Você está na página 1de 13

INTRODUÇÃO

Nestas páginas apenas encontrarás algumas perspectivas


que te irão ajudar a estudar matemática. Não é um texto
exaustivo. Eventualmente até podes ter outros métodos de estudo
que são tão funcionais quanto estes. No entanto é bom que
aperfeiçoes as tuas tácticas de estudo, para que um dia não digas
como o famoso Charles Darwin disse:

"Lamento profundamente não ter aprofundado suficientemente este


género de estudos, a menos de modo a compreender os grandes
princípios da matemática, porque os homens dotados desta
compreensão parecem possuir um sentido suplementar "

Enquanto este texto espera pela tua contribuição, a tua


leitura deve ser feita atenciosamente. Desde que possível, é
aconselhável que a leitura seja feita em voz alta. Assim o teu
poder de concentração aumenta.

Usa o teu lápis: para acrescentar algum comentário; para


sublinhar as palavras mais importantes; para completar raciocínios;
para expor a tua indignação ou admiração;..

Se já conseguistes chegar até aqui, não pares a tua leitura


em voz alta. Podes perfeitamente não ler este texto pela ordem
que é sugerida mas começar a leitura pelo fim ou pelo meio.

O aluno que se aplicar com método nos estudos estará


melhor preparado para enfrentar os obstáculos que lhe vão
surgindo pela vida, pois as sugestões que aqui se encontram
também podem servir para resolver problemas do dia-a-dia. Se
uma das propriedades do homem é a adaptação e aquisição de
novos conhecimentos, então porque não maximizá-la ? Que o
conhecimento deste texto seja bastante profícuo e revelador das
potencialidades que teimas desenvolver.

Quem não levar a sério estas sugestões não se queixe


depois, nem atribua as culpas a outrem.

O QUE É A MATEMÁTICA ?
Esta pergunta não tem uma resposta. Ora escuta ...

 "A matemática é a arte de dar o mesmo nome a


coisas diferentes "
H. Poincaré

 "A ciência que tem por objecto a medida e as


propriedades das grandezas " Dicionário da Língua
Portuguesa

 "A matemática não é apenas outra linguagem: é uma


linguagem mais o raciocínio; é uma linguagem mais a lógica;
é um instrumento para raciocinar" Richard P. Feynman

 "A matemática é a ciência das conclusões necessárias "


Pierce

 "As matemáticas são a ferramenta especialmente


adaptada ao tratamento das noções abstractas de qualquer
natureza e, neste domínio , o seu poder é ilimitado" P. A. M.
Dirac

 "A matemática é a ciência dos números e suas operações,


inter-relações, combinações, generalizações e abstracções, e
do espaço, configurações e estrutura, medidas,
transformações e generalizações " P. J. F. Horril

 "Nove décimos da matemática, fora aquela que foi


suscitada por necessidades práticas, são resoluções de
adivinhas " Jean Dieudonné

 "A matemática é aquela modesta ciência que distingue o


um do dois e do três. A ciência que arrasta a alma do que é
mutável para o que é essencial. Aquela ciência da qual se
utilizam todas as artes, todos os modos de pensar, todas as
ciências." Platão in República
 "A ciência matemática (...) divide-se em dois grandes
ramos, um compreendendo o abstracto, o outro o concreto "
C. A. Laisant

 "O estudo aprofundado da natureza é a fonte mais


fecunda das descobertas matemáticas " Joseph Fourrier

 "O avanço e o aperfeiçoamento da matemática estão


ligados à prosperidade do estado." Napoleão

PARA QUÊ ESTUDAR ?

O céu foi A terra foi


criado. Quem deverá agora viver, ó criada.
deuses ?

