Você está na página 1de 17

A projeção de uma reta sobre um plano é o lugar das

projeções de todos os pontos sobre esse plano.

A projeção ortogonal da reta é a perpendicular baixada


por todos os pontos dessa reta.
Quando uma reta for oblíqua a um plano, a projeção é
menor que a reta do espaço.

O comprimento da projeção de uma reta sobre o plano


varia com a inclinação dela sobre o plano.
A posição da reta é determinada quando conhecidas as
projeções desta nos planos.
Um ponto pertence a uma reta quando as projeções desse
ponto estão sobre as projeções correspondentes da reta,
isto é, a projeção vertical do ponto sobre a projeção
vertical da reta e a projeção horizontal do ponto sobre a
projeção horizontal da reta.
 OBS: Essa regra não se aplica a Reta de Perfil.
Em relação aos planos de projeção, a reta pode ocupar as
seguintes posições:
1. Reta Qualquer - Reta Oblíqua aos dois planos e sua
épura é caracterizada por possuir as duas projeções
oblíquas a Linha de Terra (LT).
2. Reta Horizontal - Reta Paralela ao PH e Oblíqua ao PV e
sua épura é caracterizada por possuir a projeção
vertical paralela a LT e a projeção horizontal oblíqua a
mesma.
3. Reta Frontal - Reta Paralela ao PV e Oblíqua ao PH e
sua épura tem como representação a projeção vertical
oblíqua a LT e a projeção horizontal paralela a mesma.
4. Reta Fronto-Horizontal - Reta Paralela aos dois planos
cujas projeções, horizontal e vertical, são paralelas a LT.

OBS: As posições das retas acima se referem aos seus


paralelismos em relação aos planos de projeção.
5. Reta Vertical - Reta Perpendicular ao PH e, nesse caso,
será obrigatoriamente paralela ao plano vertical, por
serem os planos de projeção perpendiculares entre si.
Sua épura é caracterizada por ter a projeção vertical
perpendicular a LT e a projeção horizontal reduzida a
um ponto.
6. Reta Topo - Reta Perpendicular ao PV cuja épura é
caracterizada por ter a projeção vertical reduzida a um
ponto e a projeção horizontal, paralela a LT
7. Reta de Perfil - Reta Perpendicular à Linha de Terra
e oblíqua aos dois planos de projeção.
A reta pode ainda estar situada em um dos semi-planos. A
figura abaixo mostra uma reta situada no Plano Vertical
Superior, logo sua épura se caracteriza por ter a projeção
vertical coincidente com a reta e a projeção horizontal
situada na LT.

OBS. Se a reta estiver situada nos semiplanos HP e VI, as


projeções dessas retas são representadas por linhas
pontilhadas, pois será invisível ao observador.
É o plano que divide o diedro em dois semi-espaços
congruentes.
➢ 1º bissetor – corta o 1º e 3º diedros.

➢ 2º bissetor – corta o 2º e 4º diedros


Os traços da reta são determinados pela interseção da
reta com os planos de projeção. Uma reta pode possuir,
no máximo, dois traços: traço horizontal e traço vertical.
Observa-se que a projeção horizontal do traço vertical,
coincide na LT, com o prolongamento da projeção
horizontal da reta (ponto v na intersecção de a b com a LT.
.
Do mesmo modo, a projeção vertical do traço horizontal,
coincide na LT, com o prolongamento da projeção vertical
da reta (ponto h’ na intersecção de a’ b’ com a LT.
Traço Horizontal: É o ponto de intersecção da reta com o
plano horizontal. Sua representação é dada pela notação H.
As projeções seguem o padrão; ou seja, h é a projeção
horizontal e h’ é a vertical.
Traço Vertical: É o ponto de intersecção da reta com o
plano vertical de projeção. Sua representação é dada
pela notação V. As projeções seguem o padrão; ou seja,
v’é a projeção vertical e v é a projeção horizontal.

NOTA: O traço da reta determina o ponto onde ela saiu de um


diedro ou de um semi-plano e passou para outro diedro ou semi-
plano.