da devoção e do empenho na realização da festa, cau-
sando a transformação de uma manifestação carregada de sentido próprio e
de historicidade

FESTAS POPULARES E O APROPRIAR DO TURISMO


A festa, em sua representação, é classificada como patrimônio cultural
intangível, a expressara sensibilidade dos grupos sociais, através da comemo-
ração e da participação das pessoas e/ou de grupos, nos mais diversos lugares.
Como bem imaterial, ela se materializa, por suas representações, como ação,
movimento, cenário e fato sociocultural.
Em sua espetacularização, a festa é um processo de realização e, em
consequência uma organização que vão dignificar os elementos constituidores
da memória coletiva dos grupos sociais, os quais induzem ao forjamento de
identidades em relação aos lugares, que têm proporcionado a matéria-prima,
ou seja,os elementos de atratividade ao turismo cultural.
A festa e o turismo se direcionam, por objetivos e fins, primordial-
mente, a proporcionar a quem vai à festa e a se quem utiliza da produção do
turismo, encontrar o sentido de lazer, divertimento, entretenimento, e algo de
novo, ou renovado. Assim, a festa e o turismo se estruturam para fornecer aos
grupos sociais as diversões, entretenimento e os serviços que buscam encontrar
nos espaços seletivos e lugares.
O que parece caracterizar essa demanda é a possibilidade do encontro,
em espaços organizados e detentores de festas populares de cunho simbólico
e lúdico, multiculturalidade e aspectos de natureza física atrativos e diferentes.
A modernização da cultura popular de massa, apreendida através do
circuito de festas regionais, apresenta segundo Farias (2001), dois aspectos:

194 Festa e turismo


a bitola do arco de fenômenos e o perfil da processualidade que aproxima
iguais fenômenos. Para esse autor, à ênfase posta nos polos da recepção e da
produção embutidos no núcleo mais visível da industrialização do simbólico,
caracterizam a trajetória da “modernização cultural no país, perspectivando
as festas populares regionais como lugares institucionais onde o lúdico e o
mercantil, amalgamados, delimitam a natureza das sociabilidades vicejadas em
seus territórios”.
Da perspectiva da festa e do turismo, abriu-se o flanco sobre a produ-
ção simbólica, as verificações da intertextualidade e a recepção das reciclagens
e dos hibridismos como enfatiza Farias (2001), tendo por suporte Barbeiro
(1987), Canclini (1990) e Ramos (1993).
É de se compreender que as festas, criam links de relação que combi-
nam, em grande medida, mudança sociocultural relativa entre a cultura popular
de massas e s interesses do turismo, funcionando e espreitando as singularida-
des simbólicas.
De fato, pensar as festas/os eventos a nível regional é estabelecer uma
rede de interesses socioculturais e econômicos que possibilitam comemora-
ções, espetáculos, teatro ao ar livre, eventos de automobilísticos, e tantos outros
elementos indutores que atraem patrocinadores, consumidores e, em especial a
mídia e os agentes produtores.
Farias (2001) pontua que o carnaval carioca dialoga em sua estética,
com os eventos de abertura dos jogos olímpicos, sem necessariamente tratar-se
de uma cópia, mas de versões de uma matriz comum. Os carnavais de Recife
e de Olinda, são exemplos de multiculturalidade, atraindo pessoas, foliões e
turistas que apreciam essa festa e participam dessa diversão livre e solta.
Segundo Farias (1998) na festa e no apropriar turístico, a mobilidade
com que os símbolos festivos da carnavalidade se deslocam pelo país e fora
dele, nos últimos anos, através das “micaretas”, marca a inserção socioespacial
promovida pelas festas. O trânsito incorpora o espaço privado da “passarela”
(inspirado no carnaval do Rio).Assim os trios elétricos, as bandas musicais e
dançarinos e blocos-empresas de carnaval armam folias mensais em diversas
cidades, participando do calendário turístico das localidades. Além disso, o
próprio carnaval de Salvador se tornou o palco à concatenação entre afirmação
de identidades étnicas negro-africanas e o circuito glamouroso do mercado de
bens culturais ampliados (FARIAS, 1998, p. 115-137).

Anelino Francisco da Silva 195


A festa é um espelho no qual o ser humano se reflete, mas que exibe
a atração e a apreensão dos agentes do turismo que a percebem a espelhar
no espaço. As festas que atualmente ocorrem no Brasil têm caráter religioso.
Algumas tiveram sua origem no século XVIII, onde a simbologia da festa
justificava ou explicava a crença e a devoção aos santos, mas contêm outros
aspectos, que vão além da fé, pois os componentes estruturais acabam se extin-
guindo com o passar do tempo, dando lugar a outros, e transformando-as em
festas religiosas e profanas simultaneamente.
Dessa forma, a caracterização de determinada festa nem sempre per-
manece constante.Geralmente ocorre um processo de modernização, trans-
formando-a em espetáculo, com estruturas grandiosas e suntuosas que, muitas
vezes, fogem ao contexto do meramente religioso. Contudo, o passado e o pre-
sente permanecem articulados no interior das festas. Afinal elas são as mesmas
sem nunca serem iguais.
Para Ikeda e Pellegrini (2008), no espaço territorializado se apreende a
importância que as festas representam, significando momentos da maior rele-
vância social.
São instantes especiais, cíclicos, da vida coletiva, em que as ati-
vidades comuns do dia-a-dia dão lugar às práticas diferenciadas
que as transcendem, com múltiplas funções e significados sem-
pre atualizados. As diversas espécies de práticas culturais popu-
lares podem ser a ocasião da afirmação ou da crítica de valores
e normas sociais; o espaço da diversão coletiva; do repasto inte-
grador; do exercício da religiosidade; da criação e expressão de
realizações artísticas; assim como o momento da confirmação ou
da conformação dos laços de identidade e solidariedade grupal
(IKEDA; PELLEGRINI, 2008, p. 207).
Compreende-se que a festa, como objeto de apropriação do turismo,
em virtude de apresentar-se como prática sociocultural capaz de atrair pes-
soas e grupos que interessam conhecê-la e/ ou apreciá-la como diversão e
entretenimento.
Nesse sentido as festas populares de massa serão fortes para enfrentar
os impactos da modernidade e o avanço do turismo?Parece não ser suficiente
os arranjos que, se articulam entre os organizadores de festas e eventos, com
os agentes promotores de turismo, se as ações investidas para consumo dos
turistas não estiverem organizados e planejados. Eventualmente, pode-se até

196 Festa e turismo


chegar, em casos extremos, à decadência e à extinção de determinada festa.
Podem também surgir novas formas de manifestação, ocorrendo transforma-
ções e recriações que transmitem um novo sentido da festa para outros grupos
de pessoas, sobretudo os formados pelos mais jovens.
Essas novas festas seriam, então, moldadas em formato muito mais
próximo da indústria do entretenimento. Tais manifestações, muitas vezes,
fazem necessário o abandono das tradições, podendo ocorrera irradicação ou a
modernização, com os percalços sociais e políticos locais.
A festa é uma celebração de alegria, de exaltação coletiva, em que todos
são sujeitos e atores; não há espectadores. Segundo Rosa (2002, p.12-13), a
festa contém aspectos diversos “como organização, política, decoração, mer-
cadorias, falas, encontros, desencontros, movimentos, roupas, etc., ou tintas,
cores e movimento do quadro. A festa pode ser celebração, fruição, diversão,
evento, espetáculo, brincadeira, investimento, exaltação, trabalho filantrópico e
econômico”.
Nesse sentido, as festas populares tradicionais que sobreviveram à
entrada do novo milênio crescem não apenas em número de participantes e
custos, mas também em grandeza, embora quando comparadas às realizadas
no século passado, em vários quesitos, possa notar-se que sofreram um pro-
cesso de empobrecimento. As festas que crescem tendem a ocupar grandes
espaços nos centros urbanos, ou seja,a conquistar espaço, o que pode indicar
importância delas e de seus lugares na vida das cidades e do país, além da pre-
ocupação em receber bem os visitantes e turistas.
O turismo transforma lugares e grupos locais no momento em que seja
permitida sua expansão; onde os atores sociais consentem, ou mesmo, onde,
de maneira inconsciente neles estão inseridos nesse círculo constituído por
operadores/ agentes de viagens, setor público, prestadores de serviços locais,
comunidade local, usuários desse sistema, turistas e o lugar/território onde
ocorrem as ações.
Para Hall (1994), a partir de sua implantação, o turismo pode redefinir
realidades sociais, criando expectativas de imagens projetadas e adaptando os
lugares, a essas expectativas, que podem ter como alvo uma descoberta, novo
destino ou nova atração ou mesmo a reciclagem de um antigo destino.
Nesse contexto, as manifestações culturais correm o risco de sofrer
mudanças quando tratadas de forma massiva, repetitiva e acatando o gosto
do visitante – nesse caso, operadores turísticos e turistas. Muitas vezes, com

Anelino Francisco da Silva 197


apoio de poderes locais, as manifestações turísticas perdem a originalidade,
para atender à demanda de novos participantes.
A conexão entre os promotores locais e os meios de comercialização
de festas, é diferente no caso do patrimônio intangível, baseado em algo móvel,
que é recriado, a partir da representação da festa e de valores como a fé, a
devoção e o respeito. Diferentemente do patrimônio tangível, no qual se apre-
sentam atrativos imóveis, como edificações ou objetos, e não necessariamente
existe contato do visitante com os visitados.
As festas populares expressam formas identitárias de grupos locais. O
motivo de encontro, de fé, ou, simplesmente de celebração atrai e identifica
devotos de mesma identidade. Dessa forma, o turismo pode causar estranha-
mento nos lugares, caso não seja negociada a participação e, pior ainda se não
forem negociados os papéis de cada grupo envolvido.
Segundo Ribeiro (2004), um dos exemplos mais conhecidos da expro-
priação, ou mercantilização, da cultura local é analisado por Grenwood (1989),
e diz respeito ao alarde em relação ao povoado de Fuenterrabia, Espanha, no
que diz a transformação de uma festa comunitária a em evento para turistas,
mudando a configuração do uso e de sua espacialidade. Para Grenwood (1989)
e Ribeiro (2004), quando uma atividade cultural é feita como um evento
público e passa a pertencer a um mercado turístico contínuo, ou promovida
por ele, ela tende a perder seu caráter de ritual, ocorrendo a violação e posterior
destruição de sua identidade e a perda do poder participativo, pela sociedade.
Para Ribeiro (2004, p. 52), o “caso específico das festas populares, sua
realização forma a expressão simbólica fiel da vida social de um lugar ou uma
comunidade”. De acordo com Alcalde e González (1989, p. 114), distinguem-
-se quatro dimensões específicas das festas e, em geral, de todo fenômeno fes-
tivo: “simbólica, sociopolítica, econômica e estética”. Segundo esses autores, a
mais importante e específica das dimensões é a simbólica, que está presente em
todo fenômeno festivo, definindo e reproduzindo o simbolismo e a identidade
de uma coletividade ou de um grupo social.

A TRANSFORMAÇÃO DE FESTAS POPULARES


EM EVENTOS TURÍSTICOS
As festas populares, em sua estrutura festiva, disponibilizam atos socio-
culturais, imagens e representações capazes de engendrar parcerias para os
eventos turísticos, que se associam à lógica do turismo. A atividade do turismo

198 Festa e turismo


proporciona às sociedades contemporâneas, deste milênio, a interação de indi-
víduos pertencentes a sociedades diferentes, a busca de diversão, lazer e entre-
tenimento. Compartilham-se gostos, tradições, crenças ou valores e costumes.
Além do contato do homem com a natureza, nasce o acervo cultural, oriundo
da criatividade do indivíduo e de seu poder de comunicação, engendrados via
manifestações e práticas cotidianas dos sujeitos.
As diversas atividades que se exercem na vida cotidiana, para Certeau
(1994), fomentam as relações sociais, que são formadas por práticas construí-
das, ou fabricadas, culturalmente. A expansão do setor turístico como atividade
econômica ocorre em função do desenvolvimento tecnológico, das telecomu-
nicações e dos transportes efetivando-se como turismo de massa. A atividade
tem suas bases nos atrativos naturais e/ou culturais de destinos turísticos que,
de forma organizada, com estruturas e políticas adequadas, tornam-se produ-
tos turísticos para consumo.
Nesse sentido, organizações privadas e governamentais têm papeis
definidos de mediador e organizador no trade turístico e, através das políticas
públicas, estabelecem como serão realizadas as ações de desenvolvimento do
setor com a legitimação de todos os agentes sociais envolvidos.
Nessa perspectiva, a cultura popular, em suas diversas formas vem, cada
vez mais, sendo utilizada para transformar e criar produtos turísticos para os
consumidores. Certeau (1994) denomina de consumidores sujeitos sociais que
vivem na sociedade de consumo capitalista não como sujeitos passivos diante
da atividade de produção, mas consumindo racionalmente, a partir dela, uma
produção racionalizada.
Ora, segundo Menezes (2012), o produto turístico – no caso, os desti-
nos – passa a fazer parte da sociedade de consumo, ganhando novos sentidos
e novos objetivos, através do gigante mecanismo econômico do sistema de
produção, que atende às necessidades dos consumidores. Para esse autor, no
cenário brasileiro não é difícil identificar a influência da administração pública
no processo de planejamento, organização e operacionalização dos produtos e
serviços que tornam a atividade possível.
Entretanto, enquanto alguns temas são amplamente discutidos, outros
de igual importância terminam por ser pouco explorados. Dentre esses temas,
ressalta-se a íntima relação que se estabelece entre as inúmeras formas de
manifestação da cultura e a atividade turística. Tais manifestações se tornam
fonte de experiência turística para os consumidores a partir do momento em

Anelino Francisco da Silva 199


que passam a ser transformadas em eventos turísticos e, consequentemente,
modificam o cotidiano da população local (MENEZES, 2012).
É reconhecido que a intervenção do poder público em destinos turís-
ticos com o intuito de desenvolver o turismo geralmente fomenta críticas,
porque alguns segmentos da população defendem que as ações são planeja-
das visando somente a “atender interesses econômicos dos atores ligados ao
turismo” (MENEZES, 2012, p. 106). Menezes, em sua análise, indaga: “Quais
seriamos reflexos das transformações das festas populares em eventos turísti-
cos? Será que, no caso das festas populares, são atendidos somente interesses
econômicos da atividade turística ou, também, interesses dos turistas e citadi-
nos que fazem parte dessa nova sociedade pós-moderna?” (p. 106).
De fato, é preciso apreender a lógica do turismo e a que reveste as fes-
tas populares. As ações de um e de outra têm direções opostas, porém opostas,
quando os vieses não apontam para os interessados, quando o sentido e o rumo
que as práticas exercidas no cenário da festa interessam ao turismo. Segundo
Barreto (1991) no turismo tudo é, minuciosamente, estudado antes da produ-
ção e, ao ser colocado no mercado, de forma organizada e coerente, tudo está
interligado, formando um sistema cujos elementos são a cultura, o lazer e o
turismo.
Sousa Filho (1999) diz que, diante da cultura espontânea, criada e
vivida pela massa, surge uma cultura pré-fabricada, alheia, quase sempre carre-
gada de interesses, ou seja, a tão famosa cultura de massa também chamada de
“cultura industrial”, filha do impulso capitalista, daí por que tão maciçamente
orientada por e para interesses específicos. Horkheimer e Adorno (1985) afir-
mam que toda cultura de massa é idêntica, constituindo um negócio no qual é
inevitável a disseminação de bens padronizados para a satisfação de necessida-
des iguais, dos consumidores, sendo, assim aceitos sem resistência.
Desse modo, os produtos turísticos disponibilizados aos consumidores,
a preços diferentes, servem, ao mesmo tempo, para classificar e organizar esses
consumidores, a fim de padronizá-los, agrupando-os segundo características
semelhantes. Os princípios de marketing enfocam que é necessário estudar os
consumidores, pois estes possuem necessidades e desejos diferentes e, em con-
sequência, são necessários produtos diferentes para atender a eles.
Horkheimer e Adorno (1990), analisando a indústria cultural expli-
citam que os consumidores são postos em um ranking, que, em marketing,
faz parte de segmentação de mercado, para que ninguém seja excluído do

200 Festa e turismo


consumismo. Essa indústria prima para agradar a todos, de modo que ninguém
possa escapar. Assim, cada um deve portar-se, espontaneamente, segundo sua
posição no ranking determinado a priori, e dirigir-se aos produtos de massa
que foi preparada para seu tipo.
Como o planejamento dá-se da produção às vendas, processo em que
o marketing une todas as fases em ciclo contínuo, esses agentes e grupos de
agentes sociais que detêm o poder e articulam as ações promovem junto a
população local formas de instaurar e conduzir suas estratégias, definindo a
posição de cada sujeito nesse espaço social.
“Uma das estratégias mais universais dos profissionais do poder sim-
bólico consiste em pôr o senso comum do seu próprio lado, apropriando-se das
palavras que estão investidas de valor por todo o grupo, porque são depositárias
da crença dele” (BOURDIEU, 1998, p.143).

A FESTA NA LÓGICA DO CONSUMO


É preciso considerar a festa numa feição própria, repleta de significa-
ções, elaboradas e reelaboradas segundo as circunstâncias de onde ela se rea-
liza.Morigi (2007) pontua a dinâmica das festas na América Latina a partir
de um registro que absorve a ideia da transformação das antigas festas no
momento em que elas estão sendo construídas segundo certos pressupostos da
indústria cultural.
Então, à proporção que os processos de urbanização e burocratização
avançam e as relações capitalistas de produção introduzem-se no campo, as
festas no meio rural, deixam de ter um caráter sagrado e adquirem um caráter
marcadamente comercial: mudam o significado religioso-sagrado, assumindo
um cunho profano, inerente ao próprio processo de desenvolvimento capita-
lista (ZALUAR, 1983).
Daí, as festas e seus símbolos também apresentar um caráter mer-
cadológico. Considerando a festa brasileira e a conexão dela com o circuito
do turismo, Amaral (1998, p. 9) a apresenta, “por sua dimensão cultural, (...),
como modelo de ação popular (...) e como espetáculo, produto turístico capaz
de revigorar a economia de muitas cidades”. A festa junina, em especial no
Nordeste brasileiro, tornou-se objeto simbólico de consumo de classes sociais,
espetacularizada e comercializada, como ressaltaram Morigi (2007) e Silva
(2012).

Anelino Francisco da Silva 201


Dessa conjuntura sociocultural, a festa junina é uma comemoração e
um evento que marca territórios e lugares. Como sintetiza Morigi (2007, p.40)
“Institucionalizados pelo poder público, esses eventos acontecem sob a forma
de grandes espetáculos urbanos com promessas e utopias, atraindo e gerando
renda e riquezas às populações urbanas e, em muitos casos, viabilizando a exe-
cução de projetos sociais”.
Assim, a festa junina tem sido a forma de regozijo coletivo, sincretismo
cultural de diferentes procedências e contextos, que, pela pluralidade de ações,
está incorporada ao circuito turístico das cidades do Nordeste oriental. E, claro,
que umas tantas outras festas se colocam nos itinerários do turismo regional,
como a Festa de Lisboa, estudada por Silva (2012).
Na realidade, pensar a festa e o turismo implica uma construção de
valores e, em consequência, valores transformados, que interagem com os ele-
mentos da cultura popular e regional. Vitule (1999) comenta que cada cultura
corresponde a uma forma de estar no mundo. E é a partir dessa forma que
indivíduos e coletividades pensam o outro como estranho, como diferente.
Nesse processo, se entrelaça o discurso do poder da festa e do turismo
ao forjarem parceria construtiva entre todos os atores sociais que, respeitadas as
necessidades locais, potencializam a valorização seletiva das diferenças, repre-
sentadas no lugar.
Como o turismo é uma prática social supérflua, está sujeito a crises,
“mesmo porque como atividade sazonal não se auto-sustenta o ano todo”, con-
forme explicita Rodrigues (1996, p.31). Essa prática social envolve um número
significativo de atividades produtivas e disso decorre, em parte, sua capacidade
de ordenar e reordenar territórios para seu uso (CRUZ, 2000).
Há uma relação simbiótica entre as festas e o turismo, ambos fenôme-
nos mundiais, nacionais, regionais e locais são concebidos através da concepção
cultural, ligados como bens culturais à expansão do capitalismo e à filosofia da
modernidade, ou seja, a contemporaneidade.
A festa popular e o turismo invadem espaço e lugares com dinâmicas
socioespaciais, expondo configurações e reconfigurações ao denotarem o poder
de assimilação cultural, ao se olharem as festas pelo viés da atividade produ-
tiva. Como bens e serviços, intensificam as relações através do marketing e da
mídia, via indústria cultural, alicerçada pelo turismo, que busca cooptar festas
e a produção de espetáculos e eventos.

202 Festa e turismo


CONSIDERAÇÕES FINAIS
A dimensão entrelaçada da festa e do turismo, fenômenos sociais de
repercussão local, regional, nacional e internacional, salienta que as incursões
neles elaboradas emergem da tentativa da interação entre eles, como ações cul-
turais de grupos sociais que querem divertir-se nos festejos, e, na outra ponta,
de turistas, que se deslocam para espaços e lugares em busca de entretenimen-
tos variados. Tende-sea assumir uma posição crítica contra o risco de se reduzir
o entendimento do que a festa e o turismo representam, como vertente cultural
e como vertente de ordem econômica, respectivamente.
A valência das festas populares e (da aproximação) do turismo salienta
que a cultura, ou a cultura popular, é fator de coesão, atrelado às conexões e
ao discurso intercultural da diversidade e das diferenças. Assim, as demandas
do turismo pressionam as organizações das festas, os lugares onde ocorrem as
festas/eventos, os atores sociais e o Estado.
A dinâmica desses fenômenos – festas populares e turismo de massa
– consiste em uma metamorfose de valores socioculturais da sociedade con-
temporânea, enquanto trocas simbólico-culturais. E também em razão das
possibilidades de ressignificação e das trocas, que as ações do turismo explo-
ram, exigindo que os bens materiais e imateriais estejam ajustados à demanda
turística.
A festa e o turismo são práticas socioculturais que se especializam,com
demandas e procuras as mais variadas. Hoje parece evidente a repercussão nada
desprezível dos fluxos culturais. Neste caso, reconhece-se ser a dinâmica festiva
e a apropriação do turismo, indutores de uma condição específica, que é traba-
lhada, elaborada e ressignificada, para atender a interesses de certos grupos, ou
seja, do trade turístico.
De fato é preciso apreender a lógica das festas populares (o tempo
delas) e do turismo, pois eles são utilizados pelas pessoas e pelos grupos, em
seus tempos de descontração e diversão e de viagem de lazer e ócio.

REFERÊNCIAS
ALCALDE, A. C.; OLMOS, F. C.; GONZALEZ, A. G. Reprodución de identidades en la
romeria del Valle de Zalabi (Granada). In: SANTALO, C. A.; BUXÓ, M. J. R; BECERRA,
S. R.(orgs.). La Religiosidad popular, v.3, Barcelona: Editorial Anthropos, 1989. http://www.
anpocs.org/portal/index.php. Acesso: 18/04/2013.

Anelino Francisco da Silva 203


BARRETTO, M. Planejamento e organização em turismo. Campinas: Papirus, 1991. (Coleção
Turismo).
BOURDIEU, P. O poder simbólico. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo:
Editora da Universidade de São Paulo, 1997.
CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.
CRUZ, R. de C. A. de. Turismo, território e o mito do desenvolvimento. Espaço e Geografia,
vol. 3, n.1, jan-jun, 2000, p. 19-26.
_____. Introdução à geografia do turismo. São Paulo: Roca, 2001.
FARIAS, E. O Desfile e a Cidade: O Carnaval Espetáculo Carioca–Dissertação de Mestrado,
IFCH/Unicamp, Campinas: 1995.
____. “Orfeus em Tempo de Modernidade no Carnaval Carioca” – Estudos Afro-Asiáticos,
n. 34 dezembro de 1998. “Paulo da Portela: Um Herói Civilizador”. Revista do CRH, n. 30/31
janeiro/dezembro de 1999.
____.Ócio e Negócio: Festas Populares e Entretenimento-Turismo no Brasil –Tese de
Doutoramento emCiências Sociais, IFCH/Unicamp, Campinas: 2001.40
____. “Carnavalidade e Popular: Elementos à Delimitação da Esfera Cultural no Brasil”
(Trabalho apresentado no X Congresso Brasileiro de Sociologia), Fortaleza, 2001.
GRENWOOD, D. J. “Culture by the Pound: an anthropological perspective on tourism as
cultural commoditization”, en Smith, V. (ed,) Hosts and Guests: The anthropology of tourism ,
2nd. Edition, University of Pennsylvania Press, Philadelphia, 171-185, 1989.
HORKHEIMER, M.; ADORNO, T. W. O iluminismo como mistificação de massas. In:
LIMA, L. C., (orgs.). Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1990. p.157-203.
MENEZES, P. L. de. A (Re) Invenção do cotidiano: a transformação de festas populares em
evento turístico (Estudo de caso do São João de Campinas Grande). CULTUR, ano 6, n.1, p.
105-116. Fev., 2012. www.uesc.br/revistas/culturaeturismo. Acesso: 19-04-2013.
MORIGI, V. J. Narrativas do encantamento: o maior São João do Mundo, mídia e cultura
regional. Porto Alegre: Armazém Digital, 2007.
PONERO, M. C.; LEITE, E. Inter-relações entre festas populares, políticas públicas, patrimônio
imaterial e turismo. Patrimônio: Lazer & Turismo, v. 7, n.10, abr./jun., 2010, p 99-113.
ROSA, M. C. Festa na cultura. In.__. (Org.). Festa, lazer e cultura. Campinas: Papirus, 2002.
RODRIGUES, A. B. Desafios para os estudiosos do turismo. In: RODRIGUES, A. B. (Org.).
Turismo e Geografia: reflexões teóricas e enfoques regionais. São Paulo: Hucitec, 1996, p.17-32.
IKEDA, A. T; PELLEGRINI FILHO, A. Celebrações populares: do sagrado ao profano. In.:
CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISA EM EDUCAÇÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA.
A Terra Paulista: Histórias, artes, costumes, v. 3. Manifestações artísticas e celebrações populares
no Estado de São Paulo. São Paulo: Imprensa Oficial; CENPEC, 2008, p. 169-209.
RIBEIRO, M. Festas populares e turismo cultural – inserir e valorizar ou esquecer? O caso de
Moçambique de Osório, Rio Grande do Sul. Revista de Turismo Y Património Cultural, vol. 2, n.º
1, p.. 47-56. 2004. www.pasosonline.org. Acesso: 19-04-2013.

204 Festa e turismo


SILVA, A. F. da. “Dinâmicas espaciais das festas populares: uma análise comparativa entre o
nordeste do Brasil e de “Lisboa e Setúbal”, Portugal: interrelações com a dinâmica lisboeta”.
(Relatório). Pós-doutoramento. Nova Lisboa. CNPq, 2012.
SOUSA FILHO, S. G. de. Por uma filosofia da comunicação. Campina Grande: DUEP, 1999.
VITULE, M. L.. Guia de Viagem: cultura e mundo contemporâneo. São Paulo: Unimarco, 1999.

Anelino Francisco da Silva 205


O Sensemaking e o comitê regional das
associações e cooperativas do artesanato
seridoense: buscando compreender
um complexo de relações

André Lacerda Batista de Sousa1

INTRODUÇÃO
O mundo está interligado. Essa frase remete a reflexões sobre a
maneira em que essa interligação acontece. Coesa, conectada, conexa são
alguns comuns sinônimos os quais podem definir ou explicar o atual momento
em que a sociedade contemporânea tecnológica vive. As redes são laços que
visam à simplificação e cooperação dos atos de acordo com Castells (2003).
Um exemplo de uma rede de relacionamento de negócios é o traba-
lho desenvolvido pelo Comitê de Associações e Cooperativas Regionais de
Artesanato do Seridó (CRACAS). Essa organização, com sede na cidade de
Caicó/RN, existe com o objetivo de administrar a rede de artesãos da região
do Seridó norteriograndense. A fundação do CRACAS em 2000 baseou-se na
seguinte premissa: coordenar o desenvolvimento do artesanato nos municípios
a ele filiado. Ao todo compõe a rede 25 municípios associados ao CRACAS.
Comunicação, distribuição de recursos, reuniões, palestras, oficinas de capa-
citação profissional são alguns exemplos das atividades promovidas pelo
CRACAS às associações filiadas.
Nessa rede, cada ator organizacional possui o seu papel. Nas associa-
ções de cada município filiado ao CRACAS existe um presidente que organiza
e cadastra os artesãos, auxilia no fluxo de informações entre o CRACAS e
os municípios, além de promover cursos de qualificação de artesanato para
a comunidade. Em contrapartida, o CRACAS torna-se responsável pela
distribuição da matéria prima (recursos) para a fabricação, a confecção e a

1 Mestre em Turismo-Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil. Email: lacer-
dy@hotmail.com.

206
comercialização dos produtos fabricados pelos artesãos associados. Além disso,
acontecem no Comitê reuniões e palestras mensais que traçam diagnósticos
sobre o desenvolvimento do artesanato na região.
Percebe-se que o CRACAS não existiria não estando em uma rede
de negócios, o que denomina a situação problemática da presente pesquisa.
Observa-se que a inexistência desse comitê enfraqueceria a classe artesanal do
Seridó, situação que despertou o interesse pelo estudo de como o CRACAS
relaciona-se em sua rede de negócios.
Para a análise da complexidade de uma rede de negócios como a do
CRACAS fez-se necessário compreender os componentes de um relaciona-
mento de negócios. Os pesquisadores, Håkansson e Snehota (1995) sintetiza-
ram o Modelo Ator Atividade e Recurso - AAR que tem como meta analisar
os resultados do comportamento relacional e fornecer as bases para que seja
possível estudar os ‘papéis’ dos atores nos processos entre organizações, apre-
sentando as relações entre estabilidade, desenvolvimento e interação. A apli-
cação dos princípios do modelo AAR com a realidade vivida no cotidiano do
CRACAS integra uma das questões de estudo da presente pesquisa.
Em uma rede de negócios, quando acontecem as interações entre os
indivíduos, os quais estão desempenhando suas atividades em seu cotidiano
de negócios, é o momento onde o Sensemaking é gerado. Mas o que seria
Sensemaking? Qual seu objetivo? Para Geersbro (2004) o Sensemaking é lite-
ralmente: o fazer sentido. Segundo Ford (1997) o Sensemaking é o processo
onde os indivíduos começam a perceber os eventos ao seu redor; como eles
estabelecem e criam algum tipo de significado. Geersbro (2004) afirma que
é possível utilizar as sete dimensões do sensemaking, juntamente com as três
dimensões modelo AAR para analisar uma rede de negócios. Assim, esses dois
pontos servirão de pilares teóricos para o entendimento e desenvolvimento da
presente investigação que teve como recorte empírico o CRACAS/RN.
Com base no que foi exposto, o presente estudo buscou responder a
seguinte questão de pesquisa: Como o processo da geração de sentido (sensemaking)
é percebido pelos artesãos inseridos no CRACAS/RN ao desenvolverem suas ati-
vidades voltadas para a utilização dos recursos em seu cotidiano de negócios?
A pesquisa teve como objetivo geral compreender a geração de sentido
das atividades realizadas pelos atores organizacionais, inseridos no CRACAS
em Caicó/RN, voltadas para a utilização dos recursos em seu cotidiano de
negócios. E como objetivos específicos: a) verificar os princípios que norteiam

André Lacerda Batista de Sousa 207


as interações dos artesãos vinculados ao CRACAS; b) identificar a maneira
pela qual os artesãos desempenham atividades voltadas para o controle e uti-
lização dos recursos disponíveis em seu ambiente de negócios; c) identificar o
papel desempenhado pelos atores organizacionais (artesãos) em suas ativida-
des cotidianas de negócios; d) compreender como os atores organizacionais do
CRACAS geram sentido de suas atividades de negócios.
Como justificativa para o estudo levou-se em consideração que através
da análise das interações, dos papéis e das atividades desenvolvidas pelos artesãos
do CRACAS, os mesmos poderão gerar sentido das ações que desenvolvem em
uma rede de negócios. Fortalecendo dessa forma, a compreensão da importância
das atividades que desempenham em seu cotidiano como o trabalho, a manuten-
ção da associação, o fortalecimento do artesanato regional entre outros.
A justificativa em relação à escolha de Caicó/RN para a pesquisa deu-
-se pela importância que o artesanato possui para o município e para a região
do Seridó norteriograndense. Além disso, o CRACAS localiza-se em Caicó,
município que carrega o título de “terra dos bordados”, se sobressaindo inter-
nacionalmente pela qualidade de seus bordados segundo o Serviço Brasileiro
de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) (2009).
O artesanato visto como um produto é capaz de fomentar o turismo. O
artesanato de Caicó começa a ser direcionado ao turismo, mais especificamente
ao turismo cultural. De acordo com Morais (2005) o fluxo turístico em Caicó
aumenta em épocas como Festa de Santana, evento de maior representação do
artesanato do Seridó. O artesanato da região do Seridó tem sido considerado
patrimônio cultural, o qual faz com que o turista tenha oportunidade não só
de conhecer e vivenciar o artesanato regional, como também conhecer outros
atrativos que o município oferece. Para Coriolano (2009) o artesanato pode ser
direcionado para atividade turística, como forma de valorização do patrimônio
cultural e das representações culturais.
De acordo com Geersbro (2004) não existem muitas pesquisas que
verdadeiramente foquem no sensemaking enquanto ‘processo’ e suas impli-
cações em uma rede de negócios. Além disso, não existem pesquisas sob a
ótica da geração de sentido do artesanato de bordado da região do Seridó.
Entender como a rede de negócios, formada pelo CRACAS e seus artesãos
filiados, relacionam-se e geram sentido nas ações que desempenham é moti-
vador, pelo ineditismo da proposta e pela oportunidade de contribuição de
futuros estudos sobre o tema em outras localidades. Nesse sentido, o trabalho

208 O Sensemaking e o comitê regional


buscou contribuir para o aumento do conhecimento dos estudos do turismo,
da academia, da região e do mundo.
O presente estudo teve como estratégia de pesquisa o ‘estudo de caso’.
O estudo de caso em muitas ações foi utilizado para contribuir com o conheci-
mento que se tem dos fenômenos individuais, organizacionais, sociais, políticos
e de grupos, além de permitir uma investigação para se preservar as caracterís-
ticas holísticas e significativas dos acontecimentos da vida real (YIN, 2005).
A pesquisa de campo foi realizada no CRACAS em Caicó/RN e
nos municípios a ele filiado, os quais serão posteriormente especificados. A
investigação caracterizou-se como exploratória, pelo caráter de ineditismo, e
descritiva, por ser capaz de apresentar com detalhes o ambiente da pesquisa.
Segundo Yin (2005) o estudo de caso pode trazer tanto evidências qualitativas
quanto quantitativas a pesquisa. Entretanto, no contexto de análise da temática
pesquisada sob a ótica do CRACAS, percebeu-se que a adoção de métodos
qualitativos para a pesquisa fez-se mais relevante, pois esse tipo de análise jus-
tifica-se quando o estudo precisa ser realizado no seu contexto real; precisa-se
de respaldo científico para compreender situações onde a prática se antecipa
à teoria; o estudo envolve fenômenos complexos, nos quais os fatores contex-
tuais devem ser exaustivamente analisados (BENBASAT, GOLDSTEIN e
MEAD, 1987).
O estudo piloto da presente pesquisa foi realizado em julho de 2009 na
Festa de Sant’Anna em Caicó, evento em que o CRACAS reuniu no municí-
pio todas as associações e cooperativas de artesanatos filiadas a ele para expor
seus produtos e comercializá-los. O evento possibilitou o primeiro encontro do
pesquisador com a presidente do CRACAS, Arlete Silva. Em seguida, foi pro-
duzido um relatório da experiência vivida no município, o qual auxiliou para a
internalização da temática que seria pesquisada no CRACAS.
Todas as vinte e cinco associações filiadas ao CRACAS foram deno-
minadas no estudo como a população da presente investigação (Acari, Bodó,
Caicó, Carnaúba dos Dantas, Cerro Corá, Cruzeta, Currais Novos, Equador,
Florânia, Ipueira, Jardim de Piranhas, Jardim do Seridó, Jucurutu, Lagoa Nova,
Ouro Branco, Parelhas, Santana do Matos, Santana do Seridó, São João do
Sabugi, São Fernando, São José do Seridó, São Vicente, Serra Negra do Norte,
Tenente Laurentino Cruz e Timbaúba dos Batistas).
Nesse sentido, a amostra da presente pesquisa foram as sete Associações
de Bordados do Seridó do Rio Grande do Norte filiadas ao CRACAS. Essas

André Lacerda Batista de Sousa 209


associações possuem sua sede nos seguintes municípios: Caicó, Cruzeta, São
Fernando, São José do Seridó, Serra Negra do Norte, Jardim do Seridó e
Timbaúba dos Batistas.
Contudo, a pesquisa foi realizada nas seguintes associações com
suas respectivas presidentes: Associação das Bordadeiras do Seridó - ABS
(Caicó) - Arlete Silva; Associação dos Produtores Artesanais de Cruzeta –
Fátima Araújo Dantas; Associação dos Artesãos de São Fernando – Cláudia;
Associação das Bordadeiras de São José do Seridó – Touché; Associação das
Bordadeiras de Jardim do Seridó – Daguia Santos; Associação de Bordado e
Conselho Comunitário da Saudade (Serra Negra do Norte) – Eliane Cristina
Pereira, Casa do Artesão (Timbaúba dos Batistas) – Maria José.
Existem outros atores (denominados pela presente pesquisa como ‘ges-
tores do artesanato’) que fomentam o artesanato da região do Seridó como
o Ministério da Integração, SEBRAE/RN e A Incubadora de Bordados do
Seridó (Faculdade Católica Santa Teresinha – FCST). Esses três órgãos se
destacam nas atividades desenvolvidas junto ao CRACAS e aos municípios a
ele filiados. Percebeu-se a necessidade de entrevistar os responsáveis de cada
órgão citado a fim de traçar um diagnóstico dos atuais projetos, incentivos e
programas implantados, fazendo assim com que esses dados auxiliem na aná-
lise dos dados de pesquisa. Além disso, foram entrevistados os representantes
das Secretarias de Turismo do Rio Grande do Norte e de Natal e também a
coordenadora do artesanato do SEBRAE/RN.

RELACIONAMENTO DE NEGÓCIOS E
SENSEMAKING A GERAÇÃO DE SENTIDO
O International Marketing Purchasing Group (IMP) é um grupo que
desde meados de 1970 se dedica a pesquisa sobre relacionamento de negócios,
marketing e diversas outras áreas (HÅKANSSON e SNEHOTA, 2001). De
acordo com Oslen (2006) a abordagem do IMP também enfoca os relaciona-
mentos de negócios e as redes, pois captura a interdependência entre atores,
atividades e recursos, a maioria com ênfase em recursos, denominado Modelo
Ator Atividade Recurso (AAR), elaborado por Håkansson e Snehota (1995).
Percebeu-se que a evolução dos estudos sobre relacionamento de negó-
cios e todos os assuntos que abordam a temática (formação de redes, gestão de
marketing, relação comprador-vendedor) consolidam-se a partir dos estudos
IMP Group. De acordo com Håkansson e Snehota (2000) esses estudos são

210 O Sensemaking e o comitê regional


produzidos de forma orgânica e seguem os quatro conceitos empregados para o
desenvolvimento de suas investigações: 1) Entre comprador e vendedor existe
relacionamento; 2) Relacionamento de negócios estão conectados; 3) Um rela-
cionamento é uma combinação e 4) Relacionamentos são confrontados.
Para examinar uma rede de negócios se faz necessária a análise de
um relacionamento entre os indivíduos que nele interagem (FORD, 2002).
Visando a análise dos processos de interação em uma rede foi criado por
Håkansson e Snehota (1995) o modelo Ator Atividade e Recurso - AAR. Os
autores sintetizaram-no em três dimensões: atores, atividades e recursos.
Para Håkansson e Snehota (1995) os atores são definidos como aque-
les que realizam atividades e visam alterar ou controlar recursos. Atividades
são as ações empreendidas pelos atores organizacionais em direção à utilização
de recursos, intencionando controlar ou alterar outros recursos. Recursos, por
sua vez, é o objeto a ser controlado ou alterado pelos atores por meio de suas
atividades (HÅKANSSON E SNEHOTA, 1995). Pode-se observar as três
dimensões do modelo AAR fundamentadas por Håkansson e Snehota (1995)
através da Figura 1:

Figura 1: Modelo Ator Atividade Recurso (AAR)


Fonte: Håkansson e Snehota, 1995.

O modelo AAR tem dois objetivos principais: analisar de forma integrada


a estabilidade e o desenvolvimento do mercado interorganizacional (ambiente
em que as relações entre os atores organizacionais acontecem) e estudar os papéis
dos atores nos processos interorganizacionais. Nesse sentido, através da reflexão
do modelo AAR na presente pesquisa, buscou-se responder o objetivo específico
que visa identificar o papel desempenhado pelos atores organizacionais (artesãos
do CRACAS) em suas atividades cotidianas de negócios.