( ... ) " os homens evoluíram para descobrir que o conhecimento é


um prazer, que o saber é uma condição indispensável à
sobrevivência ( ... ). A imaginação transporta-nos com frequência a
mundos que nunca existiram, mas sem ela vamos a parte
nenhuma. O cepticismo permite-nos distinguir a ficção da realidade
e pôr à prova as nossas teorias." ( Carl Sagan, Cosmos )

Eu a amei [ a sabedoria] Se a sabedoria penetrar no teu


coração,
e busquei
e a ciência deleitar a tua alma,
desde a minha juventude
a reflexão te guardará e a
( Sab, 8, 2) prudência amparar-te-á

( Prov, 2, 10-11)

Compreender é tão belo como cantar

Na infância e na adolescência o homem é por


excelência um ser em descoberta. Procura ter o conhecimento e
saber a razão das coisas que o rodeiam. Nesta fase da vida é
possível questionar alguns factos ou algumas acções que no resto
da vida se torna quase impossível ou dá-se pouca importância.
Agora têm um potencial a utilizar, uma força a desenvolver, uma
semente para plantar. É agora que a devem aproveitar, porque
depois a energia esvai-se, a semente pode morrer. Aproveitem
esta sede de conhecimento que há em vós.

E onde estão guardados esses conhecimentos? Nos


meios grafo-audio-visuais: a televisão, o membro inolvidável de
cada família, mostra-nos perspectivas de realidades ou ficções
presentes, passadas ou futuras; a rádio transporta, em cada Mhz
ou Khz, músicas ou palavras que ficam inesquecíveis; os jornais ou
livros guardam para sempre saberes e memórias. Foi através dos
livros que ficámos a conhecer melhor características de civilizações
que já há muito tempo desapareceram. Os livros permitem-nos
obter o conhecimento no momento e à velocidade que quisermos.
Também na matemática o conhecimento está encerrado em livros
que esperam por ti, para que os vejas, para que os esfolheis, para
que os leias, para que os cheires. Enquanto procuras essa
informação ganhas hábitos de procura do saber, de pesquisa, de
leitura (ver anexo II e III).

Até há pouco tempo, estudar era uma possibilidade restrita


a poucas pessoas; apenas os mais ricos ou os padres tinham
disponibilidade para tais tarefas. Actualmente é uma actividade
aberta a todas as pessoas. Existem livros, filmes, computadores e
professores especializados que transformam o ensino num
processo propulsionador de desenvolvimento da sociedade.

Os estudos determinam, de um modo ou de outro, a tua


vida. Através dos estudos encontras o caminho do teu futuro. É
estudando que tu atinges os teus objectivos. É muito importante
que tenhas objectivos a concretizar, barreiras a ultrapassar, metas
a atingir. O objectivo do homem é a perfeição.

A tua futura profissão é certamente uma preocupação para


ti. Repara que praticamente todas as profissões exigem
conhecimentos de matemática; é usual as outras disciplinas
exigirem, directa ou indirectamente, conhecimentos de
matemática; no dia-a-dia encontras situações em que a
matemática é um grande auxiliar (quer seja para interpretar
gráficos eleitoralistas, quer seja para calcular a média de consumo
de combustível de um automóvel). Há assim urgência e
necessidade de estudar matemática.
Não te deixes envolver pelo ócio. A preguiça é a pior
doença do estudante.

Para ter sucesso na matemática é necessário esforço e


dedicação. Alguns precisam de estudar menos do que outros;
alguns têm uma maior capacidade de memorizar textos; alguns
têm uma maior capacidade de relacionar conceitos; alguns têm
uma boa memória fotográfica; ... O que é importante é que cada
um se conheça o suficiente para saber quanto precisa de se
esforçar para atingir um determinado objectivo.

A desilusão, o auto-derrotismo, o complexo de


inferioridade, a mania das grandezas ou o prazer de rejeitar a
matemática são causas do insucesso em matemática e
provocam o desinteresse do estudo e sabedoria desta disciplina.

Tens que acreditar que consegues !!!

É difícil ter estímulo para o sucesso ! "Por vezes parece que


nada do que faço é positivo!" Não penses assim! Não tomes o todo
pela parte. Há sempre coisas boas em ti. Só tens de as maximizar.

Tens de te conhecer para te poderes estimular. Por


vezes adquirem-se hábitos estranhos. Enquanto estudam alguns
ouvem música; alguns comem; alguns falam em voz alta; alguns
afixam os papéis com as fórmulas na parede; alguns preferem o
silêncio; alguns fazem poesia; alguns vêem televisão; alguns ficam
de pé; alguns deitam-se no chão; alguns andam pela casa; alguns
cantam; alguns atormentam-se; alguns .... Mas conseguem!
Conseguem concentrar-se para estudar (apesar de algumas destas
atitudes prejudicarem a concentração).

