Você está na página 1de 57

Usina da Superação

14º SBA - 30 e 31 de outubro de 2013

Henrique V. Amorim
Inovando a 36 anos
Sede Fermentec
Nossos Serviços

• Transferência de Tecnologia

• Capacitação de Pessoas

• Pesquisa e Desenvolvimento

• Engenharia
ÁREAS

• Produção de Etanol
• Bebidas destiladas
• Indústria do Açúcar
• Engenharia
Fermentec Engenharia e Novas Tecnologias:
Pesquisa & desenvolvimento em Biorrefinarias

• Destilarias “Multiflex”
• Produção de Biodiesel a partir da vinhaça
• BioPolímeros a partir de resíduos celulósicos
• Leveduras como fonte proteica a partir de
biomassa vegetal
• Etanol Celulósico (2G)
Nossa Equipe

Formação Total
PhD e Doutorado 09
Mestrado 10
MBA 04
BS 18
ADM 13
Total 54
Clientes Produção anual 2012

Cana de açúcar (Mi de ton.) 180


Açúcar (Mi de ton.) 10,2
Álcool (Bilhões de litros) 9
Bebidas destiladas (Mi litros) 500
O que está sendo superado
1. Tratamento caldo para açúcar

2. Broca e troca de fermento

3. Alumínio no mosto x linhagem levedura

4. Cana crua, tempo fermentação e rendimento

5. Levedura Customizada, resolve problema de


leveduras contaminantes
O que está sendo superado
1. Tratamento caldo para açúcar

2. Broca e troca de fermento

3. Alumínio no mosto x linhagem levedura

4. Cana crua, tempo fermentação e rendimento

5. Levedura Customizada, resolve problema de


leveduras contaminantes
Caleagem

Fria

Quente 50 – 70ºc

Quente 105 – 110ºc


Sistema de Caleagem
À Quente:
• Aquecimento a 110oC
• Caleagem para pH 7,0 - 7,2
Dosagem

Recebimento Regeneração Sulfitação Aquecimento Flasheamento


~38ºC ~60ºC ~60ºC ~110ºC
2003 2004 SET. 2005 QUENTE 2006 QUENTE
CALEAÇÃO INÍCIO 110°C 110°C
QUENTE QUENTE
60°C 110°C
2003 2004 SET. 2005 QUENTE 2006 QUENTE
CALEAÇÃO INÍCIO 110°C 110°C
QUENTE QUENTE
60°C 110°C
2003 2004 SET. 2005 QUENTE 2006 QUENTE
CALEAÇÃO INÍCIO 110°C 110°C
QUENTE QUENTE
60°C 110°C
O que está sendo superado
1. Tratamento caldo para açúcar

2. Broca e troca de fermento

3. Alumínio no mosto x linhagem levedura

4. Cana crua, tempo fermentação e rendimento

5. Levedura Customizada, resolve problema de


leveduras contaminantes
Broca X Antiespumante
2006
100
9
80 8
7

60 6
5

40 4
3

20 2
1

0 0

1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31

Saccharomyces 2 Saccharomyces 1 Outras Saccharomyces PE-2


Indice de broca Antiespumante x 10
Gasto com Antiespumante

13 semanas 0,1g/L
R$ 2.076/semana

Total: R$ 27.000

16 semanas 0,7g/L
R$ 14.000/semana

Total: R$ 236.960
Broca X Antiespumante
2007

16

14
100
12
80 10

60 8

6
40
4
20
2
0 0
1 4 7 10 13 16 19 22 25 28 31 34

Saccharomyces 2 Saccharomyces 1 Outras Saccharomyces PE-2

Indice de broca Antiespumante x 10


Gasto com Antiespumante
13 semanas 0,1g/L
R$ 2.000/semana
Total: R$ 26.000
10 semanas 0,3g/L
R$ 6.000/semana
Total: R$ 60.000
10 semanas 0,8g/L
R$ 16.000/semana
Total: R$ 160.000
Broca X Antiespumante
2008

16
14

12
100
10
80
8
60 6
40 4
20 2
0 0
1 4 7 10 13 16 19

CAT-1 PE-2
Indice de broca Antiespumante x 10
Gasto com Antiespumante

Safra toda 0,08g/L


R$ 1.600/semana
O que está sendo superado
1. Tratamento caldo para açúcar

2. Broca e troca de fermento

3. Alumínio no mosto x linhagem levedura

4. Cana crua, tempo fermentação e rendimento

5. Levedura Customizada, resolve problema de


leveduras contaminantes
Alumínio Mosto x Tempo Fermentação

41

36
ALUMINIO NO MOSTO

31

26

21

16

11

6
7,1 9,1 11,1
TEMPO FERMENTAÇÃO
Y = -33,94827 + 5,86096 X (** r = 0,79385)
Alumínio Mosto x Tempo Fermentação
12,2 42

11,6 38

11,0 33
TEMPO FERMENTAÇÃO

10,4 29

9,9 24

9,3 20

8,7 15

8,1 11

7,5 6
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28
SEMANA

Y = -33,94827473 + 5,8609589 X (** r = 0,79385)


20% a menos
de álcool produzido
por dia
(100.000 L)
Alumínio Mosto x ART Vinho
0,41

0,36

0,31
VINHO % AR

0,26

0,21

0,16

0,11

0,06

0,01
10 20 30 40
MOSTO - ALUMINIO
Y = -0,07881 + 0,00938 X (** r = 0,75406)
Alumínio Mosto x ART Vinho
0,41 42