André Lacerda Batista de Sousa 211


O significado do termo sensemaking nada mais é do que a geração de
sentido. Essa geração deve ser sentida a partir de uma determinada ação/ativi-
dade promovida por um ou vários atores (pessoas, indivíduos). Nesse contexto
é importante observar as características do sensemaking e sua interação em um
relacionamento de negócios e nas redes.
A busca do sentido dos relacionamentos de negócios e nas redes faz
parte da temática de pesquisa do IMP Group. Na perspectiva do IMP, existem
duas abordagens de pesquisa sobre o Sensemaking que são: Como se define e se
observa o processo de Sensemaking em uma rede? E como isto pode ajudar pes-
quisadores e gestores a entenderem o que acontece em uma rede de negócios?
Para Geersbro (2004) Sensemaking é o processo pelo qual seres huma-
nos, através de eventos, percebem o mundo, estabelecendo ou criando algum
sentido que os permite abordar inúmeras complexidades.
O Sensemaking também é visto como um processo, uma estrutura e um
conceito de rede de acordo com Ford et.al. (2002). Outra característica enfa-
tizada por Weick (1995) é que dentro do aspecto processual do sensemaking
existe um dinamismo. Esse fato acontece porque o conceito de sensemaking na
rede de negócios deveria, de fato, proporcionar uma contribuição para a exis-
tência do ciclo de vida ou estágios da evolução de um relacionamento, o qual
possui inúmeras dimensões a serem abordadas (GEERSBROO, 2004).
Diante do exposto, e o que todas as características, dimensões do
Sensemaking interferem em um relacionamento de negócios? O conceito de
Sensemaking auxilia na compreensão do fenômeno das redes de negócios, pois,
na perspectiva do processo, ele foca diretamente como o individuo se enxerga
e se posiciona na rede (GEERSBRO, 2004). Todas essas definições discutidas
sobre a geração de sentido serão analisadas a luz do atores organizacionais
que compõe a rede CRACAS. Atores que através de suas atividades (arte-
sanato) produzem eventos, em seu cotidiano de negócios, e certamente em
algum momento do processo interacional questionam-se sobre o que sente,
entendem, almejam de seus trabalhos e de suas vidas.

O CRACAS, ARTESANATO SERIDOENSE E O


TURISMO: CARACTERIZAÇÃO
A região do Seridó é localizada no interior do Rio Grande do Norte,
Nordeste Semi-Árido, em área de solos de baixa fertilidade. A região do Seridó
dispõe das seguintes características: reflete uma vulnerabilidade ambiental, a

212 O Sensemaking e o comitê regional


variabilidade do clima e a insustentabilidade da economia dos espaços nordes-
tinos, historicamente submetidos às atribulações das secas (SEPLAN, 2000).
O Seridó norte-rio-grandense caracteriza-se, estadual, regional e até
nacionalmente, como “um espaço de diferenciação, em termos de simbologia,
de valores e práticas culturais” (AZEVEDO, 2007 p. 51). Segundo o autor,
encontra-se na região a preservação dos costumes, crenças e práticas culturais
e denotam uma identidade regional. Assim, existe uma expressiva valorização
da identidade por parte da população seridoense.
O artesanato seridoense é um dos elementos que compõe a cultura e a
identidade da região. O município de Caicó/RN destaca-se dentro dessa temá-
tica, tendo em vista ser o município que concentra o maior fluxo de negócios
relacionados ao artesanato. Na localidade o artesanato pode ser encontrado nas
festas religiosas que de acordo Morais (1999) a tradicional e cultural presença
do artesanato nas festas religiosas da cidade traduz-se em uma estratégia de for-
talecimento da identidade regional e em uma forma de resistência da sociedade.
Um dos principais cartões de visitas do Seridó é montado a partir da
fama dos ‘bordados de Caicó’. Tradicionalmente conhecidos pela riqueza de
detalhes, os bordados passaram a ser vendidos principalmente pelas lojas de
artesanato de Natal, mas também exportados para outros Estados do Brasil e
para o exterior (SEPLAN, 2000).
No município, o artesanato é um dos elementos que auxilia no desen-
volvimento do fenômeno turístico na região. Segundo Morais (2005) o turismo
vem se expandindo na região. Surge o interesse de visitações à localidade, de
pesquisas, de projetos de financiamentos na região, de incentivos públicos
(infraestrutura básica e turística) da iniciativa privada, e da própria comuni-
dade local através de criação de associações e cooperativas. O setor da hotelaria
conta com onze meios de hospedagem (hotéis e pousadas) 228 unidades habi-
tacionais (apartamentos e quartos) e 609 leitos, de acordo com a secretaria de
turismo do estado. O número de pessoas transitando pela cidade se multiplica
consideravelmente neste período, lotando hotéis e pousadas e ocupando resi-
dências de familiares e amigos (MORAIS, 2005).
O turismo religioso e cultural em Caicó tem na festa da padroeira,
Festa de Sant’Anna, o seu principal evento. O turismo religioso é motivado
em maior ou menor grau, pelo aspecto religioso, embora o atrativo turístico
religioso possa dotar diferentes formas, sempre atende as necessidades daque-
les que buscam o contato divino (DIAS E SILVEIRA, 2003). Morais (2005)

André Lacerda Batista de Sousa 213


define a Festa de Sant’Anna como uma manifestação cultural perpassada
pelo sentido e pelos símbolos da identidade seridoense, por traduzir em uma
estratégia de fortalecimento da identidade e em uma forma de resistência da
sociedade.
Dentre os diversos eventos culturais da festa, este trabalho tenciona
apresentar sucintamente dois segmentos relevantes da presente pesquisa, a
Feira de Artesanato do Municípios do Seridó - FAMUSE e a Feirinha de
Sant’Anna. As duas feiras têm como objetivo a comercialização de produtos
artesanais regionais.
Tanto a FAMUSE quanto a Feirinha de Sant’Ana fizeram parte do
estudo piloto para o reconhecimento da representatividade do CRACAS
como recorte empírico da presente pesquisa. Em julho de 2009, observou-se
na Festa de Sant’Ana a expressividade desses dois eventos e a maneira com que
o CRACAS organiza a participação das associações a ele filiadas, na realização
da comercialização do artesanato.
Assim, o surgimento do CRACAS e posteriormente o desejo se
ampliar a atividade artesanal entre outros municípios por meio do associati-
vismo é entendido por Frantz (2002) como uma co-operação que surge com
sentido econômico e envolve a produção e a distribuição dos bens necessários
à vida. “O associativismo é uma questão primária para o potencial emancipa-
tório e o desenvolvimento de qualquer comunidade ao articular o pontual com
o abrangente” (CANTERLE, 2004, p. 5). De acordo com Arlete Silva, atual
presidente do CRACAS, as associações em forma de rede se comunicam de
uma maneira satisfatória em prol do desenvolvimento de cada associação con-
tribuindo também ao desenvolvimento local, através da comercialização dos
produtos fabricados por elas.
Assim sendo, o associativismo instrumentaliza os mecanismos que
concretizam as demandas sociais e que tornam os homens mais próximos
da busca de autonomia na promoção do desenvolvimento local. Diante do
exposto, depreende-se a importância do associativismo para o universo de
artesãs bordadeiras na região do Seridó norteriograndense.

COMPREENDENDO O SENSEMAKING A PARTIR DO


CRACAS: A ANÁLISE DO RESULTADO DA PESQUISA
Esse capítulo busca responder os objetivos da pesquisa realizada nos meses
de novembro e de dezembro de 2009. Entrevistas, Protocolos e Observações

214 O Sensemaking e o comitê regional


foram os instrumentos de coleta de dados utilizados nas sete Associações de
Bordadeiras do Seridó do norteriograndense filiadas ao CRACAS, conforme
distribuição nos municípios observados através da Figura 2:

Figura 2: Principais Municípios Produtores de Bordado do Seridó


Fonte: Dados de Pesquisa, 2010.

As interações das artesãs vinculadas ao CRACAS


Ao analisar a interação existente entre as associações a presidente do
CRACAS, Arlete Silva, afirmou que:
Serra Negra é nossa filiada com 2 associações. São José do
Seridó. Timbaúba dos Batistas, São Fernando que agora tá com
um grupo muito bom e esse prefeito de lá agora deu uma aju-
dada. Cruzeta possui um bom grupo de bordadeiras. Jardim do
Seridó ainda não é tão forte. Desde 2004 que eu estou traba-
lhando com elas cada um na sua casa. Um dos grandes problemas
da produção de bordado do Seridó é que tem muita bordadeira
bordando para ela mesma. O SEBRAE passou a formar a mão
de obra (DADOS DA PESQUISA, 2010).
Através do discurso infere-se que nos municípios o fator econômico
do processo de interação se dá de maneira desordenada, pois existe a rápida
comercialização dos produtos, baseado na produção informal de algumas bor-
dadeiras. Esse fator além de não fortalecer a interação entre as bordadeiras e

André Lacerda Batista de Sousa 215


o CRACAS, não contribui para o desenvolvimento da associação no municí-
pio. Para Håkansson e Snehota (2000) dentro do processo de interação foram
identificadas três abordagens que o primeiro conceito compõe: técnica, social
e econômica.
Nota-se que existe uma rede de associações conectadas ao CRACAS.
Para Grönroos (2003) é na rede que as organizações irão encontrar seus clien-
tes, concorrentes, fornecedores e demais organizações, momento propício para
o surgimento de um relacionamento de negócios. O trabalho do CRACAS é
recente. Na análise do discurso das artesãs vinculadas ao CRACAS percebeu-
-se que existe uma interação recente entre elas. Na maioria das associações
as interações iniciaram-se em 2004/2005, como é o caso de Timbaúba dos
Batistas. De acordo com Fátima Araújo Dantas da Associação de Produtores
Artesanais de Cruzeta – ASPOARC “O CRACAS eu conheci por livre e
espontânea vontade. Não houve o convite para me associar a ele, mas tive von-
tade de associar por causa dos cursos que em 2008 ele ofereceu. Esse contato
é super recente”.
De acordo com a Fática Araújo Dantas, presidente da Associação dos
Produtores Artesanais de Cruzeta:
A comunicação entre o CRACAS e a ASPOARC é considerada
boa. Mas não é constante. [...] A Arlete é quem sabe onde tem
feira ai ela vem e repassa para a gente. A comunicação entre a
gente e o CRACAS às vezes ela liga ai quando ela não liga eu
ligo pra saber de alguma coisa sabe porque assim as meninas aqui
elas querem saber de um monte de cursos elas querem o curso de
requalificação de bordado. Eu acho muito importante o papel do
CRACAS (DADOS DA PESQUISA, 2010).
Em Cruzeta além da associação do o CRACAS ser recente, Fátima não
se sente atuante no mercado do bordado. Esse motivo faz com que seu discurso
tenha nuanças negativas, entretanto, o desejo em interagir e o fator econômico
alavancar torna-se seu objetivo principal como presidente da associação.
Segundo Cláudia, presidente da Associação de Bordado de São
Fernando “a comunicação nossa com o CRACAS é muito importante assim
porque ela sabe onde tem feira, mas assim falta mais contato com a gente”. Em
Serra Negra do Norte na Associação de Bordado e Conselho Comunitário da
Saudade, a presidente Eliane Cristina Pereira afirmou que “Com o tempo o
relacionamento com as artesãs me tornou uma pessoa mais dinâmica, confiante.

216 O Sensemaking e o comitê regional


Porque tem uma troca. Arlete Silva frequentemente visita a Associação de
Serra Negra. É muito importante alguém como ela a frente do CRACAS, que
coordene, que leve nosso artesanato para frente”.
Em Timbaúba dos Batistas existe um conflito entre duas importantes
fomentadoras da atividade artesanal no município: Salmira de Araújo atual
presidente da associação (Casa das Bordadeiras) e Maria José artesã, atual-
mente presidente da cooperativa de Timbaúba. Para Arlete Silva “O problema
que está acontecendo em Timbaúba dos Batistas é falta de apoio, é com a
base, a base não confia”. A falta de confiança percebida no discurso de Arlete
prejudica a comunicação e interação tanto entre os gestores do artesanato do
município quanto do seu colaborador, o CRACAS. Segundo Grönroos (2003)
a confiança é construída no processo social de interação entre as partes, quando
juntas aprendem, degrau por degrau, a confiar uma na outra. Quando se fala
de comprometimento remete-se também a ter confiança no relacionamento
de negócios.

O controle e a utilização dos recursos pelas artesãs


Os recursos podem ser de natureza financeira (relacionados à capa-
cidade de aportar valores monetários ao parceiro ou à rede) tecnológica (seja
no âmbito de transferência ou transformação de recursos, de projetar novas
tecnologias, de produzir certos produtos bens ou serviços, de gerenciar relacio-
namentos) ou humana (capital intelectual) (TURNBULL et al, 1996).
Segundo Cláudia, presidente da Loja dos Artesãos “A Associação de
Bordado de São Fernando tem quase 40 bordadeiras, não temos outros tipos
de artesanato. Mas no total são 66 associados”.
Em Serra Negra do Norte a presidente da Associação de Bordado
e Conselho Comunitário da Saudade, Eliane Cristina Pereira, afirmou que
“Quando o projeto de criação da associação foi feito, recebemos dinheiro do
Programa de Desenvolvimento Solidário, através da prefeitura de Serra Negra
do Norte. Aí compramos linha, linho, máquinas e começamos a produzir”. Em
Cruzeta, Fátima Dantas descreveu o processo entre a utilização dos recursos
intelectuais e financeiros da seguinte forma:
Ao total temos 123 sócios, mas contribuintes de fato são 40. A
associação é feita pelas pessoas. Aqui elas aprendem com os cursos
que oferecemos a serem bordadeiras. Temos em Cruzeta 20 bor-
dadeiras profissionais. Infelizmente a maiorias das pessoas que

André Lacerda Batista de Sousa 217


vêm fazer os cursos nunca mais retornam a associação. Estamos
oferecendo um curso de bordado de 300h. Esse curso é promo-
vido exclusivamente pela ASPOARC. Cobramos R$150,00 por
pessoa. Com a soma desse recurso nós pagamos o aluguel da
associação (R$70,00), água, luz e outras despesas (DADOS DA
PESQUISA, 2010).
Percebe-se que a demanda de artesãs ainda é pequena. Faz-se neces-
sária uma motivação das mulheres da comunidade no sentido de perceberem
a atividade artesanal como uma fonte de renda. Em Jardim do Seridó, Daguia
Santos explicou como administra os recursos da associação:
Só tinha dezessete ou era dezoito mulheres, mas tinham aquelas
que aprenderam, mas não se interessaram em ficar na associação,
aí a gente não pode obrigar né? Você sabe muito bem disso, aí
em torno de uns dezessete a gente veio trabalhando e ela só vem
crescendo hoje a gente já tá com sessenta e seis associados. O
CRACAS em nome financeiro não oferece nada por enquanto e
a gente nunca procurou. Só no início a gente teve com as peças
SEBRAE deu o instrutor, o SEBRAE é um parceiro fortíssimo
(DADOS DA PESQUISA, 2010).
Na Associação de Timbaúba dos Batistas o processo da confecção do
artesanato e a captação de recursos são feitos vinculados ao CRACAS. De
acordo com Håkansson e Snehota (1995) dois atores organizacionais com
diferentes conhecimentos tentam combinar e confrontar seus recursos e criam
a possibilidade de inovação e também o surgimento de um novo conheci-
mento. De acordo com Maria José de Timbaúba dos Batistas é importante a
parceria com o SEBRAE. Assim, é notória a participação efetiva do SEBRAE
na contribuição para o desenvolvimento do artesanato no Seridó norterio-
grandense. A utilização dos recursos de acordo com Jupira Nunes (coordena-
dora de projetos do SEBRAE/RN) é feita da seguinte maneira:
O financiamento dos cursos é feito 50% pelo SEBRAE e 50%
pelo comitê. As ações do SEBRAE/RN nos municípios aconte-
cem de acordo com a necessidade do grupo. Não existem dife-
renças de um município para o outro. No entanto os resultados
não têm mesma intensidade no resultado em virtude da atitude
dos envolvidos (DADOS DA PESQUISA, 2010).

218 O Sensemaking e o comitê regional


A utilização dos recursos pelo CRACAS ocorre, segundo Arlete Silva,
da seguinte maneira:
Existe um local aqui no CRACAS onde as artesãs se encontram,
onde as reuniões são feitas. Lá eu pergunto assim: Como foi o
ano de 2009? Houve o curso de requalificação? Entraram mais
gente em sua associação? Quais foram os parceiros que mais
contribuíram? Vocês participaram de alguma feira? Em seguida
faço um relatório e dou para o governo do Estado ou para o
SEBRAE. Em Natal o comércio de artesanato é fraquíssimo. Eu
não vou saber, porque eu tenho que arrumar transporte para ir,
pagar alojamento e alimentação. Os recursos financeiros que atu-
almente o CRACAS recebe são R$3.000,00 do Banco do Brasil,
R$20.000,00 do Governo do Rio Grande do Norte. Aqui no
CRACAS tenho 5 funcionários uns pagos, outros voluntários.
Ao total tem umas 1500 pessoas associadas ao CRACAS. E só
de bordado são 1200 pessoas (DADOS DA PESQUISA, 2010)
Constatou-se que a utilização dos recursos está associada ao incentivo
inicial que pode ser através de cursos promovidos pelo SEBRAE e também
pelo CRACAS. Viu-se que as associações obtêm uma quantidade pequena de
capital intelectual, pois muitas artesãs preferem confeccionar seus produtos em
casa e rapidamente vendê-los, não tendo a associação como um intermediário.
A quantidade de recursos financeiros e tecnológicos disponibilizados para as
associações são, na maioria dos casos, o incentivador para o início do desenvol-
vimento da atividade.

A análise do papel desempenhado pelas artesãs


em suas atividades cotidianas de negócios
Segundo Arlete Silva as atividades que o CRACAS organiza consti-
tuem em: “cursos de capacitação nos municípios, cursos de incentivo a criação
de associações, auxílio na comercialização dos produtos gerados pelas asso-
ciações, participação em feiras, eventos religiosos.”. De acordo com Daguia
Santos o seu papel perante a associação e a comunidade de Jardim do Seridó é
visto da seguinte forma:
O processo da nossa atividade é o seguinte: a gente compra o
tecido na peça, a gente risca no carbono a gente não usa o que-
rosene porque prejudica o meio ambiente e a saúde da gente

André Lacerda Batista de Sousa 219


também eu já risquei no querosene, mas não gosto de jeito
nenhum é fácil é muito fácil riscar rapidinho você risca muitas
peças é rapidinho, mas o outro não prejudica a saúde da gente
nem do meio ambiente e a gente repassa para as bordadeiras. Se
for colorido a gente define se for preto e branco ou tom sobre
tom a gente define e passa para ela aí depois que borda arruma
coloca na embalagem e te pronto para vender” (DADOS DA
PESQUISA,2010).
Na Associação de Bordadeiras e Conselho Comunitário da Saudade
de Serra Negra do Norte, Eliane Cristina Pereira afirmou que:
No momento eu sou coordenadora, sócia e comando a parte de
riscar e cortar o tecido. O processo de nossa atividade é esse 1º
compra o linho (tecido), 2º cortar o tecido, 3º escolher o risco,
4º escolhe as linhas coloridas para o bordado, 5º bordar, 6º lavar,
engomar e embalar. Os recursos utilizados são tecido, linha e
a bordadeira. Esses relacionamentos são construídos através
das reuniões, dos nossos encontros. Contato uma com a outra
(DADOS DA PESQUISA, 2010).
Em São Fernando, Cláudia descreveu o processo de sua atividade
desempenhada pela associação:
Nós promovemos o São João de São Fernando. O processo de
confecção do artesanato é primeiro a gente compra o tecido aí
depois risca aí começa o processo do bordado. A gente revende
para outras pessoas para tipo assim, Caicó a maioria das pessoas
aqui bordam para Caicó. A associação é mantida pelo dinheiro
que arrecadamos das sócias. E também 10% de tudo que é ven-
dido fica aqui na associação. Não existe regra para entrar na asso-
ciação, basta saber bordar (DADOS DA PESQUISA, 2010).
Ainda sobre o papel do CRACAS na região do Seridó, Arlete Silva
afirma que:
O CRACAS controla o Seridó todo. São mais de vinte e quatro
associações filiadas que hoje é a presidente assim a gente ten-
tou organizar e mudar a questão do artesanato em Seridó. Foi
assim que surgiu isso aqui. Um local em que eu pudesse fazer
em tese a minha casa. Em parceria com o SEBRAE nós arruma-
mos uma salinha. Hoje nós estamos felizes com a associação e

220 O Sensemaking e o comitê regional


comercialização o CRACAS organizar a categoria e a associação
das bordadeiras (DADOS DA PESQUISA, 2010).
Constatou-se com a pesquisa a relevância do papel do CRACAS aos
municípios associados. Percebeu-se também que os recursos empregados na
associação através da construção de salas de qualificação (bordado e internet)
fortalecem a percepção da importância do CRACAS na rede.

A geração de sentido sob a ótica das artesãs do CRACAS


Com base nas afirmações de Arlete Silva, presidente do CRACAS é
possível perceber a geração de sentido do início do artesanato, basta analisar o
conteúdo da sua fala:
O artesanato fez parte da minha vida primeiro quando comecei a
me envolver na arte quando eu fazia o ginasial. O curso de edu-
cação também tinha artes. Daí eu comecei a fazer arte na minha
vida bordar a mão fazer brolio. Aí meu pai e eu fazíamos balaio.
Comecei vendendo balaio na feira e esses negócios todos com
meus oito anos de idade eu comecei a trabalhar aí depois eu ter-
minei meu ginasial. A associação ficava lá em casa. Foi ali que a
gente foi começando a fazer (DADOS DA PESQUISA, 2010).
Percebe-se que a falta de investimentos e incentivos políticos motivou
Arlete Silva a criar o CRACAS e dar continuidade a sua produção artesanal. De
acordo com Fátima, presidente da Associação de Cruzeta o artesanato faz parte de
sua vida desde os 12 anos. “Eu aprendi a fazer o crochê, fazia meus vestidos, roupas
fiz até meu enxoval”. Para Eliane de Serra Negra do Norte a motivação para a
criação da associação de bordado surgiu pela necessidade de toda comunidade se
unir, se organizar para reivindicar direitos, exercendo assim sua cidadania.
Para Maria José de Timbaúba dos Batistas a história se repete, o bor-
dado faz parte de sua vida de artesã desde cedo. Nesse sentido, a entrevistada
afirma: “Mas eu bordo desde os 13 anos, aprendi olhando os meus vizinhos
bordando. Minha mãe não bordava. Minha mãe nunca bordou, mas eu aprendi
porque eu tinha aquela curiosidade de meu vizinho bordando e eu achava
bonito e eu gosto de bordar”.
Para que a geração de sentido de uma atividade aconteça faz-se neces-
sária ela estar em um processo. Esse processo foi constatado pelas entrevistadas
uma vez que surge desde a infância onde elas aprenderam a bordar com paren-
tes e desde então estabeleceram um forte significado em torno dessa atividade

André Lacerda Batista de Sousa 221


a qual continuam a desenvolver. Segundo Ford (1997) o sensemaking é o pro-
cesso onde os indivíduos começam a perceber os eventos ao seu redor; como
eles estabelecem e criam algum tipo de significado.
O relacionamento de negócios é um fator que auxilia na geração de
sentido de uma atividade, pois ele gera questionamentos do indivíduo que a
realiza. De acordo com Maria José:
De modo geral o relacionamento entre as sócias da cooperativa é
ótimo. Temos vinte e duas sócias na cooperativa, então não é só
a associação que deve ser atendida. As vezes eu me perguntou:
qual é o meu objetivo de eu ser do jeito que eu sou? eu disse: sabe
qual é meu objetivo? Diante do que eu vejo, o CRACAS vê que
nós somos prejudicados por uma política dentro do município eu
acompanhava o prefeito, mas diante de tudo isso quando eu vi que
ele não queria o nosso bem (DADOS DA PESQUISA, 2010).
Observou-se que em um relacionamento nem tudo acontece correta-
mente, pois existem as experiências negativas. Para o sensemaking, a geração
de sentido, essas experiências fazem parte do processo, e quando percebidas
reafirmam a participação atuante dos atores na compreensão da atividade. A
imagem do CRACAS também faz parte do processo da geração de sentido
relatada pelas artesãs.
Para Geersbro (2004) o sensemaking em uma perspectiva do realista
deve ser retrospectivo. A experiência mais negativa constatada neste estudo é
em Timbaúba dos Batistas. Já para Daguia Santos de Jardim do Seridó “Aquele
fracassozinho a gente supera a gente é forte, a gente não deve abalar, tem que
ser exemplo. Às vezes a gente tem um fracasso, mas serve de exemplo com
aquele fracasso a gente já procura ficar forte né?”
A entrevistada de Cruzeta, a senhora Fátima ajuda a melhor entender
o assunto quando afirma:
Eu ainda não vivi experiências ruins com a atividade que rea-
lizo. Estou a apenas 1 ano na associação. Para mim a imagem
do CRACAS eu ainda não sei responder ao certo. Não sinto o
interesse do prefeito. Dentro da associação existe amizade entre
os membros, mas não existe o pensamento do associativismo. As
artesãs nos procura, fazem o curso, se capacitam e confeccionam
os produtos em casa, não havendo a sensibilidade de pensar que
se juntassem a associação para melhor comercialização, talvez

222 O Sensemaking e o comitê regional


o CRACAS nos visse diferentes, o prefeito, os compradores
(DADOS DA PESQUISA, 2010).
Weick (2005) afirma que o entendimento das ações e atividades do
cotidiano começa no passado, pois, é a partir deste, que se torna possível cap-
turar o processo de construção da realidade. A razão para isto é que os atores
organizacionais, como define o autor, estão sempre no meio de algum processo
cujo resultado é a transformação de alguma coisa. É uma atividade que o ator
organizacional realiza de observação, interpretação e compreensão do mundo
exterior, inferindo-lhe sentidos lógicos advindos do uso de esquemas interiores.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Observaram-se através da investigação as características do sensemaking
no cotidiano das associações de bordadeiras do Seridó sob o olhar de suas presi-
dentes. Observou-se a imagem que as associações têm do CRACAS, a superação
das experiências negativas, a comunicação entre elas, o surgimento da atividade
nas vidas das artesãs, como elas se sentem desempenhando o artesanato.
A satisfação das bordadeiras se dá quando recursos financeiros são ofe-
recidos de forma concreta para a obtenção da matéria prima para a confecção
dos produtos. Quando bem feita à distribuição de recursos a satisfação pela
atividade inicia-se. Ela também se dá com a comercialização dos produtos e o
reconhecimento da atividade como fonte de renda.
De acordo com as artesãs, os recursos financeiros não provêm do
CRACAS. Esses recursos são oferecidos pela prefeitura através de programas
(municipais, estaduais e federais) de incentivo a produção artesanal. Ademais,
a distribuição desses recursos ainda não é feita de forma efetiva e eficiente
perante os municípios do Seridó do Rio Grande do Norte. O maior captador
de recursos é o CRACAS, através de sua representatividade política.
No presente estudo de caso constatou-se que os sete municípios do
bordado interagem como uma rede de negócios do artesanato. Porém, é con-
siderado fraco o relacionamento entre os municípios. Ainda não existe uma
real interação entre eles. Fato que pode acontecer devido à recente criação
das associações, as quais inicialmente necessitam consolidarem-se para, então,
promoverem interação. A interação encontrada pela presente investigação
se dá somente entre os municípios e o CRACAS. Essa questão comprova a

André Lacerda Batista de Sousa 223


afirmação inicial de que o CRACAS não existiria não estando em rede. Existe
um relacionamento de negócios que está sendo construído entre as associações.
A ‘arte da associação’ fortifica a economia do município com desta-
que neste caso Caicó, sede do CRACAS. Essa representatividade pode ser
percebida através dos eventos no município, Festa de Santana, onde a comer-
cialização do artesanato é um pilar importante para o desenvolvimento do
evento e do turismo. Nesse contexto, o turismo na localidade é beneficiado e
anualmente vem se desenvolvendo e se expandindo, contribuindo então para o
crescimento e desenvolvimento econômico do município. O turismo, com foco
no segmento religioso, se trabalhado de maneira integrada pode ter resultados
favoráveis no combate à pobreza e à exclusão social, dos municípios seridoen-
ses, gerando assim emprego, renda, bem como a conquista das necessidades
básicas da sociedade.
Por fim, observa-se que o famoso bordado do Seridó está longe de
ser uma atividade estruturada. São poucos os recursos e incentivos munici-
pais, estaduais e federais para o fomento da atividade. Nota-se que atualmente
somente o SEBRAE/RN incentiva a atividade na região seja através do apoio
a captação de recursos, seja pelos cursos de capacitação ou pela doação de
matéria prima.
As associações na maioria das vezes encontram-se em situações pre-
cárias como é o caso da Associação do município de São Fernando/RN onde
a única maneira de contactar a presidente da associação é através do telefone
público no final da rua da associação. Retrato esse que reflete as condições
ainda precárias em que se encontram os municípios do Rio Grande do Norte.
Os municípios de Caicó e Timbaúba dos Batistas são dois bons exemplos onde
nota-se investimentos nas associações.
O sentimento de amor com que se faz a arte é um dos elementos
importantes para a continuação da produção do artesanato segundo as bor-
dadeiras, entretanto, não é suficiente para o desenvolvimento desse arranjo
produtivo. Mesmo assim, nota-se que esse sentimento está diretamente ligado
ao sensemaking, a geração de sentido e faz com que a pesquisa tenha alcançado
seus resultados motivando futuros estudos na região e contribuindo assim para
uma reflexão aprofundada sobre a temática.

224 O Sensemaking e o comitê regional


REFERÊNCIAS
AZEVEDO, F. F. de. Entre a cultura e a política: uma geografia dos “currais” no sertão do Seridó
Potiguar. 2007. 445f. Tese (Doutorado em Geografia) Instituto de Geografia, Universidade de
Uberlândia, Uberlândia, 2007. P. 51.
CANTERLE, N. M. G. O associativismo e sua relação com o desenvolvimento. Francisco
Beltrão-PR, Unioeste, 2004. Disponível em: <www.unioeste.br>. Acesso em: 17 jul. 2007.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. 7 ed. São Paulo: Paz e Terra, v.1. 2003. (A era da informação:
economia, sociedade e cultura) p. 69 – 239.
CORIOLANO, L. N. M. T. et al. Arranjos produtivos locais do turismo comunitário: atores e
cenários em mudança. Fortaleza: Ed. UECE, 2009.
DIAS, R.; SILVEIRA, E. J. S. Turismo Religioso: ensaios e reflexões. Campinas/SP: Alínea,
2003.
FORD, D. Understanding Business Markets: Interaction, Relationships and Networks. London:
Academic Press, 1997.
________; et al. Managing Networks. Perth, 18th. IMP conference. Ref Type: Conference
Proceeding, 2002.
FRANTZ, W. Desenvolvimento local, associativismo e cooperação, 2002. Disponível em: <http://
www.unijui.tche.br/~dcre/frantz.html>. Acesso em: jan. 2010.
GEERSBRO. J. Sensemaking in business networks – Making sense of business networks. 2004.
GRÖNROOS, C. Marketing - Gerenciamento e Serviços. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2003.
HANKANSSON, H; SNEHOTA, I. Developing relationships in business networks. London:
Routledge, 1995.
_______________. The IMP perspective: assets and liabilities of business relationships.
Handbook of relationship marketing. Thousand Oaks: Sage, 2000.
MORAIS, I. R. D. Desvendando a cidade: Caicó uma dinâmica espacial. Brasília: Senado Federal,
1999. P. 327.
_______________. Seridó Norte-rio-grandense: uma geografia da resistência / Ione Rodrigues
Diniz Morais. – Caicó, RN: Ed. do autor. 422p. : il., 2005. 314 p.
SEPLAN. PDSS, Plano de Desenvolvimento Sustentável do Seridó. Volume 1. Diagnóstico,
Caicó/RN, 2000.
TURNBULL, P., FORD, D. e CUNNINGHAM, M. Interaction, relationships and networks
in business markets: an evolving perspective. The Journal of Business & Industrial Marketing,
v.11, n.3/4, p.44. 1996.
WEICK, K. E. Organizing and the processo of sensemaking. Organization Science: a journal of
the institute of management sciences, v.16, n.4, 2005.
Yin, R. K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005. P. 19 – 137.

André Lacerda Batista de Sousa 225


Actores en disputa: procesos, relaciones
y estructuras en la expansión del
turismo residencial en Pipa

Antonio Aledo1
| Tristan Loloum2
| Hugo García Andreu3
| Guadalupe Ortiz4

INTRODUCCION
El turismo residencial no es solo una fórmula turística que ofrece
alojamiento extra-hotelero a millones de turistas viajeros en todo el mundo.
Tampoco es meramente un sector económico intersticial entre el turismo y
el negocio de la construcción residencial, aun reconociendo la influencia y
relevancia de este último sector ( JURDAO, 1979; HIERNAUX, 2005). El
turismo residencial tanto por su capacidad de impacto en todos los ámbitos
naturales y sociales como por la dimensión global que ha tomado en los dos
últimos decenios es un fenómeno sociológico de una enorme complejidad
( JACKIEWICZ y CRAINE, 2010; O’REILLY, 2007). En los dos últimos
decenios se ha convertido en un vector central de las políticas de crecimiento
económico regional y nacional en gran parte del espacio turístico de la perife-
ria solar. En otras palabras, para aquellas comunidades que han optado por la
monofuncionalidad del turismo residencial, éste se ha convertido en un modelo
de desarrollo.
Al ser elegido como una herramienta clave para las estrategias de cre-
cimiento adquiere una capacidad sociomorfológica de formidables dimensio-
nes. El turismo residencial en su asentamiento y desarrollo sobre el territorio

1 Profesor del Dpto. de Sociología 1 de la Universidad de Alicante (UA).


2 Doutorando em Antropología social na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales (França)
e na Universidade de Lausanne (Suiça), Assistente de pesquisa e ensino no Departamento de
Turismo da Universidade de Lausanne.
3 Profesor del Dpto. de Sociología 1 de la Universidad de Alicante (UA).
4 Profesora del departamento de sociología 1 de la Universidad de Alicante

226
elimina estructuras locales y, en su lugar, edifica otras nuevas. Modifica los
ecosistemas locales y el paisaje, sustituyéndolos por una nueva naturaleza turís-
tica. Invierte las pirámides demográficas ( JURDAO y SÁNCHEZ, 1990;
MCWATTERS, 2009). Modifica la distribución de la población activa empu-
jándola hacia los sectores de la construcción y de los servicios. Condiciona
el acceso a recursos básicos como el agua. Define el número, el tipo y loca-
lización de las infraestructuras públicas. Perturba las relaciones sociales y de
género (NOGUÉS, 2007; O’REILLY, 2000, 2007). Atrae inversiones foráneas
y aumenta el capital circulante. Altera los patrones de asentamiento generando
nuevos usos del espacio. Reordena la capacidad de control de la comunidad
sobre los procesos de toma de decisiones. Por último, elimina formas culturales
de toda índole que son suplantadas por formas detraídas de la cultura global
(SMITH, 1989).
En este sentido el turismo residencial genera toda una serie de bene-
ficios y costes que se distribuyen de forma desigual entre los diferentes grupos
sociales de una región o comunidad. Estos cambios que produce la gigantesca
fuerza modeladora del turismo residencial condicionan y hasta determinan el
futuro de las comunidades y territorios donde se ha implantado y desarrollado
(BLÁZQUEZ et al., 2011). A medio y largo plazo, terminan por transfor-
marse en estructuras, en elementos constituyentes y propios de los territo-
rios y sociedades locales, que con el paso del tiempo, determinarán la fábrica
social de las comunidades que optan por este modelo de desarrollo turístico
(GARCÍA-ANDREU et al., 2010; MATTEUCCI et al., 2008; MAZÓN,
2006).
Por todo ello, es plausible considerar el planeamiento del turismo resi-
dencial como una cuestión fundamentalmente política, antes que un ejercicio
propio de las ciencias de la planificación, urbanismo, del turismo o de la econo-
mía. El control de los procesos de toma de decisiones que gestionan y reparten
estos impactos positivos y negativos se convierte en un socioespacio de con-
flicto, en el que intervienen grupos de intereses contrapuestos. Si el objeto del
planeamiento es conseguir un desarrollo justo y sustentable hay que discutir
no solo qué formas urbanas y turísticas van reproducir en las zonas de aco-
gida sino, muy especialmente, cómo se distribuyen socialmente esos impactos,
cuáles son aceptables y qué grado de aceptabilidad tienen entre los diferentes
grupos sociales y, por último, qué capacidad poseen los menos favorecidos por

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 227
el desarrollo turístico residencial bien de oponerse al mismo o bien de modi-
ficar sus condiciones.
Esta relevancia del turismo residencial como generador de nuevas
estructuras y definidor de futuros obliga a pensar en él y sobre él de una nueva
forma. Es posible que los métodos y técnicas de planeamiento tradicionales
sean insuficientes porque no incorporan el conflicto de valores ni la incerti-
dumbre asociada al proceso de planeamiento a largo plazo. Al tratar sobre el
desarrollo del turismo residencial estamos tratando de futuro y de intereses, de
valores y conflictos, de cambio social y opciones, y de una actividad que genera
cambios profundos y permanentes.
El Turismo Residencial invita a pensar en el espacio social y en la eco-
nomía política del ocio conjuntamente con las representaciones e ideologías
que lo justifican. El estudio de la producción de la materialidad del Turismo
Residencial, las residencias, infraestructuras y servicios anexos - no puede que-
dar reducido a un enfoque meramente técnico encaminado a maximizar la
eficiencia del producto o de su ordenación en el espacio. El mercado es tam-
bién producto de creencias y de confianza, y el espacio turístico, resultado de
deseos socialmente construidos. Pero al mismo tiempo, el estudio del Turismo
Residencial R no debe quedar limitado a discursos y representaciones, pues
sus consecuencias físicas, económicas y sociales son bien tangibles y la acción
social está enmarcada por estructuras de poder definidas en la actualidad por
la globalización y las políticas de inspiración neoliberal (BIANCHI, 2009).
En este artículo, abordamos el Turismo Residencial como un socioes-
pacio de conflicto donde diferentes actores sociales se disputan el control de
los procesos de toma de decisiones que dirigen su evolución, su materialidad
morfológica y la distribución de sus efectos (ALEDO, 2006). Un socioespacio
está compuesto por relaciones de dominación y resistencia, discursos y prác-
ticas. El concepto de campo de Bourdieu nos ayuda a entender este espacio
social. Baste recordar que, para el pensador francés, un campo social es un
“campo de fuerzas que actúan sobre todos los que entran en ese espacio y
de maneras diferentes según la posición que ellos ocupan en él (…) a la vez
que es un campo de luchas que procuran transformar ese campo de fuerzas”
(BOURDIEU, 1990, p. 21). Si bien un campo es “un universo relativamente
autónomo” (BOURDIEU, 1979, p. 465) definido por relaciones que se tejen
entre los actores, está también sometido a una serie de fuerzas externas, es
decir, de estructuras sociales y económicas.

228 Actores en disputa


Aplicando esta noción al análisis del Turismo Residencial, cabría defi-
nirlo como un campo de luchas entre agentes muy diversos (políticos loca-
les, entidades financieras, inversores extranjeros, empresarios locales, turistas
extranjeros, pobladores locales, etc.) y un campo de fuerzas sometido a deter-
minantes externos y preexistentes: tradiciones, culturas institucionales, estruc-
turas urbanas, el sistema capitalista financiero y las nuevas pautas de movilidad
que facilitan la circulación de bienes, capitales y personas internacionalmente.
La dialéctica campo de lucha/campo de fuerza ayuda a entender la articulación
agencia/estructura, formalizada también por Giddens (1984) con el concepto
de “estructuración”. Si bien los conflictos entre actores vienen condicionados
por fuerzas estructurales, participan a su vez de la transformación del entorno
social, económico y territorial. El Turismo Residencial resulta así un socioes-
pacio estructurado y estructurante.
El presente artículo adopta este enfoque dialéctico para indagar en
las nuevas relaciones de poder introducidas por la trasnacionalización del
modelo Turismo Residencial desde el Mediterráneo al nordeste brasileño. Con
este objetivo se ha desarrollado un Análisis de Partes Interesadas aplicado a
un estudio de caso en el estado de Rio Grande do Norte (Brasil) realizado
en el marco de un proyecto subvencionado por el Ministerio de Ciencia e
Innovación y la Agencia Española de Cooperación entre 2009 y 2012. A con-
tinuación, se ofrece una contextualización del área estudiada así como una jus-
tificación metodológica y una exposición de los principales resultados de esta
investigación5.

LA TRASLOCALIZACIÓN DEL TURISMO


RESIDENCIAL AL NORDESTE BRASILEÑO
España ha incubado durante muchos años el Turismo Residencial (TR
en adelante) como fórmula de ocio residenciado. En el Mediterráneo europeo,
el TR se consolidó desde finales de la década de los setenta del siglo pasado
(GUSTAFSON, 2001, 2002; JURDAO, 1979; GAVIRIA, 1969, 1974, 1976).
Las expectativas generadas tanto por el turismo como muy especialmente por
la burbuja inmobiliaria propiciaron el salto atlántico del TR a partir del 2002

5 Causas y consecuencias de la globalización del turismo de segunda residencia (MICINN


CS02009-14074) y Análisis de los impactos del desarrollo turístico residencial: un estudio com-
parado entre la Costa Blanca y Rio Grande do Norte (Brasil) (AECID A/032386/10).

