Você está na página 1de 27

Parashá do ano: 50 - 7ª de devarim: Dt 26.1 - 29.

8 KI T: AVÔ (Quando Vieres)

Haftará: Is 60.1-22 B'Rit Hadashá: Ef 1.3-6 Tehilim (salmos) 51

Serviço de Shabat
Shacharit
1 – Ma Tôvu

Ma Tôvu ohalêcha Iaacóv, mishkenotêcha Yisrael


2 – Zemirot

 Diversas do Zemirot (Cantor)

 Kehilá e Chazan juntos

Mizmor Shir Le Yom Hashabat (Zemiroth 19)

 To d o s

Mizmor shir leyom hashabat

Tov leodot l’Adonai

Ulezamer leshimhá Elión

Ulezamer leshimhá Elión (2X)

 Chazan

Tzadik katamar yifrach,

Keérez belevanon yisguê

Shetulim bevêt Adonai,

1 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Bechatserot Elohênu yafrichu.

Od Yenuvum beshevá, deshenim veral

Ananim yihiú.

Lehaguid Ki yashar Adonai

Tsuri velo aviatá bô.

 To d o s

Mizmor shir leyom hashabat

Tov leodot l’Adonai

Ulezamer leshimhá Elión

Ulezamer leshimhá Elión (2X)

“Salmo e Cantico para o dia de Sábado”

Bom é render graças ao senhor, e cantar louvores ao Teu Nome, Ó Altíssimo..

O justo florescerá como os cedros do Líbano plantados na casa do Senhor. Florescerão


nos átrios da casa do nosso D’us. Na velhice ainda darão frutos. Serão cheios de seiva e verdor.
Para anunciar que O senhor é reto. Ele é a minha Rocha e nEle não há injustiça. (Sl. 92: 1, 12-
15)

3 – Barechú

 Chazan

 Barechú et Adonai haMevorách!


 Kehilá

Baruch Adonai haMevorách leolam vaed!


 Chazan

Baruch Adonai haMevorách leolam vaed!

4 – Qeriat Shemá

2 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


 Chazan

Bendito sejas Tu, Senhor, Criador de todos os seres vivos, dos anjos de Sua Glória,
de todo ser humano e de toda criatura.

Todos Te rendemos louvores pelo Teu eterno amor com que nos tens amado, e
juntos proclamamos em uníssono:

 Kehilá

SHEMÁ YISRAEL, ADONAI ELOHÊNU, ADONAI ECHAD.


Baruch Shem Kevod, malchutô leolam vaed.

 Chazan

Ouve ó Israel, o Senhor é nosso Deus, o Senhor é UM.

Veahavtá et A-do-nai E-lo-hê-cha, bechol levavechá uvchol nafshechá,


uvchol meodêcha. Vehayu hadevarim haêle, asher Anochi metsavechá
hayom, al levavêcha. Veshinantam levanêcha vedibartá bam, beshivtechá
bevetêcha, uvlechtechá vadêrech uvshochbechá uvcumêcha. Ucshartam
leot al yadêcha vehayu letotafot ben enêcha. Uchtavtam al mezuzot
betêcha uvish’arêcha.

Amarás, pois, o Senhor teu Deus, de todo teu coração, de toda tua alma e de toda a
tua força. Estas palavras, que hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as
inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo
caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão,
e te serão por frontal entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e
nas tuas portas. (Dt 6:4-9)

 Kehilá

ADONAI ELOHECHÊM EMÉT.

 Chazan

O Eterno vosso Deus é verdadeiro! E verdadeiras são todas as Suas promessas.

5 – AMIDÁ (A Grande Oração)

 Chazan

Abre, Senhor, os meus lábios, e a minha boca proferirá o Teu louvor (Sl 51:15)

Baruch Atá Adonai, Elohênu vElohê avotênu, Elohê Avraham, Elohê Yitschaq,
vElohê Ya’kov.

Bendito sejas Tu, Eterno nosso Deus e Deus de nossos pais, Deus de Abraão, Deus
de Isaac e Deus de Jacó.

3 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


( To d o s e m s i l ê n c i o , o r a m a p r e c e q u e s e s e g u e )

Bendito sejas Tu, Eterno, Nosso deus e Deus de nossos pais, Deus de Abraão, Deus
de Isaac e Deus de Jacó; O Grande, O Poderoso e Temido Deus. Altíssimo Deus que
concede boas mercês, que possui tudo e se recorda da piedade dos patriarcas, e que
com grande amor fará vir um redentor aos descendentes desses patriarcas, por
amor do teu Nome.

O r a d o r (Convidado) conclui sua oração e acrescenta os seguintes


agradecimentos e petições:

 Agradece pela semana que passou, suas bênçãos e pelo Sábado que agora desfruta.

 Roga à Deus para que estabeleça em breve O seu reino sobre toda a Terra e que
nossos olhos possam vê-Lo reinando em Sião.

 Pedidos e agradecimentos pessoais.

 Conclui pedindo que Ele possa estabelecer a Paz, o Shalom sobre si, na sua vida e
de seus queridos; de todos os seres humanos de uma vez, e para sempre.

Kedushá

 Chazan

Nós Te santificaremos e reverenciaremos com tom harmonioso, como aquele


usado na assembleia dos santos Serafim, que três vezes proclamam a Tua
Santidade, porque assim está escrito pela mão do teu profeta:
“E chama um ao outro e diz:

 Kehilá e Chazan juntos

Qadosh, Qadosh, Qadosh, Adonai Tseva Ôt, melo chol há’arets Kevodô!

Santo, Santo, Santo é o Eterno dos Exércitos, toda a Terra está cheia da Sua
Glória.

 Chazan

E unindo suas vozes, eles louvavam e diziam:

 Kehilá e Chazan juntos

4 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Baruch Kevod Adonai meimecomô.

Bendita é a Glória do eterno na Sua mansão. (Ez. 3:12)

 Chazan

E nas Santas Escrituras está escrito:

Kehilá e Chazan juntos

Ymloch Adonai leolam, Elochayich Tsion ledor vador, haleluiá.

O Eterno reinará para sempre; teu Deus ó Tsion, para todas as gerações,
Aleluia! (Sl. 146:10)

 Kehilá se assenta

 Chazan

Bendito és Tu, ó Eterno, Deus Santo. Ó Senhor, Tu nos tens santificado com
Teus mandamentos, e através de Moisés nos destes as duas tábuas de pedra,
onde estava escrito acerca da observação do Shabat, e assim está escrito na Tua
Torá.

 Kehilá e Chazan juntos

Veshamerú venê Israel et hashabat, l’assot et hashabat

Ledorotan berit olam.

Beni uven benê Israel ot hi leolam,

Kisheshet iamin assá Adonai

Et hashamayim ve’et há’árets

Uvaiom hashevií shavat vayinafash.

5 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Pelo que os filhos de Israel guardarão o sábado, celebrando-o por aliança
perpétua nas suas gerações. Entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre;
porque em seis dias, fez o Senhor os céus e a terra, e, ao sétimo dia, descansou e
tomou alento. (Êx. 31:16-17)

 Chazan

Alegrar-se-ão com o teu reino os que guardam o Shabat e o qualificam uma


delícia; o povo que santifica o sétimo dia, todo ele se fartará e se regozijará com
o Teu bem, porque comprazes-te com o sétimo dia e O santificaste. “Desejado
dos Dias” o denominaste em recordação á obra da Criação.

 Kehilá responde:

Nosso Deus e Deus de nossos pais, rogamos-Te comprazer-te em nosso repouso.

 Chazan

Santifica-nos com os Teus mandamentos, faz-nos saciar a Tua bondade, alegra


a nossa alma com a Tua salvação (Yeshua), e faz-nos herdar o Shabat da Tua
Santidade e folgue nele todo Israel.

Óh Eterno, que nossos olhos possam ver Teu retorno a Tsion.

Por todas as Tuas bênçãos e por todas as Tuas graças, nós te agradecemos, Ó
Eterno Nosso Deus.

