Você está na página 1de 9

O ENSINO JESUÍTICO NO PERÍODO COLONIAL BRASILEIRO: ALGUMAS

DISCUSSÕES
Partindo do pressuposto de que o fenômeno educacional não é um fenômeno
independente e autônomo da realidade social de determinado momento histórico
converter o índio à fé católica por intermédio da catequese e do ensino de ler e escrever
português.
Os jesuítas tornaram-se uma poderosa e eficiente congregação religiosa, em parte em
função de seus princípios fundamentais, que eram a busca da perfeição humana por
intermédio da palavra de Deus e a vontade dos homens; a obediência absoluta e sem
limites aos superiores; a disciplina severa e rígida; a hierarquia baseada na estrutura
militar; e a valorização da aptidão pessoal de seus membros.
A Companhia de Jesus foi fundada em pleno desenrolar do movimento de reação da Igreja
Católica contra a reforma protestante, podendo ser considerada um dos principais
instrumentos da Contra-Reforma nessa luta. Seu objetivo era tentar sustar o grande
avanço protestante da época, e para isso utilizou-se de duas estratégias: por meio da
educação dos homens e dos índios; e por intermédio da ação missionária, procurando
converter à fé católica os povos das regiões que estavam sendo colonizadas
Os jesuítas e seu projeto educacional
A Companhia de Jesus foi uma ordem religiosa da Igreja Católica, fundada na Europa em
1540 por Inácio de Loyola2. Era formada por padres designados de jesuítas, que tinham
como missão catequizar e evangelizar as pessoas, pregando o nome de Jesus. Os
princípios básicos dessa ordem estavam pautados em:
1) a busca da perfeição humana por meio da palavra de Deus e a vontade dos homens; 2)
a obediência absoluta e sem limites aos superiores; 3) a disciplina severa e rígida; 4) a
hierarquia baseada na estrutura militar; 5) a valorização da aptidão pessoal de seus
membros. São esses princípios que eram rigorosamente aceitos e postos em prática por
seus membros, que tornaram a Companhia de Jesus uma poderosa e eficiente
congregação.
Era um projeto de transformação social, pois tinha como função propor e implementar
alterações profundas na cultura indígena brasileira.
Segundo Azevedo (1976), a atuação jesuítica na colônia brasileira pode ser dividida em
duas fases distintas: a primeira fase, considerando-se o primeiro século de atuação dos
padres jesuítas, foi a de adaptação e construção de seu trabalho de catequese e conversão
do índio aos costumes dos brancos; já a segunda fase, o segundo século de atuação dos
jesuítas, foi de grande desenvolvimento e extensão do sistema educacional implantado no
primeiro período.
O plano de estudos organizado pelo padre Manuel da Nóbrega consistia em duas fases:
na primeira fase, considerada como do ensinamento dos estudos elementares, era
constituída pelo aprendizado de português, do ensinamento da doutrina cristã e da
alfabetização. Para a segunda fase do processo de aprendizagem idealizado por Manuel
da Nóbrega, o aluno teria a opção para escolher entre o ensino profissionalizante e o
ensino médio, segundo suas aptidões e dotes intelectuais revelados durante o ensino
elementar. Como prêmio para os alunos que de destacassem nos estudos da gramática
latina, previa-se o envio em viagem de estudos aos grandes colégios de Coimbra ou da
Espanha.
• objetivo doutrinário – que visava ensinar a religião e a prática cristã aos índios;
• objetivo econômico – visava a instituir o hábito do trabalho como princípio fundamental
na formação da sociedade brasileira;
• objetivo político – visava a utilizar os índios convertidos contra os ataques dos índios
selvagens e, também, dos inimigos externos.
O método educacional jesuítico – o Ratio Studiorum
O Ratio Studiorum não era um tratado sistematizado de pedagogia, mas sim uma
coletânea de regras e prescrições práticas e minuciosas a serem seguidas pelos padres
jesuítas em suas aulas. Portanto, era um manual prático e sistematizado que apresentava
ao professor a metodologia de ensino a ser utilizada em suas aulas.