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 229
hasta el 2008 (DANTAS et. Al, 2010; HIERNAUX, 2010), año en el que
la crisis financiera global frenó su expansión. Durante dicho sexenio, miles
de unidades residenciales orientadas fundamentalmente al mercado extran-
jero fueron construidas en Latinoamérica aprovechando una serie de ventajas
comparativas relacionadas con un paisaje escasamente turistizado, el bajo coste
de la tierra y de la mano de obra, el apoyo gubernamental a la inversión extran-
jera y una gran disponibilidad de capitales internacionales de carácter espe-
culativo. La expansión atlántica de este nuevo TR se nutre, por un lado, de la
necesidad de hipermovilidad de la sociedad posmoderna favorecida por la glo-
balización, el desarrollo de las nuevas tecnologías y abaratamiento del trans-
porte (LANQUAR, 2007; URRY, 2000) y, por otro, de la búsqueda de nuevos
nichos de inversión por parte del mercado financiero global (BLÁZQUEZ et
al., 2011).
En el caso brasileño, la región elegida para el desarrollo del TR fue
el nordeste del país (LOLOUM, 2010; KONDO y LATERZA, 2008). El
Nordeste ha sido históricamente una de las zonas menos desarrolladas de
Brasil y una fuente de emigración hacia las metrópolis del sur. Según el informe
de 2005 del PNUD, el Índice de Desarrollo Humano del Nordeste era el
más bajo de todas las regiones brasileñas La llegada del turismo a comien-
zos de la década de los ochenta fue vista como una oportunidad para alterar
esa situación de pobreza crónica. Tras una primera fase de descubrimiento y
exploración, los gobiernos federales y regionales promovieron a partir 1995
un programa de desarrollo territorial orientado al turismo: el Programa de
Acción para el Desarrollo Turístico (PRODETUR-NE). La construcción de
diversas infraestructuras y plantas hoteleras se orientó a facilitar el acceso y
puesta en el mercado internacional de los notables recursos turísticos costeros
(FONSECA y COSTA 2005). Dentro del nordeste brasileño, Rio Grande do
Norte destaca por ser el segundo Estado que recibió mayor cantidad de inver-
sión extranjera en los sectores turístico e inmobiliario (240 millones de USD
entre 2001 y 2007, justo después del Estado de Bahía, con 476,9 millones
de USD) y el estado más dependiente de inversiones turístico-inmobiliarias
(RIBEIRO, 2008: 88-99). Según Alexsandro Silva (2010, p. 211), el 54,9 %
de las inversiones extranjeras se han dirigido a este sector entre 2001 y 2007,
por lo que, en Rio Grande do Norte, el turismo residencial aparece claramente
como una fuerza “hegemónica”.

230 Actores en disputa


Durante este periodo tuvo lugar una corta pero intensa fase de desar-
rollo turístico residencial, dando lugar a profundas transformaciones. El TR ha
generado importantes beneficios económicos ligado a la generación de empleo
y aumento de las rentas locales, al tiempo que ha producido cambios de carác-
ter ambiental y sociocultural (MASON, 2008; BESCULIDES et al., 2002)
tales como la ocupación extensiva del espacio (incluso de espacios naturales
protegidos), la competencia con el sector hotelero, los conflictos derivados
de intensos flujos de inmigración laboral y la priorización inversora sobre los
espacios de uso turístico en detrimento de áreas habitadas por población local.
El TR ha relegado a un segundo plano a las actividades económicas tradicio-
nales, promoviendo el sector de la construcción y de los servicios, y provocando
rápidas mudanzas en los estilos de vida y en el conjunto de significados que
dotan de sentido al territorio (DEMAJOROVIC et al., 2011).
Esta investigación se llevó a cabo en uno de los principales destinos
turísticos del estado de Rio Grande do Norte (RGN), Pipa, en el municipio
de Tibau do Sul, que representa un ejemplo paradigmático de la evolución del
turismo en el nordeste brasileño. Pipa es un distrito de unos 5.000 habitantes
situado a 85 kilómetros de Natal, la capital de RGN.
Antiguamente una villa de pescadores, es hoy el segundo destino
turístico del estado. Los primeros turistas, que llegaron a Pipa a mediados
de la década de los setenta, eran en su mayoría jóvenes mochileros, surfistas y
bohemios. A mitad de los años ochenta se inicia el desarrollo de una planta
de pequeños hoteles. Las cadenas hoteleras no llegan hasta la mitad de los
noventa, cuando turistas y empresarios portugueses empiezan a interesarse
por el destino. Este incipiente modelo hotelero internacional emprende nuevo
rumbo después de 2002, cuando el litoral nordestino experimenta un intenso
crecimiento inmobiliario como consecuencia de inversiones extranjeras en
proyectos de segundas residencias destinados a una clientela europea. En
menos de seis años, el número de apartamentos turístico-residenciales (1.199
apartamentos y casas en condominios) alcanzó el volumen de la oferta hote-
lera que venía desarrollándose desde los años ochenta (1.335 plazas hoteleras)
(LOLOUM, 2010).
Estos nuevos desarrollos fueron posibles gracias a, por un lado, una
coyuntura económica global favorable a la inversión inmobiliaria y, por otro,
a políticas gubernamentales orientadas a integrar esta región periférica en los
circuitos internacionales del turismo. Si bien el rápido crecimiento urbanístico

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 231
permitió un ingreso sustancial de capitales, el contraste con la pobreza estruc-
tural de esta región ha generado una fuerte controversia sobre la distribución
de los beneficios económicos y de los costes ambientales y sociales, sobre la
gestión pública y la calidad de la democracia local.

EL ANÁLISIS DE PARTES INTERESADAS DEL TURISMO


RESIDENCIAL Y SUS FUNDAMENTOS EPISTEMOLÓGICOS
En esta investigación se ha utilizado la herramienta de Análisis de
Partes Interesadas (API) para entender la configuración política de actores y
el socioespacio de conflicto generado en torno al desarrollo del TR en Pipa.
El uso del API responde a una triple intención: en primer lugar, identificar
los productores del espacio turístico-residencial; en segundo, identificar los
beneficiarios y afectados por el TR y, en tercer lugar, entender el funciona-
miento del socioespacio que genera el desarrollo del TR, empleando para todo
ello un estudio de caso. Así, el API permite dar cuenta de las lógicas sociales
y políticas locales que, teniendo en cuenta los condicionantes económicos del
mercado turístico, determinan la implantación del nuevo modelo turístico-
-residencial. Los efectos del TR no se distribuyen de forma equitativa entre
los diferentes actores que participan en él. Si bien la literatura especializada en
los efectos del turismo se ha centrado en la identificación de los impactos, son
pocos los estudios que han ampliado su esfera analítica a cuestionar la produc-
ción y distribución social de los mismos. Ahora bien, los estudios realizados
en España y en el Caribe (BLÁZQUEZ et al., 2011; ALEDO, 2008) indican
que el TR tiende a privatizar los beneficios (económicos) y socializar los costes
(sociales, ambientales, urbanísticos). De ahí la necesidad de conocer los actores
implicados en esta actividad para profundizar en el conocimiento de la distri-
bución social de los efectos.
Nacida en las ciencias empresariales anglo-sajonas en los años ochenta
para estudiar el entorno social de la empresa (DONALDSON y PRESTON,
1995; FREEMAN, 1984), el API es hoy una auténtica “torre de Babel con-
ceptual” (PESQUEUX, 2006, p. 19) utilizada en ámbitos organizacionales
muy variados. El API se presenta como una descripción sistematizada de las
relaciones entre actores, de sus características y posiciones en la organización
social. Para ello, hace uso de retratos escritos (narrativas), matrices de análisis
y mapeos de actores. La palabra stakeholder (equivalente inglés de “parte inte-
resada”) se refiere a todos los “individuos o grupos que pueden afectar o ser

232 Actores en disputa


afectados por la realización de los objetivos de una organización” (FREEMAN,
1984, p. 46). Se distingue así de los shareholders y stockholders (accionistas) en
el sentido de que el interés del stakeholder en la actividad de la empresa no es
necesariamente financiero: puede ser simbólico, ambiental, social o político.
Históricamente, este enfoque surge en un contexto neoliberal de fortaleci-
miento del sector privado y de fuertes contestaciones sociales ocurridas en el
seno de grandes organizaciones (DAMAK-AYADI y PESQUEUX, 2005).
Estas protestas llevaron a los gestores a entender que el entorno social parti-
cipaba en la creación de valor de la empresa. De ahí la necesidad de integrar
las expectativas de los agentes externos dentro de la estrategia de la empresa.
Sin embargo, el uso del API no se limita a la esfera empresarial. Puede
también asociarse a la emergencia de nuevos sujetos de derecho, de nuevas
ciudadanías. Es particularmente recomendado en el caso de programas de ges-
tión comunitaria de recursos naturales (CHEVALLIER, 2001) o en procesos
participativos para garantizar la representatividad y seleccionar participantes
legítimos (RAMÍREZ, 1999). En el ámbito turístico, el API se ha aplicado en
ambas situaciones: bien para orientar la gestión de administraciones y empre-
sas turísticas (CURRIE et al., 2009; SHEEHAN y RITCHIE, 2005) o bien
para facilitar diagnósticos participativos en destinos turístico-residenciales del
mediterráneo español (ORTIZ, 2009; GARCIA-ANDREU, 2008).
A pesar del sesgo funcionalista inherente al método, el enfoque inte-
raccionista propuesto en el API ofrece un buen compromiso entre las teorías
de la estructura y de la agencia para explicar las interdependencias, las rela-
ciones desiguales y las influencias difusas de un determinado sistema. En el
caso de esta investigación, permite reflejar los patrones de articulación entre la
estructura económica del TR y las lógicas específicas de la organización social
en Pipa, sin caer en los excesos del holismo estructuralista o en el individu-
alismo metodológico. El API ofrece un marco metodológico adecuado para
identificar los atributos e intereses de los principales actores que intervienen en
el socioespacio de conflicto del desarrollo turístico-inmobiliario.
Con todo, conviene formular algunas precauciones ante el API. En
primer lugar, las principales limitaciones de este análisis descansan en la falta
de diacronía del análisis. Es importante recordar que se trata de una “foto-
grafía” de una configuración específica en un momento dado. Por lo tanto,
es pertinente completar el estudio con una contextualización histórica. En
segundo lugar, por definición, el Análisis de Partes Interesadas encubre una

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 233
cierta concepción utilitarista del individuo, cuya acción se limitaría a sus recur-
sos, intereses y estrategias. Es importante recordar que la racionalidad de los
agentes sociales es limitada y múltiple. Sus intereses no están siempre pre-
determinados racionalmente ni tampoco se formulan de manera consciente
(HANDS, 2001). Por eso preferimos hablar de “lógicas de acción” más que de
“estrategias” (que suponen una intencionalidad) para explicar las motivaciones
de los actores que se expresan por medios cognitivos y discursivos variados.
En tercer lugar, otra característica a tener en cuenta es el carácter subjetivo del
mapeo social y la inestabilidad de la identificación y clasificación de actores.
La demarcación de grupos sociales siempre es discutible. Por ejemplo, algunos
autores han discutido el dilema de considerar a la “comunidad local” como un
actor en sí mismo (ALTMAN, 2000; WADDOCK y BOYLE, 1995), lo cual
presupone que existe – a pesar de las múltiples divisiones y de los conflictos
del grupo - un consenso y una orientación común entre los integrantes de
esta comunidad. Resulta fundamental recordar que el API utiliza categorías
subjetivas, no absolutas. El API es un análisis social, una representación de la
realidad construida por el investigador a partir de sus observaciones.

ELEMENTOS METODOLÓGICOS
El API desarrollado en el marco de esta investigación se nutre de la
información recogida a partir de 41 entrevistas en profundidad realizadas entre
noviembre de 2009 y mayo de 2011 con empresarios e inversores, asociaciones
y residentes locales, turistas residenciales y representantes del poder municipal
y estatal. Las entrevistas fueron realizadas en Pipa, la zona de estudio, y en
Natal, capital del Estado, donde se concentran las grandes empresas construc-
toras y administraciones públicas. Las entrevistas incluyeron también actores
internacionales, pues el socioespacio de conflicto no admite una circunscrip-
ción territorial, sino que se estructura en diversas escalas locales, regionales,
nacionales e internacionales.
En un primer momento, se seleccionaron los cuatro grupos sociales ya
citados. Esta decisión fue el resultado de un trabajo exploratorio inicial a par-
tir de fuentes documentales e investigaciones previas del equipo investigador
en el caso de estudio (DEMAJOROVIC et al., 2011; LOLOUM, 2010). Se
realizó un diseño muestral de tipo no probabilístico intencional de informan-
tes clave, guiado por un proceso de selección de “bola de nieve” en el que los
primeros entrevistados fueron seleccionados entre representantes oficiales de

234 Actores en disputa


diversos grupos sociales accesibles. El tamaño final de la muestra – como es
habitual en la investigación cualitativa – no fue el resultado de una decisión
apriorística sino que lo determinó el proceso de saturación teórica en los dis-
cursos de los entrevistados.
El tipo de información perseguida justifica la opción por un enfoque
cualitativo. Al tratarse en muchos casos de cuestiones de poder y conflictivi-
dad, las preguntas difícilmente pueden ser planteadas a través de un cuestiona-
rio cerrado. En ocasiones, se llegó a la información a través de conversaciones
informales o cruzando distintas informaciones parciales, pues la autocensura
del entrevistado puede ser importante, especialmente en pequeñas comunida-
des donde el control social es fuerte.
La investigación ha indagado en diversas características de los grupos
implicados: su historia, su auto-definición, su función y posición en el TR, sus
recursos específicos de actuación y sus relaciones con otros actores implicados.
En este sentido, se trata de una metodología que considera diversas dimen-
siones del poder: “posicional”, “reputacional” y “decisional” (MARZANO y
SCOTT, 2005; WESTERHEIJDEN, 1987). El poder posicional se refiere a las
posiciones formales de los actores en el organigrama de las empresas, institu-
ciones y asociaciones oficiales. El poder reputacional se refiere a la visión que los
demás actores de la red social tienen sobre el poder de otro. El poder decisional
se centra en identificar quien efectivamente ejerce influencia en la decisión
final. En esta propuesta, intentamos abarcar todas estas dimensiones del poder,
considerando tanto las prerrogativas legales y contractuales (posicional) de los
agentes como sus percepciones intersubjetivas (reputacional) y prácticas efec-
tivas (decisional).
La recolección de la información está guiada por tres matrices analí-
ticas destinadas a organizar y problematizar el sistema de partes interesadas.
Mientras que las dos primeras se centran en los agentes sociales, la tercera
analiza las relaciones entre ellos dentro del socioespacio del TR.
La primera matriz sirve para recoger informaciones generales sobre
cada parte interesada. Ha sido denominada “matriz funcional”, pues identifica
la posición de cada actor en el sistema TR. Explora los siguientes atributos:
nombre; empresa/organismo/ grupo social al que pertenece o que representa; locali-
zación y ámbito de actuación; definición de la empresa/organismo/grupo social;
función en el TR; posición en relación con el TR.

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 235
Parte interesada (empresa/ Escala de Posición (AF, MAF,
Localización Definición Función
organismo/grupo social) actuación N, EC, MEC)*
* (a favor, muy a favor, neutro, en contra, muy en contra).
Tabla I: Matriz de análisis funcional.

La segunda matriz es una “matriz estratégica”. Explora cuatro varia-


bles que determinan la distribución del poder en la configuración social del
turismo. Estas cuatro variables son: los recursos, la influencia, las limitaciones y
la dependencia. Los recursos son los distintos tipos de “capitales” (BOURDIEU,
1972) que los actores pueden movilizar para sacar partido del desarrollo turís-
tico. La influencia es la habilidad de movilizar estos recursos para alterar el
curso del TR. Pueden ser recursos financieros, institucionales (acceso a cargos
oficiales, representación en órganos decisores o deliberativos), sociales (redes
sociales, reputación, apoyo de la población, capacitación, etc.), organizaciona-
les (capacidad de llevar una causa política de manera organizada), simbóli-
cos (fama, patrimonio inmaterial) o legales (respaldo legal, conocimiento de
la legislación). Las limitaciones son las fuerzas que obstaculizan la capacidad
de los actores para influir sobre el desarrollo turístico-residencial. La variable
dependencia se refiere a la dependencia de los agentes hacia la renta del turismo
residencial y hacia otros actores.

Parte interesada Recursos Influencia Limitaciones Dependencia


Tabla II: Matriz de análisis estratégico

Una vez conocidas las características propias de cada parte intere-


sada, una tercera matriz, de corte interaccionista, estudia las relaciones entre
los actores. Evalúa el grado de afinidad entre ellos, buscando indicadores de
conflictos - sean abiertos o latentes - y de alianzas - sean formales o tácitas.
Nuevamente, medir el grado de afinidad es algo sutil ya que los antagonismos
no siempre son conscientes, asumidos o expresados.

Parte Interesada 1 Parte interesada 2 Parte interesada 3 Parte interesada 4

Parte interesada 1 X Conflicto abierto Conflicto latente Acuerdo tácito


Parte interesada 2 X X Sin relación Alianza formal
Parte interesada 3 X X X Neutro
Parte interesada 4 X X X X
Tabla III: Matriz de análisis interaccionista

236 Actores en disputa


Estas tres matrices nos permiten acceder a los tres tipos de poder ante-
riormente mencionados. Las matrices funcional y de análisis interaccionista nos
ofrecen una vía de acceso a la comprensión del poder posicional en el caso de
estudio; la matriz de análisis estratégico se dirige al poder reputacional y deci-
sional; y la matriz de análisis interaccionista sintetiza desde un punto de vista
relacional la información recogida en las anteriores matrices.
Con el objetivo de sintetizar la información obtenida a partir de esta
herramienta, la exposición de los resultados del API del TR en el caso de Pipa
se ha dividido en dos partes: una primera dedicada a describir cada una de las
partes interesadas identificadas en el caso de estudio y una segunda centrada
en el análisis del TR como socioespacio de conflicto.

El sector turístico-residencial: un grupo


de interés internacionalizado
Se puede hablar de “sector turístico-residencial” en tanto que los inte-
grantes del mismo (inversores extranjeros, entidades financieras y bancarias,
empresas constructoras y promotoras, agencias inmobiliarias, asociaciones
profesionales, abogados, compradores y ocupantes finales) participan del pro-
ceso de producción y consumo residencial y están sometidos a una misma
reglamentación.
El boom inmobiliario comenzó en la década del 2000 con la llegada
de grupos inversores transnacionales. Sin su aportación de capital no hubiera
sido posible la expansión del TR. Durante los años del boom inmobiliario
en España, entre 1997 y 2007, disponían de una ventaja de capital debido a
ingresos acumulados, a tasas de cambio muy favorables y a un acceso fácil al
crédito. La composición de estos inversores era muy variada. Desde pequeños
empresarios ajenos al sector turístico hasta grandes grupos inmobiliarios y
financieros especializados en la compra de tierras y desarrollo de activos inmo-
biliarios en todo el mundo. La gran mayoría eran europeos - portugueses,
españoles, italianos, escandinavos -, todos con grandes expectativas de negocio
en el nordeste brasileño. Estos empresarios extranjeros tuvieron que asociarse
con empresarios locales tanto para adaptarse a la legislación brasileña como
para introducirse en este desconocido ambiente de mercado. Esto hizo que los
inversores extranjeros, a pesar de su stock de capital, se tornaran dependientes
del empresariado local. Mientras que los pequeños inversores solían contratar
intermediarios informales, los grandes inversores se dirigieron principalmente

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 237
a empresas constructoras ya asentadas en el mercado regional. Las principa-
les limitaciones a las que se enfrentaron estos inversores fueron el desconoci-
miento de la lengua, de la cultura empresarial local, del sistema tributario y de
la legislación.
Las entidades financieras y bancarias han sido actores decisivos, pri-
mero, porque financiaron las infraestructuras que dieron soporte al desarrollo
inmobiliario y turístico. Segundo, porque muchos grupos promotores interna-
cionales se capitalizaron gracias a entidades financieras, como los Real Estate
Investment Funds (REITs). Y, finalmente, porque los bancos europeos fueron
los principales facilitadores de crédito.
Las constructoras y promotoras regionales son actores centrales del sec-
tor TR en el nordeste brasileño. Conectan los mercados locales, nacionales e
internacionales. Ligadas con los centros económicos del país (São Paulo, Rio
de Janeiro) para su abastecimiento en maquinaria y capitales, están también
en constante diálogo con administraciones locales. Son interlocutores y pres-
tadores habituales de las administraciones regionales. Los recursos de estas
empresas son de carácter productivo (solo las grandes empresas tienen capa-
cidad técnica de construir condominios de lujo) pero también institucional y
legal. Disponen de un buen conocimiento de las condiciones administrati-
vas necesarias para la edificación de urbanizaciones. También se esfuerzan en
mantener buenas relaciones con las entidades públicas, las cuales establecen
las reglas del juego y fiscalizan su cumplimiento. Según la Organización No
Gubernamental Transparência Brasil, en las elecciones municipales de 2004
en Rio Grande do Norte, el 74,88% del total de donaciones de campaña han
beneficiado a políticos que acabaron accediendo al poder. Entre los veinte
mayores donadores se encontraban dos de las constructoras más activas en
el negocio del TR: Ecocil (181.000 R$) y L.A. Construções (100.000 R$)6.
No obstante, sus principales limitaciones y dependencias son de orden legal y
administrativo relacionadas con la lentitud burocrática y los controles judicia-
les sobre licencias ambientales.
Las agencias inmobiliarias son también influyentes como intermedia-
rias en la compra-venta de tierras. El acceso a la propiedad en el nordeste
brasileño es particularmente delicado, especialmente en áreas rurales (como en
la periferia de Pipa), debido a la inexistencia de títulos formales de propiedad.

6 Véase http://www.transparencia.org.br/docs/mapa2004-4.pdf (última consulta: 12/08/2011)

238 Actores en disputa


Según el escribano del Registro de Inmuebles de Tibau do Sul, cerca de 75%
del municipio obedece a un régimen de posesión, es decir, a una propiedad de
hecho pero no de derecho. Esta situación da lugar a litigios, casos de falsifica-
ción de títulos de propiedad y estafas en la venta de terrenos. En estas condi-
ciones, la intermediación de una agencia inmobiliaria se ha convertido en una
manera de brindar seguridad a las transacciones de inmuebles.
Las asociaciones profesionales son también actores claves por su papel de
aglomeración de empresas y su poder de organización. Es el caso, por ejem-
plo, de la Asociación para el Desarrollo Inmobiliario Turístico en el Nordeste
(ADIT), creada en 2005 por promotoras, constructoras, abogados, asesores
financieros y agencias inmobiliarias con el propósito de captar el flujo de capi-
tales extranjeros, aumentar su visibilidad en los circuitos económicos inter-
nacionales y transmitir confianza a los inversores financieros. Otra de las
funciones de la ADIT es organizar eventos comerciales, nacional e interna-
cionalmente, para promover el destino y dinamizar el mercado. Además, las
asociaciones profesionales de constructores y corredores inmobiliarios tienen
una elevada influencia al ejercer como grupo de presión ante el poder público,
participando activamente en los consejos gestores de los gobiernos regionales
y municipales.
Los compradores finales y ocupantes de segundas residencias son los des-
tinatarios finales del producto. En ocasiones, es complicado distinguir entre
propietarios y ocupantes ya que las fórmulas de gestión de condominios ofre-
cidas por los promotores permiten sistemas muy flexibles de alquiler - cono-
cidos como condhotel, apartotel o flat - comparables a sistemas de gestión de
tipo hotelero. De este modo, es posible diferenciar tres tipos de clientes: vera-
neantes regulares, compradores inversores y turistas ocasionales. Los verane-
antes, en su mayoría europeos y brasileños, ocupan sus segundas residencias
de manera regular cada año. Algunos las alquilan o prestan a amigos el resto
del año. Los compradores inversores han comprado segundas residencias con
la intención de venderlas más tarde. Entretanto, delegan la gestión de su(s)
casa(s) a un pool hotelero para compensar los gastos de mantenimiento y la
tasa de condominio y generar una renta. Los turistas ocasionales no son pro-
pietarios de las casas. Pagan por la pernocta y se comportan como si estuvieran
en un hotel a excepción de que disfrutan de una cocina propia y todo el equi-
pamiento doméstico básico. Antes de la crisis de 2007-2008, los compradores
de segundas residencias eran esencialmente veraneantes e inversores europeos.

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 239
Con la crisis, la composición de la demanda ha cambiado fuertemente debido
a la caída de la clientela europea.
Ahora bien, a pesar de que el auge de la clase media brasileña durante
el periodo Lula ha permitido absorber parte de la oferta inicialmente desti-
nada a europeos, el impacto de la crisis se ha manifestado en el Nordeste en
un frenazo de la ventas y una infra-ocupación de los condominios existentes
(MONTI, 2011). El peso de los usuarios y compradores finales en el sector no
ha sido de los más significativos, pues el crecimiento del turismo residencial ha
sido especulativo en su esencia. Es decir, la fuerza motriz del TR no era tanto
la demanda final sino las expectativas de los propios inversores y promotores.
Los abogados son también actores claves del sector. Actúan como
intermediarios entre productores y compradores y entre capital económico y
poder público. En un ámbito jurídico-administrativo altamente burocrático e
inseguro, el trabajo de un profesional conocedor de los procedimientos legales
y cultura institucional es imprescindible. Son actores muy solicitados por el
poder municipal para redactar proyectos de ley y supervisar la legalidad de las
decisiones tomadas. Su omnipresencia en las interrelaciones que articulan la
red de actores hace difícil situarlos en el mapeo de actores que se ofrecerá en
el siguiente apartado.
Un sector público esquizofrénico En contra de una imagen común del
Estado moderno, el sector público no es una unidad homogénea. Está com-
puesto por intereses múltiples y contradictorios. En el nordeste brasileño, los
principales actores públicos implicados en el desarrollo turístico-residencial
son los gobiernos regionales y municipales, los órganos ambientales y la
Justicia, cuyas actuaciones oscilan entre el fomento desenfrenado del turismo,
la regulación administrativa y la prohibición judicial.
La intervención de los gobiernos regionales en programas de fomento
ha estado fundamentalmente dirigida a la intensificación e internacionaliza-
ción del turismo. En el nordeste brasileño, el programa de actuaciones públicas
orientadas al turismo (transporte, aeropuertos, saneamiento urbano, desarrollo
institucional, etc.) se conoce como el PRODETUR-NE. Financiado con
créditos del Banco Interamericano de Desarrollo y del Banco do Nordeste
do Brasil, ha hecho posible la realización de grandes proyectos de mejora de
las infraestructuras territoriales necesarias para la expansión turística. Los
gobiernos regionales intervienen en materia turística a través de la Secretaría
de Estado de Turismo del RGN (SETUR) que es el órgano ejecutivo del

240 Actores en disputa


PRODETUR-NE. Son competentes para las grandes obras de infraestruc-
turas que dirigen el flujo de inversiones urbanas y, consecuentemente, la acti-
vidad inmobiliaria-turística. La ideología que guía las inversiones públicas en
turismo es de inspiración neoliberal, pues priorizan la cantidad de capitales y
turistas entrantes sobre la calidad y la distribución de los ingresos turísticos.
Las principales limitaciones de estas administraciones se deben a la lentitud
burocrática y la dependencia hacia intereses privados o partidarios.
Los gobiernos municipales a su vez tienen prerrogativas en materia de
uso y ocupación del suelo. Las asumen a través de la planificación urbana y de
la concesión de licencias de construcción. La herramienta fiscal es también
fundamental para regular la actividad inmobiliaria así como para redistribuir
socialmente sus beneficios. Tienen también un papel en el desarrollo turístico
y urbano por medio de actividades de divulgación turística, desarrollo de infra-
estructuras y servicios urbanos. Sus limitaciones son de orden organizacional,
económico y sociopolítico. La debilidad organizacional de los municipios puede
ser explicada por factores históricos (la autonomía tardía del municipio en el
estado brasileño (KRELL, 1999) y también económicos (la falta de recursos).
Además, el rápido cambio de una sociedad rural basada en la agricultura y la
pesca a una industria turística es otro factor explicativo. Finalmente, la perma-
nencia de lógicas clientelistas, también por razones históricas (CARVALHO,
1997), origina grandes dificultades para una gestión municipal democrática y
eficiente. Como Mazón y Aledo (2005) ya han señalado con el caso español,
el TR atrae el interés de los gobernantes por los recursos que ofrecen las licen-
cias de construcción y otros impuestos ligados a la construcción. Pero se trata
de recursos a corto plazo - oportunos para justificar cuentas sobrantes en el
periodo de un mandato – que disimulan gastos en infraestructuras asumidos a
largo plazo. Rápidamente, el afán de la construcción se torna en dependencia
para las finanzas municipales.
Los órganos ambientales como el Instituto para el Desarrollo y el
Medio Ambiente (IDEMA) y el Instituto Brasileiro de Medio Ambiente
(IBAMA) constituyen frenos administrativos al desarrollo inmobiliario ya que
los procedimientos para la evaluación de impacto ambiental y certificaciones
son largos y costosos. Su control se manifiesta a través de la concesión de
licencias ambientales que son obligatorias para cualquier proyecto de construc-
ción colectiva. Pero estas administraciones padecen de una falta de recursos
técnicos y humanos, por lo que las licencias suelen emitirse sin las adecuadas

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 241
verificaciones. Ante el interés que poseen las licencias ambientales, la lógica
económica empuja hacia una agilización de las mismas. Además, al ser directa-
mente dependiente del ejecutivo (el presidente es nombrado por el gobierno),
la razón política suele prevalecer sobre la razón ambiental.
El poder judicial a su vez ocupa un lugar relevante ya que interviene en
conflictos de tierra y construcciones ilegales. Ante la dificultad de los órganos
ambientales para regular el influjo de demandas de construcción, el poder judi-
cial ha jugado un papel de cortapisa contra el urbanismo salvaje. Interviene en
el desarrollo del TR a través del Ministerio Fiscal y el procurador ambiental,
que tiene prerrogativas judiciales así como un fuerte respaldo popular para
sancionar la legalidad de las construcciones. Tras la multiplicación de con-
tenciosos7 por causa de licencias ambientales otorgadas de manera indebida,
la intervención del Ministerio Fiscal ha tenido una influencia significativa en
la desmitificación de la idea según la cual el Nordeste (y Brasil en general)
tiene una legislación más flexible que Europa en materia ambiental y urba-
nística. Si bien existe una alta percepción de corrupción y una burocracia que
da lugar a arreglos extra-institucionales (HOLSTON, 1991), Brasil no deja
de ser un país que impone importantes barreras para inversiones extranjeras.
Sin embargo, el Ministerio Fiscal está limitado por un gran número de casos a
tratar en comparación con sus capacidades administrativas.
Hoteleros y touroperadores: entre opositores y socios puntuales Los hoteleros
son actores importantes en Pipa porque han participado de los primeros ciclos
de desarrollo turístico del destino. Forman una pequeña elite empresarial y
una fuerza de propuesta particularmente activa en la vida pública del muni-
cipio. Tienen voz en diversos canales institucionales de participación como el
Consejo Estatal de Turismo (CONETUR) y el Consejo Municipal. Perciben
el TR como una competencia directa a su actividad hotelera dado que muchos
condominios funcionan como apartotel, especialmente desde la crisis que ha
obligado a los gestores a optar por sistemas de gestión más flexibles cada vez
más próximos al sistema hotelero.
Los touroperadores son actores lejanos pero que, junto con el sector aéreo,
determinan en buena medida el flujo de turistas (CAVLEK, 2005). Con el

7 “Por onde passam as licenças ambientais?”, Nominuto.com, 09/08/2009; “Gilka teme que libera-
ção cause efeito cascata no RN”, Tribuna do Norte, 29/01/2010; “Ninguém contém as irregulari-
dades”, Tribuna do Norte, 29/08/2010.

242 Actores en disputa


agotamiento de la demanda propiamente inmobiliaria tras la crisis, los admi-
nistradores de condominios se han vuelto hacia una demanda turística más
convencional y puntual a través de grandes operadores. Desde el punto de vista
de los administradores de condominios, la perspectiva de un flujo constante y
garantizado de turistas es un atractivo para cerrar contratos con touroperado-
res, pero es contrarrestado por precios más bajos de los que cobrarían fuera de
estos circuitos. Los touroperadores tienen el poder de influir sobre el mercado
aéreo y, por lo tanto, sobre el coste de acceso de los turistas, al contratar vuelos
chárter, sea por cuenta propia o conjuntamente con poderes públicos.
Una sociedad local fragmentada En el lenguaje cotidiano se suele hablar
de “comunidad local” por oposición al turismo global, considerándose a ambas
partes entes homogéneos. Pero del mismo modo que el sistema turístico no
es un todo coherente, la comunidad local de Pipa no es uniforme frente al
desarrollo económico. Unos grupos se oponen al turismo, otros se acomodan a
ello, otros aprovechan sus oportunidades, otros asumen sus costes sin acceder a
sus beneficios. Tampoco la comunidad local es sinónimo de comunidad nativa,
pues la historia turística del lugar y la inmigración que le ha acompañado han
inducido un proceso de heterogeneización.
La categoría “nativa” tal como es empleada por los habitantes de Tibau
do Sul se refiere habitualmente a los individuos nacidos y criados en el lugar,
originarios de familias asentadas antes de la llegada del turismo. Existe una
relación estrecha entre esta comunidad y el poder municipal, relación mar-
cada por lógicas familiares y el clientelismo electoral (CARVALHO, 1997).
El poder de influencia de la población nativa es por lo tanto demográfico. Las
principales dificultades de la población nativa residen en una débil participa-
ción ciudadana, en una falta de capital económico que les impide competir con
capitales nacionales e internacionales y en la falta de formación y de espíritu
empresarial que les confina a puestos subalternos y de baja remuneración den-
tro de la actividad turística (venta ambulante y hostelería). No obstante, las
rentas obtenidas a través de estas actividades económicas explican el apoyo al
TR, a pesar de que son conscientes de sus riesgos ambientales y sociales.
Las fuertes transformaciones generadas por el TR han despertado
diversos movimientos de protesta entre la sociedad civil. En Pipa, las asocia-
ciones locales más activas son el Núcleo Ecológico de Pipa (NEP), una asocia-
ción dedicada a la defensa del medio ambiente; AMAPIPA, una asociación de
residentes y empresarios de Pipa orientada a la planificación del turismo en

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 243
el municipio; y EDUCAPIPA, dedicada al desarrollo cultural. A pesar de su
interés por el medio ambiente local, estas asociaciones no cuentan con mucho
apoyo por parte de los residentes nativos. Están compuestas principalmente
por forasteros llegados a Pipa en las dos o tres últimas décadas. Las asocia-
ciones de residentes tienen pocos recursos, a excepción de AMAPIPA que
aparece más conectada con el empresariado local e incluso con el empresariado
inmobiliario8. Los recursos de que disponen son mediáticos e institucionales:
son visibles en los medios locales y participan activamente en los distintos
canales de participación pública (audiencias, consejos gestores). Pero carecen
del apoyo de la población local que sospecha que estén al servicio de intereses
privados.
Con el boom inmobiliario, los propietarios de tierras han jugado el papel
de abastecedores de suelo para la producción inmobiliaria. Muchos pequeños
propietarios nativos vendieron sus lotes a turistas forasteros a precios muy
baratos en las primeras décadas del turismo (1970-1980), derivando en una
periferización y/o densificación del hábitat nativo. Con la intensificación del
turismo hotelero en los 90 e inmobiliario en los 2000, los inversores y nuevos
residentes se concentraron en la periferia próxima de Pipa dando lugar a una
segunda etapa de venta de terrenos y deslocalización de pobladores nativos.
Esta vez, los pobladores nativos vendieron para dirigirse hacia los distritos
del interior del municipio, donde los terrenos eran más baratos. Los grandes
propietarios son herederos de las grandes haciendas de la zona que han con-
seguido valorizar su patrimonio de tierra a través del turismo. Estos hacen-
deros son tradicionalmente figuras influyentes en la gestión local a través de
la Cámara Municipal, auténtico “gobierno económico” del municipio donde
“el poder de la cámara pasa a ser poder de los propietarios” (KRELL, 1999, p.
3). Con el boom inmobiliario de la última década se produjo un traspaso de
tierra hacia inversores foráneos. Estos nuevos propietarios de tierras están, sin
embargo, limitados por una inseguridad jurídica sobre la propiedad y un alto
grado de conflictividad en las transacciones de inmuebles.
Condominios y hoteles atraen muchos inmigrantes laborales, tanto para
obras de construcción como para empleos cualificados que los habitantes loca-
les no quieren o no pueden asumir. Entre los trabajadores de la construcción se

8 En el momento de la investigación, su presidente era dueño de una de las mayores agencias inmo-
biliarias de Pipa.

244 Actores en disputa


encuentran también trabajadores más cualificados de la región metropolitana
de Natal. A su vez, las empresas de servicios suelen emplear trabajadores del
sur del país o de otros países, puesto que el Nordeste tiene una gran carencia
de mano de obra cualificada en este sector. Una vez identificados los recursos
y lógicas de las distintas partes interesadas, podemos ahora proceder a analizar
las interacciones que mantienen entre sí y mapear el socioespacio de conflicto
del TR en el nordeste brasileño.
El socio-espacio de conflicto del Turismo Residencial en el nordeste brasi-
leño la transposición de estas interpretaciones a diagramas gráficos ayuda a
ilustrar y sintetizar el posicionamiento relativo de cada grupo de actores. En el
Gráfico 1 cruzamos las dos variables de dependencia e influencia para mapear
una configuración estratégica de actores. Para entender las relaciones entre los
actores más relevantes, se ha intentado representar en un mismo sociograma
las alianzas y conflictos – latentes y abiertos – entre partes interesadas.

Gráfico 1. Mapeo de partes interesadas del TR en Tibau do Sul, RNl.

Se ha distinguido cuatro clases de actores. Los “actores subalternos”


son aquellos considerados muy dependientes y poco influyentes dentro del
socioespacio de conflicto del TR. Los pobladores nativos y los inmigrantes
laborales son considerados como tales por su débil participación en círculos

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 245
de decisión y por su dependencia económica y social. La especialización turís-
tica del municipio y el abandono de oficios tradicionales (pesca, agricultura,
artesanía) les coloca en situación de dependencia. Los “actores periféricos” son
aquellos que no tienen limitaciones particularmente fuertes, que no dependen
directamente del TR, pero que tampoco tienen mucho peso en las decisio-
nes orientadas al desarrollo inmobiliario. Los “actores centrales” son aquellos
que participan de manera cotidiana en la actividad inmobiliaria-turística. Son
actores motores del desarrollo pero son también dependientes de los ingresos
generados por el TR. Finalmente, los “actores decisivos” son los que tienen el
máximo poder de imponer o impedir la expansión turístico-residencial: los
inversores extranjeros y su poder financiero, la ADIT por su poder de lobbying
productivo y organizacional, y finalmente el Ministerio Fiscal a través de la
Procuraduría de Medio Ambiente que puede sancionar en última instancia la
legalidad de las acciones.
El siguiente gráfico ilustra las relaciones de conflicto y de afinidad entre
las partes interesadas. Las casillas representan los actores, las líneas negras las
relaciones, los símbolos la naturaleza de la relación (en ausencia de símbolos,
la relación es considerada neutral), y los círculos concéntricos evocan el ámbito
geográfico de actuación (de lo local a lo global).

Gráfico 2. El socioespacio de conflicto del TR en Tibau do Sul, RN, Brasil.