 BIRKAT COHANIM (Rosh)

Yevarechechá Adonai veyishmerêcha


Yaer Adonai Panav elêcha vichunêca
Yissá Adonai panav elêcha veyassem lechá shalom
Avinu Shebashamaim
 Kehilá e Chazan juntos

6 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Avinu shebashamim, itkadesh Shimchá.

Tavô malkutechá, ye’assê retsonchá

Kevashamaim ken ba’arets.

Et léhen chqênu tem lánu hayom,

Uslách lánu al chataênu kemô shessolechim

Gam anáchnu lachoteim lánu.

Veal teviênu lidê nissaiôn, ki’im chaletsenu min hará.

Ki leChá hamamlachá vehagevurá vehatiferet le’olamê olamim.

Amén!

Shemá Israel, Adonai Elohenu, Adonai Echad

Echad Elohênu, Gadol Adonênu, Qadosh Shemô.


Ouve ó Israel: O Senhor é o nosso Deus, o Senhor é Um.

UM é o nosso Deus, Grande é o nosso Senhor, Santo é o Seu Nome.

 Chazan

Engrandecei comigo o Eterno e, conjuntamente, enalteçamos O Seu Nome.

 Kehilá

A Ti, Eterno, pertence a Realeza, o poder, a glória, a eternidade, e a majestade, e


tudo o que existe nos céus e na terra;

a Ti pertence a realeza e Tu és exalçado acima de tudo.

Exaltai ao Eterno, nosso Deus e prostrai-vos ao escabelo dos Seus pé;

Santo é Ele. Exaltai ao Eterno, nosso Deus, e prostrai-vos no seu Santo monte pois
Santo é O Eterno, nosso Deus.

6 – Hotsat Torá
..............................

7 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


7 – Queriat Torá

 Olê (leitor da Torá)

Barechú et Adonai haMevorach!


Bendizei Ao Senhor que é Bendito!

 Kehilá

Baruch Adonai haMevorach leolam vaed!


Bendito é O Senhor que é Bendito para todo sempre!

 O l ê ( l e i t o r d a To r á )

Baruch Adonai hamevorach leolam vaed!

Baruch Atah Adonai Elohênu Mêlech haolam, Asher bachar bánu mikol

Há’amin, venatan lánu et toratô. Baruch atah Adonai, Noten Hatorá.

Bendito seja o Senhor que é Bendito para todo o sempre.

Bendito és Tu, senhor nosso D’s, Rei do Universo, que nos escolhestes entre todos os
povos, e nos destes a Tua Torá. Bendito és Tu senhor, que destes a Torá.

Kehilá

Amén!

 O l ê ( l e i t o r d a To r á )

Deuteronômio 21:10-25:19
Após a leitura, a bênção:

Baruch Atá Adonia Elohênu Melech haolam, Asher natán lánu torat emét vechaiê
olam natá betochênu. Baruch Atá Adonai, Noten Hatorá.

Bendito és Tu, enhor, nosso D’s, Rei do Universo, que nos destes a Lei da Verdade e
plantastes a vida eterna entre nós. Bendito és Tu, Senhor, que destes a Torá.

 Kehilá

Amén!

8 – Hagbahá uGelilá (Erguimento do Rolo d Torá)

8 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Haftará

Is 60.1-22

 Leitora

Baruch Atá Adonai Elehênu Mélech haolam, Asher bachar bineviim tovim.

Bendito és Tu, senhor, nosso D’s, Rei do Universo, que escolhestes bons profetas.

 Kehilá

Amén!

...

Baruch Atá Adonai Elohênu Melech haolam.

Bendito és Tu, senhor, nosso D’s, rei do Universo, que escolhestes bons profetas.

Leitura................................

9 – Leitura da Haftará (Profetas)

...............

10– Leitura da B’rit Hadashá

 Leitora (jovem)

Baruch Atá Adonai Elohênu Mêlech haolam, Asher qidshanu bemitsvotav uvdivrê
haMashiach.

 Kehilá

Amén!

Ef 1.3-6

Leitura................................

Te h i l i m ( S a l m o s )
51

9 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


10 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis
11 - DERASHÁ

Resumo da Parashá
http://www.youtube.com/watch?v=hNhuCqyD_z4

Resumo da Parashá
1. Parashat Ki Tavo inicia descrevendo a mitsvá anual aos fazendeiros de Israel
para que trouxessem seus bicurim, primeiros frutos, ao cohen no Templo,
quando então o fazendeiro reconhece o importante papel de D’us na provisão de
seu sustento.
2. Após novamente exortar o povo judeu a permanecer fiel a D’us, que os elegeu
especificamente como Seu povo escolhido dentre todas as nações do mundo,
Moshê ensina duas mitsvot especiais que eles deverão cumprir ao entrar na Terra
de Israel para reafirmar seu compromisso com a Torá.
Primeiro deverão escrever toda a Torá em doze grandes pedras, e então
deverão recitar bênçãos e maldições no vale entre Monte Gerizim e Monte Eival, as
quais se aplicarão respectivamente àqueles que cumprem e àqueles que afrontam a
Torá.
Seguindo-se uma recontagem das maravilhosas bênçãos que D’us concederá
ao povo judeu por permanecer fiel, Moshê faz uma assustadora profecia do que se
abaterá sobre o povo judeu por não cumprir a Torá. Conhecido como admoestação,
Moshê descreve com detalhes a horrível destruição que infelizmente acontecerá
quando nos desviarmos das mitsvot.
3. A Porção da Torá conclui quando Moshê contempla em retrospecto os
maravilhosos milagres que D’us realizou pelos quarenta anos anteriores,
lembrando o povo da enorme dívida de gratidão que tem com D’us por Seu
carinhoso amor.
...........................
Mensagem da Parashá

Muitos judeus passam longas horas no trabalho, mas esta alocação de tempo dos
profissionais judeus não reflete o que deveria ser sua suprema aspiração na vida, a
aspiração que expressamos duas vezes ao dia quando lemos o Shemá. "Amarás D’us
com todo teu coração..." Apesar de todo o tempo que passamos realizando
atividades aparentemente mundanas, o coração de um judeu na verdade anseia por
crescer em Torá e construir um relacionamento com seu Criador.

Rabi Moshê Feinstein destaca este conceito em uma declaração intrigante que Moshê
faz ao povo judeu na porção desta semana da Torá: "Vocês viram tudo que D’us fez
perante seus olhos na terra do Egito…as grandes provas que seus olhos viram, aqueles
sinais, e grandes maravilhas. Porém o Eterno não lhes deu um coração para conhecer as
bondades de D’us, e e olhos para ver, e ouvidos para ouvir, até os dias de hoje"
(Devarim 29:1-3).

Os judeus reclamaram em dez ocasiões diferentes sobre as condições inóspitas do


deserto no qual D’us os colocara, mas jamais reconheceram todos os grandes milagres

11 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


que D’us realizou para eles no Egito e no deserto durante os quarenta anos. D’us provou
constantemente Sua dedicação aos Filhos de Israel, mas eles sempre responderam com
rebelião e dissensão. Finalmente, naquele dia, ao final de sua jornada pelo deserto,
Moshê percebeu que os judeus eram definitivamente dedicados a D’us.

Um acontecimento em particular alterou a opinião de Moshê sobre o povo judeu. No


final de sua vida, Moshê copiou toda a Torá e tentou dar o rolo à família de Levi; eles,
mais que qualquer outra tribo, deviam dedicar a vida a estudar e ensinar o precioso livro
de D’us ao povo judeu. Rashi relata que o restante do povo judeu reuniu-se e disse a
Moshê que eles também tinham estado presentes no Monte Sinai quando D’us outorgou
a Torá. Eles afirmaram que presentear este rolo especial da Torá aos Levitas poderia
algum dia fazê-los dizer que a Torá fora dada exclusivamente a eles.

