Você está na página 1de 68

 \j_[)

<0 ./ '

EO cJ

~ r~NVEST 008 •

DA SUA

----------------------------·· ----------------+
DEIXE O EDITAL SENAI SESI DE
INOVAÇÃO SER O SEGU NDO.

PRIMEIRA PAGINA -.DA MESA DO EDITOR

EDITORA~Abril
Fundada t m 1950
VICTOR CIVITA ROBER'TO Cl\lTA
11901·19901 (19;6.2013)

Victor Ci\,ita Neto (Presidente/.


Conselho Editorial:
Thomaz Sou1o Corrêa (Vicc·Presidenlc). Euripcdcs A cãn1ara.

Apicanha Giancarlo Civila e José Rober1o Guzzo


Pre1lde.nt e. Abril Míd~: Giancarlo Ci\'il3
Presidente Editora Abríl: Alexandre Caldini

e o Universo OirtlorCommial: Rogério Gabriel Comprido


Dire.torade.Vt ndtls de Publicidade: Virginla Any
Diretor de Vendas para Audlf nda: Dimas ~'l i cito
Diretor de Marktt ing: Tiago Afonso
DiretorõlOigital e Mobilt: Sand ra Can·alho
Diretor dtApoloEditorlal: Ed\\'ard Pimenta
A FERRAMENTA mais potente uma dessas maravilhas surgiu
do mundo é essa massa na escuridão de algum cérebro Diretor~·Suptrintendenl e: Aiccsandra Za pp:uoli
gosmenta que fica entre humano. Inteligência, memó-
as suas orelhas. Ela pesa ria, percepção, humor, amor,
o mesmo que uma picanha consciência, emoção, intuição. Diretor dt Relb (.\o: Otnis Russo Bu~imtan Diretor de Ar1e: f abricio
R.tda:Ot-dMtfe: Ak:undrt \'tr'S~;n.mt Editores: Bruno GaranonL K.1rln llutck. Tbgo Jokur3
\liund~

bovina, pode ser erguida com Cada uma das mais profundas Editor de Arte: JorgtOll\'tiro. l>flJgnt:rs: Brurut Lor.t,FU\ tll Pes.soat lnat:l Kep;lll Rfpórte:r.
úsmíb AlmtidJ Rl!dn SO<Wit.: luca.4i P415Cjual ~11uts Zlrruner Mmnin' Est.tgUrios:
uma só mão, e ainda assim capacidades que nos definem AM luísa Ftrnandts.l.ton.1tdo Ramlres SaniOSe lutai Muniz Rapli\IJI Prodt.rtor Grí lko:
Andcr$on C. S.dC' Fam Col.lbora(.lo: Ale.undre Cal'\~lho (mi~) Altndimtnlo .o Leitor.
cabe um universo inteiro se origina ali. Carolln.J C.uob~ 5.1ndt:~ l f3d!ch. Sonb Santos. W.tlkirb G10r;mo Poot Adrnini:nratrvo:
Crisli.lt.e Ptrtir.a (cootdtrrudor.J). Dtbor:lh Sib'a (auxiliar admlnbtu1n'1). Grie'C' Kt!l)
dentro dela. São 86 bilhões Ao longo da história, Al\"!:5 (aprtadlz) Gmn!t de "cg6dos Oigiuis: M:tmnnt t\~híhlta ~tntts eM Produto:
de neurônios, conectados entre o cérebro humano desvendou Prdro \formo t Renata Comes de Agu1.1r ANfrtt.u de Produto; Ebuu~ Cnsll11.1 dos
s.n,.. <l<o1>1m lkm.lnlo D<slgotn: O:mllo Bnp. 11:'-" M<mr>. SUnon< lllrWnOIO
si por 100 trilhões de sinapses, os mais íntimos segredos da ~ Fdi;>< Tbirou< O......ol...,.n10: Aoo!"""' R<mto Poll Cah Fdu. llrnls \"
Russo. Eduardo Bo~ Ftrr~n. Elton Prado bt~gUrios::: O;an1tl lto f \'inlou~ ArrvdJ
o que resulta num número matéria, a lógica da vida, os www.Juptrin1eressan1e..com.br
infinito de caminhos diferen- confins do Universo, a bilhões
tes para um impulso nervoso de anos-luz daqui. É impres- Pa ra adquirir os dlrtUos dr rtprod uçio dr tutos e imagrns l.lt Superinltfth:tnlt,
~www.olbrikonteudo.(om.br oultguep.1nt(11) m0·1l81 .
percorrer. Dessa infinitude sionante que um órgão de pou-
emerge toda a espetacular co mais de 1 quilo na cabeça VENDAS DE PUBLICIDADE • And!fl \'rig.t (RJ). Ala SlnmJ (lnltrrPnO!Ial~ AM \loltOO
diversidade humana. de um primata sem pelos de CMod.>. -~ • ~~ Cruuno ""- ll'o""""'~ lml.rb Sm.'b CTtmOiop
' Ttkoxn~ joa;u<s ~ I_ . IL Raqod lo>;> CS.Ud<. E>porl< < f.t"'"<'c>L Sd.,.
As pinturas rupestres de um planeta da periferia de uma Soc.'111 (6rM de Conwmo). \\lWm I~ (l'raru.por.t t Mobi.i!d.WrJ VOIOAS PARA AU·
Olb<CIA - M>l)oo G<>r..odo Cl'!oasioiL Cbõi> ObctdlltO.-N>çlo Ew><i'ft=.c.lSL
Lascaux,ostextos sagrados Dl<.Cb \'>da CSACl. l<a... f:<!.., iCirnolaçlo \ ep,IX<SI)-1<1. U<l Si.'u C\"...W ~~
galáxia qualquer tenha 0;1$). Mm» Tullo ArJ.bt tEszudío dt C~~ Ml t)' \ms (\ft1it.H Corpo:l:r\""11). RoCt110
das religiões antigas, os compreendido tanto. Mas é 0...4J> !Nus.""'~ " ".boa l"""' i\"Cid» ~~ MAJU(ffiliG - Aodr<• Abc:lon
(\ 'fi). Alld:a Cosa (~r~ dt \!nado~ Ciw Al:Ddd.l!Ea'Df1,. Cuol1na Bt:r1t!lt (fftn·
afrescos da Capela Sistina, impressionante também que ln!Ju:i\. t\tib Ardpmt (U!OI)It~ ~Urda AQno (Abnl B!J 0~"). Ro:do P.d.n~ t\f.u\tt
1q t E\-mtos}. OIGifAL E MOIILE - Adria» Bonolooo ~!ttnc:u). Al.no:t l..o;lc1 (Tt"''\Jm.
as leis de Newton, as sinfonias falte tanto para o cérebro áü). \t&.- m Franmcdni llmrlrmmtaçio dt Tmdmc::m). Rodn,:u Muun\ (Rtdrs Soda")

de Beethoven, as canções dos humano compreender do


APOIO - ASRIL BRAHCEO COtlTENT - 0Jgmtr StTp;t. Ni\11 ~llllttllo, \lallhN Sh!n~
Beatles, os toques de bola de próprio cérebro humano. Patricia 1-llrgre.i\tS, Thitago Araújo PLAtU.JAMEIHO CONTROLE E OPERAÇ0ES -
&hl)()ll Soarrs (Rt'Cti14S), José PauSo Rando (Marktting f Contrudo) DEOOC e ABRIL
Pelé, o design do iPhone, o Nossa complexa máquina PWS- Ekrlltt Ftmri A!CUIISOS HUMANOS - Al<swxirll d< Cas!to ill<•tmokim<rl'>
Orpnludonal}. \Urtto Nl.Sdmtnlo (Rt.muntração t Btnefinos), Milnzttc Ambr:m.
roteiro de Breaking Bad - cada de entender coisas é complexa Mkbdle Cosb t Rtpr\.3 Cordrito lCon.st~J:on.a lr.ltt'N). An.1 Kob.l (~udt t Stn"I\011
demais até para
ela própria. ~ e CormpondMcil: A\. d.u t\"I(Ots Cnida.s. m 1. 2tr ar.d.u, Plnhnto\, Slo
P>ulo. SP. CEP05•25·90l. ld. (li) J03i·2000. PI.COdcladr SOo....., •..,.,_
uobrt
Aqui na SUPER, rtptt:S«~twtsdt~nolm.il e no E.cltrior.ll"'.-publbbrilrombc

nosso trabalho
SUPERIU TERESSAIRE cdfçto n•lH (ISS!\ 01~· 17S9). ~o 29. n• 11. ê uma publicaçlo
é alimentar o seu da Editora Abril1937 G+l Eip.ma S.A ~.\IU)' Inlctt:S3ntt~ r.\ tuilo lntMSSanle1. Espa·
cérebro. Natural que, nha. Edi(6H antetiocn: Vmda etdu$1\'1.1. m bancu. pelo pctÇO da ühlma Ntç:\o tm bane~
Soli<il<ao"" """lriro. Dl>inbuld.J"" IOdo o p.úsprb DinopS.A. O.>lnbuldor:ll'odorul d<
ao longo dos anos, PllbUCI(Ilts. 5.lo 1\lulo. SUPERINT!JIESSAIITEnão odml~ publiddadr otdaâon:!l

tenhamos produzido
Se...Aço .oAUNtltt: Gr~ Sio Pau5o:(11} S017·Z11l
dezenas de grandes Dtmais kK,t,licbdts: OID0-77S·Z11Z-.• Ílw(.com
,,.n ,.Si.!Nr. Grow!t Uo hu~(11) J J.1 7·2121
reportagens sobre DtrNk kK.IIicbdn: OI00-77S·Z&21 ~ninubril.com.b r

o próprio cérebro IWRU U I~ GIÚ.flCAASRIL


A\'. Ot.a,iano Al\t:S dt Uma. .u oo. frt;utsia do Ó, CEP02909·900. Slo l~ulo. SP
e suas capacidades.
As mais marcantes 11/(.
entre elas estão nesta
edição. Espero que !?fJAbril MloiA s.A.

o seu cérebro goste. Pmidrn1o: Giancarlo Ci\ila


Din:to r·Suptrlntendtntt da Gro\fiu: Eduardo Costa
Direlor d• Fin.~"'•s: Fábio PCirossi Gallo
Dirt t ora Jurldicil : Mariana ~lacia
Denis Russo Burgierman Diretora de Rtc.unos Humanos: Claudia Ribeiro
Diretor de TI e Serviços Compartilhados: Claudio Prado
DIRETOR DE RE DAÇÃO
DENIS. BURGIERMAN@ABRIL.COM. BR www.abril.com.br

Foto Ou lia
...
CARDÁPIO I -+NO VEM BR O DE 2015

10 Inteligência
O que é? Existe mais de um tipo? Será que os
testes de Ql dizem mesmo quem tem mais?

16 Eu: quem é esse cara?


Cientistas e fi lósofos afirmam: não existe
consciência. Ou ela está em todo lugar.

24 As mentiras que o seu


cérebro conta para você
O que nós vemos não é real. E o que
pensamos já foi decidido antes.

30 Minha vida sem foco


Um relato pessoal do transtorno de
déficit de atenção e hiperatividade.

44 A pílula da inteligência
Repórter da SUPER tomou o modafinil
por uma semana e conta como foi.

o 46 A cura pela palavra


Veja quais são os tipos de psicoterapia
PERGUNTAS ERESPOSTAS N Ú MERO
INCRÍVE L e o que a ciência tem a dize r sobre eles.
6 7 8
U M LA DO C U IDA DA SÓ USAMOS 10% O CÉREBRO COMEÇA 56 Os maiores
RAZÃO , E OUTRO, A MORRER DEPOI S
DA EMOÇÃ O ? DOS 17 AN O S?
cérebros do mundo
Os savants juntam problemas mentais
sérios com superpoderes cerebrais.

1_00
trilhões
Número de
ÚLTIMA PÁGINA conexões
entre os
66 NA CAB EÇA D OS BIC HOS neurônios no 62 Papo cabeça
O ser humano está longe de cérebro. Será que a neurociência explica tudo?
ter o maior cérebro. P. 51 Alguns pesquisadores dizem que não.

Capa Carlo Glovani


MITOS
O cérebro é um órgão
ainda misterioso,
sobre o qual circulam
concepções erradas e
até lendas urbanas.
Veja a seguir o que é
mito ou realidade.

EVERDADE 0

QUE UM
, LADO
DO CEREBRO
CUIDA DA .._,

RAZAO, EQUTRO,
DA EMOCAO?
M A IS OU M E NOS. M A I S P ARA M E NOS . Tradicio-
nalmente, o lado esquerdo era relacionado a funções
precisas; o direito, à criatividade. Mas, na prática, a
coisa não é bem assim.
Considere, por exemplo, o caso de dois rapazes acom-
panhados pela neurocientista Mary Helen Immordi-
no-Yang, da Universidade do Sul da Califórnia. Eles
perderam metade de seus respectivos cérebros: um teve o
hemisfério direito cirurgicamente retirado para controlar
a epilepsia e o outro tirou o esquerdo, como prevenção a
uma doença autoimune. Eles continuaram sendo capazes
de andar, falar, raciocinar e interagir socialmente - o que
seria impossível se houvesse uma divisão absoluta de
tarefas entre os hemisférios cerebrais.
"O que nós estamos vendo é que a atividade dos
neurônios é sempre probabilística", diz Miguel Nico-
lelis, neurocientista brasileiro da Universidade Duke
(EUA) - e criador do exoesqueleto da Copa. "Não são
sempre os mesmos neurônios que produzem a mesma
ação." Ele acredita que a divisão tradicional deve cair, se
mais pesquisas confirmarem a versatilidade do cérebro.

6 SUPE R NOVE M BRO 2015 Ilustrações Guilherm e Oareuo


P&R

Nós só usamos 10% do cérebro?


OLHA, VOCÊ PODE TER MUITOS DEFEITOS , mas está
livre dessa culpa: os tais 10% são pura lenda. "Sabemos
que grande parte do cérebro é utilizada. Isso explica por
que até microlesões cerebrais podem causar danos graves
e irreversíveis", diz o neurocientista e pesquisador do Hos-
pital Sírio-Libanês, Erich Fonoff. Quantos por cento então?
"Atribuir um percentual é leviano. Para isso, teríamos que
saber o que são os 100%. Ainda não chegamos a esse nível".
Especialistas dizem que o "mito dos 10%" surgiu entre
os defensores da para normalidade. Para eles, utilizar 100%
é exclusividade de quem levita, lê mentes e entorta garfos
a distância, enquanto atividades do dia a dia limitam o
resto de nós a apenas um décimo da "força do pensamen-
to". Bom, não apenas o suposto cálculo foi puro chute,
como a ciência nunca provou a existência de telepatia,
telecinese e fenômenos afins.
Mas e aqueles exercícios de aumentar a potência do
cérebro? São mentira também? Nem todos. "O sistema ner-
voso é plástico. Se for estimulado, aumenta o seu potencial
colossalmente", diz o chefe do laboratório de Neurociências
do Instituto de Biociências da USP, Gilberto Xavier.

OCÉREBRO ÉCINZA?
QUANDO SE FALA EM CÉREBRO, todo mundo logo
pensa em "massa cinzenta". Tudo bem. pode conti-
nuar se referindo ao cérebro assim. Afinal, o termo já
entrou para o vocabulário popular. Além do mais, ele
não está inteiramente incorreto. Existe uma parte do
cérebro que até os neurologistas chamam de massa
-ou substância- cinzenta. O nome veio de como ela
foi descoberta: por anatomistas, em autópsias. Um
cérebro morto é cinzento.
Enquanto vivemos, no entanto, nosso cérebro não
é cinza Se pudéssemos observar o órgão em pleno
funcionamento, o que veríamos seria uma massa de
coloração apenas esbranquiçada, bem clarinha e bri-
lhante. "Essa aparência se deve aos fluidos e ao mate-
rial gorduroso que envolve o cérebro humano", diz a
médica Márcia Lorena Chaves, do Departamento de
Neurologia Cognitiva da Academia Brasileira de Neu-
rologia (Abneuro). Ainda que o órgão fosse partido ao
meio e visto do lado de dentro, a cor cinza não daria as
caras. No máximo, você observaria um tom levemente
rosado, por causa da incrível vascularização sanguínea
que irriga cada milímetro de nosso "disco rígido".
Rigidez, por sinal, é outro mito sobre o cérebro
humano. Muita gente acredita que ele seja mole e gos-
mento, mas na verdade é bem firme- uma consistência
semelhante à do tofu.

)UN HO 2015 SUPER 7


P&R

,
EVERDADE
,

QUE OCEREBRO
COMEÇA
AMORRER
AOS 27 ANOS?
A DUR A RESPOSTA É S IM . Sob O aspecto neuroló-
gico, a morte começa aos 27 anos. Quem descobriu foi
o
o pesquisador Timothy Salthouse, da Universidade da
Virginia, nos EUA. Em 2009, ele divulgou os resultados LADEIRA ABAIXO
de um estudo que mediu as habilidades cognitivas de Quando você completa 30 a nos,
2 mil pessoas. Segundo Salthouse, o cérebro humano seu cérebro já apresent a uma
atinge o auge aos 22 anos, fica estável até os 27 e, a partir sensível queda de dese mpenho.
daí, começa a declinar. Aos 30 anos, várias funções do
MEMÓRIA
cérebro já estão bem mais fracas. Isso acontece porque,
do ponto de vista evolutivo, ao virar "trintão" você já
deveria ter se reproduzido e completado seu ciclo de vida.
Lembre-se, por exemplo, de que os homens das cavernas
não viviam muito mais do que 30 anos - e que, pelo
menos anatomicamente, nosso cérebro é igual ao deles.
-17%
VELOCIDADE MENTAL

-27,3%
Mas não precisa entrar em pânico. Esse mesmo estudo
revelou também que algumas habilidades, como a verbal,
continuam se desenvolvendo até os 6o anos de idade.
Para tudo aquilo que exige conhecimento cumulativo,
seguimos ampliando nossa capacidade. E tem mais: a RACIOCÍNIO LÓGICO
ciência tem cada dia mais controle sobre o envelheci-
mento. Alguns cientistas afirmam até que, em 50 anos,
nem vai haver mais definição para expectativa de vida,
de tanto que as pessoas passarão a viver. -37,5%
8 SUPER N OV EM BR O 201 5 l lustr~ ç~o Gullharme O~rezzo
O Clube e o EDC oferecem a você, Assinante Abril, vantagens exclusivas.
Acesse www.clubedoassinanteabril.com.br e saiba mais.
Se ainda não participa, faça o seu cadastro no site. É grátis!

.Abril
assinaturas
A

O que faz uma pessoa ser mais inteligente que outra? Quais são os
limites do cérebro? Dá para aumentar o poder da sua mente? Você vai ver
as respostas para essas e outras questões nas próximas páginas.
E a viagem começa com a pergunta fundamental: o que é a inteligência?