246 Actores en disputa


Empezando por los conflictos abiertos (X) se observa un antagonismo
fuerte entre los agentes centrales del sector turístico-residencial (constructoras
e inmobiliarias) y el grupo hotelero. Este conflicto se explica por la competen-
cia económica entre ambos grupos para la captación de turistas: los hoteleros
se consideran perjudicados por las condiciones fiscales más permisivas para
el hospedaje de tipo residencial y denuncian las externalidades negativas que
acaban desvalorizando el destino en conjunto (menor efecto multiplicador,
feísmos arquitectónicos).
Los conflictos socioambientales oponen a la asociación ambientalista
(NEP), el órgano ambiental ejecutivo (IDEMA), el Ministerio Fiscal y las
empresas turístico-inmobiliarias. El Ministerio Fiscal suele intervenir como
último recurso cuando surge una denuncia o en caso de infracción de la nor-
mativa. En diversas ocasiones, a través de los medios y en conferencias inmo-
biliarias, el presidente de la ADIT se ha quejado de la “inseguridad jurídica”
que sufrían los inversores por causa de la lentitud de los trámites de licencia
ambiental por parte del IDEMA, el “fundamentalismo ambiental” y la “judi-
cialización del licenciamiento” de la Procuraduría Ambiental. En los últimos
años, la Fiscalía del Estado ha intensificado su intervención en los procesos
inmobiliarios en el litoral, contestando y juzgando diversos casos de construc-
ciones irregulares, que han resultado en multas, retrasos y abandonos de cons-
trucciones. Esta intervención de la Fiscalía del Estado acompaña las crecientes
sospechas de la sociedad civil en relación al proceso de concesión de licencias
otorgadas por el IDEMA, como ha sido el caso de permisos otorgados para
construir en el área natural protegida del Chapadão o en acantilados costeros
altamente erosivos.
Atendiendo ahora a las alianzas (=), hemos representado las relacio-
nes constitutivas del sector turístico-residencial (constructoras, inmobiliarias,
administradoras, ADIT). Se señalan también los vínculos entre las operado-
ras turísticas y administradoras de condominios interesadas en diversificar su
demanda. Por lo tanto, se evidencian unos intereses e interlocutores comunes
(empresas aéreas, Secretaría de Turismo, touroperadores) entre el tradicional
sector hotelero y el sector TR.
Las afinidades tácitas ({=}) se refieren a las relaciones no formaliza-
das pero que son reveladoras de intereses e influencias mutuas. Así, se han
señalado alianzas tácitas entre el poder municipal y terratenientes y entre el
gobierno regional y las grandes constructoras. Esta relación deriva de diversos

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 247
testimonios que señalaban tratos de favor particulares para grandes propietarios
y grandes contribuyentes fiscales así como al propio sistema de financiación de
partidos políticos en el que las constructoras son financiadoras importantes.
A nivel local, los hoteleros son también partes interesadas privilegiadas por la
importancia de sus dotaciones fiscales al municipio. Finalmente, se ha seña-
lado una cierta proximidad entre residentes forasteros y el grupo ambientalista,
representado en buena medida por individuos no nativos de Pipa.
Por su parte, los conflictos latentes (÷) traducen antagonismos no
expresados públicamente. Suelen ser revelados a través de entrevistas perso-
nales o en la blogosfera local9, cuyo anonimato garantiza una mayor libertad
de expresión. Identificamos conflictos entre el NEP y el Gobierno Municipal,
el primero sospechando del segundo respecto a su simpatía hacia intereses
inmobiliarios y denunciando su ineficacia. Identificamos también un con-
flicto de legitimidad entre los residentes nativos y la asociación AMAPIPA,
acusada de utilizar el nombre de la comunidad nativa para defender intereses
empresariales.

CONSIDERACIONES FINALES
El método del API se revela útil para mapear el socioespacio de con-
flicto del TR y valorar cualitativamente el peso relativo de cada actor. Ofrece
una serie de herramientas conceptuales que permiten focalizar la recolección
y el análisis de datos sociales. La alternancia entre matrices analíticas, narra-
ciones y sociogramas permite romper con el carácter rígido de otros análisis
de stakeholders. Es importante señalar que los API suelen estar circunscritos
espacial y temporalmente. Al proponer una representación fija de la sociedad
en un momento dado, pueden llevar a ocultar el carácter histórico, dinámico y
complejo de la misma. Por lo tanto, resulta fundamental acompañar el análisis
estratégico de las partes interesadas por una contextualización histórica, social,
económica y territorial.
El análisis del sociespacio del TR en Pipa revela una configuración
social desigual y conflictiva. Mientras que el TR internacional fortalece a unos
actores (constructoras, inmobiliarias) y sitúa a otros en situación de dependen-
cia (poblaciones locales, municipios), sufre también importantes resistencias.

9 http://pipa-tv.blogspot.com/; http://vereadormessias.blogspot.com/ ; http://avancatibaudosul.


blogspot.com/

248 Actores en disputa


El intenso flujo de inversiones extranjeras en los años del boom ha refor-
zado la influencia del sector turístico-residencial en los procesos de decisión
pública ligados al desarrollo territorial, tanto a nivel municipal como regio-
nal. Este fortalecimiento del empresariado turístico-inmobiliario contrasta
con una administración pública carente de recursos, burocrática y permeable
a intereses privados. Las resistencias al TR internacional no surgen tanto de
la sociedad civil como del poder judicial y administrativo asociado al medio
ambiente (órganos ambientales y fiscales). Si bien algunos grupos ambienta-
listas y hoteleros cuestionan la sostenibilidad del modelo, la población local se
muestra en buena medida favorable a esta actividad generadora de empleo y
renta a corto plazo. Ante la inconsistencia de los órganos reguladores (muni-
cipios y órganos ambientales regionales), el Ministerio Fiscal ha tenido un
papel disuasivo al aumentar los controles judiciales sobre construcciones en el
litoral. Más recientemente, el órgano ambiental federal (IBAMA) ha lanzado
una operación (“Operación Costa Verde”) para controlar la legalidad de los
emprendimientos en Tibau do Sul. Varios condominios están ya bajo amenaza
de demolición. Esto nos recuerda que el API debe ser constantemente actua-
lizado, pues una red social es inherentemente dinámica e inestable (ADAMS
et al., 2011), especialmente en estas regiones turísticas de crecimiento rápido.
Los frenos a la expansión turístico-residencial no fueron deliberados y
planeados. La inseguridad jurídica, la opacidad de las decisiones administra-
tivas, la falta de cualificación de los funcionarios, el tratamiento diferenciado
de los empresarios “gringos” son otros factores de inhibición. Si bien propor-
cionan un cierto margen de maniobra para unos empresarios hábiles en el arte
de “driblar la ley”, participan también en crear un ambiente de negocio muy
inseguro. Finalmente, no podemos olvidar que el mayor freno al desarrollo del
TR internacional ha sido a la vez uno de sus impulsores a saber, la burbuja
inmobiliaria global de comienzos del siglo XXI y la subsecuente crisis econó-
mica de 2008.

REFERENCIAS
ADAMS, D., LEISHMAN, C., WATKINS, C. House builder networks and residential land
markets. Urban Studies. 23:1-16, 2011.
ALEDO, A. Desigualdad y grandes obras públicas. Portularia. Revista de Trabajo Social. 6(2):
55-83, 2006.

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 249
ALEDO, A. De la tierra al suelo: la transformación del paisaje y el Nuevo Turismo Residencial.
Arbor: Ciencia, Pensamiento y Cultura. 729: 99-113, 2008.
ALTMAN, B. W. Defining ‘Community as Stakeholder’ and ‘Community Stakeholder’
Management: A Theory Elaboration Study. En: LOGSDON, D.J, WOOD, J.M., BENSON,
L.E, (eds.). Research in Stakeholder Theory 1997-1998. Toronto: Clarkson Center for Business
Ethics, 2000.
BESCULIDES, A., E. L. MARTHA, MCCORMICK, P. Residents perceptions of the cultural
benefits of tourism. Annals of Tourism Research. 29 (2): 303-319, 2002.
BIANCHI, R. V. The ‘Critical Turn’ in Tourism Studies: A Radical Critique. Tourism
Geographies. 11(4): 484 – 504, 2009.
BLÁZQUEZ, M., CAÑADA, E. Turismo placebo. Nueva colonización turística: del Mediterráneo
a Mesoamérica y El Caribe. Lógicas espaciales del capital turístico, Managua: EDISA, 2011.
BLÁZQUEZ, M., CAÑADA, E., MURRAY, I. Búnker playa-sol. Conflictos derivados de la
construcción de enclaves de capital transnacional turístico español en el caribe y Centroamérica.
Scripta Nova: revista electrónica de geografía y ciencias sociales. XV(368) (en línea). http://www.
ub.edu/geocrit/sn/sn-368.htm, acceso 27 de diciembre de 2011.
BOURDIEU, P. Esquisse d’une théorie de la pratique. Précédé de Trois études d’ethnologie kabyle.
Paris: Seuil, 1972.
BOURDIEU, P. La Distinction. Critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.
BOURDIEU, P. El campo literario. Prerrequisitos críticos y principios de método. Criterios.
25-28: 20-42, 1990.
CARVALHO, J. M. Mandonismo, Coronelismo, Clientelismo: Uma Discussão Conceitual.
Dados. 40 (2): p. 229-250, 1997.
CAVLEK, N. El papel de los turoperadores en el desarrollo del turismo internacional. Política y
sociedade. 42(1):117-133, 2005.
CHEVALLIER, J. Stakeholder Analysis and Natural Resource Management. Carleton University,
2001.
CURRIE, R., SEATON, S., WESLEY, F. Determining Stakeholders for Feasibility Analysis.
Annals of Tourism Research. 36 (1): 41-63, 2009.
DAMAK-AYADI, S., PESQUEUX, Y. Stakeholder theory in perspective. Corporate Governance.
5(2): 5-21, 2005.
DANTAS, E.W.C., FERREIRA, A.L., LIVRAMENTO, M.C. Turismo e imobiliário nas
metrópoles. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2010.
DEMAJOROVIC, J., ALEDO, A., LANDI, B., KONDO, A. L. M. Complejos Turísticos
Residenciales. Análisis del crecimiento turístico residencial en el Mediterráneo español y en el
Litoral Nordestino (Brasil) y sus impactos socio-ambientales. Estudios y perspectivas en Turismo.
20: p. 772-796, 2011.
DONALDSON, T., PRESTON, L. E. The Stakeholder Theory of the Corporation: Concepts,
Evidence, and Implications. Academy of Management Review. 20 (1): p. 65-91. 1965.
FONSECA, M. A. P., COSTA, A. A. A racionalidade da urbanização turística em áreas
deprimidas: o espaço produzido para o visitante. Scripta Nova: revista electrónica de geografía y

250 Actores en disputa


ciencias sociales. 9 (194) (en línea), publicado en 2005. http://www.ub.edu/geocrit/sn/sn-194-
114.htm, acceso 2 de febrero de 2012.
FREEMAN, R. E. Strategic Management: A Stakeholder Approach. Boston: Pitman, 1984.
GARCÍA-ANDREU, H. Sociedad, Turismo y Medio Ambiente: Una Propuesta desde
la Sociología para el Diagnóstico y Reorientación del Municipios Turístico-Residenciales
del Litoral Español. Tesis doctoral, Departamento de Sociología I, Universidad de Alicante,
Alicante, 2008.
GARCÍA-ANDREU, H., ALEDO, A., ORTIZ, G. Análisis de mapas causales de impactos
del turismo residencial. Empiria. Revista de metodología de Ciencias Sociales. 20: 61-86, 2010.
GAVIRIA, M. Urbanismo del ocio. Ciudad y Territorio. 2: 19-33, 1969.
GAVIRIA, M. España a Go-Go: turismo chárter y neocolonialismo del espacio. Madrid: Turner,
1974.
GAVIRIA, M. El turismo de invierno y el asentamiento de extranjeros en la provincia de Alicante.
Alicante: Instituto de Estudios Alicantinos, Diputación Provincial de Alicante, 1976.
GIDDENS, A. The Constitution of Society. Berkeley: University of California Press, 1984.
GUSTAFSON, P. Retirement Migration and Transnational Lifestyles. Aging & Society. 21(4):
371–394, 2001.
GUSTAFSON, P. Tourism and Seasonal Retirement Migration. Annals of Tourism Research. 29:
p. 899–918, 2002.
HANDS, D. W. Reflection without rules: economic methodology and contemporary sciencetheory.
Cambridge: Cambridge University Press, 2001.
HIERNAUX, D. A. Las segundas residencias en México. Un balance. México: PyV, 2010.
HIERNAUX, D. A. La promoción inmobiliaria y el turismo residencial: el caso mexicano.  Scripta
Nova: revista electrónica de geografía y ciencias sociales. 9 (194) (en línea), 2005. http://www.
ub.edu/geocrit/sn/sn-194-05.htm, acceso 3 de marzo de 2012.
HOLSTON, J. The Misrule of Law: Land and Usurpation in Brazil. Comparative Studies in
Society and History. 33 (4): 695-725, 1991.
JACKIEWICZ, E., CRAINE, J. Destination Panama: An examination of the migration-
tourism-foreign investment nexus. Recreation and Society in Africa, Asia & Latin America. 1(1):
5-29, 2010.
JURDAO, F. España en Venta: Compra de Suelos por Extranjeros y Colonización de Campesinos en
la Costa del Sol. Madrid: Ayuso, 1979.
JURDAO, F., SÁNCHEZ, M.S. España, asilo de Europa. Barcelona: Ed. Planeta, 1990.
KING, A. D. Buildings and society: essays on the social development of the built environment.
Londres: Routledge, 1980.
KONDO, A. L., LATERZA, B. L. Complexos turístico-residenciais: uma investigação sobre a
situação e as perspectivas deste mercado no nordeste brasileiro. Trabajo fin de carrera, Centro
Universitário Senac, Campus Santo Amaro, São Paulo, Brasil, 2008.
KRELL, J. Autonomia municipal no Brasil e na Alemanha. Uma visão comparativa. Jus
Navigandi, Teresina. 4 (37): 1-27, 1999.

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 251
LANQUAR, R. Turismo, Migraciones y Codesarrollo. Revista Internacional de Sociología (RIS).
LXV(48): 221-241, 2007.
LOLOUM, T. Con-dominium. Turismo residencial internacional y desarrollo inmobiliario en
el Nordeste brasileño. Tesis de Máster, Planificación Integrada para el Desarrollo Local y la
Gestión Ambiental, Universidad de Lleida/CIHEAM, Zaragoza.
MARZANO, G., SCOTT, N. Stakeholder power in destination branding: a methodological
discussion. International Conference on Destination Branding and Marketing for Regional Tourism
Development. 8-10: 203-213, 2010.
MASON, P. Tourism, impacts, planning and management. Londres: Elsevier, 2008.
MATTEUCCI, X., LUND-DURLACHER, D., BEYER, M. The Socio-Economic and
Environmental Impacts of Second Home Tourism. En: KELLER, P., BIEGER, T. (eds.). Real
estate and destination development in tourism: Successful strategies and instruments. Berlin: Erich
Schmidt, 2008.
MAZÓN, T., ANTONIO, A. El Dilema del Turismo Residencial: ¿Turismo o Desarrollo
Inmobiliario? En: MAZÓN, T., ALEDO, A. (eds.). Turismo Residencial y Cambio Social: Nuevas
Perspectivas Teóricas y Empíricas. Alicante: Aguaclara, 2005.
MAZÓN, T. Inquiring into Residential Tourism: The Costa Blanca Case. Tourism and
Hospitality Planning & Development. 3(2): 89–97, 2006.
MCWATTERS, M. Residential Tourism: (De)constructing Paradise. Bristol: Channel View
Publication, 2009.
MONTI, E. La crisis económica internacional de 2008 y el turismo: efectos y medidas de
respuesta en Rio Grande do Norte, Brasil. Investigaciones Turísticas. 1 (1): 93-106, 2011.
NOGUÉS, A. M. Quizás una Cuestión de Topología Social: Moebius, La Interculturalidad y
los Residentes Europeos en Alicante. Revista Valenciana d’Etnologia. 2:33–58, 2007.
O’REILLY, K. The British on the Costa del Sol: Transnational Identities and Local Communities.
Londres: Routledge, 2000.
O’REILLY, K. The Rural Idyll, Residential Tourism, and the Spirit of Lifestyle Migration.
Artículo presentado en la ASA Conference, 10 - 13 Abril. Londres: London Metropolitan
University, 2007.
ORTIZ, G. Participación Ciudadana, Investigación Social y Desarrollo Local: Una Propuesta
Metodológica Aplicada a un Municipio Turístico-Residencial. Tesis Doctoral, Departamento
de Sociología I, Universidad de Alicante, Alicante, 2009.
PESQUEUX, Y. Présentation. En: BONNAFOUS-BOUCHER, M., PESQUEUX, Y. (eds.).
Décider avec les parties prenantes.Approches d’une nouvelle théorie de la société civil. Paris: La
découverte, 2006.
RAMÍREZ, R. Stakeholder analysis and conflict management. En: BUCKLES, D. (ed.).
Cultivating peace:  Conflict and Collaboration in Natural Resource Management. Washington:
World Bank Publications, 1999.
RIBEIRO, L. C. Estudo comparativo sobre o papel das atividades imobiliárias na transformação do
espaço social das metrópoles nordestinas: Salvador, Recife, Natal e Fortaleza. Informe de investigación.

252 Actores en disputa


Rio Grande do Norte: Observatório das Metrópoles (en línea), 2009. http://www.cchla.ufrn.br/
rmnatal/relatorio/finalimobiliarioturisticomai09.pdf , acceso 4 de agosto de 2011
SHEEHAN, L., RITCHIE, J. R. B. Destination stakeholders exploring identity and salience.
Annals of Tourism Research. 32(3): 711-734, 2005.
SILVA, A. F. C. O Litoral e a Metropole: Dinâmica imobiliária, Turismo e Expansão Urbana
na Região Metropolitana de Natal-RN. Tesis Doctoral, Arquitetura e Urbanismo, Universidade
Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
SMITH, V. Hosts and Guests: The Anthropology of Tourism. Filadelfia: University of Pennsylvania
Press, 1989.
URRY, J. Sociology beyond societies: mobilities for the twenty-first century. Londres: Routledge,
2000.
WADDOCK, S., BOYLE, M.-E. The Dynamic of Change in Corporate Community
Relations. California Management Review. 37 (4): 125-140, 1995.
WESTERHEIJDEN, D. The substance of shadow. A critique of power measurement methods.
Acta Politica. 1: 39-59, 1987.

Antonio Aledo | Tristan Loloum| Hugo García Andreu| Guadalupe Ortiz 253
Participação dos trabalhadores informais
no planejamento turístico: a realidade da
praia de Ponta Negra, Natal/RN/Brasil

Sinthya Pinheiro Costa1


| Kerlei Eniele Sonaglio2

INTRODUÇÃO
O crescimento das práticas de turismo colabora para o crescimento
de diversos setores que dão sustentação a esta atividade. Assim, desenvolve-se
o setor hoteleiro, de restauração, de transporte e os serviços paralelos como o
trabalho informal, que assim como os demais setores participa ativamente da
dinâmica da atividade turística. No Brasil, essa “dinâmica” relacionada ao tra-
balho informal é mais intensificada em áreas litorâneas, uma vez que são nesses
espaços que o turismo tem acontecido em maior escala.
O turismo em áreas costeiras vem se destacando como a atividade com
maior índice de crescimento da última década em diversos países do mundo.
O Brasil, por sua vez, possui uma área litorânea com extensão de 8.500 Km, o
que propicia o fato de ter o “turismo de sol e mar” como principal segmento
do mercado turístico. No nordeste do País, Natal, capital do estado do Rio
Grande do Norte, é detentora de nove praias urbanas, sendo a mais famosa e
cartão postal da cidade, a praia de Ponta Negra.
Por ser a praia de mais expressividade no turismo potiguar, tal praia
tornou-se o objeto/cenário deste estudo, que buscou entender como os comer-
ciantes ambulantes que trabalham na praia de Ponta Negra (Natal/RN)

1 Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestre em Turismo
pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Doutoranda em Turismo na Universidade
Federal do Rio Grande do Norte. Docente no Instituto Federal de Alagoas. E-mail: sinthyap@
terra.com.br.
2 Bacharel em Turismo pela Escola Superior de Turismo e Hotelaria de Florianópolis. Mestre e
Doutora em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina. Docente na
graduação em Turismo e no Programa de Pós-graduação em Turismo da Universidade Federal do
Rio Grande do Norte. E-mail: kerlei@ufrnet.br.

254
percebem sua participação no planejamento do turismo local e como eles com-
preendem este processo. Para tanto, buscou-se caracterizar a economia infor-
mal com foco no comércio ambulante; descrever a estrutura e funcionamento
do planejamento do turismo no âmbito da cidade de Natal/RN; e identificar
como se dá a participação dos ambulantes no processo do planejamento turís-
tico. A seleção dos indivíduos que participaram da pesquisa foi conduzida de
tal forma que os resultados da amostra permitiram avaliar as características da
população investigada.
Ressalta-se que a população dos comerciantes ambulantes que atuam
na praia de Ponta Negra - Natal/RN é desconhecida em termos quantitativos,
principalmente pela ausência de dados que contabilizem esses trabalhadores e
devido à rotatividade dos mesmos entre as praias do litoral natalense. Por este
motivo é que se recorreu à técnica de amostragem não-aleatória através do
método por julgamento, definindo uma amostra com 90 respondentes.
Foram estabelecidos critérios que corroboram com o julgamento de
tipicidade da população em análise nesta pesquisa, sendo eles: a) Ser comer-
ciante ambulante; b) Ser maior de 18 anos; c) Comercializar produtos na Praia
de Ponta Negra – Natal/RN; d) Comercializar produtos legais, tais como: bebi-
das, alimentos, bijuterias e roupas; e) Não possuir ponto de venda constituído.
Além da pesquisa bibliográfica em meios físicos, como livros, jornais
e artigos científicos, foi realizada também a pesquisa eletrônica e documental
como forma de identificação das estruturas do turismo no âmbito municipal.
Outra técnica utilizada foi a aplicação de questionário que permitiu analisar
aspectos subjetivos e objetivos e por isso esta técnica é indicada em pesquisas
sociais. Neste estudo, foi aplicado um questionário misto, ou seja, com questões
dissertativas e objetivas (PRESTES, 2008).
A análise dos dados dos questionários foi realizada pelo Software
Sphinx. Este recurso informático foi utilizado para a análise dos dados qua-
litativos gerando os gráficos e tabelas que são necessários para identificação
dos comerciantes ambulantes, bem como para a compreensão das questões
dissertativas. Para as respostas às questões fechadas do questionário, ele opera a
partir de análise estatística. Já nas abertas, o sistema utiliza a técnica da análise
de conteúdo.

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 255


A ECONOMIA INFORMAL NO BRASIL: UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA
Com o acúmulo de riquezas provenientes da inserção do capitalismo
na economia mundial ocorreu a intensificação da divisão de classes sociais e do
mercado. “O desenvolvimento acarretado pela mundialização do capital não
representou crescimento equânime para todas as nações envolvidas nas transa-
ções estabelecidas neste contexto” (OLIVEIRA, 2009, p. 40). Por conseguinte,
refletiu diretamente no aumento das desigualdades socioeconômicas.
De acordo com Harvey (2009), a acumulação flexível fruto da ativi-
dade capitalista é marcada por um confronto direto com a rigidez do for-
dismo. Enquanto este é caracterizado pelos mercados estáveis, racionalidade
técnico-científico, produção em massa (etc.), aquele se apóia na flexibilidade
dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões
de consumo, resultando assim no surgimento de setores de produção inteira-
mente novos, novas maneiras de fornecimento de serviços financeiros, novos
mercados e, sobretudo, taxas altamente intensificadas de inovação comercial,
tecnológica e organizacional.
Considerando-se as principais mudanças econômicas, sociais e cultu-
rais que têm acontecido desde o final do século XX, em nível mundial, tais
como os novos hábitos e comportamentos dos consumidores, as novas relações
de trabalho e de produção, decorrentes do processo de mundialização e do
desenvolvimento de novas técnicas e tecnologias de produção, de informati-
zação; os postos de trabalho foram reduzidos significativamente provocando
uma série de alterações na economia mundial (CLEPS, 2009).
Estamos diante da instabilidade econômica e da ausência do Estado
em dar respostas contundentes ao desemprego. Desta forma, os trabalhadores
convergem para o uso do próprio trabalho, inserindo-se em atividades atípi-
cas, como o comércio informal, como fuga ao desemprego (CACCIAMALI;
SILVA, 2003). Compreender a economia informal é essencial para redimen-
sionar o Estado e fazê-lo cumprir com o seu papel: garantir desenvolvimento
e promover o bem estar e a qualidade de vida dos cidadãos. Cabe aos políticos
e na iniciativa privada, que veem no fenômeno apenas uma conduta ilegal a ser
reprimida, adaptar a sua visão à nova realidade econômica.
A (i)legalidade do ambulante não é explícita pelas autoridades, assim
é produzido um campo de ação onde a (in)formalidade é negociada. O
comércio ambulante não só é “producto de la debilidade del Estado sino como

256 Participação dos trabalhadores


una relación contradictoria, conflictiva e incluso conciliadora entre las organizacio-
nes de comerciantes ambulantes y las acciones deliberadas de las agencias estatales”
(LONDOÑO, 2010, p.197).
Os ambulantes fazem parte de um setor da economia que vem se esta-
belecendo nos espaços geográficos, sendo responsáveis pela criação e recria-
ção de inúmeros territórios. À semelhança de outras formas de auto-emprego,
a venda ambulante é, sobretudo, praticada em família (ou entre co-residen-
tes), de acordo com ritmos específicos e com as urgências de cada momento.
Assume uma grande importância para a comunidade já que é uma forma de
auto-emprego. A escolha por este tipo de comércio se constitui como modo de
vida e dele é que decorre a subsistência familiar.

A PARTICIPAÇÃO COMO BASE PARA O PLANEJAMENTO TURÍSTICO


O processo de planejamento para o turismo tem como finalidade orde-
nar as ações humanas sobre uma localidade turística, de forma adequada, evi-
tando efeitos negativos que possam destruir ou afetar a sua atratividade. É
notório e evidente uma das principais características do planejamento é a pre-
visão de estratégias a serem desenvolvidas no futuro que visem minimizar os
impactos para as localidades que utilizam o turismo como gerador de dividen-
dos. Contudo, Hall (2001) afirma que planejar o turismo não significa apenas
decidir quais serão as ações futuras a serem desenvolvidas em certas comunida-
des. Para ele o planejamento é algo muito mais complexo que apenas definição
de ações. O planejamento turístico não se refere apenas (e especificamente) à
divulgação e ao desenvolvimento do setor, embora estes sejam aspectos impor-
tantes. Este tende a ser um amálgama que une economia, sociedade, política e
meio ambiente, não havendo um planejamento único do turismo.
Neste sentido, o poder público se estabelece como elemento articulador
na busca de formulação de estratégias de planejamento que integre as diversas
áreas impactadas com a atividade turística. Todavia, a sociedade civil, elemento
indubitável na composição do “amálgama” do planejamento passa a ser negli-
genciada pelos planejadores. Hall (2001, p.43) afirma que “(...) residentes de
destinos turísticos não se envolvem na tomada de decisões e processos de pla-
nejamento que cercam o desenvolvimento do turismo”. E segue afirmando “se
quisermos atingir um verdadeiro envolvimento público no planejamento, tal
abordagem exigirá que os órgãos tomadores de decisão solicitem e considerem
ativamente as atitudes da comunidade” (p. 62).

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 257


Corroborando com o citado, Marcelo Lopes de Souza, em seu livro
“Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos”
é categórico quando afirma que:
(...) um planejamento crítico, enquanto pesquisa científica apli-
cada, deve, por um lado, manter-se vigilante diante do senso
comum, desafiando-o e buscando ultrapassá-lo ao interrogar
o não-interrogado e duvidar de certezas não questionadas; ao
mesmo tempo, um planejamento crítico não-arrogante não
pode simplesmente ignorar os ‘saberes locais’ e os ‘mundos da
vida’ (Lebenswelten) dos homens e mulheres concretos, como se
as aspirações e necessidades destes devessem ser definidas por
outros que não eles mesmos (SOUZA, 2010, p. 180).
Para o autor, a utilização dos “saberes locais” contribui para a formu-
lação das ações do planejamento. Apesar do autor se referir ao planejamento
urbano, essa afirmação se enquadra perfeitamente ao turístico, especialmente
em áreas litorâneas, onde esse acontece de maneira mais intensa. Assim, o
simples ato de ignorar a opinião dos residentes pode constituir-se em grande
imbróglio para o planejamento. Mobilizar, portanto é convocar as vontades
das pessoas que compõem o meio social para que o processo de execução de
um projeto de desenvolvimento local conte com o engajamento necessário do
maior número de membros da comunidade, a fim de compartilhá-lo e distri-
buí-lo de modo que as pessoas sintam-se co-responsáveis por ele e passem a
agir em conjunto com os demais atores na tentativa de realizá-lo.
Jenkins (1993) identificou alguns empecilhos à participação popular
no planejamento turístico, sendo eles:
• a população geralmente tem dificuldade em compreender questões de
planejamento complexas e técnicas;
• nem sempre a comunidade está ciente do processo de tomada de deci-
sões, nem o compreende;
• a dificuldade em obter e manter a representatividade no processo de
tomada de decisões;
• a apatia dos cidadãos;
• o aumento dos custos financeiros e de pessoal;
• o prolongamento do processo de tomada de decisões;
• efeitos negativos sobre a eficiência da tomada de decisões.
Percebe-se que, mesmo com tantos fatores contrários a participação
popular no processo de elaboração de estratégias decorrentes das atividades de

258 Participação dos trabalhadores


planejamento, a importância desses atores é imprescindível. Cabe lembrar que
a maior parte dos cidadãos são apáticos a esses processos por desacreditarem
no formato do planejamento turístico e na credibilidade do poder público.
Quanto aos aspectos técnicos, estes devem se moldar ao público que participa.
Assim, em momentos de planejamento participativo, devem-se atrelar à visão
técnica as sugestões e solicitações da comunidade local, promovendo um diá-
logo entre as partes interessadas.
O turismo deve ser desenvolvido em uma perspectiva complexa onde
todas as pessoas possam participar garantindo assim, o direito a liberdade
e estabelecendo uma democracia justa e igualitária. “É preciso destacar que
existem diversas metodologias e técnicas de planejamento participativo, mas
nenhuma poderá ser aplicada sem ser adaptada de acordo com a realidade
de cada município” (WALKOWSKI, 2008, p. 29). O planejamento “de cima
para baixo”, centralizador e inibidor da participação ativa da população deve
ser evitado [sendo usado apenas em situações de extrema necessidade onde
a linearidade não possa prevalecer], dando espaço a uma nova conjuntura do
planejamento, que opere com a ajuda dos cidadãos locais em busca de um
benefício comum: o desenvolvimento sustentável do turismo nas comunidades
receptoras.

O COMÉRCIO AMBULANTE ENQUANTO CONTRIBUINTE


DO TURISMO LOCAL – PONTA NEGRA
Com uma faixa de terra de mais de 3 quilômetros de extensão, a praia
de Ponta Negra (Natal/RN) acolhe inúmeras de pessoas que circulam dia-
riamente nas suas areias, seja por razões de trabalho ou passeio. Estes indiví-
duos disputam espaço ao sol entre barracas, cadeiras, quiosques, comerciantes
ambulantes e demais transeuntes. Em seu entorno encontram-se quase 200
meios de hospedagem, que juntos oferecem aproximadamente 10 mil leitos,
além de “mais de 50 restaurantes, (...) dezenas de bares cuja quantidade exata
é difícil contabilizar, em função da expansão incessante e em larga escala, que
o resultado é atividade turística o ano inteiro” (PREFEITURA DO NATAL,
2011, n/p).
Neste contexto, emerge-se também a economia informal, composta por
unidades produtivas com trabalhadores não regulamentados e com os direitos
trabalhistas não assegurados e representada, em sua maioria, pelos trabalhado-
res “por conta própria”. Dentre eles incluem-se os comerciantes ambulante que

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 259


utilizam os espaços de praia para o desenvolvimento de relações de trabalho,
constituindo-se, muitas vezes, como a opção mais oportuna desses trabalhado-
res para geração de renda e garantia da subsistência familiar.
O comércio ambulante é aquele que acontece na rua, de porta em porta,
nas praias; enfim, onde o trabalhador movimenta-se para venda de seus produ-
tos. Uma característica importante para identificar o “comerciante ambulante”
é o “movimento”, ou seja, este trabalhador movimenta-se durante seu ofício e
não possui “ponto de venda constituído”.
Geralmente o comerciante é o produtor e o vendedor de sua mercado-
ria e geralmente conta com ajuda de familiares para o desempenho das tarefas
diárias. Trabalha de oito a doze horas por dia (TISSI, 2000) e lucra em média
um a dois salários mínimos por mês. Seu trabalho comporta a contradição de
ser uma modalidade de ocupação legalizada, regida pela Lei Nº 6.586, de 6
de novembro de 197 e por vezes confundida com a imagem de “trabalhador
ilegal”.
A ocupação é percebida como inferior e desprovida de poder de deci-
são, o qual seria detido pelos assalariados, por aqueles que têm trabalho com
carteira assinada e são regidos pela legislação trabalhista. Entretanto, o comér-
cio ambulante é resultante da nova ordem política, econômica e social do
mundo, que se apóia nas políticas neoliberais, incitando a competitividade e
provocando, ainda mais, o processo de fragmentação e reestruturação do mer-
cado de trabalho, o qual se torna cada vez mais vulnerável. É notório que o
setor informal existe e que ele abre um leque de oportunidades no mercado de
trabalho, ocupando milhares de pessoas e refletindo significativamente na eco-
nomia do país, seja em escala mundial, nacional, regional ou local. As jornadas
de trabalho, geralmente, são árduas e a situação vivida, via de regra, é precária.
Além disso, é necessário (con)viver em um espaço desarmônico, heterogêneo e
contraditório, em meio a intensa dinamicidade.
Então, é pautada na necessidade de se rever a imagem que os pla-
nejadores têm dos comerciantes ambulantes que se justifica a necessidade de
estudos com esta temática. Corrobora-se com Souza (2010, p. 118) quando
este afirma ser necessário rever o olhar e atitude dos “planejadores de gabi-
nete” sobre o papel da comunidade no processo decisório do turismo e que é
preciso “(...) desmistificar o planejamento e a gestão, tirando-os de seu pedes-
tal e questionando os privilégios exagerados e o autoritarismo que giram em
torno do discurso competente a propósito desse campo”. A essa luz, justifica-se

260 Participação dos trabalhadores


a necessidade de inclusão dos ambulantes no processo de planejamento do
turismo, como forma de “tirar o planejamento do seu pedestal” ao incorporar
atores até então excluídos do processo.
Para o autor, não se pode, por hipótese nenhuma, ignorar os sabe-
res locais e a vivência do mundo dos homens e mulheres concretos, ou seja,
os partícipes da sociedade que vivem a realidade e são peças fundamentais
para contribuir com as ações a que se propõe o planejamento, visto que, na
atual concretude, apenas os formais são relacionados. Assim sendo, todas as
esferas devem ser ouvidas no processo de planejamento turístico, inclusive os
ambulantes com os seus “saberes locais” que singularizam e justificam a sua
importância.
O planejamento deve perpassar pela questão humana no sentido feno-
menológico que cerca essa relação. A interação de cada pessoa com o meio
modifica suas representações, e por isso ela é tão dinâmica, pois o ser humano
é construído através do social, devendo abrir-se para novas possibilidades, des-
construindo até suas certezas mais antigas.

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO
PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE NATAL/RN
O modelo de gestão descentralizada, proposto pelo Ministério do
Turismo e em vigência no Brasil, possibilita que estados e municípios elabo-
rem ações para o desenvolvimento do turismo local, embasando-se nos dire-
cionamentos do governo federal e tendo como marco de referência o Plano
Nacional de Turismo e demais publicações ministeriais. Desta forma, as ins-
tâncias de governança regionais passam a ter mais poder e autonomia no pla-
nejamento e gestão do turismo. Essas instâncias são representadas pelos órgãos
oficiais de turismo, em seus âmbitos estaduais e municipais.
No Rio Grande do Norte, a SETUR – Secretaria Turismo do Estado
do Rio Grande do Norte é o órgão responsável pela elaboração das ações de
desenvolvimento do turismo. Dentre as principais competências desse, podem-
-se destacar (SETUR, 2014a, n/p):
- formular a política de turismo do Estado;
- desenvolver estudos e pesquisas para avaliar a sua potenciali-
dade turística;
- articular-se com os municípios e os demais órgãos da adminis-
tração estadual, com o objetivo de desenvolver a infra-estrutura

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 261


de saneamento básico, transportes e energia nas áreas de ativida-
des turísticas;
- promover ações voltadas para a ocupação da infra-estrutura de
turismo do estado, especialmente nos períodos de baixa estação.
Essas competências são desempenhadas por meios de quatro ações
norteadoras do desenvolvimento do turismo no estado, sendo elas: programa
de desenvolvimento do turismo, programa de interiorização do turismo, pro-
grama qualificação e diversificação do produto turístico e programa marketing
turístico do Rio Grande do Norte. A partir do delineamento de cada uma
dessas ações é que são planejadas as ações específicas que contribuem para o
desenvolvimento da atividade.
No âmbito estadual, o Rio Grande do Norte conta também com o
Conselho Estadual de Turismo – CONETUR – sendo este um órgão cole-
giado com caráter consultivo e vinculado a SETUR. Esse Conselho é respon-
sável por “propor diretrizes, oferecer subsídios e contribuir para a formulação
e implementação da Política Estadual de Turismo” (SETUR, 2014b, n/p). O
mesmo é composto por 2 representantes (1 titular e 1 suplente) das princi-
pais organizações de turismo do estado do RN, embasando-se no que propõe
o MTur na sua política de descentralização e fortalecimento das instâncias
regionais do turismo. A composição do conselho é apresentada no quadro 1.

Instituição/Representante

Banco do Nordeste do Brasil


Caixa Econômica Federal
INFRAERO
EMPROTUR - Empresa Potiguar de Promoção Turística do RN
IDEMA - Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente
SEPLAN - Secretaria de Estado de Planejamento e Finanças
SESED - Secretaria de Estado de Defesa Social
SETUR - Secretaria de Estado do Turismo
Polo Agreste/Trairi
Polo Costa Branca
Polo Costa das Dunas
Polo Seridó
Polo Serrano
Município do Natal
Município de Tibau do Sul

262 Participação dos trabalhadores


ABRASEL - Associação Brasileira de Bares e Restaurantes
ABRAJET - Associação Brasileira dos Jornalistas e Escritores de Turismo do RN
ABAV - Associação Brasileira das Agências de Viagem do RN
ABIH - Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do RN
ABEOC - Associação Brasileira das Empresas de Eventos do RN
ASHTEP - Associação dos Hoteleiros de Tibau do Sul e Pipa
FCDL - Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do RN
FECOMERCIO - Federação do Comércio do Estado do RN
Natal Convention&Visitors Bureau
Polo Via Costeira
SEBRAE - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do RN
SINDETUR - Sindicato das Empresas de Turismo do RN
SHRBS - Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do RN
SINDBUGGY - Sindicato dos Bugueiros Profissionais do RN
SINGTUR - Sindicato dos Guias de Turismo do RN
FCC - Faculdade Câmara Cascudo
FORNATUR - Fórum Nacional dos Cursos Superiores de Turismo e Hotelaria
Fundação Seridó
IFRN - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do RN
Ong Resposta
Quadro 1: Membros do Conselho Estadual de Turismo/RN
Fonte: SETUR, 2014c.

No tocante ao planejamento do turismo na esfera estadual, observa-


-se a presença de dois órgãos que de maneira integrada, definem, estrutu-
ram e implementam o turismo norteriograndense. Desta forma as políticas
do turismo do Estado são desenvolvidas com vistas a minimizar as possíveis
discrepâncias existentes, tendo como marco de referência as deliberações do
MTur para o turismo brasileiro. Na esfera municipal, os órgãos oficiais de
turismo são os responsáveis pela criação de ambientes de discussão e refle-
xão adequados às suas respectivas escalas territoriais, constituindo-se como
elo entre o município turístico, o estado e o ministério. Na cidade do Natal/
RN este órgão oficial é a Secretaria Municipal de Turismo e Desenvolvimento
Econômico – SETURDE, cujas atribuições estão voltadas para
definir as diretrizes para o desenvolvimento econômico tendo
como principal indutor a atividade; promover o turismo dando
o suporte institucional para a integração social e econômica
com os demais setores da sociedade, estimulando a dinâmica

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 263


e a capacitação dos recursos voltados para a atividade; planejar,
organizar, executar as ações na área do turismo, de forma inte-
grada com as demais secretarias e instituições públicas e priva-
das; elaborar, com a participação das entidades representativas
da sociedade, propostas para a política de desenvolvimento eco-
nômico do Município; (...) exercer outras atividades correlatas
(SETURDE, 2014, n/p).
Além dessa secretaria municipal, a cidade do Natal, destino indutor
do Rio Grande do Norte junto com o município de Tibau do Sul, conta tam-
bém com o Conselho Municipal de Turismo – CONTUR, criado em 30 de
dezembro de 2009, pela Lei nº 6.027. Este conselho é um “órgão deliberativo,
consultivo, fiscalizador e de controle social da Política Municipal de Turismo”
(DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO - DOM, 2009, p. 1), estando vin-
culado a SETURDE. Este conselho tem composição paritária entre o Poder
Público, órgãos representativos do turismo e trabalhadores do setor turístico.
Possui 36 membros, entre representantes das três esferas (Poder Público;
Iniciativa Privada e Empresas fomentadoras do Turismo; e Representantes dos
Sindicatos, Associações e Cooperativas de Trabalhadores da Área de Turismo),
conforme descrito no quadro 2.

Instituição/Representante
SETURDE - Secretaria Municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico
SEJEL - Secretaria Municipal da Juventude, do Esporte e do Lazer
FUNCARTE - Fundação Cultural Capitania das Artes
SEMDES - Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social
SEMTAS - Secretaria Municipal de Trabalho e Assistência Social
Poder Legislativo Municipal
Governo do Estado do Rio Grande do Norte
Segmentos de hotéis, bares, restaurantes e similares
Instituições formadoras de profissionais para o turismo
Segmento de agências de viagens
Segmento de turismo náutico
Segmento de empresas de turismo e eventos
Segmento do comércio
Segmento financeiro fomentador da atividade turística
Segmento de artesão
Segmento de bugueiros

264 Participação dos trabalhadores


Segmento dos guias de turismo
Segmento dos condutores autônomos de veículos rodoviários
Preparadores de comidas típicas;
Segmento artístico e promotores culturais
Segmento dos trabalhadores de hotéis, bares, restaurantes e similares
Quadro 2: Representantes do Conselho Municipal de Turismo
Fonte: DOM, 2009.