Rabi Moshê Feinstein explica que, na verdade, a família de levi jamais faria
reivindicação tão audaciosa; é claro que a Torá completa, mesmo as leis
especificamente aplicadas aos levitas, foram dadas a todo o povo judeu. Ao contrário, as
outras tribos suspeitaram de algo mais sutil. Os não-levitas, que deviam passar longas
horas no trabalho para ganhar o sustento, temiam que os levitas, que tinham a
oportunidade de passar o dia inteiro mergulhados na Torá, exigiriam exclusividade nas
áreas de ensinamento da Torá, e na resolução de complicados problemas da Lei Judaica.
Os não-levitas desejavam assegurar um lugar para si mesmos entre os especialistas em
Torá.

Ao exigir um papel ativo na perpetuação da Torá, o povo judeu mostrou o enfoque em


seu coração, e reassegurou a Moshê que tinham as corretas prioridades. Ter uma renda é
certamente uma necessidade, mas não importa quanto esforço devotem a outras
atividades, os judeus devem lembrar-se que a Torá e o relacionamento com D’us
permanecem sendo nosso verdadeiro objetivo de vida.

..........................

Mitsvá de Bicurim
Os primeiros frutos são trazidos das sete espécies pelas quais Êrets Yisrael é abençoada:
trigo, cevada, uva, figo, romã, azeitona e tâmara.
Quando o proprietário de um campo nota que o primeiro fruto (de qualquer um dos
tipos acima mencionados) começou a amadurecer em seu campo ou pomar, deve
amarrar uma fita em volta dele para marcá-lo como bicurim.
Um dos benefícios da mitsvá é a de fortalecer o autocontrole da pessoa. É tentador
degustar o primeiro fruto maduro de uma espécie que não estava disponível já há algum
tempo. Em vez disso, nós somos obrigados a nos refrearmos, e reservá-lo para D’us.
O dono do campo espera até que as várias espécies de frutos tenham amadurecido para
levá-los ao Bet Hamicdash. Se ele calcula que as primeiras frutas irão apodrecer antes
de começar sua jornada, ele deve preservá-las. Por exemplo, transformando os figos em
figos secos e as uvas em passas. Apesar de que ele só precisa dar uma fruta como
bicurim, quanto mais ele acrescentar, maior será sua mitsvá. Bicurim são recebidos
anualmente pelos cohanim entre Shavuot e Chanucá.
As frutas devem ser trazidas ao Bet Hamicdash em algum recipiente, como uma cesta, e
preferivelmente, uma espécie em cada recipiente. Se todas elas precisam ser colocadas
no mesmo recipiente, deve-se proceder da seguinte forma: a cevada por baixo, por cima

12 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


dela o trigo, acima dele as azeitonas, as tâmaras, as romãs, e finalmente os figos por
cima de tudo. Entre cada camada de fruta deve haver uma divisória, como folhas, e a
camada de cima é circundada por cachos de uvas.
Como os Bicurim Eram Trazidos para Yerushalayim
As cidades de Êrets Yisrael eram agrupadas em distritos. Os habitantes de cada cidade
de um mesmo distrito se reuniam em um lugar e viajavam juntos para Yerushalayim
para trazer os seus bicurim.
A mitsvá era engrandecida quando realizada por toda a congregação. Os viajantes
descansavam à noite em céu aberto (evitando assim a possibilidade de ficarem impuros,
pois alguém que estivesse numa casa que contivesse um cadáver, suas primícias se
tornariam impuras e portanto inaptas para serem trazidas ao Bet Hamicdash). De manhã,
o líder anunciava: "Levantem-se, e vamos a Tsiyon, à casa do nosso D’us!"
Um boi, que mais tarde seria oferecido como oferenda, ia à frente da procissão; seus
chifres cobertos com ouro e uma grinalda de folhas de oliva enfeitava sua cabeça. Os
viajantes recitavam (Salmos 122:1) "Eu ficava feliz quando me diziam: ‘Vamos à Casa
de D’us.’" Flautistas proviam acompanhamento musical até que a procissão alcançasse
Yerushalayim. Os viajantes paravam nos portões para arranjar e decorar seus bicurim,
enquanto avisavam que eles haviam chegado à cidade. Eles eram recebidos por vários
cohanim (sacerdotes), leviyim (levitas) e tesoureiros do Bet Hamicdash, que saíam para
cumprimentá-los. Ao entrar na cidade os viajantes proclamavam (Salmos 122:2)
"Nossos pés estavam em seus portões, Yerushalayim."
Os trabalhadores de Yerushalayim paravam seu trabalho, levantavam-se e
cumprimentavam os recém-chegados: "Nossos irmãos de tal cidade, sejam bem
vindos!" (Eles assim honravam os cumpridores da mitsvá. Para demonstrar nosso
respeito àqueles que estão cumprindo uma mitsvá, nós costumamos nos levantar, como
por exemplo quando um bebê é trazido para o Berit Milá.)
Os flautistas continuavam a tocar e os viajantes continuavam a recitar os versos dos
Salmos até chegarem ao Monte do Templo. Aí todos, inclusive o próprio rei, colocavam
suas cestas sobre os ombros e pessoalmente apresentavam-nas ao cohen. Quando a
procissão entrava na Azará (o pátio do Bet Hamicdash) os leviyim cantavam: "Te
louvarei, D’us, por ter me erguido e não ter deixado meus inimigos regozijarem-se em
mim."(Salmos 30:2).
Os viajantes tinham anexado pombas aos lados de suas cestas e davam-nas para os
cohanim, como oferenda. Com as cestas ainda em seus ombros, cada judeu recitava o
verso (Deuteronômio 26:3): "Eu declaro hoje a D’us, nosso D’us, que eu vim à terra que
D’us prometeu aos nossos antepassados que a daria para nós." Ele assim reconhecia que
D’us manteve a Sua promessa para com os nossos antepassados, e que ele trouxe para o
Bet Hamicdhash um presente de bicurim da sua porção de terra. Enquanto o proprietário
segurava a alça da cesta, o cohen colocava suas mão sob esta, e juntos, eles erguiam a
oferenda.
Lendo a Declaração de Bicurim
A fruta era colocada em frente ao altar (os bicurim eram colocados próximos do altar
para simbolizar que eles não eram trazidos para o cohen, mas sim para D’us, Que os
dava de presente aos cohanim). E o proprietário recitava em hebraico o capítulo
referente aos bicurim (Deuteronômio 26: 5 -10).
Originalmente, aqueles que sabiam ler hebraico recitavam o texto sozinhos, e aqueles
que não sabiam, um leitor realizava a mitsvá. Quando os sábios perceberam que os
judeus não letrados abstinham-se de trazer bicurim ao Bet Hamicdash, pois tinham
vergonha, eles instituíram que o texto fosse lido por um terceiro em qualquer caso.

