Você está na página 1de 104

GONE

Lisa McMann
GONE

TAMBÉM POR
LISA MCMANN

Acordar

Desvanecer

GONE
O último livro da trilogia Wake

LISA McMann

Este livro é uma obra de ficção. Todas as referências a acontecimentos históricos, pessoas reais, ou
localidades real são usados fictício. Outros nomes, personagens, lugares e incidentes são o produto da
imaginação do autor, e qualquer semelhança com fatos reais ou locais ou pessoas, vivas ou mortas é mera
coincidência.

SIMON PULSE
Uma marca da Simon & Schuster Children's Publishing Division
1230 Avenue of the Americas, New York, NY 10020
www.SimonandSchuster.com
Primeira edição Simon Pulse fevereiro 2010 capa dura
Copyright © 2010 por Lisa McMann
Todos os direitos reservados, incluindo o direito de reprodução no todo ou em parte sob qualquer forma.
SIMON PULSE e colofão são marcas registradas da Simon & Schuster, Inc.
Para obter informações sobre descontos especiais para compras em grande volume, entre em contato com
Simon & Schuster Vendas Especiais em 1-866-506-1949 ou business@simonandschuster.com.
A Simon & Schuster Oradores Mesa autores pode trazer para o seu evento ao vivo. Para mais informações
ou um contato evento para o livro de Simon & Schuster Oradores Mesa 1-866-248-3049 ou visite nosso
website em www.simonspeakers.com.
Desenhado por Mike Rosamilia
O texto deste livro foi criado em Janson texto.
Fabricado nos Estados Unidos da América
2 4 6 8 10 9 7 5 3 1
Biblioteca do Congresso de Dados de Catalogação-na-
McMann, Lisa.
Gone / McMann por Lisa. - 1 capa dura Simon Pulse ed.
p. cm.
Resumo: Embora Janie dezoito anos de idade, pondera o seu futuro com Cabe, sabendo que o seu ser um
apanhador de sonhos significa cegueira eventual e incapacitante, ela encontra o seu passado como o pai que
nunca conheceu é hospitalizado com traumatismo cranioencefálico e parece precisar de sua ajuda.
ISBN 978-1-4169-7918-0 (Hardcover)
eISBN 978-1-4424-1386-3
[1. Dreams Fiction. 2. Sonhos lúcidos Fiction. 3. Escolha Fiction. 4. Love Fiction. 5. Pais e filhas Fiction. 6.
Alcoolismo Fiction.] I. Título.
PZ7.M2256Gon 2010
[Fic]-dc22
2009018682

Para todos aqueles que têm problemas em casa.


Você não está sozinho.

AGRADECIMENTOS
Muito obrigado a todos os meus amigos invisíveis, que compartilharam suas histórias dolorosas sobre como
é viver com um pai alcoólatra, e para Carl Loerwald no Alano Washtenaw Club, em Ann Arbor, Michigan,
para toda a sua ajuda.

Obrigado também a:

Jennifer Klonsky, cuja dura sugestões me fez chorar ido muito melhor. E, claro, ao meu agente, Michael
Bourret, a minha pessoa favorita no mundo, por tudo e muito mais.

Diane Blake Harper, por ser maravilhoso e por ter a coleção tackiest globo de neve que nunca. Para Marcia
Dan Levy e para todos os primeiros-ajuda que era uma honra para aprender coisas de você. E para Joanne
Levy para o feedback inestimável. Go, NDP!

Matt e Kilian, por serem caras fantásticos; Rachel Heitkamp e Kennedy, por me deixar usar seu jargão legal,
e Trevor Bowler, porque eu prometi.

E para todos os fãs da trilogia de despertar: Obrigada do fundo do meu coração para espalhar a palavra sobre
Janie e Cabe. Vocês são fantásticos. Eu sou grato.

Para alguém cuja vida é afetada por alguma outra pessoa problema bebendo, confira Alateen ou Al-Anon em
www.al-anon.alateen.org.

Junho 2006
24/7/365

É como se ela não consegue mais respirar, não importa o que ela faz.

Como tudo está se fechando sobre ela, sua exclusão. Ameaçá-la.

A audição. A verdade sai. festa Revivendo Durbin, em frente de um juiz e três bastardos se, olhando para
baixo. Câmeras seguinte ao redor do seu segundo ela pisa fora do tribunal. Exposto como Narc, todos
Fieldridge falar sobre isso.

Falar sobre ela.

Durante semanas, é sobre as notícias locais. Gossip na mercearia. Downtown. Pessoas ponto sopro, com
cabeças juntas, aqueles olhares em suas caras. Aleatoriamente, chegando a ela e fazer perguntas invasivas.
Strangers, ex-colegas, apoiando-se em seu espaço, sussurrando, como se elas fossem seus parentes mais
próximos confidentes: Então, o que eles realmente fazer para você?
Janie não é talhado para essa, ela é um solitário. Ela é underground. É como se ela não teve sequer tempo
para deixar todas as outras coisas na pia, o real, o importante. O material Janie mudança de vida. O material
do caderno verde.

Ficando cegas. Perdendo o uso das mãos.

A pressão é de tirar o fôlego.

Ela é sufocante.

Apenas quer correr.

Hide.

Assim, ela pode apenas ser.

Julho 2006
Cinco minutos que importa.

Do outro lado da mesa. O ponto ao lado dela, vazia.

"Eu não sei mais", diz ela. "Eu não sei." Presses suas palmas em seus templos, esperando que sua cabeça não
explodir.

"Tudo o que você decide", diz a mulher.

É seu segredo.

E ENTÃO
Terça-feira 1 de agosto de 2006, 07:25

"Eu não consigo respirar", ela sussurra.

Seus dedos quentes laço suas costelas, sear através de sua pele para pulmões congelados. Prende-la. Beija.
Respira por ela. Através dela.

Faz esquecer.

Depois disso, ele diz, "Nós estamos indo. Agora. Come ".

Ela faz isso.

Na unidade de três horas, ela olha através de cílios em sua turva dedos, enrolado em seu colo. Finge estar
dormindo. Não sei porquê. Apenas imersão no silêncio. E sabendo, lá no fundo.

Sabendo que ele,

e este,

não são respostas para seus problemas.

Ela está começando a perceber o que é.


Primeira quinta-feira
03 de agosto de 2006, 01:15

Os inquisidores estão longe de ser encontrada neste lado do Estado. Aqui, Charlie e cabine de aluguer de
Megan em Fremont Lago, ninguém sabe dela. Os dias são pacíficos, mas as noites. . . em uma cabine
minúscula, as noites são ruins. Sonhos não tirar férias quando as pessoas fazem.

É sempre alguma coisa, não é? Sempre alguma coisa e nunca nada de Janie. Nunca, nunca nada.

Como o carro de um médico uma vez disse-lhe para nunca mais dirigir, ela anseia por ela. Craves nunca o
rebelde, o nada fugaz. E quando o pesadelo começa outro, ela pensa que é de verdade.

01:23

Janie shakes em um sofá irregular. Ao lado dela, estirado numa espreguiçadeira reclináveis, é Cabe.
Adormecido.

Ele está sonhando com ela.

Janie relógios, como às vezes ela faz quando seus sonhos são doces. Armazenar memórias. Para mais tarde.
Mas este. . .

Eles estão jogando em um campo de paintball ao ar livre com uma dúzia de pessoas sem rosto. Parece um
jogo de vídeo. Cabe Janie e passar através dos obstáculos e atirar em si, rindo, esquivando-se, escondendo-
se. Cabel foge e leva dois tiros em Janie, duas bolas vermelhas.

Eles pregá-la bem no globo ocular.

tinta vermelha escorre pelo rosto, seu olho soquetes vazios.

Ele continua atirando e tira um membro de cada vez, até Janie é apenas um corpo e uma cara-pintura
listrada.

Ele chora, arrependida, se ajoelha ao lado dela no chão, e então pega ela e leva-la, coloca-la em uma cadeira
de rodas. Rolls-la para a parte vazia do campo e despejos-la para a grama amarela.

Janie puxa para fora dela. Sabe que não deve desperdiçar sonhos. Mas ela não pode ajudá-lo. Ela não pode
desviar o olhar.

Quando ela vê, ela olha no escuro, o teto enquanto atira Cabe e voltas. Ela desliza o braço sobre os olhos,
tentando esquecer. Tentando fingir que isso não tem acontecido por dois meses seguidos, em cima de tudo.
"Por favor, pare", sussurra. "Por favor".

04:23

Ele sonha e ela é forçada a acordar de novo.

Ela segura a cabeça dela.

Janie e Cabel estão no quintal de casa Cabe, sentado na grama verde. Janie final braços na altura dos
cotovelos. Seus olhos são costurados, agulhas ainda está conectado e pendurada no fio, para as bochechas.
Lágrimas negras.
Kabel é frenético. Ele puxa uma espiga de milho de um saco de mantimento de papel e fitas de seda de
distância. Atribui a um dos cotovelos Janie's. Arranca duas bolinhas do saco de papel. Big Tiger Brown Eye
shooters. Ele empurra-los para as pálpebras costuradas-up Janie's, empurra duro, mas eles não vão ficar.
Janie cai para trás como um boneco de pano, incapazes de travar-se sem as mãos. A espiga de milho quebra
o cotovelo e rolos de distância. Cabe berços as bolinhas Tiger's Eye em suas mãos.

Janie, entorpecido, não consigo ver mais. E ela não vai tentar mudá-la. Não é um sonho como aquele.
Porque é sobre ela, e como Cabe está lidando com as coisas. É completamente errado para manipular isso.
Ela só espera que ele nunca lhe pede para ajudar.

Ainda assim, ela não quer que ele sonhar, período. Não é nada disso. Ela expulsa a perna. Liga. Tudo fica
preto.

"Sorry", murmura. Volta a dormir.

Tem sido assim.

É como se tudo o que ele não pode dizer que sai em seus sonhos.

09:20

stirrings Familiar pôr fim aos sonhos. Um alívio bem-vindo. Janie descansa em seu divã semi-adormecido.
Falando-se de volta. Voltar à normalidade. Ela coloca em sua fachada.

Até que ela pode descobrir o que fazer sobre isso.

Sobre a vida.

Sobre ele.

09:33

Ela ouve o rangido da cadeira de gramado, e depois sente Cabel aconchegar atrás dela no sofá. Ela endurece,
só um pouco. Só por um segundo. Então toma uma respiração profunda. Ele desliza seus dedos aquecidos
sob seu cami e desliza-los através de sua barriga. , Ela sorri e relaxa, os olhos ainda fechados. "Você vai
ficar nos problemas", diz ela. "Você conhece as regras do seu irmão."

"Eu estou em cima do cobertor. Você está sob ele. Eles vão ficar bem com isso. Além disso, eu não estou
fazendo nada. "Acaricia a sua pele, beija seu ombro. Desliza os dedos sob o cós de sua calça Jammie.

"Dude". Janie links dedos na sua. "Não", ela grita, no caso de Charlie e Megan está prestando atenção.
"Nada acontece por aqui." Ela murmura a Kabel, "Você está fazendo o café da manhã. Certo? "

"Certo. Eu estou começando o fogo com a minha mente, fritar bacon com minha escura, pensamentos
crispiest. E você pensou que tinha uma habilidade especial. Pense novamente, missypants ".

Janie ri, mas ele sai tensas. "Você dormiu bem?"

"Sim". O queixo arranhões ombro. "Bem, tão bom quanto qualquer um pode dormir em tiras de tecido
fibroso de plástico e uma vara de metal montando seu burro." Ele belisca sua orelha e acrescenta: "Por quê?
Eu tive um pesadelo? Você sempre me deixa nervoso quando você perguntar isso. "

"Shh", afirma Janie. "Vai fazer-me algumas bacon".

Ele é quieto por um momento, e então ele se levanta. Desliza em seu jeans. "Ok, então."
09:58

Eles fazem coisas vacationy. Sentados ao redor com Charlie e Megan, beber café, tornando-almoço sobre a
fogueira. Relaxante. Conhecer-se melhor.

Janie's distraído.

Ela olha para tudo, com medo que ela vai perder alguma coisa que precisa ser visto antes que seja tarde
demais.

Ela realmente não sabe como fazer férias.

Além disso, algumas coisas que você simplesmente não consegue ficar longe.

Mas ela é valente. Tudo parece normal. Mesmo no interior, ela é destruída.

Foi um mês duro poucos.

Enfrentá-los-Doc, feliz e Dumbass foi muito mais difícil do que pensava que seria. Revivendo todas as
mentiras. A configuração. Os assaltos. Todas as coisas que os professores fizeram. Foi horrível.

Agora acabou, o zumbido diminuiu, mas as coisas ainda são duros. Começar de novo na pista e enfrentar a
realidade de um cego e aleijado futuro é difícil. Ter uma mãe que um bêbado é difícil demais. Pensando
sobre a faculdade, onde as pessoas estão dormindo em toda parte. . . e um namorado, cujas dúvidas e medos
só saem em seus sonhos. Vida em geral. . . yeah. Tudo isso.

Realmente.

Caralho.

Hard.

Cabe Janie e fazer os pratos juntos. lavagens Cabel, seca Janie. É tão acolhedor. Ela agarra um prato bem,
esfregando-o com a toalha. Pensamento.

Quer saber se ele teme que sua voz de sonho.

E assim ela deixa escapar para fora. "Você sempre pensa sobre o que vai ser? Você sabe, se ficarmos juntos,
eu e todos os cegos e mancando por aí, caindo e quebrando pratos causar "Eu não posso segurá-los. . . . "Ela
coloca o prato no armário.

Cabel flicks os dedos para ela, sua pulverização com água. Sorrisos. "Claro. Eu acho que estou muito feliz.
Eu aposto que as pessoas cegas têm o sexo grande. Vou até usar uma venda nos olhos por isso é justo. "Ele
solavancos seus quadris levemente contra a dela. Ela não rir. Ela estabiliza-se e, em seguida, pega uma
frigideira de aço inoxidável com o punho e começa a secá-lo. Olha seu reflexo distorcido na mesma.

"Hey," Cabe diz. Ele seca a mão na cueca e depois pinceladas bochecha Janie's. "Eu estava apenas
brincando."

"Eu sei." Ela suspira e coloca na panela de distância. Joga a toalha sobre o balcão. "Vamos lá. Vamos fazer
algo divertido. "

13:12

Ela concentra sua mente.


Faz frio na água, mas o sol da tarde é quente no rosto, o cabelo dela.

Janie bobs no local, os joelhos dobrados, os braços esticados, mas não fechado, tentando se equilibrar. O
colete salva-vidas bate sobre suas orelhas. Os braços bem tonificados são como varas de rodagem de sockets
enorme do colete. óculos Janie's são armazenados com segurança dentro do barco, então tudo é embaçada. É
como olhar através de uma parede de chuva.

Ela toma uma respiração profunda. "Hit it!", Ela grita, e então ela é puxado para a frente, os joelhos a bater,
os braços tremendo. Ela agarra o punho da corda, as juntas brancas, palmeiras e os músculos já doloridos
dos esforços de dois dias anteriores. Encoste-se, ela se lembra e faz. Deixe o barco te puxar para cima.

Ela estica, mais ou menos.

Balanços e pega ela.

Seu vagabundo fura para fora, ela sabe. Mas ela não pode ajudá-lo. Não se importa, de qualquer maneira.
Tudo o que ela pode fazer é sorrir cegamente como bofetadas e picadas de spray rosto.

Ela está acima. "Woo hoo!", Ela grita.

Megan é um driver suave ao volante da lancha pouco verde-ervilha. Ela observa Janie no espelho retrovisor,
como a boa mãe ver seus filhos, sua testa franzida de preocupação, mas balançando a cabeça. Sorrindo.

Cabel faces Janie, na posição de observador na parte de trás do barco, sorrindo como ele faz. Seus dentes
brancos brilham ao lado de sua pele bronzeada, e seu cabelo castanho, com estrias de ouro do sol, vira
descontroladamente no vento. Seus aos bocados cicatrizes de queimadura na barriga e peito marrom brilho
prateado.

Mas eles são apenas gotas de Janie de setenta e cinco metros de distância. Cabe grita algo que parece
entusiasmado, mas perdeu no ruído do motor e do respingo.

Janie pernas e braços tremer como ar seco e depois começar novamente golpeado com spray. Sua pele vibra.

Megan mantém perto da costa salgueiro-arborizadas. Enquanto eles se aproximam da praia da cidade e área
de camping, Megan facilita o barco em um grande semicírculo, girando em torno deles. Janie tempos em
volta, mas é apenas uma leve colisão durante o velório. Uma vez que endireitar outra vez, Janie umedece os
lábios e, em seguida, determinada, ela dá Megan os polegares para cima.

Mais rápido.

Megan cumpre, e as velocidades em direção ao cais perto da cabine red-brown pouco shellacked, um dos
seis que pontilham a costa eo Logs Rustic Resort, e então ela continua após ele. Explorando novos
territórios.

Eu sou como um badass, Janie pensa. Ela pisca os olhos e faz uma tentativa ousada e finalmente bem
sucedida para cruzar a acordar outra vez como os dois no barco animá-la por diante.

Até o momento Janie sentidos, ela já é tarde demais.

A mulher encontra-se bronzear em um trampoline da água, a pele brilhando de óleo bronzeador e suor. Janie
não pode fazer a cena, mas ela está muito familiarizado com os sinais de alerta. Sua torcida do estômago.

Janie moscas passado a mulher e fica envolto em trevas. Há um flash de três segundos de um sonho antes
que tudo acabou e ela está fora do intervalo novamente. Mas é o suficiente para jogar Janie fajuta. Seus
joelhos se dobram, esquis emaranhado debaixo dela, e ela vira para a frente descontroladamente, forçando
seu caminho de água em sua garganta e narinas. Em seu cérebro, ao que parece, pela forma como
queimaduras. A critica de esqui em sua cabeça e ela é forçada a voltar sob a água. Ela não está a abrandar.

Se você cair, soltar da corda.

Der.

superfícies Janie, tosse e pulverização catódica, com a cabeça em chamas. Espantado que o colete salva-
vidas de tamanho grande é ainda ligado, embora ela todas as torcidas em cima dele. Sente nauseado depois
de engolir uma meia lago. Ela limpa a água dos seus olhos de ardor e colegas por meio da borrão,
desorientado, que desejam para seus óculos. Orelhas conectado. Quando as ervas daninhas, de repente
agradar seus pés pendurados, ela eeps e seu corpo faz um espasmo freak out-ness oogy pouco, depois que
ela tenta não pensar em estar rodeado por carpa amarelo-laranja grande. . . e os seus excrementos.

Blurg. Não gostava disso, Olá.

Barcos lamentar a distância.

Nenhum deles parece que está chegando para resgatá-la.

Finalmente, ela ouve um chugging abafado. Quando o motor corta, Janie chama. "Cabe?

É ainda o único nome que se sente seguro na sua língua.

13:29

No barco, Cabel envolve uma toalha em volta dela. Mãos Janie seus óculos. "Você tem certeza que está
bem?" Seus olhos dobra e ele está tentando não sorrir.

"Fine", Janie rosnados, irritado, batendo queixo. Megan controlos fora o galo na cabeça Janie's, lanços e, em
seguida, na corda do reboque.

Cabel tosse e pressiona levemente os lábios. "Isso foi muito, uh, muito a mostrar, Hannagan".

"Você está realmente rindo de mim? Sério? "Janie esfrega os cabelos com uma toalha. "Eu quase morri lá
fora. Além disso o meu cérebro está infestado de plâncton e merda carpa. É melhor vê-lo, ou eu vou explodir
um foguete snot em você. "

"Eu sou. . . eww. Isso é nojento. "Cabe ri. "Mas, falando sério, você realmente deveria ter visto a si mesmo.
Megan direito,? Eu gostaria que tivéssemos uma câmera de vídeo. "

"Cara, eu sou assim Suíça", diz Megan. Rope arrumadas, ela acelera o motor e os balanços do barco, de
volta ao banco dos réus.

Pela segunda vez hoje, não Janie's rindo.

Cabel continua sobre o ruído. "Quero dizer, a tampa era uma coisa, mas o arrasto, que era algo totalmente
fora de controle. Suas pernas estavam voando. Lembre-se de uma regra de número de esqui aquático? "

"Eu sei. Sheesh. Quando você cair, solte a corda, eu sei. Há apenas um monte de merda para recordar
quando você está lá fora. "

Cabel bufa. "Um lote. . . sim, um monte de merda para se lembrar. "Ele ri muito e bem, limpa os olhos e
tenta obter o controle de si mesmo. "Caso não vá deixar a corda se você está se afogando" sorte de ser uma
resposta automática, embora? Técnica básica de sobrevivência? "
Ela olha pra ele.

Ele pára de rir e dá-lhe um olhar inocente indefeso. "Ok, ok, me desculpe", diz ele.

"Vá chupar uma média", afirma Janie. Ela se afasta e vesgo através de seus óculos, localizando a mulher
dormindo na cama elástica, agora uma pequena ilha ao longe. Você ainda não pegá-lo de tudo, você, Cabe?

Ele provavelmente nunca será.

"Supere-se, Hannagan", ela murmura. "Você está de férias, caramba. Você está relaxando e se divertindo.
"Parece madeira.

"O que é isso, doces?" Ele desliza sobre a ela sobre o assento do banco.

"Eu disse que era engraçado tipo, não foi?" Janie olha nos olhos de Kabel. Smiles timidamente.

Com o dedo, apanha uma gota de água a partir de seu queixo. Smiles. Ele traz o dedo aos lábios e lambe a
água. "Mmm", diz ele, nuzzling pescoço. "Carp merda."

13:53

Cabel acena fora em um cobertor sob um carvalho sombrio.

Janie senta-se, o queixo sobre os joelhos, olhando para os dedos dos pés. Ouvindo o ritmo das ondas suaves
lavagem em terra. Depois de um tempo, ela se levanta. "Eu estou indo para um passeio", ela sussurra. Cabel
não se move.

Ela desliza uma longa camiseta sobre o seu maiô, enfia os dedos na sua lança, pega seu celular, e anda atrás
da cabine e pelo estacionamento pouco, até a calçada íngreme da estrada principal. Do outro lado da estrada
há um campo e uma ferrovia. O brilho nos trilhos do sol da tarde. Janie caminhadas ao longo da via e pensa,
feliz por ter um lugar calmo onde possa deixar seu protetor para baixo sonho.

Depois de um tempo, ela pára de pé. Senta-se na pista, sentindo o metal quente contra as costas das coxas
finas através do encobrimento. Abre o telefone e disca memória # 2.

"Janie, o que está acontecendo? Tudo bem? "

Janie gentilmente ondas de um zangão longe. "Hi. Yeah. Eu só estou fazendo um monte de pensamento.
Sobre o que falamos. . . que você conhece? Lotes de tempo para pensar em férias ", diz ela, e ri
nervosamente.

"E?"

"E. . . você tem certeza que estão bem com o que eu decidir? "

"Claro que sim. Você sabe disso. Você fez a sua mente, então?

"Não é verdade. Eu. ainda estou decidindo. "

"Você já falou com Cabel sobre isso?"

winces Janie. "Não. Ainda não. "

"Bem, eu não culpo você por querer e precisar a considerar todas as suas opções."
Janie's cresce garganta apertada. "Obrigado, senhor."

"Você sabe o que fazer. Chame-me a qualquer momento. Deixe-me saber que você escolher. "

"Eu vou." Janie fecha o telefone e olha para ele.

Não há nada mais a dizer.

No caminho de volta, ela pega um centavo trem-achatada da pista e se pergunta se um dos turistas descendo
a colina colocou lá. Interroga-se um garoto pouco animado vai voltar para ele. Ela define que a gravata de
via férrea assim quem quer que seja vai ter a certeza de vê-lo. Caminha lentamente de volta para a cabine
para deixar suas coisas. E então ele está de volta fora, debaixo da árvore.

Ela observa Cabe sono. Mais tarde, ela adormece também, sempre que ela pode ter uma chance, enquanto
ela se esquiva cansado Cabel sonhos, e sonhos de uma criança dormindo em algum lugar, provavelmente na
cabine ao lado.

Não há como fugir de tudo aqui. Ou em qualquer lugar.

Não há escapatória para ela.

17:49

A explosões apito eo trem corre passado no topo da colina. Todo mundo que estava dormindo acorda.

"Outro dia agitado no lago", murmura Cabel. "Meu estômago está roncando." Ele rola sobre o cobertor.
Janie não consegue resistir. Ela snuggles até seu corpo quente.

"Eu posso ouvi-lo", diz ela. "E eu cheiro a grelhados no carvão."

"Nós devemos realmente começar agora."

"Eu sei".

Permanecem ainda, Janie's cabeça no peito de Kabel, uma brisa agradável que vem fora do lago. Ela trompas
de olhos fechados e prende-lo, tem o cheiro dele, sente o calor do seu peito em sua bochecha. Ama.

Quebra um pouco mais para dentro.

06:25

Janie ouve o clique da porta da cabine da tela e senta-se como culpada Megan caminha em direção a eles.
"Sinto muito, Megan, que deve ser ajudá-lo a preparar o jantar."

"Nah", sorri Megan. "Você precisava de um cochilo depois de tudo que esquiar e afogamento. Mas seu
celular está soando dentro da cabine. Eu não sei o que fazer com ele. "

"Obrigado. Eu vou verificar isso. "

Cabel senta-se também. "Tudo bem? Onde está Charlie, afinal? "

"Na cidade, pegar alguns mantimentos. É tudo de bom. Relaxe ", diz Megan. "Sério. Foi um momento difícil
para vocês, você precisa do resto. "
Obediente, Cabel sumidouros de volta para baixo sobre o cobertor como Janie fica a seus pés. "Volto já", diz
ela. "É melhor não ser o capitão com uma missão ou eu estou parada."

Cabel ri. "Você não faria isso."

06:29

Voicemails.

De Carrie. Cinco deles.

E eles são ruins.

Janie ouve, incrédula. Ouve mais uma vez, surpreendeu.

"Ei, Janers, caramba, onde está você? Ligue para mim. "Click.

"Janie, a sério. Há algo errado com sua mãe. Ligue para mim. "Click.

"Janie, a sério! Sua mãe está tropeçando em torno do seu quintal da frente gritando para você. Não diga a ela
que estava indo para Fremont? Ela está totalmente bêbado, Janie, ela gemendo e-oh, merda. Ela está na
estrada. "Click.

"Hey. Estou levando sua mãe para County Hospital. Se ela sopra em Ethel, você está tão morto. Ligue para
mim. Jesus. Também? Shit. Minha bateria do telefone está morrendo, então talvez tente o hospital ou algo
assim. . . Não sei o que te dizer. Vou tentar novamente quando eu tiver uma chance. "Click.

"Oh, meu Deus." Olha Janie em seu telefone, não é realmente vê-lo. Então ela chama de Carrie.

Obtém mail Carrie voz. "Carrie! O que aconteceu? Ligue para mim. Eu tenho o meu telefone agora. Sinto
muito. Eu estava tomada de uma soneca. "É um som oco. Descuidados. Frívolo, até mesmo, quando Janie
diz em voz alta. O que eu estava pensando, deixando minha mãe sozinha por uma semana? Deus ". Apenas
me chame. "

Janie está lá, toda a respiração do ser sugado para fora dela, passa a ter medo. E se algo está realmente
errado?

E então a raiva.

Eu nunca vou ter uma vida, enquanto que a mulher está viva, Pensa ela.

Aperta os olhos fechados e leva-lo de volta imediatamente.

Não posso acreditar que ela seria uma pessoa horrível, acho que uma coisa tão horrível.

Charlie entra na cozinha minúscula cabine com um saco marrom de mantimentos e curtas paragens quando
vê o olhar na cara Janie's. "Você está bem?", Pergunta ele.

pisca Janie, inseguro. Não, eu não penso assim ", diz ela calmamente. "Eu acho. . . Eu acho que eu tenho que
ir. "

Charlie define os mantimentos duramente sobre o balcão. "Cabe!" Grita através da porta de tela. "Vem!"
Antes ".
Janie define o telefone para baixo e puxa a mala do armário. Começa a jogar suas roupas na mala. Ela olha
para sua auto desgrenhada no espelho e ancinhos os dedos pelos escuros emaranhados loira. "Oh, meu
Deus", diz ela para si mesma. "Que diabos está errado com a minha mãe?"

E então ele bate.

E se a mãe realmente está morrendo? Ou morto?

É fascinante e terrível. Janie imagina a cena.

"O que é isso?" Kabel diz, entrando na cabine. "O que está acontecendo?"

"Aqui", diz ela. Ela disca o correio de voz e as mãos do telefone para Kabel. "Ouça a todas as mensagens."

Como Cabel escuta, Janie, em um daze, continua a embalar.

Depois de todas as suas coisas estão cheios por dentro, ela percebe que ela precisa de algo para mudar para
ela, não pode dirigir toda a maneira Fieldridge em seu maiô.

Ela não pode dirigir a todos.

Cue detalhe importante.

"Foda-se," Janie murmura. Ela observa como Cabel ouve as mensagens. Vê a sua expressão se intensificam.

"Merda", diz ele. Ele olha para Janie. Leva a mão dela. "Puta merda, Janie. O que posso fazer? "

Janie apenas enterra o rosto no seu pescoço. Tentando não pensar.

Endless.

07:03

É uma casa de três horas de carro. Cabel's ao volante do que o Capitão Beemer Komisky deixa ele dirigir. A
Grand Rapids rachaduras estação de rádio deejay uma piada coxa e depois joga "Danny Reyes Bleecker
Street" em todas as suas horas de solicitação, e olha Janie em seu telefone, Carrie dispostos a chamada. Mas
é silencioso.

Janie chama o hospital. Eles não têm registro de Dorothea Hannagan ser admitido.

"Talvez ela está bem e não tenho que admitir que ela", disse Cabel.

"Ou talvez ela está no necrotério".

"Eles pediram por você agora."

Janie's em silêncio, tentando pensar em razões pelas quais o hospital não ligou, Carrie muito menos com
uma atualização.

"Podemos chamar o capitão", disse Cabel.

"Que bom que vai fazer?"

"O chefe da polícia? Ela pode obter informações de alguém que ela quer. "
"True. Mas. . . "Janie suspiros. "Eu não. . . minha mãe. . . Não se preocupe. Não. Eu não quero chamar o
capitão. "

"Por quê? Seria colocar sua mente à vontade. "

"Cabe. . ".

"Janie, a sério. Você deve chamar-lhe começar a colher. Ela totalmente fazer isso para você se você está
preocupado com a imposição. "

"Não, obrigado".

"Você quer que eu chamá-la?"

"Não. Ok? Eu não quero que ela saiba. "

suspiros Cabel, exasperado. "Eu não entendo."

Janie aperta seu queixo. Olha pela janela. Sinto o calor no rosto, as lágrimas pungentes. A vergonha. Diz
baixinho: "É constrangedor, tudo bem? Minha mãe é uma bêbada freaking. Tropeçando no quintal da frente,
gritando? Meu Deus. Eu não preciso ver que o Capitão. Ou saber sobre isso, que parte da minha vida. Isso é
pessoal. Há coisas que eu falar com o capitão, e coisas que são privadas. Basta deixá-lo cair. "

Kabel é silenciosa. Depois de alguns minutos de balbucio deejay rádio, ele liga seu iPod no som do carro.
"Josh Schicker de Feels Like Rain" lavagens com o carro. Quando a música termina e as primeiras notas da
música seguinte começar, ele endurece e, em seguida, inverte-lo às pressas. Sabe o que está próximo. Sabe
que é "boas mães, Don't Leave!"

Uma hora passa como eles viajam para o leste em Michigan, deixando o sol laranja e brilhante na sua
esteira. O tráfego é luz. Janie inclina a cabeça contra a janela, observando o desfoque de fundo verde das
árvores e campos amarelos passar. Há um veado em uma área gramada de abordagens como a escuridão, ou
talvez seja apenas isso toco de árvore queimados que engana-la o tempo todo.

Ela se pergunta quantas vezes mais ela vai testemunhar cenas como esta. Tentando lembrar tudo o que vê
agora, para mais tarde. Quando tudo o que ela é a escuridão e sonhos.

Ela tenta o hospital novamente. Ainda não há registro de Dorothea Hannagan. É um bom sinal, Janie pensa. .
. exceto que não Carrie ainda está chamando. "Onde ela está?" Janie salta a cabeça contra o encosto de
cabeça.

Cabel olhares de soslaio para Janie. "Carrie? Ela não dizer morto o seu telefone? "

"Ela disse que a bateria estava fraca. Mas há outros telefones. . . ".

torneiras Cabel queixo, pensativo. "Será que ela realmente sabe o número do seu celular ou você está no seu
discagem rápida?"

"Ahh. Bom ponto. discagem rápida ".