O Conselho deve reunir-se, ordinariamente, uma vez por mês e extra-


ordinariamente sempre que necessário, por convocação do Presidente, na
forma que vier a ser definida no Regimento Interno. A falta de reuniões deste
conselho tem impossibilitado o desenvolvimento de ações mais consistentes.
Além disso, a burocracia na troca dos representantes (cada troca deve ser publi-
cada no diário oficial do município para que seja realizada efetivamente) con-
tribui e muito para o funcionamento desarticulado e ineficiente do conselho.
Contudo, faz-se mister considerar que a atividade turística no Rio Grande do
Norte, e em particular em Natal, encontra-se razoavelmente estruturada (se
comparado a outros destinos no Norte/Nordeste do País) o que corrobora para
que o turismo seja desenvolvido levando-se em consideração o que se anseia
para o destino e referenciando-se no planejamento participativo - mesmo que
muitas vezes este esteja focado, sobretudo, nas esferas administrativas.
É a partir da existência dessas relações de “poder” que se configuram
cada vez mais presentes no planejamento turístico municipal, que se busca
encontrar formas de inserir os atores do comércio ambulante e suas subjeti-
vações, já que estes, uma vez participantes da dinâmica do turismo, não são
representados nos conselhos tampouco nas demais instâncias de governança.

A “PARTICIPAÇÃO” DOS COMERCIANTES


AMBULANTES NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO
A análise da estrutura e funcionamento do planejamento turístico no
âmbito local evidencia a ausência de representatividade de alguns atores que,
fazendo parte da dinâmica da atividade turística, deveriam ser incluídas no
processo de elaboração de ações e tomadas de decisões. A não participação
constitui-se como um severo equívoco para o planejamento, uma vez que, para
o pleno funcionamento de um destino turístico, é necessário que haja intera-
ção entre o turista e os atores locais, acarretando assim no desenvolvimento
sustentável da atividade. Autores como Beni (2001), Ruschmann (1999), Hall

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 265


(2001), Souza (2010) e Walkowski (2008) corroboram com a afirmativa de que
a comunidade necessita participar do planejamento já que seus “saberes locais”,
sua vivências cotidianas, seus anseios e realizações, são de extrema importância
para a definição de ações em benefício do turismo e da comunidade local.
Neste sentido, os quadros apresentados ao longo deste texto, mostram
os atores sociais que compõe a estrutura do turismo brasileiro (em especial
no RN) e dão significado ao planejamento por meio de reuniões que visam a
organização e gestão estratégica do turismo em nível local/regional. Contudo,
apesar de nestas reuniões existirem representatividade de muitas classes que
estão envolvidas com o turismo, algumas representações como a da comu-
nidade local, artesãos, comerciantes ambulantes e profissionais de saúde não
possuem assentos na maioria dos conselhos e fóruns, o que impossibilita o
desenvolvimento harmônico e proveitoso para estas partes.
É sabido que o secretário municipal de turismo, por exemplo, é respon-
sável por defender os direitos dos cidadãos, já que naquele momento simbo-
liza o prefeito que foi eleito pelo povo como representante de seus interesses.
Contudo não há articulação que consiga pleitear os anseios de uma comuni-
dade ou de um bairro como um todo, uma vez que as necessidades são perce-
bidas pelos moradores ou pelos conselhos comunitários e/ou associações de
bairro, já que estes vivenciam a realidade. Aos representantes municipais, cabe
solucionar os problemas mais aparentes ou aqueles que chegam por intermédio
dos representantes ao seu conhecimento.
À luz desse pressuposto, o planejamento precisa ser entendido como
algo que envolve o trabalho cooperativo, não dependendo somente de uma
ou outra camada da sociedade, com ações individualizadas, e não apenas pau-
tada nos conhecimentos técnicos. Neste sentido, a inserção dos comerciantes
ambulantes (sujeitos desta pesquisa) no planejamento tende a contribuir com
o desenvolvimento do turismo, uma vez que, enquanto participantes da dinâ-
mica desta atividade, eles tendem a conhecer com mais realismo as necessida-
des e a visão do turista acerca do destino.
Entretanto, foi percebido durante o contato com os comerciantes
ambulantes de Ponta Negra/RN, que a maioria deles nunca ouviu falar em
“planejamento turístico” e não sabem como o mesmo funciona. De 90 res-
pondentes, apenas 20 afirmaram já ter ouvido falar em planejamento turístico,
um número inexpressivo, principalmente se for analisado que Natal/RN é um

266 Participação dos trabalhadores


destino turístico que está em crescimento e que dispõe de diversos conselhos
que organizam o turismo municipal.
Ao passo que, se for levado em consideração que um comerciante
ambulante de artesanato, por exemplo, pode estar associado em alguma asso-
ciação de artesãos e que estes possuem representatividade no conselho muni-
cipal, o desconhecimento acerca do assunto “planejamento turístico” reafirma
o fato de haver debilidades no processo participativo do turismo na região em
questão.
Também requer atenção o fato dos comerciantes ambulantes não se
sentirem parte integrante do planejamento, nem enquanto trabalhadores e
nem como cidadãos em busca de melhorias efetivas para sua localidade e, con-
sequentemente, para si mesmos. Por conseguinte, isto pode explicar a ausência
de partes interessadas nas audiências públicas que antecedem as ações de pla-
nejamento, já que essas acreditam que, “uma vez elegendo representantes, sua
missão, já está cumprida”. Assim, cada vez mais os trabalhadores se mostram
insatisfeitos com as decisões tomadas contra a classe, embora nada seja feito
por eles para melhorar a situação através da participação social.
Outro ponto que merece destaque diz respeito a opinião popular acerca
do desenvolvimento do turismo em Natal/RN; 86% dos ambulantes pesqui-
sados afirmaram nunca terem sido consultados sobre o turismo em Natal/RN
(gráfico 01). Isso mostra que além de não participarem do planejamento, a opi-
nião desses trabalhadores não é levada em consideração nem mesmo em pes-
quisas, contrariando o afirmado na literatura da área que mostra a importância
da participação popular para o desenvolvimento dos municípios turísticos.

Gráfico 01: Consultas sobre o desenvolvimento turístico em Natal.


Fonte: dados do estudo, 2012.

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 267


Outro detalhe que também merece atenção no gráfico 01 diz respeito
aos 14% que afirmaram terem sido consultados pelo menos uma vez sobre o
desenvolvimento do turismo. Ao darem o “sim” para o quesito em análise, os
ambulantes davam às pesquisadoras como justificativa o fato de algumas alu-
nas de universidade (não sabiam dizer de qual universidade) terem conversado
com eles na praia em razão de uma pesquisa sobre qual marketing que eles
utilizavam para vender seus produtos. Observa-se então que o foco das pes-
quisas em questão não era a consulta sobre o desenvolvimento da cidade, do
turismo ou do trabalho, mas sim trabalhos de conclusão de curso que tivessem
os ambulantes como possíveis sujeitos da pesquisa em temas específicos.
Desta forma, é possível verifica-se que mais de 86% dos ambulantes
nunca foram consultados quanto ao turismo em Natal/RN, tampouco acerca
de outros assuntos que envolvam o município. Todavia, é necessário que se
tenha em mente e se perceba a importância dos atores sociais nas decisões
sobre o futuro de uma atividade ou de um município. Afinal, são estes atores
quem detém o conhecimento da comunidade, eles reconhecem os anseios da
classe trabalhadora e vivenciam a realidade cotidiana. Sob esta ótica, infere-se
que eles percebem (à sua maneira) e detém informações acerca de um ele-
mento fundamental no processo de planejamento: o diagnóstico real da situa-
ção. Contudo, este conhecimento só é possível devido às relações sociais ou de
trabalho que se desenvolvem no dia a dia.
Elaborar estratégias para que se insiram estes trabalhadores no mer-
cado formal, dando melhores condições de trabalho e realinhando as políticas
trabalhistas brasileiras, se constitui como opção para minimizar as discrepân-
cias sociais. Cabe lembrar que os comerciantes ambulantes contribuem direta-
mente com o turismo, quando negociam seus produtos aos turistas. Estes, como
descrito pelos entrevistados, são os principais compradores e incentivadores da
atividade ambulante, portanto, é necessário que se insiram estes trabalhado-
res nas políticas de turismo, proporcionando a eles qualificação, treinamento,
oportunidades e o direito de trabalhar e de garantir a sobrevivência familiar.
Isto incorrerá diretamente na garantia da qualidade dos serviços prestados aos
turistas e no desenvolvimento efetivo do turismo.
Pela pesquisa, constatou-se que os comerciantes ambulantes reconhe-
cem tanto a sua condição de informalidade, como a ausência de contribuição
do seu trabalho para o governo. Contudo, analisando os discursos e observando
o comportamento dos trabalhadores no seu local de trabalho, verificamos que

268 Participação dos trabalhadores


poucas são as atitudes de mudanças a que eles se propõem. Ao invés de busca-
rem melhorias para a sua vida, estes trabalhadores possuem atitudes reativas,
ficando sempre no aguardo dos benefícios sociais a que podem ser acometidos.
Além disso, acreditam que toda modificação na estrutura do trabalho deve
partir do governo e não deles. Contudo, é preciso que entendamos que apenas
o trabalho conjunto do governo com os comerciantes ambulantes é capaz de
modificar esse pensamento.
Por acreditar que a união entre a gestão pública e os atores sociais
se constitui como de extrema importância para o planejamento do turismo e
seu consequente desenvolvimento sustentável, foi elaborado o quadro 03 que
resume as conclusões obtidas a partir desta pesquisa.

Quadro03: Esquema figurativo: considerações finais da pesquisa.


Fonte: dados do estudo, 2012.

Em suma, os conhecimentos dos atores sociais devem ser utilizadas


desde o processo de elaboração de ações até a sua implementação, a partir
da identificação das necessidades, transformação em objetivos, participa-
ção na tomada de decisão e valorização desses atores. Essas são algumas das
maneiras de utilização dos saberes locais no planejamento turístico. A inser-
ção dos comerciantes ambulantes, enquanto atores sociais do turismo, precisa
ser reconhecida como um avanço para o planejamento da atividade, uma vez
que, enquanto sujeitos que se encontram em contato direto com os turistas,
esses passam a compreender as necessidades destes, se constituindo como fer-
ramenta fundamental na contribuição para o desenvolvimento do turismo.

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 269


CONSIDERAÇÕES FINAIS
Os trabalhadores informais sempre ocuparam os espaços públicos e
não raro são vistos como um excedente da força de trabalho não planejada e
não absorvida pelo mercado. Entretanto, este estudo buscou lançar um novo
olhar para esse público, pretendendo contribuir para compreender suas repre-
sentações sociais acerca do planejamento turístico na Praia de Ponta Negra
(Natal/RN) e então encontrar formas de inseri-los no planejamento do
turismo, visto que são um dos principais atores que contribuem para a dinâ-
mica dessa atividade.
Os dados obtidos refletem uma realidade ainda muito comum no
Brasil: o desconhecimento sobre o que é o planejamento turístico e qual a
importância da participação popular neste processo. Além disso, revelam a
ausência por parte dos planejadores de contato com a sociedade. Ainda que
sejam inegáveis os avanços e melhorias conquistados ao longo dos anos no que
concerne ao estímulo a participação da sociedade no planejamento, há muito a
ser feito para que se possa usufruir deste de forma desejável.
Percebeu-se nesse estudo uma oportunidade para o município definir
uma reorientação do planejamento turístico, a partir da inserção dos atores
sociais – entre eles os comerciantes ambulantes – na vivência do planejamento.
Acredita-se que esta conquista envereda o “fazer turismo” pelos caminhos de
uma política na via da participação popular, desde um simples ato até a incrus-
tação de uma consciência cidadã voltada para o bem estar global, priorizando
obviamente a capacitação técnica, contudo agregando-a ao senso comum e aos
saberes locais.
A compreensão das necessidades dos comerciantes ambulantes que
atuam na dinâmica do turismo, especialmente nas regiões da costa litorânea
brasileira, como o caso de Ponta Negra (Natal/RN) fornece subsídios para
elaboração de estratégias que visem o desenvolvimento do turismo. Isto é con-
seguido a partir de sua inclusão no planejamento turístico, já que possibilita
aos gestores da atividade turística entender como eles estão captando, interpre-
tando e agindo em sua realidade próxima: o espaço litorâneo e o turista.
Desta forma, fica ressaltada a importância de se ter oportunidade de
participação para os representantes das comunidades locais e agentes dina-
mizadores do turismo nas reuniões de planejamento, constituindo um ver-
dadeiro planejamento participativo. A mesma coisa acontece com os demais

270 Participação dos trabalhadores


participantes da dinâmica do turismo, que por não terem representatividade,
deixam de serem ouvidos e de serem beneficiados com ações decorrentes do
planejamento.
Diante desta realidade, o desafio que se coloca é transformar os cida-
dãos em verdadeiros conselheiros, evitando o distanciamento entre os mes-
mos e aprendendo que o processo não é um ato isolado e sim da coletividade
visando a qualidade de vida para todos.

REFERÊNCIAS
ASHTON, M. S. G. Parque floresta imperial: espaço de turismo e lazer destinado a visitantes
e residentes. In: CÂNDIDO, L. A.; ZOTTIS, A. M. (Orgs.). Turismo: múltiplas abordagens.
Novo Hamburgo: Feevale, 2008.
BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. São Paulo: SENAC, 2001.
BRASIL. Lei nº 6.585, de 06 de novembro de 1978. Classifica o comerciante ambulante para fins
trabalhistas e previdenciários. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/1970-
1979/L6586.htm Acesso em: 05 ago 2014.
CACCIAMALI, M. C.; SILVA, M. de F. Mais informalidade, menos cidadania: os efeitos
criados por esse círculo vicioso sobre a formulação da política social na América Latina. Caderno
Prolam. São Paulo, ano 2, vol. 2, 2003.
CLEPS, G. D. G. Comércio informal e a produção do espaço urbano em Uberlândia (MG).
Sociedade & Natureza, Uberlândia, 21 (3): 327-339, dez. 2009.
CRUZ, R. de C. Política de turismo e território. São Paulo: Contexto, 2001.
DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO - DOM. Poder Executivo. Ano IX - nº. 1713 - Natal/
RN Quinta-feira, 31 de dezembro de 2009.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1991.
HALL, C.M. Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. São Paulo: Contexto,
2001.
HARVEY, D. A condição pós-moderna. 18 ed. São Paulo: Loyola, 2009.
JENKINS, J. Tourism policy in rural New South Wales – policy and research priorities.
Geojournal, 29 (3):281-90, 1993.
LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia. São Paulo: Atlas, 1991.
LONDOÑO, D. A. S. Comercio ambulante en el Centro Histórico de la ciudad de México
(1990-2007). Revista Mexicana de Sociología, 72, núm. 2 (abril-junio, 2010): 195-224. México,
D. F. ISS N: 0188-2503/10/07202-01.
OLIVEIRA, J.de D. Trabalhadores por conta própria: o trabalho dos vendedores ambulantes da
passarela do Natal Shopping e do Via Direta. Natal: UFRN, 2009. 90 f. Dissertação (Mestrado
em Serviço Social) – Programa de Pós Graduação em Serviço Social, Universidade Federal do
Rio Grande do Norte, Natal, 2009.
PREFEITURA DO NATAL. Turismo impulsiona Ponta Negra. Disponível em: <http://turismo.
natal.rn.gov.br/roteiros/ctd-17.html>. Acesso em: 22 mar 2011.

Sinthya Pinheiro Costa | Kerlei Eniele Sonaglio 271


PRESTES, M. L. de M.A pesquisa e a construção do conhecimento científico: do planejamento aos
textos, da escola à academia. 3 ed. São Paulo: Rêspel, 2008.
RUSCHMANN, D. V. de M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente.
Campinas: Papirus, 1999.
SECRETARIA DE TURISMO DO RN – SETUR/RN. Conheça a história da Secretaria
Estadual de Turismo do RN. Disponível em: <http://www.natalbrasil.tur.br/setur_conhecaasetur.
php>. Acesso em: 05 ago2014a.
SECRETARIA DE TURISMO DO RN – SETUR/RN. O Conselho Estadual de Turismo –
Conetur. Disponível em: <http://www.natalbrasil.tur.br/setur_conetur.php>. Acesso em: 05 ago
2014b.
SECRETARIA MUNICIPAL DE TURISMO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
– SETURDE. Atribuições da SETURDE. Disponível em: <http://www.natal.rn.gov.br/seturde/
paginas/ctd-792.html>. Acesso em: 05 ago 2014.
SOUZA, M. L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio
de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.
TISSI, M. C. Deficiência e trabalho no setor informal: considerações sobre processos de inclusão
e exclusão social. Saúde e sociedade. Vol.9 nº.1-2 São Paulo Jan./Dec. 2000. ISSN 0104-1290.
WALKOWSKI, M. da C. O processo participativo no planejamento turístico do espaço rural de
Alfredo Wagner-SC. Florianópolis: UFSC, 2008. 140 f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e
Urbanismo) - Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal
de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

272 Participação dos trabalhadores


O turismo como fator de contribuição
para a proteção e função social do
patrimônio natural da humanidade

Gloria Maria Widmer1


| Ana Júlia de Souza Melo2

INTRODUÇÃO
Entendido em síntese como o conjunto de princípios e normas que
se destinam a ordenar a vida em sociedade, o Direito relaciona-se aos mais
variados momentos e ações do ser humano para com seus semelhantes, para
com o ambiente, ou para com seus bens, sejam estes particulares, ou compo-
nentes do patrimônio público, a exemplo de bens municipais, estaduais, ou
nacionais. Dentre os bens públicos, muitos são utilizados como destinações
turísticas, a exemplo de determinadas unidades de conservação da natureza,
como Parques Nacionais e Áreas de Proteção Ambiental, além de praias, rios,
cavernas, ou ainda edificações de características histórico-culturais relevantes,
como museus, fortificações, entre outros.
Esta realidade acaba por conduzir também a atividade turística, enten-
dida como o conjunto de relações sociais e ambientais que ocorrem em um
momento específico de viagem, de deslocamento para espaços alheios ao
cotidiano, à necessidade de observar normas do Direito. Ressalta-se, entre-
tanto, que as normas do Direito não existem apenas para impor penalidades,
tampouco possuem objetivos exclusivos de punição a transgressores. Além
dessa vertente, mais divulgada e conhecida, caracterizada por mecanismos de

1 Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação - Turismo e Lazer pela Universidade de São Paulo.
Advogada pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Bacharel em Turismo pela Universidade
de São Paulo. Professora Adjunta do Departamento de Hotelaria e Turismo da Universidade
Federal de Pernambuco - UFPE. E-mail: gmwidmer@uol.com.br
2 Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi. Mestre em Turismo,
Planejamento e Gestão Ambiental e Cultural pela Universidade Anhanguera. Licenciada
em Educação Física pela Universidade Federal de Pernambuco. Professora Assistente do
Departamento de Hotelaria e Turismo da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. E-mail:
anjutur@gmail.com

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 273


reparação da ordem social, há também normas legais que priorizam a preven-
ção. Sob este enfoque, o Direito pode apresentar relevantes contribuições para
o planejamento e desenvolvimento da atividade turística frente aos atrativos e
espaços dos quais o Turismo necessita para existir.
Essa linha de raciocínio contribui para a lembrança de um conjunto de
normas brasileiras relacionadas a assuntos como educação ambiental, criação
de unidades de conservação da natureza, tombamento de bens histórico-cultu-
rais, uso e ocupação dos solos, incentivos fiscais e de crédito, entre outras nor-
mas que têm funcionado como aliadas para o planejamento e desenvolvimento
da atividade turística nos espaços do território brasileiro. Realidade não apenas
no Brasil, o uso de normas como instrumentos que auxiliam no planejamento e
desenvolvimento do Turismo transcende fronteiras e une países com objetivos
comuns, a exemplo dos países-membros da Organização Mundial do Turismo.
Em um mundo cada vez mais globalizado e interdependente, tam-
bém é possível observar normas internacionais que podem contribuir para o
planejamento e a organização do Turismo, por mais que tenham sido criadas
para fins diversos aos de regulamentação da atividade turística, ou por organis-
mos internacionais que não apresentem relação direta com a atividade. Neste
contexto, pode-se mencionar norma internacional relacionada à proteção dos
bens da natureza e da cultura que se configuram como de interesse de toda a
humanidade: a Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e
Natural, instituída pela UNESCO, em 1972 e objeto de análise deste trabalho,
especificamente no que se refere a aspectos pertinentes ao Patrimônio Natural
da Humanidade.

A CONVENÇÃO PARA A PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO


MUNDIAL: CONTEÚDO E FUNCIONAMENTO QUANTO
AO PATRIMÔNIO NATURAL DA HUMANIDADE
A Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial consiste em
documento jurídico de caráter internacional, instituído durante a 17ª sessão
da Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação,
Ciência e Cultura – UNESCO, realizada de 17 de outubro a 21 de novembro
de 1972, em Paris. Tem como principal objetivo tentar proteger da destruição
bens naturais e culturais que apresentem valor excepcional para a comunidade
mundial.

274 O turismo como fator de contribuição


Responsável até o ano de 2012 pela inscrição de 962 sítios mundiais
em lista conhecida pelos nomes de “Lista do Patrimônio da Humanidade”,
ou “Lista do Patrimônio Mundial”, dos quais 745 são culturais, 188 naturais
e 29 mistos, a referida convenção é composta por 38 artigos que podem ser
divididos da seguinte forma: delimitação dos patrimônios a que se refere a
Convenção; organizações internacionais ligadas à Convenção; e formas de
proteção aos bens mundiais.
Apesar de tratar de bens naturais e culturais de interesse e importân-
cia mundial, a análise a seguir recairá apenas sobre os tópicos da Convenção
relacionados ao Patrimônio Natural da Humanidade, de modo a permitir a
seguinte abordagem: delimitação do Patrimônio Natural a que se refere a
Convenção; organizações internacionais ligadas ao Patrimônio Natural da
Humanidade; e formas de proteção ao Patrimônio Natural Mundial.

Delimitação do Patrimônio Natural a que se refere a Convenção


A Convenção estabelece, em seu artigo 2º, os bens componentes do
patrimônio natural sobre os quais poderão incidir suas disposições:
Art. 2º - Para os fins da presente Convenção, são considerados
patrimônio natural:
os monumentos naturais constituídos por formações físicas
e biológicas ou por conjuntos de formações de valor universal
excepcional do ponto de vista estético ou científico;
as formações geológicas e fisiográficas, e as zonas estritamente
delimitadas que constituam habitat de espécies animais e vege-
tais ameaçadas de valor universal excepcional do ponto de vista
estético ou científico;
os lugares notáveis naturais ou as áreas naturais estritamente
delimitadas detentoras de valor universal excepcional do ponto
de vista da ciência, da conservação ou da beleza natural.
O artigo em questão expressa a preocupação da Convenção em con-
templar as áreas naturais delimitadas e não delimitadas, apesar de conferir
maior atenção às áreas estritamente delimitadas, citando-as por duas vezes
seguidas em seu texto. Aplicando-se esta expressão à realidade brasileira,
pode-se entender como áreas naturais estritamente delimitadas aquelas que
constituem Unidades de Conservação da Natureza, a exemplo de Parques
Nacionais, Estações Ecológicas, Áreas de Proteção Ambiental, Reservas de

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 275


Desenvolvimento Sustentável, entre outras, que no caso brasileiro constituem,
seja isoladamente ou em conjunto, a totalidade de sítios naturais inscritos na
Lista do Patrimônio Mundial.
O segundo item utilizado pela Convenção para delimitar o patrimônio
natural sob sua abrangência também permite perceber que a preocupação não
se limita apenas à proteção de uma paisagem natural. Neste item, a Convenção
explicita sua preocupação com espécies animais e vegetais ameaçadas e que,
por tais circunstâncias, podem fazer de seus habitats um ambiente de valor
universal excepcional também no que se refere à conservação de espécies.
Ainda, para melhor entendimento deste artigo, cabem algumas exem-
plificações. Assim, podem ser caracterizados como monumentos naturais
constituídos por formações físicas e biológicas de valor universal excepcional
as Ilhas Galápagos, no Equador. Quanto às formações que constituam habitats
de espécies animais e vegetais ameaçados, pode-se citar a Grande Barreira de
Corais, na Austrália. Já os lugares notáveis e as áreas naturais estritamente
delimitadas podem ser exemplificados por intermédio do Parque Nacional de
Yellowstone, nos EUA.

Organizações Internacionais ligadas ao


Patrimônio Natural da Humanidade
A Convenção também apresenta os organismos internacionais res-
ponsáveis por sua execução na esfera do Patrimônio Natural da Humanidade.
São eles: o Comitê do Patrimônio Mundial e a União Internacional para a
Conservação da Natureza e seus Recursos (UICN).
Quanto ao Comitê do Patrimônio Mundial, é formado por repre-
sentantes de governos de vários Estados-partes da Convenção. A ele cabe
organizar, atualizar e publicar a Lista do Patrimônio Mundial e a Lista do
Patrimônio Mundial em Perigo, bem como deliberar sobre a inclusão de um
bem em qualquer uma dessas listas.
No que se refere à União Internacional para a Conservação da Natureza
(UICN), consiste em uma organização composta por mais de mil organizações
e milhares de cientistas e pesquisadores. Tem como missão agrupar Estados,
organizações governamentais e não governamentais, nacionais e internacio-
nais, além de cientistas, em movimento de cooperação mundial pela conserva-
ção dos recursos naturais e pelo desenvolvimento sustentável. A UICN apóia
e desenvolve pesquisas que envolvam a conservação da natureza, implementa

276 O turismo como fator de contribuição


projetos, investiga áreas em perigo e aplica práticas relacionadas a políticas
participativas, ocasiões em que contribui para promover o diálogo entre gover-
nos, sociedade civil e setor privado. Também busca a compreensão e reconhe-
cimento por parte dos países e povos sobre a necessidade de se promover o uso
sustentável dos recursos naturais existentes.

Formas de Proteção ao Patrimônio Natural Mundial


A Convenção estabelece ser predominantemente do Estado-parte
a função de proteger o bem representante do Patrimônio Mundial presente
em seu território, cabendo à coletividade internacional auxiliar nessa função,
porém de modo que seu auxílio não substitua a ação do Estado-parte, mas sim
de forma que a complemente.
Nesse sentido, a Convenção estabelece as ações que entende ser de
responsabilidade dos Estados-parte para a proteção em âmbito nacional do
Patrimônio Mundial presente em seu território. Dentre elas estão, conforme
artigo 4º do referido documento, as funções de identificar, delimitar, conservar,
valorizar e transmitir às futuras gerações este patrimônio.
Como procedimentos para atingir tais fins, o artigo 5º elenca uma lista
de ações, a cargo do Estado-parte, conforme disposto a seguir:
Art. 5º - A fim de assegurar proteção e conservação eficazes e
valorizar de forma ativa o patrimônio cultural e natural situado
em seu território e em condições adequadas aos países, cada
Estado-parte da presente Convenção empenhar-se-á em:
a) adotar uma política geral com vistas a atribuir função ao patri-
mônio cultural e natural na vida coletiva e a integrar sua proteção
aos programas de planejamento;
b) instituir no seu território, caso não existam, um órgão (ou
vários órgãos) de proteção, conservação ou valorização do patri-
mônio cultural e natural, dotados de pessoal capacitado, que dis-
ponha de meios que lhe permitam desempenhar suas atribuições;
c) desenvolver estudos, pesquisas científicas e técnicas e aperfei-
çoar os métodos de intervenção que permitam ao Estado enfren-
tar os perigos ao patrimônio cultural ou natural;
d) tomar as medidas jurídicas, científicas, técnicas, administra-
tivas e financeiras cabíveis para identificar, proteger, conservar,
valorizar e reabilitar o patrimônio;

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 277


e) fomentar a criação ou o desenvolvimento de centros nacionais
ou regionais de formação em matéria de proteção, conservação
ou valorização do patrimônio cultural e natural e estimular a pes-
quisa científica nesse campo.
Quanto às formas internacionais de proteção ditadas pela Convenção,
consistem em um sistema de cooperação e de assistência internacional desti-
nado a auxiliar de forma secundária os esforços empreendidos pelos Estados-
partes para conservar seus patrimônios. Sob a ótica desse sistema de cooperação
e assistência, as formas de proteção internacional disponibilizadas pela
Convenção são: auxílio financeiro, assistência técnica e assistência educacional.
No que se refere ao auxílio financeiro, pode ocorrer tanto por meio de
empréstimos com juros reduzidos, sem juros, ou reembolsáveis a longo prazo
(artigo 22, item “e”), como por meio de doações (artigo 22, item “f ”). O auxílio
financeiro é prestado com recursos do Fundo do Patrimônio Mundial, cujo
funcionamento é descrito pelos artigos 15 a 18 da Convenção.
A quantia total recebida a cada ano pelo Fundo é da ordem de pouco
mais de US$ 4 milhões (DIAS, 2010), o que se considera um valor modesto
frente à quantidade de ações que demandam os recursos: prover cooperação
técnica, desenvolver atividades promocionais e educativas, incentivar a forma-
ção de especialistas, socorrer bens que necessitem de recuperação, ou que este-
jam em perigo eminente de desaparecer, entre outras.
Frente a esse quadro, o Comitê do Patrimônio Mundial, órgão respon-
sável pelo gerenciamento do Fundo, precisa estabelecer uma ordem de prio-
ridades para a destinação de recursos, conforme estabelecido no item 4 do
artigo 13 da Convenção. Tal ordem de prioridades leva em conta a importância
do bem solicitante dos recursos frente à comunidade mundial, a necessidade
de garantir assistência a outros bens, a urgência das medidas a serem empre-
endidas e em que medida a salvaguarda do bem poderia ser assegurada por
meios próprios do Estado em que está localizado. Desta forma, a prioridade de
assistência recai normalmente sobre os sítios mais ameaçados, que figuram ou
estão passíveis de figurar na Lista do Patrimônio Mundial em Perigo (SILVA,
2003).
Quanto à assistência técnica, corresponde ao atendimento a solicita-
ções de auxílio feitas pelos Estados-partes, no que diz respeito a projetos des-
tinados a conservar bens que se pretende inscrever, ou que estejam inscritos
na Lista do Patrimônio Mundial. De modo geral, essa categoria de assistência

278 O turismo como fator de contribuição


assume as formas de realização de estudos, ou de disponibilização de pessoal
técnico, conforme previsto no art. 22, itens “a” e “b” da Convenção, como segue:
a. estudos dos problemas artísticos, científicos e técnicos levan-
tados quanto à proteção, à conservação, à valorização e à reabili-
tação do patrimônio cultural e natural, conforme o definido nos
parágrafos 2 e 4 do artigo 11 da presente Convenção;
b. disponibilização de peritos, técnicos e mão-de-obra qualifi-
cada para garantir a correta execução do projeto aprovado.
Como exemplo deste tipo de assistência, pode-se citar os estudos
desenvolvidos para o Parque Nacional de Royal Chitwan, no Nepal, onde exis-
tem cerca de 400 rinocerontes característicos do sul da Ásia, em vias de extin-
ção. No fim da década de 1990, o governo do Nepal pretendia realizar obras
para o desvio do Rio Rapti, visando a irrigação de terras. Em função de estudos
realizados pela UICN, que concluíram que o desvio do rio traria sérios danos
a espécies ribeirinhas que serviam de alimento para os rinocerontes do parque,
o governo nepalês abandonou o projeto.
Já quanto à assistência educacional, caracteriza-se pela contribuição
na formação de especialistas, em todos os níveis, nas áreas de identificação,
proteção, valorização, ou reabilitação do Patrimônio Mundial, bem como pelo
auxílio a centros nacionais ou regionais de formação desses profissionais, con-
forme estabelecido nos artigos 22, item “c” e 23 da Convenção.

AS FORMAS DE PROTEÇÃO NACIONAL ADOTADAS NO BRASIL


O Brasil não apresentou dificuldades para aderir à Convenção do
Patrimônio Mundial. Além de já possuir alguns dos requisitos de proteção
entendidos como de responsabilidade nacional antes de se tornar Estado-
parte, também terminou por ampliá-los ou atualizá-los depois de se tornar
signatário da Convenção, em 1 de setembro de 1977 e promulgá-la em âmbito
nacional, por intermédio do Decreto nº 80.978, de 12 de dezembro de 1977.
Dentre as medidas de proteção nacional dispostas no artigo 5º da
Convenção3, cabe considerar que o Brasil já possuía, em 1977, órgãos rela-
cionados à proteção do patrimônio natural nacional, a exemplo da Secretaria
Especial do Meio Ambiente (SEMA), criada em 1973, como resultado das

3 O art. 5º da Convenção encontra-se transcrito no item 1.3 deste capítulo.

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 279


responsabilidades assumidas pelo Brasil para a proteção dos bens naturais na
Conferência de Estocolmo, em 1972. Além disso, também já possuía algumas
medidas de proteção legal, tal como o Código Florestal, instituído pela Lei
Federal nº 4.771, de 15 de setembro de 1965.
Posteriormente à Convenção, novos órgãos públicos surgiram e novas
medidas legais foram adotadas. Dentre eles, destacam-se:
• A Lei Federal nº 6.938/81, considerada um marco do Direito Ambiental
Brasileiro, a partir do qual o país adota posturas mais efetivas na defesa
de seu ambiente. Estabelece a Política Nacional do Meio Ambiente,
seus fins e mecanismos de aplicação. Institui o Sistema Nacional do
Meio Ambiente – SISNAMA e também é responsável por instituir
alguns dos principais instrumentos de proteção ambiental no Brasil,
tais como o zoneamento ambiental, a avaliação de impactos ambientais,
o licenciamento ambiental e os padrões de qualidade ambiental.
• A Lei Federal nº 7.661/88, que estabelece o Plano Nacional de
Gerenciamento Costeiro e visa orientar as formas de desenvolvimento
da costa brasileira, pautando-se pelo zoneamento de usos e atividades
nesse ambiente, bem como pela proteção de recursos naturais caracte-
rísticos, como recifes, ilhas, praias, dunas e manguezais, além daqueles
que integrem seu patrimônio histórico, paleontológico, espeleológico,
arqueológico, étnico, cultural e paisagístico.
• A Constituição Federal Brasileira de 1988, primeira dentre as
Constituições brasileiras a reservar um capítulo inteiro à natureza e
a estabelecer seu uso com base nos fundamentos do desenvolvimento
sustentável, alinhando as questões pertinentes à natureza frente às
necessidades de desenvolvimento social e econômico, por intermédio
de seu artigo 225.
• A Lei Federal nº 7.735/89, responsável pela criação do Instituto
Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis –
IBAMA, que incorporou a Secretaria Especial do Meio Ambiente
- SEMA e as agências federais na área de pesca, borracha e desen-
volvimento florestal. A partir de então, o IBAMA tornou-se o órgão
executor da Política Nacional do Meio Ambiente, atuando para conser-
var, fiscalizar, controlar e fomentar o uso racional dos recursos naturais
brasileiros.
• Lei Federal nº 9.433/97, que institui a Política Nacional de Recursos
Hídricos e cria o sistema nacional de gerenciamento desses recursos.
Define a água como recurso natural limitado, dotado de valor econômico

280 O turismo como fator de contribuição


e cuja gestão deve privilegiar usos múltiplos (consumo, energia, trans-
porte etc). Tem como principal objetivo assegurar à atual e às futuras
gerações a necessária disponibilidade de água, em padrões de qualidade
adequados aos respectivos usos.
• A Lei Federal nº 9.605/98, conhecida como Lei dos Crimes Ambientais
e responsável por elencar as principais condutas criminosas contra o
ambiente, além de estabelecer penas severas, como multas de até R$ 50
milhões pela prática de um único crime ambiental, reparação de danos
e penas privativas de liberdade.
• A Lei Federal nº 9.795/99, que estabelece a Política Nacional de
Educação Ambiental, com objetivos preventivos e não os normalmente
reparadores verificados em relação ao ambiente, tratando dos meca-
nismos considerados formais (escolas, em todos os níveis) e informais
(mídia em geral, trabalhos de ONGs, atividades de ecoturismo) para a
educação ambiental do povo brasileiro.
• Lei Federal nº 9.985/00, que institui o Sistema Nacional de Unidades
de Conservação da Natureza – SNUC, visando orientar o uso dessas
áreas, dividindo-as em dois grupos: as Unidades de Proteção Integral,
que se caracterizam por permitir apenas o uso indireto de seus recursos
naturais, tais como Estações Ecológicas, Parques Nacionais e Reservas
Biológicas; e as Unidades de Uso Sustentável, que objetivam compa-
tibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela
de seus recursos naturais, tais como Áreas de Proteção Ambiental,
Reservas Extrativistas e Reservas Particulares do Patrimônio Natural.
• Lei Federal nº 11.516/07, responsável pela criação do Instituto Chico
Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio, vinculado ao
Ministério do Meio Ambiente, com a finalidade de executar ações
de proposição, implantação, gestão, proteção, fiscalização e monitora-
mento das unidades de conservação instituídas pela União.
• Lei Federal nº 12.651/12, que estabelece normas gerais sobre prote-
ção da vegetação, exploração florestal, suprimento de matéria-prima
florestal, controle da origem dos produtos florestais e controle e pre-
venção dos incêndios florestais, além de prever instrumentos econô-
micos e financeiros para alcançar seus objetivos. Revoga a Lei Federal
nº 4.771/65, que instituía o Código Florestal, tornando-se conhecida
como o novo Código Florestal Brasileiro.

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 281


O PATRIMÔNIO NATURAL DA HUMANIDADE NO BRASIL
Amparado pelas iniciativas de titulação e pelos mecanismos de prote-
ção que adota, o Brasil possui atualmente 19 sítios mundiais em seu território,
dentre os quais 7 classificados como naturais. São eles:
• o Parque Nacional do Iguaçu, que figura como o sítio do Patrimônio
Natural Mundial mais antigo no Brasil, compondo a relação desde 28
de novembro de 1986, pouco mais de dois anos depois de seu vizinho
argentino, o Parque Iguazú, junto com o qual abriga a totalidade das
Cataratas do Iguaçu. Localizado no oeste do Paraná, sua titulação se
fundamenta principalmente por apresentar importante ecossistema ao
redor de rios e quedas d’água de beleza excepcional;
• as Reservas de Mata Atlântica da Costa do Descobrimento, que consis-
tem em um conjunto formado por 8 áreas naturais protegidas: o Parque
Nacional do Descobrimento, o Parque Nacional do Monte Pascoal, o
Parque Nacional Pau-Brasil, a Reserva Biológica do Una, a Reserva
Biológica do Sooretama, a Estação Ecológica de Vera Cruz, a Estação
Experimental Pau-Brasil e a Reserva Florestal de Linhares. Localizadas
na faixa litorânea que vai do norte do Espírito Santo ao sul da Bahia,
foram incorporadas à Lista do Patrimônio Natural da Humanidade em
4 de dezembro de 1999, principalmente pela importância do conjunto
para a conservação do ecossistema de Mata Atlântica remanescente;
• as Reservas de Mata Atlântica do Sudeste, compostas por 5 Áreas de
Proteção Ambiental, 6 Estações Ecológicas, 11 Parques Estaduais, 1
Parque Nacional, 1 Refúgio da Vida Silvestre, 1 Reserva Particular
de Patrimônio Natural, no total de 25 Unidades de Conservação da
Natureza, dispostas pelos Estados de São Paulo e Paraná. Também
titulado em 4 de dezembro de 1999, o conjunto constitui um dos mais
significativos corredores biológicos brasileiros, bem como a maior con-
centração de remanescentes de Mata Atlântica do país;
• o Complexo de Conservação da Amazônia Central, que se formou a
partir da titulação do Parque Nacional do Jaú, no Amazonas, em 30
de novembro de 2000, em função do valor excepcional de sua diver-
sidade biológica. Em 2003 passou por ampliação de sua área original,
incorporando parte da Reserva de Desenvolvimento Sustentável de
Mamirauá, além da Estação Ecológica de Anavilhanas e da Reserva de
Desenvolvimento Sustentável de Amaná;
• as Áreas Protegidas do Pantanal, sítio composto pelo Parque Nacional
do Pantanal e as Reservas Particulares do Patrimônio Natural

282 O turismo como fator de contribuição


denominadas Doroché, Acurizal e Penha. Localizado entre o sudoeste
do Estado de Mato Grosso e noroeste do Estado de Mato Grosso do
Sul, este sítio também foi titulado em 30 de novembro de 2000, espe-
cialmente por constituir paisagem natural espetacular, na qual se desta-
cam ecossistemas de zonas úmidas de água doce;
• as Áreas Protegidas do Cerrado, que compreendem o Parque Nacional
Chapada dos Veadeiros e o Parque Nacional das Emas, ambos localiza-
dos no Estado de Goiás. Tituladas em 16 de dezembro de 2001, guar-
dam um grande mosaico de fauna e flora característica do ecossistema
conhecido como Cerrado;
• as Ilhas Atlânticas Brasileiras, sítio que compreende o Parque Nacional
Marinho de Fernando de Noronha e a Reserva Biológica Marinha
do Atol das Rocas. Também titulado em 16 de dezembro de 2001,
em especial por suas características geomorfológicas, biológicas e
paisagísticas.