13 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


(Similarmente, em tempos passados a Torá era lida na sinagoga por aqueles que eram
chamados para recitar a bênção. Já que algumas congregações não sabiam ler, foi
instituído que a Torá deve ser lida por um expert, comum a todos.)
A Torá ordena ao proprietário dos bicurim para ler justamente esta porção da Torá
porque ela descreve a bondade de D’us para com os judeus. O proprietário reconhece
sua gratidão por tudo que D’us fez por ele. O texto relata os sofrimentos e as aflições do
nosso povo, pois para apreciar as bênçãos deve ter em mente os infortúnios do passado.
Isso é o que se lê, enquanto se segura os bicurim (versículos encontrados na nossa
parashá – Deuteronômio 26:5):
"E ele (Yaacov) desceu ao Egito com pouca gente e lá tornou-se um povo poderoso e
numeroso. E os egípcios nos maltrataram e nos afligiram e colocaram sobre nós
trabalho duro. Nós gritamos para D’us, D’us dos nossos pais, e D’us ouviu nossa voz, e
viu nossa miséria, nossa labuta e nossa aflição. E D’us nos tirou do Egito com mão forte
e braço estendido e com grande temor, com sinais e maravilhas. E Ele nos trouxe para
este lugar, e nos deu esta terra, a terra onde jorram o leite e o mel."
Já que eu reconheço que tudo o que possuo é graças à bondade de D’us:
"E agora, portanto, eu trouxe as primícias da terra que Tu, D’us, me deste."
Completada a leitura, os bicurim são erguidos uma segunda vez, o proprietário coloca-
os ao lado do altar, prostra-se e deixa o Bet Hamicdash. Os bicurim eram distribuídos
entre os cohanim que estavam em serviço no Templo Sagrado.
Aquele que oferecia os bicurim deveria trazer oferendas e passar a noite em
Yerushalayim antes de retornar a sua casa. Esta mitsvá era chamada de liná, ou seja,
pernoitar em Yerushalayim. Uma das razões para pernoitar lá é que D’us queria que
aquele que oferecia os bicurim, depois de ter comparecido ao Bet Hamicdash,
absorvesse plenamente a santidade de Yerushalayim antes de retornar a seu lar, para que
a mitsvá tivesse um efeito duradouro sobre ele.
A mitsvá de bicurim, as primícias, é um exemplo impressionante dos esforços que os
judeus fazem para embelezar as mitsvot. Somente um profundo amor para a mitsvá
poderia converter o mandamento de "trazer os primeiros frutos ao Bet Hamicdash" em
um glorioso procedimento – uma festiva procissão até Yerushalayim, o recital das
escrituras acompanhado de música, e a apresentação de cestas de frutos cuidadosamente
arranjadas e decoradas para os cohanim.
O midrash nos conta:
A Voz Celestial
Depois de o judeu ter cumprido a mitsvá de bicurim, uma voz celestial podia ser ouvida
no Bet Hamicdash: "Que você tenha o mérito de trazer seus bicurim no próximo ano
mais uma vez!"
Similarmente, nossos sábios nos contam que dois anjos acompanham o judeu da
sinagoga para casa na noite de Shabat – um anjo misericordioso e um anjo negativo. Se
as velas de Shabat estão acesas, a mesa posta, e a casa preparada para honrar o Shabat, o
anjo bom clama: "Que seja a vontade de D’us que no próximo shabat seja a mesma
coisa!" O anjo negativo vê-se obrigado a responder "Amen". Se, D’us nos livre, a casa
não está preparada para o Shabat, o anjo negativo clama: "Espero que no Shabat que
vem seja a mesma coisa!" E o anjo bom vê-se obrigado e responder "Amen".
Sempre que um indivíduo cumpre uma mitsvá, ele cria um anjo que o ajuda a cumprir
mais mitsvot.
...................................
Separação do Maasser

14 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Os membros da tribo de Levi recebem alguns presentes de Benê Yisrael. Isso inclui
terumá (doação) para o cohen e maasser (dízimo) para o levi. Todo judeu também deve
separar o maasser sheni (o segundo dízimo), e comê-lo em Yerushalayim (Parashat
Reê). Em alguns anos, deve-se dar também o maasser ani, o dízimo para os pobres, no
lugar do maasser sheni.
Deve-se seguir algumas leis para cumprir a mitsvá adequadamente. Não se deve separar
menos do que um décimo da colheita da primavera, achando que poderá separar uma
parte extra da colheita do outono. Não se pode também comer o segundo dízimo quando
se está enlutado por um parente morto que ainda não tenha sido enterrado.
Quem é que verifica se o indivíduo separou a quantidade adequada de cada tipo de
maasser?
Ninguém. A Torá ordena que a cada três anos, todo indivíduo deve verificar a si próprio,
se ele separou as quantidades certas de maasser do seu produto. Se perceber que não, ele
deve separar o maasser naquela hora e dá-lo para um levi.
Deve-se também separar terumá e chalá (uma parte da massa) para o cohen. Se não
separou o segundo dízimo, ele deve fazê-lo naquele momento e trazê-lo para
Yerushalayim. Assim também, se não tirou o dízimo dos pobres quando tinha de fazê-lo,
deve dá-lo agora para os necessitados.
No último dia de Pêssach do quarto e do sétimo ano de cada ciclo de shemitá (ano
sabático), o judeu deve proferir o vidui maasser (a confissão do dízimo), que atesta que
ele cumpriu todas as leis de maasser. Isto o ajuda a ser cuidadoso ao separar os dízimos
corretamente. Depois da confissão, pede-se a D’us que abençoe Benê Yisrael com chuva
e produtos deliciosos:
"Eu cumpri meus deveres; agora Tu, D’us, cumpre a Tua parte: observe da residência da
Tua santidade, dos Céus, e abençoe o Teu povo, Israel, e a terra que Tu nos deste assim
como prometeste para os nossos pais, uma terra onde as frutas são gordas como o leite e
doces como o mel."
Enquanto os judeus separassem os dízimos, as frutas teriam sabor e aroma deliciosos e
seriam suculentas; quando eles parassem, estas bênçãos cessariam.
Por que esta declaração é chamada de "confissão", apesar de não mencionar nenhum
pecado?
Se Benê Yisrael não tivessem idolatrado o bezerro de ouro, o serviço Divino
permaneceria como privilégio dos primogênitos, e todas as casas judias poderiam ser
um templo sagrado. Somente por causa da recaída espiritual do povo tornou-se
necessário retirar dízimos de casa para dá-los aos cohanim e leviyim. Por isso, nós
confessamos

..................................

Revisão da Torá
Moshê completou a revisão da Torá e o ensinamento das mitsvot. (O resto das
parashiyot do livro de Devarim referem-se a fortificar a observância da Torá: escrever a
Torá em pedras ao atravessar o rio Jordão; um novo pacto com Benê Yisrael; predições
sobre o futuro; e admoestação para retornar a D’us em tempos de angústia.
Agora Moshê exortou Benê Yisrael: "Vocês receberam a Torá há quarenta anos no
Monte Sinai, porém seus ensinamentos devem ser todo dia novos e frescos para vocês

15 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


como se fosse o primeiro dia que vocês os ouviram. O objetivo do estudo da Torá é para
saber a vontade de D’us e para cumpri-la de todo o coração (e não mecanicamente).
"Vocês proclamam diariamente a unicidade de D’us através do versículo ‘Shemá Yisrael
– ouça Yisrael.’ "Em retorno, D’us declara que vocês também são únicos: ‘E quem é
como o teu povo, Israel, uma nação na Terra’ (Shemuel II 7:23)!
"Ele lhes prometeu na outorga da Torá que vocês são Sua preciosa nação. Já que vocês
estudam Sua Torá e são uma nação sagrada, vocês serão reconhecidos como supremos
por todas as nações e elas os louvarão."
D’us e o povo de Israel são inseparáveis.

O Memorial de Pedras
D’us ordenou a Moshê: "Erga doze pedras enormes nas planícies de Moav. Escreva a
Torá sobre elas." Moshê fez como D’us ordenou. As pedras serviam para lembrar a
geração que entrou em Êrets Yisrael do cumprimento da Torá. Somente ao preservar a
Torá eles preservariam a terra. D’us ordenou que mais dois grupos de pedras fossem
erguidos pelo próximo líder, Yehoshua.

1. Yehoshua e Benê Yisrael atravessariam o rio Jordão para entrar na Terra de Yisrael.
Yehoshua deveria colocar doze pedras no local onde Benê Yisrael atravessaria o rio.
2. Outras doze pedras deveriam ser removidas do rio Jordão e ser carregadas até o monte
Eval. Esta é uma montanha no centro de Êrets Yisrael. Yehoshua e Benê Yisrael
deveriam construir um altar com as pedras tiradas do rio Jordão para fazer oferendas
para D’us. Depois de escrever a Torá nas pedras do altar, Benê Yisrael deveria pegá-
las e levá-las novamente até a fronteira da terra de Canaan. Elas eram deixadas lá
como um memorial.

Como as instruções de Moshê foram executadas na época de Yehoshua?