"Então é por isso que ela não ligou. Ela não sabe seu número, é morta em seu telefone e ela não consegue
chegar a ele. "

Janie sorrisos. Deixa para ir de uma respiração preocupado. "Yeah. . . provavelmente você está certo. "

"Você tenta chamar a sua casa para ver se sua mãe está lá?"
"Sim, eu fiz isso também. Nenhuma resposta. "

"Você tem número de Stu? Ou telefone Carrie está em casa? "

"Eu tentei a sua casa. Nenhuma resposta. E eu não tenho Stu. Eu deveria. Eu sempre quis. . . ".

"E Melinda?

"Sim, certo." Janie bufa. "Só o que eu preciso, os botões do Morro espalhar essa história por aí." Ela se vira
para a janela. "Me desculpe, eu era arrogante. Você sabe anterior. "

Cabel sorri na escuridão. "S'okay." Ele alcança a mão de Janie's. Snakes entre os dedos dela. "Eu não estava
pensando. My bad. "Ele faz uma pausa. "Você sabe que ninguém pense mal de você por coisas que você não
pode controlar, como o que sua mãe faz."

"Ninguém?" Janie carrancas. "Certo. Eles todos têm a sua opinião sobre a confusão Durbin.

"Ninguém que importa."

Janie inclina sua cabeça. "Yanno, Cabe, talvez vizinhos, toda a cidade de Fieldridge. . . Talvez o que eles
acham que realmente importa para mim. Quero dizer, Deus. Esqueça isso. Estou tão cansada de tudo isso.
Chiça, o que vem depois? "

Após uma pausa, Cabel diz: "Direto para o hospital e, em seguida, né?"

"Sim, eu acho que a melhor coisa que podemos fazer. Ela poderia apenas estar sentado, esperando na ER.
Vamos tentar que o primeiro. . . você acha? "

"Sim".

09:57

Janie e Cabel stand na ER, não tem certeza do que fazer. Nenhum sinal de Carrie ou mãe Janie's em
qualquer lugar entre a variedade de doentes e feridos. Ninguém na mesa tem qualquer registro de seu
também.

torneiras Cabel os dedos contra os lábios, pensando. "É Hannagan nome de casada da sua mãe?"

Janie trompas de olhos fechados e suspiros. "Não." Ela nunca disse Cabel muito sobre sua mãe, e ele nunca
pediu. Que foi do jeito que Janie gostei. Até agora.

"Um. . . ? "Kabel prompts. "Como faço para colocar esse PC. Vamos ver. Ok, tem a sua mãe já passou por
algum outro nome além Hannagan? "

"Não. O nome dela é Dorotéia Hannagan, e esse é o único nome que ela já teve. Eu sou um bastardo. Ok? "

"Janie, a sério. Ninguém se preocupa com isso. "

"Sim, bem, eu me importo. Pelo menos você sabe que ambos os pais são seus. "

olha Kabel em Janie. "Fat muita coisa boa que me fez."

"Oh, acabou Cabe." Caretas Janie. "Eu sinto muito. Major typo verbal. Eu estou estressada eu não sei o que
estou dizendo. "
Cabel parece que ele está prestes a dizer algo, mas ele retém. Olha em volta novamente, inutilmente.
"Vamos lá", diz ele, agarrando a mão Janie's. "Elevador. Faremos um passeio, verificar salas de espera. Dez
minutos, tops, e se nós não encontramos Carrie, voltamos a sua casa e esperar. Eu não sei mais o que fazer. "

Um arrepio rasteja sobre a pele Janie's. Sua mãe, o bêbado, está faltando.

22:02

Há, no terceiro andar sala de espera.

UTI.

Cotovelos sobre os joelhos eo rosto entre as mãos, os dedos enfiada através de sua longa cachos escuros.
Inclinada para a frente. Como ela está pronta para ir para os pés dela a qualquer momento e correr como o
inferno.

"Carrie!" Janie diz.

Carrie aparece. "Oh, bom, você tem a minha nota."

"Where's. . . É minha mãe. . . ? "

"Ela está no quarto com ele."

"O quê? Quem? "

"Será que você não buscar o meu bilhete?

"Que nota? Tudo que eu sei é o que você deixou no meu correio de voz. "

"Eu deixei uma nota sobre a Ethel, no estacionamento. Percebi que você é um detetive que passou, ou o que
quer. Acho que você deveria olhar para o meu carro. De qualquer forma, como diabos você me encontrou,
então? Não se preocupe. Seu bom-mãe que ela é. Quero dizer, ela ainda bêbado, mas acho que ela está
caindo agora. . . como caminho para baixo. Ela é toda chorosa e trêmula. Mas "

"Carrie", Janie, diz com firmeza. "Focus. Diga-me o que há de errado com a minha mãe e onde posso
encontrá-la. "

Carrie suspiros. Ela parece cansada. "Sua mãe está bem. Só bêbado ".

Janie olhares nervosos através da porta aberta para o corredor como uma enfermeira passa. Sua voz é baixa e
urgente. "Ok, ok, já percebi que ela está bêbada. Ela está sempre bêbado. Podemos parar de gritar que por
favor? E se ela está bem, por que diabos estamos todos na UTI? "

"Oh, cara", diz Carrie. Ela sacode a cabeça. "Por onde começar?"

Cabel nudges Janie e Carrie para as cadeiras e se senta com eles. "Quem é 'ele', Carrie? Quem é ela com? ",
Diz ele suavemente.

Janie concorda, ecoando a pergunta.

Mas ela já sabe.

Há apenas um "ele" poderia possivelmente ser. Não há ninguém no mundo. Nenhuma outra pessoa que faria
a mãe Janie's reagir desta maneira. Ninguém sonha Janie's sobre mãe.
Carrie, cujos olhos são normalmente dança dulled do cansaço do dia incomum, olha Janie. "Aparentemente,
ele é seu pai, Janers. Ele é, assim, muito doente. "

Janie apenas olha para Carrie. "Meu pai?"

"Eles não acham que ele vai fazer isso."

22:06

Janie cai para trás na cadeira. Numb. Não faço idéia de como ela é suposto sentir sobre esta notícia. Freaking
n º. Pista.

Cabel levanta a mão para interromper a conversa. Os três se sentar na sala de espera em silêncio por um
momento, olhando Janie em branco, Carrie trabalho um pedaço de goma, Cabel fechando os olhos e
balançando a cabeça levemente. "Comece do começo", diz ele.

Carrie acenos. Pensa. "Sim, sim, esta tarde, provavelmente por volta de três horas, eu ouvi alguém gritando
lá fora. Eu o ignorei, porque há sempre alguém gritando em torno do nosso bairro, certo? E eu estou
dobrando roupa na cama e, em seguida, através da minha janela vejo mãe Janie, que é tão estranho, porque
ela, como nunca, a menos que ela sai do pé para a estação de gás ou de ônibus para obter a bebida, certo?
Mas hoje ela está de camisola vagando ao redor do quintal "

Janie flushes e coloca as mãos ao rosto. "Oh, Deus", diz ela.

"E, uh, ela é chamada" Janie! Janie ', e em seguida, classificar, ela tropeça e de eu ir a correr para fora para
ver o que há de errado com ela. E Dorothea, ela está chorando e diz: "O telefone! Eu tenho que ir ao
hospital, "mais e mais cerca de vinte vezes, e eu estou te chamando e deixando-lhe mensagens e, finalmente,
eu levá-la aqui porque eu não sei mais o que fazer. E isso leva-nos como uma hora de sentar na sala de
emergência e conversando com a recepcionista antes de ela. . . um. . . se acalmou e capaz de explicar que ela
não está doente, que ela recebeu um telefonema e ela precisa ver Henry ".

Janie olha para cima. "Henry?"

"Sim Feingold, Henry. Esse é o nome do cara. "

"Henry Feingold," Janie diz. O nome soa vazio. Não tem nenhum significado para ela. Não soa como o que
ela imaginava nome do seu pai seria. "Como é que eu mesmo sei se é ele? Dorotéia ", diz ela, enfatizando
cada sílaba," nunca se preocupou em compartilhar qualquer informação sobre ele comigo. "

Carrie acena solenemente. Ela sabe.

E então.

Janie pisca as lágrimas como ela percebe a verdade. "Ele deve morar nas proximidades, se trouxeram aqui.
Acho que ele não se importaria de me conhecer, também. "

"Eu sinto muito querida." Carrie olha para o chão.

Janie está abruptamente e se vira para Kabel e Carrie. "Eu não posso acreditar que ela estragou as férias. E
eu estou tão arrependido, Carrie, que perdeu todo o seu dia e noite aqui. Você é um bom amigo, por favor,
vá para casa ou para Stu ou qualquer coisa. "

Ela se vira para Kabel. "Cabe, eu vou lidar com isso daqui. Eu vou tomar o ônibus para casa quando eu
recolher a minha mãe. Por favor, rapazes. Vá descansar um pouco. "Ela anda em direção à porta, esperando
que Carrie e Cabe seguirá para que ela possa introduzir-los e sofrer o constrangimento de tudo isso em
privado. Sua parte inferior do lábio treme. Deus, isso é tão fucked up.

Cabel ergue-se, em seguida, Carrie está demais. "Então", diz Carrie Cabel que sigam Janie à porta. "O que
há de errado com ele? Você sabe? "

"Alguns lesão cerebral ou algo assim. Eu não sei muito, ouvi dizer o doc Dorothea que ele ligou para o 911 e
ainda estava consciente até que ele chegou aqui, mas agora ele não vai acordar. Eles finalmente deixar
Dorothea para vê-lo cerca de trinta minutos atrás. E Janers ", Carrie diz," não era problema, ok? Você faria o
mesmo se a minha mãe precisava de ajuda. Certo? "

Janie aperta a garganta e ela pisca as lágrimas. Tudo o que ela pode fazer é acenar. Quando Carrie abraça-la,
Janie engasga um soluço. "Obrigado," Janie sussurra no cabelo de Carrie.

Carrie se vira para ir embora. "Call me".

Janie acena novamente, assistindo Carrie a pé até os elevadores. E então ela olha para Kabel. "Vá", diz ela.

"Não."

Ele não vai a lugar nenhum.

Janie suspiros inquietos. Porque é que ele é tão grande apoio, mas esta situação é totalmente estranho. Janie
e não completamente certo o que esperar.

Algumas coisas são realmente mais fácil simplesmente fazer sozinho.

É tranquilo e as luzes são baixas como Janie e Cabel empurrar através das portas dobro em corredor de
pacientes internados em UTI. Janie sente a força fraca de um sonho de uma distância e ela combate-lo
imediatamente, impaciente. Spies quarto do culpado, cuja porta está entreaberta e, silenciosamente, o
amaldiçoa. Frustrada, ela não pode nunca ficar longe dos sonhos das pessoas, mesmo quando sua mente está
extremamente ocupada fazendo outras coisas.

Eles check in na estação das enfermeiras. Janie limpa a garganta. "Henry, uh, Fein. . . STEI "

"Feingold," Kabel diz suavemente.

"Você tem família?" A enfermeira pergunta. Ela olha para eles com desconfiança.

"Eu, uh," Janie diz. "Yeah. Ele é meu. . . pai. . . Eu acho. "

A enfermeira torneiras de sua cabeça para o lado. "O truque para ficar no quarto de alguém está a mentir de
forma convincente", diz ela. "Boa tentativa".

"I-eu não quero entrar em seu quarto. Apenas diga a minha mãe que estou aqui, você vai? Ela está lá dentro
com ele. Eu estarei na sala de espera. "Janie vira abruptamente e Cabel encolhe para a enfermeira e segue.
Eles marcham para trás através das portas dobro à sala de espera, deixando perplexa uma enfermeira vê-los
ir.

Janie murmura baixinho como ela joga-se em uma cadeira. "Feingold. Harvey Feingold.

Cabe olhares para ela. "Henry".

"Certo. Eita. Você nunca adivinharia que eu trabalho para a polícia. "
"Qual é provavelmente porque você está tão convincente disfarçado", Cabel diz, sorrindo.

cotovelos Janie ele automaticamente. "Bem, não anymore. Não esqueça que você está falando menina Narc
". Ela se vira para ele. Agarra a mão. Implora. "Cabe, na verdade, você deve ir. Dormir um pouco. Volte
para Fremont e desfrutar o resto da semana. Eu estou bem aqui. Eu posso lidar com isso. "

Cabel refere Janie e suspiros. "Eu sei que você pode lidar com isso, Janie. Você é como um mártir nada. É
cansativo, realmente, ter o mesmo argumento com você toda vez que você tem merda acontecendo. Basta
deixá-lo ir. Eu não vou deixar. "Sorri faux-diplomática.

Janie's gotas da maxila. "Um mártir!"

"Ahh, sim. Um pouco. "

"Por favor. Você não pode ser um pouco como um mártir. Você quer sejam ou não está. É como o original. "

Cabel ri baixinho, os cantos de sua crinkling olhos. E então ele só olha para ela, sorrindo o sorriso torto que
Janie se lembra dos dias difíceis do skate.

Mas agora, Janie não consigo sorrir de volta.

"Um, sobre esta pequena aventura", ela começa. "Isto é realmente humilhante, CABE. Eu sou. . . Eu estou
tão envergonhado com isso, e eu tenho um monte em minha mente, e eu mal posso entender como você está
sendo bom. Eu odeio que eu estou estragando seu tempo, também, ao invés de apenas meus próprios. Então,
realmente, por favor. Isso poderia me fazer sentir melhor se você tivesse apenas, você sabe. . . "Janie dá-lhe
um olhar desamparado.

pisca Cabel.

Enruga a testa e olha seriamente para ela.

"Ahh," ele diz. "Você realmente quer que eu vá para casa. Quando você diz que isso é embaraçoso, você
quer dizer que é embaraçoso para você para mim saber essas coisas também? "

Janie olha para o chão, dando-lhe a resposta.

"Oh". Cabel medidas de suas palavras, picou. "Sinto muito, Janers. Eu não pegar nessa. "Levanta-se
rapidamente. Caminha para a porta. Janie segue-o para o corredor do elevador. "Eu vou. . . Vejo você por aí,
eu acho ", diz ele. "Call me when-sempre".

"Eu vou", afirma Janie, olhando para o grande CELL PHONES deve ser ativada OFF sinal na parede. "Eu
texto vai depois. Este é apenas algo que eu realmente prefiro segurar sozinho no momento, ok? Eu te amo ".

"Yeah. Okay. Eu também te amo. "Gira em seu Cabel vira e ondas de um lado incerto para ela. Ele olha por
cima do ombro. "Hey? Ônibus não passa entre duas e cinco horas, você sabe que, né? "

Janie sorrisos. "Eu sei".

"Não sugado por todos os sonhos, ok?"

"Tudo bem. Shh. "Janie diz, na esperança de que ninguém ouviu falar disso.

Antes que ele possa pensar em outra coisa, Janie desliza para dentro da sala de espera para se sentar e
pensar.
Alone.

01:12

Ela dormita na cadeira de sala de espera.

De repente sente alguém olhando para ela. Assusta e se senta, acordado.

Pelo menos a mãe dela está vestindo roupas e não a camisola Carrie mencionados.

"Hey", afirma Janie. Ela destaca. Caminha para sua mãe e pára, sentindo estranho. Não tenho certeza o que
fazer. Abraço? Isso é o que eles fazem na TV. Weirdness.

Dorothea Hannagan está suando profusamente. Agitação. Janie não quer tocá-la. Esta cena é tão estranha
que é quase sobrenatural.

E então.

Madness.

"Onde estavas tu?" Amassa Janie mãe e ela começa a chorar. Gritar muito alto. "Você não me diz nada sobre
onde você está, você acabou de desaparecer. Aquela garota estranha do lado tem de dirigir-me aqui "Suas
mãos estão tremendo e seu dardo olhos shifty do chão para trás até Janie's, acusando, irritado. "Você não se
preocupam com a sua mãe agora, é isso? Você só correr selvagens com o menino? "

Janie passos para trás, atordoado, não apenas no número de registro completo das palavras ditas por sua mãe
em um dia, mas ainda mais o tom. "Oh, meu Deus."

"Não se fala de volta para mim." Mãos a abanar Dorothea de rasgar sua bolsa de vinil irregular rifles e ela
por ele, o despejo embalagens e papéis para as cadeiras de sala de espera. Torna-se dolorosamente óbvio que
o que está procurando não está lá. Dorothea desiste e quedas em uma cadeira.

Janie, de pé, observa.

Ela está tremendo um pouco.

Querendo saber como lidar com isso. E por que ela tem que. Já não me deu o suficiente para lidar com a
merda já? Ela diz para ninguém. Ou talvez a Deus. Ela não sabe. Mas ela não sabe uma coisa. Ela vai ficar
contente de estar longe desta confusão.

Janie pega os objetos espalhados na sala de espera, empurra-los na bolsa, e leva a mãe pelo braço. "Vamos
lá. Você tem algum em casa, certo? "

Janie rebocadores Dorothea a seus pés. "Eu disse, vamos lá. Temos que pegar o ônibus. "

"O que sobre o seu carro?" Dorotéia pergunta. "Aquela garota era conduzi-lo."

Janie pisca e olha para a mãe dela, arrastando-a consigo para o elevador. "Sim Ma. Eu vendi para ela meses
atrás, lembra? "

"Você nunca me diga"

"Basta. . . "Queima Janie. Eu não lhe dizem nada? Ou você está muito bêbado para lembrar? Ela toma um
fôlego, deixa-lo lentamente. "Só vamos. E não me envergonhar. "
"Sim, bem que você não me envergonhar, quer."

"Seja qual for".

Janie dá um fugaz relance por cima do ombro para baixo o corredor onde, presumivelmente, seu pai está
morto ou vivo, Janie não sabe.

Isso realmente não importa.

Espera que ele se apressa-se e morre, para que ela não é nunca ter de lidar com ele. Por causa de todos os
Janie sabe, os pais não são nada além de problemas.

02:10

Dorothea inquietações como um junkie todo o caminho para casa no ônibus. Janie, frustrado, afasta o sonho
de um passageiro sem-teto e é feliz por um passeio curto.

Quando chegar em casa, lá na frente é mala passo Janie's. "Porra, Cabe", ela murmura. "Por que você
sempre tem que ser tão foda pensativo?

Janie mãe faz um caminho mais curto para a cozinha, pega uma garrafa de vodka debaixo da pia, e retira-se
para seu quarto sem dizer uma palavra. Janie deixa-la ir. Haverá tempo amanhã para descobrir o que está
acontecendo com essa pessoa uma vez Henry Dorothea é bom e sloshed e meio razoável novamente.

textos Janie Cabel.

Casa.

Cabe responde sem demora, apesar da hora.

Thx bebê. Love. Vejo você amanhã?

Desliga o telefone. "Sim, sobre isso," Janie sussurros. Ela suspira e define o telefone em sua mesa de
cabeceira e sua mala ao lado dele, e cai na cama.

04:24

Janie sonhos.

Há pedras que cobrem seu chão do quarto e uma mala em sua cama. Cada pedra tem uma coisa íntima
sobre ele, mas Janie pode apenas ler as rochas quando ela pega-los.

Ela escolhe um. "HELP ME", diz o texto. "CABE", diz outro.

"Dorothea. Aleijado. SECRET. Cego ".

Quando ela os coloca de volta no chão, eles crescem maiores, mais pesados. Logo, ela sabe, ela vai ficar
sem espaço no chão para colocar as pedras, mas ela não consegue parar de buscá-los, lê-los. O chão está
cheio, ea respiração Janie's ter problemas. As rochas estão sugando o ar da sala.

Finalmente, Janie define uma pedra na mala. Ela encolhe ao tamanho de um seixo.

Janie, lenta e metodicamente, pega todas as pedras e as coloca na mala. A tarefa parece ser interminável.
Finalmente, ela pega a última, "Isolar". Define-la com os outros. Torna-se um seixo, e todas as outras
pedras desaparecem.
olha Janie na mala. Sabe o que ela tem que fazer.

Ela fecha.

Pega.

E sai.

Sexta-feira
04 de agosto de 2006, 09:15

Janie está acordado, olhando para o teto. Pensando em tudo. Sobre este mais uma coisa. O caderno verde, a
audição, a fofoca, a faculdade, sua mãe, e agora esse cara Henry. Qual é o próximo? É demais já. Uma onda
de pânico familiar de lava sobre ela, capta seu peito e aperta-lo. Hard. Mais difícil. Janie gulps para o ar e
ela não pode ter o suficiente. Ela rola para o lado dela em um baile.

"Chill", diz ela, ofegante. "Calma, foda-se."

É tudo demasiado.

Ela cobre a boca eo nariz com as mãos, respira a eles, dentro e fora, até que ela consiga um bom hálito. Ela
faz sua mente ficar em branco.

Focos.

Respira.

Apenas respira.

09:29

A porta para o quarto Janie's mãe permanece fechado.

Janie vagueia sem rumo em torno da pequena casa, pensando que o que ela deve fazer sobre Henry. Ela
mordisca em uma barra de granola, sudorese. É um dia muito quente já. Ela vira o ventilador oscilante na
sala de estar e adereços abrir a porta, implorando por uma brisa, e então ela estatela-se no sofá.

Através da tela rasgada porta Janie vê Cabel puxando para a garagem, e os sumidouros de seu coração. Ele
lúpulo para fora do carro e leva tempo, passos suaves na porta da frente. Permite-se dentro, como de
costume. Ele pára e deixa os olhos se ajustar.

Sorri um sorriso torto. "Hey", diz ele.

Ela dá um tapinha na almofada sofá desgastado ao lado dela. "Eu não escovei os dentes ainda", diz ela se
inclina para dentro como Kabel "Seu nariz está descascando.

"Não me importo, e não me importo." Kabel se inclina ea beija. Então ele estatela-se no sofá. "Está bem que
eu estou aqui. . . e coisas assim? ", pergunta ele.

"Sim". Janie desliza a mão sobre sua coxa e squeezes. "Na noite passada. . . Eu só não sabia o que esperar.
Eu não tinha certeza sobre a minha mãe, sabe? Não era certo que ela faria. "

"O que ela fez?" Ele olha em volta, nervosamente.


"Não muito. Ela era um pouco desagradável. Não é impossível. Mas ela não disse uma palavra sobre o
Henry e eu não ousei perguntar. Deus, ela não pode mesmo ir de doze horas sem beber. E se ela não tiver
um, ela se quer dizer. "Janie cair o queixo. "É constrangedor, sabe?"

"Meu pai era assim também. Só que ele foi dizer com ou sem. Pelo menos ele foi coerente. "Kabel sorri
ironicamente.

Janie bufa. "Acho que tenho sorte." Ela olha de soslaio para Kabel.

Considera.

Por fim diz: "Alguma vez você deseja que seu pai estava morto? Quero dizer, antes que ele te machucou? Só
assim você poderia, como não ter de lidar com ele? "

Cabel aperta os olhos. "Todo. Damn. Dia. "

Janie morde o lábio. "Então, você está feliz que ele morreu na prisão?"

Kabel é quieto por um longo tempo. Então, ele dá de ombros. Quando ele fala, sua voz é medida, quase
clínico, como se estivesse falando com um psiquiatra. "Foi o melhor resultado possível, dadas as
circunstâncias."

O ventilador sopra um caminho nível do joelho da TV para a mesa do café, a captura dos dois pares de pés
descalços no sofá no meio da sua execução. calafrios Janie ligeiramente quando o ar atinge o seu suor
umedeceu a pele. Ela pensa em Henry Feingold, o desconhecido, presumivelmente o pai. Dying. E pela
terceira vez em vinte e quatro horas, Janie gostaria que fosse outra pessoa.

Ela inclina a cabeça contra o ombro Cabel e desliza o braço por trás dele. Ele gira, ela desliza para o seu
colo e segurar firmemente uns aos outros.

Porque não há mais ninguém.

Ela é tão conflituosa.

Janie imagina a vida sem as pessoas. Sem ele. Coração partido, a solidão, mas capaz de ver, de sentir. Para
viver. Para ser, em paz. Nem sempre olhando por cima do ombro para o ataque próximo sonho.

E imagina a vida com ele. Blind, retorcidas, mas amado. . . pelo menos enquanto as coisas ainda estão bons.
E sempre sabendo que as lutas que ele está lidando com seus sonhos. Será que ela realmente quer ver isso, o
passar dos anos? Será que ela realmente quer ser esse fardo incrível como um cara fabuloso?

Ela ainda não sabe o cenário que ganha.

Mas ela está pensando.

Talvez o coração quebrantado pode remendar mais facilmente do que as mãos quebradas e os olhos.

09:41

É quente demais para sentar-se como que por muito tempo.

Cabe trechos. "Você vai acordá-la? Cabeça para baixo para o hospital de novo? "

"Deus, eu espero que não."


"Janie".

"Sim, eu sei."

"Pelo menos é climatizado.

"Assim é o seu carro. Quer ir fazer na calçada em vez disso? "

Cabel ri. "Talvez depois de escurecer. Na verdade, o inferno sim, depois de escurecer. Mas, falando sério,
Janie. Eu acho que você precisa falar com sua mãe. "

Janie suspira e revira os olhos. "Eu suponho".

09:49

Ela bate suavemente na porta do quarto da mãe.

Olha para Kabel.

Para Jane, esta sala não se sente como uma parte da casa. É apenas mais uma porta para outro mundo, um
portal de tristeza, de Dorothea que aparece e desaparece de forma aleatória. Raramente ela mesmo um
vislumbre interior a menos que sua mãe está indo ou vindo.

Ela espera. Entra, apoiando-se contra um sonho possível. Mas a mãe de Janie não está sonhando neste
momento. Janie solta um suspiro e olha em volta.

luz solar filtrada aperta na sala com os remendos gastos da cortina da janela. O mobiliário é de reposição,
mas o que há é uma confusão. Livro pratos, garrafas e copos estão no chão ao lado da cama. É quente e
abafado. Obsoleto.

Na cama, a mãe de Janie's dorme de costas, segurando a camisola fina sua figura óssea.

"Mãe," Janie sussurros.

Não há resposta.

Janie sente auto-consciente. Ela mudanças nas esferas de seus pés. O range chão. "Mãe", diz ela, desta vez
mais alto.

Janie's grunhidos mãe e olha para cima, apertando os olhos. Guindastes-se com esforço no seu cotovelo.
"Issit o telefone?", Ela murmura.

"Não, eu. . . É quase dez horas e eu estava pensando "

"Não tem escola?"

Janie's gotas da maxila. Você tem que estar brincando comigo. Ela toma uma respiração profunda, considera
explodir com a mãe, lembrando-lhe da graduação ela não compareceu, eo fato de que é verão, mas decide
agora não é o momento. As palavras antes de sair correndo Dorothea pode interromper novamente. "Não,
ah, nenhuma escola hoje. Eu estou querendo saber qual é o problema com Henry e se você tiver que ir para o
hospital novamente, ou o quê. Eu não quero "

Ao falar de Henry, a mãe de Janie's suga um sopro forte. "Oh, meu Deus", diz ela, gemendo, como se ela só
me lembrei do que aconteceu. Ela rola e fica trêmulo aos pés. Baralha Janie passado, fora do quarto. Janie
seguinte.
"Mãe?" Janie não sabe o que fazer. Como se virar em direção à cozinha, Janie Cabel dá um olhar
desamparado e ele dá de ombros. "Mãe".

Dorothea puxa suco de laranja na geladeira, gelo e vodka do congelador, e derrama-se o pequeno-almoço.
"O quê?", Ela pergunta, fungando.

"Será que esse cara Henry meu pai?"

"É claro que ele é seu pai. Eu não sou prostituta ".

Cabel faz um ruído abafado do outro quarto.

"Ok, então ele está morrendo?"

Janie mãe toma um gole de um copo. "Isso é o que dizem."

"Bem, ele estava em um acidente ou se trata de uma doença ou o quê?"

Dorothea encolhe os ombros e as ondas mão frouxamente. "O cérebro dele explodiu. Ou um tumor. Alguma
coisa. "

Janie suspiros. "Você precisa de mim para ir com você para o hospital de novo hoje?"

Pela primeira vez na conversa, a mãe de Janie Janie olha no olho. "Outra vez? Você não vai comigo ontem ".

"Eu cheguei lá, logo que pude, Ma".

mãe Janie's drena o vidro e estremece. Ela fica no balcão, uma mão segurando o copo vazio, o outro
segurando a garrafa de vodka barata, e ela olha para ele. Ela define o vidro e uma garrafa com força e fecha
os olhos. Uma lágrima escapa e corre para baixo sua bochecha.

Janie revira os olhos. "Você vai para o hospital ou não? Eu estou ", ela cresce em negrito:" Eu não estou
sentado o dia todo esperando. "

"Vai fazer o que quiser, como você sempre faz, vagabundo pouco", diz Dorothea. "Eu não estou indo lá de
qualquer maneira." Ela embaralha Janie unsteadily passado, o corredor e em seu quarto, fechando a porta
mais uma vez atrás dela.

Janie solta um suspiro e se move de volta para a sala onde se senta Kabel, uma testemunha de tudo isso.
"Tudo bem", diz ela. "E agora?"

Cabel parece irritado. Ele sacode a cabeça. "Bem, o que você acha que deveria fazer?"

"Eu não vou voltar para vê-lo, se é isso que você está pedindo."

"Me? Claro que não. É totalmente até você se você quiser ver o cara. "

"Certo. Bom ".

"Quero dizer, ele é um pai caloteiro. Nunca fez uma coisa para você. Quem sabe, talvez ele tenha outra
família. Pense em como seria estranho que se você simplesmente apareceu e eles estavam todos lá. . . .
"Kabel trilhas off.

"Sim, Deus, eu nunca pensei nisso".


"Eu estou tentando pensar se havia alguma Feingolds Fieldridge em alta. Talvez você tem meio-irmãos,
você sabe? "

"Não é que um cara, Josh, que caloiro que jogou basquetebol", disse Janie.

"Isso é Feinstein.

"Oh".

E depois há um momento, uma pausa, como Cabel aguarda Janie.

"Então, Feingold, que é judeu, né?", Pergunta ela.

"Será que nada muda se for?"

"Não. Quero dizer, wow. É interessante, de qualquer maneira. Eu realmente nunca pensei sobre as minhas
raízes, sabem? Histórico. Antepassados. Uau. "Janie's perdido em pensamentos.

Cabel acenos. "Ah, bom. Você nunca vai saber, eu acho. "

Janie congela e depois olha Kabel.

Ventos acima e lesmas-lo no braço.

Hard.

"Ugh!", Diz ela. "Você loser".

Cabel ri, esfregando o braço. "Caramba! O que eu fiz desta vez? "

ferve Janie, meio de brincadeira. Ela sacode a cabeça. "Você me fez dar uma merda."

"Vamos lá", diz ele. "Você se importou antes. Será que não quer saber quem é seu pai? "

Janie pensa sobre o sonho de retorno a mãe tem com o um caleidoscópio em que Dorotéia e as mãos
seguram cara hippie, flutuando. Ela quis saber mais do que uma vez que seu pai era. Interroga-se agora que
Henry estava no sonho.

"Ele provavelmente é algum exemplo com dois pontos e dois filhos e um cachorro e uma casa de U de M."
Janie olha ao seu redor crap buraco de uma casa. Sua vida buraco crap-mãe, tocando para um alcoólatra
dobro de sua idade. Sabendo que sem verificar Dorothea de bem-estar e renda Janie's para completá-lo, eles
são apenas um passo longe de ser sem-teto. Janie Mas não quero pensar sobre isso.

Janie tem uma respiração profunda e deixa-lo lentamente. "Tudo bem. Estou pegando um banho agora, e
depois vou de cabeça para o hospital. Acho que você está vindo comigo, então? "

Cabel sorrisos. "Curso". Eu sou o seu motorista, lembra? "

11:29

Cabel e Janie tomar as escadas até o terceiro andar. Pelo tempo que eles atinjam as portas duplas que levam
para a enfermaria, Janie está movendo mais e mais lentamente até que ela pare. Ela se vira abruptamente e
vai para a sala de espera em seu lugar.

"Eu não posso fazer isso", diz ela.


"Você não precisa fazer isso. Mas se você não fizer isso, eu acho que você vai ficar puto em si mesmo mais
tarde. "

"Se ele tem todos os visitantes de outros, eu estou saindo."

"Isso é justo."

"Que se. . . o que se está acordado? E se ele me vê? "

prensas Cabel os lábios. "Bem, depois que sua mãe disse sobre o seu cérebro explodir, eu duvido que isso
aconteça."

Janie suspira fundo e mais uma vez caminha em direção a porta dupla com Cabel seguinte. "Ok". Ela
empurra e não através de um olhar superficial automática, como se costumava fazer na Heather Casa, para
ver se alguma das portas dos pacientes estão em aberto. Felizmente, a maioria está fechada, e Janie não
pegar todos os sonhos de hoje.

Janie aproxima da mesa, desta vez com confiança. "Henry Feingold, por favor."

"A família só", diz a enfermeira automaticamente. Sua marca de nome já diz "Miguel".

"Eu sou sua filha."

"Hey", diz ele, olhando-a com mais cuidado. "Você não é aquela garota narc?"

"Sim". Janie não tenta visivelmente inquieto.

