Você está na página 1de 93

Fallen: Dominic

[Fallen Series Book 3]

Tiffany Aaron

1
Resumo: Anjos se uniram a Lúcifer para derrotar a Deus, porque descobriram que Deus amava
muito a suas criaturas. Em castigo Deus os enviou a seu próprio inferno: a terra.
Na terra há três grupos de anjos, os verdadeiramente arrependidos - Dominic o é- os que não se
arrependem e só procuram massacrar aos humanos e os que não tomam nenhuma posição, vivem
como humanos e tratam de confundir-se com eles.O grupo do Dominic protege à humanidade
pensando que possivelmente Deus algum dia os perdoará.
Mas Deus tem seus planos e a seu guerreiro, o Arcanjo Mika’IL, para levá-los adiante.
Dominic ama a Teresa e esta decidido a tê-la, mas Teresa vive em Nova Orleans e ali
também vivem a maldade e o Vodu.

§
Capítulo Um
A atividade febril e o ruído do Bairro Francês desapareceram quando
Dominic LaFontaine esteve de pé sobre a calçada para fora da Livraria Ryder
olhando fixamente através da janela de vidro cilindrado à mulher de cabelo
escuro que estava atrás do mostrador. Tinha estado ausente de Nova Orleáns
duas largas semanas, não só era a cidade a que o tinha chamado a casa. Era
Teresa Ryder, a mulher a que chamava sua melhor amiga e que em seu
coração chamava seu amor.
Ela levantou a vista nesse momento e o apanhou olhando-a fixo. Um sorriso
feliz apareceu em sua cara e o convidou a entrar. Foi vergonhoso como seu
coração lhe deu um salto ao vê-la correr, cruzando a loja, para ele. Assustou-
se ao sentir-se em casa quando ela envolveu seus braços ao redor dele e sua
risada encheu seus ouvidos.
Apertando-a forte contra ele, murmurou —Olá, senti saudades.
Ela se separou dele, seus olhos violetas brilhantes de felicidade.
—foram somente duas semanas, Dominic.
—Um minuto sem ti parece toda uma vida —disse sinceramente.
—Deixa de paquerar e me ajude a fechar —O levou junto à maquina
registradora—. Como esteve sua viagem?
—Produtivo —murmurou enquanto olhava seu traseiro. Teve que fazer um
esforço para não estender a mão e apertar esses luxuriosos globos. Magnífica
maneira de saudá-la depois de haver-se ido por duas semanas, pensou ele.
—Conseguiu te ocupar de tudo o que necessitava enquanto esteve fora? Não
sabia que conhecesse alguém em Rena —disse começando a contar o dinheiro
da caixa.
—Era mais que um conhecido quando fui dali, mas eu gostaria de pensar
que agora somos amigos —. Enquanto começava a apagar as luzes, pensou na
rotina que tinham estabelecido fazia muitos anos.

2
—Estou segura de que o é. A quem não gostaria depois de te conhecer? —
ela terminou de contar o dinheiro.
riu. Teresa sempre o tinha visto como uma pessoa amável. Não sabia que
era um dos homens mais temidos de Nova Orleáns. Nunca lhe tinha contado
nada sobre seu passado porque não quereria destruir sua inocência.
—William nunca faz o que esperaria que fizesse. É um bom homem —
tomou a bolsa com o efetivo e abriu a porta—. Te reunirá comigo para jantar?
senti saudades de falar com você.
Um rubor manchou suas bochechas.
—Não posso. Tenho um encontro.
A decepção o alcançou rapidamente.
—Isso é magnífico, carinho. Quem é o afortunado?
—Seu nome é Vincent Delacourte. Entrou na loja o dia depois de que partiu
e nos fizemos bons amigos. fomos para jantar umas poucas vezes —sua cara
resplandecia de felicidade.
—Trata-te como tem que tratar-se a uma dama?—Dominic sentiu que um
calafrio de medo percorria todo seu corpo. Podia ser muito tarde para lhe
confessar seu amor. Não sabia o que faria se a perdesse.
—Sim, trata-me quase tão bem como você o faz —se burlou dele. Não
parecia notar que seu coração estava em perigo de romper-se.
—Isso esta bem. Não acredito que ninguém se preocupe com ti tanto como
eu —disse ele pelo baixo. Ela o estudou perplexa—. Vou ao clube. por que
não traz para o Delacourte depois do jantar?
—Verei se quer ir. Se não, verei-te amanhã pela manhã como de costume,
não?—deu-lhe um beijo quando assentiu com a cabeça.
—Deixarei isto por ti —agitou a bolsa de efetivo e olhou à limusine que
esperava na calçada—. Desfruta de seu jantar. Seu acompanhante está aqui.
Ela o saudou com a mão e se meteu no automóvel. Não gostou de ver que
não havia ninguém que sustentara a porta aberta para ela. Onde estava o
respeito que todos deviam lhe mostrar? Anotou um ponto contra Delacourte
em sua mente.
******
—Hey homem, seu bomboncito está aqui —disse Randy enquanto colocava
a cabeça no escritório do Dominic.
—Ela não é minha. Tem um encontro e lhe disse que passasse por aqui.
—Seu bomboncito tem um encontro e não é contigo, homem? Isso é terrível
—a voz do Randy ainda mantinha um vestígio das ilhas onde viveu.
—Acomoda-a —disse Dominic—. Leva-a a nossa mesa habitual. Estarei aí
em um par de minutos.

3
Randy sorriu abertamente e saiu. Dominic o seguiu alguns minutos depois.
Foi uma surpresa ver o Randy de pé ante a mesa que Teresa e ele geralmente
usavam. Se seu amigo tivesse sido um gato, sua cauda estaria levantada e
estaria cuspindo. Quando viu o casal sentada na mesa, viu um homem loiro
ligeiramente mais baixo que ele, ao lado da Teresa. Estava ruborizada por
algo que o homem lhe estava sussurrando. Sentiu suas mãos apertando-se em
punhos quando viu o homem deslizar sua mão para cima de sua coxa. Ela se
afastou antes de que pudesse chegar muito longe.
Tratou de sufocar o violento ciúmes dentro dele. Não podia acreditar que o
homem tratasse de manuseá-la, especialmente em público. As arrumou para
fazer caso omisso da vozinha em sua cabeça que dizia o que faria em um
segundo se tivesse a oportunidade.
Caminhando para a mesa, viu os olhos da Teresa iluminar-se. Antes de que
tivesse a oportunidade de dizer algo, seu encontro dizia, —Finalmente. O
serviço aqui é atroz. Tomarei um Jack com coca. A minha garota gostaria de
um copo de vinho branco.
Teresa abriu sua boca para protestar. Ele sabia que odiava o vinho. Dando-
se volta, assinalou a um garçom e lhe deu a ordem. Não se reuniu com eles na
mesa ainda.
—Encontra carências no clube? —perguntou.
Randy voltou a mesclar-se com a multidão. Dominic sabia que se
necessitasse ajuda, seu amigo estaria disponível, mas por agora, tinha as
coisas sob controle.
—Sim. Se conhecesse proprietário, faria-lhe algumas sugestões.
—Nunca falo de negócios quando há uma formosa dama de quem posso
desfrutar —do Dominic sorriu a Teresa.
O garçom retornou com suas bebidas. Sorriu ante o franzir de sobrancelhas
do homem quando um Martini foi posto frente a Teresa.
—Pedi vinho branco —se queixou Vincent.
—Teresa não bebe vinho. Não é assim, amor?
—Não, e o haveria dito se me tivesse permitido pedir por mim mesma —
Teresa finalmente encontrou sua voz.
Quando Dominic tinha caminhado à mesa, tinha-a surpreso ver um brilho de
ciúmes em seus olhos. Tinham que ter sido as sombras da luz porque nunca
acreditaria que estivesse ciumento de qualquer homem com o que saísse. Seus
olhos beberam a imagem de seu melhor amigo. Não tinha tido tempo de falar
com ele quando passou pela loja antes de seu encontro. Seu cabelo escuro não
estava tão certo como geralmente estava. Tinha a sensação que se esteve
passando seus dedos por ele. Suas cinzeladas facções luziam uma aguda dor.
Seus olhos azuis eram da cor do oceano e levavam mistérios dos que sempre

4
tinha estado muito receosa para perguntar. Seu corpo era musculoso e magro.
Sabia que se mantinha em forma porque tinha ido ao ginásio com ele um par
de vezes. perguntou-se se lhe tinha pedido que fora com ele porque acreditava
que ela tinha que perder peso. Quando lhe perguntou por isso, tinha-a
cuidadoso abalo. Disse-lhe que adorava as formas que tinha e a única razão
pela que lhe pediu que o acompanhasse era por sua companhia.
Havia alguma coisa diferente nele esta noite. Estava-a olhando como se fora
um pêssego suculento e queria mordê-lo. Ela desviou o olhar dele antes que o
olhar em seus olhos lhe revelassem quanto o desejava.
—Sou Dominic LaFontaine e sou dono do Anjo Cansado —sua voz foi
suave e a roçou como uma cascata de seda.
havia-se sentido envergonhada quando Vincent supôs que Dominic era o
garçom. É obvio, a incapacidade do Vincent de ver além de si mesmo não lhe
tinha permitido notar o traje Armani de seda e a camisa de linho que Dominic
levava com elegância.
Tinha-lhe perguntado ao Dominic uma vez por que levava roupa tão custosa
constantemente. Tinha-lhe respondido em um tom sério, —A vida é muito
larga para levar roupa incômoda —tinha suposto que estava brincando, mas
algo dentro de lhe dizia que ele acreditava o que dizia.
Saltou quando um homem apareceu ao lado dela. destacava-se sobre outros
homens da sala, incluído Dominic, que era o homem mais alto que conhecia.
—Quer dançar? —fez uma reverência ligeira. Seus incomuns olhos cinzas
chapeados dançaram divertidos para ouvir o resmungo do Dominic.
Ela olhou a seu amigo. Ele se encolheu de ombros.
—É inofensivo para ti.
Vincent começou a protestar e os olhos do homem se voltaram como prata
geada. O protesto se apagou. Não lhe incomodava dançar com um
desconhecido dado que Dominic não estava preocupado por ele. Deixaram
aos dois homens olhando-se fixamente. Jogou uma olhada fazia atrás,
duvidando sobre deixá-los sozinhos. Estava preocupada com que Dominic
pudesse atacar ao Vincent.
—Não se preocupe, Teresa. Não fará mal nenhum —o homem deveu lhe
haver lido a mente.
perguntava-se quem era. Não era freqüente que Dominic a deixasse dançar
com alguém além dele.
—Sinto muito. Não permiti que Dominic nos apresentasse. Sou Mickey Ou'
Flynn —inclinou sua cabeça.
—Sou Teresa Ryder. Dominic nunca te mencionou —não estava
surpreendida porque Dominic lhe tinha contado muito pouco sobre sua vida.

5
Se alguém lhe perguntasse, tivesse jurado que não tinha existido antes que
chegasse a Nova Orleáns.
—Não me surpreende. Somos conhecidos, simplesmente.
—Como o era William?
—Acredito que ele e William se fizeram amigos enquanto faziam seus
negócios juntos.
—Quanto tempo faz que conhece o Dominic?
Um estranho olhar passou pelos olhos do Mickey.
—Algumas vezes parece que toda a vida.
Ela riu.
—Sei exatamente do que está falando. Ele tem o hábito de conseguir ter às
pessoas sob seu pé, não?
Mickey sorrio olhando-a.
—Sob seu pé não cheguei a estar nunca. Somente dirijo a ele quando tenho
uma proposta de negócios para lhe fazer.
—OH, assim que vocês fazem negócios juntos?
—Sim, estamos na mesma linha de trabalho.
—Nunca soube no que trabalha Dominic.
—Inclino-me a acreditar que tem suas mãos em muitos negócios diferentes.
Não gosta de atar-se a um só tipo de trabalho.
Teresa se voltou a olhar a mesa e viu o Dominic inclinar-se para diante para
dizer algo ao Vincent.
—Não se preocupe. Dominic não machucará a seu homem. Ameaçará-o
com lesões corporais somente se a machucar.
—me machucar a mim? por que ameaçaria ao Vincent?
—Toma sua amizade muito seriamente, Teresa. É a pessoa mais importante
para ele. Não tem uma família própria.
—Assim que me vê como uma irmã —Não podia esconder a decepção em
sua voz.
A risada do Mickey atraiu o olhar do Dominic.
—Querida, se fosse sua irmã, seria ilegal que ele pensasse em ti da maneira
em que realmente o faz.
Ruborizando-se, esmagou o brilho de esperança sem piedade em seu
coração. Tinha estado tratando de conseguir que Dominic a notasse do
momento em que se conheceram, mas nunca a via como mulher, somente
como amiga.
—Está atemorizado exatamente com a mesma maneira que você. Seu
coração é uma coisa frágil assim não o arriscaria sem uma pista de que o
aceitaria —Mickey olhava sobre seu ombro aos dois homens que tinham
deixado na mesa—. Penso que tem descoberto algo enquanto esteve ausente.

6
Este descobrimento o ajudou a tomar uma decisão sobre ti. Se estivesse em
seu lugar, não me surpreenderia se Dominic começar a te olhar de uma
maneira muito diferente. sente-se um pouco em desvantagem agora porque
tem competência. Não tinha esperado isso.
Teresa teve o estranho impulso de desculpar-se.
—Não sabia que tivesse nenhum tipo de sentimentos por mim. É tão duro
de ler às vezes.
—Nunca teve uma vida fácil. Durante mais anos dos que recorda, esteve
sozinho. Não te desculpe, Teresa. A competência é boa para ele.
Enquanto Mickey a arrastava com o ritmo da dança, ela se permitiu
despreocupar-se por um instane.
*****
Dominic olhou fixamente Delacourte. Havia uma espécie de escuridão que
rodava ao homem que não gostava, mas não podia determinar exatamente o
que era. Teria que falar com o Randy para ver se a reação do gorila( era pela
arrogância mesma do absorto homem ou se tinha havido algo mais que fez
reagir ao Randy. Estava contente de que Mika’IL aparecesse para distrair a
Teresa, ainda quando não pudesse menos de perguntar-se sobre o que lhe
estava falando o arcanjo.
—estive tratando de dissuadir a Teresa de vender sua empresa —Vincent
deu um puxão aos punhos franceses de sua camisa tirando-os justamente dois
centímetros das mangas de seu traje.
O controle era importante em qualquer assunto de negócios e Dominic via
isto como uma negociação. Sabia que tinha havido outras razões para o
Vincent começar a sair com a Teresa. Muitos homens viam sua beleza e
natureza generosa e as valoravam, mas Vincent não parecia ser esse tipo de
homem. Delacourte a via como um troféu e um potencial assuntos de
negócios. Dominic sabia que o homem pensava que podia convencê-la que
vendesse sua livraria por menos do valor de mercado e também deixar que ele
conseguisse o edifício histórico no que a livraria se localizava. Dominic não
podia deduzir, dos pensamentos do homem, por que queria o edifício.
—por que deveria vender? Desfruta de seu negócio e obtém um bom ganho
—Dominic girou o bourbon em seu copo, seus olhos estudando ao homem
que se situava frente a ele, na mesa.
—É uma jovem e formosa mulher. Não deveria estar trabalhando tão duro.
Deveria desfrutar da vida e ver mundo —Vincent endireitou sua gravata.
Uma risada chegou da pista de baile. Dominic jogou um olhar a Mika’IL e
Teresa surpreso. Tinham passado vários séculos desde que tinha escutado ao
arcanjo rir assim. Não pôde menos que sorrir ante o orgulho que sentiu que
fora Teresa quem o fez rir. Havia uma escura emoção enterrada no fundo

7
dentro do coração da Mika’IL. Se Dominic não o conhecesse melhor, diria
que o anjo tinha amado e conhecido a perda que teria quebrado um coração
mais débil. Talvez algum dia lhe perguntaria sobre isso.
Por outro lado, talvez só deveria te manter afastado dessa pergunta. A voz
da Mika’IL ressonou como uma advertência em sua cabeça. girou-se para ver
os olhos chapeados da Mika’IL olhando-o fixamente por sobre a cabeça da
Teresa e inclinou sua cabeça em reconhecimento. por agora sujeitaria sua
curiosidade.
—O que diz a sua proposta de negócios Teresa? —Dominic se perguntava
se sequer estava considerando a proposta.
—Não me escuta sequer. Meus sócios comerciais e eu temos algumas boas
idéias para converter o edifício em um Hotel com café da manhã(.
—Isso é realmente o que a cidade necessita? Outro hotel? —tomou um
sorvo do copo. O bourbon era o melhor que o dinheiro podia comprar, mas
não importava. Nunca tinha podido captar nenhum sabor ou prazer dele.
Podia beber-se cada garrafa do clube e nunca estar bêbado. Bebia porque o
fazia sentir-se mortal e não como o monstro que uma vez foi.
—Realmente te vê como um monstro, meu amigo?
—Sim, sempre.
—O que passa contigo e com o William? Não são monstros só porque sejam
diferentes deles. Você é outra de Suas criações e isso te faz tão valioso como
o são eles.
—Não penso que esteja qualificado para ser conselheiro de anjos cansados,
Mika’IL. Não sabe o que significa perder algo pelo que daria a vida por voltar
a ter.
A tristeza alagou sua mente até tal ponto que sentiu brotar lágrimas em seus
olhos.
—Não sabe tudo o que vivi através dos séculos, LaFontaine. Não pense
nunca que não compreendo o que perdeste.
Vincent lhe sorrio. Dominic queria apagar o sorriso afetado de sua cara.
—Lei de oferta e demanda, meu amigo. Nova Orleáns é um destino muito
popular para viajantes. Penso que sempre há possibilidades para outro hotel.
Ela não está sendo cooperativa absolutamente.
—Isso é porque sabe que a seu sócio não gostaria da idéia —Dominic viu o
olhar de surpresa sobre a cara do Vincent. Ah, assim que o homem não sabia
que Teresa tinha um sócio, maldição, seus advogados eram realmente bons—.
Seu caseiro não pensaria em vender esse edifício tampouco, inclusive se não
estivesse seu negócio aí.

8
—Como sabe? Somente necessitaria uma reunião com esse tipo para
convencer o de que minhas idéias lhe ofereceriam o melhor trato econômico
que pudesse conseguir.
Dominic se inclinou para diante e estudou ao homem em frente dele. Podia
Vincent realmente ser tão cego a todas as correntes ao redor dele?
—Não importaria embora você pudesse garantir que o homem seria
multimilionário para o final do ano, ele não o venderia —levantou a mão para
que Delacourte não falasse—. Sei porque sou o sócio da Teresa e seu caseiro.
Não necessito mais dinheiro. Se com o tempo alguma vez Teresa deseja
vender seu negócio, venderá-me isso porque assim está estipulado em nosso
contrato.—ficou de pé e chamou o garçom para que trouxesse outra bebida ao
Delacourte. Olhou à pista de baile e encontrou a Teresa sorrindo a Mika’IL.
Isso o fez. Nenhum arcanjo com olhos e um sorriso assassino ia roubar lhe a
sua mulher. Foi para ela sem olhar atrás.
******
Teresa suspirou quando colocou sua cabeça sobre o ombro do Dominic.
Não lhe havia dito nada desde que tinha interrompido seu baile com o
Mickey. Envolveu seus braços ao redor de sua cintura e a devorou forte contra
ele. Nunca tinha dançado com ele desta maneira. Seus braços se fecharam ao
redor de seus largos ombros e não pôde evitar tocar o cabelo em sua nuca. Ele
moveu sua coxa entre os dela, causando o roçar de seu sexo contra os duros
músculos. Ele balançou seus quadris contra ela e ofegou quando sentiu a
rigidez de seu pênis roçar seu estômago.
Ela estava assombrada. Nenhum homem tinha estado alguma vez tão duro
por ela e que esse homem fora Dominic era um sonho feito realidade. Durante
cinco anos, tinha fantasiado sobre o ter em sua cama. Sabia que nunca
ocorreria, mas era partidária de sonhar muito bem sempre. Pelo tamanho da
protuberância em suas calças, não o tinha sonhado o suficientemente grande.
Sentiu que se estava molhando. Uma das mãos dele baixou e se cavou em sua
nadega enquanto a outra acariciava suas costas. Os dedos dela se enterraram
em seu cabelo escuro. Um gemido escapou de seus lábios quando seu polegar
tocou um lado de seu peito. Estava-a seduzindo sobre a pista de baile em meio
de seu clube e em frente de seu acompanhante.
Pensar no Vincent Delacourte lhe caiu como um balde de água fria.
separou-se de um puxão do Dominic e o olhou comovida. O que tinha estado
pensando? Aqui estava fazendo-o virtualmente com seu melhor amigo
enquanto seu acompanhnte permanecia bebendo a sós. Quando havia se
tornado tão provocadora?
—O que acontece, amor? —a voz do Dominic a acariciou justo como suas
mãos. Mais umidade se deslizou entre suas pernas.

9
—O que estamos fazendo? —deu-se volta para caminhar de novo para o
Vincent. Dominic estendeu a mão e agarrou seu braço.
—Estamos conseguindo nos conhecer um nível mais íntimo.
—por que? —Vincent já não estava na mesa. Buscou-o olhando ao redor.
— Desejo-te, Teresa. sempre. Não vou deixar que nenhum chato
egocêntrico te afaste de mim —a atraiu outra vez. Cavando sua mão em seu
queixo, levantou seus olhos à altura dos seus—. Não estou jogando. Você,
entre toda a gente, deveria saber que eu não gosto dos jogos.
—Não compreendo. O que te ocorreu em Rena para que de repente
decidisse que me desejava? —estava confundida e assustada. O coração de
todos corria uma carreira quando os sonhos se voltavam realidade?
—Encontrei a verdade. Encontrei o valor para não estar mais assustado.
—Assustado do que? —nunca tivesse pensado que Dominic poderia estar
assustado de algo.
—Estava assustado do futuro e de meu lugar nele. Por fim decidi que meu
futuro era contigo e meu lugar está ao lado e dentro de ti.
Sua pele se ruborizou. Mãe Santa, o homem podia provocar o orgasmo a
uma mulher com apenas a doce suavidade de sua voz. Entrou às escondidas
pelas esquinas escondidas de seu coração e prendeu uma chama baixo ela.
Vincent apareceu junto a ela, sua cara vermelha de cólera.
—Teresa, acredito que é hora de ir. Tenho uma reunião de negócios a
primeira hora —A devorou afastando a do Dominic.
Ela se voltou a olhar ao homem que tinha estabelecido uma labareda ardente
em seu estômago. Seus brilhantes olhos azuis a seguiram enquanto cruzava o
salão. Tinha o pressentimento que ele não tinha terminado com ela. Mais
sedução e carícias estavam por vir e ela não podia evitar gritar de júbilo.
Espera, uma voz admonitória soou em sua cabeça. Dominic teria estado tão
interessado se não tivesse estado saindo com o Vincent? Talvez é essa etapa
possessiva pela que todos os homens passam quando suas amigas do sexo
feminino começam a sair com alguém. Tinha estado bebendo. Talvez só não
tinha muito controle. Provavelmente só estava reagindo frente ao feito de que
é uma mulher. Teresa não pôde negar a voz que sussurrava essas idéias
deprimentes em sua cabeça. Havia uma razão pela que tinha que ser prática
essa noite? Por uma noite, seu coração não podia aceitar simplesmente o fato
que Dominic se havia posto duro porque estava em seus braços?
Deixou que Vincent a ajudasse a entrar na limusine sem dizer nada. Tratou
de sentir-se envergonhada pelo episódio, mas não pôde. Dominic a tinha
excitado mais rápido do que qualquer homem o tinha feito em muito tempo.
Seu sexo nunca se molhou em todo o tempo que tinha estado vendo o
Vincent. Nunca se havia sentido embargada pelo desejo pelo Vincent, mas

10
sabia que isso não significava nada. Ainda estava tratando de conhecer o
homem, a diferença do Dominic a quem parecia que conhecia sempre.
Voltou-se para desculpar-se quando Vincent agarrou seu queixo e esmagou
sua boca contra a sua.
Gemeu de dor quando suas mãos se deslizaram para agarrar seus braços.
Tratar de afastar-se demonstrou ser inútil e se encontrou apanhada entre o
Vincent e a porta. Seus lábios estavam devorando os seus, mas não havia
sedução em sua mente. Pôde sentir a cólera e a atitude possessiva do beijo.
Suas pernas estavam apanhadas debaixo dele assim não podia chutá-lo. As
janelas da limusine estavam obscurecidas para a privacidade e o condutor
trabalhava para o Vincent. Gritou quando seus dentes lhe morderam o lábio
inferior.
Repentinamente estava caindo de costas e teria golpeado o pavimento se
Dominic não a tivesse apanhado. Tinha aberto a porta de um puxão. Ele
manteve uma mão ao redor de sua cintura e retorceu a camisa do Vincent sob
seu queixo com a outra. Sacudindo ao homem como um terrier a um rato,
insultando-o.
—Se alguma vez a machucar outra vez, esquecerei cada voto que fiz e te
caçarei como o monstro que é —atirou outra vez ao Vincent sobre o assento e
fechou de repente a porta, mas não antes de que Teresa captasse a loucura
ardente nos olhos de seu acompanhante. Enquanto a limusine girava na
esquina, Dominic a atraiu a seus braços e enterrou sua cabeça em seu cabelo.
—Estas bem, meu amor?
Ela nunca tinha pensado sobre as palavras de carinho com as que Dominic a
chamava. Sempre tinha pensado que tão somente eram sua maneira de indicar
amizade, mas agora não estava segura. Talvez tinham representado tudo o que
havia entre eles e ela não o tinha percebido. Suas mãos tremeram quando se
aconchegou perto dele.
—Agora o estou.
Dominic a olhou e sentiu aumentar sua cólera outra vez. Acariciando com
seu polegar seu lábio inferior, viu as marcas de dentes e amaldiçoou.
—Mordeu-te.
Ela agachou sua cabeça; um arrebatamento de vergonha manchou suas
bochechas.
—Estava zangado pela maneira em que nos conduzimos, dançando no
clube.
—A cólera nunca é uma justificação para que um homem trate a uma
mulher desse modo —sussurrou ele, posando um beijo em sua frente—. O
sinto entretanto. Devi me controlar e não tratar de te seduzir em frente dele.
Senti-te saudades tanto que perdi o controle por um ou dois minutos —

11
colocando um fio de cabelo chocolate detrás de sua orelha, olhou fixamente
seus olhos violetas. Inclusive embora estava assustada e machucada, um
sentido de pertença o enchia porque ele estava em seus braços—. Te levarei a
casa.
Conduzindo-a até onde estava estacionado seu automóvel, sentiu-a
estremecer-se. Estava começando a reagir e a dar-se conta do que poderia ter
ocorrido se ele não a tivesse resgatado. Não pensava que Vincent tivesse ido
mais longe de beijá-la, mas havia um toque de inquietação nele. Quando tinha
agarrado ao homem, havia sentido a presença de outro espírito na mente do
homem, mas não era como a posse demoníaca a que estava acostumado. O
espírito que havia meio doido era escuro e malévolo. Tinha o pressentimento
de que era muito velho, mas muito humano. Decidiu começar a investigar ao
Vincent Delacourte ao dia seguinte. Havia algo inquietante sobre esse
homem. Teresa tremeu outra vez.
—Agüenta, amor. Acompanhar-te ao apartamento e poderá tomar um banho
—abriu a porta do automóvel e a ajudou a subir. Fechando a porta do
automóvel, ficou de pé fora por um minuto, respirando profundamente para
enterrar sua raiva. Ela não merecia ser bombardeada por isso e sabia que
ocasionalmente sua mente filtraria suas emoções a outros que estivessem
abertos. Depois dos anos que tinham acontecido juntos, sabia que Teresa
estava muito aberta a ele. Caminhou para o lado do condutor e entrou em
automóvel.
Ela tinha a cabeça apoiada contra o apóio de cabeças e seus braços estavam
envoltos ao redor de sua cintura enquanto tremia. Arrancou o automóvel e fez
algo que nunca tinha feito desde que tinha vindo a Nova Orleáns: pôs a
calefação. Posicionou as aberturas para que dessem sobre ela, inclinou-se para
grampear seu cinto de segurança, passando sua cara perto de seus peitos. Uma
rajada imediata de luxúria o atravessou e endureceu seu pênis. Queria mais
que nada enterrar sua cara entre esses dois montículos. Desejava fazer rodar
seus mamilos entre seus dedos e sugá-los tão duro como pudesse. Ela inspirou
profundamente, causando que seus peitos aumentassem colocando-os ainda
mais perto de sua cara e ele levantou o olhar para ver seus olhos olhando-o.
Não estava envergonhado porque o apanhou olhando-a. Ela estava excitada
por seu olhar, podia-o dizer pela forma em que seus mamilos destacavam
através de seu vestido. Ele terminou de grampear seu cinto de segurança e se
voltou a sentar com um gemido. Acomodando seu pênis em suas calças, fez
uma careta sem fazer ruído.
—Espero que te dê conta de que não há nada que adoraria mais que te levar
a casa, te estender sobre minha cama e fazer amor por toda a noite —sua voz

12
soava severo e frustrada. Ela assentiu—. Não o farei porque acaba de sofrer
uma agressão e não está pronta para levar nossa relação a esse nível.
—Vincent não me agrediu.
Ele advertiu que estava evitando a última parte de sua frase. As arrumaria
com isso quando se recuperou dos eventos da noite. Ele sabia que a estava
empurrando muito duro e muito rápido, mas não queria desperdiçar mais da
vida dela sem ser seu amante. Os mortais tinham vistas tão curtas, com toda
classe de perigos capaz de separá-los antes de que fora o momento. Não
queria correr o risco de perdê-la antes de sequer havê-la tido.
—Sim, agrediu-te. Tem mordidas para demonstrá-lo afastou da calçada e se
dirigiu para seu departamento.
—Só estava aborrecido. Estou segura que teria parado antes que fora muito
longe —não parecia muito confiada sobre isso.
—Dá graças a Deus por que nunca o comprovaremos —nunca tinha sido
um anjo muito de rezar, mas Dominic enviou uma breve oração de
agradecimento ao Pai no céu.
—Como soube que necessitava ajuda?
Ele se perguntava quando perguntaria sobre isso. Não acreditava que
estivesse lista para inteirar-se de sua condição de Cansado e de todos os
poderes que tinha. Algum dia, o diria e a deixaria tomar a decisão sobre se
estava louco ou não, mas esta noite, dançaria ao redor da verdade.
—Só tive um pressentimento quando vi que a limusine não partia do clube.
Pensou que talvez algo ia mal —Parou frente ao edifício dela. O apartamento
da Teresa estava em cima de sua livraria.
—Subamos.