Texto Rodriqo Rezende Il ustr ocõo Mariana Sal i mena

GANHAR UMA PARtiDA de xadrez, escrever um ro-


mance, com por u ma sinfonia, convencer uma mul-
tidão, contar a piada perfeita. São coisas que vêm tão
rápido à mente quando se fala de inteligência quanto a
imagem de um relógio se movendo ao pensarmos no
tempo. Mas experimente gastar um ou d ois minutos
refletindo sobre o que há de comum entre essas ha-
bilidades. De uma hora para outra, a ide ia clara que se
tem da inteligência começa a se dissipar. Quanto mais
se pen sa, mais parece não haver ligação direta entre
raciocínio matemático, criação de personagens e melo-
dias ou talento para persuasão e comédia. Refletir sobre
a inteligência desse ponto de vista ge ra u ma sensação
semelhante à que temos ao ouvir a pergu nta "O qu e é
o tempo?" Antes da pergunta, sabemos exatamente o
que é. Depois dela, não sabemos mais. Se quisermos
entender o que é a inteligência, é preciso contornar esse
tipo de dificuldade. E uma boa estratégia para isso é ir
direto à fo nte: entender o céreb ro.
Agora mesmo uma tempestade elé trica se alastra
pelo 1,4 quilo de massa gelatinosa aí atrás da sua testa.
É esse movimento caótico de sinais por uma rede de 86
bilhões de neurônios que produz seus pensame ntos.
Das profundezas desse órgão, surge o que chamamos
de inteligência. Mas, se você pensa que o processador
de informações mais avançado do Universo foi pro-
jetado de um jeito elegante, está enganado. O cérebro
hu mano é uma obra feita nas coxas. -t

NOVEMBRO 2015 SUPER~ ~


Uma obra que começou em vermes plano novo de construção de órgão do será obrigado a deixar o cérebro de lado e
microscópicos, quando um punhado de zero, pois herdamos as instw ções bási- estudar uma área com mais de um século
células especializadas em enxergar se cas para a obra, que estão nos genes dos de tradição: a psicometria.
juntou numa das extremidades do bicho. nossos pais. O resultado disso é que o
Foi assim que surgiu o ancestral daquilo cérebro foi crescendo meio no improviso, O tamanho da inteligência
a que chamamos cabeça: um mero recep- com "puxadinhos" se amontoando a par- Paris, começo do século 20. O psicólogo
táculo de células nervosas responsáveis tir de uma estrutura básica. Essa é a ver- Alfred Binet recebe uma tarefa do mi-
por captar luz e mover o animal. Com dadeira história do cérebro: uma sucessão nistro da Educação da França: encon-
o tempo, essa massa de neurônios, e a de gambiarras bem feitas. E nem preci- trar um meio de prever quais crianças
complexidade com a qual eles se conec- samos ir longe para entender isso. Quem vindas do interior d o país teriam mais
tam, cresceu. E aconteceu um milagre. tenta se concentrar em fazer uma prova, possibilidade de enfrentar dificuldad es
Animais que reagiam automaticamen- mas ao mesmo tempo não consegue tirar na escola - o governo queria oferecer
te a estímulos exteriores passaram a se os olhos da(o) mocinha(o) ao lado, expe- educação especial a elas. Em 1905, ele
comportar de um jeito mais complexo e rimenta sentimentos e pensamentos tão publica u m teste de raciocínio verbal e
imprevisível. Em vez de responder cega- pouco relacionados que aparentam ter matemático, com questões que testam a
mente a qualquer estímulo, começaram sido juntados aleatoriamente uns com memória e o potencial de resolver pro-
a repetir apenas os movimentos mais os outros. Foram mesmo. "Existe uma blemas de lógica. O objetivo de Binet era
eficazes na luta pela sobrevivência- por série imperfeita de conexões entre os medir a capacidade de compreensão pura
exemplo: em vez de caçar qualquer coisa sistemas cognitivos e emocionais", afirma e simples, não o conhecimento prévio,
que se mexesse, passaram a selecionar o neurocientista Joseph Le Doux, da New colocando em pé de igualdade crianças
suas presas entre as mais nutritivas e York University. ''Essa situação é parte do que só sabiam capinar mato com as que
fáceis de abater. Esse talento para iden- preço que pagamos por termos capaci- recitavam Shakespeare. Pouco depois, o
tificar acertos é a origem daquilo que dades que ainda não foram plenam ente alemão Wilhelm Stem criou um sistema
chamamos aprendizagem. integradas ao nosso cérebro." de pontuação-padrão para o teste e lhe
As vantagens que ela trouxe lançaram Quantas são essas capacidades e como deu o nome de Intelligenz-Quotient.
os seres vivos n uma corrida em busca elas se relacionam são questões centrais Nascia o método mais bem-sucedido
do maior e mais versátil cérebro. Mas para definir o que é a inteligência, mas da história para medir a inteligência: o
os organismos que entraram na disputa ninguém ainda tem uma resposta exata famoso teste de QI. E ele revoluciona-
enfrentaram um sério problema. Na evo- para elas. Se você está em busca de um ria o que entendemos como inteligência.
lução biológica, é impossível traçar um meio objetivo de m edir a inteligência, Até então a maior parte dos estudiosos

TIPOS DE INTELIGÊNCIA
A Teoria das
Inteligências
Múltiplas é um
desafio à ideia de
que o QI representa
uma medida direta
da inteligência.
Segundo o psicólogo
Howard Gardner,
a nossa inteligência
LÓG ICO- LINGU ÍSTICA MUSICAL ESPACIAL
é o resultado de
oito processadores
-MATEMÁTICA
É a habilidade de resolver
Sensibilidade para
língua falada e escrita,
capacidade para
Semelhante à inteligê ncia
lingu ística, só que
relacionada a sons.
Habilidade de reconhecer
e manipular padrões
no espaço. É útil para
mentais diferentes problemas a partir da aprender línguas e de É a habilidade de compor quem trabalha com
dentro do cérebro, lógica, realizar operações usar a lábia para e apreciar padrões a coorde nação m otora
matemáticas e investigar alcançar os pró prios musicais. Basta nte e tem de compreender
cada um deles questões científicas. objetivos. Encontra da rica em compositores, o mundo visual.
responsável por Bastante desenvolvida em escritores, locutores cantores, dançarinos Bem desenvolvida
uma habilidade. em cientistas. e advogados. e maestros. em arquitetos.

~2 SUPER NOVEMBRO 2015


entendia o nosso intelecto a partir do Esse tipo de experimento mostra que Testes de QI são
conceito da tabula rasa- a ideia do filó- os genes responsáveis pela inteligência
sofo John Locke de que a mente humana podem ser vistos como uma espécie de usados amplamente
é uma folha em branco que vai sendo balde, e o aprendizado durante a vida, por cientistas .
preenchida durante a vida. Com a ado- como a água que enche o balde. Ter mais Mas será que são
ção dos testes de QI, esse ponto de vista educação vai levar você mais rápido a
perdeu terreno - afinal, se uma criança encher o balde de água. Mas, caso ele seja mesmo a medida
semianalfabeta podia apresentar um QI muito raso, não vai adiantar jogar muita universal da
maior que uma instruída, essa história água lá. Ou seja: nem toda a educação do
de folha em branco era uma furada. E a mundo poderá tomar realmente brilhan-
inteligência?
inteligência passou a ser considerada cada te alguém que nasceu com a inteligência Boa parte dos
vez mais como algo inato, como um mero apagada. Só que esse efeito tem um lado psicólogos diz
produto do que está escrito nos genes. positivo: se você tiver vocação genética
Uma pesquisa de 2015, feita pelo para ser um físico quântico ou coisa que
que não .
King's College, de Londres, revelou que o valha, tem como conseguir isso mesmo
nem mesmo a matéria estudada impor- sem ter tido uma instrução excepcional
ta. Avaliando 12.500 pares de gêmeos, na infância. Mas será mesmo que o QI eram completamente ignoradas nos tes-
eles descobriram que o desempenho em é a melhor medida para a capacidade da tes de QI. O que não fazia sentido, já que
matemática, ciências humanas, línguas mente humana? essas habilidades deveriam fazer parte
estrangeiras, negócios, informática e daquilo que chamamos de inteligência.
artes era afetado pelos mesmos genes, Mil e uma habilidades Outra ofensiva veio do psicólogo Ho-
que respondiam por entre 54% e 65% na Alguns psicólogos acham que não, os ward Gardner, autor da Teoria das Inte-
diferença dos resultados. "Descobrimos testes de QI não dizem grande coisa. Uma ligências Múltiplas. Ele se inspirou no
que mais da metade das diferenças no importante ruptura veio na década de modo como a neurociência vê o cérebro
desempenho educacional das crianças, 1990, com o livro Inteligência Emocio- hoje: um conjunto de vários módulos dis-
para todas essas disciplinas, era explicada nal, do psicólogo Daniel Goleman. Ele tintos, ou "puxadinhos", que evoluíram
por diferenças em seu DNA e não pela ressaltou que habilidades como regular separadamente e hoje funcionam como
escola, família ou outras influências do os próprios sentimentos, compreender processadores para funções específicas.
ambiente", afirma a neurocientista Kaili emoções alheias, ser capaz de trabalhar Com isso em mente, Gardner concluiu
Rimfeld, coordenadora do estudo. em grupo e sentir empatia pelos outros que a inteligência não é um conceito -+

FÍSICO- INTER PESSOAL INTRAPESSOAL NATURALISTA


a capacidade de a habilidade de olhar a sensibilidade para
SINESTÉSICA
o tipo de inteligência
É
É
entender as intenções
dos outros. Bastante
É
para dentro de si mesmo
e entender as próprias
É
perceber e organizar
fenômenos e padrões
usada para resolver problemas necessária a quem coordena intenções, objetivos da natureza, como
e executar movimentos e executa trabalhos e emoções. Necessária a diferença entre plantas
complexos com o próprio em grupo. Éencontrada para encontrar erros quase idênticas.
corpo. Você a encontra em vendedores, no próprio raciocínio. Costuma ser encontrada
em dançarinos, políticos, professores, Presente em psicólogos, em biólogos e membros
mímicos e esportistas. clínicos e atores. filósofos e cientistas. de tribos indígenas.

N OVEMBRO 2015 SUPER 1.:J


único, ind ivisível, mas uma soma de
várias habilidades - como raciocínio
lógico-matemático, linguistico, espacial,
musical, intrapessoal, interpessoal, mo-
tor e naturalista (está na página anterior).
Assim, a ide ia de colocar um Stephen
Hawking, um Neymar e uma Cláudia
Leitte em pé de igualdade no quesito
inteligência deixou de soar estranha. Pela
teoria de Gardner, cada um deles pode
ser considerado especialista em um tipo
de habilidade (respectivamente, a lógico-
-matemática, a motora e a interpessoal). E
por isso não daria para considerar qual-
quer um deles menos genial que o outro. própria ideia do QI. Tudo bem que os Inteligência = demência?
Talvez por parecer mais democrática testes não medem coisas como coorde- Para muitos neurologistas, a inteligên-
que os testes de QI, a ideia de Gardner nação motora, mas é verdade que eles cia é só um sinal de que você tem um
se tornou extremamente popular des- avaliam tipos diferentes de raciocínio. cérebro com a "fiação" bem conectada.
de que foi publicada, em 1983. Tanto E a pontuação final vai levar em conta Quanto mais saudável ele for, mais coisas
que hoje é senso comum achar que ela o seu desempenho em todos eles. Além extraordinárias vai fazer. Mas espere ai.
está certa, e que o quociente de inteli- disso, dá para comparar milhares de re- Às vezes o que acontece é justamente o
gência tradicional ficou ultrapassado. sultados de épocas e lugares diferentes, contrário. É o que mostra um experi-
Mas no meio acadêmico é diferente: o que cria uma bela base estatística, se mento sem paralelo feito na Austrália:
a Teoria das Inteligências Múltiplas o ponto é saber qual é o tamanho da pesquisadores lançaram pulsos eletro-
ainda é vista como um patinho feio e sua inteligência em relação à dos outros. magnéticos no crânio de pessoas para
enfrenta muitas críticas. Principalmen- Então, mesmo com suas limitações, os desligar partes do cérebro e observar o
te porque nem Gardner nem ninguém testes tradicionais continuam sendo ex- que acontecia com as capacidades cog-
sabe ao certo como medir cada uma tremamente comuns no meio cientifico. nitivas. E o resultado foi espantoso: as
dessas habi lidades que formariam a "Ninguém duvida de que eles não ava- cobaias humanas começam a desenhar
inteligência. "Não fica claro se o con- liam todos os aspectos importantes das melhor, ter memória mais rápida, mais
ceito de inteligência de Gardner mede funções mentais - não medem a cria- habilidade musical ou um raciocínio
mais traços de personalidade e habili- tividade ou a sabedoria, por exemplo. numérico mais apurado. A questão é:
dades motoras que faculdades mentais Mas o ponto é que isso não é o mesmo se partes do cérebro estavam sendo
de fato", afirma Linda S. Gottfredson, que afirmar que eles não servem para desligadas, por que a mente parecia
professora de estudos educacionais da nada", afirma o psicólogo lan ). Deary, da funcionar melhor, e não pior?
Universidade de Delaware. Universidade de Edimburgo (Escócia). Não para por aí. Um estudo de 2015,
Ela é um dos muitos entusiastas do Mesmo assim, a necessidade de ex- da Universidade de Edimburgo (Escó-
fator "g" (de "inteligência geral"). Segun- pandir o conceito de inteligência para cia), reve lou que há um maior risco
do essa teoria, baseada em estatísticas, além das fronteiras dos testes de QI de desenvolvimento de doenças rela-
a ideia de que várias habilidades cogni- continua. Afinal, pouca gente duvida cionadas ao espectro do autismo em
tivas estejam disseminadas uniforme- de que a criatividade, algo muito difícil pessoas com os mesmíssimos genes
mente pela população é falsa. Ou seja, de medir objetivamente, é um inegável ligados à inteligência.
não existem muitas pessoas excelentes sinal de inteligência. Diante dessa es- Na página 6o, essa ligação fica ainda
em cálculo e ao mesmo tempo péssi- pécie de tilt dos testes mentais, o que mais clara. Lá você pode conhecer os cé-
mas em redigir textos, ou com bom dá para fazer? Com a palavra, Howard rebros mais fascinantes do planeta, ver-
ouvido musical e pouca inteligência Gardner: "Nós, psicólogos, não somos dadeiros telescópios para decifrar o que
interpessoal. Se uma pessoa for boa mais os donos da inteligência, se é que é a inteligência. E descobrir que, talvez,
em qualquer dessas habilidades, tende algum dia já fomos. O que significa você tenha algo em comum com eles. 0
a ser boa também nas outras (como ser inteligente é uma questão filosófica
atestou a pesquisa genética do King's profunda, que exige base em biologia,
DHA SABH MA I S
College, citada anteriorm ente.) física e matemática". Ou seja, exige que
Essa essência da teoria do fator g, voltemos ao lugar onde começamos A /NTEL/GtNCIA - UM CONCEITO REFORMULAOO
porém, não é nova. Ela está por trás da essa história: para dentro do cérebro. Howard Gardner, Objet iva.

14 SUPER NOVEMBRO 2015


EDUCAR
CRESCER
PARA

apresent a

Q Q

Q Q

www.educarparacre sce r.com.br


e •M'~ z~~
realização: (t) 7.\G
r.A
apoio: @F
.Abril BANDEIRANTES UMCONPROWISSO .IY\-.\"""cC. COMASfrat.lHC:tA
mos bancos de dados sobre Esevocêforum
A ciência tudo o que você vê e sente, cer- cérebro em um vidro?
Por mais que os cientistas
desvendou de to? Lá estão informações sobre se esforcem para estudar
todo mundo que você conhece. a consciência, existem
átomos a buracos Então não seria nem um pouco algumas perguntas rela·
negros, mas o ma1or surpreendente ela ter formado cionadas ao assunto que
ainda não têm resposta.
uma ficha sobre você mesmo,
mistério de todos uma que você compila na me-
Como saber, por exemplo,
que você não é um mero
continua onde sempre mória desde os primeiros anos cérebro em um vidro de
laboratório, e que essa
esteve: na sua de vida Nesse sentido, a cons-
ciência é um modelo inte.mo
revista, as suas mãos e o
lugar em que você está
cabeça. Afinal, o que do mundo com um "eu" inseri- sentado agora não passam
é a consciência? do. "O acesso a informações so-
bre esse 'eu' é fácil de reproduzir.
de ilusões criadas por
cientistas? Não é uma ideia
absurda, por um simples
Texto Rodrigo R(!z_ende_ e Alexandre Versignossi Um robô que possa se reconhecer motivo: não existem
Oesign Joono Amador num espelho não seria mais difícil
Ilustrações de Thois Beltr:ome_ meios de responder a essa
de construir do que um capaz de re- pergunta com um sim ou
conhecer qualquer outra coisa", diz o não. Eé possível que nunca
venham a existir. Demais
neurocientista Steven Pinker, da Univer- perguntas desse tipo
sidade de Harvard, EUA, em seu já clás- aparecerão nas colunas do
SABE AQUELA PESSOA que sempre mo- sico livro Como a Mente Funciona. resto da reportagem.
rou na sua cabeça e que você apelidou de Outra parte é a forma com que o cére-
"eu"? Então, imagine que um dia exista bro acessa a infinidade de informações
uma máquina que faça cópias perfeitas que tem lá dentro. Numa conversa, por
de você, com a sua cara, seu cérebro, exemplo, você pode falar do filme de on- Essas definições explicam alguma
suas memórias. Tudo. Será que a sua tem, de alguém que está passando na sua coisa, mas deixam muita coisa de fora.
consciência vai parar lá também? Ou frente, da chuva. Mas não tem como dis- Não explicam questões que parecem
sua cópia ganha outro "eu"? Se você não correr sobre a velocidade com que seu simples, mas que são impossíveis de
conseguiu responder, fique tranquilo: sangue está correndo agora ou o jeito responder, do tipo: como é ser um be-
nada é mais misterioso que esse cidadão como enzimas estão sendo secretadas souro, como seria estar morto, ou qual
aí dentro. Uma prova disso é o grande pelo seu estômago. Tudo o que você vê e o sentido do "eu". E ai entram as teorias
número de teorias que tentam explicar boa parte do conteúdo da sua memória que mergulham fundo para resolver
o que é a consciência. Muitas delas vão são o que sua cabeça pode acessar. O res- esses problemões. Bem fundo, até a
bem fundo no problema, mas batem de to fica "esconclido" no seu cérebro. Isso parte irracional da nossa mente.
cabeça umas com as outras. Uns acham mostra que o sistema nervoso divide cla-
que ela nem existe. Outros, que está em ramente o que vai e o que não vai para a Você, pela sua emoção
todo lugar. Muitas perguntas continu- consciência. Então a gente fica com um Lembra o que acontece quando você
am sem resposta - e, como você pode outro jeito de definir o "eu": ele é tudo a toma um susto? Primeiro vem uma es-
ver nas colunas ao lado, nunca vão ter. que você pode ter acesso pela sua cabeça pécie de chacoalhão no seu corpo, de-
Mas não faltam argumentos que nos na hora. Ou, mais exatamente, tudo o que pois um salto meio inconsciente e aí a
deixem pelo menos mais perto de escla- você precisa pensar para falar e fazer. sensação de medo. E não há nada que
recer o mistério. Prepare-se para conhe- Nesse processo, informações da parte você possa fazer para evitar essa reação
cer esse "eu" que mora em você. consciente às vezes são escondidas. em cadeia. Aliás, para ser bem sincero,
Quando você está aprendendo a dirigir, não existe nem um "você" presente nes-
Você, por você mesmo por exemplo, precisa pensar para trocar se processo todo. A consciência de que
Afinal, o que é a consciência? Foi esse as marchas do carro. Operar o câmbio é o susto aconteceu só vem depois dele.
o problema enfrentado pelo linguista uma preocupação que faz parte da cons- E talvez não seja à toa. Segundo um dos
Ray )ackendoff, da Tufts University, e ciência do motorista de primeira via- neurologistas mais respeitados do
pelo filósofo Ned Block, da Universida- gem. Depois de alguma experiência, a mundo, o português António Damásio,
de de Nova York. Eles chegaram a dois troca de marchas vira uma coisa auto- da University of Southern California, o
significados fundamentais. mática, tão inconsciente quanto a respi- processo que te levou a perceber o sus-
Em primeiro lugar, consciência é o co- ração e o trabalho das enzimas do estô- to reproduz a história evolutiva da
nhecimento que você tem de você mes- mago. E o "eu" fica liberado para matutar mente, na qual a consciência é o último
mo. Nossa cabeça consegue formar óti- sobre o filme, os passantes, a chuva. passo de todo o processo. -+