Uma história do livro de Yehoshua
A Entrada Miraculosa de Benê Yisrael para Êrets Yisrael
Moshê faleceu no deserto. Seu aluno Yehoshua levou Benê Yisrael até o rio Jordão, na
fronteira de Êrets Yisrael.
No dia 9 de Nissan, 2488, Yehoshua anunciou: "Preparem-se! Amanhã vocês
atravessarão o Jordão de forma milagrosa!"
Era época da primavera. Após a estação chuvosa, o rio Jordão estava transbordante. No
dia seguinte, Yehoshua comandou os oficiais: "Percorram o acampamento e clamem: ‘O
Aron (arca sagrada que continha as tábuas da lei) irá na frente. Todos devem segui-lo,
porém mantenham distância dele, em sinal de respeito.’"
Yehoshua escolheu quatro cohanim. "Em vez dos leviyim, vocês carregarão o aron hoje"
– ele instruiu. "Vocês são mais santos que os leviyim. Hoje um milagre se realizará por
intermédio do aron."
D’us orientou Yehoshua: "Diga aos cohanim que carregam o aron para entrarem no
Jordão e ficarem parados dentro da água, às margens do rio."
Yehoshua reuniu Benê Yisrael e anunciou: "Um milagre acontecerá agora. Este irá
confirmar que o D’us Vivo está entre vocês. Ele expulsará os canaanitas, os chitim, os
chivim, os perizim, os guirgashim, os emorim e os yevussim.

16 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


"D’us secará o Jordão para vocês."
Os cohanim marcharam com o aron à frente do povo. Eles entraram no rio Jordão e
ficaram parados nas suas margens. Imediatamente, o rio parou de correr. Ele amontoou-
se em uma alta muralha de água. Agora havia uma região seca para Benê Yisrael
atravessar. Os cohanim permaneceram de lado, parados dentro da água, próximos à
margem leste do rio, até que todo o povo tivesse atravessado para a margem oeste do rio
com segurança. Aí eles voltaram para a margem leste. A muralha de água começou a
jorrar novamente para dentro do rio, que logo ficou cheio como antes do milagre. Os
cohanim ficaram parados na margem leste do rio, enquanto todo o povo estava na
margem oeste, dentro da terra de Canaan.
Como os cohanim poderiam atravessar?
Um outro milagre ocorreu: o aron elevou-se para o ar e carregou a si mesmo e aos
cohanim em direção do povo! Os milagres encheram Benê Yisrael de um temor
respeitoso. Eles exclamaram: "Vejam quão grande é Yehoshua! Ele merecia ser o líder
depois de Moshê! Vamos obedecê-lo assim como obedecemos ao seu mestre!"
Yehoshua fez como Moshê ordenou na Torá, colocando doze pedras no rio Jordão, no
local onde o povo judeu atravessou. Estas pedras lembrariam às futuras gerações do
milagre lá ocorrido.
Yehoshua continuou a cumprir os mandamentos de Moshê , dizendo para um homem de
cada tribo pegar uma pedra do Jordão. Eles carregaram estas pedras enormes até o
monte Eval. Usando essas pedras, construíram lá um altar, fizeram oferendas e depois
escreveram sobre aquelas pedras a Torá. No monte Eval e na montanha próxima dele,
leram as bênçãos e as maldições. Então desmontaram o altar e carregaram as pedras de
volta para a fronteira de Êrets Yisrael, onde as colocaram como um memorial para as
gerações futuras. Todo judeu que entrasse em Êrets Yisrael veria estas doze pedras nas
quais foi escrita a Torá. Se perguntasse: "Para que servem estas pedras?" Lhe seria dito:
"Elas mostram que D’us dá a terra aos judeus sob a condição de preservarem a Torá e as
mitsvot."
...........................
Ki Tavô

Resumo da Parashá

Mensagem da Parashá

Seleções do Midrash

Artigos

Parashá com Rashi

Histórias

Torá e Estudo » Parashá » Arquivo Parashá » Devarim » Ki Tavô » Seleções do


Midrash

Bênçãos e Maldições

17 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Há duas montanhas em Êrets Yisrael na vizinhança de Shechem – monte Guerizim e
monte Eval. Moshe ordenou que no dia que os judeus entrassem em Êrets Yisrael, sob
liderança do seu sucessor, eles deveriam viajar diretamente àquele lugar, para
pronunciar as bênçãos e as maldições de D’us da seguinte maneira:
Seis tribos deveriam subir o monte Guerizim: Shim’on, Levi, Yehuda, Yissachar, Yossef
e Binyamin. Mais seis no monte Eval: Reuven, Gad, Asher, Zevulun, Dan e Naftali.
O aron Hacodesh (Arca Sagrada), os cohanim e os mais velhos dentre os leviyim
deveriam ficar no vale entre as duas montanhas, os cohanim formando um círculo
interno em volta do aron e os leviyim formando um círculo externo em volta dos
cohanim. Virando seus rostos em direção ao monte Guerizim, os mais velhos entre os
leviyim proclamavam a primeira bênção para que as tribos das duas montanhas
pudessem ouvir: "Abençoado é o homem que não faz uma imagem esculpida ou
fundida." As tribos das duas montanhas deveriam responder: "Amen – que assim seja."
Então os mais velhos dentre os leviyim viravam-se para o monte Eval e pronunciavam a
primeira maldição: "Amaldiçoado é o homem que faz uma imagem esculpida ou
fundida." As tribos das duas montanhas deveriam responder: "Amen – que assim seja."
Os leviyim deveriam continuar a pronunciar alternadamente uma bênção e uma
maldição. (Apesar de que a Torá escrita somente declara as maldições, cada maldição
era antes formulada positivamente, como uma bênção).
Por que D’us ordenou que os judeus escutassem a bênçãos e maldições no dia que
entrassem na Terra Santa?
Este seria um novo pacto, uma nova aceitação da Torá na própria Terra Santa. As duas
montanhas serviriam como testemunhas eternas que lembrariam os judeus de sua
promessa de cuidar da Torá em Êrets Yisrael.
Os leviyim deveriam amaldiçoar aquele que cometesse um dos onze pecados apontados
(e abençoar aqueles que se abstivessem deles). Estes pecados são geralmente cometidos
em segredo, portanto não podem ser punidos por uma corte de justiça.
Eles são:
* Abençoado seja o homem que não molda secretamente uma imagem de idolatria!
Amaldiçoado seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não despreza seu pai e sua mãe! Amaldiçoado seja
aquele que despreza seu pai e sua mãe [um pecado cometido freqüentemente em
segredo]!
* Abençoado seja o homem que não move a demarcação de fronteira do seu vizinho
[secretamente, para roubar sua terra]! Amaldiçoado seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não induz o cego a errar no seu caminho (que não dá
conselhos errôneos para um indivíduo ignorante)! Amaldiçoado seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não perverte o julgamento de um guer (convertido), de
um órfão e de uma viúva! Amaldiçoado seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não deita (secretamente) com a mulher do seu pai!
Amaldiçoado seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não deita (secretamente) com um animal! Amaldiçoado
seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não deita (secretamente) com a sua irmã! Amaldiçoado
seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não deita (secretamente) com a sua sogra! Amaldiçoado
seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que não atinge seu próximo secretamente [falando mal
dele]! Amaldiçoado seja aquele que o faz!