O TURISMO E O PATRIMÔNIO NATURAL DA HUMANIDADE


A Convenção do Patrimônio Mundial não é um documento elaborado
por uma organização internacional diretamente ligada ao Turismo, tampouco
se caracteriza como norma cujo objetivo de atenção seja a atividade turística.
Ainda assim, tendo como principal foco de atenção sítios naturais e
culturais de interesse e importância mundiais, acaba por tutelar bens que, sob
a ótica turística, são entendidos como alguns dos principais responsáveis pela
existência da atividade.
Conhecidos na terminologia turística como atrativos turísticos consis-
tem em bens sobre os quais recai interesse de visitação. Em outros termos, o
que faz destes bens elementos de interesse para o Turismo é a atratividade que
eles possuem, ou seja, a capacidade de despertar tamanho interesse nos indi-
víduos, a ponto de fazer com que estes deixem o conforto de suas casas, a vida
cotidiana e conhecida que levam em suas localidades de origem e se desloquem
para outras localidades e realidades, a fim de ver tais bens de perto.
Quando atrativos, a importância destes bens é tão grande para o
Turismo que justifica seu enquadramento como elementos componentes do
que Beni (2007) convencionou chamar de oferta turística original, ou seja, o
conjunto de elementos geradores de interesse de deslocamento nos indivíduos
e, consequentemente, responsável por grande parte da atratividade de locali-
dades consideradas turísticas, ou detentoras de potencial turístico, bem como

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 283


pela existência da oferta turística derivada, a exemplo de meios de hospeda-
gem, restaurantes, agências de turismo receptivo, entre outros equipamentos
que permitem ao turista as condições para se manter por um determinado
tempo na localidade visitada e conhecer seus atrativos.
Ainda quanto à atratividade turística de um bem, considera-se que ela
é proporcional ao interesse de visitação, ou seja, quanto maior for a atrativi-
dade de certo bem, maior deverá ser o interesse de visitação a ele relacionado.
A partir desta premissa e considerando que os indivíduos atraídos disponham,
além do interesse de visitação, de outros fatores relevantes, tais como tempo
livre e recursos financeiros, maior será a possibilidade de que esta conjuntura
se converta em prática turística.
Retornando à Convenção para lembrar que suas preocupações recaem
sobre bens de valor universal excepcional, isto é, bens de importância e inte-
resse inestimáveis para as presentes e futuras gerações, pode-se admitir que
o potencial de atratividade turística destes bens seja enorme, pressupondo a
existência de um público igualmente grande, ávido por conhecê-los.
Sob este ponto de vista, a Convenção e seus mecanismos de listagem
podem acabar funcionando como uma espécie de inventário mundial que esta-
belece tanto os bens de interesse para a humanidade sob a ótica da conservação,
como bens de interesse para o Turismo sob a ótica dos princípios de mercado
e das oportunidades de negócios. Neste contexto, a Convenção propicia tanto
a ordenação relacionada à proteção do Patrimônio da Humanidade, como as
diretrizes para seus usos pela sociedade, dentre os quais o uso turístico, previsto
no art. 11, item 4, que pode ocorrer com base na necessidade de se atribuir ao
Patrimônio Mundial uma função na vida coletiva (art. 5, item 1), pautado por
um desenvolvimento planejado e sustentável.
Identificada no Brasil sob o nome de “função social”, a função na vida
coletiva pode ser entendida como cumprida quando da utilização ou aprovei-
tamento racional de determinado espaço e dos respectivos recursos ambientais
(naturais e culturais) que lhe são integrantes para o bem-estar social e interesse
coletivos (PINTO, 2003).
Sob este enfoque, o Turismo pode muito bem classificar-se como
atividade capaz de atribuir função social ao Patrimônio Natural Mundial.
Primeiramente, porque se utiliza de atrativos naturais como elementos de
grande importância para sua existência, como componentes de sua oferta
original.

284 O turismo como fator de contribuição


Depois, porque o Turismo pode suprir interesses coletivos relacionados
aos sítios componentes do Patrimônio Natural da Humanidade, tanto no que
se refere à proteção, como à valorização destes ambientes detentores de valor
universal excepcional. Como exemplo, pode-se citar as situações em que são
aproveitados membros da comunidade local na estruturação turística da loca-
lidade. Nestes casos, quando realmente orientados, capacitados e incluídos ao
contexto turístico local, os autóctones passam a valorizar, ou a aumentar o grau
de valor que atribuem aos atrativos locais e a se engajar na luta pela proteção e
manutenção destes atrativos.
Também sob o enfoque do Turismo como elemento que propicia inte-
resses coletivos referentes à valorização, cabe ressaltar a própria visitação turís-
tica, intrínseca à existência do Turismo. Afinal, como valorizar o que não se
conhece?
Ainda sobre as qualidades do Turismo como atividade que pode atri-
buir função social aos sítios, também se pode considerar o Turismo como um
elemento que proporciona bem-estar social. Sob a ótica brasileira, o bem-estar
social envolve o conjunto de condições que permitam aos indivíduos certa qua-
lidade de vida, consubstanciada por alguns direitos sociais, preconizados pela
Constituição Federal, em seu artigo 6º: educação, saúde, trabalho, moradia,
lazer, segurança, entre outros. Admitindo-se que “independente de sua função,
a ação turística é, a princípio, um comportamento de liberdade e prazer, realizado
com o máximo grau de autonomia que o indivíduo possui” (BACAL, 2003, p. 107)
e que esta autonomia e prazer com que são realizadas pressupõem o Turismo
como expressão de lazer, aliás, “uma das grandes expressões de lazer da sociedade
capitalista e consumista em que vivemos” (MELO, 2004 p. 105), pode-se verificar
a capacidade que possui para contribuir com o bem-estar social, preenchendo,
assim, os principais requisitos capazes de atribuir função social aos bens com-
ponentes do Patrimônio Natural da Humanidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
A exposição e análise dos principais tópicos pertinentes à Convenção
do Patrimônio Mundial permitem caracterizá-la como norma predominante-
mente preventiva e não reparadora da ordem, no que se refere aos bens por ela
tutelados, quais sejam, os bens componentes do que se convencionou chamar
de Patrimônio Mundial, ou Patrimônio da Humanidade.

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 285


Especificamente no que se refere ao Patrimônio Natural da
Humanidade, é possível verificar que seu conteúdo e funcionamento, pautados
principalmente na delimitação dos bens componentes do Patrimônio Natural
Mundial, organismos ligados a este patrimônio e suas formas de proteção
assumem posturas direcionadas ao planejamento, organização e execução de
ações para a salvaguarda destes bens, de modo a permitir sua continuidade para
as presentes e futuras gerações.
Especificamente no que se refere ao Brasil enquanto Estado-Parte, a
Convenção contribuiu para a identificação e inscrição de 7 sítios brasileiros na
lista dos atuais 188 sítios componentes do Patrimônio Natural da Humanidade.
Ainda, no que diz respeito ao Turismo, a Convenção permite sua
análise e caracterização como uma das atividades que possibilita a estes bens
desempenhar seus papéis na vida coletiva e cumprir suas funções junto à socie-
dade mundial, desde que esta atividade ocorra de forma planejada e seja desen-
volvida com base nos preceitos da sustentabilidade e do direito.

REFERÊNCIAS
BACAL, S. S. Lazer e o universo dos possíveis. São Paulo: Aleph, 2003.
BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. 12 ed. São Paulo: SENAC, 2007.
BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio
Ambiente e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/
leis/l6938.htm>. Acesso em: 5 jun. 2013.
______. Lei nº 7.661, de 16 de maio de 1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento
Costeiro e dá outras providências. Disponível em: < http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/leis/
l7661.htm>. Acesso em: 5 jun. 2013.
______. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http: //www.
planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>.Acesso em: 5 jun. 2013.
______. Lei nº 7.735, de 22 de fevereiro de 1989. Dispõe sobre a extinção de órgão e de entidade
autárquica, cria o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis e
dá outras providências. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7735.htm>.
Acesso em: 5 jun. 2013.
______. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos,
cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos e dá outras providências.
Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9433.htm>. Acesso em: 6 jun.
2013.
______. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas
derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Disponível
em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9605. htm>. Acesso em: 6 jun. 2013.

286 O turismo como fator de contribuição


______. Lei nº 9.797, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a
Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: < http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 6 jun. 2013.
______. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII
da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza
e dá outras providências. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.
htm>. Acesso em: 6 jun. 2013.
______. Lei nº 11.516, de 27 de agosto de 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Chico
Mendes de Conservação da Biodiversidade. Disponível em: <http://www. planalto.gov.br/
ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11516.htm>. Acesso em: 6 jun. 2013.
______. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativae
dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_Ato2011-
2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 6 jun. 2013.
DIAS. C. Do mundo para o mundo. Desafios do Desenvolvimento. Brasília: IPEA. Ano 7. Edição
62. 2010. Edição especial. Disponível em: <http://desafios.ipea.gov.br/index. php?option=com_
content&view=article&id=2338:catid=28&Itemid=23>. Acesso em: 4 jun. 2013.
MELO, A. J. S. Serviços turísticos de lazer aquático em Fernando de Noronha: a participação
da comunidade. 2004. Dissertação (Mestrado em Hospitalidade). Universidade Anhembi
Morumbi, São Paulo.
MILARÉ, E. Direito do ambiente: doutrina, prática, jurisprudência, glossário. 4. ed. São Paulo:
Revista dos Tribunais, 2005.
PINTO, A.C.B. Turismo e meio ambiente: aspectos jurídicos. Campinas: Papirus, 2003.
SILVA, F. F. As cidades brasileiras e o patrimônio cultural da humanidade. São Paulo: USP, 2003.
UNESCO. Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural. Paris, 16 nov.
1972. Disponível em: http://whc.unesco.org/archive/convention-pt.pdf. Acesso em: 2 jun. 2013.
WIDMER, G. M. O título de patrimônio da humanidade e seus efeitos sobre o turismo em Fernando
de Noronha. 2007. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e
Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Gloria Maria Widmer | Ana Júlia de Souza Melo 287


Turismo e o desenvolvimento local: o capital
social e as redes de políticas públicas em foco

Ana Valéria Endres1

INTRODUÇÃO
O turismo é hoje uma das principais atividades para estimular o
desenvolvimento local em qualquer região do Brasil. Afinal, o turismo é uma
atividade econômica e, como tal, as possibilidades de geração de emprego e
renda predominam em seu discurso. Além do mais, seus efeitos e repercussões
ambientais e sociais, diferentemente de outras atividades econômicas, o colo-
cam como uma atividade que possibilita uma maior atenção na conservação
ambiental e, principalmente, como fator de inclusão social pela diversidade de
sua cadeia produtiva.
Neste contexto, a forte ênfase do turismo como fator de desenvolvi-
mento local está presente em todas as políticas colocadas pelo governo fede-
ral para estimular a atividade. Importante observar que as possibilidades de
sucesso destas estão fortemente vinculadas as potencialidades e características
locais, além da capacidade institucional do Estado em criar estruturas de ges-
tão em que a participação de segmentos empresariais e de organizações sociais
permita atingir compromissos permanentes entre a iniciativa privada e o setor
público.
Aliado a estas questões, o que se percebe também no discurso de
exaltação da atividade nas políticas públicas de turismo a partir de 1994, é a
forte inserção de temas que ainda hoje entravam e inibem o desenvolvimento.
Temas inquietantes sobre como minimizar as desigualdades sociais e o desin-
teresse social, como estimular a capacidade política e de gestão a partir de
novos arranjos institucionais, como valorizar o capital humano local e o capital

1 Bacharel em Turismo. Mestre em Planejamento do Desenvolvimento pelo NAEA/UFPA.


Doutora em Sociologia Política da UFSC. Professora Adjunta do Curso de Turismo da UFPB.
Líder do grupo de pesquisa do CNPq “Desenvolvimento, Planejamento e Turismo”.

288
social, estão presentes para fortalecer a aceitação política das ações propostas
pelo governo.
Por esses motivos, este artigo tem como objetivo aprofundar teorica-
mente as categorias “capital social” e “redes de políticas públicas”, tão fortemente
apropriadas por este discurso governamental. Para tanto, será primeiramente
apresentada uma breve contextualização sobre as principais políticas públicas
de turismo que destas categorias fazem uso, para em seguida desenvolver uma
discussão sobre as mesmas e suas possibilidades enquanto práticas que incidam
em um melhor desempenho institucional e, como conseqüência, em prol do
desenvolvimento local.

O CONTEXTO DA ANÁLISE: AS POLÍTICAS


DE TURISMO A PARTIR DE 1994
Muitas são as discussões que tentam projetar as bases conceituais que
levem a um maior entendimento do turismo, principalmente a partir da década
de 50, em função das proporções assumidas por este enquanto fenômeno eco-
nômico e social em vários países do mundo, além dos impactos que dele suscita
e o envolve2. Neste trabalho, o turismo é entendido como:
Um processo completo que vai desde a divulgação correta da
imagem do local a ser alcançado, por meios diversos, pelo turista,
sua permanência e satisfação, até a sua volta ao local de origem,
de modo que a localidade turística permaneça conservada, no
longo prazo, para a continuidade do atendimento qualificado, a
garantia das boas condições de vida da população local e a pre-
servação do meio ambiente envolvido (FARIA; CARNEIRO,
2001, p. 12).
Neste sentido, o turismo tem relação direta com o desenvolvimento
pela garantia dos resultados de sua implantação, que se realiza a partir da
melhoria da qualidade de vida dos habitantes de um país, de uma região ou de
uma localidade.
Pelo prisma da análise política sobre a relação turismo e desenvolvi-
mento, entender o papel do Estado torna-se fundamental. Pois, a ele cabe a
tarefa de propiciar estratégias locais e sustentáveis de desenvolvimento que
procure realizar os objetivos de aumento da produtividade e da competitividade

2 Sobre os impactos econômicos, socioculturais e ambientais ver Youell (2002).

Ana Valéria Endres 289


do sistema produtivo, de melhoria da distribuição de renda e da conservação
dos recursos naturais e do patrimônio histórico e cultural.
Tais estratégias devem ser instrumentadas através de ações que per-
mitam ao Estado uma maior flexibilidade e a complexidade institucional, que
se evidenciam por um ambiente institucional ao qual o setor produtivo está
atrelado, caracterizado por densas redes de relações envolvendo empresas,
instituições de ensino e de pesquisa, associações de empresários, sindicatos
e governos locais que fornecem ao setor econômico específico, possibilidades
de utilizar com maior eficiência os recursos disponíveis e melhorar, assim, sua
competitividade no mercado global. Neste sentido, o Estado deve atuar como
um instrumento que procura integrar e melhorar o comportamento de cada
um dos segmentos que compõe a cadeia produtiva do setor turístico para que
a eficiência dos mesmos possibilite o desenvolvimento em suas bases locais
(BARQUERO, 2001).
Por esta ótica, aprofundar o entendimento de como a atividade turís-
tica pode contribuir para o desenvolvimento local demanda análises sobre
como o Estado, tanto no nível federal, estadual como no municipal, atua na
implementação de suas políticas e como sua atuação repercute no desenvolvi-
mento da atividade e na sociedade. Pois, uma maior flexibilidade e complexi-
dade institucional permitem um melhor trânsito das necessárias inter-relações
entre os outros fatores. De modo oposto, as possibilidades de desenvolvimento
tornam-se distantes em razão das carências e do mau funcionamento dessa
rede institucional.
Na perspectiva de mudanças de métodos de trabalho, em virtude de
um pacto social que faça convergir diversos parceiros, o Estado assume um
papel vital: propor parcerias, criar um ambiente propício à participação carac-
terizado por redes e reformular as instituições. Coerente com esta orientação,
nas políticas de turismo elaboradas a partir da década de 1990, o discurso
de parceria e participação é fortemente adotado pelo governo federal como
um novo método de trabalho para planejar e desenvolver o setor turístico.
E é nesse discurso que foi fundamentado em 1994 o Programa Nacional de
Municipalização do Turismo – PNMT.
Este programa delegava aos outros setores da sociedade a respon-
sabilidade sobre o seu sucesso ou fracasso, através do grau de comprometi-
mento de seus parceiros engajados. Nesta política, motivada pela tendência

290 Turismo e o desenvolvimento local


descentralizadora, as arenas3 eram formatadas a partir da constituição do
Comitê Federal, Comitê Estadual e Conselhos Municipais, sendo estes últi-
mos a base de sustentação de programa para garantir o desenvolvimento sus-
tentável do turismo no local.
A forma de intercâmbio entre essas várias organizações, baseada na
atribuição de tarefas entre os órgãos federais, estaduais e municipais, entre-
meados pela mesma forma de intercâmbio com outros órgãos formais de arti-
culação representados pelo setor não-estatal, distanciou esse programa das
políticas tradicionais e o aproxima de uma dimensão baseada no compromisso
democrático4.
Na substituição em 2002 do PNMT pelo Programa de Regionalização
do Turismo – PRT (BRASIL, 2004), a lógica defendida pelo governo é que
o primeiro, no âmbito municipal, fincou as bases democráticas de diálogo e
cooperação entre atores sociais através de Conselhos, os quais são como esteio
para a realização de um turismo sustentável no local. Assim, considerando
estar o município já “sensibilizado e consciente” para a atividade turística atra-
vés de um planejamento responsável, o PRT agrega tais municípios em regiões,
ligando-os por Roteiros Turísticos. Neste programa, o discurso governamen-
tal defende a ampliação das ações de cooperação e parceria, tornando obri-
gatório para a sua implementação que cada Roteiro tenha a sua Instância de
Governança Regional definida e atuante.
Da mesma forma que no PNMT, no PRT a constituição das redes é
uma imposição de agentes externos ao local, seja, respectivamente, na orienta-
ção de países desenvolvidos para aqueles em desenvolvimento, como na relação
Organização Mundial de Turismo – Ministério do Turismo; seja na imposição

3 O termo arena aqui utilizado tem suas bases nas noções de policy community, policy arena e policy
network. Segundo Celina Souza (2006, p. 32) “as arenas são modelos explicativos para se entender
melhor como e por que o governo faz ou deixa de fazer alguma ação que repercutirá na sociedade.
(...) Este método e referencial teórico partem do estudo de situações concretas para investigar a
integração entre as estruturas presentes e as ações, estratégias, constrangimentos, identidades e
valores. (...) A força deste modelo está na possibilidade de investigação dos padrões das relações
entre indivíduos e grupos”. Sobre policy arena e policy networks ver também Frey (2000).
4 O estudo realizado entre 1996 e 1999, sobre o processo de implementação do PNMT em Belém/
PA (ENDRES, 2001; 2002b), conclui que a proposta para sua implementação e a forma como
esta foi posta em prática possibilitam visualizar a transição paradigmática nas formas de condução
política do Estado, que engloba tanto as características de um planejamento centralizado como de
um planejamento descentralizado caracterizado por redes.

Ana Valéria Endres 291


deste último que condiciona as ações do governo estadual em exigir a formação
das Instâncias e dos grupos de municípios em cumpri-la.
Essas relações são assim condicionadas, pois estes dois programas
enquadram-se no âmbito das políticas chamadas constitutivas ou estruturado-
ras, que segundo Frey (2000, p. 224-225) “determinam as regras do jogo e com
isso as estruturas dos processos e conflitos políticos (...), desenvolvidas e enfa-
ticamente defendidas pelas agências internacionais de desenvolvimento para
aumentar a governabilidade e a eficiência da ‘development administration’ nos
países do terceiro Mundo”. Corroborando essa afirmação, Silva (1998) argu-
menta que há um, processo de “domesticação”, onde esses organismos “indi-
cam” aos países em desenvolvimento quais “reformas” devem ser feitas, onde os
itens descentralização e novos arranjos inter/intra-governamentais devem ser
priorizados para a modernização do Estado.
De maneira geral e diante deste panorama preliminar condicionado
pelos discursos e pelas práticas institucionais que podem ampliar ou redu-
zir possibilidades de sucesso, segue-se uma discussão sobre capital social e as
redes de políticas públicas como possibilidades que repercutam em um melhor
desempenho institucional como condição para o desenvolvimento.

CAPITAL SOCIAL PELA PERSPECTIVA DO DESEMPENHO


INSTITUCIONAL E DOS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO
Para além das diversas linhas teóricas que envolvem o conceito de capi-
tal social (BAQUERO; CREMONESE, 2006), neste artigo tem-se especial
interesse aquela que o vincula às discussões sobre o desenvolvimento e desem-
penho institucional. Pois este caminho teórico vem ao encontro de tentar
entender a sua forte inserção, por instituições multilaterais e formuladores de
políticas públicas, como uma nova ferramenta que vise ampliar melhores pos-
sibilidades de desenvolvimento para os países de terceiro mundo, dentre eles o
Brasil. Imersa neste contexto estão as políticas públicas de turismo, que como
já se disse, são políticas estruturadoras concebidas e financiadas por organiza-
ções internacionais que passam a reconhecer a importância dos fatores insti-
tucionais, das redes sociais e do compromisso cívico como um novo conjunto
de fatores-chave para a sustentabilidade dos programas de desenvolvimento.
Sob esta orientação, “economistas, cientistas políticos e formuladores
de políticas públicas tem a tarefa de explorar ao máximo a sociabilidade como
um antídoto contra o individualismo, a ineficiência burocrática e os custos de

292 Turismo e o desenvolvimento local


transação” (HIGGINS, 2006, p. 22). Cria-se, assim, a partir da década de 90
um foco de atenção às perspectivas de capital social que pode ser chamado
institucionalista. No campo da sociologia, o trabalho de Peter Evans (1993;
2003; 2004) destaca-se na tentativa de discernir o caráter desenvolvimentista
ou predatório de um Estado avaliando a capacidade das instituições públicas
e as relações entre Estado e sociedade. No campo da ciência política, o mais
expoente é o trabalho de Robert Putnam (2005) que discute o capital social a
partir das relações existentes entre comunidade cívica, desempenho institucio-
nal e desenvolvimento econômico.
Em sua obra “Comunidade e democracia: a experiência da Itália
moderna”, Putnam tem como objetivo contribuir para a compreensão do
desempenho das instituições democráticas a partir da análise das condições
que favorecem, ou não, a criação de instituições fortes, responsáveis e eficazes.
Seu campo de estudo foi o processo de reforma descentralizadora desenca-
deado pelo governo italiano no início da década de 1970. Como resultado de
quase duas décadas de estudos, Putnam e seus colaboradores identificaram um
panorama de discrepâncias no desempenho de instituições regionais, através
da avaliação de três indicadores: a continuidade administrativa, as deliberações
sobre as políticas e a implementação das políticas.
Ficou evidente que as regiões do norte da Itália apresentavam um
desempenho claramente superior quando comparado aos do sul. A explicação
dessas diferenças recai sobre a natureza da vida cívica que, segundo o estudo,
tem suas origens no republicanismo comunal do norte e na aristocracia feudal
do sul da Itália medieval. O legado deixado por séculos imprimiu nas regiões
norte e sul, respectivamente, características mais cívicas ou menos cívicas.
Constatou-se que no norte, mais cívico, existe uma enorme vibração da
vida associativa, os cidadãos acompanham assuntos comunitários pelos jornais
e se envolvem nos assuntos públicos, confiam em que todos agem corretamente
e obedecem as leis, os líderes são percebidos como razoavelmente honestos, as
redes sociais e políticas organizam-se horizontalmente e a comunidade valo-
riza a solidariedade, o engajamento cívico, a cooperação e a honestidade. No
sul, ao contrário, a afiliação a associações sociais e culturais é inexpressiva, a
religiosidade substitui o interesse público, a vida pública organiza-se de forma
hierárquica. Para o indivíduo dessas regiões, a coisa pública é problema dos
outros, há pouca participação e espaços para que isso aconteça. Quando há,
a participação é geralmente motivada pelas ambições pessoais, a corrupção é

Ana Valéria Endres 293


norma e as leis servem para serem desobedecidas. Presos neste ciclo vicioso,
quase todos se sentem impotentes, explorados e infelizes.
Ao contrário do que se poderiam imaginar, outras variáveis de explica-
ções para o desempenho institucional, segundo o autor, como a instabilidade
social, os níveis educacionais, o grau de urbanização, a estabilidade de pessoal
ou baixa rotatividade de administradores, ou até mesmo, a atuação do partido
Comunista são inconsistentes. De acordo com ele:
O bom ou mau desempenho dos governos regionais italianos
mostrou-se totalmente desvinculado de quase todos os indica-
dores relativos a fragmentação política, polarização ideológica e
conflito social (...) [sendo] o principal fator que explica o bom
desempenho de um governo é certamente até que ponto a vida
social e política de uma região se aproxima do ideal de comuni-
dade cívica. (...) Assim, quanto mais cívica é uma região, mais
eficaz é seu governo (PUTNAM, 2005, p. 132).
Para além da causalidade histórica proposta, o desempenho institu-
cional nas regiões mais cívicas e menos cívicas da Itália está atrelado também
aos contextos e as estratégias de equilíbrios sociais. Nas regiões menos cívicas,
onde há uma longa trajetória de relações verticais e pouca ou nenhuma con-
fiança mútua, os indivíduos delegam ao Estado a resolução de conflitos, assim,
o Estado possibilita aos seus cidadãos fazerem aquilo que não podem fazer
por conta própria – confiarem uns nos outros (solução hobbeseana com base
na coerção). Neste contexto, a estratégia de equilíbrio estável para dirimir os
dilemas da ação coletiva evidencia-se pela atitude de “jamais cooperar”, afinal,
os atores agem racionalmente a partir das regras colocadas pelo contexto social.
Assim, criam-se círculos viciosos que intensificam a deserção, a desconfiança, a
exploração, o isolamento, a desordem e a estagnação.
Em contraponto, nas regiões mais cívicas, a atitude de cooperação
torna-se racionalmente aceita, na qual as regras de reciprocidade criam círculos
virtuosos que redundam em equilíbrios sociais com elevados níveis de coope-
ração, confiança, civismo e bem-estar coletivo. Neste contexto, “a cooperação
voluntária é mais fácil numa comunidade que tenha herdado um bom estoque
de capital social (...)[o qual] diz respeito a características da organização social,
como confiança, normas e sistemas, que contribuam, para aumentar a eficiên-
cia da sociedade, facilitando as ações coordenadas” (PUTNAM, 2005, p. 177).
Assim, capital social aproxima-se da noção de comunidade cívica.

294 Turismo e o desenvolvimento local


Considerando o bom desempenho institucional a partir de sua variável
dependente, moldadas pela história, eximindo até mesmo o desenvolvimento
econômico, observado mais como um subproduto das regras de reciprocidade
e de sistemas de participação, o trabalho de Putnam torna-se alvo de diversas
críticas. Dentre elas, a de que:
[ele] achata o conceito de capital social e exagera na rigidez do
esquema interpretativo, de modo que é incapaz de ver outras for-
mas de capital social e considerar o fato de que estas são resul-
tado de uma multiplicidade de fatores, que sempre remetem ao
contexto, local e extra-local. (...) [Pois], simplificar o contexto de
referência sem indagar sobre o funcionamento real dos condi-
cionamentos culturais e estruturais das seleções, das possibilida-
des, dos comportamentos dos indivíduos, [arrisca-se] a construir
cadeias causais e proceder a generalizações que podem ser total-
mente arbitrárias (PISELLI, 2003, p. 78, 84).
As críticas de Piselli (2003) partem da perspectiva de que o capital
social é um conceito situacional e dinâmico, que não se refere a um objeto
específico, e que deve ser interpretado, de tempos em tempos, em relação com
os atores, com os fins que estes perseguem e com o contexto em que atuam.
A autora resgata a teoria de Coleman (1998) pela atenção que este dá
aos aspectos organizacionais e as instituições sociais como contextos que con-
dicionam as escolhas e produzem efeitos sistêmicos a partir de intercâmbios
e estruturas de relações que podem envolver recursos – capital social – para
a ação, que seria resultado de estratégias de investimentos orientadas para a
construção e reprodução de relações sociais duradouras, capazes de se reverte-
rem com o tempo, em lucros materiais e simbólicos.
Neste sentido, o capital social é produtivo, é um recurso para a ação
que faz possível ao ator, individual ou coletivo, alcançar certos fins que de outro
modo seriam inalcançáveis, dentre eles, o desenvolvimento econômico. Como
exemplo de capital social como recurso coletivo, Piselli (2003) argumenta
que já existe uma boa literatura sobre grupos étnicos que usam os fortes laços
sociais para o progresso econômico, na medida em que estes conseguem con-
trolar canais particulares de inserção no mercado de trabalho e ocupar espaços
produtivos particulares5.

5 Apesar de ainda não haver referência específica sobre a atividade turística e capital social, es-
tas ações caracterizam a prática do turismo comunitário desenvolvido por algumas comunidades

Ana Valéria Endres 295


Não há como negar que as críticas ao trabalho de Putnam são fruto
de sua afirmação de que o contexto social e a história condicionam profun-
damente o desempenho das instituições. Entretanto, como segunda lição da
experiência italiana, ele afirma que se mudando as instituições formais, pode-
-se mudar a prática política. Nas palavras dele:
A reforma teve conseqüências palpáveis e, em sua maioria, bené-
ficas para a vida política regional. (...) Tanto no Sul como no
Norte, as novas instituições nutriram entre as elites uma cultura
mais moderada, pragmática e tolerante. (...) A reforma modifi-
cou antigas estruturas de poder e produziu uma autêntica auto-
nomia subnacional como jamais se vira na Itália unificada. Tanto
no Sul como no Norte, líderes comunitários e eleitores comuns
consideram o governo regional melhor do que as instituições a
que ele veio substituir – certamente mais acessível e provavel-
mente mais eficaz. A reforma regional propiciou aprendizado
social (PUTNAM, 2005, p. 193).
Ou seja, através de normas e dos procedimentos operacionais típicos
que compõem as instituições, estas deixam sua marca nos resultados políticos
na medida em que estruturam o comportamento político. Elas influenciam os
resultados porque moldam a identidade, o poder e a estratégia dos atores. Este
aspecto que considera o desempenho institucional/capital social como variável
independente, apesar de relegada a um terceiro plano pelo autor, abre possi-
bilidades de mudanças quando se pensa na realidade brasileira. Pois, levar em
conta o capital social apenas como variável dependente, “não haveria no Brasil,
possibilidade alguma de superar os vícios (males de origem) políticos presentes
na história do país6 e alcançarmos a emancipação social, política e econômica
– elementos que o país há muito tempo necessita e almeja” (CREMONESE,
2006, p. 94).
Como alternativa à visão culturalista de Putnam, Peter Evans apre-
senta uma alternativa de que o capital social pode ser desenvolvido, sem

pesqueiras no litoral nordestino.


6 Cremonese (2006) faz um estudo sobre as origens das mazelas políticas do Brasil, caracterizadas
atualmente pela ausência associativa, o individualismo e falta de vocação para a ação coletiva ou
para a cooperação, bem como a ausência de solidariedade social. A origem de tais males é explica-
da a partir dos estudos feitos por Oliveira Vianna, como um traço cultural adquirido pelos colo-
nizadores devido às condições com que se defrontaram no Novo Mundo, e por Sérgio Buarque de
Holanda que vê tais males como herança do personalismo ibérico.

296 Turismo e o desenvolvimento local


necessariamente, ter uma raiz histórica. Ele defende o surgimento da auto-
nomia institucional inserida no cotidiano da sociedade como sendo a fonte de
utilização ótima de recursos disponíveis à coletividade. Ele vê a possibilidade
de uma sinergia entre o público e o privado, capaz de aumentar a capacidade
de intervenção do Estado.
Aqui, considerando o contexto de análise contida na primeira seção
deste artigo, o que nos interessa é essa sinergia entre Estado e sociedade, focada
nas ações complementares entre governos e cidadãos na escala microssocial de
projetos de desenvolvimento (EVANS, 1996, apud HIGGINS, 2006). Aonde
a complementaridade é uma forma convencional de entender as relações de
apoio entre atores públicos e privados que parte da ideia de uma clara divisão
de trabalho, baseada num forte contraste entre instituições públicas e privadas.
Nesse sentido, entende-se que os governos estão obrigados a fornecer certa
classe de bens coletivos que complementam elementos específicos fornecidos
pelos atores privados. Entretanto, a sinergia também possui o aspecto de com-
promisso, que tende a fortalecer os laços entre cidadãos com os funcionários
públicos.
Na perspectiva de agregar complementaridade e compromisso como
formas de se alcançar desenvolvimento econômico e gerar bens coletivos, é
o capital social, a partir das redes políticas e sociais, baseadas na confiança,
que preenchem o vazio entre Estado e sociedade. Assim, a sinergia é vista
como uma possibilidade latente em muitos contextos e que só espera ser tra-
zida à tona pela iniciativa institucional. E, para que o estoque de capital social
possa aparecer, é preciso que exista um conjunto de instituições comprometi-
das. Entretanto, distanciando-se das conclusões tradicionalistas da pesquisa
de Putnam (2005), esta análise institucional está centrada na importância da
descentralização e na abertura das hierarquias burocráticas às iniciativas que
partem de baixo. Assim, a possibilidade de construir sinergia está associada à
possibilidade de modelar as preferências dos atores sociais.
No enfoque neo-institucionalista, principalmente os de vertente
sociológica e histórica (ver também HALL e TAYLOR, 2003), as formas de
entender o mundo e as preferências é resultado de um processo que combina
educação, doutrinamento e experiência. O que,
busca contribuir para o aumento da capacidade dos atores polí-
ticos de compreender o funcionamento das instituições políticas
e, desta maneira, saber conduzi-las de forma mais eficiente. A

Ana Valéria Endres 297


criação e suporte de uma cultura de direito, de identidade, pre-
ferências e recursos, assim como de um sistema de significados
e de compreensão da história ganham destaque, justamente por
serem considerados fundamentais para o bom funcionamento
das instituições (FREY, 2000, p. 251).
Resgatando as ideias de Evans, as instituições do Estado estão em con-
dições de transformar a mentalidade e os interesses dos grupos aos quais se
dirigem os planos de desenvolvimento. Entretanto, esta transformação deve
estar condicionada pela vontade política institucional dos setores reformistas
das burocracias nos países de terceiro mundo em induzir o capital social e
transformar a distribuição dos recursos públicos. E também pela existência
de um entorno de regras claras e respeitadas, no qual as burocracias públicas
possam criar regras eficientes e funcionais para a implementação de projetos
de desenvolvimento (HIGGINS, 2006).
De forma resumida, a ideia de capital social como uma ponte entre as
esferas burocráticas do Estado e a sociedade, parte do entendimento de que há
uma relação de soma positiva, em que as duas partes ganham, configurando um
círculo virtuoso, o qual enfatiza a ideia de cooperação. Porém, não um círculo
repetitivo, mas, de acordo com Higgins (2006), uma circularidade em espiral:
Através das chamadas soft-technologies, ou metodologias que
visam a construir novas formas organizacionais, os agentes públi-
cos tentam, de modo criativo, incidir sobre o capital social de
primeiro nível que está presente no mundo comunitário, tenha
este a forma da confiança ou de normas de reciprocidade. Como
efeito esperado das soft-technologies, cria-se um capital social de
segundo nível, que terá a forma de redes ou organizações que
fazem as vezes de uma ponte permanente entre as instituições
públicas e a sociedade (HIGGINS, 2006, p. 229).
Assim, como forma de aprofundar esta discussão, a próxima seção
propõe-se a apresentar um panorama sobre as redes de políticas públicas no
contexto dos novos arranjos institucionais que permeiam as atuais relações
entre Estado e sociedade. E, a partir das especificidades destas redes, entender
melhor as possibilidades destas em criar estímulos para a geração e ampliação
de capital social e melhor desempenho institucional.

298 Turismo e o desenvolvimento local


AS REDES DE POLÍTICAS PÚBLICAS E A ANÁLISE DE
REDES SOCIAIS: O FOCO NAS RELAÇÕES
A princípio, as redes são constituídas informalmente, para suprir em
geral a lacuna existente entre recursos institucionais disponíveis e problemas
que estariam a exigir uma solução. As múltiplas ligações de uma rede podem
ser caracterizadas através dos elementos que as compõem, como pessoas,
departamentos, organizações formais e informais, etc.; através da forma de
intercâmbio que se estabelece entre as componentes, como: autorização, noti-
ficação, atribuição de tarefas, etc.; através da variedade institucional existente,
como: ampliação da atuação, complexidade, estabilidade, homogeneidade e
flexibilidade; e, do grau de estabilização de suas estruturas, ou seja, se ao lado
do aparato formal existem redes informais interligando pessoas, grupos ou
mesmo diferentes organizações (GARCIA, 1986).
Entretanto, “quando institucionalizadas, constituiriam um arranjo
organizacional intermediário entre a extrema rigidez burocrática e a exagerada
flexibilidade dos grupos informais” (GARCIA, 1986, p. 74). E, para que pos-
sua um grau mínimo de institucionalização, qualquer rede deve apresentar um
compromisso democrático e estar empenhada na realização de algum objetivo
de interesse social. A integração constitui-se em uma atividade que, visando a
solução de algum problema, procura articular vários elementos isolados de um
mesmo sistema ou de sistemas diferentes. A intermediação consiste em colocar
em contato pessoas, necessidades ou interesses que se encontram separados
por desconhecimento ou barreiras burocráticas.
No campo do Estado, as redes representam formas de articulação entre
agências governamentais e/ou destas com redes sociais, organizações priva-
das ou grupos que lhes permitem enfrentar problemas sociais e implementar
políticas públicas. São as chamadas redes institucionais, redes secundárias for-
mais, redes sócio-governamentais, redes locais de inserção ou redes de políticas
públicas (LOILA, MOURA, 1997; KLIJN, 1998), sendo esta última definida
como:
Patrones más o menos estables de relaciones sociales entre acto-
res independientes, que toman forma alrededor de los problemas
y/o de los programas de políticas. Las redes de políticas públicas,
formam el contexto en el que tiene lugar el processo político
(KLIJN, 1998, p. 34).

Ana Valéria Endres 299


No processo político a rede define-se como um mecanismo de coor-
denação horizontal que conta com estruturas mais flexíveis, justamente para
suprir as carências e ineficiências das estruturas rígidas e de coordenação verti-
cal que caracterizam o Estado. De acordo com Lechner (1996), outras caracte-
rísticas que devem sustentar o trabalho em rede é que as interações entre atores
devem ser estabelecidas na confiança mútua e regidas pelas regras negociadas
e aceitas por todos os participantes da rede. A confiança e a coordenação são
seus mecanismos centrais. Para cada rede, deve ser montado um protocolo
específico, os procedimentos que obrigam as partes à definição de uma estra-
tégia de trabalho, incluindo cronograma e uma divisão de tarefas, devendo a
comunicação entre os parceiros ser contínua e realizar-se em todas as direções.
Porém, embora a retórica dos políticos e do Estado mencione insisten-
temente a “participação”, todo o aparato legal que rege o Estado, assim como
os hábitos burocráticos, ainda contradizem intenções e retórica, dificultando
o estabelecimento de parcerias e de redes. Isso por que, os formatos organi-
zacionais propostos para a formação de redes complexas reproduzem padrões
tradicionais que não dão conta da diversidade e da dinâmica que envolve cada
organização.
Segundo Garcia (1986) isso acontece porque, na prática, todo empre-
endimento institucional acaba estruturando-se segundo dois padrões: o das
organizações comerciais típicas e o das organizações burocráticas, ambos pro-
fundamente anti-democráticos. Pois ambos apresentam uma estruturação
básica: fundamentalmente uma relação de poder entre centro – periferia. Essa
forma básica faz com que apenas o centro seja o elemento ativo, ou sujeito da
relação. Essa questão contribui para que dentro das redes exista uma relação
de poder, mesmo que esta seja amortecida e freada pelo propósito de chegar a
decisões compartilhadas.
As relações de poder dentro das redes aparecem também, quando há
uma distribuição assimétrica dos recursos (como saberes específicos, controle
da informação, existência de posições de privilégios e disposição de recursos
financeiros) entre os atores participantes. E que fica aparente quando “permite
a um ou vários atores vetar ou criar obstáculos a decisão que seja contrária aos
seus interesses” (LECHNER, 1996, p. 52). De maneira que, se não ocorrer um
ajuste mútuo dentro das redes, cada ator pode bloquear o acordo ou promover
debates intermináveis, o que pode comprometer a utilização de redes como
instrumento de condução política. E essa é apenas uma das questões.