NOVEMBRO 2015 SUPER ~7


A primeira forma de pensamento na perguntar nada. Sempre foi assim: Você vê o mesmo que eu?
natureza não vinha com o "eu..- no pa- todas as decisões da sua vida foram to- Como ter certeza de que
cote. Era só emoção. Para Damásio, a as cores que você vê aí em
madas sem que você fosse consultado.
cima são as mesmas que
emoção é uma imagem mental forma- Todas. Se neste momento você resolver outra pessoa veria? E se a
da por várias coisas ao mesmo tempo, jogar esta revista pela janela, saiba que sensação que você t em do
tipo a dilatação da pupila, a descarga de seu cérebro já ordenou que você fizesse vermelho é idêntica à que
adrenalina e a tensão muscular que isso sem que a parte consciente da sua eu tenho do verde? Para
a física, o que chamamos
acontecem na hora do susto. Quando a cabeça se desse conta. de vermelho é apenas
mente processa tudo isso junto e vê Essa é uma possibilidade aberta por uma frequência de uma
que tem algum perigo por perto, faz pesquisas sobre o funcionamento do onda eletromagnética,
você dar um salto, por exemplo. Isso foi cérebro feitas pelo falecido neurocien- mas nada garante que
a representação mental
essencial para os animais primitivos na tista norte-americano Benjamin Libet, dessa cor seja a mesma
luta pela sobrevivência, já que permitiu pioneiro dos estudos sobre a consci- para nós dois.
reagir automaticamente a ameaças. ência. Entender o raciocínio dele é fá-
Com o tempo, o cérebro aprendeu a cil: levante seu braço agora mesmo.
lidar melhor com a tal emoção dos se- Levantou? Pois Libet concluiu que o
res vivos, criando um "eu" para admi- impulso que seu cérebro acabou de idéia, um conceito qualquer. Mas, note
nistrá-la. Que vantagem isso dá? Sim- enviar para erguer o seu braço partiu bem, eles têm vida própria. E estão na
ples: imagine que você sempre tome um pouco antes de você ter decidido Terra com um objetivo único: se espa-
um baita susto toda vez que vê uma levantá-lo. Você, o legítimo dono do lhar, igual os genes fazem. Quer ver um
barata. E que comece a trabalhar num membro, pode não passar de um figu- meme agora mesmo? Então pense em
lugar infestado delas. Em vez de passar rante nesse processo. alguma música das Spice Girls - ou em
a dia inteiro cheio de adrenalina e com Mas espera um pouco. Se realmen- qualquer uma que você gostava quando
a musculatura tensa, gastando um te não temos domtnio sobre nossas era mais novo. Se ela começa a tocar so-
monte de energia à toa, você usa a ações, somos o quê, então? Sinto lhe zinha na sua cabeça, é porque você está
consciência e se pergunta: "Por que eu dizer, mas, segundo Richard Dawkins, testemunhando um meme em ação. Se
tenho medo de barata?" E tenta arranjar professor emérito da Universidade de você resolver cantar a música e alguém
um jeito de se livrar desse medo. Oxford - que hoje pode ser famoso que estiver do seu lado ficar com ela na
Mas por que não é fácil controlar o pela militância antirreligiosa, mas é cabeça, você está vendo um meme se re-
medo e outros sentimentos que só (ironia) um dos "papas" da biologia produzir, passar de um corpo para outro.
atrapalham a sua vida? Exatamente moderna - você não passa de um robô, Como se fosse um gene! Ou uma carinha
porque a consciência é só a ponta do "ainda que um bem complexo". mal desenhada na internet.
iceberg desse conjunto de reações ir- Essa posição tão simpática vem de Essa lógica serve para tudo no mundo.
racionais e automáticas que deu ori- uma ideia genial: a de que somos "má- Um filósofo, do ponto de vista "meméti-
gem à mente. Para Damásio, a emoção quinas de sobrevivência" dos nossos ge- co", é o meio que uma biblioteca tem de
e o sentimento compõem o grosso d a nes. "Máquinas" porque eles usam nos- produzir outras bibliotecas. E por aí vai.
mente, e não o pensamento, a razão. sos corpos para se reproduzir e depois Vivemos numa "memosfera" carregada
Essa teoria dá urna boa ideia da ori- vão embora. Por essa visão, quem já teve de ideias que lutam para se reproduzir.
gem da consciência. Afinal, ela é útil o trabalho de arrumar parceiros sexuais E em que lugar uma ideia tem me-
para o controle das emoções, e acaba aju- e criar filhos pode morrer tranquilo por lhores condições d e procriar? Num
dando na sobrevivência. Mas por que ter cumprido sua missão: ajudar suas cérebro humano. É ele quem tem o
tem de existir um "alguém" aí dentro de moléculas de DNA a continuar sobre a trabalho de espalhar ideias por aí, não
você? Não daria para a mente trabalhar Terra. E mais nada. Bom, se os genes são é? Cérebros são o paraíso dos memes.
no piloto automático? Alguns acham os chefes dos nossos corpos, quem man- Um conceito que esteja em várias ca-
que é isso mesmo que ela faz, que não da na nossa mente, nas nossas ideias? beças, entrando por muitas orelhas e
mora ninguém dentro da sua cabeça. Para Dawkins, a diretoria aí não é forma- saindo por muitas bocas, fica com
da exatamente pelo genes, mas pelos chances melhores de crescer e de se
Você, robô memes - pelo menos esse é o nome que reproduzir no "mundo das ideias".
Você já leu esta linha. E esta também. o inglês inventou. Para Dawkins, então, a mente é um
Faz meio segundo que o seu cérebro Isso tem pouco que ver com as piadi- emaranhado de memes em busca de
processou cada uma dessas letras que nhas de humor duvidoso na internet, um lugar ao Sol. E você, o dono do cé-
você está lendo agora. Ele faz todo o que herdaram o nome por sua pretensão rebro, não tem nada a ver com isso. A
trabalho antes que você tenha consci- a se tomarem memes. Um meme, no briga para ver o que se passa na sua
ência do que está acontecendo, sem sentido original, é basicamente uma cabeça é entre eles, caro robô. -+

1.8 SUPER NOV EMBRO 2015


r
Se você achou isso difícil de engolir, bate de frente com Dennett, seu mais
não é o único. O filósofo Daniel Dennett, ferrenho rival acadêmico.
do Centro de Cognição da Universidade Pense bem, a consciência é um fe-
Tufts, nos EUA, também achou. Mas é nômeno bastante poderoso, mas que
uma ideia que se encaixa tão bem em ninguém sabe muito bem onde está.
outras teorias da biologia que até ele aca- Mesmo sendo o centro da existência de Máquinas podem
bou engolindo. E criou uma explicação todo mundo, nenhum cientista conse- ter consciência?
da consciência baseada nos memes. guiu matar a charada e dizer de onde ela Imagine se a gente pudes-
se tirar um dos neurônios
Para ele, o nosso cérebro é um ema- surge, ou sequer afirmar com certeza
do cara da foto aí ao
ranhado quase infinito de memes que quais seres têm ou não consciência. lado e substituí-lo por
estão agora mesmo no seu inconscien- Um jeito científico de tentar detec- um chip com as mesmas
te. O que eles fazem é ficar brigando tá-la é colocar animais na frente de um funções. O cérebro dele
ia continuar funcionando,
uns com os outros lá no escuro até que espelho para ver se eles conseguem se
certo? Agora, imagine que
um ganha vantagens sobre os outro se reconhecer. Por esse critério, bebês continuamos trocando
consegue "ver a luz". Quer dizer: ele humanos de um ano não têm consci- células por chips equiva-
emerge na sua cabeça em forma de uma ência. Os animais que passaram no lentes. O resultado seria
ideia consciente, pronta para sair da sua teste até hoje são outros hominídeos uma máquina idêntica
ao nosso cérebro,
boca e se reproduzir em outras cabeças. (chimpanzés, bonobos e orangotangos, mas... ela teria alguma
O modelo de Dennett é bastante mas não gorilas), elefantes, golfinhos consciência? E seria essa
complexo, mas tem uma essência sim- nariz-de-garrafa, orcas e, por incrível consciência a mesma
ples. Para ele, o cérebro tem dificuldade que pareça, a pega-rabuda (esse é o do cérebro original?
em lidar com o turbilhão de ideias que nome), um tipo de gralha europeia.
moram lá. Então a consciência não seria Ainda assim, muitos cientistas contes-
exatamente um meme qualquer que tam os resultados. Mas por enquanto de consciência. Já uma pedra não passa
pula para fora, mas uma "máquina vir- não dá para ir mais longe. por muitas emoções ao longo da vida. A
tual" criada para controlar o jorro de Para Chalmers, ninguém conseguiu única coisa que ela faz é esfarelar com o
ideias. uma espécie de "filtro" dos me- achar a resposta por um motivo bem tempo, bem devagarinho. Então seu
mes que estão enterrados em sua cabe- simples: ela estava embaixo do nariz de grau de consciência seria minúsculo.
ça. E o nome que você dá para essa má- todo mundo. A consciência para ele é Uma estrela, digamos, é grande e agitada
quina, enfim, é "eu", amigo robô. uma propriedade das coisas. De qual- por dentro, mas não faz nada de comple-
A conclusão, mais uma vez pouco quer coisa: de um ganhador do Nobel a xo: é só uma bolona que gera energia
animadora, é que a sua consciência não um caixote, tudo tem consciência. fundindo hidrogênio, uma rotina bas-
passa de ilusão. O que você chama de Se, a essa altura, você já está seguran- tante tediosa. Então seu grau de consci-
"eu", na verdade, é uma estratégia dos do o seu chapéu e achando isso tudo um ência não seria lá essas coisas.
milhões de memes para se regularem. absurdo, pense de novo na ide ia. Largue Por esse ponto de vista, a consciên-
Tudo certo então? Claro que não. Uma o seu chapéu e tente responder. por que cia é nada mais que uma propriedade
teoria da consciência, pelo menos tão essa benção, essa força tão poderosa, só do mundo físico, como a massa e a ve-
instigante quanto essa, fala exatamen- apareceria no cérebro humano? Não pa- locidade. Do mesmo jeito que uma coi-
te o contrário. Vamos lá. rece muita pretensão nossa? É por isso sa pode ser mais rápida ou mais pesada,
que, para Chalmers, ela pode, sim, estar ela também pode ser mais consciente
Você, em todo lugar em tudo: seja numa pedra, num pedaço que outra.
Se você está preocupado com a possibi- de papel ou numa estrela. O motivo pelo Mas a teoria não faz sentido para
lidade de ser apenas um robô sem con- qual você nunca percebeu essa habilida- todo mundo. Na verdade, Daniel Den-
trole sobre si mesmo, chame o neuro- de neles é que existem diferentes graus nett, o arqui-inimigo de Chalmers, acha
cientista e filósofo David Chalmers, da de consciência. Para ele, quanto mais tudo isso tão absurdo que se preocupa
Universidade Nacional da Austrália. complexa for a atividade de uma coisa, basicamente em tirar sarro da teoria.
Para ele, esse tipo de argumento é coisa quanto maior for o número de diferentes Dennett propõe a seguinte cena: um
de gente preguiçosa. "A maneira mais "e>..'Periências" que ela vivenda- em ou- bebê brincando com um filhote de ca-
fácil de desenvolver uma teoria da tras palavras, quanto mais complexo for chorro. O que os dois têm em comum?
consciência é negar que ela existe", afir- o objeto - maior sua "quantidade" de São fofos. E muito. Assim como a cons-
ma ele em seu livro The Conscious Mind consciência. Um cérebro experimenta ciência, a fofura é uma força poderosa,
("A Mente Consciente", inédito em por- bilhões de impulsos elétricos por segun- que pode estar em qualquer lugar e que
tuguês). Chalmers, você vê, acredita que do. É a coisa mais frenética do Universo é bem difícil de conceitualizar (tente, por
a consciência não seja só uma ilusão e conhecido. Então ele tem um grau alto exemplo, explicar o que é fofura sem usar -+

NOVEMBRO 201S SU PER 21


Há como medir pensa só nas três ou quatro jogadas mais O mesmo aconteceria no cérebro.
o consciência? sensatas. Mesmo sem perceber, você de Dentro da sua cabeça, tudo o que você
Aparelhos de ressonância JW.77:1:tí:t:
magnética, tomografia
alguma forma conseguiu tirar um senti- sente e pensa está espalhado em áreas
e encefalogra ma são do do jogo e agir de acordo com alguma distantes. O que você vê agora é proces-
instrumentos com lógica -algo que fios, chips e eletricidade sado perto da sua nuca, e as coisas de que
os quais os cientistas não conseguem fazer sozinhos. você lembra ficam no meio do cérebro.
estudam a mente. Só que
Outro ponto em que somos bem Para Penrose, então, os sinais que os
nenhum deles possibilita
leitura direta do conteúdo diferentes das máquinas é que nós neurônios transmitem poderiam ficar
da consciência de uma nunca pensamos em apenas uma in- em vários lugares ao mesmo tempo, que
pessoa. A única a que um formaçãp por vez. Você pode até estar nem os elétrons dos experimentos quân-
cientista tem acesso
aqui processando as informações des- ticos, por uma fração de segundo. A jun-
é a dele mesmo.
O problema é que a se texto, mas ao mesmo tempo está ção dessas pequenas flutuações resulta-
ciência precisa de ligando essas ideias ao cheiro que você ria no jeito como você e eu sentimos a
evidências do mundo está sentindo, às mem órias do que cor azul e a sensação de segurar esse pa-
físico para comprovar você fez nos últimos tempos, à sensa- pel simultaneamente. Em suma, ela for-
teorias. Se pensar a
consciência a partir da ção do lugar em que você está e aos maria a sensação do "eu".
própria consciência barulhos que está ouvindo. Cada mo- O problema é que nenhum desses
contraria os valores mento que você vive é processado ao argumentos fez a ideia de Sir Penrose
científicos fundamentais mesmo tempo por vários neurônios, ganhar crédito. Uns contestam a mate-
e e xtrapola os limites
da ciência, como é em diferentes partes do cérebro. mática da teoria. Outros falam que os
possível explicá-la É como se o mesmo sinal passasse por fenômenos quânticos não poderiam
cientificamente? vários processadores intimamente li- existir dentro de um cérebro, um am-
gados, como se todos fossem um só. biente grande e quente que não dá con-
E é claro que um computador não dições para que os átomos se compor-
os dedos. Difícil, não?) "Já que é assim, consegue fazer uma reprodução exata tem de um jeito tão estranho. Tem
por que não considerar a fofura uma pro- disso. Mas por que não? Para responder ainda quem diga que Penrose só subs-
priedade fundamental da matéria?", disse essa pergunta, o matemático Roger Pen- tituiu um mistério por outro e não tem
o filósofo, em um artigo de 2004. rose, da Universidade de Oxford, Ingla- nada que tentar explicar o inexplicável.
O problema é que não existem meios terra, buscou inspiração em um mundo "Mas estou aberto para qualquer um
de provar nem a teoria de um, nem a do quase tão estranho quanto nosso cére- que venha e me mostre que eu estou
outro. A biologia fica de mãos atadas na bro: o da física quântica, que descreve o errado. E ainda estou esperando!", desa-
hora de debater a consciência. Mas a comportamento das coisas ultramicros- fiou a matemático. Vai encarar?
física talvez não. cópicas. Lembre-se do que acabamos de Com certeza, muita gente vai. Penro-
dizer sobre o cérebro: é uma máquina se continuou trabalhando em sua teoria
Você, atômico que processa informações como se elas e, em 2013, ele e o anestesiologista Stuart
A gente pensa num cérebro como se fos- estivessem em vários lugares ao mesmo Hameroff afirmaram com todas as letras
se um grande computador. É até natural. tempo e que, de alguma forma, consegue que o cérebro é um "computador quân-
Afinal, os dois têm memória, processam extrair uma força maior, um sentido de tico". Uma máquina que mal existe ain-
informações e travam de vez em quando. tudo isso. É algo que poderia ser compa- da. Mas essa é uma daquelas questões
Além disso, a estrutura do cérebro, com rado a um elétron, por exemplo. centrais a qualquer área da ciência - e
bilhões de neurônios, axônios e sinapses, Ele nunca está em um lugar definido. que nunca vai morrer. Enquanto existir
lembra o emaranhado de fios e micro- É como se estivesse sempre indeciso essa voz aí na sua cabeça que você se
chips que temos nas nossas máquinas. E sobre onde ficar e, enquanto não "resol- acostumou a chamar de "eu", existirá
existe um sinal elétrico correndo lá den- ve", se mantém em vários lugares ao quem tente descobrir de onde ela vem,
tro, seja na máquina, seja na cabeça. mesmo tempo. E, de alguma forma, é do que ela é feita. Quem sabe o "eu" de
Mas existe uma coisa que os cérebros dessas interações que saem as leis da fí- algum deles ainda desvende o seu? O
manjam e que computador nenhum sica com as quais lidamos no dia a dia.
consegue fazer: abstrações. Uma partida PA~A SA3fH MAIS
As estranhezas da física quântica
de xadrez, por exemplo, tem um número não param por aí. As partículas podem MENTE, CÉREBRO E COGNIÇÃO, João de
absurdo de caminhos diferentes. O que se comportar como pequenos bonecos Fernandes Teixeira, Vozes.
um computador faz na hora de jogar? de vodu. Exatamente: se você "espetar" OMISTÉRIO DA CONSCitNCIA. Antônio Da más io,
Tenta um número enorme de jogadas até uma aqui, outra "sente a dor" em outro Cia das Letras.
achar uma que tenha boas chances de lugar, não importa a distância que se- CONTENT ANO CONSCIOUSNESS, Daniel Dennett,
sucesso. Já você, antes de cada lance, pare as duas. Bizarro, não? Rout ledge Classics.

22 SUPER NOVEMBRO 2015


VOCÊ NÃO TOMA AS PRÓPRIAS
DECISÕES - E BOA PARTE
DO QUE VÊ NÃO É REAL. É
APENAS UMA ILUSÃO CRIADA
PELO SEU CÉREBRO, QUE PASSA
PELO MENOS 4 HORAS POR DIA
ENGANANDO VOCÊ. CONHEÇA
OS TRUQUES QUE ELE APLICA
- E SAIBA O QUE REALMENTE
ACONTECE DENTRO DA MENTE .
Texto Alexandre de Santi" Design Rafael Quick

VOCÊ FICA CEGO 4 horas por d ia. Já foi enganado


por um rótulo nesta semana. Tem preconceitos sobre
todos os assuntos (por mais que ache que não). Toma
decisões irracionais, que vão contra os seus interesses.
Você não está no controle da própria mente. Mas não
se preocupe: você é normal. Não é maluco e possui um
cérebro perfeito, como o de qualquer outra pessoa. Só
que ele inventa coisas para iludir você. Não é por mal.
E só uma maneira de economizar energia.
O cérebro humano é o objeto mais complexo do
Universo. Tem 86 bilhões de neurônios, que podem
formar 100 trilhões de conexões. Se fosse possível criar
um computador com o mesmo número de circuitos do
cérebro, ele consumiria uma quantidade absurda de
eletricidade: 6o milhões de watts por hora, segundo
uma estimativa de cientistas da Universidade Stanford.
É o equivalente a quatro usinas de Itaipu trabalhando
simultaneamente. Mas o cérebro humano gasta pou-
quíssima energia - 20 watts, menos que uma lâmpada.
E mesmo assim consegue fazer coisas extremam ente
sofisticadas, de que nenhum computador é capaz.
Só que isso tem um preço. O seu cérebro não con-
segue anal isar as situações de forma completamente
racional, avaliando todas as variáveis envolvidas em
cada caso. Para fazer isso, ele precisaria de ainda mais
circuitos - e muito mais energia. Mas, ao longo da
evolução, a natureza encontrou uma solução: o cérebro
pode mentir para seu dono. Sim, mentir. Descartar
informações, manipular raciocínios e até inventar
coisas que não existem. Dessa forma, é possível s im-
plificar a realidade- e redu zir drasticamente o nível
de processamento exigido dos neurônios. "São efeitos
colaterais do funcionamento normal do cérebro", diz
Suzana Herculano-Houzel, neurocientista d a Univer-
sidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). --+

• Colaboraram Bianca Carneiro c Cris tina Kist.