O método educacional jesuítico foi fortemente influenciado pela orientação filosófica das
teorias de Aristóteles e de São Tomás de Aquino, pelo Movimento da Renascença10 e
por extensão, pela cultura europeia. Apresentava como peculiaridades a centralização e o
autoritarismo da metodologia, a orientação universalista, a formação humanista e literária
e a utilização da música.
Os cursos secundários com duração de cinco anos, que na maioria das vezes prorrogavam-
se por seis anos, destinavam-se à formação eminentemente literária e humanista, pois o
ensino ministrado era fundamentalmente literário e clássico.
Esse curso de humanidades foi o que mais se propagou e difundiu na Colônia, podendo
ser considerado o alicerce da estrutura educacional jesuítica.
Já os cursos superiores eram integrados pelos cursos de filosofia e ciências, também
denominado de curso de “artes”. Tinham duração de três anos e eram direcionados para
a formação do filósofo, pois as disciplinas que compunham os estudos eram a lógica, a
metafísica, a matemática, a ética e as ciências físicas e naturais.
Para Leonel Franca (1952), os estudos universitários organizados pelo Ratio Studiorum
visavam à formação profissional do homem, enquanto que os cursos secundários tinham
a finalidade de formar o humanista, o homem para viver em sociedade.
Considerações finais
A atuação jesuítica na Colônia pode ser compreendida em duas fases distintas: a primeira
corresponde ao período de adaptação e construção de seu trabalho de catequese e
conversão do índio aos costumes dos brancos. Já a segunda fase, que corresponde ao
segundo século de sua atuação, foi um período de grande desenvolvimento do sistema
educacional implantado no primeiro período, ou seja, foi a fase de consolidação de seu
projeto educacional.
Pode-se supor que a expulsão da Companhia de Jesus e a destruição de sua organização
educacional são duas ordens:
• política – os jesuítas representavam um empecilho aos interesses do Estado Moderno,
além de ser detentora de grande poder econômico, cobiçado pelo Estado;
• educacional – a necessidade de a educação formar um novo homem – o comerciante e
o homem burguês, e não mais o homem cristão –, pois os princípios liberais e o
movimento Iluminista trazem consigo novos ideais e uma nova filosofia de vida.
A reforma educacional do Marquês de Pombal confirma nossa hipótese – as reformas
educacionais propostas na organização escolar brasileira utilizam-se da destruição e
negação do que estava posto e a introdução de novas propostas, não havendo assim uma
continuidade nas políticas educacionais.
A EDUCAÇÃO NO BRASIL NO PERÍODO COLONIAL: UM OLHAR SOBRE
AS ORIGENS PARA COMPREENDER O PRESENTE
As línguas são influenciadas por fatos sociais, históricos e culturais do povo que as fala.
Pretende-se verificar a relação entre o contato das línguas indígenas e africanas com a
língua portuguesa europeia e a gramática brasileira. Tenta-se também conhecer o sistema
de educação brasileiro colonial para melhor compreender suas consequências para a
formação do português brasileiro.
A população até o século XVII era formada de índios, europeus portugueses, negros e
filhos dos europeus descendentes do cruzamento dessas raças. Segundo o censo de 1872
(MATTOSO, 1992), dos 108.138 habitantes, 30,9% eram brancos; 43,0% eram mulatos;
23,5% negros e 2% eram caboclos. Nessa população plural, em todos os sentidos, quem
tinha acesso à educação? Como era gerida a educação no Brasil colonial?
A fim de caracterizar melhor o sistema educacional nessa época, faz-se necessário dividir
o período colonial em duas fases:
1ª fase (1549-1759): da implementação do ensino religioso a expulsão dos jesuítas;
2ª fase (1759-1808): período pombalino/transferência da Família Real para o Rio de
Janeiro.
• Em todas as escolas era proibida a frequência de crianças negras, mesmo livres, até pelo
menos o final da primeira metade do século.