"Eu vi você no noticiário. Você fez um bom trabalho. "

Janie sorrisos. "Obrigado. So. . . o quarto? "

"Room 3-12. No fim do corredor à direita. "Pontos de Miguel de Kabel. "Você?"

"He's" Janie diz. "Ele e eu Nós estamos juntos."

Os olhos da enfermeira Janie. "Eu vejo. So. Ele é seu. . . irmão? "

Janie solta um pequeno suspiro e sorri agradecida. "Sim".

Cabel concorda e fica quieta, quase como se para provar a Miguel que ele irá se comportar, apesar de ser
completamente alheios a qualquer um nas proximidades.

"Você pode me dizer o que sua condição é?"

"Ele não está consciente, querido. Doutor Ming terá de dar-lhe uma atualização. "Janie Miguel dá um olhar
de simpatia. Um olhar que diz: "As coisas não são boas."

"Obrigado", murmura Janie. Ela sai pelo corredor com o Cabel perto. E quando ela abre a porta. . .

Static. O barulho é como o rádio de alto volume estático. Janie cai de joelhos e mantém suas orelhas,
mesmo sabendo que não vai ajudar. As cores brilhantes voam ao seu redor, placas gigantes de vermelho e
roxo, com uma onda de amarelo tão chocante parece que queima seus globos oculares. Ela tenta falar, mas
ela não pode.
Não há ninguém lá. Basta miserável luzes estáticas e cegueira. É tão doloroso, tão desprovido de
sentimento ou emoção, é como se nada Janie's nunca antes testemunhada.

Com um enorme esforço, Janie concentrados e puxa rígido. Assim como ela sente-se afastando, a cena
pisca e limpa. Por uma fração de segundo, há uma mulher que estava em uma sala enorme, escura, e um
homem sentado em uma cadeira no canto, desaparecendo como Janie fecha a porta sobre esse pesadelo.

Janie capturas sua respiração e, quando ela pode ver novamente e sentir suas extremidades, encontra-se em
suas mãos e joelhos apenas dentro da porta do quarto. Cabel direito lá ao lado dela, resmungando alguma
coisa, mas ela não está prestando atenção. Ela olha para os azulejos no chão e pergunta se brevemente esse
sonho, que o caos, é o que o inferno pode ser.

"Estou bem", diz a Kabel, lentamente, ficando de pé, pó de partículas invisíveis a sujeira do chão de joelhos
nus.

E então ela se endireita. Turns.

Olha a fonte do pesadelo, e vê, pela primeira vez.

O homem que é seu pai. Cujo DNA que carrega.

Janie é uma merda de uma respiração. Lentamente, sua mão vai para a boca dela e ela dá um passo para trás.
Seus olhos se arregalavam de horror.

"Oh, meu Deus", ela sussurra. "Que diabos é isso?"

WHAT THE HELL IS IT


Ainda sexta-feira, 4 ago 2006, 11:40

Cabel coloca o braço em volta dos ombros Janie's, seja para demonstrar o seu apoio ou para mantê-la a partir
de fechamento da sala, Janie não sabe. Não se importa. Ela é muito horrorizada ao movimento.

"Ele parece um cruzamento entre Captain Caveman e Unabomber", sussurra.

Cabel acenos lentamente. "Whoa. Isso é algum funky frizz Alice Cooper. "Ele se vira para olhar Janie. Diz,
em voz baixa: "Qual foi o sonho como?"

Janie não pode tirar os olhos do homem magro, muito peludos na cama. Ele está cercado por máquinas, mas
nenhum deles é ligado, nenhum ligado. Ele não usa moldes, sem ataduras. Nenhum gaze ou fita branca.

Basta um olhar de agonia incrível no rosto.

Ela olha para Cabel, responde sua pergunta. "Foi um sonho estranho", disse Janie. "Eu não estou mesmo
certo que era um sonho. Foi mais como um sem sonhos. Like. . . quando você estiver assistindo TV eo cabo
sai. Você começa tão alto, o ruído estático, fuzzy em plena explosão ".

"Weird. Era pontos em preto-e-branco, também? "

"No-cores. Como gigante feixes de cores incrivelmente brilhantes, roxo, vermelho, amarelo. Tridimensional
paredes coloridas girando e vindo em minha direção, vindo em conjunto para fazer uma caixa e fechar em
mim, tão brilhante que eu mal podia suportar. Foi horrível ".

"Estou feliz que você tem fora dele."


Janie acenos. "Então, por uma fração de segundo, as paredes do desaparecido e havia uma mulher lá, forma
no final, mas já era tarde demais para me ver. Eu já estava saindo dela. Parecia que eu estava prestes a
vislumbrar um pedaço de um sonho real, talvez. "

"Você pode voltar para dentro?"

"Eu não sei. Eu nunca tentei isso ", diz ela. "Talvez se eu sair da sala, fechou a porta, e voltar dentro Mas eu
realmente não acho que eu quero, você sabe?"

Cabel acenos. Ele dá um passo mais perto do homem. Pega o quadro que pende do pé da cama. Olha-o
atentamente por um momento e vira a página superior sobre a olhar para a próxima página. Mãos para Janie.
"Eu realmente não entendo essas coisas. Você quer saber o que está acontecendo? "

Janie tem a área de transferência incerta, sentindo como ela se intrometer em um desconhecido. Ainda
assim, ela olha para ele. Tenta decifrar a terminologia. Mas mesmo com sua experiência de trabalho na
Heather Home, não há muito Janie pode compreender.

"Huh. Parece que eles detectaram esporádica, atividade cerebral leve. "

"Mild? Isso é bom? "Kabel sons preocupado.

"Eu não penso assim", disse Janie. Ela põe a carta de volta.

"Ele pode nos ouvir?" Kabel sussurros.

Quieto Janie por um momento. Então, ela sussurra também. "É possível. Na Heather Home, nós sempre
conversamos com os pacientes coma hospício como se pudessem nos ouvir, e disse que as famílias fazê-lo
também. Apenas no caso. "

Cabel engole duro e olha Janie, de repente, a língua presa. Ele cutuca ela e acena para a cama.

frowns Janie. "Não me apresse", sussurra.

Ela pares para o homem. Passos mais perto. Um arrepio toma conta dela e ela pára quando ela está a poucos
passos de seu pai, pardo. E se ele está fingindo e ele salta para cima de mim? calafrios Janie novamente.

Ela toma uma respiração profunda, e por um momento, ela é Janie Hannagan, à paisana. Olha mais
atentamente para a expressão aflita de Henry. Sob todos os longos cabelos negros de sua pele facial é áspero.
Bexiguento. Janie pergunta se ele é o único que tem que agradecer por ela zitbreaks ocasionais. O cabelo na
cabeça é irregular e fina em alguns pontos, como se os cachos grandes de que tinha sido puxado para fora.
Em alguns lugares, ela pode ver o couro cabeludo de Henry. Ela está coberta de arranhões vermelhos.

Ela olha para suas mãos. Suas unhas estão limpas, mas mastigado para baixo para o rápido. crostas Little dot
seu cutículas. Os pêlos no peito que se projeta de seu vestido do hospital também é desigual e decididamente
mais cinzento do que o cabelo na cabeça. Sua pele é branco-acinzentada, como se ele não tinha visto muito
sol durante todo o verão, mas os braços têm uma linha agricultor luz tan.

"O que aconteceu com você?" Ela sussurra ela, mais para si do que ele.

Ele não se mexeu. Ainda assim, o olhar de agonia no rosto é mais do que um pouco inquietante. Ela
pergunta se o estático ainda está em sua mente. "Isso deve ser muito doloroso", murmura.

De repente ela olha para Kabel. "Isso é muito estranho", ela bocas. Pontos na porta. Cabel concorda e eles
saem. Fechando a porta novamente. "Muito estranho", Janie diz em voz alta. É mais do que ela pode lidar
com eles. "Let's go. Vamos apenas. . . ir trabalhar ou mexer ou conseguir almoçar ou algo assim. Eu tenho
que pegar esse cara da minha cabeça. "

12:30

Eles param no Bar do Frank e grade e executado em meia dúzia de policiais que estão no seu caminho para
fora.

"Vamos voltar de férias cedo só porque você perdeu de nós?" Jason Baker teases.

Janie gosta dele. "Você deseja. Little emergência familiar nos trouxe para casa mais cedo. Está tudo bem
agora ", diz ela levemente.

Cabel e Janie sentar-se no balcão para um almoço rápido. Janie recebe um milkshake livre para ser garota
narc.

Não é de todo ruim.

01:41

estilingues Janie perna durante um bom peludo Cabel's.

Seus dedos brincam juntos em silêncio, enquanto eles trabalham no porão Cabe's.

Janie WebMD pesquisas para doenças e lesões cerebrais e fica nada, há uma maneira demasiados para
diminuir.

Cabel Googles "Henry Feingold." Bem ", diz ele. "Não há nenhuma informação sobre uma Feingold Henry
em Fieldridge, Michigan. Há um autor muito prolífico com esse nome, mas ele não parece ser o mesmo cara.
Seja qual for o seu pai faz-er, não para a vida, não é por aí na Internet. Pelo menos não com o seu nome real.
"

Janie fecha a tampa do seu laptop. Suspiros. "Isso é impossível, tentando entendê-lo. Eu me pergunto por
que eles não estão fazendo nada para ele, você sabe? "

"Talvez ele não tem seguro", diz Cabel em voz baixa. "Não tentando julgá-lo pela forma como ele olha, mas
ele não é executivo corporativo, obviamente."

"Isso é provavelmente isso." Janie fecha os olhos. Repousa a cabeça no ombro de Kabel. Pensa sobre as
duas pessoas que estão relacionadas a ela. Seus cabelos mãe alcoólicas fino, oleoso, pegajoso, velho e frágil,
olhando em seus trinta e poucos anos, seu pai algum tipo de cruzamento estranho entre Rupert de Survivor e
Hagrid. "Como você pode mesmo estar a pensar no que eu vou olhar como nos últimos quinze anos, quando
eu estou cego e retorcidas, Cabe? Good grief caralho, o que um circo familiar da deformidade. "

"Por que você se importa tanto com como você vai olhar?" Ele afaga sua coxa. "Você vai ser sempre bonita
para mim." Ele diz que casualmente, mas Janie pode ouvir a tensão em sua voz.

"Ainda assim, ambos são freaks desse tipo."

Cabel sorrisos. Ele coloca seu laptop no chão, leva Janie's dela e faz o mesmo, e então lentamente empurra-
la até ela deitada de costas. Ela ri. Ele fica em cima dela, pressionando contra ela, apertando-lhe como ela
gosta. Ela envolve seus braços ao redor de seu pescoço, puxando o nariz dela. "Eu lurve você, freak circus",
disse Cabel.

É quase dói ouvi-lo dizer isso.


"Eu lurve você também, você é homem o grande monstro irregular", afirma Janie.

Isso dói ainda mais a dizer.

E então eles se beijam.

Lentamente, suavemente.

Porque com a pessoa certa, às vezes se sente como o beijo de cura.

Ainda assim, as bordas algo à frente da mente Janie's. Se pergunta se vale a pena, vale a pena ficar cego,
quando não há outra opção.

Além disso, o que não se Cabel vontade até sobre seus medos de estar com ela?

É foda assustador, é o que é.

É como um Cabe a quem é cego.

O beijo desacelera e Cabel repousa seu rosto na curva do pescoço Janie's, mordiscando sua pele corada. "O
que você está pensando?"

"Uh. . . além de você? "

"Inteligente", diz Cabel, um sorriso se espalhando, movendo os lábios dele cócegas no pescoço Janie's. Ele
belisca a ela. "Sim, além de mim. Se for possível para que você possa pensar em outra coisa, isso é. "

"Oh", diz ela. "Se houvesse qualquer outra coisa, seria provavelmente como eu preciso para obter algum
cajones e vai enfrentar a minha mãe." Distraidamente, ela alisa o cabelo longe de seus olhos. "Tente
descobrir o que aconteceu com eles, e comigo, e aquilo que é suposto fazer agora com cara de eremita."

Cabel senta e balança a cabeça. E então ele guinchos-se com um grunhido. Janie puxa a seus pés também.
"Você quer que eu vá com você?"

"Acho que vai ser melhor se eu fazer isso sozinho. Mas os agradecimentos. "

"Eu imaginei. Chame-me, okay? "

Freakishly, anéis Janie's telefone como ele diz.

"É Carrie-Eu tenho que ter isso." Janie sopra um beijo para Cabel como ela sobe as escadas e ela atende.
"Carrie!"

"Yo, puta, meu telefone é cobrado novamente. Como é hoje toda a família novela vai? Você está bem? "

"É estranho, e é uma bagunça, mas tudo bem. Obrigado mais uma vez para cuidar da minha mãe. Você é o
melhor. "

"Não há problema. Alguém tem que limpar o bairro, né? "

"Ouch. Eita, Carrie! "Mas Janie ri de qualquer maneira.

"Bem, você sabe onde me encontrar se precisar de mim", diz Carrie. "Oi?"

"Ei, o quê?"
"Eu estou envolvida."

"O quê?"

"Stu me perguntou ontem à noite."

"Oh Gee Em que o Ef churrasco!" Janie diz. "E você disse que sim?"

"Obviamente, desde que eu apenas disse que eu estava envolvido".

"Uau, Carrie. É você. . . Você tem certeza? Você está feliz com isso? "

"Yeah. Quero dizer, sim, totalmente! Eu sei cara Stu é o que eu quero estar. "

"Mas?"

"Mas eu não estava esperando por isso ainda."

Janie, ter andado de, Kabel para casa própria vai até Carrie em seu lugar. "Você tem casa?"

"Sim".

"Posso entrar?"

"Sweet", diz Carrie, parecendo aliviado. "Sim, vamos lá dentro meu quarto, é claro."

"Ok, adeus." Janie desliga o telefone e deixa-se dentro Ela barcaças em sala de Carrie e flops na cama.
Carrie se senta em uma mesinha de vestir, trabalhando seu cabelo com uma varinha estiramento na frente do
espelho.

"Então," Janie diz. "Você tem um anel ou o quê?"

Carrie sorri e estende a mão. "É uma sensação estranha. É uma espécie de constrangedor, sabe? "

"O que sua mãe disse?

"Ela disse que é melhor eu não estar grávida".

Janie bufa. "O que há de errado com nossos pais, afinal? Aguarde you're não, é você? "

"Claro que não! Chiça, Janers! Posso não ter obtido as melhores notas na escola, mas eu não sou estúpido.
Você sabe que eu estou a pílula. Jimmy e sua não chegar perto de mim sem uma capa de chuva, yadamean?
Não há nada de ficar com a minha fortaleza pouco! "

"Ok, bom. Sheesh. "Janie ri novamente. "So. . . mas soou um pouco como você não tem certeza sobre isso. "

Carrie define o wand estiramento na penteadeira e suspiros. "Eu quero casar com Stu. Eu faço. Não há mais
ninguém e ele não está me pressionando ou coisa parecida. Mas ele falou sobre a definição de uma data,
como no próximo verão para que eu possa entrar em meu último ano da escola de beleza primeiro, mas eu
sou apenas. . . Eu não sei. É uma coisa enorme. Eu não quero estragar tudo. "

Janie permanece quieto e deixa Carrie me livrar de tudo. Parece estranho para ser normal de novo, sentar e
sair com Carrie.

Janie não se importaria problemas comerciais com ela.


"De qualquer forma, esse é meu lixo do dia. O que você está fazendo? "Carrie alisa o cabelo alisado com
alguns pegajosos, produto brilhante.

"Eu tenho que ir para casa, e tentar descobrir qual é o problema com a minha mãe e esse cara Henry. Eu não
tenho idéia do que está acontecendo. Preciso ter a minha mãe para falar comigo. "

Carrie olha no espelho Janie sacode a cabeça. "Boa sorte com isso. Conversando com a sua mãe é como
falar com esse cara Godot ".

Janie ri. Carrie ama. Diz: "Talvez eu apenas vos embriagueis com ela e nós vamos lutar contra isso, o estilo
de botequim".

"Heh. Chame-me se você fizer isso. Eu gostaria de assistir. "

Janie sorri e dá Carrie um abraço rápido. "Será que fazer."

Como anda Janie casa, ela pensa que talvez isso não seja uma má idéia.

Ela fala
16:01

Janie tem algumas respirações profundas, enchendo-se com a confiança de que não é muito lá. Mas ela vai
ter o que ela pode ter. Ela pega uma lata de cerveja na geladeira esconderijo e aparece em aberto, tomando
um gole amargo. Ela não teve nenhum álcool desde a noite de Durbin, de modo que este se sente um pouco
assustador.

Ela espera no sofá, esperando que sua mãe vai sair com ela própria.

04:46

Ainda estou esperando. Beer foi.

Pega outra cerveja. Liga a TV e assiste Judge Judy.

Muda o canal para um game-show juízes conjurar muitas más recordações.

05:39

Onde diabos ela está? Números que ela tem que ir atrás dela.

Logo depois ela faz xixi.

17:43

Janie abre a porta de sua mãe, duas latas de cerveja na mão. Um como oferenda. Ou talvez propina. Mas,
então, Janie cai no chão sem a menor cerimônia, deixando as latas, sugado em um sonho. Ela ouve um pop e
um som fizzing e sabe pelo menos pode-se quebrou.

O barulho não é sequer suficiente para despertar Dorothea Hannagan de sua embriaguez. Porra, Janie pensa.
Dreams bebida mais iguais não é legal.

Janie's cabeça gira como ela tenta e não consegue sair do sonho.
Eles estão em uma linha de fora de um edifício, Dorothea jiggling um bebê chorando. Janie sabe que ela é o
bebê, quem mais seria? Eles se movem lentamente, mas o prédio se move muito, mais longe, fazendo o
tempo de espera interminável. É um abrigo, ou talvez um banco de alimentos. Janie está na estrada, vendo
sua mãe, tentando chamar sua atenção. Talvez desta vez, Janie pode ajudar a mudar isso. "Olhe para mim,"
Janie pensa, tentando se concentrar. "Olhe para mim."

Mas sensibilidades Janie's estão fora, não é forte o suficiente no momento, e Dorotéia apenas olha para
Janie e depois olha para longe. Ela cresce mais impacientes enquanto espera na fila. Finalmente, Janie
puxa seu olhar longe da mãe e olha para a frente da fila, para o edifício. Há duas janelas.

Por cima das janelas, um sinal gigante.

"Bebês de Alimentos".

Isso é o que diz o sinal.

Janie relógios pessoas depositar os seus bebês em uma janela e ter uma caixa de comida do outro.

Com toda sua força, Janie quer gritar, mas ela não pode. Ela puxa sua força em conjunto e rastreia
cegamente pelo chão para a cama, a cabeça butting contra ele, agitando os braços dormentes em cima do
colchão, nem tenho certeza se ela bater a sua mãe, tentando acordá-la. Tentando sair desse pesadelo.

Finalmente, tudo fica preto.

Ao mesmo tempo, de duas bocas gritando:

"O que há de errado com você?"

Janie ainda não pode ver. Ela se sente molhada, encharcada pela lata de cerveja que explodiu. Dorothea
shoves Janie. "Que diabos você está fazendo?"

Janie finge que ela pode ver. Seus olhos estão abertos, depois de tudo. "I-eu tropecei".

"Outa chegar aqui, bom para nada"

"Pare com isso!" Janie está meio bêbado, confuso e cego. Mas ela fez com isso. "Pare de falar assim
comigo! Não me venha com essa "bom para nada 'bullshit. Sem mim, você estaria na rua e você sabe disso,
então apenas cale a boca maldita! "

Janie mãe está atordoado.

Janie está chocado com suas próprias palavras.

Assim, o silêncio.

Enquanto o mundo volta a vista para Janie e ela pode mover-se mais uma vez, ela fica sem firmeza aos pés
dela e pega a lata. "Que bagunça freaking", ela murmura. "Eu já volto."

Janie retorna com panos de cozinha e começa a limpar-se. "Você sabe, mamãe, não iria matá-lo para me
ajudar."

Depois de um minuto, a mãe de Janie's facilita seu caminho para o chão e ajuda. "Você andou bebendo?
Grunhidos" Dorotéia.
"E daí? Por que você deveria se preocupar? "Janie's ainda chateado e um pouco assustado com o pesadelo.
"Por que você me odeia tanto?"

mãe Janie's pende mais para chegar a um ponto molhado no chão. Quando ela fala, sua voz é mais suave.
"Eu não odeio você."

frustrado Janie's. "O que está acontecendo? Qual é o negócio com esse cara Henry? Eu acho que merecem
saber o que aconteceu. "

Dorotéia olha para longe. Encolhe os ombros. "Ele é seu pai."

"Sim, você mencionou isso. O que, eu tenho que fazer perguntas específicas aqui ou você pode apenas me
dizer sobre ele? Chiça! "

frowns Dorothea. "Seu nome é Henry Feingold. Conhecemo-nos em Chicago, quando eu tinha dezesseis
anos. Ele era um estudante em U de M, mas em casa para o verão. Trabalhando em cima da Pizzeria Lou
Malnati em Lincolnwood. Eu trabalhava lá também, garçonete. "

Janie tenta imaginar sua mãe realmente trabalhando. "E depois? Ele ficou grávida e tirou? Ele é um idiota?
Como você acabou aqui em Fieldridge? "

"Esqueça isso. Eu não estou falando sobre isso. "

"Vamos, mãe. Onde ele vive? "

"Nenhuma idéia. Por aqui em algum lugar. Eu parei de estudar. Seguiu-o aqui. Nós vivemos juntos por um
tempo e depois ele tirou e eu nunca mais o vi. Não há. Feliz? "

"Ele sabia que estava grávida?"

"Não. Nenhum de seus negócios. "

"Mas-mas-como você sabia que ele estava no hospital?"

Janie mãe tem um olhar vago em seus olhos, agora. "Ele tinha um deles legal papéis-deu aos paramédicos.
Ele tinha me como a pessoa a contactar. Ele diz que não quer medidas heróicas. Isso é o que a enfermeira
disse-me. "

Janie é silenciosa.

Dorothea continua, mais suave. "Eu acho que talvez eu devesse ter um desses papéis também. Então você
não tem que me manter em quando meu fígado apodreça para fora. "

Janie desvia o olhar e suspira.

Parece que ela é suposto protesto.

Mas quem é que ela está brincando? "Sim", diz ela. "Talvez."

Dorotéia se deita na cama novamente. Se vira. "Eu quero dizer isso. Eu não quero falar mais nada sobre isso.
Eu sou feito com ele. "

Após um momento de calma, Janie se levanta, caminha cambaleando para o banheiro, joga-se algumas latas
de cerveja barata vale a pena, e então alguns. "Nunca mais", ela ecoa.
Então, ela rasteja em seu quarto, fecha a porta, sobe na cama e dorme.

02:12

Janie está funcionando.

E, correndo.

Durante toda a noite.

Ela nunca chega lá.

Sábado
05 de agosto de 2006, 08:32

"Sim", croaks Janie em seu telefone celular. "O". Ela ainda está meio adormecido.

"Janie, está tudo bem?"

silenciosa Janie's. Ela deve conhecer esta voz, mas ela não.

"Janie? É o capitão. Você está aí? "

"Oh!" Janie diz. "Deus, me desculpe, eu"

"Desculpe eu acordei você. Normalmente eu não iria ligar, mas eu ouvi de Baker que você teve uma
emergência familiar e você está de volta na cidade. Estou ligando para perguntar se está tudo bem. E para
saber mais, se você estiver disposto a me dizer. Qual é melhor você ser. "

"Eu ugh, é complicado", disse Janie. Ela rola em sua volta. Sua boca parece que é recheado com papel
higiênico. "Tudo está bem, apesar de tudo. Bem, eu quero dizer. . . É uma longa história. "Ugh.

"Não tenho tempo".

"Posso voltar para você? Alguém me fervilha na outra linha. "

"Eu vou segurar."

Janie sorri através da dor incômoda na cabeça e muda para a outra chamada.

É Cabe. "Hey, baby, tudo bem? O que aconteceu na noite passada? "

"Sim, deixe-me chamá-lo de volta em alguns."

"Concluído". Ele desliga.

Janie volta para o capitão. "Eu estou de volta", diz ela.

"Fine".

"E, uh, eu prefiro não entrar em todos os detalhes. So. "Janie's sentimento negrito.

Capitão pára um segundo. "É justo. Você sabe onde me encontrar, certo? "
"Claro que sim. Obrigado, senhor. "

"Eu vou te ver segunda-feira para a nossa reunião, se não antes. Tome cuidado, Janie. "Capitão desliga.

Janie vira seu telefone fechado e gemidos. "O que é com todo mundo me chamando às oito e meia da manhã
parvos?"

09:24

Regados, alimentados, escovados. Janie sente um pouquinho melhor depois de tomar um ibuprofeno e beber
três copos de água. "Nunca mais", ela murmura ao espelho. Ela chama Kabel volta. "Desculpe eu demorei
tanto tempo." Janie explica o que aconteceu na noite passada que ela atravessa os estaleiros, a sua entrada de
automóveis, e na sua casa.

"Hey", diz ela, pendurando-se.

Cabel sorri e desliga também. "Você começ o pequeno almoço?"

"Sim".

"Quer ir para uma unidade?"

"I-se. Eu estava realmente pensando em ir para o hospital. "

Cabel acenos. "Cool".

"Não que eu me sinto obrigado, porque eu não faço."

"Nem se você."

Janie é perdida em pensamentos. Indo mais que sua mãe disse a noite passada, embora muito do que é fuzzy
após toda a cerveja que. "Eu acho", diz ela lentamente ", ele provavelmente não é uma boa pessoa."

"O quê?"

"Apenas um sentimento. Não se preocupe. Let's go ".

"Tem certeza que quer ir, se ele é uma pessoa má?"

"Yeah. Quer dizer, eu quero saber ao certo. Eu só quero saber, eu acho. Se ele é ruim. Ou não. "

Cabel encolhe, mas ele compreende. Eles tiram.

09:39

No hospital, Janie movimentos com cuidado pelos corredores, como de costume, olhando para as portas
abertas. Ela fica preso em um sonho fraco, mas somente para alguns segundos, ela mal tem mesmo que fazer
uma pausa na etapa. Eles ficam de fora do quarto de Henry, mão Janie's tenso no punho.

Estático e chocante cores brilhantes. Mais uma vez, quase cai de Janie de joelhos, mas desta vez ela está
mais preparada. Ela se cegamente para a cama e Cabel ajuda-la com segurança até o chão como libras a
cabeça com o barulho. É mais intenso do que nunca.

Apenas quando Janie acha que seu tímpanos vão estourar, embota o estático eo pisca cena de uma mulher
no escuro novamente. É a mesma mulher que no dia anterior, Janie's certos, embora ela não pode fazer
qualquer características distintivas. E então, Janie vê que o homem está lá também. É Henry, é claro. É o
seu sonho. Ele está na sombra, sentado numa cadeira, olhando a mulher. Henry vira, olha e pisca Janie.
Seus olhos se amplia e ele senta-se ereto em sua cadeira. "Help me", ele implora.

E então, como uma película de filme quebrado, a imagem corta e estático está de volta, mais forte do que
nunca, screamo constante em seus ouvidos. Janie lutas, batendo cabeça. Tenta retirar do sonho, mas ela
não pode se concentrar com o estático é messing acima de sua capacidade de concentração.

Ela flopping no chão agora. Esforço.

Cabel pensa está lá, segurando-a, mas ela não pode sentir nada agora.

As cores brilhantes bater em seus olhos, em seu cérebro, em seu corpo. A estática é como alfinetadas em
todos os poros de sua pele.

Ela é presa.

Preso em um pesadelo de um homem que não consegue acordar.

Janie lutas novamente, sentindo como se estivesse sufocando agora. Sentindo-se como se ela não sair dessa
confusão, ela pode morrer aqui. Cabe! ela grita em sua cabeça. Tirem-me daqui!

Mas é claro que ele não pode ouvi-la.

Ela reúne-se toda a sua força e puxa, gemendo interiormente com tanta força que fere todo o caminho.
Quando o pisca pesadelo para a imagem da mulher de novo, Janie é apenas mal capaz de estourar seus
limites de.

Ela fica ofegante.

"Janie?" Kabel voz é suave, urgente.

pinta o dedo a pele da testa ao queixo, mão captura a parte de trás do seu pescoço, e então ele levanta-la,
leva-la ao presidente. "Você está bem?"

Janie não posso falar. Ela não pode ver. Seu corpo está dormente. Tudo o que ela pode fazer é acenar.

E então, há um som do outro lado da sala.

Não é certamente Henry.

Janie ouve Cabel jurar sob sua respiração.

"Bom dia", diz um homem. "Eu sou doutor Ming".

Janie senta-se tão simples quanto ela pode na cadeira, esperando de pé Cabel na frente dela.

"Oi," Cabe diz. "Nós-I-como ele está fazendo hoje? Acabamos de receber aqui. "

Dr. Ming não responder imediatamente e Janie irrompe em um suor. Oh, Deus, ele está me olhando.

"Você tem. . . ? "

"Nós somos seus filhos."


"E é o jovem está bem?"

"Ela está bem. Este é realmente. . . "Suspiros Cabel e pega a sua voz. "Ah. . . realmente um momento
emocional para nós, você sabe. "Janie sabe que está parada por causa dela.

"É claro", diz o médico. "Bem".

vista Janie's está começando a voltar e ela vê que o Dr. Ming está olhando para o gráfico. Ele continua.
"Poderia ser em qualquer dia ou que ele poderia pendurar para poucos. É difícil dizer. "

Janie limpa a garganta e inclina-se cuidadosamente para o lado da cadeira para que ela possa ver bum Cabel
passada. "É ele. . . morte encefálica? "

"Hm? Não, não parece ser uma atividade cerebral menor ainda. "

"O que há de errado com ele, exatamente?"

"Nós realmente não sabemos. Pode ser um tumor, talvez uma série de derrames. E, sem cirurgia, não poderia
imaginar. Mas ele deixou claro em seu DNR que ele não quer medidas para salvar vidas e sua mãe ao lado
de seu parente, eu acredito?, Ela se recusou a assinar a qualquer cirurgia ou procedimentos. "Ele diz isso em
voz pitying Janie que faz odiá-lo.

"Bem", diz ela, "ele ainda tem o seguro?"

O médico verifica a documentação novamente. "Aparentemente, não."

"Quais são as chances de que a cirurgia vai ajudar? Quero dizer, ele poderia ser normal de novo? "

Dr. Ming olhares em Henry, como se pode determinar suas chances de olhar para ele. "Eu não sei. Ele nunca
poderia ser capaz de viver por si mesmo. Ou seja, se ele ainda sobreviveu à cirurgia. "Ele olha para a tabela
novamente.

Janie acena lentamente. É por isso. É por isso que ele está apenas mentindo aqui. Isso, eo DNR. É por isso
que eles não estão reparando ele, ele é muito quebrado. Ela tenta som simplesmente curioso, mas ele sai
nervoso. "Então, uh, quanto custa para ele apenas estar aqui, esperando para morrer. . . e outras coisas? "

O doutor balança a cabeça. "Eu não sei o que é realmente uma questão para o escritório de contabilidade."
Ele olha para o relógio. Coloca a carta de volta. "Ok, então." Ele caminha apressadamente para fora do
quarto, fechando a porta atrás dele.

Quando o Dr. Ming se foi, Janie brilhos na Kabel. "Nunca deixe que isso aconteça novamente! Você não
poderia dizer que eu estava preso no pesadelo? Eu não podia sair, Cabe. Eu pensei que ia morrer. "

Cabel abre a boca, surpreso e magoado. "Eu poderia dizer que você estava lutando, mas se eu quebrá-lo,
como era suposto que eu sei que você não seria louco em mim para isso? E o que você quer que eu faça,
arrastá-lo para fora no corredor? Nós estamos em um hospital freaking, Hannagan. Se alguém viu gostaria
que você seria amarrado a uma maca em trinta segundos, e nós seríamos presos aqui durante todo o dia, para
não mencionar o projeto de lei para isso. "

"Melhor isso do que sugado completa frontal terra-estático. Não admira que o cara é louco. Eu sou meio
louco apenas gastar alguns minutos a ouvir isso. Além disso, "Janie acrescenta friamente, apontando para a
casa de banho privada," Olá ".

Cabel revira os olhos. "Eu não penso nisso, ok? Você sabe, não é como eu passar todos os momentos
acordados planejando minha vida em torno de seus problemas estúpidos. Não há mais "
Ele fecha os lábios.

Janie's gotas da maxila.

"Oh, merda." Ele passos em direção a ela, desculpe-eyed. E ela recua.

Sacode a cabeça e olha para longe, os dedos à boca, os olhos de enchimento.