NOVEMBRO 2015 SUPER 25
Tudo começa pela visão. cu sta a bala? Responda rápido. Vinte centavos,
Você não percebe, mas o VOCÊ NÃO certo? Errado. Você acaba de ser enganado pelo
próprio cérebro. Mas não está sozinho - m ais da
cérebro edita o que você vê.
Das 16 horas por dia que
ENXERGA metade dos estudantes de universidades prestigia-
uma pessoa passa acorda- O QUE ESTÁ das como Harvard, MIT e Princeton responderam
da, em média, 4 horas são a essa mes ma pergunta e também erraram (entre
preenchidas por imagens ACONTECENDO alunos de instituições menos badaladas, o índice
de erro é ainda maior, cerca de 8o%). Essa chara-
"artificiais"- que não foram
captadas pelos olhos, e sim
AGORA, da é um dos exemplos citados no livro Thinking,
criadas pelo cérebro. MAS VÊ O Fast and Slow (Pensando, Rápido e Devagar, ainda
O olho humano só cap- sem versão em português), do psicólogo israelense
ta imagens com clareza em FUTURO. Daniel Kahneman, que ganhou o Prêmio Nobel
de Economia de 2002 por suas pesquisas sobre o
uma pequena parte, a fóvea,
que tem l. milimetro de di-
QUE SEU comportamento humano.
âmetro e fica no centro da CÉREBRO Para Kahneman, o cérebro tem dois tipos de pen-
retina. Então, para compor samento. O primeiro é rápido e intuitivo e confia
a linda imagem que você INVENTA. na experiência, na memória e nos sentimentos para
está vendo agora, os seus tomar decisões. O segundo é lento e analítico - e
olhos estão constantemen- serve como uma espécie de guardião do primeiro.
te em movimento. Eles focam determinado ponto e Se estamos decidindo sobre o que comer, podemos
depois pulam para o ponto seguinte. Cada um desses ficar em dúvida entre um sanduíche e um prato de
saltos tem duração de 0,2 segundo. Quer comprovar feijão. Mas por que essas duas opções, justo elas,
isso na prática? Na próxima vez em que você estiver surgiram como as alternativas válidas para o mo-
conversando com uma pessoa, preste atenção nos olhos mento? Por que você não considerou um bacalhau
dela. Você irá perceber que eles se movimentam o com batatas? Por que não um sorvete de abacaxi?
tempo todo para escanear vários pontos do seu rosto. Porque o seu pensamento intuitivo já estava inclinado
O problema é que a cada pulo desses, enquanto para optar pelo sanduba ou pelo feijão e restringiu
os olhos estão se movendo para a próxima posição, previamente as escolhas, antes mesmo que você se
o cérebro deixa de receber informação visual por 0,1 desse conta de que estava chegando a hora de almoçar.
segundo. Durante esse tempo, você está cego. E, como Do contrário, passaríamos horas avaliando todas as
nossos olhos fazem pelo menos 150 mil pulos todos possíveis opções de refeição - e morreríamos de fome.
os dias, o resultado são 4 horas diárias de cegueira Se o pensamento intuitivo não existisse, seria extre-
involuntária. Você não percebe isso porque o cérebro mamente difícil escolher uma roupa ou responder a
preenche esses momentos com imagens artificiais, que perguntas banais, do tipo "como você está?" ou "gostou
dão a sensação de movimento contínuo. Mas que, na do filme?". De certa forma, o pensamento intuitivo é
prática, você não viu. o que nos diferencia dos robôs. E é ele que permite
Tem mais: o que você enxerga não é o que está ao cérebro processar informações na velocidade ne-
acontecendo - e sim o que vai acontecer no futuro. É cessária. "Ele é mais influente. É o autor secreto de
sério. Isso acontece porque a informação captada pelos muitas decisões e julgamentos que você faz", explica
olhos não é processada imediatamente. Ela tem de Kah neman no livro. Foi o pensamento intuitivo que
passar pelo nervo óptico e só depois chega ao cérebro. apontou os R$ 0,20 como resposta para o enigma do
O processo leva frações de segundo, e você não pode café. Só que ele mentiu para você. A resposta certa
esperar- um atraso na visão pode fazer com que você é R$ 0,10. Se a bala custasse R$ 0,20, o café custaria
seja atropelado ao atravessar a rua, por exemplo. Então, R$ 2,20 - e o total daria R$ 2,40.
o que faz o cérebro? Inventa. Analisa os movimentos Esse duelo entre os dois tipos de pensamento, o
de todas as coisas e fabrica uma imagem que não é rápido-intuitivo e o lento-analítico, também tem uma
real, contendo a posição em que cada coisa deverá explicação evolutiva. O córtex pré-frontal, região
estar 0,2 segundo no futuro. Você não vê o que está do cérebro responsável pelo processamento lógico,
acontecendo agora, e sim uma estimativa do que irá surgiu relativamente tarde na evolução da espécie
acontecer daqui a 0,2 segundo. humana -já as emoções e os instintos estavam com
nossos ancestrais há muito mais tempo. Por isso elas
As mentiras invadem a razão são tão fortes e nos influenciam tanto. "A filosofia
Com R$ 2,2o, você pode comprar um café e uma considera o ser humano um animal racional. Mas o
bala. O café custa R$ 2 a mais do que a bala. Quanto que sabemos é que apenas em certas circunstâncias e __.

26 S UP ER NOVEMBRO 2015
à custa de muito esforço conseguimos ser racionais", Ele está no controle
afirma Vitor Haase, médico e professor de psicologia As manipulações criadas
O SEU
da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). pelo cérebro afetam até a CÉREBRO
O pensamento intuitivo está sempre presente, até capacidade mais essencial
nas situações em que a racionalidade é suprema- do ser humano: tomar as DECIDE
menteimportante. Um estudo de pesquisadores das
universidades de Ben Gurion, em Israel, e Columbia,
próprias decisões. Quando
você decide alguma coisa,
AS COISAS
nos EUA, analisou o comportamento de juízes que na verdade o cérebro já SOZINHO.
deveriam decidir sobre a liberdade condicional de decidiu -com uma antece-
presos (um processo rápido, que leva 6 minutos). dência que pode chegar a 10 DEZ
Em média, somente 35% dos condenados ganhavam
a condicional. Mas os cientistas perceberam que
segundos. Uma experiência
feita no Centro Bernstein
SEGUNDOS
os juízes eram muito mais benevolentes depois de Neurociência Computa- ANTES
de comer. Quando eles tinham acabado de fazer cional, em Berlim, compro-
uma refeição, a taxa de aprovação subia para 65%. vou que as nossas escolhas QUE VOCÊ
Com o passar do tempo, a fome vinha chegando,
e a concessão de liberdade condicional ia cain-
são resolvidas pelo cérebro
antes mesmo de chegarem
SEQUER
do. Minutos antes do próximo lanche, o índice de à consciência. Voluntários PENSE.
aprovação era quase zero. foram colocados em frente a
Decidir sobre liberdade condicional e julgar a uma tela na qual era exibida uma sequência aleatória
própria felicidade são tarefas complexas. Para avaliar de letras. O voluntário tinha que escolher uma das
todas as variáveis envolvidas, muitas delas subjetivas, letras e apertar um botão sempre que ela apareces-
o cérebro tenderia a ficar sobrecarregado. Por isso, ele se. Os cientistas monitoraram o cérebro dos parti-
usa atalhos. "Os nossos problemas são resolvidos no cipantes durante o experimento. E chegaram a uma
piloto automático, por meio de soluções que a cultura descoberta impressionante: 10 segundos antes de os
já embutiu no nosso cérebro", diz Haase. voluntários escolherem uma letra, sinais elétricos
Estudos têm revelado outra distorção: toda pes- correspondentes a essa decisão já apareciam nos
soa sempre tende ao otimismo, mesmo quando não córtices frontopolar e mediai, as regiões do cérebro
há motivos para isso. A pesquisadora Tali Sharot, ligadas à tomada de decisões. Cinco segundos antes
da University College London, gravou a atividade de o voluntário apertar o botão, o cérebro ativava os
cerebral de voluntários enquanto eles imaginavam córtices motores, que controlam os movimentos do
situações banais - como tirar uma carteira de iden- corpo. Isso significa que, 10 segundos antes de você
tidade. Ela também pediu que os voluntários pen- fazer conscientemente uma escolha, o seu cérebro
sassem em coisas do passado. Os testes mostraram já tomou a decisão para você - e até já começou a
que as mesmas estruturas cerebrais são ativadas para mexer a sua mão.
recordar o passado e imaginar o futuro. Só que, ao "O indivíduo não é livre para escolher", afirma Re-
imaginar o futuro, os voluntários criavam cenários nato Zamora Flores, professor de genética do com-
magníficos - era o cérebro tentando colorir os eventos portamento da Universidade Federal do Rio Grande
sem graça. "Cerca de 8o% das pessoas têm tendência do Sul (UFRGS). O cérebro restringe previamente as
ao otimismo, algumas mais do que outras", diz ela. suas possíveis opções e, pior ainda, escolhe uma delas
Para Tal i, autora do livro Oplimism Bias (O Viés do antes mesmo que você se dê conta.
Otimismo, ainda sem versão em português), o otimis- É possível lutar contra isso. Lembra-se daquele outro
mo é sempre mais comum que o pessimismo - seja tipo de pensamento, o lento-analitico? Basta colocá-lo
qual for a faixa etária ou o grupo socioeconômico em ação. E isso você consegue tendo calma, refletindo
da pessoa. Assim, nunca acreditamos que algo vá sobre as coisas e duvidando das suas escolhas e opi-
dar errado - mesmo quando o mais racional seria niões. Os truques do cérebro são poderosos, mas não
pensar que sim. "As taxas de divórcio, por exemplo, invencíveis. Agora que você sabe como funcionam, está
chegam a 40%, so%. Mas as pessoas que estão para muito mais preparado para lidar com eles- e se tornar
casar sempre estimam s uas chances de separação realmente livre para tomar as próprias decisões. e
em o%", exemplifica Tali. Segundo ela, a inclinação
natural ao otimismo também é um dos fatores que PARA SABfH MAIS
levaram à crise econômica global de 2008. "As pessoas COMO A MENTE FUNCIONA, Steven Pinker,
achavam que o mercado continuaria subindo cada vez Companhia das Letras.
mais e ignoraram as evidências contrárias", afirma. RÁPIDO E DEVAGAR, Daniel Kahneman, Objetiva.

NOV EMBRO 2015 S U PER 29


ATE NÇÃO

MI NHA
V I OA

Esta reportagem demorou


dois anos para ser escrita.
E a culpa não é (só) da
minha desorganização.
Eu tenho Transtorno
de Déficit de Atenção.
Aqui você vai entender como
meu cérebro funciona.
Texto Rodrigo Rezende
Fotos Somuel Esteves

BUZINA DE CARRo, latido de cachorro, choro de bebê, Se você tem TDAH, não é difícil se
"Que horas são?", "Rola algo no Facebook?", "Que pro- identificar com a história acima. Ela ex-
grama de TV é esse?", "O que tem para comer?", "Por que põe um dos traços mais característicos
alguém vai ler esta matéria mesmo?". Apenas 5 minutos do Transtorno de Déficit de Atenção e
sentado em frente ao computador e tudo isso já pas- Hiperatividade: dificuldade em gerenciar
sou pela minha cabeça. Tudo ao meu redor fala mais o tempo. O paciente TDAH também se
alto do que escrever este texto. Fecho a janela, checo o reconhece facilmente na brincadeira de
relógio, surfo na net, desligo a TV; como chocolate. Só Douglas Adams, autor do Guia do Mo-
então consigo voltar para explicar o que você ganha ao chileiro das Galáxias: "Amo prazos de en-
continuar lendo esta matéria: uma visão sobre como trega. Adoro o som que faze m quando
funciona uma mente inquieta. Nas próximas páginas, passam voando pela minha janela". Somos
você vai enxergar o mundo pelos meus olhos. Bem- tachados de avoados ou incapazes. Mas
-vindo ao cérebro TDAH. julgamentos como esses não explicam as
A redação da SUPER não é exatamente o melhor nuances do TDAH. Eu perco as contas de
lugar para manter a atenção. Pilhas de livros, revistas quantas vezes ch ego atrasado a compro-
importad as nas paredes, gente falando ao telefone. missos e esqueço datas de aniversário. Ao
Enquanto rabisco no bloquinho, o diretor de redação mesmo tempo, tenho a capacidade de ler
me explica a pauta: "Quero que você escreva sobre textos que me inte ressam por horas a fio
TDAH. Mas em primeira pessoa. Sua experiência pode nos ambientes mais caóticos possíveis.
ser interessante para o leitor". Topo imediatamente. É bem provável que você conheça mais
Marcamos o prazo de um mês para entregar o texto pessoas com esse perfil. Estima-se que um
que você lê agora. Prazo real de entrega: dois a nos. em cada 20 adultos apresente sintomas - t

30 SUPE R NOVEM BRO 2015


O cérebro
de alguém com
TDAH não consegue
filtrar os est•mu
· los·.
recebe tudo ao
mesmo tempo.

NOVEM B RO 2015 SUPER J1


OS PREJUÍZOS DO
TDAH SÃO
suficientes para ser diagnosticado com
TDAH. Um estudo de 2012 estimou que
ENORMES: ATÉ US$ cérebro. Essa capacidade de ver uma presa
e apagar o resto do mundo conferiu vanta-
o impacto da doença na produtividade
dos EUA era de até US$ 138 bilhões por
266 Bl AO ANO NOS gens evolutivas. E possibilitou que os ge-
nes do caçador TDAH chegassem até nós.
ano, com mais 56 bilhões no tratamento.
Somando também os custos em crianças,a
ESTADOS UNIDOS. "Estima-se que 8o% dos casos de TDAH
têm origens genéticas", diz o psiquiatra
cifra chega a astronômicos U$ 266 bihões.
Isso supera a depressão, cujo prejuízo foi
BEM MAIS DO QUE da New York University Lenard Adler.
Mas voltemos ao presente. Faz quatro
medido em U$ 210 bilhões este ano. Por
isso, entender o TDAH é uma tarefa cada
ADEPRESSÃO. horas que escrevo sem parar. Não batu-
co na mesa, como de costume. Nenhuma
vez mais importante. E é isso que eu fiz, janela aberta no navegador. Quem me
procurando alguém que conhece o assun- têm ideia de que sofrem de uma doença". conhece pode achar que estou possuído.
to bem de dentro. Mais exatamente, de Sorte foi exatamente o que levou Ana Be- E estou: por uma pílula. O mecanismo
dentro de seu próprio cérebro. atriz a ser diagnosticada. Atrasada para exato de funcionamento dos medicamen-
Uma pilha de exames com cérebros um curso na Universidade Berkeley (EUA) tos para TDAH é desconhecido. Mas os
coloridos. É o que mais chama atenção -"Começava às 8h. Cheguei 9h15"-, foi efeitos mentais são bem familiares. Em
na mesa da psiquiatra e autora de livros obrigada a assistir à única palestra dispo- alguns minutos, o cérebro, que funcionava
Ana Beatriz Barbosa. Mas não consigo nível no horário. O palestrante era Russell como um rádio fora de estação, entra em
tirar os olhos de um outro objeto: um Barldey, um dos pioneiros no estudo do sintonia. E o impossível se toma possível:
bloco de anotações. Dentro dele, vejo a TDAH. Ao ouvir os sintomas da doen- executar uma só tarefa por vez.
prova física do que já sabia antes: não sou ça, Ana Beatriz não teve dúvidas: "Sou Ritalin, Aderall, Concerta, Venvanse.
o único com problemas de atenção na sala. eu!". Logo que a palestra acabou, foi atrás Esses formam a primeira linha de com-
Os rabiscos caóticos só podem ter vindo de Barldey e pediu para fazer um teste bate na guerra contra os problemas de
de um lugar: outro cérebro TDAH. psicológico. Ele voltou com o resultado atenção (e têm sido abusados por gente
Enquanto enche de riscos o seu blo- positivo. Assim que começou a se tratar, sem o transtorno, como "anabolizante" do
quinho, Ana Beatriz explica o que há de Ana Beatriz,que cursou ao mesmo tempo cérebro). Mas essas armas não são exata-
errado em nossas cabeças: "O defeito es- Medicina, Física e Odontologia, conse- mente precisas. É possível, por exemplo,
tá numa parte do cérebro chamada lobo guiu pisar no freio da mente e seguir uma ingerir um medicamento com um alvo
frontal, que fica próxima à testa". O lobo estrada só: especializou-se em TDAH e em mente e acertar outro: engolir uma
frontal é uma espécie de gerente execu- hoje é autora de best-sellers sobre o tema. pílula com a intenção de escrever um
tivo do cérebro. A função dele é coletar texto e terminar arrumando a gaveta de
informações e enviar ordens em forma de Homo desatentus meias. Muito menos existe uma espécie
impulsos elétricos para as outras partes do Savana africana, 30 mil a.C. Em um pe- de bomba atômica contra o TDAH: um
órgão. Mas, como todo bom gerente, exige queno grupo de Homo sapiens, alguém se medicamento que funcione com 100%dos
um pagamento adequado para trabalhar. esforça para entender a conversa. Não é pacientes. Para tratar o TDAH, ainda é ne-
No caso, o pagamento é em dopamina, tarefa fácil. Folhas balançando ao vento, cessário alguém que entenda de estratégia
uma substância que regula a interação pilhas de ossos ao lado, trilhas de ani- de guerra: um psiquiatra capaz de testar
entre neurônios. Sem ela, os neurônios mais no chão. Tudo capta seu olhar. Mas os medicamentos adequados a cada caso.
do lobo frontal não conseguem conversar o IDAH pode ter sido uma vantagem para Mas agora a pergunta que realmente
direito. Quando isso acontece, o cérebro nossos ancestrais. Na luta pela sobrevi- interessa: como saber se você tem TDAH?
começa a funcionar como uma empresa vência entre caçadores-coletores, levava Se você chegou sem interrupções até aqui,
sem CEO: ganha o setor que grita mais vantagem quem possuía uma misteriosa a resposta mais provável é não. (Mas pode
alto. Com medo da falência, a empresa habilidade presente no cérebro TDAH: o ser que sim. E você está em hiperfoco
cerebral ainda pode tentar criar uma espé- hiperfoco. Hiperfoco é uma capacidade agora). A verdade é que só um profissional
cie de caixa dois de dopamina. Aí começa de superconcentração característica de vai saber responder. Mas, se a resposta for
uma busca desesperada por tudo que pro- muitas mentes desatentas. Você já deve sim, não se desespere. Afinal, um simples
move a produção do neurotransmissor. ter topado com gente assim: o menino TDAH não impediu você de ler este tex=
açúcar, sexo, nicotina, jogo, álcool, drogas que não para quieto, mas joga dez horas to até o final, não é mesmo? E nem me
ilegais. Entre 17% e 45% dos adultos com de videogame, ou a pessoa que não vai impedirá de escrever muitos outros. O
IDAH apresentam problemas com álcool. à aula, mas passa a tarde tocando violão.
O risco de se viciar em drogas é o dobro. Seriam todos descendentes diretos doca-
PARA SABfR MAIS
Mas como diagnosticar alguém assim? çador distraído, mas supereficaz. Para ele,
"Primeiro, é preciso sorte", diz a psiquiatra. um animal na savana é como um videoga- MENTES INQUIETAS
"Pessoas com TDAH muitas vezes não me ou um violão: algo que monopoliza o Ana Beatriz Barbosa, Principium.