Capítulo Dois
Teresa suspirou enquanto se afundava na água quente. Dominic a tinha
levado até seu apartamento, tinha-a deixado em seu dormitório e lhe tinha
ordenado que se despisse enquanto lhe preparava um banho. Ela se deslizou
na bata de seda vermelha que lhe tinha dado no Natal no ano anterior. Os
olhos dele se acenderam quando entrou no quarto.
—vá banhar te. Farei um pouco de chá —Ele a empurrou brandamente por
volta do quarto de banho.
Ela ofegou quando entrou. Ele tinha aceso velas e as tinha colocado ao redor
do quarto, que ficava iluminado pela suave piscada das chamas e não pelas
ásperas luzes modernas. A água se sentia suave contra sua pele. Respirando
fundo, inalou o suave aroma de lírios. Ele tinha encontrado seus sais de banho
e as tinha misturado com a água. Ela começou a reclinar-se quando golpeou o

13
braço contra um lado da tina. Uma débil dor surgiu de seu braço. Levantando-
o, contemplou as contusões que Vincent lhe tinha deixado ali.
Ela sabia que sua cólera estava justificada. Tinha ido ao clube com ele e
tinha terminado dançando com outros dois homens. Pensou no Mickey e
como lhe tinha advertido que as intenções do Dominic para ela tinham
trocado. Então Dominic tinha dançado com ela como se fora a única mulher
no clube. Ao minuto que ele tomou em seus braços, todos os pensamentos
sobre o Vincent ou qualquer outro homem voaram fora de sua cabeça. Ela
compreendeu que do momento em que o tinha conhecido, Dominic era o
homem que desejava. Talvez tinha tratado de evitar o assunto citando-se com
outros homens. Ele nunca tinha feito nada sobre eles antes. Como um irmão
maior, tinha-os investigado e logo tinha dado sua aprovação. É obvio, ela
tinha tido a impressão de que não gostava de nenhum deles, mas pensou que
era porque ele acreditava que nenhum era o bastante bom para ela.
—Nenhum deles o era, amor —sua voz da entrada a fez sobressaltar-se.
Ela pigarreou quando a água a golpeou na cara. Ele deteve suas mãos
quando ela tratou de secar-se.
—me deixe —Lhe agarrou o queixo com sua mão e dirigiu a toalha de lavar
sobre suas bochechas com o mesmo toque que usaria para limpar a mais
delicada louça.
Seus olhos se encontraram e se sustentaram enquanto sua mão baixava para
empapar o tecido. Ela viu luxúria ardendo em seus olhos. Seus olhos
normalmente frios se fundiam em chamas de safira quentes. Escondido
profundamente dentro deles havia um pouco de vacilação. Compreendeu que
isso podia significar que ele tinha medo de que o rechaçasse. De todas formas,
ainda não estava pronta para saltar à cama com ele. Seria uma transição muito
repentina, mas lhe deixaria lhe cortejar enquanto isso.
Ela suspirou quando o tecido rodeou seu peito. Os olhos dele baixaram para
lhe olhar o peito. Recordou que ele podia ver tudo sob a água. Pela razão que
fora, não estava envergonhada. Dominic já a tinha visto de mil formas
distintas em cada passo de sua amizade, supôs que vê-la nua era o seguinte
passo.
Ele estava ajoelhado ao lado da tina, sua camisa de linho desabotoada e as
mangas enroladas até o cotovelo. Ele tomou uma das mãos dela e a colocou
contra seu peito. Seus dedos dela massagearam a pele quente enquanto ele
passava sabão por seu braço. Ele o esclareceu e fez o mesmo com o outro.
Suas fortes mãos massagearam suas costas enquanto a limpava. Seus
músculos se convertiam em gelatina com cada carícia e roce. Arrastando o
tecido sobre sua pele acalorada, seus olhos estudaram as reações dela. Quando
alcançou suas pernas, ela se inclinou para trás e gemeu. Ele adorava cada

14
curva e vale dela. Seus pés e a parte de atrás de seus joelhos foram tratados
com cuidadoso detalhe.
Ela arqueou suas costas quando sua atenção voltou para seus peitos. Ele os
rodeou e apertou brandamente. Usou o trapo ensaboado para massagear seus
peitos e estimular seus mamilos. Quando ela gemeu profundamente, ele
deixou cair o tecido e se levantou. Ela viu o enorme vulto na parte dianteira
de suas calças e se sorriu.
Ele se moveu para a porta. Olhando-a, negou com sua cabeça.
—Não está pronta para mais ainda. Afastar-me de ti me está matando, mas
estou disposto a esperar até que esteja preparada.
Ela desejava lhe gritar que já estava preparada. Podia sentir como seu corpo
o necessitava, mas sabia que o que queria dizer era que ela não estava pronta
emocionalmente para que sua relação passasse além da amizade. Ela assentiu
com a cabeça.
—Quer que fique ou estará bem? —Ele se voltou na entrada e a acariciou
com os olhos.
—Estarei bem. Não tem que ficar e cuidar de mim. Sou perfeitamente capaz
de me deitar reveste — ela se ruborizou por seu sorriso.
—E se eu não quisesse que fosse capaz de te deitar por ti mesma? E se
queria ser eu quem o fizesse?
—Disse que não estava pronta —lhe devolveu sua declaração anterior.
—Isso pinjente. Suponho que esta não é a noite onde todos meus sonhos se
fazem realidade —lhe lançou beijo—. Doces sonhos, amor. Acontecerei com
verte amanhã.
Ela se sentou na água quente escutando a porta principal fechar-se. Não
entendia como podia mover-se com tanto sigilo. Não tinha escutado o som de
passos atravessando o apartamento. Nenhum som de fricção de roupa. Era
como se tivesse desaparecido, a não ser pelo som da porta ao fechar-se. É
ligeiro de pés, disse-se ela.
Saiu da tina e se secou. Envolvendo-se na bata, vagou pela sala de estar.
Dominic tinha deixado algumas vela acesas e o chá fervendo a fogo lento na
cozinha. As portas francesas de seu balcão estavam abertas à brisa da tarde o
que fazia que entrasse o úmido aroma terroso dos pântanos e o forte sabor do
oceano. Serve-se uma taça de chá e se caminhou até parar-se ante as portas.
As cortinas ondeavam com a brisa. Quando uma das cortinas tocou seu
tornozelo, ela saltou. Um tremor frio subiu por suas costas. O aveludado e
suave tecido pareceu enrolar-se em seu tornozelo e ajustar-se a ela. Um
áspero vento frio irrompeu no quarto, trazendo com ele o fedor de
mantimentos putrefatos. Sentiu náuseas e tropeçou para trás. Lutando contra o
vento, fechou as portas e se apoiou contra elas.

15
Um som misterioso veio com a noite. Ela se disse que era um gato guia de
ruas, mas uma pequena voz em sua cabeça lhe disse que nenhum gato guia de
ruas soava assim. Apagando as velas, rapidamente comprovou todas as
fechaduras das portas e se dirigiu para seu dormitório. Quando se meteu na
cama, o telefone soou.
Ela vacilou antes de respondê-lo. Finalmente, agarrou-o.
— Olá?
— Está bem? —a profunda voz Lisa do Dominic soou na linha.
—Sim —ela se desabou contra os travesseiros— por que chamas? Não te
tinha partido?
—Tive um estranho sentimento de que algo estava mau e quis me assegurar
que estava bem.
—Tem esses sentimentos freqüentemente?
—O bastante freqüentemente para escutá-los. Então, está bem?
Ela pensou no vento frio e o som estranho que tinha ouvido. Conseguiu
convencer-se que tão somente era uma reação atrasada pelas ações do
Vincent.
—Sim, estou bem. Acredito que estou um pouco nervosa pelo incidente
desta tarde.
—Se quiser, posso voltar e ficar. Dormirei no sofá.
Ela sorriu abertamente ao pensar no Dominic tratando de encaixar seu
comprido corpo no pequeno sofá.
—Estarei bem. Estou-me deitado agora, de todos os modos. Depois de uma
boa noite de descanso, terei esquecido todo este assunto.
—Melhor não o esqueça. Se vir o Delacourte outra vez, deve estar em
guarda. Não confio nele.
—O que tem contra Vincent?
—Além do fato de que te atacasse? —ela pôde sentir como se encolhia de
ombros por sua voz—. Não estou seguro, mas algo dele me inquieta.
—Não serão os ciúmes o que lhe inquietam, verdade?
Ele riu.
—É certo que uma parte disso são ciúmes, mas outra parte são meus
instintos os que me dizem que ele é perigoso.
— E seu não o é?
—Sou perigoso de um modo bom.
Ela se enroscou em sua cama e se colocou a manta ao redor. Ela amava sua
suave e profunda voz, tocava um lugar profundo dentro dela que nunca tinha
sabido que tinha. Era o primeiro que tinha notado sobre ele. Bom, a segunda
coisa que tinha notado, justo depois de notar quão bem luzia com seu traje de
três peças. Quando eles se conheceram, lhe tinha derramado café por toda

16
parte e logo lhe tinha pedido perdão docemente por se chocar contra ela.
Como um verdadeiro cavalheiro, culpou-se pelo acidente. Quando lhe pediu
uma entrevista para comer, ela não pôde rechaçá-lo. Ela sorriu ao recordar sua
primeira comida.
—Não sabia que havia diferentes classes de perigoso.
—Confia em mim, amor. Há várias classes do perigo no mundo. Meu tipo
de perigoso te intriga porque sabe que nunca te farei mal.
—Como posso sabê-lo?
—Olhe profundamente dentro de ti e verá do que falo. Há uma voz em sua
mente que te diz que deveria te arriscar e sair comigo. É a mesma voz que te
faz não estar segura de continuar vendo o Delacourte.
Ela se perguntou como podia saber que estava reconsiderando sua relação
com o Vincent. Não havia muito que fazer com o fato de que Dominic lhe
mostrava agora um incomum interesse. Ela não havia sentido a ardente
atração que estava sentindo agora por ele enquanto saía com outros. Quase
tinha tomado a decisão de deixar de vê-lo quando Dominic voltou para casa e
começou a instigá-la.
—Dominic, o que aconteceu Rena?
—por que o pergunta?
—trocaste. Nunca te vi tão convincente como foi esta noite.
—Sei e o sinto. Acredito que me assustei.
—Assustou-te?
—Nunca pensei realmente que teria me preocupar com que encontrará a
alguém mais. Não tentei que parasse de sair com outros homens porque
pensei que soube que ao final estaríamos juntos. Quando retornei de Rena,
tudo o que ouvi nossos amigos era quão maravilhoso era Delacourte e que
faziam um casal perfeito. De repente, vi todos meus projetos para o futuro
desaparecer diante de meus próprios olhos. Então me assustei.
—OH, Dominic.
—Prometo não me apurar, Teresa. Não quero te espantar e se quer seguir
vendo o Delacourte, não te deterei.
—É duro para ti me deixar escolher, verdade?
—Sim, é-o, mas aprendi o valor do livre-arbítrio —uma nota de tristeza
tocou sua voz durante um momento—. Também vi a loucura do livre-arbítrio,
só espero que não te oponha se te vigio se decide seguir vendo o Delacourte.
Ela riu brandamente.
—Não estou surpreendida. Pode me vigiar. Acostumei-me a te ter ao redor.
—Dorme bem, meu amor. Verei-te para tomar o café da manhã amanhã.
—boa noite.

17
Ela pendurou e se aconchegou sob as mantas. O calor a encheu e sabia que
era porque Dominic estava em casa outra vez. Amanhã romperia com o
Vincent e veria até onde ia esta atração entre ela e Dominic. Dormiu
sonhando com ela e Dominic entrelaçados em uma cama de lençóis brancos
de cetim.
*****
Enquanto se deslizava em seus sonhos eróticos, não ouviu os estranhos sons
que chegavam desde da rua, os mesmos sons que tinha desprezado antes por
que procediam de um gato guia de ruas. No repentino vento frio que soprava,
uma sorrisinho se podia ouvir. Se alguém tivesse cuidadoso desde sua janela,
teria visto um homem sobriamente vestido de pé na rua frente às janelas.
—Ela será nossa logo.
—Sim —Vincent riu —também a encantadora propriedade que possui.
Quero-a para meu hotel.
—Eu a quero a ela. Sua alma é pura. É perfeita para mim.
Uma parte de sua alma não corrompida pelo espírito retrocedeu ante o
pensamento de oferecer a Teresa como sacrifício a esta diabólica coisa.
—por que tem que ser ela? Não pode ser nenhuma das outras mulheres com
as que me citei que trabalho?
—Não. Há algo especial nela. Não o entendi ainda, mas sei que tem que ser
ela. A única coisa que me preocupa é o homem com o que dançava esta noite.
Não me disse que tivesse um sócio em seus negócios.
— Desconhecia-o. Nada na investigação que fez meu ajudante me disse que
não possuísse seu negócio e o edifício como direito. LaFontaine me põe
nervoso.
—Deveria está-lo. Nunca jogasse em sua liga, não importa quanto te ajude.
Há algo estranho nele. Não tem a mesma sensação que o resto de vocês.
—A que se parece ele?
—Ele tem o toque do infinito nele, acredito. É estranho porque não sinto a
presença de outro espírito em seu interior.
—Isso esta bem. Ele não deveria ser nenhum problema então.
—Isso parece, mas tenho o pressentimento de que será mais difícil que
qualquer outro com o que tenha tratado. Ele a protegerá ferozmente também.
Teremos que ser cautelosos.
—Esse é um bom plano. Farei que meu ajudante comece a investigá-lo.
Talvez encontremos algo com que chantageá-lo.
—Não acredito que encontremos nada e até se o fizéssemos, não acredito
que se deixasse chantagear. Parece-me um homem que não se preocupa do
que outros possam pensar dele.
—Mas poderia lhe preocupar o que Teresa dele pense.

18
—Não o bastante para arriscar-se a danificá-la. Se tráficos de revelar todos
seus segredos e ela sai ferida, ele tirará um anúncio no periódico por ti —
outra fria brisa percorreu a rua—. É hora de partir. Temos que fazer planos.
Vincent se afastou. Não viu a alta figura no beco detrás dele. Com os
entrecerrados, o homem olhou a sombra que partia e se perguntou sobre a
escuridão que notava na alma do homem.
*****
—Poderíamos ter um problema com o Delacourte, LaFontaine.
Dominic não se surpreendeu ao ver a Mika’IL tão tarde essa noite. O clube
tinha estado fechado durante uma hora. Ele estava revisando os ganhos da
noite. Sem olhar ao anjo, convidou-o a tomar assento.
—Quer algo de beber?
—Não. Não preciso me sentir mortal pretendendo beber. Ouviu o que
pinjente?
—O que te deixa tão tenso? —os olhos do Dominic luziram frágeis durante
um segundo e logo se esclareceram. Um sorriso satisfeito cruzou sua cara—.
Justo neste momento, Teresa está enroscada agradavelmente em sua cama
tendo doces sonhos sobre mim.
Mika’IL encolheu seus ombros.
—Eu não gosto desta cidade. Há muitos espíritos que ainda estão aqui.
Também me põe nervoso estar rodeado de seguidores do Vodu(.
— Vodu? O que tem em contra?
—Nada, exceto me põe histérico. Prefiro a clara e tradicional cerimônia
Católica.
—Ah, toda essa fumaça, incenso e latim. É um pouco cansativo para meu
gosto —Dominic agitou uma mão e dois copos de bourbon apareceram na
mesa—. Bebe, Mika’IL. Isto não te afetará, mas te dará algo para fazer além
de te obcecar com esta cidade. Esta é a magia de Nova Orleans, meu amigo. É
formosa e feia. É profundamente religiosa, mas a mescla é exótica e pagã
também.
Mika’IL bebeu a sorvos sua bebida e olhou ao Dominic com seus
enigmáticos olhos chapeados.
—É por isso o que você gosta tanto este lugar? Nunca pensei que te
instalaria em uma cidade portanto tempo.
—Eu gosto realmente da sensação de fé que impregna esta cidade, mas há
também decadência e a sensação de que algo vai ocorrer. Não tenho
problemas com todas as religiões diferentes que há aqui.
—Bem, porque penso que nosso problema com o Delacourte não tem nada
que ver com as religiões habituais, mas se com as que estão à margem.

19
—Tem- feito Delacourte algo a ela? —Dominic começou a ficar de pé—.
Me aproximarei e o comprovarei.
Mika’IL o empurro para que se sentasse.
—Não, ela está bem. Só saiu ao balcão do apartamento. Vincent estava de
pé, fora na rua. Ele resmungava consigo mesmo. Pelo general posso ver as
almas dos mortais. O estranho dele é que me pareceu ver que tinha duas almas
habitando seu corpo.
—Está possuído por um espírito?
—Sim. Embora não é um demônio verdadeiro. Tanto você como eu o
tivéssemos percebido quando esteve aqui antes. Não tive nenhuma
experiência com algo deste tipo antes. Vamos ter que aprender tanto como
possamos, antes de que façam algo a Teresa.
—Verei o que posso fazer —Dominic se encolheu de ombros. —Acredito
que tenho alguns empregados que praticam o Vodu. Comprovarei-o com eles
primeiro.
—Procurarei em todas as fontes que tenho. Avisarei-te se encontro algo —
Mika’IL desapareceu justo quando Randy aparecia pela esquina da barra.
—Ouça, chefe, queria algo?
—Sim. Tenho que te perguntar algo —Ele convidou a seu encarregado a
tomar assento.
—Claro chefe —Randy não olhou o segundo copo na mesa. Já se tinha
acostumado aos estranhos costumes de seu chefe.
—Randy, crie em Deus?
O gigante o olhou.
—Claro. Acredito em Deus, mas pratico a religião da ilha.
—A religião da ilha?
—Vodu. Mas o de verdade, não esse fantoche turístico que se vende no
Bairro Francês —o lábio do Randy se curvou de repugnância
—Então crie no poder dos espíritos?
—Sim. Os bons e os maus. Os espíritos de nossos antepassados estão ao
redor de nós.
—O que pensa do Vincent Delacourte?
—por que me pergunta isso? Pelo general emite melhores julgamentos
sobre a gente que eu.
—Seu estas mais próximo “ao outro” mundo. Sua religião Vodu te dá mais
percepção para o mal do que eu possuo — sabia que ele tinha perdido um
pouco de sentimento para o mundo espiritual. Vivendo durante séculos, tinha
começado a perecer-se mais a quão mortais uma vez tinha ridicularizado.
Tenho mais experiência com demônios que com espíritos, pensou.

20
—Delacourte são más notícias. Vi-o em algumas cerimônias. Ele veio
procurando algo. Eu esperava que não o encontrasse, mas o que percebi nele
esta noite diz que encontrou exatamente o que procurava.
—O que pensa que era?
Randy se encolheu de ombros.
—A gente não conhece o verdadeiro poder do Vodu, eles vêm procurando
zombis e bonecas Vodu. Esperam que nós façamos maldições e coisas assim.
Não digo que essas porcarias não existam. Existem, mas para fazer coisas
más, tem que encontrar um bruxo ou bòkò(. Não conheço ninguém de minha
gente que pudesse lhe dizer a ele onde encontrar um.
—Se os feitiços que venderem aos turistas não são é o verdadeiro Vodu, por
que suas e suas líderes religiosos não tratam de educá-los?
—Esta não é uma religião para um homem que sempre foi livre, Dominic.
Há motivos pelos que a chama a religião dos escravos. Meus antepassados a
praticavam na África antes de que fossem vendidos por seus inimigos aos
brancos. Vodu nem sequer é o verdadeiro nome para ela. É uma forma de
venerar a nossos antepassados.
Dominic começava a fazer outra pergunta quando Randy levantou sua mão.
—Não direi nada mais. Confio em ti, homem. Foste um bom amigo e sei
que nada do que te possa contar me meterá em problemas, mas para algo
mais, terá que te dirigir a um mambo ou um oungan(.
—Sabe a qual posso me dirigir?
—Perguntarei ao meu e verei se conhecer alguém que falará contigo.
Poderia tomar um pouco um pouco de tempo convencê-lo.
Dominic tirou um pouco de dinheiro em efetivo —dá selo como sinal de
meu respeito. Se pode usar o dinheiro para sua comunidade, estará bem. Se
não, encontra algo que ele possa usar. Talvez lhe mostrando o devido
respeito, quererá falar comigo.
—Obrigado, homem. Sei para que o usaria —Randy tomou o dinheiro e se
levantou—. Dirigirei a ele agora mesmo.
—Não é um pouco tarde para lhe visitar?
—Ele não dorme muito. Acredito que está em caminho à terra de nossos
antepassados.
Dominic olhou a seu amigo até que este saiu do clube. Não estava seguro do
que aconteceria, mas vigiaria de perto a Teresa. Se o anjo guerreiro do Pai
estava preocupado, as coisas não estavam indo bem.

Capítulo Três

21
Dominic estava sentado em sua mesa habitual na Padaria Pierre, uma
diminuta loja colocada dentro do Bairro Francês da cidade. Tinha pedido uma
taça de café de chicória para ela. Ele não sabia como podia suportar beber o
espesso e rico líquido tão cedo à manhã. Bebeu a sorvos seu chá e olhou para
a multidão que passava pela rua. Todos eles pareciam ter pressa por chegar a
algum lugar. Invejava-lhes o ter algo ao que dedicar-se cada dia, mas ele sabia
a verdade. Não havia nenhuma razão para apressar-se porque nada nunca
resultava de tanta pressa exceto uma tumba temprana. Estes mortais não
podiam permitir morrer um pouco antes do que lhes tocava.
Possivelmente simplesmente estava cansado depois de todos estes séculos
de vida. Nunca se tinha despertado cedo a menos que fora para tomar o café
da manhã com a Teresa. Não se apurava para nenhuma parte porque
realmente tinha todo o tempo do mundo. Sorriu para si mesmo. Ele escutou a
campainha sobre a porta e elevou a vista para vê-la caminhar para ele. Seu
coração se constrangeu quando pensou quanto a amava.
Ela não era elegantemente magra. Sempre estava queixando de seus quadris
e suas coxas. Havia-lhe dito várias vezes que a amava tal como era. Quando a
sustentava, ele queria sentir curvas e suavidade, não ossos e ângulos. Ela
sorriu e riu por algo que Pierre lhe disse enquanto se abria passo entre a
multidão. Ele não pôde evitar o pequeno sorriso satisfeito que dirigiu aos
outros homens que estavam na padaria enquanto lhe lançavam invejosos
olhares.
levantou-se e a atraiu a seus braços. Esmagando-a contra ele, beijou-a duro.
Ela ofegou e ele aproveitou para deslizar sua língua dentro e acariciar a dela.
Derretendo-se contra ele, ela envolveu seus braços ao redor de seu pescoço.
Enquanto devorava seus lábios e massageava suas costas, perguntou-se no
fundo de sua mente quanto tempo passaria antes de que ela recordasse onde
estavam. Então ele se perdeu em seu toque e nos suaves gemidos que saíam
de sua garganta.
O som de aplausos atravessou suas mentes nubladas e eles se apartaram. Ele
sorriu quando ela se ruborizou. Ela o esmurrou quando os outros clientes
aclamaram. Ele sustentou sua cadeira e acariciou seu cabelo limpando o
caminho para beijar seu pescoço. Ela tremeu.
—Dominic, pensei que disse que lhe tomaria lentamente.
—Realmente não acredito que te beijar seja apressar as coisas. Em
realidade, quis te beijar assim desde nosso primeiro encontro.
—Mas aqui em meio da padaria?
—Não pude evitá-lo. Faz-me sentir contente de estar vivo e ninguém tem
feito isto em muito, muito tempo —Ele empurrou um café para ela.

22
—Realmente não espera que me cria isso, verdade? —ela tomou um sorvo e
suspirou—. Meu café nunca sabe como este. por que?
—Você nunca tem feito café —ele agarrou um beignet que o dono da
padaria havia trazido para eles.
—Estou segura de que se alguma vez o fizesse, não saberia como este.
—E tiveste pensaste sobre o Delacourte e se o voltará a ver ou não? —
perguntou ele de maneira casual. Embora queria lhe exigir que deixasse de
ver o homem, sabia que não havia melhor modo de fazê-la zangar que lhe dar
uma ordem.
—Chamarei-o mais tarde e lhe farei saber que não quero vê-lo outra vez.
Acredito que depois do modo como atuou ontem à noite, entenderá por que.
—Não estou seguro. Quer que esteja ali quando o diga?
—Posso cuidar de mim mesma. Não te necessito ali para me sustentar a
mão.
—Dá um passo atrás, meu amigo. Empurrá-la não é o caminho. lhe diga
quão preocupados estamos por —lhe advertiu a voz da Mika’IL.
Dominic suspirou e apartou seu chá. Agarrando suas mãos, ele as levou a
seus lábios.
—Sinto muito. Sei que não me necessita para te cuidar. Demonstraste que é
mais que capaz de cuidar das coisas você mesma. Estou preocupado sobre o
Delacourte. Não acredito que seja realmente o tipo agradável que parece
pensar que é.
—obtiveste alguma informação sobre ele? —ela não soava feliz.
—Não de minha gente. Meu sócio comercial, Mickey Ou’Flynn, esteve
fazendo uma pequena indagação pessoal. Não o pedi —ele se encolheu de
ombros—. Em realidade não pede ao Mickey que faça algo. Suponho que
houve algo sobre sua entrevista que não gostou. Então ele comprovou umas
coisas e me avisou.
—Que coisas?
—Parece que ele pratica Vodu.
—Isso não significa nada. Muita gente prática essa religião.
Entretanto, podia-se dizer que ela estava um pouco nervosa com essas
notícias.
—É obvio, isto não significaria nada se ele estivesse dentro do Vodu
regular, mas ele está no molho( mau, Teresa.
—Molho?
—Feitiços negros que podem te prejudicar se assim o quisesse.
—Não pensei que essas coisas passassem. Pensei que todo esse assunto era
simplesmente para os filmes.

