Você está na página 1de 1

tema

O imperativo da inovação social POR FILIPE SANTOS

Já se foi o tempo em que as empresas podiam ou setor. Uma maneira de fazê-lo é se perguntar:
focar apenas na geração de lucros e considerar a “além da concorrência no mercado, que outros fatores
responsabilidade social uma preocupação periférica, ou acontecimentos podem prejudicar significativa-
apoiando de forma ocasional algumas organizações mente o meu negócio daqui a cinco ou dez anos?”.
sociais. Hoje, além de responder às expectativas e Em alguns casos, pode haver uma regulamen-
exigências de um conjunto amplo de stakeholders, tação mais forte, devido aos impactos negativos do
as empresas têm de atrair e reter colaboradores, setor (poluição, desemprego, etc.). Em outros, ocorrer
motivados pelo impacto social e ambiental, e desen- uma reação negativa do cliente, devido às conse-
volver estratégias de crescimento alinhadas com as quências negativas de um produto para a saúde (por
necessidades de longo prazo da sociedade. exemplo, alimentos com muito açúcar ou sal). Ou
As grandes companhias e multinacionais, em haver falta de talentos para apoiar o crescimento da
particular, estão entre as poucas organizações – além empresa, que não encontra no mercado de trabalho as
dos governos e grandes fundações e ONGs – com competências essenciais de que necessita. Pelo lado
escala, recursos e capacidade para fazer a diferença positivo, pode haver um conjunto grande de clientes
na abordagem dos problemas sociais brasileiros, sem acesso aos produtos ou serviços da empresa,
alinhados com os Objetivos de Desenvolvimento exigindo que ela inove para baixar custos e facilitar o
Sustentável (ODS) das Nações Unidas. Elas podem acesso, criando novos mercados na base da pirâmide.
guiar e liderar toda uma cadeia de valor ou ecossis- Em cada uma dessas questões, é preciso analisar
tema de negócios, com impactos significativos nas as causas – o que está na origem do problema ou res-
condições humanas e no ambiente. trição. Depois, decidir se é melhor enfrentar a questão
As expectativas da sociedade são grandes e a isoladamente ou com uma aliança das empresas do
oportunidade para a criação de valor é forte, mas o setor. Esse tipo de colaboração pode ser a única forma
desafio é a execução: como as empresas podem se de resolver problemas estruturais da sociedade e acon-
tornar motores de inovação social? tece através das associações setoriais. Em seguida,
Uma resposta possível é: “não reinventando a as empresas devem avaliar as soluções existentes,
roda, mas se associando aos inovadores das rodas”, propostas por empreendedores sociais ou agentes
ou seja, fazendo parceria com empreendedores públicos. Na lacuna entre as causas dos problemas e
sociais. O Brasil tem forte tradição de empreende- as atuais soluções existirão oportunidades para a ino-
dores sociais inovadores com ambição e impacto vação social. Assim, ajudarão a resolver o problema da
positivo. As empresas podem identificar essas inova- sociedade, envolvendo e motivando os colaboradores
ções em áreas relevantes e apoiar o seu crescimento. e disseminando internamente um pensamento novo,
Um segundo caminho é desenvolver um concurso preparando-se melhor para os desafios do amanhã.
temático ou programa de aceleração para identificar O fundamento estratégico da inovação social é
e apoiar novas soluções, conseguindo assim trazer cada vez mais forte para as empresas e o apelo da
inovação social de fora para dentro. Um terceiro sociedade também. As organizações que não respon-
caminho é criar uma iniciativa própria de impacto, derem com ações e inovação social, e continuarem
em uma área que permita envolver os seus colabo- tocando os seus negócios como sempre fizeram,
Ilustração João Célio Caneschi

radores no que eles são melhores. perderão uma ótima oportunidade de criação de valor
Seja qual for o caminho escolhido, é importante para o acionista e a sociedade.
começar pela identificação das áreas de alinhamento
estratégico, analisando problemas relevantes para a Filipe Santos é professor de Empreendedorismo Social da Católica-
Lisbon School of Business & Economics e professor visitante no
sociedade e os interesses de longo prazo da empresa INSEAD.

78 DOM 36 | tema