32 SUPER NOVEMBRO 2015


~
a:
"':I...
111
"'
;;
N
o
"'co~
w
>
o
z
MARIANA ALMEIDA É APENAS UM ANO o tem po inteiro nos levar para o mau
mais nova que o irmão, Pedro. Na escola, caminho. Se vamos ceder às vontades
ela não era brilhante, mas estudava um ou não, depende do nosso autocontrole,
pouquinho todos os dias e conseguia um dos fatores mais decisivos para o
manter as notas altas, enquanto ele ra- desempenho da nossa vida.
ramente era aprovado em algu ma ma-
téria sem fazer recuperação. Na família Por que falar "não"?
de gordinhos, Mariana lutava contra a A clássica imagem dos desenhos a ni-
balança, enquanto Pedro gastava a me- mados em que o personagem tem um
sada em biscoitos recheados. Quando anjo num o mbro e um diabo no outro
ela arrumou o primeiro emprego, como não é exagero. De acordo com as úl-
secretária numa multi nacional, indicou timas pesquisas, é assim mesmo que
Pedro para um cargo de office-boy. Mas nos comportamos diante das tentações.
o trabalho era puxado, o chefe era nervo- É realmente uma batalha o que acon-
so, e ele não demorou a pedir demissão. tece entre a vontade de sentir prazer
Nos últimos dez anos, Pedro trabalhou im ediato contra o esforço de adiá-lo.
numa padaria, foi garçom de um bar, alu- Algumas pessoas são naturalmente mais
gou um carrinho de cachorro-quente, e descontroladas do que outras, mas, de
agora está desempregado, mas pensando maneira geral, todos temos coisas que
em comprar um táxi. Mariana continua conseguimos manter nos trilhos e outras
na mesma empresa, onde foi promovida que descarrilam de vez em quando. Tem
a secretária executiva, e vive empres- quem seja impecável no trabalho, por
tando dinheiro para o irmão. Quando se exemplo, mas não consiga levar uma
encontram na casa da mãe aos domingos, dieta a sério. Ou quem pratique espor-
ela fica na saladinha, enquanto ele se tes regularmente, mas não aguente ser
farta na macarronada, mas garante que contrariado sem partir para a briga.
naquela semana mesmo vai começar a Mas qual é o problema de ceder às
jogar futebol com os amigos. tentações? Bem, a existência do futuro.
Esta história talvez soe familiar para Se você soubesse que vai morrer ama-
você: dois irmãos ou amigos que tiveram nhã, não teria por que guardar dinheiro
oportunidades muito parecidas na vida, ou passar o sábado à noite estudando.
mas seguiram caminhos completamente Nem ficar comendo salada para não en-
diferentes. O manual de uma vida bem- tupir as veias de colesterol aos 50 anos.
-sucedida não é segredo para ninguém Essas preocupações só fazem sentido
- devemos comer verduras, praticar es- porque imaginamos que vamos viver
portes, man ter a calma no trabalh o, eco- muitos anos ainda. "Seguir nossos im-
nomizar dinheiro. Se algum dia você já pulsos seria adaptável biologicamente
fez uma lista de resoluções de ano-novo, se nós fôssemos projetados para viver
é possível que alguns desses itens esti- apenas por hoje. E sem preocupação
vessem presentes nela. Mas é provável com o bem-estar dos ou tros", defini-
que muitos deles nunca tenham virado ram os psicólogos alemães Wilhelm
parte da sua rotina. Andar na linha não Hofmann, Malte Friese e Fritz Strack
é tão simples quanto pode parecer à pri- no artigo Impulso e Autocontrole a Partir
meira vista: por trás das tentações há de uma Perspectiva Dual de Sistemas, de
um intricado sistema cerebral que tenta 2009. O homem não é o único animal
que precisa lidar com a tentação
do prazer imediato contra os pla-
nos de futuro. (O joão-de-barro
Sentir prazer é tão passa dias montando uma casi-
viciante para o cérebro nha no capricho, por exemplo, e
as abelhas constroem colmeias
quanto usar drogas. complicadíssimas para armazenar
alimento.) Mas nós somos os úni-
Por isso é tão perigoso. cos com interesses e necessidades --+

36 SU PE R NOVEMBRO 2015
muito mais complexos do que simples- O centro de Parece cocaína, mas é só comida
mente comer e procriar. Queremos, por Para piorar, a vontade de chutar o balde
exemplo, ter uma vida em sociedade. prazer do foi moldada em nós ao longo de milênios
Manter relações amigáveis seria pra-
ticamente impossível se todo mundo
cérebro é tão e milênios de evolução. Na pré-história,
os homens nem sempre eram bem-su-
resolvesse levar o hedonismo às últi-
mas consequências.
poderoso que cedidos na hora de caçar o jantar. Então
comidas calóricas, que proporcionassem
Fazer tudo o que dá na telha afasta as ratos que um estoque de energia por mais tempo,
pessoas próximas. Por isso cada grupo eram ideais para a sobrevivência. Hoje
na história da humanidade criou suas conseguem em dia, qualquer pessoa acima da linha
próprias leis e códigos morais parare-
gular sexo, drogas, comida e jogos. Na estimulá-lo de miséria tem uma alimentação regular
a seu alcance, mas o nosso cérebro ainda
Grécia Antiga, alguns prazeres eram
socialmente aceitos e cultuados na
deixam de está condicionado a preferir as comidas
mais gordurosas ou açucaradas. De fa-
figura do deus Dionís io, aquele das comer e quase to, o processo é parecido com um vício.
orgias e bebedeiras. Na Idade Média, Em cérebro tanto de viciados em drogas
por outro lado, quase todas as formas morrem de quanto de obesos, é comum haver um
de prazer eram proibidas: as tentações número reduzido de receptores de do-
deveriam ser pun idas com penitências, fome. pamina, o que faz com que circule mais
e todos viviam sob a ameaça da Inqui- dessa su bstância no corpo. A lógica é a
sição (Está Já no fim do pai-nosso: "Não de uma rua sem bueiros que alaga du-
nos deixei cair em tentação, amém"). rante uma tempestade. Sem receptores
Mas o cerceamento do prazer está pre- freque ntemente ao canto A, passando para absorver a dopam ina, ela sobra no
sente em todas as sociedades humanas, por Já até 7 mil vezes por hora. Ele aban- cérebro. É possível que esses indivíduos
de maneira mais ou menos radical. (No donou a comida, a água, os fi lhotes, e tenham nascido com menos receptores -
nosso mundo, essas regras se aplicam teve de ser retirado do aparato para o que os tornaria mais vulneráveis ao ví-
na hora de pegar a última empadinha não morrer de fome. Sem querer, os cio, ou seja, ao descontrole. Quase todas
do prato, por exemplo -todo mundo se cientistas fizeram um dos mais radicais as tentações podem potencialmente ser
controla para não fazer a desfeita com experimentos da neurociência: encon- viciantes: a preguiça, a procrastinação,
os outros.) Esse cuidado para regular as traram o centro de prazer no cérebro. a vontade de fazer compras - e o sexo.
tentações faz sentido: poucas coisas são No livro The Compass of Pleasure Entre nossos antepassados, qualquer
biologicamente tão poderosas quanto ("A Bússola do Prazer", inédito no possibilidade de procriação da espécie
a sensação de prazer. Brasil), o neurologista amer icano deveria ser agarrada com unhas e dentes
David Linden conta que m ais tarde (literalmente) - afinal, morria-se cedo,
Já é tentação descobriu-se que não havia somente a concorrência era braba e as ameaças
Nos anos 1950, os psicólogos Peter um pequeno ponto capaz de produzir eram mu itas. Hoje em dia, quando a
Mi lne r e Ja mes Olds, da Universi- prazer: havia um grupo de estruturas m aior parte do sexo não tem função
dade McGill, no Canadá, estavam conectadas, todas na base do cérebro reprodutiva, muitos já aprenderam que
testando o cérebro de ratos. A ideia e distribuídas ao longo da linha média. não é qualquer noite de amor que vale
era implantar eletrodos em uma área Quando os neurônios dessas regiões a pena (recaídas com ex-namorados?
chamada sistema reticular do mesen- estão ativos, incentivam a liberação Bebedeiras?). A tentação está lá, afinal o
céfalo para examinar o controle do de um neurotransmissor ch a mado prazer sexual também libera dopamina.
sono. O teste consistia em deixar os dopamina, responsável pela sensação Mas o homem moderno já aprendeu que
roedores explorarem livremente uma de prazer. Diversas áreas do cérebro às vezes vale a pena evitá-la.
caixa retangular com os cantos etique- são então inundadas pela dopamina, A modernidade, aliás, é péssima para
tados como A, B, C e D. Cada vez que incluindo as que controlam as emoções, quem quer se controlar. São tantas as
os ratos chegavam ao canto A, rece- o aprendizado e, claro, o julgamento e possibilidades que fica difícil optar por
biam um pequeno choque do eletrodo. o planejamento - ou seja, o autocon- algo sem pensar em todas as opções in-
Durante um experimento com um rato trole. A dopam ina causa uma sensação críveis deixadas de lado. Por que preparar
em especial, entretanto, o eletrodo aca- de prazer tão poderosa que você terá uma salada, se posso pedir hambúrguer
bou escorregando e se acomodando em vontade de senti-la de novo e de novo. no meio da noite? Por que economizar
outra área cerebral, uma região chama- Por isso qualquer coisa que estimule dinheiro, se dá para pagar em dez ve-
da septo. Milner e Olds perceberam que essas estruturas cerebrais - comida, zes? Com a internet, o excesso de in-
esse ratinho adquiriu o hábito de voltar sexo, preguiça - é tão tentadora. formações disponível manda para o __.

NOVEMBRO 2015 SUPER 39


espaço qualquer tentativa de controle. dos problemas, ficaram apenas 8 minu-
Docinhos explodindo gloriosamente na
tela, a 123 música no YouTube, mais um
tos tentando resolvê-los. Por outro lado,
aqueles que puderam se empanturrar
As dicas
quadrinho de memes no Facebook, isso de biscoitos insistiram nos problemas de ouro
faz as vezes do diabinho na hora em que durante uma média de 19 minutos. A
VÃ COM CALMA
você precisa trabalhar. O mundo mo- conclusão é a de que nossa habilidade O autocontrole não é infinito.
demo foi feito para os descontrolados. de nos comprometermos com objeti- Por isso não o desperdice
Os genes têm sua dose de culpa. vos a longo prazo depende da nossa se expondo a tentações, como
Diversos estudos, a partir da década reserva de d isciplina. Se o professor ir ao bar se você quer emagrecer.
passada, ligaram versões do gene da Baumeister estiver certo, e o nosso au-
ESTUDE O INIMIGO
monoamina oxidase (MAOA) ao baixo tocontrole for limitado, eis aí a primeira Entenda as consequências
autocontrole - o que inclui, talvez o técnica para melhorar seu desempenho. negativas de um comportamento.
ponto mais polêmico, a propensão à Bastaria aprender a gastá-lo o mínimo Bote na cabeça que, sim,
possível no dia a dia para poder lançar cigarro mata.
violência. Mas ainda está longe de estar
escrito na pedra."Apesar da evidência mão dele no que realmente importa. ESPALHE AO VENTO
de que o gene MAOA leva ao risco pa- Por isso, use-o com parcimônia. Por Assuma o compromisso em
ra a violência ser relativamente forte, exemplo, se no trabalho você gasta o público. Se você contar a todos
possuir uma variante menos funcional seu autocontrole tentando evitar bri- que está prestando concurso,
eles vão perguntar como vão
não é, de forma alguma, determinístico", gas com aquele seu colega folgado, é os estudos, a data das provas ...
escreveu o professor de psicologia Paul possível que de noite você não consiga
Denson, da University of New South resistir à porção de torresmo no bar. SEJA PRECISO
Wales, na Austrália. Denson é autor de Você simplesmente gastou toda a dis- Transforme objetivos
um desses estudos, que verificou em ciplina que tin ha disponível. abstratos em metas. "Perder
2 kg este mês" é mais concreto
pessoas com baixo autocontrole uma Aos poucos, foi ficando claro que o do que manter o objetivo
atividade exagerada em duas partes do autocontrole não é uma característica de emagrecer indefinidamente.
cérebro responsáveis pela regulação das constante e bem definida, que alguns
emoções, a amígdala e o córtex anterior têm a sorte de ter e outros não. O suces- CAIA NA GANDAIA
Comemore cada meta cumprida.
cingulado dorsal. so do autocontrole depende de muitas Vale comer um quadradinho
"Não é determinístico" quer dizer que, variáveis. Uma delas é a dificuldade que de chocolate depois de uma semana
não importa com o que você tenha sido a pessoa sente em se privar de uma coi- de dieta ou cair na balada depois
premiado na loteria genética, ainda assim sa específica. Um chocólatra vai sofrer de meses estudando para o vestibular.
é possível melhorar seu autocontrole. mais para fazer dieta do que alguém
ENCARE O PERIGO
que não liga para chocolate; ou alguém Ensaie para não ser pego desprevenido.
Eles estão controlados que não gosta de ler dificilmente vai Assim: "Se meu parceiro me chamar
Nos anos 1990, o cientista Roy Baumeis- tirar notas altas nas aulas de história. para uma rodada de pôquer,
ter, da Florida State University, resolveu Se precisamos do autocontrole apenas eu vou falar que não posso ir".
testar se o autocontrole era um recur- porque temos planos para o futuro, é PERMITA-SE
so ilimitado. A lógica é a seguinte: por de se esperar também que a capacidade Às vezes você merece uma
que, depois de se forçar a ir à academia, de manter o foco em um objetivo seja trégua. Se você seguir as
muitas pessoas não conseguem resistir importante. Se você cair na primeira metas com uma rigidez nazista,
a um brigadeiro de sobremesa? Será que possibilidade de prazer imediato, não a chance de desistir é enorme.
elas gastaram todo o autocontrole que vai chegar a lugar nenhum. Pense no
tinham? Para isso, Baumeister desen- exemplo: você está meio insatisfeito
volveu um experimento cruel: preparou com a barriga e decide começar a dieta
uma fornada de cookies com gotas de na segunda-feira. Na terça é aniversá-
chocolate, e deixou que somente alguns rio de um amigo, e ele marca num bar.
dos participantes os saboreassem. Aos Além da tentação do chope, vem tudo
outros, foram servidos insossos raba- o que o acompanha: salaminho, amen-
netes. Mais tarde, ele pediu ao grupo doim, provolone à milanesa, frituras em
todo que tentasse responder a alguns geral. Você segura a vontade e pede uma
exercícios - que, na verdade, eram in- salada e um suco? E como lidar com a
solúveis. Ele observou que aqueles que pressão dos amigos? "Mesmo a pessoa
foram forçados a resistir à tentação dos que quer economizar, se olhar para uma
cookies desistiram mais rapidamente vitrine em promoção, ficará tentada a ~

'f.O SUP ER NOVEMBRO 201S


Isso acendeu uma luz na comunidade que podem parecer artificiais- a ponto
Junto com científica. Sempre se falou muito sobre
como o status e o QI i n.fluenciam no su-
de parecerem racistas. Na e>."Periência,
alguns voluntários eram submetidos a
QI e status, cesso de alguém, mas tudo indica que o exercícios mentais tão desafiadores que
o autocontrole autocontrole é um pedaço importante da
questão. Não faltam histórias de pessoas
gastavam seu estoque limitado de auto-
controle. Em seguida, exaustos de tan-
define seA T
brilhantes que, por falta de disciplina,
não conseguiram passar em um teste
to se segurar, eram convidados por um
entrevistador negro para responderem
vocesera importante. Mas a boa notícia é que, ao sobre a diversidade racial nas univer-
contrário do status e do QI. que são dois sidades. Os resultados foram curiosos:
bem-sucedido fatores altamente resistentes a mudanças, os que estavam mentalmente esgotados
ounão.Mas o autocontrole pode ser melhorado com
alguns treinamentos simples.
ficaram muito mais relaxados durante a
entrevista e conseguiram falar natural-
ele é o único Em seu experimento com o marsh-
mallow, Walter Mischel fez uma ob-
mente sobre o assunto. Já aqueles que
não foram submetidos aos exercícios, e
que pode ser servação: as crianças que conseguiam
esperar pelo segundo doce utilizavam
cujo autocontrole estava intacto, foram
considerados artificiais.
aprendido. alguma estratégia de autoproibição: Mas nem é preciso ir tão longe. Às
fosse física (sentando sobre as mãos ou vezes o prazer que uma hora a mais de
escondendo o doce, por exemplo), fosse sono proporciona não vale o sacrifício
de distração (como olhando para outro necessário para acordar mais cedo. Em
gastar. Se você quer poupar, não é lado ou cantando uma canção). Assim, outras palavras, de vez em quando é bom
uma boa ideia passear no shopping", ele percebeu que o autocontrole tinha ceder às tentações e simplesmente des-
diz Patrícia Fonseca, pesquisadora de menos a ver com um comportamento frutar o momento. "O autocontrole não é
economia psicológica. naturalmente "zen'' das crianças, e mais meramente o ato de ser uma boa pessoa
Os benefícios de se segurar de vez a ver com uma estratégia ou esforço ou ser alguém responsável. É escolher a
em quando são claros. E também já consciente. (Lembra-se do que o herói quais das tentações você vai ceder - e
fora m testados, no mais famoso es- grego Ulisses fez para se defender das depois viver de acordo com essa esco-
tudo sobre autocontrole, conduzido sereias? Como ele sabia que o canto lha", diz Daniel Akst, autor do livro We
pelo psicólogo austríaco radicado nos das sereias poderia seduzi-lo a ponto Have Met the Enemy: Self-Control in an
EUA, Walter Mischel. Mischel elabo- de fazê-lo jogar-se ao mar e morrer Age of Excess ("Encontramos o Inimigo:
rou um experimento bastante simples. afogado, ele pediu que os marinheiros Autocontrole na Era do Excesso", sem
Convidou um grupo de crianças para entupissem seus ouvidos de cera para versão em português). De fato, vocês se
u ma brincadeira. Elas se sentariam de que ele não pudesse ouvir o canto delas lembram do Pedro, irmão da Mariana,
frente para uma mesa, o nde jazia um e o amarrassem ao mastro do navio.) Foi no começo desta reportagem? Ele não
marshmallow, e tinham duas opções: isso que fez Mischel: ele sugeriu essas se arrepende das tardes em que jogava
ou esperar pacientemente durante um técnicas às outras crianças que tinham pique-esconde na rua com os amigos,
tempo e ganhar um segundo marsh- mais dificuldade em esperar pelo segun- enquanto a irmã não saía de cima dos
mallow, ou come r imediatamente o do marshmallow, e muitas conseguiram cadernos. E ela, que não se diz exata-
doce e ficar sem o segundo. Apenas se segurar depois de instruídas. mente realizada no cargo de secretária
um terço das crianças conseguiu espe- de multi nacional, às vezes pensa como
rar. Inspirados pelos testes de Mischel, Controle traz felicidade? teria sido se tivesse arriscado abrir uma
pesquisadores da Universidade Duke Isso não quer dizer, no entanto, que o escola de inglês em sociedade com uma
acompanharam mil pessoas durante 30 segredo para uma vída bem-sucedida amiga, vários anos atrás, em vez de per-
anos, avaliando os efeitos da disciplina esteja em sempre abrir mão de suas severar na mesma rotina de sempre. Ela
e m s ua saúde, finanças,e segurança. vontades. O excesso de controle pode não poderia ser mais feliz? e
O estudo concluiu que quem t inha ser tão prejudicial quanto a falta dele.
problemas de autocontrole na infância Dois pesquisadores da Tufts Universi- PARA SABH ~AAIS
(que comeria imediatamente o primei- ty resolveram testar as desvantagens THE COMPASS OF PLEASURE. David J. linden,
ro marshmallow, por exemplo) acabava do exagero do autocontrole. A expe- Viking, 2011
tendo maior incidência de DSTs, de- riência era no complicado assunto das WE HAVE MET THE ENEMY: SELF-CONTROL
pendência de drogas, problemas finan- relações inter- raciais, e mostrou que IN AN AGE OF EXCESS.Daniel Akst, Penguin, 2011
ceiros, filhos sem planejamento e até pessoas bem intencionadas podem ser TO DO OR NOT TO DO: THE NEURAL S/GNATURE OF
envolvimento em crimes. tão cuidadosas para não dizer bobagens SELF-CONTROL. Mareei Brass e Patrick Haggard

NOVEMBRO 2015 SUPER 43


SEXTA-FEIRA
Acordo com um pouco de sono. E cadê aquele foco dos outros
dias? Será que a droga está perdendo o efeito? Assim que
termino de pensar isso, ela bate com tudo- e meu cérebro
entra no modo superconcentrado. O problema é que ele
superconcentra na primeira informação que aparece: um
e-mail dos meus amigos, que estão combinando de sair para
tomar umas cervejas hoje à noite. Quero ir, mas é melhor não
(não existem estudos sobre os efeitos da mistura modafinil·
álcool) . Fico frustrado e resolvo tomar um cafezinho. Pra
quê... meia hora depois, fico extremamente irritado (sem
nenhum motivo). E a parte superior esquerda da minha
cabeça começa a formigar! Cruz-credo.

Eu tomei a droga SÁBADO


Uma droga que aumenta a inteligência não serve só para
Levo uma vida s audável trabalhar, certo? Teoricamente, ela serve para qualquer coisa
que envolva inteligência - inclusive as divertidas. Decido
e me considero bem normal. pegar para ler um livro meio cabeçudo, que há tempos estou
querendo começar. A leitura flui depressa, mais do que seria
Por isso , decidi fazer uma normaL Mas isso não elimina o fato de que o livro é chato.
Logo desisto.
experiência arriscada -
passar uma semana tomando DOMINGO
modafinil. Veja no que deu . Domingo é dia de descanso. Resolvo não tomar a droga
e aproveitar para cair em prazeres mundanos. Saio, como,
bebo e converso a valer, e vou dormir bem tarde.