O ensino oficial da língua portuguesa era restrito aos filhos de portugueses e aos filhos
dos senhores de engenho – a elite brasileira. Já a língua falada era aprendida
informalmente como segunda língua. Pombal implantou uma nova política pública
proibindo o uso da língua geral e impondo o uso exclusivo do português.
Com a queda de Pombal, a organização acabou por se esfacelar. O subsídio não chegava
para as despesas e os professores passaram a não receber o pagamento por meses e até
anos. No fim do período colonial só havia escolas nas cidades e vilas mais importantes.
É no período monárquico que a educação no Brasil ganha vulto, libertando-se
gradualmente do ensino superior estrangeiro. Todas as mudanças ocorridas no ensino
público devem-se à influência de D. João VI. Ele permitiu a abertura de escolas de
primeiras letras em todo o país e multiplicaram-se as escolas secundárias de artes e
ofícios. Mas foi ao ensino superior que o seu governo deu total dedicação. Em
consequência da mudança da Família Real, foram implantadas, progressivamente, a
Academia Militar, a Academia da Marinha, a Escola de Medicina e Cirurgia no Rio de
Janeiro e na Bahia.
O recenseamento de 1808 registrou um aumento da população que atingiu 411.141
habitantes, dos quais 21,6% eram brancos; 1,4% eram índios; 43,0% eram negros e
mulatos livres; 33,9% de negros e mulatos escravos. Isso significa que a população não-
branca sempre foi majoritária. Nesse contexto, o percentual de alfabetizados era
proporcional ao componente branco na população livre, e a grande maioria das crianças
não aprendia a ler e a escrever.
O século XIX herdou do período colonial um número muito reduzido de escolas régias
de primeiras letras e um sistema de discriminação racial que prosseguiu até algumas
décadas do século seguinte.
Desde o final do século XVIII surgiram Irmandades em todo o Brasil, que, através destas,
os negros iniciaram o que seria uma associação de classe e aprenderam a lutar contra o
preconceito, exigindo direitos sociais e oportunidades de trabalho e educação.
Uma minoria de letrados e uma enorme população de analfabetos era a situação do Brasil
colonial, e esse desnivelamento certamente deixaria consequências na população
brasileira.

APONTAMENTOS SOBRE A EDUCAÇÃO NO BRASIL COLONIAL (1549-1759)


Ao tratar de um longo período como o Brasil Colonial, é preciso pensar a categoria
“século” e sua definição segundo a sua função na narrativa histórica, pois o século
histórico e o século cronológico possuem similitudes e que se sobrepõem na composição
de narrativas históricas (SAVIANI et al., 2006). Um século histórico pode ultrapassar ou
limitar-se à duração de um século cronológico. Pode-se dizer então que um “breve século”
refere-se aos acontecimentos que demarcam temporalmente dentro da periodicidade de
um século cronológico sem compreender a totalidade de cem anos. Logo, um “longo
século” se refere a acontecimentos que transpassam a limitação de um século cronológico
e perpassam por mais de um século.
Nesse sentido, segundo Saviani (2011), pode-se dividir o período colonial brasileiro em
três etapas para melhor compreender aspectos da educação brasileira. A primeira etapa
corresponde ao período de 1549 a 1599, a segunda etapa corresponde ao período de 1599
a 1759, e a terceira e última etapa corresponde ao período de 1759 até o ano de 1808.
A primeira etapa é chamada de “período heroico”, compreendendo o movimento de
chegada dos primeiros jesuítas ao Brasil. Esses religiosos tinham a atribuição de converter
os gentios, tendo como instrumento fundamental a catequese. O marco final desse período
se dá pela criação do Ratio Studiorum que ajustou a prática dos inacianos na educação
dos povos da Colônia.
Já o segundo período é marcado pela consolidação dos jesuítas, enquanto Ordem
missionária e sua hegemonia no campo da educação, não somente dos gentios, mas
também dos filhos dos colonos e da elite colonial. A prática pedagógica nesse contexto
esteve alicerçada no Ratio Studiorum que se configurou como instrumento regulador do
ensino ministrado pelos inacianos.