18 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


* Abençoado seja o homem que não pega suborno [ou qualquer outro ganho financeiro]
para matar um inocente! Amaldiçoado seja aquele que o faz!
* Abençoado seja o homem que cumpre todas as palavras da Torá! Amaldiçoado seja
aquele que não o faz!
A última bênção e maldição é abrangente. Moshê abençoou o judeu que aceita a Torá
sobre si e amaldiçoou aquele que não o faz. O povo deveria responder "amen" depois de
cada bênção ou maldição.
O livro de Yehoshua relata que no dia em que entraram em Êrets Yisrael, os judeus
viajaram até os montes Guerizim e Eval e pronunciaram as bênçãos e as maldições
assim como a Torá ordenou.
Depois disso, Moshê continuou a pronunciar bênçãos pelo cumprimento da Torá e
reprovações pela sua transgressão.
Bênçãos e Advertências
Na Parashá de Bechucotai, no livro de Vayikrá, D’us prometeu bênçãos para Benê
Yisrael por cumprirem a Torá e punições – D’us nos livre – por deixá-la.
Moshê estava muito preocupado. Ele temia que depois de sua morte o povo judia
trangredisse a Torá! Por isso, pediu a D’us: "Posso dar aos judeus mais bênçãos e
advertências?" D’us concordou com o pedido de Moshê. Quando Moshê expressou
estas bênçãos e advertências adicionais, o Ruach Hakodesh (Espírito de Profecia) pairou
sobre ele. A maioria das punições que ele predisse ocorreram na época da destruição do
segundo Bet Hamicdash.
Assim como explicado anteriormente, as bênçãos não são a recompensa final pelo
cumprimento da Torá, assim como as maldições não são a punição final pela violação
desta. Um pagamento completo pelas mitsvot será dado somente no Mundo Vindouro.
Até certo ponto, se o povo judeu cumpre a Torá plenamente, D’us o livra de
preocupações materiais e o abençoa com abundância para lhes dar a oportunidade de
cumprir mais mitsvot. Por outro lado, se negligenciam a Torá e as mitsvot, D’us os pune
com sofrimentos, que limitam suas oportunidades de cumprir mitsvot.
As bênçãos e as maldições, então, indicam para o povo judeu se eles estão ou não
seguindo o caminho correto. Se forem afligidos por uma ou mais maldições, eles devem
reconhecer que o seu comportamento possuí falhas e devem reparar seus caminhos.
Sucesso
D’us nos promete sucesso em nossos negócios na cidade (pelo mérito das mitsvot que
nós cumprimos como moradores urbanos – mitsvot como viver em uma sucá em sucot,
afixar mezuzot em nossas portas, e cercar nossos terraços e tetos). Igualmente, nossos
campos serão abençoados (pelo mérito do cumprimento das mitsvot associadas à
agricultura – dando parte da colheita para os levitas e necessitados).
Ele abençoará nossas crianças, nossa produção e nossos animais.
"Abençoado serás em sua chegada, abençoado serás em sua saída!" Serás abençoado ao
entrar na casa de estudos e ao sair para os teus negócios. (D’us promete abençoar o
judeu que faz da sua "chegada à casa de estudos" i.e., o estudo da Torá, como o
principal objetivo de sua vida.)
.......................

Fuga dos Inimigos, Safras Abundantes e Respeito das Nações


A Torá promete que os inimigos que vêm com a intenção de nos atacar fugirão em
diferentes direções.

19 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Nossos armazéns estarão repletos com uma abundância de grãos, vinho e óleo, como diz
o versículo:

"D’us ordenará a bênção para você em seus armazéns e em todos os seus


empreendimentos."
Certa vez um indivíduo pediu uma bênção do sexto Rebe de Lubavitch, Rabi Yossef
Yitschac Schneerson, e recebeu-a. Alguns anos depois, quando o seu genro, o Rabi
Menachem Mendl Schneerson, sucedeu-o na liderança de Chabad-Lubavitch, o
indivíduo lhe expressou seu desapontamento pela não-realização da berachá dada pelo
seu sogro. O Rebe lhe respondeu que a bênção é como a chuva. A chuva só tem valor
quando o fazendeiro ara o campo, cultiva o solo e o semeia. Então, se D’us rega o solo
com chuva, ele pode antecipar uma boa colheita. Porém, o fazendeiro que negligencia
sua terra e somente reza pela chuva é ridículo pois nada crescerá lá sem o esforço
requisitado e merecido.
A palavra "itchá"– "para você", no versículo acima, pode ser traduzida como "junto com
você". A Torá está nos ensinando que D’us ordenará Sua bênção "em seus armazéns e
em todos os seus empreendimentos" sabendo que tem o "itchá"– a sua participação e
esforço sincero.
Nós Seremos o Povo Sagrado de D’us, Respeitados por Todas as Nações
"D’us os estabelecerá como Seu povo santo, e vocês deverão seguir os caminhos que
são corretos perante Ele. Todas as nações deverão perceber que vocês são chamados
pelo nome de D’us quando eles vêem vocês usando seus tefilin, e eles os temerão."
Nossos sábios explicam:
Os Tefilin São como Uma Coroa
Os tefilin na cabeça são uma coroa especial de D’us. Quando um tsadic coloca os
tefilin, os não judeus o temem pois ele está carregando o nome de D’us.
Lemos na história de Purim que Mordechai tornou-se um ministro do rei. Deram-lhe
cinco peças de roupa reais para vestir, e uma coroa para colocar em sua cabeça. Sobre a
coroa, Mordechai colocou os tefilin. Quando os gentios viram os tefilin, tsentiram um
temor e respeito intensos por Mordechai, dizendo um para o outro: "Ele está usando o
símbolo de D’us!"
Nossos sábios nos contam sobre Rav Abin, que certa vez foi convocado para
comparecer perante o imperador. Ao final da audiência, Rav Abin deveria ter andado
para trás, para não dar as suas costas para o imperador, como era o costume naquele
país. Em vez disso, Rav Abin virou-se e simplesmente foi andando. Ele não percebeu ter
cometido um crime imperdoável.
O imperador estava para ordenar a execução do Rav Abin, quando de repente, viu duas
faixas de fogo saindo dos tefilin dele. "D’us está com este homem!" – pensou o
imperador, com um tremor. Ele nem pensou em prendê-lo.
O seguinte versículo havia se realizado com o Rav Abin: "As nações perceberão que
vocês carregam o nome de D’us (nos tefilin), e elas os temerão."
D’us outorgará bênçãos extraordinárias sobre as suas crianças, animais e produção. Ele
abrirá os Portões Celestiais de abundância e os regará com extraordinária bondade.
Vocês serão capazes de emprestar dinheiro para os gentios, e não precisarão tomar nada
emprestado. Vocês serão altamente estimados pelas nações e não desprezados.
As acima citadas são dadas sob condição de estrita aderência às mitsvot de D’us, para
que as estude e as cumpra. Alguns dos versículos acima mencionados fazem parte da
oração semanal "Veyiten Lechá" recitada todo sábado à noite após a Havdalá.

20 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


........................
Parashá » Arquivo Parashá » Devarim » Ki Tavô » Seleções do Midrash

A Repreensão Divina
Quando Moshê começou a citar as palavras de repreensão, a Terra foi sacudida, os Céus
tremeram, o Sol e a Lua escureceram, as estrelas perderam o seu brilho, os patriarcas
choraram em seus túmulos, as criaturas silenciaram, e os galhos das árvores não mais
oscilavam.
Os patriarcas protestaram: "Como nossos filhos serão capazes de agüentar estas
punições? Talvez eles perecerão, pois não terão méritos suficientes para protegê-los e
ninguém rezará por eles!"
Uma voz Celestial soou das Alturas: "Não temam, patriarcas dos judeus. O juramento
que Eu fiz para vocês não será violado, e Eu os protegerei".
Moshê explicou: "As maldições de D’us só terão efeito se vocês não cumprirem Suas
mitsvot (é sua escolha de evitar que elas se tornem realidade)."
– A maldição pairará sobre os negócios, sobre a produção, sobre os filhos e os animais.
– Confusão e doença
– Seca e derrota
– Pavor de doenças de pele e confusão mental, falta de conselhos
A Torá prediz que se os judeus deixarem a Torá, eles serão como "cegos no escuro".
Além de se sentirem (espiritualmente) perdidos e confusos, eles sentirão falta de alguém
que poderia ajudá-los e guiá-los.
– Fracasso e frustração
– Exílio: Se as desgraças que ocorrerem na sua própria terra não os direcionarem de
volta para D’us, vocês serão por fim exilados.
– Desolação da terra e degradação daqueles que continuam em Êrets Yisrael.
Moshê então explicou que D’us pune medida por medida:
"Já que vocês não serviram D’us, seu D’us, com alegria e com júbilo do coração ao
aproveitar o grande número das Suas bênçãos, vocês devem, portanto, servir seus
inimigos, os quais D’us mandará contra vocês, com fome, sede, nus e com incontáveis
necessidades."
* Se vocês não quiserem servir a D’us, vocês terão que servir a não-judeus.
* Se vocês não quiserem contribuir para o Bet Hamicdash, terão que pagar tributos para
o governo dos inimigos.
* Se vocês não repararem as estradas para aqueles que viajam para o Bet Hamicdash,
vocês terão que reparar as estradas para os reis.
* Se vocês não servirem a D’us com alegria em tempos de prosperidade, vocês terão
que servi-Lo com fome e necessidades.
– Um povo de um país distante sitiará Yerushalayim, e virão a fome e o sofrimento
como resultado
– O destino dos exilados se eles não cumprirem a Torá. Que aqueles que estiverem
exilados não acreditem que com a expulsão da terra, D’us os livrou da obrigação de
cumprir a Torá!
– Dispersão global, medo do futuro, retorno ao Egito.
.........................
Reflexões Rabínicas