SEGUNDA-FEIRA
QUARTA-FEIRA Acho que exagerei na minha folga. Acordo cansado, lesado,
Onze da manhã. Faz duas horas que tomei o comprimido. com a cabeça patina ndo ... Bem segunda-feira. Bem que a tal
pílula da inteligência podia me ajudar agora. E ajuda. Duas horas
A droga está começando a bater. Não dá nenhum barato nem
alteração de humor. Mas algo estranho acontece na minha depois de tomar o comprimido, estou 100%. Na verdade, mais
cabeça. Ela fica silenciosa ... e percebo que, pela primeira vez que isso. Parece que faço o trabalho de quatro dias em apenas um.
Não estou mais inteligente. Mas estou mais funcional
na vida, não estou pensando em absolutamente nada. Zero.
Parece que o meu cérebro apagou. Chega a dar medo. Alguns
instantes depois, tento pensa r em alguma coisa - e consigo.
Ufa ... A diferença é que, quando começo algum raciocínio,
TERÇA-FEIRA
ele preenche completamente a minha consciência - não Hoje é dia de fazer meu segundo teste de Ql. Não contei
existe sensação, inspiração, lembrança nem coisa capaz para vocês, mas antes de começar esta experiência meu
de me distrair. Eum estado de superconcentração. Bem Q l foi avaliado, numa prova com dezenas de testes, por
impressionante. Tão impressionante que perw o dia todo uma neuro logista. E hoje, sob o efeito do modafinil, vou
refletindo a respeito, e acabo não produzindo quase nada. refazer a avaliação. É uma sequê ncia de tarefas mentais
Vou para casa, jogo videogame (um passatempo nada bem e xigentes, que leva duas horas. Em alguns testes,
intelectual). deito à 1 da manhã . Não tenho nenhum sono, que avaliam e forçam a atenção de m aneira mecânica
mas durmo sem a menor dificuldade. Estranho. (encontrar certas figuras numa lista, por exemplo), sinto
que estou arrebentando. Outros testes, como os de
m emória e raciocínio verbal, ficam mais difíceis.
QUINTA-FEIRA
Tive uma noite meio agitada: acordei três vezes. Mas levanto
bem-disposto e cheio de energia para fazer qualquer coisa
QUARTA-FEIRA
- inclusive enrolar no trabalho. (Ainda não inventaram uma Hoje é o último dia da experiência. Mas decido jogar fora o
droga capaz de curar a vagabundagem.) Quando finalmente último comprimido e para r por aqui. Sim, o modafinil me
começo a trabalhar, sinto diferença. Meu trabalho não ficou deixou mais focado. E me ajudou a pensar mais. Mas o estado
mais fáciL Mas ficou menos cansativo - muito menos. Será de superconcentração não é natural - eu senti, o tempo todo,
que é um efeito psicológico, causado não pela droga, mas pela minha mente sendo modificada à força pela d roga. É bem
expectativa que tenho dela? Talvez. Mas é fato que o modafinil ruim. Recebo um e-mail da neurologista, com o resultado dos
está agindo no meu corpo. Tanto que eu, que sempre fico testes e duas surpresas. Primeira: sob o efeito do modafinil,
sonolento depois do almoço, só dou meu primeiro bocejo à meu Ql abaixou 8 pontos. Segunda: tecnicamente, sou
noite. Também ganhei uma espinha bem feia, daquelas que superdotado - sem tomar o remédio, meu Ql é 150 (a média
não tinha desde a adolescência. Eum efeito colateral típico. da população é 100). Eo suficiente, né. E sem drogas. O

l1ustro1ção iStock/palau8] NOVEMBRO 201S SUPER 45


TERAPIA

Nunca tanta gente


consultou um psicólogo para
falar de sua vida no divã.
Mas será que vale a pena gastar
tempo e dinheiro contando
nossa intimidade a alguém
que mal conhecemos?
Texto Denize Guedes
Ilustrocão Corlo Giovoni

46 SU PE R N OVEMBRO 2015
JEAN DE OLIVEIRA LEITE BATIA na No ano passado, a bancária Tatiana
namorada. De repente, por causa de uma Dória não queria mais viver. No fundo
discussão ou por terem esquecido uma de uma depressão, não se interessava
das sacolas de compras no supermer- por nada nem ninguém . Raramente saía:
cado, ele dava tapas e pancadas na mu- passava os dias na cama, dormindo ou
lher que amava. Dois anos de namoro e assistindo a filmes. Foi quando decidiu
algumas s ituações de violência depois, bater à porta de um psiquiatra. Saiu de lá
ela deu queixa na delegacia e terminou com uma receita de antidepressivos e um
com ele. Os dois estariam separ ados encaminhamento à psicoterapia. Durante
até hoje se Jean não tivesse procurado seis meses, passou por dois terapeutas
um analista e ingressado num grupo de abordagens diferentes, até o convê-
de reflexão de homens com o mesmo nio médico cortar o benefício. Insistiu
problema. Na terapia, entendeu por que, por dois meses, pagando as sessões do
em um de seus sonhos que tinha a na- próprio bolso, mas resolveu abandonar
morada como personagem, ela assumiu o tratamento por achá-lo inútil. "Procu-
a forma de um arame que ele dobrava ro o autoconhecimento há muito tempo,
sem parar. "Eu não podia dobrá-la me- mas realmente não sei se um terapeuta
tendo a mão", diz. Depois das sessões tem algo a me acrescentar", diz Tatiana,
de psicoterapia, os dois voltaram. Estão que preferiu seguir com os remédios e
juntos -e em paz - há três anos. se dedicar a práticas como meditação. -+

NOVEMBRO 2015 SUPER 47


Assim como Jean e Tatiana, milhares A palavra terapia vem do grego the- Por dentro da terapia
de pessoas estão insatisfeitas com o que rapeúein, que carrega significados como A primeira pessoa tratada pela terapia da
são ou como estão. Querem se livrar de assistir e cuidar. Desabafar no omb ro palavra se chamava Bertha Pappenheim,
fobias, manias obsessivas, conseguir dor- do amigo e conversar com um médico mas ela ficou conhecida como Anna O.
mir direito, ter forças para sair da cama atencioso pode até ser terapêutico - mas Foi assim q ue os médicos Josef Breuer
pela manhã, deixar para trás dificuldades não é um método que afasta o sofrimento e Sigmu nd Freud a chamaram na hora
sexuais ou simplesmente achar a vida por meio de técnicas apoiadas em fun- de narrar o caso clínico que germinou a
mais interessante. Cada vez mais gente d amentação teórica, como as terapias psicanálise. Anna o. sorria de alucinações
resolve desbravar a to rre de Babel que é de verd ade. Entre quem frequenta u m histéricas, sonambulismo e se recusava a
o mundo das terapias, habitado por mais psicoterapeu ta e quem está pensando em beber água. Já levava seis semanas inge-
de 400 modelos. O número de psicólogos procurar um, é comum haver dúvidas, rindo somente a água de frutas quando
deu um salto de 48% desde 2000, de 123 do tipo: vale a pena gastar tempo e di- os sintomas começaram a desaparecer
mil para mais de 250 mil. Sem contar o nheiro com isso? Não é besteira contar - sempre após falar em voz alta sobre o
crescimento do número de psicanalistas, detalhes da intimidade a alguém que mal que a atormentava. "Depois de ter desa-
psiquiatras e outros profissionais, como conhecemos e que não oferece nenhu- bafado energicamente a raiva que ficara
os filósofos clínicos. A Agência Nacional ma garantia de eficácia? Enfim, a grande dentro dela, pediu para beber e bebeu sem
de Saúde Su plementar (ANS) exige que pergunta: terapia funciona? inibição uma grande quantidade de água,
o s convênios ofereçam no mínimo 12 Sim e não. Dezenas de pesquisas neu- acordando d a hipnose com o copo nos
sessões anuais de psicoterapia a todos rológicas provam que sessões de psico- lábios. Com isso, o distúrbio desapareceu
os conveniados. Se houve o dia em que terapia modificam conexões neu rais e para sempre", escreveram os dois no livro
ir a psicólogos era coisa de (usando um padrões de comportamento, como acon- Estudos sobre a Histeria, de 1895.
eufemismo educad o) "p roblemáticos", teceu com Jean. Apesar disso, é grande a Anna O. fez Freud ter uma sacada ge-
hoje falar da experiência parece ser um possibilidade de você conhecer terapia nial: expressar em voz alta pensamentos
bom jeito de engatar uma conversa com e, como Tatian a, ter achado o método op ressores e resgatar lembranças trau-
os amigos no bar. inútil, ineficaz - ou até bizarro. máticas causam efeitos benéficos ao

48 SU P ER NOVEMBRO 2015
corpo. Isso parece óbvio hoje em dia, processo que pode durar anos e envolve O problema é que esse roteiro inspi-
mas não naquela época. As pessoas então diversos passos, como os que se seguem: rado nas ideias de Freud pode demorar
enxergavam o corpo e a alma (o pensa- Rever o passado. Entre psicólogos, é para se desenvolver - e ninguém ga-
mento e o senti mento) como elementos comum ouvir a frase "o passado muda rante que produza os resultados que
que se opunham ou pelo menos não se todo dia". A ideia é que podemos vol- o paciente espera. Tem mais: muitas
comunicavam . Tratavam-se doenças tar aos fatos do passado que mais nos das teorias de Freud e outros grandes
mentais com procedimentos físicos, atormentam e reavaliá-los, dando a eles psicanalistas não nasceram do método
como eletrochoques ou incisões no cé- outro significado. Fazer urna "arqueolo- cientifico - aquele em que um cientis-
rebro. Com a criação do tratamento pela gia da alma", como dizia Freud, passa por ta delimita um universo de pesquisa,
fala, Freud revolucionou a psiquiatria, descobrir como nossos pais e os desejos faz análises e a partir dela tira conclu-
criando a psicanálise. deles influenciaram a nossa vida. Uma sões. Suspeita-se até que Freud tenha
Primeiro, ele afirmou que todos temos passagem de Cartas a um jovem Terapeu- exagerado histórias de seus pacientes
problemas mentais de menor ou maior ta, do psicanalista Contardo Calligaris, para comprovar sua teoria. "Do nasci-
grau. Cada pessoa, para Freud, monta explica por que a infância assume papel mento da psicanálise até hoje, várias
sua identidade em cima de conflitos tão importante na terapia: "Não é por- ideias de Freud foram descartadas",
do inconsciente - local dos traumas e que os eventos da infância sejam mais diz o neurocientista Renato Sabbatini,
desejos reprimidos na infância. Depois, marcantes do que os de hoje, mas porque professor aposentado da Unicamp. "A
para chegar a esses desejos e impulsos os eventos de hoje tomam relevância e neurociência, por exemplo, descobriu
que operam abaixo do nível da cons- sentido a partir de nosso passado e, por- que os sonhos têm mais a ver com a
ciência, ele criou todo um conjunto de tanto, de nossa infância". memória do dia anterior do que com
técnicas. Colocou um divã para dentro Tomar consciência. É quando o pa- desejos reprimidos."
do consultório (e do nosso imaginário), ciente descobre o que faz com a própria À medida que as ideias d e Freud
onde o paciente deveria sentar e falar vida e tenta v islumbrar o motivo por foram sendo questionadas, novos tra-
fazendo associações livres, de modo trás de suas ações. Geralmente a toma- tamentos surgiram. Das mais de 400
que o psicanalista pudesse desvendar da de consciência provoca descobertas técnicas diferentes que existem hoje,
as reais motivações por trás daquela revolucionárias sobre si próprio, do tipo: a maioria apareceu a partir da década
fala e dos sonhos que a pessoa narrava "Minha mulher morreu há três anos e de 1960, quando a revolução sexual fez
ter v ivido. "Não apenas Freud inventou desde então vivo fingin-
sozinho o campo da psicoterapia, mas o do que ela está viva" ou
fez de uma só vez", afirma, no livro Os "Sou ranzinza e intole- Há mais de um século,
Desafios da Terapia, o ps iquiatra lrvin D. rante com as pessoas da
Yalom, professor emérito de psiquiatria mesma forma como ajo Freud descobriu que
da Universidade Stanford (EUA) e autor comigo mesmo".
de Quando Nietzsche Chorou. Responsabilizar-se. falar cura. Estava
Nesses mais de cem anos, a psicaná-
lise se multiplicou em diferentes teorias
Depois que a pessoa se
dá conta de seus traços
inventada a psicoterapia.
e abordagens, dando origem a uma área de comportamento, vem
mais abrangente, a psicologia. Mas a cria- a hora de tomar para si a responsabi- as pessoas darem mais importância ao
ção de Freud permanece a fonte onde, lidad e pelos problemas e deixar de bem-estar do corpo e da mente. En-
de alguma forma, todas as correntes culpar os outros - os pais, o chefe, a quanto a terapia baseada na psicanálise
da psicoterapia ainda bebem. "Dá para sociedade ou o marido que decidiu ir tradicional permaneceu um processo
considerar a psicanálise como o berço embora. Como diz o psiquiatra Irvin demorado, no qual falar de cura e efi-
de todo o campo, pelo menos em relação Yalom no livro O Carrasco do Amor: "Se cácia soa estranho, sua hegemonia foi
à maioria das linhas de psicologia pro- a pessoa não se sente responsável pelas dando lugar a modelos mais curtos e
funda", afirmou em entrevista à SUPER próprias dificuldades, como, então, ela facadas, as psicoterapias breves dinâ-
Franklin Goldgrub, que foi professor de será capaz d e modificar s ua situação?" micas. Uma das correntes mais fortes
psicologia da PUC-SP*. De modo geral, Não significa se culpar pelos infortún ios é a terapia cognitivo-comportamental
o terapeuta com alguma influência de da vida. "Culpar-se é querer se castigar. (TCC), recomendada sobretudo a quem
Freud tenta provocar no paciente um Responsabilizar-se é querer mudar. O sofre de fobias, como medo de dirigir,
processo de autoconhecimento, ou se- objetivo é fazer a pessoa perceber o que ou transtornos obsessivos, como o
ja, de descoberta da raiz das s uas mo- quer e como ela própria se sabota", afir- hábito de lavar as mãos várias vezes
tivações e traços de personalidade. Um mou Franklin Goldgrub. por hora. Bem diferente das terapias --.

• Entrevista concedida em 2008; Franklin Goldgrub faleceu &Q j unho passado.


NOVEMBRO 2015 SU PER 49
baseadas em Freud, a TCC quer saber femininos que hoje atendem por muitos no cérebro, estão provando que a terapia
pouco do passado ou dos desejos repri- outros nomes) proliferavam, provavel- baseada na fala causa efeitos permanen-
midos do paciente. O tratamento costu- mente em resposta à repressão sexual tes no sistema de aprendizagem, na me-
ma ser mais curto e se concentra no que do século 19, a sociedade atual pode nos mória e no processamento de emoções.
a pessoa pensa sobre si mesma e como deixar mais narcisistas, competidores e Um estudo de 2007, feito na Univer-
esse pensamento se reflete nas ações. ansiosos por ter prazer. "Vive-se hoje em sidade de Amsterdã, analisou 20 pessoas
"Para a terapia cognitiva, os sintomas de- uma sociedade nada solidária e muito com transtorno do estresse pós-trau-
pressivos vêm de pensamentos e crenças competitiva, na qual as posições con- mático, distúrbio que geralmente atinge
negativas sobre si e sobre o mundo", diz quistadas são sempre incertas. Isso está quem passa por traumas como sequestro,
o psiquiatra Aristides Volpato Cordioli, fortemente relacionado aos casos, cada acidentes graves e abuso sexual. Elas fo-
organizador de Psicoterapias- Abordagens vez mais comuns, de pânico, insônia, ram submetidas a uma sessão semanal de
Atuais, já em sua terceira edição. Assim ansiedade, estresse e depressão", diz psicoterapia breve- inspirada em Freud,
como a TCC, existem técnicas mentais Pereira. Se a raiz desses problemas está porém focada e mais curta - durante qua-
que fazem você se acostumar a ter pen- no tipo de vida que levamos hoje em tro meses. Enquanto isso, outras 15 pes-
samentos tranquilizantes, levando esse dia, eles não podem ser tratados apenas soas com o mesmo diagnóstico ficaram
sentimento a situações de ansiedade. pelas técnicas de Freud. num grupo sem tratamento. No final, o
Freud também vem perdendo terreno cérebro de quem fez terapia mudou. Hou-
porque se restringiu aos conflitos in- Por dentro do cérebro ve mais atividade em regiões do córtex
teriores de um indivíduo, dando pouca Tantas correntes diferentes de psicote- pré-frontal, área relacionada a cálculos,
importância a influências sociais nos rapia impõem uma questão: como saber pensamentos práticos e ações que to-
sentimentos dele. "O sofrimento psíquico qual é a mais eficaz ou pelo menos se mamos conscientemente. Na prática, o
varia de acordo com o contexto socio- alguma delas é eficaz? É aqui que entra tratamento deu alívio a sintomas que têm
cultural", diz o psiquiatra e psicanalista uma outra área da ciência que está se tudo a ver com traumas, como hiperví-
Mário Eduardo Pereira, professor de interessando pelo que acontece no divã. gilância (estado de alerta permanente) e
psiquiatria da Unicamp. Se na época de Pesquisas com neuroimagem funcional, recordações aflitivas, que se manifestam
Freud os casos de "histeria" (problemas método que fotografa o fluxo sanguíneo em pesadelos e pensamentos recorrentes.

50 S UPER NOVEMBRO 2015


TERAPIA PARA AGUERRA
Elo foi chamado de "coração de soldado" no Cuerro d e Secessão,
de "choque do bombo" no :z!! Cuerro e d e "fodigo do combate"
no Cuerro do Vietnã - quando foi batizado de tronstomo do estresse
pós-traumático. Com os recentes conflitos, o distúrbio reapareceu.
Poro trator os soldados que voltam troumotizodos do Iroque,
os americanos usom oti videogomes. Bancado pelo Exúcito,
o psicólogo clinico Albert Rizzo, do Universidade do Sul do Colifómio,
adequou a terapia cognitivo-comportamentoI a um gome de guerra,
trotando os soldados com realidade virtual.

Imagens
COMO ESSE TIPO DE QUAL O PAPEL DA FALA
do cérebro TRATAMENTO COMEÇOU?
No início, todos imaginavam
NO TRATAMENTO?
É o elemento principal. A tecnologia
comprovam: que a Guerra do lraque seria
rápida - e q ue por isso não
não cura ninguém. O paciente não
fica simplesmente sentado olhando
a terapia faz haveria soldados com t ranstorno
do estresse pós-tra umático.
o que acontece no mundo virtual.
Eles são encorajados a falar da
as pessoas Em 2004, porém, uma revista
médica publicou um artigo
experiência, a chorar e a contar
os detalhes. O mundo da realidade
pensarem melhor. com números assustado res
de gente tra umatizada voltando
virtual os ajuda a ter condições
de voltar para aquele evento e a
do lraque e do Afeganistão. processar a memória emocional.
Os militares reconheceram Nós o uvimos a sua história repetidas
Alguém pode logo dizer que não é o problema e vieram até nós. vezes, gravamos e a entregamos
privilégio da psicoterapiaalterar redes Tínhamos adaptado o game Fui/ em uma fita no final da sessão.
Spectrum Worrior, que se
neurais. E não é mesmo. Com maior ou
parece muito com o ambiente QUE TIPOS DE SINTOMAS
menor intensidade, as experiências da de guerra do lraque, para incluir OS SOLDADOS ESTÃO ELIMINANDO?
nossa vida provocam mudanças na ati- nele elementos úteis à terapia. Os principais são os que chamamos
vidade cerebral- como na hora em que de reexperiências. Elas aparecem
ouvimos a seleção de músicas da nossa COMO A REALIDADE VIRTUAL em pesadelos e flashbacks, que
banda favorita, recebemos a notícia triste CONTRIBUI PARA OTRATAMENTO? talvez sejam os piores sintomas.
Trata-se de uma simulação em 3D Basicamente, o transtorno consiste
da morte de alguém ou damos uma boa em que o paciente, com um headset, e m ter atitudes extremas quando não
caminhada no parque. "O que é bastante pode dirigir um humvee o u andar é necessário. Por exemplo: o sujeito
recente é o reconhecimento da comu- por uma vila. É quando está sentado do lado de fora de um
nidade cientifica sobre a intensidade e a o terapeuta faz coisas acontecerem. café e o escapamento do carro dá
No começo, muda o número de um estrondo. De repente, ele volta
permanência das m udanças alcançadas pessoas na rua. Depois, conforme ao lraque. Eles t ambém evitam acon-
pela psicoterapia. Não se imaginava que o paciente fica mais confortável tecimentos associados ao t rauma.
o funcionamento do cérebro pudesse ser e sua resposta ao medo diminui, Voltam para casa e não querem ir a
alterado tão dramaticamente pelo trata- adiciona coisas como o barulho canto nenhum, porque acham que
de uma arma a distâ ncia ou uma bomba vai explodir. Ou, se estão
mento, e com beneficios tão duradouros", de uma bomba. Um helicóptero dirigindo e veem uma pilha de lixo ao
diz o psicólogo e neurocientista Marco que sobrevoa um veículo q ue lado da estrada, relembram a guerra
Montarroyos Callegaro. explodiu. Tudo bem gradual. e, eventualmente, não dirigem mais.
É como se o pensamento a lterado Montamos um simulador do De 15 veteranos que completaram o
ambie nte de gue rra q ue inclui programa desde 2005, 12 mostraram
pela terapia fosse a tabuada que a gen- até o c heiro de combustfvel, melhoras impressionantes. Não
te não esquece m ais. "Os sistemas de pólvora, lixo, borracha q ueimada, pretendemos eliminar a memória,
memória e aprendizagem constituem todo tipo de cheiro da guerra. mas ajudá-los a não ser assombrados
a base de todas as psicoterapias. Co- Quando um a bomba explode, pelos sintomas do TEPT, que fazem a
eles sentem o chão tremer. guerra continuar dentro de cada um.
mo o cérebro é uma estrutura plástica,
que se modifica de acordo com nossas --.