O terceiro e último período é marcado pela expulsão dos jesuítas do Brasil e pelas
reformas implementadas pelo Marquês de Pombal. Sob forte influência iluminista, as
reformas pombalinas buscaram difundir os rudimentos elementares da ciência e das luzes
tanto na metrópole como no além-mar. O marco final dessa etapa é sinalizado pela fuga
da família real portuguesa para o Brasil, junto com a sua corte.
Considerações sobre a educação no processo de colonização do Brasil
A relação entre o Coroa portuguesa e a Igreja Católica nesse contexto contribuiu para a
presença de ordens religiosas no Brasil. Dentre as diversas Ordens que estavam atuando
na conversão dos nativos para a fé católica, destaca-se aqui a atuação dos Jesuítas.
A atuação pedagógica dos jesuítas influenciou o modo de educar os indivíduos na colônia
segundo as suas posições sociais. Isso levou a níveis distintos de instrução: para os índios,
os rudimentos da língua e os ofícios; para os brancos libertos, os rudimentos da escrita,
da leitura e os ofícios; para as classes abastadas, os ensinos superiores que garantiriam a
manutenção da estrutura de poder; já para os escravos africanos e alforriados, os ofícios.
Nesse contexto, a educação pode ser entendida como o processo no qual a humanidade,
a partir da tradição acumulada, elabora a si mesma em seus mais diversos aspectos.
Assim, é possível distinguir três pontos fundamentais: inculturação da tradição e dos
costumes; a instrução intelectual em sua dimensão formal-instrumental e concreta;
aprendizagem de ofícios (MANACORDA, 1989).
A pedagogia, atribuída a Manoel de Nóbrega, que prevê a conversão do indígena e a
doutrinação, está relacionada com a ideia de “civilizar pela palavra”. Foi aperfeiçoada
pelo padre José de Anchieta, ao criar a gramática da língua geral, que serviu para o
trabalho pedagógico na colônia.
As ideias pedagógicas expressas no Ratio correspondem ao que passou a ser conhecido
na modernidade como pedagogia tradicional. Essa concepção pedagógica caracteriza-se
por uma visão essencialista do homem, isto é, o homem é concebido como constituído
por uma essência universal e imutável. A educação cumpre moldar a existência particular
e real de cada educando à essência universal e ideal que o define enquanto ser humano.
Para a vertente religiosa, tendo sido o homem feito por Deus à sua imagem e semelhança,
a essência humana é considerada, pois, criação divina. Em consequência, o homem deve
empenhar--se em atingir a perfeição humana na vida natural para fazer por merecer a
dádiva da vida sobrenatural. (SAVIANI, 2011, p. 58).
Essas ideias, essencialmente, estão baseadas no tomismo, sob a influência da filosofia
aristotélica e da tradição cristã, com referência ao pensamento do filósofo e teólogo
medieval São Tomaz de Aquino, de onde deriva a designação da corrente.
A instrução dos gentios e crianças: a ação dos inacianos na educação colonial
Já a educação feminina era eminente confessional. Algumas ordens religiosas acolhiam
jovens em situação de risco, ou seja, que não possuíam bens nem familiares, bem como
havia jovens que eram mandadas por seus pais ou responsáveis para receber uma
educação esmerada nos conventos. Essas mulheres recebiam uma educação formal-
instrumental, educação para a casa e a formação moral e religiosa.
EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA COLÔNIA AO INÍCIO DA REPÚBLICA
Saber da história da educação do Brasil é ter uma análise de como a educação escolar
brasileira foi aprimorando e ajustando ao longo da história para atender as necessidades
de cada época histórica.
A evolução do Ensino no Brasil tem seu início no Brasil Colônia, onde se tinha como
base a mão de obra escrava, as famílias eram patriarcais e altamente aristocráticas. A
educação neste período tem o papel de organização social e cultural que foi importado da
metrópole Portugal e neste período é característico a dominação europeia sobre os
nativos.