Você está na página 1de 29

Leis de Newton

(Isaac Newton, 1642-1727)

Até agora apenas descrevemos os movimentos sem se preocupar com suas causas
- cinemática.

É impossível, no entanto, prever movimentos usando somente a cinemática.

Forças são as causas das modificações no movimento. Seu conhecimento permite


prever o movimento subseqüente de um objeto.

O estudo das causas do movimento é a Dinâmica.

01
Forças de contato e forças à distância
O conceito leigo de força é um conceito primário, intuitivo. Por exemplo, é
preciso “fazer força” para deformar uma mola, empurrar um carrinho,etc.
Em Física, pode-se definir como força um agente capaz de alterar o estado de
movimento retilíneo uniforme de um corpo ou de produzir deformações em um
corpo elástico. Em muitos casos, uma força faz as duas coisas ao mesmo tempo.
As forças podem, de maneira geral, ser classificadas em dois grandes grupos:
forças de ação à distância e forças de contacto (que incluem também as forças de
tração). A força de atração gravitacional é uma força de ação à distância e as forças
de atrito (com o ar e com o solo) e força normal são exemplos de forças de contacto.
As forças que agem à distância diminuem com esta.
Forças fundamentais da natureza:
Gravitacional
Eletromagnética
Força nuclear fraca
Força nuclear forte
02
Existem dois tipos de força: forças de contato e forças de campo

Forças de contato são


aquelas em que há a
necessidade de um
contato físico entre os
corpos para que neles
atuem essas forças.

Forças de campo são


aquelas que atuam à
distância, sem a
necessidade de contato
entre os corpos.

03
Resultante de forças
As forças se somam como um vetor: a resultante de n forças
agindo sobre um corpo é:
r r r r r
Fres = F1 + F2 + F3 + L + Fn
Diagrama de corpo livre: isolamos o corpo em questão
colocando todas as forças externas que agem sobre o corpo. Exemplo:
r
N
r
força de resistência do ar T

r
m1g
r
força T′
norm força peso
al r
m2g

força de atrito com o solo Forças internas x forças externas


04
Força e 1a Lei de Newton
Uma partícula sujeita a uma força resultante nula mantém o seu
estado de movimento. Se ela estiver em repouso, permanece
indefinidamente em repouso; se estiver em MRU, mantém sua
velocidade (constante em módulo, direção e sentido).
r r r r r
∑ F = 0 ⇔ v = v0 = cte r dv
a=
dt
=0
r
O repouso é apenas um caso particular da expressão acima: 0 = 0
v
Do ponto de vista da dinâmica, ausência de forças e resultante de
forças nula são equivalentes.
Quando observamos um corpo colocado em movimento (pela ação
de uma força) sempre verificamos a diminuição de sua velocidade após o
cessar da força. Isto porque é praticamente impossível eliminar as forças
de atrito completamente.
05
Referencial Inercial

Sistema de referência inercial é aquele no qual a primeira lei do


movimento de Newton é válida

Se um referencial é inercial, qualquer outro referencial que se mova


com velocidade constante em relação a ele é também inercial.
r r
vref = constante ⇒ aref = 0
Exemplos:
Referencial inercial:
- Dentro de um trem com velocidade constante obeservando uma pessoa parada na
estação.
-Dentro de um trem com velocidade constante obeservando uma pessoa caminhando
com velocidade constante na estação.
Referencial não inercial:
- Dentro de um trem que parte com aceleração constante obeservando uma pessoa
parada na estação e outra andando na estação.
06
Exemplos:
Quando um corpo está em movimento e freia bruscamente, ele é
arremessado para frente, pois todo corpo que está em movimento
tende permanecer em movimento.

Neste caso, a massa dos


corpos continua tendo
relação com sua INÉRCIA?

07
2a Lei de Newton

A aceleração de um corpo é diretamente proporcional à força


resultante agindo sobre ele e inversamente proporcional à sua massa.