Quando a vontade de estudar for pouca, deves agir de


modo a estimular o teu interesse e a tua concentração. De modo
a sentires-te importante (como um descobridor), de modo a
acreditares que és capaz, de modo a teres predisposição para
aprender. Com o prazer do estudo, pelo prazer de conhecer,
descobres muitas coisas.

A matemática não é um saber fixo, acabado ou rígido. Por


exemplo, sabe-se que a soma dos ângulos internos de um triângulo
é 180o ... se o triângulo for uma figura plana. E se o triângulo
estiver desenhado numa esfera?...
Enquanto estudas é necessário que tenhas poder crítico,
que saibas fazer questões, que não tenhas receio de construir
questões. O mais difícil não é responder a uma pergunta; o mais
difícil é saber fazer perguntas. Uma pergunta bem formulada
facilita a sua resposta -- " Saber dar uma resposta causa alegria"
(Prov, 15, 23).

E é sempre possível fazer perguntas!!! Não tenhas medo


de te enganar. Aprende-se muito com os erros. E ganhas hábitos
de pensamento autónomo.

Navegar num mar de incertezas ... com um rumo.

O QUE É ESTUDAR ?

No meu dicionário está escrito que estudar é o mesmo que


"aplicar o espírito, a inteligência e a memória ao estudo; analisar
,observar atentamente, aprender; meditar". Portanto são os
processos pelos quais se fica a saber, conhecer e compreender
utilizando a memória e a inteligência. Mas será esta definição
suficiente em si mesma? Não!

A matemática é um jogo. Para jogar futebol precisas


conhecer as regras e ter alguma prática. Assim também acontece
com a matemática: precisas saber as definições e estudar.
Um estudante é um jogador! Para jogar é preciso antes
de mais . . . querer jogar. Depois deve-se ter em consideração as
regras do jogo ,os conhecimentos relativos ao jogo, as estratégias
utilizadas, os treinos frequentes, ... , os métodos.

O professor é um treinador que informa sobre as regras


e sobre os métodos de jogar; que indica ao aluno as melhores
estratégias para que ele se torne um bom jogador; que incentiva,
estimula e prepara o jogador para as provas.

O professor é um árbitro que verifica o cumprimento das


regras e delibera sobre as atitudes de um jogador; valoriza quem
joga bem e penaliza quem joga mal. Um professor dá valores a
quem participa, está atento, tem bom comportamento e trabal

Estudar é de certo modo estar em luta consigo próprio. É


por à prova a funcionalidade do lado racional, dominando a parte
animal da natureza humana. É provar a si próprio que se é capaz.
Tudo o que rodeia o estudante concentrado nos seus estudos deixa
de existir ou passa a assumir um papel secundário. Só ele e o que
ele estuda existe.

Jogar é emocionante! É extasiante! Mas ser estudante é


fabuloso e inolvidável (o que sentiria um africano pobre se lhe
dessem a possibilidade de estudar?). Num contexto social, estudar
é ter a hipótese de decidir sobre si, o seu conhecimento e o seu
futuro.

Assim como um jogador tem prazer enquanto joga,


também um estudante deve retirar prazer do que faz. No fim de
um esforço de o tamanho de uma montanha sentes o bichinho do
prazer da matemática. Sim, PRAZER! Alegria! Satisfação! Prazer
por teres resolvido um problema, prazer por conhecer, prazer ao
dizer ... eu consegui !
COMO ESTUDAR MATEMÁTICA ?