NOVEMBRO 201S SU PER 51.


10 GRANDES LINHAS DO AUTOCONHECIMENTD experiências, o tratamento consegue
Desde que Freud inventou a terapia pela palavra, seu mitodo foi questionado, atuar em determinados circuitos", diz
derrubado, reerguido e refonnado. Hoje, sua influindo está dlspetSD em
antenas de correntes -algumas mais, outJ'Qs menos~udlanas. Veja abaixo
Jesus Landeira-Femandez, presidente do
como du grandes linhas da psicaterapia funcionam. Instituto Brasileiro de Neuropsicologia
e Comportamento (IBNeC).
AlTA INFlUÊJtCIA DE FREUD INTERPESSOAL Meses antes da pesquisa holandesa,
PSICANÁUSE Recomendada a quem passa por uma outra, realizada pela USP, mostrou
O analista acredita que os problemas depressão leve ligada a conflitos
resultados parecidos. O estudo envolveu
vêm de impulsos reprimidos na infância pessoais, luto ou mudança repentina
de papéis (um casamento ou um novo 16 pacientes também com transtorno do
do paciente, que passa a maior parte da
sessão falando por meio de associações cargo profissional). O tempo da terapia estresse pós-traumático. Eram pessoas
livres. O terapeuta geralmente fala pouco, é predeterminado, e as sessões se que tinham vivido eventos como a mor-
sem emitir juízo, tentando analisar concentram no tempo presente, sem te de parentes, sequestro e assalto. Em
fala e os sonhos. Modelo mais antigo, ligar experiências atuais ao passado.
dois meses, elas passaram por sessões
foi ampliado e modernizado com os
estudos de Jacques Lacan {1901-1981). CENTRADA NA PESSOA semanais de uma psicoterapia chamada
Foca na relação e ntre o paciente exposição e reestruturação cognitiva,
PSICANÁUSE JUNGUIAHA e o profissional Sem interpretar que consiste em revisitar o evento para
Também chamada de psicoterapia pensamentos e comportamentos,
o terapeuta cria um clima de empatia
então dar a ele um significado menos
anaUtica, foi criada por Carl Jung.
discipulo de Freud, que introduziu na que perm ite ao paciente explorar traumático. Outros 11 pacientes com o
psicanálise o conceito de inconsciente questões que o perturbam e desenvolver mesmo distúrbio ficaram numa lista de
coletivo- as imagens e as experiências a autoestima. Por isso, é indicada a espera. Resultado: aqueles que foram
comuns a todos os seres humanos. quem se sente oprimido pelo mundo
às sessões tiveram mais atividade no
Por isso, o método junguiano leva em e tem baixa aceitação de si próprio.
conta, além das questões individuais
córtex pré-frontal e menos na amígdala.
do paciente, as influências externas e Como esta parte do cérebro regula nossa
coletivas que podem atormentá-lo. BAIXA INFLUÊNCIA DE FREUD sensação de medo, a relação é direta: a
TERAPIA COMPORTAMENTAL terapia redu ziu o medo e a ansiedade
PSICODINÃMICA linha bem distante de Freud, é indicada
para quem sofre reações indesejáveis do dos pacientes. Já quem ficou no grupo
Chamada de psicanálise light, baseia-se
em noções tradicionais da psicanálise, corpo diante de manias e fobia s (como de controle não teve mudanças relevan-
só que é mais breve, com o terapeuta medo de aranha o u de avião). Utiliza tes. "Novos arranjos das sinapses ocor-
tentando ativamente engajar o paciente técnicas básicas de aprendizagem, rem durante o aprendizado promovido
em um diálogo que o faça reconhecer como exposição e condicionamento,
na tentativa de trocar o comportamento
pela ps icoterapia", diz o psicólogo Julio
e resolver conflitos antigos. É também
mais focada para atingir objetivos usual por reações mais agradáveis. Perez, o autor do estudo. "O tratamento
concretos preestabelecidos entre Para os criticos, esse tipo de terapia tenta modifica as redes associativas que an-
paciente e terapeuta. fazer um adestramento do paciente. tes estavam relacionadas à situação que
TERAPIA COGNITIVA
causava dor e d ificuldade."
MÍDIA IJIRUÉJICIA DE FABIO Baseada na ideia de que "os homens Quer mais? Há ainda estudos provan-
GESTALT se perturbam não pelas coisas, mas do a eficácia d a terapia para problemas
Usando o teatro e outras expressões pela visão que têm delas", como disse especificas, como as fobias. Na Alema-
artísticas, explora técnicas dramáticas o pensador romano Epíteto {60-117). A
nha, em 2006, 2 8 voluntárias perderam
para construir pensamentos e atitudes terapia cognitiva tenta reconhecer e alterar
padrões de pensamento que incomodam o medo de ara nha em sessões sem a-
criativas. Com blocos de espuma,
bonecos o u almofadas, o paciente o paciente, para ensiná-lo a vigiar ideias nais, de 5 horas, de TCC. Elas tiveram
é encorajado a adotar novos papéis automáticas e corrigi-las. Indicada a quem menor atividade da ínsula e do giro do
e expressar sentimentos, com o objetivo sofre de depressão e precisa mudar o que cíngulo anterior direito, áreas ligadas
de compreendê-los melhor. pensa sobre si próprio.
àquelas reaçõ es que nós não contro-
TERAPIA DE GRUPO TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL lamo s, co mo ficar assustado e com o
Abriga teorias e práticas de outras Utiliza técnicas das duas correntes coração batendo rápido logo depois
correntes, com a diferença de ser ao lado para tentar fazer o paciente de ver u ma aranha. No Japão, também
praticada em grupo. O convívio com identificar pensamentos e crenças
distorcidas que tem de si próprio. A ideia é
em 2006,12 pacientes com síndrome
os outros pacientes funciona como um
microcosmo social- um ambiente seguro fazer a pessoa perceber seus pensamentos do pânico se livraram d o mal em dez
para um novo comportamento. É indicada e procurar corrigi-los, gerando novos sessões d e terapia comportamental ao
para quem sofre de problemas comuns padrões de raciocínio. Indicada para longo de seis m eses. O cérebro deles
do seu ambiente e tem dificuldade quem sofre de depressão, ansiedade e
também d eu uma recauchutad a nas
de se relacionar com os outros. perturbações relacionadas a traumas.
áreas ligad as ao medo, à memória e ao

52 S UPER NOVEM BR O 201 5


pensamento consciente. "Há indícios A conclusão, publicada em 2007: equi-
de que as psicoterapias promovem o valência de novo.
fortalecimento das funções executivas, O fato de terapias diferentes funcio-
ligadas ao córtex pré-frontal", diz Lan- narem igualmente cria uma hipótese:
deira-Fernandez. Em outras palavras, a talvez a psicoterapia não funcione pe-
terapia fez as pessoas pensar melhor. lo motivo que os terapeutas apontam,
As pesquisas de neuroimagem indi- mas por razões não tão confortáveis à
cam que quem completa o tratamento psicologia. Dylan Evans, pesquisador
sai, em geral, So% melhor do que os especializado em psicologia evolutiva,
pacientes fora do consultório. É um defende uma dessas razões incômodas:
resultado tão positivo que já está pro- "Se as diferentes técnicas não têm qual-
vocando mudanças na saúde pública quer impacto na recuperação, então é
de alguns países. Na Inglaterra, o go- plausível que os beneficios se devam à
verno anunciou um investimento de única coisa que todas as abordagens têm
170 milhões de libras para treinar 3 em comum. A crença do paciente de
.6oo profissionais em terapia cogni- que está recebendo ajuda médica de bo-
tivo-comportamental. "O valor inicial a-fe"'. Ou seja: efeito placebo- o mesmo
do tratamento com antidepressivos é que faz as pessoas se sentirem melhor
inferior ao da psicoterapia. No entanto, depois de tomarem um remédio de fa-
no médio e no longo prazo,
a melhor relação é a do tra-
tamento psicoterápico, que
tende a apresentar menor
Enquanto Freud era
reincidência da depressão
e efeitos mais duradouros",
questionado, novos
diz Callegaro. O resultado
também fez até os mais cé-
tratamentos surgiram.
ticos admitir as vantagens da Hoje, são mais de 400.
terapia. "Uma coisa é a teoria
ultrapassada de Freud, outra
são os efeitos comprovados da prática", rinha ou passarem por uma benzedeira.
diz o neurocientista Sabbatini. Evans conta em seu livro Placebo
(sem tradução para o português) que
Por fora da terapia essa possibilidade teria assombrado
Mas tem um probleminha. A neu- Freud até a morte. O Pai da Psicaná-
roimagem também levanta questões lise acreditava na supremacia do seu
que incomodam a psicologia. Em método e, tão logo diferentes linhas se
grande parte das pesquisas, há um formaram dentro da escola psicanalítica,
paradoxo aterrador: não importa se passou a atribuir os efeitos provocados
o paciente passou por um tratamento por essas dissidências à pura sugestão.
inspirado em Freud ou uma prática "Logo se tomou claro que seus próprios
mais nova. No fim, o efeito de todas pacientes não diferiam em recaídas da-
é muito parecido. Ou seja: em eficá- queles tratados por heréticos como Jung
cia, abordagens disti ntas não fazem e Adler", afirma Evans.
diferença nenhuma entre si. Incon- Assim se desenrola um novelo de
formados com isso, pesquisadores da pontos fracos dos tratamentos psi-
Universidade de Leeds, na Inglaterra, cológicos. Apesar de as pesqui sas
tentaram pôr fim ao mistério. Durante neurológicas provarem os efeitos da
três anos, eles estudaram 5.500 pa- terapia, não há provas de que isso acon-
cientes que passaram por três tipos tece pelos motivos que os terapeutas
de terapia: cognitivo-comportamental, apontam. "Na área da saúde mental,
psicodinâmica e centrada na pessoa. é difícil até saber qual é o distúrbio __.

NOVEMBRO 2015 SUPER 53


que a pessoa apresenta", diz Sabbatini.
Distúrbios mentais não são como dores
de cabeça - não h á certeza do que o
paciente tem e nem se o trata mento
vai ser eficaz A falta de fundamentação
faz das terapias um serviço estranho:
elas oferecem um tratamento sem saber
se ele vai dar certo. Por causa disso, "a
psiquiatria é uma das últimas áreas da
m edicina que ainda não conseguiu o
status de ciência", diz Sabbatini.
É o que os especialistas chamam de
fase empírica não científica: quando se
descobriu, pela prática, que uma erva ou
uma atitude ajudam a prevenir ou curar
uma doença, m as sem ninguém saber
exatamente por quê. Por exemplo: no
século 18, o médico italiano Giovanni
Lancisi acr editava que a malária era
contraída ao se respirar o ar fétido de
pântanos - daí o nome da doença, que
vem de "maus ares". De fato, deixar de
circular em pântanos evita malária, mas
não por causa dos maus ares, e sim por-
que o lugar é cheio de mosquitos - estes,
sim, a verdadeira origem da doença. As
psicoterapias podem estar nesse nivel.
Baseiam-se numa crença forte e têm
alguma eficiência, mas ninguém sabe
exatamente como a m elhora acontece.
E mais: pode haver uma causa e um
tratamento mais acertados, que ainda
não foram descobertos.
Um exemplo é a genética. Por muito
tempo, acreditou-se que a esquizofre-
nia era um mal psicológico que deveria
ser tratado no divã. Quando vieram à
tona su as raízes genéticas e químicas,
a psicoterapia para tratar esquizofre-
nia virou coisa do passado. Do mesmo
modo, cada vez mais pesquisas ligam
os genes à predisposição ao comporta-
mento depressivo. Em 2008, uma pes-
quisa de biólogos evolutivos dos EUA
mostrou que a hiperatividadE' tem laços
genéticos. Psicólogos costumam expli-
car esse distúrbio como uma estratégia
de fil hos para chamar a atenção dos
pais. Já os biólogos americanos des-
cobriram que há uma razão evolutiva
para a hiperatividade existir. Q uando o
ser humano vivia em grupos nômades,
não conseguir parar quieto era uma milhares de novos psicólogos. Muitos do paciente. "No futuro, talvez possa-
vantagem competitiva para caçadores e saem de faculdades pouco prestigiadas, mos diagnosticar os transtornos por
pastores. Hoje, porém, a vida sedentária não fazem um curso de especializa- meio de exames de neuroimagem", diz
fez desse traço um problema. Pesquisas ção num método ou num distúrbio Landeira-Fernandez.
como essa mostram que, no futuro, os e mesmo assim abrem seus ouv idos Na hora do tratamento, uma das
cientistas podem descobrir que tratar para tratar das razões individuais do tendências é que cada vez mais os
depressão ou hiperatividade no divã ser humano - talvez o objeto de estudo profissionais se especiali ze m no
é tão equivocado quanto achar que os mais complexo que existe. Além disso, d istúrbio e não numa doutrina in-
ares do lodaçal causam malária. terapeutas também têm seus proble- telectual. Um exemplo é o trabalho
mas emocionais, que podem resvalar do psicólogo clínico Albert Rizzo, da
Trapalhadas no divã para o paciente. Nem todos mantêm Universidade do Sul da Califórnia.
Para os psicoterapeutas, porém, a his- uma necessidade básica: s ua própria Ele adequou a terapia cognitivo-com-
tória é outra. Se linhas terapia. "Como é possí- portamental a um game de guerra e
dife rentes de tratamen-
to funcionam da mesma Dá para vel uma pessoa guiar os
outros num exame das
tratou soldados que sofreram trau-
mas no Iraque. "Jovens acostumados
forma , não significa que
o efeito da terapia seja
confiar estruturas profundas da
existência sem examinar
à realidade virtual, eles se sentem
incentivados a voltar aos eventos da
placebo ou coisa pareci- numa a si mesmo?", questiona guerra pelo computador", diz Rizzo.
da. E sim que a eficácia Yalom. Entre os resulta- Mas também existe a tendência
c1enc1a
• A •

não depende do tipo


de tratamento, mas da
vontade do paciente quenao - dos da falta de análise
do terapeuta, está o de
seduzir ou deixar- se
oposta: de que algumas correntes fi-
quem ainda mais distantes da ciência
e próximas da fi losofia, criando sessões
em amadurecer, da ha-
bilidade do terapeuta e
conhece seduzir pelo paciente.
Não raro terapeutas mal
nas quais a cura seja um fator secundá-
rio. "Vivemos questões existenciais que
sobretudo da relação que
os dois desenvolvem.
bem a analisados têm relacio-
name ntos amorosos
acompanham o ser humano há séculos",
diz o filósofo Lúcio Packter, pioneiro da
Pouca gente gostaria, causado com clientes. filosofia clínica no Brasil. Não à toa, o
por exemplo, de se tratar "Se fôssemos subme- psiquiatra lrvin Yalom dedicou o livro
com quem se comprome- que tenta ter terapeutas a um con- A Cura de Scllopenhauer aos filósofos
te mais com a doutrina
em que se formou do que tratar? trole estatístico, poucos
sobreviveriam", diz o
clínicos - que ele chamou de terapeutas
do futuro: "Nós [os psicólogos] fazemos
com o paciente. E passa neurocientista Sabba- parte de uma tradição que remonta não
as sessões tentando encaixar o pobre tini . Mas, como grande parte do s u- só aos nossos ancestrais imediatos da
coitado na teoria. Críticos da psicanálise cesso do tratamento depende de quem psicoterapia, começando com Freud
chamam essa prática de "cara eu ganho, está se tratando, é muito difícil avaliar e Jung, e todos os ancestrais deles -
coroa você perde". É o caso do analista um terapeuta. Para o profissional, fica Nietzsche, Schopenhauer, Kierkegaard
convicto de que o rapaz sofre do clássico fácil culpar o paciente pela ineficácia -,mas também Jesus, Buda, Platão,
complexo de Édipo, quer matar o pai das sessões. Diante disso, faz sentido Sócrates, Galeno, Hipócrates e todos
para ficar com a mãe. Se ele concorda a metáfora que o psicólogo clínico os outros grandes líderes religiosos,
com a interpretação, perfeito. Se não, é americano Scott Miller usa para falar filósofos e médicos que se ocuparam
porque está reprimindo impulsos se- do paciente: cliente herói. "Quer o te- de cuidar do desespero humano". Essa
xuais. "Um dos desafios é não tornar o rapeuta funcione ou não, depende do é uma venerável agremiação. O
nosso fazer um leito de Procusto", diz cliente, e de suas habilidades heroicas,
Julieta Quayle, um dos presidentes da levantar-se contra as coisas horríveis
Associação Brasileira de Psicoterapia. que lhe aconteceram", afirma ele. PARA HBfR 1.\AIS
No mito grego, os hóspedes de Procusto OS DESAFIOS DA TERAPIA. lrvin Yalom. Ediouro.
não saíam vivos de sua casa, pois ele A terapia no futuro PLACEBO. Oylan Evans. HarperCollins
cortava ou esticava seus pés para que A falta de certeza do tratamento pe- Publishers Ltd.
coubessem no tamanho exato da cama lo menos tem uma vantage m: exigir PSICOTERAPIA$- ABORDAGENS ATUAIS.
que oferecia. terapeutas cada vez mais focados em Aristides Volpato Cordioli. Artmed.
Também há o problema da má for- res ultados, que usem técnicas mais ESTUDOS SOBRE A HISTERIA.
mação. A cada ano, o Bras il ganh a científicas para descobrir o problema Sigmund Freud. lmago.

NO VE M BRO 2015 SUPER 55


SAVANT

..

. .)

-· 4.

... s

. -~

OS MAIORES GEREBROS DO MUNDO


As mentes mais extraordinárias da Terra pertencem a pessoas
-.r"'-

que mal conseguem falar ou calçar os próprios


sapatos. Conheça os savants - e o que eles podem nos
ensinar sobre os limites da inteligência humana.
Text;g~il)_ql do_,)q_s_é L.Jlll.es e Alex_cmg.r..e Versignossi ~dj_ç_ã o Fobio Marton Design Alessoi]SIE.!J.Jl.ejg_uins

; .......

•'!O

56 SUPER NOVEMBRO 2015 lmaaens Cettylmllges


KIM PEEK LIA UM UVRO de 300 páginas em 40 mi-
nutos. Uma página com cada olho. Desde a infância
até sua morte em 2009, aos 58 anos, o americano leu
mais de 9 mil livros, mais ou men os um a cada dois
dias. E com uma diferença em relação a você: ele não
esquecia nada do que lia. Kim sabia de cor a história de
todos os países, seus p residentes, quando eles nasce-
ram, quem foram as esposas deles. Recitava qualquer
trecho da Bíblia, do Alcorão ou da estrutura interna
de um ônibus espacial.
Mas o que Kim fez era pouco perto do que o britânico
Daniel Tammet faz. Tammet simplesmente inventou
uma matemática particular. Pergunte para Daniel quanto
é, digamos, 27 elevado à 5apotência. Ele vai responder
rapidinho que isso dá 10.460-353.203. Só que sem ter
feito uma conta nem decorado nada. Os resultados
surgem por mágica na cabeça desse inglês timido de
36 an os. E ele não é incrivel só com números. A rede
americana de TV PBS o desafiou a aprender islandês,
uma língua que até quem nasceu na Islândia acha com-
plicada, em uma semana. Sete dias depois, Daniel estava
num talk show em Reykjavik contando que o idioma
deles era "mjog fallegur" ("muito bonito") - era a u adas
línguas que ele aprendia a falar fluentemente.
Daniel e Kim, diga-se, têm outra coisa em comum
além desses superpoderes: os dois foram diagnosticados
com transtornos mentais. Por muito tempo, ach ou-se
que Kim era autista, mas um estudo em 2008 revelou
que ele provavelmente tinha a rarissima síndrome FG,
o que fez com que não tivesse um corpo caloso, parte
que conecta os dois lados do cérebro. Ele mal conseguia
falar, não sabia abotoar a camisa e, quando criança, lhe
recomendaram internação para o resto da vida. Daniel
tem sindrome de Asperger, um transtorno do esp ectro
do autismo. Ele é mais comunicativo, um rapaz bem
simpático até, mas se sente perturbado quando anda em
ruas movimentadas e é tão desligado que n ão consegue
pegar um ônibus sem se perder. E eles não são únicos.
Isso de combinar algum transtorno com brilhantismo,
ou até genialidade, em certas áreas, é conhecido como
síndrome de savant ("sábio", em francês), uma condição
raríssima que desafia as ideias sobre como a mente
funciona. Kim era conhecido como o "m egasavant".
Ninguém deveria ser capaz de decorar com pre-
cisão a quantidade de informações que os savants
(vamos chamá-los assim, daqui para a frente) conse-
guem acessar sem o m enor esforço em seus "discos

58 SUPER NOVEMBRO 2015


CÁLCULO Daniel Tammetfoi o primeiro savant que
conseguiu descrever como sua mente faz cálculos

SAVANT sobre-humanos sem fazer força. Veja como.