23
—Tem seu lado bom e mau justo como qualquer outra religião. Se souber o
que está procurando, será capaz de encontrá-lo.
—De verdade pensa que ele me danificará de algum modo? —ela não
estava convencida.
—Não realmente. Só quero que tome cuidado enquanto está perto dele. Não
o faça enfurecer.
—Não fui eu quem estava fazendo-o enfurecer ontem à noite. Parece-me
que alguém mais pulsava seus botões.
Inclinando-se para frente, Dominic travou seu olhar com a sua. Ele esperava
que ela entendesse.
—Você e eu poderíamos ter feito o amor na pista de baile. Mas inclusive
isso não é uma desculpa para te atacar como o fez.
—Está-me dizendo que você não estaria zangado?
—Certamente eu teria estado furioso se minha entrevista começasse a
beijar-se com algum outro tipo, mas não verteria minha cólera sobre ela.
Provavelmente estaria tentado de lhe dar murros ao tipo que se move em meu
território —admitiu ele.
Ela riu.
—Uma resposta totalmente masculina.
—É assim? Como se sentiria se alguma mulher vem aqui e começa a me
golpear, sobre tudo depois de ver aquele beijo?
—Quereria arranhar seus olhos.
—Vê, essa é uma resposta territorial, não só uma reação masculina.
—O que faria ou diria você a sua entrevista se ela fizesse algo assim?
—Aceitar o destino e me afastar. Ela obviamente não é a garota correta se
está beijando a alguém enquanto está em uma entrevista comigo. Levarei-a a
casa se assim o quiser e lhe direi adeus. A vida é muito larga para gastar meu
tempo em mulheres que não me querem.
—Não quererá dizer que a vida é muito curta?
—Que pinjente? —Ele se encolheu de ombros—. Mesclo os refrões às
vezes.
Levantando-se, ofereceu-lhe sua mão. Ajudou-a a ficar de pé e entrelaçou
seu braço com o seu enquanto se abriam caminho entre a multidão da manhã.
Enquanto saíam e começavam a caminhar rua abaixo, estreitou-a mais perto
dele. Encontrou-se a si mesmo pensando em quão diferente era sua vida desde
que a tinha encontrado. Ela fazia que os dias parecessem mais brilhantes e
alegres.

Ele tinha passado meses sem rir porque não tinha encontrado nada bom no
mundo em muito tempo. Então, um dia escutou ouviu sua risada e se

24
encontrou sorrindo outra vez. Dentro de seu coração, ela guardava uma
pequena peça da alma dele. Quando eles estavam juntos, estava completo.
Nada ia acontecer lhe a ela. Não o permitiria. Ele tinha a sensação de que se
ela fosse machucada, ele poderia cruzar a linha sobre a que tinha estado
andando.
—Está tão sério de repente. No que está pensando? —ela atirou de seu
braço.
Ele a olhou e sorriu ligeiramente.
—Pensava no que faria sem ti.
—Não acredito que tenha que averiguar isso. Não descida ir a outro lado —
ela olhou seu relógio—. Céus. Tenho-me que ir. Contratei a uma nova
empregada enquanto esteve fora. Ela começa hoje e tenho que treiná-la.
Inclinando-se, ele a beijou rapidamente.
—Quer que te recolha para almoçar?
—Não, vou estar ocupada todo o dia. Mas não direi não ao jantar.
—Então me deterei brevemente e te recolherei depois de fechar a loja.
Jantaremos em minha casa.
—Wow. Quem vai cozinhar? —Ante seu olhar ofendido, ela riu bobamente.
—Terá que saber que sou um perito cozinheiro gourmet. Só cozinho para
gente muito especial —aproximando-a, ele acariciou com a ponta do nariz sua
bochecha—. Não posso pensar em ninguém mais a quem eu gostaria de lhe
cozinhar.
Uma luz tímida apareceu nos olhos dela.
—vais jogar me a perder se segue me tratando dessa forma.
—Essa é a idéia, amor. Você merece ser mimada —ele a beijou forte e se
afastou—. Tem que ir. Recolherei-te esta noite.
Enquanto ele a observava apressar-se, soube que a noite seria especial. Ele
tinha tratado de ser paciente, queria fazê-la sua quanto antes. Seus instintos
gritavam que algo ia passar logo e tinha medo do que isso poderia significar
para ela.
******
—Teresa.
Ela não pôde deter um tremor de medo percorrendo seu espinho ante o som
da voz do Vincent. Voltou-se para vê-lo aproximar-se o da porta. Olhando a
seu redor, compreendeu que eles eram os únicos na loja. Ela tinha enviado a
sua empregada pelo almoço. Não se preocupe, pensou. Ele não te fará mal.
—Vincent.
Lhe deu uma dúzia de rosas rosadas.
—Quero te pedir perdão por meu comportamento de ontem à noite. Foi
imperdoável que te tratasse assim.

25
Ela tomou as flores e escondeu uma careta. Nunca lhe tinham gostado das
rosas. Pondo o ramo sobre o mostrador, sorriu-lhe.
—Entendo por que estava zangado, Vincent. Meu comportamento com o
Dominic foi inadequado. Não sei o que nos passou.
—Homens como LaFontaine e eu temos um certo encanto por nossa riqueza
e poder —Ele tocou sua mão—. Posso ver como uma moça como você
poderia deixar-se levar por isso.
Graças a Deus Vincent não parecia carecer de confiança. Ela não tinha
vontades de discutir a respeito disso.
—Provavelmente tem razão.
Ele se apoiou contra o mostrador.
—Quanto faz que conhece o LaFontaine?
—fui amiga dele durante cinco anos. por que?
—Encontraste-te alguma vez com qualquer de seus amigos?
—Seguro. A gente que trabalha no clube.
Ele os desprezou com um movimento de sua mão.
—Esses são seus empregados. Você não te faz amigo da gente que trabalha
para ti.
—Encontrei ao Mickey Ou'Flynn ontem à noite.
—Ah, esse tipo alto, bastante desagradável.
Ela não tinha encontrado ao Mickey desagradável absolutamente. De fato,
ele tinha sido bastante encantador.
—Ele é um sócio. Nunca socialize com seus sócios. Eles tratarão de
aproveitar-se de ti.
—Você deve ser um homem solitário. Seu amigo, William Bradford, vive
em Rena. Dominic passou um par de semanas ali lhe ajudando com algumas
costure.
—Ou ele diz isso.
Ela se encolheu de ombros.
—por que me mentiria?
—Todos os homens mentem, amor. Isso está no sangue.
—Se ele me mentiu, por que deveria me preocupar? Ele é um adulto e não
somos exclusivos, portanto pode ir onde queira.
Houve um brilho de impaciência em seus olhos. Ela não tinha a intenção de
jogar seu jogo. Não havia nenhum modo de que conseguisse que duvidasse do
Dominic. Durante cinco anos, ele a tinha apoiado. Tinha sido um amigo em
momentos em que ela sentiu que não havia ninguém aí para ela. Sustentou-a
enquanto chorou e riu com ela quando foi feliz. Podia duvidar que ele pudesse
desejá-la como algo mais que um amiga, mas nunca podia duvidar de que a
amava.

26
—Vincent, alegra-me que te viesse para ver-me. Ia chamar te.
Um sorriso satisfeito apareceu sobre sua cara.
—Alegra-me ouvir isso. Perdôo-te de noite passada. Culpo ao LaFontaine.
Ela não podia acreditar que realmente pensasse que ia chamar o para lhe
pedir perdão.
—Em realidade ia fazer te saber que não podíamos nos ver mais. Não
acredito que sejamos o um para o outro. Penso que o que passou ontem à
noite só reforçou a verdade.
A cólera e algo sinistro se deslizou por seu rosto. Ela deu um passo atrás e
logo silenciosamente se reprovou. Não mostre medo ou debilidade. Ele
atacará. perguntou-se por que pensava no Vincent como um cão raivoso.
Havia um olhar selvagem em seus olhos.
—vais romper comigo? —Ele se inclinou sobre o mostrador e a alcançou.
Agarrando seus braços, devorou-a para si. Ela ofegou ante as raias amarelas
que se formavam redemoinhos em seus olhos castanhos. Durante um
momento, teve o mais estranho pensamento de que outra alma olhava
fixamente desde aqueles olhos. perguntou-se se isso era o que tinha
significado a advertência do Dominic. Lhe grunhiu e ela não pôde menos que
afastar-se dele.
—Ninguém me deixa sem minha permissão. Você é minha, Teresa. Tem
que aceitar que não te deixarei. Sua alma é pura e é justa o que estou
procurando. Ganharei dele. Advirto-lhe isso, não me faça brigar por ti. Você
não gostará do modo em que o farei.
A campainha sobre a porta soou quando uma mulher moréia entrou. Seu
rápido olhar percebeu a cena no mostrador. Se ela sentiu o perigo ou não
Teresa não soube, mas agradeceu à mulher em seu coração por ter a coragem
para chegar até eles.
—Pergunto-me se poderia me ajudar —sua voz mantinha um leve acento do
meio oeste. Seu agudo olhar tomou nota do firme agarre com que Vincent
sustentava os braços da Teresa. Os frios olhos da mulher olharam ao Vincent
e reconheceram o fato de que tratava de intimidar a Teresa.
Vincent a afastou dele.
—Recorda o que te hei dito —Lhe sorriu à mulher—. Sempre estou para
servir a uma mulher formosa. Se posso ser de alguma ajuda, por favor não
vacile em me chamar. Aqui está meu cartão.
Teresa não podia acreditar que tivesse o nervo para tratar de encantar a
outra mulher quando justamente tinha estado ameaçando-a. A mulher tomou o
cartão, mas não disse nada até que Vincent se partiu. Tranqüilamente rompeu
o cartão e olhou a Teresa.
—Está bem?

27
—Estarei-o. Obrigado por ter entrado quando o fez.
—Os homens como ele são para dar e dar de presente. Pensa que são um
presente de Deus às mulheres e não acreditam que qualquer de nós possa
resistir Não compreendem que Deus nos fez mais inteligentes que isso.
Ela riu.
—Algumas mulheres o encontram atrativo.
—Essas são as mulheres que fazem que o resto de nós tenha tão má
imprensa. Ele não é meu tipo absolutamente.
—Qual é seu tipo? Se não te importar que te pergunte
—Meu tipo é menos afetado, suponho. Alto, cabelo escuro e muito forte.
—O que faz ele para viver?
—Ele é arqueólogo —a mulher sorriu—. Pode ver que tenho a alguém
muito definido em mente.
Sua empregada voltou nesse momento. Teresa estudou à outra mulher.
—Meu nome é Teresa Ryder. Se não ter nenhum plano, quer te unir para o
almoço?
—Sou Danielle Weston e eu adoraria aceitar sua oferta.
Teresa agarrou sua carteira e partiram. Estavam a metade do almoço quando
Teresa se deu conta que nunca se riu tanto com ninguém além do Dominic.
—Acredito que sei qual é seu tipo —Danielle bebeu a sorvos sua taça de
vinho.
—Se?
—Seguro. Seu tipo é como o chato da loja, só que cem vezes melhor.
Sofisticado, mas não esnobe. Inclusive tem dinheiro sem fazer ostentação
disso. E mais importante, ama-te além de todo raciocínio e fará algo por ti.
—Garota, atinou —ela sorriu.
—Então qual é o problema?
—fomos amigos durante cinco anos e de repente decidiu que quer ser algo
mais.
—Opõe-te à idéia?
—Para nada. estive desejando-o desde que nos conhecemos, mas ele
significa muito mais para mim que qualquer outra pessoa com a que tenha
estado. Tenho medo de decepcioná-lo —ela se ruborizou—. Não posso
acreditar que te esteja contando tudo isto.
—Não se preocupe. Não conheço ninguém em Nova Orleans exceto a ti,
portanto seus segredos estão seguros comigo. Só pensa em mim como em seu
anjo da guarda —um sorriso irônico se deslizou através da cara do Danielle
—. Ele alguma vez deu amostras de que queira te trocar?
—Não. Sempre me diz que sou perfeita como sou.

28
—Vocês se conheceram durante cinco anos. Isso é tempo suficiente para
aprender muito um do outro. Tem alguma costume fastidioso?
—Nenhuma que tenha visto. Algo me preocupa às vezes. Dominic sofre
ataques de depressão. Sei que ele suporta noites onde não dorme
absolutamente. Às vezes parece que ouça ou vê coisas que eu não posso.
—Assusta-te isso?
Ela sacudiu sua cabeça.
—Ele nunca me faria mal ou a si mesmo. Simplesmente que me sinto
impotente porque não posso fazer nada para lhe ajudar a não ser lhe falar.
—Estou segura que isso é a coisa mais importante para ele. tive momentos
como o de seu amigo e o simples feito de saber que há alguém aí com quem
falar me ajuda a suportá-lo.
—Então pensa que sou parva por me preocupar de lhe decepcionar?
Danielle se inclinou e tocou sua mão.
—Com os anos que vivi, compreendi que o remorso é a emoção mais difícil
com a que viver. Nunca faça nada que lamentará porque nunca o esquecerá.
Penso que lamentaria não aproveitar a oportunidade de amar totalmente ao
Dominic. Toma o que ele está oferecendo com ambas as mãos e desfruta
disso, até o mais pequeno momento. Poderia te surpreender ao compreender
que seu mundo estará completo quando estiverem juntos.
A sinceridade da voz do Danielle trouxe lágrimas a seus olhos. Ela sabia
que se Dominic decidia seduzi-la essa noite, ela o agarraria e nunca o deixaria
ir.
—Obrigado, Danielle.
—De nada. Agora devo ir. Tenho uma reunião de negócios em uns minutos
—a mulher se levantou—. Desfrutei de nossa conversação.
—Quer almoçar outra vez amanhã?
Danielle sacudiu sua cabeça.
—Sinto muito. Tenho um almoço de negócios.
—Se estiver livre manhã de noite, por que não me encontra no Anjo
Cansado? Esse é o clube de meu amigo.
—eu adoraria. ao redor das nove?
—Maravilhoso. Avisarei ao Dominic e nos reservará uma mesa.
As duas mulheres se disseram adeus e se dirigiram em sentidos contrários.
logo que Teresa girou a esquina, Mika’IL apareceu ao lado do Danielle.
—por que, Danielle, está te envolvendo na vida de uma mortal? Isso não
parece próprio de ti.
—Parte, Mika’IL. Eu tenho amigos mortais.
—Sei, mas Teresa é uma estranha. Devo confessar que seu discurso sobre
não viver com os remorsos foi completamente comovedor.

29
Ela se deteve e se voltou fazia ele.
—Pensa que não lamento o que fiz?
—Nunca vi muito remorso de sua parte.
—Arrependi-me. Caí sobre meus joelhos e supliquei. Ele decidiu não me
perdoar. Bem. Não deixo que seu rechaço me volte louca. Tampouco deixarei
que a culpa coma viva. Viverei a vida que me deram, mas a viverei a minha
maneira. Não me converterei na caça ou o caçador —ela se afastou dele.
—Bem por ti, Danielle. A maior parte dos mortais não têm inclusive a
coragem de viver —Mika’IL se inclinou em sinal de respeito e desapareceu.

Capítulo Quatro
Dominic se secou as mãos em suas calças. Não podia acreditar quão
nervoso estava. Era realmente absurdo. Tinha convidado a Teresa para jantar
um milhão de vezes anteriormente e nunca se havia sentido desta maneira.
Isso era por que nunca foste terminar levando a à cama. Não desejava pensar
no que tinha estado planejando para depois do jantar. Era um passo enorme o
que estavam a ponto de dar, inclusive embora ele sabia que era o correto.
Desde a primeira vez que lhe tinha falado, tinha-a desejado. Uma necessidade
dela crescia dentro dele. Isto não era tão somente luxúria. Essa emoção se
teria apagado logo. Seu amor por ela tinha crescido ao longo dos anos até
converter-se no mais importante em sua vida. Quando estava com ela, estava
em casa. Era tão simples e tão complicado como isso.
Ela abriu a porta e a boca dele se abriu de repente. A seus olhos sempre
tinha sido formosa, mas esta noite brilhava. Embainhada em um vestido de
seda branco, parecia uma virgem inocente até que a gente notava a abertura na
saia subindo até a parte superior de sua coxa e revelando espionagens de suas
meias. O decote baixo exibia a parte superior de seus seios. Ela não estava
excessivamente dotada nessa área, mas ele nunca tinha sido um homem
especialmente amante dos peitos.
Calçava saltos agulha o qual a aproximava de sua estatura. O jogo de jóias
de diamantes e safiras que lhe tinha comprado para seu último aniversário
adornava sua pele. Com mãos trementes, tendeu-lhe o solitário lírio que havia
trazido para ela. Seu brilhante sorriso o fez sentir como se lhe tivesse dado a
lua. Ele sem dúvida alguma planejava levá-la mais tarde às estrelas.
—É tão bela. Faz doer meu coração —confessou ele com voz rouca.
Ela envolveu seus braços ao redor de seu pescoço e pressionou com seus
lábios os dele. Ele saboreou sua úmida boca quente como se fora o chocolate
mais fino. Afundou sua língua e acariciou a dela com um suave roce
aveludado. Nenhuma só vez exigiu ou tomou algo dela. Seu objetivo era lhe
dar todo o prazer.

30
quanto mais a aproximava, mais profundo se fazia o beijo. perderam-se no
sabor e textura do outro. Ela mordiscou seus lábios firmes como se saboreasse
uma fruta amadurecida. Ele seguiu bebendo a sorvos de sua boca igual a um
perito beberia o mais fino dos vinhos. Ao final chegou o momento em que
estavam tão apertados que suas sombras se fizeram uma.
Um cortante vento frio os rodeou e os obrigou a separar-se. olharam-se o
um ao outro dando-se conta que ambos tinham escutado a voz no vento. Ele a
empurrou para seu apartamento e girou para procurar nas trevas. Ninguém
estava parado onde ele pudesse lhe ver, mas sabia que alguém se escondia
entre as sombras e lhes odiava. Não havia sentido nada até que chegou o
vento, assim que quem quer que fora tinha descoberto que era fácil esconder-
se na escuridão.
—Está pronta para ir ?
Lhe deu sua jaqueta. Ele a sustentou para que a pusesse. Deslizou as mãos
sobre seus ombros e ela tremeu. Por sua áspera respiração, soube que ela
esperava com tanta antecipação sua noite como ele. Escoltou-a desde seu
apartamento até o carro que esperava na calçada. Pelo general, conduzia ele
mesmo, mas esta noite queria enfocar toda sua atenção nela. Levava-a a sua
casa nos subúrbios da cidade em vez de seu apartamento. Desejava que tudo
saísse bem. Seu chofer, Terrance, manteve a porta aberta para eles.
—Obrigado, Terrance. Vamos ao Paisible.
antes de que Dominic subisse ao lado dela, Terrance o deteve.
—Senhor, algo não anda bem por aqui. Todos meus instintos estão gritando
alarmados.
—Obrigado. Mantenha os olhos abertos —Ele se deslizou no carro.
—Sim, senhor —Terrance fechou a porta. deslizou-se atrás do volante do
Rolls e se afastou do meio-fio.
—Onde encontrou ao Terrance? —perguntou ela ao mesmo tempo que se
acomodava nos braços dele.
Ele sorriu.
—Em realidade, Terrance me encontrou . Estava acostumado a ser um
mercenário.
—Um mercenário? por que contrataria a alguém assim?
—por que não?
—Sua lealdade pode ser comprada. Como sabe que não se voltaria em seu
contrário se alguém lhe desse o dinheiro suficiente?
—Desde quando é tão cínica? —Dominic negou com a cabeça—. Não
mantenho perto ao Terrance porque necessite um guarda-costas. Sei cuidar de
mim mesmo. Contratei-o para lhe dar a oportunidade de recuperar sua
humanidade.

31
Ela franziu o cenho com perplexidade.
—Recuperar sua humanidade?
—Decidiu que ser um mercenário não era o mais adequado para ele.
Quando deixou de preocupar-se com a gente pela que lutava, soube que era o
momento de largar-se. Embora esteja seguro que tem vários talentos, imaginei
que o melhor para ele era seguir fazendo o que tinha estado fazendo. Ele é
outro par de olhos para mim. Não acredito realmente que alguém queira me
apanhar. Mas às vezes algum maníaco se obceca e vale a pena ter alguém ali
para cuidar suas costas. Eu lhe confiaria todo o importante para mim, até a ti.
—Isso é uma grande adulação por sua parte. É estranho pensar que sou tão
importante para ti. Assusta-me de muitas maneiras. Temo-me que te
decepcionarei.
—O único modo que poderia me decepcionar é se não nos dá uma
oportunidade.
—Hoje conheci uma mulher que me disse que a pior coisa que existe é viver
cheio de arrependimentos. Não descida fazer isso. vamos começar a conhecer
tudo sobre cada um de nós. Não pode haver nenhum secreto entre nós.
—Tem algum tipo de secreto que possa sacudir a terra? —Ele riu.
—Pode ser. São seus segredos profundos e escuros?
Seu sorriso desapareceu e ele se deu a volta para olhar pela janela durante
um momento. Ele viu seus reflexos no cristal. Seus olhos brilharam com amor
e se encontrou duvidando se a merecia. Se não podia receber o perdão de
Deus, não havia forma de que fosse o suficientemente bom para esta
maravilhosa mulher.
—Já basta, parvo —a voz da Mika’IL ressonou como um disparo em sua
mente—. Como sabe que Deus não tinha isto planejado desde o começo?
Talvez Ele sabia que ela te necessitaria.
—Ela me necessita? Planejou Ele quanto a necessito eu? Não passado um
minuto sem pensar nela.
—Ah, o amor é uma coisa maravilhosa, não é verdade amigo meu? —uma
risada ressonou através de seus pensamentos—. Confia em mim, à medida
que passem os anos só piorará.
—estiveste alguma vez apaixonado? —Ele não podia imaginar um arcanjo
apaixonado, mas Deus tinha permitido que passassem coisas muito mais
estranhas.
—Isso não é importante. Você a merece e também cada coisa boa que vai
ocorrer te. demonstraste sua fé. Não acredito que Ele possa pedir mais de ti.
—Obrigado, Mika’IL.
girou-se de novo para ela.

32
—Esta noite não é a noite dos segredos. Teremos todo o tempo do mundo
para nos contar nossos passados—. A deslizou para seu regaço e rodeou sua
cintura com os braços. Recostando a cabeça sobre seu peito ela guardou
silêncio. Não se disseram nada mais até que entraram pelo caminho de acesso
à casa.
Ela desceu do carro e ficou sem fôlego. Observando fixamente para a casa
de três pisos da plantação, não podia encontrar as palavras para descrever sua
reação.
—Senti-me da mesma maneira quando a vi a primeira vez —lhe disse
Terrance com uma piscada.
—Você gosta? —Dominic atirou dela para aproximá-la a ele enquanto
observavam fixamente a ampla mansão.
—gostar ? OH, Dominic, é formosa. Como a chamaste?
Um triste sorriso adornou a cara dele.
—Chamo-a Paisible. Quer dizer aprazível.
—Aprazível. Posso senti-lo —ela o abraçou—. Me mostrará isso?
Ele assentiu com a cabeça.
—Obrigado, Terrance. Pode tomar libere o resto da noite —Dominic sabia
que Terrance provavelmente ficaria. Seu treinamento como mercenário sem
dúvida dava patadas nele.
—Obrigado, senhor. boa noite senhorita.
Terrance entrou no carro e o conduziu rodeando a casa, em direção à
garagem. Dominic dirigiu a Teresa através dos amplos degraus frontais em
direção às amplas portas dobre. À luz dos abajures do pórtico, ela podia
divisar os intrincados cristais chumbados dos painéis nas portas. Retratavam a
várias pessoas ajoelhando-se em uma montanha. Seus braços estavam
elevados para os céus e lágrimas corriam por suas bochechas. No céu sobre
eles flutuava um anjo vestido com armadura e sujeitando uma espada.
Assinalava com um dedo uma porta de reluzente ouro atrás dele. Havia tal
tristeza em seus olhos, Teresa teve o pressentimento que ele se negava a
escutar as súplicas da gente. Havia montões do que pareciam asas todo ao
redor da gente. Ela estendeu uma mão e tocou o rosto de um homem que se
parecia surpreendentemente ao Dominic. Tinha o pressentimento que o vitral
da janela guardava os segredos do coração do Dominic.
Seus olhos se encheram de lágrimas.
—Isto é tão triste. O que representa?
Ele enxugou suas bochechas, mas contemplou a vidraça.
—Isto é um aviso de que todos podemos cometer um engano.
—Representa a Queda, verdade?

33
—Sim. Inclusive os anjos podem cometer enganos. Não são infalíveis. Não
importa o que qualquer sacerdote queira que pense.
Ela não fez comentários, mas pela certeza em sua voz, considerou que
Dominic falava por experiência própria. A compreensão sem idade que
freqüentemente mostrava lhe fez pensar que ele era mais que um mero
humano. Se acreditasse em vampiros, quase poderia acreditar que era um
deles, mas ele nunca irradiou a presença ameaçadora que aquelas criaturas
legendárias teriam. Dominic freqüentemente a fazia pensar em um anjo
guardião pela forma em que a cuidava.
Ele abriu a porta e a fez passar.
ficou muda ante as deliciosas escadas de mármore que subiam por volta do
segundo piso. Construídas com profundos tons como jóias: safira, esmeralda e
borgoña, brilhavam como pedras preciosas sob a aranha de cristal que
adornava o teto. O céu raso tinha sido feito de telhas de ouro pálido. Embora
as escadas e a aranha de luzes fossem assustadoras, era a fonte no meio do
piso principal o que capturava a vista.
Feita de obsidiana, formava uma enorme cruz natural. A água caía à frente
em uma cascata borbulhante. aproximou-se dela e observou fixamente a fonte.
O fundo estava talher com rubis de Boêmia.
—É muito belo.
—Aqui é onde a paz começa. Nesta casa, nunca houve conflito ou dor.
Quando isto ainda era uma plantação, não se mantinha com escravos. Só
havia homens e mulheres livres de cada raça. Eles compartilhavam os lucros.
—Foi muito generoso por parte do dono.
—Eu não tenha... quero dizer que ele não tinha nenhuma necessidade de
dinheiro e embora assim tivesse sido, não o teria obtido a custa de outros —a
conduziu pelas escadas para cima até uma porta a tão somente uns passos de
último degrau. Abrindo a escura porta de mogno, permitiu que ela entrasse
primeiro.
A habitação estava escura ao princípio. Logo apareceu a luz de uma vela.
Logo cem velas iluminaram uma íntima mesa de comilão onde dois pratos
estavam postos um frente ao outro. Ele se dirigiu a uma cadeira e a retirou
para ela. Ela se sentou e admirou a baixela azul clara e a prata brilhante.
Reverentemente tocou as elegantes monopoliza de cristal para vinho. Outro
solitário lírio adornava a mesa.
—recordaste que amo os lírios.
—Lembro tudo o que me diz —Lhe serve um pouco de vinho. Elevando sua
taça, brindou—. É a perfeição. Nunca haverá outra dama como você, Teresa.
Há meio doido o lugar mais escuro em meu coração e o trouxeste novamente
à luz.

34
Lágrimas brotaram nos olhos dela.
—Esta noite foi maravilhosa.
—Mas isto não termina aqui, meu amor. Só esta começado. Temos toda a
noite para alcançar o céu.
Ele tinha preparado o jantar, mas ela não podia recordar o que tinham
comido. Sabia que ele tinha cozinhado todos seus pratos favoritos e estava
segura que tinham estado deliciosos. Nunca soube com segurança por que se
perdeu em seus olhos e não recordou nada até que ele ficou de pé lhe
estendendo a mão.
Sabia que esta era sua última oportunidade. Se tivesse reparos, poderia dizer
que não e ele a conduziria a uma habitação de hóspedes. Não a recriminaria
ou a faria sentir culpado. Ele simplesmente seguiria amando-a. Foi este
conhecimento o que lhe deu a confiança para tomar sua mão. Quando
deixaram a habitação, jogou um olhar para trás e as velas se apagaram.
Pensou que era um truque bastante bonito. Teria que lhe perguntar como o
fazia.
Subiram o seguinte lance da escada, lado a lado. Esta vez se pararam diante
de uma porta feita de ébano. Ele a arrastou para seus braços e a porta se abriu
de repente. A habitação estava iluminada por dois pequenos abajures Tiffany.
Suaves sombras dançavam nas esquinas, mas ela não lhes temia. Esta noite,
ela confiaria no Dominic para mantê-la segura.
Deixou-a ao lado de uma grande cama trenó feita também de ébano. Estava
esculpida até o mínimo detalhe com representações de anjos. Ela deslizou
seus dedos sobre um dos mais próximos.
—Você crie em anjos.
—Sim, devo acreditar neles.
—por que?
—O mundo seria um lugar muito triste sem algo bom para fazê-lo digno —
Ele cravou os olhos nela, mas não estava segura de que estivesse
contemplando-a.
—Seu crie igualmente na Queda.
—Sim, mas os motivos são muito profundos como para que falemos deles
esta noite—ele se estirou para ela.
Ela acessou silenciosamente e lhe ofereceu seus lábios. Ele tomou
brandamente com paciência e amor. Pressionando seu corpo estreitamente
contra ele, ela se precaveu de quanto a desejava. Sua ereção era enorme e ela
esfregou seu ventre contra ela. Um gemido suave veio de seu peito. Ela não
pôde menos que sorrir abertamente.