21 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Mashiach e o Entendimento da Torá
Quando os judeus ouviram a repreensão, eles ficaram apavorados. Moshê então reuniu-
os todos – homens, mulheres e crianças – e explicou-lhes que D’us destinou aquelas
advertências para o seu benefício. Seu sofrimento preveniria sua assimilação entre os
povos e lhes garantiria uma porção no Mundo Vindouro com a vinda de Mashiach.
Somente recentemente nossa fé na Providência ficou tão chocada que o sofrimento nos
faz questionar a justiça de D’us. Em parte, isso é graças à sociedade hedonista não
judaica que proclama a boa vida neste mundo como objetivo final.
Nossos ancestrais viveram, sofreram e morreram com o ensinamento judaico enraizado
profundamente de que a vida neste mundo é passageira, somente um preparativo para a
vida futura e eterna. O que pode ser considerado um "infortúnio" no mundo presente
pode provar ser uma fonte de felicidade no que está por vir.
O Midrash nos Conta:
Quando Rabi Shim’on Bar Yochai e seu filho El’azar estavam escondidos em uma
caverna por medo do governo Romano, os sábios em Êrets Yisrael estavam estudando
esta parashá.
Certa vez R. Yosse bar R. Yehuda avistou um grupo de pombas. Uma pomba solitária
estava perambulando entre elas.
"Pomba, pomba", ele suplicou, "você é um mensageiro fiel desde os tempos de Noach e
você simboliza o povo judeu. Voe para Rabi Shim’on Bar Yochai".
R. Yosse queria saber a explicação das radmoestações. Ele colocou a pergunta escrita no
bico da pomba e ela a levou para Rabi Shim’on. Ao ler a mensagem, este começou a
chorar e comentou: "Quão baixo nossa geração afundou, que nós não sabem nem
explicar ou entender corretamente a mensagem da Torá."
O profeta Eliyahu revelou-se para acalmar Rabi Shim’on e dar-lhe uma resposta.
"Esta parashá foi estudada na Yeshivá Celestial", Eliyahu revelou. "Neste caso, D’us é
mais como um pai que, preocupado com a má conduta do seu filho, repreende-o
profusamente por compaixão e piedade. Na verdade, cada faceta da repreensão vem do
amor de D’us para o povo judeu; todas têm o intento de ajudar a guiá-los em direção ao
caminho apropriado. Muitas das admoestações são repetitivas porque D’us previu a
longa duração do nosso presente exílio e queria urgentemente advertir os judeus para
fazerem teshuvá. Mesmo a mais severa das maldições, ‘Toda doença e praga que não
estão escritas neste livro da Torá D’us trará sobre vocês’, é expressa ambiguamente.
‘Ele trará sobre você’ (ya’lem alecha) pode significar também ‘Ele omitirá de você’ (do
radical leha’alim – omitir) – em outras palavras, Ele não as trará sobre vocês. A
repreensão deve ser lida com uma apreciação do profundo desejo Divino de que os
judeus não abandonem a Torá, e que aqueles que o fizeram, retornem a Ele."
Eliyahu revelou mais um segredo para o Rabi Shim’on Bar Yochai: "O versículo ‘E
D’us os retornará para o Egito em navios’ é uma bênção disfarçada. Isso é uma dica que
no futuro D’us realizará milagres similares àqueles ocorridos após o Êxodo. As nações
virão em navios e tentarão destruir os judeus, porém em vez disso estes navios serão
afundados.
Quando a pomba retornou à noite com a mensagem do Rabi Shim’on Bar Yochai para o
Rabi Yosse, este último exclamou maravilhado: "Pomba, pomba, você é a mais fiel das
criaturas!"
Ele mostrou a mensagem do Rabi Shim’on para os sábios e declarou: "Mesmo que nós
não sabemos o paradeiro de Rabi Shim’on, onde quer que ele esteja, a Torá com certeza
lá está. Afortunada é a sua porção!"

22 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Uma História:
Quando o Rabi Shneur Zalman de Liadi (o primeiro Rebe de Chabad) vivia em Liozna,
ele era o ba’al korê – leitor da porção semanal – no shabat. Certa vez, ele estava fora na
semana de parashát Ki Tavô, e outra pessoa a leu em seu lugar. Seu filho, Rabi Dov Ber
(que mais tarde o sucedeu como líder de Chabad), ainda não era Bar Mitsvá e desmaiou
quando as maldições foram lidas, e ficou muito doente. Tanto, que era questionável se
ele poderia jejuar no Yom Kipur. Depois de ser reavivado, foi-lhe perguntado por que
ele foi mais afetado agora do que em anos anteriores? Ao que ele respondeu:
"Quando meu pai lê a Torá, ninguém ouve nenhuma maldição."
Para o Rabi Sheneur Zalman, a maldições não eram o desejo final de D’us. Ao
contrário, D’us ama seu povo e quer regá-los com bênçãos. Estas maldições são
somente superficiais, e ocultas dentro delas há bênçãos que o povo judeu eventualmente
merecerá.
Um exemplo de bênçãos ocultas pode ser achado no seguinte passuk: "Shorechá
tavuach le’enêcha velô tochal mimênu, chamorechá gazul milefanêcha velô yashuv
lach, tsonechá netunot leoyevêcha veên lechá moshía." – "Seus bois serão abatidos
perante os seus olhos e não comerás dele, seu burro será roubado de ti e não retornará,
seu rebanho será dado aos seus inimigos e não terás nenhum salvador." (28:31).
Quando este passuk é lido de trás para frente, ele está cheio de bênçãos:
"Moshía lechá ve’ên leoyevêcha"– "Ele ajudará a vocês e não aos seus inimigos"–
"yashuv lach tsonechá netunot" – "o seu rebanho que foi dado para outros retornará para
você"– "velô milefanêcha gazul Chamorêcha" – "Teu burro não será roubado de ti" –
"mimênu tochal velô le’enêcha tavuach shorêcha"– "Você comerá dele e seu boi não
será abatido perante os teus olhos".
Leitura adicional:
Patriarcas e Profetas, 467
 Moisés terminou com estas palavras impressionantes: "Os céus e a Terra tomo
hoje por testemunhas contra vós, que te tenho proposto a vida e a morte, a
bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas tu e a tua semente,
amando ao Senhor teu Deus, dando ouvidos à Sua voz, e te achegando a Ele;
pois Ele é a tua vida, e a longura dos teus dias, para que fiques na terra que o
Senhor jurou a teus pais, a Abraão, a Isaque e a Jacó, que lhes havia de dar."
Deut. 30:19 e 20.
 A fim de mais profundamente gravar em todos os espíritos estas verdades, o
grande chefe incorporou-as em poesia sacra. Este cântico não era somente
histórico, mas também profético. Ao mesmo tempo em que de novo referia o
maravilhoso trato de Deus para com Seu povo no passado, prefigurava também
os grandes acontecimentos do futuro, a vitória final dos fiéis quando Cristo vier
a segunda vez, com poder e glória. Ordenou-se ao povo
 Pág. 468
 que confiasse à memória esta história poética, e a ensinasse a seus filhos, e
filhos de seus filhos. Deveria ser cantada pela congregação quando se reunia
para o culto, e ser repetida pelo povo ao saírem eles para o seu labor cotidiano.
Era dever dos pais gravar estas palavras na mente sensível de seus filhos, de tal
maneira que nunca pudessem ser esquecidas.
 Visto que os israelitas deveriam ser, em sentido especial, os guardas e
conservadores da lei de Deus, deveriam eles especialmente impressionar-se com
a significação dos preceitos da mesma, e com a importância da obediência, e
por meio deles os seus filhos, e filhos de seus filhos. O Senhor ordenou com