Matematicamente:
r r r
r dv
Fres = ∑ Fi = ma = m
i dt
A massa é uma grandeza escalar

A massa que aparece na 2a lei de Newton é chamada de massa


inercial

08
Decomposição de forças e
a 2a Lei de Newton r
F2
r r
r dv r
∑ Fi = ma = m dt r
F1 m ∑Fi

r
dvx
∑ Fxi = max = m dt F3

dv y
Decomposição vetorial: ∑ Fyi = ma y = m dt
dvz
∑ Fzi = maz = m dt
09
Medida e Unidade de Força
Corpos elásticos se deformam sob ação de
forças de contato. Podemos medir o efeito
de uma força aplicada a um corpo pela
distensão que ela produz numa mola presa
ao corpo. O dinamômetro baseia-se neste
princípio.
Vamos usar provisoriamente a escala da
régua como unidade de força: a força da
mola é:
F = k ∆L
Esta é a Lei de Hooke
(homenagem a R. Hooke, 1635-1703, o primeiro a formulá-la)
No Sistema Internacional de unidades (SI) a força é medida em
Newton (N) :
m
1 N = 1 kg ⋅
s2
10
Exercício 1:
Um disco de hóquei de 0,30 kg desliza sobre uma superfície sem atrito de um
rinque de gelo. Ele é golpeado simultaneamente por dois bastões de hóquei
diferentes. As duas forças constantes que agem sobre o disco como, mostrado
na figura, são paralelas à superfície do gelo. Os módulo dessas forças são F1 =
5,0 N e F2 = 8,0 N. Determine a aceleração do disco enquanto está em contato
com os dois bastões.
Resolução:
∑F x = F1x + F2 x = F1 cos (20º ) + F2 cos (60º )

∑F x = (5,0 N )(0,940) + (8,0 N )(0,500)


= 8,70 N

∑F y = F1 y + F2 y = − F1sen (20º ) + F2sen (60º )

∑F y = (5,0 N )(−0,342) + (8,0 N )(0,866)


= 5,22 N

11
Da segunda lei de Newton:

ax =
∑F x
=
8,70 N
= 29,0 m / s 2 ay =
∑F y
=
5,22 N
=17,4 m / s 2
m 0,30kg m 0,30kg

r
a = a x iˆ + a y ˆj = 29,0 m / s 2iˆ + 17,4 m / s 2 ˆj

12
A Força Gravitacional e o Peso
r
A força gravitacional Fg aponta para o centro da Terra.

Um corpo em queda livre está sujeito apenas à força gravitacional.


- Pela segunda lei de Newton:
r r
∑ F = Fg
Como a aceleração de um corpo em queda livre é igual a aceleração
da gravidade
r r r r
∑F = ma → F = mg

13
3a Lei de Newton
r
Se dois corpos interagem , a força F12 exercida pelo rcorpo 1 sobre o corpo 2
é igual em módulo e direção, mas em sentidos oposto à força F21 .

14
Par Ação e Reação

A normal e o peso não constituem um par ação e reação porque atuam no


mesmo corpo.
15
Exercício 2
A figura abaixo mostra um bloco (deslizante) de massa M = 3,3 kg. Ele se
move livremente, sem atrito, sobre a superfície horizontal de uma mesa. O
bloco deslizante está preso a uma corda que passa em volta de uma polia de
massa e atrito desprezíveis e tem, na outra extremidade, um segundo bloco
(suspenso) de massa m = 2,1 kg. O bloco suspenso, ao cair, acelera o bloco
deslizante para a direita. Determine:
(a) a aceleração do bloco deslizante;
(b) a aceleração do bloco suspenso;
(c) a forca de tração na corda;

Identificando as forças que atuam


nos corpos do problema:

16
A partícula em Equilíbrio

Diz-se que um corpo está em equilíbrio quando se ele está em repouso, ou em


r
movimento retilíneo uniforme. A partir da 2ª lei de Newton, tem-se que a = 0 .

Matematicamente, é equivale a:

∑ Fx = 0
r 
∑F =0 ⇒ ∑ Fy = 0

∑ Fz = 0

O equilíbrio é estático se o corpo estiver em repouso.

O equilíbrio é dinâmico se o corpo estiver em MRU.

17
Exercício 3
Um sinal luminoso pesando 122 N está pendurado por um cabo preso a dois
outros cabos ligados a um suporte (Figura) Os cabos fazem ângulos de 37º e 53º
com a horizontal. Esses cabos superiores suportam uma tensão até 100 N. Nessa
situação os cabos permanecem em repouso ou algum cabo vai se romper?
Resolução:
Força Componente x Componente y
r
T1x = -T1cos 37o T1y = T1sen 37º T1 = 73,4 N
T1
r
T2 T2x = T2cos 53o T2y = T2sen 53o T2 = 1,33 T1
r
T3 T3x = 0 T3y = -122 N T2 = 1,33 ⋅ 73,4

∑ F = − T cos 37º +T cos 53º = 0


x 1 2
(1) T2 = 97,4 N

∑ F = T sen37º +T sen53º −122 = 0


y 1 2
(2)