35
—Pensa que me torturar é gracioso? —grunhiu ele enquanto deslizava seus
braços para baixo para cavar as mãos sobre seu traseiro. Ele a levantou de tal
forma que se acoplaram perfeitamente e ambos gemeram.
—Dominic —uma necessidade urgente penetrou em sua voz.
—Silêncio, amor. Esta noite temos todo o tempo no mundo para nos
explorar mutuamente —Ele a beijou outra vez.
Esta vez o beijo foi um pouco mais exigente e um pouco mais áspero. lhe
encantou. Apesar do muito que desejava que ele tomasse rapidamente e com
força, tirou o chapéu desfrutando dele enquanto se tomava seu tempo com ela.
Podia sentir sua mão que subia devagar a prega de seu vestido sobre suas
pernas. Ela ofegou quando suas mãos ásperas acariciaram a parte superior de
suas coxas que era deixada nua por suas meias. Ambos suspiraram
profundamente quando lhe tirou o vestido pela cabeça.
Sabia que a havia visto nua antes, mas esta noite era diferente. Foram ter
sexo e teve medo que não gostasse do que via. Baixou o olhar. Ele levantou
seu queixo e lhe sorriu.
Ajoelhando-se, tirou-lhe os sapatos. Ela tratou de concentrar-se na sensação
de seu contato quando acariciou seus joelhos e o interior de suas coxas.
Esperou a que lhe tirasse as médias, mas um choque elétrico a atravessou
quando sentiu seus lábios em seu quadril. Lhe deu um suave beijo ali.
Inclinando-se para frente, ela pôs suas mãos sobre seus ombros e abriu as
pernas um pouco mais. Lhe tirou as calcinhas e contemplou seus cachos
durante um momento. Ela sentiu seus ombros subir e baixar quando inalou
profundamente.
Jogou a cabeça para trás e gemeu no mesmo momento em que ele colocou
sua boca sobre ela e começou a saboreá-la. Se sujeito a ele fortemente e ele a
sustentou firmemente com uma mão sobre seu traseiro. A outra mão separou
seus lábios inferiores e revelou seu clitóris.
Ele cantarolou sua apreciação contra ela e ela deu um salto. Deu-lhe um
golpe com sua língua e ela tremeu outra vez. Enquanto, ele continuou de
joelhos impulsionando-a a retroceder até que seus joelhos tocaram o bordo da
cama, para fazê-la sentar-se de repente.
—te relaxe e desfruta. Sei que eu o farei.
Ele falou contra ela e o calor de seu fôlego e a vibração de sua voz a fez
umedecer-se. Lambeu-a devagar, saboreando-a.
—Sabia que seu sabor seria tão bom como o vinho mais caro.
Ela se reclinou sobre seus cotovelos e observou sua cabeça enterrada entre
suas coxas. Seus amplos ombros forçaram suas pernas a separar-se, lhe dando
melhor acesso. Ele tinha uma língua muito talentosa. No passado tinha tido
vários amantes que a saborearam aí abaixo, mas sempre parecia que eles não

36
desfrutavam com aquilo e que só o faziam para impressioná-la. Dominic
parecia desfrutar de cada pingo dela. Sua boca pega a seus clitóris e chupando
profundamente. Ela gemeu e caiu para trás sobre a cama. Fechando os olhos,
perdeu-se nas sensações que ele criava.
Uma raspagem de seus dentes e seus quadris se arqueavam separando-se da
cama. Um movimento rápido de sua língua e ela gemia. Sentia o toque de seu
dedo e ela implorava. Ele era implacável. Deslizou um dedo em sua apertada
passagem. Empurrou-o rápido e o tirou devagar. Seus músculos interiores o
agarraram fortemente em desacordo. Ela queria que ficasse. A ponta de seu
dedo jogou com o ponto perfeito no interior e ela se esticou em todas partes.
A pressão seguiu aumentando enquanto ele provava, jogava e lambia cada
úmido centímetro dela. Justo quando pensou que sua cabeça exploraria, ele
empurrou dois dedos dentro dela e bombeou repetidamente. A pressão
explorou e ela pulsou em todas partes.
—Por favor —ela levantou os braços para ele enquanto ficava de pé.
Através das pálpebras entrecerrados, olhou-o despir-se. A camisa negra que
tinha posta saiu voando através da habitação e ela admirou seu estômago
plano. Sabia que ele fazia exercícios freqüentemente para manter seu corpo.
Lhe deu silenciosamente as graças a Deus por isso. O leve penugem de pêlo
em seu peito se estreitava para baixo em uma linha magra que chegava até o
cinturão de suas calças. Quando ele alcançou o botão, ela se sentou e lhe fez
gestos para que se aproximasse. Ele sorriu e se aproximou.
Ela estendeu a mão e desabotoou as calças. Roçou sua mão sobre sua ereção
enquanto baixava o fechamento com cuidado. Ele gemeu, mas não tratou de
pará-la. Sua franga saltou livre e ela não pôde menos que lambê-los lábios.
Lhe baixou as calças por seus magros quadris. Ele afastou suas mãos e
terminou de tirar-lhe parou-se diante dela de tal modo que pudesse lhe ver até
fartar-se.
Ela o estudou da cabeça até a ponta dos pés. Não havia nem um só defeito
para ser encontrado exceto a curiosa cruz marcada em seu peito. Ela nunca o
tinha notado antes. Então se precaveu que nunca o tinha visto sem camisa.
Inclusive quando fazia exercício, levava posta uma remadora. Havia marcas
negras ao longo da parte superior de seus ombros e ao redor de seus bíceps.
Sob a luz tênue, não podia distinguir que eram, mas ela não estava muito
preocupada por isso. Desejava-o fortemente apertado contra e dentro dela.
Ela passou um dedo ligeiramente de cima abaixo sobre seu pênis e este
saltou e tremeu de desejo por ela. inclinou-se para frente e tomou em sua
boca. Lambendo-o como se fosse seu bombom favorito, formou redemoinhos
sua língua sobre a cabeça de seu verga e desfrutou de seu gosto salgado. Suas
mãos se cavaram em seu testículo e ele separou mais as pernas enquanto ela

37
os fazia rodar e os apertava enquanto chupava sua franga. Ao pouco tempo ele
empurrava em sua boca rápida e profundamente. Ela soube que seu clímax se
aproximava quando sua respiração se acelerou e se estirou para agarrar seus
ombros. Em lugar de correr-se em sua boca, ele se separou dela.
—Alguém está muito vestido para a ocasião.
Ele a empurrou de retorno para a cama e lhe tirou as médias. Seu lindo
prendedor “push-up” foi arrojado detrás dele. Ela não pôde evitar rir. Ele
pressionou suas costas contra o colchão enquanto avançava lentamente sobre
ela. Ela envolveu os braços ao redor de seu pescoço enquanto ele colocava
seus quadris entre suas pernas. Ambos suspiraram quando ele se acomodou
dentro dela. Era como ter chegado finalmente a casa. Ela tinha sido feita para
ele. Olhando fixamente em seus olhos, ele começou a mover-se brandamente
dentro dela. Nenhum deles queria que isto terminasse.
Era uma união perfeita entre duas almas e Dominic se deu conta de tudo o
que ela se significou para ele desde o começo. Seu clímax o atravessou
trazendo com isso uma epifanía de sua arrogância suprema. Ele nunca tinha
crédulo que Deus soubesse o que fazia. Como poderia o ser que criou o Céu e
a Terra saber o que era o melhor para um simples anjo como ele? Escutou o
grito da Teresa quando seu orgasmo a golpeou. Deus era bom e a tinha
enviado.
Abraçou-a brandamente aproximando-a e jurou que nunca deixaria a
ninguém lhe fazer dano. Não podia dar o luxo perdê-la.
*****
Permaneceram na cama e ele a abraçou apertadamente a ele. Acariciando
suas costas, deleitou-se no cansaço agradável que o absorvia depois de ter
feito o amor. Ela estava dormida no momento, mas não planejava deixá-la
dormir muito mais tempo. De repente a agitação o golpeou. deslizou-se fora
da cama e se dirigiu para as portas francesas que conduziam ao balcão.
Esquadrinhou na noite escura e escutou os sons dos pântanos. Ele tinha
amado este lugar do momento que tinha descido do navio a terra. Os animais
e os espíritos destes pântanos lhe falaram e o fizeram sentir bem-vindo. Fazia
duzentos anos, ele estava entre os primeiros brancos que se estabeleceram
neste lugar e não planejava deixá-lo alguma vez. O silêncio total da noite o
advertiu de que as coisas não andavam bem.
No silêncio, uma voz se meteu em sua mente.
—Dominic, me ajude.
Ele tratou de ignorá-la. De maneira nenhuma deixaria a Teresa só e
desprotegida. Inclusive em seu próprio lugar de paz, o mal poderia meter-se.
Não ia correr o risco de que algo acontecesse com ela.

38
—A dor é terrível e quero morrer —a voz era desigual e esgotada. O
cansado a quem pertencia tinha vivido muito tempo. A loucura e o sofrimento
que tinha suportado o faziam desejar a morte. Um puxão na alma do Dominic
lhe disse onde poderia ser encontrado. o cansado
—É difícil ignorar suas súplicas —Mika’IL se reuniu com ele.
—É isto o que escutas?
Mika’IL assentiu com a cabeça.
—São similares. Têm o mesmo indício de desespero.
—Está decidido a me converter em seu verdugo.
—Sim. Chama vozes implorando perdão e redenção quando todo que pode
lhe dar é a morte.
—É tudo o que posso dar a qualquer deles.
—Assim é como deveria ser. Só o Pai pode lhe perdoar e se não o pede a
Ele, nunca o conseguirá. Devemos nos humilhar para conseguir o perdão e a
maior parte de nós somos muito orgulhosos para pedi-lo.
Dominic assentiu com a cabeça. Recordou como o tinha esmigalhado
suplicar quando ele tinha sido uma das criaturas mais capitalistas que Deus
tinha criado. Ele também recordou a dor angustiante que havia sentido quando
Deus lhe negou o perdão e Mika’IL tinha tomado suas asas.
—Há momentos nos que entendo sua loucura. Às vezes foi difícil continuar.
—É mais forte do que eles são, Dominic. Todos os Enforcers( são-o. Vocês
são aqueles, quais encontraram um modo de sobreviver neste mundo mortal
sem fazer mal a alguém mais.
Eles ouviram o murmúrio da Teresa. Mika’IL riu dele.
—Deveria entrar. Ela despertará de um momento a outro e não quererá que
nos veja falando junto.
Dominic entrou de novo e se deslizou na cama. Arrastando-a para seus
braços, esquentou sua alma fria com seu corpo e amor.

Capítulo Cinco

Ao outro dia Dominic levantou a Teresa e a levou a banho, despertando-a


com o palpitante calor da ducha. Ele sorriu quando ela ofegou de agradar ao
sentir a água golpeá-la. Ela se apoiou contra ele enquanto sustentava o
regador manual lhe massageiem entre suas pernas. A outra mão dele
acariciava seu peito. Seus dedos beliscaram seu mamilo, atirando e
amassando-o. A cabeça dela estava em seu ombro e a beijou. A língua dele se
introduziu em sua boca e acariciou a dela com paixão. Ele colocou uma perna
entre as suas e esfregou sua ereção contra seu traseiro.

39
Os quadris dela começaram a mover-se e ele gemeu. A sensação de sua
suave pele contra ele aumentou a lhe pulsem pressão mais e mais alto. Ele
pendurou a ducha de modo que a água os golpeasse a ambos. Agarrando o
sabão, ele ensaboou suas mãos e começou às passar por todo o corpo dela.
Acariciou, brincou e tentou cada uma de suas partes. Suas orelhas e pescoço
foram mordiscados e chupados. Seus peitos foram acariciados e apertados. A
tortura seguiu quando se ajoelhou para lavar suas pernas. Ela lançou um grito
quando suas mãos alcançaram seus clitóris. Ele dirigiu seus dedos para o duro
botão.
—Dominic —gemeu ela.
Ele a pressionou contra a parede de ducha e a levantou. Ela envolveu suas
pernas ao redor dele. Ele colocou um braço ao redor de sua cintura e a desceu
para si. Amou a sensação de seus músculos interiores apanhando-o com força.
Ele saiu e empurrou de novo. Apoiou uma mão contra a parede ao lado dela,
para começar um forte ritmo. Ele a montou duro, amando a umidade de seu
sexo e de sua pele. deslizava-se brandamente sobre ela o que aumentava seu
prazer.
Ele inclinou seus quadris ligeiramente e a cabeça de seu pênis raspou seu
ponto “g”. Ela gritou quando seu orgasmo estalou. Seu clímax a fez explorar,
enquanto lhe mordia o tendão em seu ombro. Ambos gritaram quando ele
encheu seu doce vazio com seu molhado calor.
Enquanto ela se apoiava flácida contra a parede, ele os lavou a ambos.
Fechou a água e a ajudou a sair da ducha, para logo secá-la brandamente.
Levou-a para o dormitório onde um jogo limpo de roupa a estava esperando.
Ela baixou a vista à roupa e logo o olhou.
—Recolhi-os para ti ontem.
—Estava muito seguro de mim.
—Esperava que ficasse esta noite, mas não teria importado se não o tivesse
feito. Finalmente teria acontecido. Só que não podia esperar mais —Ele tirou
roupa de seu armário—. Tenho que ir ao clube. Deixarei-te na loja. Reunirá-te
comigo para o almoço?
Ele a olhava enquanto se vestia, assegurando-se que ela não visse suas
costas. Ele não tinha tempo para lhe explicar o que isso significava. Ela
tomou de improviso entretanto quando lhe aproximou e desenhou a cruz
marcada em seu peito.
—O que é isto?
Ele se estremeceu.
—Um grupo de amigos e eu o nos fizemos isso para não nos esquecer do
passado.
—Que passado é esse?

40
Ele jogou uma olhada a seu relógio.
—Não temos tempo para conversar sobre isto agora mesmo. lhe prometo
contar isso logo.
—Bem —ela não fez mais perguntas.
Ele sabia que nunca lhe havia dito muito sobre sua vida, mas nunca tinha
pensado qual seria o melhor modo de lhe explicar que era um anjo cansado e
que vivia desde fazia séculos. Agora lhe parecia que nunca seria o momento
adequado para essa conversação, mas que também teria que dizer-lhe logo.
Terrance tinha o carro esperando-os. Eles se sentaram silenciosamente
detrás, sentindo o sol e as débeis seqüelas do prazer compartilhado. Quando
chegaram a sua loja, Dominic tomou uma mão e a beijou.
—Passarei a te recolher para almoçar ao redor da uma, está bem? —
murmurou ele contra seus lábios.
—Será perfeito —ela foi para a porta e se deu a volta para despedi-lo.
Sorriu-lhe. Olhando para a rua, ele não pôde ver nada desconjurado, mas
havia um incômodo pressentimento rodeando a vizinhança. Ele não estava
seguro se Delacourte rondava por aí. Não ia deixar ter um fácil acesso a ela.
—Terrance, depois de que me deixe, quero que volte e vigie as coisas. Não
me sinto muito tranqüilo em deixá-la só hoje.
—Bem, senhor. A dizer a verdade, ia perguntar se podia fazê-lo. Algo está
fazendo soar meus alarmes também.
*******
—Então ela passou a noite com ele. Um desenvolvimento interessante, mas
isso não troca nada. Ela ainda é minha e não a deixarei ir.
—Ela nos tem medo, está assustada. Se não a tivesse agarrado, poderíamos
ter tido outra oportunidade, mas agora não nos deixará nos aproximar.
—Não me preocupa. Ninguém rompe comigo. Sou eu quem dá a saída. Ela
tem que aprender isso.
—O que fazemos agora?
—Esperaremos um tempo e quando baixar o guarda, faremos nosso
movimento.
Vincent saiu à rua depois de observar como Dominic deixava a Teresa.
Ninguém o olhou duas vezes embora fora falando sozinho.
******
—Está lista para almoçar, amor? —Dominic entrou na livraria. Tinha estado
preparado para o almoço do mesmo segundo em que a tinha deixado.
—Um segundo —ela terminou de falar por telefone a um cliente. Agarrou
sua carteira, e disse a seu ajudante que voltaria mais tarde.
Quando eles entraram no carro, ela riu.
—Onde vamos?

41
—A um pequeno restaurante que encontrei o outro dia. Eles servem uma
esplêndida comida Cajún.
Foram localizados em uma esquina acolhedora. Começaram a conversar
sobre o dia de cada um, enquanto que esperavam que seu pedido chegasse.
Enquanto ele estava tomando seu primeiro bocado, ela deslizou sua mão por
sua coxa. Ele a olhou impactado quando a mão dela abrangeu o vulto em suas
calças. Ela voltou o olhar para ele com um sorriso inocente, mas ele viu o
brilho em seus olhos.

Ele se inclinou e lhe perguntou, —criei um monstro?


—Não sei do que fala —ela o apertou ligeiramente.
Afogando um gemido, ele separou suas pernas um pouco para lhe dar
melhor acesso.
—Isto pode não ser uma boa idéia. Como se supõe que saia daqui sem me
envergonhar a mim mesmo?
—Estou segura que encontrasse a maneira —ela o acariciava enquanto
tomava outro bocado da salada.
Ele se apressou a comer enquanto ela o tocava e brincava. antes de que ela
terminasse a metade de sua comida, ele se levantou e lhe fez um gesto ao
garçom.
—Ponha-o em minha conta —a agarrou e a tirou do restaurante.
Ela riu todo o tempo. Ele a fulminou com um olhar feroz.
—Crie que isto é gracioso, né?. Sou uma grande brincadeira para ti —Ele
arruinou sua seriedade lhe piscando os olhos um olho—. Por sorte, minha
casa está perto.
Ele não esperou a chegar ao dormitório. Fechando a porta de uma portada,
atraiu-a a seus braços e a beijou como se estivesse morrendo de sede e ela
fora a única água disponível. Deixou-a sem fôlego com cada golpe de sua
língua e dentadas de seus dentes. Suas mãos lutaram contra os botões em sua
camisa enquanto se movia para baixo e tentava despojar a de suas calças. Lhe
tirou a camisa enquanto lhe tirava suas calças. Quando os tirou os atirou
longe. Empurrou-a contra a parede e lhe fez acontecer uma de suas pernas ao
redor de seu quadril. Ele deslizou seus dedos entre suas pernas e provou quão
molhada estava.
—Estas gotejando meu amor, estiveste molhada todo o dia?
Ela não podia falar assim afirmou com sua cabeça. Ela reclinou sua cabeça
contra a parede enquanto ele introduzia sua franga dentro dela. Ele empurrou
com força e rápido. Não houve suaves carícias ou muito tempo de
brincadeiras esta vez. havia o tornado louco com suas carícias no restaurante.

42
Ele impôs um ritmo rápido. Uns minutos mais tarde estavam sem fôlego,
ambos gritando quando seus orgasmos estalaram ao uníssono.
Ele baixou sua perna, mas a sustentou apertada contra ele. Deixaram ao
apoio da parede embora suas pernas pareciam brandos macarrão. Ele a beijava
brandamente e lhe sussurrava palavras em voz baixa. Ela não podia as
entender.
—Acredito que teremos que tomar uma ducha rápida e voltar a trabalhar.
Ela esteve de acordo e se dirigiram para cima caminho à ducha. Depois da
ducha, vestiram-se e retornaram a seus respectivos empregos. Ela recordou
sua entrevista com o Danielle enquanto Dominic a deixava.
—Conheci um nova pessoa e nos reuniremos em seu clube ao redor das
nove. Pode reservar uma mesa para nós? —ela se inclinou sobre o guichê de
seu carro.
—Seguro carinho. Algo por ti —Ele não pôde evitar sentir uma pontada de
ciúmes. Realmente esperava que seu novo amigo não fora homem.
Randy estava esperando-o quando voltou.
—Ouça, chefe. Falei com o oungan(, Disse-me que sua mãe estaria feliz de
vê-lo. Sua mãe é uma muito poderosa mambo ou sacerdotisa, mas tem que ser
amanhã.
—Bem. De todos os modos amanhã é melhor. Obrigado, Randy. Ah,
poderia me reservar a mesa nove? Teresa vem com um amigo esta noite e
quero que tenha uma mesa boa.
—Seguro chefe.
*****
Dominic sentiu um puxão em sua alma quando Teresa entrou no clube. O
que mais lhe preocupou foi a sensação de que outro cansado chegava ao
mesmo tempo. Não sentiu desespero no toque mental como tivesse havido se
o cansado tivesse chegado à loucura. Ele teria que levar a conta sobre esse
pressentimento e esperar a ver que acontecia. Neste momento, tinha que
saudar sua mulher.
Um golpe soou na porta quando se levantou. Randy apareceu sua cabeça
pela porta.
—Sua moça está aqui, chefe. Algo deve ter acontecido ontem à noite porque
ambos estão sorrindo.
—Obrigado por me avisar, mas o que passou fica entre ela e eu.
Ele saiu para o clube. Explorou a multidão duas vezes só se por acaso
houvesse algum problema. Dirigiu-se para a mesa nove onde Teresa se
sentava com seu amigo. Ele não pôde evitar um bufo de incredulidade. Quem
teria pensado que o novo amigo da Teresa seria outro cansado? Desde aí tinha

43
vindo o pressentimento que tinha tido. O olhar da mulher sustentou a seu e
ele pôde ver o sorriso irônico que iluminava sua cara.
—Dominic, alegra-me que possa nos acompanhar —Teresa saltou e lançou
seus braços ao redor dele.
Enquanto a abraçava, estudava ao outro cansado por sobre sua cabeça. Não
havia nenhum indício de escuridão em seus olhos azuis. Ele se teria levado a
Teresa naquele momento se o tivesse havido. Mas tampouco havia sinais de
que fora um Enforcer. Sua camisa de corte baixo expor a maior parte de seu
peito e não havia nenhuma marca visível. Ele beijou a Teresa e riu dela.
—Estive-te sentindo falta de todo o dia, amor.
A mulher ficou de pé e ofereceu sua mão.
—Danielle Weston. Acredito que temos a um amigo comum, Mika’IL.
—Sim, acredito que o temos. É um prazer conhecê-la, senhorita Weston.
—Por favor me chame Danielle. Tem um agradável clube aqui, Dominic.
Com um nome muito apropriado, diria eu.
—Pensei que o era —Ele podia sentir como Teresa se sentia perplexa ante
as correntes subterrâneas que corriam entre ele e Danielle—. Como se
conheceram, de todos os modos?
—Passei por sua livraria para procurar uma guia. Ela estava sendo abordada
por um homem estranho e interrompi antes que algo passasse.
Dominic olhou a Teresa.
—Foi Delacourte? por que não me disse isso?
—Sim, era-o e suponho que minha mente estava em outras coisas ontem à
noite. Ele não me fez nada, mas me ameaçou. Disse-lhe que não queria vê-lo
mais e me disse que ninguém rompia com ele. Ele era o que o fazia e que
lamentaria havê-lo feito. —Ela se encolheu de ombros—. Assustei-me, mas
Danielle entrou antes que pudesse me fazer algo.
Ele olhou à outra mulher.
—Obrigado por dar uma mão. Sei que não tinha que fazê-lo.
—Não foi por ti. Fiz-o por ela. Esse homem é horripilante e deveria querer
encontrá-lo antes de que faça algo mais. Algo não esta bem nele.
—Sei. Estamos trabalhando para averiguar que podemos fazer. Agora
mesmo, eu gostaria de dançar contigo, Teresa. Passou muito tempo desde que
te sustentei entre meus braços.
Ela riu.
—Só foram cinco horas.
—Parece-me muito tempo.
Danielle lhes fez um gesto quando estavam na pista de baile. Ia conseguir
uma bebida.

44
Algo depois Dominic ouviu a chamada do outro cansado. Era o mesmo que
tinha tratado de ficar em contato com ele ontem à noite. Ele massageou sua
frente e tratou de bloqueá-lo.
—É exaustivo às vezes —comentou Danielle enquanto se movia para parar-
se a seu lado.
—Que coisa?
—O tentar bloquear suas vozes quando não quer ouvi-los.
Ele a olhou.
—Que vozes?
—Os impenitentes.
—Como pode ouvi-los? Você não é um Enforcer.
—Não sou nem presa nem caçador, mas isso não significa que não possa
ouvi-los. Isso não significa que não possa liberar os de sua dor. Isso só
significa que escolho não fazê-lo.
—Não é algo cruel? –Ele se deu volta para procurar a Teresa, que estava
sentada na mesa e falava com o Randy.
—Cruel por que dito não terminar seu sofrimento e dor? Talvez tenha que te
convencer de que faz algo bom pelo mundo. Está-o liberando dos monstros,
mas eu o vejo mais como um jogo de Deus. Estivemos em problemas uma vez
por querer nos parecer com Ele. Não vou cometer o mesmo engano.
Ela tinha um ponto. Ele tirou um cartão de seu bolso.
—Inclusive embora esteja seguro que pode dirigir o que aparecer em seu
caminho, aqui está meu cartão se por acaso me necessita.
Ela tomou e o cartão desapareceu. Lhe sorriu francamente.
—Acredito que Mika’IL esteve tendo secretos com seus Enforcers. Não te
contou toda a verdade.
—Tem razão. Acredito que ao ardiloso bastardo gosta de nos manter
adivinhando.
Eles riram e Teresa pensou que perfeitos luziam juntos. Ambos eram altos e
formosos, com incríveis olhos azuis. Tinham o mesmo olhar em seus olhos.
Era como se antigas almas olhassem um mundo de que tinham visto muito.
Eles faziam um maravilhoso casal.
—Alegra-me que voce e o chefe finalmente se uniram, Teresa —disse
Randy enquanto lhe entregava sua bebida—. Ele esteve ofegando por ti
durante anos. Nunca pensei que faria um movimento contigo.
—Eu nunca pensei que ele pudesse me desejar.
—Isso sempre me assombrou. Parecia tão inconsciente às vezes. A língua
do homem pendurava de sua boca quando andava perto —Randy riu—. É boa
para ele. Faz-o rir e desfrutar da vida. antes de te encontrar, era bastante
infeliz, penso. Não acredito me equivocar. Ele é o melhor chefe que tive

45
alguma vez. Realmente se preocupa com seus empregados, mas tinha o
pressentimento de que algo lhe faltava. Foi você.
Lhe sorriu ao encarregado do clube.
—Obrigado, Randy. Ele parece realmente mais feliz —ela assinalou ao
Dominic e Danielle—. Do que supõe que estão falando?
—Nada importante, estou seguro. Ele estará de volta em um momento.
Viram o Dominic beijar a mão do Danielle e dar a volta para vir para eles.
Havia um olhar estranho em sua cara. Ele se aproximou da mesa e a olhou.
Tinha um sorriso cansado.
—Está pronta para ir, Teresa?
Ela não perguntou. Saudou com uma mão ao Danielle, tomou sua carteira e
saíram. Seu carro os esperava no fronte. Depois de que entrassem, ele a olhou.
—Onde quer ir? Minha casa, seu apartamento ou Paisible?
—por que não voltamos para sua casa na cidade? Amanhã poderíamos
dormir até mais tarde porque assim não teríamos que fazer o comprido
percorrido até a cidade.
—Parece-me bem. Temos uma reunião com amambo, a sacerdotisa Vodu,
amanhã de noite. Randy a organizou para nós.
—por que?
—Meus instintos me dizem que Delacourte está misturado com o lado
escuro do Vodu. Necessitaremos ajuda perita para obter que te deixe em paz.
—O Vodu me assusta —ela tremeu ante o pensamento de que necessitaria a
ajuda de uma sacerdotisa Vodu.
—Só porque não o entende. Como toda religião, tem seu lado bom e seu
lado mau.
—Quero tentá-lo, manter minha mente aberta.
—Isso é tudo o que espero.
Eles chegaram à casa. Sem acender uma luz, lhe mostrou o caminho a seu
dormitório. Sua roupa se dispersou pelo chão e ele foi o primeiro que caiu de
bruces a cama. Ela notou as marcas escuras em suas costas, mas o quarto
estava muito escuro para as distinguir. sentou-se escarranchado sobre seu
traseiro e começou a lhe massagear os ombros. A tensão tinha atado seus
músculos.
—Estas tão tenso. O que é o que se preocupa?
Ele gemeu quando ela trabalhou um nó em particular até desfazê-lo.
—Um problema no trabalho. Que resolverá logo.
—Espero que não esteja muito preocupado sobre o Vincent. Acredito que
perderá seu interesse por mim assim que encontre a outra mulher.
—Talvez, mas aprendi que a forma mais dura que é melhor estar preparado
para qualquer emergência.