Não existe um processo para resolver problemas de


matemática. Cada problema é distinto dos outros. É exercitando
que se aprende matemática e cada aluno adopta o processo de
estudo conforme os seus hábitos e predisposições, conforme as
suas capacidades e motivações, conforme os seus interesses e
conhecimentos. Mas todos podem estudar matemática. E,
essencialmente, não é muito diferente do estudo que se faz para as
outras disciplinas. Por exemplo, na disciplina de português para
responderes a uma pergunta relativa a um texto precisas de
conhecer a linguagem do texto e saber interpretar a pergunta. Para
responderes a um problema de matemática, também precisas de
conhecer a linguagem do problema e interpretar a questão. Mas o
conhecimento matemático distingue-se de todos os outros saberes
pelo seu carácter abstracto e descontextualizado da realidade; as
definições utilizadas são fixas, existem num mundo coeso e
imaginário e aplicam- -se à realidade através dos diversos saberes
e ciências.

Nunca deixes "acumular matéria". Dificilmente


compreendes bem uma recepção excessiva de informação em
pouco tempo. Um estudo metódico e diário poupa-te muita
frustração e encoraja-te, aumentando o teu sucesso escolar.
Para saber é necessário estudar com regularidade, persistência e
dedicação. Não basta estudar na véspera de uma prova. Os
conceitos matemáticos não se apreendem de um momento para o
outro. É a regularidade do estudo que reforça o conhecimento. É a
questionação que valoriza o saber.
Não te deixes enganar usando "copianços". O facto de se
utilizar copianços provoca, a médio ou a longo prazo, vários
comportamentos incorrectos e desprestigiantes. Quem usa
esses recursos não desenvolve o seu poder crítico; não investe em
si mesmo; perde autoconfiança; não se esforça pelo que deseja
mas apoia-se nos outros para atingir os seus objectivos; diminui as
suas capacidades; torna-se gradualmente passivo; é banalizado
pelos sinceros; não decide por si mas pelos outros; ...para além
disto corre o risco permanente de a sua fonte de sabedoria ser
descoberta pelo seu professor.

Então como se estuda matemática ? "Com lápis e papel


ao lado", como diz o professor João Filipe Queiró, "é a única
maneira de ler matemática com proveito". Para quê ? Para
verificar, interpretar, confrontar, contestar, generalizar,
redescobrir, ... todas ou quase todas as afirmações que estão
escritas no livro ou no teu caderno. Para verificar através de
cálculos; para interpretar por meio de esboços para confirmar as
interpretações geométricas; para confrontar com outros
conhecimentos que tenhas; para contestar através da procura de
contra-exemplos (exemplos em que se verifica o contrário do que o
livro afirma) provando assim que o raciocínio está incorrecto, o que
acontece por vezes (mas não tantas quantas os estudantes
costumam pensar ! ... não faz mal, é na mesma um excelente
exercício!); para generalizar para outros casos semelhantes; para
redescobrir, refazendo sozinho novamente os mesmos raciocínios.

O que interessa é que não fiques com um olhar passivo e


quieto para com o problema. Não tenhas medo de te enganar! A
resolução de um problema de matemática raramente sai bem à
primeira tentativa. Não te desesperes se não o conseguires
resolveres à primeira, à segunda, à terceira, .... , à enésima vez. O
importante é resolvê-lo.

Perante um problema pergunta-te: O que é que eu sei?


O que pretendo saber? Como vou relacionar o que sei com
aquilo que pretendo saber? Relê o problema com atenção,
explicita as variáveis do problema, relaciona as variáveis, tem em
consideração outros conceitos que eventualmente estejam
relacionados com o problema (lê o anexo I).

Por vezes não "morres de amores" por um parágrafo ou


um capítulo de um livro de matemática. Então sugiro que vejas o
assunto noutras perspectivas, que rescrevas o que leste, que
resolvas alguns exercícios (começando por exercícios mais
simples). Perante um problema difícil adopta várias estratégias de
visualização, resolve variantes desse problema ou parte dele. Se
mesmo assim continuas com dificuldades em gostar desta parte,
deves "espairecer" indo de encontro, momentaneamente, a uma
actividade de lazer. Como por exemplo os jogos ou a leitura
(consulta a Prateleira no fim). Depois disso voltarás à carga com
mais vigor.

