Você está na página 1de 3

Memória ribacudana

Proposta de valorização da cultura popular e tradicional associada ao


património económico-cultural do concelho de Figueira de Castelo
Rodrigo

I - Recolha e salvaguarda

Tendo em conta as caraterísticas essencialmente rurais e agrícolas da sociedade


Ribacudense, é importante salvaguardar os aspetos culturais materiais e imateriais a ela
associados. Como tal, e para além da musealização e conservação material, urge manter
essa mesma forma de viver, ainda que efabulado e teatralizado, consignada nas
manifestações imateriais do património cultural.

Este estudo assenta em três grandes linhas:

Os trabalhos, os métodos e as técnicas;

Os instrumentos e os seus operários;

As manifestações de cultura e vivências associados.

Para cada um destes itens o procedimento metodológico segue as seguintes etapas:

1. Levantamento - recolhas efetuadas junto da população que praticava estas


atividades e delas dependia, nomeadamente os lavradores, ferreiros, ferradores e
outros artífices;
2. Tratamento da informação, através do cruzamento entre informações recolhidas
3. Devolução à comunidade, com as reconstituições e representações

Os trabalhos, os métodos e as técnicas

Tendo por referência o calendário agrícola – e essencialmente assente na economia


agrícola baseada na produção de azeite, vinho, pão e amêndoa – as recolhas serão
baseadas nos questionários de artes e ofícios, bem como na informação oral sobre as
técnicas e os momentos em que cada atividade pode ser realizada – questionário de
literatura oral.
Os instrumentos e os seus operários

Os instrumentos e os seus artífices e operadores serão também levantados com base nos
questionários de artes e ofícios, associados ao questionário de literatura oral.

As manifestações de cultura e vivências associados

No âmbito das manifestações associadas, as recolhas serão baseadas nos questionários


de alimentação, festividades cíclicas, LOTP, vestuário, jogos tradicionais e
divertimentos, medicina tradicional e processos de cura e outros cuja pertinência se
considere.

A validação das recolhas culminará não só com a publicação dos resultados, mas
também com a sua devolução à comunidade através de certames, encontros e jornadas e
recriações.

II - Proposta de valorização

Na devolução à comunidade, é importante que esta reconheça o seu valor e a integre no


espaço da memória coletiva. Como tal, e para cada temática explorada, poderão ser
executadas as seguintes propostas:

1. A sega

Preparação de um campo, no qual serão cultivados centeio ou trigo; à data da sega será
recriada uma segada, não só no que diz respeito ao trabalho, mas em termos de
alimentação e cancioneiro. Poderá ser criado a partir daqui e com base no levantamento
gastronómico um festival gastronómico baseado na alimentação e refeições;
consequentemente serão executadas as restantes tarefas (acarreja, trilhagem, moagem)
até à cozedura do pão.

2. A vindima

A recriação de uma vindima tradicional e a pisagem das uvas, tal como a realização do
vinho eram sempre acompanhados de forte espírito comunitário, tendo em conta a
importância dos vinhos para a economia local.

3. A amêndoa
A recriação de um serão, no qual se parte a amêndoa, com a presença multigeracional,
onde eram transmitidos os saberes dos mais velhos, onde eram comunicadas as
novidades, onde, à luz da candeia se aprendia e ensinava a melhor maneira de torrar a
amêndoa, o ponto certo para rematar as meias de cinco agulhas, a melhor mezinha para
as dores de dentes… todo o património imaterial associado ao grupo que se junta e
comunica, partilha e discute.

4. O azeite

Indiscutível qualidade dos azeites produzidos em Figueira de Castelo Rodrigo – bem


como dos restantes produtos agro-alimentares – fará sentido, a par de Jornadas
Gastronómicas, promover provas de azeite. Da mesma forma que - e tendo em conta
que ainda há lagares tradicionais – fará sentido, do ponto de vista didático, reconstituir o
processo de transformação da azeitona em azeite.

Esta proposta assenta, como foi dito, em recolhas efetuadas junto da população local, os
verdadeiros detentores das técnicas e dos saberes. No entanto, para que a sua função não
se esgote, este saber terá que ser transmitido e é em estreitamento de relações com as
entidades educativas que mais rapidamente se verificará o seu sucesso.

Você também pode gostar