46
Ela moveu suas mãos desde seus ombros a suas omoplatas. Havia duas
cicatrizes verticais magras em sua pele e delas provinham as marcas. Ele
ficou rígido quando ela passou seus dedos sobre as cicatrizes.
—Outra lembrança do passado?
—Sim.
Ela decidiu não perguntar. Ele o contaria quando estivesse preparado. Ela se
moveu a seus pés e logo foi subindo, tomando-se seu tempo com cada
músculo. Ela cavou suas mãos sobre suas bem formadas nádegas e as apertou.
Esta vez, seu gemido teve um ligeiro puxão. Ela deslizou seus dedos baixando
entre suas pernas e acariciou ligeiramente seu Pelotas. Ela o impulsionou a
dar-se volta e se lambeu os lábios quando viu sua ereção.
—Ainda não posso acreditar que isto seja para mim —ela estendeu a mão e
o agarrou brandamente.
—Só você pode me pôr duro com o só som de sua voz, doçura. É tudo para
ti.
—Talvez deveria te chamar durante o dia para um pouco de sexo telefônico.
E ver a que distância minha voz pode te pôr duro —ela aplaudiu seu Pelotas
com sua outra mão e começou às massagear.
—Há o que ela queira podia jurar que não parecia estar muito interessado
em seguir conversando.
—OH, vou fazê-lo.
Ela se colocou entre suas pernas e o lambeu. Soprou sobre sua pele molhada
e ele arqueou seus quadris. Ela colocou sua boca na cabeça de seu membro.
Chupando-o, provou seu perlada essência na ponta. Arqueando suas costas,
ele tratou de empurrar mais profundo em sua boca, mas ela não o deixou.
—Por favor, Teresa —lhe rogou. Apertando com suas mãos o cobertor, ele
se obrigou a não aferrar sua cabeça e obrigá-la a tomá-lo.
Finalmente ela acessou a sua súplica e o deslizou profundamente em sua
úmida e quente boca. Ela chupava e lambia, desfrutando de seu gosto e
textura. Seus gemidos lhe disseram que ele também o estava desfrutando. Sua
cabeça se movia de um lado ao outro. Justo antes de correr-se, arrancou-se
dela. Lançando-a sobre a cama, afundou-se nela. Ela ofegou e lhe deu a bem-
vinda.
—Percorreremos o bordo juntos. Não irei ali solo nunca mais —sua voz era
áspera.
Eles chegaram juntos e ele viu uma vislumbre do que pareceu o Céu, tanto
como o que podia recordar do Céu.
*****
Ao outro lado de Nova Orleans, Vincent Delacourte estava no Cemitério
Chalmette olhando ao pequeno e furtivo bòkò que tinha contatado. O bruxo

47
tinha realizado uma cerimônia antes sem que Vincent estivesse presente. Ele
não queria lhe revelar seus segredos e feitiços.
—Agora, você me paga cem mil dólares pelo voye lamò(. Está seguro que
quer a esta pessoa morta?
—Sim, estou seguro. Ela negou meu direito a possui-la. Perdeu seu direito a
viver.
O bòkò se encolheu de ombros. Realmente não lhe preocupava enquanto
conseguisse seu dinheiro.
—Bem. realizei a cerimônia e jogado o feitiço. Os mortos a encontrarão
logo.
Vincent assinalou à maleta que tinha colocado sobre a terra ao lado da
lápide.
—Aí está seu dinheiro.
—É agradável fazer negócios com você. Espero que consiga o que quer.

Capítulo Seis

Eles se estavam partindo depois de terminar o café da manhã quando


Danielle chegou à padaria. Ela se aproximou deles e gesticulou para o
Dominic.
—Tenho que falar contigo um momento —sorriu a Teresa—. Não o reterei
durante muito tempo.
Teresa assentiu e caminhou para a igreja do Saint Mary situada rua abaixo.
Os outros dois a olharam durante uns minutos. Danielle se voltou para o
Dominic.
—Houve uma matança no bairro leste da cidade ontem à noite. Ambos
sabemos quem o fez. Tem que te encarregar disto agora mesmo antes de que
mais morram.
—Não posso deixá-la sozinha.
—Faz o que deva para protegê-la, mas também tem outro trabalho que é
manter esta cidade poda dos impenitentes. Você não pode seguir ignorando-o.
Mika’IL não está inclinado a enviar a outro Enforcer para te dar uma mão
agora mesmo.
—Trabalho nisso.
—Trabalha mais rápido.
*****
Teresa se sentou na reconfortante frescura da velha igreja. Havia signos de
abandono. Os bancos de madeira não brilhavam polidos com cera para
madeira. Os panos do altar estavam puídos nos borde. Ela se sentou em um

48
dos bancos e suspirou. Os ruídos da rua estavam convertidos em um ruído
distante. Ela começou a sentir que a tranqüilidade a enchia, uma paz que ela
não havia sentido desde que despertou nos braços do Dominic. Viu o Danielle
e Dominic juntos de pé e pensou em quão perfeitos luziam juntos. Ela
reprimiu um soluço.
—Vamos, menina. por que chora? —Uma voz maior chegou das sombras
detrás dela.
Ofegando, ela se deu volta. As lágrimas turvavam seus olhos e as limpou
com sua mão.
—Toma meu lenço, menina. Uma bonita moça como você não deveria
chorar —um lenço branco apareceu no instável agarre por uma enrugada mão.
Ela não podia dizer se quem falava era homem ou mulher. A voz soava
áspera por dois maços de cigarro de cigarros diárias com um deixe de aroma
de uísque. As sombras banhavam a mão de escuridão de modo que todo que o
que podia ver eram as rugas. Ela não podia distinguir inclusive a forma do
corpo da escuridão. O lenço revoou para ela. Ela tomou e secou suas lágrimas.
—Sinto interromper seu tempo de oração —disse ela.
—Não o sinta, menina. O Senhor e eu tivemos muitas conversações antes de
que chegasse aqui e teremos um montão mais depois de que te parta. Está
bem ver alguém usar esta velha igreja. Dói ver os lugares de Deus esquecidos
—o estranho ficou em silencio durante um momento.
Teresa lhe tendeu a parte de linho.
—Obrigado pelo lenço. Eu deveria ir.
—OH não, fica sentada, garotinha. Ouvi seu suspiro quando chegou aqui.
Não há melhor lugar que este para aliviar uma carga. Deposita seus problemas
a Seus pés, menina e o mundo será um lugar mais brilhante.
Ela vacilou.
—Crie nele, menina? —a voz era irresistível.
—Sim, faço-o —ela ficou surpreendida ante a convicção de sua voz e alma.
—Então me explique seus problemas e Ele te escutará. Talvez entre os dois
possamos te ajudar.
—Não estou segura de por onde começar —Teresa envolveu o quadrado de
linho entre de seus dedos—. Todo se feito tão complicado.
—E perigoso —acrescentou a voz—. Começa por seu homem, menina.
Ela se sacudiu pela surpresa.
—Como sabia você que se tratava de um homem?
Uma risadinha rouca chegou através dos bancos.
—Quando uma bonita menina como você chora, há sempre um homem
comprometido. me diga o que tem feito esse rato.
—Ele não é um rato.

49
—Então por que chora?
—Ele diz que me ama —as lágrimas fluíram outra vez.
—OH bem, isso me faria chorar também. Ele é mau?
—Não.
— Golpeia-te ou diz coisas que lhe fazem mal?
—Não.
—partiu de seu lado?
—Não.
—Então tem razão para não querê-lo, menina. Ele parece muito perfeito
para ser verdade.
—Ele é perfeito. Por isso choro. Uma pessoa tão maravilhosa como o é ele,
não pode realmente estar apaixonado por mim. Vi-o com outra mulher que
seria perfeita para ele.
—E por que não? Não há nada mau em ti, exceto talvez que chora muito.
Ela riu. Dominic sempre lhe dizia que era como o merengue por dentro.
—Ele me ama, mas não posso deixar de pensar que é só porque eu estava ali
e não outra pessoa.
—Ah, a oportunidade.
Ela assentiu.
—Realmente crie que dormiu contigo porque se aborrecia e você estava
disponível? Pensa que ele é desse tipo de homem que te usaria, te
abandonando quando chegasse alguém melhor? O que te diria que te ama só
para te colocar na cama com ele?
Ela se encolheu de ombros.
—Não, ele não é esse tipo de pessoa.
—por que dúvidas de seus sentimentos?
—fomos amigos desde que me mudei aqui. De fato foi a primeira pessoa
que conheci. Tropeçamos em uma cafeteria. Eu não emprestava atenção de
por onde ia e tropecei com ele. Ele estava de pé ali, me olhando
impressionado com café de chicória gotejando por todo o fronte de seu casaco
de cachemira. Eu estava envergonhada.
—Isso é o que o homem se merece por levar posta cachemira em Nova
Orleans. Ainda não vejo por que dormiria contigo fora do aborrecimento. Há
muitas mulheres com as que poderia dormir sem arruinar uma maravilhosa
amizade.
—Sei. Ele diz que me ama, mas não posso me persuadir a lhe dizer que o
amo também.
—Sonha como se duvidasse de ti mesma. Não deveria haver nenhuma
dúvida em sua mente sobre seu amor. Ele arrisca mais do que pensa te
amando.

50
—Tem razão. Duvido de meu próprio amor por ele. Qui-lo desde que o vi a
primeira vez. Como sei que isto não é luxúria?
—A luxúria e o amor são duas caras da mesma moeda, mas a luxúria não
faz seu dia mais brilhante sabendo que ele está vivo. A luxúria se consome
rápido, mas o amor cresce devagar. Pensa em todos esses momentos que
passaram juntos. Como se riram juntos e choraram juntos. Imagina o que sua
vida seria sem ele. Dúvidas que o ame?
Teresa não podia imaginar o vazia e solitária que seria sua vida sem o
Dominic nela. Ela não queria imaginá-lo. Amava-o realmente e ao havê-lo
admitido para si mesmo, poderia dizer-lhe finalmente.
Dominic estava de pé na entrada da igreja.
—Teresa, está aí?
—Sim, vou —Ela se voltou para a figura detrás dela—. Muito obrigado por
me ouvir choramingar.
—De nada, menina. Agora vê com seu homem e lhe diga que o ama.
Teresa se levantou e correu aonde Dominic a esperava. Ela se lançou em
seus braços e o beijou profundamente. Quando o casal abandonou a igreja, a
sombra inclinada se endireitou até ficar em pé. Um brilho de prata veio de
seus olhos e se escutou um rangido de plumas.
—As coisas só vão piorar, Pai. Pergunto-me por que devemos provar os
desta maneira —sua voz ressonou na igreja vazia. Uma rajada de quente
vento acariciou sua bochecha e ele assentiu.
*****
Mais tarde essa noite, Dominic e Teresa foram à casa da mambo da que
Randy lhes tinha falado. Teresa sentiu que se arrepiava seus braços enquanto
a porta se abria para revelar a uma negra diminuta. Era difícil dizer sua idade
porque sua pele era Lisa e não enrugada. Ela riu deles e gesticulou para que
entrassem.
Dominic lhe aconteceu alguns pacotes.
—Se você tiver a alguém necessitado em sua comunidade, espero que isto
lhes possa ajudar.
—Obrigado, menino. Os presentes jogo de dados de coração sempre são
bem-vindos. por aqui por favor, querem sentar-se? —antes que se
instalassem, a anciã pediu a Teresa se lhe podia avisar a sua filha que foram
necessitar algum refrigério. Eles a observaram ir para a cozinha. Uma vez que
ela esteve fora da vista, a mulher se voltou para o Dominic e disse—, Meu
filho é oungan e diz que poderia ter problemas com a posse de um espírito.
—Sim, temo que Vincent Delacourte se mesclou com alguns espíritos que
não deveria. Quando estou perto dele, parece que há dois espíritos que
habitam seu corpo. O original se debilita e deveria morrer logo. O outro

51
espírito é forte. De algum jeito se obcecou com a Teresa. Não estou seguro de
se isto for uma posse de espírito ou se for só dobro personalidade, mas ele se
está voltando louco.
—Igual como em todas as religiões, o Vodu pode ser retorcido para o uso
privado —lhe disse a velha sacerdotisa. Suas mãos enrugadas agarraram as
suas fortemente—. Sua mulher está em terríveis problemas se um espírito
maligno se concentrou nela. Se não se fizer algo, nem sequer um dos
cansados de Deus poderá lhe ajudar.
Ele sentiu que o medo o percorria. Nunca tinha estado tão assustado. Nunca
houve nada contra o que não pudesse lutar. Seu poder por ser um Enforcer lhe
impedia de ser vulnerável aos problemas mortais, mas nunca antes tinha
tratado com espíritos mortais e magia mortal. Isto era uma forma diferente
para a que ele não estava preparado para dirigir.
—Vincent Delacourte é um homem perigoso. Ele já era ambicioso antes que
se metesse em segredos que deveria ter fugido. Agora o espírito que o possui
o matará para ficar com seu corpo. Sua alma luta para liberar-se, mas está
perdendo a batalha —a mambo o olhou—. O Vodu não é a religião que as
pessoas procuram quando vêm a Nova Orleáns. Não se trata de zombis e de
maldições. Inclusive embora tenhamos realmente esses componentes dentro
dela. Não volte as costas à verdadeira lição do Vodu.
—Qual é?
—Há espíritos de todos nossos antepassados a nosso redor. Eles podem nos
ajudar se formos respeitosos e lhes perguntamos amavelmente. Tudo no
mundo tem um espírito. Devemos recordá-lo.
O telefone do Dominic soou. Ele estava pouco disposto a respondê-lo. Ele
sabia que seu tempo com a mambo era limitado. Ele podia sentir que o agarre
por seu espírito ao mundo mortal se afrouxava. Teresa entrou no quarto
levando uma bandeja com taças e uma cafeteira. Ela o deixou diante da
mulher e se sentou no sofá ao lado dela.
—Responde ao telefone, anjo. Tenho que falar com sua mulher —a risada
da senhora foi profunda e plena. Seus olhos escuros cintilaram enquanto ela e
Teresa olharam ao Dominic afastar-se. Sorrindo abertamente para ela, a
mambo disse—, Esse homem deveria ser ilegal. As idéias que põe na mente
de uma boa mulher com apenas respirar.
Teresa não podia discutir isso. Ela freqüentemente pensava o mesmo. Agora
que eram amantes, ela sabia que ele seria ainda mais perigoso se as mulheres
pudessem vê-lo nu.
—Ele é um bom homem. Nunca deveria ter medo de que te abandonasse.
Vocês estão unidos por seus corações.

52
A anciã tomou a mão da Teresa e a sustentou entre as suas. A mambo olhou
fixamente em seus olhos. Ela sentiu a sensação de deslizar-se detrás de um
véu e pareceu como se a sacerdotisa estudasse sua alma.
—Delacourte não te marcou ainda. É um bom sinal. Poderia ser capaz de te
afastar dele e estar segura —a mulher olhou para onde Dominic estava parado
—. Seu homem é especial.
—Se, é-o.
—Ele é muito mais que só um homem extraordinário, menina. Há algo em
sua alma que o faz muito superior aos meros mortais —os olhos da
sacerdotisa se exageraram ante a surpresa—. Você sabe.
Teresa não podia falar, mas assentiu. Embora eles nunca tivessem falado
disso, ela sempre entendia que havia uma diferença entre o Dominic e todos
outros. Era uma diferença que não tinha nada que ver com seu bom aspecto
ou seu lhe esmaguem riqueza. Ela tinha tratado de explicar-lhe a um de seus
amigos, mas não podia descrever a sensação eterna que lhe dava com cada
momento que passavam juntos.
—viveu sempre, este anjo cansado teu. Ele viu a amigos e as amantes
morrer enquanto ele seguia perdurando. Esse é um sofrimento que se
provocou por incitar a ira de Deus. Arrepender-se não deu resultado e suas
asas lhe foram arrebatadas.
Teresa não estava surpreendida pelas palavras da mulher. Talvez isto era
devido ao estado de transe no que ela tinha cansado junto com o incenso que
enchia a habitação, mas não estava impressionada de ouvir que Dominic era
um anjo cansado.
—O tempo dirá se você realmente crie em mim, mas há algo sobre ti. Você
estava destinada para ele. Do momento de seu nascimento, Deus ordenou isto
que você e este anjo deveriam ser amantes.
Ela sentiu uma pontada de reconhecimento profundamente dentro dela ante
as palavras da mulher. Dominic voltou para quarto e a mambo soltou suas
mãos. Ele as observou com suspeita como se pensasse que tinham estado
conspirando contra ele.
—Perguntarei entre meus seguidores para ver quem pode saber do
Delacourte ou que bòkò esteve lhe ajudando. Não seja o bastante arrogante
para acreditar que pode dirigi-lo, Dominic. Inclusive você necessita ajuda de
vez em quando.
—Não há ninguém mais a quem chamar.
—Quando chegar o momento, a ajuda estará disponível. Recorda que o
amor é o bastante forte para derrotar aos mais poderosos males e às vezes o
perdão deve ganhar —ela riu dele.

53
Teresa o viu assentir à anciã. Ela olhou para trás enquanto deixavam a casa.
A mambo os olhava com lágrimas que se derramavam por sua cara.
—por que chora? —perguntou ao Dominic quando chegaram ao carro.
Encolhendo-se de ombros, abriu a porta para ela.
—Talvez seja a primeira vez que se encontrou com um anjo.
De algum jeito ela soube que ele não estava devolvendo um completo.
—Você é um anjo? —ela tinha que ouvir o dele para confirmar suas
suspeitas.
Dominic se deu a volta para olhá-la. Ele descansou seu braço no volante e
vacilou.
—A sério quer que responda a isso?
—Sim, e quero que me diga a verdade, não o que você crie que quero ouvir
—ela pôs sua mão sobre seu braço—. Eu finalmente admiti ante eu mesma
que te amo e não pode haver mais secredos entre nós.
Seus olhos azuis a estudaram. Neles, ela viu a arrogância habitual, mas pela
primeira vez, viu uma implacável tristeza também. Ela se perguntou se
sempre estava ali.
Ele assentiu.
—Bem. Dirigiremos ao Paisible e tratarei de te explicar meu passado. Só
espero que possa acreditá-lo.
—Obrigado.
Conduzindo para sua casa, Dominic não podia acreditar-se que fora a lhe
falar com a mulher que amava de seu pior engano. Ele se perguntou sobre o
que Teresa e a mambo teriam falado enquanto estava ao telefone.
Permaneceram em silêncio enquanto conduzia para a casa da plantação. Não
estava seguro do que ia dizer, mas sabia que tinha que fazê-lo. Talvez ela não
pensaria que estava louco. Dirigiu-se para a entrada. Conduzindo-a até a
porta, parou-se. As luzes estavam acesas dentro, por isso o painel de cristal
captou sua atenção.
—Olhe atentamente às pessoas que ajoelhadas na montanha. Algum deles te
parece familiar?
Ela estudou às pessoas. O homem mais próximo ao anjo se parecia
notavelmente ao Dominic. Ela assinalou à figura
—Aquele se parece com ti.
—As pessoas que aparecem no cristal de chumbo são William Bradford,
Celeste Young e eu. Somos Enforcers, mas mais que isso, todos somos anjos
cansados. O arcanjo Mika’IL é quem nos nega a entrada ao Céu.
—Parece tão causar pena.
Dominic assentiu.

54
—Acredito que lhe doeu tanto como a nós quando fomos expulsos. Fomos
seus irmãos e embora nos rebelássemos, ele ainda nos amava.
—Não se supunha que os anjos cansados eram malignos? —ela o olhou
com um pouco de suspeita em seus olhos.
Ele abriu a porta para ela e a acompanhou dentro. Deixando cair suas chaves
e a carteira dela na mesa ao lado da porta, ele a conduziu ao estudo onde lhe
assinalou o sofá. Ele foi até o bar e se serve um copo de uísque.
—É complicado. Há duas facções de anjos cansados. Em um lado estão os
Enforcers. Somos os cansados que se arrependeram e pediram o perdão de
Deus. Ao outro lado estão os impenitentes como Danielle os chama. Eles são
esses que nunca lhe pedirão perdão a Deus porque não acreditam que tenham
feito algo mau. Eles orgulhosamente seguiram a Lúcifer quando ele falou de
rebelião e de ser melhor que os mortais.
—Espera. Danielle é um anjo cansado também?
—Sim. Só que ela é um dos poucos cansados que não são um ou outro. Ela
não é um Enforcer ou um impenitente. Trata de viver uma vida tão normal
como lhe é possível —Ele se encolheu de ombros—. Não sei como acabou
entrando em sua loja quando a necessitou. Talvez isso forma parte do plano
que Deus tem para todos nós.
—Então só os impenitentes são malignos?
—Sim, como Enforcer, estou encarregado de mantê-los sob controle.
Quando alcançam um certo nível de mau, começam a matar e destruir aos
mortais. Nesse momento, um Enforcer intervém e toma. Em realidade, não
podemos matá-los. Não tenho o poder de castigá-los por seus delitos. Há
aqueles Enforcer a quem lhes dá um poder especial. Chamam-nos
Vingadores. Meu amigo, William, é um. Ele toma a imortalidade dos
impenitentes. Ata suas lembranças, de modo que sempre recordem a glória do
que uma vez foram. Isto tende a voltá-los loucos e terminam seus dias em
uma instituição mental.
Ela se estremeceu.
—Parece bastante brutal.
—Poderá te parecer cruel, mas vi o que estes cansados podem fazer. Vi
quão vistas destroem e estou disposto a ser cruel para terminar seu reinado de
terror.
—Não teme a Lúcifer?
Dominic sacudiu sua cabeça.
—A maior parte do tempo, Lúcifer se mantém fora dos assuntos diários.
Está muito ocupado planejando a seguinte rebelião onde assumirá o poder do
Céu. Ele não assimilou completamente o conceito de arrependimento. Além
disso, ele não se rebaixará a nos falar com algum de nós.

55
—por que o fez? —ela se enroscou no sofá e o olhou.
Ele se moveu para as portas francesas e as abriu. Deixando entrar o ar
úmido do bayou na habitação.
—pensei nisso durante séculos. Penso que uma coisa que todos os cansados
têm em comum é um ego enorme. Temos a arrogância de acreditar que
sabemos mais que Deus. Louco, verdade? que alguém, mortal ou anjo, saiba
mais que Deus, o ser que criou o universo. O ser que vê o princípio e o final
dos tempos. Rebelamo-nos. Não sei o que pensamos que faríamos quando
ganhássemos o Céu, não sei. Fomos expulsos do Céu e pudemos comprovar
que estávamos pouco preparados para a vida mortal. Alguns de nós caímos de
joelhos e pedimos o perdão de nosso Pai. Imagina nossa surpresa quando
Deus não nos deu o perdão. Em Troca Ele enviou a Mika’IL para nos
arrebatar nossas asas e nos marcar.
—A marca em forma de cruz em seu peito e as cicatrizes em seus ombros.
—A marca me assinala como um Enforcer. As cicatrizes estão onde
estavam acostumados a estar minhas asas. Ainda as sinto às vezes. A forma
em que estavam acostumados a pendurar de minhas costas. Lembrança a
maneira que se sentia o ser capaz de voar. A total gloria de me mover pelo
céu —uma lágrima correu por sua bochecha.
Ela se levantou e foi junto a ele. Passando seus braços ao redor de sua
cintura, apoiou sua frente contra suas costas. Ele suspirou e cobriu suas mãos
com as suas.
—por que não saíste que a casa gritando ainda? É possível que realmente
me cria? —sua voz era de assombro.
—A mambo me disse isso. Mas inclusive se não o tivesse feito, não teria
estado surpreendida. soube que foi diferente do momento em que te conheci.
Havia essa sensação sobrenatural sobre ti. Eu sempre tive a sensação de que
tinha vivido muito mais tempo do que eu vivi. Não há nenhuma loucura em ti,
meu amor. Há só dor e solidão. Espero poder te ajudar com ambas as coisas.
Lhe deu a volta e a apertou para ele. Sepultando sua cara em seu cabelo, ele
respirou profundamente. Um sentimento de alegria os enchia a ambos. Ele
tomou suas bochechas em suas mãos trementes e deixou cair suaves beijos
por toda sua cara. Ela sorriu quando ele roçou seus lábios com os seus.
Tomando-a em seus braços, levou-a a dormitório.
Ele acendeu as luzes quando entraram. Ela se alegrou já que a primeira vez
que tinham feito o amor tinha sido na escuridão. Os anjos esculpidos na
cabeceira de cor ébano não eram as lindas criaturas aladas representadas na
arte. Estes anjos eram altos e formosos, mas havia desespero e uma cólera
feroz em suas caras.
Ela tremeu ligeiramente.

56
—Como pode dormir com eles te olhando de acima toda a noite?
Ele riu.
—Estou acostumado. Eu estava acostumado a ser um deles.
—por que estão representados assim?
—Fomos justo assim antes que caíssemos —Ele se encolheu de ombros—.
Não recordo muito sobre como eram as coisas antes da Queda. Pensei em
fazer isto para me ajudar a manter ao menos uma lembrança viva.
Ele a posou na cama. Arrancando-a roupa, avançou lentamente sobre ela.
Ele rapidamente a despiu e se sentou ao lado de seus pés. Massageou-os e
jogou com os dedos de seus pés. Ela teve que rir quando dirigiu seus dedos
sobre o arco de seu pé. Tratou de apartar seu pé, mas ele o agarrou. Ele subiu
até suas pantorrilhas, acariciando e atormentando-a com suas mãos e lábios.
Suspirando, separou suas pernas quando ele se moveu para o interior de suas
coxas. Ele riu entre dentes quando ela gemeu de frustração quando suas mãos
se saltaram seus cachos molhados. Ele as deslizou e lambeu seu umbigo. Sem
nenhum esforço, pô-la sobre seu estômago e começou a massagear seus
ombros. Ele se sentou escarranchado sobre suas coxas e ela pôde sentir o roce
de seu Pelotas contra sua pele. Ela gemeu. Ele se estava esquecendo os pontos
mais importantes. Ele riu e a levantou sobre suas mãos e joelhos. Ele separou
mais seus joelhos de modo que pudesse caber entre elas. Ela posou sua cabeça
no travesseiro e suspirou quando sentiu a cabeça de seu membro deslizar-se
sobre seus palpitante clitóris.
—Você gostará disto —sussurrou ele e empurrou contra ela.
Ela arqueou suas costas e lançou um grito. Uma de suas mãos descendeu ao
lado de sua cabeça e o sustentou quando se inclinou sobre ela. A outra
alcançou sua parte baixa e separou seus gotejantes lábios até encontrar o
botão com o que adorava jogar. Montando-a devagar, aumentou a tensão até
que lhe rogou que se apressasse. Trocando o ângulo, a cabeça de seu membro
raspou contra seu doce ponto com cada impulso. Ele beliscou seus clitóris e
ela se desfez. antes de que tivesse acabado de correr-se, ele saiu dela e a girou
sobre suas costas. Empurrando nela duro, dedicou-se a lhe provocar outro
orgasmo antes que ele tomasse seu prazer. Ela explorou outra vez e ele viu o
Céu. As lágrimas caíram por sua cara quando ele gritou seu nome.
*****
Dominic saiu da cama e caminhou até abrir uma das portas. Descansando
sua mão contra o marco, apartou a vista do rio que se formava redemoinhos e
atravessava o pátio traseiro. Uma fria brisa lhe chegou. Teresa o olhou e não
pôde suportar a imagem de solitário cansaço que tinha.
Ela se deslizou de debaixo dos lençóis e caminhou brandamente para ele. O
único abajur que tinham deixado acesa destacava a tatuagem em seus ombros.

57
Um par de asas estendidas desde suas omoplatas até seus bíceps. Eram
formosas. Ela as acariciou meigamente. Provinham das duas cicatrizes
verticais que tinha notado antes. Remontando-os, ela sentiu o estremecimento
do Dominic.

—Para que são as asas?