"Não, Janie. Eu não quis dizer isso. "

Janie fecha os olhos e engole rígido. "Não", diz ela lentamente. Não quer dizer isso, mas sabe que é verdade.
"Você está certo. Sinto muito. "Ela dá uma risada sombria. "É bom para você dizer-lhe como é, né?
Saudável. E uma merda. "

"Vamos lá", diz ele. "Venha antes." Ele passos em direção a ela novamente e desta vez ela vai com ele. Ele
passa os dedos pelos cabelos e prende-a ao seu peito. Beija na testa. "Lamento muito. E isso não é como ele
é. Eu só. . . ele só saiu errado. "

"Será que é? Você está realmente dizendo que você não está preocupado com o que vai acontecer comigo?
Sobre como isso irá afetá-lo? "

"Janie" Kabel dá-lhe um olhar desamparado.

"Bem?"

"Bem o quê? O que você quer me dizer? "

"Eu quero que você diga a verdade. Você não está preocupado? Nem mesmo um pouquinho? "

"Janie", diz ele novamente. "Não faça isso. Por que vocês estão fazendo isso? "

Mas ele não respondeu à pergunta.

Para Jane, que diz tudo. Ela fecha os olhos. "Acho que estou um pouco estressado", ela sussurra depois de
um momento, e depois sacode a cabeça. Pelo menos agora ela sabe. "Tem um monte na minha mente."

"Oh, realmente?" Cabe ri baixinho.

"Algumas semanas das férias grandes, né?"

Cabel bufa. "Yeah. Parece uma eternidade desde que nós éramos a espreguiçar ao sol. "

Janie's quieto, pensando em sua mãe, seu pai, e tudo mais. Cabel, e seus próprios problemas estúpidos, como
lhes chama Kabel. E agora, ela se pergunta: Quem vai pagar essa conta do hospital? Ela espera que Henry
como o diabo tem dinheiro, mas pela aparência, ele é sem-teto. "No seguro", ela geme alto. Bangs sua
cabeça contra o peito de Kabel. "Ay yi yi".

"Não é problema seu."

Janie suspira profundamente. "Por que me sinto tão responsável por ela, então?"

Quieto Cabel's.

Janie olha para ele. "O quê?"


"Você quer me analisar você?"

Ela ri. "Claro".

"Eu provavelmente vou me arrepender dizer nada. Mas é assim. Você está tão acostumado a jogar o
responsável com sua mãe. Agora você vê este tipo disfuncional, alguém lhe diz que ele é seu pai e boom,
seu instinto é o de ser responsável por ele, também, já que ele parece ser ainda mais fodido do que a sua
mãe. Deus sabe que nunca pensei que isso era possível. "

Janie suspiros. "Eu só estou tentando passar tudo isso, sabe? Passe pela bagunça, um por um, esperando cada
vez é a última, e depois olhar para além dela e perceber, porcaria, não há mais um. Apenas esperando que
um dia, finalmente, eu vou ser livre. "Janie olha para Henry e caminha para o lado da cama. "Mas isso nunca
acontece", diz ela. Olha para o pai por um longo momento.

Pensamento.

Pensamento.

Talvez seja hora de mudar.

Hora de ser responsável por apenas uma pessoa.

"Come on", ela finalmente diz a Kabel. "Eu não acho que há alguma coisa que podemos fazer por ele.
Vamos embora. Espere por eles para chamar a minha mãe quando ele está. . . quando acabar. "

"Ok, doces." Janie Cabel segue fora da sala. Ele acena com Miguel na mesa e Miguel oferece um sorriso
simpático.

"E agora?" Kabel diz, segurando a mão Janie's como sair de seu carro. "Food"?

"Eu acho que eu prefiro que você acabou de me levar para casa, você vai? Eu preciso de algum tempo de
processo. Melhor checar minha mãe também. "

"Ah. Okay. "Kabel não soa emocionada. "Tonight?"

"Yeah. . . "Janie diz, distraído. "Isso seria bom".

13:15

Janie flops em sua cama. Afunda o rosto em seu travesseiro. Seu fã plena explosão e soprando em sua
janela, e sombra fechada para manter o calor fora. É quente em casa, mas Janie não se importa. Ela ainda
está se recuperando da noite passada. Ela cai em um sono duro tarde. Seus sonhos são desordenados e
aleatórios, voando de um assustador, o homem peludo desabrigados persegui-la à mãe tropeçando bêbada no
quintal da frente nu, ao Sr. Durbin ameaçando matá-la, para um desfile com todas as pessoas do Morro
alinhados ao longo da rua, observando. Apontando e rindo da garota Janie narc.

Então, ela sonha um sonho horrível sobre Miss Stubin morrendo, e mesmo que ela já está morta, ela ainda
dói. No sonho, Janie chora. Quando ela acorda, os olhos molhados.

Assim é o resto dela. Ela está suando tanto os lençóis estão úmidos.

E ela se sente como se alguém bater o crap fora dela.

Janie odeia sestas assim.


16:22

Ela desliza em seus sapatos de corrida, alongamentos, e as cabeças para fora da porta, garrafa de água na
mão. Acha que talvez é isso que ela precisa. Ela não tem trabalhado a semana toda.

Ela caminha pela calçada, pés triturando o cascalho, e facilita em uma corrida. Libras do pavimento de
alcatrão remendado, seus sapatos fazendo mossas no gotas negras que são feitas ainda mais suave pelo sol.
O suor escorre-la de volta, entre os seios. Suas pernas estão cansadas, mas ela continua indo, esperando que
a pressa para acertar. Ela corre todo o caminho para Heather Home sem saber para onde ela vai. O passo
rítmico, a respiração medida, tanto bate maus pensamentos e memórias através de sua cabeça, tentando
libra-los.

Não é realmente suceda.

Até a unidade e para o estacionamento de cimento, ela corre e depois ela pára. Stands em um espaço de
estacionamento, cujas linhas parecem cansados de anos de desgaste e falta de pintura. Olha para o céu,
acima do maples enorme, imaginando que a noite alguns verões atrás, quando ela ficou de fora aqui com três
dos moradores Heather Home para o quarto de fogos de artifício de julho. Eles oohed e ahhed sobre a
exposição, embora um deles estava cego.

Blind, como Janie será.

Oh, Miss Stubin.

Jane, respirando com dificuldade, reduz-se ao cimento quente e derramar lágrimas de graça, a dor de ser
dezoito e apaixonada por um cara que não pode falar sobre o que está acontecendo com ela, e sentindo esse
peso enorme pressionando em seu peito, esmagando-a para baixo, segurando-a para trás, impedindo-a de
realmente viver como um adolescente deve ser vivo, e ela se pergunta, e não pela primeira vez, por que toda
essa merda está acontecendo com ela. Acha que ela cometeu um erro horrível, tendo o trabalho com o
capitão e acelerar sua própria cegueira para o benefício dos outros. Interroga-se sobre como seria se tudo
isso nunca tinha acontecido com ela, se ela nunca tinha lido que o caderno maldito verde, se ela nunca tinha
montado aquele trem onde tudo começou quando ela tinha oito anos. Se ela realmente pode estar no controle
de sua vida, apenas uma vez.

Pergunta se ela realmente deve fazer o que ela tem medo de fazer todo este tempo.

Salve-se e aperte o resto.

"Give me a break, porra!" Ela grita até o fogo de artifício que não estão mais lá. "Que diabos eu tenho que
fazer para ser apenas normal? O que eu fiz para merecer esta porcaria? Por quê? "Ela soluços. "Porquê?"

Além disso, não pela primeira vez,

não há resposta.

17:35

Janie se levanta.

Limpa a sujeira de seu shorts.

Inicia casa jogging.

06:09
Ela desliza pela porta dos fundos da casa de Kabel. Esgotado e vazio.

Ele olha para cima da cozinha onde é que está a fixação de um sanduíche e pisca para ela.

"Oi", diz ela. Está lá, o rosto coberto de lágrimas estrias de poeira e suor do verão estrada.

Cabel de contrações musculares no nariz. "Uau. Você cheiro repugnante ", diz ele. "Venha comigo."

E então ele a leva para o banheiro. Liga o chuveiro. Ajoelha para tirar seus sapatos e meias como ela define
os óculos em cima do balcão e pega o seu rabo de cavalo. Ajuda-la para fora de suas roupas encharcadas. E
então ele tem a cortina de lado para ela. "Vá em frente", diz ele. Ela passos dentro

Ele olha-a, admirando suas curvas. Relutante, volta-se para ir embora.

E então ele pára.

Acha que Janie pode precisar de uns mimos extra.

Ele escorrega sua T-shirt e calções. Boxers também. E se junta a ela.

18:42

"Ei, Cabe?", Diz ela, secando os cabelos, sentindo-se revigorado. Sorrisos. Colocando todos os
pensamentos, mas um lado para o momento. "Você quer ir buscar um impermeável Jimmy e nós vamos
cuidar de você?"

Cabel olha para ela.

Vira a cabeça e aperta os olhos.

"Quem diabos é Jimmy?"

23:21

No porão frio e escuro, ela sussurra: "Não é Ralph, não é?"

Quieto Cabel por um momento, como se ele está pensando. "Quer dizer, como sempre Ralph? Uh, não. "

"Você leu sempre?" Janie é incrédulo.

"Não havia muito por onde escolher no carro biblioteca do hospital, e Deenie sempre foi verificado", disse
sarcasticamente Cabel.

"Você gostou?"

Cabel ri baixinho. "Um. . . Bem, não era a coisa mais inteligente a ler para um cara de catorze anos de idade,
com enxertos de pele fresca na área geral lá em baixo, se você sabe o que quero dizer. "

Janie abafa uma risada simpática e enterra o rosto em sua camiseta. Abraça. Sente-lhe a respiração. Depois
de alguns minutos, ela diz: "Então, o quê, então? Pete? Clyde?

Cabel rola, fingindo dormir.

"É Fred, não é isso."


"Janie. Stop ".

"Você nomeou seu Janie coisa?" Ela ri.

Cabel geme profundamente. "Volte a dormir".

23:41

Ela dorme. É uma delícia.

Por um tempo.

03:03

Ele sonha.

Eles estão em casa Cabel, a dois deles, aconchegando-se juntos no sofá, jogando Halo, comendo pizza. Se
divertindo. Há um ruído surdo no fundo, alguém chamando por ajuda na cozinha, mas os dois ignoram-se
demasiado ocupado a desfrutar a companhia de cada.

Os gritos de ajudar a crescer mais alto.

"Silêncio!" Kabel grita. Mas as chamadas só crescem mais intensa. Ele grita outra vez, mas nada muda.
Finalmente, ele vai para a cozinha. Janie é obrigado a seguir.

Ele grita. "Cale-se sobre seus problemas estúpido! Eu não agüento mais! "

Lá, deitado em uma cama de hospital branco no meio da cozinha, é uma mulher.

Ela se contorceu, aleijado.

Cegos e emaciado.

Hediondo.

É velho Janie.

A Janie jovens sobre o sofá está desaparecido.

Cabel Janie vira no sonho. "Help me", diz ele.

olha Janie. Dá um aperto de leve a cabeça, embora ela seja obrigada a tentar ajudá-lo. "Eu não posso."

"Por favor, Janie. Ajude-me. "

Ela olha para ele. Speechless. Estremece, e prende as lágrimas.

Sussurra: "Talvez você devesse dizer adeus."

Cabel olhares para ela. E então ele se vira para o velho Janie.

Estende a mão com dois dedos.

Fecha as pálpebras.
Janie lutas e tira do sonho.

Frozen.

Ofegante.

O fechamento do mundo em sua volta novamente. Ela se esforça para se mover. Para respirar.

Quando ela é capaz, Janie tropeça no pé dormente em cave Cabe e subir os degraus, fora da porta. Do outro
lado, os estaleiros e à sua prisão, minúsculo sufocante.

Encontra-se em seu lado, contando suas respirações, fazendo-se sentir cada um, dentro e fora. Olhando para
a parede.

Querendo saber por quanto tempo ela pode esconder tudo.

Domingo
06 agosto de 2006, 10:10

Ela olha para a parede.

E puxa-se para fora da cama para enfrentar mais um dia.

Janie Dorothea encontra na cozinha, ajeitando o cocktail meio da manhã. É a primeira vez que Janie's viu,
uma vez que conversamos.

"Hey", afirma Janie.

Janie's grunhidos mãe.

É como se nada tivesse acontecido.

"Qualquer palavra sobre Henry?"

"Não."

"Você está bem?"

mãe Janie Janie pára e dá uma aparência turva. Ela finge um sorriso. "Just Fine".

Janie tenta novamente. "Você sabe que meu número de telefone celular é aqui ao lado o calendário se você
precisar de mim, certo? Cabel e é aqui também. Ele fará qualquer coisa para você, como se eu não estou por
perto ou algo assim. Você sabe o que? "

"Ele é aquele cara hippie?"

"Sim, mãe." Janie revira os olhos. Cabel teve seu cabelo cortado meses atrás.

"Kabel-que tipo de nome é esse?"

Janie ignora-la. Deseja que ela não tivesse dito nada, em primeiro lugar.
"É melhor não começar batido para cima, todos os males que posso dizer. Um bebê ruínas sua vida. "Janie's
embaralha mãe fora para seu quarto.

Janie olha para ela como ela vai. Sacode a cabeça. "Ei, muito obrigado", ela grita. Ela pega o telefone e liga-
o. Há um texto de Kabel.

Não ouvi-lo sair. Aonde você vai? Tudo bem?

Janie suspiros. Textos para trás. Só acordei cedo. Teve algumas coisas para cuidar.

Ele responde. Você deixou seus sapatos aqui. Quer-me a trazê-los, ou?

debates Janie. Yeah. Thx.

11:30

Ele está na porta. "Mind se vamos dar uma volta?"

Janie estreita os olhos. "Onde?"

"Você vai ver."

Relutantemente, Janie segue para o carro.

Cabel cabeça para fora da cidade e por uma estrada que leva passado vários campos de milho e, em seguida,
após acre acre de floresta. Ele retarda o carro para baixo, olhando a caixa de correio ocasional enferrujado, a
digitalização da floresta.

"O que você está fazendo?" Janie pergunta.

"Olhando para dois, três, 8-88."

Janie senta-se e espreita a janela também. Ela diz desconfiado: "Quem vive aqui em forma BFE?

Cabel squints novamente e diminui à medida que passam 23.766. Ele olha em seu espelho retrovisor e um
momento depois, um carro de zooms, passando-los. "Henry Feingold.

"O quê? Como você sabe? "

"Olhei na lista telefônica."

"Hunh. Você é inteligente ", afirma Janie. Inseguro. Ela deve ser ultrajado ou ansioso?

Ou apenas vergonha que ela não pensou nisso antes?

Outra milha e Cabel se transforma em uma unidade dupla coberto de cascalho. Arbustos zero os lados do
carro e da pista é extremamente acidentado. Cabel jura sob sua respiração.

Janie pares fora do pára-brisa. O sol bate para baixo entre os galhos da árvore, tornando-se um passeio
listrada. Ela vê algo desfocadas cerca de um quarto de milha de distância, em uma clareira. "É uma casa?"

"Sim".

Depois de um par de minutos, Cabel condução agonizantemente lenta durante a calçada esburacada, eles
vêm a uma parada em frente a uma cabine pequena, run-down.
Eles saem do carro. Na virada do cascalho há um velho, enferrujado carrinha azul com painéis de madeira.
Um recipiente de steeps chá sol no capô do carro.

Janie leva tudo dentro

Arbustos cercam a casa minúscula. Uma seqüência de rebelde de rosas chamuscadas ameaça ultrapassar
uma treliça de apodrecimento. Alguns lírios straggling estão bem abertos, absorvendo o sol. Todas as outras
flores são ervas daninhas. Fora da porta da frente fica uma pequena pilha de caixas de papelão.

Cabel passos cuidadosamente através de punção arbustos para a janela suja e pares dentro, tentando ver
através da pequena abertura entre as cortinas. "Não parece como qualquer um aqui."

"Você não deveria fazer isso", disse Janie. Ela é desconfortável. É o ar quente e vibra com os insetos. E eles
estão invadindo a privacidade de alguém. "Este lugar está me arrastando para fora."

Cabel examina a pilha de caixas na frente da porta, olhando para os endereços de retorno. Ele escolhe um
para cima e sacode-o perto de seu ouvido. Em seguida, ele define-o de volta na pilha e olha em volta.
"Quero entrar?", Pergunta ele com um sorriso maligno.

"Não. Isso não é legal. Poderíamos ficar preso! "

"Nah, quem vai saber?"

"Se o capitão descobrisse, ela chutar nossas bundas. Ela não está indo mais fácil. "Janie bordas em direção
ao carro. "Venha, Cabe. A sério. "

Cabel relutantemente concorda e voltar para o carro. "Eu não entendo. Você não quer saber mais? O cara é
seu pai. Você não é curioso? "

Janie olha pela janela como Cabel voltas com o carro. "Eu não estou tentando ser."

"Porque ele está morrendo?"

Ela está perdida em seus pensamentos. "Yeah." Sabe que, se não investir em Henry, ela pode escrever-lo
fora como um problema resolvido quando ele morre. Ele vai ser um cara cujo obituário está no papel. Não é
seu pai. "Eu não preciso de mais uma coisa para se preocupar, eu acho."

Cabel puxa o carro para a estrada novamente e Janie olhares sobre o ombro uma última vez. Tudo o que ela
vê são árvores.

"Espero que seus pacotes não ficar toda molhada próxima vez que chove", diz ela.

"Será que realmente importa se eles estão fazendo?"

Eles andam em silêncio por alguns minutos. E então Cabel pergunta: "Você quis receber nada do pesadelo
de Henry ontem? Eu tinha medo de perguntar depois do nosso pequeno mal-entendido da desgraça ".

Janie voltas na cadeira e relógios unidade Cabel. "Era basicamente o mesmo que antes. Static. Cores.
Mulher na distância e então eu vi Henry no sonho também. Sempre sentado naquela mesma cadeira. Ele
estava assistindo a mulher. "

"Qual foi a mulher está fazendo?"

"Só ali, no meio de um quarto mal iluminado, era como um ginásio de escola ou algo assim. Eu não pude
ver seu rosto. "
"Ele estava apenas olhando para ela? Soa assustador. "

"Sim", disse Janie. Ela vê as linhas do passado whiz de milho em um borrão. "Não senti realmente
assustador, apesar de tudo. Senti-me. . . solitário. E então, "Janie pára. Pensa. "Hmm".

"O quê?"

"Ele se virou e olhou para mim. Como ele foi talvez um pouco surpreso de que eu estava lá. Ele me pediu
para ajudá-lo. "

"Outras pessoas viram em sonhos você também, certo? Eles falam com você. "

"Oh, totalmente. Mas. . . Eu não sei. Esta sentia diferente. Like. . . "Janie busca suas memórias, o
pensamento de volta através das dezenas de sonhos que ela tinha experimentado em sua vida. "Como nos
sonhos da maioria das pessoas, eu só estou lá, e eles aceitam isso, e eles falam de mim como eu sou prop.
Mas eles realmente não ligar-me olham mas realmente não me ver. "

Cabel arranhões na nuca e no rosto distraído corre os dedos pelo cabelo. "Eu não entendo a diferença."

Janie suspiros. "Eu acho que não quer. Ele apenas se sentia diferente ".

"Como o primeiro dia eu vi você no ponto de ônibus e você foi o único que olhava para mim, e olhos de
nossa espécie ligado?" Teasing Cabel's, uma espécie de. Mas não é verdade.

"Talvez. Mas mais como quando Miss Stubin olhou para mim quando eu estava em seu sonho de volta na
casa de repouso e me fez uma pergunta. Uma espécie de reconhecimento coisa. Como, de alguma forma, ela
só sabia que eu era um apanhador de sonhos também ".

Cabel olhares em Janie e depois voltar à estrada. Enruga a testa e ele inclina a cabeça intrigado. "Espere",
diz ele. "Espere um minuto." Ele pressiona para baixo no freio e se vira para olhar Janie novamente.
"Sério?"

Janie olha Kabel e acenos. Ela está perguntando isso.

"Janie. Você tem alguma razão para pensar isso sonho poderia ser hereditário? "O carro desacelera e chega a
uma parada no meio da estrada rural.

"Eu não sei", disse Janie. Ela olha por cima do ombro nervosamente. "Cabe, o que você está fazendo?"

"Dar a volta", diz ele. Ele apóia em um turno de três pontos e atinge o gás. "Isso é coisa importante. Ele
poderia ter alguma informação sobre essa maldição pouco de vocês. E não poderia ter outra chance. "

12:03

Cabel fica na porta da frente da casa de Henry e tira sua carteira de motorista de sua carteira. Trabalha-lo na
fenda da porta ao lado do punho e começa a movê-lo lado a lado. Ele aperta os lábios como ele trabalha,
tentando chegar ao parafuso para mover de lado assim que pode quebrar dentro

Janie o observa por um momento. Então, ela alcança e agarra a maçaneta da porta. Transforma-lo. A porta se
abre.

Cabel endireita. "Pois bem. Quem não bloquear as suas portas nos dias de hoje? "

"Alguém cujo cérebro está explodindo, talvez? Alguém que vive no meio do nada e não tem nada bom para
roubar? Alguém que é meio louca? Talvez ele disse que os paramédicos não bloqueá-lo porque ele não tinha
as chaves. "Janie passos na pequena casa, abrindo espaço para Cabel a seguir. "Está vendo?", Diz ela,
apontando para um rack chave na parede com um conjunto de chaves penduradas.

É dentro abafado. Cozinha, sala de estar e cama estão todos na sala principal. Uma porta no canto de trás
parece levar a um banheiro. Há uma rádio em uma estante e uma televisão pequena no balcão da cozinha. O
ar quente mergulha no quarto através de uma janela aberta exibidos na parte de trás da casa. Uma fina
cortina amarela tremula. Abaixo a janela é uma tabela onde um computador velho se senta. Depreende-se da
caneca de café e uma bacia que a tabela serve como um lugar de comer e como uma mesa. Sob a mesa é
uma unidade de três gavetas que parece ter pertencido a uma mesa real. Um descanso poucos jornais no
chão como se tivessem sido levadas para lá pelo vento.

Achatado caixas de papelão encostar na parede perto da porta de trás. A cama está em desalinho. Um copo
quase vazio de água fica em uma mesa de cabeceira improvisada feita de uma caixa de papelão.

"Bem", disse Janie. "Não vai meu sonho de uma herança mágica surpresa. Dude mais pobres do que nós. "

"Isso não é uma tarefa fácil", diz Cabel, tendo tudo isso dentro Ele anda até a mesa. "A menos que talvez ele
possui esta propriedade pode ser valioso." Embaralha Cabel através de algumas notas sobre a mesa. "Ou. . .
não. Aqui está um cheque cancelado, diz que 'aluguel' na linha do memorando. "

"Maldição". Janie relutantemente une Cabel. "Isso parece estranho, Cabe. Nós não deveríamos estar fazendo
isso. "

"Você nunca vai encontrar nada, se você esperar até depois de morto, o estado vai assumir eo proprietário
vai querer um inquilino que realmente podem pagar as contas. Eles vão limpar o local para fora, vende tudo
o que puderem para pagar o hospital, e que é isso. "

"Tem certeza que conheço um monte de merda aleatória." Janie olha em volta.

"Random, merda útil."

"Eu suponho". Vagueia em torno da pequena casa. Em cima da TV, há uma variedade de analgésicos over-
the-counter. O frigorífico é metade abastecido. Um litro de leite, metade um pedaço de pão de centeio
integral, de um recipiente de Bolonha. Uma prateleira só é preenchido com vagem, milho em espiga, tomate
e framboesas. Janie olhares para fora da janela para o quintal e vê um pequeno jardim e, para o lado, os
arbustos de aparência selvagem pontilhada vermelha.

Os armários são em sua maioria nus, exceto para alguns pratos e copos não correlação. Há uma leve camada
de poeira ao redor, mas não é uma casa suja. Na área vivem, há um velho bater La-Z-Boy reclinável, uma
mesa final com uma lâmpada de madeira sobre ele, e uma grande estante improvisada cheia de caixas. Perto
é uma pequena estante. Janie Henry fotos aqui sentado, à noite, na poltrona, lendo ou assistindo TV nesta
casa quase acolhedor. Ela imagina que tipo de vida que era.

Ela caminha até a estante e vê usado cópias de Shakespeare, Dickens. Kerouac e Hemingway e Steinbeck,
também. Alguns livros com letras estranhas que se parece com hebraico. livros didáticos de ciências. Janie
remove uma e olha para dentro. Vê o que deve ser escrita do pai abaixo uma lista de nomes que haviam sido
riscadas.

Henry David Feingold


Universidade de Michigan

Ela agacha-se e as páginas através do livro, lendo notas na margem. Se pergunta se essas são suas notas, ou
se pertencia a alguém antes dele. A ligação é quebrada e algumas páginas estão soltas assim Janie fecha o
livro e devolve-lo à prateleira.
Cabel está olhando através de papéis sobre a mesa. "Faturas", diz ele. "Para todos os tipos de coisas
estranhas. A roupa do bebê. jogos de vídeo. Jóias. globos de neve, pelo amor de Deus. Queria saber onde ele
mantém tudo. Meio estranho, se você me perguntar. "

Janie se levanta e caminha até Cabel. Pega um notebook e abre-a. Lá dentro, na escrita elegante, é uma lista
de transações. Não há dois iguais. Janie enigmas sobre o notebook e depois ela vai para a porta da frente.
Puxa os pacotes dentro e olha para os endereços de retorno. Corresponde-los no notebook.

Ela vira seu cabelo atrás da orelha. "Acho que ele deve ter uma loja de Internet pouco Cabe. Ele compra o
material mais barato e vende em sua loja virtual para um lucro. Então, ele tem um pouco de envio /
recebimento de departamentos lá. "Ela aponta para a estante de grande porte.

"Talvez ele vai para o estaleiro vendas e compra coisas demais."

Janie acenos. "Parece estranho que ele iria para a escola para a ciência e acabam fazendo isso. Eu me
pergunto se ele foi despedido ou algo assim? "

"Considerando o estado da economia de Michigan eo aumento taxa de desemprego nos últimos tempos, que
é inteiramente provável."

Janie sorri. "Você é um nerd. Eu te amo. Eu realmente fazer. "

Cabel luzes de face para cima. "Obrigado."

"So. . . "Janie define o notebook em cima da mesa e pega uma cópia de rascunho bem-vestida de Catch-22.
Páginas por isso, perder seu trem de pensamento. Vê um pedaço de papel usado como um marcador. As
palavras são escritas a lápis no marcador.

Morton's Fork.

Isso é o que diz.

Janie fecha o livro e define-o de volta na mesa. "E agora?"

"O que você quer fazer? Não vejo nenhuma evidência de que ele é um apanhador de sonhos, não é? "

"Não. Mas se você encontrar qualquer evidência de que, na minha casa, se você olhar? "

Cabel ri. "Uh notebook, verde, as notas do sonho em sua mesa de cabeceira. . ".

"Cabeceira", afirma Janie, tocando o lábio inferior com o dedo indicador. Ela caminha até a cama de Henry,
mas não há nada lá. Apenas o vidro da água. Ela ainda empurra o colchão e desliza os dedos entre ela e as
molas de caixa, o sentimento de um jornal diário ou de algum tipo. "Não há nada aqui, CABE. Nós
deveríamos ir. "

"E o computador?"

"Não, não, nós somos de ir lá. Realmente. Vamos embora. E, além disso, você viu o cara. Ele não é todo
retorcido e cego. "

"Como você sabe que ele não é cego? Você não pode dizer isso. "

"Sim, talvez você está certo", disse Janie. "Mas suas mãos pareciam bem."
"Pois bem. . . O que faltou dizer Stubin no caderno verde? Meados da década de trinta para as mãos? Ele
não pode ser muito mais velho do que trinta e tantos anos, no máximo quarenta, certo? Então, talvez ele
simplesmente não aconteceu ainda. "

Janie suspiros. Não quero ir para este fundo. Não quero pensar sobre o portátil mais verde. Ela caminha até a
porta e fica lá por um momento. Bangs a cabeça levemente de encontro a ele. Então ela abre, sai e se senta
no carro sufocante até Cabel vem.

"Hospital?", Diz ele, a esperança na sua voz, quando ele vira o carro na estrada.

"Não." Janie voz é firme. "Nós somos feitos com ele, Cabe. Eu não me importo se ele era o rei dos
apanhadores de sonho. Ele provavelmente não, ele é provavelmente apenas um cara que iria pirar se ele
sabia que nós estávamos bisbilhotando dentro de sua casa. Eu só não quero perseguir isso. "Ela está cansada
de tudo isso.

Cabe acenos. "Ok, ok. Nem mais uma palavra. Promise ".

07:07

Na casa de Kabel, ambos trabalham fora. Janie sabe que ela tem para manter sua força para cima. Eles têm
uma reunião com o Capitão na segunda-feira, o que significa uma atribuição de teares. Pela primeira vez,
Janie não se sente muito animado com isso.

"Qualquer idéia de que o capitão terá para nós?" Janie pede entre prensas.

"Nunca se sabe com ela." Respira em Cabel e sopra ferozmente como ele chega ao final de seu bíceps reps.
"Espero que a luz é algo fácil."

"Eu também", disse Janie.

"Nós vamos descobrir em breve." Kabel coloca seu peso no chão. "Entretanto, eu não consigo parar de
pensar em Henry. Há algo de estranho sobre toda a situação. "

Janie define o bar no berço e se senta. "Pensei que você disse que estava indo para deixá-lo ir", diz ela.
Teases. Mas a curiosidade toma conta. "O que faz você dizer que, afinal?"

"Bem, você disse que havia uma conexão no sonho, como se você tivesse com Miss Stubin, certo? Isso é o
que tenho o meu cérebro vai e agora eu não posso parar. E como é estranho, do jeito que ele vive. Ele é um
recluso. Quero dizer, ele tem aquele velha caminhonete estacionada no pátio, então ele obviamente drives,
mas. . ".

Janie parece fortemente na Kabel. "Hmm," ela diz.

"Talvez seja apenas uma coincidência", diz ele.

"Provavelmente", diz ela. "Como você disse, ele é apenas um recluso".

Mas.

10:20

"Goodnight doces, murmura Cabe ao ouvido Janie's. Eles estão em pé se inclinar diante da Kabel. Janie não
está prestes a dormir ali de novo. É muito difícil. Demasiado duro para manter seu segredo.

"Eu te amo", diz ela, com alma. Significa que ele. Significa tanto.
"Eu também te amo."

Janie vai, braços estendidos e os dedos entrelaçados em Cabel até eles não podem chegar a mais, e, em
seguida, ela relutantemente deixa sua queda de braço e caminha lentamente, os estaleiros de sua rua, a casa
dela.

Encontra-se acordado em suas costas. E as mudanças de sua mente Cabe aos acontecimentos do dia anterior.
Para Henry.

00:39

Ela não consegue parar de pensar nele.

Porque, se?

E como é que ela deveria saber, a não ser. . . ?

Janie desliza para fora da cama, coloca a roupa e agarra o telefone, chave de casa, e um lanche para a
energia. O ônibus está vazio, exceto para o condutor.

Felizmente, ele não está dormindo.

12:58

tapa flip-flops Janie's no chão do hospital e ecoam nos corredores de outra forma tranquila. Uma ordem com
uma maca vazia acena para Janie como ele sai do elevador. Até no terceiro andar, Janie empurra a porta da
UTI sem hesitação. É pouco iluminado e silencioso. Janie afasta fora os sonhos corredor e, antes que ela
abre a porta de Henrique, vai por seu plano em sua mente.

Ela respira fundo e abre a porta, fechando-a rapidamente atrás dela como tudo ao seu redor fica preta, e, em
seguida, ela bateu com as cores e os estáticos, uma vez mais ultrajantes.

O poder das forças sonho Janie para suas mãos e joelhos. O ataque a seus sentidos torna dez vezes mais
forte que a gravidade normal. Ela balança, inadvertidamente, como se evitar as paredes de bloco gigante
de cor quente que balançam em direção a ela em 3-D. Mentalmente, ela está tentando ouvir seus próprios
pensamentos acima do ruído, e é incrivelmente difícil, é como ela está em um vórtice de estática.

Janie mãos e os pés crescem rapidamente dormente. Cegamente, ela se vira para a direita e rasteja,
apontando para a casa de banho a fim de que se tem que, ela pode entrar e fechar a porta. Como chama
balanços bloco amarelo na direção dela, Janie lunges para evitá-lo e sente a cabeça contato com a parede
da sala do hospital. Concentre-se! ela grita para si. Mas o barulho é insuportável. Tudo o que ela pode fazer
é deslizar para a frente em troncos dormentes, esperando que ela é mesmo movendo-se a todos, e esperando
por um lampejo de algo, qualquer coisa que irá explicar alguns dos mistérios de Henry.

Janie não sabe quanto tempo passa antes que ela não pode continuar em movimento.

Antes que ela possa imprensa não pode mais, incapazes de lutar por mais tempo. Não foi possível encontrar
o banheiro, para quebrar a ligação.

É como se ela caiu através do gelo, envolvido em água gelada. Numb, o corpo ea mente. Mesmo que o
barulho e as cores são suaves.

Coisas parar importando.