Da eq. (1), achamos T2 em termos de T1 :


As tensões no fio é dado
por: r  cos 37 º 
r T2
T2 = T1   = 1,33 T1
T1  sen 53º 
Substituindo na eq. (2) :
r T1 sen 37 º + (1,33 T1 )(sen 53º ) = 122
T3
18
Plano Inclinado

∑F x = ma (1)

∑F y =0 (2)

Desenvolvendo a
equação (2)

N − mg cos θ = 0

N = mg cos θ

Desenvolvendo a equação (1)


PN =mgcosθ θ P = mg mgsenθ = ma

a = gsenθ
Pt=mgsenθ
19
Exercício 4: Questão 65 da lista de exercícios
Um bloco de massa m1 = 50 kg está apoiado sobre um plano inclinado liso
que forma um ângulo de 30º com a horizontal, conforme indicado na
figura ao lado. Este corpo é ligado a outro de massa m2 através de um fio
inextensível e de massa desprezível que passa por uma roldana sem atrito.
Considere m2 = 30 kg. (a) Calcule a aceleração de cada corpo. (b) Ache o
módulo da tensão da corda.

20
Força de Atrito

- É uma força de contato que causa


uma resistência ao movimento.
- Força de Atrito Estático fe

f ≤ µe n
n ≡ Módulo da força normal
µ e ≡ Coeficiente de atrito estático

- Força de Atrito Cinético fc


µ c ≡ Coeficiente de atrito cinético
Os valores destes coeficientes de
atrito depende da natureza das
superfícies. Para estimar estes
valores, consultamos uma tabela.
21
22
Exercício 5:
Um bloco de massa 25, inicialmente em repouso, está sobre uma superfície
horizontal. É necessário aplicar uma força horizontal de 70 N para que o
bloco comece a se mover. Após entrar em movimento, é necessário aplicar
uma força horizontal de 60 N para que ele se mova com velocidade
constante. (a) Quais os coeficientes de atrito estático e cinético?

23
Exercícios 6:
Aplicações das leis de Newton: Força de contato
Um trabalhador T está empurrando um caixote de massa m1 = 4,2 Kg. Na
frente do caixote está um segundo caixote de massa m2 = 1,4 Kg. Ambos os
caixotes deslizam sobre o chão sem atrito. O trabalhador empurra o caixote 1
com uma força F1T = 3 N. Encontre as acelerações dos caixotes e a força
exercida sobre o caixote 2 pelo caixote 1.

r
a
identificando as forças que atuam
nos corpos do problema:

24
Exercícios 7:

Aplicações das leis de Newton: Força Normal


Um homem de massa m = 72,2 Kg está em um elevador
sobre uma balança de plataforma, que é essencialmente
uma balança de molas calibrada que mede a força exercida
sobre o homem. Qual a leitura da balança quando a cabine
do elevador está:
(a) Parada em determinado andar;
(b) Descendo com velocidade constante de 1,5 m/s;
(c) Subindo com uma aceleração positiva de 3,2 m/s2;
(d) Descendo com uma aceleração positiva de 2 m/s2;
r
N
identificando as forças que atuam
nos corpos do problema:

r r r
P N P 25
Modo Geral

26
Exercício 7: Questão 76 da lista de exercícios:
Uma força horizontal F de 53 N empurra um bloco que pesa 22 N contra
uma parede vertical. O coeficiente de atrito estático entre a parede e o
bloco é 0,60 e o coeficiente de atrito cinético é 0,40. Considere o bloco
inicialmente em repouso. O bloco começará a se mover? Qual é a força
exercida no bloco pela parede?

27
Máquina de Atwood

m1 > m2:
O referencial é adotado no sentido negativo de y.

Bloco 1: m1 g − T1 = m1a1
Bloco 2: m2 g − T2 = − m2 a2

Para um fio homogêneo e inextensível:


a1 = a2 = a
T1 = T2 = T
m1 − m2 m1m2
a= g T= g
m1 + m2 m1 + m2
28
Exercícios 8:
Aplicações das leis de Newton: Máquina de Atwood
Dois corpos de massa m1 = 8 kg e m2 = 2 kg estão ligados por um fio
inextensível que passa por uma roldana sem atrito presa no teto. No início do
experimento o sistema é abandonado em repouso com a massa m1 a altura h
= 75 cm. (a) Quanto tempo leva para m1 tocar o solo. (b) Qual a força de
tração no fio?

29

Você também pode gostar