Ele suspirou.
—Alguns diriam que representavam minha suprema arrogância.
—Você é arrogante, amor, mas estas não me parecem isso . Elas se sentem
tristes. Falam sobre dor e perda. O que aconteceu?
Sua cabeça estava ainda inclinada, quando ele falou quedamente.
—Servem para me recordar a gloriosa criatura que eu fui uma vez. Elas
também me fazem recordar minha queda da graça.
—Como pôde Ele te tirar suas asas? É como lhe tirar as asas às mariposas
—suas mãos se deslizaram sobre ambos os ombros e seguiram a marca para
envolvê-lo em seus braços.
—Terá que perguntar-lhe a Mika’IL. Foi seu trabalho as tirar. Às vezes,
penso que realmente doeu muito mais a ele do que nos doeu —as mãos delas
estavam abraçadas a sua cintura e ele as cobriu com uma das suas—. Ele
tomou assim não teríamos nada para nos marcar como diferentes de quão
mortais professamos odiar.
—por que o fez? por que te rebelar contra o ser que te criou e te amava?
—Durante noites como esta quando meu coração dói, pergunto-me sobre
isso. Talvez foram ciúmes. Ele nos amava, mas os mortais eram seu
verdadeiro amor. Ele não podia afastar-se de vocês, mesmo que se separaram
Dele e começaram a dá-lo por descontado.
—Recorda como era o Céu? —sua pergunta caiu sobre ele. Ela podia senti-
lo tremer. Sustentou-o mais apertado, tratando de acalmá-lo com sua
presença.
—Não, não posso. passaram muitos séculos e muitas vistas. O céu é uma
lembrança vaga. O mais próximo que chego agora é quando te faço o amor —
girando, ele a agarrou e baixou o olhar a seus olhos—. Em seus braços,
consigo uma vislumbre do que é o Céu e estou contente. Estar contigo me faz
feliz, mas não importa quão feliz seja contigo, sempre haverá uma parte de
minha alma que terá saudades meu antigo lar.
Ela sentiu um sentimento de perda. Ela nunca tinha pensado que fora avara,
mas queria todo o coração do Dominic, corpo e alma. Ela riu de si mesmo. O
homem mais formoso e humanitário do mundo era dele e não era feliz porque
uma parte diminuta dele sempre desejaria algo que ela não poderia lhe dar.

58
Não te detenha nisso, moça. Ele te ama e está contigo agora. Cada vez que ele
comece a pensar no Céu, leva-o ali.
—Então posso te dar uma vislumbre do Céu, né? —ela empurrou sua
cabeça contra a sua—. Então vamos lá.
Ele a levantou e a levou a cama, devorando seus lábios enquanto se foram.
Baixando seus corpos, ele sentiu em sua mente um roce de aprovação e sorriu.
Mika’IL fechou a porta encerrando aos amantes em seu próprio escuro
mundo.
Capítulo Sete
Teresa acabava de sair do carro quando um homem se chocou com ela, lhe
derramando imundície no fronte. Tossiu quando respirou algo disso. O
homem resmungou uma desculpa e se afastou correndo pela rua. Tentou
sacudir-se, mas lhe pegava à roupa.
—Genial —resmungou ela—. Agora tenho que ir trocar me de roupa —
cruzou a livraria e fez um gesto a seu empregado—. Vou me trocar de roupa.
Volto em seguida.
Tossiu de novo enquanto subia as escadas. Agarrou um copo e verteu um
pouco de água para tirar o gosto a sujeira da boca. Sorriu quando pensou em
lhe dizer ao Dominic o que tinha passado. Quem tivesse pensado que lhe
atirariam imundície em cima em Nova Orleans, onde era mais provável que
acabasse molhada que suja? Enquanto se tirava a camisa captou outro bafo de
porcaria.
—Puf. Que asco! —comprovou o tecido e calculou que não havia forma de
salvá-la, assim que a atirou. Tirou outra camisa do armário e acendeu a
televisão enquanto terminava de limpar-se. deteve-se quando puseram um
relatório especial.
—Ontem à noite ocorreu outro assassinato espantoso na cidade. Este é o
terceiro em outros tantos dias. A polícia não tem pistas nem nenhuma idéia da
relação entre as vítimas. Acreditam que é o mesmo assassino para todas as
mortes. A polícia está pedindo ao público que seja especialmente cauteloso
até que o autor seja detido.
Ela se estremeceu. O pensamento de um assassino espreitando as ruas de
Nova Orleans lhe fez sentir-se contente de que Dominic estivesse com ela a
maior parte do tempo. Ninguém tentaria nada enquanto ele estivesse ali.
Apagou a televisão e baixou à loja. Enquanto dizia uma prece pelas vítimas
não se deu conta que sua vida também estava em grave perigo.
*****
—Maldição, outro assassinato —Dominic golpeou o escritório com a mão
—. Não posso correr o risco de que algo ocorra a Teresa enquanto está a meu
cuidado.

59
—vais ter que fazer algo, amigo —a voz do William surgiu do telefone—.
Mika’IL não vai estar feliz se um de seus Enforcer faz mal seu trabalho.
—Sei, mas Terrance encontrou um feitiço na soleira da Teresa a manhã em
que a deixou. Meu gerente, Randy, disse-me que era um feitiço de má sorte.
Vincent não está sendo claro sobre o que quer ou planeja fazer. O feitiço não
vai fazer nenhum dano. Possivelmente faça que fique doente ou tenha uma
rajada de má sorte, mas penso que o pior está por chegar. Simplesmente não
sei o que é e não posso me preparar para isso.
—É duro descobrir que seus poderes não lhe fazem onisciente e que é tão
falível como estes mortais —a voz do William continha um traçado
exasperado de experiência—. Eu gostaria de ir e te ajudar, mas não posso
deixar ao Abby agora mesmo.
—Obrigado pelo oferecimento, mas precisa acontecer algum tempo com sua
dama. Estava um pouco insegura quando me parti.
—Sei. Se as coisas ficarem pior me chame. Irei de todos os modos —uma
voz no fundo fez que William dissesse —: Tenho que ir. Entretanto, estou
aqui se me necessitar.
—Obrigado e aviso ao Abby de minha parte —Ele pendurou e se reclinou
na cadeira. A sensação de perigo iminente se abatia sobre ele como uma
nuvem, mas não sabia de onde ia vir e a quem ia danificar. Tudo o que sabia é
que tinha que ocupar do cansado que estava convertendo sua cidade em um
campo de extermínio.
Randy bateu na porta e entrou. sentou-se em frente do Dominic e o
contemplou.
—Possivelmente quereria vir a uma de nossas cerimônias. Precisa sentir o
Vodu e o que pode fazer. Infelizmente, não obterá muita informação sobre a
magia negra da gente da comunidade. Nós não gostamos de falar dela. A parte
supersticiosa que temos acredita que se falarmos dela a atrairemos.
—Não espero que revelem seus segredos, Randy. Possivelmente Vincent
apareça em uma de suas cerimônias e possa falar com ele. Isso deveria me dar
uma idéia do que tem planejado.
—Falarei com meu oungan e me assegurarei que é correto que atira.
Chamarei-te quando o averiguar.
—Obrigado Randy. É genial que esteja disposto a nos abrir sua religião.
—Penso muito na Teresa e em ti. Se lhes mostrar minhas crenças e minha
religião pode ajudar os de alguma forma, estou disposto a fazê-lo. Além disso,
quero lhes mostrar que o Vodu não são sozinho zombis e magia negra. Não
adoramos ao diabo nem temos orgias.

60
—Encontrei-me com o Diabo, Randy. Não necessita a ninguém que lhe
adore para lhe fazer pensar que é importante. A criatura tem um ego maior
que o mundo —murmurou Dominic distraídamente.
Randy o olhou com uma expressão estranha.
—Não parece que esteja brincando.
Ele contemplou a parede detrás do Randy por um momento e pensou em
Lúcifer. Apartou essas escuras lembranças de sua cabeça.
—Só estava repetindo o que ouvi dizer sobre ele —riu.
—Aqui estão os recibos da noite passada —Randy estava disposto a trocar
de tema.
—Graças a Deus que te tenho. Ao menos sei que o clube seguirá
funcionando enquanto estou ocupado com o Delacourte.
Passaram as seguintes duas horas revisando o pedido. Para quando partiu
essa noite, Dominic estava contente de que o clube estivesse funcionando sem
problemas. Conduziu para recolher a Teresa para um jantar tardio. Quando
entrou no carro lhe sorriu. O sorriso feminino não foi nem de longe tão
brilhante como de costume. Ele se inclinou para lhe retirar o cabelo do
ouvido.
—Olá carinho, está bem?
—Acredito que só cansada. Não dormimos muito ultimamente.
—Sinto muito.
—Não me estou queixando, mas me perguntava se podíamos jantar em casa
esta noite e simplesmente passar o momento. Não tenho vontades de ter gente
ao redor —ela apoiou a cabeça contra o apóia cabeças e lhe sorriu.
Sentiu que lhe assaltava um broto de alarme, mas conseguiu desprezá-lo.
—Seguro. Cozinharei o jantar para os dois em minha casa. Como te soa
uma noite agradável e acolhedora?
—Maravilhoso —ela suspirou e fechou os olhos.
Ela ficou dormida na curta viagem à casa dele. Ele estacionou o carro e a
levou dentro. Pô-la cômoda no canapé e a cobriu com uma manta. Depois de
pôr um pouco de jazz a um volume suave começou a preparar o jantar.
Quando a mesa esteve posta foi despertá-la. agachou-se e a beijou
ligeiramente nos lábios. Ela suspirou. Quando seus olhos se abriram, ele viu
um brilho de amarelo neles antes de que piscassem e voltassem para seu tom
violeta normal. Em lugar da alegria faiscante que pelo general via neles,
pareciam estar mais escuros.
—O jantar está preparado, amor —Ele a ajudou a sentar-se e caminharam
agarrados do braço para a cozinha onde tinha preparado uma pequena e
acolhedora mesa. Serve-lhe uma ração de gumbo de camarões-rosa que tinha
feito e um copo de vinho.

61
Ele se sentou e a olhou lhe dar voltas à comida durante uma meia hora antes
de levantar-se e lhe retirar o prato.
—Não tem fome, assim poderíamos retirar a comida e ir à sala de estar.
Quer ver a televisão ou um filme?
Ela se encolheu de ombros.
—As notícias deveriam estar aproximadamente agora. Eu gostaria de ver se
tiverem encontrado alguma pista sobre os assassinatos.
Ele fez uma careta. Não queria ouvir falar deles. Sabia que podia pará-los,
mas todos seus instintos lhe haviam dito que não podia deixá-la só ou lhe
poderia passar algo. Enviou-a ao canapé enquanto retirava as sobras. Entrou
na habitação a tempo de ouvir o apresentador das notícias dizer que não havia
nada novo de que informar. Certamente que não sabiam nada novo. O
cansado que estava cometendo os assassinatos não deixaria pistas que os
mortais pudessem encontrar. Queria que Dominic fora e terminasse com seu
sofrimento. Ele se decidiu pelo canapé e Teresa se reclinou contra ele. Não se
preocuparia com isso esta noite. Queria que Teresa descansasse e ficasse
melhor.
Seu telefone soou. Ele o agarrou.
—Sim?
—Hey, chefe. Há uma cerimônia amanhã de noite, e o oungan disse que
estava bem que viessem.
—Obrigado.
—De nada.
Pendurou e olhou a Teresa. Não se tinha movido nem um milímetro
enquanto estava falando com o Randy. Suspirando, elevou-a e a levou a cama.
Tirou-lhe a roupa silenciosamente e a agasalhou.
Ele beijou sua bochecha e sussurrou:
—Doces sonhos, meu amor.
*****
Tinha estado passeando durante horas quando a voz apareceu em seus
pensamentos.
por que não me ajuda?
Tentou ignorá-lo. Não era um Enforcer nesse momento, era um homem
apaixonado e disposto a incumplir qualquer promessa para manter segura à
mulher que amava.
Quantos mais devem morrer antes de que cumpra sua promessa? Ou
conseguiste enganá-los durante todos estes anos? Alguma vez teve a intenção
de manter sua promessa se terei que escolher entre ela e algo importante para
ti? É uma eleição entre manter sua promessa a Deus ou manter viva a uma
simples mortal.

62
Dominic não respondeu. Sabia que não estava fazendo seu trabalho. Pela
primeira vez em todos os séculos que tinha vivido, estava-se desenvolvendo
um conflito entre seu coração e sua mente. Sua mente lhe dizia que, no grande
esquema do mundo, uma vida mortal não valia o permitir que um cansado
continuasse matando. Ao permitir que o cansado matasse estava jogando a
Deus desde muitos pontos de vista, decidindo que mortal merecia salvar-se e
qual não. Seu coração lhe dizia que tinha que salvar a Teresa a qualquer
preço. De alguma forma sabia que mantê-la viva e com ele salvaria sua alma
em uma forma que o perdão de Deus nunca o faria.
me acredite, isto não se acalmará. Continuarei matando-os até que me pares.
Quero que tudo isto termine, Enforcer. vivi muito e tenho feito muitas coisas.
Não posso suportá-lo mais.
Eu tampouco posso, mas tenho uma oportunidade de fazer minha vida
melhor. por que deveria permitir que me arruíne isso?
É o mesmo egoísmo que nos trouxe para todos onde estamos hoje, Enforcer.
Deixei-te outro presente. Olhe quanto pode agüentar sua consciência.
Uma porta se fechou em sua mente e não pôde encontrar um enlace com o
outro cansado. Sabia o que a polícia encontraria amanhã. foi ao dormitório e
se deslizou na cama com a Teresa. Aproximou-a fortemente a ele e tratou de
sossegar a sua consciência culpado.
*****
Danielle se uniu a eles no café à manhã seguinte. Não disse uma palavra
sobre o último assassinato, mas ele soube que ela tinha ouvido falar dele.
Quando Teresa foi ao banho se voltou para ela.
—por que não disse nada?
Ela se encolheu de ombros.
—Não é minha missão. Não posso te gritar por não te liberar dele quando eu
não o faria.
—Assusta-me a forma em que a necessito, e a forma em que posso passar
por cima cada promessa que fiz sozinho porque quero mantê-la segura —Ele
meneou a cabeça.
—Possivelmente se supõe que deve fazer uma eleição.
—O que quer dizer?
—Não sei. Quem pode dizer o que Deus quer que faça? Mika’IL não te
deixará conhecer quão secretos o Pai lhe tenha dado.
Teresa voltou e se prepararam para ir-se. Dominic notou que não comeu
muito no café da manhã. Fez um gesto para que colocassem a comida em uma
caixa e a deu a ela.
—lhe tenta comer isso mais tarde. Tampouco comeu muito no jantar —a
deixou na livraria. Danielle entrou detrás deles.

63
—Só estarei por aqui um momento. Minha reunião de negócios não é até
esta tarde.
—Graças —ao Dominic tranqüilizou que alguém a cuidasse.
—Ela também é minha amiga.
depois de que Dominic se fora Teresa sorriu ao Danielle.
—Está aqui para me cuidar em caso de que Vincent tente algo, verdade?
—Estou aqui para ser uma amiga. Não estou segura do que pensa Dominic
que fará Vincent, mas teme que o homem te faça algo porque lhe rechaçou.
Olhe, os homens como Vincent não estão acostumados a ser rechaçados dessa
forma. A maior parte do tempo simplesmente se vão e passam a seguinte
mulher. Mesmo assim, parece haver algo diferente nele. Tanto Dominic como
eu sentimos que há outro espírito vivendo dentro de seu corpo.
—Como posse?
—Sim, mas não a demoníaca. Essa a podemos dirigir. É o espírito de outro
mortal, e nunca antes tratamos com isso. Não posso dizer com segurança que
nossos poderes serão capazes de derrotá-lo.
—Como é ser um anjo cansado? —perguntou Teresa enquanto ia colocando
os livros.
Danielle pensou nisso um momento.
—Há vezes em que penso que ser um cansado está bem. Todas as coisas
que posso fazer com meus poderes e todos os séculos que passei aprendendo
do mundo. Embora às vezes, quando penso no Céu, perguntou-me em que
demônios estava pensando faz tantos séculos. Penso que a maior parte de nós
reconsidera nossa rebelião depois de um par de milhares de anos.
— Qual é a diferença entre o que faz seu e Dominic?
—Ele é um Enforcer. Persegue os impenitentes que se voltam contra os
mortais. Eu fico à margem da luta. Arrependi-me, mas Deus escolheu não me
escutar. Decidi que eu tampouco ia ajudar lhe a Ele a lutar contra os meninos
maus. Não há nenhuma razão para que me matem por alguém que não se
preocupa o bastante por mim para me perdoar.
—Como sabe que Ele não te ama? . Ele não os destruiu, verdade?
—Não, não o fez, mas nos tirou nossas asas e nos deixou neste mundo onde
sempre seríamos diferentes. Há partes de mim que ainda lhe rezam, e que
esperam que Ele me escute, mas a maior parte de mim sabe que não há
nenhum modo de que Ele esteja interessado em nada do que um anjo rebelde
lhe reze.
Teresa decidiu que era o momento de trocar de tema.
—Onde trabalha quando não está em Nova Orleans salvando gente?
—Trabalho em Chicago como assessora de antiguidades. O Museu Field é
meu maior cliente, mas o fato bastante bem eu sozinha.

64
—Há alguém com o que esteja saindo?
Danielle riu.
—Já não mais discussão séria, né? houve alguns tipos com o que saí, mas
nada sério.
—Mas está interessada no arqueólogo que mencionou.
—Seguro. Quem não o estaria? É alto, de rasgos duros e muito inteligente.
É obvio ele pensa que sou pior que um grão no culo. O Field está acostumado
a me chamar quando querem certificar algum de seus artefatos. Isso realmente
lhe incomoda. Não lhe alegra muito quando decidem não lhe acreditar sobre
uma data.
—Ele não sabe que é um anjo cansado.
—Diabos, não. Realmente pensa que um cientista acreditaria em algo que
não pode provar? Não há provas de que existimos salvo nas lendas. Todas as
lendas têm um pouco de realidade mas, anjos rebelando-se contra Deus? Isso
é um pouco rebuscado, inclusive para escritores de ficção científica.
—Teria que dizer-lhe se tivessem uma relação?
Ela negou com a cabeça.
—Não o hei dito a nenhum dos homens que conheci através dos séculos.
Não era importante que eles me vissem como sou realmente. Sobrevivi a
todos.
—Crie que se pudesse lhe convencer estaria tentada a dizer-lhe a esse teu
cientista?
Danielle sentiu que a cara lhe ardia. Quem poderia ter pensado que poderia
avermelhar depois de todos estes anos?
—Poderia estar tentada de dizer-lhe mas não funcionaria. Alguma vez me
acreditaria, e não me arriscarei a que pense que estou louca —ela olhou a
Teresa—. por que creíste tão rapidamente ao Dominic? Disse que aceitou sua
história em seguida, sem dúvida nenhuma.
Teresa sorriu.
—Sempre acreditei nos anjos. Não é difícil para mim acreditar também nos
cansados. Algo no Dominic sempre me tem feito pensar que era diferente.
Não estou preocupada de que esteja louco ou um pouco parecido. foi meu
melhor amigo durante anos e nunca me mostrou outra coisa que bondade e
amor. Possivelmente sou egoísta, mas estou contente de que caísse. Se não o
tivesse feito nunca teria tido a oportunidade de encontrá-lo e amá-lo —ela
bocejou—. O sinto. estive muito cansada ultimamente.
—Está bem. por que não sobe a te jogar uma sesta? Acredito que seu
empregado e eu podemos nos ocupar de tudo por um momento.
Ela se foi acima e se jogou uma sesta. Quando despertou tinham acontecido
várias horas. Correu escada abaixo e se encontrou ao Danielle e a seu

65
empregado que as estavam arrumando bem sem ela. Danielle agarrou sua
bolsa.
—Tenho que ir. Dominic estará aqui para te recolher em uns poucos
minutos. Tome cuidado esta noite.
Teresa se perguntou o que quereria dizer, mas a outra mulher se partiu antes
que pudesse lhe perguntar. Dominic chegou poucos minutos depois de que
Danielle partisse. Sorriu-lhe e a ajudou a fechar a loja.
—Vamos a minha casa um momento. Há um lugar ao que temos que ir mais
tarde.
Ela não discutiu, embora não tinha vontades de fazer nada salvo voltar para
a cama. Fecharam a loja e foram de carro a sua casa. enroscaram-se no canapé
para ver as notícias da noite. Ela dormitou enquanto ele esperava a chamada.
Às onze seu telefone soou. Escutou durante um minuto.
—Agarra sua jaqueta —Dominic fechou seu telefone.
—por que?
—fomos convidados à cerimônia Vodu.
—Está de brincadeira. por que nos quereriam ali?
—Comprovo se Delacourte aparecer.
—Se o espírito lhe houver possuído, não é um risco para ele vir à
cerimônia? —lhe seguiu fora da casa.
—Esta noite é uma noite importante na religião Vodu. Ninguém se perde
esta cerimônia. É nossa melhor possibilidade de observá-lo.
O carro do Dominic estava estacionado pego à calçada. Ajudou-a entrar.
Enquanto rodeava o carro para o lado do condutor se perguntou se levá-la era
uma boa idéia. Se o espírito que possuía ao Delacourte tinha fixação com ela,
podia ver isto como uma oportunidade de tomá-la. encolheu-se de ombros.
Não havia ninguém com quem pudesse deixá-la. Danielle estava ocupada e
não havia nenhum outro Enforcer na cidade no momento. Correria o risco e
esperaria poder protegê-la.
Ela se estirou e tomou sua mão depois de que ele apartasse o carro do meio-
fio.
—Estarei bem.
Queria lhe acreditar com toda sua alma, mas algo lhe dizia que as coisas
estavam a ponto de piorar.
Randy estava parado fora lhes esperando quando chegaram. Ajudou a
Teresa a sair do carro e estreitou a mão do Dominic.
—Não diga nada. Só observa e se alguém lhe olhe, inclina a cabeça
ligeiramente e dava bonsoir(. Somente sei respeitoso e vê se pode encontrar
aqui ao Delacourte. Ninguém lhe viu ultimamente, mas isso não quer dizer
nada.

66
—lhe dê as graças a seu oungan de nossa parte. Realmente aprecio este
detalhe —Dominic agarrou a Teresa enquanto entravam no templo Vodu.
Já havia ali ao redor de cem pessoas. A cerimônia tinha começado. Os
tambores mantinham o ritmo para os cânticos. A gente começou a mover-se
quando os espíritos entraram na habitação. Dominic não emprestou atenção à
cerimônia. Tinha visto os escravos praticar sua forma de Vodu fazia séculos.
Manteve seus olhos nos adoradores. O poder do sacerdote era forte, e podia
sentir aos espíritos movendo-se entre os vivos.
Uma hora mais tarde decidiu partir. Parecia como se Delacourte tivesse
decidido não vir ao serviço. Podia ver que Teresa se estava cansando. Tinha
começado a apoiar-se nele. Saudou com a cabeça ao Randy e se dirigiram à
saída e para o carro.

Capítulo Oito
Teresa se manteve tranqüila até que saíram do carro. Quando enfiaram o
caminho para a casa, não pôde esconder seu ultraje nem um minuto mais.
—É barbáro.
Dominic lhe lançou um olhar desconcertado.
—por que?
—Todos esses tambores e cânticos. Acreditei que foram ficar a sacrificar
algo. Era tão pouco civilizado.
—Não sabia que os pagãos antigos acreditavam que os Cristãos eram
canibais?
—Está brincando. por que foram acreditar isso?
Dominic lhe manteve a porta aberta enquanto entravam.
—Pela Comunhão. “Este é meu corpo que será entregue por vós para o
perdão dos pecados. Tomem e bebam todos dele porque este é meu sangue,
sangue da aliança nova e eterna que será derramada por vós e por todos os
homens para o perdão dos pecados”. por que não foram tomar os pagãos estes
ritos literalmente?
—Isso simplesmente são símbolos. Um ritual que nos ajuda a estar mais
perto de Deus.
—Passa o mesmo que com os cânticos e tambores. O ataúde negro e o
sangue. Essa é a forma que têm de aproximar-se mais a aqueles antepassados
que acreditam que lhes ajudarão neste mundo. Os que praticam o Vodu

67
acreditam em Deus, mas lhe vêem distante. Em seu estilo de vida, Deus não
participa de todos os momentos do dia, mas seus antepassados sim e além
disso podem afetar às coisas que passam no mundo. Faz muito que aprendi
que não importa que religião professe uma pessoa, pois em definitiva adoram
ao mesmo, salvo que com diferentes nomes e costumes.
—De verdade crie isso?
—Sim. Os cristãos lhe chamam Deus e os judeus Yahvé. O que é um nome,
se o sentido for o mesmo?
—Não entendo como pode aceitar esta religião. Para mim é difícil ver deus
no que fazem —disse ela, deixando cair no sofá.
Os olhos dele acariciaram a cremosa coxa que revelou sua saia. Sorrindo,
entrou na cozinha onde uma garrafa de vinho esperava aberta e respirando em
cima da mesa. Mandou- um silencioso agradecimento a Mika’IL. Agarrou
duas taças e a garrafa.
Retornando à sala de estar, respondeu-lhe, —Muitos diriam que como anjo
cansado que sou, devo estar feliz por lhe dar as costas ao Pai e aceitar todas as
depravações que há no mundo.
—E por que não é assim?
—Admito que depois da Queda me descarrilei um pouco durante uns
séculos —olhou fixamente sua taça—. Não matei a ninguém, mas usei às
pessoas. Fiz-lhes mal de maneiras das que não me sinto orgulhoso. Não estou
seguro do que tivesse passado se Mika’IL não me tivesse encontrado. Veio e
me ofereceu uma oportunidade.
—Uma oportunidade para que?
—Para que meu tempo na terra servisse para algo. Não quis que meu
espírito desaparecesse por um momento de loucura. Disse que era sua
obrigação ajudar a perseguir os cansados que se viam conduzidos à loucura.
Aqueles cansados que tinham começado a matar e destruir mortais onde quer
que se encontrassem. Mika’IL examinou meu coração e minha alma. Não
encontrou nenhuma loucura, só amargura e dor. Disse que tinha que escolher.
Podia continuar como até então, amargurado e quebrado, utilizando aos
mortais até que um dia matasse a um ou podia lhe ajudar e talvez encontrar
uma maneira de ganhar o perdão de Deus.
—Aceitou essa oportunidade sem lhe pensar isso .
riu.
—Provavelmente deveria havê-lo feito, mas lhe disse que necessitava tempo
para pensar em sua oferta. por que deveria ajudar a um Deus que me deu as
costas?
—O que fez?

68
—Converti-me em ladrão. Roubei inestimáveis obras de arte antes de que
alguém soubesse que foram valer milhões. Apropriei-me de jóias e pinturas.
Tomei todas e cada uma das coisas sobre as que podia pôr as mãos. Não
existia nenhuma possibilidade de que alguém pudesse me deter. Como
poderiam fazê-lo se eu podia aparecer e desaparecer a vontade? Podia me
voltar invisível e nem se davam conta de que estava perto. Vim a América e
construí minha plantação. Usando-a para armazenar meus lucros ilegalmente
adquiridas.
—O que aconteceu?
—Passou Mika’IL. como sempre, apresentou-se para destruir minha
diversão. Às vezes tende a deter certas coisas. Fez-me devolver tudo o que
roubei e escolher uma opção. Decidi lhe ajudar. Imagino que pensei que seria
mais interessante e me entreteria ao longo dos séculos. Não me detive pensar
quão angustiante seria cada vez que tivesse que capturar a um de meus
irmãos. Cada vez que o faço me detenho e reza porque pela graça de Deus não
tenha terminado dessa maneira. Cada um dos impenitentes poderia ter sido eu
se Mika’IL não tivesse insistido tanto em que associasse a ele.
—Mika’IL é muito importante para ti.
—Como anjo guerreiro, está muito ocupado enfrentando-se aos demônios e
outros problemas, mas também tem o ingrato trabalho de nos seguir a pista.
Trata tanto com os impenitentes como com os Enforcers. Não seria capaz de
fazer o que ele leva fazendo durante séculos —fez um silencioso brinde para
seu amigo e líder.
—Parece um tipo agradável —se manteve silenciosa durante um momento.
—Alguma vez estiveste apaixonado?
Ele sorriu com tristeza.
—Em cada século que vivi houve uma mulher a que amei. Com o tempo,
morreram.
Ela apoiou a cabeça em seu ombro.
—Sinto muito.
—Talvez tenha sido parvo abrir meu coração em cada um desses momentos,
mas nunca pude evitar me apaixonar.
—Isso demonstra coragem.
—Em que sentido?
—É um sinal de coragem seguir te apaixonando embora saiba que sempre
vais terminar sozinho.
—Poderia ser um sinal de loucura.
—Se for assim, me alegro de que esteja louco —e lhe beijou.
Por uma vez a deixou tomar o mando. Essa noite havia certo cansaço em
sua alma. Deixou que lhe desabotoasse e lhe tirasse a camisa. Levantou os

69
quadris quando lhe tirou as calças. Quando lhe pediu que se tombasse no
chão, diante das portas francesas, não discutiu. Abriu as portas para que a
cálida brisa acariciasse sua pele.
Deslizou um dedo sobre a cruz de seu peito.
—O que significado tem?
—Cada Enforcer leva a marca da cruz em seu peito como aviso de quem
trabalha.
—Deveu doer.
—encolheu-se de ombros.
—Não resultou tão mau como quando nos tiraram as asas.
inclinou-se e riscou cada marca com seus lábios.
—Date a volta.
Fez-o e gemeu quando ela percorreu as cicatrizes de seus ombros com a
língua.
—Minha mãe sempre me dava um beijo para me tirar a dor.
—Funciona —disse com voz áspera através de sua oprimida garganta e com
lágrimas fluindo de seus olhos. Ninguém se tinha tomado nunca o tempo para
lhe beijar e afastar sua dor.
Com cada carícia e cada beijo, demonstrava-lhe quanto lhe queria. Com o
contato de seus dedos e a carícia de sua língua lhe disse quanto lhe amava.
Disse-lhe quão agradecida estava por lhe haver atirado em cima o café, aquele
profético dia de fazia cinco anos. Memorizou cada centímetro de seu corpo.
As zonas que lhe faziam gemer e os lugares que lhe faziam gritar de prazer.
Sugou seus mamilos como lhe tinha feito. Ambos desfrutaram disso. Suas
mãos exploraram seu membro e seu testículo com um roçar tão suave como
uma pluma e com firme sujeição. Não pôde evitar pronunciar seu nome
quando lhe acariciou firme e rapidamente. Sua culminação se aproximava
com cada carícia, mas tratou de resistir. Não queria correr-se até que ela o
fizesse também.
Sentando-se escarranchado sobre seus quadris, equilibrou-se sobre ele.
Quando deslizou seu pênis em seu quente e úmido interior, sorriu-lhe e lhe
disse, —Amo-te.
moveu-se nela e lhe falo do amor que sentia com cada uma das línguas que
pôde recordar ter falado. Juntos se montaram o um ao outro, procurando os
mais altos topos do prazer. Quando chegaram ao clímax, encontraram de uma
vez o Céu e souberam que enquanto estivessem juntos, o Céu permaneceria a
uns segundos de distância.
derrubou-se sobre ele e suspirou.
—Acredito que poderia dormir durante uma semana.
Ele se girou e ficando de piei a levou consigo.