300 Turismo e o desenvolvimento local


O autor levanta outros problemas que podem acometer o trabalho em
redes dentro das burocracias estatais. Partindo do princípio que são constituí-
das pelos laços de comprometimento e confiança mútua entre seus membros,
as redes são formações relativamente fechadas. Esse fato desencadeia alguns
problemas:
a) Primeiro por que restringe, ao campo das negociações, um número
mínimo de organizações, afastando da arena de debates e de decisões a
grande maioria da sociedade. O que, por um lado, pode levar a rede a ser
subordinada a vínculos clientelistas e distorcer o rumo das negociações
e acertos pretendidos pelas redes. E por outro, já que excluem os grupos
não organizados, as redes podem gerar uma cisão entre Estado e demo-
cracia, pois, “ao se atribuir um consenso tácito aos resultados acordados
pelas redes, renuncia-se à geração de um acordo efetivo do conjunto dos
cidadãos através das instituições representativas” (LECHNER, 1996, p.
53). Essa questão pode revelar, na prática, a rede como um instrumento
pouco democrático.
b) Segundo por que, a busca de estabilidade pretendida pela rede, através
da consolidação dos laços de confiança e comprometimento, inibe con-
flitos e favorece consensos, o que leva a rejeição de ideias inovadoras.
A cumplicidade entre atores para a manutenção da rede também pode
abrir espaço para o conformismo e a inércia, que reduz ou descarta
alternativas e inovações, tornando a rede pouco flexível para adaptar-se
a novas situações.
Além disso, as redes definidas por parcerias entre organizações de natu-
reza diferentes são mais complexas, onde se podem destacar alguns problemas
como: as colisões e desgastes provocados por choques entre universos culturais
diferentes que constituem a bagagem dos parceiros e se traduzem em valores
e ritmos diferentes quanto a padrões éticos e relacionais; as tentativas de colo-
nização ou mesmo canibalismo de um dos parceiros ao invés de cooperação;
as injustiças na divisão de responsabilidades, riscos e lucros; as inabilidades na
gestão dos processos que, certamente, requerem atitudes éticas e habilidades
especiais, com destaque para a negociação (FISCHER et al., 1997, p. 175).
Na tentativa de aprofundar o entendimento sobre as nuances e caracte-
rísticas que as redes expressam, Klijn (1998) resgata as origens teóricas da for-
mação de redes de políticas públicas. Ele analisa perspectivas analíticas como
a da teoria inter-organizacional, fortemente situada na sociologia organizacio-
nal das décadas de 1960 e 70, e na literatura sobre subsistemas e comunidades

Ana Valéria Endres 301


políticas que pertence ao campo da ciência política, fruto das importantes dis-
cussões entre elitistas e pluralistas nas décadas de 1950 e 60.
Segundo ele, destas literaturas provêm as características centrais das
redes de políticas públicas e a chave para seu entendimento. A primeira carac-
terística é que as redes contam com uma grande diversidade de atores, cada um
dos quais possui suas próprias metas. A segunda é a dependência de recursos,
pois os atores são dependentes de outros atores na medida em que necessitam
dos recursos dos mesmos para alcançar suas metas e preferências. As redes
existem e se expandem em função dessa interdependência entre os atores e esta
interdependência gera interações entre estes, criando e sustentando padrões de
relações. E são estes padrões que devem ser analisados.
Tais padrões de relações, pela ótica da teoria inter-organizacional,
podem ser analisados em termos da regularidade da comunicação e interação
a partir dos conceitos como frequência, proximidade e centralidade. Já pela
perspectiva das comunidades políticas esses padrões podem ser percebidos a
partir do elenco de acordos realizados, mais ou menos formalizados. As inves-
tigações neste contexto centram-se também nos tipos de interações que tem
lugar nestes acordos e nas posições de vários atores.
Enfocar o padrão de relações entre os atores, também conduz a enfocar
o tema da institucionalização, pois se os atores interatuam cada um com os
demais durante um longo período de tempo, criam regras que regulam seus
comportamentos e divisões de recursos que influenciam em suas escolhas
estratégicas. Isto significa que os padrões de relações estão caracterizados por
regularidades no comportamento causadas pela existência de regras e divisões
de recursos e a questão que se coloca na análise é em que condições estas regras
e divisões são permutadas.
A partir da contribuição de Klijn (1998), pode-se concluir que a aná-
lise dos processos políticos a partir de uma perspectiva de redes implica uma
atenção especial sobre o padrão de relações entre seus atores, suas interdepen-
dências e sobre as formas com que esses padrões e interdependências influem
no processo político. Tais aspectos podem ser melhor compreendidos a partir
da análise de redes sociais, a qual para alguns autores,
trata-se de uma metodologia de análise de dados relacionais que
permite a captação de diversos fenômenos sociais que se deseja
estudar, segundo a teorização de uma área de conhecimento espe-
cífica. (...) Para outros, é uma tentativa de se introduzir um nível

302 Turismo e o desenvolvimento local


intermediário entre os enfoques micro e macro na análise da rea-
lidade social, ou entre o indivíduo e a estrutura (MARTELETO,
R.; SILVA, A., 2004, p. 42).
A atenção dada pela sociologia atualmente aos estudos sobre redes
sociais está também relacionada com o aumento da importância dada aos
estudos sobre capital social. De acordo com as discussões apresentadas até o
momento, fica evidente a estrutura de redes por trás do conceito de capital
social, que passa a ser percebido como um recurso da comunidade construído
pelas suas redes de relações. Marteleto e Silva (2004) avaliam que a partici-
pação em redes está associada ao capital social estrutural, sendo muito rele-
vante a compreensão do tipo de rede que se está observando. Nesta perspectiva,
os autores destacam a natureza multidimensional do capital social que pode
ser “capital social de ponte”, “capital social de ligação” ou “capital social de
conexão”.
A visão mais estreita [de capital social] o define como um
conjunto de normas e redes sociais que afetam o bem-estar
da comunidade na qual estão inscritas, facilitando a coopera-
ção ente seus membros pela diminuição do custo de se obter
e processar informação. Neste caso, as relações de base para a
formação das redes seriam entre iguais, isto é, entre indivíduos
similares do ponto de vista de suas características demográficas
(bonding social ou capital social de ponte). No entanto, as redes
assim constituídas não permitem que a comunidade rompa com
as suas próprias fronteiras, embora essa ruptura seja fundamental
para a construção de metas comuns e confiança entre seus mem-
bros. Dessa forma, as redes devem se ampliar para criar ligações
com outras comunidades semelhantes assim ampliar o alcance de
suas ações (bridging social capital ou “capital social de ligação”).
Embora ampliada em termos de comunidades, essa rede ainda
possui características horizontais. Assim, para se entender o seu
alcance, deve-se identificar laços com indivíduos que estejam
em posição de autoridade, isto é, que podem intermediar recur-
sos adicionais para o desenvolvimento da comunidade (linking
social capital ou “capital social de conexão”) (MARTELETO, R.;
SILVA, A., 2004, p. 44).
De maneira que, para as comunidades, a situação ideal é ter o seu capi-
tal divido entre essas três formas de redes sociais, uma vez que cada uma delas

Ana Valéria Endres 303


responde por aspectos importantes para o sucesso da comunidade, que são a
confiança e comprometimento, a ampliação de fontes de informação e conhe-
cimento e, por fim, o acesso às instituições e ao poder. Estas três formas de
redes lembram em muito o círculo virtuoso em espiral defendido por Higgins
(2006) no final da seção anterior.

REDES DE POLÍTICAS PÚBLICAS E CAPITAL SOCIAL NO CONTEXTO


DAS POLÍTICAS DE TURISMO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES
As especificidades das redes de políticas públicas, no contexto da aná-
lise de redes sociais são um campo de estudos profícuo para aprofundamen-
tos, principalmente no âmbito das políticas públicas para o setor produtivo. E,
independente das controvérsias que giram em torno da utilização das redes
como instrumento de condução política, essas começam a ser incentivadas e
utilizadas pelo Estado como possibilidades de uma melhor atuação governa-
mental para fins de desenvolvimento.
A institucionalização das redes sociais como forma de novos arran-
jos políticos suscita ainda grandes discussões, afinal, nem todo capital social
gerado a partir destas tem caráter positivo. Pode ser usado negativamente con-
tra aqueles que estão fora de uma determinada rede, ou ainda gerar grupos
corruptos e sistemas autoritários e clientelistas7.
É fato que os novos arranjos institucionais, marcadamente caracteriza-
dos pela noção de redes de políticas públicas nos dois programas governamen-
tais – PNMT em 1994 e PRT em 2004 – tem na prática descentralizadora
propiciada por mecanismos participativos como os comitês e os conselhos ten-
tar tornar mais eficientes as relações entre o Estado, o mercado e a sociedade
civil. Entretanto hoje, como argumenta Burity (2005), o que se percebe nesta
transição é que a prática articulatória de formação em redes foi reescrita em
termos de uma relação de colaboração com o Estado, sujeitas ao poder de con-
vocação e às regras de operação dos governos. Tal crítica remete aos aspectos
negativos percebidos nas redes de políticas públicas então analisadas.
Considerando as políticas de turismo como políticas estruturadoras,
orientadas de cima pra baixo, a obrigatoriedade de constituição das redes a par-
tir dos novos arranjos para o desenvolvimento do setor turístico, caracteriza-se

7 Marteleto (2004) ainda relata críticas de que o capital social pode ocasionar situações não estimu-
ladoras de iniciativas individuais e de restrições à liberdade individual.

304 Turismo e o desenvolvimento local


mais como uma exigência externa do que fruto de demandas internas dos ato-
res direta e indiretamente envolvidos com a atividade8. Situação que é agravada
pelas percepções dos componentes desses arranjos sobre o Estado, as insti-
tuições públicas e o governo que orientam o comportamento dos atores no
espaço político. Confiança, parceria, colaboração e comprometimento ainda
são condições que estão pouco presentes na maioria das arenas políticas for-
malmente institucionalizadas (DRAIBE, 1998; ENDRES, 2002a; FUKS, M.
& PERISSIONATO, R., 2006; FUKS, M., PERISSIONATO, R; RIBEIRO,
2003; GAZETA, 2004; LUBAMBO; COELHO; MELO, 2005)9.
Porém, por outro lado, existe um cenário positivo diante das propostas
de criar possibilidades de incitar uma cultura política de participação e cola-
boração no processo de implementação de políticas, as quais consideram o
aspecto cognitivo que as redes podem possibilitar através das trocas de infor-
mações e recursos. Isto parte do princípio de que a ampliação das redes for-
malizadas, a partir da constituição dos Conselhos, Comitês e Instâncias de
Governança Regional, é uma forma de estímulo aos atores, direta e indireta-
mente envolvidos com o turismo, que antes não tinham chance de se inserirem
nos programas governamentais, de se organizarem e tentar uma participação
mais ativa no mercado turístico e uma maior e mais qualificada participação
política também.
Tal perspectiva vem ao encontro do que defende Théret (2003, p. 249),
pois “mais que constrangimentos coletivos que pesam sobre os comportamen-
tos, as instituições são encaradas como redes cognitivas capazes de estimular a
ação individual; ou seja, são estruturas de estímulo”. Neste sentido, a proposta
de implementação das políticas de turismo a partir desses novos arranjos insti-
tucionais estabelecem relações que podem contribuir para a construção de um
capital social.
De forma conclusiva, no contexto de aferir as possíveis repercussões
que as atuais políticas de turismo podem ter para o desenvolvimento local,
o confronto entre a cultura política10 participativa e colaborativa e a cultura

8 Sobre as críticas aos conselhos de turismo ver Roscoche (2003); Fortes; Sampaio (2003).
9 Apesar do entendimento da importância destas categorias para o contexto proposto por este arti-
go, elas não serão aqui aprofundadas. Para tanto, ver Baquero (2003), Moisés (2005) e Reis (2003).
10 Segundo Martins (1997, p. 49) “cultura política pode ser resumidamente definida como o sistema
de crenças, condutas e orientações avaliativas com respeito ao governo e a política que molda o
comportamento político individual ou coletivo”.

Ana Valéria Endres 305


política patrimonialista e clientelista não deixa de estar condicionado pela
capacidade do Estado e suas instituições de aceitar e valorizar uma participa-
ção mais democrática nas arenas, caracterizada pelos novos arranjos institucio-
nais, que ele mesmo estabelece.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARQUERO, A. V. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: UFRGS/
Fundação de Economia e Estatística, 2001.
BAQUERO, M. Construindo uma outra sociedade: o capital social na estruturação de uma
cultura política participativa no Brasil. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, n. 21, nov, 2003.
p. 83-108.
BAQUERO, M.; CREMONESE, D. Capital social: teoria e prática. Ijuí: Ed. Ijuí, 2006.
BRASIL – MINISTÉRIO DO TURISMO. Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros
dos Brasil., 2004.
BURITY, J. A. Identidades coletivas em transição e a ativação de uma esfera pública não-estatal.
In: LUBAMBO, C.; COÊLHO, D. B.; MELO, M. A. (org.). Desenho institucional e participação
política: experiências no Brasil contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 63-107.
COLEMAN, J. Social capital in the creation of human capital. The American Journal of Sociology,
v. 94, 1998.
CREMONESE, D. Insolidarismo e cordialidade: uma análise das mazelas políticas do Brasil.
In: BAQUERO, M.; CREMONESE, D. Capital social: teoria e prática. Ijuí: Ed. Ijuí, 2006. p.
71-102.
DRAIBE, Sonia. A nova institucionalidade do sistema brasileiro de políticas sociais: os conselhos
nacionais de políticas setoriais. Caderno de Pesquisa. Campinas, SP, NEPP-UNICAMP, n. 35,
1998. p.1-25.
ENDRES, A. V. O Programa Nacional de Municipalização do Turismo e a constituição do
Conselho Municipal de Turismo: em análise, Belém do Pará. Veredas Revista Científica de
Turismo, João Pessoa, v. 1, n. 1, , 2002 a. p. 89-108
_______. Planejamento Estatal: do centralizado ao participativo e seus reflexos no planejamento
do turismo no Nordeste. Turismo em Análise, São Paulo, v. 13, , 2002 b. p. 1-114
_______. O papel governamental na formulação e implementação de políticas públicas de
turismo: o contexto amazônico. Revista do IESP, João Pessoa, v. II, n. 2, ,2001. p.43-58
EVANS, P. Além da “Monocultura Institucional”: instituições, capacidades e o desenvolvimento
deliberativo. In: Sociologias, Jan - nº 9, 2003 p.20-63.
____. Autonomia e parceria: Estados e transformação industrial. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2004.
____. O Estado como problema e como solução. In: Lua Nova, nº 28/29, 1993 p 105-156.
FARIA, D. S.; CARNEIRO, K. S. Sustentabilidade ecológica no turismo. Brasília: UNB, 2001.
FISCHER, T. et al. Centro histórico de Salvador: a gestão em parceria de novos tempos e
novos espaços. In: FISCHER, T. (org.) Gestão contemporânea, cidades estratégicas e organizações
locais. 2ª. Ed. Rio de Janeiro: FGV, 1997. p. 165-182

306 Turismo e o desenvolvimento local


FORTES, S. C.; SAMPAIO, C. A. C. Planejamento turístico local: uma superação de processos
assembleítas e de localismos exagerado. In: Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul.
Anais. Caxias do Sul: UCS, 2003. CD-ROM.
FREY, K. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de
políticas públicas no Brasil. Planejamento e Política Públicas. N. 21, jun, 2000. p. 211-259.
FUKS, M.; PERISSIONATTO, R. Recursos, decisão e poder: conselhos gestores de políticas
públicas de Curitiba. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo. V. 21. n. 60, fevereiro, 2006.
p.67-81.
FUKS, M.; PERISSIONATTO, R.; RIBEIRO, E. A. Cultura política e desigualdade: o caso
dos conselhos municipais de Curitiba. Revista de Sociologia e Política. N. 21, nov, 2003. p. 125-145.
GARCIA, R.M. As redes institucionais de apoio e a produção local de alimentos. Revista de
Administração Pública, Rio de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas, v. 20 n. 3, p.70-88, jul/set, 1986.
GAZETA, A. P. Democracia e participação social: a experiência dos conselhos municipais de
saúde no interior de São Paulo. Tese - Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política
da UFSC. V. 2, n. 1 (2), jan/jun, 2004, p. 1-19.
HALL, P. A.; TAYLOR, R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova: Revista ,e
cultura e política, n.º 58, 2003. p.193-224.
HIGGINS, S.S. Fundamentos teóricos do capital social. Chapecó: Argos, 2005.B
KLIJN, E. Policy networks: na overview. In; KICKERT, W. J.; KOPPERJAN, J.F.. (eds.)
Managing complex networks. Sage, London, 1998. (Redes de políticas públicas: uma revisión.
Versão em espanhol. Disponível em http://revista-redes.rediris.es/webredes/textos/Complex.
pdf.)
LECHNER, N. Reforma do estado e condução política. Lua Nova: Revista de cultura e política,
n.º 37, 1996. p. 33-56.
LOIOLA, E., MOURA, S. Análise de redes: uma contribuição aos estudos organizacionais. In:
FISCHER, T. (org.) Gestão contemporânea, cidades estratégicas e organizações locais. 2ª. ed. Rio
de Janeiro: FGV, 1997. p. 53-76.
LUBAMBO, C.; COÊLHO, D. B.; MELO, M. A. (org.). Desenho institucional e participação
política: experiências no Brasil contemporâneo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.
MARQUES, E. C. Redes sociais e poder no estado brasileiro: aprendizados a partir das políticas
urbanas. . Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo. V. 21. n. 60, fevereiro, 2006. p.15-81.
MARTELETO, R. M.; SILVA, A. B. O. Redes e capital social: o enfoque da informação para
o desenvolvimento local. Ci Inf., Brasília, v.33, n. 3, set/dez 2004. p.41-49.
MARTINS, L. Estado e sociedade: uma mudança de parâmetros. In: Sociedade e Estado:
superando fronteiras. São Paulo: FUNDAP, 1998. p. 35-44
MOISES, J. A. Cidadania, confiança e instituições democráticas. Lua Nova: Revista de cultura
e política, n.º 65, São Paulo, 2005. p. 71-94.
PISELLI, F. Capital social: um concepto situacional y dinâmico. In: BAGNASCO, A. et al. El
capital social. Instrucciones de uso. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica, 203. p. 53-88.
PUTNAM, R. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Ed.
FGV, 1996.

Ana Valéria Endres 307


REIS, B. P. W. Capital social e confiança: questões de teoria e método. Revista de Sociologia e
Política. Curitiba, n. 21, nov, 2003. p. 35-49.
ROSCOCHE, L. F. A estrutura organizacional de um conselho municipal de turismo. In:
Seminário de Pesquisa em Turismo do Mercosul. Caxias do Sul:UCS, 2003. CD-ROM.
SILVA, P. L. B. Reforma do Estado e política social no Brasil: êxitos, problemas e desafios da
coordenação intergovernamental. Caderno de Pesquisa. Campinas, SP, NEPP-UNICAMP, n. 31,
1998. p. 1-24.
SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. Porto Alegre, ano 8, n. 16,
jul/dez, 2006. p. 20-44.
THÉRET, B.. As instituições entre as estruturas e as ações. Lua Nova: Revista de cultura e
política, n.º 58, 2003. p. 225-252.
YOUEL, R. Turismo: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2002.

308 Turismo e o desenvolvimento local


A percepção dos agentes territoriais
sobre o excursionismo de litoral no
contexto do desenvolvimento

Daniel Ferreira de Lira1


| Julio César Cabrera Medina2
| Maria Dilma Simões Brasileiro3

INTRODUÇÃO
O turismo tem sido uma aposta recorrente de muitos países, regiões e
localidades como atividade promotora de desenvolvimento. Entretanto, a ine-
gável expansão experimentada pelo setor nas últimas décadas tem provocado
reflexões sobre o modelo de desenvolvimento que esta atividade tem desenca-
deado em alguns territórios. Decerto, analisando o turismo desde a perspectiva
econômica, o mesmo se apresenta como atividade profundamente complexa,
pois se relaciona com a macro e a microeconomia dos territórios. Segundo a
Organização Mundial de Comércio (OMC, 2013), o turismo está entre as
atividades econômicas mais importantes do mundo e tem apresentado ano
após ano, os mais elevados índices de crescimento econômico, respondendo
atualmente por cerca de 10% do PIB mundial.
A compreensão do turismo não se limita à perspectiva exclusivamente
econômica, mas “perpassa as complexas relações ambientais, socioculturais,
econômicas e políticas” (BRASILEIRO, 2012, p. 75). Para Sen (2010), o
desenvolvimento está relacionado com a melhoria da qualidade de vida dos

1 Mestrado em Desenvolvimento Regional (UEPB). Professor da Faculdade de Ciências Sociais


Aplicadas (FACISA/CESED). Membro do LATURD/CNPQ/UEPB. E-mail: profdaniellira@
hotmail.com
2 Doutorado (UGR/Espanha) em Sociologia. Professor e pesquisador da Universidade Estadual
da Paraíba (UEPB) e do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional (UEPB*/
UFCG). Coordenador do LATURD/CNPQ/UEPB: juliocabreramedina@gmail.com
3 Doutorado (UGR/Espanha) e Pós-doutorado (UNIBO/Itália) em Sociologia. Professora e pes-
quisadora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e do Programa de Pós-graduação em
Desenvolvimento Regional (UEPB/UFCG). Coordenadora do LATURD/CNPQ/UEPB e do
LAESTUS/CNPQ/UFPB. E-mail: dsbrasileiro@gmail.com

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 309
indivíduos e com o fortalecimento de suas liberdades e direitos fundamen-
tais. O crescimento do Produto Interno Bruno (PIB), a renda per capita, o
nível de industrialização, os avanços tecnológicos ou a modernização social,
embora contribuam diretamente para a expansão das liberdades usufruídas
pelos membros de uma sociedade, não podem ser considerados como um fim
em si mesmo. O êxito de uma sociedade, segundo Sen (2010), deve ser avaliado
por meio das liberdades substantivas que os indivíduos dessa mesma sociedade
desfrutam, e não apenas a partir de indicadores como renda real ou per capita.
A euforia pelo lucro relativo à atividade turística faz prevalecer as
visões econômica e técnica, privilegiando um turismo em termos operacio-
nais e comerciais, baseado no consumo (PAIVA, 2005; PAPES, 2011). Muitas
vezes essa euforia econômica do turismo conquista as pessoas do lugar, supe-
restimando expectativas de sucesso que, muitas vezes, não podem ser concreti-
zadas. Como analisa Krippendorf (2009),
[...] ninguém fala das eventuais repercussões negativas, apenas
do lucro, do trabalho e da melhor qualidade de vida. E quando o
turismo houver invadido a região e os autóctones tiverem tomado
conhecimento da verdade, às suas próprias custas, a euforia ini-
cial dará lugar à desilusão e à visão mais realista das coisas [...]
(KRIPPENDORF, 2009, p. 71).
No Brasil, e em especial no nordeste brasileiro, o turismo tem se apre-
sentado como uma estratégia operada pelo estado, em seus mais diversos níveis
da federação, para a promoção do desenvolvimento de alguns territórios. É
fato que ainda a “ênfase desta centralidade do turismo tem recaído predo-
minantemente no paradigma econômico, principalmente quando se trata das
agendas dos governos locais, regionais ou nacional” (BRASILEIRO, 2012,
p.75). Há por parte do governo brasileiro, por exemplo, a preocupação com o
cumprimento das metas do Plano Nacional de Turismo (PNT, 2013-2016).
Este plano consiste em uma política pública de caráter econômico, cujo obje-
tivo é posicionar o Brasil entre as três maiores potências mundiais do setor até
2022, apoiando-se, sobretudo, nos grandes eventos internacionais que foram e
ainda serão sediados pelo país nos próximos anos.
Segundo dados oficiais do Governo Federal, em 2013 (MTur, 2013), os
financiamentos concedidos pelos bancos públicos (Caixa Econômica Federal e
Banco do Brasil S/A) para as empresas do setor de turismo de janeiro a março
de 2013 cresceram 33,16%, em relação ao mesmo trimestre do ano de 2012.

310 A percepção dos agentes territoriais


Ainda segundo esses dados, o BNDES liberou R$ 271,6 milhões de janeiro a
março de 2013, em linhas de financiamento destinadas à construção e reforma
de hotéis. Sob o prisma desses investimentos, o turismo alternativo ainda tem
participação modesta nesses planos e políticas. O turismo de massa é o grande
receptor desses aportes, a despeito de trazer consigo uma série de problemas
que, muitas vezes, essas mesmas políticas não conseguem antever em razão das
ações limitadas para o setor, que não consideram a “complexidade sistêmica,
fenomênica e simbólica” (MEDINA, 2012).
Nos estados nordestinos, os Governos Estadual e Municipal também
têm investido na implementação de políticas públicas de atração, expansão
e fortalecimento do turismo como vetor de desenvolvimento. A maior parte
desses investimentos para o turismo ainda está concentrada em áreas do lito-
ral, cujos impactos socioculturais e ambientais, para além dos econômicos, são
poucas vezes analisados empiricamente.
Dentre os fenômenos relacionados ao turismo do litoral, no caso da
Paraíba, o excursionismo se apresenta como uma das atividades mais dinâmica
nesse território. Entretanto, esta atividade está à margem das discussões e das
políticas de desenvolvimento do setor, embora muitos municípios disputem
entre si, a preferência como destinos desses visitantes. Neste sentido, a proble-
mática deste estudo está assentada sobre o excursionismo e questiona sobre a
percepção dos agentes sociais dos pequenos municípios litorâneos da Paraíba,
quanto ao impacto do excursionismo no desenvolvimento dos municípios.
O litoral paraibano se divide em norte e sul, tendo como diapasão a
capital João Pessoa. Os municípios do litoral paraibano atraem o excursio-
nismo tanto no litoral norte, como no litoral sul. No entanto, essa atividade é
bastante intensa no litoral norte, capitaneado pelos municípios de Lucena e
Baía da Traição. Estes dois municípios apresentam historicamente dependên-
cia das atividades relacionadas ao turismo e ao excursionismo, e são apontados
como destinos de praia para veranistas e com forte apelo para o excursionismo.
Com base nesta realidade, este estudo tem como objetivo compreender o perfil
dos excursionistas do litoral norte paraibano, e como os mesmos são percebi-
dos pelos diversos agentes territoriais dos municípios estudados.
Este estudo optou pela abordagem qualitativa. A metodologia qua-
litativa “tem como preocupação fundamental o estudo e a análise do mundo
empírico em seu ambiente natural” (GODOY, 1995, p.62). Trata-se de uma
abordagem científica adequada para a construção de pesquisas sobre contextos

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 311
complexos e multifacetados, para os quais os números estatísticos não apre-
sentam respostas que considerem essas mesmas complexidades. O método
qualitativo “parte do pressuposto básico de que o mundo social é um mundo
construído com símbolos e significados” (BRASILEIRO, 2005, p. 164). Nessa
linha, “as pessoas agem em função de suas crenças, percepções, sentimentos e
valores e seu comportamento tem sempre um sentido, um significado que não
se dá a conhecer de modo imediato” (MAZZOTTI; GEWANDSZNAJDER,
1999, p.131).
Os sujeitos do estudo foram categorizados em setor privado, setor
público, excursionistas e população local, este último grupo subdividido entre
veranistas e população local. Os roteiros de entrevistas foram aplicados a 65
sujeitos, conforme é apresentado no Quadro 1:
GRUPOS
BAÍA DA TRAIÇÃO LUCENA TOTAL
ENTREVISTADOS
SETOR PÚBLICO 03 03 06
SETOR PRIVADO 12 14 22
COMUNIDADE LOCAL 10 09 19
EXCURSIONISTA 09 09 18
Quadro 1 – Sujeitos do Estudo
Fonte: Elaboração Própria (2014)

A coleta de dados foi realizada por meio da observação participante e


de entrevistas semiestruturadas. Os roteiros de entrevistas foram elaborados
com o objetivo de permitir aos entrevistados liberdade nas respostas, ao mesmo
tempo em que os objetivos da pesquisa estavam contemplados na abordagem.
As entrevistas semiestruturadas se fez acompanhar de observações de campo,
constantes no Roteiro de Observação de Campo elaborado pelo pesquisador,
ao longo de sua imersão no trabalho de campo. Essa técnica foi utilizada em
função da necessidade de contato direto com o campo, com o objetivo de cap-
tar os significados dos comportamentos observados. Isto permitiu descrições
detalhadas de situações, eventos, pessoas, interações e comportamentos obser-
vados. Para garantir o anonimato dos entrevistados, os sujeitos foram identi-
ficados pela função exercida (caso do setor público e privado) ou pela ordem
de entrevistas, seguidas de identificação do grupo de entrevistado e numeração
crescente (caso dos excursionistas, veranistas e população local).
Também foram analisados documentos institucionais sobre os referidos
municípios e região, a saber: Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal de
Baía da Traição (PDDM, 2001); Plano Distrital de Saúde Indígena Potiguara

312 A percepção dos agentes territoriais


(2005); PNUD/IDHM (2013); Portal da Transparência do Governo Federal
e do Estado da Paraíba; Plano Plurianual dos municípios de Lucena e Baía da
Traição, 2010/2013; Código de Obras do Município de Baía da Traição (2002);
Código de Obras e Urbanismo do Município de Lucena (2001). A finalidade
aqui foi compreender quais são as principais estratégias e ações das instituições
públicas relacionadas ao turismo, assim como o Índice de Desenvolvimento
Humano nos municípios pesquisados.
Os dados foram analisados pela técnica de Análise de Conteúdo. A
opção por esta técnica possibilitou compreender o sentido das comunicações,
seu conteúdo manifesto ou latente e as significações explícitas ou ocultas
(BARDIN, 2009). Com base no esquema analítico de Bardin (2009), as entre-
vistas foram transcritas e classificadas de acordo com as questões norteadoras
da pesquisa, em uma grelha disposta com as referidas unidades de significado,
a fim de estabelecer de forma sistematizada as unidades de análise e os núcleos
de sentido, seguidos dos recortes dos trechos de entrevistas mais representati-
vos sobre o fenômeno em estudo e suas respectivas categorias.

NOS DOMINGOS DE SOL, O ESTIGMA EMERGE


NA SOMBRA DO EXCURSIONISMO
O excursionismo constitui-se em prática de viagem em que o viajante
não ultrapassa 24 horas de permanência no local visitado (OMT, 1994). De
acordo com esta perspectiva, para Brasileiro (2008) há duas características que
distinguem o visitante-turista do visitante-excursionista: os tempos máximo
e mínimo de permanência no local visitado. Para a autora, diferentemente de
outros tipos de viagem, no excursionismo o aspecto temporal é definidor da
prática, embora os objetivos de viagem de per se possam ser os mesmos entre
visitantes-turistas e visitantes-excursionistas. Porquanto, a diferença está na
existência ou não de pernoite fora do núcleo da residência do visitante (OMT,
1994).
Essa distinção não desconsidera o turismo em seu sentido amplo,
noção que abrange o próprio excursionismo. Lato sensu, o turismo constitui-se
no deslocamento e permanência de pessoas em lugares diferentes aos seus res-
pectivos domicílios. Estes deslocamentos têm potencial para provocar altera-
ções econômicas, políticas, culturais, sociais e ambientais, numa proporção que
poucos fenômenos sociais alcançaram ao longo da história (DIAS, 2003). Há
uma complexidade fenomênica (MEDINA, 2012), que é intrínseca ao turismo

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 313
enquanto atividade humana, a qual pode ser estendida à prática excursionista.
Por complexidade fenomênica se compreende que os diversos agentes que
atuam em um território apresentam interpretações distintas sobre o fenômeno
do excursionismo e constroem suas ações, em função de suas interpretações e
das interpretações dos outros agentes.
O excursionismo tem o potencial para a circulação de riquezas, para o
aumento do emprego, renda e, mormente, para a melhoria da qualidade de vida
das pessoas do lugar e para o desenvolvimento territorial. Fortalece os laços
comunitários, permitindo experiências e novos aprendizados para as pessoas
que o vivencia. Entretanto, esta atividade, como toda prática humana sobre um
determinado espaço (SANTOS; SILVEIRA, 2001), tem impactos que não
podem ser desprezados, sob pena de comprometimento do desenvolvimento
almejado.
Compreender a prática excursionista e suas implicações socioculturais,
políticas, econômicas e ambientais, a partir da percepção do outro e pelo outro
também presente no território turístico, representa o start-on não menos sig-
nificativo deste estudo, porquanto “las interpretaciones de los distintos agentes
son un elemento clave y debe ser incluído em dicho diagnóstico” (MEDINA,
2012, p.30). Traçar o perfil, as vivências e percepções dos excursionistas e do
excursionismo, neste contexto, permitirá analisar com mais acuidade os impac-
tos socioculturais, econômicos e ambientais atribuídos à atividade, a partir da
perspectiva dos próprios atores envolvidos, direta ou indiretamente por esta
atividade.
In casu, analisando os dados deste estudo sob o prisma socioeconômico,
existe uma similaridade sobre a percepção dos excursionistas que frequentam
o litoral norte da Paraíba. O próprio Poder Público Local, além da população
local e veranistas, imprimem percepções muito próximas sobre o excursio-
nismo, seus impactos e protagonistas. Os municípios que integram o Vale do
Mamanguape são os principais emissores de excursionistas para Lucena e Baía
da Traição. Os municípios do Vale do Mamanguape são pobres e com IDHM
entre “baixo” e “muito baixo” (PNUD, 2013), realidade similar dos municípios
estudados, cujo IDHM também é “muito baixo” (PNUD, 2013).
Os excursionistas nos municípios de Baía da Traição e Lucena possuem,
portanto, condição econômica similar, como também é similar o propósito de
viagem, ou seja, a busca da praia como espaço de lazer, e se deslocam em veí-
culos de massa para o destino escolhido. No município de Lucena, entretanto,

314 A percepção dos agentes territoriais


o volume de excursionistas é menor, se comparado ao volume evidenciado
em Baía da Traição. Ademais, em Lucena há certa “camuflagem turística” dos
excursionistas em face de outros visitantes. Em Baía da Traição os excursio-
nistas que frequentam aquele espaço de praia têm suas opções de uso da praia
reduzidas a poucos metros entre as casas de veraneio e o mar. Em Lucena, no
entanto, o problema do avanço do mar não é tão evidente, o que permite uma
maior e melhor distribuição dos visitantes sobre uma extensa faixa de areia.
Este fato produz uma maior dificuldade na identificação dos excursionistas na
praia de Lucena ou a denominada “camuflagem turística”.
O excursionista em Baía da Traição está mais próximo do estigma
(GOFFMAN, 1988), da imagem socialmente construída do “farofeiro”, com
seus isopores, cadeiras, mesas e fogões. Não que pessoas com essas caracterís-
ticas não sejam encontradas em Lucena, mas com menor incidência que em
Baía da Traição. Esta constatação se coaduna com a percepção de Sales (2012),
para quem o excursionismo de praia é prática turística essencialmente popular.
Como afirma Sales (2012), a construção do estigma do “farofeiro” passa pelo
poder aquisitivo do estigmatizado, in casu, de baixa renda. Entretanto, além da
visão econômica e desde uma perspectiva da interação simbólica, o estigma de
“farofeiro” é resultado do processo de segregação social e espacial exercido pelas
classes ou grupos sociais com mais recursos materiais e simbólicos, para impor
sua definição da situação e assim se diferenciar dos grupos estigmatizados.
A reação discursiva da população local, comerciantes, veranistas e o
poder público local sobre os excursionistas, por vezes é virulenta: “O faro-
feiro é uma desgraça, isso é uma praga” (População Local - Baía da Traição nº
11). Expressões como “desgraça”, “praga”, “peste”, “mundiça” foram frequente-
mente utilizadas para fazer referência aos excursionistas. Existe também nos
discursos dos entrevistados uma associação do excursionista com a desordem.
No entanto, esta percepção reflexa a complexidade fenomênica do problema
analisado, já que dos 98,5% dos entrevistados informaram que nunca tiveram
problemas com os excursionistas, e 82,7% dos entrevistados informaram que
nunca tiveram conhecimento de problemas causados por eles. A aversão no
discurso dos entrevistados está associada mais ao estigma criado em torno da
figura do excursionista, que propriamente pelas suas ações e comportamentos.
A condição socioeconômica dos excursionistas não pode ser desconsi-
derada neste contexto interpretativo, sobretudo, no Brasil. Segundo Da Matta
(1991), a busca pela distinção econômica e social e a criação de mecanismos

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 315
de exclusão social estão profundamente arraigados nas nossas representações
sociais cotidianas, sejam elas políticas ou individuais. A distinção econômica
é a maneira de se conferir status social necessário para a disputa nas arenas
sociais e políticas brasileiras e, mais do que isso, é fator de aceitação social
(DAMATTA, 1991). O perfil socioeconômico costuma ser proporcional à vez
dos cidadãos brasileiros na pauta pública, mas, sobretudo, é variável importante
para se compreender, a partir dessas mesmas diferenças econômicas, como a
sociedade trata ou se comporta em face desses mesmos indivíduos.
Assim mesmo, a situação socioeconômica dos excursionistas está rela-
cionada à profissão exercida pelos entrevistados, em que 86,4% são pequenos
agricultores, empregados do comércio e da indústria. O excursionismo é per-
cebido também pelo poder público como uma prática de população de baixa
renda: “[...] O perfil desse pessoal é conhecido como classe mais baixa [...]. É
agricultor, pessoal do comércio, o pessoal que não tem o direito de banho de
mar, por ser do interior” (Secretário de Turismo de Lucena). Doutra banda, em
Baía da Traição, esta percepção também é compartilhada pelo poder público
e pela população local: “[...] A maioria é agricultor. [...] Aqui dos interio-
res. Gente que trabalha em fábrica, empresas... Essas coisas.” (Secretário de
Turismo de Baía da Traição).
A própria condição estética dos veículos de transporte usados para o
deslocamento, também contribui para reforçar a associação entre a situação
socioeconômica e o perfil do excursionista do litoral norte paraibano. Dentre
os mecanismos de distinção social que assinalam o status econômico do brasi-
leiro, está também o veículo de transporte utilizado pelos indivíduos. Ônibus
de luxo ou de alto padrão não se encontra transportando os excursionistas nas
praias pesquisadas. Geralmente são ônibus ou veículos bastante usados, muitos
deles públicos, a exemplo de ônibus escolares doados pelo governo federal,
que são utilizados com frequência para a prática do excursionismo nas praias
de Lucena e Baía da Traição. Nessa linha, uma das entrevistadas confirma
as observações realizadas em campo, ao afirmar que: “[...] Este ônibus até
que está melhor, porque tem uns ônibus... Só a Cruz e o Espírito Santo [...]”
(Excursionista de Lucena, nº 1).
A concentração de veículos e excursionistas está presente com maior
frequência aos domingos. O excursionismo é fenômeno típico de domingos e
feriados, sobretudo em Baía da Traição. Dentre os excursionistas entrevistados
que exercem ocupação profissional 72,3% são trabalhadores da indústria ou

316 A percepção dos agentes territoriais


comércio. No comércio, assim como na indústria, o sábado é dia útil, como
estabelece a regra geral de 44 horas semanais prevista na Consolidação das
Leis do Trabalho (CLT), que regula juridicamente as relações de emprego no
Brasil, incluindo a jornada de trabalho. Salvo disposição em contrário cons-
tante de acordo ou convenção coletiva de trabalho específica da categoria labo-
ral, o sábado é dia de trabalho.
Essa concentração de excursionistas aos domingos está muito mais
relacionada com as formas preestabelecidas de organização social, do que
com as escolhas individuais dos excursionistas. Se de um lado estão as nor-
mas trabalhistas, do outro estão motivos culturais e religiosos, que conside-
ram o domingo como dia de descanso e/ou lazer (PEREIRA, 1994). Esta
ideia faz operar sobre o primeiro dia da semana que: “Domingo é o dia de
lazer” (Excursionista de Baía da Traição, nº 06) ou “Domingo é o dia da farofa”
(Veranista de Lucena, nº 10). Desse modo, o domingo é o dia para os excur-
sionistas irem à praia com maior intensidade. Esta é também a percepção do
poder público local em Baía da Traição: “Aos Domingos estão aqui. Durante
a semana são tão poucos, que não causa impacto aqui” (Secretário de Turismo
de Baía da Traição). O uso da expressão “impacto” demonstra a conotação
negativa da concentração de excursionistas, que contribui para o processo de
estigma dos farofeiros.
Tanto para a população local como para os veranistas, os excursionistas
são vistos como pessoas estranhas ao lugar. É emblemática a situação dos vera-
nistas: ao mesmo tempo em que ‘são de fora’, e neste aspecto não são mora-
dores do lugar visitado pelos excursionistas, são ao mesmo tempo moradores
do município, com suas casas de veraneio, ainda que por um curto período.
A figura da pessoa “de fora” (outsider) impacta sobre o imaginário local, pois
implica em aproximação com o desconhecido, com o forasteiro. Esse encontro
- que já encantou povos descobertos, ao mesmo tempo em que já implicou em
guerras -, interfere sobre o comportamento e a percepção da população local
sobre o visitante (ELIAS; SCOTSON, 2010).
Como obtempera um morador entrevistado de Baía da Traição, o
excursionista é “todo tipo de gente: jovem, mulher... tem de tudo. Tem umas
figuras estranhas no meio aí. Um povo do cabelo amarelo. Parecem aqueles
bandidos do Rio. Povo estranho”. A associação da “cor do cabelo” de um excur-
sionista ao cabelo de “bandidos do Rio” é a tentativa de distinção a que aduz
Damatta (1991), incentivada pelo estigma criado em torno do excursionista.