Ela não pode sentir-se em torno de flopping descontroladamente.


Não sei que ela está perdendo a consciência.

Não importa mais tanto. Ela só quer desistir, vamos ultrapassar o pesadelo dela, engolir ela, encher seu
cérebro e corpo com o clamor interminável e revoltante dazzle.

E ele faz.

Logo, tudo fica preto.

Mas, em seguida,.

Na própria inconsciência Janie's, a imagem de um louco, um louco, gritando peludo que é seu próprio pai,
aos poucos vai aparecendo das trevas antes de sua.

Ele chega para ela, os dedos pretos e sangrentos, seus olhos perturbados, sem pestanejar. Janie está
paralisada. mãos frias de seu pai chegar em torno de seu pescoço, apertando apertado, mais apertado, até
Janie não tem fôlego. Ela é incapaz de se mover, incapaz de pensar. Forçado a deixar seu próprio pai matá-
la. No seu entender aperta ainda mais em torno do pescoço Janie's, face Henry gira alabastro doentio. Ele
cepas mais e começa a tremer.

Janie está morrendo.

Ela não tem nenhuma luta deixada em seu.

É mais.

Assim como ela desistiu, face chalky seu pai se transforma em vidro e se quebra em uma dúzia de peças.

Sua aderência em torno de lançamentos Janie's pescoço. Seu corpo desaparece.

Janie cai no chão, ofegante, ao lado do rosto explodiu pedaços de seu pai. Ela olha para eles, sugando ar,
capaz de se mover.

Eleva-se acima.

E lá, em vez de ver seu pai no vidro,

Ela vê seu próprio horror, gritando rosto, refletida em seu.

Static, mais uma vez.

Por muito.

Muito.

Muito tempo.

Janie percebe que ela pode ser presa aqui. Para sempre.

02:19

E, em seguida,.

Um lampejo de vida.
Um flash da figura de uma mulher em um ginásio escuro, um retrato de um homem em uma cadeira. . .

E uma voz.

Distante. Mas claro. Distinto.

Familiar.

A voz de esperança no mundo cada vez mais obscuro de uma pessoa.

"Volte", a mulher diz. Sua voz é doce e jovens.

Ela vira o rosto para Janie. Passos para a luz.

Permanente de pernas fortes, olhos claros e brilhantes. Seus dedos, não retorcidos, mas longo e encantador.
"Janie", diz ela a sério. "Janie, meu caro, volte."

Janie não sabe como voltar.

Ela está exausta. Gone. Longe deste mundo e paira em algum lugar qualquer outra pessoa viva poderia ser.

Com exceção de Henry.

Janie mente é inundada com a nova cena, uma cena suave e tranquila, de um homem em uma cadeira, e
uma mulher, estando agora à luz Janie implorando para voltar. A mulher vai até Henry, está ao lado dele.
Henry vira e olha para Janie. Pisca.

"Help me", diz ele. "Por favor, por favor, Janie. Ajude-me. "

Janie tem medo dele. Ainda assim, não há nada que ela possa fazer, mas ajuda.

É o seu dom.

Sua maldição.

Ela é incapaz de dizer não.

Compelido, Janie puxa-se a atenção, a plena consciência, com medo da morte que o barulho horrível e
cores queima vai voltar a qualquer momento, temendo chegar perto desse homem que vira maluco e
estrangula-la. Desejando que ela poderia reunir a força para retirar-se desse pesadelo agora, enquanto ela
tem a chance. Mas ela não pode.

Janie lutas silenciosamente para seus pés no ginásio. Com esforço, ela caminha em direção a dois, seus
passos ecoando. Ela não tem idéia do que fazer para Henry. Não vê nada que possa fazer para ajudar.
Realmente só quer amarrá-lo, ou talvez matá-lo, então ele não tem a chance de magoá-la.

Ela pára a poucos metros deles. Olha para a mulher ali, não acreditando muito os olhos. "É você", diz ela.
Ela sente uma onda de alívio. Seu lábio treme. "Oh, Miss Stubin".

Miss Stubin alcança e Janie, oprimido por vê-la novamente e incrivelmente fraco deste pesadelo, tropeça
em seus braços. Miss Stubin aperto é forte, cheio de conforto. É a força de alguns reparos Janie's. Janie é
cheia de emoção que ela sente o calor, o amor no toque de Miss Stubin. "Não, está tudo certo", diz Miss
Stubin.

"Você", afirma Janie. "Você é. . . Eu pensei que não seria vê-lo novamente. "
Miss Stubin sorrisos. "Eu tenho sido bastante desfrutar o tempo com Earl desde a última vez que te vi. É
bom para ser inteiro outra vez. "Ela faz uma pausa, piscar os olhos. Eles captam os raios de luz fraca
entrando pela ginásio é pequeno janelas superiores. E então ela olha para o Henry mudo, que se senta
sempre ainda. "Eu acredito que estou aqui para Henry. . . Acho que para trazê-lo para casa, se você sabe o
que quero dizer. Às vezes eu mesmo não sei porque eu sou convocado para os receptores de outros sonhos.
"

Janie's amplia olhos. "Então, é verdade. Ele é realmente um. "

"Sim, aparentemente tão".

Eles olham para Henry, e depois para o outro. Silencioso, ponderando. Os apanhadores de sonho, todos
juntos em um só lugar.

"Uau", murmura Janie. Ela volta ao Miss Stubin. "Por que você não me dizer sobre ele? Você disse no
caderno verde que não houve qualquer coletores outro sonho vivo. "

"Eu não sabia nada sobre ele." Sorri. "Parece que ele precisa de sua ajuda, em primeiro lugar, antes que
ele pode vir comigo. Estou feliz que você veio ".

"Não foi fácil", disse Janie. "Seus sonhos são horríveis."

"Ele ainda não deixou muitos", diz Miss Stubin.

Janie pressiona os lábios e toma uma respiração profunda. "Ele é meu pai. Você sabia que, né? "

Miss Stubin sacode a cabeça. Eu não sabia. Então é hereditário, então. Eu sempre quis saber. É por isso
que eu não tenho filhos. "

"Você?" Janie's subitamente atingida por um pensamento. "Você não está relacionado, não é? Para nós, eu
quero dizer? "

Miss Stubin sorri calorosamente. "Não, meu caro. Não que fosse algo assim? "

Janie ri baixinho na loucura dele. "Você acha que talvez existam outros lá fora, então? Além de mim? "

Miss Stubin grampos mão Janie e squeezes. "Sabendo que existe Henry me dá esperança de que haja mais.
Mas o sonho coletores são quase impossíveis de encontrar. "Ela dá uma risadinha. "Melhor coisa que você
pode fazer para encontrá-los é adormecer em locais públicos, eu acho."

Janie acenos. Ela olha para Henry. "Como eu vou ajudá-lo?"

Miss Stubin levanta uma sobrancelha. "Eu não sei, mas você sabe o que fazer para descobrir. Ele já lhe
pediu ajuda. "

"Mas. . . Eu não vejo. . . e ele não me levar em qualquer lugar. "Janie olha ao redor do ginásio quase vazio,
à procura de pistas, tentando descobrir o que ela poderia fazer para ajudar a Henry. Não querendo ficar
muito perto.

Finalmente, Janie vira Henry e toma uma respiração profunda, olhar para Miss brevemente Stubin de
apoio. "Ei", ela começa. Sua voz treme um pouco nervoso, com medo, não tenho certeza o que esperar.
"Como posso ajudar?"

Ele olha para ela, um olhar vazio em seu rosto. "Help me", diz ele.
"Eu, eu não sei como, mas você pode me dizer."

"Help me", Henry repete. "Ajude-me. Ajude-me. Ajude-me. Ajude-me. HELP ME. HELP ME! HELP ME!
"Voz de Henry se transforma em gritos selvagens e ele não pára. Janie recua, por sua guarda, mas ele não
vem em sua direção. Ele chega à sua cabeça e agarra gritando e arrancando pedaços do cabelo do seu
couro cabeludo. Seu bojo olhos e seu corpo é rígido em agonia. "HELP ME!"

Seus gritos não terminam. Janie está congelado, chocada, horrorizada. "Eu não sei o que fazer!", Ela grita,
mas sua voz é abafada pelo seu. Aterrorizada, ela olha para o Miss Stubin, que observa atentamente, um
pouco temerosa.

E, em seguida,.

Miss Stubin alcança.

Toca no ombro de Henrique.

Seus gritos gaguejar. Fail. Sua respiração irregular diminuir.

olha Miss Stubin em Henry, concentrando-se. Focalização. Até que ele se vira para olhar para ela e é
tranquilo.

Janie relógios.

"Henry", diz Miss Stubin suavemente. "Esta é a sua filha, Janie.

Henry não reage. E então seu rosto se contorce.

Imediatamente, a cena em frente de estalos Janie. Pedaços da queda ginásio de distância, como pedaços de
espelho quebrado. Luzes brilhantes aparecem nos buracos. Janie vê isso acontecendo libras e seu coração.
Ela atira um olhar frenético no Miss Stubin, e em seu pai, desesperado para saber se ele entende, mas ele
está segurando a cabeça de novo.

"Eu não posso ficar nesse" Janie grita, e ela reúne-se toda a sua força, puxando para fora do pesadelo
antes da estática cores ea cegueira alcançá-la novamente.

02:20

Tudo está calmo, exceto para o zumbido nos ouvidos Janie's.

Minutos passar por Janie está voltado para baixo, imóvel, que não vê, no chão de azulejo frio do quarto do
hospital. Sua cabeça dói. Quando ela tenta se mover, seus músculos não obedecem.

02:36

Finalmente, Janie pode ver, apesar de tudo é fraca. Ela grunhidos e, depois de algumas tentativas, empurra a
seus pés, apoiando-se contra a parede, limpando a boca. Blood chega longe em sua mão. Ela se move a
língua lentamente em volta, observando o corte dentro de seu rosto, onde ela aparentemente pouco para
baixo durante o pesadelo. Sente seu pescoço, garganta, cautelosamente. Seu estômago bidões como ela
engole saliva, sangue engrossado. vesgo Janie em seu relógio, que chocou tanto tempo se passou.

E então ela se vira para olhar para Henry. Corre os dedos pelos cabelos emaranhados como ela olha para o
rosto angustiado, congelados em uma mesma expressão horrível como em seu sonho quando ele gritou
repetidas vezes.
"O que há de errado com você?", Diz ela. Sua voz é como a estática no pesadelo.

Ela morde o lábio inferior e ainda assim ela assiste de longe, lembrando o Henry louco. Ele está
inconsciente. Ele não pode me machucar.

Ela não acredita, então ela diz isso em voz alta, para si e para ele. "Você não pode me machucar."

Isso ajuda um pouco.

Ela se aproxima.

Ao lado de sua cama.

Seu dedo paira acima de sua mão e Janie imagina ele saltando, agarrando-a com esse frio aperto de morte.
Rasgando a garganta dela. Estrangulá-la. Ainda assim, lentamente, ela abaixa a mão e coloca-o em cima de
Henrique.

Ele não se move.

Suas mãos são quentes e ásperas.

Assim como as mãos de um pai deve ser.

02:43

É tarde demais para o ônibus.

Quando ela é capaz, Janie meandros seu caminho através do hospital e para a rua. Lentamente limps casa na
calada da noite.

Segunda-feira
7 ago 2006, 10:35

Um apanhador de sonhos. O pai dela. Assim como ela.

Inacreditável.

Janie desliza em sua roupa correndo e faz seu caminho até à paragem de autocarro. Leva-lo até a última
paragem na periferia da cidade. E corre o resto do caminho.

As coisas no país são muito mais lentos do que eles estão na cidade. Janie tapa os pés na calçada enquanto
ela percorre o mundo inteiro, aparentemente vinda de uma parada diante de seus olhos. Fileira após fileira de
milho maduro implora para ser colhida, Janie pode ver as borlas castanha passam em um borrão como ela
funciona.

Seus óculos escorregar no nariz do suor, e é lembrado mais uma vez que ela precisa de ter na mira, enquanto
ela puder. Faz seu doente a pensar em perder tudo isso, então ela absorve-lo, um passo após o outro, até que
sua mente divagar novamente.

Ela ouve o zumbido das rãs de árvore e se lembra de como, quando ela era pequena, costumava pensar que a
moca não era um animal, mas o som de fios elétricos, repleto de energia. Quando ela soube o barulho veio
de rãs, ela não acredita.
Ainda não.

Afinal, ela nunca é realmente visto.

E como ela suga o ar, obsoleto úmido, o ligeiro odor de estrume de vaca torna-se comum. Ao lado dele é o
cheiro adocicado das flores do campo e da pista da estrada searing recente patch.

Janie mente é clara e seu propósito é certo quando ela chega à garagem, muito cheio de casa de Henry. Ela
retarda a um pé, tentando esfriar.

Assim como ela atinge a compensação, seu celular vibra no bolso. Ela ignora-lo, sabendo que
provavelmente Cabel. Precisa pensar. Para fazer isso sozinho. Ela abre a porta e os passos dentro da casa.

Aquela sensação estranha vem sobre ela, aquele que faz tremer e sentir um pouco tonto, e todos os doentes
ao mesmo tempo quando está a ser abertamente em algum lugar calmo e extremamente fora dos limites.
huffs Janie, ainda sem fôlego, eo barulho quebra o silêncio. "Fale comigo, Henry, você strangler pouco
assustador", afirma Janie suavemente. "Mostre-me como posso ajudá-lo."

Ela caminha até a cozinha, enxuga a testa suada sobre uma toalha de cozinha e pega um copo do armário.
Liga a torneira. A água jorra e sufoca, uma linda cor de ferrugem, até que execute limpa um momento
posterior. Janie deixa correr um minuto e depois enche o copo. Bebe, não a água tépida bastante atrevido o
suficiente para fazer-lhe a mordaça.

Ela decide enfrentar o primeiro computador. Boots-lo e percebe que ele está em dial-up. Não é
surpreendente para sair aqui no país, mas ainda totalmente chato. "Talk to me", ela resmunga mais uma vez,
batendo os dedos impacientemente na mesa.

Primeiro, ela olha através de seus favoritos. Imediatamente encontra Henry conta da loja on-line e efetuar
login, o seu nome de usuário e senha desprotegido, já preenchido polegadas Janie examina a loja online,
chamada Lugar do Dottie. Encontra uma coleção de estranho, itens não relacionados, incluindo bebês e
roupas infantis, pequenos equipamentos eletrônicos, livros e colecionáveis estatueta de vidro. Ela clica em
um par de "macaco levemente desgastado" marca e lê a descrição. Lê as palavras de Henry escolhe. Vê a sua
inteligência e capacidade de marketing e inteligência de negócios que tudo rolou na pequena loja.

Existem vários leilões em andamento, além de alguns que acabaram nos dias que Henry ficou doente.

E então ela vê o seu rating. 99,8% positivos.

Janie não reconhecer o sentimento que brota em seu peito.

Faz seus olhos lacrimejarem.

Tudo o que ela sabe é que Henry Feingold tem uma classificação quase perfeita.

Ela não vai deixar esse registro obter manchada.

Janie congela inventário. Avalia os itens que já foram vendidos e procura-los nas prateleiras de estoque.
Pacotes de alguns itens e encontra-se a UPS desliza na gaveta. Enche-los. Pergunta se ela precisa de convite
para o coletor, mas depois encontra online o link nos favoritos de Henry. Ela programações uma picape para
antes de cinco sets pm as caixas de fora da porta, para que ela não esquece.

De volta ao computador, Janie inspira outros Henry páginas favoritas. Uma placa de mensagem política, um
site de cozinha, vários links para os profissionais de marketing, um site feriado judaico. sites de jardinagem.

Dreams.
E um link para uma página da Wikipédia sobre Morton's Fork.

Janie clica nessa última.

Lê a página.

Descobre que Morton's Fork não é literalmente um garfo. É um prazo para o dilema das sortes. Em resumo:
uma escolha forçada entre duas coisas igualmente suck ass.

Janie lê-lo e vê uma comparação com um catch-22, e ela olha para o livro sobre a mesa que cunhou a frase.
Ela sulcos sua testa. "Ok, senhor Creepy-calça", ela murmura, de volta ao computador, digitando
freneticamente procurando palavras-chave. "O que você está toda aproximadamente? Qual é a sua grande
opção de escolha? "

E então ela pára de digitação no meio da palavra.

Ela afunda na cadeira, lembrando a última vez que ela leu sobre um catch-22. Apenas alguns meses atrás,
em um caderno espiral verde.

Sabe, é claro.

É claro que escolheu Henry, anos atrás.

Ele não tem Miss Stubin para ajudá-lo. Para ensiná-lo.

Ele não tinha ninguém.

00:50 p.m

O barulho, a casa-shaking barulho de um caminhão quebra atenção Janie's. Através da janela, ela vê
rumbling em sua direção e corridas de seu coração, sabendo que ela não deveria estar aqui. Mas quando o
motorista bate na porta e ela grita com uma voz amigável, "Hey Henry, você tem que assinar para um
presente! Você volta para fora? "

Janie hesita, e então ela abre a porta. "Hi".

A mulher olha para a entrega, a máquina na mão. Sweat estrias bochechas dela tan e ela tem manchas
molhadas debaixo dos braços. Ela usa a empresa shorts marrom e tan pernas dela são abordados em picadas
de insetos e contusões. Ela olha surpreso e confuso por um momento, mas depois diz: "Oi, uh, você tem
dezoito? Você pode assinar. "

"I. . . yeah ".

"Onde está Henry? Fora saling garagem? Bem, obviamente, não há porque o carro dele. . . Bem, você pode
dizer a ele que eu vi um sinal de um grande bazar que a Luther'ns estão colocando. Mais sobre Washtenaw,
Fridee e Saturdee. "Ela parece desconfortável.

"Henry's, ele não será capaz de fazê-lo. Ele é. . . doente. Não fazer bem. "Janie sente a garganta apertada
crescente. "No hospital, provavelmente não vai fazer isso."

A mulher cai da mandíbula. Ela pega a moldura da porta. "Oh, meu pedaço. Você não está falando sério. É
você. . . Quem é você? "Ela libras um punho de seu quadril, como se para obter um porão de si mesma. "Se
me perguntar, eu quero dizer, não é nenhum de meu negócio, mas Henry foi meu cliente por muitos anos.
Nós somos amigos. "Ela se vira de repente e olha para a floresta, seus dedos agora remexendo em seus
lábios e, em seguida, empurrando através de seu mullet.
"Estou Janie. Eu sou sua filha ", disse Janie. Parece estranho.

"Sua filha? Ele nunca me disse que tinha uma criança. "

"Eu não acho que ele sabia sobre mim."

A mulher suspira. Bem, eu sinto muito sobre ele, isso é certo. Você vai dizer a ele que eu desejo-lhe bem? "

"Claro, eu. . . Ele está em coma, ou algo assim, mas eu ainda vou lhe dizer. Mas, você pode me dizer um
pouco sobre ele? Quer dizer, eu acabei de descobrir que ele é meu pai quando ele levado para o hospital,
então eu não sei de nada. . . . "Engole Janie rígido. "Você quer água?"

"Não, obrigado. Eu tenho bastante no caminhão ". Ainda em estado de choque com a notícia, ela
inconscientemente furtos em um mosquito. "Henry Feingold é um bom rapaz. Ele não incomoda ninguém.
Ele pode parecer um pouco estranho, mas ele tem um coração de ouro. Ele apenas faz o seu negócio e vive
aqui, sozinha, mas ele diz que ele prefere. Ele estuda muito no computador, pesquisando para sua empresa e
algumas outras coisas, eu acho que ele tomou um curso on-line uma vez. Não é bem certo que, mas ele
geralmente sempre tem algo interessante para falar.

"Ele disse que estava sentindo doente em toda a semana passada?"

"Nada more'n suas dores de cabeça de costume. Ele começa, por vezes, enxaquecas. Nunca teve 'em check-
out, que eu lhe disse que ele deveria. Disse que ele não tinha seguro. "

"Então, ele tinha dores de cabeça por um tempo?"

"On e off. É isso o que. . . ? "A mulher inclina-break no lugar de dizer as palavras.

"Yeah. Algo em seu cérebro, talvez um tumor. Eles não sabem mais, eu acho. "

A mulher UPS olha para a sujeira. "Pois bem. Estou muito arrependido. Você toma cuidado. Eu sou. . . yeah.
Heck. Estou muito arrependido. "Ela pega os pacotes que Janie preparados para o transporte.

"Obrigado", disse Janie.

"Se algo acontecer, sabe-se que você poderia talvez me deixe um recado na porta? Venho por muitos, às
vezes duas vezes por dia, se há uma pickup tarde. Eu tinha certeza que apreciá-lo. Cathy Nome com um C. "

Janie acenos. "Vou tentar. Hey, Cathy?

"Sim?"

Janie inquietações. "Ele não é, como o cego, nem nada. É ele? "

Cathy Janie dá um olhar interrogativo. "Não", diz ela. "Ele nem mesmo usar óculos."

13:15

Janie senta-se no antigo La-Z-Boy, pensando que toda.

Isolamento.

Ele mora aqui, ele está na casa dos trinta anos, ele não é cego ou aleijado.
"Oh, caramba", disse Janie. Ela deixa sua cabeça cair para trás na cadeira. "Que diabos estou fazendo? Faz
todo o sentido. Eu sou um idiota. "

Seu telefone não vai parar de zumbir.

"Hey", diz ela.

"Hey", diz Cabe, parecendo irritado. "Você tem alguma coisa acontecendo ou o que?"

"Eu só precisava ficar longe", disse Janie. "Porque, que é tão importante que eu não posso ficar fora por três
horas sem que alguém me caçando?" O tom é mais acentuado do que ela pretende. Mas Janie estava
realmente começando a desfrutar da calma.

Cabel não fala por um momento, e se encolhe Janie. "Sorry", diz ela. "Isso não saiu direito."

"Está bem", diz ele. Mas sua voz ainda é eriçado. "Eu fui chamado para ver o tempo que você queria que eu
fosse buscá-lo para esse encontro que temos com o capitão. Ao fim de dois. "

Janie se senta na cadeira. "Oh, merda!" Ela verifica o relógio. "Merda, eu esqueci." Ela olha ao redor da sala
para se certificar de que está tudo no lugar e ela oscila para fora da porta, fechando-a, mas não travá-la,
assim como Henry deixou. "Eu sou. . . para dar uma volta. Tenho hightail em casa e agarrar um duche
rápido. Como cerca de um cinquenta e cinco? "

"Uau, isso é cortá-lo perto. Vamos chegar atrasados. Você quer que eu buscá-lo de onde você está agora e
começá-lo em casa mais rápido? "

Janie começa a se movimentar para baixo na garagem, os músculos rígidos. "Não", diz ela. "Não, eu só
posso encontrá-lo na delegacia de polícia."

"O que você está tomando o ônibus? Capitão vai ficar puto. Eu tenho que levá-lo. Você sabe disso. Vamos
lá, Janie. "Ele parece louco.

Janie's jiggles voz como ela funciona. Ela respira por meio de lábios franzidos para evitar o ponto que ela já
está entrando em seu lado. "Eu sei", diz ela. "Eu sei".

"Onde está você?"

Ela retarda a uma caminhada. "Você sabe, Cabe, eu acho. . . apenas. . . ir sem mim ", diz ela. "Tudo bem?
Eu não vou. "

"O que? Janie! Venha. Não faça isso. Vou buscá-lo em um fifty-five. Ela vai ficar bem. "

Janie continua andando. "Não", ela diz com firmeza. "Eu tenho algumas coisas para fazer. Vou chamá-la de
explicar. Basta ir. "

"Mas" Kabel suspiros.

silenciosa Janie's.

"Fine", diz ele. Trava-se sem um adeus.

Janie vira seu telefone fechado e empurra-lo de volta no bolso. "Deus", diz ela. "Eu não sei se eu posso fazer
isso."

Ela chama o Capitão como ela caminha de volta para casa.


"Tudo bem, Hannagan?"

"Na verdade, não, senhor", disse Janie. Sua voz treme. "Eu não estou voltando hoje. Sinto muito. "

Silêncio.

Janie pára de andar. "Eu não posso fazê-lo à reunião. I-Eu acho que fiz a minha decisão. "

Há o som de sua cadeira ranger e um suspiro suave do outro lado. "Tudo bem. Também. "Ela faz uma pausa.
"Cabe?

Janie cai para as ancas ao lado da estrada e aperta os olhos fechados. Morde seu dedo indicador. Toma uma
respiração medida para firmar sua voz. "Ainda não", diz ela. "Logo. Preciso de uns dias para descobrir o que
eu faço aqui. "

"Oh, Janie", diz o capitão.

13:34

Ela fica na estrada, não tenho certeza para onde ir agora. Home, ou voltar para Henry. Sua cabeça lhe diz
uma coisa.

Mas quando seu estômago pode roncar, ela sabe a resposta.

Não se sentir bem sobre a ingestão de alimentos de seu pai. Então ela trudges até à paragem de autocarro.
Pensando, pensando sempre.

Ela sabe que vai ter de dizer adeus a Kabel.

Forever.

É simplesmente muito difícil imaginar fazendo isso.

02:31

Em casa, Janie corrige três sanduíches. Ela come um, envolve as outras duas em plástico e stows-los em sua
mochila. Dorotéia faz uma rara aparição, arrecadar em torno da geladeira.

"Você quer me fazer-lhe um sanduíche, mãe?" Janie diz, realmente não querer. "Eu tenho todo o material
para fora."

Dorothea rejeita a sugestão de uma onda descuidado e um grunhido, e pega uma lata de cerveja em seu
lugar. Ela caminha lentamente de volta para seu quarto.

E então a porta da frente aberta.

"Ei, Janers, você casa?" É Carrie.

Janie gemidos interiormente. Ela apenas quer voltar para a casa de Henry. "Ei, menina. O que cava?

"Nothin '". Saunters Carrie na cozinha e guinchos-se em cima do balcão. Sticks seus pés para fora. Ela está
usando flip-flops. "Vê os meus pedi. Você não é tão jel? "

Janie fixa a sua atenção nos pés de Carrie. "Totalmente! Realmente bonito, Carrie. "Janie enche uma garrafa
de água na torneira e que joga em sua mochila também.
"Está indo para algum lugar?" Carrie parece um pouco decepcionado.

"Sim", disse Janie.

"Cabe's?"

"Não." Janie suspiros. Ela havia sido obrigada a mentir a Carrie quando a atribuição durante o ano inteiro
sênior. Não quero agora. "Posso confiar em você para manter um segredo?"

"Der".

Janie sorrisos. "Eu encontrei-casa Henrique. Vou voltar lá e tentar aprender mais sobre ele. "

"Sweet!" Carrie lúpulo fora do balcão. "Posso entrar? Eu vou dirigir. "

"Uh. . . "Janie diz. Ela quer ficar sozinha, mas depois de trekking para fora uma vez que hoje já Henry, a
idéia de ter uma viagem de ida e volta é muito tentador dizer que não. "Claro. Você pode estar pronto para
ir, como, agora? "

"Estou sempre pronto para ir. Eu vou iniciar a diva pouco e conhecê-lo na garagem. "

02:50

"Então", diz Janie do banco do passageiro da Nova 77. "Não há planos com Stu noite?"

"Não." frowns Carrie como ela dirige o carro para fora da cidade, seguindo as instruções Janie's. "Por que
todo mundo me pergunta que sempre que me vê sem ele?"

"Porque você está quase sempre com ele?"

"Então? Eu sou a minha própria pessoa também. É tudo o que há para falar? Quando Stu está? "

Janie coloca sua cabeça para fora da janela para apanhar a brisa no rosto e espera que não sonhadores.
"Vocês estão lutando ou algo assim?"

"Não", diz Carrie.

"Tudo bem. So. . . quando começar a escola faz para você? "

ilumina Carrie. "Logo depois do Dia do Trabalho. E isso vai ser uma explosão. Finalmente! Eu começo a
aprender sobre algo que eu realmente querem aprender. "

"Você vai ser o melhor em sua classe, Carrie. Você tem skillz cabelo maluco. "

"Eu faço, não eu", diz ela. "Obrigado." Ela vira os olhos da estrada por um momento de olhar para Janie.
Eles vislumbre um pouco. Talvez eles estejam apenas aquosa a partir do vento. Ou não.

Janie sorrisos, atinge-lhe o braço em volta do pescoço de Carrie e lhe dá um pouco amigo meia abraço.
Esquece que Carrie não consegue encorajamento muito mais em casa do que Janie recebe.

Carrie puxa Ethel na calçada esburacada. Ethel protestos em rangidos e gemidos, mas Carrie pressiona para
a frente. "Por que diabos ele vive todo o caminho aqui em pânico. . . Saskatchewan parvos? "Carrie diz,
rindo.
Janie não se preocupa em apontar que a próxima província canadense de Ontário é realmente. Nem que eles
estavam indo para o sul.

Fora do carro, Janie vai imediatamente para a casa de Carrie leva tudo em cheio os arbustos, a cabine
minúscula, run-down, a esquerda porta destrancada. "O que ele não travá-la?"

"Ele didnt, pelo menos não a última vez que ele deixou."

"Bem, sim, eu posso ver isso. Não é como se vive no bairro, yadamean? Quem vem sair daqui? Seria um
jogo de dados real. Pessoas fora here'd quer puxar uma arma para você ou convidá-lo para a carne assada ".

yammers Carrie.

Janie ignora.

É tudo de bom.

15:23

Janie vai directamente para o computador. Carrie bumbles em torno da cozinha, merendas de framboesas do
frigorífico, mas Janie não paga nenhuma atenção. O computador, ainda em uma vez que ela saiu com tanta
pressa anteriores, leva uma eternidade para acordar para cima, e outra eternidade para ficar on-line com o
acesso dial-up.

O ruído de discagem faz Carrie olhar sobre a Janie. "O que você está fazendo em seu computador, Janers?
Isso é meio, como, erradamente, não é? "Carrie está na cozinha, com as mãos nas portas do armário, pegar
as coisas e colocá-los novamente.

"Nah," Janie mentiras. "Ele é meu pai. Eu estou autorizado ".

Carrie encolhe e se move para o próximo gabinete.

Janie enigmas sobre o nome de Henrique loja. "Ei, Carrie ', Dottie" é um apelido para' Dorotéia ', não é? "

"Como eu poderia saber?", Diz Carrie. E então: "Sim, isso soa como ele poderia ser. E um inferno de muito
mais fácil dizer do que boca. "

"Sim", disse Janie, e, em seguida, abre uma nova janela e Googles-lo. "Sim, ele está certo."

"O quê?" Carrie grita, agora, aparentemente, sentado no chão da cozinha. Pans chocalho.

"Nada", afirma Janie distraidamente. "Basta parar tudo o que você está fazendo. Você está me deixando
nervoso. "

"O quê?" Carrie grita novamente.

Janie suspiros. Seu dedo paira sobre o mouse, decidir. Finalmente, ela desce, abrindo cliente Henry e-mail.

Realmente parece que ela está bisbilhotando, agora.

Mas só não pode ajudá-lo.

Janie sorrisos, lendo sua correspondência gentil com seus clientes, tentando imaginá-lo. Deseja que ela
pudesse ter conversado com ele sobre tudo isso.
Sobre a sua vida.

Mas, então, um forte acidente na cozinha assusta-la e ela salta para cima, frustrado. "Carrie, que diabo?
Sério, vamos ir, ok? Jesus Cristo, eu não posso levá-lo em qualquer lugar! "Janie apenas quer concentrar-se,
para poder saborear estas palavras. As interrupções estão a conduzir a sua loucura.

Carrie está no balcão da cozinha de frente para os armários abertos, pendurado em uma porta. Ela pares por
cima do ombro procurando acanhado como stomps Janie para a cozinha fazer um levantamento da bagunça.
"Adoro quando você me chama Jesus Cristo."

Janie aperta os lábios, ainda louco, tentando não sorrir.

O acidente não foi tão ruim quanto parecia.

Principalmente latas vazias.

"Olha o que eu encontrei", diz Carrie, puxando uma caixa de sapatos da prateleira. Ela saltos para o chão.
"Notas e outras coisas! Como uma caixa cheia de lembranças. "

"Pare! Isso não é nada legal. "Janie olhares nervosamente para fora da janela, como se o acidente de latas
neste cenário tranquilo traria sirenes e guinchando pneus. "Devemos sair daqui, de qualquer maneira."

"Mas", diz Carrie. "Cara, você tem que verificar para fora este material. É um monte de pistas para o seu
passado. A história de seu pai. Você não está totalmente curioso? "Ela olha para Janie. "Venha, Janers! Que
tipo de detetive é você, afinal? Você deve se preocupar com isso. Há alguns pequenos pinos e algumas
moedas e outras coisas, e um anel! Mas há também cartas. . . ".

olhos Janie's flash, mas ela olha para a caixa de sapato. "Não. Isso é muito invasiva. Não é. . . "Sua voz
vacila.

"Venha, Janers", sussurra Carrie, com os olhos brilhando.