70
—Então vamos e vejamos se pudermos.
Não notou o ligeira que se sentia entre seus braços. Ela não notou sua
debilitação.
*****
Enquanto os amantes dormiam, um assassino caçava na noite procurando
sua seguinte vítima. A luxúria de sangue e poder lhe percorriam, mas
escondida profundamente em seu coração estava a esperança de que esta vez,
o Enforcer escutasse seu grito de socorro e lhe respondesse. Não importava a
quantos tivesse que matar para satisfazer a lhe esmaguem sede de poder que
lhe alagava quando a vida deixava seus corpos mortais. Não eram importantes
e da mesma maneira não valia a pena preocupar-se com eles. Nunca tinha
entendido porque o Enforcer sentia tal empatia por eles. Os mortais eram mais
débeis e cínicos. Sua capacidade de acreditar na fé ou em Deus tinha
diminuído grandemente ao longo dos anos; o cansado se surpreendia de que
Ele lhes permitisse viver.
Desde o começo de sua Queda soube que não seria capaz de sobreviver a
permanecer fora do Céu. Estava surpreso de havê-lo feito durante tanto
tempo, mas tinha chegado o momento de morrer. Não podia suportá-lo mais.
As cicatrizes de suas costas cada dia lhe queimavam mais. Com cada saída do
sol, sua cabeça lhe doía mais. Tudo o que queria era descansar e o único
modo de obtê-lo era fazendo que o Enforcer lhe matasse.
Sorriu ampliamente quando descobriu a uma solitária mulher no Moon
Walk ao lado do Rio Mississippi. Quão estúpidos podiam chegar a ser os
mortais? Havia muitas advertências sobre a existência de um assassino
múltiplo e hei aqui, uma mulher andando sozinha na escuridão. perguntou-se
se procurava a alguém que a matasse. Talvez tinha decidido acabar com sua
vida e não tinha o suficiente valor para fazê-lo por si mesmo. riu entre dentes.
Não tinha tomado ele mesmo essa mesma solução? Tinha vindo a Nova
Orleáns concretamente por essa razão. Espreitando-a entre as sombras,
esperou o momento de poder capturá-la. Este seria seu quinto assassinato e
esperava que o Enforcer finalmente chegasse para detê-lo.
*****
Vincent observou a escura noite. Tinha seguido ao Dominic e Teresa
durante todo o dia. Sorriu para si mesmo. LaFontaine sabia que passava algo,
mas era muito tarde para salvar à mulher. Precaveu-se do pálida que a via e se
deu conta de que o feitiço estava fazendo efeito. Logo se dariam conta do
poder que possuía.
Quem teria pensado que os feitiços e as maldições funcionariam hoje em
dia? Sempre tinha acreditado que a pessoa implicada tinha que saber que tinha
sido amaldiçoada. A eficácia dos feitiços estava diretamente relacionada com

71
a capacidade do comprometido para acreditar nas maldições. Se acreditava,
adoeceria. Mas parecia que os feitiços não precisavam ser credos para que
funcionassem, porque Teresa não sabia que lhe tinham jogado uma maldição
e começava a ser destruída.
riu brandamente. Do momento que o outro espírito se mostrou para lhe
ajudar, conseguiu que todos seus desejos se realizassem. Conseguiu montões
de dinheiro e as mulheres se atiravam a seus pés querendo deitar-se com ele.
Todas exceto Teresa Ryder. Grunhiu, não podia acreditar que tivesse
preferido a outro, embora esse outro fora o homem mais capitalista de Nova
Orleáns. LaFontaine não era mais rico do que ele era. Quem sabia o que tinha
visto nesse homem, mas Vincent era consciente de que sua relação não
duraria muito tempo mais.
Entrou em seu estudo onde tinha estendido seu projeto. Eram os planos do
hotel que planejava construir no lugar onde se situava a livraria da Teresa.
Uma vez que estivesse morta, LaFontaine não quereria manter a posse do
edifício e Vincent o compraria. Uma oportunidade mais de fazer dinheiro.

Capítulo Nove

Teresa despertou com uma tosse demolidora. Dominic estava preocupado,


mas as arrumou para convencer o de que era só uma gripe. Em realidade ela
não pensava que fora nada mais que um simples resfriado. Tomaram o café da
manhã juntos e ele a levou até a loja. Ela trabalhou só por um curto tempo
antes de dar-se conta que se estava ficando dormida de pé. dirigiu-se acima a
tomar uma sesta. Várias horas depois, Dominic despertou com um beijo.
—Carinho, dormiste todo o dia?
—Que horas são? —murmurou ela
—São quase as oito da noite
—Sério? Estava cansada quando cheguei aqui esta manhã assim pensei que
poderia tomar uma sesta. Não pensei que dormiria tanto tempo.
—Está bem meu amor. Quer jantar aqui?
—Por favor. Não acredito ter energias para ir a nenhuma parte esta noite.
—Bem
Ele foi para o living. antes de poder acender a televisão, Danielle apareceu a
seu lado. Ela o olhou furiosa.
—Já é hora Dominic. Não pode esperar mais tempo.
Ele não fingiu a interpretar mal.
—Ela não se sente bem.

72
—Eu a posso vigiar. Não rompe nenhum dos votos que fiz de proteger a um
mortal de um de sua classe.
—Não sei.
—Tem que fazê-lo. Ele matou a duas pessoas ontem à noite. Isso faz seis
até agora e não mostra sinais de deter-se. Não posso acreditar que esteja
pensando não honrar seus votos —ela caminhou de um rincão a outro do
quarto—. Mika’IL não suportará muito mais tempo esta insubordinação antes
de vir a te buscar Dominic, e você não quer que ele te encontre.
—Posso dirigir a Mika’IL
—Não, não pode. por que está sequer pensando assim? Ninguém o pode
dirigir a menos que seja Christian e você sabe o que pensa Christian dele. Não
provoque sua ira. Vê e te encarregue do impertinente antes que muitos mais
morram.
Ele a deteve e a olhou fixamente aos olhos.
—Promete-me que cuidará da Teresa e que não deixaria que nada lhe passe.
—Nada a danificará enquanto estou aqui. Prometo-lhe isso e eu não faço
promessas ligeiramente.
—Não demorarei —Dominic desapareceu.
—Não o duvido —ela se dirigiu ao dormitório para vigiar a Teresa. Baixou
o olhar para a mulher dormida e sentiu que a comoção a percorria. De algum
jeito no curto tempo que ela tinha estado ausente, Teresa tinha perdido peso.
Tocou com sua mão a frente da outra mulher. Estava fria e úmida.
—Mika’IL, será melhor que a veja.
Mika’IL apareceu. Olhou a Teresa rapidamente e girou para o Danielle.
—por que me chamou?
—Olha-a de novo —Danielle gesticulou para ela.
—Deve ter um resfriado. Estou seguro que Dominic não deixa que durma o
suficiente —Ele sorriu abertamente.
—Não, Mika’IL. Olha-a atentamente. Está doente e não acredito que seja só
uma gripe.
O arcanjo se aproximou mais a Teresa. Colocou uma mão em sua frente.
Fechando os olhos, mandou um pouco de energia através dela. Ele ofegou e
afastou a mão com uma sacudida.
—Há algo fora de controle em seu corpo.
—Pode arrumá-lo?
—Não posso interferir
Ela o contemplou.
—Interfere cada vez que tem a oportunidade, mas não fará nada para ajudá-
la?
Mika’IL se afastou dela.

73
—É algo que não posso evitar. Confia em mim, faria tudo o que pudesse,
mas tenho as mãos atadas.
—Para que diabos serve então? Que classe de arcanjo é? —insultou-o ela.
Tocando a mão da Teresa, Danielle se concentrou e riscou a linha da
enfermidade por todo seu corpo—. É algo externo a ela. O que deveríamos
fazer?
—Espera até que Dominic chegue a casa e lhe avise. Não acredito que seja
algo que possamos curar.
— O que quer dizer? —Danielle se sentou ao lado da Teresa—. Dominic
poderia perder a razão se a perder.
Mika’IL assentiu com a cabeça.
—Sei, mas tenho a sensação de que este é um problema que um mortal deve
resolver. Não acredito que nossos poderes Ele ajudem desapareceu.
Os olhos da Teresa se abriram e se surpreendeu ao ver o Danielle sentada a
seu lado.
—Onde está Dominic?
—Tinha que ocupar-se de alguns assuntos. Voltará em seguida. Como se
sente?
—estive muito cansada ultimamente. Supus que era pelo Dominic —ela se
ruborizou.
—Esteve-te mantendo ocupada né?
Ela assentiu com a cabeça.
—Não me queixo —pondo uma mão em sua ruborizada bochecha, ela
murmurou—. Me estive sentindo fraco há um par de dias.
—Direi-te o que vamos fazer. Fica na cama e segue dormindo. Talvez se
sinta melhor para quando ele volte.
—Boa idéia. Obrigado —se deu volta e fechou seus olhos.
*****
Dominic seguiu o rastro do cansado até ao hipódromo do Fairgrounds. O
outro cansado olhava o corpo de uma moça. Seus olhos negros contemplaram
ao Dominic
—Finalmente decide me honrar com sua presença. Só sete tiveram que
morrer antes que decidisse terminar com minha vida.
—Não me fale como se te tivesse importunado de algum jeito. por que
agora? por que esta cidade? —Dominic caminhou lhe espreite para o cansado
—. causaste incontáveis noites de insônia e dor a muitas famílias. Não te
incomoda?
—Não teriam sido tantas se tivesse respondido a minha chamada quando
acabava de chegar, mas de fato acredito que estava muito ocupado com algum
mortal para preocupar-se por seu trabalho.

74
—por que deveria obter alívio da vida que escolheu viver? O que te faz tão
privilegiado?
—Seguirei matando até que o faça.
—Sei e isso conduzirá a fúria da Mika’IL sobre mim. Prefiro mantê-lo feliz,
assim aqui estou —Dominic estendeu a mão e sujeitou ao cansado. Sem
perder mais tempo, drenou o poder da criatura e o deixou cair ao chão. Ao
girar para ir-se, outro Enforcer apareceu—. por que demorou tanto?
O maciço ruivo o contemplou por um momento.
—Se te interessa sabê-lo, Mika’IL me disse que não devia interferir até que
fizesse seu trabalho. Agora, castigarei-o. Volta com sua mortal e procura que
as coisas não se descontrolem tanto a próxima vez.
—Obrigado —Dominic se dirigiu a sua casa.
*****
Ele apareceu ao lado da cama da Teresa. inclinou-se para despertá-la com
um beijo.
—Dominic —A voz do Danielle irrompeu em sua cabeça.
—O que?—Ele roçou com sua mão a frente da Teresa. Franziu o cenho ante
a sensação fria de sua pele.
—Tenho que falar contigo agora mesmo.
—Não pode esperar? Estou cansado e quão único quero é a Teresa entre
meus braços.
—Estou segura que é assim, mas não, não posso esperar.
Ele suspirou e foi para o salão. Danielle estava parada olhando a rua pela
janela. O preocupado cenho franzido no rosto dela fez soar um alarme em sua
mente.
—O que aconteceu?
—Teresa está doente Dominic.
—Isso é tudo? Levarei-a a doutor amanhã.
Ela negou com a cabeça.
—Não acredito que um doutor seja capaz de curar isto.
—por que não?
—Mika’IL diz que é uma enfermidade externa a seu corpo. Nossos poderes
não serão capazes de detê-lo. Ela se está consumindo. Posso-o sentir.
Dominic cruzou lhe espreite o quarto e tomou seus braços. Sacudiu-a.
—Consumindo-se? Não pode estar morrendo.
Ela não se queixou ante seu trato violento.
—Quanto peso perdeu estes últimos dias? esteve mais cansada que de
costume?

75
Ele recordou o último par de dias. Tinha estado tão ocupado tratando de
encontrar ao Vincent Delacourte que não lhe tinha emprestado suficiente
atenção a Teresa.
—perdeu alguns quilogramas.
—perdeu ao menos cinco quilogramas e perde mais cada dia. Não come.
Não tem energia. Leva-a ao doutor amanhã e rogo que ele saiba como curá-la.
Dominic se deixou cair no sofá e pôs seu rosto entre suas mãos.
—Não a posso perder, Danielle.
Ela roçou com uma mão seu cabelo.
—Sei meu amigo, sei —fechou seus olhos e amaldiçoou brandamente.
—Mika’IL não pode fazer nada para ajudá-la?
—Se puder, não o fará. Não lhe permite interferir.
—por que não? Ele interfere cada vez que tem uma oportunidade.
—Ele interfere em coisas pequenas que nos dão um empurrão na direção
correta, mas não em coisas grandes que possam trocar nossas vidas. Dói-lhe
não ser capaz de ajudar. De qualquer maneira não está seguro de que nossos
poderes sejam capazes de salvá-la.
—O que faremos?
—Você a levará a doutor amanhã. Descarta qualquer possível enfermidade
que possa ser. Eu farei algumas investigações e tratarei de encontrar ao
Delacourte. Acredito que ele tem algo que ver com isto. Manteremo-nos
fortes e juntos. Também, rezaremos. Pode que Ele não escute nossas orações
para nós mesmos, mas tem que escutar as rezas para alguém tão bom como
Teresa.
Ele assentiu com a cabeça. Não havia nada que pudesse fazer no momento.
—Se a perder… —sua voz se quebrou.
—Não a perderá. vá dormir um pouco. Abraça-a forte e sonha com todas as
coisas que farão quando ela melhore.
Ele se levantou e foi unir se a Teresa na cama. Ela estava dormindo tão
profundamente que nunca sentiu suas lágrimas orvalhar sua cara e nunca
escutou seus soluços enquanto ele pensava em sua vida sem ela.
*****
Dominic despertou repentinamente pelo devastador ataque que estava
sacudindo a Teresa de um lado a outro. Ela estava tendo um ataque e ele não
sabia como pará-la. Sua cama se movia com a força disso. Abraçou-a forte
contra ele e rezou. Quando o ataque se deteve, seu corpo se relaxou e seus
olhos se abriram. Ele olhou em seus vidriosas profundidades e viu temor.
—Acredito que estou muito doente —sussurrou ela.

76
—Sei amor —ele viu uma nota na mesa de luz. Inclinando-se, tomou—.
Danielle pediu uma entrevista médica para ti. É em trinta minutos. Ajudarei-te
a te banhar e te preparar.
Caminharam lentamente para o banho. antes de começar com a ducha,
chamou o Terrance e lhe pediu que os esperasse fora do apartamento da
Teresa em vinte minutos.
Deixou-a apoiar-se nele enquanto a lavava. Quando a primeira gota de
sangue golpeou seu pé, não estava seguro de onde vinha. Outra gota caiu e se
deu conta que Teresa as estava cuspindo. Entrou em pânico. Não conhecia
nenhuma enfermidade que atacasse tão rápido e parecesse fazer tanto dano.
Fechou a água e a secou com uma toalha. Com um movimento de sua mão,
vestiu-os a ambos. Não podia perder tempo fazendo o da maneira mortal.
Ela sorriu
—Posso ver as vantagens de estar contigo. Nunca terei que me preocupar
com chegar tarde por ter um rapidinho na ducha —ela começou a tossir outra
vez.
A força da tosse retumbou contra seu corpo e ele temia que ela caísse.
Atraindo-a a seus braços, dirigiu-se para baixo ao automóvel
Terrance manteve aberta a porta para ele.
—Estará bem?
Por muito que queria tranqüilizá-lo não pôde.
—Não sei. Só nos leve a hospital. Isto avançou muito como para uma visita
ao doutor —deu a direção ao Terrance e se localizou no assento.
—Seguro senhor —Terrance fechou a porta e se sentou ao volante.
Chegaram ao hospital em tempo recorde e a enfermeira internou a Teresa
imediatamente. O doutor chegou pouco tempo depois. Escutou sua história e
ordenou um batalhão de exames. Várias horas mais tarde, retornou com os
resultados.
Dominic tomou a mão da Teresa. Ela estava tão cansada que não podia abrir
os olhos. O doutor fechou a porta e os olhou por um momento.
—E bem? —perguntou Dominic para romper o silêncio.
—Negativo. Todos os resultados são negativos. Não posso encontrar
nenhuma coisa mau com a senhorita Ryder.
—É obvio que algo está mal com ela. Não o estamos inventando.
—Não digo que o façam. Obviamente há algo mal, mas seja o que seja,
nossos exames não o podem encontrar —o doutor olhou seus pés, logo
levantou o olhar para o Dominic. Contemplou ao Enforcer por um minuto.
Algo nos olhos do Dominic deveu ter convencido ao doutor—. Se acreditasse
neste tipo de coisas, e não digo que assim seja, levaria-me a acreditar que isto

77
tem algo que ver com Vodu. Existe alguma possibilidade de que ela se
colocou em problemas com um sacerdote Vodu?
—Não pensava que eles fizessem algo como amaldiçoar pessoas.
—Não os sacerdotes, mas o bòkò ou um feiticeiro o fariam por um preço.
Se tiver contatos na comunidade, veja se pode encontrar alguém que a
examine —o doutor sorriu ao Dominic—. É obvio isto é extra-oficial.
Dominic assentiu com a cabeça.
—Entendo. Obrigado doutor —Ele tomou em seus braços e se dirigiu à sala
de espera.
—Por favor me avise se a Senhorita Ryder se recuperar.
—Convidarei-o a meu clube para uma noite na cidade quando ela se sinta
melhor.
—Esperarei-o com ânsias. Boa sorte senhorita Ryder —disse o doutor.
Terrance se parou de um salto quando Dominic entrou em quarto. Ele ia
adiante enquanto Dominic a levava a automóvel. Mantendo a porta traseira do
automóvel aberta, viu seu chefe embalar à mulher gentilmente enquanto se
metiam no automóvel. Mando uma prece a Deus enquanto esperava que
Dominic lhe dissesse aonde ir.
—Vá ao Paisible. Logo chama o Randy e terá que nos espere ali —não
houve hesitações na voz do Dominic, mas as lágrimas rodavam por suas
bochechas
—Bem —Terrance não fez nenhuma pergunta. Acendeu o automóvel e
empreendeu caminho. Enquanto dirigia chamou o Randy e lhe disse que os
esperasse na casa da plantação.
Dominic manteve a Teresa abraçada forte a ele e a embalou lentamente.
Sussurrou-lhe seu amor para ela. Não estava seguro se inclusive o entendesse
mas não podia parar de lhe falar. Tinha a tola idéia de que se continuava lhe
falando, não o abandonaria.
—Dominic, o que disse o doutor? —Danielle se contatou com ele.
—Extraoficialmente, o doutor disse que provavelmente tinha sido
amaldiçoada por um feiticeiro ou um sacerdote Vodu. Oficialmente, não há
nada mau com ela. Começou a vomitar sangue esta manhã.
—Sinto muito. Falará com o Randy?
—Sim.
—Então me encontrarei contigo em sua casa. Manten forte.
—Não tenho opção.
Beijou brandamente a bochecha da Teresa. Lhe sorriu. Levantando uma
mão tremente cavou sua bochecha e secou uma lágrima com seu polegar
—por que está chorando?
—Tenho medo. Não quero que me deixe.

78
—Encontrará uma maneira de me salvar. Tenho fé em ti
—Não estou seguro se deveria —ele franziu o cenho—. Ainda não sei que
tem de mau.
—OH, averiguará-o e encontrará uma maneira de me curar. Ao fim e ao
cabo é um anjo.
—A gente cansado, de modo que não sei se os milagres funcionam para
mim.
—Um anjo é um anjo. Inclusive um cansado merece um milagre de vez em
quando. Estou segura que Ele não te ignorará —seus olhos se fecharam e
descansou a bochecha contra seu ombro—. Estou tão cansada
—Dorme então Teresa. Vamos ao Paisable para falar com o Randy. Se
precisamos te perguntar algo, despertarei.
Ela assentiu e se deslizou a um descanso sem sonhos. Dominic se encontrou
com os olhos do Terrance no espelho retrovisor. Ambos os homens
reconheceram a determinação no outro de manter a Teresa viva e segura.
Dominic assentiu com a cabeça ao ex-mercenário e girou para olhar fora da
janela. Seus pensamentos se transladaram à fúria que ardia em seu interior.
Ele sabia que Vincent Delacourte tinha feito algo a Teresa. Esperava que
Randy conhecesse alguém que pudesse ajudá-los.
Capítulo Dez
Terrance se deteve frente à casa da plantação. Dominic entregou Teresa ao
Terrance para poder sair do carro, então tomou de novo para levá-la à casa.
Danielle e Randy estavam nos degraus do frente esperando-os. Nenhum
comentou os rastros de lágrimas em sua cara. O que podiam dizer? Sabiam
que a situação era grave e se não encontravam um modo de curá-la, Teresa
morreria. Terrance abriu a porta e seguiram ao Dominic a seu dormitório onde
ele a deitou. Assinalou-lhes o pequeno escritório ao lado do dormitório a qual
se dirigiram. Não se incomodou em fechar a porta de comunicação. Supôs que
não lhe incomodaria o som de sua conversação.
Randy esperou até que todos estivessem no outro quarto antes de perguntar.
—Que demônios está mal com ela?
—É o que temos que averiguar. Um doutor sugeriu que consigamos a
alguém da comunidade vodu para revisá-la. Pensa que ela poderia ter sido
amaldiçoada por um bòkò.
Indo ao dormitório, Randy olhou a Teresa e refletiu profundamente. Quando
retornou com outros, serve bebidas a todos e ficou olhando fora. Dominic não
sabia o que fazer. Nunca tinha estado tão indefeso em sua vida. Nunca tinha
existido um tempo no qual seus poderes não pudessem solucionar um
problema.

79
Do que servem estes poderes quando não podem sequer salvar à pessoa que
amo?
São bons para salvar ao resto do mundo. É uma pessoa mais importante que
milhares de outros? A voz da Mika’IL dançou em sua cabeça.
Não me fale de importância. A amo, Mika’IL. Se o entender ou não, não faz
isto menos dilacerador para mim.
Quem disse que não entendo a dor pelo que aconteceres? Nunca ninguém
disse que eu não tinha experientado uma perda. Só faço o que me dizem que
faça, Dominic. Não crie, que queria estar aí? Não pensa que te ajudaria se
pudesse? Ver alguém, mortal ou anjo, sofrer não é minha idéia de diversão..
Então por que fazê-la passar por isso? É esta alguma classe de prova para
mim? me provar para ver se me afastarei de Deus devido a isto? Havia raiva
no coração e na mente do Dominic. Usar a alguém tão doce como Teresa para
uma simples prova é cruel. Por que não me afastaria de um Deus que
cruelmente usa a Seus crentes em provas tolas para Seu próprio ego?
Uma onda de amor suave e ternura infinita se derramou sobre ele. Não uso
às pessoas para meus próprios objetivos egoístas, Dominic. Os uso para
demonstrar Minha piedade e amor. O objetivo da enfermidade da Teresa não
é para que você saiba. Não use sua cólera contra Mika’IL. Ele é Meu arcanjo
e só segue as ordens que lhe dou.
Dominic caiu de joelhos, sustentando-a cabeça entre suas mãos. Danielle
tinha o pressentimento de que sabia o que acontecia ele. O Pai não falava com
os cansados muito freqüentemente, mas quando Ele escolhia fazê-lo, a
experiência não era algo que queriam repetir. Ela não tendeu a mão ao
Dominic, mas sim se ajoelhou e começou a orar. Terrance seguiu seu exemplo
e se ajoelhou também. Randy pôs sua mão sobre o cristal da janela e dobrou
sua cabeça. Juntos, suas rezas encheram o ar e um sentido de paz encheu o
quarto.
Seus amigos lhe amam e a Teresa. É um bom signo. Encontra em seu
coração confiança em Mim e prometo que o amor encherá sua vida o resto de
seus dias. O sentido de ternura ficou quando a voz desapareceu.
Dominic suspirou enquanto ficava de pé. Outros se pararam também. Ele se
voltou para eles e sorriu.
—Graças a todos por estar aqui. fui bento com amigos leais.
Randy se encolheu de ombros.
—Estaria conosco se lhe necessitássemos, então estamos te correspondendo.
estive pensando. Se isto for um feitiço de vodu, necessitaremos um oungan
muito capitalista para rompê-lo. Não conheço nenhum, mas meu sacerdote
poderia ser capaz de ficar em contato com a gente adequada. vou dirigir me a

80
ele agora mesmo. Avisarei-te quando me puser em contato com a pessoa
adequada para nos ajudar.
Dominic abraçou ao homem.
—Muito obrigado. Arrumado a que não pensou que lutar contra espíritos
malignos estava em sua descrição de trabalho.
—O bem e o mal se equilibram o um ao outro. Onde a gente está presente,
sempre deve te proteger contra o outro. Também, se houver um bòkò por aí
vendendo estes feitiços a outros, tem que ser despachado e a comunidade tem
que ser informada ao respeito —Randy saudou os outros dois e partiu.
—Estou seguro que Randy encontrará à pessoa adequada para nos ajudar —
Danielle se sentou no escritório e olhou ao Dominic passear-se.
Terrance estava na esquina como se não soubesse onde era seu lugar neste
assunto, mas planejava ficar até que pudesse ajudar de algum modo.
—Temos que encontrar ao Delacourte. Ele tem que nos dizê-lo que fez a
Teresa —Dominic apertou suas mãos—. Não estou seguro de poder estar no
mesmo quarto que ele sem tratar de matá-lo.
Terrance se adiantou.
—Posso encontrá-lo. Usarei todos meus contatos para persegui-lo. Quando
o fizer, quer que o traga ou consigo a informação eu mesmo?
Dominic olhou ao homem e sacudiu sua cabeça.
—traga-me isso Está tratando de te separar desse mundo. me deixe tratar
com ele.
Terrance assentiu. Ele já estava discando em seu telefone quando saiu do
quarto. Baixou correndo os degraus à porta principal. Dominic sabia que
Terrance encontraria ao bastardo logo que fora possível.
Danielle contemplou ao Enforcer ante ela. Viu a dor e a raiva dentro dele.
Não sabia como lhe ajudar a desfazer-se deles.
—Eu gostaria de poder melhorar tudo com apenas ondear a mão, mas não
tenho esse poder.
Dominic se apoiou contra o batente e a olhou.
—Que classe de poderes tem se não ser uma Enforcer?
Ela se encolheu de ombros.
—Tenho os mesmos poderes que você ou qualquer outro cansado têm, mais
alguns outros que provavelmente tem, mas a Mika’IL não pareceu adequado
te dizer.
—Quais são?
Ela sacudiu sua cabeça.
—Se ele não te houver dito, eu não vou fazer o. Não o preciso zangado
comigo.
—Quais são os Enforcers em Chicago?