ALGUNS PRINCÍPIOS

Para que o teu estudo seja mais rentável deves ter em


atenção algumas atitudes:

Na sala de aula

Retira as dúvidas surgidas do estudo em casa;

Escuta atentamente a aula;

Mantém o teu caderno ordenado e com boa


apresentação;

Esforça-te por ter bons apontamentos das aulas (do que


está escrito no quadro e, caso seja importante, também do que o
professor diz), evidenciando o mais importante;

Não te distraias a ti próprio ou aos outros. A falta de


atenção é a maior causa de insucesso;

Não tires conclusões precipitadas; pensa na questão e,


caso não a consigas resolver, chama o teu professor;
Sempre que não entendas algo, coloca oportunamente
questões ao teu professor, bem formuladas e explicitas. Evita dizer
"eu não compreendo nada!", mas antes "eu não compreendo
aquele raciocínio";

Em casa

Não ocupes todo o teu tempo a estudar, reparte o teu tempo pelas
diferentes tarefas que tens de concretizar, sem prejuízo das
prioritárias. Deixa algum tempo de lazer para te descontraíres;

O local de estudo é apropriado? Sossegado? Com móveis


adequados? Bem iluminado;

Nunca penses que há matérias que por mais que queiras não te
"entram na cabeça"! Sendo tu o primeiro a te derrotares ... quem
te apoiará! Não te convenças que és pior que os outros e não
passes a vida a pensar nos melhores da turma. Tens o teu próprio
ritmo. Mas hás-de lá chegar!

Enquanto estudas tenta escapar aos bombardeamentos de


informação da televisão ou da rádio. A televisão ou o rádio em alto
volume são factores que diminuem bastante o teu poder de
concentração;

Deves ter um método, uma ordem nas coisas que tens por fazer
(ter método é "meio caminho andado") ;

Concentra-te ! Esquece o que te rodeia, o mais importante é o


que tens que fazer! Esqueceo teu problema das borbulhas, do
chocolate, da roupa ou do sorriso da ... televisão;

Quanto tempo vou dedicar a esta disciplina? Quando? Onde?


Como? Faz uma grelha de horários caso seja preciso,
indicando os tempos e as actividades a que te propões
concretizar;

Estuda com regularidade;

Consulta o teu livro ou outras fontes de informação (um livro é


uma ajuda inestimável), evitando escrever nele;
Sublinha apenas as palavras essenciais. Parágrafos totalmente
sublinhados não destacam nada de importante;

Lê em voz alta. É uma excelente táctica para te concentrares;

Mantém o teu caderno organizado e com boa apresentação. Evita


perder tempo a passar aulas a limpo pois é preferível dedicares
esse tempo com outras tarefas;

Faz resumos da "matéria dada", que não sejam um


"testamento"! Deve apenas conter as definições, observações,
teoremas e exemplos mais importantes. Ordena esses resumos
num caderno ou capa de modo a saberes localizá-los facilmente,
indicando a disciplina, o ano e o capítulo;

Resolve sempre os T.P.C. ;

Faz rabiscos do problema que pretendes resolver;

Resolve os vários exercícios que disponhas no teu caderno


diário, ordenando-os de modo a saberes localizá-los facilmente,
indicando o número e a página a que pertencem;

Após um exercício, verifica se a sua resolução está correcta,


verificando os passos e/ou confirmando com a solução do livro;

Quando terminares o teu estudo faz uma revisão mental sobre o


que estudaste (conceitos, exemplos, teoremas, desenhos, ...) .

Sempre (na rua, nos cafés, nas filas, nas discotecas, nas
cantinas, ...)

Usa métodos de aprendizagem;

Não desistas de um problema às primeiras tentativas;

Revê várias vezes os teus raciocínios;

Tem autoconfiança;

Tem consciência do que sabes;


Utiliza o teu poder de crítica e autocrítica;

Formula sistematicamente questões relacionando o que estudas


com o que te rodeia;

Sê criativo. A imaginação conduz a atitudes inovadoras o que


proporciona melhores perspectivas perante a vida em geral;

Considera o estudo na escola como uma fonte de riqueza interior e


como um caminho para a tua vida;

A matemática está intimamente relacionada com a realidade. Tenta


aplicar, sempre que necessário, os conhecimentos adquiridos;

Ganha hábitos de leitura.