Janie se inclina e olha para a caixa, movendo-se delicadamente algumas coisas ao redor. "Não." Ela endireita
subitamente. "E eu quero que você pare bisbilhotando".

"Ugh! Como é chato. "

"Sim, bem, nós somos sorte de quebrar a lei aqui."

"Eu pensei que você disse"

"Eu sei, eu sei. Eu menti. "

"Assim nós poderíamos ficar preso? Ah, isso é ótimo. Você se lembra de eu ter feito isso uma vez já, e eu
não estou interessado em acabar na prisão novamente, especialmente com você! Quem poderia salvar-nos?
"Carrie pegando as latas no chão e empurrando-os de volta no armário. "Meus pais se absolutamente me
matar. E assim seria Stu. Chiça, Janie.

"Estou procurando, desculpe, não é como nós vamos ficar presos. Ninguém sabe mesmo sobre o indivíduo.
Além disso, eu sou sua filha. Isso pode nos tirar de uma bagunça. Não é que haverá um. . . . "Janie define a
caixa de memórias sobre o balcão e as mãos a outros itens do armário até Carrie. Ela está frustrada. Deseja
que ela não tinha trazido Carrie aqui depois de tudo. Ela só quer ter algum tempo sozinho para peneirar as
coisas, para se concentrar e entender as coisas.
Mas o tempo está se esgotando, Janie sabe. Ela tem que descobrir como ela pode ajudar Henry, antes de
morrer. E talvez haja uma pista na caixa.

Ainda assim, Janie's roubando acima. itens físicos, de qualquer maneira.

Janie suspira, resignado. "Vamos embora, Carrie".

Eles vão.

Janie's dedos permanecem na maçaneta da porta.

18:00

Ela arrasta os pés até a entrada em Waverly, após o Beemer. "Hey".

Cabel olha para cima do seu assento em um balde virado. Ele é a pintura, o acabamento ao redor da porta da
frente. Ele limpa o suor da testa com a manga de sua camiseta. "Hey", diz ele. Sua voz é legal.

"Você não me chamou a tarde toda."

"Você não responde quando eu chamo, então porque eu deveria me preocupar?"

Janie acenos, reconhecendo que ela é uma idiota. "Então, como foi a reunião?"

Ele apenas olha para ela. Aqueles olhos. O ferido.

Ela sabe o que precisa dizer. "Sinto muito, Cabe." E ela é. Então, sinto muito.

Ele destaca. "Ok, muito obrigado", diz ele. "Gostaria de me dizer o que está acontecendo com você
ultimamente?"

andorinhas Janie rígido. Ela rasga-lhe os dedos pelos cabelos e apenas olha para ele. Inclina a cabeça e
aperta os lábios para impedi-los de tremendo.

Ela não pode fazê-lo.

Não posso dizer-lhe.

Não posso dizer isso. Não posso dizer, eu estou deixando você.

Então, ela se encontra.

"É tudo isso com Henry. E porcaria com a minha mãe. Eu não posso segurar mais nada agora. Eu preciso de
algum tempo para fazer as coisas juntos. "Ela sente os olhos se afastar das suas. Querendo saber. Querendo
saber se ele pode dizer.

Ele é quieto por um momento, estudando-a. "Tudo bem", diz ele, medido. "Eu entendo. Existe alguma coisa
que eu posso fazer? "Ele se inclina e estabelece o seu pincel. Vem descendo as escadas com ela. Chega para
o rosto e corrige uma mecha de seu cabelo, que decepcionou o caminho errado.

"Eu só preciso de algum tempo, e algum espaço. Por pouco tempo. Pelo menos até que algo aconteça com
Henry. Ok? "Ela inclina a cabeça para cima. Atende os olhos novamente. Eles estão lá, cara a cara, cada
estudando os outros.
Então, ela pisa nele. Desliza seus braços em volta de sua cintura. Sua camisa está úmido de suor. "Tudo
bem?" Ela pergunta novamente.

Ele a leva dentro Mantém-la.

Beijos no topo de sua cabeça, e suspira.

19:48

Janie, no chão, encostada a cama. Pensamento.

Ela poderia apenas ir para a cama cedo.

Tentador.

Não é.

08:01

Janie come seu sanduíche no ônibus. Lava-lo com água. Passeios a duas milhas do último ônibus parar para
a casa de Henry. Pelo menos não é tão quente para fora. E ainda há muita luz.

Os sons da floresta durante a noite é mais alto do que durante o dia. Um mosquito voa furiosamente passado
sua orelha. Janie bate as pernas e os braços enquanto anda. Ela está roído pelo tempo que ela fica lá,
especialmente depois de passar por esse caminho, muito mato.

Dentro da casa, é decididamente mais frio do que nunca. A brisa sopra em decentes e por causa das árvores,
a casa tem sido pouco na sombra por horas.

"Ahh," Janie diz que quando ela está dentro, a porta se fechou atrás dela. Paz e tranquilidade. Uma casinha
toda sua. Janie olha em volta do lugar e que imagina como seria viver aqui, sem medo dos sonhos de
ninguém.

Henry acha que tem tudo praticamente certo. Para executar uma loja de Internet pouco, para ter essa
serenidade e ninguém incomodá-lo, mas Cathy motorista da UPS. . . e nunca Cathy'd estar dormindo.

Ela pensa sobre o dinheiro que ela tem sido de poupança há anos, incluindo o grand cinco de Miss Stubin.
Ela pensa em bolsa. Ela ia perder essa, se ela largou o emprego. Se ela se isolou. Mas não é a sua visão vale
perder uma bolsa de estudos?

Pergunta se ela ainda podia puxar-lo por conta própria se ela conseguiu um emprego Internet pouco.

Or.

E se ela apenas uma espécie de. . . herdada de um?

Sua pele fica arrepiada.

E se ela assumiu para Henry em tudo?

Ela olha ao redor, transformando sua mente. Hell, ela praticamente cuidava da casa já com ela inútil mãe, ela
sabe como fazê-lo. pagar aluguel, obter mantimentos. . . que alguém iria notar mesmo, nem ligam, se ela só
assumiu este lugar?

"Por que não?", Ela sussurra.


Janie toma um gole de água de sua garrafa de água e fica lá, no velho, cadeira beat-up, rodeado pelos sons
da noite, consumida por seus pensamentos. De repente, a opção de isolamento em todo caderno verde Miss
Stubin não soa tão ruim.

"Eu poderia perfeitamente se acostumar com isso", ela diz baixinho a-feliz!-Ninguém. "Nunca começ
sugado em sonhos novamente." Ela sorri porque se sente delicioso.

E então ela pára.

"Talvez eu ainda podia ver Cabe", sussurra.

Ela imagina que, gastando jantares à luz de velas juntos aqui, ou talvez o almoço, se ele pode ficar longe de
classes. Pendurado para fora algumas horas por dia. . . tornando-se e estar juntos. Só não durante as horas de
sono.

Parece uma boa idéia.

Por cerca de cinco minutos.

E então ela pensa sobre os próximos anos.

Não há nenhuma maneira que jamais poderia viver juntos.

Não haveria bebês, nenhuma unidade da família, sempre. Janie não podia arriscar que, se ela pretende
manter a sua visão, ter uma criança que sonha destruir totalmente a ela. Além disso, não há nenhuma
maneira Janie iria passar essa maldição apanhador de sonhos ao longo de ninguém.

Ela está bem com isso.

Mas o que isso significa para a Cabe?

Seu futuro, em poucas palavras:

• viver em outro lugar


• gastar algumas horas de um dia sair no barraco
• nunca se casar
• Nunca ter filhos
• Nunca passar uma noite com a mulher que ama

Que as imagens de seus tempo juntos, que ela seria como, dia após dia. Estagnada. Cabel mais próximos
para uma aplicabilidade duas horas, enquanto ele manipula a escola, sua casa, seu emprego.

Janie sabe que seria um inferno para Cabe.

Seria como o horário de visitas na Heather Home.

Eles acabam falando de palavras cruzadas e das intempéries.

E ele também faz isso. Ele ia ficar com ela. Mesmo que ela iria destruir totalmente a sua vida inteira.

Isso é exatamente o tipo de cara que ele é.

Janie bate com os punhos para baixo os braços La-Z-Boy.

Deixa sua cabeça cair para trás.


Whispers para a sala vazia,

"Eu não posso fazer isso."

09:30

Ela olha através de todas as coisas de Henry. Seus registros de negócios. Notas para si mesmo, listas de
supermercado. Panfletos sobre enxaqueca. E em linha, uma infinidade de sites médico marcado, juntamente
com os locais que oferecem formas de lidar com a dor.

Ela pergunta se ele tinha seguro, e se tivessem pego o tumor ou aneurisma, ou algo assim, mais cedo. . . se
ela ainda o tem.

Mas ela não teria conhecido dele, desse jeito.

Ela pensa sobre ele, puxando seu cabelo para fora, segurando a cabeça. O olhar congelado de agonia no
rosto. Pergunta se ele ainda está com muita dor, encontrando-se desamparado no hospital do município,
agora. Pensa como ele implorou por ajuda. Ela fala com as palavras holística na tela. "Eu gostaria de saber
como ajudar você, Henry. Eu acho. . . Espero que você deixe ir logo, para que possa ser feito com ele. "

Janie descasca-la aquecida, coxas pegajoso do assento da cadeira de plástico de cozinha e olha ao redor da
pequena sala de estar. Imagina-lo aqui nesta casa, pequena aconchegante, longe do ruído, o povo.

Ela caminha até a cozinha, onde a caixa que Carrie encontrado ainda senta na bancada. Janie's tentado a ir
com ele. Vá através das cartas que quase acenar para ela na brisa suave que vem da janela aberta. Mas.

Duas coisas.

Ela não quer ler alguma carta de amor íntimo icky escrito por ela desculpa, desculpa alcoólicas para uma
mãe. E.

Ela não quer sentir pena de Henry mais do que ela já faz.

Ela teve dor de cabeça o suficiente, muito obrigado. problemas suficientes. Chega de só conhecer alguém
que entenda, mesmo antes de ir e morrer.

Ela alegremente assumir as coisas por aqui. Mas ela não vai amá-lo. É tarde demais para isso. Ele é muito
longe. E ela tem mágoa bastante próximos ao virar da esquina.

Janie tem uma respiração profunda. Sacode a cabeça. Coloca a caixa de volta para o armário onde Carrie
encontrei.

Ela arruma a casa para que ele parece exatamente como ele fez da primeira vez que ela viu. Desliga o
computador ea luz e fica lá no escuro, ouvindo o silêncio. Desejando para ele, desejando que este tipo de paz
em sua vida. E sabendo agora que ela pode ter, uma vez que Henry morre. Este lugar onde ela pode deixar
para baixo seu protetor. E ao vivo. Onde ela não precisa se preocupar com pegar o sonho de ninguém.

Algo profundo dentro dela anseia por isso, mais do que os desejos de qualquer outra coisa. Cabe ainda.

Talvez seja uma técnica de sobrevivência.

Ou talvez, como tem sido ao longo de toda até que ela conheceu Cabe, ela é realmente apenas uma solitária.
Será sempre um solitário.

Certamente parece que maneira.


E então ela senta-se novamente na velha cadeira, no escuro, neste santuário. Quer saber o que sua vida irá
realizar. Quer saber como ela vai cuidar da mãe, e porque ela tem até, talvez Dorothea precisa cuidar de si
mesma a partir de agora. Talvez Janie's acaba permitindo que ela o tempo todo.

Viver pacificamente como esta. Mantendo a sua visão. Ela olha para os dedos. Eles lançam sombras
compridas na luz das estrelas da janela aberta. Janie wiggles seus dedos e suas sombras splash no colo.

Ela sorri.

E, embora o capitão ficará desapontado, e terá que tomar a bolsa de volta, ela conhece o Capitão nunca Janie
culpar por querer tentar viver uma vida normal. Janie lá no fundo sabe que tudo vai ficar bem.

Ela vai perder o capitão e vendo os caras. Isso é certeza.

"Bem", ela diz baixinho para as mãos, flexionando os dedos e apertando-os no colo. "Está decidido.
Isolamento. A minha escolha ".

Deus, é bom dizer isso em voz alta.

Mesmo que seja muito assustador.

Há apenas uma ponta solta que a última Janie's got a amarrar antes que ela sai pegando sonhos
completamente. Um puzzle passado para resolver.

Parece apropriado para terminá-la dessa maneira.

Embora fosse obrigado a ser o pior de toda a sua vida.

Janie é uma merda de uma respiração profunda e deixa escapar, fazendo vibrar os lábios. Ela está assustada.
Mais assustado agora voltar para o hospital que ela era quando tinha que ir para a festa de Durbin. Mais
assustado do que quando aquele garoto estranho chamado Cabel primeiro adormeceu na biblioteca da escola
e sonhava com um homem monstro com facas para os dedos.

Mas.

Mas.

Esta é também a última chance Janie's para ver e dizer adeus de uma vez por todas, a Miss Stubin.

Feche a porta, como se costuma dizer. É foda doloroso pensar.

Mas Janie vai passar por isso, descobrir como ajudar Henry, e começá-lo feito de uma só vez, mesmo se
mata.

Er. . .

Bem, espero que não "mata-la." Isso iria estragar tudo. Yeah.

HENRY
Ainda segunda-feira. 10:44

É uma caminhada longa e escura até à paragem de autocarro. Heat relâmpagos no céu. Thunder burburinhos
baixa ea umidade é de espessura. Sem chuva, no entanto.
Chega com os mosquitos já.

Janie lanches em um sanduíche e um PowerBar. Estocando energia, se preparando para uma grande noite.
Querendo saber se Henry ainda está vivo, mesmo.

23:28

Os corredores são calmos, como de costume e as portas estão fechadas. Janie vagas para Enfermeiro Miguel
e se aproxima da mesa. "Qualquer coisa nova?"

Miguel balança a cabeça. "O médico pensa que não vai demorar", diz ele.

Janie acenos. "Provavelmente, vou passar a noite. . . sentar com ele. Ok? "

"Claro, querida", diz ele. Ele desce por trás do balcão. "Aqui está um cobertor no caso de você ficar frio.
Você provavelmente conhece a cadeira reclina, certo? "

Janie não sabe, mas ela balança a cabeça de qualquer maneira, tendo o cobertor. "Obrigado." Ela continua a
descer o corredor para o quarto de Henry. Fica lá por um momento, tomando algumas respirações profundas.
"Este é", ela diz baixinho, e então ela abre a porta. Fecha-lo rapidamente para trás enquanto ela vai para
baixo.

É diferente desta vez.

Desta vez, Janie é jogado diretamente no pesadelo. Ela está em um local conhecido como antes, com Henry
gritando: "Ajude-me! Help-me! "Novamente e novamente. Ele se vira para Janie quando ela se aproxima e
ele continua a gritar com ela. Um estóico Miss Stubin stands perto de Henry, espera pacientemente para que
fim. Mesmo em seu estado divino, se é que ela é, ela parece cansada.

Janie não perder tempo. "Henry", ela grita. "Eu quero te ajudar! Estou aqui para ajudá-lo. Mas eu não sei o
que fazer. Você pode me mostrar? "

Não há como pará-lo.

Janie vira Miss Stubin. "Por que você não sai?"

"Eu não posso. Não até que ele está pronto para vir comigo. "

Janie gemidos, percebendo agora ela não é apenas responsável por ela, a paz pai quase morto histérica, mas
a felicidade de seu amado Miss Stubin também. Ela coloca as mãos nos ouvidos. Frustrado, crescendo
frenético por causa da gritaria. É irritante, na verdade. E dolorosa. Seu corpo todo começa a doer.

Henry se levanta e caminha até ela e Janie passos para trás, tensionando, preocupados que ele vai agarrá-la,
estrangulá-la, mas ele não. "Ajude-me! Help-me! "Ele grita em seu ouvido, fazendo chocalhar seus ossos de
campo intenso. Ela se move e ele segue o seu redor. Sua voz é articulado. Ele fica de joelhos e agarra a mão
Janie's, puxando para ela, chorando. Implorando por ajuda.

Sua voz cresce irregular, fora do controle.

Janie não sabe o que fazer. Ela grita de volta para ele: "Diga-me o que fazer!"

Henrique chora crescer ainda mais alto.

Miss Stubin espera e observa, com os olhos cheios de pena. "Eu não acho que ele pode", diz ela, mas Janie
não pode ouvi-la.
Janie sabe que ela não pode manter por muito mais tempo. Ela não pode se mover. Seu corpo físico se foi a
partir dela, e seu corpo grita sonho em sua própria dor. Não há nada que ela possa fazer para Henry. . . nada.

Nada do que ela pode pensar.

Ela se vira para Miss Stubin. "Você pode tentar? Como da última vez? "

Miss Stubin acenos. Ela se aproxima de Henry. Quando ela entra, olha como ela desliza effortlessly através
do assoalho.

"Henry", diz ela. Ela coloca a mão em seu ombro.

Seus gritos vacilar.

Miss Stubin concentrados. Fala com ele com sua mente. Acalma-lo.

voz áspera Henry desaparece.

Miss Stubin o leva de volta para sua cadeira e acena Janie para vir.

"Não," Miss Stubin diz, sorrindo. "É realmente muito mais fácil dessa maneira, Henry".

Henry mantém-se um punhado de seu cabelo. Mostra-lhes Janie.

Janie acenos. "Sua cabeça dói, não é?"

"Sim", diz ele, servil, como se estivesse falando com calma é difícil para ele. "Sim, dói."

"Eu não sei o que fazer", afirma Janie. "Você sabe como eu posso ajudar?"

Henry olha Janie. Ele sacode a cabeça. "Eu só quero morrer", diz ele. "Por favor. Podem ajudar-me morrer?
"

"Eu não sei. Eu vou. . . Eu vou tentar. Eu não posso fazer nada ilegal. Você entendeu? "

Ele concorda.

"Onde nós estamos?" Janie pergunta. "Isso é um sonho seu? Este ginásio escuro? É isso? "

Henry se levanta. "Esta maneira." Ele chama os outros dois a seguir. Ele abre as portas duplas que levam
para fora do ginásio. Eles andam meio, em um corredor. Há portas nos dois lados.

Eles entram no primeiro quarto.

É uma sinagoga.

A convulsão menino em seu lugar. Seu pai, ao lado dele, repreende-lo.

"É você, o menino, não é?" Janie pergunta.

"Sim".

"A memória?"

"Mais ou menos. Esse é o meu sonho, minha vida, mais e mais. "
Eles vão para a sala seguinte. As pessoas estão alinhados fora dela. Henry, Miss Stubin e espremer Janie
passado, a fila de pessoas e ir para dentro. É uma pizzaria. Eles andam tabelas passado cheio de pessoas
comendo, rindo, para a cozinha, no andar em refrigerador. Lá, Henry se inclina em um canto com uma
garota. Beijar.

olha Janie. "Quem é esse?"

Henry olha Janie. "Isso é Dottie.

"Você quer dizer Dorothea? Dorothea Hannagan? "Janie não consigo superar isso, mesmo sabendo que
provavelmente havia alguns beijos envolvidos em algum lugar.

"Sim." Ele suspira. "O verdadeiro amor da minha vida."

Janie quer amordaçar.

Miss Stubin interrupções. "Diga-nos o que aconteceu, Henry. Entre você e sua mãe Janie's. Você vai? "

Ele parece cansado. E está frio lá dentro. "Não há muito a dizer."

"Por favor, Henry," Janie diz. Ela quer ouvi-lo dizer isso. Quer que a validação de que ela está fazendo a
coisa certa.

"Nós trabalhamos juntos em Chicago um verão, ela estava no colégio, eu estava em U de M. No outono,
voltei para Michigan. Ela saiu da escola e me seguiu. Nós vivemos juntos. Foi terrível. Os sonhos. Eu tive
que escolher-se com ela, miserável, ou ser capaz de funcionar, sozinho. "Ele começa a puxar os cabelos
novamente. "Oh, inferno," ele diz. "Ele está voltando."

"Então, você apenas deixou de cuidar de si mesma? Você sabia que ela estava grávida? "

"Eu não sabia." Sua voz fica mais alto, como se ele estivesse tentando falar sobre o barulho em sua cabeça.
"Janie, eu não sabia. Sinto muito. Enviei-lhe dinheiro. Ela não iria levá-la. Eu sinto muito. "Ele agacha-se, a
cabeça nas mãos.

"Você está feliz que você fez isso? Ainda bem que você isolado a si mesmo? "Janie fica no chão por ele,
ansioso para obter respostas agora.

"Help me", ele grita. "Ajude-me!" Ele pega sua camiseta. "Por favor, Janie, por favor, por favor me ajude!
Mate-me! Por favor! "

Janie não sabe o que fazer. Miss Stubin tenta desesperadamente para acalmá-lo, mas nada funciona.

"Você está feliz?" Janie mensagens. "E você? Foi a melhor escolha? "

"Não é melhor não. É Fork Morton. "Ele cai no chão com um grito. "Ajude-me! Oh, Deus. Me ajude! "

Janie olha Miss Stubin de horror e vê as rachaduras na cena. Pedaços de um sonho começa a desaparecer.
Ela pode ouvir a estática da distância. "Merda", diz ela. "Eu não posso ficar nessa."

"Go!" Miss Stubin diz.

Eles dar as mãos por um momento. Olhe nos olhos uns dos outros, Janie tentando desesperadamente se
comunicar que não vai voltar.

Não tenho certeza se traduz.


Mas é hora de ir embora, antes de ela ser apanhada de novo aqui.

Janie concentrados e com toda sua força, irrompe através da barreira dos sonhos.

Como Janie está no chão, tremendo, tentando passar, tentando sentir a sua pele, tentando ver, tudo que
consigo pensar é o olhar no rosto de Miss Stubin e do desespero, completo sem esperança de Henry,
vencidos por seus próprios demônios.

Oh.

Stubin Miss.

Que maneira horrível de dizer adeus para sempre.

Lentamente, exausto, Janie retira-se da cadeira junto à cama de Henry. Suas articulações, até os dentes, dor,
e ela se pergunta o que acontece com seu corpo quando ela está em um pesadelo como esse.

Mas isso não importa agora.

Ela é feito com eles.

Janie embrulha-se no cobertor para ajudar a parar o seu corpo a partir do tremor incontrolável. Ela mal
consegue olhar para o rosto torcido Henry pobres. Algum tempo desde que ela tinha sido aqui passado,
Henry puxou a si mesmo em posição fetal, com as mãos fisted por sua cabeça, como se para se proteger dos
terríveis monstros invisíveis que o levaram como refém. Janie chega até ele. Toca a mão dele. Mantém-lo.

Ela implora com ele. "Por favor, por favor, apenas morrer. Por favor. "Sussurra repetidamente, pedindo
Henry deixar ir, implorando seus captores invisíveis para deixá-lo ir. "Eu não sei como ajudá-lo." Ela enterra
o rosto nas mãos. "Por favor, por favor, por favor. . . "As palavras escova do ar em padrões rítmicos, como
galhos de salgueiro shushing as ondas na costa do Lago de Fremont.

Mas Henry não morre.

A carrapatos meia hora de distância do relógio. É uma sensação real além do quarto escuro e silencioso,
como eles estão em um mundo cortado de todo mundo. Janie snacks no último sanduíche de sua mochila,
tentando recuperar alguma força, e então ela começa a falar com seu pai para ajudar a passar o tempo.

Ela diz Henry sobre Dorothea, escolhendo cuidadosamente suas palavras para não dizer nada de muito
negativo, ela conhece Henry não precisam de ouvir coisas negativas em sua condição. Janie fala sobre si
mesma, também. Diz-lhe coisas que ela nunca contaram a ninguém, gosto de como ela foi sozinha.

Ela lhe diz que ela não está brava com ele por não saber sobre ela. E ela fala sobre sua vida apanhador de
sonhos secretos, que ela é exatamente como ele. Que ela entenda. Que ele não é louco, e ele não está
sozinho. Tudo vem correndo para fora o sonho de captura, seu trabalho, Miss Stubin, e um plano de Janie de
parar todos os sonhos e ter uma vida tranquilo como Henry. "Estou fazendo isso também, Henry", diz ela.
"Eu sou o isolamento, como você. Você provavelmente não soube mesmo sobre a escolha real, não é? Sobre
a cegueira ea perda de suas mãos. "

E então, Janie Henry diz que ela entende por que ele fez o que fez a Dottie, mesmo que ele amava tanto. Ela
entende que a escolha horrível. Ela diz a ele sobre Cabe. O quanto ela o ama. Como ele é bom, como
paciente. Como ela está dividida sobre o que este plano significa isolamento.

Como ela está com medo de lhe dizer.

Dizendo adeus.
É surpreendente, ter alguém que é exatamente como ela.

Alguém que entenda.

Mesmo se ele é incapaz de responder.

De repente, Janie sente que perdeu muito tempo nos últimos dias, quando ela poderia ter sido aqui para
Henry.

Ela diz a ele o quão difícil foi, descobrindo todas essas coisas no passado poucos dias, e ela chora um pouco.

Ela fala noite adentro.

Fala até que ela tenha esvaziado a sua alma.

Henry cara não muda. Ele não se mexe em tudo.

Janie Quando está demasiado cansado para pensar ou dizer outra palavra, que deriva ao largo, toda
encolhida na cadeira.

Tudo está quieto.

04:51

Ela sonha.

Janie's em seu quarto, sentado na cama, desorientado. Sua língua está seca, tostado, e ela molha os lábios.
Sua língua deixa uma película sobre os lábios, ela se sente corajoso como areia. Quando Janie atinge até
enxugar a aspereza, os lábios dela ceder. Seu colapso dentes e pedaços minúsculos romper em sua boca.
Ruir. A afiada, corte stumpy continua sua língua.

Horrorizado, cospe Janie em mãos. Pedaços de dentes desintegrado sair. Janie continua cuspindo e cacos de
dentes cada vez mais se acumulam em suas mãos. Freneticamente, Janie olha para cima, sem saber o que
fazer. Quando ela se move os olhos, está tudo embaçado. Filmy. Como ela está tentando ver em um espelho
cozinhado-up ou uma cachoeira. Ela despeja seus dentes na cama, esquecido, e enxuga os olhos dela,
tentando resolvê-los, tentando ver. Mas ela é cega. "Eu sou o isolamento", ela chora. "Eu não tenho que ficar
cego! Não! Eu não estou pronto! "Ela garras em seus olhos, e então percebe que ela tem fendas verticais
buracos em seu rosto ao lado de cada olho. Algo pica para fora de cada um.

Janie toma conta de tudo o que é e puxa.

Lascas de slide sabão a partir das fendas.

Janie's olhos coceira e queimar como um louco. Ela furtos para eles e puxa mais pedaços de sabão para fora,
mas as peças parecem reproduzir-se. Como ela tira lascas de sabão, ela passa a língua sobre os irregulares
restos de dentes, sangue degustação. "Não!", Ela chora.

Finalmente, ela pega o último da novela e ela pode ver de novo. Ela olha para cima, aliviado.

E lá.

Sentado em sua cadeira. Assistindo Janie com um olhar de calma em seu rosto.

Henry.
Janie olha para ele.

E amanhece com ela, depois de um minuto, o que ela deve fazer.

"Ajude-me. Ajuda-me, Henry ".

Henry parece surpreso. Obediente, ele se levanta e aproxima Janie.

Janie mostra o seu punhado de dentes. "Você pode me ajudar a mudar isso, você sabe. Está tudo bem se eu
colocá-los de volta em?

Henry olhos falam. Eles estão cheios de encorajamento. Ele concorda.

Janie sorri um sorriso brickle. Acena de volta. Empurra os dentes de volta no lugar como se fossem peças de
Lego. Quando ela é feita, ela dá um tapinha na cama e sorri.

Henry se sente. "Você é igualzinho a mim", diz ele.

"Sim".

"Eu ouvi você, todas as coisas que você me disse. Sinto muito. "

"Eu estou contente. Que bom que você ouviu, eu quero dizer. Você não tem que se arrepender. Você não
sabe. "Ela olha a cadeira vazia de Henry.

Ele se vira para ela. "Eu acho. . . Eu acho que teria gostado de conhecê-lo. "

Janie engasga um soluço.

Ele pega a mão dela. "Eu sinto falta dela. Dottie. Ela é boa para você? Uma boa mãe? "

Ela olha para a mão dele por um minuto de duração. Não tenho certeza o que dizer sobre isso. Finalmente,
ela dá de ombros. Diz: "Eu me saí bem." Olha para o rosto de Henry.

Sorri um sorriso torto em meio às lágrimas.

06:10

A porta do quarto de Henry abre UTI.

É o enfermeiro primeiro turno, verificando sinais vitais. Janie assusta acordado, senta-se e esfrega os olhos.

"Não se preocupe comigo", diz a enfermeira, a verificação do pulso de Henry. "Você olha como você
poderia usar um pouco mais o sono."

Janie sorrisos e alongamentos. Ela olha para Henry, lembrando. Foi estranho, ter alguém em seu sonho pela
primeira vez.

Então, ela suga a respiração, surpreso, e ao lúpulo a seus pés para dar uma olhada melhor. "He's", ela diz que
o enfermeiro se vira para ir embora. "Ele parece diferente. Sua face. "

Os olhares da enfermeira em Henry e verifica sua carta. "Será que ele?" Ela sorri, distraído. "Melhor, eu
espero."

Mas Janie's olhando para Henry.


Sua postura tem relaxado, seu rosto não é mais tenso, as mãos estão estendidos e agora descansa suavemente
pelo seu rosto. Ele parece pacífica. A agonia se foi.

A enfermeira dá de ombros e sai. Janie continua olhando, emocionado ao vê-lo olhando melhor, esperando
que ele não está mais tendo os pesadelos horríveis. Interroga-se brevemente há uma chance de que ele
poderia sair dele.

Sabe que há uma melhor chance que ele vai finalmente começar a morrer.

06:21

Janie, com um plano, vai para casa de banho privada Henry e fecha a porta. Ela sabe que não tem muita
força, mas fecha a porta é um acéfalo, se ela ficar presa.

Ela abre a porta e fica sugado dentro lentamente. Suavemente. Nenhum estático, sem paredes brilhantes
batendo nela.

É apenas um ginásio escuro, apenas uma mancha de luz streaming embora a janela de alta.

O corredor de quartos estão vazios agora.

Miss Stubin, Henry, ambos ido.

Tudo o que resta é cadeira de Henry.

E na cadeira, uma nota.

Minha querida Jane,

Muito tem sido exigido de você. E ainda assim, você permanece mais forte do que você pensa.

Até nos encontrarmos novamente,

Martha

P.S. Henry quer que você considere Fork Morton.

06:28

Janie fecha a porta a seu último sonho.

Quando ela é capaz, ela escapa ao sonho de novo e trudges pelos corredores e fora do ônibus, pega o ônibus
para casa, e cai na cama.

Terça-feira
8 de agosto de 2006, 11:13

Janie acorda, suando como um maratonista. Seu rosto está preso à sua fronha. Seu cabelo está encharcado. É
pelo menos 450 graus em casa.

E ela está morrendo de fome.

Morrendo de fome.
Ela tropeça para a cozinha e fica na geladeira, comendo tudo o que pode encontrar. Ela pressiona o jarro de
leite frio contra o seu rosto para resfriá-lo antes de tomar um gole longo dela. E então ela leva um cubo de
gelo e executa todo o seu pescoço e braços. "Deus Todo-Poderoso", ela murmura, agarrando um recipiente
de espaguete com almôndegas sobra. "Eu preciso de ar!"

Quinze minutos depois, ela está no chuveiro, temp água definido para o frio. É quase demasiado frio, mas
Janie sabe o minuto que ela sai de lá, ela vai começar a transpirar novamente, então ela mantém a
configuração de congelamento.

Quando ela desliga a água e sai do chuveiro, ela ouve a voz de sua mãe, falando ao telefone. Janie congela e
ouve um minuto e, em seguida chicoteia uma toalha em torno de si, segurando-o em seu peito e abre a porta
do banheiro, os cabelos escorrendo por todo o chão.

Dorothea, na sua camisola, desliga o telefone. Se vira para olhar Janie, o rosto abatido e com aparência
antiga. Pálido, como a lua. "Ele está morto", disse ela simplesmente. Encolhe os ombros. "É sobre o tempo."
Shuffles de volta para seu quarto, mas não antes de Janie vê tremer lábio Dorothea.

Janie está no corredor, pingos, sentindo-se entorpecido. "Ele está morto", ela ecoa. É como se o som de sua
voz faz com que seja real. Janie se inclina para trás contra a parede do corredor e desliza para baixo até que
ela está sentada no chão. Ela dicas a cabeça para trás até que as colisões na parede. "Meu pai está morto."

Ainda entorpecido.

It's over.

Depois de alguns minutos, Janie se levanta e marchas no quarto de sua mãe, não incomodando a bater.
Dorotéia fica chorando em sua cama.

"So. O que precisamos fazer? "Janie pergunta. "Quero dizer, como, material funeral."