81
—Não sei e tenho que dizer que não quero encontrá-los. O te ajudar aqui
embaixo já destruiu minha credibilidade como imparcial. Não quero me fazer
amigos rápidos com qualquer deles lá encima —ela riscou um patrão na
superfície do escritório—. quiseste alguma vez ser mortal? Viver como uma
pessoa normal que terá um tempo finito e morrerá?
—Tivesse podido quando fomos exilados do Céu. Não parecia haver uma
razão de viver para sempre. Era difícil olhar a amigos e amantes envelhecer e
morrer enquanto eu não tinha um final à vista —Ele jogou um olhar ao
dormitório onde Teresa dormia—. Agora, me alegro de viver tanto tempo. Se
tivesse morrido antes, não a teria encontrado e nem tivesse sabido qual era o
verdadeiro amor.
—O que é o verdadeiro amor? Não acredito ter sabido ou chegar ou seja o
que é.
—Para mim, é saber que há alguém por quem eu faria o que fora, até morrer
se tiver que fazê-lo. daqui em diante, ela é a coisa mais importante em minha
vida. Ela está acima de tudo o resto.
—Sim, demonstraste-o, mas poderia querer recordar o que acontecerá não
faz caso de seu objetivo para estar nesta terra. Haverá mais pessoas não
arrependidas que virão a te desafiar. Uma vez que ela se sinta melhor, haverá
momentos em que terá que deixá-la sozinha.
—Sei, mas Terrance estará aqui para protegê-la enquanto vá.
—Então o verdadeiro amor é estar disposto a morrer por alguém —ela
assentiu—. Posso ver isso como um signo do amor verdadeiro.
—Crie em almas as gema?
—Quer dizer almas as gema como que há uma só pessoa para mim e
ninguém mais?
Ele assentiu.
—Não posso dizer que o faça. por que Deus que não pôde nos perdoar ia
amar nos tanto para criar tal pessoa para nós? —ela sacudiu a cabeça—.
Penso que é um dos afortunados, Dominic. Foi capaz de encontrar uma
mulher para amar em um mundo onde as relações são uma coisa do passado
—Trocando de tema, ela disse—: Assim confia em seu ex-mercenário com
sua posse mais apreciada.
—Sim. Nunca me deu razão para não confiar nele.
—Inclusive embora em outra parte de sua vida, sua lealdade podia ser
comprada?
—Todos cometemos enganos.
Ela riu.
—Tem razão e não deveria te julgar quando cometi o engano maior de
todos.

82
Dominic suspirou e girou para olhar fixamente as águas do pântano que se
formavam redemoinhos detrás de sua casa. Ele sabia que ela tratava de afastar
sua mente da Teresa e seus problemas, mas seu amor estava sempre em sua
mente. Rezava por que Randy estivesse logo de volta com alguém que
pudesse lhes ajudar. Seu telefone soou justo então.
—Olá?
—Ouça, chefe. Falei com meu oungan. Pensa que conhece alguém que pode
nos ajudar. Tomará um pouco encontrá-lo, mas estamos trabalhando nisso. Só
espera um pouco mais.
—Obrigado, Randy.
—De nada. Chamarei quando estivermos em caminho —Randy pendurou.
—Então teremos ajuda logo?
Dominic assentiu. esfregou-se o pescoço e suspirou.
—Não dormiu muito ontem à noite e seu poder não está a toda potência. vá
tomar uma sesta e abraça a Teresa. Talvez isto fará que vocês se sintam
melhor. Ficarei e prepararei o almoço para nós. Penso que vai ser um dia
comprido.
Dominic não disse nada enquanto se dirigia ao dormitório. Fechou a porta e
se despiu. Deslizando-se na cama com a Teresa, atraiu seu corpo frio,
apertando-o ao dele e fechou os olhos. Nem sonhos nem pesadelos
incomodaram seu sonho esta vez. De alguma forma um sentido de paz e
aceitação encheu seu espírito. O que passasse seria a vontade de Deus e ele
acreditava com todo seu coração que Deus não permitiria que Teresa morrera.
*****
—Ouça, Janet. Como está? —Danielle sustentou seu telefone entre seu
ombro e ouvido enquanto preparava gumbo na cozinha do Dominic.
—Estou bem, moça. Está em casa?
—Não. O assunto que tenho aqui me está tomando um pouco mais do que
planejei. Tenho umas quantas coisas que resolver antes de retornar.
—Encontrou a algum homem bonito lá?
Danielle sorriu. Sua melhor amiga estava sempre em busca de homens.
—uns quantos, mas todos estão ocupados. Como é, não quereria começar
algo a larga distância. Muito trabalho.
—E está interessada em certo arqueólogo que não te dá nem a hora do dia.
—Todos devemos ter um objetivo e o meu é conseguir que me beije um dia.
Estou segura que será explosivo.
—vais embebedar o em uma dessas funções do museu? Poderia ser o único
modo em que tenha uma possibilidade de convencê-lo que não está tratando
de roubar seu foco de atenção.

83
—O museu esteve um pouco aborrecido desde que ele está no Peru.
Pergunto-me se encontrou algo excitante lá.
Danielle não podia esperar até que Grant Carson voltasse. Seu rude atrativo
definitivamente lhe alegraria o dia.
—Só queria te avisar que não estarei de retorno durante uns dias mais.
—Bem. Assegurarei-me que seu novelo tenham água e sua gata tenha
comida embora à pequena princesa não agrade.
—À princesa não agrado eu nem nos dias bons. Só sou quão humana a
alimenta e a adora quando quer ser adorada —Danielle riu—. Chamarei com
a informação do vôo quando estiver lista para retornar a casa.
—Bem. Tome cuidado e tenha uma aventura ou duas —Janet pendurou.
Danielle deixou o telefone e serve duas tigelas de gumbo. Pô-los na mesa
enquanto Dominic entrava. Ela não disse nada enquanto ele se sentava e
tomava uma colher. Comeram em silêncio. Quando terminaram, ele se parou
e limpou os tigelas.
—despertou?
Ele sacudiu sua cabeça.
—Não se moveu em todo o tempo que estive com ela. Estou começando
realmente a me assustar, Danielle, e eu não gosto.
—É difícil ser incapaz de fazer algo quando se está acostumado a agitar
uma mão e resolver todos os problemas.
Ele esteve de acordo com ela.
—Normalmente posso resolvê-lo e seguir com minha vida. A maior parte
dos problemas não fizeram racho em mim porque sabia que não havia
nenhum que não pudesse arrumar.
—Exceto este.
—Sim, exceto este. Pensa que Ele o fez para me ensinar uma lição?
—Não presumo saber por que faz o que decide fazer. Ele pode ver o
princípio e o final do tempo. Ele vê coisas de outra maneira que nós. Estamos
apanhados no aqui e agora, assim não vemos o futuro de nenhum outro modo
que o abstrato. Posto que Ele sabe o que vai passar no futuro, planeja em
conseqüência e não podemos entendê-lo.
—O que fazemos então?
—Aceitar que Ele sabe o melhor para nós e seguir vivendo. Não digo que as
coisas resultam do melhor. Vi algumas que não, mas digo que temos que
confiar nele e acreditar que ao final, Ele sabe quanto podemos tomar antes de
nos romper.
Seu telefone soou, interrompendo a conversação.
—Olá?

84
—Estou em caminho para lá com um oungan. Ele é um dos mais capitalistas
de Nova Orleáns. Se isto for uma maldição, deveria ser capaz de levantá-la
sem muito problema.
—Bem. O que temos que ter preparado para quando cheguem aqui?
—Só estar preparados para uma noite larga. Isto não é algo que seremos
capazes de terminar em seguida.
—Correto. Veremo-lhe quando chegar —Ele pendurou e olhou ao Danielle
—. Randy vem em caminho com um sacerdote que pensa será capaz de nos
ajudar.
—Grandioso.
dirigiram-se acima sem uma palavra. O sol começava a ficar quando eles
começaram a iluminar o dormitório com velas e abrir as portas francesas para
deixar entrar a brisa úmida. Dominic foi sentar se junto à Teresa na cama. Ele
tomou sua mão na sua e suspirou. Tudo o que realmente queria era que ela o
olhasse com um sorriso em sua cara. Ele apertou sua mão. Houve uma
pressão débil da dela. Inclinando-se, ele beijou sua bochecha e viu uma
lágrima cair em sua pele. Danielle saiu ao balcão. Ela tratou de ignorar a pena
que sentiu chegar desde o Dominic. encontrou-se tendo saudades seu lar e a
vida singela que tinha feito para si mesmo ali. Talvez essa era uma razão pela
que nunca se uniu aos Enforcers. Tinham que tratar com tantos problemas.
Não gostava das complicações. Amava uma vida fácil com bons amigos e
excelente vinho. Suponho que todos deveriam ter um pouco de aventura em
suas vidas. Ela sorriu ligeiramente.
Uma comoção a fez retornar ao quarto. Um homem muito alto com pele de
cor café com leite entrou majestoso. O poder emanava dele como uma onda
gigante e ela sabia que este era o oungan que Randy tinha encontrado. O
homem não olhou a ninguém, mas sim foi direto a Teresa. Sustentou uma
mão sobre sua frente e fechou os olhos. Danielle e Dominic poderiam ver o
poder de fluir dele para a Teresa. Inclusive embora queria protestar, Dominic
conseguiu manter a boca fechada. Tinha que confiar neste homem para salvar
à mulher que amava. Ele não podia permitir-se distrai-lo.
—Que bem que resultei estar na cidade hoje —o acento crioulo do homem
dava a sua voz um ritmo suave profundo—. Este jovem informou o que
acontecia. Temo-me que sua mulher foi amaldiçoada por um bòkò e usou a
mais mortal das maldições. É o voye lamò e tomará algum tempo levantá-lo.
Ela se deslizou além de nós. Temos que começar logo que possamos.
Dominic agachou sua cabeça com respeito. Enquanto o oungan tinha estado
falando, Randy tinha estado colocando um tambor e acendendo incenso. Os
trajes que o oungan se estava pondo eram purpúreos, brancos e negros. Olhou
ao redor para ver se o pequeno altar improvisado tinha sido bem estabelecido.

85
Havia um galo negro em uma jaula ao lado do altar. Ele se voltou para os
anjos cansados.
—O feitiço arrojado a sua mulher usou os espíritos dos mortos. Também,
ela está perto das portas do mundo espiritual. Devemos apresentar uma
solicitude a lwa, ainda mais importante, ao Gédé. Eles são os espíritos que
tratam com os mortos e a morte. Eles vigiam o uso da magia negra, então
oferecem o amparo contra ela. Devemos lhes pedir que não a deixem entrar
em mundo espiritual e que tirem o feitiço dela —O oungan estudou outros—.
Usualmente não permito a aqueles que não são de nossa religião olhar durante
um ritual tão importante, mas penso que seus poderes poderiam me ajudar.
Pelo general, tais rituais ocorreriam no ounfò( porque não quereríamos
insultar aos espíritos lhes chamando em terra não bendita. Embora se sente
que houve outros rituais vodu levados a cabo nesta plantação.
Dominic assentiu, mas se manteve silencioso. Ele ficou sentado junto à
Teresa.
—Fique ali e segue sustentando sua mão. Você lhe oferece uma corda de
salvamento para voltar para este mundo. Enfoca sua energia em lhe ensinar o
caminho de volta —O oungan assinalou ao Danielle—. Deveria te tirar do
caminho, mas não deixar o quarto. Necessitamos seu poder também. Reza a
seu Deus.
Danielle se moveu à esquina do quarto. ajoelhou-se e agachou sua cabeça.
Dominic agachou sua cabeça também e fechou os olhos. Se tinha que enfocar
sua energia, ele não podia permitir que os rituais o distraíram. O tamborilo
começou e ele sentiu o poder crescer no quarto. O canto se elevou e suavizou
com o rufo do tambor. Ele encontrou que seu corpo se balançava ao ritmo e
começou a perder contato com a realidade. A única coisa sólida que ele podia
sentir era a mão da Teresa na sua. Sentiu seu poder drenar-se dele. Teve um
desejo silencioso de ter tido tempo para refrescá-lo, mas não tinha tido
oportunidade desde que Teresa tinha estado tão doente. Daria tudo o que ele
tinha, até sua vida, para fazê-la estar melhor. O grasnido do galo o fez abrir os
olhos durante um momento. O oungan sustentava à ave morta sobre um tigela
e compilava o sangue. Então verteu o tigela de sangue sobre o altar. Dominic
rapidamente fechou seus olhos de novo. Não gostava dessa parte da religião
vodu, mas a entendia. Não tinha o cristianismo sua própria versão do
sacrifício quando Jesus se ofereceu na cruz?
A atmosfera do quarto trocou quando outra presença entrou. O oungan lhe
falou, oferecendo o sangue e o tabaco em uma caixa negra. Dominic não sabia
o que estavam dizendo. O idioma não era nenhum que tivesse escutado antes,
mas podia ouvir a súplica respeitosa da voz do sacerdote. Enquanto o último
de seu poder se drenava dele, devagar caiu de joelhos no chão. Esperou que

86
fora suficiente para salvar a Teresa. Ele ofereceu uma reza a Deus. Sabia que
não tinha possibilidade de salvá-la ainda com todo seu poder, mas o Pai podia
fazê-lo, se Ele quisesse. Dominic tinha que confiar em que Deus não seria tão
implacável para fazer que esta maldição a destruíra. O mundo se voltou negro.
Teresa se encontrou parada em um quarto branco sem mobiliário exceto por
um escritório a um extremo. Havia duas janelas na parede a cada lado do
escritório. Um homem se inclinava no escritório, estudando alguns papéis. Ele
não a tinha notado. Ela pigarreou. Não pôde evitar rir quando o homem saltou
e os papéis saíram voando. Ele a contemplou com olhos chapeados familiares.
—Mickey Ou’Flynn? O que faz em meus sonhos? —caminhou para ele.
—Que dem… diabo faz aqui? Não deveria estar aqui —caminhou para ela.
Agarrando seu braço, ele a girou e começou a retorná-la ao outro lado do
quarto.
—Onde estou? —perguntou ela enquanto tratava de manter-se ao passo
dele.
—Esta é uma sala de espera —disse ele vagamente—. Devem havê-lo
deixado muito tarde. Disse-lhes que esta prova era muito perigosa, mas
ninguém me escuta. Sou só um anjo guerreiro. O que sei eu sobre espíritos e o
“outro” mundo? —resmungou para si mesmo.
Ela estava perplexa e muito intrigada porque tinha a sensação de que este
homem não perdia a calma muito freqüentemente.
—Para que é muito tarde? Que tipo de prova?
Mickey abriu uma porta na parede que ela não tinha visto. Acompanhou-a a
atravessá-la e viu o Dominic parado ao outro lado. Dominic parecia
impressionado de vê-los juntos. Ele se precipitou para diante para tomá-la em
seus braços.
—Que demônios faz aqui? —perguntou- Mickey ao Dominic.
—Meu poder foi drenado e acredito que morri, mas por que vim ao Céu,
não tenho nem idéia —Dominic fulminou com o olhar ao Mickey—. O que
faz ela aqui? Pensei que estaria bem.
—Estará-o quando a retornar. Não posso acreditar que desse sua vida por
ela, Dominic.
—Eu sabia que Ele a cuidaria sem importar se vivia ou morria.
Os dois homens se sorriram durante um segundo, ignorando ao outro
homem que estava perto. Sua cara estava branca de pó e tinha posto um par de
lentes de sol. Havia algodão envolto em sua cabeça. Sorriu a ela e ela se
estremeceu.
—O que é isso? —perguntou enquanto assinalava ao homem.
—É algo que não se supunha que veria. Tira a daqui, Dominic, e recorda o
perto que esteve de perdê-la —Ele esperou até que o casal desaparecesse.

87
Girou para o homem—. O cortou muito perto. Prometeu-me que ela nunca
chegaria tão longe.
O homem se encolheu de ombros.
—As coisas passam, homem. Ela está bem e se melhorará. A morte não a
conseguiu esta vez —Ele riu.
Mika’IL o agarrou e o sacudiu.
—Nunca se supôs que seria assim. Nunca deveu haver uma possibilidade de
que ela pudesse morrer.
O Gèdè se sacudiu a mão da Mika’IL.
—Recorda que veio e nos pediu ajuda. Necessitava-nos. Fazemos as coisas
um pouco diferentes que vocês. Estamos em um esquema. Todos trabalhamos
para o Deus, mas os lwa se relacionam com os mortais cada dia. Sabemos que
tão perto podemos cortá-lo.
—Melhor que ela não sofra qualquer dano por seus bromitas. Tenho pouca
paciência com espíritos que acreditam que podem ser perdoados por qualquer
travessura —Mika’IL fulminou com o olhar ao Gèdè—. Sal aqui e tome
cuidado desse teu bòkò.
—Não se preocupe. Será despachado. Ele sabe que praticar a magia negra é
contra as regras —O Gèdè sorriu a Mika’IL—. Ouça, tudo o que está bem
termina bem, homem. Ela está bem. Seu cansado encontrou a sua alma
gêmea. Assim que ela deu uma olhada ao Céu antes do devido. Esquecerá-o
—o homem desapareceu.
Mika’IL chiou seus dentes com frustração. Odiava tratar com os espíritos da
terra que habitavam o mundo mortal. Reagiam com uma indiferença
impressionante a seus projetos. Ele fez uma nota mental para revisar ao
Dominic e Teresa em um par de dias para assegurar-se de que ela tinha uma
recuperação completa.
Capitulo Onze
Dominic ouviu a voz do Danielle que o chamava dentro da escuridão. Ele
lutou contra a névoa para encontrá-la.
—Vêem, Dominic. Tem que despertar.
Houve um toque ligeiro em sua frente e o poder surgiu nele. Abriu seus
olhos e viu a outra queda parada a seu lado. Ele jazia na cama entrelaçado
com a Teresa. Observou-a e sentiu lágrimas enchendo seus olhos quando lhe
sorriu. Seus olhos estavam claros e brilhantes.
—Alegra-me ver que ambos estão bem. Devo ir a Chicago agora. Sabe
como me conseguir se me necessitar —ela os abraçou a ambos—. Descansa
um momento, mas primeiro Terrance tem que te falar.
Ela partiu quando Terrance entrou.

88
—Ouvi as boas notícias. Me alegro de vê-lo acordado, mas tenho más
notícias sobre o Delacourte.
Dominic se sentou até apoiar-se contra os travesseiros e o cabecero. Teresa
se acurrucó perto dele e descansou a cabeça contra seu peito.
—Não posso encontrá-lo. Ele parece ter desaparecido —Terrance se
encolheu de ombros—. Falei com todos meus contatos e ninguém o viu.
Dominic sentiu que uma quebra de onda de cólera o percorria. Ele não podia
acreditar que Delacourte quase tivesse matado a Teresa.
Ele está sendo castigado, disse Mika’IL.
Como sei? por que deveria eu confiar em ti? Não te vi com um dos lwa?
Mika’IL não respondeu por um momento. Então suspirou. Isto não saiu
completamente do modo que o planejamos, mas só nos concentremos no fato
de que ela está viva.
Vou fazê-lo, mas como posso confiar em ti agora sobre que Delacourte
tenha sido castigado pelo que tem feito?
Confia em mim. A comunidade Vodu não permitirá que fique impune.
Alguém que suja um espírito não merece o que dele consegue. Os espíritos
são vingativos.
Dominic olhou fixamente a Teresa e realmente decidiu não preocupar-se.
Acreditarei em ti, Mika’IL...
Disse ao Terrance: —Não tem do que preocupar-se, Terrance. Sei de boa
fonte que Delacourte foi castigado.
Terrance pareceu ficar perplexo durante um momento antes de que se
encolhesse de ombros.
—Obrigado, senhor. Espero que se recupere logo.
Dominic e Teresa se abraçaram durante um momento. Ele não podia
encontrar as palavras para lhe dizer quão assustado esteve e quanto a amava.
Antes que pudesse dizer algo, um golpe soou na porta.
—Entre —disse ele.
Randy entrou com um brilhante sorriso em sua cara.
—Alegra-me ver que ambos despertaram.
—Quanto estive dormindo?
—Aproximadamente quatro horas. O oungan me disse que a cerimônia foi
um êxito. O Gèdè negou a entrada da Teresa ao mundo espiritual e levantou a
maldição. Limpamo-lo e o levamos a casa.
Dominic sacudiu a mão do Randy.
—Não poderei nunca te agradecer o bastante. Quando retornar ao clube,
falaremos sobre que tipo de compensação deveríamos lhe dar ao oungan.
—Ele agradecerá isso, chefe.
—me diga que aconteceu que aconteceu outro lado.

89
—O oungan foi possuído por um Gèdè. Quando averiguou o que acontecia,
levantou a maldição porque Teresa é uma moça muito formosa. Ao Gèdè
gosta das mulheres formosas —Randy sorriu—. Ele partiu e
aproximadamente cinco minutos mais tarde, Teresa abriu seus olhos. Ela
necessitará umas semanas para recuperar-se, mas ficará bem. O oungan disse
que você e Danielle estavam cansados porque os espíritos tomaram sua força
para materializar-se.
—Como fui amaldiçoada em primeiro lugar? —perguntou Teresa.
—Em algum momento, o bòkò deve te haver orvalhado a sujeira de uma
tumba em ti ou em uma rota pela que passe freqüentemente.
Teresa recordou ao pequeno homem estranho que tinha derramado a sujeira
nela.
—Acredito que sei como passou.
—O bòkò que o fez, junto com o Delacourte será julgado —lhes prometeu
Randy—. Agora, prometo que serei o último em lhes incomodar. Terrance
está abaixo se necessitar algo. Ele planeja ficar aqui durante uns dias até que
se recupere, chefe.
Randy riu deles e fechou a porta detrás dele. As portas francesas estavam
abertas para permitir que os sons da noite proporcionassem um fundo
calmante para eles. Dominic recostou a Teresa sobre suas costas. Ele se
inclinou sobre ela e sorriu.
—Sempre estarei agradecido a todos eles por te devolver a mim.
—E eu lhes estarei agradecida por sua lealdade para ti —sussurrou ela.
—Meu amor, quase me abandona. Não sei como teria sobrevivido sem ti —
Ele sepultou sua cabeça contra seu ombro e gemeu.
Ela passou suas mãos acima e abaixo por suas costas enquanto tratava de
acalmá-lo.
—Por favor não o faça. Não me perdeu. Eu sabia que encontraria um modo
de me salvar. quanto mais perto estava de morrer, mais fé tinha em ti.
—Ao final, rendi-me e pus toda minha confiança em Deus. Eu tinha feito
tudo o que podia para te salvar, mas foi a força de Deus quem o fez.
Uma lição difícil de aprender, meu amigo, e o sinto, sussurrou Mika’IL em
sua mente.
—Pensa que isto era uma prova?
Ele se encolheu de ombros.
—Não importa. Estas viva.
Ele esmagou sua boca com a sua. Mordiscou seus lábios e sua língua
acariciou a sua. Com um pensamento, ele os despiu. Ele não queria
desperdiçar mais tempo de que tinha. Introduzir-se dentro de seu corpo úmido
e quente era mais essencial para ele que respirar. Sua mão se deslizou para

90
baixo entre suas pernas e tomo seus clitóris com as pontas de seus dedos. Ela
ofegou e logo suspirou quando inseriu dois dedos dentro de seu sexo. Seus
músculos internos se apertaram quando ele os tirou. Ele empurrou outra vez e
ela arqueou suas costas. Quando seus sucos empaparam seus dedos, soube
que ela estava preparada.
Agarrando um travesseiro, ele a colocou sob seus quadris para lhe dar um
melhor acesso procurando uma penetração mais profunda. Finalmente, ele se
deslizou dentro dela e ambos suspiraram.
—É aqui onde pertenço, amor. Profundamente dentro de ti. Nenhum lugar
na terra estará a salvo outra vez a menos que esteja comigo.
Ela envolveu suas pernas ao redor dele.
—me leve a Céu, Dominic. Amo-te tanto.
Só tomou uns impulsos antes de que eles gritassem de uma vez. Ela o
embalou em seus braços depois. Enquanto eles se deslizavam ao sonho,
Dominic ouviu um murmúrio da Teresa: —por que estava Mickey Ou’Flynn
no Céu?-
*****
Delacourte contemplou aos silenciosos homens e mulheres que o rodeavam.
O espírito dentro dele assobiou. Não queria abandonar o fresco corpo mortal
que tinha encontrado. O oungan completou a cerimônia e o espírito se foi
uivando de retorno ao mundo de que tinha vindo. Gritando, Vincent caiu à
terra e gemeu.
—foste culpado de cometer delitos contra um inocente —disse um dos
homens.
—Não podem me julgar. Este não é um tribunal apropriado e certamente
não é um jurado de meus pares.
—Declara-te ser um seguidor do Vodu. Como tal, pode ser julgado e
castigado por nós —o homem mostrou a quatro homens corpulentos com
cordas.
—Espera. Eu não sabia que a maldição a mataria. Só quis fazê-la adoecer. O
bòkò me engano mim. Deveria castigá-lo.
—A ignorância não é desculpa em um delito como este. Foi o bòkò quem
fez a maldição e já foi castigado. É seu turno.
Quando os homens caminharam para o Delacourte, pensou que o tinha
perdido tudo. Não tinha nada mais do mundo que o que o espírito lhe tinha
ajudado a criar. Ele seria acusado de piores delitos se fosse devolvido ao
mundo que considerava dele. Sua mente se voltou negra quando um dos
homens o esmurrou.

91
Uns dias mais tarde, o corpo do Vincent Delacourte foi sepultado perto do
Lago Pontchartrain. Ele tinha sido golpeado até morrer e uma pequena cruz
negra estava metida no bolso de sua camisa.
*****
Umas poucas semanas depois de sua enfermidade, Teresa entrava no clube
Anjo Cansado. Dominic o tinha fechado para a festa privada que davam. Ele
tinha convidado a todos e cada um dos que lhes tinham ajudado. Danielle
tinha enviado um presente, mas sua nota dizia que se uma viagem a Nova
Orleáns tinha sido tão excitante, temia que uma segunda viagem pudesse
matá-la. A velha mambo a que se dirigiram primeiro tinha morrido umas
semanas antes. Teresa elevava uma oração cada noite por essa maravilhosa
anciã.
Ela estava de pé no bordo da multidão olhando ao Dominic antes que ele
notasse que estava ali. Seu anjo cansado tinha perdido o cansaço que sempre
freqüentava seus olhos. Seu formoso sorriso vinha mais freqüentemente e a
tristeza não o incomodava. Ela estava bastante segura que isto era devido a
que as vislumbre diárias do Céu que tinham o faziam mais feliz.
—Aqui estas amor. Vêem aqui —Dominic tomou seu braço e a arrastou
para o meio da pista de baile. Ele levantou sua mão e todo mundo fez silêncio.
—Em primeiro lugar, a Teresa e nós gostaríamos de lhes agradecer que
tenham vindo esta noite. Este é nosso modo de lhes mostrar nosso
agradecimento por tudo o que têm feito nas semanas passadas.
Ele tomou sua mão e ficou de joelhos. Sorrindo para ela, disse, —Em
segundo lugar: Teresa Ryder, casaria-te comigo e me levará a Céu para
sempre?
Segue adiante, menina. A voz que falou em sua mente era quão mesma
tinha ouvido na igreja. Ele é seu melhor amigo e seu amante. Tem o melhor
de ambos os mundos.
—Sim, aceito —ela girou sua cabeça e riu quando Dominic tomou em seus
braços e a fez girar. A multidão aclamou.
Um anjo de olhos chapeados observava a comoção com uma ligeira inveja
em seu coração. Dominic e Teresa tinham aprendido a lição que Mika’IL lhes
tinha repartido.
Às vezes o amor vem com um preço muito elevado.

FIM

( gorila: pessoa encarregada de tirar os bagunceiros de um clube noturno.

92
( no original: Bed and Breakfast, pensões muito luxuosas e habituais sobre
tudo em Grã-Bretanha.
( Refere-se à antiga religião que praticavam os escravos procedentes da
África.
( bòkò: Sacerdote Vodu que se dedica exclusivamente a praticar magia
negra.
( Refere-se a dois tipos de sacerdotes vodu.
( Molho: encanto que usa magia negra.
( Enforcer: pessoa que se dedica fazer cumprir o combinado, se for
necessário, utilizando a força.
( A cultura Cajún provém dos primeiros habitantes franceses, chamados
"Acacianos", quem colonizou Nova Escócia e Nova Brunswick, no Canadá.
Ao ser expulsos pelos britânicos no século XVIII, escaparam para o sul, até
chegar às colônias da Luisiana, particularmente a colônia da coroa em Nova
Orleáns.
( oungan: sacerdote vodu
( Literalmente "enviar a morte"; um feitiço jogado por um bòkò no que
envia os espíritos dos mortos a habitar à vítima, causando uma morte lenta.
( Em francês no original: boa noite.
( Principal templo Vodu

DOMINIC
TIFFANY AARON eLLLoras Traduções

93