(E nem pense em tentar você mesmo!)
Daniel reconhece
todos os números
primos até.

PENSE EM 30
Ele imaginou formas para
ENCAIXE
Para multiplicar, ele aproxima
PRONTO!
Então Tammet lembra que
todos os números entre o mentalmente os "números" forma tem o número que se
e 10 mil. Cada um ganhou e deduz como preencher o encaixa melhor no espaço
identidade própria. espaço entre eles. vago. E dá a resposta certa.

rígidos" cerebrais. Também não parece George e Charles, que não conseguiam fazer contas
fazer sentido a maneira como muitos de somar simples, mas se divertiam gritando um para
deles lidam com a matemática: fazer o outro números primos (os que só são divisíveis por 1 e
contas gigantes é, para eles, uma ati- por eles mesmos) de 20 digitos, da ordem de quintilhões.
vidade não consciente, como andar Em comparação, a sua memória só conseguia lidar com
de bicicleta. E se pessoas com men- sete ou oito algarismos. É inconcebível fazer operações
tes comuns aprendessem a fazer isso? mentais con scientes com números desse tamanho.
Será que todo mundo tem um "savant George e Ch arles, assim como Kim Peek e vários
adormecido" dentro do próprio cérebro? outros savants, também eram calculadores de calen-
É o que veremos a seguir. dário. Se você dissesse a Peek em que dia do mês e
ano nasceu, ele respondia imediatamente com o dia
"Idiotas sábios" da semana em que você veio ao mundo.
A primeira descrição que temos do O preço que se paga para ser um savant é alto. Em
savantismo foi feita em 1887 p or John geral, esses indivíduos são 10% dos autistas. Daniel
Langdon Down, psiquiatra britânico Tammet é uma exceção. A síndrome de
mais conhecido por ter feito também Asperger é uma forma moderada de au-
o primeiro relato científico sobre a sin- tismo, e tem ganhado bastante visibilidade o br i 1hanti s mo
drome de Down. Uma das principais nos últimos anos, com seus portadores se excepcional combinado
experiências de Down com savants en- organizando em prol da aceitação. Os "as-
volveu um paciente que conseguia reci- pies", como chamam a si mesmos, têm boa
com um transtorno
tar de cabeça o livro O Declínio e Queda capacidade verbal, embora se compliquem mental ganhou o nome
do Império Romano, um catatau de seis em situações sociais. de "savant", dado pelo
volumes. Down batizou os portadores Além de ser um savant, Tarnmet também
do problema de "idiotas savants" (calma, tem sinestesia, uma forma rara de percep- mesmo psiquiatra que
na época "idiota" era um termo técnico). ção que faz o cérebro misturar sentidos - primeiro descreveu a
Alguma forma extraordin ária de sons podem ter cores associadas a eles, por Síndrome de Down.
memorização parece estar por trás de exemplo. E isso toma sua mente ainda mais
todos os casos de savantismo, mas é fascinante. A sinestesia dele é numérica. Ele
bom qualificar essa afirmação: trata-se afirma que todos os números de o a 10 mil possuem
de uma memória diferente da que você formas visuais específicas e até personalidades, como
usaria para decorar um número de tele- se fossem indivíduos mesmo. "O 11 é amigável, o 5
fone, por exemplo. Parece envolver pouco é barulhento e o 4 é meu número favorito, porque é
pensamento consciente e, muitas vezes, quieto e tímido como eu", conta Tammet em Nascido
nem exige compreensão do que está sendo num Dia Azul, sua autobiografia.
decorado. Darold Treffert, psiquiatra da O britânico também reconhece todos os números
Universidade de Wisconsin em Madi- primos até 9·973 porque eles lhe parecem "redondos e li-
son (EUA), relata o caso de dois gêmeos sos, como os seixos numa praia". Ao fazer multiplicações
americanos com dano cerebral congênito, enormes, seu tipo favorito de contas, Tarnmet visualiza _....

NOVEMBRO 201S SUPER 59


Num experimento na as tais formas dos números que estão sendo padrões para cada uma dessas palavras.
Austrália, pessoas multiplicados lado a lado, separados por Com os sons de um idioma estranho é
um espaço. Essa brecha tem exatamente o o contrário: sua mente está tão calejada
tiveram partes de seu formato do produto da multiplicação: basta com o português que decifrar novas lín-
cérebro desligadas , preenchê-la para que ele saiba a resposta guas de ouvido não é fácil. Já os savants
certa (veja na página anterior). não teriam esse problema. Para Snyder,
simulando dano O neurocientista Vilayanur Ramachan- o cérebro deles impede que esses calos
neurológico . Com isso, dran, do Centro de Estudos do Cérebro de mentais apareçam. Daí a capacidade de
tornaram-se como os San Diego, testou as formas numéricas de aprender islandês em uma semana.
Tammet, pedindo que ele as moldasse usan- E a coisa mais maluca aqui é que Sny-
savants por um tempo. do massinha de modelar e, no dia seguinte, der tentou fazer com que esse savant que
as refizesse. O resultado foi consistente, ou um dia esteve na sua cabeça apareça de
seja, ele associa sempre a mesma forma ao novo para dar um oi. Como? Aplicando
mesmo número. As pessoas normais tendem a pensar únãs no crânio. A ideia foi "desligar" tem-
nos números como abstrações puras. Tammet os trans- porariamente partes da massa cinzenta a
forma em objetos concretos, tão fáceis de entender quanto fim de simular os danos que os savants
um cachorro ou um gato. Esse pode ser um segredo têm no cérebro. E assim fazer com que
da inteligência savant, de acordo com Darold Treffert. você veja o mundo como se fosse um
A memória que mais usamos para atividades intelectuais deles. E não é que deu certo? Em 2005,
é a consciente, que nos ajuda a lembrar se "espaço" se Snyder fez com que pessoas submetidas
escreve com sou ;. Mas há outro tipo importantíssimo ao experimento "virassem savants" por
de memória: a implícita- aquela que nos permite trocar algum tempo, desenhando de forma mais
as marchas do carro sem pensar. precisa ou encontrando com mais facili-
Tammet se tornou um ícone do lado positivo da dade erros de digitação.
síndrome de Asperger. Depois de sua autobiografia de Talvez Peek, Tarnmet e outros savants
2007, ele publicou dois outros best-sellers, que ainda estejam em grande companhia: Isaac
não chegaram ao Brasil. Em 2012, ele foi aceito na Royal Newton e Albert Einstein. Não, não exis-
Society of Arts. te prova nenhuma de que eles portavam
essa condição. Mas alguns neurologistas
Você pode ser um savant acham que os dois apresentavam, sim,
Ao que parece, as complicações mentais que os savants pelo menos alguns sintomas da síndrome
têm os deixam sem acesso a grande parte da memória de Asperger- principalmente inabilidade
consciente. Então seu cérebro simplesmente transfere social e obsessões compulsivas. De fato,
as funções dela para a implícita. E eles fazem automati- Newton mal abria a boca e ficava imerso
camente coisas que temos de pensar (e muito) para fazer. no trabalho a ponto de não comer. E Eins-
É uma capacidade não muito diferente de reconhecer um tein, que se comportava como um autista
rosto. Nós nunca precisamos de uma descrição verbal até os 7 anos, repetindo frases sem parar,
da cara de um amigo para determinar que ele é o Paulo, era tão desligado que certa vez não per-
e não o José: nosso cérebro simplesmente sabe. Para cebeu um terremoto enquanto divagava.
Tarnmet, os números funcionam assim. E talvez você Talvez nunca saibamos se eles eram ou
seja mais parecido com ele do que imagina. não versões moderadas de Daniel Tam-
É o que pensa o neurologista Allan Snyder, da met. Mas Einstein pode ter deixado uma
Universidade de Sydney. Para ele, existe um Daniel pista: "Uso sinais, imagens mais ou menos
Tarnmet dentro da sua cabeça. Esse "savant interior", claras, como ferramentas para pensar. Elas
segundo o australiano, foi quem fez você aprender a se encaixam sozinhas, voluntariamente.
falar. Se você se mudar para a Islândia e tiver um filho Esse jogo de combinações me parece mais
lá, terá urna criança bilingue em casa. Ela vai aprender essencial que construções lógicas com
português em casa e islandês na escola, e falar os dois palavras". Qualquer semelhança disso com
idiomas. Você pode até aprender a língua local, mas o que você leu nestas páginas talvez não
nunca terá a fluência do seu filho. seja mera coincidência. e
Essa habilidade mágica de "sugar" um idioma exis-
te apenas na infância porque a mente vai "calejando" PUA SHEH MAIS
com o tempo. Por exemplo: qm lê um txto scrito dste NASCIDO NUM DIA AZUL, Daniel Tammet,
jto consegue entender a frase porque o cérebro criou Estrela Polar

60 SUPER NOVEMBRO 2015


CASACOR 2015

Patrodnlo lnternac1oMI. Catro Oftc.taL Patrodruo t.ocal

deca d 170. RENAULT


~ ~ bile Todeschini"' i!i~reira ~B~mf~~ « -m ~Estácloi FAPI ._.. Il s~
EBBEL

LOCAL: BOULEVARD SHOPPING • 4 2 PISO casacor.com .br


FORAM MILÊNIOS de c hutômetro. responsável por uma certa função. Mas
Quem quisesse entender a mente hu- as coisas não são tão simples assim.
mana só tinha uma coisa a fazer: espe- No cérebro, temos um fenômeno
cular. Mas eis que, na década de 1990, conhecido como plasticidade. É a ca-
os cientistas puderam ver nosso cérebro pacidade de modificar as conexões ce-
em pleno funcionamento pela primeira rebrais para adquirir novas habilidades.
vez na história. Tecnologias avançadas Graças a essa capacidade constante
pareciam colocar ao alcance o fim dos de reorganização, podemos aprender
mistérios da mente. novas coisas e produzir memórias.
Seguiram-se duas décadas de muitos Ou sofrer um acidente cerebral, mas
progressos - ou não? Talvez não: come- recuperar movimentos na fisioterapia.
ça a emergir, em um grupo eclético de Ou tocar piano muito bem- a área do
pesquisadores, a sensação de que todas cérebro responsável pelo movimento
as imagens coloridas do sistema nervoso dos dedos se expande nos pianistas.
em ação não passam de miragem. Ainda A plasticidade foi confirmada e reforça-
estariamos muito longe de compreender da em anos recentes com técnicas que
como o cérebro produz a consciência. permitem ver o cérebro trabalhando
"Quando se fala em imagens do cé- em tempo real.
rebro, ver pode equivaler a acreditar, O novo passo é, nessa tempestade de
mas não necessariamente a compreen- impulsos elétricos, conseguir ver ima-
der", afirmam a psiquiatra Sally Satel e gens. Imagens mesmo: em 2011, pesqui-
o psicólogo Scott Lilienfeld, autores de sadores da Universidade da Califórnia
Brainwashed: 7he Seductive Appeal ofMin- em Berkeley conseguiram reconstruir
dless Neuroscience ("Lavagem cerebral: O imagens coloridas obtidas a partir da
apelo sedutor da neurociência irrefleti- visão de voluntários usando ressonância
da"). O livro é apenas um de uma leva que magnética funcional. Os vídeos gerados
busca baixar a bola dos neurocientistas. não são uma perfeição, mas permitem
A grande questão é o que se pode e o ver vultos das imagens a que as pessoas
que não se pode saber sobre o funciona- foram expostas enquanto estavam na
mento do cérebro. Estamos falando de máquina de ressonância. Eles esperam
um sistema nervoso com mais de 100 que, no futuro, seja possível gravar so-
trilhões de conexões paralelas, trabalhan- nhos para rever na televisão qu ando
do de forma frenética para manter nosso estiver acordado.
corpo funcionando. O que chamamos de Inovações como essas fazem parecer
consciência é uma parte relativamen- que, finalmente, o entendimento de co-
te pequena dessa conta. Ironicamente, mo fu nciona nosso pensamento está a
é onde tudo parece se complicar. apenas um passo ou dois de distância.
Só que não.
Alguns acertos
Um dos lampejos mais antigos da neuro- Várias falhas
ciência - obtido ainda na época em que Às vezes, os neurocientistas se entu-
o imageamento sofisticado não estava siasmam tanto que começam a ima-
disponível - é o de que o cérebro é di- ginar ter explicado coisas que estão
vidido em módulos. Cada pedaço seria longe de ser resolvidas. "A despeito de
inferências bem informadas, o maior
desafio do imageamento é que é muito
difícil os cientistas olharem para um
ponto ativo em uma imagem cerebral
e concluírem com certeza o que está
acontecendo na mente da pessoa", di-
zem Satel e Lilienfeld.
Um exemplo eloquente de como eles
podem escorregar na casca de bana-
na aconteceu em 2008, quando um
grupo de neurocientistas da empresa
FKF Applied Research, de Washington,
tentou enxergar o "posicionamento
político" no cérebro de voluntários
indecisos sobre sua preferência na
eleição presidencial americana. Eles
foram colocados em máquinas de
ressonância magnética e expostos a
imagens de diversos pré-candidatos
democratas e republicanos. Segundo
suas conclusões, publicadas em artigo
no jornal The New York Times, os dois
pré-candidatos mais impopulares eram
John McCain e Barack Obama, meses
depois indicados por seus partidos.
Obama ganhou aquela eleição e era
tão "impopular" que foi reeleito.
Para a dupla de neurocéticos ameri-
canos, há fatores intangíveis na com-
preensão da mente que nunca surgi-
rão em imagens cerebrais. "O domínio
neurobiológico é de cérebros e causas
físicas. O domínio psicológico é de
pessoas e seus motivos. Ambos são
essenciais para um entendimento com-
pleto de por que agi mos como agimos",
escrevem a psiquiatra e o psicólogo.
E o que pensa um neurologista, mais
acostumado aos fatos nus e crus da fi-
siologia cerebral? Se esse neurologista
for o americano Robert Burton, a opi-
nião não é muito diferente. "Olhar para
as mais detalhadas imagens do cérebro
não capturará o que sentimos quando
experimentamos amor ou desespero,
tanto quanto examinar os pixels indi-
viduais numa pintura não lhe dará um
senso geral do quadro", afirma.
Um dos desafios das pesquisas de
neurociência é que, para correlacionar
um tipo de pensamento a um padrão de
atividade cerebral, é preciso que o vo-
luntário relate o que está pensando. Aí NEUROSSUCESSOS
fica fácil dizer que visualizaram "amor" cl"'
ou "ódio" no cérebro. Mas é quase uma Já foram identificados o centro de
redundância. O voluntário já sabia o que recompensa, as áreas responsáveis pela
estava sentindo, e não precisava de uma memória, pela visão, pela audição e até
imagem cerebral para provar! Por outro mesmo que região é usada na leitura
(uma atividade aprendida, em que o
lado, sem a informação de quem está "do cérebro empresta uma área associada
lado de dentro" da mente, o padrão de a reconhecimento de rostos).
atividade em si não permite mais que
inferências muito gerais.
Este ano, um homem pa raplégico
conseguiu voltar a andar com eletrodos
Mentes que mentem conectando os sinais elétricos emitidos
Em seu livro A Skeptic's Cuide to the pelo cérebro aos músculos
Mind: What Neuroscience Can and Cannot de suas pernas, simulando a conexão
Te li Us About Ourselves ("Um guia cético da medula espinhal.
para a mente: o que a neurociência pode
e não pode nos dizer sobre nós mesmos", Estudos no Japão já mostraram que
sem versão em português), Burton su- é possível interpretar sinais do córtex
gere que acreditar cegamente no poder visual e t ransformá-los em imagens
muito próximas do que os voluntários
da neurociência pode levar a situações estão vendo. O passo seguinte é
dramáticas. Com ampla experiência na fazer a mesma coisa com sonhos.
prática médica, ele lembra os casos em
que a pessoa fica em coma profundo, ou
em estado vegetativo, por vários anos.
Alguns neurocientistas têm investi- NEUROFRACASSOS
gado o nível de atividade cerebral nesses
pacientes e sugerido, a partir disso, que Um relatório de 2013 publicado
eles ainda estão conscientes, apesar de na revista Noture Reviews Neuroscience
incomunicáveis. Burton defende que demonstrou que os estudos de
neurociência em geral têm uma
essa é uma conclusão precipitada, sem confiabilidade estatística muito
base em ciência sólida, e que pode le- baixa. Como eles usam poucos
var ao sofrimento muitos parentes que voluntários, é difícil distinguir
tiveram de fazer a opção por desligar fenômenos reais de flutuações.
o suporte de vida a esses pacientes.
Indo mais longe, Burton acredita que ·"
Embora a compreensão de
há uma fal h a essencial que impedirá fenômenos neurológicos que levam
os humanos de compreenderem sua a doenças como epilepsia e mal
própria mente. de Alzheimer tenha aumentado,
pouquíssimas drogas eficazes
"Acho que todos nós - neurocien- surgiram como resultado dos
tistas, cientistas cognitivos, psicólogos, avanços recentes da neurociência.
filósofos e leigos - deveríamos estar
cientes do paradoxo essencial", afir-
ma. "Faz part e da condição humana Na Índia, em 2008, eletroencefalogramas
foram usados para condenar à prisão
experiment ar uma mente gerada de perpétua uma estudante de 25
for ma involuntária, que acredita que anos, acusada de matar o ex-noivo
pode explicar a si mesma de maneira envenenado. Outros dois foram
racional. Esse paradoxo é inevitável e condenados por assassinato
pelo mesmo método, até que
não contornável com ciência melhor ou um relatório, naquele mesmo
novas tecnologias." ano, mostrou que os exames eram
Será? O absolutamente inconclusivos.
ÚLTIMA PÁGINA __.DESCULPA OUA LOUE R COISA E ATÉ LOGO

Corvo gênio Humanos têm cérebro grande em relação ao peso do corpo.


Mas não tanto quanto os corvos - esses sim são cabeções.
Infográfico Alexandre Versignossi e Fabrício Mirando

Corvo da Nova Caledõnla


- ; - - - - - - - - -- - - - - - - corpo 340 gramas
cérebro 8 gramas

Humanos
corpo 70 quilos
cérebro 1.345 gramas

Esquilo-Cinzento
corpo 500 gramas
cérebro 8 gramas

Chimpanzé
corpo SO quilos
cérebro 384 gramas

Golfinho Nariz-de-Garrafa
corpo 250 quilos
cérebro 1.700 gramas

Elefante Africano
corpo S toneladas
cérebro 5.400 gramas

Cachalote
corpo 41 toneladas
cérebro 7.800 gramas

66 SUPER NOVEMBRO 2015


.ri'
()
.r
ji
/:
11SYH9lM(/WO:) >1 000):)VJ
I,
?
~ f
t
!': l
\J tJ ~
\ I
1
\ t
~
I -~
{ r_/
\ .\.
\
\
'.i
\..__....
)
~
<(
o ~ ... í
r~ ::>
.......
<(
o
.o
\
~;
,<;
t·} <( ::> ...bÍ) '
,I
o M
....... vi M
{..
UJ
1- <( o M
-
r
UJ .§ O)
f
/i
f.· { <(
>
Vl
-<( ~ 1.1")
C.l r o >
c
"' M
~
·) t<( ~ M
() u -...
UJ
z u ........
UJ
1-
z ·-
o '-'
1- UJ o
z 0 u
I
UJ
0 <( "'
<(
I
~
I
.~
..
o : cn
~
c."' ::::l
~
~

'/ i f f! //) I
.!
I
jJ

r
•I )
)
./.
(.)
1
f-~
1 ( v:
~ ) r"
t•' . .f ~
i ·~ { ,J
_} i.l I
.~ t .... J
~
VOCÊ COMPARA
QUALIDADE E PREÇO,
~ COLHA É FMU.

CONDIÇÕES DIFERENCIADAS, OPÇÕES DE FINANCIAMENTO,


VESTIBULAR EM QUALQUER DIA DA SEMANA OU UTILIZANDO SUA NOTA DO ENEM*.
AS OPORTUNIDADES QUE SEU FUTURO PRECISA ESTÃO NA FMU.

~........
INSCRIÇÕES ABERTAS QUALIDADE QUE

@) seletivo2016.com.br @ <1n 3132.3000 Hr.N&


ASUAVIDA

"M ÍN IM O DE 30 0 PONTOS NA PROVA DO EN EM.