"Eu não sei", diz Dorothea. "Eu disse a eles que não querem ter nada a ver com isso. Eles podem apenas
manipulá-lo. "

"O quê?" Janie parece gritar. Ela move-se para chamar o hospital sozinha, mas depois ela pára. Se volta para
a mãe. Diz em uma voz maneira-demasiado calmo, "Chame-os para trás e dizer-lhes que Henry é judeu. Ele
precisa ir para um lar judaico funeral. "Janie olhares no armário esparsas Dorothea. "Você ainda tem um
único vestido decente, Mãe? Você? "

"O que eu preciso de um vestido?"

"Para o funeral," Janie diz com firmeza.

"Eu não estou indo para isso", diz Dorothea.

"Oh, sim, você é." Janie's chateado. "Está indo definitivamente para o funeral do meu pai. Ele amou você,
todos esses anos. Você pode não entender por que ele deixou, mas eu, e ele ainda te ama! "Engasga Janie em
seu erro. "Ele amava você", diz ela. "Agora vão chamar o hospital antes de fazer outra coisa com ele. E
depois chamar o funeral home-hospital deve ser capaz de recomendar um ".

Dorothea parece confuso, assustado. "Eu não sei os números."

Janie olhos friamente. "O que você está, porra oito anos de idade? Procurá-los. "Ela tempestades fora do
quarto e bate a porta. "Deus", ela murmura, frustrado, já que ela pisa pelo corredor e entra em seu quarto.
Ainda vestindo uma toalha, Janie peixes algumas roupas de seu armário, joga-se na cama e em seguida,
ancinhos um pente de dentes largos através de seu cabelo, tangled molhado.
Ela ouve a mãe porta está aberta. Poucos minutos depois, Janie pode ouvir Dorothea gaguejando ao telefone.
Janie flops de volta na cama, suando no calor de novo.

Dane-se.

"Henry", disse Janie.

Ela chora por tudo o que poderia ter sido.

12:40

Janie puxa a mala do armário.

Sobe para o sótão para procurar caixas.

Ela vai ter que mover suas coisas mais devagar porque ela tem que tomar o ônibus e caminhar.

Interroga-se brevemente as chaves do vagão da estação de Henry está pendurado em algum lugar óbvio em
sua casinha. E então nixes esse plano. Isso poderia realmente parecido com o roubo, se ela tem mais puxado.
Não faz sentido ficar mortos direita antes de reiniciar a vida inteira, também.

Ela enche sua mochila com roupa e pega a mala.

Cabeça para fora da porta.

13:29

Janie define suas coisas no meio do barraco e se senta na mesa de Henry para escrever uma lista de coisas a
fazer:

• Obter através funeral primeiro


• Encontrar locação financeira e endereço senhorio para pagamentos de aluguel
• Descobrir se os utilitários estão incluídos, ou se eu pagar
• Limpeza da casa
• Estudar a história loja on-line para descobrir o que vende
• Jardim da Água! Veggies e congelar
• Ligue o cabo de Internet, se não muito caro
• Informe o capitão do plano
• Informe Cabe

Ela pára de escrever e olha para as duas últimas palavras.

Gera a caneta na parede. Bate com os punhos na mesa. Empurra a cadeira para trás com tanta força que vira.
Fica no meio do quarto e grita para o teto. "Minha vida é uma merda do caralho um o pior de todos! Como
você pode me forçar a escolher? Como você pode fazer isso comigo? Você pode me ouvir? Qualquer um? "

Ela cai de joelhos, cobre a cabeça com os braços, e se inclina para a frente em uma bola.

Soluços rasgar toda a casa, mas ninguém está lá para ouvi-la.

Não há nenhum conforto aqui.

03:57

Janie olha para fora da janela do ônibus, rosto contra o vidro, olhando Fieldridge passar.
Como anda a partir da paragem de autocarro para casa de sua mãe, ela o chama.

"Hey", diz ele.

E de repente, Janie não posso falar. Um som distorcido vem de sua garganta vez.

"Janie, você está bem?" Voz Cabel vira imediatamente em causa. "Onde está você? Precisa de ajuda? "

Janie respira, tenta sua voz firme instável. "Eu estou bem. Estou em casa. Eu sou. . . o meu. . . Henrique
morreu. "

É tranquilo na linha por um momento. "Eu vou ser mais de direita", diz ele. "Tudo bem?"

Janie acena para o telefone. "Sim, por favor."

E então, Janie chama Carrie. Obtém seu correio de voz. "Ei, Carrie, eu pensei que você deveria saber que
Henrique morreu. Eu vou. . . Eu vou falar com você depois. "

04:43

Cabel raps na porta. Ele está carregando um vaso de plantas e uma caixa da padaria do supermercado.

"Hey", diz ele. "Eu não tenho tempo para fazê-lo, assim, uma caçarola ou qualquer outra coisa. Mas eu parei
pela loja e trouxe-lhe isto. Sinto muito, Janers ".

Janie sorrisos e seus olhos enchem-se. Ela pega a caixa e as plantas, define a planta perto da janela. "É muito
bonito", diz ela. "Obrigado." Ela abre a caixa. "Oh, uau, donuts." Ela ri e vai com ele. Abraça perto. "Rock
You, Cabe".

Cabel encolhe os ombros, um pouco envergonhado. "Achei donuts são alimento bom conforto. Mas vou
corrigir algumas senhoras jantar, também, para que você não tem que mexer com ele. "

Janie balança a cabeça, perplexo. "Para quê?"

"Isso é o que você faz quando alguém morre. Você trazer caçarolas e KFC e merda. Charlie tem todos os
tipos de alimentos, quando meu pai morreu no xilindró, e ninguém sequer gostava de meu pai. Eu estava no
hospital, mas Charlie me escapado algum. . . Deus, estou divagando. "Kabel embaralha seus pés. "Eu estou
indo só para calar a boca agora".

abraços Janie ele bem novamente. "Isso é realmente estranho."

"Sim", diz ele. Ele acaricia os cabelos. Beija na testa. "Eu sinto muito sobre Henry."

"Obrigado. Quero dizer, todos nós sabíamos que ele ia morrer. Ele é realmente apenas um estranho ", disse
Janie. Mentiras.

"Still", diz Cabel. "De qualquer forma, ele é seu pai. Isso é preciso se sentir mal, não importa o quê. "

Ela encolhe os ombros. "Eu não posso. . . ", Diz ela. Não quero ir para lá. Ela tem outras coisas imediatas
para pensar agora.

Como forma de obter sua mãe, bêbado, vestindo camisola a um funeral.

17:59
Em vez de aquecer a casa ainda mais por cozimento, Cabel pega o jantar. Aparentemente, o cheiro de frango
frito, biscoitos e penetra no Portal de tristeza, como Dorothea aparece e ajuda-se silenciosamente para o
alimento antes de recuar novamente.

O diretor da casa funerária chamadas. Janie primeiro escreve as coisas freneticamente, em seguida, discute
opções de acordo com ele. Ela está aliviada em saber que os judeus têm os seus funerais o mais rapidamente
possível. Isso serve muito bem dela. E sem entrar em contato com os parentes, que defina o serviço para a
manhã seguinte, às onze horas.

Depois que ela desliga, Janie chicotes através da roupa e fica dificulta algumas roupa suja juntos para a
lavanderia. Ela empurra o carrinho em Cabel, e então ela se lembra que prometeu Cathy uma nota. Ela
rabisca algo num pedaço de papel e entrega-a Cabe, junto com um rolo de fita adesiva. "Você pode dirigir
para fora de Henry e manter isto em sua porta da frente?"

"Não há problema", diz ele. Ele dirige para fora da porta, enquanto os ferros Janie um vestido e depois limpa
a poeira de um par das antigas, raramente apartamentos usados.

"Não é justo", ela murmura. "É totalmente não."

08:10

Cabe aparece na porta da frente com a roupa fresco, limpo, e quase, uma espécie de dobrada. "Nota sobre a
porta, serviço de lavandaria está acabado".

Janie sorri e leva a cesta. "Obrigado. Você é maravilhosa. "

Cabel sorri. "A roupa não é o meu forte área de especialização, mas eu consigo. Posso ficar com as
calcinhas? "Ele sorri e faz fora de casa.

"Uh. . . você terá que perguntar à minha mãe. "Janie ri.

Cabe cringes. "Oof. Fuck e ugh. Hey, eu vou deixar você fazer outras coisas. . . e dar-lhe o seu espaço.
Chame-me se você precisar de mim. Eu vou pegar vocês até amanhã para o funeral, se você quiser. "

"Obrigado", diz ela. "Sim, isso seria ótimo."

Janie relógios-lo ir.

Quarta-feira
09 de agosto de 2006, 08:46

Cabel bate na porta. "Estou arrependido de bug você", diz ele. "Eu não estou tentando. Eu sei que você
precisa de espaço. Mas aqui está o pequeno almoço, assim você não tem que mexer com ele. "

Janie morde o lábio inferior. Leva a bandeja. "Obrigado."

"Voltar mais tarde." Ele sprints em todo o quintal de sua casa.

Janie bate firmemente na porta do quarto da mãe.

"E agora?"

"Mãe? Eu tenho um café da manhã para você ", diz ela com a porta fechada. "Kabel fez. Ele vai estar de
volta aqui em 1030 para nos levantar para o funeral, então você precisa estar pronto. "
Silêncio.

"Mãe".

"Basta configurá-lo em meu armário."

Janie entra. Dorothea Hannagan está sentado na borda da cama, balançando para trás e para frente. "Você
está bem?"

"Coloque-o lá e git daqui."

Janie olhares para o relógio, jogos da placa na cômoda e sai da sala, um sentimento de afundamento em seu
estômago.

Ela lúpulo no chuveiro e deixa de lavagem com água fria sobre ela. Não é tão quente hoje fora. Isso vai ser
um alívio no funeral, destacando-se pelo local da sepultura sob o sol.

Janie's só foi a um funeral outros em sua vida, sua avó, em Chicago há muito tempo. Aquele foi em uma
igreja e havia muitos estranhos de cabelo azul lá. Eles tinham pães e biscoitos presunto açúcar e suco de
laranja depois, ela lembra, e Janie correu no porão da igreja com um grupo de primos distantes até os mais
velhos os fez parar. Isso é tudo Janie lembra.

Janie escolheu um grave serviço local para Henry. É difícil para as pessoas adormecem quando está de pé do
lado de fora.

Mesmo os bêbados.

09:39

Ela lembra-se agora por que ela não gosta de vestidos.

09:50

Janie bate timidamente na porta de sua mãe.

Não há nenhuma resposta.

"Mãe?"

Com apenas quarenta minutos para percorrer antes de Cabel pega-los, Janie está ficando nervoso. "Mãe", diz
ela, desta vez mais alto. Por que tudo tem que ser tão difícil?

Finalmente, Janie abre a porta. Dorothea está sentado na cama, um copo de vodka na mão. O cabelo dela
ainda é gorduroso. Ela ainda vestindo a camisola. "Mãe!"

"Eu não vou." Dorotéia diz. "Eu não posso ir." Ela dobra sobre, envolve seu braço em torno de seu
estômago, como dói, ainda segurando o copo. "Eu estou doente."

"Você não está doente, você está bêbado. Get seu burro para o chuveiro, agora. "

"Eu não posso ir."

"Mãe!" Janie's perdê-lo. "Deus! Por que você tem para fazer isso? Por que você tem que fazer tudo tão
difícil? Eu estou girando sobre o chuveiro e você está ficando na mesma. "
stomps Janie ao banheiro e liga o chuveiro. Pisa de volta ao quarto de sua mãe e pega a bebida da mão de
Dorothea. Bate-la no armário e ela espirra toda a sua mão. Puxa a mãe pelo braço. "Come On! Eles não vão
atrasar este funeral para você ".

"Eu não posso ir!" Dorotéia diz, tentando soar firme. Mas seu corpo frágil não é páreo para a força Janie's.

Janie puxa a mãe para o banheiro e empurra-a para o chuveiro, ainda vestindo a camisola. Dorotéia grita.
Janie alcança e agarra xampu, lava o cabelo da mãe. É tão gorduroso que não espuma. Janie tem um outro
punhado e tenta novamente.

Dorothea garras de Janie, agora também ensopadas em seu vestido. Janie tem cabeça de sua mãe de volta
para a água corre sobre ela, enxaguar o xampu. "Você estragar tudo", afirma Janie. "Eu não vou deixar você
estragar tudo. Agora, "Janie diz como ela transforma a água fora e pega uma toalha," Tire a camisola
ridícula e seca-se. Eu não posso acreditar que isso está acontecendo. Estou tão realizada com isso. "Janie
vira abruptamente e talos de fora, todo molhado, para seu próprio quarto para encontrar algo adequado para
vestir.

Todos os Janie pode ouvir algum baralhar em torno da casa de banho. Ela funciona através de uma escova
de cabelos e fixa a sua composição empapado. E então ela vai ao quarto de Dorotéia, tira o vestido e roupas
de baixo, e os leva para o banheiro. Encontra sua mãe ainda se enxugando.

Janie olha para a mãe, um rato sujo, tão fino picar os ossos através de sua pele. Seu rosto é cansado,
desanimado. "Venha, Ma," Janie diz baixinho. "Vamos começá-lo vestido."

Desta vez, Dorothea vai tranquilamente, e à luz empoeirada do quarto de Dorotéia, Janie ajuda a mãe ficar
pronto. Escovas de cabelos, puxa para trás em um coque. Aciona o interruptor de luz e coloca um pouco de
maquiagem sobre ela. "Você tem as maçãs do rosto bonito", disse Janie. "Você deve usar o cabelo para trás
com mais freqüência."

Dorotéia não respondeu, mas dicas queixo acima de um entalhe. Ela molha os lábios. "Eu vou precisar do
resto do que o vidro", ela diz baixinho: "se eu vou passar por isso."

Janie olha sua mãe no olho, e Dorotéia o olhar cai no chão.

"Eu não tenho orgulho disso, mas é a verdade". Twitches lábio Dorothea.

Janie acenos. "Ok". Ela se vira como ela ouve a porta da frente aberta e Cabel carro está funcionando na
garagem. "Nós estaremos lá!", Ela grita.

"Tome seu tempo, senhoras. Estou alguns minutos mais cedo, "Cabe diz.

bebidas Dorothea a vodka em dois goles e se encolhe. Suspira, mas soa mais como um fardo do que um
alívio. , Ela toma a garrafa de vodka na tabela pelo seu leito e se atrapalha com a bolsa, retirar o balão.
Enchendo-o, derramando um pouco, substituindo a tampa.

Janie não dizer nada.

Dorotéia abre sua bolsa e se transforma em Janie. Janie ajuda-la com os sapatos.

"Pronto?" Janie pergunta. "Depois de você."

Dorothea acenos. Ela anda cambaleando para o corredor.


Cabel sorri com a aproximação dos dois. Ele está vestindo um terno cinza escuro e ele parece muito freaking
surpreendente nele. Seu cabelo é domesticado e ainda úmido, enroscando-se apenas pouco mais de seu
colarinho. "Sinto muito por sua perda, a Sra. Hannagan", diz ele. Ele oferece o braço para ela.

Dorothea parece surpreendido por um minuto, mas ela reúne seu juízo e toma-lhe o braço que ele inaugura
até a porta e fora do carro esperando. "Obrigado", ela diz com rara dignidade.

10:49

Eles chegam cedo no cemitério. O local de sepultura é evidente pelo monte de sujeira, a caixa de madeira
suspenso, e do rabino e cemitério dos trabalhadores em torno dele. Há várias outras pessoas em pé, parado
nas proximidades. Cabel puxa o carro para a berma da estrada estreita.

Janie fica fora do carro e ajuda a sua mãe para fora do assento dianteiro. Os três andam juntos, como o
rabino chega para cumprimentá-los.

"Bom dia", diz ele. "Eu sou o rabino Ari Greenbaum." Ele estende sua mão.

Janie leva. "Estou Hannagan Janie. Esta é a minha mãe, Dorothea Hannagan, e meu amigo, Cabel
Strumheller. Eu sou a filha do falecido. "Ela é orgulhosa, ela não gaguejar com ele, mas ela tem sido prática
em sua mente. "Obrigado por nos ajudar com isso. Nós. . . nenhum de nós é judeu. Não, na verdade, de
qualquer maneira. Eu acho. "Ela blushes.

O rabino sorri calorosamente, aparentemente despreocupada com a notícia. Ele se vira e eles caminham
juntos para o local da sepultura. Rabino Greenbaum vai sobre os detalhes da cerimônia e as mãos de cada
um deles um cartão com o Salmo 23 escrito nele.

Dorotéia olha com as palavras no cartão. Ela olha para o caixão. Olha-lo. Sua boca treme, mas ela fica
quieta.

A abordagem de estranhos e ficar em torno dos homens grave site, com várias e algumas mulheres também.
"De minha congregação", explica o rabino. "Os homens preparados seu corpo para o enterro do pai e ficou
com ele durante a noite, depois atuou como pallbearers e levado o caixão aqui."

Janie olha para cima, grato. Pensar isso é tudo tão estranho, mas o tipo de bonito, também. Como pensativo
dessas pessoas para fazer isso, e ter tempo para vir ao funeral de um desconhecido.

Eles ficam perto do túmulo e esperar. Até os pássaros são silenciosos como eles abordam o calor do dia.

Janie olha para o buraco. Vê uma raiz de árvore fino, recém cortado, o seu fim, cru branco degola para fora
da terra. Ela retrata o caixão no fundo do poço, em tudo o que a sujeira pesada, as raízes crescendo e
envolvendo em torno dele, aproveitá-la, rompendo o caixão, apreensão do corpo. Ela balança a cabeça para
limpá-la e olha para o céu azul em seu lugar.

Atrás dela, Janie ouve mais carros se aproximando. Ela se vira para olhar e vê dois pretos e brancos.
Sargentos Baker, Cobb, Rabinowitz e saia, vestido em uniforme. Atrás das viaturas é um sedan preto e
passos do capitão fora.

Charlie e Megan Strumheller estão logo atrás, ainda tan de sua semana no lago. E então, puxa-se com Ethel
Carrie e Stu. Janie lágrimas um pouco. Na distância, um grande caminhão da UPS marrom burburinhos
cemitério até a estrada estreita. Janie não posso acreditar nisso, todas essas pessoas próximas. Ela olha Cabe,
incrédulo. "Como é que eles sabem?", Ela sussurra. Ele sorri e encolhe os ombros.

É tempo.
O rabino cumprimenta o minúsculo congregação de pessoas e fala por um momento.

E então.

"Que ele ao seu lugar de descanso em paz", diz o rabino.

Antes de Janie pode pensar, os trabalhadores do cemitério inferior do caixão à cova e logo todos estão
olhando para seu pai em uma caixa. Avançar para Janie, Dorothea sniffles alto e balança. Janie agarra sua
mãe em torno dos ombros e estabiliza-la como o rabino começa a falar novamente.

E como Janie absorve o fluxo e refluxo das palavras do rabino, a cadência musical dos Salmos, uma pequena
parte de sua vida sufoca nessa caixa de madeira no chão também.

"O Senhor é meu Pastor, nada me faltará." Janie está assustado de seus pensamentos pelo grupo em torno
dela, todos a recitar em voz alta. Ela corre para encontrar seu lugar no folheto e lê junto.

E então o rabino pergunta se alguém quer compartilhar uma história sobre Henry.

Janie olha para a grama.

Depois de um momento, Cathy, vestida em seu pardos padrão UPS, limpa a garganta e os passos para a
frente. Janie pode senti-la endurecer mãe.

"Quem é aquele?" Dorothea silvos de Janie.

Janie aperta o ombro de sua mãe e não diz nada.

"Henry Feingold foi o meu cliente, e ao longo dos anos nos tornamos bons amigos", diz Cathy, sua voz
vacilante. "Ele sempre teve uma xícara de café de oferta ou de uma bebida fresca. E quando ele descobriu
que eu gosto de recolher globos de neve, começou a procurá-los quando ele estava comprando as coisas para
sua loja de Internet pouco. Ele era um homem muito pensativo, e eu vou sentir falta dele e no meu percurso.
. . Sou grato a você, Janie, para deixar-me saber que ele passou para que eu pudesse ter uma chance de dizer
adeus. E é isso. "Passos Cathy de volta ao seu lugar.

"Obrigado. Qualquer outra pessoa? "

nudges Cabel Janie. Ela cutuca-lo de volta.

E então, e, em seguida.

Dorotéia diz: "Eu quero dizer algo."

freaks Janie dentro para fora.

O rabino concorda, e Dorotéia dá alguns passos instável até onde ela pode virar-se e enfrentar a multidão.

O que é que ela vai dizer? Cabe ao olhares Janie, vê os seus olhos estão muito preocupados.

Dorothea voz fina não é fácil ouvir neste amplo espaço aberto.

Pelo menos, não é até que ela começa a gritar.

"Henry era o pai de Jane, aqui. O único homem que eu sempre amei. Mas ele me deixou depois que eu sair
da escola para ele, e meus pais não iam me deixar voltar para casa. Ele era louco e uma pessoa horrível. Ele
arruinou a minha vida, e eu estou contente que ele está morto! "Com isso, Dorothea fumbles no zíper de sua
bolsa.

"Querido Deus," Cabe sussurros.

A pequena multidão é completamente chocado ao silêncio. Janie apressa e orienta a mãe de volta para o
local onde eles estavam. Ela sente o rosto vermelho e em ebulição. O suor escorre pelas costas. Ela
propositalmente desvia os olhos dos convidados. Mortificada.

Não ajuda que Dorothea consegue fazer sua bolsa aberta e faz apenas um pequeno esforço para esconder que
ela está tomando um gole do frasco.

Rabino Greenbaum apressa-se a falar.

Cabe descansa a mão sobre a parte inferior das costas Janie's para confortá-la. Ele olha para o chão e Janie
pode ver o olhar divertido no rosto. Ela se sente como pisar em seu pé. E empurrando a mãe para o buraco
grave. Perguntando que tipo de comédia que tornaria a cena em.

Janie olha para cima e chama a atenção do rabino. "Posso dizer algo?", Pergunta ela.

"É claro", diz o rabino Greenbaum, embora ele parece incerto.

Janie permanece onde ela está de pé e só olha para o caixão. "Eu conheço o meu pai para uma semana", diz
ela. "Eu nunca vi ele mover, nunca olhou nos olhos dele. Mas, nesse curto espaço de tempo, eu descobri
muito sobre ele. Manteve-se a si mesmo, não incomoda ninguém, apenas vivido a vida que foi dada a
melhor maneira que sabia.

"Ele não era louco," ela continua.

"Era também", Dorothea murmura.

"Ele não era louco, repete" Janie, ignorando a mãe, "ele só tinha um problema raro que é realmente difícil de
explicar para quem não entende isso." Capturas sua voz. Ela olha para sua mãe. "Eu penso, e eu sempre vou
acreditar, que Henry Feingold era uma boa pessoa. E eu não estou nada contente que ele está morto. "Janie's
lábio treme. É como a dormência de repente vestindo fora. "Eu gostaria de ter ele de volta para que eu
pudesse conhecê-lo." Lágrimas escorrem o rosto dela.

Quando é claro que Janie disse tudo o que ela tem a dizer, o rabino conduz Kaddish, a oração um. Então, ele
sorri e acena Janie para vir ao redor do outro lado da sepultura, orientando-a para o monte de sujeira. Cabel
Dorothea leva pelo braço e segue. Existem várias pás no chão. Cada um escolhe um.

Janie tem uma pá de sujeira e amontoamento detém sobre o buraco no chão. Um filete de sujeira escorrega e
bate o caixão abaixo. Ela dificilmente pode suportar para transformar a pá. O rabino murmura algo sobre o
retorno ao pó, e, finalmente, ela se transforma ao longo da pá. O baque da sujeira na madeira machuca seu
estômago.

Dorotéia faz o mesmo, com os braços tremendo, e Cabel ele também, e, lentamente, cada membro da
pequena multidão toma um pá de sujeira e libera-lo para o buraco. Eles continuam a encher.

E isso é quando Dorothea perde.

Ela cai de joelhos, quase como se ela só agora percebi a verdade dele. "Henry", ela chora. Soluços vez de
tremores profundos. Janie apenas está ao seu lado, incapaz de ajudar. Recusando-se a tentar pará-lo.
Uma bagunça. Janie pode vê-lo agora, todos os caras do departamento de falar sobre a mãe de Janie é o
bêbado, o que arruinou um funeral, o que fodido ao redor e tinha uma filha ilegítima e não está apto para
fazer muita coisa, mas ser um embaraço . Ela sacode a cabeça, com lágrimas escorrendo por seu rosto
enquanto ela fica mais sujeira.

Não importa de qualquer maneira.

Quando terminar, o monte de terra fresca socada fora, Janie sabe que ela tem de enfrentar os convidados.
Cabel Dorotéia fica para o carro.

Janie estabelece sua pá no chão. Ela se ajeita novamente eo capitão está lá.

Capitão abraça Janie. Mantém-la. "Você fez bem", diz ela. "Estou tão triste por sua perda."

"Obrigado", disse Janie, lágrimas fluindo fresca novamente. Esta não é a primeira vez que Janie's chorou no
ombro do capitão. "Estou muito envergonhado".

"Não". Captain voz é firme, é um comando. Para Jane, é bom ter alguém comandando o show por um
momento, pelo menos. Um alívio. Capitão mimos volta Janie's. "Você vai ficar sentado shivá?"

Janie afasta a olhar para ela. "Eu não penso assim. O que é isso, mais uma vez? "

Capitão sorrisos. "É um momento de luto. É geralmente uma semana, mas o que você decidir. "

Janie sacode a cabeça. "Nós". . . Eu não. . . Eu nem sabia que eu era meio judeu até a semana passada. Nós
não praticamos, nem nada. "

O capitão concorda. Leva a mão dela. "Venha ao meu escritório, quando estiver pronto. Sem pressa, ok? Eu
acho que nós precisamos ter uma conversa. "

Janie acenos. "Sim, nós fazemos."

Capitão aperta a mão e Janie Janie cumprimenta os caras do departamento. Janie quer tentar explicar, pedir
desculpas pelo comportamento de sua mãe, mas os caras não deixá-la ter uma palavra sobre o assunto. Eles
oferecem suas condolências e, no final, eles estão fazendo rir Janie. Assim como sempre.

É uma sensação boa.

Cathy permanece junto ao sepulcro até os caras não deixaram, e então ela se aproxima Janie. "Obrigado pela
nota."

"Ele ficaria feliz em saber que você veio, eu penso", afirma Janie.

"Eu deixei cair fora de mais um par de caixas. Eles estão sentados no exterior, o seu passo. Você quer que eu
retorno ao remetente?

Janie pensa por um momento. "Nah", diz ela. "Eu vou cuidar dela. Eu provavelmente vou ter algo que
precisa sair amanhã, então, então. . . "Janie não quero explicar aqui. Ela vai ter todo o tempo do mundo para
falar com Cathy na próxima semana.

"Basta solicitar uma pickup como você fez da última vez na internet, ok? Eu vou ter a certeza de obtê-los.
"Cathy olha para o relógio. "Eu tenho que voltar ao trabalho. Você toma cuidado. Estou muito arrependido.
"

"Eu acho que você conhecia melhor do ninguém, Cathy. Lamento muito. "
"Yeah. Sim, obrigado. "Cathy olha para baixo. Ela se vira e caminha para seu caminhão.

Charlie e Megan abraçar Janie em um abraço coletivo. "Vai ficar tudo bem, garoto?" Charlie pergunta.

"Claro, ela é", diz Megan. "Ela é resistente como pregos. Mas estamos aqui para você, se você precisar de
nós, certo? "

Janie acena com gratidão, agradecendo-lhes.

E então, Carrie e Stu existem, oferecendo conforto. Stu está vestindo a mesma camisa e gravata
desatualizado que ele usava para o baile de formatura, e faz sorrir Janie, lembrando. Tanta coisa aconteceu
desde então.

"Eu não posso acreditar quantas pessoas vieram", afirma Janie. "Obrigado. Isso significa muito. "

pega Carrie mão Janie e espreme-lo. "É claro que viria, seu idiota".

Janie sorrisos e apertos de volta. "Hey", diz ela, "onde está o anel?" E então ela pára, preocupado.

Carrie sorri e pega a mão de Stu com ela uma graça. "Não se preocupe. Nós decidimos que nós não
estávamos prontos para isso, então eu dei-lhe de volta. Ele é mantê-lo seguro, não é você, querida? "

"Muito", diz Stu. "A coisa estava pirando caro."

Janie sorri. "Estou feliz que vocês estão fazendo bem. Mais uma vez obrigado por terem vindo, e Carrie-
obrigado por tudo que você fez. "

"A maioria funeral divertido que eu já estive a", diz Carrie.

Stu e Carrie onda adeus e andar pela grama para Ethel, balançando as mãos. Janie relógios ir. "Sim", diz ela.
"Way to go, carebear".

Janie vai até os estrangeiros que permanecem em um pequeno grupo, falando baixinho. "Muito obrigado por
tudo que você fez", disse Janie.

Fala-se de todos eles. "Não obrigado necessário. É uma honra para cuidar dos corpos dos falecidos. Nossas
mais sinceras condolências, minha querida. "

"I-graças. Er. . . "Janie blushes. Ela olha em volta e espiões do rabino. Vai para dizer adeus. Mais tarde,
vendo ninguém, Janie faz sua maneira para o carro.

"Nem uma única flor!" Dorothea está dizendo. "Que tipo de funeral que é isso?"

Cabel mimos da mulher na mão. "Os judeus não acreditam em corte de uma coisa viva para honrar os
mortos, a Sra. Hannagan. Eles não fazem flores de corte. "

Janie fecha a porta e se inclina a cabeça para trás no banco. É bem legal por dentro. "Como você sabe que d',
Cabe?", Pergunta ela. "Peça-a-rabino-dot-com?

Cabel levanta o queixo ligeiramente e coloca o carro no drive. "Talvez."

04:15

Quando há uma batida na porta de tela, Janie desperta-se de um cochilo no sofá, a mãe enfiadas em seu
quarto. Ela fluffs seus cabelos e agarra os óculos.
É Rabinowitz.

"Hi. Come in, "Janie diz, surpreso.

Ele está carregando uma caixa com uma mão e um cesto de fruta no outro. Ele traz para dentro e coloca-los
no balcão da cozinha. "Isso é para ajudar a suavizar o seu sofrimento", diz ele.

Janie é superada. "Obrigado." As palavras parecem demasiado pequenas para expressar o que ela está
sentindo.

Ele sorri e se desculpa. "Eu ainda estou de plantão, mas eu queria deixá-los fora. Lamento pela sua perda,
Janie. "Ele ondas e patos para fora da porta.

Todas as agradável.

Tudo isso.

Ele apenas torna mais difícil.

16:28

Fica para trás no sofá, cheia de bolo.

Pensa sobre o que acontece em seguida.

Sabe que em breve ela vai dizer adeus ao Cabe sempre.

E isso?

Apesar dos benefícios,

Vai ser a coisa mais difícil que ela já fez.

18:04

Ela caminha até calçada esburacada Henrique, mochila nas costas, carregando uma mala e um saco de
roupas. Duas caixas de resto abandonada na frente da porta. Janie vai dentro para depositar o seu material e,
em seguida, puxa a caixas de dentro.

Ela rasga a primeira caixa e retira snowsuit de um bebê. Goes sobre o computador antigo e transforma-lo.
Rifles através do notebook que contém o registro da ordem, em seguida, abre a gaveta debaixo da mesa.
Reacondicionar os snowsuit e escreve o endereço na caixa.

Janie abre a segunda caixa. Pega um pacote de bolha-embalados.

Um globo de neve.

Não é listado como um item que precisa ser enviado para fora.

É por Cathy, ela tem certeza.

Paris. Janie abala o mundo e relógios de ouro, neve reluzente rodando sobre o cinza de plástico da Torre
Eiffel, Notre Dame.

Como incrivelmente cafona.


No entanto, totalmente cheio de um certo tipo de especiais.

Janie sorri, envolve-se novamente e coloca-lo de volta na caixa. Escreve na caixa com um marcador preto:

A Cathy, um último presente.


De Henry.

Janie acabamentos de negócios de seu pai e, em seguida, ela procura, e encontra, o antigo acordo de aluguer.
Henry descobre que foi no mês-a-mês desde 1987, apenas a discussão de uma seleção tão fiel que chega pela
primeira de cada mês. Vai ser mais fácil continuar a partir daqui.

Oh, ela vai deixar o senhorio sabe Henry repercutido. Mas ela vai fazer isso muito tentador para o senhorio
aceitar Janie como o novo inquilino. Ela pode até mesmo pagar o primeiro ano de antecedência, se ela tem
que.

Ela desliga o computador.

Puxa os lençóis da cama e coloca-los na máquina de lavar roupa pouco velho. Decide que vai limpar o lugar
e dormir aqui esta noite.

Aqui, em sua nova casa.

É um alívio enorme pânico.

MEMÓRIAS
20:43 Ainda no dia do funeral.