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 317
Desqualificar o excursionista permite construir um discurso associado ao não
bem-vindo, ainda que os elementos utilizados para desqualificá-lo socioecono-
micamente não sejam características apenas do grupo estigmatizado.
As interações sociais entre moradores, veranistas e excursionistas são
comprometidas a partir dessas percepções sociais a priori estabelecidas. No
turismo, esses estigmas podem ser mais incisivos tanto para o rechaço como
para o encantamento e aceitação, pois o turismo é um fenômeno que modi-
fica os destinos turísticos e que contribui para a reconstrução dos territórios
(MEDINA, 2012), a partir da interação dos povos (BARRETTO, 2003).
Como afirma Brasileiro (2012), mais que negócio, o turismo é também encon-
tro de pessoa que lutam por impor sua interpretação da realidade, em que os
recursos culturais, simbólicos e econômicos são determinantes.
No turismo praticado em pequenos municípios, o visitante, a pessoa
que ‘vem de fora’ é invariavelmente objeto de curiosidade ou de desconfiança.
Este visitante é percebido como diferente já nas primeiras tentativas de intera-
ção com as pessoas do lugar, que o identificam pelas vestimentas, pelos hábitos,
pelos traços étnicos, pela fala e por um conjunto de sinais de identificações
sociais particulares. Nesse sentido, tratar com rechaço as pessoas de ‘fora’, iden-
tificando-as como não pertencentes ao grupo, ao lugar, sobretudo em pequenas
comunidades, é medida de preservação do próprio grupo social e decorre de
um aprendizado histórico civilizacional (ELIAS, 2010). Encontrar situações
em que um outsider, a exemplo dos excursionistas, sofra tratamento diferen-
ciado apenas pela condição de ser visitante, sem apresentar diferenças sociais,
econômicas ou educacionais relevantes entre visitantes e população local, é
prática recorrente, como é analisado por Elias e Scotson (2010) no estudo
sobre a localidade inglesa de ‘Winston Parva’.
Os excursionistas do litoral norte da Paraíba são de baixa renda, mas
não são de renda ou condição socioeconômica diferente da maior parte da
população local dos municípios estudados, cujo IDH também é ‘muito baixo’
(PNUD, 2013). Dentro deste contexto, a origem do tratamento diferenciado
ou estigmatizado da população local em face aos excursionistas não se justi-
fica, se a base dos discursos dos entrevistados se encontra associada à situa-
ção socioeconômica dos excursionistas. Como aponta Elias e Scotson (2010),
por vezes, o tratamento diferenciado ou o estigma social decorre de relações
territoriais previamente estabelecidas. Quem ocupa um determinado espaço,
territorializando-o, tende a defendê-lo de outras interferências ou novas

318 A percepção dos agentes territoriais


relações de poder, assumindo uma postura defensiva ou ostensiva. Nos muni-
cípios estudados, a postura evidenciada é geralmente defensiva, de reservas
aos excursionistas, exceto quando envolve os comerciantes locais, pois neste
caso, a ostensividade é diretamente proporcional à capacidade de consumo dos
visitantes.
O estigma tem papel preponderante, pois reforça compreensões do
grupo social sobre o estigmatizado, a partir de comportamentos que serão
associados inelutavelmente ao imaginário estabelecido, mesmo que não haja
uma relação direta entre eles. A questão do lixo é emblemática nas praias
em Lucena e Baía da Traição: o lixo na praia não é produzido apenas pelos
excursionistas, porém aos domingos, “Dia do Farofeiro”, embora não apenas
excursionistas frequentem as praias produzindo lixo, recai o lixo deixado sobre
este grupo de visitantes do litoral: “Esse povo vai embora e fica tudo sujo!”
(População Local de Lucena, nº 11). O estigma se apoia sobre relações de
causa e efeito, quando, muitas vezes, há apenas parte desse complexo processo
de estigma que estamos analisando.
De fato, há correlação entre o lixo produzido na praia aos domingos e
a presença de excursionistas. Entretanto, a presença de excursionistas não é de
per se a causa do lixo produzido. Há outras causas, a exemplo da concentração
de veranistas, turistas e população local no espaço de praias aos domingos. A
pouca infraestrutura para absorver o fluxo de veículos, a ausência de estacio-
namentos adequados, a ausência de lixeiras e de coleta adequada, a ausência de
educação e respeito com os espaços públicos e naturais são, dentre outros, os
fatores que contribuem para a falta de limpeza nas praias estudadas. A simpli-
ficação da compreensão da realidade a partir de um estigma se estabelece por
relação de causa-efeito, atribuindo as responsabilidades ao grupo estigmati-
zado (GOFFMAN, 1988).
O estigma do “farofeiro” pode ser caracterizado como um mecanismo 
que permite, sem a necessidade de um contato mais próximo, a identificação do
indivíduo por um grupo social. Goffman (1988) ao tratar do estigma, preceitua
que o estigma social compreende um comportamento a priori de identificação
dos indivíduos, que impede ou dificulta a aproximação de um indivíduo ou
de um grupo social, em face de outro indivíduo ou grupo social. O estigma se
apoia na construção de uma linguagem que ratifica essas posições a priori.
A linguagem tem o objetivo de conferir veracidade ao estigma, por
meio de uma série de recursos linguísticos, cuja reprodução reforçará este

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 319
mesmo estigma, num sistema autopoiético de reprodução de representações
sociais (GOFFMAN, 1988). Nesse sentido, não raro está presente nas praias
estudadas o sentido pejorativo ao se tratar do excursionista: “Muita negaiada.
[...] Tem muito esse povo assim, mais pobre. Tem de tudo, mais a maioria é
mais pobre (risos)”. (População Local de Lucena, nº 04). O estigma também
foi recurso linguístico para a “diferenciação de raças”, com a reprodução dos
discursos de inferioridade que justificaram a escravidão dos negros por vários
séculos em várias regiões geográficas. O discurso do entrevistado, com expres-
sões como “negaiada”, associando estas expressões aos excursionistas, reforça o
papel da linguagem na construção de um estigma.

O DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL NA SOMBRA


DO TURISMO COMO PANACÉIA
Analisar as relações sociais existentes entre outros grupos sociais com
os excursionistas, a partir do desenvolvimento territorial, pressupõe com-
preender as dinâmicas das interações sociais no território. A Teoria do Sítio
Simbólico de Pertencimento (ZAOUAL, 2010) propõe o desenvolvimento a
partir da complexidade interacional do ser humano com o seu espaço de vivên-
cia, modificando-o e sendo modificado por ele. Na perspectiva do homo situs
de Zaoual (2010), o território é construído e ressignificado. Sem considerar o
ser humano em seu contexto sensorial ou relacional, no sentido de como ele
vê o mundo e como vê aos outros agentes que o cercam, corre-se o risco de se
cometer um “erro de espaço” (SEN, 2010).
Os estigmatizados podem ser despercebidos ou mal interpretados
pelos gestores que estruturam as políticas públicas locais de desenvolvimento,
sobretudo, se o estigma também perpassa pelo discurso público. O Secretário
de Turismo de Baía da Traição tem um discurso estigmatizado em relação
aos excursionistas: “[...] Tem um grande problema com ‘esse pessoal’ aí. ‘Esse
pessoal’ hoje não está gerando renda no município. E eles trazem tudo das
suas cidades: bebida, comida, essas coisas [...]”. Esta percepção estabelece um
cenário desfavorável à compreensão do excursionismo e de seus reais impactos
sobre as relações sociais e os locais visitados.
Desde a perspectiva dos comerciantes e população dos municípios
investigados, o turismo se apresenta como importante impulsor econômico.
O discurso dos entrevistados reproduz a ideia de que a atividade turística é
fundamental para o desenvolvimento econômico dos municípios de Lucena e

320 A percepção dos agentes territoriais


de Baía da Traição: “Se não fosse o turismo, o comerciante da Baía não vive-
ria!” (Comerciante de Baía da Traição nº 01). A percepção de comerciantes,
do poder público e da população local é da dependência dos municípios ao
turismo, seja pelo comércio ou pela arrecadação municipal.
Nesse sentido, há inegavelmente uma associação na percepção dos
entrevistados entre o desenvolvimento econômico dos municípios e o turismo.
Entretanto, dada à associação exclusivamente econômica entre desenvolvi-
mento e turismo, o excursionista desejado é aquele que agrega recursos finan-
ceiros ao comércio local ou às prefeituras, ainda que indiretamente. “[...] As
pessoas que estão aqui aos domingos são todos sem dinheiro. É o verdadeiro
‘lisão’!” (Comerciante de Baía da Traição nº 03). Discursos como o apresen-
tado, são emblemáticos da percepção sobre o excursionismo e os excursionistas,
em que a falta de consumo é um indicador negativo para o desenvolvimento
territorial.
Molina e Vela (2009) apontam vários elementos ou fatores de impulso
à interação entre visitantes e população local, com destaque para o nível edu-
cacional e econômico. Em relação ao nível educacional, quanto mais cons-
ciente de sua presença, a partir dos impactos socioculturais e ambientais que
provoca no local visitado, o visitante tende a respeitar os valores locais e, por-
tanto, a evitar atritos com a população local. A dimensão econômica, por seu
turno, reporta à capacidade de consumo e de circulação de riquezas que o
visitante pode promover no local visitado. Na percepção da população local,
esse aporte econômico trazido pelos visitantes dinamiza e dignifica o trabalho
nos municípios. No entanto, enquanto fator de impulso para a interação entre
excursionista, população local e veranistas, a condição econômica sobrepõe-se
à educação.
Embora o econômico tenha sua importância no contexto interacio-
nal entre visitantes e população local, a questão nevrálgica está em associar o
turismo ao desenvolvimento territorial sob uma perspectiva prioritariamente
econômica: “[...] A praia fica mais suja, mais deixa mais rendimento, né? Se eu
compro uma mercadoria, eu vou comprar muito mais e isso vai deixar benefí-
cios para a prefeitura” (Comerciante em Baía da Traição, nº 1).
O incremento da perspectiva exclusivamente econômica desta ativi-
dade depõe contra o desenvolvimento territorial, por desprezar a complexidade
existente no fenômeno turístico. Quando indagado sobre o desenvolvimento
territorial associado ao turismo, o Secretário de Turismo de Baía da Traição

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 321
demonstrou sua preocupação com a atração de turistas de massa, que possam
gastar no município em questão, sem esboçar preocupação com os impactos da
atividade, nem tampouco com a distribuição de renda no município:
[...] A gente tem que procurar trazer esses grupos de receptivo,
gente que venha para o município, que venha para gastar aqui no
município, que venha para almoçar em restaurante, que venha
se hospedar em pousadas (Secretário de Turismo de Baía da
Traição).
As privações da população local causadas pelos excursionistas ou pela
atividade turística em seu conjunto não são apresentadas como preocupação
pelo poder público local. A questão do turismo está associada à geração de
receitas para o município. Este discurso do poder público também é tratado
por Castro e Figueiredo (2013), ao analisarem os espaços públicos de Belém/
PA, e concluírem que as ações do poder público estadual em relação à ati-
vidade turística enquanto atividade econômica, podem levar problemas para
estes espaços e para a vida social da cidade.
Esses discursos ainda reforçam a perspectiva de Brasileiro (2012),
quando a autora analisa que o turismo tem se apresentado como uma fer-
ramenta operada pelo estado, em seus mais diversos níveis de gestão, para a
promoção do desenvolvimento de alguns territórios. Mas a “ênfase desta
centralidade do turismo tem recaído predominantemente no paradigma eco-
nômico, principalmente quando se trata das agendas dos governos locais,
regionais ou nacional” (BRASILEIRO, 2012, p.75). Na perspectiva dos ges-
tores públicos deste estudo, o visitante almejado é o visitante que gasta, seja
excursionista ou turista, desprezando-se os impactos, as experiências, as trocas
e a compreensão do homo situs (ZAUOAL, 2010), como elemento central no
processo do desenvolvimento turístico e territorial.
O turismo não é solução para todos os problemas locais, inclusive os
econômicos (CORIOLANO; SAMPAIO, 2012). Em alguns casos, as ativida-
des relacionadas ao turismo podem gerar mais problemas. Portanto, não raro,
as expectativas exclusivamente econômicas depositadas sobre os excursionistas,
implicam frustrações, quando se percebe no cotidiano dessas pequenas cidades
litorâneas, que esses visitantes podem não corresponder às expectativas dos
comerciantes e da gestão pública, para o incremento de receita e circulação de
riqueza. Nessa linha, a advertência, sobretudo no plano político, das eventuais
repercussões negativas que o turismo pode provocar não é mencionada, pois a

322 A percepção dos agentes territoriais


ênfase dos discursos recai sobre o lucro e o trabalho gerado por esta atividade.
Os problemas sociais e econômicos que já afligem esses territórios são enco-
bertos e se cumpre a inelutável profecia de que “a euforia inicial dará lugar à
desilusão e à visão mais realista das coisas [...]” (KRIPPENDORF, 2009, p.
71).

CONSIDERAÇÕES FINAIS
O turismo é um fenômeno social complexo, que frequentemente é
analisado desde sua dimensão econômica. As dimensões políticas, sociais, cul-
turais e ambientais, também tão importantes para o desenvolvimento turístico
e de um território, são colocadas em posições secundárias nas percepções da
grande maioria dos agentes sociais. Assim mesmo, as interações sociais existen-
tes entre os agentes, no uso do espaço turístico de litoral, permitem constatar
a complexidade das representações que orientam as ações para o desenvolvi-
mento turístico e dos territórios.
As representações sociais predominam sobre a realidade do excursio-
nismo nos municípios de Baía da Traição e Lucena. Como base no IDH dos
municípios estudados e dos municípios de origem dos excursionistas, assim
como nas entrevistas e documentos analisados, constata-se que o perfil socio-
econômico dos excursionistas e população local dos municípios estudados não
difere entre si. Entretanto, essa semelhança não impede a reprodução de um
discurso estigmatizado e o tratamento de “farofeiros” para o excursionista. O
estigma está em base ao perfil dos excursionistas, ou seja, à identificação com
o lugar de procedência; a profissão que exerce; ao tipo de transporte utilizado;
ao uso de isopores, fogões, mesas e cadeiras no espaço de praia e ao comporta-
mento mais ruidoso. Expressões como “povo do cabelo amarelo”, “bandidos do
Rio” e “povo estranho”, sustentam-se em base à aparência e aos comportamen-
tos dos excursionistas, bem como das fronteiras invisíveis construídas a partir
da segregação do uso social das praias como espaço de lazer.
No discurso dos comerciantes, a segregação se efetua em base à capa-
cidade de consumo dos excursionistas e ao volume de vendas realizado aos
domingos. Ao relacionar o excursionismo ao desenvolvimento territorial, o
paradigma econômico predomina nos discursos dos agentes sociais. Desde o
discurso do poder público e do setor privado, o turismo é um importante fator
para o crescimento dos territórios. Este discurso, entretanto, está relacionado a

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 323
uma maior arrecadação de impostos, a geração de emprego e renda e aumento
nas vendas do comércio local.
A dimensão ambiental não é tratada pelos agentes sociais. Quando
provocados para analisarem sobre este tema, recai sobre o excursionismo a pro-
dução do lixo, a poluição sonora e os problemas de mobilidade urbana. A falta
de infraestrutura nos espaços de praia, a falta de serviços públicos e marcos
regulatórios para o uso da praia como espaço público de lazer não são consi-
derados nos discursos dos agentes sociais. Neste contexto, o estigma associado
ao excursionista adquire um caráter moral, com consequências sócio-políticas
e culturais, que traslada as causas dos problemas dos municípios de turismo de
litoral para o grupo estigmatizado. Esta representação social do excursionista
inibe a atribuição da responsabilidade coletiva, ou seja, do poder público, setor
privado, população local, turistas e veranistas, para um desenvolvimento turís-
tico que traga desenvolvimento para os territórios.

REFERÊNCIAS
BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2009.
BARRETO, M. O imprescindível aporte das ciências sociais para o planejamento e a compreensão
do turismo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 9, n. 20, p. 15-29, out/2003.
BRASIL. Ministério do Turismo. Números do turismo no Brasil. Disponível em:<http://
www.dadosefatos.turismo.gov.br/export/sites/default/dadosefatos/estatisticas_indicadores/
downloads_estatisticas/Estatxsticas_Bxsicas_do_Turismo_-_Brasil_2004_a_2009.pdf.>.
Acesso em 23 de jul. de 2013.
BRASIL. Ministério do Turismo. Plano Nacional do Turismo (2013-2016). Disponível em:
http://www.turismo.gov.br/turismo/o_ministerio/plano_nacional/. Acesso em 4 de junho de
2014.
BRASIL. Ministério do Turismo; Fundação Getúlio Vargas (FGV). Sondagem ao Consumidor:
Intenção de Viagem. Disponível em: http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/export/sites/
default/dadosefatos/conjuntura_economica/downloads_conjuntura/Relatxrio_Sondagem_do_
Consumidor_Intenxo_de_Viagem_JANEIRO_2013.pdf. Acesso em 23 de jul. de 2013.
BRASILEIRO, M. D. S. Desenvolvimento e Turismo: para além do paradigma econômico.
In: In: BRASILEIRO, M. D. S.; MEDINA, J. C. C.; CORIOLANO, L. N. (org.). Turismo,
Cultura e Desenvolvimento. Campina Grande: EDUEPB, 2012.
BRASILEIRO, M. D. S. Pluralidade Metodológica: um diálogo entre o qualitativo e o
quantitativo nas ciências sociais. In: DINIZ, A. S.; BRASILEIRO, M. D. S.; LATIESA, M.
(Org.): Cartografias das novas investigações em sociologia. João Pessoa: EDU-UFPB/Manufatura,
2005.

324 A percepção dos agentes territoriais


CASTRO, A. T.; FIGUEIREDO, S. L. Turismo, políticas públicas e espaços públicos urbanos: a
Estação das Docas em Belém/Pará. IN: AZEVEDO, F. F.; FIGUEIREDO, S. L.; NÓBREGA,
W. R. M.; MARANHÃO, C. H. (org.): Turismo em Foco. Belém: NAEA, 2013.
CORIOLANO, L. N.; SAMPAIO, C. A. C. Discursos e concepções teóricas do desenvolvimento
e perspectivas do turismo como indução. In: BRASILEIRO, M. D. S.; MEDINA, J. C. C.;
CORIOLANO, L. N. (org.). Turismo, Cultura e Desenvolvimento. Campina Grande: EDUEPB,
2012.
DA MATTA, R. Espaço-casa, rua e outro mundo: o caso do Brasil. A casa & a rua, v. 6, p. 29-63,
1991.
DIAS, R. Planejamento do Turismo: política e desenvolvimento do turismo no Brasil. São Paulo.
Atlas, 2003.
ELIAS, N.; SCOTSON, J. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a
partir de uma pequena comunidade. São Paulo: Zahar, 2010.
ELIAS, N. O Processo Civilizador: uma história dos costumes. v.1. São Paulo: Zahar, 2010.
GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. In: Revista de
Administração, v.35, n.2, p.57-63, Mar./Abr., 1995.
GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro:
Guanabara, 1988.
KRIPPENDORF, J. Sociologia do Turismo. São Paulo: Aleph, 2009.
MAZZOTTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências naturais e sociais. São
Paulo: Pioneira, 1999.
MEDINA, J. C. Re-construcción de la cultura y del espacio turístico In: BRASILEIRO, M.
D. S.; MEDINA, J. C. C.; CORIOLANO, L. N.: Turismo, cultura e desenvolvimento. Campina
Grande: EDUEPB, 2012.
MEDINA, J. C.; PABLOS, J. C. Turismo e residencia: conflicto de intereses en el marco del
desarrollo sostenible. In: BLANQUER, D.: La calidad integral del turismo. Valencia/España:
Tirant lo Blanch, 2003.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE COMÉRCIO. Mainstream Tourism Development in the
Least Developed Countries: Coherence & Complimentarity of Policy Instruments. Disponível em:
<http://www.wto.org/english/forums_e/ngo_e/CSEND_mainstream_tourism_development.
pdf>. Acesso em: 10 de jun.2013.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE TURISMO. Conceitos, definições e classificações para
estatísticas de turismo: Um Manual Técnico. São Paulo, 1994.
PAIVA, M. G. M. V. Sociologia do turismo. Campinas: Papirus. 2005.
PAPES, A. C. S.. A cidade turística na busca do desenvolvimento: estudo de caso realizado em
Cabaceiras após a inserção do projeto Turismo Histórico Cultural no Cariri Paraibano. Dissertação
(Mestrado em Desenvolvimento Regional). Universidade Estadual da Paraíba, Programa de
Pós-Graduação e Pesquisa, 2011.
PEREIRA, V. B. Os dias cinzentos: práticas de sociabilidade nos Domingos da Baixa Portuense.
Dinâmicas Culturais, Cidadania e Desenvolvimento Local, Lisboa, ano 1, n. 1, p. 37-53, maio/1994.

Daniel Ferreira de Lira | Julio César Cabrera Medina | Maria Dilma Simões Brasileiro 325
PARAÍBA. PDDM (Plano Diretor Municipal). Diretrizes Municipais: proposições para o
Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal da Baía da Traição. João Pessoa, 2001.
PLANO DISTRITAL DE SAÚDE INDÍGENA. Município de Baía da Traição, Paraíba,
2005.
PORTAL DA TRANSPARÊNCIA. Indicadores Econômicos de 2011. Disponível em: <
http://transparencia.pb.gov.br/indicadores-do-paf/>. Acesso em 22 de jan.2013.
PROGRAMA DAS NACÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD).
Resumo do Relatório do Desenvolvimento Humano 2013 – A Ascensão do Sul: Progresso
Humano num Mundo Diversificado.
SALES, Â. J. de S.. Atitudes ambientais: um diálogo para o uso sustentável dos recursos recifais
em Baía da Traição. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Programa
de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente - PRODEMA, Universidade
Federal da Paraíba, 2012.
SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no século XXI. São Paulo,
Record, 2001.
SEN, A. Desenvolvimento com liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
VELA, M. R.; MOLINA, M. E. R. Actitud del residente hacia el turismo yel visitante: Factores
determinantes en el turismo y excursionismo rural-cultural. Cuadernos de Turismo, nº 23, p. 217-
236, jan/2009.
ZAOUAL, Hassan. O homo situs e sua perspectiva paradigmática. OIKOS. Rio de Janeiro, v. 9, nº
1, p. 13-39, 2010.

326 A percepção dos agentes territoriais


Das cidades industriais às cidades turísticas,
tempos diferentes espaços semelhantes:
uma leitura da produção do espaço em
morro de São Paulo (Bahia/Brasil)

Julien Marius Reis Thévenin1


| Celso Donizete Locatel2

INTRODUÇÃO
Enquanto diversos estudiosos se referem correntemente ao turismo,
utilizando-se do termo “indústria do turismo”, por agregar diversos setores
de produção, outros consideram o uso do termo um equívoco, alegando que
o turismo não se insere no setor secundário da economia, e sim no terciário.
Uma ampla discussão pode ser estabelecida, e já se estabelece, sobre o uso
adequado ou não do termo. Embora seja comum a consideração do fenômeno
como indústria, para Andrade (2004), é mais coerente a posição de alguns
estudiosos que negam ao turismo seu propalado caráter industrial, porque os
consumidores dos produtos turísticos são os verdadeiros autores do processo
produtivo, que se deslocam para consumir os bens produzidos pela atividade
turística, efetivando a existência do próprio fenômeno.
Nessa perspectiva, a utilização da indústria (construção civil, trans-
porte ou de alimentos) não faz do turismo uma indústria, até porque grande
parte das prestações de serviços tem a indústria como base. Os produtos con-
sumidos nos lugares turísticos, exceto a paisagem e o espaço, são originários
das fábricas, assim como parte dos turistas; pois, com a massificação, essa ati-
vidade passou a ser composta por grande número de operários, que teve uma
ampliação da capacidade de consumo, incorporando os produtos turísticos a
sua cesta de bens e serviços consumidos.

1 Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). E-mail: julienreis@gmail.com


2 Professor Adjunto do Departamento de Geografia (UFRN). E-mail: celso.locatel@gmail.com
O crescimento em massa dessa atividade econômica e a acumulação de
capital, por diversos setores, são fatores que contribuíram para essa associação
entre turismo e indústria. Por outro ângulo, apesar de se pautar na prestação de
serviço e na ampliação do uso e consumo de bens industrialmente produzidos,
a natureza da paisagem e do espaço produzidos para e pelo consumo turístico,
em muitos aspectos, se assemelha a características dos espaços reproduzidos a
partir da instalação de indústrias, o que nos remete à necessidade de um “olhar”
mais profundo.
O processo que será retratado, apesar de se basear na leitura do
que acontece na vila de Morro de São Paulo, parte do município insular de
Cairu-BA, é um movimento global que aporta aos mais variados locais uma
lógica de reprodução semelhante. À medida que crescem interesses econô-
micos, como o turismo, sob determinado recorte do espaço rural litorâneo, é
iminente a sua urbanização, já que a urbanização tem por característica prin-
cipal um elevado grau de mercantilização, pois nesta economia todo o lugar é
transformado em mercadoria. Como observa Rodrigues (2002, p. 57), “altera-
-se tanto a ‘paisagem’ física como as relações sociais dos moradores da área que
passam a gravitar em torno da indústria e da prestação de serviço”. O desen-
volvimento deste processo se dá gradualmente, diferenciando-se em escalas de
tempo e espaço.
Assim como os produtos da indústria os lugares turísticos competem
enquanto mercadorias, e é nesta concorrência voraz onde será definido o seu
destino. Merece destacar que “as cidades turísticas representam uma nova e
extraordinária forma de urbanização, porque elas são organizadas não para a
produção, como o foram as cidades industriais, mas para o consumo de bens,
serviços e paisagens” (LUCHIARI, 1998, p. 17). No entanto, apesar das diver-
gências citadas anteriormente, entre as cidades industriais e as contemporâneas
cidades turísticas, foram observadas neste estudo significativas semelhanças
quanto à urbanização das mesmas, afinal ambos os processos encontram-se
subordinados a uma única lógica, a de produção capitalista do espaço.
Esta pesquisa teve por objetivo principal analisar as transformações
socioespaciais de Morro de São Paulo, Bahia, a partir do desenvolvimento
turístico local. Sendo esta uma vila originalmente rural, onde os moradores
viviam da pesca, extração de mariscos, o cultivo de algumas culturas de sub-
sistência e/ou prestando serviços temporários em fazendas de coco e piaçava.

328 Das cidades industriais às cidades turísticas


Também foi analisada a relação entre o rural e o urbano na reconfiguração
deste espaço pelo turismo.
Para a análise deste processo foram realizadas quinze entrevistas diri-
gidas à: moradores nativos, que vivenciaram o início do processo de cresci-
mento da atividade turística local; empresários que investem neste setor da
economia local; representantes do poder público que estão diretamente vin-
culados a políticas de “desenvolvimento” do turismo e/ou à infraestrutura de
base nos locais onde o turismo se realiza no município; e representante da
Associação Ambientalista Baiacu de Espinhos (AABBE). A quantidade de
entrevistas aplicadas aos diferentes segmentos da sociedade local foi definida
segundo critério de repetição, ou seja, quando as informações começavam a
serem repetitivas cessou-se a realização de entrevistas. Essas entrevistas junta-
mente com observações de campo (apoiadas por diálogos informais e pesquisa
fotográfica) e revisão bibliográfica constituíram os procedimentos metodoló-
gicos deste estudo.
Morro de São Paulo (Mapa 1) é o local do arquipélago de Tinharé
(município insular de Cairu-BA) que se encontra em estágio mais avançado
de crescimento da atividade turística. A urbanização deste espaço tem se dado
por um alto grau de mercantilização do solo e da paisagem, refletindo as con-
tradições espacialmente reproduzidas pelo capital e dinamizadas pela econo-
mia do turismo no mundo, em recortes como o litoral nordestino. Apesar do
crescimento econômico gerado pelo turismo, o município, no ano de 2010,
segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE),
contava com uma população de apenas 15.374 habitantes. Vale ressaltar, que
a partir da década de 1990, com a intensificação da atividade turística, seus
impactos começam a ser percebidos no local.

O RURAL E O URBANO NA PRODUÇÃO DE UMA NOVA NECESSIDADE


Para se compreender o processo de reconfiguração espacial em Morro
de São Paulo é essencial entender algumas características do processo global
de constituição de uma sociedade urbana, não só quanto a aspectos físicos e
funcionais, mas principalmente àqueles relacionados ao modo de vida e suas
relações derivantes. Desse modo, é visto que a constituição de uma socie-
dade urbana tem-se dado a partir do movimento de diferenciação e iguali-
zação espacial enquanto dualidade, o rural e o urbano, que ora se opõe, ora se
complementa.

Julien Marius Reis Thévenin | Celso Donizete Locatel 329


Mapa 1: Localização de Morro de São Paulo, Cairu (Bahia/Brasil).

Fontes: Imagem do satélite GeoEye (14/01/2009), extraída através do software Google Earth; Mapas
políticos do Brasil (IBGE, 1997).
Elaboração: Julien M. R. Thévenin

Para Marx, o rural e o urbano são antítese, na qual, no seu movimento,


encontra-se condensada a história econômica da sociedade. Neste estudo, o
movimento entre o rural e o urbano é fundamento para a compreensão da pro-
dução do espaço e de uma nova necessidade produzida pelo padrão de desen-
volvimento capitalista, que é a prática do turismo.
Para Rotta (1997), com base no pensamento de Marx, a separação
entre a cidade e o campo, na oposição entre o espaço rural e o espaço urbano,
desde seu início, encontra-se baseada na história da divisão social do trabalho.
Embora, com o desenvolvimento do modo de produção capitalista, essas duas

330 Das cidades industriais às cidades turísticas


formas venham a se confundir cada vez mais, a natureza, bem como a gênese
da mesma, é distinta.
Segundo o autor, a primeira forma de manifestação da oposição entre
o urbano e o rural surge com o desenvolvimento da economia mercantil e com
a ampliação subsequente do espaço de circulação de mercadorias, com a qual
vão sendo ultrapassados os estreitos limites da economia natural, em que o
homem viveu durante milênios. Todavia, segundo Rotta (1997), com o passar
do tempo, com a generalização das trocas e com a expansão do mercado, inclu-
sive a nível mundial, uma parte cada vez maior da produção se transforma em
produção voltada para a troca e não diretamente para o autoconsumo.
Dessa forma, afirma Rotta (1997), a divisão social do trabalho vai
aumentando e, progressivamente, as atividades extrativas assim como aquelas
de transformação vão se separando das atividades agrícolas. A divisão social e
espacial do trabalho decorrente desse processo geral é o fundamento de toda a
produção de mercadorias. Ele coloca que o caráter parasitário e limitado dessa
forma inacabada de capital (a economia mercantil), baseada na troca desigual,
no entanto, marca um período extremamente longo da história humana. As
grandes navegações transformaram praticamente todos os continentes em
espaços rurais que alimentavam a acumulação mercantil das principais cidades
das metrópoles.
Rotta (1997) ressalta que o caráter da divisão social e espacial do
trabalho muda completamente com a preponderância da segunda forma de
manifestação da oposição existente entre espaço urbano e espaço rural, a par-
tir do modo de produção capitalista. O espaço urbano deixa de ser unica-
mente espaço de circulação de mercadorias para tornar-se também, cada vez
mais, espaço de produção, deslocando a dinâmica produtiva para a cidade. São,
sobretudo, as atividades inseparáveis da terra, a agricultura em particular, que
predominam no campo.
Para o autor é a partir do processo de acumulação primitiva que se
rompe a antiga relação em que o homem vivia em contato direto com a natu-
reza. Onde, diferentemente, a nova divisão social do trabalho impõe uma
grande especialização espacial, ao nível da produção, transferindo para o
espaço urbano a maior parte das atividades manufatureiras. Em um primeiro
momento, ficam reservadas ao espaço rural as atividades tradicionais.
Uma constatação importante destacada pelo autor é que, mesmo muito
antes de atingir essa evolução mais avançada, as populações rurais ficaram

Julien Marius Reis Thévenin | Celso Donizete Locatel 331


liberadas de certas atividades não-agrícolas, tendo a possibilidade de encon-
trar no mercado muitos dos artigos que deixaram de produzir. Evidentemente,
tal transformação supõe a posse de algum dinheiro, obtido através de uma
dedicação maior de tempo à produção agrícola voltada para o mercado. Aliás,
essa forma de dissociação entre espaço urbano e espaço rural, entre agricul-
tura e indústria, só pode se viabilizar na medida em que a agricultura também
participou, ainda que não inteiramente, desse processo de especialização cres-
cente, liberando-se de atividades que não lhe eram próprias e desenvolvendo
a produtividade até um grau que lhe permitia a produção de uma quantidade
de produtos que satisfazia não só suas próprias necessidades, mas também as
necessidades da população urbana, intercambiando com ela seus produtos.
A relação campo/cidade desde sua gênese tem sido economicamente
complementar, embora desigual no valor-de-troca, é no modo de viver onde
se concentra uma de suas maiores oposições e conflito. O urbano não aparece
apenas como especialização espacial definido por sua forma, função e estru-
tura, mas como ideia de progresso e desenvolvimento que, nesse movimento
da produção do espaço, se impõe sobre o rural, no conflito que se estabelece
entre o moderno e o tradicional e se desfaz a cada novo moderno que se impõe.
Neste sentido, Lefebvre (2006, p. 11) observa que, “trazidas pelo tecido urbano,
a sociedade e a vida urbana penetram nos campos”. A urbanidade enquanto
ideal moderno se impõe a cada lugar, sobrepondo o urbano ao rural, gerando
conflitos derivados de lógicas globais estabelecidas.
Segundo Williams (1989), nessa longa transição de uma sociedade,
predominantemente, rural para uma sociedade de predominância urbana, a
partir deste ideal de desenvolvimento, cristalizaram-se e generalizaram-se ati-
tudes emocionais poderosas. O campo passou a ser associado a uma forma
natural de vida, pautada na paz, na inocência e virtudes simples, enquanto
que a cidade associou-se à ideia de centro de realizações, de saber, de comu-
nicações, de luz. Também, constelaram-se poderosas associações negativas: a
cidade como lugar de barulho, mundanidade e ambição; o campo como lugar
de atraso, ignorância e limitação.
A cidade é também lugar onde as múltiplas contradições do capital se
sobrepõem, e onde “ondas de problemas” socialmente produzidas circulam e
se expõem. A classe trabalhadora (agora mais diferenciada e fragmentada), na
forma da classe média, principalmente, envolta pela poluição, pelos engarrafa-
mentos, pelo trabalho excessivo, pela violência, pela pobreza, pela ausência do

332 Das cidades industriais às cidades turísticas


natural, exige o direito ao lazer e busca “o retorno à natureza” enquanto neces-
sidade de fuga à frenética rotina urbana socialmente produzida. Para Lefebvre
(2002) a estrutura do poder se estabelece sobre a classe média, principalmente
por sua ambiguidade, onde lhes são atribuídas uma realidade econômica (ao
mesmo tempo de produção e de consumo) e uma ilusão de poder político.
Nesse contexto, uma das ilusões de poder da classe média é ter o direito
ao lazer (na forma do turismo), com a ampliação do consumo, uma conquista
em termos de melhoria de vida, pois continua se submetendo ao mesmo pro-
cesso que tem produzido o caos urbano. Essa necessidade de “retorno a natu-
reza” tem sido tanto produto do padrão de desenvolvimento urbano, quanto
instrumento para a reprodução ampliada do capital. Apesar de existirem diver-
sificações mercadológicas quanto ao público e à motivação turística, nas suas
mais variadas classificações, é no espaço rural onde se encontra produzida sua
principal e escassa mercadoria na forma de paisagens da natureza, ainda pouco
transformadas. O urbano se impõe enquanto negação da natureza, produzindo
sua revalorização nos resquícios existente em espaço rural, com tendência à
negação posterior ao consumo dessa paisagem e à reprodução desse espaço
pela urbanização.
Carlos (2001) analisa que o consumo do espaço se dá pela transforma-
ção generalizada do mesmo em mercadoria, que impõe ao seu uso a existência
da propriedade privada de suas parcelas, dessa forma o processo de reprodução
do espaço aponta para a tendência da predominância da troca sobre os modos
de uso, o que revela o movimento do espaço de consumo para o consumo do
espaço.
No entanto, esse “retorno à natureza” não se dá de forma homogênea
no espaço rural ou pouco urbanizado, porque, mesmo no espaço rural, a natu-
reza, em suas formas exuberantes, encontra-se cada vez mais escassa. As pou-
cas áreas conservadas devem-se, na maioria das vezes, às condições geográficas
peculiares por elas apresentadas (solos de baixa fertilidade, relevo acidentado,
acesso restrito pelo caráter insular, irrelevante interesse econômico etc.), que
não favoreceram o acesso ou a instalação social, pelo menos até ser descoberto
pelo turismo.
O litoral, principalmente na região intertropical, possui algumas carac-
terísticas básicas, sendo elas a praia e elevadas temperaturas associadas a exten-
sos períodos de exposição à radiação solar, que, quando junto a vestígios de

Julien Marius Reis Thévenin | Celso Donizete Locatel 333


natureza (por exemplo, de Mata Atlântica), formam a paisagem e o espaço
ideal a ser mercantilizado para o consumo turístico.
Na década de 1960, percebeu-se que, durante as férias dos cidadãos
Europeus, principalmente do Norte, moradores de grandes cidades procura-
vam locais antes considerados inóspitos, onde as condições naturais pareciam
impedir a fixação humana. Esses lugares coincidiam com pequenas vilas medi-
terrâneas predominantemente rurais, com atividades ligadas à pesca e agricul-
tura. Logo esses lugares, que pouco ou nenhum valor tinham para o capital,
entraram no circuito imobiliário com altos preços das parcelas de terras e das
edificações.
O ano de 1989 marcou um crescimento acelerado do turismo, nos anti-
gos países socialistas Europeus. A abertura desses países à recepção de pessoas
oriundas do ocidente facilitou a inserção do capital, e sua lógica de extração de
lucro sobre estes. Seu isolamento contribuiu para atração de turistas ocidentais
com o apelo de serem lugares diferentes e excitantes, até então inacessíveis.
Além das belas cidades (Praga, Budapeste, etc.), locais históricos e de grande
valor cultural (museus, galerias de arte, etc.), seus recursos naturais (como áreas
rurais conservadas, florestas, lagos, montanhas e praias), ainda assim, aparecem
entre suas principais atrações. Merecendo destaque neste caso, países como a
Bulgária e a Romênia, que tem costas banhadas pelo mar Negro, e passaram a
entrar no circuito internacional de turismo no modelo de “sol e praia” (WITT,
2002).
Já no Brasil, na década de 1970, junto com várias ações econômicas
que produziriam o “milagre brasileiro”, o governo militar se deu conta de que
o tempo de não-trabalho dos cidadãos brasileiros, especialmente da classe
média emergente, poderia ser uma nova fonte de investimentos privados
(OLIVEIRA, 1999). Afinal, o Brasil possuía quilômetros de litoral, repletos de
ruralidade e natureza, onde diversos locais teriam condições suficientes para se
tornarem destinos turísticos. Assim, áreas de costa, com características, predo-
minantemente, rurais passaram a ser valorizadas e, em muitos casos, tornam-
-se lócus de intensa urbanização, diante do processo de mercantilização das
paisagens naturais.

MORRO DE SÃO PAULO E O “BOOM” TURÍSTICO


Os primeiros indícios de turismo e de uma nova configuração socioes-
pacial em Morro de São Paulo foram às casas de veraneio (segunda residência),

334 Das cidades industriais às cidades turísticas


que teve início na década de 1960. Esses moradores temporários de origem,
predominantemente, urbana contribuíram para a ampliação da relação campo/
cidade nesses lugares, ainda essencialmente rurais. Distinguiam-se dos nativos
de múltiplas formas, mas vale ressaltar que tinham poder aquisitivo superior
e que para eles aquele lugar não era espaço de trabalho, mas, sim, de repouso,
lazer, tranquilidade, aproximação com a natureza. Nessa contínua relação
entre nativos e veranistas, havia uma influência mútua de informações e cos-
tumes, onde os aspectos urbanos tendiam a prevalecer pouco a pouco. É nesse
momento que tem início a prestação de serviço do nativo ao veranista, com
destaque aos serviços domésticos. Também começa a se ampliar sobre a popu-
lação nativa o desejo por bens de consumo, atrelado a uma necessidade de uma
maior renda.
O desenvolvimento da pesca já havia gerado um melhor rendimento
a uma considerável parte dos nativos, quando, a partir da década de 1980, o
turismo crescente passa a aportar profundas transformações a essas localidades,
quanto à composição da renda da população. A chegada dos primeiros estran-
geiros acompanhou a compra de propriedades de nativos para construção das
primeiras infraestruturas voltadas para o turismo. Alguns nativos, principal-
mente os mais jovens, começaram a deixar o trabalho em atividades tradicio-
nais, passando a ser assalariados em serviços voltados para o turismo. Cresce
o número de empreendedores, principalmente de origem estrangeira e/ou do
sul e sudeste do país, ao passo que um contingente cada vez maior de traba-
lhadores migrantes3 se instala nesses lugares em busca de melhores condições
de vida.
A partir de entrevista realizada com uma nativa, pode-se analisar um
pouco da história do crescimento do turismo em Morro de São Paulo:
[...] os estrangeiros chegavam aqui, conheciam, depois voltavam
pra se erradicar “botando” pousada, pizzaria, alugando pousada
e, arrendando pousada. Isso aí chamou, então veio também a
migração de outras pessoas de outras comunidades pra traba-
lhar. Todo esse crescimento foi muito desordenado, inclusive as
construções desordenadas sem controle. [...] Os nativos vendo a
chegada de estrangeiro aqui com dólar, o dólar valendo muito, a

3 Advindos de municípios circunvizinhos (Valença, Ituberá, Camamu, Gandu...) onde bolsões de


pobreza e miséria se propagam à sombra das sucessivas crises da monocultura cacaueira.

Julien Marius Reis Thévenin | Celso Donizete Locatel 335


poupança também valendo muito, então muitos foram se enga-
nando com isso e foram vendendo suas casinhas, vendendo seu
chãozinho para os estrangeiros que foram chegan