Você está na página 1de 5

AKATOMBO

Vívidas são as lembranças,


Dos entardeceres de céus flamejantes
À perseguir libélulas vermelhas.
Plàcidamente pousadas
Na ponta de uma vara,
Fundindo ceu e agua em suas
Resplandecentes asas
Num cesto as enchi.
Seriam visões?

FURUSATO

Inesquecível terra natal,


Das verdejantes matas,
Dos córregos de águas cristalinas,
Da infância despreocupada.
Como estarão aqueles
Que lá ficaram?
Quem sabe, um dia,
Sonhos realizados,
Para lá, voltarei.

☆ Furusato, terra natal, é a canção que mais toca no coração dos japoneses que
estão distantes da sua terra de origem. Aos imigrantes em particular, ao ouvir e
cantar esta canção, difícil é conter as lágrimas.

SUKIYAKI

Caminho sòzinho,
Olhando para o céu,
Para não derramar lágrimas vertidas,
Ao recordar os sonhos da primavera.
Contando as estrelas turvadas
Pelos olhos lacrimosos,
Vou relembrando
Felizes dias do verão
A felicidade está acima do céu,
A felicidade está além das nuvens
A tristeza se esconde na sombra das
Estrelas
A tristeza está na sombra da lua
Sem estar ao lado de alguém,
Eu sigo a caminhar...

☆ Este título não correspondeo o conteúdo da canção. Ao pé da letra, quer dizer, "
olhando para o céu, vou caminhando".

Ii
BASHOFU

Okinawa,
Verdejante ilha do sul,
Perene é o seu verão,
A vastidão do céu é de um azul anil
Esmeralda é a cor do mar
As folhas das bananeiras,
Balançam,
Ao sabor dos ventos
Que sopram do sul
O castelo de Shuri,
De glorioso passado,
De presente oferecia,
A visitantes ilustres,
O Bashofu, orgulho
De nossa
Querida Okinawa.

☆ Esta canção remete a ilha de Okinawa, famosa outrora por tecer com fibras do
caule de bananeiras fino tecido adequado para o verão. O BASHOFU orgulho da
artesania local era presenteado a visitantes ilustres.

SANSHIN NO HANA

O velho sanshin presente do avô,


Que animou festas e aniversários,
Chorando no outono,
Resistindo no inverno,
Desabrochando na primavera
Empoeirado estava, esquecido num canto.
Recomposto, ganha nova vida,
Nas mãos do jovem
O sabor do saquê
O luar despontando no horizonte,
Faz lembrar festas da família.
As alegrias e tristezas,
Enterradas nesta ilha,
Onde sopra o vento quente,
Que convida a chuva,
Para esta ilha,
Floresce,
A flor do sanshin

☆ O velho sanshin do avô, antes empoeirado, esquecido num canto, ganha vida
quando o jovem começa a tocar.
Antigas lembranças de cenas familiares,
Vêm à tona,
Chorando no outono,
Suportando o inverno.
Desabrochando na primavera, A flor do Sanshin.
SAKURA
Nas alamedas floridas de sakura,
Nos despedimos abanando as mãos,
Sob promessas do reencontro,
Mesmo nos difiiceis momentos,
Você tem forças para rir,
Mesmo quando a derrotuuuya pareça iminente,
Tive a certeza que você terá
Forças para lutar
Na paisagem cada vez mais a apagar,
Ainda ouço a canção daquele dia.
Adeus companheiros.
Agora seria capaz de dizer,
Palavras sem falsidade
Rogando um futuro brilhante,
Com palavras verdadeiras?
À paisagem está sempre a mudar,
Como se fosse nos apressar
Sakura, Sakura sob a chuva de pétalas,
Não chore, queridos companheiros
Nesta despedida de formatura,
A certeza de que vamos
Na vida mudar
Sem enfeitar o sorridente semblante. Sakura, sakura nos caminhos
Dos tapetes de pétalas
Adeus companheiros,
Até um novo reencontro,
Neste lugar.

☆ No Japão os estudantes que passam anos a fio juntos, quando da formatura do


segundo grau, o ambiente é cercado de emoções, Agora cada qual tomará diferentes
rumos. Uns irão tentar uma vaga na Universidade, outros ingressarão no mercado de
trabalho, mas com promessas de um dia reencontrar nos caminhos forrados de
pétalas de Sakura.
" Mesmo nos momentos difíceis,
Você terá Forças para rir.
Mesmo que s derrota seja iminente,
Você terá forças para resistir,
Mas tenho a certeza que
Vamos a vida mudar."

ASADOYA YUNTA

Canção composta numa remota ilha de Okinawa no século XVIII, esta canção-
símbolo da ilha relata as peripécias de amor entre um funcionário do governo e uma
garota da ilha. O refrão repete , Linda namorada, Linda namorada!
HANA WA SAKU

Na alvura da estrada de neve,


O odor da brisa da primavera,
Faz - me lembrar aquela cidade.
Os sonhos que queria realizar,
As mudanças que me faria,
Agora simples recordações,
Daquelas pessoas

Ouço alguém cantando,


Dando forças para alguém,
Vejo rostos sorridentes de alguém,
Do outro lado da tristeza

Desabrocham as flores,
Desabrocham as flores,
Para você que um dia vai nascer,
Desabrocham as flores,
Desabrocham as flores,
O que eu deixei?

Além do céu noturno estrelado,


Nos sinais do amanhecer,
Lembra -me daqueles dias.
Com muitas saudades
Magoei pessoas, eu me magoei,
Chorei pelos perdidos entes queridos
Agora só posso lembrar
À falta que lhes sinto .

Posso ler seus sonhos,


Ainda posso sentir
Juntos a mim
Ainda enxergo seu futuro,
Além ďas tristezas

As flores desabrocham , As flores desabrocham


O que deixei para outas gerações?
As flores desabrocham as flores desabrocham
Para você que está por nascer
As flores desabrocham , As flores desabrocham,
Para você que um dia vai amar,
Para você que um dia vai amar.

☆ Está canção foi composta especialmente para consolar as vítimas do tsunami de


Fukushima para quem não havia como traduzir em palavras os sentimentos de
solidariedade. Gravado em conjunto por cantores japoneses de vários estilos trouxe
algum conforto aos sobreviventes.
NADA SOO SOO

Folheando o velho álbum, murmurei


Muito obrigado!
Sempre, sempre,
Dentro do meu peito
Aquela pessoa que me incentiva
Mesmo em dias limpos
Ou em dias chuvosos
A sua imagem emerge
Mesmo com as lembranças a distanciar,
Procurando nas sombras
No dia que vejo com nitidez,
As lágrimas escorrem

Oro para a primeira estrela a aparecer.


Este meu hábito costumeiro,
Quando ergo os olhos ao entardecer
Com toda a minha alma
Estou a procurá-la

Nas tristezas e nas alegrias


Penso na sua imagem.
De seu lugar
Quando vejo com meus olhos
Acredito que com certeza,
Vamos nos reencontrar,
Assim vou vivendo

Nos dias limpos,


Nos dias chuvosos
A sua imagem emerge,
Mesmo com a sua imagem a distanciar
De tanta tristeza
De tanta melancolia
Quando vem as lembranças de você
Lágrimas vem a escorrer.


Ao folhear um velho álbum, uma imagem que ora se distancia, ora fica nítida ,
Traz lembranças de alguém que a incentivava e lhe dava forças. Agora é seu hábito,
no céu do entardecer erguer os olhos e rezar com toda a alma para primeira estrela
vespertina.
Quando as lembranças vem à tona,
A tristeza a melancolia
Fazem as lágrimas a escorrer.

Você também pode gostar