0,36 38

0,31 33

ALUMINIO NO MOSTO
0,26 29
VINHO % AR

0,21 24

0,16 20

0,11 15

0,06 11

0,02 6
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28
SEMANA

Y = 10,05731015 + 81,3407791 X (** r = 0,83848)


Perda de açúcar devido ao alúmínio

8 semanas

174.000
Litros de álcool
Tolerância ao Alumínio (130ppm)
Rendimento
Tolerância ao Alumínio (130 ppm)
Viabilidade
Leveduras mais Tolerantes ao Alumínio
O que está sendo superado
1. Tratamento caldo para açúcar

2. Broca e troca de fermento

3. Alumínio no mosto x linhagem levedura

4. Cana crua, tempo fermentação e rendimento

5. Levedura Customizada, resolve problema de


leveduras contaminantes
Estádios de maturidade – 12 meses (mg/Kg)
IAC 58-480 RB 73-5275 NA 56-79

Ác. trans-aconítico 4.030a 2.120b 3.230a

Ác. málico 1.410a 1.880b 970c


Ác. alfa-cetoglutárico 54a 41b 51ab

Ác. glutárico 389a 83b 371a


Ác. succínico 283a 288a 264a
Ác. malônico 21a 14b 17ab
Ác. fumárico 5a 5a 3b

Fonte: L.E. Gutierrez; S.E Ferrari (1984)


Composição da Cana em Ácidos Orgânicos

Parâmetro Colmo Folha Ponta


Oxálico (mg/Kg) 82 456 458
C. Aconítico (mg/Kg) 374 2.265 3.529

Fonte: CTC
Ácido Aconítico: Efeito Tampão na Fermentação

Pesquisa FERMENTEC 2011: Efeito dos ácido Aconítico


sobre as leveduras

% Ácido H2SO4 pH Viabilidade Veloc.


MOSTO ART Aconítico (g/L (%) Fermentação
(ppm) cuba) (g CO2/4,5h)
Caldo
Cana 20,01 1.140 0,83 2,55 93,15 3,38
“A”
Caldo
Cana 19,20 3.116 1,75 2,53 65,97 2,41
“B”

Fonte: Fermentec
Impacto no Processo – Fisiologia da Levedura

Principais efeitos:

 Causam acidificação intracelular

 Inibem o metabolismo das células

 Afetam o crescimento das leveduras e bactérias


Impacto no Processo – Fisiologia da Levedura

pH pH
ÁCIDO ÁCIDO
PROTONADO H DISSOCIADO

pKa= 50% protonado e 50% dissociado


Impacto no Processo – Fisiologia da Levedura

H H
H
H H ATP
ATPase H
H pH 5,5
H+ H+
ADP
H
DISSOCIADO
H H H
PROTONADO H H
LEVEDURA
Retenção de ácidos orgânicos pela levedura
depende do pH (2 horas)

% Retido pela levedura


pH
Láctico Aconítico
5,0 2,9 7,5
3,5 16,5 15,6
2,0 35,4 30,7

Fonte: Fermentec
Retenção do ácido aconítico pela CAT1
durante o tratamento do levedo (3 horas)

Ácido aconítico
Amostra pH
Retido na Em solução
levedura (%) (%)

Inicial 2,1 6,4 93,6

Final 2,9 41,5 58,5

Fonte: Fermentec
Como resolver este problema?

Usar menos ácido e/ou


Leveduras mais Tolerantes
(FT-858L)
O que está sendo superado
1. Tratamento caldo para açúcar

2. Broca e troca de fermento

3. Alumínio no mosto x linhagem levedura

4. Cana crua, tempo fermentação e rendimento

5. Levedura Customizada, resolve problema de


leveduras contaminantes, continuidade e ritmo do
processo
Leveduras Customizadas

9
Casos Concretos
de Sucesso
Leveduras Customizadas
9
9
Número de Destilarias

8
7
6
6
5
4
3 3
3
2 2 2
2
1
0
2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
Anos
A inibição do crescimento bacteriano
pelas leveduras customizadas em
comparação a levedura de pão.
Leveduras Testadas

 Levedura de pão
 PE2
 FT858L
 FT859L
 FT1255L
 FT1416L
 FT1500L
 FT2052L
Contaminação Bacteriana
100

80
10e6/mL

60
X 10x6/mL
Rods

40
Bast.
Bacterial

20

0
Levedura
Baker's PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L
de pão
yeast

-20
Velocidade da Fermentação
2,50
Fermentação
fermentation

2,00
(g CO2 in 4.5 h)

1,50
Velocity ofda

1,00
Velocidade

0,50

0,00
Levedura
Baker's PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L
de pão
yeast
Ácido Láctico
3.500

3.000
L) / L)
(mg / (mg

2.500
in the wine

2.000
acidLáctico

1.500

1.000
LacticÁcido

500

0
Baker's
Levedura PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L
yeast
de pão
-500
Ácido Acético
1.200

1.000
L) / L)

800
(mg / (mg
in the wine

600
acidAcético

400

200
AceticÁcido

0
Levedura
Baker's PE-2 FT858L FT859L FT1255L FT1416L FT1500L FT2052L
de pão
yeast
-200

-400
Diferença em Rendimento da Fermentação

R$ 2,07 milhões
Somente com a produção
de ácidos pelas bactérias.
Desvio 1,16% do açúcar.

Produção cana: 2 milhões t


Produção etanol: 170 milhões L
Para
superar, tem
os que:
 Medir bem
 Pesquisar
 Correr um certo risco
O tamanho
do risco vai
depender:

 Equipe
 Habilidades
 Conhecimento
Muito Obrigado
www.fermentec.com.br