A primeira noite em seu novo local. Isolamento, um dia.

Lavandaria feito, a casa espanado, sanduíche comido, lista de compras feitas, Janie senta-se em sua cama
nova com caixa de Henry sapato cheio de memórias.

Exterior:

• quatorze letras de Dottie


• cinco cartas fechadas para Dottie de Henry, marcado como "Return to Sender"
• uma medalha, manchada de uma pequena escola da equipe de cross-country
• um anel de classe
• dois envelopes contendo fotografias
• um lunático e um dólar de prata
• Nove clipes
• carteira de motorista idoso
• e um pedaço de papel dobrado

Cautelosamente, Janie tem as fotos fora dos envelopes e olha através deles. Instantâneos de Dorothea,
toneladas delas. Fotos dos dois deles, rindo. Se divertindo. Beijar e deitados juntos na praia, feliz sorrisos em
seus rostos. On the rocks grande cinza perto do Lago Michigan, um sinal no fundo que diz: "Cais da
Marinha." Eles parecem muito bons juntos. Dorotéia é bonita, especialmente quando ela sorri. Inacreditável.

Janie reconhece também a sala de estar nas fotos. Henry com os pés em cima da mesa do café mesmo, as
cortinas mesmas velhas nas janelas, Dorothea estendido no sofá a mesma velha merda, apesar de tudo parece
quase novo nas fotos. Tudo é a mesma. Janie olha novamente para as fotos do feliz casal.

Bem, talvez nem tudo é o mesmo.


Janie coloca as fotos em ordem cronológica de acordo com o carimbo digital de tempo vermelho marcado
no canto de cada foto, e ela imagina que o namoro. O verão vendaval de 1986, quando trabalharam juntos na
Casa de Lou em Chicago, depois há uma pausa de fotos da queda que deve ter sido o tempo que eles foram
separados, Dottie na escola e Henry em U de peeks M. Janie as letras na caixa de sapato de Dorotéia e vê os
selos de correio em cada envelope aberto, todos foram marcados a partir de 27 de agosto a outubro desse
ano. Quatorze cartas escritas à mão em dois meses, Janie pensa. Isso é amor.

O segundo grupo de fotografias começar em meados de novembro de 1986 e na última foto está estampada
01 de abril de 1987. April Fool's Day. Vai entender. Janie tem a matemática para trás de seu aniversário, 9
de janeiro de 1988. Isso é sobre a direita, ela pensa. Nove meses antes teria sido 09 de abril de 1987. Não foi
por muito tempo após a última foto antes de fazer um bebê, e então era splitsville.

Ela dedos as letras, extremamente curioso. Over-dora curioso. Dead freaking curioso. Ela ainda pega o
primeiro e executa o seu dedo indicador ao longo da dobra da carta dentro do envelope. Mas então ela põe
para baixo.

É como as letras são sagrados ou algo assim.

Isso, e eww. Não há provavelmente algo brutos dentro. Seria quase tão mau quanto se sugado sonho de sua
mãe sexo. Ick e yuck. Blurgh. Depois de ler alguma coisa, você não pode apagá-la do seu cérebro.

Janie coloca as cartas e as fotografias de volta na caixa. Ela pega o loonie e saber quanto tempo foi desde
que seu pai visitou o Canadá. Sorrindo, ela define o loonie para trás para baixo ao lado do dólar de prata e
pega a medalha de cross-country. Ela transforma-o em seus dedos, segurando-o perto de seu rosto e
apertando os olhos para que ela possa ver todos os pequenos recantos e fendas. "Eu sou um atleta muito",
diz ela baixinho. "Só um tipo diferente. O tipo de estrada. "Prende a medalha de fechar e ela pinos-lo em sua
mochila.

Em seguida, Janie olha para a carteira de motorista. Era seu primeiro, expirou há muito tempo. Sua foto é
hilariante e sua assinatura é uma versão infantil do que Janie tem visita em casa.

E então, Janie pega o anel de classe. 1985 é gravado de um lado, e LHS está no outro. Há uma pequena
gravura de um corredor abaixo das letras. O anel é de ouro com uma pedra de rubi e é bonita. Janie imagina-
lo no dedo de Henry, e depois ela volta para as fotografias e os espiões ali, à sua direita. Janie desliza-lo em
seu próprio dedo. É grande demais. Mas ele se encaixa o dedo. Ela leva-lo eo coloca de volta na caixa.

Então pega-lo novamente.

Coloca-o em seu polegar.

Gosta como ele se sente lá.

23:10

Depois de passar por tudo, mas as letras mais uma vez, Janie encontra o pedaço dobrado de papel com
palavras escritas sobre ele. Abre-lo.

FORK Morton
1889, em ref. a John Morton (c.1420-1500), arcebispo de Canterbury, que empréstimos compulsórios
cobrados sob Henrique VII, argumentando que os ricos, obviamente, poderia ter recursos para pagar e os
pobres, obviamente, eram obviamente vida frugal e, portanto, tinha poupança e também poderia pagar.
Fonte: American Psychological Association (APA):
garfo Morton \ 's. (N.d.). Dicionário Online etimologia. Obtido em Dictionary.com site: garfo
http://dictionary.reference.com/browse/morton \ 's
Janie lê-lo novamente. Lembra o marcador no livro, e uma linha. Lembra que a nota do Miss Stubin disse,
sobre Henry querendo Janie considerar Fork Morton.

"Sim, eu tenho já, Henry. Você tinha uma escolha. Eu sei. "Ela considerou-cerca de um milhão de vezes. Ela
é conhecida desde antes que ela sequer sabia que existia Henry. Pobre Henry não tinha caderno verde de
Miss Stubin. Nem sabia a verdadeira escolha. "Estou muito à frente de você, cara", diz ela.

Janie sabe que a escolha soa como o melhor um para ela. Ou ela não estaria aqui.

Ela amassa o papel e joga na lata de lixo.

Ela dá um último olhar para as letras. E deixa-los ser.

Apaga a luz.

Tosses e voltas, sabendo que amanhã, ela tem muita dificuldade em explicar o que fazer.

06:11

Ela sonha.

Henry está em uma rocha gigante no meio das corredeiras no topo da cachoeira.

Seu cabelo se transforma em um enxame de vespas. Eles buzz em torno de raiva.

Se ele cai, as vespas podem ir embora, mas ele vai morrer caindo da cachoeira.

Se ele ficar sobre a pedra, ele vai ser picado até a morte.

Janie relógios ele. Em um banco stands morte, seu longo manto negro imóvel na brisa. Na outra margem é
velho Martha Stubin em sua cadeira de rodas. Blind, gnarled.

Henry esmaga-se sobre a rocha e tenta lavar o Hornets fora de seu cabelo. Isso só torna furiosa. Eles
começam a picar, e ele grita, batendo neles, inútil para detê-los. Finalmente, ele cai e sobe a pedra sobre a
cachoeira. Mergulhando para a morte.

Janie encaixar acordado e senta-se com um suspiro, desorientado.

Senta-se ali, afundando de volta no travesseiro, tentando levá-la a freqüência cardíaca de volta ao normal.

Pensamento.

Hard.

Mais difícil.

E então as almofadas sobre o computador e espera na madrugada fria para que a inicialização e se conectar à
Internet.

Parece até Morton's Fork novamente. Por que não Morton's Fork ir embora? Por que eu continuo correndo
para este conceito estúpido? Eu sei, já. Sério mesmo. I. Obter. Ele. Eu entendo mais do que Henry nunca
consegui.

Ela encontra-lo. Paráfrases sob sua respiração. "A escolha totalmente chupar-burro entre dois resultados
igualmente terrível. Ok, ok. Certo? Eu sei disso. "
Ela pensa mais sobre isso, no caso, ela está faltando alguma coisa.

Pensa em Henry.

Henry Morton's Fork era óbvia. Ele escolheu o isolamento durante a tortura ea natureza imprevisível de ser
sugado sonhos. Essa foi sua escolha. Isso é o que ele sabia.

Igualmente terrível.

Sim, Janie poderia argumentar que suas opções foram igualmente terrível. É um jogo de dados. Ele poderia
ter ido uma ou outra maneira.

Ela pensa em Martha Stubin. Sobre como, quando ela era jovem, seus Morton's Fork foi exatamente o
mesmo Henry, e ela tivesse escolhido o outro caminho. Ela não sabia, no momento de sua escolha, o que
aconteceria com ela. Mas então, ela se tornou cego e aleijado.

Que adiciona um fator. E isso faz Fork Janie's Morton é diferente.

Janie tem a maior parte das informações de todos eles.

Ainda assim, isso não é notícia. Ela teve toda esta informação uma vez que o caderno verde.

Igualmente terrível.

O prazo de niggles cérebro Janie's e ela começa a andar ao redor da pequena casa, o assoalho de madeira
legal e suave em seus pés descalços.

Ela abre a geladeira e olha para ele, realmente não ver nada dentro, e pensa sobre sua opções.

Discute com ela.

Sim, é igualmente terrível. Cabe a sociedade e deixar para ir morar em um barraco, sozinho? Sim, que se
sente muito terrível. Tão terrível quanto a tornar-se cego e aleijado? Sure.

Não é?

Mas o que se Cabe não foi um fator?

Isolamento. Saindo para viver sozinho, eremitas fazê-lo. Monges fazê-lo. As pessoas realmente optar por
fazer isso. Para isolar.

Ninguém em sã consciência escolhe cego e aleijado, não depois de muito pensar sobre isso, como fez Janie.
Martha não escolhê-lo-simplesmente aconteceu. Ela não sabia que isso iria acontecer. Ninguém jamais
escolhe.

Ninguém.

A menos que a única alternativa é igualmente ruim.

Ela está pensando. Pensando Henry. Como ele morava. Como ele morreu. Sobre como ele ficou calmo,
finalmente. Depois. Só depois ele foi sugado sonho Janie's.

"Não é melhor não", ele disse durante o seu sonho anterior. Segurando a cabeça. Puxar o cabelo para fora.
Mas ele estava falando sobre sua versão de Morton's Fork. Sua escolha. Janie conhece Henry não poderia ter
conhecido a verdadeira escolha que ele não sabia sobre Miss Stubin e sua cegueira, com as mãos. Ele ainda
não sabe, provavelmente, a menos que ela lhe disse. Depois.

07:03

Janie cérebro não vai deixá-lo morrer.

Porque o que se?

Que se o problema de Henry doença cérebro realmente não era real, como um tumor ou aneurisma, que as
pessoas normais têm?

Que se. . . E se fosse uma conseqüência?

A enxaqueca, a dor. Puxar o cabelo para fora. Como se não houvesse tanta pressão.

De não usar a habilidade.

Pressão de não entrar em sonhos de outras pessoas.

Tanta pressão, as partes de seu cérebro explodiram.

"Noo-o", diz ela baixinho.

Senta-se ali, congelada.

Em estado de choque.

E então ela cai de sua cabeça. Repousa seu rosto sobre a mesa.

Gemidos.

"Merda, Henry", ela diz baixinho. Ela suspira e fecha os olhos, e eles começam a picar e queimar. "Você e
seu maldito Morton's Fork".

O Último Dia
Quinta-feira 10 de agosto de 2006, 07:45

Janie ainda senta na mesa de Henry. Em estado de choque. Negação.

Mas, no fundo, ela sabe que é verdade. Tem que ser. Tudo faz sentido.

Não posso acreditar que tudo se resume a uma escolha totalmente diferente do que ela e Miss Stubin-
pensava o tempo todo.

Não entre o isolamento e ser cego e retorcida.

Mas entre ser cego e retorcidas, e isolando até explodir o seu cérebro.

"Gaaah!" Janie mensagens. Essa é uma grande coisa sobre esta casinha no meio do nada. Ela pode gritar e
ninguém chama a polícia.

Ela quedas para trás na cadeira. Então, lentamente, levanta-se.


Cai na cama e só fica lá, olhando para a parede.

"E agora?", Ela sussurra.

Ninguém responde.

09:39

Levanta-se. Olha ao redor da barraca pequena. Sacode a cabeça.

Desculpe.

Então, muito triste.

E agora, olhando para um novo conjunto de opções igualmente ass suck, uma bifurcação Morton verdade,
ela percebe que ela tem uma nova escolha a fazer.

Ela se senta de pernas cruzadas sobre a cama, papel e caneta na mão, e põe todos para fora. Prós e contras.
Benefícios e malefícios. Chupar chupar versus.

Miss Stubin vida, ou Henry?

Que se faz Janie quer?

"Sem arrependimentos", Miss Stubin tinha dito no caderno verde. Mas ela não sabia a verdade.

"Não é melhor não", Henry tinha dito no sonho. Ele não sabia.

Janie, sozinho no mundo, é o único que conhece a verdadeira escolha.

10:11

Ela chama o Capitão.

"Komisky. Hey, Janie, como você está fazendo? "

"Oi, meu capitão-ok, eu acho. Você tem tempo para falar hoje? "

"Um segundo". Janie ouve Capitão unhas clicando em seu teclado do computador. "Como meio-dia? Vou
agarrar takeout, podemos almoçar no meu escritório. Bom som? "

"Parece ótimo", disse Janie. Ela desliga o telefone.

Sente o friozinho na barriga.

E então.

Ela sacode a cabeça e começa a embalagem.

Arrumando as coisas que ela trouxe para cá, quebrando-os em sua mala para fazer tudo se encaixar. Na
esperança de levar tudo isso em uma carga.

Ela vai voltar para casa.


Se não fosse Cabe, ela provavelmente iria apenas arriscar. Mantenha-se isolado. Em caso ela é
absolutamente errado sobre o que realmente aconteceu com Henry.

Mas ela tem quase certeza que ela está certa.

É uma coisa do intestino.

So.

Não é.

Janie agarra uma alça de sacola debaixo da pia Henry e preenche-lo com todas as coisas que ela não poderia
caber em sua mala. Sacode a cabeça de vez em quando.

Ainda não consigo acreditar.

Antes que ela sai, ela chama senhorio de Henry para que ele saiba que Henrique morreu. Então, ela fecha
loja online de Henry para o bem, agenda um coletor para o último item restante, e deixa o dom globo de
neve fora de um sinal para que Cathy não perdê-la.

Ela define a sua mala para baixo. Fecha a porta atrás dela, deixando-desbloqueado, assim como ela
encontrou.

Toma uma respiração profunda de ar país e mantém em, deixa-lo lentamente.

Olha para o sol chá certamente potente, ainda repousa sobre o capô do vagão de estação.

Pega a sua mala. E sai.

Crunches baixo da garagem cascalho como uma pessoa sem-abrigo, levando todo o lixo ela.

Não olhe para trás.

Quando ela chegar em casa, ela coloca suas coisas fora de seu quarto, e do saco, ela puxa a caixa de sapatos,
todas as letras intocada. Janie, medalha derrotou a sua mochila e um anel em seu dedo, leva a caixa para a
cozinha e coloca-a sobre o balcão ao lado da atração de Rabinowitz fruta e bolo.

1l: 56 h.

Janie cumprimenta os caras como ela faz o seu caminho através do departamento ao escritório do capitão.
Ela pára no balcão de Rabinowitz para agradecê-lo novamente para os doces, mas ele não está lá. Janie
sorrisos e rabiscos uma nota sobre um pedaço de papel em vez do zero.

Então, ela bate na porta do capitão.

"Vem!"

Janie entra. O cheiro de comida chinesa faz seu estômago roncar. Capitão é o que define as placas de papel e
talheres de plástico. Ela abre as embalagens para alimentos e sorri calorosamente. "Como vai você?"

Janie fecha a porta e senta-se. "Oh, você sabe", diz ela levemente. "Crazy, como de costume." Ela pega o
guardanapo e cascas de um fora da pequena pilha, colocando-a junto à placa de capitão.

"Help yourself", diz o capitão. Eles prato de comida fora.


Parece estranho, o silêncio, apenas a duas delas. Comer. Janie dedos do novo anel em seu dedo e,
acidentalmente, dribla molho de castanha de caju frango em sua blusa branca. Tenta desesperadamente para
limpá-lo com o guardanapo antes de sets.

Capitão chega em sua gaveta, a gaveta que parece ter tudo o que alguém poderia precisar e puxa um pacote
individual de Shout Wipes. Tosses para Janie.

Janie sorri e rasga-la aberta. "Você não tem absolutamente tudo naquela gaveta. Snacks, Steri-Tiras, wipes
alimentos mancha, plasticware. . . o que mais? "

"Qualquer coisa e tudo que uma pessoa precisa para viver por vários dias", diz o capitão. "Kit de costura
para emergências botão, grampos de cabelo, produtos de higiene, defina uma chave de fenda, SwissChamp
canivete e não, você não pode contrair empréstimos, ele é o único super-caro. Vamos ver, apito de cão,
deleites do cão, a polícia apito, anti-veneno, EpiPen, garrafas de água. . . ea bagunça tradicional das bandas
de borracha, clips de papel e selos desatualizado. Alguns tostões ".

Janie ri. Relaxa. "Isso é incrível." Toma uma mordida.

"Eu era um escoteiro." Enfrentam sérios Capitão nunca vacila.

Janie bufa, e depois se pergunta se o capitão não estava brincando. A gente nunca sabe com ela.

"Então", diz o capitão. "Temos um grande trabalho de recuperação para fazer." Ela acrescenta creme para o
café. "Minha avaliação é que a sua brilhante emergência pequena família na semana passada teve algo a ver
com o seu pai morrer. True? "

"True", afirma Janie.

"Por que diabos você não me diga que era antes?"

Janie olha para cima rapidamente. "Eu"

"Nós somos uma família aqui, Hannagan. Eu sou sua família, você é minha família, todo mundo aqui é um
membro da família. Você não dis sua família. Você me diz quando algo grande como isso está acontecendo,
você está me ouvindo? "

Janie limpa a garganta. "Eu não queria incomodá-lo. Não é como eu mesmo conhecia. Bem, não realmente.
Ele estava inconsciente o tempo todo. "

suspiro do Capitão sai como uma explosão de advertência de um motor a vapor. "Pare com isso."

"Sim, senhor".

"Graças a Deus Strumheller teve bom senso suficiente para dizer-me sobre o funeral, ou que teria sido
torrada."

"Sim, senhor." Janie's perder seu apetite. "Eu sinto muito."

"Good. Agora, seu pai. Vamos falar sobre ele. Era um apanhador de sonhos também? "

Janie's gotas da maxila. "Como você sabia?"

"Você disse isso em seu depoimento. Entre as linhas. Você disse que ele tinha problemas que as pessoas não
entendem, mas você entendeu ou qualquer coisa assim. folk normal não teria adivinhado o que você
realmente queria dizer. "
Janie acenos. "Eu não tinha a intenção de dizer que, apenas saiu. Mas sim, era um dream catcher isolado. "

"Ahh, isolado. Como o que você está considerando. Bem, não admira que não sabia sobre ele ", diz o
capitão. "Como você soube?"

"Eu entrei em seus sonhos."

"Oh?"

"Uh. . . yeah. Descobri algumas coisas interessantes. "

"Eu aposto. E como você sabia que seu motorista da UPS, a Sra. Hannagan? Parece um pouco estranho que
você nunca tenha falado com seu pai, mas pelo que ela disse em seu depoimento, que aparentemente teve
uma conversa prévia com esta senhora em marrom. "Capitão dá uma mordida de seu almoço. "O que é isso
no seu dedo? Parece que o ensino médio bling para fora da direita da década de oitenta. Mm-hmm. Não
responder a isso. "

Janie sorri. Seu rosto fica vermelho. "Sim, senhor".

"Muito detetive que você é, mesmo quando você não está em missão".

"Eu acho".

"So. Você já tomou uma decisão? O que falamos? A única coisa de isolamento?

Janie define o garfo para baixo. "Sobre isso, diz ela, um olhar preocupado no rosto. "Eu, uh. . ".

Capitão Janie olha no olho. Não diz nada.

"Eu estava indo. Quer dizer, eu tomei uma decisão. "Janie's com um tempo terrível dizê-lo.

Capitão do olhar não se abala.

"E acaba, ele não está indo trabalhar depois de tudo."

Capitão se inclina para a frente. "Diga-me," ela diz baixinho, mas tem uma vantagem a ele. "Come on".

Janie é confusa. "O quê?"

"Say it. Pelo amor de Deus, fazê-lo. Compartilhe algo que se passa na misteriosa que o cérebro de vocês.
Você não tem que sempre manter tudo dentro eu sou um bom ouvinte. Realmente ".

"O quê?" Janie diz novamente, ainda intrigado. "Eu só"

Capitão acena encorajadora.

"Ok, acabei bastante descobri que Martha Stubin tinha errado. Minhas escolhas são diferentes, nem eu me
tornar como ela, ou eu me tornar como ele. Meu pai. Ele isoladas. E seu cérebro explodiu. "

O capitão levanta uma sobrancelha. "Explodiu. Termo médico? "

Janie ri. "Não é verdade."

"O que mais?" A voz do Capitão perde a ponta.


"Bem, então eu acho que eu vou viver em casa, depois. E, eu acho, ir para a escola como o planejado. Quero
dizer, é um toss-up-cego e aleijado em meus vinte anos, morto de uma explosão em meu cérebro quase
quarenta anos. O que você escolheria? Eu acho, porque eu tenho Cabe, eu vou escolher cego e aleijado. Se
ele pode lidar com isso, o que é. "Janie lembra de seus sonhos.

"Será que ele sabe disto? Nada disso, afinal? "

"Er. . . não ".

"Você sabe o que eu digo sempre, né?"

"Fale com ele. Sim, eu sei. "

"Então faça isso, então!"

"Ok, ok." Janie sorri.

"E quando as coisas se acalmarem após sua semana terrível, e você começa a sentir-se bem sobre a escola,
porque você vai, nós vamos falar sobre você e seu trabalho. Ok? "

"Ok". Janie suspiros. É um alívio tão grande.

Eles arrumar os restos do almoço.

"Antes de ir", diz o capitão, rolando sua cadeira até o arquivo e abrir a gaveta do meio, "aqui está algo que
não é útil para você, basta lançá-lo. Eu não vou ficar ofendido. "Ela puxa uma laranja de papel fotocopiado a
partir de um arquivo, pregas, e as mãos para Janie. Stands e caminha até a porta da Janie. "E se você quiser
falar sobre isso, você sabe onde me encontrar. Da Família. Não se esqueça. "

"Ok". Janie pega o papel e sorriu. "Obrigado pelo almoço. E tudo mais. "Ela se levanta e se dirige para a
porta.

"Você é bem-vinda. Agora, pare de me incomodar. "Ela sorri e relógios Janie ir.

"Yesss," Janie diz que ela sobe os degraus do nível da rua. Uma conversa dura sobre. Vai para fora e anda
até à paragem de autocarro. Ela abre o papel de laranja e vesgo, lê-lo.

Depois de um momento, ela dobra novamente devagar, pensativo, e coloca em seu bolso.

13:43

Ela pega o ônibus para ela parar de vizinhança. Ninguém sonha esta tarde.

Caminha para a Kabel.

Ele está pintando a porta da garagem agora.

Janie está na grama ao lado da rodovia e vê-lo.

Pensa sobre todas as coisas que têm acontecido nos últimos dias. A viagem toda ela foi por diante. Os
pontos baixos, e os reduz.

Ela pensou que teria que dizer adeus.

Forever.
E agora, ela não faz.

Deveria se sentir tão bem.

Mas ainda há a questão dos seus sonhos.

Ela limpa a garganta.

Cabel não virar. "Você está tranquilo", diz ele. "Não estava certo quanto tempo você ia ficar lá."

Ela morde o lábio.

Enfia as mãos nos bolsos.

Ele se vira. Tem a pintura em seu rosto. Os olhos moles e crespa. "What's up? Você está bem? "

Janie está lá.

Tenta parar o tremor.

Ele vê-lo. Estabelece o seu pincel.

Avança para ela. "Oh baby," diz ele. Puxa o seu próximo. Mantém-se. "O que é isso?"

Strokes seu cabelo enquanto ela chora em sua camisa.

02:15

Na grama, sob a sombra da árvore no quintal. Eles conversam.

Sobre seus pesadelos

E o seu futuro

Por muito tempo, muito tempo.

16:29

É tudo tão complicado.

É sempre com Janie.

É impossível para Janie saber o que vai acontecer, não importa quão duro ela tenta descobrir. Não importa o
quanto Cabe Janie convence que ele não tinha idéia de que ele estava tendo sonhos tão perturbadores, e
admite que talvez ele esteja com medo. Mas também que ele realmente é lidar com as coisas, ele realmente
é.

Não importa o quanto eles prometem tanto para continuar falando merda como este, quando vem à tona.
Porque ele sempre vai.

Não há mesmo felizes para sempre no livro de Janie's.

Mas ambos sabem que há alguma coisa. Alguma coisa boa entre eles.

Há respeito.
E não há profundidade.

Altruísmo.

Um entendimento entre eles, que ultrapassa um inferno de muito mais.

E há aquela coisa de amor.

Então, eles decidem. Eles decidem decidir a cada dia que as coisas virão.

Nenhum compromisso. Nenhum grandes planos. Apenas a vida, a cada dia.

Progredindo. Corte a pressão.

Há bastante pressão mínima em qualquer lugar.

E se funciona, funciona.

Ela sabe de uma coisa, lá no fundo.

Sabe que é difícil. E bom.

Ele é o único cara que ela nunca vai contar.

TI é o que é
17:25 Ainda no último dia.

"Ei, você pode me levar em algum lugar hoje à noite?" Suas faces são liberadas. E ela tem um chupão
maldito. Você faz a matemática.

"Claro. Onde? "

"Lugar para fora em North Maple".

Cabel inclina a cabeça, mas curiosamente não perguntar.

Sabe que ela não irá dizer-lhe de qualquer maneira.

Smiles para si mesmo e balança a cabeça um pouco como ele vai para o fogão para fazer o jantar. "Deus, eu
te amo freaking", resmunga.

06:56

Cabel puxa para cima ao edifício. Janie colegas para fora da janela e, em seguida, verifica o papel de laranja.
"Sim, é isso." Ela está nervosa. Não tenho certeza sobre isso. "Você pode ficar aqui por cerca de cinco
minutos, no caso, você sabe, isso não é legal?"

"Claro, doces. Se eu for embora, quando você sair, apenas o texto de mim. Eu virei a direita para trás. "Janie
Ele dá um aperto reconfortante em sua coxa e beijo na bochecha. "Eu provavelmente vou de cabeça para
baixo a uma das livrarias por aqui. Talvez por unidade campus e dar uma volta. "

"Ok". Janie tem uma respiração profunda e sai do carro. "Veja você." Anda, determinado, para a porta. Não
olhe para trás. Não vê Cabel pegar o papel de laranja do banco onde ela o deixou. Ele lê-lo. Smiles.
19:01

Uma dúzia de pessoas ao redor do moinho de quarto, tomar café e bater papo. Principalmente os adultos,
mas um par de pessoas que parecem ser sobre a idade de Janie. Janie passos na sala, sentindo estranho, não
sei onde estão. Lentamente, ela faz o backup em uma parede e apenas olha ao redor, um sorriso falso no
rosto, tentando não fazer contato visual.

"Bem-vindo", diz um homem atarracado de meia-idade como ele anda até Janie. "Meu nome é Luciano." Ele
tem a mão.

Janie leva. Shakes-lo. "Oi", diz ela.

"Que bom que você veio. Você já foi para Al-Anon antes? "

"Não, esta é a minha primeira vez."

"Não se preocupe. Todos nós temos algo em comum. Deixe-me começar esta coisa começou. "Luciano volta
para o quarto e grita para todos para pegar um lugar na mesa. Janie faz seu caminho, e um jovem Janie
oferece um café. Janie sorri agradecida e aceita, adicionando seus tradicionais três cremes, três açúcares.

O pequeno grupo acalma para baixo e Luciano fala. "Bem-vindo ao Al-Anon. Para quem é novo aqui, este é
um grupo de apoio para as pessoas que estão lidando com os efeitos do álcool em sua vida. "Ele olha para o
rapaz do outro lado da mesa. "Carl, você gostaria de levar a reunião de hoje?"

Janie escuta atentamente a introdução eo depoimento de uma mulher na mesa que fala sobre seu pai,
alcoólatra abusiva. Depois disso, Carl leva uma discussão sobre um dos doze passos.

É bom saber que ela não está sozinha.

E que beber Dorotéia não é culpa Janie's.

Quando ele terminou, Janie tem alguma literatura a partir do prateleiras. Ela desliza para fora da sala, texting
Cabe que ela está pronta e ela vai para fora na noite fria. Pensamento. Percebendo uma tonelada de coisas
sobre sua mãe. E o sentimento, pela primeira vez, que parte do stress da sua vida, parte da responsabilidade,
foi tirado. É uma sensação fabulosa, na verdade.

Pergunta por que ela nunca pensou em fazer isso antes.

08:31

Eles ferramenta ao redor do campus da U M, primeiro carro, em seguida, a pé, andando pelos parques e em
torno de vários edifícios, Cabel apontando o que ele sabe onde as coisas estão e como chegar lá. Parece
estranho e divertido, e assustador, como uma estranha aventura, vagando no campus de uma escola tão
grande. Logo, eles vão ser uma parte de tudo isso.

Eles param para tomar um sorvete na Stucchi e rir para o que se sente como a primeira vez em muito tempo.

Quando Cabel gotas Janie fora, ela o beija docemente, abraça. "Estou muito feliz com o nosso acordo", diz
ela.

"Eu também." Cabe diz. "So. . . amanhã. . . "Ele parece relutante.

"Sim?"
"Eu preciso de algum lixo para a escola. Suponho que, contra a minha melhor juízo, devemos ir às compras.
"

Janie sorri. "Sweet", diz ela. "Eu vou trazer um garfo, no caso de todos começa a ser demais para você e que
você precisa para apunhalar seus olhos para fora."

Ele ri. "Seria irônico se eu fosse cego, antes que você fez, não seria?"

Eles compartilham um sorriso irônico. A persistente, beijo soulful.

11:05

Cabe quando sai da garagem, Janie caminha lentamente para a casa e se senta no degrau. Só pensa em coisas
e coisas e coisas.

Como o tempo Cabel trouxe para esta etapa em seu skate.

E ela pensa Miss Stubin, e como ela realmente nunca teve uma chance de dizer adeus. Ela está feliz com a
nota sobre a cadeira.

Ela pensa sobre o capitão, e seus olhos ficam enevoadas. Família, ela disse.

É bom ter a família como essa.

Janie transforma anel Henry para que ele pega o brilho do lampião. Os brilhos de rubi. Ela faz um punho.
Prensas o anel de lábios. Mantém-lo lá. Em seguida, levanta-se para o céu. Diz: "Ei, Henry. . . "E pára,
porque a garganta dói muito para ir adiante.

Janie ouve os grilos e sapos de árvores ou fios, zumbindo em seus últimos dias de verão, antes os sons de
folhas crocantes assumir mais uma vez.

Ela pensa em sua mãe de maneira diferente. Uma nova forma, esta noite. Planos de voltar para uma outra
reunião Al-Anon. Pode compartilhar até mesmo sua própria história em algum momento. Se ela se sente
como ele. Ou não. Nenhum decisões precipitadas. Nenhum compromisso grande. Cada dia que vem.

Janie tem uma respiração profunda e se sente a vivacidade da noite, enchendo seus pulmões. Ela senta-se um
momento mais na etapa, e, em seguida, facilita a seus pés e seus pares na casa pela janela da cozinha,
empurrando seu rosto contra a tela velha empoeirada, envolvendo as mãos em torno de seus óculos para
proteger contra o brilho da iluminação pública. Fluxos de luz suave a partir da janela cortada na diagonal da
cozinha.

A caixa de memórias desapareceu.

Assim é o bolo.

Janie ri baixinho, mas por dentro, ela dói um pouco. Por um momento, ela deixou isso para trás todos os
problemas. E agora aqui está ela novamente, e será, por enquanto, pelo menos.

É difícil obter animado sobre isso.

Mas a vida continua.

Tudo evolui em uma direção ou outra. Relacionamentos, habilidades, doenças, deficiências. Conhecimentos.
School. Uma nova vida que poucos conhecem. Onde poucos vai chamar sua menina narc. Mas onde muitos
sonhos.

Ela suspira.

Um dia por vez. Um sonho de cada vez.

Sua escolha é feita. Por agora. Para hoje.

"Este é", ela sussurra para os fios de zumbido. "Isso é verdade."

O frio da noite, o preâmbulo do outono, já chegou, e Janie esfrega os braços nus, cobertos de todo arrepiado.

É cansativo pensar sobre tudo isso. Calmamente, ela vai para dentro. Tranca a porta atrás dela. Escorrega
seus sapatos e joga sua mochila no sofá. Mas antes de Janie diz hoje à noite uma noite boa, ela tem apenas
mais uma tarefa em mente.

Ela almofadas sobre os pés descalços pelo corredor curto na noite quieta.

E faz uma pausa no portal para outro mundo.

Há apenas um sonho de tristeza mais para mudar.

Você também pode gostar