23 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


relação aos seus estatutos: "E as intimarás a teus filhos, e delas falarás
assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te.
... E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas." Deut. 6:7-9.
 Quando seus filhos perguntassem no futuro: "Quais são os testemunhos, e
estatutos e juízos que o Senhor nosso Deus vos ordenou?" deviam os pais então
repetir a história do trato de Deus, cheio de graça, para com eles: como o
Senhor agira para o seu livramento, a fim de que pudessem obedecer à Sua lei;
e declarar-lhes: "O Senhor nos ordenou que fizéssemos todos estes estatutos,
para temer ao Senhor nosso Deus, para o nosso perpétuo bem, para nos
guardar em vida, como no dia de hoje. E será para nós justiça quando tivermos
cuidado de fazer todos estes mandamentos perante o Senhor nosso Deus, como
nos tem ordenado." Deut. 6:20-25.

12 – Recondução da Sêfer Torá


13 – Mussaf (Oração e cantos finais)
Ainda de pé, todos oferecem á D’s uma oração silenciosa na qual externam os pedidos,
pensamentos e necessidades de seu coração. Após um período de oração silenciosa, o chazan ou
um convidado especial oferece uma oração audível, a qual deve se iniciar com as palavras
abaixo:
 Rosh
Santo, Santo, Santo, Senhor dos Exércitos. Toda a terra está cheia da Sua glória.
Bendita é a Tua glória desde o lugar da Tua habitação. Tu que era, que és e que hás de vir..
 Kehilá
Em kHelohênu, em kAdonenu, em keMalkênu, em keMoshienu
Mi kElohênu, mi kAdonenu, mi keMalkênu, mi keMoshienu
Nodê l’Elohênu, nodê l’Adonenu, nodê leMalkênu, nodê
leMoshiênu
Baruch Elohênu, Baruch Adonênu, Baruch Malkênu, Baruch
Moshiênu
Atá Hu Elohênu, Atá Hu Adonênu, Atá Hu Malkênu, Atá Hu
Moshiênu.

Não há´como o nosso D’us! Não há como o nosso Senhor! Não há como o nosso Rei!
Não há como o nosso Salvador”
Quem é como o nosso D’s? Quem é como o nosso Senhor? Quem é como o nosso Rei?
Quem é como o nosso Salvador?
Louvemos ao nosso D’s! Louvemos ao nosso Senhor! Louvemos ao nosso Rei!
Louvemos ao nosso Salvador!
Bendito seja o nosso D’s! Bendito seja o nosso Senhor! Bendito seja o nosso Rei!
Bendito seja o nosso Salvador!
Tu é o nosso D’s! Tu és o nosso Senhor! Tu é o nosso Rei! Tu é o nosso Salvador!

 Chazan
Barechú
Barechú et Adonai haMevorách!

24 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Bendizei ao Senhor que é bendito!rách leolám vaed!
 Kehilá
Baruch Adonai haMevorách leolám vaed!
Bendito seja O Eterno, que é Bendito para todo o sempre!
 Chazan
Baruch Adonai haMevorách leolám vaed!
Bendito seja O Eterno, que é Bendito para todo o sempre!

Aleinu:
É nosso dever louvar ao Senhor de tudo, atribuir grandeza Àquele que formou o
mundo desde o princípio.
Chazan e Kehilá juntos
Mas nós nos inclinamos, prostramos e louvamos diante do Rei dos reis, o Santo,
Bendito seja Ele.
Chazan
Porque a realeza Te pertence, e Tu reinarás eternamente em glória, assim como
está escrito na Tua Torá: “O Eterno reinará para sempre”.
Chazan e Kehilá juntos:
E está escrito: “O Eterno será reconhecido Rei de toda a Terra, e neste dia o
Eterno será UM e seu Nome UM” (Zc 14:9)

14 – Kadish
 Chazan
Itgadál veitkadásh shemê rabá,

bealmá di vrá chirutê,

veiamlich malchutê bechaieichón

uviomeichón uvchaiêi dechol beit Israel,

baagalá uvizman kariv, veiumru amén.

 Kehilá

AMÉN
Chazan

Iehê shemê rabá mevarách

lealam ulealmêi almaiá.

Itbarách veishtabách veitpaár veitroman veitnassê

veithadar veitalê veithadal shemê dekudshá berich hu,

leêla min kol birchatá veshiratá, tushbechatá

25 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


venechematá daamiran bealmá, veimru amén.

Iehê shlamá rabá min shemaiá vechaím alêinu veal

kol Israel, veimru amén.

 Kehilá

Ossê shalom bimromav,

hu iassê shalom alêinu

veal kol Israel, veimru

amén.

15 – Kidush para o dia de Shabat


 Leitor
(Isaías 56: 13-14)
Se desviares o pé de profanar o Shabat e de cuidar dos teus próprios interesses no
meu santo sia; se chamares ao Shabat deleitoso e santo dia do Senhor, digno de
honra, e o honrares, não seguindo os teus caminhos, não pretendendo fazer tua
própria vontade, nem falando palavras vãs, então, te deleitarás no Senhor. Eu te
farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herança de Jaó, teu pai,
porque a boca do Senhor o disse.

 Kehilá
Veshamerú venê Yisrael
Et hashabat, la’assot et hashabat
Letorotan, berit olam.
Beni uve benê Yisrael
Oh hi leolam, ki sheshet iamim assá Adonai
Et hashamayim ve’et ha’árets,
Uvaiom hashevii shavat vayinafash.
Pelo que os filhos de Israel guardarão o Sábado, celebrando-o por aliança perpétua nas
suas gerações. Entre mim e os filhos de Israel é sinal para sempre, porque em seis dias
fez o Senhor os céus e a terra, e ao sétimo dia, descansou e tomou alento (Êx. 31: 16-
17)

 Chazan levanta a taça do Kidush


Savri Maranan! Com a permissão dos senhores!
Baruch Atá Adonai, Elohênu Mélech haolam, Borê peri hagáfen.
Bendito sejas Tu, Senhor, Rei do universo, Criador do fruto da videira.
LE CHAI!
(todos tomam o suco)

 Lavar as mãos
Baruch Atá Adonai, Elohênu Mélech Haolam, Asher qideshánu bemitsvotav
vetsivánu al netilát yadáyim.

26 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis


Bendito sejas Tu, senhor, nosso D’s, Rei do Universo, que nos santificates com os Teus
mandamentos e nos ordenastes acerca de lavar as mãos.
 Bênção da Chalá
Baruch Atá Adonai, Elohênu Mélech Haolam, haMotsi lechem min há’arets.
Bendito sejas Tu, senhor, nosso D’s, Rei do Universo, que nos fazes brotar o pão da
terra.

Shabat Shalom

Fontes externas
Patriarcas e Profetas:
Beit Chabad

27 SHACHARIT DE SHABAT - Parashá KI TAVÔ (Quando vieres) BBTS Florianopolis